P. 1
COMO RESOLVER PROBLEMAS DE FÍSICA

COMO RESOLVER PROBLEMAS DE FÍSICA

|Views: 1.285|Likes:
Publicado porBianca Andrade

More info:

Published by: Bianca Andrade on May 05, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/09/2013

pdf

text

original

Ok COMO RESOLVER PROBLEMAS DE FÍSICA

Por Alberto Ricardo Präss O seu professor passa problemas numéricos para que você possa aumentar a sua capacidade em resolvê-los ou possa compreender alguma lei cientifica. Por exemplo, uma das primeiras equações que aprendemos é:

Resolvendo esta equação, você aprende a relação entre a força necessária para mover um objeto e o peso deste. Sugerimos seis etapas para resolver os problemas 1. Leia o seu problema cuidadosamente; compreenda o que está enunciado. 2. Escreva cada item que é dado. 3. Escreva o que pretende determinar. 4. Desenhe um diagrama simples com os dados do problema e do que pretende determinar. 5. Pense num modo de resolver o problema. (Use uma equação, se possível). 6. Resolva o problema, eliminando tudo aquilo que for desnecessário, onde for possível e aconselhável. Verifique a resposta obtida Pergunte a si mesmo se a solução encontrada é lógica ou não. Se a sua resposta a um problema sobre movimento é que um automóvel se move com uma velocidade de 1.500 km/h, (!) provavelmente a solução encontrada não está certa e o melhor que tem a fazer é verificar tudo novamente. Todas as vezes que você usa uma equação, pode verificar, até certo ponto, a correção do seu resultado substituindo a resposta na equação. Elimine os termos semelhantes em ambos os membros da equação. Finalmente, se obtiver dois membros iguais, você pode concluir que a solução algébrica está correta. Deve, pois, procurar o erro noutra parte do problema. Texto adaptado e ampliado de: “Física Na Escola Secundária” De Oswald H. Blackwood, Wilmer B. Herron & William C. Kelly Tradução de José Leite Lopes e Jayme Tiomno Editora Fundo de Cultura

Testes de Cinemática – Lista 1 1. Um corpo, no instante de tempo t0 = 0 , é lançado verticalmente para cima e alcança uma altura “H” num instante de tempo “t”. Supondo nula a resistência do ar, identifique entre os gráficos abaixo, o que melhor representa a variação do deslocamento do corpo, em função do tempo, desde “t0” até “t”. As curvas são ramos de parábola.

2. Um trem que possui 100 m de comprimento atinge a boca de um túnel e, 30 s após, a extremidade de seu último vagão abandona o túnel. Sabendo que a velocidade do trem é constante e igual a 20 m/s, podemos concluir que o comprimento do túnel é (A) 4,5x102 m. (B) 5,0x102 m. (C) 6,0x102 m. (D) 7,0x102 m. (E) 7,5x102 m. 3. Um corpo, que se movimenta retilineamente, tem sua velocidade variando em função do tempo, conforme mostra o gráfico abaixo.

Pode-se afirmar que aceleração que atuou neste corpo foi (A) maior no intervalo "C" do que no intervalo "A". (B) nula no intervalo de tempo "B". (C) nula no intervalo de tempo "D". (D) variável nos intervalos de tempo "B" e "D". (E) constante no intervalo de tempo "D".

4. Quando um corpo se movimenta retilineamente, sua velocidade varia de acordo com o tempo, conforme mostra a seguinte tabela:

O Gráfico que melhor representa o comportamento da aceleração deste corpo em função do tempo é:

5.

O esquema abaixo representa um corpo que desliza, sem atrito.

No instante de tempo tA=0 , o corpo encontra-se no ponto A com velocidade vA . O ponto C é o ponto mais alto da superfície inclinada atingido pelo corpo; ele o atinge no instante t=tC. O ponto B é eqüidistante de A e C. Na subida, quando o

corpo passa por B, pode-se afirmar que:

6. Um corpo de massa m movimenta-se sobre uma estrada retilínea, partindo de uma posição inicial -10m. O gráfico representa a velocidade deste corpo em função do tempo.

A equação da velocidade que descreve este movimento é

7. Lança-se um corpo para cima com uma velocidade inicial v i e este leva um tempo t1 para atingir a altura máxima. Pode-se afirmar, desprezando as forças de resistência do ar: (A) Na metade da altura v=vi/2 (B) Na metade da altura t=t1/2 (C) Para t=t1 a aceleração é zero. (D) Para t=2t1 o corpo estará no ponto de partida. (E) Na metade da altura t=3t1/2 . 8. Considere o gráfico posição (x) em função do tempo (t) para um móvel em movimento retilíneo. Qual é o gráfico velocidade (v) em função do tempo (t)

correspondente?

9. O gráfico em função do tempo mostra dois carros A e B em movimento retilíneo. Em t= 0s os carros estão na mesma posição.

5t/3 (B) v = 5 .0 s (C) 6. Após 5/3 s ele atinge o topo do plano com velocidade de 1.3t (E) v = 6 –t 11. representados pelo gráfico v=f(t) abaixo.5t/3 (C) v = 1 . com velocidade inicial de 6. A equação de velocidade que melhor se adapta a este movimento é (A) v = 6 .0 m/s. .O instante em que os carros novamente se encontram na mesma posição é (A) 2. Dois móveis.4 m sem nenhum deslizamento entre as polias e a correia. Uma polia A de raio RA = 0.5t/3 (D) v = 6 . através de uma correia. Um corpo é lançado de baixo para cima sobre um plano inclinado. livre de atrito.2 m está ligado. A razão entre os deslocamentos dos móveis A e B durante os respectivos intervalos de tempo é (A) 5/6 (B) 3/4 (C) 1/2 (D) 1/3 (E) 4/3 12.0 s (D) 8.0 m/s. descrevem respectivamente um movimento retilíneo.0 s (E) 10 s 10.0 s (B) 4. a outra polia B de raio RB = 0. A e B.

durante o movimento. (A) 1 (B) 2 (C) 3 (D) 4 (E) 5 14. Se o movimento descrito pelas polias A e B for movimento circular uniforme. x2 . projetando-se no vácuo. Sendo constante a aceleração do móvel. descreve a trajetória representada na figura abaixo. (E) igual à velocidade tangencial da polia B. Uma esfera está deslizando sobre uma mesa sem atritos. x3 . x4 e x5 . (C) menor do que a velocidade angular da polia B. Quando a esfera abandona a superfície da mesa. (A) igual à velocidade angular da polia B. Um móvel descreve um movimento retilíneo sob a ação de uma força constante. (D) maior do que a velocidade angular da polia B. então a velocidade angular da polia A é numericamente. A altura da mesa Y é de 5 m e o alcance horizontal X é 10 m. em m/s2. podemos afirmar que esta aceleração vale. O móvel gasta um intervalo de tempo igual a 1/10 de segundo na passagem entre duas posições sucessivas. 13. Qual a velocidade . (B) igual à velocidade tangencial da polia A . com certa velocidade v0 . partindo da origem com velocidade inicial nula e passando sucessivamente pelas posições x1 .

utilizar o gráfico v = f(t) abaixo. de uma pedra lançada verticalmente para cima? (A resistência do ar é desprezível.5 (D) 4. a distância entre o atirador e o alvo. (D) 480 . em metros. em m/s2 . Para responder às duas próximas questões. em m/s? (A) 2 (B) 4 (C) 5 (D) 8 (E) 10 15. No intervalo de tempo compreendido entre t = 0 s e t = 2 s . é de (A) 5 (B) 10 (C) 20 (D) 30 (E) 40 18. em função do tempo t. Qual dos gráficos abaixo representa a variação da velocidade v. Sabe-se que o ruído do impacto é ouvido pelo atirador 1. Um projétil é disparado contra um alvo por um atirador. em metros. (C) 3. Entre os instantes t = 4 s e t = 8 s .inicial v0 da esfera. Considerando que a velocidade do som no ar é de 340 m/s. é de: (A) 170 . a distância percorrida pelo móvel. 16.0 17. (E) 560 . (B) 272 .0 (E) 5.) . (C) 300 . a aceleração. é igual a (A) zero (B) 2.2 s após o disparo e que a velocidade do projétil tem valor constante de 680 m/s.

no sentido horário. passam pelo mesmo referencial. na mesma direção e em sentidos opostos.3 21. se deslocam sobre uma mesma estrada. em km. a relação entre as velocidades lineares v 1 e v2 dos pontos 1 . A equação horária que melhor representa o movimento considerado é: (A) x = 10 + 30t .0 (B) 37. das velocidades constantes vA = 90 km/h e vB = 60 km/h. respectivamente. Dois automóveis. vale 10 m. situados às distâncias R 1 e R2 do eixo C. O disco da figura gira no plano da folha em torno do eixo C.2t2 20. a distância entre os automóveis.4t2 (B) x = 10 + 30t + 2t2 (C) x = 10 + 30t . giram solidários com o disco.4t2 (E) x = 30t . Num determinado instante t 0 = 0 . Sabendo que R1=1/2R2. representado pelo gráfico v = f(t) a seguir. O eixo C é perpendicular ao plano da figura. animado de um MCU. animados.19. A posição inicial de um móvel que descreve um movimento retilíneo. A e B. será (A) 10.5 (C) 42.8 (E) 81.2t2 (D) x = 30t . Ao final de 15 min contados a partir da passagem pelo referencial.7 (D) 54. Os pontos 1 e 2.

no instante t = 0 . imprimindo a este uma velocidade angular constante de módulo w . em m/s 2. Cada divisão do papel milimetrado corresponde a 1. ocupando.0 m.50 (E) 5. C.25 (B) 3.00 (C) 3. as posições B.75 (D) 4. (A) 2. D e E de segundo em segundo. As polias B e C estão ligadas através de uma correia e as polias A e B estão ligadas por um eixo. A aceleração do móvel. Um móvel.25 23. Com relação aos sistema. podemos afirmar que as velocidades periféricas . Um motor aciona o eixo 1.e2é (A) v1 = 1/3v2 (B) v1 = 1/2v2 (C) v1 = v2 (D) v1 = 2v2 (E) v1 = 3v2 22. parte do referencial A da figura. vale. inicialmente em repouso. sucessivamente.

Se a partir do ponto D a aceleração da partícula for duplicada. em metros. C e D em intervalos de tempos iguais (1 segundo) . a partícula B estará simultaneamente sobre a posição (A) 2 (B) 3 (C) 4 (D) 5 (E) 6 26. percorrendo os pontos A.tangenciais (A) vB > (B) vB = (C) vB = (D) vB < (E) vB < de módulo vC vC vC vC vC v e angulares de módulo w de cada polia são wB = wA wB = wA wB > wA wB > wA wB = wA 24. Uma partícula parte do repouso com aceleração constante. Quando a partícula A estiver sobre a posição 3. então a distância DE valerá. B. através de duas calhas conforme a figura. As figuras abaixo representam quadrados nos quais todos os lados são formados por vetores de módulos iguais. H e 2H. com velocidades horizontais iniciais iguais. Duas partículas são lançadas de alturas diferentes. (A) 4 (B) 5 (C) 6 (D) 7 (E) 8 25. .

onde x representa a distância percorrida durante o tempo t. a bomba ao atingir o solo. A e B. (D) cresce com o tempo. Considerando nula a resistência do ar e a aceleração da gravidade g = 10 m/s2 . após 5. Dois carros. 29.A resultante do sistema de vetores é nula na figura de número (A) 1 (B) 2 (C) 3 (D) 4 (E) 5 27. (C) é igual à do carro A. igual a (A) 50 (B) 100 (C) 200 (D) 450 (E) 900 28.0 m/s . Um avião está voando na horizontal em relação ao solo. em metros. em metros.0 s iniciais a sua velocidade é de 8. partindo do repouso. terá percorrido na horizontal uma distância. Qual a distância percorrida. quando abandona uma bomba de uma altura vertical de 405 m acima do solo. deslocam-se numa estrada retilínea como mostra o gráfico abaixo.0 s de movimento? . (E) decresce com o tempo. Um móvel. Ao término dos 2. executa um movimento retilíneo uniformemente variado. com velocidade constante de 50 m/s. (B) é maior que a do carro A. Podemos afirmar que a velocidade do carro B (A) é menor que a do carro A.

Qual é a relação entre as velocidades lineares v A e vB dos pontos da periferia das respectivas polias. Dos gráficos da velocidade v em função do tempo t. A e B.0vB (E) vA = 2. sendo 2t0 o tempo necessário para voltar ao ponto de partida. executam movimento circular uniforme conforme mostra a figura.(A) (B) (C) (D) (E) 30 40 50 60 70 30. unidas através de um eixo rígido. A e B.5vB 32. Um objeto é lançado verticalmente para cima.0vB (C) vA = 1. o que melhor representa a variação da velocidade do objeto enquanto se manteve em movimento é 31.5vB (B) vA = 1. a seguir apresentados. com velocidade inicial v0 . deslocam-se com velocidades constantes vA e vB . respectivamente.5vB (D) vA = 2. Duas esferas. ocupando sucessivas posições ao longo do percurso indicado a seguir. . sabendo-se que o raio da polia A vale a metade do raio da polia B? (A) vA = 0. Duas polias.

Sabendo-se que vA=2.vB e que num dado instante elas ocupam as posições indicadas.0 3. Nos gráficos abaixo estão representadas velocidade (v). pode-se afirmar que (A) é constante em módulo. Em relação à aceleração de um móvel que executa um movimento circular uniforme.0 s .0 4. (D) tem componente tangencial diferente de zero. (C) é nula. O deslocamento da partícula no intervalo de tempo de 4. em m/s 2 . aceleração 2. 33. apresenta.0 5. O gráfico da velocidade v em função do tempo t. O gráfico que representa um movimento uniformemente acelerado é o . em metros.0 s iniciais de movimento.0 34. é de: (A) 15 (B) 18 (C) 20 (D) 22 (E) 25 35. (B) é variável em módulo. (E) tem direção constante. concluí-se que a esfera A alcançara a esfera B na posição (A) 16 (B) 17 (C) 18 (D) 19 (E) 20 Instrução: Responda às 2 questões seguintes considerando o gráfico abaixo.0 s a 8. aceleração (a) e posição (d) como funções do tempo (t). nos 2. de (A) (B) (C) (D) (E) A partícula. mostra o deslocamento retilíneo de uma partícula. 36.0 6.

. (D) os dois têm a mesma velocidade angular. (C) em cada segundo a aceleração do móvel aumenta de 5 m/s. O gráfico abaixo representa a posição x ocupada por um móvel em movimento retilíneo e uniforme. (E) a velocidade é constante e igual a 5 m/s.37. 38. (B) A tem velocidade angular menor que B. Ao considerar o disco em movimento de rotação. em função do tempo t. (B) em cada segundo a velocidade do móvel aumenta de 5 m/s. Um disco de gravação em que há dois pontos. (D) em cada 5 segundos a velocidade aumenta de 1 m/s. 39. podemos afirmar que (A) A tem velocidade angular maior que B. (E) B tem velocidade linear menor que A. A e B. (C) os dois têm a mesma velocidade linear. Dizer que um movimento se realiza com aceleração constante de 5 m/s2significa que (A) em cada segundo o móvel se desloca 5 m. está representado na figura.

o móvel adquire velocidade. A e B. é correto afirmar que (A) o móvel A tem aceleração menor do que o móvel B. percorreram uma trajetória retilínea. A equação horária da posição x de uma partícula material em movimento uniformemente variado é dada pela expressão x = 3t + 2t 2 . (C) o movimento do móvel A é uniforme. em segundos. onde x está em metros e t em segundos. a distância entre os móveis. (D) os móveis percorrem distâncias iguais. igual a (A) 10 (B) 13 (C) 17 (D) 23 (E) 25 Instrução: Responder às 2 próximas questões baseando-se no enunciado abaixo.2t 40. sendo a posição x em metros e o tempo t. 42. Após 5s de movimento. O gráfico da velocidade v em função do tempo t representa movimentos retilíneos de dois móveis A e B. (B) o móvel B percorre maior distância do que o móvel A.10t . em m/s. em metros. Dois móveis. No instante t = 0 s . 41. conforme as equações horárias xA = 30 + 20t e xB = 90 . Considerando-se os 8 segundos iniciais de movimento. era (A) 30 (B) 50 . (E) os móveis têm a mesma aceleração.A expressão matemática desta função é (A) x = 2 + 1t (B) x = -1 + 2t (C) x = 2 + 3t (D) x = 2 + 2t (E) x = 4 .

No gráfico abaixo está representada a velocidade v = f(t) de um determinado movimento.0 s.0 m/s2 (C) 5. Um rapaz estava dirigindo uma motocicleta a uma velocidade de 72. A aceleração imprimida à motocicleta pelos freios foi. em segundos foi 1 2 3 4 5 44. 46. em módulo. Supondo-se que a velocidade do som no ar seja 340 m/s.0 km/h. Um atirador ouve o ruído da bala atingindo um alvo 4. igual a (A) 72 km/h2 (B) 4.0 segundos após dispará-la com velocidade média de 1020 m/s. e cinco alternativas para a aceleração a = f(t) correspondente. quando acionou os freios e parou em 4.0 m/s2 (D) 15 m/min2 (E) 4. em metros é (A) 340 (B) 680 (C) 1020 (D) 1360 (E) 1700 . Assinale a correta.(C) (D) (E) 43. (A) (B) (C) (D) (E) 60 80 120 O instante de encontro dos dois móveis.8 km/h2 45. a distância entre o atirador e o alvo.

A alternativa que representa corretamente o movimento retilíneo é (A) I. ambas em função do tempo t. III .O vetor velocidade tem sempre módulo constante. (D) constante e negativa na subida e na descida.O vetor velocidade pode mudar de sentido. II .47. Um pequeno objeto é lançado verticalmente para cima realizando na descida um movimento de queda livre. II e III. Nos pares de gráficos a seguir. estão representadas velocidade v e aceleração a. (C) constante e positiva na subida e na descida. pode-se afirmar que sua aceleração será (A) positiva na subida e negativa na descida. (E) variável e negativa na subida e na descida. (B) negativa na subida e positiva na descida. (C) somente II (D) II e III (E) I e III 48. O par de gráficos que representa o mesmo movimento é o da alternativa . I . As afirmações a seguir referem-se a um movimento retilíneo realizado por um objeto qualquer. (B) somente III.O vetor velocidade tem direção constante. Supondo-se positiva a velocidade do objeto na subida. 49.

Gabarito 1A 2B 11B 12D 21B 22D 31A 32C 41D 42C 3E 13A 23B 33D 43B 4B 14E 24E 34E 44C 5B 15B 25B 35A 45A 6E 16E 26C 36C 46C 7D 17D 27D 37B 47E 8B 18E 28C 38D 48D 9D 19C 29C 39D 49B 10D 20B 30D 40B .

na linguagem de todos os dias. Assim. a inspiração de Newton para a postulação da sua segunda lei foi provocada pela observação da queda de uma simples maçã.67 × 10 -11 . encostado a uma árvore. o seu movimento será uniformemente acelerado com aceleração da gravidade. aproximadamente. .OP -2 = r > RT tem por expressão: com G = 6. Quando. . Estas duas unidades (kgf e kg) são fundamentalmente diferentes e têm dimensões e aplicabilidade muito diferentes. enquanto ele meditava ou descansava.8 N = 9. Se assimilarmos a Terra a uma esfera homogénea. isto é. cujo significado é a aceleração da gravidade e cujo valor medido em laboratório é de. em que: é um vector unitário (ou de norma 1) com a mesma direcção e sentido que o vector que une O a P. uma unidade diferente do kg e que se escreve kgf. Para corpos em queda livre. um corpo com 10 kg de massa terá um peso de 98 N. o campo gravítico criado num ponto P tal que a distância de O a P. qualquer que seja a massa do corpo. Assim. aceleração da gravidade e forças de reacção Intermédio Publicado em 07/04/2004 (revisto em 25/08/2010) Quando largamos um corpo perto da superfície da Terra. de massa total MT e de raio RT. estamos a falar dequilogramas-força (pois sentimos a força que o corpo exerce sobre nós).1 kgf = 9.8 kg m s . 9. ele acelerará em direcção e perpendicularmente ao solo . De facto. 3 -1 -2 A constante G é chamada constante de gravitação universal e exprime-se no sistema internacional em m kg s .Peso. se a maçã tiver uma massa m. A força mede-se em kg m s 2 - -2 que corresponde à unidade Newton (N). dizemos que um corpo pesa dez quilogramas. força essa que se traduz por uma aceleração. Segundo a lenda.8 m s . de centro O. A Terra cria em todo o espaço que o rodeia um campo gravitacional. esta aceleração é constante. Essa força é designada por peso do corpo. a força nela aplicada será: em que representámos essa aceleração por g. Como é que a maçã cai? Qual a lei que rege o seu movimento? Newton deduziu que uma única força está aplicada à maçã.

O peso de um corpo equivale à força exercida à distância pela Terra sobre esse corpo. O vector campo gravitacional aceleração da gravidade) e o vector campo de gravidade (ou vector podem ser considerados aproximadamente iguais e pode   se assimilar a força de atracção gravitacional da Terra sobre o corpo ao peso do corpo. 1 2 > . podemos obter o valor de g. força essa que se pode medir com um dinamómetro (dispositivo graduado que funciona com a ajuda de uma mola). se medimos o peso de um corpo (em N) e a sua massa (em kg). A partir da segunda lei de Newton.

sua velocidade escalar diminui até que se anule no ponto de altura máxima.8 m/s2 (ao nível do mar). altura livre: Onde: Equação de v Torricelli é para a a queda velocidade livre. o movimento é acelerado. o sinal da aceleração é positivo. ou seja. com uma velocidade inicial não nula. e. quando um corpo de massa m é abandonado no vácuo ou em uma região onde desprezamos a resistência do ar. Quando um corpo é arremessado para cima ou para baixo. chamamos o movimento de Lançamento vertical. Esse movimento também é um movimento uniformemente variado como na queda livre. próximo à superfície da Terra. o movimento se dá contra a ação da gravidade. onde a aceleração é a da gravidade. chamada de aceleração gravitacional. Lançamento vertical para cima.Denomina-se Queda Livre o movimento vertical. Equação horária do espaço na queda livre: Onde: g é t S Equação é horária a é da o aceleração tempo velocidade da a na de queda gravidade queda. A queda livre é um movimento uniformemente variado. Isso ocorre porque o movimento é retardado. sua aceleração é constante e igual a 9. portanto. À medida que um corpo lançado para cima sobe. . Na queda o módulo da velocidade do corpo aumenta.

o lançamento vertical para baixo é um movimento acelerado. Por Kleber G Cavalcante . Assim. pois está na mesma direção e sentido da aceleração gravitacional. a velocidade de um corpo lançado verticalmente para baixo aumenta à medida que o corpo desce. As Função funções horárias horária do lançamento do vertical são: espaço Função horária da velocidade Equação de Torricelli Para o lançamento para baixo a aceleração é positiva (g > 0). enquanto para o lançamento para cima a aceleração é negativa (g < 0).Lançamento vertical para baixo. Ao contrário do lançamento vertical para cima.

fossem abandonadas da mesma altura. As equações que determinam o lançamento vertical são as mesmas do movimento uniformemente variado com pequenas diferenças. podemos dizer ainda que esse movimento descrito por essa bola é um movimento uniformemente retardado.Lançamento de uma bola. Somente por volta do século XVII que um físico italiano chamado Galileu Galilei contestou essa afirmação. Galileu acreditava que só se . Esse afirmava que se duas pedras.C. São essas as equações: S V = V0 + gt = S0 + v0t +1/2gt 2 Onde g é o módulo da aceleração da gravidade local. 9. Como o lançamento vertical é um movimento uniformemente variado. Queda Livre O estudo de queda livre vem desde 300 a. A afirmação de Aristóteles foi aceita como verdadeira durante vários séculos. Lançamento Vertical Considere a gravura acima na qual temos o lançamento de uma bola verticalmente para cima. que na Terra vale. Como a velocidade é decrescente. aproximadamente.8 m/s2. a aceleração do móvel é constante. Ao observar tal situação podemos concluir que existe um instante no qual a velocidade da bola cessa (V = 0). pois sua velocidade decresce à medida que varia sua posição. com o filósofo grego Aristóteles. uma mais pesada do que a outra. a mais pesada atingiria o solo mais rapidamente. Considerado o pai da experimentação.

da mesma altura. Observando o fato dessa diferença de instantes de tempo de queda. O que ele fez foi abandonar. Anos mais tarde foi comprovada experimentalmente a hipótese de Galileu.podia fazer afirmações referentes aos comportamentos da natureza mediante a realização de experimentos. ele lançou a hipótese de que o ar tinha a ação retardadora do movimento. Após a realização de outros experimentos de queda de corpos. As equações que definem a queda livre de um corpo são: Onde g é o módulo da aceleração da gravidade local. Ao abandonar da mesma altura dois corpos. e tem valor aproximadamente igual a 9. e acabou por comprovar que ambas atingiam o solo no mesmo instante. duas esferas de pesos diferentes. Por Marco Aurélio da Silva . de massas diferentes e livres da resistência do ar (vácuo) é possível observar que o tempo de queda é igual para ambos. Galileu percebeu que os corpos atingiam o solo em diferentes instantes. Ao realizar um experimento bem simples Galileu percebeu que a afirmação de Aristóteles não se verificava na prática.8 m/s2.

Deslocamento no vácuo: Se um corpo se locomover no vácuo (sem ar. pois. não haverá meio material para impedir seu deslocamento. de uma mesma altura. ele não sofrerá nenhuma oposição ao seu movimento. durante a queda efetua um movimento uniformemente acelerado e. sem nada. Aceleração da gravidade (g) Um corpo sólido.Deslocamentos no ar – Observe as figuras abaixo: Sempre que um corpo efetua qualquer tipo de movimento no ar ele sofre uma força de resistência exercida pelo ar sobre ele. que depende da velocidade com que o corpo está se movendo e da superfície(área) do corpo que está exposta ao ar. quando lançado verticalmente para cima efetua um movimento uniformemente retardado na subida e uniformemente acelerado na descida. Se você abandonar ao mesmo tempo. ausência de matéria). quando abandonado de certa altura. a borracha chega ao solo . uma borracha e uma folha de árvore.

o que foi feito por Galileu. . quando não especificados. denominadaaceleração da gravidade. normalmente representada pela letra g. mesmo porque seus estudos ultrapassam o nível do ensino médio. quando abandonou do alto da torre de Pisa diversas esferas densas e compactas. Nos exercícios de vestibulares.primeiro. No entanto. Próximos à superfície da Terra. que tem as seguintes características: Não depende do corpo em estudo Varia ligeiramente com o local da experiência Tem direção vertical e sentido para baixo. pois o ar exerce maior efeito retardador sobre a folha de árvore (maior área) do que sobre a borracha. os corpos ficam sujeitos a uma aceleração . desde que os corpos sejam bastante densos e compactos. podemos desprezar os efeitos retardadores do ar. retardando os corpos lançados verticalmente para cima e acelerando os que se encontram em queda livre. verificando que atingiam o solo ao mesmo tempo. são desprezadas as resistências do ar.

a partir de um ponto A.Apesar do valor de g variar um pouco conforme o local da experiência. pois o módulo da velocidade está diminuindo.8m/s2 e até g=10m/s2 para simplificar os cálculos. e retardado. Lançamento vertical para cima Equações – Considere um corpo lançado verticalmente para cima. convenciona-se como valor normal de g a grandeza g=9. com velocidade escalar Vo O que você deve saber Na subida. pois o deslocamento ocorre no sentido crescente da trajetória. Esse valor será especificado em cada exercício. . o movimento é progressivo.

Na descida. e acelerado. a velocidade do corpo se anula (V=0). Se um móvel A partir um tempo x antes de um móvel B. pois é o ponto em que o corpo inverte o sentido de seu movimento e nesse ponto a altura atingida pelo corpo é máxima. o movimento é retrogrado. uma positiva na subida e uma negativa na descida.tA=tB + x. No ponto mais alto da trajetória. O tempo de subida é igual ao tempo de descida A velocidade (Vo) de lançamento na origem é igual à mesma velocidade de chegada à origem. têm-se: tA – tB=x --. mas de sinal contrário (-Vo). pois o módulo da velocidade está aumentando. . que deve-se substituir em AS para continuar a resolução do exercício. Em qualquer ponto da trajetória o corpo tem duas velocidades de mesmo módulo. pois o deslocamento ocorre no sentido decrescente da trajetória.

Representação gráfica do movimento: .

Assim. mais rápido ele cairá. são as mesmas do movimento uniformemente variado.Movimento Vertical Se largarmos uma pena e uma pedra de uma mesma altura. observaremos que ambos os objetos levam o mesmo tempo para cair. As funções que regem o lançamento vertical. sujeito à gravidade. fica então. Sendo que g é positivo ou negativo. que é orientada sempre na vertical. é tomado como constante e seu valor médio no nível do mar é: g=9. revistas com o referencial vertical (h). pensamos que quanto mais pesado for o corpo. . Porém. todos os corpos. onde antes era horizontal (S) e com aceleração da gravidade (g). o qual chamamos Altura Máxima. observamos que a pedra chegará antes ao chão. Quando um corpo é lançado nas proximidades da Terra. concluímos que. quando jogamos algo para cima. em direção ao centro do planeta. e. se colocarmos a pedra e a pena em um tubo sem ar (vácuo). Sua trajetória é retilínea e vertical. devido à gravidade. mas durante fenômenos de curta duração. se desprezarmos a resistência do ar. o movimento será acelerado negativamente. até parar em um ponto. podemos usar sem muita perda nos valores: g=10m/s² Lançamento Vertical Um arremesso de um corpo. como um bom arredondamento.80665m/s² No entanto. com velocidade inicial na direção vertical. cairão com uma aceleração constante: a aceleração da Gravidade. O valor da gravidade (g) varia de acordo com a latitude e a altitude do local. dependendo da direção do movimento: Lançamento Vertical para Cima g é negativo Como a gravidade aponta sempre para baixo. Por isso. portanto. recebe o nome de Lançamento Vertical. independente de massa ou formato. o movimento classifica-se com Uniformemente Variado.

Recebe também o nome de queda livre. (b) Qual a altura máxima atingida pela bola? Dado g=10m/s². tanto a gravidade como o deslocamento apontam para baixo. Logo.Lançamento Vertical para Baixo g é positivo No lançamento vertical para baixo. Então. (a) Neste exemplo. o movimento é uma combinação de um lançamento vertical para cima + um lançamento vertical para baixo (que neste caso também pode ser chamado de queda livre). Exemplo Uma bola de futebol é chutada para cima com velocidade igual a 20m/s. o mais indicado é calcularmos por partes: Movimento para cima: . o movimento é acelerado positivamente. (a) Calcule quanto tempo a bola vai demorar para retornar ao solo.

Observamos. então t=2s ou . o tempo de subida é igual ao de decida. então.Movimento para baixo: Como não estamos considerando a resistência do ar. (b) Sabendo o tempo da subida e a velocidade de lançamento. ou então utilizar a Equação de Torricelli. podemos utilizar a função horária do deslocamento. que nesta situação. a velocidade final será igual à velocidade com que a bola foi lançada. onde a resistência do ar é desprezada. Lembre-se de que estamos considerando apenas a subida.

chamados representantes desse vetor. O vetor determinado por AB é indicado por ou B . As características de um vetor são as mesmas de qualquer um de seus representantes. isto é: o módulo. O módulo de se indica por | |. Usando um pouco mais nossa capacidade de abstração. é o conjunto de todos os segmentos orientados equipolentes a AB. Consequentemente. Um mesmo vetor é determinado por uma infinidade de segmentos orientados. cada um destes segmentos é um representante de um só vetor. Se indicarmos com este conjunto. Ora. simbolicamente poderemos escrever: onde XY é um segmento qualquer do conjunto.b+d) Propriedades da Soma de vetores . os quais são todos equipolentes entre si.b) e w=(c. através de representantes. e qualquer um destes representantes determina o mesmo vetor.d).A ou . por: v + w = (a+c. estaremos caracterizando. a direção e o sentido do vetor são o módulo. Soma de vetores Se v=(a. definimos a soma de v e w. um segmento determina um conjunto que é o vetor. todos os vetores se acham representados naquele conjunto que imaginamos. a direção e o sentido de qualquer um de seus representantes. se considerarmos todos os infinitos segmentos orientados de origem comum. a totalidade dos vetores do espaço. Assim.Vetores Determinado por um segmento orientado AB.

v = (ca.cb) Propriedades do produto de escalar por vetor Quaisquer que sejam k e c escalares.b) é um vetor e c é um número real.1) .b) é um número real não negativo. definido por: Vetor unitário Vetor unitário é o que tem o módulo igual a 1.w = (a-c. definimos a multiplicação de c por v como: c.d).b-d) Produto de um número escalar por um vetor Se v=(a.0) j = (0. que são dados por: i = (1.b) e w=(c. Existem dois vetores unitários que formam a base canônica para o espaço R². definimos a diferença entre v e w. v e w vetores: Módulo de um vetor O módulo ou comprimento do vetor v=(a. por: v .Diferença de vetores Se v=(a.

o vetor utilizado para o plano z é o vetor unitário . ). isto é: Observação: Para construir um vetor u paralelo a um vetor v. Decomposição de vetores em Vetores Unitários Para fazer cálculos de vetores em apenas um dos planos em que ele se apresenta. será o componente do eixo z. Sendo simbolizados. para que esteja na origem. por convenção. u e v serão paralelos: Se Se Se Se c = 0. então u será o vetor nulo. então u terá sentido oposto ao de v. a projeção do vetor no eixo x do plano cartesiano será dado por .Para construir um vetor unitário u que tenha a mesma direção e sentido que um outro vetor v. î como vetor unitário do plano x e como vetor unitário do plano y. 0 < c < 1. Caso o problema a ser resolvido seja dado em três dimensões. Nesse caso. ou então descontar a parte do plano onde o vetor não é projetado. c < 0. respeitando que sempre o primeiro componente entre parênteses é a projeção em x e o segundo é a projeção no eixo y. basta tomar u=cv. c > 1. Caso apareça um terceiro componente. Este vetor pode ser escrito como: . então u terá comprimento menor do que v. basta dividir o vetor v pelo seu módulo. então u terá comprimento maior do que v. é possível redesenhá-lo. Então. . pode-se decompor este vetor em vetores unitários em cada um dos planos apresentados. No caso onde o vetor não se encontra na origem. onde c é um escalar não nulo. e sua projeção no eixoy do plano será: =( .

v = a.4) e v=(-2.(-2) + 4.v = 3.d Exemplos: O produto escalar entre u=(3.b) e v=(c. como o número real obtido por: u.(5) = -6+20 = 14 O produto escalar entre u=(1.(2) + 7.5) é: u. u v e w e k escalar: Ângulo entre dois vetores O produto escalar entre os vetores u e v pode ser escrito na forma: .v = 1.d) definimos o produto escalar entre os vetores u e v.(-3) = 2-21 = -19 Propriedades do produto escalar Quaisquer que sejam os vetores.-3) é: u.c + b.7) e v=(2.Produto escalar Dados os vetores u=(a.

. Através desta última definição de produto escalar. como. podemos obter o ângulo x entre dois vetores genéricos u e v.u.v = |u| |v| cos(x) onde x é o ângulo formado entre u e v. desde que nenhum deles seja nulo.

Se colocarmos um plano cartesiano situado nesta origem. direção e sentido. então poderemos localizar o móvel nesta trajetória por meio de um vetor. ocupando posições e nos instantes e . com uma origem O. =P-O Velocidade Vetorial Vetor Velocidade Média: Considere-se um móvel percorrendo a trajetória do gráfico acima. O vetor é chamado vetor deslocamento e possui módulo. Sabendo que a velocidade média é igual ao quociente do vetor deslocamento pelo intervalo de tempo: Observação: . respectivamente.Aceleração e Velocidade Vetoriais Vetor Posição Imagine um móvel deslocando-se em uma trajetória aleatória.

) por um número Vetor Aceleração Instantânea: A aceleração vetorial instantânea será dada quando o intervalo de tempo tender a zero ( ). quando o intervalo de tempo tender a zero ( ). Vetor Velocidade Instantânea: Análogo à velocidade escalar instantânea. Sabendo esses conceitos. . pois é resultado do produto deste vetor ( escalar positivo.O vetor velocidade média tem a mesma direção e sentido do vetor deslocamento. deslocamento em função do tempo e a equação de Torricelli para notação vetorial: . a velocidade calculada será a velocidade instantânea. sua Observação: Assim como para o vetor velocidade. podemos definir as funções de velocidade em função do tempo. o vetor aceleração terá o mesmo sentido e mesma direção do vetor velocidade. então: Aceleração Vetorial Vetor Aceleração Média: Considerando um móvel que percorre uma trajetória qualquer com velocidade em um instante e velocidade aceleração média será dada por: em um instante posterior . pois é obtido quando multiplicamos um número positivo pelo vetor .

Por exemplo: Um corpo se desloca com velocidade forma como está descrita abaixo: . podemos dividir o movimento em vertical(y) e horizontal(x): Em x: Em y: A partir destes valores podemos calcular o vetor velocidade: . e aceleração constante . da (a)Qual o vetor velocidade após 10 segundos? (b)Qual a posição do móvel neste instante? (a)Para calcularmos a velocidade vetorial em função de um tempo. precisamos decompor os vetores velocidade inicial e aceleração em suas projeções em x e y: Assim.

Pela Função horária da Posição: na mesma direção e sentido dos vetores aceleração e velocidade.(b)Sabendo o vetor velocidade. . podemos calcular o vetor posição pela equação de Torricelli. ou pela função horária do deslocamento. ambas na forma de vetores: Por Torricelli: na mesma direção e sentido dos vetores aceleração e velocidade.

sabe-se que. ou seja. onde y=0. ou uma bola sendo chutada formando um ângulo com a horizontal. Na direção horizontal o corpo realiza um movimento uniforme com velocidade igual a Observações:    Durante a subida a velocidade vertical diminui. chega a um ponto (altura máxima) onde . Com os fundamentos do movimento vertical. Para estudar este movimento. e desce aumentando a velocidade. ou seja. (a) Qual o alcance máximo (b) e a altura máxima atingida? . formando um ângulo de 45° com a horizontal. Por exemplo. cada momento. Lançamento Oblíquo ou de Projétil O móvel se deslocará para a frente em uma trajetória que vai até uma altura máxima e depois volta a descer.Movimento Oblíquo Um movimento oblíquo é um movimento parte vertical e parte horizontal. formando uma trajetória parabólica. o movimento de uma pedra sendo arremessada em um certo ângulo com a horizontal. Na direção vertical o corpo realiza um Movimento Uniformemente Variado. deve-se considerar o movimento oblíquo como sendo o resultante entre o movimento vertical (y) e o movimento horizontal (x). O vetor velocidade é tangente à trajetória em Exemplo: Um dardo é lançado com uma velocidade inicial v0=25m/s. quando a resistência do ar é desprezada. . A velocidade instantânea é dada pela soma vetorial das velocidades horizontal e vertical. O alcance máximo é a distância entre o ponto do lançamento e o ponto da queda do corpo. com velocidade inicial igual a e aceleração da gravidade (g) . o corpo sofre apenas a aceleração da gravidade.

Para calcular este movimento deve-se dividir o movimento em vertical e horizontal. logo: e: logo: (a) No sentido horizontal (substituindo o s da função do espaço por x): sendo . Para decompor o vetor trigonometria: em seus componentes são necessários alguns fundamentos de Genericamente podemos chamar o ângulo formado de Então: .

Então temos: mas . então: resolvendo esta equação por fórmula de Baskara: mas . então podemos isolá-lo em (1). e substituir em (2): (1) e . então: onde substituindo em (2): (2) e onde o alcance é máximo .temos: (1) No sentido vertical (substituindo h por y): sendo temos: (2) E o tempo é igual para ambas as equações.

então: mas Então Substituindo os dados do problema na equação: (b) Sabemos que quando a altura for máxima Torricelli no movimento vertical: . obtemos: . Então. partindo da equação de e substituindo os dados do problema na equação.

ou quando um jardineiro está regando um jardim com uma mangueira orientada horizontalmente. e cos0°=1. considerando a posição vertical inicial zero e substituindo t: (b) Sabendo a altura da mesa é possível calcular o tempo gasto pela função horária do deslocamento: . devido ao movimento ser no mesmo sentido da aceleração. é lançado horizontalmente. (b) o tempo gasto pela bola para atingir o solo. e isolando t: Porém neste caso.2m dos pés da mesa. mas sen0°=0. a aceleração da gravidade (g) vai ser positiva. então: . . determine: (a) a altura da mesa. quando uma criança chuta uma bola que cai em um penhasco.Lançamento Horizontal Trata-se de uma particularidade do movimento oblíquo onde o ângulo de lançamento é zero. (a) .2m/s. atingindo o chão a uma distância de 0. Por exemplo: (Cefet-MG) Uma bola de pingue-pongue rola sobre uma mesa com velocidade constante de 0. ou seja. então: . considerando a posição horizontal inicial do móvel zero. Considerando g=10m/s² e a resistência do ar desprezível. Por exemplo. Após sair da mesa. cai.

mas sen0°=0. então: ..

. . devemos introduzir novas grandezas. São elas:    deslocamento/espaço angular: φ (phi) velocidade angular: ω (ômega) aceleração angular: α (alpha) Saiba mais.. y). quando um móvel encontra-se a uma abertura de ângulo φ qualquer em relação ao ponto denominado origem. Espaço Angular (φ) Chama-se espaço angular o espaço do arco formado. h.Movimento Circular Grandezas Angulares As grandezas até agora utilizadas de deslocamento/espaço (s. de velocidade (v) e de aceleração (a). medidas sempre em radianos. que são chamadas grandezas angulares. Da definição de radiano temos: Desta definição é possível obter a relação: E também é possível saber que o arco correspondente a 1rad é o ângulo formado quando seu arco S tem o mesmo comprimento do raio R. mas na análise de movimentos circulares. x. eram úteis quando o objetivo era descrever movimentos lineares.

definimos aceleração angular médiacomo: Algumas relações importantes Através da definição de radiano dada anteriormente temos que: mas se isolarmos S: . Também é possível definir a velocidade angular instantânea como o limite da velocidade angular média quando o intervalo de tempo tender a zero: Aceleração Angular (α) Seguindo a mesma analogia utilizada para a velocidade angular. No sentido horário o deslocamento angular é negativo.E é calculado por: Deslocamento angular (Δφ) Assim como para o deslocamento linear. podemos definir a velocidade angular média. Velocidade Angular (ω) Análogo à velocidade linear. temos um deslocamento angular se calcularmos a diferença entre a posição angular final e a posição angular inicial: Sendo: Por convenção: No sentido anti-horário o deslocamento angular é positivo. como a razão entre o deslocamento angular pelo intervalo de tempo do movimento: Sua unidade no Sistema Internacional é: rad/s Sendo também encontradas: rpm. rev/min. rev/s.

Sua unidade é a unidade de tempo (segundo. Movimento Circular Uniforme Um corpo está em Movimento Curvilíneo Uniforme. ou seja.) Frequência(f) é o número de vezes que um fenômeno ocorre em certa unidade de tempo.derivando esta igualdade em ambos os lados em função do tempo obteremos: mas a derivada da Posição em função do tempo é igual a velocidade linear e a derivada da Posição Angular em função do tempo é igual a velocidade angular.. Sua unidade mais comum é Hertz (1Hz=1/s) sendo também encontradas kHz. minuto.. e sua velocidade for constante. e a derivada da velocidade angular em função do tempo é igual a aceleração angular. No movimento circular a frequência equivale ao número de rotações por segundo sendo equivalente a velocidade angular. logo: onde podemos novamente derivar a igualdade em função do tempo e obteremos: mas a derivada da velocidade linear em função do tempo é igual a aceleração linear. se sua trajetória for descrita por um círculo com um "eixo de rotação" a uma distância R. a mesma em todos os pontos do percurso. hora. então: Então: Linear S v a = = = Angular φR ωR αR Período e Frequência Período (T) é o intervalo de tempo mínimo para que um fenômeno ciclico se repita. que no movimento circular é tangente à trajetória. MHz e rpm. Para converter rotações por segundo para rad/s: sabendo que 1rotação = 2πrad. .

No cotidiano. como uma roda gigante. Embora a velocidade linear seja constante. mas como esta aceleração não influencia no módulo da velocidade. chamamos deAceleração Centrípeta. Esta aceleração é relacionada com a velocidade angular da seguinte forma: Sabendo que e que para o espaço angular: . logo existe uma aceleração. pode-se converter a função horária do espaço linear então: . um carrossel ou as pás de um ventilador girando. observamos muitos exemplos de MCU. ela sofre mudança de direção e sentido.

Movimento Circular Uniformemente Variado Quando um corpo.4 metros gira. aceleração resultante é dada pela soma vetorial da aceleração tangencial e da aceleração centípeta: Exemplo: Um volante circular como raio 0. que descreve trajetória circular. Assim: MUV Grandezas lineares MCUV Grandezas angulares E. então este corpo tem aceleração angular (α). (a) Qual será a sua velocidade angular depois de 10 segundos? (b) Qual será o ângulo descrito neste tempo? (c) Qual será o vetor aceleração resultante? (a) Pela função horária da velocidade angular: (b) Pela função horária do deslocamento angular: . partindo do repouso. com aceleração angular igual a 2rad/s². e sofre mudança na sua velocidade angular. As formas angulares das equações do Movimento Curvilíneo Uniformemente Variado são obtidas quando divididas pelo raio R da trajetória a que se movimenta o corpo.

(c) Pelas relações estabelecidas de aceleração tangencial e centrípeta: .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->