P. 1
Fonética e Fonologia

Fonética e Fonologia

|Views: 1.834|Likes:
Publicado porBruno Oliveira

More info:

Published by: Bruno Oliveira on Mar 27, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/25/2012

pdf

text

original

Fonética e Fonologia – conceitos básicos, classificação dos fonemas, sílabas, encontros vocálicos, encontros consonantais, dígrafos, vogais, semivogais e separação de sílabas, ortoépia. Capítulos 5 e 6

 

Ortografia – conceitos básicos, o alfabeto, orientações ortográficas, uso do porque, uso do hífen, crase. Acentuação – conceitos básicos, acentuação tônica, acentuação gráfica, os acentos, aspectos genéricos das regras de acentuação, as regras básicas, as regras especiais, hiatos, ditongos, formas verbais seguidas de pronomes, acentos diferenciais.

Morfologia – estrutura e formação das palavras, conceitos básicos, derivação e composição, prefixos, sufixos e afixos, radicais, tipos de composição, verbos regulares e irregulares, verbos auxiliares, verbos defectivos, classe de palavras, flexão nominal e verbal, emprego de locuções, substantivo, artigo, adjetivo, numeral, pronome, locução verbal, advérbio, preposição, conjunção, interjeição e vozes verbais.

 

Sintaxe – predicação verbal, concordância verbal e nominal, regência nominal e verbal, pontuação, colocação de pronomes, orações subordinadas coordenadas. Termos ligados ao verbo – adjunto adverbial, agente da passiva, objeto direto e indireto, advérbio, vozes verbais, termos essenciais da oração, termos integrantes da oração, termos acessórios da oração, período, sintaxe de concordância, sintaxe de regência, sintaxe de colocação, funções e empregos das palavras que e se, sinais de pontuação.

     

Semântica – Sinônimos, antônimos, denotação e conotação. Figuras de linguagem – eufemismo, hipérbole, ironia, prosopopeia, catacrese, paradoxo. Figuras de linguagem – comparação, catacrese, metonímia. Figuras de construção – Elípse, hipérbato, pleonasmo, silepse. Figuras de pensamento – antítese, vícios de linguagem. Narração, dissertação, descrição, tipos de discurso e coesão textual.

A base da sílaba é a vogal.  Sílaba Átona – É a pronunciada com baixa intensidade. Trissílaba.  Sílaba Tônica – É a pronunciada com mais intensidade. I – U podem ser substituídos por Y – W  Exemplos: Boy – Boi Saudade – Sawdade  Consoantes – A corrente de ar vinda dos pulmões encontra obstáculos (língua. dentes. = S – AM. SÇ.  Exemplos: LH – NH – QU – RR – SS. não constrói sílaba sozinho e sempre acompanha uma vogal. SC. lábios). Dissílaba. as palavras de duas ou mais sílabas classificam-se em: .Fonética e Fonologia Fonema  Menor unidade sonora da palavra Funções do fonema  Sozinho ou ao lado de outros fonemas constituem palavras e distingue uma palavra da outra A escrita representa os sons da fala Letra  Representação gráfica dos fonemas da fala Dígrafo e Difono  Combinações de duas letras que representam um único fonema. porém pronunciado mais fraco. Sílaba  Fonema ou grupo de fonemas pronunciados numa só emissão de voz. AN = Ã Classificação dos fonemas  Vogal – Base da silaba  Semivogal – É o fonema produzido pela vogal. com baixa intensidade. Polissílaba. por isso. sem ela não há sílaba. Classificação das palavras quanto à posição da sílaba tônica  Quanto à posição da sílaba tônica.  Classificação das palavras quanto ao número de sílabas – Monossílaba.

tritongos. trans. Exemplo: Quaisquer = Qu – a – i – s – quer Encontro consonantal  Agrupamento de consoantes numa mesma palavra. Cédula. o tritongo é indivisível silabicamente. e consoantes não seguidas de vogal (Apto – Apto).   Oxítonas: quando a sílaba tônica é a última sílaba da palavra. Por conter uma única vogal. Platina. qu. as vogais dos hiatos ficam sempre em sílabas separadas. Pelo fato de uma semivogal sozinha não poder constituir sílaba. Paroxítonas: quando a sílaba tônica é a penúltima sílaba da palavra. Exemplo: Caída = Ca – i – da  Ditongo: É o encontro de uma vogal e uma semivogal. encontros consonantais (cc. Lisetta. Como só pode haver uma vogal em cada sílaba. nh. prefixos(bis. Proparoxítonas: quando a sílaba tônica é a antepenúltima sílaba da palavra: Dramático. cis. cç). Exemplo: Canção = Can – ção  Tritongo: É o encontro de uma semivogal + uma vogal + semivogal. dis. não se pode dividir o ditongo silabicamente. . dígrafos (lh. Tremer.  Separam-se: Hiatos. gu) encontros consonantais. ex.  Exemplo: Clave. Exemplo Soluçou – Pará. Exemplo: Urso.  Hiato: É o encontro de duas vogais. ch. Divisão silábica  Não se separam: Ditongos. Encontros vocálicos  É uma união de fonemas vocálicos – vogais ou semivogais – em uma mesma sílaba ou em sílabas diferentes. dígrafos (rr – ss – sc – sç – xc).

uma vez que. Exemplo: Por que os governos substituiu o ministro da economia  Por quê – Quando a expressão aparece no final da frase ou sozinha. para que.  Exemplo: Não responda. situação em que é sinônimo de motivo e razão.  Exemplo: O diretor negou-se a explicar o porquê da sua decisão.Agem – Igem – Ugem.  Exemplo: Você brigou ? Por quê? . Duas exceções Pajem e Lambujem. Emprego X ou CH  X usa-se depois de um ditongo – Peixe . Emprego Z ou S  Z usa-se nos sufixos ez – eza – Usados para formar substantivos abstratos derivados de adjetivos. . Quando a expressão puder ser substituída por: Para que ou Pelo qual.        Exemplo: Por que você demorou tanto? Sempre que estiverem subentendidas as palavras motivo e razão. Exemplo: Não sei por que ele se ofendeu.Ortografia Emprego J ou G  J usa-se nas palavras de origem árabe. africana e indígena.E depois de me inicial. porque ele esta com a razão?  Porquê – Quando a expressão for substantivada. Jiboia  G usa-se nas terminações: Ágio – Égio – Igio – Ogio – Ugio. Exemplo: Rico – Riqueza Porquês  Por que – Interrogativas diretas e indiretas. Em títulos. Exceção Mecha. E depois de EN inicial – Enxurrada – Enxarcada – Exceções – Encher – Encharcar – Enchumaçar e derivados dessas.Você brigou por quê ?  Porque – Quando a expressão equivale a – Pois. O restante é ch. Exemplo: A estrada por que passei está esburacada.Mexer – Mexilhao.

Crase  Fusão de duas vogais idênticas a+a  Artigo feminino – Exemplo: Exceto para quem é alérgico à qualidade. abóbora-menina. ou seja. queima-roupa. Exemplo: Fiz uma excursão a Roma – Fiz uma excursão à Roma de meus avós.Hifen  Em palavras compostas por justaposição que formam uma unidade semântica. pré. eva-do-chá. deus-dará. mas algumas exceções continuam por já estarem consagradas pelo uso: cor-de-rosa. arco-íris.quando associados com outro termo que é iniciado por r: hiper-resistente. Não ocorre crase quando indica lar. como: ponte Rio-Niterói. etc. pós-graduação. residência. Nas expressões na medida que. recém-nascido. erva-doce. vicegovernador. feijãoverde. interracial. Exemplo: À direita ficava o quartinho de despejos. inter. recém-casado. Exemplo: Estou em casa . água-de-colônia. Exemplo: À proporção que se aproximava o dia da entrega do prêmio. pé-de-meia.  Ocorre crase:     Locuções adverbiais e prepositivas formadas por substantivos femininos. etc. Nas formações com os prefixos hiper-. primeiro-ministro.  Na ênclise e tmese: amá-lo.e super. vice-prefeito. as locuções não possuem hífen. dá-se.  No geral.  Nos compostos com elementos além.  Nos encadeamentos de vocábulos. Em palavras compostas por espécies botânicas e zoológicas: couve-flor. ex-presidente. falar-lhe-ei. nos termos que se unem para formam um novo significado: tio-avô. azul-escuro. aquém-fiar. segunda-feira. luso-brasileiro. recém e sem: além-mar. Angola-Brasil. Exemplo: Voltamos à antiga casa de nossos pais um dia destes. guarda-chuva. etc. tenente-coronel. aquilo. Alsácia-Lorena.  Pronomes demonstrativos – Exemplo: Aquele. Antes da palavra casa se ela for determinada. etc. pré-escolar. Antes de nomes de lugares determinados pelo artigo. pró-europeu. etc. bem-me-quer. abraça-o. aquela. mais-que-perfeito. conta-gotas.     Nas formações com os prefixos pós-. super-racional. deixá-lo. bem-te-vi. Nas formações com os prefixos ex-. vice-: ex-diretor. sem-número. na proporção que. porto-alegrense.e pró-: pré-natal. aquém. percurso Lisboa-Coimbra-Porto e nas combinações históricas ou ocasionais: Áustria-Hungria. arco-davelha. morada. lança-o e amá-loei.

o. Exemplos: Tórax. o. eu. empresa. seguidos de nh na sílaba seguinte. à maneira de ou palavras como faculdade. us. portanto não ocorre a crase. Antes da palavra terra. ois. N. Exemplo: Refiro-me ào FRJ. i. em. pás.  Facultativas . Exemplo: A nave espacial russa voltou à terra.  Acentua-se hiatos tônicos em i. ÃO. não são acentuadas: rainha. L. US. Esteriótipo. chápeu. Parabéns. baú. Táxi. Exemplo: Esta – Está. assim que o navio atracou no cais. PS. apoio. e. iS. Exemplo: Procurou ser agradável a lia ( ou à Lia). bainha. balaústre. as. tinha. Exemplo: Saí. companhia mesmo diante de palavras masculinas. Ã. X. Belém. Exemplo: Idéia. – Diante de pronomes possesivos femininos.  Acentua-se ditongos abertos tônicos ei.. e ditongo. is. desceram a terra. Exemplo: O diretor fez uma advertência a sua irmã (ou à sua irmã). UM. eus. e. a palavra terra não admite artigo e. Regras de acentuação gráfica  São acentuados apenas os monossílabos tônicos terminados em: A. ens. Quando se opõe a bordo. – Na locução prepositiva até a. u.  Palavras terminadas em guem são acentuadas Exemplo: Álibi. oi. eis. os. pó. pé. ÃOS.Diante de pronomes propios femininos.  Acentua-se as palavras paroxítonas terminadas em R. Exemplo: Pá.  Acentua-se todas as palavras proparoxítonas.  Acento gráfico – Sinal utilizado para indicar a silaba tônica de certas palavras. Exemplo: Levou a discussão até as ultimas consequências. es. as. UNS.  Quando estão subentendidas as expressões à moda de. Exceção: Os hiatos em i. Acentuação  Acento tônico – Corresponde a maior intensidade sonora com que se pronuncia certa silaba das palavras. Exemplo: Os marinheiros. Exemplo: Vatapá.. . ÃS. es.  Acentua-se palavras oxítonas terminadas em a. os.

nos. Danaê.  Exemplo: Deseje-me boa sorte. nem. . jamais.Acento diferencial:     pára (do verbo parar) e para (preposição) péla (do verbo pelar) e pela (união da preposição com o artigo) pólo (substantivo) e polo (uma forma quase em desuso que une por e lo) pêra (o substantivo) e péra (um substantivo em desuso que significa pedra).  Mesóclise – É a colocação do pronome quando o verbo se encontra no futuro do presente. ou no futuro do pretérito no modo indicativo desde que não haja condição de próclise. em oposição a pera (uma preposição que também não se usa mais. Colocação pronominal  Ordem direta Termos da orção se dispõe na sequencia: Sujeito+Verbo+Complemento: Obejto direto ou indireto + predicativo+ adjuntos. Podem estar em três posições ao verbo ao qual se ligam. nenhum. lhe(s).  pêlo (substantivo/pelo (do verbo pelar)  Duas palavras fogem à nova regra: pôr (verbo) e pôde (o verbo conjugado no passado) continuam com o acento diferencial.  Colocação pronominal . Palavras negativas (não. ninguém.  Próclise: Colocação do pronome quando antes do verbo a palavras que exercem atração sobre ele.. Exemplo: Nunca nos revelou sua verdadeira identidade.. nunca.  Colocação: Modo de dispor na ordem direta ou inversa os termos que compõe uma oração.  Ordem inversa – Alteração na disposição dos termos. se. a(s).  Emprego da próclise – Exercem atração sobre o verbo   Exemplo: Esqueci que a Danaê se mudou. não seguida de pausa(ponto. virgula). No caso do pôr é para evitar a confusão com a preposição por.  Exemplo: Contar-lhe-ia o segredo. nada. etc. o(s). Já o pôde continua com acentuação para não ser confundido com pode (o mesmo verbo conjugado no presente).). Colocação pronominal em relação ao verbo  Ênclise – Colocação normal do pronome na variedade padrão.Os pronomes pessoias oblíquos átonos: Me. se pudesse. te. que significa para. etc. vos.

Orações optativas com sujeito antes do verbo. Proclítico ou enclítico em relação ao verbo auxiliar Mesoclítico em relação ao verbo auxiliar se este estiver no futuro do presente ou futuro do pretérito. derivação e composição.       Adverbio não seguido de virgula. Pronomes relativos e indefinidos. não me meto. se este estiver no infinitivo ou gerúndio. Derivação  Processo pela qual a partir da uma palavra se formam outras. Exemplo: Quem te acompanhou até aqui. usa-se ênclise. Exemplo: Em se tratando de brigas familiares. A palavra formada se chama derivada e que lhe da formação primitiva. Exemplo: Depois me dirigi ao balcão de informações. Infinitivo pessoal precedido de preposição.  Existem 2 processos comuns na formação de palavras. Formação de palavras  Neologismo – palavra nova formada a partir de elementos já existentes.  Tipos de derivação:  Derivação prefixal – Ocorre quando a um acréscimo de um prefixo ao radical. Exemplo: Contrapor . por meio de acréscimos de elementos que lhe alteram o sentido primitivo ou lhe acrescentam um novo sentido. Colocação pronominal em relação aos tempo compostos e as locução verbais  Pronome obliquo pode estar    Enclítico em relação ao verbo principal. Exemplo: Para se desculparem enviaram a menina flores e bombons. importar um termo de uma língua estrangeira ou alterar o significado de uma palavra antiga. Exemplo: Pensei que lhe dariam um emprego. Havendo virgula depois de palavra negativa ou adverbio. Preposição em seguida de gerúndio. Exemplo: Deus lhe pague moço. Conjunção subordinativa.

Exemplo: oponente.  Podem ser de dois jeitos: Composição por justaposição ou aglutinação.   Derivação sufixal – Acréscimo de um sufixo ao radical. e o primeiro componente perde alguns elementos. contramão etc. Exemplo: paradoxo. Exemplo: Atravessar – Radical = atravess Prefixo  Precede o radical nas palavras. É o      contra — significa "em oposição a". Exemplo: obcônica (forma de um cone com a ponta para baixo).O. Substantivos deverbais formados pela junção das vogais temáticas nominais : A. Radical  Significação básica da palavra. Exemplo: Passatempo  Composição por aglutinação – Palavras associadas se fundem num todo fonético. vogais e consoantes. E . Algumas vezes a palavra não existe sem o prefixo. a festa estava um tremendo barato. para — significa "contrário". o — significa "em oposição a". Exemplo: Cara. cada componente conservam seu acento tônico e seus fonemas. Exemplo: Imperdoável. antiofídico etc. anti — significa "contra".  Prefixos de oposição são prefixos que transformam o significado original de alguns radicais no seu sentido oposto. ob — significa "invertido". Podem apresentar formas substantivas ou femininas. Exemplos: antibiótico.  Derivação regressiva – Eliminação de elementos terminais (desinências e sufixos). Composição  Formação de palavras resultante da união de dois ou mais radicais. . Fidalgo = Filho de algo. Exemplos: contragolpes. Exemplo: Arvoredo.  Composição por justaposição – Palavras associadas conservam sua autonomia fonética isto é. normalmente o acento tônico. Derivação prefixal e sufixal – Acorre quando a um acréscimo não simultâneo a um sufixo e de um prefixo a um radical. Exemplo: Sobrar – Sobra  Derivação impropria – Mudança de sentido de classe gramatical. Derivação parassintética – Acréscimo simultâneo de um prefixo e um sufixo ao radical. Exemplo: Engarrafar. Exemplo: Planalto = Plano + alto . ao radical de um verbo.

Classe de palavras invariáveis que ligam outras duas palavras ou duas orações. favel-ado. ou ser.Classe de palavras invariáveis que ligam outras duas subordinando a segunda à primeira palavra. Advérbios . Indicam ação.Classe de palavras com função de substituir o nome. Conectivos: Servem para estruturar a sintaxe de uma oração: Preposições .Classe de palavras que indicam as qualidades. an. como também de substituir a sua referência. o prefixo de negação se opõe ao significado original da palavra (neste caso. fato. Pronomes . origem e estado do ser. dis. im.  sufixo verbal: aquele responsável pela formação de um verbo: computador + izar. Interjeições -Classe de palavras invariáveis usadas para substituir frases de significado emotivo ou sentimental.  sufixo nominal: aquele responsável pela formação de nome (substantivo ou adjetivo): pad-eiro. Sufixo  Adiciona-se ao final da palavras. Determinantes . Adjetivos . outro advérbio ou uma oração inteira. Toda palavra que se pode conjugar. Numerais . isto é.Classe de palavras variáveis com que se designam e nomeiam os seres em geral. um acontecimento representado no tempo.Classe de palavras de forma variável que exprimem o que se passa. determinando-os.  Algumas palavras não existem sem o prefixo de negação. funciona como um prefixo de oposição). . É o caso de intocável.  sufixo adverbial: aquele responsável pela formação de advérbio. Conjunções . após o radical. podendo também modificar um adjetivo. Em alguns casos.Classe de palavras invariáveis indicadoras de circunstâncias diversas.Classe de palavras quantitativas. Verbos . i. Indica-nos uma quantidade exata de pessoas ou coisas. em português apenas o sufixo -mente: feliz-mente Classes gramaticais  Classes principais: são a base do idioma e formam o núcleo das orações:            Substantivos . Prefixos de negação – são prefixos gramaticais que em geral negam o sentido original de uma palavra. estado ou fenômeno. des. é fundamentalmente um modificador do verbo.  Alguns prefixos de negação: in. O adjetivo é essencialmente um modificador do substantivo.Classe de palavras que acompanham os substantivos. ou o lugar que elas ocupam numa série. Servem para representar um substantivo e para o acompanhar determinandolhe a extensão do significado. á.

não pluraliza verbos.    Nos compostos formados por palavras repetidas ou onomatopeias pluraliza-se o segundo elemento: Corre-corres.  Plural substantivos compostos – Pluralizaram-se (substantivo e adjetivo). invariáveis. Adjetivo  É a palavra que caracteriza os seres. animados ou não. desejos. Não se pluraliza o adjetivo contraído grã.  Flexão dos substantivos – Gênero(masculino feminino). Exemplo: pés-decabra. grau(aumentativo e diminutivo). pombos-correio. Exemplo: Amizade luso-brasileira – Amizade luso-brasileiras.  Classificação quanto a formação: Primitivo derivado.  Genero do adjetivo. simples composto. os. Exemplo: Grão-duques. estados. ações. simples composto. verde-oliva. Grã-cruzes.  Azul-marinha. ideias.em adjetivos compostos formam o feminino variando apenas o segundo elemento.Substantivo  Palavras que designam serem visíveis ou não. Classificação  Definido: o. sentimentos. Dias da semana pluraliza os dois. definindo-o ou indefinindo-o. azul-celeste. continuam Artigo  Palavra que antecede o substantivo. Exemplo: Quadro politico-economico – Integração politico-economica. Classificação quanto à formação: Primitivo derivado. com ou sem auxilio de preposição. refere-se sempre a um substantivo explicito ou subentendido na frase no qual concorda em gênero e numero. grão. número(singular e plural). as .Matutino  Flexão do adjetivo – Gênero. numero e grau(no caso de adjetivo – superlativo e comparativo). advérbios interjeições. a. amarelo-canário.  Número – Plural em compostos variam apenas os segundos elementos.  Locuções adjetivas – Amor de pai – Paterno / de manhã .  Pode-se pluralizar apenas o primeiro substantivo se o segundo funcionar como especificador.

centenas. se. 3º  Multiplicativos – dobro. Podem também remeter a palavras. ela. orações e frases expressas anteriormente. Locutário 2ª pessoa. principalmente os substantivos. o. elas.  Classificação:  Pronome pessoal do caso reto – funciona como complemento -: eu. 2º.  Pronome pessoal do caso oblíquo átono (usado sem preposição): me. vós.3  Ordinais – 1º. nós. umas Numeral  Palavra que expressa quantidade exata de pessoas. eles.  Pronomes pessoais – designam diretamente uma das pessoas do discurso: Locutor 1ª pessoa. convosco. triplo  Fracionários – ½  Coletivos – dezenas.  Pronome substantivo – funcionam como substantivo. tu. a. ele. coisas. nos.  Pronome adjetivo – acompanha o substantivo Exemplo: Esta casa é mais confortável que a outra.  Pronome pessoal do caso oblíquo tônico (usado sem preposição): mim. ele. elas. si. lhe. Pronomes pessoais – funciona como sujeito – Aqueles que indicam as 3 pessoas do discurso. contigo. vós. uma. que elas ocupam em uma determinada sequencia. uns. nós. te.2.  Pronome reflexivo – da se nome de pronome reflexivo ao pronome oblíquo que se refere ao mesmo ser indicado pelo reto. Assunto ou referente 3ª pessoa. se. eles. os. as. Pronome  São palavras que substituem ou acompanham outras palavras. ti. Indefinidos: um. dúzias. vos. lugares.  Exemplo – Feri-me com a tesoura. comigo. (a mim mesmo) . consigo. consigo. conosco. Classificação:  Cardinais – 1. lhes.

senhor. vossa santidade. Essa localização pode se dar no tempo.  Pronomes possessivos – indicam posse em relação as 3 pessoas do discurso. oem). algo. todo. sua. senhorita. certo. o que. la. isso.  Pronomes indefinidos invariáveis – alguém.  Exemplo: Vou escrever uma carta – Vou escreve la Poe os livros ali – Poe-nos ali  Eu – tu – função sujeito  Mim – Ti – Outras funções  Pronome de tratamento – palavras e expressões empregadas para tratar familiar ou cerimoniosamente o interlocutor.plural  Pronomes demonstrativos – situam pessoas ou coisas em relação a 3 pessoas do discurso. após fonemas nasais (am. sua. vosso (a).  Pronome possesivo singular – meu. os. tanto. assumem as formas : lo. minha. teu. cada. aquele(s). mais passado  Pronomes indefinidos – se referem a substantivo de modo vago. qualquer. aquilo. Essa. em. ou z. s.  Pronomes interrogativos – pronomes indefinidos que. qual. Os pronomes oblíquos o.  Formas de tratamento – você. impreciso ou genérico. após formas verbais terminadas em r. nosso(a). esse(s). outrem. seu. ou no próprio texto. tua. vario.  Pronomes indefinidos variáveis – algum. essa(a). quando empregados em frases interrogativas. vossa senhoria. . vossa excelência. vossa eminencia. las. aquela(s). outro. as. nada. vossa majestade. pouco. ninguém. senhora. muito. vossa magnificência. nas. nenhum. quanto. vossa alteza. nos.passado esta-futuro . los. seu.  Pronome possesivo plural . a. quem. e as formas no. no espaço. na.  Pronomes demonstrativos invariáveis – isto. tudo. esta(s).  Pronomes demonstrativos variáveis – este(s). vai acontecer aquela – passado.

modo. os quais. . duvida. quanto(s).  Mais bem ou mais mal não é errado desde que junto de adjetivo representado por particípio. lugar.  Pronomes relativos variáveis – o qual. onde.  Locução adverbial – Duas ou mais palavras com função de adverbio. a qual. afirmação. quantas. Adverbio  Palavras que indica a circunstancia que se da a ação verbal. cuja(s). cujo(s). as quais. negação.  Pronomes relativos invariáveis – que. Pronomes relativos – aquele que liga duas orações substituindo na segunda oração um termo já expresso na 1ª. quem.  Valores semânticos dos advérbios: tempo.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->