P. 1
Unidade II - Tema 4 - Vitaminas Faculdade Integrada Da Grande Fortaleza

Unidade II - Tema 4 - Vitaminas Faculdade Integrada Da Grande Fortaleza

|Views: 62|Likes:
Publicado porinespeccebr

More info:

Published by: inespeccebr on Apr 20, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/04/2013

pdf

text

original

1 FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA CURSO LICENCIATURA EM BIOLOGIA CÉSAR AUGUSTO VENANCIO DA SILVA Unidade II - Tema 4 - Vitaminas

1. Diferencie as vitaminas hidrossolúveis das lipossolúveis.

RESUMO: As vitaminas do complexo B (Hidrossolúveis) são as maiores responsáveis pela manutenção da saúde emocional e mental do ser humano. Também podem ser úteis nos casos de depressão e ansiedade. Ajudam a manter a saúde dos nervos, pele, olhos, cabelos, fígado e boca, assim como a tonicidade muscular do aparelho gastrintestinal. As vitaminas hidrossolúveis são absorvidas pelo intestino e transportadas pelo sistema circulatório até os tecidos em que serão utilizadas. O organismo somente usa o necessário, eliminando o excesso. Vitaminas lipossolúveis são as vitaminas solúveis em lipídios e não-solúveis em água. Para serem absorvidas é necessária a presença de lipídios, além de bílis e suco pancreático. As vitaminas hidrossolúveis são vitaminas solúveis em água. São absorvidas pelo intestino e transportadas pelo sistema circulatório até os tecidos em que serão utilizadas. O organismo somente usa o necessário, eliminando o excesso. Elas não se acumulam no corpo, ou seja, não permanece no nosso organismo por muito tempo, sendo assim, excretada pelo organismo através da urina. As vitaminas hidrossolúveis são muito sensíveis ao cozimento e se perdem facilmente na água em que as verduras e legumes são cozidos. Por isso longos cozimentos devem ser evitados. As vitaminas hidrossolúveis são:
Vitaminas do complexo B: Vitamina B1; Vitamina B2; Vitamina B6; Ácido pantotênico; Niacina;

2
Biotina; Ácido fólico (folato); Vitamina B12; Vitamina C.

Vitaminas lipossolúveis são as vitaminas solúveis em lipídios e não-solúveis em água. Para serem absorvidas é necessária a presença de lipídios, além de bílis e suco pancreático. Após a absorção no intestino, elas são transportadas através do sistema linfático até aos tecidos onde serão armazenadas. As vitaminas lipossolúveis são as vitamina A, a vitamina D, a vitamina E e a vitamina K. As vitaminas A e D são armazenadas principalmente no fígado e a E nos tecidos gordurosos e, em menor escala, nos órgãos reprodutores. O organismo consegue armazenar pouca quantidade de vitamina K. Vitaminas A (Retinol, Betacaroteno, Tretinoína, Alfacaroteno) - D (Ergocalciferol, Colecalciferol, LIPOSSOLÚVEIS Didrotaquisterol, Calcitriol, Calcidiol) - E (Tocoferol, Tocotrienol) - K (Naftoquinona, Filoquinona/K1, Menatetrenona/K2) B1 (Tiamina, Sulbutiamina, Benfotiamina) - B2 (Riboflavina) - B3 (Niacina, Nicotinamida) - B5 (Ácido pantotênico, Dexpantenol, Pantetina) - B6 HIDROSSOLÚVEIS: VITAMINAS B (Piridoxina, Fosfato de piridoxal) - B7 (Biotina) B9 (Ácido fólico) - B12 (Cianocobalamina, Hidroxocobalamina, Metilcobalamina, Cobamamida) HIDROSSOLÚVEIS: OUTRAS C (Ácido ascórbico) - Colina

2. Cite as vitaminas que, juntas, constituem o chamado Complexo B. Introdução contextual. VITAMINA (do latim “Vita”, vida + elemento composto amina) isso se deve a Casimir Funk, ao criar o termo, em 1911, descobrindo a primeira vitamina - vitamina B1- identificou-a como uma amina imprescindível para a vida. Desde as experiências fundamentais de Lavoisier, no século XVIII, até os estudos de

3 Funk, um período de hipóteses, de investigações experimentais e observações clínicas imperaram, por etapas, até chegar-se ao ano de 1920, encerrando-se, assim o que poderia denominar o primeiro ciclo das investigações vitaminológicas. Entre as décadas de 1920 a 1940 diversos estudos possibilitaram a identificação das causas de diversas doenças que hoje são reconhecidas como “carências de vitaminas”.. A descoberta de novos fatores vitamínicos tais como a distinção entre as vitaminas A e D; a natureza nutricional e a vitaminótica da pelagra; a função nutritiva da riboflavina; as diversas funções da tiamina; a descoberta do ácido ascórbico; da biotina, da vitamina K; do ácido fólico; o isolamento da vitamina E; da vitamina B12 e a constatação que, sob a denominação genérica de vitamina B estavam grupados diversos fatores vitamínicos de estrutura e funções diferentes que compunham o chamado "complexo B”, se desenvolve novas perspectivas. Nesse período foram tentadas com sucesso as primeiras sínteses vitamínicas e sobre maneira enriquecido o patrimônio vitaminológico com o estabelecimento de sua importância na nutrição, suas fontes alimentares, suas funções fisiológicas e seu emprego em diversas afecções em que elas se mostram, em muitos casos, eficazes. Segundo os Anais do III Congresso Internacional de Vitaminologia, realizado em 1953 em Milão, na Itália, "as vitaminas são substâncias orgânicas especiais, que procedem freqüentemente como coenzimas, ativando numerosas enzimas importantes para o metabolismo dos seres vivos. São reproduzidas nas estruturas celulares das plantas e por alguns organismos unicelulares. Os metazoários não as produzem e as obtêm através da alimentação. São indispensáveis ao bom funcionamento orgânico. Agem em quantidades mínimas e se distinguem das demais substâncias orgânicas porque não constituem uma fonte de energia nem desempenham função estrutural". A deficiência de algumas vitaminas no organismo desencadeia distúrbios que são conhecidos como avitaminoses ou doenças de carência, como por exemplo, o escorbuto, o beribéri, o raquitismo etc., algumas são encontradas na natureza sob uma forma inativa, precursora da vitamina propriamente dita, denominada provitamina. As vitaminas são classificadas pela sua ação biológica e em termos de suas características físico-químicas em: Hidrossolúveis: tiamina, riboflavina, niacina, piridoxina, ácido pantotênico, ácido fólico, cobalamina,

4 biotina, ácido ascórbico, inositol, paba, vitaminas P, F, B15. Lipossolúveis: vitamina A, D, E e K. O complexo B é um conjunto de oito vitaminas hidrossolúveis com importante ação no metabolismo celular. Antigamente, pensava-se que as vitaminas do complexo B, como são conhecidas, eram uma só vitamina, chamada de vitamina B. Depois, pesquisas mostraram que elas eram vitaminas quimicamente distintas que coexistem em alguns alimentos. Facilita a digestão e absorção dos carboidratos, das proteínas e da gordura. No estômago, as vitaminas B estimularão a liberação e controlarão a ação do suco gástrico, ajudando na absorção e digestão dos nutrientes e, dessa forma, aumentarão a eficácia de sua dieta. Se você é um esportista ou praticante de atividades físicas que deseja obter o máximo de benefícios da sua dieta, a suplementação com complexo B é indicada. Vitamina B1 - A tiamina é importante para produção de ácido clorídrico e para a formação do sangue. Tem importante função no metabolismo dos carboidratos. Não há problema se for ingerida em excesso, pois ela não se acumula no organismo (é eliminada pelas fezes). A absorção fica prejudicada com o consumo elevado de álcool, que interfere no transporte da substância. A deficiência de vitamina B1 manifesta-se principalmente em pacientes alcoólatras e é denominada beribéri. Os sintomas principais das falta da tiamina são fadiga, depressão, anorexia e instabilidade emocional. Podem aparecer também sintomas gastrointestinais e insuficiência cardíaca. Vitamina B2 (antes conhecida por vitamina G) A riboflavina é fundamental no processo metabólico de proteínas, carboidratos e gorduras. A riboflavina também está envolvida nos processos de manutenção da integridade cutânea. Ela é necessária para a formação de hemácias, produção de anticorpos, respiração celular e para o crescimento de forma geral. Alivia a fadiga ocular (vista cansada) e é importante na prevenção e tratamento da catarata. Participa do metabolismo de carboidratos, gorduras e proteínas. Vitamina B3 - niacina, incluindo ácido nicotínico e nicotinamidaA vitamina B3 é necessária para a circulação adequada e pele saudável. Vitamina B3 ajuda no funcionamento do sistema nervoso, no metabolismo de carboidratos, lipídeos e proteínas, e na produção de ácido clorídrico para o sistema digestivo. A niacina reduz o colesterol e melhora a circulação. Vitamina B5 - Ácido pantotênico, conhecido como a vitamina anti-stress, a vitamina B5 atua na produção dos hormônios supra-renais e na formação de anticorpos. A utilização de vitaminas auxilia na conversão de lipídeos, carboidratos e proteínas em energia. Esta vitamina é necessária para produzir esteróides vitais e cortisona na glândula supra-renal e é um elemento

5 essencial da coenzima A. Vitamina B6 - A piridoxina participa de mais funções orgânicas do que qualquer outro nutriente isolado. Muitas reações do metabolismo são dependentes da piridoxina. É importante tanto para a saúde física quanto mental. A vitamina B6 é uma coenzima e interfere no metabolismo das proteínas, gorduras e triptofano. Atua na produção de hormônios e é estimulante das funções defensivas das células. Participa no crescimento dos jovens. Vitamina B7 (antes conhecida como vitamina H) - A biotina ajuda no crescimento celular, produção de ácidos graxos, metabolismo de carboidratos, lipídeos e proteínas, e na utilização das vitaminas do complexo B. Quantidades suficientes são necessárias para a saúde dos cabelos e pele. A biotina pode evitar a queda de cabelos em alguns homens. Vitamina B9 (antes conhecida como vitamina M ou vitamina Bc) - O ácido fólico, considerado um alimento para o cérebro, o ácido fólico é necessário à produção de energia e formação das hemácias. Vitamina B11 - Amparadora do crescimento. Vitamina B12 - A cobalamina é necessária na prevenção da anemia. Auxilia na formação e longevidade das células. Essa vitamina também é necessária à digestão apropriada, absorção dos alimentos, síntese de proteínas e metabolismo de carboidratos e lipídeos. Além disto, a vitamina B12 previne danos aos nervos, mantém a fertilidade e promove o crescimento e desenvolvimento normais. É essencial para o funcionamento da célula, principalmente no trato gastrointestinal, medula óssea e tecido nervoso. É necessária para a formação de DNA e afeta a formação de mielina. Fontes de Alimentos do Complexo BVitamina B1 (Tiamina).
Carnes vermelhas, fígado, legumes cereais, leite e ovos; Vitamina B2 (Riboflavina); Carnes vermelhas e brancas, fígado, leite, queijos e ovos; Vitamina B3 (Niacina); Carnes vermelhas e brancas, fígado, ovos e germe de trigo; Vitamina B5 (Ácido Pantotênico); Carnes vermelhas, fígado, rins, germe de trigo, brócolis, batata e tomate; Vitamina B6 (Piridoxina); Germe de trigo; Vitamina B7 (Biotina); Carnes vermelhas, gema de ovo, cereais;

6
Vitamina B9 (Ácido Fólico) Miúdos, vegetais folhosos, legumes, milho e amendoim. Vitamina B12 (Cobalamina) Carnes vermelhas e brancas.

Existem nutrientes que já foram reconhecidos como vitaminas B, mas que agora apenas formam os intervalos existentes na lista das consideradas verdadeiras vitaminas B.
Vitamina B4 – adenina; Vitamina B8 – colina; Vitamina B10 ou Bx - ácido para-aminobenzóico; Vitamina B13 - ácido orótico; Vitamina B15 - ácido pangâmico; Vitamina B17 – amigdalina.

3. Escreva os nomes das vitaminas que desempenham as seguintes funções no organismo:

a) coagulação sangüínea.

“VITAMINA DA COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA” FUNÇÃO: O principal papel da vitamina K é na modificação pós-translacional de vários fatores de coagulação do sangue, onde serve como coenzima na carboxilação de certos resíduos de ácido glutâmico presentes nestas proteínas. A vitamina K existe em várias formas, por exemplo, em plantas como filoiquinona (ou vitamina K1) e na flora bacteriana intestinal como menaquinona (ou vitamina K2). Para terapia existe um derivado sintético da vitamina K1 a menadiona. Em animais, como no homem, não exerce atividade farmacológica, quando sadios, porém, quando estes apresentam sua deficiência, a filoquinona exerce funções importantes como na biossíntese da protombina no fígado. A protombina é indispensável na coagulação do sangue. Controla hemorragias e sangramentos internos. É anti-hemorrágico. CLASSIFICAÇÃO: Lipossolúveis. METABOLISMO. A absorção da vitamina K é feita no intestino de modo idêntico ao das gorduras, necessitando da presença da bile, sendo que a absorção varia muito,

7 dependendo de seu grau de solubilidade. É transportada do intestino para o sistema linfático e após algumas horas temos quantidades apreciáveis de vitamina K que aparecem no fígado, rim, pele, músculos, coração, apresentando seu máximo de concentração no sangue cerca de duas horas após a administração oral, e isso é seguido por uma rápida queda do índice inicial. A vitamina K não se estoca no organismo, se armazenado no fígado em pequena proporção, ocorrendo síntese bacteriana no intestino do homem, fornecendo desta forma fonte dessa vitamina. Pouco se conhece do destino metabólico da vitamina K, tendo sido detectado o “Simon metabólico” da fitomenadiona na urina, assim como no fígado e nos rins. A considerável quantidade de vitamina K que a parece nas fezes é primariamente de origem bacteriana, isso pode ser grandemente reduzido pela administração de drogas que exerçam efeito bacteriostático no intestino. Estudos recentes mostram que a vitamina K travessa a barreira placentária. DEFICIÊNCIA. Uma verdadeira deficiência de vitamina K é incomum, pois quantidades adequadas geralmente são produzidas pelas bactérias intestinais ou obtidas na dieta. Se a população no intestino está diminuída, por exemplo, por antibióticos, a quantidade de vitamina formada endogenamente está reduzida e pode levar a hipoprotrombinemia no indivíduo levemente desnutrido. Esta condição pode exigir suplementação com vitamina K para corrigir a tendência ao sangramento. O aumento no tempo de coagulação no sangue. Os recém nascidos têm intestinos estéreis e inicialmente não podem sintetizar vitamina K, o qual é recomendado que todos os neonatos recebam uma dose única intramuscular de vitamina K como profilaxia contra as doenças hemorrágicas. EXCESSO. A administração prolongada de grandes doses de vitamina K pode produzir anemia hemolítica e icteríciano latente, hernicterus em crianças devido a efeitos tóxicos sobre a membrana das hemácias. FONTES. Também é produzido pela flora intestinal equilibrada. São encontrados em vegetais de folhas verdes, cabeça da cenoura, arroz integral, ervilha, couve-flor, aveia, tomate, ovo, óleos não-refinados, morango, algas, alfafa e iogurte. Fígado, leite e nabo.

b) antioxidante e anti - radicais livres.

C,e E e a BETA-CAROTENO.

8

Nome IUPAC - β,β-carotene - Outros nomes - β-Carotene, all-trans- (8CI); (all-E)-1,1'-(3,7,12,16Tetramethyl-1,3,5,7,9,11,13,15,17-octadecanonaene-1,18-diyl)bis[2,6,6-trimethylcyclohexene]; BetaVit; Betacarotene; C.I. 40800; C.I. Food Orange 5; Carotaben; Carotene Base 80S; CoroCare; Cyclohexene, 1,1'-(3,7,12,16-tetramethyl-1,3,5,7,9,11,13,15,17-octadecanonaene-1,18-diyl)bis[2,6,6trimethyl-, (all-E)-; Food Orange 5; KPMK; Lucaratin; Lucarotin; Lucarotin 10CWD/O; Lucarotin 30SUN; Lurotin; NSC 62794; Provatene; Provatenol; Rovimix β-carotene; Serlabo; Solatene; all-E-βCarotene; all-trans-β-Carotene; β-Carotene

O ácido ascórbico ou vitamina C (C6H8O6, ascorbato, quando na forma ionizada) é uma molécula usada na hidroxilação de várias outras em reacções bioquímicas nas células. A sua principal função é a hidroxilação do colágeno, a proteína fibrilar que dá resistência aos ossos, dentes tendões e paredes dos vasos sanguíneos. Além disso, é um poderoso antioxidante, sendo usado para transformar os radicais livres de oxigênio em formas inertes. É também usado na síntese de algumas moléculas que servem como hormônios ou neurotransmissores. Em gêneros alimentícios é referido pelo número INS 300. - Nome IUPAC
- 3-oxo-L-gulofuranolactona (5R)-5-[(1S)-1,2-diidroxietil]-3,4-diidroxifurano-2(5H)-ona. Outros nomes Vitamina C Ácido L-xiloascórbico

Uma parte do oxigênio que respiramos se transforma em radicais livres, que estão ligados

9 a processos degenerativos como o câncer e o envelhecimento. Deve ser lembrado os radicais livres também tem um papel importante atuando no combate a inflamações, matando bactérias, e controlando o tônus dos "músculos lisos". Os antioxidantes protegem o organismo da ação danosa dos radicais livres. Alguns antioxidantes são produzidos por nosso próprio corpo e outros - como as vitaminas C, E e o beta-caroteno são ingeridos. O ácido ascórbico(Vitamina C) é um sólido cristalino de cor branca, inodoro, hidrossolúvel e pouco solúvel em solventes orgânicos. O ácido ascórbico presente em frutas e legumes é destruído por temperaturas altas por um período prolongado. Também, sofre oxidação irreversível, perdendo a sua atividade biológica, em alimentos frescos guardados por longos períodos. Aos valores de pH normalmente encontrados no meio intracelular, o ácido ascórbico encontra-se predominantemente na sua forma ionizada, o ascorbato. Uma das actividades mais importantes do ascorbato no organismo humano é na desidratação de resíduos de prolina no colagénio. O colagénio, uma proteína estrutural fundamental, necessita ter determinados resíduos de prolina na forma hidroxiprolina para manter uma estrutura tridimensional correcta. A hidroxilação é feita pela enzima prolil-4-hidroxilase; o ascorbato não intervém directamente nesta hidroxilação, pelo que é assumido que é necessário para reduzir o íon Fe3+ que participa na catálise enzimática (nesta, o íon passa do estado Fe2+ para Fe3+, sendo necessário o seu restabelecimento para novo ciclo catalítico). Em plantas, o ascorbato encontra-se em concentrações relativamente elevadas (2 a 25 mM) e actua na desintoxicação do peróxido de hidrogénio. A enzima ascorbato peroxidase catalisa a redução do peróxido de hidrogénio a água, usando o ascorbato como agente redutor. Também é precursor dos íons tartarato e oxalato. Tem os seguintes efeitos no organismo em doses moderadas: Favorece a formação dos dentes e ossos; Ajuda a resistir às doenças; Previne gripes, fraqueza muscular e infecções. Este ponto é disputado, havendo estudos que não mostram qualquer efeito de doses aumentadas. Contudo ajuda, sem dúvida, em doentes já com escorbuto. Ajuda o sistema imunológico e a respiração celular, estimula as glândulas supra-renais e protege os vasos sanguíneos. A vitamina C é importante para o funcionamento adequado das células brancas do sangue. É eficaz contra doenças infecciosas e um importante suplemento no caso de câncer. A carência desta vitamina provoca a avitaminose designada por escorbuto. É importante observar que a vitamina C (ácido ascórbico) é extremamente instável. Ela reage com o oxigênio do ar, com a luz e até mesmo com a água. Assim que é exposta têm-se início reações químicas que a destroem, daí o surgimento do gosto ruim no suco pronto. Estima-se que, em uma hora, quase que a

10 totalidade do conteúdo vitamínico já reagiu e desapareceu, por isso é importante consumir as frutas ou o suco fresco feito na hora, deste modo, temos certeza que o teor de vitaminas está garantido. No caso das frutas, deve-se levar em conta o estado das mesmas (cascas, cor e etc.), caso estejam 'feridas' pode ser que já se encontre em estado avançado de reação e não tenha o 'teor' vitamínico que se deseja.
Fontes alimentares Acerola 1 copo (250 ml) = 3.872 mg Limão (fresco) 100 ml = 46 mg Morangos 100 gramas = 57 mg Cantalupo 100 gramas= 26 mg Couve Camu-camu 100 gramas = 6.000 mg Mamão (ou papaia)100 gramas = 62 mg Melão Manga Toranja (pomelo) Ervilha Laranja 1 copo (250ml) = 124 mg Brócolis Kiwi 100 gramas= 98 mg[6] Pimentão (vermelho ou verde) Caju

Alimentos com maior poder antioxidante. Pesquisadores da U. S. Department of Agriculture nutrition center na Tufts University, em Boston, estão testando quais alimentos tem maior poder antioxidante. Para isto, Dr. Ronald Prior e seus colegas, mediram a capacidade de absorção de radicais livres dos alimentos. O problema é que os testes foram feitos com os alimentos comprimidos em tubos. Eles ainda não descobriram como testar o poder antioxidante no corpo humano. Os pesquisadores descobriram que os vegetais e frutas com maior poder antioxidante são os listados na tabela abaixo:
Pos. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Poder Antioxidante Vegetais Repolho Beterraba Pimenta vermelha Brócolis Espinafre Batata Milho . . Frutas Morango Ameixa Laranja Uva Maçã Tomate Banana Pêra Melão

ALIMENTOS QUE CONTÊM VITAMINA.
• • • •

Morangos (uma xícara, cortados) Mamão (uma xícara, cubos) Kiwi (um, médio) Laranja (uma, média)

• • • •

95mg 85 75 70

11
• • • • • • • • • • •

Suco de laranja (1/2 xícara) Cantalupo (1/4, médio) Manga (uma xícara, cortada) Grapefruit (1/2 de um médio) Suco de Grapefruit (1/2 xícara) Pimentão vermelho ou verde (1/2 xícara) Cru Cozido Brócolis (1/2 xícara, cozido) Couve (uma xícara, cozida) Couve-de-bruxelas (1/2 xícara, cozida) Ervilhas (1/2 xícara, cozidas) Frescas Congeladas Batata (uma média, assada)

• • • • • • • • • • •

50 60 45 40 35 65 50 60 55 50 40 20 25

Exercícios físicos produzem radicais livres? Dr. Kenneth Cooper, em seu livro "Revolução Antioxidante" (Editora Record, 1994), descreve duas maneiras pelas quais os radicais livres são produzidos durante exercícios físicos. A primeira está ligada aos exercícios exaustivos nos quais há um aumento de 10 a 20 vezes no consumo de oxigênio no corpo. O enorme bombeamento de oxigênio através dos tecidos desencadearia a liberação de radicais livres. Para se evitar isto, Cooper recomenda praticar os exercícios entre 65-80% da sua freqüência cardíaca máxima. A outra forma de produção de radicais livres durante os exercícios está ligada ao processo que é conhecido como isquemiareperfusão. Quando os exercícios físicos intensos são praticados, o fluxo sangüíneo é desviado dos órgãos não diretamente envolvidos para os músculos em atividade. Assim, uma parte do corpo irá passar por uma deficiência de oxigênio. Ao término do exercício há reperfusão, quando o sangue retorna aos órgãos que estiveram privados. Este processo foi associado à liberação de grandes quantidades de radicais livres. Verificamos então a importância do desaquecimento, ou volta à calma. Então atletas sofrem mais a ação dos radicais livres? Não necessariamente! É verdade que pesquisas detectaram que seções de exercícios provocam um aumento na ação dos radicais livres. Mas Edmund Burke, Ph.D., salienta, em sua coluna para o site da Endurox, alguns pontos importantes a se considerar nestas pesquisas. Primeiro é que a ação dos radicais livres aumenta apenas temporariamente voltando depois ao nível normal. Outro ponto importante, geralmente despercebido, é que em pessoas bem treinadas o aumento da ação dos radicais livres devido ao exercício é bem menor. Isto se deve ao fato de que atividade física regular aumenta os níveis de enzimas que destroem os radicais livres. Uma demonstração disto é o estudo realizado pela Universidade de Tubingen na Alemanha. Homens treinados e não treinados realizaram um teste de intensidade progressiva em esteira ergometrica até a exaustão. O dano ao DNA nas células brancas no sangue foi significativamente menor nos homens treinados. Deve-se lembrar que os treinados correram por mais tempo e por isso consumiram mais oxigênio (International Journal of Sport Medicine,

12
1996, 17 : 397-403). Os exercícios de baixo-moderada intensidade combatem os radicais livres? Sim. Segundo o Dr. Kenneth Cooper os exercícios entre 65-80% da sua freqüência cardíaca máxima tem importância fundamental no combate aos radicais livres. Sem eles as defesas internas de seu organismo contra os radicais livres ficam fragilizadas. Quantidade de vitaminas que devemos ingerir para combater os radicais livres. A maior parte dos médicos e nutricionistas segue as recomendações de quantidades diárias de vitaminas (RDA) do departamento de agricultura do governo americano (U. S. Department of Agriculture). Entretanto as superdoses de algumas vitaminas têm o aval de pesquisadores de renome como o cientista americano Linus Pauling, Prêmio Nobel de Química em 1954 (e da Paz oito anos mais tarde). Pauling se auto prescreveu 10 gramas diários de vitamina C, equivalentes a duzentos copos de suco de laranja. Já o Dr. Kenneth Cooper recomenda um coquetel antioxidante diário a base de vitaminas para combater a ação danosa dos radicais livres. O beta-caroteno é uma espécie de vitamina A desmontada que o corpo só monta quando tem necessidade. Senão, elimina suas sobras, o que não faz com a vitamina A que é altamente tóxica. Por isso, cuidado para não adquirir suplementos de vitamina A, mas sim de betacaroteno. Na verdade, é nebulosa a área entre o necessário à saúde e os excessos nocivos. Os adversários das megadoses argumentam que o corpo humano não precisava mais do que poucos miligramas de vitamina C por dia, sendo o excesso eliminado pela urina.O médico americano Stephen Lawson, diretor do Instituto Linus Pauling de Pesquisas, rebate dizendo que a vitamina C leva seis horas até ser eliminada, de modo que durante esse período ela fica ativa, circulando pelo sangue. Sendo assim a melhor estratégia ao se tomar suplemento de vitamina C é fracionar a ingestão em doses menores ao longo do dia. O Instituto Nacional do Saúde, nos Estados Unidos, revelou que o hábito de comer vegetais ricos em vitamina C diminui 13% o risco de enfartes. Se esse bom hábito for somado a comprimidos da mesma vitamina, a incidência despenca 37%. Não se sabe a dose extra-exata para se obter esse efeito preventivo. Mas a dúvida não apaga o fato: 37% menos chance de se morrer do coração. Com relação à vitamina E, Liz Applegate , nutricionista consultora da Runner's World, lembra que vários estudos já demonstraram que a ingestão diária de 400 UI protege os atletas dos danos oxidativos provocados pelo treinamento de longa distância. Como nutricionista ela adoraria afirmar que é possível obter 400 UI pela alimentação, mas reconhece que isto é muito difícil.

OBSERVAÇÃO: Tomar um comprimido de vitamina C por dia não protege a maioria das pessoas de resfriados comuns, de acordo com um estudo feito por cientistas na Austrália e na Finlândia. Uma análise de 30 pesquisas, envolvendo um total de 11.350 pessoas, também

13 concluiu que doses de pelo menos 200 miligramas por dia não tiveram grande eficácia em reduzir a duração ou gravidade de resfriados. Mas pessoas expostas a períodos de grande estresse, como corredores de maratona, podem reduzir o seu risco de pegar resfriados em 50% se tomarem vitamina C diariamente. O estudo foi publicado na última edição da revista científica Cochrane Library. Pesquisadores da Universidade Nacional Australiana e da Universidade de Helsinki concluiram que, para a maioria das pessoas, os benefícios de tomar vitamina C diariamente são tão poucos que não valem o esforço ou o gasto. Embora eles tenham descoberto que a vitamina C pode reduzir a duração de resfriados em até 8% em adultos e 13,6% em crianças, como a maioria das pessoas só tem dois ou três resfriados anualmente, este benefício é muito pequeno. Harri Hemilä, que participou do estudo, disse: "Não faz sentido tomar vitamina C 365 dias por ano para diminuir a chance de pegar um resfriado." Mas os cientistas dizem que isso pode se justificar no caso de pessoas expostas a frio excessivo ou estresse físico, onde doses de vitamina C reduziram pela metade o risco de se pegar resfriado. Além disso, afirmam que há evidências sugestivas de um estudo de que doses muito grandes de vitamina C tomadas no começo de um resfriado podem ter um efeito positivo. Mas mais pesquisas serão necessárias para avaliar esta possibilidade. Em 1970, o químico Linus Pauling, que recebeu o prêmio Nobel, encorajou as pessoas a tomarem mil miligramas de vitamina C diariamente para afastar a possibilidade de resfriados. Mas desde então os efeitos da vitamina em resfriados causam polêmica. Infecção. A atual dose diária recomendada de vitamina C é de apenas 60 miligramas, e Catherine Collins, uma nutricionista da Associação Dietética Britânica, disse que a dose ideal é de 200 miligramas por dia. Mas ela disse que a maioria das pessoas pode facilmente obter essa quantidade da vitamina dos alimentos, comendo cinco porções de frutas e verduras todos os dias. Além disso, vitamina C em excesso não é absorvida e, portanto, é eliminada pelo organismo. Embora os glóbulos brancos do organismo, que combatem infecções, utilizem vitamina C, Collins disse que há poucas evidências que sugerem que ela possa ajudar a impedir resfriados. "Parece biologicamente plausível, porque a vitamina C ajuda a melhorar o sistema imunológico, mas ela só parece funcionar em pessoas com deficiência (da vitamina C), o que é muito raro", afirmou. Mas ela acrescentou que o estudo é útil para um melhor conhecimento da vitamina C. http://www.studyadelaide.com/

14

c) facilitar a absorção de cálcio e fósforo na formação óssea.

CALCIFEROL. A vitamina D (ou calciferol) é uma vitamina que promove a absorção de cálcio (após a exposição à luz solar), essencial para o desenvolvimento normal dos ossos e dentes, atua também, como recentemente descoberto, no sistema imunológico, no coração, no cérebro e na secreção de insulina pelo pâncreas. É uma vitamina lipossolúvel obtida a partir do colesterol como precursor metabólico através da luz do sol, e de fontes dietéticas. Funcionalmente, a vitamina D atua como um hormônio que mantém as concentrações de cálcio e fósforo no sangue através do aumento ou diminuição da absorção desses minerais no intestino delgado. A vitamina D também regula o metabolismo ósseo e a deposição de cálcio nos ossos. O nome da vitamina foi criada pelo bioquímico polonês Casimir Funk em 1912, baseado na palavra em latim vita (vida) e no sufixo -amina. Foi usado inicialmente para descrever estas substâncias do grupo funcional amina, pois naquele tempo pensava-se que todas as vitaminas eram aminas. Apesar do erro, o nome manteve-se. A vitamina D também é muito importante para crianças, gestantes e mães que amamentam, por favorecer o crescimento e permitir a fixação de cálcio nos ossos e dentes. Além da importância na manutenção dos níveis do cálcio no sangue e na saúde dos ossos, a vitamina D tem um papel muito importante na maioria das funções metabólicas e também nas funções musculares, cardíacas e neurológicas. A deficiência da vitamina D pode precipitar e aumentar a osteoporose em adultos e causar raquitismo, uma avitaminose, em crianças.

d) Proteção dos tecidos epiteliais e visão. Retinol. Aaxeroftol. Nome IUPAC - (2E,4E,6E,8E)-3,7-Dimethyl- 9-(2,6,6-trimethylcyclohex-1-enyl)nona2,4,6,8-tetraen-1-ol.

15 Principais fontes na natureza - A vitamina A, uma vitamina lipossolúvel, ocorre sob duas formas principais na natureza – o retinol, o qual se encontra apenas em fontes animais e certos carotenóides (provitaminas), as quais se encontram apenas em fontes vegetais. Os carotenóides são os compostos que dão a vários frutos e vegetais a sua cor amarela ou laranja. O carotenóide mais abundante e mais conhecido é o beta-caroteno. O betacaroteno é um precursor da vitamina A ou “provitamina A”, porque a sua atividade como vitamina A ocorre apenas após a sua conversão para retinol no interior do corpo. Uma molécula de beta-caroteno pode ser clivada por uma enzima intestinal específica em duas moléculas de vitamina A. Os alimentos ricos em beta-caroteno incluem as cenouras, os vegetais de folhas verde-escuras, e amarelas (p.e. espinafres e bróculos), abóboras, alperces e melões. A vitamina A pré-formada ou retinol, pode ser encontrada no fígado, gema de FRUTA NÃO CONHECIDA COM POPULARIDADE NO BRASIL.. Os alperces são frutos pequenos, de cor laranja dourada, com pele e tegumento aveludados: não muito sumarento, mas marcadamente suave e doce. O seu sabor é quase almiscarado, com uma leve acidez que é mais pronunciada quando o fruto está seco. Há quem ache que o sabor se encontra algures entre o do pêssego e o da ameixa, frutos dos quais são próximos. Os alperces são cheios de beta-caroteno e fibra, dão-nos os primeiros sinais da chegada do Verão e são abundantes em vários nutrientes, em particular em vitamina C e vitamina A. 35 GRS / 16.80 CALORIAS NUTRIENTES VITAMINA A VITAMINA C FIBRAS TRIPTOFANOS POTÁSSIO QUANT. 914.20 IU 3.50 MG 0.84 G 0.01 G 103.60 MG DDR ( %) 18.3 5.8 3.4 3.1 3.0 DENSIDADE DO NUTRIENTE 19.6 6.3 3.6 3.3 3.2 CLASS. EXCELENTE MUITO BOM BOM BOM BOM

Benefícios para a Saúde:

16 ● Dietas de Emagrecimento ● Doenças dos Olhos ● Anemia Ferropénica ● Lesões da Pele e Mucosas ● Afecções Nervosas (astenia; depressão; inapetência, etc.) ● Afecções Digestivas. Estabilidade. A vitamina A é sensível à oxidação pelo ar. A perda de atividade é acelerada pelo calor e pela exposição à luz. A oxidação das gorduras e dos óleos (p.ex. manteiga, margarina, óleos de cozinha) pode destruir as vitaminas lipossolúveis, incluindo a vitamina A. A presença de antioxidantes, tais como a vitamina E contribui para a proteção da vitamina A. O beta-caroteno é uma das vitaminas mais estáveis em vegetais. Têm sido documentadas perdas pela cozedura de 25%, mas apenas após fervura por um período comparativamente longo. Principais Iterações. O estado da vitamina A pode ser influenciado por vários fatores, incluindo os seguintes: Doenças e infecções, especialmente o sarampo, comprometem o estado da vitamina A e, reciprocamente, um estado de pobreza em vitamina A diminui a resistência às doenças. A ingestão crônica e em excesso de álcool pode comprometer o armazenamento da vitamina A no fígado. Uma deficiência aguda de proteínas interfere com o metabolismo da vitamina A e, ao mesmo tempo, baixas quantidades de gordura na dieta interferem com a absorção tanto de vitamina A como de carotenóides. As alterações no metabolismo do ferro ocorrem associadas à deficiência em vitamina A, resultando, por vezes, em anemia. A vitamina E protege a vitamina A da oxidação; deste modo um estado adequado de vitamina E protege o estado da vitamina A. Funções. A vitamina A é essencial para a visão, para um crescimento adequado e para a diferenciação dos tecidos. Visão. Os bastonetes, as células visuais receptoras de luz na retina do olho permitem-nos

17 distinguir entre a luz e a escuridão. Estas células contêm um pigmento sensível à luz chamado púrpura visual (rodopsina), o qual é um complexo da proteína opsina e da vitamina A. Quando um bastonete é exposto à luz, a púrpura visual desintegra-se, libertando cargas elétricas para o cérebro. Estes estímulos são depois traduzidos numa imagem compostos a qual nós “vemos”. Ao mesmo tempo, é formada nova rodopsina nas células visuais a partir da opsina e da vitamina A. Crescimento. A vitamina A tem um papel importante no crescimento normal e no desenvolvimento, bem distinto do seu papel na manutenção da visão. Um dos primeiros sinais de deficiência de vitamina A nos animais é a perda de apetite, acompanhado por um retardamento do crescimento. Dose Diária Recomendada (DDR). Os seres humanos baseiam-se na dieta alimentar para cobrir as suas necessidades de vitamina A. A Dose Diária Recomendada para os adultos nos EUA é 1000 RE (5000 IU) para os homens e 800 RE (4000 IU) para as mulheres. Durante a gravidez e a amamentação, são recomendadas 200 RE e 400 RE adicionais por dia, respectivamente. Os bebés e crianças, devido ao seu menor tamanho corporal, têm uma DDR inferior à dos adultos. Deficiência. Um dos sintomas iniciais de deficiência em vitamina A é a cegueira noturna, ou uma capacidade diminuída para ver na penumbra. A deficiência grave produz cegueira parcial ou total, uma doença chamada xeroftalmia. O surgimento de lesões na pele (hiperqueratose folicular) tem também sido utilizado como um indicador inicial de um estado inadequado de vitamina A. A deficiência em vitamina A é de longe a mais generalizada e a mais grave nas crianças, especialmente nos países pobres. É a principal causa de cegueira na infância e, combinada com outros fatores, tais como uma mal nutrição protéico calórica e a crescente ocorrência de infecções, é associada a elevadas taxas de mortalidade infantil. Nas crianças com xeroftalmia são comuns os problemas associados, tais como crescimento subdesenvolvido, doenças respiratórias, doenças parasitárias e infecciosas. As doenças podem elas próprias induzir a deficiência de vitamina A, mais especificamente as doenças hepáticas e gastrointestinais, as quais interferem com a absorção e utilização da vitamina A. Acredita-se atualmente que uma

18 estado de carência da vitamina A pode estar também associado ao desenvolvimento do cancro, embora não sejam ainda conhecidos os mecanismos exato. Utilização Terapêutica. São distribuídas doses terapêuticas de vitamina A em zonas mundiais específicas, de modo a prevenir a xeroftalmia e tratar aqueles nos quais já tenham surgido os estágios iniciais de cegueira. Dado que a vitamina A pode ser armazenada no fígado, é possível construir uma reserva nas crianças através da administração de doses de elevada potência. A dose terapêutica standard utilizada atualmente para as crianças é de 200.000 IU administradas oralmente em líquido ou em cápsulas, duas a três vezes por ano. A cápsula contém também 40 IU de vitamina E, para facilitar à absorção de vitamina A. A administração de 400.000 IU de vitamina A a crianças com complicações decorrentes do sarampo, mas sem sinais claros de deficiência em vitamina A, diminuiu a mortalidade em cerca de 50% e reduziu significativamente a morbidade. O intervalo de idades da população alvo para os programas de intervenção de vitamina A é normalmente entre o nascimento e os sete anos de idade. A xeroftalmia é habitualmente uma doença infantil de crianças entre os seis meses e os três anos. Em programas de distribuição periódica regulares, é dada uma seqüência de meia dose de 100.000 IU a crianças entre os seis meses e um ano de idade. Descobriu-se que uma única dose de 200.000 IU dada às mães imediatamente após o parto aumenta o conteúdo de vitamina A no leite materno. Quando consideramos a terapia de vitamina A em mulheres a amamentar, é necessária precaução dado que pode ser colocada em risco uma gravidez co-existente. Durante a gravidez não deve ser excedida uma dose diária de 10.000 IU de vitamina A. Segurança Dado que a vitamina A (enquanto retinol) é armazenada no fígado, quantidades elevada tomadas durante um longo período de tempo podem eventualmente exceder a capacidade de armazenamento do fígado, passar para o sangue e provocar efeitos adversos. Existe assim uma preocupação relativa à segurança de ingestão de elevadas de doses de vitamina A pré-formada (retinol), especialmente em bebês, crianças e em mulheres em idade fértil. A experiência de campo no que se refere aos programas de intervenção em nutrição em países onde a deficiência de vitamina A é prevalente, indica que doses únicas orais de 200.000 IU em crianças e 400.000 – 500.000 IU em adultos são seguras. No entanto, deve ser recordado que estas são doses profiláticas, dadas em níveis bastante elevados de modo a preencher reservas físicas devem ser diminuídas durante pelo menos a cada seis meses.

19 Em pessoas bem nutridas, a toxicidade da vitamina A pode ocorrer de forma aguda no seguimento de doses muito elevadas (superiores a 500.000 IU) tomadas durante um período de alguns dias, ou como estadas crônico no seguimento de doses elevadas (50.000 IU) tomadas durante um longo período de tempo. Geralmente tomas de até 10 vezes a DDR são consideradas seguras. Os níveis atuais de vitamina A em alimentos fortificados são baseados nos níveis da DDR, assegurando que não existe possibilidade razoável de sobre ou super dosagem de vitamina A na população. Na esmagadora maioria dos casos, os sinais e os sintomas de toxicidade são reversíveis após a cessação da ingestão de vitamina A. O beta-caroteno é considerado uma forma segura de vitamina A, dado que é convertida pelo corpo apenas à medida que é necessária. O beta-caroteno apresenta uma absorção pobre a partir do trato gastrointestinal e a sua conversão em retinol torna-se progressivamente menos eficiente à medida que o estado da vitamina A melhora. Ingestões elevadas (superiores a 30mg/dia) de beta-caroteno podem, no entanto resultar numa coloração amarelo-alaranjada da pele (hipercarotenemia), a qual é reversível após a cessação da ingestão do beta-caroteno. Suplementos. A vitamina A está disponível em cápsulas de gelatina mole, comprimidos mastigáveis ou efervescentes ou em ampolas. Está também incluída na maioria dos multivitamínicos. História. Embora se saiba, desde os tempos do antigo Egito que certos alimentos curavam a cegueira noturna, a vitamina A em si mesma só foi identificada em 1913. A sua estrutura química foi definida por Paul Karrer em 1931. O professor Karrer recebeu um Prêmio Nobel pelo seu trabalho, dado que esta foi a primeira vez que era determinada a estrutura de uma vitamina.
1831 Wackenroder isola o corante amarelo-laranja das cenouras e dálhe o nome de “caroteno”. 1876 Snell consegue demonstrar que a cegueira nocturna e a xeroftalmia podem ser curadas dando ao paciente óleo de fígado de bacalhau. 1880 W. N. Lunin descobre que para além de necessitar de hidratos de carbono, gorduras e proteínas, os animais sob experiência apenas podem sobreviver se lhes forem dadas pequenas de quantidades de leite em pó.

20
1887 Arnaud descreve a presença generalizada de carotenos nas plantas. 1909 W. Stepp consegue extrair a substância lipossolúvel vital a partir do leite. 1915 McCollum diferencia entre “lipossolúvel A” e “hidrossolúvel B”. 1929 A atividade do beta-caroteno como vitamina A é demonstrada em experiências com animais. 1931 Paul Karrer isola retinol praticamente puro do óleo de fígado de uma espécie de sarda. Paul Karrer e R. Kuhn isolam carotenos activos. 1946 Isler inicia a primeira síntese industrial em larga escala da vitamina A. 1984 Alfred Sommer demonstra na Indonésia que a deficiência em vitamina A é a maior causa de mortalidade infantil.

Alimentos ricos em Vitamina A.
• • • • • • • • • • • • • • • • •

Fígado. Manteiga. Leite. Gema de ovos. Sardinha. Queijos gordurosos. Óleo de fígado de bacalhau. Abacate. Acelga. Caju. Pêssego. Mamão. Escarola. Melão. Cenoura. Brócolis. Batata-doce.

21
• • • • •

Couve. Espinafre. Abóbora. Manga. Tucumã (Amazônia).

Os beta-carotenos (pró-vitamina A) são lipossolúveis, portanto a absorção de vitamina A é melhorada se estes alimentos forem ingeridos juntamente com gorduras (como óleos vegetais). O cozimento por alguns minutos, até que as paredes das células se rompam e liberem cor também aumentam a absorção.

4. Identifique as vitaminas cuja deficiência causa as seguintes doenças:

a) queda de imunidade, fraqueza capilar e sangramento gengival.

IMUNIDADE. Uma alimentação saudável e balanceada promove o bom funcionamento do sistema imunológico, reforçando as defesas próprias do organismo contra vários tipos de doenças. A nutrição como ferramenta para modular um estado ideal de imunidade tem se tornado um fato real não apenas em estados patológicos de imunodepressores, como também para a manutenção de estados saudáveis em pessoas sem comprometimento do seu sistema imune. Convém enfatizar que a relação nutrição-imunidade é extremamente dinâmica: tanto uma "overdose" de nutrientes quanto as deficiências podem levar a conseqüências negativas. Esta dinâmica também se observa na direcionalidade da relação, pois estados infecciosos decorrentes de uma deficiência da imunidade podem ocasionar má nutrição. A nutrição é muito importante no processo da resposta imune e infecção. Quando um organismo está com seu estado nutricional deficiente, acaba ficando mais suscetível a adquirir infecções e a resposta imunológica acaba comprometida. A falta de alguns nutrientes como as vitaminas A,E e C, ferro, zinco entre outros, comprometem as reações que fazem parte da resposta imune. Para catalisar e potencializar o sistema imunológico é preciso controlar o consumo de gorduras, açúcares, alimentos processados e refrigerantes, que prejudicam o bom funcionamento do sistema imunológico. E ingerir freqüentemente

22 alimentos variados (grãos, hortaliças frescas, frutas, nozes, sementes) para conseguir ingerir vitaminas, minerais e enzimas diferentes. Veja com alguns alimentos que agem diretamente no sistema imunológico. Vitamina C: aumenta a produção das células de defesa, que tem efeito direto sobre bactérias e vírus, elevando a resistência a infecções. Vitamina E: Parte do sistema de defesa do corpo interage com as vitaminas A e C e com o mineral selênio, agindo como antioxidante e retardando o envelhecimento. Vitamina A: Tem ação antiinflamatória. Vitamina B6: Excelente para aumentar a imunidade geral do organismo. Tem ação protetora contra o câncer, ajuda a controlar alguns tipos de diabetes e tem sido muito usada para aliviar sintomas da tensão pré-menstrual. Selênio (Se): Antioxidante, imunoestimulante, desintoxicante e antiinflamatório. Zinco (Zn): Atua na reparação dos tecidos e na cicatrização de ferimentos. O processo infeccioso pode levar à desnutrição ou deficiência de macro ou micronutrientes, pois a infecção tem alguns efeitos sobre o metabolismo, tais como: Algumas infecções intestinais podem diminuir a absorção e a biodisponibilidade de nutrientes. A febre aumenta a necessidade calórica do organismo (para cada grau, 7% do valor calórico diário). Infecções crônicas consomem as reservas energéticas que estão no fígado e tecido adiposo. A maioria das infecções altera o metabolismo de carboidratos, lipídeos e proteínas, o balanço eletrolítico e os níveis de micronutrientes. As alterações hormonais (principalmente corticosteróides) interferem no metabolismo de nutrientes. Alguns alimentos são importantíssimos para aumentar a imunidade do organismo, como o iogurte. Estudos científicos mostraram que os lactobacilos presentes no iogurte recuperam a flora intestinal e fortalecem o sistema imunológico. A noz moscada e a páprica têm ação antiinflamatória. E o suco de agrião com laranja é rico em zinco, ferro e vitamina C. O cogumelo shitake tem uma substância chamada lentinan que tende a estimular a produção das células de defesa do organismo. O alho (preferencialmente assado) ajuda a prevenir o câncer e as doenças cardíacas. E o gengibre fortalece o sistema de defesa do organismo. O ideal é consumi-lo antes das refeições para ajudar no processo digestivo. Só não é recomendando para gestantes por causar contrações uterinas. E a banana é uma campeã na promoção da saúde. Por conter muito ferro, ela estimula a produção de hemoglobulina no sangue e é de grande auxílio em casos de anemia. Usada na dieta diária contra desordens intestinais, é a única fruta crua que pode ser comida sem desgaste em casos de úlcera crônica. Também neutraliza a acidez e reduz a irritação, protegendo as paredes do estômago. Ela é indicada para pessoas

23 que estão deixando o cigarro, por conter elevados níveis de vitaminas C, A1, B6 e B12, além de potássio e magnésio, ajudando o corpo a se recuperar dos efeitos da retirada da nicotina. De acordo com recente pesquisa realizada pela MIND (The National Association for Mental Health), no Reino Unido, entre pessoas que sofrem de depressão, muitas se sentiram melhor após uma dieta rica em banana. Ela contém Triptofano, um tipo de proteína que o organismo converte em serotonina, reconhecida por relaxar, melhorar o humor e, de modo geral, aumentar a sensação de bem estar. Os brócolis ajudam na prevenção de câncer em geral e aumento da imunidade em todas as idades e a soja na regulação hormonal, diminuindo casos de câncer, aumento da imunidade, além de auxiliar no tratamento de colesterol e triglicérides altos. Assim, podemos concluir que uma alimentação balanceada promove o bom funcionamento do sistema imunológico, reforçando as defesas próprias contra as mais variadas doenças, promovendo benefícios à saúde e à qualidade de vida. FRAQUEZA CAPILAR. Isso é possível porque a pele que recobre a cabeça é diferente da do resto do corpo: além de fina e repleta de folículos pilosos, ela não tem uma camada protetora de gordura, colágeno e elastina. "Como é uma área bastante vascularizada, tudo o que for aplicado ali entra na circulação sangüínea e chega à raiz do cabelo, alimentando-o", explica a engenheira química e cosmetóloga Sônia Corazza, de São Paulo. "Os cosméticos modernos têm múltiplas funções: ajudam na regeneração do fio, aumentam a retenção de água, melhoram a irrigação sangüínea e a oxigenação celular no couro cabeludo." Bons produtos são os que contêm vitaminas, sais minerais e fitoativos necessários. Quando o cabelo cai... Qual o papel da cabeleira?" Se imaginarmos o corpo como uma máquina inteligente, o cabelo não tem função, já que não faz parte de nenhum processo fisiológico. Assim, toda vez que o organismo precisar de um nutriente e este estiver em falta, ou em pequena quantidade, os fios vão sofrer as conseqüências", explica Valcinir Bedin, especialista em Nutrologia pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Presidente da Sociedade Brasileira para Estudos do Cabelo (SBEC). Recentemente, os cientistas fizeram duas descobertas sobre a queda. A primeira é que o ferro é muito importante no crescimento do cabelo e que as mulheres precisam ter uma reserva maior do que os homens para que esse mineral vá parar nos fios. "A mulher pode ter um nível de ferro adequado para evitar a anemia, mas insuficiente para alimentar a raiz do cabelo. Daí a queda ou a interrupção do crescimento", explica o dermatologista. Por isso, é importante

24 que o médico faça uma avaliação e solicite exames detalhados antes de determinar a causa e o melhor tratamento. Outro dado importante é em relação ao ácido fólico e aos folatos, utilizados com freqüência no tratamento da queda. Descobriu-se que, em doses maiores do que as necessárias, esses elementos impedem que outros nutrientes entrem na raiz do cabelo, obstruindo o seu crescimento em vez de estimulá-lo. Portanto, exagerar nos suplementos está fora de questão. Ácido Fólico (folatos): É essencial para deixar o organismo mais resistente à doenças (age como um fortificante natural) e ainda atua como um potencializado do alto astral. Onde encontrar: abóbora, amendoim, farelo de trigo, feijão preto, fígado, grão de bico, lentilha, nozes, ovos, suco de laranja, banana, pepino, repolho verde cozido, espinafre, agrião, brócolis, escarola crua, couve refogada e outras folhas verdes em geral. Ferro: Importante na produção de glóbulos vermelhos, responsáveis pela circulação de oxigênio no sangue. Sua falta causa desânimo, queda de cabelo e fraqueza, de acordo com um alerta feito no último Congresso Brasileiro de Nutrição. Onde encontrar: amêndoa, canela, carnes vermelhas em geral, castanha de caju, feijão preto, fígado, ovos, rúcula, soja. Vitamina A e carotenóides. Interrompem a degeneração das células capilares causada pela oxidação; controlam a produção sebácea, reduzindo a oleosidade excessiva do couro cabeludo; melhoram a elasticidade do fio e regulam a multiplicação celular. Onde encontrar: fígado, ovos, leites integrais e derivados, manteiga, algas, frutas e vegetais amarelos, laranjas e verdeescuros, como batata-doce, espinafre, brócolis, abóbora, pêssego, damasco, manga, melão, papaia, cenoura, couve, salsa, cebolinha e espinafre. Pró-vitamina B5 (pantenol ou ácido pantotênico). Quando aplicada topicamente, penetra rapidamente na raiz e no corpo do cabelo. Através da técnica de microscopia eletrônica, mediu-se o seu efeito e verificou-se que encorpa o fio em até 10% do seu diâmetro normal. O tratamento com pantenol também reduz a queda de cabelo e acelera o seu crescimento. Onde encontrar : miúdos, gema de ovo, levedo de cerveja, leguminosas, salmão, grãos integrais, germe de trigo. Vitamina E. Ação anti-radicais livres; previne danos celulares decorrentes da UV e do envelhecimento; melhora a micro circulação do couro cabeludo; protege de gorduras oxidáveis. Onde encontrar: óleos vegetais prensados a frio (azeite, por exemplo), ovos, germe de trigo, miúdos, vegetais folhosos, abacate, manteiga.

25 Vitamina F (ácidos graxos essenciais). A sua carência causa a desorganização no processo de queratinização do couro cabeludo, propiciando o aparecimento da caspa e deixando o fio mais fino e frágil. Onde encontrar: óleos vegetais, sementes oleaginosas, semente de linhaça, peixes gordos, como salmão, cavala, atum e sardinha. Vitamina H (biotina). Vitamina hidrossolúvel faz parte da família do complexo B. É um nutriente essencial para o crescimento das células, sua carência altera o ciclo capilar, aumentando o tempo de queda. Onde encontrar: gema de ovo, fígado, arroz integral, levedo de cerveja, leguminosas, sardinhas, grãos integrais. Fotoativos. Ricos em ácido oléico, linoléico e fonte protéica. Emolientes, restauram a emulsão protetora do fio, garantindo sua penteabilidade e a homogeneidade. Fitoativos. Ricos em ácido oléico, linoléico e fonte protéica. Emolientes, restauram a emulsão protetora do fio, garantindo sua penteabilidade e a homogeneidade. Principais características: Ricos em flavonóides, carotenóides, ácidos graxos essenciais, minerais e vitaminas - com ação antioxidante, nutritiva e regeneradora. Onde encontrar: óleo de pêssego, óleo de amêndoas, extrato de oliva, extrato de grapefruit; extrato de folha de uva. Minerais Eles ajudam a agrupar, construir e aproveitar melhor as proteínas, responsáveis pela formação e preenchimento da estrutura do fio. Sua falta deixa o cabelo mais fino e frágil. por isso, a remineralização da fibra capilar é essencial para deixar as madeixas mais bonitas .Sódio Também ajuda no equilíbrio da água no fio de cabelo. Onde encontrar: frutos do mar, sal, shoyo, aipo, tomate, alimentos processados. Magnésio. Gera energia na célula e é vital para a renovação celular. Onde encontrar: frutos do mar, grãos integrais, vegetais verde-escuros, melado de cana, sementes oleaginosas, abacate, melão, abacaxi, banana.

26 Enxofre. Mineral essencial para a formação de queratina, a proteína que estrutura e encorpa o cabelo. Onde encontrar: pimentão vermelho, alho, cebola, ovos, peixe, carne, repolho, couve de bruxelas, raiz forte.

SANGRAMENTO GENGIVAL. A gengiva saudável não sangra espontaneamente e nem durante a escovação ou alimentação. Quando a higiene bucal não é realizada de forma adequada há acúmulo de placa bacteriana na superfície dentária que pode resultar no aparecimento das doenças periodontais conhecidas como gengivite e periodontite. É importante salientar também que a infecção presente na cavidade bucal é considerada fator de risco para várias alterações sistêmicas. Entre elas doenças cardiovasculares, diabetes, doenças pulmonares além de risco de parto prematuro visto que a infecção bucal pode migrar para outras partes do organismo através da porção da gengiva que se encontra em contato com o dente que é chamado de bolsa periodontal. Desse modo, devemos sempre lembrar que a boca é a porta de entrada do nosso organismo e a prevenção e o correto tratamento da doença periodontal são fundamentais não apenas para adequada saúde bucal, mas também para um corpo todo saudável! A vitamina K é o nome genérico para diversas substâncias necessárias à coagulação normal do sangue. A principal forma é a vitamina K1 (filoiquinona ou fitomenadiona), encontrada em plantas, principalmente em folhagens verdes. A vitamina K2 (menaquinona) é formada como resultado da ação bacteriana no trato intestinal. A vitamina K3 (menadiona), composto lipossolúvel sintético, é cerca de duas vezes mais potente biologicamente que as vitaminas K1 e K2. A deficiência de vitamina K não é muito comum, pois a vitamina é bastante distribuída nos alimentos e a síntese da mesma pelos microorganismos do intestino fornece grandes quantidades da substância. Está associada com má absorção de lipídeos ou destruição da flora intestinal por uma terapia antibiótica contínua. Mas em relaçao ao que vc falou sobre os vegetarianos: os vegetarianos nao só ingerem alimentos de origem animal, comem derivados de leite, de fribras, como por exemplo leite de soja, pão, iogurt. O que pode acontecer é o excesso dessa vitamina que pode causar: Dispnéia, rubor, dores no tórax (na injeção intravenosa de vitamina K1). Hiperbilirrubinemia em recém-nascidos (cujas mães

27 foram tratadas com vitamina K3).

b) dificuldade de coordenação motora; Colina é um catião orgânico, um nutriente essencial que faz parte do complexo B de vitaminas. Este catião, o (2-Hidroxietil)-trimetilamônio, sais quaternários de amônio como o cloreto de colina. Trata-se de uma amina natural encontrada nos lipídios presentes na membrana celular e no neurotransmissor acetilcolina. A ingestão diária recomendada está entre 425-550mg para adultos. É de grande importância durante a gravidez para a formação do tecido cerebral. As fontes são gema do ovo, feijão, soja e semelhantes, lecitina de soja e outros(61) (62). Alimentação cerebral. Por tudo até aqui dissertado já é ciente que uma dieta equilibrada para a saúde, seja para manter uma pele bonita e jovem, seja para o bem do coração, ou para buscar uma vida longa. Mas você tem idéia do impacto que sua alimentação tem sobre o seu cérebro? Para começar do básico: considere que tudo o que compõe o seu cérebro vem da sua alimentação: proteínas, carboidratos, as gorduras que constituem a membrana das células e da bainha de mielina, os sais minerais que participam do equilíbrio elétrico das células e dos sinais nervosos, as vitaminas que mantêm as células vivas. Para manter o cérebro (e o resto do corpo) saudável, é preciso, portanto ter uma alimentação saudável: diversificada e equilibrada. Pesquisas recentes têm demonstrado os efeitos (positivos e negativos) de substâncias presentes nos alimentos sobre o sistema nervoso. Os dados a seguir mostram o papel conhecido de algumas dessas substâncias no organismo, as conseqüências da sua deficiência, e os efeitos da suplementação. Lembre, contudo, que suplementação não é necessariamente sinônimo de benefícios: o importante é ter quantidades adequadas de nutrientes disponíveis para o corpo. Para você ter uma idéia, o ferro, disponível em vários suplementos, precisa ser regulado cuidadosamente pelo organismo: se a deficiência causa anemia profunda, o excesso pode até levar à morte, se o corpo não conseguir eliminá-lo. Como você vê grandes quantidades de uma coisa boa podem ser mais danosas até do que sua deficiência. Quem mantém uma dieta balanceada e diversificada já ingere as quantidades necessárias dos nutrientes importantes para um funcionamento saudável de corpo e cérebro. Os dados apresentados a seguir não devem ser utilizados como base para

28 a montagem de uma dieta sem orientação de um nutricionista. Se você quer tratar bem do seu cérebro, preocupe-se em ter uma alimentação balanceada, praticar exercícios regularmente - e, sobretudo, em usar o seu cérebro! Ômega-3 Fontes: Peixes (sobretudo salmão), krill, sementes de linhaça, kiwi, sálvia, nozes, nozbranca americana. Função: Manutenção das funções sinápticas e plasticidade em roedores. É componente estrutural das membranas celulares e da mielina. Deficiência: Em roedores, causa problemas de memória e aprendizado. Em humanos, a deficiência em ômega-3 parece estar associada a um aumento do risco de vários distúrbios mentais, incluindo distúrbio de déficit de atenção, dislexia, demência, depressão, transtorno bipolar e esquizofrenia. Suplementação: Eleva níveis de BDNF no hipocampo e melhora funções cognitivas em roedores com trauma encefálico. Alguns estudos mostraram que a suplementação com ômega-3 está associada a uma redução de déficits cognitivos (em leitura, em soletração, etc) em crianças afetadas por distúrbio de desenvolvimento de coordenação. Curcumina. Fontes: Açafrão da terra, Cúrcuma ou Turmérico (curry). Atuação: Tem efeitos inibitórios sobre enzimas metabólicas. A curcumina contém uma mistura de antioxidantes fitonutrientes fortes, conhecidos como os curcuminóides, que tem sido descritos como tendo propriedades anti inflamatórias. Suplementação: Diminuição de déficit cognitivo em modelos animais de Doença de Alzheimer e em roedores com trauma encefálico. Flavonóides. Fontes: Cacau, chá verde, ginseng, frutas cítricas, vinho (especialmente tinto), chocolate amargo.

29 Função: Antioxidantes, com um papel fundamental na proteção contra agentes oxidantes. Suplementação: Aumento cognitivo em combinação com exercícios, em roedores. Melhora das funções cognitivas em idosos. Gorduras Saturadas. Fontes: Manteiga, ghee, sebo, toucinho, óleo de côco, óleo de semente de algodão, laticínios, carne, óleo de semente de palmeira. Função: As gorduras de origem vegetal e animal propiciam uma fonte concentrada de energia. Elas também fornecem os lipídios formadores das membranas das células, além de uma variedade de hormônios e substâncias assemelhadas, e auxiliam na absorção das vitaminas A, D, E, e K. As gorduras da dieta alimentar são necessárias para converter caroteno em vitamina A, para absorção de minerais e para uma gama de outros processos. Porém, as gorduras saturadas são as principais responsáveis pela aterosclerose. Eleva o nível de produção de LDL, o que gera placas de ateroma e aumenta as chances de acontecer ataque cardíaco e derrame cerebral. Suplementação: Associada ao déficit cognitivo em roedores adultos. Danos cognitivos agravados após trauma encefálico, em roedores. Exacerbação do déficit cognitivo em idosos. Efeitos colaterais da suplementação: Dietas ricas em gorduras saturadas aumentam o risco de disfunções neurológicas tanto em humanos como em animais, além de diminuir a plasticidade sináptica no hipocampo. Vitaminas do complexo B. Fontes: Várias fontes naturais. Vitamina B12 não está disponível em produtos derivados de plantas. Função: O complexo B é um conjunto de oito vitaminas hidrossolúveis com importante ação no metabolismo celular. Deficiência: Folato: pode levar a distúrbios neurológicos como depressão e danos cognitivos.

30 Suplementação: Folato: por si só, ou juntamente com outras vitaminas do complexo B, é eficaz na prevenção de déficit cognitivo e demência durante o envelhecimento, além de potencializar os efeitos dos antidepressivos. Vitamina B12 melhora danos cognitivos em ratos alimentados com dieta deficiente em colina. Suplementação com vitamina B6, B12 ou folato tem efeitos positivos na memória em mulheres de várias idades. Efeitos colaterais da suplementação: Folato: anemia, baixa função imunológica e câncer. Vitamina D. Fontes: Fígado de peixe, peixes gordurosos, cogumelos, produtos fortificados, leite, leite de soja, cereais em grãos. Funções: É uma vitamina lipossolúvel obtida a partir do colesterol (seu precursor metabólico) através da luz do sol, e de fontes dietéticas. Funcionalmente, a vitamina D atua como um hormônio que mantém as concentrações de cálcio e fósforo no sangue através do aumento ou diminuição da absorção desses minerais no intestino delgado. Deficiência: A carência de vitamina D provoca, nas crianças, o raquitismo e nos adultos a osteomalácia (amolecimento dos ossos). Nos idosos leva à osteoporose. Suplementação: Importante na preservação da cognição em idosos. Efeitos colaterais da suplementação: O consumo de altas doses (10 vezes o valor diário recomendado) por vários meses pode causar toxicidade, resultando em nível alto de cálcio no sangue. Pode ocorrer depósito de cálcio pelo organismo, principalmente no rim. Vitamina E. Fontes: Aspargos, abacate, nozes, amendoim, azeitonas, óleo de palmeira laca vermelha, sementes, espinafre, óleos vegetais e gérmem de trigo. Função: Protege a integridade celular e prolonga-lhes a vida. A sua ação antioxidante neutraliza os efeitos nocivos dos radicais livres provenientes da contaminação química e atividade do organismo, e potencializa fortemente a ação de outros antioxidantes, como a vitamina C e vitamina A.

31 Deficiência: É geralmente caracterizada por problemas neurológicos devido à condução nervosa prejudicada. Suplementação: Diminuição dos danos cognitivos após trauma encefálico em roedores. Reduz o declínio cognitivo em idosos. Existem evidências discretas de que altas doses de Vitamina E associadas ao Ginko biloba tornariam a progressão da Doença de Alzheimer mais lenta. Efeitos colaterais da suplementação: Pesquisas realizadas revelaram que há um aumento significativo de acidentes vasculares cerebrais em fumantes que recebem altas doses de Vitamina A e E. Colina. Fontes: Gema de ovos, carne de soja, frango, vitela, fígado de peru, alface. Função: Trata-se de uma amina natural encontrada nos lipídios presentes na membrana celular e na neurotransmissora acetilcolina. É de grande importância durante a gravidez para a formação do tecido cerebral. Deficiência: Provoca acúmulo de gorduras no fígado, cirrose, aumento na incidência de câncer de fígado, lesões hemorrágicas dos rins e falta de coordenação motora. Suplementação: Redução dos danos de memória induzidos por epilepsia, em roedores. Uma revisão da literatura revela evidências de uma casual relação entre colina na dieta e cognição em humanos e ratos. Combinação de vitaminas. Fontes: Vitamina C: frutas cítricas, várias plantas e vegetal fígado de boi e bezerro. Vitamina E: veja acima. Função: As vitaminas são moléculas orgânicas (contendo carbono) que funcionam principalmente como catalisadores para reações enzimáticas dentro do organismo. Deficiência: A manifestação principal da carência de ácido fólico é a alta incidência de crianças com malformações congênitas do sistema nervoso nascidas de mães que foram

32 carentes em ácido fólico no início da gravidez. A carência de ácido fólico, junto com a carência de vitamina B12, pode levar as pessoas a sentirem vertigens, cansaço, perda de memória, alucinações e fraqueza muscular. Efeitos da carência de vitamina A no Sistema Nervoso: alterações do olfato, do paladar e da audição podem ocorrer. Lesões de nervos e aumento na produção de líquor com conseqüente hidrocefalia têm sido relatadas. Suplementação: Ingestão de vitaminas antioxidantes atrasa o declínio cognitivo em idosos. Cálcio, Zinco, Selênio. Fontes: Cálcio: leite, coral. Zinco: ostras, algumas variedades de feijão, nozes, amêndoas, grãos inteiros, sementes de girassol. Selênio: nozes (castanha do Pará especialmente), cereais, carne, peixe, ovos. Função: Cálcio: possui funções importantes como atuar na formação estrutural dos ossos e dos dentes. Além disso, ele atua juntamente com a vitamina K no sistema circulatório, auxiliando na coagulação do sangue. Age na sinalização intracelular, na transmissão sináptica, na contração muscular e cardíaca, na ação de hormônios. Zinco: Participam na divisão celular, na expressão gênica, em processos fisiológicos como crescimento e desenvolvimento, na morte celular; age como estabilizador de estruturas de membranas e componentes celulares, além de participar da função imune e desenvolvimento cognitivo. Atuando com a vitamina E ele protege as células do organismo contra danos oxidativos, especialmente retardando a oxidação do colesterol LDL; apresenta ação inibidora do efeito tóxico de metais pesados As, Cd, Hg e Sn. No caso de doenças crônicas como a arteriosclerose, câncer, artrite, cirrose e enfisema, há fortes indícios de que ele atue como elemento protetor. O selênio retarda o envelhecimento, combate a tensão pré-menstrual, preserva a elasticidade dos tecidos, previne o câncer e neutraliza radicais livres. Deficiência: Estudos indicam que pessoas que tem carência do mineral Selênio têm tendência a ter sintomas depressivos, como ansiedade, nervosismo e confusão mental. Um baixo nível de selênio ao longo da vida está associado com baixa função cognitiva em humanos. Na deficiência leve de zinco podem ocorrer alterações neurossensoriais. A deficiência moderada de zinco é agravada pelo desenvolvimento de letargia mental e

33 diminuição acentuada do apetite. Redução de zinco na dieta pode ajudar a reduzir déficit cognitivo em idosos. Efeitos colaterais da suplementação: Altos níveis de cálcio sérico estão associados com rápido déficit cognitivo em idosos. O excesso de cálcio também pode causar câimbras. O excesso de selênio é tóxico e pode levar à morte. O excesso de zinco no corpo, como de outros metais pesados, causa distúrbios neurológicos. Cobre. Fontes: Ostras, fígado de boi e carneiro, castanha-do-pará, melaço, cacau, pimenta preta. Função: Parceiro do zinco, ele também compõem a enzima que combate os radicais livres, além de transportar o ferro. Deficiência: Déficit cognitivo em pacientes com Doença de Alzheimer está correlacionado com baixa concentração de cobre no plasma. Suplementação: Estudos realizados com pacientes de Doença da Alzheimer, que foram tratados ou com suplementação de cobre ou com placebo, foram submetidos a diversos testes de memória durante um ano. Ao final desse período, os indivíduos com menor taxa de cobre no sangue apresentavam mais falhas. Experiências com ratos nos mostram que uma concentração elevada do mineral ajuda a reduzir placas presentes no cérebro que são relacionadas com a doença. Não há comprovação de que de o cobre ajuda a reverter os danos causados pela doença, mas sabe-se que ele influi na funções cognitivas. Efeitos colaterais da suplementação: a suplementação com cobre é problemática devido a seu grande potencial como gerador de radicais livres, e por sua relação direta com esquizofrenia e distúrbios psiquiátricos. Só um mineralograma pode justificar a sua administração quando se detecta severa deficiência. A suplementação excessiva de cobre pode baixar o nível de zinco e produzir insônia, perda de cabelos, menstruação irregular e depressão. O excesso de cobre no organismo, como o excesso de qualquer outro metal pesado, é tóxico e causa distúrbios neurológicos. Ferro. Fontes: Carne vermelha, peixe, aves, lentilha, feijão.

34 Função: O ferro participa da síntese de proteínas, do transporte de oxigênio e da renovação celular. Deficiência: Deficiência de ferro pode causar anemia, com sonolência e cansaço persistentes. Em grávidas a deficiência pode causar hemorragias e baixo peso do bebê ao nascer, entre outros efeitos. Suplementação: Tratamento com ferro normaliza funções cognitivas em mulheres jovens. Efeitos colaterais da suplementação: O excesso de ferro pode ser letal a pessoas portadoras de hemocromatose, cujo corpo tem dificuldade de regular a absorção de ferro e, portanto não consegue eliminar o ferro ingerido em excesso. Calorias. Fontes: Grandes quantidades em “junk food”. Função: Calorias não são nutrientes, e sim uma medida da energia que esses fornecem para o metabolismo humano. Deficiência: A restrição calórica eleva os níveis de BDNF. E também leva a diminuição de déficits motores e cognitivos que são associados ao envelhecimento. Suplementação: A suplementação calórica gera desregulação hipotalâmica, levando a pessoa a continuar comer mais do que necessita, causando obesidade. O excesso de comida pode provocar um estímulo das células do sistema imunológico a atacar invasores inexistentes e com isso provocar inflamações crônicas no organismo. Efeitos colaterais da suplementação: Além da obesidade e dos riscos associados a ela, o excesso de calorias pode reduzir a plasticidade sináptica e aumentar a vulnerabilidade das células a se danificarem pela formação de radicais livres. Ácido Alfa-lipóico. Fontes: Carnes como fígado, rins e coração, e vegetais como espinafre, brócolis e batata.

35 Função: Atua como co-fator de inúmeras enzimas envolvidas na produção de energia, possui propriedades antioxidantes, combatendo os radicais livres e protegendo as células da oxidação. Além de combater os radicais livres, ele regenera os tecidos lesados. Suplementação: Aumenta o fluxo sanguíneo para os nervos e melhora a condução dos impulsos nervosos. Melhora déficits de memória em modelos animais de Doença de Alzheimer e mostrou reduzir déficits cognitivos em pequenos grupos de pacientes com Doença de Alzheimer. É utilizada no tratamento de lesões neurológicas, inclusive a neuropatia diabética, uma complicação tardia do diabete que provoca dor e perda da sensibilidade nos membros. c) Lesões na pele e no sistema nervoso, provocando dermatite e demência (pelagra). NIACINA E NIACINAMIDA (FATOR PP).
http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/12_78_alim_enriquecido.htm

Outros nomes pyridine-3-carboxylic acid, nicotinic acid, nicotinamide, niacinamide, vitamin B3.

120px

Estrutura química do ácido nicotínico e da nicotinamida.

A niacina, também conhecida como vitamina B3, vitamina PP ou ácido nicotínico, é uma vitamina hidrossolúvel cujos derivados (NAD+, NADH, NADP+ e NADPH)

36 desempenham importante papel no metabolismo energético celular e na reparação do DNA. A designação "vitamina B3" também inclui a amida correspondente, a nicotinamida, ou niacinamida. Outras funções da niacina incluem remover substâncias químicas tóxicas do corpo e auxiliar a produção de hormônios esteróides pelas glândulas supra-renais, como os hormônios sexuais e os relacionados ao estresse. Histórico. Pelle agra é o termo em italiano para pele áspera, doença conhecida há séculos na Itália, onde se comia principalmente milho. Em 1914, Funk postulou que a pelagra era uma doença de carência nutricional (carencial). Pouco tempo depois Goldberg demonstrou que se podia curar a pelagra com carne fresca, ovos e leite. Goldberg também observou que se dava a dieta carente dos humanos aos cães, causando a doença da língua preta. Depois verificaram ser também um componente hidrossolúvel, termo estável que acompanhava o complexo B. Em 1935, Warburg e outros isolaram o ácido nicotínico do sangue de cavalos. Sinônimos: ácido nicotínico e niacinamida e fator PP. Também denominados de vitaminas da inteligência. Doses diárias recomendadas: 15 mg. Principais funções: influencia a formação de colágeno e a pigmentação da pele provocada pela radiação ultravioleta. No cérebro, a niacina age na formação de substâncias mensageiras, como a adrenalina, influenciando a atividade nervosa. Principais fontes: carnes e cereais. Origina-se do metabolismo do Triptofano: 60 mg de Triptofano produzem 1 mg de Niacina. As pessoas que se alimentam principalmente à base de milho são propensas a manifestações de carência de Niacina por ser o milho muito pobre em Triptofano. Manifestações de carência: a doença dos 3 "D", composta por Diarréia, Demência e Dermatite. A língua pode apresentar cor avermelhada, ulcerações e edema. Pode haver salivação excessiva e aumento das glândulas salivares. Podem aparecer dermatites parecidas com queimaduras de pele, diarréia, esteatorréia, náuseas e vômitos. No sistema nervoso, aparecem manifestações como cefaléia, tonturas, insônia, depressão, perda de memória e, nos casos mais severos, alucinações, demência e alterações motoras e alterações neurológicas com períodos de ausência e sensações nervosas alteradas. Manifestações de excesso: a Niacina não costuma ser tóxica, mesmo em altas doses, mas pode provocar coceira, ondas de calor, hepatotoxicidade, distúrbios digestivos e ativação de úlceras pépticas. Observação: a denominação PP significa Previne Pelagra, manifestação encontrada principalmente em alcoólatras de destilados quando malalimentados. A nicotinamida e o ácido nicotínico são abundantes na natureza. Há uma

37 predominância de ácido nicotínico nas plantas, enquanto que nos animais predomina a nicotinamida. São encontradas principalmente na levedura, no fígado, nas aves, nas carnes magras, no leite e nos ovos, nas frutas secas, nos cereais integrais e em vários legumes, frutas e verduras (como o brócolis, o tomate, a cenoura, o aspargo, o abacate e a batata-doce). A ingestão diária recomendada de miligramas equivalentes de niacina (NE) para um adulto são 6,6 mgNE por 1.000 kcal e não menos de 13 mg NE para necessidades de calorias inferiores a 2.000 kcal. As mulheres grávidas precisam de suplementos de 2NE ao dia, e as que amamentam, 5 mg NE ao dia. Para crianças de até seis meses, com uma dieta calórica de 1.000 kcal ao dia, as necessidades são de 8 mg NE ao dia. Para idades superiores as necessidades diárias dependem da ingestão calórica diária. Uma dieta pobre em vitamina B3 pode causar sintomas como fadiga, irritabilidade, insônia, dor-decabeça, depressão nervosa, diarréia e dermatite. A doença causada pela deficiência de Niacina é conhecida como Pelagra cuja tríade diagnóstica é composta por Dermatite, Demência e Diarréia. Pelagra é uma doença causada pela falta de niacina (ácido nicotínico ou vitamina B3 ou vitamina PP) e/ou de aminoácidos essenciais, como o triptofano. É conhecida por seus três sintomas que começam com a letra D. São eles: o aparecimento de uma cor escura na pele (Dermatite), que fica seca e áspera e mais tarde provoca o aparecimento de crostas. Mais tarde aparecem Diarreias e alterações mentais (Demência); também conhecida como doença dos três "Ds". O nome 'vitamina PP' faz referência à ação Preventiva à Pelagra. Na antiga Europa esta doença propagou-se quando a farinha de milho começou a substituir a de trigo, por volta de 1700. A vitamina PP não se faz presente na farinha de milho. Atualmente é uma afecção infreqüente, sendo a causa mais comum o alcoolismo.
PATOLOGIA NUTRICIONAL DESNUTRIÇÃO KWASHIORKOR - MARASMO VITAMINAS B: B1: BERIBÉRI/ENCEFALOPATIA DE WERNICKE, B2: ARIBOFLAVINOSE, B3: PELAGRA, B6: DEFICIÊNCIA DE PIRIDOXINA, B7: DEFICIÊNCIA DE BIOTINA, B9: DEFICIÊNCIA DE FOLATO, B12: DEFICIÊNCIA DE VITAMINA AVITAMINOSE B12 OUTRAS VITAMINAS: A: DEFICIÊNCIA DE VITAMINA A/MANCHAS DE BITOT, C: ESCORBUTO, D: RAQUITISMO/OSTEOMALACIA DEFICIÊNCIA DE ZINCO - DEFICIÊNCIA DE FERRO DEFICIÊNCIA DE MINERAIS DEFICIÊNCIA DE MAGNÉSIO - DEFICIÊNCIA DE CROMO DEFICIÊNCIA DE IODO OBESIDADE - ENVENENAMENTO POR VITAMINA HIPERALIMENTAÇÃO (HIPERVITAMINOSE A, HIPERVITAMINOSE D)

Iconografia.

38

39

Bibliografia. 1. ACIDE ASCORBIQUE, fiche de sécurité du Programme International sur la Sécurité des Substances Chimiques, consultée le 9 mai 2009 2. Volker Kuellmer (de de 1991). "Kirk-Othmer encyclopedia of chemical technology 4th ed. : Ascorbic acid". John Wiley & Sons..

40 3. (en) « Ascorbic acid » em ChemIDplus, consulté le 9 août 2009 4. Safety (MSDS) data for ascorbic acid. Oxford University (2005-10-09). Página visitada em 2007-02-21. 5. David L. Nelson, Michael M. Cox , "Lehninger Principles of Biochemistry", 4ª edição, W. H. Freeman, 2005, ISBN 978-0716743392 6. Philippi, Sonia Tucunduva. Tabela de Composição de Alimentos: suporte para decisão nutricional. Brasília: ANVISA, FINATE/NUT.2001 7. Vitamin C. Harvard School of Public Health. 2008. Vitamin C Nutrition Source 8. http://alavrado.blogspot.com/ A nonprofit, tax-exempt 501(c)(e) educational corporation in the State of California. 9. BIESEK, Simone et al. Estratégias de Nutrição e Suplementação no Esporte. São Paulo: Manole, 2005. 10. FOSS, M.L.; KETEYIAN, S.J. Bases Fisiológicas do Exercício e do Esporte. 6ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. 11. MCARDLE, William D. et al. Fisiologia do Exercício – Energia, Nutrição e Desempenho Humano. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. 12. WILMORE, Jack H.; COSTILL, David L. Fisiologia do Esporte e do Exercício. São Paulo: Manole, 2001 13. NELSON, David L.; COX, Michael M., Lehninger Principles of Biochemistry, 4ª edição, W. H. Freeman, 2005, ISBN 978-0716743392 14. Registo de Retinol na Base de Dados de Substâncias GESTIS do IFA, accessado em 1 de Dezembro de 2007 15. British Cancer Organization Calls for Warning Labels on Beta-Carotene (200007-31). 16. SciFinder - CAS Registry Number 7235-40-7. Página visitada em 21 de Oct. de 2009. 17. 22040 β-Carotene BioChemika, purum, ≥97.0% (UV). Página visitada em 21 de Oct. de 2009. 18. http://www.news-medical.net/health/Beta-Carotene-Side-Effects.aspx 19. Referencias: 20. American Journal of Clinical Nutrition 2000; 71, 2; 575-582. 21. Clint. Nutr. 2003 Feb; 22(1):65-70. 22. Am. J Clint Nutr. 2000Feb; 71(2)575-82. 23. Invest Ophtalmol Vis Sci. 2000 Apr 41; (5)1200-9. 24. Nutrition. 2003 Jan; 19(1):21-4. 25. Int J Cancer. 2004 Oct 28. 26. Strokes. 2004 Jul; 35(7):1584-8. 27. Ann Nutr. Metab. 2003; 47(6):255-61. 28. Br J Nutr. 2004 Jul; 92(1):113-8. 29. CHANDRA, R.K. Nutrition and Immunology. Alan R. Liss, Inc. New York, 1988. 30. NEVES Jr., I., et al. Improvement of the lymphoproliferative immune response and apoptosis inhibition upon in vitro treatment whit zinc of peripherical blood mononuclear cells (PBMC) from HIV + individuals. Clin. Exp. Immunol., v. 111, p. 246-268, 1998. 31. ODEH, M. The role of zinc in acquired immunodeficiency syndrome. J. In. Med.,v., 231, p. 463-469, 1992. 32. RIPA, S., RIPA, R. Zinc and immune functions. Minerva Medica, v. 86, n. 7/8, lug/ago, 1995.

41 33. SPRIETSMA, J. E. Zinc-controlled Th1/Th2 switch significantly determines development of diseases. Medical Hypotheses, v. 49, p. 1-14, 1997. 34. SPRIETSMA, J. E. a Zinc deficiency predisposes to (auto) immune diseases, whether or not virus-induced, such as AIDS and cancer. Tijdscrif Integrally Geneeskunde, v. p, p. 253-273, 1994. 35. SPRIETSMA, J. E. b Zinc, AIDS e apoptose. Orthomolecular, v. 12, p. 75-87, 1994. 36. SPRIETSMA, J. E. c Zinc deficiency promotes autoimmune symptoms and cancer, as often synchronously presenting in AIDS patients. Orthomolecular, v. 12, p. 108-117, 1994. 37. SPRIETSMA, J. E. Nutrients in AIDS therapy. Orthomolecular, v.11, p. 72-79, 1993. 38. WHITNEY, E. N., ROLFES, S. R. Understanding Nutrition. West Publishing Company, 1996. 39. Fernando Gómez-Pinilla(2008) Brain foods: the effects of the nutrients on brain function. Nature Reviews 9, 568-578. 40. http://www.ufpa.br/beiradorio/arquivo/beira63/noticias/rep3.html 41. http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?508 42. http://br.monografias.com/trabalhos2/papel-zinco-infancia/papel-zincoinfancia2.shtml 43. http://decs.bvs.br/cgi-bin/wxis1660.exe/decsserver/?IsisScript=../cgibin/decsserver/decsserver.xis&task=exact_term&previous_page=homepage&inter face_language=p&search_language=p&search_exp=curcumina 44. http://pt.wikipedia.org/wiki/Curcumina 45. http://pt.wikipedia.org/wiki/Gordura_saturada 46. http://saude.hsw.uol.com.br/vitaminas-b.htm 47. http://pt.wikipedia.org/wiki/Complexo_B 48. http://pt.wikipedia.org/wiki/Vitamina_D 49. http://www.emedix.com.br/vit/vit003_1f_vitaminad.php 50. http://www.copacabanarunners.net/vitamina-e.html 51. http://www.nutricaoativa.com.br/conteudo.php?id=104 52. http://www.melnex.net/gordura.doc 53. http://www.todabiologia.com/saude/calcio.htm 54. http://biblioteca.universia.net/html_bura/ficha/params/id/630908.html 55. http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/19312 56. http://www.scribd.com/doc/8681282/Minerais-Que-Garantem-Vida-Longa-ZincoCobre-Magnesio-e-Ferro-Nutricao 57. http://www.medicinageriatrica.com.br/2007/11/12/saude-geriatria/ion-cobrecarencia-e-excesso/ 58. http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3228643-EI298,00.html 59. http://www.lenzafarm.com.br/alfa_lipoico.htm 60. http://drrafaelleao.site.med.br/index.asp?PageName=-C1cido-20alfalip-F3ico 61. Nestlé, (pdf) 62. Governo dos Estados Unidos, Federal Register, Choline chloride; Exemption from the Requirement of a Tolerance [em linha] 63. “Os Nutrientes” no site rg nutri.com.br acessado a 22 de junho de 2009 64. http://www.mulherdeclasse.com.br/nutrientes.htm 65. Salemi, Luiz Felippe “Nutriente?” no site WebArtigos.com acessado a 25 de junho de 2009 66.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->