P. 1
aproveitamento de água pluvial

aproveitamento de água pluvial

|Views: 55|Likes:
Publicado porNathalya Leal

More info:

Published by: Nathalya Leal on Mar 23, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/22/2013

pdf

text

original

2.

0 SISTEMAS DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL A água de chuva pode ser utilizada em várias atividades com fins não potáveis no setor residencial, industrial e agrícola. No setor residencial, pode-se utilizar água de chuva em descargas de vasos sanitários, lavação de roupas, sistemas de controle de incêndio, lavagem de automóveis, lavagem de pisos e irrigação de jardins. Já no setor industrial, pode ser utilizada para resfriamento evaporativo, climatização interna, lavanderia industrial, lavagem de maquinários, abastecimento de caldeiras, lava jatos de veículos e limpeza industrial, entre outros. Na agricultura, vem sendo empregada principalmente na irrigação de plantações. Os sistemas de coleta e aproveitamento de água de chuva em edificações são formados por quatro componentes básicos: áreas de coleta; condutores; armazenamento e tratamento. Antes da instalação do sistema, é feito um estudo dos índices pluviométricos da região, da capacidade de captação do telhado e do tamanho ideal da cisterna de armazenamento. Baseado nesses cálculos, é dimensionado o equipamento, composto basicamente de um filtro (retira folhas e outros detritos), um freio d´água (tira a pressão da água, que assim não revolve a sedimentação do fundo da cisterna), conjunto flutuante (faz com que sempre a água mais limpa seja bombeada para a caixa d'água) e o sifão-ladrão (retira as impurezas da superfície da água, bloqueia odores vindos da galeria e impede a entrada de roedores). O sistema pode ser aplicado tanto em residências em construção - pode ser feito um sistema paralelo ao da água da rua - e incluir o uso em descarga de banheiros, lavagem de roupa e torneiras externas, como em casas já construídas. Onde não se quer ou não for possível mexer nas instalações existentes, é possível aproveitar a água de chuva para jardins, piscina, limpeza de calçadas, lavar carros, entre outros usos. * Alimentação de bacias sanitárias e mictórios * Irrigação de jardins, pomares e outros cultivos * Limpeza de pavimentos, paredes, pátios, peças e equipamentos industriais e veículos * Reserva de incêndio * Ar condicionado central ou sistemas de resfriamento * Espelhos e fontes d`água * Recarga de aquíferos O princípio é captar água de chuva antes que chegue no solo ou locais com trânsito de pessoas, animais e veículos, para evitar sua contaminação e o uso de equipamentos mais complexos. O sistema prevê a utilização do telhado e calhas como captadores da água de chuva, que é dirigida para um filtro, autolimpante que remove detritos, e levada para uma cisterna (reservatório de água subterrâneo ou externo). Para evitar que a sedimentação do fundo da cisterna se misture com a água, esta é canalizada até o fundo, e por meio de um freio d`água ela brota para cima sem causar turbulência na base. Estocada ao abrigo da luz e do calor, a água armazenada se mantém livre de bactérias e algas durante um longo período, diversos meses. Uma outra parte do sistema, o conjunto flutuante (mangueira, bóia, filtro e válvula de retenção e conector) preso à bomba submersa ou tubo de tomada de água, suga a água logo abaixo da lâmina d`água, local onde ela é mais limpa, aumentando a vida útil da bomba e de todo o sistema. Para escoar a água excedente, usa-se na cisterna o sifão-ladrão, que elimina particulados flutuando e evita entrada de odores, insetos e roedores. - 02 -

Uma bomba de recalque ou pressurizadora alimenta os pontos de consumo (caixa d`água não potável e/ou torneiras externas de uso restrito). no reservatório contra incêndio e . resfriar equipamentos e máquinas. com rede hidráulica separada da rede de água potável da rua. aproveitar a água de chuva é unir os benefícios ecológicos aos econômicos. entre outros usos. em serviços de limpeza. A água pode ser usada para um grande número de descargas de banheiros e mictórios. na irrigação dos canteiros e jardins. e o kit de realimentação abastece a cisterna ou a caixa de água não potável elevada automaticamente em caso de consumo acima da capacidade ou estiagem. lavar carros.  Condomínios Em condomínios. é possível aproveitar a água de chuva externamente.03 - . de carros. e incluir o uso em descarga de banheiros e torneiras externas.  Residências O sistema pode ser aplicado tanto em residências em construção. limpeza de pisos e calçadas. a água de chuva armazenada significa uma economia expressiva no gasto de água nas áreas comuns. Não sendo possível mexer nas instalações existentes. Ela pode ser utilizada em lavagem das calçadas.  Instalações industriais. do playground. corporativas ou empresariais Em áreas de maior porte. para jardins. na reserva de incêndio e até mesmo em banheiros das áreas comuns ou casa do zelador e portaria. como em casas já construídas.

potável ou não.sem obras) . ou outra área de captação de água de chuva.pré-fabricada) Alvenaria simples (projeto executivo padrão .0 ARMAZENAMENTO 3.pré-fabricada) PRFV (plástico reforçado com fibra de vidro . que não deve ter trânsito de pessoas. podendo ser também o reservatório de outro líquido ou água. diminuindo ou até evitando alagamentos e a sobrecarga da rede pluvial. animais ou veículos Eficiência do telhado e do filtro de água de chuva Consumo (demanda) de água não potável Deve ser protegida de luz e calor para garantir a qualidade da água armazenada. as cisternas podem funcionar como "buffers" (áreas de contenção).média histórica dos índices pluviométricos mensais Área da cobertura.1 CISTERNAS Cisterna é o reservatório de águas pluviais.irrigação de áreas verdes. Esquema industrial: com rede pluvial de ladrão do filtro e pisos sendo infiltrada Sistema industrial: 3.  Modelos     PEAD (polietileno de alta densidade . Seu dimensionamento considera quatro fatores principais:      Precipitação local .sem obras) Alvenaria reforçada (projeto estrutural e executivo sob medida . Nos dias de chuva intensa.04 - .

basicamente. de condutos não estanques (usualmente tubos perfurados). a adoção de uma aplicação intermitente. tendo na sua extensão uma baixa declividade. o desempenho das valas de infiltração depende bastante das características deste meio. A composição química do solo exerce uma influência fundamental na remoção eficiente dos agentes patogênicos e do fósforo. envolvidos com pedras britadas e alinhados no interior de valas recobertas com solo da própria localidade de instalação. • o nível máximo do aqüífero e a sua distância vertical mínima.2 VALAS DE INFILTRAÇÃO A vala de infiltração é um método de disposição de efluentes dos sistemas de tratamento de esgotos. Normalmente. onde ocorre a depuração por processos físicos (retenção de sólidos). ótimos encaixes Não requerem manutenção (limpeza uma vez ao ano segundo ABNT NBR 15. propiciando sua infiltração subsuperficial.527/07) 3. . O conduto distribui o efluente ao longo da vala. Levando-se em consideração a utilização do solo como meio filtrante. 3.05 - . Vantagens        Não proliferam algas e bactérias Estanques e impermeáveis. ou quando o aqüífero encontra-se em grande profundidade. • o índice pluviométrico. As valas de infiltração são aplicadas com vantagens. necessita-se de locais com boa disponibilidade de área e com remota possibilidade de contaminação do aqüífero. quando a camada superficial do solo tem maior capacidade de infiltração que as camadas inferiores. sua utilização deve ser precedida por avaliação técnica para observação dos seguintes parâmetros: • a característica do solo onde a vala de infiltração será instalada. assim como do seu grau de saturação por água. Tais condições devem ser aliadas às questões econômicas. propiciando maior proteção sanitária. são utilizadas quando a permeabilidade do solo admite a infiltração do efluente e quando são atendidas as condições exigidas para sua instalação. • a manutenção da condição aeróbia no interior da vala. não sendo recomendado o uso das valas quando o solo estiver saturado. pode melhorar a eficiência do tratamento na remoção de nitrogênio e pode propiciar uma maior durabilidade do sistema. que consiste na sua percolação no solo. Para tanto.1 UTILIZAÇÃO Este método pode ser utilizado para disposição final de efluentes líquidos de tanques sépticos. sendo que. Para sua instalação. sem risco de contaminação da água ou vazamentos Duráveis e resistentes Fáceis de limpar Não deixam cheiro e sabor na água Não recebem impurezas imprevistas. Ela é constituída. • a distância mínima do poço de captação de água. filtros anaeróbios e de outros reatores domésticos que produzam poucos sólidos suspensos. químicos (adsorção) e bioquímicos (oxidação).2.

no sistema. cujos poros permitam a livre passagem do líquido para o fundo da vala. Normalmente distâncias superiores a 30 m. de modo a evitar a sua erosão pela água da chuva. Esta tubulação deve ser envolvida por um leito de pedra britada. pedregulho ou escória de coque. para disposição no solo de efluentes de sistemas de tratamento de esgotos. até mesmo. entre o poço e as valas. vem sendo orientado.20 m. na ocasião do reaterro da vala.969/1997 recomenda que as valas de infiltração sigam o esquema apresentado na Figura 2. • as superfícies de percolação. • este sistema deve manter uma distância horizontal mínima de qualquer poço de captação de água.06 - .3. de modo a permitir um tempo de percurso do fluxo de três dias até atingir estas áreas. antes da colocação do material de suporte do tubo de distribuição de esgotos. . as valas devem ser instaladas acompanhando as curvas de nível. Este item visa não causar o desprendimento dos agentes patogênicos retidos. para não causar problemas de extravasamento ou obstrução do sistema. Pode ocorrer um benefício maior se ela for toda perfurada em sua extensão. • nos locais onde o terreno tem inclinação acentuada. sendo sua aplicação mais usual o destino de efluentes de tanques sépticos. por normas da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. quando houver compactação voluntária ou não. tendo um espaçamento longitudinal de 1 cm entre os tubos.2 CRITÉRIOS E PARÂMETROS DO PROJETO E ASPECTOS CONSTRUTIVOS No Brasil. prever uma cobertura com material impermeável. sobre a camada de pedra britada ou pedregulho. desde 1963. Pode-se.2. depois de corretamente instalada. • as tubulações de distribuição na vala devem ser instaladas de modo a não causar represamento dos esgotos no seu interior. devem ser escarificadas até uma profundidade de 0. assim como não criar condições anaeróbias. São eles: • a tubulação de distribuição pode ser constituída de manilhas de barro vidrado. o uso de valas de infiltração. antes do reaterro. assim como as paredes laterais. devem ser protegidas contra cargas rodantes.1 e apresenta uma série de itens que devem ser considerados na sua construção. entre o fundo da vala de infiltração e o nível máximo da superfície do aqüífero. são recomendáveis. • o fundo. como nas encostas do morro. • deve ser mantida uma distância mínima vertical.10 a 0. poderá ser feito com o próprio material da escavação. A NBR 13. • deve-se instalar tubos de exaustão para ventilação do interior da vala. mantendo-se a declividade das tubulações. • o reaterro da vala. não devem sofrer qualquer compactação durante a sua construção. de 1. • todas as tubulações de transporte do esgotos. • deve-se prever uma sobrelevação do solo.5 m.

o gorjeio de pássaros e as linhas curvas das margens da bacia. Esta influência é ainda mais marcante em áreas de intensa urbanização. Desde tempos antigos vem sendo destacada a beleza inerente a ambientes aquáticos limpos. dependendo da época do ano e das características físicoquímicas e biológicas da água. Soma-se a isto a leve movimentação das camadas superficiais expostas à brisa.  Harmonia paisagística : Este é o aspecto de maior impacto para a população que vive nas proximidades da bacia ou que. no entanto.• a vala deve ser dimensionada considerando a mesma vazão adotada para o cálculo do conjunto tanque séptico + filtro anaeróbio ou outro tipo de reator. de alguma maneira.  Lazer contemplativo : Este uso está intimamente ligado ao anterior. contrapondo-se aos traços retos da arquitetura moderna. que a antecede. geralmente de cor azulada. A própria literatura técnica internacional já tem adotado a expressão em inglês (calming function) para designar este aspecto tranqüilizante promovido pela contemplação de um ambiente aquático. Esquema de uma vala de infiltração 3. Tal efeito está associado à visualização de um espelho d’água limpo. as bacias de retenção podem ser destinadas a usos de distintas naturezas. esverdeada ou cinza. tão comuns em todas as grandes cidades do planeta. . os quais se inserem de forma suave e integral à paisagem do entorno. a quietude do ambiente.3 BACIAS DE RETENÇÃO Além de cumprir uma importante função hidrológica.07 - . Este enlevamento espiritual tende a promover uma diminuição de agressividade e de atos de vandalismo. enfatizando-se aqui. metal ou alvenaria. devendo ser considerada como superfície útil de absorção a área de fundo da vala. interage com a sua presença. a função calmante exercida pela água sobre o espírito humano. nas quais a existência de um corpo d’água de pequenas dimensões promove um desejável contraste com equipamentos construtivos de concreto. • as dimensões da vala de infiltração são determinadas em função da capacidade de absorção do terreno.

se a região sofre uma ou duas inundações por ano. em geral. teleguiados ou não) e a patinação no gelo. Dessa forma. Recreação de contato secundário: Consiste na recreação exercida sem contato direto com a água. evitando-se zonas de estagnação que possam promover crescimento de vegetação e a consequente presença de mosquitos e larvas de inseto.4 BACIAS DE DETENÇÃO As bacias de detenção são aquelas que permanecem secas na maior parte do tempo. 3. Soma-se a estes usos também o modelismo (navegação de pequenos barcos de brinquedo. a praça (se a bacia for implantada numa praça) ou outra área destinada também ficará inundada apenas uma ou duas vezes por ano.  Usos no entorno da bacia : As margens das bacias de retenção prestam-se adequadamente a atividades como caminhadas e corridas. remo ou mesmo vela.  Determinação da superfície da bacia = volume a ser estocado / diferença de nível  Cálculo hidrológico para manutenção de água na estação seca (perdas = infiltração + evaporação).  Abastecimento : Normalmente as bacias de retenção não constituem-se em manancias de abastecimento de água. em torno de 50 cm . tendo em vista os aspectos de segurança do usuário e de uma possível contaminação bacteriológica do meio líquido. como é o caso da pesca. Para locais novos : vazão decenal na zona rural antes da urbanização Para locais já urbanizados : usar os dados disponíveis  Determinação do volume de água a ser estocado.  Consideração hidráulica da distribuição de fluxo.08 - . Para o dimensionamento das bacias de retenção devem ser seguidos os seguintes passos :  Escolha da vazão afluente. através da implantação de quadras esportivas e canchas de skate. Estas bacias podem ser do tipo aberta ou subterrânea. No entanto elas podem atuar como estoque emergencial de água para combate a incêndio. recebendo aporte de águas apenas nos dias de chuva. Deve-se destacar que as exigências da comunidade com relação ao lazer são um claro sinal de sucesso da implantação da bacia com relação à sua inserção urbana. não é geralmente recomendada. embora possa ser exercida em bacias de retenção comprovadamente limpas. A região de entorno constitui-se ainda em excelente espaço para a realização de oficinas de educação ambiental para escolares e adultos. aumentando conseqüentemente a sensação de segurança das pessoas que desfrutam destes benefícios. para o caso de grandes espelhos d´água. por exemplo. . para o caso de países de clima frio. O exercício destas modalidades de esporte e lazer proporciona um maior vínculo entre os usuários do ambiente.  Definição da diferença entre o nível de água mais alto admissível e o nível nominal. devido principalmente ao seu pequeno volume. As bacias de detenção podem ser aproveitadas para atividades de lazer. A recreação de contato primário (balneabilidade). este valor está.

4. mas pode ser aplicado em pátios. além do custo da obra em si. pois o acesso é livre e os equipamentos necessários são facilmente obtidos.2 BACIAS DE DETENÇÃO SUBTERRÂNEA Para as bacias de detenção subterrâneas.5 PAVIMENTOS POROSOS Existe basicamente dois tipos de pavimento: pavimento modular e pavimento poroso. O conceito de pavimento poroso foi desenvolvido nos anos 1970. O asfalto tem agregados com vazios de 40% e o concreto com 17%. no Franklin Institute na Filadélfia. em média de 3 a 5 vezes mais alto que o de bacias abertas. O pavimento poroso pode ser construído em asfalto ou concreto. A freqüência de manutenção pode ser menor. 3. 3. O pavimento poroso é uma BMP que reduz a área impermeável podendo ser feita a recarga das águas subterrâneas.4. que podem ficar entupidas por sedimentos e lixo. principalmente no caso de haver bombeamento dos efluentes. isto é. . conforme Urbonas.09 - . melhorando a qualidade das águas pluviais. cobertos por grama ou construídos na forma de arquibancadas ou rampas lisas. os projetos prevêem. etc. O pavimento poroso é chamado também de pavimento permeável. a construção de praças e áreas de lazer sobre a laje superior do reservatório de concreto. A dificuldade de acesso e a necessidade de equipamentos mais robustos são fatores que devem ser detalhadamente avaliados na consideração da implantação de bacias subterrâneas ou fechadas. utilizam-se taludes laterais suaves. playgrounds. A condutividade hidráulica mínima em que pode ser considerada a infiltração no solo é de 0.USA. A principal aplicação do pavimento poroso é em estacionamento de veículos. no entanto deve haver inspeções periódicas para garantir a desobstrução das estruturas de entrada e saída. partículas menores que 600μm (peneira número 30). PA. uma vez que não existe uso de lazer dentro da bacia.1 BACIAS DE DETENÇÃO ABERTA No caso de bacias abertas.3. Permite que as águas pluviais que caem sobre o pavimento percolem no solo abaixo. No pavimento modular a água de chuva penetra pelas juntas e no pavimento poroso a água penetra na superfície do próprio material que pode ser asfalto ou concreto.36mm/h. O pavimento poroso consiste de um pavimento de asfalto ou concreto onde não existem os agregados finos. em geral. A manutenção das bacias de detenção abertas é mais rápida e econômica. de forma a evitar possíveis acidentes.  Concreto poroso permite que a água passe pelos espaços entre os poros do agregado. que é. 1993.

36mm/h conforme CIRIA. Concreto poroso em blocos. 3ª camada: reservatório de pedra com diâmetro de 40mm a 75mm (pedra britada nº3 e nº4). Consiste em uma camada de 50mm com agregados de 13mm.A superfície de infiltração do pavimento poroso deve ter condutividade hidráulica maior que a intensidade da chuva. Uma das vantagens do pavimento poroso em asfalto segundo Daywater. . Serve para estabilizar a camada de asfalto ou concreto.10 - . pedras britadas ou grama adensada em estruturas de concreto ou de PVC. 2ª camada: filtro granular: com espessura de 25mm a 50mm e agregado de 13mm. reduz o splash das chuvas e diminui o problema de aquaplanagem.61m a 1. Pavimento poroso em concreto.20m do fundo do pavimento poroso. asfalto. Em áreas onde há congelamento do solo a profundidade de congelamento pode variar de 0.25m a altura mínima do reservatório de pedra. comumente encontrado nos pavimentos comuns. 4ª camada: filtro granular que serve como uma interface entre o reservatório e o geotêxtil. 3. 6ª camada: solo nativo que deverá ter condutividade hidráulica no mínimo 0.  O pavimento poroso tem seis camadas: 1ª camada: camada de asfalto: possui espessura de 65mm a 100mm. Adote 0. O pavimento poroso possui 16% de vazios muito maiores que os 3% a 5%.1 TIPOS DE PAVIMENTOS POROSOS Os pavimentos podem ser de concreto. 2007. O lençol freático deverá estar no mínimo a 1.22m. O reservatório de pedra deverá ser drenado em 24h a 72h.5. 2003 é que gera menos barulho dos veículos. 5ª camada: geotêxtil.

fibrocimento.11 - .Redução da velocidade de escoamento da água da chuva na fonte (telhado). como o de telha cerâmica. Pavimento poroso com pedregulhos. . É possível fazer um telhado com grama ou com plantas. Esse tipo de cobertura vegetal pode ser instalada tanto em cobertura de prédios (laje) ou sobre telhados convencionais. 4.Aumento da biodiversidade.0 TELHADOS VERDES O Ecotelhado é um jardim suspenso. Os telhados verdes ganharam uma crucial importancia nos centros urbanos trazendo diversos benefícios como: . dentre outros. .Pavimento poroso com grama reforçada que permite que a água passe pela zona das raízes e vá até o solo ficando uma superfície resistente inclusive para passagem de veículos. também conhecido como telhado verde.

Inclusão social. Aumentando a oportunidade de convívio com a natureza em diferentes locais. .O Ecotelhado (telhado verde. .Esses telhados ajudam na diminuição da temperatura do micro e macro ambiente externo. .Conforto térmico e acústico para ambientes internos. . pois diminui a amplitude térmica.. . .12 - .Contribui para a maior durabilidade dos prédios. . atenuante da poluição do ar. contribuindo para redução da poluição. cobertura verde ou jardim suspenso) pode ser instalado tanto em casas como em grandes empresas e indústrias. .Limpeza da água pluvial. mas no telhado ou cobertura.Redução da emissão de carbono.Funciona como um jardim externo.Aumento da retenção da água da chuva na fonte (drenagem urbana). .Contribui significativamente na pontuação de certificações como LEED. .

01 - . tem imposto pressões econômicas e sócio-ambientais aos novos empreendimentos imobiliários. torna-se uma alternativa bastante viável para as novas edificações. O trabalho a seguir expõe as várias formas de aproveitamento de água da chuva nas indústrias e residências dentro do cenário rural e urbano. o aumento da demanda por água.1. . no que diz respeito à adoção de medidas que visem à diminuição de consumo e a busca por fontes alternativas de água. normalmente ocasionado pelo crescimento populacional acentuado e desordenado nos grandes centros urbanos brasileiros. a implementação de sistemas de aproveitamento de águas pluviais para fins não potáveis. que contribuem para o bem estar de seus usuários e diminuição das catástrofes naturais. Nesse sentido.0 INTRODUÇÃO Nos últimos anos.

Permitindo menor custo em decorrência do grande benefício adquirido e melhor uso dos recursos naturais. adução. com a redução de enchentes nas cidades e para a diminuição da utilização de energia e insumos na captação. tratamento e distribuição de água potável.5. .0 CONCLUSÃO O aproveitamento de água de chuva para fins não-potáveis em residências e indústrias. além do uso de dispositivos de reposição dos lençóis freáticos. pode contribuir para a conservação de mananciais.13 - .

0 DADOS BIBLIOGRÁFICOS  Sites: <http://construindosustentavel.html> Acesso em: 27 de Nov.com/2010/04/aproveitamento-de-agua-pluvialdas. 2011.br/joel/iph014/pavimentos.14 - .adene.6.asp?it=779674> Acesso em: 27 de Nov.com.ecocasa.ecotelhado. 2011. 2011.ufrgs.pliniotomaz. 2011. 2011.blogspot.aspx> Acesso em: 27 de Nov.iph.br/produtos. <http://galileu. 2011.br/Por/ecotelhado/default.com.br/downloads/capitulo60_pavimento_poroso. <http://www.dml> Acesso em: 27 de Nov.com. .br/institutos/it/de/acidentes/baciaurb.br/ixpress/pluviometria/plv/index.ufrrj. 2011.htm> Acesso em: 27 de Nov. <http://www. <http://www.pdf> Acesso em: 27 de Nov. <http://www.pdf> Acesso em: 27 de Nov.gov. <http://www.

..........0 Sistemas de Aproveitamento de Água Pluvial ........................................3 Bacias de Retenção ..........04 3........................................09 3.........................................2 Valas de Infiltração ........................02 3....1 Cisternas ......................................4 Bacias de Detenção ...........................11 5..................................................................0 Telhados Verdes ..........................4....................................................0 Armazenamento ....................................................................................................................5 Pavimentos Porosos .....................................................1 Utilização ..........................0 Dados Bibliográficos .....................0 Introdução ..............2 Critérios e Parâmetros do Projeto e Aspectos Construtivos ..........................................................1 Bacias De Detenção Aberta ..............................................2...............................................01 2................................................2 Bacias De Detenção Subterrânea ..........................05 3...........................................................................................04 3.......................10 4....................................................................................................13 6...................................................................09 3.....2..............14 ...............08 3....5...........................................1 Tipos De Pavimentos Porosos ........................07 3...................................................................09 3..................................05 3..................................4.....................................................0 Conclusão ................................................................SUMÁRIO 1...06 3..

Ciência e Tecnologia de Amazonas Gerência Educacional da Área da Construção Civil _____________________________________________________________________________ APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL Manaus 2011 .Instituto Federal de Educação.

Natália Dias Leal IEDF 21 APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL Trabalho requisitado pelo professor Mauro Marques para obtenção de nota parcial da disciplina de Instalações Hidrossanitárias. Manaus 2011 .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->