P. 1
Teoria Geral Dos Recursos - Resumo Para a Prova

Teoria Geral Dos Recursos - Resumo Para a Prova

|Views: 2.472|Likes:
Publicado porSonia Sousa

More info:

Published by: Sonia Sousa on Apr 23, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/21/2013

pdf

text

original

Teoria Geral dos Recursos

:
Conceito: O recurso é um ato processual postulatório que insurge sempre como meio de provocar o reexame de uma decisão pela mesma autoridade judiciária que a proferiu ou por outra hierarquicamente superior, com o intuito de reformá-la, invalidá-la ou modificá-la. - Só há recurso por provocação da parte. Todas as disposições sobre os recursos constam em lei federal que é o dispositivo que regula a matéria processual recursal. O recurso não gera um processo novo, é um ato processual postulatório interposto dentro de um processo, mas não necessariamente nos mesmos autos. Por exemplo: agravo de instrumento é interposto em autos apartados. É ato postulatório porque nele formula-se pedido.

Natureza jurídica
O recurso consiste em ônus processual. O ônus processual é uma faculdade que a parte possui. Não há obrigação de a parte praticar determinado ato, mas acarreta prejuízo se não for observado. Por exemplo: se a parte recorre da decisão, ela pode se beneficiar. Em hipótese diversa, se a parte não recorre, deverá suportar as consequências da decisão irrecorrida.

Finalidade do recurso: Quando a parte interpõe um recurso, visa reformar,
invalidar, esclarecer ou integrar a decisão ou parte dela Pedido de reforma O intuito da parte é reformar, modificar a decisão. O pedido de reforma relacionase à causa de pedir específica chamada error in iudicando , erro do magistrado ao analisar a lide. Pedido de invalidação A parte visa invalidar ou anular a decisão. Alega-se o error in procedendo, erro na forma, estrutura da decisão. Busca-se desfazer a decisão por um defeito processual. Pedido de esclarecimento ou integração A parte pretende afastar a falta de clareza ou imprecisão da decisão ou até mesmo suprir alguma omissão do magistrado.

Princípios recursais: Existem alguns princípios peculiares aos recursos que
sempre devem ser observados. Princípio do duplo grau de jurisdição O princípio do duplo grau de jurisdição é uma garantia constitucional, consectário do devido processo legal. Ele determina que uma mesma matéria poderá ser apreciada duas vezes, por dois órgãos diferentes do poder judiciário.

ou seja. o prazo relativo à parte unânime da decisão terá como dia de início aquele em que transitar em julgado a decisão por maioria de votos. III .agravo.embargos infringentes. Princípio da taxatividade O CPC dispõe de forma taxativa o rol de recursos existentes. recurso especial ou recurso extraordinário contra dispositivo do acórdão que contém julgamento por maioria de votos e julgamento unânime. relativamente ao julgamento unânime. Quando o dispositivo do acórdão contiver julgamento por maioria de votos e julgamento unânime.aos litigantes. São cabíveis os seguintes recursos: I . Código de Processo Civil Art. ficará sobrestado até a intimação da decisão nos embargos.apelação. e forem interpostos embargos infringentes.recurso extraordinário. por exemplo.embargos de declaração. com os meios e recursos a ela inerentes. 498.recurso especial. Parágrafo único. no caso de embargos declaratórios. como toda regra comporta exceções. que interrompem o prazo para a interposição de outros recursos. 496.Constituição Federal . LV. IV . Pode também haver embargos infringentes.recurso ordinário. Os embargos de declaração interrompem o prazo para a interposição de outros recursos. Trata-se de numerus clausus. o prazo para recurso extraordinário ou recurso especial. Princípio da singularidade O princípio informa que cabe apenas um tipo de recurso para cada decisão recorrível. Vll .embargos de divergência em recurso especial e em recurso extraordinário. 538. permitir que seja aproveitado o recurso aviado de forma equivocada . e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa.Art. Mas. V . em processo judicial ou administrativo. Assim. VIII . Vl . em casos especialíssimos pode haver dois recursos contra uma decisão. consta da redação do Código de Processo Civil: Código de Processo Civil Art. Código de Processo Civil Art. 5º. Quando não forem interpostos embargos infringentes. II . por qualquer das partes. Princípio da fungibilidade O princípio da fungibilidade se esteia na possibilidade de se trocar um recurso por outro.

realizado o ato. O eminente Nelson Nery Júnior interpreta este princípio como "o princípio pelo qual se permite a troca de um recurso por outro: o tribunal pode conhecer do recurso erroneamente interposto". se o recurso equivocado não tiver sido apresentado dentro do prazo processual cabível para o recurso adequado. que decorre da incompatibilidade entre o ato praticado com o que se queria praticar. pode o tribunal resolvê-la contrariamente aos interesses do recorrente sem que isto implique em violação ao princípio da proibição da reformatio in pejus. e a preclusão lógica. é a ocorrência de um fato que impede o acolhimento da faculdade. Também os requisitos formais do recurso adequado devem estar atendidos. há a possibilidade de que o recurso interposto não possa ser substituído pelo recurso correto se a parte o tiver interposto depois do segundo dia. não é possível realizá-lo novamente. ou seja. o julgador não poderá decidir além do que foi pedido e a decisão impugnada não pode ser reformada para piorar a situação do recorrente. é possível aproveitar o princípio da fungibilidade desde que as formalidades e requisitos processuais estejam atendidos e não tenha ocorrido a preclusão temporal. No entanto. um recurso só poderá ser substituído por outro sob certas e complexas condições. claro. também não haverá a possibilidade da fungibilidade. Só para lembrar. e estes não tiverem sido juntados. Se não há dúvida sobre qual seria o recurso adequado não há que se falar em fungibilidade. possa haver certa confusão na definição do recurso cabível para o ato judicial desafiado. que poderia ser interposto até 05 dias depois da intimação da decisão. Princípio da proibição da reformatio in pejus Com a interposição do recurso. Portanto. Em síntese. .se o conteúdo. terá ocorrido a preclusão. A fungibilidade pressupõe que. ou seja. na verdade. o pedido e os requisitos processuais se adaptarem aos requisitos legais do recurso adequado. Contudo. De início não pode existir erro grosseiro da parte. depois de vencido o prazo para a interposição do recurso adequado. aquela determinada pela perda do prazo. por exemplo: se for da essência do recurso adequado a juntada de documentos ou certidões. é oportuno alertar para o fato de que existem ainda duas outras espécies de preclusão: a preclusão consumativa. no mínimo. E mais. que ocorre pela prática do ato. não se pode confiar cegamente no princípio da fungibilidade porque. estas duas espécies não se amoldam no presente estudo. A preclusão é a perda de uma faculdade ou direito processual da parte. Vale ressaltar que havendo questão de ordem pública a ser analisada. e a parte interpôs o recurso inadequado. por exemplo: se o recurso correto. poderia ser interposto até 02 dias depois da intimação do despacho recorrido.

Os atos do juiz consistirão em sentenças. Senão vejamos: Código de Processo Civil: Art. no curso do processo. 267 e 269 desta Lei § 2º Decisão interlocutória é o ato pelo qual o juiz.No direito brasileiro não há regra explícita a respeito da reformatio in pejus. Código de Processo Civil Art. II . Art. porém. 535. mais precisamente da conjugação do princípio dispositivo. e ou. por seus advogados. Tal princípio é extraído do sistema. conforme a extensão da matéria a ser impugnada. Cabem embargos de declaração quando: I .for omitido ponto sobre o qual devia pronunciar-se o juiz ou tribunal Atos sujeitos a recurso Os juízes conduzem os processos em harmonia com a participação das partes. na sentença ou no acórdão. resolve . da sucumbência como requisito de admissibilidade. ainda que a sentença não as tenha julgado por inteiro. manifestando nos autos por meio de despachos. decisões interlocutórias e despachos. 162. conforme a questão a ser impugnada. Neste caso. obscuridade ou contradição. ainda. Classificação dos recursos Os recursos podem ser classificados basicamente em recurso parcial ou recurso total. se a lei admite que qualquer questão possa ser alegada. § 2º Quando o pedido ou a defesa tiver mais de um fundamento e o juiz acolher apenas um deles. a fundamentação é vinculada. objeto de apreciação e julgamento pelo tribunal todas as questões suscitadas e discutidas no processo. e finalmente do efeito devolutivo dos recursos. Mas se a lei vincula o recurso a determinadas questões.houver. A sentença pode ser impugnada no todo ou em parte. § 1º Serão. a apelação devolverá ao tribunal o conhecimento dos demais. Atos sujeitos a recurso Código de Processo Civil: Art. 505. e do Ministério Público. em recurso de fundamentação livre ou vinculada. 515. § 1º Sentença é o ato do juiz que implica alguma das situações previstas nos arts. A apelação devolverá ao tribunal o conhecimento da matéria impugnada. decisões interlocutórias e sentenças. o recurso tem fundamentação livre.

sentenças e acórdãos serão redigidos. independem de despacho. por qualquer das partes. § 3º São despachos todos os demais atos do juiz praticados no processo. Os embargos de declaração interrompem o prazo para a interposição de outros recursos. embargos infringentes. conforme o caso: Código de Processo Civil Art. uma vez opostos. 538. Art.questão incidente. Os despachos. Das decisões interlocutórias do juiz de 1º grau cabe o recurso de agravo retido nos autos ou de instrumento. de ofício ou a requerimento da parte. Dos despachos não cabe recurso. salvo quando se tratar de decisão suscetível de causar à parte lesão grave e de difícil reparação. submetendo-os aos juízes para revisão e assinatura. devendo ser praticados de ofício pelo servidor e revistos pelo juiz quando necessários. como a juntada e a vista obrigatória. A primeira quanto a sua admissibilidade e a segunda quanto a seu mérito. Código de Processo Civil Art. Da sentença caberá apelação. 504. . Das sentenças cabe apelação: Código de Processo Civil Art. 522. 513. Das decisões interlocutórias caberá agravo. decisões. o taquígrafo ou o datilógrafo os registrará. Contra todas as decisões é cabível embargos de declaração e. Dos acórdãos cabe recurso especial. recurso extraordinário. Quando forem proferidos. na forma retida. a cujo respeito a lei não estabelece outra forma. no prazo de 10 (dez) dias. quando será admitida a sua interposição por instrumento. -Os meros despachos não são passíveis de recurso: Código de Processo Civil Art. verbalmente. datados e assinados pelos juízes. 164. 163. bem como nos casos de inadmissão da apelação e nos relativos aos efeitos em que a apelação é recebida. Recebe a denominação de acórdão o julgamento proferido pelos tribunais. § 4º Os atos meramente ordinatórios. interrompem os prazos para a interposição de outros recursos. o recurso é submetido a duas formas de apreciação judicial. Juízo de admissibilidade e juízo de mérito A partir do momento de sua interposição. Art. recurso ordinário e embargos de divergência.

terceiro prejudicado e o Ministério Público têm legitimidade para interpor o recurso. inexistência de impeditivos ou extintivos. o princípio da singularidade e o princípio da taxatividade. ou seja. O recurso poderá ser provido atendendo ao pedido do recorrente. É uma legitimidade tríplice. são eles: a renúncia. O CPC fixa os prazos para a interposição dos recursos. a aceitação e a desistência. Na hipótese de se encontrarem presentes os requisitos da admissibilidade o recurso será conhecido e as razões do recorrente e as contrarrazões do recorrido serão examinadas e julgadas. Requisitos de admissibilidade No momento em que o recurso é apresentado ao magistrado.O juízo de admissibilidade do recurso refere-se à possibilidade de examinar o que foi pedido pelo recorrente. desatendendo ao pedido do recorrente. São eles: o cabimento. ou desprovido. O cabimento: Engloba três princípios: o princípio da fungibilidade. A regularidade formal . São requisitos de admissibilidade: o cabimento do recurso. principalmente a sucumbente. a tempestividade. a tempestividade. A legitimidade O CPC determina que as partes. o interesse. pois não podem existir fatos que impeçam a admissão do recurso. o recurso não será conhecido e não terá seguimento. A tempestividade A lei prescreve prazo para a interposição de cada recurso e a tempestividade demonstra que o recurso foi interposto dentro do prazo fixado por lei. a legitimidade. a legitimidade e a regularidade formal. o interesse. etc. O interesse recursal: O recurso deve ser necessário para que o recorrente tenha proveito no processo. o preparo. por meio da análise dos requisitos de admissibilidade verifica-se se realmente comporta adentrar ao mérito do recurso e analisar o pedido ou causa de pedir. esse é um requisito negativo. A inexistência de impeditivos ou extintivos Na realidade. o preparo. este analisa alguns requisitos para verificar se pode ou não admitir o recurso. Se ausentes quaisquer dos requisitos previstos pela norma processual. a regularidade formal.

inferior ao devido. conter as razões. o respectivo preparo. no efeito suspensivo. depois de intimado. o juiz deve intimar a parte para complementar em 05 dias. com a prova deste. os fundamentos e a assinatura do advogado. os Estados. Código de Processo Civil: Art. Efeito devolutivo: é o efeito que o recurso tem de devolver ao tribunal ad quem a matéria impugnada. são eles: o Ministério Público. desta decisão de fixação de novo prazo para o preparo. não vier a supri-lo no prazo de cinco dias. pela União. Assim. bem como os sujeitos que gozam de isenção legal. caberá ao tribunal apreciar-lhe a legitimidade. O preparo O preparo é o pagamento das despesas relacionadas ao processamento do recurso (custas.. Apenas se o recorrente. se o recorrente. Mas. especificamente. a União. pelos Estados e Municípios e respectivas autarquias. pode o juiz relevar a deserção e fixar um prazo para ser efetuado o preparo. impedindo o trânsito em julgado. 511 (. o recorrente comprovará. O preparo deve ser efetuado antes da apresentação da peça de recurso e a parte deve comprovar que o fez. quando exigido pela legislação pertinente.) § 2º A insuficiência no valor do preparo implicará deserção. A falta deste requisito de admissibilidade gera o que se chama de deserção. 511.Art.O recurso deve ser interposto de forma escrita. No ato de interposição do recurso. Contudo. os Municípios. e pelos que gozam de isenção legal. inclusive porte de remessa e de retorno. § 1o São dispensados de preparo os recursos interpostos pelo Ministério Público.. Efeitos do recurso O principal efeito que os recursos possuem é obstar a formação da coisa julgada. estaduais e municipais. não cabe recurso. intimado. . Na hipótese do preparo não ser feito por justo impedimento. inclusive a dispensa do preparo. Código de Processo Civil . ou ainda em ambos os efeitos. não complementar o depósito do preparo é que o recurso será considerado deserto. Se o preparo for feito em valor menor. porte de remessa e retorno dos autos e despesas postais). o tribunal poderá conhecer a matéria contida nas razões do recurso. os recursos podem ser recebidos nos efeito devolutivo. as autarquias federais. Existem alguns sujeitos que gozam de privilégios processuais. sob pena de deserção.

extraindo a respectiva carta. Será.confirmar a antecipação dos efeitos da tutela. Embora tenham aparência semelhante. 520. Código de Processo Civil: Art. recebida só no efeito devolutivo. desde logo. quando interposta de sentença que: I .decidir o processo cautelar. contradição ou obscuridade Recurso ordinário O recurso ordinário constitucional é um recurso amplo interposto no STF e STJ. VI . V . Apelação A apelação é uma espécie de recurso interposta contra sentença proferida por juiz de primeiro grau. conforme estabelecido pelo legislador. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. até que a instância superior se manifeste. Embargos de declaração Os embargos de declaração ou embargos declaratórios é uma espécie de recurso pela qual uma das partes de um processo judicial pede ao magistrado que reveja alguns aspectos a decisão proferida quando nesta verificar existir omissão. Em alguns casos a norma define os efeitos em que recurso deverá ser recebido. Efeito suspensivo: o efeito suspensivo obsta os efeitos da decisão recorrida. . Embargos infringentes Os embargos infringentes é o recurso interposto contra acórdão não unânime que houver reformado. a execução provisória da sentença. uma direção e um efeito próprio. cada recurso tem um atributo particular. no entanto. o apelado poderá promover. a decisão recorrida produz seus efeitos. VII .rejeitar liminarmente embargos à execução ou julgá-los improcedentes.condenar à prestação de alimentos.homologar a divisão ou a demarcação. Art. suspendendo-os. a sentença de mérito. Recebida a apelação em ambos os efeitos. Espécies de recursos Cada um dos recursos. em grau de apelação. tem uma função. IV . recebida só no efeito devolutivo. o juiz não poderá inovar no processo. 521. Agravo O agravo é uma espécie de recurso interposto contra decisão interlocutória. dispostos de forma taxativa.julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem. buscando a sua reforma ou invalidação. ou houver julgado procedente a ação rescisória. II .Quando o recurso interposto é recebido apenas no efeito devolutivo.

mesmo .não será conhecido. que a outra recorra. em sua indecisão. qualquer deles pode aderir ao recurso interposto pelo outro. Isto é. no prazo de que a parte dispõe para responder. quanto às condições de admissibilidade. III . Seu exercício pode ocorrer a qualquer tempo antes do início do julgamento. se houver desistência do recurso principal. segundo disposição do referido diploma legal. Recurso extraordinário O recurso extraordinário é interposto quando ocorre a violação direta e frontal a dispositivo da CR/88. não lhe será permitido recorrer novamente. Tem previsão legal a partir do art. 546 do CPC) Recurso adesivo O recurso adesivo é. preparo e julgamento no tribunal superior. para só então requerer o reexame da matéria. Contudo. depois da interposição. se na decisão recorrida forem vencidos autor e réu. 500. ou se for ele declarado inadmissível ou deserto. Recurso especial O recurso especial é uma espécie de recurso que ataca acórdão que contraria tratado ou lei federal. uma forma de interposição do recurso O recurso adesivo é aplicável aos casos em que autor e réu fiquem vencidos parcialmente. vencidos autor e réu. Não há interposição de novo recurso e sim aderência de um ao outro. o recurso de qualquer destes (autor ou réu) pode aderir ao outro recurso. no recurso extraordinário e no recurso especial. sendo vencidos parcialmente autor e réu.Nestes casos estes tribunais atuam como tribunal ordinário e não extraordinário. Cada parte interporá o recurso. seja no STJ ou no STF (art. Percebe-se que cada parte pode interpor seu recurso. a parte manifesta a vontade de que o recurso não seja mais submetido a julgamento. que somente para o adversário se abra a oportunidade do recurso. 535 do CPC.será admissível na apelação. porém. Se a parte desiste do recurso. no prazo e observadas as exigências legais. Ao recurso adesivo se aplicam as mesmas regras do recurso independente. A desistência do recurso ocorre quando. nos embargos infringentes. na verdade. obviando com isso. O recurso adesivo fica subordinado ao recurso principal e se rege pelas disposições seguintes: I . independentemente. Art. A parte que não estiver firmemente disposta a recorrer pode aguardar. II . Sendo. Parágrafo único. ou nega-lhes vigência. ao recurso interposto por qualquer deles poderá aderir a outra parte. Embargos de divergência em recurso especial e em extraordinário Os embargos de divergência visam a uniformização dos entendimentos divergentes.será interposto perante a autoridade competente para admitir o recurso principal.

podem interpor o recurso adesivo.autor e réu . Por este motivo. somente existe recurso adesivo se a parte estiver frente a uma decisão em que houve sucumbência recíproca. (é uma espécie de recurso que ataca acórdão que contraria tratado ou lei federal. A sucumbência recíproca opera-se "quando o autor sai vitorioso apenas em parte de sua pretensão. Esta é uma condição disposta pelo CPC. está preso ao recurso principal.) c) Recurso especial. ou nega-lhes vigência. vencidos e vencedores." (Humberto Theodoro Júnior) Neste caso.que ainda esteja dentro do prazo legal. Em outras palavras. somente é examinado se o recurso principal o for. são eles: a) Apelação. (é o recurso interposto contra acórdão não unânime que houver reformado. Por outro lado. os ônus sucumbenciais (honorários e despesas) são recíproca e proporcionalmente divididos e compensados. Tanto ele como o réu serão. pois. Recurso inadmissível é aquele que não apresenta os requisitos de admissibilidade e. o eventual recurso adesivo manejado pela outra parte também não será apreciado. Cumpre esclarecer ainda que se um terceiro (que não é parte do processo) interpor um recurso. ou houver julgado procedente a ação rescisória. Isso significa que terceiro e Ministério Público só podem interpor o recurso adesivo se forem partes no processo. portanto. em grau de apelação a sentença de mérito.) d) Recurso extraordinário (é interposto quando ocorre a violação direta e frontal à dispositivo da CR/88. Subordinação O recurso adesivo fica subordinado ao recurso principal. não poderá ser conhecido. vez que. buscando a sua reforma ou invalidação) b) Embargos infringentes. Recurso deserto é o recurso sem o preparo (pagamento das despesas relacionadas .) Somente pode haver recurso adesivo se vencidos autor e réu. O recurso adesivo apenas adere a recurso interposto por parte do processo. a parte não pode aderir a este recurso.(é uma espécie de recurso interposto contra sentença proferida por juiz de primeiro grau. Somente alguns recursos admitem o recurso adesivo. a um só tempo. Legitimidade Somente as partes . pela sua própria característica.

contar-se-á da data da leitura da sentença em audiência. ou seja. 184. Salvo disposição em contrário. Ao prazo é aplicável o disposto no art. qualquer deles. . Maria resolve recorrer. Art. mas Maria não pode recorrer adesivamente. Prazo para a interposição do recurso O prazo para esta interposição é o mesmo de que a parte dispõe para responder ao recurso principal. II . Ex: A uma decisão com sucumbência recíproca de um processo entre Maria e João. O prazo para a interposição dos recursos. ou da publicação do dispositivo do acórdão no órgão oficial. Pressuposto específico do recurso adesivo Para que caiba recurso adesivo é necessário que a parte não tenha recorrido antes. o que a permite recorrer apenas adesivamente. excluindo o dia do começo e incluindo o do vencimento. § 2o Os prazos somente começam a correr do primeiro dia útil após a intimação (art. porte de remessa e retorno dos autos e despesas postais). 240 e parágrafo único).o expediente forense for encerrado antes da hora normal. quando a sentença não for proferida em audiência. 184 do CPC e seus parágrafos.ao processamento do recurso. pois já recorreu anteriormente. computar-se-ão os prazos. tais como custas. § 1o Considera-se prorrogado o prazo até o primeiro dia útil se o vencimento cair em feriado ou em dia em que: I . CPC.for determinado o fechamento do fórum. da intimação às partes. Somente João pode recorrer adesivamente ao recurso de Maria. o prazo das contra razões: 15 dias.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->