P. 1
Módulo 3 - Fundamentos Sócio-Antropológicos

Módulo 3 - Fundamentos Sócio-Antropológicos

|Views: 335|Likes:

More info:

Published by: gilsonoliveiradasilv on May 17, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/17/2013

pdf

text

original

– Antropologia Cultural ______________________________________________________________

FATEBOV

___________________________________________________ Programa de Convalidação de Bacharel em Teologia

FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia

FUNDAMENTOS SÓCIO-ANTROPOLÓGICOS

Carga Horária: 40horas-aula

EMENTA Análise do fenômeno educativo e suas múltiplas inferfaces: política, cultural, social, econômica etc, por meio do resgate das concepções do homem e da sociedade em que ele esta inserido e diante das relações com as transformações do mundo do trabalho, a partir das referências teóricas construídas no âmbito das ciências humanas e sócias, numa

perspectiva interdisciplina , caracterizada pelas interfaces entre os enfoques sociológicos, antropológico e psicológico.

OBJETIVOS
Compreender os princípios que regem os fatos sociais e distinguir as formas de organização da sociedade em sistemas integrados.

Possibilitar ao aluno o contato com as formulações teóricas e práticas das áreas de sociologia e antropologia na educação acerca do fenômeno educacional e dos determinantes sócio-culturais do espaço escolar. Desenvolver o raciocínio sociológico e o olhar antropológico essencial ao exercício da licenciatura. Discutir, em nível introdutório, a produção do conhecimento sociológico e antropológico, considerando os fundamentos histórico-sociais e a especificidade e complexidade do estudo científico dos fenômenos sociais. Discutir os conceitos fundamentais da Teoria Sociológica e antropológica necessários à compreensão e análise explicativa da realidade social. Discutir os principais processos envolvidos na formação e dinâmica da sociedade, com ênfase na natureza, reprodução e transformação da sociedade de classe.

Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos

2

FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Fundamentos sociológicos. Antropologia cultural: definição; evolução histórica O que é sociologia, sua origem, seus principais conceitos Cultura: conceito, função da cultura, cultura e sub-cultura; cultura popular; o folclore Racionalidade e conhecimento: as diversas etapas do conhecimento. Conhecimento científico e conhecimento popular Objeto e método da sociologia da educação. Educação, escola e sociedade O que é antropologia Conceitos básicos O campo e a abordagem da antropologia – o método etnográfico O que é cultura. Cultura x Natureza A alteridade e o etnocentrismo A cultura condicionante da visão do mundo do homem Desenvolvimento do sócio-antropológico Trajetória histórica do surgimento da ciência. O postivismo. Augusto Comte 2.2 - Herbert Spencer A contribuição de Emile Durkaheim para o estudo da educação 2.3 - Êmile Durkheim 2.4 - Karl Marx e Friedrick Engels A escola e a estratificação social. A alienação em Karl Marx Louis Althusser e os aparelhos ideológicos de Estado

Desafios da realidade sócio-cultural contemporânea 5.1- Neoliberalismo 5.2- Globalização

Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos

3

CULTURA 4.3. Cultura e Sub-cultura 4. ANTROPOLOGIA FÍSICA 4.2. Correntes Sociológicas 1.1-.6.Definições 2. Cultura Popular 4.2. A ciência da sociologia 1.2. Evolução Histórica 3.1.5. Comparação com outras Ciências Sociais 1. Áreas de estudo em Sociologia 2.4. A evolução da sociologia como disciplina 1.4. O Folclore 5.1. Conceito 4. BIBLIOGRAFIA 5 8 10 11 12 12 13 15 15 16 16 18 18 20 22 25 27 30 31 Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 4 .5. FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS 1.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia ÍNDICE 1. ORIENTAÇÃO PARA ESTUDOS 6.3. Sociologia da Ordem e Sociologia da Crítica da Ordem 1. Função da Cultura 4. ANTROPOLOGIA CULTURAL 2.

normalmente o principal financiador da pesquisa desta disciplina científica. Assim como toda ciência. Os resultados da pesquisa sociológica não são de interesse apenas de sociólogos. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 5 . A Sociologia é uma ciência que estuda o comportamento humano e os meios de comunicação em função do meio e os processos que interligam o indivíduo em associações. das observações do que é repetitivo nas relações sociais. mas. a Sociologia estuda os fenômenos que ocorrem quando vários indivíduos se encontram em grupos de tamanhos diversos. a administradores. para daí formular generalizações teóricas. e interagem no seu interior. teorias e métodos. Por essa razão. planejadores. sacerdotes. é tarefa da Sociologia transformar as malhas da rede com a qual a ela capta a realidade social cada vez mais estreitas. Cobrindo todas as áreas do convívio humano — desde as relações na família até a organização das grandes empresas. ao homem comum. ao mesmo tempo. também. jornalistas. grupos e instituições. em diferentes graus de intensidade. publicitários. empresários. para explicá-los no seu significado e importância singular. a Sociologia pretende explicar a totalidade do seu universo de pesquisa. pode constituir para as pessoas um excelente instrumento de compreensão das situações com que se defrontam na vida quotidiana.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia 1. professores em geral. o papel da política na sociedade até o comportamento religioso — a Sociologia pode vir a interessar. o conhecimento sociológico. através dos seus conceitos. políticos. das suas múltiplas relações sociais e. o maior interessado na produção e sistematização do conhecimento sociológico é o Estado. Enquanto o indivíduo na sua singularidade é estudado pela Psicologia. de si mesmas como seres inevitavelmente sociais. conseqüentemente. Ainda que esta tarefa não seja objetivamente alcançável. como o surgimento do capitalismo ou a gênese do Estado Moderno. como também de eventos únicos e sujeitos à inferência sociológica. Entretanto. A Sociologia ocupa-se. FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS Interações sociais e suas consequências são interesses comuns na sociologia. juristas.

a objetivos explicativos distintos ou dependem da natureza do objeto explicado por certa pesquisa sociológica: o uso das técnicas quantitativas é associado às pesquisas macro-sociólogicas. E pesquisam os microprocessos como relações interpessoais. 1. Rio de Janeiro. Introdução e cap. Antes. as qualitativas. além de instituições como a família. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 6 . Em que pese o termo Sociologie tenha sido criado por Auguste Comte. Entretanto. processos sociais que representam divergência. Isto ajuda a desenvolver modelos que possam entender mudanças sociais e como os indivíduos responderão a essas mudanças. mas também desenvolver um "antídoto" para a desintegração social. Norbert. Jorger Zahar Ed. na forma de uma resposta acadêmica para um desafio de modernidade: se o mundo está ficando mais integrado. o uso de ambas as técnicas de coleta de dados pode ser complementar. nestas estruturas. pp. ou desarranjos. a Psicologia e a Economia. Em alguns campos de estudo da Sociologia. Hoje os sociólogos pesquisam macroestruturas inerentes à organização da sociedade. as técnicas qualitativas — como entrevistas dirigidas. Os cursos de técnicas quantitativas/qualitativas servem. uma vez que os estudos micro-sociológicos podem estar associados ou ajudarem no melhor entendimento de problemas macro-sociológicos (ver: Elias. Os Estabelecidos e os Outsiders. Montesquieu também pode ser encarado como um dos fundadores da Sociologia . Sociólogos fazem uso freqüente de técnicas quantitativas de pesquisa social (como a estatística) para descrever padrões generalizados nas relações sociais. inclusive crime e divórcio.talvez como o último pensador clássico ou o primeiro pensador moderno.. como raça ou etnicidade. da Ciência Política e da Antropologia. A Sociologia é uma área de interesse muito recente. a experiência de pessoas do mundo é crescentemente atomizada e dispersada. às pesquisas micro-sociológicas. 19-60). portanto. normalmente. que esperava unificar todos os estudos relativos ao homem — inclusive a História. 2000. Sociólogos não só esperavam entender o que unia os grupos sociais. mas foi a primeira ciência social a se institucionalizar.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia A Sociologia surgiu como uma disciplina no século XIX. discussões em grupo e métodos etnográficos — permitem um melhor entendimento dos processos sociais de acordo com o objetivo explicativo. classe e gênero.

Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 7 . que a Sociologia é datada historicamente e que o seu surgimento está vinculado à consolidação do capitalismo moderno. desvinculando-se das preocupações especulativas e metafísicas e diferenciando-se progressivamente enquanto forma racional e sistemática de compreensão da mesma. colocaram em destaque mudanças significativas da vida em sociedade com relação a suas formas passadas. Assim é que a Revolução Industrial significou. e ele acreditava que toda a vida humana tinha atravessado as mesmas fases históricas distintas e que. políticas e culturais ocorridas no século XVIII. (corrente que teve grande força no século XIX). Neste momento. de forma muito clara. As transformações econômicas. Esta disciplina marca uma mudança na maneira de se pensar a realidade social. baseadas principalmente nas tradições. convertendo grandes massas camponesas em trabalhadores industriais. seu esquema sociológico era tipicamente positivista. Há paralelamente um aumento do funcionalismo do Estado que representa um aumento da burocratização de suas funções e que está ligado majoritariamente aos estratos médios da população. é necessário frisar. A Sociologia surge no século XIX como forma de entender essas mudanças e explicá-las. Ela representou a racionalização da produção da materialidade da vida social. como as Revoluções Industrial e Francesa. poderia prescrever os remédios para os problemas de ordem social. No entanto. algo mais do que a introdução da máquina a vapor. para o pensamento social. O triunfo da indústria capitalista foi pouco a pouco concentrando as máquinas. que divide de modo central a sociedade entre burgueses (donos dos meios de produção) e proletários (possuidores apenas de sua força de trabalho).FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia Em Comte. as terras e as ferramentas sob o controle de um grupo social. se a pessoa pudesse compreender este progresso. se consolida a sociedade capitalista.

que se achavam em curso no ocidente europeu desde o século XVI. 1.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia O quase desaparecimento dos pequenos proprietários rurais. não poderiam deixar de provocar modificações na forma de conhecer a natureza e a cultura. pode-se claramente observar que a Sociologia tem ao menos três linhas mestras explicativas. Este fato é importante para o surgimento da Sociologia. atos de sabotagem e exploração de algumas oficinas.1. Ela traz diferentes estudos e diferentes caminhos para a explicação da realidade social. o que se distingue da percepção de que este papel seja privilégio de um Estado que se sobrepõe ao seu povo. As transformações econômicas. como objeto que deveria ser investigado tanto por seus novos problemas intrínsecos. a imposição de prolongadas horas de trabalho. das quais podem se citar. dos artesãos independentes. como por seu novo protagonismo político já que junto a estas transformações de ordem econômica pôde-se perceber o papel ativo da sociedade e seus diversos componentes na produção e reprodução da vida social. roubos e crimes.. e etc. tendo como fundador Auguste Comte e seu principal expoente clássico em Émile Durkheim. originada pelo Iluminismo. não necessariamente em ordem de importância: (1) a Positivista-Funcionalista. pois colocava a sociedade num plano de análise relevante. tiveram um efeito traumático sobre milhões de seres humanos ao modificar radicalmente suas formas tradicionais de vida. fundadas pelos seus autores clássicos. a Sociologia não é uma ciência de apenas uma orientação teórico-metodológica dominante. Assim. pelas novas condições de existência por ela criada. formação de sindicatos e movimentos revolucionários. Mas uma outra circunstância concorreria também para a sua formação. evoluindo para a criação de associações livres. O surgimento da Sociologia prende-se em parte aos desenvolvimentos oriundos da Revolução Industrial. Não demorou para que as manifestações de revolta dos trabalhadores se iniciassem. Correntes Sociológicas Porém. Trata-se das modificações que vinham ocorrendo nas formas de pensamento. Máquinas foram destruídas. de Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 8 .

econômicas. algo bem diverso da perspectiva acadêmica européia. psicológicas. em grande medida.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia fundamentação analítica. (2) a sociologia compreensiva iniciada por Max Weber. educacionais. podem ser citados: William I. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 9 . Thomas. de matriz teórico-metodológica hermenêutico-compreensiva. levando à sua consolidação como disciplina acadêmica já no início do século XX. assim. as ciências teóricas e experimentais desenvolvidas nos séculos XVII. a classe social ou longos processos históricos de transformação social ao comportamento dos indivíduos num nível micro-sociológico. Hinkle. nesse contexto histórico social. XVIII e XIX inspiraram os pensadores a analisar as questões sociais. Desde o funcionamento de estruturas macro-sociológicas como o Estado. especialmente pela sociologia britânica e positivista de Herbert Spencer). ele se dá. É interessante notar que a sociologia não se desenvolve apenas no contexto europeu. especialmente a teuto-francesa. políticas. Robert E. Estas três matrizes explicativas. iniciada por Karl Marx que mesmo não sendo um sociólogo e sequer se pretendendo a tal. Ainda que seja relativamente mais tardio seu aparecimento nos Estados Unidos. inevitavelmente. originadas pelos seus três principais autores clássicos. originaram quase todos os posteriores desenvolvimentos da Sociologia. Entre os principais nomes do estágio inicial da sociologia norte-americana. Park. A Sociologia. e (3) a linha de explicação sociológica dialética. lhe será uma "jaula" que o transcenderá e lhe determinará a identidade. Nos EUA a Sociologia esteve de certo modo "engajada" na resolução dos "problemas sociais". é importante perceber que. por motivações diferentes que as da velha Europa (mas certamente influenciada pelos europeus. com enfoque científico. sem jamais esquecer-se que o homem só pode existir na sociedade e que esta. Para compreender o surgimento da sociologia como ciência do século XIX. vai debruçar-se sobre todos os aspectos da vida social. deu início a uma profícua linha de explicação sociológica. Martin Bulmer e Roscoe C.

as explicações da Sociologia não partem simplesmente da especulação de gabinete. ora afastando-as e. a observação empírica. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 10 . sejam estes naturais ou sociais. e as discussões epistemológicas mais desenvolvidas. da abordagem científica da sociedade. ora tentando aproximar as ciências. Diferentemente da ética. Atualmente. instituições sociais e suas interações sociais. negando às humanas tal estatuto com base na inviabilidade de qualquer controle dos dados tipicamente humanos. a ciência se presta à explicação e à compreensão dos fenômenos. Uma das primeiras e grandes preocupações para com a sociologia foi eliminar juízos de valor feitos em seu nome. buscaram nas ciências naturais as bases de sua metodologia já mais avançada. conseqüentemente. Como ciência. até mesmo. e um ceticismo metodológico a fim de extirpar os elementos "incontroláveis" e "dóxicos" recorrentes numa ciência ainda muito nova e dada a grandes elucubrações. baseada. aplicando mormente o método comparativo. quando muito. na observação casual de alguns fatos.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia 1. Muitos dos teóricos que almejavam conferir à sociologia o estatuto de ciência. A ciência da sociologia Ainda que a Sociologia tenha emergido em grande parte da convicção de Comte de que ela eventualmente suprimiria todas as outras áreas do conhecimento científico. imprevisíveis e impassíveis de uma análise objetiva. Ao contrário das explicações filosóficas das relações sociais. Dessa forma foram empregados métodos estatísticos. considerados por muitos. no entanto. que visa discernir entre bem e mal. Esta disciplina tem se concentrado particularmente em organizações complexas de sociedades industriais. apesar das peculiaridades dos fenômenos sociais quando comparados com os fenômenos de natureza e. Tais peculiaridades. a Sociologia tem de obedecer aos mesmos princípios gerais válidos para todos os ramos de conhecimento científico. ela estuda organizações humanas.2. foram e continuam sendo o foco de muitas discussões. hoje ela é mais uma entre as ciências.

além de se interessar mais pelos comportamentos do que pelas estruturas sociais.3. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 11 .FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia 1. Deve ser notado. Max Weber. objetivando explicar as variâncias no comportamento social em suas ordens moral. Já o enfoque da Sociologia é na ação dos grupos. as obras de Max Horkheimer. como mostrado por Karl Marx e outros. na ação geral. utilizando-se de valores morais e políticos do iluminismo liberal mesclados com os ideais socialistas. Esforços nesse sentido são visíveis nas obras de modernos teóricos sociais. a teoria social de Marx e. Quanto a Psicologia social. talvez. seja complexo apreender tal abordagem. Comparação com outras Ciências Sociais No começo do século XX. a Filosofia social intenta criar uma teoria ou "teorias" da sociedade. representam uma das mais profícuas vertentes da filosofia social. ao mesmo tempo. À primeira vista. representada por aquilo que ficou conhecido como Teoria Crítica ou. kantista. aquele que se refere a produção e troca de mercadorias. a pesquisa em Economia é freqüentemente influenciada por teorias sociológicas. entretanto. Já a Economia diferencia-se da Sociologia por estudar apenas um aspecto das relações sociais. ela se preocupa também com as motivações exteriores que levam o indivíduo a agir de uma forma ou de outra. Escola de Frankfurt. Jürgen Habermas. Por fim. que mesmo a Antropologia faz pesquisa em sociedades industrializadas. Nesse aspecto. reunindo um arcabouço de conhecimento que entrelaça a filosofia hegeliana. sociólogos e antropólogos que conduziam estudos sobre sociedades não-industrializadas ofereceram contribuições à Antropologia. Theodor Adorno. Entretanto. entre outros. estética e históricas. como mais popularmente se diz. a diferença entre Sociologia e Antropologia tem mais a ver com os problemas teóricos colocados e os métodos de pesquisa do que com os objetos de estudo.

As formas como a Sociologia pode ser uma 'ciência da ordem' são diversas.5. mas aos seus interesses materiais imediatos. em vista do tipo de conhecimento que produz. Por outro lado. como na orientação de políticas públicas promovidas nem sempre de acordo com o interesse das maiorias ou no respeito às minorias. como principal ente financiador de pesquisas nas áreas da sociologia escolhe financiar aquelas pesquisas que lhe renderam algum tipo de resultado ou orientação estratégicas claras: pode ser tanto como melhor controlar o fluxo de pessoas dentro de um território. Ela pode ser um tipo de conhecimento orientado no sentido promoção do melhor entendimento dos homens acerca de si mesmos. submetendo a produção do conhecimento não ao progresso da ciência por si ou da sociedade. no qual o Estado.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia 1. seus resultados podem ser utilizados com vistas à melhoria dos mecanismos de dominação por parte do Estado ou de grupos minoritários. o meio indireto. A evolução da sociologia como disciplina A sociologia no mundo foi se mostrando presente em várias datas importantes desde as Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 12 . sejam eles empresas privadas ou Centrais de Inteligência. isto é. Nesse sentido. Ela pode partir desde a perspectiva do sociólogo individual. pode servir a diferentes tipos de interesses. Sociologia da Ordem e Sociologia da Crítica da Ordem A Sociologia. autoritárias e arbitrárias.4. para alcançar maiores patamares de liberdades políticas e de bem-estar social. porém. a Sociologia pode ser orientada como uma 'ciência da ordem'. o uso do conhecimento sociológico é potencialmente perigoso. podendo mesmo servir à finalidades anti-democráticas. Há. à revelia dos interesses e valores da comunidade democrática com vistas a manter o status quo. A produção sociológica pode estar voltada para engendrar uma forma de conhecimento comprometida com emancipação humana. 1.

na medida em que as suas preocupações passam a ser o subdesenvolvimento.e também ocorreu a profissionalização da sociologia. e também comunidades rurais. a sociologia sofreu influencias americanas e européias. Desde o início a sociologia vem se preocupando com a sociedade no seu interior. 1. por exemplo. desde lá cada vez mais foi de fundamental participação para a sociedade mundial e também brasileira. ao trabalhador rural. aos conflitos entre as classes sociais. voltam também em relação ao estudo da mulher. Na América Latina. e outros assuntos culminantes. Na década de 60 a sociologia se preocupou com o processo de industrialização do país. No Brasil nas décadas de 20 e 30 a sociologia estava num estudo sobre a formação da sociedade brasileira. Além da preocupação com a economia política e mudanças sociais apropriadas com a instalação da nova republica. Nas décadas seguintes de 40 e 50 a sociologia voltou para as classes trabalhistas tais como salários e jornadas de trabalho. ela vai sofrer influências das teorias marxistas. Demografia social Micro-sociologia Sociologia ambiental Sociologia da arte Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 13 . Segue uma pequena lista de áreas e tópicos de estudo na Sociologia. e analisando temas como abolição da escravatura. por exemplo. nas questões de reforma agrária e movimentos sociais na cidade e no campo e a partir de 1964 o trabalho dos sociólogos se voltou para os problemas sócio-políticos e econômicos originados pela tensão de se viver em um país cuja forma de poder é o regime militar.6. Áreas de estudo em Sociologia Os sociólogos estudam uma variedade muito grande de assuntos.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia grandes revoluções. isto diz respeito. e estudos sobre índios e negros. êxodos. Na década de 80 a sociologia finalmente volta a ser disciplina no ensino médio.

Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 14 .FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia Sociologia do conhecimento Sociologia da ciência Sociologia da cultura Sociologia econômica Sociologia da comunicação Desenvolvimento econômico Sociologia das Organizações Sociologia da educação Sociologia das histórias em quadrinhos Sociologia industrial Sociologia jurídica Sociologia médica Sociologia do esporte Sociologia política Sociologia das relações de gênero Sociologia da religião Sociologia rural Sociologia do trabalho Sociologia urbana Sociologia da Violência e da Criminalidade .

FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia 2. Segundo Broca. física e psiquicamente. o homem. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 15 . O termo “Antropologia” vem do grego antropos = homem e logia = estudo. ANTROPOLOGIA CULTURAL 2. definimos antropologia como a ciência que estuda o homem. físicos e psíquicos. Definições Segundo o Dicionário de Antropologia: “é o corpo de disciplinas que se consagram ao estudo dos grupos humanos sob o prisma dos tipos físicos e biológicos e sob o prisma das formas de civilização sem escrita atualmente existentes. considerado no seu conjunto. “antropologia é a ciência que tem por objeto o grupo humano. comparativamente com os outros animais e das raças humanas entre si. b) Da origem do homem e conhecimento dos primeiros hominídeos. no ponto de vista comparado”. Daí a definição de que antropologia é o estudo. e tudo que o envolve. c) Da classificação das raças. que tem sob o triplo ponto de vista: a) Da posição do homem na escala zoológica. Já para Lehman Nitsche.1. Isto é. nos seus pormenores e nas suas relações com o resto da natureza”. Etimologicamente significa o ramo dos saber que tem por objeto de estudo.” Em poucas palavras e de uma maneira simples. povos e tipos humanos. dizendo que “ a antropologia estuda os caracteres humanos.. “a antropologia é o estudo físico e psíquico do gênero humano. é a ciência do homem tomado na totalidade das suas manifestações e das suas dimensões”.. ou tratado do homem. É a ciência que estuda o homem. O professor Mendes Corrêa enunciou.

Desde então. as quais agrupavam peritos oriundos de variados campos . apareceram sucessivamente as sociedades antropológicas de Londres.a antropologia . entre 1840 e 1860.2. fisiologia. unidos no interesse comum pelo estudo homem. Ao longo de duas décadas. geografia. esse fator e o interesse em conhecer a história de outras culturas distanciadas da Europa fizeram convergir os esforços dos pesquisadores.as descobertas. empreenderam o estudo das sociedades humanas. e averiguar Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 16 .FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia 2. e em que os conhecimentos da cultura européia sobre outros povos começavam a ser sistematizados e submetidos a revisões metódicas. o desejo de encontrar o lugar que o homem ocupa dentro da classificação animal. até que se aglutinassem numa só ciência . geologia. os procedimentos. ANTROPOLOGIA FÍSICA Como se viu. passavam a constituir verdadeiros museus. antes meras curiosidades de particulares. com o debate sobre a origem do homem. O aparecimento do darwinismo.zoologia. suscitou o início do estudo comparativo das diversas línguas. Evolução Histórica A antropologia começou a desenvolver-se especificamente como ciência na segunda metade do século XIX. a antropologia física se desenvolveu em torno de dois objetivos principais: de um lado. lingüística e outras ciências -. dos Estados Unidos e de Paris. num momento histórico em que as coleções etnológicas. os métodos e os achados de muitas outras que. 3. sob ângulos diversos. na segunda metade do século XIX ficou bem clara uma primeira diferenciação dos estudos antropológicos entre os que se referiam ao homem como ser social e os que o tomavam como objeto de estudo do ponto de vista de suas características biológica.

de acordo com as diferenças biológicas que os homens apresentam entre si. C. a qual é vista como um instrumento da outra.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia sua história natural. assim como o filho do casal. e rapidamente a ciência da genética ganhou enorme vigor. Por outro lado. essa disciplina adquiriu tal importância nos países da Europa continental. O primeiro desses objetivos se traduziu na tentativa por parte dos pesquisadores. na segunda metade do século XIX. realizaram-se classificações raciais bastante complexas. cor da pele etc. Por volta de 1900. tais pesquisas não costumam ser consideradas propriamente antropológicas e são classificadas como uma forma de paleontologia. publicados 35 anos antes. seguida de muito perto pelas outras relativas às características bioquímicas do corpo humano. Curiosamente. já que se guiavam basicamente pelo critério de dar importância maior aos traços mais visíveis do corpo humano formato do rosto. primeiro na África oriental. pôs a descoberto a superficialidade das classificações raciais baseadas nas características morfológicas externas. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 17 . de reconstruir a linha evolutiva que teria vindo dos primatas até o homem. De qualquer modo.que não são necessariamente os traços diferenciadores mais importantes. . com o nome de “busca do elo perdido”. Importantes descobertas de “homens macacos”. mais que logo demonstrariam sua insuficiência. Richard) e o americano D. desencavaram-se os velhos trabalhos de Mendel sobre a hereditariedade. De outro. Foi essa tarefa que se popularizou. No século XX. a matéria adquiriu um caráter mais científico e se vinculou estreitamente com a paleontologia ou estudo dos fósseis. permitiram um conhecimento mais precioso da evolução dos hominídeos. a intenção de oferecer uma definição inequívoca das diversas categorias em que se pode dividir o conjunto do gênero humano. Destacaram-se nesse nesses trabalhos antropólogos como os da família queniana Leaky (Louis Seymour Blazett e Mary. a descoberta dos grupos sangüíneos. Johanson.

etnográfico: Designa aquele conjunto de estilos. Tudo depende do ponto de vista cultural de cada um.1. formando um sistema de comportamentos humanos. O conceito de certo e errado para um “civilizado” é diferente para um nativo. existe uma cultura modelo? A resposta é que não há cultura melhor que a outra. sociológico. um conjunto de hábitos corporais ou mentais que servem direta ou indiretamente para a satisfação de necessidades humanas. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 18 . daquilo que nos rodeia e que nos é comum. que exerce no meio e/ou em os mesmos visando uma transformação de forma a melhorar sua condição de vida. Não podemos dizer que um “civilizado” é melhor que um índio nativo. CULTURA 4. por outro lado. utensílios e instrumentos. É muito comum acharmos que nossa cultura é melhor que uma outra. Os valores e os padrões podem ser diferentes e não serem errados. baseando apenas no nosso conceito. a cultura e empregada em dois sentidos principais: a) Sentido absoluto. um acervo de objetos. antropológico. Muitos podem perguntar: Qual é a melhor cultura? Ou. A cultura se transmite de uma a outra geração. Como podemos ver. que significa atitude de veneração e respeito à coisa alguma ou alguém. filosófico e pedagógico: Diferencia de civilização. Conceito Proveniente de “culto”. Cultura e o conjunto de conhecimentos de alguém.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia 4. instrução. de uma época ou de um país. de valores materiais juntamente com os morais que caracterizam um povo ou sociedade. b) Sentido relativo. a cultura é o conjunto de atitudes e modos de agir característicos do homem. de métodos. Mas não é só isso. Compreende por um lado. E. designa a vida intelectual de pensamento crítico e reflexivo de um indivíduo. piores ou melhores.

no entanto. já que qualquer indivíduo normalmente socializado participa dos Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 19 . por exemplo. pelo fato de elas se basearem em padrões artificiais. grande soma de conhecimentos. usa-se denominar. Todos os homens possuem culturas. a ciência e a filosofia. vivendo em sociedade. pois o que caracteriza a sociedade humana é precisamente a cultura. artes. o sentido sociológico dessa palavra não se limita a essas acepções. se diz que “fulano tem cultura”. Na linguagem sociológica. Na linguagem cotidiana. no sentido de que. Ora significa erudição. Ao contrário do que se afirma na linguagem vulgar. possui cultura. Já. Isto sem falar no sentido agrícola original da expressão. a cultura não é exclusiva das pessoas letradas. quando. segundo a denominação do mesmo sociólogo. quando se diz que alguns indivíduos não tem cultura. moral. As formas de organização das relações sociais entre os homens. como a arte. crenças. essas sociedades de sistemas biossociais. mas de capacidades por ele desenvolvidas através do convívio social. como já deve ter ficado claro. a exemplo de Kingsley Davis. ora significa determinado tipo de realização humana. É. são classificadas como sistemas bio-sócio-culturais. participam de alguma cultura. Mas o que significa cultura para o cientista social? O sentido sociológico da palavra cultura não é o mesmo da linguagem do senso comum.” O que deve ser ressaltado nessa definição é a indicação de que a cultura compreende todas as elaborações resultantes das “capacidades adquiridas pelo homem como integrante da sociedade”. a palavra cultura é empregada com vários significados. pois a cultura. É clássica a definição de Edward B.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia Com os padrões de comportamento predominantes nas relações entre animais não-humanos são transmitidos pela herança biológica. cultura é tudo que resulta da criação humana. Só o homem. tão amplo que não exclui nenhum desses significados. Tylor: “Um todo complexo que abarca conhecimentos. leis. costumes e outras capacidades adquiridas pelo homem como integrante da sociedade. tanto compreende idéias quanto artefatos. não decorre da herança biológica do homem. portanto. A cultura. não derivados das características orgânicas específicas da nossa espécie.

Quando o homem faz um instrumento de caça. e não apenas as que possuem escrita. é comum o emprego. Cada povo. têm uma cultura. das crenças e de algum tipo de conhecimento da sua sociedade. normas. Funções da Cultura Nascendo do trabalho humano para responder aos desafios da natureza. é impelido pela necessidade de alimentar. a cultura é. mas também com as formas estabelecidas como corretas na cultura da sua sociedade para satisfazê-las. 4. É próprio da condição social do homem que ele não apenas se preocupe com a satisfação das suas necessidades. A cultura. Por isto.2. técnicas de transformação da natureza. satisfazê-las. pois toda cultura é inevitavelmente necessidades humanas. tipicamente humano que a satisfação das necessidades seja culturalmente regulamentada. Todas as sociedades. da expressão enculturação como sinônimo de socialização. Tanto a mais simples e isolada sociedade tribal quanto a mais complexa sociedade urbano-industrial possuem cultura. a cultura tem como função evidente satisfazer necessidades humanas. além dos meios de satisfação correto de de necessidades. idéias isto é: a respeito É do um modo fato convencionalmente normas.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia costumes. Ela é também a parte do ambiente resultante da transformação da natureza pelo homem. valores. Mas esta não é a única função da cultura. já que esta implica necessariamente a interiorização da cultura pelo indivíduo. crenças de todo o tipo. por excelência. o domínio do artificial e do convencional. é pois o modo de vida de cada povo. cada sociedade tem modo próprio de convívio que ele desenvolveu para a adaptação às circunstâncias ambientais. quando confecciona um casaco com peles de animais. é levado pela necessidade de se proteger do frio. Ela é o fundamento da sociedade e o que distingue o homem dos animais irracionais. compreendendo conhecimentos. principalmente entre antropólogos. Por esta razão. Toda cultura compreende. Na medida em que a Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 20 .

em outras não são sequer incluídos no cardápio do homem. já que mesmo a observância de normas se torna uma necessidade. ainda aí o indivíduo está simultaneamente obedecendo normas e satisfazendo necessidades psíquicas originadas na cultura. como já vimos. quando ao vestuário. ao mesmo tempo. é onívoro. mesmo sendo disponíveis no ambiente natural. Além dessas funções. como sabemos. ela estabelece limites a essa satisfação. Mesmo estas.. não só as possibilidades de combinação. mas também as horas do dia em que determinados alimentos podem ser ingeridos. uma função claramente simbólica. a sua alimentação. além de possibilitar a satisfação das necessidades humanas e de limitar normativamente essa satisfação. são moldadas pela cultura e por ele assimilado através da socialização. a alimentação humana é feita dentro de ritmos culturalmente estabelecidos. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 21 . sendo culturalmente regulada.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia cultura compreende uma regulamentação de satisfação de necessidades. E assim ocorre com a satisfação de todas as necessidades humanas. uma função moral. tem ainda. quando estas são suficientemente assimiladas pelos indivíduos. a cultura também cria necessidades para o homem. O homem. Tem. satisfazer uma necessidade estética cultural. Observe-se. E isto é artificial. Como qualquer pessoa pode facilmente constatar. Toda cultura não só estabelece que alimentos podem ou não ser comidos. associado que está às noções de decoro. no entanto. por exemplo. igualmente. é seletiva. Mas. a alimentação humana. por exemplo. Mesmo quando prevalecem as considerações morais na escolha e no uso do vestuário. o vestuário não tem como principal função proteger o indivíduo dos rigores do clima. significa obedecer às normas referentes a essa área da vida social e. A alimentação humana é um exemplo do quanto a cultura molda as inclinações animais mais elementares do homem através da regulamentação da satisfação de necessidades. o vestuário. Estar na moda. Além do mais. Veja-se. Alimentos tidos como nutritivos e agradáveis ao paladar em uma cultura. As necessidades humanas não se restringem às estritamente decorrentes dos imperativos de sua condição animal.

sentimentos atitudes semelhantes. estamos. ao contrário do uso que se faz da palavra na linguagem do senso comum. tende a possuir um grau muito alto de homogeneidade e de integração. compartilham de formas análogas de perceber e interpretar as situações da existência. Por esta razão. O uso do paletó e da gravata e de tecidos e cores incompatíveis com o Bem-estar humano em regiões de clima tropical são um exemplo do caráter arbitrário da cultura de como ela nem sempre representa a forma mais adequada de adaptação do homem às condições ambientais. proporcionando ao homem meios de satisfazer as suas necessidades. nessas sociedades. como as predominantemente organizadas com base na industrialização e na urbanização. Na linguagem sociológica. Cultura e Sub-cultura A cultura das sociedades simples.3. As culturas de tais sociedades são altamente heterogêneas. 4. Isto não acontece nas sociedades complexas. Quando afirmamos que a cultura das sociedades simples tem um alto grau de homogeneidade.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia É oportuno notar que. dizendo que a grande maioria dos seus padrões são compartilhados por todos os seus participantes. Todos os indivíduos. para compreender as culturas das sociedades complexas em toda a sua diversificação é necessário identificar as subculturas que as compõem. O ritmo de transformação dessas culturas. tende a ser lento. como notadamente as sociedades tribais. subcultura Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 22 . a participação cultural dos indivíduos é fragmentada e diversificada. como a sociedade em que vivemos. em geral. básicos. de outro modo. quando comparado com o ritmo da mudança nas sociedades complexas. a cultura nem sempre é inteiramente harmonizada com as condições orgânicas da nossa espécie. como já foi observado. implica alguma forma de violação da condição natural do homem. observam e as mesmas normas fundamentais. Nelas. A cultura. Ao contrário. participam das mesmas crenças e dos mesmos possuem valores motivos.

Subcultura significa parte de uma cultura. Ao mesmo tempo. valores. as normas e os padrões de comportamento que ela implica são exclusivos dela. Nas sociedades complexas. uma subcultura participa do modo de vida comum da cultura total. ou seja. os valores. não são contudo. normas e padrões de comportamento. subculturas regionais. O que distingue uma subcultura é o fato de que as crenças.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia não significa cultura inferior. Esse tipo de subcultura. As subculturas sendo diferentes do todo. por exemplo. As pessoas participam de subculturas. Do mesmo modo que uma subcultura não é um conjunto de pessoas. sendo parte de uma cultura total. distinta desta última pela posse de crenças. porém é cada vez menos freqüente nas sociedades onde as comunicações de massa tenham um papel relevante. compartilhados por uma parte da população total de uma sociedade. assim definir subcultura como parte de uma cultura. mas não são as subculturas. também não é necessariamente uma região. o que equivale a dizer de todas as outras subculturas. Existem. Será que ainda é possível a identificação no Brasil de subculturas regionais? Uma subcultura sulista típica. as pessoas tendem a participar simultaneamente de várias subculturas. ou mesmo gaúcha? Uma subcultura da Região Norte? Uma subcultura nordestina? Uma subcultura de Copacabana-Ipanema-Leblon? Será que existe uma subcultura urbano-industrial paulista? Embora seja tentador tipificar o comportamento do brasileiro com base nessas sugestões de localização geográfica. é verdade. independentes da cultura total. Uma subcultura é antes constituída de valores. modos de vida culturalmente característicos de determinadas populações localizadas em uma região comum. crenças. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 23 . normas e padrões de comportamento exclusivos. mas dependente do todo através da participação de elementos culturais comuns ao todo. ou seja de um modo de vida próprio. Uma subcultura não é também um simples conjunto de pessoas. Podemos. é pelo menos aconselhável não negligenciar o risco de simplificação exagerada que a identificação de subculturas regionais pode ter no Brasil de hoje.

detendo a possibilidade de controle dos meios de papel na difusão de comunicação de massa. ter determinadas aspirações. religiosas etc. das crenças. não se deve subestimar o fato de que as classes dominantes. segundo Ralph Linton. isto é. por exemplo. os mesmos princípios éticos básicos. não significa apenas ter grau de escolaridade. mais viáveis são as subculturas não regionais. profissionais. O que torna possível a integração da cultura de uma sociedade complexa é a existência de elementos culturais comuns a todo. subculturas correspondentes. das atitudes. Ao conjunto de valores. De especial importância nas sociedades complexas são as subculturas de classe. independente da sua participação nas subculturas existentes: um idioma comum. significa também participar de certas crenças. possuir determinados valores morais e mesmo estéticos. desempenham um importante padrões culturais e. Estas constituem provavelmente o tipo mais evidente de subcultura nessas sociedades. Na sociedade de classe da atualidade. elementos compartilhados por todos os adultos socializados. conseqüentemente. ou como é mais usual.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia Numa sociedade complexa como a nossa. os chamados universais da cultura. dos sentimentos. Os indivíduos que participam de formas semelhantes de perceber e enfrentar situações sociais em decorrência de alguma profissão. Pertencer a uma determinada classe social. cultura dominante. da subcultura dos jovens de classe média alta urbana não estão necessariamente localizados em um mesmo espaço geográfico. pois as classes sociais tendem a possuir modos próprios de vida. como as subculturas etárias. no controle da cultura dominante. Os indivíduos que participam. Este Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 24 . perceber a existência de um certo modo. uma tradição histórica compartilhada e sentimentos de participação dessa tradição e da totalidade da cultura. não são confinados a um mesmo espaço geográfico. do mesmo modo. As pessoas que compartilham de um modo de vida característico em razão da sua filiação religiosa também não estão situadas em uma área geográfica comum. dos motivos. das normas e dos padrões de comportamento compartilhados por todos os adultos socializados em uma cultura podemos denominar de núcleo de integração cultural.

ou de outras formas de estratificação. pois não é possível a compreensão sociológica das relações de classe pondo de lado os componentes culturais de tais relações como. Enquanto a cultura de massa resulta da indústria cultural. A cultura popular. cerâmica etc. dança. por exemplo – a à arte em geral – música. de resto. do ver e de sentir o mundo. a cultura popular não se confirma a uma única subcultura. de qualquer fenômeno social. as cantigas de roda e de ninar. a cultura popular está presente em vária subculturas regionais espalhadas por todo o território nacional. mas isto não diminui a importância crucial da cultura na vida social. contudo. não perpassa todas as subculturas. uma cultura popular gaúcha como há uma cultura popular típica da Região Norte. A cultura popular é uma realidade bem mais vasta do que estes campos da vida social. É comum a associação da idéia de cultura popular apenas às manifestações lúdicas: escolas de samba. constitui um fenômeno de significativa relevância sociológica nas sociedades que conhecem esse tipo de desigualdade. bumba-meu-boi. A Cultura Popular Outra parte da cultura merecedora de atenção nas sociedades complexas é a chamada cultura popular. desse modo. a linguagem. como. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 25 . 4. por exemplo. não significa que a cultura seja uma pura conseqüência das chamadas relações de classe. É evidente que a existência de classes sociais. a cultura popular está ligada àquelas subculturas nas quais a permanência de padrões tradicionais é mais forte. mas ao contrário daquela. Há. Outro equívoco freqüente consiste em identificar a cultura popular com as anônimas do povo: as lendas. maracatu. No Brasil. de vez que a cultura perpassa tudo o que os seres humanos fazem em sociedade. incluindo as práticas médica. Do mesmo modo que a cultura de massa.4. mas a cultura popular não se restringe à diversão e às criações artísticas do povo.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia fato. acentuadamente. bem como uma cultura popular nordestina. os meios de conviver.

no entanto. principalmente no campo das artes. antes. a cultura popular é uma realidade viva e. que a cultura seja necessariamente substituída pelos padrões da cultura de massa. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 26 . Este processo se dá. de acordo com o modo próprio de agir. no ambiente urbano. nessas sociedades. e não como repetição pura e mecânica. o que também representa um equívoco. nas quais são muito fortes. Assim. pelo fato de que. as marcas da tradição rural. Se a cultura popular está presente nas sociedades mais industrializadas. através da reinterpretação do significado de tais padrões. apesar da influência da cultura de massa. ainda. freqüente identificar a cultura popular apenas com o que sobrevive do passado. pensar e sentir do povo. um significado especial nas sociedades do chamado Terceiro Mundo.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia porém. até mesmo. também. tanto compreende as invenções anônimas do povo como inclui muitas criações. sem que isto signifique. em contínua transformação. ainda. ela tem. como se pode ver nas grandes metrópoles brasileiras. É. a cultura popular está presente. a cultura popular compreende um grande número de subculturas das quais participa uma proporção significativa da população. da cultura de massa. Mas é inegável que a cultura popular pode incorporar padrões provenientes dos setores modernos da sociedade e. desenvolvidas e urbanizadas do mundo contemporâneo. portanto. dinâmica. como uma composição musical ou um folheto de literatura elaborado por um autor conhecido. Nesse sentido. tanto pertence à cultura popular um provérbio ou uma anedota de autor desconhecido. ela é feita e refeita a todo momento graças a criatividade do povo. de acordo com a classificação do antropólogo Robert Redfiel). Embora as expressões da cultura popular sejam mais visíveis nas comunidades rurais mais isoladas (chamadas de cultura de folk. de autores conhecidas. Como todo fenômeno social. Afirmar que a cultura popular está ligada a padrões tradicionais não significa que estes padrões não sejam continuamente alterados e reinterpretados pelo povo.

Na Espanha temos as touradas. O Folclore http://www. e que nos ensinam muito a respeito de determinado povo fazem parte do folclore. danças e brincadeiras: é o Halloween. no ano de 1846. A gata borralheira e O rei Sapo são algumas delas. ou nas rodas de amigos.net/ No dia 22 de agosto comemora-se O "Dia do Folclore". para explicar o que antes era chamado "antigüidades populares". porque foi nessa data que a palavra apareceu pela primeira vez. o Lobisomem (que também faz parte do folclore norte-americano. o Carnaval e as Quadrilhas. escreveram histórias que já faziam parte do folclore alemão. William John Thoms.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia 4. Os norte-americanos se divertem no dia 31 de Outubro. sugeriu o seu uso em um artigo publicado no periódico The Athenaeum. e lore = ato de ensinar. O Saci-Pererê garoto negro com gorro vermelho e cachimbo na boca. Mas o que é folclore na prática? São as histórias que ouvimos de nossas mães. assim como as festas do Bumba Meu Boi. raça. Todos os elementos que fazem parte da cultura popular.encontramos folk = povo. Chapeuzinho Vermelho. Em todas as partes do mundo. a Mula-Sem-Cabeça e o Bicho-Papão. ou seja. o folclore não é só isso.cjb. Portanto folclore significa "ensinamento do povo". Mas exatamente o que significa a palavra "folclore"? Analisando a sua origem os especialistas chamam isso de "etimologia". Os contos e histórias tradicionais que ouvimos desde bem pequenos fazem parte do folclore de muitos povos.5. Os Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 27 . Os irmãos Jakob e Wilhelm Grimm. comemorando o dia das Bruxas com cantorias. sobre o nosso povo e a nossa raça. nação. de uma perna só. por exemplo. a voz do povo. e de muitas outras culturas). Mas. um estudioso inglês.folclorebrasileiro. tradições das mais diversas passadas de pai para filho. por exemplo. que passa toda a sua existência fazendo travessuras -. nesse dia ela foi criada. faz parte do folclore brasileiro. ou seja. instrução. cada povo tem formas próprias de manifestar suas crenças e costumes: este é o folclore.

no artesanato. O carnaval. sua maneira de agir e de pensar. ou se espalhar por vários estados. No geral. nas danças regionais. conhecendo o nosso folclore. ou seja. Desta forma. não dá para falar de folclore sem mencionar um autor que dedicou sua vida a pesquisar as histórias.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia gêneros folclóricos são muitos e variados. nas cantigas. os costumes. principalmente italianos e alemães. as lendas e mitos do povo brasileiro. nos trava-línguas etc. aprendemos mais sobre o povo brasileiro. as crenças. manifestando-se na música. nas festas e folguedos populares. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 28 . Figueiredo Pimentel e muitos outros contribuíram para o desenvolvimento dos estudos sobre o folclore brasileiro. Posteriormente. aprendemos mais sobre nós mesmos. as superstições. A dos colonizadores portugueses. além de pratos típicos de quase toda a região como o pato no tucupi e o tacacá. as festas juninas e a capoeira são exemplos de manifestações que ocorrem por todo o país. suas origens. nos provérbios. Luís da Câmara Cascudo nasceu em Natal. suas crenças. Nina Rodrigues. A dos negros africanos trazidos para o país como escravos. O estudo do folclore brasileiro começou com Amadeu Amaral (1875-1929) que era poeta e pesquisador das coisas nacionais. Sílvio Romero. Mas. A dos imigrantes europeus. as tradições. sobrevivem importantes festas populares como o Círio de Nazaré e a dança popular chamada carimbó. O folclore brasileiro apresenta várias heranças culturais: A dos povos indígenas. nos brinquedos e brincadeiras. no Rio Grande do Norte em 1898. as manifestações folclóricas brasileiras podem ser classificadas de acordo com a divisão do país em grandes regiões: Região Norte: no estado do Pará. nas parlendas. na comida. As manifestações do folclore brasileiro podem se concentrar numa única cidade ou pequena região.

o teatro de mamulengos e a culinária baiana com seus acarajés. e a cerâmica nordestina cujo maior expoente foi Mestre Vitalino. Região Centro-oeste: se destaca com as cavalhadas e pelo bailado moçambique. o frevo. portugueses e imigrantes constitui-se no conjunto das tradições folclóricas brasileiras. o tambor de crioula e a dança dramática do quilombo típica do estado de Alagoas. o artesanato do vale do Jequitinhonha em Minas Gerais. o artesanato de rendas e bordados. Região Sul: a influência dos imigrantes europeus e da cultura gaúcha se faz presente nas tradições folclóricas através das danças. tudo enfim. Região Sudeste: predominam as congadas. Concluímos que. da nau catarineta e do fandango.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia Região Nordeste: o folclore nordestino é um dos mais ricos do país e inclui os folguedos do bumba-meu-boi. as duplas de música caipira etc. tendo por base a influência dos escravos. as festas para Iemanjá no final do ano em todo o litoral do Rio de Janeiro. moquecas. abarás e outros quitutes. as danças populares como a ciranda. o maracatu. que surgiu do povo e por ele é conservado e transmitido. do artesanato e da culinária. do pastoril. índios. carurus. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 29 . a literatura de cordel.

5. Sintetize. parágrafo por parágrafo. Antropologia Física e Cultura. Responda às perguntas porventura existentes no final do texto. Grife as palavras desconhecidas e procure o seu significado no dicionário. 2.Comente sobre as funções da cultura. mas de extrema importância para um bom aproveitamento de estudos. o que leu.Dê o conceito de: Antropologia.Qual a diferença entre cultura e subcultura? 4. 3. simples. ORIENTAÇÃO PARA ESTUDOS Visando auxiliar na sua compreensão e no seu crescimento intelectual. achamos necessário apresentar algumas dicas. Releia. Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 30 . 3. 1. 4. PERGUNTAS 1. 2.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia 5. Leia a primeira vez para conhecer o conteúdo.Comente sobre o folclore. lentamente. oralmente.

Sociologia da educação: reproduzir para transformar. Emile. A imaginação sociológica. Moema. 1965 MODERNO DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA. L. Cruzada de Literatura Evangélica do Brasil. 1998 HUBERMAN. 1975 AKOUN. Rio de Janeiro: Zahar. GOMES. o que é sociologia.M. Rio de Janeiro: Zahar. Círculo de Leitores.. P. Petrópolis: Vozes. S. W. Primeiros Passos. DURKHEIM. Sebastião introdução à sociologia. 1981 TOSCANO. 1983 BERGER. Eduardo Del. Friederich. Verbo. A educação na perspectiva sociológica. são Paulo:Brasiliense. 2002. Carlos B. Petrópolis: Vozes. ENGELS. Candido. 1985. 1982 MARX. 2002 MENDONÇA. 1988 (col. 1974 MARTINS. C. VIEIRA. André. 2001 ENCICLOPÉDIA FUNDAMENTAL VERBO. 2000.U. RIOS. Ltda – Lisboa/Rio de Janeiro. Lisboa: ed Presença. Introdução à sociologia educacional. Manifesto do partido comunista. vol 57) MARTINS. rio de Janeiro: Quartel. 1973 COSTA. 1999 TURA. São Paulo: Maritm Claret. São Paulo: Moderna. 1994 VILA NOVA. Dicionário de Antropologia.. (tradutor). As regras do método sociológico. Maria de Lourdes Rangel (org) Sociologia para educadores . Porto Alegre: L & M. David A. 5 ed. 1982.P. Ideologia e aparelhos ideológico de Estado. Editora Enciclopédia. 2 ed. São Paulo: E. Convergência. 1985 GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA. São Paulo: Atlas. Carl.P. Evaldo. A missão da igreja da atualidade. Sociologia: introdução a ciência da sociedade. KRUPPA. 2 ed.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia 6. BIBLIOGRAFIA ALTHUSSER. Conheça Marx (tradução Elisabeth Marie). 1966 MILLS. Editora Verbo. São Paulo: FTD. São Paulo: Cortes. São Paulo: Brasiliense. sociologia da educação. Cristina. Ed. Historia da riqueza do homem. 2000 Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 31 . São Paulo: Proposta editorial. 157 ed. O que e Sociologia. Louis. Perspectivas sociológicas. B.

sebantropologiacom.FACIBA – Faculdade de Ciências da Bahia WEBER. Max.br/ http://www.com.com/2008/02/fundamentossociolgicos.folclorebrasileiro. Conceitos básicos de sociologia.antropologia. 1987 Sites pesquisados: http://www.blogspot. São Paulo: Moraes.cjb.net/ http://www.html Programa de Proficiência em Filosofia Módulo – Fundamentos Sócio-Antropológicos 32 .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->