P. 1
Radiologia industrial - Cópia

Radiologia industrial - Cópia

|Views: 1.037|Likes:

More info:

Published by: Maxwell Ribeiro Santos on Jun 18, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/04/2013

pdf

text

original

Centro Técnico Apogeu Técnico em Radiologia Médica

RADIOLOGIA INDUSTRIAL

DISCIPLINA:

DISCENTE: MAXWELL R. SANTOS, THIAGO LIRA, ANA PAULA, KÉSIA. DOCENTE: DAIANI FRANÇA SAMPAIO

CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM, 10.06.12.

SUMÁRIO
1. Introdução.................................................pagina 2. A História da Radiologia Industrial 3. O que é Radiologia industrial 4. Mercado de trabalho 5. Fontes de radiações ionizantes 6. Proteções radiológicas 7. Justificação da prática 8. Otimização da proteção radiológica 9. Limitação de doses individuais 10. Exposições ocupacionais 11. Métodos de redução de exposição às radiações 12. Tempo, blindagem e distância. 13. Scanner de fronteira em teste 14. Primeiros Socorros 15. É importante aplicar primeiros socorros? 16. O que se deve fazer?

INTRODUÇÃO

2. A História da Radiologia Industrial

A introdução dos Ensaios não Destrutivos na radiologia indústrial Wilhelm Conrad Roentgen fez a sua significativa descoberta dos Raios-X em uma sexta-feira, oito de novembro de 1895, em seu laboratório na Universidade de Wurzburg, na Alemanha. Ampla matéria publicada na Evaluation, revista da ASNT, a associação americana de END, em 1995, diz ainda que no ano seguinte os jornais de todo o mundo publicaram notícias desses novos raios e sua habilidade de passar através da carne e outros materiais. As notícias foram motivadoras e causaram grande repercussão da tecnologia no meio médico, embora Roentgen e outros pesquisadores anteriores tenham mostrado imagens de “coisas” nos Raios-X, como espingarda e bússola. Isso aconteceu muito tempo antes do uso não médico dos Raios-X tornarem-se importante. Radiografia tirada por Roentgen de seu rifle de caça. Observe que há um pequeno defeito no cano. Com essa foto, Roentgen antecipou o uso industrial dos raios-x como controle de qualidade de peças. Documentos históricos mostram que o uso dos Raios-X na indústria iniciou-se na Primeira Guerra Mundial, relacionado os armamentos. Existem registros de inspeções realizadas na Alemanha na década de 1920. Apesar desses esforços iniciais, o uso dos Raios-X em END não se tornou importante comercialmente até o período da Segunda Guerra Mundial. Isso é verdadeiro, apesar de muitas investigações bem realizadas para demonstrar a sua utilização para o exame de materiais. Nos EUA, técnicos em END citam o trabalho inicial de Horace Lester, no Arsenal Watertown, como o precursor do nosso uso atual dos Raios-X em END (Lester, 1922, 1923). O trabalho de Lester foi significativo porque demonstrou claramente que os Raios-X podiam ser usados para localizar falhas internas em fundidos, soldas e outras formas metálicas e que estas falhas poderiam conduzir a uma quebra prematura. As contribuições de Lester foram também importantes por causa da sua posição preeminente no campo metalúrgico (Wenk, 1969).

3. O que é Radiologia industrial
É a profissão que opera equipamentos de diagnóstico por imagem, as famosas radiografias, industrial e de engenharia. Na Engenharia, o radiologista usa os aparelhos para encontrar estruturas metálicas e tubulações escondidas pelo concreto. Outra hipótese é analisar a fuselagem de aviões para encontrar e corrigir defeitos em sua construção. Em indústrias farmacêuticas e alimentícias este profissional opera fontes radioativas para esterilizar remédios e alimentos. Ele também pode pesquisar e desenvolver novas tecnologias que melhorem a qualidade da imagem e a segurança dos aparelhos.

4. Mercado de trabalho
Esta área é sempre requisitadas no mercado de trabalho e agora novas ciências também têm utilizado a radiologia, aumentando o número de opções e funções. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) recomenda a contratação de radiologistas em hospitais, clínicas médicas e laboratórios de análises clínicas e, por esse motivo são empresas tradicionais contratadoras. O profissional de radiologia pode desempenhar as seguintes funções: - Supervisor de Operações; - Operador de Equipamentos; - Responsável Técnico em clínicas e hospitais e - Supervisor de Radioproteção e Radiodiagnóstico. Uma das maiores aplicações da Radiologia Industrial, são dirigidas ao processo de qualidade em produtos e materiais. Esses processos são realizados pelos Ensaios não Destrutivos (END), são técnicas utilizadas na inspeção de materiais e equipamentos, que investigam a sanidade do material sem, contudo destruí-lo ou introduzir quaisquer alterações em suas características. Um dos ensaios mais importantes para a documentação da qualidade de produto inspecionado pode se dar à radiografia, por meio dos raios-X ou gama, pois ela representa a “Imagem” interna da peça inspecionada, o que nenhum outro ensaio não destrutível é capaz de fazer. Usados principalmente nas indústrias de petróleo e petroquímica, geração de energia para inspeção principalmente de soldas e fundidos, automobilísticas, siderúrgica, naval, aeronáutica e ainda na indústria bélica para inspeção de explosivos, armamento e mísseis.

A Radiologia Industrial é uma modalidade que se aplica para diversos fins entre elas, Irradiação de alimentos, eliminação de bactérias e micro-organismos em cosméticos, Embalagens, Ervas Medicinais, Produtos Farmacêuticos e Produtos médicos hospitalares descartáveis, no setor geológico utiliza-se irradiação no beneficiamento de pedras preciosas acelerando seu processo de envelhecimento no qual se estivessem na natureza levariam centenas anos até virarem pedras preciosas, na indústria de bebidas à fonte Amerício-241 garante que as latinhas de cerveja e refrigerantes cheguem ate nos consumidores nos níveis corretos, na indústria de papel que opera com medidas padronizadas, e com as técnicas nucleares garantem que todas as folhas tenham a mesma gramatura, e em museus e bibliotecas também utilizam a irradiação em obras de arte e livros, com o propósito de preservação e conservação.

5. Fontes de radiações ionizantes
Durante toda a vida, os seres humanos estão expostos diariamente aos efeitos das radiações ionizantes. Estas radiações podem ser de origem natural ou artificial. Quanto à proteção radiológica, pouco pode fazer para reduzir os efeitos das radiações de origem natural. No entanto, no que diz respeito às fontes artificiais, todo esforço deve ser direcionado a fim de controlar seus efeitos nocivos. É neste aspecto, que a proteção radiológica pode ter um papel importante. Pode-se observar que a maior contribuição deve-se às irradiações médicas e, dentro desta categoria, o radiodiagnóstico é o que possui a maior porcentagem. Devido a esta constatação, todo esforço deve ser direcionado no sentido de controlar e reduzir estes valores, o que pode ser atingido através da aplicação efetiva dos preceitos de proteção radiológica.

6. Proteções radiológicas
Segundo a norma da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) é o conjunto de medidas que visam proteger o homem, seus descendentes e seu meio ambiente contra possíveis efeitos indevidos causados por radiação ionizante proveniente de fontes produzidas pelo homem e de fontes naturais modificadas tecnologicamente. Essas medidas estão fundamentadas em três princípios básicos: - Justificação - Otimização - Limitação de doses individuais

7. Justificação da prática
Nenhuma prática deve ser autorizada a menos que produza suficiente benefício para o indivíduo exposto ou para a sociedade. A exposição médica deve resultar em um benefício real para a saúde do indivíduo e/ou para a sociedade. Deve-se considerar a eficácia, os benefícios e riscos de técnicas alternativas disponíveis com o mesmo objetivo, mas que envolvam menos ou nenhuma exposição a radiações ionizantes.

8. Otimização da proteção radiológica
O princípio da otimização implica em que as exposições devem manter o nível de radiação o mais baixo possível. Esse princípio se aplica a todas as atividades que demandam exposições às radiações ionizantes. Tais atividades devem ser planejadas, analisando-se em detalhe o que se pretende fazer e como será feito.

A proteção radiológica é otimizada quando as exposições empregam a menor dose possível de radiação, sem que isso implique na perda de qualidade de imagem.

9. Limitação de doses individuais

As doses de radiação não devem ser superiores aos limites estabelecidos pelas normas de radioproteção de cada país. Esse princípio não se aplica para limitação de dose ao paciente, mas sim para trabalhadores ocupacionalmente expostos à radiação ionizante e para o público em geral. Incide sobre o indivíduo considerando todas as exposições, decorrentes de todas as práticas que o indivíduo possa estar exposto.

10. Exposições ocupacionais

Nas exposições ocupacionais normais, nas práticas abrangidas pela Portaria 453, o controle deve ser feito de maneira que: - A dose efetiva anual não deve exceder 20msv em qualquer período de cinco anos consecutivos, não podendo exceder 50msv em um ano; - Menores de 18 anos não podem trabalhar com raios-X diagnósticos, exceto em treinamentos; Estudantes com idade entre 16 e 18 anos, em estágio de treinamento profissional a dose efetiva anual não deve exceder o valor de 6msv; - É proibida a exposição ocupacional de menores de 16 anos; - A dose efetiva anual de indivíduos do público não deve exceder a 1msv. Para mulheres grávidas devem ser observados os requisitos adicionais: - A gravidez deve ser notificada ao titular do serviço tão logo seja constatada; - As condições de trabalho devem garantir que a dose na superfície do abdômen não exceda 2msv durante todo o período restante da gravidez.

11. Métodos de redução de exposição às radiações

Os métodos descritos a seguir podem ser adotados visando à redução de exposição às radiações. - Tempo, blindagem e distância; - Hábitos de trabalho; - Sinalização; - Monitoração.

12. Tempo, blindagem e distância.

A redução do tempo de exposição ao mínimo necessário, para uma determinada técnica de exames, é a maneira mais prática para se reduzir a exposição à radiação ionizante e quanto mais distante da fonte de radiação, menor a intensidade do feixe.

13. Scanner de fronteira em teste
Na cidade de pecém no Ceára existem uns scanners funciona como um raio-X, que verifica as mercadorias que entram no Estado através de caminhões. O equipamento permite, em pouco tempo, conferir se o que está sendo trazido é o que está sendo declarado. A precisão da máquina é capaz, inclusive, de diferenciar sal de cocaína, por exemplo, colaborando até com o combate ao tráfico de drogas ou outros produtos ilícitos no Estado. Inspecionar os

contêineres que chegam ao Estado pela via marítima. Ao todo, o Ceará contará com cinco equipamentos semelhantes.

Scanner móvel, adquirido pelo Governo, já está no Porto do Pecém e funciona como uns raios-X FOTO: FRANCISCO VIANA.

14. Primeiros Socorros Tratam-se de procedimentos de emergência, os quais devem ser aplicados a vítimas de acidentes, mal súbito ou em perigo de vida, com o intuito de manter sinais vitais, procurando evitar o agravamento do quadro no qual a pessoa se encontra. É uma ação individual ou coletiva, dentro de suas devidas limitações em auxílio ao próximo, até que o socorro avançado esteja no local para prestar uma assistência mais minuciosa e definitiva. O socorro deverá ser prestado sempre que a vítima não tiver condições de cuidar de si própria, recebendo um primeiro atendimento e logo se acionando o atendimento especializado, o qual se encontra presente na maioria das cidades e rodovias principais, e chega ao local do fato em poucos minutos.

15. É importante aplicar primeiros socorros? É de vital importância a prestação de atendimentos emergenciais. Conhecimentos simples muitas vezes diminuem o sofrimento, evitam complicações futuras e podem inclusive em muitos casos salvar vidas. Porém deve-se saber que nessas situações em primeiro lugar deve-se procurar manter a calma, verificar se a prestação do socorro não trará riscos para o socorrista, souber prestar o socorro sem agravar ainda mais a saúde da(s)

vítima(s), e nunca esquecer-se que a prestação dos primeiros socorros não exclui a importância de um médico. 16. O que se deve fazer? A grande maioria dos acidentes poderia ser evitada, porém quando acontecem geralmente eles vem acompanhado de inúmeros outros fatores, como por exemplo: nervosismo, cenas de sofrimento, pânico, pessoas inconscientes, etc.. Este é o quadro em maior ou menor extensão que se depara quem chega primeiro ao local, e dependendo da situação exigem-se providências imediatas. Sempre que possível devemos pedir e aceitar a colaboração de outras pessoas, sempre deixando que o indivíduo com maior conhecimento e experiência possa liderar, dando espaço para que o mesmo demonstre a cada uma, com calma e firmeza o que deve ser feito, de forma rápida, correta e precisa. Atitudes corretas (1) A calma, o bom-senso e o discernimento são elementos primordiais neste tipo de atendimento. (2) Agir rapidamente, porém respeitando os seus limites e o dos outros. (3) Transmitir á(s) vítima(s), tranquilidade, alívio, confiança e segurança, e quando estiver consciente informar-lhes que o atendimento especializado está a caminho. (4) Utilize-se de conhecimentos básicos de primeiros socorros improvisando se necessário. (5) Nunca tome atitudes das quais não tem conhecimento, no intuito de ajudar, apenas auxilie dentro de sua capacidade.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->