P. 1
Milton Hourcade - Ovnis a Agenda Secreta

Milton Hourcade - Ovnis a Agenda Secreta

|Views: 261|Likes:
Publicado porJossi Borges

More info:

Published by: Jossi Borges on May 23, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/01/2015

pdf

text

original

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

OVNIS: A agenda Secreta

Milton W. Hourcade
Tradução, pesquisa, revisão,formatação e disponibilização: Jossi BSlavic RTS Romance com Tema Sobrenatural (Orkut)

1

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

OVNIS: A Agenda Secreta Copirraite © 2000 by Milton W. Hourcade, Annandale, VAI 22003, USA Sumário PREFÁCIO E RECONHECIMENTOS Capítulo I -O despertar: Argentina dos ' 70 1 Capítulo II - Definições básicas Capítulo III - Situação em torno do tema Minha experiência no C.I.O.V.I. Capítulo IV - Relendo os "clássicos" (primeira parte): Keyhoe Capítulo V - Relendo os "clássicos" (segunda parte): Ruppelt O projeto Twinkle ----Luz sobre área altamente secreta do Exército ----Ovnis sobre o White Sands F-94s preparados para fotografar OVNIS ----"Deve ser interessante"...----O plano professor para a detecção de Ovnis Capítulo VI - O "Projeto Blue Book" ao nu A grande cobertura Capítulo VII- Um caso paradigmático Capítulo VIII -Importantes detalhes de casos chave O caso Arnold - 1947 ----Kyushu, Japão. 1948 ----McMinville, Oregon - 1950 ----Apóie Otis da Força Aérea – 1950----Ilha da Trindade - 1958 ----Boianai, Papúa – 1959 ----"EC-III" no Texas - 1966 Capítulo IX -Documentos reveladores A carta do Tte. General Twining ----A análise do Dr. Lipp ----As recomendações do Projeto Grudge ----O memorando interno da C.I.A. ----O caso do X-15 Capítulo X - Informe e casos surpreendentes Não falavam francês ----Aparelho em reparação ----"por que diabos fizeram isso?" ----O "pequeno avioncito" do Monte dos Padres ----Aterrissagem e reparação em New Berlin ----O caso Bruno Fracchini Capítulo XI - O papel da CIA: um documento histórico Capítulo XII - Roswell: exemplo cabal da tarefa de desinformación “Roswell": o que é isso? ----Estados Unidos em 1947: o ambiente----O artigo do "Roswell Daily Record"----A "Declaração do Roswell" e várias precisões ----Data imprecisa. O que 2

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

faz MAC Brazel? ----O material encontrado: falam os protagonistas ----A missão do Steve MacKenzie Roswell: caso fechado? ----Encontrado-o em outro lugar de novo o México 1947 Capítulo XIII-Abduções: um novo enfoque Contribuição da Dra. Susan Blackmore ----O livro do Dr. John Mack 1) Abduzido-los ---- 2) Idéias sugestivas ---- 3) Os problemas do Dr. Mack com a civilização e a ciência ocidentais ---- 4) Os critérios do Dr. Mack ---- 5) Contaminação ---- 6) Miscelânea O fenômeno ante nós----Implante e hologramas sônicos ----Testemunhos diretos Capítulo XIV - Os segredos da tecnologia "Stealth" O que significa "stealth"?----Aparelhos aéreos que usam algo da tecnologia Stealth Os puros “Stealth” LOCKHEED/AIR FORCE F-117A. 256 NORTHROP/BOEING B-2 - ADVANCED Technology BOMBER (ATB) Bombardeiro de Tecnologia Avançada. 258 LOCKHEED/AIR FORCE AURORA HYPERSONIC STEALTH RECONNAISSANCE AIRCRAFT (Avião hipersónico Stealth d e reconhecimento) AURORA. Mimetismo óptico: os “Stealth” diurnos ----O financiamento do ultra -secreto Capítulo XV – OVNISs, UCAVs e globos super-pressurizados: as novas coisas estranhas no céu O extraordinário "Dark Star" ----Incríveis artefatos para o Século 21, incluído um "Pires Volante" ----Atenção aos experimentos da Argentina e Brasil ----DARO e os TIERS I, II, II Plus e III----"Tacit Blue":----banco de provas do "Stealth" ----"Cypher": o pires espião Mais países têm UAVs ----UCAVs: a guerra aérea do futuro ----…E Globos Orbitais ----Os globos “fantasma” Capítulo XVI -Mais costure estranhas nos céus e aparelhos incríveis. Neve do Espaço ----Sprites and jatos (duendes e jorros) ----Naves impulsionadas por plasma, laser e antimateria ----Um "Tigre" no céu ----"Cabaças" sub -orbitais ----X-40A Veículo Espacial de Manobras Capítulo XVII - Microvolantes e nanotecnología: o que está e o que virá A nanotecnología Capítulo XVIII - A trastienda da investigação. O mistério de "Pentacle" Capítulo XIX - Atuais tendências da Ovnilogía nos Estados Unidos 1) A nível da imprensa e os meios de comunicação: ----2) No cinema ----3) As organizaciones1----4) As idéias em voga ----(a) As abduções ---- (b) As conspirações ----A iniciativa do Dr. Peter Sturrock 2) Capítulo XX - A idéia "OVNI" como Meme EPÍLOGO Ou -Uma penúltima palavra RECONHECIMENTOS

PREFÁCIO 3

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

Ninguém, em nenhuma parte do mundo, pode discutir que a idéia "OVNI" surgiu e dominou boa parte do Século XX. Não há região em que essa sigla não tenha sido traduzida ao idioma vernáculo, nem dicionário ou enciclopédia que se aprecie de ser tal, que não a encontre entre seus vocábulos. Em torno dessa idéia se deram historicamente e em forma sucessiva uma série de atividades, oficiais e privadas. A idéia também provocou adesões ou aversões emocionais, e escassos enfoques racionais. Da idéia original, aconteceu com ter um indubitável fenômeno sócio-cultural. Chegados ao fim do século e do milênio, é bom momento para fazer um alto no caminho, e refletir o que significou essa idéia, onde e como surgiu, com que propósito, de que forma foi aproveitada, por quanto tempo e por quem, e finalmente, --como em um grande resumo-- o que fica de tudo isso. Neste livro, pretendi resumir 40 anos de experiência como investigador de campo, estudioso e analista das denúncias de OVNI, e do tema em se, globalmente considerado. chegou a hora de pôr o assunto ao descoberto. Não mais segredos. Não mais ocultações, não mais disfarces. Importa só a busca da verdade. Espero que quem leia estas páginas me acompanhem no processo. Capítulo I -O despertar: Argentina dos ' 70 Alguém me perguntou: como e quando começou tudo? Em 29 de abril de 1958, junto de alguns amigos e a gente que conheci pela primeira vez, e que ao longo dos anos sucedeu no grupo de maior e melhor amizade, fundei em Montevidéu, Uruguai, o Centro de Investigação de Objetos Voadores Não-Identificados, mais conhecido por sua sigla C.I.O.V.I. Nunca vivi fora de meu país, exceto os dois anos em que mudei para Buenos Aires, Argentina (1974-1975), para me dedicar a tempo completo a culminar meus estudos de Teologia e obter meu título. Foi nesse tempo, quando minha mente estava exigida e treinada intelectualmente ao máximo; quando o rigor das classes e os temas a preparar, mais a ginástica cerebral que vinha fazendo intensivamente desde dois anos prévios, colocaram-me em situação soberba para desenvolver a toda potência minhas capacidades analíticas, e para olhar desde certa distância, e com uma perspectiva distinta, aquele panorama do tema OVNI que a partir de 1958 tinha absorvido boa parte de minha vida. Sim, foi aí em Buenos Aires, em meio de horas de quietude, onde o silêncio contribuía a refletir, onde tudo começou. Onde surgiu a dúvida lógica, a suspeita que procurava confirmações históricas, a releitura de velhos textos, o encontro com detalhes que previamente tinham acontecido desapercebidos, embora tinham estado sempre aí, à disposição, e ante meus olhos. Também foi esse o momento para as associações de diferentes dados, para a síntese frutífera de variada informação que se ia integrando como um tudo coerente, e que contribuía a ver com mais claridade um panorama diferente. Foi esse o tempo da leitura dos livros do Andreas Faber Kaiser, "Informe do Avistamentos" e "Documentação e Memorandos" nos que recolheu boa parte do material saído a luz nos Estados Unidos mercê à Lei de Liberdade de Informação. Foi também então, o tempo de reler ao Donald Keyhoe, e seus "Pires voadores de Outros 4

V. Uruguai. com grandes pôsteres que proibiam passar. O artigo dizia que o Governo do Eduardo Frei Montalvo. Também foi por então quando surgiu a mais elaborado fraude no histórico da "casuística OVNI" Argentina. Banchs me emprestou. Ruppelt. dois grandes amigos. Que estranha atividade era essa? Só pude refletir que talvez não fosse por acaso que nessas zonas. e que ali tinham lugar atividades muito estranhas. Mas de noite. Em meio disso.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Mundos" (essa espécie de "Bíblia" dos Ovnílogos rioplatenses. ampliado. em dezembro de 1978 (171 páginas). A formação de plasma iônico em torno de cabos de alta tensão. Aparentemente. do CEFAI. em uma lapidária publicação. (talvez. o mais destacado líder militar do Projeto Libero Azul. Foi também o tempo criativo. chamava-se "Intercettate MA non sparare". Luzes. Devo fazer uma especial menção à cooperação que nessa elaboração do livro. proporcionaram-me desde o Montevidéu. Província de Buenos Aires). maquinaria.I. Foi deste modo quando me encontrei com um artigo muito interessante em uma revista argentina na qual se falava de uma zona desértica ao norte do Chile. Banchs. para instalações se localizadas quem sabe quantos metros clandestinamente. e de ler novamente "The Report on Unidentified Flying Objects" do Capitão Edward J. provocando um considerável blecaute. O livro que o Dr. na localidade do Tandil. sem dúvida alguma. Alguém chego a dizer em um programa radial que isso era um "caso OVNI" e que ao transeunte "quase o raptam". não se via gente alguma. no Cinqüentenário do jornal "O País" do Montevideo. com quem nesse momento colaborei em aspectos de estudo do caso. os habitantes estavam acostumados a ver "Ovnis". em que compilei material e escrevi meu primeiro livro sobre o tema. sentiu efeitos do campo eletromagnético sobre seu corpo e seus cabelos se elevaram. ruídos de motores. intercambiadores de ar. estavam cavando dentro das montanhas. que décadas depois. De dia. encarregou-se de aniquilar o "caso Bordeu". Roberto Enrique Banchs.titulou-lhe pomposamente "O caso Bordeu". o mesmo que forçou a versão de um quase-rapto no "caso OVNI" de La Tandilera-. Hermann Jegerlehner (prematuramente falecido em 1989) e Germán Vázquez.O. que titulei "Fenomenal OVNI: Desafio à Ciência" e que me publicasse Edições de La Plaza. emergiam uns estranhos domos ou cúpulas. escrito em italiano. totalmente rodeada por uma alta cerca de arame de pua e eletrificado. e com muitas ilustrações devi encontrar nos Estados Unidos. ambos os COfundadores do C. o Dr. 5 . a atividade era febril. que investigasse e resolvesse muito bem meu amigo e colega investigador argentino. indicando as graves incoerências internas que o mesmo tinha. e em outros casos. Um "caso" cujo promotor --não por acaso. do Renato Vesco.I. Foi também o tempo do caso chamado "da LaTandilera" (ocorrido no Tandil. Devo também ao amigo Banchs a leitura de um livro muito original. uma pessoa que nesse momento ficou sob os cabos. próximas às montanhas. na década dos 50 e 60). terminou fazendo descarga na planta geradora de energia elétrica. abriam-se comportas em montanhas e daí surgiam indivíduos e veículos. E novamente meu amigo o Dr. e tão somente sobre a face do chão. Talvez os domos não fossem a não ser o amparo de sofisticadas equipes eletrônicas de detecção. mais popularmente conhecido como o caso do Dionisio LLanca) ao qual lhe saí ao passo em uma conferência que dava em Baía Branca. tinha cedido essas terras ao Exército dos Estados Unidos.

Só que após. um relatório de mais de mil páginas. Por então. ). deixei deslizar o que para meu já tinha a força de uma convicção. e cada vez me parecia ver mais claro um fio condutor que me levava a uma verdade e a uma tessitura diferente da que até então tinha tido respeito ao tema OVNI. seu valor final era de cinqüenta por cento. e debaixo este texto: "você o denunciaria como "OVNI". onde um blecaute dos que então aconteciam com grande freqüência. Mas. Também.I. referia a outro acontecimento. com o relato de um possível Encontro Próximo do Terceiro Tipo. Edward Ou. e publicamente liderado pelo Físico Dr. a febre dos "rastros" se estendeu a outros Departamentos e localidades rurais. no mesmo capítulo IX do livro.I. seus enfoques. O livro "Fenomenal OVNI: Desafio à Ciência" ainda não tinha talhado o "cordão umbilical" que nos condicionava e atava à a Ufolofia americana. um projeto britânico dado a conhecer em 1975. contratado pela Força Aérea dos Estados Unidos. "rastros" e portanto presuntos "aterrissagens" em uma famosa denúncia de OVNI. também nesse livro. para que maturasse em suas próprias mentes." E se por acaso isso fora pouco. na esperança de que lhes levasse a conclusões semelhantes às minhas. determinaram que "OVNIS provocam blecaute no Artigas". chamado "Skyship". demonstráveis e irrefutáveis. coincidiu com uns meninos que ficaram a jogar com focos iluminando um céu coberto por nuvens baixas. Outra parte de meu livro. ou melhor ainda. ao longo destas duas décadas. Eu já tinha ido lhe dando voltas e voltas à idéia. mas se trata do "Skyship". na página 119 coloquei de ex-professo a espetacular imagem de um "mais leve que o ar" britânico. que li paciente e atentamente. Por isso. se alguém se animava a atirar dela. Era a ponta da meada. boa parte do livro a dediquei a capinar o "Scientific Report on Unidentified Flying Objects". explicando os mesmos.) e pelo desenvolvimento de cogumelos. 6 . Condon. e outra vez. fui encontrando muitos mais elementos. Com duas condições fundamentais: o caso foi comunicado vários meses depois de ocorrido (era algo para ter investigado dentro das 24 horas seguintes). surta no Departamento de Tacuarembó (a divisão política de meu país é em Departamentos) que tinha sido provocada pelo passo de um carro-motor do ente ferroviário estatal (A. foi minha vinda aos Estados Unidos. válidas. frente a Ponta do Este. seus debates.E. mas senti que devia transmitir a outros como uma hipótese de trabalho. como uma suspeita.O. no mesmo livro. por exemplo. muito sutilmente. no próprio Tacuarembó e nos Departamentos da Lavalleja e Rocha. e tinha uma única testemunha. este no Departamento do Artigas. e o que culminou por me fazer entender tudo muito claramente. e quais seriam suas aplicações práticas. muitíssimos mais. expor o caso de Ilha de Lobos.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Ali e então. Assim. começou tudo. produto do trabalho do grupo da Universidade de Avermelhado. iria desenredando o novelo.. pelo qual.. e fazia referência a uma série de acontecimentos e às conclusões científicas. Quando tivemos a explicação do acontecido. a imaginação e as associações indevidas. Eu já o tinha feito pessoalmente. que titulei "Extraterrestres ou Terrestres?" da página 122 até a 125.F. O livro atirava abaixo todo o andaime que a imprensa tinha armado ao falar de "marcas".V. suas idéias. detalhava o extenso e intenso trabalho de investigação e estudo de casos cumprida no Uruguai pelo Centro do Investigação de Objetos Voadores Não-Identificados (C. O processo já tinha começado em mi. desenvolvia um raciocínio do que significaria um projeto ultra-secreto. queríamonos morrer! Certamente.

Ruppelt da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF). A partir de então. e destacados investigadores. certa conotação que pode responder mais a uma emoção. compreende-se como está organizada e como funciona esta sociedade. desolador. ou se prefere. substituindo definitivamente aos obsoletos e inadequados discursos breves de "pires volantes". entidades privadas. a sigla foi traduzida a todos os idiomas. decidi-me a pôr tudo em claro. O que é um OVNI? O que chamamos "Objeto Voador Não Identificado" e por que o chamamos assim? Essa designação. Com tudo isto como antecedente. vivendo aqui. e nos pôr de acordo na linguagem que vamos dirigir. O quadro não só é variado com o passar do tempo. Comecemos pelo princípio. estabelece uma correta referência ao fenômeno motivo de nosso estudo. mas que por razões práticas não tinha podido cumprir. a um desejo ou a uma expectativa. Mas jamais ocorreu na Ovnilogía. e de ser potência mundial. O criador da designação "OVNI" foi o Capitão Edward J. O que significa a segurança nacional.I. ou resulta insuficiente e inadequada? Evidentemente estamos ante um sério problema semântico. como trasfondo. como adulta. os fatos históricos.ainda segue permeando e perdurando neste país. E o fez para estabelecer o âmbito do qual se ocupava a unidade operativa a cargo de desenvolver o projeto que levava o nome em código (Categoria 2A) "Blue Book" (Livro Azul). as evidências. da resposta que lhes demos dependerá não só nossa atitude toda respeito ao tema. Retomando as perguntas iniciais. amadurecida. e aquilo que é secreto. que à necessidade concreta de nos dar uma nomenclatura e funcionar com um categorema válido e adequado para a tarefa científica. Recolhi as distintas definições que do conceito "OVNI" se deram por organismos oficiais. Devemos pois nos expor certas perguntas. porque é parte intrínseca de seu funcionamento. até certo ponto. nem disfarces.N. confidencial ou de acesso restringido. onde não há mais ocultações. e cobrou da década dos anos 60 vigência universal. E como todo isso que se desenvolveu ao máximo durante a Guerra Fria --o período de surgimento. que significaram um escárnio para o tema e um atentado ao critério científico. Especialmente como funcionam o governo e seus distintos escritórios e agências.Definições básicas Para abordar o tema de que me ocupo. a compartilhar essa peregrinação que eu realizei. faz-se necessário partir de certos conceitos básicos e deixar claro suficientemente os mesmos. Capítulo II . nem coisas escondidas. apogeu e logo lenta morte dos Ovnis-. Onde as coisas são sortes claramente.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Só estando aqui. Para isso.tanto pela pessoa comum como por parte de alguns investigadores. dou passo à "operação desentupa". e os panos de fundo caem para deixar ver a realidade que está detrás. Um plano que tive desde 1991. que geraram em meu um enfoque diferente sobre o tema OVNI. Aqui pretendo apresentar os documentos. na medida em que a sigla "O. ou "discos" ou "pratos voadores"." lhe adere --até inconscientemente-. que simplesmente definiria corretamente. Definição da Força Aérea dos Estados Unidos (1960) 7 . Onde não há mais tapume. mas também.V. mas também o fundamento de nossa tarefa de investigação e estudo. uma postura distinta. que houvesse um acordo internacional sobre a adoção de uma significação clara e unívoca respeito ao conteúdo da sigla "OVNI".

isto é. Joseph Allen Hynek (1972) "A percepção denunciada de um objeto ou luz visto no céu ou sobre a terra. mas visto quando está aterrissado) que o observador não pode identificar como de origem natural. cuja natureza não é imediatamente compreendida. a funcionários do governo. pode ser conveniente limitar o campo da Ufologia a aqueles casos de observações e encontros que não parecem (logo depois de um estudo apropriado e completo por pessoas qualificadas) ser explicáveis 8 . cuja aparência. usualmente interpretada pelas testemunhas como aquela de um objeto volante material." Definição de Allan Hendry (1979) "Qualquer fenômeno aéreo anômalo cuja aparência e/ou comportamento não pode atribuir-se a objetos ou efeitos convencionais por o/os testigo/s original/ais." Definição do Grupo da Universidade de Avermelhado (1969) "O estímulo para um relatório feito por um ou mais indivíduos. é insólita." Definição da Aerial Phenomena Research Organization . depois de tudo. pode ser chamado um Objeto Volante Estranho ("aliem" no original em inglês) significando um veículo construído por uma inteligência estranha. para a testemunha. detectado visualmente ou por radar. ou possivelmente ao representante de uma organização privada dedicada ao estudo de tais objetos.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta "qualquer objeto que o observador é incapaz de identificar" Definição do Dr. algo que está além dos limites dos fenômenos naturais conhecidos. Jacques Vallée (1965) "Manifestações do Fenomenal OVNI se encontrarão nos informe da percepção de uma imagem visual. William K. se for possível." Definição do Dr. por pessoas que são tecnicamente capazes de fazer uma identificação com sentido comum. Se o fenômeno não é identificado pela investigação. Ainda mais surpreendente." Definição do Dr. mas também permanece não identificado logo depois de um apertado escrutínio de toda a evidência disponível.APRO (1972) "qualquer objeto aéreo que não pode ser identificado pela testemunha" Definição do Dr. de um pouco visto no céu (ou um objeto do que se pensa que é capaz de voar. trajetória dinâmica geral e conduta luminescente não sugere uma explicação lógica convencional e que não só está confundindo aos percipientes originais. os sujeitos de nosso estudo são 'não identificados')." Definição de Ronald Story (1980) "Embora uma definição perfeita é provavelmente impossível (dado que. Hartmann (1972) "um objeto ou aparição considerada estranha pelo observador. para a testemunha é insólita. e que lhe parece suficientemente intrincado ("puzzling" no inglês original) para decidir fazer um relatório à polícia. à imprensa. que possui uma ou ambas das siguienetes propriedades: a) uma aparência que. Carl Sagan (1972) "É um fenômeno aéreo ou celeste em movimento. b) uma conduta que. pode considerar-se o um objeto volante extraordinário. assim como por técnicos analistas que possuem qualificações das que pode/n carecer o/os original/ais observador/es.

que ainda dentro desse Grupo 2 há matizes diversos. ou seja. fonte de luz. mas sim de informe sobre os mesmos e que o que estudamos são disformes. Richard Haines (1987) "Manifestações do fenomenal OVNI se encontram em todos os informe da percepção ou na consciência indireta de um objeto. Vallée faz referenica a que "manifestações de OVNI se encontram nos informe. Richard Haines. Para a USAF. ou presença de algo no céu. Allan Hendry. nem sequer entre os investigadores e instituições privadas dentro dos próprios os Estados Unidos. Mas além disso. quem tem aplicado tanto o sentido comum de identificação. Este grupo está integrado pelas definições do Dr. Hartmann. Allen J. para o Dr. qualificava ao que o tinha motivado como "Unknown" (Desconhecido). Carl Sagan." Definição do Dr. luminescência. a APRO e o Dr. Hynek é "a percepção denunciada". mas também o que tampouco podem identificar pessoas tecnicamente capazes.” disse-se muitas vezes que os investigadores não dispõem dos OVNI. não sugere uma explicação que satisfaça as explicações convencionais. o processo de apreensão que realiza uma pessoa. sobre a terra. devia chamar "Desconhecido" ao que a mesma Força Aérea tampouco podia identificar. ou qualidades reflectivas. qualificadas. Deve advertir-se não obstante. foi estudada por pessoas tecnicamente capazes. William K. transformaria-se na Informología. e o Dr.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta em términos de qualquer fenômeno conhecido da natureza. ou é o objeto ou fenômeno que provoca essa percepção? Parece óbvio que devemos necessariamente nos referir ao segundo. Isso se explica na medida em que se adotasse "OVNI" como critério final de classificação de um caso dado. É certo que a Força Aérea dos Estados Unidos através de seus diversos projetos. ou aparelho criado pelo homem. cuja aparência. 9 . ou sob a superfície da água. para sua análise. mas também de um critério qualitativamente melhor. de Avermelhado. Ao "UFO report" também se refere o Grupo da Ou. É o que surge despuésde um estudo apropriado. ou seja. como "OVNI" era "o que o observador é incapaz de identificar". o que ele estava acostumado a chamar o "UFO report". Ronald Story e o Dr. quando chegava a um final inexplicável para um caso. Jacques Vallée. trajetória. Por exemplo. e sem dúvida não só estávamos em companhia da maioria. o Dr. É claro que nós no CIOVI nos localizamos dentro do Grupo 2. o Grupo da Universidade de Avermelhado. incluindo o investigador de campo (envolto no caso). o "OVNI" é a percepção. Este grupo está integrado pelas definições da Força Aérea dos Estados Unidos. como a intuição. de onde a Ufologia." Um resumo sucinto das definições precedentes nos permite as reunir em dois grandes grupos: 1) "OVNI" é o que resulta estranho para a testemunha. de um minucioso escrutínio de toda a evidência. um procedimento que historicamente não foi de recibo. Hynek. correntes ou lógicas e que permanece não identificado logo que toda a evidência em torno da observação. É o que o/a observador/a não é capaz de identificar. 2) "OVNI" é não só o que as testemunhas não podem identificar. dinâmica geral. o Dr.

" ao objeto ou fenômeno em se mesmo. E classificamos um caso como correspondente a tal categoria. as alterações causadas no ambiente. 10 . estudado e fundamentalmente investigado nas fontes apropriadas. veículos. em que momento histórico se faz essa comparação?. ou não se conhece e portanto não lhe pode identificar com o conhecido. E se o percebido (por algum dos cinco sentidos) não esteve em vôo. os registros ou detecções efetuados por diversos instrumentos. ou uma definição pela negativa. Se aplicarmos o método científico. com o que lhe coteja? E a resposta é: com o conhecido.I.o Ovnílogo não é um observador de Ovnis. E simplesmente deixar sem substituir por nenhum vocábulo o adjetivo "voador" ou "volante". ou pode não indicar-se nenhum âmbito. vai depender que o não-identificado se torne em identificado. fitas de vídeo. Mas capinemos os conteúdos deste categorema. há componentes psicológicas (ainda na área dos fenômenos chamados paranormais) muito importantes. Porque destes fatores. E ali se acaba o mistério e começa o conhecimento. quem é o sujeito que conhece?. têm-se então múltiplos elementos (animais. e que não se podem descartar. É uma definição do que não se sabe. ou seja algo material. etc. um aparelho. De modo que pessoalmente prefiro inicialmente falar de Objetos e Fenômenos. quanto tem lido. Se por tal entendemos o que em inglês se expressa popularmente como "nuts and bolts". que nem sequer as testemunhas imaginam. a não ser o desconhecido que inicia todo o processo. estamos restringindo o espectro dos elementos que constituem o conteúdo das denúncias. Seria melhor se localizar aos objetos e fenômenos considerados.V. menciona-se uma característica que restringiria a consideração de muitos casos que entram dentro da categoria tratada. E temos também um meio que nos provê de outra série de dados fundamentais para a investigação tais como o entorno psico-sócio-cultural das testemunhas. vegetais. captações radáricas. em um âmbito amplo sem implicar um determinado comportamento por parte dos mesmos. mediante o qual não nos foi possível atribuir o observado e/ou registrado e/ou detectado. nem a testemunha.N. Chamamos pois "O. Em primeiro lugar se fala de "Objeto". Em segundo lugar.) de cuja análise se podem extrair dados preciosos. aplicando o método científico. diz-se que é "Não-identificado". estudo e análise exaustivos. um artefato. Imediatamente cabe a interrogante: Em relação a que? Com o que lhe compara. a não ser indireto. a uma alternativa possível. e portanto não tem deles um conhecimento direto. logo depois de um processo de investigacion. mas sim mas bem se assemelham a certas manifestações de energia. que educação tem?. O primeiro que temos --ainda antes dos informe--são testemunhas. Pessoas que dizem ter vivido uma experiência determinada. o chão. teremos que permanecer sempre abertos a uma explicação provisória. Por outra parte. nem o meio. para conhecer o suficiente para poder comparar com validez? Quando? ou seja. Há aspectos que não condizem totalmente com as características de corpos sólidos. e a que a solução pode demorar. a nada natural ou artificial conhecido. nem o disforme produto de todo isso. gravações de som. fotografias. Pode falar-se então de aeroespaciais. Reconheçamos deste modo que --salvo uma situação fortuita-. Mas o OVNI não é a percepção. Ao "OVNI" o vamos deduzir de todo isso.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Ponhamos as coisas em ordem. o que fazemos? descartamo-lo?. Porque se diz "voador". ou "volante". filmagens. Isto é. E imediatamente convenhamos em que o categorema "OVNI" (Objeto Voador Nãoidentificado) é uma anti-definição. Finalmente se faz a afirmação da ignorância.

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

No pessoal, prefiro então que nos ponhamos de acordo em que embora por puro convencionalismo, usemos o término "OVNI", pensemos mas bem que estamos considerando Objetos e Fenômenos Não-Convencionais, ou seja, Insólitos, fora do comum. Penso que este categorema, põe-nos os pés em terra, e embora olhemos o céu, não nos vamos enjoar.

Capítulo III - Situação em torno do tema
Seguindo este estilo claro de definições, e a risco de ser algo esquemático, quero passar do aspecto ontológico, ou seja da consideração do tema em si, ao que se vincula à abordagem ou tratamento do mesmo. Como se situam diferentes pessoas respeito ao tema?. Qual é o papel que historicamente desempenharam ou seguem desempenhado? (1) Estão os que sabem. Exatamente sabem do que se trata e por ende, são os responsáveis pelo manejo do tema. (2) Estão os que não sabem e por ordens (caso de funcionários governamentais) ou por iniciativa própria, procuram investigar e estudar, com honestidade e esforço intelectuais. (3) Estão os que mediante a investigação e o estudo, aplicando o método científico, obrando com honestidade intelectual, sem pre-conceitos, chegam ou seja algo. (4) Estão os que não sabem nada e acreditam sabê-lo tudo ou quase tudo, já seja fazendo afirmações sem validez científica, atuando inconcientemente manipulados pelos que sabem, ou negando a priori, também manipulados pelos que sabem, que criaram a propósito tal controvérsia. (Crentes e céticos). Em ambos os casos, o que funciona é um pre-julgamento. Ou seja, um julgamento antes da evidência e a prova. Desta controvérsia pública se nutriu especialísimamente o tema para seguir mantendo sua aura de mistério, e sua vigência. Em outras palavras, esta controvérsia, foi parte da posta em marcha da "ideia OVNI", e foi essencial para o tema. Por minha parte, sustento que a Ufologia, ou é científica, ou não serve para nada. Com isto quero significar que a investigação e estudo dos objetos e fenômenos nãoconvencionais se faz aplicando o método científico, ou não tem valor algum. Mas, imediatamente devo fazer algumas elucidações ou salvaguardas: (1) Não tudo o que faz um cientista é ciência. Permita me expressar o de maneira muito gráfica: quando um cientista vai ao banho não faz ciência, faz o mesmo que qualquer outro ser humano. O que quero dizer com isto? Que o fato de que haja cientistas que se interessem pelo tema, não lhe dá ao tema em se a categoria de cientista. Pode lhe dar (para alguns) a aparência, a roupagem, pode "vestir o de cientista, mas não é tal. E me deixem lhes dizer que conheci e conheço cientistas, que quando abordam este tema, não atuam como tais. Já seja por prejuízos negativos, que lhes levam a rechaçar o de plano, a negar-se se queira a considerá-lo (uma teimosia mental não inteligente), ou quando o encaram, perdem algo elementar: o sentido comum. Caem em tais insensatezes, em tais ingenuidades, que parecem até incríveis em indivíduos que por sua formação --particularmente no campo das ciências exatas, a Matemática e anexo a Física, a Astronomia---resultam inaceitáveis. (2) Não todos os que se chamam "investigadores" são tais. Neste tema se é autodidata, ou se aprende de um "professor" que tem experiência e caminho feito e que pode fazer uma "transferência tecnológica" ou de conhecimentos, sobre a matéria.

11

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

Eu ditei cursos, e tenho um segundo livro publicado que é elementar, por isso lhe titulei "Elementos da Ufologia". Se alguém quer ficar a investigar, esse livro é uma espécie de guia básica, imprescindível. São anos de leituras, de experiências, de estudo, derrubados em síntese. Mas normalmente, o ufólogo se faz sozinho. Não há escolas, cursos acadêmicos regulares, ou matérias creditadas, que ensinem Ufologia. Isto evidentemente cria do início um desvantagem, uma minusvalidez intelectual --por assim dizer-- que tem que ser desculpada, e pode sê-lo, dependendo de como e qual seja a formação intelectual e moral da pessoa. Agora bem. Ao ser humano lhe é inerente um espírito de aventura. E vá se o tema dá para sentir um aventureiro! É uma aventura com o estranho, sem dúvida alguma. Talvez, como se pôde ter pensado nos anos 40 e 50, era uma aventura (e aí o maior incentivo) com uma inteligência não-humana. É também uma paixão por saber, conhecer, e um certo saborear o segredo, o em parte escondido, o que não todos conhecem. Não há virtualmente "investigadores" que não se guardem certos secretitos. Eu considero que é uma atitude espiritualmente pigméia e intelectualmente estúpida, mas que os há, há-os. Passemos rápida revista aos "investigadores". a) Há gente que acredita que "investigar" é colecionar notícias de imprensa e as publicar, agora ao mundo, via internet. b) Há quem vai um pouco mais longe, para quem investigar é colecionar os recortes de imprensa, e falar com as pessoas que dizem ter visto coisas estranhas, recorrer a informação e documentá-la mediante textos, fotografias, gravações, vídeo. E logo, sempre, levar isso a conhecimento público. Intercambiá-lo com outros investigadores, e fazer-se assim (de passagem) de um nome. Não há uma análise rigorosa (volto a insistir, onde por sobre tudo, sobressaia o sentido comum) dos dados solicitados. Não se coteja essa informação com outras que terá que ir procurar, em procura primeiro de achar respostas lógicas, razoáveis e elementares. aceita-se de pés juntos e de boa fé o declarado pelos "testemunhas", que "estão em perfeito uso de razão, são pessoas de bem, apreciadas por seus vizinhos e todos quem lhes conhece, e não têm nenhuma razão para mentir", um argumento que escutei enorme quantidade de vezes. c) Há quem ainda dá um passo mais: recolhido assim o material inicial, que aceitam de boa fé e sem questionamento algum, vão ir a um complemento "científico" posterior, como pode ser, comparar o "caso" com outros "casos" em um banco de dados computadorizado. Como se o uso do computador (um meio tecnológico) desse-lhe de se por acaso um reflexo de seriedade, exatidão matemática, ou coisa semelhante, ao que a gente declarou. E como se a comparação de dados assim dirigidos e acumulados, pudesse significar algo, ao comparar-se a outros dados de igual valor. d) Mas ainda fica um passo mais, talvez o último, de quem se chama a se mesmos investigadores", e de boa fé acreditam sê-lo, (embora não penso que realmente o são), sem que menospreze todo o trabalho que lhes leva o que fazem, toda a dedicação de médios, tempo e dinheiro postos no empenho e toda a boa vontade e inocência jogados no mesmo. Esse último passo, implica que (por exemplo) envie-se a analisar uma amostra de algo, e logo se dêem a conhecer os resultados da análise, para provar que se tem contato com laboratórios ou profissionais cientistas ou técnicos. É bom. É um caminho correto, mas não é total, se quando se tiverem os resultados, não se fala com esses profissionais, não se discutem os achados das análise, e não lhes 12

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

compara com coisas conhecidas, convencionais, ou não muito conhecidas ou muito convencionais, mas que terá que chegar a averiguar e ou seja que existem (se tal for o caso) para então dar ou não validez final a essa análise, na medida que os mesmos --por exemplo-- pudessem servir de apoio para demonstrar a existência de um pouco verdadeiramente estranho, já fora por seu grau de pureza, ou pela incomum combinação de elementos que o integram, ou pelas proporções incomuns dos mesmos. Nesta última situação, falta critério, outra vez, porque no fundo quem assim procede, está-o fazendo com um pré-julgamento favorável ao tema. Tudo o que faz, não é mais que em apóio ao que poderia ser uma hipótese de trabalho, mas que a pessoa assumiu como uma conclusão, adotada de antemão, sem evidência nem prova que a sustente. É sua convicção íntima, é aquilo que positivamente crie, e para o que está disposta a recolher elementos como para -¬aparentemente-- lhe dar validez, sustentá-lo, ou demonstrá-lo. Uma vez mais, isto não é ciência. Nem é método científico. Isto não passa pela rasoura do Occam. Isto não tem como base o sentido comum. Mas, em honra à verdade, esta é gente bem intencionada, que atua impulsionada pelo que crie é um caminho de achar uma verdade (que em seu foro íntimo já estimam conhecer ou saber do que se trata) e sua atitude em relação com outros estamentos da sociedade é mais controversa ou polêmica. Eles e elas, expõem a idéia que outros rechaçam, são porta-bandeiras de uma causa que ao fim lhes vai reivindicar. São os "Cristóvão Colombo" de hoje, ou os Quijote de hoje. E se sentem felizes de sê-lo. e) Por último, estão os negociantes. chamam-se a se mesmos "investigadores", mas são simples "enganadores de feira". Vendedores de espelhos. Claro que o propósito é muito evidente: cada bate-papo, cada aparição em TV, cada livro, aumenta as somas de dinheiro na conta bancária. O tema "OVNI" é seu "modus vivendi". Quando isto chega a ser assim, essas pessoas se desacreditaram a se mesmas como fontes confiáveis e sérias dos dados que dirigem. Por outra parte, se não passar nada, têm que criar casos, porque depois de tudo, esse é o produto do qual vivem. São indivíduos que encararam isto como uma mercadoria e sua atividade como um negócio. Sempre me questionei a legitimidade legal de tal negócio. Mas em tão não haja uma lei que o proíba, ou o tipifique dentro do delito de fraude, seguirão vivendo a gastos dos crédulos, e dos que gostam que lhes enfaixam "espelhos" porque os "espelhos" são lindos, e porque há quem sem "espelhos" não podem viver. Minha experiência no C.I.O.V.I. A quem pode sentir-se Quijote eu lhes entendo e lhes compreendo, porque quando comecei o C.I.O.V.I. (Centro de Investigação de Objetos Voadores Não Identificados) faz 42 anos, sentia o mesmo. Só que no C.I.O.V.I. fomos maturando. Não fomos tão inocentes, tão cândidos, sempre atuamos com reservas e certas suspeitas. A lógica foi ganhando, e não por acaso. Tivemos entre nós sempre um critério muito seletivo para integrar nosso Conselho Diretor, e houve e há gente com sólida formação científica. É na valoração de critérios básicos, é na aplicação da lógica e o racional, é em --outra vez-- o sentido comum, onde encontramos nossos melhores aliados. Aos cientistas e técnicos não só acudimos esporadicamente para que nos fizessem análise, ou explorassem a uma testemunha (médicos, psicólogos ou psiquiatras), mas 13

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

sim tivemos compridos e substanciosos diálogos com eles, e todo isso é formativo, e vale muitíssimo. Então, avança-se e se chega ao nível adequado. é-se verdadeiramente um investigador no correto sentido do término. têm-se muito claros os parâmetros de ação, as limitantes do conhecimento, e os desafios dos dados a reunir. E esse diálogo e intercâmbio com profissionais e peritos em distintas disciplinas, é campo fértil para a criação de uma corrente de respeito mútuo e entendimento que resulta --ao final-- fundamental. O Ufologo já não é mais cuidadoso com receio, ou como alguém que está pouco menos que louco. O testamento científico entra em abrir-se e a valorar a tarefa que se realiza em um campo tão pouco ortodoxo. As vinculações e relações com outros Ufólogos, particularmente, tornam-se muito seletivas. intercambia-se informação com quem vale a pena intercambiá-la. E a outros lhes deixa, a ver se o tempo, as experiências, e outros fatores, maturam-lhes. Um grande amigo, colega investigador e Conselheiro Diretor do C.I.O.V.I., escrevia-me recentemente, dizendo-me que o engano --cometido de boa fé-- por parte do Centro, foi querer investigar cientificamente, algo que pertencia ao âmbito de Inteligência. Mas, há acaso outra maneira válida de investigar algo? Penso que graças ao enfoque científico que fizemos do "fenomenal OVNI", da investigação e estudo da casuística gerada por objetos e fenomenais não-convencionais, pudemos chegar à etapa atual. Se hoje me perguntasse qual é o âmbito próprio do tema, onde acho que se localiza com mais propriedade? diria sem titubear que no âmbito de inteligência, e mais especificamente, de inteligência militar. Agora sabemos, o que não sabíamos faz 42 anos. Só que o que sabemos não nos revelou isso ou confiou ninguém. Chegamos às respostas por nós mesmos. portanto, nossa aplicação do método científico, e nosso proceder de décadas foram totalmente proveitosos e válidos.

Capítulo IV - Relendo os "clássicos" (primeira parte): Keyhoe
Quero desenvolver ante os olhos do leitor meu processo interior tal qual se foi dando. No possível, seguindo uma ordem cronológica, porque ao final vai resultar mais coerente, e porque essencialmente, vai testemunhar fielmente essa transformação. Uma das primeiras coisas que me assaltou a mente, foi voltar a ler aqueles livros que tinham chegado a minhas mãos ao me iniciar no tema OVNI. Poderiam haver coisas que na antiga ignorância de então não me chamaram a atenção, mas que 16 ou 20 anos depois, chegariam a me dizer algo distinto? Poderia ter passado por cima --no meio do entusiasmo do tema, ou da lhe apaixonem possibilidade de uma origem extraterrestre dos OVNI-- relatos, informação, detalhe, que agora me chamariam a atenção, ou que teriam para meu um significado diferente? Com o que me encontraria? E bem, com essa tremenda carga de curiosidade, pus-me a ler os "clássicos". KEYHOE O primeiro, cuja leitura era obrigatória, porque tinha sido o primeiro livro sobre o tema que chegou a minhas mãos e porque marcou a todos, a geração dos que nos iniciamos no campo da Ufologia no Rio da Prata (Uruguai e Argentina), foi "Pratos Voadores de Outros Mundos", do Maior Donald E.Keyhoe, em sua versão em espanhol, publicado pelo 14

1955.C. produziu-me emoção mas também acelerou minha intriga. se não soubesse (a seu nível) do que se tratava todo o assunto. cit.para que logo vocês façam todas as perguntas que desejem a fim das discutir e as responder" E prosseguiu quase em seguida a ler um texto que dizia: "A Força Aérea tem a obrigação de identificar e analisar tudo o que ocorre no ar e que possa constituir uma ameaça para os Estados Unidos . veículos ou projéteis dirigidos contra os Estados Unidos. Talvez a tarefa mais difícil --particularmente quando a gente lê um livro por primeira vez-. (320 páginas). vai dar pela primeira vez uma conferência de imprensa para referir-se aos Ovnis. Samford deixou a conferência aberta a todas as perguntas que lhe queriam dirigir. pág." (Keyhoe. pág 101) E logo Keyhoe nos relata esta passagem em meu conceito substancial. 106) Que segurança tremenda tinha o Maior General Samford! Um militar de sua fila.poderia sequer haver-se arriscado a efetuar uma afirmação tão categórica e com tanta convicção. realizamos desde 1947 uma atividade que foi conhecida uma vez como o "Plano Pires" (o nome sob o qual a imprensa conocia o "Plano Signo)" (Keyhoe. outro por lá.é unir essas partes esparramadas. ou totalmente. Samford (note-se de quem se trata)." (Keyhoe. do diálogo entre jornalistas e o general Samford: "--Bem. quais são alguns desses "conceitos iniciais"? Sendo o Maior Gral.. e ir conformando uma figura --como se trabalha com um quebra-cabeças-até completá-la o mais possível.F. pulverizados ao longo das páginas. Maior General John A.. --dos que me ocupo mais adiante--o Diretor do Serviço de Inteligência da Força Aérea dos Estados Unidos. de folhas já amareladas. D.. jamais --e menos durante a tensa "Guerra Fria" -.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Populibros "A Imprensa". --Acredito que o mais provável é que se trate de fenômenos associados com interesses intelectuais e científicos. Samford um homem de Inteligência. Samford começou por dizer: "Acredito que o melhor método estriba em formular conceitos iniciais --disse com voz lenta¬ .. cit. cit. op. op.? --Dizer-lhes o que pensamos? ao redor de cinqüenta representantes da imprensa exclamaram a coro: --SE! O general Samford sorriu. pág. Isso não tira.e fui encontrando com diferentes detalhes. poderia você.L. México.. devido a esse sentido de responsabilidade e a nosso afã de atender esse interesse.C. S. e 15 . e pelo contrário reforça o fato de que se provocasse deliberadamente uma controvérsia em torno da existência mesma de coisas estranhas vistas sulcar os céus. op. Começar a folhear de novo aquele velho livro. Logo depois de certos sucessos sobre Washington D. 99) E bem. não tem que surpreender que Keyhoe ao informar sobre a conferência de imprensa nos diga que: "Depois de mencionar os informe sobre estranhos objetos aéreos vistos dos tempos bíblicos. que estamos em vias de conhecer melhor. um por aqui. mas que neles não há nada relacionado com materiais. juntar mentalmente essas partes de verdade dispersas. Divisão de Editora de Periódicos.

entregou ao Keyhoe. fosse sugerir uma origem "extraterrestre" dos objetos que voavam e não eram identificados pela gente em geral. Para pôr ao leitor em situação. com uma condição.o homem para a tarefa. Cenário: o Escritório de Imprensa da Força Aérea. extraiu um sobre. é parte da operação. Mas. Escolheram-no bem. e de um homem em particular. O mero título do livro já o dizia tudo.foi autorizado para sua publicação. direi-te qual é. nisso consiste --por exemplo-. Os parágrafos principais repetiam uma declaração formulada por vários homens de ciência: em um futuro distante. A criação da controvérsia. a única possibilidade que tem o homem de sobreviver. Na página 126 de seu livro. O que para nós era uma hipótese de trabalho --entre tantas outras--para o Keyhoe era um axioma.. nem por quem não sabia do que se tratava. ou que se comprometeu -¬como parte de sua função-... Essa idéia básica. e despistar a atenção do que não podia dar-se a conhecer publicamente. Entretanto. simplesmente lhe direi que o livro do Keyhoe estava apoiado em um material que o Escritório de Imprensa da Força Aérea dos Estados Unidos. vi várias folhas escritas a máquina. convencendo a quantos pudesse. na página 127. ANFITRION DA VIDA EXTRATERRESTRE Olhei a Ao e logo li o princípio.a levar adiante e a fazer progredir. Keyhoe se pergunta a se mesmo e reflete: "por que o Serviço de Inteligência me tinha proporcionado isso (informe-os) a meu particularmente? Chop deve ter contado com permissão do diretor para me dar isso ninguém se atrevia a entregar esses documentos contrariando os desejos do general Samford. será escapar a outro planeta. Chop. Y. E para isso.. qualquer poderia ver que criavam interpretações do todo opostas às conclusões da conferência de imprensa. prosseguia o documento. E Keyhoe ia servir aos propósitos do mesmo de maneira estupenda. Entregou-me os papéis e li o título: O PLANETA TERRA. o dirigir de um mesmo posto central pontos de vista encontrados. Tanto. e ainda lhe disse: "Mais adiante virão majores informe do Serviço de Inteligência" E a artigo seguido. quando a Terra se esfrie ou nosso Sol se expanda.a idéia básica que Keyhoe abraçou se por acaso mesmo. Ao abri-lo. Personagens: Ao Chop e Keyhoe. mas justamente. pode acontecer em qualquer planeta habitado. Keyhoe conta a emoção que sentiu.. Quando terminar de lê-lo.." Keyhoe estava no certo. quando Ao Chop lhe entregou um grupo de informe de avistamentos não explicados. que nem ele mesmo --possivelmente-. de onde tinha surto a idéia de que realmente havia "naves extraterrestres" visitando nosso planeta? E aqui me encontrei com a pérola que em minha primeira leitura não me chamasse a atenção. Era --sem dúvida-.sabia qual era o verdadeiro papel que lhe estavam fazendo jogar. E o relato na página 289 diz assim: "Abrindo uma gaveta de seu escritório. Esta situação. a cargo do Albert M.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta que uma idéia chave para respirar essa controvérsia. Keyhoe se transformou após no caudilho apaixonado da idéia das naves extraterrestres. --Este documento --disse recalcando bem as palavras-.um trabalho de inteligência. 16 . vou transcrever a parte substancial do livro que se refere a ela.. partiu da Força Aérea. Uma lista de casos por então não explicados satisfatoriamente.

Desde não ser pelo grau do Odell. O que aconteceu quando Keyhoe foi com o documento à revista True? O mesmo o conta assim. Odell.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Uma linha pareceu saltar da página a meus olhos: "Caso que seres superinteligentes de outro Sistema Solar. nos acusaria de publicar uma história alarmista. Quer dizer que a Força Aérea deseja que este documento seja dado a publicidade? --Não é uma declaração oficial--disse em seguida.." Ficou muito claro então de que maneira expuseram as coisas ao Keyhoe. como para que ele se lançasse a cumprir o papel que outros tinham decidido que era o candidato ideal para levá-lo a cabo: ser o estupendo difusor para o grande público. --Então. --Isto é dinamite. e se lançou para verificá-lo na realidade. Francamente não entendo a situação. Mediu-se ou calculou o impacto que isso poderia ter. não? Sim ou a qualquer outra revista onde escreva.---disse. --O coronel Odell. dos "pires extraterrestres".---Mas me atemoriza a forma em que autorizaram sua publicação. 3) Keyhoe ia servir de mensageiro e propagador da idéia. o que é? --A opinião de uma pessoa. (uma idéia do Coronel Odell). e o trabalho de convencimento e de provocação de entusiasmo. Quer a Força Aérea que a considere como uma das respostas possíveis? Ao sacudiu negativamente a cabeça. voltei os olhos ao Chop. Ken Purdy estava fora da cidade. nas páginas 298 e 299: "À manhã seguinte. --Já te disse que é a idéia pessoal. tenho que saber o que há no fundo. Isso o evidencia o fato de que "sua publicação foi passada pela Seção Segurança"." Passando raia: o que se conclui de tudo isto? 1) Há um interesse deliberado e oficial da Força Aérea de difundir o mais que se possa este tipo de idéias. por que teriam que excluir a Terra? Assombrado. e não só a da Força Aérea. É quanto sei. ---É uma idéia assombrosa. de um senhor de nome W. procurem um planeta propício para estabelecer nele um segundo lar. assim que o mostrei ao John DuBarry. --Olhe. – Mostrá-las a seus editores e me comunique suas reações assim que possa. que protagonizam A Chop e Keyhoe. O que acontece a Fueza Aérea?" 17 . Se acaso necessitava uma corroboração mais a respeito deste "jogo" em que fizeram "entrar" no Keyhoe. Mas recalca que a fila do Odell. sustentadas por uma lista de casos. junto com os casos de fevereiro cuja publicação tinha sido autorizada. do Serviço de Inteligência? --Bom. escrita por um autor louco. 2) Não é uma questão meramente pessoal. que uma idéia assim só poderia proceder de círculos de inteligência. bastou-me dando volta a página.C. Sua publicação foi passada pela Seção de Segurança. Mas sua relação com a Força Aérea não pode utilizar-se em nenhum sentido. Pôs o documento em um sobre. Era evidente além disso. sim. Na 290 há um suculento diálogo.. e que este começa desta maneira: "--Quer que mostre isto à revista True. não deve mencionar-se. levei o documento do Odell à revista True. na Força Aérea.

me fora a proporcionar tanta satisfação. Com a mesma expectativa. arrojasse-me uma imagem muito claro de como se elaborou tudo desde 1947 em diante. Capítulo V . a não ser o nome em código do plano ou operação da Força Aérea dos Estados Unidos.Relendo os "clássicos" (segunda parte): Ruppelt Por força da lógica. e principalmente. é uma fonte excelente. o que vim sustentando respeito ao manejo do tema por Inteligência. o outro "clássico" com maiúscula. o Capitão Edward J. Isso me impulsionou para ler outro "clássico" sobre os Ovnis. que --vale a pena repeti-lo por enésima vez-. como acontece com muitos outros livros do tema. Ruppelt. 1956. serão os que se encarregarão de cercar a batalha também pública. o assunto se quita. A isso refiro no capítulo seguinte. terá que trabalhá-la em forma bi-polar. seu mesmo assombro e sua pergunta final põem de relevo de maneira transparente. e a transcrever substanciais parte do livro do Ruppelt. Nunca pensei que uma segunda e minuciosa leitura do livro do Keyhoe.nunca foi um livro. Mas a porta sempre terá que deixá-la entreaberta. Refiro a "The Report on Unidentified Flying Objects" escrito pelo então Ex-chefe do Blue Book. mas também a constatação de uma série de circunstâncias que chamam poderosamente a atenção. New York. E ambos. E comecemos já! O projeto Twinkle 18 . Desde aí surgiram não só minhas dúvidas maiores sobre a verdadeira identidade dos Ovnis. a dúvida sempre tem que ficar pendente. o contexto em que cada livro faz sua aparição. a ver claro. se não. dedicado investigar e avaliar as denúncias de avistamentos de Ovnis. --cuja versão em inglês é de 1953-. com ainda crescente esperança de achar mais documentação e informação de valor. terá que dedicar-se a lê-los muito analiticamente. Vou pois levar a leitor ao mesmo processo que eu fiz.e deter-se nos detalhes que aparecem entre médio. mas que --ao lado dos casos-. é o melhor relatório que por então se contou sobre o Projeto Livro Azul. ou quase perdidas. como no caso do do Keyhoe. Garden City. ou "Project Blue Book". Quer dizer. a entender. e além disso. Ruppelt (Doubleday & Company.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta A reação de um dos diretores do True não só é totalmente lógica. e que levam a pensar no verdadeiro orígem de todo o assunto e na forma em que se dirigiu. Para que toda a trama funcione bem.ficam opacadas. como aconteceu comigo. especialmente para a atenção e a mente do leitor comum.terá que ter em conta a data. 315 páginas). para não perder-se no matagal de relatos de casos --que era o que os fazia vendíveis ao grande público-.para sustentar o contrário. o livro do Cap. As informações que estão. No caso do livro do Ruppelt. Inc. a idéia de que há objetos voadores não identificados que muito possivelmente procedem de outro sistema solar. com outros indivíduos que serão utilizados --ao igual a Keyhoe-. de muito direto e indubitável valor. Nesse sentido. para que cada uma delas ajude a refletir. e não serve aos propósitos para o que tudo foi criado e planejado. para completar o quadro que se ia formando. os mesmos organismos de inteligência que geram a idéia de naves extraterrestres.

Qualquer caçador de patos pode dizer que esta é a tática equivocada. Um cinete odolito é similar a uma câmara de cinema de 35mm. Para fazer um bom trabalho necessitavam mais e melhor equipe e mais pessoas. Este era movimento constantemente de um lugar a outro. mas também estupendo que se levasse a prática. e o ângulo de elevação da câmara. Lincoln A Paz. exceto quando se toma a fotografia de um objeto também se toma uma fotografia de três diales que mostram a hora em que se tomou a foto. O apoio moral não custava nada. Não se fotografou absolutamente nada. e peço ao leitor que empreste muita atenção: "O projeto Twinkle foi um desastre. o ângulo azimutal. A finais do verão de 1949. Para uns se tratava de meteoritos. se tivessem sido meteoritos. e que Cambridge estabelecesse um projeto para tentar fotografar os globos de fogo verdes e medir sua velocidade. O projeto expor estabelecer três estações de cineteodolito perto do White Sands. para outros de algo artificial. sirva nada mais que para cobrir as aparências. o Dr. Seus argumentos eram basicamente três: 1) a trajetória era muito horizontal. Das três câmaras que se planejaram para o projeto. altura. e me encontro com o que segue. é possível obter uma medição muito precisa da altura. e seguir criando espaço para manter o "mistério"." Poderá-se imaginar o leitor a emoção que me invadiu quando vejo a qualidade e quão útil ia ser este projeto. velocidade e tamanho do objeto fotografado. sempre chegando muito tarde. Se duas ou mais câmaras fotografam ao mesmo objeto. novo o México. Houve em particular um investigador. Segui lendo avidamente ao Ruppelt para me inteirar dos resultados do projeto. dado que a função deste grupo é estudar os fenômenos naturais. mas as reduções no orçamento da Força Aérea excluíam isto. Cambridge estabeleceu o Projeto Twinkle para solucionar o mistério. Anos depois. os operadores da câmara empacotariam sua equipe e se transladariam a essa área. só uma esteve disponível. deixe que os patos venham a você As pessoas que trataram de operar o Projeto Twinkle estavam tendo problemas financeiros e de ânimo. o Dr. faz as coisas de outra maneira. Mas vamos ao texto que sobre o particular encontramos nas páginas 76 e 77 do livro do Ruppelt: "Recomendou-se que esta fase da investigação OVNI fosse dada ao Laboratório de Investigação Cambridge da Força Aérea. A Paz comentaria que a gente não tinha uma idéia do que era capaz de fazer o "Tio Sam"." Se alguém verdadeiramente tiver interesse em averiguar do que se trata um fenômeno que capta tanto a atenção. Luz sobre área altamente secreta do Exército 19 . A menos que já se saiba do que se trata e então o que se dita fazer. Se chegavam vários informe de uma zona. e a informação precisa que do mesmo se podia obter. sob os céus claros do Sudoeste dos Estados Unidos. se quer fazer branco em algum pato escolha um bom lugar e permaneça ali. e tamanho.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Durante dezembro de 1948 e janeiro de 1949 se haviam visto múltiplos globos de fogo de cor verde. 2) a cor era muito verde e 3) não tinha podido localizar nenhum fragmento embora tinha procurado nas zonas onde deviam ter feito impacto na terra. que liderou o grupo que acreditava que os globos de fogo verde não eram meteoritos. Parecia-me algo não só bem pensado. e a que conclusões se chegaram. mas tampouco o tiveram.

era necessária de parte do Exército. Todas as patrulhas de OVNI teriam radiofrequências especiais atribuídas. Velocidades.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Nas páginas 81 a 83. era o Exército dos Estados Unidos. A série de incidentes começou quando patrulha militares que estavam protegendo a área começaram a informar que viam formações de luzes voando através do céu noturno. Mas se pode estabelecer com exatidão que certo tipo de objeto estava viajando a 30. e o encarregado de registrar a observação a escreveria. Seu pessoal elaborou um plano em tempo recorde. o homem dos instrumentos no grupo apontaria para o OVNI e começaria a dizer os ângulos de elevação e azimute. "A história dos Ovnis agora se retroage a fins de janeiro de 1949.000 milhas por hora-em nossa atmosfera. um para cronometrar. N. mas em questão de duas semanas a freqüência tinha aumentado. O posto de comando. Mas logo depois de umas duas semanas de observações todas as noites e nenhuma ação aparente por parte da Força Aérea o comandante da instalação decidiu tomar a iniciativa e estabelecer uma armadilha. estiveram-se enviando informe das pequenas luzes à Força Aérea através de canais de Inteligência do Exército. Cada patrulha seria enviada a um lugar específico e estabeleceria um posto de comando. Informe-os estavam chegando à ENTREVISTA [Centro de Inteligência Técnica Aérea. o tempo quando a Força Aérea estava no meio do mistério dos globos de fogo verdes. O cronometrista diria o tempo. Cada equipe teria instrumental de observação para medir a elevação e o ângulo azimutal do OVNI. Quatro homens tinham que integrar cada equipe. Este poderia ser a equipe que eles normalmente usavam para o controle de incêndios. Operando fora do posto de comando. Ao princípio as luzes eram denunciadas a cada três ou quatro noites. Enquanto o rádio operador estivesse informando.000 milhas por hora --ou ainda 3. O centro de atividade era uma área altamente secreta que não se pode nomear. este silêncio se tomou como querendo significar que nenhuma ação. haveriam equipes de observação. e o recipiente dos Ovnis. O procedimento operativo seria que quando um grupo de observação detectava um OVNI o rádio operador daria a posição de seu grupo. Era algo que teria que haver-se feito desde o começo.] mas a atividade dos globos de fogo verdes estavam tendo a máxima atenção e nenhum comentário retornou ao Exército sobre seus pequenas luz. do A. Em outra parte do país outra série de estranhos acontecimentos estava tendo lugar. um homem com os instrumentos. a localização do OVNI no céu. Era uma excelente oportunidade para obter certa informação concreta sobre pelo menos um tipo de OVNI. além de enviar os informe. e um rádio operador. Algumas patrulha informaram que tinham visto três ou quatro formações em uma noite" Segue um pouco depois Ruppelt dizendo: "Do tempo das primeiras observações. em pontos onde se podia ver o céu. Ruppelt detalha uma história que parece inverossímil. eram uma ocorrência de todas as noites. Todos os outros grupos de sua patrulha saberiam então para onde procurar o OVNI e começariam a observá-lo. a menos que houvessem certos círculos militares e de inteligência que soubessem o que estavam fazendo e qual era a verdadeira natureza do que estava acontecendo. Patrulhas especiais para os Ovnis se enviariam à área de segurança e lhes equiparia com instrumentos de observação. chamaria e o diria à próxima patrulha. 20 . a história dos OVNI seria a maior historia da Criação. e tamanhos que se calculam simplesmente por olhar a um OVNI são miseravelmente imprecisos. que eram formações de pequenas luzes. Eles tratariam de se localizar ao OVNI. outro para registrar a observação. antes de que passasse muito tempo. alturas. e a direção para a que ia. De acordo a um Major do Exército com quem falei no Pentágono. logo depois de escutar o relatório sobre o OVNI.

Pela primeira vez na história cada soldado raso queria estar nas patrulhas. alertou aos outros camarógrafos. A Força Aérea não aprovou o plano. Dois dos camarógrafos o viram e dispararam vários pés de filme à medida que o brilhante objeto se deslocava através do céu. Esta vez os camarógrafos estavam preparados --quando partiu a chamada pela rede Telefónica de que se localizou um OVNI.] Os registros no ENTREVISTA não continham as análise desses filmes mas efetivamente mencionavam ao Grupo de Redução de Informação no White Sands. nem a velocidade -N.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta O plano parecia estar feito a toda prova e tinha o total apoio de cada homem que ia participar.N. White Sands. Quase exatamente um mês depois outro OVNI efetivamente apareceu. O tempo era crucial porque cada grupo de relatórios noturnos podia ser o último. ou quem o matou." Esse é o lugar onde vão ocorrer certos sucessos que Ruppelt relata assim: "Em 27 de abril de 1950. o águlo azimutal.) um OVNI se aparecia algum. Alertado por esta primeira oportunidade de captar um OVNI para "gravar um curso medido" os camarógrafos acor deram estar alertas. decidiu-se que o plano deveria ser rapidamente coordenado com a Força Aérea. e antes de que pudessem as recarregar. Tudo estava preparado para ficar em marcha ao minuto que a Força Aérea desse o "Vamos". e à medida que rugia subindo para a estratosfera e caía novamente a terra. Por sobre tudo. Por abril de 1950 cada pessoa no White Sands estava consciente dos Ovnis. [isto significa que não se podia estabelecer corretamente a altura. de modo que lhes enviou diligentemente uma cópia . estava-se movendo. e mimeografado. era e segue sendo uma área de provas de artefatos experimentais dos Estados Unidos. os camarógrafos tinham gravado seu vôo. A White Sands daqueles tempos. Todos os camarógrafos tinham começado a descarregar suas câmaras quando um deles se localizou um objeto deslocando-se velozmente pelo céu. todos os camarógrafos observaram o céu. As fotos da única estação mostravam somente um impreciso objeto escuro. o filme demonstrou que algo havia no ar e fosse o que fosse. e diz: "A área de prova de mísseis guiados do White Sands está totalmente equipada com instrumentos para rastrear objetos que se movem rápido na altura --os mísseis guiados. e lhes disse que fotografassem. do A. de modo que um membro dos camarógrafos tomou um telefone. Mas uma vez mais o OVNI evitou ao homem porque aparentemente houve dois ou mais Ovnis no céu e cada estação de câmaras tinha fotografado um distinto. Dado que a Força Aérea tinha a principal responsabilidade pela investigação dos Ovnis. De modo que 21 . ou pelo menos então os camarógrafos pensaram que era um OVNI. do A. as outras já tinham sido descarregadas. O plano foi rapidamente escrito como uma ordem de campo. Ruppelt começa por descrever o cenário. os camarógrafos levaram seus filmes ao laboratório para as processar e entoe as levaram a Grupo de Redução de Informação. logo que se completaram as provas de mísseis. disparou-se um míssil guiado. mas o mataram." Ovnis sobre o White Sands Como todos sabemos. Eu não sei onde se matou ao plano. o OVNI se foi. aprovado. Localizada-se em uma área de várias milhas quadradas há estações de câmaras equipadas com câmaras e conectadas entre si por um sistema telefônico. Infelizmente só uma câmara tinha filme ainda nela. Inclusive tiveram a aprovação oficial para "disparar" (fotografar . A informação não era adequada para efetuar uma triangulación.

porque os relatórios originais tinham desaparecido. quão rápido poderiam construir-se câmaras especiais. Os F-94Cs. Mas melhor vamos diretamente ao texto do Ruppelt: "O interesse nos Ovnis que se mostrou pela imprensa em maio foi ultrapassado só pelo interesse do Pentágono. F-94s preparados para fotografar OVNIS Sigo desenterrando passagens chaves do livro do Ruppelt. em uma área totalmente restringida. e sempre a sala enche. em uma clara missão de Inteligência: impedir que as fotografias ou os informe pudessem ser vistos por quem não devia. indicaria que não havia um grande interesse.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta quando mais adiante me fiz cargo da investigação dos Ovnis fiz várias chamadas em um esforço por obter o filme e a análise.. A idéia surge de uma autoridade militar.. 22 . Um intento por lhes dar caça e fotografá-los." Se alguém pode acreditar que em um lugar como White Sands. não pôde ter acesso ao filme nem a sua análise. depois de um dos informe.. seriam vazamentos de toda sua aparelhagem de combate para lhes dar o máximo rendimento. Finalmente o plano do coronel foi guardado em uma gaveta. A missão que ele propôs seria a de uma unidade operacional com seis aviões. e entretanto. Vamos agora ao que aparece nas páginas 184 e 185.. poderia ter extraído informe desses arquivos.. Ele. A gente diz muitas coisas depois de uma porta que tem um pôster que reza "Relatório secreto em processo". e como tinham que ser durante a Guerra Fria. e se soubesse a real identidade do que esteve voando por aí.. Logo depois de um considerável estudo e debate a alto nível. decidiu-se que doze F94Cs não poderiam ser apartados para a tarefa e que não tivesse sido efetivo utilizar menos aviões. um coronel (que agora é um brigadeiro geral) apresentou um plano que expor utilizar várias missões de caça-interceptores F-94C a reação com o propósito específico de tratar de obter algumas boas fotografias dos Ovnis. o Chefe do Projeto Blue Book. então os melhores aviões a reação operativos que tínhamos. de máxima segurança e secreta. e levariam uma câmara especial no nariz. Começando em maio de um meio relatório em Washington cada duas semanas. o que ia dizer o Capitão Ruppelt? Teve que conformar-se com a situação tal qual estava. mas nada poderia estar mais longe da verdade. e se duas bases específicas da Força Aérea poderiam ou não apoiar as unidades. os arquivos não são muito bons. e de muito alto nível. dois dos quais estariam em constante alerta.” "Deve ser interessante".. como todos os arquivos. Os esquadrões estariam se localizados em lugares dos Estados Unidos onde os Ovnis se vissem mais freqüentemente. ou dos mesmos podem desaparecer informe que a inocência lhe valha! Conhecendo como são as coisas neste país (Estados Unidos). Se partir do tom dos comentários oficiais ao público sobre os Ovnis. Os arquivos no White Sands. Mas. só uma mão com acesso atorizado. evidentemente não eram muito bons. O plano progrediu ao ponto de calcular quão rápido poderiam preparar-se suficientes aviões para dois vôos. Hei aqui outra história de outro tento por captar e documentar da melhor forma possível aos "Ovnis". mas não porque se considerasse que fora amalucado.

Escutou atentamente e fez várias perguntas respeito a avistamentos específicos quando o relatório concluiu. 23 . Isso poderia ser uma chave das verdadeiras intenções ou motivos das convocatórias às sessões informativas. a Força Aérea continuará estudando os informe de pires volantes" O que Ruppelt não nos conta. sua velocidade. para conversar com algumas pessoas. então Secretário do Ar. Thomas K. apreciemos e avaliemos em que medida o interesse pelo qual pediram ao Ruppelt que informasse. Tínhamos a esperança de que fotos de Ovnis tomadas com as lentes de contato de difração nos dariam alguma prova em um sentido ou em outro. Capitão.ou seja " 'o senhor ou a senhora cidadão comum' não olham ao céu a menos que vejam um brilho ou escutem um som. Assim relata os acontecimentos Ruppelt na página 199: "Logo depois de uma reunião retornei à ENTREVISTA. para encontrar fundamentos que ajudem a financiar a uma Força Aérea que vê recortado seu pressuposto. Average Citizen" --como ele os chama-. Obrigado. Penso que seria conservador dizer que o Blue Book só soube de aproximadamente 10 por cento dos Ovnis que foram vistos nos Estados Unidos" Essa preocupação vai determinar o desenvolvimento de um "plano professor" para captar aos Ovnis. Fica. Quanto sabia ou não o próprio Ruppelt e com que relatos de casos. é muito difícil que seu relatório chegue ao Projeto Blue Book. Deve ser interessante. era pelo tema OVNI em si.não fechar a porta à história de cobertura que permitia esconder os avanços tecnológicos em aspectos experimentais e operacionais." Então fez a seguinte declaração para a imprensa: "Não se obteve até agora nenhuma evidência concreta que prove ou desaprove a existência dos chamados pires volantes. "você está fazendo um bom trabalho. aconselhava continuar com o tema. Por outro lado. Seu tamanho. onde e quando.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Assim lhe disseram e o despacharam ao Capitão Ruppelt. O outro problema do que se queixará Ruppelt. e --no meu entender o mais importante de tudo-. era ao parecer. entretanto. o Tenente Coronel R. apresentamos um relatório de uma hora ao Secretário Finletter e seu pessoal. sua altura de vôo. é de "Mr. E de passagem. Finletter. Na medida em que isto seja certo. O plano professor para a detecção de Ovnis Uma das principais deficiências de que adoecia a documentação acumulada pelo Blue Book. o Coronel Dom Bower e eu partimos para a costa oeste. As câmaras se localizariam em vários lugares em todo os Estados Unidos onde os Ovnis fossem vistos com mais freqüência. Conta Ruppelt: "As solicitudes para os informe chegaram regularmente da mais alta figura na Força Aérea. encontrava-se o Blue Book. etc. as altas hierarquias no Pentágono. ou por saber como estava funcionando e o que acontecia o Blue Book. a necessidade de manter um tema palpitante. é sobre que casos específicos lhe indagou o Secretário Finletter. todo isso. ou Mrs. Retornamos trazendo a idéia de usar uma câmara de comprimento alcance focal equipada com lente de contato de difração. ainda quando olharem para cima e vejam um OVNI. Taylor pertencente ao pessoal do Coronel Dunn e eu. E então. J. Seu único comentário foi. Mas melhor deixemos que ele mesmo o conte. e ao dia seguinte. Se realmente estava preocupado pelos Ovnis certamente não o demonstrou. respeito a como obter melhor informação sobre os OVNI. suas manobras. uma quantidade de observações que os investigadores da Força Aérea não puderam explicar. Em 8 de maio de 1952. que da mesma não se podia extrair informação precisa sobre os "Ovnis".

o fato é que entre médio. Os astrônomos nos explicaram sua equipe e as técnicas a usar. além deste sistema fotográfico.faz que se perca o fio ou a importância da informação que aqui estou expondo em forma sistematizada. ou um globo refletindo a luz do sol. Em cada estação de radar propusemos que uma câmara de larga distância focal estivesse sincronizada com a antena giratória do radar. e a passagem de um corpo que estivesse emitindo calor. a construir radares e câmaras e especiais. em Ohio. Ao projeto da câmara lhe adjudicou uma prioridade A-1 em vermelho forte. N. um avião. de modo que em qualquer momento em que o operador observasse um branco poderia pressionar um botão e fotografar a porção do céu exatamente onde o radar dizia que estava localizado um OVNI.]. do A. Ruppelt vai deixar este tema para relatar avistamentos e outras atividades delas. Se duas estações rastreavam o mesmo objeto.que sabia de equipes para o rastreamento de mísseis. para mais adiante. se era necessário. Mas os Ovnis não esperavam até que pudessem ser fotografados. decomporiam a luz procedente do OVNI em suas partes componentes de modo que poderíamos estudar e determinar se se tratava de um meteoro. a que --a primeira leitura-. qualquer perturbação no campo magnético terrestre." Atribua-se o à forma ou estilo de escrever. É precisamente esta forma de redigir. As estações de detecção visual estariam interconectadas por um sistema telefônico. [tenha-se neste conta detalhe para mais adiante. [tenham-se em conta todas estas consultas. Nova Iorque. Tudo o que os operadores teriam que fazer seria seguir o OVNI com o instrumento de rastreamento. onde segue funcionando o ENTREVISTA. ou. do A. Cada conjunto conteria instrumentos para medir a radiação nuclear. de modo que ainda a mais pequena luz do objeto poderia ser fotografada. N. Ou poderíamos demonstrar que o OVNI fotografado era um artefato completamente estranho a nosso conhecimento. desde dar aos integrantes do Corpo de Observadores Terrestres simples aparelhos de madeira para o rastreamento. atualmente Apóie Wright-Patterson da Força Aérea. N. Nosso plano final expor o estabelecimento de estações para observação visual por todo o norte de novo o México. das desenhar e as construir. Durante os dois meses que tínhamos estado trabalhando nele tínhamos considerado tudo. Tínhamos escolhido esta localização de provas porque o norte de novo o México ainda produzia consistentemente mais informe que qualquer outra zona dos Estados Unidos. Mas vamos ao Ruppelt: "Por volta de dezembro o trabalho na fase de planejamento de nosso programa de instrumentação se completou.] e fomos a Roma. podíamos imediatemente calcular sua velocidade e altura. e uma seção do ENTREVISTA que desenvolveu equipe especial se fez cargo do trabalho de obter câmaras. e a hora exata e o azimute e ângulos de elevação dos Ovnis se registrariam automaticamente. propusemos que uma série de conjuntos de instrumentos estivesse disponível na área. do A. e a Boston para pôr em lista a ajuda de pessoas que desenvolvem equipe eletrônica da Força Aérea. Cada dia o tempo e a confusão cresciam um pouco mais. de modo que logo que um detector em uma estação visse algo poderia alertar aos outros detectores na zona. e o retoma nas páginas 260 e 261. As câmaras seriam realmente telescópios astronômicos. sede do ENTREVISTA e quartel geral do Blue Book. Tínhamos conversado sobre nossos problemas com a gente no Wright Field [o Campo Wright. Estas estações de detecção visual estariam equipadas com um só instrumento similar à mira a bordo de um bombardeiro. Esta rede de detecção visual estaria conectada à existente rede de radar de defesa na zona do Albuquerque-Os Álamos. [Ou seja que se propunha utilizar 24 .].Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta As lentes de contato de difração que planejamos usar sobre as lentes das câmaras eram quão mesmo prismas. etc. e tínhamos consultado com os técnicos em câmaras do Laboratório de Reconhecimento Aéreo da Força Aérea.

dirigiu-se a compilar tudas as partes e peças de informação que tínhamos acumulado durante o último ano e meio" No interín --coisa mais curiosa. O plano de instrumentação custaria aproximadamente 250. e finalmente informa do destino que o mesmo teve.] Os instrumentos estariam enviando contínumente sua informação a um 'posto de comando OVNI'. esta vez como uma tarefa adicional. porque planejávamos usar tanto equipe restante como fora possível e ligá-lo aos sistemas de comunicações existentes. A situação em que ficou o Blue Book é patética. Enquanto me tinha ido. ou os astrônomos consultados. Os centros de poder no ENTREVISTA passaram no plano em dezembro e o mesmo foi a Washington. custaria aproximadamente 25. e acorda ficar como Chefe do Blue Book até fevereiro para permitir encontrar um remplazo. mas duas pessoas não pode fazer muito. e nossa outra proposta de instrumentação. não puderam antecipar que as lentes de contato de difração poderiam causar tal problema? 25 . o preço não parecia ser muito mau--especialmente se podíamos resolver o problema dos Ovnis de uma vez por todas. mas tinha perdido seu impulso rapidamente quando pusemos a prova esses instrumentos ampliamente publicitados e descobrimos que não fotografariam satisfatoriamente um brilho de luz equivalente a um milhão de Candelas a 450 jardas.Ruppelt deixa o Blue Book. as câmaras que tinham estado desenvolvendo-se por um ano. Em poucos dias tive novamente o Projeto Blue Book. onde teria qe ser aprovado pelo General Samford [Diretor do Serviço de Inteligência da Força Aérea -N. Disse que se sentia como o Presidente da Antártida em um ano sem expedição. Ruppelt a descreve na página 298 de seu livro. O General Garland tinha argumentado ampliamente e vigorosamente em favor do plano. Seu persoal consistia do Alferes Max Futch. Logo que se estabelecesse o sistema. de estabelecer uma rede formada por estações de rastreamento. e recebi ordens de 'edificá-lo'. o Tenente Bob Olsson assumiu como chefe. seriam suficientes. mas quando quando imaginamos quanto havia flanco o projeto OVNI à Força Aérea no passado e quanto lhe poderia custar possivelmente no futuro. estando pendente um plano de tão vasta como essencial envergadura-. Os altos mandos tinham decidido em contra. do A. mas tinha perdido. câmaras astronômicas conectadas a radares.000 dólares. não eram boas. As câmaras por si mesmos estavam muito bem.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta detectores de radiação. do A." Como os técnicos em óptica do ENTREVISTA. o militar pede ser transferido. decidiu-se que as câmaras com lentes de contato de difraccion sobre as lentes. Mas a maioria do esforço no Projeto Blue Book durante o outono de 1952. Por todas as indicações parecia que íamos obter todas as bênções necessárias. mas com as lentes de contato.] antes que fora ao Comando de Defesa Aérea e então novamente ao Pentágono para a bênção do mais alto oficial da Força Aérea. onde também volta a retomar o fio do fabuloso plano que havia oportunamente arranjado junto ao Coronel Bower. onde já havia. que também obteria informe diretamente dos radares e das estações de detecção visual. "Quando deixei o projeto sobre os Ovnis para uma excursão de dever temporaria por dois meses em Denver. magnetômetros e detectores de ondas infravermelhas -N. o Tenente Olsson ia precisamente a deixar a Força Aérea e o Alferes Futch se ficou. A primeira isto vista parecia uma grande quantidade de dinheiro. Em dezembro do mesmo ano 1952.000 dólares ao ano operá-lo. Ambos os homens eram velhos veteranos da campanha dos Ovnis do 52. Quando retornei à ENTREVISTA em julho de 1953 e assumi outra tarefa. O programa de câmaras tinha começado como um projeto de máxima prioridade. nosso plano de instrumentos tinha sido rechaçado.

altura. Em seu livro "The Ufo Experience . sem enfrentar desagradáveis conseqüências. cuidando de não afirmá-lo. escreve: "Algumas das avaliações do Blue Book de relatórios sinceros eram freqüentemente tão transparentes e irrelevantes. em tanto quem sabia do que se tratava..Ascientific inquiry" (Henry Regnery CO. de que na verdade isso que muitos diziam ver por aí. a meu entender. Na página 178 Hynek diz que: "Os arquivos do Blue Book estão repletos de casos rotulados 'Informação Insuficiente'. Tenha o leitor a total segurança.atreveu-se a fazer e reiterar publicamente tal declaração. Terá que recordar uma e outra vez. para cobrir aparências. é que o Blue Book é mantido a seu mínimo nível. de que nenhum organismo militar --e muito menos em tempos de Guerra Fria.do pessoal e médios idôneos para realizar uma boa tarefa de investigação e estudo? Acaso se infere de todas estas situações um real interesse em determinar de uma vez por todas o que eram os "Ovnis"? Muito pelo contrário.. Chicago.acaso Hynek desconhecia essa realidade? Seu exponho em forma de pergunta. é uma maneira elegante. Mas. de estar dizendo algo. Pode ver-se atrás disto. mais a escassez de pessoal no Blue Book e o problema das lentes de contato. Hynek. Capítulo VI . quando em muitos casos o rótulo apropriado tivesse sido 'Seguimento Insuficiente' " 26 . e hora de fotografados? Ruppelt já não fala mais do projeto. nunca pudesse inteirar-se da realidade.. que posteriormente tinham que ser retratadas. talvez porque não podia afirmá-lo. 1972. e a agência não era outra que a CIA". 276 páginas) Hynek se refere em múltiplos instâncias ao Blue Book. um verdadeiro interesse em dotar ao Blue Book --organismo investigador oficial-. não constituía uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos. IL. Na página 173. usavam suas molas para que quem não devia saber. Dr. e seguir usando o tema OVNI. o Dr. medindo simultaneamente seu azimute. o que pode legitimamente concluir-se. Joseph Allen Hynek. onde o perigo ou a ameaça soviética estavam sempre pressente e latentes-. talvez poucas opiniões sejam tão autorizadas como a de quem por mais de 22 anos fosse seu assessor científico em Astronomia. terminaram por quitar tudo. não podia ser em maneira alguma extraterrestre. se não tivesse a mais absoluta certeza e verificada convicção. Aparentemente a negativa a pôr em marcha o plano completo. Era tudo isto uma cortina de fumaça. e de se as câmaras autorizadas deram algum resultado.O "Projeto Blue Book" ao nu A fim de nos formar uma idéia mais exata e acabada do que verdadeiramente era o Blue Book. o que machaconamente a própria Força Aérea dos Estados Unidos se encarregava de afirmar quando se referia aos Ovnis: "Não constituem uma ameaça para a segurança nacional". em tanto o verdadeiro trabalho e informação era dirigido por outra agência?" Hoje terei que lhe responder com um terminante: "Sim.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Acaso não se afirmou que "ainda a mais pequena luz do objeto poderia ser fotografada"? E se as lentes de contato eram o que causava problema. não era igualmente importante fotografar os objetos. um trabalho de cobertura para o qual o Projeto Blue Book era um organismo de fachada. E por supesto que uma realidade em nada inquietante.

foi sumariamente desprezada. o Dr. Carência de recursos. A operação esteve geralmente encabeçada por um oficial de menor fila.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Em outras palavras. No âmbito militar a importância adjudicada a uma missão. não obstante. ou até que chegava um pedido de informe por um Congressista cujo votante sentia que não tinha sido bem tratado pelo Blue Book. o esforço se encaminhava a compor uma rápida mas satisfatória resposta. mas sabendo --quem tinha que sabê-lo--que não valia a pena em realidade fazer nada nem sério nem profundo a respeito. ajudados por uma equipe de assistentes. Hynek diz algo mais sobre o Blue Book.era um simples organismo de relações públicas da Força Aérea dos Estados Unidos para dar a impressão de que se fazia algo em relação às denúncias de OVNI. um terminal de computador para consultar o banco de dados sobre Ovnis. Mas o Dr. Freqüentemente observei ocasiões quando o único objetivo do Blue Book era 'tirar-se o Congressista de cima' elaborando certo tipo de explicação possível. com fileiras de armários. isso significa que não se efetuava por parte do Blue Book uma adequada e completa investigação. Por certo que se os chamados "Ovnis" (do ponto de vista técnico e operativo) tivessem inquietado mínimamente às altas autoridades militares e de Defesa dos Estados Unidos. Os oficiais de fila relativamente desço do Blue Book estavam usualmente ajudados por um tenente e às vezes só por um sargento. O Blue Book seguia mantendo a idéia "OVNI". Diz na página 183: "Uma proposta para uma elementar computarización dos informe nos arquivos do Blue Book. Hynek sai ao passo da dúvida que ainda pudesse subsistir. a um sargento com escasso treinamento técnico. de interesse de parte das mais altas autoridades em ter um Blue Book realmente eficiente. e grupos de cientistas estudando com calma os informe. desenhada pelo Jacques Vallée e eu mesmo. função e realidade do Blue Book." Mas se acaso ainda alguém tivesse reservas ou dúvidas sobre a verdadeira identidade. Por um comprido período. como o Canadá ou Grã-Bretanha. lhe adjudicou a tarefa de avaliar a maioria dos informe que chegavam. --como pinjente mais de uma vez quando estava no Uruguai-." Eu sei que algumas pessoas ainda podem pensar que talvez não fosse tão assim. de pessoal. em lugar de montar um esforço científico inquiridor. Se acaso coubesse alguma dúvida. o mais importante. e servia a vários fins. o de cobertura à realidade de artefatos experimentais e operacionais dos Estados Unidos ou de nações amigas e aliadas dos Estados Unidos." Esta é uma descarnada imagem do que verdadeiramente era o Blue Book. na página 178 de seu livro: "Freqüentemente o Blue Book não se incomodava em investigar até que o caso OVNI tinha chegado a ter certa proeminência na imprensa. mas bem que a efetuar um sério estudo do caso. vou permitir me algumas transcrições mais do livro do 27 . Na página 182 expressa o seguinte "A impressão popular ao longo dos anos foi que o Blue Book era uma operação cabal. Isso para meu. com suficiente pessoal. Então. a realidade do Blue Book tivesse sido muito diferente. A real situação era infelizmente o oposto. séria. e apresentada diretamente por meu ao Maior Quintanilla no Blue Book. Não opina você o mesmo? O Blue Book. Hynek confessa como se descartavam sérias propostas efetuadas a fim de melhorar a qualidade do manejo da informação. é claro indicador de algo. O público talvez se imaginava um escritório espaçoso. Nada criava uma reação mais imediata e frenética de parte do Blue Book que uma indagatoria do Congresso. habitualmente está em direta proporção à fila do oficial que a comanda.

na larga história do Bue Book nem uma vez pediu a Cambridge calcular se os investimentos às quais se atribuía uma observação." (pág. A Paz foi uma famosa autoridade mundial em matéria de meteoritos. como o ilustra uma famosa circunstância na qual o telex continha duas páginas de direções e a mensagem dizia: 'Só outro OVNI'. a partir de novembro de 1948.. Lincoln A Paz. direção do vento. G. um sargento com nenhuma preparacion científica mais que em psicologia. quantitativamente. disponibilidade de outras testemunhas. No máximo. Ao referir-se à possibilidade de explicar certas observações como derivadas de investimentos de temperatura nas capas atmosféricas.000 pés!" E para finalizar este grupo de anedotas e comentários do Hynek sobre o trabalho do Blue Book. 261). . volta sobre o tema da fila militar de quem às vezes chegou a estar à frente do Projeto.. diz o Assessor em Astronomia do Blue Book: "A maneira de ingressar informação ao Blue Book é grosseiramente inadequada e certamente a causa de tanta ineficácia dentro do próprio escritório do Blue Book. Por exemplo. que silenciosamente e a 28 . detalhes da trajetória." "Omitem-se muitos dados informativos que poderiam haver-se obtido mediante interrogatórios conscienciosos. procedente de um cientista de muito alto nível.. Moody). os relatórios procedentes das Base Aéreas locais eram um desperdício de tempo da teletipo. (A palavra 'investimento' indubitavelmente chegou a ser um cesto de papéis rodeando ao Blue Book. Muitos 'blocos de informação' de um valor possivelmente crucial na avaliação de um caso. O Dr. e na página 258 expressa: "Durante um comprido período." Hynek adiciona também algumas informações e anedotas que se comentam se por acaso mesmas. é um relatório do tipo de Inteligência e dificilmente um relatório científico. não posso dar uma opinião em meu conceito altamente valiosa. 268) A grande cobertura Ao me referir ao Blue Book. amplamente reconhecido. tamanhos e velocidades angulares. V. como para que este reabra os interrogatórios com o fim de obter a informação necessária --às vezes do tipo mais elementar e óbvio. eram suficientes. usava-se para explicar uma observação feita por um avião a 15. O Astrofísico de Illinois. que resulta virtualmente nauseabundo. quando o Blue Book foi a ele para lhe consultar por uma série de estranhos sucessos ocorridos nessa área. esteve fazendo quase todas as evaluacions dos casos (o Sgto. Pareceria que ao Blue Book nunca lhe deu suficiente autoridade como para 'lhe devolver a bola' ao interrogador local e lhe requerer imediatamente informação complementar. contraste do objeto com o céu. uma denúncia original de OVNI tal qual chega ao Dayton. vá esta. Vi tantos.. Esse era o conteúdo da mensagem!" (pág.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Hynek. ao referir-se ao manejo das denúncias de observações.. Refiro-me ao Dr. como "broche de ouro": "Uma e outra vez. de um verde muito intenso. como pare lhes ter em conta no avistamento. Dado que existia um investimento de 3° a seis mil pés. tratava-se de avistamientos de uns estranhos "globos de fogo verdes" como lhes chamou. mas seu conteúdo e valor se podem melhorar muito se os oficiais destinados ao assunto OVNI nas Bases da Força Aérea tomam realmente a sério seu trabalho.. e encabeçou o Instituto de Meteoritos da Universidade de novo o México. são deixados de lado nos relatórios originais. por parte dos oficiais destinados ao assunto OVNI. etc. expressa: ". recarregando então o trabalho do já de se por acaso pequeno corpo do Blue Book.

a fim de fazer suas investigações quando a grande concentração de casos OVNI alcançou a Washington. entretanto não me permitia de nenhuma emane ra o acesso a toda a informacion de Máximo Secreto no Departamento de Defesa. E segue dizendo Hynek um pouco mais adiante: "Mas há outra razão pela qual eu também acredito que o Blue Book não tinha acesso a esse tipo de informação de Máximo Secreto: porque se tratava em certa medida de "o homem que estava mais abaixo na coluna totem". 383 páginas) das página 123 a 129. e por ele mesmo. e que vou ainda a apoiá-la com mais elementos de caráter documentário. o Capitão Ruppelt. Inc. em 1964.C. 300 páginas). Vale a pena reproduzir suas palavras e as que ele tira do Ruppelt." Opinião que compartilho totalmente. que investigou o caso de Socorro. e se afastou. Hynek. como por exemplo A Paz. Possivelmente alguns casos eram enviados só a mais alta autoridade. nas páginas 58 a 60. somadas ao feito de que jamais se encontraram rastros de um que tivesse cansado.os que logo entraram em aparelho o qual separou. e que todo o Projeto Libero Azul é uma grande cobertura que o governo não quer que se discuta. O Projeto Manhattan foi um desenvolvimento hiper-sercreto que deu como resultado a bomba atômica. Nova Iorque. D. Espanha. Novo o México. quem em 24 de abril de 1964 denunciasse o avistamiento de um "OVNI" aterrissado. tipo "para pessoas designadas que estão especificamente habilitadas para ter acesso”. Décadas depois. o Capitão Ruppelt. Todas essas características. determinaram que o Dr. Em tanto eu tinha um acesso a Máximo Secreto. O Cap." Um par de elucidações. e o mesmo ocorre com a FTD e Wright Field.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta muito baixa altura. 1977. e se supunha que ele era o homem chave na investigação de um caso que tinha capturado a atenção da nação! Em suas próprias 29 . o Dr. em julho de 1952. Tal informação está disponível só sobre a base da "necessidade de conhecer". Em "The Hynek UFO Report" (DELL Publishing CO. ou de fenômenos naturais. com deslocamentos muito horizontais. e dois tripulantes-. O Dr. A Paz em Novo o México. A Paz expressasse ao Chefe do Blue Book. Madrid. de que eu sou simplesmente uma parte de uma superpantalla de fumaça. diz ao final do relatório reproduzido pelo Steiger: "Também existe a opinião estendida por Socorro. o Astrofísico de Illinois também se refere ao "Blue Book" e o faz ampliando detalhes sobre situações vividas pelo Chefe do Projeto. 1977. da Polícia de Socorro. Um mero capitão não tem muita autoridade. Hynek escreve em uma parte de seu documento: "A Paz está totalmente convencido de que tanto os globos de fogo verde como a observação da Zamora eram provas de veículos avançados que se estão produzindo por algum projeto mais segredo incluso que o Projeto Manhattan. Zamora. A sob fila do oficial a cargo do Blue Book era um presente imprestável. "Houve muitas vezes durante meus vinte anos como consultor cientista do Blue Book em que eu também me perguntei se se evitava que os informe realmente melhores chegassem ao Blue Book. como Assessor Científico. e que me expressaram em numerosas ocasiões no passado. Ruppelt nem sequer podia obter do Pentágono um automóvel destinado ao pessoal. é o Sargento Lonnie Zamora. que não acreditava que se tratasse de meteoritos. cruzaram o céu do Albuquerque e outras áreas de novo o México. e ao redigir um relatório que o autor Brad Steiger recolhe em seu livro "Projeto Livro Azul" (EDAF. Hynek se encontra com o Dr.

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta palavras: 'Chamei à seção transporte do Pentágono para obter um automóvel para o pessoal mas me levou só segundos saber que as regulamentações diziam que nenhum automóvel para o pessoal estava disponível exceto para coronéis de maior antigüidade e generais. New York. ou seja. . nem adjetivos inúteis. 315 pags. à maturação Chefe do Projeto "Blue Book". Chefe do Projeto Bluebook escreve nas pagina 211 e 212: "O primeiro dos altamente publicitados avistamientos nacionais em Washington começou. Além disso a dama de finanças me disse que minhas ordens de viagem a Washington cobriam somente uma visita ao Pentágono. Mas eu não conhecia o sistema de ônibus e me levaria horas ir a todos os lugares que tinha que visitar. O Coronel Bower tratou. 30 . as partes em negrito são de minha responsabilidade. sem intenção de desertar.Mas ninguém se incomodou em lhe dizer a Inteligência da Força Aérea sobre a observação. . 1956..C. Capítulo VII. do A.M. . e o resultado foi o mesmo. aleguei. Não quero adicionar considerações desnecessárias.] Obviamente Blue Book e seu chefe não tinham muito peso. . reproduzi pequenas partes do livro do Dr. Ruppelt. . e se não fazia todos os trâmites necessários para modificar as ordens não poderia cobrar nenhum viático e tecnicamente ficaria AWOL. Qualquer jornal do país tinha grandes titulares a respeito de Ovnis sobre o Capitólio e ao chefe do projeto sobre Ovnis lhe pedem que se tome um ônibus da cidade!" Até aqui estas reflexões. logo depois de certos avistamientos sobre Washington D. .. .' [sigla que nos EUA significa "Ausente sem licença". . e seus próprios comentários finais sobre a situação toda. Hynek. Edward J. .Um caso paradigmático No capítulo anterior. comida-las. Do mesmo modo. quando um militar não se apresenta a cumprir seu dever. . Um dos tantos casos que me "abriu os olhos". segun o livro de bitácora do Controle do Aproximacion Aérea no aeroporto. acrescentou. e suas peripécias na capital dos Estados Unidos.. . para obter um automóvel p ra o pessoal. até que quase amanheceu-nos dia 20.. onde este cita em forma textual. de modo que não podia fazer que eles tratassem de pressionar ao tosco indivíduo que despachava os veículos. O General Samford e o General Garland se foram. . Obviamente.Durante a noite as tripulações de vários aviões de linha viram misteriosas luzes nas mesmas posições em que os radares mostravam os brancos. supunha-se que já tinha que estar retornando ao Dayton. foi a resposta. Em seu famoso "The Report on Unidentified Flying Objects" (Doubleday & Company.) o Capitan Edward J. N. às 11:40 P. você pode tomar um táxi. Ruppelt. . palavras do Capt. e os táxis por todo o Distrito de Columbia. Fui ao escritório de finanças e perguntei --posso alugar um automóvel como gasto de viagem? Não. Só quero deixar perseverança que nas passagens traduzidas e reproduzidos de outros livros. Considero que isto é abundante e suficiente para sustentar meu tesitura. a noite de 19 de julho quando dois radares do Aeroporto Nacional detectaram oito brancos não identificados ao Este e Sul da Base Andrews da Força Aérea. Nove dólares por dia de viático e tinha que pagar o hotel. E isto me leva da mão para apresentar o que eu considero é um caso paradigmático em muitos sentidos. pretendi com isso destacar certos aspectos que me pareciam de importância para a consideração do leitor. as palavras do Ruppelt transcriptas pelo Hynek. . Trata-se das famosas "luzes" (e sempre nada mais que luzes) que apareceram sobre a capital dos Estados Unidos na noite de 19 de julho de 1952. se quer pagar o de seu viático diário. para isso estão disponíveis os ônibus da cidade.

ao Este. e ninguém avisa ao Chefe do Projeto nacional que investiga os Ovnis. [a letra em negrito é de minha responsabilidade -N. o tráfico aéreo era tão escasso que só um homem estava olhando a tela de radar. e Bolling. Também tinha um radar de curto alcance. Suma-o que de se por acaso comentou o Dr. cruzando o Rio Potomac. Escreve Ruppelt na pagina 112: "Chamei o Pentágono do Aeroporto e falei com o Maior Dewey Fournet. Todos estes campos aereos estavam conectados entre se por um sistema intercom.del A. mas tudo o que sabia era o que tínhamos lido nos jornais. subimos ao escritório do Maior Fournet e escutamos o relatório do oficial de inteligência. Na seguinte edição os titulares foram complementados com "A FORÇA AEREA NÃO VAI FALAR". Esse era o nível que oficialmente lhe tinham dado a seu trabalho." Note-se que o Chefe do Blue Book não viaja da Base Wright Patterson da Força Aérea em Ohio. que está se localizado a 3 milhas ao sul do corazon da cidade.] "Então o oficial de inteligência prosseguiu. Encontrei-me com o Coronel Bower." "Quando um novo turno se fez cargo da sala do radar ARTC no Aeroporto Nacional. Parece-me que isso resulta muito evidente. ambas equipadas com seus respectivos radares. Este se inteira ao outro dia ao ler os jornais. A Base Bolling da Força Aérea disse. estava localizada apenas ao leste do Aeroporto Nacional.] estava em seu escritório com o relatório preliminar dos avistamientos. tinha dois radares.. Assim Inteligência foi notificada do primeiro avistamiento nacional em Washington. Disse-me que tinha chamado ao oficial de inteligência da Base Bolling da Força Aérea e que estava fazendo uma investigação. O Aeroporto Nacional de Washington. em avião da USAF. usada para as viagens presidenciais. que não falam de luzes. Lhe conhecia como o radar ARTC. mas sim tem que fazê-lo em um avião comercial. nos contando o avistamiento.C. quase em uma linha direta com o National e Bolling. mas sim de "pires volantes" e de interceptores que lhes deram caça."INTERCEPTORES CAÇAM PIRES VOLANTES SOBRE Washington.M. Era aproximadamente a 1:00 P. do A. D. Teríamos um relatório oficial preliminar ao meio dia. E atenção que aqui vem o mais substancioso do relatório: "O oficial começou nos falando sobre a localização dos radares implicados no incidente." Ninguém avisa a Inteligência da Força Aérea. O 31 .Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Quando os jornalistas começaram a chamar inteligência e perguntar sobre o enorme avistamiento que estava detrás dos titulares. quando o Maior Fournet me chamou e disse que o oficial de inteligência do Bolling [uma Base da Força Aérea -N. especialmente são de ter em conta as curtas distâncias entre o Aeroporto Nacional de Washington e duas importantes Bases da Força Aérea dos Estados Unidos: Andrews. A torre de controle do Aeroporto Nacional tinha um radar de curto alcance que usava para controlar avione s na vizinhança imediata do aeroporto. A gente era um radar de comprimento alcance na seção de Controle de Tráfico de Rota Aérea (Air Route Traffic Controle) Este radar tem um alcance de 100 milhas e se usava para controlar ao tráfico aéreo aproximando-se de Washington. Dez milhas mais longe." lhes disse que ninguém tinha ouvido nada sobre tal avistamiento. estava a Base Andrews da Força Aérea. o que nunca ocorreu! O que segue é enormemente significativo. Hynek e se tem um panorama bem claro da muito escasso importância que lhe tinha dado ao Projeto "Blue Book". Eu soube do avistamiento por volta das 10 da manhã da segunda-feira quando o Coronel Donald Bower e eu tomamos um avião desde o Dayton e compramos um jornal na sala de espera do Edifício do Terminal do Aeroporto de Washington.

Muito possivelmente. E no Congresso se escutaram as vozes de furiosos legisladores reclamando explicações.. Alguém.nunca se explicou a demora em despachar os aparelhos em perseguição." Tenha-se em conta que isto acontecia sobre a capital dos Estados Unidos da América..A. mais acima de alguns Coronéis. em seu livro " Pratos Voadores de outros mundos" comenta na página 87 sobre esta situação com os aviões: ". Mas ainda fica algo mais para expor sobre estes acontecimentos.. Carência de informação da Inteligência da Força Aérea.. em caso de que algo ocorresse.apenas depois que o técnico tivesse verificado o radar e achasse que os brancos não estavam causados por mau funcionamento do radar. quando existia quase uma psicose em relação à ameaça soviética.. [a letra em negrito é de minha responsabilidade -N. era muitíssimo menos plausível que ocorresse então... Duas ou três vezes os pratos se afastaram no instante em que deu aos pilotos instruções para realizar a interceptação.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta principal controlador de tráfico e os outros seis controladores tinham saído da sala às 11:40 P. e havia uma sensibilidade epidérmica respeito de qualquer feito estranho que pudesse ocorrer sobre o território nacional. eles informaram que também tinham brancos não identificados em suas telas.M.de. descuido da Força Aérea em enviar aviões interceptores. Ignorância supina dos condutores do Blue-Book." [a letra em negrito é de minha responsabilidade -N. Mas nada disso sucedio. Maiores e Capitães." E culmina na pagina 214: ". É uma pérola que nos oferece o próprio Ruppelt em seu livro já chamado.. Todos estiveram de acordo em que não eram aviões. A tripulacion do F-94 procurou na área uns poucos minutos mas como não pôde encontrar nada incomum retornou a sua base.do que se tratava. sabia --sem dúvida-. aproximá-lo suficiente para vê-los com precisão. o que Keyhoe escreve na página 87 de seu já chamado livro: "Chegou um momento em que Barnes teve a estranha sensação de que os misteriosos visitantes escutavam seus chamados radiofónicos. em momentos muito quentes da chamada "guerra fria". o mesmo indicou Andrews. teriam rodado cabeças na Força Aérea e ainda mais acima no Pentágono.] Segue Ruppelt na pagina 213: "O controlador principal deu uma olhada à tela e chamou a outros dois homens. e para minha é uma explicação e um testemunho de alto valor. Também uma forma de pôr a prova esses ecos eletrônicos para ver quão efetivos eram em fazer pensar em brancos reais. o Presidente Harry Truman dormiu plácidamente na Casa Branca. do A. Finalmente.. Mas os aviões não apareceram. de um exercício aéreo utilizando falsos brancos eletrônicos. Por sua posição na tela de radar soube que estavam apenas ao este e um pouco ao sul da Base Andrews da Força Aérea. Se as luzes que se viram sobre Washington houvessem remotamente significado uma possível intromissão estranha. que sério I-N-A-D-M-I-S-I-B-L-E que ocorresse hoje.. sem ser incomodado. e outra vez mais. o ARTC tinha pedido que a Força Aérea enviasse interceptores para que fossem e olhassem pelos arredores. e procurando responsáveis. Não houve piloto que pudesse em nenhum momento..O controlador principal então chamou à torre de controle do Aeroporto Nacional. 32 . já os brancos se foi. Uma forma de provar quão alerta estavam tanto as equipes de radar civis como de Defesa. Isto. e finalmente o ARTC chamo outra vez.] Donald Keyhoe." Estou persuadido que essa noite. quando o homem que observava a tela de radar notou que aparecia um grupo de sete brancos. Vem totalmente ao caso..

-'provavelmente Washington' " [a letra em negrito é de minha responsabilidade -N. tivessem sido alertados imediatamente.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Esquema da detecção radárica do caso sobre Washington D.]Não hesito em pensar que esse cientista de uma agência não revelada. disse que pensava que estávamos sentados exatamente acima de um barril de pólvora cheio de pires volantes carregados. E se você não os conhece. e de deliberações com seus colegas.! Mas sem dúvida. Capítulo VIII -Importantes detalhes de casos chave "As ações humanas se apóiam na imaginação.. em plena guerra fria. A observação ocorrerá em Washington ou Nova Iorque'. prognosticou. sem que a ninguém lhe pusessem os cabelos de ponta.' disse-me.. e ali os encontrará. Seu "prognóstico" obviamente.. Os casos OVNI foram sempre as grandes "vedetes" de revistas. 'dentro de uns poucos dias. livros. 'vão estalar e vocês vão ter o avô de todos os avistamientos de Ovnis. pode consultar as entrevistas bibliográficas que menciono. De seu estudo dos informe de OVNI que estava obtendo do Comando da Força Aérea. com aparelhos estranhos. e o leitor tirará suas próprias e lógicas conclusões: "Uns poucos dias antes do incidente. são os casos. o mais saboroso.. a crença e a fé.de repente. 33 . sobrevoando áreas proibidas. Escreve Ruppelt. estávamos conversando a respeito da crescente quantidade de informe ao longo da costa Leste dos Estados Unidos. é obvio. Minha idéia não é contálos em sua totalidade. a condição de que a origem deste controle não possa ser identificado pelo público" Dr. e dispostos para entrar em ação. porque nos demonstra quão absurdo tivesse sido uma situação real. um cientista de uma agência que não posso nomear e eu. Que seguros estavam quem dirigiu toda a "posta em cena" sobre a verdadeira natureza do que estava ocorrendo. e de um caso que é em si tudo um ensino. gravações de áudio. em alguma placa ou monólito. e lembrança que particularizou seus lentos e deliberados comentários golpeando o escritório com seu punho.. --como a da Casa Branca-. Jacques Vallée até agora falei principalmente das sacanagem da Ovnilogía. programas de TV e filmes. não na observação objetiva. Selecionados.C. era um dos poucos indivíduos que sabiam do que se tratava todo o assunto. o mais apetitoso em matéria de Ovnis. cumpriu-se. que bem poderia luzir no novo terminal do Aeroporto Nacional de Washington. e eu estava logo para partir quando disse que tinha um último comentário que fazer --um prognóstico. nas páginas 209 e 210 nos conta algo que mereceria ficar escrito em forma indelével. inaugurada em 1997. o sabor ao risco e a aventura? Eu também vou referir a alguns casos. antes de entrar em relatar suas peripécias pessoais e o "caso" em se. Conversamos por perto de duas horas. verdadeira.C. E quem controla a imaginação humana poderá conformar o destino coletivo da Humanidade. porque já foram relatados muitas vezes. do A. e sem que os melhores aviões de combate e outros mecanismos de Defesa. sem que o Presidente da nação fosse avisado. de uma espécie de "invasão" sobre Washington D. A quem não gosta de inteirar-se de coisas estranhas? A quem não lhe interessa saber o que foi o que aconteceu? A quem não gosta de sentir embora seja um poquititito.

Há uma história Aparecida em uma página da World Wide Web. havia várias versões diferentes do aparelho. como respaldo documentado de tudo que exponho. a não ser com forma de uma letra "D". detalhe e aspectos esquecidos dos mesmos. É pois muito difícil dizer algo novo. De qualquer maneira. mas no relato total de um caso. ou simplesmente nunca se inteiraram. Entretanto. ou seja que olhando a letra impressa nesta página. que são de se por acaso extremamente reveladores. desde modelos de treinamento. que fechava a fila. não era igual aos outros oito. acredito que são detalhes importantes. essas coisas ficaram à margem. tinham lido ou ouvido. no que se considera a primeira entrevista radial logo depois de sua observação. mas um deles. que se refere ao avistamiento feito na terça-feira 24 de junho de 1947 pelo piloto aviador civil e homem de negócios Kenneth Arnold. Uma das estruturas foi transportada aos Estados Unidos. a aviões de combate de um e dois assentos. sobre as coisas que aqui passo a detalhar. Proponho-me compartilhar aqui.1947 Talvez nunca se falou tanto de qualquer outro caso. concedida em 25 de junho.vale a pena que uma vez mais particularize que Arnold NÃO viu objetos com forma de "disco" ou "pires". E se pretende. há vários que sobressaíram. que esse objeto bem podia ser uma réplica do projeto de avião alemão Gotha Go 229. segundo a qual Arnold teria visto um total de 9 objetos. como do "caso Arnold". apenas um dia depois 34 . Em outras palavras. no Estado de Washington. Não se trata de coisas ocultas. geralmente não mencionados. começando com um caso de "Objetos Diurnos". relegadas a um terceiro ou quarto plano.muitos coincidirão comigo em que não recordavam. e não foram tidas em conta ou foram simplesmente omitidas pela maioria de quem tem feito referência a esses casos. que merecem ser tirados do anonimato. e a frescura do que tem valor próprio. O que se sabe é que quando as tropas americanas capturaram a planta onde se produzia o Gotha. criação dos irmãos Horten. durante a Segunda guerra mundial. mas sim a de ressaltar neste como em outros casos. Mas a versão cibernética a respeito de um último objeto diferente a outros parece especulativo. Oficial do caso. podemos imaginá-la deslocando-se de esquerda a direita. O caso Arnold . Assim os desenhou Arnold. Esses aspectos que muitos deixaram que lado ou oculto. nos contrafortes do Monte Rainier. para pô-los em um primeiro plano. Acredito que --ao finalizar a leitura deste capítulo-. e não é essa minha pretensão. --e como o tenho feito tantas vezes-. e finalmente um par de "Encontros Próximos do Terceiro Tipo".Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta No histórico de casos OVNI. Isso dá uma garantia de autenticidade. seguindo com um par de casos "Radar-Visuais" logo um clássico caso de "Registro fotográfico". aspectos quase desapercebidos. mais os comentários dos escritores de volta. E para isso. em relação a esses casos. Sempre. Aqui me propus abrevar diretamente das fontes mais diretas. escolhi uma amostra. sendo seu bordo de ataque o da "pança" da letra. além disso. citando as fontes de onde extraí a informação. não eram objetos circulares. por quanto que o próprio Arnold. Outras dois foram parar à mãos dos soviéticos com sorte desconhecida. em construção. foram sortes e escritas. segundo essa mesma história.

que suponho muitos Ovnílogos têm lido oportunamente. "descrevendo o encontro de um avião F-61 com dois a seis objetos voadores não identificados" (página 134). percorrendo toda a nação. --até onde sei-pode ter impedido uma maior difusão da obra.. e em duas ocasiões por rádio. pondo-os como exemplos das categorias que ele criou para classificar os casos-ovni. Japão . agradaria-me confirmá-lo com minhas mãos sobre uma Bíblia porque o vi.. Disse Arnold sobre seu avistamiento: "Estou convencido de que se tratava de algum tipo de avião.. e gerado seu desconhecimento por parte dos investigadores falantes de espanhol. Mas na página 40 Arnold comenta: "Alguns ex-pilotos do exército me disseram que antes de entrar em combate sobre o mar lhes tinham advertido a possibilidade de ver objetos de forma silmilar a por minha descrita e me asseguraram que não estava sonhando nem enlouquecendo. e seja que tenha algo que ver com nosso exército ou nossa inteligência ou que tenha que ver com algum país estrangeiro. Cito as palavras de.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta de sua observação..antigo piloto da Aviação Naval quem realiza agora operações de fumigação no Pendleton. se nossa Inteligência Militar não conhecesse o que observei tivessem sido os primeiros em vir a me visitar.." [a letra em negrito é de minha responsabilidade -N. suponho que. analisa-os e comenta. Hynek diz que o caso ocorreu aproximadamente às 11:05 35 . e não a um só que fora diferente.logo depois de ocorrido seu avistamiento: "Embora haja convidado ao Exército e ao FBI para que investiguem a autenticidade de minha história e examinem minha capacidade mental ou física. depois dos informe que dava a United e Associated Press. Para o final da entrevista. Esta definição que dá Arnold do avistado." Arnold logo foi oficialmente entrevistado em 17 de julho… Kyushu. que nos ocupa é um relatório que o Projeto Sign recebeu no outono de 1948. nas páginas 37 a 41. O qual em maneira alguma tem que levar a pensar que o que viu era algo extraterrestre.(nome omitido). Hynek relata vários casos. encaixa perfeitamente no que significa a sigla técnico-operativa OVNI. do A. descreve os objetos avistados desta forma: "tinham o aspecto como de um prato de bolo que tivesse sido talhado na metade com uma espécie de triângulo convexo na parte de atrás". em seu já mencionado livro "Projeto Livro Azul" transcreve um testemunho completo do Arnold. ah.] Brad Steiger. e. embora em muitos aspectos não se ajustavam aos tipos convencionais que conhecia". diz Arnold: "…isso é o que verdadeiramente vi. como lhe disse à a Associated Press. O que Arnold viu eram objetos que ele não pôde identificar com nada convencional que ele conhecesse. São palavras do próprio Kenneth Arnold e com gosto as vou reproduzir. Ali Arnold expressa alguns conceitos muito importantes no meu entender. embora a ausência de uma versão em espanhol. Oregon: 'Estou convencido de que o que observou é um tipo de nave impulsionada por foguetes a jorro que está em processo de comprovação por parte de nosso governo ou inclusive de algum governo estrangeiro' " E o mais importante é o que Arnold disse então --junho de 1947-. não recebi nenhuma amostra de interesse por parte dessa dois importantes força protetoras de nosso país. eu não sei. só que Arnold se refere a todos os objetos avistados. 1948 "The Hynek UFO Report" é um livro recomendável. muitos deles tirados dos arquivos oficiais dos Projetos Sign e Blue Book. e abrumadoramente omitidos por quem se refere ao caso. Isso encaixaria muito bem com a linha geral do Go 229.

E o melhor é a conclusão do lhe deponham. debaixo de um sofácama onde os filhos das testemunhas tinham estado jogando com eles. proveu o “Scientific Study of the Unidentified Flying Objects” ("Estudo Cientista dos Objetos Voadores Não Identificados". Entretanto --conta Hartmann--"O repórter do McMinville Telephone Register Bill Powell soube da observação por dois banqueiros do McMinville. nos mostrou um novo tipo de aparelho aéreo por alguma agência desconhecida para nós. Por exemplo. do McMinville.. -conforme se estabelece nas páginas 939 e 940 do mesmo relatório. de 15 de outubro de 1948.'" Isto é totalmente insólito. York. a não ser um professor anexo do Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona." McMinville. Para pô-lo nas próprias palavras do Hynek. apresentou um relatório escrito.Hartmann escreve na página 398: "Quanto à origem do OVNI. Quem esteve a cargo de estudar o caso. Bantam Books. e rastreou a história. Ralph e Frank Wortman.. referido mais acima. que era o operador do radar do F-61." E muita atenção ao que segue: "Encontrou os negativos no piso.M. Em 28 de janeiro de 1949. quem expressa (o negrito é minha): "Em minha opinião.. Oregon . e para que os leitores fiquem pensando-o: "Informe de Inteligência procedentes de forças aéreas do Extremo Oriente indicaram que os Ovnis tinham que haver ' levada equipe de advertência de radar ' . que sob o contrato Não. a 50 milhas ao Noroeste da Fukuoka. E umas das favoritas são sem dúvida.o Tenente 2do. Hartmann conta que a testemunha não procurou publicidade.. que recebeu seu doutorado em Astronomia. quase incrível. janeiro de 1969. no relatório. William K.escuta-se muito sobre essas coisas. que Hynek o apresenta como um exemplo de captações por radar... --3 meses depois!-. obtida-las pelo Paul Trent. Há algo muito interessante neste caso. encontre-se no trabalho de cientistas do grupo da Universidade de Avermelhado..eu não acreditava em tudo o que se conversava antes sobre os pires volantes. que merecem ser especialmente tidos em conta. Há alguns aspectos em torno do caso e à opinião de quem obteve as fotografias. Algo que também ocorreu em outros casos de detecções radáricas. Barton Halter do Esquadrão 68 de Combate.. 965 páginas). Hartmann. mas agora tenho idéia de que o Exército sabe o que é o que são". trata-se do Dr.C.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta P. Oregon. e que fez fotoanálisis lunar e planetário no México. porque o 'objeto parecia conhecer onde estava o F-61 todo o tempo' ". N. entre eles o famoso de Washington D. não foi um perito especificamente na área de fotografia. A meu leva a fazer três considerações: 36 .1950 Talvez uma das melhores análise que se feito de fotografias de objetos de formas nãoconvencionais.. F44620-67-C-0035 da Força Aérea dos Estados Unidos. a Testemunha II remarcou tanto em seu momento como em 1967 que ele pensou que era um aparelho secreto dos Estados Unidos" e a seguir transcreve palabas pronunciadas pelo próprio senhor Trent: ". Hawaii e em campos vulcânicos do Arizona. frente à costa Noroeste do Kyushu. em 11 de maio de 1950. admitindo que estava "como assustado por isso" e "temeroso de que se meteriam em problemas com o 'governo' e de ser incomodados pela publicidade". o Dr.

Apóie Otis da Força Aérea . A testemunha pensou que era um aparelho secreto dos Estados Unidos Houve além disso. 37 . e logo lhes prometeu enviar-lhe por correio a Oregon.. É altamente possível que me esteja metendo em algo que não é de minha incumbência. por isso seria uma mera especulação. uma contradição essencial em que não conheço que investigadores do tema tenham reparado sequer. O Major detectou um branco no radar e advertiu a pilotos que nesse momento voavam um caça a reação F-86. Oregon. os jornais do Portland. relatavam a história. em 11 de maio de 1950. Oregon.. na Base Otis da Força Aérea. 2) as testemunhas fizeram um truque pensando em explorá-lo comercialmente. O que documenta o caso é uma carta do Maior Tuttle. 9 e 10 de junho. e Los Angeles. Hartmann relata que "Com a cooperação do Life o projeto de Avermelhado descobriu que os negativos de 1950 tinham estado em posse do International News Photo Service que posteriormente se fundiu com o United Press International. e os quais eram os verdadeiros propieterios da citada empresa fotográfica. ou o tenham feito suficientemente: Hartmann relata na página 399: "na sexta-feira e sábado. o Maior Tuttle em seu relatório. e até toleraram que seus filhos jogassem com eles. por que aparentemente não os usou mais. não fora conveniente. o que implica superfícies irregulares e um tamanho comparativamente grande.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta 1) as testemunhas não pensaram que isso que fotografaram era nada extraordinário. Primeiro lhes disse que se haviam traspapelado. mas por outro lado. não eram os originais. se esta empresa pagou e quanto por esses negativos. Os pilotos indicaram que não viram nada." Tivesse sido interessante saber como os negativos passaram do Life ao International News Photo Service. Menos mal que "não procuravam publicidade"!! A revista Life nunca lhe devolveu os negativos às testemunhas.1950 "The Hynek UFO Report" relata na página 139 um caso de radar ocorrido em 21 de setembro de 1950. A revista Life publicou as fotos a semana seguinte. pode ser algo que à Força Aérea agradaria conhecer se é que já não sabe. Nem Hartmann nem o grupo da Universidade de Avermelhado se preocuparam em averiguar ou em dar a conhecer nada disso. ou 3) as testemunhas duplicaram os negativos. As testemunhas aceitaram um convite para aparecer em um programa de televisão ' We the People ' em Nova Iorque". o suficientemente grande como para que os pilotos pudessem ter uma boa possibilidade de vê-lo.. Talvez. Mas não há elementos de julgamento de nenhum tipo para sustentar esta última opção . um Oficial meteorológo da Asa 33 de Combate. e esses com os quais jogavam os filhos. o que nunca aconteceu. em Massachusetts." Muito sensato e prudente por certo. O Major comenta então: "o que mais me incomoda é que dava um muito bom eco de radar. Uma das duas famosas fotos obtidas no McMinville. logo temeram as conseqüências que isso lhes pudesse trazer e então deixaram os negativos soltos dentro da casa. e o Maior Tuttle comenta que isso não é surpreendente "considerando a velocidade do objeto e que o mesmo pode ter acontecido vários milhares de pés por cima ou por debaixo deles"..

A natural impresionabilidad e sugestibilidad que é patrimônio dos brasileiros.. que é uma fase superior da teconología militar atual. Então lhe perguntei: o que é isto?. mas.. e sem pensar duas vezes. Mais adiante.. e não faltou quem --emulando ao Juan Rodríguez Vermelho. logo que avultada na parte central.1958 16 de janeiro de 1958. alistou seu Rolleiflex. furtivo. Seu cilindro no bolso. Outro apareceu mas não soltou sua carga útil. ora é uma linha alargada. Ilha da Trindade . Mas por fortuna. e fué assim. São fotos evidentemente retocadas. e o mostrou ao Capitão do navio.I. algo se divisa no céu à distância. membro ativo do Foto Clube do Uruguai. Tenho ao respeito uma suculenta anedota. diz textualmente em um relatório oficial remetido 11 de março de 1958: "Este cavalheiro tem uma larga história de truques fotográficos e é bem conhecido por itens tais como falsas fotografias de tesouros no fundo do oceano.Hynek ao reproduzir duas das fotografias. o "Almirante Saldanha".permite verificar notoriamente que se trata de um avião. pleno Oceano Atlântico. O grito pôs em alarma a todo o navio. Sunderland. Capitão M. Barauna era um fotógrafo "free-lance". Sem dizer do que se tratava. e um fotógrafo profissional a bordo. ocupo-me dela. ali tirado de frente.V. E quando teve a foto lista me entregou isso. que faz recordar ao planeta Saturno. ''Vejam o disco". levei o livro ao assessor fotográfico do C." Esta é a classe de indivíduo que tomou as fotos. "quero que me tire uma ampliação desta foto. e que a trabalhe para logar a maior nitidez possível. Brasil. uniu-se para pôr um marco perfeito. com uma linha ao médio lhe atravessando. Então. com vastos conhecimentos de fotografia. Muito cientista e equipe e instrumental fazendo experimentos e investigações por toda parte do mundo. em "The Hynek UFO Report" fez-o de tal sorte que a que ocupa o lugar inferior da página --a décima primeira das páginas de ilustrações. perdeu-se um globo sonda. Um estudo minucioso das mesmas demonstra que não há coincidência na forma do avistado entre umas e outras. e logo depois de processá-lo.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Claro. Eu me dava conta disto em 1985. Ora aparece um objeto claramente oval. Ano Geofísico Internacional. sem numerar-. o Dr. Almiro Barauna. apareceram as fotos que deram a volta ao mundo. o senhor Mario Borgunder.O.gritou 466 anos despues "Olha ou disco!". a capital. Apareceu algo voando. e sem titubear um ápice me respondeu: "Um avião 38 . o fotógrafo profissional. --como diz a Gênese.I. o levou a sua casa. o marinho que viajava com o Colombo e que às 2 da madrugada do famoso 12 de outubro de 1492 gritou "Terra!"-.não tirou ali copia nem ampliações. e tirou várias tomadas. O Agregado Naval da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. em uma época em que o tema dos Ovnis estava na zona "ao vermelho vivo" logo depois da série de artigos publicados na revista "Ou'Cruzeiro" pelo Engenheiro Joao Martins. verão. E disse ao Mario. o oculto. Já havia ambiente psicológico no navio de que em dias anteriores os "discos voadores" tinham estado rondando a área. experiente fotógrafo profissional. e não detectable pelo radar." Borgunder fez um trabalho excelente. Logo revelou o negativo no próprio navio. e com negócio instalado há muitos anos no Montevideo. no ano 1950 se estava ainda longe de desenvolver as tecnologias do "Stealth". Um casco de navio escola da Marinha de Guerra do Brasil.

e que Almiro Barauna retocou todas as fotos em seu laboratório. Bastaria que algum destes aviões tivesse utilizado a Base da Real Força Aérea britânica de Ilha Ascención. um Blackburn "Buccaneer". em Washington D. dirigi-me ao Museu Nacional do Ar e do Espaço. naquele tempo.. foi um dos que mais voltas deu ao mundo. e se o obtenho antes de terminar este livro. o Avro 698 "Vulcan" ou o Avro experimental 707. Pelo que não me cabe dúvida é que se tratava de um avião. É óbvio que eu efetuei a consulta ao National Air and Space Museum. da Divisão Arquivos. Por outra parte. Ante as possíveis alternativas de explicação que eu lhe oferecia. com um avião de uma potência estrangeira. seria insensato pensar que os marinhos brasileiros não reconhecessem um avião de sua própria Força Aérea. como preferimos lhes chamar no Rio da Prata. eu penso o mesmo. e um desenho interpretativo de minha parte. Embora suas fotocópias não revelam muito detalhes. Nisso estou. Em 1993. enquanto que o Avro 698 "Vulcan" e o Avro 707 experimental seriam difíceis de explicar longe das costas do Brasil. desconhecido ou muito pouco conhecido na área. Isso não encaixa com a figura fotografada. também em pleno Oceano Atlântico. Tenha-se em conta que foi precisamente da base da Ilha Ascención de onde os Avro Vulcan separaram para suas operações de guerra nas Ilhas Falkland (como as chamam os britânicos) ou Malvinas. o senhor Hagedorn me escreveu: "O primeiro 'Buccaneer' não voou até em 9 de julho de 1958. em seu momento. e não muito distante da Ilha da Trindade. localizado-se na metade de cada asa. O problema é que o Gloster Meteor F. aqui constará. Me alegro. permitia-lhe perfeitamente bem transladar-se desde Ilha Ascención à Ilha da Trindade e retornar a sua base.C. respondeu-me. inquirindo a respeito. Sugerimos que poderia ser um dos Gloster Meteor F. disse-lhe. e como esse objeto O bombardeiro britânico de asa em delta Avro VULCAN tinha sido feito passar por uma estranha nave extraterrestre. para produzir as que logo percorreram o mundo e possivelmente lhe devem ter dado lucros por sua venda. Hynek. Mas não aconteceria algo semelhante. tira-as de ar dos motores do Vulcan. Um extraordinário bombardeiro com asas em delta.8 tem seus motores muito separados do corpo do avião. o 26 e 27 de junho de 1959. A autonomia do bombardeiro. Em carta datada em 27 de julho desse ano. estão justamente no lugar em que corresponderia ao que se aprecia no objeto fotografi ado. E então lhe expliquei a origem da foto. peteneciente à prestigiosa Instituição Smithsoniana. Dão Hagedorn. O que fica por fazer.8's adquiridos pela Força Aerea Brasileira aproximadamente por então. assim como com o experimental Hawker P. Em troca. Boianai. 39 .1052. ou um Hawker P. Pensamos que há uma maior possibilidade de que o avião em questão fora de origem local brasileira. a vista frontal de um Meteor F. sem dizer para nada que essa era uma das fotografias de um pretendido "OVNI".8 (ver fotocópia anexa) pode apresentar esse aspecto mas bem "volumoso" representado pela melhor de suas três fotocópias". Tendo a pensar que bem pôde haver-se tratado de um Avro Vulcan britânico. anexando fotocópias da foto Aparecida no livro do Dr. Papúa – 1959 O caso ocorrido a uma missão religiosa Anglicana no Boianai. Nova Guinea. é identificar o avião. nnaquele tempo. Tal o caso do Vulcan. Papúa.1052.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta visto de frente".

" (op. as movendo a esquerda e direita. a maneira de saudação. um intercâmbio inteligente. a respeito disto. pág.1966 40 . na mesma frase. Outro tanto ocorre em sentido vertical.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Em seu favor tinha: 1) que havia múltiplos testemunhas. essa não é a questão. ocasionalmente dois. e os tripulantes da nave lhes respondem. ou a outro país. e despues quatro: notamos as várias vezes que os homens apareceram"(The Hynek UFO Report. mas sim se foram para jantar!. que tinha que ser simplesmente um novo aparelho de vocês os americanos". comenta na página 223: "Aparentemente outros. e a mesma atitude. vê a nave flutuando. pág. ou ao melhor à Marinha de Guerra do mesmo país. os que --com as diferenças que são de esperar-coincidiam essencialmente em descrever uma mesma nave. logo um. corre a lhe advertir ao Pai Gill que a nave tornou. Embora o sol se pôs (detrás das montanhas). ainda houve bastante luz pelos seguintes quinze minutos. 2) que todos pertenciam à mesma Igreja. porque o mesmo estava tripulado por homens. É um caso no que há um contato ou melhor ainda. Hynek admite o mais importante do caso. idênticos tripulantes. Vou referir a dois aspectos substanciais do relato do Pai Gill. 221-222). às que em seu momento interrogou por separado e lhes fez fazer desenhos do avistado.Permanecemos ao ar livre para observar. e logo depois dele outros na Missão. (op. que o aparelho estava suficientemente perto dos observadores. págs. Se o aparelho pertencia ou não à Força Aérea dos Estados Unidos. também. 220). E se isto não fora suficiente. Vimos figuras aparecer e n a parte superior --quatro delas--não cabe dúvida de que eram humano. Annie Laureie Borowa. É certo que Hynek a artigo seguido. Eu pensei. pergunto-me às vezes a respeito de meu mesmo. Quando a gente que está ao ar livre. A nave responde fazendo o mesmo. Sua resposta foi: ''Olhando retrospectivamente. para individualizar homens. o próprio Hynek.. entrevistou ao Pai Gill. O que fica claramente testemunhado.cit. "EC-III" no Texas . entretanto. Finalmente. faz-lhes gestos com luzes. logo três.. Porque tem que saber-se que o Pai Gill. sentiram que os americanos tinham algo que ver com o que tinham observado (e então era mais seguro ir-se jantar)". além disso do Pai Gill. os da Papúa fazem gestos levantando seus braços. Hynek se interessou pelo caso. O mesmo Dr. cit. e bastante tempo depois de ocorrido. o suficientemente perto para que os observadores individualizem homens e que entretanto seja completamente silencioso!" Quase está demais que me permita destacar o fato de que o próprio Dr. 3) que o Pai William Melchior Gill foi também testemunha e respondia pela veracidade das demais pessoas. Nos dia 27. e então relata o religioso: ". não ficaram mais vendo o objeto. 220). é que o artefato era um produto de tecnologia humana. Eram quatro homens em total. e não controvertido por ninguém. culmina com este ingênuo comentário: "Infelizmente. Relata então Hynek: "Quando lhe falei com Pai Gill no Melbourne. quem diz sobre o avistamiento do dia 26: "À medida que o observamos. a Força Aérea não pode creditar-se ter um aparelho que pode flutuar a poucos metros de altura sobre o chão. uma das nativas da missão. no que parecia ser uma ponte acima de um enorme disco. saíram homens do objeto e apareceram na parte superior do mesmo. perguntei-lhe.

De flanco vi as letras TLA. também se refere ao mesmo -mas não com o propósito de pô-lo como exemplo de um ECIII. S. O objeto tinha a aparência de um avião convencional mas sem asas ou motores.um sucesso no qual. Ou o que é ainda pior. tenho um consolo ao expor o que segue. similar à cabine de um B-26. Tudo visto bem de perto. Ao elevar do chão.. justamente antes de uma volta do caminho). Um aparelho estacionado quase ao bordo de uma estrada. e um piloto tão terrestre como qualquer outro.a gente pode ao menos admitir que um Astrofísico. --às vezes difícil de desentranhar-. 459 páginas).Quando um homem que vestia o que parecia ser um gorro de mecânico com a vicera levantada.. ao relatar este caso das páginas 208 a 210 de seu livro "The Hynek UFO Report": "Aqui há outro relato de um Encontro Próximo do Terceiro Tipo. 41 . em palavras textuales do Dr." Cabine de plexiglás. ou dizer algo. quão único cabe pensar é em um artefato militar.. Jacques Vallée. Logo que o homem entrou." Em uma descrição à a Associated Press.com um muito terrestre embora não convencional aparelho. O objeto tinha luzes dianteiras e traseiras que eram brilhantes.A. talvez corresponde fazer um lugar para admitir quão complicadas são algumas situações nas que uma pessoa pode encontrar-se que. como é possível que nos presente como um exemplo do que ele chamou um Encontro Próximo do Terceiro Tipo --supostamente com entidades procedentes de não se sabe onde-. Vallée nos contribui em primeiro lugar. um científico assessor do Blue Book. a testemunha de 56 anos de idade. que tem luzes dianteiras e traseiras.. ao ponto que a testemunha lhe nota a vicera levantada. escada. publicada pelo jornal "TheTimes-Herald" de Dallas em 27 de março de 1966. nas páginas 172 e 173.. deve valer-se de estratagemas e de formas sutis. para poder emitir uma mensagem. que não têm desperdício algum. pelo que se deduz que cumpria com as normas de trânsito..! Acaso pode inferir-se alguma outra coisa? Felizmente Hynek não é nossa única fonte de informação sobre este caso.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Como preâmbulo a este caso. vi que o veículo tinha a forma de um peixe perca. sem dúvida. um professor universitário de Astronomia. a informação espaço-temporal necessária para qualquer posterior análise ou estudo de um caso. para ser mais justos. Segundo o Blue Book. um homem com uma boina. letras.em seu memorável obra "Passaporte a Magonia" (Plaza & Janés. o objeto começou a elevar do pavimento e se encaminhou em uma direção para o sudeste a aproximadamente 700 MI/H. escutou-se um som parecido a uma perfuratriz de alta velocidade mais o som de uma varinha de soldar quando se dispara um arco. Havia uma borbulha tipo plexiglás na parte superior. na Wichita Falls. Um grande estudioso do tema OVNI. Eddie Laxon.. esta vez por um instrutor civil da Base Sheppard da Força Aérea. e transcreve declarações textuales da testemunha. Partindo dessa complexidade. declara: "À medida que me aproximei. Joseph Allen Hynek. Texas.. possa mencionar um caso omitindo elementos tão importantes como a data e hora em que ocorreu. 1972. Notei também uma cabine de plástico no fronte. na esperança de que alguém capte o conteúdo essencial. notou que um homem que luzia uma boina de beisbol (!) entrou no objeto por uma escada que estava na parte traseira. Espanha. o Astrofísico e matemático francês Dr. subiu por uma escada para o objeto. mas. "Encontro próximo". sendo as duas últimas de 38 polegadas. possivelmente coubesse refletir a respeito de quão complexa é a natureza humana.? Mas. Só pensando nisto último. Assim. Barcelona. visto de flanco. À medida que o observador se aproximou. ele se encontrava conduzindo seu automóvel pela estrada quando localizou um objeto de aspecto estranho estacionado de tal maneira que bloqueava a porção exterior de um sinal de curva na rota (ou seja. ou de tráfico aéreo.

Texas. E adicionou: A gente me pergunta se aquilo parecia 'do espaço exterior'. ajudar a pensar a outros.] Eu acredito que segue sendo certo aquilo de "A bom entendedor. na pluralidade dos mundos habitados. parecia estar examinando algo na parte infe rior. na página 175. na possibilidade de máquinas voadoras. É provável que a testemunha vivesse em Têmpera. Sustentava um abajur em sua mão direita e estava quase ajoelhado sobre o joelho do mesmo lado.. são muito importantes. descansando sobre patas extensíveis. unir ordenadamente uma série de cabos soltos. A isso eu respondo que não sei que aspecto deve ter algo do 'espaço exterior'. para a Base Sheppard.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Advirto previamente. de cinqüenta e sete anos à maturação. escreve pouco mais adiante." [a letra em negrito é de minha responsabilidade N. é a tarefa que verdadeiramente importa e terá que cumprir.. uma possível e lógica explicação. Inclino-me a pensar que o caso tenha ocorrido perto da Wichita Falls. em Têmpera (Oklahoma). Pensar em profundidade com mente analítica. e para meu. Um homem vestido com um macaco e meio doido com uma espécie de boina de beisebol. porque suas idéias e suas revelações. e o reconheceria imediatamente se amanhã me encontrasse com ele em Chicago. Relata Vallée então: "Em 23 de março de 1966. Oklahoma. na qual trabalhava. Laxson. segundo Vallée. Segundo Hynek. ia em seu carro para o Sul. sede dos Esquadrões de Treinamento 80 e 82.. do A. e se dirigisse para o Sul. Vallée e alguns outros estudiosos --poucos por certo--pertencem a essa categoria. em direção à Base Aérea Sheppard. próximo à Base. constituem o tipo de contribuição mais valioso dentro do campo da Ovnilogía. às cinco da manhã. há 30 quilômetros de distância. que se encontrava a um metro do chão.. lhes expondo a umas quantas cenas cuidadosamente preparadas. que há uma diferença quanto ao Estado no qual teve lugar o incidente. cuja sagacidade e brilhantismo intelectual foram suas melhores contribuições ao tratamento do tema OVNI. sem asas nem motores. mas posso afirmar que o que vi estava fabricado na América. algo que será uma de suas idéias chave: "é possível fazer acreditar em grandes setores da população na existência de raças sobrenaturais." Voltarei para o Vallée mais adiante. cujos detalhes se adaptam à cultura e às superstições de uma época e um lugar determinados. instrutor civil da Aviação americana. ou um chefe de tripulações. poucas palavras bastam" Vallée.. W. isso posso assegurá-lo. é Texas. que está na Wichita Falls. Quanto ao homem. Isto tem entretanto. e compor um quadro total que nos revele a verdadeira identidade do assunto. disso estou seguro. era um vulgarísimo soldado. Laxson respondeu: Era um vulgarísimo mecânico militar. Ocorre que entre Têmpera e a Base Sheppard. ou um membro dessas tripulações de terra. da Força Aérea. Capítulo IX -Documentos reveladores 42 . pela rota 44. é Oklahoma. E. quando encontrou a estrada bloqueada por um grande objetode as dimensões de um 'Douglas C-124 Globemaster'. quando realizar uma avaliação final de todo o tema. Quando lhe perguntou que aspecto tênia esse homem. enquanto com a mão esquerda tocava a parte inferior da fuselagem.

" pus em negrito as partes do documento que me interessavam destacar. G. tenha-se muito em conta a data). (3) Circular ou elíptico em sua forma. e se faria a consideráveis gastos de atuais projetos e portanto. se se ordenasse. (3) A possibilidade de que alguma nação estrangeira tenha uma forma de propulsão possivelmente nuclear. mais valor têm certos document vos oficiais -¬considerados hoje com a perspectiva que os anos transcorridos nos permitem. (5) Normalmente não há som associado. ou possivelmente.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta quanto mais longe vamos no tempo. chato na parte de abaixo e com uma cúpula na parte superior. exceto em umas poucas circunstâncias quando o objeto aparente memore esteve operando sob condições de alta performance. A aparente descrição comum dos objetos é a seguinte: (1) Superfície metálica ou refletivo da luz. como primeiro possibilidade quanto à origem dos 43 . O documento aparece como "Apêndice R" do "Scientific Study of Unidentified Flying Objects" nas páginas 894 e 895. (4) Vários informe de vôos em formação muito bem mantida. É possível dentro do presente conhecimento nos Estados Unidos --sempre e quando se empreender um detalhado e amplo desenvolvimento--constuir um avião pilotado que tenha a descrição geral do objeto no subpárrafo (e) anterior. A carta do Tte. (6) Estima-se que o nível da velocidade de vôo é superior aos 300 nós. Evidentemente. Chefe do Estado Maior Conjunto do Exército dos Estados Unidos. Twining afirme já em 1947. é da mais alta importância por dois motivos: 1) porque foi redigido apenas 3 meses depois do Caso Arnold. é muito importante que o Tte. que esteja fora de nosso conhecimento nacional. Gral. uma parte substancial de dita carta: "E. que os Estados Unidos tem conhecimentos para desenvolver aparelhos com as características descritas pelos observadores. variando de três a nove objetos. insumiría muito tempo. envia a Comandante Geral do Exército do Ar. F. exceto em três instâncias em que se notou um substancial rugido estrondoso. deveria estabelecer-se independentemente dos projetos existentes. Qualquer emprendimiento neste país seguindo os esboços indicados seria extremamente custoso. quanto mais perto dos orígenes do tema nos localizemos. trata-se de uma carta datada em 23 de setembro de 1947 (por favor. que o Tenente General Nathan F. que provariam indubitablemente a existência destes objetos. 2) porque no documento se avalia a situação em torno do tema. Se deve dar devida consideração ao seguinte: (1) A possibilidade de que estes objetos sejam de origem nacional --produto de algum projeto de alta segurança não conhecido do AC/AS-2 ou deste Comando. (2) A falta de evidência física na forma de amostras de material recolhido de uma queda. H. Twining. devesse dizer melhor. que seria capaz de ter um rádio de ação de 7000 milhas a velocidades subsónicas. Continuando. Eles também vêm a somar-se à composição da imagem mais completa e clara que podemos ter sobre o assunto OVNI. e que. Brigadeiro General George Schulgen. General Twining E o primeiro documento que quero mencionar. e se expõe que se inicie uma investigação oficial do mesmo. (2) Ausência de esteira.

portanto tem que aparecer por outros lados. conhecida por sua sigla H.. que será o "Projeto Signo". mas também no exterior. todos os incidentes ocorreram nos Estados Unidos. a aparição de objetos estranhos por suas características..Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta mesmos.. dirigelhe ao Brigadeiro General Donald Putt. Estes são documentos oficiais de muito alto valor.). que já se criou a Fueza Aérea. como pode apreciar-se. ou seja. O ponto chave que dá motivo a que se proponha a criação de uma entidade de investigação. e vai da página 844 a 852. Lipp dá a razão para que assim se faça. como um organismo totalmente separado do Exército. da Divisão Mísseis da Rand Corporation. Lipp: "A distribuição dos objetos volantes é peculiar.. para afiançar a idéia do "extraterrestre" Mas a origem. A análise do Dr.onde se discorre sobre a possibilidade de que uma inteligência extraterrestre estivesse visitando nosso planeta. Em outras palabas. também estime que pode tratar-se de um produto americano pertencente a um projeto de alta segurança. da obra acima mencionada. Mas a idéia e o objetivo não é só utilizar estes objetos e estas tecnologias dentro de fronteiras. Lipp O segundo documento é o Apêndice D. tem que visitar todo o planeta. obviamente. em tanto que se poderia esperar que homens do espaço que nos visitem pulverizariam mais ou menos uniformemente suas visitas sobre tudo o planeta.T. Ali está sua origem.. As recomendações do Projeto Grudge 44 . Lipp. não pode restringir-se a um país.. Em particular. A pequena área coberta indica fortemente que os objetos volantes são de origem terrestre. tal cal surge destes mesmos documentos. estamos pisando em terreno firme. as ações atribuídas aos "objetos volantes" denunciados durante 1947 e 1948 parecem inconsistentes com os requerimentos de uma viagem espacial. trata-se da nota que o Dr.Embora visitas do espaço exterior se acredita que sejam possíveis. James E. Tudo. dos inícios do assunto.del A. e o ponto de partida.é uma condição necessária. Entre outras coisas. em outros países ---primeiro aliados ou amigos dos Estados Unidos -. Escreve ao final de suas considerações o Dr." [A letra em negrito é minha. já seja físico ou psicológico. considera-se que são muito improváveis. N. O numeral 2 por outra parte. por dizer o menos.. está restringido aos Estados Unidos e seu território. são --a meu entender-.em que estes são os dados antigos do problema. que uma nação estrangeira tenha desenvolvido uma tecnologia que potencialmente pudesse pôr em perigo a segurança nacional dos Estados Unidos. O vou citar simplesmente em sua parte final. E se isso fica claro. porque o próprio Dr.. (ou seja. (que é a idéia original que tem que servir necessariamente de cobertura a toda a operação). já que é muito extenso e é toda uma elucubración --apoiada por alguns cálculos-. Até onde este escritor sabe.] Tenha-se muito em conta --insisto-. Diretor de Investigação e Desenvolvimento da Força Aérea dos Estados Unidos.E. se essa nação for inimizade.. elimina de raiz toda especulação em relação à queda de uma "nave extraterrestre" nas cercanias da Base Roswell do Exército do Ar. Uma presunta visita "extraterrestre". Note-se de passagem. em 13 de dezembro de 1948.fundamentais. a chamada Hipótese Extra Terrestre. é essencialmente a consideração exposta no ponto 3.

Que se revisem as atuais diretivas sobre coleção relativas a objetos voadores não identificados para submeter a consideração só aquelas denúncias que indiquem claramente aplicações técnicas realistas.] e 1.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Em 11 de fevereiro de 1949.A. "MEMORANDUM PARA o INFORMACION ASSUNTO: Informe sobre o avistamiento de um avião pouco convencional. em 19 de outubro de 1955. é a comparação que o próprio Lexow faz. efetuado por alguém cujo nome se tachou.. 4. Diversos estudos de desenhos se hão relizado para o projeto "E"." O memorando interno da C.) dos Estados Unidos. W. do A. Match 3 Velocidade de ascensão .) foram descritos como similares ao Projeto "E" que se encontra em estado de investigação na Avro Aircraft.I.. do Canadá.. O enfoque do tema OVNI era menos entusiasta. Que a investigação do estudo de denúncias de objetos voadores não identificados se reduza em seu alcance. A.000 pés Rádio de ação: 700 milhas náuticas 3. O assunto fundamental que Lexow comunica. Mas o que interessa em princípio. Ltd.. Frost obteve sua idéia original para a máquina volante de um grupo de alemães depois da Segunda guerra mundial. Prévio ao avistamiento de (... Já que foram dois os objetos vistos em operação ao mesmo tempo.000 pés por minuto Teto: 102. 1. envia um memorando para informação. certamente estes objetos se encontravam em serviço. Das primeiras informações do Projeto "E" a começos de 1953. o outrora Projeto Signo. Lexow.].. foi trocado a Projeto Grudge.tachado. sob contrato da Força Aérea dos Estados Unidos.... N.. "1. Seu rendimento é o seguinte: Velocidade." 45 ..000 dólares pela USAF. mais restringido. em uma zona muito improvável para ser utilizada para vôos experimentais.tachado. Que a Divisão de Guerra Psicológica e outras agências governamentais interessadas em guerra psicológica sejam informadas dos resultados deste estudo... Mas talvez nada deixe mais em claro o verdadeiro interesse que podia existir detrás de um Projeto oficial de investigação dos Ovnis.. a Division de Ciência Aplicada esteve atenta a qualquer informação que possa indicar que os soviéticos estão trabalhando em um projeto como este. Atualmente se realizam provas em túneis de vento e estão financiadas até com 800... acredita-se que o Sr.) não se dispunha de dita informação.I. 6. Sete anos mais tarde. 509). que me eximem de ulterior comentário. Os objetos avistados por (. é o avistamiento de dois objetos.(documento tirado do Scientific Study of Unidentified Flying Objects. muito pragmático --se se quiser. 2. P. dominada pela União Soviética.1 pés de espessura [35 cms. E. o Chefe da Divisão de Ciência Aplicada da Agência Central de Inteligência (C. 5... que as recomendações com que conclui este projeto. na área da Europa Oriental.A. do A. O Projeto "E" está dirigido pelo John Frost.120. O estudo atual se apóia em uma asa circular de 30 pés de diâmetro [nove metros N. São tão eloqüentes se por acaso mesmas.. Os soviéticos podem ter obtido a mesma informação deste mesmo grupo alemão. 3.

adjudicaram-se tão somente 250 mil dólares.A. é um dos tantos pertencentes a C. para confirmar o rumor. O outro que me parece importante destacar. pôde ter acesso a certos documentos.I. Essa foi a constestación oficial que teve o Grupo da Universidade de Avermelhado. exerciam além disso um verdadeiro controle da informação ao ponto que nem sequer. de visita um dos países da Europa Oriental. Mas peritos consideraram mais tarde que o avistado eram dois aviões convencionais efetuando uma levantada manobra ascendente. chegando a cifra total a 325 mil dólares. e postos a conhecimento público logo que se aprovasse a Lei de Liberdade de Informação. Na mesma página o projeto passa a relatar o seguinte: "antes de iniciar a investigação de campo. de que as altas esferas militares e de inteligência. membros do Projeto verificaram por telefone com a seção Operações da Base. é que em 1953. uma corroboracion mais. vou expor certas circunstâncias muito esclarecedoras. Vá preço para um trabalho científico de envergadura. de tamanho. cit. da página 341 a 342. que conheciam perfeitamente e dirigiam toda esta idéia dos Ovnis. resultam para meu. e então comentam: 46 .Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Permito-me deixar perseverança que o documento transcripto. como deveu ter sido.adicionaram-se logo 75 mil mais. no tema OVNI. às que se viu sujeito tal grupo de cientistas em sua tarefa. para a qual trabalhavam por contrato. O caso foi investigado por todo o pessoal do grupo. pág. seis Ovnis tinham seguido a um vôo de um X-15 na Base da Força Aérea." (op. de Avermelhado. E em 1967.A. este seleto Grupo. os investigadores não ficaram satisfeitos com semelhante resposta. Mas já que menciono ao Grupo da Ou. Podiam ter os soviéticos um aparelho de tecnologia similar a que secretamente estava desenvolvendo a Força Aérea dos Estados Unidos com uma assinatura canadense? Como se verá mais adiante. já lhe queimava as mãos aos homens do ar. Estas circunstâncias. ao tratar de investigar um caso. O grupo descreve assim os antecedentes do caso: "Um rumor foi irradiado a este projeto por uma fonte considerada confiável. que lhe adjudicou o número 30 de sua lista. em um estudo histórico da ingerencia da C. informando que em outono de 1967. O importante é saber que com características tão especiais. mas nunca foi! Todos os Ovnílogos têm consciência clara de que o Grupo da Universidade de Avermelhado foi contratado pela Força Aérea dos Estados Unidos para prover um "enterro de luxo" a um tema que a essa altura. forma e comportamento. também conhecido como a Comissão Condon. sugeriu-se que a filmagem do acontecimento teria que estar disponível por parte da Força Aérea.I. a observação a fez um Senador dos Estados Unidos com sua comitiva. a Força Aérea dos Estados Unidos tinha tal projeto em marcha em 1953. Não havia registro por escrito de uma denúncia de OVNI e não houve vôo do X-15 esse dia". e --a rápido pedido-. e ocorreu na área do Pacífico Sul (muito provavelmente a Base Nellis da Força Aérea. de parte de militares da Força Aérea. destinaram-se 800 mil dólares para experimentar com modelos do Projeto "E" em túneis de vento. Naturalmente. 341). para avaliar e estudar todo o tema OVNI. em Califórnia) em outono de 1967. e além a seus peritos lhes destratou. O caso do X-15 O assunto aparece relatado no "Scientific Study of Unidentified Flying Objects".

não se trata de ocultar ou cobrir uma "invasão extraterrestre" para que não estenda o pânico e se derrubem os critérios e as crenças em apóie às quais funciona uma sociedade dada. cit. não devolveu a chamada. e uma vez mais. as guerrilhas urbanas e rurais em Centro e Sudamérica). E assim se procedeu... estavam totalmente compartimentados e estratificados. encontraram-se com que as páginas de documentos tinham sido arrancadas dos expedientes originais." Quando um colaborador do grupo. de que não tinha havido um acontecimento OVNI nessa Apóie no dia em questão. com indicações de que o secreto oficial estava associado com o acontecimento.Informe e casos surpreendentes 47 . a crise dos mísseis em Cuba. disse-se que o Diretor de Informação não estava disponível. [declarados secretos -N. Viet-Nam. com diversos e diferentes propósitos.. serve a muitos propósitos. a condição --indispesable. etc.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta "O rumor persistiu.na segunda-feira.. 341). Isto põe de manifesto às claras... as atividades experimentais e operacionais de artefatos aéreos não-convencionais. como a manifestação de uma inteligência superior e não humana. ] não apareceria nenhum registro no livro de operações. e tinha tal poder que estava em suas faculdades não só sossegar a testemunhas ou a investigadores. fotografias... e de guerra fria e algumas guerras menores muito quentes (Coréia. do A. captações radáricas registradas em cintas de computadores. pág. Isto deu como resultado uma mensagem telefônica deixada por um assistente do Diretor de Informação. Em tempos de feroz conflito ideológica.. filmagens. E na página 342.de que só um reduzido círculo de indivíduos soubesse e tivesse sob seu férreo controle todo o assunto. E aqui vem o brochada final: "O respondeu somente que o Diretor de Informação lhe disse 'não se meta nisso' " Provoca tristeza pensar que os investigadores tenham tido que concluir sua busca de informação declarando: "Os intentos por investigar o rumor encontraram evasão e uma resposta não cooperativa a nosso precatória de informação à Base....Um oficial do Pentágono transmitiu uma solicitude ao Diretor de Informação da Base para que falasse com o investigador do projeto e esclarecesse esta situação. entretanto... entenda-se. Se os informe do acontecimento tinham sido classificados.." (op. e que devia ser assegurada a qualquer preço-. Permito-me resumir as partes mais suculentas de seu relato: "Intentos por saber mais sobre o acontecimento denunciado de parte do Oficial de Informação Pública foram respondidos com aparente evasão de parte desse escritório.." Não é este o único caso em que investigadores de primeira linha. tampouco lhe podia encontrar ao Coronel. trabalhando em forma oficial. a quem os investigadores chamam "o senhor A" retornou à Base. Capítulo X . onde não existia nem por indício uma associação ou cooperação a nível algum entre declarados inimigos.. que o conhecimento e manejo do tema OVNI. mas sim podia extrair documentação original. Mas.. culminam em forma lhe sobressaiam os avatares destes cientistas. Só certo núcleo de indivíduos sabia do que se tratava.. já fora a assentada em um livro de registro de novidades. o segredo do enorme potencial do uso da idéia de "OVNI" ou melhor ainda dos "pires volantes".. pediram-lhe uma elucidação sobre o incidente.

teto com certeza. “(1) Invenção (brevet de 1934!) no qual o benefício se perdeu para a França devido a seu escandaloso desinteresse sobre as idéias novas (portanto... Esta teoria --nesta época-. Mas B. Guieu informa: "A começos de novembro de 1954. Henri Coanda (1). 252 páginas) que contou com um Prefácio do laureado literato francês Jean Cocteau. Guieu escreve: "Não ignoramos que evidentemente a A.V. e para inventário. foi um destacado estudioso francês dos primeiros tempos do tema dos Ovnis. Na página 89 desse livro.. aterrissagens e decolajes verticais). embora o semanário precipitado indica já suas características. França. Segundo o semanário 'Point do Vue-Images du Pode' do 24 aos 31 de março de 1956. e a existência de projetos concretos de artefatos volantes com forma circular. na página 103.000 metros aproximadamente (?). como corolário do expresso. inteiremo-nos que o físico alemão Burkhard Heim. sobre a criatividade em aeronáutica.. 48 . Mas hei aqui uma terceira informação muito mais próxima no tempo e em sua procedência. valha a pena transcrever três informações tiradas de fontes diferentes e pertencentes a tempos diferentes... A energia magnética emitida pela terra seria captada por um 'transformador' que a modificaria em um campo de forma magnética que suprimiria a gravitação terrestre e por conseqüência o peso que mantém à astronave no chão.. reatou seu impetuoso trabalho para pôr a ponto uma teoria rigorosamente científica que permite suprimir a atração terrestre!. Teto: 30.. vou referir a uma informação procedente da França.Os Estados Unidos e Venezuela lhe ofereceram a possibilidade de explorar o descobrimento. sua astronave (cuja maquette experimental está muito adiantada) poderia alcançar a lua em 3h. Mas nada prova que tal aparelho se obteve. Em primeiro lugar. que leva 29 anos com os dois braços amputados. 1956.000 km/p/h aproximadamente. Utilizando um campo de força magnética.. Autonomia de vôo: 4 horas. 30 e Vênus em 55 horas! Teria uma forma ovoidal de 22 metros de diámero e estaria rodeada de um cilindro de um diâmetro sensivelmente superior. Heim atenta desde já utilizá-la para as viagens interside rales.não foi verificada a não ser no domínio matemático. Burkhard Heim optou pelos Estados Unidos e colabora atualmente em trabalhos de 'máximo secreto' que se desenvolvem em um dos numerosos laboratórios especiais consagrados a esse tipo de investigações" Como quem diz. imediatamente aplicáveis). cego e surdo devido a uma explosão experimental das primeiras V-1. signo de 'fossilização' avançada!” A sua vez. Paris. 8 reatores que totalizam 24 toberas. Jimmy Guieu. Escreveu um livro titulado "Black out sul os soucoupes volantes" (Edições Fleuve Noir. maniobrabilidad nitidamente superior a de um avião (voltas fechadas. uma informação curiosa." Jimmy Guieu "Black out sul os soucoupes volantes" Talvez. também batizada como 'Aerodino'. logo depois de nove anos.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta "Estamos convencidos que certos governos ocultam quantidade de verdades ao público e evitam deste modo desmentir diversos rumores a fim de que a idéia da origem extraterrestre dos pires volantes faça se por acaso só seu caminho no espírito do terrícola comum. Rói -Canadá constrói atualmente um pires volante (construção financiada pela Força Aérea dos Estados Unidos). M. Velocidade de cruzeiro 5.. Assinalemos de passagem que o francês Couzinet também imaginou uma aeronave circular de asas múltiplos. esse pires ou 'Aerodino Lenticular' teria sido realizado (?) segundo os planos de um inventor francês.

recolhe trabalhos de 9 autores. a forma em que se realizou a investigação dos acontecimentos. cumpre a função de que se constate de que tipo de informação se nutriu ao longo de décadas o tema OVNI. por telefone." (op. Moller. 1967. Ao "Discojet" inventado pelo Engenheiro Paul comprido do tempo. Dois indivíduos de aspecto humano e estatura normal. vestidos com um macaco. no Davis. O caso número 52. Do mesmo modo. e descreve o seguinte: "Um agricultor chamado Garreau. está impulsionado por oito motores. Necessito deste modo enfatizar. e não está apoiada em seu interesse nos Ovnis. Jacques Vallée.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Margaret Sachs. poderá-se ver também. de profissão proyectista. que aterrissou em seu campo do Chaleix. em seu próprio conteúdo. saíram do aparelho e dirigiram a palavra à testemunha em um idioma que este não entendeu. Califórnia. e Vallée escreve a respeito: "Ao anoitecer de dito dia. entretanto. proveio de fontes reputadamente responsáveis. escreveu na seção "Antimatter" da revista OMNI. e também são parte essencial Moller. 276 páginas). nas proximidades do Munster (Alemanha): retornava a sua casa quando observou um 49 . Cada um deles nos diz ou nos revela algo fundamental. todos eles se foram acumulando em minha memória. e como algo dessa informação. é um pires volante de fabricação humana." Na vasta literatura sobre o fenomenal OVNI. nos Estados Unidos. entre eles do Dr. pág. encontram-se alguns casos absolutamente surpreendentes. por terceiras pessoas). Barcelona. página 95. cit. do quebra-cabeças que vamos Armando para ter uma nítida imagem final. Herr Hoge. porque de algum jeito evidenciam atividades e/ou projetos com aparelhos não-convencionais. Espanha. desenhado para competir com pequenos aviões militares e para executivos. construído pelo Paul Moller. ascende. cujo texto titulado "Algumas constantes nas aterrissagens de Ovnis" apresenta uma lista de 200 observações acontecidas no ano 1954 na Europa. ou em forma já totalmente operativa. (Borgoña). e quanto tempo transcorreu entre o acontecimento motivo da investigação e a tarefa realizada para dirimir do que se tratou. uma vez deu um curso sobre pires volantes em uma universidade e tem escrito artigos para revistas relacionadas com o tema. no exemplar de febero de 1982. por parte de certos grupos humanos. Como um beija-flor. (pessoalmente. Não falavam francês O livro "Os Humanoides" (editorial Pomaire. O Discojet. viu um objeto do tamanho de um carro. a título experimental. ocorreu em 9 de outubro de 1954. Sua superfície curva de fibra de vidro lhe faz quase invisível ao radar um fato que está despertando inteire em círculos militares. Discojet. balança e retrocede. 52) Aparelho em reparação O caso número 77. Mas insiste em que a forma de pires do Discojet é uma decisão de engenharia. um engenheiro e presidente da Discojet Corporation. de dois passageiros. viu quatro ocupantes de um objeto que tinha aterrissado a 70 metros da estrada. descende. Devo advertir que estes casos têm sua capacidade aqui. sob o título "Discojet": "O nome evoca imagens de passageiros de aviões balançando-se ao ritmo de música a 35. está datado em 4 de outubro de 1954. que sua inclusão neste capítulo. que imprecisões ou déficits teve a mesma.000 pés. perto do Rinkerode. quem pilotará o aparelho.

para logo aparecer aparentemtne em outro lado. Chicago. 57). Iluminam ao objeto que está em terra. que está a 150 metros. se janeiro de 1968 tivesse sido a data entrevista. Aqui há um engano conceptual grave. mas rodeado de um halo luminoso. O capítulo 5 se titula "A noite que dispararam a um ocupante" ("The night an occupant was shot"). Descrevem ao objeto com forma semelhante a de um silo. não encontram nada. Alerta a seus companheiros. Jacques Vallée. e é então quando relata que: "Nesse momento fez este gesto de. vêem "quatro pessoas paradas ao redor do aparelho" (pág. 1975. O te deponham diz que não podiam entender tal atitude.22 Hornet. metálico. transcripto de uma entrevista conduzida por um agente do Tesouro dos Estados Unidos que deseja permanecer anônimo. Simplesmente lhes menciona. Mas o objeto que emitia a luz tinha forma elíptica e baixo ele trabalhavam quatro homens. 130). Nenhum dos dois relatos precedentes parecem ter sido objeto de investigação. que pareciam vestir macacos de borracha. com um abajur alimentado pela bateria do automóvel. Outros dormiam. teve lugar em janeiro de 1968" mas seis artigos mais abaixo se diz: "o incidente teve lugar em uma fria noite de novembro nas pradarias do norte dos Estados Unidos". em meio de intenso frio. e novembro de 1967. Finalmente o objeto volta a aparecer. A situação foi a seguinte: quatro amigos retornavam de uma caçada. depois de um alambrado e uma via férrea.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta resplendor azul a um lado da estrada e o que tomou por um avião que tinha efetuado uma aterrissagem forçosa. Ali se esclarece que "o seguinte caso. 132). com uma olhe Weaver K-4". titulado "The edge of Reality" Henry Regnery Company. pág. cit. que pensa se trata de um avião incendiando-se. Só poderia sortear-se esta discrepância. e um deles tinha uma escopeta. da qual transcrevo literalmente sua descrição conforme aparece na página 132: "Tínhamos uma . Vão inclusive em busca de um guarda que relutantemente lhes segue com seu veículo patrulheiro. bom. afastem-se. ilumina a um indivíduo que está junto ao objeto. aparece relatado no livro que escrevessem conjuntamente o Dr. e o mais provável é que as fontes dos mesmos tenham sido alguns artigos de imprensa. a um lado da estrada. Em três oportunidades ao aproximar-se. conforme se estabelece na página 130. " (op. ou vão-se daqui!" (pág. "por que diabos fizeram isso?" Um desses casos surpreendentes. tivesse sido o mês no qual ocorreu o caso. Os caçadores querem aproximar-se do objeto. e a sua direita um objeto aparentemente incandescente. O condutor vê descender a uma milha de distância por diante do automóvel. um Modelo Winchester 43. por isso seus vidros se empanavam e lhes aderia gelo por fora. Joseph Allen Hynek e o Dr. o objeto desaparece. Nesse momento. para prover ajuda. e quando chegam ao lugar. inicialmente só o condutor ia acordado. se é que aquele aparelho tinha cansado e necessitavam ajuda. que tem o foco em suas mãos. Dos quatro. com um veículo cuja calefação não funcionava bem. e quem declara. e se dirigem para o lugar. enquanto se deslocavam por caminhos talheres pela neve. esta vez estão decididos a aproximar-se. "A menos que fosse algo que 50 .

Não há precisão de data. e grita aos caçadores: "Agora. E isto é o que aparece relatado no livro "The edge of Reality".. Porque nenhum deles o investigou. sim.. um com a escopeta. entrevistou a um dos caçadores. Definitivamente. Em nenhum momento se cumpriu com nenhum dos aspectos mínimos de uma investigação. Cabe a pergunta com que finalidade se deu por "caso OVNI" este relato? O "pequeno avioncito" do Monte dos Padres Este caso. para deixar de fazer seu trabalho. Diretor do CEFAI. que cai sobre seus joelhos." Esses indivíduos vestiam de branco. Talvez aquilo era simplesmente um silo e os indivíduos uns camponeses.R. Descem do automóvel dois dos caçadores. [a letra em negrito é de minha responsabilidade – N. e um deles dispara a arma. Simplesmente um empregado do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos. e está bordeado pelo caminho Donato Alvarez. olhe entoe por sobre seu ombro. Com a ajuda de seus companheiros. lhe dando a um dos dois personagens próximos ao aparelho. Banchs não publicaria o caso como um exemplo da estranheza dos Ovnis. essas pessoas fora no campo pareciam ser humano em todo sentido. e a testemunha recorda que tinham algo na cabeça mas não sabe exatamente o que. viaja em sua caminhonete realizando partilha de leite e pão na zona. Os quatro amigos discutiram o que fazer. Estão separados entre si. Não há entrevistas por separado aos caçadores. verdade?".. que faz o relato diz ter exclamado: "Não. tais como rastros do persumido aparelho. O objeto parece jogar às escondidas. e pouco mais adiante. Ao transitar pelo caminho Donato Alvarez vê que descende um "pára-quedas luminoso". e caminhar sob chuva "500 a 600 metros para passar um pequeno regato e um aterro das 51 . e não ficavam de acordo. há uma "garoa persistente". na terça-feira 20 de julho de 1965. hora e lugar onde supostamente ocurieron os acontecimentos. não! Não pode lhe atirar a um camponês!". A testemunha. levanta-se. nas páginas 48 a 50. por que diabos fizeram isso?". Buenos Aires. Atreveria-me a pensar que na atualidade. O caso o relata meu colega o Dr. 1980).L. (Edição Três Tempos S.] É extremamente curioso que Hynek e Vallée incluam este "caso OVNI" em seu repertório. ao que lhe responde o entrevistado: "Correto. As condições meteorológicas para o avistamiento não são as melhores. que une a localidade de São Francisco Solano com o Caminho Pasco. em seu livro "Os OVNI e seus Ocupantes" .".Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta não se supunha que víssemos. Ramón Eduardo Pereyra. Teve que ter tido muita curiosidade dom Pereyra. outro com o foco. 132). Esta vez há dois indivíduos junto ao aparelho. Quando um deles se dispôs a disparar com a escopeta. Quem interroga diz: "Em outras palavras. 133).del A. e ninguém se preocupou em identificar e entrevistar à polícia patrulheiro que aparentemente se envolveu por um momento no incidente. Argentina. já que embora são as 8 da manhã. até que outra vez lhes aparece. Tampouco se realizou esforço algum por corroborar no plano físico alguns dos extremos denunciados pelos "testemunhas". Argentina.. o declarante diz: "eram seres humanos" (pág. O incidente aconteceu em um lugar conhecido como "Monte dos Padres" --porque antes houve ali um monastério. Como um veículo da Força Aérea que fora novo em desenho.(pág. e provavelmente gravou essa entrevista. É um campo se localizado em Vila A Florida. ocorrido a 18 quilômetros de Buenos Aires. Iluminam aos sujeitos. sempre me chamou a atenção. mas aqueles eram outros tempos. e das pessoas que estavam em torno do mesmo. Roberto Enrique Banchs.

cit.. cit. conhecendo a evolução que o Dr. possivelmente um pouco maiores que os comuns. Era loiro. pág. O mais interessante é o que vem depois. aparentemente de couro. e um tabuleiro com luzes. pág. Banchs teve como investigador e estudioso profundo do tema. este teve a ocasião de aproximá-lo suficiente ao artefato para apreciar uma série de detalhes. e o Dr. compleição forte. já que seus tripulantes eram evidentement e. Argentina.Pereyra segue caminhando uns passos mais e o ser que está junto à árvore gira. Buenos Aires. 49). Ambos se cruzam. como artefatos tão 52 . duvido que na atualidade incluíra este acontecimento como um "caso OVNI". pág. 1976. que o que ele viu era um artefato terrestre. cabine de plexiglas. encontra-se com o que descreve como um "pequeno avioncito". Mas ainda existe um aspecto mais surpreendente que a revelação pelos dois casos prévios. quem rodeia ao aparelho por sua parte traseira. além disso um cinturão com fivela chapeada e botas curtas.80 metros de estatura. através dos anos. Este caso já tinha sido narrado pelo Dr. cit. A testemunha acreditou que se tratava de "um aparelho feito pelos russos". eu me permito concluir que o senhor Pereyra pensou com toda lógica e acertada razão. do A. Frente ao tabuleiro há um "homem vestido com mameluco cinza e um capuz do mesmo tecido. dentro da cabine aprecia dois assentos colocadas costas contra costas. 49 e 50). caminha uns cinco metros para o interior do bosque e vê então a 30 metros do aparelho. em sua perna direita uma cartucheira.. Pendurava de seu pescoço um par de gêmeos [forma comum de chamar os binoculares ou largavistas. e o senhor Pereyra. 48). seres humanos. com foma de um ovo. Banchs em seu livro titulado "As Evidências do Fenomenal OVNI".75 e 1. sem prejuízo de que o incidente merecesse algum tipo de estudo. vestiam mameluco cinza chumbo. um capuz como de monge. do mesmo tecido (o homem que estava dentro do aparelho a tinha posta enquanto que o que estava fora a tinha tiragem sobre os ombros)... já que pensa que é um avião que teve uma imperfeição e não recebe resposta alguma. e parte inferior metálica. e ver bem a ambos os tripulantes. não vê asas nem hélices." (op. ao ponto de lhes fazer aparecer ante o grosso do público. talvez. A estar ao dito pelo senhor Pereyra. o homem segue sua rápida trajetória até o aparelho" (op. que se tratava --em efeito-.cit. vá a Pereyra e começa a caminhar velozmente para ele.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta vias da Ferrovia General Belgrano" (op. Não obstante. Quando finalmente a testemunha chega a um bosque.49). especialmente ao que estava em terra e se cruzou com ele. a curiosidade todo o pode.Banchs detalha da seguinte maneira. 168 páginas." E por quanto "logo depois de distintos exames físicos e psíquicos efetuados por organismos oficiais e privados. cara totalmente normal. O artefato "com um ligeiro som a solda autógena" (sic) elevou-se a 30 metros e logo partiu. Pereyra ficou como uma qualificado testemunha" (op.]. a outro indivíduo. Pereyra lhe pergunta se necessitar algo. penteado para trás. Rodolfo Alonso Editor. tal qual o assinalei mais acima. com rasgos mais fortes que os comuns.de um artefato terrestre. junto a uma árvore. N. e que o Dr. às vezes.Banchs acrescenta na página 50 "Pereyra sustenta. "As entidades vistas pelo Ramón Pereyra tinham entre 1. mas. talvez porque se quis manter o aura de mistério e de "estranheza" em torno dos objetos. Por isso importa muito a descrição que fez a testemunha. Este indivíduo não vá a Pereyra. pág. um estudo ainda maior. com dois foguetes a cada flanco. trata-se de acontecimentos escassamente mencionados na literatura do tema "OVNI".

não tem nenhuma dúvida da data. Mas isso --se estes relatos forem mínimamente confiáveis -. em New Berlin. já que 1964 era o primeiro ano de seu matrimônio. O que realmente está em jogo é de que maneira física pode corroborar-se. nas primeiras horas da madrugada. com o céu espaçoso. Quantos outras testemunhas há do mesmo acontecimento?. Schwarz. Hora: 0:45 local. As investigações se efetuaram: em 2 de junho de 1973 telefónicamente. o relato apresentado?. "Saí ao alpendre. já que em 24 de novembro é o aniversário do casamento de seus pais. durante uma sessão de hipnose regressiva aplicada pelo Dr. mas fazia frio. Berthold Schwarz. em tanto e quanto a sua honestidade. Long.de 0:45 às 4:55 Hora Padrão do Leste dos Estados Unidos (5:45 às 9:55 GMT). Segundo o autor desta investigação.estavam de visita no dos pais de este. foi submetida a exames psicológicos pelo Dr. muito clara. Lugar: New Berlin. Que antecedentes tem el/la testemunha. respeito a sua vinculação com o tema OVNI. A situação: As aterrissagens dos aparelhos (porque a gente teve um problema e necessitou o serviço de outro) tiveram lugar sobre uma colina a uns mil e duzentos metros ao NW do lugar onde se encontravam as observadoras. pelo que percebeu como um acontecimento real e excepcional. vê na televisão ou no cinema? Qual é a posição pessoal de el/la testemunha. 10' . Duração: 4h. Isso sem dúvida é importante. A investigação realizada.parecem demonstrar que não é assim. podia-se ver um número desacostumado de estrelas. em 10 de junho de 1973 personalemente. o qual não é garantia absolutamente de nada. Mary está completamente segura do ano. parece reduzir-se a escutar mais de uma vez seu relato. pelo Ted Bloecher. e finalmente em 14 de agosto de 1973. a presuntos acontecimentos anteriores vinculados ao tema.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta perfeitos que nunca caem nem sofrem problemas mecânicos. Da mesma maneira. Tudo se teria complementado com uma regressão hipnótica. Durante a semana do Dia de Ação de Obrigado (a última quinta-feira de novembro). A narração da testemunha: Essa noite estava clara. tão sequer parcialmente. pu-me um casaco e voltei a sair. A testemunha --conforme se afirma. Nova Iorque (Lat. e fazer provavelmente certas perguntas procurando esclarecer alguns detalhes. Havia lua enche e a lua estava brilhante. Então olhei ao Nor-Nordeste e a vi descrever um arco. Os investigadores deste aconecimiento foram: Ted Bloecher e o Psiquiatra Dr. ao que lê. Mary e Dick --seu marido-. Berthold Schwarz. em relação ao tema OVNI? Como pode avaliar-se adequadamente sua capacidade física para perceber (seus sentidos da vista e o ouvido)? Este tipo de considerações estiveram totalmente à margem neste caso. quando adverti uma estrela fugaz. 42°39' N. É obvio que em todo testemunho --e muito mais no relato de acontecimentos tão complexos como os que seguem-.o que está em jogo não é a credibilidade da ou a testemunha. de maneira 53 . O incidente se desenvolveu ao dia seguinte. Seu relatório tem que considerar-se como declaração fiel e sincera. 75°20' W). a testemunha principal neste caso é de todo ponto de vista acreditável. Estava olhando as estrelas e procurava discernir onde estavam as constelações. Aterrissagem e reparação em New Berlin Os parâmetros fundamentais deste caso são os seguintes: Data: 25 de noviembe de 1964. A data do acontecimento foi na quarta-feira 25 de novembro de 1964. e talvez o único elemento que de algum jeito pode sustentar um relato de se por acaso insólito.

mais ou menos lhe para isso à rota 80 que passa diretamente diante da casa. decididamente.. sabe? acredito que parecem homens'. Dava-me conta que isso era algo estranho. de maneira que eu tivesse companhia.. Só posso dizer que isso se apoiava sobre pés.. o suficiente para que 'eles' --chamarei-lhes 'homens'-pudessem acessar a essa coisa." Descrição dos tripulantes: "Agora vou descrever às pessoas que via. Não se se haveria outras duas caixas. porque era claramente visível. foi sempre o mesmo. Minha sogra disse: 'Agora. Em seguida.. Nem sequer queria sair de entre as pernas de minha sogra. e então golpeou violentamente a porta. já que não queria me deixar reveste mas tampouco queria sair mais! Disse que.. eles se deitavam debaixo como um homem que trabalha sob um caminhão ou um automóvel.. esta descendeu rectamente. quer passar dentro?' e lhe respondi: 'Não. como o de um enxame de abelhas ou de uma. mas também havia uma sorte de zumbido débil. Parecia que havia uma luz no fundo do objeto. e se necessitavam dois homens para transportar uma dessas caixas. logo disse: 'OH. Pareciam dar voltas ao redor de alguma coisa seguindo um movimento de semicírculo. se se metiam ajoelhados ou se se sentavam. esclarece Ted Bloecher) ou um pouco ao leste da rota. contentava-se mantendo-se ali e lhe via tremer. e não pude escutar mais o murmúrio. O objeto logo se posou justo sobre o topo da colina. Estava verdadeiramente petrificado. para o Este. Pareceu descender diretamente sobre a grande rota (a rota 8 que constitui uma espécie do Norte de New Berlin. Vi-a quase na mesma direção que a anterior. o zumbido. que era tão brilhante que não podia discernir a forma do objeto. posso-lhes ver'. mais abaixo do Five Corners. sobre o horizonte. levavam consigo caixas de ferramentas. tremia." Observação de tripulantes: aproxima-se agora a parte mais interessante do relato da testemunha principal deste avistamiento: "Parecia haver um movimento ao redor do aparelho. mas sei que havia mais de uma. Mas tinham mais lugar que o que haveria sob um caminhão ou um automóvel. E teria podido dizer em que momento os viu porqe ela ficou tensa. já que o fundo do objeto estava elevado do chão. Minha sogra começou a sair ao alpendre quando viu essa coisa.. vejo a luz. Não só a parte visível era estranha. de um esplendor e intensidade como jamais tinha visto antes. De fato. mas esta luz particular era ainda mais brilhante que elas. mas em lugar de descrever um arco sobre o horizonte. encontrava isso "muito estranho" e desejava que eu retornasse dentro. mas o cão não queria franquear a porta. Logo vi outra. e o flanco da colina em cima do canal de deságüe e sobre a margem Norte da rota era visível por cima do objeto. Era de 54 . perfeitamente. passe me os binoculares' o que ela fez.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta habitual. e me parece que há movimento por aí. ela estava ainda aí. estava tudo estremecido.. Podia ver ir e vir em torno do aparelho. bordeó o pequeno curso de água. coisa que fez. Os abajures de vapor de mercúrio são extremamente brilhantes. Fiquei assombrada porque era uma luz singularmente brilhante. Isso lhe assustou e me disse: 'Absolutamente. Eram uns cinco ou seis. O cão continuou dando voltas em torno de minha sogra.. E continua a testemunha contribuindo com detalhes de sua observação: "Não poderia dizer a forma do objeto. e literalmente.pareciam vestir algo assim como uma combinação rodeada de homem-rã. porque não quero seguir observando-os'. e adicionou: 'Agora você os olhe e me conta. mas via bem a luz. Pedi a minha sogra que tomasse os binoculares e variasse a inclinação para ver se ela podia distinguir o movimento. tinha-a deixado entreabierta. vejo-os'.. Minha sogra me perguntou: 'o que vê você?' e lhe respondi: 'E bem. como se caminhassem ao redor de um objeto circular ou de alguma coisa que tinha forma redonda. Logo minha sogra tratou de persuadir ao cão para que saísse.bomba de água funcionando mas bem penosamente e o nível do som não trocou nunca.

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

cor escura e não sei se lhes via suas mãos de cor clara saindo dos punhos da vestimenta, ou se estavam revestidos de luvas de cor mais clara; sua pele era mais clara que a vestimenta que levavam. Sua constituição física era a de um ser humano.......a única diferença é que eram um pouco maiores que a gente que acostumamos a ver --entre 2 metros e 2 metros e médio." Segundo Ted Bloecher, Mary apóia seu cálculo da altura dos tripulantes relacionando-a com a talha dos matagais que via na parte inferior do campo sobre o flanco da colina. Mas este é um detalhe muito relativo. Enquanto isso, segue dizendo Mary: "Os únicos aos que podia ver bem, eram os que estavam no alto, perto do aparelho aos que lhes chegava a luz, e principalmente os via de atrás ou de perfil. Tinham verdadeiramente a pele da cara e o pescoço mais claro, como suas mãos, porque podia ver o perfil dos rostos e do pescoço de alguns.... Não penso que tivessem algo sobre a cabeça. Pareciam ter cabelos como nós, embora não fossem muito compridos, contrariamente na moda masculina atual. Pareciam bem cortados, verdaderamnte muito curtos. [Tenha-se presente que a moda a que se refere Mary é a dos anos 60, e o cabelo bem curto, é típico do uso militar]. "O perfil do rosto dos homens que estavam em terra, debaixo do aparelho, era semelhante ao dos humanos", adiciona com ridícula inocência Mary. E o que outra coisa podiam ser, ou outra semelhança podiam ter?. Mas sigamos com seu relato: "Trabalhavam nesse aprato como o vi fazer a meu pai com uma máquina agrícola; pareciam ter chaves e chaves de fenda, e úteis parecidos com os que usaria um homem para trabalhar em uma peça mecânica rota, ou em um motor. Retiraram algo de debaixo do centro de seu aparelho e o apoiaram em terra, cuidadosamente, com as mãos." Chega o serviço de auxílio. Aparentemente, a própria tripulação do aparelho em problemas, não contava com todos os elementos, ou com a quantidade de homens necessária para repará-lo, e teve que chamar a outra nave para que lhes devesse auxiliar. Narra então Mary: "Baixei os binoculares e pude ver outro aparelho que vinha do oeste-Sudoeste dirigindo-se ao Esteja-noreste; aterrissou sobre o topo da colina, justo em cima do lugar onde se posou o outro aparelho. Quatro ou cinco homens mais se reuniram com os que estavam trabalhando em terra. Foi justo antes que eles [os da primeira tripulação, esclarece Ted Bloecher] tivessem elevado o que tinham retirado do centro do objeto........Os outros quatro ou cinco homens lhes uniram e também ficaram a trabalhar. Podia ver os homens permanecer em primeiro plano, um pouco mais abaixo da colina. Pude lhes ver cortar um comprido e pesado cabo, ou o que parecia ser um cabo, já que caía em forma de arco ou de cacho de cabelo, enquanto o tinham entre se. O cabo parecia de cor escura, e eles o utilizavam para fixar essa peça mecânica. Posaram essa coisa --que parecia ser um motor ou uma fonte de energia-- justo debaixo do lugar de onde a tinham tirado, não a afastaram desse lugar; deixaram-na aí e trabalharam em cima. Havia um total de aproximadamente 10 a 12 homens --não posso estar totalmente segura, porque foram e vinham trazendo objetos e voltando-os para levar aos aparelhos. Tudo o que podia ver sem os binoculares era a luz --quer dizer, as duas luzes. Podia ver a luz sobre o topo da colina, e a outra de mais abaixo, mas esta não era tão brilhante. Era igualmente intensa mas não tão grande........A que estava em cima da colina deveria ser mais pequena que a Lua, e a que estava debaixo seria umas três vezes mais larga. O que pôs em dificuldade ao veículo, seja o que fosse, parecia ter relação com o tamanho da luz....." Dificuldades na reparação: "Às 4:30 exatamente, segundo o relógio da cozinha, os homens descenderam em equipe e eram nove em total. Havia alguns adiante, um grupo de três, que estavam a distâncias iguais em torno da peça mecânica, logo havia homens lhes distribuam mais atrás que pareciam sustentar algo ou estar preparados para fazer 55

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

algo......Tinham isso preparado e havia um homem debaixo, que parecia ser o chefe, e os fazia gestos com as duas mãos. Logo todos juntos recolheram essa coisa, elevaramna a seu lugar e ensaiaram ajustá-la no fundo do aparelho. Entrou corretamente, possivelmente 20 centímetros... mas pareceu desencaixar-se em certo ângulo. via-se o fundo como uma placa, ou como o cárter de um motor; podia-se ver isso porque a luz se detinha bruscamente sobre uma linha circular como um assento. Tratando de fazê-la entrar, giraram-na um pouco, lhe buscando a volta, mas não quis entrar como devia. Tiraram isso, voltaram-no a apoiar no chão, trabalharam por outros dez minutos e tentaram de novo, mas não houve caso. Recomeçaram uma vez mais o processo e apoiaram a peça no chão e trabalharam nela outros dez minutos. Os homens que tinham talhado o cabo, cortavam outra coisa que era como um cabo, só que um pouco mais clara, e cortavam partes mais curtas. Trabalhavam e se esforçavam, terei que ver como se apuravam!. Tentaram uma quarta vez, conseguiram fazer entrar mais a peça no aparelho mas tampouco ajustou de tudo. Vários fizeram gestos como que isso não iria funcionar. Retiraram essa coisa uma vez mais e trabalharam nela por uns três minutos e o homem que parecia fazer o chefe os fazia gestos......logo retomaram cuidadosamente a coisa e entrou de novo. Esta vez obtiveram seu propósito. Caso de New Berlin, conforme apareceu ilustrado na publicação "Phenomenes Faltava um minuto para as 5 menos 5. Vi-lhes recolher rapidamente tudo o que podiam, e Spatiaux" os hombrs do aparelho de mais abaixo, sobre a colina, dirigiram-se a seu própria aparelho correndo com o material; esses homens se moviam como quem leva algo extremamente pesado; entre eles, dois levavam a caixa. Ficavam ainda outras duas caixas de úteis, já que haviam outros dois homens que corriam com dificuldade. Às 5 menos 5, o veículo que estava no topo da colina se elevou verticalmente e logo se lançou como um tiro, quase como se tivesse desaparecido instantaneamente, na direccion em que tinha vindo, Oeste-Sudoeste. Um minuto mais tarde se elevou o outro veículo, um pouco mais alto que o anterior, e se foi na mesma direção que o anterior Evidências da atividade cumprida: Mais tarde, o mesmo dia, Mary foi ao lugar onde tinha visto os objetos e isto é o que descobriu: "encontrei...três marcas formando os extremos de um triângulo de 4m50 a 6 metros de lado, no qual algo de forma cónica, muito pesado e redondo em sua base, apoiou-se no chão. Os rastros estavam orientados oblícuamente como se se tratou das patas de um trípode, suportando algo de muito, muito peso, porque um desses pés se apoiou sobre uma rocha a tinha partido e se afundou um pouco no chão. As marcas onde não havia rocha tinham uma dimensão de 35 centímetros de comprimento por 45 de profundidade. O traçado menos profunda era de 10 centímetros. Havia dois grupos de marcas: no topo da colina, e outro a um nível inferior no pendente. Estavam dispostas em triângulo eqüilátero. Revisei as cercanias, porque me lembrei que os homens cortavam o cabo; continuei descendendo a colina....no chão, a 15 a 18 metros por debaixo do grupo inferior de marcas, encontrei uma parte de 7 centímetros do que parecia um cabo.... A parte exterior parecia um papel de forrar muito grosso e marrom que fazia pensar no envoltório tubular de um cabo. E no centro disso que tinha sido talhado lateralmente, podia-se ver o interior. Tinha um largo de 25 milímetros, mais ou menos, parecia ser feito de fios de alumínio, finamente recortadas. Sua cor era o do alumínio e ao tocá-lo dava a mesma sensação desse metal.... Mas não tinha as propriedades desse metal. Não lhe podia apertar. Os fios desse mterial estavam no interior e estavam aderidas à cara interna do papel." 56

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

Até aqui o relato desta senhora a que Bloecher escolheu lhe chamar "Mary Merryweather". O investigador estabelece em uma nota final de seu trabalho que em 15 de dezembro de 1975, essa parte de material que tinha sido guardado pela sogra, não se pôde encontrar. Em relação às características psicológicas da testemunha, o Dr. Schwarz disse que seus exames confirmaram que se trata de uma moça que goza de boa saúde. Uma pessoa aberta e franco, e que não encontrou nela nenhum signo de psicose, alucinação, desonestidade, mentira, invenção ou exagero. Este caso, foi dado a conhecer em um boletim de "Phenomenes Spatiaux", publicação periódica da Sociedade Belga de Estudo de Fenômenos Espaciais (SOBEPS). É obvio que há alguns aspectos do mesmo que merecem se ter em conta. Em primeiro lugar, o tempo transcorrido entre a ocorrência do AVI stamiento e a investigação: 9 anos!!. Quão fiel pode ser a memória de uma pessoa nove anos despues, quantos detalhes pode recordar e quantos se esqueceram?, a que influências pode ter estado exposta durante tempo tão prolongado, como para logo tomar sua versão dos fatos "a pé juntillas"? Em segundo lugar, a testemunha efectúa toda sua observação com a ajuda de binoculares, sem estabelecer o aumento dos mesmos, para ter uma noção mais exata da precisão com que esta pessoa verdadeiramente podia observar os acontecimentos, se se tiver em conta que os mesmos aparentemente aconteceram a uns mil e duzentos metros de distância respeito ao lugar de observação. Surpreende deste modo o extremamente prolongado da obsrvación. Tanto tempo suportou a testemunha os binoculares em suas mãos para apreciar tudo o que acontecia? Pôde-os apoiar sobre algo para descansar seus braços e seguir olhando? Como ninguém mais viu nada, em uma noite em que as famílias se reúnen de maneira muito epecial e com grande quantidade de parentes em cada lar, e em que o tráfico vehicular, assim como o aéreo som muito densos? Respeito a que um aparelho tenha sofrida imperfeições e precise ser reparado, só posso dizer que não é o único relato de um acontecimento semelhante. O caso Bruno Fracchini Os parâmetros fundamentais deste caso são os seguintes: Data: 24 de abril de 1950; Hora: 22 (local); Lugar: Abbiate Guazzone, distrito de Esteja parado-se, Itália. Testemunha: Bruno Fracchini, operário, pessoa bem considerada na zona. Investigador: Pinheiro Carminati Ghidelli, do Centro Unico Nazionale (C.U.N.) Este é o resumo do acontecido: a noite de 24 de abril de 1950, à hora 22, Bruno Fracchini saiu de sua casa a respirar ar fresco lugo de ter ocorrido uma tormenta e chuva. Os últimos relâmpagos ainda se viam no horizonte. Já estava por entrar novamente a sua moradia, quando a umas centenas de metros de sua casa sua atenção foi atraída por umas faíscas. Como por esse lugar passam linhas de alta tensão, pensou que alguma delas tivesse cansado a terra, por isso decidiu cautelosamente ir ver o que acontecia. Chega ao lugar e não vê nada anormal, mas de repente vê novamente as faíscas e se dá conta que procedem de um ponto um pouco mais longínquo. aproxima-se do mesmo e descobre uma massa escura, enorme, de forma quase circular, aplanada em sua parte superior. Ao centro da mesma, observa uma pequena escada e da parte superior dela emerge uma luz esverdeada. Também pode ver a fonte das faíscas: um indivíduo sobre uma espécie de elevador hidráulico e telescópico, parece estar ocupado em um trabalho 57

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

de solda. Tem um escafandro e uma máscara. Exitado em seu curiosidasd, Fracchini se aproximou mais e viu então a outros dois indivíduos vestidos em forma semelhante, que se deslocavam ao redor do aparelho com tal lentidão que lhe fez pensar que seus trajes eram pesados. O aparelho, de cor escura, ao ser iluminado pelas faíscas, emitia reflexos metálicos. Fracchini pensou em seguida que se tratava de aviadores vítimas de uma aterrissagem forçosa e lhes perguntou se precisavam ajuda. Recebeu por resposta uns sons guturais incompreensíveis mas acreditou adivinhar que lhe convidavam a subir ao aparelho. Escutou então um som comparável ao zumbido de um "gigantesco enxame de abelhas", ou seria preferível dizer, que esse ruído se parecia com o ronrono de um "grande dínam ou". Fracchini viu no interior do aparelho outra escada e tudo ao redor das paredes, tubos e garrafas de aço, e manômetros. Dando-se conta nesse preciso momento que não se podia tratar de um avião, a testemunha, presa de pânico, fugiu. Enquanto corria, voltou-se e viu um dos pilotos agarrar uma espécie de câmara que levava a pescoço e projetar para ele um feixe de luz. Fracchini teve a impressão de ser alcançado por um instrumento contundente, ou melhor, por um poderoso jorro de ar comprimido. Foi como levantado e caiu justo sobre uma pedra que serve para marcar o limite do campo. A pesar da dor, Fracchini ficou conciente. Enquanto isso, as operações de solda tinham chegado a seu fim: que soldava tinha descendido (o elevador tinha sido replegado, entrando um tubo dentro de outro de sua coluna telescópica) e os dois indivíduos que tinham ficado em terra recolheram o elevador, então reduzido ao tamanho de uma caixa pequena, e o colocaram no interior do aparelho. retira-se a escada e se fecha a porta. Tudo ficou oscuro,el ronrono persiste, logo sucedeu mais grave e mais forte. Então o aparto se elevou a uma fantástica velocidade e se desvaneceu na escuridão. Pela manhã, Fracchini voltou para lugar a recolher uma cajilla de cigarros que tinha perdido. Viu quatro marcas redondas, de um metro de diâmetro, dispostas em um quadrado de 6 metros de lado. Notou o pasto queimado, e descobriu algumas partes de metal que recolheu, provavelmente resíduos da solda. Fracchini se apersonó à Delegacia de polícia Central da Polícia de Esteja parado-se e no lugar se efetuou uma investigação por parte das autoridades. Alguns dias depois de sua aventura, a testemunha sentiu dores na pate de suas costas alcançada pelo feixe de luz que lhe tinha golpeado, a região afetada começará a enegrecer-se [reação própria de um hematoma --N. do A.]. Fracchini teve acessos de calor na vista, sem nenhuma indicação de febre. O material regocido foi analisado pelo Instituto Experimental de Metais Ligeiros que em 30 de setembro de 1953, emitiu o disforme número 530954/4157 que levava por título: "Exame de alguns fragmentos metálicos lhes atribuam a um pires volante" no qual se especificava que: ".........Mostra-a recebida consiste de três pequenos fragmentos de metal de uma cor branca-amarelada e de um peso total de 1gr.64. Os resultados em percentagem, das análise químicas efetuadas são os seguintes: Cobre..............74,33% Chumbo................4,92% Zinc...................0,33% Ferro................0,02% Estanho..............19,38% Antimônio..........0,52% 58

Fontes. no Brasil.." Esta última indicação leva a pensar que poderia tratar-se de metal anti-fricção..08% mais risca ínfimas de prata. que tiveram explicações totalmente corriqueiras. para as fazer analisar. não lhe dá absolutamente verossimilhança. Neste excurso um pouco marginal respeito a estes acontecimentos relatados como correspondentes à casuística OVNI. Não parece entretanto. terei que recordar também o artefato que estalou sobre o Oceano Atlântico. O fato de que a testemunha tenha ido à Polícia para denunciar o incidente... efetuado em uma carta com assina ilegível.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Níquel. que se tenham averiguado antecedentes de sua pessoa para estabelecer um grau de confiabilidade. que chegaram à costa de uma praia na Ubatuba.. E talvez o mais surpreendente. lhes atribuam a um "disco voador". no Estado de São Pablo... representante local do 59 . em estado de fundição.. provenham da capa de amparo de um suporte submetido a fortes requerimentos metálicos. como por exemplo que o objeto se transformou em silencioso logo depois de elevar-se. que a testemunha mesmo tenha sido submetido a uma bateria de test psicológicos. alumínio e magnésio.. e se introduz no estranho artefato. enviada ao cronista da página Social de um jornal de Rio do Janeiro (por que não a um jornal do mesmo São Pablo?). essa é a parte menos acreditável de todo o relato.U..0. em 1957. Francamente. desprendendo partes de metal fundido. Não se detectou a presença de elementos estranhos nem de nenhum elemento considerado anormal em uma liga deste tipo. Tampouco a análise química efetuada resulta de tudo convincente quanto a sua qualidade. fizeram denúncias policiais de "casos OVNI". e a isso se acrescentou uma análise química.certas partes metálicas que deu a analisar. Olavo T.. devido à dificuldade que notava em seus movimentos. É muito provável que os fragmentos examinados por nós. o Sr.. os fragmentos em questão são feitos de um "bronze ao chumbo" contendo um elevado tenor de estanho. encontrei-me com vários casos em que testemunhas profundamente sugestionadas. Tampouco parece que o investigador do caso tenha chegado até o lugar dos fatos e tenha obtido pessoalmente muestas dos "rastros" onde supostamente se posou o aparelho. em um relato suscinto.. Que os pilotos levavam escafandros de cor cinza escura que a testemunha pensou eram pesadas.N. A testemunha o denunciou às autoridades policiais. O caso Fracchini foi narrado na publicação do Centro Unico Nazionale titulada "Notiziero UFO". Aparentemente a própria testemunha recolheu --supostamente do lugar-... Há alguns detalhes complementares do caso.. Em resumo: nada extraterrerstre. Em minha experiência como investigador. Este caso tem a virtude de ter sido investigado a tempo. A estrutura micrográfica parece completamente normal para um bronze do tipo em questão. nem autenticidade respeito a que um pouco verdadeiramente estranho tivesse tido lugar. Fracchini acredita que lhe convidam a entrar. é que em circunstâncias semelhantes. comenta o investigador do C. portanto. A estrutura física dos pilotos era a correspondente a seres humanos. o assunto adquiriu notoriedade mundial devido à difusão efetuada pelo investigador Dr. Quanto disto foi verídico e quanto imaginado ou inventado? É difícil determiná-lo. e sua estatura mediava 1m70.

quem além disso estava vinculado à Inteligência Naval do Brasil. que traduzi. determinou-se que eram de estanho. Aqui. Analisadas as amostras. solidificando-se. Haines. sua tradução. de modo que não há nada que pudesse impedir ou travar sua reprodução. respondem a características humanas. ficam em pé três idéias : 1) há objetos voadores de formas e características não-convencionais. circulou mundialmente na Internet. do A. escreveu na publicação "Studies in Intelligence". mereça múltiplos reparos. perto de uma praia brasileira. que desprendeu uma substância que chegou em estado líquido a terra. 6 anos mais tarde. para os leitores de fala hispana. deduzi e pinjente publicamente em uma conferência que titulei "OVNIs:punto final". mas sim. é de se por acaso. uma tarefa elogiável. particularmente quando isso podia pôr em perigo a segurança nacional. Haines faz uma série de reconhecimentos a sucessos ocorridos que efetivamente se ocultaram. não obstante é um estudo meritório. Embora a leitura do trabalho do Haines. É uma satisfação muito grande.O papel da CIA: um documento histórico O Dr. especialmente porque é clara sua intenção de minimizar o papel que a CIA jogou --e a meu critério segue jogando¬ . O texto que utilizei. e menos ainda. mas em Campinas. que implicou para o autor uma extensa investigacion. Mas como. está a versão íntegra do documento do Haines. 3) os sujeitos supostamente avistados perto ou junto aos mesmos. demonstra que não é certa sua procedência extraterrestre. o que eu por minha conta.um objeto voador não-convencional. Houve um acontecimento similar. e por que se buscou subtrair importância ao que a Força Aérea fazia. surge claro por que a CIA quis ocultar seu desempenho no tema OVNI. declaradas originalmente como "magnésio 100% puro em um estado de pureza que não se encontra na Terra". --ou se fez estalar. onde se denunciou a observação de um objeto voador não-convencional.(ver "Scientific Study of Unidentified Flying Objects". um extenso estudo sobre o papel desempenhado pela CIA com referência ao tema OVNI. Uruguai. porque deve confirmar. e que dava no Planetário Muncipal do Montevideo. e comentado. e um pancada nas costas mais para minha posição. e interpretação deles. [o que obviamente ia em respaldo da Hipótese Extraterrestre -N. Bário e Estrôncio. Isto não exclui que acidentalmente estalou. busca de antecedentes.] resultaram ter vários outros componentes. página 95). também em São Pablo. mas este sucesso não adquiriu finalmente a notoriedade do caso da Ubatuba. 60 . ordenamiento dos mesmos. Cromo. Também então se disse que era "quimicamente puro" em grau não obtido na Terra. um historiador.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta APRO em Rio do Janeiro. e destaco em particular a menção ao Ou-2 e ao SR-71. que podem sofrer imperfeições mecânicas. As amostras obtidas. como se argumentou originalmente em apóie aos restos metálicos recolhidos.respeito ao tema OVNI. Também deste estudo do Haines. Gerald K. Aparecida em março de 1997. Por outra parte. destacando-a presecia do Zinc. 2) não existe nenhuma substância procedente desses artefatos cuja procedência não seja terrestre. por estar em dificuldades-. Capítulo XI . Resumindo.

O relatório do Arnold foi seguido por uma inundação de avistamientos adicionais. Haines Um extraordinário 95 por cento de todos os americanos. e seus intentos por ocultar a participação da CIA em todo o tema OVNI. observou nove objetos com forma de disco perto do Monte Rainier.e organizações privadas dedicadas aos OVNI se encontram em todo os Estados Unidos. comparar. a CIA após só emprestou limitada e periférica atenção ao fenômeno. seus programas que tiveram um impacto sobre as observações de OVNI. viajando a uma velocidade calculada em mais de 1. James Woolsey ordenou outra revisão de todos os arquivos da Agência sobre os Ovnis.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Um tema perdurável O papel da CIA no estudo dos Ovnis. assumiu o controle do projeto ASSINO (Sign) e começou sua tarefa em 23 de janeiro de 1948. Examina cronologicamente os esforços da Agência por resolver o mistério dos Ovnis. quando Kenneth Arnold. Embora ao princípio com temor de que os objetos pudessem ser armas soviéticas secretas. que significa entusiastas pelos OVNI-. e particularmente a CIA. enquanto procurava um avião que se cansado. Usando os arquivos da CIA compilados desde essa revisão. foi um tema importante dos entusiastas pelos OVNI desde que o moderno fenomenal OVNI emergisse a finais da década dos anos 40. a Força Aérea logo concluiu que os Ovnis eram reais mas facilmente 61 . o Diretor Central de Inteligência R.000 milhas por hora. estabeleceu o Projeto ASSINO [Sign] (inicialmente chamado Projeto PIRES) [Project SAUCER] para colecionar. A Divisão de Inteligência Técnica do Comando de Material Aéreo (CMA) em Acampo Wright (logo Base Wright -Patterson da Força Aérea) no Dayton. Chefe do Comando do Servico Aero-Técnico. estão comprometidos em uma maciça conspiração e ocultação do tema. em tanto a preocupação da Agência sobre os Ovnis foi substancial até começos da década dos anos '50. O primeiro relatório de um "pires volante" sobre os Estados Unidos teve lugar em 24 de junho de 1947. avaliar e distribuir dentro do governo. escutou ou lido algo pelo menos. Ohio. um neologismo. toda informação relacionada a tais avistamientos. incluindo informe de pilotos militares e civis e de controladores de tráfico aéreo de todas partes dos Estados Unidos. sob a premissa de que os Ovnis podiam ser reais e motivo de preocupação para a segurança nacional . Muitos estão convencidos de que o Governo dos Estados Unidos. Estado de Washington. O que emerge deste exame é que. este estudo traçado o interesse da CIA e sua participação na estudo risca o interesse da CIA e sua participação na controvérsia dos Ovnis desde fins dos 1940's até 1990. um piloto privado e reputado homem de negócios. e 57 por cento acredita que são reais Os Ex-presidentes dos Estados Unidos Carter e Reagan declaram ter visto um OVNI. 1947-90 Gerald K. Em 1948. sobre os Objetos Voadores Não Identificados (Ovnis). Antecedentes O surgimento em 1947 da confrontação da Guerra Fria entre os Estados Unidos e a União Soviética também viu a primeiro onda de avistamientos de OVNI. A fins de 1993. logo depois de ser pressionada pelos OVNIlogos para fazer pública informação adicional da CIA sobre os OVNIS. o General da Força Aérea Nathan Twining. A idéia de que a CIA ocultou secretamente sua investigação dos Ovnis. Os OVNILOGOS.

iluda ópticas. funcionários da CIA em 1952 se expuseram se poderiam refletir uma "loucura do verão”. Entretanto. AVERSÃO e LIVRO AZUL estabeleceram o tom para a posição oficial do Governo dos Estados Unidos em relação aos Ovnis pelos próximos 30 anos. embora concluíram que "dado que existe uma remota possibilidade de que possam ser aparelhos aéreos interplanetários. Com as crescentes tensões da Guerra Fria. 1947-52 A CIA controlou de perto o esforço da Força Aérea. uma investigação da Administração Civil de 62 . os sinais reapareceram. aviões convencionais. consciente da crescente quantidade de observações e cada vez mais preocupada de que os Ovnis pudessem expor uma potencial ameaça à segurança Dada a distribuição das observações. O 19 e 20 de julho. entretanto. Uma maciça acumulação de observações sobre os Estados Unidos em 1952. ou ainda "grandes pedras de granizo". Os incidentes. O Projeto LIBERO AZUL [Project BLUE BOOK] que chegou a ser o principal é forço da Força Aérea para estudar o fenomenal OVNI através dos anos 50's e 60'S. a guerra da Coréia. As observações de Ovnis foram explicadas como globos. deram lugar a titulares em todo o país. Maior General Charles P. Os funcionários do GRUDGE não encontraram evidência nos avistamientos de Ovnis. o relatório recomendava continuar com um controle de inteligência militar sobre a investigação de todos os avistamientos e não descartou a possibilidade de fenômenos extraterrestres . ou interpretação errônea de objetos conhecidos. planetas. truque. O relatório da Força Aérea encontrou que quase todos os avistamientos surgiam de uma ou mais destas três causas: histeria em massa e alucinação. as telas de radar do Aeroporto Nacional de Washington e da Base Andrews da Força Aérea detectaram misteriosos sinais. e concluíram que os Ovnis não ameaçavam a segurança dos EUA Recomendaram que o projeto fosse reduzido em seu alcance. a Força Aérea continuou colecionando e avaliando a informação sobre os Ovnis a fins da década dos anos '40 sob um novo projeto. porque a mesma existência de um interesse oficial de parte da Força Aérea respirou às pessoas a acreditar nos Ovnis e contribuiu à atmosfera de "histeria de guerra". A Casa Branca quis saber o que estava passando. Em 27 de dezembro de 1949. Cabell ordenou um novo projeto para os Ovnis em 1952. especialmente em julho. é necessário investigar cada observação. de um desenho ou desenvolvimento de armas estrangeiras avançadas. o Diretor de Inteligência da Força Aérea de Estado Unidos. AVERSÃO [Grudge]. Com um pequeno grupo de pessoal. o Centro de Inteligência Aérea (ATIC) tratou de persuadir ao público de que os Ovnis não eram extraordinários Os projetos ASSINO. e a Força Aérea rapidamente ofereceu a explicação de que os sinais nos radares deviam ser o resultado de "investimentos de temperatura. Em meio de crescentes observações de Ovnis." .Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta explicáveis e não extraordinários. alarmou à administração Truman. o qual tratou de aliviar a ansiedade do público sobre os Ovnis mediante uma campanha de relações públicas destinada a persuadir ao público de que os Ovnis não constituíam nada incomum ou extraordinário." Posteriormente. meteoros. Em 27 de julho. As preocupações iniciais da CIA. A tarefa de identificar e explicar Ovnis continuou recaindo no Comando de Material Aéreo no Wright-Patterson. A Força Aérea despachou aviões interceptores para investigar. mas não encontraram nada. reflexões revestir. e a continuacón das observações de Ovnis. a Força Aérea anunciou a terminação do projeto. Funcionários da Agência aceitaram as conclusões da Força Aérea em relação aos informe deOVNIs.

Amory. O Grupo de Estudo da CIA também procurou na imprensa soviética informe de Ovnis. em coordenação com o ATIC. informou pelo grupo que a maioria das observações podia ser facilmente explicada. o Grupo de Estudo da CIA se reuniu com funcionários da Força Aérea no Wright-Patterson e passou revista a seus informe e descobrimentos. A Força Aérea rechaçou as teorias de que as observações tinham que ver com armas secretas dos Estados Unidos ou soviéticas. Além disso. Os funcionários da Força Aérea e da CIA acordaram que um conhecimento externo do interesse da Agência nos Ovnis." Segundo Smith. Smith queria saber se a investigação dos pires volantes pela Força Aérea era ou não suficientemente objetiva e quanto mais dinheiro e pessoal seriam necessários para determinar a causa da pequena percentagem de pires volantes não explicado. mas não encontrou nenhum. O grupo acreditou que os soviéticos podiam usar os informe 63 . coordenar o esforço de inteligência requerido para resolver o problema.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Aeronáutica confirmou que tais sinais de radar eram muito comuns foram causadas por investimentos de temperatura. O grupo também vigiou o possível uso pela URSS dos Ovnis como uma ferramenta da guerra psicológica.000 de que o fenômeno exponha uma ameaça à segurança do país. O outros 10 por cento foi caracterizado como "uma quantidade de relatórios incríveis procedentes de observadores acreditáveis ". estava contando com as preocupações do DCI Walter Bedell Smith. faria mais sério o problema. Conduzido pelo Gordon. recomendou que a Agência continuasse controlando o problema. Logo depois de receber o relatório. se o sistema de alarme aéreo dos Estados Unidos podia ser deliberadamente sobrecarregado por observações de OVNI. e Gordon ia estabelecer uma estreita coordinanación com o ATIC. Este ocultação do interesse da CIA contribuiu grandemente a posteriores acusações de uma conspiração e encobrimento por parte da CIA. Entretanto. A Força Aérea declarou que o 90 por cento das observações denunciadas era facilmente explicável. Ray Gordon como oficial a cargo. mas ainda esse risco não pode correr-se. Edward Tauss. levando a que o grupo concluíra que a ausência de informe tinha que ter sido o resultado de uma política deliberada do governo soviético. o Grupo de Estudo da CIA viu sérios motivos de preocupação para a segurança nacional na situação dos pires volantes. Embora tinha controlado os informe de Ovnis pelo menos três anos. com o A. devido à tensa situação da Guerra Fria e as crescentes capacidades soviéticas. estava preocupado de que. Smith acreditava que "há só um risco em 10. . Smith também queria saber que uso se poderia fazer do fenomenal OVNI em conexão com os esfuezos de guerra psicológica dos Estados Unidos. atribuiu a responsabilidd para as investigações dos Ovnis à Divisão de Física e Eletrônica da OSI. era responsabilidade da CIA por seu estatuto. Os informantes da Força Aérea procuraram explicar esses Ovnis como uma interpretação errônea de objetos conhecidos e de fenômenos naturais pouco compreendidos. atuando como chefe da Divisão Arma e Equipe da OSI. Jr. o Vice Diretor de Inteligência (DDI) Robert Amory. Também urgiu a que a CIA ocultasse seu interesse dos meios de comunicações e o público "em vista de suas prováveis tendências alarmistas" para aceitar tal interesse como uma confirmação da existência dos Ovnis. Cada ramo na divisão tinha que contribuir com a investigação. os soviéticos podiam obter a vantagem de uma surpresa em qualquer ataque nuclear . que pediu que o grupo se centrasse nas implicâncias dos Ovnis para a segurança nacional. a CIA reagiu à nova rajada de observações formando um grupo especial de estudo dentro do Escritório de Inteligência Científica (OSI) e do Escritório de Inteligência Atual (OCI) para passar revista à situação.

Jones. atuando como presidente.Robertson. Chadwell então passou revista brevemente da situação e ao programa ativo do ATIC relacionado com os Ovnis. para estudar o problema dos Ovnis. Diretor Assistente da OSI. Chadwell observou os esforços britânicos nesta área. Diretor de Inteligência da Força Aérea. Em janeiro de 1953. 1952-53 Em 4 de dezembro de 1952. Chadwell também urgiu ao Smith a estabelecer um projeto externo de investigação com cientistas de alto nível. integraram juntos um relevante painel de cientistas não militares. Elaborou o rascunho de um memorandum do DCI ao Conselho de Segurança Nacional (NSC) e a proposta de uma diretiva do NSC estabelecendo a investigação dos Ovnis como um projeto prioritário através de toda a investigação de inteligência e de defesa e a comunidade de desenvolvimento. Um eminente cientista britânico. Marshall Chadwell. sobre a necessidade de continuar a investigação dos Ovnis e coordenar tais investigações com a Força Aérea. Exortou a empreender uma ação devido a que estava convencido de que "algo está ocorrendo que deve ter imediata atenção" e que "observações de objetos não explicados a grande altura e viajando a altas velocidades na cercania de importantes instalações de defesa dos Estados Unidos são de tal natureza que não se podem atribuir a fenômenos naturais ou a tipos conhecidos de veículos aéreos. que durante uma recente exibição aérea. encabeçava uma comissão vigente. do A.V. pilotos da RAF e altos funcionários militares tinham observado um "perfeito pires volante". Os britânicos destacavam. O Painel Robertson. Smith repartiu diretivas ao DDI Amory para preparar uma Diretiva de Inteligência do NSC (NSCID) . 64 ." . O comitê acordou que o DCI deveria "recrutar os serviços de cientistas selecionados para passar revista e avaliar a evidência disponível à luz de teorias científicas pertinentes" e elaborar uma NSCID sobre o tema .N.] para apresentá-la ao NSC.". um destacado físico do Instituto de Tecnologia de Califórnia. Chadwell informou ao DCI Smith sobre o tema dos Ovnis em dezembro de 1952. para estudar o tema OVNI.[National Security Council Intelligence Directive . Dada a resposta da imprensa. sobre os pires volantes.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta de Ovnis para disparar uma histeria em massa e pânico nos Estados Unidos. . As conclusões do Jones e sua comissão sobre os Ovnis eram similares às dos funcionários da Agência: as observações não eram de aparelhos aéreos inimigos a não ser representações errôneas de fenômenos naturais. Logo depois deste infome. apresentou a solicitude do DCI Smith ao comitê para que informalmente considerasse o tema dos Ovnis. Samford. criada em junho de 1951.(24). O Maior General John A. o Comitê de Assessoramento em Inteligência (IAC) recolheu o tema dos Ovnis. R. O público estava convencido de que eram reais. Soube que os britânicos também estavam muito ativos estudando o fenomenal OVNI. não obstante. Chadwell e H. ofereceu total cooperação. acrescentou que considerava o problema de tal importância "que deveria chamá-la atenção do Conselho de Segurança Nacional. segundo o oficial. H. Amory. O grupo também acreditou que os soviéticos podiam usar as observações de Ovnis para sobrecarregar o sistema de alarme aéreo dos EUA de modo que não se pudesse distinguir brancos reais de fantasmagóricos Ovnis. a fim de que se inicie um esforço de toda a comunidade tendiente a sua solução. Jones passou um momento muito difícil tratando de corrigir a opinião pública em relação aos Ovnis. Ao mesmo tempo.P.

e às do próprio Grupo de Estudo da OSI da CIA. O painel não pôde encontrar nenhuma evidência de que os objetos avistados pudessem ser extraterrestres. logo depois de revisar um filme de um OVNI tomado perto do Tremonton. em 15 de agosto de 1950. Thornton Page. Luis Alvarez. vice diretor do Escritório de Operações de Investigação da [Universidade] Johns Hopkins e perito em radar e eletrônica. Funcionários da CIA queriam que todo 65 . As conclusões do painel Robertson eram impresionantemente similares às dos primeiros informe dos projetos ASSINO e GRUDGE da Força Aérea. A tarefa do painel era passar revista à evidência disponível sobre os Ovnis e considerar os possíveis perigos expostos pelo fenômeno para a segurança nacional dos Estados Unidos. O painel se reuniu do 14 aos 17 de janeiro de 1953. O Painel de Assessoramento Científico sobre os Ovnis (o painel Robertson) apresentou seu relatório ao IAC. a Agência abandonou os esforços por elaborar um rascunho de uma NSCID sobre os Ovnis. Montana. Para enfrentar estes problemas. Sugeriu utilizar os meios maciços de comunicação. Logo depois dos descobrimentos do painel Robertson. diretor dos Laboratórios Nacionais Brookhaven e especialista em geofísica. o painel também recomendou que grupos privados dedicados aos Ovnis tais como o Civilian Flying Saucer Investigators de Los Angeles. e Lloyd Berkner. o painel concluiu que as imagens do filme do Tremonton estavam causadas pelo sol refletindo-se em gaivotas de mar e que as imagens do Great Falls eram a luz do sol refletindo-se na superfície de dois aviões interceptores da Força Aérea. os clubes de negócios. Sim encontrou que a ênfase contínua na denúncia de Ovnis podia ameaçar "o funcionamento ordenado" do governo ao abarrotar os canais de comunicação com relatórios irrelevantes e induzir "uma conduta de histeria maciça daninha para a autoridade constituída. as escolas e ainda a corporação Disney para levar a mensagem a todas partes. o painel recomendou que o Conselho Nacional de Segurança desacreditasse os informe de Ovnis e instituíra uma política de educação pública para reafirmar ao público a falta de evidência detrás de losOVNIs. declarou que se podiam sugerir explicações razoáveis para a maioria. fossem controlados em prevenção de atividades subversivas. embora continuaram controlando as observações no interesse da segurança nacional. em 2 de julho de 1952 e um perto do Great Falls. Goudsmit. a publicidade. se não todas as observações. logo depois de passar 12 horas estudando o fenômeno. Ao informar no momento mais alto do McCarthysmo. ao Secretário de Defesa. Funcionários da CIA disseram que parecia que não se garantia ulterior consideração ao tema. O painel concluiu unanimemente que não havia evidência de uma ameaça direta à segurança nacional nos avistamientos de Ovnis. ao Samuel A. Passou revista à informação da Força Aérea sobre as histórias de casos OVNI e.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta O mesmo incluiu o Robertson como presidente. um físico nuclear dos Laboratórios Nacionais Brookhaven. Todos os grupos investigadores encontraram que os informe de OVNI indicavam que não havia uma ameaça direta à segurança nacional e que não havia evidência de visitas de extraterrestres." O painel também lamentou que potenciais inimigos que contemplassem um ataque contra Estados Unidos podiam explorar o fenomenal OVNI e usá-lo para desorganizar as defesas aéreas dos Estados Unidos. Por exemplo. um físico em alta energia. e a Aerial Phenomena Research Organization em Wisconsin. ao Diretor da Administração de Defesa Civil e ao Presidente da Escrivaninha de Recursos de Segurança Nacional. sobre os descobrimentos. Philip Strong e Fred Durant da OSI também informaram ao Escritório Nacional de Estimativas. Utah.

um estudo de máximo secreto da Corporação RAND também assinalava a vulnerabilidade das bases do SAC [Comando Estratégico do Ar ¬N. funcionários da CIA concluíram que o avistamiento do Russell não apoiava a teoria de que os soviéticos tivessem desenvolvido um aparelho aéreo tipo 66 . Em maio de 1953. sua divisão estava enfrentando uma grave redução presupuestal e não podia esbanjar recursos. os soviéticos detonaram uma. tinha chegado a ser um adversário perigoso. Jogo de dados os descobrimentos do painel Robertson. O progresso soviético em armas nucleares e mísseis guiados foi particularmente alarmante. segundo Odarenko. No verão de 1949. argumentou. Funcionários da CIA sabiam que britânicos e canadenses já estavam experimentando com "pires volantes". Os anos 50: desvanece-se o interesse da CIA nos OVNIS Logo do relatório do painel Robertson. destacando não só que o relatório do painel Robertson era secreto mas também qualquer menção ao auspício que a CIA lhe deu ao painel. e funcionários da Agência temiam que os soviéticos estivessem provando artefatos similares. Odarenko. a URSS tinha detonado uma bomba atômica. recomendou que a totalidade do projeto se quitasse porque não tinha surto nenhuma informação nova concernente aos Ovnis. entretanto. respeito a sua credibilidade .] a um ataque por surpresa de bombardeiros soviéticos de comprimento alcance. A preocupação respeito ao perigo de um ataque soviético sobre os Estados Unidos continuou crescendo. estava proibida. De particular interesse eram os informe de ultramar de observações de Ovnis e denúncias de que engenheiros alemães levados pelos soviéticos estavam desenvolvendo um "pires volante" como uma futura arma de guerra. por exemplo. Todos M. Acrescentando-se a precupación houve um avistamiento de um pires volante pelo Senador americano Richard Russell e sua comitiva enquanto viajava em um trem na URSS em outubro de 1955. Um agnóstico em relação aos Ovnis. Odarenko procurou que se relevasse a sua divisão da responsabilidade de controlar os informe de Ovnis. Logo depois de extensas entrevistas com o Russell e seu grupo. e os avistamientos de Ovnis se acrescentaram à inquietação de quem riscava a política dos Estados Unidos. do A. O Projeto E foi uma operação de desenvolvimento canadense-britânico-americano para produzir um aparelho aéreo não convencional tipo pires volante. continuaram preocupados com os Ovnis. funcionários da Agência puseram todo o tema dos Ovnis a um lado. Chadwell transferiu a principal responsabilidade de manter uma atualização sobre os Ovnis à Divisão de Física e Eletrônica. argumentando que requereria muito tempo dos analistas e empregados administrativos de sua divisão. entretanto. enquanto a Divisão de Ciências Aplicadas continuaria provendo qualquer apoio necessário . Para a maioria dos políticos e líderes militares dos Estados Unidos. não queria fazer-se carrego do problema. Na primavera de 1953. só nove meses depois que os Estados Unidos ensaiasse uma bomba de hidrogênio. chefe da Divisão de Física e Eletrônica. Nem a Marinha nem o Exército mostraram muito interesse nos Ovnis.. Esta atitude causaria logo maiores problemas à Agência. a União Soviética em meados da década dos anos 50. Em agosto de 1953. Chadwell e outros funcionários da Agência. propôs considerar o projeto "inativo" e dedicar só um analista a tempo parcial e um empregado administrativo de arquivo para manter um arquivo de referência das atividades da Força Aérea e de outros escritórios sobre os Ovnis. Em 1955.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta conhecimento de qualquer interesse da Agência no tema dos pires volantes estivesse cuidadosamente restringido. Além disso. Crescentes informe de Ovnis sobre a Europa oriental e Afeganistão também despertaram a preocupação de que os soviéticos estivessem fazendo um rápido progresso nesta área.

dos anos 70. Isto conduziu à Força Aérea a fazer declarações falsas e enganosas ao público a fim de mitigar os temores do público e proteger um projeto de segurança nacional extraordinariamente secreto. Califórnia. Wilton E. Foram cuidadosos. Herbert Scoville. ou Blackbird). um eminente engenheiro aeronáutico.9 por cento em 1955 e a 4 por cento em 1956. Conseqüentemente. Edward Ruppelt. Questionou por que os soviéticos foram continuar desenvolvendo aviões de tipo conviencional se tinham um "pires volante". os investigadores do BLUE BOOK puderam atribuir muitas das observações de Ovnis aos vôos do Ou-2. crescia a pressão para que se desse a conhecer o relatório do painel Robertson sobre os OVNIS. escreveu que os objetos observados provavelmente eram aviões a reação normais em uma pronunciado ascensão.Lexow. Um livro de grande venda escrito pelo Ovnílogo Donald Keyhoe. (43) Scoville pediu ao Lexow que assumisse a responsabilidade de uma avaliação total das capacidades e limitações de aviões não convencionais. um Major retirado do Corpo de Infantes de Marinha. a Força Aérea se dirigiu à a CIA pedindo permissão para lhe 67 . uma vez que o Ou-2 começou seus vôos de prova. Podia voar a 18 mil metros. a maioria dos aviões de linha comerciais voavam a alturas de entre 3 mil e 6 mil metros. Em meados dos anos 50. Trabalhando com as instalações de Desenvolvimento Avançado da Lockheed no Burbank. Freqüentemente pareciam como objetos incandescentes para quão observadores estavam debaixo. entretanto. Jr.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta pires ou não convencional. Os investigadores do BLUE BOOK da Força Aérea conscientes dos vôos secretos do Ou-2 trataram de explicar tais observações as vinculando a fenômenos naturais tais como cristais de gelo e investimentos de temperatura. Ao mesmo tempo. Os primeiros Ou-2 eram chapeados (posteriormente foram pintados de negro) e refletiam os raios do sol. a agência estava realizando provas em agosto de 1955 de um avião experimental de vôo a grande altura: o Ou-2.. chefe da Divisão de Ciências Aplicadas da CIA. A percentagem do que a Força Aérea considerou como observações de OVNI inexplicadas caiu a 5. em não revelar ao público a causa verdadeira dos avistamientos. Grupos civis dedicados aos OVNI como o National Investigation Commitee on Aerial Phenomena (NICAP) e a Aerial Phenomena Research Organization (APRO) imediatamente pressionaram para que se desse a conhecer o relatório do painel Robertson. o Diretor Anexo da OSI. Segundo cálculos posteriores de parte de funcionários da CIA que tabajaron com o projeto Ou-2 e o projeto OXCART (SR-71. advogava porque se desse a conhecer toda a informação do governo relativa aos Ovnis. e Kelly Johnson. mais da metade de todos os informe de OVNI desde fins da década dos anos 50 e ao longo da década dos anos 60 foram explicados por vôos tripulados de reconhecimento (especialmente o Ou-2) sobre os Estados Unidos. a CIA tinha entrado no mundo da alta tecnologia com seu projeto superior de reconhecimento Ou-2. este engano acrescentou combustível às posteriories teorias de uma conspiração e à controvérsia sobre o encobrimento. Embora possivelmente justificado. O Ou-2 e o OXCART da CIA como OVNIS Em novembro de 1954. para manter o arquivo central da OSI sobre o tema dos Ovnis. Ao fazer verificações com o Pessoal do Projeto Ou-2 da Agência em Washington. também foi cético. revelou publicamente a existência do painel. conhecidas como os Skunk Works. ex-chefe do projeto BLUE BOOK da Força Aérea. os pilotos comerciais e os controladores de tráfico aéreo começaram a informar de um grande incremento nas observações de Ovnis. Em 1956. Sob pressão. especialmente à saída e pôr-do-sol.

As irmãs gravaram o programa e outros operadores radioaficionados também declararam ter escutado o "mensagem espacial". A situação. Não satisfeito.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta tirar o caráter de secreto (desclasificar) e dar a conhecer o relatório.. Em 5 de agosto. cablegrafió Walker à sede central. e fixaram uma hora para reunir-se com elas. Esta vez queria saber a identidade do operador do Morse e da agência que tinha levado a cabo a análise. respondeu que outra agência do governo tinha analisado a cinta em questão e que Davidson receberia uma resposta da Força Aérea. A Agência também esteve implicada com o Davidson e Keyhoe em dois bastante famosos casos OVNI na década dos anos 50." A carta da Força Aérea confirmou que a gravação continha só código Morse identificável procedente de uma conhecida estação de rádio com licencia nos Estados Unidos. Davidson escreveu seguidamente ao DCI Allen Dulles demandando saber que reveleba a mensagem codificada e quem era o senhor Walker. A OSI analisou a cinta e descobriu que não era nada mais que código Morse de uma estação de rádio dos Estados Unidos. Logo depois de revisar o álbum de recortes das irmãs do tempo em que atuavam. que ajudaram a contribuir com um crescente sentido de desconfiança à a CIA com respeito aos Ovnis. informaram no Journal of Space Flight suas experiências com Ovnis. Dewelt Walker respondeu ao Davidson que a cinta tinha sido enviada às autoridades pertinentes para avaliação. "alguns deles possivelmente não no melhor interesse de seu país" e sugeriu pedir ao FBI que linvestigara. que estavam "entusiasmadas de que o governo estivesse interessado". acreditando que era um funcionário de Inteligência da Fueza Aérea no Wright-Patterson. fizeram contato com as irmãs Maier. quando duas anciãs irmãs de Chicago. a Força Aérea escreveu ao Davidson dizendo que Walker "era e é um Oficial da Força Aérea" e que a cinta foi analisada por outra organização do governo. O incidente do "código de rádio" começou em forma suficientemente inocente em 1955. Ao tratar de assegurá-la gravação os funcionários da Agência informaram que se encontraram com uma cena de Arsênico e Encaixe Antigo. ou se Houston alguma vez viu o Hillenkoetter em relação ao relatório Robertson. incluindo a gravação de um programa de rádio no qual se disse que se escutou um código não identificado. e suspeitando que Walker era em realidade um oficial da CIA. Hillenkoeter efetivamente renunciou ao NICAP em 1962. Funcionários de campo pertencentes à Divisão Contato (CD) um dos quais era Dewelt Walker. A questão ficou aí até que o Ovnílogo Leon Davidson falou com as irmãs Maier em 1957. os funcionários obtiveram uma cópia da gravação. Embora os antecedentes não são claros respeito a se o FBI alguma vez estabeleceu uma investigação do Davidson ou Keyhoe. A Agência. A CIA e a força Aérea estavam agora em apuros. As irmãs recordaram que tinham falado com um tal Walker quem disse que era da Força Aérea dos Estados Unidos. O funcionário da CIA Frank Chapin também insinuou que Davidson poderia ter ulteriores motivos. A OSI chegou a interessar-se e pediu ao Ramo de Contato Científico que obtivera uma cópia da gravação. Davidson voltou a lhe escrever ao Dulles. Davidson entoe escreveu a um tal Walker. querendo manter em segredo a identidade do Walker como oficial da CIA. o outro sobre fotografias de um pires volante. A Agência tinha negado previamente que tivesse analisado 68 . "Quão único faltava era o vinho de saúco". para lhe perguntar se a cinta tinha sido analisada no ATIC. Mildred e Enjoe Maier. Alguém se centrou em que o que se reportou que tinha sido a gravação de um sinal de rádio de um pires volante. e que não se dispunha de nenhuma informação em relação aos resultados.

toda vez que os investigadores e estudiosos do tema sobre bases científicas 69 . Encolerizado pelo que percebeu como uma evasiva. que demonstre convincentemente que o que tecnicamente ou operativamente recebeu pela inteligência militar dos Estados Unidos a designação “OVNI”. a cinta e as notas feitas em seu momento tinham sido destruídas para conservar espaço nos arquivos. de achado histórico “par excellence” para os extraterrestristas. não vêem mais Ovnis. Roswell se transforma então em uma espécie de “arca do pacto”. É. algo que certas pessoas consideram importante e até como a pedra angular da Ovnilogía. fazem-no por fé. Logo depois de ficar em contato com a sede central. destruindo arquivos que lhes podem incriminar". Em outro tento por pacificar ao Davidson. Outro golpe menor ocorrido poucos meses depois se acrescentou às crescentes pergunta que rodeavam ao verdadeiro papel da Agência em relação aos pires volantes. continuou controlando os avistamientos de OVNI. a Division Contato se lavou suas mãos no tema reportando ao DCI e ao ATIC que não responderia ou trataria de contatar novamente ao Davidson. O oficial da CIA explicou que não havia nenhuma super agencia implicada e que a política da Força Aérea era não dar a conhecer quem estava fazendo o que. Oficiais encobertos da CIA. A preocupação da CIA pelo segredo. especialmente em um tempo em que os milhares de milhões de habitantes deste nosso planeta. estavam atuando como Jimmy Hoffa e o sindicato dos transportistas. o oficial da CIA telefonou ao Davidson para lhe informar que se feito uma verificação total e. novamente encoberto e vestindo uniforme da Força Aérea. tanto de fontes privadas como oficiais. a demonstração que não se tem.Considerando que qualquer outro contato com o Davidson só respiraria mais a especulação. novamente piorou as coisas. Funcionários da Agência sentiram a necessidade de manter-se informados sobre os Ovnis tão sequer para alertar ao DCI em relação aos mais sensacionais informe e quebras de onda de OVNI Capítulo XII . puseram em marcha uma história mítica. tornou-se em um grande golpe que acrescentou combustível ao crescente mistério que rodeava aos Ovnis e ao papel da CIA em sua investigação. qualquer fora esta. E isto é conseqüência lógica de uma maturidade em certos setores da população melhor informados. A Força Aérea também tinha negado analisar a cinta e declarou que Walker era um Oficial da Força Aérea. nem evidência com valor de tal. O oficial acordou ver o que podia fazer. um incidente menor e um tanto grotesco. Em tanto pareceu aceitar este argumento.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta a cinta. porque a necessitam.Roswell: exemplo cabal da tarefa de desinformación Só a sistemática tarefa de desinformación. se contactarn com o Davidson em Chicago e lhe prometeram ter a tradução do código e a identificação do transmissor. Em 1958. fez do assunto Roswell. contatou-se com o Davidson na cidade de Nova Iorque. Então. um oficial da CIA. insuficientemente dirigido tanto pela CIA como pela Força Aérea. Os que sustentam o assunto Roswell. Davidson disse ao oficial da CIA que "ele e sua agência. e seguiram adiante com ela. nem os meios de comunicação publicam notícias sobre avistamientos. corresponda finalmente. dado que o sinal era de origem americana conhecida. Davidson entretanto pressionou para que se desse a conhecer a mensagem gravada e a fonte. A razão é muito simples: não há prova científica alguma. o Maior Keyhoe formulou a acusação de que a Agência estava lhe pedindo deliberadamente às testemunhas de Ovnis que não fizessem públicos Embora a CIA tinha um interesse lhe declinem nos casos OVNI. se era possível. a naves extraterrestres. a prova que não se possui.

E porque por outra parte. Eberhart. “Roswell": o que é isso? Devo agradecer ao George M.é simplesmente. ou fora de fronteiras mas em âmbitos amigos e controláveis. e começada a Guerra Fria— existia quase uma psicose nacional entre os americanos. particularmente nos altos mandos da inteligência militar americano. nem denúncias. e às vezes muito secretas. Swords realiza uma análise meticulosa da situação. government at the beginning” (O verão de 1947: os Ovnis e o governo dos Estados Unidos no começo). O convite. se pôde haver um Roswell que trocasse esses dois aspectos. pelo indubitável perigo representado pela ameaça soviética. Para desmascarar as tramas da desinformación deliberada. Ameaça a nível de espionagem. não comuns. o assunto Roswell tem capacidade neste livro. titulada “The Roswell Report – Ao Historical Perspective”. com sentido comum. nem nada que alcance nível nacional. e não passava dia sem denúncias de avistamientos. como para não sustentar um mistério a rajatabla. quando não há documentos. como sempre. Illinois.essa mesma arma decide iniciar um projeto para compilar e estudar as denúncias de avistamientos de coisas estranhas em céu americano: o Projeto ou Plano Assino. às que a ideia-ovni serviu que grande cobertura. Se me ocupar do Roswell aqui. e ameaça a nível de ataque. para lhe sair ao passo à mentira organizada. --o que não pensava fazer quando tive a idéia de escrever este livro-. artificiais. e a analisá-los racionalmente. 70 . Professor de ciências naturais da Western Michigan University. nos muito mesmos começos. onde a Força Aérea dos Estados Unidos se havia constituído como tal.A. de necessitar essa cobertura a nível internacional. trata de fazer uma análise da situação que então se vivia. no Kalamazoo. que não podem fazer-se à luz do dia. Era o tempo em que –terminada a Segunda guerra mundial. e onde –a partir do caso Arnold-. que se refira ao Roswell. aparecem dois aspectos que são muito claros. Nessa publicação. que quer verificar em 1991 se houve algo especial. Quando as rádios e os jornais refletiam uma preocupação nacional. dirigindo-o segundo as conveniências e interesses do momento. Michael D. e ainda pior. nem registros. Era o tempo em que o tema “OVNI” estava em seus começos. desenvolve um capítulo sob o tema “The summer of 1947: UFOs and the E. deixaram até certo ponto e medida. mas também das muitas coisas não usuais. Só por esta razão. e editor do Journal for UFO Studies. para cobrir alguns experimentos sinistros. e para informar o suficiente ao público a respeito das muitas coisas naturais que podem explicar perfeitamente muitíssimos avistaminetos. Swords. do Center for UFO Studies (CUFOS).U. E só a seguem usando dentro de fronteiras. e uma vez mais. e com lógica. os que estiveram detrás de todo o tema. É em meio dessa situação. em um ano chave. e nenhuma outra. com o tema OVNI em quente. mas quando mais ruído gerava. o gentil envio de uma publicação efetuada por esse Centro. A expor os fatos sem tergiversá-los. Muito pelo contrário. Swords. é a processar a informação com honestidade intelectual. julho de 1991.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta tenham sido honestos como para não criar falsos “casos”. Para fazer que os leitores não sejam vítimas inocentes do engano orquestrado. por entidades oficiais. por organizações privadas. Chicago. 144 págs. marcam o signo dessa época. e que por assim dizer.

alguém no Governo. Arnold se zangou por sua ineficiência de não investigar por quase três semanas o que ele considerava era um assunto de segurança nacional. Garrett esteve de acordo com o agente Reynolds de que os discos eram provavelmente um experimento altamente secreto do Exército ou a Marinha. porque me parecem muito valiosos. 9). e a hierarquia pareceu estar totalmente despreocupada. Um cientista anexo a inteligência da Força Aérea tinha chegado a uma conclusão similar…………… O Coronel Garrett declarou que …informamos que observações de objetos desconhecidos sobre os Estados Unidos. Alguém muito acima se deu conta do mistério” Ainda um pouco mais adiante. negrito do Autor). Isto lhe levou a acreditar que ela sabia o suficiente sobre esses objetos como para não expressar nenhuma preocupação……Garrett conluyó. 10). pág. quase o pior cenário imaginável começou a obter um grau de credibilidade nos corredores do poder. isto só podia significar uma coisa. Mais adiante escreve Swords: “À medida que julho ia passando. portanto. cit. sabem” ……………”o Tte. tanto as agências de inteligência militares como civis se deram conta de um muito estranho silêncio das mais altas hierarquias……. mas ninguém do Exército do Ar se incomodou em interrogá-lo até em 12 de julho!. Não sabia. sabia do que se tratava. quando se compara com as rápidas e exigentes indagatorias que se originaram na superioridade devido a prévios acontecimentos. sobre o qual o Presidente.” (op. Coronel G. Estados Unidos em 1947: o ambiente Escreve o Prof. cit. o vão fazer. dão mais que um simples peso à possibilidade de que este seja um projeto nacional. D. cit.para um agente de inteligência entendido. Comenta Swords a respeito: “Em realidade. dirige documentos oficiais e extrai alguns conceitos que vou reproduzir a seguir. O caso Arnold tem lugar em 24 de junho de 1947.” (op.que serve diretamente sob as ordens do Brigadeiro General Schulgen deveria ter estado em posição de saber o que é o que estava acontecendo. um alto oficial de Inteligência da USAF declara sem ambigüidades: A falta de indagatorias da superioridade. E é possível que em determinadas etapas. 19. Swords: “Nos anos que seguiram imediatamente à Segunda guerra mundial. O silêncio tinha sossegado até ao escritório de intelige ncia de maior hierarquia da Força Aérea.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Assim. trabalhando nas trincheiras. Toda ação empreendida pelos escritórios e projetos militares devem ser vistos primariamente baixo essa luz” (op. E considero que Swords diz uma grande verdade que muitos “OVNílogos” esquecem: “Algo que os investigadores de OVNI tendem ao esquecer quando avaliam as atividades de inteligência militar é que realmente a única coisa em que essas agências estão preocupadas é na segurança nacional. viam-se objetos que. pág. pág. e a lógica ditava que estavam simultaneamente desenvolvendo um sistema de lançamento. Os soviéticos estavam tabajando em possuir a bomba atômica. 12). já for com ou sem a ajuda de legandarios gênios técnicos alemães. produzir um meio de transporte e lançamento contra o qual os Estados Unidos não tivesse defesa? Havia muitas razões para ter suspeitas” (op. --permito-me adicionar— se as agências de inteligência militar consideram conveniente gerar uma idéia mítica que sirva de “tela” para ocultar atividades a nível experimental ou operativo. Garrett…. pág. não 71 . cit. Podiam os soviéticos. etc. diz Swords: “Em uma página anexa e certamente relacionada a uma cópia do FBI de um documento da Força Aérea datado em 30 de julho de 1947.

quando surgiam as organizações privadas e os livros sobre o tema. 23). estava apoiada fundamentalmente na apreensão em relação à União Soviética. que na década dos anos '40. de "nave extraterrestre". como quero que os maus ou interessados divulgadores do tema levaram a acreditar nas grandes massas. Muito pelo contrário. e me atreveria a dizer que até iniciados os anos '50. tinha a conotação atribuída posteriormente. tinham adquirido nos círculos aeronáuticos de postrimerías da Segunda guerra mundial. Claro. ainda se não houvesse Ovnis extratarrestres. uma pretendida nave de forma circular. a investigação OVNI competente bem pode ser um fator valioso na expansão da consciência humana. E claro. ninguém mencionou o 72 . de algum jeito tenta justificar seu ingerencia no tema Roswell. e a suas capacidades e poderios tecnológicos. Há muitas outras e importantes atividades que podem obter o mesmo objetivo. talvez o mais significativo de todos. encontremo-nos com outra inteligência. e portanto possam haver ainda nos altos mandos.” (op. O uso de motores "scramjet". talvez muito mais eficientemente. Mas uma coisa é transparentemente clara para cada americano: não há organismo oficial que ponha em risco sua própria existência. ou algum dos "santuários" que tinham encontrado na Argentina. a urgência que os Estados Unidos tinha em investigar se algo estranho sulcava seus céus. São muitos os estudiosos do tema OVNI que afirmaram com total propriedade. nem se preocupou com o assunto. No último caso. ou ainda retido por algum recalcitrante grupo nazista operando secretamente desde algum lugar do planeta.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta todos estejam de acotovelo com certas decisões. em tanto e assim que algo ponha em risco a segurança nacional. justificada fama por seus avançados e atrevidos projetos de asas volantes e outros artefatos não menos revolucionários. pág . ou líder que o faça. fica claro que nada especial ocorreu nem aconteceu a nível das altas hierarquias militares. Em resúmen. ao ponto de decidir ficar tranqüilo e não fazer nada. ao final de todo seu discorrer o Professor Swords. trasvasado aos soviéticos. Em tal sentido. sempre existe a possibilidade (quem a negaria?) de que alguma vez. Nenhum ovnílogo daqueles tempos se interessou. Visto desde essa perspectiva. Penso que não só “a investigação OVNI competente” pode ser um fator valioso para a expansão da consciência humana. cit. essa inteligência nos terá encontrado primeiro. Enquanto isso. Era pois uma questão de segurança nacional. os famosos irmãos Horten. dizer "Pires Voador" (Flying Saucer) em maneira alguma. ou não todos participem dessas atividades. conscientes de que há três alternativas: que seja inferior. nem se registrou nenhum impacto nacional nos Estados Unidos pelo acontecido no Roswell. Não escapava a essa consideração o fato de que além da hipótese da origem soviética. certas contradições. também se acrescentava a de uma origem alemã. cientistas e bélicos. principalmente da Antártida. e até a nunca provada mas incontáveis vezes mencionada V-7. na época de auge do tema “Pires Volantes”. e então escreve o seguinte (e peço ao leitor que sopese muito bem as palavras do Professor Swords): “Ainda se Roswell nunca tivesse acontecido. mas enormemente significativo. ou seja superior à nossa. esteja ao mesmo nível. quando alguns avistamientos muito destacados pela imprensa levaram a criação do Projeto “Assino”. E esse é um silêncio não-oficial. Brasil ou Paraguai. mais tarde ou mais cedo a humanidade e nossos vizinhos estelares se encontrarão e terá que fazer acondicionamentos sociais.

com o propósito de comentá-los logo. Na aparência luzia oval. indo em direção ao noroeste a alta velocidade. e ainda mais. embora não como se houvesse uma luz meramente debaixo. Marcel. Esteve à vista por menos de um minuto. de que tinha encontrado o instrumento em seu prédio. O Sr. Logo que o escritório de inteligência inspecionasse aqui o intrumento. em sua edição de 8 de julho de 1947. nenhum OVNílogo de então. Wilmot disse que parecia estar a uma altura de 300 metros e que ia rápido. e a Sra. Mas muito poucos se detiveram a ler as pequenas letras da coluna que subtitulaba "Não Details of Flying Disc Are Revealed" (Não Se Revelam Detalhes do Disco Volante). do A. Todo o corpo luzia brandamente como se transparentase luz do interior. quando um objeto grande e luminoso cruzou raudamente o céu do sudeste. Wilmot aparentemente foram as únicas pessoas no Roswell que viram o que pensaram era um disco volante. Wilmot chamou a atenção da Sra. a noite do passado quarta-feira aproximadamente 10 minutos antes das 22. Estavam sentados em seu alpendre da 105 South Penn.] em uma fazenda na vizinhança do Roswell. e reproduziram o fac-símile da primeira página de dito jornal. embora isto foi só uma presunção. O artigo do "Roswell Daily Record" esse acaso é o ponto de partida para desenredar a meada do assunto Roswell? Muitos o quiseram assim. o disco foi recuperado [original: "recovered" N.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta assunto Roswell. 73 . ouviu jamais falar do assunto. e este é seu texto. logo que um fazendeiro não identificado tivesse notificado aqui ao Xerife Geo. O escritório de inteligência declarou que não se revelaram detalhes da construção do pires nem de sua aparência. imaginou que teria entre 4 metros 50 a 6 metros de diâmetro. sob o título: "RAAF Capture Flying Saucer On Ranch in Roswell Region" (O Campo Roswell do Exército do Ar Captura Pires Volante em Fazenda na Região do Roswell). De onde estava Wilmot diz que o objeto parecia ter um tamanho de um metro e médio. calculou Wilmot. estabeleceu-se que o Maior Marcel e um destacamento de seu departamento foram à fazenda e recuperaram o disco. do A. e tendo em conta a distância a qual estava da cidade. que o campo tomou em posse um pires voador. e ambos correram ao pátio para observar. Trabalhosamente. Calculou que entre 400 e 500 milhas por hora [650 a 800 quilômetros por hora -N. De acordo a informação dada a conhecer pelo departamento. Me vou permitir destacar algumas passagens em negrito. Wilmot disse que não escutou nenhum som. enfrentados boca a boca. mas que a Sra.] durante um breve lapso. do A. como dois pires investidos. possivelmente 40 ou 50 segundos. o mesmo foi enviado por avião a "escritórios superiores". Wilmot disse que escutou um som a assobio [original: "swishing sound". pude ler as cuasi microscópicas letras do documento reproduzido em páginas de livros. sob a autoridade do oficial de inteligência Maior Jesse A. "O escritório de inteligência do grupo de Bombardeiros 509 no Campo Aéreo Roswell do Exército do Ar anunciou este meio-dia. como o som que faz um látego no ar -N.]. Wilcox. Wilmot respeito ao mesmo. ou como dois antigos tipos de bacia se localizadas juntas na mesma forma.

já seja na garagem da mesma ou no pátio traseiro. O anúncio de que o CARE (Campo Aéreo Roswell do Exército) estava em posse de um. Parece óbvio. Imediatamente se empreendeu ação e o disco foi recolhido na casa do fazendeiro. teve a suficiente sorte de obter a posse de um disco mediante a cooperação de um dos fazendeiros locais e do escritório do Xerife do Condado do Cháves. a menos que o material ocupasse muito pequeno volúmen." O primeiro que salta à vista. Marcel. é que havia “múltiplos rumores” de um disco voador. Os fatores psicológicos a nível da população. chegou apenas minutos depois de que ele tivesse decidido dar a conhecer os detalhes do que tinha visto. há alguns aspecto que resultam muito interessantes. Implica isto que o jornal local do pequeno povo do Roswell. Foi inspecionado no Campo Aéreo Roswell do Exército e posteriormente carregado pelo Maior Marcel para escritórios superiores. Em primeiro lugar. que significa recuperar. e um oferecimento de pagamento para quem contribuísse com elementos de um “pires” os que persuadiram ao MAC Brazel para ir fazer a denúncia ao Xerife. Acredito que ninguém estaria em condições de guardar uma espaçonave em sua casa. como comentários básicos sobre o que o comunicado oficial expressa. em duas oportunidades o articulista utiliza o verbo "recover"." A "Declaração do Roswell" e várias precisões O documento que verdadeiramente iniciou todo o assunto Roswell. Isto. Wilmot que é um dos mais respeitados e confiáveis cidadãos no povo. de algo que tinha encontrado em seu prédio rural. pelo funcionário de relações públicas do Campo Aéreo. não podem regular-se quando de trata a avaliar acertadamente a situação que rodeou um particular acontecimento. reteve consigo a história esperando que alguma outra pessoa desse a conhecer que tinha visto um. o que é próprio. Mas isto é o que aconteceu. Campo Aéreo Roswell do Exército. foi o comunicado oficial distribuído à imprensa em 8 de julho de 1947. e de estímulos. para que fosse transportado a outro lugar. ou recolher (em inglês: to "pick up" ou "to retireve" N. ninguém pessoalmente poderia carregar o material recolhido em um automóvel e uma caminhonete. quem a sua vez notificou ao Maior Jesse A. do A. e fosse suficientemente leve. O objeto voador aterrissou em uma fazenda perto do Roswell em algum momento da semana passada. titulado "Roswell Statement". que alguém recupera o que lhe pertence. é que Jesse Marcel recolheu o material "na casa do fazendeiro". Quanto ao texto do artigo de imprensa.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta O objeto chegou a ver-se do sudeste e desapareceu sobre a taça das árvores na vizinhança geral à colina seis-milhas. o fazendeiro guardou o disco até o momento em que pôde conctactarse com o escritório do Xerife. o Tenente Walter Haut. e que expressava o seguinte: "Os múltiplos rumores respeito ao disco voador se fizeram realidade ontem quando o escritório de inteligência do Grupo Bombardeiro 509 da Oitava Força Aérea. Foram precisamente esses rumores. Em terceiro lugar. Não tendo instalação Telefónica. Uma coisa é retirar.) e outra é recuperar. O segundo que chama a atenção. sabia algo mais sobre o encontrado? 74 . do escritório de Inteligência do Grupo Bombardeiro 509. como o possível pagamento de dinheiro. mas finalmente hoje decidiu que iria adiante e contaria o que viu.

É óbvio que nenhuma nave poderia receber o nome de instrumento. É um tempo muito considerável. uma nave. que logo se saberá é William "MAC" Brazel. Wilmot supõe que o artefato em se. Os investigadores sabem bem como não se deve supor um tamanho real. quando não há pontos de referência para determinar a distância ou altura do móvel aéreo. levava uma altura de 300 metros. e que considero é muito importante.espacial! Qualquer pessoa mínimamente a par dos procedimentos de segurança. O que pensar então? Que o tamanho real do móvel aéreo era de um diâmetro maior aos 6 metros e que voava muito mais baixo que os 300 metros. os investigadores sabem por experiência que toda testemunha tende a magnificar o tempo de observação. não significa que sua descrição do avistado seja precisa. Quem viu um globo aerostático de noite.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Em segundo lugar. Pelo qual. transparentando essa luz. Não há um só elemento que demonstre convincentemente que um acontecimento esteja vinculado com o outro. E acrescenta que o via de um tamanho de metro e médio! De ter sido assim. Talvez por essa mesma razão. equivalente a 70 centímetros. básicos. quando Wilmot diz que "Todo o corpo luzia brandamente como se transparentase luz do interior" (The inteire body glowed ás though light were showing through from inside). Mas.. teria um tamanho real de entre 4 metros e médio a 6 metros de diâmetro. encontrou em seu campo. se adjudicarmos uma distância médio do olho do observador até o extremo de seu braço estendido. e isso é o que o jornal escreveu. e como todo seu corpo é iluminado de dentro. Mas outro tipo de artefato sim pode receber semelhante designação.entre o que o fazendeiro não identificado. daí em mais. se o que os Wilmot viram se transladava tão veloz no céu. seja descrito como um cidadão respeitado e confiável. não determinou o desenvolvimento de nenhuma operação militar da hierarquia e o tamanho que tivesse tido lugar. e o que vêem os maridos Wilmot na noite de 2 de julho de 1947. simplesmente se se tivesse suposto que uma nave soviética tivesse cansado em território americano.. 75 . É o jornal o que traçado uma relação --impremeditada possivelmente-. sabe que essa é uma descrição perfeita de como luz um desses engenhos. os Wilmot tiveram a sensação de que era muito veloz. Há um aspecto que chama a atenção. nunca podem havê-lo visto por 40 a 50 segundos. Por um lado. Mas. o senhor Wilmot não é uma boa testemunha. Neste caso. o jornal se refere ao encontrado como o "instrumento". qualquer seja este. em função da chama que lhe mantém no ar com o gás quente que produz. O fato de que o senhor Wilmot. mas a duração do avistamiento faz pensar em algo cuja velocidade não era justmente muito alta.... para a observação de algo que estava o suficientemente baixo para perder-se de vista depois das taças das árvores. dá-se conta por simples sentido comum. Muito menos. o móvel aéreo avistado tinha um tamanho real de 450 metros!! Quem tenho investigado casos sabemos muito bem a dificuldade que em geral têm as testemunhas respeito ao tamanho aparente. Impressiona. elementares diria. isso arrojaria um tamanho aparente de 2 milímetros. A visão é espetacular e um tanto espectral. que não se podem soslayar de maneira nenhuma: 1) A recuperação do encontrado na fazenda do MAC Brazel. Caso o valor mais alto. que nada extraordinário caiu na fazenda do MAC Brazel.Wilmot afirma que o que ele e sua esposa viram. O ponto mais discutível da declaracion do Wilmot é o do tamanho do avistado. Por outra parte há dois pontos essenciais. o objeto descrito pelo Wilmot tivesse abrangido um ângulo subtendido de 65 graus! Por outro lado.

a manhã seguinte de noite na qual os Wilmot fizeram sua observação. O material encontrado: falam os protagonistas 76 . quando expressa: "Não há indicações de advertências. Como assinalei anteriormente. qual foi essa noite tormentosa. tivesse entrado em território dos Estados Unidos" Em definitiva. Quando esteve ali. Marcel. embelezar e exaltar o "caso Roswell" foi capaz de averiguar nos registros meteorológicos da época e lugar. do qual não se tem nem data nem hora precisa.]. cujas intenções fossem desconhecidas. não necessariamente é o mesmo que observaram acontecer os Wilmot. notificações ou alertas. estamos ante um acontecimento ocorrido durante uma noite de tormenta com grandes descarrega elétricas. Não há fundamento algum para relacionar ambos os acontecimentos. encontrou certo material em seu "ranch" de Coroa. nenhum dos investigadores que se dedicaram com tanta fruição a divulgar. e Cavitt o faz em um Jipe.]. Há uma versão de imprensa de 9 de julho. Este vai chamar ao Campo Aéreo Roswell. na sábado 5 de julho --dias depois de encontrar os restos em seu campo-. Devo lhe conceder razão ao “Report of Air Force Research Regarding the ‘Roswell Incident" [Relatório da Investigação da Força Aéresa respeito ao Incidente Roswell – N. na segunda-feira 7 de julho. o Maior Jesse A. Weaver. localizado-se a 129 quilômetros de distância de Campo Roswell. no domingo 6. dizendo textualmente “algum dia de na semana anterior”. do A. Foi essa circunstância a que lhe levou a pensar que talvez devesse denunciar a alguém o que tinha achado em seu campo. um Buick modelo 1942. Possivelmente comentários originados pelo avistamiento dos Wilmot. em companhia do oficial de Contra Inteligência Sheridan Cavitt. já que podiam ver distância. partem para o prédio do MAC Brazel. Esse é o "grande operação militar" disposto para recuperar o instrumento cansado no do MAC Brazel.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta 3) O instrumento recuperado na ocasião. Marcel conduz seu automóvel do Estado Maior. [o original diz "aliem" N. MAC Brazel se dirige ao Condado do Cháves e lhe conta o acontecido ao Delegado Georges Wilcox. Muito pelo contrário. datado em julho de 1994. Por sua parte a "Declaração do Roswell". um oficial de Inteligência. ao dia seguinte que uma forte tormenta com intensas descargas elétricas se abatesse sobre a zona de seu estabelecimento. ou um momento de maior atividade operacional reportada que se gerou lógicamente se um aparelho estranho. O que faz MAC Brazel? O primeiro ponto que causou discussão é a data na qual William "MAC" Brazel. Segurança e Supervisão de Programa Especial. Em tanto que MAC Brazel constatou os restos de materiais pulverizados em seu campo. ou seja. Infelizmente. na qual MAC Brazel mesmo declara que achou o material em 14 de junho. surge do testemunho dos Wilmot que sua observação a fizeram tendo como fundo um céu espaçoso. é imprecisa na data do achado do Brazel. sem problemas. ouviu comentários sobre pires volantes vistos pela zona.del A.MAC Brazel foi à cidade de Coroa. e assinado pelo Coronel da USAF Richard L. Data imprecisa. datada em 8 de julho. Diretor. é uma mera especulação que a data tenha sido a de 3 de julho. Isso tivesse permitido fixar a data sem lugar a dúvidas.

Brazel. Era muito flexível e não se podia esmagar ou enrugar. Esta escritura era de um matiz púrpura-violáceo. titulado “The Roswell Events” [Os sucessos do Roswell – N. e havia fragmentos do que pareciam ser varinhas em forma de “I”. ‘…Havia três categorias de resíduos: uma substância grosa de cor cinza metálica. a maior lembrança que tinha o mesmo tamanho de uma bola de basquetbol. mas não tinham caracteres como animais…. Brazel). onde caíram restos de um globo e de um poliedro aluminizado para seguimento por radar. Me vou remeter ao documento oficial precedentemente chamado. Não recordo nenhum outro tipo de material ou marcas. não obstante precisamente não era como nenhum desses materiais…. Pareciam hieróglifos. Era algo como um papel de estanho. e as declarações brindadas a investigadores privados. tinha 14 anos quando ocorreu o incidente). A peça que ele trouxe era de cor castanha.]. como aluminizada de um lado e como de borracha do outro. algo como um couro bem curtido para sua dureza. algo como satin. Brazel. Havia também algo que ele descreveu como uma cinta que tinha algo impresso nela. publicadas originalmente em um estudo efetuado pelo Fred Whiting. um material quebradiço como um plástico de cor negra-amarronado. Não se pareciam com o russo.” “Sally Strickland Tadolini (vizinha do W. como os de papalotes. Declaração jurada datada em 6 de maio de 1991. parecia haver um tipo de escritura. A cinta tinha duas ou três polegadas de largura e tinha desenhos nela que pareciam flores. ao japonês ou a nenhum outra linguagem estrangeira. tampouco recordo ter visto sulcos na terra ou alguma outro sinal de que algo tivesse golpeado duramente contra o chão. como papel metalizado. A maioria era uma espécie de material de duas caras.W. do A. geométricas. Marcel. Na parte interior das varinhas em forma de I. A cor da impressão era uma espécie de púrpura…. As figuras estavam compostas de formas curvas. ‘…. similar ao plástico.] “Jesse A. ‘…Os resíduos pareciam as peças de um grande globo que tivesse estalado. um lado 77 . como baquelita.” “Bessie Brazel Schreiber (filha do W. Declaração jurada datada em 27 de setembro de 1993. o documento reproduz as declarações juradas de diversas pessoas.Tinha aproximadamente a grossura de uma luva de couro muito fino e uma cor metálica cinzenta pálida. que foi respaldado pela organização privada FUFOR [Fund for UFO Research – Fundo para a Investigação OVNI – N. Declaração jurada datada em 5 de maio de 1991.’ “ “Loretta Proctor (ex-vizinha do granjeiro W.W. O material como folhas metálicas e borracha não se podia dobrar como se pode fazer com o papel alumínio comum. “…. e tinha uma aparência de relevo. Novo o México..Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta O rancheiro William "MAC" BRAZEL a cargo de uma estadia perto de Coroa. As peças eram pequenas. uma variedade de cores bolo. NM (filho do falecido Maior Jesse Marcel. e recordaram às pinturas japonesas nas quais as flores não estão todas conectadas.W. tinha nove anos em 1947). ‘MAC’ disse que o outro material na propriedade luzia como papel de estanho. Declaração jurada de 22 de setembro de 1992. As ‘flores’ estavam desvanecidas. Mas. do A.Brazel veio a minha granja e mostrou a meu marido e a meu uma parte de material que disse vinha de uma grande pilha de resíduos na propriedade que ele administrava. sem prejuízo de destacar que não existe a mais mínima contradição entre as declarações juradas recolhidas pelos documentos oficiais.O que Bill nos mostrou foi uma parte do que eu ainda acredito era um tecido. Colas. estavam aderidos a algumas peças com uma cinta blancuzca. tinha 11 anos quando o incidente).

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta levemente mais escuro que o outro.Cnel. O material era extremamente leve. Então pensou e continua fazendo-o atualmente. É uma testemunha direta. disseram-nos que tinham transbordado o material a um B-25. não obstante. Não é alguém ao que lhe mostraram algo. Weaver em seu relatório de 1994: “Dado que o Tte. A gente a bordo incluía………e ao Maior Jesse Marcel. Uma das peças tinha forma de triângulo. Cavitt proveu uma declaração assinada e jurada de suas lembranças sobre este assunto. que teve um conhecimento de primeira mão. e certas varinhas finas. Um deles foi o Tenente Coronel Sheridan Cavitt. um militar do Campo Aéreo no Roswell. Todos os pacotes podiam ter cabido na valise de um automóvel…. como de bambu. Também consentiu em que a entrevista se gravasse em uma cinta. têm um enorme peso testimonial. para recuperar o material que ali tinha cansado. Escreve o Cnel. Não recordo que tivesse nenhum desenho ou relevo nele…” Todas são declarações juradas. como o esteve um Engenheiro de Vôo.. ou lhe contaram. o material foi transbordado a um B-25. Também recorda ter encontrado um tipo de instrumento como uma ‘caixa negra’ pequena. que o que encontrou era um globo sonda e assim o declarou a outros investigadores privados. Desde aí sua importância em relação a este incidente. tomou a decision de entrevistsarle e de obter uma declaração assinada baixo juramento respeito a sua versão dos acontecimentos………. Não se trata de simples testemunhos. “Robert R. o qual estava envolto em pacotes com papel de envolver.Por conseguinte.’ “ Houve dois homens que foram diretamente desde o Roswell ao campo administrado pelo William “MAC” Brazel. O papel marrom era sustenido com uma cinta.. pois tem todo o valor de uma testemunha presencial. também emitidas em declaração jurada. mas estou seguro que não era um globo meteorológico…. Porter (Engenheiro de Vôo de B-29s estacionado no Roswell em 1947). Sua declaração é fundamental.O Tte. que o material que recuperou consistia de um material de tipo reflectivo como um papel de estanho.Cnel.Quando retornamos para o almoço. ‘Nesta ocasião. Nem se queira sabia que ‘se denunciou ao incidente como algo incomum até que foi entrevistado a começos dos anos 80’ “ 78 . Eu estive envolto na trea de carregar o B-25 com o material. Carregamos o pacote com forma de triângulo e três pacotes do tamanho de caixas de sapatos no avião. Ohio. Mas nenhuma das pessoas anteriormente mencionadas estiveram diretamente envoltas com o material recolhido. aproximadamente do tamanho de uma caixa de sapatos. Quando o recolhi. Disseram-nos que o material era um globo meteorológico. ou lhe referiram um relato. O resto eram pequenos pacotes. ainda está vivo. ……. disse-se que foram ao Wright Field no Dayton. em seu lar. que pensou então provavelmente era uma radiosonda. Cavitt foi entrevistado em 24 de maio de 1994. que interveio originalmente em tomar contato com o material. parecia como recolher um pacote vazio. Declaração jurada datada em 7 de junho de 1991. Suas palavras. Cavitt também declarou que nunca teve que emprestar nenhum juramento ou assinar nenhum tipo de acordo para não falar sobre este incidente e jamais foi ameaçado por ninguém no governo devido ao mesmo. de 75 centímetros de ponta a ponta. Cavitt.Declarou inequivocamente. Anderson disse que era de um pires volante. Logo que atracamos. O Capitão William E. Uma declaração jurada supõe uma responsabilidade penal se se demonstrar que é falsa. …. eu era um integrante da tripulação que tansportó parte do que nos disse era um pires volante ao Forth Worth.

e a foto em que figura o Maior Newton. Weaver: O Maior Jesse MARCEL com o material descrito pelo Tte. Lhe disse que tinha que reportar-se ao Escritório do Genral Ramey para ver o material. Haviam figuras nas varinhas. que o material que eu vi no escritório do General Ramey eram os restos de um globo e um branco RAWIN’ “.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Há outro testemunho também de soma importância.Cnel. nenhum investigador nem entusiasta dos Ovnis a nível privado. tampouco hoje. Newton foi o Oficial Meteorologista atribuído ao Fort Worth. Assim que o vi. Newton relatou que ‘…. Sheridan Cavitt que junto a ele. há um detalhe que não coincide. Ele não me convenceu de que essas eram escrituras alienígenas’. No caso do Marcel. o que determinou que enviassem o material do Roswell ao Forth Worth para examiná-lo.Caminhei ao escritório do General onde este suposto pires volante estava atirado no chão. rime nervosamente e perguntei se esse era o pires volante….) da Força Aérea dos Estados Unidos Irving Newton. Os fatos seguem sendo como o indiquei acima. um poliedro feito de varinhas e lâminas de papel aluminizado (2) Agora bem.a saber: (1) O material que lhe mostrou no escritório do General Ramey era o de um globo com um branco RAWIN. em torno do material recolhido. isto é. embora ambos parecem estar no mesmo lugar. sem tom nem som. que estava de serviço quando os restos do Roswell foram enviados ali em julho de 1947. dito isto. e é o responsável por ter arrojado a idéia do “aliem”. outras não correspondiam às habituais de um usual globo meteorológico?. recolhessem-no do prédio aos cuidados do Brazel. E daí se desenvolveu todo o mito do estranho. Marcel é um dos principalísimos testemunhas do material recuperado. foi capaz de recolher. Eu não fui influenciado durante a entrevista original.Os pinjente que isto era um globo e um branco RAWIN…’ Newton também declarou que ‘…enquanto estava examinando os restos. 79 . Irving Newton aponta a dois aspectos inescapáveis na consideração deste asunto. (3) Me vou permitir assinalar dois pontos interessantes: A) O material recolhido no campo aos cuidados do MAC Brazel era muito mais abundante que o que corresponderia a um globo com um branco para radar. “Em uma declaração assinada e jurada. o (4) O Maior Jesse A. Relata em seu relatório oficial o Cnel. pareciam marcas apagadas devido ao tempo meteorológico. É o do Major (Ret. Um mito que entretanto. o Maior Marcel recolhia partes das varinhas do branco e tratava de me convencer de que algumas notas nas varinhas eram escrituras alienígenas. É possível pensar que embora havia partes do material correspondentes a um poliedro refletivo. para prover nada que não fosse o que sei que é verdade. B) Se se olhe com certo parada a fotografia em que o Maior Marcel aparece junto a parte do material recolhido. já que esteve à frente da operação de sua coleta no campo do MAC Brazel. ou seja equipado de uma superfície refletivo. Tivesse alcançado a valise do velho Buick que conduzia o Maior Marcel para levá-lo. É óbvio que os restos eram mais numerosos. e ainda logo depois de ali ao Campo Wright onde funcionavam laboratórios do então Exército do Ar? Que mistério ocultava o então Exército do Ar dos Estados Unidos? Foi esta toda uma manobra para despistar e distrair a atenção de outro feito?. Este testemunho assinado e jurado do Major (Ret). de cor lavanda ou rosado. indagar. As cadeiras são diferentes. cabem várias interrogantes: como os militares do Roswell não reconheceram imediatamente um instrumento dessas características descritas pelo Maior Irving Newton?. e publicar em sua outrora famosa revista “Fate”. ninguém como um Ray Palmer por exemplo.

Os signos eram de cor rosada e púrpura.Uma coisa que me impressionou daqueles restos foi o fato de que. Plaza & Janés Editores. quando Moore transcreve o que originalmente declarou o Maior Jesse A. ou mais tecnicamente. embora flexíveis. e não arderam. 237 páginas.. N. Pareciam feitas de um pouco parecido à madeira balsa. Parecia como se os tivessem pintado…. Teria que haver uma atividade esfervescente no Roswell. e tinham o mesmo peso. assim. este é o indivíduo que abrirá o tema do “incidente no Roswell” com seu livro. onde chegamos ao anoitecer. pois se supõe que suas palavras deveriam dar sustento ao argumento que Moore pretende desenvolver. é de todo ponto de vista inescapável transcrever o que o próprio Maior Jesse Marcel descreve sobre o material que junto ao Cavitt recolheu no prédio rural administrado pelo MAC” Brazel. mas não encontrei nada………. estabeleceram-se contatos e se teriam gerado documentos em torno do achado. e o “globo” do assunto Roswell se inflará desmesuradamente e alcançará proporções insólitas e verdadeiramente. escrito em associação com o Charles Berlitz.sabe-se que foi um agente a salário da Força Aérea dos Estados Unidos para disseminar deliberadamente informação falsa. uma grande parte dos mesmos. desinformación. Eu não confio um ápice no William Moore. ridículas. Não podiam ler-se. cumpriu sua função escrevendo "O Incidente". embora eu diria que estavam cortados pelo mesmo patrão. Marcel. 1981. Eram muito duras. Também havia uma grande quantidade de uma substância estranha parecida com o pergaminho. de cor parda e extremamente sólida. 91 a 93). dirigimo-nos de volta ao Roswell. e do propósito com que há incursionado nos âmbitos da Ovnilogía. como William Moore. Aquela tarde [7 de julho]. [letra em negrito de minha responsabilidade. Pois bem. e não todos eram o mesmo. com um dispositivo muito especial. Interessava-me a eletrônica e procurei um pouco parecido a instrumentos ou a equipe eletrônica. exemplo da pior e mais sensacionalista literatura de nossos tempos. e uma grande quantidade de pequenas peças de um metal parecido a papel de estanho. O texto que segue. A primeira obra que em forma desembozada distorce e emprega os dados de tal maneira de levar a leitor incauto a pensar justamente o que os serviços de inteligência querem: que em Coroa.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Marcel estalará com a história a partir de 1978. chamada também informação “negra”. eram semelhantes a símbolos. e –obviamente—os restos da pretendida “espaçonave” que alguns quisessem que fora.Reunimos todos os restos que pudemos. cit. pertence ao livro “O Incidente” (versão em espanhol). perto do Roswell.” (op. É uma tarefa de inteligência como muitas outras. e alguns indivíduos. que poderíamos denominar hieróglifos por causa de que não pudemos decifrá-los. Espanha. págs. Berlitz foi quem nos desse aquele “pasticcio” titulado “O triângulo das Bermuda”. o lugar tivesse sido rodeado por forças militares. Mas por isso mesmo. não tivessem 80 . William Moore –por confissão própria em um Congresso da Mutual UFO Network (MUFON) -. exceto. Logo outros se ecoarão da mesma.] O mais mínimo sentido comum dita que de ter cansado um pouco verdadeiramente estranho. “tratava-se de toda classe de restos: pequenas varinhas com certo tipo de hieróglifos que ninguém pôde decifrar. acredito que significavam algo. parecesse pergaminho. mas que não era papel de estanho. enchemos o porta-malas e os assentos traseiros do ‘Buick’. Barcelona. Em alguns deles se viam símbolos. Como bom agente de desinformación. havida conta de seus antecedentes. encarregarão-se de lhe dar a maior difusão possível. caiu uma nave extraterrestre. em realidade não se tratava de madeira. Quando tivemos abarrotado a caminhonete. do A. mais suculento e interessante resulta o que o militar pôde dizer em vida.

– nada. com desigualdades. denunciou-se também. etc. e exclusivamente nele. Jesse Marcel (por então Maior). avião. ISSO NÃO OCORREU. foguete. NENHUM OVNI CAIU NO ROSWELL --COM Ou SEM EXTRATERRESTRES. O fato de que nem sequer se dispôs de vários caminhões ou de maquinaria especial para recolher os restos. para encarregar-se de esclarecer perfeitamente o ponto. ou seja refletores ML-307 para radar. um sistema de controle. instrumentos.1). certamente. Marcel. Randle. o primeiro se titula “UFO Crash at Roswell”. Cnel. Para completar o quadro do verdaderament e achado no campo administrado pelo Brazel. Kent Jeffrey. helicóptero. até este ponto de meu desenvolvimento do tema: “Documentos militares desclasificados.” (op. dedica-se a investigar e escrever com o Donald R. os originais foram lhes substituam pelos de um globo meteorológico. Não foi uma fotografia preparada. Nada melhor que o próprio Tte. Eram de cor púrpura. fazem inequivocamente claro que o material recolhido ao noroeste do Roswell. servos. um sistema de propulsão. “Mencionou seu pai algo sobre a presença de criaturas em relação com esses restos? ---Não. e que quando permitiu que se fotografassem os restos em seu escritório. ou míssil. para dar uma fácil explicação. perguntou a sua filha: Estes são os "hieróglifos" a que se referiu o Maior Jesse Marcel. novos testemunhos de homem militares retirados tanto do Roswell como da Divisão de Tecnologia Estrangeira na Base Aérea Wright Patterson. PONTO. cit. e estavam um pouco desbotados. e um completo ré-exame de como começou a história do disco cansado em primeiro lugar. O próprio Jeffrey acrescenta na página 8 de seu relatório.” Até aqui o acontecido em 1947 e suas repercussões. um investigador privado que explorou a fundo o tema Roswell através da chamada International Roswell Initiative chegou a dizer o seguinte. que o Geneal Ramey fez uma espécie de armadilha aos jornalistas. A “verdade” sobre o Roswell? Outro agente de Inteligência da Força Aérea dos Estados Unidos. papai nunca mencionou nada parecido” (op. A partir do trabalho do agente de desinformación William Moore. “Não havia artefato tecnológico de nenhum tipo --nenhum resto de algo que se assemelhasse a motores. em julho de 1947 não era de origem extraterrestre. todo o mito gira em torno do que disse ou se atribui que disse o então Maior Jesse A. componentes eletrônicos. 94). e o segundo que se titula “The Truth About 81 . pág.: “Fotografado-o eram peças pertencentes ao material que encontramos. E. Menos ainda. Primeira explicação oficial: um globo sonda equipado com um branco RAWIN. indica claramente que os mesmos em maneira alguma pertenciam a um veículo aéreo do tipo que fora.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta podido caber em uma caminhonete e a mala e assento traseiro de um automóvel. pág. Kevin D. 108). Em outras palavras. como se constata em forma farto reiterativa.” (“Roswell – Anatomy of ao Myth” – p. outros conceitos importantes com os quais concordo em cem por cento. a uma “nave extraterrestre”. Schmitt dois livros sobre o tema. (1947) Mas o tema não ficou aí. ocultando a realidade de algo diferente. que compartilho em sua totalidade. o tema se seguiu agitando. cit. Novo o México. Todas as linhas convergem nele. um sistema de guia.

Randle resultou ser um escritor muito prolífico. Allen Hynek Center for UFO Studies” (CUFOS) “por falsas e enganosas declarações que fiz respeito a meus antecedentes”. sua filha Bessie. New York. Arizona. infelizmente o dueto Randle-Schmitt não contribui efetivamente a chegar à verdade.” (pág. 220) 82 . é a hi storia do Roswell dita de maneira tão completa como é possível neste momento. Dom Schmitt por sua parte. 9) “o aparelho tinha um frente curvo e uma asa larga com uma parte traseira como de morcego. 7) Ao sul do Roswell (pág. eles acreditaram que estavam vendo um avião experimental. trocado e revisto costure. 23) “era algo que parecia um avião cansado sem asas” (pág.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta the UFO Crash at Roswell” (Avon Books. eliminações.foi obtida pelo William Rhodes. 35) Localização do ocorrido: Ao norte do Roswell (pág. Ao começo do The Truth about the UFO Crash at Roswell” há uma importante “Declaração dos Autores”.” (pág.7) “parecia uma parte de um avião com asas estreitas” (pág. como vou demonstrar o seguidamente. Mas o que segue é a história completa de um artefato extraterrestre recuperado aos subúrbios do Roswell. no Phoenix. 133) Descrição dos restos: Nota 1: as descrições destes restos não correspondem ao encontrado na fazenda a cargo do Mc Brazel. 3-4) 4 de julho de 1947 11:30 PM (pág.” Por este motivo. em 7 de julho de 1947. – edição de tampas brandas). tivemos a especial oportunidade de corrigir enganos no manuscrito original. 212) “era estreito com uma asa tipo morcego” (pág.del A. Seu livro é um monumento à confusão. é que utilizei como base de minha análise mais a fundo do “mito Roswell”. e seu filho Vernon. “um avião sem asas ” (pág. E é possível que –em tanto conte com leitores interessados--siga escrevendo. 6) “Brazel declarou aos jornalistas que tinha encontrado os restos em 14 de junho. Data e hora do sucesso: 4 de julho de 1947 entre as 11 e 11:30 PM (págs. Apesar da terminante e rimbombante declaração dos autores. Esta então. Os negativos lhe foram requisitados pelo FBI que nunca os devolveu. teve uma sorte mais desgraçada. figura aqui a mero título ilustrativo N. e obter adicional corroboração para o relatório principal. Em 13 de abril de 1995 apresentou uma carta de renúncia ao “J. 125) “tinha uma asa festoneada” (pág. Novo o México no verão de 1947. deu-lhe para escrever outros oito livros. ao ponto que o tema dos pretendidos Ovnis cansados. Foi algo similar a isto o que caiu em algum lugar de novo o México? (A foto --tirada de jornais da época-. 173) "Forma de ferradura" com "asa tipo morcego".) “aparelho com ‘forma de ferradura’ ” (pág. Sem poder determinar sua autenticidade. acrescentar informação recolhimento logo depois da publicação do livro com tampas duras. este livro do Randle e Schmitt.” (pág. quem pensou que devia ser certo tipo de veículo do governo. enquanto inspecionava os pastos com sua esposa. No futuro haverá mudanças menores. 7) “Como Ragsdale. 131) Ao norte do Roswell (pág. 1994. 314 págs. e corroboração adicional. 10) “É um avião sem asas” (pág. adicionaram-se. que diz: “A investigação do Roswell está em marcha e devido a isso.

” (pág. a não ser em algun outro lado. Os outros três têm aproximadamente o tamanho de uma caixa de sapatos. que era basicamente papel metalizado e balsa. se o que se está transportando é uma nave. 11) “Alguém também sugeriu que Brazel deveria tratar de reclamar as várias recompensas oferecidas por contribuir uma prova de que os ‘pires volantes’ eram reais” (pág.”. O próprio Maior Jesse A. 200) **Note-se: MAC Brazel as arrumou sozinho. “Uns poucos pacotes se carregam no avião. 31) “a gente podia agarrar esse material e fazê-lo uma bola e se enderazaba sozinho” (pág. Então faz sua aparição na história o Dr. mas tão fortes que nem sequer se dobravam. trata-se do Sargento Instrutor Lewis Rickett. a não ser restos de um globo. ao norte. que possivelmente estalou no ar antes de cair. em seu livro antes chamado. e ia permanecer assim. 202) **Tão somente dois militares com veículos pequenos puderam cumprir a tarefa. William Moore. W. James McAndrew. não no campo administrado pelo MAC Brazel. e que o material não descreve nenhum tipo de aparelho ou de nave. diz que os arqueólogos pertenciam à Universidade da Pennsylvania. Não havia indicação de passageiros no que fora que tinha cansado. Mas não no campo do Brazel. Os restos eram tão finos e tão leves que se voavam com o vento.9) “podia-se dobrar de qualquer forma. um pacote triangular de 60 centímetros de comprimento está envolto em papel de astrasa. e que não pensou nada até que escutou sobre ‘pires volantes’ um par de semanas depois. menciona a outro integrante do Corpo de Contra-Inteligência. Armazena-o em um refúgio para o gado a umas três milhas ao norte do lugar da queda. O relatório da Força Aérea dos Estados Unidos de 1994. preparado pelo Tte. Se houve cadáveres. foi categórico em afirmar que no terreno do Brazel não se acharam cadáveres de nenhum tipo. estes se acharam junto a outro tipo de restos. Randle-Schmitt. em outro lado de novo o México. Um. poderia cobrar algo… “Brazel mencionou que o material era débil. abrangendo então uma área considerável do terreno.” (pág. Curry Holden. façam-se duas afirmações contraditórias entre se. 1o. 32) **Razão mais que válida para que Brazel denunciasse os restos que tinha encontrado em seu campo. 205) **Certamente não é o que se espera. “foi carregado em um caminhão” (pág. 9) **Resulta absurdo que na mesma página e a artigo seguido. quem ao parecer liderava um grupo de arqueólogos. como seria próprio da queda de uma nave aérea. “Brazel ou o carrega na parte traseira de seu caminhão ou o arrasta atrás. (pág.” (pág. e que tinha cansado. que se encontraram com “algo”. Só restos pulverizados de um material leve.” (pág.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Nota 2: as descrições que seguem correspondem ao material encontrado no campo a cargo do MAC Brazel. Não ia se endireitar” (pág. que continha tripulantes. Talvez. ou Noroeste do Roswell. Marcel. além disso Cavitt. Tampouco havia nenhuma cratera ou poço. “Um exame mais detalhado não produziu clara evidência de um acidente aéreo. 152) **O qual demonstraria que a data de 14 de junho não está equivocada. “Eles carregam a parte de atrás do automóvel do Marcel e logo o jipe carriola conduzido pelo Cavitt. sustentam que: “a informação do 83 . São tão leves que se sente como se não houvesse nada neles.

Os seres vestiam trajes de vôo de prateado.” (pág. mas não oferecem nenhum outro como alternativa precisa. 27) “Inez disse a sua neta que se encontraram cadáveres. Ambos estavam mortos.não estavam todos dentro da nave. Mas embora Barney Barnett é a testemunha que serve ao Moore para afirmar que os arqueólogos se encontraram com o aparelho e seus tripulantes nos Planos de São Agustín. 21) “Não acredito que ela disse cadáveres de extraterrestres.50 no máximo” (pág. Dois deles se encontraram fora do aparelho. Eram pequenos com enormes cabeças e enormes olhos. 149). Olhando por um buraco na fuselagem.” (pág.20 a 1. fora do aparelho mesmo mas em muito boas condições” (pág. Os tripulantes da nave eram pequenos.” (pág. Sua descrição foi a de seres com olhos que eram um pouco maiores que os dos humanos e uma cabeça levemente maior que a humana. parece inverossímil que tanta contradição básica.27) **Pessoalmente. e os detalhes se ampliam e amplificam. ou que não lhes interessou 84 . Verdadeiramente. Não pensou que tivesse sofrido nenhuma lesão” (pág. era precisa” (pág. 125) “As descrições das testemunhas deixam em claro que não eram humano nem animais. Não eram muito compridos…de 1 m. “cadáveres de estrangeiros” foi o término que usaram. Desde aí em mais. Dois fora do aparelho. Fué mais tarde que McKenzie soube dele.” (pág.” (pág. Dois estavam gravemente mutilados. oferecem-nos o panorama mais confuso que possa imaginar-se.7) “Paracían cadáveres. “Os cadáveres. 127 op. homens pequenos com enormes cabeças que vestiam trajes cinzas como de seda. Pior que o referido à descrição da nave. Acredito que disse cadáveres de estrangeiros. e tinham pupilas.50 e magros. 40) **Depois de gerações o mito se expande. a gente tendido no chão e o outro sentado perto de um farallón.” (pág. e a gente era visível através de um buraco de um flanco. Estava em uma cadeira desabado para um lado.). e não de “extraterrestres” (“aliens” – em inglês). Disse que a cabeça estava volta para um lado de modo que foi difícil ver detalhes faciais. McKenzie viu outro dentro do aparelho.” (pág. “Os médicos estavam examinando três cadáveres. A menos que se pensasse que os autores foram tremendamente desaprensivos. considero muito importante esta elucidação sobre a qualidade de estrangeiros. talvez um grupo de arqueólogos civis encontrou uma nave e tripulantes cansados. e aproximadamente coincidindo com os restos que Brazel encontrou em seu campo. Ele podia ver as pernas de um quarto. cinco em quantidade……. Descrição dos tripulantes: “À medida que se aproximaram viram três cadáveres.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Barnett --de que um grupo de arqueólogos civis se topou com o lugar da queda. O quinto dentro do aparelho não estava imediatamente visível.cit. possa-se encontrar em um livro que pretende estabelecer “a verdade”. mas a gente luzia como se tivesse sobrevivido à queda e estava principalmente de uma só peça. Randle-Schmitt negam que tenha sido esse o lugar..” (pág. e sustentam que os arqueólogos pertenciam ao Departamento de História e Antropologia do Instituto Tecnológico deTexas. “Só viu três cadáveres. 13) “Viu uma pessoa caminhando. 75). Randle-Schmitt.os qualificou de ‘homens pequenos’. 9). “Todos foram encontrados. aparentemente. Os olhos eram só ligeiramente maiores que os dos humanos.12) “Dom Ecker…. de aproximadamente 1 m. Em algum lugar de novo o México.

simplesmente para alimentar a fantasia popular e extrair dela beneficio econômico. crescendo desse ocultação. Hei dito antes. é filho da desinformación. para seguir ocultando a verdade. Um pouco especificamente escrito dessa maneira. mas esses informe não obtiveram ampla disseminação. Roswell é um transparente exemplo disso. foi indispensável para que o tema OVNI operasse nas sociedades e na cultura. Posteriormente. a afirmar gratuitamente que o material que recolheu no campo aos cuidados do MAC Brazel. “não era nada deste mundo”. e procurando explicações convencionais.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta absolutamente ou não tiveram tempo de revisar seus originais.Jesse Marcel é entrevistado por uma quantidade de investigadores. fazendo que como boas marionetes. e o ocultação. ainda não sei o que era. Oficial de Inteligência do Exército do Ar dos Estados Unidos. O segredo. a leitura do livro resulta o cúmulo do absurdo e da confusão. alimentado por várias fontes. que todo o “mito” se desenvolveu tendo como centro ao então Maior Jesse A. Marcel. 85 . E em realidade todo o tema Roswell é um absurdo. Talvez este livro bem merecesse o qualificativo do “monumento ao absurdo”. para que o volúmen total de desinformación expressamente criada por fontes oficiais. Stringfield e Stanton Friedman. dirigiram aos que não sabem. e o substituto da falta de informação. procurando tampar o que verdadeiramente ocorreu.” (O repórter Bob Pratt. mas coincidentes no resultado. “Dezembro 1979 -O repórter Bob Pratt entrevista e posteriormente publica sua entrevista com o Jesse Marcel na qual Marcel “admitiu que ele era o oficial de inteligência que recuperou partes de um pires volante. trabalhou para uma das publicações formato “tablóide” mais conhecidos por seu sensacionalismo e inescrupulosidad: o “National Enquirer. ainda quando em 1947 essa expressão não continha a conotação de “nave extraterrestre”. sem dúvida alguma. que entretanto. esta espécie de tensão bipolar. no que os que sabem. não saber o que era. E não é algo curioso.” (pág. ) Mas. As fontes privadas. foi e é intrínseco ao “fenômeno OVNI”. que adquiriu mais adiante. incluindo o Leonard H. op. As fontes oficiais. Randle e Schmitt escrevem nas páginas 214 e 215 de seu livro. substancialmente conflui em um plano professor. em tanto isso fosse oficialmente necessário. Agora bem. Marcel lhes diz que está seguro que os restos não são nada deste mundo. a não ser algo que esteve permanentemente presente ao longo de mais de 50 anos. 47. Marcel concedeu entrevistas a várias organizações de notícias. não dá direito ao Marcel nem a ninguém. por motivos diferentes. o rumor o enche generosamente. nem que pertencia a um “pires volante”. --talvez em um rapto de sinceramiento—Marcel disse: “Até o dia de hoje. ainda se acrescentasse de uma fonte pretendidamente privada. uma vez que passou a situação de retiro. Mas…eu não quero pensar que isso foi um pouco deliberado. dão lugar ao que em comunicação se qualifica tecnicamente como “rumor”. Mas. fazendo uma recopilação sumária dos mais importantes acontecimentos: “1978 . (considerado como fenômeno sóciocultural) que as fontes oficiais e as privadas se hajam retroalimentado mutuamente. Ali onde se produz um vazio. E o rumor. cit. movessem-se adequadamente para seguir alimentando o mito.).” (Seria que essas organizações não ficaram convencidas da força e seriedade dos argumentos do Marcel?).

constitui o fundamento em torno do qual todo o resto do caso está construído. O título do artigo do Todd é “Maior Jesse Marcel: herói folclórico ou mitomaníaco?” Os fanáticos do Roswell recordarão que Marcel foi o Oficial de Inteligência do Campo Roswell do Exército do Ar quando ocorreu o incidente no Roswell em julho de 1947. Chegou a ser Tenente Coronel da Reserva Aérea depois de aposentar-se. boa parte dela obtida diretamente da folha militar pessoal do Marcel. mas só por ter pirado uma quantidade suficiente de horas em missões de combate –como oficial de Inteligência. fevereiro 20 de 1996). Embora os proponentes do Roswell acreditam que a alta fila de Tenente Coronel do Marcel lhe faz mais acreditável. “Saucer Smear” apresenta um primeiro artigo que titula: “OUTRA TESTEMUNHA CHAVE DO ROSWELL REMÓI O PÓ”. e aparentemente só tinha o total de um ano de universidade em qualquer lado. quem nos disse como estava acostumado a conduzir uma organização dedicada aos Ovnis nesse pais” (“Saucer Smear”. o qual nos dá uma Causa Justa para suspeitar da exatidão de sua descrição dos restos do Roswell. como oficial de Inteligência.” (“Roswell – Anatomy of ao Myth” pág. Entretanto não existe indicação de que tenha tido nenhum grau. Em essência. e é portanto uma figura chave na lenda. tem um agudo sentido perspicaz. Ali estava Moseley. assim como o mais controversial de toda a história do Roswell. No exemplar de janeiro 10 de 1996. em Washington. Moseley. D. fui apresentado ante 40 pessoas que assistiam a uma reunião pública sobre o tema. Mas a sua vez sabe ser cáustico em seus lhes plante. James W. quem logo comentou sobre minha exposição: “Também no programa esteve um homem muito cientificamente orientado do Uruguai chamado Milton Hourcade. convocada em um local de uma famosa cadeia de livrarias. escrevendo no mais recente exemplar do The KowPflop Quarterly” (antes chamado “The Cowflop Quaterly”) dá-nos quatro páginas de uma detalhada informação sobre o Jesse Marcel. nunca como piloto ou artilheiro. e um inteligente humorismo que lhe fazem todo um personagem.C. e não tem problemas em publicar verdades. mas não há indicação em seus antecedentes de que tenha tido alguma. Consagrado por décadas a publicar artigos e intercambiar idéias sobre o tema de maneira fermental. Moseley edita há vários anos uma publicação chamada “Saucer Smear” (que bem poderia traduzir-se como análise microscópica dos Ovnis. Posteriormente voou em muitas missões de combate na Segunda guerra mundial. Entre os problemas: Marcel declarou que tinha 3000 horas de tempo de vôo como piloto antes de ir à Força Aérea. Florida. .. é provavelmente o mais importante. 9). e que tinha assistido a outras quatro universidades. Marcel declarou que foi condecorado com janto Medalhas Aéreas por derrubar cinco aviões inimigos em combate. que vive no Key West. de quase 200 páginas. Sr. Tive o gosto de conhecer fugazmente ao Moseley quando de visita em Miami. e a revista do Todd sempre é enviada conjuntamente por correio). Moseley escreve: “O investigador Robert Todd. Marcel declarou que tinha um grau de Bacharel em Ciências da universidade George Washington. embora doam a alguns. Logo depois de deixar o 86 . A folha mostra que Marcel exagerou ou mentiu respeito a vários aspectos importantes de sua carreira. mas nunca como piloto. no qual James W.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Coincido uma vez mais totalmente com o Ken Jeffrey quando afirma: “O testemunho do extinto Jesse Marcel. Moseley. é no mundo Ufológico uma figura legendária. e que declara estar “Dedicada aos mais altos princípios do jornalismo ufológico”. ele nunca foi mais que Major no serviço ativo. Em reali dêem recebeu duas medalhas aéreas. (“Causa Justa” é uma excelente revista sobre Ovnis publicada pelo Barry Greenwood.

.” Pareceu-me que esta “pérola” sobre o Jesse Marcel não podia ficar fora. Todd merece um muito bom elogio pelo trabalho que realizou. Karl Pflock. Eu quero resgatar essa história. 5) “MacKenzie estava em contato com o Robert Thomas. Algo da informação precedente já tinha sido publicada previamente pelo Bob Pratt. cit.O objeto apareceu periodicamente sobre o Sul de novo o México. mas habitualmente simplesmente ‘revoando de um lugar a outro’ ( op. …………Ninguém no White Sands duvidou que este era um objeto real………. Thomas chamou para lhe 87 . Infelizmente os autores não aprofundaram nela. Tenho a impressão de que há muito mais detrás desta história que o pouco que no livro se publica. Marcel retornou a relativamente humilde condição de reparador de televisores. O ponto que mais nós gostamos de é este: Marcel declarou uma vez a alguém que lhe entrevistou que em 1949 ele “escreveu o relatório que o Presidente Truman leu por rádio declarando que a Rússia fazia estalar um artefato atômico”. de um detalhe em todo o assunto Roswell. e porque em si mesmo é reveladora de um pouco muito importante. não lhes tivessem permitido aos autores afirmar tão soltos de corpo que no Roswell caiu uma nave extraterrestre. MacKenzie não podia deixar o radar sem atender. Esta história é válida.C. lhe ordenando apresentar-se nos lugares onde havia radar no White Sands. nem fizeram um seguimento que possivelmente tivesse podido render suculentos frutos. resulta que semelhante relatório nunca se leu por radio pelo Presidente Truman. A missão do Steve MacKenzie Quero chamar a atenção sobre uma história que aparece em um momento no livro "The truth about the UFO crash at Roswell" . tinha recebido uma chamada do Brigdier General Martin F. tanto oficiais como técnicos arrolados tinham estado rastreando em seu radar um objeto não identificado em vôo sobre o Sul de novo o México do 1o. que sob nenhum ponto de vista pode deixar de lado. entretanto. O objeto tinha aparecido primeiro sobre as zonas altamente restringidas do Campo de Provas do White Sands (posteriormente Area de Mísseis White Sands) aproximadamente a umas cem milhas do Roswell. Phil Klass e outros. MacKenzie tinha que controlar os movimentos do objeto e informá-lo diretamente ao General. Este foi o lugar da primeira detonação de uma bomba atômica em 1945 e atualmente a sede de investigação secreta de foguetes e mísseis conduzida por membros dos vários componentes militares dos Estados Unidos. Claro que esses frutos. Steve MacKenzie. estacionado no Campo do Exército do Ar no Roswell. “Funcionários militares. Thomas perguntou em várias ocasiões se devia ir a Novo Mexico. como emprego próprio. Talvez isso explique a conduta do binômio Randle-Schmitt. mas MacKenzie lhe disse que não se incomodasse no momento. Em 2 de julho. um oficial estacionado em Washington D. em Louisiana. a Casa Branca simplesmente emitiu uma declaração por escrito sobre o sucesso!. Em seu lugar. de julho. por motivos que mais adiante explicitarei. Às duas ou três da madrugada de 4 de julho. Scanlon do Comando de Defesa Aérea. e que logo se perde em um nada. pág. porque MacKenzie efetuou uma declaração jurada sobre a mesma. durante todo este tempo.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta serviço ativo em 1950. onde se encontrou com outros dois indivíduos com ordens similares. Entretanto. Não é pois uma surpresa que o nome do Marcel não apareça por nenhum lado nos registros como figurando entre os muitos cientistas de Estados Undos e militares de alta hierarquia associados com o acontecimento. embora nenhum trabalhou na folha pessoal militar completa do Marcel como o fez Todd.

C.. explicando que queria estar no lugar em caso de que algo passasse. reter e dispor de documentos 88 . ou de algum escritório militar localizado em alguma outra zona próxima à capital americana. pág. 6) Se o objeto tivesse sido um pouco chegado do estrangeiro. Cabe esclarecer que está acostumado a dizer-se genericamente Washington. atracou a primeiras hora da tarde de 4 de julho. Em 15 de fevereiro de 1994 a GAO notificou oficialmente ao então Secretário de Defesa William Perry que iniciava uma auditoria das políticas e os procedimentos do Departamento de Defesa (DOD) para adquirir. e o “algo”. de parte do Brigadeiro General Scanlon. Isso leva a pensar que existia a possibilidade de que “algo passasse”. e que em realidade o cansado não era um globo sonda com uma antena Rawin. o eco se fez maior e brilhante antes de encolher-se a seu tamanho original e desvanecer-se. para manter uma vigilância as 24 horas. compreendendo também parte dos Estados de Maryland e Virginia. -¬previsível. é perfeitamente possível pensar que Thomas e o pessoal técnico que viajou com ele pudesse pertencer ao Pentágono. Manteve uma pequena reunião informativa com os hombes estacionados no Roswell e logo ficou a esperar. dentro de vagos parâmetros. os militares não se teriam limitado a estar rastreando-o por radar durante 4 ou mais dias.C. Esta atividade durou brevemente e então o objeto cresceu em um estalo e desapareceu da tela a aproximadamente 11:20 P. ou potencialmente possível-. alguma imperfeição que determinasse a queda do artefato. E se isso não fora suficiente. O vôo especial do Thomas de Washington D. que geograficamente está na Virginia.” (“hei wanted to b on the scene in case something happened”). querendo significar a área ou a região geral de Washington D. enquanto aparecia no radar. cit. lhe disparar até baixá-lo. mas muito perto de Washington D. Tinha solicitado alguma equipe especial e fez acertos para ele e para um pequeno grupo de peritos que havia trazido consigo. chamado “Mogul” destinado a captar lançamentos de mísseis e explosões atômicas realizadas pelos soviéticos.C.M. E especialmente chama a atenção que Thomas haja dito ao MacKenzie que “queria estar no lugar em caso que algo passasse. sem poder apartar-se das telas ou as deixar sem atenção nem um segundo.” (op. a viagem expressamente efectudo pelo Robert Thomas e uma equipe de técnicos especialmente enviados de Washington D. Finalmente. Dado que havia três lugares rastreando o objeto. É uma pena que não possa culminar aqui minha teoria sobre o que possivelmente aconteceu em algum lugar de novo o México em julho de 1947. Por outro lado. Neste caso. ou definitivamente. infelizmente falecido-. a localização da queda ou aterrissagem. a importância do projeto está dada pelas instruções precisas recebidas pelo MacKenzie e outros indivíduos. C.que pediu informe ao Escritório de Controle do Congresso (General Accounting Office) e essa sua solicitude determinou que se tivesse que fazer toda uma investigação de documentos do Exército do Ar e da Força Aérea dos Estados Unidos. O objeto. Essa nocha a situação trocou radicalmente. mas ocorre que houve um legislador por esse Estado –o Representante Republicano Steve Shiff. os técnicos do exército puderam estabelecer. parecia pulsar. sem obrigá-lo a descender.. classificar.era um mau funcionamento. a USAF declarou que o público tinha sido desorientado. a não ser um projeto altamente secreto. completa o quadro. Voltarei sobre este ponto mais adiante.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta informar ao MacKenzie que estava em caminho.

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta oficiais do governo que tivessem que ver com quedas de globos meteorológicos. Ao longo de décadas. Outro ponto que não se pode soslayar deste relatório oficial é quando o Cnel. No “Sumário Executivo” com que se inicia dito relatório. não obstante. o Cnel. que haja a honestidade de reconhecer que houve documentos lhes destruam no Roswell. um pouco mais adiante. ou desapareceram misteriosamente. Sob o subtítulo “Estratégia de busca e metodologia”.leva por título “O que foi o ‘Incidente no Roswell’”. E atenção que aqui vem outro ponto muito importante: “Respeito ao anúncio inicial ‘RAAF Captura Disco Volante’. o relatório expressa que: “O mais notável das confusas e agora sempre cambiantes declarações é a controvérsia sobre a(s) data(s) do alegado incidente.” Também coincido com a precavida possibilidade. de modo que o que caiu na área fica justo no meio. é muito lamentável. mas há outras partes importantes do mesmo que vale a pena citar para ter em conta. não obstante. A investigação culminou em julho desse mesmo ano. A parte final do relatório –prévia à “Conclusão”-. Ali se expressa: “Como se considerou previamente. de que se tratasse de um dos globos do Projeto Mogul. e não com uma afirmação categórica de tal coisa. e houve um relatório oficial. eram os de um branco de radar normalmente suspenso dos globos”. sob o subtítulo “O ‘Incidente Roswell’ – o que originalmente se informou em 1947”. que estavam marcados no índice como ‘lhes destruam’” Isto não é surpreendente para os Ovnílogos que levamos anos no tema. Bom ponto. É bom. Mas sem dúvida. a investigação fracassou em se localizar nenhuma evidência documentada sobre por que se fez essa declaração”. que assina o Coronel da Força Aérea dos Estados Unidos Richard L. procurando retirar adecudamente de circulação todo documento comprometedor. mas não um globo sonda a não ser um trem de globos pertencente ao “Projeto Mogul”. Era um globo. Worth.Weaver escreve: “Não há discussão. ou que simplesmente se arrancaram das pastas onde estavam. aviões. a(s) exata(s) localização(é) da pretendida sucata e a quantidade dos restos. o Cnel. são muitos os documentos referidos ao tema OVNI que foram oficialmente lhes destruam. No contexto de afirmar que se tratou de um globo do Projeto Mogul. não é estranho que um dos responsáveis pelo projeto haja dito –tal qual se transcreve no relatório—que: 89 . Isto para meu não tem outra explicação que a larga mão de quem tem dirigido sempre o tema. de que algo ocorreu perto do Roswell em julho de 1947”. e que casualidade! que abrangem os anos 1945 a 1949. Precedentemente já referi a este relatório. o que originalmente se informou que se recuperou era um globo de certo tipo. Weaver.” Ou seja que o relatório oficial reconhece que há controvérsia em relação à possibilidade de mais de um lugar em que se recuperaram restos. Só que se quererá agora nos convencer que em 1947 estiveram perto da verdade.Weaver confessa que os investigadores em sua busca de documentos se encontraram com que havia “uma pequena quantidade de ‘arquivos decimais’ perdidos do Grupo Bombardeiro 509 no Roswell que cobriam os anos 1945-1949. e incidentes similares. Weaver assinala com todo acerto que “A investigação revelou que o “Incidente no Roswell” nem sequer se considerou um acontecimento OVNI até o tempo que vai de 1978 a 1980” E um pouco mais adiante: “A comparação de toda a informação desenvolvida ou obtida indicou que o material recuperado perto do Roswell foi consistente com um globo e muito possivelmente de um dos globos Mogul que não se recuperaram previamente. usualmente descrito como um ‘globo meteorológico’. embora a maioria dos restos que foram finalmente mostrados pelo General Ramey e o Maior Marcel nas famosas fotos em Ft.

Esta afirmação por um cientista.de que o material que William MAC Brazel encontrou no campo Foster. E essa ordem foi repartida logo depois de haver-se recolhido o material do prédio do Foster que cuidava William “MAC” Brazel. Mais adiante comenta: “…. é dada como uma possibilidade.parece que houve uma reação exagerada de parte do Coronel Blanchard e o Maior Marcel. O Cnel. e depois que o Cnel. mas enquanto isso tome-se nota: a explicação oficial em 1994 é que o recuperado no Roswell foi possivelmente os restos de um trem de globos e seus refletores de radar. Quando devido ao comunicado se gesta um gan revôo.. já que a Força Aérea dos Estados Unidos não se deu por satisfeita com o relatório produzido em 1994. Blanchard atuou estritamente sob ordens. O relatório do Cnel. correspondia a um dos tantos trens de globos com octaedros usados como brancos para refletir-se nos radares. Richard L. Bem se sabe que em filas militares isso é impossível. O ponto chave está em determinar o que foi o que se encobriu. de um artefato pertencente ao Projeto Mogul. considero que não foi o Projeto Mogul o que se encobriu. Blanchard. e chovem chamadas telefônicas até internacionais. 90 .a mais possível fonte da sucata recuperda do Rancho Brazel foi de um dos trens de globos do Projeto Mogul” Note-se. ninguém tinha sabor de ciência certa o que é o que esse término sequer significava dado que só tinha estado em uso por um par de semanas. incluída seu posterior desaparecimento da cena. culmina é obvio com a “Conclusão”. vai de licença!. o Cnel. e ali.. Blanchard. uma vez mais. O anúncio feito pelo Campo Roswell do Exército do Ar (RAAF) foi tão rápido que não faltou quem dissesse que o Tenente Walter Haut tinha escrito o comunicado por sua conta. porque há mais costure para documentar. Pessoalmente.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta “Parece que houve certo tipo de história de encobrimento para proteger nosso trabalho com o Mogul”. às 2:30 PM de 8 de julho de 1947. mas que merecem ser analisados. e outras hierarquias da Arma. E a isso vou referir seguidamente.William H. Há vários pontos que os céticos recalcitrantes soslayan ou passam por cima. e fez o que lhe indicou. que o relatório oficial não afirma categoricamente “foi um globo do Projeto Mogul”. do A. ] Pode parecer uma “reação exagerada”. Foi sem dúvida. então Comandante da Base Roswell foi quem deu a ordem do comunicado. uma licença debidamnte autorizada por seus superiores. Roswell: caso fechado? faz-se necessário reiterar que a conclusão –por chamá-la de algum jeito-. e em maneira alguma é uma afirmação categórica e definitiva.” [a letra em negrito é de minha responsabilidade -N. pertencentes aos lançamentos do chamado “Projeto Mogul”. ao informar originalmente que se recuperou um ‘pires volante’ quando. Sub-Chefe do Comando Estratégico do Ar. tem muito valor porque admite que houve um encobrimento. Weaver. uma reação imediata. mas teve a autorização ou a ordem das hierarquias superiores. a não ser algo diferente. nesse momento. entre outras coisas escreve: “A Força Aérea não pôs nem desenvolveu nenhuma informação de que o ‘Incidente no Roswell’ era um acontecimento OVNI…………. Blanchard se tivesse comunicado com o Maior General Clement McMullen. Obviamente. A questão é por que? E esta pergunta ainda vai ficar pendente. o Cnel. Em resúmen. o mesmo dia em que horas antes se emitisse o comunicado.

4. com grande grau de certeza."os vôos de julho. Mais ainda quando eles mesmos se encarregam de informar que --conforme disse o Prof. porque a partir dos vôos de julho se utilizou um registrador-gravador de radiosondas e. 3) Mas…grande mas.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta 1) No relatório oficial da USAF assinado pelo então Tte. 10). três refletores octaédricos e uma bóia de som. qual básico. em 29 de maio. e se listam 6. o vôo MOGUL Não.4 do MOGUL tinha cansado a terra nas planícies ao leste das Montanhas de Sacramento. e “parece”. os ventos que pevalecen na estratósfera durante os meses do verão sopram para o oeste.. ou seja o de 7 de junho.1o. O do “grande grau de certeza” não é mais que um discurso breve que pretende resolver a real incerteza da explicação em se mesma. quando o lógico é que em 10 dias tivessem percorrido 500 milhas ou mais ainda.10). É evidente que o precavido uso das palavras “parece posibe”. parece óbvio que –se acaso se tratava de um dos globos do Projeto Mogul— a explicação a poderia dar o último dos lançamentos de1947 listado. 5) Aparentemente os ventos não sopraram durante 10 dias sobre a zona. cujas respectivas datas são o 3 e 18 de abril.21 milhas por hora!! Dirá-se que o vôo MOGUL Não. porque os globos ao chegar a certa altura da estratósfera estalam por diferença de pressão. a 70 milhas do ponto de lançamento no Campo Aéreo do Exército no Alamogordo” (pág. como o expressa o relatório oficial: “Isto eliminou a necessidade de “refletores com esquinas” para radar nos trens de globos. mas vá que precisão a destes trens de globos. 5 e 7 de junho. o que significa 0. Charles B. que se usaram em junho. “Agora parece que a sucata do vôo No. e caem. arrojado em 4 de junho de 1947” (pág.Mais ainda. Moore. 4) O relatório postula então que: “parece possível que a sucata encontrada pelo granjeiro……era. 2) Caso que MAC Brazel encontrou o material esparramado em seu campo em 14 de junho. em uma conferência dada no Albuquerque ao grupo “New Mexicans for Science and Reason” : “A informação do vento proporcionada pelo Serviço Meteorológico é compatível com o que se chama um sistema baroclínico movendo-se a tavés de l área……. É curioso que os amigos do “Skeptical Inquirer” não tenham reparado neste detalhe tão assombroso. entretanto. que podem permanecer por dez dias sobre uma área. vêem-se forçados a escolher um trem de 23 globos. todos em 1947. não parece que o recolhido no campo administrado pelo MAC Brazel tivesse sido o material pertencente a semelhante quantidade de globos e refletores 91 . Nunca um anterior. James McAndrew (atualmente Capitão da Força Aérea). que o trem de globos só pôde avançar a razão de 7 milhas por dia.A alturas muito altas. 4 esteve revoando na zona. e o 4.”………….” Por outra parte. que os ventos trocaram. quanto mais 10 dias. ou sua velocidade foi tão lenta. É difícil supor que um globo tivesse durado voando 7 dias. os postulantes da explicação do Projeto Mogul. dizem-no tudo. não levam refletores com esquinas” (pág. enquanto que os da seção de transição apenas por sobre a tropopausa sopraram por volta do noroeste durante a primeira parte de junho de 1947. este tipo de sistemas produz ventos de alto nível na troposfera superior……….11). estabelece-se na página 9 um quadro dos lançamentos do Projeto Mogul.

Logo viram outro.m. e uma caixa com instrumentos Trem completo da equipe de cada Francamente. de forma redonda elipsoide. Kaliszewski. o relatório elaborado pelo então Tte. 1o. A tripulação do vôo viu o primeiro objeto. culmina com uma precavida frase em sua conclusão: “Muitas das declarações que rodeiam os acontecimentos de julho de 1947 não se podem provar nem desaprovar. E em 11 de outubro de 1951. que brilhava intensamente com uma parte escura debaixo e um halo em torno do mesmo.B. mas sim mas bem para começar com o que se conhecia e trabalhar para o desconhecido. confirmado por observadores em terra que usaram um teodolito. incluindo o engenheiro aeronaútico J. James McAndrew em 1994.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta octaédricos para o radar. o Projeto MOGUL foi o “cabrito expiatório” encontrado para explicar a estranha conduta seguida pela gente da Base Aérea no Roswell. O tempo total em que o primeiro objeto foi avistado foi de 5 minutos. --conforme informa Committee for the Scientific Investigation of Claims of the Paranormal (CSISOP) “Moore e outros participantes no Mogul originalmente pensaram que a sucata que encontrou Brazel deva ter sido de um dos vôos de globos de polietileno de começos de julho de 1947. a explicação do lançamento de 4 de junho de um vôo pertencente ao lançamento do Projeto Mogul. enquanto estava em suas tarefas de lançamentos de globos. Um de quem mais impulsionou a explicação do vôo de 4 de junho foi Charles B. O objeto chegou alto e rápido. ao piloto Dick Reilly no ar. não resulta satisfatória. será certamente saber que este muito mesmo Prof. É interessante assinalar que o Prof. figura um ocorrido em 24 de abril de 1949. Charles B. e sobre a “reação exagerada” das autoridades do Roswell. inteiraram-se os integrantes do CSISOP? Entre os casos classificados como “unknown” pelo Project Blue Book. duas vezes e meia de comprimento o que era seu largo. Moore e outros de uma equipe de lançamento de globos. projeto MOGUL. e reagisse da forma em que o fez. não achasse uma explicação. Os próprios informe oficiais se expõem a interrogante sobre o que foi o que motivou o comunicado de imprensa. que emitiu um comunicado de imprensa falando de que se encontrou um “pires volante”. e ao Dough Smith em terra. Moore denunciou em duas oportunidades ao Project Blue Book o avistamiento de Ovnis.B. Novo o México. do qual “foram testemunhas: o meteorologista e perito em globos C.” E o que viram foi um objeto descrito como de cor branca. e finalmente se foi a velocidade para o Este.J. com um ou um par de refletores octaédricos. (e um segredo que além disso estava tão compartimentado) que é lógico que a gente do Exército do Ar no Roswell. que passou veloz pelo céu. Moore. tem-se a impressão de que se tratou de um único e grande globo. Minnesota. logo foi mais devagar e fez lentos círculos ascendentes por aproximadamente dois minutos. no Arrey.” Em resúmen. e que aparentemente teve uma reação exagerada ante a sucata recolhimento de um campo relativamente próximo.Moore.” Mas muito mais interessante para os leitores. ao aerólogo C. Moore trocou várias vezes de opinião respeito de que o cansado no campo administrado pelo MAC Brazel tivesse sido um de seus globos Mogul.” Finalmente. 92 . Não se fizeram intentos por investigar cada denúncia. pertencentes à Universidade de Nova Iorque. e a única explicação que lhes vem à mão quer dizer que o Projeto Mogul era tão secreto. ficasse aniquilada ante o material encontrado. no Minneapolis. o segundo foi de uns segundos. Testemunhas: Investigadores de globos da General Mills. A anotação do Blue-Book expressa: “6:30 a. Inclusive. um dos três cientistas que ainda vi vêem e que pertenceram ao Projeto Mogul.

Seu nome é uma onomatopéia apoiada no som que emite. os fatos da exploração comercial do museu local. Outras mais?. E temos uma frase que se aplica perfeitamente ao “incidente no Roswell”. e ponto. e é obvio me refiro ao caso Kenneth Arnold. Exatamente isso foi o que fizeram neste caso. etc. A Força Aérea dos Estados Unidos poderia ter considerado que logo depois da explicação do Projeto Mogul.” Mas não há pior coisa que ter cauda de palha. por certo.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Isto é totalmente ridículo. necessitavam-se. nem o que a USAF fez durante décadas. depois do do Mogul? Em meu modesto parecer. Mas alguém assim o dispôs. isso lhe convém à Força Aérea. foi o vôo No. a resposta teria que ser uma e uma sozinha: “já o havemos dito. dos chamados “investigadores privados” que cresceram economicamente do mito Roswell. os fatos dos fanáticos dos “extraterrestres”. quis pôr uma cortina de fumaça. ou “teru-teru”. mas. e se seguem ocultando. etc. a USAF convoca no Pentágono a uma conferência de imprensa. e enquanto os palhaços sigam fazendo suas piruetas. em 24 de junho de 1997. Não estamos falando de um grupito de meninos ou adolescentes ignorantes. porque a conferência de imprensa serve para apresentar um livro cujo título é extremamente pretensioso: “The Roswell Report – case closed”. porque desviou a atenção dos verdadeiros acontecimentos que –no meu entender—são os que se ocultaram. O tema eleito é Roswell. e a licença logo do Comandante da Base o Cnel. mas dão seus gritos em outro. É parte do circo. sobre outra coisa. esta foi a maior pifia cometida em 50 anos pela USAF. pode dizer-se. 47 anos depois dos acontecimentos. por que?. Preocupada porque muita gente ia se reunir no povo do Roswell a recordar os fatos. E então.! dos Estados Unidos. A gente da Força Aérea se fez uma armadilha ao solitário ao procurar a explicação do Projeto Mogul. que é “fazer a do tero”. Mas eu não tenho comopromiso com ninguém para manter ficções. Blanchard. Todo digno de um estudo psico-sociológico e folclórico. e uma política coerente ao respeito tivesse indicado que se alguém pretendia voltar sobre o tema. lançando a primeira bomba atômica sobre uma cidade. ou conhecimentos especializados para reconhecer globos sonda meteorológicos ou algo muito parecido a isso. 93 . Foi uma tática de distração da atenção feita a propósito. Porque as fêmeas tero. dando a conferência Aparentemente preocupada porque o descrédito público lhe segue como uma sombra. O comunicado de imprensa. O grito o deu Roswell. e então. tudo se fez de acordo ao que as Hierarquias superiores dispuseram. ao cumprir-se 50 anos do “caso que o iniciou tudo”. Tão logo a base de onde partiu o famoso “Enola Gay” para cumprir sua aterradora missão na Hiroshima. os fatos pretendidos. e até agora lhe deu resultado à Força Aérea. No Uruguai temos um pássaro que se chama “tero”. Estamos falando de uma das mais importantes unidades de guerra do Exército do Ar dos Estados Unidos. que justamente não caiu no campo administrado pelo MAC Brazel perto do Roswell. o triste privilégio de ter que sair a dizer outras “explicações”. nem o caso Arnold. e o comunicado de imprensa. E vá se a USAF a teve e a seguirá tendo até que diga a verdade. com a ajuda inclusive. o assunto para ela estava concluído. Simplesmente para querer encobrir a atitude assumida pelo pessoal do Exército do Ar no Roswell. Esse pessoal –como já o documentei previamente— atuou sob ordens superiores. O tema não são os OVNI.4 do Projeto Mogul. Não se necessita uma grande cultura. toca-lhe ao Coronel John Haynes. põem os ovos em um lado.

É como se alguém tivesse dado isto ordem terá que fechá-lo definitivamente”. “Acho que quando as pessoas falam sobre coisas que ocorreram faz tempo. posso assegurar que embora se podem perder certos detalhes minuciosos. reporta sobre a atividade cumprida no Pentágono. e a subseqüente conferência de imprensa. N. Acredito que o cronista do jornal “The Washington Teme” captou muito bem o sentido da conferência e do livro apresentado. e funções são funções. John W. faz 50 anos é um “caso fechado”. o autor do artigo escreve: “O relatório de 219 páginas da Força Aérea sugeriu que o persumido “Incidente no Roswell” é uma falsidade e que os supostos extraterrestres eram em realidade manequíes de prova levados a bordo de globos da Força Aéra e lançados em picada a Terra para provar lançamentos em pára-quedas desde grandes alturas. A mesma foi trasnsmitida em direto por televisão. 94 . Haynes sabe que o que disse não é certo. e particularmente esse molesto assunto do Roswell que tanto dores de cabeça deu. e utilizou a ocasião para mostrar algumas fotografa e a filmagem de certos experimentos da Nasa. acontecido-o –especialmente quando para as testemunhas reveste um caráter extraordinário-. O Cnel. o coronel se referiu a “um problema de compressão do tempo”. páginas A1 e logo A10. como uma parte do veículo “Voyager” que explorou o planeta Marte. Haynes dedicou certo tempo a descrever como os habitantes de novo o México podiam ter confundido esses manequíes com as presuntas observações de cadáveres de extraterrestres. e –obviamente-. disse. que caiu a terra na Área de Prova de Mísseis do White Sands. a Força Aérea dos Estados Unidos deu a conhecer ontem um relatório insistindo em que a investigação de denúncias de que extraterrestres visitaram Roswell. Estes manequíes têm uma altura de 1 metro 80. Atrevo-me a pensar que em seu foro íntimo. tivesse sido o de tirar-se de uma vez por todas o tema OVNI de cima. De modo que a explicação do Cnel. olhos. o próprio Cnel. N. Na edição de 25 de junho. Haynes fez a apresentação do livro. “Tratando de reprimir o persistente rumor de Ovnis.” Mais adiante. o salto mais alto jamais levado a cabo.M. Também o Cnel. a Couve. Transcrevo alguns parágrafos do artigo do “The Washington Teme”. Haynes.recorda-se perfeitamente em seus rasgos fundamentais. Mas… ordens são ordens. e tanto esforço de investigação e busca em velhos arquivos motivou. é verdadeiramente penosa e lamentável. de uma vez por todas.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Poderia supor-se que o espírito que teria guiado a publicação do livro. com rosto de facções caucásicas. Pois bem. esquecem a data exata”. não só há um lapso de 6 a 12 anos de diferença que não se pode soslayar facilmente. mas também os manequíes usados não se compadecem absolutamente com as descrições de testemunhas quanto ao tamanho e características dos “homens” cujos cadáveres apareceram junto a um objeto cansado em algum outro lugar de novo o México. Haynes teve que fazer-se carrego de mostrar que havia alguns objetos com forma de discos ou pires que a Nasa lançou sujeitos a enormes globos tipo “Skyhook”. típicas de alguém da raça branca.del A. riscaram o caminho para um salto a 102 mil e 800 pés [31 mil metros. Como veterano investigador de denúncias de OVNI.] pelo Capitão da Força Aérea Joseph W. boca e um acentuada nariz. Kittinger. ou uma sonda espacial Viking. logo depois de um vôo de prova supersônico em 1972. que duraram desde 1953 a 1959.lhe quis dar a maior difusão posibible. Quando lhe perguntou como os residentes do Roswell poderiam ter equivocado o tempo em pelo menos seis anos. e não pode sê-lo. incluída a data. em 16 de agosto de 1960. Essas provas. Por outra parte.

Claro que a explicação de 1997 não serve nem fecha nada. vou à parte final de todo este capítulo que não me tinha exposto escrever. cujo trabalho habitual é desclasificar documentos. tudo o que fosse mais ou menos circular e tivesse cansado nas imediações. perguntou-lhe um jornalista. existe. pôs publicamente de manifesto que indubitavelmente houve algo mais. Marcel. a não ser em outro lado. não perto do Roswell. exercido pelo senhor Kenneth Bacon. Leiby escreve: “Haynes. no qual não esteve o então Maior Jesse A. se o Coronel de volta ao que lhe ordenem falar sobre o tema no 2007. é um bom índice do muito alto grau de secreto em que se desenvolvem as atividades nessa famosa Base que sim. vou unir todos os cabos soltos. O mesmo --como não podia ser de outra maneira--esteve a cargo do porta-voz do Departamento de Defesa. também foi utilizada pela USAF para "explicar" o cansado 25 anos antes. cansados em Novo o México muitas décadas depois.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Como se vê. disse Bacon. Infelizmente. 95 . dirá-nos realmente a verdade. e da página A10. Nem sequer faltou o argumento demagógico. na referida conferência de imprensa. anulam então a explicação do Projeto Mogul? Pessoalmente penso que o que Brazel encontrou foram os restos de um globo meteorológico com um branco RAWIN e uma caixa com instrumentos. de 25 de julho de 1997. serve para querer criar uma nova cortina de fumaça. Caso Fechado?” Relatando um momento da conferência de imprensa. O fato é que o caso não está fechado nem muito menos. “É obvio que não”. um cargo por designação política. Richard Leiby do “The Washington Post” escreveu seu artigo que. precisa-se ser extremamente tolo. reitero. para intercalar mais as cartas. os objetos experimentais com forma de discos. Encontrado-o em outro lugar de novo o México E agora sim. É obvio que as mesmas nem sequer deixaram satisfeitos aos jornalistas. --no que constituiu toda uma exceção para dito jornal--mereceu parte da carranca A1. desviou várias perguntas ontem sobre o Área 51. não acertou com o um nem com o outro. E a Força Aérea. para seguir aumentando a cota deliberada de desinformación. é obvio. nem vai pôr fim ao tema! Ele o tem que saber muito bem. para aceitar sequer como válida uma só dessas pretendidas “explicações”. Se um Coronel que lhe tirar o caráter de secreto a documentos que o foram de repente durante muitas décadas. o perito meteorologista Maior Irving R. dizendo: “Não tenho o acesso”. nem os dois Agentes da Contrainteligencia o Capitão Sheridan Cavitt e o Sargento Instrutor Lewis Rickett. ou 25 anos depois. declara publicamente que não tem acesso à a Area 51 ou a informação sobre a mesma. Uma sonda Vicking queda em 1972. ou virá com outro conto mais elaborado. O senhor Bacon se cobriu as costas. como o identificasse em seu momento. em uma palavra. não importa se 12. e a expor três teorias que possivelmente expliquem o ocorrido. Esse algo mais implicou cadáveres. O subtítulo diz: “A Força Aérea emite um Post-Mortem sobre o ‘Incidente Roswell’. Além disso. com esta conferência de imprensa. seguir investigando informe que alguma vez resultam ser certos” ‘”Você verdadeiramente pensa que isto porá a todo o tema em repouso?. “Provavelmente dentro outra década outro coronel estará aqui dando outro relatório sobre o incidente no Roswell”. Agora quis explicar os cadáveres e o objeto em se. e por isso disse essas palavras que soam entre anúncio e profecia. Newton. quem muito solto de corpo afirmou: “É esbanjar o dinheiro dos contribuintes. A gente bem pode perguntar-se.

e a meu satisfez por um tempo. mas sim de homens pequenos. houvesse um grupo de japoneses com mentalidade “kamikaze”. poderia haver-se exposto o uso de um Fujo tripulado. vários desses globos Fujo. no exemplar de julho de 1997 (páginas 48 a 53). Como se sabe. tal globo poderia ter alcançado alturas estratosféricas minta viajava por sobre a Europa Occiental e estar bem por sobre o alcance dos então existentes aviões de combate MIG e mísseis. que lançavam com bombas contra território americano. Apostamos nosso dinheiro em um disco volante etiquetado ‘Made in Japan’” Não coincido exatamente com a teoria elaborada por "Popular Mechanics". como qualquer de nós. mas devo confessar que tem altos reflexos de realidade e de possibilidades. chegaram a território dos Estados Unidos. e como “estrangeiros”. Nossa investigação nos conduz a acreditar que as explicações que requerem uma presença extraterrestre. O exponho não deixava de ter sua lógica. com olhos ligeiramente maiores que os comuns. 1) As características dos cadáveres encontrados no lugar do sinistro.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta O leitor poderá acreditá-lo ou não. Esse silêncio lhes levou a pensar – talvez—que todos os globos se perderam no Oceano Pacífico. engenheiros e pilotos japoneses gastos aos Estados Unidos depois da guerra para tabajar no projeto poderiam ter sido os corpos de “extraterrestres” mortos e recuperados no lugar do sinistro. Também. porque lhe tivessem dado a pauta aos japoneses de que tinham tido êxito. Poderia ter completo tanto missões de reconhecimento fotográfico e exprimentos com amostras de ar --similares aos do globo Mogul--antes de planejar de retorno a Terra. Não me resultou desatinado pensar que. Usar um “Fujo” maior que os habituais. só tenho que me referir ao capítulo dedicado à 96 . ainda se tivessem sido detectados. que tivessem decidido pôr em marcha um projeto verdadeiramente audaz. O que me levou a pensar originalmente nos japoneses? Pois dois elementos. as interrogantes a respeito do Roswell ainda ressonam claras e fortes. A esta altura pouco importa. 2) A proximidade com o Campo do Exército do Ar no Roswell. ainda terminada a guerra. embora possível. Este grupo de japoneses. apontou para uma origem japonesa. com suas cabeças rapadas. amigos e colegas de trabalho. em território amigo. Não se trata de “extraterrestres”. com pupilas.M. lugar de onde tinha partido o ataque com bomba atômica para o Japão. com o objetivo de destruir a base aérea da qual partiu o avião que lançou a bomba atômica na Hiroshima. Foram descritos como “pessoas pequenas”. Em qualquer dos casos. por quem realizou sua autópsia. Assim o compartilhei com o R. Mas ditas chegadas jamais se reconheceram em tempos de guerra. Mas é absolutamente certo que minha primeira intuição sobre uma possível explicação à queda de “algo” em Novo o México. Tempo depois --uns meses--senti-me muito reconfortado e animado quando um artigo publicado na revista “Popular Mechanics”. Cinqüenta anos depois do fato.U. equipados com uma parte de abaixo de um rudimentar material para desviar o radar.M. são não obstante altamente implausibles. culminava dizendo o seguinte: “PM suspeita que o aparelho que caiu no Roswell finalmente será identificado já seja como um intento dos Estados Unidos por recrear um Fujo de segunda geração. Inclusive. depois de tudo. é possível que os japoneses tivessem pensado em utilizar certo material para impedir uma clara captação por radar. Mas vamos por partes. ou um aparelho híbrido que usa tanto a tecnologia de elevação de um Fujo e um corpo autosustentable inspirado nos Horten.F e O.

o artefato com seus tripulantes (número impreciso. E claro está. recebe ordens do Brigadeiro General Martin F. O que me fez pensar no projeto ultra-secreto? A declaração jurada feita pelo Steve McKenzie (“The truth about the Ufo crash at Roswell” –págs. que tinha estado em contato com o McKenzie em dias prévios-comunica-lhe que viajará ao White Sands lhe explicando que queria estar no lugar em caso de que algo passasse. Os fatos ali relatados e a significação muito evidente que têm alguns deles. virtualmente coincide com a de "Popular Mechanichs" e é a que parte da base de que se trata de um projeto ultra-secreto dos próprios os Estados Unidos. que dito seja de passagem. para desviar a atenção. Mas. Ou um objeto correspondente a um projeto hiper-secreto que se está provando na área. para que se prova litográfica em uma estação de radar no White Sands. Julho 3 : Scanlon decide pôr fim à participação do McKenzie na operação. aproximadamente às 11:30 PM. ou o projeto americano ultra-secreto) este é um possível cronograma dos fatos apoiado -¬como o prometi mais acima-. Julho 2 : Steve McKenzie. alterassem-se deliberadamente. finalmente é abatido. embora isto em realidade.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta tecnologia “stealth”. ¬que já me permiti destacar neste mesmo capítulo-. 5 a 17). Quando o mesmo falhou. e para que a atenção sobre o lugar onde ocorreu o desastre. está ao NW do Roswell e a 129 quilômetros de distância. Quando o aparelho japonês rastreado alternadamente por radares. surpresa. um objeto não identificado que voa sobre o Sul de novo o México. tomaram todas as precauções para que não se soubesse. para que se tenha presente que existem velhos antecedentes históricos do uso de pinturas e materiais que podiam atenuar –ao menos. causou estupor.a captação radárica. não em 14 de junho de 1947. perto de Coroa. Qualquer seja a idéia que finalmente prefira o leitor (a operação japonesa. e as características do mesmo. talvez 3) que caiu em algum outro lugar de novo o México.C. Tivesse sido mais que abafadiço para os Estados Unidos. Scanlon do Comando de Defesa Aérea. não ocorrerá assim. (particularmente do Exército do Ar) estavam em algum projeto hipersecreto. Não descarto que esta possa ser uma hipótese ainda válida.na muito interessante historia do Steve McKenzie: Julho 1 : Desde este dia. admitir sejemante penetração em seu território. É evidente que Thomas se encontra entre quem conhece o 97 . Robert Thomas --um Oficial com apóie em Washington D. e a indiscutível supressão de toda informação posterior. funcionários militares –tanto oficiais como técnicos—começam a rastrear por radar. a não ser na noite de 4 de julho do mesmo ano. Então o comunicado de imprensa do Roswell. foi a melhor cortina de fumaça para proteger a verdadeira identidade do que se estava fazendo. e toda a atenção centrada no que caiu no rancho administrado pelo McBrazel. como resulta evidente. a idéia difere em muito da de "Popular Mechanichs". estacionado no Campo do Exército do Ar no Roswell. De momento. como o Campo de Provas do White Sands. Obviamente. reconhecer publicamente que alguém tinha podido esquivar as defesas e chegar a sobrevoar as cercanias de zonas proibidas. Além disso. em tempos de Guerra Fria. ao Pentágono e à mesma Casa Branca. Julho 4 : Entre as 2 e as 3 da madrugada. terá que cobrir a história. usando a japoneses bem pequenos como tripulantes. tivesse posto a sérios apuros a Departamento de Defesa. Desde aí a “Declaração do Roswell” emitida da Base. A segunda idéia.levam a inferir que as altas hierarquias militares. onde se encontrou com outros dois indivíduos que tinham recebido ordens similares. e cujos restos se encontraram-nos dia 5 de julho pela manhã.

C. parece pulsar. súbitamente sua imagem se aumenta antes de encolher-se a seu tamanho anterior até diminuir-se. Os restos que se encontraram pulverizados no terreno foram carregados em um caminhão e logo a um avião no Roswell. pôde ter cansado. ou pelo menos tem um claro sentido de sua responsabilidade e o que lhe corresponderá fazer. Roswell e Albuquerque) o Ejécito do Ar pôde determinar aproximadamente o lugar onde o que fora. Um homem vestido com um traje de amparo contra radiações verificou o sítio com um detector Geiger. cabe reconhecer. Dois fotógrafos tinham viajado com o Thomas de Washington e obtiveram imagens de tudo. Howard Fletcher e outro indivíduo chegado de Washington conhecido só por seu nome. ou do “crash” em Coroa. De modo que terá que terminar de falar do “incidente no Roswell”. e estar atentos a que nos arredores não houvesse ninguém não autorizado. Nove homens estavam nessas condições. entre os que se encontravam um tal Adair. por vários radares. leva-se a cabo uma verdadeira operação militar. O objeto que se esteve detectando alternadamente. A partir de agora. um paleontologista que se dirigia a uma conferência no Roswell. E finalmente havia um grupo de homens do White Sands. encontra um cordão militar a 15 ou 20 milhas (24 a 32 quilômetros) ao norte da cidade. e a verdadeira necessidade de saber o que ocorria. embora. A população mais próxima ao lugar do impacto. C. 98 . Havia indivíduos chegados da costa Oeste. exageradamente ao oeste. Thomas e uma equipe de técnicos que lhe acompanhavam. aviões de pequeno porte sobrevalaban permanentemente o lugar. A área imediata aonde o objeto tinha cansado se declarou de acesso restringido só para quem tinha a mais alta classificação de acesso a secretos. Segundo o Maior Easley. a cujo cargo estava um contingente de Polícia Militar com vários caminhões. Ohio. em tanto que os Policiais Militares pertenecián às Bases do Kirtland. restringido. Alamogordo e Roswell. ressurge nas telas. McKenzie e a equipe de peritos chegado de Washington viajou com 4 caminhões do Exército. um deles era um Sargento técnico e o outro um Sargento Instrutor. Easley ordenou aos Policiais Militares olhar para os subúrbios do lugar do acidente.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta que é o que está realmente acontecendo. perto de Washington D. A tempranas horas da tarde. Havia um Jipe no que viajava o Maior Edwin Easley. Os cadáveres (3 ou 5) foram carregados em um avião e enviados ao Campo Patterson do Exército do Ar no Dayton. e um tal Harris. Thomas. pode-se falar do acidente na Arabela. Dado que havia radares de três lugares rastreando-o (White Sands.Bertrand Schultz. está a 80 quilômetros de distância de Coroa. de repente o objeto criou um grande branco e desapareceu das telas por volta das 11 e 20 da noite. se algo passar. e menos ainda dos Planos de São Agustín. que partiu para a Base Andrews. que dito seja de passagem. Albuquerque e Os Álamos. Enquanto isso. chegou em um vôo expressamente fretado da capital americana. Pediu certa equipe especial e ajustou detalhes para que ele e seu grupo contassem com transporte. passando baixo e tomando fotografias. Em torno da zona onde caiu o aparelho que tinha sido rastreado pelos radares. Os caminhões e Jipes foram dispostos rodeando a zona do impacto de maneira de criar uma barreira que impedisse de ver o objeto. um com deles com uma grua. Lucas. chama-se Arabela. Segundo McKenzie houve indivíduos que chegaram ao Roswell desde o Alamogordo. Qual foi o lugar do impacto? O mesmo se localiza a 35 milhas (56 quilômetros) ao Nor-noroeste do Campo do Exército do Ar no Roswell. Julho 5 : O Dr.

Mas…e os hieróglifos dos restos recolhidos no rancho Foster?. era em se secretar.que na operação intervieram umas cinqüenta pessoas. logo depois da qual MAC Brazel descobre os restos. o acontecimento podia apresentar-se muito embaraçoso para as autoridades. e menos ainda. Seja que se tratasse de indivíduos feitos prisioneiros de guerra. onde o Brigadeiro George Maxwell Ramey. Isto leva a pensar que não pôde ser finalmente. 99 . necessariamente ultrasecreto. disse algum outra testemunha. o qual determina que foi muito restringido. em algumas parte do material recolhido. e foi necessário criar uma “cortina de fumaça”. que se o aparelho era abatido. seus tripulantes NÃO eram americanos. de cor púrpura ou violáceo. E ainda mais. e o material que aparentemente custava dobrar ou voltava para seu formato inicial logo depois de lhe fazer como uma bola? Ah!…que bem que trabalha um Oficial de Inteligência como o era o Maior Jesse A. e que além disso. exceto os problemas para o experimento americano. Mas.de espiar à União Soviética. ou para o Fujo especial japonês. que se tinham usado seres humanos. e enviá-lo ao Forth Worth. cujas possíveis aplicações podiam ser múltiplos. houve várias testemunhas que viram o material e falaram de uns signos algo imprecisos. quem o identifica como um globo meteorológico com um “branco Rawin”. faz-o examinar pelo Maior Irving Newton. e o artefato não tinha identificação de nenhum tipo que indicasse o país de procedência.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Pode supor-se –grosso modo-. para seguir adiante com a cortina de fumaça.pretendeuse não podê-lo identificar. cobrindo-se de tal maneira. porque não se podia informar publicamente sobre o experimento. nem de outros grupos militares especializados. e a água da chuva a teria deixado algo imprecisa. “aliem” –por “extraterrestre”—como quis convencer ao próprio Oficial meteorologista Irving Newton. já é algo diferente. na cinta colada. Marcel! Porque certamente. um aparelho procedente do estrangeiro. só foram efetivos do Exército do Ar. se em lugar de adultos. Ou –em uma operação muito própria de inteligência-. Não houve gente da Marinha. Uns viram esses signos. nem do Exército de terra. E é o mesmo Marcel em que descreve caracerísticas aparentemente semelhantes às do nitinol. tratava-se de meninos. explicaria por que o pessoal do Roswell não pôde identificar como um pouco conhecido –um globo meteorológico. Na cor e no impreciso dos signos coincidem todos. Não só o experimento. bem pode pensar-se em um projeto americano. sobre seu resultado malogrado. Outro em algumas das varinhas. Respeito a que fossem o que tecnicamente pode considerar-se como “hieróglifos”. quando perderam um dos globos que sustentava a gôndola especial onde viajavam. Recorde-se que foi deste modo Marcel quem insistiu em que era uma escritura estranha. Nem o que falar se se tivesse tratado de algo estranho procedente do Espaço! Mas em troca. Ainda mais.o que caiu no campo Foster. Recordemos que houve uma grande tormenta. ou de sujeitos selecionados de entre todos os que habián estado em campos de concentracion em próprio território americano. o segredo ainda deveu reforçar-se. o que tivesse dado lugar a um desdobramento muito major. mas sim quando ocorreu o acidente. tivessem começado uns dias antes. A tinta se teria transferido da cinta às varinhas. lavanda. porque esses humanos eram japoneses. Qualquer dessas duas alternativas. tanto ou mais que o muito mesmo projeto Mogul. Dificilmente pudesse haver algo estranho no material recolhido pelo MAC Brazel. por exemplo-. com a finalidade –ao igual a Mogul¬ .

Em 6 de julho o Cnel. Clark leva esse material em um B-26 ao Escritório do Gral. No The Roswell Report – a historical perspective” (George M. DuBose. o ajudante do Gral. Ali falam do Coronel Thomas DuBose. Blanchard –seguindo ordens repartidas do Pentágono— envia um avião com esse material ao Forth Worth. Julho de 1991. em Washington D. de mito criado. e até o Maior Newton. Quando nos dia 8 o Gral. limparam nosso material e o substituíram por outro deles.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Mas. Marcel e Cavitt retornam em 7 de julho para recolher o resto do material esparso no campo Foster onde está MAC Brazel.C. e se fazem de certo material. o material aparentemente mais importante (ou diferente) já estava em Washington fazia dois dias. --como já tenho exposto detalladamente. o próprio Maior Jesse A. O curioso é que refiriéndose a esse material.” De modo que por um lado é certo que o material que se apresentou na conferência de imprensa não foi trocado de repente para as fotografias. Ramey sozinho. 146 páginas). Marcel era um Oficial de Inteligência.tivesse justificado tal ignorância. Editor. Blanchard. Nos. Marcel dizer mentiras. Logo. o Maior Marcel e o Capitão Cavitt entrevistam ao Brazel no escritório do Xerife Wilcox. A sua vez em outra declaração publicada na revista FOCUS (Vo. Eberhart.Bond Johnson connection”. Enquanto Marcel e Cavitt acompanham ao MAC Brazel a seu campo. Mas a coisa mais imporante que DuBose disse foi que isso tinha sido dois ou três dias antes da conferência de imprensa. não chama a atenção que de haver-se tratado de um globo meteorológico. o material foi selado em uma bolsa quando passou em trânsito pelo Fort Worth. McMullen. Center for UFO Studies. Ramey. Setembro 30 de 1990) cita-se ao Marcel com a seguinte frase. e de ocultação dos fatos verdadeiros. sosteniendlo algo do verdadeiro material que encontramos. Não foi uma foto preparada. e dizem: “O que DuBose claramente estabelece é que o material do Roswell se ordenou que fora levado a Washington. e estava fazendo sua tarefa da melhor maneira possível. 7-9. Segundo ele. 5. Então? Há um detalhe mais para adicionar. e o Gral.Abducciones: um novo enfoque 100 . Não foram fotos ‘preparadas’”. sabe que o material que mostra Marcel é o mesmo com o qual logo aparecem o próprio Marcel em uma segunda foto. Se a terá feito bem que até me obrigou a escrever um capítulo deste livro! Capítulo XIII. Schmitt e Randle se perguntam: “qual das entrevistas é a correta?” Para meu. e logo em outras duas tomadas acompanhado pelo Cnel. Logo o Cnel. Era o que chegou dois dias depois e estava ali em exibição. “Eles tomaram minha fotografia no chão. Ramey oferece uma conferência de Imprensa no Forth Worth e permite que se tomem fotografias do material recuperado. a resposta final é algo que Randle e Schmitt deveriam ter avaliado de um princípio: Marcel não é uma fonte acreditável. Um estupendo detalhe que fecha este círculo de desinformación deliberada. qualquer pessoa interessada neste incidente. Mas pessoalmente não lhe atribuo ao extinto Maior Jesse A. Alan D. Dom Schmitt e Kevin D.” Mas. Marcel afirmou que: “O material das fotos era o verdadeiro material que encontramos. Randle escreveram um dos capítulos que titularam: “The Fort Worth press conference: the J. a gente do Roswell não o tivesse podido identificar? Nem sequer a explicação do trem de globos Mogul. Esse era o que o Maior Newton identificou como pertencente a um globo com um branco Rawin.

inquieto. para apenas uma semana. Provavelmente alguém pudesse assinalar que haviam certas diferenças em seus enfoques do fenomenal OVNI. J. em sua nova e formosa casa em Miami. não surge de improviso. o primeiro que chama nossa atenção é que desde 1947. James & Coral Lorenzen. um homem criativo. Leonard Stringfield. tive em encontro com o grupo local da Mutual UFO Network (MUFON).. Essas características ou parâmetros. Foi em realidade um grande desafio para meu. durante as passadas quase 5 décadas. que tinha uma reunião pública em um local de uma famosa livraria americana. Ali fui gentilmente apresentado ante o público e convidado a dar uma imprevista conversa sobre a investigação dos Ovnis no Uruguai. já que estava de férias. sobre o tema abducciones. estávamos no WRLN Canal 17 gravando com o Lou Razzano. Com isto quero dizer que reflete as principais características do fenômeno: como se apresenta. foram adequadamente adscritos aos Ovnis. Isso ocorreu em 22 de janeiro. começou originalmente nos Estados Unidos e é principalmente um fenômeno americano. O Dr. Hynek foi aceita universalmente como a mas versátil e prática. E embora houve muitas outras classificações para os casos OVNI. 101 .Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Em janeiro de 1996. Willy Smith. Dr. o desenvolvimento de uma disciplina particular que adequadamente chamamos Ovnilogía (UFOlogy). um banco de dados sobre o Fenomenal OVNI. tive o grande prazer de visitar meu amigo o Dr. Por isso.. e que é o seguinte: “Primeiro devemos assinalar que o chamado fenômeno de abducción. Allen Hynek . quais são seus efeitos. e na sábado 27 pouco depois do meio-dia. Finalmente. diretamente em inglês.uma posição pessoal se vai adquirindo e amadurecida com o tempo. Observando então o panorama americano. não foi difícil elaborar meu pensamento. Allen Hynek chegou a ser a figura mais relevante entre a constelação de outras importantes pessoas que dedicaram suas vidas à investigação e o estudo dos Ovnis. logo depois do qual devi responder várias perguntas. Alguns indivíduos infelizmente hão falecido: J. quem me disse que essa semana ia levar a uma senhora puertorriqueña que dizia ter sido abduzida várias vezes.tão somente para mencionar alguns deles. Essa foi a ocasião para um encontro com o Lou Razzano. Isto é totalmente natural e deve ser bem recebido quando se está desenvolvendo uma nova disciplina. Nessa cidade tivemos uma atividade bastante agitada. como se comporta. o programa de televisão. a que desenvolveu o Dr. outras tomaram seus lugares e ainda estão ativas. onde dava leitura ao texto que integra este capítulo. e queria que eu desse meu ponto de vista sobre o tema. a não ser logo depois de décadas de investigação e estudo. Diretor do Projeto UNICAT. à tarde. este país conheceu mais que nenhum outro no Mundo. Esta Ovnilogia se nutriu do trabalho de muitos indivíduos e organizações relevantes..Willy Smith. Algumas das organizações privadas pioneiras desapareceram. realizador de um programa de televisão sobre o tema. Mas --claro está-. James McDonald. e não tinha previsto fazer um trabalho intelectual e de reflexão sobre o tema. a Ovnilogía deve a todos eles partes do que é e foi. e são um perfil do fenômeno. Esta classificação não emerge ao começo mesmo da Ovnilogía. tanto a nível oficial (principalmente embora não exclusivamente a Força Aérea dos Estados Unidos) e a nível privado. O mesmo sábado que atraquei. Donald Keyhoe.

e uma enorme quantidade de enganos e histórias fraudulentas e ainda de gente vestindo máscaras ou disfarces. atribuem-no como uma espécie de apêndice. em aplicar o método científico para encarar o novo fenômeno. magnetismo. embora não houvesse fundamento legítimo ou razoável algum para estabelecer uma vinculação. não é o que ontológicamente significa a palavra "OVNI". Para meu. é vinculá-lo ao fenômeno OVNI. Centenas se não milhares do Ovnilogos e dezenas de organizações oficiais e privadas no Mundo. aos abdutores e à abduzida. Isto pertence ao melhor conhecimento na Ovnilogía. criado pelo Dr. é que o fenomenal OVNI foi o livre e aberto receptáculo para algo que fora estranha. não está interessada em maneira alguma. reação em animais. Histórias de fantasmas. Mas o caso tem uma quantidade de contradições internas que lhe tiram todo 102 . veículos detidos. difícil de dirigir. verificado mediante evidencia. ou testemunhado por pessoas independentes. como o UNICAT. testemunhas que percebem um zumbido. no começo da década dos '80. mas que em nenhuma maneira esta substanciado. aparece publicamente um novo fenômeno que alguns indivíduos que não são Ovnílogos. uma sensação de espetadas na pele. fenomenais parapsicológicos.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Qualquer Ovnílogo sabe que um Encontro Próximo do Segundo Tipo. Ovnílogo desde abril de 1958. Os Ovnis então sucedem em um curinga. atribuíram-se a Ovnis inexistentes. entalhes no terreno. Jacques Vallée e pelos investigadores oficiais franceses do GEPAN-CNES. Entretanto.a presuntos Ovnis. aos Ovnis. uma onda de calor e ainda paralisia. Hynek e desenvolvido logo por meu colega e amigo o Dr. é obvio. Isto é o que surge de creditados e muito seletivos bancos de dados de casos¬OVNI. não é uma surpresa que tal estranho fenômeno tenha sido anexado aos Ovnis. poltergeist. Willy Smith. experiências hipnopómpicas. raios globulares. que nunca investigaram e estudaram casos OVNI. Se houver algo que os Ovnílogos conhecem muito bem por nossa própria experiência. fogos de São Telmo. blecautes. como típicos da presença próxima de um OVNI. estou acostumado a calcinado. aos Ovnis. Cada vez que enfrentamos a um pouco aparentemente estranho. o uso da sigla "Ou-V-N-I" tem para eles o "automóvel-evidente" significado de "veículo extraterrestre" que. A razão pela qual digo isto é porque. Há um só caso supostamente de abducción no qual testemunhas independentes aparentemente viram o OVNI. amnésia parcial e tempo não recordado conscientemente. P. ou --deveria dizer melhor-. os Ovnis supostamente têm algo que ver com o chamado "chupacabras" em Porto Rico. Isto é o resultado de décadas de trabalho na matéria. os Ovnis foram associados com mutilação de gado. admitiram esses efeitos. raízes secas. a Ovnis imaginados. radiação procedente da tensão das placas tectônicas. a maneira mais confortável de ter uma fácil "explicação" ou um cabrito expiatório à mão. E ainda é mais assim por quanto nas mentes desses não-Ovnílogos (assim como --infelizmente-nas mentes de alguns Ovnílogos). Mas ainda se a pessoa que considerar o que é inicialmente inexplicável. que nunca antes pertenceram a principalmente bem conhecida comunidade Ovnilógica internacional. vinculou-se por não-Ovnílogos. até agora. novelo amassadas. Mas podemos encontrar os mesmos critérios essenciais de classificação em bancos de dados utilizados pelo Dr. quando terá que encarar o que aparentemente é estranho. Este novo fenômeno recebe o nome de abducciones. implica uma certa interação do OVNI ambiente que lhe rodeia e/ou as testemunhas. em todos os casos que tenho lido a respeito das "abducciones" (desde 1981 à data). ex. e os Ovnis poderiam ser a resposta menos arriscada (em términos de cultura e sociedade) em que alguém pode imediatamente pensar. o OVNI é algo que se dá por sentado. É por isso que não me surpreende que esta aparentemente nova categoria de fenômeno chamado abducción. portanto.

Nunca interrogue na primeira etapa da investigação. (4) Explore o que el/la abducido/a pudesse ter conhecido já sobre abducciones.: artigos de imprensa. ademas de várias histórias colaterais inverificables. quero acrescentar um par de coisas importantes: (1) Abduzido-los merecem respeito e consideração por parte do público em geral assim como de quem pretende lhes investigar. entre a Ovnilogía. Como conseqüência disto. que descreve a experiência da Betty e Barney Hill. Não há efeitos E-M (eletromagnéticos). programas de TV. Esse respeito implica que não cabe lhes ridicularizar. encontro que existe uma imensa brecha entre os casos OVNI e os casos de abducción. p. Que deveria fazer-se (e alguma vez se feito) por un/a investigador/a com un/a abducido/a? (1) Reúna-se com a pessoa e lhe faça relatar tudo o que recorde. nunca vi um livro que se dedique a apresentar somente um caso de abducción considerado em profundidade. filmes cinematográficos. principalmente TAT e Rorschach. e/ou por disciplinas esotéricas. O fato principal é que não existe nem sequer uma história de abducción da que tenha conhecimento. E se tal fosse a situação. ou alguma evidencia física. (7) Lhe solicite ao / a psicólogo/a que comente os resultados desses teste e que explore (se se necessitar) mais profundamente na personalidade do / da abducido/a (infância. Essa será a única maneira de chegar à verdade. Seguindo estes postulados. programas de TV ou filmes cinematográficos. rastros. nem com indivíduos y/u organizações dedicadas à a Ovnilogía. e o estudo do fenomenal abducción. Uma vez dito isto. exceto "A viagem interrompida" do John Fuller. Alguém que não tenha nenhum tipo de vinculação com a pessoa que investiga a abducción e/ou com el/la abducido/a. juventude. do começo ao fim. se por acaso mesmos. Penso que chegou o momento de separar e diferenciar ao um do outro. independentemente dos presuntos abduzidos. ou ainda muitas vezes tão somente em um ano. particularmente procurando qualquer experiência traumática. e que suas personalidades devem ser tratadas em forma extremamente cuidadosa e séria. a qual -¬dito seja de passagem--é muito diferente dos casos que se publicaram desde 1981 à data.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta sentido. livros. (2) Suas declarações não devem ser objeto de exploração econômica através de livros. outros abducidos/as. A segunda coisa notória que faz do fenomenal abducción um pouco totalmente diferente ao fenômeno OVNI. 103 . que possa implicar que os Ovnis têm alguma conexão com este novo fenômeno. sob nenhuma circunstância. (5) Selecione un/a buen/a psicólogo/a por seus antecedentes científicos e experiência. a não ser objeto de um estudo e avaliação muito objetivos e cientistas. com suas próprias palavras. etc.ej. que se a compatível com o fenomenal OVNI em se mesmo. é que muitos abduzidos declaram que tiveram experiências reiteradas desse tipo ao longo de anos. vida adulta). Faça uma gravação do testemunho. esses informe certamente se considerariam muito duvidosos ou definitivamente seriam descartados. (2) Se houver mas de un/a abducido/a incluído no mesmo caso não permita que tomem contato entre se durante o tempo em que brindam suas respectivas declarações. e que não se sinta particularmente atraído/a pelo tema OVNI. possivelmente altamente elaboradas. Na Ovnilogía seria quase impossível que uma testemunha de um OVNI fosse capaz de ver Ovnis muitas vezes ao longo de sua vida. não há marcas. (3) Não permita que el/la abducido/a tome contato com abduzidos de outros casos. (6) Lhe solicite ao / a psicólogo/a que submeta ao / a abducido/a a uma bateria completa de teste de personalidade.

” Isso escrevi e pinjente ante câmaras nessa ocasião. Esse séria um procedimento sério. Miami. O contribua da Dra. sustento e escoro esses critérios como absolutamente válidos e indispensáveis. o caso em se mesmo deve ser apresentado em forma completa. e das características atribuídas aos Ovnis. sob toda circunstância. ultradimensional. Mas entendi que era mister se localizar-se no contexto em que os “investigadores de abducciones” se localizam a se mesmos. já fosse extraterrestre. seria conveniente verificar se a pessoa em qualquer momento de sua vida. El/la investigador/a da abducción não deve ser el/la hipnotizador/a. Anos depois. como por exemplo as surtas das classificações de casos. mas embora o nome del/la abducido//a e/ou os nomes de (da) profissional que interveio no caso pudessem ser omitidos. faria que não mencionasse certas condicionantes. (8) Só quando todos estes passos se deram e se a análise efetuada por el/la psicólogo/a não arroja nenhuma chave para a história da abducción e como pode ter surto a mesma na mente del/la abducido/a. e deveria ser totalmente gravada ou filmada. e uma verdadeira contribuição científica ao conhecimento deste fenômeno particular e diferente. Mas o fundamental. E fazendo-o assim. com indisputables créditos. Enquanto isso. evitando qualquer fornecimento e/ou qualquer sugestão. destacadas personalidades do âmbito científico. se quer fazer uma investigação e estudo sério da matéria. O texto foi cuidadosamente elaborado para não apartar-se da que bem pode chamar-se “Ovnilogía clássica”. (9) Logo que o protocolo este completo. A hipnose deve ser realizada totalmente por el/la profissional. Susan Blackmore 104 . transtemporal. para –por assim dizer—lhes jogar no mesmo terreno. janeiro 22 de 1996. As “abducciones” aparecem desprendidas de tudo o que lhes precede em matéria de Ovnis. são os critérios de investigação e de enfoque do tema que estabeleci ao final de meu texto. ou em uma versão abreviada. A revisão em que me embarquei e da que dá conta este livro. as contradições entre todo o conhecimento acumulado pela Ovnilogía tradicional lhes volta em contra. então lhe solicitaria ao / a mismo/a psicólogo/a ou un/a psicoterapeuta (que cumpra as mesmas condições estabelecidas para a seleção del/la primer/a profissional) que leve a cabo uma cuidadosa regressão por hipnose. foi alcoholista ou consumiu narcóticos. E esse é um argumento válido. El/la investigador/a preferentemente escreverá ao profissional qualquer pergunta e el/la profissional expor ou não a interrogante na forma adequada.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Também. a sensível mente del/la abducido/a sob hipnose. em tanto estes fossem pensados como objetos ou fenômenos de origem desconhecida. pois os casos de “abducciones” não guardam relação alguma com todo o anterior. A mesma esteve obviamente rodeada de certas circunstâncias delimitantes do que podia e era conveniente dizer ao momento. feito-se cargo de analisar e estudar a “abducidos/as” e seus relatos. etc. mas permitindo que otros/as investigadores/as tenham acesso e estudem os arquivos completos do caso. el/la investigador/a --se el/la esta abducido/a de acordo--poderia publicar o caso.

a Dra. facilmente verificável na Internet.” Um dos pontos mais interessantes no tema “abducciones”. 4) Ver luzes ou globos de luz insólitos em uma peça sem saber o que os causa. e se a Pesquisa Roper é correta em associar as experiências indicadoras com a abducción. e ali expressa entre outros conceitos. O que eles pretendem é que se a gente reconhece ter tido alguma dessas experiências. são essas experiências indicadoras de que alguém pode ter sido abduzido. Susan BLACKMORE “abduciodos/as”. submetidas a uma prova psicológica especial que foi finalmente graficada. 2) Sentir que se esteve verdadeiramente voando pelo ar embora não se sabe por que ou como. As mesmas foram originalmente propostas pelo artista neoyorkino Budd Hopkins. ou onde se esteve. Blackmore se interessou no tema “abducciones”. Psicóloga acadêmica. As experiências indicadoras são as seguintes: 1) Despertar paralisado com uma sensação de que no dormitório há uma pessoa ou presença ou alguma outra coisa estranha. Nesse artigo. e ao qual não se referem os promotores das “abducciones como extraterrestres”: “Entre os adultos (embora não entre os meninos). sem ter consciência disso. e submeteu a grupos de pessoas a provas psicológicas. Blackmore aponta logo a um fator que me parece totalmente acertado. Blackmore chega à parte de seu trabalho que titula “Discussão”. e avaliada estatisticamente. Um deles se titula “Abducción por alienígenas ou paralisia do sonho?”. efetuou experiências de caráter físico.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Uma dessas importantes personalidades é a Dra. de que quase quatro milhões de americanos tiveram certas experiências “indicadoras” e portanto provavelmente foram abduzidos por alienígenas. procurou legitimamente explicações racionais. A Dra. elas indicam que quase certamente se foi abduzido. e tem escrito vários artigos referidos ao mesmo. houve uma correlação entre a quantidade de televisão que viam e seu conhecimento sobre alienígenas e abducciones. 105 . A Dra. Susan Blackmore. Blackmore procurou submeter a prova a indicação da Pesquisa Roper. Sua ausência em uma amostra relativamente grande arroja duvida sobre essas premissas”. Logo depois de uma experiência com 450 pessoas. publicado pelo Skeptical Inquirer em sua edição de maio-junho de 1998. Entrevistou a presuntos Dra. e 5) Encontrar curiosas cicatrizes no corpo e não recordar um nem ninguém como as fez ou onde. Isto sugere que o popular estereótipo é obtido mais dos programas de televisão que de ter sido abduzido por verdadeiros alienígenas. no qual se esteve aparentemente perdido. 3) Experimentar um lapso de uma hora ou mais. principal lhe dissertem da Cadeira de Psicologia na Universidade do oeste da Inglaterra. Blackmore apareceu em mais de um documentário sobre o tema abducciones. então teríamos que esperar que se desse essa relação. a Dra. ou de onde procedem. mas não se pode recordar por que. A Dra. autora de vários livros e titular de um impressionante currículum acadêmico. os seguintes: “Se verdadeiros alienígenas cinzas estão abduzindo a pessoas da Terra. e logo usadas por alguns outros defensores das “abducciones por extraterrestres”.

É essencialmente um sonho…………. Isso é parte de nossa cultura. Isto pode acontecer não somente quando você está dormido. eles despertam com uma total lembrança de suas experiências.” 106 . o que devo fazer com a pesquisa? Conduzida pela respeitada organização Roper. Embora não se incluíram todas as experiências indicadoras. à conclusão de que alguém foi abduzido. mas o que não entendo é como se pode saltar de umas poucas perguntas simples que não parecem ser sobre aducciones.”. na Filadelfia”. “Trocaria completamente as coisas para meu se houvesse uma firme evidencia convincente. O que acontece o pequeno grupo de abduzidos que não necessitam hipnose ou terapia?. a Dra. Blackmore comenta: “Nossa amostra certamente incluiu suficientes pessoas que informaram experiências indicadoras. Mas os ecos mais fortes que escuto nas histórias de abduzidos são de experiências com as que estou familiarizada: paralisia do sonho (sleep paralysis). Às vezes há esse sentir de que há uma presença. mas essa presença é interpretada de maneiras diferentes em diferentes culturas. alguém está ali embora não lhe pode ver. para as quatro perguntas que se usaram. ou sob estresse. declara no documentário um oriundo de Laos. o Velho Bruxo aparece como a amenzante figura de um cão e tráfico de estrangular às vítimas de paralisia do sonho. É uma experiência apavorante. Presumivelmente. Por exemplo o Fantasma Cinza que aparece nas selvas do Sul da Ásia e que ainda viajou aos Estados Unidos com os refugiados de Laos. possa não ter visto filmes de ficção científica (”E. mas me ocorreu uma vez aqui.” A Dra. Os resultados sugerem que esta conclusão estaria totalmente injustificada.. Canadá. Jacobs e Westrum como que foram abduzidos. Pergunto-me se a Psicologia ainda pode explicar isto. muito cansado. resumi algumas passagens de sua análise e comentários. Encontros Próximos) e também algumas imagens de alienígenas. a incidência foi em realidade maior que a encontrada na Pesquisa Rope R. a Dra.usualmente ocorre quando dormimos rápido em que algumas vezes um mecanismo funciona mau e ainda despertamos com os músculos paralisados. você está dormido mas está acordado. “No Newfoundland. e ao referir-se a Pesquisa Roper.” “Encontrei-me com muitos outros tipos de experiências paranormais nas quais as pessoas têm uma intensa história e descrições detalhadas.” “Não posso contar quantas vezes me aconteceu em meu país. Blackmore –como assinalei anteriormente—participou de alguns documentários referidos às abducciones.” No mesmo documentário. Pesquisa-a e n se foi bem realizada.” “Podem os abduzidos estar reinterpretando alguma outra experiência usando as influências culturais do Século XX? Dificilmente ninguém que viva na América do Norte agora ou na maior parte da Europa. e delas 87 por cento tem a sensação de que alguém está presente. Blackmore tem este comentário: “Então. sente-se paralisado mas não sabe porquê. tais como quando estão perto da morte e vão ao céu e descrevem campos verdes e flores muito coloridas.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Sobre estas experiências indicadoras e como resultado de seu estudo psicológico de 450 sujeitos. quando você está esgotado. A paralisia do sonho aconteceu a mi.T. muitos de meus sujeitos teriam sido classificados pelo Hopkins.” “No Sul da Ásia aproximadamente a quarta parte das pessoas têm paralisia do sonho. mas verdadeiramente não existe nenhuma corroboração sólida. a não ser quando você está conduzindo sozinho um veículo. foi uma pesquisa Telefónica de 5 mil e 947 americanos aos que lhes expôs uma série de perguntas que supostamente identificariam a potenciais abduzidos. portanto. é como se não pudesse respirar.

Todo o tempo a maior parte do cérebro está ativa. etc. interconectadas algumas excitando umas células.” Em algumas pessoas ocorrem sucessos que clinicamente se chamam “temporário lobe seizures”. e sabemos isso por feitos absolutos. tais como os íncubos e súcubos. que pode induzir experiências de flutuar. Blackmore se refere aos mesmos e diz no documentário: “Individos artisticamente criativos som especialmente suscetíveis a ataques aos lóbulos temporários. que sensações e imagens se percebem quando os lóbulos temporários são excitados mediante eletrodos. e novamente vai se encontrar no cérebro. Não me explico de onde surge este forte sentimento de ser tirado do corpo. Canadá. mas há partes que em alguns momentos são mais ativas que outras e cada parte do cérebro consiste de uma grande quantidade de células. Mas o que não é tão conhecido. provocando artificialmente os mesmos efeitos que podem ocorrer naturalmente nos ataques. Não explica por exemplo a habitual viagem de ser tirado do dormitório e levado longe.” A Dra Blackmore se submeteu ela mesma à câmara criada pelo Professor Michael Persinger. voar. comenta a Dra. Logo estão os mitos das abducciones por fadas.” A cada lado e para trás da cabeça. aqui é onde está o foco do problema que eles têm. O que é normal é não ter este tipo de experiências. As similitudes com as abducciones são óbvias. de ser ameaçado por alienígenas…A paralisia do sonho nos pode levar muito longe mas não acredito que pode explicar a experiência em sua totalidade. Em realidade a maioria das pessoas tem certo tipo de experiências incomuns. nós sabemos que a vasta maioria disto pessoas é o 80 aos 85 por cento das pessoas—não teve nenhuma das experiências incomuns do tipo das que estou falando. demônios que aparecem durante a noite e têm relações sexuais com pessoas. 107 . é que todas as pessoas têm grande atividade funcionando nesta parte do cérebro. outras as inibindo. A Dra. Mas um cientista decidiu utilizar meios artificales para criá-los. com o propósito de produzir bebês metade diabos e metade humanos. experiências místicas. onde a gente é levada ou os bebês são lhes substituam por outros. ou seja. o Dr. de milhões de células em realidade. Tampouco aborda os aspectos sexuais que são tão comuns entre os abduzidos. Certos ataques podem ser comuns e normalmente são muito ténues. Mas estes dois aparecem em mitos antigos. A maioria das pessoas em nossa cultura provavelmente ouviu uma ou outra destas histórias. ataque aos lóbulos temporários. Todos os acontecimentos descritos nela ocorrem às pessoas quando têm paralisia do sonho e outras experiências perfeitamente explicáveis. “São muito conhecidos porque nos epiléticos temporários. de voar para uma espaçonave. Sob hipnose e relaxação é justo o momento quando estes relatos profundos surgem à superfície. Blackmore foi entrevistar a um dos proponentes das abducciones como extraterrestres. David Jacobs. Sobre essa afirmação. Jacobs diz ao final da entrevista: “Bom. para apreciar o que ocorre. estão os lóbulos temporários do cérebro. É muito fácil ver como a atividade aqui produz alucinações e estranhas experiências que podem dar uma resposta às experiências de abducción.” “Mas ainda há algo que falta aqui.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Durante o documentário a Dra. Não penso que a pesquisa nos diz nada específico a respeito das abducciones em maneira alguma.Blackmore: “David Jacobs não poderia estar mais equivocado. contra sua vontade. Suspeito que há uma comum experiência que subjaze nestes mitos e nas abducciones como alienígenas. da Laurentian University de Ontario. ocorrem sem advertência prévia e são muito difíceis de estudar.

Mas se isso me passa em meu lar. Porque pensei que disso se tratava. Felizmente nunca durou muito. 3) que podem perceber-se vozes ou mensagens. não pode mover seu corpo e embora o queira fazer. brinda-o uma pessoa que se chama Holly. “vêem-se freqüentemente luz antes dos traumas. profundo e sério. Um enfoque acadêmico do tema das abducciones. logo depois de sair de um desses episódios escutei a uma mulher cantar. tampouco pode gritar. É certo que sua experiência não envolve uma abducción. efetuado por um perito em psiquiatria. estaria desesperada por achar uma explicação. Penso chegada a este ponto que noto que estou completamente paralisada. Procurei pela fonte da canção. E você os vai recordar como se os acontecimentos realmente tivessem acontecido. Então soube que muitas outras pessoas além de meu se deram conta que experimentaram isto. e de plasma iônico observado em forma de globos luminosos. vincular esses acontecimentos a observações de Ovnis e abducciones parece rebuscado. Para o hipnotista. E ter ido a essa câmara fez uma grande diferencia para mi. Nunca soube que havia uma definição para isto e como muitos de vocês vi um programa em televisão que mencionava algo sobre paralisia do sonho. Senti medo além do acreditável.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta A Dra. Sorte a todos. mas só a podia escutar em minha peça. Se você for capaz e deseja prover uma grande quantidade de detalhes. Não posso me mover. uma delas minha mãe. Também sou consciente de um incrível mau sentimento. particularmente perto de enguiços geológicos e ante a ocorrência de terremotos. você o fará.” Um bom corolário do expresso por estes diferentes profissionais. uma estranha e melancólica canção. de medo. mas só a podia escutar em minha habitação. Ataque causados pela presença de correntes eletromagnéticas na atmosfera. Isto é um bom trasfondo para apresentar minha análise de um trabalho que supus era científico. soube que quatro pessoas que tiveram experiências similares. Holly pôs sua mensagem em 20 de junho de 1998. têm experiências em torno do sonho. E ainda posso imaginar que se tiver escutado sobre abducciones por alienígenas me perguntaria se acaso eu não sou também uma abduzida. eu gostava da melodia. não posso gritar. algumas das quais são aterradoras. adquiri seu livro. Foi como se as peças que faltavam viessem dali: a sensação de cólera. passaram muitos anos desde que experimentei um “sonho com a força negra”. ao que chamo força negra. Blackmore explica que o Dr. 2) que nessas experiências está acostumadas haver personagens. um normal cuidado da saúde não é lhe curar. na cama. de ser empurrada e manipulada por algo que não posso ver. e procuraria um terapeuta para que o descobrisse. Verdadeiramente posso ver e sentir a força negra vindo perto meu e entrando em meu corpo através de minha cabeça. Não estava atemorizada por isso. e que pôs um breve testemunho na Internet. mas põe claramente de manifesto: 1) que muitas mais pessoas das que podemos pensar. Sou muito seletivo nas leituras que faço sobre o tema OVNI e os tema que às vezes lhe agüentam 108 . Trato com toda minha força e toda minha vontade e cada palmo da energia que tenho para me obrigar a sair dela. mas possivelmente não é estranho às experiências que eu tive na câmara do Persinger onde ele imita traumas do cérebro. Dormida mas consciente. dava-me conta de meu corpo e seus arredores. e 4) que a pessoa se sente totalmente paralisada. Uma vez. Neste caso eu soube que era produzido por uma simples mudança no cérebro. Também escutei dizer meu nome em uma voz forte à medida que ficava dormida. Persinger estudou alguns casos de abducciones que se podem atribuir a ataques aos lóbulos temporários.com O relato diz assim: “Em minha experiência. sob o título “Paralisia do Sonho e o Demônio” ver: hosquegee@aol.

John Mack É obvio que me estou refiriendo ao Abduction – human encounters with aliens” (Ballantine Books. New York. temor de voar. 1) Abduzido-los Começarei pelos abduzidos. e rastrear as histórias de suas vidas. 15) “Alguns experienciadores (a forma em que o Dr. mas também também é necessário pinçar na personalidade dos sujeitos. é o que vou expor a seguir. e 1 só foi submetido a exames psicológicos. E bem. quais e como são estes abducidos/as?. Mack. Não só as provas psicológicas resultam imprescindíveis.4. 1994. temor aos hospitais (relacionada com os procedimentos invasivos nas naves). peteneciente à Faculdade de Medicina da Universidade do Harvard. indivíduos mentalmente perturbados” (pág. geralmente.1 – Ed “praticou meditação e estudou filosofia oriental em sua luta por encontrar seu autêntico caminho” (pág. As conclusões as sotaque a cargo dos leitores.um sentido geral de vulnerabilidade.12) Não obstante. Em outras palavras. Também a gente pode supor que a todos eles submeteu a uma rigorosa e exaustiva bateria de exames psicológicos –os que menciono mais acima neste mesmo capítulo-para primeiro descartar qualquer elemento de caráter pessoal que de algum jeito pudesse minar a validez de seus testemunhos como efetivamente pertencentes a sucessos ocorridos em um plano físico. 12 dos 13 não passaram por nada disso. aos elevadores. E agora vou aos dados resumidos da leitura do livro do Dr. professor de Psiquiatria do Hospital Cambridge. insetos.” (pág. médico. Preciso dizer que abordei o livro não só sem nenhum prejuízo. vários sucessos que os sujeitos relatem tenham vivido. 42) 109 . mas também com um enorme interesse. Que o li minuciosamente três vezes em forma íntegra. 432). ele selecionou 13 para pôr como exemplos em seu livro. o próprio Dr. especialmente de noite. Cabe supor que têm que ser os melhores 13 que pôde encontrar em seus arquivos. 464 páginas) pelo Dr. Para minha total surpresa.” (pág. daqui em diante todas as páginas citadas pertencem ao livro do Dr. “Como o enfatizei. O resultado dessa leitura. aos animais. Mack) “Só posso dizer que os elementos de suas histórias apareceram uma e outra vez nas histórias de outros individos que não estão mentalmente perturbados”…. Mack também diz que os abucidos têm: “…. abduzido-los não som. Um investigador até tem descoberto uma incidência de abuso sexual maior que o médio entre indivíduos que repotan encontros com OVNI.cit. capinando seu conteúdo. e ao contato sexual. tratando de confirmar com terceiras pessoas independentes.. pág. especialmente desde a primeira infância. Mack. E uma quarta vez. e fundador do Centro para a mudança psicológica e social. John E. que grau de confiança podem merecer suas histórias extraídas sob hipnose? O Dr. de acontecimentos realmente acontecidos.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta O livro do Dr. Mack. Mack chama aos “abduzidos”) têm efetivamente histórias de abuso sexual e outros traumas. No. (Ring 1992). De um total de 80 vistos pelo Dr.. Mack os apresenta desta maneira: “As provas psicológicas dos abduzidos não revelaram evidência de perturbação mental ou emocional que pudesse dar conta das experiências que reportaram” (op.

ou visto sobre experiências de abducción…” (pág.Me aterrorizava estar sozinha.Jerry (uma mulher) 110 . 83) “Aproximadamente por então deu ao Scott a oportunidade de compartilhar seu conhecimento de primeira mão sobre experiências de abducción em um estudo da CBS em Los Anjos. Sheila adquiriu uma garrafa de aspirina e tomou vinte tabletes com ‘toda a intenção de tomar todas’”. 75) Não. 91). e respirou a Sheila a que saísse com outros homens.” (pág. Não. o que ela fez.. 79) “Através de organizações dedicadas aos OVNI e a uma larga cadeia de referências. 4 . 88). “ ‘Eu sempre soube’.” (pág. Scott sentiu que sua infância foi feliz e cheia de amigos e atividades” (pág. 82) “Quando era um moço. onde se estava filmando o docudrama em duas partes Intruders – [Intrusos. 398). e os outros sintomas que conduziram a seus pais a lhe levar a ver tantos médicos para tratar de compreender o que é o que estava acontecendo. Não.52).” (pág. N. do A.” (pág. em minha mente’. 2 – Sheila “Sentindo-se desesperadamente despojada e sozinha. (pág. dezenove meses mais jóven que ele. 57).” (pág. 84) “Scott recorda que leu uma revista . 63) “há alguém na peça com uma e não se pode ver ninguém” (pág. para ser posto no ar em maio. “Posteriormente reuniria as observações com o que ela tinha ouvido.” (pág. 80) “Exceto pelos temores noturnos. Por duas semanas em fevereiro. 85) “ao redor desse tempo Scott também fez várias aparições em televisão. dificuldade de concentrar-se.” (pág.58) “Logo depois da universidade Jim se arrolou no exército por três anos. disse. Scott finalmente foi referido a um terapeuta. é interessante que o do Ed ocorreu quando era um adolescente e não foi recordado por quase trinta anos. mau caráter. 3 – Scott “Scott também é um de um crescente grupo de abduzidos que descobrem uma aparente identidade dual humano/alienígena no curso de seu trabalho exploratório. sonhos complicados. incluindo um horrível programa em um canal de Boston no qual foi humillantemente mas não atípicamente apresentado como um homem jovem que tinha tido sexo com alienígenas. o que encontrou altamente estimulante” (pág.71) “Sempre se vive com uma certa quantidade de medo de que vai acontecer outra vez…. ‘que eu era diferente.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta “Embora não é inusitado para o experienciador recordar um só encontro importante. Lê. lido. também é uma abduzida…” (pág. e dificuldade para dormir. em 17 de julho de 1985. “Durante boa parte de sua infância e adolescência Scott foi sujeito a exames médicos por eplilepsia…"(pág.” (pág.] —que tratava sobre o fenômeno. 78) “A irmã do Scott.” (pág. eu tinha um medo mortal de que eles foram matar a meus pais. que eu não era de por aqui.71) “Sheila efetivamente mostra características de uma situação de estresse post¬traumático com ansiedade geral. e antes de que pudesse dormir sentiu que os seres estavam ‘ali.” (pág. Scott esteve no estudo cada dia.

154-155) Não. Mack é psiquiatra. simplesmente para fazer notar o impossível da situação. Jerry uma vez pensou que isto era o resultado de sua própria aversão à sexualidade. pôlhe sua mão entre suas pernas e lhe tocou os genitálias. mas jamais se poderiam dar detalhes do rosto. 142) “todo o tempo me passo procurando acima no céu e me passo pensando nos OVNIS. A letra em negrito é minha. e foi como se me destroçassem. 100) “Eu só bebo quando penso que tenho que ter atividade sexual” (pág. eles não podem. Parece mais real que um sonho. estive pensando muito neles durante as últimas semanas….quando Jerry tinha treze anos. Embora recorde haver-se perguntado a se mesma ‘For assim que se faz o sexo?’ ela sabia com grande certeza que ‘isso não era uma pessoa’ ’’ (pág. Tênia uma linha por boca.” (pág. Sally.” (pág. que contém histórias de traumas reprodutivos.ela viu meu nome e ‘Universidade do Harvard’ nos créditos da mini-série da CBS sobre abducciones Intruders………. ‘Alguém estava fazendo algo’ recordou.Também. 6 – Joe 111 . 115) Não. o que se vê é uma silhueta.” (pág. Mack não tenha reparado em contradição tão evidente. Ela diz que despertou aterrorizada e recordou uma pressão no abdómen e a região genital e que não se podia mover. ‘Em minha mente eu gritava’. disse ela. 150) “Recentemente ela leu o livro do David Jacobs Secret Life. mas não tão real como eu lhe falando com você.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta “…. mas era ‘algo aliem’ . Ela nunca o amou a ele. 106) “De adulta. que meus pais queriam também. um queixo bicudo –sua cabeça é como uma gota investida. Mas. sua mãe leu um dos livros do Budd Hopkins e disse ao Jerry que os relatos de abducciones ali soavam como suas experiências” (pág.ela descreveu que o ser tinha ‘enormes olhos negros. 134).” (pág. 101) “…. ela se fez fazer um aborto…” (pág. “Não parece ser como um sonho. Jerry diz que seu ex-algemo praticava ‘jogos’ sexuais com os meninos que envolviam sexo oral mas não penetração. e se divorciaram em 1986. o nariz não a posso ver toalmente bem de onde estou. disse Jerry. 134) “…observando um ser na janela de seu dormitório com uma luz azul que entrava na habitação por detrás dele…. Esta foi uma experiência perturbadora --‘aqui está este velho amigo que pensei era absoluamene maravilhoso e em quem confiei tanto. 130) “…ela esteve recentemente lendo sobre Ovnis tendo ‘por um lado o desejo de ver um e por outro lado de não ver’ “ (pág. era ‘enorme’. Todos outros teriam que podê-la ver também e não se por que. 5 – Catherine “Catherine despertou ao meio dia…e viu ‘algo sobre o OVNI observado ontem à noite’” (pág. mas não sabe se lhe saiu algum som. 147) “A nave. e nunca investigou denúncias de Ovnis….132) “quando ela tinha aproximadamente quatro anos um amigo da família da infância. 132) “…ela sentiu pânico vendo o filme Communion apoiada no livro do Whitley Strieber”(pág. 106) “Após lhe tive aversão ao sexo” (pág. É soprendente que o Dr.” (pág. mas não é como um nariz humano.” (pág.estive lendo um par de livros sobre eles. por recomendação de uma amiga. 98) “O primeiro matrimônio do Jerry foi com o Brad quando ela tinha dezenove anos e estava grávida de sua filha. Se a imagem tiver luz por detrás. e se perguntou se possivelmente ‘eu estou subconscientemene recolhendo esse material que está alli’ “ (págs.

O preferia dormir ao ar livre. simplesmente dando uma olhada’” (pág.”(pág. 209) “ele é um de um crescente grupo de abduzidos que estive encontrando quem tem descoberto que têm uma aparente ‘dobro identidade’ como alienígena (eles não usam essa palavra) e ser humano. 195) “comecei a ver uma série de imagens em minha mente.que refletiu ao Joe como Paul Desmonte” (pág..Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta “Joe qualifica a sua família irlandesa como ‘bem típica Católico Romana’. uma psicóloga.] ‘o que estão fazendo vocês moços aqui na Tierra?’ e ele respondeu ‘OH. ‘me converti em uma grande relatora de histórias de fantasmas. 195) “ ‘Quando tinha treze anos eu estava acostumado a sentir uma presença na casa todo o tempo’ recordou.isto não foi nada fácil para ele” (pág. do A. mas sua consciência ou alma ‘passou de ser um ET a ter nascido como nosso bebê…. 178) “Na segunda regressão ele descobriu que possuía tanto uma identidade humana como alienígena. Miguel informou ter visto seres estranhos em seus sonhos e Sara sentiu que ele ainda pode ser um ‘representante’ de espécies alienígenas. 177) Diz Joe que seu filho “Mark mesmo foi uma vez um ET cinza. 168) “…em nossa última regressão recordou ver seres ao redor de sua cama de hospital quando tinha só dois dias de idade” (pág.” (pág. mas tinha dificuldade em dormir porque sentia ‘medo de que logo que o faça alguém venha e me leve. começando pelo menos aos quatro anos. 8 – Paul “Paul tinha vinte e seis anos quando se apresentou ante meu e n uma conferência sobre Ovnis em New Hampshire” (pág.193) “Sara se refere ao Miguel como seu ‘amigo extraterrestre’. 209) “seus dois progenitores tinham problemas de alcoolismo” (pág.” (pág. e diz que eram manifiestamente felizes mas verdadeiramente disfuncionales”.190).” (pág. 169) “Uma vez quando tinha dezesseis ou dezessete anos. “Durante as semanas seguintes ele lutou com a tarefa de reconciliar suas identidades E. 170) me crie o leitor que quando me encontro com testemunhos como este último.199) Não.e se deu a ler sobre outras religiões” (pág. Não. 7 – Sara “Ela foi especialmeente dada aos mistérios e aos livros sobre fantasmas e poltergeists……. ‘como coisas subindo as escadas…. e deixar que cada quem sopesa adequadamente o exposto e extraia suas conclusões.” (pág.” (pág. recordou Sara. Lhe chama Mengus…. e humana. 169) “Através de toda sua infância Joe esteve fascinado mas temeroso dos Ovnis. e às vezes me parecia que me falavam” (pág. não comentar nada. 212) 112 . 209) “Ele consultou pimero à senhora T.. (pág.188) “Joe se abriu a uma profunda experiência de ‘vida passada’….” (pág. tenho que fazer um enorme esforço por sossegar minha imediata reação. cinco horas depois de fumar maconha. quando estava experimentando com o LSD lhe entrou pânico ao ver uma ‘pequena nave’ a uns duzentos metros de distância ‘e há alguém nela que me está olhando’ “ (pág. Sara teve um nome para esta entidade familiar.T.197) “Como muitos abduzidos. incluindo uma. para explorar ‘estranhas’ experiências que lhe levaram a questionar-se sua saúde mental.”(pág.194) “As experiências relacionadas com fantasmas eram ou foram um tema permanente durante toda minha infância. 196) “parece-me que esses tipos estão em minha cabeça” (pág.Perguntou ao Mengus [em inglês – N.

Sente profundamente que ele tem uma identidade humana e alienígena.” (pág. ‘algo com o que eles podem me rastrear…. caiu e se golpeou sua cabeça ‘verdadeiramente muito forte’ . incluindo uma experiência de abducción como um menino de seis anos no século dezessete. Ela diz que sentiu que ‘algo se moveu’ em sua cabeça. 287) 113 .” (pág. quando não pôde agarrar-se a uma delas.” (pág. 286) “Peter lhe disse ao psicólogo Dr.” (pág. e continuando com sistemas sociais e políticos que restringiram sua capacidade de amar. Pedi.268) “Disse que não teme aos alienígenas e que limpar o claro detrás de sua casa era ‘para lhes dar a eles um lugar lindo para aterrissar’” (pag.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta “antes de finalizar nossa primeira sessão Paul falou de sentir-se ‘estrangeiro’ (‘toda minha vida disse a minha mãe que eu era adotado. 248) “Em outra anotação ela descreveu uma vida passada na década de 1930 ou durante a Segunda guerra mundial. Eu não sou daqui’)” (pág. 11 -Peter “É um dos abduzidos com os que trabalhei que tem descoberto uma dobro identidade humano/alienígena” (pág. Ofereci-me voluntariamente (meu corpo) ao exame deles de modo que possam avançar em seu conhecimento de nós os terrestres. Não. 266) “fumando maconha algumas vezes” (pág. 232) “Paul passou vários anos em psicoterapia com um psicólogo que não podia aceitar a realidade de suas experiências de abducción. 216) “Mais especificamente ele sentiu que ao longo de toda sua vida esteve imerso em sistemas disfuncionale s.” (pág. disse que escutou um som na casa. 271) "…encontrou-se com a Velia (a familiar amiga alienígena).. Steven Shapse que ele chegou a ser o palhaço da classe.259) “Logo que se deitou. 234) “Eva acredita que os alienígenas ‘têm um mecanismo de rastreamento’.” (pág. e pensou para se ‘OH. vão vir esta noite’” (pág.. a Terra)” (pág. 237) “Em um livro diário que começou com anotacions três dias depois da sessão. Ela estava fazendo exercícios com barras horizontais. começando por uma família que freqüentemente respondeu a sua necessidade de amor e apoio com abuso e ‘manipulação para conformar’.” (P. incluindo duas ‘vistas passadas’…” (pág. 9 – Eva “Eva sentiu. superior.” (pág.que ela era um ‘veículo’ através do qual podia transmiti-la informação de outra fonte. 249) Não. roguei. quem é uma ‘amiga e protetora’” (pág. 10 – Dave “O universo chegou a ser par Dave um lugar cheio de mistério e estranha inteligência. 277) Não. era buliçoso e começou a beber e a fumar maconha a temprana idade. 212) "Eu estava na nave antes de vir aqui (v. e relata uma experiência quando tinha uns nove anos e ainda estava na Inglatera. 398). por um encontro. 212) “O decubrimiento de que ‘meu pai não era meu pai verdadeiro’ se acrescentou ao sentimento do Paul de que ele ‘não pertence a aqui’ “ (pág.” (pág.ele assume responsabilidade pelo poder de suas experiências. 236) “Ontem à noite quando fui à cama tinha muitas vontades de me encontrar com eles. respeito a um possível implante. ela escreveu de planos de ir ao Israel para o verão e de experiencis de ‘vidas passadas’. 223) “Paul se sente a se mesmo como uma ponte entre dois mundos. ‘um quebrar-se de algo’.g. ….

” (pág. 340) “Carlos suspeita que seus problemas de saúde. sentimentos de insegurança. Shapse concluiu…’Significativo era um moderado nível de preocupação sexual. entretanto. mas agora suspeita que está relacionado com sondas e implante durantes suas experiências de abducción. 342) “….” (pág. 378) (original em inglês. 321) “Disse que a informação chegou através dos seres alienígenas.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta “…ele recorda que às vezes ia dormir assustado e que então despertava com o toque de algo que golpeava exatamente na base de minha coluna vertebral’ “ (pág. Ao cotejar as características pessoais dos diferentes sujeitos.” (pág. 342) “Sou um chamán/artista/educador. mas tendo estudado essa disciplina. medo e terror. E bem. Mack se vê precisado a comentar. 308) “Ele sentiu que era um deles” (pág. 289) “Neste ponto da sessão o timbre da voz do Peter trocou a uma espécie de monótona expressão e passou a falar da perspectiva alienígena”. Ou seja. "Senti-me como um chamán” (pág. como qualquer pessoa de baixa educação. 321) Não. que sua tarefa era preparar-se para o futuro trocando a ‘estrutura energética’ ou vibrações das pessoas com as quais trabalharia. o qual ele atribuiu no momento a escapamentos de asbestos na área de seu trabalho na escola. Sem ser perito em psicologia. O que isto significa é que Carlos já tinha conexões pessoais com dois “abduzidos”. é de algum jeito uma testemunha confiável e acreditável.” (pág.359) Não.’” (pág. 12 – Carlos “Carlos me escreveu em julho de 1992. estão relacionadas com sondas e implante de seus encontros de abducciones.é virtualmente impossível estabelecer uma ordem de acontecimentos” (pág. escutar vozes em suas mentes. ou que consome maconha ou LSD. foi inequívoco. with the planet…You guys are total idiots’. não?. 341) “Por várias razões é difícil obter uma narração coerente e temporal do encontro. ‘Deixem de joder com a vida. 297) "O Dr. Seu particular perfil sugere que pode ter sido violado sexualmente….” (pág. Estou esperando que algum “investigador de Ovnis sério” me convença que uma pessoa dada ao alcoolismo. o sexo. um extrato de perfis e elementos interessantes dos abducidos/as. Até aqui. incluindo suas alergias e enfermidades respiratórias. Muito sugestivo. e conhecendo sobre personalidades ezquizoides e paranóicas. segundo o que eles mesmos dizem. 341) “Quando Carlos estava em seus cuarentas. há alguns aspectos que se reiteram em uns e outros: traumas de diversas índole referidos a um comum denominador. Provir de famílias disfuncionales ou ter tido matrimônios disfuncionales. ou o que o Dr. com o planeta… Vocês são tipos totalmente idiotas. francamente eu gostaria que alguém me 114 . lhe extraiu um tumor de detrás de seu olho direito. e como um alienígena em forma humana copular com seu casal feminino alienígena/humana para produzir uma raça híbrida. 13 – Arthur “A mensagem. que os “alienígenas” têm uma linguagem vulgar e da rua. assumir múltiplos personalidades e naturezas. por recomendação de dois dos homens implicados no relato do Allagash (Fowler 1993)” (pág. 330). Ter abusado de substâncias alucinógenas ou o álcool. (pág.’ (pág. se por acaso alguém tem dúvidas: ‘Stop fucking around with life.

As agulhas em sua cabeça pareceram fazer que sua mão e braço direitos resultassem ‘intumescidos’. 22) “…. e na mesma página escreve da “criação ou encenação de imagens ou panoramas poderosamente vívidos”. E advirta-se que esses traumas. sentiu uma brisa. mas ‘então simplesmente me relaxei’.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta explicasse como se pode ainda sustentar que estes indivíduos que o Dr.87). Scott declara: “Eles sabem exatamente o que é o que estão fazendo…..” (pág. enquanto escutava o vento e o romper da água. e cheirou a mar. Ela teve a sensação de que estava em uma praia ou em uma costa.Por isso é que o encobrem. e não mais à frente. Ali na cúspide deste edifício. “Os seres descritos por meus casos são de vários tipos” (pág.” Sheila fala de “programação neurolingüística” (pág. John Mack escolheu como os melhores exemplos de “abducidos/as” podem ser ser considerados pessoas normais. 67) “As agulhas foram cravadas ‘exatamente em minha frente’.. 115 .estava aterrorizado enquanto um aparelho como um tubo foi colocado em seu pênis. Jerry infoma ter sido levada por seres mais altos. 56) Previamente e na mesma página. loiros. que tinham ‘lentes’ e túnicas brancas.. com a parte exterior de escuridão como se fora um tipo de óculos de amparo de segurança” (pág. mais de aspecto humano.ocasionalmente o abduzido pode ver uma espécie de olho dentro do olho. Mack na página 22. Ao isto princípio foi doloroso. Por exemplo. o Dr. no âmbito do alienígena.Fiquei impactada pela precisão dos brilhos de luzes vermelhas.” (pág.. mostraram ao Jerry cenas de mísseis e outras armas. Os seres tinham profundos olhos negros ligeiramente curvados com bordos cinzas ao redor deles” (pág. Mack e os sujeitos de seu estudo. (pág. mas sim são parte de suas vidas e antecedentes pessoais. e vários seres mais BA jos com ‘uniformize do exército’. 107). 2) Idéias sugestivas O próprio Dr. transcripto mais acima.84). 68). contribuem uma série de idéias que sugerem outras possibilidades para explicar o fenomenal “abducción”. na página 17. Jerry: “comunicava-se telepáticamente com um sujeito alto com cabelo ‘como loiro’ “(pág. ao que parecia ser a parte mais alta de um grande edifício com equipe iluminada nela. ‘cabos’ ou ‘guias’ foram aplicadas a seus testíclos e lhe extraiu uma amostra de esperma…” (pág. o Dr.e isto o fazia sentir como se alguém ou algo estivesse controlando seu corpo. “Em um dos três episódios de 1991. Não querem que recordemos. “Seguidamente Scott informou que estava sobre uma mesa na presença de duas figuras como de médicos com uma estranha pele branca e torrada.” (pág. Assim que os “alienígenas” praticam acupuntura? Scott: “…. problemas.uma conseqüência de seus "abducciones". que estão mais para cá da fantasia ou a especulação. 22) Sheila relata: “Despertei por um som muito forte com luzes que emitiam brilhos…. Mack se refere a “controle mental”. como muitos som levados a pensar e a uns poucos convém que assim se pense ou têm o dever de fazer pensar. 107). 86). etc. Mack comenta respeito a esta paciente que “seu corpo o sentiria como se estivesse vibrando ou ‘cheio de eletricidade’…. Conecte-se esta descrição dos “olhos” com o comentário geral que ao respeito faz o próprio Dr. não são --como alguns pudessem argumentar-. de boa pele.

201). Eles estavam fazendo algo em minha coluna vertebral. para extrar fluído cérebroespinhal (o líquido aquoso que rodeia o cérebro e a medula óssea) ou para injetar medicamentos ou outras substâncias”. aplicada aparentemente em forma subcutânea mas dirigida à medula óssea. 204). que em meu critério.” (pág.” (pág. “Eu estava em uma posição fetal. Mas é real no sentido de um holograma…como se fora projetado…. disse. ‘Temos que ter uma conferência. de modo que lhe vamos levar a uma sala de conferências de modo que possa estar nesse tipo de âmbito de seriedade mental em lugar de fazer seus habituais comentários sobradores que sempre faz’ ”. Em inglês. neste caso. É esse a linguagem do Catherine. é real. o que lhe provocou ‘uma sensação agradável’ que lhe percorreu seu ombro esquerdo e seu antebraço e que fez que dormisse”. Mas lhe disseram. define-a como: “Um procedimento no qual uma agulha oca se inserida na parte inferior do canal da coluna vertebral. é o que o referido Dicionário descreve como “Spinal anesthesia”. lhes dando minhas costas. Diz o Dicionário: 116 . Talvez isto fique ainda mais claro. ela gritou forte. que denotam uma atitude um tanto depreciativa respeito ao sujeito submetido a essa particular situação.’ ” (pág. aponta com bastante claridade. A descrição parece ser a de uma injeção levando um anestésico poderoso. Comentando sobre o ocorrido durante uma “abducción” do Jerry. ‘Não é tampouco imaginação. Pois nem mais nem menos que uma punção lombar. Mack explica: “Quão seguinte ela sentiu foi ‘como a picada de uma abelha’. Minha coluna em sua totalidade se sentia cravada e fria. Quando o “abduzido” Arthur também é testemunha do uso de expressões vulgares.” (pág. Mack e muitos “analistas” e “estudiosos” das abducciones. era desagradável! sentia-se como se penetrassem meu corpo com algum instrumento afiado (uma seringa?) e o inserissem entre minha carne e minha pele. diz textualmente: “instead of making your usual smart-ases remarks that you always dou” . 158). 124) Tenha-se presente meu comentário prévio sobre acupuntura. inclino-me a pensar que é a forma em que os “abdutores” se expressam. “Durante a sessão ela disse que estava consciente da simulação de uma sala de conferências e objetou que eles preparassem isso simplesmente para benefício dela. Catherine começou a voltar a experimentar uma luz que penetrou em seu habitacion ‘como uma enorme lanterna’. O dicionário da Associação Médica Americana. “A guerra era ‘com as cabeças da gente…. com o que diz a “abduzida” Sara. e novamente escutou o que soava como vozes humanas fora de sua habitação. Uma vez mais se constata o uso de uma linguagem vulgar. Eva: Esta pessoa recorda algo que lhe fizeram.. Um dado certamente passado por cima pelo próprio Dr.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta “Jerry então recordou que quando o anestesiólogo tratou de lhe dar uma injeção em sua medula óssea para reduzir a dor durante o parto do Colin. 112). O que temos aqui?. como estava acostumado a dizer o ator Telly Savalas interpretando à Tenente Kojac. nossa quinta sessão. 239). “ ‘Poderiam ser ilusões e imaginação’. para a identidade dos executores deste tipo de operativos. Mas então observou. de modo que você pense que é uma conferência. Quero dizer.guerra para controlar às pessoas” (pág. Mais ao caso ainda. (pág. Catherine: “Na sessão hipnótica. ou seja uma anestesia que se aplica na coluna vertebral. porque lhe pareceu então que era ‘uma coisa similar’ a que tinha suportado na nave. que se associa com o que também fizeram ao Jerry (veja-se transripción da página 112 mais acima). É mais real que imaginação. ou dos “abdutores”?. o Dr. ou mais precisamente no espaço entre duas vértebras.

como um ‘azul apagado’ e narizes esmagados. Dave: Este homem nos contribui outro detalhe altamente significativo. Seus aplicacions incluem analgesia post-operatória. Comenta o Dr. A analgesia epidural é o alívio de dor que se consegue injetando narcóticos ou diluindo soluções locais de anestesia no espaço epidural. (um tubo fino. absorvem a anestesia. Usualmente um cateter. flexível) introduz-se no espaço epidural para permitir que se possam dar mais dose de anestesia sem necessidade de fazer mais espetadas com agulhas. Não surge da descrição da Eva o uso de nenhuma tecnologia superior ou diferente. Mack. injetando um anestésico no fluído cérebro-espinhal no canal da coluna vertebral. dúctil em suas aplicações. em relação à anestesia a utilizar. enquanto o ser feminino continuava lhe dando segurança. “Viu três seres que pareciam anões.” (pág. 240). e muito efetivo. é muito eficaz. nada “extraterrestre” está envolto no mesmo. alívio de dor durante o parto. 269) “Ele falo então de um instrumento flexível. dentro da qual havia um pequeno objeto esférico. A gente era mais baixo que os outros dois. O procedimento se realiza inserindo uma delicada agulha entre duas vértebras na parte inferior da coluna vertebral e introduzindo um anestésico no fluído cérebro-espinhal que rodeia a coluna vertebral e as raízes nervosas terminais. que vestiam uniformes verde olivo e marrons com cinturões negros.A decisão a respeito de que anestesia usar. a que nos referimos previamente. define-se o que se chama “Epidural anesthesia”: “Um método de aliviar a dor devido a cirurgia no qual um anestésico local é injetado no espaço epidural na parte medeia e inferior das costas. Eva também nos proporciona alguns aspectos da posta em cena. Suas cabeças não tinham cabelos e eram com forma de pêra com olhos muito escuros. anestesiólogo e médico cirurgião. que não responde a nenhuma outra medida. A posição da inyeccion e a subseqüente expansão da solução de anestesia local determinam a área que é anestesiada. (pág. o método da anestesia epidural. Mack comenta com deliberado tintura dramático: “Eu senti a vergonha e a moléstia do Dave como homem. diz em inglês “earthylike”.’ ” Para ser totalmente fiel a sua descrição do aroma. e controle da dor provocada por câncer. no mesmo Dicionário. Sobre isto. e me olhavam. para adormecer os nervos que vão para o peito e a metade inferior do corpo. em palavras do próprio Dr. A técnica se usa primordialmente para acompanhar a cirurgia no sob abdómen e as pernas…. possivelmente de um metro vinte de extensão.” Para completar o quadro de possibilidades que o método oferece. quando se trata de procedimentos médicos.” (pág. Mack: “Seu temor aumentou na sessão quando relatou ter sido forçado a ficar sobre uma mesa que estava detrás dele em um salão cinza e redondo no qual há um aroma ‘como terrestre. ao ser submetido a tão humilhante 117 .Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta “Um método para bloquear sensações de dor antes que cheguem ao sistema nervoso central. 269).” Como pode apreciar-se. Resulta deste modo importante destacar o acordo entre paciente. Logo depois da anestesia na coluna vertebral. A anestesia epidural pode combinar-se com uma ligeira anestesia geral. que segue completando nossa visão diferente sobre os prodecimientos e operações de “abucción” e seus executores. faz-se logo depois de considerá-la ente o paciente. o anestesiólogo e o cirurgião. Aproximadamente a metade disto foi inserido em seu ânus. Pelo resto. ajustados às normas vigentes na matéria. com ‘uma pequena caixa de cabos’ no extremo. Dado que os nervos que emergem da coluna vertebral estão banhados pelo fluído cérebro-espinhal. o Dr. pode desenvolver-se dor de cabeça em um 1 a 5 por cento dos pacientes. com pele marrom e ‘toda enrugada’.

havia uma parede de cristal com seres humanos suspensos. como os patinadores de velocidade’ vestem ‘simplesmente atiradas aí e pensei. o que riscou o caminho para a transformação da relação do Scott com suas experiências de abducción e a profundas mudanças em sua experiência de sua própria consciência e identidade”. Peter viu bancos e uniformize ou ‘vestimentas para saltos. e não é simplesmente uma questão de percepção. quando ele pode ‘render minha mente. como se estivessem iluminados de dentro. (pág. Esta “entrega de controle”. 292) “…. respeito a se isto for verdadeiramente ‘carne’ [interpreto que quer significar. por que não estão penduradas?…. em lugar de negro que é o mais usualmente denunciado por outros. mas bem como no filme Coma. Carlos explicou. Escreve o Dr. Mack não conhece o muito terrestre procedimento de rectosigmoideoscopía. o que é o que seus operadores ou executores estão procurando. Para meu o que aconselham é muito grave. 337).” (pág. com cascos em suas cabeças. Carlos: Este homem descreve a seu captor “alienígena” desta maneira: “Era uma criatura pequena como eu. dos sujeitos com os quais realizam suas experiências. permitiram a Eva transladar-se mais à frente do temor e o trauma a um lugar de maior equilíbrio interior e poder pessoal. aproximadamente de minha estatura. e que aconselham ter. Peter descendeu dois ou três degraus e se encontrou em um salão fundo onde havia possivelmente um centenar de homens e mulheres…” (pág. pelo menos. disse.” (pág.” (pág. como de gato. ‘A cor tem que ver com comunicação e controle’.. profundamente luminoso’. 254). Os olhos eram amendoados. Mack: “Mas sua determinação de entregar-se ao processo. render meu ego’. ‘Há certa confusão para meu. “Carlos informou que os grandes olhos às vezes luzem como se eles tivessem lentes protetores de segurança [“goggles”. mas por aí pode encontrá-la razão para estes experimentos. Eva: Sobre ela escreve o Dr. ou as situações vividas lhes impuseram. 292) “O que me assusta é que tomaram forma humana quando vieram a mi. também conhecido como colonoscopía.Senti-me quase como se tivesse sido convidado a sua casa. Os olhos eram ‘de um azul brilhante às vezes. de render a necessidade de controlar e resistir sua intensidade e significação. 118 . Peter: “Disse que isto tinha começado faz quatro anos no Caribe. 345). 312). especialmente quando lhes vê de noite ou ao ar livre. ou render controle. Isto pode ocorrer. que a cor troca. “Ele percebeu seus olhos como ‘azul brilhante. Em meio de toda a odisséia que significou para a vida destas pessoas passar por essas traumáticas experiências (parte reais.” (pág.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta procedimento…” Será que o Dr.” (pág. 79). é o conceito chave ao que me refiro. parte do corpo -N. entrega-a de controle. e que se sente como uma expansão da própria energia o qual permite que a ‘energia alienígena’ penetre nele. Era magro e tinha uma cabeça grande em relação com seu corpo e tinha olhos muito grandes.] ou se o que descrevo são em realidade lentes protetores de segurança ou parte de um casco. não obstante. no imediato. 291) “Passou por uma espécie de ‘porta francesa’ que estava parcialmente aberta na parede. Caminharam diretamente até minha porta…” (pág. que podem ser parte ou paralelos à estrutura do olho. 298).del A.” (pág. ou submissão [“surrender” é a palavra empregada em inglês]. aplicado nos Estados Unidos a todos os homens maiores de 50 anos de idade em forma periódica para detectar precozmente o câncer de cólon? Peter: “Tudo estava calmo exceto por uma espécie de zumbido. em inglês] sobre eles. parte mentalmente sugeridas de maneira muito intenso) aparecem certas pautas de conduta às que chegaram como conclusão. Mack a respeito do Scott: “Foi esta abertura.

as viagens shamánicos. Que os experienciadores adquirem um sentido de trascendencia que nunca antes tiveram. 383). E vou deixar que o Dr.” (pág. Estes critérios “inquiridores” do Dr. há um elemento de atração. “Embora o psicanálise foi responsável por grandes progressos em nosso conhecimento da experiência humana e das profundidades e estrutura da psique.328). Mack constituem em se mesmos uma declaração explícita de procedimentos brigados com toda objetividade e precisão. John Mack. Mas além disso cabe uma grave advertência: em último término o Dr. algumas pessoas poderiam chegar a desejar ser abduzidas. a investigação de casos de abducción apresenta desafios especiais já que boa parte da informação que se obtém não encaixa dentro das aceitas noções de realidade. é o do próprio investigador. Crise em relação à validez de sua formação científica. “dentro deste quadro. mais seguras e confiáveis para a abordagem de algo que linda com o paranormal. pelo qual. 387). incluindo à psicologia. não parecem as melhores. um “gancho” como lhe diz em términos publicitários.” (pág. 3) Os problemas do Dr. Parece-me que todos esses fatores unidos criam um problema básico.” (pág. O Dr. E isto é extremamente perigoso. a hipnose. é em boa medida. e que validez atribuir aos “achados” assim obtidos? Mas há mais ainda. 388) “Isto significa que o processo de obter informacion sobre abducciones. como confiar então. ou poderes paranormais. participatorio. resultam aliados naturais da investigação. a meditacion. Mack fale se por acaso mesmo. submissão. para a ulterior consideração de uma situação tão complexa e estranha como a dos episódios de “abducciones”.16) “Todo o fenômeno é tão estranho de um ponto de vista ontológico ocidental…” (pág.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Rendição. “O que isto nos pode dar é a relação entre o pensamento e o mundo físico. 16) “De uma perspectiva científico/filosófica puramente ocidental tudo isto teria que ser descartado como algo sem sentido. 387). crise em relação aos elementos que conformam nossa cultura e nossa civilização. Mack sugere em todos os casos. um “teaser” como lhe chamam nos EUA. etc. o trabalho respiratório do Grof. reteve como uma forma de conhecer uma boa parte da separação dualística sujeto/objeto que caracteriza à ciência empírica ocidental. Quer dizer. as buscas de visões e outras modalidades.” (pág. Mack com a civilização e a ciência ocidentais Um dos aspectos do estudo realizado pelo Dr. “Para um clínico como eu. experimentando e voltando a viver com eles o mundo que eles estão invocando desde seu inconsciente. que presente sua próprio síndrome. que são chamados no Ocidente estados de consciência ‘não ordinários’ .” (pág. para indagar nas vidas e experiências de quão abduzidos mais me chamou a atenção. entrega. ou capacidades de liderança. ainda ‘CO-criativo’. instruído na tradição ocidental. que há uma recompensa por essa rendição.” (pág.” (pág. “Em meu trabalho com abduzidos eu estou totalmente comprometido. Quero dizer que a própria situação e circunstância do investigador. 388) 119 . etc. dois âmbitos que foram radicalmente mantidos separados na visão ocidental. Mack parece ele mesmo um ser humano em crise. crise em relação à sociedade em que se inserida seu trabalho científico. Triste epílogo dos episódios de “abducciones”.

Mack se expõe uma pergunta fundamental: “Qual foi a origem destes encontros?” (pág. E há evidentemente uma luta interior em seu ser por sair do que para ele significa uma espécie de espartilho conceptual.a ausência de verificação física suficientemente robusta para satisfazer os requisitos científicos de prova. O Dr. 2). “Quando aparece o término ‘abduzido’.” (pág. “Impactou-me quantos abduzidos procedem de lares lhes destruam ou tiveram um ou mais progenitores alcoólicos…. “Meu critério. “Não há evidência de que nenhum dos implante recolhidos estejam compostos de elementos estranhos. 11). A isso o Dr.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta “Eu não posso evitar o fato de que um processo intuitivo CO-criativo como este. com os quais às vezes estou de acordo. ou seja o abduzido que é objeto de estudo. não estou caso a realidade física da experiência da pessoa. John Mack escreve: “…. IX) “A informação que obtive durante os vários anos desta investigação foi comunicada caso detrás caso com tal poder e consistência [contaminação.” (pág. que o tem que estudar. O que segue é uma exposição desses critérios. que impede – segundo seu critério-acessar a um conhecimento diferente. Mack. Mack quer lhe adicionar uma atitude e relação diferente entre o “experienciador”. Mack diz e critica à cultura ocidental e sua ciência.estou informando as experiências dos abduzidos como me disseram isso e não presumindo que tudo o que eles dizem é literalmente verdade. 388389). O detalhe dos mesmos.” (pág. e surgir com um resultado cientificamente válido. portanto. 16). chamaria-lhe eu -N. pág. “Medições sutis.” (págs. para incluir ou tomar seriamente uma observação por um abduzido. usando médios e métodos gastos de fora do âmbito científico. é se o que foi denunciado se sentiu ou não que era real pelo experienciador e foi comunicado sinceramente e com um sentimento poderoso adequado ao que estava sendo denunciado.” (pág.” (pág. possa arrojar informação que é em certo sentido o produto do misturar-se ou o fluir conjuntamente das consciências de dois (ou mais) pessoas na habitação. qualquer demonstre ser sua fonte final de orígen. 6). e o investigador. XII). discrepo radicalmente. intuição e capacidades psíquicas. algo que tampouco lhe coloca na melhor posição para abordar um tema acidentado como o das abducciones. 4) Os critérios do Dr. ainda têm que ser desenvolvidas ou aplicadas no campo da investigação de abducciones. 5).1) O Dr.Também parece haver uma pobre relação entre alguns experienciadores individuais e seus pais…” (pág. 27) 120 . essa luta interna no próprio Dr. não faz a não ser pôr de manifesto.] que se formou um corpo de dados que pareceu apontar claramente à verdade experiencial do fenomenal abducción. Mack Apesar de tudo o que o Dr.” (prefácio à edição de tampas brandas. Por um lado o Dr. ele mesmo não pode negar em certa maneira sua formação. Isto não significa que eu haja concluído que o que o experienciador informa aconteceu literalmente em nosso mundo físico. Mack admite “…. ou de elementos comuns em combinações não habituais. tais como provas de abertura. que possam distinguir aos abduzidos como um grupo respeito a um grupo equivalente de não experienciadores.” (pág. e outras. do A.

7). Elas têm que ver essencialmente com a consistência dos informe transmitidos com extrema intensidade de sentimentos por indivíduos sinceros e em seus cabais.. o Prof. não ‘garante uma lembrança precisa’ e ‘pode ser uma extensão de uma fantasia ou experiência pessoal’ ” (pág. e parece simplesmente um critério surto de um muito afundado prejuízo que o Dr. eu me dediquei a verificar as supostas abducciones ocorridas em meu país. sobre a base de sua investigação em outro tipo de casos. advertiu a ela [Sheila] em 1991 que embora a hipnose podia ser benéfica em ‘produzir novo material’. é um exemplo mais do que pode a contaminação. mais a formação de grupos onde os “abduzidos” intercambiam suas “experiências” --gupos que ele mesmo formou e estimulou-. Mack que sua própria participação em shows televisivos.o Dr. E bem.. G. Mack obteve. Lista com a que o Dr.76). 445). “Estava tratando com um fenômeno que senti que não se podia explicar psiquiátricamente. 3) A “extrema intensidade de sentimentos” não é um indicador fiel de uma realidade.não são agentes altamente eficazes de contaminação e de alimentação de patrões de informação (ou desinformación) que logo. os relatos que o Dr. isto não tem nada de cientista nem de racional. incluindo o Apêndice A. “Minhas razões para encarar seriamente estas experiências estão expostas ao longo de todo o livro. nos Estados Unidos.. Isto equivale a dizer que a ciência desenvolvida na parte ocidental do mundo. XI). Uma realidade ante a qual ele se anulou para olhá-la objetivamente. e os passou em um catálogo de recortes de imprensa reproduzidos por uma publicação ovnilógica britânica. Suas próprias palavras. Ou por ventura crie o Dr. “O fenômeno de abducción vai contra as noções de realidade da visão científica ocidental do mundo. 4) A aparente “mundialización” do fenômeno. e sua história que serve de apóie para uma produção especial para Televisão pela CBS titulada Intruders e toda a difusão em livros sobre abducciones. sua cultura e sua ciência. Uruguai.” (pág. Quatro comentários me merece esta frase justificativa de seu trabalho: 1) Não tenho dúvidas respeito a que a investigação das denúncias de“abducciones” é uma atividade legítima que não precisa ser justificada. 2) A chamada “consistência” dos informe. 59). mas sim da situação anímica do sujeito investigado. Mack. novamente pôs em dúvida de que a hipnose pudesse dar credibilidade às denúncias de abducción da Sheila. Agora. em todas partes do mundo” (pág. e agora. Mack pretende afirmar seu conceito de que o fenômeno não é exclusivamente americano.. John Mack. Bullard teve a gentileza de me enviar copia do material que lhe passou sobre o Uruguai ao Dr. vão se repetir consistentemente entre uns e outros “abduzidos”?. parecem-me brigados com a realidade. são meu melhor argumento. ou o outro lado do Dr. um perito em folclore da Universidade de Indiana. claro está. porque simplesmente. Obviamente. 60). aplicados em toda sua extensão.Thomas Bullard.Ocidente (que produziu os maiores descobrimentos em ciência e tecnologia) seria intrinsecamente incapaz de abordá-los.. Inclusive um dos pretendidos casos de “abducción” não caía em 121 . G. Quando não posso absolutamente compartilhar seus critérios. vou à outra cara. são de terceira mão. O que precisa é fazer-se lembre com os princípios científicos. John Mack tem respeito ao Ocidente. é incapaz de estudar certos fenômenos. cada vez mais. deveria apropiadamente chamar-se contaminação. Uma realidade que lhe tem envolto --ou na qual ele se deixou envolver. porque --aparentemente-. Mas além disso. “O Dr. Ou que há certos fenômenos que teriam que ser estudados no Oriente.” (pág. posto em uma lista de países(pág.” (pág. O Dr.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta “.

No grupo. e portanto não constituem exemplo da ocorrência do fenômeno em outros países. “Em 15 de agosto. Peter e eu falamos na Escola de Divindade do Harvard sobre o ‘Fenômeno do Abducción Alienígena’. “Peter é também um dos poucos abduzidos de minha amostra que foi submetido a uma ampla bateria de provas psicológicas” (pág.” (pág.. chamado ‘Sky Magic’ (Magia do Céu). 5) Contaminação “Reuniões regulares de grupos de apoio. Mack considera isto como algo positivo..” (pág. são um importante aspecto de meu trabalho com os abduzidos.. “Dave e eu nos reunimos para a primeira sessão de hipnose em 14 de agosto de 1992. Peter começou a desempenhar um papel de liderança na comunidade de experienciadores de abducciones. 266).” (pág. a manhã seguinte a nosso primeiro encontro. “A partir de junho de 1992. É então quando escreve: “É como se seres semi-corpóreos e que derivam de outra dimensão. e chegou a ser uma importante pessoa de apoio para outros experienciadores. não têm nada que ver com Ovnis nem com abducciones. Mack que saiba um pouco de geografia (que não lhe viria mal por outra parte) mas sob nenhum ponto de vista pode validar esses relatos que. Isto. abduzido-los podem compartilhar o que lhes aconteceu. O Dr. como não seja chegar a falsas conclusões. assumiram a tarefa (ou foram recrutados para fazê-lo por outra inteligência ‘superior’) de resultar corpóreos ao grau de poder-se combinar biologicamente com seres humanos. falando publicamente de suas experiências e aparecendo em televisão. Peter foi filmado em uma conversação comigo. Não lhe vou pedir ao Dr..Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta território uruguaio a não ser brasileiro!. e já bem avançado seu livro. “Catherine participou regularmente em nosso grupo mensal de apoio. exceto a outros experienciadores. 308).” (pág. Julia (uma “abduzida) também estava presente. mas lhe disse ‘isto vai se passar e vais poder seguir adiante. oferecendo apoio. o Dr. greve dizê-lo. ante uma audiência de 250 pessoas.310) Em determinado momento. em minha casa. Mack nos apresenta. sobre o fenômeno da abducción. ou ainda estão experienciando. 328).” (pág. No grupo de apoio eles encontram uma comunidade de indivíduos com experiências similares. “Em 2 de dezembro. um aspecto central de suas vidas sem temer um rechaço ou um franco ridículo. 12). E isso é o que o Dr. 271).. para todos os “abduzidos” antes de qualquer sessão de hipnose..” (pág.não é todo rosas’.” (pág. Um procedimento que teria que ter sido de rigor. Não pode haver uma confissão mais clara e terminante de um procedimento totalmente equivocado e absolutamente renhido com as mais elementares pauta da investigação científica. porque os membros desta população se sentem extremamente isolados e incapazes de comunicar. a uma identificação dos operadores das “abducciones”. não serve para nada. na qual é possível socializar facilmente. levadas a cabo em uma atmosfera amistosa e privada. “Julia. Mack parece ter chegado a uma conclusão.. podem manter-se a par do que está ocorrendo em geral no campo das abducciones por OVNI.” (pág. 287). 133). no caso do Uruguai. 309). não é nenhuma constatação científica e validamente 122 . Analisar estas amostras poluídas. pelo produtor David Cherniack para um programa de uma hora de uma estação pública do Canadá. e podem explorar as possíveis várias significações das experiências em suas vidas individuais e coletivas. disse ao Dave da leve depressão que às vezes lhe ocorria logo depois de suas sessões de hipnose.

123 . ou como peças que jogam seu papel em um esquema maior que lhes ordena fazer isso. há quem trabalha com honestidade. apesar de que o Dr. não serve como exemplo de testemunhas independentes de uma “abducción”. E quando digo se não de todos. parece-me. de televisão e filmes. gasto e archi-conhecido moinho: o dos extraterrestres ou alienígenas. É uma simples especulação que não tem base factual alguma. essas histórias sempre vão acumular água para um sozinho. para entender o que é o que verdadeiramente está detrás se não de todos. (pág. e especulam muito...querem. amigo do Hopkins. menciona-o. impulsionam mediante hipnose as fantásticas histórias. a cobertura tem que seguir. usados uma vez mais para ocultar a realidade mais descarnada de seres humanos cometendo atos que – neste aspecto-. Livros. periódicos populares e outros meios…” No meio. nesta disección que tenho feito do livro do Dr. quando escreve na página 399: “Há suficiente informação disponível agora em livros. Os fiascos não merecem respeito nem consideração científica alguma. os diretos operadores de certos seqüestros e executores de experiências feitas sob pressão. Não podem entender.confinam com o criminoso. não posso omitir. “abducciones como alienígenas”. Mas como os operadores escolheram atuar sob a coberta dos OVNI. programas de rádio. alguns cabos soltos. de diferentes aspectos abordados na obra. que não obstante. Mack me dá a razão. 6) Miscelânea Quero compartilhar finalmente. Mack. revistas. e/ou de obter vantagens muito mais pessoais ainda. 328).Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta demonstrável. extraindo e forjando memórias de coisas que vão aculminar na linha que os “operadores"-. São relatos que surgem das mentes dos “experienciadores” sem cabo factual que lhes sustente. Ou seja. Considero que há alguns indivíduos que são profundamente sugestionables. e estão perplexos. E certos “investigadores” provavelmente trabalhando em segredo para alguma organização que lhes tem em seus formulários de pagamento. E claro está. não há outras testemunhas. O pretendido caso de Linda Napolitano (chamada “Cortile”) que pretextou outro livro escrito pelo artista neoyorkino Budd Hopkins. e que se criaram a se mesmos inconscientemente histórias de abducciones. e os pagamento bem. Mack: “. Precisamente. e estão acompanhadas por tão grande quantidade de informação física corroborativa. nada. Argumenta deste modo o Dr. que as descartar completamente seria. aparece uma idéia muito importante.” (pág.. que alguns “investigadores” interessados no negócio de vender livros e ganhar notoriedade. descarregar o peso da responsabilidade epistemológica do lado do cético. pelo menos de alguns episódios de abducciones. Mack. se de algo carecem todas estas “experiências” é de “grande quantidade de informação física corroborativa”.20). Por um lado. e sem consentimento algum dos sujeitos assim submetidos. completam o trabalho sujo. não quero com isso expressar que exista a posiblidad de que algumas abducciones correspondam a atividades de extraterrestres. Aqui estamos ante um jogo onde há vários planos. Não há rastros de aterrissagens. O próprio Dr. tão ricamente texturadas e consistentes.estas experiências são tão vividamente ré ales. Nas páginas 391 e 399. então. não há efectros E-M. mas que acrescenta água ao moinho da idéia ET. no meu entender chave. têm que criar uma vez mais o mito do extraterrestre.

3) A hipnose não é em maneira alguma o melhor método nem o mais confiável para chegar objetiva e estritamente a reproduzir a verdade do que aconteceu. subtração ainda verossimilhança à qualidade das pessoas supostamente envoltas em tão estranhas experiências. o Dr.é também. mas na página 395. Mack aplicasse a rasoura do Occam. ou algum outro agente. A letra em negrito é minha. e teremos um quadro menos tendencioso e mais objetivo da realidade. para outros planos da realidade. O Dr. e se comportam inteligentemente como humanos. Pessoas perfeitamente suscetíveis e sugestionables tendem naturalmetne a agradar ao hipnotizador ainda 124 . 1) O grau de confiabilidade de seus melhores pacientes. e diz logo: “Abduzido-los tendem a sentir que os conteúdos de suas mentes são totalmente revelados aos alienígenas” . Mack cai em certas contradições. E na págnia 398 escreve: “Os alienígenas desses percebidos encontros. que aponta para a trascendencia. por que as mesmas se levam a cabo. como se há descrito precedentemente. Que deste exame se desprendem vários aspectos importantes que fazem ao tema em geral. E insisto. cuasireligioso.. parecem capazes de controlar as mentes e percepções dos abduzidos”. e os quais são seus verdadeiros executores ou operadores. Mack talvez. começaria por pensar que se tiverem forma de humanos. na página 425. e ainda como seres humanos comune S. descreve esses métodos como: “apavorantes procedimentos intrusivos”. poderia contar-se entre este tipo de estudioso das abducciones. 2) O fato de que só um dos exemplos apresentados no livro foi submetido a uma bateria completa de tests psicológicos. Na página 328 descreve o operar dos mesmos: “…cujos métodos de intervenção são sutis”.” Se o Dr. Na página 393 escreve: “Os alienígenas em se mesmos parecerem capazes de trocar ou encobrir sua forma e. etc. como por exemplo. pois…são humano! Apesar de sua perplexidade. John Mack.. podem aparecer inicialmente aos abduzidos como vários tipos de animais. já que os mesmos têm em seu haver antecedentes que lhes fazem sujeitos pouco confiáveis. o Dr.. E ainda um pouco mais desconcertante. é extremamente relativo. Mack diz na página 412: “Devemos ser cautelosos para não supor que esses fenômenos têm lugar literalmente em nossa familiar e material realidade.” E na página 415 escreve: “É necessário enfatizar que não sabemos se algum dos fenômenos precedentes existe literalmente no plano puramente material da realidade.” Considero que tenho feito um exame minucioso do livro do Dr.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Têm suas próprias vivencias ou razões filosóficas pelas quais chegar a pensar que estão ante algo totalmente “fora deste mundo”. nos Esqueçam dos “alienígenas”. e substituamos essa palavra por “executores” ou “operadores”.. elusivo e difícil de provar. na página 391 fala de “exploração da mente” ( “mind scanning” em inglês). em relação ao proceder dos executores. como se notou. ou sua incapacidade para explicá-los sucessos de forma racional.” Finalmente. Por outro lado. algo com um potencial numinoso. etc. em vez de ter sido este um procedimento inicial e rotineiro aplicado a todos os “abducidos/as”. sutil. Por isso. este é um conceito chave para entender e explicar o que é o que está detrás das abducciones. falam como humanos. o Dr. Mack reconhece que: “cada aspecto da evidência física….

estão viciados de nulidade. essas explicações são válidas para algumas abducciones. --a hipótese com menor imaginação. Mack. que aplicam ao varrer para todas as abducciones e os abduzidos. E no caso das abducciones. e então há pelo menos três planos bem definidos: 1) Os “investigadores”: Cabe uma profunda crítica aos exploradores do tema abducciones. é que não tudo o que um cientista faz é sempre ciência. O método hipnótico resulta ainda mais objetável e menos confiável quando o hipnotizador admite a título rápido. O fenômeno ante nós O tema das abducciones não tem uma resposta simples. recorrendo a fenômenos ópticos. Assim como nas décadas dos anos 40 e 50 o Dr. E cabe uma crítica geral à falta de uma consideração rigorosamente científica do tema. já seja devido a traumas gerados durante a infância e no seio familiar.isto lhe acontece como conseqüência de sua amizade com o artista neoyorkino Budd Hopkins. Aos que usam estes presuntos ou reais acontecimentos como mercadoria. 4) É lamentável que o Dr. finalmente. Mack não utilize uma linguagem totalmente cientista em sua apreciação do fenômeno que pretende estudar. que o que surge é o produto de uma empatia de ambos em um processo de elaboração conjunta. ou gaivotas de mar. Por certo. tiram-lhe toda validez ao que até o presente se feito. há alguns aspectos resgatáveis que são os que incluí sob o subtítulo”ideia sugestivas”. Quanto melhor tivesse sido que em vez de referir-se a “aliem abductions”. acreditava que os Ovnis podiam explicar-se em sua totalidade. Por um lado há pessoas que apresentam claros quadros de psicopatología. e que em lugar de falar de “aliens”. Donald Menzel. Mack deixou a ciência de lado. e para não ir a quem nem sequer é científicos. ou simplista. se se preferir—para explicar o que pode estar ocorrendo com algumas pessoas. No pessoal. Os critérios dirigidos. Uma lastimosa perda de tempo. prestigioso Astrônomo da Universidade do Harvard. cujos produtos comerciais têm feito um profundo machuco a um tratamento sério e respeitoso do tema. mas não para todas. Os resultados e sua contribuição. Parece-me que a questão é mais complexa. alguns estudiosos do tema OVNI pretendem desfazer-se facilmente da carga que representa encarar seriamente o tema abducciones. Talvez –e sem talvez. simplesmente se tivesse referido a “abductions”. e a utilização de hipnose como método exploratório. o Dr. 2) Abduzido-los. O método hipnótico foi devidamente posto em tecido de julgamento por muitos autores e peritos quem se tem pronunciado ecuánimemente e com total honestidade. 5) Apesar de tudo o que antecede. É necessário recortar o tema em função de seus atores. e se associe muito facilmente a ser um impulsor da idéia “alienígena”. No pessoal. investimentos de temperatura. e não o que surge sozinha e exclusivamente dos sujeitos hipnotizados. falasse de executores ou operadores. E estas são os cabos soltos que terá que ordenar em um contexto realista e muito mais possível. já seja pelo uso de 125 . escolhi o trabalho do Dr.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta fantasiando e sem poder discernir entre a realidade e essa fantasia criada só em suas mentes. recorrendo a certas explicações. na atualidade. O que se termina constatando ao final de uma análise minuciosa como o que realizei. eu não gosto dos reduccionismos.

na Magonia. todos residentes no Condado do Macon. a verdadeira cobertura.NSA. Todos estes fenômenos e aspectos. 3) Os operadores: têm a seu cargo realizar experiências com os abduzidos. que durou quatro décadas. O chamado Estudo do Tuskegee sobre a sífilis não tratada em homens negros. até 1972. Mengele ou à crueldade dos japoneses com prisioneiros de guerra. Em 1942 o governo americano prometeu a 400 homens. trata-se. Duas décadas atrás se ventilou outro escandaloso caso de experimentação com seres humanos. março de 1988). acontecidos no plano físico. quem é vítimas de uma manipulação total. não é ir muito longe. possível utilização de implante colocados em alguma parte do corpo. e ataque aos lóbulos temporários. Também podem ter tido episódios da chamada “paralisia do sonho”. obviamente. Controle mental. foi um experimento não-terapêutico destinado a compilar informação sobre os efeitos da evolução espontânea da sífilis em homens negros. Isso incluindo o uso de instrumentos e de alucinógenos. certamente dão conta de uma boa percentagem de presuntas “abducciones”. que não tiveram nenhum dos problemas anteriores. ou uma iniciativa totalmente privada. todos pobres. a Inteligência do Corpo de Infantes de Marinha. revelou-se que –sem seu conhecimento e menos seu consentimento—quantidade de soldados foram inoculados com substâncias radioativas. para a realização de atos que confinam com o criminoso. porque é parte de sua função. de uma atividade clandestina. a uma organização privada com vínculos ou trabalhando por contrato para uma instituição oficial. ou seja. que vai da “posta em cena” de luzes e presuntos “alienígenas”. 126 . mas sim lhes negou deliberadamente. trabalho com a mente dos sujeitos abduzidos. já que quase todos morreram de câncer. Mas. seja que seus executores possam pertencer a alguma organização oficial a qualquer nível. que criam a cortina de fumaça. o Conselho Nacional de Inteligência –NIC. Daí que haja quem supõe que existe um consentimento ou uma coparticipación dos mesmos. e até o Departamento Federal de Investigação -FBI) têm o dever de saber. ou por um déficit nas fronteiras psicológicas (veja-se o respeito o interessante contribua do Martin Kottmeyer titulado Abductions: The Boundary Deficit Hypothesis. todos negros. supressão ou repressão da memória.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta alucinógenos. sons. indução de imagens. Nos Estados Unidos. Mas. para verificar que efeitos tinham no corpo. os organismos de inteligência (a Agência Central de Inteligência . tratamento gratuito para o “sangue mau”. temores. a Agência de Segurança Nacional . Mas jamais lhes deu um tratamento para a sífilis. idéias. condicionamento mental. o Conselho Nacional de Segurança -NSC. a Inteligência do Exército. Alabama. a Inteligência da Marinha. 50 anos depois. não me cabe nenhuma dúvida que há pessoas totalmente normais.CIA. e que foram sujeitos de feitos reais. um eufemismo para não dizer sífilis. Coube-lhe à Administração Clinton dar a conhecer o ocorrido e pagar compensação à família das vítimas. fortísimas ordens post-hipnóticas. a Inteligência da Força Aérea. o Escritório Nacional de Reconhecimento –NRO. e que pensar assim. seriamente considerados. a Agência de Inteligência de Defesa -DIA. Os casos de experimentação com seres humanos usados como cobaias não só são adjudicables ao nefasto Dr.

1953.S. “O Estudo Tuskegee simboliza a falta de conduta médica e rampante desprezo pelos direitos humanos que tem lugar em nome da ciência. Como diz um documento de denúncia do caso. em lugar de tratar a mortal enfermidade. Em especial porque se trata de procedimentos experimentais de alto risco.” Em dezembro de 1974. da CIA: uso de drogas. hipnose e Estimulação Eletrônica do Cérebro. e sobre os que não quer assumir responsabilidade. eram médicos do governo. conheceuse a existência com o passar do tempo de projetos levados a cabo por organismos oficiais dos Estados Unidos. e até molas de colchões. e menos pagar em dólares as conseqüências.500 aos participantes que ainda vivem. da USAF: uso de drogas. Mas…até onde isso é certo? é o ponto que se debate intensamente em muitos círculos. e operações encobertas. detalhe este último a ter muito presente. --Projeto MK-Ultra. Talvez. com transmissão e recepção usando antenas de televisão e de rádio. o da inoculação de substâncias radioativas e o Estudo Tuskegee ilustrem suficientemente. linhas de energia elétrica. eletrônica e electroshocks Uso de Muito Alta Freqüência (VHF). --Projeto MK-Delta. afiançar segurança e lealdade. estes dois casos. necessariamente têm que fazer-se em forma ultra-secreta. progamación mental.000 aos familiares dos que faleceram. São várias as publicações de diversas índole (impressas ou eletrônicas) que dão conta de uma série de projetos –alguns eliminados e outros vigentes. programação mental. Algum dos programas foi logo reconhecido publicamente. respeitados homens de ciência. Os Ovnis. com o propósito de programar condutas e criar mentalidades “cibernético-orgânicas”. da CIA: com o propósito de obter uma progamación subliminal a larga distância. Esta é a lista mais conhecido: --Projeto Moonstruck. 1952. que publicaram seus informe nos principais periódicos médicos. havida conta 127 . Os sujeitos do estudo são testemunhas da premissa de que o peso da experimentação médica historicamente foi levado pelos menos capazes de protegere a se mesmos.B.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta O que ficou muito em claro foi que o Serviço de Saúde Pública esteve interessado em usar à população negra do Condado do Macon como um laboratório para estudar os efeitos a longo prazo da sífilis não tratada. o governo acordou pagar $ 37. HF e UHF moduladas ao ELF. Pseudônimo: “Dreamland” (Terra de Sonho). e microondas. Os principais investigadores do estudo não eram científicos loucos. todo outro tipo de experimentação com seres humanos que possa implicar métodos invasivos. Electroniic Dissolution of Memory). e a nefasta idéia dos extraterrestres” vieram servindo –na última etapa de seu uso. Base funcional do mesmo: Dissolução Eletrônica da Memória (EDOM. e oficialmente foi terminado. utilizando modulação em Extrema Baixa Freqüência. Alta Freqüência (HF). Base funcional: Estimulação Eletrônica do Cérebro E. 1960. e Ultra Alta Freqüência (UHF) moduladas a Extrema Baixa Freqüência (ELF). exercer controle mental e da conduta. da CIA: uso de implante eletromagnéticos com o propósito de rastrear. Pseudônimo do Projeto: “Artichoke” (Alcachofra). (Electronic Stimulation of the Brain). Não obstante. e expliquem a cabalidad por que. condicionamento. mediante transmissores e receptores de radar. e sob o manto ou a cobertura de algo. logo depois da guerra fria—como uma magnífica coberta. O propósito do projeto: capacitar a pessoal de segurança ante sessões para obter deles informação. E de conseqüências imprevisíveis. 1953. mediante a Ata de Liberdade de Informação e outros recursos. --Projeto Orión. com operatividad direta nas pessoas a curta distância. nem dar a cara. e $ 15. utilizando freqüências do VHS.

e programação da população em individios sensibilizados. coleta de informação mediante investigações com helicópteros logo depois de acontecimentos transmitidos pelos meios de comunicação. valendo do sistema de telefones celulares. utilizando radar. Se diz que o propósito do projeto é programar e despertar desejos conductuales. mudanças do estado de ânimo. Pseudônimo “Rainbow” (Arcoiris). da CIA. O potencial do projeto é obter a modificação maciça de condutas. 128 . modulando as freqüências no UHF. Vários núcleos de cientistas e algum que outro livro denunciam ao projeto como capaz de alterar o código genético (DNA) na população e exercer modificação da conduta das massas. fazendo branco na população em massa. da CIA. e utiliza enormes conjuntos de antenas. 1960. da ONR e a NSA: supostamente este projeto se dedica a fazer branco em indivíduos ou populações. Extra Alta Frencuencia (EHF) e Super Alta Frecuenica (SHF). Manejo de controle da conduta de grandes grupos. --Projeto Clean Sweep. usando os sinais chamados “videodromo”. para fazer um estudo da ionósfera e das auroras boreais. Aplicado em toda a nação. O propósito do programa se diz que é o de programar a conduta e atitudes da população em geral. --Projeto RF Meios de comunicação. Utilização de helicópteros de cor negra mate sem identificação alguma voando em formação triangular. e as freqüências do UHF e VHF. e supressão psíquica. Localizado-se no Boulder. Alaska. --Projeto Fênix II. e volta a emitir os mesmos para restimular os níveis emocionais da . e de controle de motins. VHA e HF. nódulo de principais telefones celulares e nódulo de sincronização da televisão nacional. processamento preparatório para controle eletromagnético maciço. Freqüências utilizadas: microondas. Pseudônimo: “Black Triad” (Tríada Negra). 1989. Pseudônimo “Wedding Bells” (Sinos de Bodas). Pseudônimo: “Deep Sleep” (Sonho Profundo). --Projeto HAARP. Pseudônimo: “Buzz Saw” (Zumbido de Serra). Há quem atribui a este tipo de projeto o incremento da homossexualidade masculina e feminina na sociedade atual. --Projeto Tridente. a NSA e a ONR: atualmente em operação. 1998. o projeto persegue fazer branco em forma multi-direcional em grupos seletos de população. e microondas. criar terremotos em lugares específicos. O projeto tem como branco a toda a população americana. O projeto se diz que é coordenado do Estado de Avermelhado. disfuncion conductual e criminalidade social. como pode ser em estádios ou concertos ao ar livre. --Projeto Tower. usando as freqüências do ULF (Ultra Baixa Frenciencia). mas sendo seu efeito acumulativo a longo prazo. Agência aliada: FEMA (Agência Federal de Manejo de Emergências). 1990. Long Island. da USAF e a NSA: localizado-se no Montauk. a modificação dos fatores genéticos (o DNA). provocar sonambulismo do planeta anulando a atividade geológica. da CIA e a NSA: para a sugestão e programação subliminal em todo o país. 1990.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta da quantidade de “abducciones” que começam quando o sujeito está dormindo na cama. Estado de Avermelhado. a NSA e a ONR: supostamente para o controle da população em massa e para a indução de ressonância eletromagnética. da CIA: sugestão e programação subliminal multidireccional. especialmente em grandes grupos de pessoas reunidas. 1997. subversão das capacidades psíquicas da população. Medição das ondas emocionais. Está localizado na Gakona. e produziria certos efeitos tais como fadiga. diz-se que o programa pretende carregar um centro de acumulação da Terra. com um alcance médio. Estado de Nova Iorque. população com o propósito de ré-criar as circunstâncias originais. Uso do UHF. 1995. diz-se que o propósito do projeto é a progamación através de ressonância neural e de informação codificada. produzindo como efeitos a degeneração neural. aplicado a intervalos a curto prazo. Plano implementado através de comunicações de rádio e televisão. podendo do Gigawatts.

Um novo poder sobre o cérebro. e. sua constituição e funcionamento. Trocando o cérebro do bebê. Drogas. como um campo final da guerra. progressiva ou definitiva. simplesmente porque não matam imediatamente. água traz”. o muito conhecido MK-Ultra. José Magro. o Dr. Aprendendo a linguagem do cérebro. José Magro. 10. Em janeiro de 1997. detalha os incríveis trabalhos de um médico espanhol radicado nos Estados Unidos. 3. ou definitivamente não matam. ou o campo principal da mesma. a não ser os trabalhos de investigação do cérebro. Mas havida conta de que “quando o rio soa. a emotividade. 1. que já gozava de fama entre seus colegas. podem-se trocar a vontade a inteligência. É este o livro que entre outras coisas. Controle remoto do cérebro através da dor e o prazer. Melhorando ou destruindo a memória.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Devo esclarecer que não posso afirmar categoricamente a existência de todos estes projetos. mas paralisam. Qual metade de seu cérebro é dominante. e o sexo? 7. 6. a uma pessoa. a forma mais fácil de trocar o cérebro. você Pode trocá-la? 8. não cabe dúvida que a mera denúncia destes projetos. e o tempo para lhes poder medir eficientemente e com certeza. as especificidad de suas partes. Este tipo de atividades entra dentro da categoria das chamadas “armas não letais”. evi dencia sem dúvida uma intensa atividade de inteligência por explorar até os limites. e o atual HAARP. alteram ou anulam em forma circunstancial. ou concentrações maciças das mesmas. Ainda as conseqüências na alteração da atmosfera podem resultar ao final generadoras de graves alterações do clima terrestre. objetivos. nem os propósitos que lhes atribuem. o formoso mundo da bio-feedback. as ondas naturais que emite segundo seu operatividad e as formas de influir diretamente ou a 129 . e conseqüências de sua posta em funcionamento necessitam a indagação profissional precisa. 5. 4. Não vou extrair entrevistas do livro. exceção talvez de dois deles. Para onde vão? É obvio que o livro não só menciona os trabalhos e as impactantes experiências pioneiras e desumanas do Dr. O controle da violência. grupos de pessoas. e cujos verdadeiros propósitos. 2. Mark Pilkington publicou um excelente artigo na revista “Magonia” (de recomendada leitura). e trabalhar com o cérebro humano. cuja leitura recomendo em forma especial. sob sel título “What is in your mind?” (O que há em sua mente?). Controlando as ondas cerebrais próprias. em 1954. 9. que está em pleno desenvolvimento. gradual. mas me vou permitir citar simplesmente os sugestivos títulos de seus capítulos.

Tudo isto me confiou isso esta pessoa. o que Katharina Wilson muito razoavelmente se propõe é limpar certas incógnitas. a cargo de muitos outros cientistas. e tenham decidido realizar com seus cientistas e técnicos. conta como sua casa foi sobrevoada por helicópteros negros sem identificação alguma. Primeiro da Parte Dois de seu trabalho. Magro. tinha até 1999 uma importante página Web que tivesse recomendado ler minuciosamente. e 26 desde que se publicou o livro. É um material que não tem desperdício. chamada Katharina Wilson. Testemunhos diretos E isto que digo. passaram 45 anos das experiências do Dr. e onde viu grande quantidade de militares. ou que o fenômeno das abducciones por alienígenas é uma “cobertura” para um projeto encoberto levado a cabo por outros seres humanos. Escreve Katharina Wilson: “O objetivo desta porção de Projeto Memore Aberta é apresentar ao leitor as tecnologias que podem estar implicadas em responder à pergunta: algumas abducciones por extraterrestres são experimentos de controle mental do governo?……. datas. Tive ocasião em Miami.” Em outras palabas. instituições. embora uma simples referência à mesma pode achar-se em http:www.alienjigsaw. E nessa Parte Dois. a uma mulher puertorriqueña que diz ter sido reiteradamente abduzida em seu país. em forma totalmente conciente. suas próprias experiências. sirva para pôr fim a este tipo de operações clandestinas. Ali a autora –que ainda considera a possibilidade de que haja “abducciones por extraterrestres”—se expõe entretanto com grande inteligência e coragem o seguinte. compreender esta informação nos pode ajudar a terminar com alguma ou com todas essas atividades. analisar certos feitos. Tempo mais que suficiente para que os conhecimentos sobre o cérebro se ampliaram e consolidado de maneira altamente desenvolvida. alguns deles estariam realizando atividades que não contariam com a aprovação de seus máximos líderes. 130 . Onde inclusive ao parecer. A página foi criada por ela em 1996. sustento-o em forma documentada. e chegar a uma verdade que uma vez exposta. e para que os organismos de inteligência e militares se interessaram pelas aplicações práticas que tudo isto pode potencialmente e efetivamente ter para suas próprias atividades.Se decidirmos que algumas abducciones são levadas a cabo por uma nefasta força dentro de nosso governo. que titula “A Tecnologia”.com Ou pode obter-se informação adicional. em parte de seu relato. institutos de tecnologia e universidades americanas. quem queira sejam seus executores. e a chamou “Project Open Mind” (Projeto Mente Aberta). Como além disso. sem que mediasse hipnose ou sugestion alguma. de interrogar por quase três horas. Vou simplesmente a transcrever alguns breves parágrafos.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta distancia no mesmo. fazendo uma busca pelo nome desta destacada professora de Literatura. provadas e desenvolvidas efetivamente com as quais se pode controlar em forma direta ou a distancia a pessoas ou grupos delas. Esta mulher. Infelizmente Katharina fechou agora essa página. foi levada por seus captores a lugares onde escutou o ruído do mar. etc. Há outra abduzida. detalhes das atividades realizadas. Aparecem vários nombes. E por constatação pessoal também. passa revista às diversas tecnologias experimentadas.

Não posso estabelecer o ramo militar específico a qual pertencia essa base. considerem o seguinte extrato de uma experiência que me ocorreu em 1992……” refere-se deste modo a uma expiencia em 1993 e diz: “Lembrança ter sido levada a uma base que estava situada dentro de uma montanha………Estava com membros de nosso governo.” [o uso de palabas em negrito é meu. Mais adiante escreve Katharina Wilson: “Esta não é a única experiência que tive durante a qual vi pessoal da Marinha de Guerra” “Para aquelas pessoas que ainda encontram impossível acreditar que há uma relação entre experimentos de controle mental. nem a detalhar as investigações por parte da Delegacia francesa e o então chamado GEPAN (Grupo de Estudo de Fenômenos Aeroespaciais) a entidade científica oficial dedicada à investigação do tema OVNI no país galo.. “Haviam alguns tipos da Marinha vestindo uniformes brancos que me olhavam…. é possível que finalmente este não fora um alienígena. cujo principal protagonista é um homem chamado Franck Fontaine. D. A reunião teve lugar em 14 de novembro de 1980…” 131 .]. Aos valiosos testemunhos diretos destas duas abduzidas. Ballantine Books. Sua leitura é obrigatória para toda pessoa que queira estar adequadamente informada. é um dos melhores livros escritos pelo Vallée. ocorrido no Francia. N. “REVELATIONS – Aliem contact and human deception”. devido a isto. é o conteúdo da Parte Sete. Jacques Vallée. a organizações perfeitamente tangíveis e a seres de carne e osso dentro dos militares franceses e do âmbito tecnológico.” Respeito a uma experiência em 1995. descreve não sem certa candura: “Os homens eram de uma altura e estrutura médio e todos vestiam trajes negros de pára-quedistas”. assim como a seu “olho” mecânico. Não vou narrar aqui o caso. “É curioso que o corpo deste extraterrestre luzia similar ao dos humanos com os que estava. vou adicionar como peça final de minha argumentação. que Vallée titula “Purple Justice” (Justiça Púrpura) dedica-o integralmente a analisar em profundidade um pretendido caso de abducción. Mas ao final do capítulo. Escreve entre outras coisas: “Uma de minhas mais estranhas experiências implicou o que eu chamo “Cinzas do Tipo Três” e uma base situada perto de um grande corpo de água.. se acaso não o melhor. em 26 de novembro de 1979. N. 1991. não a parte interior de um hospital ou de um OVNI”. Alguns deles eram militares.o Sr. Diz por exemplo: “.en Pontoise. do A. abduzidos e instalações subterrâneas. pertencente ao pessoal do STET (Servico Técnico de Aparelhos Táticos) no Ministério de Defesa da França…….posso informar que o cenário do seqüestro humano efetivamente conduziu a algo. O Capítulo 5 de dito livro. mas eu vi seres humanos vestindo uniformize. (REVELAÇÕES – Contato alienígena e decepção humana). que Katharina Wilson titula “Alguns deles eram militares”. inclusive pondo-o em certo sentido em paralelo com a abduzida puertorriqueña. 310 páginas. Vallée faz umas sensacionais revelações. Um dos investigadores no caso obteve uma entrevista com um certo Sr.aqui é onde claramente vejo a parte interior do navio. D tem um escritório no comando central da Força Aérea Francesa. York. mas sim mas bem um ser humano vestido para parecer um extraterrestre”. Dr. algo que há dito ao respeito o prestigioso estudioso do tema OVNI.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Mas o aspecto que mais me interessa destacar aqui.

mas para isso remeto aos leitores ao livro “Revelations”.” Há mais. é que este tipo de atividades e outras semelhantes. que simplesmente vão reforçar com hipnose.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta E agora o mais substancial dessa entrevista entre o investigador e o Sr. todas a um nível suficientemente alto para estabelecer que tipo de manipulação se justificava sob as normas do segredo de estado.I. mas também também em outros países. Capítulo XIV . A conduta deles baixo estas condições era uma das coisas que queríamos observar. é um complemento necessariamente requerido. a meu modesto entender. (Centro de Investigação de Aeronáutica e o 132 . E embora houvesse algum investigador por conta própria. para levar a cabo seus propósitos. estiveram-se levando a cabo não só nos Estados Unidos.. a história que serviu originalmetne para cobrir aos reais executores das mesmas. e o diálogo continua fazendo-se cada vez mais suculento. que lhe serve como anel ao dedo. Essas experiências de particular interesse para fins de inteligência e militares.E. sua ação valida o experimento em um aspecto colateral. O que hei transcripto é suficiente para brindar um testemunho de muito alto valor e de enorme peso.A. e as imagens e idéias que lhes puseram a fim de ocultar a crua realidade de suas situações. O segundo que isto põe de manifesto. Hei-o aqui: --“Então. --Quais eram seus objetivos? --A operação foi estruturada em torno de objetivos militares. pertencen ou de algum jeito estão vinculados aos organismos que levam a cabo os seqüestros e os experimentos. D. São parte complementar do projeto total. que é respondida pelo Sr. onde as pessoas foram objeto de experimentos em operações clandestinas. no Capítulo 6 sob o título “Special Effects” (Efeitos Especiais). atuando de boa fé. constituem os autênticos episódios de abducciones. Tal o caso do Reino Unido e a persumido aterrissagem no Bosque do Rendlesham. e que sigam havendo vítimas dos “extraterrestres”. O investigador inicia o diálogo com uma pergunta. a fim de assegurar-se que a verdade a cara descoberta nunca se saiba.Os segredos da tecnologia "Stealth" O título deste capítulo corresponde a uma conferência que ditei pela primeira vez em 21 de março de 1996 na sede do C. Logo aparecem os pseudo-investigadores das abducciones. cientistas e políticos. E que sua ação sobre os abduzidos. e que se trata para eles de um tipo de exercícios. etc. Foi puramente nacional e não teve impacto fora de fronteiras. que –entre outras coisas—revela que os militares são capazes de levar a cabo abducciones. mas não muito persuasivos ou compassivos métodos. que usaram moderna tecnologia. e cenários preparados delibradamente. sócio-cultural se se quiser. Estes abduzidos foram mentalmente sugestionados em profundidade e progamados para que retenham em suas memórias os cenários que lhes apresentaram.D.D. os ambientes em que se levaram a cabo os experimentos. Penso também que esses pseudo-investigadores. --Sabia a polícia e a delegacia que a operação era um truque levado a cabo por uma agência de mais alto nível? --Certamente não. dirá-me você do que se tratou o desaparecimento do Franck Fontaine?” --“Referimo-nos à operação do Cergy como um Exercício de Síntese Geral…uma personalidade que ocupa um alto cargo fez um plano detalhado para isso” --Quantas pessoas sabiam? --Não mais de dez ou quinze.. que também aparece esmiuçado e explicado no Revelations”. é obvio.

menos denúncias de presuntos "OVNI" vai fazer.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Espaço) um instituto oficial do Uruguai dedicado à parte legal que regula as atividades espaciais e aeronáuticas. E isto é assim em muito boa medida. mas me crie. A conferência a tinha preparado durante fevereiro desse ano. fosse em forma experimental. o ambiente. de secreto. já que sua capacidade de análise da situação. a palavra "Stealth" não estava integrada a nossa linguagem habitual. O dicionário Webster. contar com esta informação. aqueles para os quais há recursos que se atribuem genericamente mas sobre cujo destino muito poucos verdadeiramente sabem).avistado-o por testemunhas. "Com meu marido vemos aviões todos os dias. ao desenvolvimento mesmo desta tecnologia e a sua aplicação. que foi ilustrada por diapositivas e por imagens em computador projetados a tela. Continuando. E se ainda não fosse suficiente. Finalizei dando-a então. mas não faz total honra ao conceito que a mesma encerra. isso que vimos era algo de outro mundo". Como a intenção fundamental de brindar este material ao público uruguaio se frustrou então. durante dezembro de 1996. Isto nos dá o clima. o que me permitiu de passagem atualizar a conferência. ou de maneira definitivamente operacional. perseguia a finalidade de informar ao público sobre quantas coisas que em seu momento não se souberam. a sala totalmente enche. O texto desta conferência. os muito mesmos aviões Stealth são de cor negra. define "Stealth" inicialmente como "passagem ou procedimento secreto ou subrepticio". já estavam andando nos céus. ou não. porque quando este está adequadamente informado destas realidades. não está permitido aproximar-se e tocar um avião "Stealth" como ocorre pelo contrário com qualquer outro avião dos que participaram --por exemplo-. e talvez. no Planetário Muncipal do Montevideo. Mas bom é também que os investigadores compartilhem estes conhecimentos com o público. em futuros projetos imediatos.na Guerra do Golfo Pérsico. Esta noite vou apresentar lhes informação que espero resulte para a maioria de vocês totalmente desconhecida. Está acostumado a traduzir-se o como "furtivo". é parte chave para o investigador de casos-ovni. em apóie aos conocimienntos adquiridos. a atmosfera em torno do "Stealth". Até hoje. E como se isso fora pouco. O que significa "stealth"? Quero definir primeiro o conceito envolto na palavra "Stealth". fala-se de "Black Projects". Agora talvez estejamos um pouco mais familiarizados com a palavra. lhe vai ajudar a discernir se o que está vendo merece ser reportado como um OVNI. em Estados Unidos. na segunda-feira 3 de fevereiro de 1997. "ter ou prover a capacidade de fugir da detecção por radar". que o público tampouco conhecia. esse desafio ficou pendente para uma próxima oportunidade. porque todo o desenvolvimento desses aviões e da tecnologia "Stealth" esteve rodeado de mistério. Deste modo tinha por objetivo demonstrar como saber estas coisas. e temos a noção de que há um par de aviões que são "Stealth". inimaginável. ou seja de "projetos negros" (com a conotação de hipersecretos. declarou a testemunha. de inglês. e quantas novas. 133 . o texto da conferência: Até faz relativamente pouco tempo. que tem a obrigação de identificar --assim que seja possível-.

que o "bombardeiro invisível" não era outro que o agora famoso B-2. publica do B-2. Agora vocês fixem-se de que maneira se levaram a cabo essas provas. Os aviões especificamente stealth usam a cor negra e um cinza mate negro. vermelho ou cinza. Harold Brown. Mas como --obviamente-. e todas elas estão aplicadas basicamente na tecnologia Stealth. muito perto da superfície. Em um aparelho Stealth essas emissões têm que ser eliminadas ou mascaradas. e essa tarde no hotel. Mais precisamente em 12 de julho de 1989. etc. em que mistério. para que o avião se confunda com o meio. escapa à detecção por radar. utilizam-se os chamados Rans em virilhas. Mastreie. As insígnias são em cor negra.y o Sub-Chefe do Estado Major para Investigação e Desenvolvimento da Força Aérea Tte. estranho. ou ferrita magnéticamente polarizada. os motores som uma fonte primária de emissões na gama dos raios infravermelhos. que entretanto era um bombardeiro "Stealth". A chamada tecnologia "stealth" permite aos Estados Unidos construir artefatos aéreos pilotados e sem piloto. e o Secretário Brown reconheceu que "houve vôos de prova". Geralmente contêm plásticos não magnéticos. que não podem ser interceptados exitosamente pelos atuais sistemas de defesa. Os motores têm que estar protegidos por um escudo. Se o avião efectúa um vôo rasante. Não o posso esquecer. Esses fatores se podem mitigar enterrando os motores dentro da fuselagem ou a asa. Para evitar a detecção visual: utilizam-se pinturas e cores especiais. com quanto sigilo. com quanta cautela e secreto.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta É preciso destacar que recém se falo publicamente e oficialmente da busca de uma tecnologia Stealth em uma conferência de imprensa levada a cabo no Pentágono. General Kelly Burke. menor é o tamanho do eco porque menor é o rebote das ondas emitidas pelo radar no corpo do aparelho aéreo. Tira-as de ar que continuam ou semi continuam a forma da asa são outro requisito importante.é impossível evitar um tamanho de asas de um avião e portanto sua superfície refletivo. Há várias coisas que se podem fazer para reduzir a detecção visual. e o então SubSecretário de Defesa para Investigação e Engenharia William Perry --que como todos sabemos foi o último Secretário do Defensa. Para evitar a detecção por radar: Intervém fundamentalmente a forma do aparelho aéreo. radárica. em 22 de agosto de 1980. e a apresentação oficial. infravermelha ou acústica de um aparelho aéreo. Foi ali quando o Secretário de Defesa Brown pronuncio inicialmente estas palavras: "Hoje estou anunciando um importante progresso tecnológico de grande significação militar. major é a redução de sua seção em cruz no radar. porque foi o mesmo dia em que chegue à cidade de Washington. fique sobressaltado ante a tela de televisão quando pela primeira vez vi aquilo. fez-se em julho de 1989. ou seja. ou seja. provamos a nossa satisfação. O plano de vôo também joga um papel. um sistema de esfriamento ativo ou passivo e materiais especiais que absorvam ou reflitam e dissipem a radiação 134 . rochas. A técnica mas comum é a camuflagem. ou outros materiais similares. e o suficientemente pequenas para que não lhes veja facilmente. areia. Na mesma esteve presente o então Secretário de Defesa. que a tecnologia funciona. Quanto menos superfície plaina ofereça." Alguém perguntou sobre algumas historia de um bombardeiro invisível escutadas por março de 1979. Para evitar a detecção infravermelha e acústica: Pelo calor que emitem. com os quais se pinta e cobrem as superfícies do avião. adaptado ao lugar de operações. Todas elas se aprenderam durante a guerra do Vietnam. Os escapamentos dos motores quentes têm em geral uma grande rubrica no infravermelho. Materiais Absorventes do Radar.

Motores escondidos e especialmente isolados e esfriados. utilizam-se também alineadores do som nos queimadores de saída dos motores. para fins da IIa. utilizados em zonas dos motores. materiais empregados. Essa cobertura se chamo MX-140 mas era muito pesada e criou problemas. tipo baffle.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta infravermelha. tem boa dissipação de radiação infravermelha e absorção da energia do radar. projetos secretos. Mas se considera que a Boeing.Um material desenvolvido pela Dow Checimal CO. para absorver as ondas de radar. que se acrescentam a tobera de escapamento. Agora. **Cerâmicas --que ademas são transparentes **Fibaloy --. Agora vou chamar às coisas por seu nome. fibra de vidro e alumínio perfurado. Companhias. Como dissemos ao iniciar nossa conferência. 135 . **Kevlar 49 . a Rockwell e a General Dynamics também tinham desenvolvido protótipos experimentais. A isso lhe acrescentam as vantagens de que reduzem grandemente a seção em cruz dos aviões nas telas de radar. e os aparelhos aéreos que utilizaram e utilizam atualmente tecnologia Stealth desenvolvida. O Fibaloy tem cor negra mate. Comecemos pelos materiais. poderão notar que o silêncio do hipersecreto que se estendeu da II Guerra Mundial até a conferência de imprensa no Pentágono em 1980. senhoras e senores. Se tatu de densos grãos de carbono e espuma de carbono ultra densa. tais como difusores dos escapamentos. não é mais que a introdução a nosso tema. Guerra Mundial. A começos da década dos ânus '70 a Lockheed e a Northrop tinham adquirido valiosa experiência com alguns modelos Stealth.utilizado fundamentalmente em zonas de altas temperaturas. a rubrica infravermelha e o som. **Compostos de resina epoxi e fibra de vidro.Fibras de poliamida utilizadas em compostos com uma matriz de resina. como substituição dos compostos de fibra de carvão para as estruturas. para evitar a detecção por calor. e é o principal material utilizado no avião de reconhecimento e ataque F-117 da Lockheed.Fabricado pelo Du-Pont. contendo grafite. Também se utiliza em vários veículos de controle remoto desenvolvidos por essa empresa. ou seja a rubrica no infravermelho. produzido por envolver fibras de vidro em materiais plásticos. Entre outras coisas. Atualmente os materiais compostos estão substituindo vantajosamente aos metais por ser mas duros e mas leves. A isso se podem adicionar chamarizes em infravermelho. grupos de trabalho e diretores desses grupos. Quais são esses materiais? **Fibras de óxido de alumínio **Fibras aramidas . elementos eletrônicos para criar falsos ecos radaricos e dispositivos especiais para interferir as emissões na banda do infravermelho. Mas tudo isto que hei dito até agora. **Boro . que a sua vez estão dispostos por capas como um sandwich. preparem-se a conhecer os segredos da tecnologia Stealth. a compania Northrop (a mesma do inventor da asa volante) desenvolveu um material que se aplicava em capas sobre a superfície dos aviões. e também como e desde quando se estiveram usando.utilizado em compostos com resina e outros metais **Carbono e Carbono-. esteve carregado de experiências e aplicações de distintos aspectos abrangidos pelo que é Stealth. A redução do ruído dos motores se obtém com o emprego de materiais acústicos em forma de favos.

E o 20% das superfícies externas foram feitas de cerâmicas plásticas altamente resistentes ao calor. e se pensa que com essa designação a CIA procurou despistar em relação ao verdadeiro fim do avião). 136 . aparelhos aéreos.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta **Liga de Alumínio e Lítio. para remplazar ao custoso titânio em áreas onde as temperaturas são majores de 290 graus centígrados. A ela se deveu o famoso avião espião Ou-2 (a "Ou" equivale à palavra "utilidade". Coberturas e pinturas Stealth: As pinturas para reduzir ou evitar ser refletidas no radar. e se utilizou especialmente para cobrir os borde de ataque das asas do Bombardeiro avançado B-2A da Northrop. Muito maior que o Ou-2 original. Estes termoplásticos suportam temperaturas da ordem dos 380 graus centígrados. mais leves e mais fortes que o aço e o titânio mas que não refletem a energia do radar. A CIA finalmente aceito a proposta dos Skunkworks da Lockheed em agosto de 1959. por sua dureza e resistência ao calor e a fricção. Aparelhos aéreos que usam algo da tecnologia Stealth A companhia Lockheed tem uma Divisão de Desenvolvimento de Projetos Avançados. **Super-plasticos .382 km/p/h) a alturas de mas de 27 mil metros. onde logo que aterrissavam eram descendidos por elevadores especiais. e utilizaram hangares subterrâneos. redes de camuflagem etc.são termoplásticos. conhecido como Iron Ball. A fins dos ânus '50 (escute-se bem. conhecida sob o nome do Skunkworks (responsável pelos maiores planos secretos no desenvolvimento de tecnologia Stealth e dos hipersónicos) que esteve dirigida pelo Clarence Johnson. ninguém soube publicamente de sua existência. e seu exterior se recubrió totalmente do material absorvente do radar e de cor negra mate. Os empregados do Skunkworks lhe chamavam "Thing" (Coisa). O surgimento do A-12 e suas operações foram tão secretas. A forma tão especial do avião que resultou finalmente conhecido como o SR-71 (com nove versões com certas variantes) determinou que sua seção em cruz no radar fosse completamente reduzida. não tinham marcas visíveis e estavam totalmente talheres de pintura negro mate. Os SR-71 operaram desde bases no estrangeiro. dos anos '50) a CIA auspiciou estudos levados a cabo por várias companhias aeroespaciais para criar um avião que substituíra ao Ou-2. O Lockheed TR-1 avião de Reconhecimento Tático. O contrato para produzi-lo-se assino em 1954. de cor negra. utilizo-se titânio como metal. A General Dynamics propôs uma forma oval. O primeiro vôo de prova se fez em 6 de agosto de 1955. Há uma que se conhece como Iron Ball. e o nome que recebeu o trabalho foi Projeto Aquatone. tanques. mas a CIA o chamo OXCART e ROADRUNNER. O vôo inaugural do A-12 se fez em 26 de abril de 1962. a grandes alturas. foi totalmente construído em alumínio.787 a 6. que ademas é de uma cor cinza escuro ou negro mate. para o protótipo A-12 de um só assento. Este tipo de material absorve e reduz em 80% a reflexão do radar. utilizam-se em uma variedade de veículos militares. O avião. que durante 20 anos. Certas pinturas com base de ferrita se utilizaram a este propósito. é de cor negra. Outra substância se conhece sob o nome do Retinyl Schiff. que pode ser posto em painéis contendo até 60 dobras. incluindo navios. trata-se de grafite reforçado. Os Ou-2 voavam de noite. esta totalmente pintado com uma cobertura do Iron Ball. que fora capaz de voar a velocidades do Mach 3 ao Mach 4 ( 4. apareceu em 1979.

esbanjadores de raios infravermelhos. e muito mas pequeno. O B-1A fez seu primeiro vôo em 23 de dezembro de 1974. fizeram-no indetectable. Esse "drone" se conheceu como D-21. inteiraram-se vocês então?? E atenção. de asas de geometria variável. O Governo americano proibiu logo os sobrevuelos tripulados de áreas inimizades. e se inicio em 1973. Para fins desse ano já houve suficientes resultados dos estudos e a Força Aérea americana decidiu abrir uma licitação a empresas que queriam desenvolver o avião. de ser descartável. O tamano muito mas pequeno e todas as vantagens de materiais absorventes do radar. só se visualizaria de noite como um estranho ponto luminoso ou uma extrana massa luminosa. A sigla D-A-R-P-A significa Defense Advanced Research Projects Agengy. Logo foram lhes substituam pelos SR-71. ao final da operação de reconhecimento. O alcance do D-21 nunca se revelou mas se afirmo que "excedia milhares de quilômetros". as características de baixa observabilidad podem ser importantes porque evitam que um sistema inimigo possa discriminar entre o ar ionizado e o avião. O projeto se chamo "Have Blue".2 (3. com as mesmas características do SR-71. utilizando aparelhos aéreos não tripulados. Escritório de Projetos de Investigação Avançada de Defesa. É obvio que algo voando na alta atmosfera. ou seja um aparelho aéreo de controle remoto. Mas já em Setembro de 1961 o Pentágono procurava ter um sistema estratégico de reconhecimento que quase não fora detectable.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Um detalhe interessante é que muitas vezes se informo que se via o SR-71 em sua aproximação para aterrissar. e de ser arrojado de um A-12. Durante a década dos anos ’60 os aviões espião Ou-2 efetuaram inumeráveis vôos sobre a Union Soviética e China. tratava-se de um "drone". Sete companias trabalharam na proposta. e pintado totalmente de negro (possivelmente utilizando a cobertura Iron Ball).787 km/p/h) causa ionização na alta atmosfera. 137 . Uma hipótese que explicaria este estranho acontecimento é que o tremendo calor da estrutura do avião à velocidade do Mach 3 (1. ductos internos que têm waffles de absorção do radar. Várias empresas competiram com projetos. só que sem cabine. médio. o antecessor do SR-71. e é este fenômeno o que se observava no radar. Os puros “Stealth” LOCKHEED/AIR FORCE F-117A. Os dados que este aparelho recolhia os eyectaba em uma cápsula que era recolhimento no ar. com novas tira de ar. porque agora vamos aos PUROS STEALTH. antes que fora detectado pelo radar. A Rockwell International aplicou alguns dos elementos Stealth a seu bombardeiro estratégico B-1A. gerando um fenômeno de ionização. Ganhou a Lockheed que adjudico em 1976 o projeto a seus Skunkworks sob a direção do Clarence "Kelly" Johnson. Ou seja.510 km/p/h) a 18 mil metros de altura. capaz de alcançar altas velocidades. melhorado na versão B-1B. e o B1-B em 18 de outubro de 1984. A investigação que conduziu ao desenvolvimento deste fantástico e quase fantasmagórico avião. Chega a velocidades do Mach 2. O programa passo a chamar-se XST (Experimental Stealth Tactical) e foi parcialmente financiado pela DARPA. muito veloz. Nesse caso. então a Lockheed expôs uma modificação do sistema para superar as objeções políticas. origino-se em uma série de estudos contratados pela Força Aérea dos Estados Unidos e a DARPA (retenham este nome porque é chave detrás de cada projeto de muito avançada tecnologia).

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta A empresa provou em túneis de vento e câmaras anecoicas uma série de modelos e finalmente surgiu um que fez seu vôo inaugural em Novembro de 1977. no Dayton. tanto na arquitetura interior como na exterior do aparelho. É um avião cuja velocidade máxima declarada é do Mach 1 (1595. Vale a pena referir-se a algumas das principais características do F-117. perto do Groom Dry Lake. infravermelhos e ópticos. costelas. com circuitos totalmente computadorizados. da Dow Chemical. Há certa informação que indica que pode pregar suas asas. O material primário para absorção do radar (Radar Absorbent Material . reforçado com fibra de carbono. anexo à Base Nellis da Força Aerea. Em meados de 1981 o governo garantiu um contrato à companhia Lockheed para cobrir a produção inicial de uma versão a escala total do XST. vigas e vigas. o que permite que lhe leve em um avião C-5A de transporte. Possui inserções plásticas internas triangulares. morrendo em um deles um Major da Força Aérea americana. Todas as armas que leva vão instaladas internamente.que havia um programa para a produção de aparelhos aéreos com característica "Stealth".talvez 2) alguns dos quais se perderam em acidentes. trata-se de um desenho chamado "corte de diamante" que emprega várias milhares de superfícies chatas. já era operacional. painéis. Cada superfície esta recubierta do Fibaloy (que tem um poder de redução de 96% da reflexão radarica).8 km/p/h) Tem uma excelente capacidade para decolagem e aterrissagem breve (STOL Short Take-off and Landing). Também utiliza o material conhecido como Iron Ball para superfícies externas e algumas parte metálicas internas Seus dispositivos eletrônicos. em Nevada. de modo que não compartilha um ângulo reflectivo comum com nenhuma outra superfície. que reduz tremendamente a capt ación por radar é sua forma. O protótipo demonstrou ser eficiente contra sistemas de detecção por radar. que fez seu primeiro vôo publico em Junho de 1981. São capazes de confundir a radares de baixa detecção. Ohio. e seu resultado foi o que atualmente conhecemos como avião de reconhecimento tático e ataque F-117. no Campo de Provas do Tonopah. Só 10 por cento do corpo do avião é de metal. Cabe pensar que para esse então o XST (que tinha passado por duras provas de mais de um protótipo-. na Base Wright Patterson. um desenvolvimento tecnológico dos Laboratórios de Materiais da Força Aérea dos Estados Unidos. acústicos. E o outro fator. de modo de passar mesmo assim inadvertido. provocando sinais que se assemelham às do chão. muito notório. e sua rubrica no radar é virtualmente inexistente. Cada pequena superfície tem um determinado ângulo.RAM) e o material para reduzir a detecção por infravermelho é o Fibaloy. eletrônicos. O mesmo está utilizado em sua estrutura básica. 138 . Foi devido a isso que em 1980 o Departamento de Defesa deu a conhecer publicamente --na conferência de imprensa que mencionei ao começo de minha exposição-. O projeto se chamo Senior Trend. estão integrados e escondidos no avião.

para que a Northrop voltasse com toda sua bagagem de experiência. Os F-117 A para operações noturnas estão pintados de negro mate e a isso se pode acrescentar que as operações noturnas as efectúan com todas suas luzes apagadas. O desenho da forma básica do B-2 se provou em um vôo inicial em 1982 com um modelo a escala. O YB-49 desenvolveu uma velocidade de 793 quilômetros por hora. E recorde-se que sua apresentação oficial publica se fez em julho de 1989. Estava equipada com motores de turborreaccion Allison J35-A 15. sua confiança e sua fé nas asas volantes. Carreteó nas pistas da assinatura Northrop no Palmadale. A intenção foi construir um bombardeiro de penetração. Isso significa que houve anos prévios de experimentação.lítio. Tem que saber-se que os mísseis que detectam objetivos pelo calor que irradiam. Desenvolvida como o Projeto Secreto MX-140. constituída em boa parte por titânio forrado com grafite epoxi. de seu avião de combate F19A. Tiveram que passar 30 anos. Cabine de comando do B-2 (foto USAF) 139 . e pusesse definitivamente no ar. É obvio que a empresa Northrop tirava vantagem de sua vasta experiência em asas volantes. Defletores especiais lançam os gases dos motores em diversas direções. de muito baixa detecção. que está dado por uma fina capa de ouro integrada ao cristal. É obvio a decisão de construir este bombardeiro surgiu também da famosa reunião de 1980 que mencionei ao começo desta apresentação. não se apóiam no calor da fumaça expelida. e as toberas estão construídas de material especial que reduz a detecção na gama do infravermelho. O modelo desenvolvido YB-35 fez seu primeiro vôo em 15 de maio de 1948 A extensão total da asa. O que contribui à qualidade do Stealth do Bombardeiro B-2 é por exemplo sua estrutura interna. NORTHROP/BOEING B-2 . As empresas Lockheed e Rockwell se associaram para apresentar uma versão levada a escala de um bombardeiro. Desenvolvida sob o Projeto MX-51.ADVANCED Technology BOMBER (ATB) Bombardeiro de Tecnologia Avançada. Finalmente. Quão mesma tem o atual bombardeiro B-2. a asa volante SB-35 da Nortrhop efectúo seu vôo inaugural em 25 de junho de 1946 desde o Hawthorne à Base Muroc da Força Aérea em Califórnia. 10 por cento mais liviana que as ligas convencionais. Sua forma (riscada por computador) é chamada "arquitetura que derrota a detecção" e é de muito baixa capacidade de captação por radar e ainda visualmente segundo o ângulo em que lhe veja. Tinha a mesma extensão da asa que o atual Bombardeiro B-2. a não ser na temperatura das toberas. tênia 52 metros. A Nortrhop se uniu a Boeing para desenhar uma asa volante subsónica que pudesse operar grandes como a baixas alturas. Em sua construção se utilizou uma nova liga de alumínio . Mais adiante a empresa Northrop produziu uma asa volante com motores a reação. a primeira Asa Volante Nortrhop YB-49 voou em 21 de outubro de 1947.000hp Pratt & Whitney R 4360-17. pela primeira vez em 22 de novembro de 1988.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta A coberta do piloto está feita com um cristal especial que de fora se aprecia escuro com um ligeiro tintura dourado. os F-117A diurnos. A sorte dos YB-49 não foi boa. Califórnia. estão pintados em forma camuflada e regularmente de cor cinza escura. Esta asa volante estava impulsionada por quatro motores a pistão de 3. Houve duas propostas.

Os ductos de ar são serpenteantes e são feitos de material composto. Espuma de carbono ultradenso absorve e esfria o calor dos motores. e provado na Área Secreta 51. As instalações dos motores estão rodeadas de material absorvente do radar. 140 . o custo de cada um destes aviões era de 520 milhões de dólares. LOCKHEED/AIR FORCE AURORA HYPERSONIC STEALTH RECONNAISSANCE AIRCRAFT (Avião hipersónico Stealth de reconhecimento) AURORA. É o que se chama agora "flight by light" (voar pela luz).Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Sua estrutura. Sua velocidade é de 1. diz-se que pode atravessar todo o Oceano Pacifico em duas horas e meia de vôo sem escalas. O programa para o desenvolvimento de Aurora recebeu em 1985 uma adjudicação inicial de dois bilhões 300 milhões de dólares. como avião espião. conhecida como Navy SEAL (Sa-air-land). viu emergir um sinal no radar da Base Machrihanish. Em 1992. Há informe que se foram filtrando e que vão completando um panorama de dados ainda não de tudo certos ou confirmados. diz-se que a velocidade máxima do Aurora é de 6 mil e 115 quilômetros por hora. Por exemplo. mas agora se sabe que se refere a um avião com tecnologia Stealth. Em 1989. e se destinaram 68 bilhões 600 milhões de dólares para a produção do programa completo. A Força Aérea nega oficialmente até o dia de hoje a existência deste avião e da área secreta de provas 51. grafite epoxi. Há muitos mistérios que rodeiam ainda a este aparelho. reduzindo a rubrica no infravermelho. Esses traçados de fumaça se hão descrito como volutas uma atrás de outra. da Força Aérea dos Estados Unidos. cheias de favos porosos para absorver a energia do radar. que devia substituir ao SR-71. é uma formidável combinação de plásticos. um controlador aéreo da Real Força Aérea britânica. quando lhe apresento publicamente. e seu alcance é de 10 mil quilômetros. e fico pasmado ao ver que acelerava ao Mach 3 (4 mil e 787 km/p/h). um fotógrafo em Amarelo. obteve imagens de vários escapamentos de fumaça curiosas que pareciam emanar de um artefato aéreo a alta velocidade.356 quilômetros por hora. construído em forma supersecreta pelos Skunkworks da Lockheed/Martin (fusão da Lockheed com a Martin Marietta). Machrihanish é uma das mais remotas e menos acessíveis bases aéreas na Europa. fibras de carbono e cerâmicas trabalhadas em estruturas moleculares livres. Dias mas tarde se soube de outro relatório com o mesmo tipo de traçados. nas vizinhanças da base Machrihanish. O nome do projeto ultra-secreto "Aurora". em Escócia. Alguns dos sistemas de controle são ativados pela voz. Os sistemas de controle utilizam totalmente fibras ópticas (não cabos). com capacidade de reabastecer-se de combustível no ar. e se diz também que já existem 25 aviões deste tipo. Os motores do Aurora utilizariam como combustível metano liquido. e a base também alberga a um destacamento de forças especiais da Marinha dos Estados Unidos. de grande alcance. Permita me fazer um poquito de história: Desde 1980 a Força Aérea e a Lockheed se comprometeram em levar adiante provas de um avião hipersónico que alcançasse a velocidade do Mach 6. em resúmen. Texas. (embora os possível que chegue aos 8 mil km/p/h) e que pode deslocar-se a alturas que vão dos 30 mil e 800 aos 45 mil e 600 metros. esteve em rema da década dos anos 80. Inicialmente se pensou que se referia ao F-117 ou ao B-2.

e certas explosões de tom grave. trata-se de uma câmara que aspira ar em forma seqüenciada. ou terá que esperar a que a órbita passe sobre dito lugar para obter a informação que se necessita. O Aurora usa estatorreactores (ramjets). Não há um acordo total em relação à forma. Qual é a vantagem de um hipersónico de reconhecimento? Poder estar em poucos minutos em qualquer parte do planeta. Quem pode controlar eficientemente um aparelho a essas velocidades?? Por isso a compania Accurate Automation Corporation. o que lhe chamam "neural-network". uma rede neural é uma coleção de processadores comunicados por fibras ópticas. Cada vez que entra ar.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta considera-se que o programa Aurora começou em 1982. Mas as velocidades de que lhes falei ficam curtas. e chegaram a seu nível operacional em 1989. quer dizer. Qual seria essa fonte de impulso? Algo que os alemães tinham provado durante a Segunda guerra mundial a velocidades muito baixas. Em términos de hipersónico. exige um desenho aero-recipiente térmico-dinâmico. Algo que explica essa série de volutas de fumaça. A parte frontal é uma rampa que absorve e comprime o ar. Não como os satélites. Em um avião hipersónico utilizando ramjets (estatorreactores) a totalidade de sua parte inferior se compõe elementalmente do motor. podemos nos referir a velocidades do Mach 17 ao Mach 25. o grande Aurora. ou seja de 27 mil quilômetros por hora a 40 mil quilômetros por hora. obter fotografias e retornar a sua base. que leva seu nome. calcula-se que dois terços do peso total do Aurora. cuja órbita tem que coincidir com o lugar que quer observar. Segundo os técnicos em aeronáutica. outra força de impulso que coloque ao avião a uma velocidade tal em que os mesmos possam funcionar. A rede neural. Ou seja que é um avião hipersónico. (AAC) está desenvolvendo com este modelo O-FLYTE a escala. e tomar decisões. Esse seria o principal impulsor com que conta o Aurora. e toda a parte posterior é a tobera de escapamento. corresponde ao combustível que leva. trata-se de um 141 . os alemães também têm um modelo de avião hipersónico. ou uma forma de hidrogênio líquido. Em que consiste esta "rede neural"? Em forma muito parecida com o que o faz o cérebro. Um aparelho aéreo de velocidades hipersónicas. Para descrevê-lo brevemente. Aurora usa metano. no que o piloto voa deitado. são as enormes temperaturas a que se submetem os materiais. e uma faísca provoca uma explosão. operado de controle remoto. os estatorreactores necessitam um acelerador. É um motor de onda de detonação por pulso. porque a velocidades hipersónicas não só se produz ionização mas também a maior dificuldade técnica que se deveu vê ncer. mescla-se com combustível em aerossol. de tal maneira de coordenar imediatamente milhões de dados. a que dá como resultado um impulso. Quando chega à velocidade ótima. mas esse combustível se utiliza deste modo como lhe refrigerem. A alta velocidade que o mesmo impulso permite obter. destacando-se que o modelo grande. diz-se que há um modelo tripulado. passa a utilizar os estatorreactores. Fazendo honra a um de seus precursores da aeronáutica. ou quase oval. tem forma oval. stealth. e que há um "drone" ou seja um modelo mas menino. "sente" por assim dizer o aparelho. faz que a onda de repetição de pulsos seja quase contínua. escutadas nos arredores da Área 51 de vôos de prova. que esta sendo posto a prova com este novo sistema de controle. O-FLYTE é um modelo mas de aparelho hipersónico. e que estes aviões estiveram voando durante 1985 e 1986. equipado com dois tipos distintos de motores. mas que pôde aperfeiçoar-se e que se estaria usando no Aurora. Eugen Sanger.

890 do filme 211. 142 . dos quais os 30 centrais são de concreto. que o Governo dos Estados Unidos tinha conseguido fazer voar. "Lightning" (Relâmpago). Sua forma é de trapezóide. Observem sua forma geral. de asfalto. quero deixar em claro que o F-117A. O NORTHROP/MCDONNEL Douglas YF-23. teve lugar o ano passado (1996). pode desenvolver uma velocidade de 1. voou pela primeira vez na Base Edwards em 29 de setembro de 1990. Tem dois motores a reação turbofán General Electric. os detalhes "dentados" e os motores incorporados totalmente à fuselagem. E. devem lançar o aparelho e afundá-lo no mar. E esta é a famosa Área 51. perto do Lago Groom. capaz de alcançar uma velocidade de 9 mil e 500 km/p/h. o Aurora. e patrulhas militares permanentemente circulando em torno do perímetro exterior. secreta. Tiraas de ar são ventrais. Como o YF-22 tem dois potentes motores a reação G. Seu vôo público como avião em produção regular. Elementos que de se por acaso indicam o uso de tecnologia Stealth. com canhão rotatório de 20 milímetros. Em último caso. Chamada Área 51 ou Dreamland (terra de sonhos) os guardas têm ordem de disparar a matar para proteger as instalações. leva 8 mísseis e contém compartimentos interiores para armas. Esta localizada a 100 quilômetros ao NNW de Las Vegas.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta modelo de duas etapas. formaram-se pouco menos que caravanas de curiosos. em 17 de julho de 1988. contigüa à Base Nellis da Força Aerea. Em novembro de 1986 a USAF atribuiu 691 milhões de dólares a cada empreiteiro para a produção de dois protótipos do ADVANCED TACTICAL FIGHTERS (ATF) Aviões de combate tático avançados. Fez seu primeiro vôo de prova em 26 de outubro de 1990. Acima um navio orbitador acionado com um foguete. estas são suas instalações. tomada com uma câmara KFA¬1000 de uma altura de 275 quilômetros. a que se acrescenta uma pista de emergência de um kilometro e meio de extensão. são coisas muito terrestres. Essa Área 51 incitou o rumor de que ali havia uma suposta nave extraterrestre. a USAF adquiriu recentemente mais extensões de campo ao redor da Área para separá-la completamente de olhos indiscretos. Ali se provou o Aurora. Ali se provaram os Ou-2. os precursores A-12 do SR 71 e o F-117. mas sim. turbofán. Por último. o B-2. sob nenhum conceito. O que alguns estiveram vendo ou escutando. montado em uma plataforma de lançamento com estatorreactor. Daí que até a área mesma se diz que não existe. em Nevada.915 km/p/h conforme se feito público. Essa é uma ordem estrita. Não lhe pode ver desde nenhuma estrada da zona. E como se poderão imaginar. cabos eletrificados. Mas aqui esta. A imagem que estão vendo foi obtida por um satélite russo. e 15 e 15 a cada lado. A pista tem 60 metros de largura. Altos alambrados de pua. Sua pista 14-32 tem uma extensão de quase 6 quilômetros. não são os únicos aparelhos totalmente Stealth. e se estão provando os hipersónicos. Resultados: o LOCKHEED/BOEING YF22. impedem que se reúna gente para ver que acontece. para ver voar o "OVNI". embora isso lhes custe sua própria vida. cuja existência nega a Força Aérea dos Estados Unidos. Ao voar a 11 mil metros. trata-se de fotografia numero 17. Os pilotos de prova que ali trabalham --se se apresentar um problema com um avião que estão provando--têm a ordem de retornar a essa Área e não aterrissar em nenhuma outra parte. câmaras de televisão. A efeitos de assegurar o mistério da base.

ataque. que lhe permitem reduzir grandemente seu rubrica no radar. 4 metros de extensão de asas. O LOCKHEED D-21. e portanto. Boeing-McDonnell-Douglas X-36 Veremos no futuro algo como este BOEING/SIKORSKY LHX -SCAT (Helicóptero (foto Nasa) leve experimental de escolta e ataque. que aconteceria substituir aos Harrier. Tudo o que nos fala uma vez mais de tecnologia Stealth. Controles de fibras ópticas. Um aparelho de reconhecimento. ***A tecnologia STEALTH se translada também a helicópteros. E um pouco mais adiante. Note o ângulo esmagado a ambos os lados.) Entrou em operações o ano passado (1996). metralhadora de torre dirigida pelos movimentos de cabeça do piloto. Uma proposta de um avião de combate Stealth para a Marinha. possivelmente vejamos algo como o que nos mostra por agora. Motores integrados a sua estrutura. O LOCKHEED ATF.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Motores incorporados à estrutura geral dentro dela. Sua produção se deteve pelo alto custo de cada míssil: 3 milhões de dólares. contribuindo com valiosa informação. Tem lemes de direção e elevadores combinados. com baixa probabilidade de ser 143 . Sua detecção visual. como avion de ataque. Veículo de um só assento com asa rotatória em x. com as de um F-22. são algumas de suas características. navegando em águas da Baía de São Francisco. Utilização de materiais compostos. não tripulados. de controle remoto. cito ao USAF/BOEING AGM-86 míssil cruzeiro de lançamento aéreo. acústica. A Boeing (que em dezembro se fundiu com a McDonnell-Douglas) está desenvolvendo o X-36. trata-se de um aparelho de reconhecimento. O TSSAM (TRI SERVICE STANDOFF ATTACK MISSILE) leva carga explosiva de 500 quilogramas. demonstrou ser totalmente bem-sucedido em modernos campos de batalha e sobreviver ambientes hostis. Imune a interferências eletromagnéticas. e a forma de fuselagem uso tubarão. De tamanho pequeno (2 m 10 de comprimento). o que lhe dá estabilidade horizontal e vertical. que o Pentágono deu a conhecer em abril de 1996. e os Infantes de Marinha dos Estados Unidos. notória da forma. este desenho . Também a tecnologia "Stealth" se levou a mar como o exemplifica esta foto do submarino "Seja Shadow " (Sombra do Mar) com essas características. Estrutura toda de material composto. um aparelho de reconhecimento capaz de velocidades de 6 mil quilômetros por hora. não tripulado. o Pentágono abríó licitação na segunda semana de março de 1996 por um valor inicial de 750 mil e milhões de dólares. trata-se de um aparelho que combina as caracerísticas de um Harrier (decolagem vertical) VTOL. míssil com características "stealth" O LOCKHEED / ARMY MQM-105 AQUILA. Sua concepção. O LOCKHEED X-32. um caça-bombardero para ser utilizado também pelas 3 Armas. Notem-nos detalhes dentados. Nítidos contornos de corte diamante. que são controlados a distância. Este é o TACIT BLUE. a Marinha. aos F-16 e F-18 para o Século que se mora Northrop/McDonnel-Douglas YF-23 A fim de condensar em um só avião as necessidades da Força Aerea. etc. AGM-86. e utilizando materiais compostos. é totalmente Stealth. infravermelha e de radar são virtualmente inexistentes. A via de exemplo. ***A Tecnologia Stealth também se aplica a vários "drones". ou seja artefatos volantes com distintas finalidades: reconhecimento.

e logo registrou 135 vôos durante um período de 3 anos. mais de uma vez ao dia. como o TIER II vai enviar informação a estações em terra. em seu vôo inaugural. utilizado para missões de espionagem. 77 páginas "X-Planos at Edwards" do Steve Pasta. TAB Books. Mede 36 metros de extensão de asas. Constrói-o a Teledyne Ryan Aeronautical.(foto International. Motorbooks International. Muito obrigado. Pensylvania. EUA. Aqui vemos o Tier III. Desde então a agora. e em alguma oportunidade.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta interceptado por radar e outros sensores. ou permanecer dois dias sobre um campo de batalha. "Lockheed F-117 Nighthawk" do Robert F. 1986. Este aparelho voou pela primeira vez em 1982. Connecticut. "This is Stealth . 96 páginas. Leva interceptores de radar para evitar ser branco de ataques com mísseis. Pape com o John M. 150 páginas. Artigos e fotografias publicados em Internet pelo USAF. Mais artefatos para Reconhecimento: O TIER II Plus. e um radar de abertura sintética de alta resolução. Motorbooks STAR2 --Estrela Negra-. acrescentou-se mais informação. onde pode manter-se por muitas horas. Presídio Press. USAF) Califórnia.The art of Black Magic" do J.Campbell e Donna Campbell. e possui câmaras infravermelhas e electro-ópticas. AIRtime Publishing Inc. pode percorrer mas da metade do mundo. EUA . 94 páginas. por um peso total de 700 quilogramas. EUA .. por ulteriores desenvolvimentos tecnológicos. deu a 144 . Voa a 20 mil metros de altura. "Stealth Aircraft . O aparelho. 1995. E ficamos com esta imagem fi nal do TIER III. vimo-lo perfeitamente –embora à distância seu tamanho não era muito grande--mas se destacava contra o fundo do céu. apelidado "Dark Star". Dorr. Pesa 12 toneladas. Wisconsin. Editado pelo Matt Thurber. na Base Edwards da Força Aérea. 96 páginas. Schiffer Publishing Ltd. e Nasa. 71 páginas. Veículo não tripulado para operações a grande altura. EUA. Cada um destes Drones custa 10 milhões de dólares. O TIERIII-minus um emprendimiento conjunto do LOCKHEED/BOEING. Mimetismo óptico: os “Stealth” diurnos “Estávamos olhando por volta do noroeste quando de repente apareceu esse objeto. 1992. Wisconsin. EUA . que em algum momento poderá voar sobre nossas cabeças. O aparelho freqüentemente voou 3 e 4 vezes à semana.Jones. Pennsylvania.” Até aqui o que foi o texto da conferência. DARPA.The F-117 and B-2 in Cor" do Erik Simonsen. Fez como uma grande curva para a direita. "The Flying Wings of Jack Northrop" do Garry R. 1995. EUA. Nota: Devo boa parte desta conferencia às seguintes obra e autores cuja leitura recomendo em forma especial: "Stealth Technology . Os Segredos da Tecnologia Stealth. que pode operar perto da linha de ataque em uma batalha. às 6:25 da amanhã de 29 de março passado. 1998. É um aparelho de controle remoto com um alcance de 15 mil quilômetros. Senhoras. sem que nunca nos inteiremos. senores: agora vocês sabem do que se trata e como se aplica. com grande possibilidade de sobrevivência. em Califórnia.Secrets of Future Airpower" do Bill Sweetman..

fala-se para uma documentário de TV. invadelhes a forte emoção de sentir que uma vez mais estão ante o ignoto. e ficará aí. mas que pode surgir do conhecimento científico ou tecnológico tempo depois. o público em geral a consome e ingere. Obviamente. com aplicação rigorosa e estrita do que a sigla significa se por acaso mesma. Sobre coisas que já se experimentaram desde muitas décadas atrás. A tarefa científica exige uma disciplina muito mais rigorosa. para o tipo de acontecimento que ficticiamente relato mais acima. Em bibliotecas. e com a que não contam (em seu imensa maioria) os investigadores de Ovnis. fazendo-a sua própria e repetindo-a. E agora. O céu estava completamente espaçoso. terá que procurar informação. ao que lhe buscarão outros semelhantes para demonstrar que a característica se repete. e de repente. Este é o tipo de informação que não sabem. e que agora estão alcançando seu grau de aperfeiçoamento. permita a satisfação explicar o acontecido. A isso revistam acrescentar-se explicações. a outra mais cômoda: “não podemos –com os conhecimentos de Física de que dispomos--achar uma explicação racional para o acontecido. ao que importa saber. É como procurar a chave para a fechadura que corresponde. o que as testemunhas denunciaram. Mas quantas vezes se escutou algo muito similar?. mas sim porque o investigador não conhece nada natural ou artificial com o qual identificá-lo. Fazer o que aqui nos Estados Unidos está acostumado a chamar-se “research”. em lugar de investigar. ou averiguar. a ter em conta. é uma verdadeira cortina de fumaça. em que não pensam. Só se não existir uma aplicabilidade. que imediatamente podem desaparecer da vista das testemunhas. nada onde se pudesse ocultar. O resto já sabemos. aí mesmo. então terá que apontar a busca de informação em outra direção. Foi como se se desvanecesse repentinamente. desapareceu. precisamente para evitar pôr algo na categoria “OVNI”. que pode ter encontrado relatos semelhantes na imprensa. O que segue. à espera de que uma informação que não se possui ao momento. e daí não se avança. o caso entrará na categoria “OVNI”. inquirir. Então.” O investigador fica satisfeito com tal pedestre “sabedoria”.” O relato precedente é fictício. na World Wide Web. escreve-se um livro. Evidentemente isto é uma demonstração mais de que nos encontramos ante uma tecnologia superior que nos leva uma enorme vantagem. até achar o elemento chave que permita compreender em términos racionais e possíveis. É um excelente exemplo de ficção. como se se esfumassem no céu”. Mas todo isso. ditam-se conferências. não porque “não se pode identificar com nada natural ou artificial conhecido”. A mais recorrida é a “da fantástica velocidade desenvolvida por estes aparelhos. E também o público em geral. terá que avaliar essa informação e verificar se a mesma é aplicável aos acontecimentos relatados pelas testemunhas. antes de saltar a vões “explicações”. a substância do avistado segue sem poder-se explicar satisfatoriamente. Não o vimos mais. Ou. é informação sobre tecnologia terrestre. reagindo ao igual aos surpreendidas testemunhas. Os investigadores que entrevistaram testemunhas sabem. Os aviões que qualifiquei como “puros Stealth” são evidentemente aves noturnas. 145 . Se ainda depois de todo esse processo. em universidades. ou em livros sobre Ovnis. e que o mesmo constitui um patrão. e aí vai aparecer o “caso”. e que portanto é outro ponto no “Indique de Estranheza” (como lhe chamou Hynek ). só se requer informação de tipo tecnológico. não havia nuvens.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta impressão que se deteve. A escuridão é seu aliado. Logo.

” [a letra em negrito é minha -N. O avião bombardeiro B-24 “Liberator” também foi equipado com sistema lumínico similar. Quando a intensidade das luzes se ajustava para igualar a luminosidade do céu. Os autores descrevem mais adiante outros experimentos: “Em 1980. instalados com o passar do bordo de ataque das asas. houve preocupação de que o avião F-4 Phantom se pudesse ver major distancia que seu inimigo de mais pequeno tamanho. a forma mais efetiva de confundir tanto o olho ou um míssil. Muito mais para cá no tempo. pelo qual modificaram ao F-4 pintando-o com um esquema que usava as cores celeste e branca. Lá em 1943. no excelente Jane's Defence Glossary de términos militares. a Marinha americana perseguia a finalidade de conceder a Dez focos potentes de luz seus aviões de patrullaje antisubmarino. uma pequena também se o equipe com sistema avião de controle remoto foi adequadamente equipado com abajures fluorescentes lumínico especial. permitiu-me uma maior aproximação à mesma. faziam estragos aos comboios de navios mercantes Aliados. Os engenheiros equiparam ao bombardeiro TBM-3D “Avenger” com 10 focos potentes de luz. O bombardeiro B-24 "Liberator" ao que sob um projeto conhecido como IMCRS…………… Baixo esse progama. o “Avenger” se mesclava com seu panorama de fundo. provavelmente não tripulado. do A. Ao menos pude determinar o significado das três primeiras letras. que não se filtram nem reconhecem “escapamentos de informação” assim passem décadas. Diversas provas demonstraram que o sistema permitia reduzir a detecção visual destes aviões de uma distância de 12 milhas a apenas 2 milhas. Por minha parte. O Pentágono começou então um programa chamado Compass Ghost. Por então os “navios-u” alemães. Sirva isto de passagem. Tão secreto foi o projeto que recém se chegou ou seja do mesmo uns quarenta anos mais tarde. a sigla IMC tem o significado de "Image Motion Compensation" (Compensação de 146 . reduzindo sua detecção visual em 30 por cento. Em efeito. a Força Aérea provou um pequeno avião. uma melhor possibilidade de afundar navios inimigos.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Mas como fazer que um avião não se veja de dia?. ] Partindo dessa premissa básica. a não ser demorar a detecção visual de um avião tanto quanto seja possível. os autores passam revista a alguns antecedentes históricos tendientes a obter esses fins. ou pelo menos como reduzir sua visibilidade a um grau máximo? Conforme o expressam adequadamente Steve Douglass e Bill Sweetman. o Mig-21. pode ser lhes apresentar uma imagem que é difícil de interpretar. durante a guerra do Vietnam. Em tal sentido dizem que os atuais experimentos procurando a “invisibilidade” têm sua origem em um projeto secreto da Marinha de Guerra dos Estados Unidos. uma busca em diversos dicionários relacionados com Defesa. e provado na Área de Prova de Mísseis do White Sands com tal êxito que o projeto após foi reclasificado como de Máximo Secreto” Douglas e Sweetman confessam não saber o que poderia significar a sigla IMCRS. e equipando-o com nove abajures de grande intensidade nas asas e a fuselagem. como um excelente exemplo de que há segredos a muito alto nível. autores do artigo titulado: “Hiding in Plane Sight” na revista “Popular Science” : “O objetivo não é construir um avião invisível. Em realidade. desenvolvido em 1943 sob o nome em código do Yehudi”.

na página A-12. sob o título de “Painel Boosts Funding for Covert Operations” (Comissão Impulsiona Financiamento para Operações Encobertas). Camaleão – N. “Tal sistema pode usar uma unidade óptica para monitorar os patrões de cor dominantes no âmbito por cima. O revestimento se deriva de um material composto absorvente do radar. E a empresa oferece a seguinte definição do mesmo. cinza. adiante ou detrás da unidade camuflada. O sistema recebe o nome em inglês do ChamELEON. seja útil como para que o extraordinário. deram-se passos tecnológicos gigantescos. de maneira muito parecida com as telas de cristal líquido utilizadas nos computadores laptop” “O que faz a este novo material mais atrativo é que pode trocar de brilho e cor instantaneamente. lhes construam nas superfícies do veículo. É ópticamente transparente exceto quando está eletricamente carregado. em Nevada. Arkansas. diz-se que o sistema faz ao avião ainda mais stealth. incomum. do Jacksonville. Escreve Pincus: 147 . ou não-convencional. de maio de 1998. ou de qualquer matiz que se necessite para igualar a cor do céu………. por exemplo. nunca revelados publicamente). apoiado em uma polianilina electromagnéticamente condutora. Permito-me a seguir transcrever algumas parte substanciais de dito artigo. Mas de então a agora. dá-o a entender muito bem. Sistema de Investigação.Um de tais polímeros ‘electrocromáticos’ foi desenvolvido pela Universidade da Florida. reduzindo o alcance no qual um radar de defesa aérea pode detectar ao avião tanto como em 50 por cento. lêem a luz da ambiente e a cor do céu e a terra. para o jornal “The Washington Post” pubicado na sexta-feira 1o. branco. do A.] pelo Changing Electrically Manipulated Optics Negation System. O revestimento eletricamente carregado dissipa as ondas de radar. O financiamento do ultra-secreto Um aspecto importante de como se dirige o governo dos Estados Unidos em matéria de projetos ultra-secretos.” Que este tipo de tecnologias está em pleno desenvolvimento o demonstra o anúncio de um sistema desenvolvido pela empresa Wirestorm Laboratories. simplesmente para que se tenha uma idéia das cifras que se dirigem e dos propósitos transcendidos para os quais se destinam. digitar essa informação e enviar a mesma a painéis de pigmentação térmicamente ativados. Em tal sentido os referidos autores assinalam em seu artigo: “Um sistema ainda mais experimental de camuflagem ativa usa finas capas de um polímero que emite luz e que brilha e troca de cor quando está carregada. Diferentes voltagens fazem que as capas tenham um brilho celeste. E um computador abordo ajusta o brilho.” Considero que toda esta informação compilada e organizada. Receptores foto-sensíveis montados em todas as partes do avião. Talvez as duas letras finais Rs se refiram ao Research System. o tintura e a textura do revestimento para fazê-lo compatível com o céu por sobre o avião ou o terreno por debaixo dele. resulte cada vez menos “não identificado”. e a Força Aérea o estuda como uma forma de aplicar um tintura variável à coberta da cabine de um avião de combate……………ainda um revestimento mais exótico se está pondo a prova em dois aviões stealth na base aérea de alta segurança no Groom Lake. debaixo. atribuições de recursos “negros” (ou seja. ou seja.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Imagem em Movimento) e está referida a "óptica e electro-óptica". um artigo que escrevesse Walter Pincus. anômalo. [ou seja.

a Força Aérea dos Estados Unidos. Dicks (do Estado de Washington). terremotos. Tenet – N. desertificación. observação de migração de animais e outros fenômenos naturais. a NSA agora “necessita novos computadores e novas ferramentas para acessar às correntes de nova informação que cruzam de um lado a outro o mundo”…………Os programas clandestinos de inteligência humana que leva a cabo o Diretório de Operações da CIA foi outra das prioridades identificada pela comissão da Câmara. o Representante Norman D. Tenet [o Diretor da CIA. se o governo mesmo não as fizer públicas.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta “A Comissão de Inteligência da Câmara de Representantes aumentou “marginalmente” a proposta de 27 mil e milhões de dólares feita pelo Presidente Clinton para os gastos do próximo ano pelas agências de inteligência da nação. para que tenha mais dinheiro…………. ou seja. etc. durante o tempo da Guerra Fria. ao ponto que ninguém as conhece quando ocorrem. extinção dos bosques tropicais. contrabando. é perfeitamente aplicável ao tema dos Ovnis. e por isso. Maryland. do A. Capítulo XV – UAVs. a recolher informação estratégico-tática sobre frentes de batalha. George J. e agora que esta terminou.” Até aqui esta breve tradução das passagens substanciais do artigo publicado pelo The Washington Post”. Uma das benficiarias dos novos gastos seria a Agência Nacional de Segurança (NSA)…… Com sede no Forte Meade. e nem sequer 50 anos depois. simplesmente para que se tenha uma idéia de quantas coisas –em distintos âmbitos e níveis— podem ser levadas a cabo de maneira super-secreta. navegação ilegal. Isto. essencialmente. destinando recursos adicionais para modernizar a intercepción das comunicações em todo mundo e revitalizar o serviço de espionagem clandestina da CIA. A missão essencial destes veículos é de reconhecimento. informação sobre desastres ecológicos (inundações. chamadas genericamente em inglês "UAVs" por "Unmanned Aerial Vehicles". até o dia de hoje segue sendo utilizado. O Democrata de mais alta fila na Comissão. mas sim o trabalho de reconhecimento se aplica ao controle de tráfico em estradas. e segue tendo-se que manter o segredo de sua verdadeira origem e de seus diferentes e progressivos usos. Cito estes exemplos.] compareceu ontem a uma sessão a portas fechadas da Comissão de Inteligência do Senado para considerar os programas de espionagem e ações encobertas da agência.) situação de cultivos. e é obvio. e isso não implica necessariamente espionagem como algumas pessoas podem pensar. Veículos Aéreos No-tripulados. UCAVs e globos super-pressurizados: as novas coisas estranhas no céu O extraordinário "Dark Star" Na conferência sobre a Tecnologia Stealth dediquei uma última parte ao mais recente em matéria de tecnologia aeronáutica aplicada às plataformas volantes. como machacona e cansadoramente reiterou em suas declarações oficiais a USAF. disse que o projeto de lei “excede marginalmente a solicitude presupuestal do presidente” e provê investimento “em áreas onde os progressos tecnológicos ou a falta de ênfase debilitaram nossas capacidades”. etc. os que nunca significaram um perigo para a Segurança Nacional dos Estados Unidos. 148 . segundo uma declaração dada a conhecer pelo painel. Mas não cabe dúvida que foi um tema utilizado pela Inteligência dos Estados Unidos com diversos propósitos.

4) Um disco volante. 3) Um "diamante aéreo" em desenvolvo pelos "Phantom Works" da companhia McDonnel Douglas. em forma quase indetectable. O "Dark Star" tem asas com uma extensão de 21 metros. com as seguintes características: 1) Uma asa volante dobradiça para missões de ataque e reconhecimento. cobrindo um rádio de ação de quase mil quilômetros. possui características muito peculiares que podem fazer que mais de um observador repentino. aos que provê da informação recolhimento.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta O "Dark Star".6 de comprimento e 1m. (pág. Comandante do Laboratório Wright da Força Aérea dos Estados Unidos. O artigo descreve 6 tipos de aparelhos. Atenção aos experimentos da Argentina e Brasil A própria "Jane's Defence Weekly" informou em outra ocasião que o Brasil começou um modesto plano de experimentação com artefatos aéreos de características "Stealth". estará voando pelos céus. entre eles o famoso "Blue Book" ou "Projeto Livro Azul". indica a crescente aceitação pelos militares dos UAVs para róis até agora desempenhados por desenhos tripulados" Quem formulou declarações muito entusiastas ao respeito foi o Coronel Richard Davis. que incluem asas volantes "stealth" de grande autonomia de vôo. e de grande autonomia de vôo. incluído um "Pires Volante" A revista britânica "Jane's Defence Weekly" é única em seu tipo. 5) publicou um sensacional artigo titulado "USA's revolutionary plano for air vehicles unveiled" (Revelam revolucionário plano dos Estados Unidos para veículos aéreos). em Ohio. ou 149 . 2) Uma plataforma volante hipersónica para operar grande altura. assim como com satélites em órbita. Fabricado pelos prestigiosos "Skunk Works" da Lockheed Martin Corporation. 6) Uma plataforma de grande altura. Em sua exemplar de 12 de março de 1997. sobre o que logo. quando funcionaram os diversos projetos oficiais dirigidos pela USAF. um aparelho com a forma de um pires investido equipado com extensas e finas asas. para missões de reconhecimento e ataque. equipes e armamento. que tem extremos de asa descartables. revelou "uma variedade de revolucionários conceitos de plataformas de veículos aéreos não tripulados (UAV) que começarão a utilizar-se a inícios do Século 21. de uma altura observacional de 13 mil e 700 metros. O artigo diz textualmente em um de seus parágrafos chave: "A amplitude da tecnologia detrás dos desenhos. Incríveis artefatos para o Século 21. o qual dá a conhecer que o Escritório de Reconhecimento Aéreo de Defesa. 5) Uma plataforma de reconhecimento com características "stealth" do tipo do bombardeiro B-2. fique confundido em relação a real identidade do que viu. cuja sigla em inglês é DARO. conjuntamente com a Boeing Military Aircraft e vários sub-empreiteiros mais. pertencente à Base Wright-Patterson. artefatos hipersónicos de grande altura e ainda um pires volante. o "Dark Star" pode operar durante 8 horas consecutivas. um pouco parecida com o Dark Star. seu corpo tem 4m. que --como se recordará-. e constitui toda uma autoridade em matéria de informação concernente a tecnologia militar. com células de combustível de reduzida visibilidade e descartables.era o centro da investigação dos Ovnis. Está equipado com sensores remotos. e pode comunicar-se com antenas em terra. Reproduzimos o desenho que acompanha ao artigo da "Jane's Defence Weekly" por seu alto valor ilustrativo.50 de alto e funciona em dois modos: preprogramado ou autônomo.

ou fileiras). porque quanto mais se saiba sobre "estranhas coisas que voam" menos "Não Identificados" vão haver. sobre toda esta nova tecnologia que se está incorporando e vai se usar no futuro imediato. sinto um dever compartilhar especificamente a informação. Conceito do X-33 "Venture Star" Em tal sentido. esses artefatos.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta seja. o que também pode dar lugar a uma série de avistamientos de naves de formas e características estranhas na Argentina e desde zonas limítrofes em países vizinhos. produziu o UAV tático Prowler. mas também em vôos. de uma só etapa. que teriam como origem. indetectables pelo radar. no desenvolvimento do X-33. vários meios de informação na Argentina. a qual organizou um programa de veículos de controle remoto (chamado-los genericamente em virilhas "drones") aos que agrupou em "tiers"(filas. Estes são os potenciais "não identificados" para alguém desinformado.R. Tanto a Argentina como o Brasil. utilizado como um Sistema de Comunicação Geral entre o Gnat e o Predator. É necessário ter em conta que a Lockheed Martin Corporation ganhou a licitação de privatização da fábrica de aviões militares se localizada na Província do Córdoba (Argentina). Em 1993 se formou nos Estados Unidos a Defense Airborne Reconnaissance Office --D. A tarefa lhe foi encomendada à Comissão Nacional de Atividades Espaciais (CONAE) da Argentina. um veículo para operar em órbita terrestre baixa.A. Isto significa que pode esperar-se que no Brasil surjam denúncias de presuntos "OVNI" que em realidade poderão estar originadas nos vôos de protótipos a escala reduzida. pelos escapamentos dos motores. em algumas páginas da Internet pertencentes a Defesa dos Estados Unidos. DARO e os TIERS I. nem pelas comunicações eletrônicas. e até em algumas publicações ao alcance do público em geral. poderiam eventualmente observar-se perto das zonas fonterizas. e tampouco detectables por sua rubrica no infravermelho. Suporta 40 horas de atividade a uma altura de 7 mil e 500 metros.-. A própria General Atomics Aeronautical Systems Inc.O. 150 . e isto supõe o desenvolvimento de modelos experimentais a diversas escalas que se provarão não só em laboratórios. Por outra parte. o mesmo decreto presidencial argentino faz referência específica a um acordo de cooperação assinado entre a Argentina e Brasil para obter o "acesso ao Espaço".(Escritório de Reconhecimento Aéreo de Defesa). deram a conhecer uma (desenhos da Nasa) importante resolução tomada pelo Presidente Carlos Ménem por Decreto 176/97 no sentido de que o país irmano tem que o CO-participar com a Lockheed Martin Corporation dos Estados Unidos. ou a escala total. O Tier I foi o Gnat 750 (de 1993) fabricado pela General Atomics Aeronautical Systems Inc. Por esta razão. procuram o que ambos os países limítrofes chamam "acesso ao Espaço". II Plus e III Existe abundante informação em revistas especializadas. conhecido também como "Venture Star". O Gnat é utilizado pelas forças armadas da Turquia. Esta é uma regra geral que admite sua aplicação em forma retrospectiva. porque desde territórios vizinhos. que terá que substituir no futuro à frota dos Transbordadores Espaciais dos Estados Unidos. II. Terá que estar alerta a estas possibilidades. Mas isto não é tudo. operou em 14 diferentes cenários do mundo. algum destes artefatos.

mas de futuro poderiam servir para amparo de forças e outros tipos de operativos. utilizado pela USAF e que lhe conhece com o nome de Global Hawk. Pode voar por mais de 40 horas consecutivas. e logo registrou 135 vôos em um período de 3 anos 151 . considera-se um veículo ideal para ser utilizado como relé de comunicações. mas aguarda quão resultados arrojem uma série de provas exaustivas durante 1998 e 1999. Semelhante artefato teleguiado pôde controlar situações de batalha e enviar informação sobre brancos em tempo real (conceito que se refere à simultaneidade da informação. e para aplicações comerciais. Enquanto isso. em Nevada (ou seja. dois dos quais cumpriram missões sobre a Yugoslavia. com grandes possibilidades de sobrevivência. os vai compartilhar com o Esquadrão Não. para investigação atmosférica. O Pentágono tem planos de construir 20 aparelhos Predator e outros 20 Dark Star. o ramo da LockheedMartin que trabalhou no mesmo foi a dos famosos "Skunk Works" aos que me referisse no Capítulo XIV que dediquei à Tecnologia Stealth. Dois Predator se utilizaram para monitorar a guerra no Bosnia. a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) deu a conhecer no Pentágono. trata-se do Altus. uma espécie de baleia branca com asas. perto da Base Nellis da Força Aérea. a USAF destinou a estes aparelhos para missões de reconhecimento e de baleia branca com alas. chamado Global Hawk. Possui sensores para uso diurno e noturno e SAR (Radar de Abertura Sintética). Baste dizer que no caso do Dark Star. Em 30 de abril de 1996. também localizado no Indian Springs. fez seu primeiro vôo em fevereiro de 1982. Quando para o ano 2004 o Esquadrão tenha 45 Predators. para evitar os problemas de crescimento originados quando se formou o primeiro esquadrão. O Tier II Plus.15 de Reconhecimento. uma espécie de pires com asas posteriores. equipado com a tecnologia dos Gnat e Predator. o espetacular Dark Star. uma especieInicialmente. DARO adjudicou em 1994 às empresas Lockheed-Martin e Boeing. Este Esquadrão já possui 6 Predators. Assim. perto da famosa Área 51). já que cumpre missões de investigação científica a grande altura. E ainda pode adicionar-se outro UAV surto da General Atomics. um modelo maior do Gnat. trata-se de um aparelho aéreo criado para demonstrar que era possível operar um avião de relevamiento escassamente observável e com uma baixa probabilidade de ser interceptado por radares ou outros sensores. tem uma grande capacidade de carga.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta O Tier II é o General Atomic Predator. o chamado Esquadrão No. terá sua base no Campo Auxiliar do Indian Springs. a construção do Tier III. De asas retas. O Predator e o Dark Star têm seus orígenes nas sombras do "mundo negro" dos projetos secretos o Pentágono. 11. o Programa de Demonstração de Tecnologia chamado Tacit Blue. Tacit Blue serve para validar uma grande quantidade de novidadeiros conceitos da tecnologia "stealth". com um penetra em "V" e uma fuselagem grossa de forma curva. remetida ao momento em que os acontecimentos estão ocorrendo). a USAF ativou um segundo esquadrão do UAVs com dois anos de antecipação. a um centro de comando se localizado em terra. "Tacit Blue": banco de provas do "Stealth" Há outros artefatos utilizados como UAVs. Por sua parte. sobre um campo de batalha. Em maio de 1995 a Teledyne Ryan foi escolhida para construir o Tier II Plus. Também há uma versão utilizada pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos. Há uma versão utilizada pela Nasa.relevamiento.

o aparelho está impulsionado por dois rotores rígidos. unidas por um cilindro vertical. Construído por uma pequena equipe da empresa Sykorsky Aircraft no Stratford. Outros países também têm seus UAVs.. esteve em operações desde 1985. O Exército alemão teve planos originais para possuir 20 sistemas de lançamento para o Taifun e um total de 3 mil destes UAVs. O "Seja Centinel" canadense. O aparelho freqüentemente realizou de três a quatro vôos por semana e muitas vezes fez mais de um vôo em um mesmo dia.O aparelho aéreo de 110 quilogramas de peso pode permanecer no ar por umas duas horas e meia cobrindo um rádio de 30 quilômetros. não obstante. Glenn Zorpette escreveu o seguinte: "Embora não é de outro mundo. Por exemplo. O empreiteiro principal é a STN Atlas Elektronik Nord que foi adquirida conjuntamente pela British Aerospace e a Rheinmetall.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta -conforme estabelece um documento oficial. "Cypher": o pires espião A prestigiosa revista "Scientific American" pubicó em sua exemplar de junho de 1997 um artigo titulado sugestivamente "Spying Saucer" (Pires Espião).. observar através de janelas e posar-se brandamente nos tetos de edifícios. o "Cypher" o "pires" espião. O artefato de erras se chama "Cypher". um em cima do outro.. aparelho volante de dois metros de diâmetro é um avião de asa rotatória... onde estão se localizados 152 . quartéis centrais e aviões em terra desde 2 mil e 500 metros de altura. chamado Seja Sentinel. o pires utilizou software da Lockheed Martin e a Northrop Grumman para achar e rastrear a um soldado solitário que caminhava em um campo. Um software de avançada lhe assegura ao aparelho volante um incomum grau de autonomia." O original pires pode sobrevoar as ruas de uma cidade.... não obstante.. Canadá desenvolveu o UAV CL-227. um encontro impensado com o mesmo a plena luz. e embora seu rádio de alcance é muito limitado. que se estenderá do 2005 aos 2011 custará 600 milhões de dólares adicionais. Vi documentários das provas deste engenhoso artefato. A diferença de um helicóptero. Em provas realizadas em outono passado. atacando brancos pre-programados tais como posições de artilharia.Outra prova notável se levou a cabo em janeiro passado no Forte Benning na Georgia. assim como sua velocidade. cuja forma parece a de duas esferas uma sobre a outra. e a fase de aquisição. que começou em 1997 e se estenderá até o 2004. que pode voar por mais de quatro horas a uma velocidade de até 200 quilômetros por hora. que giram em direções opostas. Cypher não é o primeiro veículo experimental em explorar este esquema de propulsion que elimina a necessidade de um rotor de cauda.. similar em certa maneira a um helicóptero.. Mas é o primeiro artefato não pilotado configurado desta maneira que rodeia aos rotores com sua fuselagem.. segundo dados da revista Jane's Defence Weekly.. bases de mísseis. Cypher é pelo menos revolucionário. A fase de desenvolvimento para este aparelho. Connecticut. ou de noite. A pensá-lo duas vezes!! Mais países têm UAVs Mas não tem que pensar-se que só os Estados Unidos possui e está desenvolvendo este tipo de artefatos aéreos.. Alemanha conta com o Taifun. bem poderia provocar mais de uma denúncia de OVNI. terá um custo estimado de 282 milhões de dólares.

mas poderia substituir-se or um esquadrão a bordo de navios e reabastecimiento do tipo 702. A unidade comercial de Sistemas Civis e da Denfensa Dasa pertencente a Dornier GmbH do Friedrichschafen. França e Itália. e que podem bem transtornar toda uma cultura. Inicialmente o plano prevê o equipamento de cada Corveta K-130 com um veículo Sejamos. O Seja Sentinel demonstrou suas qualidades separando e aterrissando na plataforma do portahelicópteros Jan Tide da Marinha dos Estados Unidos. E já que refiro ao UAVs de uso marítimo. Deste modo a existência de extremismos étnicos. o cenário da máxima dê¬humanização. A segunda. e deixa rastros que duram por gerações. ou seja Sistema Naval de Reconhecimento e Detecção de Brancos. Estados Unidos. e pode operar durante quatro horas e meia. Terá deste modo duplicação de computadores abordo e de actuadores electro-hidráulicos. As provas se levam a cabo na plataforma Meldorf que a Dornier tem no Hamburgo. e os valores que a humanidade ou uma sociedade dada. Visto de longe parece um "8" voador. e serão continuadas por um programa multinacional de provas de que participarão a Alemanha. utilizando um rotor de 6 metros dediámetro a uma altura de 2 metros 50. ou seja. cuidar e preservar até um certo momento. tem o propósito de produzir um sensor dual autônomo. A terceira. e determina como imperativo que as nações estejam preparadas. na Alemanha. Um UCAV é um "Unmanned Combat Air Vehicle". em Califórnia. verdadeiramente estranho. Não acredito que haja ser humano que se sinta feliz de fazer a guerra. nacionalistas ou religiosos. desde começos da década dos '90. Tudo isto infelizmente ambienta a guerra. Importa destacar que o Sejamos formou parte de um programa de investigação experimental desenvolvido pela empresa Dornier. Mas é a realidade. Sejamos é uma sigla que em alemão responde ao Seeaufklarungsmittel und Ortungssystem. A primeira é a do próprio ser humano. Avião Tático Não Tripulado. é o "thanatos" de que falasse Sigmund Freud. puderam acariciar.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta dois rotores que giram em sentido contrário. Se o houvesse. A guerra é a maior das tragédias humanas. em 1999 se esteve levando a cabo o desenvolvimento a escala total do UAV Sejamos por parte da marinha alemã. um Veículo Aéreo de Combate Não Tripulado. que leva em se mesmo uma natureza agressiva. a existência de nações rebeldes e de crímen e terrorismo internacionais economicamente poderosos. elevado a sua máxima potencializa. Grã-Bretanha. 153 . que irá nas plataformas de navios alemães. O Veículo Aéreo Não Tripulado Sejamos pode levar uma carga útil de 140 quilogramas. uma civilização.não posso pensar que realmente esteja em seus cabais. não se podem negar várias realidades. O aparelho ficou a prova pela primeira vez de 24 de agosto aos 16 de setembro de 1989 no Centro de Provas de Mísseis do Pacífico.También lhe conhece como UTA por "Unmanned Tactical Aircraft". É uma lógica de morte. --e devo admitir que é uma possibilidade-. interesses comerciais e de zonas de influência encontrados. e menos ainda. UCAVs: a guerra aérea do futuro É triste falar de guerra. e mais triste ainda quando esta ocorre. que pode dar lugar a expressões diversas de violência. O desenho do aparelho utiliza novos materiais e será construído de acordo a métodos de produção avançados. entre distintas nações. que lhe agrade a guerra. Feitas estas condições.

exceto o de detecção e comunicação. com motor incoroporado totalmente à fuselagem. Têm missões muito claras como a supressão das defesas aéreas inimizades (SEAD). A Boeing tem o Joint Strike Fighter (JSF) que não se espera entre em serviço até o 2025. Os UCAVs terão essencialmente características "stealth". Em resumo a proposta contempla: 1) o uso de grandes extensões de asa descartables. no Lambert Field. resultaram muito mais econômicos que os aviões. a major distancia. um UCAV apresentado ante 400 pessoas.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta A idéia surgiu na Força Aérea dos Estados Unidos a começos da década dos '90. em 27 de Setembro de 2000. que podem levar combustível extra. Boeing X-45A. e percorreu a indústria aeronáutica e as esferas de Defesa. que principalmente se encontra no segredo dos "projetos negros". que poderia estar voando para o 2000. com terminações serradas. sem cauda. A revista "Aviation Week & Space Technology" faz uma lista dos seis principais critérios que os militares deram à indústria aeronáutica dos Estados Unidos para a criação e desenvolvimento do UCAVs. dirigidos remotamente. partindo de uma base no Sudoeste dos Estados Unidos. 3) A velocidade hipersónica faria aos UCAVs difíceis de interpectar e de derrubar. reaprovisionamiento de combustível em vôo e transporte de carga. São várias as empresas de aeronáutica que competem pela criação do UCAVs. Há sob desenvolvimento toda uma ampla gama do UCAVs. Este UCAV hipersónico seria capaz de realizar vôos lhes-orbitales orbite e estar em uma hora em qualquer parte do mundo. e com instrumentos opto-electrónicos para intervenção direta nas etapas finais. mísseis ire a ar). Estes veículos se desenvolveram mais como mísseis que como aviões. Missouri. 154 . e os AAM (air-to-air missiles. com um comportamento similar e com a vantagem de que ao não ser tripulados não há nada que restrinja suas manobras em ângulos muito fechados. seria que as mesmas fossem em se UCAVs mais pequenos. São 40 por cento mais meninos que os aviões de combate. suportando até mais de 20g de tração. poderiam filtrar-se ainda nos cenários bélicos mais perigosos para cumprir missões de reconhecimento. Inteligência e o governo. mísseis mar a ar). Os UCAVs reconhecerão ao inimigo e atacarão suas bases misilísticas e balísticas. dentro das propostas do UCAVs há dois conceitos em conflito: 1) que os UCAVs vão providos de suficiente software e equipe para lhes guiar aos brancos. defletores das emissões de gases. enquanto um avião tripulado. realizar operações de relé para transmitir informação. fala-se de um UCAV hipersónico (é altamente provável que se trate do modelo não tripulado do Aurora) que pode lançar mísseis anti radiação contra os emissores de radar dos SAM. recebe a inforación. para isolar mais a rubrica calórica dos motores. e de voar investidos. Espera-se que para o 2015 estes artefatos estejam providos de sensores que lhes permitam vôos guiados a largas distâncias. muito possivelmente a famosa Área 51. ocultaram-se em hangares por mais de um ano e embora cada um custou 5 milhões de dólares. sem asas. A Lockheed Martin tem um F-16A modificado. e ali se tomam as decisões. 2) Uma variação dos extremos de asas descartables. e atacar aeroportos com o LOCAAS (Low Cost Autonomous Attack System -Sistema Autônomo de Ataque de Sob Custo). 2) colocar nos UCAVs o mínimo de instrumental possível. lhes transformando em brancos muito difíceis para os SAM (sa-to-air-missiles. além de estar equipados com armadilhas eletrônicas capazes de desviar mísseis.

e entre elas assinalaram as seguintes: ***Uma forma capaz de suportar de 15 a 20g. também voando. em missões que durarão mais de três meses. pode transportar 3 toneladas de instrumentos a uma altura de aproximadamente de 39 mil metros. General Ronald Fogleman: “Dominar o espectro de informação é tão crítico em um conflito agora. 155 . e não a forma.].. A Marinha está fazendo investigações na China Lake. em tanto que outros estão em etapas experimentais.” E bem. coincido com o que –embora que referido a outro tema—há dito o Chefe do Estado Major da USAF. ***Sensores capazes de detectar o lançamento de mísseis inimigos e de identificar brancos em terra." [esta última é transcrição textual do artigo publicado na revista de referência. em estar adequadamente informado. do A. ***Que ocupe não mais espaço em um portaviones de que necessita atualmente em avião de combate A-4. a Nasa está desenvolvendo globos de “superpresión” que flutuarão na estratósfera levando carga útil com um peso de várias toneladas. e portanto. tais UCAVs poderiam levar mais combustível e carga que o que faria um avião do mesmo peso. a Marinha de Guerra tem sua própria versão de um avião de combate não tripulado.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta 4) A forma de um diamante aéreo se considera uma das melhores quanto a sua baixa observabilidad. uma forma de pires poderia produzir o UCAV mais maniobrable se lhe combina com impulsores vectoreados para máxima agilidade lateral. sob o título de "A carga. um analista de operações de investigação petnececiente ao Centro de Guerra Aérea Naval. separando desde portaviones para fazê-los mais operações ainda. ***Que as armas estejam em um compartimento interno e seja capaz de voar investido. …E Globos Orbitais Não posso culminar este capítulo sem mencionar algo mais que se poderá ver sulcar os céus do mundo. Em matéria de Ovnis. como o foi ocupar a terra e controlar o ar no passado. sobre o conceito de um HMLV (Highly Maneuverable Lethal Vehicle) ou seja. e 6) "Potencialmente. ***Reconhecimento automático de brancos com certa capacidade de decisão abordo. uma arma se pode apontar simplesmente rodando o aparelho aéreo sem alterar o curso. 5) Uma grande asa volante seria o melhor desenho para transportar carga muito pesada. Até aqui o que expôs a Força Aérea dos Estados Unidos. Este tipo de globos. quando chegam a estratósfera. ***Uma conexão para as informações que requererá uma banda de amplitude variável e a capacidade de fragmentar uma mensagem e enviá-lo por várias freqüências. Ainda mais. mas não duram mais de uns poucos dias. Mas neste caso. um Veículo Letal de Alta Maniobrabilidad. Estes globos se lançam semi-inflados e se vão inflando à medida que se elevam. Califórnia. atualmente utilizado pelos cientistas. 200 peritos do mais alto nível no UCAVs se reuniram na China Lake para considerar quais deveriam ser as características do UCAV da Marinha de Guerra. assume a forma de um avião convencioinal. conduz a investigação do UCAV" ---N. Mas o ponto chave está em conhecer. Por sua parte. Tenha-se presente que várias destas tecnologias e aparelhos (UAVs e UCAVs) já são operativos e estão em uso. só que mais pequeno. Conforme o declarasse George Palfalvy. e que tem a potencialidade de ser denunciado como um “OVNI”.

000 mts. Vários globos voaram por mais de 300 dias no Hemisfério Sul havendo dois globos que ainda estão voando.000 pés (6.). um cientista do projeto de globos pertencente ao Centro de Vôos Espaciais Goddard da Nasa em Maryland.York. os globos de superpresión poderão realizar experimentos em astronomia. de que uma atividade virtualmente desconhecida.) a 400 pés (120 mts. que requerem tanto resistência como uma maior capacidade de elevação”. No seguinte capítulo brindo mais detalhe a respeito destes globos. Os globos são usualmente esféricos e seu tamanho está em função da altura.000 mts. A informação precisa a respeito. já houve globos superpresurizados especiais. N. e que a outros pode lhes haver passado desapercebida—se encontra não obstante.) dez pés (3 mts. que certamente mais de uma vez devem ter provocado denúncias de “OVNI”. [página 756].” O que o relatório do grupo da Universidade de Avermelhado não esclarece é com que objetivo tantos globos voaram durante tanto tempo no Hemisfério Sul. 156 . --que muitos podem desconhecer. Capítulo XVI -Mais costure estranhas nos céus e aparelhos incríveis. no Capítulo 8 do “Scientific Study of Unidentified Fying Objects” . Não mais de 20 vôos de larga duração se feito no Hemisfério Norte. Mas esta valiosa informação.) a 60. Os globos “fantasma” Décadas antes. (Bantam Books. 965 páginas). e teve que rever hipótese.). Os ensaios com estes globos começaram no verão de 1998 e o primeiro vôo de um globo com toda sua carga poderia lançar-se operacionalmente em janeiro do ano 2000. [página 755] Globos do Super Pressão Os outros pequenos globos são os globos ‘fantasma’ de super-pressão. tenha despertado numerosas denúncias de “OVNI” que –é obvio—terminam uma vez mais no comum denominador da tecnologia humana não identificada.000 pés (12. e o Observatório "Chandra" de Raios X. diz: “Permanecendo em vôo por meses em ocasiões. os globos de polietileno que são parcialmente inflados em terra e se enchem em sua totalidade à altura de flutuação até um diâmetro de 100 pés (30 mts. Uns poucos globos maiores voaram a maiores alturas. Em geral esses têm cargas de uns poucos gramas.000 mts. obriga-nos a reconhecer as múltiplos possibilidades que já houve no passado. agora. Em tão somente os últimos dois anos. que estiveram no ar por mais de 11 meses. sob o primeiro parágrafo diz: “Tipos de globos Três tipos de globos podem fazer surgir observações de OVNI: os globos de neopreno ou borracha que se expandem durante a ascensão de seis pés a 30 pés (lm80 a 9 mts. e pequenos globos super-pressurizados chamados globos ‘fantasma’.). complementado por outros dois intrumentos importantes: o Observatório Compton de Raios Gamma.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Jack Tueller.000 pés (18. janeiro de 1969. a ciência astronômica se exposto a mistérios e interrogantes que nunca antes se expôs. cinco pés de diâmetro (1m50) a 20. Na introdução do capítulo. porque não se acomodaram às realidades constatadas por esse fabuloso instrumento que é o Telescópio Espacial Hubble. mais de 300 globos de super-pressão voaram sobre o Hemisfério Sul.) de diâmetro. sete pés (2m10) a 40. física das partículas e com o buraco de ozônio.

Frank para sua publicação. "Sua influência em vários campos da ciência vai ser profunda" tinha vaticinado em 1986 à revista Science News Alexander J. o qual foi arrojado a começos de 1996. e até o Dressler duvidou de sua teoria. de novos conhecimentos sobre fenômenos naturais que logo agora vieram a conhecer-se." "Não está claro. no Estado de Maryland. e foi exposta pelo Louis A. 'Essas coisas têm o aspecto de cometas. Feldman da Universidade Johns Hopkins em Baltimore. Nada virtualmente escapa à extraordinária e fina capacidade de detecção dos satélites artificiais. que a sua vez. página 332. por exemplo exatamente o que é o que são esses objetos. mas Frank desenhou um grupo de câmaras de tal maneira que pudessem fotograficar aos "pequenos cometas". O Professor Frank havia já detectado o fenômeno a começos dos anos 80 ao examinar imagens na gama do ultravioleta obtidas pelo satélite Dynamics Explorer I." 157 . A evidência de tal fenômeno foi apresentada nessa semana em uma reunião da União Geofísica Americana. Frank da Universidade de Iowa. um tipo de objeto interplanetário previamente desconhecido. Mas não podem possivelmente ser cometas no sentido tradicional' diz Paul D. publicou um artigo escrito pelo R. e atuam como cometas. a púlsares de características estranhas. mas que podem também ter sido responsáveis por mais de uma "denúncia de OVNI" em todas as décadas passadas. são incontáveis os motivos celestes com os quais ir assombro em assombro. hão-nos provido a todos. Monastersky. Que não seria se "naves extraterrestres" estivessem-nos visitando diariamente! Neve do Espaço Esse constante relevamiento de nosso planeta e da atmosfera que o rodeia. em 1991. e especialmente provê aos Ovnílogos. não esteve isento de surpresas. A revista Science News em seu Volúmen 151 de 31 de maio de 1997. O impacto que esse descobrimento teve então e o dá-lo a conhecer desatou uma controvérsia científica que exigia mais corroboração. Frank enquanto isso.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Desde fontes incríveis de raios gamma. Estes mísseis congelados se desfazem muito alto sobre a superfície da Terra e enviam descendendo uma ténue chuva cósmica. A principal missão do satélite era estudar o plasma solar. Dressler. detectaram largos traçados de luz brilhante. editor do Geophysical Research Letters (Cartas de Investigação Geofísica) que tinha aceito o relatório do Prof. mas Frank conseguiu trabalhar com a equipe produtora de imagens que ia voar a bordo do satélite Polar da Nasa. E aqui o articulista do Science News escreve: "As imagens das câmaras do Polar não só confirmaram as observações originais mas também proveram ainda uma mais firme evidencia desses objetos. que teve lugar na cidade de Baltimore. tinha colhido onze respostas críticas a seu trabalho." "Quando a câmara de Ultra-Violeta e a de luz visível observaram sobre a atmosfera da Terra. segundo um controversial relatório". Mas a tecnologia espacial também permitiu controlar a nosso próprio planeta Terra e a seu entorno como nunca antes. passando pelos remotos lugares em tempo e Espaço nos quais morrem e surgem novas estrelas. titulado: "Está a Terra apedrejada por bolas de neve do Espaço?" O artigo de erras começa dizendo: "Imagens de um satélite da Nasa sugerem que a Terra está bombardeada cada dia por milhares de bolas de neve do tamanho de uma casa.

em 21 de outubro de 1989. desfazendo-se nas mais altas capas da atmosfera. cientistas da Universidade da Alaska. e a mantê-los. quando se dedicavam a ver o vídeo de prova. em 5 de julho de 1989 pelos cientistas da Universidade de Minnesota John Winckler. Para isso vou recorrer a um comunicado da Nasa precisamente titulado "Sprites and jatos" que diz o seguinte: "Informe de estranhos estalos e coloridas luzes procedentes das partes superiores de poderosas tormentas elétricas datam de los1800s. um fenômeno não conhecido anteriormente. do A. quando passou sobre uma tormenta altamente ativa ao norte da Austrália. As observações foram feitas como parte do Experimento de Observação de Relâmpagos na Mesoescala do Centro de Vôos Espaciais Marshall da Nasa. À manhã seguinte. A equipe da Universidade também os descobriu e designou como jorros azuis. Jr. captaram-se em um vídeo. Otha H. Faltará sem dúvida mais corroboração. Sprites and jatos (duendes e jorros) Uma impressionante fotografia tomada de um avião da Força Aérea dos Estados Unidos. enquanto em um avião a grande altura voava uma câmara de cor extremamente sensível normalmente utilizada para fotografar auroras. confirmaram que os brilhos têm geralmente uma cor avermelhada que freqüentemente se desvanece para o púrpura ou o azul nos brincos que se estendem para baixo. a 12 mil metros de altura. N. são atraídas e caem. viram um par de gigantescas colunas geme as de luz que se estendiam para cima por mais de 30 quilômetros por sobre a tormenta. 158 . Os cientistas estavam no momento realizando uma prova de calibrada para uma câmara monócroma de baixo e leve nível e em maneira alguma estavam observando particularmente uma tormenta elétrica se localizada ao leste de seu lugar de observação. quando a fotografia --como neste caso-. revela a presença de um fenômeno denunciado por séculos mas nunca bem constatado. As câmaras monocromáticas de TV do transbordador filmaram pela primeira vez do Espaço o que agora recebe o nome de "fantasmas e jorros". quando. Davis Sentman da Universidade da Alaska lhes nomeou como "sprites" (fantasmas) como se chamavam as criaturas na obra do Shakespeare "The Tempest" (A Tormenta) em parte devido a sua natureza transiente. Os brilhos foram inicialmente registrados do Espaço pelo Tansbordador Espacial (STS34). Aqui temos pois. Em 1994. Robert Franz e Robert Nemzek. mas o mesmo se constatou por diferentes satélites e seus instrumentos a bordo.viajam pelo espaço e ao encontrar a nosso planeta em seu caminho. do Centro de Hidrologia Mundial da Nasa foi o principal investigador.]. Poderá-se discutir se a interpretação do Frank é a mais correta. E embora pilotos de aviões as denunciaram nas décadas dos anos 50 e 60. [a letra em negrito é de minha responsabilidade. Vaughan. Merece pois ser tido em conta e considerado. efêmera. outros estudos independentes. permaneceram não confirmadas até recentemente . Estes estranhos brilhos foram primeiro observados desde terra. E embora uma fotografia vale por mil palavras (claro está. até 1994.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta A idéia do Professor Frank é que essas bolas de gelo são partes de tal matéria que --como os cometas-. por um verda dero acidente. para atracar como uma permanente mas ténue massa úmida que pode chegar a formar mares. O Dr. vale a pena ampliar someramente a informação sobre este e outros tipos de fenômenos meteorológicos pouco conhecidos e verdadeiramente espetaculares.é autêntica).

Curiosamente." Estes fenômenos a sua vez foram confirmados pelas detecções do BATSE (Burst and Transient Source Experiment -Experimento de Estalo e Fonte Transiente). Como que se trata de fenômenos naturais os mesmos foram detectados e confirmados na América do Sul.. ou seja um máximo de denúncias. O Comunicado Oficial da Nasa diz: "Em forma e na aparência visual. baixo adequadas condições. Os "sprites" podem ter o aspecto de gigantescas borbulhas vermelhas.. e podem ocorrer em forma individual ou em cachos. em tanto que os "jatos" surgem da parte superior da tormenta elétrica. Gene Wescott e Daniel Osborne.".. em vôos auspiciados pela Nasa e coordenados com a Força Aérea Peruana. and Elves and how to observe these type of phenomena from your own observing location" cujos autores são Otha H. mas que logo agora. que se trata de um fenômeno natural. Permito-me chamar a atenção ao feito de que estes coloridos fenômenos se dão no verão do Hemisfério Norte e o inverno do Hemisfério Sul.. Permito-me recomendar a monografia titulada "What's Up There" A brief history on the Discovery of Sprites. ou polvos com seus tentáculos. Jatos. as estatísticas de "denúncias de OVNI". Por mais detalhe consultar em Internet as páginas da Nasa. não obstante. e a simples vista. Note-se pois. Uma equipe de cientistas do Instituto Geofísico da Universidade da Alaska.. Não se viram "jorros azuis" na América do Sul. este tipo de fenômeno abre a porta para uma intepretación das estatísticas. Isso permitiria explicar a 159 . E é obvio que estes fenômenos foram observados fora do território americano.. registrar e confirmar por distintos cientistas. indicava um "pico". Aproximadamente 500 "sprites" se gravaram os passados meses de junho e julho. os "sprites" sove a América do Sul têm uma aparência similar aos brilhos registrados pela equipe sobre tormentas na parte central dos Estados Unidos o ano passado.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Os "sprites" aparecem no alto por sobre as tormentas elétricas. Sem cair no absurdo reduccionismo de pensar que agora todas essas denúncias podem atribuir-se a "sprites" ou "blue jatos". Vaughn Jr e Waler A. e em registros obtidos do Espaço e desde aviões. estacas de uma perto. Ou seja entre os meses de junho a agosto. Lyons. Os "jatos" parecem ser eyectados da parte superior da tormenta com velocidades tão altas com de 100 quilômetros por segundo e se movem a 32 quilômetros de altura.. e em particular o Centro de Vôos Espciales Marshall. muitos em vídeo cor pela primeira vez.Pilotos e outras pessoas denunciaram ver colunas azuis ou verdes que se propagam para cima a grande velocidade da parte alta de tormentas elétricas.. Os "sprites" se podem ver desde terra logo que fica o Sol.. que a muito tempo se denunciou por distintas pessoas (especialmente pilotos) ao longo de décadas. Assim o consigna um Comunicado de Imprensa Oficial da Nasa de 7 de junho de 1995. Wescott e Sentman foram os primeiros em reportar a captação em vídeo e as características dos "jorros azuis" a partir dos vôos realizados sobre os Estados Unidos em 1994. Nenhum dos grupos de "sprites" vistos este inverno sobre a América do Sul eram tão grandes ou tão intensos em cor como alguns dos grupos maiores registrados nos Estados Unidos. efetuadas em ambos os hemisférios coincidiram sempre (sem que houvesse uma explicação válida) em que o mês de julho. utilizou câmaras a bordo de um avião a reação Westwind-2.. observável a simples vista baixo certas condições. integrado pelos investigadores Davis Sentman. na última década do Século XX se vem a "descobrir". um satélite da Nasa que detecta os brilhos de raios gamma.. Os "sprites" aparecem em cascata tão altos como a 96 quilômetros sobre a Terra. cenouras dadas volta. que lhes tenha em conta.

. publicou em 6 de abril de 1999 em seu Space Science News. De entre toda a informação contida nessa publicação.ou talvez menos. Dita reunião estava auspiciada pela mesma Nasa. Troy. o Centro Marshall e o Laboratório de Investigação da Força Aéra na Base Edwards da Força Aérea em Califórnia. A natureza e características das escaramuças mundiais (focos de combate) evoluiu que maneiras 160 . "A atmosfera mesma se poderia pôr ao serviço de um conceito radical que está sendo posto a prova pelo Professor Leik Myrabo da Universidade Estatal da Pennsylvania em um projeto conjuntamente auspiciado pela Nasa. O balão estaria rodeado de motores iônicos que eletrificariam o ar para lhe impulsionar para cima. que se expande." Até aqui a superficial mas eficaz descrição que nos dá a publiación da Nasa. Como espécie de anúncio preliminar. em Novo o México. mas sim de ciência e tecnologia atuais projetadas a um futuro a médio prazo. O Lightcraft se elevaria em uma série de pulsos de ar quente produzidos por um laser de alta energia. Naves impulsionadas por plasma. Ranhuras na parte exterior do aparelho impulan mais ire para a região então vazia e outro impulso de luz empurra ao artefato ainda mais longe. um contrato de desenvolvimento de vários anos para construir um veículo transatmosférico. para cada um dos hemisférios. hiper-energético. o Laboratório de Propulsão a Reação.S. Introdução "O Comando Espacial dos Estados Unidos outorgou para 2019 ael Projeto Lightcraft do Instituto Politécnico Rensselaer. investigação em fusão e foguetes de antimateria. Maior informação se extrai do Instituo Politécnico Rensselaer. A seguir reproduzo a informação geral que sobre o projeto Lightcraft brinda o Instituto Politécnico Rensselaer. energia projetada. foguetes químicos avançados. laser e antimateria Não se trata de um subtítulo delirante. A ela pertence o Professor Leik Myrabo e a equipe de jovens cientistas que está trabalhando no projeto menor e major do Lightcraft integrado por 30 pessoas. respeito de certos aparelhos.) que em 1999 celebrou seus 175 anos de existência e que débito seu nome a seu fundador Stephen Vão Rensselaer. NY 12180-3590 U.. O Centro de Vôos Espaciais Marshall da Nasa. impulsionando ao artefato para cima. quero em particular assinalar dois. o Centro Marshall. Uma versão avançada do Lightcraft seria um globo cheio de hélio que recebe microondas projetadas desde terra ou do Espaço.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta coincidência do incremento de observações de luzes estranhas nos mesmos meses. propulsão nuclear. dizia-se que as sessões na conferência incluíam vôos a energia solar e microondas. um artigo no que anunciava a realização da décima reunião anual do Grupo de Trabalho sove Investigação do Propulsion Avançada que ia se levar a cabo na Universidade de Alabama. O raio laser se enfocaria justamente debaixo do Lightcraf e superaqueceria o ar. desenhado para desempenhar um papel de superioridade aeroespacial.. não obstante tratar-se de duas estações distintas do ano. uma prestigiosa instituição com sede em Nova Iorque (110 8th St. Um modelo de 15 centímetros de diâmetro foi posto a prova em breves vôos na Área de Mísseis do White Sands. por sua proximidade com certas descrições de formas e comportamentos que fomos conhecendo em recentes décadas. e o Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica. nem de ciência-ficcion.A. para 12 pessoas.

Estes são o modo de propulsão iônica.] Propulsão Há três tipos de modos de propulsão disponíveis para o Lightcraft. pode-se supor a existência de grandes instalações espaciais e a disponibilidade de poder espacial. As velocidades que o sistema de propulsão iônica pode alcançar são equivalentes a um trem moderno da atualidade. e demandou uma nova classe de aparelho aeroespacial que se ache confortavelmente no Espaço. sob a guia do Professor Myrabo. Isto modo conjuntamente com o MDH é impulsionado por energia projetada de um satélite em órbita. Os motores PDE são capazes de realizar uma manobra de "hipersalto" no qual o Lightcraft é acelerado a uma velociad maior que a que o olho humano pode captar a simples vista. vejam-nos detalhes descritivos que seguem a seguir. do A. Estrutura O "Lightcraft" voando no modo de detonação por pulsos. de estações orbitais de energia alimentadas desde terra com laser e / ou transmissores de microondas.[a letra em negrito é de minha responsabilidade. a qual é subsiguientemente vaporizada e eyectada como vapor. N. O sistema de propulsão iônica o produz um dispositivo de células revestir que cuben um lado do Lightcraft. (Nasa) que o veículo é impulsionado por faz de luz e devido a seu desenho leve se inspirou nos globos dirigíveis Goodyear do Século vinte. lhe deu o nome do Lightcraft.]. a energia projetada aparecia especialmente apropriada para a ambiciosa missão. Os motores MHD são capazes de acelerar o Lightcraft a velocidades orbitais dentro da atmosfera e são necessários para vôos orbitais. durante o século XX. mas altamente provável que se inspirou em certos aparelhos que navegaram na atmosfera somente. Dado necessita-se uma nova classe de aparelho que opere tanto na atmosfera como no Espaço. A.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta fundamentais. E se não. O sistema de motor MDH inclui um sistema de "esfriamento descartable" que transfere eficientemente o excesso de calor das rectenas a água dê a bordo. Nesta era. É um veículo pressurizado que se suporta a se mesmo em um tubo exterior que 161 . que não são suficientemente energéticos por um márgen proibitivo. parece muito pouco plausível que o mesmo se inspirou nos globos dirigíveis Goodyear. N. Os motores de detonação por pulsos (PDE) são para o vôo subsónico como o modo iônico. e o modo de Motor de Detonação por Pulsos. utilizou as especificações prévias para desenhar este veículo transatmosférico. usa-se principalmente na aterrissagem e a decolagem. o modo de propulsão Magnetohidrodinámica (MHD). quando se vêem os detalhes do desenho. (Nasa) O desenho do casco do Lightcraft é similar ao dos zeppelines de começos do século vinte. assim como na atmosfera da Terra. O sistema de propulsão iônica a bordo do Lightcraft é só para transporte a baixa velocidade. A Equipe Lightcraft determinou que a natureza ultraenergética desta missão descartava o uso de sistemas convencionais de propulsão química. portanto. O modo PDE é necessário para deslocar ao Lightcraft para o modo MHD. impulsionado por energia projetada. [entretanto. Isto faz que o Lightcraft efetivamente pareça desaparecer.. A Equipe Lightcraft.de. mas são capazes de impulsionar ao Lightcraft muito mais rápido. Utilizando esses modos o Lightcraft é capaz de separar verticalmente e rapidamente acelerar se por acaso mesmo no Espaço.

que lhe faz efetivamente flutuar na atmosfera. ou desdobrar o Aterrizador Maglev como um "pé". esquemas. Esta rotação simula efetivamente a quantidade de gravidade que alguém sentiria na Lua. Essas manobras Estrutura interior (Inst. protegendo aos passageiros no interior. abrange um total de dez páginas e tem por título Ground and Flight Tests of ao Laser Propelled Vehicle (Prebas em Terra e em vôo de um Veículo Impulsionado a Laser). Essas opções são: um trem de aterrissagem auxiliar de trípode no próprio Lightcraft. se ocorresse que se estrelasse. Também há um cinturão de levitação magnética usado para transportar a membros da tripulação desde e para a nave sem os estorvos do anterrizador de levitação magnética que é maior. devido a que o Lightcraft é um veículo pressurizado cheio com o Heliox. além de um apêndice com Reconhecimentos e Referências. um por cada passageiro. Quanto à aterrissagem o Lightcraft tem três opções. Sistemas auxiliares incorporaram-se ao Lightcraft vários sistemas auxiliares. pode acudir-se ao escrito acadêmico publicado pelo American Institute of Aeronautics and Astronautics (AIAA) sob o número 98¬ A publicação que apresenta fotos. O interior do aparelho está cheio de uma mescla de hélio e oxigênio (Heliox). vôo subsónico. e os convencionais avanço. Mediante imersão liquida os tubos são capazes de proteger os frágeis corpos humanos das tremendas acelerações que o Lightcraft alcança. e até se pode dizer que está desenhado alredodor. Quando não se usa. A alta aceleração-G é verdadeiramente uma combinação de coisas. A parte exterior do casco está composta de duas capas. giro e mudança de direção. 162 . Logo que o Lightcraft alcança velocidades supersônicas os motores MHD entram em funcionamento e completam o impulso para o Espaço. O "Lightcraft" entra em Espaço. Se se deseja obter detalhes mais técnicos. 3 ou mais pés extensíveis. O Lightcraft também inclui. e múltiplos detalhes técnicos. cujos autores são Leik N. O aterizador se pode usar para transportar pessoas desde ou para a nave ou para recarregar o sistema de esfriamento com água. a estrutura do Lightcraft o permitiriá atuar como uma bolsa de gás. o aparelho é capaz de rodar em torno de seu eixo vertical. Os três sistemas de propulsão se usam em combinação para obter estas maniobas.Rensselaer) são: hipersalto. Primeiro o Lightcraft realiza o hipersalto por meio dos motores PDE. o sistema encaixa perfeitamente no tubo que está no centro da nave. dependendo do tipo de terreno e outras condições. alta aceleração de Gravidade. Opções de vôo Há cinco tipos básicos de maniobas que o Lightcraft pode realizar. Respaldo de vida O Lightcraft está equipado com 12 tubos de apoio para o escapamento com vida. O sistema de dobro capa serve para proteger ao Lightcraft das temperaturas extremas geradas quando deixa e entra na atmosfera. O SPRS é capaz de proteger aos passageiros de todo tipo de radiação espacial. Um dos modos de aterrissagem (Nasa) Quando o Lightcraft entra em Espaço. um sistema de amparo da radiação espacial (SPRS). (Nasa) Até aqui a informação proporcionada na publicação do Instituto Politécnico Rensselaer. O principal deles é o aterrizador a levitação magnética (MAGLEV). funções de decolagem e aterrissagem.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta rodeia à totalidade do aparelho. gráficas.

A fusão controlada --combinando os núclos de dois átomos leves e extraindo energia desse processo-. NY 12180 e Franklin B. a antimateria se combinaria com matéria para superaquecer gás que seria 163 . Quando lhe gastasse. como a missão Cassini a Saturno que primeiro está cobrando impulso gravitacional passando por Vênus e a Terra como o preço a pagar por usar um foguete convencional para abandonar a terra. lê-se: "Na atualidade. 'pode-se obter até 10 vezes a energia que se obteria de uma combustão convencional'. a antimatería seria como uma bateria armazenando energia na Terra para seu posterior uso no Espaço. Um foguete mais capitalista utilizaria fusão nuclar. na Base Edwards. é hidrogeno sólido e átomos' explicou John Penetre. mas a Nasa não espera alcançar tremendas velocidades com isso. Coloque-se mais energia em um volúmen menor. um administrador para o escritório do projeto de transporte espacial avançado no Marshall. Messitt do Instituto Politécnico Rensselaer. e possivelmente que possamos melhorar seu rendimento". Nuvamente. são o tipo de propulsões utilizadas. e possivelmente também poderia fazêlo-a antimateria' continuou dizendo Penetre. queimam oxigênio e hidrogênio armazenado em forma liquida. e expeliria o gás superaqueça de uma tobera. e as imagens --inclusive reproduzidas em uma publicação oficial da Nasa-. a mesma fonte de energia que existe no coração do Sol.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Myrabo e Donald G. Melhorar os foguetes convecionales é um dos passos a curto prazo auspiciados pelo Centro de Vôos Tripulados Marshall. para viajar a outros planetas se aplica a nota de cautela do granjeiro de Nova a Inglaterra: "Não se pode ir ali daqui". bem podem fazer pensar em uma tecnologia fora deste mundo. capacidades. Os motores principais dos Transbordadores Espaciais. A publicação da Nasa se refere a outro par de fontes de energia para futuros veículos espaciais. A primeira escala é uma órbita terrestre baixa. " Mais adiante o documento expressa: "Se a Nasa decide enviar gente a Marte com um foguete nuclear. O desafio é ir além dos sofisticados fogos que temos atualmente. do Diretório de Propulsão do Laboratório da Força Aérea. 'Uma das áreas que estamos estudando no Centro do Inve stigaciones Glenn..do grande Lightcraft. Seus foguetes impulsores sólidos queimam alumínio e oxigênio encerrados em um composto gomoso. CA 93524. Em certo sentido os foguetes são baterias que encerram produtos químicos que foram preparados e armazenados de modo que possam conter uma tremenda quantidade de energia potencial. seguida por um impulso que coloca uma sonda em um grande arco para seu destino. e se terá sondas mais pesadas que podem ir mais profundo no espaço. admite Penetre. O foguete nuclear mais simples bombearia hidrogênio líquido sobre o núcleo de um reator. que merecem mencionar-se: Em tal sentido. 'A fusão nos pode levar aos planetas exteriores. por exemplo. A antimateria é o que impulsiona navios estelares de ficção. Penetre disse que a Universidade da Florida está estudando ligas capazes de suportar altas templeraturas e alta pressão que possam fazer frente às extremas diferenças de temperatura. da Nasa. cuja forma. terá que ir a algum outro lugar. e mais rápido. Troy. Mas se trata de projetos. Mijem Jr. tecnologias e aparelhos de origem humana. queremos nos assegurar que o foguete seja o mais seguro possível. os efeitos que particularmente causa o desprendimento de plasma em torno do aparelho pequeno de prova. Às vezes. O interessante neste caso em particular.evitou os melhores esforços dos cientistas e engenheiros de um precoce intento na década dos anos 30. a sonda espacial se encaminha na direção "equivocada". etc.

e reconhece dois objetivos: O Diversas seqüências de um d e os experimentos Objetivo Cientista a longo prazo. planejado para o ano 2000. O Laboratórios para Astrofísica Experimental da Universidade Washington conduz vários experimentos com globos. quanto mais alto foram os globos. Pelo menos o que se sabe até agora. segundo a mesma apresentação. Em uma apresentação para uma conferência científica sobre o TIGER. o âmbito próximo ao Espaço e partículas altamente energéticas procedentes do Espaço. outras estrelas e possivelmente objetos distantes super energéticos como os buracos negros. Este TIGRE já tem sua história. Alguns desses globos que voaram com antecedência no Século 20 levavam instrumentos científicos para investigar a radioatividade. é que fez um vôo do Forte Sumner do Exército. o Propósito do TIGER é duplo. mas também também o da América Latina. Um "Tigre" no céu O Centro McDonnell para as Ciências Espaciais no Departamento de Artes e Ciências da Universidade Washington. é medir com precisão a abundância elementar de Raios Cósmicos Galácticos mais densos que o ferro. (Gravador de Elementos Galácticos mais à frente do Ferro). que está investigando alguns sutis e genuinamente estranhos aspectos da física quântica que se podem explorar no próximo milênio. em 24 de Setembro de 1997. Outra projeção explica como funciona TIGER. E se se pensa que a propulsão de antimateria não chega tão longe na fronteira da investigação. diferentes projeções de computador vão mostrando aspectos referidos a que são. o Objetivo de Engenharia. Alcançou uma altura de flutuação de entre 34 mil e 500 a 39 mil 164 . Conforme dita apresentação. que não só sobrevoaram o território dos Estados Unidos. Agora se sabe que as fontes de raios cósmicos incluem o Sol. no Estado do St. Mark Millis do Centro Glenn da Nasa fará uma revisão do programa de Importantes Descobrimentos em Física. major resultava a intensidade dos raios cósmicos. Os globos para grande altura se usam para investigar a atmosfera superior. Os cientistas observaram que a fonte de "emanações eletricamente descargantes" incluíam não só os elementos radioativos em rochas. mas também misterioros "raios cósmicos" procedentes do céu. de onde provêm e que classe de raios cósmicos há segundo suas fontes. é provar que os Raios Cósmicos Galácticos mais densos que o ferro se podem medir com alta precisão utilizando um detector de uma grande área a escala total. Uma vez mais me permito chamar a atenção do leitor sobre a existência e uso destes globos de grande altura. Louis esteve comprometido no lançamento de globos não tripulados para grande altura durante muitos anos. portanto TIGER conta com dois Odoscopios que corrigem o ângulo dos sinais. e Contadores Cherenkov que são feitos de acrílico e não têm tintas. para obter propulsão. O experimento da Universidade Washington se chama TIGER (TIGRE) pelo Trans-Iron Galactic Element Recorder. e inclui contribuições do Centro de Vôos Espaciais Goddard e do Instituto de Tecnologia de Califórnia. incluindo um vôo de 100 dias que vai dar várias vezes a volta ao mundo. em Novo o México. Os Raios Cósmicos Galácticos podem passar através do TIGER em muitos ângulos diferentes que a vertical. Atualmente os cientistas ainda investigam esses raios cósmicos utilizando globos não tripulados que voam a alturas de aproximadamente 40 quilômetros. e nos informa que está equipado com Contadores de Brilho que são feitos de plástico (PVT) contendo tintas destellantes.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta expelido por uma tobera para impulsionar a espaçonave.

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

e 900 metros durante quase 24 horas. Caiu em Kansas. Os instrumentos estavam contidos em uma gôndola esférica de alumínio, de 2 metros 40 de diâmetro. Essa gôndola é um escudo protetor para manter a temperatura e presion estáveis para os instrumentos, durante o vôo, tendo em conta o aspecto eletrônico dos mesmos. Tudo se pintou de branco para refletir a luz do sol de modo de que não houvesse muito calor dentro da gôndola esférica. colocaram-se aquecedores dentro da gôndola para que não se esfriasse muito logo depois do Pôr-do-sol. Deste modo se adicionaram materiais isolantes. O conjunto total pesou aproximadamente tonelada e meia. Isso incluiu o TIGER e a gôndola protetora, os instrumentos de controle do globo como um aparelho de Posição Mundial. Antenas, baterias e patas para absorver o choque ao aterrissar. O globo que fez elevar ao TIGER estava cheio de um milhão 200 mil metros cúbicos de hélio. O globo estava construído de polietileno de dois milímetros e meio de espessura. É de esperar então, que no futuro próximo se vejam sulcar os céus a estes TIGER. Mas há outros globos mais impressionantes ainda que o TIGER, que certamente chamarão a atenção e poderiam desatar (embora a esta altura o duvido) algumas denuncia de OVNI, especialmente do México e outros países latino-americanos, particularmente na América Central e o Caribe. "Cabaças" lhes-orbitales orbite É obvio que não têm nada que ver com a tradicional celebração de "Halloween", embora a forma seja a de uma cabaça. Sob o título "Ultra-Long Duration Balloon Project", e com os auspícios do Centro de Vôos Espaciais Goddard e da Instalação de Vôos Wallops, na Ilha Wallops, Virginia, a Nasa emitiu um documento que apresenta o projeto desta maneira: "O Projeto de Globo de Ultra Larga Duração (ULDB) está administrado pelo Centro de Vôos Espaciais Goddard, Escritório do Programa de Globo/820. O objetivo do Projeto é desenvolver sistemas de globos capazes de apoiar observações científicas por cima de 99% da atmosfera da Terra para durações aproximadas dos 100 dias. O vôo de demonstração TIGER ocorrerá no ano 2001. O objetivo do dieño é apoiar uma carga científica de 1.100 quilogramas e ser capaz de liberar 800 vatios de energia contínua aos instrumentos científicos apoiados em um período de 12 horas dia e noite. Os cientistas poderão comandar seus instrumentos e receber informação científica em sua instituição via Internet." A publicação também dá a conhecer que: "Uma prova com um balão cabaça de 14 metros cúbicos fabricado de material DP6611.25 se realizou em 9 de junho de 1999. O balão cabaça é um globo de superpresión que, mediante seu desenho, permite que a carga de pressão seja mantida em "tendões" longitudinais e não no material que envolve ao globo. O primeiro lançamento de prova de um Veículo ULDB propriamente dito se levou a cabo em outubro de 1999 no Forte Sumner, Novo o México. A publicação contribui deste modo um quadro das principais características diz este globo que complió a Fase II de prova de vôo do veículo. GLOBO DE 60.000 Metros Cúbicos Propósito: Provar o desenho estrutural e comportamento Especificações: Forma: Cabaça Volúmen: 51.452 m3 Tendões: 48000 do PBO Denier passados os laços. Altura: 32 metros Globo de Ultra Larga Duração, a Carga: 680 kgs. "cabaça espacial”. (Ilustração de Altura: 26.000 metros a Nasa) 165

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

E agora um chamado especial de atenção para os habitantes da América do Sul, e em particular aqueles se localizados no chamado Cone Sul, porque os primeiros vôos se realizarão no Hemisfério Sul. Períodos nos quais terá que emprestar especial atenção, a primavera/verano do 2000, e daí em adiante. Sem descartar de que no verão de 1999 algo possa ter passado a nível de vôos de prova. Tudo isto o deixo aqui devidamente documentado, para que ninguém do público em geral e dos investigadores ou estudiosos dos OVNI se surpreenda, se surgirem algumas denuncia de estranhos artefatos sulcando os céus do Hemisfério Sul. E especialmente, este é um chamado de atenção e um alerta para a imprensa, geralmente dada a difundir as notícias de denúncias do público, antes de ter a confirmação por parte de quem tem a seu cargo, privada ou oficialmente, a investigação destes sucessos. Tanto o Lightcraft, como TIGER, como o Globo de Ultra-larga Duração, não são utopias. Já estão, e o estarão cada vez mais. Mas junto com estes projetos de avançada quanto a viagens aeroespaciais, ou a exploração da Terra desde grandes alturas que chegam aos limites da atmosfera, há outros projetos que também estão em marcha. X-40A Veículo Espacial de Manobras Em 11 de agosto de 1998, às 6:59 da manhã, fez seu primeiro vôo experimental e aterrissagem o X-40A --Air Forse Space Maneuver Vehicle (AFSMA)-- um modelo a 9 décimos de escala do tamanho real do que no futuro será utilizado para o desdobramento de satélites e reconhecimento militar. O modelo foi levado às alturas amarrado a um helicóptero UH-60 Black Hawk, e logo arrojado desde 3 mil metros sobre a superfície terrestre, aterrissando pefectamente em uma pista. tratou-se de um aparelho não tripulado. O artefato --para o qual o Congresso dos Estados Unidos votou uma primeira cifra de 5 milhões 300 mil dólares para a fase inicial de provas-- voou sobre a Base Holloman da Força Aérea, em Novo o México, durante 90 segundos. O veículo foi construído pelos Phantom Works da Boeing, no Seal Beach, Califórnia, sob uma associação entre o Diretório do Laboratório de Investigação de Veículos Espaciais da Força Aérea na Base Kirtland da Força Aérea em Novo o México, e o Diretório de Veículos Aéreos na Base Wright-Patterson da Força Aérea, em Ohio. tratou-se do primeiro de três vôos experimentais previstos com este veículo a escala do real. O "buzzard" um protótipo que logo estará Os veículos finais resultantes do mesmo poderão ser lançados por foguetes impulsores a uma órbita de 35.405 quilômetros sobre a Terra e poderão permanecer ali por até um ano, podendo-se deslocar sobre culquier lugar onde haja um problema e seja necessária sua presença, para finalmente culminar aterrissando como o fazem atualmente os transbordadores espaciais. E a dança de milhões continuou para os Phantom Works da Boeing, (a equipe de técnicos e engenheiros aeroespaciais que compete com os Skunk Works da LockheedMartin), já que a Agência de Investigação de Projetos Avançados de Defesa (DARPA, em sua sigla em inglês) e a Força Aérea do Esados Unidos selecionaram à companhia Boeing para continuar por volta da segunda fase do programa de demonstração de tecnologia do Veículo de Combate Aéreo No-tripulado (UCAV, em sua sigla em inglês), a um custo de 131 milhões de dólares. 166

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

O sistema UCAV da Boeing inclui um veículo sem cauda, de 8 metros de envergadura, e de 4 m 20 de asas, com um sistema de controle de missão reconfigurable, com um sólido sistema de comunicação via satélite e por linha, em vinculação com lugares específicos para um controle distribuído em todas as situações de combate aéreo. O desenho do aparelho, diz-o tudo... E se algo como isto ou semelhante a isto é visto voar, não é difícil imaginá-las denúncias às que pode dar lugar. Por isso, o melhor favor que se podem fazer os sérios investigadores de "casos OVNI", é conhecer previamente se por acaso mesmos estas informações e logo as divulgar o mais possível, para fazer que o público em geral também esteja ao tanto. Essa tarefa de informação e educação do público, é um dos aspectos mais importantes e mais nobres a que pode dedicar um autêntico Ovnílogo. Capítulo XVII - Microvolantes e nanotecnología: o que está e o que virá No documento oficial titulado “Micro Air Vehicles – Toward a New Dimension in Flight” (Micro Veículos Aéreos – Para uma nova Dimensão no Voar”, os autores do mesmo, o Dr. James M. McMichael, Administrador de Programa da Agência para Projetos de Investigação Avançada de Defesa, (DARPA) e o Coronel (Ret.) da Força Aérea dos Estados Unidos, Michael S. Francis, que pertenceu ao Escritório de Reconhecimento Aéreo de Defesa (DARO), contribuem um valioso resúmen sobre o tema. Em dito documento indicam que: “As primeiras sugestões de viabilidade técnica apareceram a começos da década dos 90s, de estudos tais como a investigação da Corporação RAND sobre microsistemas, e das primeiras investigações sobre microvolantes efetuadas no Laboratório Lincoln do MIT. [Instituto de Tecnologia de Massachusetts – N. do A.] O último estudo mais recente contribuiu a dar energia a um grupo de trabalho da DARPA sobre a viabilidade de Micro Veículos Aéreos em outono de 1995. O resultado desse esforço foi o novo programa criado pelo DARPA para desenvolver esta nova dimensão em vôo. O programa do DARPA se iniciou a começos do último outono [1996 – N.del A.] através do Programa de Investigação sobre Inovação na Microempresa, conjuntamente com um estudo mais detalhado por parte do Laboratório Lincoln.” A referência à Corporação Rand, surge de: “Future Technology - Driven Revolutions in Military Operations”, -- ‘Futuras Revoluções nas Operações Militares conduzidas pela Tecnologia’. Se trata de um relatório documentado do Instituto de Investigação de Defesa Nacional da RAND, elaborado pelo Richard O. Hundley e C. Eugene em dezembro de 1992. A Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) dos Estados Unidos, destinou 35 milhões de dólares até o ano 2000 para desenhos do MAVs (Micro Air Vehicles -Micro Veículos Aéreos) ou como também lhes chamou em espanhol, Microvolantes. Como se expressa no mesmo documento oficial chamado precedentemente: “O término Micro Veículo Aéreo pode ser um tanto enganoso se lhe interpretasse muito literalmente. Temos a tendência a pensar nos aeromodelos como ‘miniaturas’, de modo que o término ‘micro’ agora alude a toda classe de veículos significativamente mais pequenos. Mas os MAV’s não são pequenas versões de aviões maiores. trata-se de veículos de vôo pequenos, possíveis, totalmente funcionais, e com capacidade militar, únicos em sua classe. A definição empregada no programa do DARPA limita esta classe de aparelhos a um tamanho menor aos 15 centímetros de comprimento, largo ou alto. Este tamanho físico coloca a esta classe de veículos pela menos em uma ordem de magnitude mais pequeno que qualquer UAV em missão desenvolvido até o presente.” 167

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

“deve-se pensar nos MAV’s como robôs aéreos que podem desdobrar uma microcarga útil em um lugar remoto e de outra maneira perigoso, onde podem desempenhar qualquer de uma variedade de missões, incluindo reconhecimento, relevamiento, determinação de brancos e detecção bioquímica.” Mais adiante, o mesmo documento acrescenta explicativamente: “Embora a limitação de 15 centímetros pode parecer um tanto arbitrária, deriva-se tanto de considerações físicas como de tecnologia…………….O número Reynolds (uma medida do tamanho multiplicado pela velocidade) é possivelmente o único parâmetro mais útil para caracterizar o meio ambiente de vôo.” A DARPA tinha estabelecido um prazo de 42 meses para o exponho de propostas e o desenvolvimento de protótipos. A agência pressupôs um total de 2 milhões 800 mil dólares para a última parte do ano fiscal 1997 e um total de 12 milhões de dólares para 1998, aprovação do Congresso mediante. O desenvolvimento de micro sensores e sistemas micro-electromecánicos, chamados em inglês MEMS, facilitou a idéia dos MAVs. Os investigadores já desenvolveram sistemas de propulsão em miniatura que incluem motores de micro-turbinas e baterias miniaturizadas. Estes MAVs não podem confundir-se com os modelos de aviões a escala. O Instituto de Tecnologia da Georgia é o lugar dos Estados Unidos onde se centrou a investigação e o desenvolvimento de protótipos do Microvolantes. O exemplar da primavera de 1997 da revita “Research Horizons” inclui um artigo titulado: “Flying into the Future”, no qual diversos cientistas e investigadores expõem seus trabalhos e critérios em torno do desenvolvimento desta nova tecnologia. Robert Englar, Engenheiro Principal de investigações explica certos princípios: “Os aviões tradicionais se apóiam na velocidade do vento para gerar sustentação em apóie a suas asas e lhes permitir manter-se no ar. Nosso novo modelo permtirá ao microvolante separar e aterrissar a velocidades muito menores e dar-se volta enquanto está no ar. Isto possibilitará a estes muito pequenos aparelhos aéreos, voar entre edifícios, por exemplo.” O Dr. Robert Michelson, outro Engenheiro Principal de investigações no GIT, criou um veículo com asas batentes, que se parece com uma mosca, e indubitavelmente se inspirou no inseto. Para isso desenvolveu o que ele chama um Músculo Químico Recíproco (MQR) que utiliza combustível monopropulsor para gerar um movimento recíproco, ou seja, ascendente e descendente, com o qual seu modelo de “mosca artificial”, move as asas para cima e para baixo. Michelson diz que “O próximo passo é reduzir o MQR ao tamanho de um inseto”, e acrescenta: “Os objetivos futuros para este modelo incluem um vôo ordenado ou dirigido; locomoção multi-modo; e sensores que lhe permitirão realizar atividades simples autogeneradas.” O Dr. Daniel Campbell está encarregado do desenvolvimento de sensores, e sobre a tecnologia utilizada diz:”Com estes sensores ópticos integrados, podem-se utilizar reações químicas, a absorção em polímeros e outros meios de recolher informação analística. Combinadas, essas características fazem aos sensores ópticos integrados mais específicos e sensíveis que outras técnicas de monitoro.” Um dos problemas mais importantes, é o controle e a guia humana em relação aos Microvolantes, não obstante estes estejam equipados para tomar certas resoluções se por acaso mesmos. A Dra.Joy Laskar e sua equipe, estão dedicados ao tema de como comunicar-se com os MAVs durante suas missões aéreas, e como transferir e guardar a informação que os MAVs recolham. 168

Merecem destacá-la Nasa. onde está ralizando seu trabalho o Prof. O Dr. na Virginia. (Ret. O Laboratório de Investigação Naval. terá que aspirar muito bem.] Reconheça-se que esta declaração permite uma evolução de capacidade com o passar do tempo que começará com os sistemas e as missões mais simples. mas também em términos de escalas pequenas quanto à fabricação e os tempos de prova. Associação Internacional para Sistemas de Veículos Não Tripulados. oferece maiores vantagens. e podem eventualmente encontrar aplicações deste modo como armas. Samuel Bankenship. Thomas Mueller da Universidade do Notre me Dê. os autores do mesmo se expõem a pergunta básica “por que Micro Veículos Aéreos?. em Urbana-champaign. os MAV’s se operarão por e para o soldado individual no campo como um meio disponível a nível do pelotão.” E ao concluir o chamado documento. que preside a Sociedade Internacinal para a Organização Estrutural e Mutidisciplinaria.del A. comunicações. e adiciona “Custará mais de 10 milhões de dólares produzir o protótipo. Michael Selig da Universidade de Illinois. Investigadores do Instituto Alemão para Micro Tecnologia mostraram um helicóptero do tamanho de um amendoim com rotores de papel aluminizado. James M. cientistas e técnicos que estão trabalhando nos MAVs. com gente como Rick Foch. No documento oficial americano “Micro Air Vehicles – Toward a New Dimension in Flight” ao que faço referência ao início deste capítulo. Em tanto a pequena escala expõe enormes desafios técnicos.” Nos Estados Unidos há muitas outras organizações. todas as indicações são de que esses sistemas se podem desenvolver com as atuais tecnologias eletrônicas e outras vinculadas a estas. no Monterey. do Departamento de Engenharia da Universidade da Florida. e Raphael Haftka. Por sua parte o Dr. a AUVSI. Os MAV’S também se poderão usar para marcar. não só em términos de permitir novas missões. o Projeto UAV da Universidade Estatal do Arizona. A resposta se apóia nas aplicações vigiadas para os MAV’S. onde e quando se necessite. o Dr. Califórnia. cuja sigla em inglês é ISSMO. em suas instalações da ilha Wallops e em Centro de Investigação Langley. quem se encontra à frente de todo o projeto dos MAVs. e a respondem desta maneira: “por que ‘micro’? por que não algo maior?. determinar brancos. Essas ‘pequenas’ escalas podem ajudar a assegurar breves ‘períodos de gestação’ (tempos de ciclos de desenvolvimento) para 169 . Sabemos que estamos dando um grande impulso a este projeto. com o Brandon Latek como Administrador do programa. Francis dizem sob o rótulo de “Uma nota final”: “Apesar dos significativos desafios para quem desenvolve MAVs. Entretanto. [negrito minha – N. David Jenkins.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Nesse sentido a investigadora de computação especializada em fatores humanos Amy Mykityshn está trabalhando no desenho das “interfaces homem-máquina”. o Dr. declara no mesmo artigo da publicação do Instituto de Tecnologia da Georgia: “Esperamos ter uma máquina voando em três anos”. e empregar uma estratégia de impulso e arrasto: os requerimentos técnicos impulsionam a desenvolver nova tecnologia e logo a tecnologia arrasta à investigação consigo. Em contraste com os aparelhos de reconhecimento de alto nível tais como satélites e UAVs de grande altura. David Jenn e avançados estudantes. McMichael do DARPA e o Cnel. Estudos como o Estudo do Verão de 1996 do Escritório de Ciência de Defesa sobre ‘Táticas e Tecnologias para o Combate Bélico do Século 21’ enfatizam manter ao pessoal longe de perigos provendo um conhecimento situacional sem precedentes a nível de pelotão. provendo reconcimiento local e outra informação por sensores a demanda. e a Escola Naval do Post-Grau. Mas não só os Estados Unidos está procurando o desenvolvimento de Micro Veículos Aéreos.) da USAF Michael S.

é desenvolver e construir um sistema MALD com um preço médio da unidade não major do $ 30.000 unidades” Agora bem.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta cada geração de capacidade. escapa a etapas anteriores do desenvolvimento de tecnologias terrestres. A nanotecnología 170 . aceso do motor. inclusive alguns com forma de disco. O MALD se separou limpamente e voou a uma altura de aproximadamente 6 mil metros a uma velocidade do Mach 0.75. enquanto o avião voava a 460 nós de velocidade.e a maior eficiência dos artefatos criados em questão. o desenvolvimento da mesma se encaminha diretamente para a miniaturización. Às 7:40 a. que leva por título: “DOD SUCCESSFULLY LAUNCHES MINIATURE AIR-LAUNCHED DECOY” (O Departamento de Defesa lança exitosamente chamariz miniatura arrojado do ar) O comunicado dá a conhecer entre outras coisas as seguintes: “O Chamariz miniatura arrojado do ar (Miniature Air-Launched Decoy – MALD) do Departamento de Defesa voou exitosamente pela primeira vez na sábado 9 de janeiro de 1999. para sua própria ciência e tecnologia-. O vôo cumpriu os objetivos da prova de separação segura. minimizando o risco de uma intervenção humana direta. transmitindo energia de rádio freqüência. Se isto for assim. deveria –pelo desenvolvimento intrínseco que tal aventura supõe. com total certeza. no quadro geral de uma apreciação do tema “OVNI”? Há uma conclusão ineludible: à medida que balança a tecnologia. Quando tudo isto se compara com os aparelhos que estiveram voando por aí.” A isto se pode acrescentar o comunicado de imprensa do Departamento de Defesa dos Estados Unidos de 13 de janeiro de 1999. Calif. O objetivo primário e o único requisito firme do programa. Este vôo é o primeiro de 20 programados para que tenham lugar nos próximos quatro meses e n a Base Edwards da Força Aérea……A Agência para a Investigação de Projetos Avançados de Defesa (DARPA) está levando a cabo o programa MALD como uma Demonstração do Conceito de Tecnologia Avançada para prover à Força Aérea com um pequeno e barato sistema de chamariz arrojado do ar para suprimir as defesas aéreas do inimigo. Disto se deduz que.m. vôo autônomo e segura recuperação.000 (ao valor dólar do ano fiscal 1995). que uma presunta civilização procedente do Espaço. MALD estimula. pode coligir-se com total simplicidade e lógica meridiana. que nada do que se viu. podemos antecipar com otimismo a rápida evolução do MAVs em sistemas militares úteis e flexíveis em um futuro não muito longínquo. quanto major é o desenvolvimento científico e tecnológico de uma civilização dada. Pode sustentar-se pois. O lançamento ocorreu a uma altura de 6 mil metros.ter chegado a estes graus aos que os humanos estão alcançando já. Isto permite aos aparelhos que atacam localizar e desmantelar as unidades de defesa aérea do inimigo com muito menor risco para a vida dos pilotos. de até 30 metros de diâmetro ou mais. (Hora Padrão do Pacífico) lançou-se de um F-16 provido pelo Esquadrão de Vôos de Prova 416 da Base Edwards da Força Aérea. mais pequenos serão os instrumentos que tem que utilizar para explorar. para obter imagens e informação. e para as comunicações. à redução de custos –entre outras razões por redução de peso. no Centro de Vôos de Prova da Força Aérea na Base Edwards da Força Aérea. para 3. de carácer artificial. o que significa tudo isto. que tivesse chegado até nós. dilui e confunde os sistemas integrados de defesa aérea do inimigo.

Isso a sua vez. Seu símbolo é N. fui leitor assíduo da revista “Planeta”. O Dicionário da Real Academia Espanhola define a “nano” como: “elementos comparativos de nomes que significam a milmillonésima parte das respectivas unidades (10 às menos 9).CA—Pela primeira vez. já que a questão radicaria em determinar as características da matéria a obter. O campo. teriam funções específicas a cumprir. E me expor que o que usualmente fazemos é consumir matéria para gerar energia.” 171 . água e ar podemos fazer batatas. Por assim dizer.” Tal o publicado na seção “Tech Update” (Tecnologia ao dia) pela revista “Popular Science” em sua exemplar de janeiro de 1998 Nanotecnología. como pode apreciar-se. Ralph Merkle. O experimento se conduziu por uma equipe de 20 físicos e estudantes da Universidade do Rochester. houve uma que tinha que ver com a matéria e a energia. podemos fazer um diamante. As propriedades desses produtos dependem de como estão dispostos esses átomos. do que se trata? O Dr. permitiria-nos transportar quase instantaneamente objetos e fazer que os mesmos surgissem no lugar desejado. o que aconteceria fizéssemos o processo à inversa. Se recolocarmos os átomos na areia (e acrescentamos outros poucos elementos a nível de traçados) podemos fabricar ‘chips’ para computadores. assisti a uma conferência que Louis Pauwels desse no Paraninfo da Universidade da República no Montevideo. para minha felicidade. e ao que já se está começando a experimentar. Se dispusermos aos átomos de outra maneira no carvão. Onde concluía que a matéria era simplesmente uma expressão da energia. a Universidade do Tennessee e a Universidade Stanford. de tal maneira que “pacotes de energia” de certas caracerísticas.” Faz décadas. E isto me leva da mão ao que virá. (O Amanhecer dos Magos) cujo título –segundo meu critério—se traduziu bochornosamente ao espanhol como “O Retorno dos Bruxos”. “O Matin dê Magiciens” . Os cientistas dizem que seus experimentos de conversão de luz em matéria lhes ajudarão a desenhar novos aceleradores de partículas capazes de demostar mais profundamente os segredos do átomo. e é obvio li seu livro fermental. investigadores criaram matéria a partir da luz. embora que em um nível muito primário e primitivo: a nanotecnología. um laser –com quase o mesmo poder que se usa para fazer funcionar a toda a nação— se enfocou por uma fração de segunda em uma área mais pequena que o ponto ao final desta frase. pensava. Se reordenarmos os átomos no pó. Mas. a energia é a matéria prima da matéria (valha a redundância). e então. levou-se a cabo no Centro do Acelerador Linear do Stanford.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta A etapa última –se acaso pode haver uma que seja tal—poderia definir-se como a de energia modulada. “Os produtos manufaturados estão feitos a partir de átomos. estão-se dando com entusiasmo os primeiros passos nesse maravilhoso caminho. Para criar matéria a partir da luz. a Universidade de Princeton. Califórnia explica: desafio do futuro próximo. agrupar ou dirigir a energia de tal forma que nos desse o resultado querido. “STANFORD. Pois bem. um nanotecnólogo computacional do Xerox Park. em Pau Alto. Foi por então (década dos sesentas) que entre as muitas idéias que toda essa literatura me inspirasse. se utilizássemos energia para criar matéria? Isso abriria possibilidades incalculáveis. ou seja. e as perpectivas incomensuráveis. condicionar. é quase infinito. encontro-me que trinta e poucos anos depois. Uruguai.

ou mais específicamdente a nanotecnología molecular. um homem que trabalha para a companhia Xerox. esta fora a maneira mais inteligente em que uma civilização verdadeiramente avançada pudesse vigiar. Incorporated.A trastienda da investigação. dos produtos e sub-produtos lhes construam utilizando fabricação molecular.” Obviamente. assim como de proteínas para uso médico. A nível de ordenadores --como gostam de lhe chamar os espanhóis--pode prevê-la fabricação de computadores hiperveloces. modificar suas formas. e –última mas não menos importante por sua projeção de futuro—a National Space Society através de seu Molecular Manufacturing Shortcut Group. os MAVs poderiam ter o tamanho de um micróbio!. emitir a informação em tempo real recorde. a empresa Molecular Manufacturing Enterprises. A nível de artefatos volantes. Uma visão generalizada do que é e o que implica a nanotecnología.Merkle fala desde sua situação existencial. o Institute of Molecular Manufacturing. Diferentes pessoas têm diferentes definições do que é e o que não é nanotecnología………A nanotecnología. automóvel-reparar-se. e que é perito no âmbito cibernético. com discernimento próprio e outras funções que se associariam com o cérebro humano. uma simplificação. especialmente quando o domínio da mesma permita ir muito além de um aperfeiçoamento. sortear perigos. “sentir-se” a se mesmos. conhecer da existência de uma carta. cristais para uso industrial. Com a nanotecnología. O término foi originalmente proposto pelo K. com enorme capacidade de armazenamento. o Center for Nanoscale Science and Technology da Universidade Frise. quem diz: “A nanotecnología é uma tecnologia desenvolvida às escalas mais pequenas da matéria atômica. O mistério de "Pentacle" Todos os investigadores e estudiosos do tema OVNI devemos ao Jacques Vallée. e um barateamento na fabricação de computadores. etc. com menos custo e em quase cualquir ordem que desejemos. dá-nos isso Brad Hein da Universidade de Iowa. pode imaginar-se fantásticas possibilidades que a nanotecnología abre quanto a performances. mais leves e mais precisos. e ter precisão em relação à detecção de objetivos e brancos.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta “Seremos capazes de pôr juntos facilmente os blocos de construção da natureza. mais fortes. no momento em 172 . adaptabilidade ao médio. Eric Drexler. Eric Drexler. cujo propósito é “promover o desenvolvimento de nanotecnología como um meio de facilitar a colonização do Espaço”.” Quem esteja mais interessados em aprofundar neste tema podem ler “Nanosystems: molecular machinery. controlar. E possivelmente. e coordenar os detalhes para as ações subseqüentes. etc. por exemplo: o Foresight Institute. Baste assinalar por outra parte que há algumas instituições especialmente dedicadas ao desenvolvimento e a aplicação de nanotecnología. manufacturing and computation” do K. Isto será essencial se formos continuar a revolução no ‘hardware’ dos computadores além da próxima década. o Ame Research Center da Nasa. É imprevisível atualmente definir o que alcance e repercussões terá o desenvolvimento da nanotecnología. o Dr. autocorregirse. e dominar a outra… Capítulo XVIII . é uma tecnologia projetada que permitiria o completo e barato controle da estrutura da matéria apoiada em um controle de molécula por molécula. e nos permitirá também fabricar uma geração totalmente nova de produtos que sejam mais limpos. assinada por alguém a quem ele.

Recomendo de maneira muito especial procurar o CUFON na Internet. se não mais. nem aparentemente tinha procedido em função de conhecê-la. Conforme relata Vallée. Por outra parte. e esse foi originalmente o emblema do Exército do Ar dos Estados Unidos. 39 anos depois.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta que a descobriu. Mas corresponde que primeiro exponha o documento. Menos ainda poderia a carta em se. Como ele mesmo aconselha --e assim procedi--terá que ler entrelinhas. e portanto pouco podia importar revelar sua identidade. Talvez. pentáculo.a segurança nacional dos Estados Unidos.C. pôr em perigo --digamos-. e entre eles. Thomas H. o descobrimento da carta ocorreu no domingo 18 de junho de 1967. e ainda muitos anos depois. Estado de Washington. preferiu seguir mantendo no anonimato. como pelo que não diz. sobre um roupeiro. mas também tampouco transcreve o conteúdo total do documento. SECRETO INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA G-1579-4 dC: B. não é um ensaio. Vallée não só não dá o nome de quem a assina. nem um livro analítico. embora é o Capítulo 15 o que especificamente está dedicado à carta que ele apelidou dessa maneira. Mas deixemos de lado estas disquisiciones e vamos diretamente aos fatos.D. de Seattle. e ler sua valiosa documentação. Cross/A. era tempo mais que suficiente para pensar que essa pessoa se acaso ainda vivia. em sua página Web. e Vallée se limitou a compilar suas notas e as apresentar como livro. No livro. e logo depois da Força Aérea. levava anos de aposentada. e como investigador do tema OVNI. Conta Vallée que uma das seções pior guardadas era a que se referia à história dos diveross projetos de investigação da Força Aérea dos Estados Unidos. nas gavetas. quem aparece assinando a carta tem um sobrenome composto de cinco letras. É apenas um livro diário. Os papéis estavam empilhados por todos lados. Quando Vallée chegou a uma habitação no segundo piso da casa do Hynek. em cadeiras. A seguinte é uma transcrição e tradução da versão publicada pela organização CUFON. Vallée escreve os Capítulos 14 e 15 sob o Título "Pentacle". encontrou-se com um veradero desenquadro. Francamente. e lhe tinha deixado ao Vallée a chave de sua casa para que o técnico francês pudesse passar revista aos arquivos do Blue Book e fizesse uma seleção dos melhores casos. querendo sugerir a seus leitores. se a pessoa que assinou a carta ocupava em 1953 um cargo de importância. cujos responsáveis som os senhores Jim Klotz e lhe Dê Goudie.Weserman 173 . uma carta muito importante por seu conteúdo. por que fazer tanto mistério? é algo que não posso compreender. a fim de processá-los por computador. Em sua obra "Forbidden Science" (Ciência Proibida) que já mencionasse anteriormente.D. CUFON é a Computer UFO Network. É certo que "Forbidden Science". em ocasião em que o Dr. apareceu "a pérola de grande preco". escrito 39 anos depois da data da carta. Hynek tinha desconjurado muitos documentos. que o indivíduo estava vinculado ao Pentágono ou aos âmbitos militares. A carta tem valor tanto pelo que diz. tratasse-se de alguém que mediava seus 50 anos de idade. Baste dizer que pentáculo é a estrela de cinco pontas. é muito possível que. e a quem lhe pôs o nome de "Pentacle". onde este tinha seu escritório. em seu caráter de assessor no Astronomiá da USAF. Hynek se encontrava no Canadá. da qual Hynek nunca havia dito nada.

recomendamos que uma ou duas dessas áreas se estabeleçam como áreas experimentais. e não podemos documentá-la ali onde sentimos que deveria estar apoiada por feitos derivados da análise. ou porque não estava preparado para utilizar os meios ao seu dispor. não será possível ter respostas positivas ao problema.C.ilegível. o 14. D. ex. ainda em um relatório bem documentado há sempre um elemento de dúvida a respeito da informação. teriam que ter postos de observação com uma visão completa do céu. Consideramos à recomendação como preliminar porque nossa análise ainda não está completa.] sobre futuros métodos de dirigir o problema dos objetos aéreos não identificados. para considerar o problema dos "pires volantes". Caso que. Esta recomendação se apóia em nossa experiência à data. Ainda os relatórios melhor documentados freqüentemente carecem de informação essencial que faz impossível chegar a uma possível identificação. Ruppelt Estimado Sr. Dado que uma reunião da comissão está definitivamente programada sentimos que deveria alcançar um acordo entre o Projeto Stork e o ENTREVISTA sobre o que pode e o que não pode ser discutido na reunião em Washington do 14 aos 16 de janeiro respeito a nossa recomendação preliminar à ENTREVISTA. Ellsye/R. P. espera-se que se chegue a certas conclusões como resultado de nossa análise que farão óbvia a necessidade de um esforço por obter informação confiável de parte de observadores competentes usando o (. do A. Coll Casinha 9575 Base Wright-Patterson da Força Aérea. 15 e 16 de janeiro de 1953. em analisar vários milhares de informe deste tema. o ENTREVISTA e nossos representantes levada a cabo no ENTREVISTA em 12 de dezembro de 1952.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta L. Esperamos que nossa análise mostrará que certas áreas nos Estados Unidos tiveram uma quantidade anormalmente alta de incidentes de objetos voadores não identificados que foram informados. A reunião auspiciada pela CIA tem lugar logo depois de uma reunião da CIA. que se reúne enWashington. R. ou áreas. recomendamos que se estabeleça um experimento controlado mediante o qual se obtenha informação física confiável. Nossa experiência à data em nosso estudo dos objetos voadores não identificados mostra que há uma clara falta de informação confiável com a qual trabalhar. Esta área.. Estamos fazendo esta recomendação prematuramente devido a uma reunião de uma comissão científica auspiciada pela CIA. além 174 . selecionassem-se certas áreas definidas produtoras de informe. LundEnero 9. Nos parágrafos seguintes se considera um plano prelimiar tentativo pelo qual o experimento se poderia desenhar e levar a cabo. Apoiados em nossa experiência até agora. com cobertura de radar e fotográfica..) equipe necessária. já seja porque o observador não tinha os meios para obter a informação adecuda. portanto. Até que se disponha de informação mais confiável.. J. Edward J.. Na reunião de 12 de dezembro nossos representantes recomendaram firmemente que não se estabelecesse uma comissão científica até que não estivessem disponíveis os resultados de nossa análise dos informe de observações colecionados pelo ENTREVISTA.T. 1953 Files Extra (escrito à mão) Sr. de nossa análise. Milhares E. Coll: Esta carta tem que ver com uma recomendação preliminar à ENTREVISTA [Centro Técnico de Inteligência Aérea -N. Jackson W.W. Reid P.J. Ohio Atenção Capt. Rieppal V.

porque não têm desperdício. Todas as soltas de globos ou rumos de globos conhecidos. no Roswell nem em nenhum outro lugar. diretor da organizacion "Just Cause". Embora fosse uma operação de importância. mas pelo menos aos militares. lhe saúde atentamente. Qualquer truque sob um esquema como este seria quase certamente exposto. durante o tempo do experimento. Simplesmente. Cross Esta é a carta. vôos de aviões. como poderia resolver o problema desses objetos não identificados? Desta área de prova. tamanho. e vôos de foguetes na área da prova teriam que conhecer-se por quem esteja a cargo do experimento. lhe escrevendo ao Barry Greenwood. Osadamente estabelece que "muitos tipos diferentes de atividade aérea se deve riam programar secretamente e a propósito na área" É difícil ser mais claro. (não há assina) HCC:?? H. que você menciona em um esforço por demonstrar que Pentáculo só estava reflotando uma velha idéia. Em particular. tendo informação resultante do experimento controlado. No futuro.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta de todos os outros instrumentos necessários ou que ajudem a obter informação positiva e confiável de algo no ar sobre a área. Os resultados de um experimento tal como o descripto poderiam ajudar à Força Aérea a determinar quanta atenção dedicar a situações futuras quando." "O Projeto Twinkle e outras iniciativas observacionales feitas pelos militares. Não estamos falando simplesmente de 175 . pode-se supor que haveria um permanente fluxo de informe de parte de observadores civis comuns. Mediante tal experimento controlado seria possível demonstrar a identidade de todos os objetos denunciados. Além disso. forma. ou a cadáveres de alienígenas. velocidade. A mesma precisa ser complementada pelos comentários que o próprio Jacques Vallée fizesse sobre ela. Isto poderia fazer possível razoavelmente certas conclusões concernentes à importância do problema dos "pratos voadores". então. e custosa. Reconhecemos que este experimento proposto pode chegar a significar uma manobra ou operação militar em grande escala. além de máxima segurança. dos que me tomei a licença de enfatizar em letra negrito os que considero mais importantes: "a significação do estúpido procede em parte. além da informação sobre objetos aéreos não identificados. pelo que não diz. A cobertura deveria ser tão completa que qualquer objeto no ar possa ser rastreado. cor. ressegurando ao público. vários tipos diferentes de atividade aérea dentro da área. apresenta-se a pergunta do que se obteria com o experimento proposto. e se possa registrar a informação respeito a sua altura. Em drástico contraste a proposta do Pentáculo vai muito além de algo mencionada anteriormente. possivelmente não publicamente. houve milhares de denúncias de observações. à luz de informação similar mas positiva. a Força Aérea poderia ser capaz de fazer declarações positivas. como no verão passado. hora do dia etc. há muitos benefícios extra que se derivariam. deveria-se manter um registro muito completo das condições meteorológicas durante o tempo do experimento. Teriam que programar-se secretamente e em forma deliberada. Vallée expressa conceitos. além daqueles fatos por militares e outros observadores oficiais. não faz nenhuma referência a que se recolheu nenhum material peteneciente a um OVNI. e que requereria extensa preparação e fina coordenação. ou determinar positivamente que havia objetos pressente de identidade desconhecida. C. foram puramente projetos passivos. e aos efeitos de que tudo está bem sob controle. informe-os dos últimos cinco anos poderiam ré-avaliar-se.

Estamos falando de uma simulação encoberta e a grande escala de quebras de onda de Ovnis. O Blue Book é uma cortina de fumaça. reunidos pelo governo para considerar um assunto de segurança nacional.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta instalar estações de observação e câmaras. porque acredito que estão implícitos. e que francamente não sabe se assiná-lo ou não. no sentido de que todo o tema OVNI foi dirigido desde muito acima e muito em segredo por um grupo reduzido de indivíduos. Alguns casos. uma subsidiária do McGraw-Hill. Aqui há uma reunião especial de cinco dos mais eminentes cientistas do país. 281) Parece-me que o "estúpido" ou carta do Pentáculo. cujas implicâncias totais prefiro não assinalar em seus máximos extremos. eram passados ao Hynek para sua avaliação. O perito francês em computação se pergunta: Para quem trabalhou Pentáculo?.cit. põe bem às claras muitas das coisas que hei dito e documentado no livro. Também se pergunta o que era o Projeto Stork. Hynek para que fora o Assessor na Astronomia para o Blue Book. Vallée em seu livro "Forbidden Science. Ambos foram comer. que é uma publicadora de livros de texto." (op. não todos ao parecer. Não só não lhes faz conhecer toda a informação. Hynek me declarou categoricamente que o painel não foi informado a respeito das propostas do Pentáculo. e Hynek lhe diz que a Força Aérea lhe enviou o rascunho de um novo contrato. pag. surpreendi-me ao lê-lo. sob controle militar" "A maior implicância. Hynek lhe responde: "OH. onde e como? O que tirou o chapéu como resultado? Esses simulacros ainda se estão levando a cabo?" E em "Forbidden Science" Vallée adiciona algumas outras perguntas não menos importantes. logo depois de ter descoberto entre seus papéis o memorando do Pentáculo que Hynek jamais tinha mencionado. para manter-se a par de a tecnologia soviética por exemplo. Conta-o também o Dr. A maneira de conclusão o próprio Vallée chega a dizer: "O painel Robertson-álvarezpague foi manipulado pelos serviços segredos americanos. pág. Como os leitores recordarão. quando. não era realmente com a Força Aérea a não ser com a Corporação Dodge. que sabiam perfeitamente qual era o "jogo" e como i-lo jogando. Mas o assunto é suculento. Ao trabalhar para companhias como McGraw-Hill. e mais adiante: "Que classe de jogo se esteve jogando?" (op. é fácil para eles contratar a professores e eruditos para levar a cabo algumas atividades de inteligência." na segunda-feira 10 de julho de 1967 Vallée se preparou para lhe poder fazer ao Dr. tem que ver com a aberta manipulação do painel Robertson. Os ganhadores de Prêmios Nobel podem ser enganados como meninos de escola. Hynek algumas pergunta difíceis. Muitos acadêmicos estariam nervosos se tivessem que dizer que trabalham para a Divisão deTecnología Estrangeira" (op. É então quando o Dr. mas também outro grupo já decidiu 'o que é o que pode e o que não pode discutir-se' quando se reúnan.uma muito interessante historia. 288) Isso é o que eu chamo falar "sem cabelos na língua". a Força Aérea dos Estados Unidos tinha contratado ao Dr. O que tem que fazer McGraw-Hill em meio de tudo isto?" Ao que o Dr. que possivelmente não é óbvia a primeira leitura mas que chega a ser um escândalo de proporção maior aos olhos de qualquer cientista. 289) 176 . O Dr. cit." "por que as propostas do Pentáculo não se fizeram conhecer painel?. e aqui vai. Vallée lê o contrato e comenta: "O contrato. e aqui vem --de passagem-. eles são só contratados pela Divisão de Tecnologia Estrangeira. pág. implementaram-se seus planos para uma simulação secreta de oleads de Ovnis? E se assim foi.cit.

. O Battelle Memorial Institute escreveu seu famoso Relatório # 14 a fins de 1953 mas só foi dado a conhecer pelo Projeto Blue Book em 1955. Vallée revela que o contrato "claramente especifica a tarefa do Hynek como a de avaliar as observações de objetos desconhecidos para determinar se representarem um perigo para a segurança dos Estados Unidos.. 290).. ou seja como objetos materiais com certas caracteriísticas.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Se ainda não ficasse clara a função que tinha em realidade o Dr.O painel Robertson pôs fim ao Projeto Stork. incluindo o homem que me enviou a fazer uma pesquisa clandestina a astrônomos em 1952. e usando a cobertura de "os extraterrestres". "White Stork" acendeu-se uma lamparita. O que segue depois. O que lhe preocupava ao governo dos Estados Unidos e a sua Força Aérea por ende. ao que lhe encarregou realizar um Estudo Científico dos Ovnis sob a Direção do Físico Dr.14. Edward Ou.cit. O que Vallée não entendia então --talvez agora sim o entenda-. Como se chamava antes? perguntei.é que não havia nada que estudar cientificamente. Mais adiante na conversação. para descobrir discretamente o que era o que meus colegas pensavam sobre os Ovnis. O projeto foi então chamado White Stork. Condon não deixava de ter em certo sentido razão. Mais adiante Hynek comentará ao Vallée um tanto indignado que dois integrantes do Grupo da Universidade de Avermelhado.Hynek segue e se torna ainda mais interessante. Dois anos depois o projeto chegou a ser Golden Eagle e o contrato foi para o McGraw-Hill"." E possivelmente agora. famoso por um Relatório No." E ainda comenta Vallée com inocência: "Não pede aos cientistas que façam um estudo científico mas sim dêem uma resposta em términos de um tema de uma política específica" (op. E que os Ovnis. Desde o começo pensou que todo se tratava de uma enorme brincadeira. Uma enorme brincadeira posta em marcha de exprofeso. pág . para cumprir múltiplos fins de inteligência.pág. Hynek declara ao Vallée que "o Projeto Stork foi criado sob a responsabilidade do Battelle. obviamente. Eu servi como consultor. Vallée comenta que "o projeto sob o qual Hynek trabalha com o McGraw-Hill não se chama Blue Book a não ser Golden Eagle. concebidos como "nuts and bolts". sob o Coronel Friend. 289). Porque é este um momento propício para afirmar também que a "ideia OVNI" é filha da Guerra Fria. e Hynek lhe respondeu sem vacilação: "Eram todos administradores ou pessoal do Projeto Stork. A carta do Pentáculo mencioaba ao Projeto Stork" (op. Pentáculo mesmo era um líder do Stork" (op. às "abducciones". na época da Guerra Fria. olhando as coisas com muito mais conhecimento dos entretelones e sua sacanagem.Hynek. era avaliar a capacidade tecnológica e o perigo da União Soviética. Hynek reconhecerá que foi consultor do Institito Battelle Memorial. que o Blue Book chegou a ser responsabilidade da Divisão de Tecnologia Estrangeira. Nunca o teve. Agora íamos de descobrimento em descobrimento. A conversação com o Dr. 290). Refiro-me. É muito depois. com fins de experimentação sobre seres humanos. Condon. Na página 294. cit. Vallée lhe lê a lista de nomes de pessoas que figura na carta do Pentác ulo. O valor da carta do Pentáculo.cit.. é que demonstra: 177 . cuja existência a Força Aérea dos Estados Unidos negou por muitos anos.. disseram-lhe que "Com dom não tem interesse nenhum nos Ovnis. é uma sobre-explotación da idéia. pág. terei que pensar que o Dr. vão durar tanto como a Guerra Fria. levada a cabo em forma clandestina.

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta 1) Que existiu um grupo de indivíduos. já que estimei oportuno retomar contato com a Comissão. esse grupo ia operar em áreas militares. e de normas de segurança. terá que entender o contexto do que significa viver e mover-se dentro de uma cultura na qual está solidamente estabelecido o conceito de Segurança Nacional. e determinaram políticas e pautas a seguir. porque não se pode confiar em suas ações. cadeias de comunicação e de mando. Do mesmo modo. e fazê-lo deixando a seus integrantes este documento. e têm antecedentes de apoiar ao terrorismo internacional. entre eles. que MAJIC-12 é uma patranha. com entrada livre e para todo público. De uma vez. Mas --é obvio-.cada vez que vou ao Uruguai. substâncias radioativas. que se aplicam a todos os níveis e escalas imagináveis. preparei este relatório para apresentá-lo em uma reunião conjunta de integrantes do CIOVI e a CRIDOVNI. e tivessem portanto conhecimento de realidades das quais não estavam ao tanto. Um país que suportou o maior peso das décadas da chamada "Guerra Fria". etc. é necessário ter em conta que a sociedade americana se move dentro das fronteiras de um país que conheceu muitas guerras. das unidades submetidas a seus experimentos. Esses 178 . tenho o mais grato e reconfortante encontro humano de todos quantos possam haver. o que deu lugar à criação de múltiplos organismos. Isto explica por que houve tantos casos em torno de bases militares. grandes e pequenas. no Planetário Muncipal do Montevideo. O texto do mesmo. Um país que leva sobre se. e ao desenvolvimento concomitante de políticas de inteligência. muito possivelmente todos eles cientistas e técnicos de alto nível. que estudaram por comprido tempo o tema dos Ovnis. Para isso. e dentro do mesmo. é o que segue: Para compreender a Ovnilogía nos Estados Unidos da América. logo não se encontrassem em arquivos oficiais. e particularmente. que se dá com meus amigos e companheiros do CIOVI. que podia lhes ser útil. Capítulo XIX . que seriam em janeiro de 1997. em meio de grandes dificuldades. o que ia pôr a prova aos mesmos mecanismos de Defesa. preparei este relatório que em seu momento. E para eles. De passagem. Roswell foi também um experimento secreto.Atuais tendências da Ovnilogía nos Estados Unidos Em dezembro de 1996 me encontrava preparando minhas próximas férias no Uruguai. agentes bacteriológicos. o de secreto oficial. ou seja. e tecnologia para mísseis) e países que poderíamos chamar "desajustados". mas de diferente índole. que deixaram profundos rastros na mesma. já que essa ordem se vê alterado por dois fatores fundamentais: o crímen organizado (narcotráfico e tráfico ilegal de armas. na atualidade. da Força Aérea Uruguaia. onde tinha previsto dar a conferência sobre "Os segredos da Tecnologia Stealth". o peso de uma ordem mundial que se trata de manter ou de obter. mas sim que era muito importante que eles dispor do mesmo. mas em forma secreta. considerei que não tinha por que ver a luz púbica. a Comissão Receptora de Informe de OVNI. aqueles sobre os quais a comunidade internacional tem que ter sempre um olhar atento e vigilante. os de inteligência. 3) O silêncio sobre o Roswell e sobre "cadáveres de extraterrestres" no meu entender põe de manifesto o que finalmente hei concluído no capítulo correspondente. e que até expedientes que denunciavam os fatos. 2) Que esse mesmo grupo tinha propostas específicas que foram dar lugar à criação de falsos casos OVNI. mas também por que sempre havia alguém "mais acima" que finalmente determinava que não se fizesse nada. prova litográfica imediato. e de feitas ondas em grande escala.

Mas esta lista não é em maneira alguma exaustiva.esta permitindo ou ao final vai permitir que em território americano haja "forças de ocupação" desse governo mundial. os cargos reservados só para cidadãos. controle à entrada de qualquer edifício público. elaboram manuais. exceto se busque material em 179 . São várias. --que permitiu que tropas alemãs se treinem em seu território. medida-las de segurança nos edifícios públicos) Estabelecido este marco general de referência --imprescindível para o que vou falar mais adiante--vamos entrar diretamente no tema Ovnis. a resposta é um categórico não. Que esse governo teria como organização e cara vi sible a ONU. Exemplo de terrorismo nacional: o Unabomber. e eu gostaria de começar com uma pergunta: o que sabem vocês a respeito da situação do tema nos Estados Unidos? ///dejar tempo para respuestas/// Atualmente -1997-. a minutos de sua decolagem do aeroporto Kennedy no N. na cidade do Oklahoma. e que todo quem luta pela liberdade de sua nação vai ser considerado terrorista. níveis de acesso. e por que existem graus de confidencialidade e de secreto. sedicentes "cristãos". um jornal de grande circulação na área em que eu vivo: "The Washington Post" publicou uma vez. virtualmente é inexistente. durante as Olimpíadas do verão em Atlanta.York. Acreditam que há uma conspiração internacional.são. como uma condição indispensável para afirmar sua liberdade --também. a bomba posta no Parque do Centenário. publicou um suplemento sobre o tema das abducciones. e o que passou com o avião vôo 800 da TWA. para instalar um governo mundial supranacional. uma notícia concernente a um simpósio da MUFON. a informação confidencial ou secreta. pode-se concretizar em quatro aspectos ou âmbitos fundamentais: 1) A nível da imprensa e os meios de comunicação: O tema nos jornais. e afirmam que o governo dos Estados Unidos. Por outro lado.o tema OVNI nos Estados Unidos. estão pretrechadas com armas. consagrada na Constituição. compromissos pessoais segundo o nível de acesso. estão organizadas. casos?. ou de acesso graduado. Dr. Exemplo de terrorismo internacional: o atentado às torres as gema em Nova Iorque. com tal propósito. [Tenhase em conta que esta apresentação a efetuei a começos de 1997 -N. e ao trabalho de inteligência em seu apoio. e o atentado ao edifício federal Alfred Murrah. ou resistem a fazê-lo. Só faz um par de anos. e a ser combatido e confinado em cárceres de máxima segurança que se estão construindo. Irã e Iraque. No máximo. E nada mais. Se me perguntasse. seus membros vestem uniforme de faina. e seguem em términos gerais uma ideologia que pode mais ou menos definir-se em apóie aos seguintes parâmetros: são grupos de ultraderecha. que essencialmente desconfiam do governo federal. negam-se a pagar impostos. e nos noticiários de rádio ou televisão.] É por isso que os Estados Unidos lhe concede um papel prioritário à Segurança Nacional. assim como tem feito exercícios conjuntos com tropas russas-. o chamado "clearance". e se apóiam no direito constitucional à posse de armas. (Podem-se citar exemplos práticos e pessoais: cartão de identificação no lugar de trabalho. é obvio. por exemplo: Líbia. Carl Sagan. Estados Unidos enfrenta um perigo interno: as tropas. ou outra atividade parecida. em todo um ano. da qual acusam aos Maçons junto com os judeus. E isso é tudo. segundo o enfoque científico do conhecido Astrônomo de Universidade do Cornell. mas. e ainda por develarse. do A. treinam-se para a guerra. cujos pontos de vista em boa medida compartilho. racistas (anti-judeus e anti-negros). dizem esses grupos.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta países --segundo o critério oficial nos Estados Unidos-. não se publicam avistamientos.

fantasias e inventos. segundo um guia elaborado em apóie ao investigador e escritor Ray Stanford. Em 1993. É um programa que ajuda às vezes a resolver crímenes. apresentando um caso criminal e pedindo que se algum televidente conhecer ou sabe de algum detalhe ou pista que conduza à solução do mesmo. cintas gravadas. e muitas vezes bastante duvidosos. que pode tratar sobre fantasmas. porque aí entre montões de mentiras. sobre a base de ter tido um contato e ter recebida mensagens dos sujeitos mais inverossímeis que supostamente povoavam o cosmos. e a alguns dos personagens mais destacados daquela pletora de estranhos indivíduos que vendiam livros. apresentando casos. na primeira semana de Outubro de 180 . é que a fonte original dos casos (Hopkins) não é nada confiável. (os tablóides. apresentaram-se dois capítulos titulados "Aliem Autopsy". como foi o caso em 1992 de "Intruders" (Intrusos) feita especialmente pela cadeia Columbia Broadcasting System. Logo. Em setembro de 1995. Truman Bethurum. é um Psiquiatra da Universidade do Harvard. às vezes bastante documentados. e outros. como uma série que se repete periodicamente chamada "Sightings". e não existe o mínimo interesse em aprofundar no tema. de tipo nitidamente documentário. Às vezes. ou o Yeti. dentro da série "Encounters". Nunca nada muito bom ou concludente. É obvio. e de sua narração. fotos trucadas. ou os Ovni. fenômenos de poltergeist. e davam uma conferência atrás de outra. e o trabalho do Mack aparece tinta de uma inocência e uma candura quanto à consideração dos casos. e que também inclui o tema OVNI.) e podia ser o monstro do lago Loch Ness. com essa fraude grosseira da pretendida autópsia de um "extraterrestre". podem aparecer presuntos relatos de "casos" cuja autenticidade ou veracidade estão em tecido de julgamento de partir do meio no que aparecem publicados. Ali também se hão incluído relatos de avistamientos. etc. aparições. na velha série contra a máfia "Os Intocáveis"). e se deixa aí. chame um telefone. Houve também uma produção para TV que levava o título geral de "In Search Of" (Em busca de. Em televisão: Cada tanto. o tratamento chega a ser quase sensacionalista. Orfeo Angelucci. E isso é virtualmente tudo quanto ao que poderíamos chamar documentários. Eu cheguei a gravar uma série de 5. e à fonte que os proporcionou. que na vida real. há alguns programas. que se chama "Unsolved Mysteries" (Mistérios não Resolvidos) que conduz o famoso ator Robert Stack (aquele que fazia do Elliot Ness. Lhe trata de dar certo dramatismo e seriedade. que não condicen com a atitude crítica e sóbria que cabe esperar de um cientista. realizada a um nível aceitável. outras nem tanto. vi uma produção chamada "Abducted by UFOs" (Abduzidos pelos OVNI) apoiada em relatos de pessoas que dizem ter sido abduzidas. onde --o valor documentário residia precisamente ali-.. há realizações especiais para TV. titulada "Farewell Good Fellows" (Adios Bons Amigos) algo feito com grande senso de humor e com certa nostalgia.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta algum pasquim sensacionalista. Mas a produção especial da CBS (feita para transmitir-se em 2 partes) está do ponto de vista da apresentação do tema. A saga do George Adamsky. Há outro programa permanente. vi uma produção insólita. aparecem programas especiais sobre o tema. apoiada até certo ponto na história do Professor John Mack. em uma exploração incrível da credulidade da gente. que aceitou analisar certos casos de abducciones que lhe foram proporcionados pelo artista Budd Hopkins. como lhes conhecem lá) tipo "National Enquirer". O mau do assunto. Frank Scully. como um mistério a explicar. Em 15 de setembro do ano passado.passava revista à velha época das Convenções do Contacteros no Giant Rock.

onde o produto é um ser humanoide. em pleno verão. que se vincula A. e nos tiveram que evacuar do cinema. 3) As organizações A nível oficial. (A chegada) onde os extraterrestres são mutantes cuja aparência pode ser a de simples seres humanos. em um canal que se caracteriza por passar documentários sérios sobre temas históricos. foi "Independence Day". com estupendos efeitos especiais. nem o nível de Los Arquivos X. The X Files. nem o dos estranhos seres. quando eu a fui ver. ocorreu um blecaute. etc. ou Intruders. foi seguida de blecautes locais. Pelo menos visível. O filme se apóia em uma novela do Dr. Desde que em 1968 a Universidade de Avermelhado apresentou seu "Relatório científico sobre os OVNI" e a Força Aérea dos Estados Unidos fechou seu "Blue Book". 1996 vê aparecer dois filmes referidos ao tema.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta 1996. Dark Skies. e o governo oculta essa verdade.C. Basicamente. A série não tem a qualidade. e têm uma base subterrânea no México. mas seu pai esteve em um projeto ultra-secreto do governo dos Estados Unidos.. titulada "Fire in the Sky" (Fogo no Céu) apoiada na pretendida abducción do caminhoneiro Travis Walton. titulada "Contato". Outro exemplo: "Dark Skies" (Céus Escuros). foi abduzida. embora sua história é ridícula e muito frouxa. Ela é uma radioastrónoma que faz contato com uma inteligência extraterrestre. que trata unicamente do tema OVNI. estiveram-se filmando em Washington D.são a exceção. A outra. Inclusive. mas a exibição do filme em muitas partes dos Estados Unidos.ou humanoides como no Roswell. geográficos. Mas suas atitudes pessoais não sempre acompanham ao sigilo de dito grupo. Uma titulada "The Arrival".extraterrestres. ou algum pretendido Ovni na mesma. às 4 da tarde. há outros seres no Espaço que nos visitam. Os episódios de ficção: O novo o constituíram os episódios de ficção. As abducciones são parte do experimento. mas excursão inteiramente sobre o tema OVNI. ou por que. Em novembro passado. 2) No cinema 1993 conheceu a produção da Paramount. a idéia que machaconamente se segue inserindo no grande público é que -¬monstruosos embora inteligentes como em "The Arrival" ou "Independence Day"-. 1994 viu a aparição de um filme da Republic Pictures. Não preciso explicar nada sobre o conteúdo do filme. O personagem principal é alguém que conhece a verdade que há atrás do tema porque passou a pertencer ao grupo MJ-12. cenas de um filme que supostamente se estreará este ano. espetacular. Desde aí as peripécias e problemas que enfrenta esse personagem e seu jovem algema. e nos dar um vale para outro dia. ou a experimentos genéticos ¬começados aparentemente pelos alemães e seguidos logo nos EUA-. por isso não acredito que apareça nenhum ser estranho. porque a irmã do agente Fox Moulder. em que trabalha Jodie Foster. em um dos papéis principais. Há tal coisa como extraterrestres. ninguém 181 . titulada "Roswell". Mas esse tipo de programas --alguns feitos na Inglaterra ou Canadá-. Não sei se como parte de uma bem orquestrada campanha publicitária. entre os quais entram os Ovnis.Carl Sagan. ou que transcenda. Um exemplo: The "X" Files (Os Arquivos X) que tratam sobre a investigação por um par de agentes do FBI de casos paranormais. total ausência de investigação. Mas não está claro da tudo nem a origem dos objetos..

Ninguém denúncia nem comenta nada. Tem seu público. só se podem contar algumas outras organizações no Canadá (um par também) e nada mais. deliberadamente provocados. uma unidade de inteligência. é Jacques Vallée. tendo em conta além disso. a não ser no plano psicológico. real. quem produziu um par de últimos livros. e alguns outros casos. mas ficam alguns ainda. que escrevi em janeiro de 1996 durante uma visita que lhe fiz ao Dr. mediante a utilização de certos médios que podem provocar no sujeito eleito um estado especial de ensoñación. fixo minha posição básica sobre o tema abducciones. vinculados a supostas naves extraterrestres. não há encontros próximos do segundo nem do terceiro tipo. que vale a pena ler. e a preocupar-se. é um pouco de hiper-ficção. e que aflorarão sob hipnose. quanto mais se trata de divulgadores. que é a manipulação do sujeito de erras. não fariam mais que ocultar talvez. Estão é obvio os investigadores privados. que vários desses casos têm lugar em áreas bem povoadas. e em moradias onde há outras pessoas as coabitando. Essas imagens e idéias. uma espécie de diversão deliciosa ou estrambótica de alguns excêntricos. Mas depois. do qual vou deixar cópia para a CRIDOVNI. de escritores de livros e conferencistas (sempre obtendo ganho econômico dessas atividades). até em edifícios de apartamentos. com certa finalidade. particularmente a gente titulado "Revelations" (Revelações). que o sujeito logo vai sonhar de maneira parcial. Há uma possibilidade de que alguns dos casos de abducciones. nem de qualidade. bem pode estar realizado por uma unidade militar especializada. No texto que elaborei em Miami. 4) As idéias em voga (a) As abducciones Sobre o particular tenho um texto. não se podem determinar com exatidão. ou por uma organização privada. 182 . mas não passa dali. Willy Smith em Miami. e pode que haja alguma outra a nível local em algum Estado. seguindo o protocolo de certos experimentos ultra-secretos de manejo da mente a distância. E outros são os grandes tema que levam a grande público a organizar-se. Francamente não acredito que as abducciones se dêem no plano físico. Esse tipo de operativos. Mas que as abducciones sejam fenomenais reais. Alguns dudosamente podem atribuirse em propriedade o caráter de investigadores. MUFON passou a ser a mais importante. Mas o caso.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta investigou oficialmente mais o tema. propenso à indução de imagens e idéias. e não tão a distância. O tema OVNI é algo assim como folclórico. mas este é muito reduzido. Talvez o mais destacado e importante que fica. algumas das quais inclusive podem ser produto de uma posta em cena ou do uso de hologramas. Aparentemente. propósitos ou motivos de investigação que à presente. Não todos eles do mesmo nível. e diz certas coisas muito valiosas respeito às chamadas abducciones. O fato é que não há observações. reduziram-se também de maneira mais que notória. excelentes. As organizações privadas. ficou suficiente e definitivamente explicado. Menos que antes. uma realidade mais profunda. onde tive oportunidade de entrevistar pessoalmente a uma senhora puertorriqueña que dizia ter sido abduzida várias vezes em seu país natal. seguida pelo CUFOs. revestia outras aparentes conotações. sejam estados alterados de consciência. Não aparece um só elemento físico que respalde os casos denunciados. que implicavam à Marinha de Guerra dos Estados Unidos. onde analisa com grande sagacidade a situação atual do tema nos Estados Unidos.

para recolher informação de inteligência. implantada." Adiciona um pouco mais adiante. . a NRO [National Reconaissance Organization] e a Força Aérea para estudar o fenomenal OVNI. E em que a história sobre o objeto tinha sido de fato." (P. além dessas observações. 250). em seu livro "Revelations" considera o tema e diz a respeito: "Seja o que seja que os supostos extraterrestres estejam fazendo. Inglaterra. e refiriéndose ao tema em geral. . Os meios de comunicação de massas amam o caráter sensacional de tais histórias e não se perderão uma oportunidade das pôr no ar." (P. e conclui: "esses foram provas de 183 . mas também é moralmente e eticamente equivocada. mas em um esforço por usá-lo. . Mais tragicamente. Nos diz que vêm aqui em busca de material biológico.. . de sua própria experiência: "Estive investigando alguns casos que foram fisicamente reais. "Em um impressionante desdobramento de livros e programas de televisão. . . Respeito a este ponto da forma em que procedem os pseudo-investigadores de presuntos abduzidos (e deveria dizer. para ações anti-terrorismo. posso atestar um perturbador fluxo de queixa privadas de parte das testemunhas que se sentem victimizados pelo desconsiderado e aficionado tratamento deles. Possivelmente nossos cientistas militares têm descoberto uma forma de fabricar discos volantes como uma plataforma para operações de reconhecimento. Alguns de meus contatos me dizem que tais discos efetivamente voam e variam em tamanho desde 60 centímetros para aparelhos que operam lásers a distância e câmaras volantes automáticas. se verdadeiramente levarem a cabo o que parece ser um chocante e cruel simulacro de experimentos biológicos nos corpos de seus abduzidos. por manipulá-lo como uma cobertura para outra coisa.O potencial para o contágio de crenças absurdas é verdadeiro. Fazer que a gente cria que está observando pires volantes." No próprio livro.." (P. Jacques Vallée." Em tal sentido entrevista o caso do Bentwaters. . no bosque do Rendlesham. é difícil representar uma missão científica relevante aos objetivos de visitantes extraterrestres. 273).Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta O próprio Dr. E na reportagem publicada na WWW Vallée diz: "se encontrarmos uma forma de influir na crença das massas. Estive-lhes dizendo às pessoas: não deixe que ninguém lhe hipnotize se você viu uma estranha luz no céu. com todas as armadilhas da alta tecnologia. estão criando abduzidos por sugestão. vimos uma apresentação trapaceira de casos selecionados que tendem a provar que sem dúvida estamos sendo visitados por estranhos procedentes das estrelas. . . Penso que uma quantidade dessas pessoas proeminentes na imprensa e no National Enquirer e nos shows televisivos etc. abduzidas). Não em um intento por verdadeiramente resolvê-lo. . 286). a aparelhos de 10 ou 12 metros utilizados para efeitos fisiológicos tais como pôr pessoas a dormir ou induzir paralisia ou alucinações em tropas inimizades. o destacado investigador e estudioso assinala o seguinte: "Suponha-se que durante os últimos 30 anos mais ou menos se esteve levando a cabo um esforço maciço dentro das agências do governo dos Estados Unidos tais como a CIA. Vallée declara em uma entrevista publicada na WWW: "Penso que a forma em que os abduzidos estão sendo dirigidos é equivocada. deve ser uma inteligente estratagema. dado que tal solução está ainda mais à frente do alcance de nossa ciência. principalmente. Não só é cientificamente equivocada. Nas mãos de pessoas que podem deliberadamente usar a Internet para criar uma epidemia de irracionalismo devemos ver o surgimento de uma classe totalmente nova de cultos poderosos e muito perigosos. isso teria grande impacto estratégico. . mas que eram truques --mas truques não de parte das testemunhas. As respostas terá que as buscar em outras direções.

para ver como reagem a diferentes rumores. levada a cabo mundialmente. a gente chamado a Sociedade de Relações Exteriores -supostamente criado pelo 184 . mas altamente influentes. Sem com isto querer significar que não haja governantes que --sempre de acordo a este enfoque-. foram conduzidos a um funcionário do Ministério de Defesa quem com agrado descreveu a pretendida abducción como um "Exercício de Síntese Geral". e o secreto oficial. Ante isso. Agora me vou referir ao ponto substancial que quero compartilhar com vocês. as autoridades. de "posta em cena" que oculta a verdadeira realidade que está detrás. em um sentido mais sinistro." Logo se refere a um famoso caso de "abducción" de um jovem francês desempregado.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta projetores de realidade virtual. o engano esconde um experimento de controle da mente. Que aconteceu ao Fontaine? 'Pusemo-lhe a dormir e lhe colocamos sob um estado alterado de alta sugestionabilidad' respondeu o funcionário. por uma série de entrelaçados grupos secretos. etc. e façam prosperar os planos riscados. eu chamaria "a teoria conspirativa da história". . em alguns casos que investiguei. as histórias de OVNI não são simplesmente fantasias nas mentes de umas poucas testemunhas. Existe um maciço desenvolvimento de tecnologias pouco observáveis que se usam para reconhecimento e que podem ser utilizadas para todo outro tipo de coisas. Houve um maciço desenvolvimento de veículos de controle remoto [orig. o funcionário disse: 'Essa seria uma maneira justa de descrevê-lo'." Que papel podemos jogar os Ovnílogos em tudo isto? Vallée o vê desta maneira: "Em alguns casos --diz--a comunidade de ovnílogos pode simplesmente ser usada em um experimento sociológico porque constituem um conveniente grupo de pessoas para pôr a prova. para criar visões para influir na gente. Sobre o particular diz: "investigadores do GEPAN. mencionam-se dois grupos." Acredito que o dito é suficiente quanto ao tema abducciones.Há um maciço desenvolvimento de plataformas não letais. com total conscientiza do que estão fazendo. E em muitos casos. essas plataformas têm que provar-se em algum lugar. Quando lhe perguntou se o 'exercício' tinha a intenção de investigar as capacidades da polícia local. de ficção.eles pertençam mesmos a esses grupos secretos.. O que significa isto? Que se observa a toda a história como o fruto de uma grande conspiração. o grupo de estudo de fenômenos aéreos do Governo francês. Então adicionou ominosamente" 'Se esta operação se completou. as estruturas de países. E justamente é aqui onde vem a contas toda a introdução que fiz sobre a cultura de Segurança Nacional.. Qualquer que está consciente da tecnologia atual deveria saber que temos muito mais que um avião de combate furtivo voando por aí. . a próxima fase teria sido muito pior' " Mais adiante diz Vallée: "E há aparelhos muito sofisticados que agora estão sendo utilizados em guerra psicológica para criar hologramas. esses grupos ultrasecretos estão integrados principalmente pela maçonaria (rito escocês). têm que fazer lhes passar por alguma outra coisa de tanto em tanto. são uma espécie de entelequia. porque suponho lhes vai resultar insólito. tira-a das grandes decisões.. a falta de outra definição melhor. dentro da maçonaria um grupo chamado "Iluminado-los" (adoradores de Lúcifer) e os judeus. mas sim podem ter sido plantadas como parte da cobertura de algumas tecnologias muito terrestres que nós estamos desenvolvendo.. RPVs -remotely piloted vehicles] alguns dos quais têm forma de disco. (b) As conspirações está-se dando uma corrente de pensamento que. os governos. ocorrido em meados de 1979. Franck Fontaine. onde virtualmente radicaria o verdadeiro poder mundial. A nível americano. Segundo estes teóricos.

ou Area 51. A proposta se considerou perigosa e se desprezou. óvulos. aparentemente imprescindíveis para assegurar sua subsistência. finalmente descenderam na Base Holloman da Força Aérea. que publicamente tem a seu cargo o monitoro de todas as comunicações no mundo. O que teria acontecido é que os ETs fizeram o que lhes desejou muito. afirma: --Que o governo americano através da NSA. Estas teorias conspirativas podem respirar atividades do que lá chamam as tropas. e que se cria a Agência Central de Inteligência. jogo de dados a conhecer pelo William Moore. Alguém é a chamada Sociedade "Caveiras e Ossos" (Skulls and Bones) pertencente à Universidade do Harvard. --Que a primeira. A teoria conspirativa relacionada com os OVNI. haveriam quatro ou maiores instalações subterrâneas. e sempre reportadas. compartilhadas por militares e ETs nos Estados Unidos. em Avermelhado. propôs o desarmamento nuclear. com particular cuidado das que procedem de países inimigos ou potencialmente inimigos. pertencentes a duas destacadas universidades. efetuou efetivamente contato por radio com duas civilizações extraterrestres. foram recebidos pelo Presidente Eisenhower. Não têm que sentir saudades então vocês que em outubro de 1996. opostas entre se. Não esqueçamos que é sob o Truman que o então Exército do Ar. conhecidos popularmente como "os cinzas". Ali se processariam os adiantamentos tecnológicos que estariam a disposição dos Estados Unidos. devido a uma decadência que de outra maneira ameaçava sua própria extinção. e outras medidas para preservar o meio ambiente. Quando o Presidente Kennedy se inteirou disto. a polícia detivera um investigador de Ovnis de Nova Iorque.que a sua vez estaria formado pela Sociedade Jasón. Nevada (Dreamland. o que determinou que se decidisse seu assassinato.um agente de desinformación ao serviço de um organismo de inteligência. os Presidentes Truman e Eisenhower. criará-se a talvez mais importante e menos conhecida organização de inteligência americana: a Agência Nacional de Segurança (NSA) a que alguns chamam Não Such Agency (Não há tal Agência). e agora a Terra assiste inerme a seu domínio sem poder rebater sua ação. pretendido investigador de Ovnis (O mesmo que com o Charles Berlitz escrevesse o livro "O Incidente no Roswell") quem resultou ser --confessado por ele mesmo-. os ETs foram transferir conhecimentos tecnológicos. entre as decisões atribuídas também ao Truman está a criação do grupo chamado Majority 12. Esta sociedade se teria formado a partir de duas entidades estudiantiles. e em Utah. Mais adiante. quis terminar com a operação. respeito ao qual existe toda uma história de documentos falsos que pretendiam provar sua existência. e "Cilindro e Chave" (Scroll and Key) pertencente à Universidade do Yale. Enquanto isso. Bom. --Que a segunda civilização constituída pelos seres pequenos de olhos proeminentes. Para financiar semelhante operação a CIA teria organizado a venda de narcóticos nos Estados Unidos. e outros produtos de secreção humana.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Presidente Eisenhower-. e se assinou um pacto de cooperação segundo o qual. As abducciones seriam limitadas em quantidade. passa a ser a Força Aérea dos Estados Unidos. esperma. a mais conhecido) Novo o México (em um lugar chamado Doce). que tinha um plano de colocar bombas em alguns lugares federais. ou MAJIC 12. em troca de levar a cabo abducciones para prover-se de sangue. ou seja indivíduos que se armam e treinam como militares (muitos deles brigaram no Viet-Nam) e acreditam que devem estar preparados a defender sua 185 . Isto se entrelaça com decisões que em relação ao tema OVNI teriam tomado em seu tempo e por sua ordem.

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

nação quando o maléfico pacto entre o governo federal e os ETs, ponha em marcha definitiva uma espécie de toma ou copamiento dos Estados Unidos, e se instaure um governo mundial a cujo frente vai estar as Nações Unidas. Desde onde, a última coisa ou derivação (insólita por certo) que está tendo o tema OVNI nos Estados Unidos, é toda uma massa de material que aparece na Internet, mas também em livros de venda pública, com este tipo de idéias, acusações, envolvendo nomes de autoridades, de personalidades a nível americano e internacional, de organizações de inteligência oficiais, e de organizações secretas privadas, em uma grande confabulação mundial, que em algum momento --por assim dizer-- vai arrebentar. Isto ocorre em boa medida, por cair dentro desse conceito depurado do segredo, devido à Segurança Nacional. A Classificação de material como secreto, as operações encobertas, os recursos "negros" que o Congresso vota cada ano, cujo destino jamais se faz público, etc. dão pé para todas estas especulações. Em outras palavras, criam-lhe o espaço a estes rumores. Alguns dos quais, são parte de um trabalho de inteligência, de deliberada desinformación do público, que de qualquer maneira, plantam ou injetam nas mentes duas idéias fundamentais: (A) há extraterrestres, e estão operando entre nós; (B) produto dessa operatividad são, por exemplo, as abducciones. Desde onde se chega a conclusion de (C) Se houver abudcciones, estas som levadas a cabo como extraterrestres. Com o qual, os verdadeiros operadores das "abducciones" ficam sempre a salvo de qualquer risco, e bem ocultos, depois do matagal entupido de desinformación. Finalmente, qual é a tática para apresentar toda esta desinformación e fazê-la passar por "sensacionais revelações"? O ponto chave está em que quem as faz apareçam como pessoas que "têm que saber por que". Geralmente ex-militares que dizem ter estado em tal ou qual organismo, e que em tal ou qual ocasião tiveram acesso a ver certos documentos, ou a ver objetos, ou presuntos extraterrestres. Um dos mais destacados porta-vozes destas teorias conspirativas é Milton William Cooper, um indivíduo que diz ter estado no Comando Estratégico do Ar da USAF e logo ter passado à Marinha de Guerra, onde se inteirou das coisas que conta. Outro é um indivíduo que diz ter pertencido à cúpula mais secreta da OTAN, o Centro de Operações do Quartel Supremo (Supreme Headquarters Operations Center -¬SHOC) e que um dia lhe entregou um volumoso "Relatório da OTAN sobre os OVNI" que em suas horas de ócio foi lendo e que lhe revelou tudo o que agora conta. Esse indivíduo se chama Robert O. Dean. Logo temos a um personagem de novela, que era dono de um prostíbulo como forma de vida, levaram-lhe preso, etc. chamado Robert Laçar, que se faz passar por Engenheiro Eletrônico, diz que esteve trabalhando sob contrato privado na Área 51, e ali viu um Disco Voador, ao qual lhe extraíram todos os segredos tecnológicos, --ele foi chamado para cumprir uma parte dessa tarefa-- e com isso se reproduziu um terrestre, que foi provado na área e que ele viu elevar uns metros do chão. Também diz ter visto 9 cadáveres do ETs. Associado ao Cooper aparece John Lear, filho do magnata da aviação William Lear. A estes personagens lhes somam outros mais conhecidos, que utilizaram inclusive apodos como Falcão e Condor: refiro aos agentes Richard Doty, e William Moore. Conforme o indica muito concretamente Jacques Valée em seu livro "Revelations" (pág. 181), Doty foi treinado em desinformación e em guerra psicológica, e foi a principal fonte de informação para o William Moore, um informante da Força Aérea. John Lear foi piloto de uma linha aérea regenteada pela CIA. 186

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

William Cooper trabalhou em Inteligência Naval. Bill English, outro indivíduo associado às teorias conspirativas, trabalhou como analista de informação em um posto de escuta no Norte de Londres. Para completar mais este panorama de desinformación lançada ao público, Cooper por exemplo -¬e com ele outros-- afirma que seres humanos chegaram a Marte em 1962, e que muito antes do Apolo 11, havia bases humanas no lado oculto da Lua. Pessoalmente, penso que isto cai na provocação de uma paranóia deliberada, assim como de uma desconfiança às autoridades, aos governos, o que suporta em alguns indivíduos -¬como reação-- a encontrar razão para conspirar, para formar grupos paramilitares, e até para Bob Laçar, que diz ter trabalhado na Área 51 e ter visto objetos Uma derivação eu diria imprevisível, insuspeitada, que estou seguro nenhum de nós imaginou jamais quando se interessou pelo tema OVNI, mas que hoje por hoje é uma realidade. Pareceu-me necessário compartilhar toda esta informação com vocês Os estudiosos e investigadores sérios do tema têm que conhecer estas coisas, e mais ainda, quando entre eles está comprometido um organismo militar como o é a Força Aérea Uruguaia. Muito obrigado. ******************************************************* ********* Quem se dirige com o inglês, e navegam pela Internet, poderão encontrar estes documentos nas seguintes direções eletrônicas: http://www.webom.com/~conspire/val3.html gopher://wiretap.spies.com/00/Library/Fringe/Ufo/conspire.ufo http://www.cs.bgsu.edu/~jzawodn/ufo.mise/enigma.html http:www.ufomind.com/area51/testimonial/drivel.txt http:www.rcbbs.com/index3.html (deste último se deriva uma grande quantidade de documentos) Até aqui o que tem que ver com este relatório que elaborei então. A iniciativa do Dr. Peter Sturrock Este capítulo não estaria completo e não faria justiça às tendências existentes nos Estados Unidos, se não desse conta de um acontecimento muito importante, ao que me vou referir seguidamente. Permita me apresentar sucintamente a quem teve a iniciativa de gerar uma autêntica atividade de revisão científica do tema OVNI. Refiro-me ao Dr. Peter Sturrock. O Dr. Sturrock, nascido na Inglaterra em 1924, Doutorado na Universidade de Cambridge em 1951, é atualmente Professor de Ciência Espacial e Astrofísica no Departamento de Física Aplicada da prestigiosa Universidade do Stanford, em Califórnia, Estados Unidos. O Dr. Sturrock foi Presidente do Comitê fundador do Centro para a Ciência Espacial e a Astrofísica e atualmente é Diretor desse Centro. Como Físico, Preside a Sociedade para a Exploração Científica, que atualmente tem mais de 500 membros, e edita a revista "Journal of Scientific Exploration" (Periódico de Exploração Científica). Nessa revista se exploram particularmente as grandes 187

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

interrogantes da ciência, e os temas que estão no limite de seus alcances. Entre eles, é obvio, os Ovnis. O Dr. Sturrock é Membro da Sociedade Astronômica dos Estados Unidos, do Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica, da Academia Internacional de Astronáutica, da União Astronômica Internacional, e é Associado ("Fellow") da Associação Americana para o Avanço da Ciência, da Sociedade Física Americana e da Real Sociedade Astronômica. O Dr. Sturrock recebeu o "Gravity Prize" por sua investigação sobre a gravidade, da Fundação de Investigação da Gravidade, em 1967. O Prêmio Lindsay do Centro de Vôos Espaciais Goddard da Nasa , em 1977; em 1986 recebeu o Prêmio Vai por seus estudos em Física Solar, de parte da Sociedade Astronômica Americana; em 1990 a Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos lhe entregou a Medalha Arctowski por sua investigação da relação solar-terrestre, e em 1992 recebeu em Prêmio de Ciências Espaciais de parte do Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica. Suas atuais áreas de investigação se concentram na física do plasma, as relações solarterrestres e a Astrofísica de alta energia. Quem deseja conhecer mais detalhe sobre a tarefa científica, antecedentes e personalidade do Dr. Sturrock, pode consultar na página Web da Universidade do Stanford. Permiti-me fazer esta breve resenha, para que se saiba que categoria de cientista e de que estatura é quem levou a cabo a iniciativa de reunir a um painel de peritos, a nível internacional para avaliar o tema OVNI. A iniciativa, tal qual a resenha o próprio Dr. Sturrock no Prefácio do relatório titulado "Physical Evidence Related to UFO Reports" ("Evidencia Física relacionada com os Informe de OVNI") foi assim: em dezembro de 1996, Laurence S. Rockefeller, Presidente do Fundo que leva seu nome, convidou ao Dr. Sturrock a passar revista com ele à situação da compreensão do problema exposto pelos informe de Ovnis. Ambos acordaram que o problema estava em um estado verdadeiramente insatisfactorio de ignorância e confusão. O Dr. Sturrock expressou a opinião "de que o problema resolveria só por uma prolongada e aberta investigação profissional científica, e que um prerequisito essencial para tal investigação é que mais cientistas adquiram interesse neste tópico." Foi então que procurando alguma forma de respirar tal interesse, Rockefeller, seu colega Henry Diamond e o Dr. Sturrock conceberam a idéia de um grupo de trabalho ("workshop"), no qual proeminentes investigadores de informe de Ovnis, reunissem-se com um painel de oito ou nove cientistas que cobrissem uma ampla gama de interesses e de perícia. Com o apoio administrativo da Sociedade para a Exploração Científica, o Dr. Sturrock apresentou ao Fundo Laurence S. Rockefeller uma proposta em fevereiro de 1997. Essa proposta se concretizou em um grupo de trabalho que se reuniu de 30 de setembro aos 2 de outubro de 1997 no Centro de Conferências Pocantico, no Tarrytown, Estado de Nova Iorque. Posteriormente o Painel e o Diretor do Grupo de Trabalho se reuniram do 28 aos 30 de novembro do mesmo ano em São Francisco, Califórnia. O Grupo de Trabalho esteve integrado por sete investigadores e/ou estudiosos do tema OVNI a diferentes níveis. Eles foram o Dr. Richard F. Haines, de Los Altos, Califórnia, quem fez uma apresentação da evidência fotográfica e de anomalias em equipes de aviões; o Dr. Illobrand von Ludwiger do Feldkirchen.Westerham, Alemanha, quem submeteu a consideração a evidência radárica; o Dr. Mark Rodeghier do Center for UFO Studies 188

Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta

(CUFOS) de Chicago, quem apresentou casos de anomalias nos motores de automóveis; o senhor John F. Schuessler de Houston, Texas, quem considerou os casos de testemunhas que sofreram lesões; o Dr. Erling Strand, do Ostfeld, Noruega, quem apresentou evidência que implicou videoregistros e informação espectroscópica das luzes do Hessdalen; o Dr. Michael D. Swords, Professor no Departamento de Estudos Gerais da Ciência pertencente à Universidade do Leste de Michigan quem considerou o tema das anomalias inerciais; o Dr. Jacques F. Vallée, de São Francisco, que apresentou cálculos de energia e também considerou a evidência material; e o senhor Jean-Jacques Velasco do Centro Nacional de Estudos Espaciais (CNES) do Toulouse, França, quem apresentou evidência concernente a acontecimentos de radar, risca no chão e alteração da vegetação. A evidência apresentada no Grupo de Trabalho foi estudada por um Painel Científico Revisor integrado pelo Dr. Von R. Eshleman, Professor Emérito de Engenharia Elétrica da Universidade do Stanford; o Dr. J. R. Jokipii, Professor de Ciências Planetárias e Astronomia da Universidade do Arizona no Tucson; o Dr. Francois Louange, Diretor Administrador do Fleximage, em Paris, França; o Dr. H. J. Melosh, professor de Ciência Planetária da Universidade do Arizona no Tucson; o Dr. James J. Papike, Chefe do Instituto de Meteoritos e Professor de Ciências da Terra e Planetária da Universidade de novo o México no Albuquerque; o Dr. Guenther Reitz do Centro Aeroespacial Alemão, Instituto de Medicina Aeroespacial, em Colônia, Alemanha; e o Dr. Bernadrd Veyret do Laboratório da Bioelectromagnética da Universidade do Bordeux, França, a quem lhes adicionou T.E. Holzer, e C. Tolbert. Dr. Jean-Jacques VELASCO do C.N.E.S. da França O relatório elaborado em função de toda essa tarefa, consta de 49 páginas incluindo os apêndices. Do Sumário que efectúa o Painel de Revisão Científica, extraio três aspectos fundamentais: 1) O procedimento: "Os participantes encararam o problema de compreender a causa ou causas dos informe de OVNI, que continuaram no mundo pelo menos durante 50 anos. Pediu aos investigadores que apresentassem sua informação mais sólida ao painel revisor. O elemento impulsor dessas apresentações era que pelo menos alguns dos fenómoenos não são facilmente explicáveis. O painel centrou sua atenção em incidentes que implicaram certa forma de evidência física, com o claro reconhecimento dos perigos de confiar totalmente no testemunho de testemunhas e da importância de medições físicas para distinguir entre as hipótese." [discrepo com a apreciação geral em relação à continuidade das denúncias de OVNI, e o próprio conteúdo do relatório reflete que a situação variou nas últimas décadas -N. do A.] – (página 3 do documento) 2) O objetivo: "Pode ser valioso avaliar cuidadosamente denúncias de OVNI para extrair informação a respeito de fenômenos insólitos atualmente desconhecidos para a ciência. Entretanto, para ser acreditáveis para a comunidade científica, tais avaliações devem ter lugar com um espírito de objetividade e um desejo de avaliar hipótese rivais." (pág. 3) 3) Conclusão: "O painel concluiu que uma maior análise da evidência apresentada no grupo de trabalho é improvável que elucide a causa ou causas dos informe. Não obstante, o painel considera que novos dados, cientificamente adquiridos e analisados (especialmente de acontecimentos recorrentes, bem documentados), podem produzir informação útil. 189

o Sargento John Healey. e o helicóptero. porque hoje conhecemos muito mais cientificamente. Swords. determinar que fenômeno natural. Conhecido pelos Ovnílogos como "o caso do Capitão Coyne". Tivesse resultado mais que interessante do ponto de vista científico. A isso se somou que a investigação civil aos tripulantes. determinou que se perdessem muitos elementos valiosos do caso a corroborar.1o. Edward Ou. Entretanto. Condon. só a gente tem para meu um valor excepcional. e a investigação mais tardia ainda. teve lugar ao ano seguinte. na zona de Ohio. a instâncias do Dr. ou o Dr. que abrangendo as Seções I e II. sob o rótulo geral de Aparentes efeitos gravitacionais e/ou inerciais. o mesmo implicou ao Capitão Lawrence J. 4) De todos os casos abordados pelos investigadores e estudiosos do tema OVNI ante o painel revisor cientista. seus acompanhantes Em Tte. Desde meu ponto de vista. Arrigo Jezzi. imediatamente depois de publicado o "Scientific Study of Unidentified Flying Objects". Peter Sturrock me parece plausível. Um bom trabalho de investigação realizado pelo Jennie Zeidman. em maneira alguma reflete os conteúdos do próprio Estudo. principalmente no imediato interrogatório por separado a cada tripulante e no estudo e avaliação dos instrumentos do helicóptero. trata-se de um documento de 26 páginas. Sturrock. --já que ao não existir mais o Projeto Blue Book aparentemente não sabia onde acudir--. Devo dizer --de passagem-. desenvolvido nas 915 páginas restantes. e o técnico Robert Yanacsek. o fato de que o próprio Capitão Coyne não denunciasse o acontecimento a não ser um mês depois. onde principalmente o Dr. Refiro aos acontecimentos ocorridos aproximadamente às 11 da noite de 18 de outubro de 1973. 1. Condon fica muito mal parado por seus "Conclusões e Recomendações" e seu "Sumário do Estudo". tinham presenciado os acontecimentos. como o diz também o Dr. 190 . já que estabelece a mesma em agosto em vez de outubro. A denúncia tardia. encabeçado pelo também Físico Dr. acredito que tivesse sido oportuna em 1969. com o trabalho do Grupo da Universidade de Avermelhado. Não. Em honra à verdade. e diz que o helicóptero pertencia à Reserva da Força Aérea). Hynek. embora a iniciativa do Dr. sobre certos fenômenos naturais não conhecidos por então. e que recém quatro anos mais tarde. pudessem dar explicação satisfatória ao acontecido. arruinaram por completo o valor do caso. Coyne. nas primeiras 50 páginas.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Neste caso. permitiu conhecer que houve vários grupos de testemunhas em terra que simultaneamente observaram o acontecido entre um corpo luminoso no ar. e é o apresentado pelo Dr. que desenvolvo ao longo de toda esta obra." (pág. Peter Sturrock escreveu em 1990 um relatório crítico do referido "Estudo". Zeidman deu com diferentes grupos de testemunhas civis que desde terra. É certo que. ou que energia artificialmente projetada. cometeu um engano na data. J. Allen Hynek. publicado no Volúmen 1. atualmente nos encontramos em melhores condicione que então para voltar a abordar o tema. do Center for UFO Studies (CUFOS). sob o título "An Analysis of the Condon Report on the Avermelhado UFO Project" (Uma análise do Relatório Condon sobre o Projeto OVNI de Avermelhado). Michael Swords.que o relatório dos cientistas. a cargo do Dr. o próprio Dr. os cientistas físicos teriam uma oportunidade de contribuir à resolução do problema OVNI. trata-se do caso protagonizado pelos tripulantes de um helicóptero UH-1 Huey pertencente à Reserva do Exército (outra vez o relatório está equivocado. do Journal of Scientific Exploration.

Também na atualidade se pôde ter maior acesso a documentos oficiais que por então estavam ainda impedidos de ver a luz pública devido a sua classificação de secretos. que só atualmente foram revelados. para um resultado exíguo.5% de todas as denúncias efetuadas. Quem teve a paciência de seguir todo o desenvolvimento de meu pensamento até este ponto. provas experimentais. em busca de dados e de elementos que talvez possam contribuir indiretamente conhecimento sobre algum fenômeno natural ainda não conhecido. ou seja o magro resíduo do 1 aos 1. aparelhos não-convencionais. Capítulo XX . Este livro o testemunha. a chave para explicar a natureza dos casos classificados como "OVNI". nenhum psiquiatra. instrumentos.a uma conclusão. De modo que o escasso resíduo de 1. E isto é tão assim. Pode que talvez ainda fique algum por conhecer-se. e que em essência. Mas a esta altura das circunstâncias. não se encontra por essa via. tem o direito de rever. e em experimentos ultrasecretos com aparelhos. e tenha o valor de prova. Qualquer pessoa. a não ser em ajuste estrito "à verdade. e não havia nenhum psicólogo." Mas isso se explica. é que estes destacados cientistas. logo depois de oir e rever todas as apresentações feitas por um muito seleto grupo internacional do Ovnílogos. E não por capricho.A idéia "OVNI" como Meme Fizemos um comprido percorrido. e deixou de ter sentido quando esta terminou. A meu é muito simples: o fenomenal OVNI foi próprio da Guerra Fria. inclui espionagem. De qualquer maneira. não ficaram para nada sastisfechos. ou confidenciais. o que é obvio. Mas também é certo que Sturrock e seus colegas científicos. Não por ser caluniadores a priori. pretenderam ir à medula mais intrínseca do tema: procurar e encontrar "evidencia físicas convincentes da realidade de um fenômeno ou grupo de fenômenos estranhos que pudessem ter potencialmente o valor de lhe contribuir à ciência novos conhecimentos. os casos classificados como "OVNI". é que os mesmos pertenciam todos ao campo das ciências físicas. Sob o amparo da idéia "OVNI" --que ontológicamente é uma anti-definição. tem explicação em fenômenos naturais não conhecidos desde 1947 até recentemente. levaram-se a cabo missões de inteligência e de inteligência militar. que é o que me permitiu escrever este livro. Simplesmente porque o tema é complexo. Tampouco havia botânicos. terá chegado --quase certamente-. estudar e analisar toda a documentação OVNI existente. químicos ou peritos em fotografia. nenhum médico.5% não explicável é perfeitamente atribuíble a projetos secretos. e às exigências que a ciência expõe para que algo seja válido como evidência. ou por espírito negativo. deve encarar-se o de maneira coordenada e multidisciplinaria. não sei quanto possa validar-se esse esforço." O resultado. mal que os em que pese a alguns. Uma crítica que cabe à constituição do painel de cientistas.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta assim como certas tecnologias e progressos no campo da aeronáutica. e um científico preminentemente. investigar. pela singela razão de que a maioria dos casos foram deficientemente investigados. claro está. e não adjudicaram valor intrínseco a nenhum dos casos apresentados como exemplos. preparativos e operações de inteligência usando uma muita variada e sofisticada gama de 191 . fontes de energia e projeções de energia. aplicados principalmente a missões de inteligência. assim como a utilização de artefatos aéreos ou lhes-espaciales espace operacionais também secretos. precisamente.

profusamente alimentado e retroalimentado pelos meios de comunicação maciços. Some-se a isso alguns fenômenos naturais não conhecidos em décadas anteriores. nem na URSS. França (19521954) e a União Soviética. E então não há mais titulares sobre avistamientos. A manutenção do tema. e a alimentação permanente da idéia do "extraterrestre" se levou a cabo de acordo a um plano psicologicamente muito bem esboçado. A classificação Hynek por exemplo. Mas além disso. Tudo se vai acondicionando para o desmoronamento do bloco socialista liderado por à URSS. A associação das idéias "OVNI" e "extraterrestre" se deu até a indigestão. ou como questão múltiplos denuncia de OVNI na Europa. descobre o plano que está detrás. aliados. é o aspecto sócio-cultural do fenômeno. O resto. Os "Ovnis" começaram a deixar de voar. Avessa idéia a de fazer pensar em artefatos principalmente circulares (a idéia do completo. e algumas outras impulsionadas ou diretamente criadas pelos serviços de inteligenica para gerar precisamente o âmbito A-12 um triângulo volante que provocou cultural que criasse o espaço mental para incluir os Ovnis como realidade. Apenas se ficam relegados às publicações sensacionalistas. A própria sucessão cronológica de acontecimentos de diferente índole em uma notória gradação. ou onde se pode operar com confiança. O mundo se preparava para uma mudança importante. o desenvolvimento de protótipos. Mas os ECIII não se dão na China. já não ocupam um lugar destacado nas notícias dos maiores meios de comunicação.também foi aproveitada e dirigida por outros organismos de inteligência em outros paises. duvidosa e debatível. ainda sem sabê-lo. E isto foi deliberadamente sugerido do início do tema por fontes de inteligência militar americanos. unindo estas duas idéias. A realidade --se fosse tal e certa-manifestaria-se de outra maneira muito diferente. como Grã-Bretanha. permanente e sólida cobertura para as operações de espionagens. e outras atividades. procurou-se por todos os meios condicionar e manipular às grandes massas. ou extraterrestres. a idéia --embora não desenvolvida com a persistência. muitas delas fruto de uma legítima busca por achar a verdade. 192 . Terei que assegurar uma boa. e à verdadeira identidade dos "não identificados" que os Encontros Próximos do Terceiro Tipo se dêem primeiro em território estadounidese e logo em territórios amigos. como manifestação de uma espécie superior. as provas secretas. E por outro lado o lógico surgimento de instituições de investigação oficiais e privadas. os "as mande" do céu dos que escrevesse Carl Gustav Jung). complexidade e sofisticação que se conhece nos Estados Unidos-. mas já de se por acaso. com um espaço cada vez major na cultura. Se se insistiu machaconamente nas mesmas é porque assim o determinaram as circunstâncias. que jogaram um papel não só importante mas também imprescindível para os serviços de inteligência. não faz mais que refletir justamente as variantes que se aconteceram ao longo de décadas. Os organismos de inteligência sabem antes que ninguém.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta instrumentos e artefatos. os "tablóides". os alienígenas. de reforços periódicos da mesma. como lhes conhece nos Estados Unidos. Parece que se decidiu "guardá-los nos hangares". incluídas as clandestinas. introduzindo variantes que foram dando-se com o passar do tempo. Não é alheio ao plano.

e o uso forçado de especímenes humanos em operações clandestinas. em seu livro de 1976 The Selfish Gene (O Gen Egoísta). Escreve Westoby: "Carácer de infeccioso.. Mas muito mais importante é a definição de "meme".não há naves estranhas.Perguntas Expostas Freqüentemente). Com total honestidade. Pergunta-a que fica é de caráter ontológico: o que são os OVNI? Ao dirigir material documentário referido à Psicóloga Susan Blackmore. invadem. A penúltima utilização da idéia "OVNI"..208).' Os memes se replicam a se mesmos (sustenta Dawkins) como os gens: 'por imitação. Se examinarmos já seja o âmbito 193 . que me dizia "Meme" rhymes with "dream"... Especialmente na seção FAQ (Frequently Asked Questions .. cit. computadores.no sentido mais amplo'. por sua primeira publicação do conceito de meme. Os memes são 'patrões de informação que podem prosperar só nos cérebros ou em produtos dos cérebros manufaturados artificialmente --livros. Entretanto. mas seu potencial como idéia operante na sociedade segue latente. para ir inteirando a respeito dos memes. o uso de gases incolores e inodoros para provocar sonho.. nada… exceto as boas postas em cena. Richard Dawkins.. os memes podem acontecer não só de pais a filhos. que salta de memore em memore em transmissão cultural humana. parasitan. E também me inteirei que "Credita-se ao zoólogo de Oxford. confesso que nunca antes tinha ouvido sequer a palavra. Onde não há objetos voadores. e tive a resposta. navegando pela Inernet. e o que sim se sabe é que helicópteros negros e sem identificação.Os memes ingestan. E ali se diz: "os memes são os blocos básicos de construção de nossas mentes e cultura. nem rastros.. e é obvio que isso determinou uma nova busca de informação. Mas. como se pronunciará a palavra "meme"?. os Ovnis adquiriram um caráter mítico. Eu pensava. mas através do tempo mas bem que do espaço. habitam. fecundidade. encontrei-me com um excelente lugar chamado "Meme Central". e as variações mais bem-sucedidas proliferam" Outros conceitos meméticos importantes. achei que ela anunciava que ia se dedicar ao estudo dos memes.. Assim... op.. e foi um primeiro e correto passo. nem interferenicas eletromagnéticas." Logo. Tire-a lógica inferência sobre a situação.. titulado "The Ecology of Intentions: How to make memes and influence people: culturology" (A Ecologia das Intenções: Como fazer memes e influenciar na gente: culturología").. A diferença dos gens. aplicará-se à mutilação de animais. nem blecautes.. na mesma forma em que os gens são os blocos básicos de construção da vida biológica". li um trabalho do Adam Westoby. mas também entre seres humanos não relacionados. A última utilização é a aplicação da idéia "OVNI" às chamadas "abducciones"... operaram em certas zonas rurais onde ocorreram as mutilacones. entrando no tema. os memes também variam. ou seja "Mim" rima com "drim" (do ponto de vista fonético).Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Em meados da década dos anos 70 o tema empalidece totalmente. Logo depois de ter abonado a idéia por três décadas e meia. Compartilham certas características fundamentais com os gens: 'longevidade. etc. e fidelidade na cópia' (Dawkins... São como 'infecções' ou 'vírus' que proliferam saltando de uma mente humana a seguinte " "Imortalidade: Esta caracerística também subordina os seres humanos individuais aos memes. pág. Westoby escreve: "Dawkins definiu os memes por analogia com os gens.de modo que podemos pensar aos memes como uma nova forma de vida. Os memes podem resistir ao longo de várias gerações humanas. em inglês claro. incluem e se conjugam com outros memes. nem "extraterrestres".

é que sua evolução implica coisas que se apagam e extinguem.. Escrevi uma breve nota à a Memeticista Aaron Lynch. Em sua "Introdução" aos memes. A gente é uma conferência de 1998 que se encontra em http://www." Outro importante Memeticista é Glenn Grant.. quando diz que "este conjunto é agora um sistema excessivamente contagioso". No caso do primeiro que Aarón Lynch menciona.. o portador do meme que salta ao escarpado nunca realmente se lança ao salto.htm.thoughtcontagion. induzindo a milhões de parvos crédulos a lançar-se para suas mortes. Encaixam perfeitamente na definição deles." Poderia haver uma descrição mais perfeita do chamado "fenomenal OVNI". este tipo de coisa acontece todo o tempo. Um ponto relacionado ao estudar memes. e os manipulados. Era um A-12? "Este é um ponto vital: as pessoas tratam de infectar-se entre se com aqueles memes que encontram mais atrativos. portanto. e em todas suas características. Perguntei ao Lynch: "o que pensa você dos Ovnis como memes?". ou seja a conferência de 1998 titulada "Memes and Mass Delusion" (Memes e Engano Maciço) embora se estende para outros exemplos como o do nazismo. o ponto que intresa sobre o tema OVNI se encontra na página 3." E algo mais que diz Westoby.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta externo ou interno --a anatomia-. 194 . que fica claro o quadro dos que sabiam do que se tratava e os que não. autor do livro "Thought Contagion: How Belief Spreads Through Society" (O Contágio do Pensamento: Como a Crença se Expande através da Sociedade"). Ainda mais. aplicado a ideia-ovni: "A intencionalidade está implicada em gerar memes científicos assim como religiosos. e recomendo a leitura de ambos os trabalhos. tive a satisfação de ter uma corroboração altamente autorizada.com/mamd. Ou seja. É obvio que li. nunca é obvio acreditaram em sua criação. considerado do ponto sócio-cultural? Os criadores do meme-OVNI. a partir de "Rumores contagiosos sobre 'pratos voadores'....Os memes vinculam aos seres humanos por meio de valores assim como sentimentos. Também tenho a posição de que declarações extraordinárias demandam uma prova extraordinária. muito do que vemos consiste de outros memes. causando grande quantidade de denúncias de OVNI. Foi desta maneira que cheguei à conclusão de que ontológicamente falando. encontra-se em http://www.de um meme... e continua até o final do segundo parágrafo da página 4. de recomendada leitura. etc. assim como adições (novas especiaciones)... os Ovnis são memes.. ao que Lynch me respondeu: "Vejo a ampla disseminação da crença nos Ovnis como resultante de mecanismos de contágio do pensamento de uma não-verdade contingente. Tenho dois artigos "online" que tratam sobre os Ovnis. Não só agradeci ao Aaron Lynch sua resposta. mas também a mesma superou os limites de minha curiosidade. escreve este conceito: Isto foi o que viram na Bélgica. Outro artigo relacionado é "Thought Contagion and the Heaven's Gate Tragedy" (Contágio de Pensamento e a Tragédia do Heaven's Gate) de 1997. de parte de um Memeticista.mcs.. seu surgimento. que o acho totalmente ao caso.htm. para beneficiar-se em muitas maneiras disso. e ratificaram plenamente. o que pensei ao analisar a ideia-ovni. sem importar o valor objetivo ou a verdade dos memes. poderá passar o resto de sua larga vida infectando a outras peronas com o meme. que trata do mito do Roswell.net/~aaron/heavensgate. E sobre isto. Historicamente.Efeito da caderneta de apontamentos. Os manipuladores. disseminação e evolução com o passar do tempo. mas souberam contagiá-la a milhões com o passar do tempo.

ideia-ovni-a. permitir pensar que --em planetas que pela constituição de seu atmosfera ou a proximidade ou lonjura do Sol. O pensamento científico é aberto. chegando a entender que há sucessos que ocorrem mais próximos ao chão e outros. pertencente a uma inteligência não-humana! Mas até o presente. ou o categorema-OVNI. mas também além disso. é um meme. os Astrônomos estão procurando e abertos à possibilidade de encontrar formas elementares de vida em Marte. o fruto de uma investigação de casos. dá-nos um panorama que explica a total satisfação o ínfimo resíduo do 1 aos 1. os meteoritos sulcando velozes a abóbada celeste até perder-se ou estalar. por obsoletos. Certamente que a maioria são inferidos. Essa é a essência da ciência. Também ao culminar 1999. Tudo no céu. coisa que antes se negava radicalmente. ou nos céus. e um estudo consciencioso não só dessa casuística e de todos os contribuições por explicá-la. e está exposto a constante revisão. os muito escassos. organismo vivos que habitam âmbitos extremos de pressão e frio ou de ácidos e calor. o impacto dos raios. O rugir dos trovões. O que contam são os fenômenos. Não terá que ir muitas décadas atrás. não se conhecia nenhum planeta em torno de nenhum outro sol. que não só nenhum dos planetas de nosso sistema solar estava adequadamente conhecido. do desenvolvimento científico. 195 . o céu tachonado de estrelas. os descobrimentos da ciência e o desenvolvimento da tecnologia em diversas vertentes. mas há um que foi visto e fotografado. Também se impressionou pela potência dos fenômenos meteorológicos. O descobrimento relativamente recente dos chamados "extremófilos". Frente a essas perspectivas. e talvez em algumas das luas do Júpiter. o ser humano elevou seus olhos ao céu. os Astrônomos estão entusiasmados com o descobrimento de planetas pertencentes a outros sóis. mas autênticos. e estes podem nos obrigar a rever nosso pensamento até ontem aparentemente solidamente baseado. Quem se anquilosan em conceitos que terminam por resultar perimidos. a delicadeza da Lua nocturnal. esta penúltima reflexão. E isso é tudo. a muita maior distancia. de um cotejo comparado de centenas e milhares de denúncias de OVNI. Todas são provisórias. mas também e correlativamente.5% de casos previamente classificados como "OVNI". para encontrar nos livros de texto de Astronomia. Porque cientificamente falando toda palavra é penúltima. pode. suporia-se que não poderiam sustentar forma de vida alguma-. E já se descoberto 28 deles. São os espíritos pobres os que não entendem assim as coisas. e cambiantes. Desde tempos primitivos. Não há Esquema dos três possíveis planetas verdades absolutas e finais. os fogos de artifício dos relâmpagos. e os Ovnis. Permita-se me então. ontológicamente falando. por extrapolação. os fatos.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Em concreto pois. em outras galáxias. e viu a imponencia maravilhosa do Sol. E P Í L Ou G Ou -Uma penúltima palavra Digo penúltima e o faço a consciência. quanto não daria eu porque finalmente fosse certo. Todo isso ocorrendo sobre sua cabeça. fossem um tipo de manifestação energéticoinstrumental. A dezembro de 1999.também poderia haver alguma forma elementar de vida.

aproxima-nos mais ao momento ótimo para o rencuentro. o grau de evolução de uma civilização e até à riqueza idiomática para nomear e definir coisas. Estejamos abertos a essa realidade outra. Às vezes somos capazes de observar a realidade contidiana com a capacidade de resumi-la em uma grande síntese. Também é certo que outras tantas vezes. talvez cheguemos a descobrir que era certo aquilo que faz muito tempo sentenciou Charles Hoyt Fort: "Somos propriedade". depois de tudo. explicar. também espiritual. irracionalmente desejado. Às vezes chega a intuir-se que para que tudo adquira um verdadeiro sentido. que sentido tem que exista? Desde atribuir à natureza poderes numinosos. Não nos satisfaz nos sentir sozinhos. entre assustado e extasiado. E o problema chegados a esse ponto é aceitar ou nos rebelar ante quem é nosso "dono". faltam-nos certos dados. mas também dará total sentido a nossa vida? Nossa consciência crescente dessa possibilidade. Somos universalmente gregários. inquiriu-se a respeito de se mesmo. a gente é o "céu" das nuvens e os fenômenos meteorológicos. Perguntamos. sem antagonismo. Planetariamente falando. Enquanto isso. 196 . cada vez é major a convicção entre Astrônomos e Astrofísicos. O que significa poder inteligir esses fenômenos e esses corpos celestes?.de que não estamos sozinhos. Procuramos. mas também total. somos essencialmente inquisitivos. Sempre nos expomos interrogantes. parece que desejássemos uma realidade totalmente diferente. as A gigantesca antena do Radiotelescopio do Arecibo. totalmente outra. mas sempre impressionado. ou certos pontos referenciales ineludibles. neste tempo de espera. É como se houvesse no profundo de nosso ser. e houvesse um depurado sentido de pertença mútua e unidade com tudo que existe. Para "conhecer como fomos conhecidos".Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Em outras palavras. queremos (necessitamos?) o encontro com outra inteligência. não será esse o princípio do fim de nossa busca de milênios?. As respostas que se obtêm também. o mais humano que podemos fazer é nos preparar pessoal e coletivamente para esse encontro. e se tem feito as perguntas mais simples mas mais profundas: quem sou?. Em meio disso. que não só porá fim a nossa solidão. em respostas em boa medida estiveram diretamente relacionadas à cultura. portanto. neste tempo entre os tempos. Para nos ver cara a cara. uma inexplicável nostalgia de um pouco totalmente distinto. Os caminhos para responder a essas interrogantes são variados. Um âmbito de existência no qual a harmonia fora a chave de todas as relações. descobrir.Busca de Inteligência Extra Terrestre). E não só a nível científico-tecnológico. Queremos explorar. De que não podemos está-lo. Só assim é possível compreender que exista desde muitos anos um esforço inquiridor chamado SETI (Search for Extra Terrestrial Intelligence . outro o dos corpos celestes. Somos elementalmente curiosos. e de objetivá-la como a distância. sem separações. e as múltiplos expressões que podem resumir-se na palavra vida. E o ser humano. Mas acaso não lhe estaremos devendo nosso ser e como somos?. não será esse o rencuentro intuído. sem deixar de reconhecer toda a energia por ela desdobrada. E nos parece que não os podemos ter por nós mesmos. qual é meu orígen?. entender. e chegamos a nos sentir como alheios em nosso planeta. que complemente e explique nossa própria realidade.

a seguir treinando-se. absolutamente nada do que temos feito e do que aprendemos em nossa experiência como investigadores e estudiosos do tema OVNI foi em vão. Nada. portanto. o Observatório Chandra de Raios X. Em definitiva.Balneário Belo Horizonte . não sabemos quando a realidade nos pode chamar a aplicar toda nossa perícia. como caímos na armadilha de uma crença em algo cuja verdadeira natureza não era a que pensávamos! É precisamente neste ponto. De nos fazer indagar em planos não acostumados. nossa experiência. A seguir permanentemente ao dia com os descobrimentos científicos e os avanços tecnológicos. ou o meme "OVNI" teve --entre outras coisas-. Isso é certo. sem deixar que o mito empane as realidades. tanto sacrifício. ou à família? Se nisto termina tudo. E principalmente. instrumentos. Praticar o interrogatório a testemunhas. ou à carreira profissional. que quero dizer algo que me urge expressá-lo. está melhor preparado que nós para investigar e estudar essa realidade. a uma atitude recalcitrantemente cética. e é uma validez que vai além de todo o propósito pragmático com o qual se criou o "meme" e de todos os usos pedrestres que lhe deram. agora. para encontrar cada dia realidades assombrosas. O importante é apontar a essas outras possibilidades transcendentes. ante o que lhes tinha estado escamoteando ou trapaceando. tem mais valor que nunca. do que valeu então tanto insônia. tantas horas tiradas ao sonho. um bom e honesto Ovnílogo.virtualmente toda sua vida ao tema. A continuar elucubrando possíveis cenários. outrora grandes dilvulgadores dos OVNI como uma realidade diferente.) os fatores chave que nos permitam uma interpretação correta do acontecido e que nos dêem pistas sobre a natureza e a classe de efeitos provocados pelo estranho. animais. possa-me fazer a pergunta. FIM aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa Nota Capítulo XI (não traian numero) 197 . dos quais ilustra abundantemente este livro. Explorar outros múltiplos elementos que potencialmente podem rodear um acontecimento estranho para extrair do meio (chão.Uruguai adequado dos meios de comunicação de massas. em boa medida como reação psicológica ante o descobrimento da verdade. nem perdeu um ápice de seu valor. verdadeiramente outra inteligência se faz indubitablemente presente em meio de nossa civilização humana. e nossos conhecimentos. minha recomendação é a continuar reunindo-se. e perfurá-lo cada vez mais com maravilhosos instrumentos como o Telescópio Espacial Hubble. Estejamos preparados. maduramente.a virtude de despertar. que parvos fomos. Procuremos seguir mantendo o contato fluído com cientistas. Pensemos simplesmente isto: se na vida que fica. O categorema "OVNI".Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Basta olhar ao céu. …E talvez. Ao contrário. o cheio de documentos. que dedicou --como eu-. e as potentes antenas de radioastronomía. que levou a muitos. Não desprezemos o manejo Março de 2000 . De nos expor interrogantes não habituais. vegetais. aguçar o engenho nas perguntas pertinentes e em como as formular. De abrir nossa mente a dimensões insuspeitadas. técnicos e peritos nas múltiplos disciplina com as que eventualmente terei que trabalhar. etc. ninguém em toda a face do planeta.

de uma “D”. a não ser –em términos gerais. Reflexão muito certa: o mero feito de que a Força Aérea investigue respira às pessoas a afiançar a idéia de que algo estranho verdadeiramente existe. sendo a parte curva o bordo de ataque. porque justamente é a necessitada janela que vai permitir manter sempre em velo a atenção da gente. É muito importante que o autor reconheça que a Recua esteve envolta substancialmente no tema Ovnis. Razão dada para investigar A USAF despachou aviões caça-interceptores F-94. 198 . e o efeito de convicção que os mesmos são capazes de criar. apesar dos reiterados pedidos por elenvío de aviões.que o público tome tal interesse “como uma confirmação da existência dos Ovnis”. pôde dizer “investigadores”. e da proximidade geográfica de várias Bases Aéreas. Ou seja. algo assim como “os loucos pelos Ovnis” por que usar um término pejorativo? Bem. –baste assinalar que o liderava um Capitão-. Em inglês “UFO-buffs”. mas em ambas as ocasiões. um movimento ondulatorio Primeiro enfoque: os Ovnis podiam ser reais e motivo de preocupação para a segurança nacional Não descartar a possibilidade de fenômenos extraterrestres. Em outras palavras. A CIA monitora a USAF." É inadmissível que Haines reitere um engano conceptual tão grosso. “estudiosos” ou “interessados”. Não é tão certo – como uma atenta leitura de seu artigo o demonstrará—que logo tivesse uma “limitada e periférica atenção. Não houve nenhuma urgência em averiguar o que sobrevoava a cidade capital. a não ser ao movimento quando disse“like pie plates skipping overthe water” (como pires de bolo deslizando-se sobre a água).Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Isto prova o enorme poder dos meios maciços de comunicação. várias horas depois de detectados os ecos radáricos. estes nunca lhe tiraram o sonho. Os objetos que Arnold viu não tinham forma de pires. Blue Book foi sem dúvida o principal projeto da USAF sobre os Ovnis. é uma idéia que vai espernear todo o tema ao longo de décadas. Mas. Arnold não se referiu à forma dos objetos.resulta muito claro que a Força Aérea não teve nenhuma preocupação genuína pelos Ovnis. A Agência não quer –e isto é razoável. Segundo enfoque: Os Ovnis não ameaçam a segurança dos Estados Unidos. A CIA forma seu próprio grupo de estudo. A CIA decide deliberadamente ocultar do público seu interesse no tema OVNI.

E não se pode correr risco algum. UU. O tema lhe provoca chateio em grau supremo. O Painel conclui que não existe ameaça à segurança Nacional. podiam desenvolver atividades subversivas. com uma atitude totalemente negativa. Odarenko– um lamentável e recalcritante elemento da CIA. De acordo: certos objetos estranhos não se podem atribuir a “fenômenos naturais ou a tipos conhecidos de veículos aéreos”.de que MJ-12 só teve e ainda pretende ter capacidade em agentes de desinformación. mas além lhe interessa ver que uso lhe pode dar ao tema OVNI enrelación com as esforços deguerra psicológica que leva a cabo EE. Todos M. Reação psicótica do Painel sob a influência do temor ao comunismo e do McCarthysmo. fizesse absolutamente desnecessária laexistencia do pretendido MJ-12. Todos os grupos investigadores oficiais concluíram por igual a “não havia uma ameaça direta à segurança nacional e que não havia evidência de visitas extraterrestres” A CIA continua monitorando o tema e as observações.UU Terceiro enfoque: o possível uso dos Ovnis pela URSSen a guerra psicológica A verdadeira preocupação consistiu em que os soviéticos não utilizassem a criação de pânico em torno dos Ovnis para bloquear os sistemas de alarme aéreo e criar um caos na detecção de autênticos e falsos brancos. Novamente. mas em troca poderiam perfeitamente atribuir-se aos tipos de veículos aéreos somente conhecidos por uma seleta elite Começo de outro grupo mais de investigação oficial. que os soviéticos tivessem podido desenvolver algum artefato não-convencional. nem evidência de que fossem extraterrestres. Por estatuto a CIA é responsável por coordenar lainvestigación.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Novo enfoque: Há um risco de 1/ 10.000 de que os OVNI exponham uma ameaça asa segurança dos EE. com ajuda de engenheiros alemães capturados na II Guerra Mundial. Quarto enfoque: preocupam os relatórios procedentes de ultramar. 199 . Objetivo do Painel Robertson. prejulgada e anticientífica. Sua reação ante o tema OVNI não é racional. ao suspeitar que grupos civis dedicados aos Ovnis. sinoemocional. Especialmente. a verdadeira preocupação é o uso do tema OVNI pelo inimigo para obstaculizar a defesa aérea americana. Uma prova mais –por víadel pensamento lógico. Uma pequena amostra do “Projeto E”? Semelhante e tão destacada seleção de cientistas de primeiro nível.

Leão Davidson. Ah. em certos casos. criaram a necessidade de dirigir o conceito OVNI para ocultar a realidade dos vôos de espionagem. e que não se aderiu ao uso do tema OV NEM para encobrir atividades oficiais secretas. É obvio que não! Outro painel científico volta a afirmar que “os Ovnis não ameaçavam a segurança nacional” e algo muito mais importante: os Ovnis não representavam “adiantamentos tecnológicos ou científicos fora do marco de referência terrestre” Se quer algo mais claro ainda? A CIA –embora mantendo-se sempre oculta—segue atrás do tema OVNI. mas ocultamente A CIA faz a análise fotográfica para o Grupo da Universidade de Avermelhado. Afirma uma grande verdade. caso do OXCART. Exemplo de alguém bem se localizado. A postura do Dr. E ainda. exceto que fosse uma mensagem em código contendo informação secreta. da qual a National Security Agency teria que ter sabido cabalmente. geraram muitos avistam ientos de Ovnis. e além disso.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Britânicos e canadenses já experimentavam com objetos de forma não-convencional. 200 . por que se ocultou o nome da estação de rádio. e o nome do operador do sistema Morse? Não há absolutamente nenhuma razão para o ocultação. O caso do agente da CIA Dewelt Walker. é um claro exemplo de como a CIA em conivência com a USAF. a quem devo muito sem que ele jamais o tenha sabido: o Engenheiro QuímicoDr. A CIA quer trabalhar com o Grupo da Universidade de Avermelhado. o conteúdo da mensagem. Chapin dá outra amostra de paranóia. Novamente se afirma que os OVNI não são uma ameaça para a segurança dos stados Unidos . Quinto enfoque: o que fazer se tirasse o chapéu uma inteligência extraterrestre no Espaço. fez passar a seu pessoal por Oficiais da Força Aérea dos Estados Unidos. quando são experimentais O Sr. Por isso Davidson incomodava Se a gravação não continha “mais que o código Morse de uma estação de rádio dos Estados Unidos”. Exceto quando deixam de ser experimentais e passam ao estado de operacionais. as histórias dos “homens de negro" A CIA continua monitorando as observacions de OVNI. Como expressei em minha conferência “Ovnis: ponto final” de 1991 (seis anos antes deste estudo do Haines) as revolucionárias tecnologias em aeronáutica. Davidson é intelectualmente brilhante. por que jamais se deu a conhecer publicamente?. Agora o suspeito é um de losestudiosos mais sagazes do tema OVNI de todos os tempos. que soube usar em tempo o sentido comum. De passagem se vem abaixo outro famoso argumento “ninguém voa aparelhos sobre território estrangeiro”. então não conhecida e eliberadamente oculta ao grande público.

Walter Bedell Smith supostamente remplazó ao Forrestal em 1° de agosto de 1950 logo depois da morte do Forrestal. 201 . Agora à a CIA interessa “o parapsicología e os fenômenos psíquicos associados com as observações de precisa fundamento mais claro para as “abducciones”? –quase se inspirasse estudo da OVNI”. Sempre houve funcionários destinados a relacionar-se com o tema. Sexto enfoque: Traslado do interesse nos Ovnis. logo depois de 23 anos. pp. por um aspecto colateral diria residual—mas riquíssima pedreira a explorar: o controle mental. Ver Peebles. Como este mesmo relatório do Haines o demonstra. ou acaso. Haines diz que o funcionário da CIA Gene Wilson “estava mal informado”. do A. Watch the Skies. estava informando mau? Confissão de que a CIA fez “muita manobra legal” para liberar ao público documentos.Agência Nacional de Segurança. Esta equipe nunca se reuniu. N. MJ-12 é uma birutice. Todos os membros na lista estavam mortos quando os "documentos" MJ-12 surgiram à luz pública em 1984. Houve sempre um esforço organizado atrás do tema OVNI dentro da CIA. diz-se que a CIA também é membro de uma Equipe de Resposta a um Incidente para investigar aterrissagens de Ovnis. Se Continua o interesse nos Ovnis e o permanente ocultação do mesmo como atividade oficial da Agência. esse ramo da psicologia que tem que ver com a investigação de fenômenos psíquicos tais como a clarividência. se ocorresse algum. de acordo à Lei de Liberdade de Informação. a CIA provê a um investigador do íntegra do Painel Robertson e as atas contidas no Relatório Durant. asi como um renovado e variado interesse no mesmo ao longo de décadas. A CIA segue mantendo “arquivos sobre os Ovnis”. antes e depois do Painel Robertson.] e a NSA [National Security Agency . e a telepatia. mas sempre ocultamente. ] estuda parapsicología. a percepção extrasensorial. A falta de documentação sólida da CIA sobre atividades da Agência relacionadas com os Ovnis na década dos anos 80 deixa a todo o tema um tanto obscuro. do A. a CIA esteve permanentemente implicada no tema OVNI. que entre outras iniciativas.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Pela primeira vez. projetos como “MK-Ultra”. Durante os últimos anos da décadas dos 70 e os 80. 258'268. N. A CIA continua com seu interesse nos OVNI. deliberadamente. Mas quem pode assegurar que a mesma CIA não esteve depois da criação e circulação desses “documentos”’? Há um Centro Psíquico da DIA [Defense Intelligence Agency ¬Agencia de Inteligência de Defesa. a Agência continuou com seu interesse nos Ovnis e nas observações de Ovnis.

Omar R. Gonzalo Viccino. a: Joao Martins. a: Hillary Evans e ao BUFORA Na França. Carlos Bruneto. César Dava Candia. George Eberhard. e ao GEPA e GEPAN. ao CEI e a Cadernos da Ufología. a: Donald Keyhoe. Ricardo Petrissans Aguilar. 202 . Conversação Telefónica entre o autor e Bland.V. Servián. MUFON e CUFON. GONZALEZ Villoso. No Uruguai. Oscar A. Hermann Jegerlehner Roider. Thomas Bullard. Richard F. Gerardo Pacheco. Daniel Garat. de 29 de agosto de 1994. ou por seu inescapável asesoramieto científico. Lucy Silva. Virgilio Sánchez-Ocejo. Daniel Perissé. Hulvio Brant Aleixo. No Brasil. Gonzalo Machín. Continha exatamente a mesma linguagem que uma carta do Marshall ao candidato presidencial Thomas Dewey em relação às intercepciones "Magic" em 1944. Willy Smith. Luis Pacheco. Por seu imperecível contribua à a Ovnilogía. Mark Rodeghier. Carlos Palermo. Ruth Gerstel. Carlos Serrentino. Lázaro Bachechi. Jacques Bergier. Carlos Etchecopar. Haines. Peter Sturrock. rendo minha profunda comemoração: Ao Nelson Álvarez. ou pela valiosa vinculação epistolar. Pereira. Sei que algumas delas já não estão deste lado da vida. Saez. Gustavo Quijano. RECONHECIMENTOS Dedico este livro. Na Argentina. Oscar Vilche. informação e fazer possível o trabalho de investigação de campo e o estudo de casos. Roberto Daguerre. Joseph Allen Hynek. editor do The George C. Luis A. Uriondo. Guillermo Roncoroni. Pereira. Heber Carlón. Vicente-Juan Ballester Olmos. CAIRP e FAECE. Larry Bland. e ao CIDOANI. quero expressar meu agradecimento às pessoas que cito a seguir." Andreas Faber Kaiser. Miguel A. era uma fotocópia. Eduardo Gaggero.I. Renato Vesco. Mario Borgunder. mas seguem vivendo em sua estampagem pessoal.(desde em 29 de abril de 1958) fizeram realidade o Centro. Ruegger. Em Grã-Bretanha. Scheck. Olavo T. German S. Pagani. Guillermo Crudelli. Agustín Ubal Faguaga. asi como por facilitar infra-estrutura. Pedro N. Moscatelli. a: Ariel Ciro Rietti. Irene Granchi. Heriberto Janosch. Eduardo Núñez. Emilio Peláez. Alejandro Agostinelli. Esteban García Taibo. Raul Rivero. Yamandú Romero. Gustavo A. Leon Davidson. Hugo Guinovart Fontana. Dedico também este livro. Jim e Coral Lorenzen. Irene Briozzo. Jamais surgiram documentos originais do MJ-12. Ricardo Torri Pasta. a: Antonio Ribeira. Roberto J. Vazquez Quartiani e Carlos Zamudio. Na Espanha. Flavio A. Enrique Ojeda. Roalde Moyano. Torre Aíta. aos múltiplos investigadores que em diversos países têm feito valiosas contribuições ao tema.) do Uruguai. Clemente Sazbon. a meus amigos e companheiros do Centro do Investigacion de Objetos Voadores Inidentificados (C. Carlos A. Arturo Bottino. Alfred Nahon. Santiago Rodríguez Stratta. Miguel Guasp Carrascosa. Alejandro Castelar. Osvaldo Do Porto. Jorge Martínez Levaggi. Jacques Vallée. APRO. Roberto Enrique Banchs. As datas e nomes foram alterados e "Magic" se trocou ao Majic". Sergio Olivera. Carlos A. Fontes. Julho Faget. Louis Pauwels. Nos Estados Unidos da América. Jader Ou. Vários deles são mencionados nesta obra. a: Aimé Michel. e em sua ação. José Varrer Faría. Walter A. Carlos Morató Manaro.I. Marshall Papers. Trygve Rasmussen. Rubens Freire Ferrero. René Fouéré. CEFAI. Jorge Denevi. Semino. Rubens Morais e ao CODOVNI. Lhe dêem J. Cifarelli. Marta Gaggero. Claude Poher. Luis Zunino. Vicente Curci. descobriu que um dos chamados documentos Majestic-12 era uma fraude total. a: Conrado A. ou a amizade pessoal. que ainda segue funcionando. não um original. Gilberto Zani.Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta O Dr.O. Horacio Mayer. em suas obras. Julho Riet. Alfredo Ciavattone. técnico ou profissional. Mondino. Iurchuck. Carlos Capocasale. quem em distintos momentos. Fernando Labandera. Ann Druffel. CUFOS. Aaron Lynch e ao NICAP. a quem junto com meu eterno agradecimento. Mais ainda.

Blackmore. criador dessa estupenda obra-mensaje que titulou "Encontros Próximos do Terceiro Tipo".Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Héctor Oscar Amengual. . . . . . E em forma muito especial. . . AGM -. . judeu. Avro Vulcan. . Estados Unidos Fevereiro de 2000. B-. Carlos Cantonnet. Faculdade de Agronomia. Carren. . Thomas. .. . B-. . Cabaça. . .I. Área . Brasil. Abduzidos. . . iX. . . . . Gualberto Dodó.). . . Virginia. . . James A. . . Associação de Aficionados à Astronomia. Eduardo Aguerre. Também quero expressar meu agradecimento às seguintes instituições: Força Aérea Uruguaia (F. Aeroporto Nacional de Washington. . Direção Nacional de Meteorologia do Uruguai. . . . . . . Cinema Clube do Uruguai. . Acampo Foster. .. . . . . . Boeing. . . . . William MAC. . . . . vIII. Apóie Edwards. . . . . Torre de Controle e Controle de Tráfico Aéreo do Aeroporto Internacional do Carrasco. An Analysis of the Condon Report on the Avermelhado UFO Project. Argentina. . . . Bullard. Carlos Pérez Lavagnini. Associação Cristã de Jovens. 203 . . . . . . . Susan. . . . . Foto Clube do Uruguai. . . Brazel. . Indique Abducción.. . . . Jacques. Aurora. . . . Bacon. Lloyd. . Rede de Observadores Astronômicos. . CIFE e CRIDOVNI. iX. Kenneth. . .I. . Arnold. Kenneth. . B-. Só o poderia havê-la feito. . Brasil.A. . . Associação Cristã Feminina. . Arabela. . . . . Blanchard. Gonzalo Zuluaga. .V. . . . . .O. William H. Roberto E. . . Luis A. .Wellington Perrone. . . Alvarez. . Blue Book. . Banchs. homem de nosso tempo. Abducciones . . extraordinário cineasta. Boianai. . . . Ricardo Purpura. quero homenagear com este libero ao Steven Spielberg. Planetário Municipal do Montevideo. . Bergier. C. XP-79 em vôo nos anos 40. . Faculdade de Química. . .U. . . Faculdade de Engenharia. . . .. iX Berkner. iX. . . . . iX. . . . . Avenger. . AQUILA. Campinas. . .

. . . .. . . . Glenn. Ground Saucer Watch.. Budd. Dark Star. . . . .. Contaminação. . . . . . x..Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Cannon. Fort. .. . Coyne... . . .. John. . ... .. Dewey.. . Englar.. . Fred. . Coanda..... . .. . ... . . . ..... . Fournet..... Fracchini. . . Center for UFO Studies . . . . . Bill .... .. . . Leon. . x.. Estados Unidos. . Hopkins. . English... . Documentação e Memorandos. Cooper. CNES. . DOD. . . .R. . . . Dean. . . Davidson. Henri. Cavitt.. Implante . . IMCRS. . . René.. Drones .... Richard.. . Sheridan.... Computer UFO Network. . . Robert O.. . K. John G.. .. GEPAN. Doty.. . . . . . Horten. Elementos da Ovnilogía . Dawkins. Grant. Fuller. FBI.. .. . Goudie. . Instituto Battelle .. . . Coroa. . Frank. Marshall. iX.. Guieu. Durant. . Lawrence J. . .. Chadwell. . . Fort Worth.. Edward Ou. . . Dulles. . . .. Chop. Martin. Allen. .. .. . ... ENTREVISTA. . F-.. .. iX. . Intercettate MA non sparare . HAARP. ... . .. . .A. .. Allen.P. HMLV. . .. . .. 204 . . . iX... . Milton William. ... . Couzinet.. iX.. . Richard. iX. . O Incidente... . José. . . . D. . . . .. Forbidden Science. .. . .. . Magro. .. . Haut.. .. . CRIDOVNI. . . Goudsmit. . .. .. . J.. .. Charles Hoyt.. .. . Gnat. . Eberhart.. . Robert. .A. iX. .. . Gerald K. Drexler.. . Informe do Avistamientos. . Condon... Hill. . Walter.. . Samuel. Corporação RAND. Jimmy. Haines.. F-. . EDOM . DARO. . . George.. Brasil. . CSISOP. .. . .. . . . .. Cypher. . .. . . Bruno. .. Albert.. . D-. H. . Ilha da Trindade. Lhe dê.. . CIA (Agencia Central de Inteligência). Haynes. iX. Betty e Barney. .. . Eric. ... ... . . . Hynek. . Louis A.

. . Moseley. Phillip. Odarenko. . . . Magonia . Donald . . . . . . . Lynch. Jim. . A Paz. Kyushu. . . . . Meme. . . . . Lockheed F. Microvolantes. . . Massachusetts Institute of Technology. .. . . . . . . Mack. . . . . Nanotecnología. . . . . Aaron. Newton. . . . . . Laser. Majestic . . Kent. . James E. . . . . . . . . .Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Jacobs. . . As Evidências do Fenomenal OVNI. David. . . . Nasa. . Jung. . . . . . . . . LOCAAS. . iX. . . . Japão . Journal of Scientific Exploration. . Memes and Mass Delusion. . O-FLYTE. OXCART. . .. . . . . . . . MALD . Novo o México. . . . . . . . . Lincoln. . Memes. . . Lipp. . . . John E. Keyhoe. . . John. . . . Robert. Merkle. William. . . . . . . . . . Jesse A. Lockheed-Martin . . iX. . iX. . . . . . Lear. . . Klotz. Donald. New Berlin.Nighthawk. Myrabo. . Leik. . . Occam. . Neve. NRO. . . Todos M. Northrop. . . . Os OVNI e seus Ocupantes . Irving. Mutual UFO Network. rasoura de. Klass. . . 205 . ONU. . Jeffrey. . Jack.. . . . . . . . . . . . Carl Gustav. . MAVs . . . .. . Moore. . McMinville. MK-Ultra . . Marcel. James W. . Menzel. . . . Michelson. . . Ralph. . . Lightcraft. . . .

Randle. . Stealth Technology. . . . . iX. .. . . . . . Pauwels. . Physical Evidence Related to UFO Reports . . Roger Maxwell. Painel Robertson. . . . . . . . . Ruppelt. iX. Roswell. Phantom Works. . . iX. . . . Projeto Stork. . .Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta Page. Predator. . . Instituto Polictécnico. Donald R. . Kevin D. . . iX. . . . .. . . Revelations. . . . Stealth. Seja Shadow. . . . Curtis . . . . . . Rodeghier. . . . . . . . . . SR. Projeto Open Mind. . . Smith. Thornton. . . . Passaporte a Magonia. . . .. . . Samford. . Projeto Signo. . . . . Projeto Twinkle . . . . . Seja Sentinel. . . . . Saucer Smear. . Projeto. . . . . . . Quintanilla. Ramey. Pilkington. H. . . . . . Sturrock.. Projeto Livro Azul. New Mexico. Stanford. . . . Pentágono. . . . Universidade de. . . . P. . Michael D. . . . Pene. . . . . . Radar. . Peebles. . SOBEPS. . . Steiger. . . Mark. . Edward J. . . Research Horizons. Persinger. . .Blackbird. . . . . . . . . . . . . . . . . . Phillip. . . . . . . John A. . . . . Brad. . .. . . Robertson. Pentáculo. . Prowler. . Skunkworks . . . . . . . Popular Mechanics. . . . Stealth Aircraft. 206 . . . . Willy. . . . . . . . . . . . . . Louis . . Hector. Projeto Grudge. Rensselaer. Peter. . . . . . . . . Maia. Projeto Mogul. . . . . . Swords. . Schmitt. . . . . Sprites and jatos. . . . Strong. Sejamos. Mark.. Michael. . .

Taifun. TIGER. . Wilcox. . . . Vallée. . Renato. . . Velasco. . Katharina. iX. The Brain Changers . Weaver. Tuskegee. . iX. Wright Patterson. . UCAVs . . . . . . . The Report on Unidentified Flying Objects . . Wilson. . . . . . . iX. . . . White Sands. . . . . . . . . TR-. . . . . . Tigre. . . . . . . . 207 . . . Ubatuba. . Robert. TIER II. . UAVs . Adam. YF-. . . . . Jean-Jacques . . . . . . Georges . The Roswell Report. Westoby. . . . . . . . . . . . x. . vIII. . . . . . The Ecology of Intentions. Uruguai. Richard L. . . . Thomas. . . . . . . . . . . Wilmot. USAF. . . . . . . . . UTA . . . . The Hynek UFO Report. . TIER III. . This is Stealth. . . TSSAM. . . . . Jacques . . . . . The Selfish Gene. . . Ou-. . . X-A. . . . . . . . . . .Milton Hourcade – Ovnis – A Agenda Secreta TACIT BLUE. Universidade de Avermelhado. . . . Brasil. . . . . . . . Vesco. . YF-.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->