4 | U Prìmeìro de [aneìro Ierça·Ieira, 8 de Vaio de 2û12

cµìnìoc
Desde que iniciei o trabalho da Petiçäo Metro Trofa, fui depa-
rando progressivamente, com um número crescente de situações de
pessoas ou entidades, que näo respondiam às minhas mensagens.
Como tinha necessidade de obter respostas, e de dar despacho
aos respectivos assuntos, ia enviando segundas vias a insistir, mas
continuava a näo conseguir qualquer resultado.
Ora, desde que aderi, embora tardiamente, ao computador e à
internet, fiquei rendido a este meio de comunicaçäo, dado as inú-
meras vantagens que oferecia, como sejam: A facilidade de comu-
nicaçäo, a rapidez, a simplicidade, o encurtamento de prazos, a
possibilidade de actuar a qualquer hora da noite ou do dia, seja
em casa, no café, na praia ou no campo, ainda a definiçäo perfeita do que se que-
ria transmitir (pois o que esta escrito, escrito esta, näo se prestando a confusões
ou deficientes interpretações quando a comunicaçäo é de voz), enfim um rol de
notaveis vantagens.
Converti assim a minha maneira de actuar em muitos campos, pois reduzi
praticamente a zero as minhas idas ao correio, passei a dar leituras de agua e
luz pela internet (e näo pelo telefone), consegui obter dados em cima do acon-
tecimento, sejam nacionais ou internacionais, tornei mais praticos os desejos
de parabéns ou votos de Boas Festas (e mais eficientes, pois posso florea-los
com desenhos, fotografias, diversos tipos de letras, adicionar-lhes anexos de
artigos de jornais, etc.), posso enviar mensagens simultaneamente a centenas
de pessoas, melhorei o meu relacionamento com os bancos e seguros, eu sei la,
desconfio que näo chegaria uma folha A4, dos dois lados, para descrever todas
as vantagens a que passei a ter acesso!
Tudo isto, referindo-me täo so aos aspectos de trabalho, ja que, no que se
refere a lazer, entäo é também uma relaçäo infindavel de facilidades de acesso
à leitura de jornais, revistas, livros (que eu nunca compraria) visitas virtuais a
monumentos e/ou locais em qualquer parte do mundo (aonde eu nunca iria),
consulta de temas, palavras, situações, etc, e também à formidavel panoplia de
assuntos que temos acesso, por exemplo, através do Google!
A referência a tudo isto, prende-se com o facto de, assim como acima ex-
pliquei, ao ter ficado completamente rendido ao mundo da internet, também
pensei, que o mesmo aconteceria, a todas as pessoas ou entidades que passa-
ram a ter internet, com o respectivo email.
Mas na pratica isso näo se passa, pois comecei a ter grandes dif iculdades de
comunicaçäo, como referi nos dois primeiros paragrafos deste texto!
Näo percebendo porquê, comecei
entäo a telefonar a essas pessoas ou
entidades, a perguntar porque näo
acusavam a recepçäo das minhas
mensagens, e fui ouvindo respostas
que me deixaram estupefacto, nome-
adamente por parte de areas profis-
sionais ou de algumas areas do Esta-
do, respostas dessas como sejam:
Nos näo respondemos, porque näo
sabíamos que tinha enviado alguma
coisa, porque, como a nossa caixa de
correio esta cheia, tudo o que chega,
vai para o lixo (esta foi de Juntas de
Freguesia).
Eu näo vou abrir o correio electro-
nico, pois recebo muita coisa, e assim
acumulam-se muitas mensagens de to-
dos os géneros, e eu näo tenho tempo
para isso (esta ouvi de varios políti-
cos).
Eu näo uso a internet como meio de
trabalho, recorro mais ao telefone.
sera µne ter nm ¨emaí|¨ e nma
µne·tac ae ocm tcm'
Esta a haver um problema com o computador (ou com a inter-
net) de ha dois meses para ca.
Esse email a que se refere esta desactualizado ha muito (esta
foi de autarquias, das quais eu tinha recolhido o dito email, con-
sultando o site na internet).
Nos so abrimos o correio electronico de vez em quando, nor-
malmente uma vez por semana (outra de autarquias, por exem-
plo).
E mais havera a mencionar, mas considero que estes casos säo elu-
cidativos.
TER UM ¨EMAIL" E UMA QUESTAO DE BOM TOM: Ou sera que as pessoas näo
por recusa de usar meios tecnologicos mais avançados:
Näo me venham é com desculpas de ter a caixa de correio muito cheia, e aí fugirem
dela, porque entäo seria melhor näo terem email!
Quando se quer evitar tais situações, uma das formas sera, como fazem muitos, de
terem mais do que um email, e so divulgarem um deles, para um círculo restrito de con-
Näo tenho que dizer, de comunicações com as mais altas esferas da política, desde
Presidente da República, Primeiro Ministro, Ministros, Assembleia da República, etc.,
pois sempre obtive respostas, e atempadamente, o mesmo se passando com departamen-
tos, instituições e cargos a nível mundial, porém o mesmo ja näo aconteceu com emails
no nossos país a outros níveis!
sites, e noutros locais, e na pratica, näo lhes ligarem, é pois contraproducente, pois apa-
rentemente pensa-se que sera um meio optimo para os contactar, e rapidamente tratar
assuntos.
A proposito disso, vou contar um caso interessante comigo passado: Gastava-se ca
em casa um tipo de pasta de dentes fora do comum, que se conseguia comprar num
hipermercado, até ao dia em que de la me informaram que tinham deixado de receber
esse produto.
Apos ter tentado encontrar essa pasta em muitos locais, e näo ter conseguido, resolvi
Passados poucos dias, recebi uma resposta, dizendo que o assunto tinha sido reenca-
Brasil, que entraria em contacto co-
migo. Assim aconteceu, e eu obtive a
soluçäo que procurava.
Eis um caso de utilizaçäo da in-
ternet, através de um email valido e
o correio a ele associado a funcionar.
CA EM PORTUGAL, EM MUITOS
CASOS, HAVERIA DE EXISTIR
O CUIDADO DE OS EMAILS ES-
TAREM VALIDOS, E O CORREIO
RECEBIDO ATRAVES DELES, SER
ABERTO TODOS OS DIAS, COMO
E USO FAZER-SE NO CORREIO
NORMAL, AO ABRIR A RESPEC-
TIVA CAIXA DIARIAMENTE.
E AINDA UM REPARO: TODA A
CARTA, NESTE CASO UM MAIL,
NOS PAISES CIVILIZADOS, ME-
RECE UMA RESPOSTA!
*Criador da petição Metro
para a Trofa
Henrìque coyctto`

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful