P. 1
Plano de Assistencia à Saúde do Homem - Saúde da Mulher I

Plano de Assistencia à Saúde do Homem - Saúde da Mulher I

|Views: 60|Likes:
Publicado porLíbna Lima

More info:

Published by: Líbna Lima on Jun 05, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/29/2013

pdf

text

original

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem Plano de Ação Nacional (2009-2011

)
A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem foi instituída pela Portaria GM no 1944 em 27 de agosto de 2009. O Plano de Ação Nacional (2009-2011), parte integrante deste documento sob o título Matriz de Planejamento do Plano de Ação Nacional (2009-2011) foi desenvolvido pela Área Técnica da Saúde do Homem – ATSH / Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas – DAPES / Secretaria de Atenção à Saúde – SAS, entre dezembro de 2008 e junho de 2009, em consonância com a Constituição Federal de 1988, as Leis 8.080 e 8.142, de 1990, o Pacto pela Saúde, o Mais Saúde e documentos referentes ao Sistema de Planejamento do SUS. O processo de construção do Plano de Ação Nacional (2009-2011) foi realizado de forma participativa através de reuniões com representantes de sociedades médicas e da sociedade civil, universidades, gestores estaduais e municipais, profissionais da saúde, além das Secretarias do Ministério da Saúde. A expectativa é que o Plano de Ação Nacional (2009-2011) sirva de subsídio para que os Gestores dos Estados e Municípios selecionados desenvolvam estratégias e ações voltadas para a Saúde do Homem, inserindo-as em seus respectivos Planos de Saúde, respeitando as especificidades e as diversidades locoregionais. Nesse contexto, o Plano de Ação Nacional (2009-2011) deverá colaborar para nortear também, em um primeiro momento, a elaboração de Projetos-piloto nos 26 Estados, DF e em 26 Municípios – um por Estado - selecionados pelo Ministério da Saúde. Os Projetos-piloto deverão ser construídos de forma conjunta Estado-Município. Em razão de sua situação peculiar, será realizado apenas um Projeto-piloto para o Distrito Federal. O Quadro Sinótico (anexo I), com ênfase para o período 2009-2010, destaca as metas prioritárias e a estimativa de valores, tendo como base o Plano de Ação Nacional (2009-2011).

a seguir apresentados: Eixo I: Implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem Inserir estratégias e ações voltadas para a Saúde do Homem nos Planos de Saúde Estaduais e Municipais até o terceiro trimestre de 2010. a qualidade e a resolubilidade dos serviços de saúde.O Plano de Ação Nacional (2009-2011) possui nove Eixos. educação e comunicação. relações institucionais e controle social Trabalhar com a Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa –SGEP para associar as ações governamentais com as da sociedade civil organizada. Tecnologia e Informação em Saúde – SCTIE. Eixo IX: Avaliação do Projeto-piloto Realizar estudos e pesquisas que contribuam para a melhoria das ações através do monitoramento da Política. Tecnologia e Informação em Saúde – SCTIE e a Secretaria de Vigilância em Saúde – SVS para avaliar recursos humanos. através de ações de informação. Eixo VI: Qualificação de profissionais da saúde Trabalhar com a Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde – SGTES em estratégias de educação permanente dos trabalhadores do SUS. . equipamentos e recursos humanos Trabalhar com a Secretaria de Ciência. Eixo VIII: Sistemas de informação Analisar de forma articulada com as demais áreas técnicas do Ministério da Saúde os sistemas de informação. Eixo V: Implantação e expansão do sistema de atenção à saúde do homem Fortalecer a atenção básica e melhorar o atendimento. Eixo II: Promoção de saúde Elaborar estratégias que visem aumentar a demanda dos homens aos serviços de saúde. Eixo III: Informação e comunicação Sensibilizar os homens e suas famílias. Eixo VII: Insumos. a fim de efetivar a atenção integral à saúde do homem. incentivando o auto-cuidado e hábitos saudáveis. equipamentos e insumos (incluindo medicamentos) para garantir a adequada atenção à população masculina. com o auxílio da Secretaria de Ciência. Eixo IV: Participação.

4. Apoiar financeiramente (*) A.1. Os critérios para o repasse são sugeridos no anexo II. com o objetivo de incentivar a Política.3.1.3. no mínimo.3. Estados na elaboração do PA e 2010 e 2011. um terceiro trimestre de 2010.2.1.1.1.1. ATSH.1.1. A. de Área Técnica de Saúde do Homem (ATSH) / Departamento de Atenção Básica (DAB). elaboração e a implementação de estratégias e ações de saúde focadas na população masculina. Apoiar a elaboração de A. até da Programação Anual da Secretaria Estadual de Saúde elaboração de um Termo de o terceiro trimestre de 2010.1. implantar a Política nas 2010.1.1. UFs na elaboração do PA e da eventos realizados em 2009.1.2.1.1.1. Implantar a Política A. Realizar 5 reuniões A.1.1.3. pactuados nas respectivas em Municípios (no mínimo.1.1.1.1.1. Número de PAs PAs para implantar a Política 27 PAs em Municípios até o PAs municipais. Comissões Intergestoras Bipartites (CIB). Elaboração de 27 A. Realização de 5 A.1. Apoiar a elaboração de A. A.1.1. Secretarias Municipais Saúde (SMSs). Programação Anual da Política.1.2.1. Responsabilidade . mediante a transferidos para cada UF. até o terceiro trimestre de 2010. Número de macro-regionais para auxiliar os reuniões macro-regionais.1. Transferência para A. da Programação Anual de 2009. trimestre de 2010.4. % de recursos única de R$ 75 mil para cada as UFs na elaboração do PA e cada UF. O repasse do incentivo financeiro será realizado através do Fundo Nacional de Saúde . A. Elaboração de 27 A.1. Elaborar.1. Transferir parcela A.4. Objetivo geral Objetivo específico Meta Ação Indicador Secretarias Estaduais de Saúde (SESs).1.1. Unidades Federativas (UFs).1.1. Número de PAs Nacional de Atenção Integral à Planos de Ação (PAs) para UFs até o terceiro trimestre de PAs estaduais.1.1.4. Elaborar 27 PAs nas A.1.2.1.1.1.1.1. 2010 e 2011. pactuados na Comissão Saúde do Homem no país. Apoiar técnicamente as A. inseridas nos seus respectivos Planos de Saúde. Referência com a União.1. até o terceiro Município por UF ou uma área geográfica do(s) Município(s)). Intergestora Tripartite (CIT).1. A. até o terceiro trimestre de 2010.POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM MATRIZ DE PLANEJAMENTO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL (2009 – 2011) Objetivo geral Objetivo específico Meta Ação Indicador Responsabilidade Eixo I: Implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem A.FNS.

inseridas nos seus respectivos Planos de Saúde. Objetivo geral Objetivo específico Meta Ação Indicador Responsabilidade .1. Contribuir para o aumento do número de homens que demandam os serviços de saúde da atenção primária.1. B.5.1.1.1.1.5.1. % de homens de 20-59 anos atendidos nos serviços de saúde em cada área selecionada.1.1. Inclusão do indicador.1.1.1. A. até o terceiro trimestre de 2010.1. Transferir parcela única de R$ 75 mil para 26 Secretarias Municipais de Saúde.1.1. B. (*) A.1.6. Desenvolvimento de iniciativas de educação.1. com o objetivo de incentivar a elaboração e a implementação de estratégias e ações de saúde focadas na população masculina. por meio de ações pró ativas de promoção e prevenção dos principais problemas que atingem essa população.1. Incluir o indicador de cobertura deste PA (% de homens 20-59 anos atendidos nos serviços de saúde) na Pactuação Unificada de 2010 e 2011. O repasse do incentivo financeiro será realizado através do Fundo Nacional de Saúde FNS. B. ATSH / SESs.5.5.1. ATSH / SESs / SMSs/ DAB.1. a UF e o Município.1.1. A.1. Apoiar a institucionalização da Política nas UFs. A. até o terceiro trimestre de 2010. Apoiar financeiramente 27 Municípios na elaboração do PA e da Programação Anual da Política.1. Número de Municípios que pactuaram o indicador de cobertura em 2010 e 2011. no mínimo. A. ao final de 2011.1. Obs: os 26 Municípios que participarão do Projeto-piloto serão selecionados pelo MS segundo os critérios definidos no anexo II deste documento.6. até o final de 2011. Atender. 5% dos homens de 20-59 anos nos serviços de saúde em cada área selecionada.6. A.1.1.1.1.1. Elaborar estratégias que visem aumentar a demanda dos homens aos serviços de saúde.1.1.1. mediante a elaboração de um Termo de Referência entre União. Os critérios para o repasse são sugeridos no anexo II. Transferência para cada Município selecionado. informação e comunicação (homens/mulheres/adolescentes/crianças) para a sensibilização e a conscientização visando à mudança de atitude da população masculina.1. SMSs. Eixo II: Promoção de saúde B. A. B.1. % de recursos transferidos para cada Município.6.A.

1. Estimular o auto-cuidado na população masculina. B.2. ATSH / ASCOM C.1. adequar/flexibilizar o horário de atendimento e melhorar o acolhimento nas unidades de saúde das áreas selecionadas. iniciando-a por meio de uma Campanha a nível nacional. Lançar a Semana de (*) C. Elaborar e distribuir 10 C. principalmente.3.1.1.3. com base em um estudo mais amplo sobre a cultura masculina e estratégias de marketing efetivas para atrair esse grupo. C. focando no auto-cuidado. respeitando as especificidades de comunicação.1.1.1. C.1. .4 Organização de Grupos Educativos para homens pelas equipes de ESF. C.1.1.1. Realizar uma campanha nacional de sensibilização da população masculina.1.1. até o final de 2010. a Semana e a Campanha serão realizadas em parceria com Estados e Municípios. até o final de 2010. Estimular os homens a participarem efetivamente do planejamento da vida sexual e reprodutiva.1.1.1.3.2. Campanha realizada ATSH / ASCOM em 2009/2010. 2010 e 2011.1. Número de folders ATSH / ASCOM distribuídos para cada UF.1. B.1. através da informação.1.1.B.1.1. em particular parav os homens. focando.1.1. reduzir o tempo de espera. educação e comunicação. através de ações de informação. UFs. com vistas à mobilização.1.1. em agosto de 2009. C.2.1.1.1. com o objetivo de sensibilizar a população masculina e suas famílias.3. Realização da campanha para sensibilizar o homem quanto ao seu papel na família: paternidade e planejamento da vida sexual e reprodutiva. em 2009/2010.1.3. educação e comunicação.1. de Promoção da Saúde do Homem. Elaborar material de divulgação da Política para o público em geral.1.1. Eixo III: Informação e comunicação C. Realização da C.1. C. A partir de 2010.2. C. Visitas das equipes de ESFs a locais com alta concentração de homens. C. Gerenciamento da oferta de serviços para: facilitar e ampliar o acesso. Elaboração e milhões de folders para todas as distribuição do folder.1.1.1.1. promovendo o autocuidado e hábitos saudáveis.2. C. fatores de risco/auto-cuidado (1). do Homem. Semana realizada Semana de Promoção da Saúde em 2009.1.1.1. Realizar a Semana Promoção da Saúde do Homem.1.

Número de cartilhas distribuídas. até o final de 2011.1.1. Forças Armadas.1. D. entre outros.Objetivo geral Objetivo específico C.000 trabalhadores. Definição e estabelecimento da parceria.4.3.1.1. D. D.1. ATSH. Apoio: Forças Armadas .1. que inclua. Objetivo geral Objetivo específico Meta D. Ação Indicador Responsabilidade . ao custo de R$ 0. Trabalhar com a Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa (SGEP) para associar as ações governamentais com as da sociedade civil organizada a fim de efetivar a atenção integral à saúde do homem.1.com o apoio das Confederações Sindicais. Representações Empresariais e de Trabalhadores e Universidades.1.1.2. Conselhos Estaduais e Municipais de Saúde.1.2.até o final de 2010.3. até o final de 2010. D. no mínimo.1. Eixo IV: Participação. Meta Ação Indicador C.1.1. até o final de 2011.1.1.1.1. Elaboração e (*) C.1. assim como a prevenção.Implementar o projeto/programa de saúde para a população masculina inicialmente com o SESI . Apoio: Sociedade Brasileira de Cardiologia.1.1.1. D. e Colegiados Regionais e Estaduais com o objetivo de promover a Saúde do Homem e hábitos saudáveis. programas/projetos de saúde para a população masculina com Sociedades (Médicas. incluindo a capacitação dos profissionais de saúde e de segurança do trabalho. Estabelecer uma parceria para incorporar a saúde do homem ao projeto de saúde de uma das Forças Armadas inicialmente com o Exército até o final de 2010. devem ser abordados fatores de risco.1.1. Definição e estabelecimento da parceria.3. Responsabilidade ATSH / ASCOM C.1.09 a unidade.4.1.Exército. Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde.1. Produzir materiais para a informação e a conscientização da população masculina. Entre os temas.1.1. Número de empresas que adotaram o projeto/programa.1. Distribuir 26. Parceria realizada até o final de 2010.1. de forma articulada. Estabelecer uma parceria com a Sociedade Brasileira de Cardiologia para desenvolver o projeto "Hipertensão +10". relações institucionais e controle social D. D. 50 empresas com mais de 1.1 milhões de cartilhas para distribuição das cartilhas.4.2. ATSH.1. diagnóstico e tratamento de câncer. Científicas e Civil Organizada). Parceria realizada até o final de 2010. Apoio: SESI / Confederações Sindicais D.4.1. até o final de 2011.1. D.2.1. Elaborar. ATSH.1.1.1.1.1. D.1.1. Elaboração e implementação do projeto/programa.

Apoiar a elaboração de D. acidentes e violências e de outros programas.1.Número de ATSH / Área Técnica de CAPSad. Desenvolver ações conjuntas com a Área Técnica de Saúde Mental com vistas à abordagem do tema alcoolismo em homens. D.3. identidade de gênero. implantados até dezembro de 2010 D. CAPSi ou CAPS III) até dezembro de 2010 . condição étnico-racial. 5 estudos para a estudos/pesquisas.1.3. Promover articulações e A ATSH apoiará e participará de programas. Elaboração no mínimo.1. D. o final de 2009.4. do campo e da floresta. planejamento reprodutivo.1.1. projetos e atividades relacionados à saúde da Ministério da Saúde. Número de ATSH / áreas do Ministério da estudos/pesquisas elaborados Saúde e sociedade civil até o final de 2011. Implantar 92 novos Centros de Atenção Psicossocial (CAPSad.4.4.3. Apoiar a capacitação de professores para abordar o tema da saúde do homem. de D.1.2. orientação sexual.1. em situação carcerária.1.1.1.PEAD D. até o final de 2009.2. CAPSi ou CAPS III) até dezembro de 2010 . álcool e outras drogas.1. Promover ações integradas com o setor Educação. projetos e atividades de outros setores e instituições e incorporará esses setores e instituições na elaboração dos incluir a Saúde do Homem nos programas.1. CAPSi ou CAPS III Saúde Mental. Eixo V: Implantação e expansão do sistema de atenção à saúde do homem . Promover o desenvolvimento de estudos para a promoção da saúde que contemplem a diversidade dos homens. travestis. estilo de vida e hábitos saudáveis e pessoas com deficiência. homens com deficiência.5. transexuais.1.1. gays. Programa Saúde na Escola.1. ciganos.1. de rua. principalmente com adolescentes e jovens.1.1.3.2.1. entre outros. em parceria com a sociedade civil organizada. D.1. D.1.1. D.3.1. bissexuais.1.4.PEAD D. Promover ações A ATSH apoiará e participará de programas. Participação da ATSH / Área Técnica de ATSH nas reuniões do GT do Saúde do Adolescente e do Programa Saúde na Escola até Jovem.D.1. negras. em situação de risco. quilombolas. D. projetos e atividades relacionados à saúde da população masculina.1. até o final de 2011.2. Inclusão da Saúde Saúde na Escola nas temáticas do Homem no GT do relacionadas a gênero.1.1. organizada. Implantação de novos Centros de Atenção Psicossocial (CAPSad.2. população masculina D. em conflito com a lei. D. promoção da saúde para grupos específicos da população masculina. diversos Grupos de Trabalhos inter e intra ministeriais para potencializar ações conjuntas visando a atenção integral à população masculina. Desenvolver trabalhos articulados com os programas/políticas e movimentos sociais de grupos específicos de homens: populações indígenas. trabalhadores rurais.1. D. visando a promoção de novas formas de pensar e agir.1.4. Apoiar o Programa D. projetos e atividades de outras áreas do Ministério da Saúde com o objetivo de contribuir para a redução das integradas com outras áreas do desigualdades de gênero.

1. do Homem. E. Elaboração conjunta E.Elaborar um Caderno de E.1.1. até o final de 2010.1. até o final de 2009. saúde em cada área selecionada que utilizam as Diretrizes de Atenção. E.1. atenção às necessidades e fluxos de encaminhamento. Homem até junho de 2010.2. Elaborar Diretrizes de resolubilidade dos serviços de Nacionais da Atenção à Saúde Atenção à Saúde do Homem saúde. com orientações gerais quanto ao acolhimento.1. em 2009. triagem. incluindo as relações entre gênero e saúde. garantindo o acesso e a qualidade da atenção necessária ao enfrentamento dos fatores de risco das doenças e dos agravos à saúde.2.2. que sejam utilizadas nos três níveis de atenção.1.2.1.1. Caderno de ATSH / DAB. Atenção Básica de Saúde do Atenção Básica de Saúde do do Caderno.1. E.2. tomando como referência os Cadernos de Atenção Básica. E. as sociedades médicas.1. Incentivar as unidades básicas de saúde a atender os homens de acordo com as Diretrizes de Atenção.1.1.1. Construir Diretrizes E. no final de 2010.2. Utilizar as Diretrizes de Atenção em 100% das unidades básicas de saúde na atenção da população masculina. mediante consultoria externa.2. Esse grupo deverá incluir.Objetivo geral Objetivo específico Meta Ação Indicador Responsabilidade E.2. E.1.1.1.2. E. E. Objetivo geral Objetivo específico Meta Ação Indicador Responsabilidade . com o Departamento de Atenção Básica (DAB). E.2.1. Elaboração de um Documento de Informação e Orientação sobre as Diretrizes de Atenção para os profissionais de saúde.1. % de unidades de SESs / SMSs.2. Diretrizes de ATSH / DAB / DAE / SGETS.1. o Departamento de Atenção Especializada (DAE) e a Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde (SGTES).2.2. Melhorar a qualidade e a E.1.1. Fortalecer a assistência básica no cuidado com o homem.1. Constituição de um E. Homem publicado até junho de 2010. entre outros. Incorporação das Diretrizes de Atenção na rotina das unidades de saúde e realização dos atendimentos de acordo com o mesmo.1.1.1.1.1.2. Grupo de Trabalho. juntamente Atenção publicadas.1. encarregado da elaboração de Diretrizes de Atenção.2.2.2.

em relação às pessoas encaminhadas.1. Estimular que a população masculina de 40 a 59 anos seja atendida. Elaboração dos E. E. ações E. no mínimo.4.4. Objetivo geral Objetivo específico Meta Ação Indicador Responsabilidade .1. saúde em cada área de saúde secundária e terciária.1. segundo as Diretrizes de Atenção até o final de 2011.1.2.3.1. 40-59 anos atendidos nas áreas selecionadas. quando necessário. públicos e privados.Promover o atendimento integral aos homens encaminhados pela atenção básica.2. de 2011. em 2011. até o final de 2010. Fomentar que todos os homens encaminhados às unidades de saúde secundária e terciária tenham atenção efetiva de acordo com as Diretrizes de Atenção.1 e E. E. E.4. e (ii) terceiro nível.1. E. atendidas no segundo nível. Ver as ações E.4.3. no final utilização de Diretrizes de Atenção na atenção da de 2010.2.1. de acordo com as Diretrizes de Atenção / Tempo para ser atendido na unidade de referência / Lista de espera.1. E. E.2.1. no (referência e contra-referência). % de pessoas ATSH / SESs / SMSs.4. Facilitar o acesso aos serviços especializados de atenção secundária e terciária. Ver as atendimento/ano em no mínimo E.1.1. com vistas a identificar fatores e comportamentos de risco e proporcionar atenção adequada.1.1.1.1.2. uma vez por ano. E.1.2. Pactuação da de 20 a 59 anos. nas áreas selecionadas.1.1.1.2.1.2. final do primeiro semestre de até o final do primeiro semestre 2011.4. até o final de 2011.4.2.2.4. Relatórios de Situação.1.1.1.1.1.3.2. e E.1. acesso à: (i) município ou regionalmente. em cada área Situação em 100% das unidades Relatórios de Situação pelas saúde selecionada que emitem de saúde das áreas selecionadas unidades de saúde.3.3. E. nas áreas formação dessa rede no selecionadas.1.2. Possibilitar aos homens E.3.1. Adequação do quadro de recursos humanos dos serviços de segundo nível ambulatorial.1.1.1.1.1.E.2.1. 20% da população de 40 a 59 anos.1.2. % de unidades de SESs / SMSs. selecionada que utilizam as das áreas selecionadas a Diretrizes de Atenção. E.1.1. na perspectiva da integralidade.2.1.1. Realizar um E. serviço de saúde de segundo nível ambulatorial com profissionais capacitados para atender suas necessidades de forma oportuna e com resolubilidade. % de homens de SESs / SMSs.1. Promover nas unidades E. segundo as Diretrizes de Atenção.2. até o final de 2011. % de unidades de Unidades de saúde / SMSs.1.1. E.1. nas unidades básicas de saúde. E.Estimular nos serviços de saúde. população masculina.2. uma rede de atenção à saúde do homem que garanta linhas de cuidado.2. Elaborar Relatório de E.

E. passando de 78 mil. (*) E. em 2008 ambulatorial. disponibilizar um maior número de ultrasonografias transrretais.1.1.3. E. na atenção à saúde do homem.5. a partir da competência setembro de 2009. em 2009 e 110 mil.1. 5.47).1. em 2010. Número de MS / SESs / SMSs. para 93 mil.1. vasectomias a nivel vasectomias em 2009. Realização de E. passando de 35 mil.1. Isso significa um aumento de 148% no valor do procedimento a nível ambulatorial (de R$123. e propor ações neste sentido até o final de 2011.5.1. Estudos realizados ATSH / SESs / SMSs.2.47) e de 20% no procedimento a nível hospitalar (de R$255. para 40 mil.2. estudos para verificar o até o final de 2011.2. Promover a oferta de contracepção cirúrgica voluntária masculina nos termos da legislação específica. 2010 e 2011.1.1. em 2008.39 para R$306.1.1. (*) E. Número de MS / SESs / SMSs. Estimular e ampliar E.E.5.1.5.3.1.82 para R$306. a quantidade de vasectomias. em 2010.4. como um apoio ao diagnóstico de neoplasias da próstata. para consultas a nível ambulatorial. Promover o número de consultas e procedimentos para o diagnóstico e tratamento das doenças do trato genital masculino. Identificar lacunas no funcionamento das redes.47.5. ano o financiamento.1. Objetivo geral Objetivo específico Meta Ação Indicador Responsabilidade .1. Promover a ampliação e a qualificação da atenção ao planejamento reprodutivo masculino.3.2. 5. E.1. em 2009 e 50 mil.1.1. E.5.1.1.2. consultas em 2010 e 2011. Realização das E. identificando a suficiência/insuficiência das mesmas.5. Ampliar em 20% ao E.4. funcionamento das redes regionais na atenção à saúde do homem. Realização de E. O valor a ser pago aos procedimentos ambulatorial e hospitalar foi igualado em R$306.1.4.

2.1.1.1. Ação Indicador Responsabilidade F.(*) E. F.2.1. Número de MS / SESs / SMSs.2.5.1. em 2008. Secretaria de Vigilância em projetos e atividades relacionados à saúde da população masculina. a disfunção sexual e as Diretrizes de Atenção (ver E.1. de MS / SESs / SMSs.1.1. Número de SGETS / SMSs homem nos conteúdos de equipes capacitadas.1. até o final de 2011.). Inserir a saúde do F. Número de SGETS / SMSs homem nos conteúdos de médicos capacitados.3. facilitando o diagnóstico de neoplasias da próstata. Trabalhar com a Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde (SGTES/MS) em estratégias de educação permanente dos trabalhadores do SUS. Inserir a saúde do F.2.1.2.1.2. Realização de E. Realização ano o número de ultrasonografias.6.5.00.1.5.1.1.1. Trabalhar com a A ATSH apoiará e participará de programas. Apoiar a SGTES na formação e qualificação dos profissionais da rede básica para o melhor atendimento à saúde do homem.1. (*) F.5.1.1. até o final de 2011.000 equipes da ESF capacitadas.1.1. até 2011. E.1. 5. capacitação das ESF. incluindo. em 2009 e para 121 mil cirurgias até 2010. ultrasonografias transrretais passando de 60 mil.1. Número cirurgias em 2010 e 2011.2. Capacitar e qualificar 32.1. incluindo. Ampliar em 20% ao E. até 2011. começando pelas Equipes dos Municípios selecionados.2.2.2. entre outros temas. ano o financiamento para cirurgias. capacitação dos médicos das ESF.1. de E. F.1 Trabalhar com a SGTES para qualificar 32 mil equipes de Estratégia de Saúde da Família (ESF). cirurgias de patologias e cânceres do trato genital masculino.2.2.1.1.1. para 72 mil em 2009 e 86 mil em 2010.3.1. entre outros temas.). Ampliar em 10% ao E. passando de 100 mil. Eixo VI: Qualificação de profissionais da saúde F.2. F.1. a disfunção sexual e as Diretrizes de Atenção (ver E. projetos e atividades do Programa Nacional de DST/aids e incorporará o Programa na elaboração dos programas. em 2008 para 110 mil.1. Saúde (SVS) para proteger o homem contra Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e aids. ultrasonografias em 2010 e 2011.1.3. Objetivo geral Objetivo específico Meta . 5.2. ao custo médio de R$ 320. (*) E.1.1.

G. Estudo realizado ATSH / SCTIE e elaboração de uma listagem até 2001.1. equipamentos e insumos (incluindo medicamentos) das unidades de saúde para garantir a adequada atenção à população masculina.1.1.1.1.1.1.1. até o final de 2011.1. Posteriormente.3. a F.1.1. básica de recursos humanos.1. Avaliar as reais necessidades de recursos humanos.1. Tecnologia e Informação em Saúde (SCTIE) e a SVS para avaliar recursos humanos.1.1. Realização e selecionadas. profissionais de capacitação/treinamento.1.3. do homem nos programas das instituições formadoras de profissionais da área de saúde (nível técnico e superior) e nos programas de residência médica (Comissão Nacional de Residência Médica). saúde que realizam planejamento reprodutivo na atenção básica para atender.F.1. Qualificar. até o final de 2011.1. equipamentos e insumos (incluindo medicamentos) para garantir a adequada atenção à população masculina. Parceria firmada SGETS / SMSs até 2011.1.1. ATSH. Inserir a saúde do F. a população masculina. Firmar uma parceria F. equipamentos e insumos necessários para atender os homens. Objetivo específico Ação Indicador Responsabilidade .1. Trabalhar com a Secretaria de Ciência.4.1. com o ME para incluir a saúde ME e a SGTES.1.1. Realizar um estudo para definir recursos humanos. aprimorando o Projeto do Ministério da Saúde com o auxílio da SGTES e do DAB. Inserir a saúde do homem nos conteúdos de inseridos até o final de 2011.1.1.4.5.1. Número de SGETS / SMSs profissionais capacitados em cada unidade de saúde.4. Conteúdos SGTES com o apoio da (*) F. no final de 2011.1.1. uma análise do impacto financeiro da implantação desse modelo nas áreas selecionadas. equipamentos e insumos necessários para atender a população masculina. F. nas áreas F. também. até o final de 2011. F.1. Meta G. Articulação com o F.5. Objetivo geral G.1.1.1.1.1. Telessaúde visando capacitar os profissionais para o diagnóstico de patologias e câncer do trato genital masculino.1.1. Eixo VII: Insumos.5.1. até o final de 2011.3. homem nos conteúdos de educação a distância do educação a distância do Telessaúde. equipamentos e recursos humanos G.1.1. Realização de estudo G.1. incluindo seu custo.1.

1.2.1. até o final de 2010.1. Listagem ATSH.1.1.1.1. Relatório semestral ATSH / SCTIE de acompanhamento das áreas selecionadas até o primeiro semestre de 2010.1 Preservativos SVS adquiridos até final de 2011.1 Aquisição milhões de unidades de preservativos.1.1. incluindo a Sala de Situação em Saúde. H. * Mais Saúde – metas ajustadas em julho/2009.1. de G. Trabalhar com o Departamento de Ciência e Tecnologia da SCTIE para avaliar a implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem em Estados e Municípios a partir do segundo semestre de 2009.2. de 2004: textos em Braille ou em mídia magnética acessível e material com caracteres ampliados. Eixo VIII: Sistemas de informação H.1.1. ATSH / DAB Eixo IX: Avaliação do Projeto Piloto I.1.1.1. H. Analisar de forma articulada com as demais áreas técnicas do Ministério da Saúde sistemas de informação.1. 5294.Apoio aos estudos relativos ao projeto GIL (Gerenciador de Informações Locais) para que o mesmo contemple infomações relacionadas à atenção integral à Sáude dos Homens.1.1. incluindo subsídios para melhoria contínua do processo de produção e desenvolvimento de novas tecnologias de interesse da saúde.1. H.(*) G.1. a partir do dos PAs. 1.1.1.1.2. Para efeitos dessa matriz as responsabilidades estão acopladas às metas . H. Elaborar uma ferramenta para monitorar e avaliar a implementação do Projeto Piloto de Saúde do Homem nas áreas selecionadas.1.1.1.1.1. I.1.1. primeiro semestre de 2010. Estudo e utilização H. preservativos.1. Elaborar uma lista dos sistemas de informação e dos indicadores utilizados.1. ao final de 2011. Monitorar e avaliar os I. tomada de decisões e correção de trajetória. da fábrica de Xapuri /AC. desses indicadores para a finalizada até o final de 2010. Elaboração do Plano PAs semestralmente nas áreas de Monitoramento e Avaliação selecionadas. I.1. I.1.1.Adquirir 517 G. O material deve seguir os critérios de acessibilidade estabelecidos no Decreto no.2.Estudar de forma articulada com as demais áreas do Ministério da Saúde o sistema de informação existente.1.1.1.1.1.

diagnóstico e tratamento de câncer.1.3. educação e comunicação. (*) C.5.1.1. (*) A.5 milhões 5 milhões 1. assim como a prevenção.1. ESTIMATIVA DE VALORES R$ 2009 / 2010 TOTAL R$ Eixo I: Implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem 4 milhões / 4 milhões 8 milhões 5 milhões / 5 milhões 10 milhões 2. através de ações de informação. promovendo o auto-cuidado e hábitos saudáveis. O repasse do incentivo financeiro será realizado através do Fundo Nacional de Saúde .15 a unidade. Os critérios para o repasse são sugeridos no anexo II. Eixo II: Promoção de Saúde Eixo III: Informação e comunicação B. Transferir parcela única de R$ 75 mil para 26 Secretarias Municipais de Saúde. Os critérios para o repasse são sugeridos no anexo II. até o terceiro trimestre de 2010.1. O repasse do incentivo financeiro será realizado através do Fundo Nacional de Saúde . Realizar a Semana de Promoção da Saúde do Homem.2. inseridas nos seus respectivos Planos de Saúde. Conselhos Estaduais e Municipais de Saúde e Colegiados Regionais e Estaduais até 2010. iniciando-a por meio de uma Campanha a nível nacional.6. adolescentes. adultos e profissionais de saúde da atenção básica. Contribuir para o aumento do número de homens que demandam os serviços de saúde da atenção primária.1. ao custo de R$ 0. até o final de 2010. Obs: os 26 Municípios que participarão do Projeto-piloto serão selecionados pelo MS segundo os critérios definidos no anexo II deste documento. com o objetivo de sensibilizar a população masculina e suas famílias.1 milhões de cartilhas para Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde. Transferir parcela única de R$ 75 mil para cada Secretaria Estadual de Saúde com o objetivo de incentivar a elaboração e a implementação de estratégias e ações de saúde focadas na população masculina. com o objetivo de incentivar a elaboração e a implementação de estratégias e ações de saúde focadas na população masculina. em agosto de 2009. (*) C.3 milhões / 1.1. (*) 1. até o terceiro trimestre de 2010. ao custo médio de R$0. a Semana e a Campanha serão realizadas em parceria com Estados e Municípios. sobre direitos sexuais e reprodutivos e métodos anticoncepcionais para usuários (as). Distribuir 26. Conselhos Estaduais e Municipais de Saúde e Colegiados Regionais e Estaduais com o objetivo de promover a Saúde do Homem e hábitos saudáveis.4.4.1.FNS.1.09 a unidade. Produzir 6.Anexo I Política Nacional de Atenção Integral á Saúde do Homem Plano de Ação Nacional (2009-2011) Ações Prioritárias com ênfase no Período 2009-2010 Quadro Sinótico EIXOS ASSUNTO: OBJETIVO/META/AÇÃO (*) A. A partir de 2010.52 milhões de cartilhas para Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde. inseridas nos seus respectivos Planos de Saúde.3 milhões 2.1.6 milhões .FNS.5 milhões / 2.

que serão distribuídos para Estados e Municípios através do Programa Nacional DST/aids.00. Ampliar em 10% ao ano o financiamento para cirurgias de patologias e cânceres do trato genital masculino.0 milhões / 2.4 milhões 35.5.47) e de 20% no procedimento a nível hospitalar (de R$255. Trabalhar com a SGTES para qualificar profissionais de nível médio em áreas técnicas estratégicas para saúde . em 2009 e 110 mil. em 2010.1.Programa de Formação de Profissionais de Nível Médio para Saúde (PROFAPS).3 milhões 27. em 2009 e 50 mil.3 milhões / 15. Eixo VII: Insumos.82 para R$306. (*) F.Eixo V: Implantação e expansão do sistema de Atenção à Saúde do Homem (*) E.1. Equipamentos e recurso Humanos (*) 2. para 93 mil. Estimular e ampliar a quantidade de vasectomias.4 milhões 4.5 milhões / 13. 30 milhões / 30 milhões 60 milhões** 105 milhões / 130 milhões 235 milhões** 13.1.47) a partir da competência setembro de 2009.47.3.4 milhões 73. em 2008 para 110 mil. (*) 4.ESF. em 2008 para 40 mil. em 2009 e para 121 mil cirurgias até 2010. Adquirir 165 milhões de unidades de preservativos. 80 milhões / 80 milhões 160 milhões** (*) F. Ampliar em 20% ao ano o financiamento.3.2 milhões / 38.1.2. até o final de 2011. em 2010. para disponibilizar um maior número de ultrasonografias transrretais. como um apoio ao diagnóstico de neoplasias da próstata. 5. (*) E. 5.1. passando de 35 mil. aprimorando o Projeto do Ministério da Saúde com o auxílio da SGTES e do DAB. até o final de 2011.6 milhões Eixo VI: Qualificação de profissionais da saúde **Obs: o recurso existente não permite discriminação por ação.1.5 milhões 27 milhões Eixo IX: Avaliação do Projeto-piloto Valores a serem definidos TOTAL 613.1. passando de 78 mil. Isso significa um aumento de 148% no valor do procedimento a nível ambulatorial (de R$123. Trabalhar com o Departamento de Ciência e Tecnologia da SCTIE para avaliar a implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem em Estados e Municípios a partir do segundo semestre de 2009. O valor a ser pago aos procedimentos ambulatorial e hospitalar foi igualado em R$306.1 Trabalhar com a SGTES para qualificar 32 mil equipes de Estratégia de Saúde da Família.2. . 5. em 2008. Inserir a saúde do homem nos conteúdos de educação a distância do Telessaúde visando capacitar os profissionais para o diagnóstico de patologias e câncer do trato genital masculino. (*) E.3. passando de 100 mil.39 para R$306.2.6 milhões 2.2 milhões *Mais Saúde – metas ajustadas em julho/2009. até o final de 2010. ao custo médio de R$ 320. 12.1.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->