P. 1
História da comunicação humana

História da comunicação humana

4.0

|Views: 42.203|Likes:
Publicado porfaburgos

More info:

Published by: faburgos on Dec 23, 2007
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as RTF, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/08/2015

pdf

text

original

História da comunicação humana.

1.1 E no princípio eram somente sons.... Hoje todos sabemos que a fala é um dos principais meios para estabelecermos comunicação com os outros. O que nem todos sabem, entretanto, é que nem sempre foi assim. Por isso o título acima. Vamos começar nosso curso fazendo um exercício de imaginação. Fantasiemos que estamos vivendo em alguma região do continente africano há mais ou menos cinco ou quatro milhões de anos atrás. Naquela ocasião, segundo a paleantropologia, ainda não éramos classificados como humanos e sim como membros de uma espécie da ordem dos primatas, que, na realidade, surgiu há, pelo menos, 70 milhões de anos. A ordem dos primatas é constituída por várias famílias, dentre as quais a dos hominídeos, considerados como primatas superiores ou antropóides, ou seja, seres que possuíam a forma semelhante à do homem. É dessa família que surgirá, em mais alguns milhões de anos, o gênero homo, cujo representante mais antigo é o homo habilis, sobre o qual falaremos mais adiante. Continuando com nossa fantasia, tentemos imaginar como seria a comunicação entre esses pré-hominídeos e hominídeos. De nossa parte, como não existem provas concretas que nos contestem, só podemos supor que a comunicação entre eles era semelhante à dos demais mamíferos, ou seja, gritos, urros, grunhidos, rosnados e determinadas posturas corporais que procuravam traduzir a necessidade de comer, de acasalar, de brincar, e também, por outro lado, revelavam ameaça ou aviso de perigo. (Ver SAIBA MAIS) Tal situação começou a mudar com surgimento dos primeiros homo habilis, que significa homem com habilidade manual, homem habilidoso, entre 2,5 e 1,8 milhões de anos. Essa classificação lhes foi dada em decorrência de os pesquisadores terem encontrado entre seus fósseis vestígios de

ferramentas rudimentares feitas de pedras lascadas. Mesmo que ainda haja muita discussão entre os especialistas se ou não o homo habilis pertence ao gênero homo, principalmente por suas características – uma forma bípede com características faciais mais primitivas e um cérebro menor do que a do homo erectus –, a maioria dos paleoantropólogos afirma que sua inteligência e sua rudimentar organização social eram bem mais sofisticadas que as de seus antecessores, os australopithecus. Nesse processo evolutivo da espécie humana, os homo habilis foram sendo naturalmente substituídos pelos homo rudolfensis, homo erectus, homo ergaster e homo sapiens. Acredita-se que até aqui, como dissemos anteriormente, esses grupos pré-históricos ainda mantinham formas de comunicação semelhantes às dos animais mamíferos, só que, gradativamente, com o aumento de sua massa cerebral, o que era uma linguagem natural nos pré-hominídeos e primeiros hominídeos passou a ser uma linguagem intencionalmente imitativa dos sons emitidos pelos animais e dos sons da natureza. A complexificação dessa linguagem onomatopéica, assim como a sofisticação da linguagem corporal, permitiu que esses grupos e bandos desenvolvessem regras de interpretação comuns e complementassem o entendimento dos meros sinais naturais com a instituição de símbolos que procuravam determinar a que grupos pertenciam, a definir certa orientação para as caçadas, a delimitar fronteiras e, até mesmo, para expressar as relações de poder. (VER ATENÇÃO) Você pode observar aqui que nossos remotos antepassados foram gradualmente abandonando a mera impressão sensória pela invenção, interpretação e compreensão dos símbolos em sua função significante. Mas, você deve estar se perguntando, o que isso significa? Significa que ao desenvolver sua faculdade de representação simbólica esses homens préhistóricos deram o passo inicial para o nascimento do pensamento, da linguagem e da sociedade como a conhecemos. Apenas como ilustração, procuramos algumas imagens que representassem a evolução de nossa espécie, assim como alguns desenhos que buscaram simular algumas cenas desse mundo pré-histórico. Vejam 2

abaixo.
Do macaco ao homem moderno [Imagem encontrada em http://www.splendoroftruth.com/curtjester/Pics/evolution.jpg]

Homo habilis usando suas primeiras ferramentas e em grupo. {Imagens localizadas em http://cas.bellarmine.edu e www.mamnounas-salukis.de]

Homo erectus [Imagens encontradas em http://www.baa.duke.edu/classes/course_images/Homo%20erectus.jpg e http://www.nhm.ac.uk/hosted_sites/paleonet/Forum/vol2no5/BL/BL_oval1.Html]

Homo sapiens sapiens [Imagem encontrada em www.wsu.edu/gened/learnmodules/top_longfor/timeline/h-sapiens-sapiens/images/e-group-using-tools.jpeg]

1.2 E, então, fez-se o verbo. Entre 40.000 e 10.000 anos atrás surgiu na França, na região de CroMagnon, o antecessor direto do homem moderno. Os homens de Cro-Magnon já possuíam um grande desenvolvimento cultural e, ao invés de fabricarem seus instrumentos com pedras lascadas, trabalhavam com uma pedra muito mais dura, o sílex, além do marfim e ossos, produzindo utensílios, armadilhas, anzóis e armas de caça, como, por exemplo, dardos, lanças e o arco e flecha. Já haviam dominado o fogo, praticavam uma economia coletora de subsistência, cultuavam seus mortos e dominavam os primeiros sinais de uma linguagem articulada. Dentre suas práticas espirituais, além dos ritos funerários, os homens de cro-magnon praticavam ritos mágicos com o intuito de assegurar o abastecimento de alimentos e a caça. Esses ritos traduziam-se principalmente por pinturas nas paredes das cavernas representando caçadores e animais como mamutes, bisões ou renas. Executavam também esculturas em pedra de figuras femininas, com significativas deformações: seios grandes e enormes ventres, que simbolizavam a fertilidade, a fecundidade e a abundância. Com a arte rupestre e as estatuetas do paleolítico começou também a história da

3

arte. Por falar em história da arte, você sabia que talvez a mais antiga representação da deusa Vênus era esculpida em calcário e foi encontrada em Willendorf, uma cidade da Áustria, e por isso ficou conhecida como Vênus de Willendorf? Não que ela tenha sido a única. Esses nossos antepassados cultuavam muito a figura feminina, pois a identificavam com a deusa da fertilidade ou com a Deusa-Mãe, a Mãe-Terra. Outras Vênus, ou estatuetas femininas pré-históricas são a Vênus de Lespugne, encontrada na França, a Dama de Brassempouy, encontrada também na França, e talvez a mais antiga representação de uma face humana, a estatueta de Kostienki, na Rússia, entre outras. Abaixo imagens da Vênus de Willendorf e de uma pintura de animais na caverna de Lascaux, na França.
[Imagem encontrada em www.arthistory.upenn.edu/smr04/101910/Slide6.jpg]

[Imagem encontrada em www.artlex.com/ArtLex/s/images/stoneag_lascauxanimls.lg.JPG]

Do que vimos até agora podemos concluir que os homens de CroMagnon já possuíam um raciocínio que lhes permitia planejar e conceber, plantar e caçar de forma mais coordenada, domesticar animais, defender-se mais eficazmente, e explorar melhor outras regiões, expandindo-se para o Oriente Médio, ao longo dos rios Tigre e Eufrates, para o Mediterrâneo, o maior mar interior do mundo, compreendido entre a Europa meridional, a Ásia ocidental e a África do norte, e para o sul, até o rio Nilo, na África. Como dissemos anteriormente, esses homens já dominavam a fala e, sem dúvida, possuíam uma linguagem que, mesmo rudimentar e escassa, lhe possibilitava a comunicação com outros membros de seu grupo ou com grupos de outras regiões, uma vez que, à medida que a humanidade ia se espalhando por novas regiões, a linguagem ia se diversificando e novas maneiras de falar eram criadas e incorporadas no dia a dia das pessoas. Aqui, sem dúvida, seremos obrigadas a abrir um parêntese para ingressarmos na narrativa mítica que, segundo o lingüista José Luiz Fiorin [2002], todas as sociedades possuem para explicar a origem da linguagem e a

4

diversidade das línguas. Para Fiorin, “As línguas e a linguagem inscrevem-se num espaço real, num tempo histórico e são faladas por seres situados nesse espaço e nesse tempo. No entanto suas origens dão-se num tempo mítico, num mundo desaparecido e os protagonistas de seu aparecimento são os heróis fundadores”. No caso das civilizações judaico-cristãs encontramos seus protagonistas nos relatos de Moisés sobre a Criação, o Dilúvio e sobre o Começo das Nações e dos Idiomas, eventos citados no livro do Gênesis, o primeiro dos cinco livros bíblicos que compõem o Pentateuco. No capítulo 1 do Gênesis, que, como vocês sabem, significa Origem, Nascimento, lemos que no princípio de tudo a terra era sem forma e vazia e, nesse momento, Deus cria o mundo falando. “Deus disse: haja luz. E houve luz. Viu Deus que a luz era boa; e fez separação entre a luz e as trevas”. Por ser a linguagem um atributo da divindade, ao mesmo tempo em que Deus vai fazendo as coisas, vai também nomeando-as: “E Deus chamou à luz dia, e às trevas noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro”. (Ver SAIBA MAIS) Nos capítulos seguintes vamos entendendo a criação do primeiro homem, Adão, e de seus descendentes, a procedência das nações e das línguas. Tudo começou no sexto dia. Depois de criar os animais e os répteis, Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”. E o homem foi feito, modelado com o pó da terra e com o sopro divino, que o transformou numa alma vivente. Deus atribui ao homem o dom da linguagem, já que é ele quem nomeará todas as coisas viventes, inclusive a mulher que havia sido feita de sua costela: “Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; ela será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada”. Expulsos do Jardim do Éden por terem comido o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, Adão e Eva foram lavrar a terra e, de seus descendentes, nascerão Sem, Cam e Jafé, filhos de Noé, que depois do dilúvio, gerarão suas famílias que serão responsáveis pelo povoamento da terra, dando origem às nações e às línguas, finalizando o predomínio da linguagem primordial, a língua adâmica. No capítulo 11 Moisés narra que até então a terra tinha uma só língua e um só idioma e que os descendentes de Sem haviam se deslocado para a 5

região de Sinar, no extremo sul da Mesopotâmia, nome dado pela Bíblia à Suméria. Ali eles começaram a edificar uma cidade e uma torre “cujo cume toque no céu, e façamo-nos um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra”. Ao ver a cidade e a torre Deus entendeu que, se os filhos do homem continuassem, não haveria restrições para suas pretensões. Decidiu ali mesmo confundir a linguagem, para que um não entendesse a língua do outro, e espalhou-os sobre a face de toda a terra. A essa região Deus deu o nome de Babel. Se acreditamos ou não no mito, não é passível de discussão nesse curso. Mas, segundo Forin, foi a narrativa do dilúvio que serviu de fundamento para a hipótese da monogênese das línguas e as primeiras famílias lingüísticas descobertas foram denominadas a partir dos nomes dos três filhos de Noé. A família de Sem suscitou as línguas semíticas, da linhagem de Cam nasceram as línguas camíticas, enquanto os descendentes de Jafé fomentaram as línguas jaféticas. Atualmente, embora existam várias famílias lingüísticas, os maiores grupos em termos de línguas são os das famílias Níger-Congo, Austronésia, Trans-Nova Guineense, Indo-européia, Sino-tibetana e Afro-asiática, conforme dados coletados por Raymond Gordon Jr, editor do Ethnologue: Languages of the World1, em 2005. Fechando o parêntese, voltemos aos homens de Cro-Magnon. Como vocês já devem ter percebido, quando nós falamos sobre os homens de Cro-Magnon, ou nos referimos ao homem de Neanderthal, ao homem de Java, etc,, estamos falando sobre um ou vários grupos de pessoas que possuíam características e hábitos semelhantes. Entretanto, isso não quer dizer que esses grupos habitavam necessariamente os mesmos locais, Os homens de Cro-Magnon, por exemplo, habitavam tanto em algumas regiões da Europa quanto no Oriente Médio. Vimos antes que esses homens já haviam começado a desenvolver uma economia de subsistência, a domesticação de animais, como cães, ovinos e bovinos, e, o que é mais importante, dado início ao plantio de tubérculos, frutas e hortaliças, ou seja, começavam a abandonar o nomadismo por uma vida
1 Em www.ethnologue.com/. Consulta realizada em 10/2006.

6

mais sedentária, o que, por sua vez, provocou o estabelecimento definitivo de uma vida em sociedade e, consequentemente, os avanços culturais que tal feito acarreta. Foram construídas as primeiras casas de barro, junco ou madeira, surgindo as primeiras aldeias. A necessidade de armazenar os alimentos e as sementes para cultivo levou à criação de peças de cerâmica, que foram pouco a pouco ganhando fins decorativos. Gradualmente começaram a abandonar a pedra e o osso na confecção de seus instrumentos substituindo-os pelo cobre, o bronze e pelo ferro. Estabeleceram uma divisão sexual do trabalho: enquanto as mulheres teciam, faziam cestos e cuidavam da plantação, os homens cuidavam dos animais e construíam casas e paliçadas. Todos esses fatores, mais o aumento natural das populações e os eventuais excessos da produção agrícola, levaram as várias tribos existentes a estabelecerem contatos tanto com as aldeias mais próximas quanto com as mais distantes, estimulando o intercâmbio cultural e econômico. Como vocês podem deduzir os conflitos desencadeados pelos mais variados motivos tornaram necessário o surgimento de regras e acordos para evitá-los ou resolvê-los. Estamos a um passo de deixarmos a pré-história para entrarmos na historia e na civilização. Adivinharam o que falta? 1.3 O nascimento da escrita. Vocês já sabem que os homens de Cro-Magnon representavam animais e caçadores nas cavernas que habitavam, provavelmente como uma parte importante de seus rituais de magia. Talvez no princípio faziam isso de maneira aleatória, mas, com certeza, com o tempo foram desenvolvendo significados padronizados para suas representações pictóricas. Com a instauração da agricultura, o crescimento da atividade comercial e outras necessidades pertinentes a uma economia agrícola, esses homens ainda pré-históricos passaram a criar desenhos padronizados, embora bastante toscos, que representassem aquilo que desejavam registrar. Se as pinturas rupestres podem ser vistas hoje como a primeira tentativa de armazenar informações, aqueles símbolos gráficos inventados passaram a ser convencionados de tal maneira que qualquer pessoa que os visse os 7

entenderiam. Em outras palavras, aquelas pictografias passaram a ter significado. Segundo os pesquisadores Philippe Breton e Serge Proulx [2202: 18], a história da invenção da escrita, como técnica de transcrição da língua falada, se realiza em duas grandes ondas sucessivas, correspondentes a dois modos de escrita materialmente diferentes: a escrita ideográfica e a escrita alfabética. As cifras correspondentes a quantidades dessas mercadorias eram representadas por seixos de diferentes tamanhos que foram progressivamente desaparecendo e sendo substituídos por inscrições na própria argila e, com o tempo, foram trocadas por figuras que representavam as quantidades de animais e objetos negociados. De fácil compreensão entre todos os povos, esse sistema, com o tempo, apresentou um grave problema: o volume excessivo dos símbolos que ia aumentando em conformidade com o avanço social, econômico e cultural das civilizações. E, então, fez-se o verbo. Considerada a mais antiga das civilizações, o povo sumério, localizado na região sul da Mesopotâmia, foi o primeiro a usar esse sistema pictográfico, por volta de 3400 a.C., assim como foi o primeiro a tentar tirar de seus caracteres a conotação com as coisas representadas. Da estilização das imagens começaram a tentar caracterizar os sons da linguagem falada, surgindo daí a escrita silábica. Como as ferramentas utilizadas para gravar os pictogramas, ideogramas, e, depois, os caracteres silábicos tinham a ponta em formato de cunha essa escrita passou a ser denominada como cuneiforme. Esses registros eram gravados em tabuletas de argila úmida que eram postas para secar ao sol ou cozidas numa espécie de forno, garantindo sua durabilidade e longevidade.
[Imagem 1 – Exemplo de uma tabuleta sumeriana. In http://i-cias.com/e.o/cuneiform_img.htm]

A escrita pictográfica era utilizada também pelos egípcios que, em torno de 3100 a.C. desenvolveram a sua hierós glyphós, ou “escrita sagrada”, como

8

os gregos a chamavam. A escrita hieroglífica além de pictográfica era ao mesmo tempo ideográfica, ou seja, além de usar imagens bastante simplificadas para representar objetos concretos, usava-as também para representar idéias abstratas. Empregava o princípio do rébus, o ideograma no estágio em que deixa de significar diretamente o objeto que representa para indicar o fonograma correspondente ao nome desse objeto. Segundo a calígrafa Izabel Cecchini, como essas imagens eram freqüentemente mal interpretadas, já que o mesmo som era utilizado em várias palavras, foram introduzidos mais dois sinais, sendo um para indicar como elas deveriam ser lidas e outro para lhes dar um sentido geral. Os hieróglifos eram escritos em vários sentidos, da esquerda para a direita, da direita para a esquerda ou mesmo de cima para baixo. A colocação das palavras, do ponto de vista gramatical, era seqüencial, primeiro o verbo, seguido pelo sujeito e pelos objetos direto e indireto. A escrita hieroglífica era monumental e religiosa, uma vez que era utilizada principalmente para inscrições formais nas paredes de templos e túmulos e para registrar os acontecimentos mais importantes do império. Para o uso cotidiano, os egípcios desenvolveram mais dois tipos de escrita: a hierática, por volta de 2400 a.C., escrita cursiva utilizada na maior parte dos textos literários, administrativos e jurídicos, e o demótico, a escrita do povo, por volta de 500 anos antes de nossa era. A escrita demótica era uma simplificação da escrita hierática, que, por sua vez, era uma redução da hieroglífica.
[Imagem 2 – A pedra de Roseta2, no Museu Britânico. In http://i-cias.com/e.o/index.htm]

Para Melvin L. DeFleur e Sandra Ball-Rokeach [1993], os egípcios foram os criadores da primeira mídia portátil: o papiro. A utilização da pedra como suporte de registro tinha a capacidade da durabilidade, mas não a da transportabilidade através do espaço, o que exigiu dos povos antigos a necessidade de desenvolver novos meios com os quais a escrita pudesse ser transportada mais facilmente.
2 A pedra de Roseta foi descoberta em 1799 pelos soldados de Napoleão na cidade de Rashid (Roseta), a leste de Alexandria.e tem gravado um decreto de Ptolomeu V, datado de 196 A.C., registrado em caracteres hieróglifos, em caracteres demóticos e em caracteres gregos. A pedra foi decifrada pelo francês Jean François Champollion em dois anos, de 1822 a1824.

9

Por volta de 2500 a 2200 a.C. os egípcios descobriram que podiam utilizar as películas da parte exterior da haste da planta aquática papiro como suporte para seus registros. Primeiro eles cortavam as películas em lâminas muito finas e as colavam formando uma espécie de compensado de folhas. Essas folhas eram superpostas com as fibras cruzadas para aumentar a espessura e a resistência do produto, eram polidas com óleo, colocadas para secar e comprimidas com uma pedra lisa.
[Imagem 3 – Papyrus of Nes-Min. In http://www.dia.org/collections/ancient/egypt/1988.10.13larger.html]

Como suporte de escrita o papiro foi adotado pelos gregos, romanos, bizantinos e árabes, provocando uma mudança significativa na organização social e cultural da sociedade. Mas, em conseqüência das transformações sociais e comerciais que aquelas civilizações vinham passando, o movimento da escrita foi progressivamente afastando-se da representação mesmo que estilizada dos objetos. Para Philippe Breton e Serge Proulx [2002], essa separação progressiva da dimensão analógica da imagem talvez deva ser relacionada, pelo menos no que concerne às principais línguas semíticas, à recusa de representar Deus pela imagem, no judaísmo, ou todo ser vivente, no islã, duas religiões que se exprimem em escrita alfabética. Outro ponto que podemos adicionar à necessidade dessa separação refere-se, como dito anteriormente, à imensa quantidade de caracteres existentes tanto nas escritas cuneiforme e hieroglífica quanto na chinesa e na dos maias, surgidas aproximadamente no mesmo período que as duas primeiras. Durante um bom período de tempo, os sistemas de escrita da Mesopotâmia e do Egito atendiam às necessidades dos demais povos. Entretanto, os grandes comerciantes que circulavam pelo Mediterrâneo não tinham compromisso algum com essas culturas e logo perceberam as vantagens de unir a praticidade do silabário cuneiforme, que permitia que com poucos caracteres se escrevesse qualquer palavra, com o grafismo da escrita egípcia, mais especificamente da escrita hierática, mais atraente tanto para ser escrita quanto lida, principalmente nas atividades cotidianas. Em 1905, em Serabit el Khadim, na península do Sinai, arqueólogos descobriram 30, ou 31, inscrições, de 1600 a.C., que mostram tanto signos

10

hieroglíficos quanto sinais da língua semítica ocidental. Esses pesquisadores nomearam essa escrita como proto-sinaítica e a consideram como o sistema precursor do primeiro alfabeto consonantal, uma vez que conseguiram identificar de maneira inequívoca as letras B, H, L, M, N, Q, T e dois sons hebraicos, aleph e ayin. Esse primeiro alfabeto foi criado e disseminado pelos fenícios entre 2000 e 1700 a.C e era constituído por vinte e oito letras, das quais vinte e seis eram consoantes. Com o tempo, o alfabeto passou a ter apenas vinte e duas letras e foi adaptado por vários povos em consonância com suas línguas, tais como a árabe, a hebraica, a aramaica, a tamúdica, a púnica e, principalmente, a grega. Embora fosse utilizado por praticamente todas as culturas, o alfabeto fenício, pela ausência de vogais, terminava por dar margem a muitas ambigüidades. Se os semitas e fenícios provocaram uma verdadeira revolução na estrutura social e cultural da antiguidade com a criação do alfabeto consonantal, foram os gregos, entre os séculos VIII e IV antes de nossa era, os responsáveis por uma das mais significativas realizações dos seres humanos: a inserção de vogais no alfabeto fenício, sendo um dos fatores históricos preponderantes para o desencadeamento dos grandes movimentos da ciência, das artes e da religião.
[Imagem 4 – Tabela do alfabeto grego com os vários tipos de sinais usados pelas diferentes polis. In http://victorian.fortunecity.com/vangogh/555/Spell/Gk-alph2.gif].

Em paralelo à evolução das formas escritas, o desenvolvimento de outras técnicas também foi fundamental nesse processo de emancipação. Podemos resumir esse longo período histórico parafraseando Ésquilo, em Prometeu acorrentado: os “seres indefesos chamados humanos”, agora dotados de lucidez e razão, aprenderam também a construir casas com tijolos endurecidos pelo sol e a usar a madeira, foram instruídos sobre a ciência básica da elevação e do crepúsculo dos astros e sobre a ciência dos números e das letras, aprenderam a subjugar as bestas e a atrelar os carros aos cavalos, a construir navios e a usar as folhas e frutos que serviriam como alimentos, remédios e bálsamos e adquiriram conhecimento sobre as artes divinatórias, os presságios e sobre os sonhos.

11

Descobriram também que era sua capacidade de produzir, armazenar e fazer circular a informação a força motriz de sua evolução e sobrevivência como espécie humana. As informações começam a circular. Os primeiros registros de um serviço postal datam de aproximadamente 2000 a.C., e foi utilizado primeiro pelos egípcios. Eram basicamente despachos governamentais levados por cavaleiros de uma região a outra. Os persas, os chineses e os gregos usavam o mesmo sistema e, em casos de longa distância, utilizavam-se de um sistema de revezamento. A cada número de quilômetros, o mensageiro parava em uma casa postal para trocar de cavalo ou para passar a correspondência a outro emissário que a levaria adiante. Foram os romanos que desenvolveram o mais eficiente, seguro e duradouro serviço postal da antiguidade, o cursus publicus. Seus mensageiros chegavam a percorrer, por dia, 70 quilômetros a pé ou 200 quilômetros a cavalo Havia, ainda, um sistema de inspeção constante para prevenir seu uso abusivo pra propósitos privados. Breton e Proulx defendem a idéia de que Roma, tanto na República quanto no Império, foi, por excelência, uma sociedade de comunicação e nela tudo se organizava em torno da vontade de fazer da comunicação social uma das figuras centrais da vida cotidiana. Tanto assim que difundiram e universalizaram, no tempo e no espaço, a cultura latina e foi o pragmatismo de sua língua que permitiu o nascimento da idéia de informação, ou seja, de um conhecimento que se pode elaborar, sustentar, e, sobretudo, de um conhecimento transmissível, notadamente por meio do ensino. A palavra latina informatio designa, de um lado, a ação de moldar, de dar forma. De outro, significa, de acordo com o contexto, ensino e instrução, ou idéia, noção, representação. A coexistência desses dois sentidos, segundo os autores acima mencionados, indica que, ao contrário da cultura grega, a cultura romana não dissociava a técnica do conhecimento. Por essa altura, o rolo de papiro já havia sido substituído pelo pergaminho, produto feito geralmente com peles de gado, antílopes, cabras e ovelhas, especialmente animais recém-nascidos, por este ser mais flexível 12

possibilitando a dobra de suas folhas para a montagem de cadernos, conhecidos como códices ou manuscritos. Os primeiros livros foram escritos em pergaminho, como, por exemplo, os livros do antigo testamento, a Ilíada e a Odisséia e as primeiras tragédias gregas. Embora o papel tenha sido inventado na China, no ano 105, por Ts'ai Lun, um alto funcionário da corte do imperador Chien-Ch'u, da dinastia Han (206 a.C. a 202 da era cristã) contemporânea do reinado de Trajano em Roma, só em 1150, através dos árabes, chegou à Espanha, onde foi criada a primeira indústria de papel da Europa. Ainda como códice o livro começou a ser um suporte de comunicação e, segundo Pierre Grimal, “Em Roma, as livrarias, como as salas de declamação, eram o ponto de encontro dos connaisseurs, que debatiam problemas literários: os jovens escutavam, os antigos clientes peroravam, em meio aos livros cujos rolos, cuidadosamente reproduzidos, alinhavam-se acima deles. A porta da loja era coberta de inscrições que anunciavam as obras à venda. (...) A publicidade estendia-se nos pilares vizinhos. Essas lojas de livreiros situavam-se, naturalmente, nas vizinhanças do fórum”3. Foi em Roma, também, que surgiu o primeiro verdadeiro jornal, os Acta diurna, uma publicação gravada em tábuas de pedra e afixada nos espaços públicos, criada em 59 a.C. por ordem de Júlio César, que registrava trabalhos do Senado, fatos administrativos, notícias militares, obituários, crônicas esportivas, e vários outros assuntos. Com o fim do Império Romano e antes do advento da imprensa, foram estabelecidos pelo menos quatro tipos de redes de comunicação, segundo estima John B. Thompson [1998]: A primeira era a estabelecida e controlada pela Igreja Católica; a segunda, aquelas mantidas pelas autoridades políticas dos estados e principados, que operavam tanto dentro dos territórios particulares de cada estado quanto entre os estados que mantinham relações diplomáticas; a terceira rede estava ligada à expansão da atividade comercial; e, finalmente, a constituída por comerciantes, mascates e entretenedores ambulantes. Esses disseminavam as informações nas reuniões em mercados ou em encontros nas tabernas. Segundo Thompson, ao longo dos séculos XV, XVI e XVII, estas redes de comunicação foram submetidas a dois desenvolvimentos-chave. Em
3 Apud BRETO, Philippe & Prouxl, Serge.

13

primeiro lugar, alguns estados começaram a estabelecer serviços postais regulares que rapidamente cresceram em disponibilidade para uso geral, e, em segundo, foi o uso da imprensa na produção e disseminação de notícias. Dos incunábulos ao Le Journal de Paris.
[Imagem. 5 - Summa de vitiis et virtutibus – 1270 - Guilelmus Peraldus. In www.dartmouth.edu/~speccoll/westmss/003104.shtml]

[Imagem 6 - Book of hours, use of Paris. Paris: Phillippe Pigouchet for Simon Vostre, 25 April 1500. Printed on vellum. In http://www.grolierclub.org/incunabula.htm]

Os códices, tal como os rolos de papiro e pergaminho, eram, naturalmente, escritos à mão, daí serem denominados manuscritos, e sua confecção, principalmente na Idade Média, entre os séculos VII a XIII, tornouse uma atividade essencialmente monástica, principalmente pelo alto custo do suporte e da cópia, pela lentidão em sua confecção – um bom copista trabalhava em média duas folhas e meia por dia – e para evitar a disseminação do conhecimento entre os homens comuns.

14

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->