P. 1
Projeto TCC - Jesilaine

Projeto TCC - Jesilaine

|Views: 2.359|Likes:
Publicado porJesilaine Vinhais

More info:

Published by: Jesilaine Vinhais on May 26, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/10/2014

pdf

text

original

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO PEDAGOGIA JESILAINE APARECIDA BENTO VINHAIS

LUDICIDADE: INSTRUMENTO PEDAGÓGICO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Ituiutaba .MG 2010 .

MG 2010 . como requisito parcial para a obtenção do título de licenciado em Pedagogia Orientador: Okçana Battini Tutor Eletrônico: Vera Lúcia Molin de Almeida Tutor de Sala: Felina Raquel Paiva Bonon Ituiutaba .3 JESILAINE APARECIDA BENTO VINHAIS LUDICIDADE: INSTRUMENTO PEDAGÓGICO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL Projeto de Conclusão de Curso apresentado à UNOPAR Universidade Norte do Paraná.

Foram obtidas informações da utilização do lúdico. Esse tema propõe uma reflexão significativa da necessidade do lúdico na ação pedagógica da Educação Infantil. foi realizado um levantamento bibliográfico. buscando a valorização e o sentimento atribuídos à infância. por quanto tempo e com quais intenções. Portanto. Esta pesquisa bibliográfica ressalta como razão relevante a valorização da atividade lúdica como procedimento metodológico de um redirecionamento frente a percepção dos educadores. as horas de observação forneceram elementos para as análises sobre a aplicação do lúdico por parte das professoras com as quais estagiavam. Para tanto. O estudo inspira-se na prática pedagógica para compreender a criança na perspectiva histórica.INTRODUÇÃO O tema deste projeto refere-se a um trabalho científico para conclusão do curso de Pedagogia. pois foram modificados a partir de mudanças econômicas e políticas na estrutura social. objetivando um aprofundamento da compreensão do lúdico. a partir das diferentes correntes que o enfocam na educação. . Foram realizadas observações não-participante. desenvolvimento cognitivo e a percepção. Palavra chave: Atividades Lúdicas.4 1 . uma vez que a escola analisada na pesquisa era a mesma da realização do estágio supervisionado. sendo que nem sempre existiram como hoje. denominado: “Ludicidade: instrumento pedagógico no processo ensino-aprendizagem na educação infantil”. podendo verificar quando este era utilizado. desenvolvida na forma de estágio. observando-se também um crescente número de publicações enfocando o tema. através do qual foram estudados autores que fundamentam o tema. qual o objetivo. assim como nos discursos educacionais. O lúdico tem se apresentado como uma temática com bastante ênfase nos encontros. congressos e eventos da área educacional.

Qual o perfil do educador para atuar na Educação Infantil nos dias atuais? .Como as atividades lúdicas podem contribuir para a socialização e a aprendizagem na Educação Infantil? .A importância das atividades lúdicas na educação infantil? .5 2 – Objeto Sabendo-se da importância da ludicidade na aquisição e aprimoramento do desenvolvimento psicomotor das crianças. por que o lúdico não pode ser fixado no contexto escolar de forma organizada para auxiliá-las no processo ensinoaprendizagem? .

físico.Evidenciar a importância do lúdico como meio educacional.Desenvolver seus aspectos cognitivo.6 3 . motor. . .Objetivos Objetivo Geral . . social. afetivo e moral. biológico. Objetivos Específicos .Oferecer fundamentos que evidenciem que o lúdico pode influenciar o processo de socialização das crianças na escola que utiliza a educação lúdica no processo de ensino-aprendizagem.Compreender o processo de desenvolvimento da criança na construção de suas relações com o mundo e com os outros.

como ela gostaria que fosse. Portanto as atividades lúdicas propiciam a criança à possibilidade de conviver com diferentes sentimentos os quais fazem parte de seu interior. confrontos. demonstra através da brincadeira como ela vê e constrói o mundo. promovendo conquistas cognitivas.7 4 . um exemplo de atividade que desperta e muito o interesse do aluno é o jogo. ela expressa na brincadeira o que tem dificuldade de expressar com palavras. ou seja. emocionais e sociais. Nessa perspectiva o lúdico se torna importante na escola. contínua e permanente na formação do indivíduo. a fixação das noções de percepção. possibilidades e de inserir em seu grupo. negociações e trocas. Ao brincar a criança conhece a si própria e aos outros. porque a alternativa de trabalhar de maneira lúdica em sala de aula é muito atraente e educativa. . mas as atividades lúdicas não podem ser esquecidas no cotidiano escolar. pela ética e pela moral. Dessa maneira há necessidade do professor pensar nas atividades lúdicas nos diferentes momentos de seu planejamento. para o desenvolvimento do aluno. pois trabalha com a imaginação e produz uma forma complexa de compreensão e reformulação de sua experiência cotidiana. Os jogos e as brincadeiras exigem partilhas. a educação é um processo de construção coletiva. realizando a dura tarefa de compreender seus limites. perceber a quantidade de conhecimento dos alunos. aprendendo e internalizando normas sociais de comportamentos e os hábitos fixados pela cultura. dando oportunidade para o fortalecimento de sua identidade pessoal e de grupo. Destacando que o lúdico tem contribuído muito para o desenvolvimento da aprendizagem dos alunos em sua totalidade.JUSTIFICATIVA Vivemos uma época em que a tecnologia avança aceleradamente inclusive na educação. O trabalho com o lúdico em sala de aula e empregado para elevar dados. Aliar atividades lúdicas ao processo de ensino e aprendizagem pode ser de grande valia. quais as suas preocupações e que problemas a estão atormentando.

Para as coletas de dados. compreendidos a partir da visão dos autores que se destacam nos estudos referentes ao lúdico. A metodologia empregada para a realização deste estudo valeu-se da combinação das pesquisas bibliográfica e da experiência nos estágios realizados na sala de educação infantil. O levantamento bibliográfico tem como objetivo o embasamento teórico das discussões condicionado à conceituação dos principais termos aplicados na pesquisa. A pesquisa baseada na experiência foi desenvolvida com as observações feita na Escola Municipal Dom Pedro II da cidade de Prata/MG. o planejamento e a possível relação com outros conteúdos programáticos. e grau de importância atribuída. a presença ou ausência de atividades lúdicas. o envolvimento ativo ou passivo da professora. além do levantamento de conhecimento. Os resultados foram analisados com o objetivo de promover a reflexão teórica a respeito do tema estudado. que é a qualificação do processo ensino-aprendizagem através do desenvolvimento de práticas pedagógicas lúdicas. tendo utilizado de vários recursos metodológicos baseado na reflexão de leituras de textos. o tempo de duração dessas atividades. da compreensão. de autores diversos (livros. enciclopédias. . pesquisas na internet) para alcançar os objetivos propostos.8 5 – METODOLOGIA Este projeto está em desenvolvimento. foram utilizadas as técnicas da observação.

o que dela resulta. do corpo e da mente. estes não possuem a marca da singularidade do sujeito que as vivencia. momentos de fantasia e de realidade. na idade infantil e na adolescência a finalidade é pedagógica. pela imaginação e pelos sonhos que se articulam como armadilhas com materiais simbólicos”. momentos de autoconhecimento e conhecimento do outro. Segundo Luckesi “são aquelas atividades que propiciam uma experiência de plenitude. o termo lúdico estaria se referindo apenas ao jogar. Na atividade lúdica. . ou seja. de ressignificação e percepção. no que é dado pronto. não é prazerosa.REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A palavra lúdica é origem latina "ludus" que quer dizer "jogo". possibilitando a quem a vivencia. momentos de encontro consigo e com o outro. a palavra “lúdica” não parou apenas nas suas origens e acompanhou as pesquisas de Psicomotricidade. ao movimento espontâneo. o que importa não é apenas o produto da atividade. Por ser funcional. O lúdico apresenta valores específicos para todas as fases da vida humana. ele não deve ser confundido com o simples repetitivo. estando flexíveis e saudáveis”. Assim elas não são encontradas nos prazeres estereotipados. A criança e mesmo o jovem opõe uma resistência à escola e ao ensino. em que nos envolvemos por inteiro. Assim. De modo que a definição deixou de ser o simples sinônimo de jogo. mas a própria ação. passando para a necessidade básica da personalidade. O lúdico faz parte das atividades essenciais da dinâmica humana. mas compreendidas pela fruição. momentos de vida. ao brincar. Para Santin. Mas com a evolução significativa. porque acima de tudo ela não é lúdica. caracterizando-se por ser espontâneo. pois. “são ações vividas e sentidas. de cuidar de si e olhar para o outro. com a monotonia do comportamento cíclico. Se fosse encontrada sua origem.9 6 . povoadas pela fantasia. O lúdico passou a ser reconhecido como traço fundamental de psicofisiologia do comportamento humano. funcional e satisfatório. não definíveis por palavras. o momento vivido. As conseqüências da necessidade lúdica ultrapassaram as delimitações do brincar espontâneo.

. A atividade lúdica não admite divisão. integrando estudos específicos sobre a importância na formação da personalidade. a criança forma conceitos. não estaremos vivenciando ludicamente esse momento. e as próprias atividades. As atividades lúdicas correspondem a um impulso natural da criança. é o espaço e o direito de toda a criança para o exercício da relação afetiva com o mundo. estabelece relações lógicas. com certeza. A ludicidade é tão importante para a saúde mental do ser humano. não haverá lugar para outra coisa a não ser para o prazer e a alegria do movimento ritmado. com o olhar crítico e julgativo. Mas sem o brinquedo é muito mais difícil realizar a atividade lúdica. e que é possível brincar com a imaginação. vai se socializando. bem como relacioná-la as demais produções culturais e simbólicas conforme procedimentos metodológicos compatíveis a essa prática. “Ela precisa brincar para crescer. se estivermos num salão de dança. o desenvolvimento da criança acontece através do lúdico. com as pessoas e com os objetos. porque é ele que permite simular situações”. e neste sentido. pois é o espaço para expressão mais verdadeira do ser. Contudo. corpo e mente. estamos observando.10 Brincar. pois o ser humano apresenta uma tendência lúdica. faz estimativas compatíveis com o crescimento físico e desenvolvimento e o que é mais importante. ao mesmo tempo. como os outros dançam. integra percepções. satisfazem uma necessidade interior. mas de fato. “a ludicidade é uma atividade que tem valor educacional intrínseco. agir ludicamente. por si mesmas. exige uma entrega total do ser humano. O lúdico possibilita o estudo da relação da criança com o mundo externo. Para Vital Didonet “o brinquedo é apenas um suporte do jogo. do brincar. mas além desse valor. De acordo com Nunes. A convivência de forma lúdica e prazerosa com a aprendizagem proporcionará a criança estabelecer relações cognitivas às experiências vivenciadas. ela tem sido utilizada como recurso pedagógico”. nos conduzem para esse estado de consciência. é um espaço que merece atenção dos pais e educadores. harmônico e gracioso do corpo. Se estivermos num salão de dança e estivermos dançando. Segundo Piaget. fazendo de conta que estamos dançando. Através da atividade lúdica e do jogo. jogar. precisa do jogo como forma de equilibração com o mundo”. seleciona idéias.

as atividades lúdicas são excitantes. a ludicidade é portadora de um interesse intrínseco. capacitando-o ainda mais. porém o jovem já não brinca tanto. sonhar. os jovens e os adultos haverá uma possibilidade de descoberta do mundo em que a fantasia torna-se parte do processo ensino e aprendizagem. incluindo as crianças.11 O lúdico é considerado prazeroso. jovem e adulto. Temos que valorizar o lúdico muito mais em sala de aula. munindo os profissionais para que possam interagir no processo. A criança brinca. Em todas as fases da vida do ser humano enquanto criança. criando um clima de entusiasmo. capaz de gerar um estado de vibração e euforia. Ao mesmo tempo. . canalizando as energias no sentido de um esforço total para conseguir seu objetivo. jovem e adolescente as brincadeiras se faz presente. o adulto não brinca mais porque brincadeira é coisa de criança. pois esta chegando o momento de começar a trabalhar e a ter responsabilidade. Quando a ferramenta lúdica pedagógica for usada por todos os membros de uma sociedade. deixando a ele a livre escolha de se divertir dentro de um ambiente de descontração. A oportunidade de aprender com o lúdico propiciam uma estratégia para aprendizagem significativa em que o aluno poderá compreender os problemas que o cercam dando a ele a oportunidade de resgatar suas estruturas do conhecimento. É este aspecto de envolvimento emocional que o torna uma atividade com forte teor motivacional. engana-se a escola que faz esta divisão lúdica entre criança. fantasiar para vivermos melhor. já o jovem e o adulto terão que reaprender a brincar. Brincar não é coisa só de criança pequena. Em virtude desta atmosfera de prazer dentro da qual se desenrola. devido a sua capacidade de absorver o indivíduo de forma intensa e total. com algum jogo. O processo educativo deve ser articulado no sentido de direcionar o educando a produzir os jogos com orientação do professor sempre com objetivo de aproveitar todo o conhecimento prévio que possuem. mas também requerem um esforço voluntário. De uma maneira ou de outra precisamos brincar. Para que esta construção venha dar certo e o objetivo alcançado é necessário que o professor desenvolva com os alunos um processo de ensino e aprendizagem criativo e desafiador. A criança brinca naturalmente sem medo de ser julgada em suas brincadeira. Portanto. assim como usá-lo para que possa ajudá-lo na construção dos conhecimentos.

ao desenvolver uma atividade lúdica em sala de aula.12 A ludicidade e a aprendizagem não podem ser consideradas como ações com objetivos distintos. o relacionamento em grupo e o tempo disponível.. que gera interesse e prazer. ressaltando ainda que a corrente que trata de uma função educativa defende que. . então o professor deverá explicar em termos bem claros. As regras e a imaginação favorecem à criança comportamentos além dos habituais. através do jogo. Segundo Kishimoto (1998) e Santos (2001). é o objetivo do jogo educativo. sentir a necessidade de pensar para resolver a sua estratégia. participe ativamente. lúdica e educativa. pois para jogar as crianças precisam respeitar as regras. o material utilizado. é importante que os jogos façam parte da cultura escolar. Os jogos e as brincadeiras são por si só uma situação de aprendizagem.. 1997. Independente da atividade que venha a ser desenvolvida é fundamental a organização e planejamento para que seja vista pela criança como lúdica e que venha a contribuir para elevar o conhecimento do aluno. didática sistematizadora. Nos jogos ou brincadeiras a criança age como se fosse maior do que a realidade. e isto. as regras que devem ser respeitadas. Para todos os jogos existem regras.48-49). Caberá ao professor esse planejamento e organização das atividades. se apresentam possibilidades de ensinar por meio de diferentes aspectos”. deverá primeiro planejar e analisar com atenção o jogo didático (quanto a sua finalidade e quais os objetivos a serem alcançados). O professor. o tamanho do local. Por isso. cabendo ao professor analisar e avaliar a potencialidade educativa dos diferentes jogos e o aspecto curricular que se deseja desenvolver. “o equilíbrio entre as duas funções. Mesmo que haja acertos e erros. Os jogos têm sua função educativa. decidir. Tratando do jogo como competição é indispensável que o professor esclareça a turma sobre o número de partidas e sobre a contagem de pontos. faz com que a criança exercite sua inteligência.] um aspecto relevante nos jogos é o desafio genuíno que eles provocam no aluno. contribuem de forma intensa e especial para o seu desenvolvimento. o número de alunos que farão parte do jogo. construindo uma interação durante a realização do jogo. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais [. (PCN.

p. a autora defende a aplicação do jogo no sistema educacional. desde que respeite a natureza do ato lúdico. qualquer jogo empregado pela escola. Kishimoto (1998. p. motor. Entendendo o referido documento como parâmetro das ações pedagógicas da educação infantil. cognitivo. para quem deve haver uma estreita ligação entre o jogo o trabalho escolar. 23). a presença do lúdico.13 Esta compreensão acerca do emprego do lúdico na educação também é defendida por Chateau (1987. 23) revela: Ao permitir a manifestação do imaginário infantil. a função pedagógica subsidia o desenvolvimento integral da criança. por meio de objetos simbólicos dispostos intencionalmente. nos espaços de educação infantil. destituído de qualquer pragmatismo. os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) (1998) da educação infantil apontam as bases para que esses domínios específicos do desenvolvimento humano possam ser contemplados. os estudiosos de ambas as correntes ressaltadas reconhecem ser ele elemento motivador e instrumento de expressão tanto da cultura quanto da personalidade da criança. Dessa forma. pensamento. como forma particular de expressão. citado por KISHIMOTO. 13). ora como material que exige ações orientadas pelo professor. empregando-o ora como material que possibilite a livre exploração da criança. de modo consciente. apresenta o caráter educativo e pode receber também a denominação geral de jogo educativo. espera-se. Em síntese. 1998. destaca-se “o direito da criança brincar. Para contemplar os domínios sócio-afetivo. 1998. p. Nesse sentido. . ao estudar o lúdico manifesto por meio dos jogos no desenvolvimento da humanidade. interação e comunicação infantil” (PCNs. Advertindo sobre a importância de se respeitar a natureza do ato lúdico. Dentre essas.

REFERÊNCIAS . visualiza-se o Cronograma da realização do Projeto de Monografia. com início e final das atividades.CRONOGRAMA O cronograma é o instrumento utilizado para o planejamento das atividades ao longo do tempo que se demanda para a realização do estágio.14 7 . 2010 Atividades Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Construção projeto Levantamento do X X X X X X X X X X X X X bibliográfico Construção dos instrumentos de coleta de dados Pesquisa de campo Escrita referencial bibliográfico Finalização do do X X X X x X X X X X X X X X X TCC Apresentação do trabalho X X 8 . Assim. como o período da realização da pesquisa.

________. KISHIMOTO. brincadeira e a educação. Rio de Janeiro: Zahar. Aracy Lopes. abr. ed. ed. C. brinquedo. O jogo e a criança. NUNES. 17ª edição. Porto Alegre: EST Edições.e ampl. A formação do símbolo na criança. Lúdico. (org. J. MACEDO. Vol. São Paulo. Secretaria de Educação Fundamental. Avaliação da aprendizagem escolar. C. N. No tempo e no espaço: brincadeiras de crianças A’uwêXavante. 180 páginas. Educação (MEC). LUCKESI. J. 1987.2007.. A ludicidade na educação: uma atitude pedagógica. 2 – Formação pessoal e social. (org. 1990. 1998. 2002. Ministério da Educação e do Desporto. Pedagogia da animação. Carlos Cipriano. N. 1 – Introdução. 2005. Ministério da Educação e do Desporto. da Cortez Editora. Secretaria de Educação Fundamental. NUNES.). 183 páginas. CHATEAU. Ministério da Educação e do Desporto. A arte de brincar e fazer brinquedo./set. 11. 21ª reimpressão. Brasília: MEC/SEF. educação e educação física.) Crianças indígenas: ensaios antropológicos. 22-28. KISHIMOTO. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. O jogo e a educação infantil. LUCKESI. Vol. Tizuko Morchida. O livro foi escrito para compor a Coleção Magistério do 2º Grau. Brasília: MEC/SEF. São Paulo: Global. Jogo. Secretaria de Educação Fundamental. MARCELLINO. ________. 5. 2001. São Paulo: Pioneira. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. 1 – Conhecimento de mundo. Filosofia da Educação. Cortez Editora. 1978. 2002. nº 38. 3 a. Educação física: da alegria do lúdico à opressão do rendimento.15 KISHIMOTO. Ijuí: UNIJUÍ 1999. SANTIN. 2005. PIAGET. DIDONET. Brasília: v. Tizuko Morchida. 1982. S. São Paulo: Summus. p. São Paulo: Cortez. MARCELLINO. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Tizuko Morchida. Ângela. Vital. Campinas: Papirus. Curitiba: ibpex. Cortez Editora.). Vol. Ana Vera Lopes da Silva. ________. 2001. Ângela (org. Carlos Cipriano. . In: SILVA. São Paulo.) O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira. Brasília: MEC/SEF. rev. (org.

zémoleza. www.html . M. (org.br.) O lúdico na formação do educador. Petrópolis: Vozes.com/articles/36423/1/A-IMPORTANCIA-DAS-ATIVIDADESLUDICAS-NO-DESENVOLVIMENTO-E-NO-PROCESSO-DE-APRENDIZAGEM-NAEDUCACAO-INFANTIL/pagina1.com. visitado em 14/05/2010 http://www.VISITADO EM 24/05/10 . P. 1997.webartigos.16 SANTOS. S.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->