P. 1
Lei 8666-93 Comentada a Luz Tcu_atualizada_30!01!2007

Lei 8666-93 Comentada a Luz Tcu_atualizada_30!01!2007

|Views: 2.447|Likes:
Publicado porRomulo Gasiglia

More info:

Published by: Romulo Gasiglia on Mar 09, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as RTF, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/25/2015

pdf

text

original

LEI Nº 8.

666, DE 21 DE JUNHO DE 1993
(DOU 06.07.94)
Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal
1
,
institui normas para licitações e contratos da Administração P!lica e d"
outras pro#id$ncias.
% Presidente da Rep!lica
Faço sa!er &ue o Congresso 'acional decreta e eu sanciono a
seguinte lei(
CAPÍTULO I
DAS DISPOSIÇES !E"AIS
SEÇ#O I
DOS P"INCÍPIOS
1 A$%. 37, &' C()*%+%,+-.( /0&0$'12 A administração p!lica direta e indireta de &ual&uer dos Poderes
da )nião, dos *stados, do +istrito Federal e dos ,unic-pios o!edecer" aos princ-pios de legalidade,
impessoalidade, moralidade e e.ici$ncia e, tam!/m, ao seguinte(
01.2
XXI 3 ressal#ados os casos especi.icados na legislação, as o!ras, ser#iços, compra e alienações serão
contratados mediante processo de licitação p!lica &ue assegure igualdade de condições a todos os
concorrentes, com cl"usulas &ue esta!eleçam o!rigações a todos os concorrentes, com cl"usulas &ue
esta!eleçam o!rigações de pagamento, mantidas as condições e.eti#as da proposta, nos termos da lei, o
&ual somente permitir" as e4ig$ncias de &uali.icação t/cnica e econ5mica indispens"#eis 6 garantia do
cumprimento das o!rigações.

A$%. 1º. *sta 7ei esta!elece normas gerais so!re licitações
8
e
contratos administrati#os pertinentes a o!ras, ser#iços, inclusi#e de
pu!licidade, compras, alienações e locações no 9m!ito dos Poderes da
)nião, dos *stados, do +istrito Federal e dos ,unic-pios
3
.
Par"gra.o nico. :u!ordinam;se ao regime desta 7ei, al/m dos
<rgãos da administração direta
=
, os .undos especiais, as autar&uias, as
.undações p!licas, as empresas p!licas
>
, as sociedades de economia
2Art. 1?( A P$030+%,$' &( 4,)+567+( &0 S.( P',1(, '%$'89* &' L0+ ). 13.278, &0 07.01.2002 &+*7:*
*(;$0 )($<'* 0*70563+5'* 0< <'%9$+' &0 1+5+%'-=0* 0 5()%$'%(* '&<+)+*%$'%+8(* 0 $08(>(, '*
&+*7(*+-=0* &' L0+ 10.?44, &0 31.0?.1988 0 '1%0$'-=0* 7(*%0$+($0*. O D05$0%( 41.772, &0 8 &0 <'$-(
&0 2002, $0>,1'<0)%(, ' L0+ ). 13.278, &0 07 &0 @')0+$( &0 2002, ( A,'1 '7$0*0)%' '* *0>,+)%0*
+)(8'-=0*2
') (* +)*%$,<0)%(* 5()8(5'%B$+(* &080$.( *0$ &+8,1>'&(* 8+' +)%0$)0% ('$%. 9º), (;*0$8'&( (
&+*7(*%( )( '$%. 17, &' L0+ 13.278 0
;) 3(+ +)*%+%,6&' <'+* ,<' <(&'1+&'&0 &0 1+5+%'-.(, A,'1 *0@', ( P"E!#O ('$%. 20).
O D05$0%( ). 44.279, &0 24.12.2003 &+*7=0 *(;$0 ( 7$(50**( &0 1+5+%'-.( 0 $0>,1'<0)%' &+*7(*+%+8(*
&' L0+ ). 13.278, &0 07.01.2002 0 "ECO!OU ( D05$0%( 41.772, &0 08.03.2002.
S(;$0 ' 5()%$'%'-.( &' 7$0*%'-.( &0 S0$8+-( T0103:)+5(, S0$8+-( 4B801 C01,1'$, S0$8+-( 4B801
P0**('1, &( S0$8+-( 4B801 E*705+'1 0 &0 CD'<'&' /$')A,0'&' &( S0$8+-( T0103:)+5( E 0800, 8+&0
' P($%'$+' N($<'%+8' ). 1, &0 6 &0 '>(*%( &0 2002, &' S05$0%'$+' &0 L(>6*%+5' 0 T05)(1(>+' &'
I)3($<'-.( &( 4+)+*%9$+( &( P1')0@'<0)%(, O$-'<0)%( 0 !0*%.(.
S(;$0 1+5+%'-.( 7'$' DELE!AÇ#O DE SE"CIÇOS PFGLICOS, 8+&0 L0+* )º* 8.987H9? 0
9.074H9?.
S(;$0 1+5+%'-=0* )( *0%($ &0 PET"ILEO, 8+&0 D05$0%( )º 2.74?H98.
S(;$0 1+5+%'-=0* )( *0%($ &0 SAFDE, 8+&0 "0*(1,-.( "DC )º 9 &0 18.02.2000.
S(;$0 1+5+%'-=0* )( *0%($ &0 ENE"!IA ELJT"ICA, 8+&0 L0+ )º 9.648H98.
:o!re licitações no 9m!ito da Ag$ncia 'acional de @elecomunicações 0A'A@*72, #ide a 7ei Aeral de
@elecomunicações 07ei n? B.=78CB72, o Ane4o 6 Resolução D>C1BBE, &ue apro#ou o Regulamento de
7icitação para Concessão, Permissão e AutoriFação de :er#iço de @elecomunicações e de )so de
Radio.re&u$ncia e o A)0K( L "0*(1,-.( 0?H1998, A,0 '7$(8(, ( "0>,1'<0)%( &0 C()%$'%'-=0*.
S(;$0 ( P$0>.( E10%$:)+5( )( M<;+%( &' A>N)5+' N'5+()'1 &0 T0105(<,)+5'-=0*, 8+&0 (* '$%*. 7 '
14 &( "0>,1'<0)%( &0 C()%$'%'-=0*.
Com relação 6 Anatel, a +ecisão n? =B7CBB, pu!licada no +%) de 13.GE.BB, p. 13B, asse#erou &ue(
; adote pro#id$ncias no sentido de ade&uar seu Regulamento de Contratações, !em como &uais&uer
outras normas #igentes, tendo em #ista a decisão liminar de 8GCGECBE, pro.erida pelo Plen"rio do
:upremo @ri!unal Federal na Ação +ireta de Inconstitucionalidade n? 1DDE, de .orma a adaptar seus
procedimentos con.orme pre#isto nas respecti#as leis de reg$nciaH
; ela!ore e4posição .ormal dos moti#os &ue Iusti.i&uem seus atos, de acordo com o disposto no art. =G
da 7ei n? B.=78CB7, inclusi#e no &ue diga respeito 6s respostas aos e#entuais recursos interpostos pelos
concorrentes nos respecti#os processos licitat<riosH
; adapte seus procedimentos operacionais, &uando da realiFação de Pregões, de .orma a garantir
e.eti#idade na an"lise e no Iulgamento das propostas e de e#entuais recursos apresentados.
O;*0$8'-=0*2
O A AD+) 1.668OU/, 0< A,0 3(+ $01'%($ ( 4+)+*%$( 4'$5( A,$91+(, &0 8.10.97, 80)5+&( ( 4+)+*%$(
4($0+$' A180*, 3(+ &030$+&' 0< 7'$%0, 7'$' &'$ +)%0$7$0%'-.( 5()3($<0 ' C()*%+%,+-.( /0&0$'1,
3+K')&( ' 0K0>0*0, *0>,)&( ' A,'1, ' 5(<70%N)5+' &( C()*01D( D+$0%($ 3+5' *,;<0%+&' L* )($<'*
>0$'+* 0 0*70563+5'* &0 1+5+%'-.( 0 5()%$'%'-.( 7$08+*%'* )'* $0*705%+8'* 10+* &0 $0>N)5+'.
3Art. 1?( Ac<rdão n. 71C8GG3, o!Ieto do @C n. GG>.>D>C8GG1;3, pu!licado no +%) de 8>.G8.8GG3, em
representação so!re supostas irregularidades na @omada de Preços n. G=3C8GGG, promo#ida pela
Aer$ncia de Filial de :uprimento de ,ateriais e :er#iços em Reci.e, da Cai4a *con5mica Federal,
acerca da terceiriFação de ser#iços de telemarJeting. % @ri!unal de Contas da )nião recomendou 6
mista e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela )nião,
*stados, +istrito Federal e ,unic-pios
D
.
A$%. 2º. As o!ras, ser#iços, inclusi#e de pu!licidade, compras,
alienações, concessões
7
;
E
, permissões e locações da Administração
P!lica, &uando contratadas com terceiros, serão necessariamente
precedidas de licitação
B
;
1G
, ressal#adas as Kip<teses pre#istas nesta 7ei.
Par"gra.o nico. Para os .ins desta 7ei, considera;se contrato todo e
&ual&uer aIuste entre <rgãos ou entidades da Administração P!lica e
C*F &ue e.etue estudos com #istas 6 adoção de medidas necess"rias 6 correção da ilegalidade
consistente na contratação de ser#iços de telemarJeting, por meio de empresa terceiriFada, uma #eF &ue
tal atri!uição est" relacionada como uma das ati#idades a serem desempenKadas por ser#idores da C*F,
o &ue con.igura #iolação ao disposto no inciso II, do art. 37, da Constituição Federal.
=
Art. 1?( +ecisão n? BG7CB7, :essão de 11.18.B7, retomada na +ecisão n? G=3CBB, pu!licada no +%) de
G>.G3.BB, p. =3, est" consolidado o entendimento no sentido de &ue Lpor não estarem inclu-dos na lista
de entidades no par"gra.o nico, do art. 1?, da 7ei n? E.DDDCB3, os ser#iços sociais aut5nomos não estão
suIeitos 6 o!ser#9ncia dos estritos procedimentos na re.erida lei, e sim aos seus regulamentos pr<prios
de#idamente pu!licados.M
>
Art. 1?( +ecisão n? 11GCBB, pu!licada no +%) de GE.G=.BB, oriunda de Representação contra poss-#eis
irregularidades no certame licitat<rio do Nanco do Nrasil, o Parecer do :u!;Procurador;Aeral, +r.
7ucas RocKa Furtado, en.atiFou &ue Lde#e;se .risar o entendimento de &ue a *menda Constitucional n?
1BCBE, ao alterar os artigos 88, inciso XXOII e 173 da Constituição Federal, não a.astou, de imediato, a
su!missão das empresas p!licas e das sociedades de economia mista 6 7ei n? E.DDDCB3. Isso por&ue,
como e4põe Pess/ @orres Pereira Punior, La *menda n? 1B .aF depender do estatuto o .uturo regime
Iur-dico dessas entidades. A norma / de e.ic"cia contida, na e4pectati#a da so!re#inda da lei espec-.ica.
'a .alta desta, o regime Iur-dico das empresas p!licas e sociedades de economia mista de#e o!ser#ar
a legislação #igente. *ntidades &ue desempenKam .unção social e econ5mica de rele#ante interesse
p!lico não podem atra#essar per-odo de anomia por praFo indeterminado, I" &ue a *menda nem
se&uer o .i4ou para a promulgação da lei, como .eF em relação a outras mat/rias.M0QinQ I7C n? >D 3
outu!roCBE, p. E772. @al asserti#a deu;se pelo .ato do <rgão licitante ter pu!licado *dital em con.ronto
com a 7ei em comento, tornando;se imposs-#el ao #encedor da licitação su!contratar com &ual&uer
empresa &ue demonstrasse aptidão para e4ecutar os ser#iços pre#istos na cl"usula contratual e no item
do *dital.
D
Art. 1?( A Ad#ocacia Aeral da )nião, no Processo n. 1GB>1.GG83>BC8GG8;G=, apro#ou o Parecer n.
AA)CAO;G1CG3, de 8G de maio de 8GG3, da la#ra do Consultor da )nião, :r. Aal!a ,agalKães Oeloso,
no &ual .irmou;se o entendimento da aplica!ilidade do procedimento licitat<rio simpli.icado tam!/m 6s
su!sidi"rias da Petro!r"s. +e#e a Petro!r"s aplicar e o!ser#ar a 7ei n. B.=E7CB7, inclusi#e o art. D7 e o
+ecreto n. 8.7=>CBE, sal#o decisão Iudicial, na inst9ncia pr<pria, pela inconstitucionalidade, #isto &ue
não / .acultati#a a o!ser#9ncia da lei.
7
Art. 8?( Con.orme +ecisão n? 7GGCBB, pu!licada no +%) de GE.11.BB, p. >E, oriunda do Processo @C;
G1D.=33C1BBD;3 3 AcompanKamento Iunto 6 CompanKia +ocas do *stado de :ão PauloCC%+*:P,
assentou o I. ,in. Relator &ue Lcon.orme I" discutido, / certo &ue o processo de arrendamento de.inido
pela lei de moderniFação portu"ria não se con.unde com uma concessão de ser#iço p!lico 0regulado
pela 7ei n? E.BE7CB>2 e nem com uma #enda de ati#os, modalidades de desestatiFação mais adotadas
pelo P'+. Poder;se;ia entender, desse modo, &ue .icaria a.astada a aplicação nesses casos da no#el
Instrução 'ormati#a n? 87CBE, &ue regulamenta o acompanKamento das desestatiFações, dando $n.ase
6s concessões, permissões e autoriFações de ser#iços p!icos e das pri#atiFações, neste ltimo caso
com regras #oltadas para a #enda de empresas. Adite;se &ue o arrendamento est" de.inido no inciso IO,
do art. =?, da 7ei B.=B1CB7, como uma modalidade de desestatiFação.M
E
Art. 8
?
( +ecisão n. 1.DB>C8GG8, pu!licada no +%) de G7.G1.8GG3. % @ri!unal determinou 6 In.raero
particulares, em &ue KaIa um acordo de #ontade para a .ormação de
#-nculo e a estipulação de o!rigações rec-procas, seIa &ual .or a
denominação utiliFada.
A$%. 3º. A licitação destina;se a garantir a o!ser#9ncia do princ-pio
constitucional da isonomia
11
;
18
;
13
;
1=
e a selecionar a proposta mais
#antaIosa para a Administração
1>
e ser" processada e Iulgada em estrita
con.ormidade com os princ-pios !"sicos da legalidade
1D
;
17
, da
&ue, em o!ser#9ncia ao princ-pio da legalidade, ';*%0)D'O*0 &0 3+$<'$ 5()%$'%(* &0 5()50**.( &0 ,*(
&0 P$0'* &0*%+)'&'* L 0K71($'-.( 5(<0$5+'1 0< '0$(7($%(* *0< ( &08+&( 7$(50&+<0) %( 1+5+%'%B$+(,
consoante o par"gra.o nico do art. =1 da 7ei n. 7.>D> de GB.18.1BED, cCc o art. 8
?
, da 7ei n. E.DDDCB3,
$0**'18'&(* os contratos de concessão de uso de "reas destinadas a e#entos promocionais e de
pu!licidade, &uando em cada situação concreta seIa e.eti#amente demonstrada a in#ia!ilidade de
competição 0#er nota ao art. 8>2.
B
Art. 8
?
( +ecisão n? >E7CBE, pu!licada no +%) de 1>.GB.BE, p. 81, e4trai;se a seguinte ementa(
QRepresentação so!re contratação de ser#iços de penKor rural pelo Nanco do Nrasil :CA, sem licitação.
Procedente. +eterminação 6 *ntidade de &ue de#er" o <rgão licitante realiFar licitações para
contratações de seguros nas operações e.etuadas pelo Nanco, com garantia de !ens de terceirosQ.
1G
Art. 8
?
( +ecisão >13C8GG8, pu!licada no +%) de 8=.1G.8GG8, pgs. 1B8C1B=. Con.irmou;se +ecisão
anteriormente pro.erida, no sentido de ser e4ig-#el a licitação para a prestação de ser#iços de ad#ocacia
sem a not<ria especialiFação. % o!Ieto do contrato em &uestão era !astante amplo, en#ol#endo desde
assuntos corri&ueiros da "rea de pessoal at/ o contencioso tra!alKista do IRN. +essa .orma, o @ri!unal
entendeu &ue não se en&uadra#am tais ser#iços como ser#iços de not<ria especialiFação, nem,
tampouco, em in#ia!ilidade de competição, para contratação direta.
11
Art. 3? ( Con.orme +ecisão n? G=3CBB, pu!licada no +%) de G>.G3.BB, p.=3, Qa isonomia entre
licitantes e a !usca da proposta mais #antaIosa para a Administração são os princ-pios .undamentais
&ue norteiam a atuação do administrador p!lico. *stão eles e4plicitamente postos no art. 3?, da 7ei n?
E.DDDCB3. Ainda &ue os ser#iços sociais aut5nomos não esteIam o!rigados a o!edecer aos e4atos termos
desta 7ei, estão eles condicionados a respeitar esses princ-pios .undamentais, con.orme decidiu este
@ri!unal.M C(< $01'-.( '(* *0$8+-(* *(5+'+* ',%:)(<(*, 8+&0 5(<0)%P$+(* '( '$%. 1º, N(%' 3.
18
Art. 3
?
( +ecisão n. 1.D88C8GG8, pu!licada no +%) de GB.18.8GG8, p.83>. Pregão para a a&uisição de
materiais de in.orm"tica. Representação contra a e4ig$ncia de apresentação de 7audo e4pedido por
entidade de reconKecida idoneidade &ue compro#asse o !om .uncionamento do cartucKo o.ertado. %
@ri!unal entendeu &ue a e4ig$ncia edital-cia em &uestão não representou a.ronta ao car"ter ison5mico
da licitação, não con.igurando, outrossim, &ual&uer pre.er$ncia ou indicação de marca, nos moldes do
paradigma in#ocado. Ao e4igir atestado de tal natureFa, o gestor apenas procurou assegurar a
idoneidade dos e&uipamentos de seu par&ue de in.orm"tica, pre#enindo;se de e#entuais
incompati!ilidades e, so!retudo, da utiliFação de cartucKos de pro#eni$ncia du#idosa.
13
Art. 3
?
Processo n. @C ==E.GG7C1BB>;B. +ecisão pu!licada no +%) de 8E.G3.8GG3, p"ginas =D7C=DE.
Agra#o interposto contra despacKo concessi#o de medida liminar, suspendendo a @omada de Preços,
moti#ada por Representação. 'o caso, .oi concedida medida cautelar por dois .undamentos( a
desclassi.icação da empresa representante sem &ue o orgão licitador e.eti#amente a&uilatasse a
#ia!ilidade econ5mica de sua proposta, con.orme art. =E, II, in .ine, da 7ei n. EDDDCB3 e o
procedimento especial &ue o <rgão licitador adotou em relação apenas uma das empresas, con.erindo;
lKe a possi!ilidade de reduFir o #alor de sua proposta para apro4im";lo do #alor inicialmente orçado
pela entidade, ao in#/s de estender tal !ene.-cio a todas as licitantes. *stes procedimentos adotados
indicaram a #iolação aos arts. 3
o
, == R 1
o
e 8
o
e =E, R 3
o
, da 7ei n. EDDDCB3. ,anutenção do inteiro teor
do despacKo agra#ado.
14Art. 3
?
( L% processo licitat<rio inadmitindo a discriminação, desacolKe ato a.rontoso ao princ-pio da
impessoalidade
1E
;
1B
, da moralidade
8G
, da igualdade
81
;
88
, da pu!licidade
83
;
8=
, da pro!idade administrati#a
8>
, da #inculação ao instrumento
con#ocat<rio, do Iulgamento o!Ieti#o e dos &ue lKe são correlatos
8D
.
R 1?. S #edado aos agentes p!licos(
I ; admitir, pre#er, incluir ou tolerar, nos atos de con#ocação,
cl"usulas ou condições &ue comprometam, restrinIam ou .rustrem o seu
car"ter competiti#o
87
;
8E
;
8B
;
3G
;
31
;
38
;
33
;
3=
;
3>
;
3D
;
37
;
3E
;
3B
;
=G
;
=1
;
=8
isonomia, numa clara proi!ição do a!uso de poder por .uga 6 #inculação ao *dital. Ato, decorrente de
e4pressas raFões recursais, desconKecendo;as para .incar;se em outras de car"ter su!Ieti#o, .ere o
princ-pio da legalidade. 'o caso, não se compõe a discricionariedade so! os al!ores do interesse
p!lico, con#eni$ncia e oportunidadeM 0,andado de :egurança n. >8EB, Processo n. 1BB7GG>38=37,
:@P, 1
a
. :eção, 8=.11.1BB72.
1>
Art. 3
?
( +ecisão n. 1.1BDC8GG8, pu!licada no +%) de 8>.GB.8GG8. Representação .ormulada por
licitante contra decisão da Comissão *special de 7icitação da CompanKia 'acional de A!astecimento 3
C%'AN 3 por ocasião de Pregão realiFado para a a&uisição de cartucKos para impressoras. % @ri!unal
determinou ao <rgão para cumprir, rigorosamente, o disposto no art. 3
o
, da 7ei n. E.DDDCB3, limitando;se
a e.etuar restrições a &uais&uer produtos eCou ser#iços, &uando seIam imprescind-#eis para garantir a
escolKa da melKor proposta para a Administração, as &uais de#em ser de#idamente amparadas em
Iusti.icati#as t/cnicas.
1D
Art. 3?( +ecisão n? 7D>CBB, pu!licada no +%) de 1E.11.BB, p. D=. Representação contra o ,inist/rio
das Comunicações e N'+*:, tendo por o!Ieto a desestatiFação da @*7* '%R@* 7*:@*, com a
an"lise da 0i2 de.esa dos respons"#eis acerca dos atos de negociação direta com poss-#eis participantes
do processo de desestatiFação da @ele!r"s, das 0ii2 gestões #isando 6 .ormação e 6 #ia!iliFação de
cons<rcios para participar desse processo, !em assim da 0iii2 inter.er$ncia em .a#or do Cons<rcio
@elecom It"lia, no Parecer das )nidades @/cnicas .icou constatado e, por conseguinte, asse#erado &ue
La atuação estatal não de#e mais ser !aliFada apenas pelos crit/rios de legalidade, de moralidade e de
impessoalidade. *4ige;se &ue a gestão p!lica seIa igualmente pautada pelos princ-pios da e.ici$ncia e
da economicidade. A $n.ase / dada na produti#idade, na o!tenção de resultados. Portanto, atuação
administrati#a leg-tima, nos dias atuais, ser" a&uela &ue, al/m de realiFar os princ-pios tradicionais da
impessoalidade, da legalidade, etc., igualmente d$em $n.ase 6 o!tenção de resultados positi#os so! o
ponto de #ista da e.ici$ncia, da economicidade.M
17Art. 3
?
( L% processo licitat<rio inadmitindo a discriminação, desacolKe ato a.rontoso ao princ-pio da
isonomia, numa clara proi!ição do a!uso de poder por .uga 6 #inculação ao *dital. Ato, decorrente de
e4pressas raFões recursais, desconKecendo;as para .incar;se em outras de car"ter su!Ieti#o, .ere o
princ-pio da legalidade. 'o caso, não se compõe a discricionariedade so! os al!ores do interesse
p!lico, con#eni$ncia e oportunidadeM 0,andado de :egurança n. >8EB, Processo n. 1BB7GG>38=37,
:@P, 1
a
. :eção, 8=.11.1BB72.
1E
Art. 3
?
( 'o tocante ao princ-pio da impessoalidade, complementa;se a 'ota acerca da desestatiFação da
tele 'orte 7este, no sentido de &ue no Parecer das )nidades @/cnicas, .icou constatado &ue( Lpara &ue
Kou#esse #iolação do preceito da impessoalidade, teria sido necess"rio &ue os signat"rios Kou#essem 0i2
deli!erado so!re pri#atiFar a @ele 'orte 7este para !ene.iciar um particular determinadoH &ue
Kou#essem 0ii2 esta!elecido para o leilão normas edital-cias &ue !ene.iciassem esse particularH &ue
Kou#essem 0iii2 prestado as in.ormações do Ldata roomM apenas a esse particular 3 ou outros atos de
signi.icação e&ui#alente. *sses atos não s< não .oram praticados, nem se diF &ue tenKam sido
praticados.M
1B
Art. 3?( Ac<rdão n. 8D7C8GG3, o!Ieto do @C n. GG1.87>C1BBB;8, pu!licado no +%) de 13.G3.8GG3,
p"gs. B7CBB. Representação acerca de poss-#eis irregularidades em licitação. % @ri!unal de Contas
determinou para se o!ser#ar, no caso de contratação em car"ter emergencial, al/m do disposto no art.
8=, inciso IO, com!inado com o art. 8D, par"gra.o nico, incisos I e III da 7ei n. E.DDDCB3 e nas
;
=3

==
;
=>
;
=D
;
=7
;
=E
;
=B
;
>G
;
>1
e esta!eleçam pre.er$ncias ou distinções em
raFão da naturalidade, da sede ou domic-lio dos licitantes ou de &ual&uer
outra circunst9ncia impertinente ou irrele#ante
>8
para o espec-.ico o!Ieto
do contratoH
II ; esta!elecer tratamento di.erenciado de natureFa comercial,
legal, tra!alKista, pre#idenci"ria ou &ual&uer outra, entre empresas
!rasileiras e estrangeiras, inclusi#e no &ue se re.ere a moeda, modalidade
e local de pagamentos, mesmo &uando en#ol#idos .inanciamentos de
+ecisões n. 3=7CB= e D87CBB;@C);Plen"rio, tam!/m a necessidade de consultar o maior nmero
poss-#el de interessados, em atenção aos princ-pios da impessoalidade e da moralidade administrati#a
&ue de#em reger as ati#idades do administrador p!lico.
8G
Art. 3?( Ac<rdão n. 8D7C8GG3, o!Ieto do @C n. GG1.87>C1BBB;8, pu!licado no +%) de 13.G3.8GG3,
p"gs. B7CBB. Representação acerca de poss-#eis irregularidades em licitação. % @ri!unal de Contas
determinou para se o!ser#ar, no caso de contratação em car"ter emergencial, al/m do disposto no art.
8=, inciso IO, com!inado com o art. 8D, par"gra.o nico, incisos I e III da 7ei n. E.DDDCB3 e nas
+ecisões n. 3=7CB= e D87CBB;@C);Plen"rio, tam!/m a necessidade de consultar o maior nmero
poss-#el de interessados, em atenção aos princ-pios da impessoalidade e da moralidade administrati#a
&ue de#em reger as ati#idades do administrador p!lico.
81
Art. 3
?
( +ecisão n. 13=C8GG1, pu!licada no +%) de 3G.G3.8GG1, p"g. 187. Representação de licitante
por irregularidades. Restrição ao car"ter competiti#o do certame, ante a e4ig$ncia em edital de &ue os
licitantes compro#assem possuir em seu &uadro de pessoal pro.issionais de n-#el superior para o
desempenKo de atri!uições tam!/m realiFadas por t/cnico de n-#el m/dio. Ino!ser#9ncia ao princ-pio
constitucional da isonomia. Anulação da @omada de Preços. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante,
caso o contrato origin"rio continuasse #igendo, para &ue adotasse as pro#id$ncias necess"rias ao e4ato
cumprimento do disposto no art. =B, da 7ei n. E.DDDCB3, KaIa #ista a ilegalidade #eri.icada, consistente
na ino!ser#9ncia do princ-pio constitucional da isonomia, de#ido 6 inclusão, no correspondente edital,
da e4ig$ncia de pro.issionais de n-#el superior para e4ecução das ati#idades de.inidas no o!Ieto da
licitação e da .i4ação de tempo m-nimo para compro#ação de capacidade t/cnico;pro.issional. Al/m de
ter contrariado a legislação, Kou#e a restrição ao car"ter competiti#o da licitação, preIudicando o
alcance da proposta mais #antaIosa. Admitiu;se, no entanto, a su!sist$ncia do retromencionado contrato
por at/ BG 0no#enta2 dias, para processamento de no#o certame licitat<rio.
88
Art. 3
?
( +ecisão n. 1.=E=C8GG8, pu!licada no +%) de 11.11.8GG8, p"gs. 888C883. Representação de
licitante contra ato da Comissão Permanente de 7icitação em #irtude da ina!ilitação da empresa, 6 #ista
da apresentação de certidão negati#a de .al$ncia ou concordata .ora do praFo de #alidade, I" &ue Kou#e
a indisponi!ilidade de o!tenção de no#a certidão em #irtude da paralisação 0gre#e2 dos ser#entu"rios
da Pustiça *stadual. % ,in. Relator )!iratan Aguiar, não o!stante o pre#isto e4pressamente no art. 31,
inicso II, da 7ei n. E.DDDCB3, entendeu ser desarraFoada a e4ig$ncia contida no edital de certidão
negati#a de .al$ncia, &uando restou compro#ado &ue a Pustiça do *stado da NaKia se encontra#a em
gre#e, I" &ue, o!#iamente, as licitantes não teriam condiçoes de apresentar re.erido documento. %
@ri!unal determinou a não assinatura de @ermo Aditi#o prorrogando o contrato atualmente em #igor,
tendo em #ista &ue o procedimento adotado, de se e4igir certidão negati#a de .al$ncia e concordata,
&uando, sa!idamente, a Pustiça do *stado da NaKia esta#a em gre#e, #iolou o princ-pio da igualdade,
pre#isto no art. 3
o
, da 7ei n. E.DDDCB3.
83
Art. 3
?
( +ecisão n. 1.8BGC8GG8, pu!licada no +%) de G=.1G.8GG8, p"g. 1B=. Representação acerca de
#-cios em @omada de Preços. Ante a aus$ncia de comunicação por escrito do resultado da licitação, em
documentos encaminKados 6 unidade t/cnica, o :r. Pre.eito Iuntou, entre outros, c<pia da Pusti.icati#a
re.erente 6 re#ogação da licitação, onde consta a cKancela de ter sido pu!licado o resultado. %corre
&ue, por si s<, a poss-#el pu!licação não atendeu plenamente as e4ig$ncias contidas nos arts. 3
o
, caput e
3E, inciso XI, uma #eF &ue não est" especi.icado em &ual 0is2 #e-culo 0s2 de di#ulgação o resultado .oi
pu!licado. Portanto, restou con.igurado &ue o princ-pio da pu!licidade não .oi o!ser#ado. % @ri!unal
determinou ao <rgão licitador &ue, nas .uturas licitações com recursos .ederais, atente para os
dispositi#os da 7ei n. E.DDDCB3, o!ser#ando o princ-pio da pu!licidade.
ag$ncias internacionais, ressal#ado o disposto no par"gra.o seguinte e no
art. 3? da 7ei n? E.8=E
>3
;
>=
;
>>
, de 83 de outu!ro de 1BB1.
R 8?. *m igualdade de condições, como crit/rio de desempate, ser"
assegurada pre.er$ncia, sucessi#amente, aos !ens e ser#iços(
I ; produFidos ou prestados por empresas !rasileiras
>D
de capital
nacionalH
II ; produFidos no Pa-sH
III ; produFidos ou prestados por empresas !rasileirasH
8=
Art. 3
?
( +ecisão n. E>>C8GG8, pu!licada no +%) de 31.G7.8GG8. Representação de licitante. 7icitação
para a&uisição de mo!ili"rio destinado a di#ersas ag$ncias da Cai4a *con5mica Federal. Identi.icação
de .alKas na condução do procedimento licitat<rio. Con.iguração de #-cios de natureFa .ormal. %
@ri!unal decidiu &ue a C*F #ia!iliFe, sempre &ue demandado por licitantes, a inspeção de prot<tipos
apresentados pelos participantes da licitação, a .im de permitir &ue os interessados #eri.i&uem a
compati!ilidade do material apresentado com as e4ig$ncias t/cnicas contidas no *dital, com intuito de
garantir e.ic"cia ao princ-pio da pu!licidade.
8>
Art. 3
?
( Ac<rdão n. =11C8GG8, pu!licado no +%) de 8D.11.8GG8. % @ri!unal, em pedido de Ree4ame
interposto por administrador p!lico, mante#e inalterada a penalidade aplicada, re.erente 6 certame
licitat<rio, em &ue .oram constatadas caracter-sticas coincidentes entre dois concorrentes( mesmo
endereço, CPF 0:IC2 id$ntico dos respons"#eis pelas empresasH mesmo tele.one no sistema CPF das
pessoas &ue assinaram as propostas. A Procuradoria se mani.estou no sentido de &ue seria raFo"#el
e4igir;se do administrador, com mediana prud$ncia, para &ue atentasse para a possi!ilidade de duas
empresas licitantes, com endereços semelKantes e representadas por pessoas de id$ntico so!renome,
serem de mesma propriedade. % ato maculou o processo licitat<rio, #iolando os princ-pios da
legalidade e da competiti#idade, ao rece!er duas propostas de um mesmo licitante.
8D
Art. 3
?
( +ecisão n. =>GC8GGG, pu!licada no +%) de 13.GD.8GGG, p.=B. Representação de licitante, ante
a caracteriFação de e4ig$ncia não contida no edital. )tiliFação de crit/rios de Iulgamento não pre#istos
no instrumento con#ocat<rio. 'a licitação, em &uestão, o <rgão licitador e4igiu a apresentação de
prot<tipo, e4ig$ncia esta não e4plicitada no edital. ,odi.icou;se o andamento da Concorr$ncia P!lica,
com mani.esta o.ensa ao art. 3
o
, da 7ei de 7icitações, &ue preconiFa, como um dos .undamentos
!"sicos da licitação, a #inculação ao instrumento con#ocat"rio. @al o.ensa Iusti.icou a anulação do
certame, m"4ime em #ista de poss-#eis preIu-Fos impostos a terceiros interessados e ao pr<prio <rgão
licitador.
27Art. 3
?
( +ecisão n. E38C8GGG, pu!licada no +%) de 1D.1G.8GGG, p"g. 7D. Representação de licitante
contra direcionamento em procedimento e.etuado para a locação de m"&uina de reprogra.ia.
Proced$ncia. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue, na ela!oração dos atos con#ocat<rios das
licitações destinadas 6 locação de m"&uinas de reprogra.ia, descre#a seu o!Ieto de .orma clara e
sucinta, de .orma a e#itar a pre.er$ncia de marca e a inclusão de elementos restriti#os ao car"ter
competiti#o.
28Art. 3
?
( +ecisão n. >E1C8GGG, pu!licada no +%) de 11.GE.8GGG, p"gs. E=CE>. Representação de
empresas licitantes, apontando supostas irregularidades no te4to do edital de Concorr$ncia.
Proced$ncia em parte. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue se a!stenKa de e4igir dos licitantes
a compro#ação de patrim5nio l-&uido m-nimo, cumulati#amente com a prestação de garantia, uma #eF
&ue o R 8
?
do mencionado artigo permite tão somente 6 Administração e4igir, alternati#amente, capital
m-nimo ou patrim5nio l-&uido m-nimo ou as garantias pre#istas no R 1
?
do art. >D da 7ei de 7icitações.
29Art. 3
?
( +ecisão n. 1.>>>C8GG8, pu!licada no +%) de 8D.11.8GG8. % @ri!unal entendeu não e4istir
restrição ao car"ter competiti#o na licitação realiFada pelo IRN 3 Resseguros do Nrasil, para a
contratação de empresa especialiFada na prestação de ser#iços t/cnicos de in.orm"tica, cuIo edital
e4igiu( 0i2 .ormação superior em in.orm"tica ou .ormação superior com e4tensão na "rea de in.orm"tica
para os 8G 0#inte2 pro.issionais a serem contratados como analistas de sistemas e administradores de
IO 3 produFidos ou prestados por empresas &ue in#istam em
pes&uisa e no desen#ol#imento de tecnologia no Pa-s 0inciso com redação
dada pela 7ei n. 11.1BD, de 81.11.8GG>2.
R 3?. A licitação não ser" sigilosa, sendo p!licos e acess-#eis ao
p!lico os atos de seu procedimento, sal#o &uanto ao contedo das
propostas, at/ a respecti#a a!ertura.
R =?. 0O*@A+%2.
dados e !ancos de dadosH 0ii2 pro#a de certi.icação de metodologia IFP)A 3 International Functions
Point )sers Aroup, como .ator de pontuação não eliminat<rioH 0iii2 compro#ação de certi.icação C,,
3 Capa!ilitT ,aturitT ,odel ;, como crit/rio de pontuação ine4pressi#o no conte4to geral da licitação e
a 0i#2 pontuação para a compro#ação de e4peri$ncia com a .erramenta de .a!ricação da Computer
Associates 3 CA 3 @'AC)nicenter. Concluiu;se &ue as e4ig$ncias edital-cias .oram conce!idas de
.orma a melKor atender 6s necessidades do IRN, mostrando;se consent9neas com a contratação
pretendida.
30Art. 3
o
( +ecisão n. 1.D88C8GG8, pu!licada no +%) de GB.18.8GG8, p.83>. Pregão para a a&uisição de
materiais de in.orm"tica. Representação contra a e4ig$ncia de apresentação de 7audo e4pedido por
entidade de reconKecida idoneidade &ue compro#asse o !om .uncionamento do cartucKo o.ertado. %
@ri!unal entendeu &ue a e4ig$ncia edital-cia em &uestão não representou a.ronta ao car"ter ison5mico
da licitação, não con.igurando, outrossim, &ual&uer pre.er$ncia ou indicação de marca, nos moldes do
paradigma in#ocado. Ao e4igir atestado de tal natureFa, o gestor apenas procurou assegurar a
idoneidade dos e&uipamentos de seu par&ue de in.orm"tica, pre#enindo;se de e#entuais
incompati!ilidades e, so!retudo, da utiliFação de cartucKos de pro#eni$ncia du#idosa.
31Art. 3
?
( +ecisão n. D81C8GG1, pu!licada no +%) n. 17=;*. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante
&ue não inclua nos editais, por .alta de amparo legal, dispositi#o impediti#o 6 contratação de empresa
&ue esti#er inscrita no CA+I'.
38
Art. 3?( Con.orme +ecisão n? =E>CBE, pu!licada no +%) de 1G.GE.BE, p.87, o @ri!unal concluiu &ue o
<rgão licitante incluiu em seu edital con#ocat<rio cl"usula &ue esta!eleceu re&uisitos espec-.icos e
irrele#antes para a seleção da proposta mais #antaIosa, determinando &ue, no .uturo, o!edeça
estritamente o preconiFado no art.3
?
, inciso I, da 7ei EDDDCB3, !em como ressaltou ser pac-.ica as
decisões do re.erido @ri!unal , ressal#ando &ue e#item o uso de cl"usulas, condições e crit/rios &ue, de
alguma .orma, restrinIam o car"ter competiti#o do procedimento licitat<rio 0con.orme precedentes nas
+ecisões n? 3>3CB=;Plen"rio;Ata n? 88CB=, n? 3DDCBD;Plen"rio;Ata n? 8=CBD e n? 3EECB7;Plen"rio;Ata n?
8>CB72.
33
Art. 3?( A +ecisão n? >E=CBB, pu!licada no +%) de 1=.GB.BB, p.13E, assentou ao <rgão licitante &ue
este Lem .uturas licitações &ue incluam em seu o!Ieto a a&uisição de microcomputadores ou estações
de tra!alKo, o!edeça os termos do art. 3?, R 1?, inciso I, da 7ei n? E.DDDCB3, no sentido de não mais
e4igir, no tocante 6s especi.icações do componente unidade central de processamento, &ue os mesmos
seIam de determinado .a!ricante, em raFão da e4ist$ncia de competiti#idade no mercado atual dos
microcomputadores, sal#o &uando se tratar de atendimento aos imperati#os de uni.ormiFação ou
padroniFação, decorrente de processo regular, em &ue esteIam, nos termos da lei, asseguradas e
.ormaliFadas as #antagens econ5micas, t/cnica ou administrati#as da marca ou produto selecionado.M
3=
Art. 3?( A Corte do @ri!unal de Contas da )nião, no *nunciado de +ecisão n. 3>1, se posicionou no
sentido de &ue a proi!ição de cl"usulas ou condições restriti#as do car"ter competiti#o da licitação não
constitui <!ice para &ue a Administração esta!eleça os re&uisitos m-nimos para participação no certame
considerados necess"rios 6 garantia da e4ecução do contrato, 6 segurança e per.eição da o!ra ou do
ser#iço, 6 regularidade do .ornecimento ou ao atendimento de &ual&uer outro interesse p!lico.
3>
Art. 3?( Con.orme +ecisão n? 7G8CBB, pu!licada no +%) de GE.11.BB, p. DG, deli!erou;se &ue a
licitante Lse a!stenKa de inserir, em .uturos atos de con#ocação, nmero de atestados de capacitação
A$%. 4º. @odos &uantos participem de licitação promo#ida pelos
<rgãos ou entidades a &ue se re.ere o art. 1? t$m direito p!lico su!Ieti#o 6
.iel o!ser#9ncia do pertinente procedimento esta!elecido nesta 7ei,
podendo &ual&uer cidadão acompanKar o seu desen#ol#imento, desde &ue
não inter.ira de modo a pertur!ar ou impedir a realiFação dos tra!alKos
>7
.
Par"gra.o nico. % procedimento licitat<rio pre#isto nesta 7ei
caracteriFa ato administrati#o .ormal, seIa ele praticado em &ual&uer
es.era da Administração P!lica.
t/cnica superior 6s condições m/dias do mercado para o &ual se dirigem, de .orma a não mais restringir
o car"ter competiti#o necess"rio a todo e &ual&uer processo licitat<rioM. % <rgão licitante
0+A@APR*O2 inseriu em seu edital con#ocat<rio a Le4ig$ncia de dois atestados de desempenKo para
cada parcela de maior rele#9ncia t/cnica, .ornecidos por pessoas Iur-dicas de direito p!lico ou
pri#ado, compro#ando a e4ecução !em sucedida destes ser#iços.M A discussão &uanto a &uantidade de
atestados, #eF &ue a lei re.ere;se no plural 0s2 e não no singular, I" demandou ementa pelo @ri!unal,
paci.icando o entendimento &ue não .ere o car"ter competiti#o do certame 0con.orme Representação
.ormulada por :indicato contra *C@CPA2. *4ig$ncia de dois atestados de capacidade t/cnica em edital
de licitação. Improced$ncia. Ar&ui#amento, o!Ieto do Processo @C;=>G.=GCBD;>;+ecisão 817CB7 3
Plen"rio, Ata 1>CB7, Relator( ,inistro Fernando Aonçal#es2. % :r. ,inistro do @ri!unal entendeu &ue
Qem &ue pese a possi!ilidade de a contratante ter se #alido de tal e4ig$ncia com o .im de assegurar;se
de uma prestação de ser#iço de &ualidade, o .ato / &ue o nmero de compro#antes e4igidos se re#ela,
no caso concreto, como entra#e ao rece!imento de outras propostas possi#elmente mais interessantes
para a +A@APR*O.M
3D
Art. 3?( A +ecisão n? 1>8C8GGG, pu!licada no +%) de 8=.G3.8GGG, p. E1, o!Ieto de Representação
.ormulada contra o :*:ICR:, asse#erou &ue de#er" Lde.inir o o!Ieto da licitação, sem indicar
caracter-sticas e especi.icações e4clusi#as, ou marcas, sal#o se Iusti.icada e rati.icada pela autoridade
competente, con.orme dispõe o R nico, do art. 13, do Regulamento de 7icitações e Contratos do
:er#iço :ocial da Indstria 3 :*:I e a!ster;se de e4igir Certi.icado da s/rie I:% BGGG, por .rustar o
car"ter competiti#o da licitação.M
37
Art. 3?( Por .orça da +ecisão n? 3DBCBB, pu!licada no +%) de 8>.GD.BB, p. EG, o @ri!unal determinou
ao <rgão licitante &ue Lse a!stenKa de impor, em .uturos editais de licitações, restrições ao car"ter
competiti#o do certame e &ue limitem a participação de empresas capaFes de .ornecer o o!Ieto !uscado
pela Administração P!lica.M @al asserti#a d";se pelo .ato o <rgão licitante ter inclu-do em seu edital
disposição de &ue não poderiam participar licitantes &ue não os pr<prios .a!ricantes do produto 6 ser
adIudicado. 'ão pode prosperar tal cl"usula do edital, pois o <rgão licitante poder" resguardar;se Lde
e#entual incapacidade t/cnica do .ornecedor, mediante e4ig$ncia de &uali.icação 6 ser compro#ada
com atestados, não sendo necess"rio restringir o car"ter competiti#o do certame ou .erir o princ-pio da
isonomia entre os licitantes. @am!/m não procede o argumento da administração da&uela entidade de
&ue a contratação de re#endedores tende a ser mais cara, pois estes s< poderiam e#entualmente ser
contratados se o.ertassem preço menor &ue o dos .a!ricantes.M
3E
Art. 3?( A +ecisão n? =B7CBB, pu!licada no +%) de 13.GE.BB, p. 13B, o!Ieto de Representação
.ormulada contra A'A@*7, asse#erou ao <rgão licitante &ue Lela!ore seus *ditais de 7icitação de
.orma &ue os o!Ietos dos certames seIam determinados de .orma precisa, su.iciente e clara, sem
especi.icações &ue, por e4cessi#as, irrele#antes ou desnecess"rias, limitem a competição, con.orme
pre#$ o art. >>, inciso III, da 7ei n? B.=78 de 1D.G7.B7M. (A$%. ??. A 5()*,1%' 0 ( 7$0>.( *0$.(
&+*5+71+)'&(* 701' A>N)5+', (;*0$8'&'* '* &+*7(*+-=0* &0*%' L0+ 0, 0*705+'1<0)%02
(...)
III O ( (;@0%( *0$P &0%0$<+)'&( &0 3($<' 7$05+*', *,3+5+0)%0 0 51'$', *0< 0*705+3+5'-=0* A,0, 7($
0K50**+8'*, +$$0108')%0* (, &0*)050**P$+'*, 1+<+%0< ' 5(<70%+-.(Q).
39Art. 3
?
( Con.orme +ecisão n? 3E1CBE, pu!licada no +%) de G8.G7.BE, p. D=, oriunda da
Representação de duas concorrentes, ante a e4ist$ncia de irregularidades do +'*R, na Concorr$ncia n?
G1B3CBD, para prestação de ser#iços de assist$ncia odontol<gica, em n-#el nacional, deli!erou o
A$%. ?º. @odos os #alores, preços e custos utiliFados nas licitações
terão como e4pressão monet"ria a moeda corrente nacional, ressal#ado o
disposto no art. =8 desta 7ei, de#endo cada unidade da Administração, no
pagamento das o!rigações relati#as ao .ornecimento de !ens, locações,
realiFação de o!ras e prestação de ser#iços, o!edecer, para cada .onte
di.erenciada de recursos, a estrita ordem cronol<gica das datas de suas
e4igi!ilidades, sal#o &uando presentes rele#antes raFões de interesse
@ri!unal ao <rgão licitante &ue Lse a!stenKa de e4igir, nos editais, por .alta de amparo legal e por
caracteriFar 5()&+-.( $0*%$+%+8' &' 5(<70%+%+8+&'&0 entre interessados nas licitações, &ue as pessoas
Iur-dicas de direito p!lico ou pri#ado seIam $0>+*%$'&'* nas entidades pro.issionais competentes, uma
#eF &ue o disposto no art. 3G, R 1?, da 7ei n? E.DDDCB3 re.ere;se a registro de atestados.M
=G
Art. 3
?
( +ecisão n. =38C8GGG, pu!licada no +%) de G7.GD.8GGG, p.E>. Representação de licitante, ante
a suposta ilegalidade na e4ig$ncia de atestado de &uali.icação t/cnica. % ,in. Rel. Oalmir Campelo,
mencionou, em seu #oto &ue L/ importante ressaltar &ue a Administração, ao realiFar um processo
licitat<rio, tem o de#er de e4igir documentos &ue compro#em &uali.icações t/cnicas das concorrentes
compat-#eis com o ser#iço &ue se pretende contratar. 'ão se pode con.undir Felo do Administrador em
!usca de resultados e.icaFes com cl"usulas desnecess"rias e, claramente, restriti#as ao car"ter
competiti#o. Por mais &ue possa parecer simples, a prestação de um determinado ser#iço K", sem
som!ra de d#ida, caracter-sticas pr<prias de cada um. A e4ig$ncia de#e permanecer no patamar da
raFoa!ilidade, para não in.ringir o disposto no art. 3
?
, R 1
o
, da 7ei n. EDDDCB3M.
41Art. 3
?
( +ecisão n. 3G8C8GG1, pu!licada no +%) de G1.GD.8GG1, p. 1D=. A 7ei n. E.DDDCB3 di.erencia
os termos LAdministraçãoM e LAdministração P!licaM, em seu art. D
?
, limitando a interpretação deste
ltimo 6 entidade preIudicada com o não cumprimento das cl"usulas contratuais. 'o mesmo sentido, as
+ecisões ns. 38>CBE e >8CBB, nas &uais o Plen"rio do @ri!unal se pronunciou a respeito da &uestão,
entendendo &ue a sanção pre#ista no inciso III, do art. E7, da 7ei n. E.DDDCB3 0suspensão tempor"ria de
participação em licitação2, de#er" .icar adstrita, tão somente, ao <rgão &ue a aplicou. % ,in. Rel.
Uum!erto Auimarães :outo, ao decidir o @C 3>G.3=1C1BB7;=, entendeu constituir $0*%$+-.( '( 5'$P%0$
5(<70%+%+8( &( 50$%'<0 1+5+%'%B$+(, ' +)51,*.( &0 51P,*,1' )( 0&+%'1 (;*%')&( ' 7'$%+5+7'-.( &0
0<7$0*'* A,0 *0 0)A,'&$0< )' *+%,'-.( ';($&'&', A,')&( $0'1+R'&( 7($ 0)%0* &' '&<+)+*%$'-.(
&+80$*(* &'A,010 A,0 *')5+()(, ( 3($)050&($.
=8
Art. 3
?
( Ac<rdão n. =11C8GG8, pu!licado no +%) de 8D.11.8GG8. % @ri!unal, em pedido de Ree4ame
interposto por administrador p!lico, mante#e inalterada a penalidade aplicada, re.erente 6 certame
licitat<rio, em &ue .oram constatadas caracter-sticas coincidentes entre dois concorrentes( mesmo
endereço, CPF 0:IC2 id$ntico dos respons"#eis pelas empresasH mesmo tele.one no sistema CPF das
pessoas &ue assinaram as propostas. A Procuradoria se mani.estou no sentido de &ue seria raFo"#el
e4igir;se do administrador, com mediana prud$ncia, para &ue atentasse para a possi!ilidade de duas
empresas licitantes, com endereços semelKantes e representadas por pessoas de id$ntico so!renome,
serem de mesma propriedade. % ato maculou o processo licitat<rio, #iolando os princ-pios da
legalidade e da competiti#idade, ao rece!er duas propostas de um mesmo licitante.
=3
Art. 3
?
( +ecisão n. 1.G7GC8GG8, pu!licada no +%) de G3.G=.8GG8, p"gs. 1D>C1DD. Representação.
Poss-#eis irregularidades em @omada de Preços. %corr$ncia de .alKa .ormal. Proced$ncia parcial. %
,in. Relator Augusto :Kerman Ca#alcanti acompanKou a :*C*X, ao entender &ue a aus$ncia de
estudo para a .i4ação de -ndices econ5micos;.inanceiros m-nimos não restringiu a competição na
@omada de Preços, mas caracteriFa .alKa .ormal &ue de#e ser e#itada em .uturas licitações. % @ri!unal
determinou &ue, em .uturas licitações, o <rgão licitante .undamente a e4ig$ncia de -ndices econ5micos;
.inanceiros m-nimos ou m"4imos em estudo cont"!il, &ue indi&ue &ue tais -ndices .oram .i4ados em
n-#eis apenas o !astante para atestar &ue a licitante possui condições su.icientes para sol#er suas
o!rigações.
==
Art. 3
?
( +ecisão n. 8D>C8GG8, pu!licada no +%) de 1G.G=.8GG8.Representação de licitante contra item
p!lico e mediante pr/#ia Iusti.icati#a da autoridade competente,
de#idamente pu!licada.
R 1?. %s cr/ditos a &ue se re.ere este artigo terão seus #alores
corrigidos por crit/rios pre#istos no ato con#ocat<rio e &ue lKes
preser#em o #alor
>E
.
R 8?. A correção de &ue trata o par"gra.o anterior, cuIo pagamento
ser" .eito Iunto com o principal, correr" 6 conta das mesmas dotações
contido no edital de concorr$ncia &ue pre#ia a e4ig$ncia de -ndice 0ED,81V2 relati#o a encargos sociais
di.erente da&uele .i4ado em ato normati#o 0at/ 78,>>V2. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue
se a!stenKa de incluir em edital de licitação para a contratação de ser#iços de limpeFa, asseio e
conser#ação, cl"usulas &ue restrinIam ou in#ia!iliFam o car"ter competiti#o do certame, a e4emplo do
percentual m-nimo de encargos sociais .i4ado no edital, so! pena de a Administração não #ir a
selecionar a proposta mais #antaIosa.
=>
Art. 3
?
( Ac<rdão n. 38C8GG3, pu!licado no +%) de GD.G8.8GG3. Representação de licitante, in.ormando
poss-#eis ilegalidades em procedimentos licitat<rios. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue, nas
licitações realiFadas com recursos p!licos .ederais ao inserir nos editais e4ig$ncia de compro#ação de
capacidade t/cnica, de &ue trata o art. 3G, da 7ei n. E.DDDCB3 ;; seIa so! o aspecto t/cnico;pro.issional
ou t/cnico operacional ;; consigne no respecti#o processo, e4pressa e pu!licamente, os moti#os dessa
e4ig$ncia, e demonstre, tecnicamente, &ue os par9metros .i4ados são necess"rios, su.icientes e
pertinentes ao o!Ieto licitado, assegurando;se de &ue a e4ig$ncia não implica restrição do car"ter
competiti#o do certame.
=D
Art. 3
?
( Ac<rdão n. B1>C8GG3. Processo @C GGB.>87C8GG3;7. Representações .ormuladas em .ace de
supostas irregularidades em edital de licitação da @ele!r"s, Concorr$ncia GGG1C8GG3, a!erta para a
contratação de sociedade de ad#ocacia para atuação em territ<rio nacional. )m dos itens do edital
e4igiu de um ou mais ad#ogados s<cios &ue compõem o escrit<rio de ad#ocacia candidato a
apresentação de declaração e4pedida por instituição de ensino ou certi.icado de conclusão de curso de
p<s graduação, lato sensu 0*specialiFação2, na "rea de +ireito 6 &ual o licitante se candidatar, com
duração m-nima de 3DG Koras, para todos os lotes indiscriminadamente. % @ri!unal entendeu &ue tal
pre#isão não guarda pertin$ncia com o o!Ieto do contrato. % .ato de um dos s<cios de escrit<rio de
ad#ocacia ter .eito curso de p<s graduação na "rea do +ireito 6 &ual o licitante se candidatar não
garante &ue esse escrit<rio o.erecer" um tra!alKo de melKor &ualidade ou &ue ter" menos di.iculdade
em atuar nas ações Iudiciais nas &uais representar" a @ele!r"s. % curso de p<s graduação, sem d#ida,
permite &ue o indi#-duo aprimore seus conKecimentos espec-.icos, aumentando sua e4pertise te<rica
em determinada "rea, isso, no entanto, não garante &ue Ka#er" su!stancial incremento da sua
capacidade de ad#ogar. Poder" ser um pro.undo conKecedor da mat/ria, sem, no entanto, ser um grande
caus-dico. Al/m disso, não se trata de um pro.issional, mas de um escrit<rio composto por #"rios
ad#ogados, o &ue torna a e4ig$ncia ainda mais desca!ida, #eF &ue o s<cio p<s graduado certamente não
tratar", pessoalmente, de todas as ações. Foi determinada a supressão desta condição de Ka!ilitação, por
a.rontar as disposições contidas no art. 3
o
, R 1
?
, caput e inciso I e o art. 3G da 7ei n. E.DDDCB3.
=7
Art. 3
?
( A :egunda @urma do :uperior @ri!unal de Pustiça concluiu não ser a!usi#a cl"usula de edital de
procedimento licitat<rio &ue e4ige dos participantes atestado de capacidade t/cnica para a realiFação do
ser#iço. A 7iderança Conser#ação e :er#iços 7tda tinKa mo#ido ação contra a :ecretaria de
Administração do +istrito Federal e conseguiu, nas inst9ncias ordin"rias, suspender a licitação para a
contratação de ser#iço de limpeFa de#ido a e4ist$ncia de supostas cl"usulas a!usi#as, como a
compro#ação de patrim5nio l-&uido m-nimo de RW D milKões de reais e a apresentação de atestado
demonstrando um m-nimo de 3>V do pessoal e.eti#o para a e4ecução do ser#iço. % :uperior @ri!unal
de Pustiça concordou com a e4ig$ncia de capacidade t/cnica, mas Iulgou ilegal a compro#ação de
patrim5nio de RW D milKões de reais 0Resp =7=7E1 3 apud @ri!una do +ireito, deFem!ro de 8GG32.
=E
Art. 3
o
( Ac<rdão n. 8.378C8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Relat<rio de Auditoria para
#eri.icação da regularidade das a&uisições de !ens e da contratação de ser#iços de in.orm"tica. %
@ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue se a!stenKa de incluir na modalidade de Con#ite, como
orçament"rias &ue atenderam aos cr/ditos a &ue se re.erem. 0Redação
dada ao R 8? pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R 3?. %!ser#ado o disposto no caput, os pagamentos
>B
decorrentes
de despesas cuIos #alores não ultrapassem o limite de &ue trata o inciso II
do art. 8=, sem preIu-Fo do &ue dispõe seu par"gra.o nico, de#erão ser
e.etuados no praFo de at/ > 0cinco2 dias teis, contados da apresentação da
.atura. 0Par"gra.o acrescentado pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
condição de participação no certame, e4ig$ncia de &ue o interessado esteIa cadastrado no :istema
Integrado de Cadastramento )ni.icado de Fornecedores 3 :ICAF.
=B
Art. 3
o
( Ac<rdão n. 8.3EDC8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Representação. :upostas FalKas em
edital de licitação. Ooto Re#isor. % @ri!unal, acolKendo o Ooto do ,in. Re#isor, determinou ao <rgão
licitante a anulação da Concorr$ncia, re.erente 6 contratação de ser#iços Iur-dicos especialiFados nas
"reas de direito tra!alKista, direito pre#idenci"rio e direito ci#il. 'a mesma decisão, determinou &ue, no
caso de ser lançado no#o edital com #istas 6 contratação de ser#iços da mesma natureFa, dei4e de
incluir no mesmo cl"usulas e condições &ue restrinIam o car"ter competiti#o do certame, especialmente
no &ue diF respeito 6 e4ig$ncia de curso de especialiFação, pu!licação de li#ros e artigos e magist/rio
em curso superior, como crit/rios desclassi.icat<rios na proposta t/cnica e 6 e4ig$ncia, na .ase de
Ka!ilitação, de dois atestados, como re&uisito de &uali.icação t/cnica.
>G
Art. 3?( Ac<rdão n. 83C8GG3, o!Ieto do @C n. G1=.G3GC8GG8;E, pu!licado no +ou de G>.G8.8GG3, p"gs.
183C187. Representação .ormulada por cooperati#a interessada em participar de licitação a!erta pelo
Nanco Central do Nrasil para prestação de ser#iços em ar&ui#os da entidade em :ão Paulo. Proi!ição
edital-cia da participação de cooperati#as. %s ,inistros do @ri!unal de Contas da )nião determinaram
a 0i2 adoção de medidas necess"rias no sentido de alterar item do edital relati#o ao Pregão n. A+:PA;
1>C8GG8, a .im de retirar a restrição 6 participação de cooperati#as no certame, a!rindo;se no#o praFo
para as interessadas apresentarem propostas, na .orma da legislação em #igor e 0ii2 a a!stenção de
incluir, nas licitações &ue promo#er, #edação 6 participação de cooperati#as, ressal#ados os casos em
&ue o o!Ieto social destas seIa incompat-#el com o o!Ieto do certame respecti#o.
>1
Art. 3?( Ac<rdão n. 8D7C8GG3, o!Ieto do @C n. GG1.87>C1BBB;8, pu!licado no +%) de 13.G3.8GG3,
p"gs. B7CBB. Representação acerca de poss-#eis irregularidades em licitação. % @ri!unal de Contas
determinou &ue se a!stenKam de e4igir dos interessados nos pr<4imos processos licitat<rios a
Ka!ilitação parcial no :istema de Cadastramento )ni.icado de Fornecedores;:ICAF como nica .orma
de participação no certame, .acultando;lKes a apresentação dos documentos de Ka!ilitação at/ o terceiro
dia anterior ao rece!imento das propostas, e4 #i do disposto no art. 88, par"gra.o 8?, da 7ei n.
E.DDDCB3.
>8
Art. 3?( +ecisão n? =E>CBE, pu!licada no +%) de 1G.GE.BE, p. 87. Representação de licitante, em
@omada de Preços para a&uisição de g$neros aliment-cios componentes da merenda escolar, em &ue o
edital incluiu re&uisito irrele#ante para o &uantitati#o das em!alagens, re.utou a Iusti.icati#a do <rgão
licitante de &ue Lse trata de um produto &ue precisa ser adicionado a outro para o preparo de re.eições,
con.orme orientação de nutricionistasM. % :r. ,in. Relator determinou ao <rgão licitante &ue
Lo!edeça, estritamente, o preconiFado no art. 3?, R 1?, inciso I, da 7ei n? E.DDDCB3 0alterada pela 7ei n?
E.EE3CB=2, e#itando o uso de cl"usulas, condições e crit/rios &ue, de alguma .orma, possam restringir o
car"ter competiti#o do procedimento licitat<rio.M
>3
Art. 3?( L0+ 8.248H91 3 LA$%. 3º2 %s <rgãos e entidades da Administração P!lica Federal, direta ou
indireta, as .undações institu-das e mantidas pelo Poder P!lico e as demais organiFações so! o
controle direto ou indireto da )nião darão pre.er$ncia, nas a&uisições de !ens e ser#iços de in.orm"tica
e automação, o!ser#ada a seguinte ordem, a(0'R2
I;!ens e ser#iços com tecnologia desen#ol#ida no Pa-sH 0'R2
II ; !ens e ser#iços produFidos de acordo com processo produti#o !"sico, na .orma a ser de.inida pelo
Poder *4ecuti#o.0'R2
R1
?
;Re#ogado.
SEÇ#O II
DAS DE/INIÇES
A$%. 6º. Para os .ins desta 7ei, considera;se(
I ; %!ra ; toda construção, re.orma, .a!ricação, recuperação ou
ampliação, realiFada por e4ecução direta ou indiretaH
II ; :er#iço ; toda ati#idade destinada a o!ter determinada utilidade
de interesse para a Administração, tais como( demolição, conserto,
instalação, montagem, operação, conser#ação, reparação, adaptação,
R 8
?
; Para o e4erc-cio desta pre.er$ncia, le#ar;se;ão em conta condições e&ui#alentes de praFo de
entrega, suporte de ser#iços, &ualidade, padroniFação, compati!ilidade e especi.icação de desempenKo
e preço.Q0'R2
Redação con.orme 7ei 1G.17DC8GG1.
>=
Art. 3?( % art. 171, da Constituição Federal .oi re#ogado pela *menda Constitucional n? D, de 1>.GE.B>,
mas o Congresso 'acional est" discutindo a reedição da 7ei n? E.8=ECB1, por .orça do disposto em seu
art. =?, &ue pre#$ &ue Lpara as empresas &ue cumprirem as e4ig$ncias para o goFo de !ene.-cios,
de.inidos nesta lei, e, somente para os !ens de in.orm"tica e automação .a!ricados no Pa-s, com n-#eis
de #alor agregado local compat-#eis com as caracter-sticas de cada produto, serão estendidos pelo
praFo de sete anos, a partir de 8B de outu!ro de 1BB8, os !ene.-cios de &ue trata a 7ei n? E.1B1, de 11 de
IunKo de 1BB1.
55Art. 3
?
( % +ecreto n. 3.EGG, de 8G.G=.8GG1 regulamentou os arts. =
?
, B
?
e 11 da 7ei n. E.8=E, de
83.1G.1BB1 e os arts. E
?
e 11 da 7ei n. 1G.17D, de 11.G1.8GG1, &ue tratam do !ene.-cio .iscal concedido
6s empresas de desen#ol#imento ou produção de !ens e ser#iços de in.orm"tica e automação &ue
in#estirem em ati#idades de pes&uisa e desen#ol#imento em tecnologia da in.ormação.
% +ecreto 3.EG1, de 8G.G=.8GGG1 regulamentou os par"gra.o 1
o
, do art. =
o
, e o par"gra.o 8
?
do art. 1D;A
da 7ei n. E.8=E, de 83.1G.1BB1, com a redação dada pela 7ei n. 1G.17D, de 11.G1.8GG1.
>D
Art. 3?( Para @osKio ,uJai, em tra!alKo pu!licado no Noletim de 7icitações e Contratos
0%utu!ro de 1BB72, Qatualmente, o nico crit/rio para o desempate nas licitações / o sorteioQ. %
par"gra.o 8
?
, do art. 3
o
/ inconstitucional, .ace o disposto na *menda Constitucional n? D, de 1>.GE.B>, a
&ual re#ogou o art. 171, da Constituição Federal, &ue determina#a tratamento .a#orecido 6 empresa
!rasileira.
>7
Art. =?( A +ecisão n? 1B8CBE, pu!licada no +%) de G>.G>.BE, p.BE, anulou o *dital de Concorr$ncia e
deli!erou &ue Q&uando da pu!licação de um no#o *dital o <rgão licitante de#er" e#itar incluir
condições restriti#as 6 participação de mais de um representante de cada empresa, o &ue, em caso
contr"rio, pode ser interpretado como um desrespeito ao art. =?, da 7ei n? E.DDDCB3M.
58Art. >
?
( Oide o +ecreto 1.G>=, de G7.G8.1BB=, com a redação dada pelo +ecreto 1.11G, de
13.G=.1BB=, &ue regulamenta o reaIuste de preços nos contratos da Administração P!lica Federal
direta e indireta e d" outras pro#id$ncias.
59Art. >
?
( +ecisão n. 3B>C8GG8, pu!licada no +%) de 8D.G=.8GG8. Representação acerca de retenção
de pagamento de .atura por e4ist$ncia de d/!ito do contratado para com a C*F, decorrente de outros
contratos. 'os termos da 7ei n. E.DDDCB3, não tem legitimidade a Administração para reter pagamentos
aos seus contratados por inadimplementos estranKos aos pre#istos no contrato a &ue se re.erem.
:urgiria, assim, perigoso precedente &ue daria aos contratantes, em especial a&ueles &ue são
instituições .inanceiras, poderes para co!rar d/!itos por #ias outras das pre#istas na legislação.
manutenção, transporte, locação de !ens, pu!licidade, seguro ou tra!alKos
t/cnico;pro.issionais
DG
H
III ; Compra ; toda a&uisição remunerada de !ens para
.ornecimento de uma s< #eF ou parceladamenteH
IO ; Alienação ; toda trans.er$ncia de dom-nio de !ens a terceiros
D1
H
O ; %!ras, ser#iços e compras de grande #ulto ; a&uelas cuIo #alor
estimado seIa superior a 8> 0#inte e cinco2 #eFes o limite esta!elecido na
al-nea c do inciso I do art. 83 desta 7eiH
OI ; :eguro;Aarantia ; o seguro &ue garante o .iel cumprimento das
o!rigações assumidas por empresas em licitações e contratosH
OII ; *4ecução direta ; a &ue / .eita pelos <rgãos e entidades da
Administração, pelos pr<prios meiosH
OIII ; *4ecução indireta ; a &ue o <rgão ou entidade contrata com
terceiros so! &ual&uer dos seguintes regimes( 0Redação dada pela 7ei n?
E.EE3, de GE.GD.B=2
a2 empreitada por preço glo!al ; &uando se contrata a e4ecução da
o!ra ou do ser#iço por preço certo e total
D8
;
D3
H
60Art. D?( Ac<rdão n. 71C8GG3, o!Ieto do @C n. GG>.>D>C8GG1;3, pu!licado no +%) de 8>.G8.8GG3,
em representação so!re supostas irregularidades na @omada de Preços n. G=3C8GGG, promo#ida pela
Aer$ncia de Filial de :uprimento de ,ateriais e :er#iços em Reci.e, da Cai4a *con5mica Federal,
acerca da terceiriFação de ser#iços de telemarJeting. % @ri!unal de Contas da )nião recomendou 6
C*F &ue e.etue estudos com #istas 6 adoção de medidas necess"rias 6 correção da ilegalidade
consistente na contratação de ser#iços de telemarJeting, por meio de empresa terceiriFada, uma #eF &ue
tal atri!uição est" relacionada como uma das ati#idades a serem desempenKadas por ser#idores da C*F,
o &ue con.igura #iolação ao disposto no inciso II, do art. 37, da Constituição Federal.
D1
Art. D?. ( LICITAÇ#O. ALIENAÇ#O DE TE""ENO. DI4ENSES IN/E"IO"ES SS
CONSTANTES DO EDITAL. INDENITAÇ#O. I4P"OCI4ENTO DA APELAÇ#O. *.etuada a
#enda em desacordo com as cl"usulas edital-cias, / l-cito ao comprador e4igir indeniFação pelos danos
da- resultantes. Apelo impro#ido 0@P+F e dos @errit<rios, =X. @. C-#elH AC. n. 8GGGG1>GG8G>8G3;+FH
Rel. +es. *ste#am ,aia, I. >.=.8GG=, #.u.2.
62Art. D?( Con.orme +ecisão n? 1=3C8GGG, pu!licada no +%) de 8=.G3.8GGG, o @ri!unal decidiu &ue
de#er" o <rgão licitante Lse a!ster de adotar para compras, a modalidade de e4ecução de empreitada
por preço glo!al, tendo em #ista &ue o art. D?, inciso OIII, al-nea LaM e o art. =7, da 7ei n? E.DDDCB3,
dirigem;se, apenas, 6 e4ecução de o!ras e de ser#iços.M
63Art. D
?
( +ecisão sCn? pro.erida nos autos do Processo GGE.=1DCB7;=;@omada de Contas *special
oriunda de Representação, pu!licada no +%) de 81.GD.BB. *sclarecimento de contro#/rsia so!re ser ou
não ilegal uma licitação de menor preço glo!al e a desclassi.icação de licitante em cuIa proposta .oram
cotados o preço glo!al de cada um dos dois itens &ue compunKam o o!Ieto da licitação, mas não .oi
consignado o somat<rio dos re.eridos itens. % @ri!unal se mani.estou no sentido de &ue( Q+e #olta 6
&uestão de ter o edital dado ou não desta&ue 6 e4pressão Yglo!alZ, cumpre ressaltar &ue o de.endente
incorreu em dois e&u-#ocos ao a.irmar &ue essa e4pressão merece ser reconKecida como crit/rio a ser
en.atiFado, por&uanto a modalidade de licitação pre#ista no art. =>, da 7ei E.DDDCB3, / de apenas menor
preço e não menor preço glo!al, como constou do edital. % primeiro / de ordem terminol<gica, I" &ue o
artigo => não trata de modalidade licitat<ria, mas sim, esta!elece os tipos de licitação. % segundo
consiste no .ato de a 7ei pre#er, sim, licitação de menor preço glo!al, pois menor preço re.ere;se 6 tipo
licitat<rio, com pre#isão no art. =>, e o termo [preço glo!al[ / atinente ao regime de e4ecução indireta
de empreitada por preço glo!al, cuIa de.inição encontra;se na al-nea LaM, do inciso OIII, do art. D? da
7ei E.DDDCB3M.
!2 empreitada por preço unit"rio
D=
; &uando se contrata a e4ecução
da o!ra ou do ser#iço por preço certo de unidades determinadasH
c2 0O*@A+%2
d2 tare.a ; &uando se aIusta mão;de;o!ra para pe&uenos tra!alKos
por preço certo, com ou sem .ornecimento de materiaisH
e2 empreitada integral ; &uando se contrata um empreendimento em
sua integralidade, compreendendo todas as etapas das o!ras, ser#iços e
instalações necess"rias, so! inteira responsa!ilidade da contratada at/ a
sua entrega ao contratante em condições de entrada em operação,
atendidos os re&uisitos t/cnicos e legais para sua utiliFação em condições
de segurança estrutural e operacional e com as caracter-sticas ade&uadas
6s .inalidades para &ue .oi contratadaH
IX ; ProIeto !"sico ; conIunto de elementos necess"rios e
su.icientes, com n-#el de precisão ade&uado, para caracteriFar a o!ra ou
ser#iço, ou comple4o de o!ras ou ser#iços o!Ieto da licitação, ela!orado
com !ase nas indicações dos estudos t/cnicos preliminares, &ue
assegurem a #ia!ilidade t/cnica e o ade&uado tratamento do impacto
am!iental do empreendimento, e &ue possi!ilite a a#aliação do custo da
o!ra e a de.inição dos m/todos e do praFo de e4ecução, de#endo conter os
seguintes elementos(
a2 desen#ol#imento da solução escolKida de .orma a .ornecer #isão
glo!al da o!ra e identi.icar todos os seus elementos constituti#os com
clareFaH
!2 soluções t/cnicas glo!ais e localiFadas, su.icientemente
detalKadas, de .orma a minimiFar a necessidade de re.ormulação ou de
#ariantes durante as .ases de ela!oração do proIeto e4ecuti#o e de
realiFação das o!ras e montagemH
c2 identi.icação dos tipos de ser#iços a e4ecutar e de materiais e
e&uipamentos a incorporar 6 o!ra, !em como suas especi.icações &ue
assegurem os melKores resultados para o empreendimento, sem .rustrar o
car"ter competiti#o para a sua e4ecuçãoH
64Art. D
?
( A +ecisão n? E8DCB7, pu!licada no +%) de 18.18.B7, p. 8BE3=, ressaltou a +ecisão n?
3B3CB=;Plen"rio 0:essão de 1>.GD.B=2, em &ue“ em decorr$ncia do disposto no art. 3?, R 1?, inciso IH art.
E?, R 1? e art. 1>, inciso IO, todos da 7ei n? E.DDDCB3, / o!rigat<ria a admissão, nas licitações para a
contratação de o!ras, ser#iços e compras, e para alienações, onde o o!Ieto .or de natureFa di#is-#el,
sem preIu-Fo do conIunto ou comple4o, da adIudicação por itens e não pelo preço glo!al, com #istas a
propiciar a ampla participação dos licitantes &ue, em!ora não dispondo de capacidade para a e4ecução,
.ornecimento ou a&uisição da totalidade do o!Ieto, possam, contudo, .aF$;lo com re.er$ncia a itens ou
unidades aut5nomas, de#endo as e4ig$ncias de Ka!ilitação ade&uar;se a esta di#isi!ilidade”. *, &uando
da realiFação de procedimento licitat<rio, cuIo o!Ieto seIa de natureFa di#is-#el, sem preIu-Fo do
conIunto ou comple4o, proceda;se a adIudicação por itens ou promo#a;se licitações distintas, de#endo
as e4ig$ncias, al/m das ressaltadas na +ecisão supra, &uando tratar;se de capital m-nimo, de patrim5nio
l-&uido e de garantias, ser proporcionais a essa di#isi!ilidade.
d2 in.ormações &ue possi!ilitem o estudo e a dedução de m/todos
construti#os, instalações pro#is<rias e condições organiFacionais para a
o!ra, sem .rustrar o car"ter competiti#o para a sua e4ecuçãoH
e2 su!s-dios para montagem do plano de licitação e gestão da o!ra,
compreendendo a sua programação, a estrat/gia de suprimentos, as
normas de .iscaliFação e outros dados necess"rios em cada casoH
.2 orçamento detalKado do custo glo!al da o!ra, .undamentado em
&uantitati#os de ser#iços e .ornecimentos propriamente a#aliadosH
X ; ProIeto *4ecuti#o ; o conIunto dos elementos necess"rios e
su.icientes 6 e4ecução completa da o!ra, de acordo com as normas
pertinentes da Associação Nrasileira de 'ormas @/cnicas ; AN'@H
XI ; Administração P!lica
D>
;
DD
a administração direta e indireta da
)nião, dos *stados, do +istrito Federal e dos ,unic-pios, a!rangendo
inclusi#e as entidades com personalidade Iur-dica de direito pri#ado so!
controle do poder p!lico e das .undações por ele institu-das ou mantidas
D7
H
65Art. D? ( Con.orme +ecisão n? 3>8CBE, pu!licada no +%) de 88.GD.BE, p.1B, deli!erou;se ao
L:uperior @ri!unal de Pustiça &ue, em o!ser#9ncia ao princ-pio da legalidade, não mais inclua nos seus
editais de licitação cl"usula impediti#a de participação, no respecti#o certame, de interessados
e#entualmente apenados por outro <rgão ou entidade da Administração P!lica 0art. D?, inciso XI, da
7ei n? E.DDDCB32, com a sanção pre#ista no art. E7, inciso III, desse diploma legal, ou, ainda, &ue
tenKam tido seus contratos .irmados com os mencionados <rgãos e entidades, rescindidos com .ulcro
nos incisos I a IO do art. 7E da re.erida 7ei.M
66Art. D
?
( +ecisão n. 3G8C8GG1, pu!licada no +%) de G1.GD.8GG1, p. 1D=. A 7ei n. E.DDDCB3 di.erencia
os termos LAdministraçãoM e LAdministração P!licaM, em seu art. D
?
, limitando a interpretação deste
ltimo 6 entidade preIudicada com o não cumprimento das cl"usulas contratuais. 'o mesmo sentido, as
+ecisões ns. 38>CBE e >8CBB, nas &uais o Plen"rio do @ri!unal se pronunciou a respeito da &uestão,
entendendo &ue a sanção pre#ista no inciso III, do art. E7, da 7ei n. E.DDDCB3 0suspensão tempor"ria de
participação em licitação2, de#er" .icar adstrita, tão somente, ao <rgão &ue a aplicou. % ,in. Rela.
Uum!erto Auimarães :outo, ao decidir o @C 3>G.3=1C1BB7;=, entendeu constituir restrição ao car"ter
competiti#o do certame licitat<rio, a inclusão de cl"usula no edital o!stando a participação de empresas
&ue se en&uadrem na situação a!ordada, &uando realiFado por entes da administração di#ersos da&uele
&ue sancionou o .ornecedor.
67Art. D
?
( +ecisão n. 31=C8GG1, pu!licada no +%) de 8=.G1.8GG8. @omada de Contas. Contratação,
por dispensa de licitação, com !ase no art. 8=, inciso XOI, da 7ei n. E.DDDCB3, de empresa &ue não tem
como .im espec-.ico prestar ser#iços de in.orm"tica para pessoa Iur-dica de direito p!lico interno. 'o
#oto pro.erido pelo ,in. Relator Augusto :Kerman Ca#alcanti, destaca;se &ue( L'ão !astasse a clara
dicção do inciso, a correção do entendimento per.ilKado pelo <rgão instruti#o / atestado pela doutrina.
+iscorrendo acerca do inciso XOI do art. 8=, asse#erou a pro.essora ,aria :Tl#ia \anella +i Pietro(
esta Kip<tese #eio a permitir a dispensa de licitação nas contratações com as entidades a!rangidas no
conceito do art. D
o
, inciso XI, desde &ue estas tenKam sido criadas com o o!Ieti#o 0inserido em sua lei
instituidora2 de prestar os ser#iços indicados no inciso XOI 6 pessoa Iur-dica de direito p!lico interno.
*sse inciso s< #ai permitir a dispensa de licitação nos contratos entre, de um lado, pessoas Iur-dicas de
direito p!lico 0)nião, *stados, ,unic-pios, +istrito Federal, @errit<rios, autar&uias e .undações
p!licas2 e, de outro, entidades da Administração P!lica, direta ou indireta 0art. D
?
, XI2, &ue seIam do
mesmo n-#el do go#erno, por&ue ningu/m #ai criar um ente para prestar !ens ou ser#iços a pessoas
Iur-dicas de outras es.eras de go#erno. ,arçal Pusten FilKo entende &ue as pre#isões dos incisos OIII e
XOI do art. 8= da lei n. E.DDDCB3 não se re.erem 6s ati#idades &ue desen#ol#em ati#idade econ5mica,
mas tão somente 6s prestadoras de ser#iço p!lico. Considerando &ue a disciplina do inciso OIII se
aplica integralmente ao inciso XOI 0c.. Coment"rios 6 7ei de 7icitações e Contratos Administrati#os,
E
a
. ed., :ão Paulo, +ial/tica, 8GGG, p. 8>72, o!ser#a o doutrinador, &uanto 6&ueloutro dispositi#o( @em;
XII ; Administração
DE
; <rgão, entidade ou unidade administrati#a
pela &ual a Administração P!lica opera e atua concretamenteH
XIII ; Imprensa o.icial ; #e-culo o.icial de di#ulgação da
Administração P!lica, sendo para a )nião o +i"rio %.icial da )nião, e,
para os *stados, o +istrito Federal e os ,unic-pios, o &ue .or de.inido nas
respecti#as leis. 0Redação dada ao inciso XIII pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
XIO ; Contratante ; / o <rgão ou entidade signat"ria do instrumento
contratualH
XO ; Contratado ; a pessoa .-sica ou Iur-dica signat"ria de contrato
com a Administração P!licaH
XOI ; Comissão ; comissão, permanente ou especial, criada pela
Administração com a .unção de rece!er, e4aminar e Iulgar todos os
documentos e procedimentos relati#os 6s licitações e ao cadastramento de
licitantes
DB
.
SEÇ#O III
DAS OG"AS E SE"CIÇOS
se de reputar &ue a regra do inciso OIIII apenas pode re.erir;se a contratações entre a Administração
direta e entidades a elas #inculadas, prestadoras de ser#iço p!lico 0o &ue a!range tanto as prestadoras
de ser#iço p!lico propriamente ditas como as &ue dão suporte 6 Administração P!lica2. A regra não
d" guarida a contratações da Administração P!lica com entidades administrati#as &ue desempenKem
ati#idade econ5mica em sentido estrito. :e o inciso OIII pretendesse autoriFar contratação direta no
9m!ito de ati#idades econ5micas, estaria caracteriFada a inconstitucionalidade. S &ue as entidades
e4ercentes de ati#idade econ5mica estão su!ordinadas ao disposto no art. 173, R 1
o
, da CFCEE. +a-
decorre a su!missão ao mesmo regime reser#ado para os particulares. 'ão / permitido &ual&uer
pri#il/gio nas contratações dessas entidades. 7ogo, não poderiam ter a garantia de contratar direta e
pre.erencialmente com as pessoas de direito p!lico. Isso seria assegurar;lKes regime incompat-#el
com o princ-pio da isonomia. Portanto, o inc. OIII d" respaldo a contratação direta entre a pessoa de
direito p!lico e a entidade por ela criada, cuIo o!Ieto seIa a prestação de ser#iços p!licos 0em sentido
amplo2. o &ue a!range tanto o ser#iço p!lico propriamente dito como as ati#idades de suporte
administrati#oM.
68Art. D
?
( +ecisão n. 3G8C8GG1, pu!licada no +%) de G1.GD.8GG1, p. 1D=. A 7ei n. E.DDDCB3 di.erencia
os termos LAdministraçãoM e LAdministração P!licaM, em seu art. D
?
, limitando a interpretação deste
ltimo 6 entidade preIudicada com o não cumprimento das cl"usulas contratuais. 'o mesmo sentido, as
+ecisões ns. 38>CBE e >8CBB, nas &uais o Plen"rio do @ri!unal se pronunciou a respeito da &uestão,
entendendo &ue a sanção pre#ista no inciso III, do art. E7, da 7ei n. E.DDDCB3 0suspensão tempor"ria de
participação em licitação2, de#er" .icar adstrita, tão somente, ao <rgão &ue a aplicou. % ,in. Rela.
Uum!erto Auimarães :outo, ao decidir o @C 3>G.3=1C1BB7;=, entendeu constituir restrição ao car"ter
competiti#o do certame licitat<rio, a inclusão de cl"usula no edital o!stando a participação de empresas
&ue se en&uadrem na situação a!ordada, &uando realiFado por entes da administração di#ersos da&uele
&ue sancionou o .ornecedor.
DB
Art. D
o
( +ecisão n. E>>C8GG8, pu!licada no +%) de 31.G7.8GG8. Representação de licitante. 7icitação
para a&uisição de mo!ili"rio destinado a di#ersas ag$ncias da Cai4a *con5mica Federal. Identi.icação
de .alKas na condução do procedimento licitat<rio. Con.iguração de #-cios de natureFa .ormal. 'a
an"lise e.etauda pelo :r. +iretor :u!stituto transcre#e;se o seguinte( L11. A Iurisprud$ncia desta Casa
nos mostra &ue suplentes de mem!ros de Comissão de 7icitação s< são apenados &uando compro#ada
sua contri!uição para as irregularidades praticadas. Citamos, por e4emplo, o Ac<rdão n. 3G3C8GG1 3
Plen"rio, pro.erido nos autos do @C n. D>G.813C1BB7;1, :essão de 11.18.8GG1M.
A$%. 7º. As licitações para a e4ecução de o!ras e para a prestação de
ser#iços o!edecerão ao disposto neste artigo e, em particular, 6 seguinte
se&]$ncia(
I ; proIeto !"sicoH
II ; proIeto e4ecuti#oH
III ; e4ecução das o!ras e ser#iços.
R 1?. A e4ecução de cada etapa ser" o!rigatoriamente precedida da
conclusão e apro#ação, pela autoridade competente, dos tra!alKos
relati#os 6s etapas anteriores, 6 e4ceção do proIeto e4ecuti#o, o &ual
poder" ser desen#ol#ido concomitantemente com a e4ecução das o!ras e
ser#iços, desde &ue tam!/m autoriFado pela Administração.
R 8?. As o!ras e os ser#iços somente poderão ser licitados &uando(
I ; Kou#er proIeto !"sico apro#ado pela autoridade competente e
dispon-#el para e4ame dos interessados em participar do processo
licitat<rioH
II ; e4istir orçamento detalKado em planilKas &ue e4pressem a
composição de todos os seus custos unit"rios
7G
;
71
H
III ; Kou#er pre#isão de recursos orçament"rios &ue assegurem o
pagamento das o!rigações decorrentes de o!ras ou ser#iços a serem
e4ecutadas no e4erc-cio .inanceiro em curso, de acordo com o respecti#o
cronogramaH
IO ; o produto dela esperado esti#er contemplado nas metas
esta!elecidas no Plano Plurianual de &ue trata o art. 1D> da Constituição
Federal
78
, &uando .or o caso.
7G
Art. 7?( +ecisão n? 3=1C8GGG, pu!licada no +%) de 1G.G>.8GGG, p. 7G. @omada de Preços #isando a
contratação de ser#iços de consultoria e engenKaria de a#aliações, #oltada 6 a#aliação patrimonial de
seus !ens pass-#eis de sinistros, para .ins de contratação de seguros. 'o *dital não constou o #alor
orçado, tendo por Iusti.icati#a do <rgão licitante o .ato de &ue Lnão Ka#ia par9metro comparati#o de
preço, .icando assim, impossi!ilitado de estimar, de .orma apro4imada, o #alor o!Ieto desta
contratação. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante L&ue o!ser#e, nos pr<4imos processos licitat<rios
&ue #ier a instaurar, o cumprimento do disposto no inciso II, par"gra.o 8?, do art. 7
?
e no art. 1>, da 7ei
n? E.DDDCB3, e.etuando pre#iamente 6 licitação, pes&uisa de preços e, no caso de o!ras e ser#iços,
ela!orando orçamento detalKado em planilKas &ue e4pressem a composição de todos os seus custos
unit"rios, de modo a propiciar 6 Comissão de 7icitação meios de an"lise da con.ormidade das
propostas das licitantes com os .i4ados por <rgão o.icial competente, ou com os preços de mercado,
nos termos do inciso IO, do art. =3, da citada 7ei.
71
Art. 7
o
( +ecisão 3B=C8GG1, pu!licada no +%) de 81.11.8GG1, p. 813.Representação .ormulada por
licitante, diante da e4ist$ncia de #"rias irregularidades na contratação de ser#iços gr".icos. % @ri!unal
determinou &ue se realiFe licitações somente &uando Kou#er orçamento detalKado em planilKas &ue
e4pressem o custo do o!Ieto a ser licitado, realiFando, tam!/m, pes&uisa de preos &ue permita
comparar a compati!ilidade dos preços propostos com os praticados no mercado.
78
Art. 7?( A$%. 16?, &' C()*%+%,+-.( /0&0$'12 Q7eis de iniciati#a do Poder *4ecuti#o esta!elecerão(
I 3 o plano plurianualH
II 3 as diretriFes orçament"riasH
III 3 os orçamentos anuais.
R 1? A lei &ue instituir o plano plurianual esta!elecer", de .orma regionaliFada, as diretriFes, o!Ieti#os e
metas da administração p!lica .ederal para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as
R 3?. S #edado incluir no o!Ieto da licitação a o!tenção de recursos
.inanceiros para sua e4ecução, &ual&uer &ue seIa a sua origem, e4ceto nos
casos de empreendimentos e4ecutados e e4plorados so! o regime de
concessão, nos termos da legislação espec-.ica.
R =?. S #edada, ainda, a inclusão, no o!Ieto da licitação, de
.ornecimento de materiais e ser#iços sem pre#isão de &uantidades ou
cuIos &uantitati#os não correspondam 6s pre#isões reais do proIeto !"sico
ou e4ecuti#o.
R >?. S #edada a realiFação de licitação cuIo o!Ieto inclua !ens e
ser#iços sem similaridade ou de marcas
73
;
7=
, caracter-sticas e
especi.icações e4clusi#as, sal#o nos casos em &ue .or tecnicamente
Iusti.ic"#el, ou ainda &uando o .ornecimento de tais materiais e ser#iços
.or .eito so! o regime da administração contratada, pre#isto e
discriminado no ato con#ocat<rio
7>
.
R D?. A in.ring$ncia do disposto neste artigo implica a nulidade dos
atos ou contratos realiFados e a responsa!ilidade de &uem lKes tenKa dado
causa.
R 7?. 'ão ser" ainda computado como #alor da o!ra ou ser#iço,
para .ins de Iulgamento das propostas de preços, a atualiFação monet"ria
das o!rigações de pagamento, desde a data .inal de cada per-odo de
relati#as aos programas de duração continuada.
73Art. 7
?
( +ecisão n. 1.D88C8GG8, pu!licada no +%) de GB.18.8GG8, p.83>. Pregão para a a&uisição de
materiais de in.orm"tica. Representação contra a e4ig$ncia de apresentação de 7audo e4pedido por
entidade de reconKecida idoneidade &ue compro#asse o !om .uncionamento do cartucKo o.ertado. %
@ri!unal entendeu &ue a e4ig$ncia edital-cia em &uestão não representou a.ronta ao car"ter ison5mico
da licitação, não con.igurando, outrossim, &ual&uer pre.er$ncia ou indicação de marca, nos moldes do
paradigma in#ocado. Ao e4igir atestado de tal natureFa, o gestor apenas procurou assegurar a
indenidade dos e&uipamentos de seu par&ue de in.orm"tica, pre#enindo;se de e#entuais
incompati!ilidades e, so!retudo, da utiliFação de cartucKos de pro#eni$ncia du#idosa.

74Art. 7
?(
+ecisão n. 1.1BDC8GG8, pu!licada no +%) de 8>.GB.8GG8. Representação .ormulada por
licitante contra decisão da Comissão *special de 7icitação da CompanKia 'acional de A!astecimento 3
C%'AN 3 por ocasião de Pregão realiFado para a a&uisição de cartucKos para impressoras. % @ri!unal
determinou ao <rgão &ue o!ser#e o disposto no art. 7
?
, R >
o
, da 7ei n. E.DDDCB3, assim como o
entendimento deste @ri!unal .irmado em :essão Plen"ria de 8B.GE.8GG1 0+ecisão n. DD=C8GG1, Ata
3>C8GG12, no sentido de &ue, &uando se tratar de o!Ieto com caracteristicas e especi.icações e4clusi#as,
a Iusti.icati#a para a indicação de marca, para .ins de padroniFação, seIa .undamentada em raFões de
ordem t/cnica, as &uais de#em, necessariamente, constar no processo respecti#o, in#ocando, sempre
&ue poss-#el, a .aculdade pre#ista no art. 7> do mesmo diploma legal.

75Art. 7
?
( +ecisão n. DD=C8GG1, pu!licada no +%) de 1=.11.8GG1. Representação em raFão de
alegadas irregularidades em Carta Con#ite, para a a&uisição de LtonerM para impressoras. % @ri!unal
tem se mani.estado no sentido de &ue pode Ka#er indicação de marca, para e.eito de padroniFação,
podendo at/ mesmo .undamentar a ine4igi!ilidade de licitação, desde &ue a mesma seIa .ormalmente
Iusti.icada, inclusi#e &uanto ao preço e rati.icada pela autoridade competente. @oda#ia, a Iusti.icati#a
para a indicação de marca de#e .undamentar;se em raFões de ordem t/cnica. Alegar o princ-pio da
padroniFação como argumento para limitar a participação dos o.ertantes em procedimento licitat<rio,
ou mesmo para declar";lo ine4ig-#el, re&uer Iusti.icação o!Ieti#a dos moti#os &ue le#am o
administrador a essa conclusão.
a.erição at/ a do respecti#o pagamento, &ue ser" calculada pelos mesmos
crit/rios esta!elecidos o!rigatoriamente no ato con#ocat<rio
7D
.
R E?. ^ual&uer cidadão poder" re&uerer 6 Administração P!lica os
&uantitati#os das o!ras e preços unit"rios de determinada o!ra e4ecutada.
R B?. % disposto neste artigo aplica;se, tam!/m, no &ue cou!er, aos
casos de dispensa e de ine4igi!ilidade de licitação.
A$%. 8º. A e4ecução das o!ras e dos ser#iços de#e programar;se,
sempre, em sua totalidade, pre#istos seus custos atual e .inal e
considerados os praFos de sua e4ecução.
Par"gra.o nico. S proi!ido o retardamento imoti#ado da e4ecução
de o!ra ou ser#iço, ou de suas parcelas, se e4istente pre#isão orçament"ria
para sua e4ecução total, sal#o insu.ici$ncia .inanceira ou compro#ado
moti#o de ordem t/cnica, Iusti.icados em despacKo circunstanciado da
autoridade a &ue se re.ere o artigo 8D desta 7ei. 0Redação dada ao
par"gra.o nico pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
A$%. 9º. 'ão poder" participar, direta ou indiretamente, da licitação
ou da e4ecução de o!ra ou ser#iço e do .ornecimento de !ens a eles
necess"rios(
I ; o autor do proIeto, !"sico ou e4ecuti#o, pessoa .-sica ou
Iur-dica
77
H
II ; empresa, isoladamente ou em cons<rcio, respons"#el pela
ela!oração do proIeto !"sico ou e4ecuti#o ou da &ual o autor do proIeto
seIa dirigente, gerente, acionista ou detentor de mais de >V 0cinco por
cento2 do capital com direito a #oto ou controlador, respons"#el t/cnico
ou su!contratadoH
76Art. 7
?
( Oide o +ecreto 1.G>=, de G7.G8.1BB=, com a redação dada pelo +ecreto 1.11G, de
13.G=.1BB=, &ue regulamenta o reaIuste de preços nos contratos da Administração P!lica Federal
direta e indireta e d" outras pro#id$ncias.
77Art. B
o
( +ecisão n. =D3C8GG1, pu!licada no +%) de 87.GE.G1, p. 1BD, tendo por o!Ieto relat<rio de
auditoria. 'o #oto pro.erido pelo I. ,in. Relator )!iratan Aguiar, destaca;se &ue L&uanto 6
su!contratação, pelo Cons<rcio #encedor da licitação, da empresa autora do proIeto !"sico para
e4ecutar o proIeto e4ecuti#o e o gerenciamento da o!ra, o!ser#o &ue as #edações do art. B
?
deri#am dos
princ-pios da moralidade p!lica e da isonomia, pois o!Ieti#am a.astar do certame pessoas .-sicas ou
Iur-dicas &ue detenKam in.ormações pri#ilegiadas. S e#idente &ue o autor do proIeto !"sico dispõe de
conKecimentos concernentes a detalKes da estrutura e de custos da o!ra &ue lKe permite participar do
certame com #antagem relati#a aos demais concorrentesM.
III ; ser#idor
7E
ou dirigente de <rgão ou entidade contratante ou
respons"#el pela licitação
7B
.
R 1?. S permitida a participação do autor do proIeto ou da empresa a
&ue se re.ere o inciso II deste artigo, na licitação de o!ra ou ser#iço, ou na
e4ecução, como consultor ou t/cnico, nas .unções de .iscaliFação,
super#isão ou gerenciamento, e4clusi#amente a ser#iço da Administração
interessada.
R 8?. % disposto neste artigo não impede a licitação ou contratação
de o!ra ou ser#iço &ue inclua a ela!oração de proIeto e4ecuti#o como
encargo do contratado ou pelo preço pre#iamente .i4ado pela
Administração.
R 3?. Considera;se participação indireta, para .ins do disposto neste
artigo, a e4ist$ncia de &ual&uer #-nculo de natureFa t/cnica, comercial,
econ5mica, .inanceira ou tra!alKista entre o autor do proIeto, pessoa .-sica
ou Iur-dica, e o licitante ou respons"#el pelos ser#iços, .ornecimentos e
o!ras, incluindo;se os .ornecimentos de !ens e ser#iços a estes
necess"rios.
R =?. % disposto no par"gra.o anterior aplica;se aos mem!ros da
comissão de licitação
EG
.
A$%. 10. As o!ras e ser#iços poderão ser e4ecutadas nas seguintes
.ormas( 0Redação dada ao QcaputQ e inciso II pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
78Art. B
?
( LA circunst9ncia de uma empresa possuir um diretor como suplente de deputado não a
impede de participar de concorr$ncias p!licas em igualdade de condições com outras empresasM.
0Apelação C-#el n. 1>7.GE7;>C>, :ão Paulo, 8
a
. C9mara de +ireito P!lico, G>.11.8GG8, #.u., rel. Alo-sio
de @oledo C/sar2.
79Art. B?( +ecisão n? 133CB7, pu!licada no +%) de 1>.G=.B7, p. 7==1, tendo por o!Ieto as
Representações .ormuladas por pessoas Iur-dicas com .ulcro no art. 113, R 1?, da 7ei E.DDDCB3.
Participação de ser#idores do I'P* na Concorr$ncia n? G8CBD;:@P, na &ualidade de contratados de
empresa su!contratada do nico licitante a atender ao cKamado edital-cio. Proced$ncia. In.ring$ncia ao
art. B?, inciso III, da 7ei E.DDDCB3. % :r. ,inistro Nento Pos/ Nugarin asse#erou &ue Qo #-cio a
macular o processo consiste essencialmente na participação dos ser#idores como contratados do nico
licitante. Nasta &ue o interessado seIa ser#idor ou dirigente do <rgão ou entidade contratante para &ue
esteIa impedido de participar, direta ou indiretamente, de licitação a ser realiFada....+esta .orma, não
Ka#endo como, se&uer, admitir a participação de ser#idores na licitação, não K" &ue se .alar em
regulariFação de proposta contendo esse #-cio. % interessado impedido de licitar de#e ser sumariamente
eliminado do certame, não se lKe permitindo participar das .ases posteriores do procedimento
licitat<rio.M Fi4ação de praFo para &ue o <rgão adote as pro#id$ncias necess"rias ao e4ato cumprimento
da lei, consistentes na anulação do aludido procedimento licitat<rio. Ci$ncia aos interessados.M
80Art. B
?
( +ecisão n. E>>C8GG8, pu!licada no +%) de 31.G7.8GG8. Representação de licitante.
7icitação para a&uisição de mo!ili"rio destinado a di#ersas ag$ncias da Cai4a *con5mica Federal.
Identi.icação de .alKas na condução do procedimento licitat<rio. Con.iguração de #-cios de natureFa
.ormal. 'a an"lise e.etauda pelo :r. +iretor :u!stituto transcre#e;se o seguinte( L11. A Iurisprud$ncia
desta Casa nos mostra &ue suplentes de mem!ros de Comissão de 7icitação s< são apenados &uando
compro#ada sua contri!uição para as irregularidades praticadas. Citamos, por e4emplo, o Ac<rdão n.
3G3C8GG1 3 Plen"rio, pro.erido nos autos do @C n. D>G.813C1BB7;1, :essão de 11.18.8GG1M.
I ; e4ecução diretaH
II ; e4ecução indireta, nos seguintes regimes(
a2 empreitada por preço glo!alH
!2 empreitada por preço unit"rio
E1
H
c2 0O*@A+%2
d2 tare.aH
e2 empreitada integral.
Par"gra.o nico. 0O*@A+%2
A$%. 11. As o!ras e ser#iços destinados aos mesmos .ins terão
proIetos padroniFados por tipos, categorias ou classes, e4ceto &uando o
proIeto;padrão não atender 6s condições peculiares do local ou 6s
e4ig$ncias espec-.icas do empreendimento.
A$%. 12. 'os proIetos !"sicos e proIetos e4ecuti#os de o!ras e
ser#iços serão considerados principalmente os seguintes re&uisitos(
0Redação dada ao QcaputQ pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
I ; segurançaH
II ; .uncionalidade e ade&uação ao interesse p!licoH
III ; economia na e4ecução, conser#ação e operaçãoH
IO ; possi!ilidade de emprego de mão;de;o!ra, materiais,
tecnologia e mat/rias;primas e4istentes no local para e4ecução,
conser#ação e operaçãoH
O ; .acilidade na e4ecução, conser#ação e operação, sem preIu-Fo
da dura!ilidade da o!ra ou do ser#içoH
OI ; adoção das normas t/cnicas, de sade e de segurança do
tra!alKo ade&uadasH 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
OII ; impacto am!iental.
SEÇ#O IC
DOS SE"CIÇOS TJCNICOS P"O/ISSIONAIS
ESPECIALITADOS
81Art. 1G( Con.orme +ecisão n? 3E1CBE, pu!licada no +%) de G8.G7.BE, p.D=, oriunda de
Representação de duas concorrentes &ue participaram da Concorr$ncia n? G1B3CBD ;+'*R, para a
prestação de ser#iços de assist$ncia odontol<gica, em n-#el nacional, deli!erou o @ri!unal ao <rgão
licitante &ue de#er" Ladmitir, o!rigatoriamente, nas licitações onde o o!Ieto .or de natureFa di#is-#el,
sem preIu-Fo do conIunto ou do comple4o, como / o caso de ser#iço de assist$ncia odontol<gica, a
adIudicação por itens de ser#iço e não pelo preço glo!al, com #istas ao melKor apro#eitamento dos
recursos dispon-#eis no mercado e 6 ampliação da competiti#idade entre empresas &ue, em!ora não
disponKam de capacidade de e4ecução da totalidade do o!Ieto, possam, contudo, .aF$;lo com re.er$ncia
a esses itens. 0A esse respeito, #ide, tam!/m, a +ecisão n? 3B3CB=;@C);Plen"rio, Ata n? 87CB=, :essão
de 1>.GD.B=, in +%) de 8B.GD.B=, p.B.D882M.
A$%. 13. Para os .ins desta 7ei, consideram;se ser#iços t/cnicos
pro.issionais especialiFados
E8
;
E3
os tra!alKos relati#os a(
I ; estudos t/cnicos, planeIamentos e proIetos !"sicos ou
e4ecuti#osH
II ; pareceres, per-cias e a#aliações em geralH
III ; assessorias ou consultorias t/cnicas e auditorias .inanceiras ou
tri!ut"riasH 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
IO ; .iscaliFação, super#isão ou gerenciamento de o!ras ou
ser#içosH
82Art. 13( LRessalta;se &ue a mat/ria, contratação de pro.issionais li!erais, desde a edição do
+ecreto;lei n. 8.3GGCED at/ a atual 7ei n. E.DDDCB3, tem suscitado nesta Corte de Contas inmeras
deli!erações, antecedidas de amplos de!ates acerca do assunto, tendo em #ista o alto grau de
su!Ieti#idade &ue en#ol#e a conceituação dos temas relacionados 3 singularidade e not<ria
especialiFação. :istematicamente, essa suposta su!Ieti#idade ser#ia de .undamento para declarar
ine4ig-#eis todas as contratações de ser#iços &ue reca-ssem so!re a&ueles enumerados no art.13 da
citada 7ei n. E.DDDCB3. @oda#ia, acertadamente, este @ri!unal #em esclarecendo e alertando os agentes e
entidades p!licas &ue, ainda &ue a contratação recaia so!re os ser#iços enumerados no art.13 da citada
lei, a ine4igi!ilidade de licitação se caracteriFa somente &uando Kou#er Iusti.icada in#ia!ilidade de
competiçãoM 0AC GG83C8GGG;@C( B8>.87=;=, AC GG=>CB=;P 3 @C( G88.8B8CB8;D, AC G1>7CB=;P 3 @C(
>GG.8G>CB>;8, apud @C G1=.G87CBB;82.
E3
Art. 13( +ecisão n. 38GC8GG8, pu!licada no +%) de 1D.G>.8GG8. Pedido de Ree4ame. 'o relat<rio da
Auditoria 0o &ual .oi con.irmado pela decisão do ,inistro Relator2, e4trai;se o entendimento .irmado
por Celso Antonio Nandeira de ,elo 0in Curso de +ireito Administrati#o, 11
a
. edição, 1BBB, p. 1EE2,
em &ue( Lparece;nos certo &ue, para compor;se a ine4igi!ilidade concernente aos ser#iços arrolados no
art. 13, cumpre tratar;se de ser#iço cuIa singularidade seIa rele#ante para a Administração 0e &ue o
contratado possua not<ria especialiFação2. :e assim não .osse, ine4istiria raFão para a lei Ka#er
mencionado Yde natureFa singularY, logo ap<s a re.er$ncia .eita aos ser#iços arrolados no art. 13 0....2.
*m suma( a singularidade / rele#ante e um ser#iço de#e ser Ka#ido como singular &uando nele tem de
inter.erir, como re&uisito de satis.at<rio atendimento da necessidade administrati#a, um componente
criati#o de seu autor, en#ol#endo o estilo, o traço, a engenKosidade, a especial Ka!ilidade, a
contri!uição intelectual, art-stica ou a argcia de &uem o e4ecuta, atri!utos estes &ue são precisamente
os &ue a Administração reputa con#enientes e necessita para a satis.ação do interesse p!lico Yem causa
YM.
O ; patroc-nio ou de.esa de causas Iudiciais ou administrati#as
E=
;
E>
;
ED
;
E7
H
OI ; treinamento e aper.eiçoamento de pessoalH
OII ; restauração de o!ras de arte e !ens de #alor Kist<ricoH
OIII ; 0O*@A+%2.
R 1?. Ressal#ados os casos de ine4igi!ilidade de licitação, os
contratos para a prestação de ser#iços t/cnicos pro.issionais
especialiFados de#erão, pre.erencialmente, ser cele!rados mediante a
realiFação de concurso, com estipulação pr/#ia de pr$mio ou
remuneração.
84Art. 13( +ecisão n. 1B1C8GGG, pu!licada no +%) de GD.G7.8GGG, p.D1CD8, oriunda de
Representação, cuIo o!Ieto .oi o e4ame da ine4igi!ilidade de licitação para a contratação de ser#iços
pro.issionais de ad#ocacia. % ,inistro Relator Uum!erto Auimarães :outo mencionou, em seu #oto,
Iurisprud$ncia do @ri!unal so!re a mat/ria, em &ue pre#alece o entendimento de &ue(
L ; a circunst9ncia de entidade p!lica ou <rgão go#ernamental contar com &uadro pr<prio de
ad#ogados não constitui impedimento legal a contratar ad#ogado particular para prestar;lKe ser#iços
espec-.icos, desde &ue a natureFa e as caracter-sticas de singularidade e de comple4idade desses
ser#iços seIa de tal ordem &ue se e#idencie não poderem ser normalmente e4ecutados pelos
pro.issionais de seus pr<prios &uadros, Iusti.icando;se, portanto, a contratação de pessoa cuIo o n-#el
de especialiFação a recomende para a causaH
; o e4ame da oportunidade e da con#i#$ncia 0:IC2 de e.etuar tal contratação compete ao administrador,
a &uem ca!e analisar e decidir, diante da situação concreta de cada caso, se de#e promo#er a
contratação de pro.issional cuIos conKecimentos, renome e grau de especialiFação seIam essenciais
para a de.esa do interesse p!lico &ue lKe ca!e resguardar e &ue não encontrem paralelo entre os
ad#ogados do &uadro de pessoal da entidade so! sua responsa!ilidadeH
; a contratação de#e ser .eita entre ad#ogados pr/;&uali.icados como os mais aptos a prestar ser#iços
especialiFados &ue se pretende o!terH
; a contratação de#e ser cele!rada estritamente para a prestação de ser#iço espec-.ico e singular, não se
Iusti.icando, portanto, .irmar contratos da esp/cie #isando 6 prestação de ser#iços de .orma continuada
0+ecisão n. =B=C1BB= 3 Plen"rio 3 Ata n. 3D, pro.erida no @C G1B.EB3C1BB3;G2M.

85Art. 13( % @ri!unal de Stica da %AN, no Processo *;8.3B= 0em parecer e ementa da rel. +ra. ,aria
do Carmo _KitaJer, re#. +r. AuilKerme Florindo Figueiredo e presidente +r. Ro!ison Naroni2 assim se
mani.estou( L% +ecreto 3.>>>CGG, &ue apro#a o regulamento para a modalidade de licitação
denominada pregão, #isando 6 a&uisição de !ens e ser#iços comuns, não elenca, dentre os ser#iços
comuns, a prestação dos ser#iços de Ad#ocacia. *ste @ri!unal tem entendido &ue para a contratação de
ad#ogados as empresas p!licas não estão suIeitas a promo#er licitação. A Ad#ocacia / e de#e ser
encarada como ser#iço de alta especialiFação, al/m do car"ter de irrestrita con.iança &ue de#e nortear o
relacionamento dela decorrente. A .im de e#idenciar transpar$ncia, a entidade go#ernamental pode
optar pela licitação, por/m Iamais so! a .orma de pregão, a#iltante e e4ecr"#el para a contratação dos
ser#iços ad#ocat-cios e esta!elecimento de Konor"rios. Uonor"rios sugerem Konra e esta não pode ser
su!missa a pregõesM.
86Art. 13( +ecisão >13C8GG8, pu!licada no +%) de 8=.1G.8GG8, pgs. 1B8C1B=. Con.irmou;se +ecisão
anteriormente pro.erida, no sentido de ser e4ig-#el a licitação para a prestação de ser#iços de ad#ocacia
sem a not<ria especialiFação. % o!Ieto do contrato em &uestão era !astante amplo, en#ol#endo desde
assuntos corri&ueiros da "rea de pessoal at/ o contencioso tra!alKista do IRN. +essa .orma, o @ri!unal
entendeu &ue não se en&uadra#am tais ser#iços como ser#iços de not<ria especialiFação, nem,
tampouco, em in#ia!ilidade de competição, para contratação direta.

87Art. 13( A licitação dei4a de ser legalmente e4ig-#el para a contratação de ad#ogado de not<ria
especialiFação pelo crit/rio de con.iança depositada no pro.issional escolKido pelo administrador
0Apelação C-#el n. 1B8.G8B;>, :ão Carlos, >
a
. C9mara de +ireito P!lico, GB.G>.G8, #.u., Rel.
*mmanoel França2.
R 8?. Aos ser#iços t/cnicos pre#istos neste artigo aplica;se, no &ue
cou!er, o disposto no art. 111 desta 7ei.
R 3?. A empresa de prestação de ser#iços t/cnicos especialiFados
&ue apresente relação de integrantes de seu corpo t/cnico em
procedimento licitat<rio ou como elemento de Iusti.icação de dispensa ou
ine4igi!ilidade de licitação .icar" o!rigada a garantir &ue os re.eridos
integrantes realiFem pessoal e diretamente os ser#iços o!Ieto do contrato.
SEÇ#O C
DAS CO4P"AS
A$%. 14. 'enKuma compra ser" .eita sem a ade&uada caracteriFação
de seu o!Ieto e indicação dos recursos orçament"rios para seu pagamento,
so! pena de nulidade do ato e responsa!ilidade de &uem lKe ti#er dado
causa
EE
;
EB
.
A$%. 1?. As compras, sempre &ue poss-#el, de#erão
BG
(
I ; atender ao princ-pio da padroniFação, &ue imponKa
compati!ilidade de especi.icações t/cnicas e de desempenKo, o!ser#adas,
&uando .or o caso, as condições de manutenção, assist$ncia t/cnica e
garantia o.erecidas
B1
H
II ; ser processadas atra#/s de sistema de registro de preços
B8
H
88 Oer art. =G, inciso I.
89Art. 1=( +ecisão n. DG1C8GGG, pu!licada no +%) de 1>.GE.8GGG. Representação. :upostas
irregularidades na desclassi.icação de proposta, ante a e4ist$ncia de ind-cios de rigorismo .ormal da
Comissão de 7icitações. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue atente para a ade&uada de.inição
das especi.icações dos materiais ou e&uipamentos a serem ad&uiridos.
90Art. 1>( Ac<rdão n. 8.378C8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Relat<rio de Auditoria para
#eri.icação da regularidade das a&uisições de !ens e da contratação de ser#iços de in.orm"tica. %
@ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue .aça constar le#antamento e planeIamento pr/#ios
ade&uados nos processos de autoriFação de a&uisições de !ens, contratações de ser#iços e realiFação de
licitações, demonstrando Ka#er Iusti.icati#a consu!stanciada da necessidade, da con#eni$ncia e da
oportunidade da realiFação de tais atos administrati#os, tendo em #ista, entre outros aspectos, o
princ-pio da e.ici$ncia.
91Art. 1>( +ecisão n. 3E>C8GG8, pu!licada no +%) de 8D.G=.8GG8, p.1B>. Representação.
Ine4igi!ilidade de licitação para a a&uisição de mo!ili"rio, com .ulcro no art. 8>, inciso I, da 7ei n.
E.DDDCB3 e no princ-pio da padroniFação. :egundo Iurisprud$ncia do @ri!unal 0@C GGB.31BCBD;= 3
Ac<rdão n. 3GGCBE 3 1
a
. C9mara 3 Ata n. 83CBE2, a padroniFação pode at/ .undamentar a ine4igi!ilidade
de licitação, mas a in#ocação do princ-pio da padroniFação como argumento para estreitar o campo de
competição licitat<ria ou mesmo para declar";la ine4ig-#el re&uer Iusti.icação consu!stanciada e
o!Ieti#a dos moti#os e condições &ue, no caso concreto, conduFem o administrador 6 conclusão de &ue
sua preser#ação não se compati!iliFa com a realiFação de licitação ou &ue o certame, se realiFado, de#a
circunscre#er;se a e&uipamentos ou produtos de determinada proced$ncia.
92Art. 1>( % +ecreto 3.B31, de 1B de setem!ro de 8GG1, regulamentou o sistema de registro de
registro de preços, no 9m!ito da Administração Federal direta, aut"r&uica e .undacional, .undos
especiais, empresas p!licas, sociedade de economia mista e demais entidades controladas, direta ou
III ; su!meter;se 6s condições de a&uisição e pagamento
semelKantes 6s do setor pri#adoH
IO ; ser su!di#ididas em tantas parcelas &uantas necess"rias para
apro#eitar as peculiaridades do mercado, #isando economicidade
B3
;
B=
H
O ; !aliFar;se pelos preços praticados no 9m!ito dos <rgãos e
entidades da Administração P!lica.
R 1?. % registro de preços ser" precedido de ampla pes&uisa de
mercado
B>
.
R 8?. %s preços registrados
BD
serão pu!licados trimestralmente para
orientação da Administração, na imprensa o.icial.
R 3?. % sistema de registro de preços ser" regulamentado por
decreto
B7
, atendidas as peculiaridades regionais, o!ser#adas as seguintes
condições(
I ; seleção .eita mediante concorr$nciaH
II ; estipulação pr/#ia do sistema de controle e atualiFação dos
preços registradosH
III ; #alidade do registro não superior a um ano.
indiretamente pela )nião. Oide, tam!/m, o +ecreto =.3=8, de 83 de agosto de 8GG8.
B3
Art. 1>( Ac<rdão n. 1.3E7C8GG3, pu!licado no +%) de G=.G7.8GG3, p"gs. 1G>C1GD. Representação.
FalKas .ormais na realiFação de Concorr$ncia do +epartamento de *di.icações, Rodo#ias e @ransportes
do *stado do *sp-rito :anto, com Con#$nio com recursos do F)'P*' 3 ,inist/rio da Pustiça. %
@ri!unal determinou ao <rgão &ue proceda 6 adIudicação por itens ou promo#a licitações distintas no
caso de ser o o!Ieto licitado de natureFa di#is-#el, sem preIu-Fo do conIunto ou comple4o.
B=
Art. 1>( Con.orme +ecisão n? 3E1CBE, pu!licada no +%) de G8.G7.BE, p. D=, oriunda de Representação
de duas participantes do certame realiFado pelo +'*R, para contratação, na modalidade de
concorr$ncia, para prestação de ser#iços de assist$ncia odontol<gica, em n-#el nacional, asse#erou o
@ri!unal &ue de#e a&uele <rgão licitante Lna realiFação de procedimento licitat<rio ou mesmo na opção
pelo credenciamento de entidades e pro.issionais na .orma da +ecisão n? D>DCB>;@C);Plen"rio, a &ual,
nos termos da Ata n? >ECB>, :eção de GD.18.B>, +%) de 8E.18.B>, p.88.>=B, disp5s &ue Lna .alta de
regulamentação espec-.ica da mat/ria tratada no art. 83G, da 7ei n? E.118CBG, os <rgãos e entidades dos
Poderes *4ecuti#os, Pudici"rio e 7egislati#o poderão, a seu crit/rio, adotar sistema pr<prio para a
prestação de ser#iços de assist$ncia complementar 6 sade dos ser#idores, inclusi#e o de
credenciamento de pro.issionais e instituições m/dico;Kospitalares, com .ulcro no art. 8>, da 7ei n?
E.DDDCB3, o!ser#ados os princ-pios !"sicos da administração p!licaM, o!ser#e o princ-pio da
economicidade.M
B>
Art. 1>( % +ecreto 3.B31, de 1B de setem!ro de 8GG1, regulamentou o sistema de registro de registro
de preços, no 9m!ito da Administração Federal direta, aut"r&uica e .undacional, .undos especiais,
empresas p!licas, sociedade de economia mista e demais entidades controladas, direta ou
indiretamente pela )nião.
96Art. 1>( % +ecreto 3.B31, de 1B de setem!ro de 8GG1, regulamentou o sistema de registro de registro
de preços, no 9m!ito da Administração Federal direta, aut"r&uica e .undacional, .undos especiais,
empresas p!licas, sociedade de economia mista e demais entidades controladas, direta ou
indiretamente pela )nião.
97Art. 1>( % +ecreto 3.B31, de 1B de setem!ro de 8GG1, regulamentou o sistema de registro de
registro de preços, no 9m!ito da Administração Federal direta, aut"r&uica e .undacional, .undos
especiais, empresas p!licas, sociedade de economia mista e demais entidades controladas, direta ou
indiretamente pela )nião.
R =?. A e4ist$ncia de preços registrados não o!riga a Administração
a .irmar as contratações &ue deles poderão ad#ir, .icando;lKe .acultada a
utiliFação de outros meios, respeitada a legislação relati#a 6s licitações,
sendo assegurado ao !ene.ici"rio do registro pre.er$ncia em igualdade de
condições.
R >?. % sistema de controle originado no &uadro geral de preços,
&uando poss-#el, de#er" ser in.ormatiFado.
R D?. ^ual&uer cidadão / parte leg-tima para impugnar preço
constante do &uadro geral em raFão de incompati!ilidade desse com o
preço #igente no mercado.
R 7?. 'as compras de#erão ser o!ser#ados, ainda(
I ; a especi.icação completa do !em a ser ad&uirido sem indicação
de marca
BE
;
BB
;
1GG
H
II ; a de.inição das unidades e das &uantidades a serem ad&uiridas
em .unção do consumo e utiliFação pro#"#eis, cuIa estimati#a ser" o!tida,
sempre &ue poss-#el, mediante ade&uadas t/cnicas &uantitati#as de
estimaçãoH
III ; as condições de guarda e armaFenamento &ue não permitam a
deterioração do material.
BE
Art. 1>( +ecisão n. 1.D88C8GG8, pu!licada no +%) de GB.18.8GG8, p.83>. Pregão para a a&uisição de
materiais de in.orm"tica. Representação contra a e4ig$ncia de apresentação de 7audo e4pedido por
entidade de reconKecida idoneidade &ue compro#asse o !om .uncionamento do cartucKo o.ertado. %
@ri!unal entendeu &ue a e4ig$ncia edital-cia em &uestão não representou a.ronta ao car"ter ison5mico
da licitação, não con.igurando, outrossim, &ual&uer pre.er$ncia ou indicação de marca, nos moldes do
paradigma in#ocado. Ao e4igir atestado de tal natureFa, o gestor apenas procurou assegurar a
indenidade dos e&uipamentos de seu par&ue de in.orm"tica, pre#enindo;se de e#entuais
incompati!ilidades e, so!retudo, da utiliFação de cartucKos de pro#eni$ncia du#idosa.
99Art. 1>( +ecisão n. DD=C8GG1, pu!licada no +%) de 1=.11.8GG1. Representação em raFão de
alegadas irregularidades em Carta Con#ite, para a a&uisição de LtonerM para impressoras. % @ri!unal
tem se mani.estado no sentido de &ue pode Ka#er indicação de marca, para e.eito de padroniFação,
podendo at/ mesmo .undamentar a ine4igi!ilidade de licitação, desde &ue a mesma seIa .ormalmente
Iusti.icada, inclusi#e &uanto ao preço e rati.icada pela autoridade competente. @oda#ia, a Iusti.icati#a
para a indicação de marca de#e .undamentar;se em raFões de ordem t/cnica. Alegar o princ-pio da
padroniFação como argumento para limitar a participação dos o.ertantes em procedimento licitat<rio,
ou mesmo para declar";lo ine4ig-#el, re&uer Iusti.icação o!Ieti#a dos moti#os &ue le#am o
administrador a essa conclusão.
1GG
Art. 1>( +ecisão n. 1.1BDC8GG8, pu!licada no +%) de 8>.GB.8GG8, p"g.17B. Representação .ormulada
por licitante contra decisão da Comissão *special de 7icitação da CompanKia 'acional de
A!astecimento 3 C%'AN 3 por ocasião de Pregão realiFado para a a&uisição de cartucKos para
impressoras, em &ue .oi pre#ista &ue a a&uisção de cartucKos de#eria se dar le#ando em conta a marca
dos e&uipamentos &ue os utiliFam. % entendimento pac-.ico do @ri!unal / &ue a pre.er$ncia de marca
de#e .undamentar;se em raFões de ordem t/cnica. 'este mesmo sentido, destacamos a +ecisão
DD=C8GG1;Plen"rio, &ue, em id$ntico assunto, determinou 6 entidade &ue(M...nos processos licitat<rios,
a!stenKa;se de adotar pre.er$ncia de marca, a menos &ue seIa demonstrado, tecnicamente e de .orma
circunstanciada, &ue somente a&uela marca atende 6s necessidades espec-.icas da administração ...M. 'o
presente caso, o @ri!unal determinou &ue se o!ser#e a #edação 6 pre.er$ncia de marcas.
R E?. % rece!imento de material de #alor superior ao limite
esta!elecido no art. 83 desta 7ei, para a modalidade de con#ite, de#er" ser
con.iado a uma comissão de, no m-nimo, 3 0tr$s2 mem!ros.
A$%. 16. :er" dada pu!licidade, mensalmente, em <rgão de
di#ulgação o.icial ou em &uadro de a#isos de amplo acesso p!lico, 6
relação de todas as compras .eitas pela Administração direta ou indireta,
de maneira a clari.icar a identi.icação do !em comprado, seu preço
unit"rio, a &uantidade ad&uirida, o nome do #endedor e o #alor total da
operação, podendo ser aglutinadas por itens as compras .eitas com
dispensa e ine4igi!ilidade de licitação.
Par"gra.o nico. % disposto neste artigo não se aplica aos casos de
dispensa de licitação pre#istos no inciso IX do art. 8=. 0Redação dada ao
artigo pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2.
SEÇ#O CI
DAS ALIENAÇES
A$%. 17. A alienação de !ens da Administração P!lica,
su!ordinada 6 e4ist$ncia de interesse p!lico de#idamente Iusti.icados,
ser" precedida de a#aliação e o!edecer" 6s seguintes normas
1G1
(
'ota( Artigo regulamentado, no 9m!ito do :enado Federal, pela
Resolução :F n? >3, de 1G.GD.B7.
I ; &uando im<#eis, depender" de autoriFação legislati#a para
<rgãos da administração direta e entidades aut"r&uicas e .undacionais, e,
para todos, inclusi#e as entidades paraestatais, depender" de a#aliação
pr/#ia e de licitação na modalidade de concorr$ncia, dispensada esta nos
seguintes casos(
a2 dação em pagamentoH
!2 doação, permitida e4clusi#amente para outro <rgão ou entidade
da Administração P!lica, de &ual&uer es.era de go#erno, ressal#ado o
101Art. 17( LICITAÇ#O. ALIENAÇ#O DE TE""ENO. DI4ENSES IN/E"IO"ES SS
CONSTANTES DO EDITAL. INDENITAÇ#O. I4P"OCI4ENTO DA APELAÇ#O. *.etuada a
#enda em desacordo com as cl"usulas edital-cias, / l-cito ao comprador e4igir indeniFação pelos danos
da- resultantes. Apelo impro#ido 0@P+F e dos @errit<rios, =X. @. C-#elH AC. n. 8GGGG1>GG8G>8G3;+FH
Rel. +es. *ste#am ,aia, I. >.=.8GG=, #.u.2.
disposto na al-nea .
1G8
0Redação dada pela ,edida Pro#is<ria n. 33>, de
83.18.8GGD, art. 3?.2H
c2 permuta, por outro im<#el &ue atenda aos re&uisitos constantes
do inciso X do art. 8= desta 7eiH
d2 in#estiduraH
e2 #enda a outro <rgão ou entidade da Administração P!lica, de
&ual&uer es.era de go#ernoH 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
.2 alienação, concessão de direito real de uso, locação ou permissão
de uso de !ens im<#eis constru-dos e destinados ou e.eti#amente
utiliFados no 9m!ito de programas Ka!itacionais ou de regulariFação
.undi"ria de interesse social desen#ol#idos por <rgãos ou entidades da
administração p!lica
1G3
0Redação dada pela ,edida Pro#is<ria n. 33>, de
83.18.8GGD, art. 3?.2H
g2 procedimentos de legitimação de posse de &ue trata o art. 8B da
7ei no D.3E3, de 7 de deFem!ro de 1B7D, mediante iniciati#a e
deli!eração dos <rgãos da Administração P!lica em cuIa compet$ncia
legal inclua;se tal atri!uiçãoH
........................................................................................
R 8? ; A Administração tam!/m poder" conceder t-tulo de propriedade
ou de direito real de uso de im<#eis, dispensada licitação, &uando o uso
destinar;se(
I ; a outro <rgão ou entidade da Administração P!lica, &ual&uer &ue
seIa a localiFação do im<#elH
II ; a pessoa .-sica &ue, nos termos de lei, regulamento ou ato normati#o
do <rgão competente, KaIa implementado os re&uisitos m-nimos de
cultura e moradia so!re "rea rural situada na região da AmaF5nia 7egal,
de.inida no art. 8o da 7ei no >.173, de 87 de outu!ro de 1BDD, superior 6
legalmente pass-#el de legitimação de posse re.erida na al-nea g do inciso
I do caput deste artigo, atendidos os limites de "rea de.inidos por ato
normati#o do Poder *4ecuti#o.
1G8
Art. 17( % :upremo @ri!unal Federal, apreciando a A+In n. B87;3, proposta pelo *stado do Rio
Arande do :ul, ainda em sede de liminar, deu interpretação con.orme ao art. 17, I, N, da lei n. E.DDDCB3,
Lpara esclarecer &ue a #edação tem aplicação no 9m!ito da )nião Federal. Isso por&ue não se trata de
norma de car"ter geral so!re licitações e contratações, de compet$ncia da )nião e de o!rigat<ria
o!ser#9ncia para as demais es.eras de go#ernoH tratar;se;ia de norma espec-.ica, so!re a &ual poderiam
e podem os *stados e ,unic-pios dispor li#remente, no e4erc-cio de compet$ncia concorrenteM 0apud
N7C n. GB, setem!ro de 8GGD, p"gina B18, na citação da Ap C# n. 7GG1GGB7B=7;:P2.
1G3
Art. D( LICITAÇ#O. ALIENAÇ#O DE TE""ENO. DI4ENSES IN/E"IO"ES SS
CONSTANTES DO EDITAL. INDENITAÇ#O. I4P"OCI4ENTO DA APELAÇ#O. *.etuada a
#enda em desacordo com as cl"usulas edital-cias, / l-cito ao comprador e4igir indeniFação pelos danos
da- resultantes. Apelo impro#ido 0@P+F e dos @errit<rios, =X. @. C-#elH AC. n. 8GGGG1>GG8G>8G3;+FH
Rel. +es. *ste#am ,aia, I. >.=.8GG=, #.u.2.
R 8?.;A ; As Kip<teses da al-nea g do inciso I do caput e do inciso II do R
8o deste artigo .icam dispensadas de autoriFação legislati#a, por/m
su!metem;se aos seguintes condicionamentos(
I ; aplicação e4clusi#amente 6s "reas em &ue a detenção por particular
seIa compro#adamente anterior a 1o de deFem!ro de 8GG=H
II ; su!missão aos demais re&uisitos e impedimentos do regime legal e
administrati#o da destinação e da regulariFação .undi"ria de terras
p!licasH
III ; #edação de concessões para Kip<teses de e4ploração não;
contempladas na lei agr"ria, nas leis de destinação de terras p!licas, ou
nas normas legais ou administrati#as de Foneamento ecol<gico;
econ5micoH e
IO ; pre#isão de rescisão autom"tica da concessão, dispensada
noti.icação, em caso de declaração de utilidade, ou necessidade p!lica
ou interesse social.
R 8?.;N ; A Kip<tese do inciso II do R 8o deste artigo(
I ; s< se aplica a im<#el situado em Fona rural, não suIeito a #edação,
impedimento ou incon#eniente a sua e4ploração mediante ati#idades
agropecu"riasH
II ; .ica limitada a "reas de at/ >GG 0&uinKentos2 Kectares, #edada a
dispensa de licitação para "reas superiores a esse limiteH e
III ; pode ser cumulada com o &uantitati#o de "rea decorrente da .igura
pre#ista na al-nea g do inciso I do caput deste artigo, at/ o limite pre#isto
no inciso II deste par"gra.o. 0redação dada pela 7ei n. 11.1BD, de
81.11.8GG>2.
II ; &uando m<#eis, depender" de a#aliação pr/#ia e de licitação,
dispensada esta nos seguintes casos
1G=
(
a2 doação, permitida e4clusi#amente para .ins e uso de interesse
social, ap<s a#aliação de sua oportunidade e con#eni$ncia s<cio;
econ5mica, relati#amente 6 escolKa de outra .orma de alienaçãoH
!2 permuta, permitida e4clusi#amente entre <rgãos ou entidades da
Administração P!licaH
1G=
Art. 17( @C n. GG>.GEDC8GG8;=. Ata n. 1GC8GG3, pu!licada no +%) de G7.G=.8GG3. Representação
proposta contra <rgão licitador &ue realiFou dação em pagamento de #e-culos usados em pagamento de
outros no#os. 'o relat<rio da Auditoria destaca;se a citação do @C GG1.G>BC8GG1;G, oportunidade em
&ue o pr<prio @ri!unal de Contas assim se posicionou( L.....seguindo a sistem"tica adotada pelo
:upremo @ri!unal Federal em concorr$ncia com a mesma .inalidade le#ada a e.eito no ano passado, o
carro de propriedade deste @ri!unal poder" ser utiliFado como parcela de pagamento do no#o #e-culo a
ser ad&uirido em procedimento licitat<rio apropriado, proporcionando uma economia para esta Corte
de ContasM.
c2 #enda de ações, &ue poderão ser negociadas em !olsa, o!ser#ada
a legislação espec-.icaH
d2 #enda de t-tulos, na .orma da legislação pertinenteH
e2 #enda de !ens produFidos ou comercialiFados por <rgãos ou
entidades da Administração P!lica, em #irtude de suas .inalidadesH
.2 #enda de materiais e e&uipamentos para outros <rgãos ou
entidades da Administração P!lica, sem utiliFação pre#is-#el por &uem
deles dispõe.
R 1?. %s im<#eis doados com !ase na al-nea ! do inciso I deste
artigo, cessadas as raFões &ue Iusti.icaram a sua doação, re#erterão ao
patrim5nio da pessoa Iur-dica doadora, #edada a sua alienação pelo
!ene.ici"rio.
R 8?. A Administração poder" conceder direito real de uso de !ens
im<#eis, dispensada licitação, &uando o uso se destina a outro <rgão ou
entidade da Administração P!lica.
R 3?. *ntende;se por in#estidura, para os .ins desta 7ei(
I ; a alienação aos propriet"rios de im<#eis lindeiros de "rea
remanescente ou resultante de o!ra p!lica, "rea esta &ue se tornar
inapro#eit"#el isoladamente, por preço nunca in.erior ao da a#aliação e
desde &ue esse não ultrapasse a >GV 0cin&]enta por cento2 do #alor
constante da al-nea a do inciso II do art. 83 desta 7ei.
II ; a alienação, aos leg-timos possuidores diretos ou, na .alta
destes, ao Poder P!lico, de im<#eis para .ins residenciais constru-dos em
ncleos ur!anos ane4os a usinas Kidrel/tricas, desde &ue considerados
dispens"#eis na .ase de operação dessas unidades e não integrem a
categoria de !ens re#ers-#eis ao .inal da concessão. 0Redação dada ao
par"gra.o pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
'ota( Assim dispunKa o par"gra.o alterado(
QR 3?. *ntende;se por in#estidura, para os .ins desta 7ei, a alienação aos
propriet"rios de im<#eis lindeiros de "rea remanescente ou resultante de
o!ra p!lica, "rea esta &ue se tornar inapro#eit"#el isoladamente, por
preço nunca in.erior ao da a#aliação e desde &ue esse não ultrapasse a
>GV 0cin&]enta por cento2 do #alor constante da al-nea a do inciso II do
art. 83 desta 7ei.Q
R =?. A doação com encargos ser" licitada e de seu instrumento
constarão o!rigatoriamente os encargos, o praFo de seu cumprimento e
cl"usula de re#ersão, so! pena de nulidade do ato, sendo dispensada a
licitação no caso de interesse p!lico de#idamente Iusti.icado. 0Redação
dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R >?. 'a Kip<tese do par"gra.o anterior, caso o donat"rio necessite
o.erecer o im<#el em garantia de .inanciamento, a cl"usula de re#ersão e
demais o!rigações serão garantidas por Kipoteca em 8? grau em .a#or do
doador. 0Par"gra.os >? e D? acrescidos pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R D?. Para a #enda de !ens m<#eis a#aliados, isolada ou
glo!almente, em &uantia não superior ao limite pre#isto no art. 83, inciso
II, al-nea !, desta 7ei, a Administração poder" permitir o leilão.
A$%. 18. 'a concorr$ncia para a #enda de !ens im<#eis, a .ase de
Ka!ilitação limitar;se;" 6 compro#ação do recolKimento de &uantia
correspondente a >V 0cinco por cento2 da a#aliação.
'ota( Artigo regulamentado, no 9m!ito do :enado Federal, pela
Resolução :F n? >3, de 1G.GD.B7.
Par"gra.o nico. 0Re#ogado pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
A$%. 19. %s !ens im<#eis da Administração P!lica, cuIa a&uisição
KaIa deri#ado de procedimentos Iudiciais ou de dação em pagamento,
poderão ser alienados por ato da autoridade competente, o!ser#adas as
seguintes regras(
I ; a#aliação dos !ens alien"#eisH
II ; compro#ação da necessidade ou utilidade da alienação
1G>
H
III ; adoção do procedimento licitat<rio, so! a modalidade de
concorr$ncia ou leilão. 0Redação dada ao inciso III pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
CAPÍTULO II
DA LICITAÇ#O
SEÇ#O I
DAS 4ODALIDADES, LI4ITES E DISPENSA
A$%. 20. As licitações serão e.etuadas no local onde se situar a
repartição interessada, sal#o por moti#o de interesse p!lico, de#idamente
Iusti.icado.
Par"gra.o nico. % disposto neste artigo não impedir" a Ka!ilitação
de interessados residentes ou sediados em outros locais.
A$%. 21. %s a#isos contendo os resumos dos editais das
concorr$ncias, das tomadas de preços, dos concursos e dos leilões, em!ora
realiFadas no local da repartição interessada, de#erão ser pu!licados com
anteced$ncia, no m-nimo, por uma #eF( 0Redação dada ao QcaputQ e
incisos pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
1G>
Art. 1B( LICITAÇ#O. ALIENAÇ#O DE TE""ENO. DI4ENSES IN/E"IO"ES SS
CONSTANTES DO EDITAL. INDENITAÇ#O. I4P"OCI4ENTO DA APELAÇ#O. *.etuada a
#enda em desacordo com as cl"usulas edital-cias, / l-cito ao comprador e4igir indeniFação pelos danos
da- resultantes. Apelo impro#ido 0@P+F e dos @errit<rios, =X. @. C-#elH AC. n. 8GGGG1>GG8G>8G3;+FH
Rel. +es. *ste#am ,aia, I. >.=.8GG=, #.u.2.
I ; no +i"rio %.icial da )nião, &uando se tratar de licitação .eita por
<rgão ou entidade da Administração P!lica Federal, e ainda, &uando se
tratar de o!ras .inanciadas parcial ou totalmente com recursos .ederais ou
garantidas por instituições .ederais
1GD
H
II ; no +i"rio %.icial do *stado, ou do +istrito Federal, &uando se
tratar respecti#amente de licitação .eita por <rgão ou entidade da
Administração P!lica *stadual ou ,unicipal, ou do +istrito FederalH
III ; em Iornal di"rio de grande circulação
1G7
no *stado
1GE
e tam!/m,
se Kou#er, em Iornal de circulação no ,unic-pio ou na região onde ser"
realiFada a o!ra, prestado o ser#iço, .ornecido, alienado ou alugado o
!em, podendo ainda a Administração, con.orme o #ulto da licitação,
utiliFar;se de outros meios de di#ulgação para ampliar a "rea de
competição.
R 1?. % a#iso pu!licado conter" a indicação do local em &ue os
interessados poderão ler e o!ter o te4to integral do edital e todas as
in.ormações so!re a licitação
1GB
;
11G
.
1GD
Art. 81( Ac<rdão n. 1.3E7C8GG3, pu!licado no +%) de G=.G7.8GG3, p"gs. 1G>C1GD. Representação.
FalKas .ormais na realiFação de Concorr$ncia do +epartamento de *di.icações, Rodo#ias e @ransportes
do *stado do *sp-rito :anto, com Con#$nio com recursos do F)'P*' 3 ,inist/rio da Pustiça. %
@ri!unal determinou &ue seIa pu!licado o a#iso contendo o resumo do edital da licitação tam!/m no
+i"rio %.icial da )nião.
1G7
Art. 81( % :r. ,in. Nento Pos/ Nugarin, em #oto pro.erido na +ecisão n? >=DCB7, pu!licada no +%)
de GE.GB.B7, p. 1B7D>, asse#erou &ue Lna presente licitação .oram cometidas algumas .alKas de
natureFa .ormal das &uais não resultaram preIu-Fos ao *r"rio 0aus$ncia de di#ulgação em Iornal de
grande circulação, e4ig$ncia e4cessi#a de documentação e .alta de crit/rios o!Ieti#os2, 7'**680+* &0
<0&+&'* 5($$0%+8'* <0&+')%0 $05(<0)&'-.(Q 0g.n.2. +iante deste #oto, a decisão .oi no sentido de
recomendar ao <rgão licitante &ue, no .uturo, o!ser#e os preceitos da 7ei n. E.DDDCB3.

108Art. 81( +ecisão n. 1.83DC8GG8, pu!licada no +%) de 87.GB.8GG8, p"g. 1=7. % @ri!unal
determinou &ue, de acordo com o inciso III do art. 81, da 7ei n. E.DDDCB3, com a redação dada pela 7ei
n. E.EE=CB=, os a#isos de licitação t$m &ue ser pu!licados, tam!/m, em Iornal di"rio de grande
circulação no *stado.
109Art. 81( +ecisão n? =G3CBB, pu!licada no +%) de GB.G7.BB, p. D7. Representação. % @ri!unal
determinou ao <rgão licitante &ue, Q&uando da ela!oração de seus editais, .aça constar nos a#isos de
licitação pu!licados as in.ormações necess"rias 6 ampla di#ulgação do e#ento, indicando, em especial,
o o!Ieto a ser licitado e o local onde serão prestados os ser#iços ou entregues as mercadorias, em
cumprimento ao art. 81, R 1?, da 7ei n? E.DDDCB3M.

110Art. 81( +ecisão n? 7D>CBB, pu!licada no +%) de 1E.11.BB, p. D=. Representação em .ace do
,inist/rio das Comunicações e N'+*:, re.erente 6 desestatiFação da @*7* '%R@* 7*:@*. An"lise
da de.esa dos respons"#eis acerca dos 0i2 atos de negociação direta com poss-#eis participantes do
processo de desestatiFação da @ele!r"s, 0ii2 das gestões #isando 6 .ormação e 6 #ia!iliFação de
cons<rcios para participar desse processo e 0iii2 da inter.er$ncia em .a#or do Cons<rcio @elecom It"lia.
'o Parecer das )nidades @/cnicas .icou constatado &ue Lnão K" de se con.undir Latos de negociação”
com atos de divulgação e propaganda. *#identemente &ue se algu/m deseIa #ender um !em, !uscar"
despertar o interesse do maior nmero de pessoas poss-#el, a .im de &ue, Ka#endo competição, o preço
de #enda seIa maior. +esse modo, perce!e;se dos .atos narrados nos autos &ue os respons"#eis,
considerando as ele#adas .unções &ue desempenKa#am no Ao#erno Federal, praticaram atos de
di#ulgação e propaganda, na tentati#a de .ornecer mais in.ormações aos in#estimentos internos e
R 8?. % praFo m-nimo at/ o rece!imento das propostas ou da
realiFação do e#ento ser"( 0Redação dada aos incisos pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
I ; &uarenta e cinco dias para(
a2 concursoH
!2 concorr$ncia, &uando o contrato a ser cele!rado contemplar o
regime de empreitada integral ou &uando a licitação .or do tipo melKor
t/cnica ou t/cnica e preço.
II ; trinta dias para(
a2 concorr$ncia, nos casos não especi.icados na al-nea ! do inciso
anteriorH
!2 tomada de preços, &uando a licitação .or do tipo melKor t/cnica
ou t/cnica e preçoH
III ; &uinFe dias para tomada de preços, nos casos não especi.icados
na al-nea ! do inciso anterior, ou leilãoH
IO ; cinco dias teis para con#ite.
R 3?. %s praFos esta!elecidos no par"gra.o anterior serão contados a
partir da ltima pu!licação do edital resumido ou da e4pedição do
con#ite, ou ainda da e.eti#a disponi!ilidade do edital ou do con#ite e
respecti#os ane4os, pre#alecendo a data &ue ocorrer mais tarde. 0Redação
dada ao R 3? pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R =?. ^ual&uer modi.icação no edital e4ige di#ulgação pela mesma
.orma &ue se deu o te4to original, rea!rindo;se o praFo inicialmente
esta!elecido, e4ceto &uando, in&uestiona#elmente, a alteração não a.etar a
.ormulação das propostas.
A$%. 22. :ão modalidades de licitação
111
;
118
(
I ; concorr$nciaH
II ; tomada de preçosH
e4ternos acerca das empresas a serem pri#atiFadas. Al/m disso, na &ualidade de agentes p!licos &ue
eram, ca!ia;lKes transmitir segurança ao mercado, especialmente &uanto ao .uturo, o &ue, para tanto,
re&ueria o contato, muitas #eFes, direto com os potenciais compradores.M
111Art. 88( % +ecreto 3.>>>, de GE.GE.8GGG, apro#ou o Regulamento para a modalidade de licitação
denominada PR*A`%, para a a&uisição de !ens e ser#iços comuns.
% +ecreto 3.DB3, de 8G.18.8GGG, deu no#a redação aos dispositi#os do Regulamento para a modalidade
de licitação denominada PR*A`%, para a a&uisição de !ens e ser#iços comuns.
% +ecreto 3.DB7, de 81.18.8GGG regulamentou o par"gra.o nico, do art. 8
?
, da ,edida Pro#is<ria n.
8.8GD;7, de 83 de no#em!ro de 8GGG, &ue trata do PR*A`% por meio da utiliFação de recursos de
tecnologia da in.ormação.
A L0+ 10.?20H2002, 7,;1+5'&' )( DOU 0< 17 &0 @,1D( &0 2002, instituiu a modalidade de licitação
denominada P"E!#O, para a a&uisição de !ens e ser#iços comuns.
112Art. 88( % *stado de ,inas Aerais, atra#/s 7ei n. 1=.1D7, de 1G.G1.8GG8, adotou o Pregão como
modalidade de licitação para a a&uisição de !ens e ser#iços comuns.
III ; con#iteH
IO ; concursoH
O ; leilão.
R 1?. Concorr$ncia / a modalidade de licitação entre &uais&uer
interessados &ue, na .ase inicial de Ka!ilitação preliminar, compro#em
possuir os re&uisitos m-nimos de &uali.icação e4igidos no edital para
e4ecução de seu o!Ieto
113
.
R 8?. @omada de preços / a modalidade de licitação entre
interessados de#idamente cadastrados
11=
ou &ue atenderem a todas as
condições e4igidas para cadastramento at/ o terceiro dia anterior 6 data do
rece!imento das propostas, o!ser#ada a necess"ria &uali.icação.
11>
R 3?. Con#ite
11D
/ a modalidade de licitação entre interessados do
ramo pertinente ao seu o!Ieto, cadastrados ou não
117
, escolKidos e
113Art. 88( % <rgão licitante e4igiu &ue a compro#ação da Ka!ilitação Iur-dica, da &uali.icação
econ5mico;.inanceira e a regularidade .iscal .osse e.etuada mediante a compro#ação da Ka!ilitação
parcial #"lida no sistema de cadastramento uni.icado de .ornecedores ; :ICAF, contrariando o
par"gra.o 1
o
, do art. 88, da 7ei n. E.DDDCB3, implicando em inde#ida restrição 6 competição. A +ecisão
n. 8EBC8GG1, pu!licada no +%) de 8> de maio de 8GG1, p.183C18=, asse#erou ao <rgão licitante &ue se
a!stenKa de incluir nos editais de concorr$ncia p!lica dispositi#o &ue somente possi!ilite a Ka!ilitação
de licitantes &ue seIam pre#iamente cadastrados no :I:@*,A I'@*ARA+% +*
CA+A:@RA,*'@% )'IFICA+% +* F%R'*C*+%R*: ; :ICAF, por o.ender ao par"gra.o 1
?
, do
art. 88 e art. 38, da 7ei n. EDDDCB3.
114Art. 88( A +ecisão n? 1G7CBB, pu!licada no +%) de GE.G=.BB, p. D1, asse#erou ao <rgão licitante
&ue, no .uturo, de#er" L.aFer constar, de maneira clara e o!Ieti#a, nos editais na modalidade de @omada
de Preços, a possi!ilidade de empresas não cadastradas participarem da licitação, desde &ue atendam as
condições e4igidas para o respecti#o cadastramento, at/ o terceiro dia anterior 6 data esta!elecida para
o rece!imento das propostas, de acordo com o R 8?, do art. 88, da multicitada 7ei n? E.DDDCB3.M
+emanda desta decisão &ue o <rgão licitante 0+A@APR*O2 interpretou o citado par"gra.o Lcomo
#"rios outros Iuristas entendem, ou seIa, de &ue os interessados em participar do certame licitat<rio
de#erão apresentar at/ 3 0tr$s2 dias antes da data pre#ista para entrega das propostas, toda a
documentação necess"ria 6 o!tenção do cadastramento. Portanto, &uando se .ala em Lpre#iamente
cadastradasM, de#er" ser entendido &ue os licitantes poderão participar das licitações, desde &ue,
apresentem a documentação Ka!ilitat<ria at/ 3 tr$s2 dias antes da Comissão de Registro Cadastral, não
Ka#endo, assim, restrição do uni#erso de competidores, mas, sim, cumprimento estrito ao &ue
determina a 7ei.M
115Art. 88( Ac<rdão n. 8D7C8GG3, o!Ieto do @C n. GG1.87>C1BBB;8, pu!licado no +%) de 13.G3.8GG3,
p"gs. B7CBB. Representação acerca de poss-#eis irregularidades em licitação. % @ri!unal de Contas
determinou &ue se a!stenKam de e4igir dos interessados nos pr<4imos processos licitat<rios a
Ka!ilitação parcial no :istema de Cadastramento )ni.icado de Fornecedores;:ICAF como nica .orma
de participação no certame, .acultando;lKes a apresentação dos documentos de Ka!ilitação at/ o terceiro
dia anterior ao rece!imento das propostas, e4 #i do disposto no art. 88, par"gra.o 8?, da 7ei n.
E.DDDCB3.
116Art. 88( Ac<rdão n. 8.378C8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Relat<rio de Auditoria para
#eri.icação da regularidade das a&uisições de !ens e da contratação de ser#iços de in.orm"tica. %
@ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue utiliFe a modalidade licitat<ria ade&uada para a realiFação
de despesa, tendo especial atenção &uando se tratar de !ens e ser#iços de in.orm"tica, KaIa #isto o
disposto no +ecreto n. 1.G7GC1BB=, &ue e4ige a realiFação do tipo LmelKor t/cnica e preçoM, &uando a
modalidade não .or con#ite.
117
Art. 88( Ac<rdão n. 8.378C8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Relat<rio de Auditoria para
con#idados em nmero m-nimo de 3 0tr$s2
11E
pela unidade administrati#a,
a &ual a.i4ar", em local apropriado, c<pia do instrumento con#ocat<rio e o
estender" aos demais cadastrados na correspondente especialidade &ue
mani.estarem seu interesse com anteced$ncia de at/ 8= 0#inte e &uatro2
Koras da apresentação das propostas
11B
.
R =?. Concurso / a modalidade de licitação entre &uais&uer
interessados para escolKa de tra!alKo t/cnico, cient-.ico ou art-stico,
mediante a instituição de pr$mios ou remuneração aos #encedores,
con.orme crit/rios constantes de edital pu!licado na imprensa o.icial com
anteced$ncia m-nima de => 0&uarenta e cinco2 dias.
R >?. 7eilão / modalidade de licitação entre &uais&uer interessados
para a #enda de !ens m<#eis inser#-#eis para a Administração ou de
produtos legalmente apreendidos ou penKorados, ou para a alienação de
!ens im<#eis pre#ista no art. 1B, a &uem o.erecer o maior lance, igual ou
superior ao #alor da a#aliação. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
R D?. 'a Kip<tese do R 3? deste artigo, e4istindo na praça mais de
tr$s poss-#eis interessados, a cada no#o con#ite realiFado para o!Ieto
id$ntico ou assemelKado / o!rigat<rio o con#ite a, no m-nimo, mais um
interessado, en&uanto e4istirem cadastrados não con#idados nas ltimas
licitações
18G
. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
#eri.icação da regularidade das a&uisições de !ens e da contratação de ser#iços de in.orm"tica. %
@ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue se a!stenKa de incluir na modalidade de Con#ite, como
condição de participação no certame, e4ig$ncia de &ue o interessado esteIa cadastrado no :istema
Integrado de Cadastramento )ni.icado de Fornecedores 3 :ICAF.
11E
Art. 88( +ecisão n? 1GECBB, pu!licada no +%) de GE.G=.BB, p. D8. % @ri!unal decidiu reiteradas #eFes
&ue, para a regularidade da licitação na modalidade Con#ite, / imprescind-#el &ue se apresentem tr$s
licitantes de#idamente &uali.icadas. 'ão sendo o!tido esse nmero, / indispens"#el a Iusti.icati#a no
processo, so! pena de repetição do con#ite. Ainda &ue a mano!ra da empresa 'orsegel tenKa ser#ido
para impedir a presença desse nmero m-nimo de participantes, com a conse&]ente paralisação da
continuidade do acontecimento, não se Iusti.ica o açodado procedimento da Administração, &ue de#eria
suspender nesse momento o certame, se&uer a!rindo os en#elopes contendo os documentos de
Ka!ilitação, marcando no#a data para entrega desses e, se poss-#el, con#idando empresas &ue .icaram
inicialmente de .ora. Assim sendo, asse#erou;se ao <rgão licitante &ue este de#er" Lentregar no#a carta
con#ite, pre.erencialmente, 6s oito empresas inicialmente sugeridas pela +iretoria de Administração e
Finanças e &ue a Comissão Iulgadora na pr<4ima licitação o!ser#e para a regularidade da licitação,
nesta modalidade, a necessidade de se apresentarem tr$s licitantes de#idamente &uali.icados. 'ão
sendo o!tido esse nmero, / indispens"#el a Iusti.icati#a no processo, so! pena de repetição do con#ite,
de acordo com o entendimento dado por este @ri!unal ao art. 88, R 3?, da 7ei n? E.DDDCB3.M
11B
Art. 88( Ac<rdão n. 781C8GG3, pu!licado no +%) de 1D.G>.8GG3. Representação contra Carta Con#ite.
Oiolação ao princ-pio da pu!licidade, insculpido na 7ei n. EDDDCB3 e na Constituição Federal. 'o caso,
não .icou e#idenciada a a.i4ação da Carta Con#ite em local apropriado, con.orme e4ige o art. 88, R 3
o
,
da 7ei n. EDDDCB3. Assim, Kou#e uma #iolação direta do princ-pio da pu!licidade. 'egado pro#imento
ao Agra#o interposto contra despacKo &ue determinou, de .orma cautelar, a suspensão do certame.
120Art. 88( Ac<rdão n. 8.378C8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Relat<rio de Auditoria para
#eri.icação da regularidade das a&uisições de !ens e da contratação de ser#iços de in.orm"tica. %
@ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue cumpra integralmente o R D
?
do art. 88, da 7ei n. E.DDDCB3,
con#ocando, no m-nimo, mais um interessado a cada no#o con#ite realiFado para o!Ieto id$ntico ou
R 7?. ^uando, por limitações do mercado ou mani.esto desinteresse
dos con#idados, .or imposs-#el a o!tenção do nmero m-nimo de
licitantes e4igidos no R 3? deste artigo, essas circunst9ncias de#erão ser
de#idamente Iusti.icadas no processo, so! pena de repetição do con#ite
181
;
188
.
R E?. S #edada a criação de outras modalidades de licitação ou a
com!inação das re.eridas neste artigo.
R B?. 'a Kip<tese do R 8? deste artigo, a Administração somente
poder" e4igir do licitante não cadastrado os documentos pre#istos nos
arts. 87 a 31, &ue compro#em Ka!ilitação compat-#el com o o!Ieto da
licitação, nos termos do edital. 0Par"gra.o acrescentado pela 7ei n? E.EE3,
de GE.GD.B=2
A$%. 23. As modalidades de licitação a &ue se re.erem os incisos I a
III do artigo anterior serão determinadas em .unção dos seguintes limites,
tendo em #ista o #alor estimado da contratação(
I ; para o!ras e ser#iços de engenKaria(
a2 con#ite( at/ RW 1>G.GGG,GG 0cento e cin&]enta mil reais2H
!2 tomada de preços( at/ RW 1.>GG.GGG,GG 0um milKão e &uinKentos
mil reais2H
c2 concorr$ncia( acima de RW 1.>GG.GGG,GG 0um milKão e
&uinKentos mil reais2H 0Redação dada ao inciso pela 7ei n? B.D=E, de
87.G>.BE2
'ota( Assim dispunKa o inciso alterado(
QI ; para o!ras e ser#iços de engenKaria(
a2 con#ite ; at/ CrW 1GG.GGG.GGG,GG 0cem milKões de cruFeiros2H
!2 tomada de preços ; at/ CrW 1.GGG.GGG.GGG,GG 0Kum !ilKão de
cruFeiros2H
c2 concorr$ncia ; acima de CrW 1.GGG.GGG.GGG,GG 0Kum !ilKão de
cruFeiros2HQ
assemelKado, KaIa #ista a di#ersidade de .ornecedores de !ens e ser#iços de in.orm"tica na praça de
Nras-lia.
181
Art. 88( +ecisões n? =>CBBH n? EECBB e n? BDCBB, ressaltadas na +ecisão n? E1=CBB, pu!licada no +%)
de 88.11.BB, p.1GB. % @ri!unal mani.estou o Lentendimento da necessidade de tr$s propostas #"lidas
para &ue não KaIa a repetição do con#ite, a não ser &uando, ocorrendo limitações de mercado ou
mani.esto desinteresse dos con#idados, seIa imposs-#el o!ter o nmero e4igido e essas circunst9ncias
esteIam Iusti.icadas no processoQ.
122Art. 88( +ecisão n. DG1C8GGG, pu!licada no +%) de 1>.GE.8GGG. Representação. :upostas
irregularidades na desclassi.icação de proposta, ante a e4ist$ncia de ind-cios de rigorismo .ormal da
Comissão de 7icitações. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue pro#idencie a de#ida
Iusti.icação, nos respecti#os processos, &uando, por limitações do mercado ou por mani.esto
desinteresse dos con#idados, não .or poss-#el a o!tenção do nmero m-nimo de 3 0tr$s2 propostas
#"lidas.
II ; para compras e ser#iços não re.eridos no inciso anterior(
a2 con#ite( at/ RW EG.GGG,GG 0oitenta mil reais2H
!2 tomada de preços( at/ RW D>G.GGG,GG 0seiscentos e cin&]enta mil
reais2H
c2 concorr$ncia( acima de RW D>G.GGG,GG 0seiscentos e cin&]enta
mil reais2. 0Redação dada ao inciso pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
'ota( Assim dispunKa o inciso alterado(
QII ; para compras e ser#iços não re.eridos no inciso anterior(
a2 con#ite ; at/ CrW 8>.GGG.GGG,GG 0#inte e cinco milKões de
cruFeiros2H
!2 tomada de preços ; at/ CrW =GG.GGG.GGG,GG 0&uatrocentos
milKões de cruFeiros2H
c2 concorr$ncia ; acima de CrW =GG.GGG.GGG,GG 0&uatrocentos
milKões de cruFeiros2.Q
R 1?. As o!ras, ser#iços e compras e.etuadas pela Administração
serão di#ididas em tantas parcelas &uantas se compro#arem t/cnica e
economicamente #i"#eis
183
, procedendo;se 6 licitação com #istas ao
melKor apro#eitamento dos recursos dispon-#eis no mercado e 6
ampliação da competiti#idade sem perda da economia de escala
18=
;
18>
;
18D
;
187
. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
123Art. 83( Ac<rdão n. 8.378C8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Relat<rio de Auditoria para
#eri.icação da regularidade das a&uisições de !ens e da contratação de ser#iços de in.orm"tica. %
@ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue .aça constar le#antamento e planeIamento pr/#ios
ade&uados nos processos de autoriFação de a&uisições de !ens, contratações de ser#iços e realiFação de
licitações, demonstrando Ka#er Iusti.icati#a consu!stanciada da necessidade, da con#eni$ncia e da
oportunidade da realiFação de tais atos administrati#os, tendo em #ista, entre outros aspectos, o
princ-pio da e.ici$ncia.
124Art. 83( Ac<rdão n. 1.3E7C8GG3, pu!licado no +%) de G=.G7.8GG3, p"gs. 1G>C1GD. Representação.
FalKas .ormais na realiFação de Concorr$ncia do +epartamento de *di.icações, Rodo#ias e @ransportes
do *stado do *sp-rito :anto, com Con#$nio com recursos do F)'P*' 3 ,inist/rio da Pustiça. %
@ri!unal determinou ao <rgão &ue proceda 6 adIudicação por itens ou promo#a licitações distintas no
caso de ser o o!Ieto licitado de natureFa di#is-#el, sem preIu-Fo do conIunto ou comple4o.
18>
Art. 83( +ecisão n? DB3CBE, pu!licada no +%) de 1B.1G.BE, p. 8E. Representação em #irtude da
e4ist$ncia de supostas irregularidades do <rgão licitante, o &ual adotou a modalidade de licitação
Ltomada de preçosM e parcelou o o!Ieto, &uando o ade&uado seria Lconcorr$nciaM, em .ace do #alor
estimado da contratação para e&uipamentos de in.orm"tica. Assentou a Comissão de 7icitação &ue a
.inalidade principal do parcelamento de o!ras, ser#iços e compras são o apro#eitamento dos recursos
dispon-#eis no mercado e a ampliação da competiti#idade. Assim sendo, asse#erou o @ri!unal ao <rgão
licitante &ue Lna e4ecução de o!ras e ser#iços e nas compras parceladas nos termos do R 1?, do art. 83,
da 7ei n? E.DDDCB3, o!ser#e as prescrições constantes do R 8? do mesmo artigo, de .orma a preser#ar a
modalidade pertinente para a e4ecução do o!Ieto em licitação.M

126Art. 83( +ecisão 3B=C8GG1, pu!licada no +%) de 81.11.8GG1, p. 813.Representação .ormulada
por licitante, diante da e4ist$ncia de #"rias irregularidades na contratação de ser#iços gr".icos. %
@ri!unal determinou &ue se di#ida o o!Ieto a ser licitado em parcelas ou o adIudi&ue por itens, #isando
a apro#eitar as peculiaridades do mercado, sempre &ue se pro#ar economicamente #i"#el e #antaIoso
para a Administração, e#itando restringir o car"ter competiti#o da licitação.
187
R 8?. 'a e4ecução de o!ras e ser#iços e nas compras de !ens,
parceladas nos termos do par"gra.o anterior, a cada etapa ou conIunto de
etapas da o!ra, ser#iço ou compra K" de corresponder licitação distinta
18E
,
preser#ada a modalidade pertinente para a e4ecução do o!Ieto em
licitação. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R 3?. A concorr$ncia / a modalidade de licitação ca!-#el, &ual&uer
&ue seIa o #alor de seu o!Ieto, tanto na compra ou alienação de !ens
im<#eis
18B
, ressal#ado o disposto no art. 1B, como nas concessões de
direito real de uso e nas licitações internacionais, admitindo;se neste
ltimo caso, o!ser#ados os limites deste artigo, a tomada de preços,
&uando o <rgão ou entidade dispuser de cadastro internacional de
.ornecedores, ou o con#ite, &uando não Kou#er .ornecedor do !em ou
ser#iço no Pa-s. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R =?. 'os casos em &ue cou!er con#ite, a Administração poder"
utiliFar a tomada de preços e, em &ual&uer caso, a concorr$ncia.
R >?. S #edada a utiliFação da modalidade con#ite ou tomada de
preços, con.orme o caso, para parcelas de uma mesma o!ra ou ser#iço, ou
ainda para o!ras e ser#iços da mesma natureFa e no mesmo local &ue
possam ser realiFadas conIunta e concomitantemente, sempre &ue o
somat<rio de seus #alores caracteriFar o caso de tomada de preços ou
concorr$ncia, respecti#amente, nos termos deste artigo, e4ceto para as
parcelas de natureFa espec-.ica &ue possam ser e4ecutadas por pessoas ou
empresas de especialidade di#ersa da&uele do e4ecutor da o!ra ou ser#iço.
0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R D?. As organiFações industriais da Administração Federal direta,
em .ace de suas peculiaridades, o!edecerão aos limites esta!elecidos no
inciso I deste artigo tam!/m para suas compras e ser#iços em geral, desde
Art. 83( +ecisão n. B>EC8GG1, pu!licada no +%) de 88.G1.8GG8. Representação de licitante contra
contra supostas ilegalidades no edital, &ue te#e por o!Ieto a a&uisição de e&uipamentos de in.orm"tica,
oportunidade em &ue não seriam aceitas propostas &ue não contemplassem a totalidade dos itens
constantes de cada lote, composto de microcomputadores e impressoras. *m decorr$ncia, as empresas
.a!ricantes de am!os os produtos s< poderiam participar da concorr$ncia por meio de cons<rcios.
+eterminou;se ao <rgão licitante de &ue, ao realiFar licitações cuIo o!Ieto seIa de natureFa di#is-#el e
não .or poss-#el a sua adIudicação por itens, so! risco de preIu-Fo do conIunto, .aça constar do processo
pr/#ia Iusti.icati#a t/cnica, demonstrando a sua in#ia!ilidade.
128Art. 83( Ac<rdão n. 1.3E7C8GG3, pu!licado no +%) de G=.G7.8GG3, p"gs. 1G>C1GD. Representação.
FalKas .ormais na realiFação de Concorr$ncia do +epartamento de *di.icações, Rodo#ias e @ransportes
do *stado do *sp-rito :anto, com Con#$nio com recursos do F)'P*' 3 ,inist/rio da Pustiça. %
@ri!unal determinou ao <rgão &ue proceda 6 adIudicação por itens ou promo#a licitações distintas no
caso de ser o o!Ieto licitado de natureFa di#is-#el, sem preIu-Fo do conIunto ou comple4o.
18B
Art. 83( LICITAÇ#O. ALIENAÇ#O DE TE""ENO. DI4ENSES IN/E"IO"ES SS
CONSTANTES DO EDITAL. INDENITAÇ#O. I4P"OCI4ENTO DA APELAÇ#O. *.etuada a
#enda em desacordo com as cl"usulas edital-cias, / l-cito ao comprador e4igir indeniFação pelos danos
da- resultantes. Apelo impro#ido 0@P+F e dos @errit<rios, =X. @. C-#elH AC. n. 8GGGG1>GG8G>8G3;+FH
Rel. +es. *ste#am ,aia, I. >.=.8GG=, #.u.2.
&ue para a a&uisição de materiais aplicados e4clusi#amente na
manutenção, reparo ou .a!ricação de meios operacionais !/licos
pertencentes 6 )nião. 0Par"gra.o acrescentado pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
R 7?. 'a compra de !ens de natureFa di#is-#el e desde &ue não KaIa
preIu-Fo para o conIunto ou comple4o, / permitida a cotação de
&uantidade in.erior 6 demandada na licitação, com #istas a ampliação da
competiti#idade, podendo o edital .i4ar &uantitati#o m-nimo para
preser#ar a economia de escala. 0Par"gra.o acrescentado pela 7ei n?
B.D=E, de 87.G>.BE2
R E?. 'o caso de cons<rcios p!licos, aplicar;se;" o do!ro dos
#alores mencionados no caput deste artigo &uando .ormado por at/ 3
0tr$s2 entes da Federação, e o triplo, &uando .ormado por maior nmero.
0Par"gra.o acrescentado pela 7ei n. 11.1G7, de GD.G=.8GG>2.
A$%. 24. S dispens"#el a licitação
13G
;
131
;
138
(
I ; para o!ras e ser#iços de engenKaria de #alor at/ 1GV 0deF por
cento2 do limite pre#isto na al-nea a do inciso I do artigo anterior, desde
&ue não se re.iram a parcelas de uma mesma o!ra ou ser#iço ou ainda
para o!ras e ser#iços da mesma natureFa e no mesmo local &ue possam
ser realiFadas conIunta e concomitantementeH 0Redação dada ao inciso
pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
'ota( Assim dispunKa o inciso alterado(
130Art. 8=( AÇÃO CIVIL. MP. LICITAÇÃO. SOCIEDADE DE ECONOMIA
MISTA.
Prosseguindo o julgamento, a Turma, por maioria, reconheceu a legitimidade do
Ministério Público para propor ação civil pública, visando resguardar a
integridade do patrimônio público atingido porque a companhia de habitação
popular, que é sociedade de economia mista, frmou contratos de eeitos
fnanceiros sem licitação e com aus!ncia dos predicados legais para essa
dispensa" #utrossim afrmou$se que o ato de o Tribunal de %ontas ter apreciado
os contratos administrativos não impede o e&ame em ação civil pública pelo
'udici(rio" REsp 403.153-SP, Rel. Min. !s" Del#$%!, &'l#$%! e( )*)*+003.

131Art. 8=( +ecisão n. 1.83GC8GG8, pu!licada no +%) de 87.GB.8GG8. Representação a respeito de
contratação de :er#iço de @ele.onia Fi4a Comutada 3 :@FC. % @ri!unal ampliou o entendimento
.irmado na +ecisão n. 1BDC8GG1;@C);Plen"rio, para incluir a necessidade de realiFação de
procedimento licitat<rio pelo Poder P!lico para contratação não s< de :er#iço ,<#el Celular 3 :,C,
mas tam!/m de :er#iço @ele.5nico Fi4o Comutado 3 :@FC, 6 e4ceção de situações e4cepcionais de
dispensa ou ine4igi!ilidade, pre#istas nos art.s 8= e 8> da 7ei n. E.DDDCB3, desde &ue pre#iamente
.undamentadas e instru-das nos termos do art. 8D, da mesma 7ei.
132Art. 8=( % @ri!unal de Contas condena #eementemente, con.orme #oto do ,inistro Relator do @C
n. G17.7EBC1BBD;D, *4mo. :r. AdTlson ,otta, &ue .undamentou o Ac<rdão n. 133C8GGG;Plen"rio, Ata n.
87C8GG, contratações diretas .undamentadas no art. 8=, inciso IO, cuIa caracteriFação de emerg$ncia não
esteIa .undamentada em .atos no#os e impre#is-#eis, mas em situações decorrentes da .alta de
planeIamento e iniciati#a dos gestores 0LapudM @C n. G1D.88=C8GG1, pu!licado no +%) de 8=.G8.8GG3,
p"gs. 18B2.
QI ; para o!ras e ser#iços de engenKaria de #alor at/ cinco por cento do
limite pre#isto na al-nea a do inciso I do artigo anterior, desde &ue não se
re.iram a parcelas de uma mesma o!ra ou ser#iço ou ainda para o!ras e
ser#iços da mesma natureFa e no mesmo local &ue possam ser realiFadas
conIunta e concomitantementeH 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2Q
II ; para outros ser#iços e compras de #alor at/ 1GV 0deF por cento2
do limite pre#isto na al-nea a, do inciso II do artigo anterior, e para
alienações, nos casos pre#istos nesta 7ei, desde &ue não se re.iram a
parcelas de um mesmo ser#iço, compra ou alienação de maior #ulto &ue
possa ser realiFada de uma s< #eFH 0Redação dada ao inciso pela 7ei n?
B.D=E, de 87.G>.BE2
'ota( Assim dispunKa o inciso alterado(
QII ; para outros ser#iços e compras de #alor at/ >V 0cinco por cento2 do
limite pre#isto na al-nea a, do inciso II do artigo anterior, e para
alienações, nos casos pre#istos nesta 7ei, desde &ue não se re.iram a
parcelas de um mesmo ser#iço, compra ou alienação de maior #ulto &ue
possa ser realiFada de uma s< #eFHQ
III ; nos casos de guerra ou gra#e pertur!ação da ordemH
IO ; nos casos de emerg$ncia ou de calamidade p!lica, &uando
caracteriFada urg$ncia
133
;
13=
;
13>
;
13D
;
137
;
13E
;
13B
de atendimento de
situação &ue possa ocasionar preIu-Fo ou comprometer a segurança de
pessoas, o!ras, ser#iços, e&uipamentos e outros !ens, p!licos ou
particulares, e somente para os !ens necess"rios ao atendimento de
situação emergencial ou calamitosa e para as parcelas de o!ras e ser#iços
&ue possam ser conclu-das no praFo m"4imo de 1EG 0cento e oitenta2 dias
consecuti#os e ininterruptos, contados da ocorr$ncia da emerg$ncia ou
calamidade, #edada a prorrogação dos respecti#os contratosH
133Art. 8=( +ecisão n. 1.78EC8GG8, pu!licada no +%) de G7.G1.8GG3, p.1B3. Representação contra a
a&uisição de medicamentos mediante dispensa de licitação, pela :ecretaria de *stado de :ade do Acre.
Compro#ação da situação emergencial no setor de sade p!lica encontrada pelo no#o go#erno &ue
tomou posse no dia 1
?
de Ianeiro de 1BBB. *m seu #oto, o ,inistro Relator entendeu &ue a .alta de
medicamentos essenciais na rede estadual de sade representa#a iminente risco 6 sade da população.
@al situação impunKa ao gestor p!lico o &080$ de agir com rapideF. +estaca;se &ue o go#erno então
rec/m empossado te#e a prud$ncia de ad&uirir medicamentos em &uantidade su.iciente para &uinFe
dias, demonstrando &ue !usca#a apenas atender uma situação moment9nea e os rem/dios .oram
ad&uiridos por preços consent9neos com os #igentes no mercado.
13=
Art. 8=( +ecisão pro.erida no Processo n. 8GG8CG18GD>E;D, na Ação de :):P*':`% +*
:*A)RA'aA, em &ue .oi R*^)*R*'@* o *:@A+% +% ,ARA'U`%.
A Uematologia e Uemoterapia do ,aranKão, Uemomar, pode comprar, <0*<( *0< 1+5+%'-.(, Jits de
reagentes para e4ames la!oratoriais de sangue, pelo menos at/ o Iulgamento do m/rito de um mandado
de segurança impetrado no @ri!unal de Pustiça do ,aranKão. % Presidente do :uperior @ri!unal de
Pustiça, ministro 'ilson 'a#es, suspendeu a liminar concedida 6 empresa Aepet/cnica Comercial
@/cnica e Representações 7tda. &ue susta#a a entrega do material. 'ilson 'a#es considerou &ue a
e4ecução da liminar poderia causar gra#e lesão 6 sade da população maranKense. Assim se mani.estou
o Presidente do :@P( QCon.orme a.irma o re&uerente, a licitação .oi dispensada em car"ter emergencial,
de acordo com o inciso IO, do art. 8=, da 7ei n? E.DDDCB3, em #irtude de se encontrar suspenso o
processo licitat<rio n? 1GDC8G8 por Ka#er recursos das licitantes ainda pendentesQ, o!ser#ou.
Para o ministro, se .osse poss-#el a espera da solução para o caso, não Ka#eria raFão de ser para a
dispensa de licitação em car"ter emergencial. Q:opesando o interesse da sade local com o da
impetrante, tem;se &ue não / de se e4igir o sacri.-cio do regular processamento e da distri!uição de
sangue 6s instituições de sade do ente .ederado com o .im de assegurar posterior declaração de
legitimidade para a adIudicação dos produtos da empresaQ, considerou.
13>
Art. 8=( 'os termos da *menta pu!licada no +%) de 13.GB.B7, p.8=, nos Autos @C;G18>D1CG8DCB>,
para se aplicar o disposto no inciso IO, do art. 8=, da 7ei n? E.DDDCB3, tem &ue e4istir urg$ncia concreta
e.eti#a, isto /, a situação de#e decorrer do estado emergencial ou calamitoso, #isando a.astar risco de
danos 6 sade ou 6 #ida das pessoas.M
13D
Art. 8=( A +ecisão n? 1G>CBB, pu!licada no +%) de GE.G=.BB, p. >E, em parecer e4arado pela
:*C*XCC*, ressaltou &ue, no caso de dispensa de licitação, de#e;se lem!rar dos ensinamentos de Porge
)lisses Paco!T Fernandes( U).( ;'*%', 5()%,&(, A,0 (5($$' *+%,'-.( &0 0<0$>N)5+', *0)&(
+<7$0*5+)&6801 A,0 0**' *+%,'-.( >0$0 ,$>N)5+' &0 '%0)&+<0)%( 7($ 7'$%0 &' A&<+)+*%$'-.( 0 5,@'
(<+**.( 7(**' (5'*+()'$ 7$0@,6R( (, 5(<7$(<0%0$ ' *0>,$')-' &0 70**('*, (;$'*, *0$8+-(*,
0A,+7'<0)%(* 0 (,%$(* ;0)*, 7V;1+5(* (, 7'$%+5,1'$0*, 0< *,<' ( $+*5(.Q
137
Art. 8=( +ecisão n. 1B=C8GG1, pu!licada no +%) de 8G.G=.8GG1, p"ginas 1GDC1G7. Representação de
empresa contra o :er#iço de Processamento de +ados 3 :erpro, acerca de irregularidades em a&uisição
de resmas de papel !ranco, por dispensa de licitação, lastreada no inciso IO, do art. 8=, da 7ei de
7icitações, de um nico .ornecedor e por preços superiores aos de mercado. A Iusti.icati#a para a
a&uisição .oi no sentido da 0i2 ine4ist$ncia de recursos orçament"rios para o suprimento regular dos
esto&ues e 0ii2 ele#ação do consumo, al/m do pre#isto. % @ri!unal assim decidiu( LRelati#amente 6
alegada urg$ncia na a&uisição das DE.GGG resmas de papel, de .ato não K" elementos su.icientes nos
autos para indicar a ocorr$ncia de poss-#eis preIu-Fos 6 Administração P!lica caso .altasse o material
O ; &uando não acudirem interessados 6 licitação anterior e esta,
Iusti.icadamente, não puder ser repetida sem preIu-Fo para a
Administração, mantidas, neste caso, todas as condições preesta!elecidasH
OI ; &uando a )nião ti#er &ue inter#ir no dom-nio econ5mico para
regular preços ou normaliFar o a!astecimentoH
OII ; &uando as propostas apresentadas consignarem preços
mani.estamente superiores aos praticados no mercado nacional, ou .orem
incompat-#eis com os .i4ados pelos <rgãos o.iciais competentes, casos em
&ue, o!ser#ado o par"gra.o nico do art. =E desta 7ei e, persistindo a
situação, ser" admitida a adIudicação direta dos !ens ou ser#iços, por
#alor não superior ao constante do registro de preços, ou dos ser#içosH
OIII ; para a a&uisição, por pessoa Iur-dica de direito p!lico
interno, de !ens produFidos ou ser#iços prestados por <rgão ou entidade
&ue integre a Administração P!lica e &ue tenKa sido criado para esse .im
espec-.ico em data anterior 6 #ig$ncia desta 7ei, desde &ue o preço
comprado. @oda#ia, a situação emergencial decorreu de .alta de planeIamento administrati#o ou de
pre#isão de necessidades per.eitamente pre#is-#eis. +adas as atri!uições do :erpro, a manutenção de
esto&ue de papel para impressão / de#er de sua administração, sendo irregular apelar para a dispensa de
licitação em .ace da .alta de um produto de uso cotidiano. +estaco &ue o re.erido material destina#a;se
a deF unidades do :erpro, localiFadas nas cidades de Nras-lia, Nel/m, FortaleFa, Reci.e, :al#ador, Nelo
UoriFonte, Rio de Paneiro, :ão Paulo, Curiti!a e Porto Alegre. 'o entanto, a compra .oi realiFada de
um nico .ornecedor, localiFado em Nras-lia. *m caso de urg$ncia, natural seria &ue as compras .ossem
realiFadas o mais pr<4imo poss-#el dos locais em &ue os produtos se .aFiam necess"rios, o &ue
implicaria a&uisições localiFadas nas deF cidades mencionadas 0....2. 'o &ue pertine ao preIu-Fo
decorrente do super .aturamento de preços, e4 #i do R 8
?
, do art. 8> da 7ei n. E.DDDCB3, a empresa
.ornecedora dos !ens de#e ser inclu-da solidariamente no rol da responsa!ilidadeM.
138Art. 8=( % @ri!unal de Contas condena #eementemente, con.orme #oto do ,inistro Relator do @C
n. G17.7EBC1BBD;D, *4mo. :r. AdTlson ,otta, &ue .undamentou o Ac<rdão n. 133C8GGG;Plen"rio, Ata n.
87C8GG, contratações diretas .undamentadas no art. 8=, inciso IO, cuIa caracteriFação de emerg$ncia não
esteIa .undamentada em .atos no#os e impre#is-#eis, mas em situações decorrentes da .alta de
planeIamento e iniciati#a dos gestores 0LapudM @C n. G1D.88=C8GG1, pu!licado no +%) de 8=.G8.8GG3,
p"gs. 18B2.
13B
Art. 8=( Ac<rdão n. 8D7C8GG3, o!Ieto do @C n. GG1.87>C1BBB;8, pu!licado no +%) de 13.G3.8GG3,
p"gs. B7CBB. Representação acerca de poss-#eis irregularidades em licitação. % @ri!unal de Contas
determinou para se o!ser#ar, no caso de contratação em car"ter emergencial, al/m do disposto no art.
8=, inciso IO, com!inado com o art. 8D, par"gra.o nico, incisos I e III da 7ei n. E.DDDCB3 e nas
+ecisões n. 3=7CB= e D87CBB;@C);Plen"rio, tam!/m a necessidade de consultar o maior nmero
poss-#el de interessados, em atenção aos princ-pios da impessoalidade e da moralidade administrati#a
&ue de#em reger as ati#idades do administrador p!lico.
contratado seIa compat-#el com o praticado no mercado
1=G
H 0Redação dada
pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
IX ; &uando Kou#er possi!ilidade de comprometimento da
segurança nacional, nos casos esta!elecidos em decreto do Presidente da
Rep!lica, ou#ido o ConselKo de +e.esa 'acionalH
'ota( Inciso regulamentado pelo +ecreto n? 8.8B>, de G=.GE.B7.
X ; para a compra ou locação de im<#el destinado ao atendimento
das .inalidades prec-puas da Administração, cuIas necessidades de
instalação e localiFação condicionem a sua escolKa, desde &ue o preço
seIa compat-#el com o #alor de mercado, segundo a#aliação pr/#iaH
0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
XI ; na contratação de remanescente de o!ra, ser#iço ou
.ornecimento, em conse&]$ncia de rescisão contratual, desde &ue atendida
a ordem de classi.icação da licitação anterior e aceitas as mesmas
condições o.erecidas pelo licitante #encedor, inclusi#e &uanto ao preço,
de#idamente corrigidoH
XII ; nas compras de Korti.rutigranIeiros, pão e outros g$neros
perec-#eis, no tempo necess"rio para a realiFação dos processos
1=G
Art. 8=( +ecisão n. 31=C8GG1, pu!licada no +%) de 8=.G1.8GG8. @omada de Contas. Contratação, por
dispensa de licitação, com !ase no art. 8=, inciso XOI, da 7ei n. E.DDDCB3, de empresa &ue não tem
como .im espec-.ico prestar ser#iços de in.orm"tica para pessoa Iur-dica de direito p!lico interno. 'o
#oto pro.erido pelo ,in. Relator Augusto :Kerman Ca#alcanti, destaca;se &ue( L'ão !astasse a clara
dicção do inciso, a correção do entendimento per.ilKado pelo <rgão instruti#o / atestado pela doutrina.
+iscorrendo acerca do inciso XOI do art. 8=, asse#erou a pro.essora ,aria :Tl#ia \anella +i Pietro(
esta Kip<tese #eio a permitir a dispensa de licitação nas contratações com as entidades a!rangidas no
conceito do art. D
o
, inciso XI, desde &ue estas tenKam sido criadas com o o!Ieti#o 0inserido em sua lei
instituidora2 de prestar os ser#iços indicados no inciso XOI 6 pessoa Iur-dica de direito p!lico interno.
*sse inciso s< #ai permitir a dispensa de licitação nos contratos entre, de um lado, pessoas Iur-dicas de
direito p!lico 0)nião, *stados, ,unic-pios, +istrito Federal, @errit<rios, autar&uias e .undações
p!licas2 e, de outro, entidades da Administração P!lica, direta ou indireta 0art. D
?
, XI2, &ue seIam do
mesmo n-#el do go#erno, por&ue ningu/m #ai criar um ente para prestar !ens ou ser#iços a pessoas
Iur-dicas de outras es.eras de go#erno. ,arçal Pusten FilKo entende &ue as pre#isões dos incisos OIII e
XOI do art. 8= da 7ei n. E.DDDCB3 não se re.erem 6s ati#idades &ue desen#ol#em ati#idade econ5mica,
mas tão somente 6s prestadoras de ser#iço p!lico. Considerando &ue a disciplina do inciso OIII se
aplica integralmente ao inciso XOI 0c.. Coment"rios 6 7ei de 7icitações e Contratos Administrati#os,
E
a
. ed., :ão Paulo, +ial/tica, 8GGG, p. 8>72, o!ser#a o doutrinador, &uanto 6&ueloutro dispositi#o( @em;
se de reputar &ue a regra do inciso OIIII apenas pode re.erir;se a contratações entre a Administração
direta e entidades a elas #inculadas, prestadoras de ser#iço p!lico 0o &ue a!range tanto as prestadoras
de ser#iço p!lico propriamente ditas como as &ue dão suporte 6 Administração P!lica2. A regra não
d" guarida a contratações da Administração P!lica com entidades administrati#as &ue desempenKem
ati#idade econ5mica em sentido estrito. :e o inciso OIII pretendesse autoriFar contratação direta no
9m!ito de ati#idades econ5micas, estaria caracteriFada a inconstitucionalidade. S &ue as entidades
e4ercentes de ati#idade econ5mica estão su!ordinadas ao disposto no art. 173, R 1
o
, da CFCEE. +a-
decorre a su!missão ao mesmo regime reser#ado para os particulares. 'ão / permitido &ual&uer
pri#il/gio nas contratações dessas entidades. 7ogo, não poderiam ter a garantia de contratar direta e
pre.erencialmente com as pessoas de direito p!lico. Isso seria assegurar;lKes regime incompat-#el
com o princ-pio da isonomia. Portanto, o inc. OIII d" respaldo a contratação direta entre a pessoa de
direito p!lico e a entidade por ela criada, cuIo o!Ieto seIa a prestação de ser#iços p!licos 0em sentido
amplo2. o &ue a!range tanto o ser#iço p!lico propriamente dito como as ati#idades de suporte
administrati#oM.
licitat<rios correspondentes, realiFadas diretamente com !ase no preço do
diaH 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
XIII ; na contratação de instituição !rasileira incum!ida regimental
ou estatutariamente da pes&uisa
1=1
, do ensino ou do desen#ol#imento
institucional
1=8
, ou de instituição dedicada 6 recuperação social do preso,
desde &ue a contratada detenKa in&uestion"#el reputação /tico;
pro.issional e não tenKa .ins lucrati#os
1=3
;
1==
H 0Redação dada pela 7ei n?
E.EE3, de GE.GD.B=2
XIO ; para a a&uisição de !ens ou ser#iços nos termos de acordo
internacional espec-.ico apro#ado pelo Congresso 'acional, &uando as
condições o.ertadas .orem mani.estamente #antaIosas para o Poder
P!licoH 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
1=1
Art. 8=( 'a +ecisão n? 3GC8GGG, pu!licada no +%) de G=.G8.8GGG, p. >=, o #oto do :r. ,inistro para
elucidar o inciso em tela, assim disp5s( Lressalta;se &ue a Iusti.icati#a para a dispensa de#e e#idenciar
todos os re&uisitos necess"rios 6 caracteriFação da situação pre#ista na 7ei e, no caso em &ue a
descrição do o!Ieto .or rele#ante para de.inir a contratação direta, de#e a autoridade administrati#a
mencionar &ue as caracter-sticas restriti#as para a licitação são necess"rias e indispens"#eis ao
atendimento do interesse p!lico.M
1=8
Art. 8=( A +ecisão n? 1>GC8GGG, pu!licada no +%) de 8=.G3.8GGG, p.7B, e4plicitou o art. 8=, inciso
XIII, da 7ei em comento, in.ormando &ue LK" d#idas na doutrina &uanto ao e4ato sentido da
e4pressão &0*0)8(18+<0)%( +)*%+%,5+()'1, mas os autores, #ia de regra, associam a e4pressão a alguma
.orma de desen#ol#imento social.M Assim sendo, deli!erou;se ao <rgão licitante &ue Lsomente proceda
6 contratação direta mediante dispensa de licitação, com !ase no inciso XIII, do art. 8=, da 7ei n?
E.DDDCB3, &uando esti#erem presentes todos os re&uisitos pre#istos no mencionado dispositi#o legal.M
1=3
Art. 8=( +ecisão 81BC8GGG, pu!licada no +%) de G3.G7.8GGG, p. 7DC77, oriunda de Representação
acerca da inclusão, em o!Ieto de contrato .irmado pelo I'::, com !ase no art. 8=, inciso XIII, da 7ei
de 7icitações, de ati#idades não #inculadas 6s .inalidades prec-puas da .undação p!lica contratada. %
,inistro Relator AdTlson ,otta, em seu #oto, assim se mani.estou( Lcomo se depreende do dispositi#o
transcrito, a dispensa de licitação nele .undamentada de#eria restringir;se, in casu, 6s ações de
pes&uisa, ensino e desen#ol#imento institucional, não se estendendo 6 e4ecução indireta de ser#iços de
atendimento ao p!lico. 0....2 'esse sentido, o Pro.. Porge )lisses Paco!T Fernandes registra, &uanto 6
aplica!ilidade da norma em desta&ue, a necessidade de !uscar;se uma correlação entre as instituições e
o o!Ieto do .uturo contrato, em!ora a 7ei e4pressamente não o e4iIa 0in Contratação +ireta sem
7icitação, Nras-lia Pur-dica, 1
a
. ed. P.. 88>2M.
1==
Art. 8=( Ac<rdão n. 8.G8=C8GG3, pu!licado no +%) de 1G.GB.8GG3. Representação. :u!contratação
sem licitação. % <rgão licitante contratou o Instituto *u#aldo 7odi, para a e4ecução de proIetos de
desen#ol#imento e moderniFação de esta!elecimento de ensino, com dispensa de licitação, por ser
considerado uma instituição de not<ria especialiFação na "rea de ensino, de in&uestion"#el reputação e
sem .ins lucrati#as. *ntretanto, para cumprir suas o!rigações contratuais, o re.erido Instituto
su!contratou os ser#iços a outra empresa. 'o Relat<rio da Auditoria destaca;se &ue( Lo procedimento
de dispensa de licitação, com !ase no art. 8=, inciso XIII, da 7ei n. E.DDDCB3, mostra;se completamente
incompat-#el com a su!contratação, senão por proi!ição e4pressa da lei, por imperati#o l<gico.
Admitir;se o contr"rio seria retirar o contedo .inal-stico da norma, trans.ormando;a em uma #ia para o
des#irtuamento completo do instituto Iur-dico da licitaçãoM. 'este caso, o @ri!unal determinou ao <rgão
licitante &ue, com relação 6 contratações com dispensa de licitação, .undamentada no art. 8=, inciso
XIII, realiFe o de#ido acompanKamento do desempenKo do contratado, de modo a e#itar
su!contratações para e4ecução de o!Ietos pactuados.
XO ; para a a&uisição ou restauração de o!ras de arte e o!Ietos
Kist<ricos, de autenticidade certi.icada, desde &ue compat-#eis ou
inerentes 6s .inalidades do <rgão ou entidadeH
XOI ; para a impressão dos di"rios o.iciais, de .ormul"rios
padroniFados de uso da Administração e de edições t/cnicas o.iciais, !em
como para a prestação de ser#iços de in.orm"tica 6 pessoa Iur-dica de
direito p!lico interno, por <rgãos ou entidades &ue integrem a
Administração P!lica, criados para esse .im espec-.ico
1=>
;
1=D
H 0Inciso
acrescentado pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
XOII ; para a a&uisição de componentes ou peças de origem
nacional ou estrangeira, necess"rios 6 manutenção de e&uipamentos
durante o per-odo de garantia t/cnica, Iunto ao .ornecedor original desses
e&uipamentos, &uando tal condição de e4clusi#idade .or indispens"#el
1=>
Art. 8=( % #oto do :r. ,in. Nento Pos/ Nugarin, pro.erido no Proc. GGG.D17CBD;8, &ue em!asou a
+ecisão n? =BDCBB, pu!licada no +%) de 13.GE.BB, p.13D, ressaltou &ue Qdepreende;se do artigo em
tela e seu inciso &ue a contratação, com dispensa de licitação, de ser#iço de in.orm"tica, de#e
preencKer os seguintes re&uisitos( 0i2 a contratante de#e ser pessoa Iur-dica de direito p!lico interno e
0ii2 a contratada de#e integrar a Administração P!lica e ter sido criada para esse .im espec-.ico.M
1=D
Art. 8=( +ecisão n. 31=C8GG1, pu!licada no +%) de 8=.G1.8GG8. @omada de Contas. Contratação, por
dispensa de licitação, com !ase no art. 8=, inciso XOI, da 7ei n. E.DDDCB3, de empresa &ue não tem
como .im espec-.ico prestar ser#iços de in.orm"tica para pessoa Iur-dica de direito p!lico interno. 'o
#oto pro.erido pelo ,in. Relator Augusto :Kerman Ca#alcanti, destaca;se &ue( L'ão !astasse a clara
dicção do inciso, a correção do entendimento per.ilKado pelo <rgão instruti#o / atestado pela doutrina.
+iscorrendo acerca do inciso XOI do art. 8=, asse#erou a pro.essora ,aria :Tl#ia \anella +i Pietro(
esta Kip<tese #eio a permitir a dispensa de licitação nas contratações com as entidades a!rangidas no
conceito do art. D
o
, inciso XI, desde &ue estas tenKam sido criadas com o o!Ieti#o 0inserido em sua lei
instituidora2 de prestar os ser#iços indicados no inciso XOI 6 pessoa Iur-dica de direito p!lico interno.
*sse inciso s< #ai permitir a dispensa de licitação nos contratos entre, de um lado, pessoas Iur-dicas de
direito p!lico 0)nião, *stados, ,unic-pios, +istrito Federal, @errit<rios, autar&uias e .undações
p!licas2 e, de outro, entidades da Administração P!lica, direta ou indireta 0art. D
?
, XI2, &ue seIam do
mesmo n-#el do go#erno, por&ue ningu/m #ai criar um ente para prestar !ens ou ser#iços a pessoas
Iur-dicas de outras es.eras de go#erno. ,arçal Pusten FilKo entende &ue as pre#isões dos incisos OIII e
XOI do art. 8= da lei n. E.DDDCB3 não se re.erem 6s ati#idades &ue desen#ol#em ati#idade econ5mica,
mas tão somente 6s prestadoras de ser#iço p!lico. Considerando &ue a disciplina do inciso OIII se
aplica integralmente ao inciso XOI 0c.. Coment"rios 6 7ei de 7icitações e Contratos Administrati#os,
E
a
. ed., :ão Paulo, +ial/tica, 8GGG, p. 8>72, o!ser#a o doutrinador, &uanto 6&ueloutro dispositi#o( @em;
se de reputar &ue a regra do inciso OIIII apenas pode re.erir;se a contratações entre a Administração
direta e entidades a elas #inculadas, prestadoras de ser#iço p!lico 0o &ue a!range tanto as prestadoras
de ser#iço p!lico propriamente ditas como as &ue dão suporte 6 Administração P!lica2. A regra não
d" guarida a contratações da Administração P!lica com entidades administrati#as &ue desempenKem
ati#idade econ5mica em sentido estrito. :e o inciso OIII pretendesse autoriFar contratação direta no
9m!ito de ati#idades econ5micas, estaria caracteriFada a inconstitucionalidade. S &ue as entidades
e4ercentes de ati#idade econ5mica estão su!ordinadas ao disposto no art. 173, R 1
o
, da CFCEE. +a-
decorre a su!missão ao mesmo regime reser#ado para os particulares. 'ão / permitido &ual&uer
pri#il/gio nas contratações dessas entidades. 7ogo, não poderiam ter a garantia de contratar direta e
pre.erencialmente com as pessoas de direito p!lico. Isso seria assegurar;lKes regime incompat-#el
com o princ-pio da isonomia. Portanto, o inc. OIII d" respaldo a contratação direta entre a pessoa de
direito p!lico e a entidade por ela criada, cuIo o!Ieto seIa a prestação de ser#iços p!licos 0em sentido
amplo2. o &ue a!range tanto o ser#iço p!lico propriamente dito como as ati#idades de suporte
administrati#oM.
para a #ig$ncia da garantiaH 0Inciso acrescentado pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
XOIII ; nas compras ou contratações de ser#iços para o
a!astecimento de na#ios, em!arcações, unidades a/reas ou tropas e seus
meios de deslocamento, &uando em estada e#entual de curta duração em
portos, aeroportos ou localidades di.erentes de suas sedes, por moti#o de
mo#imentação operacional ou de adestramento, &uando a e4ig]idade dos
praFos legais puder comprometer a normalidade e os prop<sitos das
operações e desde &ue seu #alor não e4ceda ao limite pre#isto na al-nea a
do inciso II do art. 83 desta 7eiH 0Inciso acrescentado pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
XIX ; para as compras de materiais, de uso pelas Forças Armadas,
com e4ceção de materiais de uso pessoal e administrati#o, &uando Kou#er
necessidade de manter a padroniFação re&uerida pela estrutura de apoio
log-stico dos meios na#ais, a/reos e terrestres, mediante parecer de
comissão institu-da por decretoH 0Inciso acrescentado pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
XX ; na contratação de associação de portadores de de.ici$ncia
.-sica, sem .ins lucrati#os e de compro#ada idoneidade, por <rgãos ou
entidades da Administração P!lica, para a prestação de ser#iços ou
.ornecimento de mão;de;o!ra, desde &ue o preço contratado seIa
compat-#el com o praticado no mercado. 0Inciso acrescentado pela 7ei n?
E.EE3, de GE.GD.B=2
XXI ; para a a&uisição de !ens destinados e4clusi#amente 6
pes&uisa cient-.ica e tecnol<gica com recursos concedidos pela CAP*:,
FI'*P, C'P& ou outras instituições de .omento a pes&uisas credenciadas
pelo C'P& para esse .im espec-.icoH 0Inciso acrescentado pela 7ei n?
B.D=E, de 87.G>.BE2
XXII ; na contratação do .ornecimento ou suprimento de energia
el/trica com concession"rio, permission"rio ou autoriFado, segundo as
normas da legislação espec-.icaH 0Inciso acrescentado pela 7ei n? B.D=E, de
87.G>.BE2
XXIII ; na contratação realiFada por empresa p!lica ou sociedade
de economia mista com suas su!sidi"rias e controladas, para a a&uisição
ou alienação de !ens, prestação ou o!tenção de ser#iços, desde &ue o
preço contratado seIa compat-#el com o praticado no mercadoH 0Inciso
acrescentado pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
XXIO ; para a cele!ração de contratos de prestação de ser#iços com
as organiFações sociais, &uali.icadas no 9m!ito das respecti#as es.eras de
go#erno, para ati#idades contempladas no contrato de gestão
1=7
. 0Inciso
acrescentado pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
Par"gra.o nico. %s percentuais re.eridos nos incisos I e II deste
artigo, serão de 8GV 0#inte por cento2 para compras, o!ras e ser#iços
contratados por sociedades de economia mista e empresa p!lica, !em
assim por autar&uia e .undação &uali.icadas, na .orma da lei, como
Ag$ncias *4ecuti#as. 0Par"gra.o acrescentado pela 7ei n? B.D=E, de
87.G>.BE2H
XXOI ; na cele!ração de contrato de programa com ente da
Federação ou com entidade de sua administração indireta, para a
prestação de ser#iços p!licos de .orma associada nos termos do
autoriFado em contrato de cons<rcio p!lico ou em con#$nio de
cooperação.
Par"gra.o nico. %s percentuais re.eridos nos incisos I e II do
caput deste artigo serão 8GV 0#inte por cento2 para compras, o!ras e
ser#iços contratados por cons<rcios p!licos, sociedade de economia
mista, empresa p!lica e por autar&uia ou .undação &uali.icadas, na .orma
da lei, como Ag$ncias *4ecuti#as. 0Par"gra.o acrescentado pela 7ei n.
11.1G7, de GD.G=.8GG>2H
XXOII ; para o .ornecimento de !ens e ser#iços, produFidos ou
prestados no Pa-s, &ue en#ol#am, cumulati#amente, alta comple4idade
tecnol<gica e de.esa nacional, mediante parecer de comissão
especialmente designada pela autoridade m"4ima do <rgão 0inciso com
redação dada pela 7ei 11.1BD, de 81.11.8GG>2.
147Art. 8=( +ecisão n. 1DGC8GG8, pu!licada no +%) de 8B.G=.8GG8. Relat<rio de Auditoria,
con.irmada pela decisão do ,inistro Relator. Para &ue o en&uadramento da dispensa de licitação seIa
plaus-#el, na Kip<tese do inciso XXIO, do art. 8=, da 7ei n. E.DDDCB3, K" a necessidade de &ue a
organiFação seIa con.igurada em lei .ederal como organiFação social &uali.icada para ati#idades
contempladas em contrato de gestão. *sta &uali.icação / disciplinada pela 7ei n. B.D37, de 1>.G>.1BBE.
A$%. 2?. S ine4ig-#el a licitação &uando Kou#er in#ia!ilidade de
competição
1=E
;
1=B
;
1>G
;
1>1
;
1>8
;
1>3
;
1>=
;
1>>
;
1>D
;
1>7
, em especial
1>E
;
1>B
(
I ; para a&uisição de materiais, e&uipamentos, ou g$neros &ue s<
possam ser .ornecidos por produtor, empresa ou representante comercial
e4clusi#o, #edada a pre.er$ncia de marca
1DG
;
1D1
;
1D8
;
1D3
, de#endo a
compro#ação de e4clusi#idade ser .eita atra#/s de atestado .ornecido pelo
<rgão de registro do com/rcio do local em &ue se realiFaria a licitação ou
1=E
Art. 8>( +ecisão n? 8>>CBB, pu!licada no +%) de 87.G>.BB, p. 11D, oriunda de Representação, tendo
por o!Ieto a contratação de ser#iços de moderniFação de ele#adores, sem a realiFação de processo
licitat<rio, so! a alegação de ser este ine4ig-#el, con.orme parecer do +epartamento Pur-dico do <rgão
licitante 0*m!ratel2, &ue apurou &ue, 6 /poca da assinatura do contrato em .oco, o @ri!unal ainda não
Ka#ia esta!elecido entendimento so!re o assunto. O T$+;,)'1, )' D05+*.( )º 20H97, &0 29.01.97,
'**080$(, A,0 *0 U$05()D0-' ' (;$+>'%($+0&'&0 &0 7$98+( 50$%'<0 1+5+%'%B$+( 7'$' ' 5()%$'%'-.(
&0 *0$8+-(* &0 <(&0$)+R'-.( &0 0108'&($0*, ()&0 0K+*%' ' 8+';+1+&'&0 &0 5(<70%+-.( 0)%$0 (*
5()5($$0)%0*.Q
1=B
Art. 8>( +ecisão 3>GC8GGG, pu!licada no +%) de 1G.G>.8GGG, tendo por o!Ieto a e4ist$ncia de
poss-#eis irregularidades em permissões para e4ploração dos sistemas de tele#isão e de radiodi.usão
sonora pagas, #ia sat/lite, para miniantenas para!<licas, onde discutiu;se se o :er#iço de +istri!uição
de :inais de @ele#isão e de budio por Assinatura #ia :at/lite 0+@U2, re&uer ou não licitação, !em
como se o mesmo / ou não ser#iço p!lico. % ,in. AdKemar Paladini AKisi e4arou( L 0...2 *m suma,
não K", realmente, &ue se .alar em licitação para a outorga da e4ploração de ser#iço +@U, KaIa #ista
não ser poss-#el a competição, como compro#a a #eri.icação das circunst9ncias de .ato o!ser#adas na
e4ploração do mencionado ser#iço. Ressalta;se, toda#ia, como anteriormente mencionado, &ue, em
todas as etapas do processo de outorga, / respeitado o princ-pio constitucional da isonomia. 'o ser#iço
de +@U K" os argumentos da +)0K+*%N)5+' &0 5(<70%+-.( e outro argumento a .a#or da ine4igi!ilidade
de licitação / o da (;@0%+8+&'&0 &( @,1>'<0)%( 0negritos no original2, #eF &ue não se pode perder de
#ista &ue os e#entuais contemplados não estarão dispensados das .ormalidades e4igidas de satis.ação
das condições de Ka!ilitação Iur-dica, &uali.icação econ5mico;.inanceira e regularidade .iscal, a &ue
aludem o artigo B? e, mais especi.icamente, os arts. 1= a 17, do Regulamento de :er#iços *speciais,
apro#ados pelo +ecreto n? 8.1BD, de GE de a!ril de 1BB7.Q
150Art. 8>( +ecisão n? 17DCBB, pu!licada no +%) de 1=.G>.BB, p. =E, oriunda de Representação contra
contratação direta de .irma para a e4ecução de ser#iços de manutenção de ele#adores. % @ri!unal,
como em di#ersas decisões da mesma ordem, al/m da ora e4arada, Ldeterminou ao *scrit<rio de
Representação do ,inist/rio da :ade no *stado da Para-!a &ue dora#ante somente promo#a a
contratação de .irma para a prestação de ser#iço de conser#ação e manutenção de ele#adores mediante
licitação, posto &ue tais ser#iços não podem ser en&uadrados nas Kip<teses de ine4igi!ilidade
contempladas no art. 8>, da 7ei n? E.DDDCB3, alertando;se a )nidade de &ue e#entuais contratos, com o
re.erido o!Ieto, &ue por#entura esteIam em #igor, de#em ser rescindidos, admitindo;se sua #ig$ncia
tão;somente pelo praFo necess"rio 6 realiFação do procedimento licitat<rio.M
151Art. 8>( +ecisão n? 1.GD>C8GG1. Representação .ormulada pela Americel :CA 0empresa prestadora
de :er#iço ,<#el Celular, na Nanda LNM2, acerca da contratação, pela Ag$ncia 'acional de Petr<leo
0A'P2, sem o de#ido processo de licitação, da @C% @ele!ras-lia Celular :.A 0empresa prestadora de
:er#iço ,<#el Celular, na Nanda LAM2. *m pro.-cuo #oto do ,inistro Oalmir Campelo, nos autos do
@C n? GG8.>7BC8GGG;7, +ecisão n? 1BDC8GGG;Plen"rio, a tese da competiti#idade para contratação de
:er#iço ,<#el Celular restou #encedora, com e4ceção das situações de dispensas ou ine4igi!ilidades
pre#istas nos arts. 8= e 8> da 7ei n? E.DDDCB3, desde &ue de#idamente .undamentadas e instru-das nos
termos do art. 8D da mesma lei. 'o caso #ertente, as contratações realiFadas pela Ag$ncia 'acional do
Petr<leo, na sede no Rio de Paneiro, .undamentadas no art. 8> da 7ei n? E.DDDCB3, não encontra
respaldo na situação atual do mercado de telecomunicações do Nrasil. Con.orme e4posto pela )nidade
@/cnica, a competição / #i"#el em &ual&uer parte do Nrasil, a partir de 1BBB. A partir de 8GG8 entrarão
a o!ra ou o ser#iço, pelo :indicato, Federação ou Con.ederação Patronal,
ou, ainda, pelas entidades e&ui#alentes
1D=
;
1D>
H
II ; para a contratação de ser#iços t/cnicos enumerados no art. 13
desta 7ei, de natureFa singular
1DD
;
1D7
;
1DE
;
1DB
, com pro.issionais ou
empresas de not<ria especialiFação
17G
;
171
;
178
;
173
;
17=
;
17>
;
17D
;
177
;
17E
;
17B
, #edada a ine4igi!ilidade para ser#iços de pu!licidade e di#ulgaçãoH
em operação as !andas QCQ e Q+Q de tele.onia m<#el, o &ue ampliar" ainda mais competiti#idade do
setor. % @ri!unal determinou 6 Ag$ncia 'acional do Petr<leo &ue as pr<4imas contratações de :er#iços
de @ele.onia ,<#el Celular, na sede, no escrit<rio de Nras-lia e nas unidades dos estados, seIam
realiFadas mediante licitação, em o!ser#9ncia aos ditames da 7ei n? E.DDDCB3.
152Art. 8>( +ecisão n. 3=7C8GG8. Representação .ormulada pela Americel :CA 0empresa prestadora de
:er#iço ,<#el Celular, na Nanda LNM2, acerca da contratação, pela :ecretaria da Presid$ncia da
Rep!lica, sem o de#ido processo de licitação, da @C% @ele!ras-lia Celular :.A 0empresa prestadora de
:er#iço ,<#el Celular, na Nanda LAM2. *4amina;se a legalidade da contratação de ser#iços de tele.onia
m<#el celular pela :ecretaria de Administração da Presid$ncia da Rep!lica mediante ine4igi!ilidade
de licitação, tendo por .undamento legal o caput do art. 8> da 7ei n? E.DDDCB3. A moti#ação apontada
para a incid$ncia da Kip<tese pre#ista no citado normati#o .oi a in#ia!ilidade de competição, uma #eF
&ue se !usca#a contratar ser#iços de tele.onia para os aparelKos &ue I" eram de propriedade da
Presid$ncia, os &uais, a seu turno, .oram ad&uiridos de empresa monopolista, antes das pri#atiFações
&ue ocorreram no setor de telecomunicações. 'essa perspecti#a, apenas uma empresa poderia prestar
os ser#iços almeIados. *m re.orço a essa tese, alegou a :ecretaria de Administração da Presid$ncia da
Rep!lica &ue a contratação de outra empresa acarretaria preIu-Fo ao patrim5nio p!lico, uma #eF &ue
teriam &ue ser ad&uiridas no#as linKas. ^uanto a esse ltimo aspecto, merece prosperar a !em
ela!orada an"lise da instrução. A din9mica imprimida no mercado de telecomunicações ap<s o ad#ento
das pri#atiFações es#aFiou o car"ter de Q!em negoci"#el entre particularesQ &ue as linKas tele.5nicas at/
então detinKam, em raFão da ampla o.erta desse tipo de ser#iço &ue desde então se #eri.ica. Como !em
aponta a instrução, a :ecretaria de %rçamento Federal, nos termos da Portaria n? 1DCB7, .irma o
entendimento de &ue o gasto com a Ka!ilitação de tele.onia .i4a ou m<#el de#e ser conta!iliFada como
despesa. Por outro lado, poderia a administração alegar &ue a contratação de ser#iços de outra empresa
implicaria o pagamento de tari.as de Ka!ilitação, o &ue seria um 5nus desnecess"rio para os co.res
p!licos. Rele#a notar, toda#ia, &ue tal argumento seria insu.iciente para caracteriFar a in#ia!ilidade de
competição. *ssa continua sendo poss-#el, pois nada impede &ue outra concorrente apresente proposta
em condições tais &ue, mesmo em Ka#endo co!rança de ta4as de Ka!ilitação, ainda se mostre mais
#antaIosa para a administração p!lica. % crit/rio para decidir o &ue / mais #antaIoso de#e le#ar em
conta a totalidade dos custos pre#istos, e não o de apenas um item isolado. % @ri!unal, alinKando;se 6
Iurisprud$ncia da Corte decidiu pela necessidade de instauração de processo licitat<rio para contratação
de ser#iços de tele.onia m<#el.
153Art. 8>( +ecisão n. 3G>C8GG8, pu!licada no +%) de 1D.G=.8GG8. Representação .ormulada pela
Americel :CA 0empresa prestadora de :er#iço ,<#el Celular, na Nanda LNM2, acerca da contratação,
pelo 1B
?
+istrito Rodo#i"rio Federal do +epartamento 'acional de *stradas de Rodagem 0+'*R2, sem
o de#ido processo de licitação, da @*7*,: Celular :CA 0empresa prestadora de :er#iço ,<#el
Celular, na Nanda LAM2. *4amina;se a legalidade da contratação de ser#iços de tele.onia m<#el celular,
mediante ine4igi!ilidade de licitação, tendo por .undamento legal o caput do art. 8> da 7ei n? E.DDDCB3.
A in#ia!ilidade de competição de#eu;se 6s de.ici$ncias na co!ertura o.erecida pela Americel na&uela
"rea de atuação, particularmente no &ue se re.ere 6s comunicações ao longo das rodo#ias e em cidades
do interior, am!as consideradas importantes para o !om desempenKo das tare.as a cargo dos distritos
rodo#i"rios. A contratação .oi considerada legal, mas Kou#e a determinação no sentido de &ue as
.uturas contratações de prestadoras de ser#iço m<#el celular seIam precedidas de uma an"lise criteriosa
da situação e4istente, #eri.icando;se se a &ualidade do ser#iço .oi aprimorada e de &ue .orma e#olu-ram
as demandas da unidade, de modo a utiliFar;se sempre como regra a realiFação de procedimento
licitat<rio.
III ; para contratação de pro.issional de &ual&uer setor art-stico,
diretamente ou atra#/s de empres"rio e4clusi#o, desde &ue consagrado
pela cr-tica especialiFada ou pela opinião p!lica.
R 1?. Considera;se de not<ria especialiFação o pro.issional ou
empresa cuIo conceito no campo de sua especialidade, decorrente de
desempenKo anterior, estudos, e4peri$ncias, pu!licações, organiFação,
aparelKamento, e&uipe t/cnica, ou de outros re&uisitos relacionados com
suas ati#idades, permita in.erir &ue o seu tra!alKo / essencial e
1>=
Art. 8>( +ecisão n. 1.DB>C8GG8, pu!licada no +%) de G7.G1.8GG3. % @ri!unal determinou 6 In.raero
&ue, em o!ser#9ncia ao princ-pio da legalidade, a!stenKa;se de .irmar contratos de concessão de uso de
"reas destinadas 6 e4ploração comercial em aeroportos sem o de#ido procedimento licitat<rio,
consoante o par"gra.o nico do art. =1 da lei n. 7.>D> de GB.18.1BED, cCc o art. 8
?
, da 7ei n. E.DDDCB3,
$0**'18'&(* (* 5()%$'%(* &0 5()50**.( &0 ,*( &0 P$0'* &0*%+)'&'* ' 080)%(* 7$(<(5+()'+* 0 &0
7,;1+5+&'&0, A,')&( 0< 5'&' *+%,'-.( 5()5$0%' *0@' 030%+8'<0)%0 &0<()*%$'&' ' +)8+';+1+&'&0 &0
5(<70%+-.(.
155Art. 8>( +ecisão n. 1.83GC8GG8, pu!licada no +%) de 87.GB.8GG8. Representação a respeito de
contratação de :er#iço de @ele.onia Fi4a Comutada 3 :@FC. % @ri!unal ampliou o entendimento
.irmado na +ecisão n. 1BDC8GG1;@C);Plen"rio, para incluir a necessidade de realiFação de
procedimento licitat<rio pelo Poder P!lico para contratação não s< de :er#iço ,<#el Celular 3 :,C,
mas tam!/m de :er#iço @ele.5nico Fi4o Comutado 3 :@FC, 6 e4ceção de situações e4cepcionais de
dispensa ou ine4igi!ilidade, pre#istas nos art.s 8= e 8> da 7ei n. E.DDDCB3, desde &ue pre#iamente
.undamentadas e instru-das nos termos do art. 8D, da mesma 7ei.
1>D
Art. 8>( +ecisão n. 1.8G7C8GG8, pu!licada no +%) de 8>.GB.8GG8. Representação .ormulada por
unidade t/cnica. Contratação de ser#iço m<#el celular sem licitação. A empresa Americel :CA .oi
contratada sem licitação para a prestação de ser#iços de tele.onia m<#el. 'a proposta de decisão, o
,in. Relator ,arcos Nem&uerer Costa assim se mani.estou( L....penso &ue a Coordenação Aeral de
7og-stica do ,inist/rio da Pustiça não moti#ou de .orma con#incente a ine4igi!ilidade de licitação. %
argumento de &ue o <rgão I" possu-a sete linKas tele.5nicas ad&uiridas da Americel :CA !em como a
alegação de &ue outros <rgãos da administração p!lica .ederal tam!/m Ka#iam contratado essa
empresa mediante a ine4igi!ilidade não constitui raFão &ue legitime a in#ia!ilidade de competição
na&uele momentoM. % @ri!unal determinou 6 Coordenação Aeral de 7og-stica do ,inist/rio da Pustiça
&ue, nas contratações por ine4igi!ilidade, certi.i&ue;se da in#ia!ilidade de competição, nos termos do
art. 8>, caput, da 7ei n. E.DDDCB3.
1>7
Art. 8>( Ac<rdão n. =8C8GG3, pu!licado no +%) de 1G.G8.8GG3. Representação .ormulada por unidade
t/cnica. Contratação de ser#iço m<#el celular. ConKecimento da Representação para consider";la
procedente. Pouca materialidade. Foi constatada a contratação irregular da Americel :CA, por
ine4igi!ilidade de licitação, para a prestação de ser#iços de tele.onia celular m<#el, ausentes os
pressupostos para a contratação direta. Registre;se, no entanto, &ue, apesar da Purisprud$ncia do
@ri!unal de Contas ter se .irmado no sentido de considerar inde#idas as contratações por
ine4igi!ilidade, de ser#iço celular, não se tem Iulgado gra#es esses atos a ponto de se impor sanções
aos respons"#eis, mormente a pouca materialidade dos #alores en#ol#idos. 'as +ecisões ns. E18C8GG1,
1G87C8GG1, 1GD>C8GG1, 1EEC8GG8, 88EC8GG8, 3=7C8GG8, 3>8C8GG8, DG>C8GG8, D31C8GG8, 1GE8C8GG8,
18G7C8GG8 e 1D1>C8GG8, o Plen"rio do @ri!unal apenas determinou aos <rgãosCentidades a adoção de
medidas correti#as.
1>E
Art. 8>( +ecisão n. 38GC8GG8, pu!licada no +%) de 1D.G>.8GG8. Pedido de Ree4ame. 'o relat<rio da
Auditoria 0o &ual .oi con.irmado pela decisão do ,inistro Relator2, e4trai;se o entendimento .irmado
por Celso Antonio Nandeira de ,elo 0in Curso de +ireito Administrati#o, 11
a
. edição, 1BBB, p. 1EE2,
em &ue( LCumpre salientar &ue a relação dos casos de ine4igi!ilidade / e4austi#a. Com e.eito, o art. 8>
re.ere &ue a licitação / ine4ig-#el &uando in#i"#el a competição. * apenas destaca algumas Kip<teses.
Por isto disse, em seguida( Yespecialmente &uando 0...2Y. *m suma( o &ue os incisos I a III do art. 8>
indiscuti#elmente o mais ade&uado 6 plena satis.ação do o!Ieto do
contrato
1EG
;
1E1
;
1E8
.
R 8?. 'a Kip<tese deste artigo e em &ual&uer dos casos de dispensa,
se compro#ado super.aturamento, respondem solidariamente pelo dano
causado 6 FaFenda P!lica o .ornecedor ou o prestador de ser#iços e o
agente p!lico respons"#el, sem preIu-Fo de outras sanções legais
ca!-#eis
1E3
.
esta!elecem /, simplesmente, uma pr/#ia e I" resoluta indicação de Kip<teses nas &uais .icam
antecipadas situações caracter-sticas de in#ia!ilidade, nos termos ali enumerados, sem e4clusão de
casos não catalogados, mas igualmente poss-#eisM.
159Art. 8>( +ecisão n. 38GC8GG8, pu!licada no +%) de 1D.G>.8GG8. Pedido de Ree4ame. 'o relat<rio
da Auditoria 0o &ual .oi con.irmado pela decisão do ,inistro Relator2, e4trai;se o entendimento
.irmado por P. Cretella Pnior 0in +as 7icitações P!licas, >
a
. edição, 1BB=, p. 1BG2, em &ue
Lin#ia!ilidade de competição Ylato sensuY, / o certame em &ue um dos contendores rene &ualidades
tais &ue se torna nico, e4clusi#o, sui generis, a tal ponto &ue ini!e os demais licitantes, sem condições
competiti#as 0...2M.
160Art. 8>( +ecisão n. 1.D88C8GG8, pu!licada no +%) de GB.18.8GG8, p.83>. Pregão para a a&uisição
de materiais de in.orm"tica. Representação contra a e4ig$ncia de apresentação de 7audo e4pedido por
entidade de reconKecida idoneidade &ue compro#asse o !om .uncionamento do cartucKo o.ertado. %
@ri!unal entendeu &ue a e4ig$ncia edital-cia em &uestão não representou a.ronta ao car"ter ison5mico
da licitação, não con.igurando, outrossim, &ual&uer pre.er$ncia ou indicação de marca, nos moldes do
paradigma in#ocado. Ao e4igir atestado de tal natureFa, o gestor apenas procurou assegurar a
indenidade dos e&uipamentos de seu par&ue de in.orm"tica, pre#enindo;se de e#entuais
incompati!ilidades e, so!retudo, da utiliFação de cartucKos de pro#eni$ncia du#idosa.
161Art. 8>( +ecisão n. DD=C8GG1, pu!licada no +%) de 1=.11.8GG1. Representação em raFão de
alegadas irregularidades em Carta Con#ite, para a a&uisição de LtonerM para impressoras. % @ri!unal
tem se mani.estado no sentido de &ue pode Ka#er indicação de marca, para e.eito de padroniFação,
podendo at/ mesmo .undamentar a ine4igi!ilidade de licitação, desde &ue a mesma seIa .ormalmente
Iusti.icada, inclusi#e &uanto ao preço e rati.icada pela autoridade competente. @oda#ia, a Iusti.icati#a
para a indicação de marca de#e .undamentar;se em raFões de ordem t/cnica. Alegar o princ-pio da
padroniFação como argumento para limitar a participação dos o.ertantes em procedimento licitat<rio,
ou mesmo para declar";lo ine4ig-#el, re&uer Iusti.icação o!Ieti#a dos moti#os &ue le#am o
administrador a essa conclusão.
162Art. 8>( +ecisão n. 3E>C8GG8, pu!licada no +%) de 8D.G=.8GG8, p.1B>. Representação.
Ine4igi!ilidade de licitação para a a&uisição de mo!ili"rio, com .ulcro no art. 8>, inciso I, da 7ei n.
E.DDDCB3 e no princ-pio da padroniFação. :egundo Iurisprud$ncia do @ri!unal 0@C GGB.31BCBD;= 3
Ac<rdão n. 3GGCBE 3 1
a
. C9mara 3 Ata n. 83CBE2, a padroniFação pode at/ .undamentar a ine4igi!ilidade
de licitação, mas a in#ocação do princ-pio da padroniFação como argumento para estreitar o campo de
competição licitat<ria ou mesmo para declar";la ine4ig-#el re&uer Iusti.icação consu!stanciada e
o!Ieti#a dos moti#os e condições &ue, no caso concreto, conduFem o administrador 6 conclusão de &ue
sua preser#ação não se compati!iliFa com a realiFação de licitação ou &ue o certame, se realiFado, de#a
circunscre#er;se a e&uipamentos ou produtos de determinada proced$ncia.
1D3
Art. 8>( +ecisão n. 1.1BDC8GG8, pu!licada no +%) de 8>.GB.8GG8, p"g.17B. Representação .ormulada
por licitante contra decisão da Comissão *special de 7icitação da CompanKia 'acional de
A!astecimento 3 C%'AN 3 por ocasião de Pregão realiFado para a a&uisição de cartucKos para
impressoras, em &ue .oi pre#ista &ue a a&uisção de cartucKos de#eria se dar le#ando em conta a marca
dos e&uipamentos &ue os utiliFam. % entendimento pac-.ico do @ri!unal / &ue a pre.er$ncia de marca
de#e .undamentar;se em raFões de ordem t/cnica. 'este mesmo sentido, destacamos a +ecisão
DD=C8GG1;Plen"rio, &ue, em id$ntico assunto, determinou 6 entidade &ue(M...nos processos licitat<rios,
A$%. 26. As dispensas pre#istas nos RR 8? e =? do art. 17 e no inciso
III e seguintes do art. 8=, as situações de ine4igi!ilidade re.eridas no art.
8>, necessariamente Iusti.icadas, e o retardamento pre#isto no .inal do
par"gra.o nico do art. E? desta 7ei de#erão ser comunicados, dentro de 3
0tr$s2 dias, 6 autoridade superior, para rati.icação e pu!licação na
imprensa o.icial, no praFo de > 0cinco2 dias, como condição para a
e.ic"cia dos atos. 0Caput alterado pela 7ei n. 11.1G7, de GD.G=.8GG>2.
L'ota( Assim dispunKa o caput alterado(
a!stenKa;se de adotar pre.er$ncia de marca, a menos &ue seIa demonstrado, tecnicamente e de .orma
circunstanciada, &ue somente a&uela marca atende 6s necessidades espec-.icas da administração ...M. 'o
presente caso, o @ri!unal determinou &ue se o!ser#e a #edação 6 pre.er$ncia de marcas.
1D=
Art. 8>( Con.orme Ooto do :r. ,inistro Oalmir Campelo, e4arado no proc. @C;GG=.=1>CBE;1, na
+ecisão n? E=DCBE, pu!licada no +%) n? 83E;*, de 11.18.BE, p. D7, 012 entendeu;se &ue a &uestionada
ine4igi!ilidade de licitação est" Iusti.icada nos autos, uma #eF &ue Qa Carta de *4clusi#idade .ornecida
pela A::*:PR% 3 Associação das *mpresas Nrasileiras de :o.tcare e :er#iços de In.orm"tica,
declarou ser a 7I'd;+A@A In.orm"tica e :er#iços 7tda., a nica empresa .ornecedora da solução
pretendida e não e4istir similar em todo o territ<rio nacional.Q
1D>
Art. 8>( Ac<rdão n. EEGC8GG3, pu!licado no +%) de 1=.G>.8GG3. Representação. Contratação direta de
empresa de in.orm"tica por in#ia!ilidade de competição com !ase em situação de ine4igi!ilidade de
licitação. Para o em!asamento da ine4igi!ilidade, .oram apresentados atestados .ornecidos por empresa
pri#ada, a.irmando &ue os so.tcares 0i2 seriam de propriedade da IN,H 0ii2 estariam instalados em
m"&uinas da empresa ,ontreal nas depend$ncias do <rgão licitador e 0iii2 &ue a IN, seria a nica
empresa &ue comercialiFaria no Nrasil o conIunto de so.tcares relacionados no certi.icado. % @ri!unal
entendeu &ue tal certi.icado não poderia ser#ir de !ase para a declaração de ine4igi!ilidade de licitação,
pois poderia Ka#er outras empresas, clientes da IN,, capaFes de .ornecer os sistemas necess"rios 6
operação do par&ue computacional de grande porte do <rgão licitador. Al/m disso, esse certi.icado não
corresponde 6s disposições da 7ei EDDDCB3, &ue e4ige atestado .ornecido pelo <rgão do registro do
com/rcio local em &ue se realiFa a licitação ou a o!ra ou o ser#iço, pelo sindicato, .ederação ou
con.ederação patronal, ou ainda, pelas entidades e&ui#alentes.
1DD
Art. 8>( Con.orme +ecisão n? GG=CBB, pu!licada no +%) de GE.G8.BB, p. 3E, oriunda de pedido de
ree4ame contra decisão &ue determinou a realiFação de procedimento licitat<rio para a contratação de
ser#iços de ad#ocacia, transcre#e;se o ensinamento de I#an Nar!osa Rigolin 0c.. ,anual Pr"tico das
7icitações, :arai#a, 1BB1, p.712: L'atureFa singular de um ser#iço, um tra!alKo, o!ra autoral, uma
&ual&uer produção, / a caracter-stica de personalismo incon.und-#el &ue possua( / a sua &ualidade
autoral &ue a distingue de &ual&uer outraH / a sua pr<pria particular, peculiar, dada por uma e apenas
uma pessoa 3 .-sica ou Iur-dica ;, imposs-#el de su!stituição pelo ser#iço de outra pessoa. S o ser#iço
assinalado pelo cunKo ou a cKancela pessoal de algu/m, marcado pelo seu tim!re incon.und-#el,
dotado, por isso, de caracter-sticas &ue lKe emprestem natureFa de singularidade, de incon.undi!ilidade
com outro ser#iço de &uem &uer &ue seIaM.
1D7
Art. 8>( LRessalta;se &ue a mat/ria, contratação de pro.issionais li!erais, desde a edição do +ecreto;lei
n. 8.3GGCED at/ a atual 7ei n. E.DDDCB3, tem suscitado nesta Corte de Contas inmeras deli!erações,
antecedidas de amplos de!ates acerca do assunto, tendo em #ista o alto grau de su!Ieti#idade &ue
en#ol#e a conceituação dos temas relacionados 3 singularidade e not<ria especialiFação.
:istematicamente, essa suposta su!Ieti#idade ser#ia de .undamento para declarar ine4ig-#eis todas as
contratações de ser#iços &ue reca-ssem so!re a&ueles enumerados no art.13 da citada 7ei n. E.DDDCB3.
@oda#ia, acertadamente, este @ri!unal #em esclarecendo e alertando os agentes e entidades p!licas
&ue, ainda &ue a contratação recaia so!re os ser#iços enumerados no art.13 da citada lei, a
ine4igi!ilidade de licitação se caracteriFa somente &uando Kou#er Iusti.icada in#ia!ilidade de
competiçãoM 0AC GG83C8GGG;@C( B8>.87=;=, AC GG=>CB=;P 3 @C( G88.8B8CB8;D, AC G1>7CB=;P 3 @C(
>GG.8G>CB>;8, apud @C G1=.G87CBB;82.
1DE
LArt. 8D( As dispensas pre#istas nos RR 8? e =? do art. 17 e nos incisos III a
XXIO do art. 8=, as situações de ine4igi!ilidade re.eridas no art. 8>,
necessariamente Iusti.icadas
1E=
;
1E>
;
1ED
, e o retardamento pre#isto no .inal
do par"gra.o nico do art. E?, de#erão ser comunicados dentro de tr$s dias
6 autoridade superior, para rati.icação e pu!licação na imprensa o.icial, no
praFo de cinco dias, como condição para e.ic"cia dos atos
1E7
. 0Redação
dada pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
'ota( Assim dispunKa o caput alterado(
Art. 8>( +ecisão n. 38GC8GG8, pu!licada no +%) de 1D.G>.8GG8. Pedido de Ree4ame. 'o relat<rio da
Auditoria 0o &ual .oi con.irmado pela decisão do ,inistro Relator2, e4trai;se o entendimento .irmado
por Celso Antonio Nandeira de ,elo 0in Curso de +ireito Administrati#o, 11
a
. edição, 1BBB, p. 1EE2,
em &ue( Lparece;nos certo &ue, para compor;se a ine4igi!ilidade concernente aos ser#iços arrolados no
art. 13, cumpre tratar;se de ser#iço cuIa singularidade seIa rele#ante para a Administração 0e &ue o
contratado possua not<ria especialiFação2. :e assim não .osse, ine4istiria raFão para a lei Ka#er
mencionado Yde natureFa singularY, logo ap<s a re.er$ncia .eita aos ser#iços arrolados no art. 13 0....2.
*m suma( a singularidade / rele#ante e um ser#iço de#e ser Ka#ido como singular &uando nele tem de
inter.erir, como re&uisito de satis.at<rio atendimento da necessidade administrati#a, um componente
criati#o de seu autor, en#ol#endo o estilo, o traço, a engenKosidade, a especial Ka!ilidade, a
contri!uição intelectual, art-stica ou a argcia de &uem o e4ecuta, atri!utos estes &ue são precisamente
os &ue a Administração reputa con#enientes e necessita para a satis.ação do interesse p!lico Yem causa
YM.
169Art. 8>( +ecisão >13C8GG8, pu!licada no +%) de 8=.1G.8GG8, pgs. 1B8C1B=. Con.irmou;se +ecisão
anteriormente pro.erida, no sentido de ser e4ig-#el a licitação para a prestação de ser#iços de ad#ocacia
sem a not<ria especialiFação. % o!Ieto do contrato em &uestão era !astante amplo, en#ol#endo desde
assuntos corri&ueiros da "rea de pessoal at/ o contencioso tra!alKista do IRN. +essa .orma, o @ri!unal
entendeu &ue não se en&uadra#am tais ser#iços como ser#iços de not<ria especialiFação, nem,
tampouco, em in#ia!ilidade de competição, para contratação direta.
170Art. 8>( *nunciado 3B do @ri!unal de Contas da )nião( Lnot<ria especialiFação s< tem lugar
&uando se trata de ser#iço in/dito ou incomum, capaF de e4igir, na seleção do e4ecutor de con.iança,
um grau de su!Ieti#idade insuscet-#el de ser medido pelos crit/rios o!Ieti#os de &uali.icação inerentes
ao processo de licitação.
171
Art. 8>( LRessalta;se &ue a mat/ria, contratação de pro.issionais li!erais, desde a edição do +ecreto;lei
n. 8.3GGCED at/ a atual 7ei n. E.DDDCB3, tem suscitado nesta Corte de Contas inmeras deli!erações,
antecedidas de amplos de!ates acerca do assunto, tendo em #ista o alto grau de su!Ieti#idade &ue
en#ol#e a conceituação dos temas relacionados 3 singularidade e not<ria especialiFação.
:istematicamente, essa suposta su!Ieti#idade ser#ia de .undamento para declarar ine4ig-#eis todas as
contratações de ser#iços &ue reca-ssem so!re a&ueles enumerados no art.13 da citada 7ei n. E.DDDCB3.
@oda#ia, acertadamente, este @ri!unal #em esclarecendo e alertando os agentes e entidades p!licas
&ue, ainda &ue a contratação recaia so!re os ser#iços enumerados no art.13 da citada lei, a
ine4igi!ilidade de licitação se caracteriFa somente &uando Kou#er Iusti.icada in#ia!ilidade de
competiçãoM 0AC GG83C8GGG;@C( B8>.87=;=, AC GG=>CB=;P 3 @C( G88.8B8CB8;D, AC G1>7CB=;P 3 @C(
>GG.8G>CB>;8, apud @C G1=.G87CBB;82.
178
Art. 8>( A licitação dei4a de ser legalmente e4ig-#el para a contratação de ad#ogado de not<ria
especialiFação pelo crit/rio de con.iança depositada no pro.issional escolKido pelo administrador
0Apelação C-#el n. 1B8.G8B;>, :ão Carlos, >
a
. C9mara de +ireito P!lico, GB.G>.G8, #.u., Rel.
*mmanoel França2.
173
Art. 8>( A +ecisão n? GG=CBB, pu!licada no +%) de GE.G8.BB, p. 3E, oriunda de pedido de ree4ame
contra decisão &ue determinou a realiFação de procedimento licitat<rio para a contratação de ser#iços
de ad#ocacia, asse#erou ao ConselKo +eli!erati#o 'acional do :*NRA* &ue modi.i&ue seu
Regulamento de 7icitações, em especial, o Par"gra.o nico, do art. 88, para dele retirar a e4pressão
QArt. 8D. As dispensas pre#istas nos RR 8? e =? do art. 17 e nos incisos III a
XX do art. 8=, as situações de ine4igi!ilidade re.eridas no art. 8>,
necessariamente Iusti.icadas, e o retardamento pre#isto no .inal do
par"gra.o nico do art. E? desta 7ei de#erão ser comunicados dentro de
tr$s dias 6 autoridade superior para rati.icação e pu!licação na imprensa
o.icial no praFo de cinco dias, como condição para e.ic"cia dos atos.
0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2.Q
Lsendo preponderante, para a escolKa, a relação de con.iança e4istente entre o contratante e o
contratadoM, por .erir o princ-pio da impessoalidade insculpido no art. 37, da Constituição Federal.M
174Art. 8>( +ecisão >13C8GG8, pu!licada no +ou, de 8=.1G.8GG8, pgs. 1B8C1B=. Con.irmou;se
+ecisão anteriormente pro.erida, no sentido de ser e4ig-#el a licitação para a prestação de ser#iços de
ad#ocacia sem a not<ria especialiFação. % o!Ieto do contrato em &uestão era !astante amplo,
en#ol#endo desde assuntos corri&ueiros da "rea de pessoal at/ o contencioso tra!alKista do IRN. +essa
.orma, o @ri!unal entendeu &ue não se en&uadra#am tais ser#iços como ser#iços de not<ria
especialiFação, nem, tampouco, em in#ia!ilidade de competição, para contratação direta.
17>
Art. 8>( Con.orme +ecisão n? =3BCBE, pu!licada no +%) de 31.G7.BE, p. 8=, .irmou;se o entendimento
de &ue Qse en&uadra na Kip<tese de ine4igi!ilidade pre#ista no inciso II, do art. 8>, com!inado com o
inciso OI, do art. 13 da 7ei n? E.DDDCB3 a contratação de pro.essores, con.erencistas ou instrutores, para
ministrar aulas em cursos de treinamento, de .ormação ou de complementação de conKecimentos de
ser#idores especialiFados, desde &ue se trate de cursos desen#ol#idos especi.icamente ou adaptados
para o atendimento das necessidades do contratante eCou #oltados para as peculiaridades dos pro#"#eis
treinandos. 'o &ue se re.ere aos demais treinamentos, !aseados em programas con#encionais ou
dirigidos a ser#idores não especialiFados, / necess"ria a licitação, I" &ue ine4iste singularidade no
ser#iço ou não K" necessidade de contratação de not<rio especialista. %u seIa, K" #ia!ilidade de
competição.M
17D
Art. 8>( +ecisão n? GG=CBB, pu!licada no +%) de GE.G8.BB, p. 3E, oriunda de pedido de ree4ame
contra decisão &ue determinou a realiFação de procedimento licitat<rio para a contratação de ser#iços
de ad#ocacia. 'esta decisão, o :r. Procurador;Aeral, +r. Pair Natista da CunKa, em Parecer e4arado no
@C;G18.1>=CB3;E 3 Ata n? 1=CB= 3 1X C9mara, assim se mani.estou( LPrimeiramente, 6 #ista do disposto
no inciso II do art. 83 cCc o art. 18 do +ecreto;lei n? 8.3GGCED 0norma #igente 6 /poca do processo
licitat<rio2, tr$s são os re&uisitos para #alidar o a.astamento da licitação 0i2 a caracteriFação do ser#iço
como Lt/cnico especialiFadoM, a 0ii2 Lnot<ria especialiFaçãoM do contratado e a 0iii2 LnatureFa singularM
do ser#iço. Ausente &ual&uer desses &uesitos, não K" &ue se .alar em in#ia!ilidade de competição nem,
portanto, de ine4igi!ilidade de processo licitat<rio.M.
177
Art. 8>( +ecisão n. 1B1C8GGG, pu!licada no +%) de GD.G7.8GGG, p.D1CD8, oriunda de Representação,
cuIo o!Ieto .oi o e4ame da ine4igi!ilidade de licitação para a contratação de ser#iços pro.issionais de
ad#ocacia. % ,inistro Relator Uum!erto Auimarães :outo mencionou, em seu #oto, Iurisprud$ncia do
@ri!unal so!re a mat/ria, em &ue pre#alece o entendimento de &ue(
L ; a circunst9ncia de entidade p!lica ou <rgão go#ernamental contar com &uadro pr<prio de
ad#ogados não constitui impedimento legal a contratar ad#ogado particular para prestar;lKe ser#iços
espec-.icos, desde &ue a natureFa e as caracter-sticas de singularidade e de comple4idade desses
ser#iços seIa de tal ordem &ue se e#idencie não poderem ser normalmente e4ecutados pelos
pro.issionais de seus pr<prios &uadros, Iusti.icando;se, portanto, a contratação de pessoa cuIo o n-#el
de especialiFação a recomende para a causaH
; o e4ame da oportunidade e da con#i#$ncia 0:IC2 de e.etuar tal contratação compete ao administrador,
a &uem ca!e analisar e decidir, diante da situação concreta de cada caso, se de#e promo#er a
contratação de pro.issional cuIos conKecimentos, renome e grau de especialiFação seIam essenciais
para a de.esa do interesse p!lico &ue lKe ca!e resguardar e &ue não encontrem paralelo entre os
ad#ogados do &uadro de pessoal da entidade so! sua responsa!ilidadeH
Par"gra.o nico. % processo de dispensa, de ine4igi!ilidade ou de
retardamento, pre#isto neste artigo, ser" instru-do, no &ue cou!er, com os
seguintes elementos(
I ; caracteriFação da situação emergencial ou calamitosa &ue
Iusti.i&ue a dispensa, &uando .or o caso
1EE
H
II ; raFão da escolKa do .ornecedor ou e4ecutanteH
III ; Iusti.icati#a do preço.
1EB
IO ; documento de apro#ação dos proIetos de pes&uisa aos &uais os
!ens serão alocados. 0Inciso acrescentado pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
; a contratação de#e ser .eita entre ad#ogados pr/;&uali.icados como os mais aptos a prestar ser#iços
especialiFados &ue se pretende o!terH
; a contratação de#e ser cele!rada estritamente para a prestação de ser#iço espec-.ico e singular, não se
Iusti.icando, portanto, .irmar contratos da esp/cie #isando 6 prestação de ser#iços de .orma continuada
0+ecisão n. =B=C1BB= 3 Plen"rio 3 Ata n. 3D, pro.erida no @C G1B.EB3C1BB3;G2M.
17E
Art. 8>( % @ri!unal de Stica da %AN, no Processo *;8.3B= 0em parecer e ementa da rel. +ra. ,aria do
Carmo _KitaJer, re#. +r. AuilKerme Florindo Figueiredo e presidente +r. Ro!ison Naroni2 assim se
mani.estou( L% +ecreto 3.>>>CGG, &ue apro#a o regulamento para a modalidade de licitação
denominada pregão, #isando 6 a&uisição de !ens e ser#iços comuns, não elenca, dentre os ser#iços
comuns, a prestação dos ser#iços de Ad#ocacia. *ste @ri!unal tem entendido &ue para a contratação de
ad#ogados as empresas p!licas não estão suIeitas a promo#er licitação. A Ad#ocacia / e de#e ser
encarada como ser#iço de alta especialiFação, al/m do car"ter de irrestrita con.iança &ue de#e nortear o
relacionamento dela decorrente. A .im de e#idenciar transpar$ncia, a entidade go#ernamental pode
optar pela licitação, por/m Iamais so! a .orma de pregão, a#iltante e e4ecr"#el para a contratação dos
ser#iços ad#ocat-cios e esta!elecimento de Konor"rios. Uonor"rios sugerem Konra e esta não pode ser
su!missa a pregõesM.
179Art. 8>( +ecisão n. 1.=B8C8GG8, pu!licada no +%) de GE.11.8GG8, p"g. 8=1. Representação.
Contratação de Fundação de Apoio para a prestação de ser#iços t/cnicos especialiFados com !ase noi
art. 8>, inciso II, da 7ei n. E.DDDCB=. %corr$ncia de natureFa .ormal. Proced$ncia em parte. % contrato
cele!rado em G=.G7.1BB7, com .undamento na ine4igi!ilidade de licitação, na import9ncia de RW
3DG.GGG,GG, te#e por o!Ieto a e4ecução de ser#iços nas "reas de in.orm"tica e geoprocessamento,
consistentes na ela!oração do Plano +iretor de In.orm"tica e do Plano de Aeoprocessamento do Idace e
na .ormulação para a implantação de proIeto;piloto de geoprocessamento na "rea de a!rang$ncia da
!acia do açude CastanKão, entre outros. A :*C*X;C* entendeu &ue as Iusti.icati#as apresentadas pelo
respons"#el não poderiam ser aceitas, tendo em #ista &ue não .oram apresentados elementos concretos
em de.esa de sua tese &ue compro#assem a in#ia!ilidade da competição em .ace da singularidade do
o!Ieto. % ,inist/rio P!lico assim se mani.estou( LCom e.eito, assiste raFão 6 unidade instruti#a, ao
concluir &ue não restou con.igurada na Kip<tese, a in#ia!ilidade de competição, em especial a
singularidade dos ser#iços contratados, ainda &ue e#idenciado tratar;se de ser#iço t/cnico pro.issional
especialiFado. @ampouco, restou demonstrada a not<ria especialiFação da entidade contratada, .rente
aos tra!alKos a serem e4ecutados 0...2. 'ão, o!stante a pecKa de irregualridade &ue paira so!re o
processo, / de se reconKecer as contro#/rsias concernentes 6 interpretação e correta aplicação do
disposto no inciso II do art. 8> da 7ei n. E.DDDCB3, !em como o .ato de &ue o o!Ieto .oi integralmente
cumprido, não Ka#endo ind-cios de m" ./ ou locupletamento por parte do gestor. Assim, não se nos
a.igura &ue o ato padeça de ilegalidade gra#e, legitimidade ou antieconomicidade, K"!eis a enseIar a
aplicação da multaM. % @ri!unal conKeceu da Representação e no m/rito, considerou;a procedente em
parte, em raFão da .alKa de natureFa .ormal e determinou &ue se Iusti.i&ue, ade&uadamente, a situação
de ine4igi!ilidade, nos termos do art. 8D da mesma 7ei.

180Art. 8>( *nunciado 3B do @ri!unal de Contas da )nião( Lnot<ria especialiFação s< tem lugar
&uando se trata de ser#iço in/dito ou incomum, capaF de e4igir, na seleção do e4ecutor de con.iança,
um grau de su!Ieti#idade insuscet-#el de ser medido pelos crit/rios o!Ieti#os de &uali.icação inerentes
ao processo de licitação.
1E1
Art. 8>( Con.orme +ecisão n? GG=CBB, pu!licada no +%) de GE.G8.BB, p. 3E oriunda de pedido de
SEÇ#O II
DA HAGILITAÇ#O
190
O
191
ree4ame contra decisão &ue determinou a realiFação de procedimento licitat<rio para a contratação de
ser#iços de ad#ocacia. % Ooto do :r. ,in. Relator %la#o +rummond, &uando do Iulgamento do @C;
G18.1>=CB3;E 0Ata n? 1=CB= 3 1X C9mara, :essão de G3.G>.B=2, .oi no sentido de &ue( L'ão / demais
lem!rar, por/m, como o .eF a instrução, o &ue diF o *nunciado n? 3B, da :mula deste @ri!unal( not<ria
especialiFação s< tem lugar &uando se tratar de ser#iço in/dito ou incomum, capaF de e4igir na seleção
do e4ecutor de con.iança, um grau de su!Ieti#idade, insuscept-#el de ser medido pelos crit/rios
o!Ieti#os de &uali.icação inerentes ao processo de licitação. Por outro lado, não se pode con.undir
not<ria especialiFação com simples Ka!ilitação pro.issional. A&uela diF respeito ao reconKecimento
p!lico de alta capacidade pro.issional e esta 6 simples autoriFação legal para e4ercer a pro.issão. S a
lição de UelT 7opes ,eirelles. %ra, para prestar ser#iços de de.esa em Iu-Fo de interesses da empresa
não /, necessariamente, e4ig-#el a not<ria especialiFação, mas, simplesmente, a Ka!ilitação pro.issional
e4igida em 7ei.M
1E8
Art. 8>( +ecisão >13C8GG8, pu!licada no +%) de 8=.1G.8GG8, pgs. 1B8C1B=. Con.irmou;se +ecisão
anteriormente pro.erida, no sentido de ser e4ig-#el a licitação para a prestação de ser#iços de ad#ocacia
sem a not<ria especialiFação. % o!Ieto do contrato em &uestão era !astante amplo, en#ol#endo desde
assuntos corri&ueiros da "rea de pessoal at/ o contencioso tra!alKista do IRN. +essa .orma, o @ri!unal
entendeu &ue não se en&uadra#am tais ser#iços como ser#iços de not<ria especialiFação, nem,
tampouco, em in#ia!ilidade de competição, para contratação direta.
1E3
Art. 8>( +ecisão n. 1B=C8GG1, pu!licada no +%) de 8G.G=.8GG1, p"ginas 1GDC1G7. Representação de
empresa contra o :er#iço de Processamento de +ados 3 :erpro, acerca de irregularidades em a&uisição
de resmas de papel !ranco, por dispensa de licitação, lastreada no inciso IO, do art. 8=, da 7ei de
7icitações, de um nico .ornecedor e por preços superiores aos de mercado. A Iusti.icati#a para a
a&uisição .oi no sentido da 0i2 ine4ist$ncia de recursos orçament"rios para o suprimento regular dos
esto&ues e 0ii2 ele#ação do consumo, al/m do pre#isto. % @ri!unal assim decidiu( LRelati#amente 6
alegada urg$ncia na a&uisição das DE.GGG resmas de papel, de .ato não K" elementos su.icientes nos
autos para indicar a ocorr$ncia de poss-#eis preIu-Fos 6 Administração P!lica caso .altasse o material
comprado. @oda#ia, a situação emergencial decorreu de .alta de planeIamento administrati#o ou de
pre#isão de necessidades per.eitamente pre#is-#eis. +adas as atri!uições do :erpro, a manutenção de
esto&ue de papel para impressão / de#er de sua administração, sendo irregular apelar para a dispensa de
licitação em .ace da .alta de um produto de uso cotidiano. +estaco &ue o re.erido material destina#a;se
a deF unidades do :erpro, localiFadas nas cidades de Nras-lia, Nel/m, FortaleFa, Reci.e, :al#ador, Nelo
UoriFonte, Rio de Paneiro, :ão Paulo, Curiti!a e Porto Alegre. 'o entanto, a compra .oi realiFada de
um nico .ornecedor, localiFado em Nras-lia. *m caso de urg$ncia, natural seria &ue as compras .ossem
realiFadas o mais pr<4imo poss-#el dos locais em &ue os produtos se .aFiam necess"rios, o &ue
implicaria a&uisições localiFadas nas deF cidades mencionadas 0....2. 'o &ue pertine ao preIu-Fo
decorrente do super .aturamento de preços, e4 #i do 7EB 8
?
, do art. 8> da 7ei n. E.DDDCB3, a empresa
.ornecedora dos !ens de#e ser inclu-da solidariamente no rol da responsa!ilidadeM.
1E=
Art. 8D( +ecisão n. DD=C8GG1, pu!licada no +%) de 1=.11.8GG1. Representação em raFão de alegadas
irregularidades em Carta Con#ite, para a a&uisição de LtonerM para impressoras. % @ri!unal tem se
mani.estado no sentido de &ue pode Ka#er indicação de marca, para e.eito de padroniFação, podendo
at/ mesmo .undamentar a ine4igi!ilidade de licitação, desde &ue a mesma seIa .ormalmente Iusti.icada,
inclusi#e &uanto ao preço e rati.icada pela autoridade competente. @oda#ia, a Iusti.icati#a para a
indicação de marca de#e .undamentar;se em raFões de ordem t/cnica. Alegar o princ-pio da
padroniFação como argumento para limitar a participação dos o.ertantes em procedimento licitat<rio,
ou mesmo para declar";lo ine4ig-#el, re&uer Iusti.icação o!Ieti#a dos moti#os &ue le#am o
A$%. 27. Para a Ka!ilitação nas licitações e4igir;se;" dos
interessados, e4clusi#amente, documentação relati#a a
1B8
;
1B3
;
1B=
;
1B>
;
1BD
(
I ; Ka!ilitação Iur-dicaH
II ; &uali.icação t/cnicaH
III ; &uali.icação econ5mico;.inanceiraH
IO ; regularidade .iscal
1B7
.
administrador a essa conclusão.
185Art. 8D( +ecisão n. 1.83GC8GG8, pu!licada no +%) de 87.GB.8GG8. Representação a respeito de
contratação de :er#iço de @ele.onia Fi4a Comutada 3 :@FC. % @ri!unal ampliou o entendimento
.irmado na +ecisão n. 1BDC8GG1;@C);Plen"rio, para incluir a necessidade de realiFação de
procedimento licitat<rio pelo Poder P!lico para contratação não s< de :er#iço ,<#el Celular 3 :,C,
mas tam!/m de :er#iço @ele.5nico Fi4o Comutado 3 :@FC, 6 e4ceção de situações e4cepcionais de
dispensa ou ine4igi!ilidade, pre#istas nos art.s 8= e 8> da 7ei n. E.DDDCB3, desde &ue pre#iamente
.undamentadas e instru-das nos termos do art. 8D, da mesma 7ei.
1ED
Art. 8D( +ecisão n. 1.8G7C8GG8, pu!licada no +%) de 8>.GB.8GG8. Representação .ormulada por
unidade t/cnica. Contratação de ser#iço m<#el celular sem licitação. A empresa Americel :CA .oi
contratada sem licitação para a prestação de ser#iços de tele.onia m<#el. 'a proposta de decisão, o
,in. Relator ,arcos Nem&uerer Costa assim se mani.estou( L....penso &ue a Coordenação Aeral de
7og-stica do ,inist/rio da Pustiça não moti#ou de .orma con#incente a ine4igi!ilidade de licitação. %
argumento de &ue o <rgão I" possu-a sete linKas tele.5nicas ad&uiridas da Americel :CA !em como a
alegação de &ue outros <rgãos da administração p!lica .ederal tam!/m Ka#iam contratado essa
empresa mediante a ine4igi!ilidade não constitui raFão &ue legitime a in#ia!ilidade de competição
na&uele momentoM. % @ri!unal determinou 6 Coordenação Aeral de 7og-stica do ,inist/rio da Pustiça
&ue, nas contratações por ine4igi!ilidade, certi.i&ue;se da in#ia!ilidade de competição, nos termos do
art. 8>, caput, da 7ei n. E.DDDCB3.0gri.os ausentes do original2.
1E7
Art. 8D( Con.orme +ecisão n? 3GC8GGG, pu!licada no +%) de G=.G8.8GGG, pg. >>, salientou;se &ue
Lem &ual&uer contratação e.etuada com dispensa de licitação, seIa o!ser#ado, com rigor, o disposto no
art. 8D da 7ei n? E.DDDCB3, de modo &ue seIam de#idamente Iusti.icados os moti#os da escolKa do
.ornecedor ou e4ecutante e os preços pactuados.M

188Art. 8D, inciso I( Ac<rdão n. 8D7C8GG3, o!Ieto do @C n. GG1.87>C1BBB;8, pu!licado no +%) de
13.G3.8GG3, p"gs. B7CBB. Representação acerca de poss-#eis irregularidades em licitação. % @ri!unal de
Contas determinou para se o!ser#ar, no caso de contratação em car"ter emergencial, al/m do disposto
no art. 8=, inciso IO, com!inado com o art. 8D, par"gra.o nico, incisos I e III da 7ei n. E.DDDCB3 e nas
+ecisões n. 3=7CB= e D87CBB;@C);Plen"rio, tam!/m a necessidade de consultar o maior nmero
poss-#el de interessados, em atenção aos princ-pios da impessoalidade e da moralidade administrati#a
&ue de#em reger as ati#idades do administrador p!lico.
189Art. 8D, inciso III( Ac<rdão n. 8D7C8GG3, o!Ieto do @C n. GG1.87>C1BBB;8, pu!licado no +%) de
13.G3.8GG3, p"gs. B7CBB. Representação acerca de poss-#eis irregularidades em licitação. % @ri!unal de
Contas determinou para se o!ser#ar, no caso de contratação em car"ter emergencial, al/m do disposto
no art. 8=, inciso IO, com!inado com o art. 8D, par"gra.o nico, incisos I e III da 7ei n. E.DDDCB3 e nas
+ecisões n. 3=7CB= e D87CBB;@C);Plen"rio, tam!/m a necessidade de consultar o maior nmero
poss-#el de interessados, em atenção aos princ-pios da impessoalidade e da moralidade administrati#a
&ue de#em reger as ati#idades do administrador p!lico.
190 +ecisão n. ED1C8GGG, pu!licada no +%) de 8G.1G.8GGG. Representação contra poss-#eis
irregularidades em processo licitat<rio. Proced$ncia parcial. Aus$ncia de amparo legal para a e4ig$ncia
pre#ista no edital de licitação atacada, de pr/#io cadastramento dos licitantes no :ICAF. % @ri!unal
determinou ao <rgão licitante &ue, nos certames licitat<rios &ue promo#er, a!stenKa;se de estipular,
O ; cumprimento do disposto no inciso XXXIII do art. 7
?
, da
Constituição Federal.0 Inciso acrescentado pela 7ei n? B.E>=, de 87.1G.BB2
A$%. 28. A documentação relati#a 6 Ka!ilitação Iur-dica, con.orme o
caso, consistir" em(
I ; c/dula de identidadeH
II ; registro comercial, no caso de empresa indi#idualH
III ; ato constituti#o, estatuto ou contrato social em #igor,
de#idamente registrado, em se tratando de sociedades comerciais e, no
para e.eito de Ka!ilitação dos interessados, e4ig$ncias &ue e4cedam os limites .i4ados nos arts. 87 a 33
da 7ei n. EDDDCB3, tais como( a2 cadastramento e Ka!ilitação dos licitantes no :ICAF e !2 apresentação,
pelos licitantes, de reci!os de pagamento compro#ando a e4ist$ncia, em per-odo anterior 6 data pre#ista
para a entrega das propostas, de #-nculo empregat-cio com o respons"#el t/cnico indicado.
191 +ecisão n. >E1C8GGG, pu!licada no +%) de 11.GE.8GGG, p"gs. E=CE>. Representação de empresas
licitantes, apontando supostas irregularidades no te4to do edital de Concorr$ncia. Proced$ncia em
parte. % @ri!unal detrerminou ao <rgão licitante &ue se a!stenKa de e4igir dos licitantes a compro#ação
de inscrição ou registro da empresa no PR%ARA,A +* A7I,*'@Aa`% +% @RANA7UA+%R 3
PA@, institu-do pela 7ei n. D.381C7D, por .alta de amparo legal.
192Art. 87( +ecisão n. 11G8C8GG1, pu!licada no +%) de 8=.G8.8GG8. Representação contra a
e4ig$ncia de apresentação de prot<tipo para .ins de Ka!ilitação. Ine4ist$ncia de pre#isão legal
autoriFadora deste re&uisito. % ,in. Relator NenIamim \Tmler, &uando da prolação de seu #oto, assim
se mani.estou( L+iscute;se, no m/rito, tema I" en.rentado pelo @ri!unal em outras oportunidades(
possi!ilidade de e4igir, dos licitantes, apresentação de prot<tipos ou amostras dos !ens o!Ieto do
certame como re&uisito essencial para participação no procedimento. Con.orme destacado pelo
)nidade @/cnica, esta Corte, ao apreciar relat<rio de auditoria e.etuado no Nanco Central do Nrasil na
"rea de licitação, dei4ou assente seu entendimento no sentido de &ue a inserção da re.erida e4ig$ncia
restringe o car"ter competiti#o da licitação, sendo il-cita, por a!soluta .alta de autoriFação legal
0+ecisão n. 8EECBD ;3Plen"rio2. *m outra assentada, o @ri!unal mante#e sua orientação inicial de ser
ilegal a e4ig$ncia de apresentação de amostras como condição de Ka!ilitação 0+ecisão n. 8G1CBB 3
Plen"rio2. +e .ato, as e4ig$ncias esta!elecidas pela lei n. E.DDDCB3 para Ka!ilitar os interessados em
participar de licitação na Administração P!lica são a&uelas pre#istas no art. 87 e re.erem;se "
&uali.icação Iur-dica, econ5mico;.inanceira, .iscal e t/cnica. 'ão pode o gestor impor condições outras
&ue não a&uelas pre#istas em lei para .ins de &uali.icar o .uturo contratado. A norma procura garantir as
condições para os interessados participarem de licitação, concretiFando o princ-pio constitucional da
impessoalidade, sem &ue se prescinda de garantias 6 Administração de &ue o .ornecimento de !ens e
ser#iços ser" .eito de .orma ade&uada, o!edecidos re&uisitos m-nimos de &ualidadeM. A decisão .oi no
sentido de &ue o <rgão licitador de#e limitar;se 6 apresentação de amostras ou prot<tipos dos !ens a
serem ad&uiridos na .ase de classi.icação das propostas e desde &ue de#idamente disciplinada, de
.orma detalKada, no instrumento con#ocat<rio.
193Art. 87( Con.orme +ecisão n? >8CBB, pu!licada no +%) de 18.G3.BB, p. 1G3, assentou;se &ue não
se de#e incluir nos editais cl"usulas &ue L o!riguem aos licitantes a apresentarem, na .ase de
Ka!ilitação, compro#ante de .iliação 6 determinados sindicatos, tendo em #ista &ue o re.erido
documento não consta dentre a&ueles dispostos nos arts. 87 a 31, da 7ei n? E.DDDCB3.M
1B=
Art. 87( Con.orme +ecisão n? 8==C8GGG, pu!licada no +%) de 8>.G=.8GGG, p. 117, deli!erou o
@ri!unal ao <rgão licitante &ue Lnas contratações de ser#iços de manutenção de e&uipamentos,
a!stenKa;se de e4igir dos licitantes pro#a de credenciamento Iunto ao .a!ricante, sal#o se
a!solutamente indispens"#el e desde &ue a contratação se limite, so!retudo no aspecto temporal, 6
a!rang$ncia estritamente necess"ria 6 preser#ação do interesse p!lico.M
1B>
Art. 87( LICITAÇÃO. ANULAÇÃO. DOCUMENTO FALSO.
'o caso, não ca!e 6 administração p!lica re&uerer a de#olução dos #alores pagos por o!ras realiFadas
com .undamento na nulidade do contrato. ,esmo declarada a nulidade da licitação por culpa da
caso de sociedades por ações, acompanKado de documentos de eleição de
seus administradores
1BE
H
IO ; inscrição do ato constituti#o, no caso de sociedades ci#is,
acompanKada de pro#a de diretoria em e4erc-cioH
O ; decreto de autoriFação, em se tratando de empresa ou sociedade
estrangeira em .uncionamento no Pa-s
1BB
, e ato de registro ou autoriFação
para .uncionamento e4pedido pelo <rgão competente, &uando a ati#idade
assim o e4igir.
empresa contratada, &ue se utiliFou de documento .also para #encer o procedimento licitat<rio para
re.orma e adaptações de pr/dio p!lico, de#e a administração p!lica indeniFar a empresa pela
e4ecução das etapas da o!ra contratada at/ a data da declaração de nulidade, e.eitos ex tunc 3
incid$ncia do +7 n. 8.EGGC1BED, re#ogado pela 7ei n. E.DDDC1BB3, mas em #igor na /poca da prestação
dos ser#iços o!Ieto da lide. Precedentes citados( R*sp =DE.1EB;:P, +P 18C>C8GG3H Ag no R*sp
3G3.73G;A,, +P G8C18C8GG8H Ag no R*sp 338.B>D;:P, +P 1DC18C8GG8, e R*sp 387.31=;:P, +P
8BC=C8GG8. "E*7 408.78?O"N, "01. 4+). /$')5+,11+ N0%%(, @,1>'&( 0< ?H6H2003.
196Art. 87( +ecisão n. =EGC8GG8, pu!licada no +%) de 8G.G>.8GG8. Representação acerca de supostas
irregularidades em edital de concorr$ncia p!lica. +eterminações. % @ri!unal determinou ao <rgão
licitante &ue não considere, para e.eito de pontuação t/cnica, o nmero de atestados de capacitação
apresentados, por&uanto tais atestados, nos termos dos arts. 87 e 3G, R 1
?
, da 7ei n. EDDDCB3, integram a
documentação relati#a 6 &uali.icação t/cnica dos licitantes, a ser e4igida na .ase de Ka!ilitação dos
interessados.
197 Oide +ecreto >.>ED, de 1B.11.8GG>, &ue re#ogou o +ecreto >.>18, de 1>.GE.8GG>.
198Art. 8E( AD4INIST"ATICO. LICITAÇ#O. HAGILITAÇ#O. 4ANDADO DE
SE!U"ANÇA. EDITAL. 'ão K" de se prestigiar posição decis<ria assumida pela Comissão de
7icitação &ue ina!ilita concorrente com !ase em circunst9ncia impertinente ou irrele#ante para o
espec-.ico o!Ieto do contrato, .aFendo e4ig$ncia sem contedo de repercussão para a con.iguração da
Ka!ilitação Iur-dica, da &uali.icação t/cnica, da &uali.icação econ5mica;.inanceira e regularidade .iscal.
:e o edital e4ige &ue a pro#a da Ka!ilitação Iur-dica da empresa de#e ser .eita, apenas, com a
apresentação do Qato constituti#o e suas alterações, de#idamente registrada ou ar&ui#adas na repartição
competente, constando dentre seus o!Ieti#os a e4clusão de ser#iços de Radiodi.usão...Q, / e4cessi#a e
sem .undamento legal a ina!ilitação de concorrente so! a simples a.irmação de &ue cl"usulas do
contrato social não se KarmoniFam com o #alor total do capital social e com o correspondente !alanço
de a!ertura, por tal entendimento ser #ago e impreciso. :egurança concedida. 0,: >DGDC+FH
1BBECGGG888=;= , +P +A@A(1GCGEC1BBE, PA(GGGG=, Relator ,in. P%:S +*7AA+%, +ata da +ecisão
de 13CG>C1BBE, %rgão Pulgador :1 ; PRI,*IRA :*a`%2.
199Art. 8E( A +ecisão n? 1B8CBE, pu!licada no +%) de G>.G>.BE, p.BE, anulou o *dital de
Concorr$ncia n? G=CBD e determinou &ue, &uando da ela!oração do no#o *dital, neste L.aça constar a
e4ig$ncia, para empresa ou sociedade estrangeira em .uncionamento no Pa-s, dos documentos de
Ka!ilitação Iur-dica pre#istosM no inciso O do artigo em &uestão.
A$%. 29. A documentação relati#a 6 regularidade .iscal
8GG
;
8G1
,
con.orme o caso, consistir" em(
I ; pro#a de inscrição no Cadastro de Pessoas F-sicas 0CPF2 ou no
Cadastro Aeral de Contri!uintes 0CAC2
8G8
H
II ; pro#a de inscrição no cadastro de contri!uintes estadual ou
municipal, se Kou#er, relati#o ao domic-lio ou sede do licitante, pertinente
ao seu ramo de ati#idade e compat-#el com o o!Ieto contratualH
III ; pro#a de regularidade para com a FaFenda Federal
8G3
, *stadual
e ,unicipal do domic-lio ou sede do licitante, ou outra e&ui#alente, na
.orma da leiH
IO ; pro#a de regularidade relati#a 6 :eguridade :ocial
8G=
;
8G>
e ao
Fundo de Aarantia por @empo de :er#iço 0FA@:2, demonstrando situação
regular no cumprimento dos encargos sociais institu-dos por lei. 0Redação
dada ao inciso IO pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2.
%N*ROAa`% I,P%R@A'@*( O*R 7*I C%,P7*,*'@AR 183, +*
1=.18.8GD, ^)* +I:CIP7I'A A R*A)7ARI+A+* FI:CA7 +A:
,ICR%*,PR*:A: * *,PR*:A: +* P*^)*'% P%R@*.
200Art. 8B( Ac<rdão n. 8D7C8GG3, o!Ieto do @C n. GG1.87>C1BBB;8, pu!licado no +%) de 13.G3.8GG3,
p"gs. B7CBB. Representação acerca de poss-#eis irregularidades em licitação. % @ri!unal de Contas da
)nião determinou para atentar &ue, em .uturos procedimentos licitat<rios, para a possi!ilidade de
ocorr$ncia de tentati#a de licitante de .raudar licitação, especialmente com relação 6 situação de
regularidade .iscal com a seguridade social, mediante a utiliFação da sucessão de empresas para
enco!rir pend$ncias impediti#as da Ka!ilitação da empresa origin"ria, adotando as pro#id$ncias &ue se
.iFerem necess"rias.
201 Oide +ecreto >.>ED, de 1B.11.8GG>, &ue re#ogou o +ecreto >.>18, de 1>.GE.8GG>.
202Art. 8B( Atualmente denominado C'PP ; Cadastro 'acional de Pessoas Pur-dicas, por .orça do
+ecreto 3GGG, de 8D.G3.1BBB.
203 Oide +ecreto >.>ED, de 1B.11.8GG>, &ue re#ogou o +ecreto >.>18, de 1>.GE.8GG>.
204Art. 8B( Ac<rdão n. 8D7C8GG3, o!Ieto do @C n. GG1.87>C1BBB;8, pu!licado no +%) de 13.G3.8GG3,
p"gs. B7CBB. Representação acerca de poss-#eis irregularidades em licitação. % @ri!unal de Contas da
)nião determinou para atentar &ue, em .uturos procedimentos licitat<rios, para a possi!ilidade de
ocorr$ncia de tentati#a de licitante de .raudar licitação, especialmente com relação 6 situação de
regularidade .iscal com a seguridade social, mediante a utiliFação da sucessão de empresas para
enco!rir pend$ncias impediti#as da Ka!ilitação da empresa origin"ria, adotando as pro#id$ncias &ue se
.iFerem necess"rias.
205 Oide +ecreto >.>ED, de 1B.11.8GG>, &ue re#ogou o +ecreto >.>18, de 1>.GE.8GG>.
A$%. 30. A documentação relati#a 6 &uali.icação t/cnica
8GD
limitar;
se;" a
8G7
;
8GE
(
I ; registro ou inscrição na entidade pro.issional competente
8GB
;
81G
;
811
;
818
;
813
H
II ; compro#ação de aptidão para desempenKo de ati#idade
pertinente e compat-#el em caracter-sticas, &uantidades e praFos com o
o!Ieto da licitação
81= ;
;
81>
;
81D
;
817
;
81E
;
81B
;
88G
, e indicação das
instalações e do aparelKamento e do pessoal t/cnico ade&uados e
206Art. 3G( A Resolução 'ormati#a n. 1E>, de 8>.1G.8GG8 dispõe so!re a delegação de compet$ncia
aos ConselKos Regionais de ^u-mica, para a#aliar e e4pedir documentos de capacitação t/cnica de
pro.issionais e de empresas da "rea de &u-mica.
207Art. 3G( Con.orme +ecisão n? DEBCB7, pu!licada no +%) de 87.1G.B7, p.8=88E, assentou;se &ue
não se de#e e4igir como L.orma de Ka!ilitação t/cnica, documentos al/m dos listados no art. 3G da 7ei
n? E.DDDCB3, em especial a apresentação de declaração e4pressa de concord9ncia aos termos do edital
licitat<rioQ.
208Art. 3G( A +ecisão n? G8GCBE, pu!licada no +%) de 1D.G8.BE, p. 1G8, determinou ao <rgão
licitante &ue Lnas .uturas licitações para a&uisição de !ens e ser#iços de in.orm"tica, não e4iIa &ue, so!
pena de desclassi.icação da proposta, seIa apresentado Certi.icado da s/rie I:% BGGGH e, &uando
considerada imprescind-#el a apresentação do Certi.icado '%O*77, seIa concedido praFo su.iciente
para &ue tal e4ig$ncia possa ser cumprida.M
209Art. 3G( Con.orme +ecisão n? 3=ECBB, pu!licada no +%) de 88.GD.BB, p.D7, determinou;se ao
<rgão licitante &ue L não mais inclua em .uturos editais de licitação e4ig$ncia acerca de &ue o registro
no CR*A do local de origem da empresa licitante rece!a 8+*%( do CR*A do local de realiFação das
o!ras, com .ins de mera participação em licitação, uma #eF &ue, segundo pac-.ica Iurisprud$ncia desta
Corte, o #isto somente de#e ser e4igido &uando da contratação.M
210Art. 3G( Con.orme +ecisão n? >3ECBE, pu!licada no +%) de 8>.GE.BE, p.3D, &ue anulou a
Concorr$ncia, diante da e4ist$ncia de irregularidade. )ma delas .oi a e4ig$ncia de Al#ar" de
Ua!ilitação, emitido pelo ConselKo de Administração do local onde a empresa .osse sediada. @al
determinação, disposta no *dital, in.ringiu o contido no art. 3G, inciso I, posto &ue a inclusão de
cl"usula e4igindo Al#ar" de Ua!ilitação do lugar onde est" sendo realiFada a licitação, al/m do local
onde a .irma mant/m sua sede, restringe a participação dos licitantes, at/ por&ue o re.erido inciso limita
a solicitar registro na entidade competente.
811
Art. 3G( +ecisão n? 18DCBB, pu!licada no +%) de 18.G=.BB, p. =3, oriunda de Representação contra
inclusão de cl"usula irregular em edital de licitação. Asse#erou o Representante do ,inist/rio P!lico,
+r. )!aldo Al#es Caldas &ue( L+e pronto, #eri.ica;se &ue o item do edital impugnado decorre de clara
in.ring$ncia a dispositi#o da 7ei n? E.DDDCB3. % registro do atestado tem &ue ser e.etuado por 0)%+&'&0
7$(3+**+()'1 5(<70%0)%0, do &ue decorre &ue de#e ser e.etuado por entidade &ue represente e .iscaliFe
pro.issionais, nunca por entidade patronal como / o :*AC*C.M
212Art. 3G( +ecisão n. 3E=C8GG8, pu!licada no +%) de 8D.G=.8GG8. Representação de licitante &ue
se insurgiu contra dois t<picos do edital, relati#o 6 contratação de empresa para .ornecimento de mão
de o!ra especialiFada para prestação de ser#iços de manutenção predial, pre#enti#a e correti#a de
instalações el/tricas, Kidr"ulicas, "reas e4ternas, "reas comuns, mo!ili"rio, instalações especiais 0rede
de telem"tica2, com .ornecimento de e&uipamentos, .erramentas e materiais, &uais seIam( 0i2 e4ig$ncia
de apresentação de atestados #isados pelo ConselKo Regional de Administração 0CRA2 e 0ii2 e&u-#oco
acerca da modalidade de licitação eleita, designada PR*A`%, a &ual não / aplic"#el para ser#iços de
engenKaria, nos termos do disposto no art. >
o
, do +ecreto 3.>>>C8GGG. % ,inistro Relator assim se
mani.estou( Lo edital tem por o!Ieto a contratação de empresa para o .ornecimento de mão de o!ra
especialiFada para a prestação de ser#iços de manutenção predial. +esta .orma, partilKando o
dispon-#eis para a realiFação do o!Ieto da licitação
881
;
888
;
883
, !em como
da &uali.icação de cada um dos mem!ros da e&uipe t/cnica &ue se
responsa!iliFar" pelos tra!alKosH
III ; compro#ação, .ornecida pelo <rgão licitante, de &ue rece!eu os
documentos, e, &uando e4igido, de &ue tomou conKecimento de todas as
in.ormações e das condições locais para o cumprimento das o!rigações
o!Ieto da licitaçãoH
IO ; pro#a de atendimento de re&uisitos pre#istos em lei especial,
&uando .or o caso.
posicionamento adotado na +ecisão n. =DECBD ; Plen"rio, entendo &ue o o!Ieto licitado não se en&uadra
como ser#iço de engenKaria, mas apenas como .ornecimento de mão de o!ra especialiFada para a
prestação de ser#iços de manutenção predial. Como conse&u$ncia, o ConselKo Regional de
Administração, nos termos do art. 8
o
, al-nea L!M, da 7ei n. =.7DBCD>, / o <rgão de .iscaliFação
pro.issional competente para emitir os documentos de capacitação t/cnica e de acer#o t/cnico da
empresa da empresa contratada, não Ka#endo nenKuma ilegalidade na e4ig$ncia. 'ão sendo ser#iço de
engenKaria, so!re a Kip<tese em e4ame tam!/m não incide o art. >
o
do +ecreto 3.>>>C8GGG, &ue
prescre#e &ue a licitação na modalidade de pregão não se aplica 6s contratações de tal natureFa.
Acrescente;se ainda &ue o o!Ieto licitado / ser#iço comum, nos termos do +ecreto n. 3.>>>C8GGG, pois
o .ornecimento de mão de o!ra para manutenção de !ens m<#eis e im<#eis / a especi.icação mais
usual do mercado para o desempenKo desse tipo de ati#idade, tal como ocorre com os ser#iços de
limpeFa e conser#ação 0art. 3
o
, R 8
o
, com!inado com os itens 17, 1B e 8G do Ane4o II do re.erido
diploma2M.
813
Art. 3G( AD4INIST"ATICO. LICITAÇ#O. EDITAL. EWI!XNCIA DE "E!IST"O NO
CONSELHO "E!IONAL DE EN!ENHA"IA, A"YUITETU"A E A!"ONO4IA. +e.eito
menor na certidão, insusceti#el de comprometer a certeFa de &ue a empresa esta registrada no ConselKo
Regional de *ngenKaria, Ar&uitetura e Agronomia, não pode impedir;lKe a participação na
Concorr$ncia. Recurso %rdin"rio impro#ido. 0R%,: D1BECRPH R*C)R:% %R+I'ARI% *,
,A'+A+% +* :*A)RA'aA,1BB>CGG=>DDD;=, +P +A@A(8DCG8C1BBD, PA(G3B7B,Relator ,in. ARI
PARA*'+7*R,+ata da +ecisão de 13C18C1BB>, ergão Pulgador @8 ; :*A)'+A @)R,A2.
81=
Art. 3G( +ecisão >1EC8GGG, pu!licada no +%) de 1G.G7.8GGG, p.=D, oriunda de Representação de
licitante, ante a e4ist$ncia de irregularidades em @omada de Preços Iunto ao Centro de Instrução
Almirante Ale4andrino, do ,inist/rio da ,arinKa. 'a +ecisão prolatada pelo ,inistro Iram :arai#a,
.oi determinado ao <rgão licitador &ue somente pri#ilegie a 0K70$+N)5+' ')%0$+($ nas Forças Armadas
de empresa ou de seus pro.issionais em procedimentos licitat<rios na "rea de in.orm"tica, &uando essa
e4peri$ncia .or essencial para a prestação do ser#iço ou &uando de tratar;se de e&uipamento ou
so.tcare de uso espec-.ico das Forças Armadas.

- Art. 3G( Con.orme +ecisão n? 3E1CBE, pu!licada no +%) de G8.G7.BE, p. D=, oriunda da
Representação de duas concorrentes, ante a e4ist$ncia de irregularidades por parte do +'*R &uando da
Concorr$ncia n? G1B3CBD, para prestação de ser#iços de assist$ncia odontol<gica, em n-#el nacional,
asse#erou o @ri!unal &ue de#er" o <rgão licitante o!ser#ar Lno Iulgamento dos documentos de
Ka!ilitação, a e4ig$ncia de &ue os atestados .ornecidos por pessoas Iur-dicas de direito p!lico ou
pri#ado, para .ins de &uali.icação t/cnica, contenKam discriminação das caracter-sticas, &uantidades e
praFos das ati#idades e4ecutadas ou em e4ecução pelos licitantes, de modo &ue seIa poss-#el a.erir a
sua pertin$ncia e compati!ilidade com o o!Ieto da licitação, consoante disposto no art. 3G, inciso II e R
1?, da 7ei n? E.DDDCB3.M
81>
Art. 3G( A +ecisão n? =>>CB7, pu!licada no +%) de 8E.GE.B7, p.1EE>G, sustou a Concorr$ncia, por
compro#ação de ilegalidades. )ma delas .oi a e4ig$ncia 0apresentação o!rigat<ria e não .acultati#a2,
no item 8.D.D, da :eção II, do Ane4o I, de documento &ue compro#asse a e4ecução de o!ra da mesma
natureFa &ue a do o!Ieto licitado e de #alor e&ui#alente ou superior, contrariando o disposto no inciso II
cCc R 3?, am!os do art. 3G, da 7ei n? E.DDDCB3.
R 1?. A compro#ação de aptidão re.erida no inciso II do caput deste
artigo, no caso das licitações pertinentes a o!ras e ser#iços, ser" .eita por
atestados .ornecidos por pessoas Iur-dicas de direito p!lico ou
pri#ado
88=
;
88>
;
88D
;
887
;
88E
;
88B
;
83G
;
831
;
838
de#idamente registrados nas
entidades pro.issionais competentes
833
;
83=
;
83>
;
83D
, limitadas as e4ig$ncias
a( 0Redação dada ao R 1? e inciso pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
I ; capacitação t/cnico;pro.issional( compro#ação do licitante de
possuir em seu &uadro permanente na data pre#ista para entrega da
proposta, pro.issional de n-#el superior ou outro de#idamente reconKecido
216Art. 3G( A +ecisão n? 1DDCB7, pu!licada no +%) de 88.G=.B7, p. 7BE1, determinou ao <rgão
licitante a inclusão, em seus .uturos editais de licitação, de cl"usula e4igindo &ue o licitante compro#e
aptidão para o desempenKo de ati#idade pertinente e compat-#el com o o!Ieto da licitação, con.orme
esta!elece o art. 3G, inciso II, da 7ei n? E.DDDCB3.
217Art. 3G( +ecisão n. DG=C8GG8, pu!licada no +%) de 17.GD.8GG8. Representação contra o Nanco do
Nrasil, acerca de suposta irregularidade no edital de concorr$ncia, para a contratação de ser#iços de
auditoria e4terna para atender a demanda do Nanco do Nrasil, de suas su!sidi"rias e da Fundação
Nanco do Nrasil. % edital e4igiu atestado de capacidade t/cnica emitido, por, pelo menos, um !anco
nacional com #alor de ati#o igual ou superior a RW 1G !ilKões, compro#ando a realiFação satis.at<ria de
ser#iços similares com o o!Ieto da licitação. Apesar de a Representante entender &ue o R >
o
, do art. 3G,
da 7ei n. E.DDDCB3 #eda a e4ig$ncia de compro#ação de ati#idade ou aptidão &ue nela não se encontrem
pre#istas e cuIo teor ini!a ou restrinIa a participação de um maior nmero de interessados no certame, o
@ri!unal decidiu &ue( La apresentação de atestados de capacitação t/cnico;operacional tem por
.inalidade a compro#ação de aptidão de empresa para o desempenKo da ati#idade &ue se pretende
contratar. :u!ordina;se, portanto, 6 normatiFação emanada do inciso II, do mesmo art. 3G da lei de
7icitações. *m sendo assim, a aptidão a ser compro#ada, o de#e ser em Yati#idade pertinente e
compat-#el em caracter-sticas, &uantidades e praFos com o o!Ieto da licitaçãoY, nos e4atos termos do
citado dispositi#o. 'essa mesma linKa de entendimento, o pro.essor ,arçal Pusten FilKo asse#era &ue
sempre &ue a dimensão &uantitati#a, o local, o praFo ou &ual&uer dado .or essencial 6 satis.ação do
interesse p!lico ou retratar algum tipo de di.iculdade peculiar, a Administração estar" no de#er de
impor re&uisito de &uali.icação t/cnico;operacional .undado nesses dados 0in Coment"rios 6 7ei de
7icitações e Contratos Administrati#os 3 ed. +ial/tica 3 E
a
. ed. 3 p.33E2M. % @ri!unal, ainda, considerou
Iusti.icada a e4ig$ncia do #alor do ati#o, considerando &ue( (+) a dimensão e a comple4idade do
Conglomerado Nanco do Nrasil, detentor de ati#os da ordem de RW 13G !ilKõesH (++) a necessidade de
contar com ser#iços de empresa de auditoria independente com e4peri$ncia compro#ada em
instituições .inanceiras nacionais de porte ao menos similar do Nanco do NrasilH (+++) o risco de
contratação de empresa ine4periente &ue #iesse a gerar solução de continuidade nos ser#iços a serem
prestados e no cumprimento dos praFos legais para entrega dos pareceres do auditor independente e (+8)
&ue o #alor e4igido como piso de ati#os 0RW 1G !ilKões2 representa#a algo em torno de apenas EV dos
ati#os da instituição 0este par9metro t/cnico .oi adotado em conson9ncia 6s pr"ticas do mercado
!anc"rio, apuradas em pes&uisas Iunto 6s maiores instituições cong$neres no pa-s.
218Art. 3G( Ac<rdão n. B1>C8GG3. Processo @C GGB.>87C8GG3;7. Representações .ormuladas em .ace
de supostas irregularidades em edital de licitação da @ele!r"s, Concorr$ncia GGG1C8GG3, a!erta para a
contratação de sociedade de ad#ocacia para atuação em territ<rio nacional. )m dos itens do edital
e4igiu de um ou mais ad#ogados s<cios &ue compõem o escrit<rio de ad#ocacia candidato a
apresentação de declaração e4pedida por instituição de ensino ou certi.icado de conclusão de curso de
p<s graduação, lato sensu 0*specialiFação2, na "rea de +ireito 6 &ual o licitante se candidatar, com
duração m-nima de 3DG Koras, para todos os lotes indiscriminadamente. % @ri!unal entendeu &ue tal
pre#isão não guarda pertin$ncia com o o!Ieto do contrato. % .ato de um dos s<cios de escrit<rio de
ad#ocacia ter .eito curso de p<s graduação na "rea do +ireito 6 &ual o licitante se candidatar não
garante &ue esse escrit<rio o.erecer" um tra!alKo de melKor &ualidade ou &ue ter" menos di.iculdade
em atuar nas ações Iudiciais nas &uais representar" a @ele!r"s. % curso de p<s graduação, sem d#ida,
permite &ue o indi#-duo aprimore seus conKecimentos espec-.icos, aumentando sua e4pertise te<rica
em determinada "rea, isso, no entanto, não garante &ue Ka#er" su!stancial incremento da sua
capacidade de ad#ogar. Poder" ser um pro.undo conKecedor da mat/ria, sem, no entanto, ser um grande
pela entidade competente detentor de atestado de responsa!ilidade t/cnica
por e4ecução de o!ra ou ser#iço de caracter-sticas semelKantes, limitadas
estas e4clusi#amente 6s parcelas de maior rele#9ncia e #alor signi.icati#o
do o!Ieto da licitação, #edadas as e4ig$ncias de &uantidades m-nimas ou
praFos m"4imos
837
;
83E
;
83B
;
8=G
;
8=1
;
8=8
;
8=3
;
8==
;
8=>
.
II ; 0O*@A+%2
a2 0O*@A+%2
caus-dico. Al/m disso, não se trata de um pro.issional, mas de um escrit<rio composto por #"rios
ad#ogados, o &ue torna a e4ig$ncia ainda mais desca!ida, #eF &ue o s<cio p<s graduado certamente não
tratar", pessoalmente, de todas as ações. Foi determinada a supressão desta condição de Ka!ilitação, por
a.rontar as disposições contidas no art. 3
o
, R 1
?
, caput e inciso I e o art. 3G da 7ei n. E.DDDCB3.
219Art. 3G( A :egunda @urma do :uperior @ri!unal de Pustiça concluiu não ser a!usi#a cl"usula de
edital de procedimento licitat<rio &ue e4ige dos participantes atestado de capacidade t/cnica para a
realiFação do ser#iço. A 7iderança Conser#ação e :er#iços 7tda tinKa mo#ido ação contra a :ecretaria
de Administração do +istrito Federal e conseguiu, nas inst9ncias ordin"rias, suspender a licitação para
a contratação de ser#iço de limpeFa de#ido a e4ist$ncia de supostas cl"usulas a!usi#as, como a
compro#ação de patrim5nio l-&uido m-nimo de RW D milKões de reais e a apresentação de atestado
demonstrando um m-nimo de 3>V do pessoal e.eti#o para a e4ecução do ser#iço. % :uperior @ri!unal
de Pustiça concordou com a e4ig$ncia de capacidade t/cnica, mas Iulgou ilegal a compro#ação de
patrim5nio de RW D milKões de reais 0Resp =7=7E1 3 apud @ri!una do +ireito, deFem!ro de 8GG32.
220Art. 3G( A Resolução 'ormati#a n. 1E>, de 8>.1G.8GG8 dispõe so!re a delegação de compet$ncia
aos ConselKos Regionais de ^u-mica, para a#aliar e e4pedir documentos de capacitação t/cnica de
pro.issionais e de empresas da "rea de &u-mica.
221Art. 3G( 'a +ecisão n? 3B>CB>, ressaltada pelo ,em!ro do ,inist/rio P!lico, em pronunciamento
ao processo @C;GG1.333CB7;D, &ue originou a +ecisão n? 7G8CBB, pu!licada no +%) de GE.11.BB, p.>B,
.eF;se menção ao entendimento de &ue a 7ei n? E.DDDCB3 .aculta a e4ig$ncia de compro#ação de
aptidão para desempenKo de ati#idade pertinente e compat-#el em caracter-sticas, &uantidades e praFos
com o o!Ieto da licitação, e indicação das instalações e do aparelKamento e do pessoal t/cnico
ade&uados e dispon-#eis para a realiFação do o!Ieto da licitação 0...2.M
222Art. 3G( +ecisão n? 8E>C8GGG, pu!licada no +%) de G=.G>.8GGG, p"gs. 1G>C1G7. Poss-#el
irregularidade em licitação realiFada pela I'FRA*R% ante a e4ig$ncia de atestados #inculados 6
e4ecução de o!ras anteriores. Asse#erou o @ri!unal ser legal La e4ig$ncia de compro#ação de
capacitação t/cnico;operacional &ue e#idencie a aptidão indicada no inciso II, do art. 3G, da 7ei n?
E.DDDCB3M. A &uestão / contro#ertida e o pr<prio ,in. Relator AdKemar Paladini AKisi reconKece;a e
esclarece em seu parecer( L D. Com e.eito, na linKa de.endida pela +ecisão n? 7D7CBE 3 @C);Plen"rio,
K" &ue ser entendido &ue o inciso II, do art. 3G, da 7ei n? E.DDDCB3, pode ser di#idido em duas partes.
)ma relati#a ao licitante e outra ao pessoal t/cnico &ue integra o seu corpo de empregados. A primeira,
&ue cuida da compro#ação de aptidão do interessado para o desempenKo de ati#idade pertinente e
compat-#el em caracter-sticas, &uantidades e praFos com o o!Ieto da licitação, e indicação das
instalações e do aparelKamento e do pessoal t/cnico ade&uados e dispon-#eis para a realiFação do
o!Ieto da licitação re.ere;se, pois, no presente caso, 6 pessoa Iur-dica. A outra, &uali.icação de cada um
dos mem!ros da e&uipe t/cnica &ue se responsa!iliFar" pelos tra!alKos, dirige;se, especi.icamente, aos
seus pro.issionais. %s doutrinadores tam!/m não t$m entendimento pac-.ico so!re a mat/ria, não
sendo rara a re#isão de posicionamento. *sse .oi o caso de ,arçal Pusten FilKo, citado por mim e pelo
,inistro;Re#isor, por ocasião do processo &ue culminou na +ecisão n? 7D7CBE;@C) 3 Plen"rio. 'a >X
edição, re#ista e ampliada, de sua o!ra LComent"rios 6 7ei de 7icitações e Contratos Administrati#os
0de acordo com a *menda Constitucional n? 1B, de = de IunKo de 1BBE e com a 7ei Federal n? B.D=E, de
87 de maio de 1BBE,*d. +ial/tica2, passou a considerar pertinente a e4ig$ncia de &uali.icação t/cnico;
pro.issional. Ali"s, em longas e cuidadosas considerações, discorreu so!re as raFões &ue o .iFeram
mudar de entendimento. Por pertinentes e merecedoras de pro.undas re.le4ões, permito;me transcre#er
!2 0O*@A+%2
8=D
R 8?. As parcelas de maior rele#9ncia t/cnica e de #alor
signi.icati#o, mencionadas no par"gra.o anterior, serão de.inidas no
instrumento con#ocat<rio. 0Redação dada ao R 8? pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
de seus coment"rios ao art. 3G, da 7ei n? E.DDDCB3( L... % art. 3G te#e sua racionalidade comprometida
em #irtude desses #etos. 7ogo, / imposs-#el a.irmar com certeFa &ue determinada interpretação / a
nica 0ou melKor2 comportada pela regra. @rata;se de uma da&uelas Kip<teses em &ue a e#olução social
0inclusi#e e especialmente em .ace da Iurisprud$ncia2 determinar" o contedo da disciplina para o
tema...M Assim, na linKa ora de.endida pelo administrati#ista ,arçal Pusten FilKo, &ue passo a adotar
pelos !em .undamentados argumentos, certo /, portanto, &ue K" amparo legal para &ue se e4iIa
compro#ação de &uali.icação t/cnico;operacional, posição ali"s, con.orme anteriormente mencionado,
sustentada por esta Corte de Contas. @oda#ia, ca!e discutir a disciplina de tal e4ig$ncia, KaIa #ista &ue
a +ecisão n? 7D7CBE 3 @C) 3 Plen"rio consignou limitação no sentido de não permitir a #inculação de
atestados ou declarações 6 e4ecução de o!ra anterior.
0...2 % &ue se !usca por meio de atestados, certidões ou declarações, /, ine#ita#elmente, algo situado
em tempo pret/rito. %u seIa, não K" como se des#incular esses documentos de e4peri$ncia anterior
e4perimentada pelo licitante. *les ser#irão para registrarCreproduFir atos ou .atos conKecidos, capaFes
de demonstrar, sempre, e4peri$ncia anterior. 7ogo, parece parado4al permitir a e4ig$ncia de atestados
para compro#ar capacidade t/cnico;operacional e, ao mesmo tempo, proi!ir &ue se re.iram a situações
passadas.M
883
Art. 3G( Ac<rdão n. 38C8GG3, pu!licado no +%) de GD.G8.8GG3. Representação de licitante, in.ormando
poss-#eis ilegalidades em procedimentos licitat<rios. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue, nas
licitações realiFadas com recursos p!licos .ederais ao inserir nos editais e4ig$ncia de compro#ação de
capacidade t/cnica, de &ue trata o art. 3G, da 7ei n. E.DDDCB3 ;; seIa so! o aspecto t/cnico;pro.issional
ou t/cnico operacional ;; consigne no respecti#o processo, e4pressa e pu!licamente, os moti#os dessa
e4ig$ncia, e demonstre, tecnicamente, &ue os par9metros .i4ados são necess"rios, su.icientes e
pertinentes ao o!Ieto licitado, assegurando;se de &ue a e4ig$ncia não implica restrição do car"ter
competiti#o do certame.
88=
Art. 3G( A e4ig$ncia de dois atestados não restringe o car"ter competiti#o do certame, #alendo
transcre#er, por oportuno, a ementa do Iulgamento pro.erido no 9m!ito do processo n? @C;=>G.=GECBD;
> 0+ecisão 817B7 3 Plen"rio, Ata 1>CB7, Relator( ,in. Fernando Aonçal#es2( LRepresentação
.ormulada por :indicato contra *C@CPA. *4ig$ncia de dois atestados de capacidade t/cnica em edital
de licitação. Improced$ncia. Ar&ui#amentoM.
*ste mesmo entendimento, &uanto ao processo @C;=>G.=GECB>, .oi .irmado na +ecisão n? 83EC8GGG,
pu!licada no +%) de 8>.G=.8GGG, p"gs. 1GDC1GE.
225Art. 3G( A +ecisão n? 1B8CBE, pu!licada no +%) de G>.G>.BE, p.BE, anulou o *dital de
Concorr$ncia n? G=CBD e determinou &ue, &uando da ela!oração do no#o *dital, o <rgão licitante se
a!stenKa de e4igir nmero m-nimo e certo dos atestados de capacitação t/cnica mencionados no R 1?,
do art. 3G, da 7ei n? E.DDDCB3.
226Art. 3G( 'a +ecisão n? 13=CBE, ressaltada na +ecisão n? 88C8GGG;@C), pu!licada no +%) de
G=.G8.8GGG, relem!rou o :r. ,inistro &ue a&uela +ecisão esta!eleceu &ue a e4ig$ncia de &uantidades
m-nimas de &ue trata o art. 3G, R 1?, inciso I, da 7ei n? E.DDDCB3, re.ere;se 6 &uantidade de atestados de
capacidade t/cnica. +esse modo, não / licito se e4igir do participante mais de um atestado de
capacidade t/cnica para a realiFação do o!Ieto a ser contratado, se o mesmo possui a &uali.icação
re&uerida atestada em um nico documento.
227Art. 3G( +ecisão n. 3B8C8GG1, pu!licada no +%) de 18.G7.8GG1, p. 178, oriunda de Representação
R 3?. :er" sempre admitida a compro#ação de aptidão atra#/s de
certidões ou atestados de o!ras ou ser#iços similares de comple4idade
tecnol<gica e operacional e&ui#alente ou superior
8=7
;
8=E
.
R =?. 'as licitações para .ornecimento de !ens, e compro#ação de
aptidão, &uando .or o caso, ser" .eita atra#/s de atestados .ornecidos por
pessoa Iur-dica de direito p!lico ou pri#ado
8=B
;
8>G
;
8>1
.
de licitante. 'o Parecer e4arado no relat<rio de auditoria, con.irmado pelo #oto do I. ,inistro Relator
Uum!erto Auimarães :outo, e4trai;se &ue, em di#ersos Iulgados, o @ri!unal tem considerado a
e4ig$ncia de G8 0dois2 atestados de capacidade t/cnica como restrição ao car"ter competiti#o nas
licitações 0+ecisão n. 13=CBE, +ecisão n. 1B8CBE2. Por outro lado, em outros Iulgados, o @ri!unal tem se
mani.estado &ue / poss-#el a inclusão em editais de licitação da e4ig$ncia de G8 0dois2 atestados de
capacidade t/cnica, sem &ue isso comprometa o car"ter competiti#o 0+ecisão n. 817CB72. A di.erença
de posicionamento do @ri!unal de#e;se ao .ato de, em determinadas circunst9ncias, Ka#er necessidade
de uma maior #eri.icação da capacidade t/cnica dos licitantes, pois o contedo e a e4tensão da
&uali.icação t/cnica dependem diretamente do o!Ieto. Assim sendo, desde &ue respeitado o princ-pio da
raFoa!ilidade e em raFão da comple4idade na e4ecução do o!Ieto, não .ere o car"ter competiti#o a
e4ig$ncia de G8 0dois2 atestados.
88E
Art. 3G( +ecisão n. 3EDC8GG8, pu!licada no +%) de 8D.G=.8GG8. Representação acerca de cl"usula de
edital &ue permitiu a soma de atestados de capacidade t/cnica, o &ue .acilitaria a participação de
empresas de pe&ueno porte no certame. % @ri!unal decidiu &ue a possi!ilidade de apresentação de
#"rios atestados para compro#ação do &uantitati#o e4igido, .acilitando a participação de empresas de
pe&ueno porte no certame / lou#"#el e amolda;se Iustamente 6 orientação da Corte, no sentido de e#itar
a imposição de crit/rios restriti#os e ampliar, ao m"4imo, o nmero de participantes.
88B
Art. 3G( +ecisão n. 7=3C8GG8, pu!licada no +%) de 1D.G7.8GG8, p"g. 8=>. Representação de licitante
acerca de supostas irregularidades em edital de Concorr$ncia. ConKecimento da Representação para
consider";la parcialmente procedente. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante para se a!ster, de
incluir nos editais das .uturas licitações, nmero m-nimo eCou certo de atestados para compro#ar a
aptidão t/cnica necess"ria.
83G
Art. 3G( Ac<rdão n. 8.3EDC8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Representação. :upostas .alKas em
edital de licitação. Ooto Re#isor. % @ri!unal, acolKendo o Ooto do ,in. Re#isor, determinou ao <rgão
licitante a anulação da Concorr$ncia, re.erente 6 contratação de ser#iços Iur-dicos especialiFados nas
"reas de direito tra!alKista, direito pre#idenci"rio e direito ci#il. 'a mesma decisão, determinou &ue, no
caso de ser lançado no#o edital com #istas 6 contratação de ser#iços da mesma natureFa, dei4e de
incluir no mesmo cl"usulas e condições &ue restrinIam o car"ter competiti#o do certame, especialmente
no &ue diF respeito 6 e4ig$ncia de curso de especialiFação, pu!licação de li#ros e artigos e magist/rio
em curso superior, como crit/rios desclassi.icat<rios na proposta t/cnica e 6 e4ig$ncia, na .ase de
Ka!ilitação, de dois atestados, como re&uisito de &uali.icação t/cnica.
831
Art. 3G( +ecisão n. =EGC8GG8, pu!licada no +%) de 8G.G>.8GG8. Representação acerca de supostas
irregularidades em edital de concorr$ncia p!lica. +eterminações. % @ri!unal determinou ao <rgão
licitante &ue se a!stenKa de e4igir nmero m-nimo de certo de atestados de capacitação t/cnica.
838
Art. 3G( +ecisão n. =EGC8GG8, pu!licada no +%) de 8G.G>.8GG8. Representação acerca de supostas
irregularidades em edital de concorr$ncia p!lica. +eterminações. % @ri!unal determinou ao <rgão
licitante &ue não considere, para e.eito de pontuação t/cnica, o nmero de atestados de capacitação
apresentados, por&uanto tais atestados, nos termos dos arts. 87 e 3G, R 1
?
, da 7ei n. EDDDCB3, integram a
documentação relati#a 6 &uali.icação t/cnica dos licitantes, a ser e4igida na .ase de Ka!ilitação dos
interessados.
833
Art. 3G( AD4INIST"ATICO. LICITAÇ#O. EDITAL. EWI!XNCIA DE "E!IST"O NO
CONSELHO "E!IONAL DE EN!ENHA"IA, A"YUITETU"A E A!"ONO4IA. +e.eito
R >?. S #edada a e4ig$ncia de compro#ação de ati#idade ou de
aptidão com limitações de tempo ou de /poca
8>8
ou ainda em locais
espec-.icos, ou &uais&uer outras não pre#istas nesta 7ei, &ue ini!am a
participação na licitação
8>3
;
8>=
;
8>>
.
R D?. As e4ig$ncias m-nimas relati#as a instalações de canteiros,
m"&uinas, e&uipamentos e pessoal t/cnico especialiFado, considerados
essenciais para o cumprimento do o!Ieto da licitação, serão atendidas
mediante a apresentação de relação e4pl-cita e da declaração .ormal da
menor na certidão, insusceti#el de comprometer a certeFa de &ue a empresa esta registrada no ConselKo
Regional de *ngenKaria, Ar&uitetura e Agronomia, não pode impedir;lKe a participação na
Concorr$ncia. Recurso %rdin"rio impro#ido. 0R%,: D1BECRPH R*C)R:% %R+I'ARI% *,
,A'+A+% +* :*A)RA'aA,1BB>CGG=>DDD;=, +P +A@A(8DCG8C1BBD, PA(G3B7B,Relator ,in. ARI
PARA*'+7*R,+ata da +ecisão de 13C18C1BB>, ergão Pulgador @8 ; :*A)'+A @)R,A2.
83=
Art. 3G( Con.orme +ecisão n? 3E1CBE, pu!licada no +%) de G8.G7.BE, p. D=, oriunda da
Representação de duas concorrentes, ante a e4ist$ncia de irregularidades do +'*R, na Concorr$ncia n?
G1B3CBD, para prestação de ser#iços de assist$ncia odontol<gica, em n-#el nacional, deli!erou o
@ri!unal ao <rgão licitante &ue Lse a!stenKa de e4igir, nos editais, por .alta de amparo legal e por
caracteriFar condição restriti#a da competiti#idade entre interessados nas licitações, &ue as pessoas
Iur-dicas de direito p!lico ou pri#ado seIam $0>+*%$'&'* nas entidades pro.issionais competentes, uma
#eF &ue o disposto no art. 3G, R 1?, da 7ei n? E.DDDCB3 re.ere;se a registro de atestados.M
83>
Art. 3G( Con.orme +ecisão n? 1GECBB, pu!licada no +%) de GE.G=.BB, p. D8, oriunda de Representação
ante a e4ist$ncia de poss-#eis irregularidades na Carta Con#ite, .oi determinado o respecti#o
cancelamento, uma #eF &ue a e4ig$ncia constante do art. 3G, inciso I e R 1?, da 7ei n? E.DDDCB3,
somente ser" leg-tima se e4istir uma entidade pro.issional competente &ue .iscaliFe os ser#iços o!Ieto
do certame. +esta Forma, na Kip<tese de as ati#idades o!Ieto do certame não estarem suIeitas 6
.iscaliFação de nenKuma entidade pro.issional competente, tal e4ig$ncia edital-cia estaria ei#ada de
#-cio, por !urla ao esta!elecido no art. 3?, R 1? da 7ei n? E.DDDCB3. 'este mesmo sentido, tem a Corte I"
se mani.estado, atra#/s das decisões pro.eridas nos @C n? GGD.G8BCB>;7 e @C n? D>G.G==CBD;7.
83D
Art. 3G( A Resolução 'ormati#a n. 1E>, de 8>.1G.8GG8 dispõe so!re a delegação de compet$ncia aos
ConselKos Regionais de ^u-mica, para a#aliar e e4pedir documentos de capacitação t/cnica de
pro.issionais e de empresas da "rea de &u-mica.
837
Art. 3G( A +ecisão n? 1DDCB7, pu!licada no +%) de 88.G=.B7, p.7BE1, deli!erou ao <rgão licitante
&ue Lo!ser#e, nos pr<4imos certames licitat<rios relati#os a o!ras e ser#iços, a e4ig$ncia de &ue o
respons"#el t/cnico pertença ao &uadro permanente do licitante, de acordo com o art. 3G, R 1?, inciso I,
da 7ei n? E.DDDCB3.M 'o mesmo sentido, K" ainda as decisões @C GG3.>3BCBD;8, +ecisão n? 1DDCB7;
Plen"rio 3 Ata n? 11CB7 e +ecisão n? 8E3CBB;@C), pu!licada no +%) n? 111;* de 1=.GD.BB, p. D7.
83E
Art. 3G( +ecisão n? 3=BC8GGG, pu!licada no +%) de 1G.G>.8GGG, p. 7B. Representação em @omada de
Preços realiFada pelo <rgão licitante para contratação de empresa de prestação de ser#iços de
assist$ncia t/cnica em ele#adores. *m dilig$ncia realiFada pelo @ri!unal, .oi constatado &ue o item >.1>
do edital esta!elecia &ue a empresa participante de#eria possuir engenKeiro eletr5nico, engenKeiro
eletricista e engenKeiro mec9nico, sendo &ue um deles seria o respons"#el t/cnico pelos ser#iços. *sse
item incorre em dois e&u-#ocos( o primeiro / &ue o respons"#el t/cnico de#e ser o pro.issional da "rea
mec9nica, con.orme a +ecisão 'ormati#a n? 3DCB1, do C%'F*A, e segundo &ue, se a entidade &ue
regula a pro.issão de engenKeiro indica o pro.issional &ue pode responsa!iliFar;se pelos ser#iços de
manutenção de ele#ador, não ca!e 6 :*F e4igir a presença de outros pro.issionais como condição para
a participação das empresas na licitação, em oposição ao &ue esta!elece o art. 3G, R 1?, inciso I, da 7ei
n? E.DDDCB3. S uma e4ig$ncia &ue restringe, sem amparo legal a competiti#idade do certame.
83B
Art. 3G( @C n? GGG=.7B7;B>;7, pu!licada no +%) de 1B.1G.BE. % @ri!unal, determinou ao <rgão
licitante &ue Lsolicite atestado de capacitação t/cnica apenas do pro.issional de n-#el superior ou outro
de#idamente reconKecido por entidade competente, consoante pre#isto no art. 3G, inciso II, cCc o seu R
sua disponi!ilidade, so! as penas ca!-#eis, #edada as e4ig$ncias de
propriedade e de localiFação pr/#ia
8>D
;
8>7
;
8>E
.
R 7?. 0O*@A+%2
I ; 0O*@A+%2.
II ; 0O*@A+%2
R E?. 'o caso de o!ras, ser#iços e compras de grande #ulto, de alta
comple4idade t/cnica, poder" a Administração e4igir dos licitantes a
metodologia de e4ecução, cuIa a#aliação, para e.eito de sua aceitação ou
1?, inciso I, da 7ei n? E.DDDCB3, e#itando;se, por conse&]$ncia, solicitar tais atestados das empresas
participantes da licitação, ante o pre#isto no R >?, art. 3G, da mesma 7ei.M
8=G
Art. 3G( +ecisão n? >>BCBB, pu!licada no +%) de G8.GB.BB, p. E1. Foi anulada a Concorr$ncia P!lica
realiFada pelo <rgão licitante, ante a e4ist$ncia ilegal de cl"usula edital-cia 0su!item D.1., letra LdM2, &ue
imp5s aos interessados, para e.eito de compro#ação da capacidade t/cnica, de e4ig$ncia de &uantidade
m-nima, #edada pelo art. 3G, inciso II, R 1?, inciso I, da 7ei n? E.DDDCB3, cl"usula esta &ue restringiu o
car"ter competiti#o do certame.
241Art. 3G( +ecisão n. =D7C8GGG, pu!licada no +%) de 83.GD.8GGG, p.EB. Representação de licitante,
ante a e4ist$ncia de supostas irregularidades em @omada de Preços para contratação de e4ecução de
o!ras. % ,inistro Relator Uum!erto Auimarães :outo, &uando de seu #oto, transcre#eu trecKo do #oto
emitido pelo ,inistro AdKemar Paladini AKisi 0+ecisão n. 8E>C8GGG2( LU" de ser entendido &ue o
inciso II do art. 3G da 7ei n. EDDDCB3 pode ser di#idido em duas partes. )ma relati#a ao licitante e outra
ao pessoal t/cnico &ue integra o seu corpo de empregados. A primeira, cuida da compro#ação de
aptidão do interessado para o desempenKo de ati#idade pertinente e compat-#el em caracter-sticas,
&uantidades e praFos com o o!Ieto da licitação, e indicação das instalações e do aparelKamento e do
pessoal t/cnico ade&uados e dispon-#eis para a realiFação do o!Ieto da licitação re.ere;se, pois, no
presente caso, 6 pessoa Iur-dica. A outra, &uali.icação de cada um dos mem!ros da e&uipe t/cnica &ue
se responsa!iliFar" pelos tra!alKos, dirige;se, especi.icamente, aos seus pro.issionais. Prosseguindo, a
limitação contida no R 1
?
do art. 3G da lei n. EDDDCB3 aplica;se e4clusi#amente 6 compro#ação da
&uali.icação t/cnica dos pro.issionais &ue se responsa!iliFarão pelos tra!alKos. Por conseguinte, a
compro#ação de aptidão do interessado, con.orme mencionado no item anterior, K" &ue ser e4igida e
.eita com !ase em par9metros distintos, de .orma a assegurar o cumprimento das o!rigações assumidas
no art. 37 da Constituição Federal. 7ogo, as e4ig$ncias de &uali.icação t/cnica não estão limitadas 6
capacidade t/cnico pro.issional. *sta / &ue de#e o!ser#ar o limite imposto pelo R1
?
do art. 3G da 7ei.M
0gri.os nossos2.
242Art. 3G( +ecisão n. ED1C8GGG, pu!licada no +%) de 8G.1G.8GGG. Representação contra poss-#eis
irregularidades em processo licitat<rio. Proced$ncia parcial. Aus$ncia de amparo legal para a e4ig$ncia
pre#ista no edital de licitação atacada, de pr/#io cadastramento dos licitantes no :ICAF. % @ri!unal
determinou ao <rgão licitante &ue, nos certames licitat<rios &ue promo#er, a!stenKa;se de estipular,
para e.eito de Ka!ilitação dos interessados, e4ig$ncias &ue e4cedam os limites .i4ados nos arts. 87 a 33
da 7ei n. EDDDCB3, tais como( !2 apresentação, pelos licitantes, de reci!os de pagamento compro#ando a
e4ist$ncia, em per-odo anterior 6 data pre#ista para a entrega das propostas, de #-nculo empregat-cio
com o respons"#el t/cnico indicado.
243Art. 3G( +ecisão n. >B8C8GG1, pu!licada no +%) de 11.GB.G1, p. 1GB. % ,inistro Relator
AuilKerme Palmeira, &uando da prolação de seu #oto, assim se mani.estou( L6 luF do disposto no inciso
I 0parte .inal2 do R 1
?
do mencionado art. 3G, s< se admite &ue a compro#ação da e4peri$ncia anterior
não seIa associada 6 e4ig$ncia de &uantitati#os m-nimos &uando se tratar de capacitação t/cnico;
pro.issional. Assim sendo, por não .aFer e4pressa alusão 6 capacitação t/cnico;operacional, do
dispositi#o supra apenas se podem e4trair regras acerca da &uali.icação t/cnico;pro.issional. Ainda &ue,
a meu #er, esteIa autoriFada a .i4ação de par9metros &uantitati#os, &uando se tratar de compro#ação
t/cnico;operacional, a e4ig$ncia da Administração encontrar" limites no princ-pio da raFoa!ilidade, ex
vi do disposto no art. 37, inciso XXI, da 7ei ,aior, &ue somente admite e4ig$ncias de &uali.icação
t/cnica indispens"#eis 6 garantia do cumprimento das o!rigações. *4ig$ncias desarraFoadas não podem
não, anteceder" sempre 6 an"lise dos preços e ser" e.etuada
e4clusi#amente por crit/rios o!Ieti#os.
R B?. *ntende;se por licitação de alta comple4idade t/cnica a&uela
&ue en#ol#a alta especialiFação, como .ator de e4trema rele#9ncia para
garantir a e4ecução do o!Ieto a ser contratado, ou &ue possa comprometer
a continuidade da prestação de ser#iços p!licos essenciais.
R 1G. %s pro.issionais indicados pelo licitante para .ins de
compro#ação da capacitação t/cnico;operacional de &ue trata o inciso I do
R 1? deste artigo de#erão participar da o!ra ou ser#iço o!Ieto da licitação,
ser legitimadas so! o argumento de &ue a Administração necessita de segurança maior do &ue a
e.eti#amente necess"ria 6 e4ecução do o!Ieto a ser contratado, so! pena de o.ensa ao te4to
constitucional &ue, como .risei, autoriFa apenas o m-nimo de e4ig$ncias, sempre alicerçadas em
crit/rios raFo"#eisM.
244Art. 3G( LICITAÇ#O. CO4P"OCAÇ#O. EWPE"IXNCIA. YUANTIDADE 4ÍNI4A.
A Administração, com o .ito de implementar a inspeção regular da .rota de #e-culos em uso no
munic-pio, promo#eu licitação, em cuIo edital se menciona a necessidade de compro#ação de
e4peri$ncia anterior, mediante a e4ist$ncia, nos &uadros das empresas proponentes, de pro.issional &ue
I" tenKa atuado na .iscaliFação de, no m-nimo, 1 milKão de #e-culos. Correto o edital, #isto &ue a
melKor interpretação do art. 3G, R 1?, I 0parte .inal2, da 7ei n. E.DDDC1BB3 07ei de 7icitações2 permite
inserirem;se no decreto edital-cio e4ig$ncias relati#as a &uantidades m-nimas para .ins de compro#ação
de e4peri$ncia, isso &uando, #inculadas ao o!Ieto do contrato, esti#erem assentadas em crit/rios
raFo"#eis, &uanto mais se comple4o o o!Ieto a ser licitado, como no caso. "E*7 466.286OSP, "01.
4+). J(.( O%P8+( &0 N($()D', @,1>'&( 0< 07.10.2003.
245Art. 3G( L:igni.ica diFer, pois, &ue a #edação de e4ig$ncia de &uantidades m-nimas ou praFos
m"4imos na compro#ação da capacitação t/cnico;pro.issional cinge;se aos contornos da e4peri$ncia do
pro.issionalM 0Par"gra.o 1E da Proposta de +ecisão Condutora do Ac<rdão 18=C8GG8 3 Plen"rio 3 apud
+ecisão n. 1.8EEC8GG8, pu!licada no +%) de G=.1G.8GG8, p"g. 1EB2.

246Art. 3G( LA compro#ação da capacitação t/cnico;operacional continua sendo e4ig-#el não o!stante
o #eto aposto 6 letra L!M do R 1
?
do art. 3G. 'a #erdade, o dispositi#o #etado impunKa limitações a essa
e4ig$ncia e sua retirada do te4to legal dei4ou a crit/rio da entidade licitante esta!elecer, em cada caso,
as e4ig$ncias indispens"#eis 6 garantia do cumprimento das o!rigações ; e4ig$ncias essas &ue de#em
ser pertinentes e compat-#eis com o o!Ieto da licitaçãoM 0apud +ecisão n. 1.87EC8GG8, +%) de
G=.1G.8GG8, p"g. 1D>, em transcrição de trecKo da o!ra de UelT 7opes ,eirelles 3 edição não
mencionada2.
247Art. 3G( +ecisão n. =38C8GGG, pu!licada no +%) de G7.GD.8GGG, p.E>. Representação de licitante,
ante a suposta ilegalidade na e4ig$ncia de atestado de &uali.icação t/cnica. % ,in. Rel. Oalmir
Campelo, mencionou, em seu #oto &ue L/ importante ressaltar &ue a Administração, ao realiFar um
processo licitat<rio, tem o de#er de e4igir documentos &ue compro#em &uali.icações t/cnicas das
concorrentes compat-#eis com o ser#iço &ue se pretende contratar. 'ão se pode con.undir Felo do
Administrador em !usca de resultados e.icaFes com cl"usulas desnecess"rias e, claramente, restriti#as
ao car"ter competiti#o. Por mais &ue possa parecer simples, a prestação de um determinado ser#iço K",
sem som!ra de d#ida, caracter-sticas pr<prias de cada um. A e4ig$ncia de#e permanecer no patamar
da raFoa!ilidade, para não in.ringir o disposto no art. 3
?
, R 1
o
, da 7ei n. EDDDCB3M.
248Art. 3G( +ecisão n. =EGC8GG8, pu!licada no +%) de 8G.G>.8GG8. Representação acerca de
supostas irregularidades em edital de concorr$ncia p!lica. +eterminações. % @ri!unal determinou ao
<rgão licitante &ue se a!stenKa de e4igir nmero m-nimo de certo de atestados de capacitação t/cnica.
8=B
Art. 3G( +ecisão >1EC8GGG, pu!licada no +%) de 1G.G7.8GGG, p.=D. Representação de licitante, ante a
e4ist$ncia de irregularidades em @omada de Preços Iunto ao Centro de Instrução Almirante
Ale4andrino, do ,inist/rio da ,arinKa. 'a +ecisão prolatada pelo ,inistro Iram :arai#a, .oi
determinado ao <rgão licitador &ue somente pri#ilegie a e4peri$ncia anterior nas Forças Armadas de
admitindo;se a su!stituição por pro.issionais de e4peri$ncia e&ui#alente
ou superior, desde &ue apro#ada pela Administração. 0Par"gra.o
acrescentado pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R 11. 0O*@A+%2
R 18. 0O*@A+%2
A$%. 31. A documentação relati#a 6 &uali.icação econ5mico;
.inanceira limitar;se;" a
8>B
;
8DG
;
8D1
(
empresa ou de seus pro.issionais em procedimentos licitat<rios na "rea de in.orm"tica, &uando essa
e4peri$ncia .or essencial para a prestação do ser#iço ou &uando de tratar;se de e&uipamento ou
so.tcare de uso espec-.ico das Forças Armadas.
8>G
Art. 3G( +ecisão n. 3EDC8GG8, pu!licada no +%) de 8D.G=.8GG8. Representação acerca de cl"usula de
edital &ue permitiu a soma de atestados de capacidade t/cnica, o &ue .acilitaria a participação de
empresas de pe&ueno porte no certame. % @ri!unal decidiu &ue a possi!ilidade de apresentação de
#"rios atestados para compro#ação do &uantitati#o e4igido, .acilitando a participação de empresas de
pe&ueno porte no certame / lou#"#el e amolda;se Iustamente 6 orientação da Corte, no sentido de e#itar
a imposição de crit/rios restriti#os e ampliar, ao m"4imo, o nmero de participantes.
8>1
Art. 3G( +ecisão n. 311C8GG8, pu!licada no +%) de 1D.G=.8GG8. Representação contra a apresentação
de atestado de capacidade t/cnica .ornecido por empresa &ue possui s<cio comum na empresa licitante.
^uanto 6 apresentação de atestado de capacidade t/cnica por empresa cuIo s<cio gerente / tam!/m
s<cio da empresa lcitante, entendeu;se &ue não K" nenKuma ilegalidade nesse .ato. % art. 3G, da 7ei n.
E.DDDCB3 não traF nenKuma ressal#a a esse ponto, não Ka#endo nada &ue desa!one o atestado desta
.orma apresentado.
8>8
Art. 3G( A +ecisão n? 13GCB7, pu!licada no +%) de 1>.G=.B7, p. 7=37, asse#erou o entendimento de
&ue, em decorr$ncia do &ue dispõem os arts. 3G, inciso II, R >?, da 7ei n? E.DDDCB3 e 37, inciso XXI, da
Constituição Federal, / #edado o esta!elecimento de praFo de #ig$ncia para as certidões e atestados &ue
#isem a compro#ar a aptidão para desempenKo de ati#idade pertinente e compat-#el em caracter-sticas,
&uantidades e praFos com o o!Ieto da licitação, !em como a &uali.icação de cada um dos mem!ros da
e&uipe t/cnica &ue se responsa!iliFar" pelos tra!alKos.
253Art. 3G( +ecisão n. 13=C8GG1, pu!licada no +%) de 3G.G3.8GG1, p"g. 187. Representação de
licitante por irregularidades. Restrição ao car"ter competiti#o do certame, ante a e4ig$ncia em edital de
&ue os licitantes compro#assem possuir em seu &uadro de pessoal pro.issionais de n-#el superior para o
desempenKo de atri!uições tam!/m realiFadas por t/cnico de n-#el m/dio. Ino!ser#9ncia ao princ-pio
constitucional da isonomia. Anulação da @omada de Preços. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante,
caso o contrato origin"rio continuasse #igendo, para &ue adotasse as pro#id$ncias necess"rias ao e4ato
cumprimento do disposto no art. =B, da 7ei n. E.DDDCB3, KaIa #ista a ilegalidade #eri.icada, consistente
na ino!ser#9ncia do princ-pio constitucional da isonomia, de#ido 6 inclusão, no correspondente edital,
da e4ig$ncia de pro.issionais de n-#el superior para e4ecução das ati#idades de.inidas no o!Ieto da
licitação e da .i4ação de tempo m-nimo para compro#ação de capacidade t/cnico;pro.issional. Al/m de
ter contrariado a legislação, Kou#e a restrição ao car"ter competiti#o da licitação, preIudicando o
alcance da proposta mais #antaIosa. Admitiu;se, no entanto, a su!sist$ncia do retromencionado contrato
por at/ BG 0no#enta2 dias, para processamento de no#o certame licitat<rio.
8>=
Art. 3G( +ecisão n. >B8C8GG1, pu!licada no +%) de 11.GB.G1, p. 1GB. % ,inistro Relator AuilKerme
Palmeira, &uando da prolação de seu #oto, assim se mani.estou( Lcom e.eito, a doutrina maIorit"ria e a
Iurisprud$ncia dominante nesta Corte acenam no sentido de &ue a compro#ação da &uali.icação t/cnica
de#e;se Iungir;se tanto ao aspecto operacional &uanto ao pro.issional, estando o primeiro relacionado 6
empresa &ue intenta e4ecutar a o!ra ou o ser#iço a ser licitado, ao passo &ue o segundo aspecto diF
respeito 6s pessoas .-sicas &ue prestam ser#iços 6 empresa licitante. * não poderia ser di.erente, eis &ue
a aus$ncia de e4pressa re.er$ncia, no art. 3G da 7ei n. EDDDCB3, a re&uisitos de capacitação t/cnico
operacional não se traduF em proi!ição 6 sua pre#isão. Ademais, o rol das e4ig$ncias e4plicitamente
I ; !alanço patrimonial
8D8
;
8D3
e demonstrações cont"!eis do ltimo
e4erc-cio social, I" e4ig-#eis e apresentados na .orma da lei
8D=
, &ue
compro#em a !oa situação .inanceira da empresa, #edada a sua
su!stituição por !alancetes ou !alanços pro#is<rios, podendo ser
atualiFados por -ndices o.iciais &uando encerrado K"
8D>
mais de 3 0tr$s2
meses da data de apresentação da propostaH
#edadas pelo R >
?
desse mesmo dispositi#o legal, complementado por &uais&uer outras &ue ini!am a
participação de licitantes no certame, não contempla a capacitação t/cnico;operacional. )ma #eF
admitida a e4ig$ncia, no instrumento con#ocat<rio, de compro#ação de capacitação t/cnico;
operacional das empresas licitantes, ca!e .risar &ue a lei n. EDDDCB3 não pro-!e, em relação a essa
e4ig$ncia, &ue o edital pre#eIa o esta!elecimento de &uantitati#os m-nimos, podendo condicionar, dessa
.orma, a e4peri$ncia anterior 6 o!ser#9ncia de par9metros num/ricos. 'ão / outro o entendimento &ue
se e4trai do estatu-do no art. 3G, inciso II, da 7ei de 7icitações, &ue e4plicitamente autoriFa a e4ig$ncia
de e4peri$ncia anterior compat-#el em caracter-sticas, &uantidades e praFos com o o!Ieto da licitação.
f luF do disposto no inciso I 0parte .inal2 do R 1
?
do mencionado art. 3G, s< se admite &ue a
compro#ação da e4peri$ncia anterior não seIa associada 6 e4ig$ncia de &uantitati#os m-nimos &uando
se tratar de capacitação t/cnico;pro.issionalM.
8>>
Art. 3G( +ecisão n. DG=C8GG8, pu!licada no +%) de 17.GD.8GG8. Representação contra o Nanco do
Nrasil, acerca de suposta irregularidade no edital de concorr$ncia, para a contratação de ser#iços de
auditoria e4terna para atender a demanda do Nanco do Nrasil, de suas su!sidi"rias e da Fundação
Nanco do Nrasil. % edital e4igiu atestado de capacidade t/cnica emitido, por, pelo menos, um !anco
nacional com #alor de ati#o igual ou superior a RW 1G !ilKões, compro#ando a realiFação satis.at<ria de
ser#iços similares com o o!Ieto da licitação. Apesar de a Representante entender &ue o R >
o
, do art. 3G,
da 7ei n. E.DDDCB3 #eda a e4ig$ncia de compro#ação de ati#idade ou aptidão &ue nela não se encontrem
pre#istas e cuIo teor ini!a ou restrinIa a participação de um maior nmero de interessados no certame, o
@ri!unal decidiu &ue( La apresentação de atestados de capacitação t/cnico;operacional tem por
.inalidade a compro#ação de aptidão de empresa para o desempenKo da ati#idade &ue se pretende
contratar. :u!ordina;se, portanto, 6 normatiFação emanada do inciso II, do mesmo art. 3G da lei de
7icitações. *m sendo assim, a aptidão a ser compro#ada, o de#e ser em Yati#idade pertinente e
compat-#el em caracter-sticas, &uantidades e praFos com o o!Ieto da licitaçãoY, nos e4atos termos do
citado dispositi#o. 'essa mesma linKa de entendimento, o pro.essor ,arçal Pusten FilKo asse#era &ue
sempre &ue a dimensão &uantitati#a, o local, o praFo ou &ual&uer dado .or essencial 6 satis.ação do
interesse p!lico ou retratar algum tipo de di.iculdade peculiar, a Administração estar" no de#er de
impor re&uisito de &uali.icação t/cnico;operacional .undado nesses dados 0in Coment"rios 6 7ei de
7icitações e Contratos Administrati#os 3 ed. +ial/tica 3 E
a
. ed. 3 p.33E2M. % @ri!unal, ainda, considerou
Iusti.icada a e4ig$ncia do #alor do ati#o, considerando &ue( (+) a dimensão e a comple4idade do
Conglomerado Nanco do Nrasil, detentor de ati#os da ordem de RW 13G !ilKõesH (++) a necessidade de
contar com ser#iços de empresa de auditoria independente com e4peri$ncia compro#ada em
instituições .inanceiras nacionais de porte ao menos similar do Nanco do NrasilH (+++) o risco de
contratação de empresa ine4periente &ue #iesse a gerar solução de continuidade nos ser#iços a serem
prestados e no cumprimento dos praFos legais para entrega dos pareceres do auditor independente e (+8)
&ue o #alor e4igido como piso de ati#os 0RW 1G !ilKões2 representa#a algo em torno de apenas EV dos
ati#os da instituição 0este par9metro t/cnico .oi adotado em conson9ncia 6s pr"ticas do mercado
!anc"rio, apuradas em pes&uisas Iunto 6s maiores instituições cong$neres no pa-s.
8>D
Art. 3G( +ecisão n? 3DBCBB, pu!licada no +%) de 8>.GD.BB, p. EG. Asse#erou;se ao <rgão licitante &ue
Lse a!stenKa de incluir, em seus .uturos editais de licitações e4ig$ncias, atinentes 6 .ase de Ka!ilitação,
&ue e4trapolem os limites pre#istos nos itens do seu regulamento de licitação, de .orma a a.astar
&ual&uer margem de su!Ieti#idade.M @al determinação te#e por o!Ieto o .ato de &ue o <rgão licitante
incluiu em seu edital um item &ue .aculta#a, na .ase de Ka!ilitação, amplo acesso 6s instalações
industriais em Kor"rio comercial, para .ins de #eri.icação &uanto 6 .a!ricação, capacidade de
armaFenamento e controle de &ualidade. *sta su!Ieti#idade a.ronta o disposto no art. 3G, R D? da 7ei em
&uestão.
II ; certidão negati#a de .al$ncia ou concordata e4pedida pelo
distri!uidor da sede da pessoa Iur-dica, ou de e4ecução patrimonial,
e4pedida no domic-lio da pessoa .-sica
8DD
;
8D7
H
III ; garantia, nas mesmas modalidades e crit/rios pre#istos no
caput e R 1? do art. >D desta 7ei
8DE
, limitada a 1V
8DB
0um por cento2 do
#alor estimado do o!Ieto da contratação
87G
.
R 1?. A e4ig$ncia de -ndices limitar;se;" 6 demonstração da
capacidade .inanceira do licitante com #istas aos compromissos &ue ter"
&ue assumir caso lKe seIa adIudicado o contrato, #edada a e4ig$ncia de
8>7
Art. 3G( EK+>N)5+' &0 )V<0$( <6)+<( &0 0<7$0>'&(* ).( 7(&0 *0$ 0)%0)&+&' 5(<( ';,*+8' 0<
1+5+%'-.(. % licitante tem a o!rigação de demonstrar sua disponi!ilidade operati#a no momento da
licitação. +esse modo, cl"usula de edital &ue e4ige dos participantes atestado de capacidade t/cnica
para a realiFação satis.at<ria do ser#iço não pode ser considerada a!usi#a. % entendimento un9nime /
da :egunda @urma do :uperior @ri!unal de Pustiça 0:@P2, &ue conKeceu e deu parcial pro#imento a
recurso especial da :ecretaria de Administração do +istrito Federal.
A disputa Iudicial te#e inicio &uando a empresa 7iderança Conser#ação e :er#iços 7tda. impetrou
mandado de segurança, com pedido de liminar, contra ato do presidente da comissão de licitação da
:ecretaria de Administração do +istrito Federal. % o!Ieti#o do recurso era suspender o procedimento
licitat<rio para a contratação de .irma de ser#iço de limpeFa e conser#ação, de#ido a e4ist$ncia de
supostas cl"usulas edital-cias a!usi#as. *ntre elas, o pedido de compro#ação de patrim5nio l-&uido
igual ou superior a seis milKões de reais e a apresentação de atestado demonstrando &ue a empresa
manti#esse em seu &uadro de empregados, um m-nimo de 3>V do pessoal e.eti#o para a e4ecução do
ser#iço 0R*:P =7=7E12.
8>E
Art. 3G( +ecisão n. >E1C8GGG, pu!licada no +%) de 11.GE.8GGG, p"gs. E=CE>. Representação de
empresas licitantes, apontando supostas irregularidades no te4to do edital de Concorr$ncia.
Proced$ncia em parte. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue e#idencie, nos editais de licitação,
&ue as e4ig$ncias m-nimas, enumeradas no R D
?
do art. 3G da 7ei n. E.DDDCB3, de#erão ser atendidas
mediante a apresentação de relação e4pl-cita e da declaração .ormal de sua disponi!ilidade, e#itando o
uso de termos cuIo sentido comum denote a e4ig$ncia de propriedade pr/#ia dos !ens.
8>B
Art. 31( +ecisão n? 1G>C8GGG, pu!licada no +%) de G3.G3.8GGG, p. >3. Representação tendo por o!Ieto
o .ato de &ue o <rgão licitante em seu edital, solicitou apenas certidão negati#a de .al$ncia ou
concordata e4pedida pelo distri!uidor da sede da pessoa Iur-dica. % ,in. Relator ressaltou em seu #oto
&ue La aus$ncia, no *dital, das e4ig$ncias relati#as 6 &uali.icação econ5mica das licitantes, mostrou;se
improcedente, #eF &ue o dispositi#o legal #igente &ue rege a mat/ria não impõe como condicionante a
e4ig$ncia de toda documentação relacionada no art. 31, da 7ei n? E.DDDCB3. Con.ere, apenas, ao
Administrador, no 9m!ito do seu poder discricion"rio, a escolKa da documentação pertinente para a.erir
a &uali.icação econ5mica;.inanceira dos licitantes, desde &ue circunscritas 6&uelas relacionadas. @al
medida #eio no intuito de o!star a e4ig$ncia desnecess"ria e desca!ida de documentação &ue pudesse
restringir o car"ter competiti#o do certame.M

260Art. 31( +ecisão n? 3DECBB, pu!licada no +%) de 8>.GD.BB, p. 77. % @ri!unal deli!erou &ue não
se de#e Le4igir, para e.eito de &uali.icação econ5mico;.inanceira dos interessados, atestados de
capacidade .inanceira, por não encontrar respaldo na 7ei n? E.DDDCB3.M
8D1
Art. 31( +ecisão n? =>>CB7, pu!licada no +%) de 8E.GE.B7, p.1EE>G, &ue determinou a sustação da
Concorr$ncia, ante a e4ist$ncia de ilegalidades. )ma delas .oi a e4ig$ncia, no edital de licitação, dos
seguintes documentos( 0i2 pro#a de idoneidade .inanceira constitu-da por atestados .ornecidos por, pelo
menos, dois Nancos, datados de at/ 1G 0deF2 dias anteriores 6 concorr$ncia e 0ii2 pro#a da &uitação da
contri!uição sindical da empresa e de seus empregados.
262Art. 31( A pessoa Iur-dica &ue pretende participar de licitação, cuIo edital e4ige !alanço
patrimonial do ltimo e4erc-cio, não est" dispensada de manter escrituração cont"!il, em caso de ser
optante pelo lucro presumido. A dispensa da escrituração cont"!il / pre#ista somente na legislação
#alores m-nimos de .aturamento anterior, -ndices de renta!ilidade ou
lucrati#idade
871
. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R 8?. A administração, nas compras para entrega .utura e na
e4ecução de o!ras e ser#iços, poder" esta!elecer, no instrumento
con#ocat<rio da licitação, a e4ig$ncia de capital m-nimo ou de patrim5nio
l-&uido m-nimo
878
, ou ainda as garantias pre#istas no R 1? do art. >D desta
7ei, como dado o!Ieti#o de compro#ação da &uali.icação econ5mico;
.iscal e continua sendo e4igida pela legislação comercial e .alimentar 0Noletim I%N n. =7, de no#em!ro
de 8GG12.
263Art. 31( A Primeira @urma do :uperior @ri!unal de Pustiça 0:@P2 negou recurso especial
apresentado pela empresa Indstrias Petracco 'icoli :CA. para anular concorr$ncia p!lica promo#ida
pelo +epartamento de @r9nsito de :ão Paulo 0+etranC:P2 para .ornecimento de placas e tarIetas para
#e-culos e prestação de ser#iços de emplacamento e lacração. Por unanimidade, os ministros
entenderam &ue a licitação .oi legal e &ue não Kou#e #iolação dos direitos das concorrentes.
+errotada na licitação realiFada em 1BB7, a Petracco 'icoli apontou supostas irregularidades na .ase de
Ka!ilitação &ue estariam em desacordo com a 7ei E.DDDCB3. A empresa #encedora Comepla Indstria e
Com/rcio 7tda teria apresentado documentação incompleta. 'ão teriam sido inclu-dos o !alanço
patrimonial e demonstrações cont"!eis, re.erentes ao ltimo e4erc-cio, con.orme impõe a 7ei de
7icitações e Contratos. :em tais documentos, aponta a Petracco 'icoli, não / poss-#el compro#ar a
idoneidade .inanceira da #encedora concorrente. A Comepla I" assinou o contrato e passou a realiFar
os ser#iços pre#istos na licitação do +etranC:P. +e acordo com in.ormações inclu-das no processo, a
empresa contratada atende mensalmente a EG mil consumidores ; 7G mil de carros e 1G mil de motos.
:ão os propriet"rios de #e-culos no#os ou de usados &ue precisam ter suas placas trocadas. Pela
proposta apresentada na licitação, a Comepla co!raria RW 7,B> o par de placas para #e-culos e RW G,B>
de motos. A anulação da concorr$ncia pedida pela Petracco 'icoli .oi negada em todas as inst9ncias,
antes da empresa apresentar recurso no :@P. % ac<rdão do @PC:P con.irmado pelo :@P aponta &ue o
+etranC:P agiu dentro da legalidade ao Ka!ilitar as licitantes &ue atenderam os termos do edital,
apresentando a documentação l" e4igida. % edital esta!eleceu, para compro#ação da idoneidade
.inanceira, &ue os concorrentes de#eriam apresentar certidão negati#a de .al$ncia ou concordata
e4pedida pelo distri!uidor da sede da pessoa Iur-dica e Certi.icado de Registro Cadastral. :egundo o
relator, ministro Pos/ +elgado, a administração p!lica tem o de#er de a.erir a capacidade econ5mico;
.inanceira e idoneidade das empresas concorrentes, mas isso não signi.ica &ue seIa necess"ria a
apresentação do !alanço e das demonstrações cont"!eis. A a.erição pode ser .eita por outros meios.
+elgado tam!/m ressaltou &ue a Petracco 'icoli participou de todo o processo licitat<rio, sem
apresentar &ual&uer impugnação e aceitou todas as regras dispostas no edital para s< então contest";las
Iudicialmente depois de ter sido derrotada. Q'ão tem, portanto, direito l-&uido e certo para, ap<s o
Iulgamento das propostas, por não ter sido a #encedora, alegar e4ist$ncia de #-cio no edital &ue ela
tam!/m apro#eitouQ, relatou o ,inistro.
0LinM 'ot-cias do :@P, de 1B.GD.8GG82.
264Art. 31( A escrituração da pessoa Iur-dica tri!utada com !ase no lucro real de#e .icar so! a
responsa!ilidade de pro.issional &uali.icado 0contador ou t/cnico em conta!ilidade2, nos termos da
legislação espec-.ica, &ue de#er" assinar, Iunto com o titular da empresas indi#idual, s<cios gerentes ou
administradores da pessoa Iur-dica, as demonstrações .inanceiras o!rigat<rias 0!alanço patrimonial,
demonstração do resultado do e4erc-cio e demonstração de lucros ou preIu-Fos acumulados2, com a
indicação do seu nmero de registro no ConselKo Regional de Conta!ilidade 0Noletim I%N n. =,
Paneiro de 8GG82.
265Art. 31( A e4pressão LaM .oi alterada para LK"M, con.orme reti.icação pu!licada no +%), :eção 1,
em G8.G7.8GG3.
266Art. 31( +ecisão n? =>>CB7, pu!licada no +%) de 8E.GE.B7, p. 1EE>G, &ue determinou a sustação
da Concorr$ncia, ante a e4ist$ncia de ilegalidades. )ma delas .oi a e4ig$ncia de certidões negati#as dos
.inanceira dos licitantes
873
e para e.eito de garantia ao adimplemento do
contrato a ser ulteriormente cele!rado
87=
.
R 3?. % capital m-nimo ou o #alor do patrim5nio l-&uido a &ue se
re.ere o par"gra.o anterior não poder" e4ceder a 1GV 0deF por cento2 do
#alor estimado da contratação
87>
, de#endo a compro#ação ser .eita
relati#amente 6 data da apresentação da proposta
87D
;
877
;
87E
, na .orma da
lei, admitida a atualiFação para esta data atra#/s de -ndices o.iciais.
R =?. Poder" ser e4igida, ainda, a relação dos compromissos
assumidos pelo licitante &ue importem diminuição da capacidade
Cart<rios ou %.-cios de +istri!uição de Protestos e @-tulos, re.erentes aos G> 0cinco2 anos anteriores 6
Concorr$ncia, e4or!itando as disposições do art. 31, inciso II, da 7ei n? E.DDDCB3.
267Art. 31( +ecisão n. 1.=E=C8GG8, pu!licada no +%) de 11.11.8GG8, p"gs. 888C883. Representação
de licitante contra ato da Comissão Permanente de 7icitação em #irtude da ina!ilitação da empresa, 6
#ista da apresentação de certidão negati#a de .al$ncia ou concordata .ora do praFo de #alidade, I" &ue
Kou#e a indisponi!ilidade de o!tenção de no#a certidão em #irtude da paralisação 0gre#e2 dos
ser#entu"rios da Pustiça *stadual. % ,in. Relator )!iratan Aguiar, não o!stante o pre#isto
e4pressamente no art. 31, inicso II, da 7ei n. E.DDDCB3, entendeu ser desarraFoada a e4ig$ncia contida
no edital de certidão negati#a de .al$ncia, &uando restou compro#ado &ue a Pustiça do *stado da NaKia
se encontra#a em gre#e, I" &ue, o!#iamente, as licitantes não teriam condiçoes de apresentar re.erido
documento. % @ri!unal determinou a não assinatura de @ermo Aditi#o prorrogando o contrato
atualmente em #igor, tendo em #ista &ue o procedimento adotado, de se e4igir certidão negati#a de
.al$ncia e concordata, &uando, sa!idamente, a Pustiça do *stado da NaKia esta#a em gre#e, #iolou o
princ-pio da igualdade, pre#isto no art. 3
o
, da 7ei n. E.DDDCB3.
8DE
Art. 31( +ecisão n? >3ECBE, pu!licada no +%) de 8>.GE.BE, p.3D, &ue determinou a anulação da
Concorr$ncia, ante a e4ist$ncia de irregularidade. )ma delas .oi a e4ig$ncia do recolKimento da caução
em dinKeiro, at/ G> 0cinco2 dias antes da a!ertura da licitação. Con.orme dispõe o artigo 31, inciso III,
cCc o art. >D do mesmo ordenamento, a garantia a ser prestada / uma opção do contratante. Assim
sendo, a imposição de caução em dinKeiro caracteriFou restrição ao processo licitat<rio.
8DB
Art. 31( +ecisão n? ==C8GGG, pu!licada no +%) de 1=.G8.8GGG, p. E>. % @ri!unal determinou ao <rgão
licitante &ue respeitasse, na estipulação de #alor da garantia e4igida na &uali.icação econ5mica;
.inanceira, o limite de 1V 0um por cento2 do #alor estimado do o!Ieto da contratação, pre#isto em lei.
'o caso em &uestão, o *dital e4igiu o percentual de >V 0cinco por cento2, o &ue não est" em
con.ormidade com o dispositi#o da 7ei.
87G
Art. 31( +ecisão n. >E1C8GGG, pu!licada no +%) de 11.GE.8GGG, p"gs. E=CE>. Representação de
empresas licitantes, apontando supostas irregularidades no te4to do edital de Concorr$ncia.
Proced$ncia em parte. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue se a!stenKa de e4igir dos licitantes
a compro#ação de patrim5nio l-&uido m-nimo, cumulati#amente com a prestação de garantia, uma #eF
&ue o R 8
?
do mencionado artigo permite tão somente 6 Administração e4igir, alternati#amente, capital
m-nimo ou patrim5nio l-&uido m-nimo ou as garantias pre#istas no R 1
?
do art. >D da 7ei de 7icitações.
871
Art. 31( +ecisão n. 1.G7GC8GG8, pu!licada no +%) de G3.G=.8GG8, p"gs. 1D>C1DD. Representação.
Poss-#eis irregularidades em @omada de Preços. %corr$ncia de .alKa .ormal. Proced$ncia parcial. %
,in. Relator Augusto :Kerman Ca#alcanti acompanKou a :*C*X, ao entender &ue a aus$ncia de
estudo para a .i4ação de -ndices econ5micos;.inanceiros m-nimos não restringiu a competição na
@omada de Preços, mas caracteriFa .alKa .ormal &ue de#e ser e#itada em .uturas licitações. % @ri!unal
determinou &ue, em .uturas licitações, o <rgão licitante .undamente a e4ig$ncia de -ndices econ5micos;
.inanceiros m-nimos ou m"4imos em estudo cont"!il, &ue indi&ue &ue tais -ndices .oram .i4ados em
n-#eis apenas o !astante para atestar &ue a licitante possui condições su.icientes para sol#er suas
o!rigações.
878
Art. 31( A :egunda @urma do :uperior @ri!unal de Pustiça concluiu não ser a!usi#a cl"usula de edital
de procedimento licitat<rio &ue e4ige dos participantes atestado de capacidade t/cnica para a realiFação
operati#a ou a!sorção de disponi!ilidade .inanceira, calculada esta em
.unção do patrim5nio l-&uido atualiFado e sua capacidade de rotação.
R >?. A compro#ação da !oa situação .inanceira da empresa ser"
.eita de .orma o!Ieti#a, atra#/s do c"lculo de -ndices cont"!eis pre#istos
no edital e de#idamente Iusti.icados no processo administrati#o da
licitação &ue tenKa dado in-cio ao certame licitat<rio, #edada a e4ig$ncia
de -ndices e #alores não usualmente adotados para a correta a#aliação de
do ser#iço. A 7iderança Conser#ação e :er#iços 7tda tinKa mo#ido ação contra a :ecretaria de
Administração do +istrito Federal e conseguiu, nas inst9ncias ordin"rias, suspender a licitação para a
contratação de ser#iço de limpeFa de#ido a e4ist$ncia de supostas cl"usulas a!usi#as, como a
compro#ação de patrim5nio l-&uido m-nimo de RW D milKões de reais e a apresentação de atestado
demonstrando um m-nimo de 3>V do pessoal e.eti#o para a e4ecução do ser#iço. % :uperior @ri!unal
de Pustiça concordou com a e4ig$ncia de capacidade t/cnica, mas Iulgou ilegal a compro#ação de
patrim5nio de RW D milKões de reais 0Resp =7=7E1 3 apud @ri!una do +ireito, deFem!ro de 8GG32.
873
Art. 31( A +ecisão n? >>=CBB, pu!licada no +%) de G8.GB.BB, p. 7B, .eF menção 6 doutrina, &ue I"
distinguia as e4ig$ncias de ordem econ5mico;.inanceira, pre#istas antes e depois da escolKa do
#encedor de um certame licitat<rio( U0)A,')%( ' 0K+>N)5+' &0 5'7+%'1 *(5+'1 (, 7'%$+<:)+( 16A,+&(
<6)+<( &+R $0*70+%( L A,'1+3+5'-.( 05():<+5(O3+)')50+$' E 3'*0 &( 7$(50&+<0)%( 1+5+%'%B$+( O, '
*0$ '30$+&' $01'%+8'<0)%0 ' %(&(* (* 1+5+%')%0*, ' 0K+>N)5+' &0 >'$')%+' &0 0K05,-.( 5()%$'%,'1
$030$0O*0 '( 5,<7$+<0)%( &'* (;$+>'-=0* 701' 5()%$'%'&', (, *0@', 0)A,')%( 1+5+%')%0 0 ' (,%$',
7'$' A,')&( 5()%$'%'&'. A 7$+<0+$' *0 +)*0$0 ),<' 0%'7' &( 7$(50**( &0 5()%$'%'-.(, A,'1 *0@',
' 1+5+%'-.(. A (,%$', )' 0%'7' &0 0K05,-.( 5()%$'%,'1Q 0QinQ Ant5nio Carlos Cintra do Amaral,
Concessão de :er#iço P!lico, p.=7, ,alKeiros *ditores, :ão Paulo, 1BBD2.
87=
Art. 31( +ecisão n. >E1C8GGG, pu!licada no +%) de 11.GE.8GGG, p"gs. E=CE>. Representação de
empresas licitantes, apontando supostas irregularidades no te4to do edital de Concorr$ncia.
Proced$ncia em parte. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue se a!stenKa de e4igir dos licitantes
a compro#ação de patrim5nio l-&uido m-nimo, cumulati#amente com a prestação de garantia, uma #eF
&ue o R 8
?
do mencionado artigo permite tão somente 6 Administração e4igir, alternati#amente, capital
m-nimo ou patrim5nio l-&uido m-nimo ou as garantias pre#istas no R 1
?
do art. >D da 7ei de 7icitações.
87>
Art. 31( A :egunda @urma do :uperior @ri!unal de Pustiça concluiu não ser a!usi#a cl"usula de edital
de procedimento licitat<rio &ue e4ige dos participantes atestado de capacidade t/cnica para a realiFação
do ser#iço. A 7iderança Conser#ação e :er#iços 7tda tinKa mo#ido ação contra a :ecretaria de
Administração do +istrito Federal e conseguiu, nas inst9ncias ordin"rias, suspender a licitação para a
contratação de ser#iço de limpeFa de#ido a e4ist$ncia de supostas cl"usulas a!usi#as, como a
compro#ação de patrim5nio l-&uido m-nimo de RW D milKões de reais e a apresentação de atestado
demonstrando um m-nimo de 3>V do pessoal e.eti#o para a e4ecução do ser#iço. % :uperior @ri!unal
de Pustiça concordou com a e4ig$ncia de capacidade t/cnica, mas Iulgou ilegal a compro#ação de
patrim5nio de RW D milKões de reais 0Resp =7=7E1 3 apud @ri!una do +ireito, deFem!ro de 8GG32.
87D
Art. 31( +ecisão n? >3ECBE, pu!licada no +%) de 8>.GE.BE, p.3D, determinou a anulação da
Concorr$ncia, ante a e4ist$ncia de irregularidade. )ma delas .oi a e4ig$ncia da compro#ação do capital
social m-nimo, at/ a data do *dital. @al e4ig$ncia .eriu as disposições contidas no R 3? , do art. 31, da
7ei n? E.DDDCB3, &ue esta!elece &ue a compro#ação do capital social m-nimo ser" .eita relati#amente 6
data da apresentação da proposta.
877
Art. 31( +ecisão n? 7D7CBE, pu!licada no +%) de 8G.11.BE, p.33. % @ri!unal determinou &ue de#e o
<rgão licitante e#itar Le4igir dos licitantes patrim5nio l-&uido registrado na data da pu!licação do
editalQ.

278Art. 38( A cl"usula &ue pre#$ a compro#ação de patrim5nio l-&uido igual ou superior a seis
milKões de reais, / e4ig$ncia ilegal, pois o #alor do patrim5nio l-&uido m-nimo pre#isto no edital,
situação .inanceira su.iciente ao cumprimento das o!rigações decorrentes
da licitação
87B
. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R D?. 0O*@A+%2
A$%. 32. %s documentos necess"rios 6 Ka!ilitação
8EG
poderão ser
apresentados em original, por &ual&uer processo de c<pia autenticada por
cart<rio competente ou por ser#idor da Administração, ou pu!licação em
<rgão da imprensa o.icial. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R 1?. A documentação de &ue tratam os arts. 8E a 31 desta 7ei
poder" ser dispensada, no todo ou em parte, nos casos de con#ite
8E1
,
concurso, .ornecimento de !ens para pronta entrega e leilão.
em!ora corresponda a 1GV do #alor estimado do ser#iço, .oi calculado com !ase na prestação do
ser#iço pelo per-odo inicial de DG meses, o &ue representa clara o.ensa ao artigo >7, inciso II, da 7ei de
7icitações 0R*:P =7=7E12.
279Art. 31( +ecisão n. 1.G7GC8GG8, pu!licada no +%) de G3.G=.8GG8, p"gs. 1D>C1DD. Representação.
Poss-#eis irregularidades em @omada de Preços. %corr$ncia de .alKa .ormal. Proced$ncia parcial. %
,in. Relator Augusto :Kerman Ca#alcanti acompanKou a :*C*X, ao entender &ue a aus$ncia de
estudo para a .i4ação de -ndices econ5micos;.inanceiros m-nimos não restringiu a competição na
@omada de Preços, mas caracteriFa .alKa .ormal &ue de#e ser e#itada em .uturas licitações. % @ri!unal
determinou &ue, em .uturas licitações, o <rgão licitante .undamente a e4ig$ncia de -ndices econ5micos;
.inanceiros m-nimos ou m"4imos em estudo cont"!il, &ue indi&ue &ue tais -ndices .oram .i4ados em
n-#eis apenas o !astante para atestar &ue a licitante possui condições su.icientes para sol#er suas
o!rigações.
280Art. 38( % <rgão licitante e4igiu &ue a compro#ação da Ka!ilitação Iur-dica, da &uali.icação
econ5mico;.inanceira e a regularidade .iscal .osse e.etuada mediante a compro#ação da Ka!ilitação
parcial #"lida no sistema de cadastramento uni.icado de .ornecedores ; :ICAF, contrariando o
par"gra.o 1
o
, do art. 88, da 7ei n. E.DDDCB3, implicando em inde#ida restrição 6 competição. A +ecisão
n. 8EBC8GG1, pu!licada no +%) de 8> de maio de 8GG1, p.183C18=, asse#erou ao <rgão licitante &ue se
a!stenKa de incluir nos editais de concorr$ncia p!lica dispositi#o &ue somente possi!ilite a Ka!ilitação
de licitantes &ue seIam pre#iamente cadastrados no :I:@*,A I'@*ARA+% +*
CA+A:@RA,*'@% )'IFICA+% +* F%R'*C*+%R*: ; :ICAF, por o.ender ao par"gra.o 1
?
, do
art. 88 e art. 38, da lei n. EDDDCB3.
281Art. 38( Ac<rdão n. 8.378C8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Relat<rio de Auditoria para
#eri.icação da regularidade das a&uisições de !ens e da contratação de ser#iços de in.orm"tica. %
@ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue se a!stenKa de incluir na modalidade de Con#ite, como
condição de participação no certame, e4ig$ncia de &ue o interessado esteIa cadastrado no :istema
Integrado de Cadastramento )ni.icado de Fornecedores 3 :ICAF.
R 8?. % certi.icado de registro cadastral a &ue se re.ere o R 1? do art.
3D, su!stitui os documentos enumerados nos arts. 8E a 31
8E8
;
8E3
;
8E=
;
8E>
,
&uanto 6s in.ormações disponi!iliFadas em sistema in.ormatiFado de
consulta direta indicado no edital, o!rigando;se a parte a declarar, so! as
penalidades legais, a super#eni$ncia de .ato impediti#o da Ka!ilitação.
0Redação dada ao par"gra.o pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
'ota( Assim dispunKa o par"gra.o alterado(
QR 8?. % certi.icado de registro cadastral a &ue se re.ere o R 1? do art. 3D
su!stitui os documentos enumerados nos arts. 8E e 8B, e4clusi#e a&ueles
de &ue tratam os incisos III e IO do art. 8B, o!rigada a parte a declarar, so!
as penalidades ca!-#eis, a super#eni$ncia de .ato impediti#o da
Ka!ilitação, e a apresentar o restante da documentação pre#ista nos arts.
3G e 31 desta 7ei.Q
R 3?. A documentação re.erida neste artigo poder" ser su!stitu-da
por registro cadastral emitido por <rgão ou entidade p!lica, desde &ue
282Art. 38( +ecisão n? GBECBB, pu!licada no +%) de GE.G=.BB, p. 3D. Asse#erou;se ao <rgão licitante
&ue de#er" diligenciar Iunto 6 :ecretaria da Receita Federal, 6 Cai4a *con5mica Federal e ao I'::, no
&ue concerne ao praFo de #alidade do cadastro no :ICAF, com !ase no &ue são emitidos os
compro#antes de Ka!ilitação para .irmar contrato com o Poder P!lico Federal. % Lnada constaM não
alcança as certidões ou documentos de cunKo .iscal, de :eguridade :ocial e FA@:0...2, com praFos de
#ig$ncia pr<prios, ca!endo ao .ornecedor sua regular reno#ação, so! pena de in#alidação autom"tica de
seu cadastramento no sistema.
283Art. 38( +ecisão n? ==C8GGG, pu!licada no +%) de 1=.G8.8GGG, p. E>. Asse#erou;se ao <rgão
licitante &ue Lo!ser#e, &uando da ela!oração de editais licitat<rios, os mandamentos contidos nos RR 8?
e 3?, do art. 38, da 7ei n? E.DDDCB3, alterada pela 7ei n? B.D=ECBE, &ue cuidam da a#aliação de
documentos relati#os 6 Ka!ilitação dos licitantes, a .im de e#itar sua e4ig$ncia onerosa e desnecess"ria
&ue, 0K 8+ da mencionada 7ei, são supridos pela apresentação do Certi.icado de Registro Cadastral 3
CRC.M

284Art. 38( +ecisão n? DEBCB7, pu!licada no +%) de 87.1G.B7, p. 8=88E. % @ri!unal determinou &ue
seIa .acultati#o no edital, se assim o deseIar, L&ue os participantes apresentem o Certi.icado de Registro
Cadastral 3 CRC, como documento su!stituti#o de parte da documentação Ka!ilitat<ria.M

285Art. 38( +ecisão n? 181CBB, pu!licada no +%) de 3G.G7.BB, p"g. >1C>3. 'o parecer e4arado na
respecti#a +ecisão, esclareceu;se o &ue de#e ser compreendido pelo Certi.icado de Registro e
Classi.icação Cadastral 3 CRCC, .ornecido pelo <rgão licitante. A apresentação do CRCC não a.asta a
necessidade de apuração da regularidade .inanceira da empresa, par a respecti#a compro#ação( L+o
ponto de #ista legal, o R 3?, do art. 38, da 7ei n? E.DDDCB3, esta!elece &ue o registro cadastral emitido
para su!stituir os documentos de Ka!ilitação de#er", necessariamente, ser .eito em o!edi$ncia ao
disposto na&uela 7ei, ou seIa, de#e o!edecer ao comando legal contido no R >? , do art. 31, no sentido
de &ue seIa compro#ada a !oa situação .inanceira da empresa, de .orma o!Ieti#a. A respeito, #ale
registrar os coment"rios de +i<genes Aasparini 0QinQ Noletim de 7icitações e Contratos, maioCB>2(
LAssim, 0...2 não se pode perder de #ista &ue 6 Administração P!lica não ca!e, so! pena de
responsa!ilidade, a!rir mão do conKecimento pr/#io da !oa situação econ5mico;.inanceira da
concorrente, pois não lKe / dado p5r em risco o interesse p!lico, contratando com desconKecido, ou
com algu/m &ue, em!ora conKecido, não tenKa, de antemão, !oa situação .inanceira. :eria em &ual&uer
desses casos, uma inomin"#el irresponsa!ilidade. 'ão se pode se&uer imaginar &ue o contratado, no
decorrer do aIuste, possa #ir a se encontrar em situação de não poder suportar os 5nus e
responsa!ilidades da contratação, &uanto mais contratar algu/m &ue I" se sa!e ser assim &uali.icado.
*sse comportamento, se #iesse a ocorrer, seria indu#idosamente incompat-#el com o interesse p!lico.M

pre#isto no edital e o registro tenKa sido .eito em o!edi$ncia ao disposto
nesta 7ei.
R =?. As empresas estrangeiras &ue não .uncionem no Pa-s, tanto
&uanto poss-#el, atenderão, nas licitações internacionais, 6s e4ig$ncias dos
par"gra.os anteriores mediante documentos e&ui#alentes, autenticados
pelos respecti#os consulados e traduFidos por tradutor Iuramentado,
de#endo ter representação legal no Nrasil com poderes e4pressos para
rece!er citação e responder administrati#a ou Iudicialmente.
R >?. 'ão se e4igir", para a Ka!ilitação de &ue trata este artigo,
pr/#io recolKimento de ta4as ou emolumentos, sal#o os re.erentes a
.ornecimento do edital &uando solicitado, com os seus elementos
constituti#os, limitados ao #alor do custo e.eti#o de reprodução gr".ica da
documentação .ornecida
8ED
;
8E7
,.
R D?. % disposto no R =? deste artigo, no R 1? do art. 33 e no R 8? do
art. >> não se aplica 6s licitações internacionais para a a&uisição de !ens e
ser#iços cuIo pagamento seIa .eito com o produto de .inanciamento
concedido por organismo .inanceiro internacional de &ue o Nrasil .aça
parte, ou por ag$ncia estrangeira de cooperação, nem nos casos de
contratação com empresa estrangeira, para a compra de e&uipamentos
.a!ricados e entregues no e4terior, desde &ue para este caso tenKa Ka#ido
pr/#ia autoriFação do CKe.e do Poder *4ecuti#o, nem nos casos de
a&uisição de !ens e ser#iços realiFada por unidades administrati#as com
sede no e4terior.
A$%. 33. ^uando permitida na licitação a participação de empresas
em cons<rcio
8EE
;
8EB
;
8BG
, o!ser#ar;se;ão as seguintes normas(
286Art. 38( +ecisão n? DEBCB7, pu!licada no +%) de 87.1G.B7, p. 8=88E. % @ri!unal deli!erou &ue
de#e ser co!rado pelo L.ornecimento dos editais de licitações com os seus elementos tão;somente o
#alor do custo e.eti#o de reprodução gr".ica da documentação .ornecida.M
287Art. 38( +ecisão n? 1B8C8GGG, pu!licada no +%) de G7.G=.8GGG, p. BG. % @ri!unal determinou ao
<rgão licitante &ue de#er" a!ster;se de L.aFer constar dos editais re.erentes 6s licitações &ue promo#e, a
o!rigatoriedade da compra do edital como re&uisito de Ka!ilitação, por a!soluta .alta de amparo legal,
!em como não de#e co!rar pelo .ornecimento algo mais &ue o #alor do custo e.eti#o de reprodução
gr".icaQ. A determinação do @ri!unal te#e por o!Ieto o .ato de &ue o <rgão licitante e4igiu a compra do
edital como re&uisito para a Ka!ilitação. A a&uisição do edital / uma .aculdade da empresa participante
do certame.

288Art. 33( "0*(1,-.( &( CON/EA E C()*01D( /0&0$'1 &0 E)>0)D'$+', A$A,+%0%,$' 0
A>$()(<+' O )º 444 &0 14.04.2000, pu!licada no +%) em 8=.G=.8GGG, dispõe &ue(
LA$%. 1º %s Cons<rcios de empresas constitu-dos com a .inalidade de participação em licitações no
pa-s, de#em in.ormar ao CR*A da Iurisdição da e4ecução do empreendimento, sua intenção de
participar em licitação, Iuntando c<pia dos seguintes documentos(
I 3 c<pia autenticada do compromisso de constituição do cons<rcio, de#idamente registrado por
escritura p!lica ou documento particular registrado em cart<rio de registro de t-tulos e documentos,
com a indicação da empresa l-der, caso Kou#erH
II 3 c<pia do *dital de 7icitação &ue pretende participar, e
III 3 certidão de registro, Iunto ao CR*A, da0s2 empresa0s2 !rasileira0s2 consorciada0s2.
I ; compro#ação do compromisso p!lico ou particular de
constituição de cons<rcio, su!scrito pelos consorciadosH
II ; indicação da empresa respons"#el pelo cons<rcio &ue de#er"
atender 6s condições de liderança, o!rigatoriamente .i4adas no editalH
III ; apresentação dos documentos e4igidos nos arts. 8E a 31 desta
7ei por parte de cada consorciado, admitindo;se, para e.eito de
&uali.icação t/cnica o somat<rio dos &uantitati#os de cada consorciado
8B1
,
e, para e.eito de &uali.icação econ5mico;.inanceira, o somat<rio dos
#alores de cada consorciado, na proporção de sua respecti#a
participação
8B8
, podendo a Administração esta!elecer, para o cons<rcio,
A$%. 2º % CR*A, atra#/s de suas C9maras *specialiFadas competentes, analisar" a documentação
apresentada, !em como os processos de registros das empresas en#ol#idas, onde conste os o!Ieti#os
sociais e &uadros t/cnicos, com o intuito de certi.icar;se &uanto 6 compati!ilidade entre estas e outras
ati#idades pleiteadas pelo cons<rcio, com !ase nas in.ormações constantes do *dital.
A$%. 3º %s CR*As de#erão manter em seus ar&ui#os, in.ormações acerca do cons<rcio .ormado, para
.ins de emissão de Certidões de Acer#o @/cnico dos pro.issionais respons"#eis pelas ati#idades
desen#ol#idas inclusi#e aos respons"#eis t/cnicos estrangeiros.
A$%. 4º +e#er" constar da Anotações de Responsa!ilidade @/cnica 3 AR@s, das o!ras e ser#iços a
serem e4ecutados, menção &uanto aos componentes do cons<rcio .irmado e sua .inalidade e praFo
pre#isto da o!ra ou ser#iço.Q

289Art. 33( +ecisão n. B>EC8GG1, pu!licada no +%) de 88.G1.8GG8. Representação de licitante contra
supostas ilegalidades no edital, &ue te#e por o!Ieto a a&uisição de e&uipamentos de in.orm"tica. 'o
Relat<rio da .ormulado pela :ecretaria de Controle *4terno 0:*C*X2, destaca;se o esclarecimento
&uanto ao .ato de &ue a constituição de cons<rcio de empresas para o .ornecimento do o!Ieto licitado
não implica em 5nus 6s propostas apresentadas( LCom .undamento no ensinamento do Pro.essor
,arçal Pusten FilKo, no campo das licitações, a .ormação de cons<rcios reduF o uni#erso da disputa. %
cons<rcio signi.ica &ue e#entuais interessados, ao in#/s de esta!elecerem disputa entre si, .ormaliFam
acordo &ue elimina a competição. Por isso, a Administração P!lica apenas autoriFa a participação de
empresas em cons<rcio &uando as dimensões e a comple4idade do o!Ieto e4iIam a associação. :ão as
Kip<teses em &ue apenas umas poucas empresas estariam aptas a preencKer as condições especiais
e4igidas para a licitação. Ao permitir o cons<rcio, a Administração amplia o uni#erso de competidores
0....2M.

290Art. 33( Ac<rdão n. 318C8GG3, pu!licado no +ou de 11.G=.8GG3, p"ginas 1D=C1D>. *m seu #oto, o
,inistro Relator acatou a posição da :ece4, em &ue a possi!ilidade de .ormação de cons<rcios de
empresas para participarem da licitação / .aculdade &ue depende de pre#isão no edital. 'ão sendo,
pois, um ato #inculado, o administrador p!lico pode, discricionariamente, .aFer constar do edital de
licitação a possi!ilidade de .ormação de cons<rcios sempre &ue, por con#eni$ncia ou oportunidade,
Iulgar &ue esta medida .a#orecer" a !oa condução do certame licitat<rio e o interesse p!lico.
Aeralmente, o administrador p!lico costuma lançar mão dessa medida &uando entende &ue a
competiti#idade do certame licitat<rio pode ser a.etada pela ine4ist$ncia ou pela grande escasseF de
empresas &ue, indi#idualmente, não tenKam condições de e4ecutar o!ras ou ser#iços comple4os.
291Art. 33( +ecisão n? 1B8CBE, pu!licada no +%) de G>.G>.BE, p.BE. +eterminou;se a anulação do
*dital de Concorr$ncia, oportunidade em &ue se esta!eleceu &ue, &uando de um no#o *dital, seIa
o!ser#ado &ue, Lno caso de participação de empresas em regime de co;seguro, se permita o somat<rio,
para e.eito de &uali.icação t/cnica, dos atestados de capacidade t/cnica e4pedidos por entidades da
Administração P!lica ou pessoa Iur-dica de direito pri#ado.M
8B8
Art. 33( +ecisão n? 1B8CBE, pu!licada no +%) de G>.G>.BE, p.BE. +eterminou;se a anulação do *dital
de Concorr$ncia, oportunidade em &ue se esta!eleceu &ue, &uando de um no#o *dital, seIa o!ser#ado
&ue, Lno caso de participação de empresas em regime de co;seguro, se permita o somat<rio, para e.eito
de &uali.icação econ5mica, dos #alores de capital m-nimo.M
um acr/scimo de at/ 3GV 0trinta por cento2 dos #alores e4igidos para
licitante indi#idual, ine4ig-#el este acr/scimo para os cons<rcios
compostos, em sua totalidade, por micro e pe&uenas empresas assim
de.inidas em leiH
IO ; impedimento de participação de empresa consorciada, na
mesma licitação, atra#/s de mais de um cons<rcio ou isoladamenteH
O ; responsa!ilidade solid"ria dos integrantes pelos atos praticados
em cons<rcio, tanto na .ase de licitação &uanto na de e4ecução do
contrato.
R 1?. 'o cons<rcio de empresas !rasileiras e estrangeiras a liderança
ca!er", o!rigatoriamente, 6 empresa !rasileira, o!ser#ado o disposto no
inciso II deste artigo.
R 8?. % licitante #encedor .ica o!rigado a promo#er, antes da
cele!ração do contrato, a constituição e o registro do cons<rcio, nos
termos do compromisso re.erido no inciso I deste artigo.
SEÇ#O III
DOS "E!IST"OS CADAST"AIS
A$%. 34. Para os .ins desta 7ei, os <rgãos e entidades da
Administração P!lica &ue realiFem .re&]entemente licitações manterão
registros cadastrais para e.eito de Ka!ilitação, na .orma regulamentar,
#"lidos por, no m"4imo, um ano
8B3
;
8B=
;
8B>
;
8BD
.
R 1?. % registro cadastral de#er" ser amplamente di#ulgado e de#er"
estar permanentemente a!erto aos interessados, o!rigando;se a unidade
293Art. 3=( % +ecreto =.=E>, de 8>.11.8GG8 deu no#a redação aos dispositi#os do +ecreto n? 3.778,
de GB.G1.8GG1, &ue regulamentou o art. 3=, da 7ei n. E.DDD, de 81 de IunKo de 1BB3 e disp5s so!re o
:istema de Cadastramento )ni.icado de Fornecedores ; :ICAF.

294Art. 3=( Oide a Instrução 'ormati#a n. G1, de 17.G>.8GG1, do ,inistro de *stado do PlaneIamento,
%rçamento e gestão, pu!licado no +%) de 1E.GD.8GG1, &ue alterou dispositi#os da Instrução
'ormati#a ,AR* n. >, de 81.G7.1BB>, &ue esta!elece procedimentos destinados 6 implantação e
operacionaliFação do :istema de Cadastramento )ni.icado de Fornecedores 3 :ICAF, m<dulo do
:istema Integrado de Administração de :er#iços Aerais 3 :IA:A.
295Art. =3( Ac<rdão n. 8.378C8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Relat<rio de Auditoria para
#eri.icação da regularidade das a&uisições de !ens e da contratação de ser#iços de in.orm"tica. %
@ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue se a!stenKa de incluir na modalidade de Con#ite, como
condição de participação no certame, e4ig$ncia de &ue o interessado esteIa cadastrado no :istema
Integrado de Cadastramento )ni.icado de Fornecedores 3 :ICAF.
296
Art. 3=( +ecisão n. ED1C8GGG, pu!licada no +%) de 8G.1G.8GGG. Representação contra poss-#eis
irregularidades em processo licitat<rio. Proced$ncia parcial. Aus$ncia de amparo legal para a e4ig$ncia
pre#ista no edital de licitação atacada, de pr/#io cadastramento dos licitantes no :ICAF. % @ri!unal
determinou ao <rgão licitante &ue, nos certames licitat<rios &ue promo#er, a!stenKa;se de estipular,
para e.eito de Ka!ilitação dos interessados, e4ig$ncias &ue e4cedam os limites .i4ados nos arts. 87 a 33
da 7ei n. EDDDCB3, tais como( cadastramento e Ka!ilitação dos licitantes no :ICAF.
por ele respons"#el a proceder, no m-nimo anualmente, atra#/s da
imprensa o.icial e de Iornal di"rio, a cKamamento p!lico para a
atualiFação dos registros e4istentes e para o ingresso de no#os
interessados.
R 8?. S .acultado 6s unidades administrati#as utiliFarem;se de
registros cadastrais de outros <rgãos ou entidades da Administração
P!lica.
A$%. 3?. Ao re&uerer inscrição no cadastro
8B7
;
8BE
, ou atualiFação
deste, a &ual&uer tempo, o interessado .ornecer" os elementos necess"rios
6 satis.ação das e4ig$ncias do art. 87 desta 7ei.
A$%. 36. %s inscritos serão classi.icados por categorias, tendo;se em
#ista sua especialiFação, su!di#ididas em grupos, segundo a &uali.icação
t/cnica e econ5mica a#aliada pelos elementos constantes da
documentação relacionada nos arts. 3G e 31 desta 7ei.
R 1?. Aos inscritos ser" .ornecido certi.icado, reno#"#el sempre &ue
atualiFarem o registro.
R 8?. A atuação do licitante no cumprimento de o!rigações
assumidas ser" anotada no respecti#o registro cadastral.
A$%. 37. A &ual&uer tempo poder" ser alterado, suspenso ou
cancelado o registro do inscrito &ue dei4ar de satis.aFer as e4ig$ncias do
art. 87 desta 7ei, ou as esta!elecidas para classi.icação cadastral.
SEÇ#O IC
DO P"OCEDI4ENTO E JUL!A4ENTO
A$%. 38. % procedimento da licitação ser" iniciado com a a!ertura
de processo administrati#o, de#idamente autuado, protocolado e
numerado, contendo a autoriFação respecti#a, a indicação sucinta de seu
297Art. 3>( % *stado de ,inas Aerais, atra#/s da 7ei n. 13BB=, de 1E.GB.8GG1, instituiu o cadastro de
.ornecedores impedidos de licitar e contratar com a Administração P!lica *stadual.
298Art. 3>( +ecisão n. ED1C8GGG, pu!licada no +%) de 8G.1G.8GGG. Representação contra poss-#eis
irregularidades em processo licitat<rio. Proced$ncia parcial. Aus$ncia de amparo legal para a e4ig$ncia
pre#ista no edital de licitação atacada, de pr/#io cadastramento dos licitantes no :ICAF. % @ri!unal
determinou ao <rgão licitante &ue, nos certames licitat<rios &ue promo#er, a!stenKa;se de estipular,
para e.eito de Ka!ilitação dos interessados, e4ig$ncias &ue e4cedam os limites .i4ados nos arts. 87 a 33
da 7ei n. EDDDCB3, tais como( cadastramento e Ka!ilitação dos licitantes no :ICAF.
o!Ieto e do recurso pr<prio para a despesa, e ao &ual serão Iuntados
oportunamente
8BB
;
3GG
;
3G1
(
I ; edital ou con#ite e respecti#os ane4os, &uando .or o casoH
II ; compro#ante das pu!licações do edital resumido, na .orma do
art. 81 desta 7ei, ou da entrega do con#ite
3G8
H
III ; ato de designação da comissão de licitação, do leiloeiro
administrati#o ou o.icial, ou do respons"#el pelo con#iteH
IO ; original das propostas e dos documentos &ue as instru-remH
O ; atas, relat<rios e deli!erações da Comissão Pulgadora
3G3
H
OI ; pareceres t/cnicos ou Iur-dicos emitidos so!re a licitação,
dispensa ou ine4igi!ilidadeH
OII ; atos de adIudicação do o!Ieto da licitação e da sua
KomologaçãoH
299Art. 3E( +ecisão n? =B7CBB, pu!licada no +%) de 13.GE.BB, p. 13B. Representação .ormulada
contra a A'A@*7, determinou;se &ue de#er", nos pr<4imos procedimentos, serem adotadas medidas
&ue #isem a aprimorar a metodologia de documentação dos processos, a e4emplo do disposto no art.
3E, da 7ei n? E.DDDCB3. @al determinação te#e por o!Ieto o .ato de &ue, diante das dilig$ncias realiFadas
para #eri.icação da representação .ormulada, .oi constatada pelos representantes do @C), a e4ist$ncia
de di#ersas precariedades na organiFação do procedimento licitat<rio, estando os autos espalKados e
ar&ui#ados em setores di#ersos, criando di.iculdades para o entendimento glo!al do processo.
300Art. 3E( +ecisão 1.3=EC8GG8, pu!licada no +%) de 83.1G.8GG8, p.883. Relat<rio de Auditoria. 'o
#oto, o ,inistro Relator )!iratan Aguiar se mani.estou no sentido de &ue da leitura do art. 3E, #eri.ica;
se &ue a 7ei n. E.DDDCB3 detalKa com precisão os elementos &ue o!rigatoriamente de#erão integrar o
processo administrati#o da licitação, de modo a assegurar &ue todos os passos da administração para o
alcance do o!Ieti#o pretendido 3 contratação 3 esteIam comprometidos com os princ-pios &ue
in.ormam o procedimento( princ-pio constitucional da isonomia e seleção da proposta mais #antaIosa
para a administração. Com e.eito, a 7ei esta!elece &ue as .ases da licitação de#erão estar !em
documentadas, permitindo total transpar$ncia de todas as ações relacionadas ao procedimento. 'esse
sentido, assinado o contrato, encerra;se a etapa re.erente 6 contratação. A etapa seguinte, da e4ecução
do contrato, en#ol#e outras ações &ue não mais estarão a cargo da comissão de licitação e da autoridade
competente para Komologação e adIudicação da licitação, a &ual / tratada na :eção IO do Cap-tulo III.
@em;se pois &ue a 7ei n. E.DDDCB3 não o!riga a adoção de um nico processo para a licitação e para a
e4ecução do contrato.
3G1
Art. 3E( Ac<rdão n. 1.3E7C8GG3, pu!licado no +%) de G=.G7.8GG3, p"gs. 1G>C1GD. Representação.
FalKas .ormais na realiFação de Concorr$ncia. % @ri!unal determinou ao <rgão licitador &ue passe 6
Iuntar todos os documentos relati#os 6 licitação em um nico processo administrati#o.
3G8
Art. 3E( +ecisão 3B=C8GG1, pu!licada no +%) de 81.11.8GG1, p. 813.Representação .ormulada por
licitante, diante da e4ist$ncia de #"rias irregularidades na contratação de ser#iços gr".icos. % @ri!unal
determinou &ue as pu!licações e4igidas nos termos do art. 3E, inciso II, da 7ei n. EDDDCB3 seIam .eitas
no +i"rio %.icial da )nião ; +%) e suas c<pias constem dos processos licitat<rios autuados pela
entidade.
303Art. 3E( +ecisão n. E>>C8GG8, pu!licada no +%) de 31.G7.8GG8. Representação de licitante.
7icitação para a&uisição de mo!ili"rio destinado a di#ersas ag$ncias da Cai4a *con5mica Federal.
Identi.icação de .alKas na condução do procedimento licitat<rio. Con.iguração de #-cios de natureFa
.ormal. 'a an"lise e.etuada pelo :r. +iretor :u!stituto transcre#e;se o seguinte( L11. A Iurisprud$ncia
desta Casa nos mostra &ue suplentes de mem!ros de Comissão de 7icitação s< são apenados &uando
compro#ada sua contri!uição para as irregularidades praticadas. Citamos, por e4emplo, o Ac<rdão n.
3G3C8GG1 3 Plen"rio, pro.erido nos autos do @C n. D>G.813C1BB7;1, :essão de 11.18.8GG1M.
OIII ; recursos
3G=
e#entualmente apresentados pelos licitantes e
respecti#as mani.estações e decisõesH
IX ; despacKo de anulação ou de re#ogação da licitação, &uando .or
o caso, .undamentado circunstanciadamenteH
X ; termo de contrato ou instrumento e&ui#alente, con.orme o
caso
3G>
H
XI ; outros compro#antes de pu!licações
3GD
;
3G7
H
XII ; demais documentos relati#os 6 licitação.
Par"gra.o nico. As minutas de editais de licitação, !em como as
dos contratos, acordos, con#$nios ou aIustes de#em ser pre#iamente
e4aminadas e apro#adas por assessoria Iur-dica da Administração
3GE
.
0Redação dada ao par. nico pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
A$%. 39. :empre &ue o #alor estimado para uma licitação ou para
um conIunto de licitações simult9neas ou sucessi#as .or superior a 1GG
304Art. 3E( +ecisão n? 1G3C8GGG, pu!licada no +%) de G3.G3.8GGG, p. >1. % @ri!unal detrminou ao
<rgão licitante &ue seIa o!ser#ado o disposto neste artigo, L.aFendo Iuntar ao processo administrati#o
a!erto para a licitação, os recursos e#entualmente apresentados pelos licitantes e todos os demais
documentos relati#os ao certameM.
3G>
Art. 3E( +ecisão 1.3=EC8GG8, pu!licada no +%) de 83.1G.8GG8, p.883. Relat<rio de Auditoria. 'o
#oto, o ,inistro Relator )!iratan Aguiar, transcre#eu entendimento .irmado por Pess/ @orres Pereira
Pnior 0Coment"rios 6 7ei de 7icitações e Contratações da Administração P!lica, >
a
. edição, p"g.
=112( L+o art. 3E in.ere;se, tam!/m, a peça &ue de#e encerrar o processo licitat<rio. S a re.erida no
inciso X 3 termo de contrato ou instrumento e&ui#alente. A partir da cele!ração do contrato, seIa &ual
.or o seu #e-culo 0#. art. D82, tem in-cio outro processo, &ue / o do acompanKamento da e4ecução do
o!Ieto, I" des#inculado da licitação, posto &ue esta e4auriu seu papel &uando re#elou 6 Administração a
proposta mais #antaIosa e o seu autor, nada mais Ka#endo a comparar e a decidir relati#amente 6
competição, &ue cKega a termo com a contratação do #encedor. ^uais&uer pro#id$ncias ou medidas &ue
se mostrarem necess"rias ap<s a contratação passam 6 alçada da autoridade incum!ida da e4ecução do
o!Ieto contratado, não mais das autoridades respons"#eis pela licitaçãoM.
3GD
Art. 3E( +ecisão 3B=C8GG1, pu!licada no +%) de 81.11.8GG1, p. 813.Representação .ormulada por
licitante, diante da e4ist$ncia de #"rias irregularidades na contratação de ser#iços gr".icos. % @ri!unal
determinou &ue as pu!licações e4igidas nos termos do art. 3E, inciso XI, da 7ei n. EDDDCB3, seIam .eitas
no +i"rio %.icial da )nião ; +%) ; e &ue suas c<pias constem dos processos licitat<rios autuados pela
entidade.
307Art. 3E( +ecisão n. 1.8BGC8GG8, pu!licada no +%) de G=.1G.8GG8, p"g. 1B=. Representação acerca
de #-cios em @omada de Preços. Ante a aus$ncia de comunicação por escrito do resultado da licitação,
em documentos encaminKados 6 unidade t/cnica, o :r. Pre.eito Iuntou, entre outros, c<pia da
Pusti.icati#a re.erente 6 re#ogação da licitação, onde consta a cKancela de ter sido pu!licado o
resultado. %corre &ue, por si s<, a poss-#el pu!licação não atendeu plenamente as e4ig$ncias contidas
nos arts. 3
o
, caput e 3E, inciso XI, uma #eF &ue não est" especi.icado em &ual 0is2 #e-culo 0s2 de
di#ulgação o resultado .oi pu!licado. Portanto, restou con.igurado &ue o princ-pio da pu!licidade não
.oi o!ser#ado. % @ri!unal determinou ao <rgão licitador &ue, nas .uturas licitações com recursos
.ederais, atente para os dispositi#os da 7ei n. E.DDDCB3, o!ser#ando o princ-pio da pu!licidade.
3GE
Art. 3E( Ac<rdão n. 1.3E7C8GG3, pu!licado no +%) de G=.G7.8GG3, p"gs. 1G>C1GD. Representação.
FalKas .ormais na realiFação de Concorr$ncia. % @ri!unal determinou &ue de#e se dei4ar claramente
consignado nos autos do processo de licitação, mediante a mani.estação por escrito do setor
competente, &ue as minutas dos editais de licitação e dos contratos .oram pre#iamente e4aminadas e
apro#adas pela Assessoria Pur-dica da Administração.
0cem2 #eFes o limite pre#isto no art. 83, inciso I, al-nea c, desta 7ei, o
processo licitat<rio ser" iniciado, o!rigatoriamente, com uma audi$ncia
p!lica concedida pela autoridade respons"#el com anteced$ncia m-nima
de 1> 0&uinFe2 dias teis da data pre#ista para a pu!licação do edital, e
di#ulgada, com a anteced$ncia m-nima de 1G 0deF2 dias teis de sua
realiFação, pelos mesmos meios pre#istos para a pu!licidade da licitação,
6 &ual terão acesso e direito a todas as in.ormações pertinentes e a se
mani.estar todos os interessados
3GB
.
Par"gra.o nico. Para os .ins deste artigo, consideram;se licitações
simult9neas a&uelas com o!Ietos similares e com realiFação pre#ista para
inter#alos não superiores a trinta dias, e licitações sucessi#as a&uelas em
&ue, tam!/m com o!Ietos similares, o edital su!se&]ente tenKa uma data
anterior a cento e #inte dias ap<s o t/rmino do contrato resultante da
licitação antecedente. 0Redação dada ao R nico pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
A$%. 40. % edital conter" no pre9m!ulo o nmero de ordem em
s/rie anual, o nome da repartição interessada e de seu setor, a modalidade,
o regime de e4ecução e o tipo da licitação, a menção de &ue ser" regida
por esta 7ei, o local, dia e Kora para rece!imento da documentação e
proposta, !em como para in-cio da a!ertura dos en#elopes, e indicar",
o!rigatoriamente, o seguinte(
3GB
Art. 3B( +ecisão n? =>7CBB, pu!licada no +%) de 3G.G7.BB, p. >E. % <rgão licitante promo#eu
audi$ncia p!lica anterior 6 pu!licação do *dital, ante a comple4idade da 7icitação, raFão pela &ual,
em detrimento do interesse p!lico, seria totalmente con#eniente um entrosamento entre a Comissão e
as empresas interessadas. 'este sentido, assim se #$ do Ooto do ,inistro relator( LA prop<sito da
realiFação da audi$ncia p!lica pela I'FRA*R%, mister se .aF ressaltar &ue, segundo a 7ei n? E.DDDCB3
0art. 3B2, tal .ato não tinKa car"ter o!rigat<rio, uma #eF &ue o #alor da contratação não e4cedia o
esta!elecido na&uele documento legal. *ntretanto, a I'FRA*R% procedeu 6 realiFação da audi$ncia
p!lica, anteriormente 6 implementação do processo licitat<rio, reconKecendo a import9ncia e a
oportunidade &ue esse instituto propiciaria na ela!oração de um edital de licitação comple4o.M
I ; o!Ieto da licitação, em descrição sucinta e clara
31G
;
311
;
318
;
313
H
II ; praFo e condições para assinatura do contrato ou retirada dos
instrumentos, como pre#isto no art. D= desta 7ei, para e4ecução do
contrato e para entrega do o!Ieto da licitaçãoH
III ; sanções para o caso de inadimplementoH
IO ; local onde poder" ser e4aminado e ad&uirido o proIeto !"sicoH
O ; se K" proIeto e4ecuti#o dispon-#el na data da pu!licação do
edital de licitação e o local onde possa ser e4aminado e ad&uiridoH
OI ; condições para participação na licitação, em con.ormidade
com os arts. 87 a 31 desta 7ei, e .orma de apresentação das propostasH
OII ; crit/rio para Iulgamento, com disposições claras e par9metros
o!Ieti#os
31=
H
OIII ; locais, Kor"rios e c<digos de acesso dos meios de
comunicação 6 dist9ncia em &ue serão .ornecidos elementos, in.ormações
e esclarecimentos relati#os 6 licitação e 6s condições para atendimento
das o!rigações necess"rias ao cumprimento de seu o!Ieto
31>
H
310Art. =G +ecisão n. DG1C8GGG, pu!licada no +%) de 1>.GE.8GGG. Representação. :upostas
irregularidades na desclassi.icação de proposta, ante a e4ist$ncia de ind-cios de rigorismo .ormal da
Comissão de 7icitações. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue atente para a ade&uada de.inição
das especi.icações dos materiais ou e&uipamentos a serem ad&uiridos.
311Art. =G( +ecisão n. =>GC8GGG, pu!licada no +%) de 13.GD.8GGG, p.=B. Representação de licitante,
ante a caracteriFação de e4ig$ncia não pre#ista no instrumento con#ocat<rio. 'a Concorr$ncia em
&uestão, o <rgão licitador e4igiu a apresentação de prot<tipos do o!Ieto, sem &ue o edital dispusesse
desta .orma, alegando &ue, por se tratar de mo!ili"rio so! encomenda, ainda &ue as licitantes
apresentassem atestados de .ornecimentos anteriores, não se poderia concluir, mediante #isitas t/cnicas
ou pelo mero e4ame de cat"logos de produtos de linKa, acerca do atendimento integral 6s e4ig$ncias do
edital e de seus ane4os. % ,in. Relator destacou, em seu #oto, os ensinamentos da administrati#ista
+ora ,aria de %li#eira Ramos 0@emas Pol$micos so!re licitações e contratos, ,alKeiros *ditores, 8
a
.
edição, 1BB>, p"g. 1D72( LAssim, para &ue a Administração não se #eIa .orçada a ad&uirir produtos de
&ualidade in.erior 6s suas necessidades, ao descre#er o o!Ieto pretendido, de#e .aF$;lo de .orma a
determinar todas as especi.icações e4igidas pela AdministraçãoM.
318
Art. =G( +ecisão n. B11C8GG1, pu!licada no +%) de 18.11.8GG1.Representação contra a e4ist$ncia de
irregularidades na desclassi.icação de proposta. +escumprimento dos re&uisitos .ormais e materiais
pre#istos no edital. Recomendou;se ao <rgão licitante &ue os .uturos editais de licitação seIam
ela!orados de modo &ue os o!Ietos licitados esteIam descritos de .orma precisa, su.iciente e clara, com
todas as e4ig$ncias necess"rias 6 apresentação das propostas.
313
Oer o art.1=.
31=
Art. =G( +ecisão >1EC8GGG, pu!licada no +%) de 1G.G7.8GGG, p.=D. Representação de licitante, ante a
e4ist$ncia de irregularidades em @omada de Preços Iunto ao Centro de Instrução Almirante
Ale4andrino, do ,inist/rio da ,arinKa. 'a +ecisão prolatada pelo ,inistro Iram :arai#a, .oi
determinado ao <rgão licitador &ue de.ina, de .orma o!Ieti#a, o contedo do edital de suas licitações,
nos termos do art. =G, da 7ei n. EDDDCB3, de modo a desclassi.icar as propostas &ue não atendam 6s
e4ig$ncias do ato con#ocat<rio da licitação, nos termos do inciso I, do art. =E, da 7ei em comento.
31>
Art. =G( +ecisão n? 3E1CBE, pu!licada no +%) de G8.G7.BE, p. D=. % @ri!unal determinou ao <rgão
licitante &ue Qse a!stenKa de incluir, nos editais, cl"usula .i4ando praFo para a prestação de in.ormações
complementares aos interessados, no tocante ao contedo do ato con#ocat<rio, tendo em #ista o
disposto nos arts. 3?, R 1?, inciso I e =G, inciso OIII, da 7ei n? E.DDDCB3, alterada pela de n? E.EE3CB=.M
Asse#erou o ,inist/rio P!lico &ue o praFo .i4ado no edital de apenas 8G 0#inte2 dias, antes da data de
IX ; condições e&ui#alentes de pagamento entre empresas
!rasileiras e estrangeiras, no caso de licitações internacionaisH
X ; o crit/rio de aceita!ilidade dos preços unit"rios e glo!al
31D
,
con.orme o caso, permitida a .i4ação de preços m"4imos e #edados a
.i4ação de preços m-nimos, crit/rios estat-sticos ou .ai4as de #ariação em
relação a preços de re.er$ncia, ressal#ado o disposto nos par"gra.os 1? e 8?
do art. =EH 0Redação dada ao inciso pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
'ota( Assim dispunKa o inciso alterado(
QX ; crit/rio de aceita!ilidade dos preços unit"rios e glo!al, con.orme o
caso, #edada a .i4ação de preços m-nimos, crit/rios estat-sticos ou .ai4as
de #ariação em relação a preços de re.er$nciaH 0Redação dada pela 7ei n?
E.EE3, de GE.GD.B=2Q
XI ; crit/rio de reaIuste
317
, &ue de#er" retratar a #ariação e.eti#a do
custo de produção, admitida a adoção de -ndices espec-.icos ou setoriais,
desde a data pre#ista para apresentação da proposta, ou do orçamento a
&ue essa proposta se re.erir, at/ a data do adimplemento de cada
parcela
31E
H 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
XII ; 0O*@A+%2
XIII ; limites para pagamento de instalação e mo!iliFação para
e4ecução de o!ras ou ser#iços &ue serão o!rigatoriamente pre#istos em
separado das demais parcelas, etapas ou tare.asH
a!ertura das propostas, para o encaminKamento de pedido de esclarecimento so!re os documentos
e4igidos no edital, tende a reduFir a competiti#idade do certame, pois / de#er da Administração
.ornecer aos interessados as e4plicações solicitadas, de acordo com o disposto no art. =G, OIII da
re.erida 7ei, com #istas a possi!ilitar a entrega de propostas de acordo com as especi.icações do ato
con#ocat<rio, ampliando assim o uni#erso da competição. Complementando, a +ecisão n? 8D1CB>;
Plen"rio 0Ata n? 8>CB>, :essão de 1=.GD.B>, +%) de 8D.GD.B>, p. B.3332, alertou a Autar&uia no sentido
de &ue a .alta de cumprimento de decisão do @ri!unal suIeitar" o respons"#el, sal#o moti#o Iusti.icado,
6 multa pre#ista no art. >E, R 1? da 7ei n? E.==3CB8 e no art. 88G, R 1? do respecti#o Regimento Interno.
31D
Art. =G( +ecisão n? 3E1CBE, pu!licada no +%) de G8.G7.BE, p. D=. % @ri!unal determinou ao <rgão
licitante para a!ster;se de L.i4ar preço de re.er$ncia nos instrumentos con#ocat<rios, de#endo ser
e4igida dos licitantes a cotação dos preços unit"rios para os itens de ser#iços, !em como a cotação do
preço glo!al resultante dos &uantitati#os estimados para cada um desses itens, indicando;se, ainda, o
crit/rio de aceita!ilidade dos preços unit"rios e glo!al, consoante o disposto no art. =G, incisos I e X, da
7ei n? E.DDDCB3.M +epreende;se desta decisão &ue o <rgão licitante .i4ou em seu edital preço de
re.er$ncia, &uando de#eria ter sido e4igido dos licitantes a cotação de preços unit"rios para os itens das
categorias de ser#iços odontol<gicos constantes da @a!ela 'acional de Con#eniado e Credenciado do
ConselKo Federal de %dontologia.
317Art. =G( Oide DEC"ETO ). 1.0?4, &0 7 &0 3080$0+$( &0 1994, com a redação dada pelo +ecreto
1.11G, de 13.G=.1BB=, &ue regulamenta o reaIuste de preços nos contratos da Administração Federal
direta e indireta, e d" outras pro#id$ncias.
318Art. =G( Ac<rdão n. 318C8GG3, pu!licado no +%) de 11.G=.8GG3, p"ginas 1D=C1D>. % @ri!unal
determinou &ue o <rgão licitador adote, nas .<rmulas de reaIuste dos preços contratuais, -ndices de
reaIuste iniciais e .inais correspondentes, respecti#amente, 6 data !ase das propostas pre#ista no ato
con#ocat<rio e 6 data do adimplemento de cada parcela do contrato, nos termos do art. =G, inciso XI da
7ei n. E.DDDCB3 e do +ecreto 1.G>=C1BB=.
XIO ; condições de pagamento, pre#endo
31B
;
38G
(
a2 praFo de pagamento, não superior a trinta dias, contado a partir
da data .inal do per-odo de adimplemento de cada parcelaH 0Redação dada
pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
!2 cronograma de desem!olso m"4imo por per-odo, em
con.ormidade com a disponi!ilidade de recursos .inanceirosH
c2 crit/rio de atualiFação .inanceira dos #alores a serem pagos,
desde a data .inal do per-odo de adimplemento de cada parcela at/ a data
do e.eti#o pagamento
381
H 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
d2 compensações .inanceiras e penaliFações, por e#entuais
atrasos
388
, e descontos, por e#entuais antecipações de pagamentos
383
H
e2 e4ig$ncia de seguros, &uando .or o casoH
XO ; instruções e normas para os recursos pre#istos nesta 7eiH
319Art. =G( +ecisão n. D81C8GG1, pu!licada no +%) n. 17=;*. % @ri!unal determinou ao <rgão
licitante &ue não inclua nos editais, por .alta de amparo legal, cl"usula pre#endo a sustação do
pagamento de .aturas como sanção administrati#a.
320Art. =G( Oide +ecreto 1.G>=, de G7.G8.1BB=, com a redação dada pelo +ecreto 1.11G, de
13.G=.1BB=, &ue regulamenta o reaIuste de preços nos contratos da Administração P!lica Federal
direta e indireta e d" outras pro#id$ncias.
321Art. =G( LC%RR*a`% ,%'*@bRIA. ^)I@Aa`%. %NRA PgN7ICA. % pagamento pela
e4ecução dos ser#iços .oi sendo realiFado com atraso sem o pagamento da correção, como esta#a
pre#isto no contrato. Ao t/rmino da o!ra, as partes contratantes, ao assinarem o termo de entrega e
rece!imento, e4plicitaram &ue a empresa contratada da#a plena e irre#og"#el &uitação 6 Pre.eitura das
import9ncias rece!idas at/ a&uela data, para nada mais reclamar, .icando li!erada a caução. *sse
documento .oi assinado e imediatamente depois ingressou a recorrida com o pedido de correção. A
@urma, por maioria, deu pro#imento ao recurso, por entender &uer a correção monet"ria / principal,
não acess<ria, como os Iuros. +ada a &uitação, .oi passado um reci!o de isenção de reclamação, não
Ka#endo o &ue se reclamar, o &ue pleitear, por não e4istir leg-timo interesse. A &uitação / instrumento
do pagamento. @rata;se de um neg<cio Iur-dico de direito su!stanti#o &ue, para ser des.eito, precisaria
de uma ação apropriada 0Resp 8E=.>G7;:P, em &ue .oi Relator origin"rio a ,inistra *liana Calmon e
Relator para ac<rdão o ,inistro Franciulli 'etto, Iulgado em GD.11.8GG12.
388
Art. =G( +ecisão n? 1GECBB, pu!licada no +%) de GE.G=.BB, p. D8. Representação tendo por o!Ieto a
e4ist$ncia de poss-#eis irregularidades. % @ri!unal decidiu pela anulação da licitação na modalidade
con#ite e asse#erou &ue de#er", na pr<4ima, constar a Lpre#isão so!re as compensações por e#entuais
atrasos e descontos ou por e#entuais antecipações de pagamento pre#istas no Inc. XIO, al-nea LdM, do
art. =G cCc art. >?, R 1?, todos da 7ei n? E.DDDCB3M. A decisão / oriunda da o!ser#ação realiFada em
dilig$ncia( LA import9ncia dessa pre#isão / de tal ordem &ue K" reiteradas mani.estações de
Iurisprud$ncia so!re o assunto. As p"ginas 81EC81B de sua o!ra QEficácia nas licitações e Contratos,
ed. +el ReT 3 7X ediçãoQ, o ilustre pro.essor Carlos Pinto CoelKo ,otta cita algumas decisões onde se
a.irma &ue a Administração !"lica tem o dever moral de indeni#ar todas as o"ras e serviços $ue,
executados de "oa%f&, l'e trouxerem algum proveito e $ue se impõe o cálculo da correção monetária
so"re os pagamentos feitos em atraso, como forma de eliminar a possi"ilidade de enri$uecimento
il(cito por parte dos devedores. ) pagamento tardio e sem atuali#ação & pagamento incompleto.”
383
Art. =G( +ecisão n. 3B>C8GG8, pu!licada no +%) de 8D.G=.8GG8. Representação acerca de retenção de
pagamento de .atura por e4ist$ncia de d/!ito do contratado para com a C*F, decorrente de outros
contratos. 'os termos da 7ei n. E.DDDCB3, não tem legitimidade a Administração para reter pagamentos
aos seus contratados por inadimplementos estranKos aos pre#istos no contrato a &ue se re.erem.
:urgiria, assim, perigoso precedente &ue daria aos contratantes, em especial a&ueles &ue são
instituições .inanceiras, poderes para co!rar d/!itos por #ias outras das pre#istas na legislação.
XOI ; condições de rece!imento do o!Ieto da licitação
38=
H
XOII ; outras indicações espec-.icas ou peculiares da licitação.
R 1?. % original do edital de#er" ser datado, ru!ricado em todas as
.olKas e assinado pela autoridade &ue o e4pedir, permanecendo no
processo de licitação, e dele e4traindo;se c<pias integrais ou resumidas,
para sua di#ulgação e .ornecimento aos interessados.
R 8?. Constituem ane4os do edital, dele .aFendo parte integrante(
I ; o proIeto !"sico eCou e4ecuti#o, com todas as suas partes,
desenKos, especi.icações e outros complementosH
II ; orçamento estimado em planilKas de &uantitati#os e preços
unit"rios
38>
;
38D
;
387
H 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
III ; a minuta do contrato a ser .irmado entre a Administração e o
licitante #encedorH
IO ; as especi.icações complementares e as normas de e4ecução
pertinentes 6 licitação
38E
.
38=
Art. =G( +ecisão n. 1.11DC8GG8, pu!licada no +%) de GB.GB.8GG8. Representação acerca de poss-#eis
irregularidades cometidas em @omada de Preços, destinada 6 a&uisição de g$neros aliment-cios. %
@ri!unal recomendou ao <rgão licitante &ue inclua em seus editais de licitação, &uando .or poss-#el,
.le4i!iliFação delimitada &uanto 6 .orma de entrega dos itens 0pacotes, lotes, em!alagens, etc2, sem
preIu-Fo da o!ser#9ncia dos seguintes aspectos( log-stica de armaFenamento, #ida til, distri!uição e
consumo dos usu"rios.
38>
Art. =G( +ecisão n. 173GC8GG8, pu!licada no +%) de G7.G1.8GG3, p. 1B>C1BD. *m seu #oto, o ,inistro
relator ressaltou &ue a planilKa presta;se 6 #eri.icação de e#entual so!repreço e ser#e de par9metro para
a#aliar, tam!/m, a e4e&ui!ilidade das propostas apresentadas.
38D
Art. =G( +ecisão n? E81CB7, pu!licada no +%) de 18.18.B7, p. 8BE8B. % @ri!unal determinou &ue,
Ltendo em #ista o e4ame empreendido nos elementos encaminKados pelo Nanco Central do Nrasil em
atendimento 6s dilig$ncias .ormuladas por este @ri!unal, determinar 6&uela autar&uia &ue, nas
licitações &ue promo#er, ela!ore de .orma consistente as estimati#as de custos, uma #eF &ue as mesmas
são utiliFadas, inclusi#e, para a a#aliação da ade&ua!ilidade dos preços propostos pelos participantes.M
@al decisão / oriunda do #oto do :r. ,inistro, &ue asse#erou( LCon.orme se sa!e, os dados constantes
das estimati#as ela!oradas pela administração são utiliFados para #"rios .ins, como por e4emplo( para a
escolKa da modalidade de licitação, para a a#aliação da ade&ua!ilidade dos preços propostos, etc.
Portanto, / imprescind-#el &ue essas pre#isões apresentem coer$ncia com o o!Ieto licitado.M
387
Art. =G( Ac<rdão n. B1>C8GG3. Processo @C GGB.>87C8GG3;7. Representações .ormuladas em .ace de
supostas irregularidades em edital de licitação da @ele!r"s, Concorr$ncia GGG1C8GG3, a!erta para a
contratação de sociedade de ad#ocacia para atuação em territ<rio nacional. )m dos itens do edital
omitiu in.ormações essenciais ao per.eito dimensionamento do o!Ieto da licitação, em a.ronta ao
disposto nos incisos II e IO do R 8
?
do art. =G da 7ei n. E.DDDCB3, na medida em &ue este item pre#iu a
inclusão de todos os custos &ue o licitante entender necess"rios para a plena e4ecução do o!Ieto, mas o
Ane4o OIII, no &ual est" in.ormada a distri!uição dos processos em &ue a @ele!r"s / parte 0dado
essencial para a .ormulação da proposta de preço2, in.orma apenas o nmero de processos em
tramitação, não Ka#endo detalKamento a respeito de seu o!Ieto, da #ara e do Iu-Fo onde tramitam ou da
comple4idade neles encerrada. % @ri!unal determinou a inclusão do demonstrati#o do orçamento
estimado em planilKas de &uantitati#os e preços unit"rios e de in.ormações re.erentes ao o!Ieto dos
processos, tais como( nome da parte en#ol#ida, data de autuação e outras, necess"rias ao e4ato
dimensionamento do o!Ieto da licitação, de .orma &ue os interessados possam .ormular suas propostas
com consist$ncia e e4e&ui!ilidade.
38E
Art. =G( Ac<rdão n. B1>C8GG3. Processo @C GGB.>87C8GG3;7. Representações .ormuladas em .ace de
supostas irregularidades em edital de licitação da @ele!r"s, Concorr$ncia GGG1C8GG3, a!erta para a
R 3?. Para e.eito do disposto nesta 7ei, considera;se como
adimplemento da o!rigação contratual a prestação do ser#iço, a realiFação
da o!ra, a entrega do !em ou de parcela destes, !em como &ual&uer outro
e#ento contratual a cuIa ocorr$ncia esteIa #inculada a emissão de
documento de co!rança.
R =?. 'as compras para entrega imediata, assim entendidas a&uelas
com praFo de entrega at/ trinta dias da data pre#ista para apresentação da
proposta, poderão ser dispensados(
I ; o disposto no inciso XI deste artigoH
II ; a atualiFação .inanceira a &ue se re.ere a al-nea c do inciso XIO
deste artigo, correspondente ao per-odo compreendido entre as datas do
adimplemento e a pre#ista para o pagamento, desde &ue não superior a
&uinFe dias. 0Par"gra.o acrescentado pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
A$%. 41. A Administração não pode descumprir as normas e
condições do edital, ao &ual se acKa estritamente #inculada
38B
;
33G
.
R 1?. ^ual&uer cidadão / parte leg-tima para impugnar edital de
licitação por irregularidade na aplicação desta 7ei, de#endo protocolar o
pedido at/ > 0cinco2 dias teis antes da data .i4ada para a a!ertura dos
en#elopes de Ka!ilitação, de#endo a Administração Iulgar e responder 6
contratação de sociedade de ad#ocacia para atuação em territ<rio nacional. )m dos itens do edital
omitiu in.ormações essenciais ao per.eito dimensionamento do o!Ieto da licitação, em a.ronta ao
disposto nos incisos II e IO do R 8
?
do art. =G da 7ei n. E.DDDCB3, na medida em &ue este item pre#iu a
inclusão de todos os custos &ue o licitante entender necess"rios para a plena e4ecução do o!Ieto, mas o
Ane4o OIII, no &ual est" in.ormada a distri!uição dos processos em &ue a @ele!r"s / parte 0dado
essencial para a .ormulação da proposta de preço2, in.orma apenas o nmero de processos em
tramitação, não Ka#endo detalKamento a respeito de seu o!Ieto, da #ara e do Iu-Fo onde tramitam ou da
comple4idade neles encerrada. % @ri!unal determinou a inclusão do demonstrati#o do orçamento
estimado em planilKas de &uantitati#os e preços unit"rios e de in.ormações re.erentes ao o!Ieto dos
processos, tais como( nome da parte en#ol#ida, data de autuação e outras, necess"rias ao e4ato
dimensionamento do o!Ieto da licitação, de .orma &ue os interessados possam .ormular suas propostas
com consist$ncia e e4e&ui!ilidade.
38B
Art. =G( +ecisão n? 8E3CBB, pu!licado no +%) de 1=.GD.BB, p. D7. ,enção 6 trecKo do Parecer da
la#ra do :r. ,inistro Paulo A..onso ,artins de %li#eira, pro.erido no processo @C >GG.GBDCB7;G,
+ecisão n? >G>CB7;Plen"rio 3 Ata n? 31CB7, para en.atiFar &ue Lo edital / a lei &ue rege o processo de
licitação e, portanto, todas as suas cl"usulas de#em ser rigorosamente o!ser#adas. % descumprimento
de &ual&uer uma delas enseIa a anulação do respecti#o procedimento licitat<rio.M
33G
Art. =1( LA Ka!ilitação t/cnica reconKecida pela #ia de crit/rios o!Ieti#os não pode ser derru-da por
a.irmações de -ndole su!Ieti#a, contrapondo;se 6s a#aliações #inculadas 6s disposições edital-cias. A
legislação de reg$ncia lou#a os crit/rios o!Ieti#os e da #inculação aos instrumento con#ocat<rioM
0,andado de :egurança n. >8EB, Processo n. 1BB7GG>38=37, :@P, 1
a
. :eção, 8=.11.1BB72.
impugnação em at/ 3 0tr$s2 dias teis
331
;
338
;
333
, sem preIu-Fo da
.aculdade pre#ista no R 1 ? do art. 113.
R 8?. +ecair" do direito de impugnar os termos do edital de licitação
perante a Administração o licitante &ue não o .iFer at/ o segundo dia til
&ue anteceder a a!ertura dos en#elopes de Ka!ilitação em concorr$ncia, a
a!ertura dos en#elopes com as propostas em con#ite, tomada de preços ou
concurso, ou a realiFação de leilão, as .alKas ou irregularidades &ue
#iciariam esse edital
33=
;
33>
, Kip<tese em &ue tal comunicação não ter"
331
Art. =1( +ecisão n? 3E1CBE, pu!licada no +%) de G8.G7.BE, p. D=. Representação .ormulada por duas
concorrentes. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue no .uturo de#er" Len#iar correspond$ncias,
aos interessados na licitação ou aos licitantes, acompanKadas de LA#iso de Rece!imento 3 ARM,
inclusi#e &uando se .iFer uso pr/#io de e&uipamento de fac%simile, de modo a constitu-rem documentos
de #alor compro!at<rio legal.M @al determinação te#e por o!Ieto o .ato de &ue os concorrentes não
rece!eram &ual&uer comunicação do <rgão licitante 6s impugnações.
338
Art. =1( +ecisão n. 3B3C8GG1, pu!licada no +%) de 18.G7.8GG1. Representação de licitante, ante a
e4ist$ncia de di#ersas irregularidades. *m Parecer e4arado no relat<rio da auditoria, con.irmado pelo
#oto do I. ,inistro Uum!erto Auimarães :outo, e4trai;se o entendimento de &ue a Administração de#e
cumprir .ielmente o disposto no art. =1, da 7ei n. E.DDDCB3, respondendo, e4pressamente e
tempesti#amente 6s impugnações, recursos e demais pedidos .ormulados pelos licitantes, !em como
decidir, .undamentadamente, pelo acatamento ou não das impugnações.
333
Art. =1( +ecisão n. 1.87EC8GG8, pu!licada no +%) de G=.1G.8GG8, p"g. 1DD. Representação de
licitante, &ue protocolou pedido de impugnação ao *dital, mas a respecti#a resposta deu;se somente
Koras ap<s a a!ertura solene da licitação. % @ri!unal determinou 6 Pre.eitura ,unicipal &ue o!ser#e,
&uando da an"lise de impugnações a editais de licitação, o disposto no R 1
?
do art. =1, da 7ei n.
E.DDDCB3.
33=
Art. =1( A +ecisão n? E7=CBE, pu!licada no +%) de 3G.18.BE, p.888. *m an"lise 6 Representação de
licitante, determinou ao <rgão licitante &ue L&uando da ela!oração dos editais de licitação, adote
cautelas tendentes a e#itar am!ig]idades de interpretação.M A representação te#e por o!Ieto a
o!scuridade do edital, o &ual .oi impugnado pelo licitante somente ap<s sua desclassi.icação, e,
portanto, a destempo, #eF &ue de#eria t$;lo impugnado ou mesmo .ormulado pedido de
esclarecimentos na ocasião ade&uada.
33>
Art. =1( A Primeira @urma do :uperior @ri!unal de Pustiça 0:@P2 negou recurso especial apresentado
pela empresa Indstrias Petracco 'icoli :CA. para anular concorr$ncia p!lica promo#ida pelo
+epartamento de @r9nsito de :ão Paulo 0+etranC:P2 para .ornecimento de placas e tarIetas para
#e-culos e prestação de ser#iços de emplacamento e lacração. Por unanimidade, os ministros
entenderam &ue a licitação .oi legal e &ue não Kou#e #iolação dos direitos das concorrentes.
+errotada na licitação realiFada em 1BB7, a Petracco 'icoli apontou supostas irregularidades na .ase de
Ka!ilitação &ue estariam em desacordo com a 7ei n. E.DDDCB3. A empresa #encedora Comepla Indstria
e Com/rcio 7tda teria apresentado documentação incompleta. 'ão teriam sido inclu-dos o !alanço
patrimonial e demonstrações cont"!eis, re.erentes ao ltimo e4erc-cio, con.orme impõe a 7ei de
7icitações e Contratos. :em tais documentos, aponta a Petracco 'icoli, não / poss-#el compro#ar a
idoneidade .inanceira da #encedora concorrente. A Comepla I" assinou o contrato e passou a realiFar
os ser#iços pre#istos na licitação do +etranC:P. +e acordo com in.ormações inclu-das no processo, a
empresa contratada atende mensalmente a EG mil consumidores ; 7G mil de carros e 1G mil de motos.
:ão os propriet"rios de #e-culos no#os ou de usados &ue precisam ter suas placas trocadas. Pela
proposta apresentada na licitação, a Comepla co!raria RW 7,B> o par de placas para #e-culos e RW G,B>
de motos. A anulação da concorr$ncia pedida pela Petracco 'icoli .oi negada em todas as inst9ncias,
antes da empresa apresentar recurso no :@P. % ac<rdão do @PC:P con.irmado pelo :@P aponta &ue o
+etranC:P agiu dentro da legalidade ao Ka!ilitar as licitantes &ue atenderam os termos do edital,
apresentando a documentação l" e4igida. % edital esta!eleceu, para compro#ação da idoneidade
.inanceira, &ue os concorrentes de#eriam apresentar certidão negati#a de .al$ncia ou concordata
e.eito de recurso
33D
;
337
. 0Redação dada ao R 8? pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
R 3?. A impugnação .eita tempesti#amente pelo licitante não o
impedir" de participar do processo licitat<rio at/ o tr9nsito em Iulgado da
decisão a ela pertinente.
R =?. A ina!ilitação do licitante importa preclusão do seu direito de
participar das .ases su!se&]entes.
A$%. 42. 'as concorr$ncias de 9m!ito internacional o edital de#er"
aIustar;se 6s diretriFes da pol-tica monet"ria e do com/rcio e4terior e
atender 6s e4ig$ncias dos <rgãos competentes
33E
.
R 1?. ^uando .or permitido ao licitante estrangeiro cotar preço em
moeda estrangeira, igualmente o poder" .aFer o licitante !rasileiro.
R 8?. % pagamento .eito ao licitante !rasileiro e#entualmente
contratado em #irtude da licitação de &ue trata o par"gra.o anterior ser"
e.etuado em moeda !rasileira, 6 ta4a de c9m!io #igente no dia til
e4pedida pelo distri!uidor da sede da pessoa Iur-dica e Certi.icado de Registro Cadastral. :egundo o
relator, ministro Pos/ +elgado, a administração p!lica tem o de#er de a.erir a capacidade econ5mico;
.inanceira e idoneidade das empresas concorrentes, mas isso não signi.ica &ue seIa necess"ria a
apresentação do !alanço e das demonstrações cont"!eis. A a.erição pode ser .eita por outros meios.
+elgado tam!/m ressaltou &ue a Petracco 'icoli participou de todo o processo licitat<rio, sem
apresentar &ual&uer impugnação e aceitou todas as regras dispostas no edital para s< então contest";las
Iudicialmente depois de ter sido derrotada. Q'ão tem, portanto, direito l-&uido e certo para, ap<s o
Iulgamento das propostas, por não ter sido a #encedora, alegar e4ist$ncia de #-cio no edital &ue ela
tam!/m apro#eitouQ, relatou o ,inistro.
0LinM 'ot-cias do :@P, de 1B.GD.8GG82.
33D
Art. =1( +ecisão n? 3E8CBE, pu!licada no +%) de G8.G7.BE, p. D=. Representação o.erecida pela
interessada Iulgada improcedente. A interessada solicitou, na #/spera da a!ertura das propostas, c<pia
do *dital, #ia .one, alegando &ue não iria participar do certame. 'o dia da a!ertura das propostas, a
interessada compareceu 6 reunião, alegando ter direito a participar da licitação, oportunidade em &ue
apresentou uma carta datada de DG 0sessenta2 dias anteriores da data da a!ertura, cuIo contedo re.uta#a
um item constante do *dital. A Comissão analisou os documentos de Ka!ilitação da representante e
#eri.icou &ue a mesma esta#a irregular, pois o Nalanço e a Certidão 'egati#a de @ri!utos ,unicipais
esta#am #encidos. Re&uereu a representante .osse constado da Ata o deseIo de apresentar recurso.
*ntendeu, diante do e4posto, a Comissão, &ue Lnão poderia a empresa ter inter#ido no processo, por
não ter retirado o *dital em tempo K"!il, nem apresentado, no praFo marcado, a documentação e4igida
para a &uali.icação t/cnica e econ5mica;.inanceira, e resol#eu desconKecer dos pedidos &ue a mesma
Ka#ia registrado em ata, I" &ue a&uela empresa não pertencia ao mundo do processo.M *m seu #oto, o
:r. ,in. Relator Uum!erto Auimarães :outo asse#erou &ue La 7ei n? E.DDDCB3, em seu art. =1, R 1? e
8?, / clara ao dispor &ue impugnação .eita ao *dital de 7icitação .ora dos praFos ali consignados não
tem e.eito de recurso. Portanto, não poderia a Comissão de 7icitação agir de .orma di.erente.M
337
Art. =1( +ecisão n? 3E8CBE, pu!licada no +%) de G8.G7.BE. *n.atiFou o senKor ,inistro &ue a 7ei de
7icitações, em seu art. =1, RR 1? e 8? L/ clara ao dispor &ue impugnação .eita ao *dital de 7icitação .ora
dos praFos ali consignados não tem e.eito de recurso.M
33E
Art. =G( +ecisão n? 7=GCB7, pu!licada no +%) de 1G.11.B7, p. 8>7>D. % @ri!unal determinou &ue,
&uando de uma licitação internacional, de#e;se incluir nos editais a planilKa de custo a ser utiliFada nos
preços o.ertados por licitantes estrangeiros, para e.eito de Iulgamento das propostas, com !ase no art.
=G, inciso OII, com!inado com R 8?, do mesmo artigo e art. =8, R =?, todos da 7ei n? E.DDDCB3.
imediatamente anterior 6 data do e.eti#o pagamento
33B
;
3=G
. 0Redação dada
pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R 3?. As garantias de pagamento ao licitante !rasileiro serão
e&ui#alentes 6&uelas o.erecidas ao licitante estrangeiro.
R =?. Para .ins de Iulgamento da licitação, as propostas apresentadas
por licitantes estrangeiros serão acrescidas dos gra#ames conse&]entes
dos mesmos tri!utos &ue oneram e4clusi#amente os licitantes !rasileiros
&uanto 6 operação .inal de #enda.
R >?. Para realiFação de o!ras, prestação de ser#iços ou a&uisição de
!ens com recursos pro#enientes de .inanciamento ou doação oriundos de
ag$ncia o.icial de cooperação estrangeira ou organismo .inanceiro
multilateral de &ue o Nrasil seIa parte, poderão ser admitidas, na
respecti#a licitação, as condições decorrentes de acordos, protocolos,
con#enções ou tratados internacionais apro#ados pelo Congresso
'acional, !em como as normas e procedimentos da&uelas entidades,
inclusi#e &uanto ao crit/rio de seleção da proposta mais #antaIosa para a
Administração, o &ual poder" contemplar, al/m do preço, outros .atores
de a#aliação, desde &ue por elas e4igidos para a o!tenção do
.inanciamento ou da doação, e &ue tam!/m não con.litem com o princ-pio
do Iulgamento o!Ieti#o e seIam o!Ieto de despacKo moti#ado do <rgão
e4ecutor do contrato, despacKo esse rati.icado pela autoridade
imediatamente superior. 0Redação dada ao R >? pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2.
R D?. As cotações de todos os licitantes serão para entrega no
mesmo local de destino.
339Art. =8( +ecisão n. =D=C8GGG, pu!licada no +%) de 83.G1.8GGG, p. E3. % ,inistro _alton Alencar
Rodrigues, &uando da prolação de seu #oto, se mani.estou no sentido de &ue, no caso em &ue o contrato
/ decorrente de licitação internacional, RR 1
?
e 8
?
do art. =8 da lei n. EDDDCB3 são normas especiais &ue
permitem ao licitante !rasileiro cotar preço em moeda estrangeira e rece!er o pagamento no
e&ui#alente em moeda nacional, de acordo com a ta4a de c9m!io #igente no dia til imediatamente
anterior 6 data de pagamento. *ste dispositi#o não .oi re#ogado pela ,edida Pro#is<ria 1B>G;D=, tanto
em raFão de sua especialidade, &uanto pela .ato de &ue a pr<pria norma geral relaciona e4ceções, entre
as &uais o disposto na parte .inal do art. D
?
da 7ei n. E.EEGCB=, &ue, por sua #eF, ressal#a os casos
e4pressamente autoriFados por lei .ederal, dentre os &uais se situa a 7ei n. EDDDCB3. 'a mesma
oportunidade, entendeu o ,inistro de &ue não K" <!ice ao reaIuste pela #ariação cam!ial no contrato
contemplado.
340Art. =8( +ecisão n. 1.DB=C8GG8, pu!licada no +%) de 8D.18.8GG8. 'a licitação em &uestão, o
contrato .i4ou o preço do o!Ieto em moeda nacional com !ase na ta4a de c9m!io #igente por ocasião
da a!ertura das propostas de preço, ao in#/s de o!ser#ar as regras contidas no pr<prio edital e 6 7ei n.
E.DDDCB3, &ue esta!eleceu condição di#ersa, enseIando consider"#eis preIu-Fos 6 empresa contratada. %
Representante do ,inist/rio P!lico entendeu &ue os contratos resultantes de concorr$ncias
internacionais #encidas por empresas !rasileiras, &ue tenKam preços propostos em moeda estrangeira,
de#em resultar em pagamentos em moeda !rasileira, com !ase na ta4a de c9m!io #igente no dia til
imediatamente anterior 6 data do e.eti#o pagamento. % @ri!unal determinou a ade&uação do contrato.
A$%. 43. A licitação ser" processada e Iulgada com o!ser#9ncia dos
seguintes procedimentos
3=1
;
3=8
(
I ; a!ertura dos en#elopes contendo a documentação relati#a 6
Ka!ilitação dos concorrentes, e sua apreciaçãoH
II ; de#olução dos en#elopes .ecKados aos concorrentes
ina!ilitados, contendo as respecti#as propostas, desde &ue não tenKa
Ka#ido recurso ou ap<s sua denegaçãoH
III ; a!ertura dos en#elopes contendo as propostas dos concorrentes
Ka!ilitados, desde &ue transcorrido o praFo sem interposição de recurso,
ou tenKa Ka#ido desist$ncia e4pressa, ou ap<s o Iulgamento dos recursos
interpostos
3=3
H
IO ; #eri.icação da con.ormidade de cada proposta com os
re&uisitos do edital e, con.orme o caso, com os preços correntes no
3=1
Art. =3( +ecisão pro.erida no Processo n? GGE.=1DCB7;=, re.erente 6 @omada de Contas *special,
oriunda de Representação, pu!licada no +%) de 81.GD.BB, p. 78CEG, ante a e4ist$ncia de suposta
irregularidade com relação 6 desclassi.icação de empresa participante de certame licitat<rio. % @ri!unal
se mani.estou no sentido de &ue não se pode perder de #ista os ensinamentos do Pro.. Adilson +allari,
&ue ensina &ue a Q licitação / procedimento e não uma ati#idade ldicaH não se trata de um concurso de
destreFa para escolKer o melKor cumpridor do editalM 07icitação 3 Compet$ncia para classi.icar
propostas, adIudicar, Komologar e anular, N7C n? DCB=, p .8=>2. f luF deste entendimento, o @ri!unal
rati.icou &ue nem sempre o .ormalismo de#e ser seguido 6 risca pelos Iulgadores.

342Art. =3( Ainda citando;se a +ecisão acima, o +. Representante do ,inist/rio P!lico se
mani.estou no sentido de &ue Qnão se de#e ter em conta o rigorismo .ormal como premissa maiorQ.
,encionou, ainda, trecKos da o!ra do Pro.. ,arçal Pusten FilKo, &ue in#oca Iurisprud$ncia do :uperior
@ri!unal de Pustiça, em &ue o .ormalismo do procedimento licitat<rio não pode ser le#ado ao e4tremo(
LPrecedente do :@P 3 Oale re.erir, ainda outra #eF, a importante decisão prolatada pelo :uperior
@ri!unal de Pustiça, no Iulgamento do ,andado de :egurança n? >.=1EC+F. % edital e4igia &ue as
propostas consignassem os #alores em algarismos e por e4tenso. )m dos licitantes apresentou proposta
onde o #alor consta#a apenas em algarismos e gra.ada segundo padrão estrangeiro 0com #-rgula e não
pontos para indicar os milKares2. A proposta .oi classi.icada como #encedora, em um primeiro
momento. Ap<s e atendendo 6 recurso, a Comissão desclassi.icou;a. % :uperior @ri!unal de Pustiça
concedeu a segurança para resta!elecer a classi.icação original. Reputou &ue a redação da proposta,
ainda &ue descoincidente com a e4ig$ncia do edital, não acarreta#a d#ida acerca do montante
o.ertado. Considerando &ue a classi.icada, logo ap<s, ultrapassa#a a cem milKões de reais, seria
contr"rio ao interesse p!lico promo#er sua desclassi.icação. % precedente tem grande utilidade por
!aliFar a ati#idade de Iulgamento das propostas pelo princ-pio da proporcionalidade. 'ão !asta
compro#ar a e4ist$ncia do de.eito. S imperioso #eri.icar se a gra#idade do #-cio / su.icientemente
s/ria, especialmente em .ace da dimensão do interesse p!lico. Admite;se, a.inal, a aplicação do
princ-pio de &ue o rigor e4tremo na interpretação da lei e do edital pode conduFir 6 e4trema inIustiça ou
ao comprometimento da satis.ação do interesse p!lico... % .ormalismo no procedimento licitat<rio
não signi.ica &ue se possa desclassi.icar propostas ei#adas de simples omissões ou de.eitos
irrele#antes. :egurança concedida. Ooto #encido.M

343Art. =3( +ecisão n. 7=3C8GG8, pu!licada no +%) de 1D.G7.8GG8, p"g. 8=>. Representação de
licitante acerca de supostas irregularidades em edital de Concorr$ncia. ConKecimento da Representação
para consider";la parcialmente procedente. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante, no &ue tange 6
necessidade de e#entuais reduções dos praFos esta!elecidos na re.erida 7ei, somente serem realiFadas
ap<s a o!tenção, Iunto a todos os licitantes, da desist$ncia e4pressa de apresentação de recurso. 'o
caso, a Comissão de 7icitações, ante a desclassi.icação de todas as propostas, .i4ou o praFo de D 0seis2
dias para a ade&uação das propostas, ao passo &ue o art. =E, R 3
o
, .i4a o praFo de E 0oito2 dias teis.
mercado
3==
ou .i4ados por <rgão o.icial competente, ou ainda com os
constantes do sistema de registro de preços, os &uais de#erão ser
de#idamente registrados na ata de Iulgamento, promo#endo;se a
desclassi.icação das propostas descon.ormes ou incompat-#eis
3=>
;
3=D
;
3=7
H
O ; Iulgamento
3=E
e classi.icação das propostas de acordo com os
crit/rios de a#aliação constantes do edital
3=B
H
OI ; deli!eração da autoridade competente &uanto 6 Komologação e
adIudicação do o!Ieto da licitação.
344Art. =3( +ecisão n. E38C8GGG, pu!licada no +%) de 1D.1G.8GGG, p"g. 7D. Representação de
licitante contra direcionamento em procedimento e.etuado para a locação de m"&uina de reprogra.ia.
Proced$ncia. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue, na ela!oração dos atos con#ocat<rios das
licitações destinadas 6 locação de m"&uinas de reprogra.ia &ue, &uando da realiFação de licitações,
promo#a a necess"ria pes&uisa de mercado, em conson9ncia ao preceito contido no inciso IO, do art.
=3, da 7ei n. E.DDDCB3.
345Art. =3( +e acordo com o Ooto do I. ,in. AdKemar Paladini AKisi, pro.erido em G7.1G.BE, no
Processo n? @C;GG=.7B7CB>;7, pu!licado no +%) de 1B.1G.BE, p. 3=, Lnão K" restrição ao
procedimento licitat<rio, pois de .ato os arts. =3, inciso IO, ==, R 3? e =E, inciso II, todos da 7ei n?
E.DDDCB3, permitem &ue o administrador desclassi.i&ue a proposta de menor preço, desde &ue,
compro#adamente, tais preços seIam considerados ine4e&]-#eis.M
346Art. =3( A +ecisão n? 88DC8GGG, pu!licada no +%) de 8B.G=.8GGG, p. B3CBD, esclareceu ao <rgão
licitante o disposto no art. =3, no sentido de &ue a e4pressão “conforme o caso” mencionada no
dispositi#o não se re.ere 6 possi!ilidade da #eri.icação das propostas #ir a ser dispensada. A e4pressão
se re.ere 6s .ormas alternati#as da #eri.icação dos preços propostos(
0i2 com os concorrentes no mercado (,
0ii2 com os .i4ados por <rgão o.icial competenteH (,
0iii2 com os constantes do sistema de registro de preços.
S de se o!ser#ar &ue o .inal do pr<prio dispositi#o pre#$ a desclassi.icação das propostas &ue se
mostrarem incompat-#eis ap<s tal comparação.
347Art. =3( +ecisão n. E>>C8GG8, pu!licada no +%) de 31.G7.8GG8. Representação de licitante.
7icitação para a&uisição de mo!ili"rio destinado a di#ersas ag$ncias da Cai4a *con5mica Federal.
Identi.icação de .alKas na condução do procedimento licitat<rio. Con.iguração de #-cios de natureFa
.ormal. % @ri!unal decidiu &ue a C*F .aça constar da ata de Iulgamento, na Kip<tese de
desclassi.icação de propostas em raFão de preço e4cessi#o, o par9metro utiliFado para a
desclassi.icação.
348Art. =3( % @ri!unal Regional *leitoral do Amap" determinou a contratação da empresa de tele.onia
m<#el celular &ue opera na Nanda LAM, no *stado do Amap", por ser a&uela &ue atende 6s necessidades
da Administração, por sua superioridade em a!rang$ncia e operacionaliFação, no *stado e em todo o
@errit<rio 'acional 0Processo Administrati#o n. 8B7C8GG8 3 Classe IO, em 8>.11.8GG32.
349Art. =3( +ecisão n. 11G8C8GG1, pu!licada no +%) de 8=.G8.8GG8. Representação contra a
e4ig$ncia de apresentação de prot<tipo para .ins de Ka!ilitação. Ine4ist$ncia de pre#isão legal
autoriFadora deste re&uisito. % ,in. Relator NenIamim \Tmler, &uando da prolação de seu #oto, assim
se mani.estou( L+iscute;se, no m/rito, tema I" en.rentado pelo @ri!unal em outras oportunidades(
possi!ilidade de e4igir, dos licitantes, apresentação de prot<tipos ou amostras dos !ens o!Ieto do
certame como re&uisito essencial para participação no procedimento. Con.orme destacado pelo
)nidade @/cnica, esta Corte, ao apreciar relat<rio de auditoria e.etuado no Nanco Central do Nrasil na
"rea de licitação, dei4ou assente seu entendimento no sentido de &ue a inserção da re.erida e4ig$ncia
restringe o car"ter competiti#o da licitação, sendo il-cita, por a!soluta .alta de autoriFação legal
0+ecisão n. 8EECBD ;3Plen"rio2. *m outra assentada, o @ri!unal mante#e sua orientação inicial de ser
ilegal a e4ig$ncia de apresentação de amostras como condição de Ka!ilitação 0+ecisão n. 8G1CBB 3
Plen"rio2. +e .ato, as e4ig$ncias esta!elecidas pela lei n. E.DDDCB3 para Ka!ilitar os interessados em
R 1?. A a!ertura dos en#elopes contendo a documentação para
Ka!ilitação e as propostas ser" realiFada sempre em ato p!lico
pre#iamente designado, do &ual se la#rar" ata circunstanciada, assinada
pelos licitantes presentes e pela Comissão
3>G
.
R 8?. @odos os documentos e propostas serão ru!ricados pelos
licitantes presentes
3>1
e pela Comissão.
R 3?. S .acultada 6 Comissão ou autoridade superior, em &ual&uer
.ase da licitação, a promoção de dilig$ncia destinada a esclarecer ou a
complementar a instrução do processo, #edada a inclusão posterior de
participar de licitação na Administração P!lica são a&uelas pre#istas no art. 87 e re.erem;se "
&uali.icação Iur-dica, econ5mico;.inanceira, .iscal e t/cnica. 'ão pode o gestor impor condições outras
&ue não a&uelas pre#istas em lei para .ins de &uali.icar o .uturo contratado. A norma procura garantir as
condições para os interessados participarem de licitação, concretiFando o princ-pio constitucional da
impessoalidade, sem &ue se prescinda de garantias 6 Administração de &ue o .ornecimento de !ens e
ser#iços ser" .eito de .orma ade&uada, o!edecidos re&uisitos m-nimos de &ualidadeM. A decisão .oi no
sentido de &ue o <rgão licitador de#e limitar;se 6 apresentação de amostras ou prot<tipos dos !ens a
serem ad&uiridos na .ase de classi.icação das propostas e desde &ue de#idamente disciplinada, de
.orma detalKada, no instrumento con#ocat<rio.
350Art. =3( +ecisão n. 3>>C8GG1, pro.erida no Processo n. @C; 8>G.G8DC1BBD. Representação
.ormulada por licitante, pu!licada no +%) de 8D.GD.8GG1. % ,in. Relator se pronunciou no sentido de
&ue ine4iste dispositi#o na 7ei E.DDDCB3 &ue esta!eleça a o!rigatoriedade da presença dos licitantes na
.ase p!lica dos procedimentos da licitação. % art. =3 e seus par"gra.os, &ue descre#em a cKamada
Q.ase e4ternaQ do certame licitat<rio, apenas esta!elecem, numa poss-#el alusão a este assunto, a
necessidade de &ue os documentos seIam ru!ricados pelos licitantes presentes e pela Comissão, o &ue,
em Kip<tese alguma, signi.ica a imposição de uma condição ine4or"#el de comparecimento 6 sessão de
a!ertura de en#elopes.
351Art. =3( +ecisão pro.erida no Processo n? GGE.=1DCB7;=, de @omada de Contas *special oriunda de
Representação, pu!licado no +%) de 81.GD.BB, p. 78CEG, ante a e4ist$ncia de suposta irregularidade
com relação 6 desclassi.icação de empresa participante de certame licitat<rio. % o @ri!unal asse#erou
&ue a aus$ncia de licitante 6 :essão de Pulgamento não / raFão para &ue o <rgão licitante entenda como
desinteresse da&uele pela sua participação. A redação Qin fine* do R 8?, do art. =3, da 7ei E.DDDCB3 dei4a
!em claro &ue a presença dos licitantes 6 sessão de a!ertura das propostas / .acultati#a. +a- não se
poder pretender a e4clusão de !ene.-cios para o licitante ausente ou mesmo lKe atri!uir a &ualidade de
desinteresse no curso da licitação.
documento ou in.ormação &ue de#eria constar originariamente da
proposta
3>8
O
3?3
;
3?4
O
3??
O
3?6
.
R =?. % disposto neste artigo aplica;se 6 concorr$ncia e, no &ue
cou!er, ao concurso, ao leilão, 6 tomada de preços e ao con#ite. 0Redação
dada ao R =? pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R >?. )ltrapassada a .ase de Ka!ilitação
3>7
dos concorrentes 0incisos
I e II2 e a!ertas as propostas 0inciso III2, não ca!e desclassi.ic";los por
moti#o relacionado com a Ka!ilitação, sal#o em raFão de .atos
super#enientes ou s< conKecidos ap<s o Iulgamento.
352Art. =3( +ecisão n. =>GC8GGG, pu!licada no +%) de 13.GD.8GGG, p. =B. % ,inistro Relator
AdKemar Auimarães :outo assim se pronunciou &uando de seu #oto( Las dilig$ncias re.erenciadas na
lei tem um claro sentido de esclarecimentoH não podem ser#ir de instrumento para os licitantes
inserirem no#os documentos ou para o administrador p!lico impor no#as o!rigações, como !em
o!ser#ado pelo administrati#ista Pess/ @orres Pereira Pnior, in #er!is( a Comissão ou a autoridade est"
proi!ida de de.erir ou ordenar a dilig$ncia se esta ti#er por o!Ieto a inclusão de documento ou
in.ormação &ue de#eria Ka#er acompanKado a proposta 0tam!/m a documentação2. A #edação guarda
simetria com os arts. 3BD e 3B7 do C<digo de Processo Ci#il, dos &uais resulta &ue a petição inicial
de#e ser instru-da com os documentos destinados a pro#ar as alegações do autor, sendo;lKe #edado
traF$;los posteriormente, a menos &ue compro#e &ue deles não dispunKa ou se se re.erirem a .atos
ocorridos depois dos articulados pela #esti!ularM.
353Art. =3( +ecisão n. DG1C8GGG, pu!licada no +%) de 1>.GE.8GGG. Representação. :upostas
irregularidades na desclassi.icação de proposta, ante a e4ist$ncia de ind-cios de rigorismo .ormal da
Comissão de 7icitações. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante para atentar para as disposições do
art. =3, R 3
o
, da 7ei n. E.DDDCB3, &ue .aculta, em &ual&uer .ase da licitação, a promoção de dilig$ncias
destinadas a esclarecer ou complementar a instrução do processo, e#itando desclassi.icar propostas
com !ase em .alKas .ormais, !uscando, desta .orma, a apreciação de um nmero maior de propostas de
preço e a escolKa da proposta mais #antaIosa para a administração, dando;se maior transpar$ncia ao
certame e e#itando &uestionamentos &uanto 6 lisura das licitações.

354Art. =3( +ecisão n. 3E3C8GG8, pu!licada no +%) de 8D.G=.8GG8. Representação em .ace de
poss-#eis irregularidades Ka#idas em Pregão. +eterminou;se &ue seIa prioriFada a realiFação de
dilig$ncias pela Comissão ou autoridade superior, con.orme disposto no R 3
o
, do art. 3, da 7ei n.
E.DDDCB3, &uando Kou#er necessidade de esclarecer ou complementar a instrução do processo, e#itando
a adoção de pro#id$ncias 7(*%0$+($0* 6 licitação.
355Art. =3( +ecisão 1.1B8C8GG8, pu!licada no +%) de 8>.GB.8GG8, pag. 17>. 7icitação para a
contratação de ser#iços de tele.onia. Representação de licitante contra a aus$ncia de documento &ue
de#eria constar do en#elope LdocumentaçãoM. A licitante #encedora dei4ou de apresentar o Plano
N"sico de :er#iços ou Plano Alternati#o de :er#iços de#idamente apro#ado pela Anatel, na .orma
esta!elecida no edital. Foi apresentado, somente, um %.-cio em &ue a Anatel comunica#a a
Komologação do Plano Alternati#o, o Ato n. 7.7DB, de GD.G=.8GGG, de Komologação do re.erido Plano, a
pu!licação do Ato no +%) e um in.orme pu!licit"rio do Plano. A despeito da irregularidade o!ser#ada
na documentação &ue comprometia a Ka!ilitação, a *&uipe do Pregão considerou a documentação em
sua con.ormidade com o *dital. Ademais, &uando da decisão no recurso interposto por outra
concorrente, a Assessoria Pur-dica do <rgão entendeu &ue o Plano Alternati#o esta#a dispon-#el no site
da Anatel, acostando aos autos do processo licitat<rio, a respecti#a c<pia. % ministro Relator ,arcos
Oinicios Oilaça entendeu &ue Kou#e descumprimento ao *dital, uma #eF &ue o Plano N"sico de
:er#iços ou o Plano Alternati#o de :er#iços constitu-a elemento o!rigat<rio pelos participantes da
licitação, e4ig$ncia esta não cumprida pela licitante #encedora. Por outro lado, não assiste raFão 6
Assessoria Pur-dica &uanto 6 possi!ilidade de inserção, nos autos da licitação, de documento de
dom-nio p!lico não apresentado pela licitante no en#elope LdocumentaçãoM, dada a #edação legal da
inclusão posterior de documento ou in.ormação &ue de#eria constar originariamente da proposta. +esta
.orma, determinou;se a anulação do Pregão.
3>D
R D?. Ap<s a .ase de Ka!ilitação, não ca!e desist$ncia de proposta,
sal#o por moti#o Iusto decorrente de .ato super#eniente e aceito pela
Comissão.
A$%. 44. 'o Iulgamento das propostas, a Comissão le#ar" em
consideração os crit/rios o!Ieti#os de.inidos no edital ou con#ite, os &uais
não de#em contrariar as normas e princ-pios esta!elecidos por esta 7ei
3>E
;
3>B
.
R 1?. S #edada a utiliFação de &ual&uer elemento, crit/rio ou .ator
sigiloso, secreto, su!Ieti#o ou reser#ado &ue possa ainda &ue
indiretamente elidir o princ-pio da igualdade entre os licitantes
3DG
;
3D1
.
Art. =3( +ecisão n. 1.3B>C8GG8, pu!licada no +%) de 8>.1G.8GG8, p"g. 888. Representação. 'ot-cia de
irregularidade em Pregão, para a contratação de ser#iços de #igil9ncia. *#entual su!Ieti#idade no
e4ame da documentação relati#a 6 &uali.icação t/cnica &ue teria resultado na desclassi.icação da
licitante para um dos itens do edital. % ,in. Relator _alton Alencar Rodrigues considerou, no Pregão,
reduFida a e4tensão da .aculdade de se promo#er dilig$ncias destinadas a esclarecer ou a complementar
o procedimento licitat<rio, pre#ista no art. =3, R 3
?
, da 7ei n. E.DDDCB3. % pregão / modalidade de
licitação priorit"ria para disputa pelo .ornecimento de !ens e ser#iços comuns e Iuridicamente
condicionada, entre outros, ao princ(pio da celeridade, con.orme disposto no art. =
o
, do +ecreto
3.>>>C8GGG.
357Art. =3( +ecisão n? 3DBCBB, pu!licada no +%) de 8>.GD.BB, p. EG. % @ri!unal determinou 6
Comissão de 7icitação &ue Lnão utiliFe crit/rios e4clusi#os da .ase de Ka!ilitação para proceder ao
Iulgamento das propostas, em raFão da natureFa distinta entre as duas .ases e em o!ser#9ncia ao
disposto no art. =3, R >? e no Regulamento da entidade licitante.M
358Art. ==( LA Ka!ilitação t/cnica reconKecida pela #ia de crit/rios o!Ieti#os não pode ser derru-da por
a.irmações de -ndole su!Ieti#a, contrapondo;se 6s a#aliações #inculadas 6s disposições edital-cias. A
legislação de reg$ncia lou#a os crit/rios o!Ieti#os e da #inculação aos instrumento con#ocat<rioM
0,andado de :egurança n. >8EB, Processo n. 1BB7GG>38=37, :@P, 1
a
. :eção, 8=.11.1BB72.

359Art. ==( % @ri!unal Regional *leitoral do Amap" determinou a contratação da empresa de
tele.onia m<#el celular &ue opera na Nanda LAM, no *stado do Amap", por ser a&uela &ue atende 6s
necessidades da Administração, por sua superioridade em a!rang$ncia e operacionaliFação, no *stado e
em todo o @errit<rio 'acional 0Processo Administrati#o n. 8B7C8GG8 3 Classe IO, em 8>.11.8GG32.
3DG
Art. ==( Processo n. @C ==E.GG7C1BB>;B. +ecisão pu!licada no +%) de 8E.G3.8GG3, p"gs. =D7C=DE.
Agra#o interposto contra despacKo concessi#o de medida liminar, suspendendo a @omada de Preços,
moti#ada por Representação. 'o caso, .oi concedida medida cautelar por dois .undamentos( a
desclassi.icação da empresa representante sem &ue o orgão licitador e.eti#amente a&uilatasse a
#ia!ilidade econ5mica de sua proposta, con.orme art. =E, II, in .ine, da 7ei n. EDDDCB3 e o
procedimento especial &ue o <rgão licitador adotou em relação apenas uma das empresas, con.erindo;
lKe a possi!ilidade de reduFir o #alor de sua proposta para apro4im";lo do #alor inicialmente orçado
pela entidade, ao in#/s de estender tal !ene.-cio a todas as licitantes. *stes procedimentos adotados
indicaram a #iolação aos arts. 3
o
, == R 1
o
e 8
o
e =E, R 3
o
, da 7ei n. EDDDCB3. ,anutenção do inteiro teor
do despacKo agra#ado.
361Art. ==( LA Ka!ilitação t/cnica reconKecida pela #ia de crit/rios o!Ieti#os não pode ser derru-da por
a.irmações de -ndole su!Ieti#a, contrapondo;se 6s a#aliações #inculadas 6s disposições edital-cias. A
legislação de reg$ncia lou#a os crit/rios o!Ieti#os e da #inculação aos instrumento con#ocat<rioM
0,andado de :egurança n. >8EB, Processo n. 1BB7GG>38=37, :@P, 1
a
. :eção, 8=.11.1BB72.
R 8?. 'ão se considerar" &ual&uer o.erta de #antagem não pre#ista
no edital ou no con#ite
3D8
, inclusi#e .inanciamentos su!sidiados ou a
.undo perdido, nem preço ou #antagem !aseada nas o.ertas dos demais
licitantes
3D3
.
R 3?. 'ão se admitir" proposta &ue apresente preços glo!al ou
unit"rios sim!<licos, irris<rios ou de #alor Fero, incompat-#eis com os
preços dos insumos e sal"rios de mercado, acrescidos dos respecti#os
encargos, ainda &ue o ato con#ocat<rio da licitação não tenKa esta!elecido
limites m-nimos
3D=
;
3D>
, e4ceto &uando se re.erirem a materiais e
instalações de propriedade do pr<prio licitante, para os &uais ele renuncie
a parcela ou 6 totalidade da remuneração. 0Redação dada pela 7ei n?
E.EE3, de GE.GD.B=2
R =?. % disposto no par"gra.o anterior se aplica tam!/m 6s
propostas &ue incluam mão;de;o!ra estrangeira ou importações de
&ual&uer natureFa. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
A$%. 4?. % Iulgamento das propostas ser" o!Ieti#o, de#endo a
Comissão de licitação ou o respons"#el pelo con#ite realiF";lo em
con.ormidade com os tipos de licitação, os crit/rios pre#iamente
esta!elecidos no ato con#ocat<rio e de acordo com os .atores
362Art. ==( +ecisão n? 3B1C8GGG, pu!licada no +%) de 8=.G>.8GGG, p. EG. Representação, ante a
e4ist$ncia de suposta irregularidade em @omada de Preços. )ma das empresas participantes do certame
indicou como al-&uota do IRPP o percentual de 1,8V 0um #irgula dois por cento2, &uando o correto
seria =,EV 0&uatro #irgula oito por cento2. % @ri!unal entendeu &ue não Kou#e preIu-Fo ao *r"rio e,
portanto, deli!erou determinar 6 Comissão Permanente de 7icitação da Fundação 'acional de :ade
&ue e4amine detalKadamente as propostas dos licitantes Ka!ilitados, classi.icando tão;somente as
propostas &ue apresentem a correta incid$ncia das al-&uotas de tri!utos.
3D3
Art. ==( Processo n. @C ==E.GG7C1BB>;B. +ecisão pu!licada no +%) de 8E.G3.8GG3, p"gs. =D7C=DE.
Agra#o interposto contra despacKo concessi#o de medida liminar, suspendendo a @omada de Preços,
moti#ada por Representação. 'o caso, .oi concedida medida cautelar por dois .undamentos( a
desclassi.icação da empresa representante sem &ue o orgão licitador e.eti#amente a&uilatasse a
#ia!ilidade econ5mica de sua proposta, con.orme art. =E, II, in .ine, da 7ei n. EDDDCB3 e o
procedimento especial &ue o <rgão licitador adotou em relação apenas uma das empresas, con.erindo;
lKe a possi!ilidade de reduFir o #alor de sua proposta para apro4im";lo do #alor inicialmente orçado
pela entidade, ao in#/s de estender tal !ene.-cio a todas as licitantes. *stes procedimentos adotados
indicaram a #iolação aos arts. 3
o
, == R 1
o
e 8
o
e =E, R 3
o
, da 7ei n. EDDDCB3. ,anutenção do inteiro teor
do despacKo agra#ado.
3D=
Art. ==( +ecisão n. DG8C8GGG, pu!licada no +%) de 1>.GE.8GGG. *m seu #oto, o ,in. Rel. Uum!erto
Auimarães :outo destacou citação do Pro.. Pusten FilKo, no sentido de &ue La licitação #isa a selecionar
a proposta de menor preço, mas economicamente #i"#elM.
3D>
Art. ==( +ecisão n. 1.83GC8GG8, pu!licada no +%) de 87.GB.8GG8. Representação a respeito de
contratação de :er#iço de @ele.onia Fi4a Comutada 3 :@FC % @ri!unal recomendou 6 Ag$ncia
'acional de @elecomunicações 3 Anatel 3 &ue, 6 #ista da compet$ncia .i4ada no inciso XIX do art. 1B
da 7ei n. B.=78CB7, atue no sentido de impedir o a!uso de poder econ5mico por meio da o.erta, por
concession"rias de tele.onia, de ser#iços de telecomunicações incompat-#eis com os preços dos
insumos, pr"tica condenada pela 7ei n. E.DDDCB3, art. ==, R 3
?
e garantir o am!iente competiti#o entre as
operadoras.
e4clusi#amente nele re.eridos, de maneira a possi!ilitar sua a.erição pelos
licitantes e pelos <rgãos de controle
3DD
;
3D7
.
R 1?. Para os e.eitos deste artigo, constituem tipos de licitação,
e4ceto na modalidade concurso( 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
I ; a de menor preço
3DE
;
3DB
;
37G
&uando o crit/rio de seleção da
proposta mais #antaIosa para a Administração determinar &ue ser"
#encedor o licitante &ue apresentar a proposta de acordo com as
especi.icações do edital ou con#ite e o.ertar o menor preçoH
3DD
Art. =>( +ecisão n? G>>C8GGG, pu!licada no +%) de 1E.G8.8GGG, p. D8. %s :enKores ,inistros
decidiram não Ka#er erro em se esta!elecer re&uisitos t/cnicos para a .ase de Iulgamento da proposta
em uma licitação do tipo menor preço. % .ato de se #eri.icar &ualidade ou rendimento do o!Ieto da
licitação não implica alteração do tipo de licitaçãoH /, apenas, um meio de garantir 6 Administração
segurança &uanto ao o!Ieto ad&uirido e de diminuir o risco de desem!olsos decorrentes de pro!lemas
.uturos. Assim, poder" a Administração .i4ar em edital re&uisitos m-nimos de aceita!ilidade dos
produtos a serem ad&uiridos, de modo &ue todas as empresas Ka!ilitadas &ue preencKerem os re&uisitos
serão classi.icadas em igualdade de condições, sendo declarada #encedora a licitante &ue apresentar o
menor preço.
367Art. =>( % @ri!unal Regional *leitoral do Amap" determinou a contratação da empresa de
tele.onia m<#el celular &ue opera na Nanda LAM, no *stado do Amap", por ser a&uela &ue atende 6s
necessidades da Administração, por sua superioridade em a!rang$ncia e operacionaliFação, no *stado e
em todo o @errit<rio 'acional 0Processo Administrati#o n. 8B7C8GG8 3 Classe IO, em 8>.11.8GG32.
3DE
Art. =>( +ecisão sCn? pro.erida nos autos do Processo GGE.=1DCB7;=;@omada de Contas *special
oriunda de Representação, pu!licada no +%) de 81.GD.BB. *sclarecimento de contro#/rsia so!re ser ou
não ilegal uma licitação de menor preço glo!al e a desclassi.icação de licitante em cuIa proposta .oram
cotados o preço glo!al de cada um dos dois itens &ue compunKam o o!Ieto da licitação, mas não .oi
consignado o somat<rio dos re.eridos itens. % @ri!unal se mani.estou no sentido de &ue( Q+e #olta 6
&uestão de ter o edital dado ou não desta&ue 6 e4pressão Yglo!alZ, cumpre ressaltar &ue o de.endente
incorreu em dois e&u-#ocos ao a.irmar &ue essa e4pressão merece ser reconKecida como crit/rio a ser
en.atiFado, por&uanto a modalidade de licitação pre#ista no art. =>, da 7ei E.DDDCB3, / de apenas menor
preço e não menor preço glo!al, como constou do edital. % primeiro / de ordem terminol<gica, I" &ue o
artigo => não trata de modalidade licitat<ria, mas sim, esta!elece os tipos de licitação. % segundo
consiste no .ato de a 7ei pre#er, sim, licitação de menor preço glo!al, pois menor preço re.ere;se 6 tipo
licitat<rio, com pre#isão no art. =>, e o termo [preço glo!al[ / atinente ao regime de e4ecução indireta
de empreitada por preço glo!al, cuIa de.inição encontra;se na al-nea LaM, do inciso OIII, do art. D? da
7ei E.DDDCB3M.
3DB
Art. =>( +ecisão n? 1E=CBB, pu!licada no +%) de 1=.G>.BB, p. >8. Ressaltou a :*C*X &ue Qnão se
de#e con.undir as modalidades de licitação de menor preço, com a de melKor t/cnica ou t/cnica e
preço, #eF &ue esses tipos são reser#ados para ser#iços de natureFa predominantemente intelectual,
#ersando proIetos, c"lculos, .iscaliFação, gerenciamento e outros ligados 6 engenKaria em geral. :< em
car"ter e4cepcional poderão ser adotados, para .ornecimento de !ens, e4ecução de o!ras ou prestação
de ser#iços de grande #ulto, dependentes de tecnologia so.isticada. Para isso, / necess"rio autoriFação
e4pressa da autoridade de maior n-#el Kier"r&uico da Administração promotora da licitação.Q
37G
Art. =>( +ecisão n. 38GC8GG8, pu!licada no +%) de 1D.G>.8GG8. Pedido de Ree4ame. 'o relat<rio da
Auditoria 0o &ual .oi con.irmado pela decisão do ,inistro Relator2, e4trai;se o entendimento .irmado
por ,arçal Pusten FilKo 0in Coment"rios 6 7ei de 7icitações e Contratos Administrati#os, a. edição,
1BB=, p. 8BD2, &uanto ao ca!imento da licitação de menor preço( L :omente se admite licitação de
menor preço &uando ine4istir peculiaridade ou especialidade t/cnica na con.iguração do o!Ieto da
licitação. A adoção de licitação de menor preço não / uma escolKa li#re da Administração. U"
discricionariedade, dentre dos limites antes o!ser#ados, na seleção do o!Ieto a ser licitado. ,as a
natureFa do o!Ieto e as e4ig$ncias pre#istas pela Administração condicionam o procedimento licitat<rio
II ; a de melKor t/cnicaH
III ; a de t/cnica e preço
371
;
378
;
373
H
IO ; a de maior lance ou o.erta ; nos casos de alienação de !ens ou
concessão de direito real de uso
37=
. 0Inciso acrescentado pela 7ei n? E.EE3,
de GE.GD.B=2
R 8?. 'o caso de empate entre duas ou mais propostas, e ap<s
o!edecido o disposto no R 8? do art. 3? desta 7ei, a classi.icação se .ar",
o!rigatoriamente, por sorteio, em ato p!lico, para o &ual todos os
licitantes serão con#ocados, #edado &ual&uer outro processo.
e de.inem o tipo de licitação. :e Kou#er &uestões t/cnicas en#ol#idas, a Administração não poder"
realiFar licitação de menor preçoM.
371
Art. =>( +ecisão n? 1E=CBB, pu!licada no +%) de 1=.G>.BB, p. >8. Ressaltou a :*C*X &ue Qnão se
de#e con.undir as modalidades de licitação de menor preço, com a de melKor t/cnica ou t/cnica e
preço, #eF &ue esses tipos são reser#ados para ser#iços de natureFa predominantemente intelectual,
#ersando proIetos, c"lculos, .iscaliFação, gerenciamento e outros ligados 6 engenKaria em geral. :< em
car"ter e4cepcional poderão ser adotados, para .ornecimento de !ens, e4ecução de o!ras ou prestação
de ser#iços de grande #ulto, dependentes de tecnologia so.isticada. Para isso, / necess"rio autoriFação
e4pressa da autoridade de maior n-#el Kier"r&uico da Administração promotora da licitação.Q
378
Art. =>( +ecisão n. 877C8GG8, pu!licada no +%) de 1G.G=.8GG8. Representação .ormulada contra
decisão da Ad#ocacia Aeral da )nião &ue classi.icou proposta de empresa &ue o.ertou !ens com
caracter-sticas superiores 6s e4ig$ncias m-nimas esta!elecidas no edital para a a&uisição de
e&uipamentos de in.orm"tica. 'o relat<rio da Auditoria, destaca;se &ue( LComo / not<rio, na "rea de
in.orm"tica os a#anços tecnol<gicos ocorrem numa #elocidade .ora do comum. Por isso, a
Administração P!lica, &ue / o!rigada a licitar antes de realiFar suas compras, para se preca#er da
possi!ilidade de ad&uirir e&uipamentos I" desatualiFados &uando de seu rece!imento, #eF &ue, no
decorrer do procedimento licitat<rio, podem #ir a surgir #ersões mais e.icaFes e e.icientes do produto
deseIado, não .i4a ta4ati#amente, nos editais, as especi.icações dos !ens a ser licitados, optando,
acertadamente, por esta!elecer e4ig$ncias m-nimas a ser o!ser#ados pelos licitantes. S e#idente,
portanto, &ue se um licitante o.ertar e&uipamento mais e.iciente do &ue o m-nimo e4igido, esse não s<
7(&0$P como &080$P ser aceito pela Comissão licitante. 'ão K" nessa aceitação, registre;se, a.ronta
alguma aos crit/rios esta!elecidos no editalM. % ,inistro Relator assim entendeu( *ntendo &ue a
proposta apresentada 0....2 atendeu 6s e4ig$ncias edital-cias. 'ão K" d#ida &ue o produto o.erecido
apresentou especi.icações superiores ao esta!elecido no instrumento con#ocat<rio, con.orme
assegurado pelo pr<prio .a!ricante do processador indicado. % edital, ao esta!elecer os re&uisitos do
!em a ser ad&uirido, !usca assegurar um padrão m-nimo de &ualidade aos produtos comprados pela
administração p!lica, ao mesmo tempo em &ue garante condições impessoais de competição entre os
licitantes. 'ada impede, entretanto, &ue os interessados possam o.ertar produtos &ue seIam superiores
aos e4igidos no edital, desde &ue isso não seIa considerado para .ins de Iulgamento da proposta, o &ue /
#edado pelo art. ==, R 8
?
, da 7ei n. E.DDDCB3M.
373
Art. =>( Ac<rdão n. 8.378C8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Relat<rio de Auditoria para
#eri.icação da regularidade das a&uisições de !ens e da contratação de ser#iços de in.orm"tica. %
@ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue utiliFe a modalidade licitat<ria ade&uada para a realiFação
de despesa, tendo especial atenção &uando se tratar de !ens e ser#iços de in.orm"tica, KaIa #isto o
disposto no +ecreto n. 1.G7GC1BB=, &ue e4ige a realiFação do tipo LmelKor t/cnica e preçoM, &uando a
modalidade não .or con#ite.
374Art. =>( LICITAÇ#O. ALIENAÇ#O DE TE""ENO. DI4ENSES IN/E"IO"ES SS
CONSTANTES DO EDITAL. INDENITAÇ#O. I4P"OCI4ENTO DA APELAÇ#O. *.etuada a
#enda em desacordo com as cl"usulas edital-cias, / l-cito ao comprador e4igir indeniFação pelos danos
da- resultantes. Apelo impro#ido 0@P+F e dos @errit<rios, =X. @. C-#elH AC. n. 8GGGG1>GG8G>8G3;+FH
Rel. +es. *ste#am ,aia, I. >.=.8GG=, #.u.2.
R 3?. 'o caso da licitação do tipo menor preço
37>
, entre os licitantes
considerados &uali.icados a classi.icação se dar" pela ordem crescente dos
preços propostos, pre#alecendo, no caso de empate, e4clusi#amente o
crit/rio pre#isto no par"gra.o anterior. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3,
de GE.GD.B=2
R =?. Para contratação de !ens e ser#iços de in.orm"tica
37D
;
377
, a
Administração o!ser#ar" o disposto no art. 3? da 7ei n? E.8=E, de 83 de
outu!ro de 1BB1
37E
, le#ando em conta os .atores especi.icados em seu R 8?
e adotando o!rigatoriamente o tipo de licitação t/cnica e preço, permitido
37>
Art. =>( +ecisão n. 38GC8GG8, pu!licada no +%) de 1D.G>.8GG8. Pedido de Ree4ame. 'o relat<rio da
Auditoria 0o &ual .oi con.irmado pela decisão do ,inistro Relator2, e4trai;se o entendimento .irmado
por ,arçal Pusten FilKo 0in Coment"rios 6 7ei de 7icitações e Contratos Administrati#os, a. edição,
1BB=, p. 8BD2, &uanto ao ca!imento da licitação de menor preço( L :omente se admite licitação de
menor preço &uando ine4istir peculiaridade ou especialidade t/cnica na con.iguração do o!Ieto da
licitação. A adoção de licitação de menor preço não / uma escolKa li#re da Administração. U"
discricionariedade, dentre dos limites antes o!ser#ados, na seleção do o!Ieto a ser licitado. ,as a
natureFa do o!Ieto e as e4ig$ncias pre#istas pela Administração condicionam o procedimento licitat<rio
e de.inem o tipo de licitação. :e Kou#er &uestões t/cnicas en#ol#idas, a Administração não poder"
realiFar licitação de menor preçoM.
37D
Art. =>( +ecisão >1EC8GGG, pu!licada no +%) de 1G.G7.8GGG, p.=D. Representação de licitante, ante a
e4ist$ncia de irregularidades em @omada de Preços Iunto ao Centro de Instrução Almirante
Ale4andrino, do ,inist/rio da ,arinKa. 'a +ecisão prolatada pelo ,inistro Iram :arai#a, .oi
determinado ao <rgão licitador &ue somente pri#ilegie a e4peri$ncia anterior nas Forças Armadas de
empresa ou de seus pro.issionais em procedimentos licitat<rios na "rea de in.orm"tica, &uando essa
e4peri$ncia .or essencial para a prestação do ser#iço ou &uando de tratar;se de e&uipamento ou
so.tcare de uso espec-.ico das Forças Armadas.
377Art. =D( +ecisão n. 877C8GG8, pu!licada no +%) de 1G.G=.8GG8. Representação .ormulada contra
decisão da Ad#ocacia Aeral da )nião &ue classi.icou proposta de empresa &ue o.ertou !ens com
caracter-sticas superiores 6s e4ig$ncias m-nimas esta!elecidas no edital para a a&uisição de
e&uipamentos de in.orm"tica. 'o relat<rio da Auditoria, destacamos &ue( LComo / not<rio, na "rea de
in.orm"tica os a#anços tecnol<gicos ocorrem numa #elocidade .ora do comum. Por isso, a
Administração P!lica, &ue / o!rigada a licitar antes de realiFar suas compras, para se preca#er da
possi!ilidade de ad&uirir e&uipamentos I" desatualiFados &uando de seu rece!imento, #eF &ue, no
decorrer do procedimento licitat<rio, podem #ir a surgir #ersões mais e.icaFes e e.icientes do produto
deseIado, não .i4a ta4ati#amente, nos editais, as especi.icações dos !ens a ser licitados, optando,
acertadamente, por esta!elecer e4ig$ncias m-nimas a ser o!ser#ados pelos licitantes. S e#idente,
portanto, &ue se um licitante o.ertar e&uipamento mais e.iciente do &ue o m-nimo e4igido, esse não s<
7(&0$P como &080$P ser aceito pela Comissão licitante. 'ão K" nessa aceitação, registre;se, a.ronta
alguma aos crit/rios esta!elecidos no editalM. % ,inistro Relator assim entendeu( *ntendo &ue a
proposta apresentada 0....2 atendeu 6s e4ig$ncias edital-cias. 'ão K" d#ida &ue o produto o.erecido
apresentou especi.icações superiores ao esta!elecido no instrumento con#ocat<rio, con.orme
assegurado pelo pr<prio .a!ricante do processador indicado. % edital, ao esta!elecer os re&uisitos do
!em a ser ad&uirido, !usca assegurar um padrão m-nimo de &ualidade aos produtos comprados pela
administração p!lica, ao mesmo tempo em &ue garante condições impessoais de competição entre os
licitantes. 'ada impede, entretanto, &ue os interessados possam o.ertar produtos &ue seIam superiores
aos e4igidos no edital, desde &ue isso não seIa considerado para .ins de Iulgamento da proposta, o &ue /
#edado pelo art. ==, R 8
?
, da 7ei n. E.DDDCB3M.
378 LA$%. 3
º
; %s <rgãos e entidades da Administração P!lica Federal, direta ou indireta, as .undações
institu-das e mantidas pelo Poder P!lico e as demais organiFações so! o controle direto ou indireto da
)nião darão pre.er$ncia, nas a&uisições de !ens e ser#iços de in.orm"tica e automação, o!ser#ada a
seguinte ordem, a( 0'R2
I; !ens e ser#iços com tecnologia desen#ol#ida no Pa-sH 0'R2
o emprego de outro tipo de licitação nos casos indicados em +ecreto do
Poder *4ecuti#o
37B
. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R >?. S #edada a utiliFação de outros tipos de licitação não pre#istos
neste artigo.
R D?. 'a Kip<tese pre#ista no art. 83, R 7?, serão selecionadas tantas
propostas &uantas necess"rias at/ &ue se atinIa a &uantidade demandada
na licitação. 0Par"gra.o acrescentado pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
A$%. 46. %s tipos de licitação melKor t/cnica ou t/cnica e preço
3EG
;
381
serão utiliFados e4clusi#amente para ser#iços de natureFa
predominantemente intelectual, em especial na ela!oração de proIetos,
II ; !ens e ser#iços produFidos de acordo com processo produti#o !"sico, na .orma a ser de.inida pelo
Poder *4ecuti#o.0'R2
R1
?
;Re#ogado.
R 8
?
; Para o e4erc-cio desta pre.er$ncia, le#ar;se;ão em conta condições e&ui#alentes de praFo de
entrega, suporte de ser#iços, &ualidade, padroniFação, compati!ilidade e especi.icação de desempenKo
e preço.Q0'R2
Redação con.orme 7ei 1G.17DC8GG1.
379Art. =>( Ac<rdão n. 8.378C8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Relat<rio de Auditoria para
#eri.icação da regularidade das a&uisições de !ens e da contratação de ser#iços de in.orm"tica. %
@ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue utiliFe a modalidade licitat<ria ade&uada para a realiFação
de despesa, tendo especial atenção &uando se tratar de !ens e ser#iços de in.orm"tica, KaIa #isto o
disposto no +ecreto n. 1.G7GC1BB=, &ue e4ige a realiFação do tipo LmelKor t/cnica e preçoM, &uando a
modalidade não .or con#ite.
380Art. =D( +ecisão n. 877C8GG8, pu!licada no +%) de 1G.G=.8GG8. Representação .ormulada contra
decisão da Ad#ocacia Aeral da )nião &ue classi.icou proposta de empresa &ue o.ertou !ens com
caracter-sticas superiores 6s e4ig$ncias m-nimas esta!elecidas no edital para a a&uisição de
e&uipamentos de in.orm"tica. 'o relat<rio da Auditoria, destacamos &ue( LComo / not<rio, na "rea de
in.orm"tica os a#anços tecnol<gicos ocorrem numa #elocidade .ora do comum. Por isso, a
Administração P!lica, &ue / o!rigada a licitar antes de realiFar suas compras, para se preca#er da
possi!ilidade de ad&uirir e&uipamentos I" desatualiFados &uando de seu rece!imento, #eF &ue, no
decorrer do procedimento licitat<rio, podem #ir a surgir #ersões mais e.icaFes e e.icientes do produto
deseIado, não .i4a ta4ati#amente, nos editais, as especi.icações dos !ens a ser licitados, optando,
acertadamente, por esta!elecer e4ig$ncias m-nimas a ser o!ser#ados pelos licitantes. S e#idente,
portanto, &ue se um licitante o.ertar e&uipamento mais e.iciente do &ue o m-nimo e4igido, esse não s<
7(&0$P como &080$P ser aceito pela Comissão licitante. 'ão K" nessa aceitação, registre;se, a.ronta
alguma aos crit/rios esta!elecidos no editalM. % ,inistro Relator assim entendeu( *ntendo &ue a
proposta apresentada 0....2 atendeu 6s e4ig$ncias edital-cias. 'ão K" d#ida &ue o produto o.erecido
apresentou especi.icações superiores ao esta!elecido no instrumento con#ocat<rio, con.orme
assegurado pelo pr<prio .a!ricante do processador indicado. % edital, ao esta!elecer os re&uisitos do
!em a ser ad&uirido, !usca assegurar um padrão m-nimo de &ualidade aos produtos comprados pela
administração p!lica, ao mesmo tempo em &ue garante condições impessoais de competição entre os
licitantes. 'ada impede, entretanto, &ue os interessados possam o.ertar produtos &ue seIam superiores
aos e4igidos no edital, desde &ue isso não seIa considerado para .ins de Iulgamento da proposta, o &ue /
#edado pelo art. ==, R 8
?
, da 7ei n. E.DDDCB3M.
381Art. =D( Ac<rdão n. 8.3EDC8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Representação. :upostas
FalKas em edital de licitação. Ooto Re#isor. % @ri!unal, acolKendo o Ooto do ,in. Re#isor, alertou ao
<rgão licitante para as disposições do art. =D, da 7ei n. E.DDDCB3, &ue pre#$ procedimentos distintos
para a utiliFação dos tipos de licitação LmelKor t/cnicaM e Lt/cnica e preçoM, especialmente &uanto ao
Iulgamento das propostas comerciais dos proponentes.
c"lculos, .iscaliFação, super#isão e gerenciamento e de engenKaria
consulti#a em geral e, em particular, para a ela!oração de estudos t/cnicos
preliminares e proIetos !"sicos e e4ecuti#os, ressal#ado o disposto no R =?
do artigo anterior. 0Redação dada ao QcaputQ pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
R 1?. 'as licitações do tipo melKor t/cnica ser" adotado o seguinte
procedimento claramente e4plicitado no instrumento con#ocat<rio, o &ual
.i4ar" o preço m"4imo &ue a Administração se propõe a pagar(
I ; serão a!ertos os en#elopes contendo as propostas t/cnicas
3E8
e4clusi#amente dos licitantes pre#iamente &uali.icados e .eita então a
a#aliação e classi.icação destas propostas de acordo com os crit/rios
pertinentes e ade&uados ao o!Ieto licitado, de.inidos com clareFa e
o!Ieti#idade no instrumento con#ocat<rio e &ue considerem a capacitação
e a e4peri$ncia do proponente, a &ualidade t/cnica da proposta,
compreendendo metodologia, organiFação, tecnologias e recursos
materiais a serem utiliFados nos tra!alKos, e a &uali.icação das e&uipes
t/cnicas a serem mo!iliFadas para a sua e4ecuçãoH
II ; uma #eF classi.icadas as propostas t/cnicas
3E3
, proceder;se;" 6
a!ertura das propostas de preço dos licitantes &ue tenKam atingido a
#aloriFação m-nima esta!elecida no instrumento con#ocat<rio e 6
negociação das condições propostas, com a proponente melKor
classi.icada, com !ase nos orçamentos detalKados apresentados e
respecti#os preços unit"rios e tendo como re.er$ncia o limite representado
pela proposta de menor preço entre os licitantes &ue o!ti#eram a
#aloriFação m-nimaH
III ; no caso de impasse na negociação anterior, procedimento
id$ntico ser" adotado, sucessi#amente, com os demais proponentes, pela
ordem de classi.icação, at/ a consecução de acordo para a contrataçãoH
IO ; as propostas de preços serão de#ol#idas intactas aos licitantes
&ue não .orem preliminarmente Ka!ilitados ou &ue não o!ti#erem a
#aloriFação m-nima esta!elecida para a proposta t/cnica.
382Art. =D( +ecisão n. 87=C8GG8, pu!licada no +%) de 1G.G=.8GG8. Con.orme orientação do
@ri!unal 0@C;GGB.D8EC8GGG;>, +ecisão n. 17C8GG1, Plen"rio, Ata 8C8GG8, Rel. ,in. AdTlson ,otta2, a
aceitação de proposta t/cnica em apenas uma #ia, ao in#/s de duas #ias, como e4igiu o edital, /
poss-#el, I" &ue se trata de .alKa meramente .ormal e não Iusti.ica a ina!ilitação de licitante.
3E3
Art. =D( +ecisão n. 87=C8GG8, pu!licada no +%) de 1G.G=.8GG8. Con.orme orientação do @ri!unal
0@C;GGB.D8EC8GGG;> 3+ecisão n. 17C8GG1 3 Plen"rio, Ata 8C8GG8, Rel. ,in. AdTlson ,otta2, a
aceitação de proposta t/cnica em apenas uma #ia, ao in#/s de duas #ias, como e4igiu o edital, /
poss-#el, I" &ue se trata de .alKa meramente .ormal e não Iusti.ica a ina!ilitação de licitante.
R 8?. 'as licitações do tipo t/cnica e preço
3E=
ser" adotado,
adicionalmente ao inciso I do par"gra.o anterior, o seguinte procedimento
claramente e4plicitado no instrumento con#ocat<rio
3E>
(
I ; ser" .eita a a#aliação e a #aloriFação das propostas de preços, de
acordo com crit/rios o!Ieti#os preesta!elecidos no instrumento
con#ocat<rioH
II ; a classi.icação dos proponentes .ar;se;" de acordo com a m/dia
ponderada das #aloriFações das propostas t/cnicas
3ED
e de preço, de acordo
com os pesos preesta!elecidos no instrumento con#ocat<rio.
R 3?. *4cepcionalmente, os tipos de licitação pre#istos neste artigo
poderão ser adotados, por autoriFação e4pressa e mediante Iusti.icati#a
circunstanciada da maior autoridade da Administração promotora
constante do ato con#ocat<rio, para .ornecimento de !ens e e4ecução de
o!ras ou prestação de ser#iços de grande #ulto maIoritariamente
dependentes de tecnologia nitidamente so.isticada e de dom-nio restrito,
atestado por autoridades t/cnicas de reconKecida &uali.icação, nos casos
em &ue o o!Ieto pretendido admitir soluções alternati#as e #ariações de
e4ecução, com repercussões signi.icati#as so!re sua &ualidade,
produti#idade, rendimento e dura!ilidade concretamente mensur"#eis, e
estas puderem ser adotadas 6 li#re escolKa dos licitantes, na con.ormidade
dos crit/rios o!Ieti#amente .i4ados no ato con#ocat<rio.
R =?. 0O*@A+%2.
A$%. 47. 'as licitações para a e4ecução de o!ras e ser#iços, &uando
.or adotada a modalidade de e4ecução de empreitada por preço glo!al
3E7
, a
Administração de#er" .ornecer o!rigatoriamente, Iunto com o edital,
3E=
Art. =D( +ecisão n? 7DDCBB, pu!licada no +%) de 1E.11.BB, p. DD. Representação .ormulada contra o
NAC*', ante a e4ist$ncia de poss-#eis irregularidades no *dital de Concorr$ncia, tendo por o!Ieto a
contratação de ser#iços de a#aliação econ5mico;.inanceiro do NA'*:PA, para .ins de .i4ação de
preço m-nimo das ações representati#as do capital da re.erida instituição .inanceira. Asse#erou o
@ri!unal ao <rgão licitante &ue Lnas .uturas licitações, o!ser#e criteriosamente a ordem de a!ertura das
propostas t/cnica e comercial, consoante o disposto no art. =D, R 8? ,da 7ei n? E.DDDCB3M. @al
determinação decorreu da apuração de &ue o edital não guarda#a sintonia com a legislação #igente, ao
permitir apresentar, em um nico in#<lucro, as propostas t/cnica e comercial, contrariando,
.rontalmente, o pre#isto no art. =D, da 7ei de 7icitações.
3E>
Art. =D( +ecisão n? 18BC8GGG, pu!licada no +%) de 8G.G3.8GGG. % @ri!unal decidiu &ue Lpor se tratar
de licitação do tipo t/cnica e preço, o Iulgamento de#e consu!stanciar a com!inação t/cnica e preçoM.
3ED
Art. =D( +ecisão n. 87=C8GG8, pu!licada no +%) de 1G.G=.8GG8. Con.orme orientação do @ri!unal
0@C;GGB.D8EC8GGG;>, +ecisão n. 17C8GG1, Plen"rio, Ata 8C8GG8, Rel. ,in. AdTlson ,otta2, a aceitação
de proposta t/cnica em apenas uma #ia, ao in#/s de duas #ias, como e4igiu o edital, / poss-#el, I" &ue
se trata de .alKa meramente .ormal e não Iusti.ica a ina!ilitação de licitante.
3E7
Art. =7( +ecisão n? 1=3C8GGG, pu!licada no +%) de 8=.G3.8GGG. % @ri!unal determinou &ue de#er" o
<rgão licitante Lse a!ster de adotar para compras, a modalidade de e4ecução de empreitada por preço
glo!al, tendo em #ista &ue o art. D?, inciso OIII, al-nea LaM e o art. =7, am!os da 7ei n? E.DDDCB3,
dirigem;se, apenas, 6 e4ecução de o!ras e de ser#iços.M
todos os elementos e in.ormações necess"rios para &ue os licitantes
possam ela!orar suas propostas de preços com total e completo
conKecimento do o!Ieto da licitação.
A$%. 48. :erão desclassi.icadas(
I ; as propostas &ue não atendam 6s e4ig$ncias do ato con#ocat<rio
da licitação
3EE
H
II ; propostas com #alor glo!al superior ao limite esta!elecido ou
com preços mani.estamente ine4e&]-#eis, assim considerados a&ueles &ue
não #enKam a ter demonstrada sua #ia!ilidade atra#/s de documentação
&ue compro#e &ue os custos dos insumos são coerentes com os de
mercado e &ue os coe.icientes de produti#idade são compat-#eis com a
e4ecução do o!Ieto do contrato, condições estas necessariamente
3EE
Art. =E( +ecisão >1EC8GGG, pu!licada no +%) de 1G.G7.8GGG, p.=D. Representação de licitante, ante a
e4ist$ncia de irregularidades em @omada de Preços Iunto ao Centro de Instrução Almirante
Ale4andrino, do ,inist/rio da ,arinKa. 'a +ecisão prolatada pelo ,inistro Iram :arai#a, .oi
determinado ao <rgão licitador &ue de.ina, de .orma o!Ieti#a, o contedo do edital de suas licitações,
nos termos do art. =G, da 7ei n. EDDDCB3, de modo a desclassi.icar as propostas &ue não atendam 6s
e4ig$ncias do ato con#ocat<rio da licitação, nos termos do inciso I, do art. =E, da 7ei em comento.
especi.icadas no ato con#ocat<rio da licitação
3EB
;
3BG
;
3B1
;
3B8
;
3B3
.
0Redação dada pela 7ei n? E.EE3CB=2
R 1?. Para os e.eitos do disposto no inciso II deste artigo,
consideram;se mani.estamente ine4e&u-#eis
3B=
;
3B>
, no caso de licitações
de menor preço para o!ras e ser#iços de engenKaria, as propostas cuIos
#alores seIam in.eriores a 7GV 0setenta por cento2 do menor dos seguintes
#alores
3BD
(
a2 m/dia aritm/tica dos #alores das propostas superiores a >GV
0cin&]enta por cento2 do #alor orçado pela Administração, ou
3EB
Art. =E( +ecisão n. 173GC8GG8, pu!licada no +%) de G7.G1.8GG3, p. 1B>C1BD. *m seu #oto, o ,inistro
relator ressaltou &ue a planilKa presta;se 6 #eri.icação de e#entual so!repreço e ser#e de par9metro para
a#aliar, tam!/m, a e4e&ui!ilidade das propostas apresentadas.
3BG
Art. =E( +ecisão n? G=>CBB, pu!licada no +%) de G>.G3.BB, p. =>. %s :enKores ,inistros entenderam
&ue na licitação de o!ras e ser#iços, mister seIa o!ser#ado Lo disposto nos arts. 7?, R 8?, inciso II, =G, R
8?, inciso II, e art. =E, inciso II, R 1?, todos da 7ei n? E.DDDCB3, alterada pela 7ei n? B.D=ECBB, no intuito
de .aFer constar dos procedimentos licitat<rios estimati#a de #alor a ser contratado e, ainda, adotar os
crit/rios o!Ieti#os pre#istos em lei, para a an"lise da ine4e&]i!ilidade das propostas.M
391Art. =E( +ecisão DG3C8GG8, pu!licada no +%) de 17.GD.8GG8. Representação de licitante contra a
adIudicação de proposta supostamente ine4e&u-#el, pela Casa da ,oeda do Nrasil, para a contratação
de ser#iços de manutenção pre#enti#a e correti#a de microcomputadores e impressoras. % @ri!unal
entendeu &ue, ante a .alta de crit/rios o!Ieti#os de e4e&ui!ilidade e a insu.ici$ncia dos argumentos
apresentados pela representante, a Comissão de 7icitações não tinKa como demonstrar a
ine4e&ui!ilidade da proposta #encedora, e, conse&uentemente, proceder sua desclassi.icação. 'ote;se
&ue, para desclassi.icar uma proposta por ine4e&ui!ilidade, a Administração de#e compro#ar, a partir
de elementos o!Ieti#os essa condição. 'o caso, a lei não esta!elece crit/rios espec-.icos de a#aliação,
legando;se ao edital de licitação.
392Art. =E( Processo n. @C ==E.GG7C1BB>;B. +ecisão pu!licada no +%) de 8E.G3.8GG3, p"gs.
=D7C=DE. Agra#o interposto contra despacKo concessi#o de medida liminar, suspendendo a @omada de
Preços, moti#ada por Representação. 'o caso, .oi concedida medida cautelar por dois .undamentos( a
desclassi.icação da empresa representante sem &ue o orgão licitador e.eti#amente a&uilatasse a
#ia!ilidade econ5mica de sua proposta, con.orme art. =E, II, in .ine, da 7ei n. EDDDCB3 e o
procedimento especial &ue o <rgão licitador adotou em relação apenas uma das empresas, con.erindo;
lKe a possi!ilidade de reduFir o #alor de sua proposta para apro4im";lo do #alor inicialmente orçado
pela entidade, ao in#/s de estender tal !ene.-cio a todas as licitantes. *stes procedimentos adotados
indicaram a #iolação aos arts. 3
o
, == R 1
o
e 8
o
e =E, R 3
o
, da 7ei n. EDDDCB3. ,anutenção do inteiro teor
do despacKo agra#ado.
393Art. =E( +ecisão n. DG8C8GGG, pu!licada no +%) de 1>.GE.8GGG. *m seu #oto, o ,in. Rel.
Uum!erto Auimarães :outo destacou citação do Pro.. Pusten FilKo, no sentido de &ue La licitação #isa a
selecionar a proposta de menor preço, mas economicamente #i"#elM.
394Art. =E( +ecisão n. 173GC8GG8, pu!licada no +%) de G7.G1.8GG3, p. 1B>C1BD. *m seu #oto, o
,inistro relator ressaltou &ue a planilKa presta;se 6 #eri.icação de e#entual so!repreço e ser#e de
par9metro para a#aliar, tam!/m, a e4e&ui!ilidade das propostas apresentadas.
395Art. =E( +ecisão n. DG8C8GGG, pu!licada no +%) de 1>.GE.8GGG. *m seu #oto, o ,in. Rel.
Uum!erto Auimarães :outo destacou citação do Pro.. Pusten FilKo, no sentido de &ue La licitação #isa a
selecionar a proposta de menor preço, mas economicamente #i"#elM.
396Art. =E( +ecisão n. 8EDCG1, pu!licada no +%) de 8>.G>.G1, p"g. 181C188. Representação, ante a
e4ist$ncia de irregularidade em Concorr$ncia. % @ri!unal tem entendido &ue, em sendo e.etuados os
!2 #alor orçado pela Administração. 0Par"gra.o acrescentado pela
7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
R 8?. +os licitantes classi.icados na .orma do par"gra.o anterior
cuIo #alor glo!al da proposta .or in.erior a EGV 0oitenta por cento2 do
menor #alor a &ue se re.erem as al-neas a e !, ser" e4igida, para a
assinatura do contrato, prestação de garantia adicional, dentre as
modalidades pre#istas no R 1?. do art. >D, igual a di.erença entre o #alor
resultante do par"gra.o anterior e o #alor da correspondente proposta.
0Par"gra.o acrescentado pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
R 3?. ^uando todos os licitantes .orem ina!ilitados ou todas as
propostas .orem desclassi.icadas, a Administração poder" .i4ar aos
licitantes o praFo de oito dias teis
3B7
para a apresentação de no#a
documentação ou de outras propostas escoimadas das causas re.eridas
neste artigo
3BE
;
3BB
, .acultada, no caso de con#ite, a redução deste praFo
c"lculos determinados pelo art. =E, par"gra.o 1
?
e incisos da 7ei E.DDDCB3, e, #eri.icada a
ine4e&ui!ilidade econ5mico;.inanceira da proposta, ainda, sim, em conson9ncia com o disposto no
inciso II, do mesmo artigo, de#e;se oportuniFar 6 empresa a possi!ilidade de demonstrar a #ia!ilidade
econ5mica de sua proposta. % ,in. Relator ,arcos Oin-cios Oilaça tem se mani.estado no sentido de
&ue Qa presunção aritm/tica, ainda &ue pr<pria de o!ras e ser#iços de engenKaria admite pro#a em
contr"rio, &uando, em raFão do &ue dispõe o caput do dispositi#o 0em seu inciso II2, a proposta
mostrar;se e4e&u-#el. 'ão se a.igura de.ens"#el, por/m, trans.ormar em a!soluta a presunção do
par"gra.o 1
?
. :e o particular puder compro#ar &ue sua proposta / e4e&u-#el, não se lKe poder" interditar
o e4erc-cio do direito de apresent";la. S in#i"#el proi!ir o *stado de realiFar contratação #antaIosa. A
&uestão / de .ato, não de direito. Incum!e o 5nus da pro#a da e4e&ui!ilidade ao particular. *ssa
compro#ação poder" .aFer;se em .ace da pr<pria Administração, pleiteando;se a realiFação de
dilig$ncia para tantoQ.
3B7
Art. =E( +ecisão n. 7=3C8GG8, pu!licada no +%) de 1D.G7.8GG8, p"g. 8=>. Representação de licitante
acerca de supostas irregularidades em edital de Concorr$ncia. ConKecimento da Representação para
consider";la parcialmente procedente. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante, no &ue tange 6
necessidade de e#entuais reduções dos praFos esta!elecidos na re.erida 7ei, somente serem realiFadas
ap<s a o!tenção, Iunto a todos os licitantes, da desist$ncia e4pressa de apresentação de recurso. 'o
caso, a Comissão de 7icitações, ante a desclassi.icação de todas as propostas, .i4ou o praFo de D 0seis2
dias para a ade&uação das propostas, ao passo &ue o art. =E, R 3
o
, .i4a o praFo de E 0oito2 dias teis.
3BE
Art. =E( +ecisão n. BG7C8GG1, pu!licada no +%) de 18.11.8GG1. Representação contra a rea!ertura de
praFo para apresentação de no#as propostas restritas 6 correção das .alKas &ue moti#aram a
desclassi.icação. 'o #oto e4arado pelo ,inistro Relator _alton Alencar Rodrigues, destaca;se &ue( LA
nica interpretação &ue se KarmoniFa com o princ-pio do sigilo das propostas, / a &ue autoriFa a
rea!ertura de praFo para a apresentação de no#as propostas des#inculadas totalmente das anteriores. +o
contr"rio, o pr/#io conKecimento das propostas dos demais licitantes permitiria &ue um dos licitantes,
cuIa proposta .osse desclassi.icada por irregularidade na composição do preço, aIustasse sua proposta
de .orma a ganKar a licitação a um preço somente pouco in.erior ao segundo colocado. 0...2 Para se
e#itar essa situação, as no#as propostas não poderão estar su!ordinadas ou #inculadas 6s anteriores. 0...2
Portanto, o R 3
?
do art. =E o.erece uma no#a oportunidade de apresentar propostas de preço,
despreFando;se por completo as anteriores, &ue apresenta#am #-ciosQ. 'este sentido, o @ri!unal .irmou
o entendimento de &ue a rea!ertura de praFo para apresentação de no#as propostas, nos termos
pre#istos no art. =E, R 3
?
, da 7ei n. E.DDDCB3, permite a ampla re.ormulação das propostas, at/ mesmo
&uanto ao preço, não estando as no#as propostas #inculadas 6s anteriores.
3BB
Art. =E( Processo n. @C ==E.GG7C1BB>;B. +ecisão pu!licada no +%) de 8E.G3.8GG3, p"gs. =D7C=DE.
Agra#o interposto contra despacKo concessi#o de medida liminar, suspendendo a @omada de Preços,
moti#ada por Representação. 'o caso, .oi concedida medida cautelar por dois .undamentos( a
desclassi.icação da empresa representante sem &ue o orgão licitador e.eti#amente a&uilatasse a
para tr$s dias teis. 0Antigo par"gra.o nico com redação dada pela 7ei n?
E.EE3, de GE.GD.B= e renumerado pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
A$%. 49. A autoridade competente para a apro#ação do
procedimento somente poder" re#ogar a licitação por raFões de interesse
p!lico decorrente de .ato super#eniente de#idamente compro#ado,
pertinente e su.iciente para Iusti.icar tal conduta
=GG
, de#endo anul";la por
#ia!ilidade econ5mica de sua proposta, con.orme art. =E, II, in .ine, da 7ei n. EDDDCB3 e o
procedimento especial &ue o <rgão licitador adotou em relação apenas uma das empresas, con.erindo;
lKe a possi!ilidade de reduFir o #alor de sua proposta para apro4im";lo do #alor inicialmente orçado
pela entidade, ao in#/s de estender tal !ene.-cio a todas as licitantes. *stes procedimentos adotados
indicaram a #iolação aos arts. 3
o
, == R 1
o
e 8
o
e =E, R 3
o
, da 7ei n. EDDDCB3. ,anutenção do inteiro teor
do despacKo agra#ado.
=GG
Art. =B( % Presidente do :uperior @ri!unal de Pustiça 0:@P2, ,in. 'ilson 'a#es, determinou, por .orça
de liminar, a continuidade da concorr$ncia internacional n? GG1CG1 do ,inist/rio do ,eio Am!iente.
Re#ogada no dia 1D de deFem!ro de 8GG8 por ato do então ministro da Pasta, Pos/ Carlos Car#alKo, a
licitação tinKa como o!Ieto a seleção de empresa de consultoria para prestação de ser#iços t/cnicos
especialiFados para o apoio ao gerenciamento da .ase I do Programa de +esen#ol#imento :ustent"#el
do Pantanal. % ministro 'ilson 'a#es concedeu liminar em ,andado de :egurança 6 empresa
Concremat *ngenKaria e @ecnologia :.A., participante da licitação promo#ida pelo ,inist/rio do ,eio
Am!iente, &ue se sentiu preIudicada com a decisão administrati#a de cancelar a concorr$ncia p!lica.
Com isso, o ato do e4;ministro est" suspenso at/ decisão .inal do mandado de segurança. At/ l", o
procedimento licitat<rio não poder" ser ar&ui#ado. Para 'ilson 'a#es, o pedido de liminar impetrado
pela empresa demonstra claramente a apar$ncia do !om direito e do perigo da demora, pressupostos
indispens"#eis para concessão da medida urgente. ^uali.icada na licitação, a empresa alega &ue não
Kou#e indicação precisa dos moti#os da re#ogação da concorr$ncia. 'a petição inicial, a empresa diF
&ue o principal pro!lema alegado pelo minist/rio do ,eio Am!iente para cancelamento da
concorr$ncia .oi a .alta de recursos orçament"rios. % contrato de empr/stimo .irmado entre o go#erno
!rasileiro e o Nanco Interamericano de +esen#ol#imento 0NI+2 teria disposto so!re a contratação, por
um per-odo de &uatro anos, de uma empresa gerenciadora para dar suporte 6 e4ecução das ati#idades
pre#istas na primeira .ase do proIeto Pantanal. *sse contrato de empr/stimo .irmado entre o go#erno
!rasileiro e o NI+, no #alor original de ):W 1D> milKões, pre#iu um cronograma de desem!olso em
parcelas e&ui#alentes, em cada ano, a >V, 1>V, =GV e =GV do montante contratado. Para o primeiro
ano, Ka#ia pre#isão inicial de disponi!iliFação orçament"ria de RW 3E.=>=.8>G &ue suportariam o
cumprimento do cronograma para o primeiro e4erc-cio, em 8GG8. ,as a 7ei %rçament"ria teria
imposto um corte, reduFindo o #alor para RW 87.DEE.G=G, dos &uais RW 8G.38B.BDG .oram
contingenciados, sendo disponi!iliFados somente RW E.3DE.GEG,GG, o &ue corresponderia a um
desem!olso na ordem de 1,=1V dos #alores destinados ao e4erc-cio de 8GG8, e não >V con.orme
pre#isto inicialmente. :egundo a empresa, os cortes orçament"rios no e4erc-cio .iscal de 8GG8 não
representam .atos de#idamente compro#ados, pertinentes e su.icientes para Iusti.icar a medida. A
Concremat *ngenKaria e @ecnologia :.A. diF &ue o ,inist/rio não pode alegar suposta #iolação do
princ-pio da economicidade, pois não .oi pro#ada a e4ist$ncia de t/cnicos nos &uadros .uncionais do
<rgão capaFes de !em e4ecutar os ser#iços &ue de#eriam ser contratados. +e acordo com a Concremat,
na primeira .ase da licitação, designada Lpr/;&uali.icaçãoM, classi.icaram;se 1G empresas e cons<rcios,
entre os &uais a pr<pria .irma. % cons<rcio ConcrematCC+,, liderado pela empresa Concremat,
tam!/m teria con&uistado a pontuação m"4ima na segunda etapa, a de &uali.icação t/cnica 0Processo n.
8GG8CG17D>EE;D 3 +F 3,andado de :egurança n. EE==, :uperior @ri!unal de Pustiça2.
ilegalidade
=G1
;
=G8
;
=G3
, de o.-cio ou por pro#ocação de terceiros, mediante
parecer escrito e de#idamente .undamentado
=G=
.
R 1?. A anulação do procedimento licitat<rio por moti#o de
ilegalidade não gera o!rigação de indeniFar, ressal#ado o disposto no
par"gra.o nico do art. >B desta 7ei.
R 8?. A nulidade do procedimento licitat<rio induF 6 do contrato
=G>
;
=GD
, ressal#ado o disposto no par"gra.o nico do art. >B desta 7ei.
=G1
Art. =B( Ac<rdão n. 8.3EDC8GG3, pu!licado no +%) de 1>.1G.8GG3. Representação. :upostas FalKas em
edital de licitação. Ooto Re#isor. % @ri!unal, acolKendo o Ooto do ,in. Re#isor, determinou ao <rgão
licitante a anulação da Concorr$ncia, re.erente 6 contratação de ser#iços Iur-dicos especialiFados nas
"reas de direito tra!alKista, direito pre#idenci"rio e direito ci#il. 'a mesma decisão, determinou &ue, no
caso de ser lançado no#o edital com #istas 6 contratação de ser#iços da mesma natureFa, dei4e de
incluir no mesmo cl"usulas e condições &ue restrinIam o car"ter competiti#o do certame, especialmente
no &ue diF respeito 6 e4ig$ncia de curso de especialiFação, pu!licação de li#ros e artigos e magist/rio
em curso superior, como crit/rios desclassi.icat<rios na proposta t/cnica e 6 e4ig$ncia, na .ase de
Ka!ilitação, de dois atestados, como re&uisito de &uali.icação t/cnica.
=G8
Art. =B( +ecisão n. 13=C8GG1, pu!licada no +%) de 3G.G3.8GG1, p"g. 187. Representação de licitante
por irregularidades. Restrição ao car"ter competiti#o do certame, ante a e4ig$ncia em edital de &ue os
licitantes compro#assem possuir em seu &uadro de pessoal pro.issionais de n-#el superior para o
desempenKo de atri!uições tam!/m realiFadas por t/cnico de n-#el m/dio. Ino!ser#9ncia ao princ-pio
constitucional da isonomia. Anulação da @omada de Preços. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante,
caso o contrato origin"rio continuasse #igendo, para &ue adotasse as pro#id$ncias necess"rias ao e4ato
cumprimento do disposto no art. =B, da 7ei n. E.DDDCB3, KaIa #ista a ilegalidade #eri.icada, consistente
na ino!ser#9ncia do princ-pio constitucional da isonomia, de#ido 6 inclusão, no correspondente edital,
da e4ig$ncia de pro.issionais de n-#el superior para e4ecução das ati#idades de.inidas no o!Ieto da
licitação e da .i4ação de tempo m-nimo para compro#ação de capacidade t/cnico;pro.issional. Al/m de
ter contrariado a legislação, Kou#e a restrição ao car"ter competiti#o da licitação, preIudicando o
alcance da proposta mais #antaIosa. Admitiu;se, no entanto, a su!sist$ncia do retromencionado contrato
por at/ BG 0no#enta2 dias, para processamento de no#o certame licitat<rio.
=G3
Art. =B( LICITAÇ#O. CONCO""XNCIA PFGLICA. ANULAÇ#O PO" DECIS#O DE
CZ4A"A DE T"IGUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE S#O PAULO. 4ANDADO DE
SE!U"ANÇA. ALE!AÇ#O DE CIOLAÇ#O DOS P"INCÍPIOS DO CONT"ADITI"IO E
DA A4PLA DE/ESA. Interposição de pedido de re#isão ou de rescisão ao @ri!unal de Contas.
Recursos administrati#os &ue não suspendem e não interrompem o praFo de 18G dias para aIuiFar
,andado de :egurança. +ecad$ncia #eri.icada. *4tinção do processo sem Iulgamento do m/rito.
0,andado de :egurança n. 1G8.7D3;GC>, :ão Paulo, ergão *special, >.11.8GG3, #.u., Rel. %la#o
:il#eira, apud Pornal @ri!una do +ireito, IunKo de 8GG=, p"g. =3E2.
=G=
Art. =B( +ecisão 1.1B8C8GG8, pu!licada no +%) de 8>.GB.8GG8, pag. 17>. 7icitação para a contratação
de ser#iços de tele.onia. Representação de licitante contra a aus$ncia de documento &ue de#eria constar
do en#elope LdocumentaçãoM. A licitante #encedora dei4ou de apresentar o Plano N"sico de :er#iços
ou Plano Alternati#o de :er#iços de#idamente apro#ado pela Anatel, na .orma esta!elecida no edital.
Foi apresentado, somente, um %.-cio em &ue a Anatel comunica#a a Komologação do Plano
Alternati#o, o Ato n. 7.7DB, de GD.G=.8GGG, de Komologação do re.erido Plano, a pu!licação do Ato no
+%) e um in.orme pu!licit"rio do Plano. A despeito da irregularidade o!ser#ada na documentação &ue
comprometia a Ka!ilitação, a *&uipe do Pregão considerou a documentação em sua con.ormidade com
o *dital. Ademais, &uando da decisão no recurso interposto por outra concorrente, a Assessoria
Pur-dica do <rgão entendeu &ue o Plano Alternati#o esta#a dispon-#el no site da Anatel, acostando aos
autos do processo licitat<rio, a respecti#a c<pia. % ministro Relator ,arcos Oinicios Oilaça entendeu
&ue Kou#e descumprimento ao *dital, uma #eF &ue o Plano N"sico de :er#iços ou o Plano Alternati#o
de :er#iços constitu-a elemento o!rigat<rio pelos participantes da licitação, e4ig$ncia esta não
cumprida pela licitante #encedora. Por outro lado, não assiste raFão 6 Assessoria Pur-dica &uanto 6
R 3?. 'o caso de des.aFimento do processo licitat<rio, .ica
assegurado o contradit<rio e a ampla de.esa.
R =?. % disposto neste artigo e seus par"gra.os aplicam;se aos atos
do procedimento de dispensa e de ine4igi!ilidade de licitação.
A$%. ?0. A Administração não poder" cele!rar o contrato com
preterição da ordem de classi.icação das propostas ou com terceiros
estranKos ao procedimento licitat<rio, so! pena de nulidade
=G7
.
A$%. ?1. A Ka!ilitação preliminar, a inscrição em registro cadastral,
a sua alteração ou cancelamento, e as propostas serão processadas e
Iulgadas por comissão permanente ou especial de, no m-nimo, 3 0tr$s2
mem!ros, sendo pelo menos 8 0dois2 deles ser#idores &uali.icados
pertencentes aos &uadros permanentes dos <rgãos da Administração
respons"#eis pela licitação.
possi!ilidade de inserção, nos autos da licitação, de documento de dom-nio p!lico não apresentado
pela licitante no en#elope LdocumentaçãoM, dada a #edação legal da inclusão posterior de documento
ou in.ormação &ue de#eria constar originariamente da proposta. +esta .orma, determinou;se a anulação
do Pregão.
=G>
Art. =B( +ecisão n? =>7CBB, pu!licada no +%) de 3G.G7.BB, p"g. >>C>E. Representação, ante a
e4ist$ncia de poss-#el irregularidade em concorr$ncia internacional, tipo Lt/cnica e preçoM, com regime
de contratação de preço glo!al. Asse#erou;se na re.erida decisão, &ue( QAl/m do mais, consideramos
pertinente re.erirmo;nos ao entendimento do :upremo @ri!unal Federal, citado pelo Pro.essor ,arçal
Pusten FilKo 0QinQ Coment"rios 6 7ei de 7icitações e Contratos Administrati#os, >X edição, p"g. 782, no
sentido de &ue, em direito p!lico, s< se declara a nulidade de ato ou de processo &uando, da
ino!ser#9ncia de .ormalidade legal, resulta preIu-FoM.
=GD
Art. =B( LICITAÇÃO. ANULAÇÃO. DOCUMENTO FALSO.
'o caso, não ca!e 6 administração p!lica re&uerer a de#olução dos #alores pagos por o!ras realiFadas
com .undamento na nulidade do contrato. ,esmo declarada a nulidade da licitação por culpa da
empresa contratada, &ue se utiliFou de documento .also para #encer o procedimento licitat<rio para
re.orma e adaptações de pr/dio p!lico, de#e a administração p!lica indeniFar a empresa pela
e4ecução das etapas da o!ra contratada at/ a data da declaração de nulidade, e.eitos ex tunc 3
incid$ncia do +7 n. 8.EGGC1BED, re#ogado pela 7ei n. E.DDDC1BB3, mas em #igor na /poca da prestação
dos ser#iços o!Ieto da lide. Precedentes citados( R*sp =DE.1EB;:P, +P 18C>C8GG3H Ag no R*sp
3G3.73G;A,, +P G8C18C8GG8H Ag no R*sp 338.B>D;:P, +P 1DC18C8GG8, e R*sp 387.31=;:P, +P
8BC=C8GG8. "E*7 408.78?O"N, Rel. ,in. Franciulli 'etto, Iulgado em >CDC8GG3.
=G7
Art. >G( +ecisão n? 8E=CBB, pu!licada no +%) de 1=.GD.BB. Representação, ante a e4ist$ncia de
irregularidade, &uando de su!;rogação por parte da contratada. Para elucidar a &uestão, o @ri!unal
esclareceu &ue Lao e4ame da legalidade da su!;rogação em tela, registra;se inicialmente, &ue, &uando a
contratada cede ou trans.ere sua posição a terceiro, signi.ica &ue a Administração est" .irmando um
no#o contrato, e.etuando uma no#a contratação, em raFão do car"ter intuitu persona dos contratos.
@rata;se, portanto, de contratação direta, sem &ue a re.erida Kip<tese esteIa contemplada entre a&uelas
pre#istas para a esp/cie nos dispositi#os concernentes do *statuto de 7icitações e Contratos
Administrati#os, em especial nos seus arts. 8= e 8>, o &ue caracteriFa .uga ao de#ido processo
licitat<rio. *m outras pala#ras, admitir a Kip<tese de cessão ou trans.er$ncia da posição da contratada
dentro de um contrato administrati#o, signi.ica ignorar o princ-pio constitucional &ue rege as
contratações da Administração P!lica, consignado no inciso XXI, do art. 37, da nossa Carta ,agna,
!em como .erir o disposto no art. 8?, da 7ei n? E.DDDCB3. Fere, da mesma .orma, o art. >G da citada lei.M

R 1?. 'o caso de con#ite, a comissão de licitação,
e4cepcionalmente, nas pe&uenas unidades administrati#as e em .ace da
e4ig]idade de pessoal dispon-#el, poder" ser su!stitu-da por ser#idor
.ormalmente designado pela autoridade competente.
R 8?. A comissão para Iulgamento dos pedidos de inscrição em
registro cadastral, sua alteração ou cancelamento, ser" integrada por
pro.issionais legalmente Ka!ilitados no caso de o!ras, ser#iços ou
a&uisição de e&uipamentos.
R 3?. %s mem!ros das comissões de licitação responderão solidaria;
mente por todos os atos praticados pela comissão, sal#o se posição
indi#idual di#ergente esti#er de#idamente .undamentada e registrada em
ata la#rada na reunião em &ue ti#er sido tomada a decisão
=GE
.
R =?. A in#estidura dos mem!ros das Comissões permanentes não
e4ceder" a 1 0um2 ano, #edada a recondução da totalidade de seus
mem!ros para a mesma comissão no per-odo su!se&]ente.
R >?. 'o caso de concurso, o Iulgamento ser" .eito por uma
comissão especial integrada por pessoas de reputação ili!ada e
reconKecido conKecimento da mat/ria em e4ame, ser#idores p!licos ou
não.
A$%. ?2. % concurso a &ue se re.ere o R =? do art. 88 desta 7ei de#e
ser precedido de regulamento pr<prio, a ser o!tido pelos interessados no
local indicado no edital.
R 1?. % regulamento de#er" indicar(
I ; a &uali.icação e4igida dos participantesH
II ; as diretriFes e a .orma de apresentação do tra!alKoH
III ; as condições de realiFação do concurso e os pr$mios a serem
concedidos.
R 8?. *m se tratando de proIeto, o #encedor de#er" autoriFar a
Administração a e4ecut";lo &uando Iulgar con#eniente.
A$%. ?3. % leilão pode ser cometido a leiloeiro o.icial ou a ser#idor
designado pela Administração, procedendo;se na .orma da legislação
pertinente.
R 1?. @odo !em a ser leiloado ser" pre#iamente a#aliado pela
Administração para .i4ação do preço m-nimo de arrematação.
408Art. >1( +ecisão n. E>>C8GG8, pu!licada no +%) de 31.G7.8GG8. Representação de licitante.
7icitação para a&uisição de mo!ili"rio destinado a di#ersas ag$ncias da Cai4a *con5mica Federal.
Identi.icação de .alKas na condução do procedimento licitat<rio. Con.iguração de #-cios de natureFa
.ormal. 'a an"lise e.etauda pelo :r. +iretor :u!stituto transcre#e;se o seguinte( L11. A Iurisprud$ncia
desta Casa nos mostra &ue suplentes de mem!ros de Comissão de 7icitação s< são apenados &uando
compro#ada sua contri!uição para as irregularidades praticadas. Citamos, por e4emplo, o Ac<rdão n.
3G3C8GG1 3 Plen"rio, pro.erido nos autos do @C n. D>G.813C1BB7;1, :essão de 11.18.8GG1M.
R 8?. %s !ens arrematados serão pagos 6 #ista ou no percentual
esta!elecido no edital, não in.erior a >V 0cinco por cento2 e, ap<s a
assinatura da respecti#a ata la#rada no local do leilão, imediatamente
entregues ao arrematante, o &ual se o!rigar" ao pagamento do restante no
praFo estipulado no edital de con#ocação, so! pena de perder em .a#or da
Administração o #alor I" recolKido.
R 3?. 'os leilões internacionais, o pagamento da parcela 6 #ista
poder" ser .eito em at/ #inte e &uatro Koras. 0Redação dada pela 7ei n?
E.EE3CB=2
R =?. % edital de leilão de#e ser amplamente di#ulgado
principalmente no munic-pio em &ue se realiFar". 0Par"gra.o acrescido
pela 7ei E.EE3CB=2
CAPÍTULO III
DOS CONT"ATOS
SEÇ#O I
DISPOSIÇES P"ELI4INA"ES
A$%. ?4. %s contratos administrati#os de &ue trata esta 7ei regulam;
se pelas suas cl"usulas e pelos preceitos de direito p!lico, aplicando;se;
lKes, supleti#amente, os princ-pios da teoria geral dos contratos e as
disposições de direito pri#ado.
R 1?. %s contratos de#em esta!elecer com clareFa e precisão as
condições para sua e4ecução, e4pressas em cl"usulas &ue de.inam os
direitos, o!rigações e responsa!ilidades das partes, em con.ormidade com
os termos da licitação e da proposta a &ue se #inculam.
R 8?. %s contratos decorrentes de dispensa ou de ine4igi!ilidade de
licitação de#em atender aos termos do ato &ue os autoriFou e da respecti#a
proposta.
A$%. ??. :ão cl"usulas necess"rias em todo contrato as &ue
esta!eleçam(
I ; o o!Ieto e seus elementos caracter-sticosH
II ; o regime de e4ecução ou a .orma de .ornecimentoH
III ; o preço e as condições de pagamento
=GB
, os crit/rios, data;!ase
e periodicidade do reaIustamento de preços, os crit/rios de atualiFação
monet"ria entre a data do adimplemento das o!rigações e a do e.eti#o
pagamento
=1G
H
409Art. >>( +ecisão n. D81C8GG1, pu!licada no +%) n. 17=;*. % @ri!unal determinou ao <rgão
licitante &ue não inclua nos editais, por .alta de amparo legal, cl"usula pre#endo a sustação do
pagamento de .aturas como sanção administrati#a.
410Art. >>( Oide o +ecreto 1.G>=, de G7.G8.1BB=, com a redação dada pelo +ecreto 1.11G, de
13.G=.1BB=, &ue regulamenta o reaIuste de preços nos contratos da Administração P!lica Federal
IO ; os praFos de in-cio de etapas de e4ecução, de conclusão, de
entrega, de o!ser#ação e de rece!imento de.initi#o, con.orme o casoH
O ; o cr/dito
=11
pelo &ual correr" a despesa, com a indicação da
classi.icação .uncional program"tica e da categoria econ5micaH
OI ; as garantias o.erecidas para assegurar sua plena e4ecução,
&uando e4igidasH
OII ; os direitos e as responsa!ilidades das partes, as penalidades
ca!-#eis e os #alores das multas
=18
H
OIII ; os casos de rescisãoH
IX ; o reconKecimento dos direitos da Administração, em caso de
rescisão administrati#a pre#ista no art. 77 desta 7eiH
X ; as condições de importação, a data e a ta4a de c9m!io para
con#ersão, &uando .or o casoH
XI ; a #inculação ao edital de licitação ou ao termo &ue a dispensou
ou a ine4igiu, ao con#ite e 6 proposta do licitante #encedorH
XII ; a legislação aplic"#el 6 e4ecução do contrato e especialmente
aos casos omissosH
XIII ; a o!rigação do contratado de manter, durante toda a e4ecução
do contrato, em compati!ilidade com as o!rigações por ele assumidas,
todas as condições de Ka!ilitação e &uali.icação e4igidas na licitação.
R 1?. 0O*@A+%2
R 8?. 'os contratos cele!rados pela Administração P!lica com
pessoas .-sicas ou Iur-dicas, inclusi#e a&uelas domiciliadas no estrangeiro,
de#er" constar necessariamente cl"usula &ue declare competente o .oro da
sede da Administração para dirimir &ual&uer &uestão contratual, sal#o o
disposto no R D? do art. 38 desta 7ei.
direta e indireta e d" outras pro#id$ncias.
411Art. >>( +ecisão n? 8=1C8GGG, pu!licada no +%) de 8>.G=.8GGG, p. 118. Representação contra
irregularidades praticadas em processo licitat<rio, #inculado 6 e4ecução de o!Ieto .inanciado com
recursos .ederais. 'a minuta do contrato, .oi omitida a indicação orçament"ria alusi#a aos recursos da
contrapartida. +eterminou o @ri!unal ao <rgão licitante &ue( Lna aplicação de recursos oriundos de
con#$nios, acordos e similares cele!rados com <rgãos e entidades da Administração Federal(
a2 se a!stenKa de promo#er, sem a pr/#ia e e4pressa anu$ncia do agente trans.eridor, &ual&uer alteração
no o!Ieto pactuadoH
!2 indi&ue, e4pressamente, nos termos de contrato o cr/dito pelo &ual correr" a despesa, com a
indicação da classi.icação .uncional program"tica e da categoria econ5mica, em con.ormidade com o
disposto no art. >>, inciso O, da 7ei n? E.DDDCB3.M
=18
Art. >>(
pelo atraso no adimplemento dos ser#iços da empresa contratada por licitação e estipulada no contrato
administrati#o, pre#ista no art. ED, da 7ei n. EDDDCB3, em &ue tal penalidade .eF com &ue a recorrida
rece!esse apro4imadamente 18V do #alor do contrato. *m não sendo o!ser#ado o princ-pio da
raFoa!ilidade, uma #eF &ue a multa onerou so!remaneira a empresa contratada, pode o PuiF reduFir a
multa sem &ue KaIa ocorr$ncia de in#asão de compet$ncia administrati#a pelo Pudici"rio 0Recurso
especial 33G.D77;R:, Rel. ,in. Pos/ h+elgado, Iulgado em G8.1G.8GG12.
R 3?. 'o ato da li&uidação da despesa, os ser#iços de conta!ilidade
comunicarão, aos <rgãos incum!idos da arrecadação e .iscaliFação de
tri!utos da )nião, *stado ou ,unic-pio, as caracter-sticas e os #alores
pagos, segundo o disposto no art. D3 da 7ei n? =.38G, de 17 de março de
1BD=
=13
.
A$%. ?6. A crit/rio da autoridade competente, em cada caso, e desde
&ue pre#ista no instrumento con#ocat<rio, poder" ser e4igida prestação de
garantia nas contratações de o!ras, ser#iços e compras
=1=
;
=1>
;
=1D
.
R 1?. Ca!er" ao contratado optar por uma das seguintes modalidades
de garantia
=17
( 0Redação dada ao R 1? pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
I ; caução em dinKeiro ou t-tulos da d-#ida p!lica
=1E
H
413Art. >>( L0+ 4.320H64 E A$%. 632 A li&uidação da despesa consiste na #eri.icação do direito
ad&uirido pelo credor tendo por !ase os t-tulos e documentos compro!at<rios do respecti#o cr/dito.
R 1?. *ssa #eri.icação tem por .im apurar(
I 3 a origem e o o!Ieto do &ue se de#e pagarH
II 3 a import9ncia e4ata a pagarH
III 3 a &uem se de#e pagar a import9ncia, para e4tinguir a o!rigação.
R 8?. A li&uidação da despesa por .ornecimentos .eitos ou ser#iços prestados ter" por !ase(
I 3 o contrato, aIuste ou acordo respecti#oH
II 3 a nota de empenKoH
III 3 os compro#antes da entrega de material ou da prestação e.eti#a do ser#iço.
=1=
Art. >D( +ecisão n? G>=C8GGG, pu!licada no +%) de 1E.G8.8GGG. % @ri!unal determinou ao <rgão
licitante o de#er de se a!ster de incluir em seus editais de licitação cl"usula .i4ando garantia a ser
prestada pelo contratado com praFo de #alidade superior ao praFo de instrumento contratual respecti#o,
por .alta de amparo legal.
=1>
Art. >D( Ac<rdão n. =8DC8GG8, pu!licado no +%) de 8B.11.8GG8. A Auditoria constatou a .alta de
apresentação de garantia em caução de >V 0cinco por cento2 do #alor do contrato. 'a oportunidade, .oi
apresentada uma '%@A PR%,I::eRIA assinada por um dos diretores da empresa contratada. A
'%@A PR%,I::eRIA não .oi acolKida como documento #"lido, uma #eF &ue o art. >D, R 1
?
, da 7ei n.
E.DDDCB3 o.erece, apenas, tr$s opções de garantia do contrato( caução em dinKeiro ou t-tulos da d-#ida
p!lica, seguro garantia e .iança !anc"ria.
=1D
Art. >D( +ecisão n. >E1C8GGG, pu!licada no +%) de 11.GE.8GGG, p"gs. E=CE>. Representação de
empresas licitantes, apontando supostas irregularidades no te4to do edital de Concorr$ncia.
Proced$ncia em parte. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue se a!stenKa de e4igir dos licitantes
a compro#ação de patrim5nio l-&uido m-nimo, cumulati#amente com a prestação de garantia, uma #eF
&ue o R 8
?
do mencionado artigo permite tão somente 6 Administração e4igir, alternati#amente, capital
m-nimo ou patrim5nio l-&uido m-nimo ou as garantias pre#istas no R 1
?
do art. >D da 7ei de 7icitações.
=17
Art. >D( +ecisão n? >3ECBE, pu!licada no +%) de 8>.GE.BE, p.3D, &ue determinou a anulação da
Concorr$ncia, ante a e4ist$ncia de irregularidade. )ma delas .oi a e4ig$ncia do recolKimento da caução
em dinKeiro, at/ G> 0cinco2 dias antes da a!ertura da licitação. Con.orme dispõe o artigo 31, inciso III,
cCc o art. >D do mesmo ordenamento, a garantia a ser prestada / uma opção do contratante. Assim
sendo, a imposição de caução em dinKeiro caracteriFou restrição ao processo licitat<rio.
418Art. >D( Ac<rdão n. =8DC8GG8, pu!licado no +%) de 8B.11.8GG8. A Auditoria constatou a .alta de
apresentação de garantia em caução de >V 0cinco por cento2 do #alor do contrato. 'a oportunidade, .oi
apresentada uma '%@A PR%,I::eRIA assinada por um dos diretores da empresa contratada. A
'%@A PR%,I::eRIA não .oi acolKida como documento #"lido, uma #eF &ue o art. >D, R 1
?
, da 7ei n.
E.DDDCB3 o.erece, apenas, tr$s opções de garantia do contrato( caução em dinKeiro ou t-tulos da d-#ida
II ; seguro;garantia
=1B
H
III ; .iança !anc"ria
=8G
.
R 8?. A garantia a &ue se re.ere o caput deste artigo não e4ceder" a
cinco por cento do #alor do contrato e ter" seu #alor atualiFado nas
mesmas condições da&uele, ressal#ado o pre#isto no R 3? deste artigo.
0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R 3?. Para o!ras, ser#iços e .ornecimentos de grande #ulto
en#ol#endo alta comple4idade t/cnica e riscos .inanceiros consider"#eis,
demonstrados atra#/s de parecer tecnicamente apro#ado pela autoridade
competente, o limite de garantia pre#isto no par"gra.o anterior poder" ser
ele#ado para at/ deF por cento do #alor do contrato. 0Redação dada pela
7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R =?. A garantia prestada pelo contratado ser" li!erada ou restitu-da
ap<s a e4ecução do contrato e, &uando em dinKeiro, atualiFada
monetariamente
=81
.
p!lica, seguro garantia e .iança !anc"ria.
419Art. >D( Ac<rdão n. =8DC8GG8, pu!licado no +%) de 8B.11.8GG8. A Auditoria constatou a .alta de
apresentação de garantia em caução de >V 0cinco por cento2 do #alor do contrato. 'a oportunidade, .oi
apresentada uma '%@A PR%,I::eRIA assinada por um dos diretores da empresa contratada. A
'%@A PR%,I::eRIA não .oi acolKida como documento #"lido, uma #eF &ue o art. >D, R 1
?
, da 7ei n.
E.DDDCB3 o.erece, apenas, tr$s opções de garantia do contrato( caução em dinKeiro ou t-tulos da d-#ida
p!lica, seguro garantia e .iança !anc"ria.
420Art. >D( Ac<rdão n. =8DC8GG8, pu!licado no +%) de 8B.11.8GG8. A Auditoria constatou a .alta de
apresentação de garantia em caução de >V 0cinco por cento2 do #alor do contrato. 'a oportunidade, .oi
apresentada uma '%@A PR%,I::eRIA assinada por um dos diretores da empresa contratada. A
'%@A PR%,I::eRIA não .oi acolKida como documento #"lido, uma #eF &ue o art. >D, R 1
?
, da 7ei n.
E.DDDCB3 o.erece, apenas, tr$s opções de garantia do contrato( caução em dinKeiro ou t-tulos da d-#ida
p!lica, seguro garantia e .iança !anc"ria.
421Art. >D( +ecisão n. 31>C8GG1, pu!licada no +%) de 18.GD.8GG1. Pedido de Ree4ame .ormulado
pela In.raero, em &ue o @ri!unal determinou a proi!ição da inclusão em editais de licitação de cl"usula
.i4ando &ue a garantia a ser prestada pelo contratado de#er" ter praFo de #alidade superior ao praFo do
instrumento contratual respecti#o, por .alta de amparo legal. A decisão do @ri!unal .oi no sentido de
&ue os e4atos termos do par"gra.o =
o
do art. >D de#em ser interpretados tendo;se em mente &ue a plena
e4ecução do contrato somente se concretiFa com a mani.estação da Administração acerca do e.eti#o
cumprimento das o!rigações pactuadas. % praFo para esta mani.estação, por/m, não .ica a ar!-trio do
gestor p!lico( a 7ei de 7icitações esta!elece par9metros a serem respeitados. +itos par9metros .oram
esta!elecidos no art. 73, &ue prescre#e as condições e praFos nos &uais, e4ecutado o contrato, o o!Ieto
ser" rece!ido pro#is<ria e de.initi#amente. 7ogo, em regra, são o rece!imento pro#is<rio e o de.initi#o
desdo!ramentos necess"rios da e4ecução do contrato. 'a lição de Pess/ @orres Pereira Pnior
0Coment"rios 6 7ei de 7icitações e Contratações da Administração P!lica, 3
X
edição, *ditora Reno#ar,
Rio de Paneiro, 1BB>, p.3>E2, Qdesde &ue aceita como !oa a e4ecução, restituir;se;" ao contratado, ao
.inal do contrato, o #alor da caução em garantia, se essa .or a modalidade escolKida, com o seu #alor
monet"rio preser#adoQ. f In.raero .oi determinado &ue se a!stenKa de incluir em seus editais de
licitação cl"usula .i4ando garantia a ser prestada pelo contratado com praFo de #alidade superior ao
praFo do rece!imento de.initi#o pre#isto no instrumento contratual respecti#o, nos termos do art. 73, da
7ei n. EDDDCB3.
R >?. 'os casos de contratos &ue importem na entrega de !ens pela
Administração, dos &uais o contratado .icar" deposit"rio, ao #alor da
garantia de#er" ser acrescido o #alor desses !ens.
A$%. ?7. A duração dos contratos regidos por esta 7ei .icar" adstrita
6 #ig$ncia dos respecti#os cr/ditos orçament"rios, e4ceto &uanto aos
relati#os(
I; aos proIetos cuIos produtos esteIam contemplados nas metas
esta!elecidas no Plano Plurianual
=88
, os &uais poderão ser prorrogados se
Kou#er interesse da Administração e desde &ue isso tenKa sido pre#isto no
ato con#ocat<rioH
II ; a prestação de ser#iços a serem e4ecutados de .orma cont-nua,
&ue poderão ter a sua duração prorrogada por iguais e sucessi#os per-odos
com #istas a o!tenção de preços e condições mais #antaIosas para a
=88
Art. >7( +ecisão n? 8BECBB, pu!licada no +%) de 81.GD.BB, p. >7. Consulta .ormulada pelo ,inist/rio
da Aeron"utica, acerca da possi!ilidade de a&uisição, por parte deste <rgão, de material !/lico,
materiais e e&uipamentos aeron"uticos e com!ust-#el de a#iação, mediante contratos com praFo de
duração superior a um e4erc-cio .inanceiro. % Plen"rio se mani.estou no sentido de &ue, Lsomente
poderão ser cele!rados contratos destinados 6 a&uisição de materiais !/licos, aeron"uticos e
com!ust-#el de a#iação, com #ig$ncia superior 6&uela esta!elecida no caput do art. >7, da 7ei n?
E.DDDCB3, se tais produtos esti#erem contemplados em programas inclu-dos no Plano Plurianual,
con.igurando;se a e4ceção pre#ista no inciso I, do mesmo artigo.M
Administração, limitada a sessenta meses
=83
;
=8=
;
=8>
.0Redação dada ao
inciso pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
'ota( Assim dispunKa o inciso alterado(
QII ; 6 prestação de ser#iços a serem e4ecutados de .orma cont-nua, &ue
de#erão ter a sua duração dimensionada com #istas 6 o!tenção de preços e
condições mais #antaIosas para a Administração, limitada a duração a
sessenta mesesH 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2Q
III ; 0O*@A+%2
IO ; ao aluguel de e&uipamentos e 6 utiliFação de programas de
in.orm"tica, podendo a duração estender;se pelo praFo de at/ =E 0&uarenta
e oito2 meses ap<s o in-cio da #ig$ncia do contrato.
R 1?. %s praFos de in-cio de etapas de e4ecução, de conclusão e de
entrega admitem prorrogação, mantidas as demais cl"usulas do contrato e
assegurada a manutenção de seu e&uil-!rio econ5mico;.inanceiro
=8D
, desde
423Art. >7( +ecisão n. 1.8G3C8GG8, pu!licada no +%) de 8>.GB.8GG8, p"g. 1BG. % <rgão licitante
reno#ou contrato de prestação de ser#iços de #igil9ncia, oportunidade em &ue o preço .oi reaIustado
para menos do contrato em #igor. A pro!lem"tica suscitada deri#ou da cele!ração de termo aditi#o
prorrogando a #ig$ncia do contrato, com remuneração mensal in.erior 6&uela I" au.erida pela
contratada, na prestação dos mesmos ser#iços. Foi a#eriguada a poss-#el ine4e&ui!ilidade da proposta.
Apurou;se &ue a contratada reduFiu apenas seus encargos #ari"#eis, sem preIu-Fo, portanto, do
cumprimento das o!rigações salariais e encargos sociais, necess"rios 6 !oa e .iel e4ecução do contrato
ainda &ue so! regime remunerat<rio situado em patamar in.erior ao então praticado. :endo uma opção
mais #antaIosa para a Administração, por&uanto mantidos os mesmos ser#iços &ue I" #inKam sendo
prestados, a um preço menor, sem o 5nus de ter &ue realiFar no#a licitação, o @ri!unal não #islum!rou
&ual&uer #-cio no procedimento adotado &ue pudesse macular a contratação.
=8=
Art. >7( +ecisão n. >EDC8GG8, pu!licada no +%) de G=.18.8GG8. *m seu #oto, o ,inistro Relator
entendeu &ue o limite de 8>V 0#inte e cinco por cento2 pre#isto no art. D>, R 1
?
da 7ei n. EDDDCB3 não
ser aplic"#el 6s prorrogações de contrato de ser#iço cont-nuo, I" &ue essas prorrogações não
con.iguram acr/scimo do o!Ieto contratado. @rou4e 6 colação e4certo do Ooto pro.erido pelo *4mo.
,inistro ,arcos Oilaça ao relatar Pedido de Ree4ame interposto no @C GG7.BE7C1BBB;=( L Prorrogar,
em sentido puro, / dilatar o praFo de #ig$ncia do contrato, mantidas as demais cl"usulas. Algumas
#eFes, como no caso de ser#iços continuados, a prorrogação re&uer aditamento do #alor contratual,
ainda &ue o o!Ieto a#ençado mantenKa;se in#ari"#el. Isso se de#e apenas ao prolongamento do encargo
e da remuneração da contratada por no#o per-odo de tempoM.
=8>
Art. >7( A cl"usula &ue pre#$ a compro#ação de patrim5nio l-&uido igual ou superior a seis milKões de
reais, / e4ig$ncia ilegal, pois o #alor do patrim5nio l-&uido m-nimo pre#isto no edital, em!ora
corresponda a 1GV do #alor estimado do ser#iço, .oi calculado com !ase na prestação do ser#iço pelo
per-odo inicial de DG meses, o &ue representa clara o.ensa ao artigo >7, inciso II, da 7ei de 7icitações
0R*:P =7=7E12.
=8D
Art. >7( A indeniFação .undada em dese&uil-!rio .inanceiro s< pode ser re&uerida &uando e4istir um
contrato de licitação pr/#io. A decisão / da :egunda @urma do :uperior @ri!unal de Pustiça 0:@P2 &ue,
6 unanimidade, negou o pedido das empresas de transporte, a Coleti#os :ão 7ucas 7tda. e a Oiação
'o#a :uissa 7tda. % transporte coleti#o de Nelo UoriFonte 0,A2 era e4plorado pela autar&uia
@ransmetro 3 @ransportes ,etropolitanos, criada pela 7ei B.>87CE7. A administração da @ransmetro
apro#ou um regulamento &ue autoriFa#a regimes de concessão e permissão do ser#iço de transporte
coleti#o para sociedades comerciais. As tari.as dos ser#iços concedidos eram sempre atualiFadas em
uma planilKa de custos e propostas com percentual de reaIuste, &ue era su!metido ao ConselKo
+eli!erati#o da Região ,etropolitana de Nelo UoriFonte. %corre &ue, independente do reaIuste ser
apro#ado pelo ConselKo, a administração da @ransmetro atualiFa#a as tari.as com seus respecti#os
par9metros. *m Ianeiro de 1BB=, a @ransmetro .oi e4tinta pela 7ei 11.=G3 e o +epartamento de *stradas
e Rodagem de ,inas Aerais 0+*RC,A2 passou a ter responsa!ilidade pelo transporte coleti#o da
&ue ocorra algum dos seguintes moti#os, de#idamente autuados em
processo(
I ; alteração do proIeto ou especi.icações, pela AdministraçãoH
II ; super#eni$ncia de .ato e4cepcional ou impre#is-#el, estranKo 6
#ontade das partes &ue altere .undamentalmente as condições de e4ecução
do contratoH
III ; interrupção da e4ecução do contrato ou diminuição do ritmo de
tra!alKo por ordem e no interesse da AdministraçãoH
IO ; aumento das &uantidades inicialmente pre#istas no contrato,
nos limites permitidos por esta 7eiH
O ; impedimento de e4ecução do contrato por .ato ou ato de
terceiro reconKecido pela Administração em documento contempor9neo 6
sua ocorr$nciaH
cidade. :eguindo o mesmo sistema, o +*RC,A imp5s um preIu-Fo institucionaliFado, &ue!rando a
e&uação econ5mica do ser#iço, sem permitir 6s empresas &ual&uer mano!ra para contornar os danos
.inanceiros, con.orme a.irma a de.esa das empresas. Insatis.eitas com os reaIustes e com a situação, as
empresas de transporte entraram na >X Oara da FaFenda P!lica e Autar&uias da Comarca de Nelo
UoriFonte 0,A2 com uma ação de indeniFação contra o +*RC,A, alegando terem tido preIu-Fos na
prestação de ser#iço de transporte coleti#o de passageiros, durante o per-odo de a!ril de 1BBG a IunKo
de 1BB>, por&ue o preço das tari.as .oi .i4ado pelo Poder P!lico em #alor in.erior ao pr<prio custo do
ser#iço prestado. % IuiF de primeira inst9ncia negou o pedido. Por essa raFão, as empresas apelaram
para o @ri!unal de Pustiça de ,inas Aerais 0@PC,A2 &ue tam!/m negou o pedido, con.irmando a
sentença. :egundo o @PC,A, a relação Iur-dica esta!elecida entre os autores da ação e o Poder P!lico,
para a prestação dos ser#iços, não possu-a a natureFa de uma concessão, tendo em #ista não ter
ocorrido &ual&uer aIuste !ilateral, .irmando;se, apenas, um @ermo de Permissão de car"ter prec"rio.
'o :@P, Coleti#os :ão 7ucas 7tda. e a Oiação 'o#a :uissa 7tda. interpuseram um recurso alegando
&ue a delegação para e4plorar o transporte coleti#o, na &ual se esta!elecem condições como praFo certo
e manutenção de tari.as capaFes de preser#ar o e&uil-!rio .inanceiro, mesmo em .orma de permissão,
e&uiparando;se 6 concessão. A ministra *liana Calmon, relatora do processo, não concedeu o recurso.
:egunda ela, La modalidade &ue .a#orecia a re#isão das cl"usulas e4ige pr/#ia licitação, o &ue não
ocorreu com a outorga do ser#iço &ue lKes .oi entregue. Assim, estão elas suIeitas a um regime de
permissão, modalidade &ue, no passado, dispensa#a a licitação mas impedia a re#isão das cl"usulas
contratuaisM 0Processo n. 8GG1CG1=7>E>;>, Resp. n. =GGGG7 3 ,A 3 :uperior @ri!unal de Pustiça2.
OI ; omissão ou atraso de pro#id$ncias a cargo da Administração,
inclusi#e &uanto aos pagamentos
=87
;
=8E
;
=8B
pre#istos de &ue resulte,
diretamente, impedimento ou retardamento na e4ecução do contrato, sem
preIu-Fo das sanções legais aplic"#eis aos respons"#eis.
R 8?. @oda prorrogação de praFo de#er" ser Iusti.icada por escrito e
pre#iamente autoriFada pela autoridade competente para cele!rar o
contrato.
R 3?. S #edado o contrato com praFo de #ig$ncia indeterminado.
R =?. *m car"ter e4cepcional, de#idamente Iusti.icado e mediante
autoriFação da autoridade superior, o praFo de &ue trata o inciso II do
caput deste artigo poder" ser prorrogado em at/ doFe meses. 0Par"gra.o
acrescentado pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
A$%. ?8. O regime Iur-dico dos contratos administrati#os institu-do
por esta 7ei con.ere 6 Administração, em relação a eles, a prerrogati#a de(
=87
Art. >7( +ecisão n. D81C8GG1, pu!licada no +%) n. 17=;*. % @ri!unal determinou ao <rgão licitante
&ue não inclua nos editais, por .alta de amparo legal, cl"usula pre#endo a sustação do pagamento de
.aturas como sanção administrati#a.
=8E
Art. >7( LC%RR*a`% ,%'*@bRIA. ^)I@Aa`%. %NRA PgN7ICA. % pagamento pela e4ecução
dos ser#iços .oi sendo realiFado com atraso sem o pagamento da correção, como esta#a pre#isto no
contrato. Ao t/rmino da o!ra, as partes contratantes, ao assinarem o termo de entrega e rece!imento,
e4plicitaram &ue a empresa contratada da#a plena e irre#og"#el &uitação 6 Pre.eitura das import9ncias
rece!idas at/ a&uela data, para nada mais reclamar, .icando li!erada a caução. *sse documento .oi
assinado e imediatamente depois ingressou a recorrida com o pedido de correção. A @urma, por
maioria, deu pro#imento ao recurso, por entender &uer a correção monet"ria / principal, não acess<ria,
como os Iuros. +ada a &uitação, .oi passado um reci!o de isenção de reclamação, não Ka#endo o &ue se
reclamar, o &ue pleitear, por não e4istir leg-timo interesse. A &uitação / instrumento do pagamento.
@rata;se de um neg<cio Iur-dico de direito su!stanti#o &ue, para ser des.eito, precisaria de uma ação
apropriada 0Resp 8E=.>G7;:P, em &ue .oi Relator origin"rio a ,inistra *liana Calmon e Relator para
ac<rdão o ,inistro Franciulli 'etto, Iulgado em GD.11.8GG12.
429Art. >7( +ecisão n. 3B>C8GG8, pu!licada no +%) de 8D.G=.8GG8. Representação acerca de
retenção de pagamento de .atura por e4ist$ncia de d/!ito do contratado para com a C*F, decorrente de
outros contratos. 'os termos da 7ei n. E.DDDCB3, não tem legitimidade a Administração para reter
pagamentos aos seus contratados por inadimplementos estranKos aos pre#istos no contrato a &ue se
re.erem. :urgiria, assim, perigoso precedente &ue daria aos contratantes, em especial a&ueles &ue são
instituições .inanceiras, poderes para co!rar d/!itos por #ias outras das pre#istas na legislação.
I ; modi.ic";los
=3G
, unilateralmente, para melKor ade&uação 6s
.inalidades de interesse p!lico, respeitados os direitos do contratoH
II ; rescindi;los, unilateralmente, nos casos especi.icados no inciso
I do art. 7B desta 7eiH
III ; .iscaliFar;lKes a e4ecuçãoH
IO ; aplicar sanções moti#adas pela ine4ecução total ou parcial do
aIusteH
O ; nos casos de ser#iços essenciais, ocupar pro#isoriamente !ens
m<#eis, im<#eis, pessoal e ser#iços #inculados ao o!Ieto do contrato, na
Kip<tese da necessidade de acautelar apuração administrati#a de .altas
contratuais pelo contrato, !em como na Kip<tese de rescisão do contrato
administrati#o.
R 1?. As cl"usulas econ5mico;.inanceiras e monet"rias dos contratos
administrati#os não poderão ser alteradas sem pr/#ia concord9ncia do
contratado.
R 8?. 'a Kip<tese do inciso I deste artigo, as cl"usulas econ5mico;
.inanceiras do contrato de#erão ser re#istas para &ue se mantenKa o
e&uil-!rio contratual
=31
.
=3G
Art. >E( +ecisão sCn? pro.erida no Processo @C n? B3G.G3BCBE;G, pu!licada no +%) de GE.G=.BB, p"g.
D=. Consulta so!re a possi!ilidade de alteração de contrato administrati#o em #alor &ue e4cederia os
limites esta!elecidos na 7ei n? E.DDDCB3. % @ri!unal se mani.estou no sentido de &ue( L a2 tanto as
alterações contratuais unilaterais &uantitati#as 3 &ue modi.icam a dimensão do o!Ieto 3 &uanto as
unilaterais &ualitati#as 3 &ue mant/m intang-#el o o!Ieto, em natureFa e em dimensão 3 estão suIeitas
aos limites preesta!elecidos nos RR 1? e 8? ,do art. D>, da 7ei n? E.DDDCB3, em .ace do respeito aos
direitos do contratado, prescrito no art. >E, inciso I, da mesma 7ei, do princ-pio da proporcionalidade e
da necessidade de esses limites serem o!rigatoriamente .i4ados em leiH !2 / permitido 6 Administração
ultrapassar os aludidos limites, na Kip<tese de alterações contratuais consensuais, &ualitati#as e
e4cepcional-ssimas, no sentido de &ue s< seriam aceit"#eis &uando, no caso espec-.ico, a outra
alternati#a 3 a rescisão do contrato por interesse p!lico, seguida de no#a licitação e contratação 3
signi.icar sacri.-cio insuport"#el ao interesse coleti#o prim"rio a ser atendido, pela o!ra ou ser#içoH ou
seIa, a re#isão contratual &ualitati#a e consensual, &ue ultrapasse os limites preesta!elecidos no art. D>,
R 1?, da 7ei n? E.DDDCB3, somente seria Iusti.ic"#el, no caso concreto, &uando as conse&]$ncias da outra
alternati#a 3 a rescisão contratual, seguida de no#a licitação e contratação 3 .orem gra#-ssimas ao
interesse p!lico prim"rioM.
=31
Art. >E( A indeniFação .undada em dese&uil-!rio .inanceiro s< pode ser re&uerida &uando e4istir um
contrato de licitação pr/#io. A decisão / da :egunda @urma do :uperior @ri!unal de Pustiça 0:@P2 &ue,
a unanimidade, negou o pedido das empresas de transporte, a Coleti#os :ão 7ucas 7tda. e a Oiação
'o#a :uissa 7tda. % transporte coleti#o de Nelo UoriFonte 0,A2 era e4plorado pela autar&uia
@ransmetro 3 @ransportes ,etropolitanos, criada pela 7ei B.>87CE7. A administração da @ransmetro
apro#ou um regulamento &ue autoriFa#a regimes de concessão e permissão do ser#iço de transporte
coleti#o para sociedades comerciais. As tari.as dos ser#iços concedidos eram sempre atualiFadas em
uma planilKa de custos e propostas com percentual de reaIuste, &ue era su!metido ao ConselKo
+eli!erati#o da Região ,etropolitana de Nelo UoriFonte. %corre &ue, independente do reaIuste ser
apro#ado pelo ConselKo, a administração da @ransmetro atualiFa#a as tari.as com seus respecti#os
par9metros. *m Ianeiro de 1BB=, a @ransmetro .oi e4tinta pela 7ei 11.=G3 e o +epartamento de *stradas
e Rodagem de ,inas Aerais 0+*RC,A2 passou a ter responsa!ilidade pelo transporte coleti#o da
cidade. :eguindo o mesmo sistema, o +*RC,A imp5s um preIu-Fo institucionaliFado, &ue!rando a
e&uação econ5mica do ser#iço, sem permitir 6s empresas &ual&uer mano!ra para contornar os danos
.inanceiros, con.orme a.irma a de.esa das empresas. Insatis.eitas com os reaIustes e com a situação, as
empresas de transporte entraram na >X Oara da FaFenda P!lica e Autar&uias da Comarca de Nelo
UoriFonte 0,A2 com uma ação de indeniFação contra o +*RC,A, alegando terem tido preIu-Fos na
A$%. ?9. A declaração de nulidade do contrato administrati#o opera
retroati#amente impedindo os e.eitos Iur-dicos &ue ele, ordinariamente,
de#eria produFir, al/m de desconstituir os I" produFidos.
Par"gra.o nico. A nulidade não e4onera a Administração do de#er
de indeniFar o contrato pelo &ue este Kou#er e4ecutado at/ a data em &ue
ela .or declarada e por outros preIu-Fos regularmente compro#ados,
contanto &ue não lKe seIa imput"#el, promo#endo;se a responsa!ilidade
de &uem lKe deu causa.
SEÇ#O II
DA /O"4ALITAÇ#O DOS CONT"ATOS
A$%. 60. %s contratos e seus aditamentos serão la#rados nas
repartições interessadas, as &uais manterão ar&ui#o cronol<gico dos seus
aut<gra.os e registro sistem"tico do seu e4trato, sal#o os relati#os a
direitos reais so!re im<#eis, &ue se .ormaliFam por instrumento la#rado
em cart<rio de notas, de tudo Iuntando;se c<pia no processo &ue lKe deu
origem.
Par"gra.o nico. S nulo e de nenKum e.eito o contrato #er!al com a
Administração, sal#o o de pe&uenas compras de pronto pagamento, assim
entendidas a&uelas de #alor não superior a >V 0cinco por cento2 do limite
esta!elecido no art. 83, inciso II, al-nea a desta 7ei, .eitas em regime de
adiantamento.
A$%. 61. @odo contrato de#e mencionar os nomes das partes e os de
seus representantes, a .inalidade, o ato &ue autoriFou a sua la#ratura, o
nmero do processo da licitação, da dispensa ou da ine4igi!ilidade, a
suIeição dos contratantes 6s normas desta 7ei e 6s cl"usulas contratuais.
Par"gra.o nico. A pu!licação resumida do instrumento de contrato
ou de seus aditamentos na Imprensa %.icial, &ue / condição indispens"#el
prestação de ser#iço de transporte coleti#o de passageiros, durante o per-odo de a!ril de 1BBG a IunKo
de 1BB>, por&ue o preço das tari.as .oi .i4ado pelo Poder P!lico em #alor in.erior ao pr<prio custo do
ser#iço prestado. % IuiF de primeira inst9ncia negou o pedido. Por essa raFão, as empresas apelaram
para o @ri!unal de Pustiça de ,inas Aerais 0@PC,A2 &ue tam!/m negou o pedido, con.irmando a
sentença. :egundo o @PC,A, a relação Iur-dica esta!elecida entre os autores da ação e o Poder P!lico,
para a prestação dos ser#iços, não possu-a a natureFa de uma concessão, tendo em #ista não ter
ocorrido &ual&uer aIuste !ilateral, .irmando;se, apenas, um @ermo de Permissão de car"ter prec"rio.
'o :@P, Coleti#os :ão 7ucas 7tda. e a Oiação 'o#a :uissa 7tda. interpuseram um recurso alegando
&ue a delegação para e4plorar o transporte coleti#o, na &ual se esta!elecem condições como praFo certo
e manutenção de tari.as capaFes de preser#ar o e&uil-!rio .inanceiro, mesmo em .orma de permissão,
e&uiparando;se 6 concessão. A ministra *liana Calmon, relatora do processo, não concedeu o recurso.
:egunda ela, La modalidade &ue .a#orecia a re#isão das cl"usulas e4ige pr/#ia licitação, o &ue não
ocorreu com a outorga do ser#iço &ue lKes .oi entregue. Assim, estão elas suIeitas a um regime de
permissão, modalidade &ue, no passado, dispensa#a a licitação mas impedia a re#isão das cl"usulas
contratuaisM 0Processo n. 8GG1CG1=7>E>;>, Resp. n. =GGGG7 3 ,A 3 :uperior @ri!unal de Pustiça2.
para sua e.ic"cia, ser" pro#idenciada pela Administração at/ o &uinto dia
til do m$s seguinte ao de sua assinatura, para ocorrer no praFo de #inte
dias da&uela data, &ual&uer &ue seIa o seu #alor, ainda &ue sem 5nus,
ressal#ado o disposto no art. 8D desta 7ei. 0Redação dada pela 7ei n?
E.EE3, de GE.GD.B=2
A$%. 62. % instrumento de contrato / o!rigat<rio nos casos de
concorr$ncia e de tomada de preços, !em como nas dispensas e
ine4igi!ilidades cuIos preços esteIam compreendidos nos limites destas
duas modalidades de licitação, e .acultati#o nos demais em &ue a
Administração puder su!stitu-;lo por outros instrumentos K"!eis, tais
como carta;contrato, nota de empenKo de despesa, autoriFação de compra
ou ordem de e4ecução de ser#iço.
R 1?. A minuta do .uturo contrato integrar" sempre o edital ou ato
con#ocat<rio da licitação.
R 8?. *m carta contrato, nota de empenKo de despesa, autoriFação
de compra, ordem de e4ecução de ser#iço ou outros instrumentos K"!eis
aplica;se, no &ue cou!er, o disposto no art. >> desta 7ei. 0Redação dada
pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R 3?. Aplica;se o disposto nos arts. >> e >E a D1 desta 7ei e demais
normas gerais, no &ue cou!er(
I ; aos contratos de seguro, de .inanciamento, de locação em &ue o
Poder P!lico seIa locat"rio, e aos demais cuIo contedo seIa regido,
predominantemente, por norma de direito pri#adoH
II ; aos contratos em &ue a Administração .or parte como usu"ria de
ser#iço p!lico.
R =?. S dispens"#el o termo de contrato e .acultada a su!stituição
pre#ista neste artigo, a crit/rio da Administração e independentemente de
seu #alor, nos casos de compra com entrega imediata e integral dos !ens
ad&uiridos, dos &uais não resultem o!rigações .uturas, inclusi#e
assist$ncia t/cnica.
A$%. 63. S permitido a &ual&uer licitante o conKecimento dos
termos do contrato e do respecti#o processo licitat<rio e, a &ual&uer
interessado, a o!tenção de c<pia autenticada, mediante o pagamento dos
emolumentos de#idos.
A$%. 64. A Administração con#ocar" regularmente o interessado
para assinar o termo de contrato, aceitar ou retirar o instrumento
e&ui#alente, dentro praFo e condições esta!elecidos, so! pena de decair o
direito 6 contratação, sem preIu-Fo das sanções pre#istas no art. E1 desta
7ei.
R 1?. % praFo de con#ocação poder" ser prorrogado uma #eF, por
igual per-odo, &uando solicitado pela parte durante o seu transcurso e
desde &ue ocorra moti#o Iusti.icado aceito pela Administração.
R 8?. S .acultado 6 Administração, &uando o con#ocado não assinar
o termo de contrato ou não aceitar ou retirar o instrumento e&ui#alente no
praFo e condições esta!elecidos, con#ocar licitantes remanescentes
=38
;
=33
, na ordem de classi.icação, para .aF$;lo em igual praFo e nas mesmas
condições propostas pelo primeiro classi.icado, inclusi#e &uanto aos
preços atualiFados de con.ormidade com o ato con#ocat<rio, ou re#ogar a
licitação independentemente da cominação pre#ista no art. E1 desta 7ei.
R 3?. +ecorridos DG 0sessenta2 dias da data da entrega das propostas,
sem con#ocação para a contratação, .icam os licitantes li!erados dos
compromissos assumidos.
SEÇ#O III
DA ALTE"AÇ#O DOS CONT"ATOS
434
=38
Art. D=( +ecisão n? >>=CBB, pu!licada no +%) de G8.GB.BB, pro.erida em processo de concessão de
e4ploração da Rodo#ia NR;8BGCR: pelo +'*R. Asse#erou;se &ue Lnas pr<4imas licitações para
concessão de rodo#ias, em ocorrendo a repetição da não assinatura do contrato pelo licitante #encedor,
seIa #eri.icado se a situação real / a de recusa em assinar o termo contratual, caso em &ue se aplica o R
8?, do art. D=, da 7ei E.DDDCB3, &ue permite 6 Administração con#ocar os licitantes remanescentes para
contratar pelas mesmas condições do primeiro colocado, ou de incapacidade para contratar, e#idenciada
por uma super#eniente modi.icação na capacitação da licitante, s< conKecida ap<s o Iulgamento, caso
em &ue se de#e aplicar o competente R >?, do art. =3, da mesma lei, com a conse&]ente desclassi.icação
da empresaM. *m dilig$ncias realiFadas, a 1X :*C*X, ap<s analisar os esclarecimentos apresentados
pelo +'*R, concluiu não ser a Kip<tese do R 8? supra, #eF &ue Lsua correta aplicação se d" com a
caracteriFação do desinteresse, ou da recusa em assinar o contrato, por parte do #encedor do certame
licitat<rio, ca!endo, então as sanções legais, ao passo &ue, no caso, a não constituição da empresa
Concession"ria e a não apresentação da documentação e4igida, de car"ter econ5mico;.inanceiro, ou o
insucesso da sua o!tenção, demonstrou a incapacidade da empresa na&uele aspecto, &ue se distingue do
desinteresse ou recusa.
=33
Art. D=( +ecisão pro.erida no Processo n? GGE.=1DCB7;=, em @omada de Contas *special oriunda de
Representação, pu!licado no +%) de 81.GD.BB, p. 78CEG, ante a e4ist$ncia de suposta irregularidade
relati#a 6 desclassi.icação de empresa participante de certame licitat<rio. % @ri!unal asse#erou &ue não
se pode perder de #ista a premissa de &ue o interesse p!lico de#e pre#alecer so! o particular mas, não
de#e o <rgão licitante prender;se aos rigorismos .ormais. @al interesse consiste em assegurar 6
Administração a e4ist$ncia, ao .im da licitação, de um maior nmero poss-#el de licitantes classi.icados
para &ue, na e#entualidade do #encedor se recusar a assinar o contrato, possa a a&uela con#ocar, na
ordem classi.icat<ria, os remanescentes para e4ecutar o contrato, nas condições do #encedor, con.orme
esta!elecido no art. D=, R 8?, da 7ei n? E.DDDCB3, e#itando;se assim atrasos e gastos decorrentes da
instauração de no#o processo licitat<rio.
=3=
+ecisão n. 7B8C8GGG, pu!licada no +%) de 8G.GB.8GGG, p"g. 1=3. Representação a respeito de
supostas irregularidades no Pregão Amplo e.etuado pela Anatel 3 Ag$ncia 'acional de
@elecomunicações, &ue pre#ia tal modalidade de licitação criada pelo art. 88, da 7ei n. B.=7>C1BB> 07ei
Aeral de @elecomunicações 3 anteriormente ao +ecreto 3.>>>C8GGG2, com #istas 6 contratação de
ser#iços de tele.onia. % @ri!unal .i4ou o praFo de 1> 0&uinFe2 dias para &ue a Ag$ncia 'acional de
@elecomunicações adote pro#id$ncias com #istas a LadaptarM o Contrato ;A+I' n. G>8CBB ao disposto
no art. >
?
, inciso I, da Constituição Federal, e#itando impor discriminação &uanto ao se4o dos
empregados na&uela relação contrataul, dando ci$ncia 6 Corte de Contas das medidas e.eti#adas.
A$%. 6?. %s contratos regidos por esta 7ei poderão ser alterados,
com as de#idas Iusti.icati#as, nos seguintes casos(
I ; unilateralmente pela Administração(
a2 &uando Kou#er modi.icação do proIeto ou das especi.icações,
para melKor ade&uação t/cnica aos seus o!Ieti#osH
!2 &uando necess"ria a modi.icação do #alor contratual em
decorr$ncia de acr/scimo ou diminuição &uantitati#a de seu o!Ieto, nos
limites permitidos por esta 7eiH
II ; por acordo das partes(
a2 &uando con#eniente a su!stituição da garantia de e4ecuçãoH
!2 &uando necess"ria a modi.icação do regime de e4ecução da o!ra
ou ser#iço, !em como do modo de .ornecimento, em .ace de #eri.icação
t/cnica da inaplica!ilidade dos termos contratuais origin"riosH
c2 &uando necess"ria a modi.icação da .orma de pagamento, por
imposição de circunst9ncias super#enientes, mantido o #alor inicial
atualiFado, #edada a antecipação do pagamento, com relação ao
cronograma .inanceiro .i4ado, sem a correspondente contraprestação de
.ornecimento de !ens ou e4ecução de o!ra ou ser#içoH
d2 para resta!elecer a relação &ue as partes pactuaram inicialmente
entre os encargos do contratado e a retri!uição da Administração para a
Iusta remuneração da o!ra, ser#iço ou .ornecimento, o!Ieti#ando a
manutenção do e&uil-!rio econ5mico;.inanceiro inicial do contrato, na
Kip<tese de so!re#irem .atos impre#is-#eis, ou pre#is-#eis por/m de
conse&]$ncias incalcul"#eis, retardadores ou impediti#os da e4ecução do
aIustado, ou ainda, em caso de .orça maior, caso .ortuito ou .ato do
pr-ncipe, con.igurando "rea econ5mica e4traordin"ria e e4tracontratual
=3>
;
=3D
. 0Redação dada 6 al-nea QdQ pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
R 1?. % contratado .ica o!rigado a aceitar, nas mesmas condições
contratuais, os acr/scimos ou supressões &ue se .iFerem nas o!ras,
ser#iços ou compras, at/ 8>V 0#inte e cinco por cento2 do #alor inicial
atualiFado do contrato, e, no caso particular de re.orma de edi.-cio ou de
e&uipamento, at/ o limite de >GV 0cin&]enta por cento2 para os seus
acr/scimos
=37
.
=3>
Art. D>( A indeniFação .undada em dese&uil-!rio .inanceiro s< pode ser re&uerida &uando e4istir um
contrato de licitação pr/#io. A decisão / da :egunda @urma do :uperior @ri!unal de Pustiça 0:@P2 &ue,
a unanimidade, negou o pedido das empresas de transporte, a Coleti#os :ão 7ucas 7tda. e a Oiação
'o#a :uissa 7tda. % transporte coleti#o de Nelo UoriFonte 0,A2 era e4plorado pela autar&uia
@ransmetro 3 @ransportes ,etropolitanos, criada pela 7ei B.>87CE7. A administração da @ransmetro
apro#ou um regulamento &ue autoriFa#a regimes de concessão e permissão do ser#iço de transporte
coleti#o para sociedades comerciais. As tari.as dos ser#iços concedidos eram sempre atualiFadas em
uma planilKa de custos e propostas com percentual de reaIuste, &ue era su!metido ao ConselKo
+eli!erati#o da Região ,etropolitana de Nelo UoriFonte. %corre &ue, independente do reaIuste ser
apro#ado pelo ConselKo, a administração da @ransmetro atualiFa#a as tari.as com seus respecti#os
par9metros. *m Ianeiro de 1BB=, a @ransmetro .oi e4tinta pela 7ei 11.=G3 e o +epartamento de *stradas
e Rodagem de ,inas Aerais 0+*RC,A2 passou a ter responsa!ilidade pelo transporte coleti#o da
cidade. :eguindo o mesmo sistema, o +*RC,A imp5s um preIu-Fo institucionaliFado, &ue!rando a
e&uação econ5mica do ser#iço, sem permitir 6s empresas &ual&uer mano!ra para contornar os danos
.inanceiros, con.orme a.irma a de.esa das empresas. Insatis.eitas com os reaIustes e com a situação, as
empresas de transporte entraram na >X Oara da FaFenda P!lica e Autar&uias da Comarca de Nelo
UoriFonte 0,A2 com uma ação de indeniFação contra o +*RC,A, alegando terem tido preIu-Fos na
prestação de ser#iço de transporte coleti#o de passageiros, durante o per-odo de a!ril de 1BBG a IunKo
de 1BB>, por&ue o preço das tari.as .oi .i4ado pelo Poder P!lico em #alor in.erior ao pr<prio custo do
ser#iço prestado. % IuiF de primeira inst9ncia negou o pedido. Por essa raFão, as empresas apelaram
para o @ri!unal de Pustiça de ,inas Aerais 0@PC,A2 &ue tam!/m negou o pedido, con.irmando a
sentença. :egundo o @PC,A, a relação Iur-dica esta!elecida entre os autores da ação e o Poder P!lico,
para a prestação dos ser#iços, não possu-a a natureFa de uma concessão, tendo em #ista não ter
ocorrido &ual&uer aIuste !ilateral, .irmando;se, apenas, um @ermo de Permissão de car"ter prec"rio.
'o :@P, Coleti#os :ão 7ucas 7tda. e a Oiação 'o#a :uissa 7tda. interpuseram um recurso alegando
&ue a delegação para e4plorar o transporte coleti#o, na &ual se esta!elecem condições como praFo certo
e manutenção de tari.as capaFes de preser#ar o e&uil-!rio .inanceiro, mesmo em .orma de permissão,
e&uiparando;se 6 concessão. A ministra *liana Calmon, relatora do processo, não concedeu o recurso.
:egunda ela, La modalidade &ue .a#orecia a re#isão das cl"usulas e4ige pr/#ia licitação, o &ue não
ocorreu com a outorga do ser#iço &ue lKes .oi entregue. Assim, estão elas suIeitas a um regime de
permissão, modalidade &ue, no passado, dispensa#a a licitação mas impedia a re#isão das cl"usulas
contratuaisM 0Processo n. 8GG1CG1=7>E>;>, Resp. n. =GGGG7 3 ,A 3 :uperior @ri!unal de Pustiça2.
=3D
Art. D>( +ecisão n. =D=C8GGG, pu!licada no +%) de 83.G1.8GGG, p. E3, em decorr$ncia da
.ormaliFação de contrato com cl"usula de reaIuste pela #ariação cam!ial. % ,inistro _alton Alencar
Rodrigues, &uando da prolação de seu #oto, se mani.estou no sentido de &ue a teoria da impre#isão
pode ser empregada tanto em .a#or do contratado &uanto em .a#or do contratante. *, so! o aspecto
econ5mico, com a des#aloriFação cam!ial, ocorrida no in-cio de 1BBB, o #alor em reais rece!ido pela
contratada ele#ou;se su!stancialmente, sem &ue os custos, essencialmente #inculados a insumos
nacionais, aumentasse na mesma proporção. @al .ato con.igurou alteração impre#is-#el e ine#it"#el na
es.era econ5mica, estranKa 6 #ontade das partes, &ue acarretou distorção entre o #alor rece!ido e os
encargos suportados pela contratada, em !ene.-cio desta e, de outra parte, na mesma proporção, a
imposição de 5nus e4cessi#o 6 contratante, o &ue enseIou a aplicação da teoria da impre#isão. 'o caso
em &uestão, .oi recomendada a renegociação do contrato, a .im de se resta!elecer o e&uil-!rio
econ5mico .inanceiro inicial e proporcionar Iusta remuneração do ser#iço.
=37
Art. D>( +ecisão n. >EDC8GG8, pu!licada no +%) de G=.18.8GG8. *m seu #oto, o ,inistro Relator
R 8?. 'enKum acr/scimo ou supressão poder" e4ceder os limites
esta!elecidos no par"gra.o anterior, sal#o(
I 3 0O*@A+%2
II 3 as supressões resultantes de acordo cele!rado entre os
contratantes. 0Redação dada ao par"gra.o pela 7ei n? B.D=E, de 87.G>.BE2
'ota( Assim dispunKa o par"gra.o alterado(
QR 8?. 'enKum acr/scimo ou supressão poder" e4ceder os limites
esta!elecidos no par"gra.o anterior.Q
R 3?. :e no contrato não Kou#erem sido contemplados preços unit"rios
para o!ras ou ser#iços, esses serão .i4ados mediante acordo entre as
partes, respeitados os limites esta!elecidos no R 1? deste artigo.
R =?. 'o caso de supressão de o!ras, !ens ou ser#iços, se o contrato
I" Kou#er ad&uirido os materiais e posto no local dos tra!alKos, estes
de#erão ser pagos pela Administração pelos custos de a&uisição
regularmente compro#ados e monetariamente corrigidos, podendo ca!er
indeniFação por outros danos e#entualmente decorrentes da supressão,
desde &ue regularmente compro#ados.
R >?. ^uais&uer tri!utos ou encargos legais criados, alterados ou
e4tintos, !em como a super#eni$ncia de disposições legais, &uando
ocorridas ap<s a data da apresentação da proposta, de compro#ada
repercussão nos preços contratados, implicarão a re#isão destes para mais
ou para menos, con.orme o caso
=3E
.
R D?. *m Ka#endo alteração unilateral do contrato &ue aumente os
encargos do contratado, a Administração de#er" resta!elecer, por
aditamento, o e&uil-!rio econ5mico;.inanceiro inicial
=3B
.
entendeu &ue o limite de 8>V 0#inte e cinco por cento2 pre#isto no art. D>, R 1
?
da 7ei n. E.DDDCB3 não /
aplic"#el 6s prorrogações de contrato de ser#iço cont-nuo, I" &ue essas prorrogações não con.iguram
acr/scimo do o!Ieto contratado. @rou4e 6 colação o entendimento pro.erido no #oto do *4mo. ,inistro
,arcos Oilaça ao relatar Pedido de Ree4ame interposto no @C GG7.BE7C1BBB;=( LProrrogar, em sentido
puro, / dilatar o praFo de #ig$ncia do contrato, mantidas as demais cl"usulas. Algumas #eFes, como no
caso de ser#iços continuados, a prorrogação re&uer aditamento do #alor contratual, ainda &ue o o!Ieto
a#ençado mantenKa;se in#ari"#el. Isso se de#e apenas ao prolongamento do encargo e da remuneração
da contratada por no#o per-odo de tempoM.
=3E
Art. D>( +ecisão =>7C1BB>, apud na +ecisão =D7C8GG8, pu!licada no +%) de 31.1G.8GG8, pags.
1DBC171, em &ue o Plen"rio do @ri!unal assim disp5s( L 1) os preços contratados não poderão so.rer
reaIustes por incremento dos custos de mão de o!ra decorrentes da data !ase de cada categoria ou de
&ual&uer outra raFão, por .orça do disposto no art. 8E e seus par"gra.os da 7ei B.GDBCB>, antes de
decorrido o praFo de um ano, contado na .orma e4pressa na pr<pria legislaçãoH 2) poder" ser aceita a
alegação de dese&uil-!rio econ5mico;.inanceiro do contrato, com !ase no reaIuste salarial dos
tra!alKadores ocorrido durante a #ig$ncia do instrumento contratual, desde &ue a re#isão pleiteada
somente aconteça ap<s decorrido um ano da ltima ocorr$ncia #eri.icada 0a assinatura, a repactuação, a
re#isão ou o reaIuste do contrato2, contado na .orma da legislação pertinenteM.
=3B
Art. D>( A indeniFação .undada em dese&uil-!rio .inanceiro s< pode ser re&uerida &uando e4istir um
contrato de licitação pr/#io. A decisão / da :egunda @urma do :uperior @ri!unal de Pustiça 0:@P2 &ue,
a unanimidade, negou o pedido das empresas de transporte, a Coleti#os :ão 7ucas 7tda. e a Oiação
'o#a :uissa 7tda. % transporte coleti#o de Nelo UoriFonte 0,A2 era e4plorado pela autar&uia
@ransmetro 3 @ransportes ,etropolitanos, criada pela 7ei B.>87CE7. A administração da @ransmetro
R 7?. 0O*@A+%2
R E?. A #ariação do #alor contratual para .aFer .ace ao reaIuste de
preços pre#isto no pr<prio contrato, as atualiFações, compensações ou
penaliFações .inanceiras decorrentes das condições de pagamento nele
pre#istas, !em como o empenKo de dotações orçament"rias suplementares
at/ o limite do seu #alor corrigido, não caracteriFam alteração do mesmo,
podendo ser registrados por simples apostila, dispensando a cele!ração de
aditamento.
SEÇ#O IC
DA EWECUÇ#O DOS CONT"ATOS
A$%. 66. % contrato de#er" ser e4ecutado .ielmente pelas partes, de
acordo com as cl"usulas a#ençadas e as normas desta 7ei, respondendo
cada uma pelas conse&]$ncias de sua ine4ecução total ou parcial.
A$%. 67. A e4ecução do contrato de#er" ser acompanKada e
.iscaliFada por um representante da Administração especialmente
designado, permitida a contratação de terceiros para assisti;lo e su!sidi";
lo de in.ormações pertinentes a essa atri!uição.
R 1?. % representante da Administração anotar" em registro pr<prio
todas as ocorr$ncias relacionadas com a e4ecução do contrato,
apro#ou um regulamento &ue autoriFa#a regimes de concessão e permissão do ser#iço de transporte
coleti#o para sociedades comerciais. As tari.as dos ser#iços concedidos eram sempre atualiFadas em
uma planilKa de custos e propostas com percentual de reaIuste, &ue era su!metido ao ConselKo
+eli!erati#o da Região ,etropolitana de Nelo UoriFonte. %corre &ue, independente do reaIuste ser
apro#ado pelo ConselKo, a administração da @ransmetro atualiFa#a as tari.as com seus respecti#os
par9metros. *m Ianeiro de 1BB=, a @ransmetro .oi e4tinta pela 7ei 11.=G3 e o +epartamento de *stradas
e Rodagem de ,inas Aerais 0+*RC,A2 passou a ter responsa!ilidade pelo transporte coleti#o da
cidade. :eguindo o mesmo sistema, o +*RC,A imp5s um preIu-Fo institucionaliFado, &ue!rando a
e&uação econ5mica do ser#iço, sem permitir 6s empresas &ual&uer mano!ra para contornar os danos
.inanceiros, con.orme a.irma a de.esa das empresas. Insatis.eitas com os reaIustes e com a situação, as
empresas de transporte entraram na >X Oara da FaFenda P!lica e Autar&uias da Comarca de Nelo
UoriFonte 0,A2 com uma ação de indeniFação contra o +*RC,A, alegando terem tido preIu-Fos na
prestação de ser#iço de transporte coleti#o de passageiros, durante o per-odo de a!ril de 1BBG a IunKo
de 1BB>, por&ue o preço das tari.as .oi .i4ado pelo Poder P!lico em #alor in.erior ao pr<prio custo do
ser#iço prestado. % IuiF de primeira inst9ncia negou o pedido. Por essa raFão, as empresas apelaram
para o @ri!unal de Pustiça de ,inas Aerais 0@PC,A2 &ue tam!/m negou o pedido, con.irmando a
sentença. :egundo o @PC,A, a relação Iur-dica esta!elecida entre os autores da ação e o Poder P!lico,
para a prestação dos ser#iços, não possu-a a natureFa de uma concessão, tendo em #ista não ter
ocorrido &ual&uer aIuste !ilateral, .irmando;se, apenas, um @ermo de Permissão de car"ter prec"rio.
'o :@P, Coleti#os :ão 7ucas 7tda. e a Oiação 'o#a :uissa 7tda. interpuseram um recurso alegando
&ue a delegação para e4plorar o transporte coleti#o, na &ual se esta!elecem condições como praFo certo
e manutenção de tari.as capaFes de preser#ar o e&uil-!rio .inanceiro, mesmo em .orma de permissão,
e&uiparando;se 6 concessão. A ministra *liana Calmon, relatora do processo, não concedeu o recurso.
:egunda ela, La modalidade &ue .a#orecia a re#isão das cl"usulas e4ige pr/#ia licitação, o &ue não
ocorreu com a outorga do ser#iço &ue lKes .oi entregue. Assim, estão elas suIeitas a um regime de
permissão, modalidade &ue, no passado, dispensa#a a licitação mas impedia a re#isão das cl"usulas
contratuaisM 0Processo n. 8GG1CG1=7>E>;>, Resp. n. =GGGG7 3 ,A 3 :uperior @ri!unal de Pustiça2.
determinando o &ue .or necess"rio 6 regulariFação das .altas ou de.eitos
o!ser#ados.
R 8?. As decisões e pro#id$ncias &ue ultrapassarem a compet$ncia
do representante de#erão ser solicitadas a seus superiores em tempo K"!il
para a adoção das medidas con#enientes.
A$%. 68. % contratado de#er" manter preposto, aceito pela
Administração, no local da o!ra ou ser#iço, para represent";lo na
e4ecução do contrato.
A$%. 69. % contratado / o!rigado a reparar, corrigir, remo#er,
reconstruir ou su!stituir, 6s suas e4pensas, no total ou em parte, o o!Ieto
do contrato em &ue se #eri.icarem #-cios, de.eitos ou incorreções
resultantes da e4ecução ou de materiais empregados.
A$%. 70. % contratado / respons"#el pelos danos causados
diretamente 6 Administração ou a terceiros, decorrentes de sua culpa ou
dolo na e4ecução do contrato, não e4cluindo ou reduFindo essa
responsa!ilidade a .iscaliFação ou o acompanKamento pelo <rgão
interessado.
A$%. 71. % contratado / respons"#el pelos encargos tra!alKistas,
pre#idenci"rios, .iscais e comerciais resultantes da e4ecução do contrato
==G
;
==1
;
==8
;
==3
.
R 1?. A inadimpl$ncia do contratado com re.er$ncia aos encargos
tra!alKistas, .iscais e comerciais não trans.ere 6 Administração P!lica a
responsa!ilidade por seu pagamento
===
, nem poder" onerar o o!Ieto do
contrato ou restringir a regulariFação e o uso das o!ras e edi.icações,
==G
Art. 71( Oer inciso IO, do *nunciado 331, do @ri!unal :uperior do @ra!alKo.
==1
Art. 71( LPESSOA JU"ÍDICA DE DI"EITO PFGLICO INTE"NO. CONT"ATAÇ#O PO"
E4P"EITADA. CE"TA4E LICITATI"IO. "ESPONSAGILIDADE SUGSIDI["IA. As
pessoas Iur-dicas de direito p!lico interno, mesmo &uando o!rigadas a contratar seus ser#iços para
com terceiros por interm/dio do certame licitat<rio, não estão imunes de responsa!ilidade .rente aos
cr/ditos tra!alKistas não adimplidos pelas empresas contratadas. &ue, não o!stante o disposto no art. 71,
da 7ei E.DDDCB3 .aça a pre#isão desta inimputa!ilidade, ela não / a!soluta, em especial, .rente aos
cr/ditos da&ueles tra!alKadores &ue, entregando sua .orça de tra!alKo, não rece!am de seus
empregadores diretos, a respecti#a contraprestação salarial e indeniFat<ria esta!elecida em lei e de#ida
por tais. @al Qe4egeseQ se realiFa, em comunKão ao &ue dispõe o re.erido art. de lei ordin"ria, com o &ue
est" assentado no art. 37, inc. XXI, item III, par"gra.o D?, da CFCEE, &ue pre#$ a responsa!iliFação
o!Ieti#a do *stado por danos &ue seus agentes eCou prestadores de ser#iço, nessa &ualidade,
acarretarem a terceiros, resguardando ao ente p!lico, apenas, o direito de regresso contra a&uele &ue,
por dolo ou culpa, tenKa perpetrado esta o.ensa ao direito de outrem. +e tudo isso, esta
irresponsa!ilidade, perante o tra!alKador, pode ser rotulada de aparente, por&uanto poss-#el ao *stado
#ir a responder su!sidiariamente por estes cr/ditos, em conson9ncia com o entendimento I" paci.icado
atra#/s do item IO, do *n. 331C@:@M.
0@R@ 3X R. ; 8@ ; R%C1GBB1CGG ; Rel. PuiF *merson Pos/ Al#es 7age ; +P,A GBCG>C8GG1 P.812.
==8
Art. 71( U"ESPONSAGILIDADE SUGSIDI["IA. E4P"ESA EWECUTO"A DA POLÍTICA DE
T"ANSPO"TES DE 4UNICÍPIO. 1. A empresa e4ecutora da pol-tica de transportes do ,unic-pio
de :ão Paulo pode conceder a terceiros a e4ploração de determinadas linKas, mediante licitação, e
cassar ou su!stituir permissão concedida 6&ueles &ue não cumprem as o!rigações contratuais ou
#enKam a encerrar as suas ati#idades. *ntretanto, não responde pelas o!rigações tra!alKistas assumidas
pela empresa concession"ria, mesmo por&ue não se !ene.icia do tra!alKo dos empregados. 8. Assim,
ine4iste respaldo legal ou constitucional para sua condenação 6 responsa!ilidade su!sidi"ria. 3. Agra#o
de Instrumento a &ue se nega pro#imento. 0@:@, AgIRRe#. n. 117G3C8GG8;BG8;G8;GG.B, 1X. @., ,inistro
Poão %reste +alaFen, +P) de 3.18.G=, apud N7C n. B, setem!ro de 8GGD, p"gina BGB2M.
==3
Art. 71( LS#O PAULO T"ANSPO"TES SHA E SP T"ANS. "ESPONSAGILIDADE
SUGSIDI["IA. INTE"4EDIÇ#O DE 4#O DE OG"A. INEWISTXNCIA.
INAPLICAGILIDADE DO ENUNCIADO 331, DO TST. % *nunciado 331, IO, do @:@, pressupõe
sempre a e4ist$ncia de intermediação de mão de o!ra, para reconKecimento da responsa!ilidade
su!sidi"ria. % inadimplemento das o!rigações tra!alKistas, por parte do empregador, implica a
responsa!ilidade su!sidi"ria do tomador dos ser#iços, &uanto 6&uelas o!rigações, inclusi#e &uanto aos
<rgãos da Administração direta, das autar&uias, das .undações p!licas, das empresas p!licas e das
sociedades de economia mista, desde &ue KaIam participado da relação processual e constem tam!/m
do t-tulo e4ecuti#o Iudicial 0art. 71 da 7ei n. E.DDD, de 81.D.1BB32. % eg. Regional a.asta a possi!ilidade
de intermediação de mão de o!ra, ao declarar &ue a :P@rans tem como o!Ieto .... a gestão dos ser#iços
de transporte coleti#o, na .orma da lei, e não a sua e4ploração com .inalidade lucrati#a, e a lei
permitiu;lKe &ue repassasse a terceiros, mediante contrato l-cito, a e4ploração dos ser#iços de
transporteM 0@:@, RRe#. >G1C8GG1;G=>;G8;GG.>, Rel. ,inistro ,ilton de ,oura França, +P) de
1G.GB.G= 3 N7C n. B, setem!ro de 8GGD, p"gina BGB2.
===
Art. 71( A 8
a
. @urma do @ri!unal :uperior do @ra!alKo considerou inaplic"#el a 7ei Federal n.
E.DDDCB3, &ue pro-!e a trans.er$ncia de encargos tra!alKistas da prestadora de ser#iço ao Poder P!lico.
inclusi#e perante o Registro de Im<#eis. 0Redação dada pela 7ei n? B.G38,
de 8E.G=.B>2
R 8?. A Administração P!lica responde solidariamente com o
contratado pelos encargos pre#idenci"rios resultantes da e4ecução do
contrato, nos termos do art. 31 da 7ei n? E.818, de 8= de IulKo de 1BB1.
0Redação dada pela 7ei n? B.G38, de 8E.G=.B>2
R 3?. 0O*@A+%2
A$%. 72. % contratado, na e4ecução do contrato, sem preIu-Fo das
responsa!ilidades contratuais e legais, poder" su!contratar partes da o!ra,
ser#iço ou .ornecimento, at/ o limite admitido, em cada caso, pela
Administração
==>
;
==D
.
A$%. 73. *4ecutado o contrato, o seu o!Ieto ser" rece!ido
==7
(
'o caso em Iulgamento, reclamat<ria promo#ida por um digitador, a Cai4a *con5mica Federal .oi
condenada a responder pelos d/!itos tra!alKistas de uma empresa, a Presto 7a!or, contratada para a
prestação de ser#iços. Pela an"lise e #oto do relator do recurso, ,in. 7uciano de CastilKo, a 7ei #eda a
responsa!ilidade direta 0solid"ria2 da entidade p!lica tomadora de ser#iços pelos d/!itos da empresa
contratada. *le ressaltou &ue essa / a LKip<tese em &ue a d-#ida pode ser co!rada indistintamente do
de#edor principal e do co;o!rigado, o &ue não .oi o caso da Cai4aM 0RR n. =773D7C1BBE2.
==>
Art. 78( +ecisão n? 8E=CBB, pu!licada no +%) de 1=.GD.BB, p. 71. Representação para apuração de
ilegalidades em su!;rogação pela Contratada. % @ri!unal entendeu &ue na su!contratação, a Contratada
continua a responder pelo a#ençado perante 6 Administração, trans.erindo a terceiro, apenas, a
e4ecução do o!Ieto su!contratado, ao passo &ue, na Kip<tese de cessão ou trans.er$ncia a &ue se re.ere
a norma 0do art. 7E, OI, da 7ei n? E.DDDCB32, a Contratada, na condição de su!;rogante, cede sua
posição a terceiro &ue assume todos os seus direitos e de#eres consignados no termo contratual.
==D
Art. 78( Ac<rdão n. 8.G8=C8GG3, pu!licado no +%) de 1G.GB.8GG3. Representação. :u!contratação
sem licitação. % <rgão licitante contratou o Instituto *u#aldo 7odi, para a e4ecução de proIetos de
desen#ol#imento e moderniFação de esta!elecimento de ensino, com dispensa de licitação, por ser
considerado uma instituição de not<ria especialiFação na "rea de ensino, de in&uestion"#el reputação e
sem .ins lucrati#as. *ntretanto, para cumprir suas o!rigações contratuais, o re.erido Instituto
su!contratou os ser#iços a outra empresa. 'o Relat<rio da Auditoria destaca;se &ue( Lo procedimento
de dispensa de licitação, com !ase no art. 8=, in ciso XIII, da 7ei n. E.DDDCB3, mostra;se completamente
incompat-#el com a su!contratação, senão por proi!ição e4pressa da lei, por imperati#o l<gico.
Admitir;se o contr"rio seria retirar o contedo .inal-stico da norma, trans.ormando;a em uma #ia para o
des#irtuamento completo do instituto Iur-dico da licitaçãoM. 'este caso, o @ri!unal determinou ao <rgão
licitante &ue, com relação 6 contratações com dispensa de licitação, .undamentada no art. 8=, inciso
XIII, realiFe o de#ido acompanKamento do desempenKo do contratado, de modo a e#itar
su!contratações para e4ecução de o!Ietos pactuados.
==7
Art. 73( +ecisão n. 31>C8GG1, pu!licada no +%) de 18.GD.8GG1. Pedido de Ree4ame .ormulado pela
In.raero, em &ue o @ri!unal determinou a proi!ição da inclusão em editais de licitação de cl"usula
.i4ando &ue a garantia a ser prestada pelo contratado de#er" ter praFo de #alidade superior ao praFo do
instrumento contratual respecti#o, por .alta de amparo legal. A decisão do @ri!unal .oi no sentido de
&ue os e4atos termos do par"gra.o =
o
do art. >D de#em ser interpretados tendo;se em mente &ue a plena
e4ecução do contrato somente se concretiFa com a mani.estação da Administração acerca do e.eti#o
cumprimento das o!rigações pactuadas. % praFo para esta mani.estação, por/m, não .ica a ar!-trio do
gestor p!lico( a 7ei de 7icitações esta!elece par9metros a serem respeitados. +itos par9metros .oram
esta!elecidos no art. 73, &ue prescre#e as condições e praFos nos &uais, e4ecutado o contrato, o o!Ieto
ser" rece!ido pro#is<ria e de.initi#amente. 7ogo, em regra, são o rece!imento pro#is<rio e o de.initi#o
desdo!ramentos necess"rios da e4ecução do contrato. 'a lição de Pess/ @orres Pereira Pnior
0Coment"rios 6 7ei de 7icitações e Contratações da Administração P!lica, 3
X
edição, *ditora Reno#ar,
I ; em se tratando de o!ras e ser#iços
==E
(
a2 pro#isoriamente, pelo respons"#el por seu acompanKamento e
.iscaliFação, mediante termo circunstanciado, assinado pelas partes em at/
1> 0&uinFe2 dias da comunicação escrita do contratadoH
!2 de.initi#amente, por ser#idor ou comissão designada pela
autoridade competente, mediante termo circunstanciado, assinado pelas
partes, ap<s o decurso do praFo de o!ser#ação, ou #istoria &ue compro#e
a ade&uação do o!Ieto aos termos contratuais, o!ser#ado o disposto no art.
DB desta 7eiH
II ; em se tratando de compras ou de locação de e&uipamentos(
a2 pro#isoriamente, para e.eito de posterior #eri.icação da
con.ormidade do material com a especi.icaçãoH
!2 de.initi#amente, ap<s a #eri.icação da &ualidade e &uantidade do
material e conse&]ente aceitação.
R 1?. 'os casos de a&uisição de e&uipamentos de grande #ulto, o
rece!imento .ar;se;" mediante termo circunstanciado e, nos demais,
mediante reci!o.
R 8?. % rece!imento pro#is<rio ou de.initi#o não e4clui a
responsa!ilidade ci#il pela solideF e segurança da o!ra ou do ser#iço, nem
/tico;pro.issional pela per.eita e4ecução do contrato, dentro dos limites
esta!elecidos pela lei ou pelo contrato.
R 3?. % praFo a &ue se re.ere a al-nea ! do inciso I deste artigo não
poder" ser superior a BG 0no#enta2 dias, sal#o em casos e4cepcionais,
de#idamente Iusti.icados e pre#istos no edital.
R =?. 'a Kip<tese de o termo circunstanciado ou a #eri.icação a &ue
se re.ere este artigo não serem, respecti#amente, la#rado ou procedida
dentro dos praFos .i4ados, reputar;se;ão como realiFados, desde &ue
comunicados 6 Administração nos 1> 0&uinFe2 dias anteriores 6 e4austão
dos mesmos.
A$%. 74. Poder" ser dispensado o rece!imento pro#is<rio nos
seguintes casos(
I ; g$neros perec-#eis e alimentação preparadaH
Rio de Paneiro, 1BB>, p.3>E2, Qdesde &ue aceita como !oa a e4ecução, restituir;se;" ao contratado, ao
.inal do contrato, o #alor da caução em garantia, se essa .or a modalidade escolKida, com o seu #alor
monet"rio preser#adoQ. f In.raero .oi determinado &ue se a!stenKa de incluir em seus editais de
licitação cl"usula .i4ando garantia a ser prestada pelo contratado com praFo de #alidade superior ao
praFo do rece!imento de.initi#o pre#isto no instrumento contratual respecti#o, nos termos do art. 73, da
7ei n. EDDDCB3.
==E
Art. 73( Con.orme decisão n? =B7CBB, pu!licada no +%) de 13.GE.BB, p. 13B, oriunda de
Representação .ormulada contra a A'A@*7, asse#erou o @ri!unal &ue de#er" a&uela, nos pr<4imos
procedimentos licitat<rios, ela!orar termo circunstanciado, &uando do rece!imento de o!ras e ser#iços
ou de e&uipamentos de grande #ulto, em con.ormidade com o art. 73, da 7ei n? E.DDDCB3, de modo a
garantir a con.ormidade do o!Ieto rece!ido com o especi.icado no *dital.
II ; ser#iços pro.issionaisH
III ; o!ras e ser#iços de #alor at/ o pre#isto no art. 83, inciso II,
al-nea a, desta 7ei, desde &ue não se componKam de aparelKos,
e&uipamentos e instalações suIeitos 6 #eri.icação de .uncionamento e
produti#idade.
Par"gra.o nico. 'os casos deste artigo, o rece!imento ser" .eito
mediante reci!o.
A$%. 7?. :al#o disposição em contr"rio constantes do edital, do
con#ite ou de ato normati#o, os ensaios, testes e demais pro#as e4igidos
por normas t/cnicas o.iciais para a !oa e4ecução do o!Ieto do contrato
correm por conta do contratado
==B
.
A$%. 76. A Administração reIeitar", no todo ou em parte, o!ra,
ser#iço ou .ornecimento e4ecutado em desacordo com o contrato.
SEÇ#O C
DA INEWECUÇ#O E DA "ESCIS#O DOS CONT"ATOS
A$%. 77. A ine4ecução total ou parcial do contrato enseIa a sua
rescisão, com as conse&]$ncias contratuais e as pre#istas em lei ou
regulamento.
A$%. 78. Constituem moti#o para rescisão do contrato(
I ; o não cumprimento de cl"usulas contratuais, especi.icações,
proIetos ou praFosH
II ; o cumprimento irregular de cl"usulas contratuais,
especi.icações, proIetos e praFosH
III ; a lentidão do seu cumprimento, le#ando a Administração a
compro#ar a impossi!ilidade da conclusão da o!ra, do ser#iço ou do
.ornecimento, nos praFos estipuladosH
IO ; o atraso inIusti.icado no in-cio da o!ra, ser#iço ou
.ornecimentoH
O ; a paralisação da o!ra, do ser#iço ou do .ornecimento, sem Iusta
causa e pr/#ia comunicação 6 AdministraçãoH
==B
Art. 7>( +ecisão n. 1.1BDC8GG8, pu!licada no +%) de 8>.GB.8GG8. Representação .ormulada por
licitante contra decisão da Comissão *special de 7icitação da CompanKia 'acional de A!astecimento 3
C%'AN 3 por ocasião de Pregão realiFado para a a&uisição de cartucKos para impressoras. % @ri!unal
determinou ao <rgão &ue o!ser#e o disposto no art. 7
?
, R >
o
, da 7ei n. E.DDDCB3, assim como o
entendimento deste @ri!unal .irmado em :essão Plen"ria de 8B.GE.8GG1 0+ecisão n. DD=C8GG1, Ata
3>C8GG12, no sentido de &ue, &uando se tratar de o!Ieto com caracteristicas e especi.icações e4clusi#as,
a Iusti.icati#a para a indicação de marca, para .ins de padroniFação, seIa .undamentada em raFões de
ordem t/cnica, as &uais de#em, necessariamente, constar no processo respecti#o, in#ocando, sempre
&ue poss-#el, a .aculdade pre#ista no art. 7> do mesmo diploma legal.
OI ; a su!contratação total ou parcial do seu o!Ieto, a associação do
contratado com outrem, a cessão ou trans.er$ncia, total ou parcial, !em
como a .usão, cisão ou incorporação, não admitidas no edital e no
contrato
=>G
H
OII ; o desatendimento das determinações regulares da autoridade
designada para acompanKar e .iscaliFar a sua e4ecução, assim como as de
seus superioresH
OIII ; o cometimento reiterado de .altas na sua e4ecução, anotadas
na .orma do R 1? do art. D7 desta 7eiH
X ; a decretação de .al$ncia ou a instauração de insol#$ncia ci#ilH
X ; a dissolução da sociedade ou o .alecimento do contratadoH
XI ; a alteração social ou a modi.icação da .inalidade ou da
estrutura da empresa, &ue preIudi&ue a e4ecução do contratoH
XII ; raFões de interesse p!lico, de alta rele#9ncia e amplo
conKecimento, Iusti.icadas e determinadas pela m"4ima autoridade da
es.era administrati#a a &ue est" su!ordinado o contratante e e4aradas no
processo administrati#o a &ue se re.ere o contratoH
XIII ; a supressão, por parte da Administração, de o!ras, ser#iços
ou compras, acarretando modi.icação do #alor inicial do contrato al/m do
limite permitido no R 1? do art. D> desta 7eiH
XOI ; a suspensão de sua e4ecução, por ordem escrita da
Administração por praFo superior a 18G 0cento e #inte2 dias, sal#o em
caso de calamidade p!lica, gra#e pertur!ação da ordem interna ou
guerra, ou ainda por repetidas suspensões &ue totaliFem o mesmo praFo,
independentemente do pagamento o!rigat<rio de indeniFações pelas
sucessi#as e contratualmente impre#istas desmo!iliFações e mo!iliFações
e outras pre#istas, assegurado ao contratado, nesses casos, o direito de
optar pela suspensão do cumprimento das o!rigações assumidas at/ &ue
seIa normaliFada a situaçãoH
=>G
Art. 7E( Con.orme +ecisão n? 8E=CBB, pu!licada no +%) de 1=.GD.BB, p. 71, o :r. Assessor do
@ri!unal e4arou &ue, Qso! a &uestão da su!;rogação e cessão ou trans.er$ncia contratual, a redação
dada ao inciso OI, do art. 7E, da 7ei n? E.DDDCB3, permite interpretação de &ue a cessão da posição da
contratada / permitida, desde &ue pre#ista no edital e no contrato. ,esmo se nos limitarmos a uma
simples interpretação gramatical do inciso OI, do art. 7E, podemos contestar tal interpretação, pois nos
parece &ue o legislador pretendeu classi.icar como poss-#el de rescisão contratual as Kip<teses não
admitidas no edital e no contrato, entendendo pela restriti#a, como sendo Kip<teses pass-#eis de serem
contempladas em cl"usulas edital-cias ou contratuais no conte4to da legislação #igente. Portanto, s<
nos resta concluir &ue a 7ei n? E.DDDCB3, com suas posteriores alterações, #eda a cessão ou trans.er$ncia
da posição da contratada no 9m!ito dos contratos administrati#os. %!ser#e &ue essa #edação decorre da
aus$ncia de .undamentação legal para o uso de tal instituto, independente do o!Ieto a ser su!;rogado,
ou seIa, ela atinge a cessão ou trans.er$ncia, &uer da totalidade, &uer de parte do o!Ieto contratado. %
:r. ,in. Relator asse#erou &ue Lde#er" o <rgão licitante a!ster;se de admitir su!;rogação de contrato
administrati#o, por meio da &ual a contratada cede ou trans.ere a terceiro sua posição na relação
contratual, &uer relati#a 6 totalidade, &uer 6 parte do o!Ieto contatado sem &ue esteIam atendidas as
e4ig$ncias legais, al/m de .undamentada demonstração do rele#ante interesse p!lico.M

XO ; o atraso superior a BG 0no#enta2 dias dos pagamentos de#idos
pela Administração decorrentes de o!ras, ser#iços ou .ornecimento, ou
parcelas destes, I" rece!idos ou e4ecutados, sal#o em caso de calamidade
p!lica, gra#e pertur!ação da ordem interna ou guerra, assegurado ao
contratado o direito de optar pela suspensão do cumprimento de suas
o!rigações at/ &ue seIa normaliFada a situaçãoH
XOI ; a não li!eração, por parte da Administração, de "rea, local ou
o!Ieto para e4ecução de o!ra, ser#iço ou .ornecimento, nos praFos
contratuais, !em como das .ontes de materiais naturais especi.icadas no
proIetoH
XOII ; a ocorr$ncia de caso .ortuito ou de .orça maior,
regularmente compro#ada, impediti#a da e4ecução do contrato.
Par"gra.o nico. %s casos de rescisão contratual serão .ormalmente
moti#ados nos autos do processo, assegurado o contradit<rio e a ampla
de.esa.
XOIII ; descumprimento do disposto no inciso O do art. 87, sem
preIu-Fo das sanções penais ca!-#eis. 0Inciso acrescentado pela 7ei n?
B.E>=, de 87.1G.BB2
A$%. 79. A rescisão do contrato poder" ser(
I ; determinada por ato unilateral e escrito da Administração, nos
casos enumerados nos incisos I a XII e XOII do artigo anteriorH
II ; amig"#el, por acordo entre as partes, reduFida a termo no
processo da licitação, desde &ue KaIa con#eni$ncia para a AdministraçãoH
III ; Iudicial, nos termos da legislaçãoH
IO ; 0O*@A+%2
R 1?. A rescisão administrati#a ou amig"#el de#er" ser precedida de
autoriFação escrita e .undamentada de autoridade competente.
R 8?. ^uando a rescisão ocorrer com !ase nos incisos XII a XOII do
artigo anterior, sem &ue KaIa culpa do contratado, ser" este ressarcido dos
preIu-Fos regularmente compro#ados &ue Kou#er so.rido, tendo ainda
direito a(
I ; de#olução de garantiaH
II ; pagamentos de#idos pela e4ecução do contrato at/ a data da
rescisão
=>1
H
III ; pagamento do custo da desmo!iliFaçãoH
451Art. 7B( +ecisão n. 3B>C8GG8, pu!licada no +%) de 8D.G=.8GG8. Representação acerca de retenção
de pagamento de .atura por e4ist$ncia de d/!ito do contratado para com a C*F, decorrente de outros
contratos. 'os termos da 7ei n. E.DDDCB3, não tem legitimidade a Administração para reter pagamentos
aos seus contratados por inadimplementos estranKos aos pre#istos no contrato a &ue se re.erem.
:urgiria, assim, perigoso precedente &ue daria aos contratantes, em especial a&ueles &ue são
instituições .inanceiras, poderes para co!rar d/!itos por #ias outras das pre#istas na legislação.
R 3?. 0O*@A+%2
R =?. 0O*@A+%2
R >?. %correndo impedimento, paralisação ou sustação do contrato,
o cronograma de e4ecução ser" prorrogado automaticamente por igual
tempo.
A$%. 80. A rescisão de &ue trata o inciso I do artigo anterior acarreta
as seguintes conse&]$ncias, sem preIu-Fo das sanções pre#istas nesta 7ei(
I ; assunção imediata do o!Ieto do contrato, no estado e local em
&ue se encontrar, por ato pr<prio da AdministraçãoH
II ; ocupação e utiliFação do local, instalações, e&uipamentos,
material e pessoal empregados na e4ecução do contrato, necess"rios 6 sua
continuidade, na .orma do inciso O do art. >E desta 7eiH
III ; e4ecução da garantia contratual, para ressarcimento da
Administração e dos #alores das multas e indeniFações a ela de#idos
=>8
H
IO ; retenção dos cr/ditos decorrentes do contrato at/ o limite dos
preIu-Fos causados 6 Administração.
R 1?. A aplicação das medidas pre#istas nos incisos I e II deste
artigo .ica a crit/rio da Administração, &ue poder" dar continuidade 6 o!ra
ou ser#iço por e4ecução direta ou indireta.
R 8?. S permitido 6 Administração, no caso de concordata do
contratado, manter o contrato, podendo assumir o controle de
determinadas ati#idades de ser#iços essenciais.
R 3?. 'a Kip<tese do inciso II deste artigo, o ato de#er" ser
precedido de autoriFação e4pressa do ,inistro de *stado competente, ou
:ecret"rio *stadual ou ,unicipal, con.orme o caso.
R =?. A rescisão de &ue trata o inciso IO do artigo anterior permite 6
Administração, a seu crit/rio, aplicar a medida pre#ista no inciso I deste
artigo.
CAPÍTULO IC
DAS SANÇES AD4INIST"ATICAS E DA TUTELA JUDICIAL
SEÇ#O I
DAS DISPOSIÇES !E"AIS
A$%. 81. A recusa inIusti.icada do adIudicat"rio em assinar o
contrato, aceitar ou retirar o instrumento e&ui#alente, dentro do praFo
esta!elecido pela Administração, caracteriFa o descumprimento total da
o!rigação assumida, suIeitando;o 6s penalidades legalmente esta!elecidas.
452Art. EG( +ecisão n. D81C8GG1, pu!licada no +%) n. 17=;*, o @ri!unal determinou ao <rgão
licitante &ue não inclua nos editais, por .alta de amparo legal, cl"usula pre#endo a sustação do
pagamento de .aturas como sanção administrati#a.
Par"gra.o nico. % disposto neste artigo não se aplica aos licitantes
con#ocados nos termos do art. D=, R 8?, desta 7ei, &ue não aceitarem a
contratação, nas mesmas condições propostas pelo primeiro adIudicat"rio,
inclusi#e &uanto ao praFo e preço.
A$%. 82. %s agentes administrati#os &ue praticarem atos em
desacordo com os preceitos desta 7ei ou #isando a .rustrar os o!Ieti#os da
licitação suIeitam;se 6s sanções pre#istas nesta 7ei e nos regulamentos
pr<prios, sem preIu-Fo das responsa!ilidades ci#il e criminal &ue seu ato
enseIar
=>3
.
A$%. 83. %s crimes de.inidos nesta 7ei, ainda &ue simplesmente
tentados, suIeitam os seus autores, &uando ser#idores p!licos, al/m das
sanções penais, 6 perda do cargo, emprego, .unção ou mandato eleti#o.
A$%. 84. Considera;se ser#idor p!lico, para os .ins desta 7ei,
a&uele &ue e4erce, mesmo &ue transitoriamente ou sem remuneração,
cargo, .unção ou emprego p!lico.
R 1?. *&uipara;se a ser#idor p!lico, para os .ins desta 7ei, &uem
e4erce cargo, emprego ou .unção em entidade paraestatal, assim
consideradas, al/m das .undações, empresas p!licas e sociedades de
economia mista, as demais entidades so! controle, direto ou indireto, do
Poder P!lico.
R 8?. A pena imposta ser" acrescida da terça parte, &uando os
autores dos crimes pre#istos nesta 7ei .orem ocupantes de cargo em
comissão ou de .unção de con.iança em <rgão da Administração direta,
autar&uia, empresa p!lica, sociedade de economia mista, .undação
p!lica, ou outra entidade controlada direta ou indiretamente pelo Poder
P!lico.
A$%. 8?. As in.rações penais pre#istas nesta 7ei pertinem 6s
licitações e aos contratos cele!rados pela )nião, *stados, +istrito Federal,
,unic-pios, e respecti#as autar&uias, empresas p!licas, sociedades de
economia mista, .undações p!licas, e &uais&uer outras entidades so! seu
controle direto ou indireto.
=>3
Art. E8( +ecisão n. E>>C8GG8, pu!licada no +%) de 31.G7.8GG8. Representação de licitante. 7icitação
para a&uisição de mo!ili"rio destinado a di#ersas ag$ncias da Cai4a *con5mica Federal. Identi.icação
de .alKas na condução do procedimento licitat<rio. Con.iguração de #-cios de natureFa .ormal. 'a
an"lise e.etauda pelo :r. +iretor :u!stituto transcre#e;se o seguinte( L11. A Iurisprud$ncia desta Casa
nos mostra &ue suplentes de mem!ros de Comissão de 7icitação s< são apenados &uando compro#ada
sua contri!uição para as irregularidades praticadas. Citamos, por e4emplo, o Ac<rdão n. 3G3C8GG1 3
Plen"rio, pro.erido nos autos do @C n. D>G.813C1BB7;1, :essão de 11.18.8GG1M.
SEÇ#O II
DAS SANÇES AD4INIST"ATICAS
4?4
O
4??
A$%. 86. % atraso inIusti.icado na e4ecução do contrato suIeitar" o
contratado 6 multa de mora, na .orma pre#ista no instrumento
con#ocat<rio ou no contrato
=>D
.
R 1?. A multa a &ue alude este artigo não impede &ue a
Administração rescinda unilateralmente o contrato e apli&ue as outras
sanções pre#istas nesta 7ei.
R 8?. A multa, aplicada ap<s regular processo administrati#o, ser"
descontada da garantia do respecti#o contratado.
R 3?. :e a multa .or de #alor superior ao #alor da garantia prestada,
al/m da perda desta, responder" o contratado pela sua di.erença, a &ual
ser" descontada dos pagamentos e#entualmente de#idos pela
Administração ou ainda, &uando .or o caso, co!rada Iudicialmente
=>7
.
A$%. 87. Pela ine4ecução total ou parcial do contrato a
Administração poder", garantida a pr/#ia de.esa, aplicar ao contratado as
seguintes sanções
=>E
;
=>B
(
=>=
+ecisão n. D81C8GG1, pu!licada no +%) n. 17=;*, o @ri!unal determinou ao <rgão licitante &ue não
inclua nos editais, por .alta de amparo legal, cl"usula pre#endo a sustação do pagamento de .aturas
como sanção administrati#a.
455 A Resolução n. 1, de 8D.18.8GG1, do +epartamento de *nsino da *scola de *specialistas de
Aeron"utica, esta!elece normas para a aplicação das multas pre#istas nos artigos ED e E7, inciso II,
desta 7ei.
456Art. ED( ,ulta pelo atraso no adimplemento dos ser#iços da empresa contratada por licitação e
estipulada no contrato administrati#o, pre#ista no art. ED, da 7ei n. EDDDCB3, em &ue tal penalidade .eF
com &ue a recorrida rece!esse apro4imadamente 18V do #alor do contrato. *m não sendo o!ser#ado o
princ-pio da raFoa!ilidade, uma #eF &ue a multa onerou so!remaneira a empresa contratada, pode o
PuiF reduFir a multa sem &ue KaIa ocorr$ncia de in#asão de compet$ncia administrati#a pelo Pudici"rio
0Recurso especial 33G.D77;R:, Rel. ,in. Pos/ +elgado, Iulgado em G8.1G.8GG12.
457Art. ED( +ecisão n. 3B>C8GG8, pu!licada no +%) de 8D.G=.8GG8. Representação acerca de retenção
de pagamento de .atura por e4ist$ncia de d/!ito do contratado para com a C*F, decorrente de outros
contratos. 'os termos da 7ei n. E.DDDCB3, não tem legitimidade a Administração para reter pagamentos
aos seus contratados por inadimplementos estranKos aos pre#istos no contrato a &ue se re.erem.
:urgiria, assim, perigoso precedente &ue daria aos contratantes, em especial a&ueles &ue são
instituições .inanceiras, poderes para co!rar d/!itos por #ias outras das pre#istas na legislação.
458Art. E7( +ecisão n. D81C8GG1, pu!licada no +%) n. 17=;*, o @ri!unal determinou ao <rgão
licitante &ue não inclua nos editais, por .alta de amparo legal, cl"usula pre#endo a sustação do
pagamento de .aturas como sanção administrati#a.
=>B
Art. E7( +ecisão n? 88DC8GGG, pu!licada no +%) de 8>.G=.8GGG, pg.B3CBD. % :r. ,in. Relator assim se
mani.estou( QPara melKor elucidação da mat/ria ca!e traFer 6 colação trecKos do Ooto pro.erido pelo
*4mo. :r. ,inistro Nento Pos/ Nugarin, ao relatar o @C G17.EG1CB>;E 0+ecisão n? 3>ECBE 3 Plen"rio 3
Ata 81CBE2 do seguinte teor( % art. E7, da 7ei n? E.DDDCB3, esta!elece, em seus &uatro incisos, dispostos
I ; ad#ert$nciaH
II ; multa, na .orma pre#ista no instrumento con#ocat<rio ou no
contrato
=DG
H
III ; suspensão tempor"ria de participação em licitação e
impedimento de contratar com a Administração, por praFo não superior a
8 0dois2 anos
=D1
;
=D8
;
=D3
;
=D=
.
IO ; declaração de inidoneidade para licitar ou contratar com a
Administração P!lica en&uanto perdurarem os moti#os determinantes da
punição ou at/ &ue seIa promo#ida a rea!ilitação perante a pr<pria
em uma escala gradati#a, as sanções &ue pode a Administração aplicar ao contratado pela ine4ecução
total ou parcial do contrato. % inciso III pre#$ a suspensão tempor"ria de participação em licitação e
impedimento de contratar com a Administração, por praFo não superior a 8 0dois2 anos. P" o inciso IO,
possi!ilita a aplicação de sanção ainda mais gra#e, &ual seIa( a declaração de inidoneidade para licitar
ou contratar com a Administração P!lica, en&uanto perdurarem os moti#os determinantes da punição
ou at/ &ue seIa promo#ida a rea!ilitação perante a pr<pria autoridade &ue aplicou a penalidade. +e
imediato, o!ser#a;se &ue o legislador .aF distinção entre LAdministraçãoM e LAdministração P!licaM,
&uando se re.ere 6 a!rang$ncia das respecti#as sanções. +esta .orma, segundo os re.eridos dispositi#os,
o impedimento tempor"rio de participar de procedimentos licitat<rios est" adstrito 6 Administração,
assim entendida, pela de.inição constante do inciso XI, do art. D?, do diploma legal em comento, como
sendo o <rgão, entidade ou unidade administrati#a pela &ual a Administração P!lica opera e atua
concretamente. Por outro lado, a declaração de inidoneidade, por ser de natureFa mais gra#e, estende;se
a toda a Administração P!lica, de.inida como sendo o uni#erso de <rgãos e entidades da )nião, dos
*stados, do +istrito Federal e dos ,unic-pios 0art. D?, inciso XI2. Caso deseIasse &ue a punição de
suspensão tempor"ria do direito de licitar .osse estendida a toda a Administração P!lica, certamente o
legislador teria e4pressamente a ela se re.erido no te4to legal. Como não o .eF, e tratando;se de mat/ria
de natureFa penal 0em sentido amplo2, de#e;se interpretar o comando normati#o de .orma restriti#a.
+esse modo, LAdministraçãoM, con.orme de.inido no art. D?, inciso XII, da 7ei n? E.DDDCB3, de#e ser
entendida como sendo apenas o <rgão ou entidade contratante &ue aplicou a penalidade, so! pena de,
em se ampliando esse conceito, criar;se Kip<tese não pre#ista em lei.M
460Art. E7( ,ulta pelo atraso no adimplemento dos ser#iços da empresa contratada por licitação e
estipulada no contrato administrati#o, pre#ista no art. ED, da 7ei n. EDDDCB3, em &ue tal penalidade .eF
com &ue a recorrida rece!esse apro4imadamente 18V do #alor do contrato. *m não sendo o!ser#ado o
princ-pio da raFoa!ilidade, uma #eF &ue a multa onerou so!remaneira a empresa contratada, pode o
PuiF reduFir a multa sem &ue KaIa ocorr$ncia de in#asão de compet$ncia administrati#a pelo Pudici"rio
0Recurso especial 33G.D77;R:, Rel. ,in. Pos/ +elgado, Iulgado em G8.1G.8GG12.
461Art. E7( Con.orme +ecisão n? 3DBCBB, pu!licada no +%) de 8>.GD.BB, p. EG, determinou o
@ri!unal ao <rgão licitante &ue, Lse a!stenKa de incluir, em seus .uturos editais de licitações, cl"usula
impediti#a de participação de interessados e#entualmente apenados por outro <rgão ou entidade da
Administração P!lica com a sanção pre#ista no inciso III, do art. E7, da 7ei n? E.DDDCB3 0suspensão
tempor"ria de participação em licitação e impedimento de contratar com a Administração2M. @al
asserti#a d";se pelo .ato de &ue a Lsuspensão imposta por um <rgãoCentidade não a.eta a possi!ilidade
Iur-dica de o licitante #ir a participar de certame em outro <rgãoCentidade. *sse / o entendimento
.irmado pela +ecisão Plen"ria n? 3>8CBE, relatada pelo eminente ,inistro Nento Pos/ Nugarin.
*ntendeu o Pleno desta Corte &ue a sanção pre#ista no inciso III, do art. E7 da 7ei de 7icitações
0suspensão tempor"ria de participação em licitação2, a!range, tão somente, o <rgãoCentidade &ue a
aplica, ao passo &ue a penalidade pre#ista no inciso IO 0declaração de inidoneidade para licitar com a
Administração P!lica2 da&uele mesmo comando, estende;se por toda a Administração P!lica. Rele#a
notar &ue, no inciso III, o legislador utiliFou;se do termo LAdministraçãoM, &ue, segundo de.inição
contida no art. D?, do *statuto de 7icitações, signi.ica L<rgão, entidade ou unidade administrati#a pela
&ual a Administração P!lica opera e atua concretamenteM. Assim, em raFão de di.erentes sentidos &ue
a 7ei con.ere aos termos A&<+)+*%$'-.( e A&<+)+*%$'-.( PV;1+5', não / poss-#el estender o alcance
da norma contida no inciso III, do art. E7, da 7ei n? E.DDDCB3M.
=D8
Art. E7( Con.orme +ecisão n? 3>8CBE, pu!licada no +%) de 88.GD.BE, p.1B, deli!erou;se ao L:uperior
autoridade &ue aplicou a penalidade, &ue ser" concedida sempre &ue o
contratado ressarcir a Administração pelos preIu-Fos resultantes e ap<s
decorrido o praFo da sanção aplicada com !ase no inciso anterior.
R 1?. :e a multa aplicada .or superior ao #alor da garantia prestada,
al/m da perda desta, responder" o contratado pela sua di.erença, &ue ser"
descontada dos pagamentos e#entualmente de#idos pela Administração ou
co!rada Iudicialmente.
R 8?. As sanções pre#istas nos incisos I, III e IO deste artigo
poderão ser aplicadas Iuntamente com a do inciso II, .acultada a de.esa
pr/#ia do interessado, no respecti#o processo, no praFo de > 0cinco2 dias
teis.
R 3?. A sanção esta!elecida no inciso IO deste artigo / de
compet$ncia e4clusi#a do ,inistro de *stado, do :ecret"rio *stadual ou
,unicipal, con.orme o caso, .acultada a de.esa do interessado no
respecti#o processo, no praFo de 1G 0deF2 dias da a!ertura de #ista,
podendo a rea!ilitação ser re&uerida ap<s 8 0dois2 anos de sua aplicação.
@ri!unal de Pustiça &ue, em o!ser#9ncia ao princ-pio da legalidade, não mais inclua nos seus editais de
licitação cl"usula impediti#a de participação, no respecti#o certame, de interessados e#entualmente
apenados por outro <rgão ou entidade da Administração P!lica 0art. D?, inciso XI, da 7ei n? E.DDDCB32,
com a sanção pre#ista no art. E7, inciso III, desse diploma legal, ou, ainda, &ue tenKam tido seus
contratos .irmados com os mencionados <rgãos e entidades, rescindidos com .ulcro nos incisos I a IO
do art. 7E da re.erida 7ei.M
=D3
Art. E7( Con.orme +ecisão n? 88DC8GGG, pu!licada no +%) de 8>.G=.8GGG, p.B3CBD, oriunda de
Representação, ante a e4ist$ncia de supostas irregularidades em Concorr$ncia Internacional para
a&uisição de e&uipamentos m/dicos;Kospitalares, did"ticos e cient-.icos, determinou;se ao <rgão
licitante &ue se a!stenKa de incluir nos pr<4imos editais cl"usula &ue impeça participação em certame,
em .ace de penalidade por suspensão. A suposta irregularidade demanda#a de &ue a empresa
participante da licitação como su!contratada Ka#ia sido apenada com suspensão. U" Iurisprud$ncia no
@ri!unal no sentido de &ue a inclusão, no edital de licitação de cl"usula impediti#a de participação no
certame de interessados e#entualmente apenados por outro <rgão ou entidade da Administração P!lica
com a sanção pre#ista no mencionado dispositi#o, .ere o princ-pio da legalidade, #eF &ue tal penalidade
/ adstrita ao <rgão ou entidade &ue a aplicou, consoante +ecisões n?s 3>8CBE e 3DBCBB 3 Plen"rio 0Atas
n?s 81CBE e 8>CBB, respecti#amente2. :e não se pode restringir em licitação a participação de empresa
&ue so.reu a pena do art. E7, inciso III, da 7ei de 7icitações e Contratos, não K" como condenar a
classi.icação de licitante &ue indicou empresa punida com a mesma penalidade para prestação de
ser#iços de instalação, garantia e manutenção dos e&uipamentos licitados.M
464Art. E7( +ecisão n. 3G8C8GG1, pu!licada no +%) de G1.GD.8GG1, p. 1D=. A 7ei n. E.DDDCB3
di.erencia os termos LAdministraçãoM e LAdministração P!licaM, em seu art. D
?
, limitando a
interpretação deste ltimo 6 entidade preIudicada com o não cumprimento das cl"usulas contratuais. 'o
mesmo sentido, as +ecisões ns. 38>CBE e >8CBB, nas &uais o Plen"rio do @ri!unal se pronunciou a
respeito da &uestão, entendendo &ue a sanção pre#ista no inciso III, do art. E7, da 7ei n. E.DDDCB3
0suspensão tempor"ria de participação em licitação2, de#er" .icar adstrita, tão somente, ao <rgão &ue a
aplicou. % ,in. Rela. Uum!erto Auimarães :outo, ao decidir o @C 3>G.3=1C1BB7;=, entendeu
constituir restrição ao car"ter competiti#o do certame licitat<rio, a inclusão de cl"usula no edital
o!stando a participação de empresas &ue se en&uadrem na situação a!ordada, &uando realiFado por
entes da administração di#ersos da&uele &ue sancionou o .ornecedor.
A$%. 88. As sanções pre#istas nos incisos III e IO do artigo anterior
poderão tam!/m ser aplicadas 6s empresas ou aos pro.issionais &ue, em
raFão dos contratos regidos por esta 7ei(
I ; tenKam so.rido condenação de.initi#a por praticarem, por meios
dolosos, .raude .iscal no recolKimento de &uais&uer tri!utosH
II ; tenKam praticado atos il-citos #isando a .rustrar os o!Ieti#os da
licitaçãoH
III ; demonstrem não possuir idoneidade para contratar com a
Administração em #irtude de atos il-citos praticados.
SEÇ#O III
DOS C"I4ES E DAS PENAS
A$%. 89. +ispensar ou ine4igir licitação .ora das Kip<teses pre#istas
em lei, ou dei4ar de o!ser#ar as .ormalidades pertinentes 6 dispensa
=D>
ou
6 ine4igi!ilidade
=DD
;
=D7
(
465
Art. EB( C($%0 E*705+'1 O DENFNCIA. 4P. DISPENSA. LICITAÇ#O.
A Corte *special reIeitou a denncia do ,inist/rio P!lico contra conselKeiros do @ri!unal de Contas
estadual 3 @C* 0presidenta e corregedor, &ue #eio a .alecer2, como co;autores incursos nas sanções do
Art. EB da 7ei n. E.DDDC1BB3 07ei de 7icitações2, e contra empres"rio incurso no par"gra.o nico do
mesmo dispositi#o legal. A dispensa de licitação de ser#iços gr".icos 0capas de autos, carteiras
.uncionais, di#ulgação dos !oletins mensais, etc.2 autoriFou a contratação direta da nica empresa a
apresentar;se com capacidade t/cnica para e4ecutar esses ser#iços, tendo apoio em parecer da comissão
permanente de licitações assinado pelo conselKeiro;corregedor .alecido, &ue era o coordenador dos
tra!alKos dessa comissão. Por outro lado, a necessidade de contratação desses ser#iços originou;se em
o.-cio da #ice;presid$ncia 6 /poca &ue solicita#a a di#ulgação dos !oletins mensais e da re#ista da&uele
<rgão. Ressaltou o ,in. Relator &ue as contas relati#as ao e4erc-cio no &ual se deu a contratação da
empresa com dispensa de licitação .oram apro#adas e Iulgadas regulares pelo @C*, inclusi#e com
parecer do ,P, e pela pr<pria Assem!l/ia 7egislati#a, sem &ual&uer traço de super.aturamento ou
#antagem pessoal. Para o ,in. Relator, a denncia não poderia ser rece!ida, pois a denunciada, na
&ualidade de presidente, apenas deu seguimento 6 solicitação do corregedor e presidente da comissão
de licitação. Uou#e irregularidades administrati#as, e essas, em tese, seriam responsa!ilidade do
presidente da comissão de licitação e, em relação a ele, por .orça do art. 1G7, I, CP, .oi declarada a
e4tinção da puni!ilidade. Ressaltou ainda &ue, no caso, não Kou#e dolo ou indicação de &ue o er"rio
tenKa sido lesado e o tipo descrito no art. EB da 7ei de 7icitações s< / pun-#el &uando produF resultado
danoso. A.irmou não se poder es&uecer &ue a compra direta .oi realiFada em *stado de poucos recursos
ou meios de pes&uisa, #alendo;se a denunciada das in.ormações da comissão de licitação. ^uanto 6s
pro#as apresentadas em c<pias de documentos, uma #eF &ue os originais .oram e4tra#iados, não .oram
consideradas il-citas por estarem de#idamente corro!oradas por outros elementos, inclusi#e tendo sua
idoneidade a.irmada por laudo t/cnico da Pol-cia Federal. Precedentes citados do :@F( UC 7G.E1=;E;
:P, +P 8=CDC1BB=H do :@P( APn 383;C*, +P 13C8C8GGD, e APn 8E1;PR, +P 83C>C8GG>. APn
iKttp(CCccc.stI.go#.!rCce!stICprocessoCIusticaCIurisprudencia.asp ; AP. n. 8G37>;AP, Rel. ,in.
Fernando Aonçal#es, Iulgada em >C=C8GGD.
=DD
Art. EB( +ecisão n. =8=C8GG8, pu!licada no +%) de 8B.11.8GG8. % @ri!unal determinou a remessa de
c<pias dos processo de prestação de contas do e4erc-cio de 1BBD da @elecomunicações do Paran" :CA ;
@*7*PAR ao ,inist/rio P!lico Federal, tendo em #ista &ue, nos termos do art. EB, da 7ei n.
E.DDDCB3, con.igura;se .ato t-pico penal dispensar ou ine4igir licitação .ora das Kip<teses pre#istas em
7ei. A contratação direta da '*C te#e por o!Ieto os ser#iços de desati#ação, remaneIamento e ati#ação
de 1= *RNYs.
=D7
Pena ; detenção, de 3 0tr$s2 a > 0cinco2 anos, e multa.
Par"gra.o nico. 'a mesma pena incorre a&uele &ue, tendo
compro#adamente concorrido para a consumação da ilegalidade,
!ene.iciou;se da dispensa ou ine4igi!ilidade ilegal, para cele!rar contrato
com o Poder P!lico.
A$%. 90. Frustrar ou .raudar, mediante aIuste, com!inação ou
&ual&uer outro e4pediente, o car"ter competiti#o do procedimento
licitat<rio, com o intuito de o!ter, para si ou para outrem, #antagem
decorrente da adIudicação do o!Ieto da licitação
=DE
;
=DB
;
=7G
;
=71
(
Art. EB( +ecisão n. E>>C8GG8, pu!licada no +%) de 31.G7.8GG8. Representação de licitante. 7icitação
para a&uisição de mo!ili"rio destinado a di#ersas ag$ncias da Cai4a *con5mica Federal. Identi.icação
de .alKas na condução do procedimento licitat<rio. Con.iguração de #-cios de natureFa .ormal. 'a
an"lise e.etauda pelo :r. +iretor :u!stituto transcre#e;se o seguinte( L11. A Iurisprud$ncia desta Casa
nos mostra &ue suplentes de mem!ros de Comissão de 7icitação s< são apenados &uando compro#ada
sua contri!uição para as irregularidades praticadas. Citamos, por e4emplo, o Ac<rdão n. 3G3C8GG1 3
Plen"rio, pro.erido nos autos do @C n. D>G.813C1BB7;1, :essão de 11.18.8GG1M.
=DE
Art. BG( Con.orme +ecisão n? 8E3CBB, pu!licada no +%) de 1=.GD.BB, p. D7, o @ri!unal posicionou;se
no sentido de &ue Lo ind-cio apontado / insu.iciente para a incid$ncia no crime tipi.icado no art. BG, da
7ei n? E.DDDCB3, #eF &ue, ao diligenciarem para a#eriguar as supostas irregularidades, constatou;se &ue
a cotação de preços com os mesmos .ornecedores e as ta!elas progressi#as de descontos podem le#ar 6
similaridade de percentuais entre itens das propostas de preços. A proporcionalidade e4istente na&uela
planilKa, s.m.I., de per si não autoriFa concluir;se a e4ig$ncia de com!inação entre os concorrentes
o!Ieti#ando .raude 6 pugna licitat<ria.M
=DB
Art. BG( CaracteriFa o crime pre#isto no artigo BG, da 7ei n. EDDDCB3, a conduta do agente &ue,
.alsi.icando orçamentos de o.icinas supostamente concorrentes, atra#/s de talon"rios con.eccionados e
preencKidos .raudulentamente pelo r/u e seus prepostos, atri!ui 6s propostas delas preços superiores
aos praticados pelas suas, tornando suas o.ertas mais atraentes e, in#aria#elmente, #encedoras, sendo
irrele#ante &ue os ser#iços licitados seIam de pe&ueno #alor, compreendendo;se entre as !aliFas da dita
L.ai4a li#re de licitaçãoM, pois patente a .raude a tipi.icar o delito em &uestão 0Apelação n. 1.81=.>11C7,
:ão Paulo, >
a
. C9mara, 1E.1G.8GGG, rel. Pedro de Alc9ntara2.
=7G
Art. BG( A .igura do art. BG da 7ei n? E.DDDCB3 ; &ue instituiu normas para licitações e contratos da
Administração P!lica ; somente se integra, segundo a comum opinião dos doutores, com a o!tenção
de #antagem econ5mica. QA in.ração s< se realiFa caso demonstrado o .im especial de agir( 012 intuito
de o!ter, para si ou para outrem, #antagem decorrente da adIudicação do o!Ieto da licitaçãoQ 0,arcelo
7eonardo, Crimes de Responsa!ilidade Fiscal, 8GG1, p. >32. Ad#ogado &ue emite parecer em processo
de licitação não incorre na censura do +ireito Penal( a uma, por&ue, ao opinar, não !riga a
Administração P!licaH 6 outra por&ue / Qin#iol"#el por seus atos e mani.estações no e4erc-cio da
pro.issãoQ 0art. 133 da Const. Fed.2 6 derradeira, por&ue ningu/m pode ser punido por pensar(
QCogitationis poenam nemo patiturQ 0)lpiano2. Q'o processo criminal, m"4ime para condenar tudo
de#e ser claro como a luF, certo como a e#id$ncia, positi#o como &ual&uer e4pressão alg/!ricaQ 0Oer.
@ri!s., #ol. D1B, p. 8D72. Poder Pudic-ario, @ri!unal de Alçada Criminal, +/cima ^uinta C9mara,
Apelação Criminal n? 1.3>7.873CE, Comarca de :anta F/ do :ul. Apelado( ,inist/rio P!lico. Ooto n?
=E3>. Relator +esignado( Carlos Niasotti.
=71
Art. BG( Ac<rdão n. 8D7C8GG3, o!Ieto do @C n. GG1.87>C1BBB;8, pu!licado no +%) de 13.G3.8GG3,
p"gs. B7CBB. Representação acerca de poss-#eis irregularidades em licitação. % @ri!unal de Contas da
)nião determinou para atentar &ue, em .uturos procedimentos licitat<rios, para a possi!ilidade de
ocorr$ncia de tentati#a de licitante de .raudar licitação, especialmente com relação 6 situação de
regularidade .iscal com a seguridade social, mediante a utiliFação da sucessão de empresas para
enco!rir pend$ncias impediti#as da Ka!ilitação da empresa origin"ria, adotando as pro#id$ncias &ue se
.iFerem necess"rias.
Pena ; detenção, de 8 0dois2 a = 0&uatro2 anos, e multa.
A$%. 91. Patrocinar, direta ou indiretamente, interesse pri#ado
perante a Administração, dando causa 6 instauração de licitação ou 6
cele!ração de contrato, cuIa in#alidação #ier a ser decretada pelo Poder
Pudici"rio(
Pena ; detenção, de D 0seis2 meses a 8 0dois2 anos, e multa.
A$%. 92. Admitir, possi!ilitar ou dar causa a &ual&uer modi.icação
ou #antagem, inclusi#e prorrogação contratual, em .a#or do adIudicat"rio,
durante a e4ecução dos contratos cele!rados com o Poder P!lico, sem
autoriFação em lei, no ato con#ocat<rio da licitação ou nos respecti#os
instrumentos contratuais, ou, ainda, pagar .atura com preterição da ordem
cronol<gica de sua e4igi!ilidade, o!ser#ado o disposto no art. 181 desta
7ei(0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
Pena ; detenção de dois a &uatro anos, e multa.
Par"gra.o nico. Incide na mesma pena o contratado &ue, tendo
compro#adamente concorrido para a consumação da ilegalidade, o!t/m
#antagem inde#ida ou se !ene.icia, inIustamente, das modi.icações ou
prorrogações contratuais.
A$%. 93. Impedir, pertur!ar ou .raudar a realiFação de &ual&uer ato
de procedimento licitat<rio(
Pena ; detenção, de D 0seis2 meses a 8 0dois2 anos, e multa.
A$%. 94. +e#assar o sigilo de proposta apresentada em
procedimento licitat<rio, ou proporcionar a terceiro o enseIo de de#ass";
lo(
Pena ; detenção, de 8 0dois2 a 3 0tr$s2 anos, e multa.
A$%. 9?. A.astar ou procurar a.astar licitante, por meio de #iol$ncia,
gra#e ameaça, .raude ou o.erecimento de #antagem de &ual&uer tipo(
Pena ; detenção, de 8 0dois2 a = 0&uatro2 anos, e multa, al/m da pena
correspondente 6 #iol$ncia.
Par"gra.o nico. Incorre na mesma pena &uem se a!st/m ou desiste de
licitar, em raFão da #antagem o.erecida.
A$%. 96. Fraudar, em preIu-Fo da FaFenda P!lica, licitação
instaurada para a&uisição ou #enda de !ens ou mercadorias, ou contrato
dela decorrente(
I ; ele#ando ar!itrariamente os preçosH
II ; #endendo, como #erdadeira ou per.eita, mercadoria .alsi.icada
ou deterioradaH
III ; entregando uma mercadoria por outraH
IO ; alterando su!st9ncia, &ualidade ou &uantidade da mercadoria
.ornecidaH
O ; tornando, por &ual&uer modo, inIustamente, mais onerosa a
proposta ou a e4ecução do contrato(
Pena ; detenção, de 3 0tr$s2 a D 0seis2 anos, e multa.
A$%. 97. Admitir 6 licitação ou cele!rar contrato com empresa ou
pro.issional declarado inid5neo(
Pena ; detenção, de D 0seis2 meses a 8 0dois2 anos, e multa.
Par"gra.o nico. Incide na mesma pena a&uele &ue, declarado
inid5neo, #enKa a licitar ou a contratar com a Administração.
A$%. 98. %!star, impedir ou di.icultar, inIustamente, a inscrição de
&ual&uer interessado nos registros cadastrais ou promo#er inde#idamente
a alteração, suspensão ou cancelamento de registro do inscrito
=78
(
Pena ; detenção, de D 0seis2 meses a 8 0dois2 anos, e multa.
A$%. 99. A pena de multa cominada nos arts. EB a BE desta 7ei
consiste no pagamento de &uantia .i4ada na sentença e calculada em
-ndices percentuais, cuIa !ase corresponder" ao #alor da #antagem
e.eti#amente o!tida ou potencialmente au.er-#el pelo agente.
R 1?. %s -ndices a &ue se re.ere este artigo não poderão ser
in.eriores a 8V 0dois por cento2, nem superiores a >V 0cinco por cento2
do #alor do contrato licitado ou cele!rado com dispensa ou
ine4igi!ilidade de licitação.
R 8?. % produto da arrecadação da multa re#erter", con.orme o caso,
6 FaFenda Federal, +istrital, *stadual ou ,unicipal.
SEÇ#O IC
DO P"OCESSO E DO P"OCEDI4ENTO JUDICIAL
A$%. 100. %s crimes de.inidos nesta 7ei são de ação penal p!lica
incondicionada, ca!endo ao ,inist/rio P!lico promo#$;la.
A$%. 101. ^ual&uer pessoa poder" pro#ocar, para os e.eitos desta
7ei, a iniciati#a do ,inist/rio P!lico, .ornecendo;lKe, por escrito,
=78
Art. BE( +ecisão n. E>>C8GG8, pu!licada no +%) de 31.G7.8GG8. Representação de licitante. 7icitação
para a&uisição de mo!ili"rio destinado a di#ersas ag$ncias da Cai4a *con5mica Federal. Identi.icação
de .alKas na condução do procedimento licitat<rio. Con.iguração de #-cios de natureFa .ormal. 'a
an"lise e.etauda pelo :r. +iretor :u!stituto transcre#e;se o seguinte( L11. A Iurisprud$ncia desta Casa
nos mostra &ue suplentes de mem!ros de Comissão de 7icitação s< são apenados &uando compro#ada
sua contri!uição para as irregularidades praticadas. Citamos, por e4emplo, o Ac<rdão n. 3G3C8GG1 3
Plen"rio, pro.erido nos autos do @C n. D>G.813C1BB7;1, :essão de 11.18.8GG1M.
in.ormações so!re o .ato e sua autoria, !em como as circunst9ncias em
&ue se deu a ocorr$ncia.
Par"gra.o nico. ^uando a comunicação .or #er!al, mandar" a
autoridade reduFi;la a termo, assinado pelo apresentante e por duas
testemunKas.
A$%. 102. ^uando em autos ou documentos de &ue conKecerem, os
magistrados, os mem!ros dos @ri!unais ou ConselKos de Contas ou os
titulares dos <rgãos integrantes do sistema de controle interno de &ual&uer
dos Poderes #eri.icarem a e4ist$ncia dos crimes de.inidos nesta 7ei,
remeterão ao ,inist/rio P!lico as c<pias e os documentos necess"rios ao
o.erecimento da denncia.
A$%. 103. :er" admitida ação penal pri#ada su!sidi"ria da p!lica,
se esta não .or aIuiFada no praFo legal, aplicando;se, no &ue cou!er, o
disposto nos arts. 8B e 3G do C<digo de Processo Penal
=73
.
A$%. 104. Rece!ida a denncia e citado o r/u, ter" este o praFo de
1G 0deF2 dias para apresentação de de.esa escrita, contado da data do seu
interrogat<rio, podendo Iuntar documentos, arrolar as testemunKas &ue
ti#er, em nmero não superior a > 0cinco2, e indicar as demais pro#as &ue
pretenda produFir.
A$%. 10?. %u#idas as testemunKas da acusação e da de.esa e
praticadas as dilig$ncias instrut<rias de.eridas ou ordenadas pelo IuiF,
a!rir;se;", sucessi#amente, o praFo de > 0cinco2 dias a cada parte para
alegações .inais.
A$%. 106. +ecorrido esse praFo, e conclusos os autos dentro de 8=
0#inte e &uatro2 Koras, ter" o IuiF 1G 0deF2 dias para pro.erir a sentença.
A$%. 107. +a sentença ca!e apelação, interpon-#el no praFo de >
0cinco2 dias.
A$%. 108. 'o processamento e Iulgamento das in.rações penais
de.inidas nesta 7ei, assim como nos recursos e nas e4ecuções &ue lKes
digam respeito, aplicar;se;ão, su!sidiariamente, o C<digo de Processo
Penal e a 7ei de *4ecução Penal.
=73
Art. 1G3( CB&+>( &0 P$(50**( P0)'12
A$%. 292 :er" admitida ação pri#ada nos crimes de ação p!lica, se esta não .or intentada no praFo
legal, ca!endo ao ,inist/rio P!lico aditar a &uei4a, repudi";la e o.erecer denncia su!stituti#a,
inter#ir em todos os termos do processo, .ornecer elementos de pro#a, interpor recursos e, a todo
tempo, no caso de neglig$ncia do &uerelante, retomar a ação como parte principal.
A$%. 30. Ao o.endido ou a &uem tenKa &ualidade para represent";lo ca!er" intentar a ação pri#ada.
CAPÍTULO C
DOS "ECU"SOS AD4INIST"ATICOS
474
A$%. 109. +os atos da Administração decorrentes da aplicação desta
7ei ca!em(
I ; recurso, no praFo de > 0cinco2 dias teis a contar da intimação do
ato ou da la#ratura da ata
=7>
;
=7D
;
=77
, nos casos de(
a2 Ka!ilitação ou ina!ilitação do licitanteH
!2 Iulgamento das propostas
=7E
H
=7=
Art. 1G3( +ecisão >1EC8GGG, pu!licada no +%) de 1G.G7.8GGG, p.=D. Representação de licitante, ante a
e4ist$ncia de irregularidades em @omada de Preços Iunto ao Centro de Instrução Almirante
Ale4andrino, do ,inist/rio da ,arinKa. 'a +ecisão prolatada pelo ,inistro Iram :arai#a, .oi
determinado ao <rgão licitante &ue o!ser#e o direito dos participantes em .ormular alegações &ue
de#erão ser o!Ieto de consideração pela )nidade, em especial &uando tratar;se de $05,$*(*, cuIa
resposta de#er" ser de#idamente Iusti.icada, com indicação dos .atos e dos .undamentos Iur-dicos, em
con.ormidade com os preceitos esta!elecidos pela 7ei n. B.7E=CBB 0esta 7ei esta!elece normas !"sicas
so!re o processo administrati#o no 9m!ito da Administração Federal direta e indireta, #isando, em
especial, 6 proteção dos direitos dos administrados e ao melKor cumprimento dos .ins da
Administração2.
=7>
Art. 1GB( Con.orme +ecisão n? DEBCB7, pu!licada no +%) de 87.1G.B7, p. 8=88E, deli!erou;se &ue o
<rgão licitante de#er" Lsomente e.etuar a contratação, ap<s o decurso do praFo de interposição,
impugnação e Iulgamento dos recursos interpostos ou ap<s transcorrido o praFo sem apresentação de
recursos, em o!ser#9ncia ao disposto no art. 1GB, da 7ei n? E.DDDCB3.M
=7D
Art. 1GB( +ecisão n? 3=BC8GGG, pu!licada no +%) de 1G.G>.8GGG, p. 7EC7B, oriunda de Representação
em @omada de Preços realiFada pelo <rgão licitante para contratação de empresa de prestação de
ser#iços de assist$ncia t/cnica em ele#adores. % @ri!unal assim se mani.estou( Q*m relação 6
ino!ser#9ncia do praFo para interposição do recurso administrati#o pre#isto no art. 1GB, inciso I, da 7ei
n? E.DDDCB3, assiste raFão 6 interessada. *sse dispositi#o re.ere;se a cinco dias teis, a partir da
la#ratura da ata, para interposição do recurso, en&uanto o art. 11G da mesma 7ei esta!elece &ue, na
contagem de praFos, e4clui;se o dia do in-cio e inclu-;se o do #encimento. A Ata de Reunião para
Ka!ilitação dos proponentes .oi la#rada em 1D.11.BB. % primeiro dia para in-cio da contagem do praFo
seria 17.11, e os demais dias teis su!se&uentes seriam 1E,1B, 88 e 83. Portanto, a a!ertura das
propostas não poderia ser marcada para &ual&uer dia anterior ao dia 8=, &uando, na #erdade, .oi .i4ada
para 83.11. +e#e ser, então, determinado 6 unidade &ue o!ser#e o praFo esta!elecido no art. 1GB, inciso
I, da 7ei n? E.DDDCB3 para interposição de recursos.M +iante do e4posto, determinou;se ao <rgão
licitante, para o!ser#ar o disposto no art. 1GB, inciso I, da 7ei n? E.DDDCB3, no &ue se re.ere ao praFo
destinado 6 interposição de recursos administrati#os.
=77
Art. 1GB( +ecisão n. 3B3C8GG1, pu!licada no +%) de 18.G7.8GG1, oriunda de Representação de
licitante. 'o Parecer e4arado no relat<rio da auditoria, con.irmado pelo #oto do I. ,inistro Relator,
Uum!erto Auimarães :outo, e4trai;se o entendimento de &ue a simples data da ocorr$ncia da reunião
da Comissão não de#e ser utiliFada como termo inicial do praFo recursal, pois, em inmeras ocasiões,
em especial em licitações comple4as, as Atas não são produFidas no momento da reunião, .icando sua
con.ecção para data posterior. +essa .orma, / preciso &ue conste no processo licitat<rio a pu!licação do
resultado do Iulgamento ou a assinatura da licitante com a respecti#a data do conKecimento da decisão,
para &ue surtam os e.eitos legais deseIados.
478Art. 1GB( % @ri!unal Regional *leitoral do Amap" determinou a contratação da empresa de
tele.onia m<#el celular &ue opera na Nanda LAM, no *stado do Amap", por ser a&uela &ue atende 6s
necessidades da Administração, por sua superioridade em a!rang$ncia e operacionaliFação, no *stado e
em todo o @errit<rio 'acional 0Processo Administrati#o n. 8B7C8GG8 3 Classe IO, em 8>.11.8GG32.
c2 anulação ou re#ogação da licitaçãoH
d2 inde.erimento do pedido de inscrição em registro cadastral, sua
alteração ou cancelamentoH
e2 rescisão do contrato, a &ue se re.ere o inciso I do art. 7B desta
7ei. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
.2 aplicação das penas de ad#ert$ncia, suspensão tempor"ria ou de
multa
=7B
H
II ; representação, no praFo de > 0cinco2 dias teis da intimação da
decisão relacionada com o o!Ieto da licitação ou do contrato, de &ue não
cai!a recurso Kier"r&uico.
III ; pedido de reconsideração, de decisão de ,inistro de *stado, ou
:ecret"rio *stadual ou ,unicipal, con.orme o caso, na Kip<tese do R =? do
art. E7 desta 7ei, no praFo de 1G 0deF2 dias teis da intimação do ato.
R 1?. A intimação dos atos re.eridos o inciso I, al-neas a, !, c e e,
deste artigo, e4clu-dos os relati#os a ad#ert$ncia e multa de mora, e no
inciso III, ser" .eita mediante pu!licação na imprensa o.icial, sal#o para
os casos pre#istos nas al-neas a e !, se presentes os prepostos dos
licitantes no ato em &ue .oi adotada a decisão, &uando poder" ser .eita por
comunicação direta aos interessados e la#rada em ata.
R 8?. % recurso pre#isto nas al-neas a e ! do inciso I deste artigo
ter" e.eito suspensi#o, podendo a autoridade competente, moti#adamente
e presentes raFões de interesse p!lico, atri!uir ao recurso interposto
e.ic"cia suspensi#a aos demais recursos.
R 3?. Interposto, o recurso ser" comunicado aos demais licitantes
&ue poderão impugn";lo no praFo de > 0cinco2 dias teis
=EG
;
=E1
.
479Art. 1GB( ,ulta pelo atraso no adimplemento dos ser#iços da empresa contratada por licitação e
estipulada no contrato administrati#o, pre#ista no art. ED, da 7ei n. EDDDCB3, em &ue tal penalidade .eF
com &ue a recorrida rece!esse apro4imadamente 18V do #alor do contrato. *m não sendo o!ser#ado o
princ-pio da raFoa!ilidade, uma #eF &ue a multa onerou so!remaneira a empresa contratada, pode o
PuiF reduFir a multa sem &ue KaIa ocorr$ncia de in#asão de compet$ncia administrati#a pelo Pudici"rio
0Recurso especial 33G.D77;R:, Rel. ,in. Pos/ h+elgado, Iulgado em G8.1G.8GG12.
480Art. 1GB( +ecisão n? =E>CBE, pu!licada no +%) de 1G.GE.BE, p. 87, oriunda de Representação ante
a e4ist$ncia de irregularidades em @omada de Preços para a&uisição de g$neros aliment-cios
componentes de merenda escolar. 'o &ue concerne ao .ato de os recursos terem sido interpostos por
licitantes na pr<pria sessão de Ka!ilitação e de ter ocorrido renncia e4pressa do direito de recorrer
pelos demais, entendeu o :r. ,in. Relator &ue não se pode descurar do procedimento do art. 1GB.
+iante do e4posto, deli!erou;se ao <rgão licitante para o!ser#ar , rigorosamente, o disposto no art. 1GB,
RR 3? e >?, da 7ei atinente a 7icitações e Contratos, no sentido de conceder aos demais licitantes o
praFo de > 0cinco2 dias teis para impugnação dos recursos interpostos, !em assim de .ran&uear #ista
dos autos do processo licitat<rio aos interessados.
=E1
Art. 1GB( Con.orme +ecisão n? 1G3C8GGG, pu!licada no +%) de G3.G3.8GGG, p. >1, deli!erou;se &ue o
praFo constante do par"gra.o em tela, de#e ser o!ser#ado e &ue a Comissão de#e La!ster;se de
mani.estar;se so!re o m/rito do recurso antes de decorrido o praFo de impugnação assegurado aos
demais licitantes.M
R =?. % recurso ser" dirigido 6 autoridade superior, por interm/dio
da &ue praticou o ato recorrido, a &ual poder" reconsiderar sua decisão, no
praFo de > 0cinco2 dias teis, ou, nesse mesmo praFo, .aF$;lo su!ir,
de#idamente in.ormado, de#endo, neste caso, a decisão ser pro.erida
dentro do praFo de > 0cinco2 dias teis, contado do rece!imento do
recurso, so! pena de responsa!ilidade
=E8
;
=E3
;
=E=
.
R >?. 'enKum praFo de recurso, representação ou pedido de
reconsideração se inicia ou corre sem &ue os autos do processo esteIam
com #ista .ran&ueada ao interessado
=E>
.
R D?. *m se tratando de licitações e.etuadas na modalidade de carta
con#ite os praFos esta!elecidos nos incisos I e II e no R 3? deste artigo
serão de dois dias teis. 0Par"gra.o acrescentado pela 7ei n? E.EE3, de
GE.GD.B=2
CAPÍTULO CI
DISPOSIÇES /INAIS E T"ANSITI"IAS
A$%. 110. 'a contagem dos praFos esta!elecidos nesta 7ei, e4cluir;
se;" o dia do in-cio e incluir;se;" o do #encimento, e considerar;se;ão os
=E8
Art. 1GB( Con.orme +ecisão n? 8E8CBB, pu!licada no +%) de 1=.GD.BB, p. D=, asse#erou o :r. ,in.
Relator &ue La autoridade superior, por sua #eF, teria o praFo de at/ cinco dias teis para pro.erir sua
decisão, ap<s rece!ido o recurso. S e#idente &ue a contagem do praFo para a decisão da autoridade
superior se inicia a partir do rece!imento do recurso por esta autoridade e não pela autoridade cuIo ato
.oi recorrido.M
=E3
Art. 1GB( Con.orme +ecisão n? 1G3C8GGG, pu!licada no +%) de G3.G3.8GGG, p.>1, os :rs. ,inistros
salientaram &ue de#e ser o!ser#ado os termos do re.erido par"gra.o, Lde .orma &ue a decisão pro.erida
no recurso ali tratado seIa de#idamente .undamentada, apreciando;se integralmente as raFões
apresentadas pelo recorrente.M
=E=
Art. 1GB( +ecisão >1EC8GGG, pu!licada no +%) de 1G.G7.8GGG, p.=D. Representação de licitante, ante a
e4ist$ncia de irregularidades em @omada de Preços Iunto ao Centro de Instrução Almirante
Ale4andrino, do ,inist/rio da ,arinKa. 'a +ecisão prolatada pelo ,inistro Iram :arai#a, .oi
determinado ao <rgão licitante &ue o!ser#e o direito dos participantes em .ormular alegações &ue
de#erão ser o!Ieto de consideração pela )nidade, em especial &uando tratar;se de $05,$*(*, 5,@'
$0*7(*%' &080$P *0$ &08+&'<0)%0 @,*%+3+5'&', 5(< +)&+5'-.( &(* 3'%(* 0 &(* 3,)&'<0)%(*
@,$6&+5(*, em con.ormidade com os preceitos esta!elecidos pela 7ei n. B.7E=CBB 0esta 7ei esta!elece
normas !"sicas so!re o processo administrati#o no 9m!ito da Administração Federal direta e indireta,
#isando, em especial, 6 proteção dos direitos dos administrados e ao melKor cumprimento dos .ins da
Administração2.
=E>
Art. 1GB( +ecisão n? =E>CBE, pu!licada no +%) de 1G.GE.BE, p. 87, oriunda de Representação ante a
e4ist$ncia de irregularidades em @omada de Preços para a&uisição de g$neros aliment-cios
componentes de merenda escolar. 'o &ue concerne ao .ato de os recursos terem sido interpostos por
licitantes na pr<pria sessão de Ka!ilitação e de ter ocorrido renncia e4pressa do direito de recorrer
pelos demais, entendeu o :r. ,in. Relator &ue não se pode descurar do procedimento do art. 1GB.
+iante do e4posto, deli!erou;se ao <rgão licitante para o!ser#ar , rigorosamente, o disposto no art. 1GB,
RR 3? e >?, da 7ei atinente a 7icitações e Contratos, no sentido de conceder aos demais licitantes o
praFo de > 0cinco2 dias teis para impugnação dos recursos interpostos, !em assim de .ran&uear #ista
dos autos do processo licitat<rio aos interessados.
dias consecuti#os, e4ceto &uando .or e4plicitamente disposto em
contr"rio.
Par"gra.o nico. :< se iniciam e #encem os praFos re.eridos neste
artigo em dia de e4pediente no <rgão ou na entidade.
A$%. 111. A Administração s< poder" contratar, pagar, premiar ou
rece!er proIeto ou ser#iço t/cnico especialiFado desde &ue o autor ceda os
direitos patrimoniais a ele relati#os e a Administração possa utiliF";lo de
acordo com o pre#isto no regulamento de concurso ou no aIuste para sua
ela!oração.
Par"gra.o nico. ^uando o proIeto re.erir;se a o!ra imaterial de
car"ter tecnol<gico, insuscet-#el de pri#il/gio, a cessão dos direitos
incluir" o .ornecimento de todos os dados, documentos e elementos de
in.ormação pertinentes 6 tecnologia de concepção, desen#ol#imento,
.i4ação em suporte .-sico de &ual&uer natureFa e aplicação da o!ra.
A$%. 112. ^uando o o!Ieto do contrato interessar a mais de uma
entidade p!lica, ca!er" ao <rgão contratante, perante a entidade
interessada, responder pela sua !oa e4ecução, .iscaliFação e pagamento.
Par"gra.o nico. Fica .acultado 6 entidade interessada o acompanKamento
da e4ecução do contrato.
R 1? . %s cons<rcios p!licos poderão realiFar licitação da &ual,
nos termos do edital, decorram contratos administrati#os cele!rados por
<rgãos ou entidades dos entes da Federação consorciados.
R 8?. S .acultado 6 entidade interessada o acompanKamento da
licitação e da e4ecução do contrato. 0Par"gra.os acrescentados pela 7ei n.
11.1G7, de GD.G=.8GG>2.

A$%. 113. % controle das despesas decorrentes dos contratos e
demais instrumentos regidos por esta 7ei ser" .eito pelo @ri!unal de
Contas competente, na .orma da legislação pertinente, .icando os <rgãos
interessados da Administração respons"#eis pela demonstração da
legalidade e regularidade da despesa e e4ecução, nos termos da
Constituição e sem preIu-Fo do sistema de controle interno nela pre#isto
=ED
;
=E7
.
R 1?. ^ual&uer licitante, contratado ou pessoa .-sica ou Iur-dica
poder" representar ao @ri!unal de Contas ou aos <rgãos integrantes do
sistema de controle interno contra irregularidades na aplicação desta 7ei,
para os .ins do disposto neste artigo
=EE
;
=EB
;
=BG
;
=B1
.
R 8?. %s @ri!unais de Contas e os <rgãos integrantes do sistema de
controle interno poderão solicitar para e4ame, at/ o dia til imediatamente
=ED
Art. 113( Con.orme +ecisão sCn? pro.erida nos autos do processo GGE.=1DCB7;=;@omada de Contas
*special oriunda de Representação, pu!licada no +%) de 81.GD.BB, p. 78CEG, em de.esa por parte dos
mem!ros da Comissão Permanente de 7icitação. Foi a#entada, em preliminar, a incompet$ncia
a!soluta, #eF &ue os mem!ros não t$m &ue responder &uando a representação ao @C) .or relati#a a
procedimentos classi.icat<rios. % @ri!unal est" assente, a muito na Corte de Contas, &ue se insere na
compet$ncia do @ri!unal de Contas da )nião a .iscaliFação do procedimento licitat<rio. Ainda em
1BB8, o eminente ,inistro Nento Nulgarin ressalta#a a import9ncia desse tipo de .iscaliFação( Q%
@ri!unal de Contas da )nião, no e4erc-cio da compet$ncia &ue a Constituição e a lei lKe de.erem, de
Iulgar a regularidade das contas p!licas, preocupa;se com a .iscaliFação de todos os atos
administrati#os concernentes aos procedimentos licitat<rios. :u!stancial parcela da despesa p!lica /
realiFada por meio de contratos e estes de#em ser precedidos de licitação. Portanto, se o procedimento
licitat<rio &ue precede cada contrato administrati#o o!edecer 6s normas pertinentes, realiFando;se
segundo os princ-pios Iur-dicos inerentes a cada caso, estes contratos serão corretamente ela!orados,
eliminando;se na origem, assim, os erros e as .alKas de &ue podem decorrer desperd-cios e disp$ndios
irregulares de #er!as p!licas. S por demais importante e necess"ria, destarte, esta preocupação do
@ri!unal de Contas da )nião com o e4erc-cio do controle das licitações, não s< a priori, instruindo e
orientando os ordenadores de despesas, para &ue .açam suas licitações com seriedade e lisura, mas
igualmente procurando determinar as correções necess"rias nos procedimentos licitat<rios I"
conclu-dos e impondo sanções aos respons"#eis em .alta, para &ue, .uturamente, se e#ite, em tempo o
des#io de recursos e o .a#orecimento de pessoas em detrimento dos interesses da administraçãoM
0Re#ista @RI;Rural de Contas da )nião 3 Ool. 83, n? >3, PulKo a :etem!ro de 1BB8, p"g. 8B2.
=E7
Art. 113( +ecisão n. 1.=3EC8GG8, pu!licada no +%) de GE.11.8GG8, p"g. 8>G. Representação
.ormulada por empresa contratada &ue se insurge contra aplicação de multa de contratante, por
ine4ecução contratual. 'ão atendimento dos re&uisitos do art. 113 da 7ei n. E.DDDCB3. Aus$ncia de
interesse p!lico. *m seu #oto, o ,inistro Relator NenIamim \Tmler assim se mani.estou( L %
o!Ieti#o da Representação institu-da pelo inciso II 0:IC2 do art. 113 / permitir uma .orma de controle
social das despesas resultantes da e4ecução dos contratos, inclusi#e antes &ue estes #enKam a
consumar;se, ainda na .ase de licitação. %u seIa, o !em Iur-dico tutelado / o interesse p!lico, e não o
particular, mesmo nos casos em &ue o m<#el do autor da Representação / a de.esa de seus direitos
su!Ieti#osM. 0...2 'a Kip<tese presente, o ponto .ulcral .oi a de.esa de interesse pri#ado, na &ual
insurgiu;se a empresa contratada contra multa aplicada pela contratante em raFão de ine4ecução parcial
do contrato. A pre#alecer o entendimento contr"rio, a Corte tornar;se;ia inst9ncia re#isora dos
processos administrati#os, com #istas a tutelar direitos su!Ieti#os do particular ou do ser#idor, o &ue
não encontra espe&ue no rol de competjencias pre#isto no art. 71 da Constituição Federal.
=EE
P"OCEDI4ENTO LICITATI"IO. I4PU!NAÇ#O. CO4PETXNCIA DO TCU.
CAUTELA"ES. CONT"ADITI"IO. AUSXNCIA DE INST"UÇ#O. 0...2.8. % @ri!unal de Contas
da )nião tem compet$ncia para .iscaliFar procedimentos de licitação, determinar suspensão cautelar
0arts. =
?
e 113, R 1
?
e R 8
?
da 7ei n. E.DDDCB32, e4aminar editais de licitação pu!licados e, nos termos do
art. 87D do seu Regimento Interno, possui legitimidade para a e4pedição de medidas cautelares para
pre#enir lesão ao er"rio e garantir a e.ic"cia de suas decisões 0,andado de :egurança n. 8=.>1GC+F 3
:@F2.
=EB
Art. 113( Con.orme +ecisão n? 1DGCBB pu!licada no +%) de G3.G>.BB, p. =7, o :r. ,in. Uomero
:antos se mani.estou no sentido de &ue a Representação não preencKeu os re&uisitos de admissi!ilidade
contidos no art. 813, do Regimento Interno, cCc o R 1? do art. 37;A, da Resolução n? 77CBD;@C), pois
anterior 6 data de rece!imento das propostas, c<pia do edital de licitação
I" pu!licado, o!rigando;se os <rgãos ou entidades da Administração
interessada 6 adoção de medidas correti#as pertinentes &ue, em .unção
desse e4ame, lKes .orem determinadas.
=B8
0Redação dada ao R 8? pela 7ei
n? E.EE3, de GE.GD.B=2
A$%. 114. % sistema institu-do nesta 7ei não impede a pr/;
&uali.icação de licitantes nas concorr$ncias, a ser procedida sempre &ue o
o!Ieto da licitação recomende an"lise mais detida da &uali.icação t/cnica
dos interessados.
R 1?. A adoção do procedimento de pr/;&uali.icação ser" .eita
mediante proposta da autoridade competente, apro#ada pela
imediatamente superior.
R 8?. 'a pr/;&uali.icação serão o!ser#adas as e4ig$ncias desta 7ei
relati#as 6 concorr$ncia, 6 con#ocação dos interessados, ao procedimento
e 6 an"lise da documentação.
A$%. 11?. %s <rgãos da Administração poderão e4pedir normas
relati#as aos procedimentos operacionais a serem o!ser#ados na e4ecução
0i2 não .oi redigida de .orma clara e o!Ieti#aH 0ii2 não se .eF acompanKar de ind-cio concernente 6
irregularidade ou ilegalidade denunciada e 0iii2 não constou dos autos documento &ue &uali.icasse o
su!scritor a atuar em nome da re.erida empresa.M
490Art. 113( +ecisão n. D8BC8GGG, pu!licada no +%) de 88.GE.8GGG. % @ri!unal tem considerado
improcedentes as representações em .ace da não compro#ação dos .atos &ue as moti#am. 'o caso em
&uestão, a representante não ane4ou c<pia do edital.
491Art. 113( % art. 81, da Resolução 3>CB>, do @ri!unal de Contas da )nião, dispõe &ue, sempre &ue
as circunst9ncias e#idenciarem a necessidade da pronta atuação do @ri!unal para e#itar danos iminentes
ao *r"rio, poder" o Relator, mediante despacKo .undamentado, determinar a *,*%'-.( &(
7$(50&+<0)%( A,0*%+()'&(, de#endo o despacKo ser su!metido 6 apreciação do Plen"rio na primeira
sessão ordin"ria seguinte.
492 P"OCEDI4ENTO LICITATI"IO. I4PU!NAÇ#O. CO4PETXNCIA DO TCU.
CAUTELA"ES. CONT"ADITI"IO. AUSXNCIA DE INST"UÇ#O. 0...2.8. % @ri!unal de Contas
da )nião tem compet$ncia para .iscaliFar procedimentos de licitação, determinar suspensão cautelar
0arts. =
?
e 113, R 1
?
e R 8
?
da 7ei n. E.DDDCB32, e4aminar editais de licitação pu!licados e, nos termos do
art. 87D do seu Regimento Interno, possui legitimidade para a e4pedição de medidas cautelares para
pre#enir lesão ao er"rio e garantir a e.ic"cia de suas decisões 0,andado de :egurança n. 8=.>1GC+F 3
:@F2.
das licitações, no 9m!ito de sua compet$ncia, o!ser#adas as disposições
desta 7ei
=B3
;
=B=
;
=B>
.
Par"gra.o nico. As normas a &ue se re.ere este artigo, ap<s
apro#ação da autoridade competente, de#erão ser pu!licadas na imprensa
o.icial.
A$%. 116. Aplicam;se as disposições desta 7ei, no &ue cou!er, aos
con#$nios, acordos, aIustes e outros instrumentos cong$neres cele!rados
por <rgãos e entidades da Administração.
R 1?. A cele!ração de con#$nio, acordo ou aIuste pelos <rgãos ou
entidades da Administração P!lica depende de pr/#ia apro#ação de
competente plano de tra!alKo proposto pela organiFação interessada, o
&ual de#er" conter, no m-nimo, as seguintes in.ormações(
I ; identi.icação do o!Ieto a ser e4ecutadoH
II ; metas a serem atingidasH
III ; etapas ou .ases da e4ecuçãoH
IO ; plano de aplicação dos recursos .inanceirosH
O ; cronograma de desem!olsoH
OI ; pre#isão de in-cio e .im da e4ecução do o!Ieto, !em assim da
conclusão das etapas ou .ases programadasH
OII ; se o aIuste compreender o!ra ou ser#iço de engenKaria,
compro#ação de &ue os recursos pr<prios para complementar a e4ecução
do o!Ieto estão de#idamente assegurados, sal#o se o custo total do
empreendimento recair so!re a entidade ou <rgão descentraliFador.
R 8?. Assinado o con#$nio, a entidade ou <rgão repassador dar"
ci$ncia do mesmo 6 Assem!l/ia 7egislati#a ou 6 C9mara ,unicipal
respecti#a.
R 3?. As parcelas do con#$nio serão li!eradas em estrita
con.ormidade com o plano de aplicação apro#ado, e4ceto nos casos a
493Art. 11>( Oide a Instrução 'ormati#a n. G1, de 17.G>.8GG1, do ,inistro de *stado do
PlaneIamento, %rçamento e gestão, pu!licado no +%) de 1E.GD.8GG1, &ue alterou dispositi#os da
Instrução 'ormati#a ,AR* n. >, de 81.G7.1BB>, &ue esta!elece procedimentos destinados 6
implantação e operacionaliFação do :istema de Cadastramento )ni.icado de Fornecedores 3 :ICAF,
m<dulo do :istema Integrado de Administração de :er#iços Aerais 3 :IA:A.
=B=
Art. 11>( % *stado de ,inas Aerais, atra#/s da 7ei n. 13.BB=, de 1E.GB.8GG1, instituiu o cadastro de
.ornecedores impedidos de licitar e contratar com a Administração P!lica *stadual.
=B>
Art. 11>( Ac<rdão n. 8D7C8GG3, o!Ieto do @C n. GG1.87>C1BBB;8, pu!licado no +%) de 13.G3.8GG3,
p"gs. B7CBB. Representação acerca de poss-#eis irregularidades em licitação. % @ri!unal de Contas
determinou &ue se a!stenKam de e4igir dos interessados nos pr<4imos processos licitat<rios a
Ka!ilitação parcial no :istema de Cadastramento )ni.icado de Fornecedores;:ICAF como nica .orma
de participação no certame, .acultando;lKes a apresentação dos documentos de Ka!ilitação at/ o terceiro
dia anterior ao rece!imento das propostas, e4 #i do disposto no art. 88, par"gra.o 8?, da 7ei n.
E.DDDCB3.
seguir, em &ue as mesmas .icarão retidas at/ o saneamento das
impropriedades ocorrentes(
I ; &uando não ti#er Ka#ido compro#ação da !oa e regular aplicação
da parcela anteriormente rece!ida, na .orma da legislação aplic"#el,
inclusi#e mediante procedimentos de .iscaliFação local, realiFados
periodicamente pela entidade ou <rgão descentraliFador dos recursos ou
pelo <rgão competente do sistema de controle interno da Administração
P!licaH
II ; &uando #eri.icado des#io de .inalidade na aplicação dos
recursos, atrasos não Iusti.icados no cumprimento das etapas ou .ases
programadas, pr"ticas atentat<rias aos princ-pios .undamentais da
Administração P!lica nas contratações e demais atos praticados na
e4ecução do con#$nio, ou o inadimplemento do e4ecutor com relação a
outras cl"usulas con#eniais !"sicasH
III ; &uando o e4ecutor dei4ar de adotar as medidas saneadoras
apontadas pelo part-cipe repassador dos recursos ou por integrantes do
respecti#o sistema de controle interno.
R =?. %s saldos de con#$nio, en&uanto não utiliFados, serão
o!rigatoriamente aplicados em cadernetas de poupança de instituição
.inanceira o.icial se a pre#isão de seu uso .or igual ou superior a um m$s,
ou em .undo de aplicação .inanceira de curto praFo ou operação de
mercado a!erto lastreada em t-tulos da d-#ida p!lica, &uando a utiliFação
dos mesmos #eri.icar;se em praFos menores &ue um m$s.
R >?. As receitas .inanceiras au.eridas na .orma do par"gra.o
anterior serão o!rigatoriamente computadas a cr/dito do con#$nio e
aplicadas, e4clusi#amente, no o!Ieto de sua .inalidade, de#endo constar
de demonstrati#o espec-.ico &ue integrar" as prestações de contas do
aIuste.
R D?. ^uando da conclusão, denncia, rescisão ou e4tinção do
con#$nio, acordo ou aIuste, os saldos .inanceiros remanescentes, inclusi#e
os pro#enientes das receitas o!tidas das aplicações .inanceiras realiFadas,
serão de#ol#idos 6 entidade ou <rgão repassador dos recursos, no praFo
improrrog"#el de 3G 0trinta2 dias do e#ento, so! pena da imediata
instauração de tomada de contas especial do respons"#el, pro#idenciada
pela autoridade competente do <rgão ou entidade titular dos recursos.
A$%. 117. As o!ras, ser#iços, compras e alienações realiFadas pelos
<rgãos dos Poderes 7egislati#o e Pudici"rio e do @ri!unal de Contas
regem;se pelas normas desta 7ei, no &ue cou!er, nas tr$s es.eras
administrati#as.
A$%. 118. %s *stados, o +istrito Federal, os ,unic-pios e as
entidades da Administração indireta de#erão adaptar suas normas so!re
licitações e contratos ao disposto nesta 7ei.
A$%. 119. As sociedades de economia mista, empresas e .undações
p!licas e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela
)nião e pelas entidades re.eridas no artigo anterior editarão regulamentos
pr<prios de#idamente pu!licados, .icando suIeitas 6s disposições desta
7ei.
Par"gra.o nico. %s regulamentos a &ue se re.ere este artigo, no 9m!ito da
Administração P!lica, ap<s apro#ados pela autoridade de n-#el superior
a &ue esti#erem #inculados os respecti#os <rgãos, sociedades e entidades,
de#erão ser pu!licados na imprensa o.icial.
A$%. 120. %s #alores .i4ados por esta 7ei poderão ser anualmente
re#istos pelo Poder *4ecuti#o Federal, &ue os .ar" pu!licar no +i"rio
%.icial da )nião, o!ser#ando como limite superior a #ariação geral dos
preços do mercado, no per-odo. 0Redação dada ao artigo pela 7ei n? B.D=E,
de 87.G>.BE2
'ota( Assim dispunKa o artigo alterado(
QArt. 18G. %s #alores .i4ados por esta 7ei serão automaticamente
corrigidos na mesma periodicidade e proporção da #ariação do kndice
Aeral de Preços do ,ercado 0IAP,2, com !ase no -ndice do m$s de
deFem!ro de 1BB1. 0Redação dada pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
Par"gra.o nico. % Poder *4ecuti#o Federal .ar" pu!licar no +i"rio
%.icial da )nião os no#os #alores o.icialmente #igentes por ocasião de
cada e#ento citado no caput deste artigo, despreFando;se as .rações
in.eriores a CRW 1,GG 0Kum cruFeiro real2. 0Redação dada pela 7ei n?
E.EE3, de GE.GD.B=2Q
Art. 181. % disposto nesta 7ei não se aplica 6s licitações
instauradas e aos contratos assinados anteriormente a sua #ig$ncia,
ressal#ado o disposto no art. >7, nos RR 1?, 8? e E? do art. D>, no inciso XO
do art. 7E, !em assim o disposto no caput do art. >?, com relação ao
pagamento das o!rigações na ordem cronol<gica, podendo esta ser
o!ser#ada, no praFo de no#enta dias contados da #ig$ncia desta 7ei,
separadamente para as o!rigações relati#as aos contratos regidos por
legislação anterior 6 7ei n? E.DDD, de 81 de IunKo de 1BB3. 0Redação dada
pela 7ei n? E.EE3, de GE.GD.B=2
Par"gra.o nico. %s contratos relati#os a im<#eis do patrim5nio da
)nião continuam a reger;se pelas disposições do +ecreto;7ei n? B.7DG, de
G> de setem!ro de 1B=D, com suas alterações, e os relati#os a operações
de cr/dito interno ou e4terno cele!rados pela )nião ou a concessão de
garantia do @esouro 'acional continuam regidos pela legislação
pertinente, aplicando;se esta 7ei, no &ue cou!er.
A$%. 122. 'as concessões de linKas a/reas, o!ser#ar;se;"
procedimento licitat<rio espec-.ico, a ser esta!elecido no C<digo
Nrasileiro de Aeron"utica
=BD
.
Art. 183. *m suas licitações e contratações administrati#as, as
repartições sediadas no e4terior o!ser#arão as peculiaridades locais e os
princ-pios !"sicos desta 7ei, na .orma de regulamentação espec-.ica.
A$%. 124. Aplicam;se 6s licitações e aos contratos para permissão
ou concessão de ser#iços p!licos os dispositi#os desta 7ei &ue não
con.litem com a legislação espec-.ica so!re o assunto.
Par"gra.o nico. As e4ig$ncias contidas nos incisos II a IO do R 8?
do art. 7? serão dispensadas nas licitações para concessão de ser#iços com
e4ecução pr/#ia de o!ras em &ue não .oram pre#istos desem!olso por
parte da Administração P!lica concedente. 0Artigo acrescentado pela 7ei
n? E.EE3, de GE.GD.B=2
A$%. 12?. *sta 7ei entra em #igor na data de sua pu!licação.
A$%. 126. Re#ogam;se as disposições em contr"rio, especialmente
os +ecretos;leis n?s 8.3GG, de 81 de no#em!ro de 1BED, 8.3=E, de 8= de
IulKo de 1BE7, 8.3DG, de 1D de setem!ro de 1BE7, a 7ei n? E.88G, de = de
setem!ro de 1BB1, e o art. E3 da 7ei n? >.1B=, de 8= de deFem!ro de 1BDD.
Nras-lia, 81 de IunKo de 1BB3, 178? da Independ$ncia e 1G>? da Rep!lica.
I@A,AR FRA'C%
Fernando Uenri&ue Cardoso
Ru!ens Ricupero
=BD
Art. 188( @ratando;se de licitação no setor de aeron"utica, #ide 7ei n? 7.>D>, de 1B.18.1BED.

contratos administrativos pertinentes a obras, serviços, inclusive de publicidade, compras, alienações e locações no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios3. Parágrafo único. Subordinam-se ao regime desta Lei, além dos órgãos da administração direta4, os fundos especiais, as autarquias, as fundações públicas, as empresas públicas5, as sociedades de economia mista e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios6.
Radiofrequência e o Anexo à Resolução 05/1998, que aprovou o Regulamento de Contratações. Sobre o Pregão Eletrônico no âmbito da Agência Nacional de Telecomunicações, vide os arts. 7 a 14 do Regulamento de Contratações. Com relação à Anatel, a Decisão nº 497/99, publicada no DOU de 13.08.99, p. 139, asseverou que: - adote providências no sentido de adequar seu Regulamento de Contratações, bem como quaisquer outras normas vigentes, tendo em vista a decisão liminar de 20/08/98, proferida pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal na Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 1668, de forma a adaptar seus procedimentos conforme previsto nas respectivas leis de regência; - elabore exposição formal dos motivos que justifiquem seus atos, de acordo com o disposto no art. 40 da Lei nº 9.472/97, inclusive no que diga respeito às respostas aos eventuais recursos interpostos pelos concorrentes nos respectivos processos licitatórios; - adapte seus procedimentos operacionais, quando da realização de Pregões, de forma a garantir efetividade na análise e no julgamento das propostas e de eventuais recursos apresentados. Observações: - A ADin 1.668-UF, em que foi relator o Ministro Marco Aurélio, de 8.10.97, vencido o Ministro Moreira Alves, foi deferida em parte, para dar interpretação conforme a Constituição Federal, fixando a exegese, segundo a qual, a competência do Conselho Diretor fica submetida às normas gerais e específicas de licitação e contratação previstas nas respectivas leis de regência. 3Art. 1º: Acórdão n. 71/2003, objeto do TC n. 005.565/2001-3, publicado no DOU de 25.02.2003, em representação sobre supostas irregularidades na Tomada de Preços n. 043/2000, promovida pela Gerência de Filial de Suprimento de Materiais e Serviços em Recife, da Caixa Econômica Federal, acerca da terceirização de serviços de telemarketing. O Tribunal de Contas da União recomendou à CEF que efetue estudos com vistas à adoção de medidas necessárias à correção da ilegalidade consistente na contratação de serviços de telemarketing, por meio de empresa terceirizada, uma vez que tal atribuição está relacionada como uma das atividades a serem desempenhadas por servidores da CEF, o que configura violação ao disposto no inciso II, do art. 37, da Constituição Federal. 4 Art. 1º: Decisão nº 907/97, Sessão de 11.12.97, retomada na Decisão nº 043/99, publicada no DOU de 05.03.99, p. 43, está consolidado o entendimento no sentido de que “por não estarem incluídos na lista de entidades no parágrafo único, do art. 1º, da Lei nº 8.666/93, os serviços sociais autônomos não estão sujeitos à observância dos estritos procedimentos na referida lei, e sim aos seus regulamentos próprios devidamente publicados.” 5 Art. 1º: Decisão nº 110/99, publicada no DOU de 08.04.99, oriunda de Representação contra possíveis irregularidades no certame licitatório do Banco do Brasil, o Parecer do Sub-Procurador-Geral, Dr. Lucas Rocha Furtado, enfatizou que “deve-se frisar o entendimento de que a Emenda Constitucional nº 19/98, ao alterar os artigos 22, inciso XXVII e 173 da Constituição Federal, não afastou, de imediato, a submissão das empresas públicas e das sociedades de economia mista à Lei nº 8.666/93. Isso porque, como expõe Jessé Torres Pereira Junior, “a Emenda nº 19 faz depender do estatuto o futuro regime jurídico dessas entidades. A norma é de eficácia contida, na expectativa da sobrevinda da lei específica. Na falta desta, o regime jurídico das empresas públicas e sociedades de economia mista deve observar a legislação vigente. Entidades que desempenham função social e econômica de relevante interesse público não podem atravessar período de anomia por prazo indeterminado, já que a Emenda nem sequer o fixou para a promulgação da lei, como fez em relação a outras matérias.”("in" ILC nº 56 – outubro/98, p. 877). Tal assertiva deu-se pelo fato do órgão licitante ter publicado Edital em confronto com a Lei em comento, tornando-se impossível ao vencedor da licitação subcontratar com qualquer empresa que demonstrasse aptidão para executar os serviços previstos na cláusula contratual e no item

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->