Elementos de Maquinas – Aula 4 a

Elementos de fixação Uniões por parafusos e Uniões Soldadas

1 . Introdução
Na mecânica é muito comum a necessidade de unir peças como chapas, perfis e barras. Qualquer construção, por mais simples que seja, exige união de peças entre si. Numa classificação geral, os elementos de fixação mais usados em mecânica são: rebites, pinos, parafusos, porcas, arruelas, chavetas, anéis elásticos, etc.

Alem disso temos ainda uniões através da aplicação de solda, as uniões soldadas:

“ Sempre que possível devemos eliminar as uniões no projeto de um equipamento” .Tipos de uniões: Permanente: não permite desmontagem dos elementos com facilidade: Ex . União por parafuso. x e rotação entre os elementos): Ex. Ex. etc. anéis. Móvel: permite os movimento entre os elementos . Solda Não permanente: permite desmontagem dos elementos com facilidade: Exemplo: união por parafuso Fixa: Não permite movimento (x. pinos. y. chavetas.

Uniões por parafusos (rosca).Iremos nos concentrar em: “Uniões por parafusos e Uniões Soldadas” 2 . 2. É um tipo de união onde não é permitida a movimentação entre os elementos. a . iremos ver primeiramente rosca. Parafusos. Roscas externas: exterior dos elementos (eixos) . Ex.1 – Rosca: Rosca é um conjunto de filetes em torno de uma superfície cilíndrica onde distribuição deste (s) filete (s) são em forma de hélice Roscas internas: interior dos elementos (furos) Ex. porcas. Para conhecermos melhor uniões por parafusos e porca.

O parafuso que movimenta a mandíbula móvel da morsa é um exemplo de movimento de peças.As roscas permitem a união e desmontagem de peças. Permitem. também.” . “Transmissões roscadas de potencia ou parafusos de potencia. movimento de peças.

Esses perfis. dão nome às roscas e condicionam sua aplicação.Os filetes das roscas apresentam vários perfis. sempre uniformes. .

2 – Roscas triangulares Sentido de rotação: Dependendo da inclinação dos filetes em relação ao eixo do parafuso.Para parafusos de fixação nos concentraremos nas roscas com filetes com perfis triangulares devido a ser maioria na aplicação no mercado. conforme a figura lado acima. (mais utilizada –padrão) Na rosca esquerda. 2. . as roscas ainda podem ser direita e esquerda. o filete sobe da direita para a esquerda. o filete sobe da esquerda para a direita. conforme a figura ao lado abaixo. Na rosca direita.

Nomenclatura da rosca Independentemente da sua aplicação. as roscas têm os mesmos elementos. variando apenas os formatos e dimensões. .

.. adota-se a rosca fina. Inglaterra Nota: A rosca métrica fina.Classificação das Rosca Triangulares As roscas triangulares classificam-se. · rosca Americana (UNS. Exemplo: Vibração : em veículos.. em três tipos: · rosca Métrica (M.. evitando afrouxamento do parafuso. possui maior número de filetes do que a rosca normal. num determinado comprimento.. segundo o seu perfil. Em espessura pequenas de peças em relação a quantidade de filetes de rosca .) padrão ISO · rosca Whitworth (W..Um dos primeiros padroes..Padrão EUA. em caso de vibração de máquinas.) Rosca UNC e UNF . Para rosca Withworth (ângulo do perfil da rosca 55 graus e medidas em polegada) Para rosca Withworth (ângulo do perfil da rosca 60 graus e medidas em polegada) .) Rosca BSW . BSF . Permite melhor fixação da rosca. Canadá.

.1.Folga entre a raiz do filete da porca e a crista do filete do parafuso: f = 0. .Rosca métrica ISO normal e rosca métrica ISO fina NBR 9527.Diâmetro maior da porca: D = d + 2f: .Diâmetro menor da porca (furo): D1 = d .0825P.Ângulo do perfil da rosca: a = 60º.063P. . .. .Altura do filete do parafuso: he = 0.61343P.Raio de arredondamento da raiz do filete da porca: rri = 0.14434P.045P. .Raio de arredondamento da raiz do filete do parafuso: rre = 0.Diâmetro efetivo do parafuso (diâmetro médio): d2 = D2 = d . .2268P. .6495P.0. .Diâmetro efetivo da porca (diâmetro médio): D2 = d2. .1.Diâmetro menor do parafuso (diâmetro do núcleo): d1 = d .

.

.

Diâmetro da broca para furos roscados: .Tabela de roca Withworth .

2. .Parafusos Parafusos são elementos de fixação. Os parafusos se diferenciam pela forma da rosca. da haste e do tipo de acionamento.2 . isto é. as peças podem ser montadas e desmontadas facilmente. da cabeça. bastando apertar e desapertar os parafusos que as mantêm unidas. empregados na união não permanente de peças.

Classificação quanto a função: Parafusos passantes Parafusos não-passantes Parafusos prisioneiros Parafusos de pressão .

Características da cabeça. . das pontas e com indicação dos dispositivos de atarraxamento. do corpo.

-Tipos de parafusos em sua forma completa. .

.

Ao unir peças com parafusos. · Profundidade do furo roscado. · Comprimento útil de penetração do parafuso. . o profissional precisa levar em consideração quatro fatores de extrema importância: · Profundidade do furo broqueado. · Diâmetro do furo passante.

Qual deve ser a profundidade do furo broqueado? Qual deve ser a profundidade do furo roscado? Quanto o parafuso deverá penetrar? Qual é o diâmetro do furo passante? .Exemplo: Duas peças de alumínio devem ser unidas com um parafuso de 6 mm de diâmetro.

.Principais tipos de parafusos mais utilizados no em elementos de maquinas: Parafuso de cabeça sextavada Parafusos com sextavado interno Parafuso prisioneiro Parafusos de cabeça com fenda Sem cabeça com sextavado interno. .

2.3 . σ= . P = Força resultante na seção transversal analisada (considera-se esta força seja provinda da centróide do elemento para a distribuição nas seções). Dimensionamento de parafusos de fixação: -A tração : Tensão normal media em qualquer ponto da área da seção transversal. A = Área da seção transversal analisadas (diâmetro do núcleo).

-Ao cisalhamento dos filetes Para parafuso (eixo): A = ¶ x dn x wi x p x numero de filetes onde: A = ¶ = dn = wi = p = Area de cisalhamento do filete 3.1416 Diâmetro no núcleo Fator de área (ver tabela) passo .1416 Diâmetro no núcleo Fator de área (ver tabela) passo Para porca (furo): A = ¶ x dn x wo x p x numero de filetes onde: A = ¶ = dn = wi = p = Área de cisalhamento do filete 3.

Chamada “Força Cortante”.Calculamos então ao Cisalhamento : .. A = área da seção . que se supõe ser a mesma em cada ponto localizado na seção. P = Força aplicada na seção transversal .A tensão de cisalhamento media (τ) é τ distribuída sobre a área transversal que esta sendo solicitada. Desenho do filete ao cisalhamento . Onde: τ = Tensão de cisalhamento media na seção. tendo como reação a força “V” uniformemente distribuída na seção da peça.

-Ao cisalhamento do núcleo. τ = Tensão de cisalhamento media na seção. P = Força aplicada na seção transversal A = área da seção do diâmetro do parafuso sujeito ao cisalhamento. ..

Para melhorar a resistência a perda de aperto . .Para melhorar a resistência a fadiga diminuindo a amplitude de tensão cíclica suportada pelo parafuso.Eliminar o aparecimento de folgas sob cargas operacionais.Vantagens da pré carga: .Torque em parafusos: Onde: Ti = Torque de pré-carga Fi = Força de pré carga Db = Diâmetro nominal . ..Pré carga em parafusos: .

9 1.896 52.665 19.8 0.705 CL 5.209 8.594 13.786 103.165 13.164 21.898 7.651 61.664 3.338 5.841 CL 8.134 77.562 8.710 18.313 37.462 2.290 34.110 9.441 38.575 28.624 21.993 85.865 31.857 69.407 42.598 35.SÉRIE MÉTRICA ITEM 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 BITOLA ∅ MA 5 MB MA MB MA MB MA MB MA MB MA MB MA MB MA MB 5 6 6 8 8 10 10 12 12 14 14 16 16 20 20 TENSÃO ADMISSÍVEL = TENSÃO DE ESCOAMENTO AF 13.927 1..045 25.948 7.141 47.703 3.807 6.083 4.485 1.083 14.038 2.073 12.311 240.860 22.723 4.416 96.980 -----1.629 3.871 8.435 4.624 1.253 22.997 112.619 23.333 21.577 12.103 5.012 153.087 2.355 30.012 164.8 1.661 35.8 0.557 0.074 81.318 63.168 14.114 CL 10.027 4.746 44.031 38.523 122.199 11.757 CL 4.506 2.047 267.546 CL 9.481 10.045 7.452 68.671 .602 13.062 56.392 CL 12.670 1.8 0.700 115.255 12.771 12.Tabela de toque de aperto acessível para parafusos (tensão de escoamento): TORQUE ADMISSÍVEL [Kgf*m] .871 -----1.321 86.137 11.505 5.618 21.124 6.027 36.544 -----0.969 56.389 33.385 8.267 2.209 20.872 4.6 0.225 -----2.361 1.353 17.614 -----19.685 24.327 -----0.470 -----2.

cm P = Força (Kgf) R = Raio .Distancia ( cm ) N = Potencia do motor (HP ou CV) n = RPM .6) x Tensão de ruptura a tração . O diâmetro do centro dos parafusos é 100 mm Material dos parafusos: Aço ABNT 1020 – Tensão admissível a tração = 1000 Kgf/cm2 Quantidade de parafusos: 3 Considerar tensão de ruptura ao cisalhamento = (0. Mt = P x R Mt = 71620 x N -------n Onde: Mt = Momento torçor em Kgf.2.Exemplo 2.1 – Dimensionar o diâmetro dos parafusos para o sistema abaixo (de acoplamento) onde necessitamos transmitir uma potencia de 10 cv a uma rotação de 600 RPM do motor para o redutor de velocidade.

aplicada no sentido vertical na haste 9500 Kgf de forma centralizada.2. considerar quantidade de parafuso 6 . Material dos parafusos: Aço ABNT 1020 – Tensão admissível a tração = 1000 Kgf/cm2 .Calcular a profundidade da rosca para resistir a solicitação.2 – Dimensionar o diâmetro dos parafusos para o sistema abaixo . força P . .Exemplo 2.

Calcular o torque de aperto de modo que a o parafuso já fica pré tensionado 85% da Tensão de escoamento.3 – Dimensionar o diâmetro dos parafusos do cilindro hidráulico dupla ação que trabalha com uma pressão de 14 Kgf/cm2 e diâmetro interno do cilindro 200 mm. Material : Aço Classe 4.Exemplo 2.2. .6 Tensão de escoamento : ~ 2400 Kgf/cm2 Tensão admissível a tração: 1000 Kgf/cm2 Qt de parafusos: 06 .

potencia 10 CV .2. diâmetro do centro de furação 110mm e parafuso M10 .3. Calcular a quantidade de parafusos. .1 – Considerar o Exemplo 2.1 .Exercícios: 2. alterando o RPM para 900.

Calcular o torque de aperto de modo que a o parafuso já fica pré tensionado 85% da força de calculo do diâmetro.Exemplo 2.3.2 – Dimensionar o diâmetro dos parafusos do cilindro hidráulico dupla ação que trabalha com uma pressão de 10 Kgf/cm2 e diâmetro interno do cilindro 220 mm Material : ASTM A 106 Gr B Tensão de escoamento : ~ 2300 Kgf/cm2 Tensão admissível a tração: 1000 Kgf/cm2 Qt de parafusos: 08 . .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful