P. 1
Diferença entre mulçumano e árabe

Diferença entre mulçumano e árabe

|Views: 4.383|Likes:
Publicado porFilipe Sousa

More info:

Published by: Filipe Sousa on Mar 28, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/21/2013

pdf

text

original

Diferença entre mulçumano e árabe

O Marrocos é um país árabe e islâmico. O termo árabe não é sinônimo de Islâmico. Nem devem ser confundidos, ainda que sejam historicamente ligados. Ao ouvir a população marroquina, falando o idioma árabe e não apenas durante as orações, aí estão indícios claros de que se trata de um país árabe. A diferença entre os termos árabe e muçulmano é que “árabe” geralmente se refere à língua oficial e à etnia dos habitantes de um país, enquanto o muçulmano é uma religião. Confundir árabes com muçulmanos é um erro. Além disso, existem árabes que não são muçulmanos e muçulmanos que não são árabes. Dois exemplos: os árabes católicos do Líbano e da Síria e os muçulmanos da Indonésia, o conjunto de ilhas localizado em pleno Oceano Índico, no sudeste da Ásia, onde atualmente é habitado pela maior comunidade islâmica não árabe do mundo, de aproximadamente 225 milhões de pessoas. Origem histórica A confusão entre árabes e muçulmanos está ligada ao surgimento do islã: tudo porque um árabe, o profeta Muhammad (Maomé), foi quem fundou a religião no século VII e também porque o Alcorão (ou Corão), o livro sagrado dos muçulmanos, é todo escrito em árabe. O muçulmano deve recitar as preces alcorânicas diárias em árabe, não importando onde ele vive e que idioma fale. É exatamente o que fazem na vida real os marroquinos, os egípcios, os iranianos e os indonésios. O islã, que nasceu na Península Arábica, conquistou parte da Ásia e da Europa e todo o norte da África, incluindo o Marrocos, acumulando cerca de 1,2 bilhão de fiéis em várias partes do mundo, muitos deles em países não árabes, fenômeno que tem 1.400 anos de história, e deve muito à miscigenação de raças entre conquistadores e conquistados.

Terrorismo islâmico
Terrorismo é uma forma de repressão, que usa a violência contra pessoas ou patrimônios para atingir governos e alcançar objetivos políticos e religiosos. O terrorismo islâmico ou terrorismo islamita é religioso praticado por aqueles cujas motivações estão aprofundadas nas suas interpretações do Islão. O Islão é uma religião, ou seja, um conjunto de crenças que os seus praticantes consideram como divinas e sagradas. O Islão é, por isso, um sistema tolerante, com uma lei Alcorão. Concluímos que Terrorismo tem o sinônimo de terror, violência e o Islão de paz. Ainda que o Islão significar paz alguns grupos de terroristas cometem atos violentos e de terror invocando o nome de Deus (Allah) ou a religião Islâmica. As contestações em cima do tema incidem em determinar se o ato terrorista é autodefesa ou agressão, se alguns ataques descritos como terrorismo Islâmico são simplesmente atos terroristas cometidos por Muçulmanos ou nacionalistas; quanto apoio ao terrorismo há no mundo Islâmico. Estamos perante um novo terrorismo, que tem um caráter internacional, pois não é limitado a fronteiras de um Estado. O novo terrorismo internacional surge em grupos que emergiram

Europa. rebeliões contra Israel. possui ligação no Afeganistão. Esse grupo surgiu no Oriente Médio. sem constrangimentos. Jihad Islâmico da Palestina: desenvolve suas práticas em Israel.Comando Geral: representa um grupo terrorista que surgiu na Palestina. Frente Popular para a Libertação da Palestina: atua na Síria. Paquistão. Líbano. Iêmen e Áustria. esse grupo terrorista se formou em 1992. A ideia de que há algo profundamente violento no que pertence ao Islão ou algo figurado no que respeita as relações entre o Islão e a política é absurda. Reino Unido. ideológicos estão revoltados com as políticas ocidentais no médio oriente. Hizbollah (Partido de Deus): desenvolve-se no Líbano. cada um deles tem um interesse diferente. HUM (Harakat ul-Mujahidin): grupo extremista que age em função do islamismo em países como o Paquistão e Índia. liberdade para o Oriente médio é poderem influenciar e manipular os governos nos países árabes. atentados. sem serem incomodadas pelas ideias de outras pessoas sobre como devem ser e aquilo que devem fazer enquanto para os americanos. Sudão. porém os ataques ocorrem nessa região e em outras partes do planeta. Israel e na Palestina. Hamas (Movimento de Resistência Islâmica): grupo que atua em locais próximos à fronteira entre a Palestina e Israel que busca a formação do Estado Palestino através de atentados com homens bomba e outras modalidades. em áreas ocupadas pela Jordânia e Líbano. Esses grupos. Líbano e Reino Unido. com participantes nos Estados Unidos.após a Guerra-fria. . Líbano. Frente popular de Libertação da Palestina . Iêmen. Grupo Islâmico (GI): grupo terrorista que atua no Egito. além do Afeganistão. Sudão. considerada como uma atitude globalizada. A maioria das pessoas do mundo muçulmano quer viver as suas vidas dum modo muito simples. Líbia e Egito. mas os principais lutam pelo controle de Israel/palestina e seus aliados. dessa forma seu maior inimigo é a Palestina. na região da Cachemira. atua na faixa de Gaza. Brigada dos Mártires do Al-Aqsa: grupo palestino terrorista que atua com ataques. Não querem mais a intervenção de outros Estados nas suas Nações. Ásia. Organização Abu Nidal: atua principalmente no Iraque. para os muçulmanos. a liberdade do Médio Oriente é a libertação da influência dos americanos e dos ocidentais nos seus governos e países. busca implantar um Estado Islâmico. Grupo Islâmico Armado (GIA): age na Argélia. Há vários grupos terroristas islâmicos. África e América do Sul. Síria e Líbano. Al Jihad: age no Egito. Principais grupos: Al Qaeda: grupo fundamentalista islâmico que possui financiadores para o desenvolvimento de ataques em diferentes pontos do planeta. Kach e Kahane Chai: grupo terrorista israelense que busca a implantação do território conforme está escrito na Bíblia.

Tajiquistão e Quirguízia. este tipo de manifestação apareceu somente no início do século XX. Em contrapartida. A ideia de que o islamismo em si fomenta essa situação de conflito renega todo um conjunto de situações construídas ao longo do século XX. Nessa época. vários grupos fundamentalistas defendiam a tese de que os EUA promoviam as intervenções e alianças que se ajustassem melhor a seus interesses. com isso. a antiga aliança foi se transformando em uma relação de ódio em que os “terroristas” confrontavam o poder do “demoníaco império do Ocidente”. O movimento fundamentalista islâmico não possui o “horror ao Ocidente” e o “combate aos Estados Unidos” em sua constituição. Desse modo. A ação destes grupos aconteceu primordialmente na década de 1950. Ao expor as relações entre a ascensão dos grupos radicais islâmicos e a política externa norte-americana. Entre os muçulmanos. quando autoridades norteamericanas se mostravam visivelmente preocupadas com a sua ascensão no Oriente Médio. naquele mesmo ano. essa rivalidade chegou ao seu ápice quando os integrantes da organização Al-Quaeda organizaram o ataque às torres do World Trade Center. . os EUA forneceram armas e treinamento para que grupos afegãos lutassem contra os invasores soviéticos. os EUA temiam que determinadas nações árabes integrassem o bloco socialista e. no Uzbequistão. podemos notar que a questão religiosa tem função quase acessória. ameaçassem a indústria petrolífera. A vertente política do fundamentalismo passou a se organizar entre os muçulmanos quando alguns estudiosos e líderes fabricaram uma visão de mundo calcada em ideologias contemporâneas e interpretações particulares do passado. O bom relacionamento com os fundamentalistas deu seus primeiros sinais de crise nos fins da década de 1970. o problema do terrorismo hoje enfrentado pelos EUA decorre de políticas e ações diplomáticas equivocadas. Afeganistão. Nas décadas subsequentes. os Estados Unidos financiaram a chegada dos talibãs ao governo do Afeganistão. O fundamentalismo Islâmico Do ponto de vista teológico. Nesse momento.Movimento Islâmico do Usbequistão: atua. os iranianos fundamentalistas derrubavam o governo apoiado pelos norte-americanos por meio da revolução. observamos que os líderes fundamentalistas do Islã reivindicam toda uma ordem de símbolos tradicionais na construção de políticas externas e formas de organização dos governos que fazem parte do mundo islâmico. Não se limitando à realidade do mundo oriental. No ano de 1979. o fundamentalismo religioso aparece entre alguns grupos cristãos que empreendem uma compreensão literal da Bíblia. Com toda certeza. Em 2001. Em suma. o fundamentalismo é uma manifestação religiosa onde os praticantes de uma determinada crença promovem a compreensão literal de sua literatura sagrada.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->