P. 1
Aula Valores Eticos x Valores Esteticos

Aula Valores Eticos x Valores Esteticos

|Views: 931|Likes:
Publicado pormontorri

More info:

Published by: montorri on Mar 18, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/17/2013

pdf

text

original

Valores éticos x valores estéticos Nossa sociedade é baseada na herança grega e romana, dando origem assim aos nossos

conceitos e padrões ético-morais. A Ética provém dos gregos e é pautada na ideia de valores, sendo assimilada como um estudo ou reflexão científica ou filosófica sobre os costumes e ações humanas (conduta). Sendo um conceito que mora dentro de nós, e pensar sobre ela contribui para aumentar a reflexão sobre tal, nos fazendo questionar ainda mais sobre nossas atitudes e nos aproximando da realidade que vivemos e nos tornando mais conscientes com nossas ações pela vida. O que é belo? Segundo o filósofo Sócrates, a beleza seria a concordância observada entre os olhos e os ouvidos. Em uma visão mais atual da sociedade, a beleza poderia ser encarada e cultuada pelos estereótipos, onde os olhos físicos admiram somente “a casca de uma árvore”, e não os frutos, a raiz sólida e a sombra tranquila e revigorante que a árvore poderia beneficiar. Desde a Antiguidade cultuamos o belo, no qual a valorização estética pode ser vista em relatos históricos que demonstram a rejeição á indivíduos com deficiências. Nas Artes, podemos acompanhar o culto á beleza (esculturas, pinturas e na literatura), porém trazendo consigo qualidades e virtudes humanas. Essa união entre beleza física + qualidade + habilidades, era vista como uma benção dos céus no imaginário da época, sendo seres quase angelicais e perfeitos. Os reis faziam o uso de adereços e substâncias aromáticas como forma de mascarar suas imperfeições e deixá-los com uma imagem limpa, pura e até mesmo divina. Com a ascensão da burguesia (século XV, XVI), a questão estética se distanciou do padrão divino e passou a ser necessidade e objeto de consumo, as roupas e joias, adereços e cosméticos moldaram a nova concepção sobre a beleza e a quase divindade. Século XVII e XIX, é criado os padrões de beleza irreais, no qual os homens e mulheres se submeteram a procedimentos para se elevarem a um novo status social. Por exemplo, a própria vestimenta europeia nas colônias de clima tropical (Brasil), e o uso de espartilhos pelas mulheres na condição de se projetarem como magras e bonitas. Com o passar dos séculos, o sonho da beleza ideal e do corpo perfeito se sobrepôs aos valores éticos. No qual somos todos frutos de um modismo tendencioso que nos diz o que vestir, como deveria estar nosso cabelo, o que dizemos e por ai vai. Na atualidade, nos vemos submersos á grandes tonéis de cosméticos, desde o xampu até a meia que vestimos, e assim esquecendo princípios que para os gregos e romanos antigos eram primordiais. Os valores estéticos se tornaram um mal compulsivo entre os humanos, sendo mais importantes do que os valores éticos. Hoje, somos vistos não pelo que “somos”, mas sim pelo o que “temos”, e em raríssimos casos somos comparados á seres celestiais, belos por fora e ricos de valores humanos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->