P. 1
Patologias Do Concreto

Patologias Do Concreto

|Views: 1.533|Likes:
Publicado porAdair da Rosa
Artigo Acadêmico sobre Patologias do Concreto, apresentado ao curso de Engenharia Civil, como requisito para formação interdisciplinar
Artigo Acadêmico sobre Patologias do Concreto, apresentado ao curso de Engenharia Civil, como requisito para formação interdisciplinar

More info:

Published by: Adair da Rosa on Jun 26, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/19/2013

pdf

text

original

Patologia das estruturas de concreto

COSTA, Leandro Augusto da Mata1 DA ROSA, Adair DE MARIA, Gabriel Vargas Fagundes MARINHO, Ricardo da Cruz SANTOS, Gabriela Alves Silva

RESUMO

Os excelentes resultados de desempenho do concreto armado requerem cuidados na sua elaboração, na correta execução, que envolve estudo dos materiais e traços adequados, além da dosagem, cura e proteção contra agentes agressivos. O descuido nesses itens pode resultar em problemas nas estruturas, que podem ir desde os prejuízos econômicos à perda de vidas humanas. O Brasil se caracteriza por possuir a maioria de suas estruturas construídas em concreto armado, utilizando ainda, em boa parte dos casos, mão de obra pouco qualificada, geralmente com vícios, que aliados à falta de fiscalização culminam em estruturas com elevado potencial de manifestações patológicas e consequente redução da vida útil dessas estruturas. Assim, observar as orientações das normas brasileiras, principalmente a NBR-6118/2007 (Execução de estruturas de concreto – Procedimento), é fundamental para evitar ou minimizar o surgimento dessas patologias.

PALAVRAS-CHAVE: Concreto, patologia, qualidade, durabilidade. 1 – INTRODUÇÃO

Patologia é a ciência que estuda a origem, os sintomas e a natureza das doenças. Para as estruturas de concreto, a patologia significa o estudo das manifestações relacionadas à deterioração do concreto e da armadura de uma estrutura.

Pretendemos com este trabalho, apresentar os fundamentos teóricos e experiências práticas sobre as manifestações patológicas nas estruturas de concreto armado, envolvendo as fases de projeto, emprego de materiais e processos construtivos, visando à prevenção das falhas e adoção de técnicas corretas de execução.

1

Alunos do terceiro período do curso de Engenharia Civil, do Centro Universitário Newton Paiva. Orientador: Professora Vanderléa Martins Rocha.

2

No início do século XIX, o desenvolvimento das tecnologias do concreto possibilitou o uso desse material em construções mais ousadas arquitetonicamente. Por ser um material facilmente moldável em seu estado plástico, logo ganhou força nas habitações.

Só no início do século XX as estruturas de concreto começaram a ganhar altura. No Brasil, em 1931, foi construído no Rio de Janeiro, com projeto de Emilio Baungart, sendo considerado na época, o maior edifício em concreto armado no mundo chamado de A Noite. Esse foi um marco para a engenharia civil nacional e mundial.

Em 1948 teve início a construção do Estádio Mário Filho, mais conhecido como Maracanã, sede da Copa do Mundo de futebol, de 1950, com obras ainda incluídas, tendo sido concluído por completo, só em 1965.

Outro momento importante para a engenharia civil no Brasil foi a construção de Brasília, iniciada em 1956, tendo suas principais edificações, os Palácios do Planalto e da Alvorada, os prédios do Congresso Nacional, os edifícios nos ministérios e a Praça dos Três Poderes, já concluídas em 1958.

Um grande salto no desenvolvimento da engenharia civil brasileira se deu na década de 70, durante o chamado “milagre brasileiro”, que foi um período de intenso desenvolvimento econômico. Nessa época surgiram várias das grandes obras no país, como a Usina Nuclear em Angra dos Reis, a Ponte Rio-Niterói e a Usina Hidroelétrica de Itaipu.

Essa rápida expansão acabou incentivando o uso de mão de obra de baixa qualificação e técnicas construtivas sem aprimoramento. Essa combinação perigosa acabou sendo agravada com a crise econômica das décadas de 80 e 90, fazendo com que muitas obras surgidas nessa época tragam grande potencial de risco em função da má qualidade de execução e materiais utilizados.

Os excelentes resultados de desempenho do concreto armado requerem cuidados na sua elaboração, na correta execução, que envolve estudo dos materiais e traços adequados, além da dosagem, cura e proteção contra agentes agressivos.

3

O descuido em relação a esses itens pode resultar em problemas nas estruturas, que podem ir desde os prejuízos econômicos, como o caso do colapso do edifício Palace II em 1998 no Rio de Janeiro, à perda de vidas humanas.

O Brasil se caracteriza por possuir a maioria de suas estruturas construídas em concreto armado, justificando assim o estudo das manifestações patológicas desse material neste artigo. Por que prevenir é melhor que remediar? Para AZEVEDO (2011), “ a Lei de Sitter2 demonstra que os investimentos realizados na fase de projeto e planejamento prévio à construção, traduzem-se em custos significativamente menores para obter o mesmo padrão de durabilidade esperada”

Este artigo pretende apresentar as principais patologias decorrentes de uma execução deficiente de obras em concreto e reunir informações que podem ser úteis para diminuir os problemas causados pela má execução das obras de concreto armado.

Faremos ainda um Estudo de Caso, que evidencia manifestações patológicas na estrutura de concreto das escadarias do átrio do prédio principal do Campus Buritis do Centro Universitário Newton Paiva em Belo Horizonte - MG.

Este artigo foi formulado com base em pesquisas bibliográficas em obras literárias que tratam do assunto, em curso realizado no IBAPE-MG sobre durabilidade e patologias das estruturas de concreto e em entrevistas informais com profissionais atuantes no mercado de recuperação de estruturas de concreto.

2

De Sitter (1984) cunhou uma citação que se transformou na lei de Sitter conhecida como a Lei dos Cincos, assim nomeada por Walraven (2009): Se nehuma manutenção é realizada o custo do reparo posterior será cinco vezes o custo da manutenção não efetivada. Se nenhum reparo é realizado, o custo da renovação será cinco vezes do dinheiro economizado pela não reparação.

4

2 – PATOLOGIAS DO CONCRETO

2.1 - CONCEITO

Segundo AZEVEDO (2011), a patologia é um termo tradicionalmente utilizado na medicina e refere-se à ciência que estuda as doenças, suas origens, os sintomas, os agentes causadores e os mecanismos ou processo de ocorrência. Nas estruturas de concreto, essas doenças correspondem aos danos ou defeitos que comprometem o desempenho e a vida útil de uma estrutura.

Normalmente as manifestações patológicas apresentam características comuns que permitem aos especialistas determinar a causa e os possíveis mecanismos que conduziram ao surgimento e as consequências para a estrutura caso não haja intervenção corretiva.

A figura 1 ilustra um caso, onde se vê claramente manchas superficiais e corrosão da armadura na face inferior em balanço da laje de tabuleiro da ponte, por inexistência de pingadeira.

Figura 1 - Inexistência de pingadeira. Fonte: Concreto: Ciência e tecnologia. 1. ed. 2011. pag. 1104

5

Há casos em que o diagnóstico não é tão fácil, pois vários fatores ou ainda fatores ocultos que podem ter contribuído para o surgimento da manifestação patológica, exigindo intervenções para o correto diagnóstico, como ilustrado na figura 2, onde a causa da manifestação só pode ser constatada com intervenção.

Figura 2 - Corrosão galvânica de um pilar de prédio residencial Fonte: Curso IBAPE. 3/2012 – Durabilidade e patologia das estruturas de concreto Slide 149.

2.2 – ORIGEM DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS NAS ESTRUTURAS Para AZEVEDO (2011), “as patologias podem ocorrer numa estrutura tanto na fase de construção como durante o período pós entrega e uso”, sendo que as condições apresentadas por uma estrutura que favoreça o desenvolvimento dessas manifestações patológicas são de responsabilidade do projetista, enquanto que o construtor responderá pelas falhas construtivas por inconformidade com o projeto, com as normas de execução ou com a escolha de material inadequado.

Toda estrutura requer manutenção durante sua vida útil e a má conservação é também um fator relevante para o surgimento de patologias, sendo então o usuário responsável pela durabilidade dessa estrutura.

6

2.3 - A DURABILIDADE DO CONCRETO

A durabilidade refere-se à capacidade da estrutura de conservar suas características de capacidade de resistência no estado limite e do desempenho em serviço quanto às deformações que essa estrutura possa apresentar quando em serviço, bem como a resistência à ação das intempéries durante a vida útil projetada. A avaliação do projetista, das condições ambientais a que uma estrutura estará sujeita, é fundamental e devem ser consideradas durante a elaboração do projeto conforme indicado por AZEVEDO (2011).

Segundo a ABNT NBR 6118:2007, citada por AZEVEDO (2011):
Em sua Seção 6, classifica o meio ambiente em quatro classes de agressividade, conforme sua localização e características, limitando fatores água/cimento e indicando valores de resistência característica à compressão a ser adotados em projeto, além de prescrever cobrimentos mais espessos para armaduras internas, à medida que aumenta o grau de agressividade ambiental.

A durabilidade de uma estrutura de concreto armado depende ainda da correta execução da obra, da escolha de materiais adequados e do controle de qualidade desses materiais e da mão de obra de execução. 2.4 – MECANISMOS DE DETERIORAÇÃO DO CONCRETO

Os processos principais que causam a deterioração do concreto podem ser agrupados, de acordo com sua natureza, em mecânicos, físicos, químicos, biológicos e eletromagnéticos.

Os processos de degradação alteram a capacidade de o material desempenhar as suas funções, e nem sempre as manifestações são visíveis. A deterioração do concreto ocorre muitas vezes como resultado de uma combinação de diferentes fatores externos e internos. São processos complexos, determinados pelas propriedades físico-químicas do concreto e da forma como está exposto ao meio ambiente. Os três principais sintomas que podem surgir isoladamente ou simultaneamente são a fissuração, o destacamento e a desagregação, conforme AGUIAR (2012).

7

Das causas mecânicas, podemos citar principalmente as fissuras por flexão conforme ilustradas nas figuras 3 e representação gráfica na figura 4:

Figura 3 – Fissuras por flexão Fonte: Curso IBAPE. 3/2012 – Durabilidade e patologia das estruturas de concreto Slide 27.

Figura 4 – Fissuras por flexão Fonte: Curso IBAPE. 3/2012 – Durabilidade e patologia das estruturas de concreto Slide 27.

Segundo AGUIAR (2012):
Em elementos de concreto com grandes dimensões, como por exemplo, barragens ou blocos de fundação, poderão surgir fissuras devido aos efeitos do gradiente térmico causado pelo calor de hidratação do cimento, que pode originar tensões de tração.

Das causas físicas, evidenciamos a mudança volumétrica provocada pela mudança de temperatura, que pode provocar fissuras quando os movimentos de contração e expansão são restringidos, conforme ilustra a figura 5.

8

Figura 5 – Fissuras por tensão térmica Fonte: Curso IBAPE. 3/2012 – Durabilidade e patologia das estruturas de concreto Slide 30.

As reações químicas se manifestam através de efeitos físicos nocivos, tais como o aumento da porosidade e permeabilidade, diminuição da resistência, fissuração e destacamento. Para AGUIAR (2012), “Atenção especial deve ser dada ao ataque de sulfatos, ataque por álcali-agregado e corrosão das armaduras, uma vez que estes fenômenos são responsáveis pela deterioração de um grande número de estruturas de concreto”, conforme ilustrado pela figura 6.

Figura 6 – Corrosão provocada por ataque químico Fonte: Curso IBAPE. 3/2012 – Durabilidade e patologia das estruturas de concreto Slide 57.

9

É comum observarmos o fenômeno de carbonatação em meios urbanos e principalmente em garagens de edifícios em subsolos, onde as condições propícias se encontram, ou seja, água proveniente de lavagem de veículos ou da área e o CO2, proveniente do escapamento dos veículos.
O concreto possui um pH da ordem de 12,5, principalmente por causa do Ca(OH)2. O desaparecimento do hidróxido de cálcio do interior dos poros da pasta de cimento hidratado e sua transformação em carbonato de cálcio faz baixar o pH da solução em equilíbrio de 12,5 para 9,4, fator importante para o início da corrosão das armaduras. O CO2 penetra da superfície para o interior, pelo que a carbonatação inicia-se na superfície do concreto e penetra lentamente para seu interior. Em concreto de mediana qualidade observa-se que a velocidade da carbonatação varia entre 1 e 3 mm por ano AGUIAR (2012) p. 77.

O fenômeno químico da carbonatação do concreto merece destaque, pois seu efeito é nocivo e conforme podemos observar na figura 7, a evolução de CO2 na atmosfera tem crescido vertiginosamente.

390 370 350
ppm
378 354 337 325 316 279
1765 1900

330 310 290 270
296

1960 1970

1980 1990

Anos

Figura 7 – Evolução de CO2 na atmosfera Fonte: Curso IBAPE. 3/2012 – Durabilidade e patologia das estruturas de concreto Slide 78.

3 – ESTUDO DE CASO

Evidenciamos algumas manifestações patológicas nas escadarias internas do átrio do prédio principal do Campus Buritis do Centro Universitário Newton Paiva em Belo Horizonte - MG, que ilustraremos a seguir com imagens obtidas no local em no dia 22 de março de 2012.

2004

10

Figura 8 – Evidência de manifestações patológicas Fonte: Arquivo pessoal

Pode-se observar claramente na figura 8, trincas na coluna de apoio da escadaria e infiltrações de umidade decorrente de chuvas, que consequentemente provocarão a corrosão da armadura e possível deterioração do concreto.

Figura 9 – Evidência de corrosão da armadura Fonte: Arquivo pessoal

11

Em uma vista pelo lado interno dessa coluna, conforme ilustrado pela figura 9, podemos observar evidência de corrosão da armadura do concreto da laje da escada, próximo ao ponto da trinca externa visível.

Pontos de infiltração e consequente lixiviação do concreto são percebidos em outros pontos da escadaria, conforme ilustrado na figura 10.

Figura 10 – Evidência de lixiviação do concreto com formação de estalactites Fonte: Arquivo pessoal

As manifestações patológicas nessa estrutura são evidentes e certamente poderiam ter sido evitadas com mecanismos que evitassem essas infiltrações, como pingadeiras ao longo das bordas inferiores da escadaria.

4 - RECOMENDAÇÕES

Baseados nas pesquisas bibliográficas realizadas, em conhecimento adquirido no curso realizado e em sugestões com profissionais atuantes no mercado de recuperação que passaram por alguma experiência com as manifestações patológicas nas estruturas de concreto, elencamos algumas recomendações que podem proporcionar significativa melhora na durabilidade das estruturas de concreto

12

armado. Dividimos essas recomendações em duas fases, sendo a primeira a de projeto e a segunda, a de execução, foco principal desse artigo.

4.1 - FASE DE PROJETO  

É imprescindível a participação do calculista estrutural a partir da execução do projeto arquitetônico básico e estudo de viabilidade; É necessária a definição da metodologia construtiva e a adoção de procedimentos interativos de revisão de projeto estrutural com papel fundamental para o ATO (Acompanhamento Técnico da Obra), ligado diretamente ao projetista;

   

Projetos com detalhamentos claros e abrangentes que permitam a correta interpretação em tempo de execução; Definição dos limites de deformação, prevendo reforços para as deformações prováveis; Especificação dos materiais e ensaios necessários para previsão de vida útil da estrutura de concreto; Indicação em projeto, para os prazos de retirada de fôrmas e escoramentos em função das características do concreto e esforços previstos.

4.2 - FASE DE EXECUÇÃO       

Verificar que os projetos atendam a NBR-6118:2007 no recebimento desses; Realizar ensaios recomendados pelas normas técnicas brasileiras e proceder controles rigorosos na qualidade dos materiais utilizados na obra; Seguir rigorosamente os prazos determinados em projeto para a retirada de fôrmas e escoramentos das estruturas; Verificar e controlar o cobrimento mínimo das armaduras determinado em projeto; Executar corretamente o adensamento e a cura do concreto conforme especificações do projeto; Controlar a altura máxima de lançamento do concreto; Verificar a correta armação da ferragem e a vedação das fôrmas;

13

  

Utilizar espaçadores adequados e com resistência igual ou superior a do concreto utilizado; Controlar o traço adequado e o fator água/cimento determinado em projeto; Utilizar sempre que possível aditivos redutores de permeabilidade e controle de retração, principalmente para estruturas de concreto em ambientes agressivos.

5 – CONSIDERAÇÕES FINAIS

Em nossas pesquisas, pudemos verificar a existência de muitos artigos sobre o assunto. A própria norma brasileira é bastante clara, abrangente e determina padrões e regras a serem seguidas, baseadas em muito estudo ao longo de mais de um século de uso do concreto como elemento estrutural.

Capacidade técnica e conhecimento das causas e efeitos não têm sido suficientes para impedir o surgimento de manifestações patológicas nas estruturas de concreto armado. Certamente devido ao fato de exigências de redução de custos e prazos de execução das obras, aliados a baixa qualidade e vícios de mão de obra barata.

Um processo executivo falho, sem controle de qualidade ou controle deficiente dos processos e materiais, resultará em uma obra fadada ao prejuízo. Assim, podemos concluir que: Prevenir é melhor que remediar.

REFERÊNCIAS AGUIAR, José Eduardo. Durabilidade e patologia das estruturas de concreto. Curso IBAPE, 2012. AZEVEDO, Minos Trocoli de. Concreto: Ciência e Tecnologia. (Cap. 31 – Patologia das Estruturas de Concreto). São Paulo: IBRACON - Apis Gráfica e Editora, 2008.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->