IMPOSTO SOBRE RENDIMENTO DE TRABALHO

O imposto sobre o rendimento de trabalho foi criado pela Lei nº 12/81, tendo sido posteriormente, alterado pela Lei nº 12/92. Trata-se de um imposto directo e progressivo que incide sobre os rendimentos do trabalho real, periódico e progressivo, por conta própria e por conta de outrem. Defende e protege a franja populacional mais desfavorecida, como é o caso dos deficientes físicos e multilados de guerra, os cidadãos com idade superior a 60 anos e, ainda, os que prestam serviço militar nas forças Armadas e na Policia Nacional. Este imposto é aplicável aos rendimentos pessoais resultantes de serviços prestados em Angola. Este imposto é cobrado de remuneração total (salário e outros direitos) recebido por serviços prestados em Angola (para os cidadãos nacionais e não nacionais). A empresa deve pagar esse imposto até ao final do mês seguinte. Foi recentemente actualizado pelo decreto n º 74/08, 3 de Junho que mudou as taxas progressivas e escalões.

SÃO CONSIDERADAS REMUNERAÇÕES:
O salário base  Os salários especiais que, nos termos da Lei Salarial, sejam atribuídos para certos postos de trabalho que exijam um tratamento salarial específico  Os prémios e outros estímulos materiais atribuídos por força da Lei Salarial e seus diplomas regulamentares  As retribuições pela prestação de trabalho extraordinário e pela prestação detrabalho nocturno ou por turnos  Os subsídios de residência, de renda de casa e outros de natureza análoga, quetenham carácter de regularidade  As indemnizações por despedimento semjusta causa e as quantias pagas aos trabalhadores em cumprimento de acordo de cessação de trabalho  As comissões, bónus, prémios de rendimentos, de produtividade, assiduidade, de cobrança e outras prestações de natureza análoga, quetenham carácter regular  As diuturnidades, a participação nos lucros da empresa e os abonos por falhas

Incluem-se. emolumentos. vencimentos. independentemente da respectiva natureza. custas e outras remunerações acessórias. prêmios. de representação de viagens. avenças. subsídios. incluindo. os subsídios diários. senhas de presença. expressos em dinheiro ou espécie. honorários. todas as remunerações percebidas a título de ordenados. participações.  NÃO SÃO CONSIDERADAS REMUNERAÇÕES:     Imposto sobre consumo Imposto sobre capital Imposto de Selo Imposto Industrial INCIDÊNCIA DO IMPOSTO SOBRE OS RENDIMENTOS DO TRABALHO O Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho (lRT) incide sobre os rendimentos obtidos. salários. ainda. os abonos para falhas. gratificações. participações em multas. quer por conta de outrém.     Os subsídios de alimentação e de função e responsabilidade O subsídio por regime de disponibilidade de trabalho. proveniência e forma de pagamento. designadamente. Os subsídios de transporte As ajudas de custo As indemnizações pagas pela não concessão de férias ou período de descanso Os complementos de prestações regulamentares da Segurança Social pagos pela empresa  Os subsídios pagos pela empresa aos trabalhadores para estudo dos seus filhos  Os subsídios destinados ao pagamento de despesas com assistência médica ou hospitalização do trabalhador. ou deslocações e quaisquer outras importâncias da mesma natureza que excedam os limites fixados para os funcionários do . O conceito de rendimentos do trabalho é amplo. comissões. quer por conta própria.

mediante pagamento . bem como as remunerações dos membros dos órgãos estatutários das pessoas colectivas. de profissão em que predomine o carácter científico. de serviços não tributados por outro imposto. de forma independente. fazendo os acertos julgados necessários.Estado. adquire o poder de dispor da força de trabalho de outrem. artístico ou técnico as actividades desenvolvidas no âmbito de profissões constantes da lista anexa ao Código do IRT. Caso o contribuinte não apresente a declaração completa. CONTRIBUINTES POR CONTA DE OUTREM Rendimentos do trabalho por conta de outrem são todas as remunerações atribuídas ou pagas por uma entidade patronal. A administração fiscal confirma ou corrige os rendimentos declarados pelo contribuinte. Só se consideram de carácter científico. e os aumentos patrimoniais e despesas efectivamente realizadas sem a devida comprovação da origem do rendimento. Os contribuintes que trabalham por conta própria apresentam na repartição fiscal da sua residência uma declaração (conforme o modelo anexo). fazendo imediatamente a liquidação do imposto devido (auto liquidação). durante o mês de Janeiro de cada ano. onde são discriminadas todas as remunerações ou rendimentos auferidos no ano anterior. a administração fiscal fixará o valor da matéria colectável. considerandose. também de forma independente. DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL CONTRIBUINTE POR CONTA PRÓPRIA Rendimentos de trabalho por conta própria são os auferidos no exercício. como entidade patronal toda a pessoa individual ou colectiva que. para este efeito. por contrato de trabalho ou outro a ele legalmente equiparado. artístico ou técnico da actividade pessoal ou pela prestação.

Consideram-se igualmente como rendimentos do trabalho por conta de outrem. revogou expressamente o anterior Código. O imposto deve ser pago até ao dia 10 do mês seguinte ao do recebimento das remunerações por meio do DAR do mês seguinte ao do recebimento de arrecadação de receitas. desde que sejam mais de três (3) trabalhadores. . Para efeitos do IRT os salários do pessoal das empresas do estado. NÃO INCIDÊNCIA DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DO TRABALHO Não constituem matéria colectável. na repartição de finanças da área da sua residência. INCIDÊNCIA PESSOAL O imposto é devido pelas pessoas singulares. mesas das assembleias-gerais ou outros órgãos de sociedades. continha uma definição expressa do conceito de residente para efeitos fiscais. O Código não contém qualquer definição de "serviços prestados em Angola". por acidentes de trabalho e doenças profissionais. Atendendo a que a lei nº 10/99. os rendimentos dos membros dos corpos gerentes. de momento. de 29 de Outubro. privadas e mistas devem ser processados em folhas de remunerações. as gratificações de fim de carreira e as indemnizações por despedimento. aprovado pela lei nº 12/92. a qual desapareceu no Código actualmente em vigor. As entidades a quem compete pagar ou entregar as remunerações (substitutos fiscais ou contribuinte de facto) são responsáveis pela redução (desconto) e entrega nos cofres do Estado do valor do imposto devido pelos seus trabalhadores. conselhos fiscais. desemprego e funeral. • As pensões de reforma por velhice. desde que obtenham rendimentos por serviços prestados em Angola.de uma remuneração. por morte. O anterior Código do IRT. designadamente: • Os subsídios de aleitamento. invalidez e sobrevivência. quer residam quer não em território angolano. assim como as importâncias que os sócios das sociedades e donos de empresas individuais escriturem na contabilidade da empresa a título de remuneração do seu próprio trabalho. não existe. qualquer conceito legal de residente para efeitos fiscais. de 19 de Junho.

• Os salários e outras remunerações devidas aos assalariados eventuais agrícolas e aos serviços domésticos. sensoriais e mentais. • Os subsídios atribuídos por lei aos cidadãos nacionais portadores de deficiências motoras. com prévia anuência do Ministro das Finanças. viagens e deslocações até ao limite igual aos quantitativos estabelecidos para os funcionários do Estado. Os subsídios de rendas de casa até ao limite de 50% do valor do contrato de arrendamento. Estão igualmente isentos os deficientes físicos e mutilados de guerra cujo grau de invalidez ou incapacidade seja igualou superior a 50% e os cidadãos nacionais portadores de deficiências motoras congénitas ou com mais de 60 anos. . bem como os abonos de família e de férias e o 13º mês. o pessoal ao serviço de organizações internacionais nos termos estabelecidos em acordos ratificados pelo órgão competente do Estado e o pessoal ao serviço de organizações não governamentais ou similares nos termos estabelecidos nos acordos com entidades nacionais.slide 333 Isenções Estão isentos do imposto o agentes das missões diplomáticas e consulares desde que haja reciprocidade. os subsídios diários e os subsídios de representação. • As contribuições para a Segurança Social. Os cidadãos que estejam a cumprir serviço militar nos órgãos de defesa interna estão igualmente isentos do pagamento de imposto.• Os abonos para falhas. neste último caso pelos rendimentos do trabalho por conta de outrém.

aplica-se a taxa de 15%.TAXAS APLICADAS NO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DO TRABALHO 1-Trabalhadores por conta própria Sobre os rendimentos auferidos pelos trabalhadores que exerçam actividades por conta própria. sobre 70% das receitas brutas. FORMULA MCcp = 70% * rendimento anual IRTcp = MC * 15% Cp = Conta própria MCcp = Matéria Colectável por Conta Própria 2-Trabalhadores por Conta de Outrem Sobre os rendimentos auferidos pelos trabalhadores por conta de outrem aplicam-se as taxas progressivas. A actual tabela de Imposto IRT é a seguinte: .

Tratando-se de trabalhadores que actuem integrados em agrupamentos e contratados em conjunto. aos trabalhadores por conta de outrem. cinema. ou seja. Os salários devem ser processados em folhas de remuneração. a título de retenção na fonte. menos a taxa de desconto de IRT. bailados.5% (70% * 15%). deduzirem 15% sobre 70% da remuneração. Tratando de contribuinte por conta própria a retenção na fonte incide apenas sobre 70% do valor da remuneração e é efectuada pela pessoa colectiva a quem competir o pagamento. nacionais ou estrangeiros. bem como conferencistas. 10. é feita pela entidade patronal. no momento do pagamento das remunerações.Segurança social As contribuições para a pensão é calculada sobre o valor bruto das várias remunerações sujeitos passivos salários. desportista. cientistas e técnicos e outros. devem os responsáveis pelos agrupamentos fornecer às pessoas que os contratarem os elementos relativos à decomposição das remunerações auferidas por cada componente.A a aplicar é de 3% na parte do empregado e de 8% na empresa. de modo a fazer a retenção nos mesmos moldes. variedades. por retenção na fonte. depois de deduzidos os encargos para a segurança social. . sempre que se trata de mais de três trabalhadores. televisão ou circo. músicos ou cantores. rádio. LIQUIDAÇÃO A liquidação do imposto. domiciliados ou não no país. Cabe também às entidades que contratarem artista de teatro.

tratando-se de trabalhadores por conta  O contribuinte é subsidiariamente responsável pelo pagamento da diferença entre o que tenha sido deduzido e o que devesse tê-lo feito. O juiz das execuções fiscais pode pedir. relativo ao imposto retido no mês seguinte. Aos próprios contribuintes. Todas entidades comunicam à repartição fiscal. deverá ser pago no prazo de 15 dias após a notificação. Às entidades que fizeram a retenção. por correcção ou por falta de declaração. A entrega do imposto é feita na área fiscal de residência. ao organismo profissional. A declaração. COBRANÇA A responsabilidade do pagamento do imposto cabe:   própria. durante o mês de Janeiro. modelo 2.O imposto liquidado é. os nomes e respectivas remunerações. sede ou estabelecimento estável. das retenções efectuadas durante o ano é entregue em Fevereiro e deve incluir de forma descriminada e normalizada as remunerações dos donos e dos trabalhadores por conta própria. a suspensão das funções do trabalhador por conta própria. até ao último dia de cada mês. FISCALIZAÇÃO A documentação deve ser mantida em ordem a ser fiscalizada pelo prazo de cinco anos. antes do inicio da actividade. Os trabalhadores por conta própria devem proceder à sua inscrição no Registo Geral de Contribuintes. Na escrituração dos registos não são permitidos atrasos superiores a 30 dias.  Tratando-se de imposto calculado pela administração fiscal. . os factos que hajam produzido ou sejam susceptíveis de produzir rendimentos a pessoas que exerçam actividade por conta própria. entregue. por este não ter pago o imposto há mais de dez dias e não ter deduzido oposição.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful