Universidade da Beira Interior

AS ORIGENS DA II GUERRA MUNDIAL
Mário Matos Nº 18672

História do séc. XX

I. INTRODUÇÃO A Segunda Guerra Mundial, iniciada em Setembro de 1939, foi o conflito mais sangrento até a data em toda a história da Humanidade, não só pelas vítimas mortais e prejuízos monetários, mas igualmente pelos distúrbios provocados a nível psicológico, destruição de vidas de famílias inteiras e o atraso provocado a nível de todos os sectores, desde o económico ao social, passando pelo educacional. Esta guerra total provocou uma devastação em tudo superior à Primeira Guerra Mundial e contou com o envolvimento directo ou indirecto de mais de sete dezenas de países nos quatro continentes. Não existem justificações para qualquer que seja a guerra, no entanto as suas origens podem ser descortinadas e, se bem que não perfeitamente traçadas, poder-se-á sempre apontar um conjunto de causas para a “explicação” do desencadeamento do conflito.

Pág. 2/11

História do séc. XX

II. AS CAUSAS

O Tratado de Versalhes Uma das causas apontadas para o desencadear deste conflito é o acordo assinado em 1919 pelas potências vencedoras da Primeira Guerra Mundial (Inglaterra, França e EUA) e as vencidas (Alemanha e Áustria), o Tratado de Versalhes. [anexo 1] Após o final da Primeira Guerra Mundial os países participantes na guerra queriam ver reconhecidos os (poucos) gastos provocados pela guerra das trincheiras, a morte de milhares de soldados só para ganhar um metro de terra. Desta vontade surgiu o Tratado de Versalhes que não era mais do que um acordo entre as partes envolvidas para o pagamento de indemnizações por parte dos vencidos aos vencedores e uma forma de tentar limitar militarmente a Alemanha para evitar futuros avanços, no entanto, as imposições foram demasiado pesadas. Para além das pesadas indemnizações a pagar, a Alemanha perdia Alsácia e Lorena para a França, devia proceder à desmilitarização da Renânia e veria o seu número de soldados reduzido. Estaria ainda proibida de utilizar artilharia pesada (tanques e aviões) e possuir apenas submarinos da marinha abaixo da 10.000 toneladas. Um diktat humilhante segundo os alemães. Os problemas económicos, perdas, danos e humilhação sofridas pelo povo alemão tiveram nefastas consequências internas para a Alemanha. O acordo assinado em Versalhes, França, pretendia assegurar o entendimento político e a paz entre os países. No entanto, a aceitação das humilhantes imposições colocadas à Alemanha foi um dos factores que contribuiu para a queda da República de Weimar e um dos factores que mais influenciou a ascensão do Nazismo.

Dificuldades económicas do pós-guerra A especulação bolsista que despoletou em 1929, a maior crise do mundo capitalista foi também um dos factores responsáveis pelo segundo conflito mundial. A subida de preços no pós-guerra e as crises monetárias atingiram drasticamente aqueles que viviam de rendimentos fixos, atirando pequenos proprietários e assalariados para a miséria. As dificuldades económicas, nomeadamente a crise de 29, abalaram profundamente as democracias liberais mais frágeis e generalizaram uma vaga de regimes totalitários. No entanto, as democracias com maior tradição como a francesa e
Pág. 3/11

História do séc. XX

inglesa sobreviveram à crise juntamente com os EUA através do intervencionismo do Estado, salvando o liberalismo. Estas medidas proteccionistas visavam proteger as economias nacionais face aos produtos de mercados externos. As modificações foram de tal maneira drásticas que a produção mundial desceu 40% e o desemprego rondava a cifra dos 70 milhões de desempregados, sendo que nos principais países industrializados o número de pessoas sem trabalho era

assustadoramente grande, enquanto que nos cantos mais desfavorecidos do mundo a pobreza continuava a aumentar para números alarmantes devido à diminuição de procura das fontes de matéria-prima.

A ascensão de governos autoritários e fascistas Um dos mais importantes motivos foi o surgimento, na década de 30, de governos totalitários com forte índole militarista e expansionista. As dificuldades económicas e sociais deram origem a uma crise nas democracias liberais e uma escalada de regimes autoritários e fascistas. Envolta num clima de humilhação a Alemanha era um alvo fácil para a subida de regimes mais radicais ao poder desde que garantissem uma recuperação rápida e eficaz da economia. Aproveitando a grave crise económica de 1929 e utilizando habilmente a humilhação do diktat de Versalhes, Adolf Hitler encetou esforços para a Revolução Nacional-Socialista cujo objectivo principal era tornar a Alemanha uma superpotência. Após a aniquilação implacável da oposição política (Social Democratas, Comunistas e Liberais) e conquista do apoio de desempregados, rurais e burguesia, o Partido Nazi vence as eleições de 1932 com esmagadora maioria. Hitler é nomeado chanceler e implementa, dois anos mais tarde, o regime nazista. Para reerguer a Alemanha era, no entanto, necessário violar a Tratado de Versalhes, na medida em que este impedia a conquista do “espaço vital” e limitava demasiado militarmente. Contornado as potências ocidentais, o führer assume-se como acérrimo anticomunista e assina com o Japão (Novembro de 1936) e Itália (Janeiro de 1937) o Pacto Anti-Comintern, cuja finalidade é travar o avanço da URSS e atacá-la. Em Itália, aproveitando o descontentamento social, a crise económica e a inoperância governativa, Mussolini “marcha sobre Roma”, em Outubro de 1922, em frente dos seus camisas negras, e obriga Vítor Manuel III a demitir o Governo e nomeá-

Pág. 4/11

História do séc. XX

lo chefe deste órgão. Dois anos depois el duce vence as eleições e instaura uma ditadura fascista. Também o Japão vive uma instabilidade interna. Após o ano de 1931 o governo japonês assume uma política externa agressiva, explorando mercados externos ainda não expostos à influência ocidental como forma de tentar recuperar da “grande depressão” e impor-se nos mercados internacionais. Em 1937 o Japão ocupa a Manchúria e invade o território chinês, iniciando o conflito asiático. Esta sua política expansionista acabará provocar um choque com os interesses norte-americanos na Ásia (Filipinas), levando à guerra entre estes dois países.

Intervenção de Hitler e Mussolini na Guerra Civil de Espanha Os interesses do regime fascista italiano e nazi alemão conduziram a uma cooperação e ajuda às forças fascistas que tentavam subir ao poder um pouco por toda a Europa, tentando seguir o modelo de sucesso alemão e italiano. Após a vitória da Frente Popular nas eleições de 1936 em Espanha, os generais Mola e Franco revoltam-se contra a República e, apoiados na coligação de forças conservadoras iniciam uma guerra civil que durou quase três anos. Enquanto Inglaterra e França optaram por uma política de não intervenção, Hitler e Mussolini apoiaram os nacionalistas liderados por Franco, nomeadamente através das ajudas da Legião Condor e Grupo de Tropas Voluntárias. Os republicanos, cada vez mais isolados, solicitaram apoio à URSS que, devido à distância e bloqueio naval foi incapaz de equilibrar a situação a favor dos republicanos que, em Março de 1939, acabaram por ser derrotados. A guerra civil de Espanha foi um campo de ensaio para os carros de combate e aviões bombardeiros alemães e permitiu a Estaline perceber que seria impossível envolver-se directamente com a Alemanha. Apesar de não ter acordado as potências europeias, esta cooperação entre fascismo italiano e nazismo alemão foi a confirmação dos seus interesses em afirmar os regimes fascistas como vias capazes de solucionar a crise.

O fracasso da intervenção da Sociedade das Nações (SDN) A SDN foi uma organização internacional iniciada em 1919 com o objectivo de regular a paz entre as nações, manter a harmonia nas relações internacionais. Assente

Pág. 5/11

História do séc. XX

numa das cláusulas do Tratado de Versalhes, iniciou a sua actividade apenas a 10 de Janeiro de 1920. Inicialmente seriam 32 os países membros desta organização, podendo posteriormente qualquer nação fazer parte da SDN, exceptuando a Alemanha, Turquia e URSS. Apesar disso, os problemas começaram quando uma das principais superpotências do pós-guerra, os EUA, decidiu desvincular-se da organização. No entanto, a impotência da SDN relativamente à cessão do Pacto GermânoSoviético (partilha da Polónia entre Alemanha e URSS) e a passividade face às políticas expansionistas e imperialistas da Alemanha (remilitarização da Renânia, participação na guerra civil espanhola, anexação da Áustria e invasão da Boémia e Morávia), do Japão (invasão da Manchúria, inclusão em territórios chineses) e Itália (invasão da Abissínia e participação na guerra civil espanhola) conduziram à sua extinção em Setembro de 1939, ano em que se inicia a Segunda Guerra Mundial, com a invasão alemã à Polónia. O único ponto positivo da SDN foi o facto de ter preparado terreno para uma das mais bem sucedidas organizações internacionais de sempre, a Organização das Nações Unidas (ONU). [anexo 2] Criada a 24 de Outubro de 1945 com os mesmos propósitos da SDN, a ONU continua a aumentar a sua influência em todo mundo e, apesar de alguns fracassos em determinados conflitos, a sua actuação e sobretudo o papel das suas organizações especializadas tem disponibilizado todo o tipo de ajuda a povos carenciados no campo da saúde, alimentação, educação até ao desenvolvimento técnico e económico.

Pág. 6/11

História do séc. XX

III. CONCLUSÃO Um conflito da importância da Segunda Guerra Mundial não se explica facilmente. No entanto, podemos apontar uma conjuntura de factores que são comummente apontados pela maioria dos historiadores como responsáveis pelo encetar da Segunda Grande Guerra. Com as dificuldades económicas do pós-guerra e, nomeadamente da crise de 29, as democracias liberais europeias mais frágeis regrediam dando lugar a regimes autoritários e fascistas que, face a passividade da SDN, concretizavam as suas necessidades expansionistas. Liderado por Hitler, o regime nazi negava todos os princípios do Tratado de Versalhes. A contínua violação do acordo foi sendo permitida e, apenas depois das tropas alemãs entrarem na Polónia, em Setembro de 1939, Inglaterra e França declaram guerra à Alemanha. A Segunda Grande Guerra foi, assim, resultado de um acumular de situações que em conjunto despoletaram o maior e mais sangrento conflito da Humanidade tendo provocado milhões de mortos, feridos, destruição de vias de comunicação, zonas rurais de cultivo arrastadas e o chocante genocídio de milhões de judeus, ciganos, deficientes e idoso em campos de concentração alemães. Além de todas estas consequências, foi igualmente no decorrer deste conflito que se lançaram as Bombas Atómicas sobre Nagasaki e Hiroshima que deixaram um rasto de destruição que ainda hoje paira sobre estas cidades japonesas.

Trabalho de: História do séc. XX Docente: Alexandre Costa Aluno: Mário Matos, N.º 18672 Curso: Ciências da Comunicação Ordem: 2A/1S – Exercício 6

Pág. 7/11

História do séc. XX

ANEXOS

Pág. 8/11

História do séc. XX

ANEXO 1 – TRATADO DE VERSALHES

O Tratado de Versalhes foi um acordo de paz assinado pelas potências vencedoras da Primeira Guerra Mundial (França, Inglaterra e EUA) e as vencidas (Alemanha e Áustria), encerrando oficialmente a Primeira Guerra Mundial. O tratado foi assinado na Sala dos Espelhos do Palácio de Versalhes, em França, no dia 28 de Junho de 1919, após seis meses de difíceis negociações entre as partes envolvidas. O tratado foi a continuação e confirmação do armistício de Novembro de 1918 (em

Compiègne), colocando um ponto final no conflito.
Woodrow Wilson com os comissários americanos de paz

O documento era composto por mais de 440 artigos que tentavam assegurar a paz e

entendimento entre os países, a Constituição da Sociedade Das Nações (SDN). No entanto, e lendo atentamente as cláusulas, pretendia-se que principalmente que a Alemanha aceitasse todas as responsabilidades da guerra e pagasse pesadas indemnizações (cerca de 269 biliões de marcos) a alguns países da Tríplice Entende. As imposições à Alemanha incluíam a redução em 13,5% das suas colónias ultramarinas, perda de Alsácia e Lorena para a França, desmilitarização da Renânia (região fronteiriça com a França), o alargamento do território belga para Este do território alemão, a desmilitarização (a um máximo de 100.000 soldados), a proibição da utilização de artilharia pesada, tanques e aviões e possuir apenas submarinos da marinha abaixo da 10.000 toneladas. Um excessivo teor humilhante para a Alemanha que nunca devia ter acarretado com tantos prejuízos. Os problemas económicos, perdas, danos e humilhação sofridas pelo povo alemão tiveram nefastas consequências internas para a Alemanha. A conjuntura de todos estes factores é geralmente apontada como uma das mais significantes causas que levaram à queda da República de Weimar e a ascensão do nazismo que, consequentemente, seria um dos factores responsáveis pela Segunda Guerra Mundial.

Pág. 9/11

História do séc. XX

ANEXO 2 – A ORGANIZAÇÃO DA NAÇÕES UNIDAS (ONU)

Após a tragédia semeada pela Segunda Guerra Mundial o mundo necessitava de um uma organização internacional que pudesse assegurar a paz mundial. Ainda durante a guerra se lançaram algumas bases gerais para a futura instituição, mas apenas se fundou a 24 de Outubro de 1945, na Conferência de São Francisco (Califórnia) por 51 países, logo após a Segunda Guerra Mundial, com o objectivo de manter a paz, desenvolver a solidariedade defender a e cooperação entre internacional, nações e

igualdade

autodeterminação dos povos assim como a defesa dos direitos do Homem.
Sede da ONU, Nova Iorque

A ONU conta com mais de 192 Estados-membros e membros sem reconhecimento pleno (como Taiwan, reclamado pela China) e sede em Nova Iorque. Todos os Estados-membros estão representados na Assembleia-geral, onde se debatem os grandes temas da actualidade. Ao conselho de Segurança, constituído por 15 países membros, cinco dos quais permanentes e com direito a veto (EUA, Rússia, Inglaterra, França e China), tomar decisões sobre a paz e segurança internacional. O secretário-geral é eleito pela Assembleia-geral, sob proposta do Conselho de Segurança, tendo tarefas administrativas, de coordenação e ligação entre os diferentes órgãos. Cabe ao Conselho económico e Social coordenar as actividades das Instituições Especializadas (FAO, OMS, OIT, UNESCO, OIEA, FMI, COM, BIRD, ITU). O número de países pertencentes à organização continua a crescer e, embora tenha fracassado em alguns conflitos, a actuação da ONU tem sido bastante positiva, sobretudo pelo facto de as organizações especializadas terem vindo a disponibilizar todo o tipo de ajuda a povos carenciados no campo da saúde, alimentação, educação até ao desenvolvimento técnico e económico Um dos seus mais extraordinários feitos foi a Declaração Universal dos Direitos do Homem, em 1948.

Pág. 10/11

História do séc. XX

BIBLIOGRAFIA ACTIVA (por fonte e ordem alfabética)

Internet: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tratado_de_Versalhes http://pt.wikipedia.org/wiki/Sociedade_das_Na%C3%A7%C3%B5es http://www.guerras.brasilescola.com/segunda/

Obras consultadas: OLIVEIRA, Ana Rodrigues; CANTANHEDE Francisco; MENDONÇA, Maria Olívia – História 9º ano, Texto Editora, 1997, PINTO, Célia do Couto; ROSAS, Maria Antónia Monterroso – O tempo da História, Volume 1 e 2, Porto Editora, 2004

BIBLIOGRAFIA PASSIVA (por fonte e ordem alfabética)

Internet: http://www.eb23-diogo-cao.rcts.pt/Trabalhos/nonio/xx/glos.htm http://www.notapositiva.com/dicionario_historia/tratadoversalh.htm http://www.arqnet.pt/portal/universal/segundaguerra/sgm1944.html http://www.unb.br/acs/unbagencia/ag0805-60.htm

Obras consultadas: REMOND, René – Introdução à História do nosso Tempo. Do Antigo Regime aos nossos Dias, Gradiva, pgs 294-392 CAROL, Anne e outros – Resumo de História do séc. XX, Plátano Edições Técnicas, 1999

Pág. 11/11

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful