Você está na página 1de 42

NOÇÕES DE REDAÇÃO

DE DOCUMENTOS
OFICIAIS

A redação oficial técnica

Conceito
Em uma frase, pode-se dizer que redação oficial
é a maneira pela qual o Poder Público redige atos
normativos e comunicações. Interessa-nos tratá-
la do ponto de vista do Poder Executivo.

CARACTERÍSTICAS
A redação oficial deve caracterizar-se pela
impessoalidade, uso do padrão culto de
linguagem, clareza, concisão, formalidade e
uniformidade. Fundamentalmente esses
atributos decorrem da Constituição, que dispõe,
no artigo 37:

“A administração pública direta, indireta ou fundacional, de


qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e
dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (...)”.

Sendo a publicidade e a impessoalidade


princípios fundamentais de toda administração
pública, claro está que devem igualmente nortear
a elaboração dos atos e comunicações oficiais.

Uso do padrão culto da


linguagem:
As comunicações que partem dos órgãos públicos federais
devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão
brasileiro. Para atingir esse objetivo, há que evitar o uso de
uma linguagem restrita a determinados grupos. Não há dúvida
de que um texto marcado por expressões de circulação restrita,
como a gíria, os regionalismos vocabulares ou o jargão
técnico, tem sua compreensão dificultada.

Concisão e Clareza
A concisão é antes uma qualidade do que uma característica do
texto oficial. Conciso é o texto que consegue transmitir um
máximo de informações com um mínimo de palavras. Para que
se redija com essa qualidade, é fundamental que se tenha, além
de conhecimento do assunto sobre o qual se escreve, o
necessário tempo para revisar o texto depois de pronto. A
clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial. Pode-
se definir como claro aquele texto que possibilita imediata
compreensão pelo leitor.

Uniformidade
Esses mesmos princípios (impessoalidade, clareza,
uniformidade, concisão e uso de linguagem formal) aplicam-se
às comunicações oficiais: elas devem sempre permitir uma
única interpretação e ser estritamente impessoais e uniformes,
o que exige o uso de certo nível de linguagem.

Padronização
A redação oficial não é, portanto, necessariamente árida e
infensa à evolução da língua. É que sua finalidade básica –
comunicar com impessoalidade e máxima clareza – impõe
certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira
diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da
correspondência particular, etc.

Formas de tratamento na redação oficial


técnica
A partir do final do século XVI, esse modo de tratamento
indireto já estava em voga também para os ocupantes de certos
cargos públicos. Vossa mercê evoluiu para vosmecê, e depois
para o coloquial você. E o pronome vós, com o tempo, caiu em
desuso. É dessa tradição que provém o atual emprego de
pronomes de tratamento indireto como forma de dirigirmo-nos
às autoridades civis, militares e eclesiásticas.

Vocativos
O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos
Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo
respectivo: (não se usa abreviatura – sempre extensa para esses três abaixo,
outras autoridades podem).

 Excelentíssimo Senhor Presidente da República,


 Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso
Nacional,
 Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo
Tribunal Federal.

As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor,


seguido do cargo respectivo:
 Senhor Senador,
 Senhor Juiz,
 Senhor Ministro,
 Senhor Governador,

No envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas às


autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte
forma:
Formas de Tratamento
Acrescente-se que doutor não é forma de tratamento, e sim
título acadêmico. Evite usá-lo indiscriminadamente. Como
regra geral, empregue-o apenas em comunicações dirigidas a
pessoas que tenham tal grau por terem concluído curso
universitário de doutorado. É costume designar por doutor os
bacharéis, especialmente os bacharéis em Direito e em
Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor confere a
desejada formalidade às comunicações.

Autoridades Universitárias
Cargo ou Abreviatura Abreviatura
Por Extenso Vocativo Endereçamento
Função Singular Plural
Ao Magnífico
Reitor
Vossa V. Mag.asou Magnífico Ou
V. Mag.ª ou
Magnificência V. Magas. Reitor Ao
V. Maga.
Reitores ou Ou Ou Excelentíssimo
V. Exa. ou
Vossa V.Ex.as ou Excelentíssimo Senhor Reitor
V. Ex.ª
Excelência V.Exas. Senhor Reitor Nome
Cargo
Endereço
Ao
Excelentíssimo
as Excelentíssimo Senhor Vice-
Vossa V.Ex.ª, ou V.Ex. ou
Vice-Reitores Senhor Vice- Reitor
Excelência V.Exa. V. Exas.
Reitor Nome
Cargo
Endereço
Assessores
Ao Senhor
Pró-Reitores
Vossa V.S.ª ou V.S.as ou Senhor + Nome
Diretores
Senhoria V.Sa. V.Sas. cargo Cargo
Coord. de
Endereço
Departamento
Autoridades Judiciárias
Por Abreviatura Abreviatura
Cargo ou Função Vocativo Endereçamento
Extenso Singular Plural
Auditores
Curadores
Defensores
Ao
Públicos
Excelentíssimo
Desembargadores Excelentíssimo
Vossa V.Ex.ª ou V. V.Ex.as ou Senhor
Membros de Senhor +
Excelência Exa. V. Exas. Nome
Tribunais cargo
Cargo
Presidentes de
Endereço
Tribunais
Procuradores
Promotores
Ao Meritíssimo
Meritíssimo Senhor Juiz
Meritíssimo Senhor Juiz ou
Juiz M.Juiz ou ou Ao
Juízes de Direito ou V.Ex.ª, V. V.Ex.as Excelentíssimo Excelentíssimo
Vossa Exas. Senhor Juiz Senhor Juiz
Excelência Nome
Cargo
Endereço

Autoridades Militares
Cargo ou Por Abreviatura Abreviatura
Vocativo Endereçamento
Função Extenso Singular Plural
Ao
Oficiais Excelentíssimo
as
Generais Vossa V.Ex.ª ou V. V.Ex. , ou Excelentíssimo Senhor
(até Excelência Exa. V. Exas. Senhor Nome
Coronéis) Cargo
Endereço
Ao Senhor
Outras Vossa V.S.ª ou V. V.S.as ou V. Senhor + Nome
Patentes Senhoria Sa. Sas. patente Cargo
Endereço
Autoridades Eclesiásticas
Cargo ou Abreviatura Abreviatura
Por Extenso Vocativo Endereçamento
Função Singular Plural
A Sua
as
V.Ex.ª V.Ex. Excelência
Vossa
Rev.ma ou Rev.mas ou Excelentíssimo Reverendíssima
Arcebispos Excelência
V. Exa. V. Exas. Reverendíssimo Nome
Reverendíssima
Revma. Revmas. Cargo
Endereço
A Sua
V.Ex.ª V.Ex.as Excelência
Vossa
Rev.ma ou Rev.mas ou Excelentíssimo Reverendíssima
Bispos Excelência
V. Exa. V. Exas. Reverendíssimo Nome
Reverendíssima
Revma. Revmas. Cargo
Endereço
V.Em.ª, V. V.Em.as, V.
A Sua
Vossa Ema. Emas. Eminentíssimo
Eminência
Eminência ou ou ou Reverendíssimo
Reverendíssima
Cardeais Vossa V.Em.ª V.Emas ou
Nome
Eminência Rev.ma, V. Rev.mas ou Eminentíssimo
Cargo
Reverendíssima Ema. V. Emas. Senhor Cardeal
Endereço
Revma. Revmas.
Ao
Reverendíssimo
V. Rev.ma
Vossa V. Rev.mas Reverendíssimo Cônego
Cônegos ou V.
Reverendíssima V. Revmas. Cônego Nome
Revma.
Cargo
Endereço
Ao
Reverendíssimo
V. Rev.ma V. Rev.mas
Vossa Reverendíssimo Frade
Frades ou V. ou V.
Reverendíssima Frade Nome
Revma. Revmas.
Cargo
Endereço

Cargo ou Abreviatura Abreviatura


Por Extenso Vocativo Endereçamento
Função Singular Plural
V.Em.ª, V. V.Em.as, V.
A Sua
Vossa Ema. Emas. Eminentíssimo
Eminência
Eminência ou ou ou Reverendíssimo
Reverendíssima
Cardeais Vossa V.Em.ª V.Emas ou
Nome
Eminência Rev.ma, V. Rev.mas ou Eminentíssimo
Cargo
Reverendíssima Ema. V. Emas. Senhor Cardeal
Endereço
Revma. Revmas.
Ao
ma Reverendíssimo
V. Rev.
Vossa V. Rev.mas Reverendíssimo Cônego
Cônegos ou V.
Reverendíssima V. Revmas. Cônego Nome
Revma.
Cargo
Endereço
Ao
Reverendíssimo
V. Rev.ma V. Rev. mas
Vossa Reverendíssimo Frade
Frades ou V. ou V.
Reverendíssima Frade Nome
Revma. Revmas.
Cargo
Endereço
Cargo ou Abreviatura Abreviatura
Por Extenso Vocativo Endereçamento
Função Singular Plural
A
ma mas Reverendíssima
V. Rev. V. Rev.
Vossa Reverendíssimo Irmã
Freiras ou V. ou V.
Reverendíssima Irmã Nome
Revma. Revmas.
Cargo
Endereço
Ao
Reverendíssimo
V. Rev.ma V. Rev.mas
Vossa Reverendíssimo Monsenhor
Monsenhores ou V. ou V.
Reverendíssima Monsenhor Nome
Revma. Revmas.
Cargo
Endereço
A Sua
Vossa Santíssimo
Papa V.S. - Santidade o
Santidade Padre
Papa
Ao
Reverendíssimo
Padre

V. Rev.ma V. Rev.mas ou
Sacerdotes Vossa Reverendo
ou V. ou V.
em geral Reverendíssima Padre
Revma. Revmas. Ao Reverendo
Padre
Nome
Cargo
Endereço

Autoridades Monárquicas
Cargo ou Por Abreviatura Abreviatura
Vocativo Endereçamento
Função Extenso Singular Plural
A Sua Alteza
Real
Vossa Sereníssimo
Arquiduques V.A. VV. AA. Nome
Alteza + Título
Cargo
Endereço
A Sua Alteza
Real
Vossa Sereníssimo
Duques V.A. VV. AA. Nome
Alteza + Título
Cargo
Endereço
A Sua
Majestade
Vossa
Imperadores V.M. VV. MM. Majestade Nome
Majestade
Cargo
Endereço
A Sua Alteza
Real
Vossa Sereníssimo
Príncipes V.A. VV. AA. Nome
Alteza + Título
Cargo
Endereço
A Sua
Majestade
Vossa
Reis V.M. VV. MM. Majestade Nome
Majestade
Cargo
Endereço
Autoridades Civis

Cargo ou Por Abreviatura Abreviatura


Vocativo Endereçamento
Função Extenso Singular Plural
Chefe da Casa
Civil e da
Casa Militar
Cônsules
Deputados
Embaixadores
Ao
Governadores
Excelentíssimo
Ministros de Vossa Excelentíssimo
V.Ex.ª ou V.Ex.as Senhor
Estado Excelênc Senhor +
V. Exa. ou V. Exas. Nome
Prefeitos ia Cargo
Cargo
Presidentes da
Endereço
República
Secretários de
Estado
Senadores Vice-
Presidentes de
Repúblicas
Demais
Ao Senhor
autoridades não
Vossa V.S.ª ou V.S.as Senhor + Nome
contempladas
Senhoria V. Sa. ou V. Sas. Cargo Cargo
com tratamento
Endereço
específico

Excelência
Recebem tratamento de Excelência:

1) Autoridades eleitas (União: Presidente e vice, Senadores,


Deputados Federais; Estado: Governador e Vice, Deputados Estaduais.
Município: Consenso: Presidente da Câmara – recebe tratamento de Excelência,
Polêmica: Prefeito e Vereadores – mas maioria diz que recebem também
tratamento de excelência)

2) Membros do MP e do Poder Judiciário


(Procuradores da República, Procuradores de justiça, promotores de justiça,
Juizes de Direito, Desembargadores, Ministros do STF e STJ).
3) 1º escalão dos Executivos Estadual e Federal
(Estaduais: Secretários Estaduais; Federal: Ministros de Estados e os
Diplomatas).

4) Altas patentes das três forças armadas (Exército:


Coronel e General; Marinha: Almirante; Aeronáutica: Brigadeiro).

Concordância com os pronomes de tratamento

Vossa: Com quem se fala (Ex: “Vossa Excelência gostaria de vinho?”)


Sua: De quem se fala (Deputado, Sua Excelência, quer o relatório).
* Sempre maiúscula

*Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa


indireta) apresentam certas peculiaridades quanto à
concordância verbal, nominal e pronominal. Embora se
refiram à segunda pessoa gramatical (à pessoa com quem se
fala, ou a quem se dirige a comunicação), levam a
concordância para a terceira pessoa.
*É que o verbo concorda com o substantivo que integra
a locução como seu núcleo sintático:

“Vossa Senhoria nomeará o substituto” (como se fosse você)


“Vossa Excelência conhece o assunto”.

*Da mesma forma, os pronomes possessivos referidos a


pronomes de tratamento são sempre os da terceira pessoa:
“Vossa Senhoria nomeará seu substituto” (e não “Vossa ...
vosso...”).
*Já quanto aos adjetivos referidos a esses pronomes, o
gênero gramatical deve coincidir com o sexo da pessoa a que
se refere, e não com o substantivo que compõe a locução.
Assim, se nosso interlocutor for:

Homem: “Vossa Excelência está atarefado”


“Vossa Senhoria deve estar satisfeito”;

Mulher: “Vossa Excelência está atarefada”


“Vossa Senhoria deve estar satisfeita”.

Fechos
O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalidade
óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário. Os
modelos para fecho que vinham sendo utilizados foram
regulados pela Portaria no 1 do Ministério da Justiça, de 1937,
que estabelecia quinze padrões. Com o fito de simplificá-los e
uniformizá-los, o Manual de Redação da Presidência da
República estabelece o emprego de somente dois fechos
diferentes para todas as modalidades de comunicação oficial.

a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da


República:
* Respeitosamente,

b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia


inferior:
* Atenciosamente,

• Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas a


autoridades estrangeiras, que atendem a rito e tradição próprios,
devidamente disciplinados no Manual de Redação do Ministério das
Relações Exteriores
Identificação do Signatário
Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da
República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o
nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de
sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:

(espaço para assinatura)


NOME
Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República

3- Documentos oficiais

3-1 O Padrão Ofício

Há três tipos de expedientes (documento oficial) que se


diferenciam antes pela finalidade do que pela forma:
* Ofício
* Aviso
*Memorando

Com o fito de uniformizá-los, pode-se adotar uma


diagramação única, que siga o que chamamos de padrão
ofício. As peculiaridades de cada um serão tratadas adiante;
por ora busquemos as suas semelhanças.

AVISO e OFÍCIO são modalidades de comunicação oficiais


praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que:
*Aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado,
para autoridades de mesma hierarquia.

*Ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Pode ser


entre os órgãos ou dos órgãos para particulares.

Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais


pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do
ofício, também com particulares.

Ofício (o que mais cai!!!)


Pergunta Prova:
Qual diferença entre Oficio e Memorando?
Ofício: entre órgãos (de um órgão para outro), no final tem endereço completo do
destinatário.
Memorando: Interno (dentro do órgão), aqui não precisa endereço, pois é interno.

Conceito

Comunicação que as autoridades fazem entre si, entre


subalternos e superiores, e entre a Administração e
particulares, em caráter oficial. É o tipo mais comum de
correspondência oficial. Embora normalmente o conteúdo do
ofício seja matéria administrativa, pode também vincular matéria
de caráter social, relativa ao relacionamento do agente
administrativo em decorrência do seu cargo ou função.

Forma e estrutura
1. Timbre da Instituição.
2. OFÍCIO (caixa alta, por extenso), sigla do órgão expedidor
com sua vinculação hierárquica, numeração (seqüencial
crescente e anual) e data.
3. Assunto: teor da comunicação.
4. Vocativo e função do destinatário.
5. Texto: conteúdo do documento, com parágrafos numerados
na margem esquerda do texto, com exceção do primeiro e do
fecho.

6. Fecho: fórmula de cortesia. A Instrução Normativa nº 4, de


06 de março de 1992, limita a dois os fechos para qualquer
modalidade de comunicação oficial:
Respeitosamente, para autoridades superiores, inclusive o
Presidente da República, e Atenciosamente, para autoridade
da mesma hierarquia ou inferior.

7. Assinatura, nome, cargo ou função do remetente.

8. Pronome de tratamento e designativo do cargo ou função


do destinatário.

*Validade do documento

 Definida pelo conteúdo.

*Publicação

 Não se publica.

Observações

1. Atualmente, costuma-se mencionar o nome do destinatário,


sempre que conhecido.
2. No caso de necessidade de continuidade do texto, será
utilizada uma outra folha para seu prosseguimento.

Sugestão
1. Para facilitar posteriormente o arquivamento, tratar um
assunto em cada ofício.

Partes do documento no Padrão Ofício


O AVISO, o OFÍCIO e o MEMORANDO devem conter as
seguintes partes:

a) tipo e número do expediente, seguido da sigla do órgão:


Exemplos:
Mem. 123/2002-MF Aviso 123/2002-SG Of. 123/2002-MME

b) local e data em que foi assinado, por extenso, com


alinhamento à direita:
Exemplo:
Brasília, 15 de março de 1991.

c) assunto: resumo do teor do documento


Exemplos:
Assunto: Produtividade do órgão em 2002.
Assunto: Necessidade de aquisição de novos computadores.

d) destinatário: o nome e o cargo da pessoa a quem é dirigida


a comunicação. No caso do ofício deve ser incluído também o
endereço.
e) texto: nos casos em que não for de mero encaminhamento
de documentos, o expediente deve conter a seguinte
estrutura:
– introdução, que se confunde com o parágrafo de abertura,
na qual é apresentado o assunto que motiva a comunicação.
Evite o uso das formas: “Tenho a honra de”, “Tenho o prazer
de”, “Cumpre-me informar que”, empregue a forma direta;

– desenvolvimento, no qual o assunto é detalhado; se o texto


contiver mais de uma idéia sobre o assunto, elas devem ser
tratadas em parágrafos distintos, o que confere maior clareza
à exposição;

– conclusão, em que é reafirmada ou simplesmente


reapresentada a posição recomendada sobre o assunto.

Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos


casos em que estes estejam organizados em itens ou títulos e
subtítulos.

Já quando se tratar de mero encaminhamento de documentos


a estrutura é a seguinte:
– introdução: deve iniciar com referência ao expediente que
solicitou o encaminhamento. Se a remessa do documento não
tiver sido solicitada, deve iniciar com a informação do motivo
da comunicação, que é encaminhar, indicando a seguir os
dados completos do documento encaminhado (tipo, data,
origem ou signatário, e assunto de que trata), e a razão pela
qual está sendo encaminhado, segundo a seguinte fórmula:

“Em resposta ao Aviso nº 12, de 1º de fevereiro de 1991,


encaminho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 1990,
do Departamento Geral de Administração, que trata da
requisição do servidor Fulano de Tal.”
ou
“Encaminho, para exame e pronunciamento, a anexa cópia do
telegrama no 12, de 1o de fevereiro de 1991, do Presidente da
Confederação Nacional de Agricultura, a respeito de projeto
de modernização de técnicas agrícolas na região Nordeste.”

– desenvolvimento: se o autor da comunicação desejar fazer


algum comentário a respeito do documento que encaminha,
poderá acrescentar parágrafos de desenvolvimento; em caso
contrário, não há parágrafos de desenvolvimento em aviso ou
ofício de mero encaminhamento.
f) fecho (v. 2.2. Fechos para Comunicações);
g) assinatura do autor da comunicação; e
h) identificação do signatário (v. 2.3. Identificação do
Signatário).

Forma de diagramação
Os documentos do Padrão Ofício devem obedecer à seguinte
forma de apresentação:
a) deve ser utilizada fonte do tipo Times New Roman de corpo
12 no texto em geral, 11 nas citações, e 10 nas notas de
rodapé;
b) para símbolos não existentes na fonte Times New Roman
podem-se utilizar as fontes Symbol e Wingdings;
c) é obrigatório constar a partir da segunda página o número
da página;
Aviso e Ofício
Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as
seguintes informações do remetente:

– nome do órgão ou setor;


– endereço postal;
– telefone e endereço de correio eletrônico.
Modelo
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
REITORIA
COORDENADORIA DE ASSUNTOS
INTERNACIONAIS

OFÍCIO (sigla do órgão expedidor) nº (Local ,data)


Vocativo,

Texto (parágrafos numerados, a partir do segundo)

2.
3.
Atenciosamente ou Respeitosamente,
______________________________________
(Assinatura ,cargo ou função do remetente)

Nome do destinatário
Cargo ou função do destinatário
Endereço completo
Exemplo
Ofício
UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Ofício NDC /PROAC nº 12


Assunto: Visita técnica Niterói, 13 de abril de 1999.
Senhor Diretor

Vimos através deste ofício agradecer a V.Sa. pela atenção dispensada


pela equipe da BIREME aos representantes deste Núcleo, quanto da
visita técnica no dia 07 de abril próximo passado, durante a qual foram
recebidos pela Coordenadora de Serviços Cooperativos.
2 . Esperamos nesta nova Direção do Núcleo de Documentação da
UFF, intensificar as relações de cooperação mútua com a BIREME.
3 . Aproveitamos para parabenizá-lo pela posse, no próximo dia 21
de abril, no cargo de Diretor do Centro Latino Americano e do Caribe da
Saúde - BIREME, e desejamos pleno êxito de seus objetivos.
Atenciosamente,
_______________________________
(nome por extenso)
Diretora do NDC

Ao Sr. (nome do destinatário)


Diretor do BIREME/OPAS/OMS
Rua Botucatu, 862 - São Paulo/SP - CEP: 040023-901

Exemplo de Ofício
[Ministério]
[Secretaria/Departamento/Setor/Entidade]
5 cm [Endereço para correspondência].

[Endereço - continuação]
[Telefone e Endereço de Correio Eletrônico]

Ofício no 524/1991/SG-PR
Brasília, 27 de maio de 1991.

A Sua Excelência o Senhor


Deputado [Nome]
Câmara dos Deputados
70.160-900 – Brasília – DF

Assunto: Demarcação de terras indígenas

Senhor Deputado,

2,5 cm
1. Em complemento às observações transmitidas pelo telegrama no 154, de 24
de abril último, informo Vossa Excelência de que as medidas mencionadas
em sua carta no 6708, dirigida ao Senhor Presidente da República, estão
amparadas pelo procedimento administrativo de demarcação de terras
indígenas instituído pelo Decreto no 22, de 4 de fevereiro de 1991 (cópia
anexa).

2. Em sua comunicação, Vossa Excelência ressalva a necessidade de


que – na definição e demarcação das terras indígenas – fossem levadas em
consideração as características sócio-econômicas regionais.

3. Nos termos do Decreto no 22, a demarcação de terras indígenas deverá


ser precedida de estudos e levantamentos técnicos que atendam ao
disposto no art. 231, § 1o, da Constituição Federal. Os estudos deverão
incluir os aspectos etno-históricos, sociológicos, cartográficos e
fundiários. O exame deste último aspecto deverá ser feito
conjuntamente com o órgão federal ou estadual competente.

4. Os órgãos públicos federais, estaduais e municipais deverão encaminhar as


informações que julgarem pertinentes sobre a área em estudo. É
igualmente assegurada a manifestação de entidades representativas da
sociedade civil.
5.Os estudos técnicos elaborados pelo órgão federal de proteção ao índio serão
publicados juntamente com as informações recebidas dos órgãos públicos e das
entidades civis acima mencionadas.
1,5 cm

3 cm

(297 x 210mm)

3,5 cm

6. Como Vossa Excelência pode verificar, o procedimento estabelecido assegura


que a decisão a ser baixada pelo Ministro de Estado da Justiça sobre os limites e a demarcação
de terras indígenas seja informada de todos os elementos necessários, inclusive daqueles
assinalados em sua carta, com a necessária transparência e agilidade.

Atenciosamente,

[Nome]
[cargo]

Memorando
Pergunta Prova:
Qual diferença entre Oficio e Memorando?
Ofício: entre órgãos (de um órgão para outro), no final tem endereço completo do
destinatário.
Memorando: Interno (dentro do órgão), aqui não precisa endereço pois é interno.

Conceito
Comunicação interna utilizada pelas chefias ou servidores
autorizados, na qual se expõe qualquer assunto referente à
atividade administrativa. Pelas suas características de certa
informalidade, o memorando deve ser elaborado com
simplicidade e concisão.
Forma e estrutura

1. MEMORANDO (caixa alta, por extenso), seguido de


numeração (seqüencial crescente e anual ).
2. Emissor: sigla do setor emitente e respectivas vinculações
hierárquicas, precedidas por barras, precedido de Do/Da .
3. Data: deverá figurar na mesma linha do número e
identificação.
4. Destinatário: menciona-se o cargo ocupado, precedido de
À/Ao.

5. Assunto: teor da comunicação. (aceita ementa)


6. Texto: conteúdo do documento, com parágrafos numerados
na margem esquerda do texto, com exceção do primeiro e o
fecho.
7. Fecho: fórmula de cortesia. Respeitosamente, para
autoridades superiores e Atenciosamente, para autoridades de
mesma hierarquia ou hierarquia inferior.
8. Nome e cargo do emitente: assinatura do servidor que
emitiu o memorando, sobreposta a seu nome, o cargo e
função , apostos a carimbo.

Validade do documento
 Definida pelo conteúdo.

Publicação
 Não se publica.

Observações
1. O memorando deverá ser emitido em 02 (duas) vias, que
serão encaminhadas ao setor de destino, o qual reterá o
original e devolverá a cópia ao emitente, para seu arquivo,
fazendo as observações relativas ao recebimento, na cópia.
2. A assinatura não poderá ficar em página isolada.
3. Visto do chefe imediato/superior.
4. Não incluir despacho ou informação no verso do
documento.

5. Evitar o uso de rubrica; quando ocorrer, apor carimbo para


dar conhecimento de quem emitiu o documento.
6. Consultar sempre que necessário, a listagem: Organização
Hierárquica dos Órgãos da Instituição, para a correta
utilização das siglas dos órgãos.
7. No texto do memorando poderá se empregada, a 1ª pessoa
do singular ou a 1ª pessoa do plural.

Definição e Finalidade

O memorando é a modalidade de comunicação entre unidades


administrativas de um mesmo órgão, que podem estar
hierarquicamente em mesmo nível ou em níveis diferentes.
Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação
eminentemente interna.
Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser empregado
para a exposição de projetos, idéias, diretrizes, etc. a serem
adotados por determinado setor do serviço público.

Sua característica principal é a agilidade. A tramitação do


memorando em qualquer órgão deve pautar-se pela rapidez e
pela simplicidade de procedimentos burocráticos. Para evitar
desnecessário aumento do número de comunicações, os
despachos ao memorando devem ser dados no próprio
documento e, no caso de falta de espaço, em folha de
continuação. Esse procedimento permite formar uma espécie
de processo simplificado, assegurando maior transparência à
tomada de decisões, e permitindo que se historie o andamento
da matéria tratada no memorando.
Forma e Estrutura

Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo do padrão


ofício, com a diferença de que o seu destinatário deve ser
mencionado pelo cargo que ocupa.

Exemplos:
Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração Ao Sr.
Subchefe para Assuntos Jurídicos
Modelo (01)
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
REITORIA
COORDENADORIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

MEMORANDO (sigla do órgão) n.º Em,


À /Ao:
Assunto:

Atenciosamente ou Respeitosamente,
______________________________
(Assinatura e carimbo do servidor)
Modelo (02)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ


REITORIA
COORDENADORIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

MEMORANDO (sigla do órgão) n.º Em,


À /Ao:
Assunto:

Atenciosamente ou Respeitosamente,
______________________________
(Assinatura e carimbo do servidor)

Encaminhado pela CAI ____/____ de ___/____/______

EXEMPLO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

MEMORANDO PROEX nº 019/99 Em, 04 de fevereiro de 1999.


À /Ao: AC/NDC
Assunto: Bolsas de Extensão

Em atendimento a solicitação feita por V.Sª, informamos que o prazo para o envio de Projetos de
Extensão a serem executados no período de abril a dezembro, será até o dia 26 de fevereiro.
Quanto à avaliação da solicitação de Bolsa de Extensão, é feita por uma Comissão de Avaliação que
utiliza critérios de pontuação pautados nos Indicadores Institucionais.

Atenciosamente,
_____________________
(Assinatura-carimbo)
Exemplo de Memorando

5 cm

Mem. 118/DJ
Em 12 de abril de 1991

Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração

Assunto: Administração. Instalação de microcomputadores

1. Nos termos do Plano Geral de informatização, solicito a Vossa Senhoria verificar a


possibilidade de que sejam instalados três microcomputadores neste Departamento.

2 Sem descer a maiores detalhes técnicos, acrescento, apenas, que o ideal seria que o
equipamento fosse dotado de disco rígido e de monitor padrão EGA. Quanto a programas, haveria
necessidade de dois tipos: um processador de textos, e outro gerenciador de banco de dados.

3.O treinamento de pessoal para operação dos micros poderia ficar a cargo da Seção de
Treinamento do Departamento de Modernização, cuja chefia já manifestou seu acordo a respeito.

4.Devo mencionar, por fim, que a informatização dos trabalhos deste Departamento ensejará
racional distribuição de tarefas entre os servidores e, sobretudo, uma melhoria na qualidade dos
serviços prestados.

Atenciosamente,

[nome do signatário]
[cargo do signatário]

3 cm
1,5 cm

(297 x 210mm)
CERTIDÃO
Conceito
Documento fornecido pela administração ao interessado,
afirmando a existência de ato ou assentamentos constantes
de processo, livro ou documentos que se encontrem nas
repartições públicas. Pode ser de inteiro teor – transcrição
integral, também chamada traslado ou resumida, desde que
exprima fielmente o conteúdo do original. A certidão
autenticada tem o mesmo valor probatório do original, como
documento público, e seu fornecimento gratuito por parte da
administração pública que a expediu; conforme artigo 5º,
XXXIV b da Constituição da República Federativa do Brasil –
1998.

Forma e estrutura
1. Timbre da Instituição.

2. CERTIDÃO (caixa alta, por extenso) e centralizada sobre o


texto.

3. Preâmbulo: alusão ao fato que determinou a expedição do


documento e menção, quando for o caso, do documento ou
livro do qual a certidão está sendo extraída.

4. Texto: transcrição do documento original ou descrição do


que foi encontrado. Deve ser escrito seguidamente, sem
parágrafos, alíneas, sem rasuras ou emendas.

5. Fecho: termo de encerramento, identificação funcional e


assinatura dos funcionários que intervieram no ato (quem
lavrou e quem conferiu).
6. Local e data da expedição do documento.

7. Visto da autoridade que autorizou a lavratura da certidão.

Validade do documento

 Permanente para o requerente.

Publicação

 Não se publica.
Modelo
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
REITORIA
COORDENADORIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

C E R T I D Ã O:

Certifico, em atendimento ao requerido através do processo...........................,no


qual..........................................(nome do requerente) solicita certidão de........................... para fins de
................................................................... .
CERTIFICO que, de acordo com........................................................................... .
Para constar, eu ..................................................................................(nome/cargo) passei a presente certidão,
que é datada e assinada pelo ...........................................(nome/cargo do
superior) e visada pelo ............................................................(nome/cargo da autoridade administrativa
responsável).
..................................., ...... de ...... de ............

Visto:

.........................(nome) ....................... (nome)


.........................(cargo) ......................... (cargo)
Conceituações, Procedimentos e
Modelos para atos Administrativos.
APOSTILA

Conceito

Apostilar é o mesmo que notar à margem, emendar,


corrigir. É a complementação de um ato.
Apostila é o aditamento a um ato administrativo anterior, para
fins de retificação ou atualização.
Trata-se de um ato aditivo, confirmatório de alterações
de honras, direitos, regalias ou vantagens, exarado em
documento oficial, com finalidade de atualizá-lo. A apostila
tem por objetivo a correção de dados constantes em atos
administrativos ou o registro de alterações na vida funcional
de um servidor, tais como promoções, lotação em outro setor,
majoração de vencimentos, aposentadoria, reversão à
atividade, dentre outros.

Geralmente, a apostila é feita no verso do documento a


que se referir. Pode, no entanto, caso não haja mais espaço
para o registro de novas alterações, ser feita em folha
separada (com timbre oficial), que será anexada ao documento
principal. É lavrada como termo e publicada em órgão oficial.

Partes

a)Título: denominação do documento (apostila) ;

b)Texto: desenvolvimento do assunto ;


c) Data: às vezes precedida da sigla do órgão;

d) Assinatura: nome e cargo ou função da autoridade.

APOSTILA
A Diretoria do .............., no uso de suas atribuições, tendo em vista o que consta
do Processo n.º ..................., que a designação de .................., da Secretaria de ................, a NOME DO
FUNCIONÁRIO, é para o período de .... de ........ a ....... de ....... de ........, e não como constou na referida
Portaria.
SIGLA, em .... de .......... de .........
Nome,
Cargo do signatário.

ATA (o que mais cai!!!!)

Conceito

É o registro resumido e claro, exato e metódico de fatos,


ocorrências, resoluções e decisões de assembléias numa
sessão de corpo deliberativo ou consultivo, conselhos,
congregações, ou outras entidades semelhantes, de pessoas
reunidas para determinado fim.
Publica-se, em certos casos, por edital.

Elaboração

A Ata é documento que tem valor jurídico. Por essa razão deve
ser lavrada de tal maneira que não possam introduzir
modificações posteriores. Geralmente é lançada em livro
próprio, devidamente autenticado, cujas páginas são
rubricadas por quem redigiu os termos de abertura e de
encerramento, o que lhe dá cunho oficial. Há os que
substituem os livros por folhas soltas, sistema que, embora
ofereça algumas vantagens de caráter prático, tem, por outro
lado, sérios inconvenientes, tais como a facilidade de extravio,
de acréscimos ou de modificações posteriores, com objetivos
fraudulentos.

Para se evitarem fraudes, é possível fazer o registro das


atas no Cartório de Títulos e Documentos. Na Ata não se
fazem parágrafos ou alíneas: escreve-se tudo seguidamente,
para evitar que, nos espaços em branco, se façam acréscimos.
Existem, no entanto, tipos de atas que, por se referirem a atos
rotineiros e de procedimento padronizado, são lançadas em
formulários com claros a serem preenchidos. Mesmo nesse
tipo de ata é conveniente, com a finalidade de prevenir
qualquer fraude, preencher os eventuais espaços em branco
com ponto ou outros sinais convencionais.
A ata de uma reunião será lida e aprovada na reunião seguinte.

Na ata não se admitem rasuras.


Para ressalvar erro constatado durante a redação, usa-se a
palavra digo, depois da qual se repete a palavra ou expressão
anterior ao mesmo erro;

Data sempre por extenso:


Aos dezesseis dias do mês de agosto, digo, do mês de setembro
de mil novecentos e setenta e quatro, reuniu-se o……´´

Quando se constata erro ou omissões após a redação, usa-se a


expressão `em tempo´´, que é colocada após o escrito , seguindo-
se a emenda ou o acréscimo.

Ex.: “Em tempo: na linha onde se lê “abono”, leia-se


“abandono”.
Em caso de contestações ou emendas ao texto
apresentado, a ata só poderá ser assinada depois de aprovadas as
correções. Como a ata deve ser um registro fiel dos fatos ocorridos
em determinada reunião, sua linguagem deve ser simples e
despretensiosa, clara, precisa ou concisa, não se prestando, por
isso mesmo, para a demonstração ou extravasamento de
prováveis ou supostos dotes literários do redator. Assinam a ata,
geralmente, todas as pessoas presentes na reunião, mas pode
também ser assinada somente pelo presidente e pelo secretário.

Uma ata geralmente compõe-se de:

a) Dia, mês, ano e hora (por extenso) e natureza da reunião.


b) Local da reunião.
c) Pessoas presentes, devidamente qualificadas
(conselheiros, professores, delegados, etc.), nome e
sobrenome das pessoas participantes e ausentes,
consignando suas justificativas.
d) Presidente e secretário dos trabalhos.
e) Ordem do dia (discussões, votações, deliberações, etc.).
f) Fecho, quase inalterável: nada mais havendo a tratar, o
senhor Presidente declarou encerrada a sessão, de que eu,
Pafúncio Fagundes, Secretário, lavrei a presente ata, a qual
assino com o senhor presidente. (Pode-se usar 1º pessoa na ata – eu)
g) Leitura da correspondência recebida e emitida.
h) Os números fundamentais são grafados, de preferência por
extenso,….sendo quinze votos em branco.Registro resumido e
com clareza de fatos ou ocorrências e resoluções numa
sessão do corpo deliberativo ou consultivo.Resumo oficial do
ocorrido numa reunião de pessoas para determinado fim.
Publica-se, em certos casos, por edital.
ATESTADO

Conceito

É o documento do qual se afirma a verdade de um fato,


situação ou existência, de obrigação não necessariamente
constante em livros, papéis ou documentos. Destina-se,
basicamente, à comprovação de fatos ou situações
transitórias, passíveis de modificações freqüentes. Ato
administrativo enunciativo, o atestado é, em síntese afirmação
oficial de fatos.

Tem-se, por exemplo, atestado ou certidão de idade, de


sanidade mental, de óbito (hospital), de boa conduta, de bons
antecedentes, de vida de residência, de idoneidade moral, de
vacina. Quando os fatos ou situações constam em arquivos da
administração, utiliza-se a certidão para comprovar sua
existência. Enquanto o atestado declara, a certidão é a
transcrição de algo já existente.

O atestado compõe-se de:

a) Logomarca/Timbre do Órgão ou empresa que fornece o


atestado.
b) Título: denominação do ato (atestado).
c) Texto: Em certos tipos de atestado que impliquem em maior
responsabilidade, deverá conter nome completo, naturalidade,
estado civil e domicílio. São perfeitamente dispensáveis, no
texto do atesto, expressões como “nada sabendo em
desabono de sua conduta” , “é pessoa do meu conhecimento”
, etc. , já que só pode atestar quem conhece a pessoa e
acredita na inexistência de algo que a desabone.
d) Local data (dia, mês e ano).
e) Assinatura: nome e função da autoridade que atesta.

MODELOS E ATESTADOS TÉCNICOS


Serão fornecidos aos interessados, pela sua área competente,
devido à diversidade de assuntos tratados. A solicitação
poderá ser feita por qualquer pessoa interessada, e será
fornecido pelos responsáveis de cada Unidade Administrativa.
MODELO
ATESTADO
Atestamos, que o Sr (Nome), brasileiro, casado, residente na
Rua:........................................., n.º ............, nesta cidade, portador do R.G. n.º........................-
PR, foi funcionário do Departamento de Estradas de Rodagem – DER/PR, no período de ...... de
................. de ........ a ........... de ................ de .............., exercendo o cargo de .............. .
Curitiba, .... de ................ de ......... .

Nome,
Cargo do Signatário.

Av. Iguaçu, 420 – Rebouças


80230-902 – Curitiba–Paraná–Brasil
Fone 41 304 8000 Fax 41 304 8130
e-mail: derpr@pr.gov.br
www.pr.gov.br/transportes

CIRCULAR

Conceito

É toda comunicação reproduzida em vias, cópias, ou


exemplares de igual teor emanadas de autoridade competente
e expedida aos chefes de serviço dos diversos setores.
Especificamente, como documento, é correspondência
multidirecional endereçada simultaneamente a diversos
destinatários, para divulgar avisos, ordens e instruções,
matéria de interesse geral, recomendações, informações e
esclarecimentos sobre atos e fatos administrativos.
A circular não pode complementar ou modificar atos oficiais.

É de competência dos Diretores (quem emite são os diretores)

Constam de uma circular:


a) Logomarca/Timbre do governo e do órgão: conforme
especificações. b) Título e número: a três linhas abaixo da
logomarca / timbre, escreve-se a palavra circular, geralmente
centro da linha com todas as letras maiúsculas, seguida do
número que lhe couber e data (dia, mês, ano), etc.
c) Ementa: resumo do assunto da circular. (É facultativa)
d) Texto: desenvolvimento do assunto tratado. Será numerado,
quando extenso, a partir do segundo parágrafo, que receberá
o número 2, em algarismos arábicos.

Constam de uma circular:


e) Assinatura: nome e cargo da autoridade competente
(somente as letras iniciais maiúsculas).f) Anexo:à esquerda e
a duas linhas abaixo da assinatura, com a indicação desses
documentos,concordando em gênero e número com o
substantivo a que se refere. Ex. Anexa: cópia do decreto-lei n.º
…./…..
g) Nome do órgão e endereço: no rodapé da folha à esquerda.
Uma circular não contém vocativo ou fecho, pois isso
caracteriza Ofício-circular.

CIRCULAR Nº...., (vírgula) DE ...(data por extenso dd/mm/aaaa)


.....
CIRCULAR
Especificações
(Sem Vocativo)
............................................................................
..................................................................
2. (numera-se a partir do segundo parágrafo, se
houver, com algarismos
arábicos).....................................................................
..........................................................................

3..................................................................................
..........................................................
ORDEM E SERVIÇO

Conceito
Nome..........., (vírgula) centralizado
Cargo. (ponto)

É a fórmula com que as chefias transmitem aos respectivos


subordinados a maneira de ser conduzido determinado
serviço, no que diz respeito aos aspectos administrativos e
técnicos. É ato de chefia, sobre assunto de sua confiança;
versa sobre trabalho e não sobre o destino de pessoas. A
ordem de serviço encerra providências tomadas ou a serem
tomadas pelo Diretor-Geral ou outro Diretor (quando em
caráter restrito de sua área), no sentido de orientar a execução
de serviços ou desempenho de encargos.

É também recurso de que se vale o administrador quando


deseja que alguém substitua outrem tão somente nos
encargos, nas tarefas, sem direito a qualquer remuneração
extra, o que lhe seria assegurado se a ordem fosse dada em
Portaria. Trata-se de documento com estrutura variável, às
vezes semelhante à da Portaria, com numeração própria e
destina-se a diversas Unidades Administrativas em locais ou
localidades diferentes.

A Ordem de Serviço compreende:

a) Logomarca ou timbre
b) Título: identificação do ato, sigla da Unidade Administrativa,
ano. A data é colocada após o texto, antes da assinatura da
autoridade.
c) Texto: desenvolvimento do assunto. Pode conter vários
parágrafos, podendo ser numerados por algarismos arábicos
e desdobráveis, se necessário, em alíneas. Não se numera o
primeiro parágrafo.
d) Assinatura: nome da autoridade e indicação do cargo que
ocupa ou função que exerce.

Competência de elaboração: Exclusiva dos Diretores.

OBS.: Quando a determinação for por um período previamente


estabelecido deverá ser utilizado o Ofício-Circular e não a Ordem
de Serviço.

ORDEM DE SERVIÇO N.º..../(Sigla Diretoria) -..(Ano)..

ORDEM DE SERVIÇO
especificações

O DIRETOR ..............DO DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE


2.(numera-se
RODAGEMaDO partir do segundo parágrafo com
PARANÁ,
no uso de
algarismos suas atribuições
arábicos) ...... que lhe são conferidas pelo Artigo
...................., do Decreto Estadual n.º
................................., de ..... de .......................... de 20....., (vírgula)
RESOLVE (ou) DETERMINA (ou) DESIGNA (alinhado à esquerda,
selecionando-se o
termo adequado)
............................................................................................................
..............
Cumpra-se (ou) Centralizado, selecionando-se.
Divulgue-se. (ponto) o termo adequado

Curitiba, ........ de ....................... de 20.... (centralizado)

..........Nome..........., (vírgula)
Cargo. (ponto)

PORTARIA

Conceito

Tem poder e função de lei praticamente.


São atos administrativos internos, pelos quais o Diretor-Geral
de Órgãos, repartições ou serviços, expede determinações
gerais a seus subordinados, dando instruções sobre a
execução de leis e de serviços, constituindo comissões,
delegando poderes, aplicando medidas de ordem disciplinar,
comissionamentos, administração de extranumerários,
concessão de licença, adições ou designam servidores para
funções e cargos secundários. Por portaria também se iniciam
sindicâncias e processos administrativos. Em tais casos, a
portaria tem função assemelhada à da denúncia no processo
penal.

As portarias são elaboradas em três vias, sendo que a original


depois de assinada pelo Diretor-Geral é arquivada em pasta
própria; as novas cópias tramitam pela Unidade de RH para servir
aos fins específicos. Deve-se escrever o n.°do documento no
extremo superior direito da folha onde poderá ter melhor
visualização, de modo que não fique prejudicado quando de seu
arquivamento. Para ter sua validade certificada, a Portaria deve
ser publicada em Diário Oficial.

Nos casos de Portaria designando Comissão de Sindicância,


Processo Administrativo, e outros assuntos similares, a vigência do
ato não deve ser especificada no documento, pois podem ocorrer
atrasos no início dos trabalhos invalidando a data ali determinada.
A nomeação, dessa forma, entra em vigor a partir da data de sua
publicação.

Ex. 1. Portaria de nomeação para exercer cargo de Chefia……, a


partir de 01/04/2003.

2.Portaria de Comissão de Recebimento de Material ……, a


partir da data de sua publicação.

Conforme o assunto, a Portaria comporta fechos tais como:

a) Registre-se e Publique-se
Diretor Geral
b) Cumpra-se
c) Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação,
revogadas as disposições em contrário.

São partes da portaria:


a) Logomarca ou Timbre
b) Título, número: Ex.: Portaria n.°…….
c) Fundamentação: citação da legislação básica em que a
autoridade apóia a sua decisão, seguida da palavra RESOLVE.
Às vezes, a citação de dispositivos legais é substituída pela
expressão “no uso de suas atribuições” ou similar. Em certas
portarias, aparece, entre a fundamentação e a palavra
RESOLVE, os considerandos, que se destinam a justificar a
decisão tomada.

São partes da portaria:


d) Texto: desenvolvimento do assunto. Há Portarias mais
extensas, cujo texto é dividido em vários artigos ou
parágrafos, devidamente numerados e subdivididos, quando
necessário, em itens e alíneas.
e) Local e data.
f) Assinatura: nome da autoridade que expede o ato, sem
indicação do cargo, pois esse já aparece em destaque no
título. Todavia, em caso de assinatura por substituto, essa
situação deverá ser indicada.

(MODELO)

PORTARIA N° ........ -.........

O Diretor-Geral do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná , no


uso de suas atribuições legais, RESOLVE:

Designar Nome / Cargo Base legal Histórico A partir de:

Curitiba, .... de ................. de ........... .


Nome
Cargo

Av. Iguaçu, 420 – Rebouças


80230-902 – Curitiba–Paraná–Brasil
Fone 41 304 8000 Fax 41 304 8130
e-mail: derpr@pr.gov.br RESUMÃO
www.pr.gov.br/transportes
CIRCULAR – reproduzida em vários exemplares para ser
transmitida a várias pessoas de uma empresa.

AVISO e OFÍCIO são modalidades de comunicação oficiais


praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que:

*Aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado,


para autoridades de mesma hierarquia.

*Ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Pode


ser entre os órgãos ou dos órgãos para particulares.

OFÍCIO: Comunicação de um órgão para outro ou entre


órgãos e particulares.

MEMORANDO: modalidade de comunicação entre unidades


administrativas de um mesmo órgão, comunicação interna.
Pergunta de Prova:
Qual a diferença entre Ofício e Memorando?
Ofício: entre órgãos (de um órgão para outro), no final tem endereço completo do
destinatário.
Memorando: Interno (dentro do órgão), aqui não precisa de endereço, pois é interno.

CERTIDÃO: Prova de fato permanente, expedido somente


por repartições públicas.

ATESTADO: Refere-se a um fato transitório, expedido por


repartições públicas.

APOSTILA: utilizada para retificar ou atualizar um ato


administrativo. Pode ser feita a retificação no verso ou folha
separada.
PORTARIA: São atos administrativos internos pelos quais o
Diretor-Geral de órgãos expede determinações gerais aos
seus subordinados. Para ter validade certificada, a portaria
deve ser publicada em Diário Oficial.
Prova: ato por meio do qual uma autoridade estabelece normas administrativas,
baixa instruções ou define situações funcionais.

Ex: Portaria de nomeação para exercer cargo de chefia a partir de 14/12/2008

ATA:
 Tem valor jurídico
 Tempo verbal passado
 Os números devem ser escritos por extenso
 Não é permitida abreviações
 Geralmente lançado em livro próprio e folhas rubricadas
 Sem parágrafos ou alíneas escreve-se tudo
seguidamente, sem espaços em branco (de maneira
que não se possa fazer acréscimos)
 A ata será lida e aprovada em reunião seguinte
 Não se admite rasuras (para ressalvar usa-se a
expressão “digo” e corrige-se em seguida, ou se o erro
for após toda a redação, ao final usa-se a expressão
“em tempo” e corrigi-se)
 Pode-se usar a 1º pessoa (eu)