Você está na página 1de 16
UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM

Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem I

Básica Disciplina Administração em Enfermagem I EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO E A ENFERMAGEM –

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO E A ENFERMAGEM – as teorias administrativas 1

1 – Objetivos

GRECO, ROSANGELA MARIA 2

Conhecer as principais teorias administrativas de acordo com a evolução do pensamento administrativo;

Refletir sobre a articulação da administração com a enfermagem;

Analisar criticamente o reflexo das teorias administrativas na prática da administração da assistência de enfermagem.

Introdução A Administração é uma ciência da área humana, que no decorrer do desenvolvimento e da evolução da sociedade teve seu significado e conteúdo ampliado e aprofundado, se modificando em conseqüência do contexto sócio, político e econômico e das transformações nas formas de organização do trabalho (CHIVENATO, 1993; MENDES, s/ data). Assim observa-se que o pensamento administrativo foi influenciado por:

filósofos ou pensadores; pela Igreja Católica; pela organização militar; pelos

economistas liberais e pela Revolução Industrial através da mecanização da indústria e agricultura (KURCGANT, 1991) Vejamos então segundo CHIAVENATO (1993) como se deu a evolução do pensamento administrativo segundo essas influências. A evolução do pensamento administrativo - A Influência dos Filósofos ou pensadores A filosofia através de seus pensadores da antiguidade influenciou a administração sendo que dentre eles podemos citar:

- Sócrates (470 a.C. – 399 a.C.), que considera a administração como uma

habilidade pessoal separada do conhecimento técnico e da experiência; - Platão (429a.C. – 347a.C.) – propõe uma forma democrática de governo e de

administração dos negócios públicos;

- Aristóteles (384 a.C. – 322 a.C.) – estuda a organização do Estado,

distinguindo três formas de Administração pública: Monarquia ou governo de um só (que pode se tornar uma tirania); Aristocracia ou governo de uma elite (que pode caminhar para uma oligarquia) e Democracia ou governo do povo (que pode se degenerar em anarquia).

1 Este texto foi elaborado como material instrucional para a Disciplina Administração em Enfermagem I, para os acadêmicos do Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora. Pedimos que, caso haja o interesse em utilizar este material, seja citada a referência.

2 Enfermeira, Doutora em Saúde Pública, Professor Associado do Departamento de Enfermagem Básica da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora.

- Francis Bacon (1561-1626) – fundador da Lógica Moderna antecipou-se ao

princípio conhecido em Administração como o principal deve prevalecer sobre o acessório.

- René Descartes (1596- 1650) – fundador da filosofia moderna, criador da

coordenadas cartesianas influenciou vários princípios da moderna Administração, como os da divisão do trabalho, da ordem, do controle entre outros.

- Thomas Hobbes (1588- 1679) – desenvolveu a teoria da origem contratualista

do Estado, onde o homem primitivo por ser um ser anti-social e viver em guerra

permanente com o próximo, necessitava do Estado para impor a ordem e organização da vida social.

- Jean-Jacques Rousseau (1712 – 1778) – que com a Teoria do Contrato Social,

compreende o homem como sendo por natureza bom e afável, mas que com a vida em sociedade se torna deturpado e corrompido.

A Influência da Organização da Igreja Católica

Com a evolução dos tempos e da sociedade, a Igreja Católica foi estruturando sua organização, sua hierarquia, seu estado-maior e sua coordenação funcional. Nos dias de hoje, a igreja apresenta uma organização hierárquica simples e eficiente. Assim sendo, a experiência da igreja católica influenciou a ciência da administração através de seu conceito de hierarquia da autoridade e de estrutura de poder centralizado apenas em uma pessoa.

A Influência da Organização Militar

A organização militar influenciou e influencia a ciência da administração, por exemplo, através de: organização linear, princípio da unidade de comando, escala hierárquica de acordo com o grau de autoridade e responsabilidade correspondente, centralização do comando e descentralização da execução (dicotomia entre pensar e fazer), princípio de direção (todo soldado deve saber o que espera dele e aquilo que ele deve fazer), desenvolvimento do pensamento estratégico, do planejamento, da disciplina e da tomada de decisão cientificamente elaborada e não intuitiva.

A Influência da Revolução Industrial

Na Inglaterra a partir de 1776, a partir da invenção da máquina a vapor por James Watt (1736 -1819), ocorre uma mudança na concepção de trabalho, modificando a estrutura social e comercial da época. Assim sendo, de 1780 a 1860 viveu-se a primeira Revolução Industrial, ou do carvão e do ferro. Levando a mecanização da indústria e da agricultura, desenvolvimento do sistema fabril, de transportes e de comunicações. Neste período ocorre a migração das áreas agrícolas para as regiões urbanas. De 1860 a 1914 ocorre a segunda Revolução Industrial, ou do aço e da eletricidade. Assim, do sistema de produção artesanal o homem passa ao regime de produção em série nas fábricas, levando a mecanização do trabalho, á divisão do trabalho e a simplificação das tarefas. Com o desenvolvimento do capitalismo surge uma nova classe social o proletariado. Tem inicio uma luta de classe entre os proprietários e os empregados. A Revolução Industrial, apesar de ter provocado uma grande modificação na estrutura empresarial e econômica da época, não influenciou diretamente os princípios de administração das empresas, uma vez que os dirigentes cuidavam de modo empírico, tendo como modelos as organizações militares ou eclesiásticas bem sucedidas.

Mas, para a administração a principal conseqüência da Revolução Industrial foi

o nascimento da organização e da empresa moderna.

A Influência dos economistas liberais No final do século XVIII, os economistas clássicos liberais propõem que a vida econômica deve afastar-se da influência estatal, sendo defensores, portanto da livre

concorrência. A influência desses economistas se dá através do: princípio da divisão do trabalho e da especialização, importância do planejamento e da organização, do controle

e da remuneração dos trabalhadores. Entretanto, o liberalismo econômico, através da livre concorrência criou áreas de conflitos sociais intensos de modo que Karl Marx (1818 – 1883) e Friedrich Engels

(1820- 1885) criaram o chamado socialismo científico e o materialismo histórico, onde afirmavam que todos os fenômenos históricos são o produto das relações econômicas entre os homens. Estas concepções influenciaram e influenciam até os dias de hoje o comportamento administrativo nos níveis individual e social, assim como os métodos e processos, com ênfase na racionalização do trabalho.

A partir de então a Administração foi ganhando corpo, através da Teoria Geral

da Administração que estuda as várias teorias ou escolas de acordo com as correntes de pensamento. Assim hoje em dia a administração pode ser estudada do ponto de vista da interação e interdependência entre cinco variáveis principais que são: tarefa, estrutura, pessoas, tecnologia, e ambiente. Sendo que a adequação entre essas cinco variáveis constitui o principal desafio da administração.

As Teorias Administrativas

A partir das influências já discutidas foram surgindo às teorias administrativas.

A palavra Teoria originalmente vem do grego theoria que significa uma visão.

Assim o desenvolvimento de teorias pode ser compreendido como racional e intelectual, conduzindo à descoberta da verdade.

Uma teoria é um guia de ação, um guia para a coleta de fatos e a busca de novos conhecimentos, ela pode ser definida como sendo um conjunto de conceitos.

Segundo Horta (1979) citando Lahr (sem data), a teoria é um conjunto de leis particulares, de proposições hipotéticas, conceitos e definições, relacionados a uma explicação comum, logicamente ordenados, que visam explicar eventos, e são criados com algum propósito ou objetivo. Segundo Paim (1986, p. 37) a teoria é “o núcleo central da ciência, sobre cujas bases se desenvolvem a observação, a descrição e a experimentação”. Concluindo Teorias podem ser definidas como sendo uma forma sistemática de olhar para o mundo e descrevê-lo, explicá-lo prevê-lo ou controlá-lo.

A importância e necessidade das teorias fica claro, por exemplo, na seguinte

afirmação “sempre que decidimos e agimos, lá no fundo existe uma teoria, muitas vezes precária, mal fundamentada, baseada em pressupostos às vezes frágeis. E mais: muitas dessas teorias são inconscientes. Mas o certo é que elas estão presentes. Não há como agir sem que, consciente ou inconsciente, exista uma teoria por detrás” (CARAVANTES; PANNO; KLOECKNER, 2005 p.40). Nesta aula iremos falar das principais teorias administrativas que foram se consolidando no decorrer dos tempos. De modo geral o desenvolvimento das teorias administrativas pode ser subdividido em três períodos: Clássico a partir de 1895; Neoclássico a partir de 1925 e

Moderno por volta de 1940, pois segundo PARK (1997) “O contínuo desenvolvimento das forças produtivas, a internacionalização dos mercados, a mobilidade dos conflitos sociais e organizacionais e a relativa consciência disso tudo propiciam a busca de respostas mais abrangentes para as questões administrativas”. Segundo ALMEIDA; ROCHA (1997), as teorias administrativas enfatizam pelo menos cinco concepções ou variáveis:

- Ênfase nas tarefas, valorizando os aspectos de racionalização do trabalho - Teoria Científica;

- Ênfase na estrutura, evidenciando-se os princípios da gerência e da racionalidade organizacional - Teoria Clássica, Neoclássica e da Burocracia;

- Ênfase nas pessoas, que pode ser chamada da reação humanista na administração, com enfoque para os aspectos de motivação, liderança, organização informal do trabalho - Teoria das Relações Humanas e Comportamental;

- Ênfase no ambiente - Teoria dos Sistemas

- Ênfase no ambiente e na tecnologia, com a aceitação da existência de indeterminação (contingência) - Teoria Contingencial; Vejamos de modo esquemático cada uma delas a partir da leitura dos seguintes autores:

Kurcgant (1991), Kwasnicka (1991), Chiavenato (1993), Rodrigues (1994), Collet, et al (1994) e Régnier (1997).

Teoria Científica Criação e Desenvolvimento Por volta de 1884 Frederick Winslow Taylor (1856 – 1915) que nasceu em Germantown, subúrbio da Filadélfia, no estado da Pensilvânia, EUA, vindo de uma família de classe média, abandonou o caminho profissional da advocacia e iniciou como simples operário na siderúrgica Midvale Steel Company, passando a capataz, contramestre, chefe de oficina, a engenheiro em 1885, quando se formou pelo Stevens Institute. Com este trabalho nesta empresa e a partir de métodos empíricos de observação e análise, ele começou a desenvolver, o primeiro modelo científico de organização do trabalho, também denominado de Taylorismo. Ele verificou que no sistema de pagamento por dia de trabalho os trabalhadores não percebiam nenhuma vantagem em trabalhar arduamente, e assim ele afirmava que se a empresa pudesse estabelecer padrões de desempenho fixos, o trabalhador se esforçaria para receber salários maiores.

Pressupostos Básicos O Taylorismo consiste na aplicação dos princípios de organização e do método científico, com os objetivos básicos de eliminar o desperdício e as perdas, bem como elevar os níveis de produtividade. O que é conseguido através da:

Racionalização do trabalho, decomposição das tarefas em operações simples (levando a quebra do saber operário alterando a relação que o trabalhador tinha até então com o seu trabalho), estudo dos tempos e movimentos;

Especialização do operário

Padronização de métodos, instrumentos e tarefas, para obter uniformidade e reduzir custos;

Delimitação de tarefas e salários de acordo com a produção individual, com

incentivos salariais e prêmios por produtividade;

Divisão entre planejamento e execução do trabalho;

Monopólio do conhecimento, através da atribuição aos gerentes de superpoderes para controlar rigorosamente a execução. Assim, Taylor foi considerado “O pai da Administração Científica”, sendo que os principais aspectos do Taylorismo são:

1. Em relação à ênfase: ela esta centrada na realização das tarefas

2. Quanto à abordagem da organização: a empresa era vista como estrutura formal sendo conceituada como sendo um sistema fechado;

3. Concepção de homem: Homem econômico, considerando o homem como sendo motivável por recompensas salariais, econômicas e materiais;

4. Princípios: os quatro princípios fundamentais da administração científica

são – principio do planejamento – a partir do qual todo trabalho deveria ter como critérios para sua realização métodos baseados em procedimentos científicos; da preparação dos trabalhadores- segundo o qual os trabalhadores devem ser treinados para produzir mais e melhor; do controle – consiste em se certificar que o trabalho esta sendo realizados de acordo com o as normas estabelecidas e o plano previsto e da execução – que consiste na distribuição das tarefas e responsabilidades de acordo com critérios estabelecidos para disciplinar a execução, divisão do trabalho. Apreciação crítica Como já dissemos Taylor foi quem propôs a criação de uma “Ciência da Administração” antes de suas observações não havia uma análise dos processos de trabalho, os gerentes não se preocupavam com os processos, discutia-se “o que”, mas não o “como” (Nóbrega, 1998). A partir da racionalização e da padronização, houve incentivo salarial e prêmios por produtividade. Segundo Kurcgant (1991) talvez o aspecto mais crítico na Teoria Científica seja o caráter mecanicista de sua proposta. Além disso, podemos apontar a superespecialização do operário, a visão microscópica do homem, a ausência de comprovação científica – uma vez que pouca pesquisa e experimentação científica foram feitas para comprovar as teses -, a abordagem prescritiva, normativa, incompleta da organização e a compreensão da empresa como um sistema fechado. Entretanto apesar das críticas é importante lembrar que as contribuições de Taylor são relevantes e utilizadas até os dias de hoje, e que a partir de suas observações é que o trabalho passou a ser executado melhor e economicamente, impulsionando toda uma nova forma de compreender a Ciência da Administração. A este respeito Rodrigues (1994 p. 30-31) afirma que “as idéias de Taylor ainda estão vivas. Com outros títulos ou rótulos ou inseridas implicitamente nas diversas escolas sociais ou de produção. Logo não podemos desprezá-las”.

Teoria Clássica Criação e Desenvolvimento Esta Teoria foi idealizada por Henri Fayol (1841 – 1925) nascido na França, que paralelamente a Taylor defendia princípios semelhantes na Europa. Uma diferença entre Taylor e Fayol diz respeito a inserção destes na empresa, enquanto Taylor começou “no chão da fábrica” Fayol trabalhava nos níveis organizacionais da cúpula administrativa.

Esta teoria estava voltada para conseguir a máxima eficiência da organização através da adoção de uma estrutura que fosse adequada e consequentemente com um funcionamento compatível com essa estrutura.

Pressupostos Básicos Fayol considerava a administração como um processo universal, possível de ser aplicado em qualquer área, como uma atividade comum a tudo que necessita ser coordenado, comandado e controlado. A Teoria Clássica compreende a administração como um corpo de conhecimentos que pode ser produzido, desenvolvido e planejado racionalmente, ela foi fortemente influenciada pelas estruturas organizacionais militares e da igreja,

compreendendo as empresas como estruturas limitadas a partir de uma hierarquia rígida e estática. Além disso, esta teoria define como sendo funções administrativas o planejamento, a organização, o comando, a coordenação e o controle. Os principais aspectos da Teoria Clássica são:

1. Em relação à ênfase: ela esta centrada na estrutura e no funcionamento organizacional

2. Quanto à abordagem da organização: a empresa era vista como uma estrutura formal, constituída por um conjunto de órgãos, com desenho de cargos, tarefas, regras e normas bem delimitadas e com uma divisão vertical do trabalho, seguindo uma hierarquia da autoridade.

3. Concepção de homem: Homem econômico, considerando o homem como sendo motivável por recompensas salariais, econômicas e materiais;

4. Princípios: Através desta teoria foram definidos os princípios gerais da administração sendo eles –

a. Divisão do trabalho – compreendida como sendo a especialização dos funcionários desde a maior autoridade até os operários, favorecendo a eficiência e a produtividade.

b. Autoridade e responsabilidade – sendo que a autoridade é considerada como o direito dos superiores darem ordens que deverão ser seguidas e a responsabilidade como a contrapartida da autoridade.

c. Disciplina – estabelecimento de regras de conduta e de trabalho válidas para todos, sem elas ocorre o caos na organização.

d. Unidade de Comando: um trabalhador deve receber ordens de apenas um superior.

e. Unidade de Direção - um único plano para um grupo de atividades com o mesmo objetivo.

f. Subordinação dos interesses individuais aos interesses gerais - o interesse de um funcionário não deve prevalecer sobre o interesse da instituição.

g. Remuneração - a compensação deve ser justa, e na medida do possível garantir a satisfação do indivíduo e da empresa.

h. Centralização – as atividades essenciais e a autoridade devem ser centralizadas.

i. Rede escalar – deve haver uma estrutura hierárquica com uma linha de autoridade fixa.

j. Ordem – um lugar para cada coisa, e cada coisa em seu lugar.

k. Equidade – senso de justiça que deve prevalecer justificando a lealdade e devoção de cada funcionário a organização.

l. Estabilidade – a rotatividade tem efeitos negativos, uma vez que é necessário tempo para que o trabalhador se adapte as suas funções.

m. Iniciativa – em todos os níveis é necessário que haja entusiasmo e energia, para que os planos sejam estabelecidos e cumpridos.

n. Espírito de Equipe – necessidade do desenvolvimento do trabalho em conjunto, e a manutenção do relacionamento interpessoal.

Apreciação crítica Os estudos de Fayol foram centrados na unidade do comando, autoridade e na responsabilidade, dando a Teoria Clássica um caráter prescritivo e normativo na determinação de regras e normas, além disso, uma vez que se voltou para a estrutura formal da organização, não considerando a estrutura informal, concebeu a empresa como um sistema fechado, sendo criticada também por não estar voltada para as necessidades dos trabalhadores. Propôs a divisão horizontal do trabalho, através do agrupamento de atividades afins, denominada departamentalização e a divisão vertical estabelecendo níveis hierárquicos, com ênfase na estrutura que a organização deveria possuir para ser eficiente. Possibilitou uma redução nos custos dos bens manufaturados, tornando muitos destes antes inacessíveis as camadas trabalhadoras, disponíveis para as massas. Tornou ainda possível o aumento dos salários.

Teoria das Relações Humanas Criação e Desenvolvimento Com a grande depressão devido à quebra da Bolsa de Valores de Nova York em 1929, no início da década de 30 nos Estados Unidos, ganha força um conjunto de teorias administrativas, também denominadas de teoria das Relações Humanas ou Escola das Relações Humanas. Até então como conseqüência das Teorias Científica e Clássica o trabalhador era considerado de forma muito mecânica e econômica, já esta teoria cria novas perspectivas para a administração, ao passar a perceber o trabalhador como portadores de sentimentos e necessidades, deixando de enfatizar a estrutura e passando a preocupar-se com os aspectos psicológicos e sociais do homem no trabalho. Um dos primeiros estudiosos da Teoria das Relações Humanas foi o médico e sociólogo australiano Elton Mayo, que em 1924 realizou um estudo para verificar a influência da iluminação na produtividade, buscando variáveis que influenciassem, positiva ou negativamente a produção. Este trabalho ficou conhecido como experiência de Hawthorne, por ser este o nome do bairro onde estava localizada a Western Electric Company, fábrica onde Mayo realizou sua pesquisa, em Chicago, nos EUA. A partir desta experiência Mayo concluiu que a produção não era determinada unicamente pela condição física do trabalhador, mas que ela era uma decorrência também e principalmente da integração dos trabalhadores com o grupo social.

Pressupostos Básicos A partir desta teoria a administração passou a discutir novas variáveis, entre elas a motivação humana, a liderança, a comunicação e a dinâmica de grupo. Os principais aspectos da Teoria das Relações Humanas são:

1.

Em relação à ênfase: ela esta centrada na percepção de que um problema humano para ser resolvido necessita de dados, informações e ferramentas também humanas, ou seja, a ênfase está nas pessoas;

2. Quanto à abordagem da organização: passou-se a salientar a importância da organização informal, da cooperação entre os trabalhadores para os resultados na produção e para a necessidade de não haver incompatibilidade entre os objetivos da organização e os dos trabalhadores.

3. Concepção de homem: nesta teoria as recompensas sociais é que são consideradas como fatores determinantes no desempenho do indivíduo, assim o homem e considerado um ser social – “homem social”;

4. Princípios: da mesma forma novos princípios passaram a ser discutidos entre eles: as recompensas sociais como determinantes do desempenho e a administração participativa.

Apreciação crítica As principais críticas a esta teoria apontam para a concepção ingênua e romântica dos trabalhadores e para a ênfase exagerada nos grupos informais, que fizeram com que ela se tornasse uma forma paternalista de administração, ignorando os confrontos e conflitos entre empregados e administradores, levando a um enfoque manipulativo e demagogo. O maior impacto desta teoria foi à constatação de que os trabalhadores possuem uma capacidade para agir eficientemente na medida em que lhes e oferecido certo grau de responsabilidade, e que os problemas humanos no trabalho podem ser equacionados e solucionados.

Teoria da Burocracia Criação e Desenvolvimento Esta Teoria administrativa desenvolveu-se por volta de 1940, quando o sociólogo alemão Max Weber (1864-1920) estudou as organizações sob o aspecto estruturalista enfocando a adequação dos meios utilizados nas empresas em relação aos resultados, aos fins esperados. Assim a Burocracia é uma forma de organização humana que se baseia na racionalidade, visando à máxima eficiência possível no alcance dos objetivos. Popularmente por burocrática compreendemos uma organização onde os papéis se multiplicam e avolumam tão complexa que impede as soluções rápidas ou eficientes, ou também como o seguimento rígido dos funcionários aos regulamentos e rotinas, levando a ineficiência da empresa, assim burocracia costuma ser sinônimo de defeitos ou disfunções do sistema e não o sistema em si mesmo, mas não devemos nos prender ao julgamento de valores da palavra burocracia. No conceito de Max Weber burocracia é exatamente o contrário, é a organização eficiente por excelência que detalha antecipadamente como as tarefas deverão ser realizadas, devendo ser impessoal e formal.

Pressupostos Básicos Para Weber as principais características do Modelo Burocrático seriam:

Caráter formal e legal das normas, regulamentos, rotinas, procedimentos e comunicações;

Divisão de trabalho, estabelecendo o grau hierárquico de cada cargo, o poder, a responsabilidade, as atribuições e as condições necessárias;

Ênfase e estímulo à competência técnica e profissionalização;

O corpo administrativo deve ser separado da propriedade da empresa, com especialização da administração;

Completa previsibilidade do funcionamento. Os principais aspectos da Teoria Burocrática são:

1. Em relação à ênfase: ela esta centrada na estrutura organizacional

2. Quanto à abordagem da organização: compreende a empresa como estruturada por normas e regulamentos previamente estabelecidos por escrito, que definem antecipadamente como ela deve funcionar, conferindo um caráter formal à organização;

3. Concepção de homem: caracteriza-se pela impessoalidade nas relações humanas, considera os trabalhadores apenas em função dos cargos e funções que exercem na empresa - Homem organizacional;

4. Princípios: segue os mesmo princípios da Teoria Clássica

Apreciação crítica Um dos dilemas enfrentado pela Teoria Burocrática diz respeito ao fato de que a impessoalidade e a racionalidade do modelo não permitem uma liderança competitiva ou uma sobrevivência em um ambiente dinâmico, onde existem pressões constantes de forças exteriores que encorajam o burocrata a seguir ouras normas diferentes das da organização. Além disso, o exagerado apego as regras, normas e regulamentos, assim como o modo operacional mecânico, a desatenção ao comportamento humano inibem a criatividade a flexibilidade, transformando muitas vezes os meios em fins. Como aspectos positivos são citados: a possibilidade de maior rapidez nas decisões; uniformidade de rotinas, procedimento e na interpretação, uma vez que toda regulamentação é escrita, redução do atrito entre as pessoas, subordinação dos mais novos aos mais antigos, constância e confiabilidade, pois tudo é conduzido de acordo com as normas entre outros.

Teoria Comportamental Criação e Desenvolvimento Esta Teoria teve origem a partir de uma crítica e reestruturação da Teoria das Relações Humanas, e apesar de compartilhar dos conceitos fundamentais rejeita as concepções românticas e ingênuas desta teoria. Assim a partir da década de 50, inicialmente nos Estados Unidos, se desenvolve uma nova concepção de administração, que transfere a preocupação com a estrutura para o processo, para o comportamento humano nas organizações, tendo por base o movimento Behaviorista ou das ciências do comportamento. Os estudiosos desta teoria se debruçaram sobre a análise do comportamento das pessoas, principalmente no que diz respeito ao que motiva as pessoas. Além disso, tendo por base os estudos de Herbert Simon, a Teoria Comportamental compreende a organização como sendo um sistema de decisões onde cada trabalhador participa racional e conscientemente, escolhendo e tomando decisões individuais a respeito de alternativas, tendo por base as informações que recebe em seu ambiente. Dentre as várias proposições sobre a motivação humana, citam-se as contribuições de Maslow com o estudo das necessidades humanas básicas, de Mc Gregor com a teoria X e Y, Herzberg com a teoria higienista e Likert com os sistemas de administração. Vejamos resumidamente o que falavam estes estudiosos:

Teoria de Maslow – Da hierarquia das necessidades humanas Segundo Maslow, as pessoas são dominadas por motivos ou solicitações de suas necessidades internas insatisfeitas, que orientam e determinam o comportamento. Há uma hierarquia dessas necessidades, uma escala de prioridades que vai das necessidades básicas ou fisiológicas, de segurança, sociais ou de afeição e de pertencer a um grupo, de auto-estima ou reconhecimento até as de auto-realização ou realização pessoal. Essas cinco categorias de necessidades são importantes, interdependentes e justapostas. E elas podem surgir concomitantemente, ou seja, uma necessidade de auto- realização pode surgir antes que uma necessidade fisiológica esteja completamente satisfeita, o alcance dos níveis não é permanente sendo que a ordem à importância das necessidades das pessoas e as maneiras de satisfazê-las podem se modificar.

Teoria de McGregor – Da participação McGregor assinala a existência de um conflito básico entre as necessidades dos indivíduos e as da organização, e considera que nenhuma das partes pode ser

plenamente satisfeita, mas cabe ao administrador orientar seus esforços nesse sentido. Em seus estudos ele sugere dois estilos dicotômicos de administração:

a) Teoria X - que corresponde à suposição de que o homem é uma criatura

indolente e que foge à responsabilidade, que tem aversão ao trabalho e o evitaria se

pudesse, daí a necessidade de organizar todo o seu trabalho e controlá-lo, por meio de regulamentos, disciplina, através de promessas de recompensas e elogios, como o fazia

a Teoria Clássica,

b) Teoria Y - que corresponde à suposição de que o homem é uma criatura que

tem motivações e necessidades que necessitam ser satisfeitas, gostam do trabalho quando compreendem o que se espera delas e quando recebem satisfação decorrente do mesmo, daí a necessidade do conhecimento da motivação humana como meio de obtenção de eficiência no trabalho. A Teoria Y é o estilo mais adequado em todas as situações e gera um clima de trabalho favorável que estimula, por si mesmo, a alta produtividade, o autocontrole e a criatividade. A teoria de McGregor considera que o homem renova suas próprias necessidades, ela é normativa e fornece uma descrição interessante de uma filosofia da organização calcada no humanismo e na tentativa de integrar as necessidades individuais e organizacionais. Propõe uma administração participativa ou consultiva na quais os indivíduos participam ou são consultados quanto às decisões que devem ser tomadas a seu respeito.

Teoria de Hezberg – De higiene Hezberg considera que as pessoas possuem dois tipos de necessidades diferentes que afetam o comportamento humano:

Elementos ambientais ou higiênicos, que são: condições de trabalho, tipo de

supervisão, políticas administrativas, status e prestígio, relações interpessoais, dinheiro

e segurança pessoal, sendo que Hezberg considera que qualquer mudança ou melhoria

nesses elementos diminuirá a insatisfação, mas não aumentará a satisfação. Elementos motivacionais ou de função, que são: reconhecimento, trabalho estimulante, maior responsabilidade, crescimento e desenvolvimento pessoal, sendo que qualquer mudança ou melhoria nesses elementos poderá motivar melhor desempenho. Para Hezberg, a estratégia de desenvolvimento organizacional mais adequada é a reorganização que ele denomina ‘enriquecimento de tarefas’ a qual consiste

basicamente em aumentar a responsabilidade do cargo adicionando tarefas gradativamente mais elevadas e desafiantes.

Likert - Perfis organizacionais Para Likert, a administração é um processo relativo, onde não existem normas e princípios válidos para todas as situações, e assim ela não pode ser igual em todas as organizações, assumindo feições diferentes, de acordo com as condições internas e externas das organizações. Ele propõe então uma classificação de Sistemas de Administração definindo quatro perfis organizacionais:

Autoritário coercitivo – fortemente arbitrário e que controla rigidamente toda a organização;

Autoritário benevolente – variação atenuada do primeiro, mais condescendente e menos rígido;

Consultivo – caminha na direção participativa, e gradativamente representa um abrandamento da arbitrariedade organizacional;

Participativo – democrático e aberto. Para chegar a esta classificação ele analisou as seguintes variáveis organizacionais: o processo decisorial adotado; o sistema de comunicação existente; o relacionamento interpessoal e o sistema de recompensas e punições vigentes na organização.

Esses quatro sistemas mostram as diferentes e gradativas alternativas existentes para administrar uma empresa, além disso, Likert constatou que quanto mais próximo do Sistema participativo estiver o estilo de administração da empresa, maior será a probabilidade de haver alta produtividade, boas relações de trabalho e elevada rentabilidade.

Pressupostos Básicos Esta Teoria abandona as posições normativas e prescritivas das teorias anteriores para a adoção de posições explicativas e descritivas. E apresenta como principais aspectos:

1. Em relação à ênfase: nas pessoas;

2. Quanto à abordagem da organização: ela compreende a organização como um sistema social, cooperativo e racional e, portanto forma e informal;

3. Concepção de homem: visando à maneira satisfatória e não a melhor maneira de realizar o trabalho tendo por base o behaviorismo esta teoria deu ênfase ao Homem Administrativo;

4. Princípios: estudar os fenômenos sociais através das causas que influenciam os comportamentos dos indivíduos tanto em nível micro como macro.

Apreciação crítica Como crítica a Teoria Comportamental questiona-se a relatividade da teoria da motivação que considera como se todas as pessoas possuíssem as mesmas necessidades e como se estas pudessem ser hierarquizadas linearmente, outra questão diz respeito ao fato de estrutura formal da organização ser considerada de forma isolada, independente da estrutura informal. Além disso, também, ela é criticada pela tendência a ser manipulativa, uma vez que busca descobrir formas intrínsecas de obter maior produtividade ou qualquer outro objetivo.

Como aspecto positivo é possível destacar a grande contribuição desta teoria para a administração ao evidenciar os diferentes estilos com que os administradores dirigiam suas equipes, unindo a escolha do estilo às convicções que estes possuíam sobre o comportamento humano. As teorias motivacionais demonstraram ainda que os objetivos dos indivíduos nem sempre se aproximam dos objetivos das organizações, levando muitas vezes, a um comportamento alienado e ineficiente, que pode retardar ou impedir o alcance dos objetivos das organizações. Por outro lado, é difícil de definir parâmetros universais que possam ser utilizados para motivar as pessoas, há sempre um componente subjetivo na motivação, e, portanto o que é bom para uma pessoa pode não ser para outra.

Teoria Neoclássica Criação e Desenvolvimento Esta teoria surgiu a partir da releitura e aprimoramento de algumas características da administração clássica, através de testes e experimentos, sendo vários os autores que compõem seu corpo de conhecimentos. Ela é uma reação à influência das ciências do comportamento no campo da Administração em detrimento dos aspectos econômicos e concretos que envolvem o comportamento das organizações. Um dos produtos da Teoria Neoclássica e a chamada Administração por Objetivos.

Pressupostos Básicos Ela se caracteriza pela ênfase na ação, na operacionalização prática da administração; reafirmação dos postulados clássicos que são redimensionados e reestruturados de acordo com uma configuração mais ampla e flexível; retoma os princípios de administração como critérios elásticos para a busca de soluções práticas; enfatiza os objetivos e os resultados como forma de avaliar o desempenho das organizações; absorção do conteúdo de outras teorias administrativas mais recentes; concebe a administração como uma técnica social de lidar com pessoa, influenciando-as para o alcance de objetivos e resultados. Além disso, os autores neoclássicos adotam o processo administrativo como

núcleo de sua teoria eclética e utilitarista, definindo como funções administrativas: o planejamento, a organização, a direção e o controle. Os principais aspectos da Teoria Neoclássica são:

1. Em relação à ênfase: no ecletismo – tarefa, pessoas e na estrutura;

2. Quanto à abordagem da organização: considera a organização um sistema social com objetivos a alcançar e, portanto ela é formal e informal;

3. Concepção de homem: Homem Organizacional e Administrativo;

4. Princípios: da divisão do trabalho, da especialização, da existência de níveis hierárquicos e da amplitude administrativa (número de subordinados que o administrador pode dirigir).

Apreciação crítica Um aspecto positivo é a tentativa de superação dos aspectos negativos da teoria clássica o caráter prescritivo e normativo na determinação de regras e normas, e concepção da organização como um sistema fechado. O processo administrativo adotado por esta teoria se mostra flexível, maleável e adaptável às situações variadas e circunstâncias diferentes.

Seu grande desafio é conseguir a participação dos trabalhadores e enfrentar o dilema da centralização versus descentralização.

Teoria de Sistemas Criação e Desenvolvimento Esta teoria surgiu na década de 60 tendo como base os principais conceitos da cibernética que envolve os estudos dos sistemas, da ciência da comunicação e do controle. Seu precursor foi Ludwig Von Bertalanffy, que definiu sistema como sendo um conjunto de elementos inter-relacionados e integrados visando o alcance de um objetivo determinado, e um dado resultado ou uma determinada função. Com uma abordagem integrativa a teoria de sistemas fundamenta-se em três premissas: os sistemas existem dentro de sistemas, eles são abertos e as funções de um sistema dependem de sua estrutura. Assim as organizações são consideradas como sistemas de papéis onde os trabalhadores agem como transmissores de papel, atores e pessoas focais.

Pressupostos Básicos Da definição de Bertalanffy decorrem as seguintes características de um sistema:

Todo sistema em um ou alguns propósitos ou objetivos – Propósito ou objetivo;

Tem uma natureza orgânica através da qual uma ação que produza uma mudança em uma das unidades, muito provavelmente ira produzir mudanças em todas as outras unidades – globalismo ou totalidade;

Tendência para o desgaste, para desintegração, o afrouxamento dos padrões e o aumento da aleatoriedade – entropia – à medida que aumenta a informação diminui a entropia;

Há um equilíbrio dinâmico entre as partes do sistema – homeostasia. Os sistemas podem ser classificados ainda em relação a sua natureza sendo denominados de sistema abertos aqueles que trocam matéria e energia com o meio ambiente e os fechados àqueles que não fazem trocas com o meio. Os principais aspectos da Teoria de Sistemas são:

1. Em relação à ênfase: no ambiente

2. Quanto à abordagem da organização: compreende a organização como um sistema aberto

3. Concepção de homem: a concepção é de Homem Funcional compreendido como o indivíduo que tem um papel dentro das organizações, inter-relacionando-se com os demais indivíduos, como um sistema aberto.

4. Princípios: Os elementos estão integrados e inter-relacionados de modo a alcançar um resultado.

Apreciação crítica Para alguns autores ela considerada abstrata e conceitual, de difícil aplicação as situações gerenciais práticas. Entretanto pode-se dizer que a abordagem sistêmica é basicamente uma teoria geral compreensiva uma vez que cobre amplamente todos os fenômenos organizacionais, tendo contribuído para uma ampliação na visão dos problemas organizacionais. Além disso, ela é considerada também como uma síntese integrativa dos conceitos clássicos, neoclássicos, estruturalistas e behavioristas.

E apesar de sua abordagem parecer completa, ela ainda necessita de uma melhor sistematização e detalhamento pois sua utilização na prática ainda é pequena.

Teoria da Contingência Criação e Desenvolvimento A palavra contingência significa: o que pode vir a acontecer ou não. Diz respeito a uma proposição que só pode ser verificada, confirmada ou não pela experiência e evidência e não pela razão. Esta teoria tem sua origem a partir de estudos, na década de 60, que mostraram como uma mesma organização funcionava de formas diversas em condições diferentes. E assim, concluiu-se que as condições em que uma organização funciona, são decorrentes do ambiente externo que influenciam na estruturação e nos processos administrativos das empresas. De uma forma mais ampla a teoria contingencial mostra que não se alcança a eficácia organizacional seguindo apenas um único modelo, não existe uma forma que seja a única e a melhor para que se alcancem os objetivos que são variados e acontecem em ambientes também diversos nas organizações. Assim ambientes e situações diferentes requisitam relações organizacionais diferentes e modelos apropriados para cada caso vivenciado.

Pressupostos Básicos Segundo os autores que estudaram a abordagem da contingência as duas variáveis que produzem o maior impacto sobre as empresas são o ambiente e a tecnologia, que consequentemente implicam em diferenças na estrutura e no funcionamento. Ela enfatiza que não há nada de absoluto nas organizações ou na teoria administrativa, tudo é relativo.

Sua tese central, como já dissemos, é a de que não há um método ou técnica exclusivamente válida, ótima ou ideal para todas as situações. O que há é um conjunto de alternativas, métodos ou técnicas, discutidos pelas diversas teorias administrativas, sendo que um deles poderá ser o mais adequado para uma determinada situação. Assim as teorias administrativas anteriores não estão erradas, o que acontece é que cada uma delas foi proposta e desenvolvida tendo em perspectiva um determinado contexto, uma dada situação, na qual ela funciona adequadamente. Mas, se o contexto e a situação se modificam ela pode deixar de ser válida. Assim a abordagem contingencial consiste em se diagnosticar as características do ambiente e da tecnologia para que se possam verificar as necessidades organizacionais e a partir delas, propor a abordagem teórica que de conta da situação vivenciada. Os principais aspectos da Teoria Contingencial são:

1. Em relação à ênfase: no ambiente – conceituado como sendo tudo o que envolve externamente uma organização, contexto dentro do qual ela está inserida – e na tecnologia – compreendida como conhecimentos acumulados ou desenvolvidos sobre o significado e a execução de tarefas e pelas suas manifestações físicas decorrentes (máquinas, equipamentos, instalações) constituindo um complexo de técnicas utilizadas na transformação dos insumos pelas organizações.

2. Quanto à abordagem da organização: considera a organização um sistema aberto quando se considera o ambiente/contexto no qual ela está inserida e um sistema fechado quando se considera a racionalidade técnica

3.

Concepção de homem: considera o homem um individuo complexo em relação a sua natureza, as suas características, as suas múltiplas necessidades e potencialidades - Homem Complexo.

4. Princípios: O ambiente externo influência a estruturação e os processos organizacionais, devendo haver ajuste entre a organização, o ambiente e a tecnologia, com ênfase na flexibilidade organizacional.

Apreciação critica A teoria contingencial é eclética e integrativa, absorvendo os conceitos das diversas teorias administrativas ampliando os horizontes e afirmando que nada é absoluto. Ela afirma que todas as teorias administrativas são válidas, mas para determinados contextos e circunstâncias, sendo considerada muitas vezes mais uma maneira relativa e situacional de se ver as organizações do que propriamente uma Teoria Administrativa.

Algumas Reflexões Finais Bem, chegamos ao final de mais um encontro, onde discutimos as principais teorias administrativas: Científica, Clássica, Relações Humanas, Burocracia, Comportamental, Neoclássica, de Sistemas e Contingencial. Discutimos como cada uma delas traz uma contribuição particular e importante para o desenvolvimento da prática de administração, influenciando no desenvolvimento organizacional de empresas, serviços e instituições. No decorrer da apresentação das teorias pudemos também refletir sobre como nós enfermeiros podemos aplicar esses conhecimentos no dia a dia de um serviço de enfermagem. Mas, para aprofundar na discussão da utilização, aplicação das teorias administrativas na enfermagem é necessário ainda que vocês façam um trabalho analisando como a enfermagem tem utilizado ou pode vir a utilizar na sua prática as contribuições das teorias administrativas estudadas nesta aula. Bom Trabalho!

Referências

ALMEIDA, M. C. P. de; ROCHA, S. M. M. O trabalho de enfermagem. São Paulo, Cortez,

1997.

CARAVANTES, G. R.; PANNO, C. C.; KLOECKNER, M. C. Administração: teorias e processo. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

COLLET, N. et al. Método funcional na administração em enfermagem: relato de experiência.

Rev. Brás. Enf

Brasília, v.47, n. 3 p. 258-264, jul/set. 1994.

CHIAVENATO, I. Teoria Geral da Administração. São Paulo, MAKRON BOOKS, 1993.

HELOANI, R. Organização do trabalho e administração: uma visão multidisciplinar. São Paulo, Cortez, 1994.

HORTA, V. de A. Processo de Enfermagem. São Paulo: EPU/Editora da Universidade de São Paulo, 1979.

KURCGANT, P. As teorias de administração e os serviços de enfermagem. In: KURCGANT, P. (org.). Administração em Enfermagem. São Paulo, EPU, 1991, p.165.

KWASNICKA, E. L. Introdução à Administração. São Paulo, Atlas, 1991

NOBREGA, C. Frederich Taylor, a “Gerência Científica” e os paradoxos da administração. In:

PAIM, R. C. N. Metodologia Cientifica em Enfermagem. Rio de Janeiro: Editora Espaço e Tempo, 1986.

PARK, K. H. (coord.) Introdução ao estudo da administração. São Paulo, Pioneira, 1997.

PINHEIRO, T. X. A. Administração Pública. Rev. Adm. Públ. nº 3, v.11, p.95-101. 1998.

RÉGNIER, K. von D. Alguns elementos sobre a racionalidade dos modelos Taylorista, Fordista e Toyotista. Bol. Tec. Do Senac. V.23, n.2, maio/agosto, 1997.

RODRIGUES, M.V.C. Qualidade de vida no trabalho: evolução e análise no nível gerencial. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.