P. 1
APRENDIZAGEM VIVENCIAL

APRENDIZAGEM VIVENCIAL

|Views: 66|Likes:
Publicado porfabio violin

More info:

Published by: fabio violin on May 16, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/16/2012

pdf

text

original

APRENDIZAGEM VIVENCIAL A aprendizagem vivencial no ensino é apresentada como uma forma de colocar o aluno inserido dentro de um ambiente real

ou simulado que permita tal interação com pessoas e conceitos que aquela vivencia passe a formar parte de sua experiência de construção do conhecimento relacionado a um ou mais temas. Essa abordagem difere do processo tradicional de aprendizagem (aquele que desenvolve através de textos, aulas expositivas ou participações em discussões) ao trazer o contexto estudado mais próximo do aluno, ou seja, a pessoa literalmente experimente a realidade em maior ou menor escala de forma absolutamente real ou simulada. Acredita-se que o processo de aprendizagem seja uma situação ativa, viva e que portanto, um processo de aprendizagem que privilegie a experiência prática e a vivencia do aluno seja mais frutífera para a estruturação do conhecimento. O aluno é agente ativo e parte indissociável do processo de aprendizagem vivencial.

o pensamento consolida-se através do referencial material. "(Hilda Santos)" A aprendizagem de forma estruturada ou não é algo constante na vida do ser humano. O raciocínio passa a ser guiado pela intuição e os pontos de referência são os objetos ao redor. Tanto a intuição quanto o raciocínio são indispensáveis e também aliados no processo de aprendizagem humana. Segunda fase: dos dois aos quatro anos é a fase do pensamento simbólico. motivado frente a uma situação-problema. ou seja. Não se potencializa a capacidade de aprendizagem em que o aluno construa relações mais fortes entre o conteúdo e sua forma de absorção. Com o passar do tempo e o refinamento no conhecimento é possível chegar a realizar soluções viáveis através de complexas operações mentais A construção dessas operações mentais passa por etapas distintas. o problema maior é o de que tais valores não são predominantes em nosso sistema educacional. Contudo. pode-se associar uma pessoa a um boneco. Por exemplo. Esta transformação permite transferir o aprendido para novas situações. . resolve-a atingindo sua meta e modificando-se de forma duradoura. É possível transformar um objeto real (significado) em significados diferentes. Terceira fase: dos quatro aos sete ou oito anos forma-se o pensamento intuitivo. Quarta fase: dos oito aos onze anos organiza-se as operações concretas e já existe a necessidade de aliar operações verbais com ações concretas. A estrutura lógica de pensamento ainda não esta formada. A estrutura metodológica ainda é bastante voltada ao estímulo do desenvolvimento da capacidade de análise e não para a relação de aliança entre o raciocínio e a intuição.A APRENDIZAGEM EFETIVA "A aprendizagem é um processo que dura toda a vida e por meio do qual o sujeito. De forma simples as etapas ou fases são as seguintes: Primeira fase: do nascimento até um ano e meio de idade surge a linguagem. Até os dois anos é formada a inteligência sensório-motora responsável pela percepção sensorial. pensamento e objeto permanecem juntos e aliados. Quinta fase: a última etapa de construção de operações mentais completa-se na adolescência e já existe a capacidade de uso do pensamento analítico.

. A vivência de situações problema e a possibilidade resolvê-las com os recursos e métodos adequados geram uma experiência de aprendizagem mais efetiva. Contudo. O aluno interage mais e posiciona-se frente a um questionamento ou tema. Leio e Memorizo Uma outra forma também fortemente encontrada no meio educacional é a de aplicar estudos dirigidos. instruções programadas e avaliações baseadas em memorização. Faço e aprendo. O aluno "entra" dentro do tema ou da situações apresentada e se torna um agente ativo da mesma proporcionando conexões mentais mais complexas e permanentes. Faço e Aprendo A aliança entre a teoria e a prática surge nesse terceiro meio de aprendizagem. Essa maneira de educar apresenta um considerável nível de resultados positivos sendo bastante aplicado em diversas situações.Ouço e recordo. Leio e memorizo. O elementos mais importante era o conhecimento do docente e o aluno era um agente passivo e com pouco ou nenhum espaço para dividir suas experiências e pontos de vista. (Confúcio) Ouço e Recordo Praticamente toda dinâmica do ensino até bem pouco tempo tinha seu foco na concepção de ouvir e recordar. análises de textos. desde os conhecimentos mais básicos até temas mais complexos. o meio ainda é menos eficaz do que a aprendizagem vivencial. Esse meio tem se mostrado mais eficiente do que as duas formas anteriormente apresentadas.

. desempenhar um papel ou analisar fatos e circunstâncias pertinentes ao problema apresentado. Etapa 4: Realiza-se comparação entre a postura desejada (etapa 1) com o que efetivamente ocorreu (etapa 2) e questiona-se o que o aluno sentiu. Nessa fase pode-se discutir. em conjunto realiza-se uma nova interação considerando outra abordagem. ou seja. Veja as etapas: Etapa 1: o aluno é solicitado a descrever de que forma agiria ou qual seria a forma correta de agir frente a uma determinada situação.o aluno .ETAPAS DA APRENDIZAGEM VIVENCIAL A aprendizagem vivencial não se resume tão somente em "aprender fazendo". Etapa 3: Realiza-se um fechamento da etapa 2 ao se coletar as opiniões ou "defesas" de ponto de vista em função do que ele .voltam sua atenção para a experimentação da nova alternativa.professores e alunos . É algo mais profundo que implica na mudança de comportamento de aprendizagem. Etapa 6: Em conjunto . uma postura diferente e possibilita-se ao aluno experimentar ou mesmo questionar a alternativa sugerida. Nessa situação muda-se inclusive a postura do educando. refazer a atividade. Etapa 2: o aluno é chamado a posicionar-se frente a situação. percebeu ou ainda como ele se posiciona frente ao tema.vivenciou. O objetivo nessa fase é semear uma "pequeno grão" de curiosidade ou vontade do aluno por conta própria ampliar seu conhecimento relacionado ao tema proposto. realizar leituras ou debates extras com o objetivo de ampliar o horizonte do tema em questão. Ele se torna um agente ativo ao decidir. Etapa 5: Como etapa opcional o educador sugere uma abordagem alternativa. Etapa 7: os esquemas mentais dos alunos estão agora mais receptivos ao conteúdo e ele já terá condições (se o tema foi bem trabalhado) de utilizar esse conhecimento quando se defrontar com uma situação similar no futuro.

como por exemplo. Segundo: o aluno é posicionado frente a uma situação em que deve sair da sua zona de conforto e interagir frente a uma situação e também em conjunto com outras pessoas.Considerando a sugestão de etapas e procedimentos anteriormente apresentada. a avaliação da sua postura e performance através da comparação da mesma com uma norma ou teoria apropriada para a situação enfrentada. a comparação. Quarto: o aluno vai comparar suas percepções de como agiu e se posicionou com o que efetivamente é o correto. Quinto: após a realização da comparação entre o que percebeu e o que realmente é (analisa-se se houve discrepância entre o que ele percebeu e entendeu em relação a resposta mais acerta para a situação) o aluno considera uma abordagem diferente e avalia essa nova alternativa de resposta a situação problema. pode-se sintetizar que a aprendizagem vivencial vai além do aprender fazendo e possui alguns significados relevantes entre eles destaca-se os seguintes: Primeiro: o aluno defini para si próprio como ele deveria ou agiria frente a um dado problema ou situação. Terceiro:O aluno tem a possibilidade de realizar as conexões mentais ao analisar como agiu e como se sentiu frente a situação. conduzida e executada pelo professor. . Os resultados de um exercício de aprendizagem vivencial estão fortemente alicerçados na forma como a situação foi montada. Sexto: a aprendizagem vivencial expande a idéia de aprender fazendo e envolve a execução. pontos de vista de outros colegas ou do professor. Ampliando sua visão sobre o tema ao ter inserido em seu processo de aprendizagem outros elementos.

Simulações. Os materiais e métodos mais comumente aceitos como ligados a aprendizagem vivencial incluem: Jogos. e Exercícios estruturados. Método de estudo de caso. .De forma simples a conceituação primária da aprendizagem vivencial inclui todo material e método de ensino em que as pessoas aprendem de forma interativa e como agentes ativos do processo. "Role Playing". Projetos de pesquisa.

que não a de simples retransmissor do conhecimento. condutor e facilitador do processo de aprendizagem vivencial. O papel do professor é o planejar as habilidades e conhecimentos a serem explorados. Dessa forma a postura do educador passa a ser outra .PAPEL DO EDUCADOR O objetivo da aprendizagem vivencial além de permitir aumentar a compreensão de situações reais. habilidade de compreensão pessoal. "vender a idéia". Dessa forma o aluno se torna um agente ativo e indispensável para que a aula em si aconteça e se atinja os objetivos educacionais necessários. Resumidamente. Tira-se o centro das atenções exclusivamente da teoria e realiza-se a conexão entre teoria e prática. O educador vivencial seria o defensor dessa integração lutando para que ela ocorra dentro do ambiente educacional. a habilidade e o conhecimento devem derivar da integração da teoria com a experiência desses conceitos. adaptação do comportamento as exigências da tarefa proposta e adaptação as necessidades e regras do grupo que esta inserido. aplicação e condução para os resultados de aprendizagem necessários. capacidade de observação. . O educador passa a ter uma postura de integrador. também se apresenta como um caminho para desenvolver habilidades em situações grupais.

O educador tem a função de mesclar e equilibrar três fatores fundamentais na aprendizagem vivencial que são eles: .

3) O professor tem o papel de facilitador do processo. se alguém estiver ou se sentir excluído do processo corre-se o risco do processo de aprendizagem não ocorrer corretamente e ainda pior criar um "inimigo" oculto ou declarado em sala de aula o que pode minar todos os demais procedimentos rumo a aprendizagem vivencial. assim sendo o papel adequado é o de viabilizar e criar as condições necessárias para que o aprendizado ocorra e nesse sentido o planejamento é crucial. . ressalta-se até mais. 4) O professor ainda tem a função de estudar os melhores caminhos para aliar teoria e pratica considerando as características do seu grupo. 2) Fomentar um clima educacional positivo em que os alunos aprendem novos comportamentos ao participarem de exercícios vivenciais. o planejamento é um divisor de águas entre o resultado desejado e o resultado real. A oportunidade para aluno adquirir e reforçar novos padrões de comportamento através da prática desses padrões com a liberdade e segurança de uma situação de aprendizagem simulada deve ser algo cotidiano. Sendo assim conhecer o grupo. Nesse sentido o professor é o condutor do comportamento desejado nos alunos ao demonstrar e reforça a força adequada de comportamento frente a situação problema além de ser o encorajador. a teoria e a forma de gerar a experiência tornam o papel do professor indissociável da função de aquisição de aprendizagem através de vivências. assim. orientador e direcionador dos esforços e condutas.Para que o professor consiga efetivamente integrar os três elementos apontados é necessário: 1) Potencializar a discussão saudável e a integração grupal (todos realmente participando de forma ativa). Facilitar aqui não significa tornar algo fácil e sim viável.Para a experiência da aprendizagem vivencial aflore é importante integrar as pessoas visto que os alunos aprendem também com os colegas de sala e também com o docente.

A reflexão e assimilação que o professor irá fazer surgir após a aplicação do exercício vivencial é que permitirá o "fechamento" da situação de aprendizagem.Vale ressaltar que a experiência por si só não constitui a aprendizagem. Como um facilitador ou "viabilizador" da aprendizagem o professor deve considerar essa aprendizagem em dois níveis: . somente isso não fomentará a aprendizagem. A experiência vivenciada pode tornar-se agradável e até divertida mas. Esse papel de conduzir a reflexão cabe fortemente ao professor realizar.

Planejar a forma de abordagem bem como as estratégias educacionais bem como considerar as características e peculiaridades do público receptor do jogo. felizmente existem outros que se antes de qualquer outro objetivo almeja ver seu grupo melhor. O que poucos se dão conta é que um trabalho bem executado repercute e potencialmente pode gerar outras atividades. Para finalizar uma frase muito comum entre os educadores: "Quando o professor é quente o aluno é morno. . Em tempos nos quais a quantidade de professores realmente preocupados com o crescimento do seu grupo de alunos não é tão grande quanto a sociedade espera. percebemos ações de profissionais que hoje são considerados fora de série por serem proativos na busca por resultados. Bem vinda a era do educador facilitador ou "viabilizador" das condições de aprendizagem. Quando o professor é frio a rota de colisão está a caminho". simulador ou outro mecanismo de aprendizagem vivencial exige que o profissional de educação esteja preparado e fundamentalmente consciente do que irá fazer. na contramão o trabalho de educar quando mal executado também tem seus efeitos evidenciados. Enquanto uma massa de educadores se preocupa com o contra cheque no final do mês. Já se foi o tempo do educador retransmissor de conhecimento. Quando o professor é morno o aluno é frio.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->