Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Contabilização de Folhas de Pagamento

.

Página 2

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

as palavras do autor:
Mais de dois anos se passaram desde o inicio das publicações dos tutoriais, e do e-book sobre contabilidade básica, durante esse tempo, recebi muitos e-mails, com sugestões, criticas, correções e etc. E o sobre as sugestões que recebia uma me chamou a atenção em especial, muitos leitores pediam para que escrevesse sobre contabilização de folhas de pagamentos, do mesmo modo que escrito os tutoriais e o curso de contabilidade básica, os seja, um texto de leitura fácil, sem o uso em massa de termos técnicos que dificultam o aprendizado, com fatura de exercício e de explicações. Muitos leitores alegavam, e ainda alegam que não existe na literatura contábil, um livro especifico sobre a contabilização de folha de pagamento, e na verdade não há mesmo, muitos poucos livros falam sobre tal assunto, e quando falam dedicam apenas algumas páginas ou no máximo um único capitulo. Sendo assim estamos apresentando um material, bem exemplificativo, de leitura fácil e agradável, com faturas de exemplos, explicações, e (nos esforçamos ao extremo) para que o mesmo abranja a maior parte dos lançamentos contábeis oriundos de uma folha de pagamento. Logo, fica claro que a proposta desse livro é se dedicar exclusivamente a tratar do tema proposto. Portanto esse livro é basicamente dedicado àqueles que fazem a contabilidade, e aqueles que estão se iniciando na contabilidade. Mas há uma ressalva a ser feita no parágrafo acima, se simplesmente estive escrevendo esse livro a demonstrar como funciona os lançamentos, bastaria copiar (sic) paginas de livros já disponíveis no mercado. Então, embora vamos aprender a contabilizar a folha de pagamentos, vamos também aprender algumas lógicas quanto a operação, vamos aprender a fazer os relatórios de controles necessários.a conferência, e quando possível, vamos passar uma explicação rápida quanto ao provento ou desconto (tipo, vamos explicar o que é a hora extra, o que é o aviso prévio, como se calcula o FGTS, o que é INSS parte do empregado e o INSS parte da empresa). Pois acredito que assim, estaremos proporcionando aos nossos leitores um material diferenciado. Espero muito que consiga atingir objetivo proposto, e aproveito essa oportunidade, para mais uma vez solicitar aos leitores, que participem, seja enviando sugestões de livros, duvidas quanto ao material, apontando os erros nos texto, criticando. Assim que possível, estarei respondendo e-mail por e-mail. As dúvidas em relação ao curso podem ser sanadas diretamente com o autor através do e-mail drigosousa@yahoo.com.br. Um bom estudo a todos e espero, sinceramente, que este curso possa ajudá-los.

Página 3

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

ÍNDICE DO CURSO: Introdução ......................................................................................................................... 8 Módulo 1 – Noções Básicas e Fundamentais ................................................................. 11 Lição 1 – Folha de Pagamento ................................................................................... 11 Lição 2 – O Resumo da Folha de Pagamento............................................................. 12 Lição 3 – Porque Devemos Contabilizar a Folha de Pagamento. .............................. 15 Lição 4 – Documentação para Registro...................................................................... 19 Lição 5 – O Esquema de Contabilização.................................................................... 20 Lição 6 – Exercícios de Fixação................................................................................. 21 Lição 7 – Correção dos Exercícios de Fixação........................................................... 22 Módulo 2 – Começando a Contabilizar. ......................................................................... 27 Lição 1 – A Conta Salários a Pagar. ........................................................................... 27 Lição 2 – Registro do Salário. .................................................................................... 28 Lição 3 – Horas Extras. .............................................................................................. 31 Lição 4 – Repouso Semanal Remunerado. ................................................................. 32 Lição 5 – Pagamento da Folha. .................................................................................. 33 Lição 6 – Exercício de Fixação: ................................................................................. 34 Lição 7 – Correção do Exercício de Fixação: ............................................................ 35 Módulo 3 – Retenções sobre o Salário. .......................................................................... 39 Lição 1 – Desconto do INSS. ..................................................................................... 39 Lição 2 – Imposto de Renda Retido na Fonte. ........................................................... 43 Lição 3 – Pensão Alimentícia ..................................................................................... 44 Lição 4 – Contribuições Sindicais .............................................................................. 46 Lição 5 – Demais Retenções. ..................................................................................... 48 Lição 6 – Exercícios de Fixação................................................................................. 49 Lição 7 – Correção dos Exercícios de Fixação........................................................... 50 Módulo 4 – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)..................................... 60 Lição 1 – Uma Rápida Introdução.............................................................................. 60 Lição 2 – FGTS Mensal ............................................................................................. 60 Lição 3 – Contabilização da Multa do FGTS. ............................................................ 62 Lição 4 – Exercícios de Fixação................................................................................. 64 Lição 5 – Correção dos Exercícios de Fixação........................................................... 64 Módulo 5 – O INSS da Empresa. ................................................................................... 68 Lição 1 – Introdução ao INSS da Empresa................................................................. 68 Lição 2 – O Regime de Tributação e o INSS da Empresa. ........................................ 68 Lição 3 – Contabilização da Despesa do INSS. ......................................................... 69 Lição 4 – Exercícios de Fixação................................................................................. 71 Lição 5 – Correção dos Exercícios de Fixação........................................................... 72 Módulo 6 – Salário Família. ........................................................................................... 74 Lição 1 – Introdução................................................................................................... 74 Lição 2 – O Pagamento do Salário Família. ............................................................... 74 Lição 3 – O Desconto do Salário Família................................................................... 76 Módulo 7 – O Salário Maternidade. ............................................................................... 78 Lição 1 – Introdução................................................................................................... 78 Lição 2 – Contabilização do Salário Maternidade...................................................... 78 Lição 3 – Ressarcimento do Salário Maternidade. ..................................................... 80 Lição 4 – Ordem de Ressarcimento: Salário Maternidade e Salário Família............. 81 Lição 5 – Crédito do Salário Maternidade.................................................................. 82 Lição 6 – Compensação do Salário Maternidade ....................................................... 85
Página 4

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Lição 7 – Atualização do Salário Maternidade a Compensar. ................................... 86 Lição 8 – Reembolso do Salário Maternidade............................................................ 87 Lição 9 – Exercícios de Fixação................................................................................. 90 Lição 10 – Correção do Exercício de Fixação............................................................ 91 Módulo 8 – Vale Transporte........................................................................................... 97 Lição 1 – Introdução ao Vale Transporte. .................................................................. 97 Lição 2 – Registro da Compra do Vale Transporte. ................................................... 97 Lição 3 – Distribuição do Vale Transporte, Reconhecimento da Despesa. ............... 98 Lição 4 – Descontando o Vale Transporte do Funcionário. ....................................... 99 Lição 5 – Descontando do Vale Transporte sobre as Faltas..................................... 103 Lição 6 - Exercícios de Fixação. .............................................................................. 105 Lição 7 – Correção dos Exercícios de Fixação......................................................... 106 Módulo 9 – Gasto com Alimentação de Funcionários. ................................................ 109 Lição 1 – Introdução ao Gasto com Alimentação. ................................................... 109 Lição 2 – A Compra dos Vale Alimentações. .......................................................... 109 Lição 3 – Distribuição do Vale Alimentação, Reconhecimento da Despesa. .......... 110 Lição 4 – Pagamento do Vale Alimentação na Folha. ............................................. 111 Lição 5 – Desconto do Vale Alimentação. ............................................................... 113 Lição 6 – Exercícios de Fixação............................................................................... 115 Lição 7 – Correção dos Exercícios de Fixação......................................................... 116 Módulo 10 – Adiantamento e Empréstimos. ................................................................ 121 Lição 1 – Adiantamento de Salário – Introdução. .................................................... 121 Lição 2 – Registro do Pagamento do Adiantamento de Salário. .............................. 122 Lição 3 – Registro do Desconto do Adiantamento de Salário.................................. 123 Lição 4 – Introdução ao Empréstimos a Funcionários. ............................................ 125 Lição 5 – Pagamento do Empréstimo ao Funcionário.............................................. 126 Lição 6 – Desconto do Empréstimo ao Funcionário. ............................................... 126 Lição 7 – Juros sobre o Empréstimo a Funcionários................................................ 128 Módulo 11 – 13.º Salário. ............................................................................................. 132 Lição 1 – Introdução................................................................................................. 132 Lição 2 – O Adiantamento do 13.º Salário. .............................................................. 133 Lição 3 – O FGTS sobre a 1.ª Parcela do 13 Salário................................................ 134 Lição 4 – A Despesa com 13.º Salário. .................................................................... 134 Lição 5 – O FGTS e o INSS sobre o 13.º Salário..................................................... 137 Lição 6 – A Parcela de Diferença do 13.º Salário (3.ª Parcela)................................ 139 Lição 7 – Exercícios de Fixação............................................................................... 140 Lição 8 – Correção dos Exercícios de Fixação......................................................... 142 Módulo 12 – Arredondamento Salarial. ....................................................................... 151 Lição 1 – Introdução ao Arredondamento Salarial................................................... 151 Lição 2 – Lógica do Arredondamento de Salários. .................................................. 152 Lição 3 – A Contabilização do Arredondamento. .................................................... 152 Lição 4 – O Desconto do Arredondamento de Salarial. ........................................... 155 Lição 5 – Exercícios de Fixação............................................................................... 157 Lição 6 – Correção dos Exercícios de Fixação......................................................... 159 Módulo 13 – Férias....................................................................................................... 170 Lição 1 – Introdução:................................................................................................ 170 Lição 2 – Um Modelo de Recibo de Férias. ............................................................. 171 Lição 3 – Contabilizando a Despesa com Férias. ..................................................... 173 Lição 4 – Contabilizando o Abono Pecuniário........................................................ 174 Lição 5 – Pagamento das Férias. .............................................................................. 176
Página 5

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 14 – Rescisão de Contrato. ............................................................................. 178 Lição 1 – Introdução................................................................................................. 178 Lição 2 – Modelo de Rescisão de Contrato. ............................................................. 178 Lição 3 – As Verbas Rescisórias. ............................................................................. 182 Lição 4 – Contabilizando a Rescisão........................................................................ 184 Lição 5 – Registrando o Pagamento do Termo de Rescisão. ................................... 187 Módulo 15 – Pró-labore................................................................................................ 189 Lição 1 – Introdução................................................................................................. 189 Lição 2 – Modelo de Recibo de Pró-Labore............................................................. 189 Lição 3 – Registro da Despesa com Pró-Labore. ..................................................... 191 Lição 4 – A Retenção de INSS e IRRF sobre o Pró-labore...................................... 191 Lição 5 – O Pagamento do Pró-Labore. ................................................................... 192

Página 6

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Introdução
A contabilização da folha de pagamento, a primeira vista pode parecer algo sem grande importância, mas a pessoa que trabalha com contabilidade tem que saber no mínimo o básico sobre esse assunto, ou seja, saber em qual conta vai debitar e qual conta creditar, e o porque disto. Já os contadores autônomos, assim considerados aqueles contadores, que prestam serviços a diversas empresas ao mesmo tempo, o conhecido escritório de contabilidade. Tem uma tarefa ainda maior do que simplesmente contabilizar a folha de pagamento, ele deve ainda elaborar a mesma. Elaborar a folha de pagamento, é uma tarefa, contabilizá-la é outra totalmente diferente nada tem haver uma com a outra. Contabilizar é tarefa do profissional contábil, enquanto que elabora-la pode ser tarefa de outro profissional, por exemplo, um especialista em RH, um advogado trabalhista, até mesmo um contador especializado nesse assunto. Mas na realidade atual, e principalmente nos escritórios de contabilidade prestadores de serviços, quem elabora e contabiliza a folha de pagamento é o próprio contador, ou profissionais a ele ligado (sob sua responsabilidade). Explicar a elaboração da folha de pagamento, não será visto nesse livro. Ou seja, não vamos entrar em méritos sobre como se elaborar a folha de pagamento, e sim em como contabiliza-la. Vamos partir do principio que ela chegou pronta, sem termos que fazer mais nada em relação a sua elaboração, nosso trabalho será contabilizar. Lógico que no decorrer do assunto, para que tudo possa ficar mais claro, e de fácil compreensão vamos citar e esclarecer partes da legislação que trata da elaboração da folha de pagamento conforme foi dito acima, mas sempre no sentido de agregar informação ao leitor. Cumpre ressaltar que todo material que fala sobre legislação, tem um inconveniente, A LEGISLAÇÃO, que em nosso país muda constantemente, assim um assunto que estamos tratando hoje, pode não ser mais o mesmo no ano que vem, um exemplo típico, é a contabilização do salário maternidade, antes ele era pago diretamente pela Previdência Social (INSS), logo, não havia contabilização necessária a ser feita, desde 2003, a sistemática do salário maternidade mudou, agora a empresa que paga e o INSS devolve a empresa, logo, se faz necessários alguns lançamentos específicos para demonstrar tal situação. Hoje o Fundo de Garantia do trabalhador é calculado com a alíquota de 8%, há algum tempo atrás ele era calculado com a alíquota de 8,5%, embora o lançamento seja o mesmo em qualquer alíquota, o que estamos tentando deixar claro, ao leitor é que tudo que é derivado da legislação pode sofrer mudanças, portanto ao leitor que quer aprender a contabilizar folhas de pagamentos, e que vai utilizar isso para fins profissionais, é que tenha o cuidado de continuar se atualizando, lendo as novas legislações, vendo se as coisas mudaram.

Página 7

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

O presente trabalho foi elaborado de acordo com a legislação vigente no momento de publicação (Maio de 2008). Portanto respire fundo, relaxe um pouco, mantenha a mente tranqüila, tenha papel, lápis, borracha, e calculadora a mão, pois vamos começar a caminhar a partir de agora. Vamos lá? A seguir apresento que será visto em cada modulo do curso. Módulo 1: No primeiro módulo vamos aprender aquelas noções bem básicas, veremos o que é uma folha de pagamento, o que é e como se faz o resumo da folha de pagamento que é o principal documento para nossos lançamentos, falaremos sobre a documentação que da suporte para o registro contábil, e a lógica para a contabilização. Módulo 2: No segundo módulo, iremos começar a contabilizar a folha de pagamento em si, inicialmente partindo de um modelo bem simples, para ir ficando complexo com o decorrer dos módulos e lições, conheceremos a conta de salários a pagar, a principal conta que iremos trabalhar durante esse curso, aprenderemos a analisa-la e a conferi-la com o resumo da folha de pagamento, por fim aprendemos os primeiros registros, a despesa com salário, hora extra, repouso semanal remunerado e o pagamento da folha. Módulo 3: Aqui, falaremos sobre as retenções que a empresa é obrigada a efetuar junto aos funcionários, como elas são tratadas contabilmente, aprenderemos a contabilizar a retenção do INSS sobre os salários dos funcionários, a retenção do imposto de renda na fonte (IRRF), da pensão alimentícia, contribuições sindicais e demais retenções. Módulo 4: Neste curto módulo faremos sobre o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, o conhecido FGTS, mostraremos a forma de contabilizar o FGTS mensal, e o a multa do Fundo de Garantia nos casos de rescisões. Módulo 5: Agora iremos falar sobre a despesa do INSS, que nada tem haver com a retenção que a empresa faz dos salários dos funcionários, vamos falar sobre a parte do INSS que a empresa paga, veremos do que se trata e forma de contabilização. Veremos também que essa despesa varia de acordo com o regime de tributação da empresa. Módulo 6: Neste módulo trataremos da forma contábil de um dos beneficio da previdência social, o salário família, veremos uma rápida introdução sobre o assunto, como é efetuado o registro do pagamento e o ressarcimento do salário família. Módulo 7: Neste módulo falaremos sobre outro beneficio da previdência social, agora o salário maternidade, veremos o que é, como se processa, como se contabiliza o pagamento, o ressarcimento, qual o tratamento contábil que deve ser dado quanto sobra salário maternidade a compensar, como se contabiliza as compensações e reembolso desse beneficio. Módulo 8: Aqui iremos falar sobre o Vale Transporte, quais os registros que a empresa deve fazer, quando efetua a compra e a distribuição do mesmo, veremos ainda como se trata o desconto do vale transporte, tanto da parte que o funcionário paga para custear o vale transporte, quanto relativo ao desconto pelas faltas..
Página 8

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 9: Aqui, falaremos sobre a Alimentação de Funcionários, veremos os principais registros que devem ser efetuados quando a empresa compra os vales alimentação, quando distribui, quando efetua o pagamento diretamente na folha, e como deve ser tratado o desconto de alimentação que é efetuado dos funcionários. Módulo 10: Nesse módulo vamos falar sobre os Adiantamentos e Empréstimos, forma de contabilização do pagamento e do desconto dos valores, inclusive, no caso de empréstimo como é tratado os juros cobrados. Módulo 11: Esse módulo foi dedicado a trata do 13.º salário. Veremos alguns pontos interessantes, falaremos sobre os tratamentos que devem ser dado as parcelas, ao adiantamento, quando o adiantamento pode ser concedido. Como se efetua o registro da despesa com 13.º salário, o registro do FGTS sobre o 13.º salário, e como se processa o registro da parcela de diferença de 13.º Salário (a 3.ª Parcela). Módulo 12: Vamos aprender a contabilizar o arredondamento salarial, veremos do que trata, e como é feito esse procedimento. Módulo 13: Aqui falaremos sobre as férias, veremos um modelo de recibo, aprenderemos a interpreta-lo para efetuar a contabilização, veremos como se contabiliza a despesa com férias, e como se contabiliza a venda das férias (o abono pecuniário). Por fim aprenderemos a registrar o pagamento das férias. Módulo 14: Neste módulo, aprenderemos a contabilizar as operações da rescisão de contrato de trabalho, veremos um modelo de recibo de rescisão, para que possamos aprender a extrair as informações do mesmo. Aprenderemos a conferir os lançamentos de acordo com a rescisão, e como se processa o seu pagamento. Módulo 15: No último módulo, aprenderemos a contabilizar o pró-labore, veremos do que se trata, a finalidade, um modelo de pró-labore e como se processa a contabilização dessa operação, tanto da despesa quanto das retenções sobre o mesmo.

Página 9

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 1 – Noções Básicas e Fundamentais
Neste módulo vou apresentar alguns conceitos básicos sobre a folha de pagamento, veremos o que é a folha de pagamento, o resumo da folha de pagamento, o comprovante de pagamento o uso do plano de contas, e outras informações que irão nos auxiliar durante o decorrer do curso. Lição 1 – Folha de Pagamento Logo na primeira página desse e-book, já começamos a falar sobre a folha de pagamento, mas será que todos sabemos o que é uma folha de pagamento? Normalmente quando falamos que o contador está “fechando” a folha de pagamento, temos a idéia de que o mesmo está fazendo os conhecidos comprovantes de pagamentos (aqui no Rio de Janeiro, chamamos de contra-cheque, em outros locais Holerite), mas na verdade o comprovante de pagamento de salários (Contra Cheque ou Holerite), não é a folha de pagamento, a folha de pagamento é um documentos que tem força de prova, legal e obrigatório para todas as empresas que possuem empregados. É um documento, que relaciona todos os funcionários, todos os valores que foram pagos e descontados aos mesmos, bem como outras informações exigidas pela legislação. Que nada tem haver com o contra cheque. A folha de pagamento é composta por todos os funcionários da empresa, é como se fosse uma relação com todos os contra cheques, veja abaixo um exemplo de uma folha de pagamento: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 1 / 2 Funcionário 1 – Luciano da Silva Cargo: Auxiliar Administrativo Descrição Proventos Salário 1.000,00 Horas Extras – 23:00 200,00 Desconto de Falta – 1 Falta Valor Liquido a Pagar Funcionário 2 –Manuel Antonio Cargo: Assistente Comercial Proventos 500,00

Descontos

33,33 1.166,67

Descrição Salário Adiantamento de Salário Desconto de Atraso Valor Liquido a Pagar

Descontos 150,00 3,85 346,15

Veja que temos uma folha de pagamento com dois funcionários, e que temos os dados sobre os pagamentos de cada um deles, perceba que o primeiro funcionário fez 23 horas
Página 10

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

extras, que teve uma falta, e que tem um valor líquido a receber de R$ 1.166,67. Enquanto que o segundo, teve descontos de adiantamento de salário, de atrasos e que o valor líquido que o mesmo terá a receber é de R$ 346,15. Logo podemos dizer que o total da folha de pagamento resulta num saldo de salário a pagar no valor de R$ 1.512,82. Percebam que temos um dado em comum aos dois funcionários, que é o salário, ou seja, temos o mesmo provento para os dois funcionários. Aqui, por acaso é somente um dado em comum, mais na prática ocorrem dezenas de dados com nomenclaturas iguais, mudando apenas os valores de funcionário para funcionário, assim poderíamos ter 30 funcionários que fizeram horas extras, 20 funcionários que tiveram adiantamento de salários, 5 funcionários com atrasos e etc. O exemplo acima é um modelo sugestivo, isso porque não existe na legislação um modelo de uso obrigatório, porém algumas informações no mínimo a folha de pagamento deve conter, são elas: A identificação da empresa, do funcionário, a função deste, os salários, os proventos, os descontos, o valor líquido que o mesmo tem a receber, o valor do desconto do INSS inclusive à alíquota que foi utilizada para o desconto, e o valor que será depositado na conta do funcionário a titulo de FGTS. Além dessas informações a empresa, pode adicionar outras que considerar importante. Lição 2 – O Resumo da Folha de Pagamento. Vimos acima, que as empresas devem obrigatoriamente elaborar a folha de pagamento, e que esta nada tem haver com os comprovantes de pagamentos (contra-cheques). Ao final da folha de pagamento, a empresa, também é obrigada a elaborar de forma conjunta o resumo da folha de pagamento. Mas o que viria a ser esse resumo? Esse resumo é o somatório de todos os eventos que ocorrem na folha de pagamento. Vamos exemplificar para ficar melhor: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras – 23:00 Adiantamento de Salário Descontos de Atrasos Desconto de Falta – 1 Falta Valor Liquido a Pagar Proventos 1.500,00 200,00 Descontos

150,00 3,85 33,33 1.512,82

Página 11

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Vejam que agora temos todos os valores da folha de pagamento resumidos, isso facilitará em muito o registro contábil da mesma. Na folha de pagamento, tínhamos vistos os valores separados, ou seja, cada provento e cada desconto apresentado por funcionário, o salário do Luciano e o salário do Manuel de forma separada. Porém para a contabilidade basta o somatório desses dos valores. Pois nenhuma contabilidade vai contabilizar a folha de pagamento funcionário por funcionário. Imagine uma empresa com 1.000 funcionários? Então para facilitar o trabalho da contabilidade temos o resumo da folha de pagamento, que inclusive é uma exigência fiscal, ou sejam, todas as empresas devem elaborar e manter arquivado esse resumo da folha de pagamento. Imagine que 3 funcionários tiveram faltas, durante o mês de novembro de 2007, na elaboração da folha de pagamento a empresa vai relacionar todos os funcionários, nesses três funcionários constarão faltas, suponhamos que os descontos foram da seguinte forma: O funcionário Manoel da Silva teve 3 faltas descontadas no valor total de R$ 90,00. O funcionário Marco Antonio faltou um dia e na folha de pagamento consta a título de faltas a quantia de R$ 50,00 o último trabalhador que teve falta, foi a funcionária Márcia Cristina, a qual teve 2 faltas e totalizam a quantia de R$ 40,00. Resumidamente, a titulo de faltas temos: Manoel da Silva Marco Antonio Márcia Cristina R$ 90,00 R$ 50,00 R$ 40,00

Fazendo a totalização de todos esses descontos de faltas temos a o valor de R$ 180,00. O resumo da folha de pagamento irá mostrar que somente a título de faltas foram descontados dos funcionários a quantia de R$ 180,00, em nenhum momento o resumo da folha de pagamento irá mostrar de quem foram feitos esses descontos, essa informação, caso necessária, será buscada na própria folha de pagamento. Vejamos um exemplo de uma folha, com o respectivo resumo: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 1 / 2 Funcionário 1 – Luciano da Silva Cargo: Auxiliar Administrativo Descrição Proventos Salário 1.000,00 Horas Extras – 23:00 200,00 Desconto de Falta – 1 Falta Valor Liquido a Pagar

Descontos

33,33 1.166,67

Página 12

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Descrição Salário Adiantamento de Salário Desconto de Atraso Valor Liquido a Pagar

Funcionário 2 –Manuel Antonio Cargo: Assistente Comercial Proventos 500,00

Descontos 150,00 3,85 346,15

Descrição Salário Adiantamento de Salário Desconto de Vale Transporte Valor Liquido a Pagar

Funcionário 3 – Eduardo Bastos Cargo: Vendedor Proventos 600,00

Descontos 300,00 40,00 260,00

Descrição Salário Adiantamento de Salário Horas Extras – 10:00 Desconto de Atraso Valor Liquido a Pagar

Funcionário 4 – Manuela Machado Cargo: Telefonista Proventos 500,00 100,00

Descontos 50,00 15,00 535,00

Vejam que temos 4 funcionários, e que na folha de pagamento temos discriminados todos os proventos e descontos de forma individual, a lógica da elaboração do resumo da folha de pagamento é somar todos os eventos comuns a todos os funcionários. Vejamos agora o resumo dessa folha de pagamento: Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras – 33:00 Adiantamento de Salário Desconto de Falta – 1 Falta Descontos de Atrasos Desconto de Vale Transporte Valor Liquido a Pagar Proventos 2.600,00 300,00 Descontos

500,00 33,33 18,85 40,00 2.307,82

O resumo da folha de pagamento, conforme visto, nada mais é do que somar todos os proventos e descontos comuns a todos os funcionários, e relaciona-los como se fosse um só. Pegamos o salário de cada um dos funcionários, somamos todos eles, e apresentamos no resumo da folha de pagamento.
Página 13

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Salários: Luciano Manuel Eduardo Manuela Total com salários: R$ 1.000,00 R$ 500,00 R$ 600,00 R$ 500,00 R$ 2.900,00

Fizemos o esquema de somatórios de todos os itens e os apresentamos no resumo da folha de pagamento.. Tudo o que constar na folha de pagamento, deverá constar no resumo da folha de pagamento. Entendido o que é um resumo da folha de pagamento, e o que a própria folha de pagamento, vamos continuar nosso estudo. Mas adiante vamos utilizar o resumo da folha de pagamento para registro das operações na contabilidade, ou seja, para contabilizar a folha de pagamento. Lição 3 – Porque Devemos Contabilizar a Folha de Pagamento. Nas lições anteriores, aprendemos o que é uma folha de pagamentos, vimos que toda folha de pagamentos deve ter um resumo, onde é demonstrado a soma de todos os valores pagos, e descontados. Mas agora, vamos pensar um pouco e responder: Porque devemos contabilizar a folha de pagamento? Lógico que a legislação nos obriga a contabilizar todas operações ocorridas na empresa, entre essas operações temos a folha de pagamento. Mas, devemos ter em mente que vemos contabilizar as operações de uma empresa, por um motivo simples, quando efetuamos a contabilização de uma operação, esse registro vira uma informação que deve servir para a tomada de decisões. Mas será que o registro contábil da folha de pagamento serve para isso? Serve para a tomada de decisões? Claro que sim, mas para que isso aconteça devemos ter um plano de contas eficiente. Plano de Contas !!!!!!!!!!!!!! Para alguns uma novidade, o que viria a ser o plano de contas? O plano de contas nada mais é do que uma relação de todas as contas contábeis (CAIXA, BANCOS, CLIENTES, FORNECEDORES, CAPITAL SOCIAL, CMV), são exemplos de contas contábeis.
Página 14

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Quando organizamos isso numa relação temos um plano de contas. CAIXA BANCOS CLIENTES FORNECEDORES CONTAS A PAGAR CAPITAL SOCIAL CMV Essa relação acima seria mais ou menos um plano de contas. Ou seja, uma relação organizada de todas as contas contábeis de uma empresa. Um plano de contas eficiente, não é aquele exaustivo, com milhares de páginas, um plano de contas eficiente é aquele que atende a necessidade de uma empresa. Vamos entender esse assunto um pouco melhor, por exemplo, uma empresa pode ter diversas filiais, e o dono da empresa, pode querer que o balanço patrimonial apresente o saldo da conta caixa de cada uma das filias (Por exemplo: FILIAL RJ, FILIAL SP, FILIAL SP INTERIOR). Logo quando elaborarmos o nosso plano de contas, teremos que levar em consideração essa necessidade de informação, refazendo o nosso “plano de contas” acima, o mesmo ficaria assim: CAIXA – FILIAL RJ CAIXA – FILIAL SP CAIXA – FILIAL INTERIOR BANCOS CLIENTES FORNECEDORES CONTAS A PAGAR CAPITAL SOCIAL CMV Isso fará com que o balanço patrimonial e o balancete de verificação, apresentem a informação de quanto cada filial tem de CAIXA no momento. Por exemplo, vejamos o balanço patrimonial abaixo: Balanço levantado em Agosto de 2005 Ativo Caixa – Filial RJ Caixa – Filial SP Caixa – Filial SP Interior Bancos Passivo 3.000,00 Fornecedores 1.000,00 Contas a Pagar 1.500,00 Patrimônio Líquido 3.000,00 Capital Social 3.000,00 1.500,00 4.000,00

Página 15

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

SOMA DO ATIVO

8.500,00

SOMA DO PASSIVO

8.500,00

Vejam que o balanço apresenta uma conta para cada caixa, assim qualquer pessoa que saiba interpretar um demonstrativo contábil, saberá que o caixa da filial do RJ tinham em Agosto de 2005, a quantia de R$ 3.000,00 e assim por diante. Percebam também que a relação que fizemos acima, “plano de contas” (entre aspas, porque o plano de contas tem uma série de detalhes que não serão tratados aqui), incluímos a conta de CLIENTES, porém a mesma não aparece no BP acima. Mas porque isso? Por que incluímos uma conta em nosso plano que não aparece no demonstrativo? Pelo seguinte, o fato de não usarmos ela agora, não quer dizer que não a utilizaremos nunca, quando elaboramos um plano de contas temos que ter em mente, todas as operações possíveis que a empresa venha a fazer. A empresa do BP acima pode vir a vender faturado e utilizar a conta de clientes, para demonstrar os valores que tem a receber dos clientes. Bom, mas voltando a falar sobre Folha de Pagamento, uma empresa pode não ter a necessidade de ter varias contas contábeis abertura das horas extras, não necessita de ter um seu plano de contas, uma conta para HORA EXTRA 50%, HORA EXTRA COM 60% e assim por diante. Bastaria uma única conta intitulada de HORAS EXTRAS, onde todas as horas extras, independente do seu percentual seriam lançadas nessa conta. Outro exemplo claro seria os dos adicionais, na área trabalhista, temos ADICIONAL NOTURNO, ADICIONAL DE PERICULOSIDADE, ADICIONAL DE INSALUBRIDADE, ADICIONAL POR TEMPO DE SERVICO e por ai vai. Uma empresa poderia ter a necessidade de ter uma conta para cada um desses adicionais enquanto que outra empresa, não, bastaria uma única conta chamada de ADICIONAIS DIVERSOS. O que vai determinar quando devemos ser mais ou menos específicos nos lançamentos, é a necessidade de uma empresa, mas temos que ter sempre em mente que na relação custo-benefício, este último deve ter sempre peso maior. De que adianta abrir varias contas para os mais diversos tipos de adicionais, se essa informação não será necessária (não será utilizada) pela empresa? Um exemplo mais significativo seria o seguinte: O documento base para os lançamentos da folha de pagamento é a própria folha de pagamento e o seu resumo, conforme vimos nas lições acima. Imagine que nessa folha de pagamento, venha constando os funcionários administrativos (assim entendidos aqueles que trabalham na parte interna da empresa,
Página 16

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

na administração em si) e também venha os funcionários da parte de vendas, e os da parte de entregas. Dependendo da necessidade da empresa, ela pode optar por ter contas separadas para cada um desses tipos de funcionários, nesse caso ela teria três tipos de contas para o registro de um mesmo evento, que é o salário, as contas seriam as seguintes: SALARIOS PESSOAL - ADMINISTRATIVO SALARIOS PESSOAL – VENDAS SALARIOS PESSOAL – ENTREGAS. Nesse caso como estaríamos trabalhando com contas diferentes para cada tipo de salário, o balancete de verificação da empresa, apresentaria essas três contas acima com os seus respectivos valores. Assim a administração da empresa, saberia de imediato, quanto que custou a titulo de salário, cada um dos “departamentos” acima. Essa é a típica informação útil. Considerando o exemplo dos departamentos acima, imagine que essa empresa pague aos seus funcionários quando fazem horas extras os seguintes percentuais. Quando o trabalho extra for realizado de segunda a sexta feira, a hora extra será calculada com o adicional de 50%, quando trabalhadas aos sábados, com adicional de 70% e quando laboradas aos domingos e feriados com adicional de 100%. Vejam que temos três tipos de horas extras diferentes HORA EXTRA – 50% HORA EXTRA – 70% HORA EXTRA – 100% Sabendo-se que o pessoal administrativo e de vendas dificilmente faz horas extras, não temos a necessidade de abrir três tipos de contas diferentes para as horas extras, bastaria uma única conta com o titulo de HORA EXTRA. Nesse momento o nosso plano de contas ficaria da seguinte forma: SALARIOS PESSOAL - ADMINISTRATIVO HORAS EXTRAS - ADMINISTRATIVOS SALARIOS PESSOAL – VENDAS HORAS EXTRAS - VENDAS SALARIOS PESSOAL – ENTREGAS. Já os funcionários do departamento de entregas, fazem constantemente horas extras em diversos períodos, e a empresa precisa saber os tipos e quantidades, logo temos a

Página 18

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

necessidade de em nosso plano de contas ter os 3 tipos de contas para as horas extras, nosso plano de contas agora ficaria da seguinte forma: SALARIOS PESSOAL - ADMINISTRATIVO HORAS EXTRAS - ADMINISTRATIVOS SALARIOS PESSOAL – VENDAS HORAS EXTRAS - VENDAS SALARIOS PESSOAL – ENTREGAS. HORAS EXTRAS 50% - ENTREGAS HORAS EXTRAS 70% - ENTREGAS HORAS EXTRAS 100% - ENTREGAS Vejam que nosso modelo de plano de contas agora ficou mais “informativo”. Quando efetuarmos os registros da folha de pagamento, se houver horas extras em alguns dos departamentos o valor das mesmas será mostrado no respectivo grupo, e se for no departamento de entregas, ainda será demonstrado de acordo o percentual. O plano de contas de uma empresa, regra geral é elaborado pelo contador responsável, com a devida definição das informações consideradas importantes pela administração da empresa, por questões óbvias, afinal não é contador que vai determinar a necessidade de informação da empresa. Resumindo, o registro contábil da folha de pagamento, é capaz de gerar informações úteis a tomadas de decisões na empresa. Lição 4 – Documentação para Registro. Todo registro contábil deve basear-se num documento legal. Mas o que vem a ser um documento legal? Existem documentos ilegais? Para ser mais claro, vamos entender como documento legal, aquele que cumpre todas as formalidades quando previstas na legislação. Por exemplo, a legislação do FGTS diz que a guia de recolhimento do FGTS, é chamada de GFIP, logo, é um documento legal, a qual contem algumas informações básicas, entre elas, podemos citar: O nome da empresa, a competência, a data de validade para pagamento, o código de recolhimento, entre outras informações. Assim pode-se verificar que a legislação determinou um certo documento especifico para o pagamento do FGTS. Assim como determinou um documento especifico para o pagamento do INSS, do PIS sobre Folha de Pagamento, da Contribuição Sindical e etc.

Página 19

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Logo, a contabilidade somente registrará os eventos ocorridos se tiver o documento que dê suporte legal ao lançamento, no caso de pagamento da guia de FGTS, a mesma deve ter as características descritas acima. Em hipótese nenhuma poderá ser efetuado o lançamento com base numa anotação de uma folha de caderno, o chamado “papel de pão”. Para assim descrever o papel que não tem validade legal. Você teria coragem de mostrar uma folha de caderno como comprovante de pagamento de um imposto a um fiscal ou a um juiz? Mas o cliente pode alegar que perdeu o comprovante do pagamento do FGTS! Sem problemas, podemos tirar uma segunda via do comprovante de pagamento, o que não podemos é efetuar um registro sem o respectivo comprovante. São exemplos de documentos que comprovam a operação: Folha de Pagamento; Recibo de Férias Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho. Guia do FGTS Guia do INSS. Recibo de Adiantamento de Salário. Contratos de Empréstimos a Funcionários. Conforme formos falando os eventos suscetíveis de registro, na medida do possível vamos falando e exemplificando os respectivos documentos. Lição 5 – O Esquema de Contabilização. Podemos dizer que todo registro contábil tem uma lógica. No registro da folha de pagamento idem. A lógica a qual estou me referindo, não vem a ser uma obrigação, porém é uma questão de bom senso. Vejamos, se elaboramos a folha de pagamento de um determinado mês, a lógica seria registra-la antes de registramos o seu pagamento, isso porque ao registramos a folha de pagamento, ao final do registro teremos um saldo a ser pago, quando efetuarmos o registro do pagamento, a lógica é que o valor da conta fique zerado. Isso torna mais fácil a conferencia posterior. Além de evitar o re-trabalho. Essa lógica que iremos seguir para aprender a contabilizar a folha de pagamento. Entenderemos melhor esse tópico quando partimos para os próximos módulos, onde veremos na pratica o registro em si. Em outras palavras o que eu quero dizer é o seguinte:
Página 20

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Se você vai fazer um bolo que tenha calda, a lógica certa, é qual? Faça o bolo primeiro depois a calda, porque se der alguma coisa errada com o bolo, você não terá desperdiçado a calda. A ordem lógica é a ordem natural da coisa, se primeiro efetuamos o calculo da folha de pagamento para saber o valor a ser pago, vamos demonstra isso na contabilidade também, primeiro vamos fazer o registro que demonstre que temos valores a serem pagos, depois faremos o registro do pagamento. Lição 6 – Exercícios de Fixação. Nesta lição vamos fazer alguns exercícios para melhor compreensão de tudo o que foi exposto. Exercício 1 – Analise a folha de pagamento abaixo e responda as perguntas: Folha de Pagamento – Junho de 2008 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 1 / 2 Funcionário 1 – Anderson da Costa Cargo: Vendedor Descrição Proventos Salário 700,00 Horas Extras – 10:00 150,00 Desconto de Atraso – 07:00 Valor Líquido a Pagar Funcionário 2 – Mario Andrade Cargo: Entregador Proventos 547,30

Descontos

50,00 800,00

Descrição Salário Adiantamento de Salário Desconto de Vale Desconto de Empréstimo Valor Líquido a Pagar

Descontos 100,00 30,00 50,00 367,30

Quantos funcionários são apresentados na folha de pagamento? Quais as funções e respectivos salários? Qual o mês da folha de pagamento? Qual o valor total dos proventos do funcionário Anderson? Qual o valor total dos descontos do funcionário Mario? Qual o valor que foi descontado a titulo de empréstimo?

Página 21

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Qual o valor liquido a ser pago, relativo a todos funcionários? Exercício 2 – Elabore o resumo da folha de pagamento utilizada no exercício 1. Exercício 3 – Elabore o resumo da folha de pagamento conforme dados abaixo: Folha de Pagamento – Junho de 2008 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 1 / 2 Funcionário 1 – Luciano da Silva Cargo: Auxiliar Administrativo Descrição Proventos Salário 700,00 Horas Extras – 23:00 123,00 Desconto de Falta – 1 Falta Valor Líquido a Pagar Funcionário 2 –Manuel Antonio Cargo: Assistente Comercial Proventos 310,15 200,00 7,85 422,30

Descontos

40,00 783,00

Descrição Salário Adiantamento de Salário Gratificação Desconto de Atraso Valor Líquido a Pagar

Descontos 80,00

Funcionário 3 – Eduardo Bastos Cargo: Vendedor Descrição Proventos Salário 700,00 Comissões 863,20 Desconto de Vale Transporte Valor Líquido a Pagar Funcionário 4 – Manuela Machado Cargo: Telefonista Proventos 500,00

Descontos

40,00 1.523,20

Descrição Salário Valor Líquido a Pagar

Descontos 500,00

Lição 7 – Correção dos Exercícios de Fixação. Vamos a correção dos exercícios: Exercício 1: Este exercício pedia que analisássemos a folha de pagamento, e respondêssemos algumas perguntas, a primeira pergunta era a seguinte:
Página 22

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Quantos funcionários são apresentados na folha de pagamento? Quais as funções e respectivos salários? A primeira questão pedi que identificássemos quantos funcionários estavam relacionados nela, para tanto bastar analisarmos e contarmos quantos funcionários eram apresentados, conforme aprendemos a folha de pagamento apresenta o demonstrativo de pagamento de todos os funcionários juntos num único documento, analisando chegamos a conclusão de que a folha apresenta 2 funcionários (Anderson e Maio). A segunda parte da questão, pedia as respectivas funções e os salários dos mesmos, temos que fazer a mesma analise para respondermos. Bom já sabemos que temos dois funcionário, Anderson e Mario, logo abaixo do nome de cada um deles, temos as respectivas funções, Anderson é Vendedor, e Mario é Entregador. Agora só falta identificarmos o salários de cada um deles, para tanto basta localiza-los na folha de pagamento e procurarmos o provento de salários. Assim chegamos a conclusão de que Anderson é vendedor, e ganha de salário R$ 700,00. Enquanto que Mario é Entregador e ganha de salário R$ 547,30. A segunda questão pedia que identificássemos o mês de competência da folha de pagamento, para tanto basta analisarmos o cabeçalho da folha para verificarmos que trata-se do mês de Junho de 2008. A terceira pergunta pedia o total de proventos do funcionários Anderson, para tanto basta localiza-lo na folha de pagamento e somarmos todos o valores lançados sob a coluna de proventos. Que totaliza R$ 850,00. A quarta pergunta pedia o total de descontos do funcionário Mario, temos que fazer o mesmo procedimento feito na questão anterior, localizar o funcionário na folha de pagamento e somarmos os valores lançados, na coluna de descontos. A quinta pergunta pedia que demonstrássemos o valor que foi descontado a titulo de empréstimo, para tanto temos que analisar todos os demonstrativos de pagamentos e procurarmos algum que tenha o desconto de empréstimo, feito isso identificaremos que somente o funcionário Mario tem esse desconto e que o valor é de R$ 50,00. A ultima pergunta pedia que apurássemos o valor liquido da folha de pagamento, para tanto temos que somar o valor liquido a pagar de cada funcionário, no caso de Anderson e Mario, o valor liquido a pagar para Anderson é de R$ 800,00, enquanto que para Mario é de R$ 367,30. A soma desses valores totaliza R$ 1.167,30. Exercício 2: O segundo exercício pedia que elaborássemos o resumo da folha de pagamento, de acordo com os dados do exercício 1, ou seja, de acordo com a folha de pagamento utilizada naquele exercício, a folha era a seguinte: Folha de Pagamento – Junho de 2008
Página 23

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 1 / 2 Funcionário 1 – Anderson da Costa Cargo: Vendedor Descrição Proventos Salário 700,00 Horas Extras – 10:00 150,00 Desconto de Atraso – 07:00 Valor Líquido a Pagar Funcionário 2 – Mario Andrade Cargo: Entregador Proventos 547,30

Descontos

50,00 800,00

Descrição Salário Adiantamento de Salário Desconto de Vale Desconto de Empréstimo Valor Líquido a Pagar

Descontos 100,00 30,00 50,00 367,30

Vimos na lição 2 desse módulo, que o resumo da folha de pagamento, nada mais é do que uma apresentação resumida de todos os eventos (proventos e descontos) que ocorrerão na folha de pagamento. Essa apresenta os eventos por funcionários, enquanto que o resumo, apresenta tudo somado. Então para elaborarmos o resumo da folha de pagamento, temos que relacionar todos os proventos e descontos comuns aos funcionários, somá-los e apresenta-los sem distinção por funcionário. Para isso, vamos começar a relacionar: Anderson teve os seguintes proventos e descontos: Salário Hora Extra Desconto de Atraso R$ 700,00 R$ 150,00 R$ 50,00

Mario apresenta os seguintes: Salário Adiantamento de Salário Desconto de Vale – Desconto de Empréstimo R$ 547,30 R$ 100,00 R$ 30,00 R$ 50,00

Poderíamos elaborar o resumo da folha numa tabela simples conforme abaixo: Provento / Funcionário Salario Hora Extra Desconto de Atraso Anderson 700,00 150,00 (50,00) Mario 547,30 0,00 0,00 Total 1247,30 150,00 (50,00)
Página 24

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Adiantamento de Salario Desconto de Vale Desconto de Emprestimo Total

0,00 0,00 0,00 800,00

(100,00) (30,00) (50,00) 367,30

(100,00) (30,00) (50,00) 1167,30

Com essa tabela se ocultarmos as colunas do Anderson e Mario, temos pronto o nosso resumo da folha de pagamento: Provento / Funcionário Salario Hora Extra Desconto de Atraso Adiantamento de Salario Desconto de Vale Desconto de Emprestimo Total Exercício 3: O terceiro exercício pedia a mesma coisa que o exercício numero 2, sendo que com muito mais funcionários. Vamos relaciona-los em nossa tabela: Provento / Funcionário Salário Hora Extra Desconto de Falta Adiant. de Salário Gratificação Desconto de Atraso Comissões Desc. Vale Transporte Total Luciano 700,00 123,00 (40,00) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 783,00 Manuela 500,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 500,00 Eduardo 700,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 863,20 (40,00) 1.523,20 Manuel 310,15 0,00 0,00 (80,00) 200,00 (7,85) 0,00 0,00 422,30 Total 2.210,15 123,00 (40,00) (80,00) 200,00 (7,85) 863,20 (40,00) 3.228,50 Total 1247,30 150,00 (50,00) (100,00) (30,00) (50,00) 1167,30

Agora basta excluirmos as colunas dos funcionários para termos os valores do resumo da folha de pagamento: Provento / Funcionário Salário Hora Extra Desconto de Falta Adiant. de Salário Gratificação Desconto de Atraso Comissões Desc. Vale Transporte Total Total 2.210,15 123,00 (40,00) (80,00) 200,00 (7,85) 863,20 (40,00) 3.228,50
Página 25

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Temos assim pronto o resumo da nossa folha de pagamento do exercício 3.

Página 26

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 2 – Começando a Contabilizar.
No presente módulo, vamos começar a aprender a prática de registros contábeis, relativos a folha de pagamento mensal, começaremos pelos lançamentos mais básicos, com explicação das contas a serem utilizadas, para isso teremos que entender, literalmente falando, o lançamento. Observação: È de suma importância que seja bem entendidos esses lançamentos, principalmente nos razonetes, caso ainda tenha alguma dificuldade nesse registro é aconselhável que volte a esse ponto de estudo, seja nos tutoriais, ou no curso de contabilidade básica, posteriormente faremos exercícios extensos, os quais serão necessários os registros nos razonetes, pois após estaremos efetuando os balancetes de verificação e o balanço patrimonial. Lição 1 – A Conta Salários a Pagar. A principal conta com a qual vamos passar a trabalhar é a conta de salários a pagar. Uma conta de passivo circulante. Quando falamos SALARIOS A PAGAR, realmente a primeira impressão que vem a tona, é que essa conta somente mostrará os valores dos salários que devem ser pagos, mas na verdade não é assim. Essa conta demonstrará o quanto a empresa tem a pagar a titulo de folha de pagamento, independente se nesse valor conta salários, adicionais, descontos. Para ficar mais fácil de se compreender, vejam a folha de pagamento e o resumo da folha abaixo: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 1 / 2 Funcionário 1 – Luciano da Silva Cargo: Auxiliar Administrativo Descrição Proventos Salário 1.000,00 Horas Extras – 23:00 200,00 Desconto de Falta – 1 Falta Valor Liquido a Pagar Funcionário 2 –Manuel Antonio Cargo: Assistente Comercial Proventos 500,00

Descontos

33,33 1.166,67

Descrição Salário Adiantamento de Salário Desconto de Atraso Valor Liquido a Pagar

Descontos 150,00 3,85 346,15
Página 27

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras – 23:00 Adiantamento de Salário Descontos de Atrasos Desconto de Falta – 1 Falta Valor Líquido a Pagar Proventos 1.500,00 200,00 Descontos

150,00 3,85 33,33 1.512,82

A coluna em destaque mostra o valor liquido a pagar, relativa a folha de pagamento que é de R$ 1.512,82. A composição para se chegar a esse valor, é feita de vários vencimentos e vários descontos, inclusive do salário dos funcionários. Certo? A conta de salários a pagar, após o registro de todos os lançamentos (Salários, Horas Extras, Descontos do Adiantamento, Atrasos e Faltas), deverá mostrar o valor de R$ 1.512,82. Podemos concluir, que a conta de salários a pagar, receberá diversos lançamentos, tanto a crédito quanto a débito, e que após todos os lançamentos (se corretos), o seu saldo deverá ser igual ao valor liquido que temos apresentado no resumo da folha, independente se os registros foram relativos a salários ou não, a nomenclatura utilizada SALARIOS A PAGAR, não quer dizer que essa conta mostrará somente o valor relativo ao SALARIO. Ok? A partir da próxima lição começaremos a explicação prática, com certeza vai ficar mais fácil a compreensão. Lição 2 – Registro do Salário. Sem sombra de dúvida esse é o principal e mais comum lançamento que veremos numa folha de pagamento. Esse lançamento corresponde ao valor bruto, que o funcionário tem a receber, por ter trabalhado para a empresa, ou seja, é a contraprestação (R$) que a empresa dá ao funcionário pelo serviço que este prestou a empresa. O salário é contabilizado da seguinte forma: D – Salários (Conta de Resultado – CR – Despesa) C – Salários a Pagar (Conta de Passivo Circulante – PC)
Página 28

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Vamos entender a lógica desse lançamento. Primeiro estamos fazendo um débito numa conta de DESPESA, chamada de SALÁRIOS, a conta de despesa é aumentada com os débitos, logo estamos aumentando o saldo dessa conta, temos que nos lembrar que ao fazer o zeramento das contas de resultado para apurar o lucro ou prejuízo do período essa conta DESPESA COM SALARIOS, deverá ser zerada. Em contra partida estamos fazendo um lançamento a crédito na conta de SALARIOS A PAGAR, uma conta de passivo circulante, sabemos que as contas de passivo são aumentadas com lançamentos a crédito, então estamos efetuando um registro que aumenta o saldo dessa conta. Portanto podemos dizer que com esse lançamento, aumentamos o saldo da conta de DESPESA COM SALARIOS e aumentamos o saldo da conta SALARIOS A PAGAR. Mas será que esse lançamento tem lógica? Porque estamos aumentando a conta de salários a pagar? Vamos analisar aquele resumo da folha de pagamento para entendermos: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras – 23:00 Adiantamento de Salário Descontos de Atrasos Desconto de Falta – 1 Falta Valor Liquido a Pagar Proventos 1.500,00 200,00 Descontos

150,00 3,85 33,33 1.512,82

Vejam que em nosso resumo a linha de SALARIOS aparece sob a coluna de proventos. Os proventos são os valores, a qualquer titulo, que os funcionários tem a receber, enquanto que os descontos, são valores, também a qualquer titulo, que serão descontados dos funcionários. Portanto temos dois valores, sob títulos diversos que deverão ser pagos aos funcionários, R$ 1500,00 e R$ 200,00, a titulo de SALARIO e HORAS EXTRAS, respectivamente. Logo podemos dizer que o valor dos salários esta aumentando o valor liquido a ser pago certo? Se não tivéssemos ele o nosso resumo da folha ficaria da seguinte forma: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2
Página 29

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Resumo da Folha de Pagamento Descrição Horas Extras – 23:00 Adiantamento de Salário Descontos de Atrasos Desconto de Falta – 1 Falta Valor Líquido a Pagar Proventos 200,00 Descontos 150,00 3,85 33,33 12,82

Percebam que agora o nosso VALOR LÍQUIDO A PAGAR, diminuiu para R$ 12,82. Esse seria o valor que deveríamos pagar aos funcionários caso não houvesse o provento de SALARIOS na folha de pagamento. Como temos que pagar, podemos dizer que esse valor será apresentado no passivo certo? Mas voltando a falar do salário, para começarmos efetivamente a aprender a contabilizar, considere o seguinte resumo da folha de pagamento: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Valor Líquido a Pagar Proventos 1.500,00 Descontos 1.500,00

Percebam que o nosso resumo da folha de pagamento só apresenta um único provento, o salário no valor de R$ 1500,00, portanto podemos dizer que o valor liquido de nosso resumo da folha será de R$ 1.500,00 assim como no quadro em destaque acima. O registro no razonete ficaria da seguinte forma: Despesa c/ Salários 1.500,00 Salários a Pagar 1.500,00

Se por acaso apurarmos o saldo da conta de salários a pagar no momento qual seria o valor dela? R$ 1.500,00. Que por acaso é o mesmo valor que temos em valor liquido a pagar, no resumo da folha. Certo? Certo !!! Mas nem tanto, não é POR ACASO, na verdade após todos os lançamentos do resumo da folha de pagamento, o valor líquido a pagar que constar na folha de
Página 30

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

pagamento terá que ser sempre igual ao saldo do razonete (depois de feitos todos lançamentos). Lição 3 – Horas Extras. O registro do valor das horas extras é idêntico ao registro da despesa com salário, a única coisa que muda é a nomenclatura da conta de despesa, ao invés de despesa com salários, o nome da conta agora é despesa com horas extras. Logo, o registro das horas extras ficaria da seguinte forma: D – Despesa com Horas Extras (Conta de Resultado – CR – Despesa) C – Salários a Pagar (Conta de Passivo Circulante – PC) Considere o seguinte resumo da folha de pagamento. Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Valor Líquido a Pagar Proventos 1.500,00 30,00 Descontos

1.530,00

Vejam que no resumo da folha acima, temos além do salário, o provento de horas extras 50% - 2 horas. O registro no razonete agora, ficaria da seguinte forma: Despesa c/ Salários 1.500,00 Salários a Pagar 1.500,00 30,00

Despesa c/ Horas Extras 30,00

Vejam que temos duas contas de despesas, despesa com salários que apresenta um saldo de R$ 1.500,00 devedor e a conta de Despesa com Hora Extra, que apresenta um saldo de R$ 30,00, também devedor. Além dessas duas contas temos a conta de Salários a pagar, com dois registros, um de R$ 1.500,00 a crédito e o outro de R$ 30,00 também a crédito, apresentando um saldo de R$ 1.530,00, conforme falamos antes, o saldo da conta de salários a pagar, coincide com o saldo a pagar que consta no resumo da folha de pagamento.

Página 31

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

O registro dos demais adicionais, tais como ADICIONAL POR TEMPO DE SERVICO, ADICIONAL NOTURNO, ADICIONAL INSALUBRIDADE e ect. Devem ser efetuados da mesma forma. Debita-se a contas de Despesa, que pode ser genérica, para abranger diversos lançamentos ou especifica para demonstrar cada um dos registros. E credita-se a conta de salários a pagar. A fim de firma o aprendizado, vamos estudar um outro adicional (provento). O Repouso Semanal Remunerado. Lição 4 – Repouso Semanal Remunerado. O repouso semanal remunerado é um provento (ou seja, um valor que o funcionário vai receber), regra geral, podemos dizer que o funcionário receberá o repouso semanal remunerado, toda vez que trabalhar a mais. Um exemplo é quando o funcionário faz horas extras, logo, esta trabalhando a mais, portanto tem direito de ganhar o repouso semanal remunerado. O contrário também acontece, ou seja, quando o funcionário trabalha a menos a empresa pode descontar o repouso semanal remunerado dele. O lançamento contábil para registro do repouso semanal remunerado é o seguinte: D – Despesa com RSR C – Salários a Pagar Considere o seguinte resumo da folha de pagamento: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Valor Líquido a Pagar Nos razonetes, o lançamento ficaria da seguinte forma: Despesa c/ Salários 1.500,00 Salários a Pagar 1.500,00 30,00 10,00 Proventos 1.500,00 30,00 10,00 Descontos

1.540,00

Página 32

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

De diferente agora, tivemos uma nova consta de despesa chamada de Despesa c/ RSR (Repouso Semanal Remunerado), o lançamento de acordo com o resumo da folha de pagamento (R$ 10,00), fizemos debitando a contas de Despesa com RSR, e creditando a conta de Salários a Pagar, em R$ 10,00. Conforme exposto, o saldo da conta de salários a pagar (R$ 1.540,00), confere com o valor do resumo da folha de pagamento. Lição 5 – Pagamento da Folha. Em todas as demais lições, vimos registros que aumentaram a conta de salários a pagar, como todos sabem os salários devem ser pagos até o quinto dia útil do mês seguinte a que se referir, portanto se estamos contabilizando a folha de Maio de 2008, o pagamento dessa folha ocorrerá até 06/06/2008 (5.º dia útil). Nesta data, a empresa procede ao pagamento do valor liquido da folha de pagamento, aos seus funcionários, e com isso terá que fazer o registro do pagamento dos salários, da seguinte forma, debita-se a conta de salários a pagar que a empresa tem a pagar aos funcionários, de acordo com o nosso ultimo resumo da folha de pagamento (R$ 1.540,00). E credita-se caixa ou bancos, dependendo de onde saiu o dinheiro para pagamento dos salários. Portanto esse lançamento deve ser efetuado da seguinte forma: D – Salários a Pagar C – Caixa ou Bancos Nossos razonetes ficariam da seguinte forma: Despesa c/ Salários 1.500,00 Salários a Pagar 1.540,00 1.500,00 30,00 10,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

Caixa 1.540,00

Página 33

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Vejam que efetuamos um lançamento a débito na conta de salários a pagar, e um lançamento a credito na conta caixa, indicando que a empresa, pagou em dinheiro vivo aos seus funcionários. Outro detalhe, percebam que o saldo da conta de salários a pagar, ficou zerada. Indicando que a partir desse momento a empresa, não tem mais nenhum valor a pagar a titulo de folha de pagamento. Lição 6 – Exercício de Fixação: Exercício 1 – Contabilize nos razonetes e no Livro Diário, o resumo da folha de pagamento abaixo: Observação: A empresa tem necessidade de saber os valores das horas extras por tipo de percentual. Folha de Pagamento – Dezembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Horas Extras 100% - 4:00 Repouso Semanal Remunerado Valor Líquido a Pagar Proventos 658,90 47,00 88,00 15,77 Descontos

809,67

Exercício 2 – Analise a folha de pagamento, e os lançamentos nos razonetes abaixo e identifique o(s) lançamento(s) errado(s): Folha de Pagamento – Dezembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 100% - 4:00 Repouso Semanal Remunerado Valor Líquido a Pagar Despesa c/ Salários 482,30 Proventos 482,30 23,00 16,27 Descontos

521,57 Salários a Pagar 521,57 482,30 23,00 16,27

Página 34

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa c/ Hora Extra 23,00 Caixa 500,00

Despesa c/ RSR 16,27

Lição 7 – Correção do Exercício de Fixação: Tínhamos dois exercícios de fixação, o primeiro, era contabilizar nos razonetes e em diário o resumo da folha de pagamento. Lembrando que a observação do exercício dizia que a empresa tinha necessidade que a contabilização, apresentasse os valores das horas extras por tipo de percentual, assim o que tínhamos que fazer era registrar em contas diferentes a hora extra 50% e 100%. Exercício 1: Vejamos primeiro os lançamentos nos razonetes: Despesa c/ Salários 658,90 Salários a Pagar 658,90 47,00 88,00 15,77 Desp. hora Extra 100% 88,00

Desp. hora Extra 50% 47,00 Desp. Com Rep. Sem. Remunerado 15,77

Temos então contabilizado nos razonetes o resumo da folha de pagamento, vamos agora proceder a contabilização no livro diário. D – Despesa com Salários C – Salários a Pagar D – Despesa Hora Extra 50% C – Salários a Pagar D – Despesa Hora Extra 100% C – Salários a Pagar D – Despesa c/ Rep. Sem. Remunerado

R$ 658,90

R$ 47,00

R$ 88,00

Página 35

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

C – Salários a Pagar

R$ 15,77

Temos então contabilizado no livro diário os lançamentos, mas temos uma outra forma de contabilizar essas operações, lembram? No curso de contabilidade básica aprendemos a efetuar os registros em lançamentos com formulas, poderíamos então utilizar um lançamento de 3.ª formula para efetuar esse registro, lembram o que um lançamento de 3.ª formula quer dizer? No lançamento de 3.ª formula temos duas ou mais contas sendo debitadas e uma conta sendo creditada. Vejamos como o lançamento se apresentaria: D – Diversos C – Salários a Pagar Despesa com Salários Despesa com Hora Extra 50% Despesa com Hora Extra 100% Despesa com Rep. Sem. Remunerado Assim, com esse lançamento falamos o seguinte: “-Olha temos diversas contas sendo debitadas, e uma única conta sendo creditada, a conta de salários a pagar, as contas que estão sendo debitadas, são: Despesa com Salários em R$ 658,90, Despesa com Hora Extra 50% em R$ 47,00, Despesa com Hora Extra 100% em R$ 88,00 e por ultimo também estamos debitando a conta de Despesa com Repouso Semanal Remunerado em R$ 15,77. Totalizando assim um lançamento de R$ 809,67. Somente lembrando, caso tivéssemos que registrar o pagamento da folha de pagamento, o registro seria efetuado, debitando a conta de salários a pagar, e creditando a conta Caixa ou Bancos em R$ 809,67. Vamos agora a correção do segundo exercício: Exercício 2: No segundo exercício, tínhamos o resumo da folha, e os lançamentos em razonetes, e tínhamos que procurar possíveis erros: Para melhor compreensão, vamos apresentar novamente abaixo, o resumo da folha e os lançamentos nos razonetes: Exercício 2 – Analise a folha de pagamento, e os lançamentos nos razonetes abaixo e identifique o(s) lançamento(s) errado(s): Folha de Pagamento – Dezembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda.
Página 36

R$ 658,90 R$ 47,00 R$ 88,00 R$ 15,77

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 100% - 4:00 Repouso Semanal Remunerado Valor Líquido a Pagar Despesa c/ Salários 482,30 Proventos 482,30 23,00 16,27 Descontos

521,57 Salários a Pagar 521,57 482,30 23,00 16,27 Despesa c/ RSR 16,27

Despesa c/ Hora Extra 23,00 Caixa 500,00

De posse dessas informações, agora temos que fazer uma analise dos lançamentos para identificar o erro ou os erros. Vamos por parte, o primeiro registro que faríamos seria o registro da despesa com salários, onde debitaríamos a conta de despesa com salários, e creditaríamos a conta de salários a pagar, no valor de R$ 482,30. Esse registro foi efetuado? Sim, podemos identifica-lo nos razonetes abaixo, coloquei em destaque para melhor compreensão: Despesa c/ Salários 482,30 Salários a Pagar 521,57 482,30 23,00 16,27

Esta tudo certo com esse lançamento. Vamos analisar o segundo lançamento, que seria a despesa com hora extra, o lançamento correto é debitarmos a conta de despesa com hora extra e creditarmos a conta de salários a pagar, em R$ 23,00. Fazendo essa analise, podemos verificar que a conta de hora extra foi creditada, quando deveria ter sido debitada, a conta de salários a pagar, foi creditada corretamente. Logo, já identificamos o primeiro erro.

Página 37

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

O passo seguinte é analisarmos o lançamento do repouso semanal remunerado, onde temos que efetuar um debito na conta de despesa com repouso semanal e um crédito na conta de salários a pagar, podemos observar que esse lançamento foi efetuado de forma correta. Inclusive com relação ao valor. A ultima analise que poderíamos fazer, seria o pagamento da folha, fecham que temos um debito na conta de salários a pagar, o que faz reduzir o seu saldo a zero, a contra partida desse lançamento, é a conta caixa, porem nessa conta, o lançamento foi feito em R$ 500,00. O que demonstra o segundo erro. Pois o valor do débito não confere com o valor lançado a crédito.

Página 38

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 3 – Retenções sobre o Salário.
Este módulo vamos dedicar a aprender como de vê ser contabilizado as retenções sobre valores da folha de pagamento, mas o que viria a ser uma retenção?. Retenção são valores que a empresa desconta do funcionário, e repassa para outra pessoa, que não seja a própria empresa. Vamos aprender os mais comuns, começando pelo desconto do INSS. Lição 1 – Desconto do INSS. Todo funcionário deve contribuir de seu próprio bolso para a previdência social (INSS), não é só a empresa que tem a obrigação de pagar, os funcionários também pagam. Esse pagamento é feito da seguinte: A empresa desconta do pagamento que o funcionário receberá, um percentual variável de acordo com os ganhos dos funcionários, assim quem ganha mais paga mais para o INSS. Posteriormente esse valor que a empresa descontou do funcionário é repassado para o INSS, através do pagamento de uma guia chamada GPS (Guia da Previdência Social), a empresa preenche essa guia com o valor que descontou do funcionário (e outros valores se houver, veremos mais adiante) e recolhe junto ao banco. Vamos entender melhor isso na prática: Considere o seguinte folha de pagamento e seu resumo: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 1 / 2 Funcionário 1 – Luciano da Silva Cargo: Auxiliar Administrativo Descrição Proventos Salário 1.000,00 Horas Extras 50% – 2:00 30,00 Repouso Semanal Remunerado 10,00 Desconto de INSS – 9% Valor Líquido a Pagar Funcionário 2 –Manuel Antonio Cargo: Assistente Comercial Proventos 500,00

Descontos

90,00 950,00

Descrição Salário Desconto de INSS – 8% Valor Líquido a Pagar

Descontos 40,00 460,00

Folha de Pagamento – Setembro de 2007
Página 39

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Desconto de INSS Valor Líquido a Pagar Proventos 1.500,00 30,00 10,00 Descontos

130,00 1.410,00

Percebam que a folha de pagamento apresenta dois funcionários, o primeiro (Luciano da Silva), apresenta um desconto de 9% a titulo de INSS, que totaliza R$ 90,00. E que o segundo Manuel, teve um desconto de 8% de INSS totalizando R$ 40,00. Já o resumo da folha apresenta o desconto total do INSS – R$ 130,00. Frise bem que a empresa esta descontando esse valor do pagamento dos funcionários. E posteriormente irá repassar esse valor para o INSS. O lançamento do desconto do INSS é feito da seguinte forma: D – Salários a Pagar C – INSS a Recolher Debitamos a conta de salários a pagar, diminuindo assim o saldo dela, e creditamos a conta de INSS a Recolher, uma conta de passivo circulante, que registrará os valores que a empresa tem a recolher ao INSS bem como os pagamentos ocorridos. Nos razonetes: Despesa c/ Salários 1.500,00 Salários a Pagar 130,00 1.500,00 30,00 10,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 130,00

Página 40

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Temos assim os razonetes contabilizados, vejam que a conta de salários a pagar apresenta um saldo de R$ 1.410,00, e a conta de INSS a Recolher um saldo de R$ 130,00 Credor. Como sabemos que a os lançamentos acima se referem a folha de Setembro de 2007, vamos supor que a empresa tenha pago no dia 01/10 o salário do funcionário Manuel, vamos fazer o registro e ver como ficariam as contas. Primeira coisa a ser feita é analisarmos a folha de pagamento para sabermos qual o valor que o Manuel teria direito a receber. Funcionário 2 –Manuel Antonio Cargo: Assistente Comercial Proventos 500,00

Descrição Salário Desconto de INSS – 8% Valor Líquido a Pagar

Descontos 40,00 460,00

Analisando a folha de pagamento do mesmo, chegamos a conclusão que o mesmo teria que receber a quantia de R$ 460,00. Vamos agora ao lançamento: Despesa c/ Salários 1.500,00 Salários a Pagar 130,00 460,00 1.500,00 30,00 10,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 130,00

Caixa 460,00

Fizemos um débito na conta de salários a pagar, e um crédito na conta caixa, indicando a redução no saldo dos dois, nesse momento o saldo da conta salários a pagar, é de R$ 950,00. Que é o valor que sobrou de salários para a empresa pagar, relativo ao funcionário Luciano da Silva. Funcionário 1 – Luciano da Silva Cargo: Auxiliar Administrativo Descrição Proventos Salário 1.000,00 Horas Extras 50% – 2:00 30,00 Repouso Semanal Remunerado 10,00

Descontos

Página 41

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Desconto de INSS – 9% Valor Líquido a Pagar No dia 05/10 a empresa paga o salário do Luciano da Silva. Nossos razonetes nesse momento ficaria da seguinte forma: Despesa c/ Salários 1.500,00 Salários a Pagar 130,00 460,00 950,00

90,00 950,00

1.500,00 30,00 10,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 130,00

Caixa 460,00 950,00

Agora, percebam que a conta de salários a pagar esta com o saldo zerado. OBSERVAÇÃO: A CONTA CAIXA ESTA COM O SALDO CREDOR. VAMOS CONSIDERAR QUE ESTEJA CERTA, POIS SOMENTE ESTAMOS APRENDENDO A FORMA DE CONTABILIZAÇÃO, NA VERDADE SABEMOS QUE A CONTA CAIXA NÃO PODE TER O SALDO CREDOR EM HIPOTESE NENHUMA. Vamos agora ao pagamento do INSS, no dia 10/09, a empresa recebe a guia de pagamento desse imposto, e procede ao pagamento do mesmo. O lançamento ficaria da seguinte forma: INSS a Recolher 130,00 130,00 Caixa 460,00 950,00 130,00

Fizemos um débito na conta INSS A RECOLHER, reduzindo o seu saldo em R$ 130,00, nesse momento a conta fica com o saldo zerado. E em contra partida ao lançamento fizemos um crédito na conta CAIXA. Portanto o lançamento do pagamento do INSS é o seguinte: D – INSS a Recolher C – Caixa ou Bancos.
Página 42

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Lição 2 – Imposto de Renda Retido na Fonte. O Imposto de Renda Retido na Fonte, é outro exemplo de valores que a empresa retém e repassa para o governo. Ele ocorre sempre que um funcionário tem vencimentos (assim entendido, salários, férias, décimo terceiro, adiantamento e outros), acima de determinado valor, ultrapassando esse valor a empresa é obrigada a descontar e repassar (pagar) ao governo o Imposto de Renda Retido na Fonte. Conforme pode perceber, esse valor não é a empresa que paga, ela é mera repassadora, na verdade quem paga é o funcionário. A função da empresa é somente descontar e entrega ao governo o imposto que era do funcionário. O esquema de contabilização do IRRF é o seguinte: D – Salários a Pagar C – IRRF a Recolher Nesse caso estamos diminuindo o valor que o funcionário tem a receber, debitando a conta de salários a pagar, e aumentando o saldo da conta IRRF a Recolher, creditando-a. Quando ocorrer o pagamento desse IRRF, o lançamento será o seguinte: D – IRRF a Recolher C – Caixa. Vamos considerar a folha de pagamento e o resumo abaixo para efetuar a contabilização da folha de pagamento: Funcionário 1 – Luciano da Silva Cargo: Auxiliar Administrativo Descrição Proventos Salário 1.000,00 Horas Extras 50% – 2:00 30,00 Repouso Semanal Remunerado 10,00 Desconto de INSS – 9% Desconto de IRRF Valor Líquido a Pagar Funcionário 2 –Manuel Antonio Cargo: Assistente Comercial Proventos 500,00

Descontos

90,00 20,00 930,00

Descrição Salário Desconto de INSS – 8% Valor Líquido a Pagar

Descontos 40,00 460,00

Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2
Página 43

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Desconto de INSS Desconto de IRRF Valor Líquido a Pagar Vamos agora proceder aos lançamentos no razonete: Despesa c/ Salários 1.500,00 Salários a Pagar 130,00 20,00 1.500,00 30,00 10,00 Proventos 1.500,00 30,00 10,00 Descontos

130,00 20,00 1.390,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 130,00

IRRF a Recolher 20,00

Temos assim um saldo de R$ 20,00 Credor na conta de IRRF a Recolher. E também temos um saldo de R$ 1.390,00 Credor, na conta de salários a pagar. No dia do vencimento do IRRF, a empresa procede ao pagamento. O lançamento ficaria assim nos razonetes: IRRF a Recolher 20,00 20,00 Lição 3 – Pensão Alimentícia Um outro exemplo de retenção que a empresa poder ser obrigada a fazer, é a Pensão Alimentícia, nesse caso o juiz manda que ela retenha do pagamento de um funcionário uma determinada quantia e pague diretamente aos beneficiários (geralmente aos filhos). O lançamento nesse caso ficaria da seguinte forma: D – Salários a Pagar C – Pensão Alimentícia a Recolher Caixa 20,00

Página 44

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Considerando o resumo da folha abaixo, vamos ver como fica o lançamento nos razonetes. Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Valor Líquido a Pagar Despesa c/ Salários 1.500,00 Proventos 1.500,00 30,00 10,00 Descontos

130,00 20,00 200,00 1.190,00 Salários a Pagar 130,00 20,00 200,00 1.500,00 30,00 10,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 130,00

IRRF a Recolher 20,00

Pensão Alimentícia a Recolher 200,00

Vejam que efetuamos um débito na conta de salários a pagar, e um crédito na conta de Pensão Alimentícia a Recolher. Quando ocorrer o pagamento da pensão alimentícia o lançamento ficaria da seguinte forma: Pensão Alimentícia a Recolher 200,00 200,00 Caixa 200,00

Página 45

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Aqui debitamos a conta de Pensão Alimentícia a Recolher, e creditamos a conta Caixa, indicando assim que fizemos registro do pagamento da Pensão Alimentícia. Lição 4 – Contribuições Sindicais Nesta lição vamos falar da contribuição sindical, outra obrigação a titulo de retenção que a empresa tem que cumprir. A contribuição sindical, pode aparecer de diversas formas e títulos (contribuição sindical, taxa assistência, taxa de custeio, contribuição confederativa, contribuição negocial e assim por diante) dependem muito da criatividade do sindicato que determina-la. A contribuição sindical obrigatória mesmo, instituída por lei, são duas só. A Contribuição Sindical Patronal, e a Contribuição Sindical dos Funcionários. Vamos tratar somente da segunda hipótese, a contribuição sindical dos funcionários. Neste tipo a empresa, desconta do funcionário e repassa ao sindicato. O registro do desconto é o seguinte: D - Salários a Pagar C – Contribuição Sindical a Pagar Vamos ver nos razonetes: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Sindical Valor Líquido a Pagar Despesa c/ Salários 1.500,00 Proventos 1.500,00 30,00 10,00 Descontos

130,00 20,00 200,00 10,00 1.180,00 Salários a Pagar 130,00 1.500,00 20,00 30,00 200,00 10,00 10,00

Página 46

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 130,00

IRRF a Recolher 20,00

Pensão Alimentícia a Recolher 200,00

Contr. Sindical a Pagar 10,00

No pagamento da contribuição sindical, o lançamento seria feito da seguinte forma: D – Contribuição Sindical a Pagar C – Caixa. Vimos acima o registro da contribuição sindical, descontada do funcionário, que a empresa recolherá para o sindicato, conforme dito acima, existem diversos tipos de contribuições sindicais, geralmente são os próprios sindicatos que as inventam (CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL, CONTRIBUIÇÃO NEGOCIAL, TAXAS DE CUSTEIO, CONTRIBUIÇÃO CONFEDERATIVA e assim por diante). Todas as contribuições sindicais, que foram descontadas do funcionário e que devam ser repassadas para o sindicato, o lançamento será idêntico, a única coisa que mudará é a nomenclatura da conta creditada. Por exemplo: D – Salários a Pagar C – Contr. Assistencial a Pagar Considerem o seguinte resumo da folha de pagamento: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Sindical Desc. Contribuição Assistencial Proventos 1.500,00 30,00 10,00 Descontos

130,00 20,00 200,00 10,00 5,00
Página 47

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Valor Líquido a Pagar

1.175,00

Percebam que agora temos dois tipos de contribuições que foram descontadas do funcionário, a contribuição sindical e a assistencial. Nosso esquema de contabilização ficaria da seguinte forma: (somente mostrando as contas de salários a pagar, e das contribuições, para facilitar o aprendizado). Contr. Sindical a Pagar 10,00 Salários a Pagar 130,00 1.500,00 20,00 30,00 200,00 10,00 10,00 5,00

Contribuição Assist. a Pagar 5,00 Dessa forma separados em duas contas de passivo as contribuições, que a empresa descontou dos funcionários e repassará para os sindicatos. Nada impediria que ela contabilizasse todas as contribuições juntas, da seguinte forma: Contr. De Sindicatos a Pagar 10,00 5,00 Salários a Pagar 130,00 1.500,00 20,00 30,00 200,00 10,00 10,00 5,00

Dessa forma ela teria uma única conta de passivo que indicasse os valores que a empresa tem que recolher para o sindicato. Aqui não tem regra, cada um decide como trabalhar, embora eu prefira a primeira, apesar de mais trabalhosa, facilita a conferência. Lição 5 – Demais Retenções. Todas as demais retenções sobre os pagamentos dos funcionários serão tratadas da mesma forma, registra-se o desconto e posteriormente o pagamento. A pessoa que estiver contabilizando tem que entender a que se refere o desconto, tem que buscar saber o que será feito com ele para dar a devida classificação contábil. Se o desconto efetuado for repassado a terceiros, o tratamento contábil a ser dado será o visto nas lições anteriores, mudando somente a nomenclatura da conta.

Página 48

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Um exemplo de outra retenção, por exemplo: Os empréstimos com desconto em folha de pagamento, uma instituição bancaria (cooperativa, financeira, banco e etc) empresta dinheiro para o funcionário, a empresa vem aos poucos descontando do pagamento do mesmo e repassando a instituição. Os planos de saúde/odontológicos descontados do funcionário também são tratados assim, desconta-se do funcionário e posteriormente repassa para o plano de saúde/odontológico. Lição 6 – Exercícios de Fixação. Exercício 1: Analise o resumo da folha de pagamento abaixo, e responda as seguintes perguntas: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Desconto de INSS Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Assistencial Valor Líquido a Pagar A) B) C) D) E) F) G) H) Proventos 1.230,00 77,20 5,00 Descontos

54,30 177,02 15,00 1.065,88

Qual o valor liquido a ser pago? Qual o valor total dos proventos? Qual o valor total do descontos? Existe proventos de horas extras? Quanto foi descontado a titulo de Pensão Alimentícia? E a titulo de Contribuição Sindical? E a titulo de Imposto de Renda Retido na Fonte? Se não houvesse o desconto da pensão alimentícia qual seria o valor liquido da folha?

Exercício 2: O balancete de verificação abaixo foi elaborado antes da contabilização da folha de pagamento, considerando que a folha de pagamento do mês é a mesma que utilizamos para o exercício anterior, façam a contabilização das operações de folha considerando saldo iniciais do balancete, após levantem um novo balancete de verificação. E após um balanço patrimonial.

Página 49

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Nome da Conta

Saldo Anterior

Movimentos

Bancos Clientes Mercadorias Fornecedores Impostos a Pagar Capital Social Lucros do Exercício Receita de Vendas CMV

3.000,00 1.000,00 1.000,00 500,00 2.000,00 500,00 -

DV DV CR CR CR CR -

TOTAL

A Debito 800,00 600,00 500,00 400,00 350,00 2.650,00

A Credito 400,00 500,00 350,00 500,00 900,00 2.650,00

Saldo Atual

3.400,00 1.100,00 150,00 1.100,00 500,00 2.000,00 500,00 900,00 350,00

DV DV DV CR CR CR CR CR DV

Exercício 3: Baseado no balanço patrimonial efetuado no exercício 2 contabilizem as seguintes operações: A) B) C) D) E) Pagamento de R$ 500,00 de salários no dia 03. Pagamento da Pensão Alimentícia, no dia 04. Pagamento do restante dos salários no dia 05. Pagamento do INSS descontado dos funcionários no dia 10. Pagamento da Contribuição Assistencial, no dia 15.

Após elabore um novo balancete de verificação. Exercício 4: Efetue os lançamentos do exercício 3 no livro diário. Lição 7 – Correção dos Exercícios de Fixação. Exercício 1: A primeira questão consistia em analisar a folha de pagamento e responder as perguntas, sendo a primeira pergunta: Qual o valor liquido a ser pago? A resposta era simples, e inclusive já estava demonstrada no próprio resumo da folha de pagamento, bastava para tanto analisar a linha VALOR LÍQUIDO A PAGAR, para termos a resposta, R$ 1.065,88. A segunda pergunta dizia: Qual o valor total dos proventos? Para responder tínhamos que somar todos os valores que se apresentavam sob a coluna de proventos na folha de pagamentos, que era: R$ 1.230,00 + R$ 77,20 + R$ 5,00 (Salários, mais Horas Extras, mias o Repouso Semanal), que totalizaria a quantia de R$ 1.312,20. A terceira pergunta era idêntica a segunda, sendo que agora o total que queríamos saber era o total dos descontos, basta somarmos os valores sob a coluna de descontos que chegaríamos a conclusão de que o total era de R$ 246,32.
Página 50

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Outra forma de responder essa pergunta, seria utilizando o valor total dos proventos que encontramos na segunda questão e deduzir do valor liquido que encontramos na primeira questão: R$ 1.312,20 – R$ 1.065,88 = R$ 246,32. Questão 4 - Existe proventos de horas extras? Para responder, bastava analisar o resumo. Com isso chegaríamos a conclusão que sim, houve o provento de hora extra e seu valor foi de R$ 77,20. Questão 5 - Quanto foi descontado a titulo de Pensão Alimentícia? Outra pergunta que tratava da analise do resumo da folha de pagamento, para respondela temos que analisar o resumo e procurar se nos descontos tem algum com o titulo de Pensão Alimentícia. Logo, temos sim, e no valor de R$ 177,02 Questão 6 - E a titulo de Contribuição Sindical? Não, não tínhamos. Temos de Contribuição Assistencial, mas de contribuição sindical não. Questão 7 - a titulo de Imposto de Renda Retido na Fonte? Também não. Questão 8 - Se não houvesse o desconto da pensão alimentícia qual seria o valor liquido da folha? R$ 1.242,90. Para responder essa pergunta bastaria apurarmos o valor dos descontos desconsiderando o gasto com Pensão Alimentícia, que resultaria num total de desconto no valor de R$ 69,30. Que deduzido do total dos proventos da folha (R$ 1.312,20), daria um valor líquido de R$ 1.242,90. Esse exercício consistia basicamente na interpretação do resumo da folha de pagamento. Vamos ao segundo exercício que era o seguinte: Exercício 2: O balancete de verificação abaixo foi elaborado antes da contabilização da folha de pagamento, considerando que a folha de pagamento do mês é a mesma que utilizamos para o exercício anterior, façam a contabilização das operações de folha considerando saldo iniciais do balancete, após levantem um novo balancete de verificação. E após um balanço patrimonial.

Página 51

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Nome da Conta

Saldo Anterior

Movimentos

Bancos Clientes Mercadorias Fornecedores Impostos a Pagar Capital Social Lucros do Exercício Receita de Vendas CMV

3.000,00 1.000,00 1.000,00 500,00 2.000,00 500,00 -

DV DV CR CR CR CR -

TOTAL

A Debito 800,00 600,00 500,00 400,00 350,00 2.650,00

A Credito 400,00 500,00 350,00 500,00 900,00 2.650,00

Saldo Atual

3.400,00 1.100,00 150,00 1.100,00 500,00 2.000,00 500,00 900,00 350,00

DV DV DV CR CR CR CR CR DV

Esse exercício pedia que efetuássemos os lançamentos da folha de pagamento de acordo com a folha de pagamento que utilizamos no exercício 2, considerando os saldos iniciais dos balancetes e que elaborássemos um novo balancete de verificação. Após tínhamos que elaborar um balanço patrimonial. Vamos resolver essa questão por partes, primeiros vamos montar o balancete de verificação, para tanto, o primeiro passo seria abrir os razonetes e registrar os saldos iniciais. Abertura e registro dos saldos iniciais: Bancos 3.400,00 Mercadorias 150,00 Impostos a Pagar 500,00 Lucros do Exercício 500,00 CMV 350,00 Assim temos todos os razonetes abertos e com o saldo inicial registrado. 1.100,00 Fornecedores 1.100,00 Capital Social 2.000,00 Receita de Vendas 900,00 Clientes

Página 52

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

O próximo passo é efetuarmos a contabilização da folha de pagamento, lembrando que a folha de pagamento era a seguinte: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Desconto de INSS Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Assistencial Valor Líquido a Pagar Então vamos começar a contabilizar. Bancos 3.400,00 Mercadorias 150,00 Impostos a Pagar 500,00 Lucros do Exercício 500,00 CMV 350,00 1.100,00 Fornecedores 1.100,00 Capital Social 2.000,00 Receita de Vendas 900,00 Salários a Pagar 54,30 (4) 1.230,00 (1) 177,02 (5) 77,20 (2) 15,00 (6) 5,00 (3) Despesa com Horas Extras 77,20 (2) INSS a Recolher 54,30 (4) Clientes Proventos 1.230,00 77,20 5,00 Descontos

54,30 177,02 15,00 1.065,88

Despesa com Salários 1.230,00 (1) Despesas c/ Rep. Sem. Remunerado 5,00 (3)

Página 53

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Pensão Alimentícia a Pagar 177,02 (5)

Contr. Assistencial a Pagar 15,00 (6)

Assim temos contabilizado o resumo da folha de pagamento. Agora o próximo passo era elaborar um novo balancete de verificação. Bastava apurar os saldos iniciais, os lançamentos e os saldos finais e preencher no balancete. Vejamos como se apresentaria nosso balancete.
Nome da Conta Saldo Anterior Movimentos

Bancos Clientes Mercadorias Fornecedores Impostos a Pagar Capital Social Lucros do Exercício Receita de Vendas CMV Salários a Pagar Despesa c/ Salários Desp. C/ Hora Extra Desp. C/ RSR INSS a Recolher Pensão Al a Pagar Cont. Assis. Pagar

3.000,00 1.000,00 1.000,00 500,00 2.000,00 500,00 -

DV DV CR CR CR CR -

TOTAL

A Debito 800,00 600,00 500,00 400,00 350,00 246,32 1.230,00 77,20 5,00 4.208,52

A Credito 400,00 500,00 350,00 500,00 900,00 1.312,20 54,30 177,02 15,00 4.208,52

Saldo Atual

3.400,00 1.100,00 150,00 1.100,00 500,00 2.000,00 500,00 900,00 350,00 1.065,88 1.230,00 77,20 5,00 54,30 177,02 15,00

DV DV DV CR CR CR CR CR DV CR DV DV DV CR CR CR

Temos pronto o nosso balancete. Detalhe, embora não tenhamos dito movimentos nas contas BANCOS, CLIENTES, MERCADORIAS, FORNECEDORES, deixamos os movimentos a debito e a crédito, pois conforme dizia o enunciado o balancete trata-se do próprio mês, a única coisa é que ainda não tinha sido registrada a folha de pagamento. Vamos agora finalizar o exercício elaborando o balanço patrimonial. Para isso, temos que efetuar o zeramento das contas de resultado. Vejamos:

Página 54

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Bancos 3.400,00 Mercadorias 150,00 Impostos a Pagar 500,00 Lucros do Exercício 500,00 CMV 350,00 350,00 (R) 1.100,00

Clientes

Fornecedores 1.100,00 Capital Social 2.000,00 Receita de Vendas 900,00 (R) 900,00 Salários a Pagar 54,30 (4) 1.230,00 (1) 177,02 (5) 77,20 (2) 15,00 (6) 5,00 (3) Despesa com Horas Extras 77,20 (2) 77,20 (R) INSS a Recolher 54,30 (4) Contr. Assistencial a Pagar 15,00 (6) Prejuízo do Exercício 762,20 (T)

Despesa com Salários 1.230,00 (1) 1.230,00 (R) Despesas c/ Rep. Sem. Remunerado 5,00 (3) 5,00 (R) Pensão Alimentícia a Pagar 177,02 (5) ARE 350,00 (R) 1.230,00 (R) 77,20 (R) 5,00 (R) 900,00 (R) 762,20 (T)

Agora temos os lançamentos da apuração do resultado efetuado, vejam que zeramos o saldo de todas as contas de despesa e receita, e transferimos os respectivos valores para a conta de Apuração do Resultado do Exercício (ARE). Após apuramos o saldo dessa conta, e verificamos que era de R$ 762,20 devedor, um prejuízo portanto. Para zerar essa conta fizemos um lançamento a crédito nela, um lançamento a débito na conta de Prejuízo do Exercício no mesmo valor. Agora basta organizarmos tudo no balanço patrimonial, lembrando que as contas zeradas, não precisam ser apresentadas.
Página 55

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Ativo Banco Clientes Mercadorias

SOMA DO ATIVO

Passivo 3.400,00 Fornecedores 1.100,00 Impostos a Pagar 150,00 Salários a Pagar INSS a Recolher Pensão Alimentícia a Pagar Contr. Assist. a Pagar Patrimônio Líquido Capital Social Lucros do Exercício Prejuízo do Exercício 4.650,00 SOMA DO PASSIVO

1.100,00 500,00 1.065,88 54,30 177,02 15,00 2.000,00 500,00 (762,20) 4.650,00

Temos então pronto o nosso balanço patrimonial. Vejam que no passivo da empresa, é apresentado as contas de salários a pagar, INSS a recolher, pensão alimentícia a pagar, e contribuição assistencial a pagar, e seus respectivos valores. Vamos a correção do 3.º exercício, que era o seguinte: Exercício 3: Baseado no balanço patrimonial efetuado no exercício 2 contabilizem as seguintes operações: A) B) C) D) E) Pagamento de R$ 500,00 de salários no dia 03. Pagamento da Pensão Alimentícia, no dia 04. Pagamento do restante dos salários no dia 05. Pagamento do INSS descontado dos funcionários no dia 10. Pagamento da Contribuição Assistencial, no dia 15.

Após elabore um novo balancete de verificação. O exercício aqui pede que baseados no último balanço, contabilizemos as operações que ele diz, e após façamos um novo balancete. O primeiro passo para solucionar essa questão seria abrir os razonetes de cada conta e cadastrar os saldos iniciais. Bancos 3.400,00 Mercadorias 150,00 1.100,00 Fornecedores 1.100,00 Clientes

Página 56

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Impostos a Pagar 500,00 Lucros do Exercício 500,00 Pensão Alimentícia a Pagar 177,02 Contr. Assistencial a Pagar 15,00 Agora vamos registrar as operações: A) B) C) D) E)

Capital Social 2.000,00 Salários a Pagar 1.065,88 INSS a Recolher 54,30 Prejuízo do Exercício 762,20

Pagamento de R$ 500,00 de salários no dia 03. Pagamento da Pensão Alimentícia, no dia 04. Pagamento do restante dos salários no dia 05. Pagamento do INSS descontado dos funcionários no dia 10. Pagamento da Contribuição Assistencial, no dia 15.

De acordo com o balanço patrimonial, a empresa só apresenta a conta de Bancos, portanto todos os lançamentos de pagamentos serão efetuados diretamente nessa conta. Bancos 3.400,00 500,00 (A) 177,02 (B) 565,88 (C) 54,30 (D) 15,00 (E) 1.100,00 Clientes

Mercadorias 150,00 Impostos a Pagar 500,00 Lucros do Exercício 500,00

Fornecedores 1.100,00 Capital Social 2.000,00 Salários a Pagar 500,00 (A) 1.065,88 565,88 (C) INSS a Recolher 54,30 (D) 54,30

Pensão Alimentícia a Pagar 177,02 (B) 177,02

Página 57

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Contr. Assistencial a Pagar 15,00 (E) 15,00

Prejuízo do Exercício 762,20

Após esses registros temos todas as operações solicitadas devidamente contabilizadas, vamos agora a segunda parte de nosso exercício que é a elaboração do balancete de verificação: Vejamos como se apresentaria:
Nome da Conta Saldo Anterior Movimentos

Bancos Clientes Mercadorias Fornecedores Impostos a Pagar Capital Social Lucros do Exercício Salários a Pagar Prejuízos do Exerc INSS a Recolher Pensão Al a Pagar Cont. Assis. Pagar

3.400,00 1.100,00 150,00 1.100,00 500,00 2.000,00 500,00 1.065,88 762,20 54,30 177,02 15,00

DV DV DV CR CR CR CR CR DV CR CR CR

TOTAL

A Debito 1.065,88 54,30 177,02 15,00 1.312,20

A Credito 1.312,20 1.312,20

Saldo Atual

2.087,80 1.100,00 150,00 1.100,00 500,00 2.000,00 500,00 0,00 762,20 0,00 0,00 0,00

DV DV DV CR CR CR CR CR DV CR CR CR

A lógica desse exercício era demonstrar que os valores, da folha de um mês se apresentam tanto no balancete de verificação, quanto no balanço patrimonial do mês de referencia, e no mês seguinte quando ocorrer o pagamento, as contas que os representam tendem a ficar com o saldo zerado. Vamos a correção do 4 exercício que era o seguinte: Exercício 4: Efetue os lançamentos do exercício 3 no livro diário. Aqui o enunciado pede que façamos os lançamentos no livro diário, os lançamentos que foram utilizados no exercício de número 3. Lembrando que os lançamentos eram: Agora vamos registrar as operações: A) B) C) D) E) Pagamento de R$ 500,00 de salários no dia 03. Pagamento da Pensão Alimentícia, no dia 04. Pagamento do restante dos salários no dia 05. Pagamento do INSS descontado dos funcionários no dia 10. Pagamento da Contribuição Assistencial, no dia 15.

Página 58

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Vamos aos registros no livro diário. Dia 03 Salários a Pagar .a Bancos Dia 04 Pensão Alimentícia a Pagar .a Bancos Dia 05 Salários a Pagar .a Bancos Dia 10 INSS a Recolher .a Bancos Dia 15 Contribuição Assist. a Recolher .a Bancos R$ 15,00 R$ 15,00 R$ 54,30 R$ 54,30 R$ 565,88 R$ 565,88 R$ 177,02 R$ 177,02 R$ 500,00 R$ 500,00

Página 59

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 4 – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)
Neste módulo vamos aprender a contabilizar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, o conhecido FGTS. Lição 1 – Uma Rápida Introdução. O fundo de garantia foi instituído há muito tempo, antigamente ele era opcional o funcionário que resolvia se queria ou não o mesmo. Desde 1988, com a nova constituição federal ele passou a ser obrigatório, e não mais opcional. O FGTS é um valor que a empresa deposita numa conta (tal como uma conta bancária normal) em nome do funcionário, administrada pela Caixa Econômica Federal. Essa conta é em nome de cada um dos funcionários, a empresa paga numa única guia, e a através de uma declaração que a empresa envia a CEF separa os valores para cada um dos funcionários. Atualmente o valor que a empresa paga sobre a REMUNERAÇÃO de cada funcionário é de 8%. A REMUNERAÇÃO que é o total de proventos que o funcionário esta recebendo e não somente sobre o seu salário. Por exemplo, vamos supor que um funcionário ganhe num mês R$ 500,00, o FGTS desse funcionário é de R$ 40,00. No segundo mês o funcionário recebeu R$ 600,00, pois R$ 500,00 foi de salário, e R$ 100,00 de horas extras, nesse mês a empresa pagará para esse funcionário a titulo de FGTS a quantia de R$ 48,00. Nesse momento o funcionário terá R$ 88,00 em sua conta do FGTS e assim sucessivamente. Quando o funcionário é mandado embora a empresa tem que pagar como multa rescisória, o percentual de 50% sobre o valor que tem depositado na conta do funcionário. No exemplo utilizado acima o funcionário tem R$ 88,00 na conta do FGTS, nesse caso a empresa se mandasse o mesmo embora teria que pagar como multa do FGTS o valor de R$ 44,00. Quando o funcionário tem muito tempo de serviço a empresa solicita para a Caixa Econômica Federal um extrato do FGTS do mesmo, e com esse documento consegue calcular o valor da multa. Entendido a parte básica do FGTS vamos aprender a contabilização do mesmo. Lição 2 – FGTS Mensal O FGTS que a empresa paga mensalmente, é contabilizado em duas etapas, primeiro a empresa provisiona esse valor e posteriormente registra o pagamento do mesmo. O registro da provisão é efetuado da seguinte forma: D – Despesa com FGTS
Página 60

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

C – FGTS a Recolher No pagamento o registro é efetuado da seguinte forma: D – FGTS a Recolher C – Caixa ou Bancos. Mas como a empresa sabe o valor que tem que pagar a titulo de FGTS? O próprio resumo da folha de pagamento apresenta esse valor. Nos resumos que utilizamos nas lições anteriores não tinha essa informação, a partir de agora passaremos a apresentar essa informação. Vamos ver nosso novo resumo da folha de pagamento: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Sindical Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Proventos 1.500,00 30,00 10,00 Descontos

130,00 20,00 200,00 10,00 1.180,00

123,20

Vejam que na última linha do nosso resumo da folha de pagamento temos a informação sobre o valor do FGTS que no exemplo é de R$ 123,20. Portanto será esse valor que faremos o registro da provisão do FGTS. Vejamos a forma de contabilização nos razonetes: Despesa c/ Salários 1.500,00 Salários a Pagar 130,00 1.500,00 20,00 30,00 200,00 10,00 10,00

Página 61

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 130,00

IRRF a Recolher 20,00

Pensão Alimentícia a Recolher 200,00

Contr. Sindical a Pagar 10,00

Despesa com FGTS 123,20

FGTS a Recolher 123,20

Os lançamentos estão em destaque, vejam que efetuamos um débito na conta de Despesa com FGTS e um crédito na conta de FGTS a Recolher, no valor de R$ 123,20. Esse lançamento chama-se provisão. É o registro da despesa com o FGTS. Costumamos dizer que com esse registro a empresa demonstra que tem que pagar. Vamos agora exemplificar como ficaria no caso do pagamento desse FGTS. FGTS a Recolher 123,20 123,20 Caixa 123,20

Fizemos um débito na conta de FGTS a Recolher, e um crédito na conta Caixa. Vamos agora aprender a contabilizar o FGTS Rescisório, também conhecido como Multa do Fundo de Garantia. Lição 3 – Contabilização da Multa do FGTS. Certo dia a empresa resolver mandar um funcionário embora, para providenciar a multa rescisória do mesmo, a primeira coisa que ela tem que fazer é saber o valor que o mesmo tem depositado em sua conta do FGTS, para tanto ela solicita para a CEF, o extrato do Fundo de Garantia do mesmo, ao receber percebe que o valor que o funcionário tem depositado é de R$ 830,00. A multa de 50% sobre o FGTS é de R$ 415,00. Ou seja, a empresa vai pagar R$ 415,00 a titulo de multa rescisória do FGTS. Detalhe embora a empresa pague 50%, o funcionário só recebera o equivalente a 40% (R$ 332,00), o outros 10% (R$ 83,00) vão para o governo, porém esse fator não envolve contabilizações para a empresa. A contabilização da multa do FGTS regra geral não necessita de provisão, pois a empresa, calcula e paga a multa, nesses casos a contabilização é feita da seguinte forma:
Página 62

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa com FGTS 415,00

Caixa 415,00

Debita-se a conta de Despesa com FGTS e credita-se a conta Caixa (que poderia ser a conta bancos, de acordo com o pagamento). Percebam também que aqui utilizamos a conta de Despesa do FGTS, ou seja, a mesma conta que anteriormente registrou o lançamento do FGTS mensal, não é? Isso porque não existe regra para contabilizar o FGTS, nesse caso podemos lançar tanto a despesa mensal, quanto o valor da multa rescisória na mesma conta. Na medida do possível, eu aconselho a registrar numa conta distinta o valor da multa rescisória, da seguinte forma: Despesa com Multa do FGTS 415,00 Caixa 415,00

Dessa forma toda vez que a empresa levantasse um balancete de verificação seria apresentado separado o valor do FGTS Mensal e o valor do FGTS Multa Rescisória. É comum não registrar a provisão para pagamento da Multa do FGTS, porque o lapso de tempo entre a apuração do seu valor e o respectivo pagamento é muito curto, geralmente menos de 10 dias. Ocorre que em alguns casos haverá necessidade de se provisionar a mesma, quando a apuração do valor e feita num mês, e o pagamento é efetuado em outro. Por exemplo, supondo que a apuração do valor da multa rescisória seja efetuada no dia 25/05, e o pagamento pode ser efetuado até 06/06, esse caso merece o registro da provisão, assim a empresa contabilizaria da seguinte forma: D - Despesa com Multa do FGTS C – FGTS Rescisório a Recolher No razonetes o lançamento ficaria da seguinte forma: Despesa com Multa do FGTS 415,00 FGTS Rescisório a Recolher 415,00

Outra hipótese de provisão do valor da multa rescisória é quando a empresa tem a ciência de que irá atrasar o pagamento da mesma, tanto a ciência do atraso como o atraso em si (caso não tenha sido feito a provisão, o atraso no pagamento sem a devida previsão de dada de pagamento, merece o registro da provisão). Na dúvida aconselho sempre que se faça a provisão para pagamento da multa rescisória.
Página 63

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Lição 4 – Exercícios de Fixação. Exercício 1: João é sócio de uma empresa, grande amigo seu de infância, mandou seu gerente que cuidava da analise dos relatórios contábeis embora, ao analisar o seguinte balancete do mês de Maio de 2008, ficou com algumas dúvidas, pois não conhece muito de contabilidade, a analise dos relatórios financeiros era feita justamente pelo gerente que foi mandado embora. Sabendo que você é um bom conhecedor das informações contábeis, quer que lhe tire algumas dúvidas, para tanto lhe entrega o balancete de maio:
Nome da Conta Saldo Anterior Movimentos

Bancos Clientes Mercadorias Fornecedores Impostos a Pagar FGTS a Recolher Capital Social Lucros do Exercício Receita de Vendas CMV Salários a Pagar Prejuízos do Exerc INSS a Recolher Pensão Al a Pagar Desp. c/ Multa FGTS Desp. c/ FGTS Cont. Assis. Pagar
TOTAL

2.900,00 1.100,00 150,00 900,00 500,00 200,00 2.000,00 500,00 1.065,88 762,20 54,30 177,02 300,00 200,00 15,00

DV DV DV CR CR CR CR CR CR DV CR CR DV DV CR

A Debito 900,00 200,00 150,00 1.065,88 54,30 177,02 700,00 15,00 3.262,20

A Credito 1.662,20 800,00 150,00 350,00 300,00 3.262,20

Saldo Atual

2.137,80 500,00 900,00 500,00 550,00 2.000,00 500,00 300,00 150,00 762,20 300,00 900,00 -

DV DV CR CR CR CR CR CR DV DV DV DV CR

E lhe fez as seguintes perguntas: 1 - Porque o saldo da conta do FGTS esta com R$ 550,00? Geralmente o valor das guias de FGTS são bem menores do que esse valor. 2 - Porque o registro a débito na conta de DESPESA COM FGTS é de R$ 700,00. E a conta que registra o valor a pagar, apresenta um saldo de R$ 550,00? 3 - Porque existem duas contas de Despesa com FGTS? Você como conhecedor de relatórios contábeis, também analisando o balancete, o que pode lhe responder? Lição 5 – Correção dos Exercícios de Fixação.

Página 64

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Vamos a correção do exercício deixado. O exercício era basicamente de interpretação do balancete. O balancete era o seguinte:
Nome da Conta Saldo Anterior Movimentos

Bancos Clientes Mercadorias Fornecedores Impostos a Pagar FGTS a Recolher Capital Social Lucros do Exercício Receita de Vendas CMV Salários a Pagar Prejuízos do Exerc INSS a Recolher Pensão Al a Pagar Desp. c/ Multa FGTS Desp. c/ FGTS Cont. Assis. Pagar
TOTAL

2.900,00 1.100,00 150,00 900,00 500,00 200,00 2.000,00 500,00 1.065,88 762,20 54,30 177,02 300,00 200,00 15,00

DV DV DV CR CR CR CR CR CR DV CR CR DV DV CR

A Debito 900,00 200,00 150,00 1.065,88 54,30 177,02 700,00 15,00 3.262,20

A Credito 1.662,20 800,00 150,00 350,00 300,00 3.262,20

Saldo Atual

2.137,80 500,00 900,00 500,00 550,00 2.000,00 500,00 300,00 150,00 762,20 300,00 900,00 -

DV DV CR CR CR CR CR CR DV DV DV DV CR

A primeira duvida era a seguinte: 1 - Porque o saldo da conta do FGTS esta com R$ 550,00? Geralmente o valor das guias de FGTS são bem menores do que esse valor. Resposta: Temos que analisar a linha dessa conta no balancete, vejamos somente abaixo ela em destaque: FGTS a Recolher 200,00 CR 350,00 550,00 CR

O saldo é de R$ 550,00, porque tínhamos um saldo de abril no valor de R$ 200,00. Indicando um passivo, logo um valor que a empresa deveria pagar. Como não houve movimentos a débitos, não houve diminuição desse saldo. Logo depois houve um outro lançamento a crédito, no valor de R$ 350,00. Aumentando o saldo para R$ 550,00. Logo é bem provável que a guia de FGTS do mês de Abril não tenha sido paga. Agora em Maio o balancete apresenta o saldo da guia de Abril e de Maio, totalizando os R$ 550,00.

Página 65

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Isso é o básico que podemos extrair do balancete, para saber se nossa analise esta certa ou não deveríamos solicitar a guia de Abril paga, caso realmente esteja paga, é provável que não tenha sido lançada ou lançada numa conta errada. Vamos agora a segunda questão: 2 - Porque o registro a débito na conta de DESPESA COM FGTS é de R$ 700,00. E a conta que registra o valor a pagar, apresenta um saldo de R$ 550,00? Muito interessante a analise de João, ele percebeu que o movimento a débito na conta de FGTS era de R$ 700,00, em quanto que o valor que é apresentado em FGTS a pagar é de R$ 550,00. Em primeiro lugar sabemos que o valor que vem sendo apresentado na conta de FGTS é a pagar, tem algum problema, isso porque tínhamos um saldo anterior, que vinha do balancete de Abril, onde provavelmente (salvo erro da lançamento), não houve pagamento. Porém João não percebeu que o movimento a crédito na conta de FGTS a Pagar, é de R$ 350,00, ou seja, metade do valor lançado como despesa. É uma situação complicada, tivemos um movimento bem maior na conta de despesa do que esta sendo apresentado na conta de passivo. Por que será? Porém o próprio João nos deu uma dica, lá no enunciado da questão, ele diz que mandou seu gerente embora, ora quando mandamos alguém embora temos que recolher a multa do FGTS, não? E vimos também que ela pode ser contabilizada de duas formas D – Despesa com FGTS C - Caixa Ou D – Despesa com Multa do FGTS C – Caixa Ou quando provisionamos, lançamos a crédito numa conta de passivo. Bom, considerando as informações que temos: Movimento a débito na conta de despesa, bem maior do que o movimento a crédito na conta de passivo, considerando ainda que João mandou seu gerente embora. É bem provável que na conta de despesa com FGTS esteja lançado o valor da multa do FGTS do gerente. Por exemplo, se a multa do FGTS dele foi de R$ 350,00. E o FGTS do mês R$ 350,00. A conta de despesa apresentará o saldo de R$ 700,00, enquanto que a conta de passivo apresentará o saldo de R$ 350,00. Vamos a terceira questão:
Página 66

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

3 - Porque existem duas contas de Despesa com FGTS? Justamente para evitar essa analise que João teve analisando a conta de despesa com FGTS, se o valor da multa tivesse sido lançado na conta de Despesa com Multa do FGTS, João ao analisar, entenderia que o valor lançado ali se refere a despesa com a multa do FGTS para mandar o gerente embora. Observação Geral: Os exercícios foram para demonstrar que é possível retirar dos balancetes informações relativas a folha de pagamento. Identificamos que existe probabilidade de lançamentos estarem errado, para ter certeza se estão ou não o correto seria solicitar o razão da empresa e analisar os lançamentos que foram efetuados na conta de FGTS A PAGAR e DESPESA COM FGTS, lembrando que o razão no caso da conta de FGTS A PAGAR, o razão teria que abranger inclusive o mês de Abril. Ou seja, a analise do balancete mostra que teve erro, qual o erro que foi, somente analisando com mais detalhes, os livros da empresa, e os próprios documentos.

Página 67

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 5 – O INSS da Empresa.
Neste módulo vamos falar sobre a despesa que a empresa tem com o INSS, temos agora um grande desafio, aprender como é contabilizado a despesa do INSS que a empresa tem. A contabilização desta despesa é simples, o detalhe é que temos que nos atentar que temos que juntar o INSS da empresa com o INSS descontado do funcionário. Lição 1 – Introdução ao INSS da Empresa. A empresa tem um imposto que se chama Contribuição Patronal para a Previdência Social – INSS. Esse imposto é calculado em cima da remuneração do funcionários e dos sócios da empresa, se alguns deles receberem remuneração, haverá a contribuição patronal para a Previdência Social. Esse imposto é um percentual variável sobre o valor da folha de pagamento. Mas já não tínhamos visto a contabilização do INSS antes? Lá no módulo 3? Não. Lá tínhamos visto como era contabilizado o desconto do INSS do funcionário, agora estamos falando da despesa que a empresa tem com o INSS. Isso porque na verdade o valor que a empresa paga para o INSS é composto de duas partes, a primeira é a parte que é descontado do funcionário e a segunda é a parte que a empresa paga. Assim como o FGTS, geralmente o valor da despesa com o INSS da empresa, vem apresentado no resumo da folha de pagamento. Vamos entender melhor vendo na pratica como é feita essa contabilização. Mas antes vamos entender um outro fator importante. O regime de tributação. Lição 2 – O Regime de Tributação e o INSS da Empresa. O Regime de Tributação e o INSS da Empresa, nome bonito não? Parece até titulo de monografia. Mas no que isso interfere na contabilização da folha de pagamento da empresa? Interfere no seguinte (para efeitos do nosso trabalho), podemos dividir o regime de tributação, quanto ao INSS, de duas formas: O Regime do Simples Nacional e os outros Regimes de Tributação (Lucro Presumido, Lucro Real e etc.)

Página 68

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Quando a empresa esta enquadrada no SIMPLES NACIONAL, ela não tem despesa de INSS, o único INSS que a empresa paga, é o que foi descontado do funcionário. Nesse caso o total da guia de pagamento é igual ao que foi descontado do funcionário, tal como aprendemos na lição 1 do Módulo 3. Agora quando a empresa não esta enquadrada no regime do SIMPLES NACIONAL, ela terá a despesa com INSS, essa despesa é variável em função de empresa para empresa, pode ser de 20% a 28,8% sobre o total da remuneração paga a todos os prestadores de serviços (assim entendido, funcionários, sócios, autônomos e etc..). Para efeitos de aprendizado vamos considerar que em todos os exemplos e exercícios que fizemos a empresa não esta enquadrada no simples nacional, logo terá a despesa do INSS para ser contabilizada. Também não vamos entrar no mérito da forma de calculo, e sim da forma de contabilização, pois a primeira envolve uma série de fatores extensos. Lição 3 – Contabilização da Despesa do INSS. Considerando o resumo da folha abaixo, vamos aprender como é feita a contabilização da despesa com o INSS. O resumo é o seguinte: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Sindical Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 25% Proventos 1.500,00 30,00 10,00 Descontos

130,00 20,00 200,00 10,00 1.180,00

123,20 1.540,00 385,00

Vejam que temos mais dois campos novos em nosso resumo da folha de pagamento, as duas últimas linhas. Elas apresentam a Base de Calculo do INSS Empresa, e o Valor do INSS da Empresa.

Página 69

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

A primeira linha serve para conferencia, enquanto que a segunda apresenta o percentual de INSS que a empresa paga do próprio bolso e em seguida esse valor, em nosso caso R$ 385,00. Como é um valor que a empresa paga, e um valor que reduzirá o lucro da mesma, podemos afirmar que trata-se de uma despesa. Um outro detalhe importante, conforme vimos acima, é que o total do INSS que a empresa paga, é composto de duas partes, uma que o funcionário paga, e outra que a empresa paga. A parte que o funcionário paga, conforme vimos na lição 1 do módulo 3, é o valor que foi retido dele a titulo de DESCONTO DO INSS, que de acordo com o resumo da folha acima é de R$ 130,00. Já a parte que a empresa paga (do próprio bolso), conforme vimos no resumo da folha é de R$ 385,00. Sendo assim podemos chegar ao valor do INSS, que é de R$ 515,00 (385+130). O que temos que fazer agora é contabilizar toda a folha de pagamento, após faremos o registro da despesa do INSS, e ao final o valor da conta de INSS a Recolher terá que conferir com o calculo acima. Vamos lá? O registro da despesa com o INSS deve ser feito da seguinte forma: D – Despesa com INSS C – INSS a Recolher Despesa c/ Salários 1.500,00 Salários a Pagar 130,00 1.500,00 20,00 30,00 200,00 10,00 10,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 130,00 385,00

IRRF a Recolher 20,00

Pensão Alimentícia a Recolher 200,00

Contr. Sindical a Pagar 10,00

Página 70

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa com FGTS 123,20 Despesa com INSS 385,00

FGTS a Recolher 123,20

Abrimos uma conta de Despesa com INSS e fizemos um lançamento a débito nela no valor de R$ 385,00 para registrar a despesa da empresa, a contra partida do lançamento foi um crédito na conta de INSS a Recolher. Percebam que a conta de INSS a Recolher, já tinha um lançamento no valor de R$ 130,00 que era relativo ao desconto do INSS dos funcionários, que nada tem haver com a despesa com o INSS da empresa. Após esses lançamentos a conta de INSS a Recolher apresenta o saldo de R$ 515,00 INSS a Recolher 130,00 385,00 515,00

O registro do pagamento do INSS é feito da mesma forma que apresentamos na lição 1 do Módulo 3. D – INSS a Recolher C – Caixa ou Bancos. Lição 4 – Exercícios de Fixação. 1 - Contabilize em partidas de diário o resumo da folha de pagamento abaixo: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Desconto de INSS Desconto de IRRF Desc. Contribuição Sindical Valor Líquido a Pagar Proventos 2.698,50 213,69 83,20 Descontos

215,88 11,00 41,00 2.727,51

Página 71

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 25%

239,63 2.995,39 748,84

2 – Indique qual o saldo da conta de INSS a Recolher, e como é a sua composição. Lição 5 – Correção dos Exercícios de Fixação. O exercício 1 pedia que contabilizássemos em partida diário o resumo da folha. Vejamos então como ficariam os lançamentos: Despesa com Salários .a Salários a Pagar Despesa com Horas Extras 50% .a Salários a Pagar Despesa com Rep. Sem. Remunerado .a Salários a Pagar Salários a Pagar .a INSS a Recolher Salários a Pagar .a IRRF a Recolher Salários a Pagar .a Contribuição Sindical a Recolher Despesa com FGTS .a FGTS a Recolher Despesa com INSS .a INSS a Recolher

R$ 2.698,50

R$

213,69

R$

83,20

R$

215,88

R$

11,88

R$

41,00

R$

239,63

R$

748,84

O exercício 2, pedia o saldo da conta de INSS a Recolher, e como era a composição desse saldo. Para apuramos o saldo dessa conta, se tivéssemos o razonete dessa conta seria simples, bastaria somar todos os lados do razonete, diminuir o maior do menor, para apurar o saldo. Como não temos o razonete, podemos apurar esse saldo, já que o exercício era pequeno pois caso fosse muito grande era melhor apurar os razonetes, verificando lançamento por lançamento e vendo quais foi que tiveram a conta de INSS a Pagar. Fazendo essa analise, ficaríamos restritos a dois lançamentos:
Página 72

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Salários a Pagar .a INSS a Recolher Despesa com INSS .a INSS a Recolher

R$

215,88

R$

748,84

O primeiro lançamento diz que estamos reduzindo a conta de salários a pagar, e aumentando a conta de INSS a Recolher, logo, podemos concluir que estamos descontando o INSS do pagamento dos funcionários. O segundo lançamento, aumentamos o saldo da conta de despesa e aumentando a conta de INSS a Recolher, ou seja, trata-se do lançamento do valor que a empresa paga, a parte da empresa, ou a despesa da empresa em si. Em todos os lançamentos podemos perceber que a conta de INSS a Recolher esta sendo creditada , logo, esta sendo aumentada. Portanto podemos chegar a conclusão de que o saldo da conta de INSS a Recolher é de R$ 215,88 + R$ 748,84 = R$ 964,72. E que a composição desse lançamento é o seguinte: R$ 215,88, foi descontado dos funcionários, e R$ 748,84 é a parte que a empresa pagará, ou seja, a despesa da empresa.

Página 73

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 6 – Salário Família.
Neste módulo, vamos ver o que é o salário e como se faz os registros contábeis desse beneficio. Lição 1 – Introdução. O salário Família é um beneficio concedido pelo governo federal, aos empregados que possuam filhos menores de 14 anos, desde que esses, no caso dos menores de 7 anos, tenham todas as vacinas em dias, e caso dos maiores de 7 anos, estejam devidamente matriculados e cursando a escola. Mas ai vem a pergunta: Se é um beneficio que o governo concede, o que isso haver com a contabilização de folha de pagamento? Na verdade é um beneficio que o governo concede, porém o mesmo determina que quem deve pagar ao funcionário tal beneficio é a empresa. Ok? Mas tem alguma coisa errada nessa historia aí em cima, vamos analisar com calma, vimos que o salário família é um beneficio que o governo concede ao trabalhador que possuir filhos, porém quem paga é a empresa? Ora então é uma despesa da empresa? Não. É um beneficio do governo, porém quem paga é a empresa. Depois a empresa recebe esse valor de volta. Sabe como? Deduzindo do valor que ela tem a pagar do INSS. Se a empresa pagou R$ 50,00 de salário família, ela descontará R$ 50,00 do pagamento do INSS, no módulo acima apuramos um valor de R$ 515,00 a pagar de INSS (R$ 385,00 da empresa + R$ 130,00 descontado dos funcionários). Desse valor (R$ 515,00) a empresa descontará os R$ 50,00 que pagou de salário família, ou seja, na hora de pagar, a guia GPS (Guia da Previdência Social – documento com o qual a empresa recolhe para o governo a contribuição previdenciária), será diminuída em R$ 50,00. Vamos ver na pratica como funciona esse registro contábil. Lição 2 – O Pagamento do Salário Família. Considerando o resumo da folha de pagamento abaixo, vamos aprender a contabilizar o pagamento do salário família. O registro será feito da seguinte forma: D – Salário Família a Compensar (conta de ativo circulante)
Página 74

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

C – Salários a Pagar. Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Salário Família Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Sindical Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 25% Os razonetes ficariam da seguinte forma: Despesa c/ Salários 1.500,00 Salários a Pagar 130,00 20,00 200,00 10,00 1.500,00 30,00 10,00 15,00 Proventos 1.500,00 30,00 10,00 15,00 Descontos

130,00 20,00 200,00 10,00 1.195,00

123,20 1.540,00 385,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 130,00 385,00

IRRF a Recolher 20,00

Pensão Alimentícia a Recolher 200,00

Contr. Sindical a Pagar 10,00

Despesa com FGTS 123,20

FGTS a Recolher 123,20

Página 75

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa com INSS 385,00

Salário Família a Compensar 15,00

Vejam que efetuamos um débito na conta de Salário Família a Compensar, e creditamos a conta de Salários a Pagar, em R$ 15,00. Dessa forma aumentamos o valor da conta de salários a pagar, e também aumentamos o valor que da conta de Salário Família a Compensar. Lição 3 – O Desconto do Salário Família. Na lição passada vimos como é feito o registro do pagamento do salário família, nesta lição aprenderemos a contabilizar o desconto do salário família, ou seja, o ressarcimento a empresa, pelo pagamento do beneficio. Conforme dito nas lições anteriores, o salário família é um benefício do governo que a empresa paga, mas que o governo devolve a empresa através do desconto da guia do INSS (GPS). Esse registro é feito da seguinte forma: D – INSS a Recolher C – Salário Família a Compensar Vejam que faremos um débito na conta de INSS a Recolher, reduzindo assim o seu saldo, a contra partida desse lançamento será o crédito na conta de Salário Família a Compensar. A conta debitada (INSS a Recolher) será diminuída com esse valor. O que ocorre aqui, é que a empresa deixará de pagar mais INSS, pois estará nesse momento compensado o Salário Família com a guia do INSS. Ela pagou ou pagará R$ 15,00 a mais no salário, porém pagará os mesmos R$ 15,00 a menos na guia de INSS. Despesa c/ Salários 1.500,00 Salários a Pagar 130,00 20,00 200,00 10,00 1.500,00 30,00 10,00 15,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

Página 76

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

INSS a Recolher 15,00 130,00 385,00

IRRF a Recolher 20,00

Pensão Alimentícia a Recolher 200,00

Contr. Sindical a Pagar 10,00

Despesa com FGTS 123,20 Despesa com INSS 385,00

FGTS a Recolher 123,20 Salário Família a Compensar 15,00 15,00

Vejam que nesse momento o saldo de nossa conta de salário família a compensar é ZERO. E o saldo da conta de INSS a Recolher, que antes era de R$ 515,00, após o registro do ressarcimento do Salário Família, passou a ser de R$ 500,00 (R$ 515,00 – R$ 15,00). Um detalhe importante, tendo que dito, os registros tanto do pagamento: D – Salário Família a Compensar (conta de ativo circulante) C – Salários a Pagar. Quanto o registro do ressarcimento do salário família: D – INSS a Recolher C – Salário Família a Compensar São obrigatórios, ou sejam, só podem ser feitos dessa forma. Isso porque existe uma lei da Previdência Social, onde para facilitar a fiscalização, exige que o lançamento do salário família seja feito dessa forma.

Página 77

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 7 – O Salário Maternidade.
Neste módulo, vamos ver aprender a contabilizar o salário maternidade, outro beneficio do governo, que é pago pela empresa com o posterior reembolso depois. Lição 1 – Introdução. O salário maternidade é um beneficio pago pelo INSS (Governo), as funcionarias que tiveram filhos, e que adotaram crianças. Antigamente o beneficio era pago diretamente pela Previdência Social, o que exigia que a futura mãe, grávida de 8 meses, enfrentasse uma fila enorme, basicamente perdia um dia inteiro na fila do INSS, para dar entrada no salário maternidade. Após esse procedimento o beneficio era pago mediante crédito em conta bancária. Nesse caso, não havia nada para a empresa contabilizar, a funcionária era simplesmente afastada. Desde meados de 2003, isso mudou, agora a empresa paga o salário maternidade e deduz da guia de INSS. Tal como fizemos com o salário família. Vejamos a forma de contabilização: Lição 2 – Contabilização do Salário Maternidade. O salário maternidade é contabilizado da seguinte forma: C – Salários a Pagar D – Salário Maternidade a Compensar (Conta de Ativo Circulante) Vamos ver na pratica como é feito esse registro. Considere o seguinte resumo da folha de pagamento: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Salário Maternidade Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Salário Família Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Proventos 900,00 600,00 30,00 10,00 15,00 Descontos

130,00 20,00 200,00
Página 78

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Desc. Contribuição Sindical Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40%

10,00 1.795,00

123,20 1.540,00 616,00

Vejam que a segunda linha, abaixo do titulo descrição temos o provento de SALARIO MATERNIDADE, no valor de R$ 600,00. A contabilização nos razonetes ficaria da seguinte forma: Despesa c/ Salários 900,00 Salários a Pagar 130,00 20,00 200,00 10,00 900,00 30,00 10,00 15,00 600,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 130,00 616,00

IRRF a Recolher 20,00

Pensão Alimentícia a Recolher 200,00

Contr. Sindical a Pagar 10,00

Despesa com FGTS 123,20 Despesa com INSS 616,00 Salário Maternidade a Compensar 600,00

FGTS a Recolher 123,20 Salário Família a Compensar 15,00

Vamos fazer alguns comentários importantes, primeiro vejam que abrimos uma conta de SALARIO MATERNIDADE A COMPENSAR, onde fizemos um débito de R$ 600,00 de acordo com o que constava no resumo da folha de pagamento. Vejam também que a
Página 79

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

contra partida desse lançamento é um crédito na conta de salários a pagar, aumentando assim o seu saldo. Outro detalhe importante é o seguinte, vejam que ainda não compensamos o salário família, o porque disso será visto nas próximas lições. Para efeitos de aprendizado, aumentei também o percentual de despesa de INSS da empresa, para 40%, agora a despesa total é de R$ 616,00, para tal fizemos um registro a débito na conta de DESPESA COM INSS e um crédito na conta de INSS A RECOLHER. Lição 3 – Ressarcimento do Salário Maternidade. Nesta lição vamos aprender como fazemos o registro do ressarcimento do pagamento do salário maternidade, pois como dito, o pagamento desse beneficio é responsabilidade do governo (através da Previdência Social), porém que arca com o desembolso é a empresa, que depois procede ao ressarcimento. O registro do ressarcimento é feito da seguinte forma: D – INSS a Recolher C – Salário Maternidade a Compensar Continuando os lançamentos nos razonetes, vejamos como fica o registro da contabilização desse ressarcimento: Despesa c/ Salários 900,00 Salários a Pagar 130,00 20,00 200,00 10,00 900,00 30,00 10,00 15,00 600,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 600,00 130,00 616,00

IRRF a Recolher 20,00

Pensão Alimentícia a Recolher 200,00

Contr. Sindical a Pagar 10,00

Página 80

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa com FGTS 123,20 Despesa com INSS 616,00 Salário Maternidade a Compensar 600,00 600,00

FGTS a Recolher 123,20 Salário Família a Compensar 15,00

Conforme dito acima, fizemos o registro do ressarcimento do Salário Maternidade, diminuindo ele do valor que pagaríamos ao INSS. Lembro que ainda falta fazer o registro do salário família. Vamos ver agora na próxima lição. Lição 4 – Ordem de Ressarcimento: Salário Maternidade e Salário Família. Conforme dito no finalzinho da lição anterior falta registramos o desconto do salário família. Mas porque não foi feito isso antes? Porque existe uma ordem para efetuar esse registro, sempre que houver salário maternidade e salário família o salário maternidade deve ser compensado primeiro, se ainda houver saldo para compensar o salário família, procede a compensação deste. Analisando o razonete da conta de INSS a Recolher: INSS a Recolher 600,00 130,00 616,00

Temos R$ 746,00 a crédito, e R$ 600,00 a débito resultando assim num saldo de R$ 146,00 Credor. Como estamos falando de uma conta de passivo, chegamos a conclusão de que ainda temos que pagar R$ 146,00. Podemos então compensar o salário família, que ficaria da seguinte forma:

Página 81

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa c/ Salários 900,00

Salários a Pagar 130,00 20,00 200,00 10,00 900,00 30,00 10,00 15,00 600,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 600,00 130,00 15,00 616,00

IRRF a Recolher 20,00

Pensão Alimentícia a Recolher 200,00

Contr. Sindical a Pagar 10,00

Despesa com FGTS 123,20 Despesa com INSS 616,00 Salário Maternidade a Compensar 600,00 600,00 Agora temos o seguinte razonete de INSS a Recolher: INSS a Recolher 600,00 130,00 15,00 616,00

FGTS a Recolher 123,20 Salário Família a Compensar 15,00 15,00

Total da Lançamentos a Crédito: R$ 746,00 Total de Lançamentos a Débito: R$ 615,00 Saldo da Conta: R$ 131,00 Credor. Ou seja, a empresa após efetuada a compensação do Salário Maternidade e do Salário Família ainda tem que pagar ao INSS a quantia de R$ 131,00. Lição 5 – Crédito do Salário Maternidade

Página 82

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

As vezes pode ocorrer do Salário Maternidade ser maior do que o valor da guia de INSS. Por exemplo, vimos que o valor da guia de INSS antes de efetuadas as compensações era de R$ 746,00. Se por exemplo o salário maternidade fosse de R$ 890,00? Para melhor compreensão, vamos refazer nossos razonetes considerando esse novo valor de salário maternidade. Despesa c/ Salários 900,00 Salários a Pagar 130,00 20,00 200,00 10,00 900,00 30,00 10,00 15,00 890,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 130,00 616,00

IRRF a Recolher 20,00

Pensão Alimentícia a Recolher 200,00

Contr. Sindical a Pagar 10,00

Despesa com FGTS 123,20 Despesa com INSS 616,00 Salário Maternidade a Compensar 890,00

FGTS a Recolher 123,20 Salário Família a Compensar 15,00

Percebam que registramos nos razonetes, de Salário Maternidade a Compensar, e Salários a Pagar, o valor de R$ 890,00, que trata-se do novo valor do salário maternidade.

Página 83

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

O próximo passo é saber quanto temos a pagar, ao INSS e quanto temos de créditos (salário maternidade e salário família). Temos a pagar a quantia de R$ 746,00, que pode ser conhecida analisando a conta de INSS a Recolher. E temos a recuperar ou a compensar, R$ 15,00 de salário família, e R$ 890,00 de salário maternidade. Podemos perceber que o que temos a pagar, é menor do que o temos de credito, temos que pagar, R$ 746,00, mais temos um crédito de R$ 890,00. De cara já sabemos que não vamos poder compensar o salário família. Então vamos fazer o seguinte, vamos registrar o ressarcimento de R$ 746,00 de salário maternidade. Vejamos como fica nos razonetes: Despesa c/ Salários 900,00 Salários a Pagar 130,00 20,00 200,00 10,00 900,00 30,00 10,00 15,00 890,00

Despesa c/ Hora Extra 30,00

Despesa c/ RSR 10,00

INSS a Recolher 746,00 130,00 616,00

IRRF a Recolher 20,00

Pensão Alimentícia a Recolher 200,00

Contr. Sindical a Pagar 10,00

Despesa com FGTS 123,20 Despesa com INSS 616,00 Salário Maternidade a Compensar 890,00 746,00

FGTS a Recolher 123,20 Salário Família a Compensar 15,00

Página 84

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Registramos um debito na conta de INSS a Recolher, no valor de R$ 746,00 zerando assim o seu saldo, e efetuamos um crédito na conta de Salário Maternidade a Compensar também no valor de R$ 746,00. Nesse momento o saldo da conta de Salário Maternidade a Compensar é de R$ 144,00. Ou seja, ainda temos um crédito de R$ 144,00 com a Previdência Social. O que aconteceria? A empresa continuaria com crédito ou perderia o direito a compensar esse valor? A empresa passa a ter duas possibilidades, compensa esse valor de R$ 144,00 que sobrou nos meses seguintes, ou pede reembolso para a previdência social, no caso acima, pode inclusive solicitar o reembolso do salário família também, haja visto que não conseguiu compensar o mesmo também. Vamos analisar como é o registro em cada uma das possibilidades. Lição 6 – Compensação do Salário Maternidade Caso a empresa opte por fazer a compensação nos meses seguintes, o lançamento é feito de forma idêntica a que aprendemos. D – INSS a Recolher C – Salário Maternidade a Compensar. Ao fechar a folha de Outubro de 2007, os passos seriam identificar o valor que tem a pagar para o INSS, e analisar se pode compensar o saldo do salário maternidade, por exemplo, imaginem que o saldo da guia relativa ao mês de Outubro de 2007, fosse de R$ 500,00. Nesse caso a empresa poderia tranqüilamente compensar os R$ 144,00 que ainda tinha de credito. Vejamos nos razonetes:

INSS a Recolher 500,00 144,00

Salário Maternidade a Compensar 144,00 (Si) 144,00

Percebam que a conta de salário maternidade a compensar tinha um saldo inicial de R$ 144,00. Após o registro da compensação, a conta de INSS a Recolher ficou com um saldo de R$ 356,00. E a conta de Salário Maternidade a Compensar com o saldo zerado. Agora suponhamos que o total de INSS a Recolher fosse de R$ 100,00. Teríamos que deixar na conta de Salário Maternidade a Compensar a quantia de R$ 44,00 para compensarmos em Novembro de 2007.

Página 85

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Vejamos: INSS a Recolher 100,00 100,00 Salário Maternidade a Compensar 144,00 (Si) 100,00

Percebam que o saldo da conta de Salário Maternidade a Compensar é de R$ 44,00. Esse procedimento deve ser feito, até que o saldo da conta de salário maternidade fique zerado. Lição 7 – Atualização do Salário Maternidade a Compensar. Quando pagamos o INSS em atraso, temos que recolher com juros e multa o que não é nem um pouco barato. Atualmente o INSS vence sempre no dia 10 do mês seguinte, caso esse dia não seja dia útil, prorroga-se a data de pagamento para a mais próxima seguinte, por exemplo 11, 12 ou 13. Se o INSS vencer no dia 10, e nesse dia a empresa não pagar, vindo a pagar no dia 11, ou se o INSS vender no dia 11 e a empresa pagar no dia 12, pagará com juros e multa de 5% sobre o valor total. Um valor caro para 1 ou 2 dias de atraso. Não? E quando não conseguimos compensar totalmente o INSS e temos que compensa-los nos meses seguinte, assim como aconteceu no exemplo da lição passada? O INSS permite que esse valor seja atualizado também. Nessa lição vamos ver como é feita essa atualização (feita em termos contábil), pois existe uma série de detalhes que devem ser observadas na hora de atualizar valores que temos direito a compensar junto ao INSS, os quais não serão vistos aqui. Estamos tratando somente da contabilização. Vejamos: No mês de setembro não conseguimos compensar totalmente o valor do salário maternidade, vimos que sobrou R$ 144,00 para compensar no mês seguinte, suponhamos que a legislação permita que atualizemos esse valor em 1%. Logo tínhamos um crédito de R$ 144,00, 1% sobre esse valor é igual a R$ 1,44. O registro dessa atualização é feita da seguinte forma: D – Salário Maternidade a Compensar C – Receita de Juros Nos razonetes:
Página 86

R$ 1,44

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Receita de Juros 1,44

Salário Maternidade a Compensar 144,00 (Si) 1,44

A conta creditada é uma conta de receita, portanto ao efetuarmos o zeramento das contas de resultado, essa conta deve entrar no processo de apuração do resultado, ou seja, deve ser zerada para apurarmos o lucro ou prejuízo do período. Agora, temos o saldo de R$ 145,44 para compensar, continuando ainda com nosso exemplo, sabemos (considerando), que a guia de Outubro de 2007, é de R$ 100,00, vamos ver como fica o lançamento: INSS a Recolher 100,00 100,00 Salário Maternidade a Compensar 144,00 (Si) 100,00 1,44

Vejam que a conta de INSS a Recolher, esta com saldo zerado e a conta de Salário Maternidade a Compensar apresenta do saldo de R$ 45,44. No próximo mês, esse valor será novamente atualizado. Utilizaremos o saldo possível, se ainda sobrar valores a compensar atualizaremos novamente, utilizaremos para compensar e assim por diante, até esgotar todo o valor que temos a compensar. Vamos agora, aprender como é efetuado o registro contábil quando a empresa solicita o reembolso do salário maternidade. Lição 8 – Reembolso do Salário Maternidade. Na lições anteriores aprendemos como contabilizar o salário maternidade, vimos que atualmente a empresa que paga e na Previdência Social devolve o valor à empresa, através de abatimentos da guia de INSS que a empresa tem que pagar. Quando o valor que a empresa tem que pagar, é menor do que ela tem de direito a receber, ela pode compensar esse valor em meses seguintes. Quando o valor a compensar é alto, ou a guia de INSS a Recolher é baixa, isso gera um inconveniente administrativo e financeiro. Inconveniente administrativo, é que a empresa terá que ficar todo mês controlando o valor, deduzindo da guia, e assim por diante. Outro detalhe a empresa só pode efetuar compensações se pagar no dia certo o INSS, por exemplo, na guia de outubro de 2007, que era no valor de R$ 100,00. A empresa compensou os R$ 100,00 com o credito de salário maternidade que tinha. Nesse caso não sobraria valor a ser pago, tudo bem. Porém se o valor a pagar fosse de R$ 200,00 a empresa teria abatido R$ 145,44. Restando um saldo a pagar de R$ 54,56.
Página 87

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Porém ela só teria direito a compensar se efetuasse o pagamento dos R$ 54,56 até o dia do vencimento da guia, se efetuasse o pagamento com atraso (mesmo que fosse um atraso de um único dia), teria que recolher os R$ 200,00 mais juros, deixando para fazer a compensação nos R$ 145,44 no mês seguinte ou seja Novembro de 2007. Isso somente nas compensações, no ressarcimento (no próprio mês que paga o salário maternidade) isso não se aplica. Olha que burocracia !!!!!!! O inconveniente financeiro, é que o dinheiro que ela pagou de salário maternidade não foi totalmente ressarcido e pode vir a faltar para outra coisa. Quanto inconveniente não acha? Uma outra forma de conseguir pegar esse dinheiro de volta é solicitando o reembolso diretamente para a Previdência Social, neste caso a Previdência creditaria em conta corrente o valor que não foi compensado. Cumpre ressaltar que esse procedimento demora demais, mais demais mesmo, pode considerar ai no mínimo 1 ano pra ver esse dinheiro de volta. Mas a casos que mesmo demorando para devolver esse dinheiro vale a pena para a empresa solicitar o reembolso. Isso porque o salário maternidade é pago durante 4 meses, ou seja, a empresa vai entregar esse dinheiro para a funcionária durante 4 meses seguidos. Suponhamos que o salário maternidade seja de R$ 700,00, quatro meses totalizariam R$ 2.800,00. Suponhamos ainda que em média a guia de INSS da empresa é de R$ 100,00 por mês (geralmente para as empresas optantes pelo Simples Nacional). No primeiro mês a empresa paga R$ 700,00, compensa R$ 100,00 sobra R$ 600,00. Atualiza os R$ 600,00, digamos que para R$ 606,00, paga mais R$ 700,00 e compensa R$ 100,00. Fica com um saldo de R$ 1.206,00. No mês seguinte atualiza os R$ 1.206,00, vai para (por exemplo) R$ 1.250,00, paga mais R$ 700,00, fica com um total de R$ 1.950,00, compensa R$ 100,00 sobra R$ 1.850,00. No outro mês (ultima parcela do salário maternidade), atualiza os R$ 1.950,00 para R$ 2.000,00, paga mais R$ 700,00, compensa R$ 100,00 fica com um saldo de R$ 2.600,00. A partir desse mês acabou o salário maternidade, agora ela vai ficar só atualizando e compensando. No quinto mês, atualiza para R$ 2.630,00, compensa R$ 100,00, sobra R$ 2.530,00.

Página 88

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

No sexto mês, atualiza para R$ 2.550,00, compensa R$ 100,00, sobra R$ 2.450,00. E assim sucessivamente. Provavelmente essa empresa levará mais do que 1 ou 2 anos para compensar por completo todo o salário maternidade. Sem contar que esses R$ 2.450,00 poderiam estar sendo utilizados em outra coisa (compra de mercadorias por exemplo). Então fica mais fácil a empresa pedir o reembolso para a Previdência Social. Vamos supor então que a empresa após efetuar a compensação de setembro de 2007, onde ficou com o saldo de R$ 144,00. Não queira ficar fazendo compensações e tenha entrada com um pedido de reembolso junto a Previdência Social, e que após algum tempo a Previdência credita na conta da empresa o salário maternidade não compensado (R$ 144,00) Nesse momento o lançamento que seria feito é o seguinte: D – Caixa ou Bancos C – Salário Maternidade a Compensar. Nos razonetes: Bancos 144,00 Salário Maternidade a Compensar 144,00 (Si) 144,00

Vejam que zeramos a conta de Salário Maternidade a Compensar, e que debitamos a conta BANCOS (haja visto que a Previdência Social, só paga mediante crédito em conta, logo o registro em hipótese nenhuma pode ser efetuado na conta CAIXA), aumentando assim o seu saldo. Caso a Previdência Social, demore a pagar o valor creditado virá atualizado, e será necessário fazer o lançamento da Receita de Juros primeiro, creditando a conta de Receita de Juros e debitando a conta de Salário Maternidade a Compensar, para posteriormente registramos o recebimento. Considerando que a Previdência Social, tenha creditado a quantia de R$ 190,00 e que pedimos o reembolso de R$ 144,00 sabemos que a diferença é relativa aos juros, então o lançamento deve ser efetuado da seguinte forma: D – Salário Maternidade a Compensar C – Receita de Juros D – Bancos C – Salário Maternidade a Compensar Nos razonetes:

R$ 46,00

R$ 190,00

Página 89

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Bancos 190,00

Salário Maternidade a Compensar 144,00 (Si) 190,00 46,00

Receita de Juros 46,00

E dando por finalizado o ciclo de compensação de salário maternidade. Lição 9 – Exercícios de Fixação. Exercício 1: Contabilize as operações conforme instrução abaixo: A empresa Chiquinho da Silva Comercio e Industria, acabou de ser constituída. O valor do capital é R$ 50.000,00, e foi integralizado da seguinte forma: R$ 10.000,00 através de um veículo. R$ 40.000,00 em dinheiro, com deposito efetuado no banco Bradesco. Após essas operações a empresa comprou mercadorias para revenda, no valor de R$ 5.000,00 a prazo. Elabore o balanço patrimonial até o presente momento. Exercício 2: No mês seguinte a empresa, efetuou algumas operações, vendeu metade do seu estoque, pelo valor de R$ 7.000,00, sendo metade recebido a vista com crédito no banco, e o restante a prazo. Aproveitando que recebeu metade da venda a vista, efetuou logo o pagamento da primeira parcela da compra faturada no valor de R$ 1.000,00. Com o final do mês, a empresa recebeu a seguinte folha de pagamento que vamos contabiliza-la. Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Salário Maternidade Salário Família Desconto de INSS Desc. Contribuição Sindical Valor Líquido a Pagar Proventos 300,00 230,00 10,00 Descontos

60,00 10,00 470,00
Página 90

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40%

42,40 530,00 106,00

Após a contabilização dessa operação, vamos elaborar um novo balanço patrimonial. Lição 10 – Correção do Exercício de Fixação. Exercício 1: O primeiro exercício consistia em contabilizar as primeiras operações de uma empresa, trata-se de operações simples (integralização de capital, compra de mercadorias). Portanto, após efetuados todos os lançamentos o balanço patrimonial teria que se apresentar da seguinte forma: Ativo Banco – Bradesco Mercadorias Veículos Passivo 40.000,00 Fornecedores 5.000,00 5.000,00 10.000,00 Patrimônio Líquido Capital Social 50.000,00 55.000,00 55.000,00 SOMA DO PASSIVO

SOMA DO ATIVO

A idéia era elaborarmos o primeiro balanço para dar seqüência aos lançamentos. Vamos a correção do segundo exercício: Exercício 2: Já no inicio do exercício, temos algumas operações para contabilizar: “No mês seguinte a empresa, efetuou algumas operações, vendeu metade do seu estoque, pelo valor de R$ 7.000,00, sendo metade recebido a vista com crédito no banco, e o restante a prazo” Para começarmos a contabilizar essas operações teríamos que abrir todos os razonetes: Banco – Bradesco 40.000,00 (Si) 3.500,00 (1) Mercadorias 5.000,00 (Si) 2.500,00 (1)

Veículos 10.000,00 (Si)

Fornecedores 5.000,00 (Si)

Página 91

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Capital Social 50.000,00 (Si) Receita de Vendas 7.000,00 (1)

CMV 2.500,00 (1) Clientes 3.500,00 (1)

Temos então contabilizada a primeira operação, vamos a contabilização da segunda operação que era a seguinte: “Aproveitando que recebeu metade da venda a vista, efetuou logo o pagamento da primeira parcela da compra faturada no valor de R$ 1.000,00.” Vamos as contabilizações Banco – Bradesco 40.000,00 (Si) 1.000,00 (2) 3.500,00 (1) Mercadorias 5.000,00 (Si) 2.500,00 (1)

Veículos 10.000,00 (Si) Capital Social 50.000,00 (Si) Receita de Vendas 7.000,00 (1)

Fornecedores 1.000,00 (2) 5.000,00 (Si) CMV 2.500,00 (1) Clientes 3.500,00 (1)

Chegou a hora de efetuarmos a contabilização da folha de pagamento, de acordo com o resumo abaixo: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Salário Maternidade Salário Família Desconto de INSS Desc. Contribuição Sindical Valor Líquido a Pagar Proventos 300,00 230,00 10,00 Descontos

60,00 10,00 470,00

Página 92

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40% Vamos então as contabilizações: Banco – Bradesco 40.000,00 (Si) 1.000,00 (2) 3.500,00 (1)

42,40 530,00 106,00

Mercadorias 5.000,00 (Si) 2.500,00 (1)

Veículos 10.000,00 (Si) Capital Social 50.000,00 (Si) Receita de Vendas 7.000,00 (1) Despesa com Salário 300,00 (3)

Fornecedores 1.000,00 (2) 5.000,00 (Si) CMV 2.500,00 (1) Clientes 3.500,00 (1) Salário a Pagar 60,00 (3) 300,00 (3) 10,00 (3) 230,00 (3) 10,00 (3) Salário Família a Compensar 10,00 (3) Contr. Sindical a Pagar 10,00 (3)

Salário Maternidade a Compensar 230,00 (3) INSS a Recolher 60,00 (3) 106,00 (3) Despesa com FGTS 42,40 (3) Despesa com INSS 106,00 (3) Temos todas as operações contabilizadas.

FGTS a Recolher 42,40(3)

Agora temos que analisar e saber quais compensações podemos fazer, se iremos efetuar tanto a compensação do salário maternidade, quanto do salário ou se só de uma.
Página 93

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Para tanto, o primeiro passo é saber qual o valor que temos a pagar de INSS, e quanto temos a compensar. Pela analise da conta de INSS a Pagar, podemos verificar que a empresa tem a pagar, a quantia de R$ 166,00, que é o somatório do que foi descontado dos funcionários R$ 60,00, mais o que será pago pela empresa (R$ 106,00). E temos a compensar R$ 230,00 de salário maternidade e R$ 10,00 de salário família. Já podemos verificar que temos mais a compensar do que a pagar. E como vimos nas lições acima, vamos dar prioridade para compensar o salário maternidade primeiro. E deixar os outros para compensar no mês seguinte. Então nesse momento os razonetes ficariam da seguinte forma: Banco – Bradesco 40.000,00 (Si) 1.000,00 (2) 3.500,00 (1) Mercadorias 5.000,00 (Si) 2.500,00 (1)

Veículos 10.000,00 (Si) Capital Social 50.000,00 (Si) Receita de Vendas 7.000,00 (1) Despesa com Salário 300,00 (3)

Fornecedores 1.000,00 (2) 5.000,00 (Si) CMV 2.500,00 (1) Clientes 3.500,00 (1) Salário a Pagar 60,00 (3) 300,00 (3) 10,00 (3) 230,00 (3) 10,00 (3) Salário Família a Compensar 10,00 (3) Contr. Sindical a Pagar 10,00 (3)

Salário Maternidade a Compensar 230,00 (3) 166,00 (4) INSS a Recolher 166,00 (4) 60,00 (3) 106,00 (3)

Página 94

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa com FGTS 42,40 (3) Despesa com INSS 106,00 (3)

FGTS a Recolher 42,40(3)

Vejam que agora o saldo de nossa conta de INSS a Pagar, é zero, e o saldo de nossa conta de Salário Maternidade a Compensar é de R$ 64,00. E ainda temos a compensar o salário família no valor de R$ 10,00. Para finalizar o exercício agora falta somente elaborar um novo balanço patrimonial, para tanto teremos que efetuar o zeramento das contas de resultado. Vejamos: Banco – Bradesco 40.000,00 (Si) 1.000,00 (2) 3.500,00 (1) Mercadorias 5.000,00 (Si) 2.500,00 (1)

Veículos 10.000,00 (Si) Capital Social 50.000,00 (Si) Receita de Vendas 7.000,00 (R) 7.000,00 (1) Despesa com Salário 300,00 (3) 300,00 (R)

Fornecedores 1.000,00 (2) 5.000,00 (Si) CMV 2.500,00 (1) 2.500,00 (R)

Clientes 3.500,00 (1) Salário a Pagar 60,00 (3) 300,00 (3) 10,00 (3) 230,00 (3) 10,00 (3) Salário Família a Compensar 10,00 (3) Contr. Sindical a Pagar 10,00 (3)

Salário Maternidade a Compensar 230,00 (3) 166,00 (4) INSS a Recolher 166,00 (4) 60,00 (3) 106,00 (3)

Página 95

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa com FGTS 42,40 (3) 42,40 (R) Despesa com INSS 106,00 (3) 106,00 (R)

FGTS a Recolher 42,40(3) ARE 2.500,00 (R) 300,00 (R) 42,40 (R) 106,00 (R) 4.051,60 (T) 7.000,00 (R)

Lucro do Exercício 4.051,60 (T) Temos as contas de resultado zeradas, e o saldo de R$ 4.051.60,00 Credor, que indica lucro, transferido para a conta de lucro do exercícios. Falta agora organizarmos tudo e elaborarmos o balanço patrimonial que ficaria da seguinte forma: Ativo Banco – Bradesco Mercadorias Veículos Clientes Sal. Maternidade a Comp Sal. Família a Compensar SOMA DO ATIVO Passivo Fornecedores 4.000,00 Salários a Pagar 470,00 Contrib. Sindical a Pagar 10,00 FGTS a Pagar 42,40 Patrimônio Líquido Capital Social 50.000,00 Lucros do Exercício 4.051,60 58.574,00 58.574,00 SOMA DO PASSIVO 42.500,00 2.500,00 10.000,00 3.500,00 64,00 10,00

Página 96

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 8 – Vale Transporte.
Nesta lição vamos aprender a contabilizar o vale transporte, veremos como deve ser feito o registro da compra, da distribuição e do desconto do vale transporte. Lição 1 – Introdução ao Vale Transporte. O vale transporte foi instituído pela Lei 7.418 de 16 de Dezembro de 1985, nessa época as empresas tinha uma vantagem fiscal, com o vale transporte, além de deduzir esse valor como despesa do período, o que por si só já reduzia o lucro da empresa. Ainda ganhava uma redução no imposto de renda. Nesse momento o vale transporte era opcional, ou seja, o empregador concedia se fosse de seu interesse, a partir de 1987 ele passou a ser obrigatório. No final de 1997, esse beneficio da redução do imposto de renda foi revogado. Como sabemos o vale transporte é custeado em grande parte pelo empregador, porém o funcionário também paga um pedaço do mesmo. Portanto, o valor da despesa de compra com o vale transporte para a empresa, será o resultado do valor pago pela compra, deduzido do valor que foi descontado do funcionário. Nas próximas lições vamos ver isso na pratica. Lição 2 – Registro da Compra do Vale Transporte. A lei diz que o vale transporte será um beneficio concedido ao empregado, que o empregador ANTECIPARA ao mesmo. O termo antecipará, quer dizer que o empregador concederá o beneficio com antecedência, ou seja, o funcionário receberá o vale transporte no final ou inicio do mês, para uso durante o mês corrente ou próximo, em outras palavras é o seguinte, se estamos no final de Junho a empresa concederá o vale transporte para uso de Julho. Portanto a empresa compra com uma certa antecedência o vale transporte, para que possa cumprir o que a lei determina. Que é entregar antes (antecipar) ao funcionário. Agora vejamos, a empresa compra em Junho o vale transporte que será utilizado em Julho. O valor pago pela empresa consiste numa despesa certo? Mas essa despesa é de que mês, Junho ou Julho? Julho ! Pois é nesse mês que a despesa se realizará (principio da competência, onde diz que a despesa deve ser reconhecida no mês que ocorrer, e não no mês que for paga).

Página 97

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Então estamos pagando em Junho a despesa de Julho. Para respeitar o principio da competência, no momento da compra registraremos numa conta de ativo, a compra do vale transporte, da seguinte forma: D – Despesa Antecipada com Vale Transporte (Conta de Ativo) C – Caixa ou Bancos O registro nos razonetes, supondo a compra de R$ 5.000,00 de vale transporte, ficaria da seguinte forma: Caixa 5.000,00 Desp. Antec. com Vale Transporte 5.000,00

Com esse registro, estamos ativando esse gasto. Estamos lançando no ativo da empresa, um gasto que se transformará em despesa no mês seguinte. Ou seja, estamos registrando um direito da empresa, o direito de reconhecer esse valor como despesa no mês seguinte. Lição 3 – Distribuição do Vale Transporte, Reconhecimento da Despesa. Agora vamos aprender a registrar a despesa de vale transporte. Ainda dando continuidade no exemplo da lição, anterior: Vimos que a empresa comprou em Junho o vale transporte de Julho, para respeitar o princípio da competência, onde diz que a despesa deve ser reconhecida no mês que ocorrer, e não no mês que for paga, fizemos um registro ativando o gasto com o vale transporte, ou seja, deixamos essa “futura despesa na ocasião”, registrada numa conta do ativo da empresa, aguardando o momento certo de ser reconhecida como despesa. Vamos supor que chegamos ao mês de Julho, e a empresa distribuiu (entregou efetivamente) aos funcionários o vale transporte, agora sim podemos reconhecer o gasto com o vale transporte como despesa do período. Detalhe importante, o que determina o momento do registro da despesa com o vale transporte, não é a entrega para o funcionário, e sim o mês, ao entrar no mês de Julho a empresa pode registrar como despesa o valor do vale transporte. Isso porque a empresa pode distribuir ainda em Junho o vale transporte de Julho. Para tanto o lançamento que faremos é o seguinte: D – Despesa com Vale Transporte C – Despesa Antecipada com Vale Transporte (Conta de Ativo) Analisando o lançamento podemos perceber que estamos debitando uma conta de despesa, logo estamos aumentando o seu saldo, em contra partida estamos creditando a conta de Despesa Antecipada com Vale Transporte, reduzindo o seu saldo.

Página 98

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Supondo que a empresa tenha distribuído todo o vale transporte que comprou (R$ 5.000,00) o lançamento ficaria da seguinte forma: Caixa 5.000,00 Despesa com Vale Transporte 5.000,00 Percebam que com esse lançamento zeramos o saldo da conta de DESPESA ANTECIPADA COM VALE TRANSPORTE. Mas poderia ocorrer de a empresa só distribuir R$ 4.000,00 de vale transporte, por exemplo, um funcionário entrou de férias no mês de Julho, e a pessoa que fez a compra não tinha essa informação e acabou comprando o vale transporte para esse mês relativo a esse funcionário. Nesse caso a despesa com o vale transporte desse funcionário não ocorrerá. Sendo assim a empresa só vai distribuir R$ 4.000,00 de vale transporte, e ficará com os outros R$ 1.000,00 de vale transporte em seu poder. O lançamento nos razonetes ficaria da seguinte forma: Caixa 5.000,00 Despesa com Vale Transporte 4.000,00 Vejam que a conta de DESPESA ANTECIPADA COM VALE TRANSPORTE, ficou com o saldo de R$ 1.000,00, ou seja, o mesmo valor que a empresa não distribuiu ao funcionário. Ou seja, ela ainda tem R$ 1.000,00 em vale transportes. No final do mês (final do mês de Julho, onde estará comprando o vale transporte para Agosto), ao invés da empresa comprar R$ 5.000,00 que seria o valor do vale transporte para Agosto, basta a empresa comprar somente R$ 4.000,00, e juntar com os outros R$ 1.000,00 que ainda dispõe para completar o valor que precisa. Na próxima lição vamos aprender a efetuar o desconto do vale transporte do funcionário. Lição 4 – Descontando o Vale Transporte do Funcionário. Desp. Antec. com Vale Transporte 5.000,00 4.000,00 Desp. Antec. com Vale Transporte 5.000,00 5.000,00

Página 99

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Conforme falamos acima, o vale transporte é custeado parte pela empresa, porém o funcionário também paga um pedaço desse custo, ele arca com o equivalente a 6% sobre o seu salário. Por exemplo, um funcionário usa 1 vale transporte para ir para o trabalho e um outro vale transporte para voltar para casa, em todos os casos (ida e volta) o valor da passagem é de R$ 2,00. Logo podemos afirma que esse funcionário gasta por dia o equivalente a R$ 4,00. Se esse funcionário trabalha de segunda a sexta feira, no mês de Junho de 2008, neste mês ele trabalhará 21 dias, logo o gasto total desse funcionário será de R$ 84,00 (R$ 4,00 x 21). Se o seu salário é de R$ 1.000,00, ele pagará R$ 60,00 (6% sobre R$ 1.000,00), a titulo de ressarcimento de vale transporte para a empresa. Neste caso a empresa arcou somente com R$ 24,00. Se o salário desse funcionário fosse de R$ 500,00, ele pagaria R$ 30,00. E a empresa arcaria com R$ 54,00. Ok? Mas como é que o funcionário faz esse ressarcimento para a empresa? Simples, a mesma desconta do salário dele esse valor. Quando ele for receber seu salário a empresa descontará o valor equivalente aos 6% a titulo de desconto de vale transporte. Portanto esse desconto virá no próprio contra cheque do funcionário, portanto será um valor que vira discriminado na folha de pagamento, e no resumo da folha. Vejamos o resumo da folha abaixo para compreender melhor: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Salário Maternidade Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Salário Família Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Sindical Proventos 900,00 600,00 30,00 10,00 15,00 Descontos

130,00 20,00 200,00 10,00
Página 100

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Desc. Vale Transporte Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40%

40,00 1.755,00

123,20 1.540,00 616,00

Vejam que na linha em destaque temos o desconto do vale transporte no valor de R$ 40,00. Vejam que o desconto do vale transporte esta sob a coluna de descontos no resumo da folha de pagamento. Ora se esta reduzindo o valor que o funcionário tem a receber, já de cara sabemos uma das contas que serão utilizadas no lançamento certo? A conta de SALARIOS A PAGAR. Mas essa conta será debitada ou creditada? Conforme vimos acima, o valor do desconto de vale transporte esta diminuindo o valor liquido da folha de pagamento certo? Já sabemos também que a conta de salários a pagar, o seu saldo final tem que ser igual ao valor liquido da folha de pagamento certo? Ora se o desconto do vale transporte reduz o valor liquido da folha, o registro na contabilidade desse mesmo provento reduzirá a conta de salários a pagar. E como já sabemos as contas de passivo tem o seu saldo diminuído através dos débitos, portanto podemos afirma que a conta salários a pagar, será debitada diminuindo assim o seu saldo. Mas e a conta partida desse lançamento? A conta partida será a conta de despesas com vale transporte !!! Portanto o registro do desconto do vale transporte fica da seguinte forma: D - Salários a Pagar. C - Despesa com Vale Transporte. Debitamos a conta de salários a pagar, e CREDITAMOS A CONTA DE DESPESA COM VALE TRANSPORTE. Mas porque faremos o registro a credito da conta de vale transporte? Para apresentar a despesa liquida da empresa com o vale transporte.

Página 101

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Vamos entender melhor olhando números. Imaginem que em Agosto a empresa compre R$ 100,00 de vale transporte para distribuição aos funcionários que usarão tal valor no mês de setembro. O registro nesse momento ficaria da seguinte forma: D – Despesas Antecipada com Vale Transporte. C – Caixa ou Bancos. Conforme vimos, esse registro é feito para que consigamos respeitar o principio da competência, alocando a despesa no mês a que ela se referir. Os razonetes ficariam da seguinte forma: Caixa 100,00 Desp. Antec. com Vale Transporte 100,00

Com a entrada do mês de setembro, e conseqüente distribuição dos valores aos funcionários, podemos registrar a despesa com o vale transporte. O lançamento é feito da seguinte forma: D – Despesa com Vale Transporte C – Desp. Antec. Com Vale Transporte Nos razonetes: Caixa 100,00 (1) Despesa com Vale Transporte 100,00 (2) Supondo que o vale transporte seja distribuído somente para um funcionário. Que o salário desse funcionário é de R$ 500,00. Logo o valor a descontar do mesmo é de R$ 30,00. Agora vamos ao X da questão, se eu compra um vale transporte a R$ 100,00 para dar ao funcionário, e desconto desse funcionário R$ 30,00 a titulo de vale transporte. Quanto eu como empresa, paguei de vale transporte? R$ 70,00 Certo. Correto. Desp. Antec. com Vale Transporte 100,00 (1) 100,00 (2)

Página 102

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Mas percebam que a conta de despesa com vale transporte apresenta o saldo de R$ 100,00. Porém quando efetuarmos o registro do desconto do vale transporte, reduziremos dessa conta a quantia de R$ 30,00. Isso porque estaremos debitando a conta de salários a pagar, reduzindo o seu saldo, e creditando a conta de despesas com vale transporte, também REDUZINDO o seu saldo. Ou seja, estamos reduzindo o saldo da conta de despesa de vale transporte em R$ 30,00, se a conta tem um saldo de R$ 100,00 e estamos reduzindo R$ 30,00 o saldo que vai ficar na conta é de R$ 70,00. Que é justamente o valor da efetiva despesa da empresa, conforme vimos acima não? Esse lançamento nos razonetes é feito da seguinte forma: Caixa 100,00 (1) Despesa com Vale Transporte 100,00 (2) 30,00 (3) Desp. Antec. com Vale Transporte 100,00 (1) 100,00 (2) Salários a Pagar 30,00 (3)

Vejam que o saldo da conta no razonete despesa com vale transporte é de R$ 70,00. Lição 5 – Descontando do Vale Transporte sobre as Faltas. Nessa lição vamos falar rapidamente sobre o tratamento dado ao vale transporte quando o funcionário falta ao trabalho. O vale transporte é um beneficio que o empregador paga ao funcionário no deslocamento TRABALHO – CASA, CASA – TRABALHO. Quando um funcionário falta, esse trajeto deixa de ser feito, conseqüentemente o funcionário deixa de ter direito ao vale transporte. Sendo assim a empresa efetua o desconto do vale transporte desse funcionário. O desconto pode ser efetuado de duas formas: A primeira é reduzindo o valor da próxima entrega de vale transportes. Por exemplo, se um funcionário gasta por dia R$ 5,00 de vale transporte. Se esse mesmo funcionário faltar durante 2 dias no mês de Setembro de 2007. Chegamos a conclusão de que a empresa adiantou a esse funcionário a quantia de R$ 10,00. Que seria o valor que ele gastaria de passagem se tivesse ido trabalhar. Como ele não trabalhou a empresa pode descontar esse valor do mesmo. Supondo que para Outubro de 2007, o funcionário tenha direito a receber o equivalente a 23 dias, logo seriam R$ 115,00 (23 dias x R$ 5,00).

Página 103

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Como a empresa já adiantou ao mesmo R$ 10,00. Ela pagaria ao funcionário somente R$ 105,00, com mais os R$ 10,00 que ele recebeu a mais em Setembro totalizaria R$ 115,00. Que é o valor que ele tem que receber. Esse método de desconto do vale transporte não é muito utilizado, pois envolve outros fatores chatos, vejamos: No inicio do mês não baixamos R$ 100,00 da conta de despesa antecipada com vale transporte, trazendo esse valor para a conta de despesa com vale transporte? Ora mais se o funcionário faltou 2 dias, a despesa da empresa deixou de ser R$ 100,00 para ser R$ 90,00. E agora? Vamos deixar a conta de despesa com vale transporte a maior, mesmo sabendo que a despesa do período foi de R$ 90,00 e não R$ 100,00. Lógico que não, nesse caso, teríamos que refazer o lançamento, de forma que o registro da despesa com o vale transporte ficasse registrada como R$ 90,00. E deixaríamos R$ 10,00 para o mês seguinte, quando a empresa comprasse os R$ 105,00 de vale transporte, a conta totalizaria a quantia de R$ 115,00 que seria o valor devido para distribuição relativo a Outubro. Muito trabalhoso, imagine fazer esse controle de 50 ou 100 funcionários? O mais pratico é descontarmos na própria folha de pagamento o valor do vale transporte não utilizado pelo funcionário. Vejam o resumo da folha abaixo: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Salário Maternidade Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Salário Família Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Sindical Desc. Vale Transporte Desc. Vale Transporte Não Utilizado Valor Líquido a Pagar Outras Informações
Página 104

Proventos 900,00 600,00 30,00 10,00 15,00

Descontos

130,00 20,00 200,00 10,00 40,00 10,00 1.745,00

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40%

123,20 1.540,00 616,00

O registro desse lançamento é feito da mesma forma do desconto normal do vale transporte, debita-se a conta de salários a pagar e creditasse a conta de despesa com vale transporte. Continuando os mesmos razonete: Caixa 100,00 (1) Despesa com Vale Transporte 100,00 (2) 30,00 (3) 10,00 (4) Desp. Antec. com Vale Transporte 100,00 (1) 100,00 (2) Salários a Pagar 30,00 (3) 10,00 (4)

Veja que a conta de despesa com vale transporte apresenta o saldo de R$ 60,00. Pois R$ 100,00 foi o que a empresa gastou comprando o vale transporte, R$ 30,00 foi o que ela descontou do funcionário (parte que o funcionário arca), e os outros R$ 10,00, foram relativos ao valor que ela distribuiu a mais para o funcionário que faltou. Se não tivéssemos o registro do desconto dos R$ 30,00, o saldo de nossa conta ficaria em R$ 90,00. Que conforme vimos acima, seria o valor da despesa efetiva do mês da empresa. Lição 6 - Exercícios de Fixação. Partindo do Balanço Patrimonial abaixo, vamos contabilizar as operações seguintes: Balanço Patrimonial Julho de 2007 Chiquinho da Silva Comercio e Industria Ativo Passivo Banco – Bradesco 42.500,00 Fornecedores 4.000,00 Mercadorias 2.500,00 Salários a Pagar 470,00 Veículos 10.000,00 Contrib. Sindical a Pagar 10,00 Clientes 3.500,00 FGTS a Pagar 42,40 Sal. Maternidade a Comp 64,00 Patrimônio Líquido Sal. Família a Compensar 10,00 Capital Social 50.000,00 Lucros do Exercício 4.051,60 58.574,00 58.574,00 SOMA DO ATIVO SOMA DO PASSIVO 1- Recebimento de R$ 1.000,00 de clientes. 2 - Pagamento dos salários. 3 – Venda de R$ 4.000,00 a prazo. Custo das Mercadorias R$ 1.800,00.

Página 105

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

4 – Pagamento do FGTS e da Contribuição Sindical 5 – Pagamento de R$ 1.000,00 de Fornecedores 6 – Compra dos Vales Transportes para o mês seguinte (para o mês de setembro), no valor de R$ 50,00. 7 – Contabilização da Folha de Pagamento abaixo: Folha de Pagamento – Agosto de 2007 Empresa: Chiquinho da Silva Comercio e Industria Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras Salário Maternidade Salário Família Desconto de INSS Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 20% Proventos 350,00 15,00 230,00 10,00 Descontos

70,00 535,00

47,60 595,00 119,00

Após a contabilização de todas essas operação, elaborem um balancete de verificação de 4 colunas. Lição 7 – Correção dos Exercícios de Fixação. Vamos a correção do exercício de fixação: O primeiro passo seria abrir os razonetes, cadastrar os saldos iniciais, e registrar todas as operações solicitadas. Banco Bradesco 42.500,00 (S) 470,00 (2) 1.000,00 (1) 42,40 (4) 10,00 (4) 1.000,00 (5) 50,00 (6) Veículos 10.000,00 (S) Mercadorias 2.500,00 (S) 1.800,00 (3)

Clientes 3.500,00 (S) 1.000,00 (1) 4.000,00 (3)

Página 106

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Salário Maternidade a Compensar 64,00 (S) 189,00 (7.1) 230,00 (7) Fornecedores 1.000,00 (5) 4.000,00 (S)

Salário Família a Compensar 10,00 (S) 10,00 (7) Salários a Pagar 470,00 (2) 470,00 (S) 70,00 (7) 350,00 (7) 15,00 (7) 230,00 (7) 10,00 (7)

Contr. Sindical a Pagar 10,00 (4) 10,00 (S)

FGTS a Pagar 42,40 (4) 42,40 (S) 47,60 (7) Lucros do Exercício 4.051,60 (S) CMV 1.800,00 (3) Despesa com Salário 350,00 (7) INSS a Recolher 189,00 (7.1) 70,00 (7) 119,00 (7) Despesa com INSS 119,00 (7)

Capital Social 50.000,00 (S) Receita de Vendas 4.000,00 (3) Desp. Antec. C/ Vale Tranporte 50,00 (6) Despesa com Hora Extra 15,00 (7)

Despesa com FGTS 47,60 (7)

Os registros com o numero 7 ao lado indicam que se referem a folha de pagamento. Os registros com o numero 7.1 ao lado, são relativos a compensação do salário maternidade. Vejam que novamente a empresa compensou todo o valor que teria a pagar de INSS e ainda temos de saldo total na conta de Salário Maternidade a Compensar o valor de R$ 105,00. Vejam também que registramos a compra do vale transporte na conta de DESPESA ANTECIPADA COM VALE TRANSPORTE, uma conta de ativo, pois não podemos lançar agora esse valor como despesa, pois estaríamos infringindo o principio da competência, que rege que as despesas tem que ser reconhecidas no mês a que se referirem. Se lançássemos agora como despesa, estaríamos registrando em Agosto de 2007, uma despesa que é relativa a Setembro.
Página 107

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Vamos agora elaborar o nosso balancete de verificação:
Balancete de Verificação – Agosto de 2007

Chiquinho da Silva Comercio e Industria
Nome da Conta Saldo Anterior Movimentos

Bancos Clientes Mercadorias Veículos Sal. Matern. A Comp Sal. Família a Compe Fornecedores Salários a Pagar Cont. Sindical a Pagar FGTS a Recolher Capital Social Lucros do Exercício Receita de Vendas CMV Despesa com Salários Desp. Ant. c/ Vale Tr. Desp. com Hora Extra INSS a Recolher Desp. c/ INSS Desp. c/ FGTS
TOTAL

42.500,00 3.500,00 2.500,00 10.000,00 64,00 10,00 4.000,00 470,00 10,00 42,40 50.000,00 4.051,60 -

DV DV DV DV DV DV CR CR CR CR CR CR -

A Debito 1.000,00 4.000,00 230,00 10,00 1000,00 540,00 10,00 42,40 1.800,00 350,00 50,00 15,00 189,00 119,00 47,60 9.403,00

A Credito 1.572,40 1.000,00 1.800,00 189,00 605,00 47,60 4.000,00 189,00 9.403,00

Saldo Atual

41.927,60 6.500,00 700,00 10.000,00 105,00 20,00 3.000,00 535,00 47,60 50.000,00 4.051,60 4.000,00 1.800,00 350,00 50,00 15,00 119,00 47,60

DV DV DV DV DV DV CR CR CR CR CR CR DV DV DV DV DV DV

Temos então efetuado o nosso balancete de verificação.

Página 108

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 9 – Gasto com Alimentação de Funcionários.
No presente módulo vamos falar sobre os gastos com alimentação de funcionários, você talvez já tenha trabalhado numa empresa que forneça como benefício aos funcionários ticket refeições ou vales alimentações, ou ainda, no caso das grandes empresas, que produzam a própria refeição para os funcionários. A legislação prevê que o funcionário deve arcar com uma parte desse custo assim como no vale transporte. No decorrer das lições veremos maiores detalhes. Lição 1 – Introdução ao Gasto com Alimentação. Como dito acima a empresa pode oferecer refeição aos seus funcionários ou concederlhes tickets refeições. A empresa PODE, isso porque não existe obrigação, A NIVEL GERAL PARA ISSO. Logo a empresa não é obrigada a conceder alimentação, obrigação ela tem somente de conceder um tempo para a alimentação, a conhecida hora do almoço. Mas isso também não é genérico, existem casos onde a empresa passa a ser obrigada a fornecer, mais não por obrigação legal, e sim por imposição (digamos assim) do sindicato. Por exemplo no Rio de Janeiro, uma lei municipal de 1989, obriga a empresa a conceder um café da manhã para os funcionários que chegarem no horário. Aqui é uma obrigação especifica, para uma certa ocasião. Obrigação geral, eu diria se todas as empresas do país fossem obrigadas. Nesse caso somente uma lei federal para isso. Na maioria das vezes (99,99999999%) dos casos é o sindicato que determina essa obrigação. As grandes empresas ainda tem uma vantagem em oferecer a alimentação para os funcionários que é a dedução do imposto de renda. Logo, elas ganham de dois lados, no primeiro seus funcionários ficam mais satisfeitos, no segundo a empresa ainda ganha um incentivo fiscal e acaba pagando menos imposto de renda. Vamos agora aprender como é o tratamento contábil desse procedimento. Lição 2 – A Compra dos Vale Alimentações. Vamos aprender primeiro como é feito o registro da compra dos vales alimentações, o registro é efetuado, da mesma forma que a compra dos vales transportes. O vale alimentação era aquele ticket (comprovante em papel) que a empresa comprava e entregava aos funcionários, antigamente isso era bem comum, hoje nem tanto, hoje é
Página 109

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

mais rotineiro a compra dos CARTOES ALIMENTAÇÃO tal como um cartão de credito, onde o funcionário tem um limite para gasto com alimentação. Se a compra é em papel ou em cartão, a contabilização é a mesma. Geralmente os vales alimentações são comprados e entregue aos funcionários no inicio do mês, logo a compra desse vale tem que ser feita no mês anterior. Logo, para respeitar o principio da competência temos que ativar o gasto com o vale alimentação e posteriormente lançarmos ele como despesa. Já fizemos isso antes não foi? Justamente na compra dos vale transportes. O lançamento que faremos será idêntico ao efetuado no vale transporte, a única diferença será a conta utilizada para registrar o gasto com o vale transporte, que agora será a conta de DESPESA ANTECIPADA COM VALE ALIMENTAÇÃO. Vejamos o lançamento: D – Despesa Antecipada com Vale Alimentação (Conta de Ativo) C – Caixa ou Bancos O registro nos razonetes, supondo a compra de R$ 1.000,00 de vale alimentação, no mês de setembro de 2007, para os funcionários utilizarem no mês de Outubro de 2007: Caixa 1.000,00 Desp. Antec. com Vale Alimentação 1.000,00

Lição 3 – Distribuição do Vale Alimentação, Reconhecimento da Despesa. No inicio do mês de Outubro de 2007, a empresa distribuiu os vales alimentações a todos os funcionários, se a compra for na modalidade de papel, caso seja em cartão magnético não haverá distribuição pois a recarga será feita de forma on line. Bom, mas iniciado o mês de Outubro de 2007, a empresa pode reconhecer o gasto da compra dos vales alimentação como despesa. Nesse momento o registro é feito da seguinte forma: D – Despesa com Alimentação C – Despesa Antecipada com Vale Alimentação (Conta de Ativo) Do mesmo modo como fizemos com o vale transporte, nesse momento estamos debitando a conta de despesa com Alimentação aumentando o saldo dela, e creditando a conta de Despesa Antecipada com Vale Alimentação. Os registros nos razonetes ficariam assim:
Página 110

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Caixa 1.000,00 Despesa com Alimentação 1.000,00

Desp. Antec. com Vale Alimentação 1.000,00 1.000,00

Nesse momento, temos a conta de Despesa com Alimentação debitada em R$ 1.000,00 e a conta de Despesa Antecipada com Vale Alimentação creditada em R$ 1.000,00, após esse ultimo o saldo da conta fica zerado. Antes de falarmos sobre o desconto do vale alimentação, na próxima lição veremos outra forma de se efetuar o pagamento do vale alimentação. Lição 4 – Pagamento do Vale Alimentação na Folha. Algumas empresas costumam pagar o vale alimentação diretamente na folha de pagamento, o que não é aconselhável. Isso porque a partir do momento que a empresa paga em dinheiro um beneficio ele acaba virando complemento de salário para o funcionário, ou seja, ele passará a contar com aquele valor no final do mês para quitar contas pessoais dele e não para se alimentar. Seria a mesma coisa que eu dissesse assim para um funcionário: Olha seu salário é de R$ 700,00, sendo que eu vou te pagar R$ 500,00 como salário e R$ 200,00 como vale alimentação.

Mas o que eu ganharia com isso? Não pagaria impostos sobre os R$ 200,00 pagos a titulo de vale alimentação, um desses impostos vimos inclusive nesse e-book, que é o FGTS. Assim ao invés de eu recolher para o FGTS o valor de R$ 56,00 (8% sobre R$ 700,00), eu estaria recolhendo R$ 40,00 (8% sobre R$ 500,00). É uma diferença pequena, concordo ! Mas existe um ditado que diz que de grão em grão a galinha enche o papo, e isso se aplica aqui. Imagine se fossem com 80 funcionários, eu estaria economizando a quantia de R$ 480,00, ou seja, quase um outro funcionário. Fora os outros impostos, que podem inclusive ser bem mais pesados tais como o INSS que pode chegar a 28,8%, sobre R$ 200,00 estamos falando de R$ 57,60, mais do que 10% do salário do funcionário. Em algumas hipóteses é possível efetuar o pagamento em dinheiro sim, mas devem ser muito bem estudadas, para não gerar problemas depois. Pois quando a fiscalização do
Página 111

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Ministério do Trabalho aparece, pagando de vale refeição (ou mesmo vale transporte) em dinheiro é motivo certo para autos de infração. Mas vamos deixar a parte burocrática de lado e voltarmos ao nosso aprendizado. Vamos considerar é possível pagar o vale refeição em dinheiro, sem maiores problemas. E que a empresa paga esse valor junto com os salários, ou seja, na folha de pagamento. Vejamos como se trata isso contabilmente. Para tanto considere o seguinte resumo da folha de pagamento: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Salário Maternidade Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Vale Refeição Salário Família Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Sindical Desc. Vale Transporte Desc. Vale Transporte Não Utilizado Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40% Proventos 900,00 600,00 30,00 10,00 200,00 15,00 Descontos

130,00 20,00 200,00 10,00 40,00 10,00 1.345,00

123,20 1.540,00 616,00

Vejam que temos o provento VALE REFEIÇÃO – R$ 200,00 em destaque, por trata-se de um provento, ou seja, algo que estamos pagando aos funcionários aumenta o valor liquido da folha de pagamento. Temos que contabilizar esse evento, e ele será efetuado da seguinte forma: D – Despesa com Alimentação C – Salários a Pagar Nos razonetes:

Página 112

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Salários a Pagar 200,00

Despesa com Alimentação 200,00

Fizemos um registro a débito na conta de despesa com alimentação e um registro a crédito na conta de salários a pagar, aumentando o saldo desta. Fizemos os registros nos razonetes de modo simplificado, lógico que se fizemos todos os lançamentos que constam no resumo da folha, o saldo final da conta de salários a pagar, teria que ser igual ao valor liquido da folha de pagamento. È assim que contabilizamos o pagamento do vale alimentação em dinheiro junto com os salários. Esse mesmo lançamento, com exceção da conta debitada serve para o registro de quando se paga o vale transporte em dinheiro, o que também é proibido em algumas hipóteses. Lição 5 – Desconto do Vale Alimentação. A empresa não suporta sozinha toda despesa com alimentação dos funcionários, os funcionários, assim como no vale transporte, também arcam com um pedaço do custo do gasto com alimentação. Esse valor que os funcionários arcam, ao contrario do vale transporte, não é sempre o mesmo, podendo inclusive variar de empresa para empresa. Tem empresas que descontam um valor fixo, tipo R$ 30,00 por mês do pagamento do funcionário para custeio do gasto com alimentação. Outras descontam 20% sobre o total de valor que concedeu como vale alimentação, assim se ela concedeu R$ 400,00, vai descontar do funcionário, ou dos funcionários, R$ 80,00. Outras descontam somente 10%. E assim por diante. Quando o fornecimento do vale alimentação é determinado pelo sindicato (no caso de obrigatoriedade), eles mesmos informam como será feito o custeio pela parte do funcionário. Em geral sempre é um percentual sobre o valor dado ao funcionário. E geralmente sempre 20%. Indiferente do percentual de custeio, o lançamento do desconto de vale alimentação do funcionário será sempre o mesmo. D – Salários a Pagar C – Despesa com Alimentação. Ou seja, debita-se salários a pagar, e credita-se despesa com alimentação.

Página 113

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

No primeiro estamos reduzindo o saldo da conta de salários a pagar, enquanto que no segundo estamos reduzindo o saldo da conta de despesas com alimentação. Certo? Vejamos nos razonetes: Salários a Pagar Despesa com Alimentação 200,00

Temos a conta de salários a pagar (simplificada) sem os demais lançamentos. Temos também a conta despesa com alimentação, vejam que ela apresenta o saldo de R$ 200,00 devedor. Quando efetuarmos o registro do desconto do vale refeição dos salários dos funcionários os razonetes ficariam da seguinte forma: Salários a Pagar 40,00 Despesa com Alimentação 200,00 40,00

Agora temos a conta de salários a pagar debitada e a conta de despesas com alimentação creditada. Nessa ultima o saldo nesse momento é de R$ 160,00, que é a efetiva despesa da empresa. Ela inicialmente gastou R$ 200,00, mas descontou R$ 40,00 dos funcionários, logo a sua efetiva despesa é de R$ 160,00. No resumo da folha de pagamento o desconto apareceria da seguinte forma: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Salário Maternidade Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Salário Família Desconto de INSS Desconto de IRRF Desconto de Vale Refeição Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Sindical Desc. Vale Transporte Proventos 900,00 600,00 30,00 10,00 15,00 Descontos

130,00 20,00 40,00 200,00 10,00 40,00
Página 114

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Desc. Vale Transporte Não Utilizado Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40% Lição 6 – Exercícios de Fixação.

10,00 1.105,00

123,20 1.540,00 616,00

Considerando os saldos do balancete de verificação, de agosto de 2007, abaixo reproduzido para melhor compreensão, contabilizem as seguintes operações:
Balancete de Verificação – Agosto de 2007

Chiquinho da Silva Comercio e Industria
Nome da Conta Saldo Anterior Movimentos

Bancos Clientes Mercadorias Veículos Sal. Matern. A Comp Sal. Família a Compe Fornecedores Salários a Pagar Cont. Sindical a Pagar FGTS a Recolher Capital Social Lucros do Exercício Receita de Vendas CMV Despesa com Salários Desp. Ant. c/ Vale Tr. Desp. com Hora Extra INSS a Recolher Desp. c/ INSS Desp. c/ FGTS
TOTAL

42.500,00 3.500,00 2.500,00 10.000,00 64,00 10,00 4.000,00 470,00 10,00 42,40 50.000,00 4.051,60 -

DV DV DV DV DV DV CR CR CR CR CR CR -

A Debito 1.000,00 4.000,00 230,00 10,00 1000,00 540,00 10,00 42,40 1.800,00 350,00 50,00 15,00 189,00 119,00 47,60 9.403,00

A Credito 1.572,40 1.000,00 1.800,00 189,00 605,00 47,60 4.000,00 189,00 9.403,00

Saldo Atual

41.927,60 6.500,00 700,00 10.000,00 105,00 20,00 3.000,00 535,00 47,60 50.000,00 4.051,60 4.000,00 1.800,00 350,00 50,00 15,00 119,00 47,60

DV DV DV DV DV DV CR CR CR CR CR CR DV DV DV DV DV DV

1 – Recebimento de R$ 1.000,00 de Clientes. 2 – Compra de R$ 1.000,00 de Mercadorias a vista. 3 – Reconhecimento da despesa de vale transporte do período. 4 – Pagamentos dos salários e do FGTS Provisionados. 5 – Compra de R$ 200,00 de vale alimentação para distribuição em Outubro de 2007. 6 – Compra de R$ 100 em vales transportes para Outubro de 2007.
Página 115

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

7 – Venda de R$ 3.000,00 a vista, custo das mercadorias de R$ 1.500,00. 8 – Pagamento de R$ 2.000,00 de fornecedores. 9 – Contabilização da Folha de Pagamento do mês de Setembro de 2007, abaixo relacionada. Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Chiquinho da Silva Comercio e Industria Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Salário Maternidade Salário Família Desconto de INSS Desconto de Vale Transporte Desconto de Vale Transporte s/ Faltas Pagamento de Vale Refeição Desconto de Vale Refeição Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 20% Após vamos efetuar outro balancete de verificação. Lição 7 – Correção dos Exercícios de Fixação. Como sempre o primeiro passo é abrir os razonetes, em seguida devemos cadastrar os saldos inicias e depois efetuarmos todos os lançamentos. Banco Bradesco 41.927,60 (S) 1.000,00 (2) 1.000,00 (1) 535,00 (4) 3.000,00 (7) 47,60 (4) 200,00 (5) 100,00 (6) 2.000,00 (8) Mercadorias 700,00 (S) 1.500,00 (7) 1.000,00 (2) Proventos 450,00 130,00 20,00 Descontos

55,00 30,00 5,00 100,00 20,00 590,00

54,40 680,00 136,00

Veículos 10.000,00 (S)

Clientes 6.500,00 (S) 1.000,00 (1)

Página 116

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Salário Maternidade a Compensar 105,00 (S) 130,00 (9)

Salário Família a Compensar 20,00 (S) 20,00 (9)

Fornecedores 2.000,00 (8) 3.000,00 (S)

Salários a Pagar 535,00 (4) 535,00 (S) 55,00 (9) 450,00 (9) 30,00 (9) 130,00 (9) 5.00 (9) 20,00 (9) 20,00 (9) 100,00 (9)

Capital Social 50.000,00 (S) Receita de Vendas 4.000,00 (S) 3.000,00 (7) Desp. Antec. C/ Vale Transporte 50,00 (S) 50,00 (3) 100,00 (6) Despesa com Hora Extra 15,00 (S)

Lucros do Exercício 4.051,60 (S) CMV 1.800,00 (S) 1.500,00 (7) Despesa com Salário 350,00 (S) 450,00 (9) INSS a Recolher 55,00 (9) 136,00 (9) Despesa com INSS 119,00 (S) 136,00 (9) Desp. Antec c/ Vale Alimentação 200,00 (5)

Despesa com FGTS 47,60 (S) 54,40 (9) Despesa com Vale Transporte 50,00 (3) 30,00 (9) 5,00 (9) Despesa com Alimentação 100,00 (9) 20,00 (9)

FGTS a Pagar 47,60 (4) 47,60 (S) 54,40 (9)

Temos então todas as operações contabilizadas, falta agora verificarmos o saldo da conta de INSS a Pagar, para descobrirmos quanto poderemos compensar. Analisando, podemos perceber que temos o saldo de R$ 191,00 a recolher. Conforme vimos acima, a regra é: Primeiro o salário maternidade, depois o salário família. Então dos R$ 191,00 vamos deduzir os R$ 130,00 de salário maternidade, vai sobrar R$ 61,00. Vamos deduzir os R$ 20,00 de salário família que foram pagos no mês. Vai ficar R$
Página 117

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

41,00. Como ainda temos créditos tanto de salário maternidade como de salário família relativos aos meses anteriores onde não pudemos compensa-los por completo. Vamos efetuar o restante da compensação com o salário maternidade. Vejamos como ficam os nossos razonetes nesse momento: Banco Bradesco 41.927,60 (S) 1.000,00 (2) 1.000,00 (1) 535,00 (4) 3.000,00 (7) 47,60 (4) 200,00 (5) 100,00 (6) 2.000,00 (8) Mercadorias 700,00 (S) 1.500,00 (7) 1.000,00 (2)

Veículos 10.000,00 (S)

Clientes 6.500,00 (S) 1.000,00 (1)

Salário Maternidade a Compensar 105,00 (S) 130,00 (9) 130,00 (9) 41,00 (9)

Salário Família a Compensar 20,00 (S) 20,00 (9) 20,00 (9)

Fornecedores 2.000,00 (8) 3.000,00 (S)

Salários a Pagar 535,00 (4) 535,00 (S) 55,00 (9) 450,00 (9) 30,00 (9) 130,00 (9) 5.00 (9) 20,00 (9) 20,00 (9) 100,00 (9)

Capital Social 50.000,00 (S) Receita de Vendas 4.000,00 (S) 3.000,00 (7) Desp. Antec. C/ Vale Transporte 50,00 (S) 50,00 (3) 100,00 (6) Despesa com Hora Extra 15,00 (S)

Lucros do Exercício 4.051,60 (S) CMV 1.800,00 (S) 1.500,00 (7) Despesa com Salário 350,00 (S) 450,00 (9) INSS a Recolher 55,00 (9) 130,00 (9) 136,00 (9) 20,00 (9) 41,00 (9)

Página 118

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa com FGTS 47,60 (S) 54,40 (9) Despesa com Vale Transporte 50,00 (3) 30,00 (9) 5,00 (9) Despesa com Alimentação 100,00 (9) 20,00 (9)

Despesa com INSS 119,00 (S) 136,00 (9) Desp. Antec c/ Vale Alimentação 200,00 (5)

FGTS a Pagar 47,60 (4) 47,60 (S) 54,40 (9)

Agora, temos todas as operações contabilizadas, conforme falamos antes, efetuamos a compensação do salário maternidade do mês, no valor de R$ 130,00. Após efetuamos a compensação do salário família pago no mês no valor de R$ 20,00. Como ainda sobraria valor a pagar, e tínhamos mais valores a serem compensados, efetuamos a compensação com o salário maternidade dos meses anteriores que não conseguimos compensar. Lembrando que os valores, com o S entre parênteses, são relativos aos saldos iniciais da conta, que devem ser iguais ao saldo final do mês anterior, e que estavam relacionados no balancete anterior, como saldo atual. E que como estamos trabalhando com balancete, onde no mês anterior as contas de despesas e receitas não foram zeradas os saldos iniciais delas, devem ser considerados na hora de cadastrar os saldos iniciais dos razonetes. Vejam ainda que o registro 3 trata do reconhecimento da despesa de vale transporte, ou seja, vamos alocar como despesa o valor pago, como o vale transporte comprado foi para ser distribuído em setembro de 2007, quando compramos lançamos esse valor numa conta de ativo, e ao entrarmos no mês de setembro estamos efetuando o registro que reconhece que essa despesa é desse mês, dessa forma creditamos a conta de Despesa Antecipada com Vale Transporte, e debitamos a conta de Despesa com Vale Transporte. Outro lançamento que merece uma consideração é o desconto do vale transporte, percebam que debitamos a conta de salários a pagar, reduzindo o seu saldo, e creditamos a conta de despesa com vale transporte, também reduzindo o seu saldo em R$ 30,00, no primeiro momento, logo após efetuamos um outro registro idêntico nessa conta agora de R$ 5,00 pois foi o desconto do vale transporte sobre as faltas, tendo em vista que se o funcionário faltou, ele não teria direito ao vale transporte, porém como a empresa já tinha entregue ao mesmo, efetuou o desconto na folha de pagamento. Nesse momento a conta de despesa com vale transporte apresenta o saldo de R$ 15,00 Devedor, indicando o verdadeiro valor de despesa que a empresa tem com vale transporte. Na conta de despesa com alimentação, temos um débito no valor de R$ 100,00 que foi o gasto com alimentação que a emprese teve no período, porém a legislação permite que ela desconte 20% desse valor dos funcionários (R$ 20,00). Logo a despesa efetiva da empresa é de R$ 80,00. Que é justamente o saldo que apresenta a conta no momento.
Página 119

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Podemos verificar também que para o próximo mês, a empresa não efetuará mais o pagamento em dinheiro, tendo em vista que efetuou a compra dos vales com antecedência, conforme podemos observar no lançamento de número 5. Vamos agora a elaboração de nosso balancete para finalizar o exercício.
Balancete de Verificação – Setembro de 2007

Chiquinho da Silva Comercio e Industria
Nome da Conta Saldo Anterior Movimentos

Bancos Clientes Mercadorias Veículos Sal. Matern. A Comp Sal. Família a Compe Fornecedores Salários a Pagar FGTS a Recolher Capital Social Lucros do Exercício Receita de Vendas CMV Despesa com Salários Desp. Ant. c/ Vale Tr. Desp. com Hora Extra INSS a Recolher Desp. c/ INSS Desp. c/ FGTS Desp. C/ Vale Transp. Desp. Ant. c/ Aliment. Desp. C/ Alimentação
TOTAL

41.927,60 6.500,00 700,00 10.000,00 105,00 20,00 3.000,00 535,00 47,60 50.000,00 4.051,60 4.000,00 1.800,00 350,00 50,00 15,00 119,00 47,60 -

DV DV DV DV DV DV CR CR CR CR CR CR DV DV DV DV DV DV -

A Debito 4.000,00 1.000,00 130,00 20,00 2.000,00 645,00 47,60 1.500,00 450,00 100,00 191,00 136,00 54,40 50,00 200,00 100,00 10.624,00

A Credito 3.882,60 1.000,00 1500,00 171,00 20,00 700,00 54,40 3.000,00 50,00 191,00 35,00 20,00 10.624,00

Saldo Atual

42.045,00 5.500,00 200,00 10.000,00 64,00 20,00 1.000,00 590,00 54,40 50.000,00 4.051,60 7.000,00 3.300,00 800,00 100,00 15,00 255,00 102,00 15,00 200,00 80,00

DV DV DV DV DV DV CR CR CR CR CR CR DV DV DV DV DV DV DV DV DV

Temos então finalizado nosso exercício de fixação. Vamos ao próximo modulo, onde vamos aprender a contabilizar os adiantamentos e empréstimos a funcionários.

Página 120

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 10 – Adiantamento e Empréstimos.
No presente módulo vamos falar sobre os Adiantamentos de Salários e Empréstimos, o primeiro é mais comum, sendo até uma pratica constante nas empresas, já o segundo vem a ser raro, porém possível de ocorrer. Nesse módulo veremos um pouco da lógica desses dois registros e a forma de sua contabilização. Lição 1 – Adiantamento de Salário – Introdução. A maioria de vocês deve saber que a empresa tem até o quinto dia útil do mês seguinte para efetuar o pagamento dos funcionários. Alias vocês sabiam que o sábado é considerado dia útil para recebimento de salário, independente de se trabalhar ou não neste dia? Por exemplo, no mês de Dezembro de 2007. O dia 01 caiu num sábado, a contagem dos 5 dias úteis começa nesse dia, depois vem os dias 3, 4, 5 e 6, segunda, terça, quarta e quinta respectivamente. Logo o quinto dia útil do mês de Dezembro de 2007, para efeitos de pagamento de salários foi o dia 06/12. Voltando a nossa lição. Estávamos falando sobre o prazo de pagamento de salários, que é no quinto dia útil. Para as empresas que possuem uma grande quantidade de empregados, isso gera um inconveniente, o fato de ter que dispor de uma grande quantia de dinheiro entre o primeiro e o quinto dia útil, para honrar o pagamento dos funcionários. Vejam bem, não quero dizer que pagar os funcionários é um problema. Para visualizar melhor imaginem a seguinte situação: Uma empresa prestadora de serviços fechou um contrato, o primeiro contrato seu com um grande cliente, que lhe pagará a quantia de R$ 100.000,00 por mês pela prestação de serviços. Essa empresa prestadora de serviços, contratou funcionários para prestarem esses serviços, supondo que a folha de pagamento totalize o valor de R$ 60.000,00. Até quando a empresa terá que pagar esse valor? Até o quinto dia útil do mês seguinte. Para honrar esse compromisso a empresa deve dispor desse valor até o quinto dia útil. Acontece que o cliente da prestadora de serviços, assinou o contrato e negociou o pagamento da fatura para o dia 15 do mês seguinte a prestação de serviços.

Página 121

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Portanto se estamos falando da folha de pagamento de Maio de 2008. Os salários devem ser pagos até o dia 06/07. Porém a empresa só receberá dia 16/07 (pois 15 é um domingo). Podemos perceber que a empresa tem um grande problema, a defasagem entre o pagamento dos salários e o recebimento da fatura. Ou seja, ela paga R$ 60.000,00 a título de salário antes e receber o pagamento de sua fatura. Essa situação pode ser amenizada com a concessão de um adiantamento de salário por volta do dia 20 de cada mês, com isso o valor líquido da folha de pagamento seria menor, minimizando a quantidade de dinheiro necessário para o a pagamento dos funcionários até o quinto dia útil do mês seguinte. Vejamos, imagine que essa lei empresa conceda no dia 20 um adiantamento salarial no valor de R$ 30.000,00. Quando a empresa for pagar os R$ 30.000,00 a título de a adiantamento de salário, ela terá acabado o de ter recebido o valor de R$ 100.000,00 da fatura que foi paga no dia 15. Quando a empresa for fechar a folha de pagamento, ela descontará esses R$ 30.000,00 dados a titulo de adiantamento de salário. O que fará com que a folha de pagamento do mês, caia para R$ 30.000,00 (R$ 60 mil – R$ 30 mil = R$ 30 mil). Com isso ela consegue reduzir a necessidade de dinheiro no inicio do mês. A lógica do adiantamento de salário é justamente essa, diminuir a necessidade de dinheiro nos primeiros dias dos meses. Vamos a agora aprender como é o registro do pagamento do adiantamento de salário. Lição 2 – Registro do Pagamento do Adiantamento de Salário. Nesta lição vamos aprender como é feito o registro do pagamento do adiantamento de salário. Vamos entender a operação para poder identificar as contas que serão utilizadas nesse lançamento. Talvez você já tenha sido funcionário de alguma empresa que pagava adiantamento, no dia do adiantamento, ou você recebia em dinheiro ou o mesmo era creditado em sua conta. Nesse dia o que a empresa tinha feito? Tirou dinheiro da conta dela e transferiu para a sua conta (ou lhe deu em dinheiro) certo? Bom se ela tirou dinheiro dela e entregou a você, já sabemos uma das contas que serão utilizados, a conta que representa dinheiro, que tanto pode ser a conta Caixa quanto a conta Bancos, certo?

Página 122

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Se a empresa esta tirando dinheiro da conta dela, podemos afirma que ela esta diminuindo o saldo dela no banco, certo? Se esta diminuindo o saldo, no razonete o saldo dessa conta diminuirá, se estamos falando da conta Bancos, trata-se de uma conta de ativo, logo as diminuições são registradas a crédito nessa conta. Bom, já identificamos uma conta, e identificamos também que ela será creditada, até agora temos o seguinte lançamento: D - ??????? C – Caixa ou Bancos Falta identificarmos a conta que será debitada. O adiantamento não é uma obrigação, na maioria dos casos. Trata-se de um valor que ela ADIANTA ao funcionário. Bom se ela adianta, em algum momento isso será descontado, certo? Então podemos dizer que o registro do pagamento trata-se de um direito, ou seja, a empresa entrega dinheiro ao funcionário e ganha em contra partida o direito de descontar esse valor do pagamento do funcionário. Se é um direito é um ativo. As contas de ativo são debitadas nos aumentos. Então podemos concluir que o registro do pagamento do adiantamento é feito da seguinte forma: D – Adiantamento de Salários (Conta de Ativo) C – Caixa ou Bancos. Nos razonetes o lançamento ficaria da seguinte forma:
Bancos 10.000,00 Adiantamento Salarial 10.000,00

O lançamento acima, foi feito debitando a conta de Adiantamento Salarial e creditando a conta Bancos, no valor de R$ 10.000,00. Dessa forma temos registrado o pagamento do adiantamento salarial. Na próxima lição vamos aprender a efetuar o registro do desconto do adiantamento salarial. Lição 3 – Registro do Desconto do Adiantamento de Salário. Continuando nosso aprendizado vamos aprender como se registra o desconto do adiantamento de salário.
Página 123

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Como o próprio nome diz trata-se de um ADIANTAMENTO DE SALARIO. Então o desconto do valor adiantado será feito no pagamento do salário. Em outras palavras estamos dizendo que a empresa compensará o adiantamento dado diminuindo do salário do funcionário. O lançamento do registro do desconto do adiantamento de salário é feito da seguinte forma: D – Salários a Pagar C – Adiantamento de Salário. Vamos ver na pratica como funciona, para tanto vamos considerar que a empresa tenha efetuado no dia 20/09, um adiantamento salarial de R$ 400,00. Vejamos o resumo da folha abaixo: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Salário Maternidade Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Salário Família Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Sindical Desc. Vale Transporte Desc. Adiantamento Salarial Desc. Vale Transporte Não Utilizado Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40% Proventos 900,00 600,00 30,00 10,00 15,00 Descontos

130,00 20,00 200,00 10,00 40,00 400,00 10,00 745,00

123,20 1.540,00 616,00

Vejam que a empresa esta descontando a titulo de adiantamento salarial a quantia de R$ 400,00 e que esse valor esta reduzindo o valor liquido da folha de pagamento. Somente para fins de simplificação vamos apresentar abaixo somente os razonetes, que serão utilizados neste lançamento.
Página 124

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Adiantamento de Salário 400,00 (S) 400,00

Salários a Pagar 900,00 130,00 30,00 20,00 200,00 10,00 10,00 15,00 40,00 600,00 10,00 400,00

Temos dois razonetes acima, o primeiro de Adiantamento de Salário que tinha um saldo inicial (indicado pela letra S no inicio). Ainda nessa conta temos um lançamento a crédito, que reduz o saldo dessa conta para R$ 0,00. A outra conta que temos é a conta de Salários a Pagar, onde registramos um debito de R$ 400,00 relativo ao desconto do adiantamento de salário. Feito isso temos registrado o desconto do adiantamento de salário, que a empresa tinha efetuado. Embora parecido com o adiantamento de salário, vamos ver na próxima lição como é efetuado o registro de empréstimos a funcionários. Lição 4 – Introdução ao Empréstimos a Funcionários. Algumas empresas concedem pequenos empréstimos financeiros a seus funcionários, ou seja, empresta dinheiro. Os de pequenos valores, chamamos de VALES, que são descontados de imediato (de uma vez só na folha de pagamento), e os de maiores valores, chamamos de empréstimos. Nessa lição vamos aprender o tratamento contábil (registro) de um empréstimo concedido a funcionário, o qual terá o desconto do pagamento efetuado diretamente seu salário. Temos que tentar que o empréstimo é diferente do adiantamento de salário, em primeiro lugar pelo simples fato de que o adiantamento pode ser concedido por mera liberalidade do empregador, ou seja sem o consentimento do empregado, visando com isso reduzir a necessidade de dinheiro no inicio do mês.. Enquanto que o empréstimo deverá necessariamente ser solicitado pelo empregado, e também só será realizado com o consentimento da empresa, haja visto que não existe na legislação ao obrigatoriedade de que a empresa tem que efetuar empréstimos a seus funcionários.

Página 125

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Podemos dividir o empréstimo funcionários com 3 parte diferente o pagamento do empréstimo, a segunda o desconto do empréstimo e a terceira e última a incidência de juros sobre o dinheiro emprestado. Na próxima lição vamos ver como se efetua o registro contábil do empréstimo funcionário. Lição 5 – Pagamento do Empréstimo ao Funcionário. Vamos supor que o funcionário Luciano solicitou um empréstimo de R$2.000 a empresa em que trabalha. a empresa por considerar Luciano, um excelente funcionário e sabendo da real necessidade desse empréstimo, decidiu concede-lo, ficando combinado que o desconto desse empréstimo seria efetuado em dez parcelas de R$ 200,00 sem a incidência de juros, e que todas as parcelas do empréstimo seriam descontadas diretamente do salário do funcionário. Nesse momento a empresa procedeu ao pagamento do empréstimo a Luciano, lhe dando um cheque no valor de R$ 2.000,00 para que o mesmo sacasse tal valor junto ao banco. Vamos analisar que vai acontecer nas contas patrimoniais da empresa, em primeiro lugar, na conta Bancos já sabemos que vai haver uma saída de dinheiro, no valor de R$ 2.000,00, logo podemos dizer que o saldo dessa conta diminuirá, portanto essa conta será a creditada. Em contra partida a empresa ganhou um ativo, o direito de descontar de Luciano os R$ 2.000,00 que lhe foram emprestados. Então podemos identificar que o registro contábil dessa operação ficaria assim: D - Empréstimo a Funcionários. C - Bancos Nos razonetes: Empréstimo a Funcionários 2.000,00 Bancos 2.000,00

R$ 2.000,00

Assim temos um debito na conta de EMPRESTIMOS A FUNCIONARIOS, uma conta de ativo, aumentando assim o seu saldo. Em contra partida temos um registro a crédito na conta BANCOS, reduzindo o saldo da mesma. Na próxima lição vamos ver como erre efetuado o registro do desconto do empréstimo. Lição 6 – Desconto do Empréstimo ao Funcionário. Na lição anterior vimos como se efetua o registro contábil do pagamento do empréstimo ao funcionário, na presente lição vamos aprender como se contabiliza o desconto desse empréstimo.

Página 126

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Para tanto vamos considerar as mesmas informações da lição anterior, as quais são: Empréstimo de R$ 2.000,00, a ser descontado em 10 parcelas de R$ 200,00. Considerando que já se tenha passado um mês, chegou a hora de contabilizarmos a folha de pagamento, o resumo da folha de pagamento apresentará o registro de um desconto de empréstimo, como se segue: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Salário Maternidade Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Salário Família Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Sindical Desc. Vale Transporte Desc. Adiantamento Salarial Desc. Empréstimos Desc. Vale Transporte Não Utilizado Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40% Proventos 900,00 600,00 30,00 10,00 15,00 Descontos

130,00 20,00 200,00 10,00 40,00 400,00 200,00 10,00 545,00

123,20 1.540,00 616,00

Pelo resumo da folha de pagamento acima, podemos perceber que a empresa esta efetuando o desconto do empréstimo que concedeu. Vamos fazer uma analise sobre a operação, para identificarmos as contas que serão utilizadas para efetuar esse registro. Já sabemos que o desconto do empréstimo esta reduzindo o valor liquido da folha de pagamento, conseqüentemente o razonete da conta de salários a pagar, será reduzido também, por tratar-se de uma conta de Passivo, os débitos registram as diminuições, portanto, já sabemos a conta que será debitada, falta identificar a conta a ser creditada. Falta agora identificarmos a conta que será creditada. Inicialmente a empresa concedeu R$ 2.000,00 de empréstimo, e agora o funcionário esta pagando R$ 200,00, logo a empresa só tem o direito de descontar do mesmo a quantia restante que é de R$ 1.800,00. Ora se ela tem o direito de descontar agora somente R$ 1.800,00. Alguma conta de ativo terá que mostrar esse valor.
Página 127

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

E que conta será essa? A mesma conta que inicialmente registrou a concessão do pagamento do empréstimo, que foi a conta de EMPRESTIMOS A FUNCIONARIOS. Vejamos abaixo o razonete dessa conta sem o registro do desconto. Empréstimo a Funcionários 2.000,00 Então a conta creditada será a conta de EMPRESTIMOS A FUNCIONARIOS. Levando em consideração que trata-se de uma conta de ativo, o registro a credito nessa conta fará o que? Diminuirá o saldo dela certo? Então essa conta será a creditada, pois reduzirá o seu saldo em R$ 200,00, fazendo com que apresente o saldo de R$ 1.800,00. Que é o valor que o funcionário ainda deve. Então o desconto do empréstimo será efetuado da seguinte forma: D – Salários a Pagar C – Empréstimos a Funcionários. Nos razonetes: Empréstimo a Funcionários 2.000,00 200,00 (1) Salários a Pagar 200,00 (1)

Vejam que no razonete de Empréstimos a Funcionário fizemos um crédito no valor de R$ 200,00, logo, estamos reduzindo o saldo dessa conta, que antes tinha um saldo de R$ 2.000,00 com o registro do desconto da primeira parcela, ficou um saldo de R$ 1.800,00 (2.000 – 200). Já no razonete de Salário a Pagar, fizemos um debito no valor de R$ 200,00, reduzindo o saldo dessa conta, tendo em vista que o valor será deduzido do salário do funcionário. Na próxima lição, vamos ver como fica o registro do desconto do empréstimo quando a empresa cobra juros sobre esse valor. Lição 7 – Juros sobre o Empréstimo a Funcionários.

Página 128

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Algumas empresas procedem aos empréstimos a seus funcionários, porém cobram juros por isso, geralmente a um taxa bem melhor do que o funcionário conseguiria junto a bancos ou financeiras. Na presente lição vamos ver como é contabilizado o empréstimo, a atualização do mesmo, e o desconto do empréstimo, quando a empresa procede a cobrança de juros sobre o mesmo. Para tanto vamos considerar os mesmos valores utilizados como exemplo nas lições anteriores. Considerando o mesmo valor emprestado (R$ 2.000,00), agora vamos trabalhar com a condição de que a empresa cobrou juros 5% sobre o valor total emprestado. Logo o valor total de juros que o funcionário pagará é de R$ 100,00. Ficou combinado que a cada parcela o funcionário pagar a empresa, R$ 200,00 amortizarão o empréstimo e R$ 10,00 a titulo de juros sobre o empréstimo. Logo cada pagamento corresponderá a R$ 210,00. Como já aprendemos nas lições anteriores o registro do empréstimo é efetuado da seguinte forma: D – Empréstimos a Funcionários C – Caixa ou Bancos Considerando que passou-se um mês da data do empréstimo, a empresa efetuará o desconto da primeira parcela. Nesse momento o resumo da folha de pagamento é o seguinte: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Salário Maternidade Horas Extras 50% - 2:00 Repouso Semanal Remunerado Salário Família Desconto de INSS Desconto de IRRF Pensão Alimentícia Desc. Contribuição Sindical Desc. Vale Transporte Desc. Adiantamento Salarial Desc. Empréstimos Desc. Vale Transporte Não Utilizado Valor Líquido a Pagar Proventos 900,00 600,00 30,00 10,00 15,00 Descontos

130,00 20,00 200,00 10,00 40,00 400,00 210,00 10,00 535,00
Página 129

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40% Vejam que agora temos um desconto de R$ 210,00 a titulo de empréstimo.

123,20 1.540,00 616,00

Aprendemos nas lições passadas como deve ser efetuado o registro do desconto do empréstimo. C – Salários a Pagar D – Empréstimos a Funcionários. Se fizermos esse lançamento nosso razonete se apresentará da seguinte forma: Empréstimo a Funcionários 2.000,00 210,00 (1) Salários a Pagar 210,00 (1)

Vejam que efetuamos um debito na conta de salários a pagar, reduzindo assim o saldo dela. Em contra partida efetuamos um credito na conta de Empréstimos a Funcionário também no valor de R$ 210,00. Para registrar a diminuição no saldo dessa conta. Percebam que agora o saldo da conta de Empréstimos a Funcionários é de R$ 1.790,00. Sabemos que não está correto, porque o combinado com o funcionário é que ele amortizaria o saldo devedor de seu empréstimos em R$ 200,00 a cada parcela, se ele pagou a primeira o saldo da conta que representa o empréstimo a esse funcionário deve ser de R$ 1.800,00. O restante pago (R$ 10,00) é a titulo de juros pelo empréstimo. Vejam também que a diferença é justamente de R$ 10,00. A conta apresenta um saldo de R$ 1.790,00, quando deveria ser de R$ 1800,00. Isso porque não efetuamos o registro dos juros que o funcionário irá pagar, no valor de R$ 10,00. Com esse registro aumentaremos o saldo da conta de Empréstimos a Funcionários em R$ 10,00. O que fará com que o saldo aumente em R$ 10,00, passando para R$ 1.800,00 Esse registro é feito da seguinte forma: C – Receita com Juros D – Empréstimos a Funcionários

Página 130

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Vejam que estamos creditando uma conta de Receita, pois trata-se de um valor que a empresa esta recebendo. É uma conta de resultado que quando efetuarmos o zeramento das contas de resultado, ela deverá ser zerada. Em contra partida estamos debitando a conta de Empréstimos a Funcionários, aumentando o seu saldo em R$ 10,00. Empréstimo a Funcionários 2.000,00 200,00 (1) 10,00 Receita de Juros 10,00 (1) Vejam que agora a conta de Empréstimos a funcionários apresenta um saldo de R$ 1.800,00. O método de contabilização dos juros pode se dar de várias formas possíveis, podemos provisionar os juros primeiro na conta de Empréstimos a Funcionários, e posteriormente procedermos ao desconto, vejamos: D – Empréstimos a Funcionários C – Receita de Juros Salários a Pagar 210,00 (1)

R$ 10,00

Nesse momento a conta de Empréstimos a Funcionário possui o saldo de R$ 2.010,00. O lançamento do desconto do empréstimo ficaria assim: D – Salários a Pagar C – Empréstimos a Funcionários

R$ 210,00

Existem diversas formas diferentes de se efetuar a contabilização dos juros, as quais não interferirão no resultado de nosso estudo, tendo em vista que nosso objetivo e aprender como se processa o registro contábil da folha de pagamento, o importante e sabermos como se faz o registro contábil, caso apareça uma operação de desconto de empréstimo na folha de pagamento.

Página 131

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 11 – 13.º Salário.
Nesta lição, veremos comentários e a forma de contabilização do 13.º Salários, inclusive o adiantamento do mesmo. Lição 1 – Introdução. O 13.º Salário foi criado com a intenção de injetar um dinheiro extra na economia local, e realmente cumpre sua função, na maioria das vezes quando recebemos o mesmo, não deixamos ele guardado, sempre pagamos uma conta, compramos presente de natal e etc. Ou seja, estamos colocando mais dinheiro na economia, isso faz com que o consumo aumente, aumentando o consumo aumenta a renda, empregos e assim por diante. Lógico que isso não é um e-book sobre economia existem diversos poréns, mais que não convém agora comentar. O 13.º salário é pago em parcelas, alguém saberia dizer em quantas? 1? 2? Mais? Quem disse 2, achou que estava certo. Isso mesmo achou. O 13.º Salário deve ser pago em até 3 parcelas. E alguém saberia as datas? A primeira pode ser paga de 01 de Fevereiro até 30 de Novembro. Isso mesmo a empresa pode pagar a primeira parcela do 13.º salário entre Fevereiro e Novembro. Se ela quiser pagar em Junho, pode, em Julho também, em Janeiro não, nem depois de 30 de Novembro. A segunda parcela deve ser paga até o dia 20/12, para que os funcionários possam passar o natal com dinheiro. E a terceira e ultima parcela até 10/01 do ano seguinte. Terceira parcela? Sério mesmo? Sério. Isso porque o décimo terceiro salário é a média do que recebemos durante o ano (Janeiro a Dezembro).

Página 132

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

A segunda parcela que todos entendem como última, é paga em 20/12. Nesse momento ainda não sabemos quanto vamos ganhar em Dezembro. Isso lógico para aquelas pessoas que recebem variáveis, tais como comissões, adicionais, ou recebem por tarefa, ou peça produzida. Na verdade quando calculamos o décimo terceiro salário temos somente o valor que recebemos até novembro. Ai que entra a 3.ª parcela, quando estiver fechada a folha de pagamento de dezembro temos que rever os cálculos do 13.º salário, já incluindo a remuneração de Dezembro, havendo diferença a favor do empregado esta deverá ser paga até o dia 10/01. Caso o valor pago ao funcionário tenha sido maior a empresa poderá descontar do mesmo. Isso esta previsto no artigo 2.º e parágrafo único, do decreto 57.155 de 3/11/1965. Inclusive esse mesmo decreto diz que se o empregado quiser pode solicitar que a empresa pague a primeira parcela do 13.º salário junto com as férias. Mais uma vez saindo da parte de direito trabalhista e voltando ao nosso foco que é a contabilização da folha de pagamento: Vimos então que a empresa paga um adiantamento de 13.º Salário até 30/11. Vamos então aprender como deve ser contabilizado esse adiantamento. Lição 2 – O Adiantamento do 13.º Salário. Vamos aprender como se efetua o registro do pagamento do adiantamento da primeira parcela do 13.º salário. O registro é feito da seguinte forma: D – Adiantamento de 13.º Salário (conta de ativo) C – Caixa ou Bancos Debita-se uma conta de ativo, pois representará um direito para a empresa, o direito de descontar esse valor quando for efetivamente pagar o 13.º salário. Por tratar-se de um direito, uma conta de Ativo, onde os débitos aumentam o saldo dessa conta. Em contra partida credita-se a conta de Caixa ou Bancos, registrando a saída do dinheiro. Nos razonetes o registro ficaria da seguinte forma: Adiantamento de 13.º Salário 1.000,00 Caixa 1.000,00

Lembrando que esse registro pode ocorrer entre Fevereiro e Novembro de cada, o prazo máximo é 30/11.
Página 133

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Vamos aprender agora como se contabiliza o pagamento do 13.º Salário. Lição 3 – O FGTS sobre a 1.ª Parcela do 13 Salário. Sobre a primeira parcela do 13.º salário, incide o FGTS. Assim quando a empresa efetuar o pagamento da primeira parcela do 13.º salário, terá que obrigatoriamente recolher o FGTS sobre esse valor. De acordo com nosso exemplo utilizado na lição 2, considerando o adiantamento de R$ 1.000,00 o valor do FGTS relativo a 1.ª parcela do 13.º salário seria de R$ 80,00. R$ 1.000,00 x 8% = R$ 80,00. O registro desse lançamento seria efetuado de forma idêntica ao lançamento da despesa de FGTS que vimos na lição 2 do módulo 4. D – Despesa com FGTS C – FGTS a Pagar

Despesa com FGTS 80,00

FGTS a Recolher 80,00

Esse valor seria pago, junto com o FGTS do mês em que ocorrer o pagamento, assim se a primeira parcela foi paga em Março de 2007. O pagamento do FGTS sobre a 1.ª Parcela do 13.º Salário, ocorreria junto com o pagamento do FGTS do mês de Março de 2007. Se o FGTS do Adiant. 13.º Salário é de R$ 80,00 e o FGTS sobre a folha de Março é de R$ 200,00. O pagamento do FGTS seria de R$ 180,00, e deve ser efetuado até o dia 07/04. Somente relembrando, nessa ocasião o registro seria efetuado da seguinte forma: D – FGTS a Recolher C – Caixa ou Bancos. Lição 4 – A Despesa com 13.º Salário. Como vimos na lição 1, até 20/12 a empresa tem que estar pagando a segunda parcela do 13.º salário. Nesse momento é gerado um comprovante de pagamento, na verdade uma folha de pagamento e um resumo. A folha de pagamento e o resumo do 13.º Salário.

Página 134

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Suponhamos o seguinte resumo da folha de 13.º Salário. Folha de Pagamento – 13.º Salário de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição 13.º Salário Desconto de Adiant. 1 Parcela 13.º Salário Desconto de INSS Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40% Proventos 2.000,00 Descontos 1.000,00 90,00 910,00

80,00 2.000,00 800,00

Vejam que o nosso resumo da folha apresenta como proventos o valor de R$ 2.000,00 a titulo de 13.º Salário. Apresenta ainda o desconto da primeira parcela do 13.º Salário. Abaixo apresenta também o desconto do INSS sobre o 13.º Salário, isso mesmo, os funcionários pagam INSS sobre o 13.º Salário, assim como a empresa também paga. Então temos que o valor liquido da folha de 13.º salário é de R$ 910,00. (2.000 – 1.000 – 90 = 910). Abaixo ainda temos mais algumas informações, que não vamos falar sobre elas agora, vamos nos atentar sobre a contabilização da folha em si.

Vamos inicialmente contabilizar o valor em destaque no resumo da folha abaixo: Folha de Pagamento – 13.º Salário de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição 13.º Salário Desconto de Adiant. 1 Parcela 13.º Salário Desconto de INSS Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Proventos 2.000,00 Descontos 1.000,00 90,00 910,00

80,00
Página 135

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40% Em destaque acima, temos o provento de 13.º Salário no valor de R$ 2.000,00. O registro desse lançamento é efetuado da seguinte forma: D – Despesa com 13.º Salário (conta de despesa) C – 13.º Salário a Pagar (conta de passivo) Nos razonetes o lançamento fica da seguinte forma: Despesa com 13.º Salário 2.000,00

2.000,00 800,00

13.º Salário a Pagar 2.000,00

Debitamos uma conta de despesa, e creditamos a conta de 13.º Salário a pagar, no valor de R$ 2.000,00. Nesse momento o saldo da conta de 13.º Salário a Pagar, esta apresentando um saldo de R$ 2.000,00 Credor, indicando que trata-se de uma valor que a empresa tem a pagar. Esse registro é o conhecido registro da despesa do 13.º Salário, ou seja, ele é que apresenta o total da despesa com 13.º Salário, em outras palavras esse registro é que representa o valor total que a empresa gastará por conta do 13.º Salário. Vamos agora fazer o registro do desconto do adiantamento da 1.ª parcela de 13.º salário, que consta no resumo da folha como R$ 1.000,00. Esse registro é feito da seguinte forma: D - 13.º Salário a Pagar C – Adiantamento de 13.º Salário. Debita-se a conta de 13.º Salário a Pagar, diminuindo o seu saldo e credita-se a conta de Adiantamento de 13.º Salário, também reduzindo o seu saldo. Lembrando que a conta de adiantamento de 13.º salário, é aquela conta onde fizemos o registro do pagamento do adiantamento da primeira parcela do 13.º, segue o razonete da mesma abaixo: Adiantamento de 13.º Salário 1.000,00 Vejam que a mesma apresenta o saldo de R$ 1.000,00. Vamos ver como ficar os razonetes após o lançamento do desconto da 1.ª parcela.

Página 136

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa com 13.º Salário 2.000,00 Adiantamento de 13.º Salário 1.000,00 1.000,00

13.º Salário a Pagar 2.000,00 1.000,00

Efetuamos um debito na conta de 13.º Salários a Pagar, e um crédito na conta de Adiantamento de 13.º Salário. D – 13.º Salários a Pagar C – Adiantamento de 13.º Salário Com esse registro diminuímos o saldo da conta de 13.º Salário a Pagar, agora a conta apresenta o saldo de R$ 2.000,00. Também reduzimos o saldo da conta de Adiantamento de 13.º Salário, em R$ 1.000,00, zerando assim o seu saldo. Esse registro indica que a empresa descontou tudo o que tinha adiantado de 13.º Salário. Como dito acima, o saldo da conta de 13.º Salário a Pagar no momento é de R$ 1.000,00, mais o resumo da folha de pagamento indica, que o saldo a pagar é de R$ 910,00. Alguma coisa esta faltando. O lançamento do desconto do INSS do funcionário, que é feito de forma igual a que aprendermos na lição 1 do módulo 3, a única diferença, é que agora a conta a ser debitada será a conta de 13.º Salário a Pagar, a conte creditada continua sendo a mesma INSS a Recolher, o lançamento é efetuado da seguinte forma: D – 13.º Salários a Pagar C – INSS a Recolher Nos razonetes, o lançamento ficaria da seguinte forma:

Despesa com 13.º Salário 2.000,00

13.º Salário a Pagar 1.000,00 2.000,00 90,00 INSS a Recolher 90,00

Adiantamento de 13.º Salário 1.000,00 1.000,00

Agora o saldo de nossa conta de 13.º Salário a Pagar, é de R$ 910,00. Idêntico ao valor apurado no resumo da folha de pagamento. Lição 5 – O FGTS e o INSS sobre o 13.º Salário Acima eu disse que o resumo apresentava outras informações, lembram-se:
Página 137

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

“Abaixo ainda temos mais algumas informações, que não vamos falar sobre elas agora, vamos nos atentar sobre a contabilização da folha em si.” As informações a que estava me referindo são as destacadas no resumo da folha de pagamento abaixo: Folha de Pagamento – 13.º Salário de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição 13.º Salário Desconto de Adiant. 1 Parcela 13.º Salário Desconto de INSS Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40% Proventos 2.000,00 Descontos 1.000,00 90,00 910,00

80,00 2.000,00 800,00

O quadro acima, informa que o FGTS relativo a essa folha é de R$ 80,00. E que o INSS da empresa (despesa da empresa) é de R$ 800,00. Isso porque sobre o valor pago de 13.º Salário, também incide FGTS, tanto na primeira parcela, quanto na segunda parcela. O lançamento dessa despesa com FGTS é feita de forma idêntica a que vimos na lição 3 deste módulo, debita-se a conta de despesa com FGTS e credita-se a conta de FGTS a Pagar. Os razonetes ficariam da seguinte forma: Despesa com FGTS 80,00 FGTS a Recolher 80,00

Resumindo, o FGTS sobre o total da folha de 13.º Salário é de R$ 160,00, sendo que efetuamos a provisão e o pagamento em dois momentos distintos, em novembro e em dezembro. Em cada um desses lançamentos o valor foi de R$ 80,00, que somados resultam no total da despesa com FGTS R$ 160,00. Agora vamos falar sobre a informação que consta no resumo da folha de pagamento sobre o INSS.

Página 138

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

A empresa, dependendo do regime de tributação da mesma, também paga INSS sobre o valor do 13.º Salário. De acordo com o nosso resumo o valor que a empresa pagará é de 40% sobre o total da folha, que é de R$ 2.000,00, logo, 40% de R$ 2.000,00 é igual a R$ 800,00. Que é o valor que o resumo da folha de pagamento como despesa da empresa com o INSS sobre o 13.º Salário. Esse registro também é feito de forma idêntica ao que aprendemos na lição 3 do módulo 4, onde aprendemos a registrar a despesa do INSS da empresa, com a folha de pagamento. D – Despesa com INSS C – INSS a Recolher Nos razonetes: INSS a Recolher 90,00 800,00 Despesa com INSS 800,00

Debitamos a conta de despesa com INSS e creditamos a conta de INSS a recolher, lembrando que esta ultima já apresentava um saldo anterior, de R$ 90,00, que era relativo ao lançamento da retenção do INSS dos funcionários. Lição 6 – A Parcela de Diferença do 13.º Salário (3.ª Parcela). Conforme dissemos no inicio desse módulo o 13.º salário pode ser pago em até 3 parcelas, a primeira de .01/02 a 30/11 a segunda até 20/12, e caso o funcionário tenha direito a terceira parcela ou complementação do 13.º salário deve ser pago até o dia 10/01 do ano seguinte. A contabilização dessa parcela é quase idêntica a contabilização da segunda parcela. Considere o seguinte resumo da folha de pagamento: Folha de Pagamento – 13.º Salário de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Diferença de 13.º Salário Desconto de INSS Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Proventos 10,00 Descontos 2,00 8,00

0,80
Página 139

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40%

10,00 4,00

Temos uma diferença de R$ 10,00 a titulo de 13.º salário, um desconto de INSS de R$ 2,00. O registro é efetuado da seguinte forma: D – Despesa com 13.º Salário. C – 13.º Salário a Pagar D – 13.º Salário a Pagar C – INSS a Recolher D – Despesa com FGTS C – FGTS a Recolher D – Despesa com INSS C – INSS a Recolher

R$ 10,00

R$ 2,00

R$ 0,80

R$ 4,00

Lição 7 – Exercícios de Fixação. Partindo do saldo do balancete abaixo:
Balancete de Verificação – Setembro de 2007

Chiquinho da Silva Comercio e Industria
Nome da Conta Saldo Anterior Movimentos

Bancos Clientes Mercadorias Veículos Sal. Matern. A Comp Sal. Família a Compe Fornecedores Salários a Pagar FGTS a Recolher Capital Social Lucros do Exercício Receita de Vendas CMV Despesa com Salários Desp. Ant. c/ Vale Tr. Desp. com Hora Extra INSS a Recolher Desp. c/ INSS Desp. c/ FGTS Desp. C/ Vale Transp. Desp. Ant. c/ Aliment.

41.927,60 6.500,00 700,00 10.000,00 105,00 20,00 3.000,00 535,00 47,60 50.000,00 4.051,60 4.000,00 1.800,00 350,00 50,00 15,00 119,00 47,60 -

DV DV DV DV DV DV CR CR CR CR CR CR DV DV DV DV DV DV -

A Debito 4.000,00 1.000,00 130,00 20,00 2.000,00 645,00 47,60 1.500,00 450,00 100,00 191,00 136,00 54,40 50,00 200,00

A Credito 3.882,60 1.000,00 1500,00 171,00 20,00 700,00 54,40 3.000,00 50,00 191,00 35,00

Saldo Atual

42.045,00 5.500,00 200,00 10.000,00 64,00 20,00 1.000,00 590,00 54,40 50.000,00 4.051,60 7.000,00 3.300,00 800,00 100,00 15,00 255,00 102,00 15,00 200,00

DV DV DV DV DV DV CR CR CR CR CR CR DV DV DV DV DV DV DV DV

Página 140

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Desp. C/ Alimentação
TOTAL

-

-

100,00 10.624,00

20,00 10.624,00

80,00

DV

Vamos efetuar a contabilização das seguintes operações: 1 – Recebimento de R$ 4.000,00 de clientes. 2 – Pagamento de R$ 500,00 de Fornecedores. 3 – Pagamentos dos Salários, e do FGTS. 4 – Reconhecimento das despesas de Vale Transporte de Vale Alimentação. 5 – Empréstimo ao funcionário de R$ 500,00 a ser desconto em 5 parcelas de R$ 100,00. 6 – Recebimento do Reembolso a Previdência Social, do saldo de salário maternidade e salário família. Tendo sido creditado na conta R$ 95,00. 7 – Registro do Adiantamento de Salário, no valor de R$ 200,00. 8 – Compra de Vale Transporte (R$ 100,00) e Vale Alimentação (R$ 100,00), para novembro. 9 – Contabilização das Folhas dos meses de Outubro e 1.ª Parcela de 13.º Salário, abaixo relacionadas. Folha de Pagamento – Outubro de 2007 Empresa: Chiquinho da Silva Comercio e Industria Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Desconto de Empréstimo Desconto de Adiantamento de Salário Desconto de INSS Desconto de Vale Transporte Desconto de Vale Refeição Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 20% Folha de Pagamento – 1.ª Parcela 13.º Salário de 2007 Empresa: Chiquinho da Silva Comercio e Industria Folha – 2 / 2
Página 141

Proventos 650,00

Descontos 100,00 200,00 55,00 30,00 40,00 225,00

52,00 650,00 130,00

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Resumo da Folha de Pagamento Descrição 1.ª Parcela de 13.º Salário Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40% Proventos 300,00 Descontos 300,00

24,00 0,00 0,00

Após a contabilização de todas as operações vamos elaborar um balancete de verificação e após um balanço patrimonial. Lição 8 – Correção dos Exercícios de Fixação. O exercício desse modulo consistia contabilização de algumas operações, baseados no saldo inicial das contas que constavam no balancete de verificação apresentado. Após tínhamos que contabilizar, dois resumos de folha de pagamento, o resumo da folha de pagamento e o resumo da 1.ª parcela de 13.º salário. Para em seguida elaborarmos o balancete de verificação e o balanço patrimonial. Inicialmente vamos abrir os razonetes, e registrar as operações até as folhas de pagamentos, faremos uma analise nesse ponto e depois contabilizaremos os resumos das folhas em si. Banco Bradesco 42.045,00 (S) 500,00 (2) 4.000,00 (1) 590,00 (3) 95,00 (5) 54,40 (3) 500,00 (5) 200,00 (7) 200,00 (8) Veículos 10.000,00 (S) Mercadorias 200,00 (S)

Clientes 5.500,00 (S) 4.000,00 (1)

Salário Maternidade a Compensar 64,00 (S) 64,00 (6)

Salário Família a Compensar 20,00 (S) 20,00 (6)

Fornecedores 500,00 (2) 1.000,00 (S)

Salários a Pagar 590,00 (3) 590,00 (S)

Página 142

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Capital Social 50.000,00 (S) Receita de Vendas 7.000,00 (S)

Lucros do Exercício 4.051,60 (S) CMV 3.300,00 (S)

Desp. Antec. C/ Vale Transporte 100,00 (S) 100,00 (4) 100,00 (8)

Despesa com Salário 800,00 (S)

Despesa com Hora Extra 15,00 (S) Despesa com FGTS 102,00 (S)

Empréstimos a Funcionários 500,00 (5) Despesa com INSS 255,00 (S)

Despesa com Vale Transporte 15,00 (S) 100,00 (4) Despesa com Alimentação 80,00 (S) 200,00 (4) Receita de Juros 11,00 (6)

Desp. Antec c/ Vale Alimentação 200,00 (S) 200,00 (4) 100,00 (8) FGTS a Pagar 54,40 (3) 54,40 (S)

Adiantamento de Salário 200,00 (7)

O lançamento de numero 6, foi: “Recebimento do Reembolso a Previdência Social, do saldo de salário maternidade e salário família. Tendo sido creditado na conta R$ 95,00.”, ou seja, a empresa não quis mais ficar compensando os valores que tinha pago, e solicitou o reembolso a previdência social, tendo esta creditado na conta da empresa, a quantia de R$ 95,00. Ora sabendo que a empresa solicitou o reembolso de R$ 64,00 a titulo de salário maternidade e de R$ 20,00 a titulo de salário família, isso totalizava a quantia de R$ 84,00, logo se o crédito efetuado foi de R$ 95,00 sabemos que trata-se de atualização dos valores solicitados. Portanto juros. Para registrar essa operação, creditamos a conta de salário maternidade em R$ 64,00, a conta de salário família em R$ 20,00, reduzindo assim o saldo dessas contas para R$ 0,00. Efetuamos outro crédito na conta de Receita de Juros, no valor de R$ 11,00. Por fim efetuamos um debito na conta Bancos no valor de R$ 95,00. O lançamento de numero 7 foi o registro do adiantamento salarial, efetuamos um debito na conta de adiantamento a funcionário (Conta de ativo), e um crédito na conta Bancos.

Página 143

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

O lançamento de numero 5, foi o registro do empréstimo que a empresa efetuou ao funcionário no valor de R$ 500,00.

Temos então contabilizado as operações normais. Vamos agora a contabilização da primeira folha de pagamento a folha do mês de outubro de 2007. A folha era a seguinte: Folha de Pagamento – Outubro de 2007 Empresa: Chiquinho da Silva Comercio e Industria Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Desconto de Empréstimo Desconto de Adiantamento de Salário Desconto de INSS Desconto de Vale Transporte Desconto de Vale Refeição Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 20% Vamos aos registros nos razonetes: Banco Bradesco 42.045,00 (S) 500,00 (2) 4.000,00 (1) 590,00 (3) 95,00 (6) 54,40 (3) 500,00 (5) 200,00 (7) 200,00 (8) Veículos 10.000,00 (S) Mercadorias 200,00 (S) Proventos 650,00 Descontos 100,00 200,00 55,00 30,00 40,00 225,00

52,00 650,00 130,00

Clientes 5.500,00 (S) 4.000,00 (1)

Salário Maternidade a Compensar 64,00 (S) 64,00 (6)

Salário Família a Compensar 20,00 (S) 20,00 (6)

Página 144

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Fornecedores 500,00 (2) 1.000,00 (S)

Salários a Pagar 590,00 (3) 590,00 (S) 100,00 (9) 650,00 (9) 200,00 (9) 55,00 (9) 30,00 (9) 40,00 (9)

Capital Social 50.000,00 (S) Receita de Vendas 7.000,00 (S)

Lucros do Exercício 4.051,60 (S) CMV 3.300,00 (S)

Desp. Antec. C/ Vale Transporte 100,00 (S) 100,00 (4) 100,00 (8)

Despesa com Salário 800,00 (S) 650,00 (9)

Despesa com Hora Extra 15,00 (S) Despesa com FGTS 102,00 (S) 52,00 (9)

Empréstimos a Funcionários 500,00 (5) 100,00 (9) Despesa com INSS 255,00 (S) 130,00 (9)

Despesa com Vale Transporte 15,00 (S) 30,00 (9) 100,00 (4) Despesa com Alimentação 80,00 (S) 40,00 (9) 200,00 (4) Receita de Juros 11,00 (6) INSS a Recolher 55,00 (9) 130,00 (9)

Desp. Antec c/ Vale Alimentação 200,00 (S) 200,00 (4) 100,00 (8) FGTS a Pagar 54,40 (3) 54,40 (S) 52,00 (9) Adiantamento de Salário 200,00 (7) 200,00 (9)

Página 145

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Temos contabilizada as operações de nossa folha normal. Percebam que na conta de empréstimos a funcionários, temos um registro a débito no valor de R$ 500,00 que trata-se do pagamento do empréstimo ao funcionário e um registro a crédito no valor de R$ 100,00, que é relativo ao desconto do empréstimo. Vamos agora efetuar o registro da contabilização do resumo da 1.ª parcela do 13.º salário. Lembrando que a folha do resumo da 1.ª parcela do 13.º salário era a seguinte: Resumo da Folha de Pagamento Descrição 1.ª Parcela de 13.º Salário Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 40% Banco Bradesco 42.045,00 (S) 500,00 (2) 4.000,00 (1) 590,00 (3) 95,00 (6) 54,40 (3) 500,00 (5) 200,00 (7) 200,00 (8) 300,00 (10) Veículos 10.000,00 (S) Mercadorias 200,00 (S) Proventos 300,00 Descontos 300,00

24,00 0,00 0,00

Clientes 5.500,00 (S) 4.000,00 (1)

Salário Maternidade a Compensar 64,00 (S) 64,00 (6)

Salário Família a Compensar 20,00 (S) 20,00 (6)

Fornecedores 500,00 (2) 1.000,00 (S)

Salários a Pagar 590,00 (3) 590,00 (S) 100,00 (9) 650,00 (9) 200,00 (9) 55,00 (9) 30,00 (9) 40,00 (9)

Página 146

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Capital Social 50.000,00 (S) Receita de Vendas 7.000,00 (S)

Lucros do Exercício 4.051,60 (S) CMV 3.300,00 (S)

Desp. Antec. C/ Vale Transporte 100,00 (S) 100,00 (4) 100,00 (8)

Despesa com Salário 800,00 (S) 650,00 (9)

Despesa com Hora Extra 15,00 (S) Despesa com FGTS 102,00 (S) 52,00 (9) 24,00 (10)

Empréstimos a Funcionários 500,00 (5) 100,00 (9) Despesa com INSS 255,00 (S) 130,00 (9)

Despesa com Vale Transporte 15,00 (S) 30,00 (9) 100,00 (4) Despesa com Alimentação 80,00 (S) 40,00 (9) 200,00 (4)

Desp. Antec c/ Vale Alimentação 200,00 (S) 200,00 (4) 100,00 (8) FGTS a Pagar 54,40 (3) 54,40 (S) 52,00 (9) 24,00 (10) Adiantamento de Salário 200,00 (7) 200,00 (9) Adiantamento de 13.º - 1.ª Parcela 300,00 (10)

Receita de Juros 11,00 (6) INSS a Recolher 55,00 (9) 130,00 (9)

Os registros em destaques mostram, os lançamentos relativo ao pagamento da primeira parcela de 13.º salário, vejam que efetuamos um debito na conta de Adiantamento de 13.º - 1.ª Parcela, um crédito na conta Banco, demonstrando assim que houve o pagamento desse valor. Ainda efetuamos a provisão do FGTS que incide sobre a primeira parcela do 13.º Salário, no valor de R$ 24,00.

Página 147

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Vamos agora a parte final de nosso exercício que é a elaboração do balancete de verificação e após do balanço patrimonial.
Balancete de Verificação – Outubro de 2007

Chiquinho da Silva Comercio e Industria
Nome da Conta Saldo Anterior Movimentos

Bancos 42.045,00 DV Clientes 5.500,00 DV Mercadorias 200,00 DV Veículos 10.000,00 DV Sal. Matern. A Comp 64,00 DV Sal. Família a Compe 20,00 DV Fornecedores 1.000,00 CR Salários a Pagar 590,00 CR FGTS a Recolher 54,40 CR Capital Social 50.000,00 CR Lucros do Exercício 4.051,60 CR Receita de Vendas 7.000,00 CR CMV 3.300,00 DV Despesa com Salários 800,00 DV Desp. Ant. c/ Vale Tr. 100,00 DV Desp. com Hora Extra 15,00 DV Emprést a Funcionário INSS a Recolher Adiant. De Salário Adiant. De 13.º - 1.ª P Desp. c/ INSS 255,00 DV Desp. c/ FGTS 102,00 DV Desp. C/ Vale Transp. 15,00 DV Desp. Ant. c/ Aliment. 200,00 DV Desp. C/ Alimentação 80,00 DV Receita de Juros TOTAL

A Debito 4.095,00 500,00 1015,00 54,40 650,00 100,00 500,00 200,00 300,00 130,00 76,00 100,00 100,00 200,00 8.020,40

A Credito 2.344,40 4.000,00 64,00 20,00 650,00 76,00 100,00 100,00 185,00 200,00 30,00 200,00 40,00 11,00 8.020,40

Saldo Atual

43.795,60 1.500,00 200,00 10.000,00 500,00 225,00 76,00 50.000,00 4.051,60 7.000,00 3.300,00 1.450,00 100,00 15,00 400,00 185,00 300,00 385,00 178,00 85,00 100,00 240,00 11,00

DV DV DV DV CR CR CR CR CR CR DV DV DV DV DV CR DV DV DV DV DV DV CR

Agora vamos elaborar o nosso balanço patrimonial, para tanto precisamos efetuar o zeramento das contas de resultado. Banco Bradesco 42.045,00 (S) 500,00 (2) 4.000,00 (1) 590,00 (3) 95,00 (6) 54,40 (3) 500,00 (5) 200,00 (7) 200,00 (8) 300,00 (10) Mercadorias 200,00 (S)

Página 148

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Veículos 10.000,00 (S)

Clientes 5.500,00 (S) 4.000,00 (1)

Salário Maternidade a Compensar 64,00 (S) 64,00 (6)

Salário Família a Compensar 20,00 (S) 20,00 (6)

Fornecedores 500,00 (2) 1.000,00 (S)

Salários a Pagar 590,00 (3) 590,00 (S) 100,00 (9) 650,00 (9) 200,00 (9) 55,00 (9) 30,00 (9) 40,00 (9)

Capital Social 50.000,00 (S)

Lucros do Exercício 4.051,60 (S) 1.358,00 (T) CMV 3.300,00 (S) 3.300,00 (R)

Receita de Vendas 7.000,00 (R) 7.000,00 (S)

Desp. Antec. C/ Vale Transporte 100,00 (S) 100,00 (4) 100,00 (8)

Despesa com Salário 800,00 (S) 1.450,00 (R) 650,00 (9)

Despesa com Hora Extra 15,00 (S) 15,00 (R) Despesa com FGTS 102,00 (S) 178,00 (R) 52,00 (9) 24,00 (10)

Empréstimos a Funcionários 500,00 (5) 100,00 (9) Despesa com INSS 255,00 (S) 385,00 (R) 130,00 (9)

Despesa com Vale Transporte 15,00 (S) 30,00 (9) 100,00 (4) 85,00 (R)

Desp. Antec c/ Vale Alimentação 200,00 (S) 200,00 (4) 100,00 (8)

Página 149

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa com Alimentação 80,00 (S) 40,00 (9) 200,00 (4) 240,00 (R)

FGTS a Pagar 54,40 (3) 54,40 (S) 52,00 (9) 24,00 (10) Adiantamento de Salário 200,00 (7) 200,00 (9) Adiantamento de 13.º - 1.ª Parcela 300,00 (10)

Receita de Juros 11,00 (R) 11,00 (6) INSS a Recolher 55,00 (9) 130,00 (9) ARE 3.300,00 (R) 1.450,00 (R) 15,00 (R) 178,00 (R) 385,00 (R) 85,00 (R) 240,00 (R) 1.358,00 (T) 7.000,00 (R) 11,00 (R)

Com o zeramento das contas de resultado efetuado podemos elaborar o nosso balanço patrimonial que seria apresentado da seguinte forma: Balanço Patrimonial Outubro de 2007 Chiquinho da Silva Comercio e Industria Ativo Passivo Banco – Bradesco 43.795,60 Fornecedores 500,00 Mercadorias 200,00 Salários a Pagar 225,00 Veículos 10.000,00 INSS a Recolher 185,00 Clientes 1.500,00 FGTS a Pagar 76,00 Desp. Ant c/ Vale Transp 100,00 Patrimônio Líquido Empréstimos a Funcionar 400,00 Capital Social 50.000,00 Adian. 13.º Salário 300,00 Lucros do Exercício 5.409,60 Desp; Ant c/ Vale Aliment 100,00 56.395,60 56.395,60 SOMA DO ATIVO SOMA DO PASSIVO Pronto temos efetuado o nosso balanço patrimonial. Vejam que as contas de despesas antecipadas com vale transporte, vale alimentação, e adiantamento de 13.º salários, foram apresentadas no ativo da empresa.

Página 150

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 12 – Arredondamento Salarial.
Lição 1 – Introdução ao Arredondamento Salarial. Na presente lição vamos falar de uma prática comum nas empresas, o arredondamento de salários, que na realidade nada mais é do que arredondamento de pagamentos. A expressão arredondamento salarial dá a impressão de que a empresa arredonda o salário do funcionário, por exemplo, um funcionário foi contratado para ganhar a quantia de R$ 425,73. Nesse caso o arredondamento de salário, faria com que a empresa arredondasse o salário do funcionário para R$ 426,00. O que não é o caso, o que vamos ver nesse capitulo, é o arredondamento de salário, no sentido de arredondar o valor líquido que o funcionário tem a receber, de forma que faça com que a empresa, não tenha que pagar valores quebrados ao funcionário. Atualmente não temos grandes problemas para pagar quantias quebradas, porém antigamente isso era uma tremenda dor de cabeça. Hoje bastar efetuar uma transferência da conta bancaria para a conta do funcionário. Antigamente tínhamos que contar moedas, dar um valor a mais para o funcionário por causa da falta de moedas, descontar no mês seguinte .... e assim por diante. Por exemplo, a folha de pagamento abaixo: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 1 / 2 Funcionário 1 – Luciano da Silva Cargo: Auxiliar Administrativo Descrição Proventos Salário 1.000,00 Horas Extras – 23:00 200,00 Desconto de Falta – 1 Falta Valor Liquido a Pagar Funcionário 2 –Manuel Antonio Cargo: Assistente Comercial Proventos 500,00

Descontos

33,33 1.166,67

Descrição Salário Adiantamento de Salário Desconto de Atraso Valor Liquido a Pagar

Descontos 150,00 3,85 346,15

O funcionário Luciano tem a receber R$ 1.166,67, e o Manuel R$ 346,15. Percebam que ambos os valores são quebrados, ou seja, tudo com centavos. Antigamente essa empresa para efetuar o pagamento correto teria que correr atrás de
Página 151

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

moedas para conseguir pagar os salários corretos, ou pagar um pouco a mais para cada um, no caso acima pagaria para Luciano R$ 1.167,00 e para Manuel R$ 347,00. A principio pode parecer pouca coisa, mais imagine uma grande fabrica com mais de 1.000 funcionários !!!! Esses centavinhos fariam a diferença com certeza. O processo que vamos ver agora fará com que esses valores, que temos que pagar para cada funcionário fique arredondado para um número inteiro, no nosso exemplo, os valores serão R$ 1167,00 e R$ 347,00. Isso facilita a empresa, na hora de efetuar o pagamento, pois caso não utilize o pagamento via processo de transferência bancária, com certeza ficará na dependências de moedas. Lição 2 – Lógica do Arredondamento de Salários. Antes de começarmos a falar sobre o registro contábil do arredondamento de salário, vamos tecer alguns comentários quanto a lógica desse processo. Conforme vimos na lição acima, o objetivo básico de proceder ao arredondamento salarial, é fazer com que os funcionários tenham um valor líquido a receber, arredondado, ou seja, que não seja, necessário o pagamento em frações de reais (centavos). Para evitar a dor de cabeça que relatamos na lição anterior, criou-se a lógica do arredondamento, a qual é a seguinte: Primeiro calcula-se o valor líquido que o funcionário tem a receber. Conforme vimos acima, Luciano tem a receber R$ 1.166,67 e Manuel R$ 346,15. O que vamos fazer é arredondar o valor que o funcionário tem a receber, para o número inteiro superior acima do valor líquido apurado para pagamento. Assim Luciano vai receber R$ 1.167,00 e Manuel R$ 347,00. Para isso é necessário que façamos um pagamento de R$ 0,33 para Luciano e de R$ 0,85 para Manuel, a título de arredondamento para esses funcionários. No mês seguinte o procedimento que a empresa fará é o seguinte, calculará o valor liquido que o funcionário tem a receber, efetuará o desconto do arredondamento salarial concedido no mês anterior, com base nesse novo valor liquido, fará um novo arredondamento salarial. E esse procedimento se repetirá enquanto a empresa fizer o arredondamento salarial. Lição 3 – A Contabilização do Arredondamento. Vamos agora aprender a contabilizar o arredondamento salarial. Mas como isso é feito? Simples, na folha de pagamento de cada aparecerá um provento, nos valores vistos acima, vejamos a folha de pagamento já com o arredondamento:
Página 152

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 1 / 2 Funcionário 1 – Luciano da Silva Cargo: Auxiliar Administrativo Descrição Proventos Salário 1.000,00 Arredondamento Salarial 0,33 Horas Extras – 23:00 200,00 Desconto de Falta – 1 Falta Valor Liquido a Pagar Funcionário 2 –Manuel Antonio Cargo: Assistente Comercial Descrição Proventos Salário 500,00 Arredondamento Salarial 0,85 Adiantamento de Salário Desconto de Atraso Valor Liquido a Pagar Pronto, agora temos o valor liquido de cada funcionário arredondado. Vamos então a contabilização desse arredondamento salarial, para efeitos de simplificação segue o resumo dessa folha de pagamento: Folha de Pagamento – Setembro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Arredondamento Salarial Horas Extras – 23:00 Adiantamento de Salário Descontos de Atrasos Desconto de Falta – 1 Falta Valor Liquido a Pagar Proventos 1.500,00 1,18 200,00 Descontos

Descontos

33,33 1.167,00

Descontos

150,00 3,85 347,00

150,00 3,85 33,33 1.514,00

Antes, percebam que o valor total líquido da folha de pagamento agora é de R$ 1.514,00. Temos agora que proceder a contabilização da folha de pagamento. O lançamento do arredondamento salarial será efetuado da seguinte forma: D – Arredondamento Salarial (Conta de Ativo)
Página 153

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

C – Salários a Pagar Vejamos esse procedimento nos razonetes: Despesa c/ Salários 1.500,00 3,85 3,33

Salários a Pagar 150,00 1.500,00 3,85 200,00 33,33 1,18

Despesa c/ Hora Extra 200,00

Arredondamento Salarial 1,18

Adiantamento de Salário 150,00 Façamos um rápido resumo sobre os lançamentos efetuados: Primeiro efetuamos o registro da despesa com salários, debitamos a conta de despesa com salários e creditamos a conta de salários a pagar, em R$ 1.500,00, após fizemos o registro da despesa com hora extra, debitamos a conata de Despesa com Hora Extra, e creditamos salários a pagar. Fizemos também o registro do desconto do adiantamento de salário, onde debitamos a conta de salários a pagar, e creditamos a conta de adiantamento de salário, a conta de Ativo, que representa os valores que a empresa adiantou a seus funcionários. Essa conta apresenta o saldo credor, simplesmente porque não efetuamos primeiro o registro do adiantamento efetuado, vamos considerar que esteja certo. Mas sabemos que as contas de ativo, não podem ter o seu saldo credor, com raras exceções. Efetuamos ainda o registro dos descontos de atraso e de faltas, em ambos registros debitamos a conta de salários a pagar reduzindo o seu saldo, e creditamos a conta de despesa com salários. Dessa forma estamos deixando a conta de despesa com salários, com o saldo da efetiva despesa de salários que ocorreu. Em destaque em vermelho temos o registro do arredondamento salarial. Debitamos a conta de Arredondamento Salarial, uma conta de ativo, conforme falamos acima, e creditamos a conta de salários a pagar, aumentando assim o saldo de ambas as contas. Na verdade o arredondamento é um “adiantamento”, ou seja, a empresa “empresta” esse valor para o funcionário. No mês seguinte esse valor será descontado do funcionário, ou seja, ela arredonda num mês e desconta esse arredondamento no mês seguinte. Vamos a próxima lição onde falaremos do desconto do arredondamento.

Página 154

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Lição 4 – O Desconto do Arredondamento de Salarial. Conforme falamos na lição passada, o valor do arredondamento salarial que a empresa concedeu ao funcionário, é como se fosse um empréstimo, esse valor não é dado ao funcionário, regra geral o valor que a empresa arredondou num mês, será descontado no mês seguinte. Na presente lição vamos aprender como é feito o registro do desconto do arredondamento salarial. A folha de pagamento era do mês de Setembro de 2007, considerando o que foi exposto acima, no mês seguinte (Outubro de 2007) a empresa efetuará o desconto do arredondamento salarial que foi concedido no mês anterior. Então vamos ver o resumo da folha de Outubro para tirar a prova real. Folha de Pagamento – Outubro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Horas Extras – 3:35 Desc. Arredondamento Salário Desconto de Falta – 3 Falta Valor Liquido a Pagar Proventos 1.500,00 57,20 Descontos

1,18 99,99 1.456,03

Percebam que em destaque no resumo da folha, estamos fazendo o desconto do arredondamento salarial que efetuamos no mês anterior, se tivesse a folha, no funcionário Luciano, teríamos um desconto de R$ 0,33, e no Manuel, um desconto de R$ 0,85, a titulo de desconto de arredondamento salarial. Percebam uma coisa interessante: O valor liquido do resumo da folha desse mês é de R$ 1.456,03. Mas e ai? O valor liquido da folha voltará a ser “quebrado”? Claro que não. O resumo da folha de pagamento acima, foi efetuado assim de propósito para chamar a atenção, na verdade o resumo da folha de pagamento correto é o seguinte: Folha de Pagamento – Outubro de 2007 Empresa: Comércio ABC Ltda. Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Proventos 1.500,00 Descontos

Página 155

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Arredondamento Salarial Horas Extras – 3:35 Desc. Arredondamento Salário Desconto de Falta – 3 Falta Valor Liquido a Pagar Agora sim o resumo da folha está correto.

0,97 57,20 1,18 99,99 1.457,00

Vejam que temos o desconto do arredondamento salarial, de R$ 1,18, relativo ao valor que foi concedido em setembro, e ainda temos o arredondamento salarial da folha de Outubro no valor de R$ 0,97. O que faz com que nosso valor liquido da folha de pagamento totalize R$ 1.457,00. Ou seja, um novo valor arredondado. Vamos agora verificar a contabilização dessa folha? Para efetuar o registro do desconto do arredondamento salarial, faremos o seguinte lançamento: D – Salários a Pagar C – Arredondamento Salarial Vamos ver na prática como fica isso nos razonetes: Despesa c/ Salários 1.500,00 (1) 99,99 (5) Salários a Pagar 1,18 (4) 1.500,00 (1) 99,99 (5) 0,97 (2) 57,20 (3) Arredondamento Salarial 1,18 (Si) 1,18 (4) 0,97 (2)

Despesa c/ Hora Extra 57,20 (3)

Inicialmente debitamos a conta de despesa com salários e creditamos a conta de salários a pagar em R$ 1.500,00. Em seguida efetuamos o registro do arredondamento salarial do mês, débito na conta de arredondamento salarial, e crédito na conta de salários a pagar, após passamos ao registro da despesa com hora extra, efetuamos um debito na conta de despesa com hora extra, e um credito na conta de salários a pagar, no valor de R$ 57,20. Após passamos a registrar os descontos, começamos logo pelo registro do desconto do arredondamento salarial, no valor de R$ 1,18, onde debitamos a conta de salários a pagar, diminuindo o seu saldo, e creditamos a conta de arredondamento salarial. Em seguinte efetuamos o registro do desconto de falta, onde debitamos a conta de salários a pagar, e creditamos a conta de despesa com salário, em R$ 99,99, diminuindo assim o saldo das duas contas.

Página 156

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Percebam que o razonete da conta de arredondamento salarial, tinha um saldo inicial de R$ 1,18, que era justamente o arredondamento que foi concedido no mês anterior. O saldo inicial, menos o valor que descontamos dos funcionários, zera o saldo da conta, ocorre que como a empresa efetuou novamente o arredondamento dos funcionários teve um novo registro desse provento que ocasionou o novo aumento no saldo dessa conta, que passou a ser de R$ 0,97, no mês que vem o mesmo procedimento acontecerá a empresa descontará o arredondamento concedido no mês anterior (R$ 0,97), e arredondará novamente os salários. E assim por diante. Lição 5 – Exercícios de Fixação. Exercício 1: Considerando o seguinte balanço patrimonial, vamos contabilizar as operações de novembro, abaixo relacionadas, após vamos elaborar um balancete de verificação. Balanço Patrimonial Outubro de 2007 Chiquinho da Silva Comercio e Industria Ativo Passivo Banco – Bradesco 43.795,60 Fornecedores 500,00 Mercadorias 200,00 Salários a Pagar 225,00 Veículos 10.000,00 INSS a Recolher 185,00 Clientes 1.500,00 FGTS a Pagar 76,00 Desp. Ant c/ Vale Transp 100,00 Patrimônio Líquido Empréstimos a Funcionar 400,00 Capital Social 50.000,00 Adian. 13.º Salário 300,00 Lucros do Exercício 5.409,60 Desp; Ant c/ Vale Aliment 100,00 56.395,60 56.395,60 SOMA DO ATIVO SOMA DO PASSIVO 1 – Venda dos R$ 200,00 de Mercadorias, por R$ 1.000,00, a vista. 2 – Pagamento dos Salários, e do INSS. 3 – Pagamento de R$ 300,00 de fornecedores. 4 – Reconhecimento das despesas de vale transporte e vale alimentação. 5 – Contabilização da seguinte folha de pagamento. Folha de Pagamento – Outubro de 2007 Empresa: Chiquinho da Silva Comercio e Industria Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Arredondamento Salarial Desconto de Empréstimo Desconto de INSS Desconto de Vale Transporte Proventos 780,00 0,37 Descontos

100,00 61,37 30,00
Página 157

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Desconto de Vale Refeição Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 20%

40,00 549,00

62,40 780,00 156,00

Exercício 2: Partindo dos saldos do balancete obtido do exercício anterior, vamos contabilizar as seguintes operações: 1 – Recebimento do saldo de clientes 2 – Pagamento do saldo de Fornecedores. 3 – Pagamento dos Salários. 4 – Pagamento do INSS. 5 – Pagamento do FGTS. 6 - Contabilização da seguinte folha de pagamento de 13.º Salário. (2.ª Parcela) Folha de Pagamento – 13.º Salário de 2007 Chiquinho da Silva Comercio e Industria Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição 13.º Salário Desconto de Adiant. 1 Parcela 13.º Salário Desconto de INSS Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 20% 7 – Pagamento do 13.º salário. 8 – Contabilização da folha de pagamento de Dezembro. Folha de Pagamento – Dezembro de 2007 Empresa: Chiquinho da Silva Comercio e Industria Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Proventos Descontos
Página 158

Proventos 610,00

Descontos 300,00 90,00 220,00

24,80 610,00 122,00

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Salário Arredondamento Salarial Desconto de Arredondamento Salarial Desconto de INSS Desconto de Empréstimo Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 20%

615,00 0,48 0,37 57,11 100,00 458,00

49,20 615,00 123,00

Após os lançamentos, vamos elaborar um balanço patrimonial. Lição 6 – Correção dos Exercícios de Fixação. Vamos a correção do primeiro exercício de fixação, consistia em contabilizar as operações do mês e mais a folha de novembro, após tínhamos que elaborar um balance de verificação. Antes de começarmos percebam que se não tivesse o arredondamento salarial, o valor liquido da folha seria de R$ 548,63. Porém com o arredondamento o valor passou para R$ 549,00. Na folha do mês que vem, será efetuado o desconto desse arredondamento e realizado um novo arredondamento salarial. Vamos a contabilização em si: Banco Bradesco 43.795,60 Veículos 10.000,00 Desp. Antecipada c Vale Transporte 100,00 Adiant. 13.º Salários 300,00 Fornecedores 500,00 INSS a Recolher 185,00 1.500,00 Empréstimos a Funcionários 400,00 Desp Antecip. c/ Vale Alimentação 100,00 Salários a Pagar 225,00 FGTS a Pagar 76,00
Página 159

Mercadorias 200,00 Clientes

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Capital Social 50.000,00

Lucros do Exercício 5.409,60

Abrimos então todos os razonetes, vamos agora começar a contabilizar as operações: Banco Bradesco 43.795,60 225,00 (2) 1.000,00 (1) 185,00 (2) 300,00 (3) Veículos 10.000,00 Desp. Antecipada c Vale Transporte 100,00 100,00 (4) Adiant. 13.º Salários 300,00 Fornecedores 300,00 (3) 500,00 1.500,00 Empréstimos a Funcionários 400,00 100,00 (5) Desp Antecip. c/ Vale Alimentação 100,00 100,00 (4) Salários a Pagar 225,00 (2) 225,00 100,00 (5) 780,00 (5) 61,37 (5) 0,37 (5) 30,00 (5) 40,00 (5) Mercadorias 200,00 200,00 (1)

Clientes

INSS a Recolher 185,00 (2) 185,00 61,37 (5) 156,00 (5) Capital Social 50.000,00 Receita de Vendas 1.000,00 (1) Despesa com Vale Alimentação 100,00 (4) 40,00 (5)

FGTS a Pagar 76,00 62,40 (5)

Lucros do Exercício 5.409,60 CMV 200,00 (1) Despesa com Vale Transporte 100,00 (4) 30,00 (5)

Página 160

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa com Salários 780,00 (5) Despesa com INSS 156,00 (5)

Despesa com FGTS 62,40 (5) Arredondamento Salarial 0,37 (5)

Temos então todas as operações contabilizadas, vamos agora elaborar nosso balancete de verificação:
Balancete de Verificação – Outubro de 2007

Chiquinho da Silva Comercio e Industria
Nome da Conta Saldo Anterior Movimentos

Bancos 43.795,60 DV Clientes 1.500,00 DV Mercadorias 200,00 DV Veículos 10.000,00 DV Fornecedores 500,00 CR Salários a Pagar 225,00 CR FGTS a Recolher 76,40 CR Capital Social 50.000,00 CR Lucros do Exercício 5.409,60 CR Receita de Vendas CMV Despesa com Salários Desp. Ant. c/ Vale Tr. 100,00 DV Emprést a Funcionário 400,00- DV INSS a Recolher 185,00 CR Adiant. De 13.º - 1.ª P 300,00 DV Desp. c/ INSS Desp. c/ FGTS Desp. C/ Vale Transp. Desp. Ant. c/ Aliment. 100,00 DV Desp. C/ Alimentação Arred. Salarial TOTAL

A Debito 1.000,00 300,00 456,37 200,00 780,00 185,00 156,00 62,40 100,00 100,00 0,37 3.340,14

A Credito 710,00 200,00 780,37 62,40 1.000,00 100,00 100,00 217,37 30,00 100,00 40,00 3.340,14

Saldo Atual

44.085,60 1.500,00 10.000,00 200,00 549,00 138,40 50.000,00 4.051,60 1.000,00 200,00 780,00 300,00 217,37 300,00 156,00 62,40 70,00 60,00 0,37

DV DV DV CR CR CR CR CR CR DV DV DV CR DV DV DV DV DV CR

Correção do Exercício 2 Vamos agora a correção do segundo exercício, que pedia que partindo dos saldos do balancete do exercício anterior, efetuássemos a contabilização de algumas operações, em seguida o resumo da folha de pagamento de 13.º salário, e da folha de pagamento do mês, após que efetuasse um balanço patrimonial: Então vamos abrir os razonetes e registrar as operações:

Página 161

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Banco Bradesco 44.085,60 (S) 200,00 (2) 1.500,00 (1) 549,00 (S) 217,37 (4) 62,40 (5) Veículos 10.000,00 (S) Adiant. 13.º Salários 300,00 (S) Fornecedores 200,00 (2) 200,00 (S) INSS a Recolher 217,37 (4) 217,37 (S) Capital Social 50.000,00 (S) Receita de Vendas 1.000,00 (S) Despesa com Vale Alimentação 70,00 (S) Despesa com Salários 780,00 (S) Despesa com INSS 156,00 (S) Clientes 1.500,00 (S) 1.500,00 (1) Empréstimos a Funcionários 300,00 (S) Salários a Pagar 549,00 (S) 549,00 (S) FGTS a Pagar 62,40 (5) 138,40 (S) Lucros do Exercício 5.409,60 (S) CMV 200,00 (S) Despesa com Vale Transporte 60,00 (S) Despesa com FGTS 62,40 (S) Arredondamento Salarial 0,37 (S)

Temos contabilizada todas as operações, um detalhe importante é com relação a conta de FGTS a Pagar, vejam que o enunciado dizia o pagamento do FGTS, e nossa conta apresentava o saldo de R$ 138,40, porém só registramos o pagamento no valor de R$ 62,40. Alguém chegou a perceber porque?

Página 162

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Pelo seguinte motivo, no mês anterior não tínhamos efetuado o pagamento da guia de setembro, se analisarem o balancete final do exercício anterior, verão que o saldo inicial do balancete é de R$ 76,40 Credor, indicando que teríamos um valor a pagar, porém não temos nenhum registro a debito nessa conta, o que pode ser verificado inclusive pelo próprio balancete, o que indicaria que alguma coisa está errada. E realmente esta, o pagamento da guia de R$ 76,40 não foi efetuado. Ai com a contabilização da despesa do FGTS do mês seguinte no valor de R$ 62,40, ocasionou o aumento do saldo para R$ 138,40. Porém o pagamento que estamos registrando agora, é o pagamento da guia de R$ 62,40. Ok? Vamos continuar nosso exercício contabilizando agora a folha de segunda parcela do 13.º Salário. Vejamos como ficaria nossos razonetes: Lembrando que o resumo da folha de 13.º salário era o seguinte: Folha de Pagamento – 13.º Salário de 2007 Chiquinho da Silva Comercio e Industria Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição 13.º Salário Desconto de Adiant. 1 Parcela 13.º Salário Desconto de INSS Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 20% Banco Bradesco 44.085,60 (S) 200,00 (2) 1.500,00 (1) 549,00 (S) 217,37 (4) 62,40 (5) Veículos 10.000,00 (S) Clientes 1.500,00 (S) 1.500,00 (1) Proventos 610,00 Descontos 300,00 90,00 220,00

24,80 610,00 122,00

Página 163

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Adiant. 13.º Salários 300,00 (S) 300,00 (6) Fornecedores 200,00 (2) 200,00 (S) INSS a Recolher 217,37 (4) 217,37 (S) 90,00 (6) 122,00 (6) Capital Social 50.000,00 (S) Receita de Vendas 1.000,00 (S) Despesa com Vale Alimentação 70,00 (S) Despesa com Salários 780,00 (S)

Empréstimos a Funcionários 300,00 (S) Salários a Pagar 549,00 (S) 549,00 (S) FGTS a Pagar 62,40 (5) 138,40 (S) 24,80 (6)

Lucros do Exercício 5.409,60 (S) CMV 200,00 (S) Despesa com Vale Transporte 60,00 (S) Despesa com FGTS 62,40 (S) 24,80 (6) Arredondamento Salarial 0,37 (S)

Despesa com INSS 156,00 (S) 122,00 (6) Despesa com 13.º Salário 610,00 (6)

13.º Salário a Pagar 300,00 (6) 610,00 (6) 90,00 (6)

Pronto temos as operação da folha de 13.º Salário contabilizada. Vamos agora ao registro da 7 operação que era o pagamento do 13.º Salário. Banco Bradesco 44.085,60 (S) 1.500,00 (1) 200,00 (2) 549,00 (S) 217,37 (4) 62,40 (5) 220,00 (7)

Página 164

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Veículos 10.000,00 (S) Adiant. 13.º Salários 300,00 (S) 300,00 (6) Fornecedores 200,00 (2) 200,00 (S) INSS a Recolher 217,37 (4) 217,37 (S) 90,00 (6) 122,00 (6) Capital Social 50.000,00 (S) Receita de Vendas 1.000,00 (S) Despesa com Vale Alimentação 70,00 (S) Despesa com Salários 780,00 (S)

Clientes 1.500,00 (S) 1.500,00 (1) Empréstimos a Funcionários 300,00 (S) Salários a Pagar 549,00 (S) 549,00 (S) FGTS a Pagar 62,40 (5) 138,40 (S) 24,80 (6)

Lucros do Exercício 5.409,60 (S) CMV 200,00 (S) Despesa com Vale Transporte 60,00 (S) Despesa com FGTS 62,40 (S) 24,80 (6) Arredondamento Salarial 0,37 (S)

Despesa com INSS 156,00 (S) 122,00 (6) Despesa com 13.º Salário 610,00 (6)

13.º Salário a Pagar 300,00 (6) 610,00 (6) 90,00 (6) 220,00 (7)

O registro de numero 7, a debito da conta de 13.º Salário a Pagar, e a credito da conta bancos demonstra o registro do pagamento. Para finalizar a parte de contabilização vamos agora ao registro da folha de pagamento, que era a seguinte: Folha de Pagamento – Dezembro de 2007
Página 165

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Empresa: Chiquinho da Silva Comercio e Industria Folha – 2 / 2 Resumo da Folha de Pagamento Descrição Salário Arredondamento Salarial Desconto de Arredondamento Salarial Desconto de INSS Desconto de Empréstimo Valor Líquido a Pagar Outras Informações FGTS Base de Calculo do INSS Empresa INSS Empresa – 20% Banco Bradesco 44.085,60 (S) 200,00 (2) 1.500,00 (1) 549,00 (S) 217,37 (4) 62,40 (5) 220,00 (7) Veículos 10.000,00 (S) Adiant. 13.º Salários 300,00 (S) 300,00 (6) Fornecedores 200,00 (2) 200,00 (S) Clientes 1.500,00 (S) 1.500,00 (1) Empréstimos a Funcionários 300,00 (S) 100,00 (8) Salários a Pagar 549,00 (S) 549,00 (S) 0,37 (8) 615,00 (8) 57,11 (8) 0,48 (8) 100,00 (8) FGTS a Pagar 62,40 (5) 138,40 (S) 24,80 (6) 49,20 (8) Proventos 615,00 0,48 Descontos

0,37 57,11 100,00 458,00

49,20 615,00 123,00

INSS a Recolher 217,37 (4) 217,37 (S) 90,00 (6) 122,00 (6) 57,11 (8) 123,00 (8)

Capital Social 50.000,00 (S)

Lucros do Exercício 5.409,60 (S)

Página 166

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Receita de Vendas 1.000,00 (S) Despesa com Vale Alimentação 70,00 (S) Despesa com Salários 780,00 (S) 615,00 (8)

CMV 200,00 (S) Despesa com Vale Transporte 60,00 (S) Despesa com FGTS 62,40 (S) 24,80 (6) 49,20 (8) Arredondamento Salarial 0,37 (S) 0,37 (8) 0,48 (8)

Despesa com INSS 156,00 (S) 122,00 (6) 123,00 (8) Despesa com 13.º Salário 610,00 (6)

13.º Salário a Pagar 300,00 (6) 610,00 (6) 90,00 (6) 220,00 (7)

Temos então todas as operações contabilizadas, vamos agora elaborar o zeramento das contas de resultado e depois levantarmos nosso balanço patrimonial. Zeramento das contas de resultado: Banco Bradesco 44.085,60 (S) 200,00 (2) 1.500,00 (1) 549,00 (S) 217,37 (4) 62,40 (5) 220,00 (7) Veículos 10.000,00 (S) Adiant. 13.º Salários 300,00 (S) 300,00 (6) Fornecedores 200,00 (2) 200,00 (S) Clientes 1.500,00 (S) 1.500,00 (1) Empréstimos a Funcionários 300,00 (S) 100,00 (8) Salários a Pagar 549,00 (S) 549,00 (S) 0,37 (8) 615,00 (8) 57,11 (8) 0,48 (8) 100,00 (8)
Página 167

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

INSS a Recolher 217,37 (4) 217,37 (S) 90,00 (6) 122,00 (6) 57,11 (8) 123,00 (8)

FGTS a Pagar 62,40 (5) 138,40 (S) 24,80 (6) 49,20 (8)

Capital Social 50.000,00 (S) Receita de Vendas 1.000,00 (R) 1.000,00 (S) Despesa com Vale Alimentação 70,00 (S) 70,00 (R) Despesa com Salários 780,00 (S) 1.395,00 (R) 615,00 (8)

Lucros do Exercício 1.872,40 (T) 5.409,60 (S) CMV 200,00 (S) 200,00 (R)

Despesa com Vale Transporte 60,00 (S) 60,00 (R) Despesa com FGTS 62,40 (S) 136,40 (R) 24,80 (6) 49,20 (8) Arredondamento Salarial 0,37 (S) 0,37 (8) 0,48 (8)

Despesa com INSS 156,00 (S) 401,00 (R) 122,00 (6) 123,00 (8) Despesa com 13.º Salário 610,00 (6) 610,00 (R)

13.º Salário a Pagar 300,00 (6) 610,00 (6) 90,00 (6) 220,00 (7)

Are 200,00 (R) 70,00 (R) 60,00 (R) 1.395,00 (R) 136,40 (R) 401,00 (R) 610,00 (R) 1.000,00 (R) 1.872,40 (T)

Com o zeramento das contas de resultado podemos elaborar nosso balanço patrimonial que ficaria da seguinte forma:

Página 168

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Balanço Patrimonial Dezembro de 2007 Chiquinho da Silva Comercio e Industria Ativo Passivo Banco – Bradesco 44.336,83 Salários a Pagar 458,00 Veículos 10.000,00 INSS a Recolher 392,11 Arreondamento Salarial 0,48 FGTS a Pagar 150,00 Empréstimos a Funcionar 200,00 Patrimônio Líquido Capital Social 50.000,00 Lucros do Exercício 3.537,20 SOMA DO ATIVO 54.537,31 SOMA DO PASSIVO 54.537,31

Página 169

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 13 – Férias.
Neste módulo vamos falar sobre a contabilização das férias. Lição 1 – Introdução: A atual legislação trabalhista de nosso país, diz que teremos direito a férias após um ano de serviço, mas que a empresa ainda tem mais um ano para conceder essas férias. A mesma legislação diz que ao gozarmos as férias, teremos direito a remuneração, idêntica ao salário, mais um terço (1/3) desse valor. Assim quem ganha R$ 600,00 de salário, ao retirar as férias terá o direito de receber os mesmos R$ 600,00 de salários e mais R$ 200,00 a titulo de 1/3 sobre as férias. Todos esses valores, para efeitos de lançamentos são considerados como férias. Existe ainda a hipótese do funcionário vender, 1/3 do período que tem de direito as férias, se o funcionário tem direito a ficar de férias 30 dias ele pode vender 10 a empresa, se tem direito a 24 dias, pode vender 8 (isso porque ocorre alguns casos onde as férias dos funcionários serão reduzidas, tais como faltas, licenças médicas, e etc.) Essa venda, chamamos de ABONO PECUNIÁRIO, e sobre esse valor também incide um terço de férias. Assim quando o funcionário vende 1/3 das férias, ele recebe 20 dias de férias com 1/3. Recebe ainda a venda das férias (abono pecuniário, equivalente a 10 dias), mais o 1/3. E ainda receberá os 10 dias trabalhados, ou seja, ele recebe 40 dias, fica 20 em casa e trabalha 10. Vejamos em números isso: Imaginem que o funcionário ganhe R$ 600,00. E que já tenha direito as férias. Ao entrar de férias ele vai ganhar R$ 800,00, salário mais 1/3 sobre o salário, a titulo de 1/3 sobre as férias. Nesse caso ele vai ficar 30 dais em casa. Agora ao vender as férias esse mesmo funcionário vai receber: R$ 400,00, equivalente a 20 dias, mais R$ 133,33, equivalente ao 1/3 sobre as férias, totalizando R$ 533,33. Ainda receberá a venda das férias, R$ 200,00 de abono pecuniário, mais 1/3 sobre esse valor, a titulo de 1/3 sobre abono de férias, que seria R$ 66,67, totalizando assim, R$ 266,67. A soma das férias e do abono pecuniário (venda das férias) totalizaria R$ 800,00 (R$ 533,33 + R$ 266,67).

Página 170

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

E o funcionário ainda receberia os 10 dias trabalhados. É uma vantagem para ambos os lados, para a empresa porque conta com um funcionário durante 10 dias, e para o funcionário porque ganha 10 dias a mais. Era necessário explicar esses detalhes para que possamos entender e proceder a contabilização em si. Lição 2 – Um Modelo de Recibo de Férias. Abaixo apresento um modelo de recibo de férias para que possamos analisar, os valores, e verificar como procederemos aos lançamentos. Abaixo temos um modelo de recibo de férias, da funcionária Ana Carolina, que trabalha na empresa ABC COMERCIO DE ARTIGOS, a função dela é VENDEDORA, e a data de admissão é 23/10/2007. No segundo campo, temos a notificação das férias, isso porque, a legislação obriga que o funcionário tenha ciência com pelos menos 30 dias de antecedência que gozará de férias, a lógica aqui é que ele possa se programar para as férias. Essa notificação apresenta a qual período se refere as férias (23/10/2007 a 22/11/2008), e em qual período o funcionário vai goza-la ( de 01/12/2008 a 30/12/2008) Ainda nesse campo temos uma linha para assinatura, para que o funcionário assine dando prova de que tomou ciência das férias. Se perceberem abaixo temos o recibo de férias, não é comum, e nem aconselhável que a notificação das férias seja efetuada no mesmo documento que o recibo, o ideal é que se a notificação primeiro, e depois o recibo, em documentos separados. O recibo abaixo é utilizado quando a empresa avisa verbalmente o funcionário e depois colhe a assinatura para comprovação. Outro detalhe na notificação é que ela diz quantos dias o funcionário irá tirar de férias, no caso 30 dias (DIAS DE DURAÇÃO).

Página 171

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

FÉRIAS ------------------------------------------Empresa-------------------------------ABC COMERCIO DE ARTIGOS

-----------------------------Endereço----------------------AV. RIO BRANCO 999 - TIJUCA

------------------------------------Empregado----------------------------------- ------------------------------Função------------------------ANA CAROLINA VENDEDORA Admissão: 23/10/2007 CTPS: 111111

NOTIFICACAO DAS FERIAS (ate 30 (trinta) dias antes do inicio das férais) A empresa abaixo comunica a concessao das férias, conforme discriminação: Dias de Duração 30 01/11/2008 Data Periodo Correspondente 23/10/2007 a 22/11/2008 Periodo a ser Gozado 01/12/2008 a 30/12/2008

Assinatura da Empresa

01/11/2008 Data

Assinatura do Empregado

RECIBO DE FÉRIAS (pagamento até 2 (dois) dias antes do inicio do periodo) COD 914 915 DESCRIÇÃO FÉRIAS ADICIONAL 1/3 S/ VALOR DAS FÉRIAS REF 30,00 30,00 PROVENTO 600,00 200,00 DESCONTO

R$ R$

TOTAIS .............................................................................. LIQUIDO A PAGAR .............................................................

R$ R$

800,00

R$

800,00

(oitocentos reais)************************************************************************************************************** ********************************************************************************************************************************** ********************************************************************************************************************************** Recebi a importancia discriminada, correspondente as férias acima. / / DATA

ASSINATURA DO EMPREGADO

Por ultimo temos o recibo das férias, com a discriminação dos valores. Vejam que temos Férias no valor de R$ 600,00 e Adicional de 1/3 s/ Férias no valor de R$ 200,00, totalizando a quantia de R$ 800,00. Abaixo temos um outro modelo de recibo de férias: Agora mostrando que o funcionário vendeu 10 dias. Vejamos:

Página 172

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

FÉRIAS ------------------------------------------Empresa-------------------------------ABC COMERCIO DE ARTIGOS

-----------------------------Endereço----------------------AV. RIO BRANCO 999 - TIJUCA

------------------------------------Empregado----------------------------------- ------------------------------Função------------------------ANA CAROLINA VENDEDORA Admissão: 23/10/2007 CTPS: 111111

NOTIFICACAO DAS FERIAS (ate 30 (trinta) dias antes do inicio das férais) A empresa abaixo comunica a concessao das férias, conforme discriminação: Dias de Duração 20 01/11/2008 Data Periodo Correspondente 23/10/2007 a 22/11/2008 Periodo a ser Gozado 01/12/2008 a 20/12/2008

Assinatura da Empresa

01/11/2008 Data

Assinatura do Empregado

RECIBO DE FÉRIAS (pagamento até 2 (dois) dias antes do inicio do periodo) COD 914 915 916 917 DESCRIÇÃO FÉRIAS ADICIONAL 1/3 S/ VALOR DAS FÉRIAS ABONO PECUNIARIO ADICIONAL 1/3 S/ ABONO PECUNIÁRIO REF 20,00 20,00 10,00 10,00 PROVENTO 400,00 133,33 200,00 66,67 DESCONTO

R$ R$ R$ R$

TOTAIS .............................................................................. LIQUIDO A PAGAR .............................................................

R$ R$

800,00

R$

800,00

(oitocentos reais)************************************************************************************************************** ********************************************************************************************************************************** ********************************************************************************************************************************** Recebi a importancia discriminada, correspondente as férias acima. / / DATA

ASSINATURA DO EMPREGADO

Perceba que nos proventos agora temos: FÉRIAS ADICIONAL 1/3 S/ VALOR DAS FÉRIAS ABONO PECUNIÁRIO ADICIONAL 1/3 S/ ABONO PECUNIARIO R$ 400,00 R$ 133,33 R$ 200,00 R$ 66,67

Ou seja, esta discriminando que o funcionário gozará de 20 dias em casa, e trabalhará os outros 10 dias. Lição 3 – Contabilizando a Despesa com Férias.

Página 173

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Vamos agora aprender como é feita a contabilização do recibo de férias. Para tanto vamos utilizar o mesmo modelo de recibo de férias do primeiro exemplo:
RECIBO DE FÉRIAS (pagamento até 2 (dois) dias antes do inicio do periodo) COD 914 915 DESCRIÇÃO FÉRIAS ADICIONAL 1/3 S/ VALOR DAS FÉRIAS REF 30,00 30,00 PROVENTO 600,00 200,00 DESCONTO

R$ R$

TOTAIS .............................................................................. LIQUIDO A PAGAR .............................................................

R$ R$

800,00

R$

800,00

(oitocentos reais)************************************************************************************************************** ********************************************************************************************************************************** ********************************************************************************************************************************** Recebi a importancia discriminada, correspondente as férias acima. / / DATA

ASSINATURA DO EMPREGADO

Temos o valor das férias e o valor do 1/3 sobre as férias, contabilmente podemos tratar tudo como férias ou seja, somar os dois e fazer um único lançamento. A não ser que a empresa tenha a necessidade de saber o valor do 1/3 sobre as férias, ai convém abrir uma conta de despesa para registro do valor relativo ao 1/3 sobre as férias, como isso não é comum, haja visto que não existe como diminuir esse valor, vamos efetuar o lançamento somando o valor das férias e do 1/3 (terço sobre férias). O registro é efetuado da seguinte forma: D – Despesa com Férias C – Férias a Pagar Nos Razonetes: Despesa c/ Férias 800,00 Férias a Pagar 800,00

A conta de férias a pagar, apresenta o saldo de R$ 800,00 Credor, sendo uma conta de passivo, indica também que a empresa irá pagar esse valor. Lição 4 – Contabilizando o Abono Pecuniário. Nesta lição vamos aprender como se efetuar o registro contábil do abono pecuniário, a venda das férias.
Página 174

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Para tanto vamos considerar o recibo abaixo:
RECIBO DE FÉRIAS (pagamento até 2 (dois) dias antes do inicio do periodo) COD 914 915 916 917 DESCRIÇÃO FÉRIAS ADICIONAL 1/3 S/ VALOR DAS FÉRIAS ABONO PECUNIARIO ADICIONAL 1/3 S/ ABONO PECUNIÁRIO REF 20,00 20,00 10,00 10,00 PROVENTO 400,00 133,33 200,00 66,67 DESCONTO

R$ R$ R$ R$

TOTAIS .............................................................................. LIQUIDO A PAGAR .............................................................

R$ R$

800,00

R$

800,00

(oitocentos reais)************************************************************************************************************** ********************************************************************************************************************************** ********************************************************************************************************************************** Recebi a importancia discriminada, correspondente as férias acima. / / DATA

ASSINATURA DO EMPREGADO

Agora, temos as férias e o abono pecuniário. A contabilização das férias será efetuada da mesma forma que vimos na lição anterior, o abono pecuniário, já convém abrir uma conta especifica para esse eventos, tendo em vista que trata-se de um valor onde a empresa pode trabalhar e efetuar analises. Quando a empresa receber o balancete de verificação verificará quanto gastou comprando férias de funcionários. Então o registro completo ficaria assim: D – Despesa com Férias C – Férias a Pagar D – Despesa com Abono Pecuniário C – Férias a Pagar Nos razonetes: Despesa c/ Férias 600,00 Férias a Pagar 600,00 200,00

Despesa c/ Abono Pecuniário 200,00

Página 175

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Lição 5 – Pagamento das Férias. Nesta lição vamos aprender como se efetua o registro do pagamento das férias. O registro do pagamento das férias é efetuado debitando-se a conta de férias a pagar, e creditando a conta caixa ou bancos. D – Férias a Pagar C – Caixa ou Bancos. Vejamos um exemplo de lançamento das férias, e consecutivo pagamento:
RECIBO DE FÉRIAS (pagamento até 2 (dois) dias antes do inicio do periodo) COD 914 915 916 917 998 DESCRIÇÃO FÉRIAS ADICIONAL 1/3 S/ VALOR DAS FÉRIAS ABONO PECUNIARIO ADICIONAL 1/3 S/ ABONO PECUNIÁRIO DESCONTO DE INSS REF 20,00 20,00 10,00 10,00 8,00% PROVENTO 400,00 133,33 200,00 66,67 DESCONTO

R$ R$ R$ R$

R$

42,67

TOTAIS .............................................................................. LIQUIDO A PAGAR .............................................................

R$ R$

800,00

R$

42,67 757,33

(setecentos e cinquenta e sete reais e trinta e tres centavos)************************************************************* ********************************************************************************************************************************** ********************************************************************************************************************************** Recebi a importancia discriminada, correspondente as férias acima. / / DATA

ASSINATURA DO EMPREGADO

Vamos contabilizar a despesa com férias, o abono pecuniário, a retenção do INSS, e o pagamento. D – Despesa com Férias C – Férias a Pagar D – Despesa com Abono Pecuniário C – Férias a Pagar D - Férias a Pagar C – INSS a Recolher D – Férias a Pagar C – Caixa ou Bancos

R$ 533,33

R$ 266,67

R$ 42,67

R$ 757,33

Nos razonetes os lançamentos são da seguinte forma:

Página 176

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa c/ Férias 533,33

Férias a Pagar 42,67 533,33 757,33 266,67 INSS a Recolher 42,67

Despesa c/ Abono Pecuniário 266,67

Caixa 757,33

Inicialmente registramos a despesa com férias com um débito nessa conta, e um crédito na conta de Férias a Pagar, no valor de R$b 533,33. Após efetuamos o registro da despesa com Abono Pecuniário, onde debitamos essa conta em R$ 266,67, e creditamos a conta de férias a pagar no mesmo valor. Nesse momento a conta de férias a pagar, apresentava o saldo de R$ 800,00. Continuando os lançamentos efetuamos o registro da retenção do INSS, para tanto debitamos a conta de Férias a Pagar, e creditamos a conta de INSS a Recolher, no valor de R$ 42,67. Finalizando o lançamento efetuamos o registro do pagamento das férias, onde debitamos a conta de férias a pagar, e creditamos a conta caixa, no valor de R$ 757,33, que era o valor que constava no recibo de férias, como o liquido a ser pago. Temos assim contabilizada a operação de férias.

Página 177

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 14 – Rescisão de Contrato.
Neste módulo vamos falar sobre a contabilização da rescisão de contrato, veremos o modelo de rescisão e analisaremos o mesmo para saber de onde vamos tirar os valores que devem ser lançados na contabilidade. Lição 1 – Introdução. A rescisão de contrato é o “ato”, onde uma das partes (empresa ou empregado), informa ao outro que não tem mais vontade de continuar trabalhando com esse. Colocamos o ato acima entre aspas, isso porque na verdade o ato que diz que a outra parte não tem mais intenção de continuar trabalhando é o aviso prévio, a rescisão caracteriza a saída efetiva da empresa, e conseqüente recebimento das verbas a que o funcionário tem direito. Na rescisão de contrato serão pagos, todos os valores que o funcionário tem direito, salário, férias, décimo terceiro, horas extras (se houver), e também serão efetuados todos os descontos do mesmo. Ainda junto com a rescisão, caso tenha sido a empresa que mandou o funcionário embora, haverá ainda o pagamento da multa do FGTS que vimos no módulo 4, lição 3. A principio pode parecer complicado contabilizar a rescisão mais na verdade é igual a tudo o que vimos antes, a única coisa que muda é a conta que trabalhar. No caso em questão será a conta de Rescisão a Pagar. Lição 2 – Modelo de Rescisão de Contrato. Vamos visualizar um modelo de rescisão de contrato de trabalho, para saber identificar os valores, que iremos contabilizar. O modelo é o seguinte: TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO
IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR 01 CNPJ/CEI 02 Razão Social/Nome

03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento)

04 Bairro

05 Município

06 UF

07 CEP

08 CNAE

09 CNPJ/CEI Tomador/Obra

10 PIS – PASEP IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHADOR

11 Nome

12 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento)

13 Bairro

14 Município

15 UF

16 CEP

17 Carteira de Trabalho (nº, série, UF)

18 CPF

19 Data de nascimento

20 Nome da mãe

Página 178

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

21 Remuneração p/ fins rescisórios DADOS DO CONTRATO

22 Data de admissão

23 Data do Aviso Prévio

24 Data de afastamento

R$ 398,20
25 Causa do afastamento

17/10/2005
26 Cód. Afastamento

01/06/2007
27 Pensão alimentícia (%)

01/06/2007
28 Categoria do trabalhador

RESC. S/ JUSTA CAUSA IN EMP.
Valor 29 Aviso Prévio Indenizado

01
Valor 47 Previdência 7,65%

01
DEDUÇÕES

398,20

38 Comissões

1,02 5,08

30 Saldo salário _1_ dias DISCRIMINAÇÃO DAS VERBAS RESCISÓRIAS 31 13º Salário 2 /12 avos 32 13º Sal. Inden. _1 /12 avos

48 Prev 13º salário

13,27 66,37 33,18 398,20 265,47 221,22

39 Gratificações

7,65% 49 IRRF s/ Férias

40 Horas extras horas 41 Adic. insalub./ periculosidade

50 Desc. VT Rescisão

33 Férias vencidas

42 Vale Transporte

51 Desc TR Rescisão

34 Férias proporc. 8 /12 avos

43 Tiquet Alimentação

52 Contribuição Sindical 53 Arredondamento mês anterior

35 1/3 salário s/ férias

44

36 Salário família 1 37 Adicional noturno 56 Local e data do recebimento

45 46 TOTAL BRUTO

54 TOTAL DAS DEDUÇÕES 55 LÍQUIDO A RECEBER

6,10 1.389,81

1.395,91

57 Carimbo e assinatura do empregador ou preposto

58 Assinatura do trabalhador FORMALIZAÇÃO DA RESCISÃO

59 Assinatura do responsável legal do trabalhador

60 HOMOLOGAÇÃO Foi prestada, gratuitamente, assistência ao trabalhador, nos termos do art. 477, § 1º, da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, sendo comprovado, neste ato, o efetivo pagamento das verbas rescisórias acima especificadas. Local e data

61 Digital do trabalhador

62 Digital do responsável legal

Carimbo e assinatura do assistente 64 Recepção pelo Banco (data e carimbo) 63 Identificação do órgão homologador

A ASSISTÊNCIA NO ATO DE RESCISÃO CONTRATUAL É GRATUITA Vamos analisar por parte o recibo de rescisão de contrato de trabalho para entendermos melhor o mesmo. A primeira parte é a seguinte: TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO
AÇ ÃO DO EM PR 01 CNPJ/CEI 02 Razão Social/Nome

Página 179

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento)

04 Bairro

05 Município

06 UF

07 CEP

08 CNAE

09 CNPJ/CEI Tomador/Obra

Ela nos traz a identificação da empresa, numero de inscrição (CNPJ ou CEI), nome da empresa, endereço, bairro, município, Unidade de Federação, CEP, o código do CNAE (Cadastro Nacional de Atividade Econômica – que identifica o tipo de atividade que a empresa exerce), e o CNPJ ou CEI no caso de tomador de serviços ou de obra. Como dito a função principal desse campo é identificar a empresa, o campo seguinte, servirá para identificar o funcionário, com numero do PIS, Nome, Endereço, n.º da Carteira de Trabalho, número do CPF, Data de Nascimento e Nome da Mãe. Vejamos:
10 PIS – PASEP IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHADOR 11 Nome

12 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento)

13 Bairro

14 Município

15 UF

16 CEP

17 Carteira de Trabalho (nº, série, UF)

18 CPF

19 Data de nascimento

20 Nome da mãe

O campo a seguir:
21 Remuneração p/ fins rescisórios DADOS DO CONTRATO 22 Data de admissão 23 Data do Aviso Prévio 24 Data de afastamento

R$ 398,20
25 Causa do afastamento

17/10/2005
26 Cód. Afastamento

01/06/2007
27 Pensão alimentícia (%)

01/06/2007
28 Categoria do trabalhador

RESC. S/ JUSTA CAUSA IN EMP.

01

01

Identifica como foi formalizada a rescisão, analisemos com calma, pois as informações aqui são importantes. O primeiro campo mostra a REMUNERAÇÃO PARA FINS RESCISÓRIOS, que significa o valor sobre o qual foi calculado a rescisão do funcionário, que pode ou não ser o mesmo valor que o salário. Depende de uma série de fatores, mais a lógica desse campo é demonstrar que foi sobre esses valores, que a maioria das verbas rescisórias foi calculada (férias, décimo terceiro, aviso prévio). O campo seguinte mostra a data de admissão do funcionário. Em seguida o campo DATA DO AVISO PRÉVIO, mostra quando a empresa ou o empregado tomou conhecimento que haveria a rescisão de contrato de trabalho. A DATA DO AFASTAMENTO mostra quando foi o ultimo dia de trabalho, esse campos serve para informar que as verbas rescisórias foram calculadas até esse dia, daí em diante, o funcionário não trabalhou mais, portanto não tem o que receber a partir dessa data.

Página 180

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

O campo 25, mostra o tipo de rescisão (CAUSA DO AFASTAMENTO), em nosso exemplo, estamos dizendo que foi uma rescisão sem justa causa por iniciativa da empresa, ou seja, a empresa mandou o funcionário embora sem justa causa. Se fosse por justa causa, pedido de demissão, termino de contrato, falecimento, aposentadoria, essa informação teria que constar nesse campo. O campo 26 (COD. AFASTAMENTO), indica também o tipo de afastamento, e serve para a liberação do FGTS do funcionário. O campo 27, indica se tem ou não pensão alimentícia calculada sobre as verbas, e qual o percentual, de acordo com esse campo a CAIXA ECONOMICA FEDERAL, retém sobre o valor depositado no FGTS uma parte (percentual) sobre o total a titulo de Pensão Alimentícia. Por fim temos o ultimo campo, que indica que tipo de categoria esta enquadrado o funcionário, no exemplo acima, 01 que dizer EMPREGADO, temos código para EMPREGADO DOMESTICO, TRABALHADOR AVULSO, EMPREGADO MENOR e assim por diante. O campos seguinte:
Valor 29 Aviso Prévio Indenizado Valor DEDUÇÕES 47 Previdência 7,65% 30 Saldo salário _1_ dias DISCRIMINAÇÃO DAS VERBAS RESCISÓRIAS 31 13º Salário 2 /12 avos 32 13º Sal. Inden. _1 /12 avos 48 Prev 13º salário 39 Gratificações

398,20

38 Comissões

1,02 5,08

13,27 66,37 33,18 398,20 265,47 221,22

7,65% 49 IRRF s/ Férias

40 Horas extras horas 41 Adic. insalub./ periculosidade

50 Desc. VT Rescisão

33 Férias vencidas

42 Vale Transporte

51 Desc TR Rescisão

34 Férias proporc. 8 /12 avos

43 Tiquet Alimentação

52 Contribuição Sindical 53 Arredondamento mês anterior

35 1/3 salário s/ férias

44

36 Salário família 1 37 Adicional noturno

45 46 TOTAL BRUTO

54 TOTAL DAS DEDUÇÕES 55 LÍQUIDO A RECEBER

6,10 1.389,81

1.395,91

É o que mais nos interessa pois trata-se dos valores da rescisão em si, vamos fechar o conceito do termo de rescisão, vendo o ultimo campo, depois voltaremos a falar sobre esse. O ultimo campo a ser visto é o seguinte:
LIZ AÇ ÃO DA RES 56 Local e data do recebimento 57 Carimbo e assinatura do empregador ou preposto

Página 181

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

58 Assinatura do trabalhador

59 Assinatura do responsável legal do trabalhador

60 HOMOLOGAÇÃO Foi prestada, gratuitamente, assistência ao trabalhador, nos termos do art. 477, § 1º, da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, sendo comprovado, neste ato, o efetivo pagamento das verbas rescisórias acima especificadas. Local e data

61 Digital do trabalhador

62 Digital do responsável legal

Carimbo e assinatura do assistente 64 Recepção pelo Banco (data e carimbo)

Esse campo é a formalização da rescisão, mostra a data que foi pago a rescisão, quem assinou pela empresa, a assinatura do trabalhador ou do responsável legal (no caso de menor), fala ainda sobre a homologação do contrato de trabalho (que é a conferencia dos valores, feita por uma terceira pessoa, geralmente um fiscal do ministério do trabalho ou um representando do sindicato dos empregados), que dia que foi homologado e quem fez a homologação. Pronto vimos os principais campos do termo de rescisão. Vamos a próxima lição, onde falaremos, agora com muito mais detalhes, sobre o campo que discrimina os valores da rescisão. Lição 3 – As Verbas Rescisórias. Nessa lição vamos falar sobre as verbas rescisórias, e a forma de contabiliza-las. Conforme dito na lição anterior, voltamos a falar do seguinte campo do termo de rescisão de contrato de trabalho, contabilmente chamamos de TRCT, abreviatura de TERMO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO. Vejamos ele novamente:
Valor 29 Aviso Prévio Indenizado Valor DEDUÇÕES 47 Previdência 7,65% DISCRIMINAÇÃO DAS VERBAS RESCISÓRIAS 30 Saldo salário _1_ dias 31 13º Salário 2 /12 avos 32 13º Sal. Inden. _1 /12 avos 48 Prev 13º salário 39 Gratificações

398,20

38 Comissões

1,02 5,08

13,27 66,37 33,18 398,20 265,47 221,22

7,65% 49 IRRF s/ Férias

40 Horas extras horas 41 Adic. insalub./ periculosidade

50 Desc. VT Rescisão

33 Férias vencidas

42 Vale Transporte

51 Desc TR Rescisão

34 Férias proporc. 8 /12 avos

43 Tiquet Alimentação

52 Contribuição Sindical 53 Arredondamento mês anterior

35 1/3 salário s/ férias

44

36 Salário família 1

45

54 TOTAL DAS DEDUÇÕES

6,10

Página 182

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

37 Adicional noturno

46 TOTAL BRUTO

1.395,91

55 LÍQUIDO A RECEBER

1.389,81

Para efeitos de contabilização, dividimos essa tabela em duas. Separamos o que estamos pagando ao funcionário, os proventos em si. E depois o que estamos descontando do funcionários, os desconto ou como consta no valor formulário AS DEDUÇÕES. O campo em destaque abaixo se refere aos valores que estamos pagando ao funcionário:

Valor 29 Aviso Prévio Indenizado

Valor

DEDUÇÕES 47 Previdência 7,65% 48 Prev 13º salário

398,20

38 Comissões

1,02 5,08

30 Saldo salário _1_ dias DISCRIMINAÇÃO DAS VERBAS RESCISÓRIAS 31 13º Salário 2 /12 avos 32 13º Sal. Inden. _1 /12 avos

13,27 66,37 33,18 398,20 265,47 221,22

39 Gratificações

7,65% 49 IRRF s/ Férias

40 Horas extras horas 41 Adic. insalub./ periculosidade

50 Desc. VT Rescisão

33 Férias vencidas

42 Vale Transporte

51 Desc TR Rescisão

34 Férias proporc. 8 /12 avos

43 Tiquet Alimentação

52 Contribuição Sindical 53 Arredondamento mês anterior

35 1/3 salário s/ férias

44

36 Salário família 1 37 Adicional noturno

45 46 TOTAL BRUTO

54 TOTAL DAS DEDUÇÕES 55 LÍQUIDO A RECEBER

6,10 1.389,81

1.395,91

O campo abaixo, são os valores que estamos descontando da rescisão do mesmo.
Valor DISCRIMINAÇÃO DAS VERBAS RESCISÓRIAS 29 Aviso Prévio Indenizado Valor DEDUÇÕES 47 Previdência 7,65% 30 Saldo salário _1_ dias 31 13º Salário 2 /12 avos 32 13º Sal. Inden. _1 /12 avos 48 Prev 13º salário 39 Gratificações

398,20

38 Comissões

1,02 5,08

13,27 66,37 33,18 398,20 265,47

7,65% 49 IRRF s/ Férias

40 Horas extras horas 41 Adic. insalub./ periculosidade

50 Desc. VT Rescisão

33 Férias vencidas

42 Vale Transporte

51 Desc TR Rescisão

34 Férias proporc. 8 /12 avos

43 Tiquet Alimentação

52 Contribuição Sindical

Página 183

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

35 1/3 salário s/ férias

221,22

44

53 Arredondamento mês anterior

36 Salário família 1 37 Adicional noturno

45 46 TOTAL BRUTO

54 TOTAL DAS DEDUÇÕES 55 LÍQUIDO A RECEBER

6,10 1.389,81

1.395,91

Todos os campos são valores individualizados, ou seja, o campo 30 apresenta o saldo de salário no valor de R$ 13,27, diz ainda que é referente a 1 dia. E assim com os demais campos, com exceção dos campos 46, 54, e 55. O campo 46 apresenta o TOTAL BRUTO, que a soma de todos os valores, que o funcionário tem a receber, enquanto que o 54 apresenta o total das deduções, tudo o que foi descontado do funcionário. O campo 55 apresenta o valor liquido, que o funcionário tem a receber. Que é igual a o valor do campo 46 menos o do campo 54. Em nosso exemplo: 1.395,91 – 6,10 = R$ 1.389,81. Entendido a analisar o documento, vamos agora aprender como se processa a contabilização da rescisão. Lição 4 – Contabilizando a Rescisão. Contabilizar a rescisão inicialmente pode parecer algo complicado, mas na verdade não, é um pouco trabalhoso, mais nada de difícil. A contabilização da rescisão, é uma misturada de todos os lançamentos que aprendemos, vamos contabilizar salários, férias, décimo terceiro, horas extras, repouso, descontar INSS, IRRF, atraso, e assim por diante. O lançamento é o mesmo que aprendemos durante esse curso. A diferença é somente a conta, antes estávamos trabalhando com as contas SALARIO A PAGAR, FÉRIAS A PAGAR, 13.º SALARIOS A PAGAR, agora vamos trabalhar somente com a conta RESCISÃO A PAGAR. Baseado no modelo que utilizamos acima, vamos ver como ficam os lançamentos:
Valor DISCRIMINAÇÃO DAS VERBAS RESCISÓRIAS 29 Aviso Prévio Indenizado Valor DEDUÇÕES 47 Previdência 7,65% 30 Saldo salário _1_ dias 31 13º Salário 2 /12 avos 32 13º Sal. Inden. _1 /12 avos 48 Prev 13º salário 39 Gratificações

398,20

38 Comissões

1,02 5,08

13,27 66,37 33,18

7,65% 49 IRRF s/ Férias

40 Horas extras horas 41 Adic. insalub./ periculosidade

50 Desc. VT Rescisão

Página 184

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

33 Férias vencidas

398,20 265,47 221,22

42 Vale Transporte

51 Desc TR Rescisão

34 Férias proporc. 8 /12 avos

43 Tiquet Alimentação

52 Contribuição Sindical 53 Arredondamento mês anterior

35 1/3 salário s/ férias

44

36 Salário família 1 37 Adicional noturno

45 46 TOTAL BRUTO

54 TOTAL DAS DEDUÇÕES 55 LÍQUIDO A RECEBER

6,10 1.389,81

1.395,91

Vamos seguir a ordem que os valores aparecem, vamos contabilizar primeiro os proventos e depois os descontos. O primeiro provento que temos é o aviso prévio indenizado. O aviso prévio indenizado, é um valor que a empresa paga ao funcionário por ter pego ele de surpresa, ou seja, sem avisar que ele seria mandado embora, a lógica desse provento é que o funcionário ganhe teoricamente mais um mês de salário, para que nesse período procure um novo trabalho. O registro desse provento é feito da seguinte forma: D – Despesa com Aviso Prévio C – Rescisões a Pagar

R$ 398,20

Abaixo no campo 30, temos o saldo de salários, a contabilização desse provento é feita de forma idêntica a contabilização do salário. D – Despesa com Salários C – Rescisão a Pagar

R$ 13,27

Os campos 31 e 32, são relativos a 13.º salário, um normal e outro indenizado, o indenizado é por causa do aviso prévio, como a empresa pagou mais um mês de salário, a titulo de aviso prévio indenizado, pagará mais um mês de 13.º, também a titulo de indenizado. Os registros são feitos da seguinte forma, e podem inclusive ser somados. D – Despesa com 13.º Salário C – Rescisões a Pagar

R$ 99,55

Os campos 33, 34 e 35, são relativos as férias, o campo 33 apresenta as férias vencidas, ou seja, aquela que o funcionário já tinha completado um ano, e ainda não retirou, o campo 34 é relativo as férias proporcionais, que se refere ao período de tempo que não chegou a completar um ano, mais que o funcionário tem direito da mesma forma. Em nosso exemplo o funcionário foi admitido em 17/10/2005, completou um ano em 16/10/2006, a partir de 17/10/2006, iniciou o seu segundo ano, que finalizaria em
Página 185

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

16/10/2007, como ele foi dispensado em 01/06/2007, não chegou a completar o seu segundo ano na empresa. Mas trabalhou durante 8 meses ainda, então ele tem direito a receber férias proporcionais na medida de 8/12 avos. O campo 35 é o valor do 1/3 sobre as férias, então o registro desses 3 proventos pode ser efetuado da seguinte forma: D – Despesa com Férias C – Rescisões a Pagar

R$ 884,62

De acordo com nosso exemplo, acabamos com as contabilizações dos proventos, porém poderia haver outros proventos a ser contabilizado, tipo, arredondamento salarial, salário família, horas extras, adicional noturno, vale transporte, ticket alimentação e etc, que lógico, deveriam ser contabilizados. Vamos agora ao registro dos descontos De acordo com nosso modelo temos somente dois descontos, segue aqui a mesma regra, dita um pouco acima, se houvesse mais descontos eles deveria ser contabilizados normalmente. Os descontos que temos são: No campo 47 – Previdência , no valor de R$ 1,02 No campo 48 – Previdência sob 13.º Salário, no valor de R$ 5,08. Desconto de Previdência e desconto de INSS é a mesma coisa, só muda a nomenclatura. O registro é feito da debitando-se a conta de Rescisão a Pagar, e Creditando a conta de INSS a Recolher. Inclusive os valores podem ser somados, vejamos: D – Rescisões a Pagar C – INSS a Recolher

R$ 6,10.

Temos então contabilizada nossa rescisão, vamos ver como ficaria nos razonetes: Despesa c/ Aviso Prévio 398,20 Rescisão a Pagar 6,10 398,20 13,27 99,55 884,89

Despesa c/ Salários 13,27

Despesa com 13.º Salário 99,55

Página 186

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Despesa c/ Férias 884,89

INSS a Recolher 6,10

Temos assim os razonetes dessa operação. Vamos analisar a conta de Rescisão a Pagar: Rescisão a Pagar 6,10 398,20 13,27 99,55 884,89

Temos R$ 6,10 lançados a debito, e o total de R$ 1.395,91, lançados a créditos. Um lançamento a debito numa conta de passivo, ocasiona o que? A redução do saldo dela certo? Então estamos diminuindo o saldo dessa conta em R$ 6,10, no TRCT, também temos um campo que apresenta o total das deduções não temos? O campo 54. Lembram? E qual valor que consta nesse campo? Os mesmos R$ 6,10. O total lançado a crédito (R$ 1.395,91), mostra que aumentamos essa conta em R$ 1.395,91, no TRCT também temos um campo que apresenta esse valor, o campo 46. E qual o saldo da conta nesse momento? R$ 1.389,81. E qual o valor liquido que consta no campo 47 do TRCT? Os mesmos R$ 1.389,81. Isso indica que todos os nossos lançamentos na conta de rescisão a pagar, foram feito de forma correta. Agora para finalizarmos basta aprendermos a registrar o pagamento. Lição 5 – Registrando o Pagamento do Termo de Rescisão. O pagamento do Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho deve ser efetuado, debitando-se a conta de rescisão a pagar, e creditando a conta caixa ou banco.
Página 187

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Lembrando que o registro deve ser efetuado (na contabilidade), na mesma data em que ocorreu o pagamento, se o pagamento ocorreu no dia 09/06, na contabilidade esse registro deve ser efetuado também no dia 09 de Junho. Assim no livro diário, os registros com data anteriores a 09/06, aparecerão primeiro do que o pagamento da rescisão, e os registros após essa data, aparecerão logo em seguida. Contabilizamos o pagamento da rescisão da seguinte forma: D – Rescisão a Pagar C – Caixa ou Bancos

R$ 1.389,91

Nos razonetes o lançamento apareceria da seguinte forma: Despesa c/ Aviso Prévio 398,20 Rescisão a Pagar 6,10 1.389,91 398,20 13,27 99,55 884,89

Despesa c/ Salários 13,27

Despesa com 13.º Salário 99,55

Despesa c/ Férias 884,89

INSS a Recolher 6,10

Caixa ou Bancos 1.389,91

Nesse momento o saldo de nossa conta de rescisão a pagar, é R$ 0,00. Indicando que não existe mais valores, a pagar a titulo de rescisão de contrato de trabalho.

Página 188

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Módulo 15 – Pró-labore.
Neste módulo vamos aprender a contabilizar o pró-labore. Lição 1 – Introdução. O pró-labore, e a mesma coisa que o salário para o funcionário, sendo que o pró-labore é para os donos da empresa. Então falamos que salários são para os funcionários e prólabore para os donos da empresa. O pró-labore, pode ser estipulado livremente, não tem nem limite mínimo e nem máximo. O dono da empresa que exercício atividade (trabalha na empresa) tecnicamente chamamos de sócio gerente, só recebe pró-labore o sócio que exerce atividade na empresa, os demais recebem dividendos. O sócio gerente que receber pro-labore, sofrerá retenção do INSS assim como o funcionário. A empresa que pagar, de acordo com o regime de tributação, para INSS (parte da empresa) sobre o valor pago a titulo de pro-labore. Caso a empresa pague INSS, o registro da despesa do INSS deverá ser feito de forma idêntica a que aprendemos no módulo 4, caso o regime de tributação da empresa seja o SIMPLES NACIONAL, esse registro não deverá ser feito. Lição 2 – Modelo de Recibo de Pró-Labore. Nesta lição vamos ver como é um recibo de pró-labore, e suas principiais características, para que possamos identificar esse tipo de documento. Cumpre ressaltar que trata-se de um modelo, somente para fins de aprendizado, pois inclusive não existe modelo oficial para o pró-labore. Na verdade o que nos interessa agora, é analisar os números dele, e saber como contabilizar as operações dele. :

Página 189

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Recibo de Pro-Labore Valor Bruto IRRF INSS Liq. Recebido R$ R$ R$ R$ 5.000,00 734,25 334,29 3.931,46

Recebi de ABC COMERCIO DE ARTIGOS FINOS E DOCES LTDA-ME, inscrita no CNPJ sob o número: 04.787.220/0001-68, a importancia liquida acima de --------> R$ 3.931,46 (três mil, novecentos e trinta e um reais e quarenta e seis centavos) ************************** Referente ao meu Pro-Labore do Mes de Abril de 2008, com os descontos exigidos em lei.

Para maior clareza e devidos fins de direito firmo o presente. Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2008.

Assinatura DEMONSTRACAO DE CALCULO DOS DESCONTOS INSS IRRF Valor Remuneração R$ 5.000,00 Valor Remuneração Outras Remunerac. R$ Dependentes ( 0 ) Sub-Total R$ 5.000,00 I.N.S.S. Lim. Max. INSS R$ 3.038,99 Valor Pensão Aliq. INSS 11% Base do IRRF Val. Desc. Tot. R$ 334,29 Aliquota do IRRF Desc. Outr. Remun R$ Parcela a Deduzir: VAlor Desc. R$ Valor Descontado: 334,29 Nome: C.P.F: Insc. INSS EDUARDO SILVEIRA 111.111.111-50 123.45678.99-0

R$ R$ R$ R$ R$ R$

5.000,00 -$ R 334,29 4.665,71 27,50% 548,82 734,25

Vejam que na parte de cima, temos o demonstrativo dos valores, Eduardo Silveira, receber de pro-labore da empresa a quantia de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), porém teve retenção de INSS e de IRRF, que gerou um valor liquido de R$ 3.931,46 (três mil novecentos e trinta e um reais e quarenta e seis centavos). O que vamos fazer é contabilizar essa operação, de modo que ao terminar fique demonstrado que a empresa tem que pagar a Eduardo, a quantia liquida. Outro detalhe importante é quanto a data da competência do pro-labore, vejam que o recibo diz que é de Abril, portanto para respeitar o principio da competência temos que registrar essa despesa no próprio mês de abril. Vamos aprender na pratica como é feito esse registro.

Página 190

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

Lição 3 – Registro da Despesa com Pró-Labore. Vamos aprender como é feita a contabilização do pró-labore, o registro é feito debitando-se uma conta de despesa com pró-labore, e creditando a conta de pró-labore a pagar. O registro da provisão, fará com que consigamos respeitar o principio da competência, haja visto que na maioria das vezes o pagamento do pró-labore é efetuado no mês seguinte ao de referencia. Exemplo, pró-labore de Março é pago em Abril. Então temos que o registro é efetuado da seguinte forma: D – Despesa com Pró-labore. C – Pró-Labore a Pagar (conta de passivo) No razonetes: Despesa c/ Pró-labore 5.000,00 Pró-labore a Pagar 5.000,00

Dessa forma temos efetuado o registro da despesa com o pró-labore. Vamos agora aprender registrar as retenções: Lição 4 – A Retenção de INSS e IRRF sobre o Pró-labore. Na lição anterior aprendermos a registrar a despesa de pró-labore, porém na lição 2, ao analisarmos o recibo de pró-labore, vimos que o sócio da empresa Eduardo teve retenções de INSS e de IRRF, que fizeram que o valor líquido do pró-labore caísse para R$ 3.931,46. Ou seja, o pró-labore dele era de R$ 5.000,00, mais teve desconto de Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), no valor de R$ 734,25, e mais desconto de INSS no valor de R$ 334,29, resultando num liquido de R$ 3.931,46. O registro dessas retenções (IRRF e INSS), já aprendemos nas lições anteriores, e será feito da mesma forma, para o desconto do INSS, debitaremos a conta de pró-labore a pagar, reduzindo o seu saldo, e creditaremos a conta de IRRF a Recolher, aumentando o seu saldo. D – Pró-Labore a Pagar C – IRRF a Recolher E para o registro do desconto do INSS, debitaremos a conta de Pró-Labore a Pagar, e creditaremos a conta de INSS a Recolher. D – Pró-Labore a Pagar

Página 191

Curso de Contabilização de Folha de Pagamento

C – INSS a Recolher Nos razonetes, esses lançamentos seriam efetuados da seguinte forma: Despesa c/ Pró-labore 5.000,00 Pró-labore a Pagar 334,29 5.000,00 734,25

INSS a Recolher 334,29

IRRF a Recolher 734,25

Temos assim contabilizada a operação de registro da despesa de pró-labore, a conta de despesa com pró-labore apresenta um saldo de R$ 5.000,00 devedor, a conta de INSS a Recolher e IRRF a Recolher, apresentam, respectivamente os saldos de R$ 334,29 e R$ 734,25 Credor. A ultima conta, Pró-Labore a pagar, apresenta o saldo de R$ 3.931,46. (5000,00 – 334,29 – 734,25 = 3.931,46). Lição 5 – O Pagamento do Pró-Labore. O registro do pagamento do pró-labore, é efetuado da debitando-se a conta de prólabore a pagar, e creditando a conta de caixa ou bancos, conforme for o pagamento. Então o registro no livro diário é efetuado da seguinte forma: D – Pró-labore a Pagar C – Caixa ou Bancos Nos razonetes: Despesa c/ Pró-labore 5.000,00 Pró-labore a Pagar 334,29 5.000,00 734,25 3.931,46 IRRF a Recolher 734,25

INSS a Recolher 334,29 Caixa ou Bancos 3.931,46

Percebam que a conta de Pró-Labore a pagar, agora apresenta o saldo zerado. Indicando que não há mais nada a ser pago.

Página 192

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful