P. 1
Molas

Molas

|Views: 60|Likes:
Publicado porbruno_packer12

More info:

Published by: bruno_packer12 on May 29, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/23/2012

pdf

text

original

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL

Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja



Molas

Funções Típicas:

• Aplicação de Força, por exemplo, molas de atuação de válvulas de motores de combustão,
molas de frenagem de ligações aparafusadas, molas de balanças, etc...

• Introdução de Flexibilidade, por exemplo, molas de uniões de eixos flexíveis, molas do
fecho de cinzeiros, etc...

• Armazenar ou Absorver Energia, por exemplo, molas dos mecanismos de relógio, molas
dos amortecedores ou suspensões de veículos, etc...


Molas Helicoidais de Torção






UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja


Molas Helicoidais de Tração




Molas Helicoidais de Compressão




Molas de Lâminas



UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja


Mola de Espiral de Força Constante





Mola de Voluta



Mola de Belleville



(a) Em paralelo; (b) Em série.
UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja




Resposta Força-deformada para mola de Belleville.




Tensão em Molas Helicoidais de Tração/Compressão

“Índice da Mola”
Com: D – diâmetro primitivo da mola
d – diâmetro do arame.
A seção do arame da mola é sujeito a :
•Esforço transverso directo , P
•Momento torsor, T
2 3
max
d
F 4
d
PD 8
A
F
J
Tr
π
+
π
· + · τ
3 s max
d
FD 8
k
π
· τ
d
D
C ·
C 2
1 C 2
k
s
+
·
K
s
– fator de correção da
tensão de corte.










UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja


Tensões de Corte em Molas Helicoidais de Tração/Compressão


(a) Torção pura; (b) Esforço transverso; (c) Torção e esforço transverso sem efeito da curvatura;
(d) Torção e esforço transverso, com efeito, da curvatura.


3
B
3
c s max
d
FD 8
k
d
FD 8
k k
π
·
π
· τ
3 C 4
2 C 4
k
B

+
·
K
B
– fator de “Bergstrasser”, corretor da
tensão de corte e da curvatura da mola.


O efeito da curvatura é altamente localizado, semelhante a uma concentração de tensões, sendo
que:
• Em projeto estático, despreza-se o fator k
c
;
• Em projeto à fadiga, k
c
=k
f
.


Deformação das Molas Helicoidais Tração/Compressão

A energia potencial da mola é igual a:
2 2
2 2
T L F L
U
GJ AG
· +

Sabendo-se que:
2
FD
T · DN L π ·
32
d
J
4
π
·
4
d
A
2
π
·
2
FD
T · DN L π ·
32
d
J
4
π
·
4
d
A
2
π
·



UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja


Obtêm-se:
3 3
4 2 4
8 1 8
1
2
FD N FD N
y
d G C d G
¸ _
· + ≅

¸ ,

4
3
8
F d G
k
y D N
· ·

Com: N – número de espiras (coils); D – diâmetro primitivo da mola; d – diâmetro do arame; G é o
módulo de rigidez do material.


Materiais e Propriedades

Propriedades:
v Elevada dureza
v Elevada relação S
ut
/S
y

v Elevada resiliência

Materiais:

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja


Resistência dos Arames de Mola

A resistência dos arames de mola depende do material e do diâmetro do arame.

ut m
A
S
d
·

Sendo d o diâmetro do arame [mm].





UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja


Molas de Compressão


Extremidades de molas de compressão. (a) Simples (plain); (b) Simples retificada (plain and
ground); (c) Em esquadria (squared or closed); (d) Em esquadria e retificada (squared and gorund).






Recomendações de Projeto de Molas de Compressão

Algumas recomendações devem ser feitas, principalmente em relação entre a força e a
deflexão. A característica da relação entre força e a deformação de uma mola helicoidal de espira é
idealmente linear. Na prática, é quase assim, mas não em cada extremidade da curva força-
deformação. A força da mola não é reprodutível para deflexões muito pequenas e, próximo ao
fechamento, o comportamento não linear começa à medida que o número de voltas ativas diminui,
visto que as espiras começam a se tocar. De regra, utiliza-se apenas 75% do ponto central de uma
mol considerando nenhuma carga F = 0, e o fechamento, F = F
s
. Assim, a força operacional máxima
deve ser limitada a F
máx
≤ 7/8 de F
s
. Definindo a extensão fracionária até o fechamento como sendo
ξ, em que:

max
0.15 (1 )
s
F F ξ ξ ≥ ⇒ · +

Além dessa, algumas recomendações são:

a
4 12
3 15
1.2
s
C
N
n
≤ ≤
≤ ≤


UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja







UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja


Estabilidade de Molas

Se a mola for compressão e muito esbelta verifica-se instabilidade. Uma mola à compressão
não se instabiliza quando:

( )
1/ 2
0
2
2
E G
D
L
G E
π
α
− 1
<
1
+
¸ ]

Para aços tem-se:
0
2, 63
D
L
α
<







Freqüência Critica de Molas Helicoidais

A mola é um elemento com pouco amortecimento. Quando o tempo de aplicação de carga e
resposta é muito pequeno, o projetista pode ter problemas de ressonância (excitação do sistema à
sua freqüência natural ou critica). Para uma mola entre duas superfícies planas e paralelas têm-se:

[ ] / 1, 2, 3,...
n
kg
m rad s m
W
ω π · ·

Sendo, W – Peso da mola; γ - Peso específico.
UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja


( )
2
a
4
d
W AL DN
π
γ π γ · ·

A freqüência natural deva ser 15 a 20 vezes superior à freqüência de aplicação de carga.
Para uma mola de extremidade livre/extremidade fixa tem-se:

1
4
kg
f
W
·

Molas de Tração

As molas de tração necessitam dum gancho para transferência de carga. As tensões no ponto
A (devido ao momento fletor) e no ponto B (devido ao momento torsor) são :


( )
( )
( )
( )
3 2
2
1 1 1
1
1 1
3
2 2
2
2
16 4
4 1 2
;
4 ( 1)
8
4 1 2
;
4 4
A
A
A
B
B
B
D
F k
d d
C C r
k C
C C d
FD
k
d
C r
k C
C d
σ
π π
τ
π
1
· +
1
¸ ]
− −
· ·

·

· ·





As molas de tração costumam ser produzidas com as espiras comprimidas entre si, com pré-
tensão, F
i
(força de corte). Existe a necessidade de se ter em conta que a mola só começará a
alongar, para uma força superior a F
i
.

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja





Fadiga

A maioria das molas trabalham à fadiga. As tensões aplicadas são determinadas
convencionalmente:


3 3
8 8
a m
a B m s
P D P D
k e k
d d
τ τ
π π
· ·

A tensão limite de fadiga ao corte, S
se
, corrigida, para o caso dos aços de molas e para
arames de d ≤ 10mm, verifica-se que é dependente do acabamento superficial :

' 310
' 465
se a b c e
se a b c e
S k k k S MPa sem grenalhagem
S k k k S MPa com grenalhagem
· ·
· ·


Molas de Torção



UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja


3
32 Mc Pa
K K
I d
σ
π
· ·

( )
2
4 1
4 1
i
C C
K
C C
− −
·

K
i
– fibra interior;

( )
2
4 1
4 1
o
C C
K
C C
+ −
·
+
K
o
– fibra exterior



Deformação das Molas Helicoidais de Torção


A constante de rigidez da mola é:

[ ]
4
/
10, 8
a
M d E
k mN rot
DN θ
· ·

[ ]
4
/
67,8
a
M d E
k mN rad
DN θ
· ·

Sendo: N
a
– número de espiras ativas; D – diâmetro primitivo da mola; d – diâmetro do arame;
E – modulo de elasticidade material.

Para que a mola se comporte como o previsto pode ser montada com um pino-guia no
interior. Nesse caso é necessário evitar interferências, ou seja, atrito do pino com a mola.

'
'
i i
N
D D
N
·


Sendo: N – número de espiras sem carga; D
i
– diâmetro interior da mola sem carga: N’ – número
de espiras com carga; D’
i
– diâmetro interior da mola com carga.





UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja Molas Helicoidais de Tração Molas Helicoidais de Compressão Molas de Lâminas .

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. . (b) Em série. Rafael Antônio Comparsi Laranja Mola de Espiral de Força Constante Mola de Voluta Mola de Belleville (a) Em paralelo.

T τ max = Tr F 8PD 4F + = + J A πd 3 πd 2 8FD πd 3 τmax = k s ks = 2C + 1 2C Ks – fator de correção da tensão de corte.UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. “Índice da Mola” Com: D – diâmetro primitivo da mola d – diâmetro do arame. C= D d . Tensão em Molas Helicoidais de Tração/Compressão A seção do arame da mola é sujeito a : •Esforço transverso directo . Rafael Antônio Comparsi Laranja Resposta Força-deformada para mola de Belleville. P •Momento torsor.

(c) Torção e esforço transverso sem efeito da curvatura. corretor da tensão de corte e da curvatura da mola. O efeito da curvatura é altamente localizado. (b) Esforço transverso. Rafael Antônio Comparsi Laranja Tensões de Corte em Molas Helicoidais de Tração/Compressão (a) Torção pura. sendo que: • Em projeto estático. • Em projeto à fadiga. da curvatura. despreza-se o fator kc. semelhante a uma concentração de tensões. (d) Torção e esforço transverso.UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Deformação das Molas Helicoidais Tração/Compressão A energia potencial da mola é igual a: U = Sabendo-se que: T 2L F 2L + 2GJ 2 AG T= FD 2 L = πDN J= πd 4 32 A= πd 2 4 . com efeito. kc=kf. τ max = k s k c 8FD 8FD = kB 3 πd πd 3 4C + 2 kB = 4C − 3 KB – fator de “Bergstrasser”.

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. D – diâmetro primitivo da mola. G é o módulo de rigidez do material. d – diâmetro do arame. Materiais e Propriedades Propriedades: v Elevada dureza v Elevada relação Sut/Sy v Elevada resiliência Materiais: . Rafael Antônio Comparsi Laranja Obtêm-se: y = k= F d 4G = y 8D3 N 8 FD 3 N  1  8 FD 3 N 1+ 2  ≅  d 4 G  2C  d 4G Com: N – número de espiras (coils).

A dm . Rafael Antônio Comparsi Laranja Resistência dos Arames de Mola A resistência dos arames de mola depende do material e do diâmetro do arame.UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Sut = Sendo d o diâmetro do arame [mm].

é quase assim. mas não em cada extremidade da curva forçadeformação. principalmente em relação entre a força e a deflexão. Rafael Antônio Comparsi Laranja Molas de Compressão Extremidades de molas de compressão. utiliza-se apenas 75% do ponto central de uma mol considerando nenhuma carga F = 0. Definindo a extensão fracionária até o fechamento como sendo ξ.UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. A característica da relação entre força e a deformação de uma mola helicoidal de espira é idealmente linear. (d) Em esquadria e retificada (squared and gorund). Assim. a força operacional máxima deve ser limitada a Fmáx ≤ 7/8 de Fs. A força da mola não é reprodutível para deflexões muito pequenas e. F = Fs. próximo ao fechamento. (c) Em esquadria (squared or closed).2 . em que: ξ ≥ 0. o comportamento não linear começa à medida que o número de voltas ativas diminui. algumas recomendações são: 4 ≤ C ≤ 12 3 ≤ N a ≤ 15 ns ≥ 1. Recomendações de Projeto de Molas de Compressão Algumas recomendações devem ser feitas.15 ⇒ Fs = (1 + ξ ) Fmax Além dessa. De regra. visto que as espiras começam a se tocar. Na prática. (b) Simples retificada (plain and ground). (a) Simples (plain). e o fechamento.

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. Rafael Antônio Comparsi Laranja .

63 D α 1/ 2 Freqüência Critica de Molas Helicoidais A mola é um elemento com pouco amortecimento. Quando o tempo de aplicação de carga e resposta é muito pequeno. Uma mola à compressão não se instabiliza quando: π D 2(E − G) L0 <   α  2G + E  Para aços tem-se: L0 < 2. γ .. o projetista pode ter problemas de ressonância (excitação do sistema à sua freqüência natural ou critica). 2..3.Peso específico.UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. . Sendo. Para uma mola entre duas superfícies planas e paralelas têm-se: ωn = mπ kg W [ rad / s ] m = 1. Rafael Antônio Comparsi Laranja Estabilidade de Molas Se a mola for compressão e muito esbelta verifica-se instabilidade. W – Peso da mola..

Existe a necessidade de se ter em conta que a mola só começará a alongar. Fi (força de corte). C1 = 1 d 4C1 (C1 − 1) τ B = ( k )B ( k )B 8FD πd3 4C2 − 1 2r = . com prétensão. C2 = 2 d 4C2 − 4 As molas de tração costumam ser produzidas com as espiras comprimidas entre si. Rafael Antônio Comparsi Laranja W = ALγ = πd2 (π DN a ) γ 4 A freqüência natural deva ser 15 a 20 vezes superior à freqüência de aplicação de carga.UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. . Para uma mola de extremidade livre/extremidade fixa tem-se: f = Molas de Tração As molas de tração necessitam dum gancho para transferência de carga. As tensões no ponto A (devido ao momento fletor) e no ponto B (devido ao momento torsor) são : 16 D 4   σ A = F ( k ) A + 3 πd πd2    1 kg 4 W (k )A = 4C12 − C1 − 1 2r . para uma força superior a Fi.

corrigida. As tensões aplicadas são determinadas convencionalmente: τ a = kB 8 Pa D πd3 e τ m = ks 8 Pm D πd3 A tensão limite de fadiga ao corte. Sse.UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof. verifica-se que é dependente do acabamento superficial : S se = k a kb kc S 'e = 310MPa sem grenalhagem S se = k a kb kc S 'e = 465MPa com grenalhagem Molas de Torção . Rafael Antônio Comparsi Laranja Fadiga A maioria das molas trabalham à fadiga. para o caso dos aços de molas e para arames de d ≤ 10mm.

Rafael Antônio Comparsi Laranja σ =K 4C 2 − C − 1 4C ( C − 1) 4C 2 + C − 1 4C ( C + 1) Mc 32 Pa =K I πd3 Ki – fibra interior. d – diâmetro do arame. Ki = Ko = Ko – fibra exterior Deformação das Molas Helicoidais de Torção A constante de rigidez da mola é: k= M d 4E = θ 10. E – modulo de elasticidade material. D – diâmetro primitivo da mola. .8 DN a Sendo: Na – número de espiras ativas.8DN a [ mN / rot ] [ mN / rad ] M d 4E k= = θ 67. D 'i = N Di N' Sendo: N – número de espiras sem carga. D’i – diâmetro interior da mola com carga. Para que a mola se comporte como o previsto pode ser montada com um pino-guia no interior. ou seja. Nesse caso é necessário evitar interferências. atrito do pino com a mola. Di – diâmetro interior da mola sem carga: N’ – número de espiras com carga.UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Elementos de Máquinas e Transmissões – Prof.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->