P. 1
CONTESTAÇÃO GUARDA

CONTESTAÇÃO GUARDA

|Views: 2.986|Likes:
Publicado porpppteixeira

More info:

Published by: pppteixeira on Jun 25, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/10/2013

pdf

text

original

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Serviço de Assistência Judiciária “São Gabriel” EXMO. SR.

JUIZ DE DIREITO DA 11ª VARA DE FAMÍLIA DA COMARCA DE BELO HORIZONTE – MG

Autos do processo nº 0024.09.518.949-4

GLADYSMAR ELIZA LOPES, brasileira, casada, auxiliar de cozinha, inscrita no CPF sob n° 559.885.806-87 e no RG sob n° 3.990.740 SSP/MG, residente e domiciliada em Belo Horizonte - MG, na Rua Anori, n° 133, Bairro São Gabriel, por seus procuradores infraassinado, vem à presença de Vossa Excelência, apresentar CONTESTAÇÃO, aduzindo para tanto o seguinte:

I – DO NOME DA REQUERIDA O nome fornecido pelo requerente está incorreto, pois a mesma se chama GLADYSMAR ELIZA LOPES; Assim, requer a remessa dos autos para o setor de distribuição para a devida correção.

II – DA PREVENÇÃO Existe ação de guarda da menor Letícia Vitória Garcia Sodré, ajuizada pela senhora WALDETE MARIA GARCY DE PAULA, junto à 5ª Vara de Família da comarca de Belo Horizonte, autos do processo nº
Rua Walter Ianni, 255 - Bloco G- Bairro São Gabriel - CEP 31980-110 - Belo Horizonte/MG Telefone: (31) 3439-5232

1

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Serviço de Assistência Judiciária “São Gabriel” 0024.08.157.694-4; Assim, os presentes autos deverão ser remetidos para o referido Juízo, que está prevento.

III – DA PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE PASSIVA A requerida é parte ilegítima para figurar no pólo passivo da presente ação, já que não possui a guarda fática da menor, e sim sua irmã, senhora WALDETE MARIA GARCY DE PAULA;

IV – DO MÉRITO

Caso seja ultrapassada a preliminar de ilegitimidade passiva arguida acima, o que só se admite pelo princípio da eventualidade, também no mérito não tem cabimento a pretensão do requerente. Senão vejamos: A requerida é tia da menor, Letícia Vitória Garcia Sodré. Destaca-se que a menina sempre morou com a mãe na casa da avó, juntamente com a tia ora requerida. Após a morte da mãe da menor (Gláucia Maria Pedro), em 16 de maio de 2008, e de sua avó (Flordiza Isaías Garcia Pedro), que faleceu em 06 de dezembro de 2008, a menor continuou a morar com a requerida durante um mês; Ocorre que, após um mês do falecimento de sua mãe, avó da menor, a requerida começou a trabalhar, ficando assim, impossibilitada de cuidar da sobrinha durante o dia; Por esta razão, a menor passou a ficar na companhia da outra tia materna, senhora Waldete Maria Garcy de Paula, que é quem exerce a guarda fática da menor há 6 (seis) meses;
Rua Walter Ianni, 255 - Bloco G- Bairro São Gabriel - CEP 31980-110 - Belo Horizonte/MG Telefone: (31) 3439-5232

2

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Serviço de Assistência Judiciária “São Gabriel” É importante salientar que o requerente nunca deu assistência, quer afetiva, quer financeira, à menor, durante os oito anos em que a mesma viveu na companhia da mãe, da avó e das tias; Prova disso, a genitora da criança, quando em vida, representou a menor em ação de alimentos movida em face do requerente (autos do processo nº 0024.05.829.093-3, que tramitou junto à 5ª Vara de Família de Belo Horizonte). Destaca-se que o requerente, desde a morte da genitora da menor, tem recebido o beneficio de pensão por morte da mesma, sem repassar nenhuma quantia a senhora WALDETE MARIA GARCY DE PAULA para auxiliar na assistência material da menor; Ocorre que a menor está regularmente matriculada na escola, conforme comprova declaração escolar anexa; tem a saúde devidamente observada, conforme demonstra cópia da caderneta de vacinação anexa; Já o requerente nunca foi presente na vida da menor, e não lhe prestou nenhuma assistência material e moral. O vínculo familiar da menor com as tias e as primas é muito forte, já que a mesma sempre viveu na companhia destas, desde o seu nascimento.

V

DA

IMPOSSIBILIDADE

DO

DEFERIMENTO

DA

TUTELA

ANTECIPADA PRETENDIDA De acordo com o art. 273, do Código de Processo Civil, para o deferimento dos efeitos antecipados da tutela, deve existir prova inequívoca da plausibilidade de direito do requerente, assim como fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação, o que não se configura no caso em tela.
Rua Walter Ianni, 255 - Bloco G- Bairro São Gabriel - CEP 31980-110 - Belo Horizonte/MG Telefone: (31) 3439-5232

3

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Serviço de Assistência Judiciária “São Gabriel” Diante dos fatos supra citados, salienta-se que não há nenhuma plausibilidade do direito do requerente, já que o mesmo sempre foi um pai ausente, não fornecendo qualquer assistência material, moral ou afetiva em relação á menor. A menor está totalmente adaptada à convivência com a tia Waldete; esta lhe fornece todo carinho, atenção e cuidado. Uma ruptura desse convívio poderá causar um transtorno ou prejuízo enorme à menor, que já sofreu bastante com o falecimento da Mãe e da avó. Assim, conforme prova documental anexa e demais provas a serem produzidas, restará demonstrado que a menor estará melhor assistida sob os cuidados e companhia da tia Waldete, que é com quem sempre esteve e possui um vinculo afetivo inequívoco.

Diante de todo o exposto, requer: a) Seja acolhida a preliminar arguida, com a consequente extinção do feito; Caso contrário, requer sejam julgados improcedentes os pedidos do requerente; b) A produção de todos os meios de provas em Direito admitidos, especialmente o depoimento pessoal do requerente, testemunhal, adiante arrolada, documental e estudo social do caso. c) Os benefícios da Justiça gratuita, na forma da lei 1.060/50, por não poder arcar com as custas processuais e honorários advocatícios, sem o prejuízo do seu sustento e de sua família, conforme declaração anexa;

Rua Walter Ianni, 255 - Bloco G- Bairro São Gabriel - CEP 31980-110 - Belo Horizonte/MG Telefone: (31) 3439-5232

4

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Serviço de Assistência Judiciária “São Gabriel”

Nestes termos, Pede deferimento. Belo Horizonte, 2 de julho de 2009.

Bruno Scaldaferri Lages

OAB/MG – 77.750

Estagiária Acadêmica

Michelle Aparecida Acacio

ROL DE TESTEMUNHAS

1. CÁSSIA HELENA LORENZO NOGUEIRA, brasileira, casada, auxiliar de berçário, residente e domiciliada na Rua Anori 113, São Gabriel, Belo Horizonte –MG 2. ODETE COELHO DE JESUS, brasileira, casada, do lar, residente e domiciliada na Rua Anori 123, São Gabriel, Belo Horizonte –MG 3. SILVANA LÚCIA DA SILVA COSTA, brasileira, divorciada, Auxiliar administrativo, residente e domiciliada na rua Anori 146, São Gabriel, Belo Horizonte - MG

Rua Walter Ianni, 255 - Bloco G- Bairro São Gabriel - CEP 31980-110 - Belo Horizonte/MG Telefone: (31) 3439-5232

5

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->