Você está na página 1de 40

REVISTA

&VOCÊ Valtra do Brasil | Edição 2 | Ano 1 | Agosto 2011
&VOCÊ
Valtra do Brasil
|
Edição 2
|
Ano 1
|
Agosto 2011

Um fardo gigante de biomassa por minuto

A combinação do trator BT HiSix e enfardadora Challenger para trabalhar em canaviais

Mais Alimentos Valtra chega a seis mil tratores comercializados
Mais Alimentos
Valtra chega a
seis mil tratores
comercializados
Colheitadeira Arroz irrigado agora tem colheitadeira Valtra
Colheitadeira
Arroz irrigado
agora tem
colheitadeira Valtra

www.valtra.com.br | 0800 192 211

www.valtra.com.br | 0800 192 211 Valtra é trabalho bem feito. Do que se planta ao que

Valtra é trabalho bem feito.

Do que se planta ao que se colhe.

www.valtra.com.br | 0800 192 211 Valtra é trabalho bem feito. Do que se planta ao que

Colheitadeiras Axiais e Convencional Novos tratores Série A (50 cv a 95 cv) Tratores linha BM (106 cv a 132 cv) Tratores linha BH (153 cv a 210 cv) Novos tratores linha BT (150 cv a 215 cv - com transmissão Power Shift) Plantadoras e Semeadoras (2 a 30 linhas de plantio) Equipamentos para agricultura de precisão

www.valtra.com.br | 0800 192 211 Valtra é trabalho bem feito. Do que se planta ao que
www.valtra.com.br | 0800 192 211 Valtra é trabalho bem feito. Do que se planta ao que

SumáRIO // Expediente

4

|

EDITORIAL

Jak Torretta Jr., diretor de produtos AGCO América do Sul, apresenta os destaques da edição

|

  • 5 VALTRA RESPONDE A participação do leitor no envio de comentários e dúvidas

|

  • 6 PROTAGONISTA VALTRA Odair Novello e sua propriedade de cana-de-açúcar com 43 tratores Valtra

|

  • 8 POR DENTRO DA VALTRA Dedicação na linha de montagem de colheitadeiras, em Santa Rosa (RS)

    • 12 INOVAÇÃO / BT HiSix

|

Transmissão versátil é destaque no novos tratores da Série BT HiSix

14

|

CONSERVAÇÃO

Oficinas móveis da concessionária Valtrator auxiliam clientes de Santa Catarina

18

|

ImPLEmENTO

Plataformas de milho, distribuidores, lâminas frontais, plantadeiras e semeadeiras compõem a linha de implementos Valtra

SumáRIO // Expediente 4 | EDITORIAL Jak Torretta Jr., diretor de produtos AGCO América do Sul,

10

INOVAÇÃO

Challenger LB34B chega ao mercado com a mais moderna tecnologia em enfardamento de feno

16

COLHEITADEIRA

Valtra ingressa na cultura de arroz irrigado com a BC4500 R

  • 26 NOSSA TERRA

20

|

TRATOR

Seis mil tratores comercializados

pelo Programa Mais Alimentos

22

|

PERFIL

Concessionária Coopercitrus mostra porque é referência em pós-vendas

|

  • 24 COmPROmISSO VALTRA AGCO Finance há seis anos atuando para facilitar os negócios entre clientes e Valtra

|

  • 28 PRESENÇA GLOBAL Os 60 anos da Valtra no mundo

30

|

ACONTECE

As ações e eventos da marca no último período

34

|

CONHECImENTO

Dicas de sites e livros na área do agronegócio

Situação promissora na colheita de cana- de-açúcar brasileira Foto de capa: André Velozo Marcos Luis Geraldi
Situação promissora
na colheita de cana-
de-açúcar brasileira
Foto de capa:
André Velozo
Marcos Luis Geraldi
e sua enfardadora
Challenger LB34B,
em Macatuba (SP)
SumáRIO // Expediente 4 | EDITORIAL Jak Torretta Jr., diretor de produtos AGCO América do Sul,
SumáRIO // Expediente 4 | EDITORIAL Jak Torretta Jr., diretor de produtos AGCO América do Sul,
SumáRIO // Expediente 4 | EDITORIAL Jak Torretta Jr., diretor de produtos AGCO América do Sul,

A Revista Valtra & Você é uma publicação da Valtra do Brasil Ltda. Rua Capitão Francisco de Almeida, 695

Brás Cubas - CEP: 08740-300 Mogi das Cruzes - SP - Brasil

Vice-presidente Sênior AGCO América do Sul: André Carioba Vice-presidente de operações comerciais AGCO América do Sul: Orlando Silva Diretor de Marketing AGCO América do Sul: Fábio Piltcher Gerente de Marketing e Comunicações AGCO América do Sul: Eduardo Nunes Coordenação técnica: Cristiane Masina, Marco Radice Kol de Alvarenga e Nicole Flesch Colaboradores: Alexandre Assis, Aline Faber, Bárbara Barbieri, Carla Gasparin, Douglas Vincensi, Eduardo Sousa, Elias Kuyven, Fátima Faria, Fernando Petroli, Giancarlo Godoy, Guilherme Belardo, Jalison Cruz, Kátia Silva, Luiz Cambuhy, Olívia Moreira, Paulo Adriano Ratke e Winston Quintas (AGCO), Ariane Leão (Polisul Comercial Agrícola), Fernando Degobbi (Coopercitrus), Kátia Mansan e Eliza Ciarelli (Banco de Lage Landen), Nelson Cadore (Shark Piracicaba), Pedro Acacio Muldemberger (Valfertil) Fotografias: Nelson Cadore (Protagonista Valtra), Pacheco Fotografias (Por dentro da Valtra), André Velozo (Capa e Enfardadora Challenger), Nilson Konrad (Oficina Móvel Valtrator e BT 210 no Mato Grosso), Divulgação (Produto Trator), Divulgação Banco de Lage Landen (Compromisso Valtra), Divulgação Coopercitrus (Perfil) Redação, projeto e design gráfico: – (51) 3023.4866 – www.stampadesign.com.br Direção-Geral: Eliane Casassola Reportagem: Andrea Fioravanti (Reg.Prof. 8184), Bianca Bassani (Reg.Prof. 15069) e Roberto Villar Belmonte (Reg.Prof. 7243) Revisão: Patrícia Aragão Design e direção de arte: Thiago Pinheiro CTI: Larissa Troglio Impressão: Gráfica Pallotti Tiragem: 5.710 mil exemplares | Serviço de Atendimento ao Cliente Valtra: 0800 192 211 | Serviço de atendimento ao leitor: e-mail revista.valtra@agcocorp.com e tel. (11) 4795-2000 | A Redação reserva-se o direito de publicar ou não o material a ela enviado, bem como editá-lo para fins de publicação. Matérias assinadas não expressam necessariamente a opinião da Redação ou da Administração da Valtra. O conteúdo da Revista Valtra & Você pode ser reproduzido, desde que mencionados o autor e a fonte.

SumáRIO // Expediente 4 | EDITORIAL Jak Torretta Jr., diretor de produtos AGCO América do Sul,
SumáRIO // Expediente 4 | EDITORIAL Jak Torretta Jr., diretor de produtos AGCO América do Sul,

EDITORIAL // Agosto de 2011

Uma parceria entre

a fábrica, a rede e você

EDITORIAL // Agosto de 2011 Uma parceria entre a fábrica, a rede e você CRiAR SOLuçõES

CRiAR SOLuçõES ExCELENTES PARA NOSSOS CLiENTES, OuViNDO ATENTAMENTE SuAS NECESSiDADES E ExCEDENDO SuAS ExPECTATiVAS, é uM DOS VALORES quE SuSTENTA O TRABALHO DA VALTRA NO CAMPO E quE TAMBéM ADOTAMOS COMO ORiENTAçãO EDiTORiAL PARA NOSSA REViSTA

C riar soluções excelentes para nossos clientes, ouvindo aten-

tamente suas necessidades e excedendo suas expectativas,

é um dos valores que sustenta o trabalho da Valtra no cam-

po e que também adotamos como orientação editorial para nossa revista que chega a sua segunda edição repleta de novidades. Dos leitores recebemos mais de 600 sugestões de nomes. Muito obriga- do! Valtra & Você foi o escolhido em votação interna que envolveu uma comissão de diversas áreas.

Para melhor informar nossos leitores, de todas as idades, a re- vista ganhou quatro novas seções e passou de 20 para 36 páginas, e a Valtra Jovem, que circula encartada, tem agora quatro páginas. O assunto de capa da Valtra & Você é a enfardadora Challenger LB34B que acompanhamos na Fazenda São José em Macatuba (SP) com um BT 210 HiSix, trator que também vem apresentan- do um desempenho excelente nas lavouras de grãos, conforme nos relataram clientes do Mato Grosso, Rio Grande do Sul e Paraná.

Nosso Protagonista Valtra desta edição é Odair Novello, de Pi-

racicaba (SP), que utiliza 43 tratores das linhas BM e BH na pro- dução de cana-de-açúcar. Já os destaques das novas seções destina- das aos produtos são os tratores da Linha Leve que desenvolvemos para o Programa Mais Alimentos, a linha completa de implementos Valtra, que serão detalhados nas próximas edições da revista, e a colheitadeira BC4500 R, configurada para as lavouras de arroz ir- rigado da Região Sul.

Estivemos em Santa Rosa (RS) para mostrar como nascem as colheitadeiras Valtra e acompanhamos no litoral sul de Santa Cata- rina uma manhã de trabalho das oficinas móveis, serviço inovador implantado pela Valtrator. No Perfil, outra seção nova da revista, o destaque é a concessionária Coopercitrus. As outras duas seções que estreiam são Compromisso Valtra, que apresenta nesta edição a parceria iniciada em 2005 entre Valtra e AGCO Finance, e Nossa Terra, que trata do mercado da cana-de-açúcar.

Valtra & Você, nome sugerido por cinco dos nossos leitores, re- flete bem o que esperamos de cada nova edição da revista, que seja o resultado da parceira entre a fábrica, a rede e você, nosso cliente. Por isso sua participação é sempre bem-vinda. Boa leitura!

Jak Torretta Jr.

Diretor de produtos AGCO América do Sul

VALTRA RESPONDE // interatividade

o deslocamento, os serviços de mão de obra e os insumos necessários para a manutenção durante as revisões de garantia de 100 e 500 horas representam algum custo para o cliente?

A mão de obra aplicada nas revisões de 100 e 500 horas é gratuita para o
A mão de obra aplicada nas
revisões de 100 e 500 horas é
gratuita para o cliente. A fábrica
fica responsável em pagar para as
Concessionárias realizarem essas
revisões. Já as despesas referentes
aos itens de manutenção como
óleos lubrificantes, filtros e peças
com desgaste natural, como
por exemplo, disco de embreagem e
disco de freio, são de responsabilidade
do cliente assim como os custos de
deslocamento do mecânico até o
cliente.
Helio Amoretti - Gerente de Garantia e
Publicações Técnicas

gAnHAdorEs do concUrso cUltUrAl rEvistA vAltrA

Foram 622 sugestões de nomes recebidos, 20 selecionados e três finalistas para a escolha de apenas um. A equipe da nova publicação da Valtra se surpreendeu positivamente com a quantidade e a qualidade da participação de clientes e leitores. Após a votação de um comitê composto pelas áreas de marketing, vendas e pós-vendas foi escolhido o nome Valtra & Você. A decisão se justifica pelo fato de que todos os produtos da Valtra são desenvolvidos pensando no melhor para você, cliente da marca. Sempre atento às novas tecnologias e às demandas do mercado.

Esse nome foi apontado por cinco leitores que irão receber um Kit Valtra exclusivo, que inclui um trator em miniatura, um trator em pelúcia (Valtrinho), um boné e um pen drive em formato de pulverizador. São eles:

Alexandre Augusto Monteiro de Souza - Mogi das Cruzes (SP) Paulo Roberto dos Santos Vogel - Ibirubá (RS) José Alberto Andrade Santana - Aracaju (SE) Lindomar Simionatto - Juína (MT) Márcio Ferreira - Ponta Grossa (PR)

Com a palavra, o leitor

que tal contribuir com a próxima edição da Revista Valtra & Você? Você pode enriquecer o conteúdo enviando sugestões de matérias, dicas, dúvidas técnicas e comentários

VALTRA RESPONDE // interatividade o deslocamento, os serviços de mão de obra e os insumos necessários

CORRESPONDÊNCiA:

vAltrA do BrAsil – dEPArtAmEnto dE mArkEting

rUA cAPitão FrAncisco dE AlmEidA, 695 Brás cUBAs - cEP: 08740-300 mogi dAs crUzEs - sP

E-MAiL:

rEvistA.vAltrA@AgcocorP.com

Elogios à

novA rEvistA

Publiquei em nosso site (www.dhlzf.com.br) a Revista Valtra para disponibilizar aos nossos clientes e amigos esse novo material, diga-se de passagem um excelente trabalho, os editores da Revista Valtra estão de parabéns.

Maurício Muller

Concessionária DHL Ponta Grossa (PR)

v

A

l

m

E

t

A

L

i

E

x

R

M

C

D

R

i

A

O

A

E

E

T

T

S

N

R

C

O

O

 

ç

A

E

 

T

A

N

M

R

R

ç

O

 
 

A

S

 

v

A

l

t

r

A

i

L

i

E

E

G

T

C

D

C

N

R

Ó

A

E

N

O

i

R

N

R

O

V

C

i

ç

A

L

A

u

A

A

M

O

N

L

S

D

 

G

D

T

 

A

i

O

u

S

A

 

R

 

A

sUcEsso dEsdE os Anos 50

Nasceu nos anos 50 esta frase: “Vamos alcançar

liderança e merecemos êxito com o nosso trator”.

Então, foram vendidas muitas unidades em todo o

território nacional e a marca Valmet ficou no comércio

por mais de 30 anos. introduzida no Brasil em 1990 com

o motor Sisu Power e sendo bem aceita pelos clientes,

com a frase: “Vitórias alcançadas lideram a tecnologia

renovando agricultura”, a Valtra figura entre as primeiras

montadoras no trabalho da agricultura nacional.

Paulo osório Pinto - Mecânico da Shark Distribuidora

de Tratores e Peças Valtra - Pato Branco (PR)

As frases entre aspas, criadas pelo autor desse texto, baseiam-se em um

jogo de letras com os nomes Valmet e Valtra.

Revista Valtra & Você 5

PROTAGONISTA VALTRA // Odair Novello

Odair gerencia cerca de 200 funcionários na sua fazenda de cana

“ Performance

e economia

dos tratores Valtra fazem a diferença”

Por Andrea Fioravanti Reisdörfer

U ma frota de 43 tratores Valtra das

linhas BM e BH adquiridas ao lon-

go de quatro décadas ajuda a contar

parte da história de Odair Novello, 61 anos, proprietário da Fazenda Anda e produtor de cana-de-açúcar em Piracicaba (SP), cidade localizada em uma das regiões mais industria- lizadas e produtivas de São Paulo. A identifi- cação e a confiança na marca começaram em 1972 quando adquiriu os primeiros tratores para trabalhar na propriedade de 958 hectares. A tecnologia diversificada e o alto desempe- nho são alguns dos diferencias apontados por Odair na hora de justificar sua fidelidade à marca. “O projeto arrojado, a performance das máquinas que nos permite aumentar a produ- tividade, a economia da linha média e o ótimo atendimento que recebemos fazem a diferença na hora de decidir pela marca”, complementa o cliente da concessionária Shark, de Piraci- caba. A facilidade de reposição das peças e o baixo custo de manutenção são outras vanta- gens indicadas pelo profissional do campo que cultiva 12 variedades de cana.

A aquisição mais recente, três tratores, sendo dois BM 100 4x4 e um BH 205i 4x4, este último da linha pesada com 210 cv, seis cilindros e com Turbo Intercooler que resul- ta em maior desempenho e eficiência dos motores e reduz em até 5% o consumo de combustível, aconteceu durante a Agrishow, realizada em maio em Ribeirão Preto. Atento às inovações tecnológicas da Valtra, marca líder no segmento e que desenvolve produtos para otimizar o sistema de plantio da cana-de-açúcar, Odair revela que está instalando em dois tratores da sua frota o Sistema de Operações Integradas. Com os programas é possível planejar as operações e concentrar a passagem de máquinas em determinadas áreas, utilizando o mesmo rastro. Com cerca de 200 funcionários, esclarece que ao adquirir uma máquina nova ou agregar uma tecnologia, quando necessário, recebe orientações dos técnicos da Valtra em relação ao funcionamento. “Mas todos aqui já conhecem e dominam bem os tratores da marca. Mesmo com toda essa tecnologia são máquinas de fácil operação”.

SiSTEMA DE OPERAçõES iNTEGRADAS: DESENVOLViDO PELA áREA DE ATS OFERECE SOLuçãO COMPLETA PARA O PLANTiO MECANizADO DA CANA-DE-AçúCAR

A aquisição mais recente, três tratores, sendo dois BM 100 4x4 e um BH 205i 4x4,

Com frota de 43 tratores Valtra,

Odair Novello projeta colher 364 mil toneladas de cana na atual safra

A aquisição mais recente, três tratores, sendo dois BM 100 4x4 e um BH 205i 4x4,

Além da sua propriedade o produtor ar- renda outros 3.500 hectares de terra para o plantio da cana. Para a safra de 2011, ini- ciada em abril e com término em novembro, projeta colher 360 mil toneladas de cana, quatorze mil toneladas a mais em relação à safra de 2010. Toda a sua produção é comer- cializada para a Raízen, joint venture resul- tante da união entre Shell e Cosan. “Atual- mente 54,6% da nossa cana é utilizada para a produção de açúcar e os outros 46,4 para o etanol”, explica Odair Novello, que cultiva 12 variedades de cana em sua propriedade.

O profissional, que tem toda a sua lavoura mecanizada, considera boas as perspectivas para o segmento no Brasil. A possibilidade de abertura do mercado americano que cogi- ta acabar com a tarifa de importação sobre o etanol e também dar fim aos subsídios con- cedidos à indústria do etanol no País é vista com bons olhos. “Considero positiva essa situação embora ainda não tenhamos produ- ção suficiente para importar, pois atualmente toda a nossa produção vai para a demanda interna. Mas temos muito potencial para ex- pandir”, finaliza.

Na propriedade são cultivadas 12 variedades de cana com destino à produção de açúcar e etanol

POR DENTRO DA VALTRA // Fábrica de Santa Rosa

Prazer

em colher

Conheça os profissionais que atuam na linha de montagem das colheitadeiras Valtra na fábrica de Santa Rosa

Por Bianca Bassani

Linha de montagem de colheitadeiras em Santa Rosa

POR DENTRO DA VALTRA // Fábrica de Santa Rosa Prazer em colher Conheça os profissionais que

A montagem do eixo dianteiro é uma das etapas mais importantes da produção. Eu me concentro sempre para seguir exatamente o mesmo desenho do projeto da peça, porque um produto tem que ser igual ao outro. Toda vez que estou trabalhando me coloco no lugar do cliente, penso que vou ser o comprador desta máquina e como gostaria de recebê-la.

POR DENTRO DA VALTRA // Fábrica de Santa Rosa Prazer em colher Conheça os profissionais que

Delmar Kretschmer - 20 anos de AGCO Montador especializado (eixo dianteiro)

POR DENTRO DA VALTRA // Fábrica de Santa Rosa Prazer em colher Conheça os profissionais que

Acompanhei a primeira cabine montada aqui na fábri- ca, por isso acho que eu conheço bem essa etapa. A ca- bine é uma parte muito visada da máquina, então tenho muito cuidado para que tudo saia perfeito. Até os pe- quenos detalhes, como a estética – se tem algum risco, por exemplo –, e a limpeza interna dela. Eu sei que ela ainda vai passar por revisões, mas eu entrego a cabine para a linha como se fosse o último a olhar. Para mim, meus colegas da linha de montagem são os clientes e têm que receber a cabine perfeita.

Jaime Faccin - 10 anos de AGCO Montador especializado (cabine)

Nos últimos meses temos realizado diversas melhorias aqui na fábrica. Colocamos mais itens em nosso check list habitual a fim de garantir a qualidade. Desenvolvemos novas ideias para os processos trabalhando em conjunto com os setores de Qualidade, Enge- nharia e Manufatura. Na etapa de montagem da plataforma também adotamos critérios importantes, como a introdução de maior número de revisões e uma pessoa exclusiva para a execução dessa tarefa. Os colaboradores têm se tornado mais participantes na fábrica, ajudando com melhorias e sugestões. Tudo para deixar as etapas mais seguras e precisas e garantir uma máquina de qualidade ao final do processo.

POR DENTRO DA VALTRA // Fábrica de Santa Rosa Prazer em colher Conheça os profissionais que

Paulo Roberto Urnau - 13 anos de AGCO Supervisor de manufatura

modernidade é o foco

A fábrica de Santa Rosa entrega cerca de 100 máquinas por mês. Atualmente, vem ganhando uma série de mudanças para ampliar a qualida- de de seus processos e o dia a dia de seus co- laboradores. A ideia é modernizar e expandir. Para isso serão investidos até 2014 mais de 50 milhões de dólares na compra de novas máqui- nas, robôs de solda e a construção de uma uni- dade de pintura, que terá 7,8 mil metros quadra- dos com muita tecnologia de ponta. A equipe da pintura ganhará um espaço totalmente ergonô- mico e seguro.

O lhos atentos, mãos firmes e fa- ces de satisfação são as cenas mais recorrentes para
O lhos atentos, mãos firmes e fa-
ces de satisfação são as cenas
mais recorrentes para quem cru-
za o chão da fábrica da AGCO em Santa
Rosa. É difícil conhecer cada espaço dos
35,5 mil metros quadrados de área cons-
truída. Mas em poucas horas, numa visi-
ta guiada pelo supervisor de manufatura
João Batista Coelho, a equipe da Revista
Valtra & Você pôde admirar a dedicação
de quem produz uma das principais co-
lheitadeiras do Brasil.

Na linha de montagem as colheitadeiras pas- sam pelas fases de nascimento, intermediária (em que são montados o motor e as partes hi- dráulica e elétrica), montagem final, revisão e inspeção de qualidade. Ao longo da linha são realizadas duas verificações chamadas quality gates, a fim de garantir precisão e qualidade na montagem da máquina. A revisão final também é detalhada, dividida em cinco fases mais uma revisão pré-embarque.

Personagens da colheita

Em cada parada para uma breve conversa, a história dos colaboradores da fábrica parece se assemelhar. E não é mera impressão: muitos deles têm mais de 10 anos de empresa, extremo orgulho e gosto pelo que fazem e uma ligação forte com o campo. Moradores de Santa Rosa ou municípios vizinhos eles parecem entender a necessidade do profissional do campo de uma forma diferente. Sabem ao certo que máquina o cliente espera ter e o que eles devem fazer para atender essa expectativa.

Fábrica de mogi recebe visitantes

modernidade é o foco A fábrica de Santa Rosa entrega cerca de 100 máquinas por mês.

Dentro do novo Programa de Visitas à fábrica, implantado no início do ano, a Valtra de Mogi das Cruzes (SP) recebeu uma série de visitantes em sua unidade. No início de agosto, 19 clientes vindos da Nicarágua, país da América Central, realizaram um tour pela área fabril e tiraram dúvidas com colaboradores da fábrica. Durante a visita, os presentes puderam conhecer as instalações da Valtra e obter mais informações sobre produto e motores AGCO Sisu Power.

INOVAÇÃO // Enfardadora Challenger LB34B

N a Fazenda São José em Macatuba (SP), onde a Agrícola 3 Lagoas planta 5.350 hectares de cana- -de-açúcar para uma das três unidades da Zilor

Energia e Alimentos, a enfardadora Challenger LB34B tra- balha desde 20 de maio de 2011 produzindo um fardo gi- gante por minuto, das 6h às 22h. A 4 km/h, ela recolhe por dia entre 490 a 500 fardos de 320 quilos cada (120 a 130 toneladas por dia), nove toneladas (28 fardos) por hectare.

“Anualmente nos canaviais sobram entre 12 a 15 tonela- das de palhiço e palha de cana-de-açúcar por hectare, e esse material pode ser aproveitado por meio do seu recolhimen- to, enfardamento e posterior queima nas usinas, cogerando energia de uma forma ambientalmente correta”, informa Guilherme Belardo, gerente de produto – equipamentos for- rageiros da AGCO América do Sul.

mundo diferente

“Com o fim da colheita com queima, o aumento da palha residual no campo vem trazendo em algumas unidades o aumento de ervas daninhas e novas pragas. É um mundo completamente diferente que esta- mos começando a aprender. Recolhendo a palha gastamos menos com inseticidas e herbicidas e reduzimos também o impacto ambiental. Deixo 30% na lavoura. É sufi- ciente para recompor o solo”, relata Marcos Luis Geraldi, 52 anos, um dos proprietários da Agrícola 3 Lagoas.

Um fardo gigante

de biomassa por minuto

A AGCO trouxe para o Brasil a Challenger LB34B, a mais moderna tecnologia em enfardamento de feno, forragem e biomassa. Disponível na rede de concessionárias Valtra, a enfardadora gigante já está sendo utilizada em São Paulo, com alto desempenho, no recolhimento da palha da cana-de-açúcar para cogeração de energia.

Fazenda São José em Macatuba (SP)

Sistema de nó duplo

A enfardadora gigante Challenger LB34B, produ- zida na unidade da AGCO em Hesston, nos Estados Unidos, proporciona uma alimentação homogênea de palha, feno ou forragem, gerando fardos com densi- dade mais consistente. Seu sistema de gerenciamento mede a carga nos sensores dos pistões e ajusta auto- maticamente a pressão hidráulica nas paredes laterais e no trilho superior, proporcionando fardos homogê- neos e simétricos.

Outro grande diferencial da enfardadora Challen- ger, adquirida pela Agrícola 3 Lagoas através da con- cessionária Comper, é o seu exclusivo sistema de nó duplo que faz dois nós, um que termina o fardo ante- rior e outro que inicia o próximo fardo em uma única operação. A LB34B conta ainda com um sistema de ventilação para a limpeza do mecanismo de nós que garante menor desgaste e menos paradas para manu- tenção do equipamento.

Ela tem seis amarradores e carrega até 30 rolos de fio de polipropileno, 15 em cada lado da máquina. Como cada rolo tem 975 metros, ela entra em campo com quase 30 mil metros de fio. Os fardos gigantes têm altura de 0,9 m, largura de 1,2m e comprimen- to variável de 1 a 2,7 metros. Na Agrícola 3 Lagoas , eles têm 2,20 metros e são transportados por estradas internas em um pentaminhão. O canavial fica a 5 qui- lômetros da usina.

O especialista da Valtra, Paulo Adriano Felippe Ratke , 39 anos, explica que a palha recolhida é jogada para uma câmara de pré-carga, em que as fatias do far- do são enviadas para a câmara de compressão da má- quina. Um fardo de 2,20 m de comprimento tem entre 30 a 32 fatias. No monitor da Challenger LB34B, lo- calizado na cabine do trator, o operador regula a pres- são exercida e o tamanho do fardo.

Trator ideal

“Para trabalhar com a enfardadora Challenger, uti- lizamos um BT 190 HiSix. O câmbio automático é ideal para a cana, pois o operador não precisa trocar de marcha a toda hora. Existem diferentes situações na mesma área. Pouca palha exige mais velocidade. Mais palha, menos velocidade. Como o serviço é pesado, a potência dele também é importante”, relata Laércio Moraes, 45 anos, gerente da Agrícola 3 Lagoas.

Seis amarradores com sistema de nó duplo

“O BT 190 HiSix atende todas as nossas operações:

subsolagem, gradagem, sulcação e enfardamento. Te- mos dois tratores desse modelo. Ele é muito versátil e fácil de operar. O sistema hidráulico melhorou mui- to, ficou perfeito. É uma máquina que tem potência e é econômica. No plantio mecanizado, nós fizemos 15 litros de diesel por hora com ele”, afirma um dos pro- prietários da Agrícola 3 Lagoas, Marcos Geraldi.

Além de trabalhar com a enfardadora Challenger, o BT 190 HiSix faz todo o preparo de solo na Agrícola 3 Lagoas em Macatuba (SP). Com um subsolador de cinco hastes de 50 centímetros, ele gasta de 20 a 21 li- tros de diesel por hora. Com a grade aradora pesada de 16 x 32, e velocidade entre 4 e 5 km/h, o trator tem um consumo de 18 a 20 litros de diesel por hora, fazendo em torno de 0,8 a 0,9 hectares por hora.

Na sulcação normal (duas linhas de sulco em um es- paçamento de 1,5 m) com plantio mecanizado (em qua- se 50% da área), “o BT HiSix é muito econômico, com um consumo de apenas 15 litros por hora. A plantadeira faz a sulcação, planta a cana, coloca o herbicida, o adubo e fecha. Trabalhando em dois turnos de oito horas, está- vamos conseguindo sete hectares em média”, informa Marcos Geraldi, cliente da concessionária Comper.

Fácil de operar

“O trator é excelente. Eu já trabalhei com ele na en- fardadora, na grade e no arado também. É muito con- fortável e fácil. Dá briga para trabalhar com ele”, conta o operador Carlindo Carlos da Silva, 44 anos. “Com o BT HiSix podemos programar para trabalhar do jeito que a gente quiser. Ele dá oportunidade para o operador prestar mais atenção na operação do que na dirigibili- dade”, destaca Marcos Geraldi, da Agrícola 3 Lagoas.

INOVAÇÃO // BT HiSix

BT 210 HiSix proporciona um ótimo escalonamento de marchas e velocidades

A transmissão mais

versátil do mercado

Para o produtor rural que busca alta tecnologia e produtividade, a Valtra desenvolveu os tratores da Série BT HiSix. Os quatro modelos – BT150 (150cv), BT170 (170cv), BT190 (190cv) e BT210 (210cv) – utilizam a transmissão mais versátil disponível no mercado para proporcionar alto desempenho nos canaviais e nas grandes áreas de grãos.

INOVAÇÃO // BT HiSix BT 210 HiSix proporciona um ótimo escalonamento de marchas e velocidades A

T rabalhar com um trator BT HiSix é uma bar- bada. Depois que a gente experimenta o câm- bio automático da nova série da Valtra não

quer mais trabalhar com outra máquina”, relata o pro- dutor rural Jeferson Saggiorato, 42 anos, da Fazenda São Domingos, de Mato Castelhano (RS), onde plan- ta soja, milho, trigo e aveia em 700 hectares.

“Antes de adquirir o BT 190 HiSix, eu testei e comparei com a concorrência. O fator determinante da compra foi o câmbio, que troca o grupo e a marcha de maneira automática, e permite programar o servi- ço, o que facilita muito as operações. O trator sofre menos. Até puxando o carroção graneleiro, ficou mui- to mais fácil acompanhar a colheitadeira”.

A transmissão HiSix com powershift e shuttle (reversor) possibilita o uso de 24 velocidades à frente e 24 a ré. São quatro grupos sincronizados e automatizados com seis velocidades para cada gru- po e possibilidade de reversão acionando-se ape- nas uma alavanca posicionada ao lado do volante, sem acionamento de embreagem.

No computador de bordo é possível fazer pro- gramações de trabalho para manter a rotação e tro- car de marcha automaticamente no campo. Com isso, o operador trabalha com mais conforto e au- menta o rendimento do serviço. Caso a opção seja por fazer a troca manualmente, a mudança é feita com um simples toque.

BT 210

com arado subsolador de 11 hastes

O novo BT 190 HiSix de Jeferson Saggiorato, negociado na concessionária Razera Agrícola, já trabalhou em 2011 na colheita da soja, no plantio do trigo e também com uma plaina para nivelar o solo. “O controle remoto dele é muito bom, res- ponde rápido e tem uma vazão incrível”, informa o produtor rural de Mato Castelhano (RS).

O controle remoto de circuito fechado da série BT HiSix tem uma vazão variável de até 162 litros por minuto, direcionados para as quatro saídas, to- das com válvula “load-sensing” que permite regu- lar a quantidade exata de óleo necessária. Além de uma vida útil maior, o sistema proporciona redu- ção e economia no consumo de combustível.

Trabalho pesado

A capacidade do controle remoto é destaca- da pelo produtor rural Afonso Knopik, 61 anos, que utiliza um BT 210 HiSix na Fazenda Cinco Poderes em Campo Tenente (PR), na divisa com Santa Catarina, onde o cliente da concessionária Valfertil produz soja, milho, trigo, feijão, cevada e batata em 1.500 hectares.

“Eu estou preparando a terra em uma área bas- tante compactada com um arado subsolador de 11 hastes com rolo destorroador para nivelar o solo. Apesar do terreno pesado, consigo trabalhar um hectare a cada 30 minutos a um profundidade de 45 a 50 centímetros com o BT 210 HiSix entre 5 e 6 km/h”, conta Afonso Knopik.

Ele também já utilizou o modelo da Série BT HiSix com grade niveladora de 55 discos e no plantio da próxima safra vai utilizá-lo para puxar uma plantadeira Valtra Hitec de 16 linhas com sul- cador de desarme automático que vai utilizar com espaçamento de 50 centímetros, implemento que acaba de adquirir na Valfertil de Mafra (SC).

Velocidade correta

Na última safrinha de milho no Mato Grosso, o produtor rural Giancarlos Bavaresco, 33 anos, chegou a fazer 80 hectares em um dia com um BT 210 HiSix puxan- do uma plantadeira de 30 linhas na Fazenda Santo Antônio, em Nova Maringá (MT). O cliente da concessionária Pampa produz 4,2 mil hectares de soja e 1,4 mil hectare de milho.

“O BT 210 trabalhou com velocidade entre 6 a 6,8 km/h e consumiu cerca de 16,7 litros de diesel por hora. A trans- missão HiSix é muito boa. Não existe nada parecido no mercado. Ela me permite escolher a velocidade correta para o plantio. Com o computador de bordo, eu posso fa- zer a programação do trabalho”, ressalta Bavaresco.

Robustez e tecnologia

Na mesma região, outro BT 210 HiSix é utilizado desde outubro do ano passado na Fazenda Berrante de Ouro, da empresa Nestor Ivo Bocchi e outros, em Sorriso (MT). Em um dia, ele fez 100 hectares puxando uma plantadeira de 26 linhas a uma velocidade constante de 7,5 km/h, com consumo entre 27 e 28 litros por hora.

“A Série BT HiSix manteve a robustez dos tratores Val- tra com uma tecnologia de câmbio que melhorou o de- sempenho da máquina nos trabalhos mais pesados”, avalia Edemar Dalla Vecchia, 33 anos, gerente da Fazenda Ber- rante de Ouro, que produz anualmente 500 mil sacos de soja e 400 mil sacos de milho em 7.200 hectares.

O trator trabalhou com um subsolador de sete hastes, com velocidade constante de 7,5 km/h e consumo de 24 litros por hora. “A transmissão e o controle remoto do BT HiSix facilitam o serviço. Em função do câmbio automáti- co, na hora de arrancar com carga é mais fácil manter uma velocidade constante”, constata Dalla Vecchia.

conForto oPErAcionAl

Além da transmissão com powershift e shuttle (reversor) e do controle remoto com vazão variável, os tratores da Série BT HiSix têm um sistema de levante hidráulico eletrônico de três pontos com alta capacidade de levante (8000 kgf), agilidade e precisão na sensibilidade, o que permite uma fácil regulagem e operação. E uma Tomada de Potência Independente (TDP) com possibilidade de uso em 540 e 1000 rpm.

Todos os comandos estão localizados ergonomicamente na cabine, mais espaçosa e com um amplo espaço interno. O novo capô escamoteável, arredondado e de conceito inovador, oferece uma melhor visibilidade de operação e facilita as manutenções periódicas. Outro diferencial é o motor AGCO Sisu Power (620DS e 634 DSA) de baixo consumo de combustível, alto desempenho e excelente conforto operacional.

CONSERVAÇÃO // Serviço inovador

A oficina móvel que

resolve tudo no campo

Por Roberto Villar Belmonte

O cliente Zenildo Becker, de Orleans (SC), recebeu a oficina móvel para reparo em seu trator Valtra

Concessionária Valtrator utiliza três oficinas móveis, uma delas equipada com 600 itens, para realizar as revisões de 100, 500 e 1000 horas em campo e também atender os serviços mais pesados, como caixa de câmbio, embreagem e troca do kit do motor.

  • C edo da manhã o mecânico Claudeci che- gou de caminhão à propriedade do clien- te. Antes de sair da cabine, besuntou bem

as mãos com um creme que protege a pele contra produtos químicos, seguindo à risca as normas de segurança da concessionária Valtrator.

  • - Bom dia, seu Zenildo! O que houve?

  • - O trator trava de vereda. – respondeu, do jeito

que se fala com os amigos mais chegados, Zenildo Becker, 35 anos, produtor de milho e prestador de

serviço de Orleans (SC).

A primeira providência de Claudeci, 31 anos, foi rodar alguns metros com o Valtra 785 de Zenildo para sentir o freio a óleo. Depois de identificar o problema, ele e o mecânico Lauri, 42 anos, com quem trabalha na oficina móvel, retira- ram a roda traseira direita, o para-lama e

o sistema de acionamento do freio utili-

zando macaco, cavalete e chave pneumá- tica. Com auxílio de uma girafa amarela extraíram ali mesmo a transmissão final para analisar as peças do freio.

Os discos estavam pegando na carcaça. No campo mesmo, os dois mecânicos da oficina mó- vel da Valtrator retiraram a folga e recolocaram tudo no lugar. E ainda aproveitaram a visita para revisar outro trator do cliente de Orleans (SC), um A 750. Montada em um chassi de caminhão de pequeno porte, a oficina móvel comandada por Claudeci carrega 600 itens e todo tipo de ferramenta. Zenildo e um dos seus operadores, Marciel Ceulin, 25 anos, acompanharam todo o serviço de perto.

Contato direto

“Com a oficina móvel, os meus funcionários aprendem a cuidar melhor da máquina conver- sando com os mecânicos. Se o serviço fosse feito fora, eles não teriam como acompanhar. Em casa eles estão vendo. O técnico da concessionária explica para eles por que aconteceu o problema. Assim, o operador aprende a cuidar melhor da máquina”, relata satisfeito Zenildo Becker, que presta serviço com quatro tratores Valtra, mode- los A 750, 785, 700 e 800, “cada um deles traba- lha mais de mil horas por ano”.

Claudeci foi o primeiro mecânico a trabalhar na oficina móvel da Valtrator, serviço implantado em março de 2006 que atualmente presta assis- tência técnica em 20 dos 43 municípios atendidos pela Valtrator. Tudo começou com uma camione- te F350 equipada com 300 itens que segue em operação, atualmente comandada por Jackson Nagel Gomes, 23 anos. “Trabalho sozinho, mas quando o serviço é pesado (freio, embreagem ou troca do kit de motor), levo um ajudante”, conta o jovem mecânico.

“Esse contato direto com o produtor rural – fa- zendo um serviço ágil na propriedade – nos trou- xe credibilidade. E deu tão certo que em agosto de 2009 colocamos em operação a segunda ofici- na móvel, montada em um caminhão, com o do- bro de itens disponíveis. Aumentamos significati- vamente as revisões de 500 horas. Fazemos ainda dias de campo de pós-vendas, o que também aju- da a fidelizar nossos clientes”, relata Roque Savi Mondo, 50 anos, diretor da Valtrator, concessio- nária que atende o litoral sul catarinense.

Ferramentais especiais

Primeira camionete transformada em oficina móvel, equipada com compressor de ar, esmeril, carrinho de abrir embreagem, ferramentas especiais Valtra, como sacadores de polia e rolamentos, além de uma bateria-socorro. Na foto, o mecânico Jackson Nagel Gomes em visita ao clien- te Mário Geraldo Dorregão, 50 anos, que trabalha com be- neficiamento de eucalipto e pínus, acompanhado de Elias Kuyven, coordenador de Pós-Venda Valtra, e Giovanni José Mendonça, gerente de Serviços da Valtrator.

Trabalho inovador

“O nosso grande desafio não foi montar uma oficina móvel, mas sim colocar uma pessoa que represente to- talmente a nossa empresa no campo. Felizmente demos o pontapé inicial com uma pessoa como o Claudeci que nos apoiou muito e está preparando os novos mecâni- cos das oficinas móveis. Hoje são três funcionários. Um quarto trabalha numa camionete menor, de 70 itens, que executa os trabalhos que chamamos de SOS”, destaca Giovanni José Mendonça, 42 anos, gerente de Serviços da Valtrator.

“O trabalho da Valtrator é inovador e traz muitos be- nefícios. Uma manutenção mais ágil, com qualidade e baixo custo, aumenta a disponibilidade das máquinas em campo e ajuda a tornar o serviço da concessionária um negócio rentável. Todos ganham. A maioria dos produto- res rurais não gosta de ver seu trator sendo transportado em um caminhão para fazer a manutenção na concessio- nária. O atendimento na propriedade dá mais segurança e tranquilidade, pois o cliente pode acompanhar todo o trabalho, resultando no aumento da fidelização e forta- lecimento da marca”, ressalta Marcos Antônio Ferrari, diretor da AGCO Service América do Sul.

COLHEITADEIRA // BC4500 R

robusta e

ágil no arroz

“REGuLAGEM DO CôNCAVO, RETRiLHA iNDEPENDENTE E TuBO DE DESCARGA TiPO TORRE SãO OS DESTAquES DA MáquiNA”, ExPLiCA O GERENTE DE MARKETiNG DE PRODuTO COLHEiTADEiRAS DOuGLAS ViNCENSi

BC4500 R é a grande novidade da Valtra para colheita do arroz irrigado

pLataFOrma De cOrte A Valtra desenvolveu uma plataforma de corte rígida especialmente para a nova colheitadeira
pLataFOrma De cOrte
A Valtra desenvolveu uma
plataforma de corte rígida
especialmente para a nova
colheitadeira arrozeira.
Disponível em três tamanhos, a
plataforma promove um fluxo
uniforme do material colhido
e uma velocidade maior de
alimentação, permitindo que a
colheitadeira usufrua de toda a
capacidade de trilha com muito
menos perdas.
O canal alimentador da Valtra
BC4500 utiliza uma esteira
composta por três correntes e
duas filas de travessas bipartidas
desencontradas e tambor dianteiro
flutuante. Essa estrutura maximiza
o fluxo de material e assegura uma
alimentação constante e uniforme
ao cilindro de trilha.
canaL aLimentaDOr

O principal produto da cesta básica brasileira está em

rei dos cereais no Rio Grande do Sul e, atualmen-

alta. É protagonista nas mesas de todo o Brasil, o

te, o grande motivador do lançamento de mais uma máquina Valtra. A colheitadeira BC4500 chega ao mercado, agora na versão R, para atender um nicho específico de produtores, os do arroz. Robusta, ágil e funcional, a máquina vai ao encontro dos princípios da Valtra no objetivo de prover tecnologia para facilitar a vida do profissional no campo.

Entre os principais diferenciais da máquina estão a regu- lagem independente frontal e traseira do côncavo, a retrilha independente e o tubo de descarga tipo torre. O ajuste inde- pendente do espaçamento do côncavo em relação ao cilindro de trilha facilita a operacionalidade da máquina e diminui consideravelmente o uso de chaves ou paradas para ajustes dos tirantes, resultando em economia de tempo e qualida- de de grãos. Com relação à retrilha, o sistema utilizado na BC4500 R assegura a completa separação dos grãos e uma maior capacidade de trilha efetiva, pois não existe retorno de material não trilhado ao cilindro para ser reprocessado. No momento da descarga, o grande destaque aparece no tubo tipo torre com altura acima dos quatro metros, permitindo que a máquina faça todas as descargas em qualquer posição, em movimento ou estática, o que evita perdas de tempo na etapa. Conheça os detalhes da BC 4500 R, que chega para deixar a gama de produtos Valtra ainda mais completa:

triLha

O sistema de trilha da colheitadeira é convencional (tangencial) de dentes, que mantém a versatilidade da máquina e permite o seu uso na mais ampla gama de cultivares arrozeiras. O cilindro de trilha dentado de 600 mm de diâmetro e largura de 1270 mm, somado a área de 0,80 metros quadrados e 117 de envolvimento do côncavo, assegura uma alta capacidade de trilha e uma excelente qualidade dos grãos.

separaÇÃO O tanque de grãos com capacidade de 5.200 litros e a alta de vazão de
separaÇÃO
O tanque de grãos com
capacidade de 5.200 litros e a alta
de vazão de descarga minimizam
consideravelmente o tempo de
máquina parada para a atividade
de descarga, aumentando
consequentemente a produtividade
e desempenho da colheitadeira
no campo. Um sensor de tanque
cheio alerta o operador da
necessidade de descarga evitando
a perda acidental de grãos.
Tanque de grãos limpos
transpOrte e DescarGa

Saca-palhas

triLha O sistema de trilha da colheitadeira é convencional (tangencial) de dentes, que mantém a versatilidade

A versatilidade da trilha é mostrada pela característica de construção do côncavo, onda há duas linhas de barras dentadas com opção de uma terceira.

A regulagem da rotação do cilindro de trilha é elétrica e feita da cabina do operador, variando continuamente de 410 a 1220 rpm. O espaçamento frontal e traseiro do côncavo em relação ao cilindro de trilha pode ser ajustado de forma independente, trazendo uma significativa vantagem operacional à máquina, diminuindo consideravelmente o uso de chaves ou paradas para ajustes dos tirantes. A transmissão indireta por variador e correia do cilindro de trilha permite ao operador uma ampla gama de rotação, o que possibilita ajustar a rotação correta para cada cultura e condição

A área de separação da máquina, com 5,25 metros quadrados, é composta por cinco saca-palhas de fundo aberto. Essa ampla área de separação somada a alta inclinação do primeiro degrau do saca-palhas permite reduzir a velocidade do avanço do material, aumentando o tempo de permanência sobre os saca-palhas, o que permite uma completa separação dos grãos da palha.

Caracol sem fim e elevadores de retrilha

triLha O sistema de trilha da colheitadeira é convencional (tangencial) de dentes, que mantém a versatilidade

A retrilha da máquina é do tipo independente, composta por dois rotores com elementos de trilha localizados nas laterais da máquina.

retriLha

A eficiência do sistema de limpeza da colheitadeira é caracterizada pela excelente capacidade de separação da palha do grão. O movimento oscilante do bandejão principal permite uma entrega uniforme e igual do material às peneiras, proporcionando um melhor

aproveitamento dos 3,84 metros quadrados de área total de limpeza.

LimpeZa

mOtOr A BC4500 está equipada com o reconhecido motor AGCO SISU Power 620 DSR de 200
mOtOr
A BC4500 está equipada com o
reconhecido motor AGCO SISU
Power 620 DSR de 200 cv de
potência bruta.

O excelente conforto operacional durante a longa jornada diária de trabalho é garantido pela cabine centralizada, climatizada por ar condicionado, com isolamento termo-acústico, controles e alavanca multi-funções integrados ao assento e grande área envidraçada.

O sistema de iluminação é composto por seis faróis de trabalho e dois faróis de transporte com grande capacidade de iluminação, permitindo prosseguir com o trabalho à noite com total segurança na operação.

O Monitor HiVision é fácil de operar e centraliza todas as informações funcionais da colheitadeira em um terminal LCD de tela colorida. O terminal é de fácil navegação, visualização e integração com o operador, permitindo realizar todo o monitoramento e controle dos sistemas, como motor, sistema hidráulico, rotação dos eixos, perda de grãos e também armazena os históricos da máquina e da colheita.

cabine

ImPLEmENTO // Linha completa de produtos

A palavra implemento define-se como

aquilo que é indispensável para exe-

cutar determinada tarefa. No caso da

Valtra e sua linha de implementos agrícolas, a proposta é mais do que ser fundamental na roti- na diária do campo: oferecer ao profissional que nele atua um aproveitamento muito maior com menos esforço e custo. A marca oferece uma vasta gama de acessórios e configurações que atendem a todos os tipos de terreno para serem usados do plantio à colheita de pequenas, mé- dias e grandes propriedades. “Produtos com es- sas características, somadas às concessionárias de qualidade, fidelidade da marca e benefícios do banco próprio AGCO Finance, conquistaram a confiança dos clientes Valtra”, ressalta o su- pervisor de marketing de produto pulverizado- res e implementos, Vitor Kaminski.

Os produtos da linha de implementos Valtra têm características exclusivas e admiradas pelos clientes. Quem acompanha de perto o retorno dessas pessoas, como o coordenador de pós- -venda da marca, garante que os implementos Valtra são de extremo valor para o profissional do campo. Rógil Berghahn conta que as carac- terísticas mais destacadas pelos clientes são o acabamento do produto, os diferentes opcionais para cada situação de trabalho e a facilidade de regulagem aliada ao alto desempenho no campo.

As estrelas da linha

No caso das plantadeiras – os produtos mais vendidos da linha de implementos Valtra – os atributos são diferenciados. “É uma máquina com alto poder de corte, possui poucos pontos

Para diversos fins,

propriedades e terrenos

Linha de implementos Valtra possui uma gama de produtos completa

Plataformas de

Milho HiChopper

Lâmina

frontal

VL 1200

de lubrificação, pois trabalha com buchas autolubri- ficantes, distribuição uniforme de adubo e semen- te, sistemas de limitadores e compactadores que proporcionam o perfeito contato da semente com o solo, eliminando os bolsões de ar”. Nas plantadeiras ganha evidência, ainda, o exclusi- vo sistema de sulcador aberto na parte traseira, que faz com que 25% do adubo fique deposi- tado nas paredes do sulco e o restante no fundo do sulco. Isso proporciona um arranque maior do crescimento da planta, pois ao emitir as primeiras raízes estas imedia- tamente alcançam o adubo. Devido ao seu sistema de linhas, as plantadeiras Valtra têm, também, outra grande vantagem perante a con- corrência, que é conseguir trabalhar com um dia de antecedência em condições de alta umidade.

Neste ano, o grande lançamento desse nicho de implementos é a plantadeira HiTech BP Série S (só semente). Uma máquina que vem para atender a nova tendência do mercado: a aplicação de adubo à taxa variável. Com isso, o plantio é realizado ape- nas com o uso de semente para posterior adubação a lanço. Esse lançamento está disponível de 4 a 17 linhas ou até 34 linhas de plantio com o uso de tan- dem. Por ser uma máquina exclusiva para semente, possui uma capacidade de carga de semente que varia de 1025 litros a 2706 litros, o que gera um rendimento muito maior por evitar paradas frequen- tes para abastecimento.

Plantadeira adubadora

Hitech Compact

 

Plantadeiras e semeadeiras

Disponível de 2 a 6 linhas, para o plantio de culturas de verão.

Valtra Compact BP 302l, 503l e 603l

 

Valtra Hitech série s: BP 804, BP 905, BP 1005, BP 1106, BP 1206, BP 1307, BP 1508, BP 1709

Disponível de 4 a 17 linhas ou até 34 linhas usando o conjunto tandem para culturas de verão.

Valtra Frontier: BP 905, BP 1106, BP 1206, BP 1307, BP 1508

Disponível de 5 a 15 linhas, para o plantio de culturas de verão.

Valtra Fine: BP 2017, BP 2217, BP 2617

Disponível nos modelos de 20, 22 e 26 linhas espaçadas a 17 centímetros para o plantio de culturas de inverno, principalmente para a cultura de arroz.

Valtra multiple: BPm 1305l, BPm 1707l, 2108l, 2309m, 2509m, 2711m, 2911m

Por ser uma máquina múltipla, está disponível nos modelos de 13, 17, 21, 23, 25, 27, 29 linhas espaçadas a 17 centímetros para culturas de inverno e de 3 a 14 linhas de plantio para culturas de verão.

Valtra tandem Hitech

Disponível nos modelos TDH 810, TDH 1112, TDH 1500.

Valtra tandem Frontier

Disponível nos modelos TDF 09, TDF 11, TDF 12, TDF 13.

monitor de Plantio Pm 400

Monitora até 36 linhas de plantio.

distriBuidor

Fertilizer BdF 1300m

Largura de trabalho de 18 a 36 metros, capacidade de carga de 1300 litros.

lâmina Frontal

Vl 1200

Para tratores com potência entre 70 cv e 100 cv.

Vl 1500

Para tratores com potência entre 100 cv e 120 cv.

Vl 1800

Para tratores com potência entre 120 cv e 180 cv.

PlataFormas de milHo

Plataformas de milho série 500

Disponibilizadas de 4 a 18 linhas para a colheita de milho.

Plataformas de milho HiChopper

Disponibilizadas de 4 a 12 linhas para a colheita de milho.

TRATOR // Programa Mais Alimentos

tecnologia e eficiência

ao alcance da agricultura familiar

Valtra comercializou cerca de 6 mil tratores pelo programa

TRATOR // Programa Mais Alimentos tecnologia e eficiência ao alcance da agricultura familiar Valtra comercializou cerca

C riado pelo Ministério do Desenvol-

vimento Agrário (MDA) em 2008,

o Programa Mais Alimentos, linha

de crédito do Programa Nacional de Forta- lecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) já aplicou cerca de R$ 5 bilhões em mais de

150 mil contratos para 750 mil pessoas. De acordo com Hercílio Matos, coordenador do programa, os tratores lideram a demanda em valores. A região Sul do País continua sen- do a primeira nas aplicações de recursos em

montante e volume de contratos.

Instituído com o objetivo de incentivar as vendas dos tratores de menor potência, na

faixa de 15 cv a 75 cv, e levar mais efici-

ência às atividades dos produtores, o pro-

grama, desde sua criação até 30 de abril de

2011, comercializou 39.912, segundo infor- mações do MDA. A Valtra, marca pioneira no País e presente no mercado brasileiro há 51 anos, desenvolveu para o Mais Alimentos as linhas 585, A650, A750 e os modelos es- treitos BF65 e BF75, adequados para o tra- balho em pomares. Os tratores, que foram projetados para atuar nas diversas situações da agricultura garantindo alto desempenho, baixo consumo de combustível e baixo cus- to operacional, vêm equipados com os mo- tores AGCO Sisu Power 320DS e 420DSR. Um dos destaques é a geometria do sistema hidráulico de três pontos, equipado com bomba de engrenagens independentes acio-

nada diretamente pelo motor e capacidade de levante de 2340 kg ou 3794 kg no olhal.

A650: alto desempenho e baixo consumo de combustível caracterizam o modelo

A750: o mais vendido da Valtra pelo Mais Alimentos

Ederson Luciano Kunrath

De 2008 até maio deste ano a marca comerciali- zou, por meio do programa, cerca de 6 mil tratores,

sendo o A750 4x4 o modelo mais vendido, destaca o gerente comercial da Valtra, Alexandre de Assis. De- senvolvido para atender as necessidades dos médios produtores, é equipado com a melhor transmissão do mercado, além de oferecer conforto operacional e facilidade para manutenção. Todas as alavancas e comandos foram redimensionados e estão localiza- das de forma a garantir um acionamento preciso. Em

  • 2010 a Valtra vendeu 13149 máquinas e, desse total,

  • 2311 foram através do Programa Mais Alimentos, ou

seja, 17,5% do volume de vendas. No primeiro se-

mestre do ano passado o programa representou cerca de 40% das vendas de tratores agrícolas da Valtra. As plantadeiras de grãos e a plaina agrícola frontal, implementos fabricados pela marca, também se en- quadram nessa modalidade de crédito.

“O Mais Alimentos foi de fundamental impor- tância para a Valtra, já que por meio desse progra- ma a marca pode se reinventar e adequar-se a uma demanda de mercado existente. A Valtra aumen- tou sua gama de produtos disponíveis com a cria- ção de novos modelos em sua linha leve”, afirma Valdir Melo, gerente de planejamento de mercado e preços AGCO América do Sul.

Preferência pela marca passada de pai para filho

Ederson Luciano Kunrath De 2008 até maio deste ano a marca comerciali- zou, por meio do

“é o ideal para nossa rotina de trabalho”. é dessa forma que o produtor Marcos Leonel de Souza, 23 anos, de Sertão (RS) define o desempenho do A750, comprado em julho na concessionária Razera de Passo Fundo e financiado pelo Mais Alimentos. A preferência pela marca já vem do pai, Homero Menezes de Souza, proprietário de um BM 110 e que há mais de 50 anos se dedica à agricultura. Pai e filho dividem a administração e o trabalho na propriedade de 150 hectares. A economia de combustível e a versatilidade do modelo são alguns diferenciais apontados por Marcos. “Precisávamos de um trator de médio porte, e esse modelo é perfeito para nossa atividade, estamos muito satisfeitos”, acrescenta o profissional do campo que se dedica às culturas de soja, trigo e milho. Sobre a linha de crédito utilizada para a compra do trator, Marcos a define como uma “mão na roda”. “Dificilmente poderíamos comprar um trator desse porte, com toda essa tecnologia se não fosse esse programa”.

Entrega do A750:

Paulo Schumann, gerente de vendas Razera, Marcos de Souza e Homero de Souza, clientes, e Irineu Hirt, gerente geral comercial da Razera Agrícola

A fácil manutenção das máquinas e o bom atendimento da concessionária também pesaram na hora da compra. “Se tivermos qualquer dificuldade é só ligar que os técnicos vêm imediatamente. Recebemos atendimento no meio da lavoura”.

PERFIL // Coopercitrus

referência em

serviço e treinamento

Com cursos e palestras, Coopercitrus aumenta a eficiência das máquinas no campo

PERFIL // Coopercitrus referência em serviço e treinamento Com cursos e palestras, Coopercitrus aumenta a eficiência

Centro de Treinamento “Walter Ribeiro Porto”completou 10 anos em maio de 2011

AS CONCESSiONáRiAS COOPERCiTRuS OFERECEM SERViçOS DiFERENCiADOS DE PÓS-VENDA AOS CLiENTES VALTRA, PRESTADOS POR uMA EquiPE DE PROFiSSiONAiS quALiFiCADOS. CuRSOS REALizADOS PARA OPERADORES E MECâNiCOS GERAM MAiS EFiCiÊNCiA NO uSO DAS MáquiNAS, PROLONGANDO A ViDA úTiL DOS EquiPAMENTOS E REDuziNDO OS CuSTOS DE MANuTENçãO.

O Centro de Treinamento “Walter Ribeiro Por- to” localizado na Estação Experimental de Citricultura de Bebedouro (SP), fruto de uma

parceria da Coopercitrus com a Valtra e outras empre- sas de máquinas e implementos agrícolas, completou em agosto dez anos em capacitação de profissionais. Em 2010, 1378 operadores, mecânicos e líderes de campo participaram de palestras e cursos ministrados por técnicos da concessionária e da fábrica.

“Nosso centro de treinamento possui refeitório, alojamento para estadia dos profissionais de outras localidades, sala de teoria para 60 pessoas e sala prá- tica com tudo que é necessário, como motor, caixa de câmbio (inclusive o câmbio automático da Série BT HiSix), hidráulico e parte eletrônica. Oferecemos cursos sobre trator, colheitadeira, pulverizadores e implementos”, relata o gerente de pós-venda da Coo- percitrus, Edson Izidio.

“Os cursos têm nos auxiliado muito na formação de mão de obra, que hoje é escassa devido à forte demanda por profissionais. A estrutura da Coopercitrus proporciona um maior grau de excelência ao treinamento, com menor custo para o frotista, uma vez que a distância para deslocamento é menor e é oferecido alojamento para os mecânicos.”

Marcelo Bassi

Usina São José da Estiva - Novo Horizonte (SP)

Em 2010, 1378 profissionais participaram de palestras e cursos ministrados por técnicos da Coopercitrus e da Valtra

A Coopercitrus Cooperativa de Produtores Rurais, que completou 35 anos em maio de 2011, é responsável por 16 concessionárias Valtra em dois estados, 13 em várias regiões do estado de São Paulo e três em Minas Gerais, nos municípios de Uberlândia, Ituiutaba e Frutal. Em sua área de atuação, ela presta um serviço de pós- -venda diferenciado atendendo a vários cooperados e à grande maioria das 74 usinas de cana-de-açúcar instala- das na sua área de atuação. “Não é à toa que o trator Val- tra predomina na frota destes clientes”, observa Izidio.

“Todos os clientes atendidos pela Coopercitrus des- tacam a qualidade do treinamento oferecido aos opera- dores e mecânicos, bem como a excelência da equipe técnica do departamento de máquinas agrícolas da co- operativa. A concessionária também presta um serviço exclusivo de monitoramento de frota para identificar problemas e soluções”, informa Márcio Pastre, coorde- nador de pós-venda da Valtra na região.

monitoramento da frota

O monitoramento da frota é um trabalho de alto ní- vel técnico e de grande importância, em que é realiza- do o acompanhamento da frota de tratores dos clientes frotistas, verificando os procedimentos de acordo com as orientações do fabricante.

“Não queremos vender apenas uma máquina, esta é a diferença. Orientamos os operadores e demais pro- fissionais envolvidos sobre a importância das manu- tenções diárias e preventivas, bem como o acompanha- mento constante nas operações realizadas diretamente no campo. Informamos sempre os operadores quanto à utilização máxima e correta das tecnologias ofereci- das pelo fabricante do produto. Desta forma atingimos um bom desempenho operacional, alta disponibilida- de das máquinas, baixo custo de manutenção, redução do consumo de óleo diesel e uma vida útil satisfatória. Assim, oferecemos maior segurança e confiança aos nossos cooperados e clientes”, ressalta Edson Izidio, gerente de pós-venda da Coopercitrus.

Através do contrato de fornecimento de peças e serviços, a Coopercitrus atende a frota do coopera- do. Para isso, capacita o profissional responsável por identificar e solucionar eventuais problemas com as máquinas e implementos, realizando um intercâmbio de informações entre a propriedade rural e a equipe de pós-venda da cooperativa, com técnicos constante- mente treinados pela Valtra.

Ganhos de produtividade

A Coopercitrus mantém estoque de peças originais de reposição, permitindo que o produtor tenha a tran- quilidade de adquirir produtos de qualidade garantida com entrega imediata.

E também possui uma frota de tratores, máquinas e implementos para demonstração aos produtores ru- rais, para que avaliem o desempenho dos produtos e efetuem a compra com a segurança de adquirir os itens que mais se adequarem às suas necessidades.

“A Valtra tem uma longa parceria com a Cooper- citrus no Brasil. É uma cooperativa forte, que tem dado grande apoio para que os produtores superem os desafios encontrados nas últimas safras. Por isso, buscamos oferecer máquinas e equipamentos que pos- sibilitam operações precisas no campo, gerando signi- ficativos ganhos de produtividade”, destaca o diretor comercial da Valtra, Paulo Beraldi.

COmPROmISSO VALTRA // AGCO Finance

COmPROmISSO VALTRA // AGCO Finance Eduardo Bresolin , superintendente da AGCO Finance Focada nos negócios do
COmPROmISSO VALTRA // AGCO Finance Eduardo Bresolin , superintendente da AGCO Finance Focada nos negócios do

Eduardo Bresolin, superintendente da AGCO Finance

Focada nos negócios

do profissional do campo

COmPROmISSO VALTRA // AGCO Finance Eduardo Bresolin , superintendente da AGCO Finance Focada nos negócios do

U ma instituição com experiência em fi-

nanciamento agrícola, comprometida e

conhecedora do cliente”. Dessa forma

define-se a AGCO Finance nas palavras de Orlan- do Silva, vice-presidente de operações comerciais AGCO América do Sul. A parceria entre Valtra e AGCO Finance, iniciada em 2005, trouxe a con- cessionários e clientes grandes benefícios, pois com as ferramentas de crédito do Banco as ne- gociações tornaram-se mais fáceis e numerosas. “Certamente a Valtra não teria o número de ne- gócios que tem hoje se não fosse a presença da AGCO Finance”, pontua Orlando.

A AGCO Finance realizou o primeiro desembolso Valtra por meio da concessionária Valtrator (SC) no valor de R$ 130 mil, em agosto de 2005. A negociação marcou o início de uma trajetória de sucesso, obtendo a boa receptividade do clien- te, e a AGCO Finance prosperou com o objetivo principal de dar suporte e ampliar as negociações da Valtra. “Com linhas de crédito competitivas, aprovação e desembolso de crédito fáceis o Banco ganhou ainda mais confiança por possuir expe- riência em agricultura e entender os diferentes perfis de clien- tes”, explica o superintendente da AGCO Finance, Eduardo Bresolin. Nos últimos números divulgados em dezembro de 2010, o Banco aparece responsável por 40% do volume de unidades negociadas pela Valtra.

Como agente financeiro, a AGCO Finance também obte- ve um relevante aprendizado com a Valtra. A quantidade de clientes frotistas da marca estimulou o Banco na criação da área Corporate, exclusiva para atender compradores de gran- de porte. Neste ano, o nicho já atingiu 16% do volume total de negociações Valtra pelo Banco. Outra demanda percebida pela AGCO Finance também motivou a criação da área de Sto- ck Finance – linha que viabiliza o financiamento de produtos para estoque das concessionárias. Hoje o percentual de con- cessionárias Valtra com limite aprovado é de 97%.

Ao lado do profissional do campo

Por conhecer o produto que o cliente trabalha, a sua rotina e dificuldades, a AGCO Finance entende as necessidades de cada um e apoia suas escolhas. Uma das ferramentas exclusi- vas utilizadas para isso é o sistema de aprovação automática de crédito. “Por meio dele, o cliente tem sua proposta analisa- da e seu crédito aprovado com maior agilidade”, explica Paulo Dalalana, gerente comercial da AGCO Finance para a Valtra.

A AGCO Finance atua hoje em todos os lugares do mundo onde há máquinas Valtra, América do Sul e do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia. No Brasil, atualmente são 17 mil clientes da marca que contam com o apoio das linhas de fi- nanciamento viabilizadas pela AGCO Finance. O número de contratos ativos chega a 25 mil.

Como agente financeiro, a AGCO Finance também obte- ve um relevante aprendizado com a Valtra. A

Paulo Dalalana, gerente comercial da AGCO Finance para a Valtra

Como agente financeiro, a AGCO Finance também obte- ve um relevante aprendizado com a Valtra. A

Orlando Silva, vice-presidente de operações comerciais AGCO América do Sul

Esses expressivos resultados têm ligação direta com a instituição que apoia todas as atividades da AGCO Finance, o De Lage Landen, um agente finan- ceiro especializado em fornecer soluções flexíveis e vantajosas para fabricantes e distribuidores de bens e serviços em mais de 36 países. No Brasil, são atendi- dos cerca 60 mil clientes. O De Lage Landen é uma empresa subsidiária do Grupo Rabobank. Um banco holandês que tem suas origens no sistema cooperativo agrícola, com mais de cem anos, e que possui a melhor classificação de crédito possível (AAA), atribuída por duas das mais respeitadas agências especializadas em avaliações de risco: Moody´s e Standard & Poor´s.

Perspectivas

Atrelada com os princípios da Valtra em levar as últimas soluções tecnológicas aos seus clientes no campo, a AGCO Finance tem estudado novos produ- tos para os lançamentos da marca. Para o pulverizador Valtra, lançado em maio, o Banco já possui uma nova linha de crédito exclusiva. “A ideia é apoiar todas as iniciativas da Valtra, sempre pensando em impulsionar os negócios da marca”, ressalta Eduardo Bresolin, su- perintendente da AGCO Finance.

NOSSA TERRA // Cana-de-açúcar

O promissor mercado

da cana-de-açúcar

R eferência mundialmente reco- nhecida na produção da cana-de- -açúcar, responsável por mais da

metade do açúcar comercializado no pla- neta e líder mundial na produção de eta- nol de cana. O Brasil está em plena safra e se prepara para colher 641,982 milhões de toneladas, um incremento de 2,9% em relação à safra passada que foi de 623,905 milhões de toneladas. As informações constam no primeiro levantamento, reali- zado em maio, pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A produtivi- dade média brasileira está estimada em 76.039 kg/ha, 1,8% menor que a da safra 2010/11, que foi de 77.446 kg/ha. A re- dução é atribuída à estiagem prolongada entre os meses de abril e novembro, prin- cipalmente nas regiões Centro-Oeste e Su- deste, e ao envelhecimento dos canaviais.

Na região Centro-Sul, que concentra cerca de 60% das plantações de cana, sen- do 52,8% em São Paulo, maior produtor do País, a estimativa para a atual safra é de 533,50 milhões de toneladas. Os da- dos, divulgados em julho pela União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica) em conjunto com o Centro de Tecnologia Ca- navieira (CTC), apontam uma redução de 4,21% em relação à última safra que fe- chou em 556,94 milhões de toneladas.

Com uma demanda crescente a neces- sidade de investimentos no setor é de- terminante para o futuro dos mercados abastecidos pela cana. No caso do etanol, informações da Unica indicam que a pro- dução atual, de 632 milhões de toneladas, é suficiente para abastecer 45% dos car-

ros flex, enquanto a demanda no País é de 66%. Para conseguir atender esse número na totalidade a produção deveria ser de 775,6 milhões de toneladas. “A cada sa- fra o déficit tende a aumentar. Baseado no atual cenário e no estudo da Unica, em 2020 será possível suprir apenas 37% do mercado de automóveis flex”, exemplifica Matheus Kfouri Marino, doutor e profes- sor de agronegócios da Fundação Getúlio Vargas. Para neutralizar o déficit ele avalia que seriam necessários investimentos de R$ 80 bilhões para a criação de 133 novas usinas, 15 por ano.

Além do crescimento do mercado in- terno, o acordo anunciado em julho nos Estados Unidos, que é líder mundial na produção do etanol proveniente do milho, antecipando o fim da tarifa de importa- ção sobre o etanol importado e dos sub- sídios concedidos à indústria do etanol do País, deve repercutir significativamente no segmento brasileiro. Caso se confirme, o acordo, que ainda depende de votação no Senado e Câmara dos Deputados e, por fim, sancionado pelo presidente ame- ricano, poderá trazer grandes benefícios ao Brasil especialmente em longo prazo. Para Marino existe uma conjunção de fa- tores a favor da queda da tarifação. “Em função da crise sub prime evidenciada em 2008, o governo americano está revendo os gastos públicos, os subsídios agrícolas são responsáveis por importante fatia do orçamento americano”. O cenário atual de escassez de commodities agrícolas, colo- ca o programa americano, que tem como matéria-prima o milho, em questionamen-

to. “As petrolíferas já anteciparam esse movimento e investiram no Brasil”. Elevados investimentos no se- tor
to. “As petrolíferas já anteciparam esse movimento e
investiram no Brasil”. Elevados investimentos no se-
tor para produção de cana, industrialização de etanol
e o fortalecimento do Brasil como uma plataforma
mundial de produção de etanol são consequências que
podem se confirmar em longo prazo, caso o acordo
seja confirmado. “No curto prazo, a produção brasi-
leira é insuficiente para atender a demanda. Além dis-
so, no momento atual é mais vantajoso comercializar
etanol no mercado interno ou exportar açúcar do que
comercializar etanol para os EUA” avalia Marino, que
também é sócio fundador da Uni.Business.
de combustível dos tratores”, explica o coordenador
de marketing ATS da Valtra, Rafael Antônio Costa. A
tecnologia vem reforçar ainda mais o pioneirismo da
Valtra, empresa que tem hoje o produto mais adequa-
do às necessidades do setor canavieiro. Em demons-
trações e comparativos com a concorrência o sistema
tem sido elogiado por sua simplicidade, eficiência e
robustez, características já conhecidas da empresa, in-
forma o coordenador.
Outro diferencial apontado pelo mercado é a nova
forma de comercialização dos produtos de tecnologia
criada pela Valtra. Junto com o equipamento a empre-
sa se compromete em oferecer um pacote completo
para a implementação da tecnologia. “Essa iniciativa
vem ajudando nossos clientes a romperem barreiras
tecnológicas, antes consideradas um obstáculo, e tam-
bém a obterem os melhores resultados com a utiliza-
ção desses produtos”, complementa Rafael.
ATS aplicada nas máquinas Valtra
Valtra lidera segmento
Líder no segmento canavieiro a Valtra se destaca
pela linha de produtos eficientes, robustos e econô-
micos desenvolvidos para o setor como os tratores
das linhas BM e BH. Um exemplo da participação da
marca no mercado foi o acréscimo de 20% nos negó-
cios regionais fechados durante a Feicana, realizada
em fevereiro em Araçatuba (SP). A Valtra também
avança em tecnologias para agricultura de precisão no
segmento sucroalcooleiro. Recentemente uma parce-
ria inédita realizada com a Usina Santa Fé, de Nova
Europa (SP), levou para o campo uma nova versão
do Piloto Automático System 150. Desenvolvido pela
ATS, na divisão de tecnologia da AGCO, em parceria
com a Topcon, a versão canavieira do sistema de Pilo-
to Automático System 150 tem capacidade para traba-
lhar nas exigentes condições do setor, aumentando a
capacidade operacional de plantio em até 20%. “Essa
nova versão do System 150 proporciona ao produtor
um planejamento prévio do plantio, tráfego controla-
do e compactação sempre no mesmo local, cultivo e
colheita mecanizada sem pisoteio na linha e rastrea-
bilidade das operações, reduzindo ainda o consumo
Para Marcelo Bassi, coorde-
nador do Grupo de Motomeca-
nização (GMEC), entidade que
reúne 120 usinas de cana-de-açú-
car a alta confiabilidade, a fácil
manutenção e o melhor custo-
-benefício entre as marcas exis-
tentes são os principais diferen-
ciais da Valtra. “Principalmente
na operação de transbordo, que
hoje ocupa a maior parcela de
tratores dentro das usinas”. O de-
senvolvimento de equipamentos
para a Agricultura de Precisão,
Marcelo Bassi
coordenador do
GMEC e gerente
da Usina São José
da Estiva
como o Sistema de Operações
Integradas, é considerado por Bassi, que também é
gerente de motomecanização da Usina São José da
Estiva, Novo Horizonte (SP), como fundamental na
atividade, principalmente para os frotistas que têm
a oportunidade de ter soluções integradas evitando
adaptações, e também na assistência técnica porque
evita os problemas de interface entre dois fabricantes.
Para o gerente da usina, ao fabricar tratores com con-
figurações que atendem a todas as faixas de potências
utilizadas nas operações de produção de cana, a marca
contribui para a expansão e o fortalecimento do seg-
mento. “A disponibilidade mecânica, melhorando a
operacionalização, e o desenvolvimento de sistemas
mais inteligentes e menos vulneráveis a falhas huma-
nas são avanços fundamentais e que otimizam a rotina
de trabalho nas usinas”, finaliza.
to. “As petrolíferas já anteciparam esse movimento e investiram no Brasil”. Elevados investimentos no se- tor

Revista Valtra & Você 27

PRESENÇA GLOBAL // 60 Anos da Valtra

60 anos de história

com foco no futuro

Brasil, Escócia e Finlândia são apenas três exemplos da presença mundial de uma das mais importantes marcas de máquinas agrícolas. Esses três países, totalmente distintos, têm em comum a forte relação com a Valtra por meio de acontecimentos importantes em sua trajetória de 60 anos no mundo.

N a Finlândia foi onde tudo começou. De- pois de fabricar peças de artilharia e mo- tores de avião para a II Guerra Mundial,

a Valmet, antecessora da Valtra, iniciou a produção de tratores em 1951. Sete anos depois começaram as exportações e a ligação da marca com as lavou- ras brasileiras. Naquela época, 1250 unidades do Valmet 33 movido a diesel vieram para o Brasil. Mas a Valtra pretendia alçar voos maiores e mais ousados. E foi isso que fez ao desembarcar em ter- ras brasileiras, onde tem reconhecida importância no processo de mecanização agrícola acontecido na época. Em 1960, foi a primeira fábrica de tra- tores a se instalar no Brasil, na cidade de Mogi das Cruzes, interior de São Paulo. Hoje, 51 anos depois, já com a chancela da AGCO, as fábricas brasileiras da Valtra são consideradas pilares fun- damentais da marca mundial.

No evento de celebração dos 60 anos foi apresentado o conceito ANTS

Valtra para todos os gostos

Na Finlândia, onde a economia baseia-se na silvicultura, a Valtra desenvolveu seus primeiros tratores florestais. Já para a cana-de-açúcar – o Brasil destaca-se como um dos grandes produ- tores mundiais – a Valtra construiu máquinas de referência. Mesmo quando a sua presença parecia não ser tão fundamental, a marca chegou e fixou a sua existência. É o caso da Escócia, que tem na pecuária uma de suas principais atividades.

A Reid McKie Ltd, criada em 1972 em Glen- luce no sudoeste da Escócia, foi a primeira dis- tribuidora Valtra para o mercado escocês. A boa reputação do trator Valmet começou a se espa- lhar pelo país e pela Europa. As vendas cresce- ram junto com a potência das máquinas, tornan- do os tratores amplamente aceitos em todo tipo de propriedade rural.

Valtra foi a primeira fábrica de tratores a se instalar no Brasil

Valmet 33 D fabricado em 1957

Aniversário futurístico

A Valtra comemora em 2011, 51 anos de pre- sença no Brasil e seis décadas de história da mar- ca no mundo. No dia 26 de janeiro, jornalistas, fornecedores e clientes de 25 países participaram do evento de celebração, realizado em Jyväskylä, cidade localizada no coração da Finlândia.

Valtra para todos os gostos Na Finlândia, onde a economia baseia-se na silvicultura, a Valtra desenvolveu

Linha de montagem da fábrica em Mogi das Cruzes (SP)

O evento de 60 anos foi concebido para ofere- cer um olhar sobre o futuro da vida e da agricultu- ra. O grande destaque da ocasião foi a apresenta- ção do revolucionário conceito ANTS, que projeta máquinas com design totalmente inovador e com características como versalidade e potência. Saiba mais no site www.valtra60.com.br

texto produzido com informações do site www.valtra60.com e da revista valtra team 1/2011, editada pela valtra finlandesa e disponível no site www.valtra.co.uk/news/46.asp.

Valtra para todos os gostos Na Finlândia, onde a economia baseia-se na silvicultura, a Valtra desenvolveu

Divulgação

ACONTECE // Feiras & eventos

Novos contatos e conclusão de negócios são os principais objetivos da Expo Santa Rita Linha de
Novos contatos e conclusão de negócios são
os principais objetivos da Expo Santa Rita
Linha de tratores BT
é lançada no Paraguai
A linha de tratores da Série BT
HiSix foi lançada em maio no Pa-
raguai em uma das principais feiras
agrícolas do País: a Expo Santa Rita.
Produzidos no Brasil os quatro novos
modelos BT150, BT170, BT190 e
BT210 utilizam a mais elevada tecno-
logia disponível no mercado. A gran-
de inovação é a transmissão HiSix,
inteligente e com powershift de 24
velocidades à frente 24 para ré, o que
permite executar programações para
cada tipo de operação e, se necessá-
rio, realizar trocas de marchas sem o
auxílio da embreagem e alavancas de
câmbio. No estande da Valtra também
foram expostos outros tratores e im-
plementos da marca. A feira realizada
em Santa Rita não tem caráter de ven-
das, mas sim de formação de contatos
e conclusão de negócios em anda-
mento, explica Paulo Marcio Santos,
coordenador comercial.
Paulo Márcio Santos

Lançamentos marcam presença da Valtra na Agrishow 2011

A participação da Valtra nos cinco dias da 18ª edição da Agrishow, realizada em maio em Ribeirão Preto (SP), apresentou novos produtos ao mercado e resultou em um crescimento de 15% nos negócios em tratores e 30% em colhei- tadeiras. No estande de cerca de 1500 metros quadrados os destaques foram a linha de trato- res BH Geração III, o Pulverizador BS 3020H e a enfardadora Challenger LB34B, a mais moderna tecnologia em enfardamento de feno, forragem e biomassa. A Valtra também levou para feira internacional de tecnologia as colhei- tadeiras axiais BC7500, BC6500 e a conven- cional BC4500 disponíveis no Programa Mais Alimentos. Os clientes, concessionários e par- ceiros que visitaram o espaço também puderam conhecer outras opções de plataformas como a de corte Draper Hiflex Série 500, exposta pela primeira vez na Agrishow, acoplada à colheita- deira BC 7500. O grande diferencial do produto é a esteira de borracha em lugar do atual cara- col de alimentação, que entrega à colheitadeira um material muito mais homogêneo, sem a for- mação de pacotes garantindo assim um melhor rendimento e otimização do trabalho. A capaci- dade de trabalhar com uma grande variedade de culturas, inclusive com o trigo ou soja de menor porte é outro ponto forte da máquina.

Lançamentos e crescimento nas vendas marcaram a participação da Valtra no evento

Feira na Bahia expôs diversos produtos da marca

Bahia Farm Show 2011:

novidades em maquinário e implementos agrícolas

O BT 210, as Plataformas de última geração e o pulverizador BS3020H figuraram entre as principais novidades apresentadas pela Valtra no Bahia Farm Show 2011, realizado em junho na cidade de Luis Eduardo Magalhães (BA). No estande de dois mil metros quadrados, projetado nos novos padrões da marca, médios e grandes produtores das culturas de algodão, soja, feijão e milho também puderam conhecer melhor os tra- tores da linha leve, média e pesada, o BT 210, a colheitadeira BC 4500, plantadeiras entre outros. Pela primeira vez a Valtra, que participou da 4ª edição da feira agrícola através da concessionária Lavrobrás, levou ao evento a Plataforma Draper Hiflex Série 500, equipamento que proporciona a otimização do processo de colheita melhorando a qualidade dos grãos, evitando a quebra e outras perdas durante esta etapa. O estado é um dos prin- cipais mercados dos quais a Valtra tem a maior participação em colheitadeiras. Mais de 50 mil pessoas visitaram o evento considerado a princi- pal vitrine agrícola da Bahia.

Valtra apresenta novidades na 12ª FEACOOP

A Valtra participou em agosto da 12ª edição da FEACOOP, re- alizada em Bebedouro (SP) e organizada pela Coopercitrus, que nesse ano completa 35 anos. Algumas das novidades apresentadas nessa feira foram o pulverizador BS3020H e o trator da linha pesada BH135i – que vem para ampliar as opções de potência ao produtor que necessita de máquinas para desempenhar várias funções e ativi- dades. Entre os implementos a novidade foi a enfardadora Challen- ger LB34B.

Durante a feira foi possível fazer testes drives, demonstrativos em máquinas como o novo pulverizador e tratores das linhas leve, média e pesada. Os clientes também puderam conferir o desempenho das plan- tadeiras Compact Hitech, agregadas ao maquinário e a colheitadeira BC 4500 com a HiChopper Série 500, plataforma de milho pioneira do mercado. A Coopercitrus entregou na ocasião o primeiro pulverizador Valtra comercializado na região para o cliente José Mario Paro e seus sócios. Destaque ainda para a entrega histórica do trator número 42 mil do programa Mais Alimentos. O coordenador do Ministério do Desen- volvimento Agrário Francisco Hercílio Matos passou às mãos do pro- dutor Antônio Jorge, de Itápolis (SP), o trator Valtra A 750, adquirido pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar.

A Feacoop também foi palco para a premiação do Coop 150, um plano lançado pelo Consórcio Nacional Valtra a fim de vender 150 cotas para clientes das concessionárias Coopercitrus. Foi sorteado entre os cotistas um carro Uno Mille 0 Km e a grande contemplada chama-se Ilda Andrucioli Ximenes, de Bebedouro (SP).

Divulgação
Divulgação

dia do Agricultor é festejado pela shark

Há oito anos a Shark Tratores e Peças comemora de maneira especial e criativa o Dia

Há oito anos a Shark Tratores e Peças comemora de maneira especial e criativa o Dia do Agricultor, festejado em 28 de julho. Para homenagear a atividade dos profissionais do campo a rede de concessionárias realiza simultaneamente na matriz e nas outras 20 filiais distribuídas entre os estados do Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e São Paulo um café colonial. Durante todo o dia, mesa posta e chimarrão à disposição dos clientes

que aproveitam a data para visitar a concessionária, compartilhar o café, repor peças e assinar pedidos. “Prestar essa homenagem é uma forma de agradecer os nossos clientes e manifestar todo o nosso respeito e admiração por essa profissão imprescindível para o desenvolvimento do País”, ressalta Sírio Francisco Barazetti, há mais de 30 anos no grupo e há oito anos no cargo de diretor de vendas e pós-vendas da unidade Valtra.

ACONTECE // Feiras & eventos

valtra Pé na Estrada

percorre o Centro-Oeste do País

rodando o Brasil (MS) na Expoagro, desde 2009 Carreta esteve Dourados Fabrício Muller
rodando o Brasil
(MS) na Expoagro,
desde 2009
Carreta esteve
Dourados
Fabrício Muller

E star mais próximo dos profissionais do campo, pro- mover experimentação do produto para apresentar as soluções em maquinários, implementos e tecnologia e

criar oportunidades de negócios. Com esses objetivos o Progra- ma Valtra Pé Na Estrada vêm percorrendo o Brasil desde 2009. “A Valtra sempre pautou sua atuação em atender as necessi- dades dos clientes de forma efetiva e rápida. Essa ação nos permite levar as inovações da marca ao campo e ao mesmo tempo ter as impressões dos produtores para que o desen- volvimento das linhas de produtos seja contínuo”, afirma o gerente de marketing e comunicações AGCO América do Sul Eduardo Nunes. Nos meses de maio, junho e julho a ação es- teve em diversas cidades da região Centro-Oeste do País. Em maio, em parceria com a Shark, esteve nas cidades Nova An- dradina, Dourados, Ponta Porã, Aral Moreira, Amambaí, São Gabriel D’oeste e Rio Verde, todas no Mato Grosso do Sul. Em junho, além de Coxim e Pedro Gomes, em parceria com a Shark, esteve em Nova Mutum (MT), com a concessionária DCP. Para o coordenador comercial da Valtra, Fabrício Mül- ler, a interação com o cliente e a possibilidade de acesso às novidades do mercado são os pontos fortes da ação. “É uma troca de informações que nos permite conhecer as principais necessidades dos produtores. Levamos até o agricultor solu- ções que garantirão produtividade à sua lavoura e recebemos opiniões que contribuem com o aprimoramento dos nossos produtos”, resume. Para o coordenador além de um produ- to robusto, econômico e produtivo os produtores brasileiros querem excelência no atendimento.

Na 9ª ação realizada no Mato Grosso a carreta também passou por Campo Novo do Parecis e Sapezal. Nessa últi- ma a ação foi realizada na Fazenda Aliança, propriedade de Ademir Marafo. Cerca de oitenta clientes puderam conhe- cer e testar o novo pulverizador BS3020H, a linha BT, co-

lheitadeiras e plantadeiras da marca. Realizada em parceria com a concessionária Defant & Defant a carreta, que tam- bém esteve em Deciolândia, resultou na negociação de uma colheitadeira BC 7500, um trator BT 210, um pulverizador, duas colheitadeiras e duas plantadeiras. Ainda nos meses de junho e julho o Pé Na Estrada percorreu outras três cidades do Mato Grosso, Lucas do Rio Verde, Sinop e Sorriso, dessa vez em parceria com a concessionária Pampa. Com média de 70 participantes em cada município foram expostos a co- lheitadeira BC 7500, plataformas de milho modelo PM516L, pulverizador BS3020H, BT 210, conjunto de plantadeiras modelo BP 1106CF e GPS com piloto hidráulico com sinal XP. De acordo com Wilmar Gilberto Kraemer, o Fritz, geren- te geral de vendas da Pampa Máquinas Agrícolas de Sorriso, a maior demanda foi por colheitadeira, plataformas, pulveri- zador e GPS. “Nos dias de evento passamos várias cotações, concretizamos diversos negócios e estamos com muitos em andamento”, resume. Para Wilmar, além de reforçar a marca nas regiões por onde passa, a iniciativa ajuda a estruturar e a divulgar os produtos de forma mais eficiente. “Dá credibili- dade ao concessionário e à fábrica. Precisamos criar o hábito realizar esses eventos todos os anos, agregando mais produ- tos em regiões diferentes, dar sustentabilidade e vida longa ao nosso negócio.

Ainda no Mato Grosso a carreta esteve em Rondonópolis, Campo Verde e Primavera do Leste, em parceria com a con- cessionária DCP, e em Água Boa e Querência, com a Bor- gato. Em Goiânia a ação itinerante foi realizada em parceria

com a Gradual. O programa que também tem o propósito de apoiar as concessionárias autorizadas na realização de feiras agrícolas e demais eventos voltados ao segmento participou em agosto da Feacoop em Bebedouro (SP) e Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos, ambas em parceria com a Coopercitrus.

Facebook

TwitterFacebook

TwitterFacebook

YouTube

Facebook

YouTube

YouTube

YouTube

Twitter

Twitter

Facebook

Facebook

Facebook

YouTube

TwitterFacebook

YouTube

YouTube Facebook TwitterFacebook

Facebook

Facebook

Twitter

Twitter

YouTube

YouTube

Facebook

YouTube

Facebook

valtra recebe Prêmio visãoAgro 2011

Facebook Twitter Facebook Twitter Facebook You Tube Facebook You Tube You Tube You Tube Twitter Twitter

Líder no segmento canavieiro

a Valtra recebeu no dia 14 de

junho, em Piracicaba/SP, o

Prêmio VisãoAgro 2011. Na

pesquisa realizada pela AR

Empreendimentos – Marketing e

Eventos, e supervisionada pelo

GEGiS e pela Revista Visão da Agroindústria, foi constatado que a Valtra atuou como a melhor empresa na categoria “Trator de Pneu”. A liderança e tradição da Valtra em linhas pesadas, acima de 130 cavalos,

fez dos modelos BH, produtos que atraem a atenção do produtor sucroalcooleiro. “Em atividades como transbordo e plantio, os clientes não abrem mão de máquinas como o BH, graças a sua robustez e desempenho nas atividades. Este tipo de máquina está entre as primeiras escolhas do produtor que necessita de alto desempenho com baixo custo operacional”, afirma Jak Torretta Jr., diretor de produtos da AGCO América do Sul.

Facebook Twitter Facebook Twitter Facebook You Tube Facebook You Tube You Tube You Tube Twitter Twitter

cOncessiOnária maZZarOLLO cOmpLeta 50 anOs

A Mazzarollo Agro Máquinas Ltda festejou em agosto seus 50 anos de existência. Para marcar essa data tão importante foi realizado um jantar festivo, contando com a presença de mais de 500 convidados entre clientes, autoridades e amigos.

A Valtra foi representada no evento pelo diretor comercial Paulo Beraldi, o gerente de peças Américo Carvalho e o gerente de vendas Luiz Cambuhy. Desde a década de 70 a concessionária comercializa equipamentos da Valtra e é uma das principais parceiras da marca no Estado do Rio Grande do Sul.

Facebook Twitter Facebook Twitter Facebook You Tube Facebook You Tube You Tube You Tube Twitter Twitter
Facebook Twitter Facebook Twitter Facebook You Tube Facebook You Tube You Tube You Tube Twitter Twitter

www.facebook.com/ValtraBrasil

www.twitter.com/ValtraBrasil

www.youtube.com/ValtradoBrasil

Twitter Facebook

setor. a marca abre um novo canal de comunicação com seus clientes, comunicação da empresa com
setor.
a marca abre um novo canal de comunicação com seus clientes,
comunicação da empresa com seu público.
Fortalecer o relacionamento com seus clientes e levar até eles
A ideia é fornecer conteúdo exclusivo sobre novos produtos,
ferramentas e ações da empresa, além de disseminar notícias
nas redes sociais. Com perfis no Facebook, Twitter e Youtube,
já confirmada nos produtos Valtra, agora permeia também a
conteúdos informativos são os objetivos da Valtra ao ingressar
o atendimento de dúvidas e solicitações. A tecnologia, presença
dinâmicas e participativas, as redes vão proporcionar troca de
proporcionando interatividade e ampla discussão de assuntos do
Valtra ingressa nas redes sociais
informações entre clientes, concessionárias e marca, e, ainda, facilitar
importantes sobre o agronegócio brasileiro e mundial. Extremamente

Facebook

pOLisuL prOmOve O 11º Dia De neGóciOs
pOLisuL prOmOve O 11º Dia De neGóciOs

YouTube

Face

Twitter You Tw

Facebo

YouTu

Twitter Fa

Faceboo

YouTube

Facebook

Twitter

YouTube

You

Fa

Twitter Fac

Facebook

Y

Twi

Twitter

YouTube

YouTu

Face

Twitter Fac

Facebook

YouTube

Facebook

Tw

Twitter

YouTube

YouT

Fac

N o mês de agosto uma das maiores concessionárias Valtra tem inúmeros motivos para comemorar. A Polisul, com lojas em

Pelotas, Dom Pedrito e Camaquã, comemora seus 25 anos de atua- ção, 12 anos da parceria com a Valtra e, ainda, a realização do 11º

Dia de Negócios.

O evento, ocorrido em Pelotas no dia 4 de agosto, foi conside- rado como exitoso. Na ocasião, os visitantes puderam conhecer as opções da Valtra para maquinário, implementos e tecnologia, além de oportunidades de financiamento e facilidades. A concessionária também aprofundou seu projeto para inauguração de uma nova loja em Santa Rosa.

Um dos momentos mais especiais do dia foi a entrega à Polisul da

placa de primeiro lugar na premiação Valtra Top Dealer, o Programa de Excelência em Gestão que avalia anualmente as concessionárias da marca. Para celebrar a ocasião tão especial, o evento contou com show de encerramento de Joca Martins, que apresentou uma música sobre a Polisul de composição própria.

CONHECImENTO // Livros & sites

CONHECImENTO // Livros & sites dEstAQUE Bioetanol de cana-de-açúcar – P&D para produtividade e sustentabilidade A
dEstAQUE
dEstAQUE

Bioetanol de cana-de-açúcar – P&D para produtividade e sustentabilidade

A obra traz uma coletânea de textos com avançadas pesquisas de 139 autores. Os assuntos incluem: estratégias e políticas públicas para o etanol, sustentabilidade da produção e do consumo de biocombustíveis, novo modelo agrícola para a cana-de-açúcar, novo modelo industrial e usos finais do etanol e roadmapping tecnológico para o etanol (uma ferramenta gerencial que dá suporte ao planejamento estratégico de organizações).

Autores: diversos autores com coordenação de Luís Augusto Barbosa Cortez Editora: Blucher contato: (11) 3078-5366

sites
sites

Consulta gratuita do tempo

CONHECImENTO // Livros & sites dEstAQUE Bioetanol de cana-de-açúcar – P&D para produtividade e sustentabilidade A

No ar desde 2001, o site Agroclima acaba de tornar-se gratuito mediante a um simples cadastro. Pelo endereço www.agroclima.com.br o profissional do campo pode acessar informações meteorológicas para as principais áreas produtoras do Brasil. O usuário também tem acesso a boletins agrometeorológicos, previsão do tempo para os próximos quinze dias, com informações de temperatura mínima, temperatura máxima e quantidade de chuva, além da tendência climática para a próxima estação com análises sobre o risco de seca ou excesso de chuva e ondas de frio intenso.

Valorizar o campo brasileiro

LivrO
LivrO

O site www.souagro.com.br apresenta o recém lançado Movimento Sou Agro. uma iniciativa que reúne produtores, entidades de classe e empresa do setor a fim de valorizar o agronegócio brasileiro e aproximá-lo da população urbana. No site é possível encontrar diversas notícias do setor, bem como materiais em multimídia.

Cursos via internet

O Serviço de Aprendizagem Rural (Senar) possui uma página exclusiva de cursos em EAD – realizados em qualquer computador via internet. No www.eadsenar.canaldoprodutor.com.br o usuário encontra 15 cursos gratuitos que tem o objetivo de contribuir com a formação e a profissionalização das pessoas do meio rural e, consequentemente, aumentar a rentabilidade dos seus negócios e garantir a sustentabilidade do meio ambiente.

Soja: doenças radiculares e de hastes e inter-relações com o manejo do solo e da cultura

O manejo integrado de doenças da soja é um dos principais aspectos abordados na publicação. Os capítulos iniciais enfocam doenças radiculares e de haste da soja, causadas por fungos e por nematoides. Os demais capítulos abordam o manejo do solo, rizobactérias, fertilidade e nutrição mineral e controle de plantas daninhas. A publicação aborda métodos que podem ser utilizados, de maneira integrada, na produção agrícola.

Autores: diversos autores Editores: álvaro Manuel Rodrigues Almeida e Claudine Dinali Santos Seixas Editora: Embrapa Soja contato: (43) 3371-6119

VALTRA é uma marca mundial da AGCO. O alto desempenho deste equipamento tem garantia de fábrica.
VALTRA é uma marca mundial da AGCO.
O alto desempenho
deste equipamento tem
garantia de fábrica.
Duas fábricas: Shell e Valtra.
VALTRA é uma marca mundial da AGCO. O alto desempenho deste equipamento tem garantia de fábrica.

Todo equipamento Valtra é desenvolvido e sai de fábrica pronto para oferecer o máximo de desempenho utilizando os lubri cantes Shell. Produtos de alta performance especi cados para máquinas de tecnologia avançada que precisam enfrentar muitas horas de trabalho todos os dias. Na hora da manutenção ou troca de óleo, continue com essa parceria que tem proporcionado excelentes resultados em todos os campos. Exija os lubri cantes Shell para diminuir o desgaste, aumentar a durabilidade e manter o seu Valtra sempre produtivo.

VALTRA é uma marca mundial da AGCO. O alto desempenho deste equipamento tem garantia de fábrica.
VALTRA é uma marca mundial da AGCO. O alto desempenho deste equipamento tem garantia de fábrica.
VALTRA é uma marca mundial da AGCO. O alto desempenho deste equipamento tem garantia de fábrica.

VALTRA JOVEM

novidAdEs

Nasce o primeiro curso

VALTRA JOVEM novidAdEs Nasce o primeiro curso de especialização em design de máquinas agrícolas As regiões

de especialização em design de máquinas agrícolas

As regiões Norte e Nordeste do Rio Grande do Sul destacam-se no cenário nacional pela força de sua agricultura e presença de indústrias do setor metal-mecânico, nicho conhecido como um grande propulsor da economia brasileira. Pensando na modernização e no consequente aumento de produtividade desse setor, a universidade Luterana do Brasil (uLBRA), campus Carazinho, apresenta o primeiro curso de pós-graduação em Design Agroindustrial Mecânico do Brasil.

O coordenador do curso, professor Carlos Davi Matiuzzi da Silva, explica que o objetivo da especialização é formar profissionais que atendam ao desafio de romper com o atual modelo do setor metal-mecânico agrícola, alargando os horizontes da competitividade brasileira no mercado globalizado. “queremos abordar assuntos inovadores. Projetos como o ANTS da Valtra, por exemplo, serão o foco desse curso”. A especialização terá uma carga horária de 390 horas, e a primeira turma inicia ainda este ano. informações e inscrições estão disponíveis no site www.ulbracarazinho.edu.br.

O desenho da máquina

O desenho ou design é um dos fatores que diferencia as máquinas agrícolas e aumenta a competitividade das empresas. Pensar no design de um produto é aliar funcionalidade e estética. Portanto, um designer envolve-se com todas as áreas da empresa na criação de uma nova máquina. Sim, é preciso desenvolver um produto bonito, que seja agradável aos olhos, mas é imprescindível que este seja confortável e seguro, atendendo aos quesitos da ergonomia.

O design mostra-se hoje um grande nicho a ser explorado e estudado, pois, além das questões fundamentais como características técnicas e benefícios do produto, é um dos fatores decisivos no momento da compra.

DiVuLGAçãO AGCO ACADEMy

VALTRA JOVEM

DiVuLGAçãO AGCO ACADEMy VALTRA JOVEM ACADEMY o pós-venda é uma preocupação constante da valtra. Por isso
DiVuLGAçãO AGCO ACADEMy VALTRA JOVEM ACADEMY o pós-venda é uma preocupação constante da valtra. Por isso

ACADEMY

o pós-venda é uma preocupação constante

da valtra. Por isso o modo como os clientes estão lidando com suas máquinas e como as concessionárias fazem revisões e manutenções são itens importantes nas diretrizes da empresa. Para garantir que esses processos sejam feitos da forma mais adequada possível, a valtra investe na capacitação das pessoas envolvidas por meio da Agco Academy. Uma marca de suporte da Agco que objetiva gerar informações e conhecimento com planos de qualificação para seus parceiros e clientes. Além dos cursos sobre produtos valtra realizados habitualmente, a Agco Academy acaba de lançar uma grande parceria com o senai que irá gerar muitos benefícios aos seus clientes. trata-se do Programa semear conhecimento, em que será oferecida uma capacitação diferenciada, com carga horária alta e acompanhamento pedagógico. Em fase de construção do

corpo docente, o curso já inaugurou sede própria na Unidade senai de dourados (ms). no primeiro momento, jovens e adultos técnicos das concessionárias irão se beneficiar com as capacitações. Em seguida, os cursos serão abertos à comunidade, clientes e filhos de clientes valtra. Alexandre landgraf, gerente de treinamento da Agco Academy, explica detalhes do novo programa.

ARquiVO PESSOAL

  • n valtra Jovem - Quais as últimas ações no âmbito de capacitação que tiveram realização ou participação da Agco Academy?

Alexandre Landgraf – No momento estamos promovendo cursos de ensino a distância com aulas online a fim de qualificar todos os profissionais da rede de concessionárias. Esses treinamentos estão abordando toda a gama de produtos da Valtra: tratores, colheitadeiras, implementos, pulverizadores, enfardadoras e agricultura de precisão.

  • n Por qual motivo surgiu a necessidade de uma capacitação como o Programa semear conhecimento?

Com a chegada de uma nova geração de mecânicos, jovens profissionais, sentimos a necessidade da formação de uma base de conhecimento melhor. São muitas tecnologias inovadoras introduzidas nos produtos da nossa marca, e os profissionais precisam estar atualizados com relação a isso.

  • n como o programa será composto?

Para os técnicos das concessionárias serão oferecidos os seguintes cursos: Mecânica e Manutenção Básica de Máquinas Agrícolas, Mecânica Aplicada a Produtos Valtra, Elétrica Aplicada a Produtos Valtra, Mecânica em Motores SiSu Power. Além das capacitações periódicas, os alunos terão a oportunidade de se capacitar paralelamente em cursos de informática, segurança do trabalho, educação ambiental, tecnologia da informação e comunicação, empreendedorismo, legislação trabalhista. Em breve, nosso público-alvo será ampliado para a comunidade, clientes e filhos de clientes. A previsão é iniciar com o curso Formação de Operadores de Tratores Valtra.

ARquiVO PESSOAL n valtra Jovem - Quais as últimas ações no âmbito de capacitação que tiveram
  • n onde esses cursos serão ministrados?

Todos os cursos serão ministrados no Centro de Capacitação AGCO/Senai em Dourados (MS), onde está montada uma estrutura de suporte com um espaço destinado para práticas em uma área com mais de 300 metros quadrados. Cada curso terá o número máximo de 15 participantes.

  • n de que forma os clientes valtra vão se beneficiar com esse programa?

Além de, em breve, poderem se capacitar com o programa, levar seus filhos e funcionários, os clientes Valtra terão um ganho enorme em qualidade dos serviços prestados pelas concessionárias. Dessa forma, pretendemos melhorar ainda mais a qualidade do atendimento da rede de concessionárias nas revisões e manutenções dos produtos Valtra para os nossos clientes.

EsPAço do EstUdAntE

A Valtra Jovem abre, a partir desta edição, um espaço para aqueles que serão responsáveis pelo futuro do agronegócio. Estudantes do ensino técnico e superior têm aqui a chance de demonstrar seu conhecimento por meio da publicação de um artigo. Envie o seu para revista.valtra@agcocorp.com.

Agricultura de precisão

Tiago Rodrigo Francetto, Ravel Feron Dagiosx*

Acadêmicos de Engenharia Agrícola na universidade de Santa Cruz do Sul (unisc)

A agricultura de precisão, também intitulada de AP, é uma técnica que envolve a coleta de informações precisas e o seu processamento em todas as etapas de produção, auxiliando no gerenciamento e na tomada de decisão.

A lavoura deixa de ser considerada como uma só área, em que os dados são trabalhados em função da média geral, passando a ser vista como um conjunto de áreas. Tal filosofia se baseia na variabilidade do solo, tanto física quanto química, sendo este hoje o principal enfoque. Portanto, faz-se necessário saber a respeito de suas características e realizar um acompanhamento ao longo de sucessivos cultivos.

A solução apresentada é a confecção de um mapa de fertilidade através de uma coleta georreferenciada, possibilitada pela amostragem direta no campo, podendo esta ser direta ou dirigida. A primeira engloba a divisão em grids (áreas iguais) ou células (áreas desiguais) sendo que as amostras são coletadas ao redor de um ponto definido e georreferenciado. A segunda baseia-se em um histórico da área gerado a partir de sucessivos cultivos com o emprego da agricultura de precisão possibilitando a divisão da área por variabilidade.

Tendo-se um mapa de fertilidade é possível a aplicação de fertilizantes à taxa variável, capacitada pelo emprego de equipamentos, em linha ou a lanço, que alteram a dose deste em função da necessidade do solo indicado pelo mapa para um determinado local.

Essa oscilação possibilita o uso apenas dos recursos necessários e otimizados, pois são utilizados no momento e no local correto.

Posteriormente à correção, tem- se ainda a possibilidade de se realizar o plantio à taxa variável baseado no mapa de fertilidade, em que se gera um mapa de plantio, variando-se a densidade de sementes por linha.

A operação de pulverização, consecutiva ao plantio, é a que se apresenta menos desenvolvida, não em função dos equipamentos, mas sim pela complexidade de geração dos mapas de aplicação. Atualmente a sua confecção é baseada em dois métodos:

o primeiro é através do uso de sensores no pulverizador em que varia a aplicação de agroquímicos conforme a necessidade apresentada em um determinado local; e o segundo, no uso de imagens capturadas de aviões ou satélites.

O resultado é obtido na colheita:

com o uso de monitores de colheita, elaboram-se os mapas de produtividade. Estes são de extrema importância, pois possibilitam a visualização da variabilidade espacial da lavoura e a heterogeneidade de um campo.

A AP contribui com uma série de benefícios às diferentes etapas de produção, indispensáveis ao sucesso do processo.

ARquiVO PESSOAL
ARquiVO PESSOAL

*Tiago Rodrigo Francetto

tem 22 anos e mora na

cidade de Venâncio Aires

(RS). E-mail para contato:

tiagofrancetto@gmail.com

ARquiVO PESSOAL
ARquiVO PESSOAL

*Ravel Feron Dagios tem

21 anos e mora na cidade

de Segredo (RS).

E-mail para contato:

ravelfdagios@gmail.com