P. 1
Teoria da endossimbiose

Teoria da endossimbiose

|Views: 885|Likes:
Publicado porAndre Pimpao

More info:

Published by: Andre Pimpao on Apr 17, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/20/2013

pdf

text

original

Teoria da endossimbiose

A Teoria da Endossimbiose, também conhecida como Endossimbiose Sequencial, proposta por Lynn Margulis, propõe que organelos ou organóides, que compõem as células eucariontes tenham surgido como consequência de uma associação simbiótica estável entre organismos. Mais especificamente, esta teoria postula que os cloroplastos e as mitocôndrias (organelos celulares) dos organismos eucariontes (com um verdadeiro núcleo celular) têm origem num procarionte autotrófico – provavelmente um antepassado das ciano bactéria atuais - que viveu em simbiose dentro de outro organismo, também unicelular, mas provavelmente de maiores dimensões, obtendo assim proteção e fornecendo ao hospedeiro a energia fornecida pela fotossíntese. A principal implicação deste modelo é a de que os eucariotas são, com efeito, quimeras produzidas pela combinação de diversos genomas de procariontes. Esta teoria é apoiada por várias semelhanças estruturais e genéticas como, por exemplo, os cloroplastos primários das plantas conterem clorofila b e os das algas vermelhas e glauco phytaconterem ficobilinas. Por outro lado, a análise do genoma de alguns destes organelos mostra a sua origem de outros organismos. Outros tipos de algas possuem cloroplastos que provavelmente têm origem numa endossimbiose secundária (como as atuais zooxantelas simbiontes dos corais) ou por ingestão dum organismo com aqueles organelos. Atualmente, também se verificam associações de simbiose entre bactérias e alguns eucariontes.

Chlamydomonas
Chlamydomonas é um gênero de algas verdes do qual fazem parte seres unicelulares flagelados usados como organismos modelos para a pesquisa em biologia molecular. Sua reprodução acontece através do modo assexuado por fissão binária longitudinal.

Gonium
Gonium é um género de algas coloniais, membro da ordem Volvocales. Tipicamente, as colónias possuem 4 a 16 células, todas do mesmo tamanho e organizadas numa placa plana. Numa colónia de 16 células, quatro das células estão no centro e outras doze estão nos quatro cantos, três por canto.

Pandorina
Pandorina é um género de algas cujos indivíduos se agregam em conjuntos de 8, 16 e por vezes 32células, unidas na base formando uma colónia globular rodeada por mucilagem. As células são ovoides ou em forma de pera. Cada célula possui dois flagelos com dois dois vacúolos contráteis na base, uma mancha ocular, um grande cloroplasto em forma de chávena e pelo menos um pirenoide.

unindo-se por filamentos citoplasmáticos e bainhas gelatinosas. Os flagelos das células da camada externa imprimem à colónia um movimento coordenado em volta do seu eixo. visto que as células anteriores possuem manchas oculares maiores. É uma colónia esférica em que existem mais de 500 a 50 mil células biflageladas que. Volvox Volvox é um género de algas verdes coloniais que pertencem à divisão Chlorophyta. Este género mostra o começo de polaridade e diferenciação colonial visto no género Volvox. constituem uma esfera oca.As colónias coordenam o seu movimento flagelar para criar um movimento natatório. As células maiores da colónia têm função reprodutora. A Sequenciação molecular mostra que Pandorina é monofilética. .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->