P. 1
ABNT NBR 6406-1980

ABNT NBR 6406-1980

|Views: 1.537|Likes:
Publicado porneistolberg

More info:

Published by: neistolberg on May 21, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/10/2013

pdf

text

original

Cópia não autorizada

DEZ 1980

NBR 6406

Calibradores - Características construtivas, tolerâncias
ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas
Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210 -3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço Telegráfico: NORMATÉCNICA

Procedimento Origem: ABNT NB-172/1971 CB-04 - Comitê Brasileiro de Máquinas e Equipamentos Mecânicos CE-04:005.06 - Comissão de Estudo de Tolerâncias e Ajustes NBR 6406 - Gauges - Structural characteristics, tolerances - Procedure Descriptor: Gauges Reimpressão da NB-172/1971 Palavra-chave: Calibrador 10 páginas

Copyright © 1980, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

SUMÁRIO
1 Objetivo 2 Terminologia 3 Temperatura de referência 4 Generalidades 5 Tolerâncias 6 Marcação dos calibradores de fabricação 7 Recebimento e rejeição de peças

4.1.1 Calibradores de fabricação para dimensões limites

São usados na verificação de peças.
4.1.2 Calibradores de referência e contracalibradores

São usados no controle e regulagem de calibradores.
4.1.3 Blocos padrões

1 Objetivo
1.1 Esta Norma fixa os princípios e características construtivas dos calibradores usados na verificação de peças fabricadas segundo a NBR 6158. Indica também as condições de recebimento de peças e dá regras e tabelas para o cálculo das tolerâncias de fabricação dos calibradores e contracalibradores. São usados para verificar outros tipos de calibradores e para aferir instrumentos de medição por leitura. 4.2 Verificação das dimensões limites de acordo com o princípio de W. Taylor
4.2.1 Princípio de Taylor: a dimensão limite “Passa” deve

2 Terminologia
2.1 Os termos usados nesta Norma baseiam-se na NBR 6173.

3 Temperatura de referência
3.1 A temperatura de referência é de 20oC, conforme determinada na NBR 6165.

ser verificada com um calibrador de comprimento igual ao comprimento de ajustagem da peça (calibrador “Passa”) e a dimensão limite “Não Passa” deve ser verificada com um calibrador que apalpa a superfície da peça em dois pontos diametralmente opostos e verifica uma posição de cada vez.
4.2.2 A aplicação estrita do princípio de Taylor nem sempre é conveniente ou necessária. Para calibradores “Passa” justificam-se exceções nos seguintes casos:

4 Generalidades
4.1 Tipos de calibradores Os calibradores fixos podem ser divididos nos três seguinte grupos, dependendo de sua função:

a) quando é conhecido ou permitido supor que, com o processo de fabricação utilizado, o erro de retilineidade do furo, ou do eixo não afeta a característica de ajuste das peças acopladas, é permitido o uso de calibradores de comprimento incompleto;

Cópia não autorizada

2

NBR 6406/1980

b) quando o furo circular é muito grande, é permitido usar um calibrador vareta com pontas esféricas, se for conhecido ou permitido supor que com o processo de fabricação utilizado o erro periférico circular do furo é tão pequeno que não afeta a característica de ajustagem das peças acopladas. c) quando na verificação de eixos o uso de calibrador anular cilíndrico é inconveniente e for conhecido ou permitido supor que com o processo de fabricação utilizado os erros da periferia (particularmente a triangulação) e da retilineidade do eixo são tão pequenos que não afetam a característica de ajustagem. Para calibradores “Não passa” há exceções nos seguintes casos:

a) os pontos de contacto estão sujeitos a um desgaste rápido e podem ser substituídos por pequenas superfícies planas, cilíndricas ou esféricas. b) no controle de furos muito pequenos podem ser utilizados tampões de forma completa. c) no controle de peças não rígidas que facilmente se deformam usam-se calibradores de forma cilíndrica completa. 4.3 Calibradores recomendados São recomendados os seguintes tipos de calibradores, de uso corrente no controle da fabricação de peças:

Tipos de calibradores recomendados D = diâmetro D < 10 lado “Passa” 10 ≤ D < 120 Calibrador tampão cilíndrico completo 120 ≤ D < 315 315 ≤ D D< lado “Não passa” 6 ≤ D < 315 315 ≤ D lado “Passa” Eixos lado “Não passa” D ≤ 315 Calibrador de boca D ≤ 315 6 Calibrador tampão esférico completo Calibrador tampão cilíndrico ou esférico secionados Calibrador vareta com pontas esféricas Calibrador tampão cilíndrico completo Calibrador tampão esférico secionado ou Calibrador chato cilíndrico com faces reduzidas Calibrador vareta com pontas esféricas Calibrador vareta com pontas esféricas Calibrador anular cilíndrico de forma completa Calibrador de boca Calibrador tampão cilíndrico completo Calibrador tampão esférico completo Unid. mm

Furos

4.4 Contracalibradores Na verificação de calibradores que se utilizam no controle da fabricação de eixos, são recomendados contracalibradores em forma de disco, secionados ou não. Não foram fixadas tolerâncias para contracalibradores anulares destinados à verificação de calibradores de fabricação, para furos. Recomenda-se a verificação de tais calibradores de fabricação da mesma forma que dos contracalibradores de disco por comparação com blocos padrões. 4.5 Desgaste dos calibradores É admitido desgaste somente no lado “Passa” dos calibradores, dentro dos limites estabelecidos nesta Norma.

5 Tolerâncias
5.1 Os campos de tolerâncias da peça, a tolerância de fabricação e o desgaste permissível do calibrador são mostrados na Figura 1. 5.2 Os valores numéricos para o cálculo das tolerâncias de fabricação constam das Tabelas 1 e 2, expressas em µm.

Cópia não autorizada

NBR 6406/1980

3

Tabela 1 - Calibradores para medidas externas (eixos) (Valores das tolerâncias da Figura 1 em µm)
Grupo de dimensões (mm) Símbolo para fórmula T H1/2 de até 1 3 Hp/2 y1 z1 T H1/2 acima 3 até 6 Hp/2 y1 z1 T H1/2 acima 6 até 10 Hp/2 y1 z1 T H1/2 acima 10 até 18 Hp/2 y1 z1 T H1/2 acima 18 até 30 Hp/2 y1 z1 Qualidade da peça conforme tolerância ISO 5 4 0,6 0,4 1 1 5 0,75 0,5 1 1 6 0,75 0,5 1 1 8 1 0,6 1,5 1,5 9 1,25 0,75 2 1,5 13 2 0,75 3 3 11 1,5 0,6 2 2,5 21 9 1,25 0,5 1,5 2 18 8 1,25 0,5 1,5 2 15 6 6 1 0,4 1,5 1,5 12 7 10 8 14 1,5 0,6 3 2 18 2 0,75 3 3 22 2 0,75 3 3 27 2,5 1 4 4 33 3 1,25 4 5 52 3 1,25 0 9 43 2,5 1 0 8 84 130 36 2 0,75 0 7 70 110 4 1 0 16 210 4,5 1,25 0 19 330 30 2 0,75 0 6 58 90 3 0,75 0 14 180 270 9 1,5 0 32 520 10,5 2 0 36 840 9 25 1,5 0,6 0 5 48 75 10 40 11 60 2 0,6 0 10 120 2,5 0,75 0 12 150 220 180 6 1,25 0 24 360 7,5 1,25 0 28 430 700 9 1,5 0 64 1300 10,5 2 0 72 580 12 100 13 140 5 1 0 20 300 480 6 1,25 0 48 900 7,5 1,25 0 56 1100 14 250 15 400 5 1 0 40 750 16 600

/continua

Cópia não autorizada

4

NBR 6406/1980

/continuação
Grupo de dimensões (mm) Símbolo para fórmula T H1/2 acima até 30 50 Hp/2 y1 z1 T H1/2 acima até 50 80 Hp/2 y1 z1 T H1/2 acima 80 até 120 Hp/2 y1 z1 T H1/2 acima 120 até 180 Hp/2 y1 z1 T H1/2 acima 180 até 250 Hp/2 y1 z1 α1 Qualidade da peça conforme tolerância ISO 5 11 1,25 0,75 2 2 13 1,5 1 2 2 15 2 1,25 3 2,5 18 2,5 1,75 3 3 20 3,5 2,25 3 4 1 2 5 7 3 29 5 2,25 6 25 4 1,75 4 6 46 22 3 1,25 4 5 40 19 2,5 1 3 4 35 6 16 2 0,75 3 3,5 30 7 25 8 39 3,5 1,25 5 6 46 4 1,5 5 7 54 5 2 6 8 63 6 2,5 6 9 72 7 3,5 7 12 4 21 4 115 7 3,5 0 24 7 40 10 100 6 2,5 0 18 185 290 10 3,5 0 45 15 80 25 87 5 2 0 15 160 250 9 2,5 0 32 460 720 23 5 0 100 45 170 70 74 4 1,5 0 13 140 220 9 62 3,5 1,25 0 11 120 190 10 100 11 160 12 250 5,5 1,25 0 22 300 6,5 1,5 0 25 350 7,5 2 0 28 400 630 20 4 0 60 1150 1850 23 5 0 210 110 540 460 15 2,5 0 48 870 17,5 3 0 54 1000 1600 1400 13 390 14 620 12,5 2 0 42 740 1200 15 1000 16 1600 12,5 2 0 80 1900 15 2,5 0 90 2200 17,5 3 0 100 2500 20 4 0 110 2900

/continua

Cópia não autorizada

NBR 6406/1980
/continuação
Grupo de dimensões (mm) Símbolo para fórmula T H1/2 acima 250 até 315 Hp/2 y1 z1 α1 T H1/2 acima 315 até 400 Hp/2 y1 z1 α1 T H1/2 acima 400 até 500 Hp/2 y1 z1 α1 Qualidade da peça conforme tolerância ISO 5 23 4 3 3 5 1,5 25 4,5 3,5 4 6 2,5 27 5 4 4 7 3 5 7 11 7 4 40 7,5 4 9 6 10 6 63 3 36 6,5 3,5 8 6 8 4 57 6 32 6 3 7 7 52 8 81 8 4 9 14 6 89 9 4,5 9 16 7 97 10 5 11 18 9 32 9 28 7 155 10 5 0 37 14 55 20 24 6 140 9 4,5 0 32 11 250 50 15 400 9 130 8 4 0 27 9 230 45 15 360 10 210 11 320 12 520 11,5 4 0 45 20 570 12,5 4,5 0 65 30 630 13,5 5 0 70 35 110 55 100 45 970 90 35 890 13 810 26 6 0 110 55 1400 28,5 6,5 0 125 70 1550 31,5 7,5 0 145 90 240 140 210 110 2500 190 90 2300 14 1300 15 2100 26 6 0 240 140 3600 28,5 6,5 0 280 180 4000 31,5 7,5 0 320 220 16 3200

5

Tabela 2 - Calibradores para medidas internas (furos) (Valores das tolerâncias da Figura 1 em µm)
Grupo de dimensões (mm) Símbolo para fórmula T de até 1 3 H/2 y z T de até 3 6 H/2 y z Qualidade da peça conforme tolerância ISO 6 6 0,6 1 1 8 0,75 1 1,5 1,5 2 1,5 1,5 12 1,25 3 3 7 10 1 3 2 18 30 1,25 0 6 8 14 9 25 1 0 5 48 75 2,5 0 12 10 40 11 60 2 0 10 120 180 6 0 24 12 100 13 140 5 0 20 300 480 6 0 48 14 250 15 400 5 0 40 750 16 600

/continua

Cópia não autorizada

6

NBR 6406/1980

/continuação
Grupo de dimensões (mm) Símbolo para fórmula T de até 6 10 H/2 Hs/2 y z T de até 10 18 H/2 Hs/2 y z T de até 18 30 H/2 Hs/2 y z T de até 30 50 H/2 Hs/2 y z T de até 50 80 H/2 Hs/2 y z T de 80 até 120 H/2 Hs/2 y z Qualidade da peça conforme tolerância ISO 6 9 0,75 0,75 1 1,5 11 1 1 1,5 2 13 1,25 1,25 1,5 2 1,6 1,25 1,25 2 2,5 19 1,5 1,5 2 2,5 22 2 2 3 3 4 5 3 4 35 3 2 6 8 3 3,5 30 2,5 1,5 5 7 54 87 3 2 0 15 3 3 25 2 1,25 5 6 46 74 2,5 1,5 0 13 140 220 7,5 5 0 28 2 2,5 21 2 1,25 4 4 39 62 2 1,25 0 11 120 190 6,5 4 0 25 350 540 1,5 2 18 1,5 1 4 4 33 52 2 1,25 0 9 100 160 5,5 3,5 0 22 300 460 15 9,5 0 48 870 17,5 11 0 54 1400 7 15 1,25 0,75 3 3 27 43 1,5 1 0 8 84 130 4,5 3 0 19 250 390 8 22 9 36 1,25 0,75 0 7 70 110 4 2,5 0 16 210 330 10 58 11 90 3 2 0 14 180 270 9 5,5 0 32 520 10,5 6,5 0 36 620 12,5 8 0 42 740 1200 1000 840 12 150 13 220 14 360 7,5 4,5 0 28 430 700 15 580 16 900 7,5 4,5 0 56 1100 9 5,5 0 64 1300 10,5 6,5 0 72 1600 12,5 8 0 80 1900 15 9,5 0 90 2200 17,5 11 0 100

/continua

Cópia não autorizada

NBR 6406/1980

7

/continuação
Grupo de dimensões (mm) Símbolo para fórmula T de 120 até 180 H/2 Hs/2 y z T de 180 até 250 H/2 Hs/2 y z α T de 250 até 315 H/2 Hs/2 y z α T de 315 até 400 H/2 Hs/2 y z α T de 400 até 500 H/2 Hs/2 y z α Qualidade da peça conforme tolerância ISO 6 25 2,5 2,5 3 4 29 3,5 3,5 4 5 2 32 4 4 5 6 3 36 4,5 4,5 6 7 4 40 5 5 7 8 5 9 11 7 8 10 6 63 7,5 5 11 18 9 32 9 7 8 4 57 6,5 4,5 9 16 7 97 28 7 155 7,5 5 0 37 14 55 20 6 7 3 52 6 4 9 14 6 89 24 6 140 6,5 4,5 0 32 11 250 50 15 400 4 6 46 5 3,5 7 12 4 81 21 4 130 6 4 0 27 9 230 45 15 360 7 40 4 2,5 6 9 72 115 5 3,5 0 24 7 210 40 10 320 8 63 9 100 4 2,5 0 18 185 290 10 7 0 45 15 520 11,5 8 0 50 20 570 12,5 9 0 65 30 630 13,5 10 0 70 35 110 55 100 45 970 90 35 890 810 26 16 0 110 55 1400 28,5 18 0 125 70 1550 31,5 20 0 145 90 240 140 210 110 2500 190 90 2300 10 160 11 250 9 6 0 32 460 720 23 14,5 0 80 25 1300 170 110 2100 26 16 0 240 140 3600 28,5 18 0 280 180 4000 31,5 20 0 320 220 12 400 13 630 20 12,5 0 60 1150 1850 23 14,5 0 210 110 3200 14 1000 15 1600 16 2500 20 12,5 0 110 2900

Cópia não autorizada

8

NBR 6406/1980

5.3 O cálculo das medidas do calibrador é feito pelas fórmulas seguintes: Medidas dos calibradores
Dimensão nominal até 180 mm Calibrador de fabricação Medida básica Tolerância de fabricação ± H/2 (p. esfera ± Hs/2) não fixado lado “passa” novo l+z ± H/2 l+z ± H/2 (p. esfera ± Hs/2) Contracalibrador acima de 180 mm Calibrador de fabricação Medida básica Tolerância de fabricação ± Hs/2 (p. tampão ± H/2) não fixado Contracalibrador

Medida básica

Tolerância de fabricação

Medida básica

Tolerância de fabricação

lado “não passa” Calibrador para medida interna

L

L-α

lado “passa” usado lado “passa” usado Calibrador para medida externa lado “passa” novo lado não “passa”

l-y

l-y+α

L+y1

L+y1

± Hp/2

L+y1-α1-

L+y1-α1-

± Hp/2

L-z1

± H1/2

L-z1

± Hp/2

L-z1

± H1/2

L-z1

± Hp/2

l

± H1/2

l

± Hp/2

L+α1

± H1/2

L+α1

± Hp/2

5.4 Calibradores para peças cujas tolerâncias não constam nas Tabelas 1 e 2 devem ser executados com os valores indicados na “T” imediatamente superior. 5.5 Exemplos de cálculos de tolerâncias:
+σ 5.5.1 Calibrador para medida externa (eixo) φ 270 - 0,05

Lado “passa” novo: l + z ± H/2 = 25,110 + 0,009 ± 0,002 = = 25,119 ± 0,002 mm. Lado “passa” gasto: l - y = 25,110 - 0 = 25,110 mm.

6 Marcação dos calibradores de fabricação
6.1 Cada calibrador de fabricação deve apresentar as seguintes marcações, gravadas de modo indelével: - a dimensão nominal da peça, expressa em milímetros (sem acrescentar “milímetros” ou “mm”); - o símbolo da tolerância. No lado “não passa”:

Limites da peça: L = 270,00 mm l = 270,000 - 0,05 + 269,950 mm Lado “passa” gasto: L + y1 - α1 = 270,000 + 0,007 - 0,004 = = 270,003 mm. Lado “passa” novo: L - z1 ± H1/2 = 270,000 - 0,008 ± 0,006 = = 269,992 ± 0,006 mm. Lado “não passa”: l + α1 ± H1/2 = 269,950 + 0,004 ± 0,006 = = 269,954 ± 0,006 mm.
5.5.2 Calibrador para medida interna (furo) φ 25 C9.

- o afastamento, expresso em µm (sem acrescentar “mícron” ou “µm”); - uma marca visível, de cor vermelha. No lado “passa”: - o afastamento, expresso em µm (sem acrescentar “mícron” ou “µm”).

Limites da peça: L = 25,00 + 0,162 = 25,162 mm l = = 25,00 + 0,110 = 25,110 mm (conforme Tabela XVI da NBR 6158). Lado “não passa” do calibrador de fabricação: L ± H/2 = = 25,162 ± 0,002 mm.

Cópia não autorizada

NBR 6406/1980

9

6.2 Nos calibradores de boca, cuja carga de medição é diferente do seu peso próprio, devem ser indicados, expressos em gramas, os valores do peso próprio e da carga de medição (sem acrescentar “gramas” ou “g”). Nestes calibradores, quando destinados a dimensão superior a 100 mm, também devem ser indicadas as zonas de aplicação das forças necessárias à redução do efeito do peso próprio do calibrador. Em todos os calibradores deve ser previsto espaço adequado para a posição eventual de indicações complementares, tais como a do nome ou da marca do fabricante, marca do proprietário, etc.

do permissível, pode ser introduzido no furo, e nos quais o lado “não passa” de um calibrador, cuja dimensão corresponde à medida máxima permitida pela sua tolerância de fabricação, não pode ser introduzido no furo, devem ser aceitos. b) para eixos: todos os eixos, sobre os quais passa o lado “passa” de um calibrador tal, que por sua vez não passe sobre um contracalibrador de desgaste, tendo este a medida máxima permitida pela sua tolerância de fabricação e sobre os quais não passar o lado “não passa” de um calibrador tal, que por sua vez passe sobre um contracalibrador “não passa”, tendo este a medida mínima permitida pela sua tolerância de fabricação devem ser aceitos. Quando a verificação das dimensões for feita por instrumentos de leitura, devem ser aceitos todos os eixos e furos que, se fossem empregados calibrados, seriam aceitos nas condições acima estabelecidas. 7.2 Relativamente à ovalização e conicidade de peças cilíndricas, de seção transversal teoricamente circular, salvo prescrição especial, a peça deve ser aceita se cada seção transversal puder ser inscrita no espaço delimitado pelos círculos concêntricos de diâmetros d e D, que correspondem às dimensões do calibrador respectivo. Relativamente à excentricidade da peça, deverá ser feita, quando for o caso, convenção especial.

7 Recebimento e rejeição de peças
7.1 Não foram normalizados os calibradores ditos de recebimento. As peças podem ser recebidas com calibradores, cujas dimensões correspondem às medidas limites estabelecidas para calibradores de fabricação (incluindo o desgaste permissível). Podem ser utilizados para recebimento, com vantagem, calibradores de fabricação usados, nos quais a dimensão do lado “passa” esteja próxima do limite permissível de desgaste. Todas as peças, cujas medidas estão dentro dos limites estabelecidos por estes calibradores, devem ser aceitas quanto ao aspecto metrológico. Isso significa: a) para furos: todos os furos, nos quais o lado “passa” de um calibrador, cujo desgaste ainda estiver dentro

Cópia não autorizada

10

NBR 6406/1980

H Tolerância de fabricação dos calibradores para medida interna (exceto calibradores esféricos). Hs Tolerância de fabricação para calibradores esféricos. H1 Tolerância de fabricação dos calibradores para medida externa. Hp Tolerância de fabricação dos contracalibradores. T Tolerância da peça. α Margem de segurança nos calibradores de furo. α1 Margem de segurança nos calibradores de eixo. y Desgaste permitido para calibradores de furo.

y1 Desgaste permitido para calibradores de eixo. z Acréscimo permitido para calibradores novos de furo.

z1 Decréscimo permitido para calibradores novos de eixo.

Figura 1 - Representação gráfica da posição dos campos de tolerância

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->