P. 1
Exercícios Estatística Não paramétrica com respostas

Exercícios Estatística Não paramétrica com respostas

|Views: 560|Likes:
Publicado porAdrilayne Araújo

More info:

Published by: Adrilayne Araújo on Jun 19, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/15/2014

pdf

text

original

Teste Binomial Um fabricante de cigarros deseja conhecer o perfil dos consumidores deste produto em uma pequena localidade para

a avaliação da propaganda de uma determinada marca. Assim, deseja-se testar a hipótese de que mais do que 20% dos fumantes desta localidade possuem atitude esportiva. Foi feita uma pesquisa com 18 fumantes dos quais 9 possuem tal atitude. Possuem atitude esportiva Não possuem atitude esportiva Total Frequência 9 9 18 H0: a proporção de fumantes desta localidade que possuem atitude esportiva é de 20%; H1: mais do que 20% dos fumantes desta localidade não possuem atitude esportiva. Como p = 0,0043 é menor que 0,05, rejeita-se H0. Ou seja, mais do que 20% dos fumantes desta localidade possuem atitude esportiva. Teste Kruskal-Wallis Para avaliar o mérito de três métodos de ensino diferentes, cada um de 14 estudantes foi aleatoriamente matriculado em uma de três turmas. Em cada turma utilizou-se um método de ensino diferente. Após algumas aulas, pediu-se a cada estudante que resolvesse o mesmo problema. Os tempos respectivos (em minutos) constam do quadro seguinte. Método 1 Método 2 Método 3 15 21 11 12 16 19 18 13 17 20 9 22 10 24 Será possível afirmar que os métodos de ensino produzem resultados diferentes no que diz respeito à rapidez de um aluno para resolver um problema? (Use α = 0,05). Como p = 0,3748 > α = 0,05, não se rejeita a hipótese nula de que os três métodos de ensino produzirem efeitos idênticos. Por outras palavras, não há evidência estatística de que o tipo de método de ensino influencie o desempenho dos estudantes na resolução de problemas. Num estudo de limnologia mediu-se o pH de oito amostras de água de cada uma de quatro barragens. Os valores são os seguintes: Barragem 1 Barragem 2 Barragem 3 Barragem 4 7,68 7,71 7,74 7,71 7,69 7,73 7,75 7,71 7,70 7,74 7,77 7,74 7,70 7,74 7,78 7,79 7,72 7,78 7,80 7,81 7,73 7,78 7,81 7,85 7,73 7,80 7,84 7,87 7,76 7,81 7,86 7,91 Pretende-se averiguar se as águas das quatro origens têm o mesmo valor de pH. Isto é: H0 : O valor do pH da água é o mesmo nas 4 barragens; H1 : O valor do pH da água não é o mesmo nas 4 barragens. Como p−value = 0,0053, sendo a conclusão a de rejeitar H0. Teste U de Mann-Whitney

Um biólogo deseja comparar o número médio de besouros capturados numa amostra de 8 armadilhas montadas numa certa floresta, com o obtido numa amostra de 7 armadilhas colocadas numa outra floresta. As contagens individuais estão listadas abaixo (em ordem numérica): Amostra 1 Amostra 2 8 2 12 4 15 5 21 9 25 12 44 17 44 19 60 Como p-valor é de 0,024. Este p-valor é pequeno então podemos concluir que existe uma diferença estatisticamente significativa nos dois grupos ao nível de 5%. Portanto, parece existir uma diferença no número de besouros dependendo do tipo de floresta, e parece existir mais besouros no primeiro tipo de floresta. Num ensaio delineado com o objetivo de estimar os efeitos da inalação prolongada de óxido de cádmio, 15 cobaias foram sujeitas em laboratório a um ambiente contaminado com este óxido, e 10 cobaias estiveram num ambiente normal sem essa contaminação (grupo de controle). A variável de interesse é a concentração de hemoglobina após o ensaio. Pretende-se averiguar se a inalação prolongada de óxido de cádmio altera o nível de hemoglobina. Animais Expostos Grupo Controle 14,4 17,4 14,2 16,2 13,8 17,1 16,5 17,5 14,1 15,0 16,6 16,0 15,9 16,9 15,6 15,0 14,1 16,3 15,3 16,8 15,7 16,7 13,7 15,3 14,0 Como p−value = 0,0055. Deve concluir-se que a exposição ao óxido de cádmio afeta o nível de hemoglobina nas cobaias. Teste de Wilcoxon Em centros de tratamento de esgoto, amostras podem ser coletadas de duas formas: uma única amostra diária de 2 litros ou amostras pequenas retiradas em 24 horas. A primeira refere-se a coleta de uma única amostra de 2 litros no mesmo horário diariamente e e segunda baseia-se num esquema de amostragem de 24 horas que retira 1 litro a cada hora. Um experimento foi conduzido num período de 6 dias registrando-se o número de cistos de Giardia por litro do material. É de interesse saber se os dados fornecem evidência de que os dois modos de amostragem diferem.

Dia 1 2 3 4 5 6

Amostras únicas 2 litros 100 95 120 175 635 510

Amostras 24 horas 145 60 215 670 350 130

O p-valor do teste para os dados é 0,917, uma probabilidade muito grande. Isto significa que os dados são consistentes com a hipótese de que não existe diferença nos métodos de amostragem. Contudo, devemos notar que com tão poucas observações não é de se esperar que existam fortes evidências de uma diferença. Experimento sobre o efeito do álcool na habilidade motora. Dez indivíduos são testados duas vezes, uma depois de ter tomado dois drinks e uma depois de tomado dois copos de água. Os dois testes foram realizados em dois dias diferentes para evitar influência do efeito do álcool. Metade dos indivíduos tomou a bebida alcoólica primeiro e a outra metade água. Os escores dos 10 indivíduos são mostrados abaixo. Escores mais altos refletem uma melhor performance. Deseja-se testar se a bebida alcoólica teve um efeito significante com um nível de significância de 1%. Indivíduo Água Álcool 1 16 13 2 15 13 3 11 12 4 20 16 5 19 16 6 14 11 7 13 10 8 15 15 9 14 9 10 16 16 Como p = 0,0173, rejeita-se H0 ao nível de significância de 5%, ou seja, a bebida alcoólica tem efeito na habilidade motora dos indivíduos. Teste Qui-quadrado Suponhamos que dispomos dos resultados de vacinação contra a cólera num conjunto de 279 indivíduos escolhidos aleatoriamente entre os vacinados, e num conjunto de 539 indivíduos escolhidos aleatoriamente entre os não vacinados. Deseja-se saber se a população dos vacinados difere da dos não vacinados no que se refere ao fato de terem ou não sido atacados. Vacinados Não vacinados Total Atacados 3 66 69 Não atacados 276 473 749 Total 279 539 818 A hipótese a testar é a de homogeneidade entre as amostras: H0: os atacados e não atacados distribuem-se de forma idêntica (homogênea) nos vacinados e não vacinados H1: os atacados e não atacados distribuem-se de modo diferente nos vacinados e não vacinados. Como o valor observado da estatística teste é 29,8 > 7,88 então, para um nível de significância 0,005 e p < 0,0001, rejeita-se a hipótese de homogeneidade entre as duas amostras, isto é, a população dos vacinados difere da dos não vacinados no que se refere ao fato de terem ou não sido atacados. Em uma certa população, 100 descendentes foram estudados, fornecendo a tabela a seguir:

Genótipo Frequência Observada Freq esper AA 26 0,25*100 Aa 45 0,5*100 aa 29 0,25*100 Total 100 Deseja-se verificar se o modelo genético proposto por Hardy-Weinberg é adequado para essa população. Se o modelo for adequado, tem-se uma proporção de 1:2:1 nos descendentes para os genótipos AA, Aa e aa. Para α = 0,05, como p = 0,5543 > 0,05, não rejeita-se a hipótese H0, isto é, essa população segue o equilíbrio Hardy-Weinberg. Deseja-se verificar se o número de acidentes em uma estrada muda conforme o dia da semana. O número de acidentes observado para cada dia de uma semana escolhida aleatoriamente foram: Dia da semana Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado No. de acidentes 20 10 10 15 30 20 35 H0: O número de acidentes não muda conforme o dia da semana; H1: Pelo menos um dos dias tem número de acidentes diferente dos demais. A probabilidade de ocorrência de acidentes no i-ésimo dia da semana é dada por 1/7. Logo, para α = 0,05, segue que p = 0,0001 < α e, assim, rejeita-se H0, e concluí-se que o número de acidentes não é o mesmo em todos os dias da semana. Em um estudo 1.237 indivíduos adultos classificados segundo a pressão sanguínea (mm Hg) e o nível de colesterol (mg/100cm3). Tais medidas foram categorizadas de acordo com o quadro abaixo. O interesse do estudo é verificar se existe independência entre essas variáveis. Pressão Sanguínea Colesterol Total < 127 127 a 166 > 166 < 200 117 168 22 307 200 a 260 204 418 63 685 > 260 67 145 33 245 Total 388 731 118 1237 H0: Pressão sangüínea e nível de colesterol são independentes; H1: Nível de colesterol e pressão sangüínea são variáveis dependentes. Como p-value = 0,009. Rejeita-se a independência entre pressão sanguínea e nível de colesterol (a = 0,05). Suponhamos que certo pesquisador tenha colhido uma amostra de 200 fumantes (homens e mulheres) e que os tenha classificado em função de três marcas de cigarro: A, B e C. A pesquisa tinha por objetivo verificar se as variáveis marca (do cigarro) e sexo (do fumante) eram dependentes (α = 5%). Marca Sexo Total A B C Masculino 20 70 30 120 Feminino 40 15 25 80 Total 60 85 55 200 Como p < 0,0001, ou seja, é menor que α = 0,01, rejeita-se H0. Dizer que a H0 foi rejeitada é o mesmo que dizer que marca e sexo são variáveis dependentes. Fombonne (1989) estudou o hipotético efeito do período do ano (mês) em que ocorreu o nascimento na psicose infantil. Terão as crianças nascidas em períodos particulares do ano, maior probabilidade de serem

diagnosticadas como tendo psicose infantil? Conforme o quadro abaixo se sabe qual o percentual de crianças “normais” que nasceram em cada mês do ano. Dados do estudo de Fombonne. Mês Normal (%) Frequência Observada Freq esperada Janeiro 8,4 13 0,084*208 = Fevereiro 7,8 12 Março 8,7 16 Abril 8,6 18 Maio 9,1 21 Junho 8,5 18 Julho 8,7 15 Agosto 8,3 14 Setembro 8,1 13 Outubro 8,1 19 Novembro 7,6 21 Dezembro 8,0 28 Total 99,9 208 Calcula-se a frequência esperada (Ei), por exemplo, para o mês de Janeiro: 8,4*208/100 = 17,47. Como p = 0,2077 é menor que 0,05, não rejeitar H0. Concluir que a distribuição mensal de crianças com psicose não difere da distribuição normal. Teste dos Sinais Para um experimento sobre o efeito da ausência paterna no desenvolvimento de crianças, foram selecionadas 17 famílias separadas pela guerra na Bósnia, nas quais a criança nasceu e cresceu (primeira infância), sem a presença do pai. Cada família era solicitada a discutir vários tópicos sobre o relacionamento das crianças com os pais, após o término do conflito. Estes relatos foram anotados e as entrevistas gravadas. Uma psicóloga que acompanhou as famílias, classificou os comportamentos em graus de ascendência sobre as crianças, tanto do pai como da mãe. A expectativa a ser testada era que a mãe possuiria maior ascendência que o pai, sobre a criança, pois teria uma maior e mais próxima associação com ela devido ao afastamento do pai. Foram considerados também os efeitos relativos ao ambiente de guerra. Casal Mãe Pai 1 4 2 2 4 3 3 5 3 4 5 3 5 3 3 6 2 3 7 5 3 8 3 3 9 1 2 10 5 3 11 5 2 12 5 2 13 4 5 14 5 2 15 5 5 16 5 3 17 5 1 Como p = 0,0287, rejeita-se H0 ao nível de significância de 5%, ou seja, a mãe tem uma maior ascendência que o pai, sobre a criança.

Em uma avaliação de imóveis, a análise feita por uma avaliador é possivelmente mais alta que a de um concorrente. Para testar isso, pede-se a ambos os avaliadores que avaliem uma amostra de nove imóveis, e tabelase suas avaliações: Propriedade Avaliador 1 Avaliador 2 1 79,25 77,38 2 110,23 106,45 3 93,75 95,1 4 88,36 86 5 121,3 118,96 6 124,82 122,63 7 105,22 101,71 8 106,66 109,85 9 83,5 80,76 Suspeita-se que o primeiro avaliador adota valores mais elevados. Concluindo, como p = 0,090 é maior do que 0,05, a hipótese nula não pode ser rejeitada. Ou seja, os dados não confirmam a suposição de que as estimativas do primeiro avaliador sejam superiores às do segundo avaliador.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->