P. 1
Anatomia- Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino

Anatomia- Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino

|Views: 317|Likes:
Publicado porIzabelle Oliveira

More info:

Published by: Izabelle Oliveira on Jul 12, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/21/2015

pdf

text

original

Aparelho reprodutor masculino

As estruturas externas do aparelho reprodutor masculino são o pénis, o escroto e os testículos. As
estruturas internas são constituídas pelos canais deferentes, a uretra, a próstata e as vesículas
seminais.

Os espermatozóides, que contêm os genes do homem, formam-se nos testículos e armazenam-se nas
vesículas seminais. Durante a relação sexual, os espermatozóides são transportados juntamente com
um líquido chamado sémen, através dos canais deferentes e do pénis erecto.

Estrutura

O pénis consta da raiz, que está unida à parede abdominal, do corpo, que é a parte média, e da glande,
que é a extremidade e cuja forma se parece com um cone. O orifício da uretra (o canal que transporta o
sémen e a urina) encontra-se na extremidade da glande.

A base da glande denomina-se coroa. Nos homens não circuncidados, o prepúcio estende-se desde a
coroa e cobre a glande. Quase todo o corpo do pénis é formado por três espaços cilíndricos (seios) de
tecido eréctil. Os dois maiores, os corpos cavernosos, estão localizados em ambos os lados. O terceiro
seio, o corpo esponjoso, rodeia a uretra. Quando estes espaços se enchem de sangue, o pénis
aumenta de tamanho e torna-se rígido e erecto.

O escroto é um saco de pele fina que rodeia e protege os testículos. O escroto também actua como um
sistema de controlo da temperatura para os testículos, porque estes precisam de estar a uma
temperatura ligeiramente inferior à temperatura do corpo, com o que o desenvolvimento normal dos
espermatozóides é favorecido. Os músculos cremáster da parede do escroto podem relaxar-se ou
contrair-se, permitindo aos testículos estar mais afastados, para arrefecerem, ou mais próximos do
corpo, para conseguirem mais calor e protecção.

Os testículos são corpos ovais do tamanho de azeitonas grandes, que se encontram no escroto. Em
geral, o testículo esquerdo desce um pouco mais que o direito.

Os testículos têm duas funções: produzir espermatozóides e sintetizar testosterona (a principal hormona
sexual masculina). O epidídimo, que está apoiado nos testículos, é um tubo em forma de espiral com
aproximadamente 6 m de comprimento, que recolhe os espermatozóides dos testículos e que constitui o
lugar e o ambiente adequado para que estes amadureçam.

O canal deferente é um canal semelhante a um cordão que sai do epidídimo e transporta os
espermatozóides. Estes canais vão desde cada testículo até à parte posterior da próstata e entram na
uretra, onde formam os canais ejaculadores. Outras estruturas, como os vasos sanguíneos e os nervos,
acompanham cada canal deferente e juntos formam uma estrutura semelhante a um cordão: o cordão
espermático

( Clique para Ampliar )

Aparelho reprodutor masculino

As estruturas externas do aparelho reprodutor masculino são o pénis, o escroto e os testículos. As
estruturas internas são constituídas pelos canais deferentes, a uretra, a próstata e as vesículas
seminais.

Os espermatozóides, que contêm os genes do homem, formam-se nos testículos e armazenam-se nas
vesículas seminais. Durante a relação sexual, os espermatozóides são transportados juntamente com
um líquido chamado sémen, através dos canais deferentes e do pénis erecto.

Estrutura

O pénis consta da raiz, que está unida à parede abdominal, do corpo, que é a parte média, e da glande,
que é a extremidade e cuja forma se parece com um cone. O orifício da uretra (o canal que transporta o
sémen e a urina) encontra-se na extremidade da glande.

A base da glande denomina-se coroa. Nos homens não circuncidados, o prepúcio estende-se desde a
coroa e cobre a glande. Quase todo o corpo do pénis é formado por três espaços cilíndricos (seios) de
tecido eréctil. Os dois maiores, os corpos cavernosos, estão localizados em ambos os lados. O terceiro
seio, o corpo esponjoso, rodeia a uretra. Quando estes espaços se enchem de sangue, o pénis
aumenta de tamanho e torna-se rígido e erecto.

O escroto é um saco de pele fina que rodeia e protege os testículos. O escroto também actua como um
sistema de controlo da temperatura para os testículos, porque estes precisam de estar a uma
temperatura ligeiramente inferior à temperatura do corpo, com o que o desenvolvimento normal dos
espermatozóides é favorecido. Os músculos cremáster da parede do escroto podem relaxar-se ou
contrair-se, permitindo aos testículos estar mais afastados, para arrefecerem, ou mais próximos do
corpo, para conseguirem mais calor e protecção.

Os testículos são corpos ovais do tamanho de azeitonas grandes, que se encontram no escroto. Em
geral, o testículo esquerdo desce um pouco mais que o direito.

Os testículos têm duas funções: produzir espermatozóides e sintetizar testosterona (a principal hormona
sexual masculina). O epidídimo, que está apoiado nos testículos, é um tubo em forma de espiral com
aproximadamente 6 m de comprimento, que recolhe os espermatozóides dos testículos e que constitui o
lugar e o ambiente adequado para que estes amadureçam.

O canal deferente é um canal semelhante a um cordão que sai do epidídimo e transporta os
espermatozóides. Estes canais vão desde cada testículo até à parte posterior da próstata e entram na
uretra, onde formam os canais ejaculadores. Outras estruturas, como os vasos sanguíneos e os nervos,
acompanham cada canal deferente e juntos formam uma estrutura semelhante a um cordão: o cordão
espermático.

Órgãos reprodutores masculinos

A uretra desempenha uma dupla função no homem. Este canal é a porção do tracto urinário que
transporta urina desde a bexiga e, ao mesmo tempo, constitui a parte do aparelho reprodutor através da
qual é ejaculado o sémen.

A glândula prostática (ou simplesmente próstata) localiza-se precisamente por baixo da bexiga, na pelve
e contorna a porção média da uretra. Embora, em geral, tenha o tamanho de uma noz, esta glândula
cresce com o passar dos anos

A próstata e as vesículas seminais, que se encontram por cima dela, produzem um líquido que nutre os
espermatozóides. Este líquido fornece a maior parte do volume de sémen, a secreção na qual são
expulsos os espermatozóides durante a ejaculação. Outro líquido constituente do sémen provém dos
canais deferentes e das glândulas mucosas da cabeça do pénis.

Função

Durante a actividade sexual, o pénis torna-se rígido e erecto, o que permite a penetração na relação
sexual. A erecção é o resultado de uma complexa interacção de impulsos neurológicos, vasculares,
hormonais e psicológicos. Os estímulos de prazer que os sentidos recebem provocam uma reacção no
cérebro, que envia sinais nervosos pela espinal medula até ao pénis. As artérias que levam o sangue
aos corpos cavernosos e ao corpo esponjoso, reagem dilatando-se. As artérias dilatadas aumentam
radicalmente o fornecimento sanguíneo a essas áreas erécteis que, em consequência, se enchem de
sangue e se expandem. Os músculos que rodeiam as veias que normalmente drenam o sangue do
pénis contraem-se e, por isso, o débito de saída do sangue torna-se mais lento. A elevada pressão do
sangue no pénis faz com que este aumente em comprimento e diâmetro.

A ejaculação ocorre no ponto máximo da excitação sexual, quando a fricção sobre a glande e outros
estímulos enviam sinais ao cérebro e à espinal medula. Os nervos estimulam as contracções
musculares nos canais do epidídimo, nos canais deferentes, nas vesículas seminais e na próstata.
Essas contracções transportam o sémen até à uretra.

A contracção dos músculos que rodeiam a uretra continua a empurrar o sémen pelo pénis até o fazer
sair. O colo da bexiga também se contrai para evitar que o sémen flua para trás e entre na bexiga.

Depois da ejaculação (ou quando a estimulação pára) as artérias estreitam-se e as veias relaxam-se.
Isto reduz a entrada de sangue, faz aumentar a sua saída e o pénis torna-se então flácido.

Órgãos Reprodutores Masculinos

( Clique para Ampliar )

Órgãos Genitais Masculinos

Estes órgãos são descritos na ordem em que os espermatozóides, células sexuais masculinas, são
formados e conduzidos para o órgão copulador masculino, o pênis.

Os testículos

Glândulas sexuais masculinas. Produzem os espermatozóides e a hormônio sexual masculino, a
testosterona. A hipófise fica no cérebro, e é a glândula que controla e regula o funcionamento dos
testículos. São formados por um conjunto de tubos pequeníssimos que se juntam nos epidídimos. A
partir da puberdade os testículos começam a fabricar os espermatozóides e este processo continua ao
longo de toda a vida. O testículo é um corpo ovóide suspenso na bolsa escrotal pelo funículo
espermático. Sob a serosa visceral, apresenta grossa túnica albugínea, cápsula conectiva densa,
espessada posteriormente em mediastino. Deste irradiam-se os septos, internamente, que separam
incompletamente os lóbulos do órgão. Cada lóbulo consiste em alguns tubos seminíferos contorcidos,
em que se formam os espermatozóides; a eles seguem-se curtos túbulos retos que se abrem na rede
do testículo; de canais interastomasados no mediastino. Na rede saem ductos deferentes para a cabeça
do epidídimo. Este é um longo ducto (6-7m), extremamente convoluto, que constitui corpo em vírgula
(sobre a margem posterior do testículo) em cuja cauda são armazenados os espermatozóides até o
momento da ejaculação. O testículo, contendo células sexuais primordiais desde o início do
desenvolvimento embrionário, forma-se na parte alta do abdome, retroperitonealmente. Entre o testículo
e a eminência escrotal (do períneo superficial anterior) há um tecido mesenquimal dito gubernáculo do
testículo. Antes do nascimento o testículo segue ou é tracionado pelo gubernáculo, até o ânulo profundo
do canal inguinal, sempre por trás do peritônio perital. Uma invaginação do peritônio perital, o processo
vaginal, passa pelo canal inguinal da parede abdominal. O testículo completa seu descenso deslizando
por trás do processo vaginal, isto é, ainda "retroperitonealmente". Levando a parede posterior deste
processo deste processo, adquire uma serosa visceral. De regra, a comunicação visceral do processo
vaginal com a cavidade peritoneal oblitera-se. Se não, fazer-se aí uma hérnia inguinal congênita. Na
descida, o testículo leva seus vasos e nervos que, juntamente com o testículo, constituem o funículo
espermático. Este sobe pela bolsa escrotal e canal inguinal, até o ânulo profundo.

Bolsa escrotal

A bolsa escrotal é uma seculação pendente da junção entre o períneo e a região abdominal inferior. Sua
função é conter o testículo fora da cavidade corporal, cuja temperatura é superior à ótima para a
manutenção dos espermatozóides. No escroto há uma camada muscular lisa, os dartos, que o corruga
quando contraída. A bolsa escrotal é dividida, por septo, em compartimentos para cada testículo e uma
serosa vaginal, derivada da cavidade abdominal. Esta túnica vaginal, levantada por trás pelo testículo e
pelo epidídimo, reveste-os como folheto visceral e reflete-se como folheto perital, profunda, da bolsa
escrotal. A cavidade virtual da serosa é úmida, pra movimento suave do testículo dentro de sua bolsa.

Espermatozóides

Os espermatozóides são células reprodutoras masculinas. Inicialmente são maiores, mas com o seu
amadurecimento perdem a camada de gordura que os envolve e cresce-lhes uma cauda, o que lhes
possibilitará uma maior mobilidade. O espermatozóide maduro é formado por uma cabeça, um corpo
intermédio e uma cauda. Podem chegar a viver três dias no interior do aparelho genital feminino. O
epitélio dos tubos seminíferos é estratificado, com células sustentaculares e células sexuais em várias
fases de desenvolvimento. Células sexuais primitivas, espermatogônias dividem-se incessantemente
após a puberdade, situa-se na periferia do epitélio. Seguem-se complicados processos de divisão e
diferenciação das células à medida que se aproximam da luz do túbulo. São 2 os processos
fundamentais em jogo: redução do número de cromossomos para a metade, e formação de célula de
grande mobilidade.

Os epidídimos

Estruturas com formato de vírgulas situadas sobre os testículos. São formados pela reunião dos
pequenos tubos testiculares. No seu interior acabam de amadurecer os espermatozóides.Os
espermatozóides permanecem por pelo menos 3 dias para receberem as caudas e nutrientes dentro
dos canais enrolados dos epidídimos.

Os canais deferentes

Saem de cada epidídimo, sobem, comunicam com as vesículas seminais, entram na próstata e, no seu
interior, desembocam na uretra. À medida que os espermatozóides amadurecem, sobem pelos canais
deferentes e instalam-se nas vesículas seminais. O ducto deferente é o canal excretor do testículo. Tem
parede muscular lisa muito espessa. Sobe pelo funículo espermático e percorre o canal inguinal. No
ânulo profundo separa-se dos vasos e nervos testiculares para descer pela parede lateral da pelve, sob
o peritônio perietal, após cruzar os vasos ilíacos externos. Cruza depois por sobre o ureter e segue para
baixo da base da bexiga. O funículo espermático compreende o ducto deferente, com seus vasos e
nervos deferenciais, a artéria testicular, linfáticos e nervos do testículo, e um rico plexo pampiniforme de
veias testiculares tortuosas. Os elementos do funículo são envoltos pelas seguintes túnicas: fáscia
espermática externa, fáscia cremastérica e fáscia espermática interna, contínuas com as da bolsa
escrotal e estratos correspondentes da parede abdominal. Após cruzar medialmente por sobre o ureter,
o ducto deferente dilata-se em ampola, póstero-superior à vesícula seminal. Esta é uma invaginação
glandular do ducto deferente, que contribui com sua secreção para o sêmen. A ampola e a vesícula
afinam-se sob a base da bexiga, reúnem-se e formam o ducto ejaculador que penetra na base da
próstata.

As vesículas seminais

Pequenos sacos que contêm os espermatozóides maduros. Estão situados debaixo da bexiga.
Fabricam um líquido viscoso que protege os espermatozóides, os alimenta e facilita a sua deslocação.
Este líquido é formado por substâncias alimentares (glicoses, etc.) e chama-se líquido seminal. Os
espermatozóides não se podem alimentar por si mesmos, pois perderam a capa de gordura que os
envolvia. Precisam, por isso, de uma alimentação externa.

A próstata

Estrutura única situada perto das vesículas seminais e por debaixo da bexiga. No interior da próstata os
canais deferentes desembocam na uretra. A próstata produz também um liquido que protege, alimenta
e facilita a mobilidade dos espermatozóides. Chama-se líquido prostático. O conjunto formado pelo
líquido seminal e prostático e pelos espermatozóides constitui o sêmen ou o esperma, liquido branco e
espesso que sai durante a ejaculação através da uretra. A próstata, situada sob a bexiga, rodeia a
porção inicial da uretra, de cujas paredes se originou; suas múltiplas glândulas, que secretam a maior
parte do líquido seminal, abre-se na uretra prostática. Seu estroma é rico em musculatura lisa que, na
eminência da ejaculação, contrai e expulsa a secreção. Os ductos ejaculadores convergem e abre-se
na parede posterior da uretra prostática. A próstata tem 2 lobos laterais e, superiormente, um mediano.
Tumores benignos, principalmente do lobo mediano de pessoas idosas, salientam-se na base da bexiga
e na uretra, interferindo com a emissão da urina.

As glândulas de Coowper

São duas pequenas glândulas situadas por baixo da próstata. Segregam um pouco de líquido que limpa
a uretra, neutralizando os resíduos da urina. Esta emissão de líquido produz-se antes da ejaculação, e
pode conter espermatozóides vivos. Isto quer dizer que, mesmo que o coito seja interrompido antes da
ejaculação (coito interrompido também é possível que se produza uma gravidez. Portanto, se utilizar o
preservativo como método contraceptivo, é necessário colocá-lo desde o princípio da ereção).

A uretra

Canal por onde passam o sêmen e a urina. O seu funcionamento é regulado por um pequeno músculo
que impede a saída dos dois líquidos ao mesmo tempo. A parte final da uretra é um pouco mais larga e
chama-se meato urinário. Através da uretra sai o esperma: é a ejaculação. A uretra é também o canal
por onde passa a urina, através do pênis. Mas quando o esperma está saindo, um músculo perto da
bexiga fecha a passagem da urina. Por isso os dois nunca saem ao mesmo tempo.

A ejaculação

A ejaculação tem lugar no momento do orgasmo. Também durante o sono pode haver uma ejaculação
relacionada normalmente com um sonho erótico. Chama-se então polução noturna. A freqüência das

poluções noturnas é muito variável e depende de muitos fatores. Não nos devemos preocupar com isso,
pois não tem qualquer importância.

Polução noturna

Polução noturna, às vezes chamada de sonho erótico, é a emissão ou descarga do sêmen durante o
sono. É sabido que durante o sono, o pênis fica ereto e se um sonho erótico acontece, a ejaculação e
orgasmo podem ser o desfecho desse sonho. Não é regra, mas quase sempre acompanha-se de um
sonho erótico em que o indivíduo acorda imediatamente antes ou imediatamente após ejacular. Muitas
vezes, o sonho erótico pode ser lembrado e percebido como uma experiência sexual prazerosa. Ocorre
em todas as idades, mas é, disparadamente, mais comum dos 10 aos 20 anos, justamente no período
de maior inexperiência sexual e energia sexual reprimida ou insatisfatoriamente resolvida. Até os quinze
anos de idade, cerca de 50% dos meninos terão tido pelo menos um episódio de polução noturna;
talvez seja o sinal do início do exercício da sexualidade. O fenômeno parece ser uma maneira do
organismo "se livrar" do excesso de sêmen acumulado já que é menos freqüente em quem ejacula
regularmente por masturbação ou relação sexual. A polução noturna não deve ser tomada como
anormal ou sinal de alguma enfermidade. Ocorre, inclusive, em adultos com vida sexual regular e
estável. Seu maior inconveniente talvez seja explicar o que ou com quem se sonhou ou a mancha de
sêmen na roupa ou lençóis. Costuma ser bastante embaraçoso para os adolescentes. Não se conhece
uma maneira eficiente de evitar os sonhos eróticos e nem se deveria tentar fazê-lo já que se trata de um
aspecto normal da sexualidade. O certo é que os adultos bem-resolvidos sexualmente apresentam
raros episódios de polução noturna. A natureza, situação envolvida ou personagens do sonho erótico
não necessariamente determinam a preferência, orientação ou tendência sexual do indivíduo. É comum
ter sonhos eróticos em que o indivíduo experimenta situações incestuosas ou homossexuais. Em
princípio, isto não significa que o vivenciador deste tipo de sonho tenha desvios sexuais ou tendências
homossexuais. Se você é muito jovem e está preocupado por estar tendo vários sonhos eróticos,
sossegue. Converse com seus pais e divida com eles a alegria de ter se tornado homem e de ter um
funcionamento supostamente esperado do seu sistema genital. Lembre-se que, em contrapartida, a não
ocorrência da polução noturna, não necessariamente indica alguma anormalidade e que os extremos ou
situações duvidosas devem ser sempre avaliados por um medico.

Pênis e Uretra Peniana

O pênis desempenha 2 funções. Os seus corpos cavernosos, cilíndricos preenchem-se de sangue e o
enrijecem para a introdução na vagina feminina, durante o coito. Outra parte do pênis é a uretra
peniana, envolta por seu corpo esponjoso. Quando flácida, a uretra conduz a urina e, na ejaculação,
emite o sêmen. A parte livre do pênis apresenta corpo e glande, esta expandida em coroa na junção
com o corpo do órgão. O resto da glande afina-se em ápice arredondado, com fenda sagital: o óstio
externo da uretra. A pele do pênis é fina e muito móvel no corpo, mas fixa e modificada na glande. Entre
ambas as partes, uma prega móvel da pele, o prepúcio, pode cobrir a glande ou descobrí-la. Três
cilindros de tecido erétil (envoltos por forte túnica colágena, albugínea) forma a massa principal do
pênis, 2 deles no dorso do órgão, os corpos cavernosos; ventralmente a eles, o corpo esponjoso da
uretra. No extremo proximal do órgão os corpos cavernosos divergem como raiz do pênis e fixam-se ao
ramo do ísquio de cada lado, cobertos pelos mm. isquicavernosos. O corpo esponjoso prolonga-se no
períneo, coberto pelos mm. bulbos esponjosos unidos em rafe mediana e entumesce (bulbo do corpo
esponjoso) posteriormente á uretra (membranosa) que depois (uretra esponjosa) percorre seu eixo até
o óstio externo da uretra. A glande do pênis é intumescimento anterior do corpo esponjoso. O tecido
erétil é uma esponja de trabéculas conectivas, com músculo liso, entre espaços sangüíneos
intercomunicantes, forrados por endotélio. A excitação sexual provoca vasodilatação arterial do pênis,
por ação parassimpática. O aumento de sangue intumesce o órgão, em rigidez erétil, por estancamento
de drenagem venosa. Cessada a excitação, ou após a ejaculação, as artérias contraem-se, o sangue
flui pelas veias, e o órgão volta ao estado de flacidez.

A Bexiga

Órgão do aparelho excretor, a bexiga é ligada ao pênis através da uretra. Sendo muito ácida em sua
composição, compromete a vida dos espermatozóides e por este motivo antes da ejaculação uma
pequena gota de semem ou esperma passa pela uretra para limpar o caminho e tirara a acidez
provocada pela urina, que é letal aos espermatozóides.A uretra é também o canal por onde passa a

urina, através do pênis. Mas quando o esperma está saindo, um músculo perto da bexiga fecha a
passagem da urina. Por isso os dois nunca saem ao mesmo tempo.

Corpo Cavernoso

No interior do pênis existe uma região abaixo da uretra, que pode ficar com seus vasos sanguíneos
muito cheios quando o homem está excitado. O corpo cavernoso é cheio de vasos que ao se encherem
de sangue promovem a ereção.

Tubos seminíferos

São ductos que conduzem o líquido seminal produzido nas glândulas como a próstata, as vesículas
seminais e a glândula de Cowper.(voltar ao topo)

Ureter

Conduz líquidos como urina e esperma ao meio externo.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->