Você está na página 1de 2

OS PROFESSORES NÃO SE DEIXAM ENGANAR!

M.E. SIMPLIFICA PROCESSO PARA IMPOR O


SEU MODELO DE AVALIAÇÃO!

O Ministério da Educação pretende, teimosamente, manter o seu modelo de


avaliação que assenta em dois princípios inaceitáveis:
1. o de que os professores se dividem em duas categorias;
2. o de que o mérito do desempenho docente depende de quota e/ou
de vaga disponível.
Mas o modelo de avaliação do ME não é rigoroso, nem exequível e a prová-lo
está o facto de necessitar de ser "simplificado" de cada vez que se aplica.
Porém, a "simplificação" que o ME propõe está armadilhada e os
professores não podem cair nas armadilhas:
1. dispensa os professores da avaliação do seu desempenho
pedagógico, deslocando-a para os aspectos exclusivamente
administrativos, salvo requerimento em contrário;

2. por outro lado, impõe, a quantos pretendam ter "Excelente" ou


"Muito Bom" (um direito que assiste a todos) a aplicação integral do
modelo (excepção, este ano, para o parâmetro dos "resultados e
abandono escolares"). Contudo, ainda que os professores se
submetam a todo o processo, nada garante essas "menções", pois
estão sujeitas às quotas de 5% e 20%, respectivamente;

3. não cria condições mais favoráveis de horário para os avaliadores,


pois o eventual pagamento de algumas horas extraordinárias não
alivia a sua sobrecarga de trabalho;

4. prevê a aplicação do SIADAP 2 aos presidentes dos órgãos de


gestão, o que iria contrariar o Decreto Regulamentar 2/2008, não
seria aplicável num momento em que o mandato já se encontra em
recta final (não permitindo os procedimentos iniciais previstos) e
apenas constituiria uma forma de pressão e ameaça sobre os
professores que presidem aos conselhos executivos. Os
Sindicatos recorrerão aos Tribunais se esta disposição se
mantiver;

5. cria um regime de excepção para este ano. Contudo, segundo


palavras da própria Ministra, aplicar-se-á na íntegra, apenas com
alguns ajustes, já a partir do próximo.

Até este momento, não houve qualquer recuo ou cedência significativa do M.E.,
mas apenas a tentativa de garantir a aplicação de um modelo de avaliação que
os professores rejeitam e as escolas suspendem.
Os Sindicatos de Professores assumirão, sexta-feira, nas reuniões com o ME,
as posições daqueles que representam:

1. Suspensão do actual modelo de avaliação! (pressuposto prévio de


verificação obrigatória).
2. Negociação de uma alternativa formativa de qualidade, cientificamente
capaz e pedagogicamente adequada.

Os Sindicatos admitem uma solução transitória para o ano em curso que evite
o vazio legislativo e/ou um acto meramente administrativo.

Nesta matéria não há espaço para soluções intermédias, nem entendimentos


que não passem pela suspensão imediata do actual modelo. É essa a vontade
dos Professores e o compromisso dos Sindicatos.

A suspensão deste modelo de avaliação não pode continuar a ser adiada! A


obstinação da Senhora Ministra da Educação não pode continuar a criar
dificuldades ao normal funcionamento das escolas.

Os Sindicatos de Professores

Interesses relacionados