P. 1
Ergonomia

Ergonomia

|Views: 249|Likes:
Publicado porElena Everest

More info:

Published by: Elena Everest on Apr 07, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/12/2012

pdf

text

original

1

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO NA COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFPB.

Miriam de Moura Costa Rodrigues¹ Orientador: Prof. Ms. Antônio Gualberto Filho² RESUMO

Na era global, a sociedade almeja bem-estar e satisfação no trabalho no ambiente doméstico e no espaço de trabalho. Nesse contexto a ergonomia entra como uma grande aliada para melhorar a vida do homem moderno e, despertando atenção tanto dos ergonomistas, como de outros profissionais. Nesse sentido, o presente trabalho visa analisar as condições do trabalho dos funcionários da Coordenação do Curso de Graduação de Engenharia Civil no aspecto ergonômico procurando assim promover a redução de adoecimento devido a fatores ergonômicos. Palavras-chave: Matrículas, qualidade de vida, estresse, ergonomia, desgaste físico, engenharia civil.

1. INTRODUÇÃO

Os avanços tecnológicos vêm transformando as empresas modernas, provocando uma e, reestruturação dos sistemas gerencial, à organizacional e

administrativo,

conseqüentemente,

apresentando

classe

trabalhadora,

alterações consideráveis decorrentes dessas transformações rápidas e contínuas. Nesse contexto, nota-se que a qualidade de vida está diretamente relacionada com o mercado global, ou seja, com as organizações e com o trabalhador e investir na melhoria ergonômica do colaborador pode ser uma estratégia para que a organização renove as formas de trabalho e eleve ao mesmo tempo a satisfação do pessoal e a produtividade das empresas. ______________
1. Aluna do 2007/5 Período da Faculdade de Tecnologia de Curitiba – FATEC Pós- Gradução em Recursos Humanos . Endereço eletrônico: mirian@ct.ufpb.br 2. Professor da Universidade Federal da Paraíba, Mestre em Engenharia de Produção.

Jastrzebowsky nomeou como título de uma de suas obras o “Esboço da ergonomia ou ciência do trabalho baseada sobre as verdadeiras avaliações das ciências da natureza”. Os ergonomistas são os profissionais que estão atuando na funcionalidade e conforto no espaço de trabalho. notou-se que os funcionários apresentam queixas demonstram preocupação com as condições no atendimento aos alunos no período da matrícula e com as questões relacionadas à postura e percebem que suas atividades poderiam ser mais bem operacionalizadas se tivessem condições de trabalho mais favoráveis. Nesse sentido. do sexo feminino. contando com um quadro funcional formado por três servidores sendo: uma coordenadora e dois técnico-administrativos. pode-se notar que o ambiente de trabalho da “Coordenação do Curso de Engenharia Civil” da Universidade Federal da Paraíba. Este é um setor que está instalada no Centro de Tecnologia localizada na UFPB. . É oportuno lembrar que os indivíduos dedicam grande parte do tempo ao trabalho. Durante a observação do local de trabalho. pode ser uma estratégia para que a organização renove as formas de trabalho e eleve ao mesmo tempo a satisfação do pessoal e a produtividade das empresas. precisa reorganizar o setor de matrícula dos alunos. tanto no aspecto organizacional com físico uma vez que não tem cronograma para os cursos e turnos para atender um universo aproximadamente de 500 alunos ativos. na presente pesquisa aborda os conceitos de ergonomia. ORIGEM E EVOLUÇÃO DA ERGONOMIA Segundo Wachowicz (2008) a ergonomia foi utilizada pela primeira vez em 1857. funcionando de segunda a sexta-feira das 8h às 18h. 2. E adequar a mobília e equipamentos é um dos fatores que podem favorecer a postura de trabalho dos profissionais deste setor. Portanto. por isso o ambiente de trabalho deve estar adequado às características e necessidades do trabalhador. as iniciativas que as organizações e os trabalhadores devem tomar evitarem problemas ergonômicos bem como citar a ginástica laboral como forma contributiva para a prevenção de problemas ocasionados pela ergonomia. quando o polonês W.2 Investir na melhoria ergonômica do colaborador e auxiliá-los para trabalhar em posturas corretas.

em pé. puxando e levantando cargas).3 A ergonomia surge de modo mais sistematizado na Inglaterra por volta de 1940.2) destaca a definição clássica da Ergonomics Society: Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e seu trabalho. Segundo Granjean apud Wachowicz (2007). se apóia em diversas áreas do conhecimento humano. conforto e eficiência no trabalho” (DUL. Difere também de determinadas áreas do conhecimento. equipamentos. clima.2). Nesse contexto. econômicas e. com o fim de reduzir a carga externa. tanto no trabalho quanto no espaço doméstico e outros na vida cotidiana. vibrações. confortáveis e eficientes. WEERDMEESTER. A ergonomia estuda vários aspectos: a postura (anexo A) e os movimentos corporais (sentados. com o objetivo de melhorar a segurança. p. interessantes). empurrando. 2004. tecnológicas. fatores ambientais (ruídos. pela sua natureza aplicada.1). p. as mudanças decorrentes impuseram ao homem e às máquinas uma série de adaptações. p. . e ambiente e particularmente. tentando compreender a complexidade da interação ser humano e trabalho. A ergonomia tem caráter interdisciplinar. que vêm ocorrendo no mundo do trabalho. iluminação. equipamentos. a investigação ergonômica deve buscar os seguintes objetivos: a) Ajustar as exigências do trabalho às possibilidades do homem. a aplicação dos conhecimentos de anatomia. audição e outros sentidos). Ilda (2005. informação (informações captadas pela visão. buscando oferecer subsídios teóricos e práticos para aprimorar essa realidade (WACHOWICZ. A conjugação adequada desses fatores permite projetar ambientes seguros. O caráter aplicado configura-se na adaptação do posto de trabalho e do ambiente às necessidades do trabalhador (DUL. saúde. ergonomia “é uma ciência aplicada ao projeto de máquinas. saudáveis. Da produção artesanal à automação e informatização dos postos de trabalho e das tarefas a serem realizadas. como também. WEERDMEESTER. A evolução da ergonomia está relacionada às transformações sociais. sistemas e tarefas. bem como cargos e tarefas (tarefas adequadas. 2004. 2007). fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos desse relacionamento. agentes químicos). relações entre mostradores e controles. isto é. sobretudo.

os equipamentos e as instalações pensando na maior eficácia. introdução de novas tecnologias. c) estudar cuidadosamente a configuração dos postos de trabalho. conflitos freqüentes. de uma forma muito mais ampla e abrangente. 2. Wachowicz (2008) endossa o pensamento expresso na última alínea.6 da NR-17. transporte e descarga de materiais. rotatividade elevada de pessoal. Devido ao processo de sua elaboração. equipamentos utilizados. O objetivo geral da Norma é permitir a adaptação das condições de trabalho às características psico-fisiológicas dos trabalhadores. entre outros. precisão e segurança. situações essas que estão diretamente ligadas ao tema principal deste trabalho. em todos os ramos. d) adaptar o ambiente físico às necessidades físicas do homem. condições ambientais dos postos de trabalho. com o intuito de assegurar ao trabalhador uma postura correta. O item 17. ao afirmar que é objetivo da ergonomia adaptar o trabalho ao homem e não o contrário. mas seu texto contém parâmetros que devem ser seguidos. No Brasil a aplicação da ergonomia é normatizada pela Norma Regulamentadora 17 (NR-17) que regulamenta o quisito “Ergonomia”. Prevêem-se na NR-17 levantamentos ergonômicos das atividades de trabalho. o teleatendimento. mobiliário.1 Conceitos de Ergonomia A ergonomia é um conjunto de ciências e tecnologias que procuram a adaptação confortável e produtiva entre o ser humano e seu trabalho. Trata-se de uma norma que resultou de reivindicação sindical para o reconhecimento das doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho informatizado e de enfrentamentos para melhoria das condições de trabalho de bancários. procurando adaptar as condições de trabalho às características do ser humano. que aborda a organização do trabalho exige que as formas de organização do trabalho sejam “adequadas às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser executado”.4 b) conceber máquinas. digitadores. . especialmente nas operações que exigem posturas rígidas e fixas. a NR-17 foi aplicada especialmente na área de informática. incluindo aspectos relacionados à organização do trabalho. absenteísmo elevado. trabalho em turnos.

A Ergonomia cognitiva refere-se aos processos mentais. a aplicação da ergonomia é muito recente. dados e métodos a projetos a fim de otimizar o bem estar humano e o desempenho global do sistema. tele-trabalho e gestão da qualidade. 2. trabalho em grupo. projeto de trabalho.1. Os tópicos relevantes incluem comunicações. postos de trabalho. organização temporal do trabalho. No que se refere a Ergonomia física. cultura organizacional. memória. produtos. . embora o termo tenha sido cunhado no século passado. princípios. os domínios de especialização da ergonomia são a ergonomia física. Na história do trabalho. com o projeto da cápsula espacial norte-americana.1 Iniciativas da empresa e dos colaboradores para a melhoria ergonômica no setor de trabalho e para evitar problemas com a ergonomia É relativamente recente no mundo do trabalho. a IEA (Associação Internacional de Ergonomia) adotou a definição oficial e diz que ergonomia é uma disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre os seres humanos e outros elementos ou sistemas. novos paradigmas do trabalho. movimentos repetitivos. cognitiva e organizacional. Enquanto a Ergonomia organizacional concerne à otimização dos sistemas sócio-técnicos. políticas e de processos. e à aplicação de teorias. tais como percepção. apenas no início deste século falou-se em alguma coisa prática decorrente da ergonomia. ambientes e sistemas de modo a torná-los compatíveis com as necessidades. fisiologia e biomecânica em sua relação a atividade física os quais incluem o estudo da postura no trabalho. projeto de posto de trabalho. trabalho cooperativo. A contribuição dos ergonomistas está relacionada ao planejamento. incluindo suas estruturas organizacionais. distúrbios músculo-esqueletais relacionados ao trabalho.domínio aeronáutico).5 Em agosto do ano de 2000. raciocínio e resposta motora conforme afetem as interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema. manuseio de materiais. gerenciamento de recursos de tripulações (CRM . organizações em rede. projeto e a avaliação de tarefas. esta relaciona-se com as características da anatomia humana. habilidades e limitações das pessoas e de maneira geral. projeto participativo. segurança e saúde. e somente pode-se falar de "ergonomia aplicada ao trabalho" a partir dos anos 50. antropometria.

pratica de exercícios regulares e sono adequado.br/htm/dicas.com.  Introduzir exercícios laborativos e incentivar o combate ao sedentarismo. 1991). umidade e ruído sonoros. Entretanto. bem como estimular o espírito de equipe e a integração dos funcionários.   Políticas educativas e de prevenção. qualidade do ar. iluminação.  Procurar atitudes mais positivas e evitar alterações de humor e comportamentos estressantes.  Maior preocupação com hábitos de vida como dieta balanceada. E como forma de contribuição dos próprios funcionários. Procedimentos operacionais como controle do número de horas extras. Mas não é somente a empresa que deve cumprir com seus deveres. normas e dicas. 1991). evitar dobra de turnos. Tais preceitos podem ser²: _______________ 2. eles mesmo podem tomar a iniciativa de se policiarem a respeito da ergonomia. Seguindo as regras.  Controle de variáveis como temperatura. alguns preceitos devem ser seguidos para se evitar problemas ergonômicos promovendo o não surgimento de doenças relacionadas à ergonomia.6  Intervenções Ergonômicas em mobiliários. o empregado também deve procurar obedecer às normas para se ter um desempenho na produtividade sem causar danos à saúde (COUTO.htm. ou outras doenças ergonômicas. empregador e empregado poderão ter o resultado esperado sem tomarem nenhum susto quanto ao surgimento de LER/DORT (COUTO. seguindo alguns métodos:  Procurar atendimento especializado no início dos processos inflamatórios ao começar a sentir dores. Disponível em http://www.  Adaptar-se em novas funções ou postos de trabalho. .  Exigência de melhores condições de trabalho como ambiente ergonomicamente correto e evitar excesso e desgastes desnecessários nas atividades laborativas. palestras e murais informativos. definição de rodízio de funções e instauração de pausas nas rotinas e postos de trabalho. cursos. para evitar desgastes desnecessários e o uso incorreto das estruturas orgânicas do corpo humano.ergonomia. equipamentos e instalações.

1 – Preocupação com a iluminação (anexo B): Para evitar reflexos. no inverno e entre 25 e 26 graus centígrados no verão (com níveis de umidade entre 40 a 60%). 5 . preocupação com as cores do ambiente. para a parede (parte baixa) e para o mobiliário. 2 – Verificar as cores certas: Equilibre as luminâncias usando cores suaves em tons mate. som ambiente). quadros e quando possível. sem custos extras.7 É preciso regulamentar alguns fatores no setor de matrículas da UFPB para garantir aos seus profissionais. devem ser foscas e o monitor deve possuir uma tela anti-reflexiva.Humanização do ambiente: Sempre que possível humanize o ambiente (plantas. é preciso que haja algumas modificações no setor para que seja mantida o bom desempenho e satisfação por parte dos colaboradores quanto dos próprios alunos que ali estudam. Os coeficientes de reflexão das superfícies do ambiente devem estar em torn de: 80% para o Teto.3 A ginástica laboral como forma preventiva de doenças ergonômicas . Para tanto. 60% para a parede (parte alta). 15 a 20% para o Piso. 40% para as divisórias. a instituição poderá proporcionar ao seu colaborador um ambiente agradável e adequado de trabalho de modo a evitar problemas resultantes da ergonomia. 2. dicas como boa iluminação. temperaturas confortáveis. a acústica e a humanização do ambiente de trabalho podem fazer uma considerável diferença no resultado final. a temperatura. Conforme visto. 3 – Regular a temperatura: Como regra geral. Evite posicionar o computador perto de janelas e use luminárias com proteção adequada. as superfícies de trabalho. Estimule a convivência social entre os funcionários. através de materiais acústicos e a adoção de divisórias especiais. Lembre-se que o processo de socialização é muito importante para a saúde psíquica de quem irá trabalhar nele. paredes e pisos. Nesse sentido. são entre 20 e 22 graus centígrados. o conforto e a qualidade de vida no trabalho que este tem direito. para ambientes informatizados. índices de pressão sonora inferiores à 65 dB(A). Por esse motivo recomenda-se o adequado tratamento do teto e paredes. 4 – Verificar sempre a acústica: É recomendável para ambientes de trabalho em que exista solicitação intelectual e atenção constantes. Muitas empresas que estão adotando políticas neste sentido vêm obtendo um aumento significativo de produtividade.

a atenção e concentração. a flexibilidade aprimora a coordenação motora. p. das dislipidemias e diminui o risco de afecções osteomusculares e de alguns tipos de câncer (colo e de mama). Neiva. conforme salienta Lima (2003). 34). desenvolve a resistência e força muscular. saliente que a Ginástica Laboral torna-se importante nesse contexto e diz que se trata de uma atividade física diária. a percepção. realizada no local de trabalho. E é isto que os funcionários que atendem ao setor de matrícula da UFPB precisam. Além de proporcionar maior rendimento e produtividade.8 Para conseguir acompanhar a modernidade sem colocar a saúde em risco Fontes (2001). doença vascular cerebral). atuam como uma forma de neutralizar os efeitos negativos do trabalho e da utilização inadequada da tecnologia sobre o corpo humano prevenindo a progressão para doenças ocupacionais. (MENDES. do diabetes. da osteoporose. a capacidade aeróbica e dos sistemas orgânicos e ainda aumenta a reserva de glicogênio e outras fontes energéticas e a diminuição a incidência da fadiga. relaxando-as e tonificando-as. a prática de atividade física diminui o risco de aterosclerose e suas conseqüências (angina. elaboradas a partir da atividade profissional exercida durante o expediente. da disposição e ainda uma maior cooperação entre as equipes de trabalho e principalmente melhora na qualidade de vida destes. que visa compensar as estruturas mais utilizadas no trabalho e ativar as que não são requeridas. Ricardo Alves & LEITE. As atividades físicas e desportivas dentro das empresas. com exercícios de compensação para movimentos repetidos. maior satisfação no trabalho e principalmente melhora da qualidade de vida dentro e fora do trabalho. para ausência de movimentos e para posturas incorretas no local de trabalho. menor ocorrência de afastamentos. melhor integração entre funcionários. p. A atividade laboral eleva ao indivíduo a um aumento do bem-estar. assim poderão diminuir as incidências com a ergonomia no trabalho. Segundo Lima (2003. a ginástica Laboral (GL) pode ser conceituada como um conjunto de práticas físicas. a GL também ocasionará um menor gasto com saúde. A melhoria da capacidade física que auxilia na regulação endógena. Contribui ainda no . infarto do miocárdio.15). ajuda no controle da obesidade. bem como os programas de qualidade de vida e de promoção de saúde. Além de vários outros benefícios. 2004. da hipertensão arterial.

constituído por livros. documentos mimeografados ou xerocopiados. A leitura. MATERIAIS E MÉTODOS Conforme Cruz (2008. pôde-se analisar a funcionalidade dos móveis da instituição pesquisada. o presente artigo constitui-se de uma pesquisa bibliográfica associada à realidade vivida pela autora na Coordenação do Curso de Engenharia Civil (CCEC) localizada na UFPB. 3. Todo material recolhido foi submetido a uma triagem. sendo o meio mais importante de comunicação científica.9 controle da ansiedade. muitas vezes disponibilizada em fontes eletrônicas. a partir da qual é possível estabelecer um plano de leitura. Trata-se de uma leitura atenta e sistemática que se faz acompanhar de anotações e fichamentos que. Nesse sentido. análise e interpretação de livros. de acordo com Gil (2002). . que tem como objetivo possibilitar a rápida obtenção das informações requerida e periódica científicos. 102). da asma. periódicos. Este tipo de pesquisa utiliza como fundamento teórico–metodológico que. p. da doença pulmonar obstrutiva crônica. eventualmente. método pode ser definido como um conjunto de dados e regras que permite atingir os objetivos da pesquisa. Por isso. manuscritos etc. além de proporcionar melhor auto-estima e ajuda no bem-estar e socialização do indivíduo (MINISTÉRIO DA SÁUDE. 2006). Também foram essenciais na formulação do artigo. fotos. local onde foram observadas queixas de dores devido à má postura no local de trabalho. a metodologia utilizada formou subsídios sustentáveis para a elaboração deste artigo mostrando e analisando a importância da ergonomia nas organizações. classificados como de leitura de referência. mapas. é realizada com base em material já elaborado. da depressão. métodos significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual se atinge um objetivo e na terminologia científica. RESULTADOS E DISCUSSÃO Após entendimento do que é ergonomia e dada a sua importância para o trabalhador. 4. textos legais. poderão servir à fundamentação teórica do estudo.

No período de dois dias as matrículas são abertas on-line. organização de colação de grau. Mas. período de matrícula. trancamento. A Coordenação do curso é exercida por docentes. prorrogação de prazo para conclusão de curso. o curso de Engenharia Civil passou por algumas alterações na sua estrutura curricular até ser aprovado pelo CONSEPE. elaboração de memorando. um Coordenador e ViceCoordenador. lesões por esforço repetitivo e etc.1 aumentou duas grades curriculares em vigência. pode colocar: O Curso de Graduação de Engenharia Civil da UFPB pela sua estrutura curricular. somados aos alunos presenciais e de todos os cursos e turnos juntos ocasionam grande tumulto no setor. do ano letivo tem duração mínima de 200 dias em dois períodos letivos de 100 dias cada. o que os fazem recorrer à coordenação do curso. foi cogitada para a prevenção de doenças provocadas pela má postura na realização de tarefas rotineiras no cotidiano do setor a adequação dos móveis. tendo um mandato de dois anos como também os técnicos administrativos que são servidores não docentes sendo responsáveis pela parte administrativa como: matrícula dos alunos. O calendário de matrícula apresenta o início e término do período letivo. E. exames finais. que faça um cronograma de atendimento. arquivamento de documentos. atendimento ao público e telefônico. Além disso. diminuindo o fluxo de atendimento. procurando separar por turnos e horários o atendimento a cada aluno. transferências e reopção de cursos.10 Para oferecer melhores condições de trabalho aos profissionais envolvidos no setor de matrícula. protocolo de documentos. ajustes de matrícula. período em que 95% dos alunos não conseguem se matricular por não estarem blocados. aumentando na qualidade do serviço prestado e obedecendo aos critérios ergonômicos. emitir histórico e horário individual dos alunos ativos. vigente a partir de 2007. No ano de 2006 o novo Projeto Político Pedagógico do curso. sistema de créditos. foi sugerido à coordenação responsável. nesse contexto tanto a organização quanto os profissionais devem tomar iniciativas para que seja aplicada e mantida uma boa qualidade de vida no trabalho. é preciso o envolvimento de todos no combate às doenças causadas pela má postura. Atualmente. Devido a essa falta de . para que haja mútua participação. Os alunos que não conseguiram por algum motivo efetuar a matrícula pela internet. abertura de processos. ofícios. como forma sugestiva.

o qual teve que prestar serviços sozinha para atender em média 100 alunos dentre os horários das 8hs às 15hs sem interrupção ou descanso e acima de tudo. Dentre os colaboradores que tiveram doenças musculares esqueletais. levou como conseqüência graves lesões na coluna cervical da autora que são o C5-C6 e C6-C7.11 organização e controle por parte dos responsáveis pelas matrículas. Para tanto. predispõe as alterações físicas e psicológicas no indivíduo como. obriga os profissionais a passassem horas trabalhando. a sensação de . ocasionou conseqüências à autora. É recomendável ainda. Esta má postura que se tornou freqüente no período de matrícula. podese citar a própria autora deste artigo. é importante manter uma postura correta no ambiente de trabalho. Para que tais problemas seja evitados. 5. Este problema foi ocasionado devido a falta de cronograma de matrícula. preocuparse em manter o punho neutro. Dentre os problemas ergonômicos ocasionados durante o período de matrículas já citados. mantendo uma má postura. CONCLUSÃO Uma vez que a saúde do trabalhador está diretamente relacionada com a organização. para garantir um apoio correto) e o revestimento deve ser macio e com forração em tecido rugoso. procurar descansar as costas: Com excessão de algumas atividades. é preciso que esta mesma organização comece a se preocupar com a saúde e o bem-estar de seus colaboradores proporcionando assim. uma vez que devido aos esforços ergonômicos inadequados resultam em fatores diversos e desagradáveis. que as cadeiras não tenham braços (o apoio deve estar nas mesas. comprovado com exame de ressonância como também a má postura. Uma maior superfície de apoio garante uma melhor distribuição do peso corporal. Miriam. uma melhor qualidade de vida a eles no ambiente de trabalho. Quando o físico e o mental do funcionário estão inadequados. manter os pés bem apoiados. o que fez com que os estudantes procurassem diretamente a central de matrícula pessoalmente para fazê-la. por exemplo. observar alguns detalhes poderão auxiliar no combate aos problemas ergonômicos como exemplos ficar de olho no conforto visual. e um melhor relaxamento da musculatura. as cadeiras devem possuir espaldar (encosto) de tamanho médio. atendendo as necessidades da empresa e do corpo.

poderá vir a prejudicar os demais profissionais que ali atuam. O conforto temporal depende ainda. as pessoas poderão conviver e trabalhar em um ambiente agradável com possibilidade de relaxamento e um ambiente de desestresse. face às atuais exigências de tempo e conteúdo do trabalho.12 peso dos membros. foi possível concluir que este é um setor na instituição que merece maior atenção. por exemplo. No setor em estudo. como pôde ser analisado na pesquisa. ao longo do desenvolvimento deste artigo. uma vez que foi comprovado o adoecimento causado a uma colaboradora do setor e caso não seja revisto. fadiga. Por meio do presente artigo sobre a qualidade de vida dos trabalhadores no setor de matrículas da UFPB. a discussão do tempo de trabalho mostra-se ainda incipiente. por exemplo. redução da força e capacidade funcional. procurou-se abordar as variáveis que favorecem ou não o surgimento de novas responsabilidades para o profissional que atende o setor de matrícula bem como confrontar as idéias expostas por diferentes autores de modo que fosse possível se ter uma visão mais ampla sobre o tema em questão. a LER/DORT são aquelas que investem em prevenção e criam condições de trabalho que preservem a integridade física e psíquica dos trabalhadores. Planejamento de móveis e equipamentos dentro de parâmetros ergonômicos. . a simples determinação de horários é pouco. Assim. A qualidade de vida no trabalho deve ser uma preocupação não apenas de uma ou duas empresas e sim de todas. porém que pode ser reduzido com a prática de atividades físicas. Assim. atividades diferenciadas. Sabe-se também que as práticas mais adequadas para responder aos problemas ocasionados devido a má postura como. Entretanto. da regulamentação básica de jornadas e pausas. dor. pausas regulares a cada período de trabalho ininterrupto. de modo a evitar a permanência numa mesma postura e a repetição dos mesmos movimentos.

p. Revista Administrativa. Por Que Implantar um Programa de Ginástica Laboral na Empresa?. São Paulo: CEFET-SP. São Paulo: Manole. Jan . CHIAVENATO. Qualidade de vida no trabalho – QVT. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Programa Nacional de Promoção da Atividade Física “Agita Brasil”: Atividade física e sua contribuição para a qualidade de vida. Revista Sinergia. 14ª ed. Qualidade de vida: globalização. A. MUNGIOLI. LIMONGI-FRANÇA. Editora Atlas. Ergonomia prática. Idalberto. 9. Neiva. n. DELBIN & Camila. Ergonomia: projeto e produção. 15. LIDA. LEITE. 1990. M. Ginástica laboral: princípios e aplicações práticas. 5. Apostila do curso de Ergonomia FUNDACENTRO. C. MORAES. 2 ed. n. São Paulo: Phorte. A. Ginástica Laboral: atividade física no ambiente de trabalho. 2004. Maria Andréia. 2001. Rio de Janeiro: Campus. Maria C. Conceitos e práticas na sociedade pós-industrial. Belo Horizonte: Ergo B & C Ltda. São Paulo: Edgard Blücher. São Paulo: Edgar Blücher. C. 2005. 2002. 8. P. 2003. Bernard. p. WEERDMEESTER. 2005. 2004. MENDES. 36(2):254-256. março. Ergonomia: projeto e produção. Valquíria de. I. 1999 DUL. 2 ed. São Paulo. LIMA. 2005.13 REFERÊNCIAS COUTO. 1991. jan/dez. MARTINS. Tenossinovites e outras lesões por traumas cumulativos nos membros superiores de origem ocupacionais. H. ______. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Revista de Saúde Pública. . Ergonomia e Fatores de Risco das LER/DORT. Guia Prático. 1998. Ricardo Alves. São Paulo: Edgard Blüncher.

da. WACHOWICZ. Curitiba: IBPEX.htm (acesso em 20 de junho de2008). Maria Aparecida Dias et al. Sites Disponível no site: http://www. Marta Cristina. 100 Jogos para grupos: uma abordagem psicodramática para empresas. YOZO. Belo Horizonte: UFMG/EEF/CELAR.com.htm (Acesso em 20 de junho de 2008) Disponível no site: http://www.14 SILVA. Segurança.br/oqueeergonomia. Marta Cristina. escolas e clínicas. ______. Marta Cristina. Saúde e qualidade de vida no trabalho. MARCHI.abergo.org. 2007.ergonomia. Y. 13 ed. 1997. São Paulo: Best Seller. São Paulo: Ágora.A busca da qualidade de vida no trabalho. Ergonomia – aspectos físicos ambientais. Ricardo de. (Apostila da professora Marta Cristina). . 2008. R. (Apostila da professora Maria Cristina). 1997. saúde & ergonomia. Marco A. 1996. 2008. Programa Ginástica na Empresa .br/htm/dicas. ______. VENÂNCIO. Qualidade de vida no trabalho. D.

Ergonomia: projeto e produção. 1990.com. I.br/htm/dicas. FIGURA 2: Iluminação Fonte: LIDA. São Paulo: Edgar Blücher. Ergonomia: projeto e produção. FIGURA 3: Postura correta Fonte: http://www.ergonomia.htm . 1990. São Paulo: Edgar Blücher.15 ANEXO A FIGURA 1: Partes do corpo onde se localizam as dores provocadas por problemas de postura Fonte: LIDA. I.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->