Caderno de Atividades Serviço Social Disciplina Política de Seguridade Social (Previdência, Saúde e Assistência) Coordenação do Curso Maria de Fátima Bregolato Rubira de Assis Autor Waner José de Castro Torres

2

Chanceler Ana Maria Costa de Sousa Reitor Guilherme Marback Neto Vice-Reitor Leocádia Agláe Petry Leme Pró-Reitor Administrativo Antonio Fonseca de Carvalho Pró-Reitor de Extensão, Cultura e Desporto Eduardo de Oliveira Elias Pró-Reitor de Graduação Leocádia Agláe Petry Leme Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Eduardo de Oliveira Elias

Diretor Geral de EAD José Manuel Moran Diretora de Desenvolvimento de EAD Thais Costa de Sousa Diretor da Anhanguera Publicações Luiz Renato Ribeiro Ferreira Núcleo de Produção de Conteúdo e Inovações Tecnológicas Diretora Carina Maria Terra Alves Gerente de Produção Rodolfo Pinelli Coordenadora de Processos Acadêmicos Juliana Alves Coordenadora de Ambiente Virtual Lusana Verissimo Coordenador de Operação Marcio Olivério
 Como

citar esse documento:

TORRES, Waner José de Castro, Política de Seguridade Social. Valinhos, p. 1-81, 2012. Disponível em: <www.anhanguera.edu.br/cead>. Acesso em: 01 fev. 2012.
© 2012 Anhanguera Publicações Proibida a reprodução final ou parcial por qualquer meio de impressão, em forma idêntica,resumida ou modificada em língua portuguesa ou qualquer outro idioma. Diagramado no Brasil 2012.

3

Leitura Obrigatória Agora é a sua vez Vídeos Links Importantes Ver Resposta Finalizando
i
g

k

lf h

a

t sv ud r i e

o

b mq l nc p x w

x y
i

z j

Glossário
Referências
Início

4

A fim de manter esse compromisso com a mais perfeita qualidade. A todos bons estudos! Prof. indicados pelos professores. beneficiando a comunidade no acesso aos bens educacionais e culturais.Uniderp. nos diversos polos de apoio presencial espalhados por todo o Brasil. pesquisa de iniciação científica e extensão. mestrado e doutorado. Nossos Valores Desde sua fundação. os fundamentos da “Anhanguera Educacional” têm sido o principal motivo do seu crescimento. que desenvolve ações de responsabilidade social. por meio do trabalho desenvolvido pelo Centro de Educação a Distância da Universidade Anhanguera . nas bibliotecas. Buscando permanentemente a inovação e o aprimoramento acadêmico em todas as ações e programas. em 1994. As unidades localizadas em diversos Estados do país preservam a missão e difundem os valores da Anhanguera. dos melhores autores nacionais e internacionais. ela é uma Instituição de Educação Superior comprometida com a qualidade do ensino. Ela procura adequar suas iniciativas às necessidades do mercado de trabalho e às exigências do mundo em constante transformação. orgulha-se de oferecer ensino superior de qualidade em todo o território nacional. Antonio Carbonari Netto Presidente do Conselho de Administração — Anhanguera Educacional 5 . psicopedagógica e financeira aos alunos. Programa do Livro-Texto (PLT). tais como: · · · · · Programa de Iniciação Científica (PIC). nos laboratórios. Serviço de Assistência ao Estudante (SAE). Atuando também na Educação a Distância. que propicia aos alunos a aquisição de livros a preços acessíveis. que concede bolsas de estudos para docentes cursarem especialização. Sua metodologia permite a integração dos professores. que oferece orientação pessoal. Adotamos inovadores e modernos sistemas de gestão nas suas instituições. devidamente revisados. Programa Institucional de Capacitação Docente (PICD). a Anhanguera privilegia o preparo dos alunos para que concretizem seus Projetos de Vida e obtenham sucesso no mercado de trabalho. tutores e coordenadores habilitados na área pedagógica com a mesma finalidade: aliar os melhores recursos tecnológicos e educacionais. Esse compromisso com a qualidade é evidenciado pelos intensos e constantes investimentos no corpo docente e de funcionários. permitindo aos alunos o pleno exercício da cidadania. que oferecemos. a custos acessíveis. que concede bolsas de estudo aos alunos para o desenvolvimento de pesquisa supervisionada pelos nossos professores. nas metodologias e nos Programas Institucionais. atualizados e com conteúdo cada vez mais amplo para o desenvolvimento pessoal e profissional de nossos alunos. na infraestrutura. Programas de Extensão Comunitária.Nossa Missão.

Um ótimo semestre letivo para você! José Manuel Moran Diretor-Geral de EAD Universidade Anhanguera – Uniderp Thais Sousa Diretora de Desenvolvimento de EAD Universidade Anhanguera – Uniderp 6 . desejamos que este material possa ajudar ainda mais no seu desenvolvimento pessoal e profissional. Isso significa que você passa a ter acesso a um material interativo. Assim. vídeos e textos que enriquecerão ainda mais a sua formação. O curso de Educação a Distância acaba de ganhar mais uma inovação: o caderno de atividades digitalizado. Este caderno foi preparado por professores do seu Curso de Graduação.Sobre o Caderno de Atividades Caro (a) aluno (a). orientando seus estudos e propondo atividades que vão ajudá-lo a compreender melhor os conteúdos das aulas. ele aprofunda os principais tópicos abordados no Livro-texto. o que inclusive facilitará sua interação com o professor EAD e com o professor-tutor a distância. com diversos links de sites. Todos estes recursos contribuem para que você possa planejar com antecedência seu tempo e dedicação. Para isto. Se preferir. com o objetivo de auxiliá-lo na aprendizagem. você também poderá imprimi-lo.

2. Waner José de Castro Política de Seguridade Social (Previdência. 3. Saúde e Assistência) Este roteiro tem como objetivo orientar seu percurso por meio dos materiais disponibilizados no Ambiente Virtual de Aprendizagem. da autora Fabiana Del Padre Tomé. siga atentamente os passos seguintes: 1. Assista às aulas na sua unidade e depois disponível no Ambiente Virtual de Aprendizagem para você. Este Caderno de Atividades foi elaborado com base no livro: Contribuições para a Seguridade Social à Luz da Constituição Federal. para que você faça um bom estudo.Caro Aluno. Tema 1 Norma Jurídica Tributária ícones: 7 . editora Juruá 2011. Participe dos Encontros Presenciais e tire suas dúvidas com o tutor local. Responda às perguntas referentes ao item “Habilidades” deste roteiro. 5. Após concluir o conteúdo dessa aula. Roteiro de Estudo Prof. PLT 446. Leia o material didático referente a cada aula. acesse a sua ATPS e verifique a etapa que deverá ser realizada. Assim. 4.

que é o foco de estudo da disciplina. • A estruturação das normas jurídicas tributárias. das tributárias. que presentes na Constituição Federal podem expressar uma regra ou um princípio. Saúde e Assistência) no que diz respeito às determinações constitucionais. • As normas jurídicas constitucionais. você estudará: • Que para o processo de construção normativa. os seus elementos de construção e os critérios para sua determinação jurídica.Conteúdos e Habilidades Conteúdo Nesta aula. necessário se faz o estudo dos processos de formação da linguagem. Assim. 8 . mister se faz o entendimento das normas jurídicas. a autora inicia o estudo das normas jurídicas. isto porque. Habilidades • Como funciona o processo de construção normativa? • O que é estrutura lógica da norma jurídica? • Quais são as normas jurídicas tributárias? AULA 1 Assista às aulas nos pólos presenciais e também disponíveis no Ambiente Virtual de Aprendizagem. ao delimitar o tema das contribuições para a seguridade social referente às normas constitucionais. Leitura Obrigatória Norma Jurídica Tributária Inicialmente a autora do PLT opta por esclarecer a metodologia adotada e delimitação da disciplina Política de Seguridade Social (Previdência. e posteriormente.

estas conhecidas como normas jurídicas secundárias. a (H) também poderá descrever a não observância de um fato já descrito pela norma primária. (H) Hipótese normativa. o nexo relacional H>C deve se revestir no plano do “dever-ser” jurídico. mas ao seu significado e significação. é importante diferenciar que essa compreensão textual é apenas uma das etapas do processo de construção normativa. sendo a definição. apresentada pela autora do PLT. 9 . No PLT. legisladores. doutrinadores. apresentando a forma de um juízo hipotético”. de que a norma jurídica é “a significação. sempre ocorram discrepâncias ou diferenciações de entendimento das normas analisadas. a autora segue o estudo de base-preliminar do direito positivo tributário: o tributo. têm-se de que toda norma jurídica estabelecerá uma hipótese (H). ter uma noção da aplicabilidade dessa teoria normativa às normas jurídicas tributárias.E nesse escalonamento inicial de estudo. antecipadamente. já que este pode se revestir de mais significações. Importante ressaltar que a referida hipótese normativa (H) poderá ser a descrição de um fato de possível ocorrência que determinará os direitos e deveres. Porém. incidindo o functor-de-functor (D). Assim. a autora aborda que as normas jurídicas. Posto isto. É notório que dentre as interpretações das normas do direito positivo realizadas por juristas. Uma norma jurídica para ser conclusiva e eficiente deve ter uma estrutura lógica de formação. sendo assim conhecida como norma jurídica primária. Ou seja. determinado assim. será considerado como norma jurídica tributária em sentido estrito. que deve percorrer não somente ao suporte físico (mensagem escrita). porém para o estudo em questão. Para melhor entendimento da matéria. em nosso ordenamento jurídico. Porém. tributárias ou não. compostas por signos. sociais). resultante da leitura dos textos do direito positivo. tributo é toda norma jurídica que disciplina a conduta de alguém entregar determinada quantia em dinheiro a quem de direito deve receber (pessoas de direito público interno). são normas escritas. Apresenta o sentido empregado no PLT para tributo. No âmbito do direito positivo a utilização da linguagem para a elaboração de uma estrutura normativa acarreta dois fatores comuns à linguagem que retardam ou dificultam o entendimento da norma jurídica: ambiguidade e vaguidade. seja por incerteza ou por falta de existência de um significado específico às palavras. (>) Functor implicacional e (C) Consequência. como também ter um nexo de implicação existente entre (H) e (C) ligados pelo functor implicacional. que consequentemente resultará em uma situação específica (C). a autora apresenta os elementos que determinam uma norma jurídica: (D) Functor-de-functor. Portanto incidem sobre elas as limitações e amplitudes da ciência da linguística. É interessante perceber que neste estudo preliminar você já poderá. o intérprete compõe o sistema normativo. punições e sanções. E para que essa situação consequencial não seja fatos de causalidade física (fenômenos da natureza.

E nestes. espacial e temporal. esta deve identificar os sujeitos da relação jurídica descrita (critério pessoal) e determinar o valor a ser prestado (critério quantitativo). que é justamente a descrição dos eventos de possível ocorrência do tributo. Visto o estudo da estrutura das normas. as normas de sentido estrito também serão denominadas como regra-matriz de incidência. Assim.Vale lembrar que as normas jurídicas tributárias em sentido amplo são aquelas que estabelecem princípios gerais ou providências administrativas. não estipulando a incidência tributária. você encontrará critérios para o reconhecimento do fato jurídico tributário e da relação jurídica tributária. faz-se necessário a existência da hipótese normativa (H) e da consequência (C). existente em determinada localidade (critério espacial). Assim. a hipótese tributária (H) deve fazer referência ao comportamento de um sujeito (critério material). você perceberá que para a incidência dos tributos. E para o consequente da norma. A autora descreve que na (H) encontram-se os critérios material. e no (C) o pessoal e quantitativo. 10 . em um determinado espaço de tempo (critério temporal).

Uma norma jurídica para ser conclusiva e eficiente deve ter uma estrutura lógica de formação. É notório que dentre as interpretações das normas do direito positivo realizadas por juristas. (H) Hipótese normativa. punições e sanções. incidindo o functor-de-functor (D). determinado assim. Assim. isto porque. a (H) também poderá descrever a não observância de um fato já descrito pela norma primária. No PLT. apresentando a forma de um juízo hipotético”. como também ter um nexo de implicação existente entre (H) e (C) ligados pelo functor implicacional. que presentes na Constituição Federal podem expressar uma regra ou um princípio. legisladores. seja por incerteza ou por falta de existência de um significado específico às palavras. a autora inicia o estudo das normas jurídicas. (>) Functor implicacional e (C) Consequência. a autora aborda que as normas jurídicas. Assim. doutrinadores. que deve percorrer não somente ao suporte físico (mensagem escrita). compostas por signos. o nexo relacional H>C deve se revestir no plano do “dever-ser” jurídico. E nesse escalonamento inicial de estudo. No âmbito do direito positivo a utilização da linguagem para a elaboração de uma estrutura normativa acarreta dois fatores comuns à linguagem que retardam ou dificultam o entendimento da norma jurídica: ambiguidade e vaguidade. mister se faz o entendimento das normas jurídicas. resultante da leitura dos textos do direito positivo. Portanto incidem sobre elas as limitações e amplitudes da ciência da linguística. E para que essa situação consequencial não seja fatos de causalidade física (fenômenos da natureza. apresentada pela autora do PLT. estas conhecidas como 11 . tributárias ou não. sendo assim conhecida como norma jurídica primária. e posteriormente. em nosso ordenamento jurídico. Para melhor entendimento da matéria. Porém. é importante diferenciar que essa compreensão textual é apenas uma das etapas do processo de construção normativa. sociais). são normas escritas. que consequentemente resultará em uma situação específica (C). o intérprete compõe o sistema normativo. Saúde e Assistência) no que diz respeito às determinações constitucionais. mas ao seu significado e significação.Agora é a sua vez Instruções Inicialmente a autora do PLT opta por esclarecer a metodologia adotada e delimitação da disciplina Política de Seguridade Social (Previdência. sendo a definição. sempre ocorram discrepâncias ou diferenciações de entendimento das normas analisadas. das tributárias. ao delimitar o tema das contribuições para a seguridade social referente às normas constitucionais. Importante ressaltar que a referida hipótese normativa (H) poderá ser a descrição de um fato de possível ocorrência que determinará os direitos e deveres. têm-se de que toda norma jurídica estabelecerá uma hipótese (H). Porém. de que a norma jurídica é “a significação. a autora apresenta os elementos que determinam uma norma jurídica: (D) Functor-de-functor.

portanto -. efetivamente não seja. quando A é.. E nestes. antecipadamente. ter uma noção da aplicabilidade dessa teoria normativa às normas jurídicas tributárias. A autora descreve que na (H) encontram-se os critérios material. B deve ser.. como na lei natural. quando A é. existente em determinada localidade (critério espacial).) O dever-ser jurídico. que na lei natural se afirma. Apresenta o sentido empregado no PLT para tributo. 1999. faz-se necessário a existência da hipótese normativa (H) e da consequência (C). Ou seja. mesmo quando B.) Na proposição jurídica não se diz. que é justamente a descrição dos eventos de possível ocorrência do tributo. é independente de qualquer intervenção dessa espécie. Posto isto. a hipótese tributária (H) deve fazer referência ao comportamento de um sujeito (critério material). enquanto que a ligação de causa e efeito. (. você perceberá que para a incidência dos tributos. p. É interessante perceber que neste estudo preliminar você já poderá. as normas de sentido estrito também serão denominadas como regra-matriz de incidência. e no (C) o pessoal e quantitativo.. As subsidiárias de empresas de tecnologia recolherão os tributos devidos.5) 12 . já que este pode se revestir de mais significações. O ser o significado da cópula ou ligação dos elementos na proposição jurídica do diferente do da ligação dos elementos na lei natural resulta da circunstância de a ligação na proposição jurídica ser estabelecida pela autoridade – através de um ato de vontade. será considerado como norma jurídica tributária em sentido estrito. esta deve identificar os sujeitos da relação jurídica descrita (critério pessoal) e determinar o valor a ser prestado (critério quantitativo). não estipulando a incidência tributária. tributo é toda norma jurídica que disciplina a conduta de alguém entregar determinada quantia em dinheiro a quem de direito deve receber (pessoas de direito público interno). porventura. a autora segue o estudo de base-preliminar do direito positivo tributário: o tributo. Visto o estudo da estrutura das normas.normas jurídicas secundárias. abrange as três significações: a de um ser-prescrito. Vale lembrar que as normas jurídicas tributárias em sentido amplo são aquelas que estabelecem princípios gerais ou providências administrativas. Agora é com você! Responda às questões a seguir para conferir o que aprendeu! Questão 01 Leia o texto abaixo e conclua o questionamento seguinte: (. (Kelsen. E para o consequente da norma. que. mas que. você encontrará critérios para o reconhecimento do fato jurídico tributário e da relação jurídica tributária. porém para o estudo em questão. Assim. B é. Assim. em um determinado espaço de tempo (critério temporal).. a cópula que na proposição jurídica liga pressuposto e conseqüência. a de um ser-competente (ser autorizado) e a de um ser-(positivamente)-permitido das consequências”. espacial e temporal. isto é.

indique. ainda. Questão 03 Qual a melhor forma de identificar uma norma jurídica tributária primária e secundária? _______________________________________ _______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. temporal.vinte por cento sobre o total das remunerações pagas. 78-79). quer pelos serviços efetivamente prestados. além do disposto no art. inciso I: Art. durante o mês. os critérios material. p. clicando no ícone ao lado. clicando no ícone ao lado.212/1991 ao tratar das contribuições das empresas. Questão 02 O que diferencia uma norma tributária em sentido estrito da norma tributária em sentido amplo? Argumente sua resposta. é de: I . 8. para a sua interpretação jurídica. aos segurados empreA que operador de estruturação lógica da norma jurídica Hans Kelsen se referia no trecho? _______________________________________ _______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. Indique qual conceito nuclear de tributo utilizada na hermenêutica jurídica? ______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. o termo tributo pode apresentar uma plurivocidade de significações. 22. nos termos da lei ou do contrato ou. Tendo em vista o estudo da regra-matriz de incidência tributária. inclusive as gorjetas. clicando no ícone ao lado. 23. Questão 04 A lei n. os ganhos habituais sob a forma de utilidades e os adiantamentos decorrentes de reajuste salarial. pessoal e quantitativo. de convenção ou acordo coletivo de trabalho ou sentença normativa. estabelece em seu artigo 22. com base no artigo acima. ______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. espacial. gados e trabalhadores avulsos que lhe prestem serviços. clicando no ícone ao lado. quanto à sua hipótese e consequência. destinada à Seguridade Social. utiliza-se apenas um conceito. _______________________________________ _______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. devidas ou creditadas a qualquer 13 . clicando no ícone ao lado. A contribuição a cargo da empresa. quer pelo tempo à disposição do empregador ou tomador de serviços.título. qualquer que seja a sua forma. Entretanto. Questão 05 Conforme registra Paulo de Barros Carvalho (Direito Tributário: fundamentos jurídicos da incidência. destinadas a retribuir o trabalho.

é correto afirmar: (A) De acordo com o pacífico entendimento doutrinário. o jurista reproduz ou descobre o verdadeiro sentido da lei. em regra. as normas jurídicas consistem em 14 . tal distinção oferece um critério para distinguir.Questão 06 (Defensoria Pública SP/FCC/2010. (E) Todas as alternativas anteriores são corretas. Verifique seu desempenho nesta questão. (E) interna e informal. indica que as normas primárias estabelecem o preceito para a omissão e as secundárias estabelecem a sanção. (D) externa e não-institucionalizada. o “o significado da lei não é autônomo. o de suas significações e das normas jurídicas. Verifique seu desempenho nesta questão. (C) interna e institucionalizada. diferentemente da sanção moral. clicando no ícone ao lado. das assertivas abaixo selecione a opção incorreta. (B)Pelo processo interpretativo. as normas jurídicas das normas morais e das normas sociais. a sanção jurídica. Noberto Bobbio distingue as sanções jurídicas das sanções morais e sociais. (C)Ao intérprete só será possível ‘conhecer o direito’. Para o autor. podendo ser resolvida no âmbito da dogmática jurídica. Questão 07 (Defensoria Pública SP/FCC/2010. (D) Conforme o entendimento doutrinário predominante. a questão sobre o que seja a norma jurídica e se o Direito pode ser concebido como um conjunto de normas é puramente dogmática. são extraídas dos enunciados prescritivos. as normas jurídicas. clicando no ícone ao lado. diferentemente da sanção social. proposições hipotéticas. é sempre uma resposta de grupo e. mas heterônomo”. a sanção jurídica é regulada em geral com as mesmas formas e através das mesmas fontes de produção das regras primárias. (B) De acordo com entendimento doutrinário prestigiado. Questão 08 Com relação ao tema do processo de construção normativa. pode-se afirmar que dentre as normas jurídicas cuja execução é garantida por uma sanção. clicando no ícone ao lado. esta será: (A) externa e institucionalizada. em sua importante obra Teoria Pura do Direito. Considerando-se este critério. (D)Conforme assevera Lenio Luiz Streck. (B) interna e não-institucionalizada.adaptado) Em sua teoria da norma jurídica.adaptado) Relativamente às normas jurídicas. Verifique seu desempenho nesta questão. após percorrer a trajetória interpretativa das formulações literais. Hans Kelsen. (A)A norma jurídica não é redutível à soma das significações dos enunciados prescritivos. (C) Ao classificar as normas em primárias e secundárias. Segundo esta distinção. por sua vez.

TCM-BA . utilizam-se dois indicadores que devem ser conjugados: a base de cálculo e a alíquota. Verifique seu desempenho nesta questão. clicando no ícone ao lado. aos seguintes critérios da hipótese de incidência do ICMS . (C) critério quantitativo da norma jurídica tributária. espacial e quantitativo. (D) critério temporal da norma jurídica tributária. (B) critério espacial da norma jurídica tributária. clicando no ícone ao lado.2011 . material e espacial. Com base no estudo da regra-matriz de incidência tributária.Adaptado) As operações relativas à circulação de mercadorias e a saída de mercadoria de estabelecimento de contribuinte correspondem.Questão 09 Com o fim de determinar o conteúdo da prestação objeto da relação jurídica tributária em uma consequência normativa. 15 .Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços: (A) (B) (C) (D) (E) espacial e temporal. Verifique seu desempenho nesta questão. Questão 10 (FCC .Procurador Especial de Contas . temporal e espacial. material e temporal. tais indicadores resultam como: (A) critério material da norma jurídica tributária. respectivamente.

Apesar do autor do texto tratar do tema em matéria administrativa disciplinar. de Sandro Lúcio Dezan. é interessante por abordar os elementos de estrutura das normas jurídicas. artigos. A leitura de outras obras. 2011. Neste trabalho. 2011. que trata da aplicação da sanção administrativa disciplinar e da relação entre a vinculação deôntica. n. Teresina. a razoabilidade e a proporcionalidade das medidas punitivas. o autor trata da norma jurídica em geral. você viu que as normas jurídicas tributárias são espécies das normas jurídicas. ano 16. Acesso em: 28 nov. 2 abr. Viu também que para as normas jurídicas se aplica todo um mecanismo de formação e estruturação. 2011.com. FINALIZANDO Nesse tema.LINKS IMPORTANTES Quer saber mais sobre o assunto? Então: • Leia o trabalho A aplicação da sanção administrativa disciplinar. 16 .datavenia. de Adriano Soares da Costa. Disponível em: <http://www.htm>. Acesso em: 28 nov. 2831. monografias disponibilizadas pela internet ajudarão você a complementar o estudo deste tema. você identificou a base conceitual de toda contribuição para seguridade social: o tributo. porém correlaciona o tema com as normas jurídicas tributárias.br/revista/texto/18822>. • Leia o Artigo: Incidência e Aplicação da Norma Jurídica: uma crítica ao realismo linguístico de Paulo de Barros Carvalho.net/ artigos/2001/INCIDENCIA-E-APLICACAO-DA-NORMA-JURIDICA. Jus Navigandi. Por fim. Disponível em: <http://jus.

Obviamente. • Que os tributos se classificam em três principais tipos: impostos. com um 17 . seguida por suas espécies. Leitura Obrigatória Classificação Jurídica dos Tributos Toda divisão de objetos em classes resulta no surgimento de gêneros. a classe gênero agrupa o maior número de objetos. • O método classificatório jurídico tributário é baseado em critérios qualificadores presentes em cada tipo de tributo. Porém. somente o significado relevante jurídico é designado para a sua devida classificação. Habilidades • Qual é a importância das classificações jurídicas? • O que são correntes classificatórias existentes? • Como funciona a classificação jurídica dos tributos adotada para o estudo? AULA 2 Assista às aulas nos pólos presenciais e também disponíveis no Ambiente Virtual de Aprendizagem.Tema 2 Questões básicas sobre planejamento ícones: Conteúdos e Habilidades Nessa aula você estudará: • Que ao tributo pode ser atribuído diversas significações. taxas e contribuições. espécies e subespécies.

quando se divide o termo tributo em grupos e subgrupos. precursor de tal classificação. E é a partir dessa classificação que permitirá a demarcação do regime jurídico aplicável. sendo esta o núcleo da hipótese de incidência da regra jurídica tributária. foca como critério classificatório a vinculação ou não vinculação do tributo a uma atividade estatal. e com base nessa definição conhecer qual regime jurídico será aplicado. e taxa. em suas classificações. A classificação dos tributos em quatro espécies determina de forma autônoma a figura jurídica do empréstimo compulsório. você encontrará divergências doutrinárias quanto à classificação dos tributos. agrupando objetos mais específicos e de menor número ainda. Na classificação em cinco espécies de tributos. possibilitará a definição mais precisa do elemento. Isto porque. A classificação tripartite dos tributos em impostos. o foco principal é o desmembramento do tributo ‘contribuições’ em duas espécies autônomas: contribuições e contribuições de melhoria. os empréstimos compulsórios permaneceriam como categoria autônoma tributária. Fábio Fanucchi. ao passo que presente a vinculação encontra-se dois tipos de tributos: as taxas e contribuições. na doutrina você observará a divisão de tributos em duas. A partir da análise de todas as correntes classificatórias dos tributos. tem como critério classificatório a base de cálculo. taxas. os tributos seriam impostos. como também a metodologia das definições jurídicas. Assim. o critério da vinculação estatal na corrente tripartite permite a divisão em três espécies: impostos. três ou até em cinco espécies. Por isso. é imprescindível a divisão dos objetos. No tema em questão. taxas e contribuições. O doutrinador Geraldo Ataliba. impostos e taxas. taxas e contribuições. a autora do PLT parte para o estudo 18 . entretanto. doutrinadores ou tributaristas adotam quase sempre. Assim. o tributo será imposto quando a base de cálculo configurar um fato lícito qualquer. e ainda as suas subespécies. contribuições (com destinação específica do tributo) e contribuições de melhoria (sem destinação específica). Para o defensor dessa corrente classificatória.grupo menor de objetos semelhantes. estabelece que os impostos são espécies de tributos não vinculados a atuação estatal. Assim. Para o meio jurídico. por não apresentar hipótese de incidência e destinação específica. critérios ou entendimento específicos que propiciam essa diversidade de classificações. A classificação dos tributos em duas espécies. empréstimo compulsório. quando esta for uma atuação estatal. de acordo com esta corrente que adota como ponto de partida a Constituição Federal. E esse desmembramento é ocasionado pela adoção de dois critérios constitucionais classificatórios: destinação específica e a restituibilidade do tributo.

Importante notar que tais critérios são determinados em normas constitucionais. Dos não vinculados. Dos vinculados encontraria-se as taxas e contribuições de melhoria. apresenta uma classificação mais detalhada. Procedendo a uma subdivisão da classe dos impostos. Posto isto. na primeira instância. acrescenta mais dois critérios já analisados. os tributos seriam divididos. a adoção única dos critérios da hipótese de incidência e base de cálculo para classificar os tributos. b) Exigência de previsão legal concernente à destinação específica do produto da arrecadação. em espécies e subespécies dos tributos. teria-se três subespécies: imposto em sentido estrito. em: vinculados e não vinculados. os impostos. englobando todos os critérios adotados nas correntes doutrinárias de classificação tributária: a) Necessidade de vinculação da hipótese de incidência tributária a uma atividade estatal referida ao sujeito passivo. partindo deste foco de estudo classificatório. contribuição e empréstimo compulsório.dos elementos criteriosos utilizados para tais classificações. assim menosprezar a sua relevância prejudica uma classificação tributária mais precisa. Para a autora. se mostra insuficiente e imprecisa. 19 . Por fim. Assim. no intuito de expor a sua classificação tributária. c) Exigência de previsão legal de restituição do montante arrecadado. d) Necessidade de vinculação ou não do tributo a uma atividade estatal. a destinação do produto arrecadado e o caráter restituível do tributo.

Tendo como base o ponto central de cada texto. nosso Código Tributário Nacional – atualmente em vigor por mais de quarenta anos. defina. Disponível em: < http://200. e destinado a cobrir gastos gerais e não específicos. quando discursivas. 18. e individualmente. com suas próprias palavras.5. de 01/12/1965. A relevância da destinação dos tributos para a determinação de sua natureza jurídica: uma nova perspectiva do art. inc. coordenando. respondendo: é possível considerar as contribuições sociais como uma subespécie de imposto específico? Agora é com você! Responda às questões a seguir para conferir o que aprendeu! Questão 01 Tendo como base de leitura do PLT e dos textos sugeridos em Ampliando o Conhecimento. As demais questões deste capítulo devem ser respondidas em grupo. fornecendo os tipos e um exemplo deste tributo. (Ribeiro. 4º do CTN à luz da Constituição da República. 160 do CTN). de 25 de outubro de 1966.Agora é a sua vez Instruções As atividades de ponto de partida devem ser elaboradas individualmente. 4º. conseqüentemente.198. Questão 02 Na concepção tripartite de classificação jurídica tributária. à Constituição Federal de 1946 – descartava a relevância da destinação dos tributos para a determinação de sua natureza jurídica (art. discorra a situação jurídica das contribuições? ______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. ______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. 2011.151:8081/tribunal_contas/2008/03/-sumario?next=4> em 28 nov.41.é classificado como um tributo não vinculado.172. para os fins dados ao produto arrecadado. envolvendo a noção de compreensividade harmônica de todo o sistema tributário nacional e seguindo as determinações traçadas pela EC n. 20 . quando objetivas. disciplinando. formule o enquadramento das contribuições para a seguridade social na classificação das espécies de tributos. tributo vinculado.) IMPOSTO . Ponto de Partida Leia os textos abaixo: O tema relativo à destinação do produto da arrecadação dos tributos passou a ter fulcral importância na atividade financeira do Estado Federal brasileiro. notadamente após a promulgação da Constituição da República de 05 de outubro de 1988. clicando no ícone ao lado. I) e. clicando no ícone ao lado. A Lei n. por possuir uma hipótese de incidência cuja materialidade independe de qualquer atividade estatal (art.

a ‘contribuição’ é um tributo: 21 . Taxa. _______________________________________ _______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. taxas e contribuições são designados como espécies tributárias em razão da: (A) (B) (C) Destinação específica do tributo. Verifique seu desempenho nesta questão. Contribuições de melhoria. (D) não vinculado a uma atividade estatal. proposta pelo doutrinador Geraldo Ataliba. é correto afirmar que essa exação é um(a): (A) (B) (C) (D) (E) Imposto. para a classificação dos tributos. de forma autônoma. Destinação espécifca e da restituibilidade Questão 06 De acordo com os critérios adotados na classificação proposta pela autora do PLT. mesmo que de forma indistinta.Questão 03 Qual o requisito constitucional essencial que configura como um dos critérios classificatórios das contribuições sociais? _______________________________________ _______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. (C) vinculado a uma atividade estatal. não-vinculado. Questão 04 Aponte os três critérios adotados pela autora do PLT. clicando no ícone ao lado. qual desses critérios é utilizado para individualizar. _______________________________________ _______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão.MPE-AM . clicando no ícone ao lado.Promotor de Justiça) Se um indivíduo é notificado a pagar um tributo. Contribuições parafiscais. Indique na resposta o tributo questionado. com destinação específica. Questão 07 (CESPE . clicando no ícone ao lado. Empréstimo compulsório.2007 . Questão 08 Na classificação dos tributos em três espécies. com destinação específica. clicando no ícone ao lado. Verifique seu desempenho nesta questão. (B) não vinculado a uma atividade estatal. clicando no ícone ao lado. sem destinação específica. Restituibilidade do objeto tributário. (A) vinculado a uma atividade estatal. impostos. um tributo. sem destinação específica. por natureza. Questão 05 Dentre os critérios para a classificação jurídica dos tributos.

estas utilizam variados critérios. Hipótese de incidência. Questão 09 Presentes no meio jurídico algumas correntes doutrinárias classificatórias dos tributos. clicando no ícone ao lado. em qual item abaixo descreveria melhor a sua hipótese de incidência: (A) uma atuação estatal. clicando no ícone ao lado. (C) (D) (E) Base de cálculo. (B) (C) (D) um fato qualquer. Quantia a ser tributada. estes critérios e como base as taxas. uma atuação estatal indiretamente referida a construção de obras públicas que propi- aos contribuintes. Verifique seu desempenho nesta questão. ciem conforto e atendam às necessidades dos contribuintes. Verifique seu desempenho nesta questão. não se incluem como critério para a designação classificatória jurídica dos tributos: (A) tal. ora similares ou excludentes para a conclusão classificatória. ao contrário dos impostos. clicando no ícone ao lado. (B) Destinação específica tributária. que são também denominadas “ tributos sem causa “. (D) Vinculação e não vinculação do tributo a uma atividade estatal. Vinculação tributária a uma atividade esta- 22 . Tendo em vista. diretamente referida ao contribuinte. Questão 10 Quais dos elementos abaixo. Verifique seu desempenho nesta questão.do tributo.

três ou até cinco espécies de tributos. agora que o conteúdo dessa aula foi concluído. • Leia o trabalho sobre Tributos: conceito e classificação. Bons estudos! 23 . de Luciana Arantes. Neste trabalho a autora apresenta estudo sobre os tipos de tributos e suas características. pode-se ter dois. artigos. Acesso em: 28 nov. Disponível em: < http://jus. Acesso em: 28 nov. você viu que não há uma unicidade em classificar juridicamente os tributos.com.br/?p=138 >. 2011.br/revista/texto/2671/o-artigo-4-do-ctn-e-a-classificacao-juridica-dostributos >. não se esqueça de acessar sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. Neste trabalho a autora apresenta estudo sobre os tipos de tributos e suas características. 2011. Percebeu que perante os critérios adotados para tal classificação. Caro aluno.com. Neste trabalho a autora apresenta tópicos importantes quanto ao tributo e seus tipos. • Leia o trabalho O artigo 4º do CTN e a classificação jurídica dos tributos. 2011. Acesso em: 28 nov. Disponível em: < http://jus. de Fabiana Falcoski Ferreira. Porém. FINALIZANDO Nessa aula.LINKS IMPORTANTES Quer saber mais sobre o assunto? Então: • Leia o trabalho sobre a Natureza Tributária e as Contribuições Especiais. tendo como base o ambiente constitucional. Disponível em: < http:// lucianaarantes. A leitura de outras obras. os critérios adotados por todos os doutrinadores se tornam essenciais e comuns para uma melhor classificação dos tributos.com. você pode perceber que mesmo havendo heterogeneidade de divisões. monografias disponibilizadas pela internet ajudarão você a complementar o estudo desta aula.br/revista/texto/9140/a-natureza-tributaria-e-as-especiesde-contribuicoes-especiais >. de Werner Nabiça Coelho.

já que ora se apresentam com características de impostos. contribuições de interesse das categorias profissionais ou econômicas. 24 . você deverá ser capaz de responder as seguintes questões: • • Como funciona a classificação jurídica das contribuições? • O que é a nomenclatura adotada das contribuições para efeitos jurídicos? • Quais as espécies de contribuições? AULA 3 Assista às aulas nos pólos presenciais e também disponíveis no Ambiente Virtual de Aprendizagvem.Tema 3 Contribuições ícones: Conteúdos e Habilidades Conteúdo Nessa aula você estudará: • A natureza jurídica das contribuições. • Que é controversa a classificação das contribuições como espécie tributária autônoma. Habilidades Ao final. ora com as de taxas. e as contribuições sociais. • As espécies de contribuição constitucionalmente previstas: a contribuição de intervenção no domínio econômico.

Leitura Obrigatória Contribuições Foi visto na aula anterior sobre a natureza jurídica dos tributos. como característica própria tributária. só sendo aplicado determinados princípios. Nesta aula. Cabe ressaltar da importância em estabelecer a natureza jurídica do objeto para se determinar o regime jurídico a ser aplicado. não se tratando das contribuições de melhoria. Mas isso não a desclassificaria como tributo. às contribuições apenas se identificariam com a destinação específica dos recursos adquiridos. contribuições de melhoria e empréstimos compulsórios. de forma generalizada. Porém. Outro argumento defendido é com relação a aplicabilidade dos princípios tributários às contribuições. a autora utiliza os mesmos critérios determinantes para a classificação dos tributos. porém com foco nas contribuições. segundo essa corrente. na forma constitucional. E para sustentar a sua tese autônoma das contribuições. Dentre os argumentos para tal entendimento. tanto as sociais. Vale ressaltar que no presente estudo o termo contribuições se refere a sua forma geral. como impostos. Dentre estes critérios. Isto porque. é exposta a razão de que as contribuições não beneficiam toda a população. a autora do PLT demonstra divergências entre os doutrinadores acerca da sua classificação como espécie tributária autônoma. mas sim somente aqueles protegidos pelo regime previdenciário. taxas. ocorrendo destinação específica dos recursos somente em casos especiais. devem atender a população de forma geral. a autora apresenta a 25 . destinação legal ou específica dos recursos e o caráter restituitivo. você observará que a autora diverge desta posição excludente das contribuições e argumenta com base na Constituição Federal de que as contribuições. Você observará que existem correntes doutrinárias que não determinam as contribuições sociais como tributos. E para que não ocorra essa possível confusão de linguagem ao termo. tendo em vista que aos demais tributos. será tratado tal estudo. Com relação a natureza jurídica tributária das contribuições. também tais critérios não são aplicados de forma integral. os tributos. é por determinação constitucional e não por sua natureza jurídica própria. e se assim são. como as de intervenção no domínio econômico e as de interesse das categorias profissionais ou econômicas se revestem de natureza jurídica própria dos tributos. as quais as destinadas à seguridade social não estão agrupadas. tendo em vista que as contribuições para a seguridade correspondem a este tipo de tributo. Você estudou na aula anterior três determinantes: vinculação estatal.

As genéricas são aquelas destinadas às outras áreas de cunho social. Obviamente. somente os exploradores de determinada atividade podem estar posicionados como contribuintes. mas não comprometendo a aplicabilidade única do mesmo regime jurídico tributário a todas elas.nomenclatura adotada no estudo e os termos classificativos constitucionais. Para efeitos constitucionais. como a educação e habitação. As contribuições para a seguridade social são subespécies das contribuições sociais. Tratando-se das contribuições de intervenção de domínio econômico (interventivas). previdência e assistência social. elas se subdividem em duas: genéricas e as destinadas ao financiamento da seguridade social. sendo estas subdivididas em sociais. pois estas englobam às destinadas a seguridade social. E essa diferenciação de destinação dos recursos acarretou um tratamento diferenciado dado pela Constituição. O termo seguridade social é baseado no tripartite: saúde. estas se definem como sendo o tributo com específica finalidade da atividade econômica que se pretende disciplinar. Já no caso das contribuições corporativas. 26 . a classificação mais relevante ao estudo é referente às contribuições sociais. Esta classificação constitucional considerou como critério o destino do produto arrecadado. Assim. interventivas e corporativas. De acordo com a Constituição Federal. a destinação do arrecadado terá como fim o custeio das entidades que fiscalizam ou regulam atividades profissionais ou econômicas. o termo contribuições indica duas espécies tributárias: contribuições de melhoria e as contribuições gerais.

______________________________________ ______________________________________ 27 . será possível você associar as características apresentadas das subespécies das contribuições sociais com o quadro dos tributos existentes no nosso ordenamento tributário. clicando no ícone ao lado. com fins de produção de combustível. e individualmente. ( ) Contribuição destinada à Ordem dos Advogados do Brasil – OAB. ______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. III. Agora é com você! Responda às questões a seguir para conferir o que aprendeu! Questão 01 Existem correntes doutrinárias que excluem as contribuições como espécie tributária autônoma. II. em razão da sua natureza jurídica? Verifique seu desempenho nesta questão. quando objetivas. ( ) Contribuição destinada ao Serviço Social do Comércio – SESC. Contribuição destinada a entidades privadas que são vinculadas a determinada atividade ou categoria profissional. Questão 02 Discorra sobre os empréstimos compulsórios e as contribuições sociais. ( ) Contribuição incidente sobre a receita de loterias destinadas a educação. IV. determinando suas diferenças e semelhanças.Agora é a sua vez Instruções As atividades de ponto de partida devem ser elaboradas individualmente. clicando no ícone ao lado. Quais são os critérios adotados por esses correntes para tal interpretação? Verifique seu desempenho nesta questão. Contribuição destinada a regular os preços dos produtos para garantir o domínio econômico. clicando no ícone ao lado. clicando no ícone ao lado. Contribuição cobrada em prol de entidades sindicais ou representativas de categorias profissionais. As demais questões deste capítulo devem ser respondidas em grupo. Contribuição destinada a financiamento da seguridade social. ( ) Contribuição sobre o cultivo de açúcar. Questão 03 Qual o posicionamento da autora do PLT a respeito da Constituição Federal estabelecer regime jurídico diferenciado às contribuições. ______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. I. quando discursivas. Ponto de Partida Tendo em vista o estudo até o presente tema. Verifique seu desempenho nesta questão. clicando no ícone ao lado.

taxa. Verifique seu desempenho nesta questão. Observe. indicado no tópico Ampliando o Conhecimento. Os tributos instituídos para o custeio de entidades profissionais são contribuições ______________. e) Apenas as formulações I e II são corretas. quais as que Questão 06 (ATN Fortaleza/2003 – ESAF. IV . Questão 04 Para responder as questões 4 e 5. a) Apenas as formulações II e III são corretas.Empréstimo compulsório. taxas.Adaptado) Avalie as formulações seguintes. preço público e contribuição de interesse de categorias profissionais são espécies tributárias. AS contribuições destinadas a seguridade social são contribuições ______________. clicando no ícone ao lado. assinale a opção que corresponde à resposta correta. Verifique seu desempenho nesta questão. entre as alíneas I. III . Aponte e explique as semelhanças e diferenças entre as contribuições sociais e os impostos. contribuição de melhoria. c) Apenas as formulações I e III são corretas. consideradas as pertinentes disposições da Constituição Federal e do Código Tributário Nacional. _______________________________________ _______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. 3. (b) a destinação legal do produto da sua arrecadação. I – Imposto. clicando no ícone ao lado. leia o artigo de Eduardo Augusto Dahas.A natureza jurídica específica do tributo é determinada pelo fato gerador da respectiva obrigação. clicando no ícone ao lado. contribuição de intervenção no domínio econômico e contribuição para a seguridade social são espécies tributárias. d) Apenas a formulação II é correta. II . impostos e encargos de reparação de guerra são espécies tributárias. 28 . 2. III. Os tributos instituídos sobre atividades econômicas como instrumento para a atuação do Estado são contribuições ______________. Verifique seu desempenho nesta questão. clicando no ícone ao lado. e. clicando no ícone ao lado. _______________________________________ _______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. b) Apenas as formulações III e IV são corretas. II.Verifique seu desempenho nesta questão.Contribuições sociais. sendo irrelevantes para qualificá-la: (a) a denominação e demais características formais adotadas pela lei. Questão 07 1. Questão 05 A nomenclatura utilizada para um tributo é critério suficiente para se classificá-lo em determinada espécie tributária? Justifique. relativas a tributo e suas espécies. clicando no ícone ao lado. ao final.

mas características atribuídas as taxas. I) II) III) Interventivas. clicando no ícone ao lado. julgue os itens abaixo em verdadeiro ou falso: a) As contribuições sociais possuem natureza tributária. na devida seqüência. I. incidir sobre as receitas de importação.2008) De acordo com a Constituição Federal. marque a opção que contém. d) Para as contribuições. ter alíquotas ad valorem. b) As contribuições sociais possuem destinação legal do produto arrecadado. em seguida. faturamento. semelhantes aos impostos. II. Verifique seu desempenho nesta questão. Verifique seu desempenho nesta questão. a) I. na receita bruta ou no valor da operação. basicamente. é irrelevante a existência de atividade estatal vinculante. e. clicando no ícone ao lado. II c) I. I Verifique seu desempenho nesta questão. III. três espécies de contribuições sociais: as de intervernção no domínio econômico. Questão 09 Qual o melhor posicionamento encontrado no estudo acerca do tema controverso da contribuição como espécie tributária autônoma? (A) As contribuições não são tributos. 29 . as de interesse de categorias profissionais ou econômicas e as de seguridade social.preenchem corretamente as lacunas acima. as contribuições sociais e de intervenção no domínio econômico podem: (A) (B) (C) (D) incidir sobre as receitas de exportação. clicando no ícone ao lado. II b) III. Questão 10 Com relação às contribuições sociais. (B) (C) (D) As contribuições são tributos com alguAs contribuições são tributos com alguAs contribuições são tributos com carac- mas características atribuídas aos impostos. III d) II. as alíneas respectivas. Sociais. III. terísticas próprias. com base no unidade de medida adotada. Corporativas. com base na ter alíquotas específicas. clicando no ícone ao lado. c) A Constituição Federal prevê. Questão 08 (EXAME DE ORDEM – CESPE. Verifique seu desempenho nesta questão.

o regime jurídico respectivamente a cada um. 2011. Neste trabalho. são espécies tributárias autônomas. Por fim.rochaefraga.com/artigos/19180>.com. você viu que as contribuições. Material complementar para melhor estudo das correntes apontadas pela autora que divergem da natureza jurídica das contribuições como tributos.br/ artigos/exibir/560/Contribuicoes-Sociais>. Acesso em: 08 dez. o autor trata das contribuições. Disponível em: <http://www. interventivas e corporativas. artigos. o autor trata das diferenças entre os dois tributos. Viu também as classificações de acordo com critérios específicos das contribuições em sociais. Acesso em: 06 dez. Neste artigo. não se esqueça de acessar sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. A leitura de outras obras. mesmo havendo posições doutrinárias contrárias. Caro aluno. • Leia o Artigo de Marcos Rafael: Contribuições.com. pdf>. Bons estudos! 30 . e as conseqüências da diferenciação. Acesso em: 08 dez. • Leia o Artigo de Eduardo Augusto Gonçalves Dahas: Os impostos e as contribuições sociais à luz da Constituição Federal.br/publicacoes/controversia_sobre_a_natureza_juridica_das_contribuicoes. agora que o conteúdo dessa aula foi concluído. FINALIZANDO Nessa aula. que trata das controvérsias sobre a natureza jurídica das contribuições. publicações disponibilizadas pela internet ajudarão você a complementar o estudo desta aula.direitonet. 2011. de Henrique Rocha Fraga.LINKS IMPORTANTES Quer saber mais sobre o assunto? Então: • Leia a publicação Controvérsias sobre a natureza jurídicas das contribuições. você pôde identificar a posição e classificação jurídica e suas características das contribuições para a seguridade social. apresentando de forma sucinta e clara os seus principais aspectos. 2011. tendo em vista a corrente majoritária e adotada pela autora do PLT. Disponível em: <http:// www. Disponível em: <http://jusvi.

receita. • Que tantos as empresas como os trabalhadores poderão ser fontes de renda para a captação de recursos destinados a seguridade. você deverá ser capaz de responder as seguintes questões: • • Como funcionam as fontes diretas para o financiamento da seguridade social? • O que são as fontes de custeio a cargo dos empregadores? • O que são as fontes de custeio a cargo dos trabalhadores? AULA 4 Assista às aulas nos pólos presenciais e também disponíveis no Ambiente Virtual de Aprendizagvem.Tema 4 Fontes de Financiamento das Contribuições para a Seguridade Social ícones: Conteúdos e Habilidades Conteúdo Nessa aula você estudará: • • Que a partir da edição da Emenda Constitucional n. as fontes previstas para o financiamento das contribuições sociais destinadas à seguridade social se tornaram mais amplas. 20/98. Habilidades Ao final. 31 . trabalhador. • Os conceitos de empregador. possibilitando ampliar as fontes de financiamento de recursos à seguridade social. lucro ou faturamento foram alterados.

como foco do estudo da seguridade social. que como você observou não há uma destinação específica à uma área pertencente a seguridade social. as transações bancárias e comerciais. que no momento não serão objeto do presente estudo. empresa e entidade similar ou equiparada. Logo. e nossa Carta Magna prescreve que a seguridade social deverá ser financiada por toda a sociedade. quanto às demais contribuições. Das pessoas jurídicas incluem o empregador. as fontes de arrecadação desta destinação social podem ser indiretas ou diretas. que você poderá encontrar em nosso tópico Referências Bibliográficas. tratará das pessoas jurídicas. a saúde e a assistência social. esta fonte será determinada como indireta. Das fontes diretas terá como base de custeio de arrecadação dois tipos de pessoas: físicas e jurídicas. é conhecer quais são as fontes para as contribuições sociais. serão diretas. atingindo a sociedade como um todo. imprescindível é ter noção da necessidade de se ter a fonte de captação de seus próprios recursos. as inscrições de atividades econômicas. advindas por contribuições. Primeiramente. estas terão como fontes de recursos tanto impostos como contribuições. sobre os produtos e serviços adquiridos pela população. estas serão tidas como indiretas. e isto também ocorrerá no plano da seguridade social. neste aula você verá das fontes de financiamento direto previstos pela nossa Constituição referentes à seguridade social. Se o Estado destina parte do arrecadado por um determinado imposto. porém específica as contribuições sociais como a sua regra para a sua fonte e incidência. serão aplicadas demais critérios. Significa que. importante é a leitura da nossa Constituição. Não é concebível ao Estado criar um tributo sem antecipadamente tratar ou estabelecer de onde captará os recursos para o mesmo. É importante frisar que essa diferenciação se aplica apenas às contribuições sociais destinadas à seguridade social. Como foi dito no parágrafo anterior. O que nos importa. as fontes podem ser amplas ou variadas. quando a fonte advém de outros tributos que não sejam por contribuições. e até. sendo a seguridade social um tripé que engloba: a previdência social. inciso 32 . Essa incidência pode ser ampla. O artigo 195.Leitura Obrigatória Fontes de Financiamento das Contribuições para a Seguridade Social É importante frisar no início deste estudo de que todo tributo para que possa existir no plano fiscal e tributário. pode-se ter como fonte: as rendas de um cidadão. As fontes diretas da seguridade social são aquelas permitidas e estabelecidas originariamente pela Constituição Federal. Das pessoas físicas terá o trabalhador e os segurados da previdência social. e partir de agora. Isto porque. em seu gênero. Assim.

isso não ocorre porque para a incidência sob o lucro não há que se falar em adições. A contribuição social sobre o lucro da empresa pode se assemelhar com o imposto de renda de pessoa jurídica. mesmo sem vínculo empregatício. Vale ressaltar que esta nova disposição foi dada devida a Emenda Constitucional n. antes da edição desta emenda. juros. se uma empresa possui ou não trabalhadores devidamente registrados.I a II e § 8º apresenta: I . Você observará. da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei. onde o constituinte ampliou a interpretação dos conceitos de empregadores e empregador pra fins de incidência tributária para as contribuições destinadas a seguridade social.. Percebe-se que. alíneas a. de todos os recursos. para efeitos constitucionais e tributários. isto porque. 201.do empregador. tanto a folha de salário como os rendimentos pagos ou creditados à determinada pessoa física são bases de fontes de recursos. através de seus negócios jurídicos. sejam ou não advindos diretamente do faturamento. é todo aquele que presta serviços. mas pagam rendimentos a eles. importante somente diferenciar de que o faturamento é todo o montante arrecadado pela empresa diretamente relacionado à sua atividade econômica. incidentes sobre: (. que os trabalhadores também serão parte do pólo passivo de fonte de contribuição social.) II . c) o lucro. por final. à pessoa física que lhe preste serviço. como por exemplo é a receita proveniente de alugueis. qual será o fator incidencial para tal tributo? A Constituição assim prescreve. em seu art. 33 . a partir da referida constitucional. royalties de que a empresa possa a vir recebê-los. como geralmente ocorre na incidência dos impostos. Quanto ao lucro. a todos será passível de tributação.do trabalhador e dos demais segurados da previdência social. até mesmo nas destinadas às pessoas físicas. Quanto ao faturamento e receita das empresas ou empregadores. b e c: a) a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados. descontos. Trabalhador. Atualmente.º 20/1998. E quanto a pessoas jurídicas. não incidindo contribuição sobre aposentadoria e pensão concedidas pelo regime geral de previdência social de que trata o art. somente os rendimentos pagos aos trabalhadores oficialmente registrados (folha de salário) eram tidos como tributáveis.. 195. a qualquer título. Isto porque renda e lucro são conceitos que podem se confundir. Enquanto que receita englobaria sentido mais amplo. Mas para efeitos tributários. há um dado peculiar apresentando pela autora do PLT. b) a receita ou o faturamento. inciso I.

desde que seja em regime familiar. E com o acréscimo da emenda constitucional. a incidência tributária também se fará de forma diferenciada daqueles demais trabalhadores que percebem valores fixos ou determinados mediante sua atividade profissional. nessa classe de trabalhadores. porém com algumas exceções pertinentes a essa classe.seja a empregador. seja a pessoa com a qual não mantém vínculo empregatício. incluem até mesmo os segurados da previdência social. 34 . já que a sua renda pode ser uma inconstante devida a sua peculiar atividade rural de produção. Em relação aos trabalhadores rurais.

conhecida como Lei Orgânica da Seguridade Social. Ponto de Partida De acordo com a Lei n. e após explique as razões que basearam na sua escolha. II . Verifique seu desempenho nesta questão. do Distrito Federal e dos Municípios.receitas da União. do Distrito Federal e dos Municípios. dos Estados. estabelece que : Art. dos Municípios. d) dos Estados.receitas de outras fontes. Tendo me vista o estudo da aula em questão. da União. explique as razões que a determinam como verdadeira. procure apresentar dentre estas receitas. No âmbito federal. clicando no ícone ao lado.º 20/1998 referente a incidência tributária das pessoas jurídicas como fontes de tributo para a seguridade social. quando discursivas. c) dos Estados. em seu artigo 11. e da União. Agora é com você! Responda às questões a seguir para conferir o que aprendeu! Verifique seu desempenho nesta questão. o orçamento da Seguridade Social é composto das seguintes receitas: I . clicando no ícone ao lado. Questão 03 Procure identificar o item que corresponde corretamente ao enunciado da questão abaixo. Verifique seu desempenho nesta questão. O financiamento do sistema único de saúde é feito com recursos dos orçamentos: a) da Seguridade Social e da União. _______________________________________ _______________________________________ 35 .212 de 1991. clicando no ícone ao lado. Questão 02 Com a seguinte afirmação de que é compatível com a Constituição Federal (CF) o custeio de programas de assistência social mediante a utilização de receitas provenientes de contribuição para a seguridade social. e individualmente. clicando no ícone ao lado. a fonte de custeio para a seguridade social que sem enquanto como fonte direta.º 8. III . do Distrito Federal e da União. b) dos Estados. Questão 01 Apresente a amplitude dada pela Emenda Constitucional n. ______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão.receitas das contribuições sociais. e) da Seguridade Social. quando objetivas. As demais questões deste capítulo devem ser respondidas em grupo. 11.Agora é a sua vez Instruções As atividades de ponto de partida devem ser elaboradas individualmente.

Questão 04 O pescador artesanal exerce sua atividade em regime de economia familiar. Questão 06 As fontes para a seguridade social podem receber a classificação de serem pessoais e econômicas. no que tange aos empregadores como fonte de custeio. c) As fontes para a seguridade social só podem advir por meio de impostos e taxas sociais. Questão 05 Explique quais foram as mudanças de extensão da aplicabilidade da incidência tributária da contribuição para a seguridade social. clicando no ícone ao lado. clicando no ícone ao lado. Verifique seu desempenho nesta questão. mesmo que por lei. referido pescador será obrigado a contribuir com a contribuição social. tornando-se assim uma fonte de custeio da seguridade social? Justifique sua resposta. ( ) Lucros advindos de uma empresa de sociedade limitada. especificadas pela Constituição: previdência social. Com relação a incidência tributária. Verifique seu desempenho nesta questão. para custeio ou expansão da seguridade social. além das previstas na Constituição da República Federativa do Brasil. clicando no ícone ao lado. outras fontes. a) É vedado instituir.Fonte Econômica ( ) Empresa devidamente constituída com atividade exercida mediante trabalhadores devidamente vinculados. assinale a alternativa correta. ( ) Faturamento das associações constituídas sob regime de direito privado. associe cada uma delas: 36 . ( ) Fundação de direito privado. trazidas pela Emenda Constitucional n. Através dos itens a seguir.º 20/98. assistência social. saúde e amparo social. Com a intenção de aumentar sua produção de pesca decide possuir dois empregados permanentes. Verifique seu desempenho nesta questão. ( ) Microempreendedor sob regime individual. Questão 07 Sobre a seguridade social na Constituição da República Federativa do Brasil. _______________________________________ _______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. A – Fonte Pessoal B. _______________________________________ _______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. optante pelo SIMPLES. Verifique seu desempenho nesta questão. clicando no ícone ao lado. clicando no ícone ao lado. b) São destinações da seguridade social. clicando no ícone ao lado. ( ) Trabalhador rural com produção sob regime familiar.

poderão ser consideradas integrantes do polo passivo de tributação para a seguridade social. mediante lei complementar. a Constituição Federal determina que dentre as pessoas do polo passivo da contribuição.d) A seguridade social só poderá ser financiada pela sociedade devidamente constituída pra fins filantrópicos. além das previstas na CF. 37 .Adaptado)A respeito da ordem social na CF. e) A fonte de recursos da seguridade social provenientes do empregador ou empresa. terá como incidência a folha de salário. poderá ocorrer tratamento diferenciado de tributação no que tange as alíquotas. (E) Somente as empresas com faturamento mínimo estabelecido pela Constituição Federal tado. Questão 09 Quais das seguintes fontes para o financiamento da seguridade social não são estabelecidas diretamente pela Constituição Federal: (A) (B) (C) (D) (E) Lucro das empresas Folha de salários de empregados. Entidades filantrópicas. Verifique seu desempenho nesta questão. Verifique seu desempenho nesta questão. clicando no ícone ao lado. Remuneração recebida pelo serviço pres- Questão 08 (CESPE . mediante recursos provenientes de contribuições sociais pagas pelo empregador. Dentre as pessoas tributáveis abaixo. o lucro e seu faturamento ou renda. em qual delas se aplica esse benefício: (A) (B) (C) (D) Empresas com apenas um empregado. Faturamento de uma fundação privada. Trabalhador rural sob regime de produção familiar. entre outras formas. clicando no ícone ao lado. assinale a opção correta. (D) A União pode instituir. outras fontes destinadas à obtenção de receita para a manutenção da seguridade social. Fundações privadas. sem empregados permanentes. (B) O produtor rural que exerce suas atividades em regime de economia familiar. incidentes sobre a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos em favor das pessoas físicas que lhes prestem serviço. Trabalhador rural com apenas um empre- gado permanente.MPE-RO . Verifique seu desempenho nesta questão. Questão 10 Sobre a fonte de custeio da seguridade social. é obrigatória a instituição das fontes tributárias somente por determinação em lei complementar. é isento de contribuição para a seguridade social. Movimentação financeira bancária. Verifique seu desempenho nesta questão. (C) A seguridade social é financiada. clicando no ícone ao lado. com a exceção daquelas sem vínculo empregatício. (A) A fim de cumprir o mandamento constitu- cional de centralização da administração da seguridade social.2010 . clicando no ícone ao lado.

que após a emenda constitucional referida no estudo. Acesso em: 28 nov. estabelecer a fonte da qual os recursos serão provenientes. andersonfurlan. necessariamente. • Conheça o artigo relevante sobre a Seguridade Social na Constituição Federal. Acesso em: 10 dex. quanto ao seu custeio e características sob a ótica tanto constitucional como infraconstitucional. FINALIZANDO Nessa aula. como você pôde perceber. também. a Constituição determina sobre quais pessoas físicas ou jurídicas incidirão as alíquotas tributárias para o custeio dos direitos que compõem a seguridade: previdência. monografias disponibilizadas pela internet ajudarão você a complementar o estudo desta aula.LINKS IMPORTANTES Quer saber mais sobre o assunto? Então: • Leia o artigo de Fernando Furlan sobre o Custeio da Seguridade Social. especificamente o artigo 195. o autor aprofunda mais sobre o tema seguridade social. todo tributo para ser instituído deve-se. Caro aluno. Disponível em: < http://www.planalto.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.gov. Neste artigo. Viu. Bons estudos! 38 . Disponível em: < http://www.htm>.com. saúde e assistência.html >. tanto a respeito das pessoas como de seus respectivos objetos tributáveis. 2011. não se esqueça de acessar sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. permitiu ao Estado ampliar o rol de incidência. ler e conhecer os artigos correlacionados a seguridade. Em se tratando das contribuições para a seguridade social. artigos.br/aulas/34-aula-tributario-custeio-da-seguridade-social. Focando no estudo em questão. A leitura de outras obras. agora que o conteúdo dessa aula foi concluído. 2011.

• Que essas contribuições sociais com fontes não diretas são denominadas contribuições residuais. você deverá ser capaz de responder as seguintes questões: • • Como funciona o processo de instituição das contribuições residuais? Quais os requisitos necessários das contribuições residuais? AULA 5 Assista às aulas nos pólos presenciais e também disponíveis no Ambiente Virtual de Aprendizagvem. os requisitos necessários para a sua instituição.Tema 5 Contribuições Residuais ícones: Conteúdos e Habilidades Conteúdo Nessa aula você estudará: • As demais fontes. não elencadas em texto constitucional. 39 . • Que para a criação destas novas fontes de seguridade social é necessário uma nova lei complementar para a sua instit uição. Habilidades Ao final. pela Carta Magna. mas estabelecidos.

folha de salários de uma empresa são fontes diretas para o custeio da seguridade. você observará que no âmbito jurídico pode haver outras fontes para esse custeio. não só será possível a sua instituição como serão denominadas de contribuições residuais. e. obedecido o disposto no art. estabelece que para a devida validade de contribuições sociais residuais.A lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir a manutenção ou expansão da seguridade social. tornando-a uma fonte residual. a CSS (extinta CMPF). não-cumulatividade.Leitura Obrigatória Contribuições Residuais Retomando a aula do estudo anterior. I. que a União poderá instituir: I . inciso I. interprete como contribuições. Logo. 154. qualquer contribuição destinada a seguridade social em que a incidência tributária recaia sobre objetos não elencados pela Constituição. O primeiro requisito diz respeito ao vínculo introdutório jurídico: a lei. possuir hipótese de incidência e base de cálculo diversos dos já estabelecidos pela Constituição. É importante frisar que apesar da Carta Magna possibilitar essa inovação. tinha como destinação tributária a saúde. já que a Constituição adota o mesmo regime jurídico residual dos impostos. viu-se que as fontes para a seguridade social são diretas quando estabelecidas expressamente pela Constituição Federal. assim. Percebe-se que essa fonte não está arrolada dentre as determinadas pela Constituição. Toda norma tributária deverá ser 40 . desde que sejam não-cumulativos e não tenham fato gerador ou base de cálculo próprios dos discriminados nesta Constituição. impostos não previstos no artigo anterior. Portanto. da Constituição: § 4º . criada por lei infraconstitucional. § 4º.mediante lei complementar. a incidência de tributação sobre lucro. e como fonte para o seu custeio as transações bancárias. Assim prescreve em seu artigo 154. rendimentos. Assim. Vale ressaltar que apesar do texto constitucional expressar o termo “impostos” no inciso. e esse possibilidade de inovação é descrita no artigo 195. Agora. necessário se faz atender a requisitos e critérios para sua efetivação. Voltando ao exemplo no início da nossa conversa. são três requisitos que a Constituição exige para a efetivação das contribuições residuais: instituição mediante lei complementar.

surge a possibilidade da compensação tributária. Assim. compreendendo além do fato gerador e base de cálculo. para a criação de outras contribuições. 41 . essa proibição se refere somente as contribuições sociais diretas. Não confundir com a bitributação. ao se instituir novas fontes. sendo o montante do tributo pago numa etapa da circulação da mercadoria abatido do montante devido na etapa seguinte. é necessário que o processo seja por lei complementar. a Constituição determinou a obediência ao princípio da não-cumulatividade. Com isso. O que diferencia as duas leis é que o procedimento das leis complementares. compensando-se o que for devido em cada operação com o montante cobrado nas anteriores. Lembrando que a não-cumulatividade é um princípio que se aplica mais diretamente aos processos econômicos plurifásicos. e que não tenham a mesma base de cálculo e fato gerador (hipótese de incidência) das contribuições já citadas nos quatro incisos do artigo 195. Porém. Seguindo o estudo. com as mesmas hipóteses de incidência e base de cálculos das demais espécies de tributos. apresenta uma complexidade maior de atos legislativos em comparação às leis ordinárias. destacam-se dois processos de formação legislativa: das leis complementares e das leis ordinárias. desde que já tenha sido onerado pelo mesmo tributo em fase anterior. dos impostos. que as contribuições não sejam cumulativas. Concluindo o estudo. de acordo com o processo de elaboração ou por vínculo material. como por exemplo. a existência de dois entes federados instituindo o mesmo tributo. da Constituição Federal.instituída por meio de leis. No ordenamento jurídico. a Constituição expressa que somente por lei complementar poderá ser instituída novas fontes de contribuições para a seguridade social. que não é permitida no nosso ordenamento tributário. quando o contribuinte terá créditos perante o Erário para o cálculo da alíquota da contribuição social a ser paga. da sua edição até a promulgação. por determinação jurisprudencial do Supremo Tribunal Federal. óbvio que estas não poderão ter a mesma hipótese de incidência e base de cálculo das fontes tributáveis já estabelecidas pela Constituição. E para evitar que o Estado institua um novo tributo que incida mais de uma vez sobre valor que já serviu de base à sua cobrança em fase anterior do processo econômico. podendo ser instituída novas contribuições destinadas a seguridade social. além daquelas citadas nos quatro incisos do artigo 195.

mas possui três diferenças principais: sua duração de tempo.1% sobre as movimentações financeiras. As demais questões deste capítulo devem ser respondidas em grupo. Contribuições sociais diretas.wikipedia. mas a CSS poderá ter alíquota de 0. quando discursivas. Se aprovada. Contribuições infraconstitucionais. cujo projeto prevê que sua arrecadação será destinada ao financiamento da saúde pública. parágrafo quarto da Constituição brasileira na chamada competência tributária residual para instituir contribuição especial para a seguridade social. Porém. Contribuições assistenciais. a alíquota era de 0. Ponto de Partida A Contribuição Social para a Saúde (CSS) é um tributo que está sendo discutido no Brasil desde 2008. a enciclopédia livre. A possibilidade de sua introdução está prevista no artigo 195. Acesso em: 16 dez. Disponível em: <http://pt. 2011) A utilização de fonte para a receita para a seguridade social é caraceterizada como fonte direta por constar expressamente na Constituição Federal. a criação de um imposto residual destinado a seguridade social? ______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. Outra diferença é que.org/wiki/ Contribui%C3%A7%C3%A3o_Social_para_a_ Sa%C3%BAde>.38%. A CSS será permanente. (Origem: Wikipédia.080. inciso I da Constituição. e não provisória como a CPMF.Agora é a sua vez Instruções As atividades de ponto de partida devem ser elaboradas individualmente. na CPMF. Agora é com você! Responda às questões a seguir para conferir o que aprendeu! Questão 01 Tendo em vista que a Constituição Federal adota o mesmo regime jurídico residual dos impostos para as contribuições destinadas a seguridade social. destinação dos recursos e alíquota. conseqüentemente. a CSS deverá ter sua constitucio- nalidade discutida no STF. analisando o texto acima. aponte qual melhor terminologia descreveria este tipo de contribuição que detém uma fonte difrenciada? (A) (B) (C) (D) (E) Contribuições parafiscais. pois alguns políticos e tributaristas[1] entendem que precisaria ser uma contribuição não-cumulativa para obedecer ao disposto no artigo 154. Contribuições residuais. 42 . quando objetivas. ficando isento o assalariado com renda mensal menor de até R$ 3.00. É similar à CPMF. e individualmente. extinta em dezembro de 2007. clicando no ícone ao lado. os recursos da CSS só serão destinados à saúde e não também à previdência social e à assistência social como ocorria com a CPMF. Conforme consta do projeto de Lei Complementar. é possível afirmar que é concebível.

é constitucionalmente correta a instituição da referida contribuição? Justifique sua resposta. mediante lei complementar. Tendo em vista a Constituição. Questão 05 O estado de Mato Grosso do Sul decide criar uma contribuição residual. _____________________________________ _____________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. clicando no ícone ao lado. porém neste tributo não havendo uma destinação específica. Verifique seu desempenho nesta questão. clicando no ícone ao lado. (C) (D) dual aplicável aos impostos. Verifique seu desempenho nesta questão. sejam diretas. ________________________________________ ________________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. em seu artigo 154. clicando no ícone ao lado. Tendo em vista o estudo sobre contribuições sociais residuais. clicando no ícone ao lado. indiretas ou residuais serão criadas somente por lei complementar? Justifique sua resposta. clicando no ícone ao lado. Questão 03 O Estado decide criar uma determinada contribuição destinada a seguridade social.Questão 02 Todas as contribuições sociais. inciso I. clicando no ícone ao lado. Justifique sua resposta. Verifique seu desempenho nesta questão. clicando no ícone ao lado. atribuindo a ela o mesmo fato gerador e base de cálculo de um determinado imposto já criado há alguns anos. Podem possuir como fonte de custeio o Possuem o mesmo regime jurídico resiPodem ser criadas por lei ordinária. _____________________________________ _____________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. 43 . atribuindo como fonte de receita o lucro de empresas que atuam na área de prestação de serviços. ________________________________________ ________________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. Questão 06 A respeito das contribuições residuais com destinação para seguridade social. Verifique seu desempenho nesta questão. é possível afirmar que a criação da nova contribuição atende aos requisitos constitucionais? Justifique sua resposta. clicando no ícone ao lado. Verifique seu desempenho nesta questão. assinale a opção correta: (A) (B) Podem ser cumulativas. Questão 04 Qual característica das contribuições sociais residuais permite que estas se assemelhem com o Imposto de Produto Importado (IPI) e o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)? lucro de uma empresa. clicando no ícone ao lado.

Emenda Constitucional. (B) (C) a União não pode criar impostos ou conos estados não podem criar contribuitribuições cumulativos. Resolução. Questão 07 Via de regra. os tributos são criados por lei ordinária. Decreto Legislativo Lei complementar. Verifique seu desempenho nesta questão. Verifique seu desempenho nesta questão. (C) (D) (E) União Distrito Federal Poder Legislativo. Questão 10 (CESPE . a quem compete exclusivamente a criação de contribuições residuais com destinação para seguridade social? (A) (B) Estados Municípios 44 . Lei complementar. clicando no ícone ao lado. os estados só podem criar impostos que não tenham fato gerador ou base de cálculo idênticos aos dos impostos previstos na Constituição.Verifique seu desempenho nesta questão. Verifique seu desempenho nesta questão. clicando no ícone ao lado. clicando no ícone ao lado. clicando no ícone ao lado. Questão 09 Pelo contexto constitucional. Base de cálculo diferente das já estabeleHipótese de incidência semelhante às con- cidas pela Constituição. clicando no ícone ao lado. ções que tenham base de cálculo idêntica à dos impostos. Todavia. tribuições sociais diretas. Verifique seu desempenho nesta questão. as contribuições residuais serão instituídas e criadas por: (A) (B) (C) (D) (E) Medida provisória.2007 – EXAME DE ORDEM/OAB Adaptado)Do conceito de competência residual deduz-se que: (A) a União não pode criar empréstimos compulsórios que tenham base de cálculo idêntica à dos impostos previstos na Constituição. Questão 08 Qual item abaixo não é considerado como requisito necessário para instituição de novas fontes de custeio por meio das contribuições residuais? (A) (B) (C) (D) Não-cumulatividade.

br/canal/ direito-e-justica/news/528891/?noticia=A+POSSIVEL+CRIACAO+DA+CONTRIBUICAO+SOCIAL+P ARA+A+SAUDE+CSS+E+SUA+INCONSTITUCIONALIDADE>. especificamente assuntos relacionados a contribuições sociais existentes no direito positivo. nada impede. ajudarão você a complementar o estudo desta aula. não se esqueça de acessar sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. Material complementar para melhor estudo concreto das contribuições residuais das correntes apontadas pelo autor que divergem da natureza jurídica das contribuições como tributos. Disponível em: <http://www. que esse poder de criação não é amplo. por permissão legal. publicações disponibilizadas pela internet. 2011. Caro aluno. nem ilimitado. não se destina exclusivamente as contribuições. A leitura de outras obras. ocorrer a criação de novas fontes para o seu custeio. Viu também.parana-online.LINKS IMPORTANTES Quer saber mais sobre o assunto? Então: • Leia a publicação: A possível criação da Contribuição Social para a Saúde (CSS) e sua inconstitucionalidade.com. artigos. você viu que as contribuições sociais apesar. Bons estudos! 45 . FINALIZANDO Nesta aula. terem como fonte para o seu custeio as determinadas pela Constituição. Acesso em: 15 dez. porém. de Rodrigo Caramot Petry que trata da possível criação da Contribuição Social para a Saúde (CSS) e sua inconstitucionalidade. agora que o conteúdo dessa aula foi concluído. via de regra. podendo ser destinada aos demais tributos. pois a Constituição preestabelece condições que irão validar tais fontes aplicadas aos contribuintes Tal permissão.

inclusive o tributário. 46 . Habilidades Ao final. • Um pouco sobre esses princípios específicos tributários que regem o ordenamento jurídico dos tributos. • A importância do cumprimento legal para a criação dos tributos. você deverá ser capaz de responder as seguintes questões: • Qual a noção e objetivos dos Princípios Constitucionais Tributários? • Quais os princípios constitucionais? • O que é aplicabilidade dos princípios às normas de seguridade social? AULA 6 Assista às aulas nos pólos presenciais e também disponíveis no Ambiente Virtual de Aprendizagvem.Tema 6 Princípios Constitucionais Tributários ícones: Conteúdos e Habilidades Conteúdo Nessa aula você estudará: • Que alguns dos princípios previstos pela Constituição Federal regem todo o ordenamento jurídico.

Terá princípios encontrados e determinados pela Constituição. Os princípios constitucionais assumem porém maior relevância porque deverão ser observados em todo o processo legal infraconstitucional. devido ao fato de serem objetos de determinadas peculiaridades e exceções permitidas pela Constituição. sem que seja por meio de lei. como por exemplo. a seguir. Não é somente a Constituição o documento hábil para se instituir princípios. Assim. leis complementares. subdividem espécies que se diferenciam pela sua finalidade. Um princípio vago. pelas leis infraconstitucionais. Sob a ótica do Direito. Todavia. 47 . caracteriza um princípio de valor. Tratando-se do regime jurídico tributário. isonomia. terá os princípios de limite objetivo. Ou seja. aplicados a todos os regimes existentes (legalidade. quanto à objetividade do princípio é que se determinará o significado de sua norma como de norma-valor ou norma-limite objetivo. em casos especiais. você verá os princípios específicos ao nosso estudo. a lei neste caso é a ordinária. Somente através de lei que se poderá instituir novos tributos. e proceder com alterações dos mesmos. genérico que atribui valores de forma generalizada. E o que determina primordialmente um regime jurídico é a aplicabilidade de seus princípios constitucionais correlatos. quando se depara com princípios que de forma precisa e específica atribui objetivos a casos concretos. as quais instituem um valor ou limite objetivo. ao contrário das contribuições gerais. as de seguridade social terão um regime jurídico tributário constitucional próprio. as de seguridade social. liberdade. gerando onerosidade aos contribuintes. princípio é formado única e exclusivamente por normais jurídicas. dentre elas. mas conforme visto em estudo anterior. ampla defesa. Estes podem ser encontrados em quaisquer espécies de instrumento textual jurídico. igualdade. deverá ser por lei complementar (contribuições sociais residuais). e os específicos relativos ao sistema tributário.Leitura Obrigatória Princípios Constitucionais Tributários AAo estudar sobre as espécies tributárias você viu que dentre o gênero das contribuições sociais. O regime jurídico aplicado a todas é único. este deve obedecer aos princípios constitucionais gerais. porém. contraditório e da proporcionalidade). Princípio da estrita legalidade tributária A conseqüência deste princípio é impor a proibição ao Estado de aumentar ou criar algum tributo. Via de regra.

aos impostos. o direito adquirido e o ato jurídico perfeito. nas contribuições para a seguridade social se apresenta uma anterioridade especial. pelo princípio da isonomia garante ao contribuinte não receber tratamento diferenciado quanto a tributação imposta pelo Estado. Em ambos. De forma geral. o Estado só poderá cobrar este tipo de contribuição a partir deste prazo após a promulgação da lei que a criou ou a alterou. Princípio da proibição de tributo com efeito de confisco Todo confisco é considerado como uma carga tributária elevada suficientemente capaz de reduzir substancialmente o patrimônio ou a capacidade econômica do contribuinte. o princípio determina a proibição de se cobrar valor de tributo no mesmo exercício financeiro em que tenha sido publicada a lei que o instituiu ou aumentou. mas sim. a um período de noventa dias. Princípio da anterioridade É importante frisar neste princípio que apesar de incidir sobre os tributos de forma geral. É baseado nos direitos e garantias individuais. É concludente que caso este princípio seja violado. que determina que a lei não prejudicará a coisa julgada. Já no caso das contribuições para a seguridade social.Princípio da isonomia tributária Em conformidade com um princípio constitucional geral. vedando a discriminação entre os contribuintes. 48 . estabelecidos pela Constituição em seu artigo 5º. independente do exercício financeiro. a igualdade. Ou seja. o princípio garante ao contribuinte um período prévio de conhecimento de determinado tributo que será instituído. essa anterioridade não corresponde ao exercício financeiro. teria um liame tênue entre este princípio e da concepção de confisco do princípio anterior. É aplicável a todos os tributos. Assim. inclusive as contribuições para seguridade social. sempre que possível. este princípio proíbe ao Estado instituir tributos que possam ultrapassar os limites do aceitável como tributação e que não comprometa o patrimônio ou a renda do contribuinte ao ponto de lhe impossibilitar sua atividade econômica. Princípio da irretroatividade da lei tributária Este princípio limita o poder de tributar do Estado em determinar a cobranças de tributos em relação a fatos ocorridos (fato gerador) antes do início da vigência da lei que criou ou majorou o respectivo tributo. Princípio da capacidade contributiva Visa prescrever que o Estado. taxas e demais espécies. incidirá tributos em caráter pessoal e serão custeados segundo a capacidade econômica do contribuinte.

A idéia de sistema funda-se na de harmonia. p.. 285) A partir da leitura acima. Lei diretiva. qual melhor definição atenderia ao conceito de princípio: (A) (B) (C) (D) Lei fundamental. Regra geral. de partes que convivem sem atritos. Norma das normas.º de janeiro do ano seguinte. Em toda ordem jurídica existem valores superiores e diretrizes fundamentais que ‘costuram’ suas diferenças partes. O direito constitucional e a efetividade de suas normas: limites e possibilidades da Constituição brasileira. quando discursivas. 2ª ed. se tratando das contribuições para Verifique seu desempenho nesta questão. justificando sua resposta. Considere que o fato gerador de uma contribuição destinada a seguridade social sobre servi- Agora é com você! Responda às questões a seguir para conferir o que aprendeu! 49 . Os princípios constitucionais consubstanciam as premissas básicas de uma dada ordem jurídica. 1993. julgue o item a seguir. A Constituição (. clicando no ícone ao lado. Questão 02 Acerca dos princípios constitucionais tributários atribuídos às contribuições destinadas a seguridade social. a síntese dos valores principais da ordem jurídica. Ponto de Partida Os princípios constitucionais são. Eles indicam o ponto de partida e os caminhos a serem percorridos.) é um sistema de normas jurídicas. A contribuição social criada por lei publicada em 20 de dezembro de determinado ano somente poderá ser exigida em 1. As demais questões deste capítulo devem ser respondidas em grupo. quando objetivas. Questão 03 Acerca dos princípios constitucionais tributários atribuídos às contribuições destinadas a seguridade social.. Questão 01 O princípio da anterioridade destinadas as instituições tributárias compreende a vedação constitucional de que as pessoas políticas cobrem tributos no mesmo exercício financeiro em que tenha sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou. clicando no ícone ao lado. Luís Roberto. justificando sua resposta. (BARROSO. Rio de Janeiro: Renovar. Ela não é um simples agrupamento de regras que se justapõem ou que se superpõem. julgue o item a seguir. e individualmente. ______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. irradiando-se por todo sistema. Por que.Agora é a sua vez Instruções As atividades de ponto de partida devem ser elaboradas individualmente. precisamente..

no que concerne a esse assunto. justificando sua resposta. ______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. o DF e os Municípios de exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça. III – O princípio da proibicão de tributo com efeito de confisco visa proteger os cidadãos contra eventuais excessos do Poder Público. 50 . nanciam a seguridade social somente poderão ser exigidas depois de decorridos noventa dias da publicação da lei que as houver instituído ou modificado. as contribuições sociais que fi- (B) (C) (D) corretas. apesar de. julgue o item a seguir. consagra o princípio da legalidade tributária. infringir o princípio tributário da isonomia. os Estados. entre outras situações. clicando no ícone ao lado. rem corretas. Questão 06 Com base nos Princípios Constitucionais Tributários. tendo em vista o exercício financeiro ser anterior ao da publicação. marque a alternativa correta: I – A vedação que impede a União. Essas alterações também acrescentaram. Nesse caso. clicando no ícone ao lado. Se somente as afirmativas I e II estiverem Se somente as afirmativas I e III estiveSe somente as afirmativas II e III estive- Questão 05 (CESPE-2008-INSS -Técnico do Seguro Social-Adaptado)De acordo com recentes alterações constitucionais. em razão da atividade econômica ou do porte da empresa. a exigência da anterioridade do exercício financeiro. II – O princípio da irretroatividade tributária veda a cobrança de tributo no mesmo exercício financeiro em que tenha sido publicada a lei que o instituiu ou majorou. Questão 04 (CESPE 2008-INSS-Técnico do Seguro Social-Adaptado) Acerca da seguridade social no Brasil. de suas características. e que no mês seguinte tenha sido publicada lei instituindo novos critérios de incidência para apuração da referida contribuição. _______________________________________ _______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. a lei nova não se aplica ao fato gerador ocorrido em dezembro de 2010. em decorrência do princípio da irretroatividade da lei tributária. Verifique seu desempenho nesta questão.ços de um município tenha ocorrido em dezembro de 2010. aparentemente. (A) Se nenhuma afirmativa estiver correta. contribuições e atuação. clicando no ícone ao lado. Julgue o texto acima e justifique sua resposta. _______________________________________ _______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. de fato atende ao comando constitucional da eqüidade na forma de participação no custeio da seguridade social. A instituição de alíquotas ou bases de cálculos diferentes. clicando no ícone ao lado.

(C) legalidade e da isonomia. imposto residual e impostos de natureza extrafiscal são exceções à anterioridade nonagesimal. (B) em razão do princípio constitucional da cada no exercício seguinte ao da sua publicação por força da regra da irretroatividade da lei tributária. por decreto. (E) legalidade e da capacidade contributiva. Questão 09 (ESAF-2009-Receita Federal) A Constituição Federal. não deve ser diferenciado. imposto extraordinário. por força do princípio da capacidade contributiva. entre outras limitações ao poder de tributar. Sobre a isonomia. (E) a instituição de empréstimo compulsório. (B) os tributos sempre deverão ser pessoais e atender às condições econômicas dos contribuintes. clicando no ícone ao lado. ao afirmar que os tributos não poderão ser aumentados ou exigidos sem lei que o estabeleça e que os contribuintes em situação equivalente não terão tratamento desigual está dispondo sobre os princípios da (A) anterioridade e da isonomia. Verifique seu desempenho nesta questão. isonomia. sobre produtos industrializados e sobre operações financeiras. (D) como exceção à legalidade tributária. (C) para que um tratamento tributário diferen- 51 . vale dizer.rem corretas. (D) legalidade e da anterioridade. (C) salvo exceções a lei que cria ou majora Se todas as afirmativas estiverem corre- tributo terá eficácia no exercício financeiro seguinte ao da sua publicação. deve ser considerado inconstitucional. Verifique seu desempenho nesta questão. o tratamento de situações que não revelem capacidade contributiva ou que mereçam um tratamento fi scal ajustado à sua menor expressão econômica. I e II. o tratamen- Questão 08 (FCC-2011-MPE-CE-Promotor de Justiça) Sobre os princípios constitucionais tributários é correto afirmar que: (A) a lei que modifica tributos só pode ser apli- to tributário diferenciado dado às microempresas e empresas de pequeno porte. como expressão da anterioridade tributária. clicando no ícone ao lado. pode o Presidente da República instituir. clicando no ícone ao lado. veda o tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situação equivalente. (E) tas. Questão 07 A Constituição Federal. Verifique seu desempenho nesta questão. em seu artigo 150. impostos de importação. de exportação. é correto afirmar que: (A) diante da regra mencionada. por exemplo. estabelece a isonomia. (B) capacidade contributiva e da anterioridade. por meio de isenções ou incidência tributária menos gravosa.

bem como entre diferentes ramos da economia. (A) (B) (C) (D) Princípio do não-confisco. Princípio da anterioridade. Questão 10 As alternativas a seguir apresentam princípios essencialmente tributários consagrados no texto constitucional. 52 . clicando no ícone ao lado. não é necessário haver correlação lógica entre este e o elemento de discriminação tributária. como causa de exclusão do crédito tributário. clicando no ícone ao lado. por exemplo) seja justifi cado. Princípio da isonomia. Verifique seu desempenho nesta questão. as isenções são inconstitucionais. (E) não se permite a distinção. fator de desigualação e discriminação entre pessoas. coisas e situações. entre empresas comerciais e prestadoras de serviços. Nem por isso. Princípio da eficiência. à exceção de uma. Assinale-a. é. desde que reste demonstrado que se teve em mira o interesse ou a conveniência pública na aplicação da regra da capacidade contributiva ou no incentivo de determinadas atividades de interesse do Estado. Verifique seu desempenho nesta questão.ciado (isenção. por sua própria natureza. (D) a isenção. Princípio da capacidade contributiva. no entanto. para fi ns tributários.

2011. Disponíveis em: < http://www.asp?id=1458 >. 2011.php?idt=409174 >.net/visualizar. Você pôde perceber que parte destes princípios é retórica de princípios constitucionais gerais.youtube. 2011. Neste resumo o autor destaca algumas jurisprudências de tribunais aplicadas a certos princípios tributários constitucionais. que ora gerais a todos os tributos. não se esqueça de acessar sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. artigos. Acesso em: 15 dez. Vale a pena realizar a leitura de outras obras. de André Ricardo Dias da Silva. de Luciana Batista Santos. Neste vídeo você terá oportunidade de conhecer melhor sobre os princípios destinados ao regime jurídico das contribuições sociais destinadas a seguridade social. na sua acepção de norma-valor e norma-limite. na qual o legislador teve como intenção em dirimir dúvidas quanto a sua aplicabilidade no sistema tributário.boletimjuridico.giseleleite. Bons estudos! 53 . agora que o conteúdo dessa aula foi concluído. ora aplicados de forma específica para as contribuições de seguridade social. Disponível em: < http://www. elaborado pela professora Gisele Leite.com/watch?v=r2daUbElPl0 ><http://www.prosaeverso. vídeos disponibilizados pela internet que ajudarão você a complementar o estudo deste tema.LINKS IMPORTANTES Quer saber mais sobre o assunto? Então: • Leia o texto jurídico Princípios Constitucionais.youtube. VÍDEOS IMPORTANTES • Assista aos vídeos Aula 1 e 2. FINALIZANDO Nesta aula. Disponível em: < http://www. Acesso em: 15 dez. Caro aluno. Acesso em: 15 dez. • Leia o resumo dos Princípios Constitucionais Tributários. Neste texto a autora destaca o tema dos princípios constitucionais gerais.com/ watch?v=gnrk2Hm69wM>.com.br/doutrina/texto. você viu que as contribuições sociais por serem normas jurídicas devem em suas determinações obedecerem a certos princípios. sobre Princípios Constitucionais Tributários.

tendo em vista que estas se destinam à reformas mais amplas e gerais de vários dispositivos constitucionais. • Que a alteração por emendas se difere das revisões.º 20 de 1998? • Quais as alterações da Emenda n. Habilidades Ao final. você deverá ser capaz de responder as seguintes questões: • Como funciona o processo legislativo reformador? • Quais as alterações da Emenda n. poderão ser alteradas ou instituídas por meio do processo reformador através das emendas ou revisões constitucionais. • As alterações em se tratando matéria de contribuições sociais. 54 .º 27 de 2000? • De que maneira podem-se determinar os objetivos específicos? AULA 7 Assista às aulas nos pólos presenciais e também disponíveis no Ambiente Virtual de Aprendizagvem.Tema 7 Instituição e Alteração das Contribuições Sociais ícones: Conteúdos e Habilidades Conteúdo Nessa aula você estudará: • Que as contribuições sociais previstas pela Constituição Federal.

qualquer alteração que é destinada ao texto constitucional. será tratado neste estudo somente da utilização das emendas constitucionais. Estas são mais importantes ao estudo.Leitura Obrigatória Instituição e Alteração das Contribuições Sociais Dentre as alterações que o Estado possa se valer para modificar as regras impostas na cobrança de tributos. o poder legislativo se faz uso das chamadas emendas constitucionais. Sendo assim. Todas elas. não se poderia falar reforma em si. Seria como você pegar todo um conjunto de leis já existentes e elaborar apenas as mudanças que sejam necessárias. mas sim na elaboração de outra e nova Constituição. já promulgada uma Constituição e mediante as mudanças sociais e econômicas que possam advir de um Estado Democrático e não estático. necessário. tem-se duas importantes emendas que alteraram alguns conceitos sobre os objetos tributáveis. você verá que haverá emenda que proporcionou modificações específicas no campo da seguridade social. Assim. já que o tema proposto é a seguridade social à luz da Constituição Federal. sem adentrar nos quesitos sociais ou permitidos em lei anterior devido a recém-saída do Estado Brasileiro de um regime de ditadura miliar. até o presente momento. considerando neste caso os tributos em sua concepção mais ampla de tributação. esta compreende a capacidade do poder legislativo. Exemplo da execução deste poder se encontra na edição da atual Constituição Federal promulgada em 1998. por emenda e por revisão. ao serem instituídas e abrangerem matéria tributária de seguridade podem modificá-las naquilo que se pretende o Estado. em seu aspecto total. Porém. Este tipo de reforma não encontra limitações impostas por lei maior porque é a partir do Poder Constituinte Originário que atribui a tal poder amplo. Todavia. Você passará a ver de forma sucinta como funcionam esses processos antecipados de modificação constitucional. 55 . em especial as contribuições. sempre na medida do possível e da urgência. Quando for referida a reforma constitucional. proceder com alterações constitucionais. porque foi e continuará sendo a espécie modificadora mais presente nas regras constitucionais tributárias destinadas a seguridade social. Isto porque. quando se trata de mudanças constitucionais isoladas sobre um determinado artigo ou regra que necessita melhor adequação a nossa realidade social. de tempos em tempos. encontrar-se-á três métodos: por reforma. de certa forma. tem-se a possibilidade de se alterar toda a Constituição vigente em um Estado. de forma única. que se realizem revisões ou emendas constitucionais para que se possa atender ao princípio garantidor dos direitos e deveres dos cidadãos. se faz. vários pontos que precisam ser melhores adequados a uma nova realidade social. Assim. Tratando-se da revisão constitucional.

e desiguais para os que são desiguais. exemplo dos garimpeiros. 56 . Quando as fontes são determinadas pela própria Constituição. Mas de regra geral a intenção da emenda foi ampliar e dirimir as dúvidas de interpretação que existiam quanto aos sujeitos passivos da incidência tributária social. a Constituição poderá diferenciá-los adotando o princípio da equidade. logo. Outro ponto instituído pela emenda. porém houve uma situação de excluir determinadas fontes existentes na norma constitucional revogada. como forma justa e democrática do peso da oneração tributária ser mais adequada de acordo com a capacidade contributiva do pagante. com a emenda o rol ampliativo acarretou no aumento das fontes diretas para o custeio da seguridade social. O maior intuito e consequência desta emenda foi ampliar o referido rol. Você já deve ter percebido estas alterações no estudo das fontes diretas da seguridade apresentadas em estudo anterior. de que todos serão iguais perante a lei. Logo. incluído as contribuições. quanto a sua constitucionalidade. do direito adquirido. referida emenda determinou o desvinculo da arrecadação dos impostos e das contribuições. tal emenda se esbarra contraditoriamente ao que se estabelece como características próprias dos impostos e da contribuição: falta de destinação específica do arrecadado a uma atividade estatal. Isto pois. da irretroatividade da lei.º 27 de 2000 há certa divergência dentre os doutrinadores e. aplicando alíquotas iguais para os contribuintes em situações similares.º 20 de 1998. não sendo permitida lei nova incidir sobre fatos gerados no passado. estas são denominadas diretas. destinadas a todo o ramo tributário. foi o princípio já visto no tema anterior. Outra questão implantada pela emenda foi da possibilidade legal já utilizada por parte do Estado em estabelecer quotas ou alíquotas diferenciadas de acordo com a capacidade econômica ou administrativa do contribuinte-fonte. inclusive apontada pela autora do PLT. que trouxe o aumento do rol das possíveis fontes de financiamento para a seguridade social. Já se tratando da emenda constitucional n. para que não se configure uma afronta aos princípios gerais da garantia da coisa julgada. um princípio geral constitucional. Tendo visto antes sobre a obediência ao princípio da igualdade.A primeira emenda em questão é a emenda n.

O legislador revisionista deve solidariedade aos princípios basilares da Constituição. responda o questionamento abaixo. tanto que seu § 2º é claro ao estabelecer que ‘os direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados. clicando no ícone ao lado. Assim. Curso de direito constitucional tributário. O rol deste artigo é meramente exemplificativo. através de emendas. sem alteração da natureza das normas em relação ao sistema que integram. ______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. no momento legal do legislador modificar uma determinada contribuição social. elenca uma série de direitos individuais. especialmente quanto às prescrições que visam a garantir decentes condições de vida. p. poderá ele revogar algum direito individual determinado na Constituição para melhor custeio do tributo? Justifique sua resposta.278) Lendo os dois textos acima. Questão 03 Por ser a alteração ou criação de uma contribuição social por meio constitucional de reforma. em seu art. 5º. quando discursivas. 410) A Constituição brasileira. Ponto de Partida Associando os textos a seguir. é possível no nosso ordenamento tributário a reforma de um dispositivo constitucional que permita a incidência de um tributo sobre uma determinada classe de pessoas? Justifique sua reposta. (Marinho. como ensina doutrina vitoriosa. Questão 02 Por ser resultante do Poder Constituinte. é possível 57 . quando objetivas. As demais questões deste capítulo devem ser respondidas em grupo. Roque Antônio. clicando no ícone ao lado. Agora é com você! Responda às questões a seguir para conferir o que aprendeu! Questão 01 Uma alteração tributária realizada por meio de revisão ou emenda constitucional se daria pelo mesmo processo reformador constitucional? Justifique sua resposta. Emendar ou reformar significa modificar para aperfeiçoar ou inovar. (Carrazza. ou dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte. e individualmente.Agora é a sua vez Instruções As atividades de ponto de partida devem ser elaboradas individualmente. ______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. Josaphat. p. há de se entender. Estudos em homenagem a Geraldo Ataliba.

III. só poderão ser exigidas após decorridos cento e oitenta dias da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado. A. só poderão ser criadas e exigidas após decorridos noventa dias da publicação da lei que as houver instituído ou modificado. da Carta Magna.afirmar que pela hierarquia das leis no nosso ordenamento jurídico. Questão 05 Porque a Emenda Constitucional n. não se lhes aplicando o disposto no art. clicando no ícone ao lado. III. As contribuições sociais de que trata o art. da CF/88. 195. 150. D. b. clicando no ícone ao lado. 195. Questão 04 Qual o principal critério adotado pela lei para se distinguir as alíquotas ou bases de cálculos entre os financiadores. As contribuições sociais de que trata o art. ________________________________________ ________________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. B. só poderão ser exigidas após decorridos noventa dias da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado. clicando no ícone ao lado. não se lhes aplicando o disposto no art. manter obediência aos princípios da isonomia e da capacidade contributiva? ________________________________________ ________________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. tal alteração teria efeito retroativo aos fatos antigos? Justifique sua resposta. 150. As contribuições sociais de que trata o art. no âmbito da seguridade social. da CF/88. Poder Constituinte Geral. Questão 07 (ESAF – Auditor-Fiscal da Receita Federal – 2005 . C. Questão 06 De qual exercício do poder constituinte garante a alteração das regras impostas para as contribuições para a seguridade social previstas no texto constitucional: 58 . b. D. 150. não se lhes aplicando o disposto no art. b.Adaptado) Com relação às contribuições sociais. Poder Constituinte Derivado. da Carta Magna. 27/2000 é incompatível com o sistema tributário constitucional? Argumente sua resposta. da Carta Magna. ________________________________________ ________________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. e desta forma. B. Verifique seu desempenho nesta questão. C. da CF/88. 150. III. Poder Constituinte Residual. Poder Constituinte Originário. 195 da CF/88. clicando no ícone ao lado. é correto afirmar: A. da Carta Magna. III. só poderão ser exigidas após decorridos noventa dias da assinatura da lei que as houver instituído ou modificado. 195. de que trata o art. b. não se lhes aplicando o disposto no art. As contribuições sociais.

B. as contribuições poderão incidir sobre fato gerador ocorrido antes da sua instituição. Verifique seu desempenho nesta questão. 27/2000. D. Segundo a Emenda Constitucional n. Assim como os impostos. D. C. clicando no ícone ao lado. Paridade Igualdade. B. foi ampliado para além da figura própria. empresas e entidades que sejam equiparadas. Estabelece a desvinculação de 20% (vinte por cento) da receita das contribuições sociais da União. clicando no ícone ao lado. 27/2000. 20/98. D. ratificou. Verifique seu desempenho nesta questão. B. Distrito Federal e Municípios pela União. Questão 10 Acerca da Emenda Constitucional n. clicando no ícone ao lado. Marque a opção que corresponda ao efeito que esse princípio acarreta. marque a alternativa incorreta: A. Questão 08 A emenda constitucional n. C. Verifique seu desempenho nesta questão. De acordo com a Emenda Constitucional n. C. um princípio constitucional que assegura o direito do cidadão à coisa julgada e ao direito adquirido. Exclui para efeitos de desvinculação as Não é pacífico dentre os juristas e contribuições sociais do salário-educação. no que tange a instituição de novas contribuições sociais. 59 . 20 de 1998. Um dos critérios para diferenciação das alíquotas e cálculos de base das contribuições sobre os contribuintes pessoas jurídicas é a utilização intensiva de mão-de-obra. o termo empregador. doutrinadores acerca da constitucionalidade da Emenda Constitucional n. como fonte de custeio para a seguridade social. Irretroatividade. clicando no ícone ao lado.Verifique seu desempenho nesta questão. A. os garimpeiros também são contribuintes sujeitos a tributação. Não-cumulatividade. Um dos efeitos da desvinculação é a redução do repasse da receita dos Estados. Questão 09 Marque a alternativa correta: A. 20/98.

Neste trabalho a autora apresenta tópicos importantes quanto ao processo reformador constitucional. agora que o conteúdo dessa aula foi concluído. não se esqueça de acessar sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. Vale a pena agora. de que em ambas.com.com. Acesso em: 16 dez. Você viu e soube diferenciar a reforma por emendas das revisões e. 2011. FINALIZANDO Nesse tema.LINKS IMPORTANTES Quer saber mais sobre o assunto? Então: • Leia o trabalho sobre as Limitações ao poder constituinte reformador. modificadas.br/revista/texto/9154/da-inconstitucionalidade-da-emenda-constitucional-no-20-98/1 >.br/site/index. Neste trabalho a autora apresenta as justificativas que fazem considerar a referida emenda como inconstitucional. artigos. • Leia o trabalho: Da inconstitucionalidade da Emenda Constitucional nº 20/98. monografias disponibilizadas pela internet que ajudarão você a complementar o estudo deste tema. Pôde ter tido um breve conhecimento das emendas mais importantes que alteraram as condições tributárias das contribuições sociais. de Sandra Aparecida Lopes Barbon Lewis. Disponível em: < http://jus.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=6526 >. ver outras obras. são limitadas quanto ao conteúdo e matéria a ser reformado. Acesso em: 18 dez.ambito-juridico. Disponível em: < http://www. 2011. Tratando-se de contribuições sociais constitucionais somente se dará tal alteração por meio de um processo reformador constitucional. Caro aluno. Bons estudos! 60 . você viu que as contribuições sociais podem ser alteradas. de Daniela Queila dos Santos Bornin.

• Os casos de imunidades tributárias dispostas no texto constitucional. capacidade tributária ativa. configura-se nessa situação a parafiscalidade. principalmente. Habilidades Ao final. referentes às isenções relativas aos proventos e aposentadorias e pensões concedidas pelo regime geral de previdência social e das entidades beneficentes de assistência social. você deverá ser capaz de responder as seguintes questões: • O que é competência tributária? • Como funciona a capacidade tributária e seu efeito da parafiscalidade? • Quais as imunidades tributárias? AULA 8 Assista às aulas nos pólos presenciais e também disponíveis no Ambiente Virtual de Aprendizagvem. • Que caso o órgão seja competente para criação mas delega a outro órgão a capacidade tributária ativa para ser credor do tributo.Tema 8 Competência. 61 . parafiscalidade e imunidades tributárias. Capacidade. Parafiscalidade e Imunidade Tributárias ícones: Conteúdos e Habilidades Conteúdo Nessa aula você estudará: • Outras questões relativas às contribuições sociais: competência.

não são rígidas e indelegáveis. o faz de forma rígida e exaustiva. seja na criação ou edição. Ao estudo das competências surge outra atribuição que não se confunde com a anterior: a capacidade tributária. Capacidade. (. do Distrito Federal e dos Municípios. A competência engloba. ou seja. A princípio. a aptidão para criar tributos — da União. não podendo esta delegar. o poder de criar determinados tributos e definir o seu alcance. bem como limitou esse poder de criação. dentro de certos limites. tem-se a competência legislativa de criar tributos. caput da Carta Magna. através de lei. à entidade pública diferente. impondo limites. a existência de um ente público ser competente para criar um tributo. O legislador constitucional determinou quais tributos cada ente político pode criar. tampouco renunciar. de modo que cada um tem competência para impor prestações tributárias. dentro da esfera que lhe é assinalada pela Constituição. não se permitindo exceções ou competências distintas das já estabelecidas. Porém. portanto.” Em se tratando das contribuições para a seguridade social. se atribui a capacidade tributária ativa. ““(…) o poder de criar tributos é repartido entre os vários entes políticos. as normas constitucionais quanto à capacidade. Assim. seria possivelmente legal. Esta se configura como sendo a ‘competência’ para fiscalizar e arrecadar determinado tributo. Ocorrendo essa situação peculiar jurídica. Em geral. dos Estados. quem detém a competência legislativa.. consequentemente. obedecidos os critérios de partilha de competência estabelecidos pela Constituição. não obstante o legislador esteja submetido a vários balizamentos. a competência privativa da União para instituir contribuições sociais com destinação a seguridade social. esta diante da parafiscalidade. e atribuir a capacidade tributária. Parafiscalidade e Imunidade Tributárias Neste último tema será tratado das competências tributárias e assuntos correlatos a essa determinação constitucional. A nossa Constituição Federal ao estabelecer a quem de direito é competente para instituir um tributo. Na visão de Luciano Amaro. um amplo poder político no que respeita a decisões sobre a própria criação do tributo e sobre a amplitude da incidência.) Tem-se assim a competência tributária — ou seja. de compor o polo ativo da relação jurídico-tributária. 62 . Assim. em cobrar referido tributo.Leitura Obrigatória Competência. Todos têm. estabelece o artigo 149. a Constituição Federal determina que somente a União Federal poderá legislar sobre leis que tratam da referida matéria tributária. em nome de outro ente tal competência..

desde que atendidas as exigências legais. a Constituição Federal previa a imunidade de tributação das contribuições sociais sobre operações relativas à energia elétrica. 63 . através da figura da imunidade imposta. 195. De forma semelhante. serviços de telecomunicações. Decisão sábia do legislador tributário. inciso II da Constituição Federal. estar no rol dos contribuintes. a lei restringe a competência tributária no intuito de resguardar os direitos e a capacidade financeira dos contribuintes. alterando o art. atribuindo exclusivamente tal atributo somente aos impostos. essa parafiscalidade. Existia dentre os doutrinadores. dispõe a vedação da instituição de contribuição para a seguridade social incidente sobre aposentadorias e pensões concedidas pelo regime geral de previdência social. expressamente. E essa obrigatoriedade é possível no ordenamento tributário em razão da autonomia administrativa. Outro ponto do estudo diz respeito ao polo passivo da relação jurídico-tributária: das imunidades. combustíveis e minerais. previstas na Constituição. se tratando das contribuições para a seguridade social. através da competência residual. aplica tal imunidade às entidades beneficentes de assistência social. contábil e orçamentária que a Constituição atribui ao financiamento direto da seguridade social por meio das contribuições. A lei constitucional prevê a não incidência de determinados tributos a específicas pessoas que poderiam. discordância da validade desta imunidade. porém esse assunto está encerrado. tendo em vista que a Emenda Constitucional n. sejam impostos ou contribuições. previdência social e saúde. caso não fossem excepcionadas. que de regra é facultativa. dentro da lei. 33/01 revogou tal imunidade. e que tais fontes referidas no parágrafo anterior não estão previstas. instituir um novo tributo incidente sobre tal fonte. No intuito de garantir a redução de custo da energia elétrica. a União Federal poderia. Porém. Como as referidas contribuições possuem destinação específica de sua receita. A Emenda Constitucional n. sobre fontes que não sejam. derivados de petróleo. será obrigatória. tendo em vista que como a própria Lei Maior possibilita a instituição de tributos.E. 20/98. a União deverá delegar a capacidade ativa na cobrança do tributo ao órgão institucionalizado que tenha como função administrativa a base tripartite da seguridade social: assistência social.

______________________________________ ______________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. ( ) Instituto de Seguridade Social – INSS. Direito Tributário – Constituição e Código Tributário à Luz da Doutrina e da Jurisprudência. e individualmente. por lei. Agora é com você! Responda às questões a seguir para conferir o que aprendeu! Questão 02 É possível afirmar que À luz da competência privativa. com as prerrogativas que lhe são inerentes de fiscalizar o cumprimento das obrigações pelos con- 64 . ao DF e aos municípios instituir contribuições sociais para custeio do sistema de previdência e assistência social de seus próprios servidores. uma autarquia ou uma fundação. quando discursivas. cabe aos estados. quando objetivas. ______________________________________ ______________________________________ Questão 01 w “A capacidade tributária ativa é a aptidão para ser colocado. Apenas as pessoas jurídicas de direito público é que têm capacidade tributária ativa. (C) Pessoa jurídica de direito público responsável pela regulação e fiscalização da cobrança das contribuições para a previdência social. ao INSS é atribuído competência ou capacidade tributária? Justifique sua resposta. aliás só as pessoas políticas de direito público desenvolvem atividade administrativa plenamente vinculada (art. Leandro. O INSS é uma autarquia federal colocada. na condição de sujeito ativo de diversas contribuições especiais. ou seja. outras pessoas jurídicas de direito público. (D) Folha de salário de trabalhador.” (PAULSEN. 3º do CTN). com víncu- tribuintes. ou seja. As demais questões deste capítulo devem ser respondidas em grupo. sujeito ativo será o próprio ente político do qual a lei instituidora do tributo emana (posição esta que se presume) ou. por lei. na posição de credor. se a lei expressamente designar. clicando no ícone ao lado.Agora é a sua vez Instruções As atividades de ponto de partida devem ser elaboradas individualmente. Ponto de Partida Associe os itens corretamente. lo empregatício. (A) (B) Tributo destinado a garantir o custeio da Pessoa jurídica de direito público compeprevidência social. tente para a criação e edição das contribuições para a previdência social. 2010) De acordo com o texto. ( ) União Federal. na posição de sujeito ativo da relação tributária. podendo. ( ) Contribuição para Previdência Social. pois ser colocadas na posição de sujeito ativo de obrigações tributárias (art. ( ) Contribuinte. lançar e cobrar os respectivos créditos tributários. Assim . 119 do CTN).

Essa afirmativa é correta? Justifique sua resposta. clicando no ícone ao lado. serviços.2009 . conferida por uma pessoa jurídica de Direito Público a outra. pelos Estados e pelos Muni- Questão 03 A competência tributária pode ser renunciada pelo ente.OAB . cípios. está imune à incidência de contribuição social? Justifique sua resposta ________________________________________ ________________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. Somente pela União. Questão 07 (AFTN-MF/80) A competência tributária não pode ser delegada. quando este deixa de instituir um tributo de sua competência? Justifique sua resposta. clicando no ícone ao lado. clicando no ícone ao lado. Verifique seu desempenho nesta questão. ________________________________________ ________________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. Questão 05 A parafiscalidade será obrigatória para as contribuições sociais. clicando no ícone ao lado. a atribuição das funções de arrecadar ou fiscalizar tributos ou de executar leis. Pela União. clicando no ícone ao lado. Verifique seu desempenho nesta questão. atos ou decisões administrativas em matéria tributária. que destina sua receita para a assistência social. Questão 08 (CESPE . ________________________________________ ________________________________________ Verifique seu desempenho nesta questão. 65 . quando autorizada pelo Poder Executivo. Questão 04 Uma instituição beneficente com fins lucrativos.Verifique seu desempenho nesta questão. Distrito Federal e Municípios. clicando no ícone ao lado. salvo: (A) (B) (C) quando autorizada pelo Congresso.Exame de Ordem) Assinale a opção correta acerca da competência tributária. (D) os Estados. (A) É lícita a delegação da competência tributária de uma pessoa jurídica de direito público interno a outra. Pelos Estados e Municípios. Questão 06 A competência legislativa sobre normas gerais de direito tributário pertence: (A) (B) (C) (D) Pela União e pelos Estados.

clicando no ícone ao lado. Verifique seu desempenho nesta questão. têm competência para instituir contribuição para o custeio do serviço de iluminação pública. Questão 10 Quais destas fontes de receitas não podem ser utilizadas como fontes para o custeio da seguridade social: 66 . Verifique seu desempenho nesta questão.(B) A União. na forma das respectivas leis. respectivamente: (A) (B) (C) (D) (E) Delegabilidade e indelegabilidade. Questão 09 (PUC-PR .Adaptado) A competência tributária e a capacidade tributária têm como característica jurídica própria. Folha de salário do empregado cia para instituir impostos não previstos expressamente na CF. clicando no ícone ao lado. os estados e o DF têm competên- (A) (B) (C) Faturamento das empresas. Indelegabilidade e bilateralidade. (D) Os estados. (C) O ente político poderá transferir a terceiros as atribuições de arrecadação e fiscalização de tributos. desde que sejam não cumulativos e não tenham fato gerador ou base de cálculo próprios dos já discriminados no texto constitucional. Delegabilidade e Inalterabilidade. Indelegabilidade e delegabilidade. Sobre serviços de telecomunicações. Verifique seu desempenho nesta questão. Indelegabilidade e Inalterabilidade. Aposentadoria concedida pelo regime de previdência social.2010 – COPEL . clicando no ícone ao lado.

2011. excetuando as demais fontes imunizadas. como exemplo o INSS. de Paulo Patrícia Ferreira Pomoceno. Neste trabalho. de Augusto Cesar Ramos que trata das competências tributárias. FINALIZANDO Nesse tema. Caro aluno. 2 abr. 2831. Apesar do autor do texto tratar do tema em matéria administrativa disciplinar. a União. é interessante por abordar os elementos de estrutura das normas jurídicas. 2011. de regra. competente para criação de contribuições para a seguridade social. Acesso em: 19 dez.aprendatributario. A leitura de outras obras. Acesso em: 28 nov. 2011. Bons estudos! 67 . ano 16. a autora apresenta um resumo didático sobre a competencia tributária e seus aspectos. agora que o conteúdo dessa aula foi concluído. Disponível em: <http:// www.com. Você pôde perceber ao estudar a parafiscalidade que. Como também. Teresina.br/?p=43>. Jus Navigandi. respeitar a incidência de fontes somente sobre as quais a Constituição permite. Disponível em: <http://jus. não se esqueça de acessar sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. artigos. monografias disponibilizadas pela internet ajudarão você a complementar o estudo deste tema. delega o poder de regular e fiscalizar as contribuições a seus órgãos administrativos que tem em seu aspecto funcional a seguridade social. n.com. você viu que para a validade das normas tributárias é necessário a obediência a critérios como a competência.br/revista/texto/18822>. • Leia o Artigo: Competência Tributária. capacidade tributária.LINKS IMPORTANTES • Leia o trabalho: A aplicação da sanção administrativa disciplinar.

68 . Disponível em: <http://jus. e atual. Direito Tributário: fundamentos jurídicos da incidência. CARVALHO. 1 fev. Acesso em: 17 dez. São Pau-lo: Saraiva: 2006. Acesso em: 28 nov. 2011.com.54. RAMOS. Jus Navigandi. São Paulo: Saraiva. AUGUSTO CESAR. 1998. n.cespe. Luciano. Competência tributária. 2011.unb.br/revista/texto/2621>. 2002.Referências AMARO. Paulo de Barros.htm>. Direito Tributário Brasileiro. Disponível em:<http://www. rev. Teresina. Cespe – Centro de seleção e promoção de eventos[provas].br/concursos/provas. ano 7. 12ª ed.

pois é o elemento que constituirá o nexo jurídico das proposições normativas – hipótese e consequência. Questão 2 Resposta: A ocorrência da incidência tributária. Questão 4 Resposta: Critério Material: pagar. A hipótese normativa primária descreverá um fato lícito. de convenção ou acordo coletivo de trabalho ou sentença normativa. se referiu ao operador functor-de-functor da estrutura da norma jurídica. prescrevendo uma relação jurídica. independente da lógica física. Outro ponto que distingue as duas normas é a existência do uso da coação do Estado com o escopo de obter o cumprimento da regra jurídica. dever ou creditar a qualquer título. os ganhos habituais sob a forma de utilidades e os adiantamentos decorrentes de reajuste salarial. verbas destinadas a retribuir o trabalho. a norma primária estabelece direitos e deveres enquanto a secundária. e na secundária será correspondente ao descumprimento do dever estabelecido na primária: fato ilícito. aos segurados empregados e trabalhadores avulsos que lhe prestem serviços. Nas normas tributárias em sentido estrito há a incidência de uma hipótese que conota um fato lícito de possível ocorrência. Porém.Gabarito Política de Seguridade Social (Previdência. punições. quer pelos serviços efetivamente prestados. presente somente nas secundárias. quer pelo tempo à disposição do empregador ou tomador de serviços. nas normas tributárias em sentido amplo estabelecem princípios gerais e providências administrativas para a operatividade do tributo. qualquer que seja a sua forma. atribuindo o caráter ‘deve-ser’. nos termos da lei ou do contrato ou. Saúde e Assistência) Tema 1 Norma Jurídica Tributária Questões Questão 1 Resposta: Hans Kelsen ao tratar da diferenciação das causalidades físicas e sociais com as jurídicas. ainda. 69 . não gerando uma incidência de tributar baseada numa hipótese. inclusive as gorjetas. Questão 3 Resposta: Primeiramente.

que é cobrada do particular e vinculada a atividade do Estado em fornecer iluminação em vias públicas. sujeito ativo: Receita Federal do Brasil. a norma jurídica que disciplina a conduta consistente no comportamento de o particular entregar determinada quantia em dinheiro ao erário. Questão 5 Resposta: Para a interpretação das normas jurídicas. no caso de realizar um fato lícito descrito em uma hipótese normativa. como exemplo. 28 que define a base de cálculo alíquota: 20%. na data do pagamento ou quando o mesmo seria devido. a taxa de iluminação pública.Critério Temporal: durante o mês ou. Questão 6 Resposta: A Questão 7 Resposta: B Questão 8 Resposta: B Questão 9 Resposta: C Questão 10 Resposta: B Tema 2 Classificação Jurídica dos Tributos Questões Questão 1 Resposta: Tributo vinculado é aquele que sua incidência decorre de uma atividade estatal diretamente referida ao particular ou a realização de obra pública que origine valorização de imóvel do particular. pois ao ser 70 . É importante salientar que o imposto não é um tributo vinculado. Critério Espacial: extraterritorial Critério quantitativo: base de cálculo: art. o termo tributo é considerado como sendo uma norma jurídica tributária em sentido estrito. Critério pessoal: sujeito passivo: empresa. As taxas e contribuições são exemplos de tributos vinculados. tomemos. isto é. para alguns.

com exceção das contribuições de melhoria. Questão 2 Resposta: Há uma divergência interna na concepção tripartite de classificação das contribuições. Isto porque. mas em subespécies para preservar a condição específica da cada tributo. a questão se refere ao critério da restituição. o arrecadado por este tributo não poderá ser destinado a fins estranhos ao determinado previamente pela lei. adota estes critérios mas de forma indistinta dos demais doutrinadores. juridicamente. Este critério se aplica como característica peculiar a um determinado tributo. todo tributo que não seja imposto ou taxa. Questão 5 Resposta: Com certeza. entendem não ser. Questão 4 Resposta: Os critérios adotados pela autora estão em consonância com os elencados pelo doutrinador Marcio Severo Marques: necessidade de vinculação da hipótese de incidência tributária a uma atividade estatal referida ao sujeito passivo. não em uma atividade específica. ou seja. Ou seja. não dividindo os tributos em apenas uma categoria de espécies. alguns autores a classificam como tributo. exigência de previsão legal concernente à destinação específica do produto da arrecadação. o uso da restituição tributária para efeitos classificatórios é peculiar ao tributo dos empréstimos compulsórios. nas contribuições sociais determina ser requisito essencial a destinação do produto arrecadado. por método excludente e autônomo. e exigência de previsão legal de restituição do montante arrecadado. Assim. Vale ressaltar que a autora ao efetuar a classificação. Questão 6 Resposta: C Questão 7 Resposta: A Questão 8 Resposta: D Questão 9 Resposta: A 71 . Outros. Questão 3 Resposta: Ao contrário dos impostos em que a Constituição Federal veda a vinculação da receita. possível classificá-las como tributo.arrecadado o Estado aplicará seu recurso de forma geral. permitindo distingui-lo dos demais.

Questão 10 Resposta: E

Tema 3
Contribuições

Questões
Questão 1 Resposta: Dentre as várias correntes excludentes da natureza tributária autônoma das contribuições sociais, decorrem vários critérios, entre os quais: dos seus recursos serem destinados a beneficiar especificamente determinados grupos de pessoas, e não de forma difusa e generalizada; em razão de não serem incidentes às contribuições, determinados princípios tributários; e, devido a Constituição Federal determinar regime jurídico tributário especificamente às contribuições. Questão 2 Resposta: Em ambos os tributos a hipótese de incidência não é vinculada a uma atividade estatal, ou seja, o Estado não precisa fornecer uma prestação que atenda especificamente cada pessoa que vai ser tributada. Outro ponto similar é a necessidade de destinação legal do produto de arrecadação. Porém, nos empréstimos compulsórios é necessária a previsão legal da restituição dos valores arrecadados, e que inexiste nas contribuições sociais. Questão 3 Resposta: A autora argumenta que mesmo ocorrendo regime jurídico diferenciado às contribuições, determinado constitucionalmente, não se desconfiguram como espécie tributária, tendo em vista que tal diferenciação também ocorre com os demais tributos, como exemplo, no caso dos impostos sobre grandes fortunas.

Questão 4 Resposta: Primeiramente, ambos se assemelham por terem natureza jurídica tributária, ensejando, portanto, o mesmo regime jurídico. Há mais semelhanças do que diferenças entre tais tributos. Tanto as contribuições sociais como os impostos são tributos vinculados a uma atividade estatal resultante da cobrança tributária, e diferentemente dos empréstimos compulsórios, não incidem sobre eles o caráter restituitivo. Entretanto, no campo das diferenças, ambos se distanciam devido ao fato de que nas contribuições sociais o recurso arrecadado pelo Estado deverá, desde já determinado por lei, ser

72

destinado para a finalidade especificada. Em se tratando de impostos não há que se falar em destinação específica do tributo, tendo inclusive, a Constituição vedado tal vínculo. Questão 5 Resposta: Com certeza, não é pela nomenclatura que se determina uma espécie tributária. Assim, não é suficiente que a um tributo ter a nomenclatura de “contribuição” que será este classificado como tal. Exemplo disto é o caso da extinta CPMF, que apesar de ser instituída com a nomenclatura ‘contribuição’, se revestia na verdade como imposto; devido ao fato do Estado instituir um imposto na tentativa de burlar as limitações constitucionais aplicadas a esse tributo, já que nas contribuições sociais essas limitações são mais brandas. Questão 6 Resposta: A Questão 7 Resposta: B Questão 8 Resposta: B Questão 9 Resposta: D Questão 10 Resposta: (A) V, (B) F, (C) V, (D) V

Tema 4
Fontes de Financiamento das Contribuições para a Seguridade Social

Questões
Questão 1 Resposta: Anteriormente à Emenda Constitucional n.º 20 de 1998, o termo empregador se referia apenas as pessoas jurídicas que tinham em seu corpo funcional empregados com vínculo empregatício. Assim, à época ficavam excluídos o empregadores que mesmo havendo repasse ‘salarial’ à pessoas contratadas não tinham vínculo contratual com os mesmos. Porém, com a devida emenda constitucional, tanto os empregadores, empresas que detém empregados sob vínculo empregatício, mediante

73

pagamente de salários, como sem devido vínculo, estão no rol tributário para fins de arrecadação para a seguridade social. Questão 2 Resposta: Como vimos no estudo, a seguridade social engloba três destinos: saúde, previdência social e a assistência social. Logo, se a receita da contribuição para a seguridade social é destinada para qualquer um das destinações específicas, e no caso da questão ser a assistência social, a torna compatível e legal ao que estabelece a Constituição Federal. Questão 3 Resposta: Primeiramente, os recursos destinados ao financiamento do sistema único de saúde devem advir do orçamento da seguridade social, pois a saúde pertence dentre os objetivos da seguridade. Porém, a própria Constituição estabelece que tais recursos podem ser provenientes de outros orçamentos, como da União, dos Estados, dos Municípios. Assim a questão correta que atende ao enunciado será o item ‘e’. Questão 4 Resposta: De regra sim, todos os trabalhadores farão parte do rol das pessoas que compõem o polo passivo da tributação de seguridade social. O tratamento diferenciado dado aos trabalhadores rurais não os excluem desta característica, mas sim apenas altera o objeto e a porcentagem a ser tributado. Por não possuir uma renda ou remuneração consolidada, como nos trabalhadores urbanos, a incidência da contribuição será uma alíquota diferenciada sobre os rendimentos provenientes da produção e comercialização dos seus produtos, no caso na questão, da venda dos peixes pelo pescador. Todavia, como o pescador decidiu contratar dois empregados, de forma permanente, o descaracterizaria desta diferenciação, tornando a alíquota e regras de incidência semelhantes aos demais trabalhadores. Questão 5 Resposta: Antes da referida Emenda Constitucional, a terminologia utilizada do empregador, tinha a interpretação reducional de que somente as empresas que possuíam empregados contratados deviam ser contribuintes para a seguridade social. Com o advento da emenda, ampliou-se a incidência do tributo determinando que empresas ou entidades equiparadas na forma da lei também se revestiriam como agentes do polo passivo da contribuição. Assim, tanto os empregadores e empresas que possuem empregados em seu corpo funcional, como entidades que apesar de não possuírem empregados efetivos, mas atuam de forma semelhante as demais, serão considerados contribuintes para a seguridade social. Questão 6 Resposta:

74

(A) (B) (A) (B) (A) (A) Questão 7 Resposta: E Questão 8 Resposta: D Questão 9 Resposta: D Questão 10 Resposta: E

Tema 5
Contribuições Residuais

Questões
Questão 1 Resposta: Com certeza não. O fato de adotar o mesmo regime não permite o Estado criar impostos residuais destinados a seguridade social, pelo motivo da própria natureza jurídica dos impostos: não podem possuir destinação específica. Questão 2 Resposta: As contribuições diretas são aquelas que possuem a fonte de custeio expressamente elencadas pela Constituição, portanto, caberá a elas o mesmo regime jurídico, via de regra, dos demais tributos: a criação mediante lei ordinária. Já as contribuições residuais, sob novas fontes de custeio, por determinação constitucional, serão criadas somente por lei complementar. Questão 3 Resposta: O artigo 154, inciso I, em sua parte final, determina que os impostos residuais não poderão

75

só se dará entre espécies tributárias semelhantes. Atribuindo esta regra as contribuições. será possível a criação da nova contribuição feita pelo Estado. da não-incidência de um mesmo tributo mais de uma vez sobre o mesmo valor que já serviu de base à sua cobrança em fase anterior do processo econômico. Isto porque. Questão 4 Resposta: O fato de incidirem sobre eles o mesmo princípio constitucional da não-cumulatividade. dois fatores levam a inconstitucionalidade da instituição da contribuição. cabe apenas à União Federal criar novos impostos ou contribuições que não tenham a mesma base de cálculo ou fato gerador. AS mesmas regras válidas para o IPI e ICMS também estarão presentes nas contribuições residuais. a coincidência do fato gerador e base de cálculo. para efeitos de proibição. já discriminados pela Constituição. e com base na jurisprudência atual do Supremo Tribunal Federal. Questão 5 Resposta: Primeiramente.ter a mesma base de cálculo e fato gerador dos já discriminados na Constituição. Questão 6 Resposta: C Questão 7 Resposta: D Questão 8 Resposta: D Questão 9 Resposta: C Questão 10 Resposta: B Tema 6 Princípios Constitucionais Tributários 76 . ou seja. Isto porque. segundo o STF. pelo fato de que a fonte de custeio da hipotética contribuição já está elencada no texto constitucional como fonte direta. E. assim não seria possivel criá-la sob efeito de uma contribuição residual.

os iguais. expondo o prazo de noventa dias para se cobrar tributo criado ou modificado sua base de cálculo. não fere o princípio da isonomia. Questão 3 Resposta: A afirmação está em quase toda correta. Assim. Questão 6 Resposta: C Questão 7 Resposta: C 77 . nas contribuições destinadas a seguridade social. o prazo da anterioridade não depende do exercício financeiro (que coincide com o ano civil). o texto erroneamente atribui esse prazo dentro do exercício financeiro. Porém. do referido tributo. se baseia no prazo de noventa dias para a instituição. os desiguais. Questão 2 Resposta: Conforme vimos. o que valerá para efeitos do cumprimento do princípio é obedecer o prazo de noventa dias entre os fatos. e de forma desigual. prevista na Constituição que atribui a vedação ao período do mesmo exercício financeiro. relaciona de forma errônea essa irretroatividade com o exercício financeiro. sendo que para o caso acima é irrelevante a alteração ser feita no mesmo exercício. pois atribui a aplicação da irretroatividade da lei para fatos geradores passados. sendo que a anterioridade especial das contribuições não se limita a esse exercício como nos casos dos demais tributos. e essa adaptação tende a fazer justiça frente as diferenças. Questão 5 Resposta: O texto trata do princípio da anterioridade nas contribuições para a seguridade social. a partir da sua criação ou alteração. independente da criação ser realizada no ano anterior e aplicado no posterior.Questões Questão 1 Resposta: Isto porque. Questão 4 Resposta: O texto apresenta de forma correta a questão do princípio da isonomia versus equidade. porém. nas contribuições destinadas a seguridade social. a anterioridade. independente do período financeiro. Por princípio da equidade entende como sendo aquele que irá permitir ao Estado tradar de forma igual.

na modificação mais ampla. Questão 4 Resposta: Com a emenda constitucional n. Questão 3 Resposta: A irretroatividade da lei compreende um princípio aplicado a todo ordenamento jurídico legislativo. medidas provisórias. necessário foi interpretar o critério incidente e classificatório para tal 78 . instituir novos princípios tributários mas desde que estejam em consonância com os direitos e garantias individuais. estas só poderão usar como fontes de receita. revisão. O Poder Reformador Derivado poderá criar novos tributos. independente de ser emenda.20/98 o legislador criou distinções entre os financiadores quanto a alíquota e base de cálculo de suas contribuições. lei complementar. modificando a Constituição no seu conjunto. Para que referida diferenciação não ferisse princípios como da isonomia. enquanto na revisão. Ambos se distinguem pelo fato das emendas consistirem na modificação de um ou de alguns pontos isolados do texto constitucional. fatos geradores ocorridos após a promulgação da lei. e somente este. pois ao poder de reforma do legislador constituinte é derivado do originário. ordinária. poderia ter poder para revogar algum direito individual determinado na Constituição. atingindo vários dispositivos constitucionais. Questão 2 Resposta: Obviamente que não. no seu exercício. Ou seja.Questão 8 Resposta: C Questão 9 Resposta: E Questão 10 Resposta: B Tema 7 Instituição e Alteração das Contribuições Sociais Questões Questão 1 Resposta: O processo reformador inclui dois tipos possíveis: por emenda ou por revisão.

Parafiscalidade e Imunidade Tributárias Questões Questão 1 Resposta: Conforme estudo sobre a parafiscalidade. sendo uma empresa com rendimento muito superior a outra de pequeno porte. Assim. o que no entendimento da autora. isto porque. que compreende a 79 . é incompatível com o nosso sistema tributário. Capacidade. não é pela atividade econômica que se distingue e sim em função da capacidade contributiva. Questão 5 Resposta: Devido ao fato da referida emenda determinar que 20% (vinte por cento) do arrecadado pelas contribuições sociais serão desvinculados para outros fins. caberá a União Federal. a competência tributária para criação de tais contribuições.distinção. a incidência de forma igual a ambas as empresas. porém delegará a capacidade tributária. como pessoa jurídica de direito público. estas deverão sempre ter uma destinação específica dos recursos adquiridos para o seu custeio. atribuiu uma característica de imposto às contribuições sociais. Logo. obrigatória nas contribuições destinadas a seguridade social. seria afronta ao princípio da isonomia. Pela natureza jurídica das contribuições. tal emenda ao estabelecer tal desvinculação tributária. Questão 6 Resposta: D Questão 7 Resposta: A Questão 8 Resposta: B Questão 9 Resposta: B Questão 10 Resposta: D Tema 8 Competência. dentre duas empresas do mesmo ramo de atividade.

ou seja. Questão 4 Resposta: O art. será aplicada de forma facultativa. determinado ente competente para criação de futura contribuição não poderá renunciar o direito em prol de outras pessoas. inclusive. Questão 6 Resposta: D Questão 7 Resposta: C Questão 8 Resposta: C Questão 9 Resposta: D 80 . Municípios e Distrito Federal). Questão 2 Resposta: Conforme prescreve o parágrafo único do art. Questão 5 Resposta: A parafiscalidade só será obrigatória nas contribuições destinadas a seguridade social. poderão instituir. Baseado no texto. para as demais contribuições sociais genéricas. A competência tributária tem como características: a indelegabilidade e a irrenunciabilidade. porém não é compatível com a instituição da imunidade de incidência das contribuições para a seguridade social. como nos demais tributos. demais entidades públicas. Questão 3 Resposta: Absolutamente. teremos então o INSS como órgão fiscalizador e regulador das contribuições para a seguridade social. não poderá ser instituído por pessoa diversa da competência estabelecida. Assim. 149 da Constituição Federal. excetuando-se a União. com a atividade lucrativa da entidade. quando deixa de fazê-lo. 203 da Carta Magna estabelece que a entidade beneficente deve perseguir os objetivos adotados pela assistência social. ter competência para criar contribuições sociais destinadas à previdência e assistência social aos servidores vinculados a unidade estatal (Estados. a outra pessoa jurídica pertencente a sua administração interna. como exemplo concreto da parafiscalidade.fiscalização e arrecadação.

Questão 10 Resposta: D 81 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful