Técnico em Radiologia

Física e Química Aplicadas à Radiologia

FÍSICA RADIOLÓGICA: RAIOS CATÓDICOS
O Termo Radiação: Vem do latim RADIARE, que indica um fenômeno básico em que a energia se propaga através do espaço, ainda que interceptada pela matéria. O Termo Irradiação: Vem do latim IN e RADIARE, que é empregado para indicar o tratamento da matéria pela energia radiante. Os termos radiação e irradiação são todavia, na maioria das vezes confundidos e usados indistintamente como sinônimos. Tipos de Radiação: Há as chamadas corpusculares, feitas por intermédio de elétrons (raios beta), núcleos de hélio (raios alfa), núcleos de hidrogênio (prótons; p. ou H1) ou neutrons (n ou n1); e as eletromagnéticas, constituídas pelos raios de comprimento de onda muito curto, os raios - X e os raios gama. Admite-se que a energia radiante emita partículas ínfimas denominadas Fótons. Estas são absorvidas pela matéria e determinam os seguintes fenômenos: 1) Fazem vibrar os átomos das moléculas em seu eixo de conexão; 2) Fazem-nos rodar em torno desse mesmo eixo 3) Produzem modificações dos níveis energéticos dos elétrons. Átomo: É a menor partícula da matéria e é formado por prótons e nêutrons no núcleo; e por elétrons que circulam ao seu redor, na eletrosfera. Raios de Frenagem: São resultantes da interação do elétron de um átomo com o núcleo de outro átomo; ou seja, é quando os elétrons se chocam com os prótons, gerando energia alta, energia baixa e fótons. Raios Característicos: São resultantes de saltos orbitais dos elétrons nas diferentes camadas da eletrosfera, ou seja, são raios que se originam do desequilíbrio dos elétrons em suas trajetórias. Efeito Bremsstrahlung: Ocorre quando um elétron acelerado tem a sua trajetória repentinamente frenada devido ao efeito da positividade do núcleo atômico. Efeito Fotoelétrico: É um processo pelo qual os elétrons de condução em metais e em outras substâncias absorvem energia do campo eletromagnético e escapam das suas órbitas. É a absorção completa do Fóton com ejeção de um elétron (ionização). Efeito Compton (irradiação secundária): Arrancamento de um elétron que continua a se propagar mas com maior comprimento de onda do que a radiação incidente. Anodo Fixo: Consiste no aparelho transportável, geralmente utilizado em cirurgias e exames feitos no leito. Anodo Giratório: Consiste no aparelho fixo para exames. Aparelhos Fixos: São os aparelhos cujos discos anódicos são giratórios. São utilizados em exames de rotina em ambulatórios. Aparelhos Móveis: São os aparelhos cujos discos anódicos são fixos. São utilizados nos exames em CTI e em Centros Cirúrgicos.

Física e Química Aplicadas á Radiologia

2

Aparelhos Portáteis: São os aparelhos cujas ampolas são feitas de anodo fixo. São utilizados em exames em domicílio. Composição do Tubo de Raios Catódicos: - Ampola ou Tubo de Vidro; - Catodo; - Anodo Fixo; - Anodo Giratório. Finalidade do Vácuo na Ampola de Vidro: Impedir qualquer tipo de bloqueio no trajeto dos elétrons até o anodo para gerar os raios X. Produção de Íons Pares: O fóton vai de encontro ao núcleo, criando e emitindo um par de elétrons. A absorção da luz ultravioleta e da infravermelha depende em geral da estrutura molecular do material absorvente e, indiretamente da composição atômica do mesmo. Pelo contrário as energias dos Raios X são quase inteiramente absorvida pelos elétrons que se ejeta do átomo pelo qual eles passaram. Este processo independe completamente da maneira porque os átomos estão combinados dentro das moléculas. Assim o átomo que recebe um certo quantun de raios X para ejetar um elétron perde energia (ionização) e esta é armazenada no elétron ejetado como energia cinética, capaz de produzir ionização de outros átomos por que passa. Quase toda a ionização em radiologia, é produzida pelo elétron ejetado e muito pouco ou desapercebida é a ionização pela absorção inicial do Quantun de raios X aplicados. Em conseqüência desse fenômeno, os íons produzidos não se distribuem ao acaso nas soluções ou nos tecidos, mas sim ao longo do trajeto do elétron ejetado. Demonstração do Efeito Fotoelétrico em um écran:

Produção dos Raios X e a Radioatividade A Produção dos Raios X é explicada do seguinte modo: os elétrons emitidos pelo catodo são fortemente atraídos pelo anodo, e chegam a este com grande energia cinética. Chocando-se com o anodo, eles perdem a energia cinética, e cedem energia aos elétrons que estão nos átomos do anodo. Estes elétrons são então acelerados. E acelerados, emitem ondas eletromagnéticas que são os raios X. Já tínhamos visto, que os raios X são ondas eletromagnéticas de comprimento de onda muito pequeno.

Física e Química Aplicadas á Radiologia

3

Velocidade dos Raios X: . têm maior energia que a luz.000km/seg. impressionam chapas fotográficas. têm maior facilidade para penetrar nos corpos: são chamados raios X duros. portanto. da ordem de 0. penetram menos nos corpos: são chamados raios X moles. Radiação Eletromagnética: É toda radiação que é gerada a partir de ondas eletromagnéticas. justamente. Radiação Corpuscular: É toda radiação que é gerada a partir do núcleo do átomo. Ionizam as moléculas dos gases por onde passam. Atravessam grandes espessuras de materiais.: gama e raios X. arrancam elétrons dessas moléculas. carbono. os fótons. refração. Provocam ação química em certas substâncias. como por exemplo. Os raios X são usados em medicina para radiografias e para cura de certos tumores e certas moléstias de pele. difração. e uma outra. os raios X possuem todas as propriedades gerais dessas ondas. caixas de papelão. como por exemplo. Eles impressionam chapas fotográficas mesmo quando elas estão protegidas por superfícies que a luz não atravessa. Esta propriedade é muito mais intensa nos raios X que na luz.: alfa e beta.Para tecidos duros: As radiografias . é também denominada radiação nuclear. Eficiência nos Exames de Imagem: . Por exemplo. isto é.Para tecidos moles: As tomografias Raios Catódicos: São os raios resultantes dos elétrons em movimento em seus níveis orbitais. São os raios que produzem os raios X. energia baixa. Efeito Pósitron: Este fenômeno explica a transformação de um elétron em 2 catodos e 1 anodo (2E. o chumbo é usado freqüentemente para barrar os raios X. que o leitor já conhece para o caso da luz: sofrem reflexão. As substâncias pesadas são dificilmente atravessadas.velocidade da luz = 300. A facilidade maior ou menor com que os raios X atravessam as substâncias depende do comprimento de onda dos raios X. ou papel preto. porque. Ex. polarização. não têm carga elétrica. Assim. originárias da trajetória dos elétrons. Radioatividade: Física e Química Aplicadas á Radiologia 4 . com velocidade igual à da luz. Os raios X de menor comprimento de onda. Propagam-se em linha reta. hidrogênio.e 1E+). como eles têm menor comprimento de onda.Propriedade dos Raios X: Sendo ondas eletromagnéticas. Produção dos Raios X: São produzidos pela desaceleração dos elétrons em sua trajetória devido à positividade do núcleo do átomo. não são desviados por campo elétrico. que são. Os de maior comprimento de onda. os raios X. os elementos fundamentais dos corpos orgânicos. Uma parte da energia cinética torna-se energia alta. Tornam fluorescentes muitos corpos sobre os quais incidem. oxigênio e nitrogênio. da espessura da substância e do seu peso atômico. outra parte. da ordem de 1A. como por exemplo. Efeito Compton: É o fenômeno que ocorre no átomo onde o elétron passa parte de sua energia para outro elétron. nem por campo magnético.. platino cianureto de bário (e por esta propriedade que permitiu sua descoberta). e.01A. Como são ondas eletromagnéticas. interferência. etc. Ex. Atravessam com grande facilidade as substâncias de pequeno peso atômico. ainda.

sendo também responsável pelo poder de penetração dos raios-x e pelos contrastes intermediários entre o PRETO e o BRANCO (tons de Cinza). pois o aumento de um pode ser compensado com a diminuição do outro. Tensão KV: É a medida de energia. escapem de suas órbitas. são montados 2 filamentos de tamanhos diferentes: O foco grosso (para baixas definições . Produção de Foco Fino e Foco Grosso: É feita a partir de um circuito de baixa voltagem.É a geração de radiação a partir dos choques entre os átomos. transformando-os numa nuvem de elétrons livres. O mA depende do aquecimento fornecido ao CATÓDIO (-). A corrente mAs: Fator radiográfico que representa a quantidade de raios-x. nos exames de maior espessura a radiação secundária produzida é proporcional a quilovoltagem empregada. tubo de vidro (ampola). anodo. maior será a nuvem eletrônica que será projetada para a superfície do ANÓDIO. composto por catodo. maior será o poder de penetração. A corrente não é calculada e sim calibrada na mesa de comando. Essa quantidade depende do Tempo usado. que ocorrem em sua trajetória.osso) e o foco fino (para altas resoluções . pois quanto maior for o aquecimento.órgão e tecidos moles em geral). rotor (tubo giratório) e o cabeçote (carcaça do tubo). Espessômetro: É uma peça que tem a função de determinar a quantidade de KV a ser utilizada num exame radiológico. A tensão (kV): Fator radiográfico que representa a qualidade dos raios-x. uma janela feita de Belírio. Este é aquecido até 280ºC. Catodo: É a fonte de elétrons livres em um tubo de RX. gerador de tensão. conseqüentemente. fazendo com que aumente a velocidade dos elétrons e. Vidro Pirex: Resiste a altas temperaturas. ou seja. TENSÃO kV e FORMAÇÃO DA IMAGEM Corrente mAs: É responsável pela corrente do aparelho. Elemento Paralisador dos Nêutrons = água. produzindo assim maior quantidade de raios-x. sua composição = 67% de SiC (silício e carbono) e 23% B2O3 (belírio e oxigênio). A ampola tem. Conceitos e Aplicações da Radioatividade: CORRENTE mAs. OBS: Quanto mais kV empregado. em ângulos. Física e Química Aplicadas á Radiologia 5 . para o exame radiológico. com um filamento que é feito de tungstênio. a partir daí. medida em quilovolts. maior será a quantidade de elétrons flutuando sobre o catódio. Goniômetro: É um aparelho que tem a função de encontrar os graus. sendo também responsável pelos contrastes fortes (PRETO e BRANCO). ainda. que provê a corrente para o filamento. daí o termo mAs (mA x tempo). A radiação que sai do cabeçote espalha-se por áreas. ou seja. Origem dos Raios X: Os raios X se originam no foco anódico e se projetam em todas as direções. Tubo de Raios-X: É um diodo de alta tensão e alto vácuo.

Vantagem do Isolamento do Cabeçote: Sendo o óleo um isolante térmico que fica na parte externa do tubo de Raios X. Física e Química Aplicadas á Radiologia 6 . Interação dos Elétrons e da Matéria: Eles interagem com o alvo através de uma porção de energia cinética dos elétrons.Elevadas exposições acarretam inutilização do anodo. . em relação ao lado anódico. Assim.Possíveis Falhas no Tubo de Raios X: .KVp = quantidade de raios X.mAs = tempo de exposição. Este aquecimento é que causa a precipitação dos elétrons e os fazem saltar de suas órbitas. .mA = energia de raios X. que é convertida em energia eletromagnética. Gerador de Raios X: O gerador de raios X fornece energia elétrica para o tubo de Raios X e permite a seleção de: . Finalidade do Isolamento do Cabeçote: Garantia de uma maior vida útil da ampola.aumento do KV para exames no Bucky. a intensidade dos raios X é menor no lado catódico. há uma quebra de estabilidade da corrente e o conseqüente resfriamento do tubo. Inclinação da Borda do Anodo: Sua utilidade é a geração do efeito anódio.Temperaturas muito altas acarretam em perfurações no anodo. É também chamado de efeito talão.colimação precisa na região radiografada. prolongando sua vida útil. uma porção de energia cinética dos elétrons é convertida em radiação eletromagnética. . . Efeito Anódio: Consiste na maior concentração de energia no lado do catodo. Produção de Raios X: São produzidos quando os elétrons acelerados interagem com a matéria. Efeito Edison: É o aquecimento que causa a emissão de um elétron. . Como conseqüência.Manutenção do mAs para não exposição do paciente. Procedimento para Aumentar a Capacidade Técnica de um Exame Radiológico: . Efeito Forest: É a aceleração dos elétrons pela grande potência do catodo (pólo negativo) para o anodo (pólo positivo). além da proteção do técnico de radiologia dos efeitos da radiação.

Desenfoque da Grade: Consiste no posicionamento onde o ponto focal do tubo coincida com o ponto focal da grade. ou seja. ora atravessam o objeto a ser examinado. alguns atravessam e outros são absorvidos. Raios Primários: São aqueles que atravessam o objeto radiografado e vão formar a imagem radiológica. Ora depositam sua energia no material radiografado. Atuação dos Raios X nos átomos dos objetos: Existem 2 formas de interação. Os raios que atravessam irão formar a imagem radiológica. pois se relaciona diretamente com o volume da matéria irradiada. Física e Química Aplicadas á Radiologia 7 . Redução da Radiação Dispersa: Pode-se reduzir a radiação dispersa através do limite do feixe primário. Spott Filme: Abrange uma área pequena. formada pelos raios que não atravessam o objeto radiografado. Sua função é radiografar uma área pequena em relação ao exame solicitado. na qual o técnico irá demarcar uma parte precisa a ser trabalhada. Ele opera apenas com correntes elétricas e em forma de ondas para ambos os lados. Radiação Dispersa: É o mesmo que radiação secundária. Diafragma de Abertura: Consiste em lâminas de chumbo com aberturas circulares ou retangulares colocadas perto da janela do tubo. especificar ao máximo a área do exame. Transformador: É um aparelho empregado para transferir a corrente elétrica e gerar uma alta voltagem contínua. e que seu raio central atravesse o centro da grade perpendicularmente.isoladores = têm o mesmo número de rolamentos nas bobinas primária e secundária.elevadores = têm rolamentos na bobina secundária e aumentam a voltagem de saída. Sua função é gerar uma alta voltagem contínua. Fonte de Radiação Dispersa: A principal fonte de radiação dispersa é a parte do paciente que se irradia. Classificação dos Transformadores: . .Relação entre Ponto Focal e Capacidade de Carga do Gerador: A seleção da força do ponto focal e a capacidade de carga do gerador de Raios X devem ser igualadas com as necessidades clínicas da imagem. Formação da Imagem Radiológica: Quando os raios X se chocam contra o objeto. que deve estar no limite (tamanho e forma) da área de interesse a ser diagnosticada. Raios Secundários: São aqueles que não atravessam o objeto radiografado. .redutores = têm uma proporção maior em rolamentos nas bobinas e têm a função de reduzir a voltagem de saída.

o tubo de raio-x está situado em um alojamento de metal que detém a maioria da radiação X. As radiações produzidas em alta quilovoltagem têm maior energia e menor comprimento de onda. Entretanto.comumente entre 40 Kv a 125 Kv ou mais. movimento. No uso de uma grade. irradiam de fontes em linhas retas em todas as direções até que são detidos por um absorvente. distância. Os Raios X e a Radiação Secundária: Quando os raios X incidem sobre um objeto. O centro geométrico do feixe primário é chamado de raio central. Estes raios úteis constituem o feixe primário. paciente. velocidade. Os espaçadores transparentes permitem a passagem da maioria dos raios X primários até o filme. Somente uma pequena quantidade de raios úteis saem do tubo através de uma janela ou abertura. Por este motivo. Aqueles que entram formam a imagem aérea FATORES QUE AFETAM A ABSORÇÃO DE RAIOS X Estes são alguns dos fatores que influenciam na absorção da radiação X: espessura do corpo. Grade Focada: Consiste em tiras progressivamente anguladas. os itens a serem observados são: ampola. FORMAÇÃO DE IMAGEM Os raios X. Grade Paralela: Consiste em tiras e grade paralela e enfocada. Feixes de raio X usados em radiografia médica são heterogêneos porque eles consistem de radiação de diferentes comprimentos de ondas e poderes de penetração. Espessura do corpo . densidade do corpo. Fator de Grade: É a relação entre a altura da lâmina e a distância entre elas. que absorvem a radiação dispersa. número atômico do corpo. composição do ponto focal. Esta radiação mais penetrante é algumas vezes chamada de radiação "dura". Grades: São dispositivos compostos de tiras alternadas de chumbo. alguns deles são absolvidos. Na maioria dos equipamentos de raio X usados em medicina. Estes são algumas vezes referidos como raios X "suaves". meios de contraste.Potter Bucky: É a bandeja que dissipa a radiação secundária. assim como a luz visível. Índice ou Razão de Grade: É a relação entre a altura das tiras de chumbo e a largura dos espaçadores. a radiação secundária é maior quanto maior for a densidade do corpo atravessado. forma de onda de voltagem. kilovoltagem. grade. Quando as baixas quilovoltagens são usadas.A relação entre a absorção de raio X e a espessura é intuitivamente óbvia: um pedação de material grosso absorve mais radiação X do que um pedaço fino do Física e Química Aplicadas á Radiologia 8 . os raios x têm maiores comprimento de ondas (baixa energia) e são facilmente absolvidos. ABSORÇÃO DE RAIOS X Uma das principais propriedades dos raios X é a sua capacidade de penetrar a matéria. filtragem. a quilovoltagem pode ser variada dentro de um amplo . nem todos os raios X que entram na matéria a penetram. envolvidas em capas protetoras. Ela é usada para aumentar a radiação primária emitida pela fonte. Material Espaçador: É um material que pode ser feito de fibra ou de alumínio para uma baixa absorção de raios X.

uma folha de alumínio que contém um número atômico menor do que o chumbo. para um absorvente. Por exemplo. um número relativamente maior de quanta é removida de um feixe de raio X monofásico do que de um trifásico. o filtro que consiste de uma folha de metal inserida dentro do feixe de raios X (normalmente alumínio no caso de radiografia médica). entre eles a radiografia dos sistemas vascular. seis polegadas de água absorvem mais raios X do que uma polegada. Estas relações entre o número atômico e a energia dos raios X são fatores que entram na seleção de fósforo para ecrans intensificadores fluorescente. linfático. e o canal vertebral. Número Atômico do Corpo . Chama-se filtragem adicional.Filtragem é a maneira preferida de se remover quanta (fótons) de baixa energia do feixe de raios X através de um absorvente (filtro).mesmo material. isto é. compostos orgânicos líquidos contendo iodo e gases.Já foi dito que uma dada kilovoltagem aplicada em um tubo de raios X por um gerador trifásico é maior do que a de um gerador monofásico por causa das diferenças de forma de onda. tais como o ar ou o dióxido de carbono. com curto comprimento de onda. Aquelas tais como o ar. são conhecidos como radiolucente. urinário. a situação pode se reverter para raios X de energias diferentes. isto é. assim como em luvas e aventais protetores.O número atômico do material que compõe o corpo também afeta as características de absorção de raio X. mudando-se de um gerador monofásico a um trifásico tem um efeito na energia média do feixe de raios X de certa forma semelhante ao aumento da quilovoltagem.são facilmente absorvidos. algumas vezes. Kilovoltagem . ou respiratório. meios de contraste são introduzidos a estas estruturas.Para materiais que diferem em densidades (em unidade de volume). de duas substâncias que contêm um número atômico próximo. Algumas das substâncias mais comuns usadas como meios de contrastes são: suspensões aquosa de sulfato de bário. a absorção em feixe monofásico é maior. absorve uma quantidade menor de raios X do que uma folha de chumbo com a mesma área e peso. Meios de Contraste . Densidade do Corpo . A filtragem total do feixe (inerente mais a adicionada) é muitas vezes especificada em termos de espessura de alumínio o qual produz a mesma absorção e é denominado de alumínio equivalente ou espessura equivalente. Denomina-se filtragem inerente aquela que é feita com elementos tais como a parede de vidro do tubo de raios X e pelo óleo isolante ao redor do tubo. aqueles com grande comprimento de onda . Por exemplo. Meios de contrastes são substâncias que diferem em densidade e número atômico dos tecidos ao redor da região na qual eles são introduzidos.Substâncias tais como o sulfato de bário. O sulfato de bário ou o ar é usado para realçar o trato gastrointestinal. É por isso que se usa o chumbo em vez de alumínio como alojamento do tubo e também como um revestimento para as paredes das salas de raio X. Como resultado. Entretanto. Por exemplo. as quais absorvem mais radiação do que a área ao seu redor são conhecidas como radiopaco. O feixe de raios X é composto de fótons de diferentes energias e poderes de penetração. Assim. penetram materiais com mais facilidade. Quando um filtro é colocado dentro de um feixe. Filtragem . Assim. Os vários compostos de iodo têm muitos usos. Raios X de alta energia ou kilovoltagem. que são menos absorventes do que os tecidos adjacentes. uma polegada de água absorverá mais raios X do que uma polegada de vapor porque o vapor pesa menos por polegada cúbida do que a água. ele elimina Física e Química Aplicadas á Radiologia 9 . Forma de Onda de Voltagem . permanecendo os demais fatores.Raios X produzidos a baixas kilovoltagens. um material de maior densidade é mais absorvente do que um de menor densidade. O feixe trifásico contém uma maior proporção de quanta energética e mais penetrante do que o feixe produzido por um gerador monofásico funcionando com a mesma kilovoltagem máxima. uma pode ser mais absorvente do a outra para raios X de determinadas energias.Com o objetivo de acentuar as diferenças de absorção entre as estruturas do corpo e as regiões ao redor das mesmas. A absorção depende do número atômico de maneira um tanto complicada que está relacionada com a energia da radiação X incidente.

Entretanto. o osso contém elementos de número atômico maior do que o tecido macio e também a sua densidade é de certa forma maior do que o tecido macio. os ossos podem ter menor quantidade de cálcio.no feixe de raio X é também afetada pelo material que compõe o ponto focal. a diferença na absorção do osso e do tecido diminui. Além do mais. a Física e Química Aplicadas á Radiologia 10 . Estas matérias absorvem os raios X em graus variáveis. filtragem e material do ponto focal). A quantidade de filtragem necessária depende da kilovoltagem usada. é desejado e obrigatório pelas leis federais que certas quantias de filtragem sejam colocadas no feixe para eliminar estes raios inúteis. ABSORÇÃO DIFERENCIAL NO CORPO HUMANO Em se considerando as aplicações médicas dos raios X. Por exemplo. por exemplo. deve-se levar em conta que o corpo humano é uma estrutura complexa constituída não somente de diferentes espessuras mas também de diferentes matérias. o feixe de raios X produzido em um ponto focal de molibdênio contém uma maior porcentagem de fótons de baixa energia. Em pessoas idosas. Por causa de seu número atômico e densidade maior. usa-se às vezes outros materiais tais como o molibdênio.mais fótons de baixa energia e menos penetrantes do que os fótons de alta energia. e por isso ter menor absorção de raios X do que em jovens.A distribuição de energia . a espessura do material necessários para reduzir a intensidade do feixe pela metade do seu valor original. aumentando a proporção de quanta de alta energia e dando maior poder de penetração ao feixe. o osso absorve mais raios X do que o tecido macio. o ponto focal do tubo de raios X é composto de tungstênio ou uma liga de rênio e tungstênio.quer dizer. facilmente absorvidos. Assim pode-se dizer que os filtros endurece o feixe de raio X. na maioria das aplicações médicas. mais é pouco provável que estes raios X de baixa energia passaram pelo corpo do paciente e formarão uma imagem útil. o feixe contém sempre alguns raios X de baixo poder de penetração. das características e tratamento do filme e. Por isso. A maioria deles irão somente adicionar-se à dose absorvida pelo paciente. e estaduais de regulamentos e os fabricantes de equipamentos podem fornecer maiores informações a respeito dos requerimentos de filtragem. qualidade da radiação. Desta forma. CONTRASTE DO SUJEITO A relação entre intensidade de raios X que emerge de uma parte de um objeto e uma intensidade que emerge de uma parte próxima mais absorvente é chamada de constraste do sujeito ou da radiação. ele depende dos fatores que afetam a absorção dos raios X. diferentes áreas do feixe contém diferentes intensidades de radiação. A filtragem pode ser especificada em termos de equivalente de alumínio (a espessura do alumínio que produziria a mesma ação de filtragem) ou em termos de camadas de meio de valor (CMV) . (kilovoltagem. para os objetivos práticos. o contraste do sujeito deverá ser 3. a intensidade do feixe através do osso é menor do que a intensidade do feixe através do tecido macio sozinho. e de composição). se a intensidade da carne for três vezes maior do que a intensidade na área do osso. do que um feixe de um ponto focal de tungstênio. (De um ponto de vista prático. Por exemplo. Como já notamos. o contraste do sujeito é independente do tempo de exposição. assim como também a intensidade e distribuição da radiação dispersa. o osso é mais absorvente do que a carne ao redor. Em um dado equipamento. por exemplo a mamografia. miliamperagem. O contraste do sujeito depende de sua própria natureza (diferença de espessura.quer dizer. conseqüentemente. Este tipo de intensidade resulta das diferenças em absorção que ocorrem quando o feixe passa através do corpo. Este padrão invisível ou distribuição de intensidades de raios X no espaço é referido como imagem aérea ou imagem no espaço para distingüi-la da imagem radiográfica. Conforme o feixe de raios X emerge do corpo. Composição do Ponto Focal . Para algumas aplicações especiais. da distância. A idade do paciente também pode ter alguma influência na absorção. Mesmo em instalações de alta kilovoltagem. estruturas doentes mais vezes absorvem raios X de forma diferente que os ossos e a carne normais. as intensidades de raios X que emergem de uma parte do corpo que consiste de osso rodeado por tecido macio. a quantia relativa de radiação de baixa e alta energia . Devese lembrar também que a diferença na absorção do osso e do tecido macio é também alterada pela kilovoltagem usada para fazer a radiografia. As agências federais . Considere. em outras palavras. voltagem da forma de onde. Conforme a kilovoltagem aumenta.

o efeito da mudança de um gerador monofásico a um trifásico é a mesma que um aumento na kilovoltagem e vice-versa. o efeito nas mudanças de forma de onda no contraste do sujeito e na intensidade.Com o propósito de revisar os fatores de exposição que afetam a imagem aérea. todas as intensidades correspondentes ao padrão que emergem do corpo também aumentam. Kilovoltagem e Forma de Onda da Voltagem . resultando em uma duplicidade da produção do raio X. distância. Miliamperagem . coloque uma lanterna a pIlha perto desta página. Conforme a distancia entre o objeto e a fonte de radiação diminui. Além do mais. Em outras palavras a intensidade sob a carne somente vai ser sempre três vezes maior do que a sob o osso. Também. quanto mais perto do livro está a luz. e somente uma unidade emerge sob o osso. Deve-se mencionar que em se mudando a distância. O efeito da mudança na distância é similar ao da mudança da miliamperagem. kilovoltagem e forma de onda. a distância entre o tubo e o objeto tem um efeito na intensidade da imagem. o contraste do sujeito não é afetado pelas mudanças nas distâncias. Esta mudança na intensidade ocorre mesmo que a corrente do tubo não seja alterada. mudando-se a kilovoltagem. todos os comprimentos de onda presentes no feixe de baixa kilovoltagem estão presentes na alta kilovoltagem e em intensidade muito maior (a intensidade total do feixe aumenta). o padrão de intensidade de raios X que emerge do corpo) são : miliamperagem. Em outras palavras. e diminuindo a miliamperagem diminui-se a intensidade de raios X. distância. a intensidade da radiação no objeto diminui. A intensidade da imagem aérea é afetada por quatro fatores : miliamperagem. Isto por sua vez dobra as intensidades que emergem da carne somente em seus unidades e sob o osso em duas unidades. deve-se considerar o efeito que isto pode ter na borrosidade da imagem e em exposição não qual se usa uma grade difusora para reduzir a dispersão de radiação. Quanto a kilovoltagem é incrementada produz-se radiação com menor comprimento de onda e raios X mais penetrantes são produzidos. Pode-se calcular aritmeticamente a quantia da intensidade geral da imagem quando se modifica a miliamperagem ou distância. Em outras palavras. isto é.As intensidades de raios X na imagem aérea podem também ser alteradas uniformemente de outra forma: colocando o tubo longe ou perto do objeto. e a intensidade total do feixe também é modificada. Distância . Desta forma. kilovoltagem e forma de onda de voltagem. a intensidade de raios X no objeto aumenta.Aumentando-se a miliamperagem aumenta-se a intensidade de raios X. mantendo uma relação de 3:1 em contraste do sujeito. Isto pode ser facilmente demonstrado: num quarto escuro. uma mudança na kilovoltagem resulta em uma mudança no poder de penetração dos raios X. influenciando até certo ponto o contraste do sujeiro. energia e poder de penetração dos raios X é similar às mudanças em kilovoltagem tratadas a seguir. Resumo . Uma mudança na kilovoltagem causa diversos efeitos. consideraremos que no inicio são medidas três unidades de intensidade de raios X sob a carne. assim. Em primeiro lugar. Desta forma. mais claramente iluminada é a página. (O poder de penetração de feixe aumenta). não importa se a miliamperagem seja aumentada ou diminuída.Previamente foi demonstrado que por causa das diferenças na forma de onda da voltagem. Depois consideraremos que a miliamperagem que flui através do tubo de raios X seja dobrada. as diversas intensidades de raios X continuam a manter a mesma relação entre si. e conforme a distancia aumenta. Exatamente o mesmo processo ocorre com os raios X. a mesma que antes da miliamperagem ter sido dobrada. conforme a miliamperagem ou a intensidade da radiação X do ponto focal aumenta.) FATORES DE EXPOSIÇÃO QUE AFETAM A IMAGEM AÉREA Alguns fatores de exposição que afetam a imagem aérea (isto é. deve-se lembrar os seguintes pontos: 1. permanecendo os demais fatores.miliamperagem usada pode afetar a kilovoltagem real produzida por um aparelho de raios X. Física e Química Aplicadas á Radiologia 11 . muda-se também o contraste do sujeito. Tudo isto acontece devido ao fato de que tantos os raios X quanto a luz viajam em linhas retas divergentes. Por exemplo.

Filtros de Espessura Variável . O efeito de talão pode ser usado para obter densidade equilibradas em radiografias das partes do corpo que diferem em absorção. observe como a sombra se torna maior e os contornas mais turvos. Por outro lado. quando se expõe um filme pequeno. ele produzirá uma maior redução na intensidade sob a extremidade grossa do que sob a extremidade fina. Este seria o caso quando a distância do receptor de fonte-imagem (SID). Devido a intensidade do feixe de raios X ser mais uniforme perto do raio central. Agora mova sua mão em direção à luz. Uma vez que a imagem aérea do raio X é também uma sombra do objeto. o contraste do sujeito não é afetado. mova sua mão em direção à luz e veja como a sombra se torna maior e a borrosidade aumenta. Novamente. Na realidade. a área cervical fina deve receber a menor intensidade de radiação da porção do ânodo do feixe enquanto que a área grossa do peito deve ser exposto a uma radiação mais intensa da porção do cátodo do feixe. mais absorventes no material do ponto focal e também tem mais probabilidades de serem bloqueados por irregularidades da superfície do que a radiação que emerge em ângulos maiores da face do ponto focal. EFEITO DE TALÃO (efeito anódico) Até este ponto assumiu-se que a intensidade de radiação na totalidade da área coberta pelo feixe que entra no paciente é constante. por exemplo. Aqueles raios X que viajam em ângulos quase paralelos da face do ponto focal tendem a ter trajetos maiores. Quanto menor for a fonte de radiação (ponto focal). Se colocarmos um filtro cuneiforme ou afilado dentro do feixe de raios X. quando maior a fonte de Física e Química Aplicadas á Radiologia 12 .Deve-se mencionar um outro método de se obter densidades equilibradas em radiografia: o uso de filtros de espessura variável. diminuindo-se a kilovoltagem ou mudando-se de um gerador trifásico para um monofásico aumenta-se o contraste do sujeito. a distancia do ponto de foco-filme. Geometria da Formação de Imagem . em radiografias das vértebras torácicas. Por exemplo. A borrosidade é causada por uma fonte de luz maior. acenda-a e coloque sua mão a ums 5 centímetros da parede. Em seguida. o efeito de talão é menos notado quando só se usa a porção central do feixe. quanto mais perto estiver o objeto do plano receptor de imagem (filme) e quanto mais longe estiver o objeto da fonte. O efeito de talão . é maior ou quando dispositivos limitadores de feixe reduzem a área do feixe de raios x. aumenta conforme o ângulo do ânodo diminui. A intensidade do feixe diminui bastante a partir do raio central em direção ao extremo anódico do tubo e aumenta levemente em direção ao extremo catódico. Os dois fatores que afetam esta nitidez são o grau de borrosidade e o tamanho da imagem. Borrosidade Geométrica e Amplificação . substitua a pequena luz por um bulbo fosco e note que os contornos da sombra ficam um pouco turvo mesmo quando sua mão está perto da parede. Note que a sombra produzida por esta pequena fonte de luz é quase que do mesmo tamanho da sua mão e que os contornos são bem definidos. clara tal como a de 7 watts e coloque-a a uns 90 centímetros da parede. Quando a kilovoltagem ou forma de onda é modificada. Perceba como a sombra aumenta em tamanho e o seu contorno parece mais borroso. mas também o contraste do sujeito. 3. efeito anódico. altera-se não somente a intensidade dos raios X.2.O objetivo de uma radiografia é o de obter imagens as mais exatas quanto possível. Aumentando-se a kilovoltagem ou mudando-se de um gerador monofásico a um trifásico diminue o contraste do sujeito. menos borrosa e mais nítida é a imagem. quer dizer. Isto não é verdade. tais como o pé ou o peito. Quando a miliamperagem ou distância é usada como um fator de controle de intensidade. há uma variação na intensidade devido ao ângulo no qual os raios X emergem a partir do material do ponto focal . Esta variação em intensidade através do feixe dos raios X associada com o ângulo da emissão dos raios X do ponto focal é chamada de efeito de talão (efeito anódico).Pegue uma lâmpada pequena. mantenha a sua mão a uma distância fixa da parede e mova a fonte de luz para perto de sua mão. estes mesmos princípios de formação de sombra são aplicados em radiografia. Isto se obtém através da orientação adequada do filtro com respeito à estrutura. Finalmente. Esta mudança na distribuição de intensidade pode ser usada para obter densidades equilibradas em radiografias de estruturas anatômicas as quais variam em espessura.

tanto das estruturas sendo radiografadas quanto do equipamento de exposição. ele produzirá uma amplificação da imagem. e mais perto da fonte estiver o objeto. se uma destas estruturas internas estiver mais afastada do plano receptor de imagem do que uma outra.Esta discussão sobre a geometria da formação da imagem pode ser resumida em cinco regras para a exata formação da imagem. Conceito de Raios X: ESTUDO DIRIGIDO I 01.radiação. Por exemplo. filme. 2. Distorção . deve estar o mais perto possível do objeto a ser radiografado. Em radiografia. o raio central deve ser perpendicular ao filme para gravar estruturas adjacentes em suas verdadeiras relações espaciais. De modo geral. como se segue: 1. maior é a borrosidade e a amplificação. Movimento . O tempo de exposição também dever ser o mais curto possível de maneira a diminuir a borrosidade causada pelo movimento. Quem foi José Maria Cabello? 11. a parte que está sendo examinada deve ser imobilizada. podem causar severa borrosidade da imagem. O ponto focal dever ser o menor possível. 3.Se o ponto focal não estiver verticalmente acima do objeto. 5. mas a sombra continuará sendo circular. O que aconteceu em 08 de novembro de 1895? 04. 06. mas todas as sombras das suas estruturas estão envolvidas porque os raios X penetram o objeto. Descreva o efeito Bremsstrahlung. A distância entre o tubo de raios X e o objeto a ser examinado dever ser a maior possível. a estrutura que estiver mais afastada será menos nítida e mais amplificada. Resumo . mais longe estiver o objeto do plano receptor de imagem. Esta informação pode ser útil no estabelecimento da posição de uma lesão. não somente a sombra da ponta de um objeto. 07. Quanto possível. Quem foi Álvaro Alvim? 10. Defina raios característicos. Quem foi Manuel de Abreu? 08. Um outro fator que contribui para a borrosidade da imagem é o movimento. Quem foi Wilhelm Roentgen? 02. Quem foi Feres Secaf? 12. Os mesmos princípios se aplicam tanto para as sombras de estruturas internas como para as bordas. O receptor de imagem. Quem desenvolveu uma ampola igual a uma pêra? 03. Se eles não forem paralelos. O que você entende por átomo? 05. o plano de interesse no objeto dever ser paralelo ao filme. A distorção e a amplificação podem muitas vezes serem úteis quando elas tornam fáceis examinar estruturas que de outra maneira seriam obscuras. Defina raios de frenagem. 4. Conforme possível. Quem foi Henrique Dodsworth? 09. a sombra será distorcida.O movimento. Física e Química Aplicadas á Radiologia 13 . Os objetos circulares aparecem como sombras circulares.

Como é produzido o foco fino e o foco grosso? 37. Qual a finalidade no vácuo na ampola de vidro? 16. Qual a diferença entre partícula e radiação Alfa e Beta? Física e Química Aplicadas á Radiologia 14 . O que é efeito Compton? 26. No que consiste a radioatividade? 30. Por que a radiografia comum não é eficiente para visualizar tecidos moles? 21. O que é mA? 36. Quais radiações são geradas por eletromagnetismo? 32. O que são raios catódicos? 22. Descreva o efeito fotoelétrico. Quem foi que radiografou o caso das xilófagas e instalou o 1º aparelho de raios X? 23. Qual a velocidade da luz? 24. O que é efeito Pósitron? 27. Como são produzidos os raios-X? 17. O que são aparelhos fixos? 20. Quem descobriu a radioatividade do tório? 19. O que são aparelhos móveis ou transportáveis? 25. O que é radiação eletromagnética? 29. Quais os principais componentes do tubo de raios X? 34. O que é radiação corpuscular? 28. Descreva o tubo de raios X? 33. Quem foi o primeiro a incorporar a radiologia à medicina? 18. O que é KV? 39. O que é catodo? 35. Qual elemento paralisa a emissão do nêutron? 31. Quando cada foco é utilizado? 38. O que é e quem inventou a Abreugrafia? 15. 14.13.

No que consiste o gerador de RX? 54. O que é radiação dispersa? 63. Caracterize o Vidro pirex da ampola? 43. 55. Qual o fundamento da borda inclinada do anodo? 50. O que é efeito talão? 53. Qual a vantagem do isolamento do tubo? 52. 57. Como o Como o transformador opera? 60. O que é Espessômetro? 42. Como os elétrons interagem com o alvo? 56. O que é Goniômetro? 41. Como se classificam os transformadores? 62. Como os RX atuam nos átomos dos objetos? 65. Defina Efeito Forest. Qual a função do transformador? 61. Como é expressa a composição do vidro pirex? 44. Qual o procedimento para se obter uma maior qualidade técnica no exame radiológico? 49. O que é um transformador? 59. Explique o Efeito de Edison. O que são raios secundários? Física e Química Aplicadas á Radiologia 15 .40. Correlacione força do ponto focal e a capacidade de carga do gerador RX. Qual a origem dos raios X e como se propaga a radiação? 46. O que é efeito anódio? 48. Qual a composição química da janela da ampola de vidro? 45. Como se forma a imagem radiológica? 64. O que pode causar falhas no tubo de raios X? 47. O que são raios primários? 66. Qual a finalidade do isolamento do cabeçote (tubo)? 51. 58.

Esses detectores têm a finalidade de registrar as doses recebidas por Física e Química Aplicadas á Radiologia 16 . Unidade antiga = Rem (Medida de Equivalência de Roentgen). O que é diafragma? 71. O que é material espaçador? 75. Unidade nova = Gray (Gy). Dose equivalente: É aquela que relaciona a dose de radiação com os efeitos destrutivos da radiação sobre o ser humano. Unidade nova = Sievert (Sv). O que significa desenfoque da grade? 72. Dose Absorvida: É a unidade de radiação absorvida por unidade de massa. O que é spott filme? 70.Dosímetros de leituras indiretas = são detectores que possuem propriedade de acumular efeitos físico-químicos proporcionais à quantidade de exposição às radiações recebida num intervalo de tempo. 1 Sv = 100 Rem Instrumentos de Monitoração Individual e Protetores: .67. Como podemos fazer a redução da radiação dispersa? 69. Unidade antiga = Rad (Dose absorvida de Roentgen). Esta propriedade é utilizada na definição das grandezas dosimétricas. O que significa Potter Bucky? 73. O que são grades? 74. Como pode ser feito esse material espaçador? PRINCÍPIOS BÁSICOS DA RADIOPROTEÇÃO E BLINDAGEM Fórmulas Para a Solução de Problemas: 1ª) KVp = E x 2 + K 2ª) mAs = mA x s 3ª) mAs = (D2)* / (D1)* onde * = quadrado Princípios Básicos de Radioproteção: Uma das propriedades básicas das radiações ionizantes é a sua capacidade de transferir energia para o meio no qual se propagam. Quais são as fontes de radiação dispersa? 68.

distância e blindagem. aproximadamente. provavelmente. Efeitos Biológicos da Radiação Ionizante: Os efeitos radioinduzidos podem receber denominações em função de: .trabalhadores durante um período de tempo. Tempo = controle do tempo de exposição.Avental de Chumbo Física e Química Aplicadas á Radiologia 17 . A blindagem depende basicamente da característica da radiação (energia) e do material usado para absorver esta radiação. Distância = Usando-se a distância como fator de redução à exposição é o meio mais prático. Os métodos de controle de dose são as medidas de tempo. Esses efeitos dependem da: .valor da dose e forma de resposta (estocásticos e determinísticos) . Equipamentos de Proteção Presentes na Sala de Radiodiagnóstico: . com prejuízos detectáveis no funcionamento do tecido ou órgão. Efeitos Somáticos: Surgem do dano das células do corpo e o efeito aparece na própria pessoa irradiada.tempo de manifestação e nível orgânico atingido (somáticos e genéticos) Efeitos Determinísticos (não estocásticos): São efeitos causados por irradiação total ou localizada de um tecido. sem limites de doses. Pela Lei do inverso quadrado da distância.Caneta Dosimétrica . as gônadas. A exposição é expressa como sendo o produto entre o tempo de exposição e a intensidade da radiação no local.Pulseira Dosimétrica . pois envolve custo mais elevado.taxa de absorção de energia da radiação. Já a gravidade do câncer não é influenciada pela dose e sim pelo sistema imunológico do paciente. como resultados do dano produzido pela radiação em células dos órgãos reprodutores. a intensidade da radiação emitida por uma fonte pontual cai com o quadrado da distância. Efeitos Genéticos: São os efeitos que surgem nos descendentes da pessoa irradiada. baixo custo e mais rápido numa situação normal ou de emergência. Os mais comuns são os filmes fotográficos (similares aos utilizados por dentistas). causando um grau de morte celular não compensado pela reposição ou reparo. Têm caráter cumulativo e independem da taxa de absorção da dose de radiação. Blindagem = É um método mais complicado.região e da área do corpo irradiada. Efeitos Estocásticos ou Probabilísticos: Os efeitos probabilísticos são.Dosímetro . OBS: câmara semi-redutora (HVL) de um determinado material é a espessura que reduz a intensidade de um feixe de radiação à metade do seu valor original. proporcionais às doses recebidas e. que enegrecem proporcionalmente à quantidade de radiação recebida. .

Cite uma propriedade básica das radiações ionizantes. 12. Qual a finalidade do dosímetro? 8. Uma radiografia foi feita na distância foco filme de 1. 2.25s quanto terá de mAs? 25. O que são efeitos somáticos? 20. O que são efeitos genéticos? 21. No que consiste os efeitos biológicos da radiação?17. Se reduzirmos a distância foco filme para 75 cm. Descreva o fator de controle: tempo. Descreva o fator de controle: blindagem. 11. O que é dosímetro? 7. Quais são os equipamentos mais usados no setor de radiodiagnóstico? 22.. Quais são os métodos de controle das doses de radiação? 10.Protetor Genital de Chumbo . Quais são os dosímetros mais comuns? 9. Que KV deve ser utilizado numa radiografia de abdome. Qual a unidade de medida para a dose equivalente? 6. O que são efeitos estocásticos? 19. Qual a diferença básica entre o dosímetro e o avental de chumbo? 23. em AP de um paciente com 90 kg. O que significa dose equivalente? 5. Qual a unidade de medida para a dose absorvida? 4. com espessura 28 cm e com constante do aparelho de 32? 24. qual o novo mAs a ser utilizado? Física e Química Aplicadas á Radiologia 18 . Uma radiografia feita com foco fino de 150mA e 0. O que são efeitos determinísticos? 18. Descreva o fator de controle: distância. Qual a dose máxima permitida para um indivíduo público? 15.5m. 13. Qual a dose máxima permitida para um indivíduo ocupacional? 14.Protetor de tireóide Estudo Dirigido II 1. O que significa dose absorvida? 3. Que órgão público é responsável pelas regras de controle e fiscalização das radiações? 16. com 100mAs.

automática (revelação/fixação/lavagem/secagem) Parte úmida (elementos): .filmes virgens. comumente conhecido como aquele onde é processado o filme. fixação. evitando o trabalho cansativo.tanques de revelação. .Parte Seca . comumente. Tipos de Revelação: .negatoscópio = para leituras de radiografias com imagens reais. A câmara escura salienta-se. .relógio alarme = para alarmar o tempo selecionado de revelação em tempos. Película: Possui uma capa protetora gelatinosa para evitar que os filmes colem uns nos outros.Sistema de Porta Única: Física e Química Aplicadas á Radiologia 19 . principalmente. em duas partes. Existem 4 sistemas de acesso à câmara escura.fixação. .colgaduras. a saber: . . Câmara Escura: É o local. tendo comunicação direta. lavagem.higroscópio = para leituras da umidade relativa do ar (que não deve ultrapassar 50%).torneira. conhecido como aquele onde o técnico transita.QUÍMICA RADIOLÓGICA: CONCEITOS GERAIS Noções Gerais: Câmara Clara: É o local. . Localização da Câmara Escura: A localização ideal para câmara escura é no centro de todas as salas para melhor acesso. . . onde os procedimentos que não estão relacionados à revelação da película ocorrem. secagem (revelação automática). .lavagem. A eletricidade estática é um dos elementos que fazem com que as películas sejam aderentes. Parte seca (elementos): . Acesso à Câmara Escura: O sistema de entrada em câmara escura tem que ter total impedimento de penetração de luz. em suas diferentes fases de revelação.luz de segurança. são eles: . .manual (revelação/lavagem/fixação/lavagem) . Colgaduras: São suportes de aço inoxidável com a função de prender as películas radiográficas para a revelação manual.Parte Úmida OBS: A câmara escura pode ser definida como o local onde ocorre a revelação. Aparelhos para a Câmara Escura: .chassis.

Parte anterior: Esta face é de alumínio radiotransparente. A Iluminação . é necessário colocar um filtro para se obter a cor adequada no ambiente. mas muito utilizado em "atendimentos ambulatoriais". A distância da lâmpada para o balcão é de aproximadamente de 1.A Câmara escura deve ter uma luz branca e uma luz de segurança. verde ou vermelho.Os modelos de chassi variam entre esses: * Plástico.Sistema de Porta Labirinto: Sistema de porta em que há a formação de um labirinto para se chegar à câmara escura. . Esta limpeza pode ser feita com álcool 70% e gaze. Características do Chassi: .20m. preparação de produtos químicos. por onde penetram os raios X.Sistema de Porta Paralela: Sistema de porta onde existe um bloqueio entre elas. Écrans e Terras Raras: .Sistema onde só há uma porta separando a câmara escura do ambiente claro. sempre que utilizados nos pacientes. no sentido de preservá-los. É um sistema "menos seguro". Já a luz de segurança se faz necessária para todo o procedimento de revelação. . As entradas têm essa variação porque os filmes são muito sensíveis e muitas alternativas de se preservar as películas são feitas. ou seja. tendo pouco espaço para transitar. Limpeza do Chassi: . a câmara clara fica dentro da câmara escura). pouquíssimo usado. É dentro dele que o filme é exposto aos raios X e dele é retirado para a revelação. de preferência. Um sistema muito antigo. * Alumínio. Seja qual for a luz de segurança. Física e Química Aplicadas á Radiologia 20 . Os filtros devem ter uma cor âmbar verde amarelado.Introduzido em 1896. por Thomas Edison. A luz branca deve existir para a realização de todo o procedimento de limpeza dos tanques. Chassis: . . Exemplo: Clínicas de Diagnóstico . ou seja. que é a base antidifusora de raios X.Sistema de Porta Giratória: Sistema de porta em que há várias portas fixadas por um eixo central. . A durabilidade de um chassi é superior há 3 anos.Parte posterior: Esta face é revestida de lâmina de chumbo. onde havia um sistema de travamento da porta para segurança da revelação da película. pois esta temperatura conserva melhor os filmes não revelados e facilita todo o processamento das radiografias. * Polietileno. porém bastante seguro. Tipos de Chassis: . onde os raios X são paralisados em torno da proporção de 95%.São caixas com a função de receber o filme virgem dentro da câmara escura.Os chassis deverão ser limpos diariamente e. OUTROS CONCEITOS A Temperatura: .A temperatura ideal de uma câmara escura deve ser em torno de 18ºC a 24 ºC. é necessários que se abram duas portas para se chegar à câmara escura (neste caso.

Elementos Químicos: * Oxisulfeto de Gadolinium térbio ativado (Gd) = Gadolínio. ÉCRANS DE TERRAS RARAS e FILME RADIOGRÁFICO: Imagem latente = é uma imagem que Imagem real = é uma imagem que já está revelada. Podemos usar dois métodos: 1) Uma película fotográfica pode ser exposta diretamente aos raios X. os "HALETOS DE PRATA" são mais usados.Foram desenvolvidos materiais de fósforo (terras raras) = elementos químicos naturais raros.. 2) A energia dos raios X é convertida em luz visível para então serem convertidas em imagem (ou impulso elétrico ou exposição na chapa). Limpeza do écran: . Écran de terras raras = luminosidade verde-amarelada. Característica do Écran: .Cartolina.O tungstato de cálcio era empregado em écran radiológico com com eficiência 3 a 5% de conversão de raios X a luz. Écran de tungstato de cálcio = luminosidade azul. Os raios X por terem um grande poder de penetração tornam-se difíceis de serem registrados.Plástico. . ainda não foi revelada. dobra-se a vida útil da ampola. Adicionado a isso. * Oxisulfeto de Yttrium térbio ativado (Y) = Ítrio.Uso de algodão não encharcado para que a água não escorra em direção ao feltro do chassi. OBS: . Entre as substâncias sensíveis à luz. Vantagem do écran de terras raras sobre o écran convencional: . * Oxisulfeto de Lanthanum térbio ativado (La) = Lantânio. * Oxibrometo de Lanthanum. Uma folha de filme radiológico absorve de 1 à 2% apenas do feixe do raios X. Durabilidade recomendável para uso do écran = 2 anos em média. minimizando o movimento do paciente.écran fluoroscópico: formado por microcristais de sal de tungstato de cálcio ou de terras raras = gadolínio (funciona como agente emissor de luz que são aplicados em base de cartão coberto com uma resina de proteção sob uma camada com uma propriedade refletora a fim de emitir luz do écran no filme).Lavagem com algodão com água e sabão de côco. Assim introduziuse os ÉCRANS (os quais convertem os raios X em luz visível) que permitem reduzir a dose ao paciente bem como o tempo de exposição. Introdução: Os fótons de raios X que formam a imagem radiográfica não podem ser vistos pelo olho humano. porque possuem as melhores qualidades para se deixar impressionar pela luz. .Papelão. Emulsão: Constitui-se de substâncias sensíveis à luz em suspensão em gelatina. Écrans Fluorescentes: Física e Química Aplicadas á Radiologia 21 . Então fez-se necessário usar receptores os quais convertam a radiação (informação) em imagem visível. . Durabilidade do écran = 10 anos em média. . .O écran de terras raras tem a vantagem sobre o écran de tungstato de cálcio na questão da velocidade e resolução da imagem.

emitem um resplendor de luz. Física e Química Aplicadas á Radiologia 22 . Gadolínio. Fósforo: Específico aos ÉCRANS: O fósforo é um sólido cristalizado natural ou artificial que exibe a propriedade de luminescência quando exposto aos raios X. Dessa forma.. Luminescência: É definida como a habilidade de uma substância absorver radiação de comprimento onda curta. Existem impurezas (killers) que são introduzidas na estrutura do fósforo para controlar as áreas do cristal responsáveis pelo efeito fosforescente. As terras raras como o Lântano. Intensificação: Quando um fósforo absorve um fóton de raios X. devido a sua emissão em ultravioleta e no azul do espectro. Nos ÉCRANS este é um efeito não desejado já que produz imagens múltiplas e até velar partes do filme. 3. Fluorescência: É a forma de luminescência na qual a luz que é emitida para tão logo quanto a radiação excitante deixa de se expor ao material.Conversão: a energia que se obtém deste elétron é então convertida em fótons de luz através do processo de Luminescência. De acordo como o dicionário de ciências. etc. as diferenças na intensidade dos raios X são convertidas em diferença na intensidade da luz. fixo com uma cola apropriada. 2. Itérbio. Como Trabalha um ÉCRAN: Um ÉCRAN opera seguindo um processo de 3 passos: 1. e convertê-la em radiação de comprimento de onda mais larga no espectro visível. por um tempo. depois de se remover a radiação excitante. é uma substância que emite luz a temperaturas abaixo da temperatura na qual exibiria incandescência.Emissão: os fótons produzidos pelo processo acima mencionado saem do fósforo e expõe a película. Construção de um ECRAN: Consiste de três capas diferentes: 1) Um suporte feito de cartão ou plástico. maior será a intensidade de luz emitida. são os novos elementos que se usa nos ÉCRANS. Fosforescência: É quando a emissão de luz continua. 2) Uma capa de fósforo microcristalino. Assim sobre a superfície inteira do ÉCRAN. isto acontece aos milhões em cada milímetro quadrado da área do ÉCRAN. quanto maior for a intensidade dos raios X. Classes de Fósforo: Por muito tempo. aonde a sensibilidade natural do material que compõe a película (AgBr) é muito alta. assim como no ultravioleta. 3) Uma capa protetora (plástico) a qual é aplicada sobre o fósforo para prevenir a eletricidade estática. os cristais de fósforo de maior uso nos ÉCRANS eram de Tungstato de Cálcio (CaWO4).Os raios X tem a habilidade de fazer que certas substâncias (fósforos) emitam luz e radiação ultravioleta. proteção física e permite a limpeza sem danificar a capa de fósforo. a qual a película é sensível. Avanços recentes na tecnologia resultaram na introdução de fósforos novos para os ÉCRANS. que é aplicado uniformemente.Absorção: os fótons incidentes de raios X são absorvidos no fósforo pelo Efeito Compton o que resulta na emissão de elétrons livres.

os quais são facilmente absorvidos pela película. a absorção de raios X e a produção de luz aumentará por igual. Intensificação dos ÉCRANS: Já sabemos que o ÉCRAN é capaz de converter os poucos fótons de raios X que são absorvidos. Física e Química Aplicadas á Radiologia 23 .000 / 3 = 17. estes são mais grossos e absorvem mais que as películas e a absorção de um único fóton de raios X resulta em uma emissão de centenas de fótons de luz. incorporados à cola da capa de fósforo. o comprimento de onda da luz emitida e a eficiência intrínseca do material são conhecidas. E podemos dizer que sua velocidade é um produto da absorção e conversão: Eficiência = Absorção x Conversão A eficiência é um fator do: 1. 2. conforme já vistos.000 ou seja. absorvem luz. Os ÉCRANS também contém: Uma capa fina entre o fósforo e o suporte.24 / 430 KeV = 0.24 / (KeV) KeV = 1.Os ÉCRANS intensificam o efeito fotográfico da radiação X porque. Velocidade dos ÉCRANS: Vários fatores determinam a velocidade de um ÉCRAN. por suposição. 17. Pigmentos ou tinta na capa de fósforo. sendo assim: (17. A combinação dos ÉCRANS com as películas permitem que a exposição seja reduzida por fatores 50 à 150 vezes menores. Ele(s) reduz(em) a borrosidade da imagem na película e. A eficiência com que o fósforo executa esta conversão é chamada de eficiência intrínseca.000 fótons de luz de 3 eV. Tipo de fósforo: Maior número atômico significa maior absorção de raios X. Pode ser uma capa para refletir ou absorver a luz. uso de grades. parte do corpo (geração de raios dispersos). Para o Tungstato de Cálcio este valor é cerca de 5%. comparada a uma exposição direta sem ÉCRAN. Então temos na realidade 850 fótons de luz emitidos quando 1 fóton de raios X de 50 KeV é absorvido. Qualidade do feixe de raios X: Está relacionada à: Kv. A eficiência intrínseca do Tungstato de Cálcio é de apenas 5%. um fóton de raios X de 50 KeV produzirá cerca de: 50.430nm (nanômetros): (nm) = 1. Se a energia do fóton de raios X. filtros. 3. torna-se fácil conhecer o número de fótons de luz gerados. em muitos fótons de luz.000 x 5) / 100 = 180. Então podemos concluir que fator de intensificação é o coeficiente de uma exposição requerida sem ÉCRAN por uma requerida com ÉCRAN.24 / (KeV) 430 = 1.003 eV = 3 Se a eficiência intrínseca do Tungstato de Cálcio fosse de 100%. aos quais. Espessura do fósforo: Se a quantidade de fósforo for aumentada tornando mais grossa sua capa. Por exemplo: uma radiação de 50 KeV é absorvida em um ÉCRAN de Tungstato de Cálcio que emite a maior parte de sua luz em um comprimento de onda de +/. também reduzem a intensidade da luz.

na cola da capa reduz a difusão lateral e a intensidade da luz emitida pelo ÉCRAN. a variação da temperatura é muito pequena para afetar significativamente a emissão do ÉCRAN. Um fósforo com número atômico mais alto Física e Química Aplicadas á Radiologia 24 . *Médias: universais. até surgir a nova geração. na maioria das salas radiológicas. Os ECRANS originais de terras raras emitiam no verde do espectro com uma emissão a freqüência de comprimento de onda por volta de 540nm. Capa refletora de luz: Os fótons de luz gerados pelos raios X que são absorvidos são emitidos em todas as direções. gerais. muito rápidas. Sem erro. velocidade par. sem aumentar a difusão da luz. temos também uma maior borrosidade nas imagens radiográficas. os quais emitem no azul e ou ultra violeta. Se a capa entre o fósforo e o suporte contém um material refletor. A eficiência de conversão dos raios X à luz nestes ECRANS é significativamente maior que nos de Tungstato de Cálcio (5%). As terras raras possibilitam aumentar a absorção dos raios X e a velocidade do ECRAN. Nova Tecnologia dos Fósforos: Os ECRANS de terras raras surgiram devido a grande necessidade de uma redução substancial na dose de radiação. Esta é a maneira principal de aumentar a velocidade de um ECRAN à Tungstato de Cálcio. o qual é mais propenso a ocorrer quando: 1. Usa-se elementos com número atômico alto. Os mesmos fatores que aumentam a velocidade do fósforo aumentam. 5. Isto inclui: Espessura da capa do fósforo: Uma capa mais grossa aumenta a eficiência e a difusão da luz. podemos dizer que. alta velocidade. velocidade média. promédio. Qualidade dos ECRANS: Apesar dos grandes benefícios do uso do ECRAN. Cerca de metade destes vão até a parte traseira do ÉCRAN. Uma tinta. podemos então deduzir que existe uma relação entre velocidade (ECRAN grosso) e nitidez (delgado). Isto faz as terras raras mais requeridas que o Tungstato de Cálcio. O aumento de absorção nos de terras raras é o resultado da melhoria nas características da absorção do fósforo. não porque eles são ―raros‖. as terras raras são quase tão idênticas que sua separação pode envolver milhares de passos. Tamanho dos cristais do fósforo: É comprovado que a emissão fluorescente aumenta com o aumento do tamanho do cristal. esta borrosidade. A tinta absorvedora de luz: Os fótons de luz gerados a partir dos raios X que são absorvidos. Exceção: Há uma exceção importante quanto a esta relação entre a velocidade do ECRAN e a difusão da luz. standard. de alta resolução. Tipos de ÉCRAN: São freqüentemente divididas em três categorias dependendo de sua velocidade: *Lentas: de detalhe. isto aumenta a intensidade da luz que sai do ÉCRAN para expor a película. Na penúltima orbital tem oito ou nove elétrons. nos quais são sensíveis as películas convencionais de raios X. a luz será redirigida. Esta absorção se deve principalmente ao efeito Fotoelétrico . O aumento da absorção em um fósforo de Tungstato de Cálcio é devido principalmente porque é usado uma capa mais grossa. já que são por volta de 20%. também. Esta resulta da difusão da luz quando transita do cristal do fósforo à película aonde é registrada. A maior diferença está na órbita N. ou pigmento. de ultra detalhe.4. Dependendo do material absorvente utilizado. As quinze terras raras tem dois elétrons externos. são emitidos em todas as direções. *Rápidas: rápidas. 7. Esta terminologia apareceu devido a dificuldade de separar estes elementos da terra e entre eles mesmos. 6. estes ÉCRANS tem a tinta rosada ou amarelada. Temperatura: Os ÉCRANS fluorescem melhor em baixas temperaturas.

absorvem quase o mesmo. possuem na sua parte posterior uma camada não refletora. ou mesmo anular. Revestimento: Camada protetora para diminuir a danos na superfície do filme. Esse filtro. permitindo. com espessura uniforme de aproximadamente 180µ. sendo a sensibilidade máxima no azul. Conclusão: Os ECRANS são usados porque reduzem a dose de raios X a que é exposto o paciente e porque ele permitiu a redução do tempo de exposição. A velocidade dos ECRANS de Tungstato de Cálcio está determinada pela espessura da capa de fósforo. de formas variadas. reduzindo a nitidez da imagem. o que resulta na maior dispersão da luz. de cor azulada. Aderida à superfície da emulsão fotográfica encontramos a camada de proteção do filme radiográfico. comparada ao Tungstato de Cálcio. Técnicas de fabricação recentes permitem a obtenção de cristais de forma tabular. reduzem também a borrosidade produzida pelo movimento. de maneira que o potencial de melhoria é limitado.9KeV. onde está limitação é da faixa que vai do ultravioleta ao azul. pela sua qualidade permeável (permeabilidade). é eliminado no processamento do filme radiográfico (revelação). Consideremos a interação de um fóton de raios X com estes elétrons: energia de ligação para o tungstênio 69. devido a necessidade de reduzir a dose de radiação surgiu os ECRANS de terras raras.5KeV (camada K do Tungstênio). compostos por brometo de prata com cerca de 10% de iodeto de prata. os que possuem uma sensibilidade espectral muito limitada são os não cromatizados. O filme Radiográfico: É composto por uma ou duas camadas de Emulsão fotográfica unidas a uma Base. composta de gelatina transparente muito fina. A emulsão fotográfica possui de 5 a 10 µ. 2. Os cristais de halogeneto de prata são produtos químicos fotograficamente ativos. a luz que atinge uma camada pode atravessar a base do filme e atingir a camada de emulsão do outro lado oposto. o Tungstênio e o Lantânio. CaWO4 (Z=74). Esta é a razão principal destes fósforos terem uma maior absorção dos raios X utilizados na radiologia diagnóstica. O ECRAN absorve cada vez menos com o aumento da energia de radiação. ou cross-over. Está base é feita de poliéster. sensíveis á luz. Já os terras raras tem um número atômico menor: Lantânio (La57) ou Gadolínio (Gd64).5KeV. até que chega à 69. flexível. mas a 38. Os filmes radiográficos podem ser classificados em função da sua sensibilidade ao espectro de luz. por exemplo. tem na sua composição uma mistura de Gelatina fotográfica com uma suspensão de Cristais de halogeneto de prata.2KeV. A borda K das terras raras está muito próxima (como Lantânio) deste feixe primário dos raios X. também denominado camada anti-halo.tenderia a uma maior absorção. Gadolínio 50. O cromatizados (ortocromático ou pancromáticos) apresenta sensibilidade espectral na faixa do Física e Química Aplicadas á Radiologia 25 . tem como funções distribuir igualmente (sem acúmulo na base) e fixar os microscristais de halogeneto de prata na base. denominados ―Grãos–T‖ que apresentam uma superfície maior de absorção de luz. um filtro colorido é incorporado entre cada camada de emulsão fotográfica e a base do filme radiográfico. com menor volume de cristais. Esse fenômeno é denominado cruzamento. onde irão ocorrer as reações químicas durante o processo de revelação. sem aumento da difusão da luz. Em filmes radiográficos com duas camadas de emulsão fotográficas. Até os 40KeV. cuja função é de proteger a emulsão fotográfica. é na base do filme. Com o objetivo de reduzir. a penetração e atuação dos agentes químicos do processo de revelação. Os filmes radiográficos com apenas uma camada de emulsão fotográfica. Lantânio 38. O Tungstato de Cálcio era o fósforo mais usado na maioria dos ECRANS. Quando a energia dos fótons de raios X e a energia de ligação dos elétrons da órbita K são quase iguais. homogeneamente transparente. 70Kev.9KeV o Lantânio mostra uma vantagem em relação ao tungstênio que se estende até a borda K deste. A velocidade dos ECRANS de terras raras está determinada por sua mais alta absorção (elétrons de órbita K) e por sua melhor conversão. A gelatina fotográfica: veículo para manter o composto de prata na forma de micro cristais de halogeneto de prata uniformemente. esse fenômeno. está quase ao final da tabela periódica.

Gelatina (protege o filme. o filme carece de alguns cuidados que deve ser observada na armazenagem. . Dependendo da taxa de absorção de luz no filme radiográfico. a umidade relativa do ar do local de armazenamento deve estar entre 30 a 50%. a temperatura do local de armazenamento não deve sofrer variações bruscas e deve estar entre 10 e 21°C. químicos e biológicos. a fatores físicos. e esses filmes possuem camadas de emulsão fotográfica mais espessa. que agem como captadores que absorvem a energia luminosa emitida pelos écrans reforçadores. ocorrerá um grau de enegrecimento que é a Densidade óptica (Do). Nos filmes radiográficos exposto diretamente aos raios X. Esse véu de base ocorre em função do tipo de emulsão. as caixas não podem ter contato com nenhum tipo de líquido como exemplo. Está faixa de sensibilidade espectral é estendido ás radiações de maior comprimento de onda (do verde ao infravermelho) por meio de adição de corantes de cor azulada fixados sobre os cristais da emulsão (adsorção).Substrato (região de maior concentração de sais de prata) . O enegrecimento do filme radiográfico depende também da taxa de exposição em função da natureza da fonte sensibilizadora da emulsão fotográfica (raios X ou energia luminosa).4 e 2. e esse grau de enegrecimento depende das camadas de emulsões fotográfica presente do filme. Após sofrer tratamento com revelador e fixador (substâncias específicas). tomografia e ressonância) Composição do Filme Radiográfico: .15. se dividem em 2 tipos: . fica sinalizado que o feixe de radiação é de pouca absorção. da base e das condições do processamento do filme radiográfico.Filme especial: Emulsão de um só lado (Filmes para mamografia. com o objetivo de absorver uma maior quantidade de radiação do feixe. Filmes para raios X: Física e Química Aplicadas á Radiologia 26 . sem o uso de écrans.Emulsão (gelatina + cristais de sais de prata) . Filme Radiográfico II Filmes Radiográficos: Também chamados de películas radiográficas. transmitindo-a ao cristal que recobrem. e deve possuir uma densidade óptica inferior a 0. e a densidade óptica máxima que pode ser obtida depende apenas da quantidade de prata contida na emulsão fotográfica. Devido à sensibilidade do filme radiográfico não exposto (virgem).Poliéster (material de composição do filme) .0.Filme comum: Emulsão dos 2 lados. de suas caixas onde estão fechadas e que devem ser estarem na vertical. criando uma capa externa) . Uma radiografia bem feita deve apresentar densidades ópticas entre 0. ocorre o enegrecimento do filme. em um local impermeável (blindado) á radiação.Os filmes de raios X são basicamente iguais a um filme fotográfico coberto por uma emulsão de componentes de prata.verde-amarelo (ortocromático) ao infravermelho (pancromático). água ou substancia químicas. que sofre decomposição química quando exposto à radiação. Um filme radiográfico não exposto (virgem) e processado (revelado) possui uma densidade óptica ligeiramente superior a zero. que corresponde ao Véu de base do filme.

Física e Química Aplicadas á Radiologia 27 .Velocidade = tempo de sensibilização do filme pela radiação. menor o tempo de exposição à radiação) . durante a revelação do filme.Tempo de Exposição = Fator radiológico expresso em segundos. . * O contraste e a definição são inversamente proporcionais ao tamanho do grão.Definição = Nitidez da imagem concernente aos seus contornos.Sensibilidade = relação entre a resistência do filme e o tempo de exposição à radiação. .Tamanhos dos filmes = os tamanhos variam entre: * 13/18 * 18/24 * 24/30 * 30/40 * 35/35 *35/43 *chapão Verbetes sobre os Filmes Radiográficos: . (quanto mais sensível o filme.. Premissas: * Quanto menor o grão de prata decomposto.tratamento dos cristais pela interação de substâncias especiais que aderem à superfície dos mesmos. . maior contraste e menor tempo de processamento.Imagem real = imagem que já foi revelada. * Quanto maior a quantidade de radiação absorvida pela emulsão radiográfica. .cobertos por emulsão dos 2 lados. .Imagem latente = imagem ainda não revelada. Cuidados Necessários na Manipulação do Filme Radiográfico: *Inadequada manipulação do filme = alteração ou deterioração do produto. (falta ou excesso de densidade que prejudica o contraste) . Filmes virgens: . sob o risco de danificar a estrutura do filme.Tamanho do grão = define a qualidade da imagem radiológica. .Contraste = diferença entre 2 densidades da radiografia. maior e melhor a definição da imagem.conseqüência = maior rapidez na exposição. * O enegrecimento do filme é diretamente proporcional à quantidade de grãos sensibilizados.Fog = densidade produzida em áreas não expostas. maior o grau de enegrecimento do filme. * A velocidade é diretamente proporcional ao tamanho do grão. .Densidade Óptica = grau de enegrecimento do filme. Sensibilização química: .devem ser armazenados abaixo de uma temperatura de 10ºC a 20ºC e a umidade relativa do ar deve oscilar entre 30% e 50%. .Véu de Base = densidade óptica onde é aderida a emulsão do filme onde há pouca transparência. podendo gerar eletricidade estática (Posição correta de armazenamento dos filmes = vertical). As caixas não devem ser empilhadas. . .

03) Como se divide a câmara escura ? 04) Quais os tipos de revelação e os respectivos processos ? 05) Quais os elementos que compõem as partes da câmara escura ? 06) O que são colgaduras ? 07) Quais os aparelhos essenciais que compõem a câmara escura ? 08) O que é película ? 09) Como podem ser os acessos à câmara escura ? 10) Como deve ser a temperatura na câmara escura ? 11) Como deve ser a iluminação na câmara escura ? 12) O que são chassis ? 13) Quais as características principais dos chassis ? 14) Como deverão ser limpos os chassis ? 15) Quais os tipos de chassis existentes ? 16) Quais os tipos de écrans existentes ? 17) Como é composto o écran de terras raras ? 18) Cite as vantagens do écran de terras raras ? 19) Quais as características dos écrans convencional e terras raras ? 20) No que consiste o écran fluoroscópico ? 21) Qual a durabilidade dos chassis e écran ? 22) Como se faz a limpeza do écran ? 23) Qual a diferença entre imagem real e latente ? 24) No que consiste a emulsão ? 25) Qual a função dos écrans ? Física e Química Aplicadas á Radiologia 28 . Estudo Dirigido I: 01) Conceitue câmara clara.*Um aumento significativo do Fog = escurecimento por acúmulo de prata em áreas do filme com incidência de luz. 02) Conceitue câmara escura.

36) Qual a relação entre a sensibilidade do filme e o seu tempo de exposição à radiação ? 37) Qual a relação entre o tamanho do grão de prata e a definição e o contraste da imagem ? 38) Qual a relação entre a quantidade de grãos sensibilizados e o enegrecimento do filme ? 39) Qual a relação da quantidade de radiação absorvida pela emulsão e o enegrecimento do filme ? 40) Quais os cuidados necessários na manipulação do filme radiográfico ? Revelação do Filme Radiográfico É a reação química que transforma a imagem latente em uma imagem real. * véu de base. A revelação é uma combinação de substâncias químicas. que são transformados em prata negra metálica.26) No que consiste a luminescência ? 27) No que consiste a fosforescência ? 28) Quais os tipos de écrans existentes ? 29) Quais os tipos de filmes existentes ? 30) Qual a composição do filme radiográfico ? 31) Qual a vantagem que o filme comum oferece num exame ? 32) O que é sensibilização química ? 33) Como devemos fazer para cuidar dos filmes virgens ? 34) Quais os tamanhos de filme existentes ? 35) Conceitue: * densidade óptica. Temperatura: Quanto mais baixa for a temperatura. Por outro lado. * tamanho do grão. temperaturas superiores em 28ºC para processamento manual e Física e Química Aplicadas á Radiologia 29 . reduzindo os halogenetos de prata afetados pela luz. mais lentamente atuarão as substâncias reveladoras. * fog. Fases do Grau de Revelação Diluição: Atividade da solução reveladora que diminuirá se a diluição for efetuada em quantidade superior à recomendada pelo fabricante.

A fixação é uma ação que transforma a imagem revelada em imagem permanente. 76 litros = volume universal 20 litros: A 2 litros: B 2 litros: C de revelador em 52. Contato com a pele (lavar abundantemente). Desta forma. é necessário interromper o processo de revelação porque permite o controle do tempo de revelação. Cuidados: Ingestão ou contato com os olhos. os grãos de halogenetos de prata que. transformando o halogeneto de prata que se mantém na emulsão em sais de prata. Exercício de Fixação: 1) Defina Revelação: 2) O que pode interferir na revelação de um filme ? 3) Qual a temperatura ideal para a revelação automática ? 4) Qual a temperatura ideal para o processamento manual ? 5) Defina Gelatina: 6) Que tempo de revelação dos filmes das processadoras automática ? PROCESSADORAS AUTOMÁTICAS DE FILMES RADIOGRÁFICOS . Física e Química Aplicadas á Radiologia 30 . O filme deve ser colocado no processador longitudinal economizar produto químico. Tempo ideal: 90 a 102 seg.800 litros de água.) Agitação: A gelatina é algo semelhante a uma esponja que se embebe do agente revelador contido na solução se não agitar o filme os agentes reveladores esgotam-se rapidamente.37ºC para processamento automático amolecem acentuadamente a gelatina da película. Portanto. (2 a 3 min. que continua absorvido pela gelatina. Lavagem dos tanques de revelação e fixação: A cada 30 dias ou 1200 filmes. tendo recebido ondas magnéticas insuficientes. a temperatura ideal para: processamento manual = 28ºC processamento automático = 37ºC Tempo: É inútil prolongar a revelação além do ponto para melhorar o contraste. ainda se conservam e dão à imagem um aspecto leitoso de revelador ativo.Quando se retira da solução o filme que contém uma imagem de prata metálica negra. .

Após recolocar os racks e os demais componentes. O processamento de uma maneira geral é feita com variações de tempo com variações também na temperatura. * 2 litros da parte B. Coloca-se o produto diluído em 1/10 nos tanques de revelação e 1/20 nos tanques de fixação. 2 a 3 minutos. Os racks devem ser lavados com água comum a cada 30 dias ou 1200 filmes processados. demorando em média cerca de 90 a 102 segundos. Diariamente.2 litros da parte B. CUIDADOS E COMPONENTES A Conservação e Limpeza das Processadoras: . previamente esvaziados. . fazendo circular água em todo o sistema de circulação do revelador. A Troca de Soluções das Processadoras: .Os tanques reservas para fluxos são normalmente de 100 e de 50 litros.Quando há necessidade de preparação em escala menor.Existem várias máquinas para processamento de filmes radiográficos.Esta troca de soluções depende da quantidade de filmes que são processados diariamente. encontra-se a gaveta onde são colocados os filmes para o início do processamento. a tampa deve permanecer aberta até o dia seguinte no início do trabalho. .Os tanques são colocados em ordem crescente. enxaguar os roletes e os tanques. usar 50% dos componentes. . passando-se alguns filmes para limpeza dos racks enxaguados de químicos. após terminado o trabalho. ou seja.. O filme deve ser colocado longitudinalmente a fim de ser totalmente processado. dependendo do tempo. compondo 3 tanques e um secador. em seguida. todos os tanques possuem uma divisória que determina o limite de imersão. com circulação constante regeneração. * 2 litros da parte C * diluindo-se em 52 litros de água.: Tanque de reserva de 38 litros. Recomenda-se que as soluções sejam renovadas a cada um ou dois meses. . * diluindo-se em 52.A conservação da processadora deve obedecer uma rigorosa e sistemática limpeza dos racks e dos tanques. deve-se manter a proporção entre as quantidades.800 litros de água. Contudo. um motor condutor com um conjunto de racks termostatos de controle de temperatura e de circulação de movimento de fluxo de processamento. A preparação dos químicos é um volume universal de 76 litros após diluição apresentando: Para o revelador: * 20 litros da parte A. para a revelação de novos filmes. deixando-se. primeiro o revelador com temperatura entre 28ºC e 38ºC. * 3.Após o preparo dos banhos do revelador e do fixador nos tanques internos e nas quantidades originais dos mesmos. liga-se a processadora até atingir a temperatura ideal. este Física e Química Aplicadas á Radiologia 31 . . para preparar 76 e 38 litros respectivamente.Na parte de dentro da câmara escura. de acordo com o tamanho dos filmes que estão sendo processados. Ex. Já para o fixador: *20 litros da parte A. Os mesmos são impulsionados pelos roletes dos racks colocados nos tanques que transportam os filmes em tempos controlados automaticamente na revelação-fixação-lavagem-secagem. A lavagem deve ser completa. usando-se detergente próprio do limpador de sistemas.

consultar imediatamente o médico). Processamento Radiográfico: *Revelação = O revelador age sobre os cristais de emulsão fotográfica.Evitar ingestão. Neste caso.Sulfito de Sódio: Conserva e estabiliza a solução = 30g/litro. . ar e umidade. em seguida. sendo proporcional à radiação recebida pelo filme.5g/litro. e age como um retardador. B.Conservar o produto químico fora do alcance de qualquer pessoa. . portanto. porções mais ou menos decompostas. . *Lavagem = Tem a finalidade de limpar bem o filme de depósitos restantes dos processos anteriores que.Hidroquinona: Redutor responsável pelos contrastes fortes = 9g/litro.Metol: Redutor suave que dá nitidez = 3. grãos de prata metálica.Sulfito de Sódio: Previne a oxidação dos redutores com função de conservar e estabilizar a solução = 60g/litro. destinar a solução obtida para o uso.Carbonato de Sódio ou Potássio: Alcaliniza a solução e reforça o poder dos redutores. C são soluções concentradas.Alúmen de cromo ou de potássio: Substância empregada para endurecer a gelatina = 15g/litro. .Em caso de contato com a pele ou com as roupas. *Fixação = Dissolve os cristais de prata não afetados pela radiação original. .Água: Componente universal (solvente). especialmente das crianças. transformam-se em prata metálica. poderiam apresentar reações químicas e prejudicar a qualidade da imagem formada. controlando a velocidade da revelação e abrindo os poros da gelatina = 40g/litro. O tempo de fixação é normalmente o dobro do tempo de revelação para garantir a perfeita fixação do filme. . Importante: . . . parando imediatamente a revelação 45g/litro. após retirar a parte líquida do frasco. tornando transparentes as partes irradiadas = 250g/ litro. Dois fatores são de grande importância na revelação: Tempo e Temperatura do revelador. Física e Química Aplicadas á Radiologia 32 . É bom ressaltar que estas soluções são preparadas em tonéis destinados a suprir a quantidade em litros desejados. . quando submetidas à ação do revelador. Componentes do Fixador: . depositando no filme. lavar imediatamente com água em abundância.tempo pode variar para mais ou para menos. Em épocas de frio. Há.As partes A. inalação ou contato da solução com os olhos (em caso de acidentes. a parte sólida deve ser adicionada a um pouco de água morna a fim de dissolvê-la e.Água pura ou destilada: Componente universal (solvente). sob a ação do tempo.Ácido acético glacial: Acidifica a solução.Brometo de Potássio: Evita o velamento pela hidroquinona. das partes transparentes. Cuidados do Técnico de Radiologia: . .Hipossulfito de Sódio: Dissolve a prata não precipitada. As regiões da emulsão afetadas pela ação da radiação. pode ocorrer precipitação em forma de cristal. impossibilitando qualquer ação futura de luz ou radiação sobre o filme. formando a imagem sombreada do objeto e eventuais descontinuidades. Componentes do Revelador . . dependendo da forma de uso e da quantidade de filmes revelados.

O elétron se combina com uma molécula de H2O formando: H2O + eo-1 + H2OH2O.2 x 1024 anos. os que têm núcleos instáveis. No que consiste a revelação ? 02. beta e gama. entende-se. no processo. A temperatura do secador deve ser a mais baixa possível e não deve exceder o nível de temperatura recomendado. o tempo necessário para liberar metade da quantidade de energia de um átomo instável ou radioativo. Quais as condições que interferem no grau de revelação ? 03. Qual a temperatura ideal para a revelação ? 09. Quais os dois fatores de grande importância na revelação ? 10. A radiação alfa (α) é formada por partículas de 2 prótons e 2 nêutrons. O urânio é assim transformado numa sucessão de outros elementos e. Estas partículas diferem em tamanho e. A composição celular é de 85% de água. formando íons. H + OHH se combinará com O formando. torna-se o estável elemento chumbo. a radiação beta (β) e os raios catódicos são elétrons. emite radiação na forma de pequenas partículas e raios. As exceções. formando H2O2 que é um agente oxidante. Quais os cuidados que o técnico de radiologia deve ter no manuseio das soluções ? 05. dos quais se conhecem pelo menos 2. H + O2 + HO2 Resumindo: H2O + OH + H2O2 + H + HO2 A exceção de H todos os demais são agentes oxidantes. A molécula de H2O+ se dissocia quase que imediatamente (10-11 segundos) formando: H2O+ + OH + H+ OH é uma molécula altamente instável que se oxida com outras moléculas.500 elementos radioativos naturais e artificiais que tem meias-vidas que variam de 2 x 10-16 segundos a 7. por fim.se dissocia formando. Quais as quantidades de químicos para preparo do revelador e do fixador ? 04. portanto. Esta energia excedente é emitida do núcleo do átomo através de partículas. Agentes oxidantes próximos do DNA Física e Química Aplicadas á Radiologia 33 . Quais os componentes do revelador e do fixador? 06. Por meia-vida. são chamadas de "radioativos". o núcleo instável muda e.*Secagem = A rápida secagem da radiografia depende do adequado condicionamento do filme. Qual a função dos roletes dos racks ? 07. Quais os componentes comuns no revelador e no fixador ? 08. Para conseguir estabilidade. na capacidade de penetração de corpos expostos a estes átomos em desequilíbrio energético e são conhecidas como partículas alfa. sendo estes partículas dotadas de carga elétrica são desviáveis por campo magnético. A água se ioniza quando é exposta a estas partículas. Como os racks devem ser lavados ? LEITURA COMPLEMENTAR: Os Efeitos Físico-Químicos da Radiação Efeitos Físico-Químicos da Radiação Toda a matéria se compõe de átomos e a maioria dos átomos são estáveis. As radiações gama (γ) e X são ondas eletromagnéticas. Exercícios: 01.

Como se proteger? Mantenha distância. que afeta moléculas. Quanto maior o grau de especialização. O corpo humano é constituído por cerca de 5 x 1012 células. dano na estrutura celular. que podem afetar a todo o corpo. genéticos. É assim que as funções metabólicas podem ser modificadas ao ponto da célula perder sua capacidade de efetuar as sínteses necessárias à sua sobrevivência. Os fenômenos biológicos da radiação são uma conseqüência dos fenômenos físicos e químicos. No entanto. Entende-se como variações morfológicas as alterações em certas funções essenciais ou a morte imediata da célula. que lhe são restritos e outros. Novamente. Os fenômenos físicos que intervêm são ionização e excitação dos átomos. são extremamente radiossensíveis. que poderão afetar órgãos. como no caso do corpo humano. que poderão afetar células. mais lentamente ela se dividirá. se uma célula é exposta à radiação. Noventa por cento dos danos causados pela radiação ionizante são reparados. exponha-se o mínimo de tempo e use blindagem para deter as radiações. embora só se dividam em condições excepcionais. tais como peróxido de hidrogênio (H 2O2). sendo cada célula. Uma exceção significativa a essa lei geral é dada pelos linfócitos. basicamente formada por água. que pode contribuir para a destruição da célula. a probabilidade da radiação interagir com a água é muito maior. isto é. transmissíveis às gerações posteriores. que. Sensibilidade da Célula à Radiação Física e Química Aplicadas á Radiologia 34 . podem se combinar para formar substâncias tóxicas. Efeitos da Radiação em Seres Vivos As células quando expostas à radiação sofrem ação de fenômenos físicos. Um organismo complexo exposto às radiações sofre determinados efeitos somáticos. Estas constituem as primeiras reações do organismo à ação das radiações e surgem geralmente para doses relativamente baixas. No entanto. deixando resíduo de dez por cento de dano irreparável e acumulado.interagem quimicamente oxidando e destruindo partes da molécula. A radiação causa ionização dos átomos. por estar em maior concentração no volume celular. os danos biológicos começam em conseqüência das interações ionizantes com os átomos formadores das células. os genes. Assim. a radiação interage somente com os átomos presente nas células e a isto se denomina ionização. Estes são responsáveis pelo compartilhamento da energia da radiação entre as células. No entanto. destruindo. Estes fragmentos podem se recombinar ou podem interagir com outros fragmentos ou íons para formar compostos. isto é. por sua vez. Os fenômenos químicos sucedem aos físicos e provocam rupturas de ligações entre os átomos formando radicais livres num intervalo de tempo pequeno. tende-se a avaliar os efeitos da radiação em termos de efeitos sobre células. por exemplo: perda das propriedades características dos músculos. que não prejudica a célula. Alteram as funções específicas das células e são responsáveis pela diminuição da atividade da substância viva. quando na verdade. Quando a radiação interage com a água quebram-se as ligações que mantêm a molécula de água unida. que podem afetar tecidos. pois estes elementos que a compõe representam uma parcela ínfima. a probabilidade da radiação interagir com a molécula de DNA é muito pequena. químicos e biológicos. produz-se fragmentos tais como hidrogênio (H) e hidroxilas (OH). muitas das quais altamente especializadas para o desempenho de determinadas funções. tais como água. Além destas alterações funcionais os efeitos biológicos caracterizam-se também pelas variações morfológicas. quanto mais diferenciada for a célula. E em caso de acidente? Leia as informações da Defesa Civil.

de 60 dias. perda de peso e infecções graves. adotado por convenção. um ou dois dias mais tarde. o dano é sério demais levando uma célula à morte. A morte ocorre poucos dias mais tarde. correspondente a 1 Joule por quilograma de matéria. as menos sensíveis. Ela faz parte de nossa vida. do revestimento intestinal ou dos órgãos hematopoiéticos. A unidade para expressar a dose da radiação absorvida pela matéria é o Gray (Gy). por exemplo as da pele. obterá um resultado de concentração de potássio radioativo. perda de apetite. Finalmente. da ordem de centenas de grays. O mais importante dos efeitos imediatos das radiações após exposição do corpo inteiro a doses relativamente elevadas é a Síndrome Aguda de Radiação (SAR). mas. pois a divisão celular requer que o DNA seja corretamente reproduzido para que a nova célula possa sobreviver. na louça doméstica. portanto. observa-se síndrome gastrointestinal. definido como a quantidade de radiação absorvida. na televisão quando está ligada. morte. possivelmente em decorrência da destruição de macromoléculas e de estruturas celulares indispensáveis à manutenção de processos vitais. Por ano. de que resultam: desorientação espaço-temporal. distúrbios respiratórios. convulsões. O efeito retardado de maior relevância é a cancerização radioinduzida. Isto significa que diferentes sistemas celulares têm sensibilidades diferentes. Em uma explosão nuclear ou em certos acidentes com fontes radioativas. A luz solar é uma fonte natural radioativa. no máximo. apresentando tolerâncias diferenciadas em termos de exposição à radiação. Assim são. as células são capazes de reparar qualquer dano e funcionarem normalmente. Em outros casos. a célula pode ser afetada de tal forma que não morre e é modificada. o que poderá significar o começo de um tumor maligno. As células modificadas se reproduzem e perpetuam a mutação. Doses da ordem de 100 Gy produzem falência do sistema nervoso central. diarréia intensa e apatia. perda de coordenação motora. (O cigarro apresenta chumbo e polônio radioativos. O quadro clínico apresentado por um irradiado em todo o corpo depende da dose de radiação absorvida. Assim. as possibilidades de uma assistência médica eficiente são maiores. Em seguida surgem desidratação. portanto. no entanto. nos alimentos. que só aparece vários anos após a irradiação. Cada órgão reage de uma certa forma. nem todos os efeitos da radiação são irreversíveis. Física e Química Aplicadas á Radiologia 35 . caracterizada por náuseas. as pessoas expostas recebem radiações em todo o corpo. vômito. Uma interação direta da radiação pode resultar na morte ou mutação de tal célula. finalmente. leucócitos e plaquetas) e. mas ainda assim consegue se reproduzir. Efeitos Biológicos A radiação nuclear não é algo que passou a existir nos últimos 150 anos. provocam a morte em poucos minutos. Células nervosas e musculares são as mais lentas e. Os efeitos somáticos classificam-se em imediatos e retardados com base num limite. principalmente. decorrente da inativação das células sanguíneas (hemácias.). a célula é danificada. estado de coma e. dos tecidos responsáveis pela produção dessas células (medula). Em alguns casos. Doses da ordem de alguns grays acarretam a síndrome hematopoiética. As células têm uma incrível capacidade de reparar danos. as células vivas podem ser classificadas segundo suas taxas de reprodução. Células reprodutivas e gastrointestinais não se reproduzem tão rápido. que foi acumulado pelo consumo de batata. Em muitos casos. são menos sensíveis. que também indicam sua relativa sensibilidade à radiação. Linfócitos (glóbulos brancos) e células que produzem sangue estão em constante reprodução e são as mais sensíveis. que ocorre algumas horas após a exposição ou. Por isto. Para doses inferiores a 10 Gy. As células filhas terão falta de algum componente e morrerão. Qualquer ser humano submetido a um exame de concentração de possíveis elementos radioativos em seu corpo. Quando a dose absorvida numa exposição de corpo inteiro é de dezenas de grays. Está na areia da praia. Doses muito elevadas.Nem todas as células vivas têm a mesma sensibilidade à radiação. as doses absorvidas podem ser diferentes em cada tecido. As células que tem mais atividade são mais sensíveis do que aquelas que não são. enquanto que em outra célula o efeito pode ter menor conseqüência. um ser humano absorve entre 110 milirem a 150 milirem de radiação de fontes diversas.

listados abaixo. Na espécie humana. conhecida como Síndrome de Radiação Aguda. volume de tecido exposto e intervalo de tempo em que a dose é recebida. Células com oxigênio insuficiente tendem a ser inativas. os músculos e o cérebro são menos afetados. diminui o tumor altamente sensível. Por exemplo. produzindo efeitos agudos de curta duração. tais como as células localizadas no interior do tumor maligno. depende das células mais sensíveis. tipo de célula. com bom suprimento de sangue e rico em oxigênio. danificando tecidos e órgãos. Assim como a sensibilidade de um tumor. tipo de radiação. os órgãos formadores do sangue são os mais sensíveis à radiação. a ocorrência de mutações radioinduzidas não foi satisfatoriamente demonstrada. Sensibilidade à Radiação do Corpo Inteiro A sensibilidade à radiação do corpo inteiro depende dos órgãos mais sensíveis. estágio da divisão celular. parte do corpo exposto. a detecção de tais alterações é bastante difícil. Quando o tumor é exposto à radiação. Inquestionavelmente. O embrião em desenvolvimento também é composto de células que se dividem muito rapidamente. como diversos agentes químicos. a maior população irradiada até hoje e também a mais intensamente estudada. estado geral da saúde. Os efeitos biológicos no corpo inteiro dependerão de vários fatores. As células são mais sensíveis quando estão se reproduzindo e a presença de oxigênio aumenta a sensibilidade à radiação. As altas doses podem matar muitas células. Se uma pessoa já é suscetível a uma infecção e receber uma alta dose de radiação pode ser mais afetado por ela do que uma pessoa saudável. enquanto as baixas doses tendem a danificar ou modificá-las. Mesmo entre os sobreviventes de Hiroshima e Nagasaki. idade do indivíduo. As células musculares e nervosas são relativamente mais resistentes à radiação e. A primeira categoria consiste de exposição à altas doses de radiação em breve intervalos de tempo. Um exemplo de sistema celular muito sensível é um tumor maligno. Isto pode provocar uma resposta rápida do corpo. os órgãos mais sensíveis são aqueles envolvidos com a formação do sangue e o sistema gastrointestinal. produzindo efeitos crônicos ou de longa duração. A segunda categoria é formada pela exposição à baixas doses de radiação num período de tempo mais extenso. a camada externa de células que estão se dividindo é destruída. possibilitando que o tecido são tenha chance de se recuperar de qualquer dano enquanto. é aplicado uma dose baixa no tumor a cada dia.As radiações. provocam alterações significativas no desenvolvimento de mamíferos irradiados quando ainda no útero materno. se as células formadoras do sangue são as mais sensíveis devido a sua taxa de reprodução ser rápida. com base em resultados obtidos ao longo de seis décadas de experimentação. Níveis de Exposição Os efeitos biológicos da radiação são divididos em duas categorias. que por sua vez. fazendo com que o tumor diminua de tamanho. conclusão válida para espécies animais e vegetais. gradualmente. Sensibilidade Orgânica à Radiação Fatores: Taxa de Reprodução. São estes os fatores: dose total. Suprimento de Oxigênio A sensibilidade dos órgãos do corpo humano está relacionada ao tipo de células que os compõem. também têm efeito teratogênico. A taxa de reprodução das células que formam um órgão não é o único critério para determinar a sensibilidade geral. A camada externa de células se reproduz rapidamente e também tem um bom suprimento de sangue e oxigênio. isto é. Assim. o paciente também poderá morrer.Descobriu-se uma bactéria que tem a capacidade de ser imune aos efeitos e o mapeamento de seu código genético pode dar uma grande contribuição à medicina nuclear. Como já visto. portanto. as radiações ionizantes são um agente mutagênico. As baixas doses recebidas num longo período não causam um problema Física e Química Aplicadas á Radiologia 36 . As altas doses tendem a matar as células. A importância relativa do órgão para o bem estar do corpo também é importante. um embrião sofre conseqüências com a exposição que diferem dramaticamente. Se o tumor receber uma alta dose para destruí-lo completamente.

Em mulheres. enquanto outras sobrevivem depois de serem expostas a mesma dose de radiação. estes sintomas que são diferentes daqueles produzidos por uma infecção viral podem ser a única indicação externa de exposição à radiação.imediato. *Síndrome Aguda de Radiação Se vários tecidos importantes e órgãos são danificados. há outros efeitos de dose de alta radiação. A radiação é um agente mutagênico físico. os efeitos acima podem ser observados. "Guidance on Radiation Received in Space Activities. Os sinais iniciais e sintomas de SAR são náusea. Entretanto. Os efeitos genéticos atingem especificamente as células sexuais masculinas e femininas. vômito. uma possível razão para que os efeitos genéticos resultantes de exposição a baixas taxas de dose não tenham sido observados é que as células reprodutivas podem espontaneamente absorver ou eliminar estas mutações nos primeiros estágios da fertilização. Sendo o câncer o resultado primário." 1989. podese produzir uma reação aguda. *Esterilidade pode ser temporária ou permanente em homens. pois qualquer que seja a dose sempre haverá um efeito proporcional à ela. Abaixo de 150 Rad. espermatozóides e óvulos. trata-se de um caso especial de efeito somático. da ordem de 400 Rad nas células reprodutivas. Efeitos Genéticos --sofrido pelos descendentes da pessoa exposta Efeitos Somáticos --primariamente sofrido pelo indivíduo exposto. *Perda de Cabelo (epilação) é similar aos efeitos na pele e ocorre depois de doses agudas de cerca de 500 Rad. Há três categorias gerais para os efeitos resultantes à exposição à baixas doses de radiação. Efeitos Genéticos: mutação da células reprodutivas transmitidas aos descendentes de um indivíduo exposto. os valores de dose são o limiar para início do efeito observado em pessoas mais sensíveis à exposição. bem como suas sensibilidades à infecções. Na tabela. Acima de 150 Rad. fadiga e perda de apetite. devido ao fato do olho conter água e esta ser absorvedora de nêutrons. Se um grupo de pessoas é exposto a doses de radiação. pela norma NRC (10 CFR Part 20). No entanto. dependendo da dose. porém é mais prudente considerar que todas as mutações são ruins. A informação desta tabela foi retirada da NCRP Report No. porque o feto é exposto à radiação. porque o efeito é observado após o nascimento. Os nêutrons são especialmente relacionados com as cataratas. mas para isto requer-se doses altíssimas. Efeitos de Altas Doses Toda exposição aguda não resulta em morte. mas não produz quaisquer novas mutações. e assim. Efeitos Somáticos em Indivíduos Expostos Física e Química Aplicadas á Radiologia 37 . diz-se muitas vezes Efeito Carcinogênico. As mutações são transmitidas aos descendentes dos indivíduos expostos. 89. Há também agentes químicos. Nem todas as mutações são letais ou prejudicam o indivíduo. A principal razão para isto é a saúde dos indivíduos quando expostos e quais são suas capacidade individuais em combater os efeitos incidentais da exposição à radiação. a exposição à radiação deve ser a mínima absoluta ou As Low As Reasonably Achievable (ALARA). bem como agentes biológicos (vírus) que causam mutações. Um fato importante a lembrar é que a radiação aumenta a taxa de mutação espontânea. embora tenha ocorrido na fase embrionária/fetal. Às vezes é difícil entender por que algumas pessoas morrem. *Cataratas (turvamento da lente do olho) surgem para um limiar de dose de 200 Rad. Os efeitos de baixas doses ocorrem no nível celular e os resultados podem ser observados depois de muitos anos passados. é geralmente permanente. uma das três síndromes de radiação se manifestam dependendo do nível da dose. Isto é particularmente importante. Efeitos In-Utero --Alguns erradamente consideram estes como uma conseqüência genética da exposição à radiação. Além da morte. sem haver um limiar para início dos efeitos.

: Unidades de Atividade e Exposição A atividade de uma amostra com átomos radioativos (ou fonte radioativa) é medida em: 1 Bq (Becquerel) = uma desintegração por segundo 1 Ci (Curie) = 3. a NRC. pois quem está sendo exposto é o embrião e não as células reprodutivas dos pais.5 Rem durante toda a gestação. exposição intra-uterina. Há muitos agentes químicos (como a talidomida) e muitos agentes biológicos (como os vírus que causam sarampo) que também podem produzir mal formações enquanto o bebê ainda está no estágio de desenvolvimento embriônico ou fetal. Os efeitos da exposição in-utero podem ser considerados como subconjunto de uma categoria geral de efeitos somáticos. Diferente dos efeitos genéticos da radiação. As mal formações produzidas não indicam um efeito genético. pacientes em terapia Efeitos In-Utero em Embriões/Fetos Os efeitos podem ser morte intrauterina retardamento no crescimento desenvolvimento de anormalidades cânceres na infância Os efeitos intrauterinos envolvem a produção de mal formações em embriões em desenvolvimento. de uma perspectiva ocupacional de risco. Alguns indivíduos estudados e os cânceres induzidos: câncer de pulmão--trabalhadores de minas de urânio câncer dos ossos--pintores de mostrador de relógio à base de rádio câncer de tiróide--pacientes em terapia câncer de seio--pacientes em terapia câncer de pele—radiologistas leucemia--sobreviventes de explosões de bombas.7 x 1010 Bq 1 Sievert = 100 rem 1 Gray = 100 rad Física e Química Aplicadas á Radiologia 38 . A radiação é um exemplo de agente físico carcinogênico. Obs. em 10 CFR Part 20. o risco de câncer em crianças devido à exposição in-utero é quase o mesmo que o risco para adultos expostos à radiação. senão aplica-se os limites convencionais. In-Utero Os riscos espontâneos de anormalidades fetais é de cerca de 5 a 30 vezes maior do que o risco de exposição a 1 Rem de radiação. requer que em mulheres grávidas. nem todos os cânceres estão associados à exposição à radiação. os mais significativos. principalmente para os trabalhadores da área que podem ter conseqüências na sua saúde. Devido a sensibilidade intrauterina. Este limite se aplica para a trabalhadora que declarar por escrito seu estado de gravidez. a saber. enquanto o cigarro é um exemplo de agente químico que causa câncer e os vírus. O risco de morte devido a um câncer radioinduzido é a metade do risco de adquirir um câncer.O resultado primário é o câncer. o câncer radioinduzido é bem documentado. o câncer. radiologistas. Os efeitos somáticos (carcinogênicos) são. No entanto. o risco estimado é pequeno se comparado a uma incidência normal de 1 a 4 chances de desenvolver qualquer tipo de câncer. A radiação é um agente físico teratogênico. a dose de radiação seja mantida abaixo ou igual a 0. o que é um décimo da dose anual permitida para trabalhadores ocupacionais. Para cânceres radioinduzidos. Muitos estudos foram realizados que indicam a relação entre radiação e o câncer. agentes biológicos. No entanto.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful