P. 1
Teorias da Administração

Teorias da Administração

|Views: 147|Likes:

More info:

Published by: Tainá Vettorazzi Vargas on May 09, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/24/2012

pdf

text

original

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIAS E COMPUTAÇÃO

ADRIANA QUEMELLI MAGIONI BRUNA MARCHETE BRUNO CARVALHO COSWOSK FLÁVIA DANTAS LOSS TAINÁ VETTORAZZI VARGAS

AS TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO NO CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL

São Mateus Março de 2012

............................4 5...................... 3 2..................................................................................................................................................................... Considerações Finais.....................6 5............................................................................. 5 Teoria das Relações Humanas (1932) ........2 5......................................... 3 5................ Referencial Teórico ................................................................... 13 7......................................... 11 Teoria da Contingência (1972)............................................................................................................1 5............ 13 .. 8 Teoria Neoclássica (1954) ................... 10 Teoria do Desenvolvimento Organizacional (1962) ...8 5.........5 5..................................................................... Metodologia ........................................ 9 Teoria do Comportamento Organizacional (1957) ...................................................9 Teoria Científica (1903) ................................................................................................................................................................................... 7 Teoria Estruturalista (1947) ..............................3 5............................................................................... 4 5.Sumário 1.............................................................................................................. 3 3........................................... Referências Bibliográficas ...................................................... Objetivos ............................ 12 6.................... 6 Teoria Burocrática (1940) ................................... 4 Teoria Clássica (1916) ......................................................................... 3 4................................ Introdução ..................................... Justificativa ...............................7 5......

Em seguida. como ciência. e do próprio comportamento humano foi se adequando aos cenários emergentes. Esses dois estudiosos marcaram a gênese das chamadas teorias da administração. diversas escolas e teorias foram sendo criadas para responderem aos desafios apresentados no decorrer da história. estas que influenciam as idéias dos administradores até os dias atuais. A administração é praticada de diversas formas desde os primórdios da civilização. Na Revolução Industrial que começam a surgir fábricas. desencadeando um processo social que afeta a vida das pessoas. Fayol propôs um modelo cartesiano da organização e do gerenciamento. Por esse motivo se dá a importância de conhecer as teorias gerais da administração. a moderna teoria geral da administração é formada por conceitos que surgiram e vem se reciclando há muito tempo. O modo da organização. Após estes passos iniciais. a partir dos estudos de Taylor. precursores e características de cada uma delas. Metodologia Este trabalho foi realizado com base em pesquisas bibliográficas. . A administração passou a ganhar cada vez mais importância na sociedade. Objetivos Conhecer as teorias gerais da administração. enfoque. muitos pesquisadores começaram a investigar o mundo organizacional. dando importância a ênfase. Com isso. do trabalho. 4. A administração. No contexto da administração de empresas. começou a ser estruturada. Especificamente. Introdução Existem muitos conceitos e diferentes sentidos para a palavra administração. 3. no início do século XX. não há ainda evidências da existência de indústrias. Justificativa Embora alguns estudiosos digam que a administração é uma área nova.1. o que mostra o seu caráter interdisciplinar. entendendo as semelhanças e diferenças entre cada uma delas. compreender as teorias gerais da administração em seus respectivos contextos sócio-econômicos. observa-se que até ocorrer a Revolução Industrial. 2.

Ele constatou que a produtividade baixa era resultado da falta de orientação dos trabalhadores que perdiam muito tempo na execução de suas tarefas. 2003). Referencial Teórico 5. pois uma vez simplificadas exigiria menor qualificação de mão de obra. com tarefas simplificadas. Ele verificou também que os trabalhadores que realizavam trabalho suplementar não recebiam qualquer contrapartida. Seu trabalho se deu no chão de fábrica. 2003).1998). A proposta dessa teoria tornou-se útil no aprimoramento do desempenho organizacional. Os principais métodos científicos aplicáveis aos problemas da Administração são a observação e a mensuração (CHIAVENATO. ele defendia a individualidade nas tarefas. demasiadamente modesta para ajudar a entender a organização como um todo e permitir avanços mais significativos (CARAVANTES. não qualificados.5. a fim de alcançar elevada eficiência industrial.1 Teoria Científica (1903) A abordagem típica da Escola da Administração Cientifica é a ênfase nas tarefas. Taylor preocupou-se com a organização científica do trabalho e a necessidade de incentivos salariais. 2003). e trouxe um novo sistema produtivo. porém. empregavamse mais trabalhadores. a industrialização. melhorando a produção e reduzindo tempo. as tarefas deveriam ser divididas. Taylor pretendia definir princípios científicos para a administração das empresas (CARAVANTES. Esta teoria teve origem na Revolução Industrial. junto ao operariado. As máquinas eram rudimentares e havia uma fraca habilidade dos trabalhadores no manuseio das mesmas. pois assim cada funcionário realizaria a tarefa mais compatível com sua aptidão. Taylor foi o primeiro a fazer a abordagem científica do trabalho. Com a evolução das máquinas. porém. Segundo Taylor. pois acreditava que a satisfação dos trabalhadores aumentava a produtividade e prosperidade da empresa (CHIAVENATO. Esse nome foi dado devido à tentativa de aplicação dos métodos da ciência aos problemas da Administração. Além disso. .1998). À tentativa de racionalizar a mão-de-obra substituindo métodos rudimentares por métodos científicos deu-se o nome de organização científica do trabalho (CHIAVENATO. não tendo assim motivação para aumentarem a produção. Era.

e administrativas. Para ele. 2003). . iniciativa e espírito de corpo (FERREIRA et al. equidade. comandar fazendo com que os subordinados executem o que deve ser feito. Esse grupo dava enfoque ao entendimento da organização a partir da cúpula. 2003). hierarquia. . comerciais. Assim. O estudioso. organizar coordenando todos os recursos da empresa alocando-os da melhor forma seguindo o planejamento. ordem. controlar estabelecendo padrões e medidas de desempenho e coordenar as atitudes e esforços da organização visando os objetivos traçados. remuneração. E essas não são apenas funções da alta cúpula. de segurança. eles puderam perceber com mais clareza fatores como a estruturação da organização e seu funcionamento. 1998). Com essa visão. autoridade e responsabilidade.5. Estes conceitos são até hoje discutidos e transmitidos nos cursos de Administração (CARAVANTES. 1998). estabilidade dos funcionários. Fayol afirmava que toda empresa devia apresentar seis funções: técnicas. ainda define o ato de administrar como: planejar estabelecendo os objetivos da organização. Seu estudioso e defensor mais conhecido chama-se Henry Fayol (CARAVANTES. 2002). unidade de direção. uma vez que ocorre do todo (organização) para suas partes componentes (departamentos) (CHIAVENATO. sejam indústrias ou comércio. estando sempre acima delas (CHIAVENATO. na Europa. unidade de comando. Para ele a administração é um todo do qual a organização é uma das partes (CHIAVENATO. A preocupação básica desta corrente era aumentar a eficiência da empresa por meio da forma e disposição dos órgãos componentes da organização e de suas interrelações industriais. a abordagem desta corrente é inversa à científica.2 Teoria Clássica (1916) Quase que simultaneamente. Fayol faz uma distinção entre ambas. 2002). as funções administrativas coordenavam e sincronizavam as demais funções. 2003). O estudioso enumerou ainda quatorze princípios básicos relacionados à divisão do trabalho. financeiras. prevalência dos interesses gerais. centralização. e sim distribuída proporcionalmente entre os níveis hierárquicos (FERREIRA et al. disciplina. Ainda que reconhecendo o emprego da palavra Administração como sinônimo de organização. contábeis.A doutrina de Fayol está muito próxima dos conceitos empregados nas organizações atuais. Daí a ênfase na estrutura e funcionamento na organização. outro grupo passou a se preocupar com o desempenho organizacional.

Foi basicamente um movimento de reação e de oposição à Teoria Clássica da Administração. Confiança e abertura. [s. (OLIVEIRA. Programa de Entrevistas e Sala de observações da montagem de terminais. O objetivo era desvendar os motivos que levavam os funcionários a adotar posturas tão diferentes nos seus departamentos e na sala de provas. . no qual se acreditava que variáveis como intensidade de iluminação afetavam diretamente o ritmo de produção. Surgiu nos Estados Unidos.d]). A ênfase dada pelos pesquisadores estava em se manter o ritmo de produção. As conclusões da Experiência em Hawthorne. Entretanto. Na segunda fase o enfoque passou a ser as relações humanas e não mais a parte científica. [s. constituído de 3 fases: Sala de provas de montagem de Relés.3 Teoria das Relações Humanas (1932) Ênfase: Pessoas. As ideias da filosofia pragmática de John Dewey e da Psicologia Dinâmica de Kurt Lewin foram capitais para o humanismo na administração. Confiança nas pessoas e Dinâmica grupal e interpessoal.d]): 1. A origem da Teoria das Relações Humanas são (OLIVEIRA. Autonomia do empregado. Em 1924 foi realizado um estudo em Hawthorne. libertando-a dos conceitos rígidos e mecanicistas da Teoria Clássica e adequando-a aos novos padrões de vida do povo americano. dentre os quais pode-se destacar: A organização é tratada como um grupo de pessoas. A terceira fase visou analisar a organização informal dos operários e consequentemente fazer as relações com a organização formal da fábrica. Delegação plena de autoridade. quando foi parado devido a crise de 1929. A ênfase é nas pessoas. desenvolvida entre 1927 e 1932. Homans. Morris Viteles e George C. Precursores: Eltom Mayo (1880/1947). A primeira fase teve como objetivo realizar um estudo da fadiga do trabalho. 3. 4. O desenvolvimento das chamadas ciências humanas. principalmente a psicologia e a sociologia. controlando com maior exatidão algumas condições físicas. e dos efeitos gerados por mudanças de horários ou introdução de intervalos de descanso no período de trabalho. como consequência imediata das conclusões da experiência em Hawthorne. Kurt Lewin (1890/1947). sob a coordenação de Elton Mayo. Através das conclusões da Experiência em Hawthorne foi delineado os princípios básicos da Teoria de Relações Humanas. esse estudo apenas indicou que o ritmo de produção é afetado por fatores psicológicos. O estudo então foi prolongado de 1927 até 1932. Inspirada em sistemas de psicologias.5. John Dewey. 2. A necessidade de humanizar e democratizar a administração.

3. A racionalidade no contexto burocrático significa eficiência.4 Teoria Burocrática (1940) O sociólogo alemão Max Weber foi o fundador da teoria e a desenvolveu na administração.havendo necessidade da existência de formas de avaliação objetivas.5. 8. Embora tivesse sido aplicada com relativo sucesso em numerosas organizações no início do século XX e continue a ser utilizada atualmente em diversas organizações. por volta dos anos 40. de forma a evitar conflitos na atribuição de competências. Hierarquia: o sistema está organizado em pirâmide. Formalização: existem regras definidas e protegidas da alteração arbitrária ao serem formalizadas por escrito.o sistema. Impessoalidade: as pessoas. à rigidez estrutural que depende (impedindo a inovação e a criatividade) e à morosidade que provoca nos processos (NUNES. Competência técnica e Meritocracia: a escolha dos funcionários e cargos depende exclusivamente do seu mérito e capacidades. podendo sempre serem substituídas por outras . limitam-se a cumprir as suas tarefas. 5. segundo Weber são (CHIAVENATO. 1999): 1. . 6. 2. 7. enquanto elementos da organização. Os princípios fundamentais dessa Teoria. como está formalizado. das regras e regulamentos e das linhas de autoridade como forma de garantir a sobrevivência em longo prazo. Completa previsibilidade do funcionamento: todos os funcionários deverão comportar-se de acordo com as normas e regulamentos da organização a fim de que esta atinja a máxima eficiência possível. 4. 2007). de forma a permitir a coesão do funcionamento do sistema. 2007). A Teoria da Burocracia nasceu da necessidade de definição rigorosa das hierarquias. Divisão do trabalho: cada elemento do grupo tem uma função específica. Separação entre propriedade e administração: os burocratas limitam-se a administrar os meios de produção . Uma organização é racional se os meios mais eficientes são escolhidos para a implementação das metas .não os possuem. funcionará tanto com uma pessoa como com outra. Profissionalização dos funcionários. a burocracia caiu em desuso devido à impessoalidade que lhe está associada. para descrever uma cultura e estrutura de empresa rigidamente fixadas (NUNES. sendo as funções subalternas controladas pelas funções de chefia.

A Teoria Estruturalista concentra-se no estudo das organizações. Diferentes enfoques da organização: modelo racional e natural da organização. Através da necessidade de uma posição ampla e compreensiva que abrangesse os aspectos que eram considerados pela teoria clássica e omitida pela das Relações Humanas ou vice-versa. representa um desdobramento da Teoria da Burocracia e uma leve aproximação a Teoria das Relações Humanas.d.]). As organizações são concebidas como unidades sociais (ou agrupamentos humanos) intencionalmente construídas e reconstruídas. Para o estudo das organizações foi adotada uma abordagem múltipla que envolve (DUTRA. O estruturalismo ampliou o estudo das interações entre os grupos sociais. a Teoria Estruturalista focaliza o "homem organizacional". Para os estruturalistas. Victor Tompson. As organizações são caracterizadas por um conjunto de relações sociais estáveis e deliberadamente criadas com a explícita intenção de alcançar objetivos ou propósitos. proposta em 1947. 5. Reinhard Bendix. "o homem social".d. gerencial e técnico. Níveis da organização: Institucional. Diversidade de organizações: a medida que cresce as organizações passa-se a exigir uma adequada administração. iniciado pela Teoria das Relações Humanas. surgiu a Teoria Estruturalista com a finalidade de sintetizar as duas teorias precursoras com o melhor de cada uma.5. mas que afetam os que ocorrem internamente. Talcott Parsons. 2002). [s.5 Teoria Estruturalista (1947) Ênfase: Estrutura Precursores: Amitai Etzioni. Recompensas materiais e sociais 3. Peter Blau. 2. Enquanto a Teoria Clássica caracteriza o "homo economicus" e a Teoria das Relações Humanas. [s. Representa também uma visão bastante crítica da organização formal. ou seja. a sociedade moderna e industrializada é uma sociedade de organizações. (CARVALHO NETO. Robert Prestus. a fim de atingir objetivos específicos. A oposição entre a Teoria Clássica e a Teoria das Relações Humanas criou um impasse dentro da administração que mesmo a Teoria da Burocracia não teve condições de ultrapassar. Organização formal e informal: tenta relacionar as relações informais e formais dentro e fora da organização. 4. 6. o homem que desempenha papéis em diferentes organizações. Análise Intra-organizacional e Interorganizacional: preocupação também com os fenômenos que ocorrem externamente nas organizações. (DUTRA.]): 1. . na sua estrutura interna e na interação com outras organizações. para o das interações entre as organizações sociais. A Teoria Estruturalista. procurando o equilíbrio dentre os elementos racionais e irracionais do comportamento humano.

Os principais autores da Teoria Neoclássica são: Peter F. de forma as desenvolver seus conceitos de forma prática e utilizável. Esses princípios são apresentados e discutidos como comuns a todo e qualquer tipo de empreendimento humano. Reafirmação relativa dos postulados clássicos: Os Neoclássicos retomam os aspectos da Teoria Clássica adaptando-os a uma nova realidade de acordo com a conjuntura da época. 1999). e enfatizado como as funções do administrador. Ênfase nos resultados e objetivos: A organização deve ser estruturada. Ecletismo O ponto fundamental da Teoria Neoclássica é o de ser a Administração uma técnica social básica. As principais características da Teoria Neoclássica podem ser observadas nos tópicos abaixo (Portal do Marketing. além dos aspectos técnicos e específicos de seu trabalho. Isto leva à necessidade de o administrador conhecer. Um dos melhores produtos desta Teoria é o modelo de Administração por Objetivos. Enfatiza a preocupação dos administradores em dar organização a uma série de modelos e técnicas administrativas (Revista Exame. visando principalmente a ação administrativa. A Teoria Neoclássica busca a eficiência ótima através da eficácia. Ernest Dale. Drucker. 2009). também os aspectos relacionados com a direção de pessoas dentro das organizações (AMBROSIO. Ênfase na prática da administração: Os autores neoclássicos têm como objetivo resultados concretos e mensuráveis. Ênfase nos princípios gerais de administração: Os princípios são reanalisados como critérios mais ou menos elásticos para a busca de soluções administrativas práticas. Ralph Davis. Michael Jucius. Os princípios gerais são: Planejar. Louis Allen (Portal do Marketing. George Terry.6 Teoria Neoclássica (1954) A Teoria Neoclássica surgiu na década de 1950 devido a um novo contexto de crescimento exacerbado das organizações e problemas admi nistrativos decorrentes da época. 2008): 1. 3. 4. . 2.5. Organizar e Controlar. 2008). Morris Hurley. Harold Koontz. William Newman. Cyril O’Donnell. dimensionada e orientada. 5.

d. 2010 ). Representa o desdobramento da Teoria das Relações Humanas e faz crítica à Teoria Clássica. levando em conta atitudes. adotando posições explicativas e descritivas (CHIAVENATO. Também chamada por Teoria Comportamental ou Teoria Behaviorista. ou seja. Se preocupa com o estudo do que as pessoas fazem nas organizações e de como este comportamento afeta o desempenho das empresas (SOUSA. Portanto. em que todos se comportam racionalmente apenas em relação a um conjunto de informações que conseguem obter a respeito de seus ambientes (CHIAVENATO. Chris Argyris (CHIAVENATO. Rensis Likert. A grande crítica feita com relação a essa teoria está no fato dela se preocupar mais em explicar e descrever características do comportamento do que em construir modelos e princípios de aplicação prática (ALFAYA. 2003). com o lançamento do livro “O comportamento administrativo”. . Logo. no qual qualquer indivíduo é capaz de tomar sua própria decisão. nos Estados Unidos da América. a Teoria Comportamental passou a representar uma nova tentativa de síntese da teoria da organização formal com o enfoque das relações humanas. segundo a essa teoria. surge no ramo da administração como uma redefinição dos conceitos administrativos e fundamenta-se no comportamento individual das pessoas. cabe aos administradores buscar soluções satisfatórias tanto para organização. a fim de reduzir ou eliminar aspectos negativos de conflitos entre objetivos individuais e objetivos organizacionais. 2003). o administrador precisa conhecer as necessidades humanas para melhor compreender o comportamento humano e utilizar a motivação humana como poderoso meio para melhorar a qualidade de vida dentro das organizações (CHIAVENATO. Douglas McGregor. 2003). grupos e a estrutura têm sobre o comportamento dentro das organizações com o propósito de utilizar este conhecimento para melhorar a eficácia organizacional. Teoria proposta por Herbert Alexander Simon. [s. como: Chester Barnard. opiniões e pontos de vista. Nesse caso. 2003). como para indivíduos envolvidos nessa organização.7 Teoria do Comportamento Organizacional (1957) O comportamento organizacional é o ramo que investiga o impacto que indivíduos. Além do autor precursor. Aborda as ciências do comportamento. Surgiu devido à oposição entre a Teoria das Relações Humanas e a Teoria Clássica.]).5. baseando-se nas informações que recebe do ambiente ao seu redor. Seu tema fundamental é a motivação humana. alguns autores foram muito importantes para o desenvolvimento da teoria. a organização é vista como um sistema de decisões. utilizando conceitos de psicologia organizacional. Essas informações são processadas de acordo com convicções individuais. Enfatiza o processo de decisões.

2003). Sua principal função é converter as organizações a adotarem a união dos funcionários. 2007). a participação de todos os grupos que compõem a organização. O desenvolvimento organizacional resultou dos esforços da Teoria do Comportamento Organizacional para promover mudança e flexibilidade organizacional. Não se trata de uma teoria propriamente dita. Os autores exploram a interdependência entre essas variáveis para diagnosticar a situação e intervir em aspectos estruturais e comportamentais para provocar mudanças que permitam o alcance simultâneo dos objetivos organizacionais e individuais. 2003). Relacionada com os conceitos de mudança e de capacidade adaptativa da organização à mudança que ocorre no ambiente. grupo e indivíduo. O desenvolvimento organizacional é uma resposta às mudanças e às inovações (CHIAVENATO. 2003). a confiança entre patrão e empregado.]). [s. . a teoria possui modelos que se baseiam em ambiente. Caracteriza-se por envolver a organização como um todo para que a mudança possa ocorrer definitivamente.d. para verificar se as mudanças estabelecidas estão gerando resultados satisfatórios (PEREIRA. mas de um movimento congregando vários autores no sentido de aplicar as ciências do comportamento na administração (CHIAVENATO.8 Teoria do Desenvolvimento Organizacional (1962) Surgiu a partir de 1962. a descentralização do controle organizacional e a solução de conflitos através de negociações (DANTAS. sendo um passo intermediário entre a Teoria Comportamental e a Teoria de Sistemas. É um desdobramento prático e operacional da Teoria Comportamental em direção à abordagem sistêmica. Com o desenvolvimento organizacional. Sua definição é de comportamentalismo característico que se refere à organização como um conjunto de atividades diferentes realizadas por pessoas diferentes que trabalham em prol da mesma. interagir todas as partes da organização e proporcionar informações de retorno aos participantes. rigidez. a Teoria da Contingência estabeleceu suas bases definitivas (CHIAVENATO. Surgiu como uma especialidade da psicologia organizacional e uma continuação do Behaviorismo. organização. da organização e do ambiente. no sentido de facilitar o crescimento e o desenvolvimento das organizações. O desenvolvimento organizacional se opõe a organizações tradicionais que utilizam a imposição. centralização de poder e opressão como formas de controlar uma organização. tendo como precursor Leland Bradford.5. a responsabilidade compartilhada. como um conjunto de ideias a respeito do homem.

2008). e sim que tanto a estrutura quanto o funcionamento das organizações dependiam da relação com o ambiente externo (MELO et al. a partir de várias pesquisas feitas para verificar os modelos das estruturas organizacionais mais eficazes em determinados tipos de empresas. No fundo.M. CHANDLER realizou uma investigação histórica sobre as mudanças est ruturais de grandes organizações relacionando-as com a estratégia de negócios e examinou comparativamente essas corporações americanas. A abordagem contingencial explica que existe uma relação funcional entre as condições do ambiente e as técnicas administrativas apropriadas para o alcance eficaz dos objetivos da organização. 2003). há um imperativo tecnológico: a tecnologia adotada pela empresa determina a sua estrutura e comportamento organizacional (MELO et al. LAWRENCE E LORSCH fizeram uma pesquisa sobre o defrontamento entre organização e ambiente que marca o aparecimento da Teoria da Contingência. Os autores concluíram que os problemas organizacionais básicos são a diferenciação e a integração (CHIAVENATO. STALKER pesquisaram algumas indústrias inglesas para verificar a relação entre as práticas administrativas e o ambiente externo dessas indústrias. As variáveis ambientais são variáveis independentes. existe um imperativo ambiental: o ambiente que determina a estrutura e o funcionamento das organizações (MELO et al. na década de 60.9 Teoria da Contingência (1972) A Teoria da contingência enfatiza que não há nada de absoluto nas organizações ou na teoria administrativa. pois indicava que não havia uma forma melhor ou única. 2003). JOAN WOODWARD fez uma pesquisa para saber se os princípios de administração propostos pelas teorias administrativas se correlacionavam com o êxito do negócio. demonstrando como a sua estrutura foi sendo continuamente adaptada e ajustada à sua estratégia (MELO et al. enquanto as técnicas administrativas são variáveis dependentes dentro de uma relação funcional (CHIAVENATO. 2008). A conclusão de Burns e Stalker é que a forma mecanística de organização é apropriada para condições ambientais estáveis. A teoria surgiu. enquanto a forma orgânica é apropriada para condições ambientais de mudança e inovação. . Tudo depende. Tudo é relativo. TOM BURNS e G.5. Em resumo ele verificou que. Classificaram as empresas pesquisadas em dois tipos: organizações “mecanísticas” e “orgânicas”. 2008). Os resultados surpreenderam. 2008).

I. Com isso. estrutura. 2009. DUTRA. 4. Teoria Geral da Administração. P. Acesso em: 26 de março de 2012. W. CHIAVENATO. Disponível em: <http://www. AMBROSIO.].ftc. Acesso em: 19 de março de 2012. pessoas.Teoria Estruturalista [s.br/Tga/ tga93. R. Revista Eletrônica de administração. Disponível em: <http://meuartigo. Faculdade de Tecnologia e Ciências. In: Portal do Administrador.organizacional. Teoria Neoclássica.]. Introdução à teoria geral da administração./dez. surgindo assim as teorias da administração. G.]. Referências Bibliográficas 1. 1. n. T. Rio de Janeiro: Elsevier. 4 ed. 7. Teoria Geral da Administração. 1999. 6. muitos pesquisadores começaram a estudar e propor teorias para investigar possíveis problemas no meio organizacional e tentar resolvê-los. DANTAS. 3.htm>. A contribuição da administração para o desenvolvimento das organizações. 7 ed. S. desencadeando uma nova tendência. ALFAYA.6. . G.brasilescola.pdf>. surgiu a necessidade de desenvolvimento de novos aspectos da administração pública. I. Porto Alegre: Age. F. G. [s. 2. Considerações Finais A Revolução Industrial afetou a vida das pessoas ao redor do mundo. 8. Disponível em: < http://www. C. Acesso em: 18 de março de 2012. Abordagem Estruturalista .br/informe-se/artigos/teoria-neoclassica/29753/ >. 1998. jul. ambiente e tecnologia.d. A partir desse fato. Brasil Escola. Desenvolvimento Organizacional. 2003. apresentando ênfase em tarefas. 2002. D. 7.d.portaladm.htm>.br/portal/upload/bacharelado/ adm/03-TeoriaGeraldaAdministracao. BARRETO.d. Introdução à teoria geral da administração. Rio de Janeiro: Campus. v. Disponível em: <http://www. CHIAVENATO.administradores. V.com/administracao/ desenvolvimento. [s.com. Então. Franca.adm. Acesso em: 26 de março de 2012. 5.ead. S. CARAVANTES. as teorias da administração foram criadas para responderem aos desafios apresentados no decorrer da história mundial. Edição compacta. CARVALHO NETO. 1.

16.net/cienceconempr/gestao/burocraciateoriada. Disponível em: <http://www.htm >. 2007. Portal do Administrador. Acesso em: 18 de março de 2012.br/Textos/Teoria%20das%20relacoes%20huma nas. Disponível em: <http://www. 2002. S. J.. Disponível em: <http://www. PORTAL do Marketing.pdf>.knoow.. Conceito de Teoria da Burocracia.9. C.htmlstaff.. FERREIRA.br/Artigos_Administracao/Teoria_Neoclassic a. SILVA. São Paulo: Thomson. MELO. 2007. Disponível em: <http://www. PEREIRA. 14.br/adp/neoclassica. [s. Acesso em: 20 de março de 2012. REIS. I.adm. Acesso em: 19 de março de 2012.d]. K. 11. SOUSA. G.com/artigos/comportamento-organizacional/47042/>. PEREIRA. R. Disponível em: < http://www. 2008.br/informe-se/artigos/teoria-da-contigencia/26432/>. 15. Acesso em: 26 de março de 2012. Taguatinga. A Teoria Neoclássica.adm. 2010.administradores. 10. A. Disponível em: <http://www. I.webartigos. Comportamento Organizacional. DIAS. T. .. A. N. P. REVISTA Exame. Web Artigos.professorcezar. 12.. PEREIRA.portaldomarketing. A.com. NUNES.htm>. Origem da Teoria Neoclássica.org/xkurt/projetos/ portaldoadmin/modules/news/article. Escolas de Relações Humanas. M. ALVES. M.php?storyid=692>. Acesso em: 26 de março de 2012.ufrgs.. Teoria da Contingência. OLIVEIRA. 13. Gestão Empresarial: de Taylor aos nossos dias. 1999. C. Disponível em: <http://nutep. 2008. A. C. Acesso em: 20 de março de 2012. Acesso em: 20 de março de 2012.html>. com. Teoria do Desenvolvimento Organizacional. F.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->