P. 1
FUNÇÕES DIDÁCTICAS E O CARÁCTER DIALÉCTICO

FUNÇÕES DIDÁCTICAS E O CARÁCTER DIALÉCTICO

|Views: 4.796|Likes:
Publicado porWestmoreland
1. INTRODUÇÃO

As funções didáticas desempenham um papel preponderante no decurso do processo de ensino e aprendizagem (PEA), uma vez que atuam como um instrumento que permite que professor, esteja consciente dos fundamentos teóricos da sua área de formação (específicos e pedagógicos), elaborando sua prática, a fim de transformar o aluno em um sujeito que responda às exigências contemporâneas, tais como: analisar, interpretar, avaliar, sintetizar, comunicar, usar diferentes linguagens, estabelec
1. INTRODUÇÃO

As funções didáticas desempenham um papel preponderante no decurso do processo de ensino e aprendizagem (PEA), uma vez que atuam como um instrumento que permite que professor, esteja consciente dos fundamentos teóricos da sua área de formação (específicos e pedagógicos), elaborando sua prática, a fim de transformar o aluno em um sujeito que responda às exigências contemporâneas, tais como: analisar, interpretar, avaliar, sintetizar, comunicar, usar diferentes linguagens, estabelec

More info:

Published by: Westmoreland on Apr 06, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/11/2013

pdf

text

original

1.

INTRODUÇÃO

As funções didáticas desempenham um papel preponderante no decurso do processo de ensino e aprendizagem (PEA), uma vez que atuam como um instrumento que permite que professor, esteja consciente dos fundamentos teóricos da sua área de formação (específicos e pedagógicos), elaborando sua prática, a fim de transformar o aluno em um sujeito que responda às exigências contemporâneas, tais como: analisar, interpretar, avaliar, sintetizar, comunicar, usar diferentes linguagens, estabelecer relações, propor soluções inovadoras para as situações com as quais defronta etc. Essa acção transformadora é fundamental ao trabalho professor, tendo em conta que a principal característica da educação actualmente é que o processo de ensino e aprendizagem não tem por alicerce apenas o conhecimento trazido pelo professor, mas também toda a carga de conhecimentos que o aluno traz a partir da leitura que ele faz do mundo em que vive.

Se não existir compatibilidade entre o que o professor ensina e o nível de desenvolvimento do aluno, ele não terá condições intelectuais de assimilar e acomodar informações, logo, se faz necessário que o educador (professor) consiga perceber que muitas vezes, em vez de desinteresse da criança, trata-se da falta de possibilidade de fazer uma interpretação significativa dos conteúdos que estão tentando transmitir, dai que a função didáctica introdução se torna necessária.

As reciprocidades das funções didácticas, tornam estas como uma unidade, criando condições para que professor ofereça assimilações e acomodações activas do que pretende transmitir, isto é, tem que favorecer o entendimento do conteúdo que está sendo transmitido. Certamente levando em consideração a afetividade pode-se dizer que “a afetividade gera motivação. Se existe motivação, a criança realiza tarefas mais complexas” (SABBI, 1999, p.16).

permitindo deste modo que: . como estas funções didácticas criam uma relação dialéctica (recíproca). e a mesma serve de suporte teórico que irá nortear. .Veremos então ao longo deste relatório com exemplos práticos do PEA. o exercício da sua função de docência. sem que sinta obrigado a ter que voltar para uma função específica. posteriormente a discussão dos conteúdos e elaboração do relatório.O docente seja capaz de usar as actividades de uma função noutra. no futuro. O trabalho tem por objectivo levar os futuros docentes a compreensão das funções didácticas como uma unidade. A realização do presente relatório aparece como materialização dos objectivos preconizados no Processo de Ensino e Aprendizagem da Cadeira de Didáctica Geral. não actuando de maneira isolada.Os futuros docentes estejam dotados de capacidade para usar estas funções no decurso do PEA. . A materialização do presente trabalho recorreu-se a revisão bibliográfica e as notas das aulas de Didáctica Geral.

E. esta totalidade reflecte as relações especificas de cada função didáctica com a outra de maneira recíproca. . INTRODUÇÃO E MOTIVAÇÃO MEDIAÇÃO E ASSIMILAÇÃO DOMÍNIO E CONSOLIDAÇÃO CONTROLE E AVALIAÇÃO .2. .Controle e avaliação. as funções didácticas que caracterizam uma aula são fundamentalmente as seguintes: .Domínio e consolidação. FUNÇÕES DIDÁCTICAS E O CARÁCTER DIALÉCTICO Segundo PILLETI as funções didácticas são orientações para o professor dirigir o processo completo de aprendizagem e de aquisição de diferentes qualidades.Mediação e assimilação. Sendo assim funções didácticas são elementos ou fases fundamentais no decurso do PEA. Assim sendo.A e que geralmente uma função didáctica abre o caminho para a efectivação da outra e que o sucesso de uma possibilita o sucesso da outra. no sentido de totalidade e não de soma. Esta relação pode ser vista no esquema a seguir (figura 1). assumindo-se como uma unidade. Cada etapa ou fase do PEA é caracterizada por uma função didáctica dominante. As funções didácticas tem uma ligação entre si e não se realizam isoladamente sobrepondo-se umas das outras durante as diferentes etapas do P. .Introdução e motivação.

requer uma introdução que conduz o processo. Assim. a introdução e motivação é a primeira função didáctica que deve ser seguida dentro do decurso de uma aula. independentemente da duração ou do conteúdo. concebendoo como sujeito da sua própria aprendizagem para além de ter conhecimentos que contribuirão para o conhecimento da própria aula. Transmissão (mediação)  assimilação activa Professor (mediador) aluno (sujeito) Depois de suscitada a atenção e a actividade mental dos alunos na etapa anterior (Introdução e Motivação) é o momento dos alunos familiarizarem-se com o conhecimento que irão desenvolver e um dos procedimentos práticos é a apresentação do conteúdo como um problema a ser resolvido. facilitador. introdução e motivação corresponde especificamente ao momento de preparação para a mediação de conhecimento na sala de aula. . a figura do professor como transmissor de conhecimentos desaparece.1 Introdução e Motivação Cada aula. embora nem todos os conteúdos se prestem a isso. 2.2. Esta função. e uma motivação que desperte o interesse dos alunos para o mesmo assunto.2 Mediação e Assimilação A função do professor é de mediar o processo de construção do conhecimento. Assim. orientador e esta mediação actualmente tem que ser diferente “expondo” cada vez mais o aluno antes objecto e receptor passivo. para dar lugar à figura de mediador.

a formação de conceitos. Através da repetição o professor pode: .Assim. organiza as actividades dos alunos que possam os conduzir a assimilação activa dos conhecimentos para desenvolver atitudes. Não vale a pena adiantar com a matéria sob pena de que os alunos apenas tenham pequenas recordações do que viram sem poder porém porem em prática e muito menos aproveitar-se do conteúdo aprendido para as aprendizagens posteriores através de repetição. a função didáctica na qual o mediador dá orientações. convicções. Pode também ser percebida como sendo o momento da aula.Reafirmar os conhecimentos e capacidades fundamentais.. hábitos. isto é. sistematização e aplicação que constituem o suporte metodológico através das quais se torna realidade o domínio e consolidação da matéria.3 Domínio e consolidação Nesta etapa pretende se conseguir o aprimoramento do já (não) novo saber nos alunos. habilidades. . do mesmo modo em paralelo com os conhecimentos e através deles é preciso aprimorar a formação de habilidades e hábitos para a utilização independente e criadora dos conhecimentos. a Mediação e Assimilação constitui a etapa ou passo da aula onde se realiza a percepção de fenómenos ligados ao tema. imaginação e raciocínio dos alunos. o desenvolvimento de capacidades cognitivas de observação. para isso o professor deve criar condições de retenção e compreensão da matéria através de exercícios e actividades práticas para solidificar a compreensão. 2. Ainda neste aspecto é preciso que os conhecimentos sejam organizados aprimorados e fixados na mente dos alunos afim de que sejam disponíveis para orienta-los nas situações concretas de estudo de vida. explicações necessárias. etc.

A aplicação é o “coração” do P.E. .4 Controle e avaliação Acompanha todo o P.Controlar o nível da situação inicial dos alunos.A. é a etapa superior do aumento e desenvolvimento de capacidades através de resolução de problemas e tarefas em situações análogas e novas. . Segundo Libâneo para o professor poder dirigir efectivamente o P. Este método é a ponte para a prática profissional visto que desenvolve as capacidades que devem possibilitar ao aluno o poder de aproveitar a teoria e posteriormente pôr os seus conhecimentos no trabalho produtivo. suplementar ou mesmo reorientar a aprendizagem. Através do controlo e avaliação o professor pode providenciar se necessário rectificar.A.A. e forma ao mesmo tempo conclusão das unidades do ensino.E. Este controle vai consistir também em acompanhar o P.A. deve conhecer permanentemente o grau das dificuldades dos alunos na compreensão da matéria. avaliando-se as actividades do professor e do aluno em função dos objectivos definidos.E.Obter uma base para avaliar a cada aluno ou a todo o grupo. Exemplo: Nesta etapa os alunos serão capazes de concluir que a água e óleo não se misturam porque tem densidades diferentes e constatar que a água e vinagre podem se misturarem por possuírem densidades semelhantes e já podem resolver exercícios aplicando as fórmulas da assimilação (assimiladas da função didáctica Mediação/Assimilação) 2.. Dai a importância da aplicação para realizar a unidade entre a teria e a prática.E.

faz uma revisão. faz resumos e abstracções. 3. esclarece os assuntos. rectificar ou prosseguir dependendo da situação vivida no momento quanto ao saber. aplica os conhecimentos. presta atenção. introdução e motivação constitui a primeira etapa da aula.1. quando colocando questões da matéria nova ou ainda fazendo revisão dos conhecimento assimilados que estejam relacionados com o novo assunto e ainda escrevendo o assunto da aula no quadro. Relação Introdução /Motivação e Domínio /Consolidação Sob ponto de vista de estruturação da aula. o professor faz a mediação atreves de ilustrações. O professor pode fazer a motivação de forma interactiva. A actividade anterior visa transformar os objectivos da aula em objectivos de aprendizagem de cada um dos alunos.Pela avaliação é possível saber-se se a aprendizagem está a efectuar-se conforme o previsto ou não e ao mesmo tempo permite ao professor certificar-se sobre o que o aluno aprendeu e. Relação Introdução /Motivação e Mediação /Assimilação O professor apresenta o assunto da aula de forma interactiva. reactivação dos conhecimentos assimilados que estejam relacionados com o novo assunto: coloca questões da matéria nova para despertar interesse. RELAÇÃO ENTRE AS FUNÇÕES DIDÁCTICAS 3. apresente as questões. saber fazer e saber ser/estar dos alunos. expõe os conteúdos e o aluno na assimilação toma nota. é caracterizado por um processo de estimulação destinado a desencadear impulsos interiores do indivíduo afim de predispô-lo a querer participar nas actividades escolares oferecidas pelo mediador. então saber que rumo dar aos trabalhos das novas aulas (se é para repetir. 3. Uma vez o aluno motivado.2. faz resumos. tudo isso com vista a despertar interesse nos alunos. esta função. portanto. .

Portanto. 3. Consolidar e dominar não só são funções de luta contra o esquecimento mas também para elevar o nível das capacidades. o aluno só poderá consolidar e dominar o que tiver assimilado. . isto é. por subordinar-se à forma como os alunos são motivados para a aprendizagem que deverá ser caracterizada por uma actividade consciente para os alunos. 3.3. o que significa que um bom domínio e consolidação começam com uma boa introdução e motivação. desenvolver as habilidades. Neste sentido o controle e avaliação tanto controla os alunos assim como o professor.Base do êxito e do rendimento. ainda na fase de introdução e motivação entram elementos de reactivação. na fase do domínio e consolidação procuram se reduzir os erros dos alunos na compreensão da matéria e permitir a fixação dos conhecimentos na memória. dependendo dos resultados o professor pode saber até que ponto foram motivados. isto é. este momento de aula tem a seguinte importância: . esteja isto correcto ou errado.4. fixar os hábitos e aplicar o aprendido.Assim sendo. Estando o aluno motivado. pode medir até que ponto foi efectuada a função didáctica Introdução/Motivação. Relação Medição/ Assimilação e Domínio / Consolidação Partindo de princípio que na medição e assimilação ocorre a medição do conteúdo por parte do professor e consequente a assimilação parte do aluno quanto mais eficaz for esta função didáctica tanto mais será a função didáctica Domínio / Consolidação. Relação Introdução /Motivação e Controlo /Avaliação Sabendo-se que para o professor dirigir efectivamente o PEA ele precisa conhecer o grau das dificuldades dos alunos na compreensão das matérias e para isso o professor precisa controlar e avaliar os alunos.

aprimorados e “fixados” na mente dos alunos de modo a que fiquem disponíveis para a sua aplicação em novas situações de vida concreta do aluno. Ex: falando ainda da queda livre dos corpos: o professor pode avaliar se os alunos assimilaram os conteúdos. as teorias.Ex: Sabe-se que na medição e Assimilação ha retenção das leis. de facto.6. 3. para a consolidação e a formação de habilidades e hábitos é necessário que se incluam exercícios de fixação que podem ir desde perguntas simples até à . o aluno só poderá aplicar as fórmulas para a resolução de exercícios relacionados com a queda livre dos corpos se realmente tiver assimilado as teorias assim como as formulas e todas as outras componentes da função didáctica Medição/ Assimilação. os princípios. O mais importante é que. 3. Ao mesmo. o professor não pode avaliar conteúdos não dados. dos princípios das formulas e das teorias e dissemos que na Consolidação exercitamos. as fórmulas bem como as leis. Estas duas funções didácticas têm a seguinte relação: Só pode ser controlado e avaliado um conteúdo previamente mediado e assimilado. isto é. Relação Mediação/ Assimilação e Controle /Avaliação. isto é.5. para a partir daí fazer ajustes se necessário ou manter o mesmo ritmo se a Assimilação/Mediação for bem sucedida. Deste modo. Relação Domínio /consolidação e controlo /avaliação Os conhecimentos mediados e assimilados são organizados. o Controle avalia até que os conteúdos forem mediados e assimilados. hábitos para utilização independente e criadora desses. estes conhecimentos devem ser aprimorados possibilitando a formação de habilidades.

é preciso testar se também e ver de que maneira o professor mediou. identificam-se os problemas ou dificuldades que existem e propõem-se medidas para a sua solução. sistematização e os exercícios devem dar oportunidade ao aluno de estabelecer entre o aprendido e situações novas. no livro didáctico. comparar os conhecimentos obtidos com os factos da vida real. as tarefas de recapitulação. por exemplo. avaliando-se as actividades do professor e dos alunos. Por isso. . pôr em prática habilidades e hábitos decorrentes do estudo.recapitulação dos focos principais da aula. em função dos objectivos definidos. Avalia-se o nível atingido. apresentar problemas ou questões diferentemente de como foram abordados. Tendo consolidado a matéria.

conclui de facto que as funções didáticas encontram-se intimamente ligadas e que ajudam a pratica dos docentes nos pais e no mundo de modo geral. .4. CONCLUSÃO Fim deste trabalho.

. BIBLIOGRAFIA 1. 1991. Notas das Aulas de Didáctica Geral. LIBANEO. 2. São Paulo. J. Cortez. Actica são Paulo. Didáctica. 2008. PILETTI. 3. 1994. 12ª Edição.5. Didáctica Geral. Carlos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->