Você está na página 1de 2

Mentoring: a ferramenta que deixa

sucessores prontos para assumir


Simoni Missel*

Na era em que o único diferencial competitivo das organizações


é a inovação, a qual vem do conhecimento, e que a fonte do
conhecimento são as pessoas, chegou a hora de todos os
profissionais, principalmente os que ocupam cargos
estratégicos, se anteciparem e formarem seus substitutos.

Neste jogo, “todo mundo ganha”. As empresas ganham porque


mantém seu curso normal de crescimento, apesar de
eventualmente, abrirem-se algumas lacunas com o afastamento temporário ou definitivo
de profissionais. Os profissionais ganham em desenvolvimento pessoal e profissional.

Retenção de informações foi por muitas décadas fator de acomodação e garantia de


emprego, por isso, a idéia do “ser indispensável” para empresa favorecia jogos de poder
do conhecimento e desfavorecia o desenvolvimento e evolução da carreira do próprio
profissional.

Entretanto, o constante desenvolvimento de novas lideranças comprova as pesquisas,


potencializa a retenção de talentos. No ranking dos fatores que favorecem os
funcionários a permanecerem motivados nas empresas em que trabalham, estão em
primeiro lugar: as perspectivas de crescimento e a evolução na carreira profissional que
a empresa oferece.

O mundo corporativo poderá sofrer influências, por exemplo, de um acidente aéreo,


totalmente imprevisível. Como será a reestruturação das empresas que tratam o
desenvolvimento de seus substitutos como um processo natural? Como será a
reorganização de empresas que preferem acreditar que isto nunca vai acontecer?

Tudo é possível num mundo de brutais transformações. Por incrível que possa parecer,
ainda vale o antigo ditado “é melhor prevenir do que remediar”. É inerente ao ser
humano a tendência em não querer acreditar naquilo que não saberá como resolver; por
isso, nega a possibilidade de sua existência.

É importante lembrar que “profissionais que não são substituíveis, não serão
‘promovíveis’”. Por não desenvolverem equipes de alto desempenho e produtividade,
com receios, como por exemplo, de se tornarem menos importantes na organização,
centenas de gestores têm sido expelidos de seus cargos, pela incompetência de
identificar os talentos, transmitir conhecimento, desenvolver e orientar carreiras.

Nunca se praticou tanto, em toda história das organizações, a profissionalização de


processos sucessórios em todos os níveis. Muitas vezes se pensa que sucessão só ocorre
somente com os presidentes ou altos executivos das organizações. Esta visão está
ultrapassada. Os backups, assim chamados os profissionais prontos para assumir, devem
estar aptos em todas as funções e em todos os níveis empresariais.
O profissional experiente –que se diferencia pelo conhecimento e competência em áreas
específicas de atuação– se estiver disposto a orientar talentos em potencial –
normalmente, profissionais com menos prática e experiência; se tiver uma visão de longo
prazo no desenvolvimento de carreiras; paciência e habilidade em ser bom ouvinte; fazer
perguntas abertas e dar feedback, é um mentor em potencial, multiplicador de talentos.
Por isso, muito procurado pelo mercado, por ter o perfil do líder do futuro.

Características do mentor – Expressar reconhecimento, ensinar pelo exemplo e


desejar desencadear mudanças significativas em outros, são características
comportamentais do mentor.

É uma ferramenta que utiliza o compartilhamento de conhecimento, não apenas


transferência do conhecimento. Novos funcionários têm instrução e educação, mas falta a
experiência e conhecimento das melhores práticas da empresa. Este conhecimento só
poderá ser transmitido através da força de trabalho atuante. Mentores compartilham
experiência, lições aprendidas, oferecem uma ampla perspectiva do negócio
compartilhando conhecimento e sabedoria.

Preparando sucessores – Programas de mentoring são muito bem-sucedidos em


empresas que não tratam as sucessões internas como tabu, nem utilizam o
conhecimento para jogos de poder, mas como um processo natural de evolução. Num
mundo em que as oportunidades são infinitas e que os muros estão desabando, as mais
inesperadas possibilidades e novos conhecimentos surgem a cada dia e das mais
surpreendentes origens, normalmente de onde você nem imagina. Aquilo que você nunca
pensou que acontecesse pode estar acontecendo mais rapidamente do que você possa
imaginar. Um mundo sem barreiras onde o céu é o limite.

Mentoring é uma ferramenta que previne as falhas e inseguranças dos substitutos. É


inacreditável, mas a maior parte das empresas sequer se preparam para fazer as
substituições em períodos de férias ou aposentadorias. Elas ainda não se deram conta de
que as universidades não conseguem formar profissionais prontos, portanto é dever das
empresas formá-los do modo como desejam.

Fonte: Portal HSM On-line

24/10/2007
Missel, Simoni

Presidente da Associação Gaúcha de Desenvolvimento de Carreira, graduada em


Psicologia, com título de especialista em Psicologia Organizacional e do Trabalho e MBA
Executivo. Professora do MBA e pós-graduação da ESPM (Escola Superior de Propaganda
e Marketing) e ESADE (Escola Superior de Administração Direito e Economia) e também da
especialização na UNISINOS e UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).
Certificada em coach pela CCUI – Corporate Coach U International.