Você está na página 1de 45

CIÊNCIA APLICADA AO DESIGN

Aula 10 — Relatividade 2

Paulo Tribolet Abreu


IADE, Licenciatura em Design 2008/9, 1º semestre
RESUMO
Todos os referenciais de inércia são equivalentes.
(A velocidade da luz é a mesma em todos os referenciais de inércia.)
A velocidade da luz (no vácuo) é a velocidade máxima de
qualquer fenómeno.

2
RESUMO
Todos os referenciais de inércia são equivalentes.
(A velocidade da luz é a mesma em todos os referenciais de inércia.)
A velocidade da luz (no vácuo) é a velocidade máxima de
qualquer fenómeno.

Transf. Transf.
S S’
de Galileu de Lorentz
u
v’
v' +u
x’
v = v’ + u v=
v'"u
x 1+ 2
c
2
(#c) + 0,9c
CONSEQUÊNCIAS

3
CONSEQUÊNCIAS
Espaço e tempo não são invariantes quando se muda de referêncial.

3
CONSEQUÊNCIAS
Espaço e tempo não são invariantes quando se muda de referêncial.

"t'
Dilatação do tempo: "t =
2
(∆t’ é o tempo próprio). u
1#
c2

3
CONSEQUÊNCIAS
Espaço e tempo não são invariantes quando se muda de referêncial.

"t'
Dilatação do tempo: "t =
2
(∆t’ é o tempo próprio). u
1#
c2

2
! u
Contracção do espaço: "x = "x' 1# 2
(∆x’ é o comprimento próprio). c

3
DILATAÇÃO DO TEMPO:
NA TERRA
S’
u

u = 0,8 c
∆t’ = 30 anos
∆t = ?
DILATAÇÃO DO TEMPO:
u
"x = "x' 1# 2
2

NA TERRA c
"t'
"t =
S’ 2
u ! u
1# 2
c
30
=
2
(0,8c)
1# 2
S c
u = 0,8 c 30 30
= =
∆t’ = 30 anos 1# 0,64 0,6
∆t = ? = 50 anos na Terra
DILATAÇÃO DO TEMPO:
u
"x = "x' 1# 2
2

NA TERRA c
"t'
"t =
S’ 2
u ! u
1# 2
c
30
=
2
(0,8c)
1# 2
S c
u = 0,8 c 30 30
= =
∆t’ = 30 anos 1# 0,64 0,6
∆t = ? = 50 anos na Terra
DILATAÇÃO DO TEMPO:
u
"x = "x' 1# 2
2

NA TERRA c
"t'
"t =
S’ 2
u ! u
1# 2
c
30
=
2
(0,8c)
1# 2
S c
u = 0,8 c 30 30
= =
∆t’ = 30 anos 1# 0,64 0,6
∆t = ? = 50 anos na Terra
DILATAÇÃO DO TEMPO:
u
"x = "x' 1# 2
2

NA TERRA c
"t'
"t =
S’ 2
u ! u
1# 2
c
30
=
2
(0,8c)
1# 2
S c
u = 0,8 c 30 30
= =
∆t’ = 30 anos 1# 0,64 0,6
∆t = ? = 50 anos na Terra
DILATAÇÃO DO TEMPO:
NA NAVE
S’ "t'
u "t =
2
u
1# 2
c
"t'
30 = $
S 0,6
u = 0,8 c "t'= 30 % 0,6
∆t = 30 anos = 18 anos na Terra
∆t’ = ?
DILATAÇÃO DO TEMPO:
NA NAVE
S’ "t'
u "t =
2
u
1# 2
c
"t'
30 = $
S 0,6
u = 0,8 c "t'= 30 % 0,6
∆t = 30 anos = 18 anos na Terra
∆t’ = ?
O TEMPO É RELATIVO

6
O TEMPO É RELATIVO
No referencial Terra, a viagem dura 50 anos e o astronauta envelhece 30.

6
O TEMPO É RELATIVO
No referencial Terra, a viagem dura 50 anos e o astronauta envelhece 30.
50
Terra 30 30 30 30 Nave
u=0,8c

6
O TEMPO É RELATIVO
No referencial Terra, a viagem dura 50 anos e o astronauta envelhece 30.
50
Terra 30 30 30 30 Nave
u=0,8c

No referencial Nave, a viagem dura 30 anos e a Terra envelhece 18 anos.

6
O TEMPO É RELATIVO
No referencial Terra, a viagem dura 50 anos e o astronauta envelhece 30.
50
Terra 30 30 30 30 Nave
u=0,8c

No referencial Nave, a viagem dura 30 anos e a Terra envelhece 18 anos.

18
u=-0,8c
Terra 18 18 18 30 Nave

6
O TEMPO É RELATIVO
No referencial Terra, a viagem dura 50 anos e o astronauta envelhece 30.
50
Terra 30 30 30 30 Nave
u=0,8c

No referencial Nave, a viagem dura 30 anos e a Terra envelhece 18 anos.

18
u=-0,8c
Terra 18 18 18 30 Nave

Não há maneira de avaliar simultaneamente as duas idades, porque


nada é instantâneo.

6
SE A VIAGEM É DE
IDA E VOLTA

7
SE A VIAGEM É DE
IDA E VOLTA
No referencial Terra, a viagem dura 25+25=50 anos e o astronauta
envelhece 15+15=30 anos.

7
SE A VIAGEM É DE
IDA E VOLTA
No referencial Terra, a viagem dura 25+25=50 anos e o astronauta
envelhece 15+15=30 anos.

No referencial Nave, a viagem dura 15+15=30 anos e a Terra envelhece


9+9=18 anos.

7
SE A VIAGEM É DE
IDA E VOLTA
No referencial Terra, a viagem dura 25+25=50 anos e o astronauta
envelhece 15+15=30 anos.

No referencial Nave, a viagem dura 15+15=30 anos e a Terra envelhece


9+9=18 anos.

Quando os dois se encontram, estão de acordo em relação à idade do


astronauta (+30 anos), mas não em relação à idade na Terra:
+50 anos vs. +18 anos.

7
SE A VIAGEM É DE
IDA E VOLTA
No referencial Terra, a viagem dura 25+25=50 anos e o astronauta
envelhece 15+15=30 anos.

No referencial Nave, a viagem dura 15+15=30 anos e a Terra envelhece


9+9=18 anos.

Quando os dois se encontram, estão de acordo em relação à idade do


astronauta (+30 anos), mas não em relação à idade na Terra:
+50 anos vs. +18 anos.

Paradoxo dos gémeos: não é possível ser-se ao mesmo tempo 20 anos


mais velho (50-30) e 12 anos mais novo (30-18) que outra pessoa! (Nem
mesmo em relatividade com o tempo e espaço relativos.)

7
SOLUÇÃO DO PARADOXO
DOS GÉMEOS

25
u=-0,8c
Terra 24 23 22 21 20 12 11 10 9 15 Nave

50
Terra 30 Nave

8
SOLUÇÃO DO PARADOXO
DOS GÉMEOS
Para que haja encontro e comparação das idades, alguém teve que voltar
para trás: a nave.

25
u=-0,8c
Terra 24 23 22 21 20 12 11 10 9 15 Nave

50
Terra 30 Nave

8
SOLUÇÃO DO PARADOXO
DOS GÉMEOS
Para que haja encontro e comparação das idades, alguém teve que voltar
para trás: a nave.

Portanto, o astronauta não esteve sempre no mesmo referencial inércia.

25
u=-0,8c
Terra 24 23 22 21 20 12 11 10 9 15 Nave

50
Terra 30 Nave

8
SOLUÇÃO DO PARADOXO
DOS GÉMEOS
Para que haja encontro e comparação das idades, alguém teve que voltar
para trás: a nave.

Portanto, o astronauta não esteve sempre no mesmo referencial inércia.

No regresso, o astronauta vai ao encontro das imagens enviadas da


Terra. Vai receber muitas mais imagens da Terra com maior frequência,
de modo que a versão final vai ser também 30/50, como na Terra:
25
u=-0,8c
Terra 24 23 22 21 20 12 11 10 9 15 Nave

50
Terra 30 Nave

8
u
1# 2
c
CONTRACÇÃO 30
=
DO ESPAÇO (0,8c) 2
1# 2
c
S’ 30 30
u = 2 =
1# u
0,64 0,6
"x = "x' 1# 2
= 50 anosc na Terra
= 40 $ 0,6
= 24 anos - luz na nave
S
! "x' 40
u = 0,8 c u= = = 0,8
∆x’ = 40 anos-luz! "t 50
"x"t' 24
∆x = ? "t == = = 0,8
"t' u 230
1# 2
c
u
1# 2
c
CONTRACÇÃO 30
=
DO ESPAÇO (0,8c) 2
1# 2
c
S’ 30 30
u = 2 =
1# u
0,64 0,6
"x = "x' 1# 2
= 50 anosc na Terra
= 40 $ 0,6
= 24 anos - luz na nave
S
! "x' 40
u = 0,8 c u= = = 0,8
∆x’ = 40 anos-luz! "t 50
"x"t' 24
∆x = ? "t == = = 0,8
"t' u 230
1# 2
c
u
1# 2
c
CONTRACÇÃO 30
=
DO ESPAÇO (0,8c) 2
1# 2
c
S’ 30 30
u = 2 =
1# u
0,64 0,6
"x = "x' 1# 2
= 50 anosc na Terra
= 40 $ 0,6
= 24 anos - luz na nave
S
! "x' 40
u = 0,8 c u= = = 0,8
∆x’ = 40 anos-luz! "t 50
"x"t' 24
∆x = ? "t == = = 0,8
"t' u 230
1# 2
c
O QUE É INVARIANTE?

10
O QUE É INVARIANTE?
Relatividade Clássica: tempo e
distância (Teorema de Pitágoras):
S S’

∆y ∆y’

∆x’

∆x

10
O QUE É INVARIANTE?
Relatividade Clássica: tempo e
distância (Teorema de Pitágoras):
2 2 2 2
"x + "y + "z = "x' +"y' +"z' 2 2 S S’

∆y ∆y’

∆x’

∆x

10
O QUE É INVARIANTE?
Relatividade Clássica: tempo e
distância (Teorema de Pitágoras):
2 2 2 2
"x + "y + "z = "x' +"y' +"z' 2 2 S S’

Relatividade Restrita: c e o Intervalo do ∆y ∆y’


Universo:
∆x’

∆x

10
O QUE É INVARIANTE?
Relatividade Clássica: tempo e
distância (Teorema de Pitágoras):
2 2 2 2
"x + "y + "z = "x' +"y' +"z' 2 2 S S’

Relatividade Restrita: c e o Intervalo do ∆y ∆y’


Universo:
2 2 2 2 2
∆x’
"s = "x + "y + "z # c"t
2 2 2 2 2 ∆x
= "x' +"y' +"z' #c"t' = "s'

10
O QUE É INVARIANTE?
Relatividade Clássica: tempo e
distância (Teorema de Pitágoras):
2 2 2 2
"x + "y + "z = "x' +"y' +"z' 2 2 S S’

Relatividade Restrita: c e o Intervalo do ∆y ∆y’


Universo:
2 2 2 2 2
∆x’
"s = "x + "y + "z # c"t
2 2 2 2 2 ∆x
= "x' +"y' +"z' #c"t' = "s'

Logo o Universo tem 4 dimensões:


três do espaço e uma do tempo!

10
EXEMPLOS DE TRAJECTÓRIAS
NO ESPAÇO-TEMPO

ct

45º

Parado Mov. uniforme Luz x

11
PASSADO E FUTURO

ct

Futuro

45º

45º
x

Passado

12
PASSADO E FUTURO (2D)
ct

Futuro de A

A
x

Passado de A

Figura 1.6: Zonas de influência para


13 o evento A no espaço-tempo (x, y, ct).
A SIMULTANEIDADE
É RELATIVA
ct

Terra x
Sol
A SIMULTANEIDADE
É RELATIVA
ct

Ver explosão e
8 min piscar os olhos

Explosão
Terra x
Sol
A SIMULTANEIDADE
É RELATIVA
ct
Piscar os olhos

16 min

Ver explosão e
8 min piscar os olhos

Explosão
Terra x
Sol
A SIMULTANEIDADE
É RELATIVA
ct
Piscar os olhos

16 min

8 min

Explosão
Terra x
Sol