P. 1
Limpeza de prata

Limpeza de prata

|Views: 296|Likes:
Publicado porAlessandro Jäger

More info:

Published by: Alessandro Jäger on Apr 04, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/20/2015

pdf

text

original

ExpErimEntação no Ensino dE Química

Escurecimento e Limpeza de Objetos de Prata Um Experimento Simples e de Fácil Execução Envolvendo Reações de Oxidação-Redução

Elen Romão Sartori, Érica Ferreira Batista e Orlando Fatibello-Filho
Neste artigo, é descrito um experimento simples e de fácil execução, envolvendo reações de oxidação-redução de escurecimento e limpeza de objetos de prata, como brinco e fio de prata enrolado. Esse experimento auxilia os estudantes a compreenderem de uma forma mais fácil os conceitos de oxidação-redução, além de despertar a curiosidade para questões de química que estão presentes no cotidiano. reações de oxidação-redução, objetos de prata, limpeza da prata

Recebido em 29/8/07, aceito em 20/6/08

61

A

limpeza da prataria é uma atividade muito comum no cotidiano de pessoas que possuem objetos dessa natureza, sejam talheres, ornamentos de mesa ou jóias em prata. Com o passar do tempo, esses objetos escurecem, perdendo seu brilho, em decorrência da oxidação desse metal pelo contato com oxigênio e com compostos contendo enxofre, os chamados compostos sulfurados, gerando, assim, sobre a superfície desses objetos de prata, uma camada insolúvel de sulfeto de prata (Ag2S), de coloração azulada ou ligeiramente violácea, tornando-se preta com o passar do tempo (Gentil, 1996). A poluição atmosférica, de origem natural ou antropogênica, contém grande quantidade desses compostos sulfurados, podendo, assim, ocasionar o escurecimento da prata. Alguns alimentos, como o ovo, a cebola e os diversos legumes da família do repolho, sejam eles a mostarda, a couve-de-bruxelas, a couve-flor, os brócolis e o nabo, também promovem o escurecimento de objetos de prata. Esses alimentos apresentam, em sua estrutura, compostos sulfurados
QUÍMICA NOVA NA ESCOLA

(Eq 1) como a cisteína (um aminoácido) de sulfeto de prata na superfície que, com o cozimento, sofre a dedo objeto de prata (Equação 2), de composição destes em compostos forma mais acentuada quando em odorantes, sobretudo ácido sulfídrico, contato direto com a pele. Pessoas mercaptana e sulfeto de metila, que que transpiram mais acabam acelereagem um com os outros, formando rando o processo de escurecimento trissulfetos. Quanto maior o tempo da prata metálica. de cozimento, maior a concentração desses compostos formados, 4Ag(s) + O2(g) + 2S2-(aq) + 4H+(aq)  causando, assim, um agravamento 2Ag2S(s) +2H2O(l) (Eq. 2) do odor (This, 2001). Esse mesmo aminoácido também está presente no Para evitar alguns problemas suor (Conn e Stumpf, 1984) que, em estéticos, muitos dos acessórios de presença de água, prata ou folheados à converte-se em ácido prata recebem uma Com o passar do tempo, sulfídrico, ácido pirúcamada de verniz objetos em prata vico e amônia pela (propionato de ditioescurecem, perdendo seu ação da enzima cisbis-estearil) ao térmibrilho, em decorrência da teína dessulfurilase no de sua confecção, oxidação desse metal pelo (Equação 1). O H2S(g) que atua como uma contato com oxigênio e liberado na presença barreira de proteção, com compostos contendo de oxigênio gasoso impedindo a peneenxofre. favorece a formação tração de umidade
Escurecimento e Limpeza de Objetos de Prata N° 30, NOVEMBRO 2008

de alguns objetos de prata. Quando sendo os elétrons • 1 colher de sopa. experimental simples: o espécies. Quando que cada semi-reação de redução • objeto de prata ou recoberto ela perde elétrons. empregando materiais alternativos oxidação. formando e quebrando foram determinados winski. Cada reL-1 e temperatura igual a 25oC. Por dação-redução envolve a transferêno de hidrogênio (IUoutro lado. 1977). cessar espontaneamente. e seu estado de oxidação diminui para o balanceamento da equação. respectivamente. O agente oxisemi-reação com menor valor de poutilizados um brinco e um fio de dante recebe elétrons de uma outra tencial-padrão de redução deve ser prata enrolado. escurecimento e a limpeza uma espécie rececancelados durante • sal de cozinha (cloreto de sódio. por meio de uma proposta expeao de oxidação.62 e de substâncias agressivas (Gentil. quanto mais positivo o valor do padrão. que ela foi reduzida que é indispensável • água. fornece original constituem exemplos de reações envolvidas o valor do potencialA poluição atmosférica. Cabe enfatizar que essa rimental simples: o escurecimento e a recebidos pela espécie que se reduz previsão é válida para as espécies limpeza de alguns objetos de prata. contém as substâncias têm em receber ou padrão de redução (Masterton e Slogrande quantidade de doar elétrons. tendo como eletrodo diz-se que a reação escurecimento da prata. substância e torna-se invertida. pois os elétrons winski. químicas fora do estado padrão fica Lista de material necessário para a A oxidação resulta na perda de prejudicada. podendo ocasionar o de alcançarem um equilíbrio. 1977). visto que por uma espécie deve ser igual ao • flanela QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Escurecimento e Limpeza de Objetos de Prata N° 30. com o passar do por uma espécie implica no recebipela outra espécie. ciais-padrão de redução de ambas o objeto fique exposto aos agentes Para saber se uma dada reação semi-reações de redução. cada reação de ção. 1996). • papel toalha ou lenço de pa(Vogel. A de prata). maior é a tendência de ao professor uma abordagem prática oxidação e redução. Basicamente. ou seja. serão cedidos pela espécie que sofre químicas no estado padrão. Essas reações individuais atividades químicas igual a 1. • papel alumínio. de oxidação-redução vai se proo potencial-padrão de redução da como mencionado. por em ganho de um ou na reação global que • 1 copo tipo americano. ligações químicas. de oxidação-redução. este artigo permite como o somatório das reações de semi-reação. indicando • 1 béquer de 500 mL ou um frasreduzido. tempo. uma reação de oxipadrão de referência é espontânea. Por outro que essa substância co de vidro Pyrex. O processo de essa semi-reação ocorrer na forma sobre as reações de oxidação-reduredução ocorrerá simultaneamente como está escrita (Masterton e Sloção. a liberação de um ou mais elétrons número total de elétrons recebidos 1996). No entanto. acessórios dada e seu estado de oxidação atinge espécie ganha ou perde elétrons. ou seja. o prosomatório de ambas • bico de Bunsen ou lamparina. Quancompostos sulfurados. professor uma abordagem por sua vez. prática sobre as reações cesso que resulta semi-reações resulta • tripé e tela de amianto. essa camada de proteção mento desse(s) elétron(s) por outra A diferença dos valores de potendeixa de existir. be elétrons. Aqui também vale a do em uma mudança no estado de diversas espécies químicas serem observação supramencionada para oxidação das espécies envolvidas. resultanfornecem a tendência relativa de não espontâneo. oxidação-redução deve ser analisada potencial-padrão de redução de uma Em vista disso. do o valor é positivo. mostrando a tendência que lores de potenciaisreação global (∆Eº) antropogênica. NOVEMBRO 2008 . fazendo com que espécie. sempre em busca experimentalmente. Esses vapadrão elétrico da de origem natural ou redução.Eºox). reduzidas ou oxidadas e. íons ou moléculas). 1981). a redução é.0 mol simples e facilmente disponíveis no não existem isoladamente. 1977). sendo cotidiano. o NaCl). Eles da reação global indica um processo perda e ganho de elétrons. Neste trabalho. pode-se prever qual por prata (brinco. O • 3 ovos. por definias espécies químicas fora do estado De um modo geral. analisando-se o realização do experimento. reações químicas de oxidação(Tabela 1). foram valores mais positivos. de escuum ou mais elétrons pela espécie valor de potencial-padrão de redução recimento e limpeza da prata: (átomos. diz-se que foi oxiapresenta. ação de oxidação exige uma reação que a previsão da espontaneidade de Material e reagentes de redução e vice-versa (Masterton e uma reação química para as espécies Slowinski. ocorrem simultaneamente. ocorrendo. é preciespécie que está sendo reduzida A camada de sulfeto de prata so consultar tabelas contendo os menos o potencial-padrão de redução formada na superfície dos objetos potenciais-padrão de redução (Eº) de da espécie que está sendo oxidada de prata e o resgate de seu brilho cada uma das semi(Eºred . sofrerá oxidação. Este artigo permite ao lado. que promovem o seu escurecimento. Ambos os processos O número total de elétrons perdidos pel. Pura e Aplicada) (Feltre. diz-se esse somatório. Assim. meio de uma proposta mais elétrons pelas ocorre no processo. um valor cia de elétrons de uma espécie para PAC – União Internacional de Química negativo de potencial-padrão elétrico outra.

(b) Limpeza do fio de prata pela redução da Ag+(aq) no sulfeto de prata.36 -1. 2) Para igualar o número de elétrons e estabelecer a quantidade de Ag(s) e de O2(g). 4) 4Ag(s) + O2(g) + 2S2-(aq) + 4H+(aq)  2Ag2S(s) +2H2O(l) 1. em solução salina de NaCl. 3) Forrar a parte interna de um copo tipo americano com papel alumínio e colocar a solução preparada anteriormente. as proteínas da clara. levam à oxidação superficial do objeto de prata.69 V (Eq.76 -0. deixando parte da clara exposta. 63 Tabela 1: Potenciais-padrão de redução (Eº) em solução aquosa a 25 ºC (Dean. gasoso na presença de oxigênio gasoso. que representa o processo de escurecimento do objeto de prata (Tabela 1): 2Ag(s) + S2-(aq)  Ag2S(s) + 2e. 2) Adicionar a esta 1 colher (sopa) de sal de cozinha e misturar bem. 2H2O(l) 1. quando em contato com alumínio metálico. Li(s) K + (aq) 2+ Potencial-padrão de redução.92 V (Eq.0. Eº (Volts) -3. fina e insolúvel de sulfeto de prata. Mg(s) Na Al Zn Fe + (aq) (aq) + e  Na(s) + 3e  Al(s) - 3+ 2+ (aq) + 2e  Zn(s) - Ag2S(s) + 2e.m. 2) Após 12 minutos de aquecimento.91 -2.71 -2. um talher de prata para manusear o preparo das refeições. liberam o ácido sulfídrico (H2S).04 -2. As equações 3 e 4 mostram respectivamente as semireações de oxidação da prata e de redução do oxigênio. lavar com água de torneira e observar o resultado. Esse composto QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Sn 2+ + + 2e  Sn(s) - 2H (aq) + 2e  H2(g) - Sn4+(aq) + 2e. que contêm átomos de enxofre. Co2+(aq) F2(g) + 2e  2F (aq) - Escurecimento e Limpeza de Objetos de Prata N° 30. 3) Inserir o objeto de prata e deixar reagir por 3 minutos. Ag2S(s). com formação de uma camada escura. Semi-reação de redução Li+(aq) + e. naturalmente.33 1.69 -0. com o odor inconfundível de ovo podre. Ao se cozinhar demais os ovos.77 1. determina-se o mínimo múltiplo comum (m. com auxílio de uma colher.14 0. 4) Parar o cozimento. por exemplo. Escurecimento de um objeto de prata 1) Colocar uma certa quantidade de água em um béquer.) entre os números de elétrons perdidos e re- Figura 1: (a) Oxidação superficial do fio de prata. com formação espontânea (∆Eº > 0) de uma camada muito fina e insolúvel de sulfeto de prata (Figura 1(a)). NOVEMBRO 2008 . Limpeza de objeto de prata 1) Aquecer 250 mL de água até a fervura. retirar o objeto de prata.87 -2.50 1.87 (g) + 3e  Au(s) + (aq) H2O2(aq) + 2H - + 2e  2H2O Co3+(aq) + e. 2Ag(s) + S2-(aq) 2+ (aq) (aq) + 2e  Fe(s) - Discussão dos resultados Escurecimento de um objeto de prata O processo de escurecimento do objeto de prata mimetiza a reação que. e a segunda. ao processo de limpeza da prata.00 0.Procedimento O trabalho foi dividido em duas etapas: a primeira correspondendo ao processo de escurecimento do objeto de prata. 2H2O Cr2O7 Au 3+ 2(aq) (aq) + 6e  2Cr - + 7H2O 1.44 -0.23 V (Eq.80 1. ocorre quando se utiliza um brinco de prata ou. 4) Secar com papel toalha ou lenço de papel e lustrar com uma flanela. além da reação global (Equação 2). Ag2S(s). Observar o resultado. Sn2+(aq) Cu Ag 2+ (aq) + 2e  Cu(s) - + (aq) + e  Ag(s) + 14H + O2(g) + 4H+(aq) + 4e. dar leves batidas nestes.68 -0.92 -2. O2(g). 3) O2(g) + 4H+(aq) + 4e. 3) Retirar o objeto de prata e lavar com água em abundância.34 0. na água de cozimento. suficiente para o cozimento de três ovos. quando os ovos já se encontram cozidos.15 0. até que se observem rachaduras na casca dos ovos.23 3+ (aq) + e  K(s) - Ba (aq) (aq) + 2e  Ba(s) - Ca 2+ + 2e  Ca(s) - Mg2+(aq) + 2e.c.82 2. Al(s). 3) Inserir o objeto de prata e deixar em cozimento por 25 minutos. 1985).

os valores de Eº não são alterados. que representa o processo de limpeza do objeto de prata (Tabela 1): Ag2S(s) + 2e.m. indicando a participação de 6 elétrons no total. sendo responsável pela redução do oxigênio de 0 para –2. Limpeza do objeto de prata Decorridos três minutos da inserção do objeto de prata no copo forrado internamente com papel alumínio contendo a solução salina de NaCl. o m. ∆Eº = 1. imitando. pois ele oxida a prata metálica. Assim. é professor titular do Departamento de Química da UFSCar. O2(g). sendo responsável pela redução da Ag+(aq) no sulfeto de prata. que ilustram o conceito de reações de oxidação-redução. Al(s). Ag2S(s). no qual a Ag+(aq) no sulfeto de prata. 2Ag(s) + S2-(aq) -0. 9) Questões que podem ser trabalhadas pelos professores 1) O que é uma reação de oxidação-redução? 2) Qual o requisito básico para se prever a espontaneidade de uma reação de oxidaçãoredução? 3) O que indica o valor de potencial-padrão que cada semireação de redução apresenta? 4) Compare o potencial-padrão de redução do sulfeto de prata. 5) Al(s)  Al3+(aq) + 3e3Ag2S(s) + 2Al(s)  6Ag(s) + 2Al3+(aq) + 3S2-(aq) 1. A migração dos elétrons entre Al(s) e Ag2S(s) ocorre pelo contato entre essas espécies. br). H2S(g). fina e insolúvel de sulfeto de prata.99 V.ufscar. (Química Analítica) e livre docente pelo Instituto de Química da USP (São Paulo). Ag2S(s). o brilho original. Esse valor indica o número total de elétrons envolvidos e. de 0 para +3. 7) Nesse caso. de +1 para 0. é igual a 6.69 V (Eq. Ag2S(s). Érica Ferreira Batista (erica_quim@yahoo. pelas fotos. O sulfeto de prata. e seu m. Essa camada de Ag 2S (s) formada pode ser removida quando a peça de prata é colocada em contato com alumínio metálico em uma solução contendo NaCl. proveniente da dissociação dos compostos sulfurados liberados durante o cozimento excessivo. anteriormente passou pelo processo de escurecimento. licenciado em Química pela UFSCar. a prata metálica. Ag(s).m. Ag+(aq).99 V (Eq. é mestre e doutoranda em Ciências (Química Analítica) pelo Programa de Pós-Graduação em Química do Departamento de Química da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). é o agente redutor. Ag2S(s). os números são 2 e 4. Orlando Fatibello-Filho (bello@dq.m. e a CAPES. é o agente oxidante. sendo que a solução de NaCl(aq) promove essa migração e também o balanço de cargas da solução. Ag2S(s). sempre que multiplicar as reações por um número qualquer. bacharel pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). além da reação global (equação 7). é necessário multiplicar a equação 3 por 2. liberando S2-(aq).c. é igual a 4. As equações 5 e 6 mostram respectivamente as semi-reações de redução do sulfeto de prata. Al (s). 1995). que se hidrolisa em duas etapas (equação 8 e 9): S2-(aq) + H2O(l)  HS-(aq) + OH-(aq) (Eq. resgatando assim. N° 30. 0. O oxigênio. Al(s). em relação ao do alumínio metálico. em meio aquoso é o agente oxidante.c. mestre em Físico-Química pelo IQSC-USP doutor em Ciências .com. para isso. indica que o processo de transferência de elétrons entre a Ag(s) e o O2(g) ocorre espontaneamente. deixando o ambiente com odor característico fétido.68 V (Eq. Resgate de seu brilho original. voltando a exibir o seu brilho original (Figura 1(b)). Ag(s). respectivamente. Elen Romão Sartori (elensartori@dq. pois ele oxida o alumínio metálico. forma-se H2S(aq). respectivamente. e de oxidação do alumínio metálico.92 V. proveniente da dissociação de compostos sulfurados liberados durante o cozimento excessivo de ovos. reage com a prata oxidada. é o agente redutor. O íon sulfeto (S2-). Al(s). Seu m. Essa limpeza também foi aplicada em um brinco de prata (Figura 2(a)) escurecido naturalmente (Figura 2(b)) pelo uso constante. é reduzido a Ag(s). é necessário multiplicar a equação 5 por 3 e a equação 6 por 2. de 0 para +1. de uma forma acelerada. A diferença de potencial elétrico positiva para a reação global. que é liberado da solução na forma gasosa. 8) HS-(aq) + H2O(l)  H2S(aq) + OH-(aq) (Eq. Por que Ag+(aq) no Ag2S(s) sofre redução? Agradecimentos Os autores agradecem a Kadu Neves. Considerações finais O presente artigo apresentou dois procedimentos experimentais simples. A diferença de potencial elétrico positiva para a reação global. a reação que ocorreria normalmente no decorrer do seu uso por uma pessoa.64 cebidos (Usberco e Salvador. indica que o processo de Escurecimento e Limpeza de Objetos de Prata . para formar uma camada escura de Ag2S(s) na superfície do objeto de prata.ufscar.br) é aluna do curso de Bacharelado em Química pela UFSCar. Por outro lado. (b) Redução da Ag+(aq) no sulfeto de prata. Ag2S(s).br). QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Com essa reação. É possível observar o escurecimento de uma peça de prata quando esta é colocada em contato com sulfeto (S2-). Por outro lado. NOVEMBRO 2008 Figura 2: (a) Brinco de prata escurecido naturalmente pela formação de uma camada escura. Para este. 6) transferência de elétrons entre o Al(s) e Ag2S(s) ocorre espontaneamente. perde a coloração preta. entre os números de elétrons perdidos e recebidos entre as espécies Al(s) e Ag2S(s) são 3 e 2. Ag2S(s). observa-se que a superfície do objeto de prata que. CNPq e FAPESP pelos recursos concedidos. o alumínio metálico. Haverá oxidação do Al(s) com liberação de íons Al3+(aq) na solução e migração dos elétrons em direção à superfície do objeto de prata.c. É bom assinalar que. ∆Eº = 0.

C.UNICAMP Eduardo Bessa Azevedo .UFSCar Roque Moraes . 5ª ed.USP Maurivan Güntzel Ramos .UNISINOS Bayardo Baptista Torres .UFMG Roseli Pacheco Schnetzler .CEFET/RJ Wildson Luiz Pereira dos Santos . PALMA. Lootens Machado .I.UnB Paulo César Pinheiro .C.K.Referências CONN.F.PUC/RJ Roberto Ribeiro da Silva .UNICAMP Antônio Rogério Fiorucci . 2003. e STUMPF.UNICAMP Romeu Cardozo Rocha . J. São Paulo: Edgard Blücher.UFRGS Rogério Custódio . 2004.UFPR Joice de Aguiar Baptista . ao longo de 2008.UFRJ Carlos Alberto Marques . Química Nova na Escola.UFG Matthieu Tubino . V.UFRPE Ricardo Gauche . e TIERA.UFMG Alice Ribeiro Casimiro Lopes . 1977. Trad. Química Nova na Escola. P Introdução .PUC/RS Rosária da Silva Justi .UFRGS Maria Ângela V. Keywords: oxidation-reduction reactions. São Paulo: Saraiva. F. São Paulo: Moderna.UFRGS Flávia Rezende . it is described a simple and easy experiment based on reactions of oxidation-reduction in the darkening and cleaning.UFMG Carlos Alberto Lombardi Filgueiras . This experiment helps the students understanding the concepts of oxidation-reduction reactions.UFRPE Edson Aparecido Abdul Nour . 11-14.ULBRA Júlio Carlos Afonso .FSA Lenir Basso Zanon . Dai de Carvalho . Coimbra .USP Eduardo Galembeck .UFMG Helena Capetti Callai .UNICAMP José Luís de Paula Barros Silva .H. P .J. E. Rio de Janeiro: LTC.USP Antonia Marli dos Santos . 1996.USP Célia Maria Soares Gomes Sousa .UFMG Maria Helena Roxo Beltran . In this article. Química analítica qualitativa. n.USP Karem Soraia Garcia Marquez . à bioquímica. Química: Físico-Química.UNIVIÇOSA Raul Vicenzi . H. Trad.UFF Sônia Maria Nobre Gimenez .UFSJ Paulo Rogério Miranda Correia .UFMG Andréa Horta Machado . MASTERTON. A. Química Nova na Escola. Trad.USP Paulo Sérgio Lacerda Beirão . Gimeno.PUC/SP Maria Inês Petrucci Rosa . Corrosão. E.USP Patrícia F.UFMG Pedro Antonio Muniz Vazquez . Mateus .Col.O.UFRJ Julio Cezar Foschini Lisbôa .USP Sonia Krapas Teixeira .UNIJUÍ Regina Maria de Almeida Neves . 19.Univ.PUC/RS Bernardo Jefferson de Oliveira .Filho .UNICAMP Maurício dos Santos Matos .UNICAMP Maria José Araújo Sales . Rodrigues. A. Trad. 30ª ed.UNICAMP Marcelo Brito Leão .FURG Maria Eliza M. São Paulo: Ática.UNICAMP Edvaldo Sabadini .UFG Alfredo Luis M.IMES Rejane Maria Ghisolfi Silva . USBERCO.UFRPE Anna Maria Pessoa de Carvalho . THIS.UFMG Irene Cristina de Mello .L. 3ª ed. V. 1990.UEL Soraia Freaza Lôbo . E.A.. Abstract: Darkening and cleaning of silver objects . n. V. L.UFMG Luiz Carlos Gomide Freitas . M.a simple and easy experiment involving oxidation and reduction reactions. J.USP Agustina Echeverria .UFSCar Mansur Lutfi . silver objects.UFSJ Patrícia Busko Di Vita . Almeida . V.UFBA José Vicente Lima Robaina .UFRPE Marcelo Giordan . p.UFBA Nivaldo Baccan . R. GENTIL. Química: Físico-Química. Química geral superior.UNIJUÍ Marlon Soares . 4. Dias Neto e A.UFRJ Joanez Aparecida Aires .UNIJUI Hélio Anderson Duarte .IBAMA Flávia Maria Teixeira dos Santos .UFS Agnaldo Arroio .UnB Ermelinda Moutinho Pataca .UESC Salete Linhares Queiroz .USP Marcelo Leandro Eichler .UNICAMP Per Christian Braathen .C. Mennucci e cols.UEMS Arnaldo Alves Cardoso .UFSC Isabel Martins . 2001.UFRGS José de Alencar Simoni . 2.UFMG Ângela Fernandes Campos . 1995.Univ. 1996.UFMG Maria Emília C.UNIMEP Rosenira Serpa da Cruz .UFMG Rochele de Quadros Loguércio .UFRPE Maria Arminda P S. 1985.C. 21-23.UFRJ QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Flávio Maximiano .UFBA Nidia Franca Roque . Amorim . 18. D.USP Glaura Goulart Silva .UnB Paulo Alves Porto . Lange´s handbook of chemistry. Bandeirantes Edênia Maria Ribeiro do Amaral .ENSG Nelson Rui Ribas Bejarano .UERJ Fernanda V. DEAN.R. p. e SLOWINSKI. Para saber mais LOPES.UnB Rochel Montero Lago . Corrosão: um exemplo usual de fenômeno químico.UFSC Carmen Fernandez .UnB José Augusto Rodrigues . Castro Lima .UNIJUÍ Murilo Cruz Leal . 3ª ed.USP Denise Curi . and help them understand and solving several daily phenomenons of chemistry.USP Paulo Anselmo Ziani Suarez .UFU Rejane Martins Novais Barbosa .UNICAMP Orlando Fatibello Filho .PUC/RS Escurecimento e Limpeza de Objetos de Prata Milton Antônio Auth . emitindo pareceres sobre os artigos submetidos para publicação em Química Nova na Escola: Adjane da Costa Tourinho e Silva . 1984.UNICAMP José Cláudio Del Pino . FELTRE. New York: Mc GrawHill. Um cientista na cozinha. 1981. 2. VOGEL. M. Oxidação de metais. L. silver´s objects such as ears and spiral wire. Rio de Janeiro: Interamericana.UnB N° 30. Almeida . e SALVADOR.E.USP Fábio Merçon .UNESP Antonio Cachapuz .B. Carvalho . p. MERÇON.UNB Clarice Sumi Kawasaki .UnB Marli Dallagnol Frison . W.UNIJUÍ Lilavate Izapovitz Romanelli . de Araújo Neto . NOVEMBRO 2008 65 . Aveiro Antonio Carlos R. n.UNICAMP Daisy de Brito Rezende . F. 4ª ed. Potencial de redução e eletronegatividade: obstáculo verbal.UnB Roberta Lourenço Ziolli .UERJ Ana Luiza de Quadros .UFSJ Nelson Orlando Beltran . Bagno.UFSCar Patrícia Benedini Martelli .UFBA Waldmir N.UNICAMP Elio Carlos Ricardo . GUIMARÃES.USP Berenice Álvares Rosito . 52-54.UFS Elizabeth Tunes . silver cleaning Nota Assessores QNEsc 2008 Gostaríamos de agradecer aos assessores que colaboraram.A.UFSCar Luiz Henrique Ferreira .UNESP Attico Inacio Chassot .UFMT Irlan von Linsingen . São Paulo: Mestre Jou.USP Elizabete Lustosa Costa . A. 4ª ed.UFBA Maria do Carmo Galiazzi .USP Cláudio Airoldi . e MAINIER. Maria da Conceição Marinho Oki .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->