P. 1
POP LAB 005 Urina Rotina

POP LAB 005 Urina Rotina

|Views: 4.240|Likes:
Publicado porsaulo1965

More info:

Published by: saulo1965 on Mar 30, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/20/2013

pdf

text

original

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO ATIVIDADE: URINA ROTINA (UROFITA 10 DLU) RESPONSÁVEL: TÉCNICO DE LABORATÓRIO

Padrão nº: POP.LAB.009 Estabelecido em: Outubro/2011 Nº da Revisão: 00

I – CONTROLE HISTÓRICO REVISÃO 00 DATA 20/10/2011 Nº PÁGINAS 09 HISTÓRICO ALTERAÇÃO Emissão Inicial ELABORAÇÃO Joelma Saraiva Mendes VERIFICAÇÃO Edmar APROVAÇÃO Joelma Saraiva Mendes

MATERIAL Tubos plásticos cônicos graduados • Grades adequadas • Ponteiras • Pipetas • Lâminas • Lamínulas • Microscópio • Centrífuga Ambiente limpo, organizado, arejado, com luminosidade adequada e mobiliário ergonômico SIGLAS MT: Mapa de Trabalho NA: Não se Aplica POP: Procedimento Operacional Padrão PELM: Programa de Excelência Para laboratórios Médicos TAREFAS

• • • •

1- Sinonímia • EAS, Rotina e Sumário de Urina. 2- Preparo do Paciente • Urina recente (jato médio ou 1ª urina da manhã) ou que o cliente esteja com intervalo de no mínimo 4 horas sem urinar;

3- Tipo de Amostra • Urina por micção espontânea: urina 1º jato ou urina jato médio
• •

• •

Amostra aleatória (ao acaso) Cateterismo vesical. Punção supra púbica Amostras pediátricas (coletores de plástico)

4- Coleta • Proceder à higienização das mãos e dos genitais, antes da coleta, da seguinte forma: fazer a assepsia do local com sabão e enxaguar bem. Secar com toalha limpa ou papel toalha; • Colher jato médio (2° jato), ou seja, desprezar uma amostra inicial (1° jato). • Nos casos em que o médico solicitar o exame em 1o jato, deverá coletar a amostra inicial (1o jato) e desprezar o restante da micção; • Colher a urina diretamente em um frasco estéril fornecido pelo laboratório ou adquirido em drogarias; • Identificar o frasco com o nome completo;

• Sedimentoscopia: Analise Microscópica.. 1+... • Padrões/Calibradores: NA • Controles: Urinas do PELM 7.... • Cloreto de Bário 10% Cloreto de Bário ...2g H2O tipo II q.. pH.1- 4.. Em coletas infantis... leucócitos e a determinação de pH e densidade da urina.Preparo dos Reagentes: • Ácido Sulfossalicílico Ácido Sulfossalicílico .20g H2O tipo II q.3Preservação/Armazenamento Pós-Analítica • Temperatura de 2º a 8ºC por 24 horas 5... pode-se inferir um valor semi-quantitativo: traços. proteína.. • Hidróxido de Sódio 2% Hidróxido de Sódio . Hidróxido de Sódio 2% e Ácido Acético 2%..p ..100mL Dissolver sob agitação e completar o volume de 100mL. As cores resultantes são interpretadas comparando-se com uma tabela de cores fornecida pelo fabricante. bilirrubina. nitrito.Reagentes / Controles / Padrões / Calibradores 7..s..s. A reação química que produz determinada coloração se dá quando o papel absorvente entra em contato com a urina.. Nitrito. 6. Evitar colher a amostra em período menstrual (caso não seja urgência).. 4.PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO ATIVIDADE: URINA ROTINA (UROFITA 10 DLU) RESPONSÁVEL: TÉCNICO DE LABORATÓRIO • • • • Padrão nº: POP. Cloreto de Bário 10%. estes permitem a detecção de glicose... 7... Glicose.s....Reagentes/Controles/Padrões/Calibradores Utilizados: • Fitas reativas Urofita 10 DLU (Prodimol Biotecnologia) • Reagentes para testes confirmatórios: Ácido sulfossalicílico 20%... Corpos Cetônicos.100mL . 2+. corpos cetônicos..p ..009 Estabelecido em: Outubro/2011 Nº da Revisão: 00 • Entregar o material no laboratório até no máximo em 2 horas após a coleta.... Volume Recomendável 12... hemoglobina....Metodologia • Densidade. Bilirrubina e Leucócitos: Tiras Reagentes...2.. Proteínas... É preciso deixar que a amostra volte à temperatura ambiente antes da análise química com fitas reativas.p ... De acordo com o produto que se utiliza..0 ml Conservação Pré-Analítica O método de conservação mais usado é a refrigeração.... após nova higienização....1.... o saco coletor deverá ser trocado de 1em 1 hora..2- 4.100mL Dissolver sob agitação e completar o volume de 100mL.. 3+ ou 4+. Hemoglobina...LAB.. Comparando-se cuidadosamente as cores da tabela com a cor desenvolvida na tira.10g H2O tipo II q....Princípio do Teste As tiras reativas constituem-se em pequenos quadriculados de papel absorvente impregnados com substâncias químicas presos a uma tira de plástico. Reagente de Fouchet. Nesta tabela aparecem várias tonalidades de cor para cada substância a ser testada.....

3. fazer a contagem e anotar os elementos encontrados. • Para urinas hemorrágicas e/ou com cor que impossibilite realização dos caracteres químicos.100mL Padrão nº: POP.. • O resultado da pesquisa dos caracteres químicos é expresso em cruzes quando positivo. • Centrifugar por 5 minutos a 3000 (+/.2mL H2O tipo II q. o resultado é zero (0).Procedimento Técnico 8. 8.1 Preparo da Amostra • Homogeneizar a urina levemente por inversão.0 mL de urina em um tubo de ensaio.009 Estabelecido em: Outubro/2011 Nº da Revisão: 00 7. Quando a reação é negativa.Estabilidade e Conservação • As tiras devem ser armazenadas no recipiente original que deve ser mantido bem tampado.3....Testes Confirmatórios A). • Reagente de Fouchet: conservar entre 15 e 30ºC em frasco âmbar até a data de validade impressa no rótulo. • Reagente Sulfossalicílico: conservar em temperatura ambiente. pH e os elementos anormais foram prejudicados devido ao aspecto/cor da urina. • Passar para o aumento de 400X.200) rpm. • Desprezar o sobrenadante.2. • Ácido Acético 2% Ácido Acético pa . • Hidróxido de Sódio 2%: conservar em temperatura ambiente em frasco plástico por até um ano.... • Remover do frasco somente a quantidade de tiras necessária para uso imediato.1.. • Colocar duas gotas do ácido sulfossalicílico 20%.. Não realizar a leitura após 120 segundos... 5 testes de cada vez). uma vez que algumas das reações químicas da tira reagente são dependentes da temperatura. de acordo com a cor desenvolvida na área reativa. 8. • Ácido Acético 2%: conservar em temperatura ambiente por até um ano.3 Execução: 8.4. • Cloreto de Bário 10%: conservar em 15 e 25 ºC em frasco plástico por até um ano. deixando aproximadamente 0. • Transferir 10 mL de urina para um tubo cônico.Identificação das Amostras Identificar com o número do MP e nome completo do paciente. protegido da luz.Proteínas (Ácido sulfossalicílico 20%) • Colocar 3. • Registrar os resultados no MT ou ficha específica para urina rotina/gram e caderno setorial. 8. As áreas reagentes são estáveis e mantém o desempenho especificado até a data de expiração indicada no rótulo quando o frasco é mantido em temperaturas inferiores a 30º C. . • Percorrer todo o sedimento no aumento de 100X. 8.LAB. os mesmos não devem ser liberados e no campo obs deve-se liberar: A densidade. Não armazenar em refrigerador..PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO ATIVIDADE: URINA ROTINA (UROFITA 10 DLU) RESPONSÁVEL: TÉCNICO DE LABORATÓRIO Dissolver sob agitação e completar o volume de 100mL. até por um ano.s. no máximo. • Proceder à leitura das áreas reagentes e anotá-las no mapa de produção/ficha de bancada...p... • Amostras refrigeradas devem estar à temperatura ambiente antes de serem testadas. • Homogeneizar levemente o sedimento e colocar uma gota em uma lâmina de vidro... • Imergir a fita reativa e após aproximadamente 60 segundos e proceder à leitura (isto é possível realizando sempre...5 mL.Inspeção Inicial e Registro Inspecionar a amostra e registrá-la de acordo com o padronizado no setor.. • Não tocar nas áreas de reação. • Para a pesquisa de nitrito é liberado apenas positivo ou negativo..

8. • Resultado positivo: aparecimento de cor verde e resultado negativo: aparecimento de outra cor. D). Liberar nº por lâmina para contagem até 09 e por campo quando superior a 09. ácaros. 8.Identificação de Cristais • Hidróxido de sódio 2% usado para dissolver urato amorfo e ácido acético 2% usado para dissolver fosfato amorfo e diferenciá-los de flora bacteriana.Cálculos Densidade acima de 1.5 em geral destroem os elementos figurados.) e outros. Aumentada. • Especificar tipo: Hialinos.030: deve ser feita diluição (1:2) da urina com água destilada. Moderado. • Outros dados.009 Estabelecido em: Outubro/2011 Nº da Revisão: 00 Resultado negativo: ausência de turvação e resultado positivo: presença de turvação. quando presentes. C) Cilindros • Contar em aumento de 100X. Este achados são descritos na observação. B) Epitélios • Raros: menos de 1 por campo.5. Granulosos e Granulosos Largos. Hemáticos. Muito aumentada. B). Numerosos: acima de 15 p/c.6 Considerações • A presença de mais de 7 células epiteliais escamosas p/c de pequeno aumento (100X) é indicativo de contaminação por secreção vaginal nas mulheres. C). F) Flora Bacteriana • Escassa. também devem ser descritos: presença de aglomerados de piócitos. D) Muco • Escasso.Bilirrubinas (Reagente de Fouchet) • Colocar quatro gotas de urina no papel filtro e impregnado com cloreto de bário e uma gota do reagente de fouchet. Abundante. etc. Ligeiramente aumentada.LAB.7.Confirmação do Material (Urina) • Colocar uma gota de cloreto de bário 10% em 0. parasitas (ovos de helmintos. Hemoglobínicos. Céreos. E) Cristais • Presente: identificar o cristal e Ausente.Padronização do Resultado da Sedimentoscopia da Urina Rotina A) Piócitos e Hemácias: • Raros: menos de 1 por campo. Multiplicar os dois últimos . Nº: menos de 15 p/c. • Para pH acima de 9. 8. • Densidade menor que 1010 e/ou pH maior que 7. • O sedimento urinário pode conter Trichomonas (especificar vaginalis para o sexo feminino e sp para sexo masculino). Leucocitários. espermatozóides (relatados apenas quando for do sexo masculino) e células leveduriformes. • Se houver turvação. Graxos e Epiteliais. Nº : menos de 25 p/c. • O termo raros é utilizado quando se encontra menos de 10 (dez) elemento figurado por lâmina.5 ml de urina.PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO ATIVIDADE: URINA ROTINA (UROFITA 10 DLU) RESPONSÁVEL: TÉCNICO DE LABORATÓRIO • Padrão nº: POP. • Reação de nitrito negativa não exclui o diagnóstico de infecção urinária. o material é urina.0 deve-se recoletar amostra. Numerosos: acima de 25 p/c.

como fonte potencial de interferentes. B). Tempo de centrifugação e velocidade de rotação incorretos.052.026. Por exemplo. medicamentos e ácido ascórbico em concentrações elevadas na urina. destacamse agentes de limpeza e desinfetantes. C).PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO ATIVIDADE: URINA ROTINA (UROFITA 10 DLU) RESPONSÁVEL: TÉCNICO DE LABORATÓRIO Padrão nº: POP. Qualquer medicamento novo deve ser considerado. . a densidade da urina será de 1.Controle Externo da Qualidade • Controle periódico do PELM 10. Conservação inadequada das tiras reativas. Isto é chamado fenômeno “Run-over”.1. Ressuspenção incorreta do sedimento. Urina em excesso na tira reativa pode mover o ácido do tampão do reagente da proteína vizinha sobre a área do pH e mudar a leitura do pH para um pH ácido.Controle Interno da Qualidade • Comparativo Interno • Controle diário com urina do PELM 10. tais como hipoclorito.Bilirrubina Alguns componentes de urina podem produzir coloração amarela na fita. Coleta inadequada da amostra.Controle de Qualidade 10. a princípio. embora a urina sendo testada é originalmente neutra ou alcalina. Ácido ascórbico e nitrito em altas concentrações inibem o teste.Urobilinogênio O teste é inibido por grandes quantidades de formaldeído. Resultados muito altos ou falso positivos podem ocorrer na presença de corantes usados com fins terapêuticos ou diagnósticos.Limitações do Método (Interferentes) • Vários fatores são capazes de interferir nos métodos analíticos empregados na tira reagente e o conhecimento destes é fundamental para a correta interpretação dos resultados. Grandes quantidades de bilirrubinas produzem coloração amarela.Sangue Concentrações menores que 40 mg/dL de ácido ascórbico não influenciam o resultado.2. se o valor para a diluição é de 1. • • • • • • 11. Resultados muito altos ou falso positivos podem ocorrer na presença de corantes usados com fins terapêuticos ou diagnósticos.LAB. Reações falso positivas podem ser causadas por resíduos de produtos de limpeza que contenham oxidantes. 9. Dentre estes fatores interferentes. Exposição da urina à luz por períodos prolongados de tempo pode levar à oxidação do urobilinogênio e conseqüente redução do resultado ou mesmo à obtenção de falso negativo.Fatores interferentes A).1. Homogeneização inadequada da amostra. Exposição da urina à luz por período prolongado pode levar a resultado falso negativo ou a valores muito baixos.009 Estabelecido em: Outubro/2011 Nº da Revisão: 00 dígitos do valor da leitura por 2 para obter a densidade real.3 Registro do Controle de Qualidade • Em planilhas próprias arquivadas no setor 11.Calibração da Metodologia NA 10.

A coloração do teste pode ser mascarada pela presença de corantes de uso médico. de raros epitélios p/c (400X). 13. Efeito inibitório também é produzido pelo ácido gentísico. A presença de formaldeído como preservativo pode levar a resultado falso positivo.Nitrito Resultados falso negativos podem ser produzido por altas doses de ácido ascórbico. Compostos ftaleínicos interferem produzindo coloração vermelha. Ácido hidroxibutírico não é detectado.Cetona Fenilcetonas em altas concentrações interferem com o teste.Glicose Grandes quantidades de ácido ascórbico que podem estar presentes na urina após ingestão aumentada de vitamina C podem levar a uma redução na reação ou resultado falso negativo. F). Por exemplo.LAB. G).Leucócitos Uma reação fraca pode ser esperada no caso de proteinúria acima de 500 mg/dL e concentração de glicose acima de 2000 mg/dL. O mesmo pode ocorrer quando o paciente estiver em uso de medicamentos contendo quinino. a elevação na densidade que ocorre na dependência da concentração de glicose. principalmente quando presentes certos constituintes em quantidades elevadas.5 a 1. por terapia antibiótica. ou por concentrações muito baixas de nitratos na urina.0 mg de bilirrubina/dL • Cetona:10 mg/dL de ácido acetoacético ou 50 mg/dL de acetona • Densidade: linear até 1030 • Glicose: limite de detecção de 50 mg/dL • Leucócitos: entre 10 e 25 leuc/µL • Nitrito: 0. produzindo cores variadas.Proteínas Resultados falso positivos são possíveis em amostras alcalinas com pH acima de 9. ocasionadas por dieta pobre em nitratos ou por alta diluição da amostra por diurese.PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO ATIVIDADE: URINA ROTINA (UROFITA 10 DLU) RESPONSÁVEL: TÉCNICO DE LABORATÓRIO Padrão nº: POP. H).1 mg de nitrito/dL .009 Estabelecido em: Outubro/2011 Nº da Revisão: 00 D). de cilindro e flora ausentes. E). Urinas alcalinas altamente tamponadas podem apresentar resultados relativamente baixos.05 a 0. Excreção de bilirrubina. A maioria das fontes utiliza uma faixa de referência de pH entre 5 e 6.Linearidade / Limite de Detecção • Bilirrubina: 0. ou pigmentos provenientes de certos alimentos. ou quando o frasco usado para coleta da amostra contiver resíduos de desinfetantes. 0-5 leucócitos p/c (400X). Resultados falso positivos podem ocorrer pela presença de corantes de uso diagnóstico ou terapêutico. Corrimentos vaginais podem levar a resultados falso positivos. Leituras elevadas de densidade podem ocorrer na presença de quantidades moderadas de proteínas. I). assim como no caso de pacientes em uso de cefalexina ou gentamicina. tais como azul de metileno.Densidade A natureza química do teste pode causar pequenas diferenças entre os resultados determinados em fita e outros métodos. não é possível ser determinada em fita quando a concentração desse constituinte for superior a 1000 mg/dL. de 0-5 eritrócitos p/c (400X). após infusão com polivinilpirrolidona. de muco escasso. densidade entre 1010 e 1025. Reações falso positivas podem ser causadas por resíduos de produtos de limpeza que contenham oxidantes. nitrofurantoína ou outro componente de coloração forte pode mascarar a cor da reação. tais como hipoclorito. 12.Valores de Referência Existem diversos valores de referência.

amostras contaminadas com fezes. doenças renais causadas por diabetes mellitus. cirrose hepática e insuficiência cardíaca..Critérios Para Liberação do Laudo 14. • pH: Urina alcalina freqüentemente indica que a amostra foi mantida à temperatura ambiente por mais de 2 horas. • Frascos inadequados. Renal (Glomerular): glomerulonefrite. jejum prolongado. prostaites. corpos estranhos. • Proteína: Lesão da membrana glomerular. 14. anemia falciforme e talassemia.015 mg/dL de urina Padrão nº: POP. anticoagulantes. principalmente. mieloma múltiplo. além de algumas cepas de Pseudomonas e raras de Staphylococcus e Enterococcus. glicemias acima de 180 mg/dL e lesões no sistema nervoso central.0 Proteínas: limite de detecção de 10 mg/dL Urobilinogênio: limite de detecção de 0. quando colhida e armazenada adequadamente. abuso de analgésicos e doença renal policística. Renal (Não glomerular): infarto renal.1.1 mg/dL Hemácias íntegras: 5 a 10 hem/µL Hemoglobina livre: 0. tumores. lupus e glomerulonefrites. pomadas. cremes.Critérios para Repetição do Teste (Mesma Amostra) O teste deve ser repetido quando houver discordância entre a sedimentoscopia e a pesquisa dos elementos anormais e quando aplicável. Pós-renal: cálculo. uretrites. trauma.Aplicações Clínicas / Interpretação • Bilirrubina: Icterícias obstrutivas e hepatocelulares. • Presença de cristais patológicos em quantidade significativa (1+ ou mais): Cristais de Cistina. proteinúrias transitórias. tumores. cistites. pielonefrite. alteração na capacidade de concentração da urina e uso de diurétuicos. 14. ortostáticas e lupus. vômitos. Klebsiella. • Hematúrias: Pré-renal: coagulopatias. Urina ácida indica diarréias severas. desidratação. uretrites e endometriose. com a clínica do cliente.Valores para Notificação Especial • Resultados qualitativos: avaliar individualmente glicosúria e cetonúria (Comunicar quando aplicável). acidose metabólica e respiratória. • Leucócitos: Pielonefrite. nefrite lúpica e hematúria familiar benigna. alcalose respiratória. entretanto. bactérias gram-negativo como Escherichia coli. Salmonella.0 e 9. sangue menstrual.0 • Amostra insuficiente. • Cetonas: Diabetes Mellitus não controlado. Citrobacter. cistites. • Glicose: lesão tubular.PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO ATIVIDADE: URINA ROTINA (UROFITA 10 DLU) RESPONSÁVEL: TÉCNICO DE LABORATÓRIO • pH: entre 5.Critérios para Solicitação de Recoleta • pH acima de 9.3. eclâmpsia. diarréia e febre. Aerobacter. diminuída com ingestão de grande quantidade de líquidos.2. • Nitrito : O teste do nitrito indica presença de bactérias na urina que são capazes de converter nitrato em nitrito podendo auxiliar no diagnóstico da infecção urinária. quando não se sabe o horário da coleta . pode sugerir infecção urinária. • Resultados incompatíveis com os dados clínicos ou conforme avaliação pré-analítica. Bactérias que convertem nitrato em nitrito incluem. vômitos repetidos e dietas ricas em frutas e legumes. tuberculose renal. • Densidade: está elevada nos casos de desidratação. reabsorção tubular deficiente. 15. pré-eclâmpsia. . Cristais de Leucina e Cristais de Tirosina. Proteus. etc e amostras colhidas fora do laboratório.009 Estabelecido em: Outubro/2011 Nº da Revisão: 00 • • • • 14. alcoolismo.LAB.

5ª edição Informativo Técnico Labtest – Fitas reativas Informativo Técnico Prodimol Biotecnologia – UROFITA 10 DLU Uroanálise e Fluidos Corporais – Susan King Strasinger.002. 3º edição . Mioglobinúria: trauma vascular prolongado e convulsões.LAB. ocupacional.Boas Práticas de Biossegurança CONTINGÊNCIA – AÇÃO CORRETIVA • Riscos Relacionados: Assistencial.019-Controle do Produto Não Conforme REGISTROS MT Ficha vida dos aparelhos utilizados Controle interno da qualidade Controle externo da qualidade (PELM) Check-list dos aparelhos utilizados Sistema PLERES (Sistema de Informática) – Lançamento de Resultados INDICADORES Taxa de recoletas Pesquisa de satisfação do cliente Número de acidente institucional Taxa de adequação do PELM • • • • • • • • • • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Laboratório Clínico . inflamação e degeneração tubular. financeiro.016-Plano de Contingência • Ação corretiva: Vide POP. fosfato amorfo.PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO ATIVIDADE: URINA ROTINA (UROFITA 10 DLU) RESPONSÁVEL: TÉCNICO DE LABORATÓRIO Padrão nº: POP. glomerulonefrites. exercícios e transfusões. infarto renal e endocardite bacteriana sub-aguda. Transição: cateterização urinária e carcinoma renal. uretra feminina e porções inferiores da uretra masculina.LAB. Leucocitários: pielonefrite. lupus e intoxicação por mercúrio. rejeição de transplantes. tirosina e leucina (lesões hepáticas graves). ácido úrico. civil e ambiental • Contingência: Vide POP. Pavimentosas ou Escamosas: provinientes do revestimento da vagina.LAB. Céreos: insuficiência renal crônica.LAB. rejeição renal e necrose tubular aguda. nefrite lúpica. infecções graves. pielonefrites. tumores e traumas. Cilindros Granulosos: exercícios rigorosos. nefropatia diabética. 16. carbonato de cálcio e fosfato de cálcio. Cilindros de Corpos Graxos: síndrome nefrótica.009 Estabelecido em: Outubro/2011 Nº da Revisão: 00 • • • • • • • • • Hemoglobina: Hematúria: litíases. glomerulonefrite e nefrite lúpica. doença renal glomerular ou tubular. fosfato triplo. oxalato de cálcio. Cristais com significado patológico: Cistina (Cistinose). Células Epiteliais: Tubulares: recém-nascidos.Richard Ravel. êxtase do fluxo urinário. febre e desidratação. Cilindros Epiteliais: infecções virais. pielonefrites. hipertensão maligna. Hemoglobinúria: anemia hemolítica. Cilindros Hialinos: exercício físico intenso. Cilindros Hemáticos: glomerulonefrite. êxtase do fluxo urinário e rejeição a transplante renal. exposição a substâncias nefrotóxicas.Biossegurança Vide POP. Cristais sem significado patológico: Urato amorfo. colesterol (obstrução do fluxo linfático).

009 Estabelecido em: Outubro/2011 Nº da Revisão: 00 .LAB.PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO ATIVIDADE: URINA ROTINA (UROFITA 10 DLU) RESPONSÁVEL: TÉCNICO DE LABORATÓRIO Padrão nº: POP.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->