Você está na página 1de 16

ELEMENTOS

Quando a forma de entrar em harmonia com os elementos,


aprenderemos a manejar os nossos próprios poderes de
acordo com as nossas vontades, nos aproximando assim do
nosso "eu interior".

Os Elementos

abela resumida

*Elemento *Elemento *Elemento


*Elemento Ar
Água Fogo Terra
Bruxa(o) do Bruxa(o) do Bruxa(o) do Bruxa(o) do
leste Oeste Sul Norte
Dom: Vidência Telepatia Telecinesia Psicometria
intelecto, intuição, espírito,
Poder: físico, criação
razão emoção transformação
Sentido: Olfato paladar audição tato
Estação: Inverno primavera verão outono
Animal: Borboleta peixe serpente gato
Objeto: Atame cálice cetro pentáculo
Naipe: Espadas copas ouros paus
Cor: Amarelo azul vermelho verde
Elemental: Silfos Ondinas Salamandras gnomos
Salgueiro, Artemísia, Alecrim, Arruda,
Erva: Sálvia, Lavanda, Mil- Angélica, Cipreste,
Verbena folhas Sorveira Patchuli
Ametista, Água-marinha, Hematita,
Ágata, Citrino,
Pedra: Quartzo Rosa, Lápiz-lazúli, Ônix, Pirita,
Opala-de-fogo
Turmalina Sodalita Olho-de-tigre
Elementos

Texto traduzido por Maximira Carlota

ÁGUA

A água é o elemento da purificação, da mente subconsciente,


do amor e todas as emoções.

Assim como a água é fluida, constatemente mudando, fluindo,


de um nível a outro, também são assim nossas emoções,
constantemente se movimentando.

A água é o elemento da absorção e germinação. O


subconsciente é simbolizado por este elemento, pois está
sempre em movimento, como o mar que nunca descansa quer
seja noite ou dia.

Direção: Oeste

Nome do Vento Oeste: Zephyrus

Energia: Receptiva, feminina

Signos: Câncer, Escorpião e Peixes

Trabalho ritual: Emoções, sentimentos, amor, coragem,


ternura, tristeza, intuição, a mente inconsciente, o ventre,
geração, fertilidade, plantas, cura, comunicação com o mundo
espiritual, purificação, prazer, amizade, casamento, felicidade,
sono, sonhos, o psíquico, o eu interior, simpatia, amor, reflexão,
marés e correntes da vida, o poder de ousar e purificar as
coisas, sabedoria interior, busca da visão, curar a si mesmo,
visão interior, segurança, jornadas.

Lugares: Lagos, rios, fontes, poços, praias, banheiras, piscinas,


chuveiros, cama ( para dormir), spas, o oceano e as marés.

Cores: Azul, verde, azul-esverdeado, cinza, índigo, roxo, preto.

Formas rituais: Diluir, colocar na água, lavar, banhar-se.

Natureza Basica: Purificante, fluente, curadora, suave,


amorosa, movimento.

Fase da Vida: Maturidade

Tipos de magia: Mar, gelo, neve, neblina, espelho, ímã, chuva.

Tempo: Anoitecer

Estação: Outono – O tempo da colheita, quando a chuva lava a


terra.

Ferramentas: Cálice, caldeirão, espelho, o mar.

Espíritos: Ondinas, ninfas, sereias e fadas dos lagos.

Rei: Niksa ou Necksa

Sentido: paladar

Pedras e Jóias: Aguamarinha, ametista, turmalina azul, pérola,


coral, topázio azul, fluorita azul, lapis lazuli, sodalita.

Metais: Mercúrio, prata.

Incensos: Mirra, camomila, sândalo.

Plantas e árvores: Lótus, samambaia, musgo, arbustos, alga,


couve-flor, gardênia, salgueiro.

Animais: Dragões, serpentes, golfinhos, focas, todos os peixes,


mamíferos marinhos e criaturas marinhas, gato, sapo,
tartaruga, lontra, ostra, cisne, carangueijo, urso.

Deusas: Afrodite, Ísis, Tiamat, Yemanja.

Deuses: Dylan, Osíris, Netuno e Poseidon.

É atraído por: Água, soluções, poções..

Instrumentos: Piano, teclados, cravo, sinos.

Símbolos: Oceanos, lagos, rios, poços, fontes, chuva, neblina,


conchas, água.
AR

O Ar é o elemento do intelecto, é a realidade do pensamento


que é o primeiro passo para a criação.

Magicamente falando, o ar é a clara, perfeita e pura


visualização que é uma poderosa ferramenta de mudança. Ele
é também o movimento, o ímpeto que manda a visualização na
direção da concretização.

Ele governa os feitiços e rituais que envolvem viagem,


instrução, liberdade, obtenção do conhecimento, encontrar
itens perdidos, descobrir mentiras e assim por diante.

Ele também pode ser usado para ajudar no desenvolvimento


de faculdades psíquicas.

Feitiços envolvendo o ar geralmente incluem o ato de colocar


um objeto no ar ou deixar cair um objeto do alto de uma
montanha ou outro lugar alto para que o objeto realmente se
conecte fisicamente com o elemento.

O ar é masculino, seco, expansivo e ativo. É o elemento que se


sobressai nos locais de aprendizagem e nos quais ponderamos,
pensamos e teorizamos.

O ar governa o Leste pois esta é a direção da maior luz, a da


luz da sabedoria e conscientização. Sua cor é o amarelo do sol e
do céu na aurora.

O ar governa a magia dos quatro ventos, de concentração e


visualização e a maoria das magias advinhatórias.

Direção: Leste

Nome do Vento Leste: Eurus

Energia: Projetiva, masculina

Signos: Gêmeos, libra e aquário

Trabalho ritual: A mente, todo o trabalho mental, intuitivo e


psíquico, o conhecimento, aprendizagem abstrata, o vento e a
respiração, inspiração, a audição, harmonia, pensamento e
crescimento intelectual, viagem, liberdade, revelando a
verdade, encontrando coisas perdidas, habilidades psíquicas,
instrução, telepatia, memória, a habilidade de saber e entender,
conhecer os segredos dos mortos, meditação zen, discussões,
começos, iluminação.

Lugares: Topos de montanhas e colinas, céus nublados, praias


onde se venta muito, torres altas, aeroportos, escolas,
bibliotecas, escritórios, agências de viagem.

Cores: Branco, amarelo claro, azul claro, tons pastéis.

Formas rituais: Sacudir objetos no ar ou pendurá-los ao vento,


suspender ferramentas em lugares altos, soprar objetos leves
enquanto visualiza energias positivas, deixar que o vento
carregue folhas, flores, ervas ou papel picado.

Natureza Basica: Movimento, flutuante, fresca, inteligente. O


Som é uma manifestação deste elemento.

Fase da Vida: Infância

Tipos de magia: Advinhação, concentração, visualização,


profecia, magia do vento, karma, velocidade.

Tempo: Nascer do sol

Estação: Primavera – O tempo do frescor

Ferramentas: Incensário, Athame, espada, visualização


criativa.

Espíritos: Silfos, Zéfiros e fadas que habitam o mundo das


árvores, flores, ventos, brisas e montanhas.

Rei: Paralda

Sentido: Olfato e audição.

Pedras e Jóias: Topázio, pedras claras e transparentes, cristais,


ametista, alezandrita, pedras azuis e amarelas.

Metais: Cobre.

Incensos: Olíbano, mirra, alecrim, violeta.


Plantas e árvores: Olíbano, mirra, prímula, tamareira,
verbena, violeta, alfazema.

Animais: Pássaros, especialmente águias e falcões, insetos,


aranhas.

Deusas: Aradia, Arianrhod, Cardea, Nuit, Urania.

Deuses: Enlil, Kheohera, Mercúrio, Thoth .

É atraído por: Instrumentos musicais, incensos.

Instrumentos: Flautas, todos os instrumentos de sopro.

Símbolos: Céu, vento, brisa, nuvens, respiração, vibração,


plantas, ervas, flores, árvores.

FOGO

O Fogo é o elemento da mudança, vontade e paixão. Em um


certo sentido ele contém dentro dele todas as formas de magia,
pois a magia é o processo de mudança.

A Magia do fogo pode ser assustadora, os resultados se


manifetam de forma rápida e espetacular. O fogo não é um
elemento para os fracos. Entretanto, é o mais primal e por isso
o mais usado.

Este é o reino da sexualidade e da paixão. Ele não representa


apenas o fogo sagrado do sexo, mas também a faísca de
divindade que brilha dentro de nós e de todas as coisas vivas.
Ele é, ao mesmo tempo, o mais físico e o mais espiritual dos
elementos.

Direção: Sul

Nome do Vento Sul: Notus

Energia: Projetiva, masculina

Signos: Áries, Leão e Sagitário

Trabalho ritual: Energia, espírito, calor, chama, sangue, vigor,


vida, vontade, cura,
destruição, purificação, fogueiras, lareiras, velas, sol, erupções,
explosões, liberdade, mudança, visão, percepção, visão interior,
iluminação, aprendizagem, amor, paixão, sexualidade,
autoridade, a vontade de ousar, criatividade, lealdade, força,
transformação, proteção, coragem, eu superior, sucesso,
refinamento, as artes, evolução, fé, exercícios físicos,
consciência corporal, vitalidade, autoconhecimento, poder.

Lugares: Desertos, fontes termais, vulcões, fornos, lareiras,


quarto de dormir ( devido ao sexo), saunas, campos de
atletismo, academias de ginástica.

Cores: Vermelho, amarelo, cores do fogo, laranja, dourado.

Formas rituais: Queimar, passar na fumaça ou derreter um


objeto, erva ou imagem, velas e pequenas fogueiras.

Natureza Básica: Purificante, destruidora, limpadora,


energética, sexual, forte.

Fase da Vida: Juventude

Tipos de magia: Vela, tempestade, tempo e estrela.

Tempo: Meio-dia.

Estação: Verão

Ferramentas: Bastão, lamparina ou velas, ervas ou papéis


queimados.

Espíritos: Salamandras, dragões do fogo, a consciência das


chamas.

Rei: Djin

Sentido: Visão

Pedras e Jóias: Opala de fogo, jasper, pedras vulcânicas,


cristais de quartzo, rubi, carnélia, rodocrosita, ágata.

Metais: Ouro, latão.

Incensos: Olíbano, Canela, Junípero.


Plantas e árvores: Alho, hibisco, mostarda, urtiga, cebola,
pimenta vermelha, canela, plantas espinhentas, buganvílea,
cactos, grãos de café, amendoeira em flor.

Animais: Dragões, leões, cavalos, cobras, grilos, louva-deus,


besouros, abelhas, centopéias, escorpiões, tubarões, fênix,
coiotes, raposas.

Deusas: Brigid, Vesta, Pele, Héstia.

Deuses: Agni, Horus, Hefesto, Vulcano, Prometeu.

É atraído por: Velas, incensos, lamparinas, fogo.

Instrumentos: Guitarras, todos os instrumentos de corda.

Símbolos: Relâmpago, Vulcões, arco-íris, sol, estrelas, larva.

TERRA

Este é o elemento ao qual somos mais próximos, já que é nossa


casa. A terra não representa necessariamente a Terra física,
mas aquela parte da terra que é estável, sólida, da qual
dependemos.

A Terra é o reino da abundância, prosperidade e riqueza. Ela é


o mais físico dos elementos, pois sobre ela todos os três se
apóiam. Sem a terra a vida como a conhecemos não existiria.

Direção: Norte – O lugar das maiores trevas

Nome do Vento Norte: Boreas, Ophion

Energia: Receptiva, feminina

Signos: Touro, Virgem e Capricórnio

Trabalho ritual: O corpo, crescimento, sustentação, ganho


material, dinheiro, nascimento, morte, silêncio, rochas, pedras,
cristais, jóias, metal, ossos, estruturas, noite, riqueza, tesouros,
rendição, força de vontade, toque, empatia, crescimento,
mistério, conservação, incorporação, negócios, prosperidade,
emprego, estabilidade, sucesso, fertilidade, cura, forças da
natureza combinadas, abundância material, runas, sabedoria
prática, força física, ensino.

Lugares: Cavernas, vales, canyons, florestas, abismos, campos


cultivados, fazendas, jardins, parques, cozinhas, creches,
porões, minas, buracos, tocas, montanhas.

Cores: Negro, marrom,verde.

Formas rituais: Enterrar, plantar, fazer imagens de argila ou


areia, andar na natureza enquanto visualiza o que se deseja.

Natureza Basica: Fértil, úmida, estável. A gravidade é a


manifestação desse elemento.

Fase da Vida: Velhice.

Tipos de magia: Cultivo, ímãs, imagens, estátuas, pedra,


árvore, nó, amarração.

Tempo: Meia-noite.

Estação: Inverno

Ferramentas: Pentáculo, pentagrama, imagens, pedras, sal,


gemas, árvores, cordas.

Espíritos: Gnomos, anões, trolls, os que habitam o interior da


terra, a consciência das gemas.

Rei: Ghob, Gob ou Ghom.

Sentido: Tato

Pedras e Jóias: Cristal de rocha, verdes como a esmeralda e o


peridoto, ônix, jaspe, azurita, ametista, turmalina, quartzo
rutilado..

Metais: Ferro, chumbo.

Incensos: Estoraque, benjoim.

Plantas e árvores: Confrei, hera, grãos, arroz, trigo, patchouly,


vetivert, líques, musgo, nozes, plantas secas ou grandes e
frondosas, carvalho, raízes.
Animais: Vaca, touro, búfalo, veado, cervo, antílope, cavalo,
formiga, esquilo, texugo, urso, lobo.

Deusas: Ceres, Deméter, Gaia, Nephtys, Perséfone, Rhea,


Rhiannon, Prithivi

Deuses: Adonis, Athos, Arawn, Cernunnos, Dionísio, Marduk,


Pan, Tammuz..

É atraído por: Sais, pós e pedras.

Instrumentos: Baterias, todos os instrumentos de percussão.

Símbolos: Rochas, gemas, montanhas, campos planos, solos,


cavernas e minas.

ESPÍRITO

Direção: Centro, circunferência, o alto, dentro e fora, acima e


abaixo.

Rege: Transcendência, transformação, mudança, todos os


lugares e lugar algum.

Energia: Projetiva, receptiva

Trabalho ritual: Religioso por natureza, iluminação, encontrar


seu caminho, conhecimento espiritual, ver e entender os
caminhos cármicos da vida.

Lugares: O espaço exterior, o vácuo, o vazio.

Cores: Transparente, branco, preto e púrpura.

Natureza Básica: Que não se pode conhecer.

Fase da Vida: Pré-concepção, estado de alma.

Tempo: Além do tempo, sem tempo, eternidade.

Estação: A Roda do Ano.

Ferramentas: Caldeirão, incensos, forças secretas, todas ou


nenhuma, o Livro das Sombras.
Metais: Meteoritos.

Incensos: Mastique ( resina de aroeira)

Plantas e árvores: Visco.

Animais: Esfinge, unicórnio, fênix.

Deusas: Ísis, Shekinah, o nome secreto da Deusa.

Deuses: Akasha..

Símbolos: O Infinito, o cosmos.

Texto traduzido por Maximira Carlota


ELEMENTAIS

Toda natureza possui sua energia e seu campo vibratório, porém, existiria um
principio inteligente antecedendo tais forças?

Todos os organismos vivos estão sujeitos às mesmas leis de heriditariedade. A


superfície da Terra e tudo o que sobre ela existe está constantemente exposta à
incidência de determinadas doses de radiações ionizantes naturais, o bombardeiro
radiativo origina-se tanto no exterior quanto no interior do corpo, o exterior é
representado pelas radiações emanadas dos elementos radiativos naturais
existentes na troposfera (rádio 226, tório 232, potássio 40) e na atmosfera (radônio
222). Quanto as radiações internas, essas originam-se nos elementos radiotivos
naturais (carbono 14, potássio 40, césio 137, estrôncio 90, iôdo 131 e rádio 226),
entrantes no organismo através da alimentação e pelas vias respiratórias
incorporando-se aos diversos tecidos, entretanto essas doses de radiação naturais
é relativamente reduzida. 4 roentgen num periodo de 30 dias, quando o nível
crítico é de 300r. Certos isótopos, de meia-vida reduzida, contaminam as folhas
dos vegetais, atingindo os herbívoros e a cadeia alimentar. Sólido, líquido e
gasoso, um só fator determina o estado da substância, a energia, cada átomo é
composto de um núcleo central pesado contendo cargas elétricas positivas, e, de
um certo número de partículas mais leves carregadas negativamente, girando ao
redor do núcleo. As forças que unem os átomos são responsáveis pela estrutura
do mundo, raramente ocorrem na natureza átomos isolados, a química estuda a
estrutura das substâncias e as modificações que se podem processar nessa
estrutura, ocupando-se das ligações que existem entre eles e assim chamadas
ligações químicas. Então podemos dizer que os elementais possuem radiação e
energia, mas possuiriam um psiquismo?

De fato, a ciência considera que para haver consciência, seria preciso


necessariamente, um sistema nervoso e um cérebro.

Porém a idéia de que a vida é uma certa forma de consciência no nível


subatômico emergiu esporadicamente no Ocidente, até entre os cientistas mais
convictos: Ela apareceu na respeitada revista científica inglesa Nature. Em abril de
1964, o professor D. F. Lawden aí sugeria que as características elétricas e
gravitacionais de uma partícula refletem as qualidades mentais do observador.
Lawden aí demonstra que a vida e a morte são relativas: como saber se um vírus
ou um cadáver estão mortos ou vivos? Ele considera, sem no entanto endossá-la,
a idéia de uma força vital transcendente, e acha que o cientista deve admitir a
continuidade da vida e da consciência, de certa forma, até no nível das partículas
elementares. Na época, a idéia escandalizou os meios científicos, mas não foi
refutada!

O físico suíço Wolfgang Pauli, descobriu, especialmente, que cada um dos


elétrons que gravitam ao redor do núcleo atômico se coloca num certo nível de
energia, e que nenhum outro pode ali se instalar; daí o "princípio de exclusão" de
Pauli, que lhe valeu o prêmio Nobel em 1945. Aplicado aos cristais, seu princípio
explica o funcionamento dos transistores. Para Pauli, o mistério surgiu com a
pergunta: como o elétron sabe que este nível está ocupado?

É fato que os elétrons não são como bolas de bilhar, trombando ou caindo num
buraco! Em seu nível de energia não há caçapa cuja porta se fecharia fazendo
aparecer o aviso de ocupado! Nenhum modelo mecânico, nenhum esquema
mecanicista explica isso; tudo acontece como se os elétrons soubessem disso -
veja bem - à margem de tempo e espaço!

Escreveu Teilhard de Chardin: "Da biosfera à espécie, tudo não é senão uma
imensa ramificação de psiquismos que se buscam através das formas".

Ao compreendermos nossa formação atômica, podemos afirmar que o homem,


desde sua origem, sob todas as suas formas é parte integrante da vida, e que
essa vida é um processo contínuo e consciente que compreende todo o universo.

Muito embora, o astrofísico, matemático e biólogo inglês Fred Hoyle conceitue


que, sendo o universo nada mais que matéria, não pode, portanto, ser inteligente
nem consciente, afirmar que poderia existir consciência no nível interestrelar,
contrariaria um certo obtuso espírito racionalista.

De fato, a ciência considera que para haver consciência, seria preciso


necessariamente, um sistema nervoso e um cérebro.

Porém a idéia de que a vida é uma certa forma de consciência no nível


subatômico emergiu esporadicamente no Ocidente, até entre os cientistas mais
convictos: Ela apareceu na respeitada revista científica inglesa Nature. Em abril de
1964, o professor D. F. Lawden aí sugeria que as características elétricas e
gravitacionais de uma partícula refletem as qualidades mentais do observador.
Lawden aí demonstra que a vida e a morte são relativas: como saber se um vírus
ou um cadáver estão mortos ou vivos? Ele considera, sem no entanto endossá-la,
a idéia de uma força vital transcendente, e acha que o cientista deve admitir a
continuidade da vida e da consciência, de certa forma, até no nível das partículas
elementares. Na época, a idéia escandalizou os meios científicos, mas não foi
refutada!
Então podemos compreender os elementais como um principio elementar de
consciência?

Vejamos como o misticismo explica os elementais:

Entre os anjos e os homens eles se situam. São forças da natureza que por ela
zelam. Emergem dos elementos: água, terra, ar e fogo. Possuem variedade de
formas e tipos, apresentando-se basicamente como focos luminosos, mas
segundo algumas correntes com capacidade de reunir matéria envolvendo seus
corpos.

Obs- Segundo o Dr. Deepak Chopra, indiano residente nos Estados Unidos,
podemos entender o ambiente em que vivemos como uma extensão de nosso
próprio corpo. A cada vez que respiramos inalamos centenas de milhões de
átomos de ar exalados ontem por alguém em outro lugar do planeta.

A cada momento, pois, estamos "fazendo e desfazendo nossos corpos", o que nos
leva a concluir que o corpo é um processo, não um objeto estável. Isso significa
que ainda somos, basicamente, aquele vórtice inicial de consciência dentro do
qual circula a matéria, ou melhor, movimentam-se partículas intelectualizadas. É
preciso enfatizar que, nem mesmo a matéria que incorporamos ao nosso campo
vibratório pessoal fica ali fixada como que aprisionada durante nossa etapa de
vida. A cada momento que passa, estamos liberando partículas materiais de volta
ao reservatório cósmico, ao mesmo tempo que recolhemos outras tantas de que
necessitamos para substituí-las nas inúmeras funções vitais.

São tidos como:

Elementais da Terra:

Gnomos; Duendes; Elfos; Fadas e Hamadríades (elementais das árvores).Zelam


pelas árvores e flores e pelo desenvolvimento das plantas e vegetais em geral no
intuito de transmitir energias a todos os minerais. Estão relacionados com a
energia material.

Obs. Teilhard de Chardim reporta-nos o fenômeno da vida começar com a célula,


mas que o psiquismo já estava na partícula, é da essência dela, esclarece
também que o termo consciência é tomado na sua acepção mais geral, para
designar qualquer espécie de psiquismo, desde as formas mais rudimentares de
percepção interior que se possam conceber, até o fenômeno humano de
conhecimento reflexivo. A célula é, portanto, uma partícula de vida que, a seu ver,
"mergulha quantitativa e qualitativamente, no mundo dos edifícios químicos. ". Nos
vegetais encontramos também essa característica, denominada pelos estudiosos
de heliotropismo, consistindo no conhecimento natural da importância da luz solar
e seu crescimento em sua direção, testes mais aprofundados porém
demonstraram as plantas serem sensíveis à melodia crescendo em direção de
músicas clássicas em detrimento à músicas consideradas pesadas, o que pode-
nos demonstrar uma sensibilidade através de uma característica genética
adquirida. Se nos cristais são detectadas as primeiras e mais rudimentares
manifestações do psiquismo, nas plantas se esboçam os primeiros impulsos de
algo que um dia será a consciência (como a arquitetura genética das plantas
carnívoras), princípio esse que se expande no animal.

O cristal "ferido" se recompõe sob determinadas condições, num processo de


regeneração inconsciente, por certo, mas eficiente. Nas plantas a vida começa a
ensaiar sua capacidade de pensar a matéria e impor-lhes certa orientação. A essa
altura do processo evolutivo (a vida a buscar-se através da forma) já se acham
criadas na matéria viva encaixes específicos indispensáveis às futuras
experimentações da interação mente/matéria. Graças a esses recursos, primitivos,
por certo, mas de surpreendente eficácia, a planta pode realizar o seu trabalho de
converter luz solar em alimento. Há que pressupor aqui certa forma de experiência
adquirida que se consolidou numa programação que automatiza determinadas
funções necessárias ao prosseguimento da tarefa de viver e, ainda mais,
integrada num circuito cósmico de insuspeitadas amplitudes. No animal, as
decisões que seu tipo de vida exige tornam-se imensamente mais complexas.
Também ele leva nos seus arquivos psíquicos toda uma programação que lhe
garante a sobrevivência física no ambiente em que vive.

Elementais da Água:

Ondinas, Sereias, Ninfas, Damas Brancas e Bebês d'Água Lindos e amáveis,


vivem nas águas salgadas e doces, simpáticos pelos seres humanos, vivendo
alguns grande parte de sua existência junto aos seres humanos. Estão
relacionados ao Amor, mágoas, paixões; sentimentos.

Obs. Como já vimos anteriormente sólido, líquido e gasoso, um só fator determina


o estado da substância, a energia, o fato dos elementais da água viverem grande
parte de sua existência junto dos seres humanos pode estar correlacionado ao
fato de nosso corpo ser composto com 97% água assim como a água absorve as
radiações, estamos sujeitos à influência psico-energética de valores relacionados
aos sentimentos, além do fator que a água, por exemplo o vasto e misterioso
oceano sempre exercer um grau de fascínio e mistério no psiquismo do homem.

Elementais do Fogo:

Salamandras. O fogo está correlacionado à criação e à destruição que reinicia os


ciclos. Atuam sobre as emoções dos seres vivos, extremamente perigosos são
muitas vezes perigosos. Estão relacionados às emoções e ao bem estar.

Obs. Passaram-se eras até que a bruma de fogo se tornasse um planeta


solidificado, do mesmo modo o fogo consome transformando a matéria viva em
cinzas, em suma, constrói e destrói, quanto à sua relação às emoções, sempre
estiveram presentes nos pensamentos poéticos da humanidade.

Elementais do Ar:

Silfos. Transmitem energia através dos ventos, chuvas, tempestades e nuvens,


generosos e belos, conduzem à inspirações. Estão relacionados a criatividade e
clareza.

Obs. O vento é uma conseqüência do movimento de massas de ar na superfície


do solo, e são esses deslocamentos de ar que determinam as mudanças do
tempo. Quanto as tempestades, para os gregos da antigüidade, os relâmpagos
eram dardos caprichosamente forjados por Hefaistos em sua oficina vulcânica do
monte Etna cuja finalidade era dar a Zeus instrumentos divinos para descarregar
sua cólera sobre o mundo ou advertir os mortais. Hoje temos consciência de que
são fenômenos de eletricidade atmosférica embora ainda façam subir o índice de
adrenalina de muitos mortais. Quanto a generosos, podemos correlacionar as
chuvas ao plantio e a beleza das nuvens à criatividade dos artistas.

Cabe ao leitor conceituar a existência ou não de um principio inteligente


correlacionado às forças da natureza, sem precisar criar imagens arquetípicas em
formato de anões ou fadas, embora tais fábulas enriqueçam a fantasia de toda
criança cujo sorriso ainda nos alimenta.