P. 1
Processos Produtivos Discretos e Contínuos

Processos Produtivos Discretos e Contínuos

|Views: 2.547|Likes:
Publicado pordanimmX

More info:

Published by: danimmX on Apr 30, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/10/2014

pdf

text

original

Planejamento de Capacidade Processos Produtivos Discretos e Contínuos: procedimentos. Confiabilidade de Processos e Produtos.

A maioria das plantas industriais eram essencialmente operadas de forma manual antes dos anos de 1940, quando usava-se apenas instrumentos e controladores elementares. Muitos homens eram necessário para manter o controle de diversas variáveis existentes nas plantas industriais. Nos processos contínuos eram empregados grandes tanques como capacitores entre estágios de uma planta. Esses tanques, embora muitas vezes de custo elevado, isolavam as perturbações entre um estágio e outro do processo. Com o aumento dos custos de mão de obra e de equipamentos, bem como o desenvolvimento de equipamentos e processos de maior performance nas décadas de 1940 e 1950, tornou-se anti-econômico, ou mesmo inviável, operar plantas sem dispositivos de controle automático. Neste estágio, controladores a realimentação negativa foram introduzidos nas plantas. Paralelamente, os instrumentos e equipamentos para controle de processo evoluíram desde os primeiros instrumentos mecânicos no ínicio do século, onde o controle era realizado localmente. Os instrumentos pneumáticos a partir da década de 1940 permitiam a transmissão de sinais relativos às variáveis de processo a distâncias, possibilitando a concentração de controladores em uma única área, dando origem então às salas de controle de processo. Os instrumentos eletrônicos analógicos nos anos de 1950 e 1960 premitiram a simplificação e o aumento das distâncias para transmissão de sinal, enquanto os instrumentos e sistemas digitais dos anos de 1970 e 1980 elevaram o grau de automação. Os transdutores, inicialmente baseados em tubos de bourdon, dispositivos mecânicos e pneumáticos, evoluíram até a utilização de transdutores baseados em ultra-som e elementos radioativos emissores de raios gama.

Processos Industriais e Variáveis de Processo:
Vários são os tipos de indústrias existentes em diversos ramos da atividade industrial. Em geral podemos destinguir industrias em duas naturezas:

Processos Contínuos:
Aqueles cujo o processo produtivo envolve de maneira mais significativa variáveis continuas no tempo. A produção é medida em toneladas ou em metros cúbicos, e o processo produtivo essencialmente manipula fluidos. Podemos citar como exemplo

Nos processos contínuos as variáveis mais usuais são temperatura. pressão. velocidade ou freqüência. densidade. vazão e nível. metalúrgica. petroquímicas. de tratamento de água. . tais como a indústria automobilística e fábricas em geral. chama. tempo. potência. alimentícia. condutividade elétrica. tensão. e posição ou dimensão. embora existam muitas outras como análise ("taxa de gases").indústrias petrolíferas. geração e distribuição de energia elétrica. entre outras. papel e celulose. umidade. cimenteira. químicas. peso ou força. vibração. radiação. corrente elétrica. Processos Discretos ou Manufaturas: São processos produtivos que envolvem de maneira mais significativa variáveis discretas no tempo. A produção é medida em unidades pruduzivas.

Nos processos discretos. A instrumentação é responsável pelo rendimento máximo de um processo. NÍVEL. as principais grandezas que traduzem transferências de energia no processo são: PRESSÃO. VAZÃO e TEMPERATURA as quais denominamos de variáveis de um processo. seja transformada em trabalho na elaboração do produto desejado. limite de posição etc. além da otimização na eficiência destes processos. Classificação de Instrumentos de Medição Existem vários métodos de classificação de instrumentos de medição. desligado e limites de quaisquer variáveis (tais como temperatura alta.) Definição de Instrumentação: Instrumentação é a ciência que aplica e desenvolve técnicas para adequação de instrumentos de medição. A utilização de instrumentos nos permite: • • • Incrementar e controlar a qualidade do produto. as variáveis de interesse normalmente são ligado. Dentre os quais podemos ter classificação por: • Função • Sinal transmitido ou suprimento • Tipo de sinal . O uso de instrumentos em processos industriais visa. indicação. Aumentar a produção e o rendimento. Obter e fornecer dados seguros da matéria-prima e da quantidade produzida. além de ter em mãos dados relativos a economia dos processos. Como já foi dito anteriormente. menor tempo e com qualidade reduzida de mão-de-obra. fazendo com que toda energia cedida. a obtenção de um produto de melhor qualidade com menor custo. transmissão. nível baixo. registro e controle de variáveis físicas em equipamentos nos processos industriais.

tendo o mesmo sinal de saída (pneumático ou eletrônico) cujo valor . Funções de Instrumentos Podemos denominar os instrumentos e dispositivos utilizados em instrumentação de acordo com a função que desempenham no processo. A associação desses instrumentos chama-se malha e em uma malha cada instrumento executa uma função. Registrador: Instrumento que registra a traço contínuo ou pontos em um gráfico. Transmissor: Instrumento que determina o valor de uma variável no processo através de um elemento primário.Classificação por Função: Conforme será visto posteriormente. Indicador: Instrumento que dispõe de um ponteiro e de uma escala graduada na qual podemos ler o valor da variável. os instrumentos podem estar interligados entre si para realizar uma determinada tarefa nos processos industriais. Existem. os indicadores digitais que mostram a variável em forma numérica com dígitos ou barras gráficas. Os instrumentos que podem compor uma malha são então classificados por função. também.

entretanto.) sempre utilizando uma mesma norma. indicador. os transmissores pneumáticos geram um sinal pneumático variável. O alcance do sinal no sistema métrico é. caso necessário. e pela maioria dos fabricantes de transmissores e controladores dos Estados Unidos. Nos países que utilizam o sistema métrico decimal. Transmissão de Sinais: Transmissão Pneumática Em geral. de 3 a 15 psi (libras força por polegada ao quadrado) para uma faixa de medidas de 0 a 100 % da variável. encontrar transmissores com outras faixas de sinais de transmissão. a um instrumento receptor. aproximadamente.2 a 1 kgf/cm2 que equivalem. Podemos. o transdutor pode ser um elemento primário. controlador. Associação de Fabricantes de Instrumentos. 5 % menor que o sinal de 3 a 15 psi. Este é um dos motivos pelos quais devemos calibrar e ajustar os instrumentos de uma malha (transmissor. à distância. Transmissores: Os transmissores são instrumentos que medem uma variável do processo e a transmitem. de 3 a 15 psi. utilizam-se as faixas de 0. Elemento Final de Controle: Instrumento que modifica diretamente o valor da variável manipulada de uma malha de controle. Transdutor: Instrumento que recebe informações na forma de uma ou mais quantidades físicas. O conversor é um tipo de transdutor que trabalha apenas com sinais de entrada e saída padronizados. modifica.varia apenas em função da variável do processo. controlador ou a uma combinação destes. etc. aproximadamente. . Esta faixa de transmissão foi adotada pela SAMA (Scientific Apparatur Makers Association). Dependendo da aplicação. um transmissor ou outro dispositivo. elemento final de controle. registrador. A figura abaixo mostra alguns transmissores típicos. Por exemplo: de 20 a 100 kPa. linear. A variável pode ser medida diretamente pelo controlador ou indiretamente através do sinal de um transmissor ou transdutor. Controlador: Instrumento que compara a variável controlada com um valor desejado e fornece um sinal de saída a fim de manter a variável controlada em um valor específico ou entre valores determinados. estas informações e fornece um sinal de saída resultante.

quando ele está em seu valor mínimo. não seria possível fazermos esta comparação rapidamente. 1 a 5 V está na mesma relação de um sinal de 3 a 15 psi de um sinal pneumático.Note que o valor mínimo do sinal pneumático também não é zero.2 kgf/cm2. Deste modo. Temos estas discrepâncias nos sinais de saída entre diferentes fabricantes. Transmissão Eletrônica Os transmissores eletrônicos geram vários tipos de sinais em painéis. É um sistema a dois fios com taxa de comunicação de 1200 bits/s (BPS) e modulação FSK (Frequency Shift Keying). Protocolo HART (Highway Adress Remote Transducer) É um sistema que combina o padrão 4 a 20 mA com a comunicação digital. O "zero vivo" utilizado. teríamos de esperar um aumento de temperatura para que tivéssemos um sinal de saída maior que 0 (o qual seria incorreto). conseguimos calibrar corretamente o instrumento. Percebe-se que. este estaria descalibrado. sendo os mais utilizados: 4 a 20 mA. que provoca a queda do sinal. 3 psi ou 0. se tivéssemos um transmissor pneumático de temperatura de range de 0 a 200 °C e o mesmo tivesse com o bulbo a 0 °C e um sinal de saída de 1 psi. Para que pudéssemos detectá-lo. A relação de 4 a 20 mA. Se o valor mínimo de saída fosse 0 psi. por exemplo). comprovando sua correta calibração e detectando vazamentos de ar nas linhas de transmissão. 10 a 50 mA e 1 a 5 V. permitindo a existência de dois mestres na rede simultaneamente. e sim. quando adotamos o valor mínimo de 4 mA. . porque estes instrumentos estão preparados para uma fácil mudança do seu sinal de saída. O Hart é baseado no sistema mestre escravo. oferece a vantagem também de podermos detectar uma avaria (rompimento dos fios.

válvulas. • Usa o mesmo tipo de cabo utilizado na instrumentação analógica. etc. • Disponibilidade de equipamentos de vários fabricantes. controladores. que interliga equipamentos inteligentes de campo com o sistema de controle ou com equipamentos localizados na sala de controle. Estes podem ser de fabricantes diferentes (Interoperabilidade) e ter controle distribuído (cada instrumento tem a capacidade de . tais como: transmissores. CLPs. As desvantagens são que existe uma limitação quanto à velocidade de transmissão das informações e a falta de economia de cabeamento (precisa-se de um par de fios para cada instrumento).As vantagens do protocolo Hart são as seguintes: • Usa o mesmo par de cabos para o 4 a 20 mA e para a comunicação digital. Este padrão permite comunicação entre uma variedade de equipamentos. Foundation Fieldbus É um sistema de comunicação digital bidirecional.

apenas um par de fios é o suficiente para a interligação de uma rede fieldbus. vazão. .). etc. temperatura. ou seja. Uma grande vantagem é a redução do número de cabos do controlador aos instrumentos de campo.processar um sinal recebido e enviar informações a outros instrumentos para correção de uma variável: pressão.

incluindo aspectos de segurança e eficácia. na década de 90. 2Especificação da Meta de Confiabilidade. 3Determinação do programa de teste acelerado. Só para se ter uma ideia de comparação. o Cray 2. Nas décadas de 60 e 70. 6Aprovação da Confiabilidade do Protótipo Final. 4Ensaios para Demonstração da Confiabilidade. 8Análise de Dados de Campo . Já o processador do tocador de música IPod da Apple faz o mesmo em 90 MHz. Esse estudo gerou uma nova disciplina. 7Ensaios de Conformidade da Confiabilidade .Confiabilidade de Processos e Produtos A preocupação com a expectativa de vida de um produto é antiga. Hoje. a desenvolver softwares comerciais para apoiar os estudos e análises de confiabilidade de produtos e equipamentos. empresas de tecnologia começaram. A implementação dos conceitos da confiabilidade inicia-se na concepção de um novo produto e termina quando este não estiver sendo mais utilizado. executava aproximadamente 80 milhões ou 80 MHz de operações por segundo. A seguir são apresentadas algumas atividades de confiabilidade que devem estar presentes no ciclo de vida de produtos. . já que eles possuíam acesso aos grandes computadores com relativa capacidade de processamento. foram os setores aeroespacial e militar. Em uma visão geral. restrito a esses setores. desde o envio de um satélite ao espaço. Com a disseminação comercial de computadores. os computadores com tecnologia avançada estão no dia a dia de quase todas as empresas. chamada de Engenharia da Confiabilidade. O que as empresas não sabem é que a Engenharia da Confiabilidade aplica metodologias matemáticas e estatísticas que impactam diretamente no desempenho financeiro da organização. a Engenharia da Confiabilidade deve ser aplicada em todo o ciclo de vida do produto. Naquela época. Os primeiros a defender esse tema. por muitos anos.Produto de Série. 5Programa de Crescimento da Confiabilidade. Como a aplicação dos conceitos e metodologias da Engenharia da Confiabilidade envolve diversos cálculos matemáticos e estatísticos. esse conhecimento ficou. as razões estavam relacionadas à preocupação financeira e mais ainda ao sucesso da missão. o lançamento de um foguete tripulado e o ataque de um caça. diversos cálculos e metodologias foram desenvolvidos com o objetivo de se conhecer a performance de vida de produtos e seu desempenho em determinadas missões. • • • • • • • • 1Determinação dos Indicadores de Confiabilidade. o primeiro supercomputador construído em 1985. Após quase duas décadas. o assunto ainda é desconhecido por grande parte dos fabricantes de produtos.Análise de Garantia & Pós-Vendas. e se aprofundar nos estudos e pesquisas.

falhas de processo. Identificação e solução de problemas durante a fase de testes (reprojetos). etc. Definição correta dos fornecedores de subsistema e componentes que atendam os requisitos de confiabilidade do projeto. .). Determinar com precisão estoques de peças de reposição. Fase de fabricação • • • • Analisar e determinar as causas de falhas em campo e direcioná-las para os responsáveis (falhas de projeto. Realizar a previsão de falhas em garantia e respectivo orçamento. ou falhas do fornecedor. Determinação precisa do momento correto para a fabricação em série.Através da execução dessas atividades as empresas poderão obter os seguintes benefícios: Fase de desenvolvimento • • • • • Visão clara e precisa da expectativa de vida do produto e todos os custos relacionados ainda na fase de concepção. Identificar com antecedência possíveis recalls. Redução do ciclo de desenvolvimento e dos custos inerentes ao projeto.

mantenabilidade e disponibilidade). temos um cenário em que empresas dos setores de exploração de petróleo. Assim. . Sabemos que 75% das empresas de diversos setores da indústria buscam na Engenharia da Confiabilidade soluções para os problemas de manutenção de seus equipamentos e processos. tais como petroquímicas. Quem conhecer a confiabilidade dos produtos pode prospectar um bom crescimento nos próximos anos. O resultado esperado é também o ganho de performance financeira do negócio. exploração de óleo e gás e transporte ferroviário. A parte positiva desse cenário atual é que existe muito potencial para todos os desenvolvedores de produtos conhecerem melhor os processos. transmissão e distribuição de energia. Portanto. o setor que está aplicando os conceitos da Engenharia da Confiabilidade é o de Manutenção. Os outros 25% do setor industrial usam as ferramentas de análise da confiabilidade para o desenvolvimento de produtos. é possível melhorar sua visibilidade no mercado de atuação. Atualmente. No Brasil. conhecendo sua performance de vida e todos os impactos relacionados. elas podem exigir dos fornecedores a comprovação das especificações de confiabilidade de seus produtos (incluindo confiabilidade. petroquímica. Outro bom motivo para que os fabricantes de produtos comecem a implementar sistemáticas de desenvolvimento aplicando os conceitos de confiabilidade é que as grandes empresas que investem em gestão de processos. mineradoras. geração. fortalecendo sua imagem junto ao cliente. é fundamental que as empresas se capacitem para atender as novas exigências do mercado. papel e celulose.• Subsidiar a área de engenharia com informações para direcionar melhorias em novos projetos. Em resumo. mineração. E como essas companhias já utilizam e aplicam os conceitos da Engenharia da Confiabilidade. entre outros. estão com previsões de grandes investimentos para aumentar sua capacidade produtiva nos próximos anos. conhecem mais da confiabilidade dos produtos e equipamentos que utilizam do que os próprios fabricantes que os desenvolveram e fabricaram. a confiabilidade é a chave para que as empresas tenham domínio completo dos produtos que desenvolvem.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->