P. 1
Minhas Poesias Miguel Custodio

Minhas Poesias Miguel Custodio

|Views: 433|Likes:

More info:

Published by: Wilson Machado Borges on Jun 05, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/05/2012

pdf

text

original

Sections

  • CAVALO TORDILHO
  • EU SOU CAIPIRA
  • PÉ DE FIGUEIRA
  • CACHORRO SULTÃO
  • TIO MELO
  • EU E MEU PAI
  • RESSURREIÇÃO DE LÁZARO
  • TERRA BOA
  • ACORDA BRASIL
  • MINHA HEROÍNA
  • Vida de caboclo
  • Pensando na vida
  • Mãe Natureza
  • Restaurante da Chica
  • Rodeio em Taciba
  • Amor à terra natal
  • Estilingue da saudade
  • Capim novo
  • Castelo do amor
  • O Velho Caminhoneiro
  • Tragédia Americana
  • CABOCLO FELIZ
  • DESABAFO
  • JULIANA
  • SONHO DE SAPATEIRO
  • ESTOURO DA BOIADA
  • PAI CELESTIAL
  • ZÉ MARCELINO
  • ÚNICO AMOR
  • CABOCLO HERÓI
  • CANÇÃO DO VIOLEIRO
  • SAUDADE DO SERTÃO
  • DESPEDIDA DE UM LEITEIRO
  • TEMPO DE MENINO
  • CAVALGADA EM TACIBA
  • AMIGOS DA CAVALGADA
  • MINHA TACIBA
  • HOMENAGEM A TACIBA
  • PRENDEDOR DE PASSARINHOS
  • Lara e Ian
  • HISTÓRIA DE TACIBA
  • HOMEM DE FÉ
  • MINHA VIDA
  • O ASTRONAUTA BRASILEIRO
  • CASTRAÇÃO DE BOIADA
  • TRIGO E JOIO
  • CÓRREGO FORMIGA
  • CARREIRO APAIXONADO
  • CABOCLO APAIXONADO
  • CANÇÃO AOS AVÓS
  • DOIS FILHOS DE FRANCISCO
  • CAMINHONEIRO, ANTONIO DOS SANTOS
  • Protetor dos violeiros
  • BRINCADEIRA DE PESCADOR
  • IPÊS FLORIDOS
  • PRESIDENTE PRUDENTE
  • AlGUÉM ESPECIAL

Miguel Custódio

Minhas Poesias

Taciba - SP 2011

BIOGRAFIA DO AUTOR
Quem ouvir minhas canções, principalmente do primeiro cd, perceberá que são parte de minha biografia. Contam fatos de minha vida. É só ouvir, Cavalo tordilho, Eu sou caipira, Pé de Figueira, Cachorro Sultão, Terra boa e Minha heroína. Nasci no dia 2 de abril de 1934, no distrito de Formiga, Comarca de Regente Feijó, município de Taciba, Estado de São Paulo. Nasci e fui criado na fazenda de meu pai. Éramos oito irmãos, seis homens e duas mulheres. Meu pai morreu quando eu tinha nove anos. Até os dezenove anos trabalhei na fazenda com minha mãe e irmãos. Em 1953 a fazenda foi dividida, eu recebi da herança trinta alqueires de terras e a casa sede da fazenda. Como ainda era solteiro fiquei morando com minha mãe. No ano de 1962, fui eleito vereador à câmara municipal de Taciba para um mandato de quatro anos. No ano de 1966 fui eleito para o cargo de Prefeito Municipal de Taciba e a posse aconteceu no dia 01/01/1967. Neste mesmo ano, no dia 23 de setembro casei-me com Dirce Castilho Moreno, da vizinha cidade de Regente Feijó. Meu primeiro mandato de Prefeito durou três anos e foi de 01/01/1967 a 01/01/1970. Fui eleito Prefeito pela segunda vez em 1972, para um período de quatro anos, de 01/01/1973 a 01/01/1977. Em 1982 pela terceira vez fui eleito Prefeito e tive o mandato prorrogado em dois anos. Teve início em 01/01/1983 a 01/01/1988. Ao todo, incluindo o exercício de vereador, foram dezessete anos servindo Taciba. Depois de cumprir o terceiro mandato, deixei a atividade Política e passei a dedicar-me à minha fazenda. Tenho um casal de filhos, ambos casados que já me deram um casal de netos cada. Agora vou falar de minhas composições. Não sou músico. Quando solteiro compus algumas músicas, mas somente uma

3

foi gravada pela dupla Zamir e Zimar. As outras se perderam. Voltei a compor depois que deixei a Prefeitura no ano 2000, então compus duas músicas: “Cavalo Tordilho” e “Tio Melo” e foram gravadas. Continuei compondo e consegui gravar as dez musicas do primeiro CD ‘Miguel Custodio e suas canções. O lançamento aconteceu em Taciba no dia 01 07 2001. As interpretações das músicas são da dupla: Chico Rocha e Manolo. O segundo cd ocorreu em 29-05-2004 na casa de shows “Recanto do Castilho” em Regente Feijó. Interpretes: Chico Rocha e João Carvalho. Ao todo são vinte e cinco músicas, com letras e melodias de Minha autoria, com exceção da faixa 14 ”O Vaqueiro e o Pescador” cuja letra é de Dimas Batista Patriota e melodia minha e João Carvalho. Além dos CDs citados, gravei também um CD com doze poemas de diversos autores, sendo três deles de minha autoria. São eles: Caboclo feliz, Córrego Formiga e Cachorro Sultão. De todos os poemas sou o declamador. Cinco músicas de gravações isoladas foram reunidas em um cd, são elas, Cavalgada em Taciba, com letra e música de minha autoria e interpretada por Chico Rocha e João Carvalho,“Amigos de Cavalgada”, letra e música de minha autoria e também interpretada pela dupla Chico Rocha e João Carvalho. Ainda ”Taciba”, com letra de minha autoria e música de Chico Souza, interpretada pelo Grupo Chorus. ”Homenagem à Taciba” letra e música de minha autoria e interpretada pela dupla Zamir e Zimar. ”Pé de figueira” letra e música de minha autoria interpretada por Chico Rocha e Telma. Pretendo gravar novo CD neste ano de 2010. Com este breve relato, sobre minha vida, e informações sobre minhas composições, coloco ao dispor dos usuários da internet meu modesto trabalho.

Do autor Miguel Custodio.

4

DEDICATÓRIA Obrigado Catulé Pela ideia e incentivo Para que eu reunisse Minhas poesias num livro Acatei sua ideia E fiquei muito contente Como criança que acaba De receber um presente Outras pessoas que estimo Quero a obra dedicar Mas à você Catulé Dedico em primeiro lugar Os meus versos esparsos Agora estão reunidos Não fosse nossa amizade Não teria acontecido Deus o maior poeta Dos poetas protetor Peço que o abençoe E aprove o meu louvor Poeta Anastaciano Com toda sinceridade Pra terminar agradeço A sua grande bondade (continua) 5 .

Dedico também à outras pessoas que estimo. E aos netos. À todos com afetuoso abraço. genro e nora que muito prezo. companheira de todas as horas. mãe exemplar e minha heroína. Nelson e Aline. minha esposa. Quem? São muitas. Dom Samir. Lara e Ian. 6 . batalhadora. meus amigos Tamires. mas vou ater-me a minha família: Dirce.(continuação) Primeiro dediquei meu livro ao poeta amigo Rubem Catulé. Aos meus filhos. Ceci e Helder que só me dão alegria.

mesmo sem conhece-lo pessoalmente ficamos nos conhecendo de modo interessante. poeta anastaciano. Queria compor uma canção homenageando minha terra.INTRODUÇAO Aos leitores. devo esclarecer que não tive a ideia de reunir minhas poesias num livro. O Benvenho tinha dois CDs meus. Foi por intermédio de outro poeta anastaciano. Assim aconteceu nossa amizade e vimos mantendo uma prazerosa correspondência. Compus quatro que foram gravadas. passou cópias para o Catulé que gostou de minhas composições e entrou em contato comigo. o escritor Avelino Benvenho. foi Rubem Catulé. São elas: Homenagem à Taciba Amor à terra Natal Terra boa Minha Taciba (continua) 7 . de minha cidade e seus eventos. Eu o conheço há pouco tempo o suficiente para florescimento de uma grande amizade. mas a grande maioria são letras que musiquei e foram gravadas. A ideia quem a teve. autor de mais de cinqüenta livros de poesias. Contam histórias reais de minha vida. meu conhecido à alguns anos. de amigos. É ficção parte de minhas poesias.

achei bom terminar minhas explicações com estes versos: Quem já me conhece Lendo meus versos sente Como num filme imagens Passando por sua mente Pra quem sou desconhecido Conhecerá certamente Estórias reais da vida De um caboclo tacibense. não é perfeito. Sem ser músico tenho quatro cds gravados num total de quarenta e seis músicas. Tenho pouca escolaridade e reuni poesias para escrever um livro. Tenho filhos. plantar uma árvore e escrever um livro. Minha obra aí está.mas pude expressar meus sentimentos. É um trabalho modesto. Fiz como diz um antigo ditado: Todo homem para se realizar deve ter um filho.Meu livro sendo de poesias. 8 .(continuação) Tenho motivo de sobra para sentir-me orgulhoso e satisfeito. plantei árvores e escrevi um livro.

............34 MINHA HEROÍNA......................................................................................................55 PAIXÃO E CACHAÇA ..........................................................62 TRAGÉDIA AMERICANA ...............36 VIDA DE CABOCLO.............68 DESABAFO ....................................................12 EU SOU CAIPIRA...............27 RESSURREIÇÃO DE LÁZARO..................................21 TIO MELO .........................................59 O VELHO CAMINHONEIRO .........................................................................................32 ACORDA BRASIL ......................................64 CABOCLO FELIZ ........................79 ÚNICO AMOR ...................58 CASTELO DO AMOR ..............................................57 CAPIM NOVO ...........47 AMOR À TERRA NATAL.....................81 9 .................44 RESTAURANTE DA CHICA ...........................................................................................................................15 PÉ DE FIGUEIRA .......................................................................................................73 ESTOURO DA BOIADA ..................53 TERRA CAÍDA ...........................................................................70 JULIANA ......................30 TERRA BOA...............................................................................................................................................................................................71 SONHO DE SAPATEIRO ..........................75 PAI CELESTIAL .......49 O MOÇO RICO..................................................................................................................ÍNDICE CAVALO TORDILHO .................51 ESTILINGUE DA SAUDADE .19 CACHORRO SULTÃO ..........42 MÃE NATUREZA....................................46 RODEIO EM TACIBA .............39 PENSANDO NA VIDA ...........................................77 ZÉ MARCELINO .................24 EU E MEU PAI ......

...129 CARREIRO APAIXONADO ................................ ANTONIO DOS SANTOS 139 PROTETOR DOS VIOLEIROS.........................................................................146 AlGUÉM ESPECIAL..............103 HOMENAGEM A TACIBA ....................................85 SAUDADE DO SERTÃO..............................87 DESPEDIDA DE UM LEITEIRO .....CABOCLO HERÓI..........134 CANÇÃO AOS AVÓS .105 PRENDEDOR DE PASSARINHOS .................................................................113 MINHA VIDA...................................................123 TRIGO E JOIO..................................................................................107 LARA E IAN..........................................141 BRINCADEIRA DE PESCADOR................... ......117 O ASTRONAUTA BRASILEIRO...........................................93 CAVALGADA EM TACIBA .............96 AMIGOS DA CAVALGADA ................................147 10 .........143 IPÊS FLORIDOS ........................................................120 CASTRAÇÃO DE BOIADA ......99 MINHA TACIBA..90 TEMPO DE MENINO .........................................111 HOMEM DE FÉ.........................110 HISTÓRIA DE TACIBA ...................................................................132 CABOCLO APAIXONADO ..........................................................136 DOIS FILHOS DE FRANCISCO ..........................137 CAMINHONEIRO...................................................83 CANÇÃO DO VIOLEIRO.........................................126 CÓRREGO FORMIGA................145 PRESIDENTE PRUDENTE .................

11 .

feito um tufão Logo com o bicho se emparelhava E podia por o laço com a mão (continua) 12 .CAVALO TORDILHO Cavalo Tordilho. nesta canção. cheio de esperança Um cavalo bom eu queria comprar Eu o conheci. preparava o laço E você partia. A nossa história eu quero contar Casado de novo. para trabalhar Foi só montar. na lida de gado Você foi pra mim. Mais de vinte anos. gostei do seu tranqueado E fechei negócio com o Maringá. um companheirão Em sua corrida sentia firmeza Nunca deu rodada. recém domado Com toda força. nunca foi ao chão Pra pegar bagual.

traz gratas lembranças E eu volto no tempo pra recordar. cumpriu a missão Após tanta luta vou lhe aposentar e pode contar com minha gratidão Bom trato e carinho não vão lhe faltar Quanto a mim verá em outro cavalo Na luta de sempre não penso em parar Por minha vontade e na lida do campo Que a morte um dia irá me encontrar. já vem despontando E nossa história. aprenderam a gostar A sua presença. Nova geração. vai continuar Sinto-me orgulhoso com nós dois levando A minha netinha para passear. Obrigado Tordilho. com você amigo E da lida do campo. 13 .(continuação) Meus filhos cresceram.

Sede Antiga da Fazenda Aurora .

EU SOU CAIPIRA Eu sou caipira pode me chamar assim se me chamar de caipira eu não vou achar ruim eu nasci numa fazenda e nela eu me criei gosto muito do lugar onde eu sempre morei eu sou caipira eu sou caipira Com nove anos de idade perdi meu querido pai dele só me falam bem e isso me satisfaz minha mãe mulher valente não dava moleza não e tive que trabalhar pra ajudar os meus irmãos eu sou caipira eu sou caipira (continua) .

(continuação) Eu tinha irmão carreiro e irmão que era peão trabalhei de candeeiro e amansei muito pagão depois recebi de herança trinta alqueires de chão e junto com dona Aurora enfrentei nova missão eu sou caipira eu sou caipira Eu continuei a luta com muita disposição casei e ganhei dois filhos que alegraram o casarão minha mãe viveu bastante e teve a satisfação de curtir os seus netinhos por quem tinha adoração eu sou caipira eu sou caipira (continua) 16 .

(continuação) Na vida nunca faltei ao dever de cidadão três mandatos de prefeito cumpri com dedicação ando de cabeça erguida sem temer humilhação eu nunca enganei ninguém comigo é sim ou não eu sou caipira eu sou caipira Pra terminar minha história não vou deixar sem menção o meu melhor amigo foi meu cachorro Sultão e a brava gente do campo vai a minha saudação são caipira como eu construindo uma nação eu sou caipira eu sou caipira 17 .

Pé de Figueira (Plantado em 1953) .

PÉ DE FIGUEIRA Pé de figueira No pátio da casa grande Esta mesma casa onde A vida inteira vivi Faz tanto tempo Recordo com saudade No verdor da mocidade Eu o plantei ali Pé de figueira Depressa foi crescendo Com você fui aprendendo Belas lições de amor Seus fortes galhos Abrigam os passarinhos onde constroem seus ninhos Quanta alegria em redor Com os seus frutos A passarada faz festa Cantando parece orquestra Louvando a natureza Em sua sombra Descansam os animais É um quadro lindo demais Nunca vi tanta beleza (continua) 19 .

(continuação) Em sua sombra Tinha um carro de boi Que por muitos anos foi Lembrança de um passado Com o progresso Teve que parar um dia Não tendo mais serventia Findou ai encostado Pé de figueira É este o nosso destino Eu luto com o menino Que vive dentro de mim Olho seu tronco Parece estar dizendo Pra eu ir me convencendo Que também envelheci Com os seus frutos A passarada faz festa Cantando parece orquestra Louvando a natureza Em sua sombra Descansam os animais É um quadro lindo demais Nunca vi tanta beleza 20 .

CACHORRO SULTÃO Ao meu melhor amigo Eu dedico esta canção Fiel e bom companheiro Valia mais que um peão Valente e muito disposto tava sempre de prontidão minha gente estou falando do meu cachorro Sultão Parecia um menino Alegre e brincalhão fazer burro bravo pular era sua diversão ia saltando na frente corcoveava o pagão só ouvia os seus latidos au au segura peão Contar as suas proezas Faz bem ao meu coração No meu cavalo arreado estranho não punha a mão segurava boi pela venta me dava satisfação de ver o bicho berrando nos dentes do meu sultão (continua) 21 .

tem ambição até mesmo nas famílias está faltando união parece que os animais tem maior compreensão um bom exemplo nos deu o meu amigo Sultão. 22 .(continuação) E foi na lida de gado que era a sua paixão ao atravessar o asfalto acompanhando um peão o Sultão foi atropelado perdi meu querido cão eu senti a sua morte como se fosse um irmão Neste mundo carente de amor tem maldade.

Cachorro Sultão 23 .

TIO MELO Na cidade de Taciba Tio Melo é conhecido gosta muito de rodeio seu esporte preferido com seu cavalo e seu laço o sucesso é garantido É só abrir a porteira sua laçada é certeira pelo povo é aplaudido Os seus pais a muitos anos enfrentaram o sertão e para criar os filhos foi uma dura missão tempo de carro de boi de catira e mutirão lutaram com tanto empenho até monjolo e engenho lhes ajudaram ganhar o pão (continua) 24 .

(continuação) Com a fé que Deus lhe deu Tio Melo é um vitorioso esteve muito doente foi um tempo doloroso seu laço ficou parado e seu cavalo nervoso mais hoje está curado curtindo a vida folgado viver é muito gostoso Rodeio hoje é esporte Cachaça dos brasileiros Mais não vamos esquecer Tio Melo é um dos pioneiros abriu a primeira pista com mais alguns companheiros a peonada se reunia e o povo se divertia era festa o dia inteiro (continua) 25 .

(continuação) Tio Melo esta homenagem é prova de gratidão vamos tirar o chapéu pra quem sabe ser peão a história de sua vida merece imitação peão pra não ter fracasso além de ser bom de laço tem que ser bom cidadão. 26 .

EU E MEU PAI O meu pai é cantador também gosto de cantar eu pego a minha viola ele vem pra ajudar cantamos modas antigas dessas que fazem lembrar o seu tempo de solteiro cantava com seu parceiro faziam pedra chorar dizem que quem canta os seus males espanta o meu pai é cantador cantador também eu sou Meu pai é igual sentinela que não abandona o posto trabalhando criou os filhos foi corajoso e disposto agora está aposentado curtindo a vida a seu gosto eu sou do mesmo padrão luto pra ganhar o pão com o suor do meu rosto dizem que quem canta os seus males espanta o meu pai é cantador cantador também eu sou (continua) 27 .

(continuação) Quando chega a tardinha ao descansar da peleja gosto muito de tomar uma gostosa cerveja esqueço os meus problemas e afugento a tristeza eu acho pra lá de bom beber curtindo um som de música sertaneja dizem que quem canta os seus males espanta o meu pai é cantador cantador também eu sou Uma toada sertaneja gosto muito de cantar valseado e canção rancheira também sei apreciar cururu e cateretê sucesso em qualquer lugar não posso deixar de fora uma moda de viola faz o caboclo chorar dizem que quem canta os seus males espanta o meu pai é cantador cantador também eu sou (continua)

28

(continuação) Aos amigos e conhecidos o meu recado vou dar não quero ver ninguém triste quando este mundo deixar a vida é passageira não adianta chorar indo pra nova morada vou levar umas toadas lá também quero cantar dizem que quem canta os seus males espanta o meu pai é cantador cantador também eu sou.

29

RESSURREIÇÃO DE LÁZARO
Na aldeia de Betânia Jesus quando ali chegava era em casa de Marta onde sempre se hospedava Marta e seus irmãos Lázaro e Maria gostavam muito de Jesus o amigo da família Ouvindo as palavras do mestre Maria enlevada ficava dos afazeres de casa muitas vezes descuidava promessa de vida eterna guardava em seu coração porém Marta sua irmã fazia reclamação Marta, Marta disse Jesus vejo que estas ocupada Maria escolheu a parte que não lhe será tirada deixe que ouça a palavra que leva à salvação crendo na vida eterna também na ressurreição (continua)

30

(continuação) Lázaro tava doente não demorou pra morrer Jesus estava ausente e não pode socorrer só depois de quatro dias naquela casa chegou encontrou as irmãs chorando e Jesus também chorou Marta disse a Jesus perdemos o irmão querido mais se aqui estivesse ele não teria morrido pra Marta disse Jesus seu irmão ressuscitará e aquele que crê em mim para sempre não morrerá Jesus pediu que o levasse onde o morto estava chegando naquela gruta muita gente acompanhava Jesus olhou para o céu e para o pai suplicou Lázaro vem pra fora e ele ressuscitou 31 .

Quem vive nesta terra não vê o tempo passar as festas de rodeio faz o povo se agitar bastante mulher bonita muito som pra animar muito peão na disputa querendo o prêmio ganhar Taciba é terra boa outra melhor não há (continua) 32 .TERRA BOA Taciba é terra boa plantando tudo dá tem água pura de mina em todo lugar rios e riachos pra gente pescar minha terra tem palmeiras onde canta o sabiá Taciba é terra boa outra melhor não há.

(continuação) Taciba é terra boa outra melhor não há o forasteiro chega tem vontade de ficar só paz e tranqüilidade encontra neste lugar tenho medo do progresso com tudo isso acabar Taciba é terra boa outra melhor não há. 33 .

país tão grande com solo fértil e riquezas naturais no subsolo. ferro. muito ouro. um país endividado pobreza por todo lado. cobre e outros minerais com muitos rios pelo mar também banhado um reino encantado. muita gente vive mal Não é este o país que nós queremos da miséria e corrupção medonha o Brasil tem tudo. paraíso sem igual com tudo isso. um pouquinho de vergonha. Acorda Brasil ! (continua) 34 . somente está faltando aos governantes.ACORDA BRASIL Como pode o Brasil. muita prata. Acorda Brasil.

(continuação) O desemprego e também a violência sinal de nação que vai mal de saúde. e as drogas, estão em toda parte destruindo a nossa juventude É preciso dar um basta, combater o inimigo separar joio do trigo, pra ser nação de verdade A nossa gente merece melhor destino pra cantar em novo hino a sua felicidade Não é este o país que nós queremos da miséria e corrupção medonha o Brasil tem tudo, somente está faltando aos governantes, um pouquinho de vergonha. Acorda Brasil, Acorda Brasil

35

MINHA HEROÍNA
Eu moço do campo, ia à cidade Cuidar de negócios, também passear Naquele banco, você trabalhava Eu era cliente, sempre ia lá Você me atendia, sempre sorridente Modos delicados, a me conquistar Pensava comigo, já estou na idade Se depender de minha vontade Com essa moça, eu vou me casar Tivemos namoro, depois casamento Veio pra fazenda, comigo morar Uma vida dura, tudo diferente Moça da cidade, teve que enfrentar A sogra geniosa, com quem conviveu Foi muito difícil, para combinar Sentindo firmeza, logo a Dona Aurora Teve que entender, que aquela nora Havia chegado, para ficar (continua)

36

(continuação) Vieram filhos, quanta alegria Queria ser pai, era o meu ideal Primeiro menina, depois um menino E assim tivemos, um belo casal Você sempre foi, a mãe nota dez Dando à família, atenção total Formaram-se os filhos, graças a Deus Graças também, aos esforços seus E a Tia Nice, e ao Tio Dorival Não foi só paz, nosso casamento Num tempo ruim, quase desmoronou Eu fui culpado, e a fiz sofrer Mas a tempestade, logo passou Com sua fibra, de mulher guerreira Transpôs a barreira, e ao seu lado estou Contando esta história que aqui termina Saiba que você é minha heroína E eu o homem que sempre lhe amou

37

38 .

Vida de caboclo Quem não me conhece e quiser me conhecer venha visitar-me será um grande prazer conheça o casarão também minha heroína vai tomar um cafezinho e beber água de mina Conheça a simplicidade da vida de um caboclo um pouco com Deus é muito e o muito sem Deus é pouco Ao ouvir os passarinhos em toda parte cantando saiba que são meus amigos Boa vinda desejando não se assuste com os latidos do meu cachorro Sultão ele é meu companheiro em minha lida de peão Conheça a simplicidade da vida de um caboclo um pouco com Deus é muito e o muito sem Deus é pouco (continua) 39 .

(continuação) vou mostrar o meu tordilho cavalo de estimação contei a nossa história nos versos de uma canção do velho carro de boi vou mostrar o que restou quatro cangas e os canzis lembranças que ele deixou Conheça a simplicidade da vida de um caboclo um pouco com Deus é muito e o muito sem Deus é pouco Vai ver o pé de figueira que plantei e vi crescer parece que está sorrindo porque sabe envelhecer o tempo vai passando sua copa aumenta mais sempre ganhando espaço pra dar proteção e paz Conheça a simplicidade da vida de um caboclo um pouco com Deus é muito e o muito sem Deus é pouco (continua) 40 .

(continuação) Lá no córrego Formiga vendo a água limpa correr ali a voz da natureza tem muito pra lhe dizer eu amo minha querência e daqui só Deus me tira é por isso que eu digo que gosto de ser caipira Conheça a simplicidade da vida de um caboclo um pouco com Deus é muito e o muito sem Deus é pouco 41 .

errando e acertando na escola da vida.Pensando na vida Estive pensando na vida os anos passaram. então reconheço que envelheci as rugas no rosto. para ser feliz Já estou chegando ao fim da jornada foram tantas lutas mas todas venci dando cabeçadas. meu resto de vida será diferente. eu muito aprendi. porque descobri que a vida pra ter sabor precisa de paz. precisa de amor e nunca é tarde. os cabelos brancos são marcas que o tempo deixou em mim é natural aos seres viventes que se renovem constantemente o velho findar-se. eu muito aprendi. para o novo existir Já estou chegando ao fim da jornada foram tantas lutas mas todas venci dando cabeçadas. No corre corre da vida da felicidade eu esqueci hoje olhando para trás vejo o quanto de tempo que já perdi daqui para frente. eu não percebi quando me vejo no espelho. errando e acertando na escola da vida. (continua) 42 .

(continuação) Se eu nascesse de novo uma nova vida fosse desfrutar não faria os erros que fiz seria feliz. eu muito aprendi. errando e acertando na escola da vida. pra eu recordar Já estou chegando ao fim da jornada foram tantas lutas mas todas venci dando cabeçadas. 43 . pode acreditar só queria que Deus em sua bondade me deixasse de novo aqui continuar junto das plantas e dos animais em minha querência onde sinto paz entoando canções.

Mãe Natureza Eu sou caipira sou um caboclo pacato gosto do cheiro de mato e também do meu rincão em meu cavalo saio pra cuidar do gado vou cantando improvisado pra compor uma canção Vou à cidade a negócio ou a passeio o meu melhor recreio é junto da natureza minha canção é um hino de louvor que dedico ao criador que nos deu tanta beleza De manhãzinha o cantar da passarada com melodias variadas saúdam o novo dia também o galo que anuncia a madrugada acompanha a passarada cantando com alegria (continua) 44 .

(continuação) No horizonte o astro rei aparece e a terra agradece quem lhe ajuda a produzir com sol e chuva a combinação perfeita que faz dar boa colheita para o lavrador sorrir É da terra que sai o alimento que garante o sustento de quem vive na cidade e quem produz derramando o suor vê que tem pouco valor em nossa sociedade Vai meu irmão nesta luta pelo bem pra não faltar a ninguém comida pra por na mesa minha canção é um hino de louvor viva o trabalhador viva a mãe natureza 45 .

Restaurante da Chica Em Taciba no restaurante da Chica tem sempre alguém cantando é o recanto da poesia viajante que aprecia para e fica escutando em dupla ou sozinho cantam igual passarinho pelo prazer de cantar os viajantes vão embora levando Brasil afora lembranças deste lugar Canta violeiro canta sua cantiga faz bem dizem que lá no céu os anjos cantam também Mirassol e Barrerito eles cantam bonito e sempre são aplaudidos Elian e Lourival dupla que canta legal sucessos novos e antigos Chico Rocha e o parceiro João Zezo com seu violão cantando em seu estilo pra cantoria animar a Chica pra completar canta na roda de amigos 46 .

o limite é o chão (continua) 47 . o limite é o chão Tem peão agarrador que corta o bicho na espora e tem peão que fracassa que pra cair não demora igual no jogo do amor tem derrotas e vitórias um peão apaixonado quer tudo na mesma hora quer sair o vencedor no rodeio e no amor todo coberto de glórias Segura peão. Segura peão. segura peão o chão é o limite.Rodeio em Taciba Em Taciba todo ano tem a festa de rodeio tem montaria em touro Peão monta sem receio montaria em cavalo peão se ajeita no arreio é só abrir a porteira sai corcoveando feio peão lembra de quem ama mais a conquista da fama sempre foi seu devaneio. segura peão o chão é o limite.

segura peão o chão é o limite. o limite é o chão 48 .(continuação) São quatro dias de festa não dá para reclamar com shows de artista famosos que aqui vem pra cantar tem o baile do cowboy faz a moçada agitar mulher bonita e cerveja e muito som pra dançar Taciba meus parabéns orgulha os filhos que tens para sempre irei te amar Segura peão.

Amor à terra natal Taciba és meu torrão sempre adorado e querido és a terra onde nasci e onde tenho vivido a tua gente é tão boa tua natureza tão bela aceite Taciba querida esta modinha singela Taciba serás lembrada nos versos desta canção que fiz pra te dedicar de todo meu coração O amor à terra natal é mesmo amor sem fim Taciba pra te louvar a gente canta assim (continua) 49 .

(continuação) Taciba és meu torrão sempre adorado e querido és a terra onde nasci e onde tenho vivido A tua gente é tão boa tua natureza tão bela aceita Taciba querida esta modinha singela Taciba serás lembrada nos versos desta canção que fiz pra te dedicar de todo meu coração o amor à terra natal é mesmo amor sem fim Taciba pra te louvar a gente canta assim 50 .

o Divino mestre ensinava à população que ouvia a sua palavra com respeito e admiração chegou um moço bem trajado e fez uma indagação mestre o que devo fazer pra alcançar a salvação Disse Jesus quem guardar de meu pai os mandamentos terá o reino do céu é este meu ensinamento os preceitos foi falando o moço ouvia atento mestre o que tenho guardado estou preparado para o julgamento (continua) 51 .O moço rico Jesus.

(continuação) Jesus então lhe falou uma coisa está faltando vai e vende o que tens estarei aqui esperando reparte tudo com os pobres pra ir me acompanhando o moço baixou a cabeça muito triste foi se retirando Aos presentes Jesus comentou vejam o que aconteceu foi maior o amor à riqueza maior que o amor a Deus Em verdade eu lhes digo é mais fácil um camelo passar no buraco de uma agulha que um rico se salvar 52 .

Estilingue da saudade Eu era menino. morava na roça gostava muito daquele lugar que vida gostosa da meninice eu fecho os olhos pra recordar vejo a escolinha onde estudava e a professora a me ensinar hora do recreio no pátio da escola com meus colegas feliz a brincar Oi saudade não vai me abandonar saudade amiga como é bom lembrar Das festas juninas eu nunca me esqueço daqueles rojões explodindo no ar comendo pipoca ao redor da fogueira traques e bombinhas fazendo estourar outras diversões me vem à lembrança andar a cavalo e também pescar do meu estilingue não me separava com muitas pelotas pra eu atirar Oi saudade não vai me abandonar saudade amiga como é bom lembrar (continua) 53 .

(continuação) Mais tudo que é bom logo termina meu tempo ditoso já ia acabar com minha família mudei pra cidade e o meu paraíso tive que deixar tornei-me adulto um dia casei e o tempo passou querendo apagar as belas lembranças da infância querida só minha saudade ninguém vai tirar Oi saudade não vai me abandonar saudade amiga como é bom lembrar A vida reserva surpresas pra gente minha mãe resolveu a casa reformar em seus guardados achou o estilingue com as pelotas que usei pra brincar ao visitá-la recebi um presente aquele embornal me fez chorar era o estilingue da minha saudade pra sempre comigo eu vou guardar Oi saudade não vai me abandonar saudade amiga como é bom lembrar 54 .

Terra caída Na margem do Amazonas aquele imenso rio um rancho para morar um caboclo construiu tinha tudo preparado em seu pedaço de chão um lindo pomar formado também tinha criação o que ele mais queria casar e ter família sua maior ambição Com moça da vizinhança começou a namorar duas horas rio acima de barco pra chegar não demorou ficar noivo e só faltava marcar a data do casamento pro sonho realizar tão feliz que ele estava triste notícia chegava pra tudo atrapalhar O seu amigo falou você não foi ao forró a sua noiva sambou até o raiar do sol o vaqueiro Juvenal teve que molhar os panos pra dar conta da morena noite toda requebrando foi um chamego danado não pude ficar calado por isso estou lhe contando (continua) 55 .

(continuação) Era um golpe dolorido que o caboclo recebia esperou um outro forró mandou dizer que não ia mais ele foi escondido queria ver pra crer viu a morena e o vaqueiro agarrados pra valer o amigo não mentiu seu sonho ela destruiu nada podia fazer Tempo formou pra chover logo caiu um toró foi uma tromba d`água acabou com o forró depois que a chuva passou foi descendo devagar sua querida morada não pode mais encontrar tinha sido destruída com a terra caída que o rio costuma levar O caboclo arrasado chorou por tudo que viu foi tudo uma ilusão a sorte não lhe sorriu o pé de flor que plantou no coração não floriu a noiva o desprezou seu rancho também sumiu lá no meio da floresta para o caboclo só resta vencer mais um desafio 56 .

Paixão e cachaça De boteco em boteco bebendo cachaça meu amigo acha que vai esquecer a mulher que ama que lhe abandonou e ele ficou infeliz a sofrer De nada vale a sua paixão na contramão vai se machucar a paixão é tormenta que logo passa mas a cachaça pode lhe matar A vida é boa pra quem sabe viver dê volta por cima se quiser vencer levante a cabeça que a tristeza some a paixão não pode derrotar o homem 57 .

Capim novo Se o homem neste mundo já deu muita caminhada e a vida for uma estrada toda cheia de estorvo basta só o carinho de uma mulher. de um diabinho pra estrada velha empoeirada ficar logo num instantinho cheia de mato verdinho cheirando a caminho novo Se até cavalo velho gosta de capim novo coroa que só quer broto não deve ser censurado uma garota fogosa bonita e carinhosa se deixa o velho assanhado seu fogo ele apaga não precisa de viagra pra dar conta do recado O velho que é esperto não casa com mulher nova pra não virar uma droga a sua vida folgada se ela virar o jogo e desejar capim novo não tem cerca reforçada porque ela vai pular e o velho vai ficar com a cabeça enfeitada 58 .

Castelo do amor Em uma terra distante este fato se passou com um jovem estudante pela amiga se apaixonou ele sentiu-se humilhado ao ouvir a moça falar você é pobre e não pode meu sonho realizar eu quero um marido rico pretendo a vida gozar e terá que construir um castelo pra eu morar O jovem pegou um papel e logo ele desenhou a planta de um castelo conforme idealizou ao professor foi mostrar veja o que vou fazer o castelo deste desenho com minhas mãos vou erguer pra minha amada vou dar seu gosto vou satisfazer é difícil mais vou conseguir porque querer é poder (continua) 59 .

(continuação) Vendo aquele projeto professor se enfureceu ficou tão indignado no aluno ele bateu depressa a notícia espalhou muita gente se comoveu apoiaram o jovem estudante construiu o castelo seu foi tão grande a torcida o impossível aconteceu a notícia da construção de um castelo por um plebeu Assentando pedra sobre pedra as paredes ia levantando ali derramando o suor sozinho foi trabalhando só alguns anos depois a obra ficou terminada e pra conhecer o castelo aquela mulher foi chamada a porta era tão estreita só pode entrar ajoelhada lá dentro viu tanta beleza ela ficou deslumbrada (continua) (continuação) 60 .

Eu sonhei morar num castelo meu sonho você realizou se quiser será o marido da mulher que sempre sonhou um sinal fez o proprietário e na sala logo apareceu uma jovem e linda mulher com carinho um beijo lhe deu é esta a mulher que eu amo meu amor por você já morreu outrora você não me quis agora quem não quer sou eu 61 .

O Velho Caminhoneiro Assim falou-me. conheço o país inteiro com meus colegas. que aquele ladrão nunca teve família e nem caminhão Sou caminhoneiro minha vida é assim sempre viajando minha estrada não tem fim Com sol ou chuva. deixou-me amarrado fiquei pensando. também fui assaltado quem roubou meu caminhão. meu caminhão vai rodar Sou caminhoneiro minha vida é assim sempre viajando minha estrada não tem fim Já sofri acidente. transportando riquezas o progresso do Brasil. depende dos caminhoneiros (continua) 62 . com frio ou calor dirigindo o possante. o velho caminhoneiro estou cansado mais não posso parar minha família depende de mim e enquanto puder.

(continuação) Sou caminhoneiro minha vida é assim sempre viajando minha estrada não tem fim A saudade é companheira. na hora da chegada Sou caminhoneiro minha vida é assim sempre viajando minha estrada não tem fim depois de ouvir a estória do caminhoneiro fui obrigado a tirar o meu chapéu E quando encontro um caminhão na estrada peço as bênçãos de Deus a esse herói sem troféu Sou caminhoneiro minha vida é assim sempre viajando minha estrada não tem fim 63 . de todo caminhoneiro saudade da esposa. da amante ou namorada ouve uma canção e afugenta a tristeza pensando na alegria.

Tragédia Americana Parecia um filme de guerra que ao mundo era exibido foi assim aquela tragédia lá nos Estados Unidos Nova Iorque e a capital foram alvos escolhidos dia onze de setembro nunca será esquecido Uma guerra esquisita sem contra para lutar a nação mais poderosa não pode seus filhos salvar Dezenove terroristas quatro aviões seqüestraram assumiram os comandos e para o ataque partiram nas torres de Nova Iorque dois deles se espatifaram no horror daquele fogaréu as torres desmoronaram Uma guerra esquisita sem contra para lutar a nação mais poderosa não pode seus filhos salvar (continua) 64 .

(continuação) Na capital do país jogaram o terceiro avião no prédio onde funciona a defesa da nação talvez fosse a Casa Branca o alvo do quarto avião ele caiu noutro estado sem causar mais destruição Uma guerra esquisita sem contra para lutar a nação mais poderosa não pode seus filhos salvar Os autores do atentado enlutaram aquela nação ceifando milhares de vidas em covarde e terrível ação o presidente americano tomou logo a decisão de caçar os terroristas e por todos na prisão Com a guerra declarada teriam que encontrar os malvados assassinos para o mundo ter paz (continua) 65 .

(continuação) Descobriram terroristas lá no Afeganistão por ar. por mar e por terra fizeram a invasão tudo foi bombardeado passaram um arrastão só não encontraram Bin Laden o terrorista chefão Com a guerra declarada teriam que encontrar os malvados assassinos para o mundo ter paz A caça no mundo inteiro dizem vai continuar só com o uso da força terrorismo não vai acabar a nação mais poderosa sabe que vai precisar corrigir as suas falhas para a paz alcançar Com a guerra declarada teriam que encontrar os malvados assassinos para o mundo ter paz 66 .

67 .

CABOCLO FELIZ Gosto de cavalo bom e de mulher bonita de cerveja bem gelada e de cantoria gosto de um bom churrasco e faca afiada gosto de passar a noite na boemia gosto de viver no campo e lidar com gado de reunir a boiada para a castração minha laçada certeira no pescoço o parceiro nas canelas e o boi vai pro chão Se fico meio estressado de cabeça quente Eu pego a minha tralha e vou pescar É lá na beira do rio com a natureza Recobro minha energia para trabalhar Gosto de ouvir o canto da passarada Parece uma orquestra regida por Deus Entre as lindas aves a garça branca Parece uma rainha pelo porte seu Gosto de minha terra e de sua gente De seus campos e montes e dos ribeirões O amor à minha terra declarei nos versos E nas melodias de minhas canções Quando chegar o dia o poeta se vai E se for lembrado pelos versos seus Vai agradecer e pedir não esqueçam O maior poeta que é nosso Deus (continua) 68 .

(continuação) Eu já vivi bastante e sei que a vida É preciosa demais pra quem sabe viver Eu tenho uma família é minha riqueza Que eu não me canso de agradecer já falei do que gosto mas vou confessar Não tive na vida tudo o que eu quis Muitos sonhos meus eu deixei pra lá E assim eu sou um caboclo feliz 69 .

cante a “TAÇA DA DOR” “BOATE AZUL”. O bolero “SOLAMENTE UNA VEZ”. canta um tango portenho. cante pra desabafar 70 .DESABAFO Amigo porque bebe tanto assim Se for por causa de mulher é bom parar Também sofri ao perder um grande amor Senti a vida de repente desabar Pelos bares dia e noite embriagado Eu cantava canções dor de cotovelo Não faltavam os boêmios me aplaudindo E me pediam a canção “FIO DE CABELO” Canta comigo. “O DESATINO” só aumenta a dor que tenho Amigo quando ela me deixou Senti um golpe que o tempo cicatrizou Um novo amor veio florir o meu caminho E a grande mágoa que eu sentia se acabou Eu compreendo o sofrimento e a amargura Da sua dor eu quero compartilhar Vamos beber pra sufocar sua saudade Cante comigo.

JULIANA A beleza da mulher É fonte de inspiração O poeta inspirado Já compõe uma canção Eu conheço Juliana Alma vinda de outras eras É uma menina moça Flor de quinze primaveras Os olhos de Juliana São belos como o luar Transmitem paz e ternura No brilho do seu olhar Suas mãos parecem plumas Bonitas e delicadas Os seus gestos têm magia Como num canto de fada O corpo de Juliana Cheio de graça e leveza Parece uma flor nativa Enfeitando a natureza Quando Deus a concebeu Com carinho e muito amor Deu também à Juliana A beleza interior (continua) 71 .

(continuação) Juliana. Juliana Mais linda que uma flor. Juliana De sorriso encantador Juliana. 72 .

SONHO DE SAPATEIRO Um sapateiro humilde Morava sozinho não tinha família Mas tinha um bom coração Se alguém precisasse. ele socorria Certa noite sonhou com Jesus No seu sonho o Mestre dizia Amanhã irei visitá-lo Estarei em sua companhia Quando acordou de manhã Lembrou de Jesus e o que havia sonhado Cuidou de arrumar a casa Pra que Jesus fosse bem hospedado Preparou o café da manhã E deixou tudo bem arrumado Ficou esperando o amigo Conforme Jesus tinha lhe falado Já era quase meio dia Bateram na porta. ele foi atender Um mendigo todo maltrapilho Com fome pedia um pão pra comer Deu à ele o café de Jesus É o que tinha para oferecer Deu ainda um velho agasalho O mendigo se foi depois de agradecer (continua) 73 .

O sapateiro muito feliz Pode então compreender No mandamento de Jesus Cristo Só o amor deve prevalecer E no dia do juízo final Será Ele quem vai escolher Separando os bons e os maus Então será tarde pra se arrepender.(continuação) Esperou a tarde inteira Mas Jesus não veio e a noite chegou O sapateiro logo dormiu E com Jesus novamente sonhou Porque não foi visitar-me? Para o Mestre ele perguntou O senhor então lhe respondeu Eu sou o mendigo que você amparou. 74 . Quem der um pão ao faminto E der vestes ao esfarrapado Der de beber ao sedento E der ao enfermo amor e cuidado Quem acolher ao peregrino E consolar o encarcerado Será o meu escolhido E com o reino do céu será recompensado.

ESTOURO DA BOIADA Caboclo Sebastião Rocha Oitenta e dois janeiros Não liga para idade Está ativo e ligeiro Histórias de sua vida Ele conta prazenteiro Na lida desde menino Sebastião é boiadeiro Mesmo sendo aposentado Não parou de trabalhar Hoje é corretor de gado E bom pra negociar No porta-malas do carro Ele costuma levar A sua tralha de arreio Que usa se precisar Foi peão e capataz Comandava a peonada Foi dono de comitiva Muitos anos de estrada Tantas viagens que fez Uma é sempre lembrada Na cidade de Tupã O estouro da boiada (continua) 75 .

(continuação) A boiada enfurecida Parecia um tufão Aquela louca disparada Assustou a população Uma praça da cidade Foi grande a destruição Por sorte ninguém morreu Mas houve muita aflição Quando bem longe a boiada Cansada então parou Foi chegando a peonada O prefeito também chegou O homem estava nervoso Ao capataz perguntou Quem vai pagar o estrago Que a boiada causou Ninguém vai pagar estrago Do que não é devedor Aconteceu um acidente Lamento muito senhor O Prefeito pensou um pouco E depois assim falou. Pode seguir a viagem E seu amigo eu sou 76 .

Pai Celestial Eu sou um filho rude Tenho falhas na virtude Mas sou da paz e do bem Tua bondade Fortalece a minha crença E recebo a recompensa Por não desprezar ninguém. Pai Celestial Eu que nunca te vi Mas em tudo senti O teu imenso poder É tão perfeita A criação do universo Nem com um milhão de versos daria para descrever.PAI CELESTIAL Pai Calestial Ouça minha canção Na forma de oração Que fiz pra te agradecer Pela minha vida E todo este tempo vivido Eu fui e sou protegido As vezes sem merecer. (continua) 77 .

(continuação) Pai Celestial Emocionado eu agradeço Na queda e no recomeço Nas mudanças da maré E toda vez Que sentir a inspiração Surge uma nova canção De amor esperança e fé

78

ZÉ MARCELINO
Zé Marcelino vendeu O sitio que possuía E com a sua família Mudou-se para a cidade Hoje é dono de um bar Tem uma vida folgada Mas da antiga morada Sente muita saudade Saudade quando acordava No cantar dos passarinhos Tomava um cafezinho E ia para o curral Tirava o leite das vacas Ouvindo o radio tocando A bezerrada berrando E as crianças no quintal O seu falecido pai Só deixou boas lembranças Presente em todas festanças Aos santos de devoção Devoto de Santo Antonio O terço ele rezava E a bandeira levantava Cantando em louvação (continua)

79

(continuação) O seu chapéu panamá É o sinal do peão Mesmo atrás de um balcão Nunca deixou de usar Tudo que lembra o campo São coisas que lhe consola Como as modas de viola Que gosta de escutar O Zé diz que na cidade O mês de junho é triste Fogueira já não existe Ninguém mais solta rojão Ninguém mais reza pro santo Já é coisa do passado Não tem doces nem salgados Nem café e nem quentão. Mas o Zé tem um consolo Que cuida com zelo e luxo É o seu cavalo gaúcho Que ele tem conservado Quando aperta a saudade Ele vai nas cavalgadas E castração de boiadas Reviver o seu passado.

80

enamorados Assim foi nosso namoro Um pelo outro. apaixonados Eu era pra ela e ela pra mim O primeiro amor Mas fui um covarde eu sei Por outra lhe abandonei Lhe causando magoa e dor O dano que lhe causei Nunca pude reparar Se ela já me perdoou Não consigo me perdoar Ela nunca quis Um outro amor em sua vida Preferiu a solidão E suas lembranças tão queridas Aquela menina moça Que gostava tanto de ver passar O moço montado a cavalo Pensava consigo com ele um dia ia se casar (continua) 81 .ÚNICO AMOR Igual um casal de pombos Sempre juntinhos.

(continuação) Nem o cruel desengano Nem o tempo destruidor Não destruiu a paixão Pelo seu único amor 82 .

CABOCLO HERÓI Caboclo pra ser feliz Bastam três coisas somente Gozar de boa saúde Pra nunca ficar doente No aconchego do lar Uma mulher companheira Um cavalo bom de sela Pra sua lida campeira Não precisa gloria e luxo Status na sociedade Riqueza é sua família E sua simplicidade Caboclo não se esmorece Não reclama e só trabalha Lutando feito um guerreiro No seu campo de trabalho A sua maior herança É o calo que tem nas mãos A lavra da terra bruta No seu pedaço de chão Nunca é valorizado Mas guarda no coração Certeza que contribui Pra grandeza da nação (continua) 83 .

84 .(continuação) Este caboclo é um herói Exemplo de cidadão Que preserva as raízes Da cultura e tradição No seu recanto isolado Lá nos confins do sertão É uma estrela que brilha Em nossa constelação.

CANÇÃO DO VIOLEIRO Leva vento das campinas A canção deste violeiro Tenho o coração deserto É grande o meu desespero Quem viu a minha cabocla Dona do meu coração? Chora. chora na viola Violeiro do sertão (continua) 85 . chora na viola Violeiro do sertão Vento passa nas baixadas Nos espigões e nas serras Vai encontrar minha amada Em alguma parte da terra Sei que ela vai voltar Ao ouvir minha canção Chora. chora na viola Violeiro do sertão Ela se foi numa tarde Como as gaivotas do rio A chuva apagou seu rastro Meu rancho ficou vazio O acauã canta triste Mais triste é o meu coração Chora.

canta violeiro Dando adeus à solidão 86 .(continuação) E quando ela voltar Cumpro a promessa que fiz Não haverá no sertão Um caboclo mais feliz Eu vou fazer uma festa Com cantoria e rojão Canta.

pandeiro e violão do piso de chão levantava a poeira assim se divertia o povo no sertão ai que saudade da vida no sertão sem o asfalto violência e poluição (continua) 87 .SAUDADE DO SERTÃO Eu vou cantar uma moda caipira dessas que fazem recordar o passado as modas de viola e a dança da catira os catireiros e o sapateado ai que saudade da vida no sertão sem o asfalto violência e poluição Os bailes de barraca e a dança a noite inteira com a sanfona.

(continuação) E os peões conduzindo a boiada com o ponteiro repicando o berrante viagem longa de pousada em pousada Para entregar a boiada bem distante acabou-se o encanto do nosso sertão sem o carro de boi o monjolo e o mutirão E o engenho bom parceiro do caboclo produzia o açúcar a cachaça e rapadura uma junta de bois girava a moenda era tão simples mais quanta fartura acabou-se o encanto do nosso sertão sem fogueiras e quadrilhas nas noites de São João (continua) 88 .

(continuação) O avanço do progresso modificou o sertão mais o caboclo caipira mantêm viva a tradição o som de nossa viola já conquistou o mundão o Brasil verde e amarelo atravessou o rubicão acabou-se o encanto do nosso sertão era do computador celular e televisão 89 .

DESPEDIDA DE UM LEITEIRO Estou contente Deixei de ser leiteiro Voltei a ser boiadeiro Minha vida está mudada Levanto cedo Porque acho muito bom Mas não tenho precisão De levantar de madrugada O meu cavalo Que andava meio lerdo Agora está esperto pronto para atropelar E o velho laço Que eu guardava com capricho De vez em quando eu espicho No pescoço de um baguá (continua) 90 .

(continuação) Em minha vida Na rotina de um peão Eu honro a profissão Da boiada sei cuidar No tempo certo Eu faço a castração Aparte e vacinação Não deixo nada faltar A marcação Eu faço com ferro quente Se algum boi fica doente Faço tudo para salvar O olho do dono E o sal proteinado Com todos estes cuidados Faço a boiada engordar (continua) 91 .

(continuação) Eu não maldigo A antiga profissão Que me deu sustentação Só não deu pra enricar Eu tenho saúde Meus filhos estão formados À Deus eu digo obrigado Em outra frente vou lutar E aos leiteiros Amigos da madrugada Ao ouvirem esta toada De mim se lembrarão Eu me despeço De meus colegas leiteiros Boa sorte companheiros Desejo de coração 92 .

TEMPO DE MENINO Do meu tempo de menino Eu guardo boas lembranças Ia a cavalo pra escola Junto com outras crianças Uma menina morena Cabelos pretos com franjinha Queria namorar comigo Dez anos somente eu tinha Eu fiquei gostando dela Não sabia namorar Senti pela primeira vez O desejo de amar Quando deixei a escola Não tive moleza não Na lida dura da fazenda Fui ajudar meus irmãos O nosso carro de boi Quatro juntas aparelhadas Ele cantava bonito Carregando carga pesada Com sua vara de ferrão Meu irmão era o carreiro Na guia o rochedo e o rosado E eu era o candeeiro (continua) 93 .

(continuação) A tarde na bica d’agua Um banho a gente tomava Junto do rancho e o monjolo Onde mamãe trabalhava Ela fazia farinha E aquele tareco tão bom Havia tanta fartura Tinha queijo e requeijão O meu córrego formiga Onde eu ia pescar Hoje está diferente Embarrocado está A erosão da existência Corrói também minha vida Mas sinto prazer em lembrar De minha infância querida 94 .

Cavalgada em Taciba 95 .

CAVALGADA EM TACIBA Cavalgada em Taciba é festa na cidade é só uma vez no ano e sempre deixa saudade os cavaleiros reunidos de todas as idades é de manhã a partida muito alegre e divertida é só felicidade Cavalgada faz lembrar os nossos pioneiros viva a cavalgada viva os cavaleiros Pelas estradas de terra fazem a caminhada subindo e descendo morros passando pelas aguadas vendo a beleza do campo o gado nas invernadas é tão gostoso sentir o ar puro e ouvir o cantar da passarada (continua) 96 .

(continuação) Cavalgada faz lembrar os nossos pioneiros viva a cavalgada viva os cavaleiros O povo fica esperando a volta da cavalgada mais ou menos meio dia é a hora da chegada a pessoa mais idosa será homenageada rojões explodem no ar é hora de almoçar a mesa está preparada Cavalgada faz lembrar os nossos pioneiros viva a cavalgada viva os cavaleiros (continua) 97 .

(continuação) O almoço é só alegria tudo que o povo deseja tem comida saborosa refrigerante e cerveja é igual uma família é assim que se festeja e pelo resto do dia vai rolar cantoria de música sertaneja Cavalgada faz lembrar os nossos pioneiros viva a cavalgada viva os cavaleiros 98 .

AMIGOS DA CAVALGADA Rodeio é festa bonita Brasil inteiro aprecia também a prova de laço é esporte que contagia estou cantando esta moda sentindo grande alegria vou falar de cavalgada o esporte da família cavalo e cavaleiro fazem boa companhia Conheço quatro peões amigos de cavalgada cada um tem sua mula e muito bem arriada Tio Melo tem a Chorona bonita besta dourada ele é bom laçador na prova e na invernada bom também no canivete na castração de boiada (continua) 99 .

(continuação) O Rubens da Cirandinha popular na redondeza participa das cavalgadas montado em sua Princesa comerciante de sucesso com ele não tem tristeza sempre de bem com a vida amigo da natureza gosta muito de rodeio e música sertaneja Montado em sua Medalha mula de estimação presente nas cavalgadas o Nardinho Militão ele é pecuarista e excelente peão é filho do Antenor estimado cidadão foi tropeiro e boiadeiro quando aqui era sertão (continua) 100 .

(continuação) Peão Maurício Farias gosta de participar montado na Serra Negra mula que sabe marchar é famoso domador e bom também pra laçar a tradição dos antigos faz questão de conservar com o seu carro de boi costuma se apresentar A história destes amigos mostra com simplicidade o mundo não esta perdido apesar de tanta maldade há em muitos corações amor e fraternidade em festa de cavalgada reina a paz e amizade é o bem vencendo o mal pra nossa felicidade 101 .

Vista Panarômica de Taciba 102 .

MINHA TACIBA Minha Taciba pequena e graciosa tens a magia de amar e de prender com a tua gente hospitaleira e bondosa é o quanto basta pra te engrandecer O córrego Formiga correndo sem parar foi quem te deu nome também te viu crescer costuma-se dizer tua água quem toma mesmo partindo não consegue te esquecer Taciba querida. Taciba querida Quero cantar em seu louvor Taciba querida. Taciba querida terra de paz e de amor (continua) 103 .

Taciba querida terra de paz e de amor 104 .(continuação) Tem outras terras com encantos mil e tantas riquezas que Taciba não tens podem ter tudo mas não me seduzem é neste teu chão onde eu me sinto bem Uma canção é pouco pra dizer terra natal tudo que teu filho sente dou a canção também meu coração a ti e a toda tua gente Taciba querida. Taciba querida Quero cantar em seu louvor Taciba querida.

105 .HOMENAGEM A TACIBA Taciba és meu torrão Sempre adorado e querido És a terra em que nasci Aonde eu tenho vivido A tua gente é tão boa Tua natureza é tão bela Aceite Taciba querida Esta modinha singela Que fiz pra te dedicar De todo meu coração O amor que te consagro Me deu a inspiração Vem minha gente comigo Louvar a terra que nos viu nascer Em recompensa só quero Seu eterno abrigo Quando para sempre Eu adormecer.

Igreja Matriz de Taciba (foto junho de 1988) 106 .

PRENDEDOR DE PASSARINHOS O meu vizinho era passarinheiro E tinha prazer em prender passarinhos Fazia a maldade como diversão E não tinha pena dos coitadinhos Deixava as gaiolas em sua varanda Como testemunho de sua maldade Quando aparecia um gato caçador Ele o matava sem ter piedade Eu tinha um gatinho de estimação No quintal vizinho um dia ele entrou Mas foi massacrado pelo homem mau Que num golpe frio meu gato matou Eu fiz a denúncia para os policiais Em poucos minutos entraram em ação Todos os passarinhos foram libertados E o infrator recebeu punição Pra pagar a pena teve que doar Uma cesta básica aos necessitados E prestar serviços pra comunidade Para que os seus erros fossem compensados Mas se ele sentisse o frio da prisão Mesmo que ainda fosse um dia somente Sentiria na pele o quanto é cruel Colocar nas grades aves inocentes 107 .

(continuação) Eu fiquei sabendo que ele chorou Quando ficou sem os seus passarinhos Ele não sabe. mas também chorei Ao sentir a falta do meu gatinho Hoje eu tenho outro em seu lugar É um gato amigo que gosto demais E os passarinhos voam pelos campos Cantando felizes sobre os matagais 108 .

Ian. Vovô Miguel e Lara 109 .

110 . aliados Imbuídos do amor e da verdade Ambos sejam úteis à sociedade Num mundo melhor menos conturbado.Lara e Ian Lembraremos sempre o dia A hora. mês e ano que tu nasceste Regozijaram-se os pais e toda a família Agradecendo a Deus porque vieste Irmão gêmeo nasceu junto contigo Alem de irmão seja também teu amigo Na caminhada da vida.

HISTÓRIA DE TACIBA A história de Taciba minha gente Nesta canção pra vocês quero contar Antigamente tudo aqui era sertão Somente os índios viviam neste lugar As verdes matas e a terra muito boa Com fartura de água e campos para criação Igual ao jardim do Éden belo e harmonioso Para o forasteiro foi uma tentação De Minas Gerais vieram os pioneiros Com muita garra desbravar esta região Vieram os Custódios. Souzas e Medeiros Com seus carros de bois despertaram o sertão Na água da Formiga o Moises Calixto Ele adquiriu o seu pedaço de chão Na mata abriu caminho depois ergueu um cruzeiro Naquele local surgiu uma povoação Hoje em Taciba a rua principal Nas placas tem o nome de seu fundador E o seu neto o cidadão Mario Calixto Sente muito orgulho de seu querido avô O Mario Calixto já foi vereador E sempre serviu a sua comunidade Nos eventos importantes é o apresentador É o locutor oficial da cidade (continua) 111 .

112 .(continuação) O antigo patrimônio que chamavam Santos Reis Passou a distrito com o nome de Formiga E quando aconteceu a criação do município A cidade recebeu o nome de Taciba Taciba quer dizer formiga grande Simboliza o trabalho e a nossa raiz Saiba Taciba os teus filhos te amam E já te apelidaram de cidade feliz.

HOMEM DE FÉ O Agripino é prefeito de Presidente Prudente e seu segundo mandato por ser muito competente também já foi deputado é caboclo do pé quente em matéria de progresso ele não tem concorrente e sendo grande empresário dá emprego à muita gente ai é grande a sua fé em Jesus de Nazaré Hoje o ex-carroceiro possui universidade sempre com fé em Jesus só teve prosperidade construiu um hospital com toda modernidade e a cidade da criança é uma realidade também socorre a pobreza em suas necessidades ai é grande a sua fé em Jesus de Nazaré (continua) 113 .

(continuação) Este homem se sucesso sofreu contrariedade por motivos pessoais perdeu a tranqüilidade decidiu ir pra Bolívia voltar não tinha vontade mas se a mágoa passasse de volta à sua cidade doaria o seu Mercedes para uma entidade ai é grande a sua fé em Jesus de Nazaré Chegando em Bataguassú ali resolveu pousar um moço desconhecido veio lhe cumprimentar indicou-lhe um hotel onde pode descansar no outro dia o dono com ele quis conversar a conversa foi tão boa fez sua mágoa acabar ai é grande a sua fé em Jesus de Nazaré (continua) 114 .

(continuação) O moço desconhecido veio pra lhe ajudar a viagem pra Bolívia não precisou continuar seguiu até Pedro Gomes na fazenda que tem lá fez um balanço da vida viu que podia voltar e chegando em Prudente seu carro ia doar ai é grande a sua fé em Jesus de Nazaré A doação do seu carro o povo presenciou e depois da cerimônia um estranho lhe procurou o homem disse prefeito um mensageiro eu sou o moço de Bataguassú fez um pedido ao senhor construir um santuário no local que indicou ai é grande a sua fé em Jesus de Nazaré (continua) 115 .

(continuação) O terreno indicado O Agripino comprou construiu sua residência e para lá se mudou construiu a via sacra do martírio do senhor e construiu lá no morro onde Jesus expirou uma igreja com o nome do nosso salvador ai é grande a sua fé em Jesus de Nazaré 116 .

MINHA VIDA Eu nasci numa fazenda meu pai era empregado ali vivi minha infância com muito amor fui criado eu fiz o curso primário e fui aluno aplicado lembro da professorinha faz parte do meu passado Depois com minha família mudamos pra outro lugar abandonei os estudos comecei a trabalhar durante quatorze anos trabalhei de carroceiro puxando café e lenha pro meu tio fazendeiro (continua) 117 .

(continuação) Lembro de minha carroça no varal o burro Pinhão tinha dois burros do meio O Brioso e o Pavão as duas mulas da guia eu podia confiar a Calçada e a Figueira só faltavam falar Tive muitas namoradas por uma eu fui fisgado fazem vinte e oito anos que nós estamos casados criamos os nossos filhos formamos uma família no combate pela vida matava um leão por dia (continua) 118 .

(continuação) Fui funcionário do Estado leiteiro e agricultor tive que vender o sítio meu gado e meu trator comprei uma padaria com ela veio a bonança entra grana todo dia e a sobra vai pra poupança Eu não reclamo da vida A Deus quero agradecer chegar em minha idade sem nunca adoecer eu tenho um violão e peito bom pra cantar cantando modas antigas deixo o tempo rolar 119 .

O ASTRONAUTA BRASILEIRO O coronel Marcos Pontes desde quando era menino sonhava ser astronauta era este o seu destino dedicando-se aos estudos seu ideal foi seguindo ingressou na aeronáutica e os degraus foi subindo no posto de coronel realizou um sonho lindo Ano de dois mil e seis começo do mês de abril a bordo de uma aeronave o Brasileiro subiu na estação espacial pra ela se transferiu e lá passou alguns dias o mundo inteiro assistiu o Marcos Pontes sorrindo com a bandeira do Brasil (continua) 120 .

(continuação) Com seu jeito de menino alegre e brincalhão ao mundo ele exibiu o chapéu de Santos Dumont o primeiro homem a voar é o pai da aviação homenageando o patrício sentia satisfação são heróis brasileiros que orgulham nossa nação Ao regressar ao Brasil nosso herói foi homenageado pelo Presidente Lula com medalha condecorado depois seguiu pra Bauru onde já era esperado em sua terra natal merecia ser festejado desfilou na avenida pelo povo aclamado (continua) 121 .

(continuação) O Brasil tem astronauta pras viagens espaciais o misterioso universo intriga o homem demais seres de outros planetas na terra deixam sinais descobrir onde eles habitam o homem acha que é capaz já pisou o solo da lua há muitos anos atrás. 122 .

CASTRAÇÃO DE BOIADA É festa para os peões a castração de boiada tem que ter cavalo bom e firmeza na laçada um peão para castrar dois peões na derrubada pra começar o serviço é só juntar a boiada ai ai é loucura é paixão ai ai esta vida de peão É um prazer assistir uma equipe bem treinada cada peão tem sua vez a escala é respeitada um peão aparta um boi e solta pra peonada rapidinho vai pro chão com a canela espichada ai ai é loucura é paixão ai ai esta vida de peão (continua) 123 .

(continuação) E quando escapa um boi e parte na disparada nesta hora a destreza do cavalo é testada cavalo bom chega junto e entrega de mão beijada mais fica muito chateado se o peão errar a laçada se ai ai é loucura é paixão ai ai esta vida de peão Mais ou menos meio dia é a hora da parada para descansar a tropa e também a pionada o churrasco está pronto e tem cerveja gelada pra depois continuar com as forças renovadas ai ai é loucura é paixão ai ai esta vida de peão (continua) 124 .

(continuação) A pecuária brasileira é das mais adiantadas o cavalo e o peão parceiros nesta empreitada parabéns aos pecuaristas pela vitória alcançada produzem pra nosso consumo e muita carne é exportada ai ai é loucura é paixão ai ai esta vida de peão 125 .

TRIGO E JOIO Eu admiro a pessoa Seja homem ou mulher Pobre ou remediada Que em paz sabe viver Que cuida da família Dá aos filhos educação E que mesmo na pobreza Em sua humilde mesa Não deixa faltar o pão Esta gente tão humilde Que luta bravamente É o meu Brasil decente Que amo de coração Esta gente tão humilde É a lavoura de trigo Mais tem o joio inimigo Destruindo a plantação (continua) 126 .

(continuação) Basta ler os jornais Ou ligar a televisão Noticias de violência Causam indignação São tantos malfeitores A violência é demais Tem policiais bandidos Delegados corrompidos São sócios dos marginais Meu Deus quanta crueldade Pelo maldito dinheiro Mais na hora do enterro Dinheiro não vão levar Só levarão a alma Carregada de pecados E terão no outro lado Contas para acertar (continua) 127 .

(continuação) Tem os bandidos que assaltam E matam para roubar Também os seqüestradores Não hesitam em matar Juizes vendem sentenças São bandidos engravatados Tudo está no avesso Temos ladrões no congresso Somente Deus poderá Dar fim as barbaridades Extinguindo a humanidade Pra formar um outro povo Este mundo não tem jeito Continuar não dá pé Deixa um segundo Noé Começar tudo de novo 128 .

CÓRREGO FORMIGA Sou o córrego Formiga Tenho história pra contar Eu nasci na mata virgem Que havia neste lugar Um paraíso terrestre Podia assim se chamar Não sofria com as enchentes Nem desgastes com a erosão Os índios que aqui viviam Davam pra mim proteção Eu retribuía com peixes Pra sua alimentação Um dia o senhor progresso Com toda a sua ambição Saiu da cidade grande Pra desbravar o sertão Era um tal de trem de ferro Que apita em cada estação (continua) 129 .

(continuação) O trem de ferro avançava Ia plantando cidades Gente enfrentando as matas Afim de prosperidade Os índios eram expulsos Com toda brutalidade Foi assim que muita gente Chegou nesta região Usando foice e machado Pondo a floresta no chão Depois o terrível fogo Completava a destruição Derrubadas e queimadas Assisti a devastação Plantaram os cafezais Mais tarde veio o algodão E o uso de inseticidas Aplicados até com avião (continua) 130 .

(continuação) Vi os meus peixes morrendo Meu Deus quanta aflição Os pássaros e os animais Meus bichos de estimação Eu fiquei pobre e doente Vejam minha situação Muitos querem que eu morra Causando poluição Esgoto lixo e entulho Muita contaminação Assoreiam o meu leito E sofro com a erosão Sem água não existe vida É a mais pura verdade Quem agride a natureza Não fica na impunidade Porque quem semeia ventos Vai colher tempestades Eu contei a minha historia Agradeço pela atenção Agradeço a todos que desejam Minha recuperação Combatendo a ignorância E a falta de educação 131 .

rodas e eixo Os cocões e os chumaços Faziam o carro cantar E o carreiro apaixonado Gostava de escutar A esteira de taquara Presa por doze fueiros num deles dependurado tem o chifre azeiteiro esperando pelos bois as cangas e os canzis os cambões e as chavelhas tudo está exposto ali (continua) 132 .CARREIRO APAIXONADO O caboclo João Paião Tem mais de oitenta janeiros Gosta de contar histórias Do seu tempo de carreiro Hoje mora na cidade Mais não esquece o passado Seu velho carro de boi Não ficou abandonado Ele conserva o carro Com todos seus apetrechos Estão em perfeito estado A mesa.

(continuação) João Paião sente saudade Pega a vara de ferrão Vai conduzindo o carro Em sua imaginação Vê a boiada puxando Ouve o seu carro cantar Sonhando acordado faz Seu coração se alegrar Dizem que o progresso fez O carro de boi parar Porém esquecem que ele Fez o progresso chegar Nesta moda homenageio O carreiro João Paião Ele e todos carreiros São os heróis do sertão. 133 .

caboclo roceiro Que a tempo não via Depois de cumprimentar Eu perguntei pela sua família Respondeu a família vai bem Mas não está inteira Está fazendo um ano Que eu perdi a minha companheira Está fazendo um ano A ausência dela Está fazendo um ano Que choro por ela Meu Deus eu não sei viver Sem ela aqui Depois que ela se foi Nunca mais sorri Mulher igual a ela neste planeta Não vou encontrar Não quero substituta Pra outra não tenho amor pra dar Eu vou viver sozinho E dela sempre irei lembrar Tem noite que sonho com ela Parece que vem pra me consolar (continua) (continuação) 134 .CABOCLO APAIXONADO Encontrei o Xavier.

Meu Deus eu peço desculpas Pelo meu lamento Por favor diga a ela Que espero o momento De ir ao encontro dela Onde estiver Eu sou um apaixonado Por minha mulher 135 .

CANÇÃO AOS AVÓS Aos avós Dedico esta canção Canto com o coração Porque também sou avô Os nossos filhos Nós criamos com carinho E a vinda dos netinhos São a paz que Deus mandou Muitas faltas tivemos com os filhos Agora sem empecilhos Curtimos nossos netinhos São o prêmio da vitória merecida Bonança em nossa vida Flores em nosso caminho Vovô daqui vovô de lá Fazem tudo para nos alegrar Vovô daqui vovô de lá Parecemos crianças Com eles a brincar Vovó daqui vovó de lá Fazem tudo para nos alegrar Vovó daqui vovó de lá Parecemos crianças Com eles a brincar 136 .

DOIS FILHOS DE FRANCISCO Dois filhos de Francisco O filme eu assisti E fiquei emocionado Em muitas cenas que vi Aconteceu em Goiás É uma história real Mostra a luta de um pai Com fé em seu ideal A vida dura na roça Sempre a mesma rotina Não queria que os seus filhos Tivessem a mesma sina E foi no talento deles O Francisco apostou Comprando uma sanfona Ao Mirosmar entregou Em pouco tempo Francisco Viu sua dupla formada Junto com um empresário Logo pegaram a estrada Dois meses fora de casa Esperando a dupla voltar Um terrível acidente Ia a família enlutar (continua) 137 .

138 . fé e talento Foi que o sucesso chegou A música É O AMOR No Brasil inteiro estourou Parabéns ao herói Francisco E a toda a sua família O filme foi um sucesso Campeão de bilheteria Parabéns ao Mirosmar Caboclinho de tutano Ele é o Zezé di Camargo E seu irmão Luciano.(continuação) Com a perda do irmão Mirosmar sentiu demais Não queria mais cantar Devolveu a sanfona ao pai O Francisco trabalhava Tristonho sem ambição Mas um dia ele sorriu Ao ouvir o acordeom Aquele homem abatido Viu o seu sonho voltar E nova dupla formou Com ele a incentivar Com garra.

ANTONIO DOS SANTOS Pirapozinho perdeu Um velho caminhoneiro Falo de Antonio dos Santos Leal e bom companheiro Com seu caminhão fenemê Muitos anos trabalhou Dando conforto e amor Aos dez filhos que criou Seu braço direito foi A sua esposa Diná É uma mãe nota dez Soube os filhos educar Todos estão formados O seu esforço valeu E o casal venceu a luta Com a proteção de Deus Depois de anos de estrada O fenemê desgastou Caminhão novo e moderno O Antonio um dia comprou Reuniu sua família E recomendou a Diná Meu fenemê no terreiro Para sempre vai ficar (continua) 139 .CAMINHONEIRO.

(continuação) Foi com este caminhão Que pude ganhar dinheiro Pra sustentar a família Ele foi meu bom parceiro Também vai chegar o dia Que vou me aposentar Vai ser bom olhar pra ele E nossa história recordar Caro Antonio dos Santos O céu deve se alegrar Quando alguém como você Chega aí pra morar Jesus prometeu morada A seu lado creio estar Para louva-lo eu canto é o meu jeito de rezar 140 .

Caro Kleber Oliveira Eu o vi feliz da vida Comemorando os quatro anos De tv Aparecida. (continua) 141 . No programa alguém falou E eu concordei por inteiro És o apresentador Protetor dos violeiros. Com o Tonho. Com o seu jeito caipira E de caboclo pacato Gosta de carro de boi Gosta de cheiro de mato. a Tatá E o menino da porteira Todo mundo diverte-se Com as suas brincadeiras. Protetor dos violeiros E do povo sertanejo Condutor de alegria Ao mais distante lugarejo.Protetor dos violeiros.

O seu programa tem O momento de oração Em que agradece a santa Pela sua intercessão. Ela roga a Deus por nós Pedindo a sua benção E eu que rezo pouco Acompanho a oração. 142 . Isso tudo caro Kleber São as raízes caipiras Coisas que a modernidade Do seu coração não tira.(continuação) Gosta de água de mina De pescar no ribeirão E da comida caipira Que tem o arroz e feijão.

gosta muito de pescar Autor de uma brincadeira que vale a pena contar Chegou do Laranja Doce onde tinha pescado Trazendo marcas na roupa. tudo sujo e enlameado Um velho chapéu de palha na cabeça atolado Foi entrando no recinto de andarilho disfarçado Ao garçom pediu um café pro corpo se esquentar O Marcos foi lhe dizendo o café eu vou lhe dar Mas trate de dar o fora. Perguntou a um cidadão se lhe podia comprar Um prato de refeição pra poder se alimentar O homem não lhe atendeu e foi deixando o lugar O Figueira nesta hora decidiu se revelar E disse pro cidadão pra lhe acompanhar Entre aqui no refeitório vou lhe pedir um jantar Sou o dono do restaurante não precisa me pagar Esta minha brincadeira o senhor vai desculpar Fiz o papel de andarilho para poder comprovar Que os deserdados da sorte não devemos desprezar Difícil é pedir ajuda. o proprietário.BRINCADEIRA DE PESCADOR Na margem da rodovia que leva ao rio Paraná O restaurante da Chica é um ponto popular Figueira. mas tão fácil ajudar. 143 . mas não quis se retirar. aqui não pode ficar Senão vai sobrar pra mim quando o Figueira chegar Ele tomou o café.

Ipê florido 144 .

causa inveja às estrelas. Penso que a pródiga natureza. Envia às humanas criaturas Eflúvios de amor e paz 145 . que alegria nos traz. Muitos se encantam ao vê-las. Sorri. De fores. Olhando os ipês floridos.IPÊS FLORIDOS Pelas ruas de Prudente. Com as flores. tinha se vestido. quando esbanja beleza. símbolos de ternura. De dia. De noite. Tive a impressão que a cidade. Sabendo. Não passam despercebidas. deslumbrante colorido.

Sinal de muita pujança. 146 . Tão bela. cidade exuberante. Do seio da floresta fez brotar. Da visão de Marcondes e Goulart. a todos conquista. praças e jardins. A cidade que hoje é Prudente. Com a imagem de Cristo numa avenida. Com razão merece o titulo. Testemunho da gratidão de sua gente. Orgulho dos filhos seus. Avenidas. Capital do Oeste Paulista. Em toda parte arranha-céus.PRESIDENTE PRUDENTE Prudente. Que agradece as bênçãos recebidas.

De agradecê-la não esqueço. É a minha secretaria. Neste arremate final. Ilustração e montagem.AlGUÉM ESPECIAL O meu livro terminou. Passaram por suas mãos. Se o caro eleitor gostou. Tem alguém especial. Ajuda em qualquer serviço. Mulher extraordinária. Corrigiu versos e prosas. 147 . As cópias e a revisão. Como sempre cuidadosa. Mas não é somente isso. Seja leve ou pesado. Erros comuns de linguagem. Está sempre ao meu lado. Sinceramente agradeço.

minha mulher. Cuidando de todos nós. É a Dirce. Com ela não me apuro.Excelente dona de casa. As suas virtudes contei Orgulho-me em dizer. É a rainha do lar. 148 . Soube os filhos educar. É o meu porto seguro. Faz tudo e nunca atrasa. E agora é a melhor das avós Quem agradeci e louvei.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->