P. 1
apostila - ROLAMENTOS

apostila - ROLAMENTOS

|Views: 2.298|Likes:
Publicado porRadar T Radar T

More info:

Published by: Radar T Radar T on Apr 11, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/06/2013

pdf

text

original

PRINCIPIOS DE SELEÇÃO DE ROLAMENTOS E SUAS REAIS APLICAÇÕES Seleção do tamanho do rolamento

fl.8

O tamanho do rolamento a ser utilizado para uma aplicação pode ser inicialmente selecionado com base nas suas capacidades de carga em relação às cargas aplicadas e aos requisitos de vida útil e de confiabilidade. Valores para a capacidade normal de carga dinâmica C e para a capacidade normal de carga estática C0 são citados nas tabelas de produtos. Tanto as condições de carga dinâmica como de carga estática do rolamento têm que ser verificadas independentemente. Cargas estáticas não são somente aquelas que são aplicadas com o rolamento em repouso ou em velocidades rotacionais muito baixas (n < 10 r/min), mas devem incluir a verificação da segurança estática de cargas de choque altas (cargas de duração muito curta). As cargas dinâmicas também devem ser verificadas utilizando um espectro representativo das condições de carga no rolamento. O espectro da carga deverá incluir qualquer carga de pico (alta) que possa ocorrer em raras ocasiões. Abordagem do sistema e confiabilidade do rolamento Na equação de classificação de vida da SKF, a tensão resultante das cargas externas é considerada juntamente com as tensões originadas pela topografia da superfície, pela lubrificação e pela cinemática das superfícies de contato rolantes. A influência na vida do rolamento desse sistema combinado de tensão proporciona uma previsão melhor do desempenho real do rolamento em uma aplicação específica. Devido à sua complexidade, uma descrição detalhada da teoria está além do escopo deste catálogo. Portanto, uma abordagem simplificada de "catálogo" é apresentada no título "Vida nominal da SKF". Isso permite aos usuários explorar o potencial de vida do rolamento, realizar diminuição controlada e reconhecer a influência da lubrificação e da contaminação na vida útil do rolamento. A fadiga do metal das superfícies de contato rolante é geralmente a causa predominante de falhas em rolamentos. Portanto, um critério baseado em fadiga da pista é geralmente suficiente para a seleção e dimensionamento de um rolamento para uma determinada aplicação. Normas internacionais, como ISO 281 são baseadas em fadiga do metal das superfícies de contato rolantes. No entanto, é importante lembrar que o rolamento completo pode ser visto como um sistema no qual a vida de cada componente, como por exemplo gaiola, lubrificante e vedante (fig. 1), quando presente, contribui igualmente e, em alguns casos, predomina na durabilidade efetiva do rolamento. Na teoria, a vida útil ideal é obtida quando todos os componentes atingem a mesma vida. Em outras palavras, a vida calculada corresponderá à vida útil real do rolamento quando a vida útil de outros mecanismos contribuintes tiver pelo menos a mesma duração que a vida calculada do rolamento. Os mecanismos contribuintes podem

incluir a gaiola, o vedante e o lubrificante. Na prática, a fadiga do metal é geralmente o fator predominante. Capacidade de carga e vida - Cargas dinâmicas e vida do rolamento A capacidade normal de carga dinâmica C é usada para cálculos que envolvem rolamentos tensionados dinamicamente, ou seja, que giram com a carga. Ela expressa a carga do rolamento que proporcionará uma vida nominal básica ISO 281:1990 de 1 000 000 de revoluções. Supõe-se que a carga seja constante em magnitude e direção e seja radial para rolamentos radiais e axial, agindo centralmente, para rolamentos axiais. As capacidades normais de carga dinâmica para rolamentos da SKF são determinadas de acordo com os procedimentos descritos em ISO 281:1990. As capacidades de carga fornecidas neste catálogo aplicam-se a rolamentos de aço cromo tratados com calor, para uma dureza mínima de 58 HRC, e que funcionam em condições normais. Os rolamentos da SKF da classe Explorer são responsáveis, entre outras coisas, pelas melhorias nas técnicas de material e fabricação aplicadas pela SKF e aplicam fatores de atualização para calcular as capacidades normais de carga dinâmica de acordo com a ISO 281:1990. A vida de um rolamento é definida como – o número de revoluções ou – o número de horas de funcionamento a uma determinada velocidade que o rolamento pode suportar, antes do primeiro sinal de fadiga de metal (descascamento, lascamento) aparecer em um dos seus anéis ou corpos rolantes. Experiências práticas mostram que rolamentos aparentemente idênticos que funcionam em condições idênticas têm diferentes vidas úteis individuais. Uma definição mais clara do termo "vida" é, portanto, essencial para o cálculo do tamanho do rolamento. Todas as informações apresentadas pela SKF sobre capacidades de cargas dinâmicas são baseadas na vida esperada que 90 % de um grupo suficientemente grande de rolamentos aparentemente idênticos pode atingir ou exceder. Existem vários outros tipos de vida de rolamento. Um desses tipos é "vida útil", que representa a vida real de um rolamento em condições de funcionamento reais, antes que ele falhe. Observe que a vida de um rolamento individual pode ser prevista somente de maneira estatística. Os cálculos de vida referem-se somente a uma população de rolamentos e a um determinado grau de confiabilidade, como por exemplo, 90 %. Além disso, falhas de campo não são geralmente provocadas por fadiga, mas são mais freqüentemente provocadas por contaminação, desgaste, desalinhamento, corrosão, ou como um resultado de falha da gaiola, da lubrificação ou do vedante. Fl.9 Uma outra "vida" é a "vida de especificação". Essa é a vida especificada por uma autoridade, por exemplo, baseada em dados hipotéticos de carga e velocidade pela

mesma autoridade. É geralmente uma vida nominal básica L10 requerida e baseada em experiência adquirida em aplicações semelhantes.

TERMINOLOGIA DO ROLAMENTO A terminologia seguinte é usada para um arranjo de rolamentos. Arranjo de rolamentos (fig. 1) 1 Rolamentos de rolos cilíndricos 2 Rolamento de esferas de quatro pontos de contato 3 Caixa 4 Eixo 5 Ressalto de encosto do eixo 6 Diâmetro do eixo 7 Chapa de fixação 8 Vedante de eixo radial 9 Anel espaçador 10 Diâmetro do furo da caixa 11 Furo da caixa 12 Tampa da caixa 13 Anel de retenção A terminologia seguinte é usada para as diversas partes de um rolamento. Rolamentos radiais (fig. 2 e fig. 3) 1 Anel interno 2 Anel externo 3 Corpo rolante: esfera, rolo cilíndrico, agulha, rolo cônico, rolo autocompensador 4 Gaiola 5 Placa de vedação Vedação – feita de elastômero, com contato (mostrado na figura) ou sem contato Placa de proteção – feita de aço laminado, sem contato 6 Diâmetro externo do anel externo 7 Furo do anel interno 8 Diâmetro do ressalto do anel interno 9 Diâmetro do ressalto do anel externo 10 Ranhura do anel de retenção 11 Anel de retenção 12 Face lateral do anel externo 13 Ranhura de ancoragem do vedante 14 Pista do anel externo 15 Pista do anel interno 16 Ranhura de vedação 17 Face lateral do anel interno 18 Chanfro fl.10 19 Diâmetro médio do rolamento fl.11 20 Largura total do rolamento

21 Flange-guia 22 Flange de retenção 23 Ângulo de contato Rolamentos axiais (fig. 4) 24 Arruela de eixo 25 Conjunto de gaiola e corpos rolantes 26 Arruela de caixa 27 Arruela de caixa com superfície de assento esférica 28 Arruela de assento esférica FIGURA 1 FIGURA 2 ESQUEMA DO ROLAMENTO DE CONTATO ANGULAR SIMPLES .

FIGURA 3 VER A TERMINOLOGIA DO ROLAMENTO NA PAGINA ANTERIOR Fl.12 .

13 FIGURA 5 ROLAMENTO DE ANEIS DE CONTATO ANGULAR .FIGURA 4 VER A TERMINOLOGIA DO ROLAMENTO NA PAGINA ANTERIOR fl.

14 FIGURA 7 ESQUEMA DE CORTE DAS VARIAS CAMADAS DE ROLOS CILINDRICOS .FIGURA 6 fl.

FIGURA 8 fl.15 ESQUEMA DE ROLAMENTO DE VARIAS CAMAS DE ESFERAS TIPO ABERTAS FIGURA 9 .

FIGURA 10 fl.16 Rolamentos com varias camadas de rolos cilindricos FIGURA 11 Rolamentos convencionais de rolos cilíndricos simples .

FIGURA 12 ROLAMENTO DE UMA CAMADA DE ESFERAS DE CONTATO ANGULAR fl.17 .

com / Produtos / Catálogo de Engenharia Interativo / Rolamentos / .ROLAMENTOS EM MECATRONICA fl.18 SKF.

formando uma unidade integrada pronta para montar. proporcionando uma codificação confiável e compacta para os controles mais exigentes.19 As unidades de rolamentos mecatrônicas "plug and play" da SKF podem ser usadas para monitorizar ou controlar seqüências de operação. O controle exato do movimento torna-se da maior importância com a crescente necessidade de automação de todos os tipos de processos (fig. 2) são componentes de máquinas mecatrônicos que abrangem os campos da engenharia de sensores e de rolamentos. o número de revoluções 2. As unidades de rolamentos sensorizados patenteadas e desenvolvidas pela SKF são simples. a direção de rotação 4. que as unidades de rolamentos sensorizados registrem 1. o anel de impulso e o rolamento são presos mecanicamente entre si. que já foram comprovados em uma variedade de aplicações industriais e automotivas. a aceleração ou desaceleração As unidades de rolamentos sensorizados da SKF (fig. Elas são praticamente uma combinação ideal de um rolamento de esferas versátil com uma unidade sensora blindada contra interferências externas. para uso em sistemas transportadores. movimento ou sistemas de direção. As unidades de rolamentos sensorizados da SKF são desenvolvidas especialmente para funcionar como codificadores incrementais para controle de máquinas e/ou motores. Unidades de rolamentos sensorizados Informações exatas sobre as condições de movimento dos componentes rotativos ou de deslocamento axial são decisivas em vários campos da engenharia. Informações mais detalhadas sobre capacidades e produtos mecatrônicos da SKF podem ser obtidas através do seu representante SKF. Unidades de rolamentos sensorizados da SKF para aplicações com anel interno estacionário e anel externo rotativo. a contagem/posição relativa 5. a velocidade 3. a demanda pelo desenvolvimento de construções mais simples e mais leves requer soluções de sistemas integrados. As informações deste catálogo oferecem uma breve visão geral dos componentes e desenvolvimentos mecatrônicos executados pela SKF. O corpo sensor. por exemplo. Elas são especialmente adaptadas para motores assíncronos. .MECATRONICA fl. Além disso. Elas são indicadas para aplicações com anel interno rotativo e anel externo estacionário. podem ser fabricadas sob solicitação (entre em contato com o serviço de engenharia de aplicação da SKF). 1). robustas e consistem em – um rolamento rígido de esferas da classe SKF Explorer e – uma unidade sensora ativa da SKF. por exemplo.

aço inoxidável e com flange uma carreira. com rasgos de entrada e sem gaiola uma carreira. para montagem em pares duas carreiras duas carreiras. aço inoxidável uma careira. rolamentos híbridos uma carreira. com ranhura para o anel de retenção unidades de rolamentos vedados com óleo ICOS uma carreira.20 fl. sem anél interno fl.RELAÇÃO DOS ROLAMENTOS PARA USO INDUSTRIAL Tabelas de produtos Rolamentos Rolamentos rígidos de esferas uma carreira uma carreira. com rasgos de entrada e ranhura para o anel de retenção uma carreira. INSOCOAT uma carreira. com Solid Oil uma carreira. com rasgos de entrada uma carreira. com Solid Oil Rolalmentos de esfera de quatro pontos de contato Rolamentos autocompensadores de esferas furo cilíndrico e cônico com buchas de fixação com Solid Oil Rolamentos de rolos cilíndricos uma carreira uma carreira. para altas temperaturas uma carreira.21 . com Solid Oil duas carreiras Unidades de rolamentos sensorizados Rolamentos y com fixação para cavilha roscada com colar de fixação excêntrico com bucha de fixação com anel interno padrão para altas temperaturas com Solid Oil com um furo hexagonal ou quadrad anéis de assento em borracha Rolamentos de esferas de contato angular uma carreira uma carreira.

em pares e dispostos em O uma careira.uma carreira. em pares e dispostos em X uma carreira. sem anél interno com flanges. configuração TQO Quatro carreiras. configuração TDO duas carreiras. com anel interno. sem anél interno sem flanges. com Solid Oil sem flanges. com Solid Oil duas carreiras. configuração TDI Quatro carreiras. configuração TQI . alta precisão uma carreira. com anél interno com flanges. com anél interno Alinhamento sem anél interno Alinhamento com anél interno anéis internos rolos de agulhas Rolamentos de rolos de agulhas combinados rolamentos de esferas de contato angular/rolos de agulhas rolamentos axial de esfera com conjunto completo de rolos/rolos de agulhas rolamentos axiais de esferas/rolos de agulhas rolamentos axiais de rolos cilíndricos/rolos de agulhas Rolamentos de rolos cônicos/rolos cilíndricos combinados Rolamentos de rolos cônicos uma carreira uma carreira. com Solid Oil duas carreiras Quatro carreiras seis carreiras número máximo de elementos rolantes para um carreira número máximo de elementos rolantes em duas carreiras número máximo de elementos rolantes para várias carreiras bipartido de uma carreira bipartido de duas carreiras duas carreiras. em pares e dispostos em tandem uma carreira. alta precisão Rolamentos de rolos de agulhas conjuntos de gaiola e rolos de agulhas com capa retirada com flanges.

com arruelas de caixa esféricas Rolamentos axiais de esferas de contato angular escora simples escora dupla escora dupla. sem anél interno Rolos de suporte sem orientação axial. com Solid Oil com buchas de fixação com buchas de desmontagem divididos Rolamentos de rolos toroidais CARB Furo cilíndrico e cônico furo cilíndrico. escora simples. com arruela de caixa esférica Rolamentos axiais de esferas.22 Rolamentos axiais de rolos cilíndricos rolamento completo / conjunto de rolos axiais cilíndricos e gaiolas Arruelas de rolamento .Rolamentos autocompensadores de rolos furo cilíndrico e cônico furo cilíndrico. com anél interno Rolos de suporte com orientação axial fl. alta precisão fl. rolamentos vedados com buchas de fixação com buchas de desmontagem Rolamentos axiais de esferas escora simples Escora simples.rolamentos axiais de rolos de agulhas e de rolos cilíndricos Rolamentos axiais de rolos cônicos escora simples escora dupla Rolamentos com parafuso de ajustagem Rolamentos axiais autocompensadores de rolos Roldanas Rolos de leva Rolos de suporte sem orientação axial. com Solid Oil escora dupla escora dupla.23 .rolamentos axiais de rolos de agulhas e de rolos cilíndricos Rolamentos axiais de rolos de agulhas conjuntos axiais de gaiolas e rolos de agulhas e rolamentos com gola de centragem Arruelas de rolamento .

uma carreira. com Solid Oil Rolamentos de rolos cilíndricos. com Solid Oil Rolamentos axiais de esferas. unidades flangeadas. com flanges. uma carreira. com caixa oval Rolamentos com Solid Oil Rolamentos rígidos de esferas. uma carreira. para altas temperaturas Unidades de rolamento Y para altas temperaturas. escora simples. INSOCOAT Rolamentos e unidades de rolamento para altas temperaturas Rolamentos rígidos de esferas. furo cilíndrico.Rolos conduzidos pelo came Rolamentos de suporte para laminadores Unidades de rolos indexados Produtos de engenharia Rolamentos híbridos Rolamentos rígidos de esferas. com Solid Oil Rolamentos autocompensadores de esferas. para altas temperaturas Rolamentos Y. com caixa quadrada Unidades de rolamento Y para altas temperaturas. rolamentos híbridos Rolamentos INSOCOAT Rolamentos rígidos de esferas. com Solid Oil Rolamentos de rolos de agulhas.24 . com anel interno. com Solid Oil Rolamentos Y. unidades de mancal reto Unidades de rolamento Y para altas temperaturas. uma carreira. uma carreira. com Solid Oil Rolamentos de rolos cônicos. uma carreira. uma carreira. uma carreira. com Solid Oil Rolamentos autocompensadores de rolos. com Solid Oil Rolamentos de esferas de contato angular. duas carreiras. unidades flangeadas. INSOCOAT Rolamentos de rolos cilíndricos. com Solid Oil Rolamentos de esferas de polímero Rolamentos de uma carreira de esferas de polímero Rolamentos axiais de esferas de polímero Mecatrônica Unidades de rolamentos sensorizados Acessórios para rolamentos Buchas de fixação para eixos métricos Buchas de fixação para eixos com dimensões em polegadas Buchas de fixação com dimensões em polegadas Buchas de desmontagem Porcas de segurança KM(L) com arruela de segurança Porcas de segurança HM(E) com presilha Porcas de fixação N e AN com dimensões em polegadas Arruelas de segurança MB(L) Arruelas de segurança W com dimensões em polegadas Presilhas MS Porcas de segurança KMFE com parafuso de segurança fl. com Solid Oil Rolamentos de esferas de contato angular.

25 com contato angular .Porcas de segurança KMK com dispositivo de trava Porcas de segurança de precisão KMT com pinos de segurança Porcas de segurança de precisão KMTA com pinos de segurança Esquemas de rolamento de uma camada de esferas com contato angular Esquemas de rolamento de uma camada de esferas fl.

ROLAMENTOS AUTO COMPENSADOR DE ESFERAS ROLAMENTOS AUTO COMPENSADORES DE DUAS ESFERAS fl.26 POSIÇÃO JUSTA POSTAS .

27 .ROLAMENTOS DE ROLOS CILINDRICOS PADRÃO UNIVERSAL ROLAMENTOS DE ROLOS CILINDRICOS ESPECIAIS fl.

Rolamentos de rolos cilíndricos especiais ROLAMENTOS DE ROLOS CILINDRICOS ESPECIAIS .

28 .Rolamento de rolos de agulhas com capa retirada e extremidades abertas Fl.

CONJUNTO DE GAIOLAS E ROLOS DE AGULAS fl.29 ROLAMENTOS DE ROLOS CONICOS .

30 ROLAMENTOS DE ESFERAS Rolamento de esfera com capa interna de preyenção .CORTE DE ROLAMENTO ANGULAR DE ROLOS CILINDRICOS fl.

ranhura na junta para vedação ou discos. insensível e de fácil manutenção são fornecidos com uma ou duas carreias assim como abertos ou vedados. anéis internos e coroas de agulhas. auto sustentáveis com anéis externos maciços. Este produto de simples montagem. Os rolamentos abertos podem ter. os rolamentos rígidos de esfera são adequados para altas rotações.Os rolamentos rígidos de esfera são multi-funcionais. Devido ao seu baixo momento de atrito.31 . Fl. no anel externo.

Eles se mostram muito úteis como mancais de eixos em máquinas de ferramentas. podem absorver altas cargas radiais e. Eles são desmontáveis Os rolamentos estão disponívies nas versões aberto e vedado. Os anéis externos tem bordas fixas de ambos os lados ou sem borda. Fl. são adequados para altas rotações na versão maciça de rolos.Rolamento de eixos são rolamentos de esfera de contato angular compostos por anéis externos e internos e coroas de esferas com gaiolas janela maciça. Eles são adequados principalmente para mancais com altas exigências quanto a tolerância e rotação. ACIMA ROLAMENTOS DE ROLOS CILINDRICOS Rolamento de rolos cilindricos de uma carreira com gaiol e componentes que são compostos por anéis externos e internos maciços e coroa de rolos cilindricos. os anéis internos tem duas bordas fixas ou sem borda. A gaiola impede que os rolos cilindricos toquem uns nos outros durante o funcionamento. Os rolamentos com a marca E possuem um conjunto de rolos reforçados e são adequados para suportar altas cargas.32 . Os rolamentos de eixo tem tolerâncias pequenas. através de sua gaiola. Os rolamentos de rolos cilindricos são rígidos.

o que é possível com os rolamentos de rolos cilindricos com gaiola.Os rolamentos são modulares e podem ser facilmente desmontados. Os rolamentos de rolos cilindricos de uma carreira com gaiola estão disponíveis como rolamento livre. Os rolamentos com a qualidade X-life tem uma rugosidade Ra baixa e a melhor precisão das pistas do que as versões que não tenham a qualidade X-life. Em determinadas aplicações. Fl. Ambos anéis podem ter uma combinação fixa. X-life Diversos tamanhos são fornecidos na versão X-life. rolamento de apoio e rolamento com um ou duas carreiras. A resistência e a durabilidade destes rolamentos são maiores devido as dimensões idênticas. X-life Diversos tamanhos são fornecidos na versão X-life. Rolamento de rolos cilindricos maciços possuem anéis externos e internos e rolos cilindricos guiados para a borda. o mancal também pode ser menor. Através da maior quantidade possível de corpos rolantes. Os rolamentos com a qualidade X-life tem uma rugosidade Ra baixa e a melhor precisão das pistas do que as versões que não tenham a qualidade X-life.33 . o mancal também pode ser menor. A resistência e a durabilidade destes rolamentos são maiores devido as dimensões idênticas. rolamento de apoio e rolamento fixo. estes rolamentos suportam cargas radiais. Estes rolamentos estão especificados nas tabelas de medidas. são rígidos e especialmente adequados para construções que necessitam de pouco espaço. Em determinadas aplicações. Os rolamentos de rolso cilindricos maciços podem ser adquiridos como rolamento livre. Contudo eles não alcançam rotações elevadas devido às relações cinemáticas.

Os rolamentos de rolos simétricos se encaixam sem esforço na pista oca do anel externo.Rolamentos de rolos cônicos são compostos por anéis externos e internos maciços com pistas esféricas e rolos cônicos com gaiolas. Rolamentos auto compensadores são componentes de duas carreiras. Estes rolamentos não tem nenhuma borda média no anel interno e por isto possuem uma cinemática melhor. Os rolamentos de rolos cônicos absorvem cargas radiais e cargas axiais de um lado. Os rolamentos não são auto sustentáveis. A carga dinâmica e o tempo de vida útil. Através disto. sob as mesmas condições de funcionamento. é claramente maior. Para o movimento axial contrário é necessário. normalmente. o anel interno com os rolos e com a gaiola pode ser montado separado do anel externo. Assim.34 . Em determinadas aplicações. auto sustentáveis. compostos por anéis externos maciços com pista oca. X-life Os rolamentos auto compensadores existem em vários tamanhos na versão X-life. superfícies optimizadas e materiais mais resistentes. a flexão do eixo e o desvio do apoio do rolamento são compensados. Fl. anéis internos maciços assim como rolamento de rolos com gaiolas. Os anéis internos tem perfurações cilindricas ou cônicas. um segundo rolamento que é montado face a face. o mancal também pode ser menor.

35 . há também as séries com desvio angular estático.Os rolamentos de esferas de contato angular são compostos por discos de eixo. as carreias de esferas e os discos podem ser montados independentes uns dos outros. Os rolamentos rígidos de esferas axial há nas versões com atuação de um único lado ou dos dois lados. Fl. Além das séries com discos planos. anilha plana assim como coroas de esferas com gaiolas maciças de Messing. contudo não podem ser sobrecarregados na posição radial. Eles são compostos por discos maciços. Os rolamentos não são auto fixantes. Os componentes do rolamento estão ordenados uns em cima dos outros e podem ser montados separadamente. Os rolamentos de esfera de contato angular axial que atuam dos dois lados não são rolamentos com tolerâncias limitadas do tipo da classe SP. As duas versões absorvem forças axiais altas. porém eles não podem ser trocados com os rolamentos do mesmo tamanho. anel de distanciamento. Estas versões são aplicadas na maioria das vezes em conjunto com anel plano. anilha plana e coroas de esferas.

Estas coroas tem uma altura axial mínima. e as superfícies de movimento passam pela usinagem fina. muito rígidos e absorvem forças axiais em uma direção. e as superfícies de movimento passam pela usinagem fina. Elas são centralizadas no lado externo e podem ser combinadas com coroas axiais quando a superfície não pode ser utilizada como pista . deve-se utilizar então pistas de rolamentos. Discos de eixo Os discos de eixo são pré-tensionados. Os rolamentos tem uma altura axial mínima. Anilha plana As anilhas planas são pré-tensionadas.36 . Coroas de rolos cilindricos axial As coroas de rolos cilindricos axiais são compostas por gaiolas axiais com uma ou duas carreiras. A perfuração e a superfície do manto são torneadas. Fl.Rolamento de rolos cilindricos axial Os rolamentos de rolos cilindricos axiais são uma combinação de carreiras de rolos cilindricos axiais. As coroas axiais são combinadas com discos de eixos e anilha plana ou integrada diretamente na construção. Elas absorvem forças axiais de uma direção e atuam na direção radial como eixo livre. são altamente resistentes e muito rígidas. são altamente resistentes. anilha plana e discos de eixo. Se utilizarmos rolamentos axiais de esferas cilindricas. a superfície do manto é retificada. Eles são centralizados no lado interno e podem ser combinados com coroas axiais quando a superfície não pode ser utilizada como pista. a perfuração é retificada. Discos de rolamento Os discos de rolamento são utilizados como discos de eixo e plano. a superfície de rolamento é retificada.

com uma ou duas carreiras e com anéis com espessura especialmente grossas. . com munhão e com manto de plástico no anel externo. As versões com superfície abaulada são utilizadas quando há inclinações em frente da pista ou quando é necessário evitar tensões nos cantos. Há rolamento de rolos com anel interno.37 Rolamento de rolos são componentes auto sustentáveis.ROLAMENTOS DE ROLOS fl. Estes rolamentos de rolos absorvem forças radiais elevados como também as axiais em ambas direções. A superfície do manto do anel externo é abaulada ou cilindrica.

altamente resistentes. Os guias lineares são rolamentos fixos prontos para utilização com avanços ilimitados. Corpos rolantes lineares Corpos rolantes lineares estão disponíveis como guias perfilados. as versões padronizadas de guias pode ser ainda optmizada ainda mais. . Os guias de eixos com rolamentos de esferas lineares são adequados para cargas nas duas direções e compensam os desvios de alinhamento do eixo. com poucas exceções. Os guias de gaiolas planas e os sets de guias lineares são utilizados para avanços limitados. motor e um sistema de controle. em combinação com as aplicações. as quais necessitam claramente um espaço de montagem maior. Como nos rolamentos rotatórios. Estes guias absorvem forças em todas as direções . Para encontramos aqui o guia linear ideal para uma aplicação é importante termos um palete grande de protudos e também uma assistência. Para a determinação do tamanho do guia. também deve-se considerar outros fatores como temperatura.sistema de eixos ou eles são unidades trilho-trilho com gaiolas planas de rolos ou esferas entrepostas. etc. devido a cinemática da gaiola. Caso seja necessário absorver cargas elevadas. Eles substituem frequentemente as soluções compactas. As exigências impostas ao componentes lineares são diferenciadas como suas aplicações nas quais eles são utilizados Então é eixigo precisão e velocidade nos sistemas de transporte e alimentação enquanto que as exigências impostas as máquinas estão mais ligadas à precisão e rigidez. INA oferece ambos: Um programa diversificado de guias lineares. Estes elementos com pequeno espaço de montagem. Para a tolerância e rigidez necessárias. Os guias são compostos por uma unidade formada por carro e trilho. lubrificação. vibrações. um rolamento linear . A INA também produz guias miniaturas para pequenos espaços de montagem como ocorre por exemplo na mecatrônica. assim como o tempo de funcionamento e a segurança. os guias de gaiolas planas e rolos são especialmente adequados. A regra geral é que para a escolha do tipo de guia depende dos diversos fatores que devem ser levados em consideração. manutenção. em primeira linha consideramos a valor e o tipo da carga. as quais os tornam ideais para cada tipo de aplicação.exceto na direção de movimentação . Os guias lineares acionáveis são sistemas completos de eixos múltiplos ou de um eixo com sistema guia mecânico. os guias de rolos. nós diferenciamos aqui. com baixa emissão de ruídos e rígidos podem ser adquiridos com guia de rolos ou gaiolas. Cada tipo de guia possui suas caracteríscias próprias. no caso de cargas elevadas. combinado com uma assistência competente. guias de rolos. montagem. Além da carga. da velocidade e do avanço. se o elemento rolante ou deslizante suportam as forças que atuam. guias de gaiolas planas.Os rolamentos lineares são elementos para movimentos de translação.e momentos em todos os eixos. No geral os rolamentos de rolos podem ser mais sobrecarregados do que os guias com base em esferas. E através de um programa de acessórios. da aceleração. As aplicações que exigem movimentos e posicionamento precisos podem ser realizadas sem problemas pois existem várias classes de pré-tensionamento e tolerância. a maioria das unidades já são fornecidos prétensionados a partir da fábrica ou podem ser tensionados na montagem. guias com rolamentos de rolos ou esferas assim como unidades lineares acionáveis (módulos e mesas). No caso de uma carga pequena ou média e movimentos altamente dinâmicos são utilizados preferencialmente guias de esferas e. guias de eixo com rolamento de esferas.

Os guias que não necessitam de manutenção tem que ser lubrificados. A lubrificação é feita através de graxas contidas no revestimento.Rolamento deslizante linear Dependendo do tipo do guia aplica-se o revestimento deslizante na parte fixa ou móvel do componente. O tempo de vida útil nominal é sempre um valor de referência. especialmente quando não é possível fazer manutenção ou quando a necessidade é minima. guias deslizantes lineares permaglide de uma bucha Permaglide que também não precisa de muita manutenção. Os guias deslizantes tem pouco desgaste. são insensíveis à batidas e seujeira. altas velocidades. podem ser sobrecarregados estaticamente. A lubrificação é feita com graxas que se encontram na camada deslizante. da velocidade. Fl. os materiais que não necessitam de muita manutenção possuem uma boa característica de movimentos de emergência. corrosão no funcionamento a seco ou envelhecimento do lubrificante no caso da falta de lubrificação suficiente. Os rolamentos deslizantes lineares são rolamentos fixos para avanços ilimitados. Estes guias estão disponíveis como guias deslizantes miniatura. os guias deslizantes são utilizados em várias áreas. rolamentos deslizante linear Permaglide e unidade deslizante assim como guia plano. emitem pouco ruído e trabalham livremente. ou quando há perigo de lubrificação mínima ou quando não se deseja utilizar lubrificantes. da temperatura e do tempo de funcionamento. Dependendo do tipo do guia. Os guias deslizantes miniatura são compostos por um sistema carro-trilho com uma camada deslizante que não precisa de manutenção. O tempo de vida útil de um guia deslizante linear depende essencialmente da carga. Os guias planos são sistemas de trilhos. Muitos outros fatores externos não podem ser calculados. deslocamento longo e do sistema modular .39 Os guias de rolos são guias modulares ajustáveis para diversas aplicações. ou quando não é permitido. o revestimento deslizante é aplicado no componente fixou ou móvel. Eles se caracterizam principalmente através da baixa emissão de ruído. Eles são adequados para a aplicação em sistemas de manutenção devido a sua montagem simples. nos quais a superfície deslizante é provida de um revestimento deslizante que não precisa de muita manutenção. Além disto deve-se considerar também os fatores como impurezas. Testes sob condições de funcionamento mostram dados seguros sobre a utilização e sobre o tempo de vida útil na respectiva aplicação. a qual se encontra em um anel de metal leve. Através de características específicas e diversificadas.

quando é necessário ter alta precisão de posicionamento em movimentos contínuos e longos. na ordenação fechada. Os trilhos estão disponíveis em várias versões. como por exemplo: trilhos com perfil cheio. ou deslizantes nas carcaças. Aqui estão montados os rolamentos lineares de esfera. compacta e maciça. oco ou trilhos de suporte. etc. Fl. trilhos ocos. carros compactos e carros para movimentos curvos. Carros Os guias de rolos são compostos por um carro feito de alumínio ou mais. Os rolamentos de rolos são adequados para ordenações de rolamentos fixos/fixos ou fixos/livre em combinação com os trilhos guia e forma um sistema de mancal para os movimentos lineares com avanço ilimitado. O programa ainda oferece uma grande possibilidade de escolha de guias lineares de esfera e de rolamentos deslizantes. Os rolamentos de esferas lineares existem nas séries simples. de todas as direções e momentos em todos os eixos. trilhos de suporte e vários acessórios oferem um espectro muito grande de aplicações. carros abertos.. Os carros estão disponíveis na versões como carros de câmara oca. rolos perfilados e por um trilho reto ou circular. . Os guias podem ser pré-tensionados através da chaveta e nesta condição são bem rígidos. Eles absorvem forças. Sua escolha depende do tipo de aplicação e do tipo de guia de rolos Os guias de eixo são guias com rolamentos de esferas e rolamentos deslizantes para diversas aplicações. oval e circular. Uma grande quantidade de eixos (usinados ou não). Sua resistência é altíssima e o espaço de montagem necessário é muito pequeno. trilhos planos. São utilizados juntamente com veio tubular cheio. Trilhos de suporte Os trilhos de suporte são feitos de alumínio com eixo feito de aço para rolamento. principalmente para guias lineares nas máquinas de ferramentas.40 Através destas possibilidades mútiplas na ordenação dos elementos eles são adequados para diversas aplicações na ferramentaria.

Os anéis e os corpos rolantes são feitos sobre tudo de aço cromo temperado e também utiliza-se aço comum. Como corpos rolantes podem ser utilizadas esferas. as quais os tornam ideais para cada tipo de mancal. rolos cônicos. No caso de aplicações especiais também podem ser utilizados rolamentos de esferas. Os rolamentos giram nas pistas. os mantém em uma distância uniforme e impede que eles se toquem. tecido laminado e outros materiais. Há rolamentos abertos e vedados dos dois lados.carga. a gaiola mantém os corpos rolantes juntos e facilita assim a montagem do rolamento. rolos de agulhas. Rolamentos Os rolamentos são compostos em geral por dois anéis com pistas integradas.são feitos de aço inoxidável.41 Características e aplicação fl. aparelhos de ajsute para medir a deformação quando é necessário a absorção da pré-tensão e oferece também um adapatador para a montagem simples do rolamento de rolos num ângulo de ordenação de 45°. temperatura. Os rolamentos especiais para condições extremas . Os rolamentos estão ordenados entre os anéis. rotação. rolos cilindricos. A regra geral é que para a escolha do tipo de mancal depende dos . Os rolamentos para movimentos giratórios existem nas versões como rolamentos ou mancal de fricção. aço. principalmente aquelas de poliamida reforçada com fibra de vidro. e de outros materiais também.O programa oferece chavetas para o ajuste exato da pré-tens. Há gaiolas maciças de messing. Muito comum são também as gaiolas de termoplástico. Se os rolamentos forem desmontáveis. Fl.42 Cada tipo de guia possui suas caracteríscias próprias. ROLAMENTOS E ROLOS – EXPLICAÇÃO TECNICA USUAL . Uma gaiola guia os corpos rolantes. Nós diferenciamos se as forças são transmitidas entre as componentes rolantes através de elementos rolantes ou de fricção. O material padrão par a fabricação das gaiolas de chapa é o aço e para algumas aplicações o messing também. Nos rolamentos de agulhas e nos rolamentos auto compensadores sem bordas. plástico e cerâmica resistentes a temperatura. de rolos e de agulhas maciços. O tipo mais comum são as vedações da junta e vedação labial. a gaiola cuida para que o eixo esteja na posição correta. corrosão .

como os mancais de rolamento. então os mancais apoiam o componente em movimento . NU. Os rolamentos de rolos devem suportar movimentos dinâmicos. etc. Para isto. vibrações. O movimento ocorre diretamente entre a camada deslizante do rolamento e da peça. Para cargas médias ou pequenas são utilizados os rolamentos de esfera. Rolamento de leva Os rolamentos de leva. Em muitos casos é necessário no mínimo um das medidas principais do rolamento . também deve-se considerar outros fatores como temperatura. eles precisam absorver e transportar as forças atuantes. da aceleração. rolamentos rígidos de esferas e rolamentos de esfera de contato angular são adequados quando há cargas combinadas. Se o espaço de montagem axial for limitado. tem a tarefa de apoiar partes rolantes ou guiá-las. como o rolamento guia o eixo.na superfície de uma bucha de rolamento fixa. A lubrificação é assegurada através de lubrificantes já armazenados ou como camada fixa em cima de um suporte montado. a folga entre o eixo e a camada assegura o movimento. rolamento de agulhas com ou sem anel interno. uma bucha do mancal. Uma outra característica é o tipo. Para as cargas axiais são utilizadas as coroas de agulhas axiais. se os mancais forem separados uns dos outros através de corpos rolantes. frequentemente os rolamentos de rolos. Contudo. rolamentos que guiam o eixo em uma ou em outra direção axial e há aquels que permitem o movimento angular e assim a inclinação da construção. por exemplo: coroas de agulhas. então os rolamentos de rolos cilindricos. os rolamentos de esfera de contatoangular. montagem. para cargas elevadas são utilizados os rolamentos com diâmetro maior. Se houver pouco espaço de montagem na direção radial. os rolamentos de rolos cônicos ou os rolamentos auto compensadores. Os rolamentos de rolos cilindricos N. Os rolamentos que absorvem cargas axiais são denominados como rolamentos axiais. Os rolamentos auto compensadores axiais e os rolamentos de esfera de contato angular que atua de um único lado absorvem cargas radiais axiais. a maioria dos rolamentos de agulhas. um munhão . da velocidade e do avanço. Os rolamentos que devem suportar carga estática são os rolamentos de movimentos relativamente lentos entre os anéis. Para a determinação do tamanho do guia. assim como as coroas de agulhas absorver unicamente cargas radiais. No caso de movimentos radiais. Os outros rolamentos axiais são adequados para cargas axiais.que já são determinadas pela construção. . assim como o tempo de funcionamento e a segurança. rolamento de agulhas axiais ou rolamento rígido de espefas axiais de determinadas séries. rolamento rígido de agulhas ou rolamento auto compensador de determinadas séries. A maioria dos rolamentos radiais absorvem cargas combinadas. Os rolamentos para cargas radiais são denominados como rolamentos radiais. No geral os rolamentos de rolos podem ser mais sobrecarregados do que os guias com base em esferas. nos movimentos de oscilação ou cargas quando estão parados.diversos fatores que devem ser levados em consideração. em primeira linha consideramos a altura e o tipo da carga – dinâmica ou estática –. lubrificação. Além da carga. por exemplo: os rolamentos rígidos de esfera. então são utilizados os rolamentos com a menor altura do corte transversal.na maioria das vezes o diâmetro da perfuração .na maioria das vezes um eixo. manutenção. Há rolamentos que permitem deslocamentos axiais.

bucha com flange. Permaglide® P1 é livre de manutenção e utilizado no funcionamento a seco. Os produtos que usam Permaglide como buchas. da temperatura e do tempo de funcionamento. Para a determinação do tamanho devemos calcular a carga. Devido a outros fatores externos que não podem ser calculados. quando há perigo de baixa lubrificação ou quando não é desejado o uso de lubrificantes. Eles se movimentam com baixa emissão de ruído. um baixo coeficiente de atrito e é quimicamente resistente. os testes nos dão as melhores informações sobre a utilização e tempo de vida útil dependendo de cada aplicação. da velocidade. Materiais Permaglide® Como material são utilizados os Permaglide P1 ou P2. a resistência assim como as exigências de durabilidade e segurança. Os produtos que são feitos com este material são adequados quando deve ser livre de manutenção. Pode ser utilizado para movimentos giratórios ou oscilantes.43 . são especialmente adequados quando eles tem que absorver cargas elevadas em movimentos e rotações lentas assim como temperaturas altas ou baixas. P1 podem ser utilizados nos movimentos rotativos e oscilantes e também para movimentos lineares. Através de suas características especiais eles também são utilizados em todas as áreas industriais. P22 e P23. especialmente quando há apenas um pequeno espaço de montagem disponível. corrosão no funcionamento a seco ou envelhecimento do lubrificante no caso da falta de lubrificação suficiente. assim como nas variantes P14 e P141 sem chumbo. Permaglide® P2 é um material de baixo desgaste e de baixa manutenção com boas características de amortização e com longos intervalos de lubrificação. meia bucha e muitas outras formas. Além disto deve-se considerar também os fatores como impurezas. é pouco sensível na carga lateral e insensível contra batidas. P21. Os materiais Permaglide® livres de manutenção há nas variantes P10 e P11. Buchas. Também é adequado para condições super dinâmicas de funcionamento. discos. Fl. Há também em várias formas O tempo de vida útil de um guia deslizante linear depende essencialmente da carga.Há rolamentos de leva como rolamentos radiais. O tempo de vida útil nominal é sempre um valor de referência. axiais. discos e lâminas são produzidas com Permaglide® P1 livres de manutenção ou com PS que necessita de pouca manutenção. O material de baixo índice de desgaste possui boas características deslizantes. Os materiais Permaglide® de baixa manutenção há nas variantes P20. Permaglide® não é higroscópico e não tem a tendência para desgaste.

.

CLAUDIO ANTONIO GARCIA Projetos de Maquinas .Curso : ENGENHARIA MECATRONICA Apostila nº 06 MANCAIS E ROLAMENTOS Definições técnicas cálculos de dimensionamento PROF.

skf.com Observação Funcional : . Supply Chain Rodovia Anhanguera.São Paulo Contato: Departamento de Engenharia/ Imprensa Setorial – Clientes e Fornecedores Site: www.INFORMAÇÃO IMPORTANTE: fl.SKF DO BRASIL LTDA Fabrica .0 A MAIORIA DAS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTA APOSTILA PRINCIPALMENTE AS FIGURAS ANEXADAS AO MESMO VISANDO ILUSTRAR AS INFORMAÇÕES DESCRITIVAS DOS RESPECTIVOS ASSUNTOS FORAM AUTORIZADAS PELAS SEGUINTES EMPRESAS: .SCHAEFFER DO BRASIL LTDA Divisão AMERICA DO SUL Fabrica – unidade Fabril – SOROCABA Av.Fornecedores Produtos: FAG e INA Site: www. Cajamar . Independência.schaeffler.com. km 30.br . 3500 Bairro do Edem – Sorocaba – São Paulo Contato: Departamento de Engenharia/ Relacionamento Setorial.

deverão realizar o seu cadastramento pessoal junto as respectivas empresas para ter acesso a informações comerciais e detalhes técnicos específicos.Para pesquisas futuras de estudantes na área da engenharia se interessar se aprofundar com maiores detalhes..Capacidade da CARGA DINAMICA ( FR ) É a carga que o rolamento suporta em rotação para uma vida de 1 milh~]ao de rotações Para outras vidas adotar a seguinte formula : Onde: FR – capacidade da carga dinâmica.vida em milhões de rotações . Outros .blindados.TIPOS DE ROLAMENTOS De esferas. De rolos. Semi. Blindados . ROLAMENTOS E MANCAIS 1. fl.1 DEFINIÇÕES TECNICAS 2. Y . 3.Capacidade de CARGA ESTATICA (FS) È a carga que o rolamento suporta parado ou em movimento mesmo em baixa rotação sem se deformar. De agulhas..

CARGA COM CHOQUES. ou seja :: CARGA RADIAL. CALCULA-SE A CARGA EQUIVALENTE ATRAVÉS DESTA FORMULA Fe = FC x CR x FX OU Fe = FC x ( 0.2 ONDE: H = vida em horas de trabalho N = rotação em rotações por minuto ( rpm ) CARGA EQUIVALENTE : A CARGA EQUIVALENTE É A RELAÇÃO DE OUTRAS TRÊS CARGAS.CALCULO EM HORAS : Fl.37 x FX x CR + CT x FZ ) . CARGA AXIAL.

A VIDA DO ROLAMENTO É CALCULADA LEVANDO-SE SUA DEPENDENCIA AOS SEGUINTES FATORES PRINCIPAIS : . tipo: Ambiente.ONDE : FC = fator de choques.TIPO DE SERVIÇO. FE = adotar a maior das duas – CARGA EQUIVALENTE.3 VIDA DO ROLAMENTO . Blindado ou não. CR = fator de choques. Lubrificado ou não.CONDIÇÕES DE TRABALHO. fl. CT = fator de choques. Altura de trabalho. FX = carga radial aplicada. empoeirado. . OBSERVAÇÃO : . seco ou úmido.TIPO DE MAQUINAS A SER UTILIZADO O ROLAMENTO E OU MANCAL . FZ = carga axial aplicada.

p7. h8. M76 Tolerâncias N6. h6. M5. JS5. P7 Ajustes para rolamentos com dimensões em polegadas Desvios do diâmetro do eixo modificado g6. H9. k5 Desvios do diâmetro do eixo modificado k6. n6. J6. H5. J7. g6 Tolerâncias h5.Em relação ao dimensional de cada rolamento e ou mancal é necessário adentrar aos sites das empresas supra citadas anteriormente para a sua real verificação de seu dimensional físico. m5. K7. N7. K6. js6. H8. p6. m6. f6. P7 Tabelas de tolerância Classe de tolerância Rolamentos métricos Normal P6 P5 P4 P4A SP UP . J6 Tolerâncias J7. M6. r6. k4 Tolerâncias k5. g5. f5. n5 Tolerâncias n6. K7 Desvios do diâmetro interno da caixa modificado M6. JS6. j5. h6. k6. JS7. js5. m5. js7. M7. K5 Tolerâncias K6. P6. G7. j5 Tolerâncias j6. G6.4 Tolerâncias do eixo e da caixa do rolamento / SKF Tolerâncias do eixo e dos ajustes resultantes Tolerâncias e7. H6 Tolerâncias H7. N7. js5. H10. m6. r7 Tolerâncias de caixa e de ajustes resultantes Tolerâncias F7. h9. p6 Desvios do diâmetro interno da caixa modificado H7. INFORMAÇÕES ADICIONAIS EXPLICATIVAS fl.

determinar o menor rolamento da serie 200. Ver também a seção de texto pertinente ao tipo de rolamento no próprio site da skf. sendo dados : Fx = 300 lbs Fz = 300 lbs Fc = 1.8 EXERCICIOS DE APLICAÇÃO: 1. externo estaático 3determinar o menor rolamento da serie 300 Fx= 785 kgf Fz= 459 kgf . interno girando.3 n = 1000 rpm vida = 10000 horas de trabalho tipo de anel. 2-= determinar o menor rolamento da serie 300.7 n = 2300 rpm vida = 7000 horas tipo de anel.PA9A Rolamentos com dimensão em polegada Normal Observar: Favor checar se o rolamento específico está disponível na classe de tolerância requerida. sendo dados : Fx = 300 kgf Fz = 125 kgf Fc = 1. Fl.

............................................ Maquinas de Serviço Intermitente ou curto............. maquinas Domesticas .. 8000 a 14000 Maquinas de 8 horas de serviços diários.. Tabela – VIDA EM HORAS INDICADAS PARA OS ROLAMENTOS TIPOS DE SERVIÇOS Instrumentos e aparelhos de pouco uso.. Ferramentas de pouco uso ...... pontes rolantes............................ compressores.......... guindastes de carga miúda...................................35 n = 3000 rpm vida= 950 horas tipo de anel.................... Motores de aviação ... transportadores de / Rolos..ventiladores....... / Motores elétricos........ aparelhos de elevação Para oficinas....... 14000 a 20000 Maquinas de 8 horas de serviços diários... dispositivos Para manobra de portões corrediços ...............................5 500 500 a 2000 4000 a 8000 Maquinas de Serviços Intermitentes quando a Interrupção tem certa importância......... guindastes para carga / Bruta........ maquinas.............. comTinuos......... nem Sempre inteiramente utilizadas... transmissões intermediárias ........ elevadores de minas.. como deveria Transmissões por engrenagens... Maquinas para serviços contínuos de 24 horas Como. HORAS fl.. maquinas de serviços conti Nuos em navios de guerra....Fc = 1..................... maquinas agriculas........ Ferramentas manuais............ bombas........... ele Cadores............. externo parado.... 20000 a 30000 50000 a 60000 ................ como Transportadores para fabricação continua. separadores.. motores eletri Cós de ca e cc..... como maquinas de oficinas mecânicas Em geral... / Transmissões principais....... .......................... Aparelhos de demonstração.......................

..............6 .... COM PISTAS PROFUNDAS Fl....... de minas.................. como........ ........ de serviço continuo em navios merCantes... 100000 a 200000 TABELA – ROLAMENTOS DE UMA CARREIRA DE ESFERAS E DE ROLOS CILINDRICOS........maquinas de / Produção continua (celulose e papel) de instaLação de bombas de águas...Maquinas para serviços contínuos de 24 horas De grande importância..... estações De forças...............

TABELA – DIMENSÕES DE MANCAIS DE ROLAMENTOS Fl.7 .

MANCAIS E BUCHAS DE FRICÇÃO

fl.44

a- INTRODUÇÃO TECNICA Em relação aos mancais, podemos afirmar que eles são definidos a partir das definições de algumas situações: - o tipo de rolamento escolhido e definido pelo projeto na maquina, - o tipo de serviço e condições no local de trabalho. - a forma de lubrificação do mesmo, - o tipo de lubrificante usado, (óleo ou graxa ) - situações caso a caso.

b- BRUCHAS DE FRICÇÃO - O que são ??? - Para que servem ??? - Tipo de classificação ????

c- LUBRIFICAÇÃO – SISTEMAS E CANAIS

- O que são ??? - Para que servem ???

- Quais são os tipos principais de lubrificação ???

fl. fl .Fl.

.

.

.

.

Paulista nº 1300 Cerqueira César São Paulo . SENAI – Av.AGRADECIMENTO ESPECIAL A MAIORIA DAS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTA APOSTILA REFERENTE AS FIGURAS ANEXADAS NO ASSUNTO DE MANCAIS E BUCHAS DE FRICÇÃO FORAM GENTILMENTE CEDIDAS PELO DEPARTAMENTO TECNICO DE FORMULAÇÃO DE CONTEUDO DIRIGIDO.Capital .

.Estas folhas abaixo deverão ser colocadas nas folhas no inico da apostila verifique o nome das paginas digitadas para achar corretamente.

.

.

.

.

Curso : ENGENHARIA MECATRONICA Apostila nº 06 MANCAIS E ROLAMENTOS Definições técnicas cálculos de dimensionamento PROF. CLAUDIO ANTONIO GARCIA Projetos de Maquinas Elementos de Maquinas .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->