Medicamento e grupo farmacológico Cefazolina – cefalosporina de primeira geração, antibiótico beta lactamicos

Reconstituição, Indicações terapêuticas diluir, tempo de administração e estabilidade IV – 10 mL (500mg  Tratamento de infecções ou 1g); 20 mL (2g) de da pele e estruturas; agua de ppi pneumonia, otite média, Administrar em 3-5 ITU, infecções ósseas e min. das articulações, Perfusão – 2 ml  Septicemia (500mg); 4ml (1g) de  Antibióticos profilácticos agua de ppi para uso operatório Diluir em 50 ou 100 ml de Cloreto de sódio a 0,9%; glicose a 5% ou 10% Administrar 15 a 60 minutos 24h à TA Solução pronta.  Tratamento e prevenção da Perfusão: diluir em depleção de potássio cloreto de sódio a  Tratamento de certas 0,9% ou glicose a 5% arritmias devidas a velocidade de perfusão toxicidade cardíaca por – 20 mEq/ h glicosídeos Administrações superiores a 40 mEq deve utilizar-se veia central. Não administrar sem diluição prévia Deve conservar-se à TA

Acção específica

Contra-indicações e precauções    

Efeitos Secundários

Interacções medicamentosas (mais frequentes)  Probenecida  Uso concomitante com diuréticos de ansa pode aumentar efeitos nefrotóxicos Pico de acção: fim perfusão Início da acção: rápido Duração: 6 a 12 horas da

Activo contra cocos aeróbios Gram positivos (estreptococos do grupo B, S. viridans) e atuam contra Staphylococcus aureus oxacilina-resistentes. Não têm atividade anaerobicida significativa. Retardam o desenvolvimento de resistências. Impedem a síntese proteica das bactérias levando à sua morte celular e ao mesmo tempo têm um grupo beta lactamicos que impedem o efeito bactericida das bactérias sobre o antibiótico permitindo a sua acção.  Principal responsável pela osmolaridade intracelular  Responsável pela actividade eléctrica do musculo cardíaco  Permite a transmissão de impulsos nervosos  Contribui para a manutenção do equilíbrio ácido-base  Os músculos são constituídos por tecido muscular e caracterizam-se pela sua contrariabilidade, funcionando pela contracção e extensão das suas fibras. A contracção muscular ocorre com a saída de um impulso eléctrico do sistema nervoso central que é conduzido ao músculo através de um nervo. Esse estímulo eléctrico desencadeia o potencial de acção, que resulta na entrada de cálcio (necessário à contracção) dentro da célula, e a saída de potássio da mesma.

Insuf. Renal Colite Idosos Gravidez lactação

e

 Convulsões (em doses elevadas)  Náuseas, vómitos, diarreia, colite pseudomembranosa  Erupções  Agressivo para as veias periféricas com flebite

Cloreto de Potássio – suplementos

 Hipercaliemia, insuf. Renal  Doença de addison não tratada  Traumatismos graves  Paralisia hipercaliemica  Doença cardíaca

 Parestesias, agitação, confusão, astenia, paralesia, arritmias, alterações no ECG, náuseas, vómitos, diarreia, dores abdominais, alteração GI, irritação da veia periférica  Hipercaliemia: disritmias com alt. Do ECG ondas T altas e segmentos ST diminuídos. Arritmias, batimentos cardíacos irregulares. Parestesias, astenia, paralisia, confusão, tonturas

Uso de diuréticos poupadores de potássio, anticolinérgicos, com outras cefalosporina potencia a acção convulsiva em doses elevadas Inicio rápido, pico no fim da perfusão, duração da acção desconhecido.

nacl a 0. vertigens. Solução pronta  Tratamento de infecções IM da pele e estruturas Perfusão – diluir em  Tracto respiratório 100 ml de cloreto de  Septicemia sódio 0. erotromicina. dobutamina.5 mL/ min. anúria. com alergia à penincilina Não administrar em IV directa 16 dias TA. bradicardia. fluconazol.  Hipermagnesémia . BAV. desempenha papel importante na transmissão de impulsos nervosos e excitabilidade do músculo.  Hipotensão. intolerância ao álcool  Tonturas. hipocalcemia.9%~quando administrado para hipomagnesémia deve ser administrado durante 3 horas e diluir 5 mg em 1000 mL de D5%. morfina. glicose  Infecções intra 5% abdominais Administrar durante  Ginecológicas 30 minutos à  Osteomielite velocidade de 30  Utilizada em pessoas mg/min.  Agressiva para as veias periféricas Pode potenciar a acção bloqueadora de medicamentos neuromusculares Incompatibilidade na derivação Y: filgrastim.9% ou solução de lactato de ringer. arritmias. Cefazolina. cefoxitina. 32 Dias no frigorifico Guardar ao abrigo da  Essencial na acção de muitas enzimas.9%. heparina. trabalho de parto  Sonolência. diarreia. sais e minerais. arritmias. gentamicina. Diluir 4g em 250 ml de dextrose 5% ou SF a 0. cefaleias. Ritmo de perfusão:  Tratamento e prevenção da administrar a um ritmo hipomagnesémia de 1. diminuição do ritmo respiratório. hidrocortisona. pois: Potencializa a opsonização Acelera a quimiotaxia e fagocitose dos leucócitos Apresenta atividade contra bactérias anaeróbias e contra bactérias gram-positivas Dentre as bactérias grampositivas anaeróbias susceptíveis à clindamicina podem ser destacados Staphylococcus aureus  Colite pseudomembrano sa anterior. electrólitos Clindamicina – antiinfeccioso.  Aumento das transaminases  Diarreia.Sulfato de Magnésio – anticonvulsionais. idarrubicina . Da  Anticonvulsionante na présolução de 10% eclampsia ou eclampsia Quando usado como anticonvulsionante administrar a um ritmo de 3ml/ min. insuficiência hepática grave.  Colite pseudomembranosa. lincosamidas. vancomicina etc Inicio: imediato Pico: desconhecido Duração: 30 minutos Inibe a síntese de proteínas ao nível das subunidades dos ribossomas das bactérias susceptíveis Penetra no meio intracelular A clindamicina possui atividade imunoestimuladora. vómitos. náuseas. ampicilina. insulina.  Hipotensão  Diarreia  Hiponatremia Potencial os bloqueadores neuromusculares Compatibilidade da derivação em Y: aciclovir. ondasetron.

diuréticos de ansa. Auditiva  Obstrução ou inflamação intestinal  Ototoxicidade  Hipotensão  Náuseas e vómitos  Nefrotoxicidade  Flebnite  Febre. Pode causar nefrotoxicidade e ototoxicidade quando associada a outros medicamentos com os mesmo efeitos. Ela bloqueia a incorporação no peptidoglicano das subunidades N-ácido acetilmuramico e Nacetilglucosamina. B. aminoglicosideos. arrepios  Deve fazer-se colheita de sangue antes da administração para avaliação da concentração residual de vancomicina no sangue e calcular a próxima dose para evitar a acumulação e potenciamento das reacções adversas bem como dos efeitos hepáticos e renais Inicio: rápido Pico: fim da perfusão Duração: 6-8h Vancomicina – antiinfecciosos. 1g em 200ml de NaCl a 0. C Estreptococos alfa. solução de ringer Administrar em tempo mínimo de 60 minutos a velocidade de perfusão de 10mg/min.9%.9%. ao se ligar reversivelmente a estas moléculas.luz e à TA Staphylococcus epidermidis Estreptococos beta-hemolíticos dos grupos A. heparina. Com parede celular deficiente as bactérias não resistem às pressões osmóticas e morrem.  Insuf.hemolíticos Pneumococo A clindamicina é bastante ativa contra: Corynebacterium diphteriae Campylobacter jejuni Anaeróbios da microbiota bucal e orofaríngea Não apresenta atividade contra: Meningococo Gonococo Enterococo Bacilos gram-negativos entéricos Bordetella pertussis Moraxella catarrhalis Mycoplasma pneumoniae Haemophilus influenzae Chlamidia trachomatis Clostridium difficile Resistência Tem sido observada dentre os Estafilococos  Tratamento de infecções potencialmente fatais quando estão contraindicados antibióticos menos tóxicos. ciclosporina. cefepina. Espectro de acção contra gram positivos Inibe a síntese da parede celular da bactéria. Aspirina.  Útil na infecção por estafilococos  Endocardite  Osteomielite  Pneumonia  Septicemia  Alergia á penincilina e derivados Liga-se à parede da célula bacteriana provocando a sua morte celular. Pode aumentar o efeito de bloqueio neuromuscular dos medicamentos bloqueadores neuromusculares Incompatibilidade na derivação em Y: albumina. idarrubina. glicopeptideos Perfusão: 10 ml (500mg). piperacilina e tazobactam Inicio: rápido Pico: fim da perfusão Duração: 12 a 24 horas Penincilinas e cefalosporinas. glicose 5% em SF 0. 20 ml (1g) de agua de ppi Diluir 500 mg em 100 ml. Renal  Insuf. anestésicos inalatórios ou Gentamicina – antiinfeccioso Solução pronta IM  Tratamento das Inibem a bacteriana síntese proteica ao nivel da  Insuf renal  Ototoxicidade .

TRI. tonturas  Náuseas. Eficazes.nitro-5- imidazóis Estável à TA durante 24h Administrar cada dose durante 1h  Tratamento das infecções: anaeróbias. convulsões. dissulfiran. Contra Streptococcus e Listeria concomitantemente com penicilina. como Pseudomonas.9% ou glicose a 5% Administrar em 30 a 120 minutos infecções graves por bacilos gram negativos e infecções devidas a estafilococos quando a penincilina e outros fármacos menos tóxicos  estão contra indicados  Tratamento de infecções  por enterococos subunidade 30s dos ribossomas impedindo a leitura correta do RNA mensageiro e sintese da proteína correspondente Septicemia com Gramnegativos. Clostridium difficile. Acinetobacter e Enterobacter.  Agente profiláctico operatório nas cirurgias colorrectais  Hist prévia de convulsões. Porevotella. diureticos de ansa e farmacos com reacções ototoxicas ou nefrotoxicas Incompatibilidade em derivação em Y: alopurinol. Usadas secundariamente em infecções por Mycobacterium. osseas e articulares.aminoglicosideo IV – administrar lentamente em 2-3 minutos Perfusão – diluir em 50 – 200ml de NaCl 0.  Cefaleias. como na Tuberculose. Espécies sensíveis (mais de 90% das espécies são sensíveis): Peptostreptococcus. Clostridium perfrigens. devido à menor toxicidade de outros antibióticos igualmente eficazes Interrompe a síntese do DNA e das proteínas nos organismos susceptíveis Mais contra bactérias anaeróbias O metronidazol é um fármaco da família dos nitro-5-imidazóis que apresenta espectro de atividade antimicrobiana que abrange exclusivamente microrganismos anaeróbios. vertigens. Bacteroides sp. em infecções do intestino. heparina. varfarina. insuf. porém raramente usadas em bactérias Grampositivas.  Monitorização dos valores sanguíneos para diminuir a ototoxicidade e nefrotoxicidade  Nefrotoxicidade  Hipomagnesémia  Paralisia muscular bloqueadores musculares. cutâneas. Bacteroides fragilis. fenobarbital. idarrubicina. Hepática grave. ginecológicas. furosemida. mas não só. azatioprina Incompatibilidade em derivação em Y: o fabricante recomenda a suspensão da administração IV durante a perfusão do metronidazol Inicio: rápido Pico: no fim da perfusão Duração: 6h . dores abdominais  Anorexia  Efeito vesicante Cimetidina. fluorouracilo. Infecções com bactérias Gramnegativas aérobias. Clostridium sp. intra abdominais. Fusobacterium. Veillonella. particularmente. indometacina e varfarina Inicio: rápido Pico: no fim da perfusão Duração: desc    Dumozol – metronidazol – antiinfeccioso . álcool.

reduzida a Impedem a síntese proteica das posologia.náuseas. neisseria. prurido. ITU  Profilaxia no pósoperatório Liga-se à membrana da parede celular bacteriana causando a morte da célula Acção contra cocos gram positivos e outros como haemophillus influenzae. pele e estruturas. Nota: Cerca de 10% dos doentes com hipersensibilidade às penicilinas desenvolvem também reacções de hipersensibilidade às cefalosporinas. diarreia  Colite pseudomembranosa  Flebite  Anafilaxia Probenecida.  hipersensibilidade . AINES. Retardam o renal.  Hemorragias . embora raramente.as cefalosporinas que na sua fórmula molecular contêm o grupo químico tetrazoltiometil aumentam o risco de desenvolvimento de efeitos hemorrágicos (hipoprotrombinemia) e reacções tipo dissulfiram Pico – 2 a 3h Duração: 4-5 h . infecções da pele e tecidos moles e amigdalites. tromboliticos. bactérias levando à sua morte  em doentes com celular e ao mesmo tempo têm porfiria. plicamicina. 10ml (1g) de agua de ppi Administrar durante 35 minutos Perfusão – diluir em 50-100ml de NaCl 0.Cefoxitina cefalosporina segunda geração – de IM IV – 5ml (500mg). sinusites. Está indicado antes de cirurgias. artralgias e por vezes. faringites.  Náuseas e vómitos.     Insuf. ácido valproico Incompatibilidade em derivação em Y: o laboratório produtor recomenda a interrupção da administração de outras medicações durante a perfusão Inicio: rápido Pico: no fim da perfusão Duração: 4-8h Probenecida Anticontraceptivos orais Uso concomitante com diuréticos de ansa pode aumentar efeitos nefrotóxicos Cefradina cefalosporina primeira geração – de IM IV – 5ml (500mg).eosinofilia. osseas e articulares. alccol. como profilaxia. deve ser desenvolvimento de resistências. Não têm  em doentes com atividade anaerobicida insuficiência significativa.  Aparelho digestivo .  Sangue . renal. 10 ml (1g) de agua de ppi Administrar 3-5 min Perfusão – diluir em 50-100ml de NaCl 0. agranulocitose e trombocitopenia ocorrem raramente. Idosos Colite Gravidez lactação e  Convulsões em doses altas. Activo contra cocos aeróbios  em doentes com Gram positivos (estreptococos história de do grupo B. como por exemplo infecções urinárias.pode provocar reacções de hipersensibilidade caracterizadas geralmente por erupções cutâneas.9% ou G5% Administrar durante 15 a 60 minutos Estabilidade 24h à TA e 48 h no frigorifico  Tratamento de infecções: TR. klebsiella. reacções anafilácticas. infecções respiratórias.  Fígado .alterações das enzimas hepáticas e icterícia colestática (raro). oxacilina-resistentes. S. podem potenciar os efeitos anticoagulantes e aumentar o risco de hemorragia com antiplaquetários. vómitos e diarreia sobretudo com doses elevadas. um grupo beta lactamicos que impedem o efeito bactericida das bactérias sobre o antibiótico permitindo a sua acção. e coli. urticária. 24h TA 48h Frigorifico A cefradina está mais indicada nas infecções provocadas por microrganismos gram + e menos indicada para gram susceptíveis.9% ou G5% Administrar em 15-60 min. viridans) e atuam hipersensibilidade contra Staphylococcus aureus às penicilinas.

medida como a afinidade pelo receptor de glicocorticóide. é cerca de 15 vezes maior que a da prednisolona. cefaleias. particularmente quando utilizados em doses elevadas. nomeadamente  Vómitos e diarreia. prurido. dor no peito.ou anaeróbios. Reacções anafiláticas que podem ser A probenecida reduz a depuração plasmática dos carbapenemes causando um aumento significativo das suas concentrações séricas. irritabilidade  Supressão adrenal. A potência intrínseca da budesonida. Uso com diuréticos que aumentem a depleção de potássio. Duração de 2 a 3 horas  Doentes com história de hipersensibilidade a múltiplos alergenos. Os carbapenemes têm um espectro de acção muito alargado. Infecções intraabdominais.  Obstrução vesical. Actua nas vias aéreas reduzindo a inflamação e hipersecreção de muco provocadas pela asma aumentando o lúmen das vias aéreas e facilitando a passagem do ar As ações antiinflamatórias.  Doenças do SNC. atrovent. com susceptibilidade conhecida ou provável  Tratamento de pneumonias adquiridas na comunidade. Liga-se aos receptores colinérgicos no musculo liso levando á activação da Adenil ciclase e o aumento dos níveis de monofosfato de adenosina ciclica.  Palpitações. A coadministração de qualquer carbapenem com o ácido valpróico determina uma redução clinicamente significativa das concentrações séricas do ácido valpróico sendo a sua administração . disopiramida Inicio – 5-15 minutos Pico – 1 a 2 horas Duração – 3 4h até 8h       Doença cardíaca HTA Hipertiroidismo DM Glaucoma Idosos  Agitação. Combivent – broncodilatador. estes activam as cinases que inibem a fosforilação da miosina e diminuiem o calcio intracelular que leva à diminuição da contracção e consequente broncodilatação. Reacções alérgicas: erupções cutâneas. hipertensão. anticolinérgico Diluir em 3 ml de SF 0. aeróbias e anaeróbias. Inicio – 5 a 15 min Pico – 60 a 90 min Duração – 3-6h  Gravidez  Tosse  Irritação da garganta  Rouquidão  Agioedema. clamídias e Ps. broncoespasmo. gram +. gram . ansiedadem perturbação do sono. arritmias. Infecções Inibe os receptores colinérgicos dos musculo liso pulmonar provocando a diminuição da concentração de monofosfato de guanosina cíclica. Cefaleias. fenotiazidas.Ipratrópio . Diminui os níveis de monofosfato de guanosina cíclica o que leva à inibição da contracção do musculo e consequente broncodilatação. legionelas.9% administrar em 20 a 60 min.9% para nebulização  Boncodilatador usado na terapêutica de manutenção de obstrução reversível das vias aéreas provocada pela asma ou DPOC Salbutamol ventilan.  Idosos  Tonturas  Cefaleias  Visão turva  Broncoespasmo  Palpitações  Hipotensão  Náuseas e irritação GI Fluorocarbonetos. Broncodilatadores adrenérgicos –  Usado como broncodilatador nos casos de obstrução reversível das vias aéreas em asma ou DPOC  Alivio rápido do broncoespasmo agudo Pulmicort – glucocorticoesteróides  Usado em crises de asma em que existe inflamação das vias aéreas e hipersecreção de muco. são provavelmente importantes. terapêuticas prolongadas ou em doentes com IR. quer sobre a maior parte das bactérias Gram positivo (excluindo os estafilococos meticilaresistentes). Alterações hematológicas. como a inibição da liberação do mediador inflamatório e das respostas imunes mediadas pela citocina.  Hipertrofia da próstata  Glaucoma  Retenção urinária. quer sobre as Gram negativo (incluindo pseudomonas). urticária. Pico de acção: 30 a 60 min. Convulsões e confusão mental. outros fármacos com propriedades anticolinérigicas como antihistaminicos. Elevação das enzimas hepáticas.  Náuseas e vómitos  Hiperglicemia  Hipocalémia  Parestesias Uso concominates com outros broncodilatadores adrenérgicos. insónia. nervosismo. sonolência.  Depressão. Não têm indicação sobre riquetsias. Doentes com controlo de sódio na dieta (1 g de ertapenem <> 6 mEq de sódio). MÃO. tonturas.  Tratamento de infecções graves devidas a microrganismos multiresistentes.  Reduz e previne essa inflamação  Medicamento de acção curta  Utilizado para profilaxia não para crises agudas Ertapenem – carbepenémicos – anti infecciosos – antibióticos beta lactamicos Perfusão – reconstituir em 20 ml de agua de ppi Diluir em 250 ml de NaCl 0. Glaucoma. urticária.

Morfina Solução pronta Bolus – diluir 10 mg em 10 ml de SF 0. buprenorfina. dextrano. eritromicina. epilepsia. penincilinas. dezocina. minociclina. estreptomicina. alucinações. pentazocina Incompatibilidade na derivação em Y: cefepiume. pulmonar  Hipotiroidismo  Insuf. clopidogrel. dipiridamol. confusão. alteplase. eptifiditide Incompatibilidade: amiodarona.  Depressão cardiorrespiratória  Hipotensão  Bradicardia  Obstipação  Dependência IMAOS Alcool. cefaleias. vancomicina.  TCE. antiagregantes plaquetários.  Obstipação  Náuseas  Retenção urinaria  Anemia  Hemorragias  Trombocitopenia  Equimoses. morfina. glândulas supra-renais  Hipertrofia da próstata  Idosos  Sedação. Profilaxia de infecção no local de intervenção cirúrgica após cirurgia colorectal electiva. nalbufina. Duração. tonturas. AINES. prurido Varfarina. Potencia o efeito inibidor da antitrombina no factor Xa e trombina. anfotericina B. AAS.9% ficando a correspondência de 1 mg por ml Perfusão – através de bomba infusora concentração de 0. haloperidol.9% e G5% deve ser administrada entre 4 a 24 horas Diluição – 20000unidades em 1000ml = 20 unidades por ml  Prevenção dos fenómenos TE incluindo TVP e TEP após procedimentos cirúrgicos susceptíveis de aumentar o risco de complicações como na cirurgia abdominal  Tratamento das complicações sistémicas em doentes com andina instável. Doentes medicados com ácido valpróico graves. analgésicos opiáceos. antihistaminicos. ticlopidina. Infecções da pele e tecidos moles. nitrato de gálio. Infecções do pé diabético. diminuição da resposta a estímulos. concomitante considerada como uma contra-indicação.  Tratamento da dor aguda  Tratamento de edema pulmonar  Tratamento da dor associada a EAM Maltophilia. hepática.1 a 1 mg/ml Estabilidade horas de 24 ginecológicas agudas. 4-5h Enoxoparina (HBPM) Heparina: Solução pronta SC IM Perfusão continua – administrar com bomba infusora. sedativos e hipnóticos. metadona etc Inicio – desc Pico – desc Duração – 12h . sargramostin. diazepan. Previne a formação de trombos  Hemorragia não controlada  Doença hepática e renal  Retinopatia  HTA  Doença ulcerosa recente  Idosos  Gravidez  Tonturas. heparina Inicio: rápido Pico – 20 min. compatível com NaCl 0. edema. fenitoina. Pico de acção: 1 a 3 horas Liga-se aos receptores opiáceos no SNC e altera a percepção do estimulo da dor e a resposta estímulos dolorosos enquanto que produz depressão do SNC generalizada. gentamicina.  PIC aumentada  Doença renal.

neomicina. Incompatibilidade em Y: dobutamina Inicio – 1-2h Pico – 3-6h Duração – 12h  Hemorragia  Náuseas. andrógeneos. AINES. rifampicina e erva de S.doses excessivas de anticoagulantes orais . João (um produto de origem vegetal usado no tratamento da depressão. estatinas (por exemplo. X Prevenção da hipoprotrombinemia e hemorragia  Insuf. fenilbutazona. tetraciclinas.salicilatos . tamoxifeno e tramadol. clofibrato e substâncias relacionadas. clorpropamida). quinidina. tais como alguns medicamentos antineoplásicos (aminoglutetimida. esteróides anabolizantes. salicilatos. androgénios etc . azatioprina. também conhecido como Hypericum perforatum).  Obstipação  Náuseas  Retenção urinaria  Hemorragia  Perda de apetite  Melenas  Equimoses KanaKion – vitamina K Solução pronta IV administrar lentamente Não deve ser diluída mas pode ser ad ministrada em sistema com NaCl 0. 6-ercaptopurina). AAS. sulfonamidas (incluindo o cotrimoxazol).Derivados da hidantoína tais como a fenitoína (medicamentos utilizados para tratar a epilepsia). sulfonamidas. edema. fluvastatina. metilprenidolona.  Erupção colestipol. cimetidina. necrose Varfatina anticoagulantes antivitaminico K – – Interfere com a síntese hepática dos factores de coagulação dependentes da vitamina K. hepática Heparina. anti Distúrbios gástricos infecciosos. amiodarona. diflunisal. VII. alguns antidepressivos (SSRI. anguns medicamentos para o HIV (ritonavir. dissulfiram. acido aminosalicilico. eritromicina. VII. agentes antiarrítmicos (por exemplo. miconazol). colestiramina. IX e X     Gravidez Hemorragia Lesões Doença ulcerosa Valproatos. quinidina). . sertralina). griseofulvina. contraceptivos orais. derivados da pirazolona. colestiramina. . cefaleias. paracetamol. II. corticosteroides tais como a metilprednisolona (medicamentos usados para tratar a inflamação). citalopram.barbitúricos. álcool. fluoxetina. AAS. edema.9% ou G5%  Prevenção e tratamento da hipoprotrombinemia que pode estar associada a: .Medicamentos que possam diminuir o efeito de Sintrom. paracetamol. glucagina. atorvastatina. sucralfato. IX. cloranfenicol e amoxicilina. barbitúricos.certos fármacos antiinfecciosos . AINES. mesmo quando administrado localmente. nelfinavir). antibióticos (por exemplo. Varfarina.Sintron (adenocumarol) – anticoagulantes orais antivitaminicos K  Diminuem a capacidade de coagulação sanguina e ajudam a evitara a formação de coágulos no sangue através da diminuição plasmática de vitamina K e assim diminuem a produção de factores de coagulação pelo fígado  Doenças hemorrágicas graves  Alterações sanguíneas que propiciem a hemorragia  Glaucoma  Ulceras  HTA  Doença hepática ou renal  Doença cardíaca grave  Tonturas. por exemplo. algumas cefalosporinas.  Urticária  Eritema. cólicas. derivados da sulfonilureia (tolbutamida. carbamazepina. hormonas da tiróide (incluindo a dextrotiroxamina). ácido etacrínico. algumas fluoroquinolonas). simvastatina).deficiências nutritivas  Profilaxia e tratamento de:  TCP  TEP Necessária para a síntese hepática dos factores de coagulação II. derivados do imidazol (metronidazol e. alopurinol.

 Próteses mecânicas cardíacas  Tratamento do EAM activa  Doença hepática grave  HTA Inicio . desc Pico – 0.5 a 3 dias Duração – 2-5 dias .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful