Você está na página 1de 1

Os Maias e Frei Luís de Sousa

Esboço de estudo paralelo de OS MAIAS e FREI LUÍS DE SOUSA


(Duas formas de recuperação da tragédia clássica)

Frei Luís de Sousa Os Maias

Uma partida e separação: D. João de Portugal Uma partida e separação: Maria Monforte parte com
parte para a batalha de Alcácer Quibir, deixando o napolitano, deixando em Portugal Pedro, seu
em Portugal sua mulher, D. Madalena. marido, e Carlos, seu filho.

D. João de Portugal é dado como morto; D.


Maria Monforte e sua filha são consideradas mortas;
Madalena tenta, por todos os meios ao seu
Afonso da maia tenta, por todos os processos,
alcance, certificar-se da morte do marido.
adquirir a certeza da morte da neta. A hipótese da
A hipótese da morte acaba por ser aceite como
morte acaba por ser aceite como certeza.
certeza.

D. Madalena reorganiza a sua vida, baseando-se Afonso dedica-se inteiramente a Carlos, considerada
na morte de D. João. a neta para sempre perdida.

D. João de Portugal, erradamente considerado Maria Eduarda, erradamente tida por morta,
morto, vai-se aproximando de portugal. aproxima-se de Portugal.

D. João de Portugal, uma vez regressado, dirige- Maria Eduarda, uma vez de regresso a Lisboa,
se à sua antiga casa. Encontra-se com D. encontra Carlos que, naturalmente, a não reconhece.
Madalena que não o reconhece e pára diante do Acabando ela por se dirigir ao Ramalhete, pára
retrato. Perante a interrogação inquieta de Frei diante do retrato do Pai. Carlos esclarece: «- É meu
Jorge, responde: «Ninguém». Pai».

Uma vez consumada a tragédia, D. Madalena Quando conhece o parentesco que o une a Maria
revolta-se, tenta negar a evidência dos factos, Eduarda, Carlos revolta-se e tenta, também ele, com
lutando desesperadamente pela conservação de desespero, lutar pela sobrevivência de um amor que
um amor para ela mais forte que todas as julga superior a todos os imperativos que lhe são
dúvidas. exteriores.

D. João de Portugal permanece impassível e


silencioso perante a tragédia. Sensibilizado Maria Eduarda aceita, discreta e silenciosa, a tragédia
apenas por uma falsa interpretação dos que destrói as suas relações amorosas com Carlos.
sentimentos de D. Madalena, quando pretende Apenas de ressente do mutismo e ausência deste
(?) alterar o curso dos acontecimentos que último.
desencadeara, vê-se impossibilitado de o fazer.

Carlos e Maria Eduarda separam-se. Tentam


Manuel de Sousa Coutinho e D. Madalena
reintegrar-se, aparentemente incólumes, numa vida
separam-se. Permanecem vivos para se
solitária: Carlos - instalado em Paris, Maria Eduarda
enterrarem no convento.
- casada em Orléans

Maria, a verdadeira vítima trágica e testemunha Afonso, oponente racional à paixão «incestuosa» de
acusadora do «erro» dos pais, morre. Carlos e Maria Eduarda, morre.

Gandra, Maria António / Oliveira, Luís Amaro de, Caderno Para Uma Direcção de Leitura de OS MAIAS, Porto Editora,
Ldª, Porto, 1987

Paula Cruz