P. 1
INCIDÊNCIAS RADIOLÓGICAS DA PORÇÃO PROXIMAL DO ÚMERO E

INCIDÊNCIAS RADIOLÓGICAS DA PORÇÃO PROXIMAL DO ÚMERO E

|Views: 523|Likes:

More info:

Published by: Sandro Henrique Neiva on May 02, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/12/2014

pdf

text

original

INCIDÊNCIAS RADIOLÓGICAS DA PORÇÃO PROXIMAL DO ÚMERO E CINTURA ESCAPULAR INCIDÊNCIAS RADIOLÓGICAS DA PORÇÃO PROXIMAL DO ÚMERO: OMBRO (EXCETUANDO-SE TRAUMATISMO

) INCIDÊNCIAS DE ROTINA • AP em rotação externa (AP) • AP em rotação interna (lateral) INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES • Axial infero-superior (método de Lawrence) • Axial infero-superior (método de West Point) • Oblíqua posterior - cavidade glenóide (método de Grashey) • Incidência tangencial - sulco intertubercular (método de Fisk) INCIDÊNCIA AP – ROTAÇÃO EXTERNA: OMBRO (EXCETUANDO-SE TRAUMATISMO) Porção Proximal do Úmero em AP Indicação: demonstrar possíveis calcificações em músculos e tendões, artrose, bursite, etc Visualização das estruturas: clavícula, extremidade acromial, articulação acrômio clavicular, porção superior da escápula, processo coracoide, articulação escapuloumeral e terço proximal do úmero em AP (tubérculo maior em evidência) Filme: 24 X 30 cm - transversal Técnica básica: 10 mAs, 70 a 75 kVp no Bucky Distancia foco-filme: 100cm Posição: paciente em decúbito dorsal ou ereto, ombro em estudo encostado na estativa vertical, realizando rotação do corpo de modo que a cintura escapular fique em posição frontal, rodando braço, antebraço e mão no sentido lateral Raio Central: perpendicular a chassi direcionado 3cm abaixo do terço médio da clavícula INCIDÊNCIA AP- ROTAÇÃO INTERNA: OMBRO (EXCETUANDO-SE TRAUMATISMO) Porção Proximal do Úmero Lateral Indicação: demonstrar possíveis calcificações em músculos e tendões, artrose, bursite, etc Visualização das estruturas: clavícula, extremidade acromial, articulação acromioclavicular, porção superior da escápula, processo coracoide, articulação escapuloumeral e terço proximal do úmero em perfil Filme: : 24 X 30 cm – transversal, no Bucky Técnica básica:10 mAs, 70 a 75 kVp Distancia foco-filme: 100cm Posição: paciente em decúbito dorsal ou ereto, ombro em estudo encostado na estativa vertical, realizando rotação do corpo de modo que a cintura escapular fique em posição frontal, rodando braço, antebraço e mão no sentido medial Raio Central: perpendicular ao chassi direcionado 3cm abaixo do terço médio da clavícula INCIDÊNCIA AXIAL ÍNFERO- SUPERIOR: OMBRO (EXCETUANDO-SE TRAUMATISMO) Método de Lawrence Indicação: demonstrar possíveis calcificações em músculos e tendões, artrose, bursite, luxação e fratura na porção proximal do úmero etc Visualização das estruturas: processo coracóide da escápula e o tubérculo menor do úmero serão vistos em perfil. A espinha da escápula é vista logo abaixo da articulação escapuloumeral. O braço é visto abduzido a 90° em relação ao corpo. As bordas superior e inferior da cavidade glenóide devem estar diretamente superpostas, indicando o ângulo correto do Rc. Filme: - 18 x 24 - transversal. Técnica básica: 10 mAs, 70 a 75 kVp

Os tubérculos do úmero e o sulco intertubercular são vistos em perfil. Abduza discretamente o braço em rotação neutra. Visualização das estruturas: margem anterior da cabeça do úmero é vista em perfil. com a palma da mão voltada para cima e suportes sob o braço é a mão. ombro elevado a cerca de 5cm do tampo da mesa.transversal Técnica básica: 6 a 8 mAs. centralizado na articulação escapuloumeral. cerca de 5 cm abaixo e medial à borda súpero-Iateral do ombro INCIDÊNCIA TANGENCIAL – SULCO INTERTUBERCULAR OMBRO ( EXCETUANDO-SE TRAUMATISMO) . Se a abdução do braço for menor que 90°. passando através do centro da articulação escapuloumeral POSIÇÃO OBLÍQUA POSTERIOR – CAVIDADE GLENÓIDE: OMBRO (EXCETUANDO-SE TRAUMATISMO) . o ângulo medial do RC também deve ser diminuído para 15° a 20° se possível. suporte sob do braço e do ombro para colocar a parte do corpo próxima ao centro do chassi. 60 a 65 kVp Distancia foco-filme:100cm Posição: paciente em decúbito dorsal ou ereto.Método de Grashey Indicação: Fraturas e/ou luxações da porção proximal do úmero e borda da glenóide. sem superposição da cabeça do úmero Filme: 18 X24 . mantenha em rotação externa. 70 a 75 kVp Distancia foco-filme: 100cm Posição: paciente em decúbito ventral sobre a mesa. Distancia foco-filme: Técnica básica: 10 mAs. O tubérculo menor será visto em perfil anteriormente. Ajuste o chassi de forma que o topo do chassi esteja cerca de 5 cm acima do ombro e o lado do chassi esteja cerca de 5 cm da borda lateral do úmero.transversal Técnica básica: 10 mAs. com o ombro afetado elevado a cerca de 7 cm do tampo da mesa. Raio Central: perpendicular ao chassi. orientado horizontalmente em relação à axila e à cabeça do úmero.Distancia foco-filme: 100cm Posição: em decúbito dorsal. Filme: 18 x 24 . fazer uma inclinação do úmero cerca de 10 a 15º anteriormente ao corpo . Raio Central: O RC deve estar direcionado a 25° anteriormente (abaixo da horizontal) e 25° medialmente. Filme: 18 X 24 cm . sem a superposição exercida pelo processo do acrômio. fixando-o com o cotovelo e os dedos. chassi vertical na mesa o mais próximo possível do pescoço e sustentar com sacos de areia. também pode evidenciar certas patologias como osteoartrite. Centralize a articulação escapuloumeral em relação ao RC e ao chassi. como osteófitos dos tubérculos umerais. Rode o corpo 35° a 45° na direção do lado afetado.transversal. Braço abduzido a 90° do corpo se possível. A cabeça do úmero é vista sem superposição do processo coracóide. apoiando o chassi sobre a região anterior do antebraço .Método de Fisk Indicação: patologias do sulco intertubercular. Visualização das estruturas: cavidade glenóide em perfil. 60 a 65 kVp Distancia foco-filme: 100 cm Posição: Ortostática ou decíbito dorsal Ortostática: paciente próximo à extremidade da mesa. INCIDÊNCIA AXIAL ÍNFERO-SUPERIOR: OMBRO (EXCETUANDO-SE TRAUMATISMO) Método de West Point Indicação: Realizada para patologias específicas como o defeito de Hill-Sachs e fraturas de Bankart. o braço do paciente deve ficar em rotação interna natural. Visualização das estruturas: face ântero-inferior da borda glenóide é bem evidenciada. inclinado. Cabeça rodada para o lado oposto. Raio Central: Direcionado medialmente entre 25° e 30°. Com o cotovelo fletido e o antebraço relaxado.

. . Braço afetado ao lado do corpo do paciente em rotação neutra. A cabeça do úmero deve aparecer centralizada e superpondo-se em relação à fossa glenóide. mão sobre a cabeça. 70 a 75 kVp Distancia foco-filme: 100cm Posição: posição ortostática ou decúbito dorsal. Filme: 24 X 30 cm . com o lado de interesse voltado contra o chassi. conforme projetado através do tórax que deve estar posição lateral verdadeira Raio Central: orientado perpendicularmente ao chassi. Filme: 24 X 30 cm – transversal ou longitudinal Técnica básica: 10 mAs.Decúbito dorsal: em decúbito dorsal. paciente em posição lateral. escápula superior e dois terços laterais da clavícula são mostrados.Método de Lawrence Indicação: Fraturas e/ou luxações porção proximal do úmero e cintura escapular Visualização das estruturas: metade proximal do úmero e da articulação escapuloumeral deve ser visualizada através do tórax. quase simétricos. sem a superposição do ombro oposto. O contorno da diáfise da porção proximal do úmero deve ser claramente visualizado anteriormente às vértebras torácicas. O chassi vertical posicionado na mesa contra o ápice do ombro e contra o pescoço Raio Central: perpendicular vertical tangenciando a cabeça do úmero INCIDÊNCIAS RADIOLÓGICAS DA PORÇÃO PROXIMAL DO ÚMERO: OMBRO (TRAUMATISMO) INCIDÊNCIAS DE ROTINA • AP em rotação neutra (AP) • Lateral transtorácica (método de Lawrence) INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES • Incidência tangencial saída supra-espinhal (método de Neer) • Oblíqua apical (método de Garth) INCIDÊNCIA AP – ROTAÇÃO NEUTRA: OMBRO (TRAUMATISMO) Indicação: Fraturas e/ou luxações da porção proximal do úmero e cintura escapular Visualização das estruturas: : O terço proximal do úmero. permitindo a avaliação de possível impacto do ombro Visualização das estruturas:A porção proximal do úmero superpondo-se ao corpo da escápula. Raio Central: direcionado para a parte central da articulação escapuloumeral INCIDÊNCIA LATERAL TRANSTORÁCICA: OMBRO (TRAUMATISMO) . Centralize o colo cirúrgico e o centro do filme em relação ao RC. Rode o corpo um pouco na direção do lado afetado se necessário para colocar o ombro em contato com o chassi ou com o tampo da mesa. direcionado através do tórax para o colo cirúrgico INCIDENCIA TANGENCIAL – SAÍDA SUPRA ESPINHAL: OMBRO (TRAUMATISMO) . eleve o ombro o máximo possível para impedir a superposição em relação ao ombro afetado. arco coracoacromial para a região da saída supra-espinhal. 70 a 75 kVp Distancia foco-filme: 100cm Posição: decúbito dorsal ou ereto.. braço repousando ao lado do corpo e a mão em supinação.Método de Neer Indicação: Fraturas e/ou luxações da porção proximal do úmero e da escápula. acrômio e o processo coracóide devem aparecer como os ramos superiores do Y.longitudinal . incluindo a relação entre a cabeça do úmero e a cavidade glenóide. braço oposto elevado. A relação entre a cabeça do úmero e a cavidade glenóide deve ser demonstrada Filme: 24 X 30 cm .longitudinal Técnica básica: 60 mAs.

O acrômio e a articulação AC estão projeta dos superiormente em relação à cabeça do úmero. Palpe as bordas escapulares para determinar a rotação correta. de modo a passar através da margem superior da cabeça do úmero INCIDÊNCIA AXIAL OBLIQUA APICAL EM AP – OMBRO . a cavidade glenóide. região posterior do ombro deve estar em contato com o tampo da mesa.Técnica básica: 13 mAs. AP AXIAL: orientado de 15º a 30º cefálico em relação à região central da clavícula ESTUDO RADIOLÓGICO DA ARTICULAÇÃO ACROMIOCLAVICULAR • INCIDÊNCIA AP BILATERAL COM PESOS • IINCIDÊNCIA AP BILATERAL SEM PESOS INCIDÊNCIA EM AP BILATERAL: ARTICULAÇÃO ACROMIOCLAVICULAR Indicação: avaliação da articulação acromioclavicular bilateral Visualização das estruturas: ambas as articulações AC. PMS sobre a LC da estativa. 70 a 75 kVp Distancia foco-filme: 100cm Posição: decúbito dorsal ou ereto. Rode o corpo 45° em direção ao lado afetado que deverá ficar em contato com o plano da mesa Raio Central: orientado a 45° caudalmente. queixo elevado.longitudinal Técnica básica: 12 mAs. olhar para frente.Método de Garth Indicação: avaliação de possíveis luxações da articulação escapuloumeral. livres de superposição. 70 a 75 kVp Distancia foco-filme: 100cm Posição: paciente em decúbito dorsal ou ereto. toda a clavícula e as articulações esternoclaviculares Filme: 35 X 43cm – transversal (dividido transversalmente) Técnica básica: 20 a 30 mAs. braços estendidos ao lado do corpo ( com e sem peso) Raio Central: perpendicular a incisura jugular ( ponto médio entre as articulações acromioclaviculares . 60 a 70 kVp Distancia foco-filme: 100cm Posição: posição ortostática. fraturas glenóides. o colo e a cabeça da escápula são bem demonstrados. processo coracóide é projetado sobre parte da cabeça do úmero. Centralize a articulação escapuloumeral em relação ao RC e ao centro do chassi. articulações AC e esternoclavicular Filme: 24 X 30 cm .transversal Técnica básica: 8 mAs. Abduza discretamente o braço. de modo que não haja superposição a porção proximal do úmero sobre as costelas. 45° a 60° anterior. centralizado posteriormente. que aparece alongada. lesões de Hill-Sachs e calcificações dos tecidos moles. não tente rodar o braço Raio Central: O RC necessita de um ângulo orientado de 10° a 15° caudalmente. . 70 a 75 kVp Distancia foco-filme: 100cm Posição: paciente ereto ou em decúbito. Visualização das estruturas: A cabeça do úmero. Rode-o para uma posição oblíqua anterior como para a incidência lateral de escápula. braços ao lado do corpo. Filme: 18X 24 cm . centralizado na articulação escapuloumeral ESTUDO RADIOLÓGICO DA CINTURA ESCAPULAR: CLAVÍCULA INCIDÊNCIAS DE ROTINA • AP e axial AP INCIDÊNCIA EM AP E AP AXIAL: CLAVICULA Indicação: Fraturas e/ou luxações da clavícula Visualização das estruturas: clavícula completa. sem rotação do corpo Raio Central: AP: perpendicular à parte central da clavícula.

evidenciada pela superposição direta das bordas vertebral e lateral. O quanto for possível. O corpo da escápula deve estar em perfil. braço do lado de interesse apoiado encostado na estativa e outro esticado. dorso da mão sobre a testa Raio Central: perpendicular à região central da escápula 5cm abaixo do processo coracóide. 75 a 80 kVp Distancia foco-filme: 100cm Posição: ortostática. paciente obliquado 45º para a escápula fazer posição lateral verdadeira Raio Central: horizontal. perpendicular ao ponto médio da escápula . escápula de interesse sobre a linha central da estativa. Visualização das estruturas: Filme: 24 X 30cm – transversal Técnica básica: 20 a 30 mAs. braço flexionado e apoiado no ombro do lado oposto. 60 a 70 kVp Distancia foco-filme: 100cm Posição: ortostática.ESTUDO RADIOLÓGICO DA CINTURA ESCAPULAR: ESCÁPULA • INCIDÊNCIA AP INCIDÊNCIA PERFIL (Y) – OAD / OAE INCIDÊNCIA AP: ESCÁPULA Indicação: Fraturas da escápula. não se deve superpor o úmero em relação à área de interesse da escápula. livre de superposição pelas costelas. Visualização das estruturas: Toda a escápula deve ser visualizada em posição lateral. Filme: 24 X 30cm – longitudinal Técnica básica: 13 mAs. ao nível da axila e cerca de 5 cm medial em relação à borda lateral do paciente INCIDÊNCIA PERFIL (Y) – OAD / OAE: ESCÁPULA Indicação: Fraturas e/ou luxações da porção proximal do úmero e da escápula.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->