P. 1
Ponte Sobre o Atlántico Brasil e África Subsaariana

Ponte Sobre o Atlántico Brasil e África Subsaariana

|Views: 641|Likes:
Ponte sobre o Atlântico é um estudo descritivo sobre o envolvimento do Brasil com seus pares na África Subsaariana ao longo da última década, por meio do intercâmbio de conhecimentos, comércio e investimentos. O objetivo deste
estudo é entender melhor essas relações, com o intuito de forjar parcerias concretas e mutuamente benéficas entre o Brasil e a África Subsaariana. Dois fatores explicam a ênfase na década passada. Primeiro, embora tenha havido interação entre o Brasil e a África nos últimos 200 anos (como mostra o capítulo
2), foi somente na década passada que se construiu um engajamento mais robusto, por meio de parcerias mais fortes e projetos de longo prazo. Segundo, não havia, nem no Brasil nem na África, a prática de coletar, organizar e analisar
dados sobre parcerias anteriores, o que representa sério obstáculo na obtenção de informações confiáveis
Ponte sobre o Atlântico é um estudo descritivo sobre o envolvimento do Brasil com seus pares na África Subsaariana ao longo da última década, por meio do intercâmbio de conhecimentos, comércio e investimentos. O objetivo deste
estudo é entender melhor essas relações, com o intuito de forjar parcerias concretas e mutuamente benéficas entre o Brasil e a África Subsaariana. Dois fatores explicam a ênfase na década passada. Primeiro, embora tenha havido interação entre o Brasil e a África nos últimos 200 anos (como mostra o capítulo
2), foi somente na década passada que se construiu um engajamento mais robusto, por meio de parcerias mais fortes e projetos de longo prazo. Segundo, não havia, nem no Brasil nem na África, a prática de coletar, organizar e analisar
dados sobre parcerias anteriores, o que representa sério obstáculo na obtenção de informações confiáveis

More info:

Published by: WorldBankPublications on Jun 06, 2012
Direitos Autorais:Attribution

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
This book can be read on up to 6 mobile devices.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

06/05/2015

Sections

PONTE SOBRE

O ATLÂNTICO
Parceria Sul-Sul para o Crescimento
Brasil e África Subsaariana
Ponte sobre o Atlântico
Brasil e África Subsaariana:
parceria Sul-Sul para o crescimento
BANCO MUNDIAL
EQUIPE DE TRABALHO
Susana Carrillo (líder da equipe), Especialista em Governança Sênior,
Unidade de Parcerias e Desenvolvimento da Capacidade (AFRCP);
Fernanda Lira Góes, IPEA; Eduarda Passarelli Hamann; Keith Martin
(consultores, AFRCP), José Flávio Sombra Saraiva, Professor da Uni-
versidade de Brasília; Creomar Lima de Carvalho de Souza, Pesquisador,
IPEA; James Augusto Pires Tibúrcio, Pesquisador, IPEA; sob a orienta-
ção estratégica de Tijan M. Sallah, Gerente da AFRCP, e Marcos Antonio
Macedo Cintra, Diretor em exercício, Estudos de Política e Relações
Internacionais, IPEA. O relatório contou com o apoio geral de Obiageli
Ezekwesili, Vice-Presidente para a Região da África, Banco Mundial, e
de Marcio Pochmann, Presidente, IPEA.
iii
Índice
Prólogo vii
Prefácio ix
Agradecimentos xi
Siglas e Abreviações xiii
Resumo Executivo 1
A cooperação Sul-Sul está transformando a assistência para o
desenvolvimento 1
A nova África e o novo Brasil possuem interesses complementares 3
A última década viu crescimento sem precedentes das relações
econômicas do Brasil com a África 6
O relacionamento entre a África e o Brasil oferece lições úteis para o
Banco Mundial e outras organizações internacionais 6
Metodologia do relatório 10
A Nova Arquitetura Financeira e Política Mundial 13
O sistema internacional de cooperação para o desenvolvimento 13
A emergência do BRICS 17
África Subsaariana: uma nova fronteira? 20
Desafios remanescentes 22
História das Relações Brasil-África 27
Cinco períodos da história das relações Brasil-África 28
História social, política e cultural das relações Brasil-África:
a escravidão e além 29
Descendentes africanos no Brasil: contribuições para a sociedade
contemporânea 31
De um passado incerto para um futuro promissor 33
Visões brasileiras sobre a África 35
O pêndulo oscila do Norte para o Sul 35
Princípios da participação do Brasil no desenvolvimento global 38
Fortalecimento das ligações entre o Brasil e a África 41
Política externa do Brasil em relação à África durante o governo
de Lula (2003–10) 42
Os desafios adiante 46
A Conexão do Conhecimento 49
Agricultura tropical e segurança alimentar 52
Saúde e medicina tropical 69
Energia 72
ivsPonte sobre o Atlântico
Proteção social 77
Outras áreas de intercâmbio 80
Investimento Estrangeiro Direto e Comércio do Brasil com a
África 83
A atuação das instituições brasileiras de desenvolvimento 83
Empresas brasileiras na África 86
Comércio entre o Brasil e a África 93
Tendências e perspectivas futuras 100
Conclusões, Lições e Recomendações de Política 103
Conclusões 104
Lições para o apoio do Grupo Banco Mundial à cooperação Sul–Sul 107
Recomendações de políticas e próximos passos 112
Anexos 117
Anexo 1. Os membros do G-20 117
Anexo 2. Fóruns Sul–Sul 117
Anexo 3. Brasil: Principais indicadores econômicos 120
Anexo 4. Brasil e África: Reuniões e Visitas Oficiais 121
Referências Bibliográficas 125
Figuras
ES.1 Há milhões de anos, a África e o Brasil faziam parte de uma
única massa continental 2
ES.2 Principais áreas de atuação do Brasil em arranjos de cooperação
Sul-Sul, 2009 4
ES.3 Empresas brasileiras na África, 2010 7
1.1 Os países do BRIC comparados ao G-7 19
3.1 Número de atividades de cooperação técnica coordenadas
pela ABC, 2003–09 38
3.2 Principais áreas de envolvimento do Brasil em acordos de
cooperação Sul–Sul, 2009 40
3.3 Investimentos brasileiros em projetos internacionais de
desenvolvimento, participação por continente, 2009–10 46
4.1 Cooperação internacional do Brasil na África Subsaariana,
2000–11 50
4.2 Temperatura e vegetação da superfície terrestre global,
maio de 2011 54
4.3 Mapa comparativo do Brasil e Moçambique 58
4.4 Presença global do SENAI: projetos e parcerias 66
4.5 Produção de Energia no Brasil por fonte, 1970–2010 73
4.6 Produtividade e densidade da madeira em todas as plantações
de eucalipto do Brasil, 1970–2006 76
Índicesv
4.7 Estimativa de crescimento futuro da demanda de carvão
vegetal na África Subsaariana 77
4.8 Programa Fome Zero: eixo e entidades executoras 78
4.9 Expansão do Bolsa Família (2004–10) 79
5.1 Empresas brasileiras na África 88
5.2 PMEs brasileiras na África 91
5.3 Participação da África no comércio do Brasil 94
5.4 Participação da África nas exportações do Brasil 95
5.5 Exportações brasileiras para a África, por classificação 96
5.6 Exportações brasileiras para a África Subsaariana por classificação 97
5.7 Participação da África nas importações brasileiras 98
5.8 Importações brasileiras da África por classificação 99
5.9 Importações brasileiras da África Subsaariana por classificação 99
Tabelas
3.1 Seleção de acordos de cooperação entre o Brasil e os países
desenvolvidos por ano de assinatura, 1950–2011 36
3.2 Princípios gerais da atuação do Brasil em cooperação para o
desenvolvimento global 39
3.3 Países africanos visitados por presidentes brasileiros, 2000–10 43
4.1 Projeções da participação do Brasil no mercado global (%) 53
4.2 Seleção de pequenos projetos de saúdes implementados na
África, com o apoio do governo brasileiro, 2011 70
4.3 Projetos estruturantes voltados para a saúde: desenvolvimento
de cooperação Brasil–África 70
4.4 Fontes de energia: Áreas com potencial de colaboração e troca
de conhecimento entre a África Subsaariana e o Brasil 75
5.1 Comércio do Brasil com o mundo, a África e a África Subsaariana,
2000–10 (em US$) 84
5.2 Recursos do PROEX para exportações para a África 2007–08 85
5.3 Investimentos diretos brasileiros no exterior, 2001–09
(em milhões de US$) 86
5.4 PMEs brasileiras na África, por país e setor 92
5.5 Distribuição dos fluxos globais de comércio do Brasil,
2000–10 (%) 93
5.6 Participação da África Subsaariana no comércio total do Brasil
com a África (%) 95
A3.1 Brasil: Principais indicadores econômicos 120
A4.1 Países africanos visitados pelo Ministro das Relações Exteriores,
Celso Amorim, 2003–10 121
A4.2 Visitas de Chefes de Estado e Chefes de Governo africanos
ao Brasil, 2003–10 122
A4.3 Visitas de chanceleres africanos ao Brasil e participação africana
no total de visitas, 2003–10 123
visPonte sobre o Atlântico
A4.4 Reuniões multilaterais Brasil–África, 2003–10 124
A4.5 Reuniões da Comunidade de Países de Língua Portuguesa e da
Iniciativa América do Sul-África 124
Boxes
4.1 Sementes para a vida: Brasil–África 63
4.2 Desenvolvimento de habilidades e empreendedorismo para os
jovens em Soweto 67
4.3 SENAI em números 69
4.4 Fundação Oswaldo Cruz 71
5.1 Marcopolo: Manufatura brasileira na África 89
vii
Prólogo
A África e o Brasil eram unidos pela geografia, há milhões de anos, e comparti-
lham uma mesma história, desde o século XVI — vinculados que estavam pelo
tráfico transatlântico de escravos — até a abolição da escravatura. Desenvolveu-
-se então uma lacuna nas relações que perdurou até a independência dos países
da África, ocasião em que começa a surgir um novo relacionamento entre o
Brasil e, em particular, os países africanos lusófonos. Com a emergência do
Brasil como uma das maiores economias do mundo e o advento de forte cresci-
mento e dinamismo nas economias africanas, o relacionamento entre o Brasil
e a África continuou a florescer para além dos países de língua portuguesa da
África, incluindo outros países do continente e abrangendo o comércio, o in-
vestimento e a transferência de conhecimentos. Ponte sobre o Atlântico — Brasil
e África Subsaariana: parceria Sul-Sul para o crescimento descreve esse envolvi-
mento crescente. Sob a liderança do Presidente Lula da Silva, esses laços entre o
Brasil e a África fizeram-se mais profundos e com a nova Presidente do Brasil,
Dilma Rousseff, estes laços continuam a fortalecer-se. Do lado da África, os
líderes continuam a se engajar e a aprofundar a parceria com o Brasil.
Para nós do Banco Mundial, este relatório é oportuno, porque surge logo
após a recente aprovação da nova estratégia para a África, “O Futuro da África
e o Apoio Prestado pelo Banco Mundial”. A nossa estratégia destaca a alavan-
cagem de parcerias, conhecimento e finanças, em particular com países pólos
de crescimento como o Brasil. Consideramos que este relatório é crucial para o
estabelecimento da base de conhecimento que possibilitará a nós, aos governos
africanos e ao governo do Brasil continuar a forjar parcerias concretas que virão
a gerar resultados em que todos são ganhadores nas duas regiões — em áreas
como, por exemplo, proteção social, agricultura tropical, energia e bioenergia,
educação técnica e medicina tropical.
Aguardamos com satisfação as discussões animadas e as parcerias concretas
que a divulgação deste importante trabalho certamente trará.
Obiageli Ezekwesili
Vice-Presidente, Região da África
Banco Mundial
ix
Prefácio
A economia internacional passa por amplas transformações. Os países desen-
volvidos — Estados Unidos da América, Japão e União Europeia — enfrentam,
por diferentes razões, uma redução no dinamismo econômico. Os países em
desenvolvimento — sob a liderança de China, Índia, Brasil, Argentina, Turquia,
África do Sul e Rússia — apresentam uma aceleração das taxas de crescimento,
com perspectivas de maior expansão da renda e do emprego doméstico, bem
como dos investimentos entre as principais economias emergentes.
Nos últimos anos, constata-se, inclusive, um revigoramento do continente
africano, ainda que de forma bastante desigual. O Fundo Monetário Interna-
cional, por exemplo, estima que as economias da África Subsaariana apresen-
taram taxa de crescimento de 5,4% em 2010, expandirão 5,2% em 2011 e 5,8%
em 2012. O Oriente Médio e o Norte da África, por sua vez, cresceram 4,4% em
2010, e deverão expandir 4% em 2011 e 3,6% em 2012.
Neste movimento de reconfiguração da dinâmica econômica mundial,
o Brasil tem promovido uma política de diversificação de sua inserção
interna cional, aproximando-se dos países em desenvolvimento, seja da região
latino-americana, seja do Sudeste Asiático, seja do continente africano.
O ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, realizou 12 viagens ao
continente africano, visitando 21 países. No sentido inverso, o Brasil recebeu
47 visitas de reis, presidentes e primeiros-ministros africanos, oriundos de 27
nações.
Política que se mantém no mandato da Presidenta Dilma Rousseff. Em seu
primeiro ano de governo, a presidenta visita a África do Sul, Moçambique e An-
gola. O governo da presidenta planeja ainda o delineamento de uma estratégia
especial para maior aproximação com o continente africano, a fim de facilitar
as exportações de mercadorias e serviços (principalmente de engenharia), me-
diante a criação de novos mecanismos de garantia das linhas de crédito (uma
conta-commodity, por exemplo, que assegura os pagamentos). Como mostra
este estudo — Ponte sobre o Atlântico: Brasil e África Subsaariana, parceria
Sul-Sul para o crescimento — as trocas comerciais com a África cresceram de
forma renitente entre 2003 e 2008, caindo entre 2009 e 2010, com o agrava-
mento da crise econômica mundial e a agressiva atuação dos países asiáticos
na região.
A presidenta Dilma Rousseff também salienta a importância de os bra-
sileiros deixarem “um legado aos africanos”, sob a forma de transferência de
tecnologia, treinamento de mão de obra e programas sociais. Da mesma forma,
a cooperação brasileira para o desenvolvimento possui certas especificidades
das suas ações de ajuda humanitária e de intervenção bilateral ou multila-
teral. Em geral, as instituições brasileiras procuram atuar como parceiras em
atividades de capacitação que visam o desenvolvimento e o fortalecimento das
xsPonte sobre o Atlântico
condições institucionais. Trata-se, portanto, de uma política estimulada por
solidariedade, afinidades histórico-culturais, econômicas e políticas e pelo in-
teresse no conhecimento produzido pela troca e pela experimentação mediante
parcerias. A carteira de projetos da cooperação brasileira na África se concentra
em agricultura, saúde, educação e formação profissional, governo eletrônico,
administração pública, meio ambiente, tecnologia da informação, desenvolvi-
mento urbano, saneamento básico, biocombustíveis, transporte aéreo, turismo,
justiça, cultura, direitos humanos e esportes.
Segundo levantamento recente, quase 60% dos recursos da cooperação
técnica brasileira foram destinados para os países africanos em 2010. Este es-
tudo do Banco Mundial, com a cooperação do IPEA, joga novas luzes nestas
relações que se aprofundam e se transformam, imprimindo dinâmicas distintas
nas diversas dimensões da inserção internacional dos povos e promovendo o
desenvolvimento dos parceiros.
Marcio Pochmann
Presidente IPEA
xi
Agradecimentos
O presente relatório é fruto do esforço de colaboração entre o Banco Mun-
dial (Região da África e Unidade de Gestão de País — Brasil) e o Instituto de
Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) do Brasil. Susana Carrillo, da Unidade
de Parcerias e Desenvolvimento da Capacidade da Região da África (AFRCP),
liderou esta iniciativa, tendo contado com contribuições importantes de
Eduarda Passarelli Hamann, Fernanda Lira Goes, José Flávio Sombra Saraiva
e Keith Martin. Outras contribuições importantes foram feitas por Rogério
Carneiro de Miranda, Creomar Lima de Carvalho de Souza, Luiz T. A. Maurer
e James Augusto Pires Tibúrcio. A orientação estratégica geral deste relatório
coube a Tijan Sallah, Gerente da AFRCP, Região da África, e Marcos Macedo
Cintra, Diretor em exercício de Estudos de Relações Econômicas e Políticas
Internacionais do IPEA.
A equipe gostaria de reconhecer o interesse e o apoio prestado pelas
seguintes pessoas: Ministro Nedilson Jorge, Diretor do Departamento da
África, Ministério das Relações Exteriores do Brasil, Ministro Marco Farani, Di-
retor da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), Embaixador Mauro Vieira,
Embaixada do Brasil em Washington, Marcelo de Oliveira Ramalho, Pedro
Augusto Franco Veloso, Fabiana Moreira, Filipe Nasser, Ricardo Monteiro,
Fabio Rocha Frederico e Eduardo Frighetto. A equipe gostaria também de agra-
decer a Makthar Diop, Diretor de País do Banco Mundial para o Brasil, e Boris
Utria, escritório de país no Brasil, por seu apoio e orientação durante a missão
realizada ao Brasil para coleta de informações.
A equipe agradece ao Diretor Executivo do Brasil no Banco Mundial,
Rogério Studart, e Pedro Saldanha por suas sugestões úteis. Expressamos um
reconhe cimento especial a Yanick Brierre, Parveen Moses, Guadalupe Costa de
Sousa Lima e Fabiola Vasconcelos pelo apoio administrativo prestado.
Manifestamos nossos sinceros agradecimentos a todos os colegas revisores
deste estudo: Luiz T. A. Maurer, Jorge Saba Arbache e Professor Jonuel Gon-
çalves; bem como aos colegas revisores no estágio de revisão conceitual: Monica
Sawyer, Jorge Saba Arbache, Ana Margarida Fernandes, McDonald Benjamin,
Shantayanan Devarajan, Richard Cambridge, Eleoterio Codato, Rogerio Car-
neiro de Miranda, Luiz T. A. Maurer e Barbara Weber. Queremos reconhecer
a contribuição dos colegas do Banco Mundial que fizeram comentários: V. S.
Krishnakumar, Sally Dormeyan, Monica Sawyer, Waafas-Ofosu Amaah, Aileen
Marshall, Gaiv Tata, Clara de Souza, Celestin Monga, Dirk Bronselaer, Soheyla
Mahmoud e Gilles Garcia.
Somos muito gratos também a muitas autoridades do governo, da África
e do Brasil, bem como aos representantes do setor privado e das organizações
não governamentais por seu interesse no estudo e pelas entrevistas concedi-
das. Nesse sentido, agradecemos ao Embaixador Luis Fernando de Andrade
xiisPonte sobre o Atlântico
Serra, Embaixador Jorge Ramos, Embaixador Fernando Simas Magalhães,
Embaixador Jorge Geraldo Kadri, Embaixadora Maria Elisa Teófilo de Luna,
Embaixador Antonio José Maria de Souza e Silva, Embaixadora Maria Dulce
Silva Barros, Embaixador Pedro Carneiro de Mendonça, Embaixador Martin
A. Mbeng, a Embaixadora da União Africana, Amina S. Ali, Alfonso Chambe,
Raoul Daoundy, Felipe Santa Rosa, Cesar Augusto Maia, Carlos Cuenca, Madi-
agne Diallo, Ministro Milton Rondó Filho, Samantha Hamada Possi, Augusto
Souto Pestana, Daniel Machado da Fonseca, Lucia Helena Monteiro Souza,
Giuliana Magalhães Rigoni, Carlos Bielschowsky, Hélio Chaves, Demerval
Bruzzi, Eduardo Botelho Barbosa, Mauro Teixeira de Figueiredo, Luciano
Ávila Queiroz, José Roberto Ferreira, Luiz Eduardo Fonseca, Francisco Basilio,
Antonio Carlos do Prado, Ladislau Martin, Guilherme Brady, Francesco Perry,
Gabriela Geraldes Bastos, Iara Cristina da Silva Alves, Thomas Cooper Patriota,
Fernando Meirelles de A. Pimentel, Artur Lacerda, Ludmila Silva, Paulo Rob-
erto de Oliveira Araújo, Sergio Foldes, Romulo Tavares Ribeiro, Luciana Fer-
reira de Machado, Vivian Santos, Vinicius Vidal, Luis Henrique D’Andrea, Julia
Helida Falcão Costa, Vitor de Lima Magalhães, Hussein Ali Kalout, Rodrigo
Peixoto Moreira Penna, Ruderico Ferraz Pimentel, Paulo Roberto Freitas da
Fonseca, Ricardo Carneiro Gurgel Nogueira, Arlindo Castanheira, Brasil Ger-
aldo Filho, Ana Luisa Guéron, Marcos Ozório, João Roberto Vasconcelos, Ana
Maria Amorim, Marcos Ozorio de Almeida, Adriano Ubisse, Frederico Lamego
de Teixeira Soares, Gustavo do Vale Dias Rosa, Bruna Blanquier Lessa-Bastos,
Guilherme Mercês, William Pamplona Figueiredo, Simone Saisse Lopes,
Gabriel Ferraz, Claudia Teixeira dos Santos, Jarbas Miranda de Sant’Anna,
André Garcez Ghirardi, Miguel Angel Pérez Peña, Andrew De Simone, Luiz
Jordão, Luis Carvalhal, Marcos Borges, Ana Carolina Uzeda, Flávio Henrique
Drummond Mattos, Claudio Frischtak, Paulo Sotero, Fatima Berardinelli,
Adriana de Queiroz, José Luiz Rangel Sampaio Fernandes, Sintia Said Coelho,
Luiz Claudio Barbosa, Lucia Maria Graça Rabelo de Assunção, Alício Rodrigues
Boaventura, Ana Flávia Granja e Barros, Iara Costa, Rodrigo Pires de Cam-
pos, Letícia Pi nheiro, Maurício Parada, Alexandre dos Santos, Carlos Pereira,
Amadou Diaw, Dr. Richard Maponya e Gavim Joachims.
Manifestamos um agradecimento especial a vários colegas do Grupo Banco
Mundial: Shantayanan Devarajan, Economista Chefe da Região da África, pre-
sidiu todas as reuniões de revisão conceitual e apresentou diversas sugestões
úteis no decorrer do processo; Christophe de Gouvello, Ileana Boza, Antonella
Bassani, Thierry Tanoh, Vice-Presidente da IFC, Jessica Poppele, Makhtar
Diop e Boris Utria pelo tempo dispensados às entrevistas. Agradecemos tam-
bém a Michel Wormser e Colin Bruce pelo apoio prestado a este trabalho.
Somos também gratos aos nossos editores, Steven Kennedy e Bruce Ross-
-Larson, e a Marcia Corteletti Loureiro pela tradução do documento para o
português.
xiii
Siglas e Abreviações
ABC Agência Brasileira de Cooperação
AID Associação de Desenvolvimento Internacional
APEX Agência Brasileira de Promoção de Exportações e
Investimentos
ASA Cúpula América do Sul-África
BNDES Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social
(Brasil)
BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul
CAD/OCDE Comitê de Assistência ao Desenvolvimento da OCDE
CECAT Centro de Estudos Estratégicos e Capacitação em
Agricultura Tropical (da EMBRAPA)
CEF Caixa Econômica Federal (Brasil)
CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e
Tecnológico (Brasil)
CTPD Cooperação Técnica entre Países em Desenvolvimento
DEAF/MRE Departamento da África, Ministério das Relações Exteriores
(Brasil)
DfID Departamento para o Desenvolvimento Internacional
(Reino Unido)
EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz (Brasil)
G-7 Grupo dos Sete
G-20 Grupo dos 20
G-77 Grupo dos 77
IBAS Índia, Brasil e África do Sul
IED Investimento estrangeiro direto
IFC Corporação Internacional de Finanças
IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Brasil)
IRBr Instituto Rio Branco (Brasil)
MDA Ministério do Desenvolvimento Agrário (Brasil)
MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio
Exterior (Brasil)
MDS Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome
(Brasil)
Mercosul Mercado Comum do Sul
xivsPonte sobre o Atlântico
MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimento (Grupo
Banco Mundial)
MRE Ministério das Relações Exteriores (Brasil)
OCDE Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico
ODI Instituto de Desenvolvimento no Exterior (Reino Unido)
ONG Organização não governamental
ONU Organização das Nações Unidas
PIB Produto interno bruto
PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento
RNB Renda nacional bruta
SACU União Aduaneira da África Austral
SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Brasil)
SENAR Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Brasil)
TIC Tecnologia da informação e comunicação
UE União Europeia
UNCTAD Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e
Investimento
1
Resumo Executivo
1
Ponte sobre o Atlântico é um estudo descritivo sobre o envolvimento do Brasil
com seus pares na África Subsaariana ao longo da última década, por meio do
intercâmbio de conhecimentos, comércio e investimentos. O objetivo deste
estudo é entender melhor essas relações, com o intuito de forjar parcerias
concretas e mutuamente benéficas entre o Brasil e a África Subsaariana. Dois
fatores explicam a ênfase na década passada. Primeiro, embora tenha havido
interação entre o Brasil e a África nos últimos 200 anos (como mostra o capí-
tulo 2), foi somente na década passada que se construiu um engajamento mais
robusto, por meio de parcerias mais fortes e projetos de longo prazo. Segundo,
não havia, nem no Brasil nem na África, a prática de coletar, organizar e analisar
dados sobre parcerias anteriores, o que representa sério obstáculo na obtenção
de informações confiáveis.
O Brasil e a África Subsaariana são parceiros naturais; tendo, em um dado
momento, compartilhado uma geografia comum e uma mesma história.
Há aproximadamente 200 milhões de anos, a África e o Brasil formavam a
massa continental de Gondwana (figura ES.1). Há cerca de 200 anos, o tráfico
transatlântico de escravos uniu as duas regiões até a abolição da escravatura.
Atualmente, as duas regiões vêm restabelecendo ligações que poderão ter
efeitos importantes sobre a prosperidade e o desenvolvimento de ambas. Esse
engajamento reflete novas realidades positivas na evolução da cooperação para
o desenvolvimento, no rápido crescimento da África nos últimos anos e na
emergência do Brasil como uma potência econômica global interessada em
intensificar seus laços culturais e comerciais com a África.
A COOPERAÇÃO SUL-SUL ESTÁ TRANSFORMANDO A
ASSISTÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO
O modelo tradicional Norte-Sul de ajuda para o desenvolvimento, questio-
nado desde a década de 1970, cedeu lugar a arranjos alternativos de coopera-
ção técnica e financeira entre os países em desenvolvimento. Nos anos 1990,
havia amplo reconhecimento de que os modelos anteriores haviam fracassado
em suas tentativas de promover o desenvolvimento e abordar as causas pri-
2sPonte sobre o Atlântico
mordiais da pobreza. Na busca por alternativas para aumentar seu poder de
barganha no novo século, os países em desenvolvimento começaram a criar
novos agrupamentos. No plano econômico, a criação do G-20, em dezembro
de 1999, refletiu uma maior participação das grandes economias em desen-
volvimento na arquitetura global e, em 2001, as quatro grandes economias
em crescimento do Brasil, Rússia, Índia e China foram reunidas sob a sigla
“BRIC”. No fim de 2010, após a realização de duas reuniões de cúpula, a África
do Sul juntou-se ao grupo. No plano político, o Fórum do Diálogo Índia–
Brasil–África do Sul (IBAS) foi criado em meados de 2003, no Brasil, como
um espaço de intercâmbio de conhecimento e fortalecimento de interesses
comuns para esses três atores globais emergentes, democráticos e multiétnicos.
Outros grupos continuaram a surgir e a crescer, como a Cúpula América do
Sul e África, o Mercado Comum do Sul (Mercosul), e a União Aduaneira da
África Austral (SACU).
Na última década, a África tornou-se um continente de oportunidades, com
tendências econômicas positivas e uma melhor governança. O continente vem
sendo descrito como a nova fronteira para os que buscam parcerias e mercados.
O crescimento de alguns países africanos, sua resistência às crises globais recen-
tes e a implementação de reformas de políticas que fortaleceram os mercados
e a governança democrática vêm expandindo o comércio e o investimento na
região. Apesar dessa tendência positiva, muitos países africanos ainda enfren-
tam enormes gargalos de infraestrutura, são vulneráveis à mudança do clima
e apresentam capacidade institucional deficiente. Consequentemente, a ajuda
para o desenvolvimento continua sendo uma das principais fontes de apoio ao
Figura ES.1 Há milhões de anos, a África e o Brasil faziam parte de uma única massa continental
Fonte: Natural Resources Canada 2007.
Planaltos
Planícies
Plataforma continental
Águas profundas
Resumo Executivos3
desenvolvimento em vários países do continente, de modo que a transferência
e a troca de conhecimento ainda são necessidades prementes.
O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (2003–10) renovou o interesse do
Brasil pela África, estruturando-o em bases mais sólidas, como parte do obje-
tivo maior de ampliar o perfil global do Brasil. Durante seu governo, por exem-
plo, o Presidente Lula visitou a África 12 vezes, fato sem precedentes na história
política do Brasil. Tradicionalmente, os estudos das relações entre o Brasil e a
África tendiam a se concentrar nas ligações do Brasil e da África com os países
do Hemisfério Norte. Embora esses estudos “Norte–Sul” tenham contribuído
para o entendimento do Brasil e da África no contexto internacional, também
serviram para distorcer a história cultural, política e social que une o Brasil e a
África, incluindo o legado do tráfico de escravos no Atlântico. Pesquisas sobre
as relações entre o Brasil e África trouxeram novas perspectivas ao padrão tradi-
cional de análise “Norte-Sul” ao considerar o Atlântico Sul mais como um canal
de transferência cultural e experiências políticas e sociais do que um oceano geo-
político como o Atlântico Norte. As pesquisas demonstram que foram criadas
fortes ligações, identidades culturais e padrões comuns pelas experiências de
longo prazo da África no Brasil e vice-versa, o que contribuiu para aprimorar a
historiografia das relações entre os dois.
A NOVA ÁFRICA E O NOVO BRASIL POSSUEM INTERESSES
COMPLEMENTARES
A partir do final século XX, a África se tornou um dos principais temas da
agenda externa do Brasil. O Brasil tem demonstrado um interesse cada vez
maior em apoiar e participar do desenvolvimento de um continente que se
encontra em rápida transformação. A intensificação do engajamento do Brasil
com a África não somente demonstra a ambição geopolítica e o interesse econô-
mico do Brasil: os fortes laços históricos e a afinidade com a África diferenciam
o Brasil dos demais membros originais do BRICs.
O crescimento econômico do Brasil, sua atuação crescente no cenário
mundial, o sucesso alcançado em reduzir a desigualdade social e a experiência
de desenvolvimento oferecem lições importantes para os países africanos que,
dessa forma, buscam cada vez mais a cooperação, assistência técnica e investi-
mentos do Brasil. Ao mesmo tempo, multinacionais brasileiras, organizações
não governamentais e diversos grupos sociais passaram a incluir a África em
seus planos. Em outras palavras, a nova África coincide com o Brasil global.
Além disso, nos últimos cinco ou seis anos, o “movimento negro” brasileiro
vem ajudado a desenvolver um novo conjunto de normas e políticas públicas,
que inclui a criação de uma instituição federal para tratar de questões raciais, o
estudo obrigatório da história e cultura africanas e afro-brasileiras em escolas
e universidades públicas e particulares e incentivos para aumentar o número
de afrodescendentes que estudam no Instituto Rio Branco, a renomada escola
diplomática brasileira.
Complementando essas fortes ligações histórias e culturais, a tecnologia
brasileira parece ser de fácil adaptabilidade a muitos países africanos em razão
4sPonte sobre o Atlântico
das semelhanças geofísicas de solo e de clima. O sucesso recente do Brasil no
plano social e econômico atraiu a atenção de muitos países de língua portu-
guesa com os quais o país possui ligações históricas.
O Brasil mantém atualmente 37 embaixadas na África, comparado a 17 em
2002, um incremento correspondido pelo aumento do número de embaixa-
das africanas no Brasil: desde 2003, 17 embaixadas foram abertas em Brasília,
somando-se às 16 já existentes, o que representa a maior concentração de em-
baixadas no Hemisfério Sul.
Os países da África Subsaariana solicitam cooperação com o Brasil em cinco
áreas principais: agricultura tropical; medicina tropical; ensino técnico (em
apoio ao setor industrial); energia; e proteção social (figura ES.2). (Áreas de inte-
resse relativamente menor incluem ensino superior, esportes e ação afirmativa.)
Agricultura tropical. A Empresa de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), em
coordenação com a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e várias outras
instituições brasileiras de pesquisa, atua com parceiros locais na implementa-
ção de projetos modelo em agricultura com o objetivo de reproduzir o sucesso
alcançado no cerrado brasileiro e aprimorar o desenvolvimento agrícola e o
agronegócio na África. Constituem exemplos dessa atuação o Projeto Cotton-4
(que congrega Benin, Burkina Faso, Mali e Chade), o Apoio Técnico ao Desen-
volvimento de Inovação Agrária em Moçambique e o Projeto de Desenvolvi-
mento da Rizicultura no Senegal.
Figura ES.2 Principais áreas de atuação do Brasil em arranjos de cooperação
Sul-Sul, 2009
Fonte: ABC, 2009.
Obs.: As parcelas representam o percentual do portfolio total de projetos.
Cooperação
técnica
3%
Agricultura
19%
Outros
18%
Indústria
16%
Saúde
14%
Educação
11%
Meio ambiente
6%
Segurança Pública
6%
Administração
pública
4%
Energia
3%
Resumo Executivos5
Medicina tropical. Em 2011, o Brasil tem 53 acordos bilaterais sobre saúde
celebrados com 22 países africanos. A abordagem do Brasil no tratamento de
HIV/AIDS e outras doenças frequentes, como a malária e a anemia falciforme,
é altamente reconhecida por seus parceiros africanos. A Fundação Oswaldo
Cruz (FIOCRUZ), renomada instituição brasileira voltada para pesquisa e
desenvolvimento de ciências bioquímicas, vem liderando parcerias com insti-
tuições locais na África. Além de implementar uma série de projetos modelo em
medicina tropical, a FIOCRUZ desenvolve parceria com o governo de Moçam-
bique que prevê a construção de um laboratório farmacêutico que produzirá
medicamentos para o tratamento de HIV/AIDS e outras doenças. O laboratório
habilitará Moçambique a exportar para os países vizinhos.
Ensino profissionalizante. O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
(SENAI) construiu centros de ensino profissionalizante na Guiné Bissau, Cabo
Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe, tendo estabelecido recentemente
parcerias com Angola, Congo e África do Sul para abordar a questão do ensino
profissionalizante no contexto da promoção da industrialização e apoio a polí-
ticas de promoção de emprego para os jovens.
Energia. Energia sustentável é outra área em que o conhecimento especializado
do Brasil tem atraído a atenção de diversos países africanos. O sucesso na área
agrícola, no entanto, não foi suficiente para reduzir a pobreza. Dessa forma, po-
líticas públicas que promovem o crescimento econômico e a inclusão social são
centrais no processo de produção de cana de açúcar no Brasil — por exemplo,
as pequenas propriedades locais e de agricultura familiar recebem ajuda para
produzir energia (etanol). O setor privado brasileiro também está envolvido
com questões energéticas na África, como comprova a BIOCOM, uma joint
venture entre a empresa brasileira Odebrecht, a empresa estatal Sonangol de
Angola e a firma angolana Demer. O investimento de US$ 400 milhões visa à
utilização da cana de açúcar para produzir açúcar, etanol e eletricidade.
Proteção Social. Apesar dos enormes desafios enfrentados pelos formuladores
de política de um país conhecido por ter um dos maiores índices de desigual-
dade social da América Latina, foram concebidos alguns programas para im-
plementar proteções sociais. Desde 2003, vêm sendo implementadas políticas
voltadas para o combate à fome e à marginalização, sendo a iniciativa Fome
Zero uma das mais bens sucedidas, que inclui diversos programas (como o
conhecido Bolsa Família), promovido por meio de forte parceria entre 12 mi-
nistérios e agências governamentais. A experiência brasileira em proteção social
está sendo adaptada e reproduzida em outros países em desenvolvimento, tais
como Angola, Quênia e Senegal, com atividades que visam a criar condições
para a geração de um crescimento mais inclusivo.
Tendo em vista que a maioria dos projetos entre o Brasil e a África teve
início há menos de 10 anos, a avaliação adequada de seus resultados ainda é in-
suficiente. Entretanto, em muitos casos, os resultados iniciais têm sido positivos
e destacam o potencial de um envolvimento mais sustentado e de longo prazo.
6sPonte sobre o Atlântico
A ÚLTIMA DÉCADA VIU CRESCIMENTO SEM PRECEDENTES
DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS DO BRASIL COM A ÁFRICA
O comércio do Brasil com a África cresceu de US$ 4 bilhões para US$ 20 bilhões
entre 2000 e 2010, criando um ambiente propício para que o Banco Nacional
Fonte: Elaborada pelos autores.
Figura ES.3 Empresas brasileiras na África, 2010
N
o
. de AGENTES tradicionais
Resumo Executivos7
de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançasse e implementasse
medidas voltadas para a promoção do comércio entre as duas regiões com base
em empréstimos brasileiros. O estímulo dado às exportações brasileiras tam-
bém tem sido fundamental para a expansão do comércio. Em 2008, programas
de estímulo a empresas brasileiras que atuam na África (no âmbito da iniciativa
conhecida como “Programa Integração com a África”) resultaram no desem-
bolso de R$ 477 milhões (aprox. US$ 265 milhões); em 2009, este valor saltou
para R$ 649 milhões (aprox. US$ 360.5 milhões).
Investimentos do setor privado brasileiro na África tiveram início nos anos
1980 e chegaram a tal ponto que atualmente as empresas brasileiras atuam em
quase todas as regiões do continente, com atividades concentradas nas áreas de
infraestrutura, energia e mineração (figura ES.3). A presença do Brasil chama
a atenção devido à forma como as empresas brasileiras realizam seus negócios;
elas tendem a contratar mão de obra local para seus projetos, favorecendo o
desenvolvimento de capacidades locais, o que acaba por elevar a qualidade dos
serviços e produtos. As principais empresas brasileiras atuantes na África, em
termos de volume de vendas e investimento, são a Andrade Gutierrez, Camargo
Correa, Odebrecht, Petrobras, Queiroz Galvão e Vale.
Dado o ambiente de negócios favorável aos investimentos brasileiros na
África, a Agência Brasileira de Exportação (APEX) vem fomentando a presença
de pequenas e médias empresas no continente, por meio de feiras de negócios,
por exemplo. Em um único evento, realizado em abril de 2010, em São Paulo,
empresas brasileiras e africanas assinaram contratos e fecharam negócios tota-
lizando aproximadamente US$ 25 milhões, em setores como alimentos e bebi-
das, confecções e calçados, setor automotivo, produtos eletrônicos, moradia e
construção e cosméticos.
As tendências analisadas neste estudo indicam que o Brasil e a África desen-
volvem, em conjunto, um modelo de relações Sul-Sul que pode ajudar a reunir
os dois lados do Atlântico.
O RELACIONAMENTO ENTRE A ÁFRICA E O BRASIL OFERECE
LIÇÕES ÚTEIS PARA O BANCO MUNDIAL E OUTRAS
ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS
O Grupo Banco Mundial teve uma atuação relativamente periférica e inci-
dental na formação do relacionamento crescente entre o Brasil e os países
subsaarianos, embora isso esteja atualmente mudando com a nova Estratégia
para a África do Banco. Está claro que a cooperação Sul-Sul terá um papel
fundamental no futuro, por meio de parcerias, troca de conhecimento e finan-
ças. Entretanto, são necessárias melhores ferramentas e incentivos para que o
Banco possa sistematicamente incorporar e alavancar o engajamento Sul-Sul
na implementação dessa estratégia, especialmente no tocante a investimentos
e comércio.
Embora as relações entre o Brasil e a África tenham se intensificado muito
na última década, ainda existem desafios consideráveis. Em particular, existe
8sPonte sobre o Atlântico
um desconhecimento nos dois lados do Atlântico. A maioria dos brasileiros —
incluindo muitas pequenas e médias empresas (PMEs) — possui conhecimento
limitado e normalmente desatualizado sobre a África; as poucas informações
que tem, muitas vezes, se limitam a Angola, Moçambique e, às vezes, à África do
Sul. Muitos países não lusófonos enfrentam obstáculos linguísticos para obter
informações sobre o Brasil, especialmente do governo, tendo em vista que essas
informações normalmente não são disponibilizadas em inglês e francês. Outro
impedimento é que — apesar da proximidade geográfica entre a África Ociden-
tal e o leste do Brasil — há poucos voos entre as duas regiões. A burocracia de
ambos os lados atrasa o comércio marítimo que chega a levar 80 dias, em vez
de 10. O Banco Mundial poderia contribuir para a superação desses obstáculos,
de modo a favorecer a ampliação do relacionamento entre a África e o Brasil e
trazer benefícios adicionais para todos.
O relacionamento crescente entre a África e o Brasil revela lições mais am-
plas importantes para o Banco Mundial e outros agentes internacionais que
deveriam fortalecer e inovar o apoio às iniciativas Sul-Sul em geral. Existem
certamente aspectos históricos, culturais e geográficos que são únicos ao caso
Brasil–África e que tornam tanto a disposição do Brasil de compartilhar seu
sucesso como o interesse dos países da África de aprender com a experiência
do Brasil terreno fértil para o Banco demonstrar sua atuação como ponto de
ligação e facilitador do conhecimento.
O Banco Mundial também poderia desempenhar um papel direto e catali-
sador na cooperação Sul-Sul ao promover a participação das empresas brasi-
leiras (e de outros mercados emergentes, como a Índia e a África do Sul, por
exemplo) em seu processo de aquisição, particularmente na África. Isso teria o
efeito positivo não somente de levar diretamente mais experiência relevante de
empresas brasileiras para a África, mas também sinalizaria a atuação crescente
dos países emergentes no próprio Banco Mundial. Por meio dos Serviços de
Divulgação às Empresas (Enterprise Outreach Services) — que visa a fortalecer
as relações do Grupo Banco Mundial com o setor privado de forma a informar
e promover a participação de empresas — o Banco poderia organizar oficinas
de divulgação no Brasil (como faz para empresas europeias e dos EUA) dos
produtos e serviços do banco para incentivar investimentos do setor privado
na África.
Outras formas por meio das quais o Banco poderia forjar relações crescentes
entre o Brasil e a África são:
s Apoiar a colaboração Sul-Sul — prestando apoio às partes (o governo
e o setor privado do Brasil, e os governos e o setor privado na África), em
termos de projetos Sul-Sul específicos, por meio de empréstimos, garan-
tias e outras formas de assistência, que poderiam abranger, por exemplo,
a ampliação de projetos oriundos das relações bilaterais entre o Brasil e
determinado país africano para outros países no continente. Um projeto
de assistência técnica do Brasil em Moçambique pode, por exemplo, ser
altamente relevante para a Tanzânia; o Banco poderia apoiar a divulga-
ção de informações sobre o projeto, seja por intermédio de seus próprios
Resumo Executivos9
funcionários ou por meio da concessão de recursos para que especialistas
brasileiros ou moçambicanos apliquem a experiência na Tanzânia. O
Banco poderia também facilitar o intercâmbio de conhecimentos e me-
lhores práticas entre o Brasil e a África, em particular os países lusófonos,
tendo em vista o interesse dos países africanos pelas melhores práticas
brasileiras. Seria igualmente benéfico promover a pesquisa aplicada con-
junta entre instituições de ensino africanas e brasileiras.
s Examinar o impacto atual e potencial das atividades tradicionais do
Banco relevantes para a cooperação Sul-Sul do prisma dessa coopera-
ção. Essas áreas relevantes incluem clima de investimento, governança,
agricultura, saúde, educação, justiça e registro de terras. Por exemplo, o
programa altamente bem sucedido do Brasil de tratamento e prevenção
de HIV/AIDS e malária tem relevância direta para as iniciativas do Banco
nesse sentido.
s Melhorar a coordenação entre as regiões do Banco e entre os setores e
regiões mediante a criação de equipes transregionais (como por exemplo
entre as regiões da América Latina e Caribe e da África) para o intercâm-
bio de experiências e a implementação de atividades Sul-Sul específicas,
algumas vezes em conjunto com iniciativas que já estão em execução.
s Incorporar sistematicamente dimensões Sul-Sul mensuráveis nas estra-
tégias de assistência de país, estratégias de parceria de país, avaliações
de assistência de país, etc. Avaliar também se incentivos ou mecanismos
internos específicos de apoio à cooperação Sul-Sul (por meio de progra-
mas de trabalho, avaliações de trabalho, etc.) poderiam ser úteis, evitando
assim a criação de novas burocracias. Como parte desse exercício, seria
conveniente coletar e divulgar exemplos de trabalhos bem sucedidos do
Banco nessa área, como o programa de trabalho da Unidade de Gestão
de País do Brasil para a cooperação Sul-Sul, com vistas a agilizar essas
atividades de forma mais sistemática e estratégica em todo o Banco.
s Consultar sistematicamente o governo do Brasil, bem como o governo
dos outros principais países emergentes envolvidos em cooperação
Sul-Sul, como executores ou doadores, tais como os BRICS, para colher
opiniões sobre como tornar o apoio do Banco mais relevante e eficaz. O
objetivo aqui seria tanto de natureza prática como estratégica, ou seja,
ajudar a superar a percepção entre alguns membros de que o Banco não
reconhece nem entende as contribuições que realizam para o desenvolvi-
mento. Uma possibilidade poderia ser a realização de programa conjunto
entre o Grupo Banco Mundial e o BNDES em apoio ao comércio e inves-
timento brasileiros na África.
s Ampliar, no âmbito do Banco, o foco das atividades Sul-Sul do Instituto
Banco Mundial para outras áreas (especialmente infraestrutura, clima de
investimentos e desenvolvimento do setor privado, governança, saúde e
educação) e incluir mais assistência técnica e empréstimos nessas áreas
(além da troca de conhecimentos). Em particular, existe a necessidade de
contar com mais atividades diretamente relacionadas com investimento,
desenvolvimento do setor privado e crescimento dos postos de trabalho,
10sPonte sobre o Atlântico
temas que até o momento parecem estar fora do escopo principal das
atividades Sul-Sul, contempladas pelos programas do Banco.
s Encontrar áreas específicas ou aspectos de programas relacionados com
projetos de cooperação Sul-Sul que poderiam se beneficiar de programas
de trabalho ou objetivos conjuntos, tendo em vista que a coordenação
entre o Banco, a Corporação Internacional de Finanças (IFC) e a Agência
Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA) com relação ao apoio
à cooperação Sul-Sul continua a ser um desafio. Dois exemplos, entre
tantos outros, seriam um maior alinhamento entre o Banco e os escritó-
rios de país da IFC nos principais mercados emergentes para a promoção
de investimentos sustentáveis Sul-Sul e melhor capacitação, e fornecer
mais incentivos para que os funcionários do Banco (e da IFC) nos escri-
tórios de país realizassem “venda cruzada” dos serviços de garantia da
Agência Multilateral de Garantia de Investimentos.
s Fortalecer ainda mais a coordenação com outros organismos multilate-
rais, particularmente os mais novos mecanismos Sul-Sul, com vistas a
que o Banco tenha uma atuação eficaz na cooperação Sul-Sul, superando
alguns dos estereótipos nos países em desenvolvimento e evitando a du-
plicação de esforços. O Banco, por exemplo, está muito bem posicionado
para facilitar a realização de uma cúpula global anual de desenvolvimento
Sul-Sul, preferencialmente em um país emergente ou em desenvolvimento.
METODOLOGIA DO RELATÓRIO
Os dados foram colhidos entre outubro de 2010 e agosto de 2011 por uma
equipe de nove profissionais do Banco Mundial, do Instituto de Pesquisa and
Econômica Aplicada (IPEA) e da Universidade de Brasília (UnB), as duas in-
stituições ligadas ao governo brasileiro. Entre as principais fontes pesquisadas,
encontram-se documentos oficiais (principalmente tratados internacionais e a
legislação brasileira), documentos não oficiais, projetos, relatórios, livros, arti-
gos, discursos, análises, troca de e-mails e entrevistas. Durante todo o período
da pesquisa, a equipe entrevistou 22 altos funcionários do Banco Mundial, 62
representantes do governo brasileiro e aproximadamente 20 representantes
de governos africanos com ligações prévias com o Brasil. Foram também rea-
lizadas entrevistas com 16 representantes do setor privado, 15 especialistas de
universidades e organizações não governamentais, tanto no Brasil como na
África. No total, foram realizadas entrevistas com mais de 130 profissionais em
Acra, Bamako, Bissau, Brasília, Dacar, Maputo, Praia, Pretória, Rio de Janeiro e
Washington, D.C. Uma missão do Banco foi a Brasília e ao Rio de Janeiro, em
dezembro de 2010, para entrevistar pessoalmente 50 profissionais aproximada-
mente, e conversas de acompanhamento foram também realizadas em Washing-
ton, D.C., via áudio ou teleconferência. A equipe dependeu da disponibilidade
das autoridades durante o período de coleta de dados, e nem todas as entrevistas
solicitadas puderam ser realizadas.
O relatório compreende seis capítulos que apresentam informações descriti-
vas e analíticas sobre as características, tendências, limitações e relações qualita-
Resumo Executivos11
tivas entre a África Subsaariana e o Brasil, assim como algumas das implicações
políticas desse relacionamento.
O Capítulo 1 apresenta um histórico da nova arquitetura política e finan-
ceira global, destacando as principais características do sistema internacional de
cooperação para o desenvolvimento, incluindo os canais Norte-Sul e Sul-Sul,
bem como a emergência do Brasil como um ator mundial na última década. O
capítulo também descreve a África como um continente de rápido crescimento
econômico e demográfico, que oferece novas oportunidades intra e intercon-
tinentais. Mais recentemente, a África estabeleceu fortes ligações com alguns
atores emergentes. O presente relatório concentra-se na forma como o Brasil e
a África estão explorando essas novas possibilidades.
O Capítulo 2 observa as ligações históricas entre o Brasil e a África, de uma
perspectiva mais ampla do que as ligações linguísticas existentes entre os países
de língua portuguesa, incluindo o legado da escravidão e também outras ma-
nifestações políticas e culturais importantes dos laços que unem os dois lados
do Atlântico. As ligações históricas e as similaridades subjetivas identificadas
no Capítulo 2 ajudam a entender o tipo de conexões que serão explicadas e
analisadas nos Capítulos 3 e 4.
O Capítulo 3 focaliza em como e por que o Brasil passou da situação de re-
cipiente de ajuda (nos anos 1960) à de provedor em 2010. Destacam-se também
as principais características da cooperação do Brasil em termos de desenvolvi-
mento internacional, especialmente no que se refere ao seu engajamento na
cooperação Sul-Sul, priorizando as ligações dentro da América do Sul e com a
África. Em seguida, são analisadas algumas das motivações e o modus operandi
do recente engajamento do governo brasileiro como a África.
O Capítulo 4 identifica as áreas primordiais de conhecimento especializado
do Brasil que vem sendo atualmente compartilhado com parceiros africanos,
conforme resumido acima. Demonstra como a tecnologia brasileira pode ser
facilmente adaptável à África, com base nas semelhanças geológicas e do clima,
e nas ressonâncias entre o histórico político e socioeconômico do Brasil e de
algumas sociedades africanas. Embora seja o mais longo do relatório, com de-
talhes sobre as razões e a forma como essa cooperação Brasil–África evoluiu, o
Capítulo 4 não tem a pretensão de apresentar uma lista exaustiva das iniciativas
atuais, tendo em vista sua natureza dinâmica, bem como as limitações de tempo
e espaço.
O Capítulo 5 oferece uma visão geral das atuais tendências de comércio e in-
vestimento na África Subsaariana, envolvendo tanto o governo brasileiro como
o setor privado. Embora tenha havido crescimento rápido e significativo das
interações comerciais, estas ainda se apresentam limitadas quando comparadas,
por exemplo, à atuação da China na África. Dessa forma, o capítulo destaca as
enormes oportunidades que existem para uma maior interação.
O Capítulo 6 apresenta conclusões e oferece sugestões de políticas para a Re-
gião da África do Banco Mundial fortalecer a colaboração Sul-Sul entre a África
Subsaariana e o Brasil. Recomenda também mecanismos para manter e ampliar
o diálogo entre os parceiros da África Subsaariana e o Brasil com a finalidade de
aumentar a capacidade em setores essenciais na África.
PONTOS PRINCIPAIS
· The world’s financial and political architecture has changed enor-
mously in the past 10 years.
· Brazil, Russia, India, China, and South Africa (BRICS) and other
emerging economies play a significant role in Africa’s growth, contrib-
uting to development and prosperity on that continent.
· Africa is a continent of opportunities as its resilience to global eco-
nomic shocks and its democracies become stronger. But it still faces
a wide infrastructure gap, is vulnerable to climate change, and suffers
from weak institutional capacity.
CAPÍ TULO
1
13
A Nova Arquitetura Financeira e
Política Mundial
PONTOS PRINCIPAIS
· A arquitetura financeira e política mundial mudou significativamente
nos últimos 10 anos.
· Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS) e outras econo-
mias emergentes desempenham um papel importante no crescimento
da África, contribuindo para o desenvolvimento e a prosperidade do
continente.
· A África é um continente de oportunidades, tendo em vista sua re-
sistência aos choques econômicos globais e o fortalecimento de suas
democracias. No entanto, o continente ainda enfrenta uma ampla
lacuna em termos de infraestrutura, é vulnerável à mudança climática
e apresenta uma capacidade institucional deficiente.
O SISTEMA INTERNACIONAL DE COOPERAÇÃO PARA O
DESENVOLVIMENTO
O desenvolvimento internacional da forma como o entendemos hoje é um
conceito relativamente novo. Embora o reconhecimento do hiato entre países
ricos e pobres remonte a, pelo menos, meados do século XIX, preocupações
com o desenvolvimento se inseriam, naquela época, nas agendas nacionais e
bilaterais. Os primeiros instrumentos de cooperação para o desenvolvimento
internacional foram forjados primordialmente pelo Ocidente e pelo Norte,
que estabeleceram dicotomias tanto ideológicas (o Ocidente contra o Oriente)
como econômicas (o Norte industrializado contra o Sul pobre).
Um sistema formal mais abrangente de cooperação internacional para o
desenvolvimento somente veio a surgir após o fim da Segunda Guerra Mun-
dial, com a criação de instituições internacionais políticas, econômicas e de
segurança. Em meados do século XX, o Banco Mundial, o Fundo Monetário
Internacional (FMI) e os bancos regionais de desenvolvimento ajudaram a
promover ideias de multilateralismo e internacionalismo a serviço do desen-
volvimento econômico e social.
14sPonte sobre o Atlântico
Nos anos seguintes, outras instituições multilaterais inseriram questões de
desenvolvimento na agenda. Em 1961, por exemplo, a Assembleia Geral das
Nações Unidas (ONU) lançou a primeira “Década do Desenvolvimento”, em
que os Estados membros deveriam apoiar um processo geral de crescimento
econômico acelerado e o progresso social nos países em desenvolvimento. Ide-
almente, os países industrializados contribuiriam para reduzir o hiato entre as
economias ricas e pobres por meio da transferência de capital para o Sul.
Durante a década de 1960, com as guerras pós-coloniais, novos atores
somaram-se à clivagem Norte-Sul. Somente na África, 17 novos países atingi-
ram sua independência no decorrer daquela década. O número de países em
desenvolvimento era o maior jamais conhecido. A fim de atender algumas de
suas necessidades de desenvolvimento, a Conferência das Nações Unidas sobre
Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) formalizou, em sua primeira sessão,
em 1964, o Grupo dos 77 (G-77), que contava com 77 países em desenvolvi-
mento como Estados membros. A UNCTAD tornou-se um fórum para delibe-
rações intergovernamentais e pesquisa analítica voltada para a integração dos
países em desenvolvimento no sistema mundial de comércio. O G-77 continua
sendo o maior agrupamento de países em desenvolvimento dentro da ONU.
Apesar dos desafios, o G-77 serviu como um espaço relevante para a articulação
de interesses econômicos comuns do então chamado “Terceiro Mundo”.
1
Em meados dos anos 1960 e início dos anos 1970, surgiram diversas teorias
no mundo em desenvolvimento para explicar o subdesenvolvimento, a pobreza
e outros problemas relacionados, sendo a mais famosa entre elas a “Teoria da
Dependência”, criada por intelectuais latinoamericanos. Alguns defensores
da Teoria da Dependência (Ruy Mauro Marini, Theotônio dos Santos, Vânia
Bambirra, Orlando Caputo e Roberto Pizarro) tinham uma visão marxista,
enquanto outros (como Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto) adotavam
uma perspectiva mais weberiana. Apesar das diferenças, o principal argumento
dos teóricos da dependência partia da premissa de que o “subdesenvolvimento”
não era o estágio preliminar de uma trajetória que levaria ao “desenvolvi-
mento”. Ao invés disso, acreditavam que o relacionamento existente entre os
países “centrais” (desenvolvidos) e “periféricos” (subdesenvolvidos ou menos
desenvolvidos) perpetuava essa diferença. Ao adotarem determinado modelo
de crescimento econômico (como, por exemplo, permanecer primordialmente
um exportador agrícola), os países periféricos reforçariam sua própria depen-
dência dos países centrais, permanecendo assim “reféns” do mercado interna-
cional e com poder limitado para tomar suas próprias decisões. Em um mundo
onde prevalece esta dinâmica, a modernização real e o desenvolvimento efetivo
provavelmente não se tornarão realidade (Cardoso e Faletto 1969; Machado
1999; Duarte e Graciolli 2007).
Apesar das críticas dos teóricos da dependência, os países em desenvolvi-
mento continuaram tentando melhorar sua situação econômica utilizando os
1
Ver: “The Group of 77 in the United Nations” www.g77.org. Em 2011, o G-77 tem 133
membros, incluindo todos os países da África, bem como economias maiores como o Brasil,
a China, a Índia e a África do Sul.
A Nova Arquitetura Financeira e Política Mundials15
mecanismos existentes. Durante a década de 1970, países desenvolvidos como
a Alemanha, o Japão, a Espanha, França, Itália e Suíça começaram a forne-
cer ajuda financeira e cooperação técnica substancial aos países do “Terceiro
Mundo”, inclusive ao Brasil. E nos 20 anos seguintes, em paralelo a esses canais
Norte-Sul, começaram a se desenvolver canais horizontais entre os países em
desenvolvimento. Na falta de recursos financeiros e força política, os países em
desenvolvimento continuariam a depender de fóruns multilaterais para avan-
çar, sendo um exemplo importante a iniciativa de Cooperação Técnica entre
Países em Desenvolvimento (CTPD), formalizada por diversas resoluções da
Assembleia Geral da ONU. Este mecanismo embriônico de cooperação Sul-Sul
recebeu sua estrutura conceitual e operacional no Plano de Ação de Buenos
Aires, que visava explorar mais as atividades de CTPD em setores específicos
(PNUD 1995).
Essa nova abordagem, no entanto, não era perfeita. Em meados da década
de 1990, havia amplo reconhecimento de que os modelos anteriores haviam
fracassado em efetivamente promover o desenvolvimento e resolver as causas
primordiais da pobreza. Na busca por alternativas e para aumentar o seu poder
de barganha no novo século, os países em desenvolvimento começaram a criar
novos agrupamentos. No plano econômico, o G-20, criado em dezembro de
1999, congregando também alguns países em desenvolvimento, revela o novo
papel das grandes economias em desenvolvimento na arquitetura global.
2
Em
2001, um analista da Goldman Sachs criou a sigla BRIC para referir-se às quatro
economias em crescimento do Brasil, Rússia, Índia e China, e o rótulo persistiu
(Goldman Sachs 2001, 2003). No plano político, o Fórum de Diálogo Índia–
Brasil–África do Sul (IBAS) foi criado no Brasil, em meados de 2003, como
um espaço de intercâmbio de conhecimento e de fortalecimento de interesses
comuns entre esses três atores globais multiétnicos e democráticos.
Esses arranjos alternativos alinharam-se estrategicamente com a visão de
mundo elaborada por Luiz Inácio Lula da Silva, Presidente do Brasil de 2003
a 2010, e seu Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, que buscavam
encontrar novas esferas de articulação política para uma potência intermediária
como o Brasil. Segundo essa visão de mundo, os centros decisórios tradicionais
não representavam o mundo em desenvolvimento — nem mesmo as econo-
mias emergentes. Consequentemente, novos arranjos faziam-se necessários
para que os atores emergentes pudessem ser mais ativos e exercessem uma
maior influência no tratamento de temas de interesse global.
3

Hoje, após décadas de consolidação, o discurso Sul-Sul parece ter atingido
um certo grau de maturidade e os recursos humanos e financeiros mínimos
2
Ver www.g20.org. Embora criado em 1999, até 2008 o grupo não era mais do que um me-
canismo técnico por meio do qual os ministros da fazenda e presidentes do banco central
costumavam se reunir. A necessidade de uma atualização do mecanismo foi gerada pela crise
financeira de 2008, quando os chefes de estado e de governo passaram se reunir em cúpulas
oficiais.
3
Entrevista com Fernando Simas Magalhães, ex-chefe do Departamento da África (DEAF)
do Ministério das Relações Exteriores do Brasil e atual Embaixador do Brasil em Quito. Maio
de 2011.
16sPonte sobre o Atlântico
necessários para promover mudanças significativas.
O ultimo relatório da UNCTAD (2010), Economic
Development in Africa, ressalta que a cooperação
Sul-Sul é uma opção atraente para os países afri-
canos porque promete uma alternativa aos pro-
blemas enfrentados com os atuais mecanismos de
ajuda externa e representa uma nova dimensão dos
sistemas internacionais econômicos, financeiros e
comerciais, sobre os quais os países africanos podem efetivamente exercer in-
fluência. Segundo o relatório, as ligações Sul-Sul aumentam expressivamente
o poder de barganha da região em outras negociações internacionais, como
as relacionadas com o comércio internacional e a mudança do clima.
Em paralelo aos arranjos inovadores que ganharam ímpeto nos anos 2000,
os países do Norte começam a tratar de alguns dos aspectos contraprodutivos
da cooperação técnica tradicional, como o desrespeito à propriedade local,
desconexão com a realidade e falta de preocupação com a sustentabilidade
(De Haan, 2009). Nesse sentido, a Declaração de Paris sobre Eficácia da Ajuda
(2005) e a Agenda de Acra para Ação de 2008
4
defendiam uma nova estrutura,
sustentada pelo Comitê de Assistência ao Desenvolvimento da Organização
para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (CAD/OCDE). A Declaração
de Paris reuniu mais de 100 ministros e outras autoridades de alto nível cujo
objetivo era adotar ações de longo alcance para o monitoramento e reforma das
formas de entrega e gestão da ajuda, ao passo que a Agenda de Acra ofereceu
um plano de implementação. Esses dois documentos representam a estrutura
normativa da cooperação internacional hoje, com o objetivo geral de melhorar
o impacto da assistência sobre os problemas locais.
Durante as negociações da Agenda de Acra, autoridades brasileiras de alto
nível enfatizaram firmemente a necessidade de dar maior ênfase à cooperação
Sul-Sul, indicando que o texto original não destacava o mecanismo como
um canal legítimo de desenvolvimento internacional. A versão definitiva do
acordo refletiu essa preocupação do Brasil, e os compromissos daí resultantes
salientaram a importância de estabelecer parcerias mais eficientes para a coo-
peração internacional. A Agenda de Acra destaca o papel central da parceria de
países Sul-Sul e a necessidade de alinhar as estratégias dos parceiros, bem como
harmonizar os planos e objetivos dos doadores — tanto entre si como com os
parceiros (por exemplo, ao tomar decisões sobre níveis de necessidade, divisão
eficaz do trabalho e atuação colaborativa).
5
As chamadas abordagens não OCDE, como a iniciativa CTPD e outros
acordos Sul-Sul, não buscam substituir as estratégias tradicionais de cooperação
4
Ver www.oecd.org/dataoecd/11/41/34428351.pdf e www.oecd.org/document/18/0,3746,en_
2649_3236398_35401554_1_1_1_1,00&&en-USS_01DBC.html.
5
A abordagem do Brasil quanto à cooperação Sul-Sul não se coaduna com as definições da
Declaração de Paris e da Agenda de Acra, já que o apoio técnico brasileiro não inclui a trans-
ferência de recursos financeiros, nem tampouco condicionalidades.
“A construção desses grupos
informais [ou arranjos Sul-Sul]
ajudará a trazer mudanças para
as instituições formais”.
—Celso Amorim, 2011
A Nova Arquitetura Financeira e Política Mundials17
no desenvolvimento internacional.
6
Antes, representam um canal comple-
mentar com objetivos de reforço, e não mutuamente exclusivos. A UNCTAD
ressaltou a necessidade de focalizar práticas complementares em seu relatório
Economic Development in Africa de 2011, instando os participantes a “garantir
que a cooperação com países em desenvolvimento complemente as parce-
rias existentes com os países desenvolvidos — os países desenvolvidos são e
continuarão a ser parceiros importantes para o desenvolvimento da África”
(UNCTAD 2010:103).
Infelizmente, a coordenação da cooperação Sul-Sul com a ajuda Norte-Sul
suscita uma série de questões, como a eficácia da ajuda, com a qual os países
doadores continuam a ter dificuldades, mesmo após décadas de cooperação
para o desenvolvimento. Essas questões demandam maiores discussões entre
os países doadores.
A EMERGÊNCIA DO BRICS
Às vésperas do século XXI, várias tendências indicavam a emergência do Brasil,
Rússia, Índia e China, grandes economias de mercado que viriam a ser conhe-
cidas como o BRICs. Em 2000, o BRICs tinha uma participação de 23,3% do
produto interno bruto (PIB) mundial, com um crescimento real do PIB supe-
rior ao do Grupo dos Sete (G-7) (Goldman Sachs, 2001). Em 2001, a Goldman
Sachs sugeriu que, em 10 anos, os países do BRIC (principalmente a China)
teriam um grande impacto sobre a economia mundial. Com efeito, entre 2003
e 2010, o comércio entre os países do BRIC passou de US$ 38 bilhões para
US$ 220 bilhões (Ministério das Relações Exteriores do Brasil, 2011) e, não
obstante a crise financeira global de 2008–09, a expectativa é de que, até 2032,
as economias do BRICs venham a representar mais do que a metade da econo-
mia mundial (Beattie, 2010). Embora o conceito tenha sido criado em 2001, foi
somente em 2007 em Ecaterimburgo, na Rússia, que se realizaram as primeiras
reuniões interministeriais de alto nível. A África do Sul foi convidada a integrar
o grupo dos quarto países originais do BRICs em 2010; o grupo agora é conhe-
cido como BRICS, refletindo a presença de seus cinco membros atuais.
Apesar de seu desempenho econômico, todas as economias do BRICs en-
frentam sérios desafios internos. O Economista Chefe do Banco Mundial para a
Região da África salientou que “cada um (…) ainda possui bolsões expressivos
de pobreza (…) como o Oeste da China ou os estados indianos de Bihar e Uttar
Pradesh” (Devarajan, 2010).
7
Nesses bolsões, vivem centenas de milhões de
6
Resolução A/RES/58/220 da Assembleia Geral da ONU, 19 de fevereiro de 2004.
7
Para maiores informações sobre o papel desempenhado pelo mercado de trabalho e pelas
políticas sociais na conformação e tratamento das desigualdades nos países emergentes, ver
também OCDE (2010).
18sPonte sobre o Atlântico
pessoas. De fato, a desigualdade é uma das características mais marcantes desses
países e, consequentemente, seu PIB per capita continua baixo.
8
Mas o Brasil se sobressai. Segundo um estudo recente lançado pela Fun-
dação Getúlio Vargas,
9
o Brasil é o único país entre os BRICs que vem conse-
guindo crescimento econômico com redução das desigualdades sociais. Além
disso, a renda per capita do Brasil cresceu em média 1,8% mais rápido do que o
seu PIB (2003–09). O relatório também demonstra que, embora a desigualdade
esteja em alta em todo o mundo, ela vem diminuindo no Brasil e na América
Latina. O Brasil aparece em primeiro entre 146 países em termos de expectativa
e otimismo quanto à qualidade de vida em 2014. A Figura 1.1 compara a for-
mação original do BRIC e do G-7 com o passar do tempo.
Embora tenham realizado três reuniões de cúpula, os países do BRIC não
apresentam constituição bem definida, não seguem um conjunto comum de
princípios nem atuam como um único ator no cenário mundial. As divisões
fundamentais são profundas e decorrem desde de diferenças históricas e cultu-
rais até do sistema político e da maneira como se inserem na economia mun-
dial (De Almeida 2009; Standard Bank 2010). Em suas relações com o Sul, no
entanto, o BRICS simboliza um canal alternativo de cooperação internacional,
ao trazerem novos termos e condições à mesa de negociações.
Sem abandonar seus parceiros tradicionais, a África vem abrindo suas fron-
teiras para os novos mecanismos Sul-Sul emergentes. O comércio dos países do
BRIC original com a África aumentou quase dez vezes de 2000 e 2009, passando
de US$ 16 bilhões para US$ 157 bilhões, enquanto o comércio mundial ape-
nas triplicou no mesmo período (passando de US$ 13,1 trilhões em 2000 para
US$ 32,5 trilhões em 2008) (Standard Bank 2010). Segundo a OCDE (2010b),
os países em desenvolvimento — em particular as economias emergentes do
grupo do BRICS — vêm aumentando o investimento direito na África Subsa-
ariana, principalmente em setores essenciais como mineração e infraestrutura,
apesar de percepção de que a África ainda representa um ambiente de alto risco
para os negócios. Esses investimentos contribuem para o crescimento econô-
mico mediante a criação de empregos, aprimoramento da capacidade da mão
de obra e acesso a novas tecnologias.
Cada um dos BRICs possui motivação própria para o engajamento na
África, além do objetivo comum de ter acesso a recursos naturais. O Brasil
possui laços históricos com os países de língua portuguesa e os que se localizam
ao longo da costa do Atlântico (como a Nigéria, o Togo e Benin). O Brasil está
também empenhado em fortalecer seu papel como representante do Sul. A
8
Em maio de 2011, a revista Forbes publicou o novo ranking de bilionários do mundo. O
fato de os países do BRICs produzirem, juntos, 108 dos 214 novos nomes da lista é mais uma
prova da enorme divisão existente entre ricos e pobres nestas quatro economias emergentes.
Segundo a Forbes, “Esses quatro países abrigam um em quatro dos membros da lista, superior
a um em 10, há cinco anos. Antes de 2011, apenas os EUA haviam produzido mais do que
100 bilionários. Agora a China tem 115 e a Rússia, 101” (www.forbes.com/2011/03/08/world-
billionaires-2011-intro.html).
9
Fundação Getúlio Vargas (FGV): “Os Emergentes dos Emergentes: Reflexões Globais e Ações
Locais para a Nova Classe Média Brasileira” (http://www.fgv.br/cps/brics/).
A Nova Arquitetura Financeira e Política Mundials19
Índia busca a diversificação de mercados, espera aprimorar seus programas de
assistência para o desenvolvimento e tem interesse em fortalecer seus próprios
laços históricos com a África (IBSANews, 2011). A China certamente busca
ter acesso a recursos e mercados, mas também parece empenhada em cultivar
sua própria diáspora no continente africano. A Rússia está reavaliando seu en-
volvimento na África durante a Guerra Fria e busca, no momento, reformular
seus programas de assistência (Reuters 2009). Enquanto a Rússia ainda estuda
sua nova atuação na África, Brasil e Índia buscam forjar novas configurações
Sul-Sul que não incluam a China e a Rússia.
A China é certamente o ator mais expressivo entre os BRICs. Como parcela
do total de exportações, o país dobrou suas exportações para outros países em
desenvolvimento, passando de 15% em 1999 para 30% em 2008. O Standard
Figura 1.1 Os países do BRIC comparados ao G-7
Fonte: Financial Times (www.ft.com/cms/f7062fa0-039e-11df-a601-00144feabdc0.gif), citando dados do FMI e da Goldman
Sachs. Reproduzida com autorização do Financial Times.
Alemanha
França
Japão
Itália
Brasil
Reino Unido
EUA
100
Participação no PIB mundial (%) Crescimento do PIB (% da variação anual)
1500 2000 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 1600 1700 1800 1850 1900 1950 2000 2020 2050
60
80
20
0
40
Consumo dos domicílios, em 2008
(como % do PIB)
PIB per capita
(paridade do poder compra em US$)
Participação no crescimento do PIB mundial (% com base na paridade do poder de compra em US$)
EUA, Reindo Unido, Japão, Alemanha, Canadá, França e Itália
2000 US$ 2 618
2014
(previsão)
US$ 8 654
Previsão para 2014
US$ 45 780
. . . mas o consumo continuará
relativamente fraco
. . . mas em termos de população
permanecerão pobres
BRIC
G7
Países do G-7
Os BRICs deverão superar as economias desenvolvidas em termos de tamanho antes de 2050 . . .
Os paîses do BRIC serão responsáveis, em breve, por mais da metade do crescimento mundial . . .
China
Fonte: ONU Fonte: Goldman Sachs
BRICs
1990–2000 2000–08 2008–14 (previsão)
Fonte: FMI
Fonte: FMI
previsão da
Goldman
Sachs
previsão
do FMI
Rússia
Índia
Canadá
Europa
Ocidental
China
Índia
Rússia
Brasil
Japão
Índia
Rússia
Brasil
G7
EUA
Resto do
mundo
71,0
64,4
60,7
59,1
57,8
57,1
56,4
55,7
54,5
48,6
35,3
15
5
10
–5
–10
0
China
2000
US$ 29 651
12,8%
61,3%
46,3% 32,2%
19,8% 41,1%
20sPonte sobre o Atlântico
Bank (2010) estima que um quarto das exportações da China para as economias
em desenvolvimento seja atualmente destinado para a África.
A adesão da África do Sul ao grupo do BRIC foi celebrada durante a Cúpula
de Sanya, na China, em abril de 2011, expandindo o potencial econômico e po-
lítico do grupo, que passou a ser designado BRICS. Alguns analistas questiona-
ram a afiliação da África do Sul. Em entrevista recente, o criador da sigla BRIC,
Jim O’Neill da Goldman Sachs, enfatizou que existem outros países emergentes
com maior economia e melhor desempenho do que a África do Sul, como a In-
donésia, a Coreia do Sul, o México e a Turquia (BBC 2011). O’Neill argumenta
que os quatro países originais somente foram reunidos devido ao seu potencial
de desenvolvimento e crescimento, o que não parece ser o caso da África do Sul.
O PIB do novo membro corresponde a 1/16 do da China, e sua população de
50 milhões é pequena quando comparada à de outros países do BRIC. Outros,
no entanto, sugerem que a África do Sul reforçará laços com a África já estabe-
lecidos pelos membros originais do BRIC, ampliando o impacto político do que
antes era um grupo puramente econômico e permitindo que essas economias
emergentes representem o mundo em desenvolvimento em três continentes,
contrabalançando assim a influência do Ocidente e do Norte (Guardian 2011).
Entre os outros fóruns Sul-Sul surgidos nos últimos anos que facilitam ou
fortalecem as ligações entre a África e o Brasil encontram-se, particularmente,
o IBAS (Índia, Brasil e África do Sul), o Fórum de Cooperação América do Sul–
África, o Mercado Comum do Sul (Mercusul) e a União Aduaneira da África
Austral (anexo 2) .
ÁFRICA SUBSAARIANA: UMA NOVA FRONTEIRA?
A África Subsaariana é formada por 48 países com diferentes cenários socio-
econômicos, cuja diversidade inclui mil idiomas e dialetos (um sexto do total
mundial) e diversas zonas climáticas e ecorregiões. Com uma população de 841
milhões e uma taxa de crescimento anual de 2,3%, a África Subsaariana deverá
atingir o total de aproximadamente 1,5 bilhão de pessoas até 2050, tornando-
-se de longe o continente com crescimento mais rápido do mundo (UNDESA
2009).
Do fim dos anos 1950 até bem recentemente, as relações da África com
outros países do Sul eram voltadas para questões de natureza política. Nos
últimos anos, essa ênfase migrou para questões econômicas, e mais países na
região têm demonstrado interesse real em promover relações com outros países
do Sul, como forma de aumentar o crescimento, reduzir a pobreza e integrar-se
à economia global. Os governos africanos compartilham a esperança de que a
cooperação Sul-Sul possa vir a desempenhar papel importante para a solução
dos desafios de desenvolvimento enfrentados pela região (UNCTAD 2010). A
África é o maior recipiente de ajuda estrangeira. Há um descontentamento com
os mecanismos de ajuda atuais entre muitos governos na região, seja devido aos
compromissos que não são cumpridos ou às condições impostas que limitam as
opções políticas. As parcerias Sul-Sul evitam as condições políticas associadas à
A Nova Arquitetura Financeira e Política Mundials21
ajuda de doadores tradicionais. Além disso, os países em desenvolvimento con-
sideram a cooperação Sul-Sul um importante estímulo à inovação e à mudança
tecnológica. (UNCTAD 2010).
A África Subsaariana tem sido considerada uma sub-região com alto po-
tencial de crescimento, deixando para traz a imagem de estagnação e pobreza.
Nos anos 1990, foram introduzidas reformas econômicas e institucionais que
atraíram mais investimento estrangeiro, apesar da crise econômica do Leste da
Ásia. Esse dinamismo continuou até os anos 2000. A publicação Global Econo-
mic Prospects (Banco 2011a) estimou uma taxa de crescimento do PIB de 4,7%
para a África Subsaariana em 2010, tendo projetado crescimento à taxa de 5,3%
em 2011 e de 5,5% em 2012, superior ao 1,7% registrado em 2009. Segundo
esse relatório, a recuperação em 2010 deveu-se principalmente a fatores exter-
nos, como aumento no preço das commodities, crescimento do investimento
estrangeiro direto (IED), maior volume de exportação, recuperação do turismo
(devido à Copa do Mundo de 2010 na África do Sul) e um aumento da movi-
mentação de turistas para os principais destinos turísticos da região como Cabo
Verde, Quênia, Maurício, Seychelles e Tanzânia.
O interesse crescente na região reflete-se na taxa crescente de IED. Após
uma queda de 12,3% em 2009, houve recuperação de 6% em 2010, chegando a
US$ 32 bilhões (Banco Mundial 2011a). Três das maiores economias da África
Subsaariana — Angola, Nigéria e África do Sul — receberam, juntas, 40%
do IED. Os fluxos de investimento destinaram-se principalmente aos setores
extrativistas de países como Gana, República Democrática do Congo, Mo-
çambique, Niger e Zâmbia, além de países frágeis como a Libéria, Serra Leoa e
Guiné Bissau. O setor de transformação também recebeu boa parcela dos in-
vestimentos para projetos novos (41% dos metais, equipamentos de transportes
e alimentos e bebidas), assim como os setores de serviços (inclusive o setor
bancário, de telecomunicações e transportes).
O cenário político da África Subsaariana também apresentou importantes
desdobramentos. Após alcançar independência, os países subsaarianos tende-
ram a evoluir em três etapas: consolidação do regime autoritário em meados
dos anos 1970; crise de gestão sob o regime autoritário em fins dos anos 1980;
e explosão da democratização a partir dos anos 1990. Entre 1960 e 1970, a
maioria dos países da região ficou independente de seus antigos colonizadores.
Nessa época, as instituições da África eram frágeis e o pluralismo democrático
não era prática comum. Na verdade, no final dos anos 1970, a maioria dos
países africanos vivia sob regime autoritário. No fim dos anos 1980, apenas
cinco países da África Subsaariana tinham um sistema multipartidário: Bot-
suana, Gâmbia, Maurício, Senegal e Zimbábue (Ndulu e O’Connell 1999).
Sucedendo um cenário político dominado por “estados neopatrimoniais”,
10

10
“Em regimes neopatrimoniais, o chefe do executivo mantém autoridade por meio de
fisiologismo e do favorecimento pessoal, em lugar da ideologia ou lei. No neopatrimonia-
lismo contemporâneo, as relações de lealdade e dependência permeiam o sistema político e
administrativo formal, e os líderes ocupam cargos burocráticos mais para adquirir riqueza
e status do que para realizar o bem público. A distinção entre interesses públicos e privados
22sPonte sobre o Atlântico
as atuais tendências políticas na África apontam para a consolidação de estados
mais abertos e democráticos, com maior participação política, implementação
de reformas na governança, ambientes institucionais mais fortes, redução do
número e frequência de conflitos e níveis crescentes de investimento público
em serviços sociais como saúde e educação.
DESAFIOS REMANESCENTES
Os países africanos resistiram melhor à recente crise econômica mundial do
que os países do mundo em desenvolvimento. Muitos países têm-se beneficiado
da expansão do preço de commodities como o cobre, o ouro e o petróleo, mas
ainda existem importantes desafios a serem enfrentados para que se mante-
nham as taxas atuais de crescimento e se possa seguir trajetória de desenvolvi-
mento inclusivo. Os obstáculos são inerentes ao processo de democratização:
o impacto da mudança climática e o aumento recente do custo dos alimentos;
a consolidação das reformas da governança; a eliminação da corrupção; os in-
vestimentos maciços necessários para melhorar a infraestrutura; a importância
da integração regional; e a atuação e contribuição crescente da tecnologia da
informação.
Uma melhor governança
Em 2011, 21 países da região realizaram ou realizarão eleições presidenciais,
legislativas e locais. A forma como essas eleições forem realizadas (ou seja, se
de forma justa e com transparência) influenciará, em grande medida, as pers-
pectivas de desenvolvimento econômico sustentado dos respectivos países. As
experiências recentes na Costa do Marfim, Zimbábue, Quênia e na República
Democrática do Congo demonstram que a democratização nem sempre resulta
em transições pacíficas. A etnicidade tem sido utilizada “como um eixo para a
mobilização política” (Kimenyi 2011), e a alta concentração de poder no execu-
tivo “dá ao presidente poder imenso de distribuir benefícios aos que o apoiam
à custa de outros cidadãos” (Kimenyi 2011).
Diversos países, como a África do Sul, realizaram avanços em sua agenda de
reformas institucionais e aprimoraram a governança mediante a alteração da
estrutura regulatória, a implementação do uso de mecanismos de transparência
e prestação de contas, a abertura de mais espaço para a participação da socie-
dade civil nos processos de desenvolvimento e o trabalho de aprimoramento
do acesso à informação. Nas eleições parlamentares de abril de 2011 na Nigéria,
por exemplo, o governo investiu US$ 580 milhões para instalar um sistema de
votação transparente. Tal investimento “estabeleceu um recorde em termos de
gastos públicos com eleições” (The Economist 2011a). O esforço serviu também
fica intencionalmente indefinida. A essência do neopatrimonialismo é a concessão de favores
pessoais pelas autoridades, tanto no âmbito do Estado (principalmente por meio de empregos
no setor público) como na sociedade (por exemplo, licenças, contratos e projetos)” (Michael
Bratton e Nocilas Van de Walle 1994).
A Nova Arquitetura Financeira e Política Mundials23
para aumentar a transparência das eleições. Entretanto as instituições do legisla-
tivo e do judiciário permanecem deficientes, a população considera os tribunais
parciais e corruptos, e o acesso limitado a dados do governo mantidos pela Lei
de Segredos Oficiais dificulta a consecução da transparência e responsabilidade.
Outros países, como a Etiópia, Uganda e Libéria, aprovaram leis de infor-
mação. Embora sua implementação permaneça polêmica, a maior disponi-
bilidade de dados sobre o impacto da governança deficiente e da corrupção
no desenvolvimento de um país, os indicadores de governança e os índices
de corrupção fortalecem a responsabilização e aumentam a conscientização
dos cidadãos sobre o impacto da governança deficiente e da corrupção em sua
vida diária. Ainda assim, é necessário maior empenho por parte dos governos
africanos para resolver o problema da corrupção e do monopólio, que limita a
concorrência.
Em termos do ambiente de negócios, o relatório Doing Business de 2011
(Banco Mundial e IFC 2010) revela que cerca de metade de todas as reformas
de facilitação de negócios em 2009–10 foram realizadas na África Subsaariana.
Isso reflete a importância estratégica da integração regional, incluindo a im-
plementação de iniciativas existentes, como a SACU. Segundo o relatório, 27
das 47 economias subsaarianas implementaram as 49 reformas para melhorar
seu ambiente de negócios. Três economias da região — Ruanda, Cabo Verde e
Zâmbia — ficaram entre os 10 países que melhor se saíram em termos de re-
formas no ano passado, com base no número e no impacto das reformas sobre
a regulamentação de negócios para firmas entre junho de 2009 e maio de 2010.
A construção de infraestrutura adequada
A África Subsaariana encontra-se em último lugar entre todas as regiões em
desenvolvimento em termos de infraestrutura.
11
O fato de que tantos países
africanos são mediterrâneos (40% da população vive em países não litorâneos)
torna a infraestrutura e o acesso a transportes uma prioridade estratégica para
o crescimento econômico e o desenvolvimento.
A infraestrutura é de importância crucial para o crescimento. Em toda a
África, este setor respondeu por apenas cerca de um ponto percentual de cres-
cimento econômico per capita de 1990 a 2005, comparado com menos de 0,75
ponto percentual para outras políticas estruturais. Esta contribuição atribui-
-se quase que inteiramente a avanços na penetração dos serviços de telefonia
móvel. A deterioração da quantidade e qualidade da infraestrutura de energia
elétrica nesse mesmo período atrasou efetivamente o crescimento (Foster e
Briceño-Garmendia, 2009).
Dados empíricos e trabalho analítico demonstram que a falta de infraestru-
tura adequada e confiável, como água e eletricidade, limita o desenvolvimento
do setor privado e aumenta a desigualdade. “Na maioria dos países africanos,
particularmente nos países de mais baixa renda, a infraestrutura aparece como
uma limitação importante para a realização de negócios, deprimindo a produ-
11
Esta seção baseia-se em Aker e Isaac (2010), Banco Mundial (2011b), Calderón e Servén
(2010), Escribano, Guasch e Pena (2010) e Foster e Briceño-Garmendia (2009).
24sPonte sobre o Atlântico
tividade das empresas em cerca de 40%” (Escribano, Guasch e Pena 2010). O
setor de energia elétrica lidera em termos do déficit de infraestrutura: apenas
cerca de um quarto da população possui acesso à eletricidade, e o consumo
de energia continua equivalente a apenas um décimo do consumo de outras
regiões em desenvolvimento.
Há problemas abundantes também em outros setores. O percentual da
população com acesso a água potável aumentou na década passada para quase
60%, mas a capacidade de armazenamento precisa ser ampliada de 200 metros
cúbicos para, no mínimo, 750 metros cúbicos per capita. A distribuição de
água para fins agrícolas precisa ser aprimorada, já que apenas 6 milhões de
hectares estão devidamente equipados para irrigação e estes se concentram em
alguns poucos países. Transporte e acesso a estradas carecem de investimento
e instituições mais robustas para administrar o investimento, as operações e
principalmente a manutenção. Apenas 29% das estradas da região são pavi-
mentadas, e apenas um terço da população rural vive a menos de 2 quilômetros
de rodovias abertas durante o ano todo. Para cumprir seu papel na cooperação
inter-regional, o setor de transportes precisa de uma abordagem padronizada
e coordenada de fortalecimento do comércio e promoção do desenvolvimento
econômico.
Segundo o Banco Mundial (2011b), o custo para corrigir o déficit de infra-
estrutura da África está estimado em US$ 38 bilhões por ano, com um adicional
anual de US$ 37 bilhões necessários para operações e manutenção, perfazendo,
portanto, um total de US$ 75 bilhões ou cerca de 12% do PIB da África. Esse
total é superior aos recursos atuais estimados em cerca de US$ 35 bilhões por
ano. A mobilização de financiamento tanto do setor público como do setor
privado é essencial para o desenvolvimento da infraestrutura.
No setor de tecnologia da informação e comunicação, houve um incre-
mento expressivo no uso de telefones celulares, com 60% da população tendo
acesso à cobertura de serviços de telefonia móvel. Entre 2002 e 2007, o total
de assinaturas a serviços de telefonia móvel aumentou em 49% ao ano (Aker e
Isaac 2010). No entanto, o acesso a serviços de Internet não se beneficiou dos
mesmos níveis de cobertura. Existem apenas 2 milhões de assinantes a pro-
vedores de serviços privados de Internet, com cerca de 12 milhões utilizando
instalações públicas para acesso. Uma maior expansão das redes e outras opções
de conectividade contribuirão para impulsionar o desenvolvimento econômico
e a integração aos mercados globais. No caso do Brasil e África, em 2013, um
cabo submarino de 12800 gigabytes deverá conectar Moçambique e África do
Sul a Fortaleza, Ceará, no norte do Brasil.
12
Preparação para a mudança climática
A agricultura continua sendo a principal fonte de empregos e receitas de ex-
portação da África Subsaariana, respondendo por cerca de 30% do PIB da
sub-região (IFPRI, 2009). A maioria da população ainda vive em áreas rurais e
12
http://manypossibilities.net/african-undersea-cables/.
Resumo Executivos25
depende da agricultura tradicional para sua subsistência. A agricultura depen-
dente da chuva, combinada à infraestrutura deficiente, expõe a região a altos
níveis de vulnerabilidade devido à mudança climática, cujos sérios efeitos pre-
vistos até 2050 nos países africanos incluem a redução da produção de arroz em
14%, trigo em 22%, e milho em 5%; a deterioração da relação entre o consumo
e a demanda de água; a falta de alimentos na região que diminuirá 500 calorias
da média consumida diariamente (uma queda 21%); e o aumento do número
de crianças mal-nutridas de 33 milhões para 53 milhões (IFPRI 2009). Essa si-
tuação requer novos investimentos na infraestrutura agrícola, além de políticas
e instituições mais fortes.
27
História das Relações
Brasil–África
PONTOS PRINCIPAIS
· O Brasil possui fortes vínculos históricos, sociais e geopolíticos com
a África, tendo, nos últimos anos, desenvolvido também ligações
econômicas.
· O Brasil revitalizou sua política para a Africa no século XXI, em vista
das transformações substanciais por que passa o continente.
· O Brasil e a Africa estao forjando um novo modelo de relaçoes Sul-Sul.
Tradicionalmente, os estudos das relações entre o Brasil e a África tendem a
se concentrar nas ligações do Brasil e da África com os países do Hemisfério
Norte. Embora esses estudos “Norte–Sul” tenham contribuído para o conhe-
cimento sobre o Brasil e a África no contexto internacional, também serviram
para distorcer a história cultural, política e social que une o Brasil e a África,
incluindo o legado do tráfico de escravos no Oceano Atlântico.
Em vez de se concentrar nas ligações entre o “centro” e a “periferia”, este
capítulo examina os antecedentes históricos das relações “Sul-Sul” entre o
Brasil e a África, ilustrando as conexões, as identidades culturais e os padrões
comuns criados pelas experiências de longo prazo da África no Brasil e do Brasil
na África.
Diversos autores trouxeram uma nova perspectiva ao padrão tradicional
de análise “Norte-Sul” ao considerarem o Atlântico Sul mais como um canal
de transferência cultural e experiências políticas e sociais do que um oceano
geopolítico, tal como ocorre com o Atlântico Norte. Trata-se se uma evolução
em relação à historiografia das relações entre o Brasil e a África. As dimensões
globais da diáspora africana (Harris 1982), o capitalismo mercante e o tráfico
de escravos (Miller 1988), as percepções brasileiras das rotas do Atlântico Sul
como canais “mediterrâneos” de paz e comércio (Saraiva 1996) e a perspectiva
humana das transferências realizadas no Atlântico Sul, incluindo os movimen-
tos do tráfico de escravos (Alencastro 2000), constituem uma nova historio-
CAPÍ TULO
2
27
28sPonte sobre o Atlântico
grafia das relações entre o Brasil e a África e servem como pano de fundo para
este capítulo.
CINCO PERÍODOS DA HISTÓRIA DAS RELAÇÕES
BRASIL–ÁFRICA
As relações entre o Brasil e a África podem ser divididas em cinco períodos
distintos e desiguais. O primeiro período abrange a história colonial do Brasil,
desde o século XVI até o início do século XIX. Com o início do tráfico transa-
tlântico de escravos, as ligações entre o Brasil e a África — incluindo o comércio
de produtos, as interações econômicas e sociais e o intercâmbio de ideias e
know-how — ampliaram nesse período. Historiadores portugueses, como Oli-
veira Martins (1880) e, mais tarde, Jaime Cortesão (1933), indicam que grande
parte da Costa da Guiné e Angola dependiam diretamente do Brasil durante o
século XVIII.
O segundo período teve início em 1822, com a independência do Brasil, e
caracteriza-se pela marginalização gradual das relações entre o Brasil e a África.
Amplia-se o silêncio entre os dois após a assinatura do Tratado de Reconhe-
cimento da Independência do Brasil, por Portugal, em 1826. Com o fim do
tráfico de escravos e a aceleração da penetração da Europa na África, o Brasil co-
loca o continente africano de lado, concentrando-se nas relações internacionais
com a América Latina, a Europa e a América do Norte. Este padrão continuou
até os anos 1950.
O terceiro período aborda a eliminação gradual do colonialismo europeu na
África, e diversos novos desdobramentos no Brasil. No final dos anos 1950, as
relações entre o Brasil e os Estados Unidos começam a criar condições favorá-
veis para reanimar as relações entre o Brasil e a África. O Brasil teve de adaptar
sua política externa a um ambiente internacional com a presença de governos
africanos recém-independentes. Entretanto, a posição brasileira em relação ao
colonialismo português no continente africano — uma espécie de apoio hesi-
tante ao anticolonialismo, limitado pelas relações tradicionais mantidas com o
antigo colonizador — continua a impedir sua reaproximação com esses Estados
africanos recém-independentes. A política externa brasileira em relação à África
teria que, no final das contas, romper este nó górdio.
No quarto período, que vai de janeiro de 1961 a meados da década de 1980,
ocorrem transformações importantes na política externa brasileira. Exceto
pelos anos que se seguiram imediatamente ao golpe militar de 1964 no Brasil,
este período experimentou uma aproximação política e econômica ativa com
a África, com um fluxo relativamente intenso de bens e capital de um lado a
outro do Atlântico Sul, no fim dos anos 1970 e início dos anos 1980. Do ponto
de vista do Brasil, o Atlântico Sul torna-se foco importante tanto de comércio
como de política externa. O reconhecimento do governo do Movimento Popu-
lar de Libertação de Angola (MPLA) pelo Brasil em 11 de novembro de 1975
(data em que Portugal deixa Angola e o MPLA declara unilateralmente a inde-
pendência do país), à frente de países africanos progressistas como a Nigéria e
História das Relações Brasil–Áfricas29
a Tanzânia, viria a ser considerado um divisor de águas no relacionamento do
Brasil com a África.
Durante o quinto período, que se estende até o século XXI, a África torna-
se um dos principais pontos da agenda internacional do Brasil. O continente
encontra-se em rápido processo de transformação, e o Brasil expressa um inte-
resse cada vez maior em apoiar e participar desse desenvolvimento. O governo
Lula (2003–10) renova o interesse do Brasil na África, posicionando-o em bases
mais sólidas, como parte da busca de ampliar a influência global do Brasil. O
novo Brasil com influência global coincide com a emergência da nova África
descrita no capítulo anterior.
Dois discursos de solidariedade convergem para justificar a nova reapro-
ximação do Brasil com a África. O primeiro enfatiza as afinidades culturais e
históricas diretas com o povo negro do continente africano e as transferências
culturais. O segundo privilegia as afinidades étnicas e culturais com os países
lusófonos da África. As possibilidades criadas pela comunidade linguística con-
tinua sendo um aspecto específico da política externa do Brasil para a África
no século XXI, conforme demonstra as iniciativas para ampliar a Comunidade
dos Países de Língua Portuguesa, que prevê cooperação social e cultural com
países como Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique e São Tomé e
Príncipe.
13
A ênfase no idioma é um diferencial importante entre a aproximação
do Brasil com a África e aquela da China e da Índia.
HISTÓRIA SOCIAL, POLÍTICA E CULTURAL DAS RELAÇÕES
BRASIL–ÁFRICA: A ESCRAVIDÃO E ALÉM
Os contatos entre o Brasil e a África tiveram início no século XVI no contexto
da colonização portuguesa. Sob o domínio português, a costa da África forne-
cia escravos para os engenhos de cana de açúcar do Brasil colonial. A chegada
dos primeiros africanos ao Brasil remonta a aproximadamente 1530, mas a
transferência de escravos africanos para o Brasil só se torna mais expressiva a
partir de 1550, quando os engenhos de cana-de-açúcar passam a se organizar
melhor. A demanda de escravos africanos no Brasil era tão grande que chegou
a desviar o tráfico de escravos português das colônias espanholas nas Américas
(como Santo Domingo, México e Peru) para o Brasil (Goulart 1949). Cria-se
uma estrutura de tráfico transatlântico em que a acumulação de capital baseada
na exploração de trabalho escravo dominava a economia.
Entretanto, este era apenas o começo de uma longa história de tráfico de
escravos entre o Brasil e a África. A importação anual de africanos para o Brasil
crescia ano após ano, passando de uma média de mil por ano no século XVI
para o número recorde de 60 mil apenas em 1848. Contrabandistas continua-
ram a levar escravos para o Brasil após a abolição oficial do tráfico de escravos
(mas não da escravidão) no Brasil em 1850. Goulart estima que o total de
13
Ver o site da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, www.cplp.org/.
30sPonte sobre o Atlântico
africanos transportados como escravos para o Brasil tenha sido entre 3,5 mi-
lhões e 3,6 milhões, ao passo que a estimativa de Curtin (1969) é de 3.646.800.
Os escravos no Brasil eram provenientes de diversos pontos de origem no
continente africano. A maioria era trazida da costa ocidental da África, em-
bora alguns tivessem vindo de áreas mais ao leste, como Moçambique. A zona
denominada Costa dos Escravos, que vai do litoral do que é hoje o Togo até a
Nigéria, era onde os mercadores portugueses e brasileiros negociavam a obten-
ção de escravos não apenas para a produção de cana de açúcar, mas também
para a exploração de minas durante o século XVII e para o trabalho no cultivo
do café durante os séculos XVIII e XIX.
Produtos comuns utilizados na troca por escravos na costa africana, como
tabaco, ouro, açúcar e cachaça (“água de fogo”) eram provenientes do Brasil.
Mas a história das relações afro-brasileiras também inclui a troca de diversas
outras commodities em menor escala, como sal, tecidos e especiarias asiáticas,
bem como a transferência social de habilidades e o intercâmbio político e
cultural. Muitos brasileiros iam para a África, por exemplo, como soldados,
marinheiros, administradores e mercantes. Brasileiros importantes tornaram-
-se administradores em colônias portuguesas na África — os governadores João
Fernandes Vieira, André Vidal de Negreiros e o Barão José de Oliveira Barbosa
em Angola eram todos brasileiros (Rodrigues 1961).
Nem todos os africanos que viajavam ao Brasil eram escravos. Em 1750, o
Rei Tegbessou de Daomé enviou uma missão diplomática ao Brasil para persua-
dir os mercadores brasileiros a dar continuidade ao tráfico luso-brasileiro de
escravos concentrado em Uidá — embora Daomé tivesse conquistado o Reino
de Uidá alguns anos antes. Outras missões de Daomé para Portugal fizeram pa-
radas no Brasil em 1795, 1796 e 1800. Dois governadores gerais do Brasil, Dom
Fernando José de Portugal e Dom Francisco da Cunha Mendes, receberam em-
baixadores africanos para discussões sobre a proposta de monopólio do tráfico
brasileiro na Costa dos Escravos. Na época, enviados dos regentes africanos
recebiam todas as honras diplomáticas no Brasil (Almeida Prado 1955).
As relações entre o Brasil e a África atingem o ponto de inflexão em 1648,
quando Portugal reconquista Angola dos holandeses, com uma expedição que
partiu do Rio de Janeiro. Juntamente com os portugueses, a missão incluía
brasileiros que contribuíram para o fortalecimento dos laços entre o Brasil e as
regiões africanas sob domínio português. Com o tempo, as relações de Angola
com Portugal diminuem e suas relações com o Brasil aumentam; em meados
dos anos 1800, o comércio considerável que partia de Cabinda provinha dire-
tamente do Rio de Janeiro, sem intermediação de Portugal. Angola torna-se
cada vez mais dependente do Brasil, do século XVI até o início do século XIX.
Durante este período, o Rio de Janeiro torna-se um entreporto dinâmico e im-
portante na América do Sul. Salvador Correia de Sá e Benevides, comandante
da expedição que derrotou os holandeses, fazia parte da aristocracia dominante
do Rio de Janeiro e era proprietário de terras na região de Tucumán, próximas
às minas de Potosí, nos Andes bolivianos. Naquela época, o Rio de Janeiro era o
portal dos corredores do tráfico de escravos que se estendiam até o sul do Brasil,
a região do Rio da Plata e as regiões de mineração dominadas pela Espanha na
América do Sul.
História das Relações Brasil–Áfricas31
Angola torna-se um apêndice verdadeiro to Brasil no século XVIII. Em
1770, Martinho de Melo Castro, Ministro dos Negócios Estrangeiros de Por-
tugal, escreve que não tolerava o fato de o Brasil controlar todo o comércio
e navegação entre os dois lados do Atlântico, excluindo totalmente Portugal.
Segundo esta visão, os brasileiros haviam desenvolvido dois ramos de comércio:
primeiro, o tráfico legal e útil de escravos e, segundo, o tráfico ilegal de produ-
tos da Ásia e Europa
Essas relações estreitas continuaram, no entanto, até o século XIX. Após a
independência do Brasil em 1822, mercadores de Benguela ficam tentados com
a ideia de uma união política entre o Brasil e Angola. Organiza-se um movi-
mento de emancipação em Luanda e Benguela entre 1822 e 1826, com o obje-
tivo explícito de transformar Angola em uma província do Brasil no exterior.
Os mercadores solicitam à nova monarquia brasileira que garanta o relaciona-
mento especial que mantinham nos séculos anteriores. Ao mesmo tempo, dois
membros angolanos do parlamento português, decidem aderir ao movimento
e se mudam para o Brasil como representantes de Angola, renunciando a seu
acento no parlamento português (Santos 1979).
O Reino Unido, que atuou como mediador entre Portugal e o Brasil nas
negociações que se seguiram à independência do Brasil, não era favorável à
ideia de ligações políticas diretas entre um Brasil independente, de um lado, e
Angola, África Ocidental e Moçambique, do outro. Alegando razões humanitá-
rias e comerciais, o Reino Unido preferia uma região do Cone do Atlântico Sul
livre, sem barreiras para seus interesses na região. Dessa forma, o Brasil passa
a sofrer pressão constante dos interesses britânicos para não aceitar a união
com Angola. As negociações levam à condição de que o reconhecimento da
independência do Brasil por parte de Portugal e do Reino Unido viria em troca
do cessar completo das ligações políticas entre o Brasil e Angola. O resultado
consubstanciado na terceira cláusula do tratado assinado por Portugal em 1826
(com mediação britânica) reconhece a independência do Brasil: Sua Majestade
Imperial [Brasileira] promete não aceitar nenhuma proposta de colônias por-
tuguesas de juntar-se ao Império do Brasil (Saraiva 1996).
DESCENDENTES AFRICANOS NO BRASIL:
CONTRIBUIÇÕES PARA A SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA
Nos anos seguintes à abolição da escravatura no Brasil em 1888, poucos eram
os descendentes de africanos que conseguiam penetrar os círculos intelectuais e
políticos do Brasil. Traços culturais, valores e crenças de origem africana con-
tinuaram vivos na cultura popular brasileira, mas o interesse pelo continente
africano foi virtualmente excluído daquilo que se considerava alta cultura.
A sociedade de classes do Brasil herdou os padrões de relação racial desen-
volvidos sob o jugo da escravidão, e os negros livres ainda enfrentavam as mes-
mas desigualdades enfrentadas na época na escravidão. A economia de mer-
cado, trabalho livre e modernização institucional foram incapazes de eliminar
essas estruturas (Fernandes 1969). As desvantagens econômicas e educacionais,
associadas ao sistema de alianças, barganhas e favoritismo que agrupava as elites
32sPonte sobre o Atlântico
políticas e diplomáticas praticamente marginalizavam brasileiros de descendên-
cia africana, privando-os dos benefícios da modernidade e do progresso. Fazia-
-se necessário eliminar esses obstáculos, em vez de aprofundá-los, e o acesso à
educação precisava ser ampliado.
O tom da cultura “liberal” dominante do Brasil era proveniente das con-
tradições do bourgeois gentilhomme, que vivia no Brasil, mas tinha a Europa
como ponto de referência. Essa classe de plantadores utilizava os escravos para
produzir bens para o mercado internacional, mas tinham um olho no lucro e
outro na fidalguia. Essa mesma contradição existia na precária aliança entre os
descendentes africanos, entre eles os intelectuais mulatos, e a classe dominante
de empreendedores, e na aliança entre as oligarquias rurais de homens de ori-
gem modesta e a elite do poder.
Alguns intelectuais mulatos criticavam e, ao mesmo tempo, abraçavam as
contradições provenientes de sua situação. Um deles, Luís Gama — nascido de
mãe escrava e pai branco, e vendido como escravo mas posteriormente liber-
tado — ridicularizava em seus versos a elite presunçosa que negava suas raízes
africanas. Porém, isso não o impedia de fazer parte dessa elite.
Outro importante escritor mulato de fins do século XIX foi Machado de
Assis, que descrevia com ironia o mundo branco do qual pertencia. Em um de
seus livros, Memórias Póstumas de Brás Cubas, o escritor apresenta o quadro
trágico e cômico de um membro da comunidade branca liberal brasileira, cujos
traços característicos eram identificados como volubilidade (Schwarz 1990). A
gama de referências intelectuais europeias no discurso universalista do prota-
gonista do livro constitui exemplo perfeito do desembaraço que caracterizava a
elite como um todo. Este discurso culto varria para debaixo do tapete o legado
da escravidão e ignorava cuidadosamente a herança da África.
Alguns estudiosos exploraram a sobrevivência da cultura africana no Brasil,
incluindo os vestígios de línguas e religiões africanas, no início do século XX.
Raymundo Nina Rodrigues, que baseou seu famoso livro Os africanos no Bra-
sil, em observações pessoais e entrevistas com africanos no Brasil, foi pioneiro
desses estudos afro-brasileiros (Rodrigues 1982). Embora ele próprio mulato, e
apesar de ser um dos poucos autores a dedicar atenção não apenas à presença
da cultura africana no Brasil, mas também ao próprio continente africano,
foi vítima de ideias do chamado “racismo cientifico”. Teóricos como Manuel
Raymundo Querino, Arthur Ramos, Evaristo de Moraes, Gilberto Freyre e
Edison Carneiro produziram posteriormente estudos substanciais sobre o papel
desempenhado pela cultural africana no Brasil.
As desigualdades culturais e sociais afetaram as relações do Brasil com os
países africanos. Quando, na segunda metade do século XX, o Brasil começou
a renovar seu interesse na África, a sociedade brasileira ainda estava longe de
aceitar plenamente os seus afrodescendentes e sua herança africana. A crítica
generalizada da hierarquia cultural deixada pela escravidão levou a um dis-
curso relativamente ingênuo sobre a reaproximação com a África, grande parte
do qual continuava cego para o fato de que o Brasil, apesar de suas ligações
históricas e culturais com África, estava despreparado para construir um novo
relacionamento com o continente. Por exemplo, quando foi necessário en-
História das Relações Brasil–Áfricas33
contrar diplomatas negros para elaborar a nova política externa brasileira, não
foi possível encontrar nenhum. Não havia virtualmente nenhum acadêmico
brasileiro especializado na história e nas culturas do continente africano em
universidades brasileiras.
Nos últimos anos, o “movimento negro” brasileiro ajudou a desenvolver
um novo conjunto de políticas e normas públicas, incluindo a criação de
novas instituições federais sobre questões raciais.
14
Uma iniciativa, integrada
à legislação brasileira em 2003, prevê que “a história e cultura afro-brasileira e
africana” seja matéria obrigatória do currículo das escolas públicas e privadas.
Esta lei é considerada um avanço importante para o movimento negro brasi-
leiro, embora ainda enfrente dificuldades para ser plenamente implementada,
tendo em vista a falta de profissionais com o conhecimento necessário. Diversas
universidades vêm respondendo a este novo chamado, treinando uma nova
geração de professores. O Departamento de História da Universidade Católica
do Rio de Janeiro, por exemplo, criou dois novos cursos obrigatórios para seus
alunos de graduação em 2008: África I, que aborda o tráfico de escravos no
Atlântico e a África durantes os séculos XVI, XVII e XVII; e África II, sobre a
África contemporânea.
Ainda nos últimos anos, várias universidades começaram a empreender
esforços e metas de admissão voltadas para grupos específicos, como os afrodes-
cendentes (e também índios). Programas inovadores de ação afirmativa eram
necessários, e o Conselho Nacional para o Desenvolvimento da Pesquisa Cien-
tífica e Tecnológica (CNPq), juntamente com o Ministério das Relações Exte-
riores (MRE), criou uma bolsa de estudos para afrodescendentes que resolvam
se candidatar no Instituto Rio Branco (IRBr), a renomada escola diplomática
do Brasil. Ao invés de conceder acesso por meio de um sistema tradicional de
quotas, o programa oferece assistência de ensino que aumenta a chance dos
beneficiários de serem aprovados no processo de admissão altamente concor-
rido. Dez meses antes do exame, o candidato ao IRBr recebe do governo uma
remuneração mensal de US$ 1.500 para se preparar para as provas.
DE UM PASSADO INCERTO PARA UM FUTURO PROMISSOR
A história das relações entre o Brasil e a África é longa e profunda. O Atlântico
Sul foi palco de avanços e recuos na aproximação do Brasil com a África, do
século XVI até o início do século XXI. Essa aproximação encontrou necessa-
riamente ressonância em diversos elementos da identidade nacional brasileira,
mas a discriminação cultural, seja oficial ou não oficial, dificultou esse processo.
No entanto, o Brasil revitalizou sua política para a África no século XX, apesar
das transformações substanciais por que passa o continente, e juntos, o Brasil e
a África estão forjando um modelo de relações Sul-Sul.
14
A Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Social (SEPPIR) foi criada em março de
2003 e está diretamente ligada à Presidência da República (www.seppir.gov.br/).
34sPonte sobre o Atlântico
Existem inovações tanto conceituais como práticas na nova política de
reaproximação do Brasil com a África. Uma delas é abandonar atitudes dis-
criminatórias do ponto de vista cultural em favor de uma abordagem mais
pragmática e estrutural de cooperação com as novas elites africanas. A outra é o
ativismo da sociedade civil, tanto no Brasil como na África, em que grupos não
governamentais desenvolvem novos e inovadores canais de cooperação para
o desenvolvimento. A terceira inovação é a ênfase no comércio, cooperação
e intercâmbios políticos entre estados democráticos estáveis, sem esquecer a
dívida política e emocional do Brasil com a África, incorrida durante o tráfico
de escravos que durou séculos.
35
Visões brasileiras sobre a África
PONTOS PRINCIPAIS
· O Brasil emerge como um novo ator mundial, reconhecido como pro-
vedor de cooperação técnica.
· A cooperação técnica é ferramenta essencial da política externa do
Brasil.
· Os países africanos desejam para aprender com as histórias de sucesso
do Brasil.
· O governo brasileiro definiu a África e a América do Sul como priori-
dades em sua agenda de cooperação para o desenvolvimento.
O PÊNDULO OSCILA DO NORTE PARA O SUL
Desde os anos 1950, o Brasil recebe ajuda na forma de cooperação técnica, um
importante instrumento de apoio ao desenvolvimento (tabela 3.1). Com efeito,
o Brasil ainda recebe assistência de doares tradicionais, como a Alemanha,
Japão, Estados Unidos e Espanha. Entre 2003 e 2010, foram implementados no
país aproximadamente 1800 projetos com um orçamento total de US$ 600
milhões. Os setores mais ativos no âmbito da cooperação com doadores
tradicionais (Norte-Sul) são o meio-ambiente, agricultura, desenvolvimento
urbano, energia, saúde e gestão pública (MRE 2011).
Na última década, o crescimento econômico sustentado pelo Brasil, a
estratégia bem sucedida de redução da pobreza e a taxa de desemprego em
queda — juntamente com a política ambiental, governança democrática e
ênfase crescente nas questões de direitos humanos e igualdade racial — po-
sicionaram bem o país no contexto mundial. Como observou recentemente
o Ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, “o Brasil tem mais re-
cursos para investir quando o país administra bem os seus assuntos internos”.
(Patriota 2011).
A taxa de crescimento média do PIB per capita do Brasil ficou em 3,6% no
período de 2003–08, um aumento acentuado em relação ao 0,5% previsto em
1998–2003 (OCDE 2011). Houve elevação expressiva da exportação e importa-
ção, tanto em termos absolutos quanto como em relação ao percentual do PIB
(o anexo 3 dá continuidade até 2010).
CAPÍ TULO
3
35
36sPonte sobre o Atlântico
O sucesso do Brasil pode ser explicado por diver-
sos fatores, entre os quais destacam-se a estabilidade
econômica e o sistema democrático de governo.
Além disso, há a dimensão internacional do Partido
dos Trabalhadores (PT) e o carisma pessoal do ex-
Presidente, Luiz Inácio Lula da Silva. O crescimento
econômico do país, juntamente com o aumento
da demanda internacional pelas tecnologias sociais
inovadoras do Brasil, coincidiram com o início do
governo de Lula (2003–10). Naquela época, o go-
verno federal elaborou uma série de novas políticas
públicas (e adaptou e revisou políticas antigas) que
mais tarde viriam a ser reconhecidas como êxitos
(Action Aid 2010).
15
A partir de 2004, diversas
instituições brasileiras iniciaram um processo de
“internacionalização”, que envolveu a definição de
prioridades, como a intensificação do papel do Brasil como ator mundial. Em
2005–06, o Brasil já era reconhecido como um provedor — e não mais apenas
como recipiente — de cooperação para o desenvolvimento.
Este novo papel foi abraçado por Lula. No final de 2010, ele esclareceu que
“a cooperação para o desenvolvimento não se limita à interação entre doadores
e recipientes: entendemos que se trata de uma troca entre atores semelhantes,
com benefícios e responsabilidades mútuas” (IPEA, 2010). De fato, durante os
oito anos como chefe do governo brasileiro, Lula conseguiu transmitir uma
forte mensagem política para o Sul: o Brasil deve ser visto como um parceiro
de confiança e não apenas como outro simples doador.
15
A Action Aid, por exemplo, publicou um relatório em 2009 classificando o Brasil em
primeiro lugar entre os países em desenvolvimento pelo progresso realizado para atingir os
Objetivos de Desenvolvimento do Milênio antes do prazo de 2015 (www.actionaid.org/docs/
hungerfree_scorecards.pdf).
“Em um dado momento, a ajuda
fluía em uma [única] direção,
dos países industrializados
mais ricos para o mundo em
desenvolvimento — uma corrente
restrita de ajuda do ‘Norte
para o Sul’. As coisas agora são
mais complexas, com a ajuda se
movimentando entre o sul, e as
velhas definições de desenvolvido
e em desenvolvimento perdendo
o sentido”. (ODI 2010)
Tabela 3.1 Seleção de acordos de cooperação entre o Brasil e os países
desenvolvidos por ano de assinatura, 1950–2011
Ano País Ano País
1950 Estados Unidos 1975 Canadá
1962 Israel 1978 Noruega
1963 Alemanha 1984 Suécia
1966 Portugal 1989 Espanha
1967 França – 1º acordo 1996 França – 2º acordo
1968 Suíça 1997 Reino Unido
1970 Japão 1997 Rússia
1972 Itália
Fonte: MRE, 2011.
Visões brasileiras sobre a Áfricas37
Essa mensagem provocou o aumento do interesse em aprender com as
experiências de sucesso do Brasil. Um dos fatores mais importantes para a
reputação crescente do país como parceiro e provedor mundial de conhe-
cimento foi a visão de Lula de uma nova ordem econômica global e de um
mundo multipolar. Celso Amorim, o Ministro das Relações Exteriores de Lula
(2003–10), foi um dos arquitetos do novo papel do país como ator mundial.
Sob o comando de Amorim, a política externa brasileira buscou centros alter-
nativos de poder, novas plataformas para atuação em áreas de relevância global
e novos fóruns onde os países em desenvolvimento pudessem se mobilizar e
exercer maior influência.
16
Os esforços do Brasil em prol da cooperação Sul-Sul
demonstravam um forte componente normativo: a criação de uma nova ordem
mundial, sustentada por um conjunto de princípios e diretrizes (como o estado
de direito e a democracia), que não deveriam ser condições para o diálogo e a
negociação como os países envolvidos. Em grande medida, essa visão refletiu-
-se em diversos arranjos nos quais o Brasil passou a participar a partir de 2003,
como o BRICS, o Fórum de Diálogo IBAS, a Iniciativa América do Sul-África
(ASA) e outros fóruns multilaterais criados ou fortalecidos para reunir países
em desenvolvimento.
Em 2006, Amorim afirmou que a “cooperação técnica é ferramenta essencial
da política externa” (Schmitz e outros 2010). Posteriormente, a Agência Brasi-
leira de Cooperação (ABC) passou por reformas importantes com vistas a coor-
denar e operacionalizar melhor as novas tarefas indicadas pela declaração. Em
2007, o Ministro Marco Farani tornou-se o novo chefe da ABC, aumentando
acentuadamente o número de atividades de cooperação técnica (figura 3.1).
O Brasil desempenhou o duplo papel de recipiente e provedor de coope-
ração técnica; em outras palavras, o país não perdeu seu papel de recipiente
quando se tornou provedor de cooperação. Na verdade, o Brasil recebeu
US$ 2 bilhões em cooperação técnica entre 2001 e 2009. Além disso, um rela-
tório publicado recentemente pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
(IPEA) indica que entre 2005 e 2009, o Brasil forneceu US$ 1,7 bilhão em assis-
tência técnica (IPEA 2010). Isso sugere que, durante a última década, o Brasil
conseguiu fortalecer a sua atuação como um canal entre o Norte e o Sul.
A cooperação brasileira em iniciativas de desenvolvimento reforça o novo
paradigma de cooperação Sul-Sul, diferentemente da assistência de desenvolvi-
mento vinculado normalmente oferecida por meio de mecanismos Norte-Sul.
Embora o Brasil participe de diversos comitês da OCDE voltados para setores
como agricultura, estatística, comércio, investimento e governança pública
(OCDE 2011a), em se tratando de cooperação internacional, as autoridades
brasileiras tendem a delinear critérios diferentes daqueles definidos pela OCDE.
Como provedor relativamente novo de cooperação técnica, o Brasil tem reali-
zado esforço concertado para evitar alguns dos erros e desvios observados como
recipiente de ajuda da organização.
Em termos técnicos, a cooperação do Brasil para o desenvolvimento in-
ternacional consiste inteiramente em recursos não reembolsáveis investidos
pelo governo federal brasileiro em países estrangeiros ou em organizações
16
Entrevista com Fernando Simas Magalhães, maio de 2011.
38sPonte sobre o Atlântico
internacionais (IPEA 2010a).
17
Com base nessa definição, o Brasil diferencia-se
da OCDE ao promover desenvolvimento internacional de duas formas funda-
mentais: primeiro, os recursos brasileiros não são reembolsáveis, ao passo que a
cooperação da OCDE prevê termos financeiros concessionais; segundo, o Brasil
também contribui para as instituições multilaterais formadas e lideradas por
países em desenvolvimento, ao passo que as contribuições da OCDE parecem
alcançar apenas as organizações multilaterais cujos membros mais influentes
são em geral do Norte.
18
Apesar das diferenças, contudo, alguns dos princípios
estabelecidos pela OCDE para cooperação internacional também podem ser
identificados nas práticas brasileiras, entre as quais, transparência, anticorrup-
ção e responsabilidade.
PRINCÍPIOS DA PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NO
DESENVOLVIMENTO GLOBAL
A cooperação brasileira para o desenvolvimento orienta-se por um conjunto
de princípios em linha com a Constituição brasileira e sua política externa
17
A ajuda oficial para o desenvolvido (AOD) é definida pela OCDE como: “Fluxos de finan-
ciamento oficial administrados, com a promoção de desenvolvimento e bem estar dos países
em desenvolvimento como o objetivo principal, de natureza concessional com elementos de
doação de no mínimo 25% (utilizando o desconto fixo de 10%). Por convenção, os fluxos de
AOD consistem em contribuições de agências governamentais doadoras, de todos os níveis,
a países em desenvolvimento (‘AOD bilateral’) e para instituições multilaterais. As receitas
das AOD compreendem desembolsos de instituições doadoras bilaterais e multilaterais. Em-
préstimos de agências de crédito de exportação — puramente com o objetivo de promover
exportações — são excluídos” (OCDE 2003).
18
Diferenças destacadas no relatório do IPEA, (2010: 17).
Figura 3.1 Número de atividades de cooperação técnica coordenadas pela ABC,
2003–09
Fonte: Agência Brasileira de Cooperação, 2010.
23
19
69
153
181
256
413
0
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
50
100
150
200
N
ú
m
e
r
o

d
e

p
r
o
j
e
t
o
s
250
300
350
400
450
Visões brasileiras sobre a Áfricas39
tradicional e enfatiza, entre outros, a não intervenção e respeito pela soberania,
solidariedade (ou “não indiferença” como dizia o ex-Ministro das Relações
Exteriores, Celso Amorim — uma visão que continua a ser um legado do seu
tempo) e a transferência de conhecimento e tecnologia sem condições. Embora
não exista uma única política a reger a cooperação para o desenvolvimento, a
tabela 3.2 relaciona diversos princípios, características e implicações políticas
da atuação brasileira.
Dois outros aspectos diferenciam a cooperação brasileira para o desenvol-
vimento internacional: o ritmo e a escala. De acordo com muitos servidores
brasileiros, o empenho de longo prazo do país é estabelecer parcerias, compar-
tilhar conhecimento e contribuir para processos que levem ao desenvolvimento
sustentável. Isso tem sido destacado por diversas entidades como a Empresa
Tabela 3.2 Princípios gerais da atuação do Brasil em cooperação para o
desenvolvimento global
Princípios Implicações políticas
Diplomacia Solidária Em suas relações internacionais, o Brasil deve seguir o princípio de
“cooperação entre os povos para o progresso da humanidade”,
previsto na Constituição federal (artigo 4, IX).
Atenção às demandas dos
países em desenvolvimento
Este princípio é fundamental para a diplomacia brasileira e reflete
outros princípios orientadores previstos na Constituição, como
independência nacional, autodeterminação dos povos e igualdade
entre os Estados (artigo 4: I, III e V). Na abordagem do Brasil à
cooperação Sul-Sul, esses princípios se refletem no fato de que as
demandas e necessidades são identificadas em conjunto com os
parceiros nacionais.
Evitar condicionalidades
diretas
Como regra, não são impostas condições para atividades previstas
ou executadas pelo governo brasileiro.
Evitar transferências diretas
de dinheiro
Por um lado, este princípio enfatiza o intercâmbio de conhecimento
e a transferência de tecnologia, evitando dessa forma a perda de
recursos por meio da corrupção, desvios, etc. Conforme explica o
Embaixador de Camarões no Brasil, “o que o Brasil tem a oferecer
não é dinheiro, é conhecimento”.
a
Por outro lado, a legislação
brasileira vigente, via de regra, não permite a transferência direta
de dinheiro público para outros governos, exceto por intermédio
de organizações multilaterais, o que é realizado por intermédio do
sistema da ONU — sendo o melhor exemplo, a atual parceria entre
a ABC e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.
Abordagem abrangente
e participação ampla
(Uso de redes de contato,
engajamento da sociedade
civil e apoio e participação
do país em fóruns
multilaterais)
Uma abordagem comum é o uso de redes de contato para
o tratamento de temas intersetoriais. São utilizados fóruns
consultivos no plano internacional e também no plano nacional,
como o Conselho Nacional de Segurança Alimentar, formado por
representantes de 19 ministérios e 36 organizações da sociedade
civil. O multilateralismo é um aspecto fundamental da política
externa do Brasil e consequentemente da cooperação do país para
o desenvolvimento internacional.
a. Entrevista com Martin Mbarga Nguele, Embaixador de Camarões no Brasil, dezembro de 2010.
Fonte: Informações consolidadas pelos autores após entrevista com diversos representantes do governo
brasileiro.
40sPonte sobre o Atlântico
Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), o Tribunal Superior de
Justiça, o Ministério da Saúde e a Subsecretaria de Energia e Alta Tecnologia
do MRE. Cada qual, em sua própria área de atuação, enfatiza a necessidade de
se concentrar em um número pequeno de projetos, optando pelo desenvolvi-
mento em ritmo lento mas certo. Com essa abordagem, afirmam, as chances
de sucesso são maiores, já que é possível o estabelecimento de relações de con-
fiança e o desenvolvimento de métodos mais adaptados ao caso em questão e a
criação de parcerias reais. Em alguns casos, as atividades realizadas são, porém,
difíceis de reproduzir. Outros países com demandas semelhantes podem ter de
esperar até que futuros acordos sejam realizados.
Grande parte da cooperação brasileira é executada de forma descentra-
lizada, apesar dos esforços feitos, desde 2007, para levar a maioria (senão a
totalidade) dos projetos novos e em andamento para o âmbito de uma única
entidade: a ABC, o braço técnico do MRE. Embora a ABC tenha sido criada em
1987 para organizar a cooperação técnica recebida pelo Brasil; a agência tem
hoje o mandato de elaborar, aprovar, implementar e monitorar as atividades
Sul-Sul fornecidas pelo país (ABC 2010).
Metade da cooperação técnica brasileira realiza-se nas áreas de agricultura,
saúde e educação (figura 3.2). Outras atividades abrangem áreas como capa-
citação profissionalizante para o desenvolvimento industrial, meio ambiente,
segurança pública, administração pública, energia e indústria.
Figura 3.2 Principais áreas de envolvimento do Brasil em acordos de cooperação
Sul–Sul, 2009
Fonte: ABC, 2009.
Obs. Parcelas representam percentuais do portfolio total de projetos.
Cooperação
técnica
3%
Agricultura
19%
Outros
18%
Indústria
16%
Saúde
14%
Educação
11%
Meio ambiente
6%
Segurança Pública
6%
Administração
pública
4%
Energia
3%
Visões brasileiras sobre a Áfricas41
Não é mera coincidência que os setores-chave são aqueles em que as políti-
cas públicas do Brasil se mostraram bem sucedidas em anos recentes. Embora
não apareça de forma explícita na Figura 3.2, o ensino profissionalizante é um
dos setores mais relevantes e promissores da cooperação brasileira para o de-
senvolvimento. O fortalecimento da capacitação humana não apenas aumenta
a autonomia, mas também cria ligações que vão além da esfera governamental,
menos vulnerável, portanto, a mudanças políticas.
FORTALECIMENTO DAS LIGAÇÕES ENTRE O BRASIL
E A ÁFRICA
O Brasil e a África são parceiros naturais e gêmeos geográficos assimétricos
separados pelo Oceano Atlântico.
A estratégia do Brasil para o desenvolvimento da cooperação visa a promo-
ver o crescimento econômico e a inclusão social mediante o fortalecimento da
capacidade humana e das instituições governamentais. Os impactos concretos
ainda estão sendo avaliados pelos próprios governos, mas as chances de sucesso
são altas. Tendo em vista que os problemas enfrentados pelo Brasil nas últimas
décadas coincidem com muitos dos problemas encontrados hoje em países do
Sul, as soluções encontradas por meio das políticas inovadoras do Brasil ten-
dem a ser úteis para essas nações. Isso é particularmente verdadeiro na África e
na América do Sul, onde os vínculos culturais, históricos, demográficos, geoló-
gicos e socioeconômicos com o Brasil são fortes.
O Brasil compartilha memórias históricas com a maioria dos países africa-
nos. O país sobreviveu a décadas e mesmo séculos de desigualdades provocadas
pela colonização, escravidão, opressão e humilhação que produziram miséria,
capacidade institucional deficiente e dificuldades na provisão de bens públicos.
Como consequência do seu próprio passado e sem a “superioridade” colonial
de muitos países do Norte, o Brasil decidiu adotar uma abordagem diferente em
seu novo papel de provedor de assistência (Oliva 2009).
A História também conecta o Brasil com outros países de língua portuguesa,
principalmente os que se localizam na África,
19
mas também com Timor-Leste
e áreas específicas na Índia (Goa) e na China (Macau). Conexões na área lin-
guística abriram caminho para manifestações culturais comuns em áreas como
música, literatura, televisão e até mesmo culinária. Na África especificamente,
os colonizadores portugueses também criaram ligações entre o Brasil e países
localizados no Golfo da Guiné, como Benin, Gana, Nigéria e Togo,
20
dos quais
membros da população local eram levados como escravos ao Brasil, a única
colônia portuguesa na América do Sul. Atualmente, o Brasil possui a segunda
19
Os cinco países lusófonos da África são Angola, Cabo Verde, Guiné Equatorial, Guiné Bis-
sau, Moçambique e São Tomé e Príncipe.
20
Nomes comuns de família tanto em Benin como no Brasil incluem Souza e Pereira.
O primeiro presidente do Togo, Sylvanus Olympio, era de ascendência afro-brasileira (ver
Amos 2001).
42sPonte sobre o Atlântico
maior população africana do mundo, em números absolutos, atrás apenas da
Nigéria. O censo de 2010 confirma que 50,7% da população brasileira é de
descendência africana (de um total de 191 milhões de habitantes em 2010).
21

A geografia e a localização geográfica também tiveram papel importante
no apoio do Brasil ao desenvolvimento da África. Na seção de abertura da
primeira reunião de cúpula da América do Sul-África (ASA) em Abuja (2006),
o Presidente Lula declarou que o Oceano Atlântico não era mais do que “um
rio” entre os dois continentes (UOL Notícias 2006). Em razão de estarem em
latitudes similares, o Brasil e a África Subsaariana apresentam condições climá-
ticas semelhantes, o que possibilita uma ampla gama de intercâmbio de conhe-
cimentos em áreas como agricultura e medicina tropical. O litoral atlântico do
Brasil e da África apresentam composição semelhante em termos de solo, maré,
padrões pluviais, bem como outras condições físicas, e a Petrobrás encontrou o
mesmo tipo de petróleo tanto na Bacia de Campos, (Rio de Janeiro, no Brasil)
como em Obgia, (Estado de Bayelsa, na Nigéria).
22

De forma mais sistemática, conforme descrito no capítulo 1, o Brasil vem
demonstrando interesse em democratizar as instituições de governança global.
Consequentemente, o país oferece incentivos aos países africanos — e a seus
visinhos sul-americanos — para afiliar-se e participar ativamente de organiza-
ções internacionais, com o intuito de que essa participação venha a produzir
uma abordagem mais inclusiva à governança global. Entretanto, o Brasil precisa
fortalecer sua própria posição relativa em termos de governança global e poderá
fazê-lo mediante o apoio prestado — e recebido — de países menos desenvol-
vidos que consideram o Brasil um representante genuíno do Sul global. Como
observou um diplomata africano, “o Brasil é a sétima maior economia do
mundo e precisa ser respeitado pelas organizações internacional como tal”.
23

E segundo muitas análises, o Brasil crescerá para tornar-se a quinta maior eco-
nomia na próxima década (Patriota 2011, O’Neill 2011).
POLÍTICA EXTERNA DO BRASIL EM RELAÇÃO À ÁFRICA
DURANTE O GOVERNO DE LULA (2003–10)
No governo Lula, a diplomacia presidencial teve um papel importante na ên-
fase do governo nas relações com a África. Durante o seu primeiro mandato,
Lula lançou iniciativas de política externa que atribuíam maior importância às
relações entre o Brasil e a África (Silva 2003). Diversos discursos presidenciais
e pronunciamentos de altas autoridades revelaram que um mandado político
vigoroso orientava a maioria das instituições federais a criar ou fortalecer laços
de acordo com as novas prioridades.
24
21
IBGE, http://www.ibge.gov.br.
22
Entrevista com representante da Petrobras realizada em dezembro de 2010.
23
Entrevista com Alfonso Chambe, conselheiro de assuntos políticos e econômicos da Embai-
xada de Moçambique, Brasília, junho de 2011.
24
Entrevista com o Ministro Nedilson Jorge, chefe do Departamento da África (DEAF), MRE.
Dezembro de 2010.
Visões brasileiras sobre a Áfricas43
A iniciativa de Lula de aproximar as relações do Brasil com a África não
apenas buscava construir parcerias estratégicas na região, mas também se rela-
cionava ao compromisso assumido com a população afrodescendente do Brasil,
no âmbito das eleições, de dar mais atenção a questões relacionadas com as
ligações entre a África e o Brasil (como o papel da diáspora africana).
Mudança foi a primeira palavra usada por Lula em seu discurso inaugural
como Presidente, proferido em 1º de janeiro de 2003, perante o Congresso
nacional. Em seguida, enfatizou a necessidade de fortalecer “os laços profundos
que nos unem a todo o continente africano e a nossa disposição de contribuir
ativamente para que ele desenvolva a suas enormes potencialidades”. Em no-
vembro do mesmo ano, Lula realizou sua primeira viagem à África e visitou os
países lusófonos de São Tomé e Príncipe, Angola e Moçambique, bem como a
Namíbia e a África do Sul, fortalecendo as ligações do Brasil com os países não
lusófonos. Lula indicou que o Brasil, como a economia lusófona mais forte do
mundo, tinha uma “dívida histórica” com a África (BBC 2003). Desse ponto
de vista, as relações Brasil–África constituem uma “obrigação política, moral e
histórica” (MRE 2007),

e o Brasil precisa realizar gestos concretos em apoio ao
continente.
Durante os oito anos em que foi presidente, Lula realizou 12 missões à
África (tabela 3.3). Na maioria dos casos, essas missões envolviam a partici-
pação de representantes do setor privado, o que comprova o novo aspecto da
política externa do Brasil em relação à África. Esse dinamismo também serviu
para fortalecer as relações entre o governo brasileiro e o setor privado. As visitas
ao continente tinham não apenas um sentido simbólico, mas também serviram
para atrair outros países sul-americanos para a África. O Mercusul tem atual-
mente dois acordos de comércio e cooperação no continente, um com o Egito
e outro com países da África Austral.
Além do próprio Lula, assessores e diplomatas também realizaram várias
visitas à África. Celso Amorim, por exemplo, realizou 67 visitas oficiais a 34 pa-
Tabela 3.3 Países africanos visitados por presidentes brasileiros, 2000–10
Ano Países visitados
2000 Moçambique
2001 Nenhum
2002 Nenhum
2003 São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique, Namíbia, África do Sul, Egito e Líbia
2004 São Tomé e Príncipe, Gabão e Cabo Verde
2005 Camarões, Gana, Nigéria, Guiné Bissau e Senegal
2006 Argélia, Benin, Botsuana, África do Sul e Nigéria
2007 Burkina Faso, Congo, África do Sul e Angola
2008 Gana e Moçambique
2009 Líbia
2010 Cabo Verde, Guiné Equatorial, Quênia, Tanzânia, Zâmbia, África do Sul e Moçambique
Fonte: Elaborada pelo IPEA com base em informações do MRE.
44sPonte sobre o Atlântico
íses africanos durante o governo Lula (tabela A4.1, anexo 4). Amorim e Samuel
Pinheiro Guimarães, Secretário Geral do Ministério das Relações Exteriores,
deram prioridade à África na preparação e formação de diplomatas brasileiros.
O crescimento do interesse do governo na África ampliou a presença diplomá-
tica do Brasil no continente. Dezessete embaixadas do Brasil foram inauguradas
ou reativadas na África durante a presidência de Lula, proporcionando ao Brasil
representação oficial em 37 dos 54 países africanos.
25
O Brasil criou 400 vagas
para novos diplomatas durante o governo Lula. Antes de 2005, o Brasil tinha
997 diplomatas ativos e hoje conta com 1397. Lula também reestruturou o
Departamento de Assuntos Africanos e do Oriente Médio no âmbito do MRE,
com a criação de um Departamento de África específico, com três divisões e
orçamento próprio.
Chefes de estado e ministros africanos reciprocaram as visitas de Lula, com
viagens mais frequentes ao Brasil (tabela A4.2, anexo 4). A troca de visitas
continuou até o fim do governo Lula. Em 2010, ultimo ano de seu governo,
ministros africanos realizaram um total de 15 visitas ao Brasil, respondendo por
mais de 30% do total de visitas no ano (tabela A4.3, anexo 4).
A nova Presidente Dilma Rousseff (cujo governo teve início em 1º de janeiro
de 2011), com menos de um ano no cargo, já realizou sua primeira visita à
África para participar do Fórum de Diálogo IBAS na África do Sul (fez paradas
também em Angola e em Moçambique). Trata-se de uma forte mensagem
política que confirma que a África continuará a ser prioridade na agenda do
novo governo.
Muitos jornalistas e outros representantes da mídia brasileira acompanha-
ram delegações presidenciais à África, fornecendo informações sobre as missões
e sobre o contexto geral dos países visitados. Tendo em vista que o desconheci-
mento sobre a África é um dos desafios a serem enfrentados para fazer avançar
as relações Brasil–África, essas visitas constituíram um canal importante de
divulgação de conhecimento sobre iniciativas africanas relevantes para o Brasil.
O Brasil também renegociou a dívida de diversos países africanos durante
o governo Lula (Rizzi e outros 2011). Essa iniciativa financeira ultrapassou
US$ 1 bilhão e representou quase 75% do total de dívidas renegociadas pelo
governo Lula. Essa iniciativa pautou-se, sobretudo, pela idéia de parceria para
o desenvolvimento e a superação de assimetrias sociais e econômicas (IPEA
2010).
Foram desenvolvidas iniciativas de cooperação em conjunto com outras
estratégias de alto nível. A participação brasileira em comitês conjuntos, fóruns
e reuniões ministeriais aumentou de forma acentuada (tabela A4.4, anexo 4).
O Brasil envolveu-se em muitos fóruns multilaterais com países em desenvol-
vimento, especialmente os relacionados com o diálogo Sul-Sul e com a África,
como demonstra o engajamento do Brasil com a Comunidade de Países de Lín-
gua Portuguesa e a presença do Brasil como convidado em algumas reuniões da
25
Em junho de 2011, duas dessas 37 embaixadas, inauguradas oficialmente em 2010 (Lilongue
e Freetown), não estavam em funcionamento.
Visões brasileiras sobre a Áfricas45
União Africana. As duas iniciativas proporcionaram oportunidade importante
para o país compartilhar preocupações em comum com parceiros africanos.
Outro exemplo de incentivos do governo para o aprimoramento das rela-
ções foi a Cúpula América do Sul-África (ASA), concebida por Lula e pelo então
Presidente da Nigéria, Olusegun Obasanjo, em 2005, durante visita oficial do
Presidente brasileiro. A sugestão inicial do Presidente Obasanjo limitava-se a
uma cúpula Brasil–África que mais tarde se tornou o mecanismo bi-regional
América do Sul-África. Seguindo o modelo da Cúpula América do Sul-países
Árabes, a Cúpula da ASA destina-se a intensificar o diálogo entre as essas duas
regiões do Sul (tabela A4.5, anexo 4).
A presença do Brasil na África também aumentou como resultado do inte-
resse de vários governos africanos nas medidas implementadas pelo Brasil inter-
namente, especialmente sob a presidência de Lula. As estratégias de redução da
pobreza (como o Fome Zero) e os programas de transferência de renda (como
o Bolsa Família) chamaram imediatamente a atenção de vários países como
Gana, que foi o primeiro a solicitar formalmente o apoio do Brasil para progra-
mas sociais semelhantes. Em julho de 2009, Lula foi convidado de honra da 13ª
Cúpula da União Africana realizada em Sirte, na Líbia, como reconhecimento
do sério compromisso de Lula e do Brasil com a África (Amorim 2010). Em
julho de 2011, a atual Presidente Dilma Rousseff, designou Lula para represen-
tar oficialmente o Brasil na 17ª Cúpula da União Africana realizada em Malabo,
Guiné Equatorial. Em seu discurso, Lula enfatizou que “a fotografia que se mos-
tra da África é uma imagem equivocada, de pobreza e de miséria, uma imagem
cheia de preconceitos, (. . .) mas nós, latino-americanos e africanos, queremos
ser tratados em igualdade de condições e participar da produção de riqueza no
mundo”.
26
Esse tipo de interesse genuíno, juntamente com o fato de que a co-
operação brasileira para o desenvolvimento reage às demandas dos países-alvo,
fortaleceram os laços entre o Brasil e a África (ABC 2009).
A África é a prioridade do governo brasileiro em termos de número e valor
de projetos internacionais. Em 2009, 50% dos projetos de desenvolvimento in-
ternacional do Brasil, administrados pela ABC, eram destinados a países africa-
nos (figura 3.3). Em 2010, o percentual aumentou para quase 60%, totalizando
mais de US$ 22 milhões.
O número de postos diplomáticos de alto nível em capitais africanas au-
mentou rapidamente durante a presidência de Lula, particularmente durante
seu segundo mandato (2007–10). O governo decidiu criar redes de contato
mais fortes entre Brasil e a África, não apenas com os próprios países mas tam-
bém com organizações regionais, como as comissões econômicas regionais da
África, e a União Africana. O objetivo era gerar sinergia e sobretudo aprofundar
a coordenação de projetos em execução. O Brasil é o sétimo país do mundo
com mais embaixadas na África. No Hemisfério Ocidental, é o segundo, atrás
apenas dos Estados Unidos (Patriota 2011). A abertura de novas embaixadas
na África foi acompanhada pelo aumento do número de missões africanas
26
Governo da República da Guiné Equatorial 2011.
46sPonte sobre o Atlântico
no Brasil. Desde 2003, 17 novas embaixadas foram inauguradas em Brasília,
somando-se às 16 que já existiam.
Em mais uma iniciativa liderada pelo governo para forjar ligações mais for-
tes com a África, em 2006, o Brasil sediou a 2ª Conferência de Intelectuais da
África e da Diáspora em Salvador, Bahia.
OS DESAFIOS ADIANTE
A expansão da influência do Brasil no continente africano nos últimos sete ou
oito anos é ainda mais impressionante quando se consideram as limitações eco-
nômicas internas tanto na África como no Brasil — isso sem falar nas dificulda-
des impostas pela atual configuração do sistema internacional. O termo “risco
da África” descreve as limitações materiais impostas a todo tipo de atividade no
continente, a ser realizada por atores externos ou internos, que não são especí-
ficas do Brasil. Os recursos humanos são escassos, especialmente para trabalho
altamente especializado, e é difícil identificar parceiros locais de confiança.
Existe a necessidade de reforma agrária e acesso regular e confiável a água,
eletricidade e comunicações (telefonia e Internet). Igualmente importante, o
transporte é extremamente oneroso e demorado, somando-se à complexidade
de fazer negócios e promover o desenvolvimento sustentável na maioria dos
países africanos, conforme descrito no capítulo 1.
Por outro lado, o Brasil enfrenta paradoxos comuns aos grandes países em
desenvolvimento. A legislação brasileira ainda reflete, em grande medida, a
imagem anterior do Brasil como um país de “Terceiro Mundo”. Embora esta
Figura 3.3 Investimentos brasileiros em projetos internacionais de
desenvolvimento, participação por continente, 2009–10
Fonte: ABC 2009 e 2011.
Obs.: Os valores totais em 2009 e 2010 foram, respectivamente, US$ 2.012.682 e US$ 2.082.674 para
a Ásia e o Oriente Médio; US$ 7.575.235 e US$ 14.437.785 para a América Latina e US$ 9.608.816 e
US$ 22.049.368 para a África.
50,1%
10,5%
39,5%
57,2%
5,4%
Ásia e Oriente Médio
América Latina
África
37,4%
2009 2010
0
10
20
5
15
25
30
35
40
45
Visões brasileiras sobre a Áfricas47
visão seja antiquada e equivocada, o Brasil continua a carecer de mecanismos
institucionais que facilitem, ou ao menos não impeçam, emissão de cooperação
para o desenvolvimento.
Considerando que o Brasil é uma economia emergente, o país enfrenta
enormes desafios à cooperação para o desenvolvimento em termos de seu qua-
dro normativo e administrativo (ODI 2010), bem como em termos de recursos
humanos e financeiros. É difícil organizar e aprovar grandes projetos, seja para
implementação dentro ou fora do país, e as linhas de créditos são inadequadas
para empresas, independente do tamanho. Há também forte necessidade de au-
mentar a conscientização interna sobre a importância da participação em acor-
dos de cooperação Sul-Sul. Embora 8.5% da população brasileira ainda viva em
situação de extrema pobreza (Agência Brasil 2011), o país conseguiu tirar 20,4
milhões de brasileiros da pobreza em menos de uma década (2003–10) (Funda-
ção Getúlio Vargas 2010). Ao fazer isso, adquiriu conhecimento relevante que
poderia ser compartilhado com outros países do Sul que enfrentam desafios
semelhantes.
Entretanto, o envolvimento do Brasil na África sofre com a falta de informa-
ções, de conectividade e com a gestão deficiente de expectativas.
A disponibilidade de informações adequadas sobre a África é bastante li-
mitada no Brasil. O brasileiro comum tem normalmente uma visão negativa e
estereotipada da realidade africana, e o mesmo ocorre em termos das percep-
ções africanas sobre o Brasil. Consequentemente, o comércio e o investimento
entre os dois parceiros não cumprem o seu potencial. A sociedade civil tem um
papel importante a desempenhar no sentido de aumentar a conscientização, e
a cultura institucional dos órgãos públicos precisa mudar em ambos os lados
para que o Brasil e a África possam colher os benefícios prometidos de sua
aliança Sul-Sul.
O principal obstáculo, no entanto, é a deficiência em termos de conectivi-
dade, tanto nas comunicações como nos transportes, entre a África e o Brasil (e
na verdade, entre o Brasil e a maior parte da América do Sul). Ligações de tele-
fone fixo ou celular são relativamente caras no Brasil e na África, quando com-
paradas aos padrões da Europa e dos Estados Unidos, em grande parte devido
à predominância de monopólios. A falta de transporte adequado desestimula
qualquer tentativa brasileira ou africana mais séria de fazer negócios ou apro-
fundar a cooperação. As rotas marítimas e os voos entre as cidades brasileiras
e africanas são insuficientes tanto em termos de número como de frequência.
O trajeto curto a ser percorrido por um navio brasileiro de um grande porto
no Brasil (como Rio de Janeiro ou Santos) até Bissau deveria levar 10 dias, mas
devido à burocracia e rotas indiretas a viagem chega a levar 80 dias.
27
Os poucos voos diretos existentes entre o Brasil e a África são geralmente
reservados além da capacidade ou pertencem a companhias aéreas européias,
como a Turkish Airlines, ou africanas, como a TAAG Linhas Aéreas de Angola e
a South African Airways (SA). Diplomata brasileiro observou: “É uma pena que
as companhias aéreas brasileiras não ‘enxerguem’ a África — estão perdendo
27
Entrevista com Jorge Geraldo Kadri, Embaixador do Brasil em Bissau, em maio de 2011.
48sPonte sobre o Atlântico
muito dinheiro, porque os voos estão sempre cheios”.
28
A falta de voos diretos
é outro problema — um voo de Acra para São Paulo, por exemplo, pode fazer
conexão em Frankfurt, na Alemanha, levando mais de 30 horas para chegar a
seu destino final,
29
embora um voo direto de Dacar levaria apenas três horas e
meia para chegar a Recife ou cinco horas para chegar ao Rio de Janeiro. Existem
alguns voos diretos, como o vôo diário de Joanesburgo a São Paulo pela South
African Airways, que conecta a África não apenas ao Brasil mas também a ou-
tras cidades na América do Sul, como Bogotá e Lima.
Outro aspecto essencial para a renovação das relações entre o Brasil e a
África é a gestão inteligente de expectativas. Houve um rápido incremento
das atividades do Brasil na África em um curto período de tempo. Uma maior
presença diplomática, juntamente com um grande número de projetos para o
desenvolvimento em diversos estágios de execução, elevou as expectativas dos
dois lados. Em situações como essa, qualquer pequeno problema com a capaci-
dade do Brasil de cumprir ou produzir resultados positivos em ambos os lados
pode ser prejudicial.
30
O sistema contemporâneo internacional também impõe uma série de
obstáculos a uma forte parceria entre o Brasil e a África. Alguns obstáculos,
como monopólios e a fragmentação da cooperação internacional na África,
já constam da agenda de organizações como a OCDE, mas ainda demandam
maior atenção e soluções concretas. Outros exigem uma profunda revisão da
dinâmica política e econômica internacional.
O modelo de cooperação entre a África Subsaariana e o Brasil se destaca
como uma alternativa ao sistema de cooperação tradicional. A divulgação siste-
mática de lições aprendidas e relatórios de monitoramento e avaliação poderia
contribuir, em grande medida, para o debate internacional sobre cooperação
Sul–Sul.
28
Entrevista com Pedro Santa Rosa, Ministro Conselheiro do Brasil em Pretória, maio de
2011.
29
Entrevista com Luis Fernando Serra, Embaixador do Brasil em Acra, maio de 2011.
30
Entrevista com Fernando Simas Magalhães, maio de 2011.
PONTOS PRINCIPAIS
· Programas de proteção social inovadores no Brasil ajudaram 20
milhões de pessoas a sair da situação de pobreza extrema em menos
de uma década.
· O Brasil é reconhecido como líder mundial em medicina e agricultura
tropicais.
· A tecnologia brasileira é facilmente adaptável às regiões da África que
apresentam semelhanças geológicas e climáticas.
· As principais áreas em que o Brasil oferece assistência técnica para a
África são agricultura tropical, medicina tropical, ensino profissionali-
zante, proteção social e energia.
CAPÍ TULO
4
49
A Conexão do Conhecimento
A troca de conhecimentos entre o Brasil e os países subsaarianos concentra-se
em quatro áreas principais: agricultura, saúde, formação profissionalizante e
proteção social. Tendo em vista a expansão e o acúmulo de conhecimento espe-
cializado do Brasil nas últimas duas ou três décadas, essas áreas passaram a ser
a espinha dorsal da cooperação técnica em desenvolvimento internacional. Em
particular, expandiram a um ritmo e escala sem precedentes durante o governo
do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003–10).
Nos últimos anos, a área de energia, especialmente biocombustível, surgiu
como outra prioridade na agenda Brasil–África. Os avanços tecnológicos signi-
ficativos do Brasil em energia demonstram que existe um forte potencial para
maior cooperação com o Sul, especialmente com a África, tendo em vistas que
as atuais deficiências energéticas são obstáculos importantes para a consecução
do crescimento sustentado e do desenvolvimento. Há também demanda cres-
cente dos países da África por conhecimento especializado do Brasil em outras
áreas, como fortalecimento da capacitação de servidores públicos em gestão,
liderança e planejamento estratégico, além do aprimoramento do desenvolvi-
mento e gestão de mercados de seguro (figura 4.1).
Este capítulo destaca a experiência e boas práticas brasileiras que têm atra-
ído a atenção de outros países em desenvolvimento, especialmente na África
50sPonte sobre o Atlântico
Figura 4.1 Cooperação internacional do Brasil na África Subsaariana, 2000–11
Projetos Executados, em Execução e em negociação ABC/Ministério das Relações Exteriores
Fonte: Ministério das Relações Exteriores do Brasil (MRE)
Apoio ao desenvolvimento da horticultura
Fortalecimento da gestão primária de saúde
Estabelecimento da Escola Técnica Nacional de Saúde
Desenvolvimento do Instituto Nacional de Saúde Pública
Fortalecimento Institucional do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP)
Apoio ao Sistema Nacional de Cantinas Escolares
Prevenção e controle de malária
Apoio à implementação de Banco de Leite Humano
Escola de Todos: inclusão de alunas com necessidades educacionais especiais
Fortalecimento institucional da Agência de Regulação e Supervisão de Produtos Farmacêuticos e Alimentares (ARFA)
Casa para Todos: Apoio ao desenvolvimento habitacional
Apoio ao fortalecimento institucional da gestão das águas
Reestruturação do Telecentro de Praia
Apoio ao desenvolvimento da Cacaucultura Sustentável
Cabo Verde
Senegal
Programa Nacional de Biocombustíveis e desenvolvimento da horticultura
Capacitação Técnica em sistemas de produção de pecuária de corte e de leite
Apoio ao Programa de Doença Falciforme
Centro experimental de arroz (que também atende Guiné Bissau, Mali e Mauritânia)
Serra Leoa
Combate ao HIV/AIDS
Capacitação de especialistas em atenção à mulher, gestante, criança e recém-nascido
Capacitação no processamento de mandioca, irrigação e piscicultura
Libéria
Combate ao HIV/AIDS
Togo
Apoio à modernização da agricultura
Apoio à formação Professional em Mecânica Automobilística
Fortalecimento institucional para o combate do abuso sexual de crianças e jovens
Burkina Faso
Fortalecimento da pecuária leiteira e desenvolvimento da Caprino-Ovinocultura
Gana
Fontes alternativas de energia (biocombustíveis) e desenvolvimento da cultura de mandioca
Apoio ao fortalecimento de Centro de Promoção de Caju
Centro EMBRAPA
Combate ao HIV/AIDS
Estruturação do sistema nacional para o tratamento de anemia falciforme Benin
Apoio ao projeto piloto do Programa Bolsa Família
Cotton 4 (Benin, Burkina Faso, Chade e Mali)
Transferência de tecnologia social da Escola Oludum
Apoio ao programa de anemia falciforme / Estruturação de cooperativas agrícolas
Guiné Equatorial
Apoio a políticas para a mulher e a gestante
Ensino profissionalizante para jovens
Apoio à agricultura familiar e desenvolvimento da mandioca
Fortalecimento da rizicultura
São Tomé e Príncipe
Formação de professores
Apoio à agricultura familiar e desenvolvimento rural
Alfabetização solidária e alimentação escolar
Fortalecimento institucional da Gestão de Águas
Auxílio técnico na implantação de política de salário mínimo
Desenvolvimento Urbano
Combate à tuberculose e endemias, DST, HIV/AIDS
Capacitação de Oficial Militar
Cooperação Técnica na área de Justiça e Política Criminal
Implementação de centro de formação profissional
Angola
Projeto piloto em doença falciforme
Implementação de centro de formação profissional (SENAI)
Apoio ao Sistema Nacional de Investigação Agrária de Angola
Apoio à implementação de serviço de sanidade vegetal
Apoio à implementação e desenvolvimento do Centro Militar de Higiene e Epidemiologia de Angola
Escola de Todos
Apoio ao inventário dos bens culturais de origem brasileira
Desenvolvimento de programa de mestrado em saúde
Camarões
Prevenção e controle de Malária
Apoio à Aquicultura
Combate ao HIV/AIDS
Implementação de centro de formação profissional (em negociação)
A Conexão do Conhecimentos51
Namíbia
Desenvolvimento urbano (CEF)
Gestão de resíduos sólidos
Produção e processamento
agroindustrial de mandioca,
frutas tropicais e hortaliças
Moçambique
Desenvolvimento agrícola, plataforma tecnológica para a inovação agrícola, agricultura familiar (sementes tradicionais
crioulas), capacitação em agricultura de conservação e apoio técnico à agropecuária. Apoio à pesquisa agrícola.
Escritório da FIOCRUZ e construção e implementação de laboratório farmacêutico
Combate ao HIV/AIDS e capacitação em produção de medicamentos anti-retrovirais
Fortalecimento institucional do órgão regulador do setor farmacêutico e criação do programa de “farmácias populares”.
Implementação do Instituto Nacional Politécnico de Saúde
Programa de educação alimentar e nutricional – Cozinha Brasil-Moçambique
Reabilitação do Centro Florestal Machipanda
Apoio à implementação do Sistema Nacional de Arquivos do Estado
Apoio ao desenvolvimento gerencial estratégico
Capacitação em técnicas militares
Capacitação Profissional em Turismo e Hospitalidade
Fortalecimento institucional do MNOQ
Suporte técnico à agropecuária
Apoio à urbanização em Maputo
Formação de professores primários e secundários e apoio à educação superior por meio do ensino à distância
Mali
Fortalecimento da horticultura e agricultura familiar
Estação experimental para a produção de algodão (Cotton 4)
Implementação de centro de formação profissional (SENAI) (em negociação)
Apoio ao desenvolvimento urbano: CEF, Unicamp, USP, UFRJ e UFRGS
Guiné Bissau
Fortalecimento da Assembleia Nacional Popular
Implementação do Instituto Nacional de Saúde
Implementação do Centro Nacional de Forças de Segurança
Apoio ao programa nacional para a universalização do registro civil
Implementação de escola de capacitação para prevenção da malária
Jovens lideranças para a multiplicação de boas práticas socioeducativas
Fortalecimento a instituições de saúde no atendimento de mulheres e
adolescentes vítimas de violência de gênero
Olé Brasil: cooperação na área de futebol
Nigéria
Fortalecimento institucional da autoridade aeroportuária e do corpo de bombeiros
Congo
Fortalecimento da produção de cacau
Cultivo de Palma Africana (Dendê)
Modernização do setor sucroalcoeiro
Preservação de tartarugas marinha com ênfase na conscientização e inclusão social
Combate ao HIV/AIDS
Gabão
Apoio à criação de gado zebu para a produção leiteira e de corte
Uganda
Capacitação de treinadores de futebol
Quênia
Intercâmbio de melhores práticas na área de planejamento orçamentário
Cooperação técnica na área de meio ambiente
Capacitação de treinadores de futebol
Desenvolvimento da produção de artesanato
Combate ao HIV/AIDS
Tanzânia
Treinamento e capacitação de profissionais de saúde
Apoio a pós-colheita de castanha de caju e horticultura
Desenvolvimento da pecuária
Combate ao HIV/AIDS
Zâmbia
Treinamento e capacitação de profissionais de saúde
Apoio à produção de biocombustíveis
Combate à HIV/AIDS
Implementação de instituto de formação profissional (em negociação)
Botsuana
Combate à DST/HIV/AIDS
África do Sul
Capacitação técnica
52sPonte sobre o Atlântico
Subsaariana. A realização de mais pesquisas conjuntas sobre abordagens, meca-
nismos de implementação e availiação de resultados seria benéfica.
AGRICULTURA TROPICAL E SEGURANÇA ALIMENTAR
A agricultura brasileira apresenta diversas vantagens geológicas e climáticas em
razão da extensão territorial do país, sua localização tropical e biodiversidade.
Os últimos 10 anos de estabilidade macroeconômica e política, juntamente
com a eliminação da substituição das importações em favor da produção in-
terna, contribuíram para o crescimento do setor agrícola. Reformas estruturais
recentes no Brasil “incluíram a privatização de empresas estatais, a desregula-
mentação do mercado interno e a criação da união aduaneira do Mercosul com
outros países sul-americanos”, ao passo que “mudanças de políticas incluíram
cortes profundos de tarifas e a eliminação de barreiras não tarifárias ao comér-
cio” (OCDE 2005).
Com exportações de alimentos no valor de US$ 54 bilhões ao ano, a Orga-
nização Mundial de Comércio (OMC) classifica o Brasil como o terceiro maior
exportador de alimentos do mundo, atrás apenas da União Europeia (UE) e dos
Estados Unidos (OMC 2009). O aumento da produção agrícola do Brasil nos
últimos 10 anos foi bastante expressivo.
Entre 1996 e 2006, o valor total das colheitas do país cresceu 365%, pas-
sando de R$ 23 bilhões (aprox. US$ 12.8 bilhões) para R$ 108 bilhões
(aprox. US$ 6 bilhões). As exportações de carne multiplicaram-se por 10,
superando a Austrália como maior exportador mundial. O país possui o
maior rebanho bovino do mundo depois da Índia. É também o maior ex-
portador mundial de frango, cana de açúcar e etanol. Desde 1990, a pro-
dução de soja subiu, passando de 15 milhões de toneladas para mais de 60
milhões. No momento, o Brasil é o maior exportador mundial de carne. É
também o principal fornecedor internacional de açúcar, café, suco de la-
ranja, etanol, tabaco e frango. Classifica-se em segundo como exportador
de soja e, em quarto, de porco e algodão (The Economist 2010).
Este crescimento foi atingido com pouco subsídio do Estado — apenas 5,7%
do total da renda agrícola em 2005–07, comparado a 12% nos Estados Unidos,
26% nos países da OCDE e 29% nos países da UE (The Economist 2010). A
Tabela 4.1 mostra projeções da participação do Brasil no mercado global.
As políticas de desenvolvimento agrícola adotadas durante o mandato do
Presidente Lula, como o Sistema Nacional para Segurança Alimentar e Nu-
tricional, tiveram um impacto ainda maior no desenvolvimento agrícola e na
segurança alimentar, ajudando o país a atingir os Objetivos de Desenvolvimento
do Milênio referentes à pobreza e fome cinco anos antes do prazo (IPEA 2010b).
Reformas políticas inovadoras que impulsionaram a produtividade agrícola
também aumentaram a inclusão social e reduziram a pobreza e a desigualdade.
Entre essas políticas, estão a criação de redes para participação mais ampla dos
cidadãos no desenvolvimento, a expansão dos mercados públicos e o aumento
A Conexão do Conhecimentos53
do apoio à agricultura familiar (85% das operações de crédito vinculadas à
agricultura familiar é financiada por bancos públicos, como o Banco do Brasil,
o Banco do Nordeste e o Banco da Amazônia).
Ao contrário da produtividade do Brasil, vários países africanos impor-
tam alimentos e energia. Embora 60% da população da África dependa da
agricultura,
31
o setor caracteriza-se por baixa produtividade, infraestrutura
deficiente e falta de mão de obra qualificada. Portanto, algumas práticas ino-
vadoras associadas à segurança alimentar e agricultura familiar do Brasil estão
sendo adotadas por outros países com agricultura tropical. O fato de que uma
grande parte da África Subsaariana apresenta condições geológicas e climáticas
semelhantes ao Brasil (figura 4.2) faz do país o colaborador ideal para o desen-
volvimento de projetos conjuntos de pesquisa. Observando o sucesso brasileiro
nessa área, muitos países da África Subsaariana solicitaram o apoio do Brasil
para avançar o desenvolvimento agrícola.
As principais instituições públicas responsáveis pelo sucesso agrícola re-
cente no Brasil são a EMBRAPA e o Ministério do Desenvolvimento Agrário
(MDA).
32
EMBRAPA
A EMBRAPA foi criada em 1973, como parte do Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento. Sua missão “é viabilizar soluções para o desenvol-
vimento sustentável do agronegócio brasileiro, por meio do conhecimento, da
geração e transferência de conhecimento a fim de aumentar a produtividade e
31
A população urbana da África era de 36% em 2000, elevando-se para 38% em 2005 (BAD
2011).
32
Também é importante destacar o trabalho do Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento.
Tabela 4.1 Projeções da participação do Brasil no mercado global (%)
2009/10 2014/15 2019/20
Açúcar
a
47 47 50
Café verde
a
27 27 27
Soja 30 33 36
Farelo de soja 22 21 20
Óleo de soja 21 16 18
Milho 10 11 13
Carne 25 31 30
Porco 12 14 14
Frango 41 48 48
a. Não há projeção, então a participação de mercado se mantém constante.
Fonte: The Economist Intelligence Unit 2010, com base em dados do Departamento de Agricultura
dos EUA 2010; Food and Agriculture Policy Research Institute 2009; e AGE/Ministério da Agricultura,
Abastecimento e Abastecimento 2010.
54sPonte sobre o Atlântico
apoiar a agricultura do território brasileiro”. A instituição já criou e recomen-
dou mais de nove mil tecnologias para a agricultura brasileira, reduziu custos de
produção e ajudou o Brasil a aumentar a disponibilidade de alimentos, conser-
vando ao mesmo tempo os recursos naturais e o meio ambiente e diminuindo
a dependência do Brasil de insumos externos. Com 38 centros de pesquisa, 13
Figura 4.2 Temperatura e vegetação da superfície terrestre global, maio de 2011
Fonte: Observatório da Terra da NASA, http://earthobservatory.nasa.gov/
Obs.: O tom de verde baseia-se em diversos fatores: número e tipo de vegetação, quantidade de folhas e saúde das plantas. Em
lugares onde a folhagem é densa e a vegetação cresce rapidamente, o índice é alto, representado pelo verde mais forte. Nas
regiões onde há pouca vegetação, o índice é baixo, representado pela coloração castanha.
Temperatura da superficie terrestre
Vegetação
A Conexão do Conhecimentos55
divisões centrais e três centros de serviço, a EMBRAPA está presente em quase
todos os estados brasileiros, cada qual com suas próprias condições ecológicas.
A EMBRAPA possui 9248 funcionários, incluindo 2215 pesquisadores (74%
com doutorado, 18% com mestrado e 7% com pós-doutorado). O órgão
coordena, atualmente, o Sistema Nacional de Pesquisa Agrícola (SNPA), que
inclui universidades e a maioria das entidades públicas e privadas envolvidas
em pesquisa agrícola no país. O orçamento para 2010 foi de R$ 1,8 bilhões
(US$ 1 bilhão).
A EMBRAPA é considerada uma das principais instituições de pesquisa
sobre agricultura tropical do mundo. Suas inovações tecnológicas deram início
à transformação do cerrado brasileiro. A entidade agora investe em áreas como
biotecnologia e bioenergia. A EMBRAPA fortaleceu suas conexões internacio-
nais, contanto agora com 78 acordos de cooperação técnica com 56 países e ins-
tituições estrangeiras (principalmente na área de pesquisa agrícola), bem como
com 20 acordos multilaterais com organizações
internacionais. No nível internacional, a EMBRAPA
conta com laboratórios virtuais (LABEX) inovado-
res, por meio dos quais, são enviados pesquisadores
para instituições agrícolas no exterior de renome
internacional, com o intuito de contribuir para áreas
estratégicas para o desenvolvimento da agricultura.
Em coordenação com a ABC, a presença da
EMBRAPA na África Subsaariana vem aumentando
nos últimos anos. A instituição abriu escritório na
África em Acra, Gana, em 2006, com mandato de
coordenar todas as solicitações de parceiros africa-
nos e contribuir para o desenvolvimento agrícola do
continente. Desde então, em vista das demandas crescentes, a EMBRAPA criou
uma unidade de coordenação em todos os países com projetos em andamento.
A colaboração da EMBRAPA com os países africanos realiza-se princi-
palmente por meio de três instrumentos: projetos estruturantes, capacitação
técnica e a Plataforma África–Brasil para a Inovação Agrícola.
Projetos Estruturantes
Os projetos estruturantes são considerados meios fundamentais de apoio brasi-
leiro à África. Em linha com a abordagem exclusiva do Brasil para a cooperação
bilateral, os projetos são adaptados às condições econômicas e do bioma local.
Bastante tempo é investido na identificação conjunta das necessidades locais,
sendo realizadas consultas participativas contínuas com os parceiros locais du-
rante todas as fases do projeto. Segundo a ABC, esses projetos são concebidos
com uma perspectiva de longo prazo e buscam forjar o desenvolvimento social
nos países parceiros por meio da implementação de instalações de desenvol-
vimento da capacidade, que vão desde fazendas experimentais até centros de
capacitação profissionalizante. Essas práticas permitem o desenvolvimento
sustentado da capacidade da comunidade local em geral, por períodos mais
“A EMBRAPA mantém projetos
de Cooperação Internacional para
aumentar o conhecimento de
atividades técnicas e científicas
ou para trocar conhecimento e
tecnologia com outros países”.
— Francisco Basílio Freitas de Souza,
Diretor, Secretaria de Relações
Internacionais da EMBRAPA
56sPonte sobre o Atlântico
longos e com efeitos duradouros em segmentos socioeconômicos específicos
da população.
Além disso, alguns desses projetos têm um impacto regional e facilitam a
troca de experiências Sul–Sul. No caso de projetos agrícolas, por exemplo, a
estação experimental Cotton Four em Mali recebe técnicos de Burkina Faso, Se-
negal, e Benin; a estação de arroz do Senegal beneficiará técnicos de Mali, Mau-
ritânia e Guiné Bissau (Itamaraty 2011a; ABC 201). Essas iniciativas e o Apoio
Técnico para o Desenvolvimento da Inovação Tecnológica em Moçambique
constituem os três principais projetos estruturantes realizados em parceria com
a EMBRAPA e com o apoio da ABC — conforme abordado a seguir.
Projeto Cotton Four
Este projeto foi concebido em 2008, em apoio ao desenvolvimento do setor al-
godoeiro dos “países C-4” — Benin, Burkina Faso, Chade e Mali — que enfren-
tam perdas devido à política de subsídios praticadas no mercado internacional
de algodão (ABC 2010). Com base nos princípios subjacentes da cooperação
Sul–Sul, o projeto conta com um forte componente de desenvolvimento da
capacidade, e seus objetivos principais, em apoio à Iniciativa do Algodão da
Organização Mundial do Comércio, são:
s Fornecer instrumentos para o governo dos quatro países, que torne
possível enfrentar questões relativas ao desenvolvimento de um setor al-
godoeiro autônomo. Por exemplo, nove variedades de algodão brasileiro
desenvolvidos pela EMBRAPA nos últimos 20 anos estão sendo atual-
mente testadas e adaptadas em Mali (ABC 2010).
s Transplantar tecnologias brasileiras para aumentar a produtividade e
qualidade dos países C-4, tendo em vista as similaridades de solo e clima.
s Melhorar a qualidade de vida e a segurança alimentar dos agricultores.
Por exemplo, a ABC sugere o uso pelos agricultores de colheitas desen-
volvidas no Brasil que tenham sido adaptadas às condições locais “a fim
de fornecer produtos de melhor qualidade aos mercados consumidores”
(ABC 2010).
Foram realizadas importantes iniciativas de sucesso nos quatro países apesar
de dificuldades, como sistema de comunicações deficiente, alta rotatividade de
empregados, tecnologia local limitada e onerosa, e uso inadequado de produtos
químicos, falta de amostras de solo para análise, uso de técnicas agrícolas que
danificam a fertilidade do solo, perda do potencial do solo e uso de sementes
de baixa qualidade. Mali construiu um laboratório de biotecnologia na estação
experimental, que será equipado com o apoio financeiro da ABC. A EMBRAPA
construirá um segundo laboratório também com o apoio financeiro da ABC.
Essas ações ajudam a integrar a gestão de pragas ao processo de produção nos
quatro países. Em 2009, a produção do algodão aumentou de 1000 quilogramas/
hectare (kg/ha) para 3000 kg/ha, com um incremento adicional de 10% alcan-
çado em 2010. Porém, será necessário um terceiro ano consecutivo de plantio
A Conexão do Conhecimentos57
para que se tenham dados suficientes para desenvolver recomendações técnicas
para dar início a produções de larga escala (ABC 2010). Em caso de êxito, serão
boas as chances de reproduzir essas técnicas em outros países com baixa produ-
tividade de algodão e condições de solo, clima e precipitação semelhantes (como
Uganda e Gana), que querem fazer parte do Projeto Cotton Four.
Segundo o governo brasileiro, a natureza estruturante desse projeto envolve
o reforço da capacidade local e permite a expansão para outras áreas relacio-
nadas com o setor algodoeiro, como pecuária, cereais e artesanato. Cinquenta
e seis pesquisadores dos países C-4 participaram do treinamento técnico sobre
melhoramento genético do algodão, plantio direto e gestão integrada de pragas.
Um dos objetivos do projeto era “adquirir conhecimento para integrar os dife-
rentes componentes de um sistema agroecológico para promover a utilização
racional de recursos naturais, promovendo estudos de integração com culturas
de ciclo mais curto para que os agricultores tenham um retorno de investi-
mento mais rápido. (...) Sua capacidade de incorporar conceitos de cooperação
Sul-Sul fazem dela uma iniciativa inovadora entre outros esforços de coopera-
ção internacional na área da agricultura” (ABC, 2010).
Apoio Técnico para o Desenvolvimento de Inovação Agrícola
em Moçambique
Esse é o primeiro projeto estruturante implementado desde 2010 por meio da
cooperação trilateral entre o Instituto de Investigação Agrária de Moçambique,
a EMBRAPA e a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Inter-
nacional. O projeto é executado pela sede da EMBRAPA, EMBRAPA Solos,
EMBRAPA monitoramento via satélite, EMBRAPA Cerrados, EMBRAPA Hor-
taliças e pelo Instituto de Capacitação para o Desenvolvimento da Agricultura
Tropical (CECAT) da EMPRAPA, criado em 2010. O projeto tem cinco com-
ponentes diferentes: fortalecimento institucional do Instituto de Investigação
Agrária de Moçambique, sistema de sementes, gestão territorial, monitora-
mento e de informações e comunicações.
Dois outros processos estruturantes encontram-se em fase de planejamento.
O primeiro é a Melhoria da Pesquisa Técnica e da Capacidade de Transferên-
cia de Tecnologia para o Desenvolvimento Agrícola no Corredor de Nancala
(figura 4.3), que está sendo elaborado por técnicos do Brasil, Moçambique e
Japão. O projeto busca aprimorar a capacidade de pesquisa e a transferência de
conhecimento em apoio ao desenvolvimento agrícola do corredor. A expecta-
tiva é reproduzir a transformação positiva do cerrado brasileiro em uma área
agrícola produtiva, para construir capacidade competitiva e criar uma solução
sustentável e sólida do ponto de vista ambiental para o desenvolvimento da
agricultura local e regional.
O segundo é o Apoio Técnico a Projeto de Segurança Alimentar e Nu-
tricional que visa o fortalecimento da capacidade estratégica de produção e
a distribuição de hortaliças para apoiar projetos de segurança alimentar no
contexto da Iniciativa Global para a Segurança Alimentar e Nutricional, bem
como para a consolidação da agricultura familiar. O projeto terá três compo-
58sPonte sobre o Atlântico
nentes: sistema de produção, sistemas de entressafra, processamento e aspectos
socioeconômicos.
Os elementos subjacentes da colaboração são as semelhanças climáticas e
geológicas do Brasil e de Moçambique; a identificação conjunta de possibilida-
des de compartilhamento e aprendizado tecnológico; e uma visão comum do
futuro com foco no desenvolvimento de oportunidades de negócios.
Projeto de Desenvolvimento da Rizicultura
O terceiro projeto estruturante que a EMBRAPA realiza na África localiza-se no
Senegal. Lançado em 2010, com um orçamento de US$ 2,4 milhões, o projeto
foi desenvolvido em conjunto pelo Instituto Senegalês de Pesquisa Agrícola
(Institut Sénégalais de Recherches Agricoles) e a unidade de arroz e feijão da
EMBRAPA em Santo Antonio de Goiás, Brasil, e tem o objetivo de prestar
apoio e transferir de tecnologia para o Senegal, em seus esforços para se tornar
auto-suficiente na produção de arroz por meio do aprimoramento dos sistemas
produtivos. Entre as atividades contempladas, encontram-se a mecanização da
produção, capacitação e fortalecimento da capacidade dos técnicos senegaleses
e a experimentação com 10 variedades diferentes de arroz desenvolvidas pela
unidade de arroz e feijão da EMBRAPA para culturas irrigadas em elevações
intermediárias e altas.
Figura 4.3 Mapa comparativo do Brasil e Moçambique
Fonte: EMBRAPA.
Obs.: A parte marrom do mapa do Brasil representa a ecorregião do cerrado.
A Conexão do Conhecimentos59
A capacidade da EMBRAPA de fazer
uso de suas diversas unidades técnicas e do
conhecimento especializado desenvolvido
no Brasil constitui uma importante con-
tribuição para os países africanos, que se
beneficiam do know-how desenvolvido sob
condições geológicas e climáticas semelhan-
tes. A relevância estratégica do projeto se
deve ao fato de o arroz ser um item básico
na alimentação dos senegaleses: o consumo
anual médio é de 74 kg por pessoa, compa-
rado a 44 kg no Brasil. Embora o total de
produtores de arroz chegue a 800 mil (prin-
cipalmente pequenas unidades de agricul-
tura familiar), a produção não é suficiente
para atender a demanda local. Em 2007,
80% (820 mil toneladas) do total necessário
para o consumo local do Senegal foi impor-
tado, com 16% to déficit comercial do país
correspondendo às importações de arroz.
33
Além dos projetos estruturantes, o Bra-
sil possui diversos projetos em andamento
em toda a África, com ênfase na capacitação
e pesquisa agrícola, implementados no contexto de acordos de parceria bilateral
com Angola, Cabo Verde, República do Congo, Gana, Guiné Bissau, Nigéria,
Tanzânia e Togo.
Capacitação técnica
O segundo instrumento utilizado pela EMBRAPA em apoio a outros países é
a capacitação técnica por intermédio do CECAT. O centro oferece atualmente
quatro cursos com participação de parceiros africanos: agricultura brasileira
(pesquisa em agricultura, produção de forrageiras e pastagem, boas práticas em
agricultura e produção pecuária); produção de sementes; sistemas de produção
para agricultura familiar, produção comunitária de sementes e conservação
dos recursos hídricos em pequenas propriedades e fazendas; e produção de soja
(ABC, 2010). Apenas em outubro de 2010, 45 técnicos e pesquisadores de 20
países africanos participaram de eventos de capacitação do CECAT.
Plataforma África–Brasil de inovação agropecuária
O terceiro instrumento utilizado pela EMBRAPA é o Mercado Agrícola Ino-
vador, que foi lançado em 2010 para fortalecer os laços entre a EMBRAPA e
pesquisadores africanos. Cento e vinte cinco especialistas africanos de 15 países
33
Ver EMBRAPA (n.d.).
“Se lhe pedissem para descrever que
tipo de produtor de alimentos seria
mais importante nos próximos 40 anos,
provavelmente diria o seguinte que
tiver incrementado bastante a produção
e que pareça capaz de continuar a
fazê-lo; o que tiver reservas de terra e
de água; o que for capaz de sustentar
um grande rebanho de gado; o que
for produtivo sem contar com subsídios
maciços do estado; e talvez o que tiver
bastante savana (cerrado), porque o
maior fracasso agrícola das últimas
décadas foi a África tropical. E qualquer
coisa que puder ajudar os africanos a
produzir mais alimentos teria um valor
especial. Em outras palavras, se estaria
descrevendo o Brasil”.
The Economist, 2010.
60sPonte sobre o Atlântico
reuniram-se em Brasília no contexto dessa iniciativa em outubro de 2010. Por
meio do site exclusivo do programa, foram concebidos projetos a serem imple-
mentados na África.
34
Os candidatos poderiam concorrer a até US$ 80 mil para
seus respectivos projetos, selecionados por meio de concurso. Os projetos sele-
cionados versavam sobre os seguintes temas: fomento à troca de conhecimento
para gestão integrada de recursos naturais em cenários agrícolas da África
Austral (Moçambique); adaptação de variedades de sorgo doce para a produção
de etanol (Quênia); reabilitação de áreas de pasto degradadas utilizando pas-
toramento planejado de terras áridas e semi-áridas (Quênia); lixiviamento de
pesticidas e perda de lençóis freáticos no cultivo de plantas ribeirinhas (Togo);
variedades de algodão e controle de pragas (Tanzânia); ecologia e potencial de
nutrição de espécies de árvores nativas comestíveis utilizadas por comunidades
locais (Burkina Faso e Amazônia brasileira); e estratégia de segurança alimentar
e conservação no contexto da mudança do clima (Burkina Faso).
Por meio desse instrumento, pesquisadores africanos e brasileiros promo-
veram a colaboração Sul-Sul e maior inovação para o desenvolvimento agrícola
da África. O mercado conta agora com a participação da ABC, do Fórum de
Pesquisa Agrícola na África (FARA), do Fundo Internacional para o Desenvol-
vimento Agrícola (IFAD), do Fundo do Reino Unido para o Desenvolvimento
Agrícola (IFAD) e do Banco Mundial.
Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)
O MDA formula, implementa e executa políticas que promovem o desenvolvi-
mento da agricultura familiar, aumentando tanto o bem estar dos trabalhado-
res rurais como o abastecimento alimentar do Brasil. As áreas de atuação são
reforma agrária, geração de crédito e de renda, assistência técnica e extensão
rural para a agricultura familiar. Entre os beneficiados pelo MDA, estão 4,1
milhão de unidades produtivas familiares do país, que produzem 70% de todos
os alimentos consumidos no Brasil. Os principais programas do MDA são:
35
s Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF),
que oferece linhas de crédito para a agricultura familiar em 96% dos mu-
nicípios brasileiros.
s Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (PNATER), que,
por meio de parcerias com organizações públicas e sem fins lucrativos,
divulga conhecimento e tecnologia para o desenvolvimento rural, o apri-
moramento dos sistemas de produção e a gestão de agricultura familiar.
34
Para maiores informações, ver o site do Mercado Inovador Agrícola Brasil–África: http://
www.africa-brazil.org/.
35
ABC 2010. Outros programas do MDA que poderiam ser de interesse para a África no fu-
turo são Territórios Cidadãos, que é um programa multiministerial voltado para a promoção
do desenvolvimento econômico e programas de cidadania rural que beneficiou 1852 muni-
cípios em 2009, e a Política Nacional de Reforma Fundiária, que permitiu o assentamento de
quase 575 mil famílias em mais de 25 mil acres de terra e desenvolveu 3386 projetos entre
2003 e 2009.
A Conexão do Conhecimentos61
Entre 2003 e 2009, o programa que conta com 14 redes temáticas sobre
questões estratégicas relacionadas com agricultura familiar alcançou 2,5
milhões de famílias.
s Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que compra a produção
da agricultura familiar para doar a famílias de baixa renda, altamente
e vulneráveis à insegurança alimentar. O programa também ajuda or-
ganizações de agricultores a estocar alimentos para serem vendidos em
condições mais favoráveis de mercado. Entre 2003 e 2009, o programa
beneficiou 764 mil famílias e produtores, doando alimentos para 52 mi-
lhões de pessoas carentes.
s Programa de Garantia de Preços para Agricultura Familiar (PGPAF), que
garante preços e atividades de produção, estimula a diversificação de pro-
dutos e articula diversos planos agrícolas e políticas comerciais.
s Programa Mais Alimentos, que mobiliza recursos e concede empréstimos
para a aquisição de maquinário e outros insumos agrícolas. Os emprés-
timos normalmente têm prazo de vencimento de 10 anos, períodos de
carência de 3 anos e 2% de juros.
s Programa Nacional de Biodiesel para Agricultura Familiar, que busca
promover a produção sustentável e o uso de biocombustíveis, com base
na competitividade, qualidade, abastecimento seguro garantido e diver-
sificação de matéria prima por meio da ampliação da capacidade local de
produção. O programa visa a promover a inclusão social.
s Programa Nacional de Crédito Fundiário, que concede empréstimos de
longo prazo a agricultores para a aquisição ou expansão de terras para
a agricultura familiar (74 mil famílias se beneficiaram com o programa
entre 2003 e 2009). O Instituto Africano de Estudos Agrários (AIAS) e o
governo brasileiro estão negociando um acordo sobre esse tema.
Programas como esses, combinado à disposição do Brasil de compartilhar
o seu conhecimento e perícia, se traduzem em oportunidades de cooperação
bilateral ou triangular (Norte-Sul-Sul) em áreas estratégicas para o desenvolvi-
mento da África Subsaariana.
36
Um exemplo da abordagem brasileira na área de troca de conhecimentos
é o “Dialogo Brasil–África sobre Segurança Alimentar, Luta contra a Fome e
Desenvolvimento Rural”, realizado em Brasília em maio de 2010 pela ABC
em colaboração com a Organização de Agricultura e Alimentos das Nações
Unidas e com o Programa Mundial de Alimentos. Lançado pelo ex-Presidente
Lula, o diálogo contou com a presença de representantes de 45 países afri-
canos (incluindo 39 ministros de agricultura da África); organizações não
governamentais (ONGs) brasileiras e africanas; e organizações internacionais
como o Banco de Desenvolvimento da África, o Banco Mundial e o Fórum
de Pesquisa Agrícola da África. Os participantes discutiram experiências em
agricultura sustentável, pesca e desenvolvimento da aquicultura; atividades
de agro-extrativismo florestal e gestão de recursos hídricos; melhoramento da
36
Entrevista com Makhtar Diop, Diretor de País para o Brasil, Banco Mundial, junho de 2011.
62sPonte sobre o Atlântico
infraestrutura rural, comercialização de produtos agrícolas e acesso a merca-
dos; apoio à agricultura familiar; redução da fome e aumento da produção de
alimentos; pesquisa, desenvolvimento e disseminação de tecnologia agrária;
desenvolvimento da capacidade institucional no âmbito da segurança alimentar
e nutrição; desenvolvimento de modelos comparativos para a África com o uso
de tecnologias adaptadas; e desenvolvimento de estratégias para a consecução
da segurança alimentar e nutricional.
O diálogo foi instrumental para o fortalecimento
da cooperação bilateral entre o Brasil e a África e
para a institucionalização de um diálogo perma-
nente sobre segurança alimentar, combate à fome e
desenvolvimento rural.
O plano de ação aprovado durante a reunião
previa atividades como a implementação conjunta
de 10 programas piloto em cinco sub-regiões da
África, o estabelecimento de um Centro Afro-
Brasileiro de Excelência em bioenergia e a capacita-
ção de técnicos.
37
Posteriormente, em novembro de 2010, a Câ-
mara de Comércio Exterior (CAMEX) do Brasil
aprovou uma linha de crédito no valor de US$ 640 milhões para os países
africanos (US$ 240 milhões a serem desembolsado em 2011 e US$ 400 milhões
em 2012) para financiar a compra de equipamentos agrícolas e a agricultura fa-
miliar. A linha de crédito é um dos componentes do Programa Mais Alimentos,
administrado pelo MDA.
Em janeiro de 2011, Gana assinou acordo de cooperação técnica que possi-
bilita ao país ter acesso a US$ 95 milhões a juros de 2%, prazo de vencimento
de 10 anos e prazo de carência de 3 anos. O fundo possibilita a compra de equi-
pamentos agrícolas por empresas brasileiras em apoio à agricultura familiar em
171 centros que fazem parte do programa em Gana, que contará também com
assistência técnica prestada pelo MDA. O setor agrícola de Gana é responsável
por 36% do produto interno bruto (PIB) do país e emprega a maior parte de
sua população. O setor agrário possui 1,8 milhões de unidades de agricultura
familiar responsáveis por 80% da produção nacional. O Zimbábue também
assinou acordo semelhante no valor de US$ 98 milhões em janeiro de 2011.
Senegal, Moçambique, Quênia e Ruanda estão negociando acordos. Essa ini-
ciativa é considerada um passo estratégico para o fortalecimento da agricultura
familiar na África (Africa 21, 2011).
Uma série de atividades de fortalecimento da capacidade (como, por exem-
plo, plantio de sementes para unidades de agricultura familiar — Box 4.1) sobre
diferentes temas estratégicos identificados durante o diálogo foram realizadas
até outubro de 2010 pela EMBRAPA, MDA e outros, beneficiando 35 países
africanos. Projetos piloto estão sendo empreendidos na Costa do Marfim, Etió-
pia, Gana, Malaui, Moçambique, Niger e Senegal, com o apoio da ABC, MDA e
37
Ver MRE (2010).
“O Brasil tem dado orientação e
esperança para a África. Mediante
a implementação de políticas e
programas estratégicos, o país
conseguiu alcançar o desafio de
melhorar a qualidade de vida de
seus cidadãos. Esses programas
podem ser adaptados à África”.
Kwasi Ahowi, Ministro de Alimentos e
Agricultura de Gana (ABC 2010)
A Conexão do Conhecimentos63
CG-Fome (órgão do MRE responsável pela assistência humanitária e combate
à fome em países estrangeiros). Em junho de 2011, o Brasil anunciou o novo
programa de atividades de fortalecimento da capacidade associados à segurança
alimentar (24 no total a serem realizados por 20 instituições brasileiras diferen-
tes). Essas atividades estão disponíveis não apenas para a África mas também
para outros países em desenvolvimento.
Outra entidade que presta apoio ao desenvolvimento da capacidade dos
parceiros africanos é o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR),
agência estatal autônoma financiada com contribuições obrigatórias mensais
dos produtores rurais. A formação agrícola e profissional do SENAR permite
a permanência dos trabalhadores rurais no campo, aumenta a produção e me-
lhora a qualidade de vida desses trabalhadores.
A extensão rural é componente central desse programa, que de 2007 a 2010
capacitou mais de 21 milhões de trabalhadores rurais. Em 2010, os programas
do SENAR foram disponibilizados para participantes da África em áreas como
agricultura e agroindústria, aquicultura, silvicultura, agricultura pastoral,
prestação de serviços, extrativismo e produção agropecuária, bem como orga-
nização comunitária, saúde, esportes e cultura. Os profissionais africanos que
participaram desses programas foram agrupados em função das semelhanças
entre seus países de origem e as administrações regionais do SENAR nos esta-
dos brasileiros do Ceará, Goiás, Minas Gerais e Paraná. Esses estados possuem
condições de clima e de solo semelhantes ao clima semi-árido, cerrado e floresta
Em maio de 2010, agricultores da África do Sul, Namíbia e Moçambique visitaram o
Brasil para aprender sobre o ciclo anual de plantio e colheita de sementes tradicionais
crioulas (nativas). A visita foi organizada no contexto do Acordo de Cooperação Técnica
de 2007 celebrado entre o governo do Brasil e a União Africana. Esse intercâmbio entre
agricultores africanos e brasileiros permitiu a implementação de bancos comunitários
de sementes e a capacitação em recuperação, multiplicação armazenamento e uso
de sementes crioulas na agricultura familiar com o objetivo de fortalecer este tipo de
agricultura em três países africanos.
Os agricultores africanos tiveram experiência direta com agricultura familiar ao
visitar Catalã, no estado de Goiás, onde foram recebidos pelo Movimento dos Traba-
lhadores Rurais Sem Terra (MST), formado por mais de 1 milhão de agricultores de
unidades familiares espalhadas em toda a região do cerrado. De seus colegas no estado
de Santa Catarina, no sul do Brasil, os agricultores africanos aprenderam estratégias de
conservação da biodiversidade e técnicas de cultivo orgânico. Um grupo de agricultores
brasileiros viajou a países africanos para trabalhar com agricultores locais e realizar
treinamento maior no uso de sementes crioulas. O governo brasileiros facilitou a com-
pra das sementes orgânicas de bancos de sementes.
Fonte: Entrevista com o diretor do Fundo para Atendimento Comunitário e Educação (Trust for
Community Outreach and Education), África do Sul, junho de 2001.
Box 4.1 Sementes para a vida: Brasil–África
64sPonte sobre o Atlântico
atlântica. O SENAR oferece programas específicos que se aplicam às realidades
da África. Até o momento 70 técnicos africanos de 35 países já participaram
desses programas (ABC, 2010).
O setor privado também vem explorando as semelhanças geológicas e cli-
máticas entre o Brasil e a África. Uma iniciativa recente entre a empresa agroin-
dustrial brasileira, a Pinesso, e sua parceira sudanesa, a Agadi, é um exemplo
de joint venture inovadora voltada para a produção de algodão e soja no Sudão.
O governo sudanês concedeu garantias de isenção fiscal à Pinesso para a im-
portação de maquinário e outros equipamentos. A Agadi é responsável pelos
recursos financeiros, cabendo à Pinesso a provisão de técnicas agrícolas e novas
tecnologias (Pinesso, 2010).
A fase inicial abrangeu o cultivo de aproximadamente 988 acres de algo-
dão e 247 acres de soja em 2010. A expectativa é que em quatro anos serão
cultivados 247.105 acres, divididos igualmente entre as duas culturas, com um
investimento total de US$ 200 milhões (Felismino, 2010). Quando questionado
sobre os riscos de desenvolver essa iniciativa em um país instável como o Sudão,
Gilson Pinesso, presidente do Grupo Pinesso, afirmou que as condições de
produção algodoeira no Sudão são muito positivas: primeiro o solo próximo
ao Rio Nilo é muito fértil, reduzindo a quantidade necessária de fertilizantes;
segundo, há água suficiente abaixo da superfície e precipitação regular de junho
a setembro; e terceiro os custos de produtividade no Sudão são mais baixos do
que no Brasil (Felismino, 2010). O Sudão é considerado um dos países com
terras mais férteis da região, com promessa de fortes retornos de investimento.
Contudo, ainda é necessário desenvolver formas para atrair mais investidores
estrangeiros.
Ensino Técnico
Juntamente com a EMBRAPA, o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem
Industrial) também se beneficiou de cooperação técnica durante os anos 1970.
O SENAI foi criado em 1942 para apoiar o desenvolvimento industrial do Brasil
em seguimento à adoção de políticas de substituição de importações. O centro,
financiado por meio de contribuições obrigatórias de cerca de 120 mil empresas
do setor privado, é reconhecido em todo o mundo pela qualidade do ensino
técnico que oferece, em linha com as exigências do setor industrial do Brasil. A
estrutura sofisticada do SENAI permite que o centro preste apoio oportuno e
direcionado no contexto da visão de longo prazo do setor privado e dos objeti-
vos de desenvolvimento do país, ao passo que seus comitês técnicos incentivam
a participação da indústria para garantir que a concepção dos programas de
desenvolvimento de capacidade, os currículos profissionais e os cursos estejam
alinhados com as exigências da indústria. Os comitês contam com a participa-
ção de representantes de indústrias do setor privado, fábricas, líderes sindicais,
órgãos do governo, setor acadêmico e da área de ensino profissionalizante.
O SENAI possui 471 unidades de treinamento fixo e 326 móveis em todo
o país, e também presta serviços na sede de 55 clientes (ver também Box 4.3
abaixo). O SENAI está bem posicionado para atender as necessidades indus-
A Conexão do Conhecimentos65
triais em áreas remotas com características geológicas, climáticas e geográficas
variadas, incluindo a Amazônia brasileira e o cerrado. Esta abordagem inte-
grada de desenvolvimento da mão de obra — educação básica combinada com
formação profissional — contribui para garantir o atendimento sustentado e
coerente com as exigências individuais, industriais e da sociedade.
A educação à distância é um forte componente dos programas do SENAI.
Em 2010, o programa de aprendizagem à distância (2010 e-Learning Brasil)
recebeu reconhecimento nacional por suas contribuições para o desenvolvi-
mento da sociedade brasileira. A instituição possui 14 centros de educação à
distância para capacitação profissionalizante em todo país, com cursos nas áreas
de desenvolvimento empresarial; proteção ambiental sustentável e segurança
no local de trabalho, tecnologia da informação (TI); legislação trabalhista; e
direitos de propriedade intelectual. Uma abordagem inovadora que vem con-
tribuindo para o desenvolvimento regional é a realização de atividades de capa-
citação (em áreas como navegação fluvial, uso de energia renovável, tratamento
de água e resíduos e TI) a bordo de navios, o que permite ao SENAI atender a
comunidades litorâneas e ribeirinhas que de outra forma não teriam acesso a
instalações de ensino.
O Sistema Nacional de Avaliação Profissional avalia os produtos de apren-
dizado do SENAI ao longo de duas vertentes. O Sistema de Avaliação da
Educação Profissional e Técnica (SAEP), criado em 2010, avalia a qualidade
dos cursos do SENAI e seu impacto no desenvolvimento dos participantes,
no setor industrial, no governo e na sociedade como um todo. A Avaliação do
Desempenho de Estudantes (PROADE) visa a avaliar o desenvolvimento dos
formandos do SENAI no mercado de trabalho, de forma a garantir que sejam
desenvolvidas as competências certas.
A missão do SENAI também tem um componente de serviço público: a
instituição estabelece parcerias com o governo federal, estadual e municipal,
com as principais empresas de engenharia e infraestrutura, como a Odebrecht
e a Camargo Correa, e com o Serviço Social Industrial (SESI). Essas parcerias
visam a apoiar projetos sociais para as populações mais pobres e desamparadas
por meio de atividades de capacitação para jovens vítimas de abuso sexual,
entre outros. Em colaboração com o Conselho Nacional de Justiça, o SENAI
também oferece treinamento técnico à população prisional em preparação para
a reintegração na sociedade.
Parceria global do SENAI
O SENAI, como outras instituições brasileiras, está se tornando provedor de as-
sistência técnica internacional. Mantém atualmente 48 parcerias internacionais
assinadas com 25 países, que já produziram até o momento 29 projetos, dos
quais cinco são na África Subsaariana (figura 4.4).
A experiência adquirida pela instituição na adaptação de seus programas às
diversas exigências específicas do Brasil coloca o SENAI em posição estratégica
para compartilhar seu conhecimento com outros países em desenvolvimento.
No momento, o SENAI presta serviços de assessoria técnica em planejamento
66sPonte sobre o Atlântico
Figura 4.4 Presença global do SENAI: projetos e parcerias
Fonte: Relações Internacionais do SENAI. Livreto institucional, 2010.
estratégico, estruturação, organização e funcionamento de centros de ensino
profissionalizante, bem como na capacitação de instrutores, gerentes e pessoal
técnico.
Em parceria com a ABC, o SENAI implementou 10 centros de ensino pro-
fissionalizante. Cinco foram criados na África Subsaariana (em Angola, Cabo
Verde, Moçambique, Guiné Bissau e São Tomé e Príncipe) e outros dois estão
em fase de abertura na África do Sul (Box 4.2) e Angola.
O Centro de Formação Profissional Brasil-Angola, na cidade de Cazenga,
prestou apoio ao processo de reconstrução nacional por meio da capacitação
e reabilitação da força de trabalho desmobilizada, com o fim da guerra civil de
40 anos em Angola. Entre 1999 e 2006, mais de 3 mil angolanos foram capaci-
tados pelo centro em áreas como mecânica diesel, construção civil, confecções
e TI. A metodologia e know-how de operações do centro foram posteriormente
transferidos para o Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional de
Angola, que continua a oferecer serviços de capacitação e a contribuir para a
reintegração social da população desmobilizada.
Vários outros projetos do SENAI vêm sido realizados em parceria com paí-
ses africanos, com o apoio da ABC.
Moçambique. O Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional em
Maputo está criando, em parceria com o SENAI, o Centro Nacional de Forma-
ção Profissional com base no modelo brasileiro.
São Tomé e Príncipe. O SENAI vem apoiando o governo de São Tomé e
Príncipe na criação de um Centro de Formação Profissional de referência com
cursos na área de construção civil, eletricidade, costura, mecânica e informá-
A Conexão do Conhecimentos67
“Então, resolvi sacudir a poeira e colocar a mão na massa. Estou abrindo um instituto
para capacitar os jovens em áreas como o desenvolvimento de habilidades essenciais
e empreendedorismo”.
Quando visitei o Brasil e vi o trabalho do SENAI, sabia que teria de reinventar
a roda. Faremos uma parceria com o SENAI para adaptar seu know-how às nossas
necessidades. Nossos países possuem problemas semelhantes e diversas similari-
dades. Os instrumentos do SENAI, como as unidades móveis de aprendizado, serão
facilmente adaptadas em meu país”.
—Entrevista com Dr. Richard Maponya, julho de 2011
A África do Sul, como todo o continente, enfrenta o enorme desafio do desemprego.
O problema concentra-se especificamente entre os jovens do país, que além da falta
de experiência também enfrentam a falta de qualificação. O resultado é um número
crescente de jovens com acesso extremamente limitado aos postos de trabalho do setor
formal e meios limitados de resolver este problema. Segundo a Pesquisa da Força de
Trabalho do quarto trimestre de 2009, 4,165 milhões de sul-africanos economicamente
ativos estavam desempregados, dos quais 3,037 milhões (74,2%) eram jovens com
idades de 15 a 34 anos. Desses 4,165 milhões de desempregados, 2,544 milhões não
haviam concluído o ensino secundário.
Soweto — acrônimo de South Western Townships — que fica na região adminis-
trativa de Joanesburgo, localizado a cerca de 15 quilômetros ao sudoeste do Distrito
Comercial de Joanesburgo e a 10 quilômetros ao sul do Distrito Comercial de Roode-
poort. Graças à sua proximidade de Joanesburgo, centro econômico do país, Soweto é
também a área mais metropolitana do país, ditando tendências de moda, política, mú-
sica, dança e língua. Com uma população de aproximadamente 1,25 milhões de pessoa
e uma área de cerca de 153 quilômetros quadrados, Soweto representa mais de 40%
da população da cidade de Joanesburgo, é uma região importante na cidade e também
a área residencial urbana mais densamente povoada do país. Segundo o Dr. Maponya,
“Muitos jovens estão sendo deixados para trás. Milhões de jovens andam pelas ruas de
nosso país sem nunca terem tido um emprego. Não sabem o que é receber um cheque
de pagamento. Nunca conheceram a dignidade de poder dizer que é alguém. Sou um
técnico, sou encanador, sou carpinteiro e sou um professor”.
Em colaboração com o governo da África do Sul e o SENAI, a fundação de Maponya
está abrindo um centro de capacitação profissionalizante em Soweto. O programa de
desenvolvimento de qualificações abrangerá áreas como alfabetização, matemática e
comunicações no contexto de negócios, comércio e ocupações específicas como traba-
lho na área de têxteis, soldagem e outros; além de qualificações básicas em construção
civil, manutenção e reparos, encanamento, eletricidade e jardinagem. Está prevista a
inauguração de nove outros centros em todo o país durante a segunda fase do projeto.
Fonte: Fundação Maponya.
Box 4.2 Desenvolvimento de habilidades e empreendedorismo para os jovens
em Soweto
68sPonte sobre o Atlântico
tica. Essa iniciativa também servirá de apoio à “formação de formadores” para
instrutores e gerentes, como em outros países parceiros do SENAI na África.
Guiné Bissau. O SENAI, a ABC e o Ministério de Função Pública e Trabalho
de Guiné Bissau estão executando um projeto para a estruturação e fortaleci-
mento do sistema de ensino profissionalizante do país e criação de um centro
de formação profissional em Bissau. Já está em funcionamento, o centro oferece
cursos em construção civil (construção geral, telhado, pintura, encanamento,
ladrilhos e cerâmica, etc.); instalações elétricas; costura industrial;, conserto
de eletrodomésticos; consertos de sistemas de ar-condicionado; manutenção e
conserto de computadores; padaria; e metalurgia.
Cabo Verde. Em parceria com o governo de Cabo Verde, o SENAI prestou
apoio à criação do Centro Nacional de Formação Profissional de Praia. Até o
momento, seis cursos estão sendo oferecidos pelo centro: metalurgia, alimen-
tos, eletricidade, encanamento, construção civil e TI.
Entre outras iniciativas recém lançadas pelo SENAI, encontra-se a criação
do Centro de Formação Profissional Brasil-Angola-Japão (por meio de coope-
ração trilateral); o fortalecimento da construção civil na República do Congo; e
a criação do Centro de Formação Profissional Brasil–África do Sul.
O ensino profissionalizante dos jovens na África Subsaariana é necessário
para respaldar o processo de crescimento econômico e de desenvolvimento
socioeconômico. Os centros de formação profissional também oferecem aos
jovens habilidades e competências para abrir um pequeno negócio. Ainda é ne-
cessário avaliar de que forma essa massa essencial de mão de obra técnica con-
tribuirá para o desenvolvimento da infraestrutura física e social da África, mas
até o momento as parcerias do SENAI com governos africanos já resultaram em
nove novos projetos em desenvolvimento; oito projetos em fase de negociação;
74 instrutores formados em instituições locais parceiras; 173 administradores/
gerentes para prestar apoio ao desenvolvimento de centros de formação profis-
sional na África; mais de 6500 matrículas; e mais de 420 cursos.
Outra linha de trabalho do SENAI na África envolve a prestação de serviços
educacionais e técnicos às empresas brasileiras, que teve início em 2007 com o
apoio do SENAI à Odebrecht no lançamento do Centro Integrado de Formação
Tecnológica (CINFOTEC) em Luanda, em parceria com o governo de Angola.
Após dois anos de trabalho com o SENAI, o CINFOTEC agora oferece soluções
integradas de desenvolvimento profissional, transferência de tecnologia, con-
sultoria, pesquisa e assistência técnica, em áreas como meteorologia, mecânica
de produção, eletricidade, megatrônica, TI e comunicações.
Em 2008, a Vale solicitou o apoio do SENAI na concepção de um programa
de treinamento para atender às necessidades de serviço especializado em sua
mina de carbono no distrito de Moatize, província de Téte, em Moçambique.
A Vale identificou projetos oferecidos no Brasil que poderiam ser adaptados
para a capacitação local. O programa implementado oferece formação em
manutenção mecânica e elétrica, soldagem, equipamentos de mineração e ope-
ração da fábrica de carbono.
Em 2011, a Petrobras Tanzania Limited (PETAN) solicitou os serviços do
SENAI para realizar um programa de capacitação em parceria com o governo
da Tanzânia e outras organizações locais. O controle do Centro de Formação e
A Conexão do Conhecimentos69
Ensino Profissionalizante do governo da Tanzânia selecionará 50 profissionais
para participar dos programas de “formação do formador”. Após o curso, os
profissionais manterão as instalações elétricas e mecânicas da Petrobras Tan-
zânia na cidade de Mtwara, onde a firma deverá dar início às atividades de
exploração de petróleo em águas profundas.
SAÚDE E MEDICINA TROPICAL
O direito à saúde, garantido pela Constituição brasileira de 1988, levou ao de-
senvolvimento e à implementação de políticas e mecanismos adequados para
assegurar esse direito a todos os brasileiros. Um exemplo prático é a produção e
distribuição gratuita de medicamentos para o tratamento de HIV/AIDS. Outras
soluções inovadores na área de saúde no Brasil abrangem as campanhas bem
sucedidas de vacinação em massa, o desenvolvimento de redes nacionais de
bancos de leite humano
38
e a pesquisa avançada na luta contra doenças como
anemia falciforme e malária.
Todas as 12 missões presidenciais de Lula à África tinham um componente
de saúde
39
e, em 2011, o Brasil tem 53 acordos bilaterais sobre saúde com 22
38
Site da Rede Nacional de Bancos de Leite Humano: www.redeblh.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/
sys/start.htm?tpl=home.
39
Entrevista com Eduardo Botelho Barbosa, assessor especial para assuntos internacionais do
Ministério da Saúde, dezembro de 2010.
s O SENAI possui 797 unidades em funcionamento (471 fixas e 326 móveis) e uma
rede de 200 laboratórios.
s 27 áreas de especialização fazem do SENAI uma das instituições de ensino profissio-
nalizante mais diversificadas do mundo em desenvolvimento. Essas áreas são: mecâ-
nica de metais, impressão, metrologia, mineração, minerais não metálicos, petróleo
e gás, polímeros, química, ar condicionado e refrigeração, segurança no trabalho,
TI, comunicações, têxteis, alimentos e bebidas, automação, automotivos, papel e
celulose, construção civil, couro e calçados, eletrônica, energia, pedras preciosas e
jóias, gestão, madeiras e móveis e meio ambiente.
s Em 2010, o SENAI contava com 2.362.312 alunos registrados, um incremento de
59% em relação ao ano anterior.
s Até 80% dos alunos registrados aproveitaram a oferta de registro gratuito em 2010.
s Em 2010, o Programa de Educação à Distância contava com 419.257 alunos regis-
trados, um aumento de 50% em relação ao ano anterior.
s O SENAI tem 22.595 empregados — 41% são professores, 30% técnicos e 29%
administradores.
Fonte: Com base em informações oficiais do SENAI.
Box 4.3 SENAI em números
70sPonte sobre o Atlântico
países africanos. Da tabela 4.2 abaixo constam pequenos projetos de controle de
malária e HIV/AIDS decorrentes desses acordos.
Esses pequenos projetos, realizados em países específicos, foram centrais
para cooperação brasileira em saúde até 2008, quando foi então desenvolvida
uma nova abordagem que incentiva a realização de projetos estruturantes
(Mateos 2011; ABC 2010). Como no setor agrícola, projetos desse tipo normal-
mente visam a possibilitar a formação de recursos humanos fundamentais e o
fortalecimento de instituições locais e nacionais relevantes e comprovam ter um
impacto maior do que os pequenos projetos. São desenvolvidas atividades com
base em uma abordagem de longo prazo e com ênfase no engajamento local e
desenvolvimento da capacidade. Os projetos estruturantes do setor de saúde
contam da tabela 4.3.
Dois desses projetos merecem destaque por seu impacto importante sobre a
população local. O governo de Moçambique está construindo, em parceria com
o Brasil, um laboratório para produzir medicação genérica para o tratamento
de HIV/AIDS e outras doenças. Este é, sem dúvida, o maior projeto do Brasil
na área de cooperação para o desenvolvimento, contando com investimento
de aproximadamente US$ 23 milhões. Em 2008, foi instalado oficialmente
um escritório regional (ver Box 4.4) da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)
Tabela 4.2 Seleção de pequenos projetos de saúdes implementados na África,
com o apoio do governo brasileiro, 2011
Países parceiros Doenças combatidas
Angola, Camarões e República Democrática do Congo Malária
Botsuana, Gana, Quênia, Libéria, Serra Leoa, Tanzânia e Zâmbia. HIV/Aids
Fonte: Mateos 2011.
Tabela 4.3 Projetos estruturantes voltados para a saúde: desenvolvimento de
cooperação Brasil–África
Países parceiros Projetos estruturantes
Investimento
brasileiro em
US$ 1000 (2010)
Angola
Projeto piloto do Programa de Combate à Anemia. 240
Apoio técnico para implementar centro sanitário e
de epidemiologia.
490
Gana
Apoio para implementar sistema nacional de
tratamento da anemia falciforme.
7.000 (aprox.).
Moçambique
Laboratório farmacêutico de medicamentos para
HIV/AIDS.
23.000
São Tomé e Príncipe
Apoio ao Programa de Prevenção e Controle da
Malária em São Tomé e Príncipe.
600
Senegal
Apoio ao Programa Nacional de Combate à Anemia
no Senegal.
250
Fonte: ABC 2009.
A Conexão do Conhecimentos71
em Maputo para facilitar a coordenação local, sendo o primeiro escritório de
campo da entidade a ser inaugurado no exterior. Segundo a FIOCRUZ, durante
essa primeira fase, os equipamentos e medicamentos serão trazidos do Brasil e
empacotados em Moçambique para distribuição gratuita no país. Essa fase in-
clui o desenvolvimento de perícia e capacidade local para o funcionamento da
fábrica. Durante a segunda fase, prevista para 2012–13, o laboratório passará a
produzir os medicamentos, cabendo então a Moçambique a decisão de onde e
como adquirir os ingredientes da fórmula dos medicamentos.
40
No momento,
o diretor é de nacionalidade brasileira, mas o objetivo é transferir o controle ao
governo moçambicano em breve.
O segundo grande projeto estruturante voltado para a saúde está sendo
realizado em parceria com o governo de Gana, com a construção de um centro
de tratamento de hemofilia e anemia falciforme em Acra.
41
O centro também
contará com espaço dedicado à pesquisa e capacitação a ser disponibilizado
também para outros países da região. A fase inicial foi realizada em 2009,
40
Entrevista com Eduardo Botelho Barbosa, dezembro de 2010.
41
Entrevista com Luis Fernando Serra, Embaixador do Brasil em Acra, junho de 2011.
A Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) é uma instituição do governo brasileiro de re-
nome mundial, reconhecida por sua perícia técnica em toda a América Latina. É uma
das entidades mais engajadas do Brasil em projetos de cooperação internacional.
Criada nos anos 1900 e reformada nos anos 1970, a FIOCRUZ está atualmente vin-
culada ao Ministério da Saúde e conta com mais de 7500 funcionários. Suas atividades
principais incluem a pesquisa, o desenvolvimento de vacinas, medicamentos e kits de
diagnóstico, bem como a implementação de projetos sociais.
Com o desenvolvimento da capacidade do Brasil em saúde na década de 1980, a
FIOCRUZ recebeu apoio técnico de diversas agências internacionais, como a Agência
de Desenvolvimento Internacional Canadense (CIDA), a Agência de Cooperação Inter-
nacional do Japão (JICA), o Instituto Nacional de Saúde/ Centro para o Controle e Pre-
venção de Doenças (NIH/CDC) dos EUA, o Instituto Pasteur (França), Institute National
de la Santé et de la Recherché Médicale (INSERM, França) e Institute de Recherche pour
le Développement/Centre National de la Recherche Scientifique (IRD/CNRS, França). A
partir de 1994, no entanto, após encontro com os ministros dos países de língua por-
tuguesa (CPLP), a FIOCRUZ passou a prestar cooperação técnica em saúde. O quadro
de seus principais parceiros em 1996 indica uma combinação de agentes e redes que
permanecem até hoje e inclui instituições multilaterais como a Organização Pan-
americana de Saúde (OPAS), a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), a Coordenação
de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), e o Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
Fonte: Site da FIOCRUZ (www.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=3); entrevista com José Roberto
Ferreira e Luis Eduardo Fonseca, representantes da FIOCRUZ, em dezembro de 2010.
Box 4.4 Fundação Oswaldo Cruz
72sPonte sobre o Atlântico
concentrada na formação de mão de obra local e na aquisição de materiais. A
construção teve início em janeiro de 2011,
42
e o centro deverá ser aberto em
2013–14. Além dos óbvios benefícios para Gana, o centro também servirá de
referência para outros países na região, como Burkina Faso, Benin e Nigéria
(ABHH, 2010).
ENERGIA
Na época do primeiro choque do petróleo em 1973, o Brasil dependia da im-
portação do produto para atender aproximadamente 80% da sua demanda de
petróleo. Entretanto, investimentos na produção de petróleo e de biocombustí-
veis (para substituir e reduzir o consumo de petróleo) (figura 4.5), permitiram
que o Brasil declarasse alto-suficiência em petróleo em 2006. No fim de 2007, o
Brasil anunciou a descoberta de grandes reservas de petróleo na camada do pré-
-sal no litoral,
43
o que garantiu recursos naturais mais do que suficientes para
atender a demanda interna. Dessa forma, o Brasil conseguiu mudar sua estra-
tégia internacional de energia, passando a ser um exportador de petróleo, com
uma produção média de 2 milhões de barris por dia, em 2009 (Petrobras, 2009).
O rápido crescimento do consumo mundial de energia, a disponibilidade
limitada de fontes fósseis e os riscos geopolíticos associados à dependência do
petróleo, juntamente com preocupações sociais e ambientais, foram o maior
incentivo para que o Brasil intensificasse a busca por fontes alternativas de
energia. Os biocombustíveis provaram ser da maior importância por causar
menos dano ambiental e prometer novos mercados para os agricultores (New
York Times 2011; MME, 2011). De fato, somente na última década, a produ-
ção mundial de biocombustível passou de 16 bilhões de litros (em 2000) para
mais de 100 bilhões (em 2010) (IEA 2011), liderados principalmente pelos dois
maiores produtores de biocombustível: os Estados Unidos, com participação de
46% da produção mundial e o Brasil com 42% (WDR 2008; EIA).
A cana de açúcar, utilizada na produção de etanol,
44
e a soja, na de
biodiesel,
45
são fundamentais para o setor de biocombustível. Condições geo-
lógicas e climáticas favoráveis, juntamente com a implementação de políticas
públicas direcionadas, contribuíram para que o Brasil se tornasse o maior pro-
dutor de cana de açúcar do mundo (FAO 2008). As plantas originais da cana de
açúcar eram frágeis e nem todo o solo do país era adequado para o seu plantio,
mas com o melhoramento genético realizado pela EMBRAPA e pelo Centro
42
Parcerias entre o Ministério da Saúde, a Hemominas, a Universidade Federal de Minas
Gerais e a ABC.
43
Entrevista com André Ghirardi, assessor sênior para assuntos internacionais da Presidência
da Petrobras em dezembro de 2010.
44
O etanol vem sendo produzido no Brasil (à base de cana de açúcar) desde a década de 1970,
quando foi lançado o programa Pro-Álcool.
45
A cana está no centro da produção de etanol do Brasil, ao passo que 83,6% do biodiesel
brasileiro é produzido à base de óleo de soja (MME, 2011).
A Conexão do Conhecimentos73
Tecnológico de Piracicaba, as plantas ficaram mais adaptadas ao cultivo e à
produção de biocombustível.
Até os anos 1990, o argumento prevalecente era o de que a redução da po-
breza viria como consequência da liberalização do comércio, do crescimento
do agronegócio e da redução das taxas de desemprego no setor agrícola (Banco
Mundial 2008: 38). Porém, o sucesso na agricultura não foi suficiente para
reduzir a pobreza. De meados da década de 1990 a meados da década de 2000,
políticas sociais como a Bolsa Escola (do governo Fernando Henrique Cardoso)
e o Fome Zero e Bolsa Família (do governo Lula), foram desenvolvidas para
aumentar a autonomia e o engajamento dos pequenos produtores, propor-
cionando não apenas crescimento econômico mas também inclusão social.
Também se reconheceu que a cana possuía características muito peculiares que
facilitavam o envolvimento dos agricultores locais: não é tão fácil de exportar
como outros produtos como a soja. Dessa forma, o uso e o processamento local
são altamente recomendáveis, já que se não houver agroindústria na comuni-
dade ou nível local, a probabilidade de perda da produção é alta. Este fator,
juntamente com avanços em biotecnologia, justificaram políticas públicas de
fortalecimento da produtividade da agricultura familiar para produzir energia.
Esta é uma área em que a África Subsaariana poderia vir a se beneficiar da ex-
periência brasileira.
O Brasil é (…) o produtor mais eficiente de biocombustíveis do mundo,
com base na sua produção de baixo custo de cana de açúcar. Mas, é pouco
provável que muitos outros países em desenvolvimento venham a ser
produtores eficientes com as atuais tecnologias. (. . .) Maior investimento
público e privado em pesquisa seria importante para o desenvolvimento
de processos de produção mais eficientes e sustentáveis com base em
ração e outros itens alimentares (Banco Mundial, 2008: 17).
Figura 4.5 Produção de Energia no Brasil por fonte, 1970–2010
Fonte: MME, 2010: 15.
1970 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 2000 2003 2006 2009
0
50
100
150
200
250
Produtos da cana
Gás Natural
Lenha
Hidráulica
Petróleo
Outras
10
3
tep (toe)
74sPonte sobre o Atlântico
Com a produção de soja, a história é diferente. Quando o comércio mun-
dial de soja duplicou de 1994 a 2004, a Argentina e o Brasil foram os países que
melhor responderam a esta nova oportunidade (Banco Mundial 2008: 62). Em
2011, o Brasil continua sendo o segundo maior produtor de soja do mundo
(FAO 2008). No entanto, existem algumas questões ambientais preocupantes,
tendo em vista o aumento do desflorestamento devido à necessidade de abrir
terras para o cultivo de soja (Banco Mundial 2008).
Existe a crítica de que a produção de biocombustível concorre com terras
aráveis necessárias para a produção de alimentos. No entanto, o governo brasi-
leiro afirma que a bioenergia tem um papel importante a desempenhar no Bra-
sil e em continentes como a África, onde muitos países dependem atualmente
da importação de alimentos e de energia. Nesse sentido, o modelo brasileiro
pode ser adaptado para alguns países africanos, especialmente os que contam
com terras abundantes e se localizam próximos dos trópicos. Vários acordos de
energia foram assinados tanto por governos como por investidores do setor pri-
vado (RTS 2008), com projetos conjuntos em andamento no Sudão e em Zim-
bábue, onde já foram instaladas usinas brasileiras de etanol. Novas usinas serão
inauguradas em breve também em Angola e em Gana (Itamaraty 2011:37).
Destacam-se algumas iniciativas entre o Brasil e a África Subsaariana na área
energética (ver também tabela 4.4). Em 2007, o governo brasileiro assinou um
memorando de entendimento sobre questões relacionadas com biocombustí-
veis com a União Econômica e Monetária do Oeste Africano
46
(Portugal Digital
2011). Esse memorando de entendimento instava a realização de estudos de
viabilidade para analisar a produção de biocombustíveis nos países desse grupo.
Estudo sobre o Senegal (que enfrenta uma crise de energia), finalizado no início
de 2011, visava a reduzir a dependência do país de uma única fonte de energia,
sendo realizadas pesquisas para verificar a viabilidade de biocombustíveis à
base de cana e também de casca de amendoim e jatrofa, além da energia solar e
eólica.
47
Em 2011, a EMBRAPA e a ABC apresentaram proposta inicial ao go-
verno de Senegal e a decisão final está sendo aguardada.
A experiência brasileira também poderia ser compartilhada em áreas como
a gestão de crises no setor de energia, a reforma do setor elétrico e a operação
de grandes sistemas de geração de energia elétrica. Outras abordagens eficientes
na área de eletrificação rural e esquemas para economizar energia poderiam
ser desenvolvidos em conjunto para áreas no Brasil que apresentam condições
semelhantes às de alguns áreas da África Subsaariana.
A Petrobras, empresa estatal brasileira de petróleo, é a oitava maior empresa
de capital aberto do mundo, segundo a revista Forbes (Petrobras, 2011a). A em-
presa atua em 28 países, incluindo países da África Subsaariana como Angola,
Benin, Gabão, Nigéria, Namíbia, Senegal e Tanzânia. O principal objetivo da
Petrobras na costa ocidental da África, por exemplo, é encontrar petróleo leve,
em linha com a estratégia da empresa de buscar oportunidades de exploração
em águas profundas e ultraprofundas (Petrobras 2011b). A Petrobras também
46
Formada pelo Benin, Burkina Faso, Costa do Marfim, Guiné Bissau, Mali, Niger, Senegal
e Togo.
47
Entrevista com Luis Fernando Serra, junho de 2011.
A Conexão do Conhecimentos75
realiza investimentos em biocombustíveis desde os anos 1970, quando o etanol
passou a ser comercializado em seus postos de gasolina no Brasil. Recentemente,
a empresa deu início à produção de biodiesel, tendo em vista que sua estratégica
é desenvolver tecnologias que garantam sua liderança mundial na produção de
biocombustíveis.
48
Foi iniciada cooperação na área de biocombustíveis com
Angola e Moçambique, que também poderia beneficiar outros países africanos.
48
Ver Petrobras (n.d.).
Tabela 4.4 Fontes de energia: Áreas com potencial de colaboração e troca de conhecimento entre a
África Subsaariana e o Brasil
Área Tema
Do Brasil
para a África
Da África
para o Brasil Conjunto
Petróleo e Gás Combustíveis sintéticos
Exploração e produção em águas profundas
Carvão mineral Combustão pulverizada
Tecnologias críticas
Liquefação de carvão mineral
Biocombustíveis Etanol de primeira geração
Etanol de segunda geração
Produção de carvão vegetal
Gaseificação e co-geração de carvão
Biodiesel
Fogões eficientes
Energia/Demanda Reforma do setor elétrico
Gestão da demanda de eletricidade
Tecnologias de contagem inteligente
Gestão de crises de eletricidade
Eletrificação rural/economia de energia
Hidrelétrica Operação de grandes sistemas hidro-térmicos
Concessão para uso da água/royalties

Usos múltiplos/ questões transfronteiriças
Gases de Efeito Estufa em RESERVATÓRIOS DE
CENTRAIS HIDRELÉTRICAS
Eólica
Mecanismos regulatórios de produção de
energia eólica
Acesso à rede e precificação
Solar Energia solar concentrada
Aquecedores de água solar
Nuclear Enriquecimento de urano
Reatores de leito granular
Fonte: Elaborada por Luiz Maurer, IFC 2011.
76sPonte sobre o Atlântico
O setor privado brasileiro também começou a trabalhar com questões de
energia por meio de joint ventures em outro países do Sul, inclusive na África.
Um bom exemplo com potencial de impacto significativo no território ango-
lano é uma joint venture denominada BIOCOM (Companhia de Bioenergia
de Angola), entre a empresa brasileira Odebrecht, a empresa estatal angolana,
Sonongol, e a firma Demer de Angola, com investimento de US$ 400 milhões
voltados para a utilização de cana para a produção de açúcar, etanol e energia
elétrica. O projeto deverá ter um grande impacto sobre a economia angolana,
primeiro porque o país importa 80 milhões de toneladas por ano de açúcar e,
segundo, porque o projeto já está produzindo 565 megawatts (MW) de energia.
A usina foi construída pela Odebrecht, com financiamento do Banco Nacional
do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
Outra área de energia altamente relevante em que o Brasil possui conheci-
mento avançado é a produção de carvão vegetal. A África Subsaariana produz e
consome cerca de 25 milhões de toneladas de carvão vegetal por ano (mais do
que qualquer outra região do mundo), ao passo que o Brasil produz e consome
aproximadamente 9 milhões de toneladas por ano (mais do que qualquer outro
país do mundo). Embora na África, o carvão seja utilizado primordialmente
para cozinhar alimentos em domicílios urbanos, no Brasil, ele é utilizado quase
que em sua totalidade na produção de ferro gusa e ferro-liga. Apesar das dife-
renças em termos de uso, a experiência do Brasil na área de carvão vegetal pode
ser útil para a África.
Nos últimos 40 anos, o setor de carvão vegetal brasileiro vem desenvolvendo
formas de produção mais eficientes e sustentáveis. Por exemplo, o empenho de
empresas privadas e universidades públicas resultou no aumento da produti-
vidade e da qualidade (densidade da madeira) das plantações dedicadas exclu-
sivamente à produção de madeira para combustível (Figure 4.6), reduzindo a
dependência das florestas naturais para a produção de carvão vegetal.
A demanda anual estimada de carvão vegetal na África Subsaariana deve
dobrar, passando de 25 milhões em 2009 para quase 50 milhões até 2030 devido
Figura 4.6 Produtividade e densidade da madeira em todas as plantações de eucalipto do Brasil,
1970–2006
Fonte: Latorre e Henriques 2008.
Produtividade (m
3
/hectare)
9
10
28
35
50
0
10
20
30
40
50
60
1970 1980 1990 2000 2006
Densidade (kg/m
3
)
420
445
470
490
530
0
100
200
300
400
500
600
1970 1980 1990 2000 2006
A Conexão do Conhecimentos77
Figura 4.7 Estimativa de crescimento futuro da demanda de carvão vegetal na
África Subsaariana
Fonte: IEA World Energy Outlook 2004; Bailis, Ezzati e Kammen, 2005.
Obs.: C significa carvão e C-S, carvão proveniente de produção sustentável.
0
2000
M
i
l
h
õ
e
s

d
e

p
e
s
s
o
a
s
2010 2020
C e C-S
2030 2040 2050
Demanda
estimada
de carvão
até 2030
Lenha
400
200
600
800
1,000
1,200
1,400
1,600
1,800
Querosene
Eletricidade
Carvão vegetal
Gás
Outros*
ao rápido crescimento demográfico e índice de urbanização da região, po-
breza constante e volatilidade do preço dos combustíveis fósseis para cozinhar
alimentos (ver figura 4.7). Porém, a produção de carvão baseia-se ainda em
métodos tradicionais, ineficientes e insustentáveis. Dessa forma, a cooperação
com o Brasil poderia aprimorar, em grande medida, a capacidade da África de
produzir carvão vegetal com padrões mais modernos, eficientes e sustentáveis.
Essa modernização poderia transformar o setor ineficiente de carvão da África
(que causa atualmente desflorestamento) em um setor de desenvolvimento
estratégico que no futuro contribuiria para o reflorestamento, maior produti-
vidade de carvão e, até mesmo, cogeração de eletricidade.
PROTEÇÃO SOCIAL
Os formuladores de políticas do Brasil parecem entender que embora o cres-
cimento econômico possa resolver questões relativas à pobreza, ele não neces-
sariamente reduzirá a desigualdade. A Constituição de 1988 prevê “proteção
social” como um direito.
49
Apesar dos enormes desafios enfrentados pelos
políticos em um país conhecido por ter um dos maiores índices de desigual-
dade de renda da América Latina, poucos programas haviam sido desenvolvi-
dos para garantir os direitos de proteção social, especialmente até meados da
49
Em 2010, o direito a alimentação foi expressamente incluído no artigo 6° da Constituição
brasileira, juntamente com outros direitos sociais, como educação e saúde. Este parece ser o
ápice de um processo iniciado 10 anos antes.
78sPonte sobre o Atlântico
década de 2000. A partir de 2003, políticas voltadas para o combate à fome e
a marginalização passaram a ser implementadas, sendo o mais bem sucedido
a iniciativa Fome Zero. Lançado em 2003, o Fome Zero abrange diversos pro-
gramas promovidos mediante forte parceria entre 12 ministérios e agências
coordenados pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
(MDS).
O programa mais conhecido e abrangente no âmbito do Fome Zero é o
Bolsa Família, um programa de transferência condicional de renda criado como
estrutura institucional para abrigar os diversos projetos sociais existentes. O
Bolsa Família segue três diretrizes básicas: proporcionar alívio imediato da po-
breza aos beneficiados pelo programa, mediante a transferência direta de renda;
ajudar famílias a superar o ciclo de pobreza que se perpetua por gerações, en-
volvendo crianças e jovens em cada família beneficiada; e impulsionar o avanço
e o desenvolvimento das famílias por meio de projetos sociais complementares
relacionados com questões, como o analfabetismo entre adultos e a geração de
renda (MDS 2009). O programa Bolsa Família é intersetorial, abrangendo edu-
cação, saúde e a eliminação do trabalho infantil. Outra característica marcante
do programa é a descentralização e a gestão compartilhada entre diversos ór-
gãos e níveis de governo. Cada ministério envolvido supervisiona as atividades
de assistência social, saúde e educação em nível estadual e municipal, monito-
rando as atividades em sua área de atuação.
Figura 4.8 Programa Fome Zero: eixo e entidades executoras
Fonte: Site oficial do Fome Zero (www.fomezero.gov.br/organograma).
Centros de Referência
em Assistência
Social Mobilização
social e educação
dos cidadãos
Capacitação de
agentes públicos
e sociais
Doações
Parcerias com o
setor privado
Controle social —
conselhos da área social
Eixo 4—articulação,
mobilização e
controle social
Eixo 3—geração
de renda
Eixo 2—reforço da
agricultura familiar
Eixo 1—acesso
à alimentação
Programa Fome Zero
Capacitação profissiona
e social
Economia solidária
Microcrédito
productivo orientado
Consórcio de
Segurança Alimentar e
Desenvolvimento Localt
(e outros)
Programa Nacional
de Fortalecimento
da Agricultura Familiar
Garantia safra
Seguro da
agricultura familiar
Programa de aquisição
de alimentos da
agricultura familiar
Bolsa Familia
Alimentação escolar
Alimentos para
grupos específicos
Cisternas
Restaurantes púbicos
Bancos de alimentos
Hostas comunitárias
(e outros)
A Conexão do Conhecimentos79
Em 2011, 19 milhões de famílias em todo o país estão registradas no Bolsa
Família (figura 4.9).
A experiência do programa Fome Zero e outros projetos sociais está sendo
atualmente adaptada e reproduzida em outros países em desenvolvimento.
Desde a sua criação em 2004, o MDS mantém contatos institucionais com
mais de 60 países, incluindo Angola, Senegal e Quênia, com vistas à criação de
condições para um crescimento mais inclusivo. Em Angola, em 2009, o governo
passou a se concentrar na promoção e proteção dos direitos das pessoas vulne-
ráveis, combate à pobreza e redução das assimetrias regionais.
50
No Senegal, em
2005, foram iniciados programas conjuntos nas áreas de segurança alimentar e
nutricional, agricultura familiar, biodiesel, recursos hidrelétricos e qualidade dos
produtos agrícolas, etc.
51
No Quênia deverá ser lançado programa em 2011.
52
50
Carta de intenção, agosto de 2009 (www.mds.gov.br/sobreoministerio/relacoes
internacionais/infografico/documentos/Carta-de-Intencoes-Para-Republica-de-Angola.pdf
[em português]).
51
O memorando de entendimento, junho de 2005 (http://mds.gov.br/sobreoministerio/re-
lacoesinternacionais/infografico/documentos/Memorando-de-Entendimento-Brasil-Senegal.
pdf).
52
Foi enviada missão do MDS ao Quênia no fim de fevereiro de 2011, conforme solicitação do
governo queniano, para colher informações sobre o que poderia ser feito no país em termos
de transferência de renda (MDS, 2011).
Fonte: MDS, 2004; 2010.
Figura 4.9 Expansão do Bolsa Família (2004–10)

Menos de 412
Entre 412 e 978
Entre 978 e 2228
Mais de 2228
Número de famílias beneficiadas pelo programa por município:
2004 2010
80sPonte sobre o Atlântico
OUTRAS ÁREAS DE INTERCÂMBIO
A agricultura tropical, a medicina tropical e o ensino profissionalizante são as
maiores áreas de intercâmbio entre o Brasil e a África. A energia também recebe
bastante atenção. No entanto, projetos em outras áreas, como ensino superior,
esportes e ação afirmativa, também poderiam produzir impacto expressivo.
53
Ensino Superior
As atividades culturais e educacionais fazem parte do envolvimento do Brasil
na África há muito tempo, embora tenham sido organizadas e implementadas
tradicionalmente pelas organizações da sociedade civil voltadas principalmente
para a educação primária em países lusófonos. Em meados da década de
2000, no entanto, o governo brasileiro decidiu fortalecer o ensino superior na
África, devido a suas ligações com a capacitação humana e o desenvolvimento
sustentável. O uso de tecnologia da informação e de ferramentas pedagógicas
inovadoras, como os métodos de Paulo Freire,
54
contribuíram para o desen-
volvimento de forte demanda por parte dos países africanos interessados em
aprender com a experiência brasileira e reproduzir alguns de seus programas.
Com efeito, a posição brasileira no setor de educação, especialmente sua ênfase
no ensino superior, seria positiva para ajudar a preencher o vazio em termos
de educação superior e ensino profissionalizante enfrentado pela maioria dos
países da África Subsaariana (ACBF, 2011).
Em particular, destacam-se quatro iniciativas pertinentes de ensino superior
que unem atualmente o Brasil e a África.
55
A primeira é a Universidade Aberta
de Moçambique, esforço conjunto de quatro instituições brasileiras e quatro
moçambicanas nas áreas de matemática, biologia, pedagogia e administração
pública. A iniciativa inclui projeto acadêmico conjunto, com metade dos cur-
rículos desenvolvidos por universidades de Moçambique e a outra metade por
universidades do Brasil; uma mistura de ensino on-line e presencial; e habilita-
ção dupla com diplomas das duas universidades. O Brasil assumiu o compro-
misso de realizar investimento inicial de US$ 30 milhões, por um perío do de
nove anos, com possibilidade de vir a ser renovado, o que representa a maior
atividade de cooperação do país na área de educação. A maior parte dessa
contribuição será alocada para bolsas de estudo em Moçambique. O projeto
53
O Brasil e os países da África Subsaariana também desenvolvem iniciativas menores nas
áreas de tecnologia da informação, justiça, criação e gerenciamento de banco de dados, edu-
cação primária e ensino de línguas (português), entre outras.
54
Paulo Freire é um educador brasileiro conhecido por criar métodos de ensino para adultos e
trabalhadores, aumentando sua autonomia e reduzindo a dependência (e opressão, utilizando
suas palavras) da cultura dominante.
55
Entre outras iniciativas importantes no nível federal encontram-se o apoio da CAPES à
criação da primeira universidade pública de Cabo Verde, inaugurada no fim de 2006, e o
Programa África da CNPq, que estimula diretamente projetos de pesquisas na África para
promover o desenvolvimento científico e tecnológico (Portal Brasil 2010).
A Conexão do Conhecimentos81
beneficia 700 alunos moçambicanos em 3 centros (Maputo, Beira e Lichinga) e,
em 5 anos, a estimativa é de 10 mil alunos terão participado do projeto.
A segunda iniciativa compreende a criação da Universidade Federal para
a Integração Luso-Afro-Brasileira (UNILAB).
56
Criada em 2010, a iniciativa
foi oficialmente lançada no Dia da África (25 de maio) na cidade de Redenção
(Ceará), primeiro distrito brasileiro a abolir a escravidão.
57
A UNILAB oferece
acesso a ensino superior aos alunos e professores de países africanos de língua
portuguesa e espera fortalecer as ligações históricas e culturais positivas entre
o Brasil e os países de língua portuguesa na África e em outros continentes.
58

Trata-se da primeira iniciativa desse tipo e, tendo em vista que acabou de
ser lançada, seus efeitos locais ainda não foram comprovados. No entanto, é
possível prever resultados positivos não apenas para estudantes africanos, mas
também em termos do reforço da dimensão africana da história do Brasil.
A terceira iniciativa é a criação de bolsas de estudos para estudantes de
graduação e pós-graduação de países em desenvolvimento para estudar em
universidades brasileiras (PEC-G e PEC-PG, respectivamente).
59
Entre 2003 e
2010, o Brasil concedeu bolsas de estudo a 4300 estudantes de graduação prove-
nientes de 20 países da África e a 237 estudantes de pós-graduação de 14 países
africanos. Essa iniciativa ainda enfrenta desafios, especialmente no que se refere
ao nível de graduação, como por exemplo níveis incompatíveis de ensino e a
falta de recursos adequados para cobrir despesas de manutenção dos alunos no
Brasil ao longo dos quatro a cinco anos de duração dos cursos.
A quarta dimensão consiste na criação ou no reforço do diálogo direto entre
universidades brasileiras e da África Subsaariana. A Universidade Federal de Vi-
çosa é um bom exemplo de engajamento mais abrangente. A partir do contato
pessoal entre pesquisadores e professores brasileiros e seus colegas na África, a
universidade conseguiu desenvolver uma abordagem mais institucionalizada
do que outras nos últimos anos. Equipes multidisciplinares trabalham em
conjunto com seus pares na África na identificação de limitações e prioridades,
em áreas como merenda escolar e produtividade agrícola (necessárias, por
exemplo, em São Tomé e Príncipe) e técnicas para educação on-line (necessá-
rias em Moçambique, por exemplo). A vantagem comparativa da universidade
encontra-se no setor de ciências agrárias, no qual diversos projetos estão sendo
consolidados. Por exemplo, uma equipe multidisciplinar está trabalhando com
seus pares na Zâmbia e Gâmbia para identificar demandas agropecuárias e de
zoonose, respectivamente. Em suas missões internacionais, o quadro da univer-
sidade recebe normalmente o apoio da ABC.
60
56
Unilab (www.unilab.edu.br/).
57
A cidade de Redenção aboliu a escravidão em 1883, anos antes da Lei Áurea, assinada em
1888 (www.unilab.edu.br/Home/UnilabnoBrasil.aspx).
58
Unilab Global (www.unilab.edu.br/Home/UnilabGlobal.aspx).
59
Programa Estudante Convênio de Graduação (PEC-G) e Programa Estudante Convênio de
Pós-Graduação (PEC-PG).
60
Entrevista com o Prof. Luiz Claudio Barbosa, Universidade Federal de Viçosa, fevereiro de
2011.
82sPonte sobre o Atlântico
No âmbito das próximas iniciativas, será criado o Centro Brasil–África em
Dacar, no Senegal, empreendido pelo Institut Supérieur de Management para
promover ações conjuntas de pesquisa acadêmica, seminários e desenvolvi-
mento de currículos.
61
Existem também alguns acordos bilaterais entre universidades brasileiras e
africanas, embora estes sejam limitados em termos de número e alcance. A Uni-
versidade de Brasília, por exemplo, possui acordos bilaterais com universidades
em três países: África do Sul (Gauteng Shared Services Center), Cabo Verde
(Universidade do Cabo Verde) e Moçambique (Universidade Pedagógica de
Moçambique, Universidade Zanbeze e Universidade Eduardo Modlane). Esses
acordos preveem o desenvolvimento de seminários conjuntos, intercâmbio
de estudantes e pesquisa conjunta, entre outras atividades pedagógicas. Outro
exemplo de parceria é o acordo de cooperação entre a Universidade Católica
de Petrópolis no Rio de Janeiro, a Universidade de São Carlos em São Paulo,
a Universidade Federal de Minas Gerais e a Makerere University em Kampala
para a realização de projetos conjuntos de bioenergia, uma iniciativa que conta
com o apoio da ABC. Foi firmado acordo também para a execução de progra-
mas conjuntos entre a Universidade Estadual da Bahia e a Kimpa Vita Univer-
sity, em Uige (Angola).
Esportes
O esporte tem um papel importante tanto no Brasil como na África e vem
fortalecendo a ligação entre os dois lados. Vinte e um acordos esportivos, es-
pecialmente em futebol, foram assinados entre o Brasil e a África nos últimos
10 anos. A parceria, no entanto, vai além da organização de partidas amistosas
entre times nacionais.
62
Foram implementados projetos para aumentar a inclu-
são social por meio do futebol em Angola, Botsuana e Moçambique, e atletas
profissionais da Tanzânia, Zâmbia e Libéria foram convidados a viajar ao Brasil
para fazer treinamento especializado em futebol (Itamaraty, 2011b: 36). Além
disso, técnicos de futebol do Quênia participaram de atividades de treinamento
realizadas pelo Brasil e, recentemente, o Benin firmou acordo com o Brasil para
o treinamento de futebol de longo prazo para jovens e o reforço do treinamento
especializado dos técnicos.
61
Entrevista com Amadou Diaw, Presidente do Institut Supérieur de Management, Senegal,
julho de 2011.
62
Foram organizadas partidas amistosas de futebol entre os times nacionais do Brasil e seus
parceiros em Botsuana (2008), Zimbábue (2010) e Tanzânia (2010).
83
Investimento Estrangeiro Direto e
Comércio do Brasil com a África
PONTOS PRINCIPAIS
· Existem dois tipos de empresas brasileiras na Africa: grandes empre-
sas com presença desde os anos 1980, e pequenas e médias empresas
(PMEs) que só recentemente vêm se engajando com o continente.
· O investimento estrangeiro direto (IED) do Brasil na Africa cresceu na
última década e ainda tem o potencial de aumentar muito mais.
· O comércio Brasil-Africa aumentou substancialmente nos últimos 10
anos. Mas muitos desafios persistem, associados à comunicação limi-
tada, às dificuldades de logística, à burocracia e à falta de transparência.
Os principais setores são mineração, petróleo e gás, e infraestrutura.
A ATUAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS DE
DESENVOLVIMENTO
Os bancos brasileiros de desenvolvimento desempenharam um papel impor-
tante na aproximação do Brasil com a África. Entre esses bancos, destaca-se
o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), cujos
incentivos e desembolsos para a África Subsaariana tiveram incremento expo-
nencial nas últimas décadas.
O comércio entre o Brasil e a África passou de US$ 4 bilhões em 2000 para
cerca de US$ 20 bilhões em 2010 (tabela 5.1), com uma elevação acentuada
em 2003. No mesmo período, o comércio com a África Subsaariana passou de
US$ 2 milhões para US$ 12 milhões. Esse ambiente ajudou o BNDES a lançar e
implementar medidas para favorecer o comércio entre as duas regiões, possibi-
litando dessa forma o acesso a empréstimos brasileiros.
O estímulo dado às exportações brasileiras foi fundamental para a expansão
do comércio. Em 2008, os incentivos concedidos às empresas brasileiras para
exportar para a África (no âmbito do Programa Integração com a África) resul-
taram no desembolso de R$ 477 milhões, elevando-se para R$ 649 milhões em
CAPÍ TULO
5
84sPonte sobre o Atlântico
2009 (PDP 2010). Esse incremento pode ser atribuído à Política de Desenvolvi-
mento Produtivo (PDP), estabelecida em 2008 com a finalidade de promover e
manter o ciclo de expansão econômica nacional, mesmo durante a crise finan-
ceira internacional.
A PDP forneceu ao BNDES determinado direcionamento e estrutura para
ação no nível internacional. As orientações da PDP levaram à criação de me-
didas práticas para o fortalecimento das relações comerciais e dos fluxos de
investimento direto do Brasil para a África. Este foco em soluções práticas, com
ênfase em atividades comerciais e relacionadas com infraestrutura, é resultado
das oportunidades identificadas para a atuação de organizações públicas e pri-
vadas na África.
Essa atuação orientada pelo governo por intermédio do BNDES posicio-
nou o banco no centro das interações entre empresas nacionais e o mercado
africano. Um dos objetivos da PDP era selecionar um pequeno número de em-
presas — normalmente três — com capacidade de engajamento em atividades
na África.
Outro objetivo da PDP era a assinatura de acordo de três anos (2009–12)
entre o BNDES e a Agência Brasileira para a Promoção de Exportações e Inves-
timentos (APEX) com vistas à implementação de uma política de diversificação
das exportações brasileiras para a África. O processo beneficiou-se ainda da
concessão de benefícios financeiros (de quase US$ 500 milhões, em 2008) para
empresas nacionais específicas (tabela 5.2).
O governo brasileiro lançou seu Programa de Financiamento à Exportação
(PROEX) em 1991, para estimular a busca de novos mercados para os produ-
tos brasileiros. Em agosto de 2011, a PDP foi substituída pelo Programa Brasil
Maior (2011–14), cujo objetivo é o de desenvolver a capacidade produtiva e a
competitividade da indústria brasileira. O novo plano — construído a partir da
Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) e da PDP — é
mais abrangente do que as políticas anteriores por incluir uma série de medidas
para promover o investimento e a inovação, apoiar o comércio e preservar a
indústria nacional.
63

63
Site do Brasil Maior: www.brasilmaior.mdic.gov.br/.

Tabela 5.1 Comércio do Brasil com o mundo, a África e a África Subsaariana, 2000–10 (em US$)
2000 2001 2002 2003 2004
Mundo 110.969.460.353 113.888.349.663 107.681.303.968 121.528.871.507 159.512.859.906
África 4.252.876.098 5.319.020.146 5.036.174.214 6.149.521.057 10.425.741.453
África Subsaariana 2.054.751.728 3.275.132.745 3.009.938.102 3.759.498.378 6.498.713.052
2005 2006 2007 2008 2009 2010
Mundo 192.129.063.582 229.148.973.892 281.269.740.902 371.139.076.664 280.642.073.593 383.563.775.541
África 12.630.456.924 15.536.861.331 19.903.591.657 25.919.298.556 17.152.899.842 20.407.917.230
África Subsaariana 7.072.242.226 10.158.144.627 13.128.537.975 16.877.688.204 11.036.725.854 12.190.937.300
Fonte: Elaborado pela IPEA com base em informações do banco de dados da UN Comtrade (http://comtrade.un.org/db/).
Investimento Estrangeiro Direto e Comércio do Brasil com a Áfricas85
Além das iniciativas de estímulo à exportação, atribuiu-se também impor-
tância a medidas que permitiam às empresas brasileiras trabalhar em projetos
de infraestrutura na África Subsaariana. Embora não exista muita informação
nesse sentido, a estratégia demonstra a importância da atuação do BNDES para
ampliar a presença do capital nacional da região (PDP, 2010).
A atuação do BNDES na ampliação dos negócios brasileiros na África
Subsaariana fica também evidenciada no desenvolvimento de usinas de pro-
cessamento de etanol de cana de açúcar. Em 2006, foi criada uma linha de
crédito para Angola no valor de US$ 1,5 bilhão (Valor Econômico, 10 de junho
de 2008), que resultou em acordo de parceria estratégica entre Angola e Brasil,
no contexto da política afro-brasileira, aumentando a influência do Brasil no
novo setor africano de etanol. Em 2010 foi aberta uma linha de crédito para
empresas brasileiras atuantes em Gana e Moçambique, com um orçamento de
US$ 3,5 bilhões (Barros, 2010). Com essa iniciativa, o governo brasileiro come-
çou a envolver seus pares africanos como parceiros fundamentais na expansão
da oferta global de etanol.
Mediante a utilização de financiamento e conhecimentos especializados do
Brasil, Gana ganhou acesso ao mercado sueco de biocombustível. Por meio de
um acordo tripartite envolvendo o Brasil, Gana e Suécia, o BNDES concedeu
financiamento no valor de US$ 260 milhões ao projeto, possibilitando à em-
presa ganense Northern Sugar Resources cultivar 30 mil hectares de cana de
açúcar no norte do país. Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria
e Comércio Exterior (MDIC), a Odebrecht deu início à construção da usina de
processamento que se comprometeu a comprar a cana produzida, ao passo que
o governo sueco, por intermédio da AB Svensk Etanolkemi (Sekab), prometeu
comprar todo etanol produzido pela usina por um período de 10 anos (A Tarde
2008).
Registra-se, hoje, movimento no sentido de estabelecer uma política coe-
rente para as atividades do BNDES na África, com apoio da política externa
brasileira. Esse processo vem sendo gradualmente fortalecido desde 2003, tendo
como resultado ações de natureza técnica. Com a criação da PDP e de outros
instrumentos de desenvolvimento geridos pelo BNDES e outros bancos de de-
senvolvimento, essas iniciativas foram harmonizadas em 2008. Outro exemplo
é a presença da Caixa Econômica Federal (CEF) em Angola e Moçambique,
onde oferece cooperação técnica internacional para o desenvolvimento de pro-
jetos de habitação.
No fim de 2010, o Banco do Brasil e o Bradesco, dois dos maiores bancos
brasileiros, anunciaram parceria com o Banco Espírito Santo, de Portugal, para
Tabela 5.2 Recursos do PROEX para exportações para a África 2007–08
Ano
Recursos do PROEX
(milhões de US$)
Exportações APOIADAS
(milhões de US$)
Número de empresa
beneficiárias
2007 194,35 2.279,44 38
2008 38,25 436,23 35
Fonte: Elaborado pelo BNDES, com base em Proex Equalização.
86sPonte sobre o Atlântico
dar início a atividades conjuntas e o apoio a empresas brasileiras na África.
Considerando que o Banco do Brasil e o Bradesco já prestavam serviços para
PMEs no Brasil, é provável que também venham a disponibilizar crédito para a
ampliação das PMEs na África.
O BNDES e a CEF reconhecem que ainda existem importantes desafios pela
frente. A falta de garantias dos países parceiros na África restringe o desenvol-
vimento das atividades do BNDES, ao passo que limitações de ordem jurídica
impedem que a CEF ofereça crédito fora do território brasileiro.
EMPRESAS BRASILEIRAS NA ÁFRICA
IED
Embora o governo brasileiro tenha priorizado o IED na África (cujo total
cresceu aproximadamente US$ 69 bilhões em 2001 para US$ 214 bilhões em
2009 — tabela 5.3), aquele continente não se destacou como destino impor-
tante de investimento estrangeiro de firmas brasileiras na última década. O IED
brasileiro na África Subsaariana totalizou apenas US$ 281 milhões em 2001 e
US$ 124 milhões em 2009. Ainda que exista a possibilidade que tais números
estejam subestimados por conta da triangulação desses recursos por intermédio
Tabela 5.3 Investimentos diretos brasileiros no exterior, 2001–09 (em milhões de US$)
2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Investimento direto igual ou superior a 10%
Países africanos
África do Sul 8 0 2
Angola 265 18 22 24 17 20 73 58 124
Países para possível triangulação
Bahamas 5.954 6.958 6.565 7.825 7.449 9.259 9.341 9.531 10.291
Ilhas Caymans 14.785 16.465 15.097 13.930 15.113 20.284 31.212 31.024 36.268
Total de investimento direto igual
ou superior a 10%
42.584 43.397 44.769 54.027 65.418 97.715 111.339 113.755 132.413
Empréstimos entre empresas, por país
Países africanos
África do Sul 0 0 1
Angola 9 12 3 10 1 1
Países para possível triangulação
Bahamas 216 326 360 409 377 101 288 62 197
Ilhas Caymans 3.814 7.696 7.151 12.389 11.387 14.539 25.212 37.981 27.319
Total de empréstimos entre
empresas
7.104 11.026 10.123 15.169 13.842 16.460 28.547 41.914 32.110
Total de capital brasileiro no exterior 68.598 72.325 82.692 93.243 111.741 152.214 190.205 204.005 214.017
Fonte: Elaborada pela IPEA com dados do Banco Central do Brasil.
Investimento Estrangeiro Direto e Comércio do Brasil com a Áfricas87
de países como as Bahamas e as Ilhas Cayman, os dados obtidos não permitem
confirmar essa hipótese.
Alguns países africanos foram especificados nos dados do Banco Central
referentes ao período 2001-06. Porém, em 2007-09, poucos o foram; a maioria
ficou relegada à categoria de “outros”. Contudo, dois países incluídos nessa
categoria — a África do Sul e Angola — abrigam a maior concentração de
IED brasileiro na África (Angola lidera, especialmente em áreas como energia,
mineração e infraestrutura, devido à presença da Petrobras e da Vale, bem
como de empresas de construção como a Andrade Gutierrez, Camargo Correa,
Odebrecht e Queiroz Galvão).
Segundo o Global Investment Trends Monitor (de janeiro de 2011) da Con-
ferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD),
embora os fluxos globais de investimento tenham ficado relativamente estag-
nados em 2010, o mercado dos países em desenvolvimento permitiu que os in-
vestidores estrangeiros aumentassem seu lucro. Os fluxos de IED para a África
atingiram pico em 2008, juntamente com a explosão do preço das commodities,
tendo registrado posteriormente queda de 14% em 2010.
A expectativa é de que mais empresas brasileiras continuem a fazer negócios
com a África, que algumas venham a se instalar no continente e que o IED bra-
sileiro se torne mais relevante no médio e no longo prazo.
Agentes tradicionais
O investimento do setor privado brasileiro na África teve início nos anos 1980,
e os investidores iniciais eram empresas brasileiras com presença na África. Em-
bora estejam presentes em todo o continente, a atuação das empresas brasileiras
concentra-se principalmente nos setores de infraestrutura, energia e mineração
na África Subsaariana (figura 5.1). Esses agentes tradicionais, em termos de
investimento e volume de vendas, são Andrade Gutierrez, Camargo Correa,
Odebrecht, Petrobras, Queiroz Galvão e Vale. A Marcopolo também merece ser
mencionada por sua abordagem diferenciada (Box 5.1).
A presença brasileira na África chama atenção pela forma como as empresas
realizam negócios (Reuters, 2011). O modelo utilizado tende a incluir a con-
tratação de mão de obra local para seus projetos e o desenvolvimento de capa-
cidades locais, o que resulta na melhoria da qualidade dos serviços e produtos.
Representantes da Odebrecht em Angola, por exemplo, confirmaram que os
cargos estratégicos não são ocupados apenas por brasileiros, mas também por
profissionais locais. O número de africanos contratados por empresas brasilei-
ras é tão expressivo que a Odebrecht se tornou o maior empregador do setor
privado em Angola.
A Odebrecht é a empresa de construção brasileira com o maior número de
projetos na África, com presença na África do Sul, Angola, Botsuana, Djibouti,
Gabão, Líbia, Libéria, Moçambique e República Democrática do Congo. A em-
presa tem parcerias com governos e outras empresas estrangeiras, tendo tam-
bém criado consórcios com outros empreiteiros brasileiros na África. Entre as
atividades diversificadas que desenvolvem, encontram-se projetos relacionados
88sPonte sobre o Atlântico
com a exploração de petróleo e gás, infraestrutura, a construção de condomí-
nios residenciais, planejamento urbano, a operação de minas de diamantes e a
distribuição de alimentos. Um dos primeiros projetos realizados pela empresa
foi a construção de uma barragem em 1984 em Capanda, Província de Malange,
em Angola. Desde então, a empresa desenvolveu atividades e negócios em
muitos países da região, incluindo a construção da Represa de Letsibogo em
Fonte: IPEA.
Figura 5.1 Empresas brasileiras na África
Número de agentes tradicionais
Investimento Estrangeiro Direto e Comércio do Brasil com a Áfricas89
Botsuana, a perfuração de poços de petróleo na República Democrática do
Congo, a prestação de serviços associados a poços de petróleo no Gabão, a
construção de terminais de containeres e combustível em Djibouti e a cons-
trução de mina de carvão em Moatize, Moçambique (com a Vale), que prevê a
construção de assentamentos para as famílias que foram obrigadas a mudar-se
por conta do projeto.
A Andrade Gutierrez atua ativamente no setor de construção civil em
Angola, Argélia, Camarões, Guiné, Guiné Equatorial. Líbia, Mali, Mauritânia,
Moçambique e República Democrática do Congo. A empresa realiza negócios
na África desde 1984, tendo construído rodovias e estradas, além de realizar
projetos de habitação, construção civil e planejamento urbano.
Após abrir escritório em Angola em 2006, a empresa de construção Ca-
margo Correa foi contratada como empreiteiro em grande número de projetos,
envolvendo atividades como planejamento urbano e a construção de moradias,
estradas e linhas de transmissão de energia. Um dos maiores projetos da em-
presa é realizado em consórcio com empresas estrangeiras e locais na produção
de cimento. Em Moçambique, a Camargo Correia constrói o projeto hidrelé-
trico de Mphanda Nkuwa no Rio Zambezi e também participa do consórcio
para a construção em mina de carvão em Moatize, Moçambique, liderada pela
Odebrecht. A empresa anunciou recentemente que realizaria obras de cons-
trução de estradas e projetos de infraestrutura de drenagem com uma linha de
crédito concedida pelo BNDES.
64
64
Africa 21 2011.
O Grupo Marcopolo S.A., criado em 1949, é atualmente composto por quatro marcas
(Marcopolo, Ciferal, Volare e o Banco Moneo). A empresa é a terceira maior fabricante
de carrocerias de ônibus do mundo, seja para transporte turístico, seja urbano. A
Marcopolo tem fábricas em sete países, incluindo duas na África: Egito e África do Sul.
A presença da Marcopolo em Pietesburg, África do Sul, começou em 2000. No ano
seguinte, transferiu suas instalações para Joanesburgo. Em 2008, começou atividades
no Egito.
A Marcopolo se destaca por seu perfil. Enquanto muitos agentes brasileiros tradi-
cionais atuam majoritariamente nas áreas de infraestrutura, mineração e petroquímica
nos últimos 30 anos, a Marcopolo entrou no mercado africano de manufaturados há
cerca de 10 anos
Marcopolo pode ser um bom exemplo para as tantas empresas brasileiras que
acompanharam a delegação brasileira nas missões à África, principalmente, por ser
uma empresa que não somente exporta para a África, mas que tem presença física
na África.
Fonte: www.marcopolo.com.br.
Box 5.1 Marcopolo: Manufatura brasileira na África
90sPonte sobre o Atlântico
A empresa de construção Queiroz Galvão realiza obras de construção civil
em Angola e Líbia, já tendo participado de projetos relacionados principal-
mente com a reabilitação e a construção de estradas.
A Vale atua no setor de mineração da África desde 2004 e mantém escritó-
rios na África do Sul, Angola, Gabão, Guiné Bissau, Moçambique e República
Democrática do Congo. A empresa anunciou, em outubro de 2010, investi-
mentos da ordem de US$ 15 bilhões a US$ 20 bilhões em projetos na África nos
próximo cinco anos, dos quais mais de US$ 2,5 bilhões já foram investidos em
obras no continente (Reuters Africa 2010). A Vale adquiriu empresas de mine-
ração na África do Sul e na República Democrática do Congo, principalmente
para a exploração de cobre e cobalto (Época Negócios 2008). Em Moçambique,
a empresa iniciou oficialmente atividades metalúrgicas e de mineração de
carvão em Moatize (Verdade 2011) e comprometeu-se investir outros US$ 4
bilhões, além dos US$ 2 bilhões já investidos desde a compra das operações de
mineração de carvão em 2004 (Katerere, 2011). Em Angola, a presença de negó-
cios da Vale tem como objetivo a identificação de áreas adequadas à mineração
de cobre e níquel. Por intermédio da empresa GeVale Indústria Mineira Ltda.
e de um consórcio com o grupo angolano Genius, a Vale atua na Província de
Moxico, na fronteira com a Zâmbia, onde realiza atividades de garimpo em um
dos maiores veios de cobre do mundo, que juntamente com Katanga, na Repú-
blica Democrática do Congo, forma o cinturão do cobre. Na Guiné (Conakry),
a empresa adquiriu 51% da empresa BSG Resources (Guiné) Ltd., que detém
concessões de minério de ferro no país (Reuters Africa 2010).
A partir de abril de 2008, a Petrobrás passou a assumir postura mais asser-
tiva do que no passado. Suas atividades priorizaram a busca e a extração de
petróleo especialmente em águas profundas e ultraprofundas, com operações
ativas nesta área em Angola, Líbia, Nigéria e Tanzânia. A empresa adquiriu re-
centemente 50% de participação em um bloco de 7400 km
2
no litoral de Benin
para a exploração de petróleo leve (Petrobras 2011a). Na Namíbia, a empresa
conta com participação de 50% em bloco de exploração de petróleo em águas
profundas e ultraprofundas (Petrobras 2011b).
PMEs na África
Em vista do ambiente favorável de negócios na África, a APEX vem fomentando
a presença de PMEs no continente por meio de diversas feiras, em parceria com
empresas brasileiras (figura 5.2). Em um desses eventos, realizado em São Paulo
em abril de 2010, mais de 70 empresas brasileiras se reuniram com empresários
de países africanos e fecharam negócios totalizando aproximadamente US$ 25
milhões. Segundos a Tendências e Mercados 2010, os acordos foram em setores
como alimentos e bebidas, confecções e calçados, peças automotivas, produtos
eletrônicos, habitação e construção civil, e cosméticos.
A maior concentração de PMEs brasileiras encontra-se em Angola, onde a
APEX abriu um centro de negócios em 2010; as operações tiveram início em
2011 (tabela 5.4). A partir de 2009, Angola e o Brasil formalizaram a intenção
de internacionalizar as PMEs por intermédio da Agência Nacional para o Inves-
Investimento Estrangeiro Direto e Comércio do Brasil com a Áfricas91
timento Privado (ANIP) de Angola e a Agência Brasileira de Desenvolvimento
Industrial (ABDI). Algumas PMEs já atuam na África (tabela 5.4), e outras têm
expressado interesse em ingressar naquele mercado.
As reuniões de cúpula trilateral entre a África do Sul, o Brasil e a Índia,
tiveram início em 2006, no âmbito do Fórum IBAS, com o objetivo de estudar
e apoiar o desenvolvimento de micro e pequenas empresas. Gerentes e técnicos
do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), a
Agência de Desenvolvimento de Pequenas Empresas (SEDA) da África do Sul e
Fonte: Autores.
Figura 5.2 PMEs brasileiras na África
Número de pequenas e médias
empresas (PMEs)
1 PME
2 PMEs
3 PMEs
Mais de 3 PMEs
92sPonte sobre o Atlântico
a Empresa Nacional de Pequenas Indústrias (NSIC) da Índia incentivam o Pro-
grama de Incubação Cruzada a identificar incubadoras e parques tecnológicos
que possam acolher empresas do Brasil, da Índia e da África do Sul. Essa ini-
ciativa visa a facilitar a internacionalização dessas empresas e de seus serviços.
A APEX-Brasil assinou um acordo de cooperação em 2011 com a Central
de Compras do Estado (CENCO) de Angola, responsável pelo Programa de
Reestruturação do Sistema de Logística e de Distribuição de Produtos Essen-
Tabela 5.4 PMEs brasileiras na África, por país e setor
Países
Início das
atividades Investimento Empregados Setor Presença Comentários
Argélia — — — Alimentos Exportação —
Angola
2007 — — Alimentos 3 lojas: Luanda Pioneiro
— — Educação —
2009 — — Construção civil Fábrica: Luanda —
— — — Construção civil —
— — — Agricultura Representativa 30% da produção
direcionada para
Angola
2010 — 150 Supermercados Lojas em Luanda —
2010 — — Processamento de
mandioca
Fábricas (projeto) —
— — — Maquinário para o
setor de cerâmica
Exportação —
2009 — — E-commerce Software Parceria com Yanis
Gana
2009 — — Construção civil 2 usinas hidrelétricas/
etanol (projetos)
Quinta maior
empresa de
construção do Brasil
2009 — — Equipamentos —
2009 — — Açúcar Usina (projeto) Planos para construir
10 usinas no país
Marrocos 2007 — Calçados Exportação —
Moçambique
2007 — — Açúcar Usina 70 mil toneladas de
açúcar
Nigéria
2011 — — Empresas para
soluções de TI.
Tecnologia móvel.
Software Licitação para o
Banco Central da
Nigéria
Senegal
2011 $13 milhões 300 (est.) Horticultura Fazendas Maior produtor de
melões do Brasil
África do Sul
— — 350 (apenas 6
brasileiros)
Serviços Públicos Fábrica: Germinston Maior empresa
brasileira na África
do Sul
Sudão
2009 — — Alimentos Exportação de
produtos Halaal
Vários
— — — Alimentos Exportação
— — — Exportação Diversos produtos Representante
internacional de
comércio
Fonte: Elaborada pelo IPEA.
— Não disponível.
Investimento Estrangeiro Direto e Comércio do Brasil com a Áfricas93
ciais à População (PRESILD). Essa iniciativa pública do governo angolano
proporciona o acesso a bens básicos de consumo pela população, estabilizando
a cadeia de suprimentos. Por meio de suas PMEs, o Brasil encontra-se em posi-
ção vantajosa nesse mercado de consumo promissor. A estratégia da Secretaria
de Comércio Exterior do MDIC é facilitar a inserção de empresas brasileiras no
mercado angolano e fomentar parcerias com empresas locais e de outros países
africanos.
COMÉRCIO ENTRE O BRASIL E A ÁFRICA
Nos últimos 10 anos, a necessidade de diversificação de mercado e o cenário
internacional favorável ao crescimento econômico reaproximaram a África de
seus parceiros comerciais brasileiros. Em 2000, os 53 países
65
do continente
africano representavam 3,83% do comércio do Brasil com o mundo, do qual
1,85% estava relacionado com os 47 países da África Subsaariana. Naquela
época, os principais parceiros comerciais do Brasil eram a União Europeia
(29,95%), seguida dos Estados Unidos (23,81%), América do Sul (19,93%) e
Ásia (16,21%). A China respondia por 2,08%, um percentual maior do que o
de toda a África Subsaariana.
Dez anos mais tarde, esse cenário alterou-se. Pode-se observar diversi-
ficação e descentralização do comércio com parceiros tradicionais como a
Europa (25,46%) e os Estados Unidos (12,18%) e maior participação de mer-
65
Não inclui o Sudão do Sul.
Tabela 5.5 Distribuição dos fluxos globais de comércio do Brasil, 2000–10 (%)
Países e regiões 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
África 3,83 4,67 4,68 5,06 6,54 6,57 6,78 7,08 6,98 6,11 5,32
África Subsaariana 1,85 2,88 2,80 3,09 4,07 3,68 4,43 4,67 4,55 3,93 3,18
África — outros 1,98 1,79 1,88 1,97 2,46 2,89 2,35 2,41 2,44 2,18 2,14
América Central 2,82 2,88 3,54 3,62 3,96 3,70 3,55 3,13 2,79 2,64 2,65
América do Sul 19,93 17,27 14,09 14,76 15,75 16,68 18,24 17,96 16,96 16,48 15,74
Ásia 16,21 17,70 19,90 21,56 21,40 23,16 24,17 24,55 27,79 31,44 34,06
China 2,08 2,84 3,78 5,50 5,74 6,34 7,15 8,31 9,82 12,86 14,70
Ásia, exceto a China 14,13 14,86 16,12 16,06 15,67 16,82 17,01 16,24 17,97 18,58 19,36
Europa 29,95 30,54 30,68 30,11 29,15 27,47 26,34 28,32 26,91 26,69 25,46
União Europeia 26,92 27,11 26,98 26,15 25,41 23,46 22,28 23,79 22,16 22,42 21,32
Europa, não EU 3,03 3,43 3,70 3,95 3,74 4,01 4,07 4,53 4,75 4,27 4,14
Estados Unidos 23,81 24,10 24,14 21,94 20,02 18,56 17,29 15,72 14,44 12,81 12,18
Fonte: Elaborada pelos autores com base em informações do banco de dados da UN Comtrade (http://comtrade.un.org/db/).
94sPonte sobre o Atlântico
cados emergentes como a China (14,70%), América do Sul (15,74%) e África
(5,32%), do qual 3,18% correspondeu ao comércio com a África Subsaariana.
Padrões de comércio
Apesar do crescimento do comércio bilateral entre o Brasil e o mundo, que pas-
sou de quase US$ 111 bilhões em 2000 para aproximadamente US$ 383 bilhões
em 2010, o comércio entre o Brasil e a África ainda não conseguiu atingir o
patamar de 10% desse total: a maior parcela foi 7,08% em 2007 (a maior parcela
referente à África Subsaariana também ocorreu em 2007, de 4,67%).
Em termos quantitativos, o comércio total entre a África e o Brasil atingiu
seu recorde em 2008, com US$ 26 bilhões, sendo US$ 17 bilhões referentes
à África Subsaariana (tabela 5.1). Em 2000, a região respondeu por 48,31%
desse comércio, tendo chegado a 65,96% em 2007. De 2008 (65,12%) a 2010
(59,74%), essa participação diminuiu como resultado da instabilidade política
dos países do Norte da África.
A participação africana no comércio externo do Brasil nas últimas décadas
quase dobrou entre 2000 e 2009 (figura 5.3). Mesmo assim, ainda há bastante
espaço para ampliar o relacionamento. Em 2002, a África respondia por 4,68%
do comércio do Brasil com o mundo. No primeiro ano de governo do Presi-
dente Lula (2003), subiu para 5,06%. O ano de 2007 foi o melhor em termos
percentuais, com 7,08%, ao passo que, em termos absolutos, 2008 aparece em
primeiro, com o comércio totalizando quase US$ 26 bilhões.
Houve uma queda na participação africana no comércio do Brasil com o
mundo entre 2008 e 2010 (de 6,98% para 5,32%), em decorrência da queda
dos preços das commodities, tendo-se registrado crescimento durante todo o
Figura 5.3 Participação da África no comércio do Brasil
Fonte: Preparada pelos autores com base em informações do banco de dados da UN Comtrade data-
base (http://comtrade.un.org/db/).
0
1
2
3
4
5
6
8
7
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
África Subsaariana África (outros países) África (total)
P
e
r
c
e
n
t
u
a
l
Investimento Estrangeiro Direto e Comércio do Brasil com a Áfricas95
Figura 5.4 Participação da África nas exportações do Brasil
Fonte: Preparada pelos autores com base em informações do banco de dados da UN Comtrade data-
base (http://comtrade.un.org/db/).
0
1
2
3
4
5
6
P
e
r
c
e
n
t
u
a
l
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
África Subsaariana África (outros países) África (total)
período de 2000 a 2008. Embora tenha havido queda em 2009 (para US$ 17
bilhões), devido à crise financeira internacional, houve recuperação em 2010
(com US$ 20 bilhões).
Exportações
A África foi o destino de apenas 2,44% das exportações brasileiras em 2000. En-
tretanto em 2010, essa participação quase duplicou, chegando a 4,54%. Em ter-
mos percentuais, os maiores índices de participação foram alcançados em 2009,
com 5,68%, o que demonstra que a África havia se tornado uma alternativa
viável para os investidores brasileiros, promovendo dessa forma diversificação
de mercado (figura 5.4). As exportações cresceram no período de 2000 (US$ 1,3
bilhões) a 2008 (US$ 10,1 bilhões), registrando-se uma leve queda em 2009 (US$
8,6 bilhão) e um retorno ao crescimento em 2010 (US$ 9,1 bilhão). O declínio
de 2009 pode ser explicado pelos mesmos fatores que provocaram queda simul-
tânea nas importações. Houve também a consolidação de uma maior presença
Tabela 5.6 Participação da África Subsaariana no comércio total do Brasil com a África (%)
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
Exportações 62,31 62,29 65,60 66,34 63,14 66,51 65,50 69,31 68,56 64,20 53,22
Importações 41,84 61,15 54,62 56,61 61,78 46,56 65,27 63,43 62,90 64,49 65,05
Fluxo de comércio 48,31 61,57 59,77 61,13 62,33 55,99 65,38 65,96 65,12 64,34 59,74
Fonte: Preparada pelos autores com base em informações do banco de dados da UN Comtrade database (http://comtrade.
un.org/db/).
96sPonte sobre o Atlântico
0
10
20
P
e
r
c
e
n
t
u
a
l
30
40
50
60
70
80
90
100
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
Sem classificação
Alta tecnologia
Média tecnologia
Baixa tecnologia
Produtos manufaturados
de recursos intensivos
Produtos primários
chinesa na África, incluindo operações que concorrem com atividades brasilei-
ras em diversos setores como infraestrutura, mineração e energia.
As exportações brasileiras para a África entre 2000 e 2010 consistiam
primordialmente em bens manufaturados intensivos em recursos, produtos
tecnológicos e produtos primários. Os produtos primários registraram cres-
cimento contínuo de 10% nesse período, respondendo por quase 30% das
exportações do Brasil para a África (figura 5.5). Entretanto, a participação dos
produtos primários no comércio com a África Subsaariana mais do que dupli-
cou, passando de quase 10% em 2000 para 20% em 2010 (figura 5.6).
Os países subsaarianos foram responsáveis pela maior parte das exportações
brasileiras para o continente durante última década, tendo em 2007 a África
Subsaariana registrado sua maior participação nas exportações do Brasil, com
3,7%. Desde então, a região vem perdendo terreno para outros países africanos
em outras regiões como o Norte da África (figura 5.4).
Mesmo na África Subsaariana, as exportações brasileiras concentraram-se
em apenas cinco países, que responderam por 51,36% do volume total no
período de 2000–10; apenas a África do Sul foi responsável por 18,93%.
66
Os
66
Os outros quatro países são a Nigéria (15,05%), Angola (12,53%), Gana (3,26%) e Senegal
(1,58%).
Fonte: Preparada pelos autores com base em informações do banco de dados da UN Comtrade data-
base (http://comtrade.un.org/db/).
Figura 5.5 Exportações brasileiras para a África, por classificação
Investimento Estrangeiro Direto e Comércio do Brasil com a Áfricas97
principais produtos exportados foram açúcar e mel, arroz, carne, óleos vegetais,
petróleo refinado e veículos e peças automotivas.
Importações
O crescimento econômico da África nas últimas duas décadas deu origem a
uma nova classe média, com maior demanda por produtos e serviços. Em
países como Angola, onde a classe média representa 38,1% da população, a
divulgação da realidade do Brasil e do “jeitinho brasileiro”, por meio de nove-
las brasileiras teve influência sobre as escolhas das pessoas (BAD Market Brief
2011). Os voos de Luanda para o Rio de Janeiro ou São Paulo são reservados
com meses de antecedência, com turistas angolanos visitando o Brasil e ávidos
por comprar produtos brasileiros.
67
A África foi responsável por 5,21% (no valor de US$ 2,9 bilhões) das impor-
tações brasileiras em 2000. Em 2004, essa participação que cresceu para 9,84%
(US$ 6,1 bilhão), aumentando para 9,10% (US$ 15,7 bilhões), em 2008 — um
crescimento de quase 500% em relação a 2000. Essa tendência de alta arrefeceu
nos dois últimos anos da década (figura 5.7).
67
Entrevista com o ex-Ministro angolano para a Cooperação Econômica, agosto de 2010.
Figura 5.6 Exportações brasileiras para a África Subsaariana por classificação
Fonte: Preparada pelos autores com base em informações do banco de dados da UN Comtrade data-
base (http://comtrade.un.org/db/).
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
P
e
r
c
e
n
t
u
a
l
Sem classificação
Alta tecnologia
Média tecnologia
Baixa tecnologia
Produtos manufaturados
de recursos intensivos
Produtos primários
98sPonte sobre o Atlântico
A África Subsaariana, por sua vez, respondeu por 2,18% (ou US$ 1,2 bilhão)
das importações brasileiras em 2000. Houve crescimento contínuo a partir de
2000 e, em 2004, esse número chegou a 6,08% (US$ 3,8 bilhões). A queda para
4,21% (US$ 3,1 bilhões) em 2005 foi rapidamente revertida e, em 2006, esse
número passou para 5,78%, embora tenha havido outro período de declínio de
2008 (5,72%) até 2010 (4,03%).
As importações brasileiras da África durante esse período consistiram pri-
mordialmente em produtos primários, que em 2000 perfaziam 40% do total,
e alcançaram aproximadamente 70% em 2010. A parcela de produtos de baixa
e média tecnologia ultrapassa a 10% do total das importações durante todo o
período (figura 5.8).
Cinco países da África Subsaariana foram responsáveis por 59,53% das
importações do Brasil daquele continente. A Nigéria respondeu por 46,81% —
tendo como principais produtos o petróleo bruto e refinado, bem como o gás
natural e manufaturado.
68
As importações da África Subsaariana seguiram o
mesmo padrão do resto do continente (figura 5.9).
A África Subsaariana também conseguiu ampliar sua participação no total
das importações brasileiras, especialmente em 2004, quando quase triplicou
sua parcela em relação a 2000. Tendo em vista que as importações do Brasil de
68
Os outros quarto países são Angola (5,65%), África do Sul (5,53%), Congo (0,96%) e Costa
do Marfim (0,57%).
Figura 5.7 Participação da África nas importações brasileiras
Fonte: Preparada pelos autores com base em informações do banco de dados da UN Comtrade data-
base (http://comtrade.un.org/db/).
0
2
4
6
8
10
12
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
P
e
r
c
e
n
t
u
a
l
África Subsaariana África (outros países)
África (total)
Investimento Estrangeiro Direto e Comércio do Brasil com a Áfricas99
Figura 5.8 Importações brasileiras da África por classificação
Fonte: Preparada pelos autores com base em informações do banco de dados da UN Comtrade data-
base (http://comtrade.un.org/db/).
0
10
20
30
40
50
P
e
r
c
e
n
t
u
a
l
60
70
80
90
100
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
Sem classificação
Alta tecnologia
Média tecnologia
Baixa tecnologia
Produtos manufaturados
de recursos intensivos
Produtos primários
Figura 5.9 Importações brasileiras da África Subsaariana por classificação
Fonte: Preparada pelos autores com base em informações do banco de dados da UN Comtrade data-
base (http://comtrade.un.org/db/).
75
80
85
90
P
e
r
c
e
n
t
u
a
l
95
100
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
Sem classificação
Alta tecnologia
Média tecnologia
Baixa tecnologia
Produtos manufaturados
de recursos intensivos
Produtos primários
100sPonte sobre o Atlântico
toda a África (bem como de outras regiões) registraram queda no período, este
crescimento é digno de nota.
O Brasil ainda enfrenta limitações ao comércio e investimento na África.
Nas discussões de 2010 para a elaboração da próxima PDP (2011–14),
observou-se que a África tinha papel importante a desempenhar no cres-
cimento econômico brasileiro. Ligações históricas e culturais, bem como o
conhecimento técnico e institucional brasileiro, foram reconhecidos. Foram
identificadas também dificuldades, incluindo a inexperiência das empresas
brasileiras no exterior, a falta de conhecimento da realidade africana, limitações
de crédito, falta de boa infraestrutura para o transporte de passageiros e produ-
tos, bem como corrupção e ordenamento jurídico deficiente em muitos países
africanos. Muitas autoridades, tanto brasileiras como africanas, ressaltaram que
os canais de comunicação e transporte de passageiros e produtos constituíam
restrições fundamentais. Além disso, alguns países africanos ainda são classifi-
cados como frágeis e outros se encontram em fase de transição, de modo que
as empresas brasileiras necessitam de investimento considerável para capacitar
a mão de obra local e desenvolver o capital humano.
O Brasil e a África precisam trabalhar juntos para assegurar o financiamento
para a realização de missões empresariais africanas ao Brasil, implementar abor-
dagens estratégicas para atrair investidores brasileiros para a África e aumentar
o conhecimento dos países africanos sobre o Brasil. É necessário também uma
abordagem mais direcionada, no nível estadual, no Brasil. O desenvolvimento
de uma estratégia brasileira para a África seria uma contribuição importante de
complementação aos esforços de política externa do Brasil. Essa estratégia não
estará completa se não aumentar a conscientização para questões relevantes
entre os parceiros locais dos países envolvidos.
TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS FUTURAS
O comércio entre o Brasil e a África Subsaariana registra crescimento substan-
cial nos últimos 10 anos, em compasso com o aprofundamento das relações
políticas entre os dois lados. Os principais produtos comercializados são pro-
venientes da área de energia (petróleo e gás), agricultura (alimentos e fertili-
zantes), gado (carne), mineração (minério de ferro) e automotivo (veículos e
peças). Os 10 principais parceiros comerciais do Brasil na África Subsaariana
são a Nigéria (32,83%), África do Sul (11,43%), Angola (8,68%), Gana (1,47%),
República Democrática do Congo (0,77%), Senegal (0,71%), Costa do Marfim
(0,69%), Cabo Verde (0,45%), Benin (0,42%) e Mauritânia (0,41%). Esses
países responderam por 57,87% do total do comércio bilateral com a África
Subsaariana no período. Isso demonstra que o comércio brasileiro concentra-se
em um grupo específico de países (a maioria não lusófona) e tem espaço para
uma maior diversificação e relações mais fortes com outros países africanos.
Apesar da expansão do comércio, o IED registrou apenas incremento li-
mitado. As razões para esse crescimento restrito, bem como as medidas que
poderiam impulsionar o IED seriam temas importantes para pesquisa futura.
Investimento Estrangeiro Direto e Comércio do Brasil com a Áfricas101
A mudança de governo no Brasil, em janeiro de 2011, não alterou o foco
do país na cooperação Sul-Sul (Carta Capital 2011). Iniciativas que visam essas
relações continuam a ser prioridade da política externa brasileira, em particular
esforços para desenvolver laços mais fortes com a África (Patriota 2011a), o
que ficou confirmado com visitas da Presidente Dilma Rousseff à África do Sul,
Angola e Moçambique após apenas 10 meses no cargo. As operações em curso
convergem com as iniciativas do governo anterior, o que sugere que a aproxi-
mação do Brasil com a África, na pior das hipóteses, manterá os laços políticos
existentes, podendo aprofundá-los ainda mais. De fato, a Presidente Dilma
Rousseff nomeou o ex-Presidente Lula como representante chefe da delegação
brasileira à última Cúpula da União Africana em julho de 2011. Além de reafir-
mar o interesse do Brasil na África, essa medida confirma o interesse pessoal de
Lula pelas questões Brasil–África.
Os atores envolvidos nas iniciativas brasileiras em andamento na África,
como instituições voltadas para o desenvolvimento, têm dado continuidade a
suas operações no continente, não apenas em projetos de crédito e comércio ex-
terior mas também em parcerias científicas e técnicas. Muitas dessas atividades
são de duração curta, que supera um único mandato presidencial. Dessa forma,
existe o risco de que o investidor brasileiro enfrente problemas de inadimplên-
cia de alguns governos africanos, deixando dívidas a serem assumidas pelo
governo brasileiro (como já aconteceu outras vezes no passado).
Outra área de interesse é o desenvolvimento da classe média africana.
Muitas PMEs brasileiras estão se voltando para esse mercado, especialmente
em países de língua portuguesa (BAD 2011). As empresas brasileiras que tra-
dicionalmente realizam negócios na África estão preparadas não apenas para
aumentar seu investimento mas também para diversificar sua área de atuação.
Em suma, os incentivos concedidos para impulsionar as exportações brasi-
leiras para a África na última década contribuíram para o desenvolvimento de
um ambiente empresarial propício e aumentaram o fluxo do comércio entre as
duas regiões. Essas histórias de sucesso constituem um bom presságio para a
continuidade dos avanços no curto e no médio prazo.
103
Conclusões, Lições e Recomendações
de Política
PONTOS PRINCIPAIS
· População e economias em crescimento, juntamente com uma melhor
governança nos países, fazem da África um continente de oportuni-
dades. Porém, a África ainda enfrenta um grande hiato em termos
de infraestrutura, além da vulnerabilidade à mudança climática e
capacidade institucional deficiente. As vantagens e desafios da África
oferecem boas perspectivas de comércio e investimento Sul-Sul, que
poderão beneficiar igualmente brasileiros e africanos.
· O fato de o Brasil apresentar similaridades históricas, culturais, econo-
micas e climáticas com grande parte do continente africano, além de ter
conseguido, em grande medida, superar desafios semelhantes nos últi-
mos 50 anos, serve para valorizar ainda mais o apoio técnico brasileiro,
especialmente em áreas como redução da pobreza, agricultura, saúde,
energia renovável, ensino profissionalizante, infraestrutura e minera-
ção. A demanda pelo apoio do Brasil vem crescendo em toda a África.
· Para o Brasil, a intensificação de sua colaboração com a África possui
dimensões econômicas, geopolíticas e internas importantes que refle-
tem as ambições maiores do país como um ator mundial, bem como
o desejo de retribuir à terra originária de uma grande porcentagem de
sua população.
· O relacionamento comercial e de investimento crescente da Africa com
o Brasil — assim como os seus laços crescentes com a China, a Índia
e outros mercados emergentes — representam novas oportunidades
tanto para o continente como para o Banco Mundial.
· O Grupo Banco Mundial teve uma atuaçao relativamente periférica
nesse relacionamento, devido em parte a obstáculos estruturais. Essa
situação porém está mudando com a implementação da renovada
Estratégia para a África e seus pilares. Com base na análise das relações
Brasil–África, está claro que a cooperação Sul-Sul terá um papel fun-
damental no futuro, por meio de parcerias, troca de conhecimento e
finanças. Entretanto, são necessárias melhores ferramentas e incentivos
para que Banco possa sistematicamente incorporar e alavancar o enga-
jamento Sul-Sul na implementação dessa estratégia, especialmente no
tocante a investimentos e comércio.
CAPÍ TULO
6
104sPonte sobre o Atlântico
CONCLUSÕES
Conforme ilustrado nos capítulos anteriores, a década passada viu um cres-
cimento sem precedentes das relações políticas e econômicas do Brasil com a
África. Isso reflete uma mudança de foco nas relações externas do Brasil com
outros mercados emergentes e países em desenvolvimento, iniciada pelo Pre-
sidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2003. A renovação das relações e entre o
Brasil e a África é significante, não apenas quando considerado no contexto
histórico de sua relação, mas também no âmbito do quadro mais amplo de uma
nova arquitetura Sul-Sul.
Os fortes laços e afinidades históricas do Brasil com a África diferenciam o
país dos demais países do BRIC original, e da China e da Rússia em particular
(capítulo 2). O Brasil e a África compartilham uma história colonial (e uma
mesma língua, no caso das antigas colônias portuguesas na África); os efeitos
perversos do tráfico de escravos sobre o desenvolvimento econômico; a pobreza
rural severa; as metrópoles sobrecarregadas cujo crescimento não se norteia
por planejamento adequado ou supervisão; condições climáticas semelhantes
e dependência de recursos naturais; e desafios em áreas como infraestrutura,
registro de terras, justiça e distribuição de riqueza.
Ao superar muitos desses desafios para se tornar um país mais próspero e
desenvolvido, a experiência do Brasil pode oferecer lições para os países africa-
nos bem diferentes das oferecidas pela Europa Ocidental, pelos Estados Unidos
ou, até mesmo, pela China. A cooperação Sul-Sul enfatiza idealmente princí-
pios de respeito mútuo, soberania e cooperação, que contrastam com o mo-
delo tradicional das relações Norte-Sul, em que os países em desenvolvimento
recebem ajuda vinculada a condicionalidades econômicas e políticas dos países
desenvolvidos, muitas vezes seus antigos colonizadores. Novos instrumentos
multilaterais Sul-Sul — como o Fundo do IBAS para o Alívio da Pobreza e da
Fome — em geral evitam mecanismos e organizações estabelecidas (inclusive o
Banco Mundial), em parte porque essas instituições tradicionais são percebidas
como sendo dominadas pelos interesses dos países desenvolvidos.
No caso da África, a entrada de novos atores provenientes de mercados
emergentes — particularmente em comércio e investimento — cria novas
oportunidades, mas também novos riscos. Por um lado, a chegada de novos
parceiros comerciais permite que muitos países, especialmente os que con-
tam com recursos naturais abundantes ou grande população, diversifiquem
seus parceiros em potencial e aumentem sua posição de barganha. Por outro
lado, a nova concorrência aumenta o desafio para muitos países africanos
menores e pobres em recursos encontrarem áreas de vantagem comparativa.
Além disso, algumas empresas e governos dos novos mercados emergentes que
buscam realizar comércio com países africanos ainda não aderiram totalmente
às iniciativas multilaterais para aprimorar a governança e a transparência, o
que pode atrasar e até mesmo comprometer os progressos recentes realizados
nessas questões em muitos países africanos. É em áreas como essa que o Banco
Mundial poderia aproveitar sua posição única para apoiar o investimento e
comércio Sul-Sul sustentável com a África.
Conclusões, Lições e Recomendações de Políticas105
Os países africanos buscam cada vez mais cooperação, assistência técnica e
investimentos do Brasil (capítulo 4), particularmente em áreas onde a experiên-
cia do país é especificamente relevante para a África, como redução da pobreza
(por exemplo, os programas Fome Zero e Bolsa Família), agricultura, saúde
(especialmente HIV/AIDS, malária e saúde materna), energia renovável (tanto
energia hidrelétrica, como etanol de cana de açúcar), infraestrutura; exploração
de petróleo em águas profundas e mineração. Um excelente exemplo de como
essa cooperação pode apoiar tanto o desenvolvimento local, como os interesses
do Brasil na África são os programas de capacitação técnica executados pelo
SENAI em cinco países. Em pelo menos dois casos — Odebrecht em Angola e
Vale em Moçambique — as empresas brasileiras procuraram a assistência do
SENAI para desenvolver programas de treinamento específico a fim de superar
a falta de pessoal local qualificado, evitando assim a necessidade de trazer em-
pregados expatriados para realizar o trabalho.
Embora os países lusófonos, em particular Angola, Guiné Bissau e Mo-
çambique, tenham um histórico mais longo de buscar esse tipo de assistência,
muitos outros países africanos abordaram agências e organizações do governo
brasileiro na última década, incluindo Senegal, Burkina Faso, África do Sul,
Malaui, Gana, Mali, Chade e Benin. A principal agência de assistência do Brasil,
a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), destina atualmente 50% de seus
limitados recursos para a África. No entanto, a ABC e outras instituições de
nível ministerial que efetivamente implementam assistência técnica, como a
EMBRAPA, enfrentam limitações orçamentárias e a falta de especialistas qua-
lificados para atender a crescente demanda dos países da África. Dessa forma,
o Brasil poderia se beneficiar de uma cooperação mais extensiva com o Banco
Mundial e com outras agências bilaterais e multilaterais de assistência.
Como o Brasil vê a África agora? Em conformidade com uma estrutura
Sul-Sul mais ampla e sua própria abordagem, a posição do Brasil é mais de
parceiro do que de doador (capítulos 3 e 5). Embora esteja deixando para trás
seu papel de recebedor de ajuda para assumir um papel mais ativo de financia-
dor em instituições multilaterais como o Banco Mundial e o Fundo Monetário
Internacional (FMI), o Brasil reluta em prestar assistência financeira direta
a países africanos, preferindo a assistência técnica, projetos de cooperação,
capacitação e outros instrumentos de apoio não somente ao país em questão
mas também a seus parceiros públicos e privados. O Brasil também privilegia a
ampliação de esforços multilaterais liderados por países em desenvolvimento,
como a Cúpula ASA e a inclusão da África do Sul no grupo dos BRICS.
Como reflexo de seu próprio modelo de crescimento, que combina um
setor privado dinâmico com apoio direcionado do BNDES e de outros órgãos
e instituições públicas, a intensificação recente do engajamento do Brasil na
África demonstra tanto ambição geopolítica como interesse econômico. O setor
privado brasileiro — que está engajado na África desde os anos 1980 — conta
com forte apoio do governo para sua exposição na África, particularmente no
setor de construção civil, onde as empresas brasileiras geralmente constroem
projetos de infraestrutura com financiamento público. As missões de comércio
e investimento destacam tanto a nova importância da África como a aproxima-
106sPonte sobre o Atlântico
ção entre os setores público e privado, tendo o governo brasileiro concedido
alívio da dívida para o continente africano que superou US$ 1 bilhão. Outro
aspecto singular da atuação do Brasil é que ela também fomentou relações
“triangulares” (Norte–Sul–Sul), que envolvem tanto a África como países
desenvolvidos, como ilustra a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.
Trata-se de mais uma área que o Banco Mundial poderia considerar em termos
de possível apoio.
Os dados estatísticos sobre o comércio e investimento do Brasil na África
(capítulo 5) falam por si. O comércio do Brasil com a África Subsaariana, por
exemplo, cresceu de US$ 2 bilhões em 2000 para US$ 12 bilhões em 2008,
antes da crise financeira internacional. Tem havido uma maior diversificação
do comércio e investimento em termos geográficos e setoriais. Há 10 anos, o
foco principal era a África lusófona, especialmente Angola; agora, os parceiros
comerciais e de investimento são países tão diversos como o Sudão, a Namíbia,
a Guiné e a África do Sul, embora os relacionamentos mais fortes continuem a
ser com os países de língua portuguesa. Enquanto há 10 anos os investimentos
eram primordialmente impulsionados por empresas brasileiras de construção
civil, no momento realizam-se investimentos em setores como mineração,
agronegócio e aviação.
A dimensão geopolítica do relacionamento Brasil–África também é impor-
tante. Laços econômicos e políticos mais fortes com a África já levaram a algu-
mas importantes vitórias para o Brasil na arena mundial, como por exemplo a
posição do país como futura sede dos Jogos Olímpicos e da Copa do Mundo e
a eleição recente de um brasileiro (José Graziano da Silva) para o cargo de novo
Diretor Geral da FAO. Nos três casos, parece que um número enorme de países
africanos votou a favor do Brasil. O Brasil também faz uso de suas relações com
os países africanos em fóruns como a Organização Mundial de Comércio e
também na ONU, onde o objetivo é obter um acento permanente no Conselho
de Segurança.
O Brasil está engajado em relações complexas e multifacetárias com outros
países do BRICS, especialmente a China. Embora a China tenha se tornado
o maior parceiro comercial do Brasil — comprando recursos naturais e ven-
dendo produtos manufaturados — existe a noção clara de que a África é um
“campo de batalha”, onde as companhias brasileiras de mineração e construção
civil competem com seus equivalentes chineses por mercados e recursos.
69
O
Presidente Lula deixou isso claro em sua última viagem à África como presi-
dente, quando falou da China como um rival no continente e promoveu as
vantagens comparativas do Brasil como parceiro.
70
69
No início de julho de 2011, por exemplo, a Vale competia com a China, tendo as duas em-
presas apresentado propostas para a compra da Metorex, empresa de cobre e cobalto da África
do Sul detentora de importantes concessões na República Democrática do Congo. http://
www.dci.com.br/Vale-deve-ficar-fora-de-leilao-pela-companhia-africana-Metorex-1-380539.
html.
70
Ao visitar a Tanzânia, o Presidente Lula disse, de acordo com a citação, que os produtos do
Brasil são de melhor qualidade e que o Brasil, diferentemente da China, emprega mão de obra
local (Lima 2010).
Conclusões, Lições e Recomendações de Políticas107
Embora as relações entre o Brasil e a África tenham se intensificado muito
na última década, ainda existem desafios consideráveis (capítulos 3 e 4). Em
particular, existe uma “lacuna de conhecimento” expressiva nos dois lados do
Atlântico Sul. A maioria das pessoas físicas e jurídicas do Brasil — incluindo
muitas PMEs — possui conhecimento limitado e normalmente desatualizado
sobre a África; as informações que têm normalmente se restringem a Angola,
Moçambique e, às vezes, África do Sul. Poucos brasileiros sabem que a po-
pulação da Nigéria, por exemplo, será provavelmente superior à do Brasil na
próxima década ou que a população da Etiópia é maior do que a da Alemanha.
Além disso, muitos países não lusófonos enfrentam obstáculos linguísticos para
obter informações sobre o Brasil, especialmente do governo, tendo em vista
que essas informações normalmente não estão disponíveis em inglês e francês.
Outro impedimento — apesar da proximidade geográfica entre a África Oci-
dental e o leste do Brasil — é que há poucos voos entre as duas regiões, e a buro-
cracia de ambos os lados atrasa que o comércio marítimo, que chega a levar 80
dias, em vez de dos 10 que se poderia esperar. O Banco Mundial poderia ajudar
na superação desses obstáculos, possibilitando a ampliação do relacionamento
entre a África e o Brasil e trazendo benefícios adicionais para todos.
O relacionamento crescente entre a África e o Brasil revela lições mais
amplas para o Banco Mundial e outros agentes internacionais que também
deveriam fortalecer e inovar o apoio às iniciativas Sul-Sul em geral. Embora
existam obviamente aspectos históricos, culturais e geográficos únicos do
relacionamento Brasil–África, também existem muitos aspectos comuns com
outros relacionamentos Sul-Sul — incluindo entre os países africanos e a Índia
e a China. Tendo isso presente, passaremos agora para as implicações mais am-
plas da cooperação Sul-Sul e, em particular, para o papel que o Banco Mundial
desempenhará nesse sentido.
LIÇÕES PARA O APOIO DO GRUPO BANCO MUNDIAL À
COOPERAÇÃO SUL–SUL
Nos últimos cinco anos, o termo “Sul–Sul” tornou-se um bordão em toda a
comunidade de desenvolvimento, incluindo o Grupo Banco Mundial. Sua im-
portância reflete-se no fato de ter sido mencionado com destaque na nova es-
tratégia (março de 2011) para a África, “O futuro da África e o Apoio do Banco
Mundial”,
71
no 16
º
Aumento de Capital da Associação de Desenvolvimento
Internacional (AID)
72
e nos documentos mais recentes do Banco Mundial, da
Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA) e da Corporação Fi-
nanceira Internacional (IFC). Isso sinaliza não apenas a importância crescente
71
Pp. 6 e 7, por exemplo.
72
Ver IDA16: Delivering Development Results, Banco Mundial, 15 de fevereiro de 2011
(alterado em 18 de março de 2011). http://web.worldbank.org/WBSITE/EXTERNAL/
EXTABOUTUS/IDA/0,,contentMDK:22495227~menuPK:6827445~pagePK:51236175~pi
PK:437394~theSitePK:73154,00.html
108sPonte sobre o Atlântico
do relacionamento Sul-Sul, mas também o fato de que o próprio Banco está
mudando; países emergentes e em desenvolvimento, como a China e o Brasil,
têm uma atuação cada vez mais proeminente e confiante como doadores e par-
ticipantes das discussões de gestão sobre o futuro das atividades da organização.
O potencial de uma atuação expressiva por parte do Banco no apoio e na
alavancagem da cooperação Sul-Sul é imenso. O Banco conta com uma pre-
sença direta física em quase todos os países em desenvolvimento e mercados
emergentes; na África, por exemplo, tem uma presença muito maior (tanto em
termos de número de países como em número de profissionais nesses países)
do que o Brasil.
73
Para fins de cooperação Sul-Sul, o Banco já mantém relações
estabelecidas com agências em mercados emergentes como o Brasil, Índia e
China, que vêm sendo abordados por países africanos em busca de apoio. Além
disso, muitos dos próprios funcionários do Banco são provenientes de países
emergentes ou em desenvolvimento e têm conhecimento técnico especializado
diretamente relevante para a cooperação Sul-Sul. Contudo, como mencionado
acima, existe a percepção de que o papel do Banco (e outros atores tradicionais
de desenvolvimento) vem sendo posto em questão pela China e outros merca-
dos emergentes, particularmente na África.
74
Desde 2008, o envolvimento do Banco em projetos individuais de coopera-
ção Sul-Sul com o Brasil aumentou. A unidade de operações do Banco Mun-
dial em Brasília recebeu mais de 50 pedidos de apoio a projetos de cooperação
Sul-Sul entre o Brasil e países em toda a África e de outros continentes, em seto-
res que iam desde a educação até o manejo de terras e mudança climática. Essas
iniciativas contam com o forte apoio do Diretor de País do Banco Mundial para
o Brasil e seus funcionários. Embora não tenha sido diretamente incorporado
na Estratégia de Parceria de País 2008–11,
75
a nova Estratégia enfatiza direta-
mente a atuação do Brasil na cooperação Sul-Sul, particularmente na área de
saúde. Também inclui uma iniciativa piloto — empréstimo de US$ 30 milhões
do Banco Mundial para o Brasil e crédito para assistência técnica da AID no
valor de US$ 10 milhões para projeto desenvolvimento econômico com Mo-
çambique — envolvendo vários ministérios e agências brasileiras, que poderia
ser ampliada para outros países africanos. Foi feita também referência específica
a uma iniciativa empreendida no âmbito do Mercado de Inovação Agrícola
73
O Brasil tem no momento representação em 37 países africanos, incluindo o Norte da
África, segundo o site do Banco Mundial, em julho de 2011, e o Banco tem parcerias com 47
países da África Subsaariana, estando envolvido em 506 projetos.
74
Em julho de 2011, o site externo da Região da África do Banco Mundial refletia essa
percepção, apresentando uma entrevista do Vice Presidente da Região da África, Obiageli
Ezekwesili, à BBC Hardtalk, realizada em 8 de junho de 2011, sob o título “World Bank Not
Losing to China in Africa” (O Banco Mundial não perde para a China na África). (http://web.
worldbank.org/WBSITE/EXTERNAL/COUNTRIES/AFRICAEXT/0,,menuPK:258649~page
PK:158.889~piPK:146815~theSitePK:258644,00.html, link para http://news.bbc.co.uk/2/hi/
programmes/hardtalk/9507801.stm).
75
O documento menciona o potencial do Brasil na cooperação Sul-Sul e do Instituto Banco
Mundial como parceiro nesse esforço, porém sem descrever de forma significativa os meca-
nismos que poderiam ser usados para este fim (p. 31).
Conclusões, Lições e Recomendações de Políticas109
África-Brasil, administrado pela EMBRAPA com o apoio de uma Development
Grant Facility de três anos no valor de US$ 1,5 milhão. Essas iniciativas não são
coordenadas com a Região da África do Banco, sendo principalmente articula-
das pela Unidade de Gestão de País do Brasil. Seria importante que a própria
Estratégia de Parceria de País e as atividades Sul-Sul relacionadas com a África
contassem com o envolvimento ativo da Região da África do Banco, a fim de
maximizar os benefícios potenciais em toda a região e evitar a duplicação de
esforços.
O aspecto mais concreto do apoio Sul-Sul no âmbito do Banco até o mo-
mento foi a criação do South-South Exchange Facility, administrado pelo Insti-
tuto Banco Mundial. Desde sua criação em 2008, a entidade vem promovendo
um número expressivo de atividades de intercâmbio de experiências, incluindo
o Brasil e alguns países africanos.
76
Em geral, o intercâmbio de conhecimentos é
uma das áreas em que o Banco poderia fazer uso de sua experiência e conexões
para ampliar os benefícios da cooperação Sul-Sul. Entretanto, este mecanismo
obviamente não é suficiente para atender a demanda crescente de apoio técnico
do Banco em diversos setores (desde desenvolvimento do setor privado até
irrigação).
Em geral, conforme demonstra nossa revisão de documentos internos do
Banco e entrevistas com funcionários,
77
existe ainda uma grande lacuna entre
as estratégias definidas no papel e sua implementação na prática. Isso decorre
de diversos fatores. Em primeiro lugar, a estrutura do Banco, especialmente no
que se refere às regiões, é um problema — não há interação organizada nem
planos de trabalho conjuntos entre as regiões da África e da América Latina e
do Caribe, por exemplo. De forma análoga, as equipes de setor não parecem
focalizar, de forma organizada, no estabelecimento de ligações entre regiões em
apoio aos projetos Sul-Sul.
Em segundo lugar, tanto no nível da AID como do Banco (e talvez da co-
munidade mais ampla na área de desenvolvimento), existe um debate corrente
sobre o que diferencia a cooperação Sul-Sul da cooperação Norte-Sul. De um
lado, conforme ilustrado acima, o Brasil e outros países emergentes estão an-
siosos para enfatizar as diferenças entre sua “nova abordagem” — que salienta
o respeito à soberania, a não intervenção em assuntos internos, a rejeição de
assistência atrelada e a ênfase na cooperação técnica — e a cooperação tradicio-
nal Norte-Sul (que nessa visão incluiria o Grupo Banco Mundial). Na prática,
porém boa parte da cooperação Sul-Sul é realizada de forma idêntica ao apoio
tradicional ao desenvolvimento. Isso dificulta a tarefa de discernir os mecanis-
mos específicos da AID e do Banco, voltados especificamente para o apoio à
76
http://wbi.worldbank.org/sske/sske/donors.
77
Entre os documentos revistos, encontram-se as últimas Country Assistance Evaluation,
Country Assistance Strategies, Country Partnership Strategy e Interim Strategy Note para cinco
países africanos (Angola, República Central Africana, Moçambique, Nigéria e Senegal) e para
o Brasil; entre os entrevistados, encontram-se Shantayanan Devajaram, economista chefe,
Região da África; Makhtar Diop, diretor de país, Brasil; Antonella Bassani, diretora, Unidade
de Mobilização de Recursos da AID; e Ileana Boza, chefe global, Estratégia de Negócios e
Desenvolvimento de Clientes, MIGA.
110sPonte sobre o Atlântico
cooperação Sul-Sul e para o aprendizado com essa experiência, mas não a torna
menos necessária.
Além disso, como com qualquer outra organização, o trabalho tende a fluir
mais em direção a áreas para as quais se estabeleçam objetivos e incentivos es-
pecíficos. Em geral, conforme comprova a nossa pesquisa, o Banco não vincula
atualmente programas de trabalho, avaliações de desempenho e outros incen-
tivos à atuação em cooperação Sul-Sul, nem existem centros ou unidades de
custo dedicadas a essa área. Embora poucos sugeririam a criação de uma nova
burocracia apenas para cooperação Sul-Sul, caberia examinar se sua ausência
constituiria um impedimento e, em caso afirmativo, como se poderiam desen-
volver incentivos adequados.
Com relação à AID, o documento sobre o novo aumento de capital men-
ciona tanto a importância do desenvolvimento Sul-Sul como o papel da AID
nele. Em consultas realizadas, por exemplo, o relatório afirma que os partici-
pantes
78
“observaram que a AID tem um papel global único, especialmente
para convocar parceiros para o desenvolvimento e conectar a experiência
Sul-Sul”. Afirma, ademais, que os participantes solicitaram à AID que intensi-
ficasse o fortalecimento da capacidade dos quadros e de seus contrapartes nos
países “facilitando o diálogo Sul-Sul”. O relatório e os representantes da AID
também reconhecem a atuação crescente da China, do Brasil e de outros merca-
dos emergentes no processo do aumento de capital, em particular, e na AID, de
forma mais ampla.
79
Entretanto, como em outras áreas do Banco, parece haver
poucas atividades direcionadas especificamente ao apoio Sul-Sul. Os funcioná-
rios do Escritório de Mobilização de Recursos de AID (CFPIR)
80
questionaram
a necessidade de mecanismos específicos, sugerindo que os programas da
AID poderiam ser aplicados igualmente a todos os parceiros, sejam de países
desenvolvidos ou em desenvolvimento. Isso, no entanto, vai de encontro aos
comentários e experiências dos participantes até o momento, que demonstram
que tanto novos doadores como recebedores desejam um foco mais intenso e
diferenciado nas questões Sul-Sul.
Uma das áreas em que o Banco poderia desempenhar um papel mais direto
no fomento da cooperação Sul-Sul seria por meio da promoção de uma parti-
cipação mais ativa por parte de empresas provenientes de mercados emergentes
em processos de licitação abertos do Banco Mundial, particularmente na África.
Isso teria o efeito positivo não somente de levar mais experiências diretamente
relevantes de empresas brasileiras para a África, mas também sinalizaria a
atuação crescente dos países emergentes dentro do próprio Banco Mundial.
Por meio dos Serviços de Divulgação às Empresas (Enterprise Outreach
Services)
81
— que visa a fortalecer as relações do Grupo Banco Mundial com o
setor privado de forma a informar e promover a participação de empresas — o
78
Participantes são os representantes dos governos doadores e dos países mutuários.
79
Entrevista com Antonella Bassani, Washington, D.C., 7 de junho de 2011.
80
Entrevistas realizadas em Washington, D.C., em julho de 2011.
81
Banco Mundial, “Enterprise Outreach Services”, http://web.worldbank.org/WBSITE/
EXTERNAL/OPPORTUNITIES/ADVISORYSERVICES/EXTEOS/0,,menuPK:575141~page
PK:64168427~piPK:64168435~theSitePK:575135,00.html.
Conclusões, Lições e Recomendações de Políticas111
Banco poderia organizar oficinas de divulgação no Brasil (como faz para em-
presas europeias e dos EUA) dos produtos e serviços do banco para incentivar
investimentos do setor privado na África. Outra forma de promover o enga-
jamento do setor privado seria elevar o número de funcionários de ligação no
Brasil como parte da Rede de Funcionários de Ligação com o Setor Privado.
82

Dos 27 estados do Brasil, apenas dois estão representados: a Federação das In-
dústrias do Estado do Rio de Janeiro e de São Paulo.
O desenvolvimento do setor privado, e em especial do investimento e do
comércio, é provavelmente a área mais negligenciada da cooperação Sul-Sul
dentro da nova abordagem do Banco. Pelo menos no caso do Brasil, não houve
virtualmente nenhuma atividade nesse sentido. Das 37 atividades Sul-Sul ma-
peadas pelo escritório do Banco no Brasil para o exercício fiscal de 2009/10 e
2010/11,
83
nenhuma focalizava diretamente as questões de desenvolvimento do
setor privado. Algumas dessas atividades (como aquelas relacionadas à energia/
mineração, ao transporte urbano e ao setor rodoviário/aquisições) podem pro-
duzir impactos indiretos na área de comércio e investimento, mas em geral é
necessário focalizar mais nessa área, tendo em vista que algumas iniciativas —
como a análise conjunta do Banco-IFC sobre clima de investimentos, conforme
demonstrado nos indicadores do Doing Business — poderiam acrescentar valor
expressivo.
Entre todos os membros do Grupo Banco Mundial, a IFC foi a única a
desenvolver iniciativa específica, com financiamento de US$ 1 milhão para a
cooperação Sul-Sul, voltada para investimentos na África. A iniciativa “Merca-
dos Emergentes Sul-Sul para a África” foi concebida para servir de catalisador
de investimentos de diversos países (inclusive o Brasil, a China e a Índia) para
a África Subsaariana.
84
Essa iniciativa partiu dos esforços da IFC no sentido
de desenvolver parcerias com empresas chinesas e indianas, com o objetivo
de passar para uma abordagem mais sistemática, com quadro de funcionários
e recursos exclusivos. A IFC pode ser obviamente — tanto por sua perícia fi-
nanceira, como por sua experiência em matéria de clima de investimentos e de
assistência técnica — um importante parceiro para as empresas de mercados
emergentes. Essa iniciativa poderia também aprofundar as relações entre a IFC,
seus clientes do setor privado e os países onde se investe. Seria, no entanto,
importante coordenar esta iniciativa da IFC de forma mais abrangente com o a
região da África do Banco Mundial, a fim de aproveitar e fortalecer os esforços
do Banco na área de investimento e comércio para a África.
A MIGA, por sua vez, incorporou a emissão de garantias — especificamente
seguro de risco político — para investimentos Sul-Sul como uma de suas metas
estratégicas. Tendo em vista que muitos países investidores do Sul — como o
82
http://web.worldbank.org/WBSITE/EXTERNAL/OPPORTUNITIES/ADVISORY
SERVICES/EXTEOS/0,,contentMDK:20663353~pagePK:64168445~piPK:64168309~theSite
PK:575135,00.html
83
LC5 CMU—List of S-SC Activities 2009–12 (documento interno do Banco Mundial).
84
Entrevista com Thierry Tanoh, vice-presidente da IFC para a África Subsaariana, América
Latina e Caribe, e Europa Ocidental, 26 de julho de 2011; tendo como referência a estratégia
e orçamento da IFC para o exercício de 2012.
112sPonte sobre o Atlântico
Brasil, a Rússia e o México — carecem de um mecanismo nacional próprio de
seguro de risco político e que o seguro privado continua escasso e oneroso para
muitos países africanos vistos como de alto risco, a MIGA pode desempenhar
um papel catalisador para esses investimentos, Não obstante, por ser provedor
de finanças, seu papel seria apenas de apoio. Até pouco tempo atrás, a falta de
presença da MIGA fora de Washington, D.C., prejudicava sua habilidade de
atender diretamente os investidores Sul-Sul; a abertura recente de um escri-
tório em Cingapura, visa em parte a identificar e prestar apoio a investidores
de mercados emergentes na Ásia.
85
Fora desses dois lugares, o atendimento é
feito por “localizadores” e corretores, bem como pelos escritórios da IFC. Os
funcionários do Banco Mundial nos escritórios locais muitas vezes possuem
conhecimento limitado dos serviços da MIGA, mas poderiam desempenhar
papel importante na divulgação desses serviços. Esses obstáculos, bem como a
falta de incentivos específicos para o apoio da MIGA aos investimentos Sul-Sul,
limitaram o crescimento desse segmento importante. Não obstante, durante o
exercício fiscal de 2010, 6 dos 19 projetos com apoio do MIGA foram classifica-
dos como Sul-Sul, respondendo no entanto por apenas 11% do total em dólar
das garantias emitidas.
86
RECOMENDAÇÕES DE POLÍTICAS E PRÓXIMOS PASSOS
O Banco Mundial tem um enorme potencial para apoiar a cooperação Sul-Sul
em intercâmbio de conhecimentos, comércio e investimento em benefício de
todas as partes envolvidas, mas ainda se encontra nos estágios iniciais de poder
efetivamente realizar este potencial. As recomendações abaixo são feitas no
espírito de aproximar o Banco de seus objetivos nesse sentido: utilizar seus re-
cursos com eficiência e eficácia para reconhecer e apoiar a atuação crescente dos
mercados emergentes no desenvolvimento, particularmente na África.
Ao formular essas recomendações de política, seria útil distinguir os dife-
rentes papéis que o Banco poderia e deveria desempenhar vis-à-vis as relações
entre o Brasil e a África (e a cooperação Sul-Sul de maneira mais ampla). São
os seguintes os papeis:
s Prestar diretamente apoio às partes (o governo ou setor privado no Brasil,
e os governos e o setor privado na África), em termos de projetos Sul-
Sul específicos, por meio de empréstimos, garantias e outras formas de
assistência.
s Ampliar projetos provenientes das relações bilaterais entre o Brasil e de-
terminado país africano para outros países no continente. Por exemplo,
um projeto de assistência técnica do Brasil em Moçambique pode ser re-
85
Entrevista com Ileana Boza (Washington, D.C., 13 de junho de 2011). O escritório não
enfatiza exclusivamente empresas de mercados emergentes da Ásia, mas também do Japão,
Austrália, etc.
86
A emissão Sul-Sul do MIGA para o exercício de 2010 foi US$ 159 milhões de um total de
US$ 1,464 bilhões. www.miga.org/documents/10ar_highlights.pdf.
Conclusões, Lições e Recomendações de Políticas113
levante para a Tanzânia; o Banco poderia apoiar a divulgação de informa-
ções sobre o projeto, seja por intermédio de seus próprios funcionários
ou por meio da concessão de recursos para que especialistas brasileiros ou
moçambicanos apliquem a experiência na Tanzânia.
s Facilitar o intercâmbio de conhecimentos e boas práticas entre o Brasil e
a África, em particular, no que se refere aos países lusófonos, tendo em
vista o interesse dos países africanos pelas melhores práticas brasileiras.
Seria igualmente benéfico promover a pesquisa aplicada conjunta entre
instituições de ensino africanas e brasileiras.
s A Região da África do Banco deveria criar mecanismos para facilitar a
contribuição da diáspora no Brasil para a agenda de conhecimento do
Banco e seus esforços de desenvolvimento de capacidade na África Sub-
saariana. Da mesma forma, a Região da África do Banco deveria contatar
empresas e empreiteiros da diáspora para promover sua participação em
projetos do Banco na África Subsaariana.
s Atuar como facilitador do fortalecimento do diálogo entre a União
Africana e o Brasil sobre a diáspora e ajudar a União Africana em seus
contatos com outros países na Região da América Latina e Caribe.
87
Nesse contexto, fazemos as seguintes recomendações ao Banco:
s Examinar o impacto atual e potencial das atividades tradicionais do
Banco relevantes para a cooperação Sul-Sul pelo prisma dessa coopera-
ção. Essas áreas relevantes incluem clima de investimento, governança,
agricultura, saúde, educação, justiça e registro de terras. Por exemplo, o
programa altamente bem sucedido do Brasil de tratamento e prevenção
de HIV/AIDS e malária tem relevância direta para as iniciativas do Banco
nesse sentido.
s Melhorar a coordenação entre as regiões do Banco e entre os setores e
regiões mediante a criação de equipes transregionais (como por exemplo
entre as regiões da América Latina e Caribe e a Região da África) para
o intercâmbio de experiências e a implementação de atividades Sul-Sul
específicas, algumas vezes em conjunto com iniciativas que já estão sendo
empreendidas.
s Incorporar sistematicamente dimensões Sul-Sul mensuráveis às estra-
tégias de assistência de país, estratégias de parceria de país, avaliações
87
O Banco assinou memorando de entendimento com a Comissão da União Africana em
setembro de 2008. Isso demonstra que as relações com a diáspora é uma de cinco áreas prio-
ritárias para a parceria e engajamento do Banco com a Comissão. O Banco concedeu duas
doações em apoio à Comissão de Cidadãos e à Diretoria da Diáspora para a implementação
de seu programa global. A primeira doação sustenta as funções de coordenação regional em
missões de representação nos Estados Unidos, Caribe, América do Sul, Austrália, Ásia, Oriente
Médio e Golfo. A segundo serviu de financiamento para um estudo para aumentar o conheci-
mento da diáspora na América Latina e no Caribe. Uma das principais recomendações do es-
tudo foi a criação de uma “Missão da Diáspora no Brasil” exclusiva, para servir de plataforma
e ponto de coordenação para todas as iniciativas relativas à diáspora de afrodescendentes na
América do Sul, América Central e no Caribe” (Moses 2011).
114sPonte sobre o Atlântico
de assistência de país,
88
etc. Avaliar ainda se incentivos ou mecanismos
internos específicos de apoio à cooperação Sul-Sul (por meio de progra-
mas de trabalho, avaliações de trabalho, etc.) poderiam ser úteis, evitando
assim a criação de novas burocracias. Como parte desse exercício, seria
conveniente coletar e divulgar exemplos de trabalhos bem sucedidos do
Banco nessa área, como o programa de trabalho da unidade de país do
Brasil para a cooperação Sul-Sul, com vistas a agilizar essas atividades de
forma mais sistemática e estratégica em todo o Banco.
s Consultar sistematicamente o governo brasileiro, bem com o governo
dos principais países emergentes envolvidos em cooperação Sul-Sul,
como executores ou doadores (como os BRICS, o México, a Arábia
Saudita e a Turquia), para colher opiniões sobre como tornar o apoio do
Banco mais relevante e eficaz nessa área. O objetivo aqui seria tanto de
natureza prática como estratégica, ou seja, ajudar a superar a percepção
entre alguns membros de que o Banco não reconhece nem tem conheci-
mento suficiente das contribuições que realizam para o desenvolvimento.
Uma possibilidade poderia ser a realização de programa conjunto entre o
Grupo Banco Mundial e o BNDES em apoio ao comércio e investimento
brasileiros na África.
s Ampliar, no âmbito do Banco, o foco das atividades Sul-Sul efetivas do
Instituto Banco Mundial para outras áreas (especialmente infraestrutura,
clima de investimentos e desenvolvimento do setor privado, governança,
saúde e educação) e incluir mais assistência técnica e empréstimos nessas
áreas (além da troca de conhecimentos). Em particular, enfatizamos a
necessidade de contar com mais atividades diretamente relacionadas
com investimento, desenvolvimento do setor privado e crescimento dos
postos de trabalho, temas que até o momento parecem estar fora do
escopo principal das atividades Sul-Sul, contempladas pelos programas
do Banco.
s Reexaminar as atuais políticas de compras, divulgação e marketing do
Banco para garantir que empresas de mercados emergentes tenham chan-
ces iguais ou melhores de serem contratadas, particularmente para proje-
tos fora de seu país de origem ou região. A nossa impressão, com base em
conversas mantidas no Brasil, é a de que as empresas têm conhecimento,
na melhor das hipóteses, de oportunidades de contratos no Brasil, mas
não na África, Ásia e outras regiões.
s Tendo em vista que a coordenação entre o Banco, a IFC e a MIGA com
relação à cooperação Sul-Sul continua a ser um desafio, determinar que
áreas específicas ou aspectos de programas relacionados com projetos
de cooperação Sul-Sul poderiam se beneficiar de programas de trabalho
ou objetivos conjuntos. Dois exemplos, entre tantos outros, seriam um
maior alinhamento entre o Banco e os escritórios de país da IFC nos
principais mercados emergentes em torno da promoção de investimen-
88
Atualmente, muitos documentos do Banco fazem referência à cooperação Sul–Sul, sem
especificamente descrever ou mensurar essas atividades.
Conclusões, Lições e Recomendações de Políticas115
tos sustentáveis Sul-Sul e melhor capacitação e mais incentivo para que
os funcionários do Banco (e da IFC) nos escritórios de país realizassem
“venda cruzada” dos serviços de garantia da MIGA.
s Fortalecer ainda mais a coordenação com outros instrumentos multila-
terais, particularmente os novos mecanismos Sul-Sul estabelecidos nos
últimos anos, com vistas a ter uma atuação eficaz na cooperação Sul-Sul,
a superar alguns dos estereótipos nos países em desenvolvimento e a
evitar a duplicação de esforços.
89
O Banco, por exemplo, está muito bem
posicionado para facilitar a realização de uma cúpula global anual de
desenvolvimento Sul-Sul, preferencialmente em um país emergente ou
em desenvolvimento.
Como conclusão, conforme ilustra este estudo de caso sobre o intercâmbio
de conhecimentos, comércio e desenvolvimento Brasil–África, está claro que
os mercados emergentes terão uma atuação ainda maior no futuro desenvol-
vimento econômico e político da África. Dessa forma, o papel do Banco, que
já está mudando, deverá evoluir ainda mais rapidamente para permanecer
relevante e proativo, em vez de periférico e reativo. A consecução desse obje-
tivo demandará a superação de obstáculos reais e de percepção, tanto internos
como externos, o que pode ser melhor alcançado por meio de consultas es-
treitas com os próprios acionistas do Banco, nos mercados emergentes e nos
países em desenvolvimento. O Banco Mundial tem sido o principal parceiro de
desenvolvimento da África e possui as ferramentas adequadas para continuar
desempenhando este papel. Contudo, a fim de realizar seu potencial, o Banco
precisará atualizar não somente seus mecanismos mas também a sua forma
de aplicação. O resultado deverá produzir ganhos significativos para todas as
partes envolvidas.
89
Por exemplo, o Africa Outlook 2011 da OCED, que contém um capítulo sobre os mercados
emergentes da África, foi elaborado com o apoio da OCDE, do BAD, da ONU, da Comu-
nidade Econômica da África e do Banco Europeu de Investimentos — mas não do Banco
Mundial.
117
Anexos
ANEXO 1. OS MEMBROS DO G-20
O G-20 é formado pelos Ministros da Fazenda e Presidentes do Banco Central
de 19 países e da União Europeia: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita,
Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, Estados Unidos,
França, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Reino Unido, Rússia, Turquia
e União Européia.
Para garantir que os fóruns e instituições econômicas internacionais tra-
balhem em conjunto, o Diretor Gerente do Fundo Monetário Internacional
(FMI) e o Presidente do Banco Mundial, juntamente com os presidentes do
Comitê Monetário e Financeiro Internacional (FMI) e do Comitê de Desenvol-
vimento (Banco Mundial), também participam das reuniões do G-20 ex-officio.
O G-20 reúne, portanto, importantes países desenvolvidos e emergentes de
todas as regiões do mundo. Juntos, os países membros representam cerca de
90% do produto interno bruto global, 80% do comércio mundial (incluindo o
comércio no âmbito da UE), bem como dois terços da população mundial. Seu
peso econômico e ampla afiliação dão ao G-20 um alto grau de legitimidade e
influência sobre a gestão do sistema econômico e financeiro internacional.
90
ANEXO 2. FÓRUNS SUL–SUL
IBAS — Índia, Brasil e África do Sul
O IBAS, acordo trilateral entre a Índia, o Brasil e a África do Sul, foi lançado
oficialmente em junho de 2003, após a reunião do G-8, realizada em Evian, na
França. Ao contrário do grupo dos BRICS, o IBAS foi concebido formalmente
como uma estrutura para ação coordenada entre as três economias emergentes,
que teriam atuação importante na ordem mundial contemporânea. O comércio
entre os três países aumentou de US$ 3,8 bilhões em 2004 para US$ 15 bilhões
em 2010 (IBSANews 2011).
90
www.g20.org.
118sPonte sobre o Atlântico
A motivação para a criação do IBAS tem como base as características co-
muns de seus países membros, a saber, seu sistema político democrático, sua
posição como economias em desenvolvimento e sua capacidade de atuar em
escala global. A Declaração de Brasília, documento constitutivo do grupo,
91
cria
o IBAS como um fórum para a coordenação política e de cooperação em setores
fundamentais como a agricultura, cultura, educação, energia, saúde, ciência e
tecnologia e transportes.
Outra característica relevante do IBAS é o Fundo para o Alívio da Pobreza e
da Fome, que tem papel importante no relacionamento do grupo com a África.
Criado em 2004, o fundo é mecanismo pioneiro de cooperação Sul-Sul por
diversas razões.
Em primeiro lugar, por ser orientado pela demanda, é necessário que os
governos interessados solicitem assistência ao fundo. Em segundo lugar, os
projetos do fundo são planejados e executados sem condicionalidades, dife-
rente dos projetos tradicionais de assistência (IBSANews 2011). Em terceiro
lugar, o objetivo do programa é financiar projetos inovadores que são passíveis
de reprodução e ampliação para o alívio da pobreza e da fome em países de
baixa renda; tendo como preocupações recorrentes o fortalecimento da capaci-
dade, a sustentabilidade e o intercâmbio de conhecimentos entre especialistas
e instituições do Sul.
92
Por fim, distingue o IBAS o fato de os projetos serem
executados em colaboração e consultas com o PNUD, as instituições nacionais
e o governo local.
Todos os Estados membros do IBAS realizam contribuição de US$ 1 milhão
por ano para o Fundo do mecanismo. Três projetos foram concluídos até o mo-
mento, um em Guiné Bissau (agricultura), um em Cabo Verde (saúde) e um no
Haiti (manejo de resíduos). Novos projetos já foram aprovados para o Burundi,
Camboja e os Territórios Palestinos Ocupados e hoje estão em fase de execução.
Fórum Cooperativo América do Sul-África
Outro fórum multilateral do qual o Brasil participa é o Fórum de Cooperação
América do Sul-África Tendo sua criação considerada inicialmente em abril de
2005, o grupo, lançado em novembro de 2006, visa a estimular a capacidade de
desenvolvimento sustentável entre seus membros por meio de parcerias estraté-
gicas Sul–Sul.
93
O quadro institucional inclui duas reuniões de alto nível a cada
dois anos e reuniões ministeriais sobre temas específicos organizadas em grupos
de trabalho, co-presididos por um país africano e um país sul-americano.
94
Apesar das semelhanças, as duas regiões apresentam diferenças que vão
além da questão econômica e incluem aspectos políticos, culturais e ideológi-
91
A Declaração de Brasília está disponível em inglês no site: http://ibsa.nic.in/brasil_
declaration.htm.
92
http://tcdc2.undp.org/IBSA/about/about.htm.
93
www2.mre.gov.br/asa/.
94
www.itamaraty.gov.br/temas/mecanismos-inter-regionais/cupula-america-do-sul-2013-
africa-asa.
Anexoss119
cos. Isso ficou claro na Terceira Cúpula da ASA, realizada na Venezuela em se-
tembro de 2009, em que o ex-Presidente do Brasil Lula sugeriu que a integração
entre as duas regiões somente ocorreria com respeito pelos hábitos políticos de
cada país. À luz da crise financeira mundial e dos eventos recentes no Norte da
África, resta saber como será a evolução desse fórum inter-regional.
Mercosul e União Aduaneira a África Austral
Outro vínculo importante entre o Brasil e a África é a conexão incipiente entre
o Mercado Comum do Sul (Mercosul) e a União Aduaneira da África Austral
(SACU).
O Mercosul foi oficialmente lançado em março 1991 para proceder à
integração da América do Sul em termos econômicos, políticos e sociais. Os
membros são a Argentina, o Brasil, o Paraguai e o Uruguai; a Venezuela está
no processo de afiliação e deverá tornar-se membro em breve com a aprovação
do Paraguai. A Bolívia, o Chile, a Colômbia, o Equador e o Peru são membros
associados.
95
Por conseguinte, o Mercosul abrange quase a totalidade do terri-
tório da América do Sul.
O Mercosul contou com momentos positivos e negativos ao longo de seu
histórico de 20 anos, incluindo dificuldades geradas pelas crises políticas e eco-
nômicas por que passaram seus membros. O grupo não avançou nos últimos
cinco anos, tendo sido complementado no plano político por uma nova insti-
tuição regional, a União das Nações da América do Sul (UNASUL).
96
Em sua
trajetória para a criação de um Mercado Comum do Sul, no entanto, o Merco-
sul obteve êxito ao criar uma área de livre comércio e uma política comercial
comum (união aduaneira) entre seus membros.
Em anos recentes, o Mercosul logrou desenvolver algumas iniciativas de
aproximação entre a América do Sul e a África, mais especificamente com a
SACU, formada pela África do Sul, Botsuana, Lesoto, Namíbia e Suazilândia.
A importância histórica da África do Sul na região levou a um acordo entre o
país e o Mercosul, em dezembro de 2000, para a criação de uma zona de livre
comércio.
97
O Mercosul e a SACU assinaram um acordo preferencial de comér-
cio alguns anos mais tarde, em dezembro de 2004.
98
Uma versão atualizada e
revista do acordo foi assinada em abril de 2009, no qual a SACU dá preferência
ao Mercosul na compra de mais de 1000 produtos produzidos pela SACU,
reduzindo em contrapartida impostos de importação sobre 1000 produtos do
Mercosul em setores como agricultura, plásticos, produtos químicos, têxteis e
equipamentos.
99
95
www.mercosul.gov.br/perguntas-mais-frequentes-sobre-integracao-regional-e-
mercosul-1/sobre-integracao-regional-e-mercosul/.
96
www.pptunasur.com/inicio.php?menu=30&idiom=1 (em espanhol).
97
A íntegra do acordo está disponível no site www2.mre.gov.br/dnc/AQ_RAS_Assinado_Ing.
pdf.
98
www.sacu.int/traden.php?include=about/traden/bilateral.html.
99
www.africa21digital.com/noticia.kmf?cod=8314506&canal=402
120sPonte sobre o Atlântico
Anexo 3. Brasil: Principais indicadores econômicos
Tabela A3.1 Brasil: Principais indicadores econômicos
2008 2009 2010
a
Percentual da taxa de crescimento anual
Produto interno bruto 5.2 –0.6 7.7
Produto interno bruto per capita 4.1 –1.1 6.7
Preços ao consumidor 5.9 4.3 5.6
b
Salário real médio
c
2.1 1.3 2.4
d
Money (M1) –3.5 12.0 18.6
e
Taxa de cambio real efetiva
f
–3.3 1.7 –15.2
g
Termos de troca 3.6 –2.4 15.0
Percentual médio anual
Taxa de desemprego urbano 7.9 8.1 6.8
h
Balanço operacional do governo central / PIB –1.2 –3.6 –2.1
Taxa nominal para depósito 7.9 6.9 6.8
i
Taxa nominal para empréstimo 38.8 40.4 38.6
j
Milhões de dólares
Exportação de bens e serviços 228 393 180 723 230 567
Importação de bens e serviços 220 247 174 678 242 445
Conta corrente –28 192 –24 302 –45 296
Conta financeira e de capital 31 161 70 952 91 296
Balanço geral 2 969 46 650 46 000
Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), com base em dados oficiais.
a
Estimativas preliminares.
b
Variação em 12 meses até novembro de 2010.
c
Trabalhadores cobertos pela legislação trabalhista e social, setor privado.
d
Estimativa baseada em dados de janeiro a setembro.
e
Variação em 12 meses até outubro de 2010.
f
Taxa negativa indica valorização da moeda em termos reais.
g
Variação anual, média de janeiro a outubro
h
Estimativa com base nos dados de janeiro a outubro.
i
Média de janeiro a outubro, anualizada.
j
Inclui erros e omissões.
Anexoss121
Anexo 4. Brasil e África: Reuniões e Visitas Oficiais
Tabela A4.1 Países africanos visitados pelo Ministro das Relações Exteriores,
Celso Amorim, 2003–10
Ano Países visitados
2003 São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique, Namíbia, África do Sul, Egito e Líbia
2004 São Tomé e Príncipe, Egito.
2005 Cabo Verde, Guiné Bissau, Senegal, Nigéria, Camarões, Tunísia, Argélia, Quênia, Etiópia,
Moçambique, África do Sul, Gabão, Marrocos, Gana, Angola, Tanzânia
2006 Argélia, Benin, Botsuana, África do Sul , Nigéria.
2007 Burkina Faso, Congo, África do Sul, Angola.
2008 Gana, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe, África do Sul, Líbia, Argélia, Marrocos, Tunísia,
Cabo Verde, Moçambique, Zimbábue, Zâmbia.
2009 Egito, Cabo Verde, Líbia, Tunísia, Marrocos, Mali,Guiné Equatorial, Togo, Guiné Bissau.
2010 Cabo Verde, Guiné Equatorial, Quênia, Tanzânia, Zâmbia, África do Sul, Líbia, Moçambique,
República Democrática do Congo.
Fonte: Elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) com base em informações do
Ministério das Relações Exteriores (MRE).
122sPonte sobre o Atlântico
Tabela A4.2 Visitas de Chefes de Estado e Chefes de Governo africanos ao Brasil, 2003–10
Ano País Autoridade Cidade Motivação
Total de
visitas
por ano
2003
Guiné Bissau PM Marco António Pires Brasília Visita de trabalho e posse
presidencial
5
Cabo Verde PR Pedro Pires Brasília Visita de trabalho
Burkina Faso PR Blaise Compaoré Brasília Visita de trabalho
África do Sul PR Thabo Mbeki Brasília Visita de trabalho
Cabo Verde PM José Maria Neves Brasília Visita de trabalho
2004
Uganda PR Yoweri Museveni São Paulo Reunião bilateral à
margem da XI UNCTAD
4
Namíbia PR Sam Nujoma São Paulo Visita de estado
Moçambique PR Joaquim Chissano Brasília Visita de estado
Marrocos Rei Mohammed VI Brasília Visita de estado
2005
Angola PR José Eduardo dos
Santos
Salvador e Brasília Visita de estado
11
Mauritânia PM Sghair Ould M´Barek Brasília Reunião bilateral à
margem da Cúpula da
ASPA
Djibouti PR Ismail Omar Guelleh Brasília Visita de trabalho
Argélia PR Abdelaziz Bouteflika Brasília Visita de estado
Rep. Dem. Congo PR Denis Sassou Nguesso Brasília Visita de estado
Botsuana PR Festus Mogae Brasília Visita de estado
Gâmbia PR Yahya Jammeh Brasília Visita de estado
S. Tomé e Princípe PR Fradique Menezes Brasília Visita de estado
Cabo Verde PM José Maria Neves Brasília Visita de estado
Nigéria PR Olusegun Obasanjo Brasília Visita de estado
Cabo Verde PR Pedro Pires Brasília Visita de trabalho
2006
Gana PR John Kufuor Brasília e Salvador Visita de estado
6
Senegal PR Abdoulaye Wade Salvador Reunião bilateral à
margem da II CIAD
Botsuana PR Festus Mogae Salvador Reunião bilateral à
margem da II CIAD
Guiné Equatorial PR Teodoro Obiang
Mbasogo
Salvador Reunião bilateral à
margem da II CIAD
Cabo Verde PR Pedro Pires Salvador Reunião bilateral à
margem da II CIAD
África do Sul PR Thabo Mbeki Brasília Visita de trabalho e
Cúpula da IBAS
2007
Senegal PR Abdoulaye Wade Brasília Visita de estado
5
Líbia PM El-Baghdádi
El-Mahmúdi
Brasília Visita de trabalho
Benin PR Boni Yayi Brasília Visita de estado
Moçambique PR Armando Guebuza Brasília Visita de estado
Guiné Bissau PR João Bernardo Vieira Brasília Visita de trabalho
Anexoss123
Tabla A4.2 (continuação)
Ano País Autoridade Cidade Motivação
Total de
visitas
por ano
2008 Guiné Equatorial PR Obiang Mbasogo Brasília Visita Oficial 1
2009
Namíbia PR Hifikepunye Pohamba Brasília e Rio de
Janeiro
Visita Oficial
9
São Tomé e Princípe PM Joaquim Rafael Branco São Paulo, Brasília e
Salvador
Visita Oficial
Senegal PR Abdoulaye Wade Salvador Visita de trabalho
Moçambique PR Arnaldo Guebuza Rio de Janeiro e
Brasília
Visita de estado
Nigéria PR Umaru Yar´Adua Brasília Visita de estado
Serra Leoa PR Ernest Koroma Brasília e Rio de
Janeiro
Visita oficial
Malaui PR Bingu Wa Mutharika Brasília Visita oficial
África do Sul PR Jacob Zuma Brasília Visita oficial
Cabo Verde PM José Maria Neves Brasília Visita de trabalho
2010
Libéria PR Ellen Johnson-Sirleaf Brasília Visita de estado
7
Mali PR Amadou Touré Brasília Visita de estado
África do Sul PR Jacob Zuma Brasília Reunião à margem da
Cúpula do IBAS
Angola PR José Eduardo dos Santos Brasília Visita de trabalho
Camarões PR Paul Biya Brasília Visita de trabalho
Guiné Bissau PR Malam Bacai Sanhá Brasília Visita de trabalho
Zâmbia PR Rupiah Banda Brasília Visita de estado
Total 48
Fonte: Elaborada pelo IPEA com base em informações do MRE.
Obs.: CIAD = Conferência de Intelectuais da África e da Diáspora.
Tabela A4.3 Visitas de chanceleres africanos ao Brasil e participação africana no
total de visitas, 2003–10
Região 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Total
Visitas de chanceleres
africanos
2 4 13 12 3 7 11 15 67
Total de visitas de
chanceleres
17 29 24 35 25 39 44 47 260
Participação africana no
total de visitas (%)
11,8 13,8 54,2 34,3 12,0 17,9 25,0 31,9 25,8
Fonte: Elaborada pelo IPEA com base em informações do MRE.
124sPonte sobre o Atlântico
Tabela A4.4 Reuniões multilaterais Brasil–África, 2003–10
Evento Date Local
I Comissão Trilateral Mista do Fórum do Diálogo
Índia–Brasil-África do Sul (IBAS)
5–6 /junho/2003 Brasília
IV Comissão Trilateral Mista do Fórum do Diálogo
Índia–Brasil-África do Sul (IBAS)
28/março/2006 Rio de Janeiro
VII Comissão Trilateral Mista do Fórum do Diálogo
Índia–Brasil-África do Sul (IBAS)
31/agosto/ 2009 Brasília
III Fórum da Aliança das Civilizações das Nações Unidas 27–29/maio/2010 Rio de Janeiro
Reunião Ministerial do Sistema Geral de Preferências
Comerciais (SGPC)
16/dezembro/2010 Foz do Iguaçu
Fonte: Elaborada pelo IPEA com base em informações do MRE.
Tabela A4.5 Reuniões da Comunidade de Países de Língua Portuguesa e da
Iniciativa América do Sul-África
Evento Data Cidade
3
a
Conferência de Chefes de Estado e
Governo da CPLP
16–17 de julho de 2000 Maputo, Moçambique
4
a
Conferência de Chefes de Estado e
Governo da CPLP
31 julho a 1º de agosto de
2002
Brasília, Brasil
5
a
Conferência de Chefes de Estado e
Governo da CPLP
26–27 de julho de 2004 São Tomé, São Tomé e
Príncipe
6
a
Conferência de Chefes de Estado e
Governo da CPLP
16–17 de julho de 2006 Bissau, Guiné Bissau
7
a
Conferência de Chefes de Estado e
Governo da CPLP
25 de julho de 2008 Lisboa, Portugal
8
a
Conferência de Chefes de Estado e
Governo da CPLP
25 de julho de 2010 Luanda, Angola
Primeira Cúpula de Chefes de Estado
da ASA
30 de novembro de 2007 Abuja, Nigéria
Segunda Cúpula de Chefes de Estado
da ASA
26–27de setembro de 2009 Ilha Margarita,
Venezuela
Fonte: Elaborada pelo IPEA com base em informações do MRE.
Obs.: ASA = Iniciativa América do Sul-África; CPLP = Comunidade dos Países de Língua Portuguesa
125
Referências Bibliográficas
Resumo Executivo
National Resources Canada. 2007. “Pictures and Maps”. http://www.nrcan.
gc.ca/halifax/DVD/fig8-eng.php
Capítulo 1
Aker, Jenny e Isaac Mbiti. 2010. “Mobile Phones and Economic Development
in Africa”. Working Paper 211, Center for Global Development, Washing-
ton, D.C. www.cgdev.org/content/publications/detail/1424175/.
Amorim, Celso. 2011. “Let Us In”. Foreign Policy, 14 de março. www.foreign
policy.com/articles/2011/03/14/let_us_in?page=0,0.
BBC (British Broadcasting Corporation). 2011. “BRIC Summit Ends in China
with Plea for More Influence”. 14 de abril. www.bbc.co.uk/news/world-asia-
pacific-13076229.
Beattie, Alan. 2010. “BRICS: The Changing Faces of Global Power”. Finan-
cial Times, 17 de janeiro. www.ft.com/cms/s/0/95cea8b6-0399-11df-a601-
00144feabdc0.html#ixzz1KkHm1pw0.
Bratton, Michel e Nocilas Van de Walle. 1994. “Neopatrimonial Regimes and
Political Transition in Africa”. World Politics 46, (Julho): 453–89.
Calderón, Cesar e Servén, Luis. 2010. “Infrastructure and Economic Deve-
lopment in Sub-Saharan Africa”. Journal of African Economies 19 (AERC
Supplement) 1: 13–87.
Cardoso, Fernando Henrique e Enzo Faletto. 1969. “Dependencia y desarrollo
en America Latina”. Siglo Veintiuno Editores, México.
de Almeida, Paulo Roberto. 2009. “O papel dos BRICs na economia mun-
dial”. Comércio e Negociações Internacionais para Jornalistas, Cebri-Icone-
Embaixada Britânica Brasília, Rio de Janeiro, 57–65.
de Haan, Arjan. 2009. How the Aid Industry Works. Sterling, VA: Kumarian
Press.
Devarajan, Shantayanan. 2010. “Africa as a BRIC”. Word Bank blogs, 1
º
de
junho. http://blogs.worldbank.org/africacan/africa-as-a-bric.
126sPonte sobre o Atlântico
Duarte, Pedro Henrique e Edílson José Graciolli. 2007. “A Teoria da
Dependência: Interpretações sobre o (sub)desenvolvimento na América
Latina”. www.unicamp.br/cemarx/anais_v_coloquio_arquivos/arquivos/
comunicacoes/gt3/sessao4/Pedro_Duarte.pdf.
Economist. 2011. “Democracy 1, Vote-Rigging 0”. 16 de abril.
Escribano, Alvaro, J. Luis Guasch e Jorge Pena. 2010. “Assessing the Impact of
Infrastructure Quality on Firm Productivity in Africa: Cross-Country Com-
parisons based on Investment Climate Surveys from 1999 to 2005”. Policy
Research Working Paper Series 5191, Banco Mundial, Washington, DC.
www-wds.worldbank.org/servlet/WDSContentServer/WDSP/IB/2010/01/
26/000158349_20100126150921/Rendered/PDF/WPS5191.pdf
Foster, Vivien e Cecilia Briceño-Garmendia. 2009. Africa Infrastructure: A Time
for Transformation. Washington, DC: Banco Mundial.
Goldman Sachs. 2001. “Building Better Global Economic BRICs”. Global
Economics Paper 66. www2.goldmansachs.com/ideas/brics/building-better-
doc.pdf.
———. 2003. “Dreaming with BRICs: The Path to 2050”. Global Economics
Paper 99. www2.goldmansachs.com/ideas/brics/book/99-dreaming.pdf.
Guardian, 2011. “South Africa Gains Entry to Bric Club”. 19 de abril. www.
guardian.co.uk/world/2011/apr/19/south-africa-joins-bric-club.
IBSANews. 2011. “Ibas ajuda sem compromisso”. 15 de abril. www.ibsanews.
com/pt/ibas-ajuda-sem-compromisso/.
IFPRI (International Food Policy Research Institute). 2009. “Climate Change:
Impact on Agriculture and Costs of Adaptation”. IFPRI Policy Seminar, 5
de outubro, Washington, DC. www.ifpri.org/sites/default/files/publications/
pr21.pdf.
Kimenyi, Mwangi. 2011. “Africa’s 2011 Elections in Foresight Africa: The
Continent’s Greatest Challenges and Opportunities for 2011”. Africa
Growth Initiative, Brookings Institution, Washington, DC.
Machado, Luiz Toledo. 1999. “A teoria da dependência na América Latina”.
Estudos Avançados 13, (janeiro/abril): 199–215.
MRE (Ministério das Relações Exteriores). 2011 “III Cúpula do BRICS —
Sanya, 14 de abril de 2011”. Nota n. 145, 4 de abril. www.itamaraty.gov.br/
sala-de-imprensa/notas-a-imprensa/iii-cupula-do-brics-sanya-14-de-abril-
de-2011.
Ndulu e O’Connell. 1999 “Governance and Growth in Sub-Saharan Africa”.
Journal of Economic Perspectives 13 (3): 41–66.
OCDE (Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico). 2010a.
“Tackling Inequalities in Brazil, China, India and South Africa: The Role of
Labour Market and Social Policies”. Paris: OCDE.
———. 2010b. “Perspectives on Global Development: Shifting Wealth”. Paris:
OECD Publishing. www.oecd.org/document/8/0,3746,en_2649_33959_
45462088_1_1_1_1,00.html.
Reuters. 2009. “Why the BRICS Like Africa”. 30 de junho. http://blogs.reuters.
com/macroscope/2009/06/30/why-the-brics-like-africa/.
Referências Bibliográficass127
Standard Bank. 2010. “Placing the BRIC and Africa Commercial Partnership in
a Global Perspective”. Economics BRIC and Africa. http://ws9.standardbank.
co.za/sbrp/DocumentDownloader?docId=3276.
UNCTAD (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvi-
mento). 2010. Economic Development in Africa 2010—South–South Coopera-
tion: Africa and the New Forms of Development Partnership. UNCTAD Re-
port. www.unctad.org/en/docs/aldcafrica2010_en.pdf.
UNDESA (United Nations, Department of Economic and Social Affairs, Popu-
lation Division). 2009. World Population Prospects: The 2008 World Revision
Dataset. Nova York: Organização das Nações Unidas. www.un.org/esa/
population/publications/wpp2008/wpp2008_highlights.pdf
PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. 1995. “New
Directions for Technical Cooperation among Developing Countries”.
TCDC/9/3, 7 de abril, UN High-Level Committee on the Review of Tech-
nical Cooperation among Developing Countries, Nona Sessão, Nova York,
30 de maio–2 de junho. http://ssc.undp.org/uploads/media/TCDC_9_3Eng.
pdf.
———. 2010. Human Development Report. Washington, DC: PNUD.
———. 2011. Human Development Report. Washington, DC: PNUD.
UNDP/IBSA Trust Fund. “About IBSA Trust Fund”. http://tcdc2.undp.org/
IBSA/about/about.htm.
Banco Mundial. 2010. Silent and Lethal: How Quiet Corruption Undermines
Africa’s Development. Africa Development Indicators Report. http://site
resources.worldbank.org/AFRICAEXT/Resources/english_essay_adi2010.
pdf.
———. 2011a. Global Economic Prospects, Regional Annex: Sub Saharan Africa.
Washington, DC: Banco Mundial.
———. 2011b. “Fact Sheet: Infrastructure in Sub-Saharan Africa”. http://
go.worldbank.org/SWEDCPM5S0.
Banco Mundial e IFC (Corporação Internacional de Finanças). 2010. Doing
Business 2011. Washington, DC: Banco Mundial e IFC. www.doingbusiness.
org/reports/global-reports/doing-business-2011/.
Capítulo 2
Alencastro, Luis Felipe de. 2000. Trato dos viventes: Formação do Brasil no
Atlântico Sul, Séculos XVI e XVII. São Paulo: Cia. da Letras.
Almeida Prado, J. F. 1955. “A Bahia e as relações com o Daomé”. In O Brasil
e o colonialismo europeu, ed. J. F. Almeida Prado. São Paulo: Companhia
Editora Nacional.
Bezerra De Menezes, Adolpho. 1961. Ásia, África e a Política Independente do
Brasil. Rio de Janeiro: Zahar.
Cortesão, Jaime. 1933. “A expansão dos portugueses em África (1557–1640)”.
In História de Portugal, ed. Jaime Cortesão. Barcelos: Publicado pelo autor.
128sPonte sobre o Atlântico
Curtin, Philip. 1969. The Atlantic Slave Trade: A Census. Madison, WI: Univer-
sity of Wisconsin Press.
Fernandes, Florestan. 1969. The Negro in Brazilian Society. Nova York: Colum-
bia University Press.
Goulart, Maurício. 1949. Escravidão africana no Brasil. São Paulo: Flanarte.
Harris, Joseph E. 1982. Global Dimensions of the African Diaspora. Washington,
DC: Howard University Press.
Martins, Oliveira. 1880. O Brasil e as colônias portuguesas. Lisboa: Publicado
pelo autor.
Miller, Joseph. 1988. Way of Death. Merchant Capitalism and the Angolan Slave
Trade. Madison, WI: University of Wisconsin Press.
Nina Rodrigues, Raymundo. 1982. Os africanos no Brasil. Brasília: Editora da
Universidade de Brasília.
Novais, Fernando. 1984. “Passagens para o Novo Mundo”. Novos Estudos
CEBRAP 9: 4–5.
Portella, Eduardo. 1963. Política externa e povo livre. São Paulo: Fulgor.
Rodrigues, José Honório. 1961. Brasil–África: Outro horizonte. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira.
Saraiva, José Flávio Sombra. 1996. O lugar da África: a dimensão atlântica da
política externa do Brasil. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.
Santos, Nilcea Lopes. 1979. União Brasil-Angola: uma hipótese na independên-
cia. Brasília: Universidade de Brasília.
Schwarz, Roberto. 1990. Um mestre na periferia do capitalismo, Machado de
Assis. São Paulo: Duas cidades.
Capítulo 3
ABC (Agência Brasileira de Cooperação). 2009. “Apresentação no CEBRI”. www.
cebri.com.br/midia/documentos/minmarcofaranichinanaafrica972003.pdf.
ActionAid. 2010. “Who’s really fighting hunger? Why the world is going ba-
ckwards on the UN goal to halve hunger and what can be done. Hunger
FREE scorecard 2010”. http://www.actionaid.org.uk/doc_lib/hungerfree_
scorecard.pdf.
Agência Brasil. 2011. “Brasil tem 16,2 milhões de pessoas em situação de ex-
trema pobreza”. http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-05-03/brasil-
tem-162-milhoes-de-pessoas-em-situacao-de-extrema-pobreza.
Amorim, Celso. 2010. “Brazilian Foreign Policy under President Lula (2003–
2010): An Overview”. Revista Brasileira de Política Internacional 53 (número
especial): 223.
Amos, Alcione M. 2001. “Afro-Brazilians in Togo: The Case of the Olympio
Family, 1882–1945”. Cahiers d’Études Africaines. http://etudesafricaines.
revues.org/88?&id=88.
Barboza, Mario Gibson. 2003 “O Brasil Volta à África. Relato de um Périplo
pelo Continente”. In Missões de paz: a diplomacia brasileira nos conflitos
internacionais, ed. Raul Mendes Silva. Salvador: Odebrecht. www2.mre.gov.
br/missoes_paz/port/index.html.
Referências Bibliográficass129
BBC (British Broadcasting Corporation). 2003. “Lula promete ajuda para
pagar ‘dívida histórica’ com a África”. www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/
story/2003/11/031103_lulaas.shtml.
DEAF/MRE (Departamento da África, Ministério das Relações Exteriores).
2011. “Postos diplomáticos na África”. Documento interno não oficial,
Brasília.
Financial Times. 2011. “Latin America Global Trade”. 15 de abril.
Fundação Getúlio Vargas. 2010. “A Nova Classe Média: o Lado Brilhante dos
Pobres”. www.fgv.br/cps/ncm/.
Governo da República da Guiné Equatorial. 2011. “Emocionante discurso del
expresidente brasileño Lula da Silva”. Cúpula da UA, 7 de janeiro. www.
guineaecuatorialpress.com/noticia.php?id=1713.
IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). 2010. Cooperação Brasileira
para o Desenvolvimento Internacional. Brasília:IPEA www.ipea.gov.br/portal/
images/stories/PDFs/Book_Cooperao_Brasileira.pdf.
Machado, Milton. 1987. História do Futuro, sumário de dissertação de mes-
trado (MSc.), desenhos, Arquitetura Revista, FAU-UFRJ, Rio de Janeiro.
MRE (Ministério das Relações Exteriores). 2007. “Cronologia da Política Ex-
terna do Governo Lula (2003–2006)”. www.funag.gov.br/BDPE/Livro%20
Cronologia%20da%20Politica%20Governo%20Lula%20-%202003-2006_
Saida.pdf.
———. 2011. “Balanço da Política Externa Brasileira—2003–2010”, “7.1.2.
Cooperação Internacional. Cooperação bilateral recebida”. www.itamaraty.
gov.br/temas/balanco-de-politica-externa-2003-2010/7.1.2-cooperacao-
internacional-cooperacao-bilateral-recebida/view.
ODI (Overseas Development Institute). 2010. “Brazil: An Emerging Aid
Player”. ODI Briefing Paper 64, Overseas Development Institute, www.odi.
org.uk/resources/download/5120.pdf.
OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). 2003.
“Glossary of Statistical Terms: Official Development Assistance (ODA)”.
http://stats.oecd.org/glossary/detail.asp?ID=6043http://stats.oecd.org/
glossary/detail.asp?ID=6043.
———. 2011a. “Brazil: For a Stronger, Cleaner, Fairer World Economy”. www.
oecd.org/dataoecd/34/11/46532793.pdf.
———. 2011b. “Structural Indicators—Average Annual Trend Growth Rates”,
77. In Country Notes: Brazil 2011. www.oecd.org/dataoecd/15/55/47469004.
pdf.
Oliva, Anderson Ribeiro. 2009. “A Invenção da África no Brasil: Os africanos
diante dos imaginários e discursos brasileiros dos séculos XIX e XX”. Revista
África e Africanidades 1 (4). www.africaeafricanidades.com/documentos/
A_invencao_da_Africa_no_Brasil.pdf.
O’Neill, Jim. 2011. “Brazil is Now the 5th largest economy. 2 Down 2 to Go”.
Goldman Sachs, 5 de março. www2.goldmansachs.com/gsam/advisors/
education/viewpoints_from_chairman/viewpoints-pdfs/brazil_is_now_
the_5th_largest_economy.pdf.
130sPonte sobre o Atlântico
Patriota, Antonio de Aguiar. 2011. Discurso no Woodrow Wilson Interna-
tional Center for International Scholars, Washington, DC, 31 de maio.
www.wilsoncenter.org/index.cfm?topic_id=1419&fuseaction=topics.event_
summary&event_id=700273.
Rizzi, K. R., C. Maglia, M. Kanter, and L. Paes. 2011. “O Brasil na África (2003-
2010): Política, Desenvolvimento e Comércio”. Conjuntura Austral 1 (5):
1–21.
Schmitz, Guilherme de Oliveira, João Brígido Bezerra Lima e Rodrigo Pires de
Campos. 2010. “Cooperação Brasileira para o Desenvolvimento Internacio-
nal: Primeiro Levantamento de Recursos Investidos Pelo Governo Federal”.
Boletim de Economia e Política Internacional 3: 39.
Silva, Raul Mendes. 2003. Missões de paz: a diplomacia brasileira nos conflitos
internacionais. Salvador: Oldbretch www2.mre.gov.br/missoes_paz/port/
index.html.
UOL Notícias. 2006. “Lula pede para que os laços com a África sejam apro-
fundados”. http://noticias.uol.com.br/ultnot/afp/2006/11/30/ult34u169184.
jhtm.
Capítulo 4
ABC (Agência Brasileira de Cooperação). 2009. “Apresentação no CEBRI”. www.
cebri.com.br/midia/documentos/minmarcofaranichinanaafrica972003.pdf
———. 2010. Diálogo Brasil–África em Segurança Alimentar: Combate à
Fome e Desenvolvimento Rural. ABC, Brasília.
———. 2011. “Aid for Trade Case Story: Brazil”. Organização Mundial do
Comércio e OCDE.
ABHH (Associação Brasileira de Hematologia e de Hemoterapia). 2010. “Cres-
cente África”. Hemo em revista (julho–setembro): 28–32. http://abhh.com.
br/HEMOR/hemo13.pdf.
ACBF (African Capacity Building Foundation). 2011. Africa Capacity Indica-
tors 2011: Capacity Development in Fragile States. African Capacity Building
Foundation, Harare, Zimbábue. www.acbf-pact.org/Data/Sites/1/Shared
Files/aci_report/aci_report_09_02_2011.pdf.
BAD (Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento). 2011. ADB Statis-
tics Pocketbook. http://www.afdb.org/fileadmin/uploads/afdb/Documents/
Publications/ADB_Pocketbook_2010_web.pdf
Africa 21. 2011 “Brasil e Gana firmam acordo de cooperação de US$ 95 mi
para agricultura familiar”. 29 de maio. www.africa21digital.com/noticia.kmf?
cod=11954943&indice=0&canal=402.
Bailis R., M. Ezzati e Daniel M. Kammen. 2005. “Biomass and Fossil Fuel
Energy Futures in Africa”. Journal of Environment and Development 14 (1):
149–174.
CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). 2006.
“Cabo Verde abre primeira universidade pública”. 20 de novembro. www.
capes.gov.br/servicos/sala-de-imprensa/36-noticias/1613
Referências Bibliográficass131
Economist. 2010. “Brazilian Agriculture: The Miracle of the Cerrado”. 28 de
agosto. www.economist.com/node/16886442.
Economist Intelligence Unit. 2010. The Global Power of Brazilian Agribusiness.
Novembro.
EIA (US Energy Information Administration). 2009. “International Energy Sta-
tistics—Biofuels production: Total Biofuel Production 2009”. www.eia.gov/
cfapps/ipdbproject/IEDIndex3.cfm?tid=79&pid=79&aid=1.
Embrapa. n.d. “Notícias do ano: 2010”. www.embrapa.br/imprensa/noticias/
2010.
FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação). 2009.
“Country Rank in the World, by Commodity: Brazil”. Última versão,
FAOSTAT. http://faostat.fao.org/site/339/default.aspx.
Felismino, Rodrigo. 2010. “Grupo Pinesso terá algodão no Sudão”. http://
boletiminternacional.wordpress.com/2010/04/30/grupo-pinesso-tera-
algodao-e-soja-no-sudao/.
AIE (Agência Internacional de Energia). 2004. IEA World Energy Outlook. Paris:
IEA
———. 2011. Clean Energy Progress Report. www.iea.org/index_info.
asp?id=2020.
IPEA. 2010. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio — Relatório Nacional
de Acompanhamento. www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/100408_
relatorioodm.pdf.
Itamaraty. 2011a. “Cooperação bilateral prestada”. http://kitplone.itamaraty.
gov.br/temas/balanco-de-politica-externa-2003-2010/7.1.1-cooperacao-
internacional-cooperacao-bilateral-prestada.
———. 2011b. “Balanço de Política Externa, 2003–2010”. www.itamaraty.gov.
br/temas/balanco-de-politica-externa-2003-2010.
Latorre, Fernando Lopes e Eduardo Pinheiro Henriques. 2008. “Genetic Im-
provement of Eucaliptus for Vegetable Charcoal Production for Siderurgy”.
Arcelor-Mitall, SIF Seminar on Vegetable Charcoal, Belo Horizonte, 22 de
outubro.
Mateos, Simone Biehler. 2011. “Ajuda ao próximo e ao distante”. IPEA Desen-
volvimento 65: 46–47.
MDS. (Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome) 2004, 2010.
“Bolsa Família — 2004 e 2010”. http://aplicacoes.mds.gov.br/sagi/ascom/
index.php?cut=aHR0cDovL2FwbGljYWNvZXMubWRzLmdvdi5ici9zYW
dpL2FzY29tL3NlbmFyYw==&loc=mdsSenarc.
———. 2009. Livreto institucional.
———. 2011. “Sala de Imprensa”. Notícias, 22 de fevereiro. www.mds.gov.br/
saladeimprensa/noticias/missao-do-mds-prepara-acordo-de-cooperacao-
com-o-quenia-na-africa.
MRE (Ministério das Relações Exteriores). 2010. “Diálogo Brasil–África sobre
Segurança Alimentar, Combate à Fome e Desenvolvimento Rural: Adoção de
Documento Final”. 13 de maio. www.itamaraty.gov.br/sala-de-imprensa/
132sPonte sobre o Atlântico
notas-a-imprensa/dialogo-brasil-africa-sobre-seguranca-alimentar-
combate-a-fome-e-desenvolvimento-rural-adocao-de-documento-final.
MME (Ministério das Minas e Energia). 2010. Balanço Energético Nacional.
2010. https://ben.epe.gov.br/downloads/Relatorio_Final_BEN_2010.pdf.
———. 2011. Boletim Mensal dos Combustíveis Renováveis no. 40. www.mme.
gov.br/spg/galerias/arquivos/publicacoes/boletim_mensal_combustiveis_
renovaveis/Boletim_DCR_nx_040_-_abril_de_2011.pdf.
New York Times. 2011. “Biofuels”. 17 de junho. http://topics.nytimes.com/
top/news/business/energy-environment/biofuels/index.html.
OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). 2005.
“Agricultural Policy Reform in Brazil”. OECD Policy Brief, Organisation of
Economic Co-operation and Development, Washington, DC.
Petrobras. 2009. “Produção de petróleo no país aumentou 6,3% em 2009”.
www.petrobras.com.br/pt/noticias/producao-de-petroleo_no-pais-
aumentou-6-3-porcento-em-2009/.
———. 2011a. “We Are the 8th Largest Company in the Forbes Ranking”. 28
de abril. www.petrobras.com.br/en/news/we-are-the-8th-largest-company-
in-the-forbes-ranking/.
———. 2011b. “Petrobras Acquires Exploratory Block in Benin, Africa”. February
22. www.petrobras.com.br/ri/Show.aspx?id_materia=VK72B8khAaV9uG/
olsmuhQ==&id_canal=0VoiG4kRNDYH1xC6JesJnw==&id_canalpai=/
zfwoC+leAQcwFyERVZzwQ==&ln=en.
———. n.d. “Biofuels”. www.petrobras.com.br/en/energy-and-technology/
sources-of-energy/biofuels/
Pinesso. 2010. “Grupo Pinesso inicia colheita no Sudão”. www.pinesso.com.br/
leitura.php?id=197&bloco=8&canal=8.
Portal Brazil. 2010. “Access to University: CNPq”. www.brasil.gov.br/sobre/
education/access-to-university/cnpq/br_model1?set_language=en
Portugal Digital. 2011. “Brasil prepara promoção de biocombustíveis em países
da África Ocidental”. www.portugaldigital.com.br/noticia.kmf?cod=115268
12&indice=0&canal=159.
RTS (Rede de Tecnologia Social). 2008. “Tecnologia agrícola brasileira para a
África”. www.rts.org.br/noticias/destaque-2/tecnologia-agricola-brasileira-
para-a-africa.
Banco Mundial (World Development Report 2008). Agriculture for Develop-
ment. Washington DC: Banco Mundial. http://siteresources.worldbank.org/
INTWDR2008/Resources/WDR_00_book.pdf.
OMC (Organização Mundial do Comércio). 2009. “Merchandise Trade by
Prod uct — Food”. In International Trade Statistics 2009. www.wto.org/
english/res_e/statis_e/its2009_e/its09_merch_trade_product_e.htm.
Capítulo 5
A Tarde. 2008. “Gana usa técnica e empréstimo brasileiros para exportar etanol
para a Suécia”. 5 de março. www.atardeonline.com.br/economia/noticia.
jsf?id=878036.
Referências Bibliográficass133
ABC (Agência Brasileira de Cooperação). 2010. Cooperação brasileira para o
desenvolvimento internacional: 2005-2009 / Instituto de Pesquisa Econômica
Aplicada. Brasília: IPEA.
BAD (Banco Africano de Desenvolvimento). 2011. “Market Brief. The Middle
of the Pyramid: Dynamics of the Middle Class in Africa”. www.afdb.org.
Abril.
Africa 21. 2011. “Brasileira Camargo Corrêa desenvolve obras em Luanda”. 13
de julho. www.africa21digital.com/noticia.kmf?cod=12110843&indice=0&
canal=402.
Barros, Guilherme. 2010. “Participação do BNDES na África deverá dobrar até
o fim do governo Lula”. 5 de março. http://colunistas.ig.com.br/guilher-
mebarros/2010/03/05/participacao-do-bndes-na-africa-devera-dobrar-ate-
o-fim-do-governo-lula/
Carta Capital. 2011. “A Política Sul-Sul é prioridade”. 15 de fevereiro.
da Silva, Luiz Inácio Lula. 2003. Discurso do Presidente Luiz Inácio Lula da
Silva, na sessão de posse (Congresso Nacional), Brasília, Brasil, Janeiro.
www.itamaraty.gov.br/sala-de-imprensa/discursos-artigos-entrevistas-e-
outras-comunicacoes/presidente-da-republica-federativa-do-brasil/
Discurso-do-Senhor-Presidente-da-Republica-Luiz.
Época Negócios. 2008. “Vale compra participação em mineradora de cobre na
África”. 16 de dezembro. http://epocanegocios.globo.com/Revista/Epocane
gocios/0,,EDG855361662822,00VALE+COMPRA+PARTICIPACAO+EM+
MINERADORA+DE+COBRE+NA+AFRICA.html.
Katerere, Fred. 2011. “Vale Will Double Mozambique Investment to $4 Billion,
CEO Says”. Bloomberg, 8 de maio. www.bloomberg.com/news/2011-05-08/
vale-will-double-mozambique-investment-to-4-billion-ceo-says.html.
Lewis, David. 2010. “Vale Says to Invest $15-20 Billion in Africa over 5 Years”.
Reuters Africa, 27 de outubro. http://af.reuters.com/article/topNews/id
AFJOE69Q0HW20101027.
Patriota, Antonio de Aguiar. 2011. Discurso do Ministro Antonio de Aguiar
Patriota ao assumir o cargo. Janeiro. www.itamaraty.gov.br.
PDP (Política de Desenvolvimento Produtivo). 2010. “Programa Integração
com a África: Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de
Ação”. www.pdp.gov.br/Relatorios%20de%20Programas/Africa1_com.pdf.
Petrobras. 2011a. “Petrobras Acquires Exploratory Block in Benin, Africa”. 22 de
fevereiro. www.petrobras.com.br/ri/Show.aspx?id_materia=VK72B8khAa
V9uG/olsmuhQ==&id_canal=0VoiG4kRNDYH1xC6JesJnw==&id_canal
pai=/zfwoC+leAQcwFyERVZzwQ==&ln=en.
Petrobras. 2011b. “Nas águas profundas da Namíbia — estudos geológicos
mapeiam sistema petrolífero da área”. http://www.petrobras.com/pt/paises/
namibia/namibia.htm.
Portugal Digital. 2006. “Portuguesa Zagope, do grupo Andrade Gutierrez,
aposta no Norte de África”. 26 de janeiro. www.portugaldigital.com.br/
noticia.kmf?cod=4176388&canal=213.
Reuters. 2011. “In Africa Brazil Takes a Different Track”. Special Report, Brazil
in Africa, Fevereiro.
134sPonte sobre o Atlântico
Rizzi, K. R., C. Maglia, M. Kanter, and L. Paes. 2011. “O Brasil na África (2003–
2010): Política, Desenvolvimento e Comércio”. Conjuntura Austral 1 (5):
1–21.
UNCTAD (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvi-
mento). 2011. “Global and Regional FDI Trends in 2010”. Global Invest-
ment Trends Monitor 5, janeiro. www.unctad.org/en/docs/webdiaeia20111_
en.pdf.
Verdade. 2011. “Vale do Rio Doce começa oficialmente a explorar carvão
em Moçambique”. www.verdade.co.mz/nacional/19382-vale-do-rio-doce-
comeca-oficialmente-a-explorar-carvao-em-mocambique. 8 de maio.
Capítulo 6
Moses, Alison. 2011. “African Union Study Tour Mission Report”. Banco Mun-
dial, Washington, DC.
Anexos
CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe). 2010. Preli-
minary Overview of the Economies of Latin America and the Caribbean. Nova
York: Organização das Nações Unidas.
Economist. 2010. Figura “African Democracy Ratings”, do “The Democracy
Bug is Fitfully Catching On”, 24 de julho.
Lima, Luciana. 2010. “Lula acirra competição entre Brasil e China pelo mercado
africano”. Blog da Política Externa Brasileira, 7 de julho. http://politicaex-
ternabr.wordpress.com/2010/07/07/lula-acirra-competicao-entre-brasil-e-
china-pelo-mercado-africano/.
Mo Ibrahim Foundation. 2010. 2010 Ibrahim Index of African Governance:
Summary. Londres: Mo Ibrahim Foundation
Banco Mundial. 2011. “IDA16: Delivering Development Results”. 15 de feve-
reiro (alterado em 18 de março de 2011). World Bank, Washington, DC.
http://web.worldbank.org/WBSITE/EXTERNAL/EXTABOUTUS/IDA/0,,
contentMDK:22495227~menuPK:6827445~pagePK:51236175~piPK:
437394~theSitePK:73154,00.html.
WWW. WORLDBANK. ORG | WWW. I PEA. GOV. BR

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd