Você está na página 1de 6

Iluminação artificial

1. Conceitos:

1.1. Luz
Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual.
Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a
780 nm (nanômetros), ou seja, da cor ultravioleta à vermelha, passando pelo azul, verde,
amarelo e roxo. As cores azul, vermelho e verde, quando somadas em quantias iguais,
definem o aspecto da luz branca.

Figura 1 – Espectro visível

1.2. Sensibilidade visual
A curva de sensibilidade indica como varia a sensibilidade do olho humano aos
diferentes comprimentos de onda.

Figura 2 – Curva de sensibilidade visual

Visão escotópica (noturna): baixos níveis de luminância (0,001 cd/m2)
Visão fotópica (diurna): altos níveis de luminância (> 3 cd/m2)

Sensibilidade visual depende do comprimento de onda e da luminosidade. Sendo
assim:
Quanto menor o comprimento de onda (violeta e azul), maior será a intensidade de
sensação luminosa com pouca luz.

É medido em lumens (lm). menor será a intensidade de sensação luminosa com pouca luz. Figura 4 – Luminância 1. por unidade de área. . Quanto maior comprimento de onda (laranja e vermelho). situada a uma certa distância da fonte. Fator ou índice de reflexão Relação entre o fluxo luminoso refletido e o incidente.4. Intensidade luminosa (I) Expressa em candelas (cd). Por ser um índice não possui unidade de medida.3. A luminância pode ser considerada como a medida física do brilho de uma superfície iluminada ou de uma fonte de luz. No SI a unidade de medida para iluminância é lumen/m² ou lux (lx). 1. Luminância (L) Medida em candelas por metro quadrado (cd/m²).6. é a intensidade do fluxo luminoso projetado em uma determinada direção. Iluminância (E) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície. Figura 3 – Iluminância 1. 1. Fluxo luminoso (φ) É a quantidade total de luz emitida por uma fonte.7. Varia em função das cores e acabamentos das superfícies e suas características de refletância. sendo através dela que os seres humanos enxergam. 1.5. é a intensidade luminosa produzida ou refletida por uma superfície aparente.

mais fria é a sua aparência e quanto mais baixa a TCC.1. Figura 5 – Temperatura de cor correlata 1. Índice de reprodução de cores (IRC) O IRC mede quanto a luz artificial se aproxima da natural. Temperatura de cor correlata (TCC) As fontes de luz podem emitir luz de aparência de cor entre “quente” e “fria”. mais quente é a sua aparência. No entanto. ou para a escolha da lâmpada. IRC = 70 / 85 / 100 Figura 6 – Índice de reprodução de cor Figura 7 – Tabela IRC x usos . melhor. Quanto maior o IRC. As cores “quentes” possuem uma aparência avermelhada ou amarelada e as cores “frias” são azuladas. pois quanto mais alta a TCC.8. sendo este um fator preponderante para comparação de fontes de luz com a mesma TCC. as aparências “quente” e ”fria” têm sentido inverso ao da TCC.9. A temperatura de cor correlata é expressa em kelvin (K).

3. parede e piso. Índice do recinto (K) É a relação entre as dimensões do local. 2. Eficiência energética (ηω) É calculada pela divisão entre o Fluxo Luminoso emitido (lm) e a Potência consumida pela lâmpada (W). Como as lâmpadas são geralmente instaladas em luminárias. e é dado por: . medido sob condições práticas especificadas.10. É dada em lúmen por watt (lm/W). o fluxo luminoso final é menor que o irradiado pela lâmpada. Dependendo das características físicas do recinto.1. 2. devido às características de reflexão e absorção dos materiais e da trajetória até o plano de trabalho. 2. com a Curva de Distribuição Luminosa da Luminária utilizada e o índice do recinto.11.Fatores de desempenho 2. Eficiência da luminária (ηL) É a relação entre o fluxo luminoso emitido por uma luminária.2. Curva de distribuição luminosa (CDL) É a representação da Intensidade Luminosa em todos os ângulos em que ela é direcionada num plano. Figura 8 – Curva de Distribuição de Intensidades Luminosas para uma lâmpada fluorescente isolada (A) ou associada a um refletor (B) 1. e a soma dos fluxos luminosos individuais das lâmpadas operando fora das luminárias em condições também específicas.1. o Fluxo Luminoso irradiado por uma luminária poderá se propagar com maior ou menor facilidade. Eficiência do recinto (ηR) São valores apresentados em tabelas. onde estão relacionados valores de Coeficiente de Reflexão do teto.

Índice do local . Alguns catálogos fornecem tabelas de Fator de Utilização para suas luminárias. estabelece-se um fator de depreciação que é utilizado no cálculo do número de luminárias. a Eficiência Luminosa do conjunto lâmpada. 2. a distância real entre a luminária e o plano de trabalho. menos a altura do plano de trabalho (hpl tr).5. Fator de depreciação (Fd) Ao longo da vida útil da lâmpada ocorre uma diminuição do fluxo luminoso emitido. . O Fator de Depreciação deve ser considerado no cálculo para que não haja uma diminuição do nível de Iluminância Média ao longo da vida útil da lâmpada. Iluminação Direta: K= a. luminária e recinto. devido à depreciação normal do fluxo da lâmpada e devido ao acúmulo de poeira sobre a lâmpada e o refletor. Indica. Para compensar parte desta depreciação. (a + b) Iluminação Indireta: K= 3.b 2 . Projeto de iluminação Um projeto de iluminação pode ser resumido em: • Escolha da lâmpada e da luminária mais adequada. 3.variáveis • a – comprimento do recinto • b – largura do recinto • h – pé-direito útil* • h’ – altura do teto ao plano de trabalho * Pé-direito útil é o valor do pé-direito total do recinto (H). Cada tabela é específica para uma luminária e já considera a perda na emissão do Fluxo Luminoso. portanto.4. h’ .b h . 2. menos a altura do pendente da luminária (hpend). Isto é. Fator de utilização (Fu) Avalia o Fluxo Luminoso Final que incidirá sobre o plano de trabalho. Este fator evita que o nível de iluminância atinja valores abaixo do mínimo recomendado.a. (a + b) Figura 9 .

A ausência de ofuscamento O ofuscamento gera uma redução na capacidade de visualização dos objetos e desconforto visual. no mínimo. 3.2. 3. 3. Pode ser de dois tipos: • Ofuscamento Direto: ocorre pela visualização direta da fonte de luz (lâmpada ou luminária). • A limpeza e manutenção do ambiente. • O índice de reprodução de cores. Figura 10 – Uniformidade de iluminação . 1/3 da iluminação da tarefa. • Ofuscamento Indireto: ocorre quando a reflexão da luz sobre o plano de trabalho atinge o campo visual. parede e teto estejam na proporção de 1:2:3. Para que esse desconforto seja evitado. maior deve ser o nível de iluminância média (NBR 5413). • A disposição do mobiliário e da estrutura.Proporção . • Cálculo da quantidade de iluminação. • Os materiais e cores empregados nos acabamentos e mobiliário.3. Pode ser neutralizado pela utilização de aletas ou difusores nas luminárias. é recomendado que: • As luminâncias de piso. • Disposição das luminárias no recinto. • Cálculo de viabilidade econômica. A uniformidade da iluminação Diferenças muito grandes entre as luminâncias dos diferentes planos podem causar fadiga visual. Influenciam na iluminância média: • A forma e as dimensões físicas do ambiente.1. Pode ser causado pelo excesso de luz no ambiente ou pelo mau posicionamento das luminárias. • E que o plano de trabalho apresente. Função do ambiente e nível de iluminamento necessário para as tarefas Quanto maior a exigência visual da tarefa a ser realizada. • As características e o posicionamento de lâmpadas e luminárias.