Você está na página 1de 3
 
 

JAN 2000

NBR 14442

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas

Conectores montados em cordões ou cabos de fibras ópticas e adaptadores - Determinação da durabilidade

Sede:

   

Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (21) 210-3122 Fax: (21) 220-1762/220-6436 Endereço eletrônico:

 

www.abnt.org.br

Copyright © 2000, ABNT–Associação Brasileira de

Origem: Projeto 03:086.04-026:1999 ABNT/CB-03 - Comitê Brasileiro de Eletricidade CE-03:086.04 - Comissão de Estudo de Métodos de Ensaios para Acessórios para Fibras e Cabos de Fibras Ópticas NBR 14442 - Mounted conectors for optical fibre cords or cables and adaptors - Durability determination Descriptors: Conector. Optical cable. Optical fibre Válida a partir de 29.02.2000

Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

Palavras-chave: Conector. Cabo óptico. Fibra

3 páginas

Sumário

Prefácio

1 Objetivo

2 Referências normativas

3 Definições

4 Aparelhagem

5 Execução do ensaio

6 Resultados

Prefácio

A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo

conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).

Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ONS, circulam para Consulta Pública entre os as- sociados da ABNT e demais interessados.

O anexo A tem caráter normativo.

1 Objetivo

Esta Norma prescreve o método de determinação da durabilidade em conectores montados em cordões ou cabos de fi- bras ópticas e adaptadores.

2 Referências normativas

para

norma está sujeita a

esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda

As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições

revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento.

NBR 13486:1995 - Fibras ópticas - Terminologia

NBR 14433:1999 - Conectores montados em cordões ou cabos de fibras ópticas e adaptadores - Especificação

3 Definições

Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as definições das NBR 13486 e NBR 14433.

2

NBR 14442:2000

4 Aparelhagem

4.1 Painel vertical para fixação dos painéis de corpos-de-prova

O

painel vertical deve permitir a fixação dos painéis de corpos-de-prova a 0,9 m, 1,4 m e 1,8 m acima do chão.

5

Execução do ensaio

5.1 Condições ambientais

5.1.1 Quando não especificado, os ensaios serão realizados à temperatura ambiente de 23°C ± 2°C e umidade relativa do

ar de (60 ± 5)%.

5.1.2 Os instrumentos de medida devem estabilizar-se termicamente antes de se iniciar qualquer medida.

5.2 Preparação do corpo-de-prova

5.2.1 O corpo-de-prova é definido como sendo uma conexão formada por um adaptador e dois conectores ópticos mon-

tados em cordões ópticos.

5.2.2 Os corpos-de-prova devem ser presos em três painéis, identificados em suas faces frontal e traseira, com cinco po-

sições de fixação semelhantes às utilizadas nas estruturas onde são aplicados.

5.2.3 Os cordões ópticos dos corpos-de-prova devem ter comprimento mínimo suficiente para a realização dos ensaios.

5.3 Procedimentos de ensaio

5.3.1 Fixar os painéis de corpos-de-prova no painel vertical.

5.3.2 Realizar medições de perda por inserção e perda por retorno nos corpos-de-prova.

5.3.3 Desconectar e reconectar cada conector da face frontal dos painéis de acordo com os procedimentos definidos pelo

fornecedor até atingir 200 vezes.

5.3.4 Durante o ensaio, realizar a limpeza dos corpos-de-prova conforme estabelecido na tabela 1.

5.3.5 Realizar medições de perda por inserção e perda por retorno ao final de 200 desconexões e reconexões e comparar

com as medições obtidas em 5.3.2.

5.4 Procedimentos de limpeza (se aplicável)

Os procedimentos de limpeza dos corpos-de-prova são necessários para a correta avaliação do desempenho da conexão. Existem dois procedimentos distintos, que devem ser utilizados de acordo com o estabelecido na tabela 1.

Tabela 1 - Procedimento de limpeza

Procedimento de

limpeza

Intervalo de limpeza

Antes da caracterização inicial, limpar os conectores ópticos e adaptadores de ambos os lados

A

Durante o ensaio de durabilidade, o conector deve ser limpo a cada 50 desconexões, após a 25ª desconexão

Durante o ensaio de durabilidade, o conector deve ser limpo a cada 50 desconexões, após a 50ª desconexão

B

5.4.1 Procedimento de limpeza A

5.4.1.1 Os materiais de limpeza necessários para o procedimento de limpeza A são os seguintes:

a) papel para limpeza de componentes ópticos;

b) álcool anidro, USP 70%;

c) ar comprimido ou ar comprimido enlatado que seja limpo, seco e livre de óleo.

5.4.1.2 O procedimento de limpeza A é constituído dos seguintes passos:

a) soprar com ar comprimido o adaptador após a remoção dos conectores ópticos;

b) quando somente um conector óptico for removido, soprar com ar comprimido pelo final aberto do adaptador;

70%. Limpar, então, a extremidade do ferrolho transversalmente;

c) limpar completamente ao redor do ferrolho do conector óptico duas vezes com papel umedecido em álcool anidro USP

NBR 14442:2000

3

d) repetir o passo (c) com um papel seco;

e) soprar com ar comprimido transversalmente à extremidade do ferrolho (este é o passo final antes de inserir o co-

nector óptico);

f) após a limpeza do ferrolho com ar comprimido, evitar o contato do conector óptico com qualquer superfície, antes de sua inserção no adaptador;

g) quando ambos os conectores ópticos forem removidos, repetir os passos (c) a (f) com o segundo conector óptico.

NOTA - O procedimento de limpeza A é apresentado para uso somente nas análises dos conectores de fibras ópticas sob os termos desta Norma.

5.4.2 Procedimento de limpeza B

5.4.2.1

O procedimento de limpeza B é o indicado pelo fornecedor.

5.4.2.2

As instruções e os materiais necessários devem ser fornecidos antes do início dos ensaios.

5.4.2.3

A única limitação sobre o procedimento ou os materiais empregados é que não sejam prejudiciais à saúde huma-

na.

5.4.2.4

O procedimento de limpeza B deve ser documentado no relatório de análise.

6 Resultados

6.1 Relatório de ensaio

Os resultados obtidos devem ser apresentados em um relatório contendo as seguintes informações:

a) título do ensaio;

b) dados:

- data do ensaio;

- características específicas;

- tipo do corpo-de-prova;

- condições adotadas para o ensaio;

- equipamentos utilizados para o ensaio, incluindo número patrimonial ou de série, tipo, modelo e validade da cali- bração;

- identificação e qualificação do corpo técnico;

c) tabelas e gráficos.

6.2 Considerações finais

Apresentar uma descrição comparativa dos resultados obtidos com os valores definidos no documento de especificação, quando aplicável, bem como comentários relativos a ocorrências relevantes no ensaio e alterações observáveis a olho nu.